Você está na página 1de 16

8/29/2011

2. Solos florestais e desenvolvimento de vegetação


Fatores de formação O solo como corpo natural
do solo Fatores e processos de formação do solo
Propriedades do solo e desenvolvimento da vegetação
Tipos de solos associados com ecossistemas florestais
J. Miguel Reichert, PhD
(Prof. Ricardo Dalmolin)

A teoria dos fatores de formação do solo


Conceito de solos tem por idéias principais:

Solos são corpos naturais, ocupam porções na  O solo não é apenas o produto de alteração
das rochas, tampouco um amontoado de
superfície terrestre, suportam plantas e as
partículas orgânicas e inorgânicas;
edificações do homem e apresentam propriedades
resultantes da atuação integrada do clima e dos  O solo possui zonas de acumulação e de
perdas, chamadas horizontes, que não existem
organismos, atuando sobre o material de origem, no material de origem;
condicionado pelo relevo, durante um período de
 O solo possui um perfil e um aumento de
tempo (Soil Survey Staff, 1951).
anisotropia comparado com o material de origem.

Histórico CLIMA

● Dokuchaev  os solos formam-se a partir dos ORGANISMOS


fatores ambientais (material de origem, clima,
relevo e organismos)
RELEVO

● Jenny (1941)  s = f (cl, o, r, mo, t, ...)


ROCHA PROCESSOS SOLO
● Young (1976)  fatores ambientais

TEMPO

1
8/29/2011

FATORES DE FORMAÇÃO
GÊNESE
PROCESSOS DE FORMÃÇÃO

CARACTERÍSTICAS/PROPRIEDADES
MORFOLOGIA
FEIÇÕES MORFOLÓGICAS

CLASSIFICAÇÃO
TAXONOMIA
LEVANTAMENTO DE SOLOS
Planejamento agrícola
Ensino
Relacão com condições ambientais
Extensão rural
Mapas de interpretacão
Impostos
Aptidão agrícola
Engenharia

Material de origem

 Material do qual o perfil do solo foi derivado. Pode


ser de origem mineral ou orgânica.

 Representa o estado inicial do sistema solo 


Material de origem tempo zero.

Exemplos:
Rochas alteradas subjacentes
Sedimentos coluviais ou aluviais
Solo de pedogênese anterior

Material de origem Material de origem

Qual a relação do solo com a rocha subjacente? Classificação do material de origem


 pode ter uma relação estreita;
1. Formado no local da rocha (residual)
 relação pequena ou inexistente.

2. “Transportado”
Exemplos: - Gelo (loess)
Solo desenvolvido a partir de material depositado, - Gravidade (colúvio)
diferente da rocha subjacente - Água (aluvial)
Rocha subjacente heterogênea - Vento (loess, areia)
etc...
3. Acúmulo de plantas (orgânico)

2
8/29/2011

Material de origem Material de origem

Como é possível determinar


o material de origem?

Morfologia do solo
- cor
- textura
- fração grosseira
- linhas de pedras

Auxílio de análises
- granulometria
- mineralogia

Material de origem Material de origem

Material de origem X Formação do solo 1.1. Material de origem orgânico

Origina solos orgânicos;


A formação do solo vai depender, entre outros
fatores, das características do material: É constituído de produtos da decomposição de
restos vegetais e animais atuais;
1. grau de consolidação,
2. granulometria ou textura, Possuem menor representatividade do que solos
minerais;
3. composição química ou mineralógica,
4. estrutura Desempenham uma importante função ecológica,
como por exemplo, regulando a disponibilidade de
água, funcionando como uma esponja para o sistema.

Material de origem Material de origem

1.2 Material de origem mineral


O que é ROCHA?
 A maioria dos solos com aptidão agrícola e florestais
são de origem mineral;
É um agregado natural e multigranular
 Materiais que não satisfazem as condições para
formado de um ou mais minerais.
material orgânico;
 Rochas ou materias retrabalhados;
Qual a diferença entre rocha e mineral?
 Quanto mais intemperizado é o solo, menos as
características do material de origem são preservadas;
 A intensidade com que o intemperismo decompõe as
As rochas não possuem uma estrutura homogênea
rochas, depende da condição da rocha e da intensidade como nos minerais que são físico-químicos
e tipo do intemperismo (clima: t °C e umidade). constantes/definido. Porém, um determinado mineral
pode caracterizar uma rocha.

3
8/29/2011

Material de origem Material de origem

ROCHAS ÍGNEAS OU MAGMÁTICAS

Correspondem a 80% do planeta.


Derivada da solidificação do magma.

● Intrusivas:
Cristalização de magma sem atingir a superfície.

● Extrusivas:
Extravasamento de matéria. Ex.:lavas

Rochas ígneas Pobre em nutrientes Alto em Fe e Mg


Material de origem
ÍGNEAS OU MAGMÁTICAS
Principal constituinte das
rochas ígneas  silício
Ácidas: > 65% SiO2
Intemperismo

Intermediárias: entre 55 a 65% SiO2


lento

Básicas: entre 35 e 55% SiO2


Ultrabásicas: < 35% SiO2
Intemperismo

Máficas  rochas ígneas com baixo teor de SiO2


rápido

teores elevados de Fe e Mg (olivinas, piroxênios anfibólios)


Félsicas  % SiO2 > 60%, coloração clara
Brady & Weil

Material de origem Material de origem


ÍGNEAS OU MAGMÁTICAS Basalto
intrusivas ou plutônicas extrusivas ou vulcânicas
ÍGNEAS OU MAGMÁTICAS
Resfriamento lento resfriamento rápido
Minerais grandes minerais pequenos

Mineralogia principal - constituída essencialmente por


piroxênios e plagioclásio. Pode incluir olivina, quartzo,
feldspato potássico, etc.
Minerais acessórios - óxidos de ferro (magnetita),
apatita, sulfetos, hornblenda, etc. biotitas.
Estrutura - vesicular, amigdaloidal, compacta, etc.

4
8/29/2011

Material de origem Material de origem

Granito
ÍGNEAS OU MAGMÁTICAS
ÍGNEAS OU MAGMÁTICAS

Solos
Latossolos
Nitossolos Mineralogia principal - feldspato potássico,
Neossolos plagioclásio e quartzo, além de biotita e podendo
Chernossolos conter hornblenda. Alguns granitos podem conter
Argissolos piroxênios e anfibólios; em outrois pode ocorrer
Cambissolos granada, muscovita e turmalina.

Minerais acessórios - apatita, magnetita, ilmenita,


zircão, titanita, rutilo, turmalina.

Material de origem Material de origem

ROCHAS SEDIMENTARES
Classificação das rochas sedimentares
Deposicões de materiais resultantes da desagregação,
decomposição e retrabalhamento de rochas existentes e ● Detríticas ou clásticas
de origens várias.
Classificadas a base de granulometria
Formam-se por acumulação de:
● Químicas
● Minerais ou fragmentos de rochas desintegrados; Classificadas a base da constituição química
● Restos orgânicos;

● Minerais precipitados em meio sedimentar.

Material de origem

Etapas de formação rochas sedimentares:

a) Alteração
b) Erosão
c) Transporte
d) Deposição
e) Diagênese-litificação:
compactação e cimentação

5
8/29/2011

Material de origem Material de origem

Material de origem Material de origem

Material de origem Material de origem

Argilitos  São rochas com


granulometria de argila
maciças e compactas,
sendo compostas por argilas
litificadas (argilas
compactadas) e exibindo
orientação dos minerais
foliados.

Foto da rocha Fotomicrografia

6
8/29/2011

Material de origem Material de origem

Siltito  formado
pelo acúmulo de
sedimentos de Folhelhos  rochas que
granulometria silte, possuem grãos de
variando de 0,002 a tamanho argila.
0,06 mm, sendo Diferenciam-se dos
composto argilitos porque possuem
principalmente por lâminas finas e paralelas
quartzo, feldspatos, esfoliáveis, enquanto os
micas e argilas. argilitos apresentam as
argilas com aspecto mais
maciço.

Material de origem Material de origem

Exemplos Arenito
UM Bom Retiro – Argissolo Vermelho distrófico arênico
UM São Pedro – Argissolo Vermelho distrófico arênico
UM Tupanciretã – Argissolo Vermelho-Amarelo distrófico típico
Calcários  rochas
Exemplos Siltito formadas a partir do
UM Piraí – Luvissolo Hipocrômico órtico típico
UM Ponche Verde – Chernossolo Argilúvico órtico vértico
mineral calcita, cuja
UM Aceguá – Vertissolo Ebânico órtico chernossólico composição química é
o carbonato de cálcio.
Exemplo Folhelho
UM São Gabriel – Planossolo Háplico eutrófico típico

Exemplo Conglomerado Solos  depende da composição da rocha


Neossolos Flúvicos Neossolos Regolíticos, Chernossolos, Argissolos, Latossolos

Material de origem Material de origem


Ciclo das rochas

ROCHAS METAMÓRFICAS

Rochas ígneas, sedimentares ou metamórficas


sofrem transformação na composição
mineralógica, estrutura e textura devido ao
processo de recristalização. Sofreram ação do
calor, ação química e pressão.

7
8/29/2011

Material de origem Material de origem

Gnaisse Originam em geral solos com


teores elevados de areia
grossa em relação a areia fina
Neosolos Litólicos
Cambissolos
Argissolos
Latossolos

Mineralogia principal - mais de 20% de feldspato potássico,


plagioclásio e ainda quartzo e biotita
Constituintes menores - clorita, anfibólio, granada, carbonato,
epidoto, etc.
Principais rochas pré-metamórficas - Granito, micaxistos...

Material de origem Material de origem

Ardósia Mármore
Solos
Neossolos Litólicos
Cambissolos
Mármore rosado fino (dolomita) Fotomicrografia

Mineralogia principal - calcita, dolomita


Mineralogia principal - sericita, clorita, quartzo Constituintes menores - quartzo, pirita, anfibólios, diopsídio, etc.
Principais rochas pré-existentes - Folhelhos, argilitos ... Composição Química - carbonática (calcítica a magnesiana)
Principais rochas metaderivadas - Calcários e dolomitos.

Material de origem Material de origem

Quartzito Xisto
Solos Exemplo Solo

Neossolos Litólicos UM Cambaí


Cambissolos Luvissolo Crômico órtico típico

Mineralogia principal - quartzo Mineralogia principal - varia na dependência da


composição química ou da rocha pretérita; silico-
Constituintes menores - muscovita, biotita, sericita, turmalina aluminosa: quartzo, muscovita, biotita, granada, etc.;
silico-magnesiana: clorita, talco, serpentina, etc.., básica:
Principal rocha pré-metamórfica - Arenito clorita, hornoblenda, albita, etc.
Principais rochas pré-metamórficas - Rochas ígneas
ou sedimentos argilosos.

8
8/29/2011

Material de origem Material de origem


Solos do RS
Porção Norte do estado
Influência da composição da rocha na composição de solos do RS Rochas magmáticas extrusivas (Formação Serra Geral), com
predomínio de basalto. As diferenças entre os solos estão mais
Composição Rocha Composição do solo associadas ao clima..
Rocha Química mineralogia Argila Fe Kt ppm mineralogia
Ca K Fe g kg-1 (%) Depressão Central Gaúcha
Arenito 0,1 0,5 2,0 Quartzo 20 1 2030 Kt, Qz Solos sedimentares (Bacia do Paraná). Região mais antiga do
PVA feldspato Gt, Hm
Granito Mica Kt, Qz, Mi
que a anterior. Vales suavizados pela ação erosiva dos rios dando
PVA 1,6 3,6 3,0 Feldspato-K 50 3 10750 Gt, Hm origem as planícies conhecidas como várzeas.
quartzo
Basalto Piroxênios Escudo Sul Rio Grandense
Nitossolo 4,6 1,2 9,0 Anfibólios 40 14 2100 Kt, Gt, Hm Província mais antiga do estado. Constituído predominantemente
Plagioclásios por rochas intrusivas e metamórficas, mais resistentes.
Kampf, 1997
Planície costeira
Domínio dos sedimentos marinhos. Pouca importância agrícola.

Material de origem
Solos do RS

Relevo

Qual a influência do relevo


na formação do solo?

Relevo a)
b)
Profundidade do solo
Teor de matéria orgânica no perfil
c) Drenagem do perfil
d) Cor do solo
e) Grau de diferenciação do perfil
f) Temperatura
g) Características do material inicial
h) etc...

9
8/29/2011

Relevo Relevo

Relevo X Clima E

O relevo pode afetar o clima provocando variação: E


I I
E
▪ Atividade dos organismos (luz do sol, umidade...) I E
▪ Exposição do solo ao vento
I
▪ Exposição do solo a chuva
▪ Drenagem natural e variação do lençol freático
▪ Escoamento superficial da água e erosão

Relevo Relevo
O ciclo hidrológico do solo e seus componentes variam Relação solo-paisagem
em função do relevo e posição na paisagem,
particularmente a infiltração e o escoamento superficial:

(a) em áreas planas há bastante infiltração e pouco escoamento e o


solo formado é profundo,

(b) em áreas declivosas, a erosão pode ser maior que a infiltração,


havendo pouca água para o intemperismo e bastante remoção de
solo formado, sendo os rolos rasos,

(c) em baixadas planas, há acúmulo de água e sedimento coluvial


(gravidade) e aluvial (trazido pelas enchentes), sendo os solos
medianamente desenvolvidos.

Relevo Relevo

Relevo X Organismos

Influência no desenvolvimento da

vegetação  exposição solar

10
8/29/2011

Relevo Relevo

Estágio de desenvolvimento da paisagem


Relevo X Tempo

▪ Relevo muda com o tempo


A - jovem
B e C – maduro
▪ Processos de erosão e deposição
D - velho

▪ Mudanças na paisagem

Relevo Relevo
b) DEPRESSÃO CENTRAL
Relevo do RS Entre Planalto e Serra do Sudeste
▪ 200m a Leste até 40m ou menos a Oeste
▪ Relevo com grande planícies aluviais e coxilhas suaves
Leva em conta a altitude e o material geológico
c) SERRA DO SUDESTE
a) PLANALTO ▪ 100 – 400m
▪ Rochas intrusivas
Metade norte, sob domínio de rochas extrusivas básicas ▪ Relevo bastante movimentado

▪ Planalto médio: 400-800m de altitude d) CAMPANHA


▪ Missões: Oeste. 100-400m de altitude ▪ Oeste do Estado
▪ Relevo suave
▪ Campos de cima de Serra: mais de 800m ▪ Altitudes baixas (200 a 300m)
▪ Alto Uruguai: Extremo norte. Forte ondulado, 200-500m
▪ Encosta Superior e Inferior do Nordeste e) LITORAL
▪ Cotas inferiores a 40m

Relevo Relevo

Relação solo-paisagem I = interflúvio (summit)


O = ombro (shoulder)
Es = escarpa
E = encosta (backslope)
P = pedimento (footslope)
V = várzea (toeslope)

Campanha - RS

11
8/29/2011

Relevo Relevo

Depressão Central - RS Rebordo do Planalto - RS

Clima

Clima

Clima Clima
Balanço hídrico Importância da água

12
8/29/2011

Clima Clima

L = P – ET  CR
Temperatura

L = umidade disponível a lixiviação


- Controla a quantidade de umidade
P = precipitação
disponível aos processos pedogenéticos
ET = evapotranspiração
CR = capacidade de retenção - Influencia na velocidade reações
químicas (duplica a cada 10ºC de elevação)

Clima Clima

Orientação do declive
Clima afeta

Afeta as condições microclimáticas


- teor de matéria orgânica
- radiação incidente
- reação e saturação de bases
- chuva
- profundidade perfil
- regime de umidade
- vegetação - tipo argilomineral formado

Organismos vivos

Influência dos organismos na formação do solo

• Vegetação
Organismos • Raízes, folhas, quantidade….
• Microorganismos
vivos • Decomposição da MO, alteração química
• Animais do solo (minhocas, cupins,
formigas…)
• Canais, dutos p/ movimentação de água, MO…
• Homem
• Preparo solo, compactação, aplicações químicas,
drenagem, irrigação, erosão…

13
8/29/2011

Organismos vivos Organismos vivos


Escalas: Microrganismos

ESCALAS

• Microrganismos
• Mesorganismos
• Macrorganismos
• Homem

Organismos vivos Organismos vivos

Microganismos: influência na pedogênese


Influência na pedogênese
• Intemperismo físico
• Redução : gleização; – Ação de raízes;
– Movimentação de partículas (mesofauna: cupins,
• Matéria orgânica: composição,
formigas, minhocas);
quantidade; relação C/N;
•Intemperismo químico
• Biociclagem: mineralização/ imobilização;
–Ácidos Orgânicos;
• Produtividade das plantas: fósforo –Redução;
(micorrizas), nitrogênio (rhizobium) –Redistribuição de elementos.

Organismos vivos Organismos vivos

Homem
Lavouras  remoção
vegetação; queimadas;
irrigação; preparo do solo;
• Intemperismo
erosão; ...
físico
Ação de raízes

14
8/29/2011

Tempo

S = f ( t, cl, o.v., r, m.o., ...)


Tempo
Tempo de ação dos
processos e estágio de
evolução alcançado pelo solo

Tempo Tempo
Conceito do tempo zero
É o tempo no qual o desenvolvimento do solo inicia, após algum
evento catastrófico que destruiu o solo pré existente ou
aparecimento de uma nova superfície

Exemplo de eventos
1. Glaciação
2. Derrames lava
3. Camadas de cinzas vulcânicas
4. Estabilização de dunas de areia
5. Exposição de sedimentos previamente submergidos
6. Novas superfícies expostas (cortes)
7. Deposição de materiais de solo

Tempo Tempo
Efeito do tempo no desenvolvimento do solo: Cronosequência
Efeito do tempo no desenvolvimento do solo: Cronosequência

A
A A
C A
1m A A
>1m Bt Bw1
C R
8m
Bw2 Bi
C Jovem
Bw 1
C
C
Maduro
Material Bw 2
Muito
de origem Jovem Maduro maduro
Muito maduro

15
8/29/2011

Tempo Tempo

O tempo é o
senhor do destino!

Tempo
Tempo

Degradar solo é fácil.

Difícil é formar!

Na próxima aula:

Processos de Formação do Solo

16

Você também pode gostar