Você está na página 1de 9

UNIFEOB - CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FUNDAÇÃO

DE ENSINO OCTÁVIO BASTOS

ESTATÍSTICA

Tema gerador: Preparação de um


investimento
Aula 05 Medidas de tendência central
Profª Ms. Claudioneia A. Fontana
e-mail: claudioneia.fontana@unifeob.edu.br

São João da Boa Vista , SP


Abril 2014
2

Curso: Engenharia Civil

Unidade de Estudo: Estatística

Tema gerador: Preparação de um investimento

Objetivos: Pretende-se ao final desta aula que você tenha compreendido e


interpretado:

 Os conceitos de medidas de tendência central: média aritmética,


mediana e moda.

Conteúdos desta aula:

1. Média Aritmética.

2. Mediana.

3. Moda.

1 – Média Aritmética (𝑿)

Medida que funciona como o ponto de “equilíbrio” de um conjunto de dados. Se


usamos dados amostrais para obtê-la, é referida como 𝑋 (lemos “Xis barra”). É a
medida de tendência central mais popular (desde o início de nossa vida escolar, já nos
habituamos com seu cálculo) e pelas suas propriedades matemáticas é bastante
usada na Estatística.

Há dois casos a serem considerados no caso da média: quando tratamos com


dados isolados ou não tabelados e quando os dados estão organizados em uma
tabela de freqüências.

1.1 – Quando tratamos com dados isolados ou não tabelados.

Quando desejamos conhecer a média dos dados não agrupados,


determinamos a média aritmética simples.

Exemplo: Sabendo-se que a produção diária de um piso A, durante uma


semana, foi de 1500, 1200, 1300, 1100, 1500, 1300, 1200, temos uma produção
média da semana:

𝑋 = (1500 + 1200 + 1300 + 1100 + 1500 + 1300 + 1200) / 7 => 𝑋 = 1300


pisos

Formalizando o que fizemos, definimos média da seguinte forma: É o


quociente da divisão da soma dos valores da variável pelo número deles, isto é:

𝑥𝑖
𝑋=∑
𝑛

𝑋 = média aritmética xi = os valores da variável n = número de valores


3

1.2 – Quando os dados estão organizados em uma tabela de freqüências

Começaremos com um exemplo, no qual as observações estatísticas


são tabeladas, porém não agrupadas em intervalos.

Custo m2 do Freq. Abs.


xi * fi
terreno (xi) (fi)
160 1 160
194 1 194
197 2 394
204 1 204
210 3 630
220 7 1540
231 1 231
233 4 932
237 3 711
240 2 480
250 4 1000
290 1 290
Total 30 6766

Vimos que para calcular a média aritmética de um conjunto devemos


somar todos os valores deste e dividir o resultado dessa adição pelo número de
observações/valores. Observe que na tabela o valor 197 aparece duas vezes.
Assim temos 197 x 2. O valor 220 aparece 7 vezes, o que implica em
multiplicar 220 por 7. Dessa forma, sucessivamente, calculamos todos os
produtos xi * fi.
∑𝑥𝑖 .𝑓𝑖
Nesse caso a média é da por:
∑𝑓𝑖

A média aritmética do exemplo dado seria:

6766
𝑋= = 𝑋 ≡ R$225,53
30

1.2.1 Média aritmética para dados tabelados e agrupados em intervalos de


classes

Como não temos mais os valores originais, pois estes estão diluídos nas
respectivas classes, usamos os pontos médios dos intervalos de classe.
Mas como fazemos para encontrar a média? Nós calculamos o ponto
médio (xi) e o consideramos como representante de todos os valores da
classe correspondente i. A partir daí, teremos, pois, como calcular a média:
tomamos os valores teóricos da variável, xi’s, e suas respectivas freqüências e
aplicamos a mesma fórmula utilizada para dados tabelados não agrupados em
classes.
4

Exemplo:

Preço do
Ponto
terreno fi fia fr (%) fra (%) Xi . fi
Médio Xi
(R$)
160 Ι- 180 1 1 3,3% 3,3% 170 170
180 Ι- 200 3 4 10% 13,3% 190 570
200 Ι- 220 4 8 13,3% 26,6% 210 840
220 Ι- 240 15 23 50% 76,6% 230 3450
240 Ι- 260 6 29 20% 96,6% 250 1500
260 Ι- 280 0 29 0% 96,6% 270 0
280 Ι- 300 1 30 3,4% 100% 290 290
∑ 30 6820

Daí, 𝑋 = 6820 / 30 => 𝑋 = 227,3

2 – Mediana (Md)

Mediana (Md) é definida como o valor que ocupa a posição central em


um conjunto de dados ordenados. Conseqüentemente, ela tem a propriedade
de dividir um conjunto de observações em duas partes iguais quanto ao
número de seus elementos: o número de dados que são menores ou iguais à
mediana é o mesmo que o número de dados que são maiores ou iguais a ela.
Dessa maneira, afirmamos que 50% das observações que compõem um
conjunto qualquer de dados estatísticos são menores ou iguais à observação
correspondente à sua mediana, e, conseqüentemente os 50% restantes, são
observações maiores ou iguais a essa medida. Ao contrário da média, a
mediana não é influenciada por valores extremos, visto que ela é uma medida
essencialmente vinculada à posição que ocupa no conjunto ordenado. Assim,
se algum valor for demasiado grande ou pequeno – valores extremos –, estes
não afetarão o cálculo da mediana, já que não alterarão a ordem.
Para encontrar a mediana em um conjunto qualquer de dados
estatísticos, precisamos conhecer a posição que ela ocupa em relação aos n
elementos ordenados desse conjunto. Para tal, devemos considerar duas
situações para as quais adotaremos distintos procedimentos:

1o Caso – Quando os dados se apresentam isolados ou então quando


estão tabelados, porém não agrupados em intervalos de classes.

Em tais circunstâncias, para encontrar a mediana, precisamos


primeiramente construir o rol. Em seguida, devemos calcular o elemento
mediano (EMd). O que é isso? É a posição que a mediana ocupa no conjunto
ordenado. Para obtê-lo, é indispensável verificar se n (o número de
observações do conjunto de dados) é par ou ímpar, pois, dependendo dessa
informação, procederemos de maneira distinta. Veremos cada caso.
5

 Se n for ímpar
Quando n é ímpar haverá apenas um valor central no conjunto
ordenado, cuja posição é calculada pela fórmula: EMd = (n+1) / 2
A mediana que representamos por Md será exatamente o valor que está
nessa posição,considerando-se os n valores ordenados.

Consideramos o preço estimado do metro quadrado do terreno conforme


opinião de cinco pessoas, já dispostos em ordem crescente.

160 194 197 204 210

Calculamos o elemento mediano a fim de detectar a posição que a


mediana ocupa. Nesse caso: EMd = (5 + 1) / 2 => EMd = 3. No entanto, a
mediana é o valor que encontra-se na terceira posição, ou seja, Md = 197.

 Se n for par
Nesse caso, haverá dois valores centrais, os quais se encontram nas
posições: (n/2) e (n/2) + 1.
A mediana em tais situações é definida como a média aritmética desses
dois valores centrais.

Voltando ao exemplo do preço do metro quadrado do terreno.

160 194 197 204 210 210

Temos 6 elementos. Portanto vamos encontrar os valores centrais: n/2


e (n/2) + 1
6/ 2 = 3 e 3 + 1 = 4. Isso significa que faremos a média aritmética dos
valores dispostos em ordem, e que encontram-se na terceira e quarta posição.

𝑋 = (197 + 204) / 2 => 𝑋 = 200,5

Portanto, Md = 200,5

Veremos agora como obter a mediana para dados tabelados, não


agrupados em intervalos de classe.

Vamos encontrar o valor mediano dos terrenos conforme descrito por 30


pessoas.
6

Custo m2 do Freq. Abs.


fia Posição
terreno (xi) (fi)
160 1 1 Até a 1ª
194 1 2 Até a 2ª
197 2 4 Da 2ª a 4ª
204 1 5 Até a 5ª
210 3 8 Da 5ª a 8ª
220 7 15 Da 8ª a 15ª
Da 15ª a
231 1 16 16ª
Da 16ª a
233 4 20 20ª
Da 20ª a
237 3 23 23ª
Da 23ª a
240 2 25 25ª
Da 25ª a
250 4 29 29ª
Da 29ª a
290 1 30 30ª
Total 30

Para n = 30 (n par), o elemento mediano é: n/2 e (n/2) + 1


30 / 2 = 15 e 15 + 1 = 16.
Temos que determinar a média aritmética, representada pela mediana,
dos elementos constantes na 15ª e 16ª posições.
Md = (220 + 231) / 2 => Md = 225,50

Para finalizar o estudo da mediana, vamos demonstrar o cálculo dos


dados tabelados agrupados em intervalos de classe.
Para este caso, não importa se n é par ou ímpar. A distribuição terá um
único valor central que será a mediana, cuja posição é dada por E Md = n / 2.
Após calcular o elemento mediano localizamos na tabela, por meio das
frequências acumuladas, a classe na qual se encontra a referida medida de
tendência central.
Esse procedimento é fundamental para o cálculo da mediana, pois é
exatamente essa classe (intervalo) que devemos ter como referência para
obter as informações numéricas necessárias, usadas na fórmula da mediana,
que tem a seguinte expressão:

Md = li + (EMd – fant) . h
fmd
Onde: li = limite inferior da classe
Fant = freqüência acumulada anterior a esse intervalo (ver fia)
FMd = freqüência simples dessa classe (ver fi)
h = amplitude desse intervalo

Conhecendo todos esses valores e sabendo quanto vale o E Md, já


calculado, podemos encontrar a mediana.
7

Vamos ao exemplo:

Preço do Quantidade
terreno de alunos (fi) fia Posição
(R$)
160 Ι- 180 1 1 1ª
180 Ι- 200 3 4 Da 1ª a 4ª
200 Ι- 220 4 8 Da 4ª a 8ª
Da 8ª a
220 Ι- 240 15 23
23ª
Da 23ª a
240 Ι- 260 6 29
29ª
260 Ι- 280 0 29 Até a 29ª
Da 29ª a
280 Ι- 300 1 30
30ª
∑ 30

EMd = n/ 2 => 30/2 = 15 (significa que a mediana está situada na 15ª posição).

Com essa indispensável informação, procuramos localizar a classe em


que está a mediana (a que contém a mediana) por intermédio das freqüências
acumuladas. Observamos que a mediana está na 4ª classe.
Li = 220
Fant = 8 (freqüência acumulada da classe 200 Ι- 220, anterior à classe
que contém a mediana).
FMd = 15 (freqüência simples do intervalo 220 Ι- 240)
h = 20

Md = li + (EMd – Fant) . h
fMd

Md = 220 + (15 – 8) . 20 => Md = 229,33


15

3 – Moda
É o ponto médio da faixa de maior frequência (faixa modal).
No exemplo acima, a moda (Mo) representa o valor 230, pois a maior
freqüência (fi = 15) se concentra no intervalo 220 Ι- 240. Portanto, Mo =
230.
8

Atividades

1) Observe a tabela abaixo:

Agora que você já ampliou seu repertório conceitual nas aulas de


estatística, determine:
a) A média aritmética
b) A mediana
c) A moda

2) Analise a tabela técnica a seguir:

Com base nesses resultados, determine:


a) A média aritmética
b) A mediana
c) A moda
9

3) A partir da tabela de valores do custo do m 2 de terreno, construir a


tabela de frequências com intervalo de classes, o histograma, a média
aritmética, a mediana e a moda.

150 160 190 190 190 200 200 200 205 205
220 220 220 220 220 220 220 235 235 235
235 235 240 240 260 260 260 260 300 300

Preço do Freq. Freq. Freq. Rel Freq. Rel. ponto


terreno (R$) Abs.(fi) Abs. (fr) Acum. médio (Xi)
Acum (fia) (fra)

Saiba mais sobre esta aula:

Pesquise sobre:

 Medidas de tendência central.

Referências Bibliográficas:

MONTGOMERY, D.; RUNGER, G.; HUBELE, N. Estatística Aplicada à


Engenharia.. Rio de Janeiro: LTC, 2012.