Você está na página 1de 12

FACULDADE ADELMAR ROSADO – FAR

CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

Patrícia Raquel dos Santos Araújo

Naiara da Silva Vieira

PROJETO SOCIAL: “ENVELHECENDO COM QUALIDADE DE VIDA”

TERESINA – PI
2019
2

INTRODUÇÃO

A secretária da Assistência Social de Gonçalves Dias – MA inaugurada pelo


prefeito Cristiano Filgueiras em março de 2013, vem desenvolvendo um trabalho
conjunto com as Secretárias da Saúde, Educação, Cultura, Esporte e Lazer e
políticas afins no sentido de promover e socializar projetos que viabilizam os direitos
sociais garantidos pela cidadania.

Nesse sentido a SEAS através do financiamento da Instituição “Promoção e


Cidadania” ONG que financia projetos com recursos da ONU, participará do critério
de seleção do Edital nº 08 de novembro de 2019 com o projeto “Envelhecendo com
Qualidade de Vida” que tem por objetivo contribuir para que a felicidade faça parte
do dia-a-dia dos idosos, através de atividades lúdicas com participação mutua e
harmoniosa promovendo o bem estar físico, mental e social do idoso de forma
contínua e reflexiva nas relações sociais.

Nessa perspectiva serão apresentadas pelo projeto metas a serem atingidas


de forma a contribuir com o desenvolvimento de potencialidades da pessoa idosa,
que promove saúde, liberdade, autoestima, autonomia e integralidade social do
idoso na família e na comunidade. Segundo o art. 3º da lei nº 10.741, de 1º de
outubro de 2003, que dispõe sobre o Estatuto do Idoso.

É obrigação da família, da comunidade, da sociedade e do Poder Público


assegurar ao idoso, com absoluta prioridade, a efetivação do direito à vida, à saúde,
à educação, à cultura, ao esporte, ao lazer, ao trabalho, à cidadania, à liberdade, à
dignidade, ao respeito e à convivência familiar e comunitária.
3

JUSTIFICATIVA

Falar sobre o envelhecimento gera certo desconforto na sociedade. Dados


econômicos indicam a preocupação da população e da política sobre a incapacidade
econômica para sustentar essa parcela da população que só tende a aumentar,
tendo em vista o elevado nível de desemprego nos anos recentes.

Por outro lado, a família (base social), procura de certo modo, reaver as
escolhas desses idosos, visto a gradativa perda das capacidades físicas e mentais
dos mesmos. A taxa de idosos (pessoas com idade igual ou acima de 60 anos, a
chamada terceira idade) tem tido um aumento gradativo na população. No Brasil
havia cerca de 10 milhões em 1990; esse quantitativo deve chegar a 34 milhões em
2025.

Todavia, o que é pouco discutido sobre o envelhecimento é que a sociedade


e o poder publico precisam priorizar e estar preparados para fazer frente a esta
realidade, pois é o ciclo da vida, e todos estão inseridos nele, não há escapatória. É
certo que ao chegar na terceira idade as capacidades físicas e mentais não serão as
mesmas, o que pode abalar a autoestima muitas vezes provocar o isolamento e o
afastamento do convívio social.

De acordo com a Síntese de Indicadores Sociais, quase metade dos idosos


do país (48,9%) sofrem de alguma doença crônica. E uma das mais graves é a
depressão, queixa de 9,2%. Esse quantitativo só aumenta quando os idosos estão
internados em asilos ou hospitais. A causa da doença pode estar relacionada a
fatores biológicos, sociais e psicológicos.

Portanto, sintomas de isolamento, falta de interesse em participar de


atividades diárias, tristeza duradoura, acompanhada de desânimo, apatia, não
dormir bem, não ter apetite e entre outros, não devem ser negligenciados.

Sendo assim, enquanto cidadãos podemos contribuir para melhorar nossa


realidade, utilizando-se de projetos como este para atender esta demanda social,
nós, do projeto “Envelhecendo com Qualidade de Vida” confiamos na nossa
proposta de trazer à reflexão desses idosos que embora nesse estágio da vida, tido
4

para muitos como o fim, é possível sentir desejos, dentre esses, o desejo de viver
feliz.

Queremos que nossos amigos idosos acreditem e reflitam que a felicidade


não envelhece e apesar das marcas adquiridas ao longo da vida, é possível viver
feliz.
5

OBJETIVO GERAL

Contribuir para que a felicidade faça parte do dia-a-dia dos idosos, através de
atividades lúdicas com participação mútua e harmoniosa promovendo o bem estar
físico, mental e social de forma continua e reflexiva nas relações sociais.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

 Estimular nos idosos o desejo de manter a relação e o convívio social.


 Promover a participação dos idosos em atividades lúdicas que valorizem suas
experiências de vida, através de apresentações culturais, sociais e artísticas.
 Executar oficinas que contribuam na qualidade de vida dos idosos e
estimulem a coordenação motora e a criatividade.
 Divulgar os trabalhos desenvolvidos em eventos na comunidade, na internet.
 Realizar mutirões de saúde e higiene pessoal.
6

METODOLOGIA

O projeto será executado em seis (6) etapas conforme critérios do edital


vigente, de forma a alcançar os objetivos propostos. Na primeira etapa (iniciação e
planejamento), será a contratação da equipe da SEAS que vai atuar nos projeto;
seguida da capacitação e definição de papeis de cada membro.

Na segunda etapa será a mobilização do público-alvo através dos


instrumentais: busca ativa, visitas domiciliares, contatos telefônicos, abordagem
coletiva, divulgação por meios de comunicação, dentre outros, atrairão os idosos
conforme a convocação e a divulgação dos serviços que serão ofertados a eles pelo
projeto.

Na terceira etapa é feita acolhida aos idosos pela equipe, seguida de triagem,
entrevistas individuais, entrevista familiar, preenchimentos prontuários.

Na quarta etapa, diagnostico do público-alvo, é feito um seletivo dos idosos,


através de um estudo social, estudo psicossocial, diagnostico interdisciplinar,
identificação de prioridades interventivas e outros métodos conforme área de
atendimento.

Na quinta etapa, ocorrerá a intervenção que executada a partir da elaboração


do Plano Individual de Atendimento (PIA) seguida de atividades diárias pertinentes a
cada idoso (individual ou familiar) colocando cada usuário em grupos de
identificação conforme suas particularidades, necessidades e critérios de demandas.
Nessa etapa são também consideradas as aptidões individuais de identificação com
as quais cada idoso se reconheça.

Na sexta e ultima etapa será efetivada a prestação de contas e encerramento


do projeto, seguidas dos relatórios mensais e quantitativos, que serão apresentados
conforme as evidencias dos indicadores propostos e da busca ativa de se fazer
cumprir as metas dos objetivos específicos do projeto.

A equipe dos profissionais do projeto será composta por : 01 assistente social/


01 médico/ 01 enfermeiro/ 01 psicólogo/ 01 educador físico/ 01 fisioterapeuta/ 01
terapeuta ocupacional/ 02 técnicos de enfermagem/ 04 agentes de saúde/ 02
7

artesãos/ 01 responsável (pelas organizações)/ 01 músico/01 professor de dança/01


nutricionista.

As atividades serão executadas obedecendo ao cronograma semanal de


segunda a sexta nos períodos manhã e tarde. Os espaços serão de acordo com as
oficinas, com os profissionais e também dos parceiros do projeto. No caso serão
utilizados espaços das secretárias de educação, de assistência, de saúde, de
esporte e lazer e o CRAS.

Cada grupo é composto por no máximo 30 idosos, sendo que um mesmo


idoso pode participar de mais de um grupo.

Os grupos serão:

 Autoestima e valorização da vida.


 Musicoterapia.
 Atividades físicas (variadas)
 Artesanato e reciclagem.
 Alimentação na medida certa.
 Direitos e deveres dos idosos.
 Saúde em 1º lugar.

Dentro de cada grupo terão os profissionais específicos da área e também


auxilio de profissionais de outras das áreas e políticas afins.

Os materiais utilizados serão os mais diversos e necessários a cada grupo e


oficina.
8

INDICADORES E FORMAS DE AVALIAÇÃO

Os indicadores são instrumentais de mediação usados para indicar mudanças


na realidade social que nos interessa. Ele nos ajuda a medir, avaliar ou demonstrar
variações em alguma dimensão da realidade relevante para os objetos específicos
enunciados em um determinado Projeto Social, são de natureza qualitativa e
quantitativa, medidos por meio de verificação e avaliação de resultados.

OBJETIVOS INDICADORES INDICADORES MEIOS DE


ESPECIFICOS QUALITATIVOS QUANTITATIVOS VERIFICAÇÃO
Estimular nos idosos o Enfrentamento da Inclusão de 60% de AVALIAÇÃO FINAL
desejo de manter a segregação social de idosos desengajados em DE
relação e o convívio idosos; programas de Proteção DESENGAJAMEN
social. Fortalecimento dos Social Básica (PAIF, TO;
vínculos familiares e SCFV, Atendimento PIA;
comunitários. domiciliado); LISTA DE
60% terem enfrentado e PRESENÇA.
superado a situação de
isolamento social (família,
comunitário).
Promover a participação Desenvolvimento de 100% terem noções LISTA DE
dos idosos em atividades potencialidade; básicas; PRESENÇA DAS
lúdicas que valorizem Pertencimento comunitário; 60% dos idosos tocarem AULAS;
suas experiências de Melhoria da condição de músicas; DEPOIMENTO
vida, através de sociabilidade de idosos. 02 apresentações à DOS IDOSOS.
apresentações culturais, familiares e comunidades.
sociais e artísticas.

Executar oficinas que Melhoria da memória e 80% idosos em oficinas LISTA DE


contribuam na qualidade qualidade de vida; de artesanato. PRESENÇA;
de vida dos idosos e Capacidade de superação; 80% idosos promovendo SEGURANÇA
estimulem a coordenação Estímulo à autonomia. a reciclagem. FÍSICA, MENTAL E
motora e a criatividade. SOCIAL.

Divulgar os trabalhos Desenvolvimento da 80% idosos envolvidos e FOLDERS OU


desenvolvidos em autoestima; atraindo pelo menos 60% CONVITES AO
eventos na comunidade, Estimular novos de novos. EVENTO;
na internet. comprometedores nessa 100% elevação de REUNIÕES
causa; autonomia e autoestima. MENSAIS COM
Ampliação do acesso aos PALESTRAS,
direitos socioassistenciais. DIVULGAÇÕES.

Realizar mutirões de Prevenção de doenças e 100% idosos cadastrados Diminuição de


saúde e higiene pessoal. agravos à saúde; nas visitas de agentes; consultas,
Estimular uma boa 01 encontro mensal com internações e
alimentação; profissionais da área da remédios;
Práticas de atividades saúde. Elevação da
físicas. qualidade de vida.
9

CRONOGRAMA

ATIVIDADE/GRUPO SEGUNDA TERÇA QUARTA QUINTA SEXTA


Autoestima e
X X X
valorização da vida
Musicoterapia X X
Atividades físicas
X X X
variadas
Artesanato e
X X
Reciclagem
Alimentação na
X X
medida certa
Direitos e Deveres
X
dos idosos
Saúde em 1º lugar X
10

ORÇAMENTO

 Recursos materiais: caneta, papel, material para artesanato, material para


atividades físicas, jogos educativos, instrumentos musicais, materiais
eletrônicos, outros.
 Recursos humanos: profissionais envolvidos no projeto.

Recursos materiais Recursos humanos


R$ 120.000,00 R$ 80.000,00
Valor total liberado pelo edital R$ 200.000,00
11

Resumo: O presente texto visa apresentar o Projeto Social “Envelhecendo com


Qualidade de Vida” desenvolvido por acadêmicas do Curso de Graduação em
Serviço Social da Faculdade Adelmar Rosado – FAR. Tendo em vista analise do
desenvolvimento e do envelhecimento populacional e os impasses enfrentados
pelos idosos da cidade de Gonçalves Dias (MA), a SEAS, Secretária de Assistência
Social financiada pelo Instituto “Promoção e Cidadania” a desenvolver projeto
voltado para a realização de atividades que proporcionassem a esses idosos uma
melhor qualidade de vida, focando especialmente o lazer, autonomia, autoestima,
alimentação e saúde. Além de beneficiar a população idosa, este projeto também
teve como objetivo contribuir para a construção do conhecimento teórico-prático
pelos graduandos sobre o processo de envelhecimento. Ao termino do projeto,
percebemos que as metas estipuladas foram atingidas em cada encontro grupal que
tivemos com os idosos. Objetivando-se a continuação permanente do projeto
naquela cidade.
12

REFERÊNCIAS

ADULIS, Dalberto. Como planejar avaliação de um projeto social? 2002.


Disponível em:
http://www.clam.org.br/bibliotecadigital/uploads/publicacoes/Como%20planejar%20a
%20avalia%C3%A7%C3%A3o%20de%20um%20projeto%20social.doc. Acesso em
14 nov, 2019.

BAPTISTA, Myriam Veras. Planejamento Social: intencionalidade e


instrumentação. 2ª ed. São Paulo: Veras, 2002.

ARMANI, Domingos. Como elaborar projetos? - Guia prático para elaboração e


gestão de projetos sociais. Porto Alegre: Tomo Editorial, 2004.

INTERNET. www.tecnologiadeprojetos.com.br. Acesso em: 19 nov, 2019.