Você está na página 1de 6

RADIONOVELA

“A escrava Isaura”

Bernardo Guimarães

(Adaptação livre para Comédia: Valdemar Silva) TEMPO: 10 minutos

Desenvolvimento do roteiro com a participação de todos os membros da


equipe.

Responsáveis pelos ensaios: Eliane Córnea

Valdemar da silva

Vera Lúcia Pereira Cardozo

ROTEIRO nº 1

Som de rádio sendo sintonizado

Narrador: você está sintonizado na radio tropical fm simplesmente... a mais


ouvida

CORAL: & na cidade, na montanha

Tropical, pega fácil

Na praia com a galera

Tropical, pega fácil &

Até no celular

Tropical,pega fácil

NARRADOR: Rádio Tropical, pega onde você for ligue...pega fácil, fácil

CORAL: & Hora certa & (relógio despertando)

NARRADOR: Acerte seu relógio, são exatamente 20 horas.


Não perca daqui a pouco o último episódio da radionovela , A
escrava Isaura, um oferecimento de Danoninho.

CORAL: & Dá dá, noninho dá, me dá dononinho, Danoninho dá


Me dá Danoninho, Danoninho dá
Toda proteína que vou precisar, já, já
Me dá, me dá, me dá
Me dá Danoninho, Danoninho já
Me dá Danoninho, Danoninho dá
Cálcio e vitamina pra gente brincar.
Me dá!

NARRADOR: A rádio tropical tem a honra de apresentar..... A escrava Isaura.

MÚSICA DE ABERTURA (CORAL ou CD)

Lerê, lerê, lerê, lerê, lerê, (bis)

Lerê, lerê, lerê, lerê, lerê, (bis)

NARRADOR: Isaura é filha do feitor Miguel com uma mulata, nasceu branca,
porém sangue negro corre em suas veias.
Sua vida pertence a Leôncio, um homem muito cruel, que sente por
Isaura uma paixão doentia.

LEÔNCIO: Isaura, vosmicê me pertence, por isso cederá aos meus desejos,
prazeres e caprichos.

NARRADOR: Ofendida Isaura esbofeteia Leôncio com violência (som de tabefe).


Leoncio: Aaaaah..... maldita escrava ,pagará caro por isso
ISAURA: Canalha, o senhor pode tomar o meu corpo que é sua propriedade, mas
jamais terá o meu coração que é livre e que darei a quem amo

LEÔNCIO:( berrando) Raios, maldições (som de tempestade – trovões – etc).


Feitor!!!

(som de botas)
Feitor : chamou patrão, o que deseja?
LEÔNCIO: (bravo) Leve esta escrava para o tronco e desça o chicote em seu
lombo, sem dó nem piedade.

FEITOR: Sim, senhor Lêoncio, deixa comigo.


Isaura: pode arrancar minha pele, mas nunca serei sua Leôncio
Leôncio : veremos se depois de 50 chibatadas vosmicê toma juizo(som de
chicote)
NARRADOR: Ao ouvir os gritos de Isaura, Malvina a esposa de Leôncio, corre em
seu socorro.

MALVINA: (com pena) Óh Leôncio, que mal Isaura cometeu?


Porque está surrando a coitadinha?(chicotada)
LEÔNCIO: (falsa revolta) Essa escrava sem vergonha, teve a cara de pau de me
passar uma cantada Malvina. (chicotada)

MALVINA: Óh, que horror meu DEUS! Eu sempre confiei nessa escrava ordinária.
Ooooh que decepção.
Isaura: É mentira sinhazinha, seu marido é que não presta. (chicotada)
Leôncio : Cala a boca sua falsa.
LEÔNCIO: Esse castigo é para que essa periguete nunca mais tente seduzir um
homem fiel, casado e apaixonado .
Narrador: Enganada como uma menininha boba , Malvina se revolta
MALVINA: ( brava) Venda esta escrava sem vergonha, Sr. meu marido!
Isaura: Não,nãoooo, piedade sinhá.
Malvina : Venda imediatamente Leôncio... agora.

LEÔNCIO: Sim, meu amor, mas quem irá comprar uma escrava tão feia e sem
graça?

Narrador: Miguel que estava escondido atrás de uma moita, grita desesperado
Miguel: Eu compro, vosmicê faça um preço.
ISAURA(desesperada) Óh papai salve- me desse monstro cruel.

MIGUEL: Quanto você quer pela liberdade da minha filha Leôncio.


Diga o preço.
Narrador: planejando se livrar do pai de Isaura, Leoncio pede um preço exorbitante
LEÔNCIO: Muito bem, Miguel, eu quero 25 mil réis. (grito de terror, cadeiras
caindo, etc).
(LEÔNCIO assustado)
O que foi isso? O que aconteceu?

ISAURA: O narrador desmaiou de susto. Você exagerou no preço, seu palhaço .

LEÔNCIO: (histérico) Chegaaa, fora de minhas terras, todo mundo fora.... Aiiiii
minha cabeça parece que vai explodir.
Narrador:aterrorizados pelo chilique de Leôncio e com medo que sua cabeça
explodisse, todos fogem desesperados(gritos, som de correria e sons
diversos)
Leoncio: Isaura sua songa monga você fica, sua anta

ISAURA: Mas, você mandou todo mundo cair fora e disse que sua cabeça iria
explodir.

LEÔNCIO :Sua idiota.


Será que além de escrava, é burra também? (burro zurrando)

ISAURA: Não precisa ofender o pobrezinho do burro, seu cavalo (cavalo


relinchando)
Leôncio: Cala a boca Isaura ou....
Isaura: Ou o que? vai me dar um coice? (cavalo relinchando e risadas)
Narrador: depois dessa troca de gentilezas, só mesmo um bom comercial. Coming
babe
Coral:A pulguinha dançando ie ie ie...O pernilongo mordendo meu neném...ui
E o dia inteiro a traça passa .... a roer......Nessa festa preciso por um fim
Vou chamar dddrim, dddrim.......E o passeio da barata pela casa vão ter fim, vão ter
fim
Dddrim,Dddrim,.... Dddrimmmm.

palhaço: Ligue, ganhe um super desconto e um shampoo anti piôlho para o seu
filhinho.

NARRADOR: Depois de ofender a pobre escrava, Leôncio pega seu chicote.

LEÔNCIO: Agora Isaura vou arrancar a sua pele. Haaaa haaaa haaaaaaaaaaaaa
ISAURA: Ai de mim... ooooooóh, quem poderá me ajudar?

(som de gongo)
Narrador: Como num passe de mágica, surge Alvaro, um elegante ,rico e
charmoso fidalgo
ÁLVARO: Eu...o verdadeiro amor dessa donzela Libertai essa dama ,bad men

ISAURA: Óh, Álvaro, meu amor , vosmicê veio me salvar!

LEÔNCIO: Quem é vosmicê, almofadinha?

ÁLVARO: Sou um fidalgo, conheci Elvira num baile e nos apaixonamos


perdidamente...
Coral: Oooooh que cuti cuti
LEÔNCIO: Elvira? O nome dessa escrava é Isaura, Vosmice deve estar na
radionovela errada seu louco varrido

ISAURA: Desculpe Álvaro, menti porque não queria que soubesse que eu era
escrava.

ÁLVARO: Vilão, solte minha amada imediatamente! Ou partirei sua cara no meio

LEÔNCIO: venha se você for homem

ÁLVARO: se eu fosse homem eu iria (risos)


Leoncio: fora da minha fazenda seu palhaço
ALvaro: AH ,ia me esquecendo, essa fazenda não é mais sua, eu à comprei com
todos os escravos, ,manè

LEÔNCIO: Nãooo...nãoooo...raios me partam (raios trovões)


Isaura: cuidado alvaro ele vai dar um xilique e rodar sua baiana
NARRADOR: Furioso,como um animal acuado Leôncio pega seu revólver.

ISAURA: Oh meu Deus, Álvaro, ele tem uma arma!

ÁLVARO: Eu também tenho querida,...pena que atiro igual a uma velha cega.
Coral: ooh, essa, não
Leoncio: oooh, essa sim
Leoncio: vamos acabar com isso Alvaro , o vencedor leva tudo ... saque sua arma
herói metido a besta
Alvaro: primeiro as damas querida( risos)

NARRADOR: Leôncio com um grito de vitória.(grito de Leôncio) move as mãos


velozmente, e atira na cabeça de seu oponente(som de tiro), mas Álvaro ao tentar
fugir como uma menininha,(grito feminino) escorrega numa casca de banana e ao
cair de bunda no chão sua arma dispara acidentalmente (som de tiro) e acerta
Leôncio no coração
Leoncio: Aaaaaah meu coração..... você acertou meu coraçaõ (tosse)
Isaura( gritando assustada) cuidado alvaro ele ainda está vivo
Alvaro: morre desgraça (tiros )
Finalmente, Isaura estava livre ,casou com seu grande amor (música
de casamento) e foram felizes para sempre ( gritos e vivas).
E este foi o último capítulo de sua radionovela “A ESCRAVA ISAURA”

Boa noite, caros ouvinte!

MÚSICA FINAL: Liberdade ,liberdade , abre as asas sobre nós


E que a voz da igualdade , seja sempre a nossa voz ( bis)

Você também pode gostar