Você está na página 1de 128

ISSN 1677-7042

Ano CLIV N o- 141


Brasília - DF, terça-feira, 25 de julho de 2017

I - área 1 - situada às margens da Rodovia Governador Mário MEDIDA PROVISÓRIA No 788, DE 24 DE JULHO DE 2017
Sumário Covas, BR-101, km 206+380m - Pista Sul, com linha de divisa
. partindo do ponto denominado 1 de coordenadas N:7813768,762439 Dispõe sobre a restituição de valores cre-
e E:356387,160204, sendo constituída pelos segmentos: segmento 1- ditados em instituição financeira por ente
PÁGINA 2, em linha reta com azimute 146°48'18", distância de 23,45m; seg- público em favor de pessoa falecida.
Atos do Poder Executivo.................................................................... 1 mento 2-3, em linha reta com azimute 149°13'26", distância de
23,25m; segmento 3-4, em linha reta com azimute 154°23'52", dis- O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição
Presidência da República .................................................................. 10 tância de 37,96m; segmento 4-5, em linha reta com azimute que lhe confere o art. 62 da Constituição, adota a seguinte Medida
Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento .................... 12 158°46'54", distância de 24,57m; segmento 5-6, em linha reta com Provisória, com força de lei:
azimute 161°24'2", distância de 15,04m; segmento 6-7, em linha reta
Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações .... 61 com azimute 164°24'14", distância de 15,61m; segmento 7-8, em Art. 1o Esta Medida Provisória dispõe sobre a restituição de
Ministério da Cultura ........................................................................ 64 linha reta com azimute 165°44'9", distância de 19,93m; segmento 8- valores creditados, indevidamente em razão do óbito, em favor de
Ministério da Defesa......................................................................... 66 9, em linha reta com azimute 169°38'11", distância de 25,65m; seg- pessoa natural falecida, em instituições integrantes do sistema fi-
mento 9-10, em linha reta com azimute 173°33'33", distância de nanceiro nacional, por pessoa jurídica de direito público interno.
Ministério da Educação .................................................................... 67 24,30m; segmento 10-11, em linha reta com azimute 176°46'56",
Ministério da Fazenda....................................................................... 69 distância de 25,94m; segmento 11-12, em linha reta com azimute Parágrafo único. O disposto nesta Medida Provisória:
180°24'59", distância de 25,86m; segmento 12-13, em linha reta com
Ministério da Integração Nacional ................................................... 80 azimute 184°45'30", distância de 20,71m; segmento 13-14, em linha I - aplica-se inclusive a créditos realizados antes de sua
Ministério da Justiça e Segurança Pública ...................................... 82 reta com azimute 187°47'20", distância de 10,06m; segmento 14-15, entrada em vigor;
Ministério da Saúde .......................................................................... 86 em linha reta com azimute 337°59'23", distância de 43,83m; seg-
mento 15-16, em linha reta com azimute 355°8'54", distância de II - não se aplica a créditos referentes a períodos de com-
Ministério das Cidades...................................................................... 92 50,66m; segmento 16-17, em linha reta com azimute 345°48'59", petência anteriores ao óbito;
Ministério de Minas e Energia......................................................... 92 distância de 19,36m; segmento 17-18, em linha reta com azimute
337°0'36", distância de 17,36m; segmento 18-19, em linha reta com III - não se aplica aos benefícios do Programa Bolsa Família,
Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços .................. 96 azimute 274°39'40", distância de 3,69m; segmento 19-20, em linha de que trata a Lei no 10.836, de 9 de janeiro de 2004; e
Ministério do Esporte........................................................................ 97 reta com azimute 332°55'47", distância de 48,40m; segmento 20-21,
Ministério do Meio Ambiente .......................................................... 97 em linha reta com azimute 323°25'4", distância de 6,41m; segmento IV - não afasta outros mecanismos de restituição de valores
21-22, em linha reta com azimute 359°0'38", distância de 3,30m; pagos por entes públicos.
Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão ............... 98 segmento 22-23, em linha reta com azimute 334°22'12", distância de
Ministério do Trabalho ..................................................................... 99 13,36m; segmento 23-24, em linha reta com azimute 32°14'32", dis- Art. 2o O ente público informará à instituição financeira o
tância de 5,29m; segmento 24-25, em linha reta com azimute valor monetário exato a ser restituído.
Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil ..................... 105 344°41'31", distância de 30,85m; segmento 25-26, em linha reta com
Tribunal de Contas da União ......................................................... 106 azimute 25°54'51", distância de 3,58m; segmento 26-27, em linha reta Parágrafo único. O cálculo para restituição do valor a que se
Defensoria Pública da União.......................................................... 122 com azimute 344°16'27", distância de 22,40m; segmento 27-28, em refere o caput considerará a proporcionalidade dos valores pagos
linha reta com azimute 356°22'10", distância de 7,25m; segmento 28- referentes ao período posterior ao falecimento do beneficiário.
Poder Legislativo............................................................................. 122 29, em linha reta com azimute 337°55'22", distância de 2,20m; seg-
Entidades de Fiscalização do Exercício das Profissões Liberais . 123 mento 29-1, em linha reta com azimute 25°55'17", distância de Art. 3o O ente público comprovará à instituição financeira o
21,17m; fechando, assim, a área com 7.301,98m²; e óbito por meio do encaminhamento:
II - área 2 - situada às margens da Rodovia Governador
Mário Covas, BR-101, km 206+780m - Pista Sul, com linha de divisa I - do original da certidão de óbito;
Atos do Poder Executivo partindo do ponto denominado 1 de coordenadas N:7813444,863152
. e E:356448,195349, sendo constituída pelos segmentos: segmento 1- II - de cópia autenticada, em cartório ou administrativa-
o-
2, em linha reta com azimute 194°46'36", distância de 11,14m; seg- mente, da certidão de óbito, inclusive por meio eletrônico;
MEDIDA PROVISÓRIA N 787, DE 24 DE JULHO DE 2017 mento 2-3, em linha reta com azimute 196°49'40", distância de
26,48m; segmento 3-4, em linha reta com azimute 201°49'0", dis- III - de comunicação eletrônica remetida pelo cartório ao
Autoriza a desapropriação, em favor da União, tância de 24,72m; segmento 4-5, em linha reta com azimute ente público;
do imóvel que especifica, localizado no Muni- 205°0'40", distância de 25,76m; segmento 5-6, em linha reta com
cípio de João Neiva, Estado do Espírito Santo. azimute 206°56'38", distância de 30,84m; segmento 6-7, em linha reta IV - de informação relativa ao óbito prestada por órgão
com azimute 269°31'36", distância de 13,58m; segmento 7-8, em integrante do Sistema Único de Saúde - SUS; ou
O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição linha reta com azimute 41°41'40", distância de 37,14m; segmento 8-
que lhe confere o art. 62 da Constituição, combinado com o § 2º do 9, em linha reta com azimute 5°54'47", distância de 50,58m; seg- V - de informação prestada pelo Instituto Nacional do Seguro
art. 2º do Decreto-Lei nº 3.365, de 21 de junho de 1941, adota a mento 9-1, em linha reta com azimute 41°26'17", distância de Social - INSS, mediante relatório conclusivo de apuração de óbito.
seguinte Medida Provisória, com força de lei: 42,66m; fechando, assim, a área com 1.116,04m².
Art. 4o Ao receber o requerimento de restituição formulado
Art. 1º Fica autorizada a desapropriação, em favor da União, Art. 2º Fica a ECO101 Concessionária de Rodovia S.A. nos termos desta Medida Provisória, a instituição financeira:
do imóvel delimitado pelas coordenadas topográficas descritas a se-
guir, situado às margens da Rodovia Governador Mário Covas, BR- autorizada a promover, com recursos próprios, a desapropriação das
101/ES, objeto da matrícula nº 1.689 do Livro 2-Q do Cartório de áreas de terrenos e benfeitorias de que trata o art. 1º. I - bloqueará, de imediato, os valores; e
Notas e Registro Civil da Comarca de João Neiva, que consta per-
tencer ao Município de João Neiva e se trata de propriedade pública Parágrafo único. A expropriante fica autorizada a invocar o II - restituirá ao ente público os valores bloqueados no qua-
de uso dominical, localizado no Município de João Neiva, Estado do caráter de urgência no processo de desapropriação, para fins de imis- dragésimo quinto dia após o recebimento do requerimento.
Espírito Santo, necessário à execução das obras de duplicação do são na posse, nos termos do art. 15 do Decreto-Lei nº 3.365, de 21 de
Subtrecho C do km 205+280m ao km 208+170m e do km 215+990m junho de 1941. § 1o Na hipótese de não haver saldo suficiente para a res-
ao km 220+370m, a que se refere a Deliberação nº 333/2016, da tituição, inclusive em investimentos de aplicação ou resgate auto-
Diretoria da Agência Nacional de Transportes Terrestres - ANTT, Art. 3º A declaração de utilidade pública não exime a con- mático, a instituição financeira restituirá o valor disponível e co-
publicada no Diário Oficial da União de 27 de dezembro de 2016: cessionária da prévia obtenção dos licenciamentos e do cumprimento municará a insuficiência de saldo ao ente público.
das obrigações junto às entidades ambientais e demais órgãos da
TABELA DE PREÇOS DE JORNAIS AVULSOS administração pública, necessários à efetivação das obras e atividades § 2o Na hipótese de a comprovação do óbito ser feita nos
Distrito Demais
referidas no art. 2º. termos do disposto no inciso IV ou no inciso V do caput do art. 3o,
Páginas a restituição ocorrerá no nonagésimo dia após o requerimento.
Federal Estados
de 04 a 28 R$ 0,50 R$ 2,00 Art. 4º Esta Medida Provisória entra em vigor na data de sua
de 32 a 76 R$ 0,90 R$ 2,40 publicação. Art. 5o Na hipótese de a instituição financeira constatar, por
de 80 a 156 R$ 1,90 R$ 3,40 meio do comparecimento do beneficiário ou de prova de vida, erro no
de 160 a 250 R$ 2,50 R$ 4,00 Brasília, 24 de julho de 2017; 196º da Independência e 129º requerimento de restituição, deverá, de imediato:
de 254 a 500 R$ 5,00 R$ 6,50 da República.
- Acima de 500 páginas = preço de tabela mais excedente de I - desbloquear os valores; e
páginas multiplicado por R$ 0,0179 MICHEL TEMER
Mauricio Quintella II - comunicar o desbloqueio ao ente público requerente.

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html, Documento assinado digitalmente conforme MP n o- 2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
pelo código 00012017072500001 Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
2 ISSN 1677-7042 1 Nº 141, terça-feira, 25 de julho de 2017
Parágrafo único. O disposto no caput não exclui a reti- ANEXO I
ficação do requerimento pelo ente público, ex officio ou a pedido do
beneficiário. REMANEJAMENTO DE CARGO EM COMISSÃO PARA
O MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL
Art. 6o Esta Medida Provisória entra em vigor na data de sua
publicação.
DA SEGES/MP PARA O MI
CÓDIGO DAS-UNITÁRIO
Brasília, 24 de julho de 2017; 196o da Independência e 129o QTD. VALOR TOTAL
da República. DAS 102.4 3,84 1 3,84
TOTAL 1 3,84
MICHEL TEMER
Henrique Meirelles
Dyogo Henrique de Oliveira ANEXO II
Osmar Terra
(Anexo II ao Decreto nº 8.980, de 1º de fevereiro de 2017)
DECRETO N o- 9.102, DE 24 DE JULHO DE 2017
"a) .....................................................................................................................................................
Remaneja cargo em comissão para o Mi- ..................................................................................................................................................................
nistério da Integração Nacional e altera o
Decreto nº 8.980, de 1º de fevereiro de SECRETARIA-EXECUTIVA 1 Secretário-Executivo NE
2017, que aprova a Estrutura Regimental e 1 Gerente de Projeto DAS 101.4
o Quadro Demonstrativo dos Cargos em 1 Assessor DAS 102.4
Comissão e das Funções de Confiança do 1 Assessor Técnico DAS 102.3
Ministério da Integração Nacional. 1 Assistente DAS 102.2
O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição
que lhe confere o art. 84, caput, inciso VI, alínea "a", da Cons- ......................................................................................................................................................." (NR)
tituição,
DECRETA: "b) .....................................................................................................................................................

Art. 1º Fica remanejado, da Secretaria de Gestão do Mi- CÓDIGO DAS-UNITÁRIO SITUAÇÃO ATUAL SITUAÇÃO NOVA
nistério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão para o Minis- QTD. VALOR TOTAL QTD. VALOR TOTAL
tério da Integração Nacional, na forma do Anexo I, o seguinte cargo NE 6,41 1 6,41 1 6,41
em comissão do Grupo-Direção e Assessoramento Superiores - DAS: DAS 101.6 6,27 4 25,08 4 25,08
um DAS 102.4. DAS 101.5 5,04 17 85,68 17 85,68
DAS 101.4 3,84 44 168,96 44 168,96
Art. 2º O Anexo II ao Decreto nº 8.980, de 1º de fevereiro de DAS 101.3 2,10 16 33,60 16 33,60
2017, passa a vigorar com as alterações constantes do Anexo II a este DAS 101.2 1,27 18 22,86 18 22,86
Decreto. DAS 101.1 1,00 14 14,00 14 14,00
Art. 3º Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação.
DAS 102.5 5,04 4 20,16 4 20,16
Brasília, 24 de julho de 2017; 196º da Independência e 129º DAS 102.4 3,84 4 15,36 5 19,20
da República. DAS 102.3 2,10 20 42,00 20 42,00
DAS 102.2 1,27 33 41,91 33 41,91
MICHEL TEMER DAS 102.1 1,00 22 22,00 22 22,00
Dyogo Henrique de Oliveira SUBTOTAL 1 197 498,02 198 501,86
Mário Ramos Ribeiro FCPE 101.4 2,30 4 9,20 4 9,20
FCPE 101.3 1,26 23 28,98 23 28,98
FCPE 101.2 0,76 14 10,64 14 10,64
FCPE 101.1 0,60 6 3,60 6 3,60

FCPE 102.3 1,26 11 13,86 11 13,86


FCPE 102.2 0,76 8 6,08 8 6,08
FCPE 102.1 0,60 4 2,40 4 2,40
SUBTOTAL 2 70 74,76 70 74,76
FG-1 0,20 26 5,20 26 5,20
FG-2 0,15 4 0,60 4 0,60
SUBTOTAL 3 30 5,80 30 5,80
TOTAL 297 578,58 298 582,42

" (NR)

DECRETO N o- 9.103, DE 24 DE JULHO DE 2017 e) Subestação 525/230 kV Guaíra (Novo pátio 525 kV);
Dispõe sobre a qualificação de empreen- f) Subestação 525/230/138 kV Sarandi (Novo pátio 525 kV); e
dimentos públicos federais de instalações
de transmissão de energia elétrica, no âm- g) Subestação 230/138 kV Paranavaí Norte;
bito do Programa de Parcerias de Inves-
timentos da Presidência da República. II - Lote 2, composto pelas seguintes instalações no Estado
do Paraná:
O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição
que lhe confere o art. 84, caput, inciso IV, da Constituição, e tendo a) Linha de Transmissão 230 kV Umuarama Sul - Guaíra,
em vista o disposto na Lei nº 13.334, de 13 de setembro de 2016, C2, Circuito Simples;
DECRETA: b) Subestação 230/138 kV Londrina Sul; e
Art. 1º Ficam qualificados, no âmbito do Programa de Par- c) Trecho de Linha de Transmissão da Subestação Londrina
cerias de Investimentos da Presidência da República - PPI, na forma Sul ao Seccionamento da Linha de Transmissão 230 kV Londrina -
do inciso II do caput do art. 4º da Lei nº 13.334, de 13 de setembro Apucarana, C1, Circuito Duplo;
de 2016, os seguintes empreendimentos públicos federais de ins-
talações de transmissão de energia elétrica, para execução por meio III - Lote 3, composto pelas seguintes instalações no Estado
de contratos de parceria: de Goiás:
I - Lote 1, composto pelas seguintes instalações no Estado do a) Linha de Transmissão 230 kV Rio Verde Norte - Jataí,
Paraná: Circuito Duplo, C1 e C2; e
a) Linha de Transmissão 525 kV Guaíra - Sarandi, Circuito b) Subestação 500/230 kV Rio Verde Norte (novo pátio 230 kV);
Duplo, C1 e C2;
IV - Lote 4, composto pelas seguintes instalações nos Es-
b) Linha de Transmissão 525 kV Foz do Iguaçu - Guaíra, tados de Mato Grosso do Sul e de São Paulo:
Circuito Duplo, C1 e C2;
a) Linha de Transmissão 230 kV Rio Brilhante - Dourados 2, C1;
c) Linha de Transmissão 525 kV Londrina - Sarandi, Cir-
cuito Duplo, C1 e C2; b) Linha de Transmissão 230 kV Rio Brilhante - Campo
Grande 2, C1;
d) Linha de Transmissão 230 kV Sarandi - Paranavaí Norte,
Circuito Duplo; c) Linha de Transmissão 230 kV Imbirussu - Campo Grande 2, C2;

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html, Documento assinado digitalmente conforme MP n o- 2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
pelo código 00012017072500002 Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
Nº 141, terça-feira, 25 de julho de 2017 1 ISSN 1677-7042 3
d) Linha de Transmissão 230 kV Nova Porto Primavera - c) Subestação 230/69 kV Arcoverde II; e c) Linha de Transmissão 230 kV Transamazônica - Tapajós, C1;
Rio Brilhante, C2;
d) Subestação 230/69 kV Garanhuns II; d) Subestação 230/138 kV Tapajós;
e) Linha de Transmissão 230 kV Nova Porto Primavera -
Ivinhema 2, C2; XVI - Lote 16, composto pela Linha de Transmissão 230 kV e) Subestação Tapajós - Compensador Síncrono; e
Ribeiro Gonçalves - Balsas, C2, nos Estados do Piauí e do Maranhão;
f) Linha de Transmissão 230 kV Dourados - Dourados II, C2; f) Subestação Rurópolis - Compensador Síncrono;
XVII - Lote 17, composto pela Linha de Transmissão 230
g) Subestação 230/138 kV Dourados 2; e kV Guaíba 3 - Nova Santa Rita, no Estado do Rio Grande do Sul; XXXII - Lote 32, composto pelas seguintes instalações no
Estado de Rondônia:
h) Trecho de Linha de Transmissão da Subestação Dourados XVIII - Lote 18, composto pela Linha de Transmissão 500
2 ao Seccionamento da Linha de Transmissão 230 kV Dourados - kV Estreito - Cachoeira Paulista, C1 e C2, ambos Circuito Simples, a) Linha de Transmissão 230 kV Samuel - Ariquemes, C4;
Ivinhema 2, Circuito Simples; nos Estados de São Paulo e de Minas Gerais;
b) Linha de Transmissão 230 kV Ariquemes - Ji-Paraná, C4;
V - Lote 5, composto pelas seguintes instalações nos Estados XIX - Lote 19, composto pela Linha de Transmissão 500 kV
de São Paulo e do Paraná: Fernão Dias - Terminal Rio, nos Estados de São Paulo e do Rio de c) Subestação Ji-Paraná - Compensador Síncrono;
Janeiro;
a) Linha de Transmissão 230 kV Nova Porto Primavera - d) Subestação Ariquemes - Compensador Síncrono;
Rosana, Circuito Duplo; e XX - Lote 20, composto pela Subestação 500 kV Fernão
Dias - Compensador Estático 500 kV, no Estado de São Paulo; e) Subestação 230/138 kV Jaru; e
b) Subestação 230/138 kV Rosana (novo pátio 230 kV);
XXI - Lote 21, composto pelas seguintes instalações nos f) Subestação 230/69 kV Coletora Porto Velho - (novo pátio 69 kV);
VI - Lote 6, composto pela Subestação Araraquara 2 - 3 x Estados de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul:
Compensadores Síncronos 500 kV, no Estado de São Paulo; XXXIII - Lote 33, composto pelas seguintes instalações no
a) Linha de Transmissão 525 kV Abdon Batista - Siderópolis Estado do Pará:
VII - Lote 7, composto pelas seguintes instalações no Estado 2, Circuito Duplo;
do Maranhão: a) Linha de Transmissão 230 kV Vila do Conde - Tomé-Açu, C2; e
b) Linha de Transmissão 525 kV Biguaçu - Siderópolis 2, C1;
a) Linha de Transmissão 500 kV Miranda II - São Luís II, C3; b) Subestação 230/138 kV Tomé-Açu;
c) Linha de Transmissão 525 kV Campos Novos - Abdon
b) Linha de Transmissão 500 kV São Luís II - São Luís IV, Batista, C2; XXXIV - Lote 34, composto pela Subestação 230/138 kV
Circuito Duplo, C1 e C2; Castanhal (Novo pátio em 138 kV), no Estado do Pará; e
d) Linha de Transmissão 230 kV Siderópolis 2 - Forqui-
c) Subestação 500/230/69 kV São Luís IV - 500/230 kV; e lhinha, C1;
XXXV - Lote 35, composto pela Linha de Transmissão 230
e) Linha de Transmissão 230 kV Siderópolis 2 - Siderópolis, kV Marituba - Utinga, C3 e C4, Circuito Duplo, no Estado do Pará.
d) Trecho de Linha de Transmissão da Subestação São Luís
IV ao Seccionamento da Linha de Transmissão UTE Porto de Itaqui Circuito Duplo; e
Art. 2º Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação.
- São Luís II, Circuito Simples;
f) Subestação 525/230 kV Siderópolis 2;
Brasília, 24 de julho de 2017; 196º da Independência e 129º
VIII - Lote 8, composto pela Subestação 500/138 kV Re- da República.
sende (Novo pátio 138 kV), no Estado do Rio de Janeiro; XXII - Lote 22, composto pela Subestação 525 kV Biguaçu
- Compensador Estático, no Estado de Santa Catarina;
MICHEL TEMER
IX - Lote 9, composto pelas seguintes instalações no Estado Fernando Coelho Filho
do Rio Grande do Norte: XXIII - Lote 23, composto pela Linha de Transmissão 500
kV Campina Grande III - Pau Ferro, nos Estados da Paraíba e de W. Moreira Franco
a) Linha de Transmissão 230 kV Lagoa Nova II - Currais Pernambuco;
Novos II, Circuito Duplo; e DECRETO N o- 9.104, DE 24 DE JULHO DE 2017
XXIV - Lote 24, composto pela Linha de Transmissão 440
b) Subestação Currais Novos II 230/69 kV; kV Cabreúva - Fernão Dias, C1 e C2, Circuito Duplo, no Estado de Aprova a Estrutura Regimental e o Quadro
São Paulo; Demonstrativo dos Cargos em Comissão e
X - Lote 10, composto pelas seguintes instalações no Estado das Funções de Confiança do Instituto Na-
XXV - Lote 25, composto pela Subestação 440 kV Bauru - cional do Seguro Social - INSS e trans-
do Rio Grande do Sul: Compensador Estático 440 kV, no Estado de São Paulo; forma e remaneja cargos em comissão e
a) Linha de Transmissão 230 kV Garibaldi - Lajeado 3, funções de confiança.
XXVI - Lote 26, composto pelas seguintes instalações no
Circuito Simples; Estado do Pará: O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição
b) Linha de Transmissão 230 kV Lajeado 2 - Lajeado 3, que lhe confere o art. 84, caput, inciso VI, alínea "a", da Cons-
a) Linha de Transmissão 230 kV Xinguara II - Santana do tituição,
Circuito Simples; Araguaia, C1 e C2, Circuito Duplo; e
c) Linha de Transmissão 230 kV Candiota 2 - Bagé 2, Cir- DECRETA:
b) Subestação 230/138 kV Santana do Araguaia (Novo pátio
cuito Simples; 230 kV); Art. 1º Ficam aprovados a Estrutura Regimental e o Quadro
d) Subestação Vinhedos 230/69 kV; e Demonstrativo dos Cargos em Comissão e das Funções de Confiança
XXVII - Lote 27, composto pela Subestação 500/230 kV do Instituto Nacional do Seguro Social - INSS, na forma dos Anexos
Sobral III - Compensador Estático 500 kV, no Estado do Ceará; I e II.
e) Subestação Lajeado 3 230/69 kV;
XXVIII - Lote 28, composto pelas seguintes instalações nos Art. 2º Ficam remanejados, na forma do Anexo III, em
XI - Lote 11, composto pelas seguintes instalações no Estado Estados do Piauí e do Maranhão:
do Maranhão: decorrência do disposto no Decreto no 8.785, de 10 de junho de 2016,
os seguintes cargos em comissão do Grupo-Direção e Assessoramento
a) Subestação 230/69-13,8 kV Caxias II;
a) Linha de Transmissão 230 kV Coelho Neto - Chapadinha Superiores - DAS e Funções Gratificadas - FG:
II, Circuito Simples; b) Subestação 230/69 kV Boa Esperança II (pátio novo 69 kV); e
I - do INSS para a Secretaria de Gestão do Ministério do
b) Linha de Transmissão 230 kV Miranda II - Chapadinha II, c) Subestação 230/69 kV Teresina II (pátio novo 69 kV); Planejamento, Desenvolvimento e Gestão:
Circuito Simples; e
XXIX - Lote 29, composto pelas seguintes instalações no a) cento e dezessete DAS 101.1;
c) Subestação 230/69 kV Chapadinha II; Estado de São Paulo:
b) quarenta e três FG-1;
XII - Lote 12, composto pela Linha de Transmissão 230 kV a) Subestação 440/138 kV Baguaçu;
Imperatriz - Porto Franco, C2, nos Estados do Maranhão e de To- c) cinquenta e oito FG-2; e
cantins; b) Subestação 440/138 kV Alta Paulista;
d) quatro FG-3; e
XIII - Lote 13, composto pelas seguintes instalações nos c) Trecho de Linha de Transmissão da Subestação Alta Pau-
Estados de Alagoas, da Bahia, de Sergipe e de Pernambuco: lista ao Seccionamento da Linha de Transmissão 440 kV Marechal II - da Secretaria de Gestão do Ministério do Planejamento,
Rondon - Taquaruçu, Circuito Simples; e Desenvolvimento e Gestão para o INSS:
a) Linha de Transmissão 500 kV Xingó - Jardim, C2; e
d) Trecho de Linha de Transmissão da Subestação Baguaçu a) um DAS 101.4;
b) Linha de Transmissão 500 kV Paulo Afonso IV - Luiz ao Seccionamento da Linha de Transmissão 440 kV Ilha Solteira -
Gonzaga, C2; Bauru, C1 e C2, Circuito Duplo; b) três DAS 101.3; e

XIV - Lote 14, composto pela Linha de Transmissão 230 kV XXX - Lote 30, composto pela Linha de Transmissão 500 c) vinte e três DAS 101.2.
Nossa Senhora do Socorro - Penedo, C2, nos Estados de Alagoas e de kV Queimada Nova II - Milagres II, C1, nos Estados do Piauí, de
Sergipe; Pernambuco e do Ceará; Art. 3º Os ocupantes dos cargos em comissão e das funções
de confiança que deixam de existir na Estrutura Regimental do INSS
XV - Lote 15, composto pelas seguintes instalações no Es- XXXI - Lote 31, composto pelas seguintes instalações no por força deste Decreto ficam automaticamente exonerados ou dis-
tado de Pernambuco: Estado do Pará: pensados.

a) Linha de Transmissão 230 kV Garanhuns II - Arcoverde II; a) Linha de Transmissão 230 kV Xingu - Altamira, C1; Art. 4º Os apostilamentos decorrentes das alterações pro-
movidas na Estrutura Regimental do INSS deverão ocorrer na data de
b) Linha de Transmissão 230 kV Caetés II - Arcoverde II; b) Linha de Transmissão 230 kV Altamira - Transamazônica, C2; entrada em vigor deste Decreto.

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html, Documento assinado digitalmente conforme MP n o- 2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
pelo código 00012017072500003 Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
4 ISSN 1677-7042 1 Nº 141, terça-feira, 25 de julho de 2017
Parágrafo único. O Presidente do INSS publicará, no Diário IV - unidades descentralizadas: II - coordenar e executar as atividades relacionadas com o
Oficial da União, no prazo de trinta dias, contado da data de entrada Sistema Federal de Organização e Inovação Institucional - Siorg;
em vigor deste Decreto, relação nominal dos titulares dos cargos em a) Superintendências Regionais;
comissão e das funções de confiança a que se refere o Anexo II, que III - propor diretrizes metodológicas para elaboração, acom-
indicará, inclusive, o número de cargos e funções vagos, suas de- b) Gerências-Executivas; panhamento e avaliação do Plano Anual de Ação do INSS, em ar-
nominações e seus níveis. ticulação com o Gabinete, as Diretorias e outras unidades admi-
c) Agências da Previdência Social; nistrativas;
Art. 5º O Ministro de Estado do Desenvolvimento Social
editará regimento interno para detalhar as unidades administrativas d) Procuradorias Regionais; IV - coordenar a integração das ações constantes do Plano
integrantes da Estrutura Regimental do INSS, suas competências e as Plurianual, do Planejamento Estratégico e do Plano Anual de Ação do
e) Procuradorias Seccionais; INSS;
atribuições de seus dirigentes, no prazo de sessenta dias, contado da
data de entrada em vigor deste Decreto. V - coordenar e supervisionar as atividades relacionadas com
f) Auditorias Regionais; e
os estudos socioeconômicos, a adequação da estrutura regimental e o
Parágrafo único. O regimento interno conterá o Quadro De- g) Corregedorias Regionais. desenvolvimento organizacional;
monstrativo dos Cargos em Comissão e das Funções de Confiança do
INSS. CAPÍTULO III VI - coordenar a sistematização dos indicadores de gestão
DA DIREÇÃO E DA NOMEAÇÃO propostos pelas áreas do INSS e propor o aperfeiçoamento dos in-
Art. 6º O Ministro de Estado do Desenvolvimento Social dicadores relacionados com a sua área de atuação;
poderá, mediante alteração do regimento interno, permutar cargos em Art. 3o O INSS é dirigido por um Presidente e cinco Diretores.
comissão do Grupo-DAS com FCPE, desde que não sejam alteradas VII - acompanhar o desempenho dos órgãos e das unidades
as unidades da estrutura organizacional básica especificadas na Tabela Art. 4o As nomeações para os cargos em comissão e as do INSS e elaborar relatórios de avaliação de resultados;
"a" do Anexo II e sejam mantidos as categorias, os níveis e os designações para as funções de confiança integrantes da Estrutura
quantitativos previstos na Tabela "b" do Anexo II, conforme o dis- Regimental do INSS serão efetuadas em conformidade com a le- VIII - coordenar e acompanhar a execução dos projetos no
posto no art. 9º do Decreto nº 6.944, de 21 de agosto de 2009. gislação vigente. âmbito da administração central do INSS, em articulação com as
áreas de negócio responsáveis pelos referidos projetos, de forma a
Art. 7º Nos termos do art. 8º da Lei nº 13.346, de 10 de § 1o O Procurador-Chefe da Procuradoria Federal Especia- buscar o seu alinhamento com as diretrizes estratégicas;
outubro de 2016, ficam transformados cinquenta e seis cargos do lizada junto ao INSS será indicado pelo Advogado-Geral da União,
Grupo-DAS de nível 1 em quarenta e quatro cargos do Grupo-DAS na forma estabelecida no § 3o do art. 12 da Lei no 10.480, de 2 de IX - propor ao Presidente do INSS o relatório semestral sobre
de nível 2, na forma do Anexo IV. julho de 2002. as atividades do INSS de que trata o art. 25, caput, inciso V; e

Art. 8º Este Decreto entra em vigor em 31 de julho de 2017. § 2o Os Superintendentes Regionais, os Gerentes-Executivos X - coordenar a elaboração do relatório de prestação de
e os Gerentes de Agência da Previdência Social serão escolhidos contas anual.
Art. 9º Ficam revogados: entre os servidores ocupantes de cargos efetivos, pertencentes ao
quadro de pessoal do INSS, observados o mérito profissional e as Art. 8o À Coordenação-Geral de Tecnologia da Informação e
competências requeridas para o exercício de cargo em comissão ou Comunicações compete:
I - o Decreto nº 7.556, de 24 de agosto de 2011; e
função de confiança.
I - planejar, propor, coordenar, controlar, executar e avaliar
II - o Decreto nº 7.669, de 11 de janeiro de 2012. projetos e atividades inerentes à gestão de tecnologia de informação e
§ 3o Para nomeação ou designação das funções de que trata
o § 2o, serão exigidos requisitos mínimos de capacitação definidos em comunicação, à segurança da informação e à disponibilidade de re-
Brasília, 24 de julho de 2017; 196º da Independência e 129º cursos tecnológicos;
da República. ato do Ministro de Estado do Desenvolvimento Social.
§ 4o O provimento de cargos em comissão e designação para II - gerenciar planos, programas e ações relativos à tec-
MICHEL TEMER nologia da informação, em articulação com o Ministério do De-
Dyogo Henrique de Oliveira funções gratificadas de integrantes das Superintendências Regionais,
das Gerências-Executivas e das Agências da Previdência Social, fixas senvolvimento Social e com a Empresa de Tecnologia e Informações
Osmar Terra e móveis, recairá, exclusivamente, sobre servidores ocupantes de car- da Previdência - Dataprev;
gos efetivos, pertencentes ao quadro de pessoal do INSS, observadas
ANEXO I as normas complementares definidas em ato do Presidente do INSS. III - coordenar as atividades de identificação de tecnologias
da informação e comunicações, e de seleção de produtos tecnológicos
ESTRUTURA REGIMENTAL DO INSTITUTO NACIONAL de mercado;
CAPÍTULO IV
DO SEGURO SOCIAL DAS COMPETÊNCIAS DOS ÓRGÃOS IV - estabelecer diretrizes, normas e padrões técnicos de
CAPÍTULO I implantação, utilização e modernização dos sistemas corporativos e
Seção I da rede de dados, em articulação com as Diretorias do INSS;
DA NATUREZA E DA COMPETÊNCIA Dos órgãos de assistência direta e imediata ao Presidente
do Instituto Nacional do Seguro Social V - coordenar e propor ações de segurança da informação e
Art. 1o O Instituto Nacional do Seguro Social - INSS, au-
tarquia federal com sede em Brasília, Distrito Federal, instituída com comunicações no âmbito do INSS; e
Art. 5o Ao Gabinete compete:
fundamento no disposto no art. 17 da Lei no 8.029, de 12 de abril de VI - coordenar e supervisionar os serviços de modernização,
1990, é vinculado ao Ministério do Desenvolvimento Social. I - assistir o Presidente do INSS em sua representação po- suporte e manutenção de informática à rede de atendimento do INSS.
lítica e social e ocupar-se do preparo e do despacho do seu expediente
Parágrafo único. O Conselho Nacional de Previdência estabe- administrativo; Seção II
lecerá as diretrizes gerais previdenciárias a serem seguidas pelo INSS. Dos órgãos seccionais
II - coordenar o planejamento e a elaboração da pauta de
CAPÍTULO II despachos e audiências do Presidente do INSS; Art. 9o À Procuradoria Federal Especializada junto ao INSS,
DA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL órgão de execução da Procuradoria-Geral Federal, compete:
III - providenciar o atendimento a requerimentos e consultas
Art. 2o O INSS tem a seguinte estrutura organizacional: oriundas do Congresso Nacional e encaminhadas pelo Ministério do I - representar judicial e extrajudicialmente o INSS, ob-
Desenvolvimento Social; servadas as normas estabelecidas pela Procuradoria-Geral Federal;
I - órgãos de assistência direta e imediata ao Presidente do
Instituto Nacional do Seguro Social: IV - coordenar e acompanhar o fluxo de entrada e saída dos II - orientar a execução da representação judicial do INSS,
documentos institucionais de responsabilidade do Presidente do INSS; quando sob responsabilidade dos demais órgãos de execução da Pro-
a) Gabinete; curadoria-Geral Federal;
V - coordenar as propostas de normas, acordos, convênios e
b) Assessoria de Comunicação Social; demais atos de competência do Presidente do INSS quanto às regras III - exercer atividades de consultoria e assessoramento ju-
para elaboração, articulação, redação ou alteração; e rídicos no âmbito do INSS, aplicando-se, no que couber, o disposto
c) Coordenação-Geral de Planejamento e Gestão Estratégica; e no art. 11 da Lei Complementar no 73, de 10 de fevereiro de 1993;
VI - exercer outras funções que lhe forem cometidas pelo
d) Coordenação-Geral de Tecnologia da Informação e Co- Presidente do INSS. IV - auxiliar os demais órgãos de execução da Procuradoria-
municações; Geral Federal na apuração de liquidez e certeza dos créditos, de
Art. 6o À Assessoria de Comunicação Social compete: qualquer natureza, inerentes às atividades do INSS, para inscrição em
II - órgãos seccionais: dívida ativa e cobrança;
I - executar as atividades de comunicação social e publi-
cidade legal, no âmbito do INSS, em articulação com a Assessoria de V - zelar pela observância da Constituição, das leis e dos
a) Procuradoria Federal Especializada; Comunicação Social do Ministério do Desenvolvimento Social; atos emanados pelos poderes públicos, sob a orientação normativa da
Advocacia-Geral da União e da Procuradoria-Geral Federal;
b) Auditoria-Geral; II - coordenar as atividades de jornalismo, publicidade e
relações públicas, no âmbito do INSS, em articulação com a As- VI - coordenar e supervisionar, técnica e administrativamen-
c) Corregedoria-Geral; sessoria de Comunicação Social do Ministério do Desenvolvimento te, as unidades descentralizadas; e
Social; e
d) Diretoria de Orçamento, Finanças e Logística; e VII - encaminhar à Advocacia-Geral da União ou à Pro-
III - coordenar o Serviço de Informações ao Cidadão, no curadoria-Geral Federal, conforme o caso, pedido de apuração de
e) Diretoria de Gestão de Pessoas; âmbito do INSS, nos termos da Lei no 12.527, de 18 de novembro de falta funcional praticada, no exercício de suas atribuições, por seus
2011, e do Decreto no 7.724, de 16 de maio de 2012. respectivos membros.
III - órgãos específicos singulares:
Art. 7o À Coordenação-Geral de Planejamento e Gestão Es- Art. 10. À Auditoria-Geral compete:
a) Diretoria de Benefícios; tratégica compete:
I - planejar, acompanhar, controlar e executar auditorias pre-
b) Diretoria de Saúde do Trabalhador; e I - coordenar e supervisionar as atividades do planejamento ventivas e corretivas, além de identificar e avaliar riscos e reco-
governamental, do planejamento estratégico institucional e o geren- mendar ações aos órgãos e às unidades descentralizadas, em con-
c) Diretoria de Atendimento; e ciamento de projetos; sonância com o modelo de gestão por resultados;

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html, Documento assinado digitalmente conforme MP n o- 2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
pelo código 00012017072500004 Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
Nº 141, terça-feira, 25 de julho de 2017 1 ISSN 1677-7042 5
II - subsidiar o Presidente e os Diretores com informações b) diretrizes e parâmetros sobre perfil e lotação dos ser- Art. 15. À Diretoria de Saúde do Trabalhador às compete:
sobre as auditorias e os seus resultados, com vistas ao aperfeiçoa- vidores para provimento de cargos e administração do quadro de
mento de procedimentos de auditoria e de gestão do INSS; pessoal do INSS; I - gerenciar e propor ao Presidente do INSS a normatização
das atividades de perícia médica de benefícios previdenciários, as-
III - propor ao Presidente, em articulação com a Coorde- c) diretrizes de desenvolvimento permanente de competên- sistenciais e aqueles relativos aos servidores públicos federais, nos
nação-Geral de Tecnologia da Informação e Comunicações, planos, cias dos servidores do INSS; e termos do § 4o do art. 30 da Lei no 11.907, de 2 de fevereiro de 2009,
programas e metas de inovação tecnológica em processos e sistemas
utilizados pelo INSS; de reabilitação profissional e de serviço social;
d) diretrizes para realização de projetos e ações de promoção
à saúde, prevenção de doenças, segurança e vigilância dos ambientes
IV - avaliar os controles internos da gestão quanto à sua e processos de trabalho e ouvidoria do servidor; II - desenvolver estudos destinados ao aperfeiçoamento das
eficácia, eficiência, efetividade e economicidade, de maneira a res- atividades médico-periciais de benefícios previdenciários, assisten-
guardar os interesses do INSS; II - dirigir ações de gestão de pessoas e desenvolvimento de ciais e aqueles relativos aos servidores públicos federais, de rea-
competências; bilitação profissional e de serviço social, e promover a orientação à
V - encaminhar à Corregedoria-Geral solicitação de apuração sociedade com vistas ao reconhecimento do direito;
de responsabilidade, quando evidenciada irregularidade passível de III - planejar, propor, coordenar, controlar, orientar, normatizar,
exame sob o aspecto disciplinar; supervisionar, executar e avaliar as atividades de gestão de pessoas; III - gerenciar e propor ao Presidente do INSS a norma-
tização do reconhecimento inicial, o recurso e a revisão de direitos ao
VI - obter, junto a fontes externas, informações para con- IV - decidir quanto à aplicação de pena a servidores do INSS
firmar a fidedignidade das evidências obtidas internamente; recebimento de benefícios previdenciários por incapacidade e assis-
em processos administrativos disciplinares, quando esta for de sus- tenciais;
pensão até trinta dias;
VII - avaliar a eficácia das atividades desenvolvidas pelo
INSS, para o planejamento, a execução e o aperfeiçoamento de ope- IV - estabelecer diretrizes gerais para o desenvolvimento de
V - planejar, propor, coordenar, controlar, normatizar e su- planos, programas e metas, inclusive de capacitação, das atividades
rações integradas com outros órgãos e entidades da administração pú- pervisionar políticas de saúde e qualidade de vida dos servidores do
blica, e propor medidas corretivas com vistas ao seu aprimoramento; de reconhecimento inicial, manutenção, recurso e revisão de direitos
INSS e de responsabilidade socioambiental, em articulação com as
demais áreas; ao recebimento de benefícios previdenciários por incapacidade e as-
VIII - analisar e encaminhar ao Presidente do INSS de- sistenciais;
monstrativos e relatórios de prestação de contas do INSS;
VI - planejar, propor, coordenar, normatizar, supervisionar,
executar e avaliar programas de formação, aperfeiçoamento e ca- V - propor ao Presidente do INSS:
IX - propor ao Presidente do INSS a estruturação e a lo-
calização das Auditorias Regionais; e pacitação destinados ao desenvolvimento funcional e gerencial dos
servidores do INSS; e a) a interação e o intercâmbio com órgãos governamentais,
X - propor ao Presidente do INSS o planejamento anual de com vistas ao acompanhamento e ao controle epidemiológico das
atividade de auditoria interna e promover a sua execução. VII - planejar, propor, coordenar, controlar, orientar, nor- doenças de maior prevalência nos benefícios por incapacidade;
matizar, supervisionar e avaliar:
Art. 11. À Corregedoria-Geral compete: b) a celebração de parcerias referentes a sua área de atuação,
a) as ações de programa de educação previdenciária; e com empresas, órgãos públicos, outras instituições e entidades não
I - acompanhar o desempenho dos servidores e dos dirigentes governamentais, nacionais e estrangeiras;
dos órgãos e das unidades do INSS, além de fiscalizar e avaliar a sua b) as ações relativas ao desenvolvimento de carreiras, con-
conduta funcional; cursos públicos e avaliação de desempenho dos servidores. c) as ações com base na análise das oscilações e variáveis
ocorridas no reconhecimento de direitos dos benefícios por inca-
II - analisar a pertinência de denúncias relativas à atuação Seção III
Dos órgãos específicos singulares pacidade previdenciários e assistenciais, inclusive aquelas identifi-
dos dirigentes e dos servidores do INSS; cadas pelas Diretorias de Benefícios e de Atendimento;
III - promover a instauração de sindicâncias e processos Art. 14. À Diretoria de Benefícios compete:
administrativos disciplinares; d) as ações relativas ao tratamento dos estoques de bene-
I - gerenciar: fícios por incapacidade e assistenciais de longa duração; e
IV - julgar os servidores do INSS em processos administra-
tivos disciplinares, quando a penalidade proposta for de advertência; a) as bases de dados cadastrais, vínculos, remunerações e e) os atos normativos de orientação e uniformização de pro-
contribuições dos segurados da Previdência Social, com vistas ao cedimentos destinados às atividades de planejamento, execução e
V - propor ações integradas com outros órgãos para o com- reconhecimento automático do direito; monitoramento operacional de benefícios por incapacidade e assis-
bate à fraude; tenciais;
b) o reconhecimento inicial, o recurso e a revisão de direitos
VI - planejar, coordenar, orientar e supervisionar as ativi- ao recebimento de benefícios previdenciários e assistenciais; VI - avaliar e acompanhar as atividades de reconhecimento
dades das Corregedorias Regionais, das comissões disciplinares e das inicial, manutenção, revisão, recurso, consignação, compensação pre-
sindicâncias; c) os procedimentos de compensação previdenciária e de videnciária, convênios e acordos internacionais relativas a benefícios
consignação em benefícios; por incapacidade e assistenciais; e
VII - promover estudos para a elaboração de normas, em sua
área de atuação; d) os acordos internacionais;
VII - subsidiar a Diretoria de Atendimento no estabeleci-
VIII - propor ao Presidente do INSS a criação de comissões e) os convênios e os instrumentos congêneres com empresas, mento de parâmetros de avaliação do atendimento nas unidades e nos
de ética no âmbito do INSS; e entidades representativas e órgãos públicos; órgãos descentralizados.

IX - propor ao Presidente do INSS a estruturação e a lo- f) a manutenção de direitos dos beneficiários; e Art. 16. À Diretoria de Atendimento compete:
calização das Corregedorias Regionais.
g) o pagamento aos beneficiários da Previdência e da As- I - planejar, propor, coordenar, normatizar, supervisionar,
Art. 12. À Diretoria de Orçamento, Finanças e Logística sistência Social; executar e avaliar ações que proporcionem a melhoria contínua da
compete: qualidade dos serviços prestados aos usuários do INSS;
II - estabelecer diretrizes gerais para o desenvolvimento de
I - planejar, coordenar, controlar, normatizar e supervisionar planos, programas e metas das atividades de administração de in-
as atividades relacionadas com as áreas de logística, documentação e II - coordenar as ações de atendimento presencial, remoto e
formações de segurados, reconhecimento inicial, manutenção, recurso autoatendimento aos usuários dos serviços do INSS;
informação, licitações e contratos, engenharia, patrimônio imobiliário, e revisão de direitos ao recebimento de benefícios previdenciários e
orçamento, finanças, contabilidade e tomada de contas especiais; assistenciais, compensação previdenciária e consignação em bene- III - padronizar os procedimentos de atendimento e fun-
fícios, para a formalização de convênios com empresas, entidades cionamento das Agências da Previdência Social;
II - estabelecer padrões, sistemas e métodos de trabalho representativas e órgãos públicos referentes a sua área de atuação, a
destinados ao aprimoramento da gestão orçamentária, financeira e
contábil, logística, licitações e contratos, engenharia, patrimônio imo- serem exercidas pelas Superintendências Regionais e Gerências-Exe-
IV - promover estudos técnicos e ações para a expansão, a
biliário, documentação e informação do INSS; cutivas;
classificação, a adequação e a diversificação da topologia e da ti-
III - normatizar, orientar e uniformizar os procedimentos de: pologia da rede de atendimento;
III - gerenciar as informações sobre pagamentos de bene-
fícios, e promover a análise comparativa dos fluxos físico e finan- V - supervisionar os serviços de modernização, suporte e
ceiro; a) administração de informações de segurados;
manutenção da rede de atendimento do INSS;
IV - planejar, coordenar e executar as atividades de licitações b) reconhecimento inicial, manutenção, recurso e revisão de
e contratos dos certames centralizados e nacionais, em articulação direitos ao recebimento de benefícios previdenciários e assistenciais; VI - aferir o desempenho da rede de atendimento e de seus
com as áreas envolvidas; gestores, em articulação com a Coordenação-Geral de Planejamento e
c) consignações em benefícios; Gestão Estratégica;
V - autorizar a instauração de processo de tomada de contas
especial, nos órgãos de assistência direta e imediata ao Presidente do d) agentes pagadores; VII - coordenar a gestão das parcerias e dos convênios re-
INSS, órgãos seccionais e órgãos específicos singulares do INSS; e lacionados com o atendimento;
e) convênios com empresas entidades representativas e ór-
VI - propor e executar ações e atos de gestão e disposição de gãos públicos referentes a sua área de atuação; VIII - estabelecer critérios para localização, alteração e ins-
bens móveis e imóveis do INSS. talação das Agências da Previdência Social;
f) acordos internacionais;
Art. 13. À Diretoria de Gestão de Pessoas compete: IX - articular-se com as demais áreas técnicas para garantir
g) compensação previdenciária; e
I - propor ao Presidente do INSS, em articulação com as os níveis de qualidade de atendimento estabelecidos nas ações e nas
demais Diretorias: h) monitoramento da operacionalização dos benefícios; e metas do Plano de Ação do INSS;

a) diretrizes para preparação de planos, programas e metas IV - acompanhar o cumprimento das cláusulas dos convênios X - autorizar a implementação e supervisionar a utilização e
de gestão de pessoas e de aperfeiçoamento e desenvolvimento de e dos contratos celebrados com a rede de prestadores de serviços de a modernização dos Sistemas Corporativos nas unidades de aten-
competências; pagamentos de benefícios administrados pelo INSS. dimento do INSS;

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html, Documento assinado digitalmente conforme MP n o- 2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
pelo código 00012017072500005 Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
6 ISSN 1677-7042 1 Nº 141, terça-feira, 25 de julho de 2017
XI - adotar instrumentos que deem visibilidade e transpa- XIV - promover a cobrança administrativa, referente à sua XV - acompanhar, junto às Gerências-Executivas, a execução
rência aos serviços e aos canais de atendimento do INSS, a fim de área de atuação, inclusive de agente público, nos casos de ocorrência das atividades destinadas ao monitoramento operacional de bene-
que os cidadãos possam conhecer os critérios de acesso aos be- de danos que resultem em prejuízo ao erário; fícios;
nefícios previdenciários e assistenciais; e
XV - gerenciar, em articulação com a Ouvidoria Social e Pre- XVI - apoiar e executar as atividades de comunicação social
XII - monitorar as unidades de atendimento do INSS por videnciária, a solução das demandas referentes à sua área de atuação; e de representação política e social do INSS, de acordo com as
meio de ambiente informatizado, com vistas à qualidade de aten- diretrizes da Assessoria de Comunicação Social do INSS e do Mi-
dimento ao usuário. XVI - acompanhar o Plano Plurianual, o Planejamento Es- nistério do Desenvolvimento Social;
tratégico e o Plano de Anual Ação do INSS em sua área de com-
Seção IV petência; XVII - gerenciar, em articulação com a Ouvidoria Social e
Das competências comuns dos órgãos de assistência direta Previdenciária, a resolubilidade das demandas referentes a sua área de
e imediata ao Presidente do Instituto Nacional do Seguro XVII - fornecer à Coordenação-Geral de Planejamento e abrangência;
Social, e dos órgãos seccionais e específicos singulares Gestão Estratégica as informações necessárias ao acompanhamento e
à avaliação de resultados dos órgãos e das unidades do INSS; XVIII - responder as solicitações de informações dos órgãos
Art. 17. Aos órgãos de assistência direta e imediata ao Pre- de controle e subsidiar a Presidência do INSS na elaboração do
sidente do INSS, aos órgãos seccionais e aos específicos singulares, XVIII - propor ações de capacitação; e relatório de prestação de contas anual, com informações consolidadas
respeitadas as suas áreas de atuação, compete: de suas Gerências-Executivas subordinadas;
XIX - fazer cumprir as deliberações do Presidente do INSS.
I - submeter ao Presidente do INSS proposta de: XIX - gerenciar a localização e a manutenção do parque de
Seção V equipamentos de informática;
a) ações, projetos e programas para a elaboração do Plano Das unidades descentralizadas
Anual de Ação do INSS; XX - constituir comissões, determinar a instauração e rea-
Art. 18. Às Superintendências Regionais, subordinadas ao lizar a tomada de contas especial, no âmbito da Superintendência
b) instrumentos legais que visem à melhoria da atuação ju- Presidente do INSS, compete: Regional, de acordo com as diretrizes da Diretoria de Orçamento,
rídica, da gestão orçamentária, financeira, contábil e dos ativos imo- Finanças e Logística;
biliários, do reconhecimento inicial, da manutenção, do recurso e da I - implementar as diretrizes e as ações definidas pelos ór-
revisão de direitos ao recebimento de benefícios previdenciários e gãos da administração central do INSS no âmbito de sua atuação e XXI - coordenar as atividades inerentes à tomada de contas
assistenciais e consignações em benefícios; especial no âmbito de sua área de abrangência;
das Gerências-Executivas subordinadas;
c) planos, projetos, programas e metas de inovação tecno- XXII - implementar ações locais de saúde e qualidade de vida
II - submeter ao Presidente do INSS Plano de Ação da no trabalho dos servidores no âmbito de sua área de abrangência; e
lógica em processos e sistemas utilizados em suas atividades, em Superintendência Regional e das Gerências-Executivas subordinadas,
articulação com a Coordenação-Geral de Tecnologia da Informação e em conformidade com as diretrizes estabelecidas no Plano Plurianual
Comunicações; e XXIII - supervisionar e coordenar as atividades relacionadas
e no Planejamento Estratégico do INSS, em articulação com a Co- com a gestão de tecnologia da informação e comunicação no âmbito
ordenação-Geral de Planejamento e Gestão Estratégica; de sua abrangência.
d) critérios para aferição de desempenho institucional das
Gerências-Executivas e das Agências da Previdência Social; III - planejar, propor, coordenar, controlar, normatizar, su- Art. 19. Às Gerências-Executivas, subordinadas às Superin-
pervisionar, executar e avaliar os projetos e as atividades no âmbito tendências Regionais, compete:
II - subsidiar a Diretoria de Atendimento na proposição de da Superintendência Regional;
padrões, sistemas e métodos de avaliação e acompanhamento da qua-
lidade e da produtividade de suas atividades e serviços, além de ações I - controlar e orientar as atividades executadas pelas Agên-
IV - planejar, coordenar, supervisionar e executar as ati- cias da Previdência Social subordinadas;
destinadas à modernização administrativa institucional, sem prejuízo vidades relacionadas com as áreas de logística, licitações e contratos,
das atribuições dos demais órgãos envolvidos; engenharia, patrimônio imobiliário, orçamento, finanças, contabili- II - prover suporte para o funcionamento dos Conselhos de
dade, documentação e informação no âmbito da Superintendência Previdência;
III - manter o Presidente do INSS informado sobre: Regional, observadas as orientações e a normatização da Diretoria de
Orçamento, Finanças e Logística; III - acompanhar e atender as demandas oriundas da Ou-
a) os resultados dos processos do contencioso técnico-ad-
ministrativo, especialmente aqueles decorrentes da administração do vidoria Social e Previdenciária;
V - supervisionar e coordenar as atividades relacionadas com
patrimônio imobiliário; as áreas de logística, licitações e contratos, engenharia, patrimônio IV - elaborar, executar e acompanhar o Plano Anual de Ação
imobiliário, orçamento, finanças, contabilidade, documentação e in- do INSS no âmbito de sua competência;
b) as auditorias preventivas e corretivas e os seus resultados; formação das Gerências-Executivas subordinadas;
V - apoiar e acompanhar, no plano administrativo, as ati-
c) as ações de gestão interna; e VI - executar atividades necessárias à gestão e à execução de vidades de representação judicial ou extrajudicial, consultoria e as-
licitações e contratos, de acordo com as diretrizes da Diretoria de sessoramento jurídicos;
d) as ações de reconhecimento inicial, manutenção, recurso e
revisão de direitos ao recebimento de benefícios previdenciários e Orçamento, Finanças e Logística;
VI - prover o suporte logístico para as atividades de au-
assistenciais, consignações em benefícios e em relação à compen- ditorias e correcionais em sua área de abrangência;
sação previdenciária; VII - propor e executar ações e atos de gestão e disposição
dos bens móveis e imóveis do INSS, de acordo com as diretrizes e as
autorizações da Diretoria de Orçamento, Finanças e Logística; VII - interpor recursos e oferecer contrarrazões às Juntas de
IV - fornecer à Coordenação-Geral de Planejamento e Gestão Recurso e às Câmaras de Julgamento do Conselho de Recursos do
Estratégica informações necessárias à elaboração e ao acompanha- Seguro Social, em relação aos assuntos de sua competência;
mento do processo de planejamento do INSS; VIII - prover o suporte logístico para o funcionamento das
Auditorias Regionais, das Corregedorias Regionais e das Procura-
dorias Regionais ou Seccionais localizadas na sua área de abran- VIII - planejar, propor, coordenar, controlar, executar e ava-
V - elaborar e executar os projetos estratégicos, em sua área liar as atividades de logística, patrimônio imobiliário, engenharia,
de atuação, em articulação com a Coordenação-Geral de Planeja- gência;
orçamento, finanças, contabilidade, documentação e informação ne-
mento e Gestão Estratégica; cessárias ao funcionamento de órgãos e unidades jurisdicionadas, com
IX - planejar, propor, coordenar, normatizar, supervisionar,
executar e avaliar as atividades relacionadas com a área de gestão de a anuência da Superintendência Regional e de acordo com as di-
VI - fornecer à Diretoria de Atendimento as informações retrizes da Diretoria de Orçamento, Finanças e Logística;
necessárias ao acompanhamento de resultados e à avaliação da rede pessoas no âmbito da Superintendência Regional, de acordo com as
de atendimento; diretrizes da Diretoria de Gestão de Pessoas;
IX - executar atividades necessárias à gestão e à execução de
X - planejar, coordenar e supervisionar as atividades re- licitações e contratos, de acordo com as diretrizes da Diretoria de
VII - sistematizar e difundir orientações para a geração de Orçamento, Finanças e Logística;
informações institucionais, de acordo com as diretrizes definidas pela lacionadas com a área de gestão de pessoas no âmbito das Gerências-
Assessoria de Comunicação Social; Executivas subordinadas;
X - propor e executar ações e atos de gestão e disposição dos
XI - planejar, propor, coordenar, executar e avaliar progra- bens móveis e imóveis do INSS, de acordo com as diretrizes e as
VIII - fornecer à Assessoria de Comunicação Social infor- autorizações da Diretoria de Orçamento, Finanças e Logística;
mações institucionais necessárias à elaboração e à manutenção dos mas de formação, aperfeiçoamento e capacitação destinados ao de-
canais de comunicação internos e externos do INSS; senvolvimento funcional dos servidores do INSS no âmbito da Su- XI - constituir comissões, determinar a instauração e realizar
perintendência Regional, de acordo com as diretrizes da Diretoria de a tomada de contas especial no âmbito da Gerência-Executiva;
IX - coordenar e supervisionar as Procuradorias Regionais, Gestão de Pessoas;
as Procuradorias Seccionais, as Auditorias Regionais e as Corre- XII - planejar, propor, coordenar, controlar, executar e avaliar
gedorias Regionais; XII - supervisionar e coordenar as atividades relacionadas as atividades relacionadas à área de gestão de pessoas, em sua área de
com os programas de formação, aperfeiçoamento e capacitação des- atuação, observadas as orientações da Superintendência Regional;
X - coordenar e supervisionar o reconhecimento inicial, a tinados ao desenvolvimento funcional dos servidores do INSS no
manutenção, o recurso e a revisão de direitos ao recebimento de âmbito das Gerências-Executivas subordinadas, de acordo com as XIII - planejar, propor, coordenar, executar e avaliar pro-
benefícios previdenciários e assistenciais, compensação previdenciária diretrizes da Diretoria de Gestão de Pessoas; gramas de formação, aperfeiçoamento e capacitação destinados ao
e controle interno de benefícios; desenvolvimento funcional dos servidores do INSS no âmbito da
XIII - implementar políticas de saúde e qualidade de vida no Gerência-Executiva e das unidades subordinadas, observadas as
XI - responder às solicitações de informações dos órgãos de trabalho dos servidores e de responsabilidade socioambiental no âm- orientações da Superintendência Regional;
controle externos e subsidiar a elaboração do relatório de prestação de bito de sua área de abrangência, de acordo com as diretrizes da
contas anual, em observância aos prazos legais; política nacional; XIV - apoiar e executar as atividades de comunicação social
e de representação política e social do INSS;
XII - fornecer respostas às solicitações oriundas do Serviço XIV - supervisionar e coordenar as atividades executadas
de Informações ao Cidadão, em observância aos prazos legais; pelas unidades subordinadas, relacionadas com o reconhecimento ini- XV - promover, em articulação com a Superintendência Re-
cial, a revisão e a manutenção de direitos, recursos, compensação gional, as ações do Programa de Educação Previdenciária, de acordo
XIII - encaminhar às Gerências-Executivas, às Superinten- previdenciária, acordos internacionais, pagamento e consignação em com as diretrizes da Diretoria de Gestão de Pessoas;
dências Regionais ou à Diretoria de Orçamento, Finanças e Logística, benefícios, perícia médica, reabilitação profissional, serviço social e
conforme o caso, dossiês cujas medidas administrativas internas de atendimento e implementar as diretrizes e as ações definidas pela XVI - elaborar informações de sua área de abrangência para
ressarcimento ao erário não lograram êxito, para realização de tomada Diretoria de Benefícios, pela Diretoria de Saúde do Trabalhador e subsidiar a prestação de contas anual do INSS, e encaminhá-las à
de contas especial; pela Diretoria de Atendimento; Superintendência Regional;

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html, Documento assinado digitalmente conforme MP n o- 2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
pelo código 00012017072500006 Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
Nº 141, terça-feira, 25 de julho de 2017 1 ISSN 1677-7042 7
XVII - acompanhar, junto às unidades de atendimento, a § 2o No caso de tribunal ou órgão judiciário recursal não III - exercer o poder disciplinar nos termos da legislação;
execução das atividades destinadas ao monitoramento operacional de localizado na mesma base territorial da Procuradoria Regional, as
benefícios; e competências previstas no inciso III do caput serão exercidas pela IV - encaminhar ao Ministério do Desenvolvimento Social
Procuradoria Seccional correspondente. propostas de instrumentos legais, documentos e relatórios que devam
XVIII - gerenciar e executar ações destinadas à saúde e à ser submetidos ao Conselho Nacional de Previdência;
qualidade de vida no trabalho dos servidores e de responsabilidade § 3o A descentralização de recursos orçamentários para as
Procuradorias Seccionais será gerenciada pela Procuradoria Regional V - elaborar e divulgar relatórios semestrais sobre as ati-
socioambiental no âmbito de sua área de abrangência, observadas as vidades do INSS, remetendo-os ao Ministro de Estado do Desen-
orientações das Superintendências Regionais. em sua área de abrangência.
volvimento Social e ao Conselho Nacional de Previdência, sem pre-
juízo do encaminhamento de outros relatórios e informações por eles
Parágrafo único. Às Gerências-Executivas compete, ainda, Art. 22. Às Procuradorias Seccionais compete representar solicitados;
apoiar, supervisionar e controlar as suas unidades de atendimento, judicial e extrajudicialmente o INSS e, por meio da designação do
inclusive quando em funcionamento em órgão ou entidade, pública ou Procurador-Geral Federal, outras entidades, além de exercer ativi- VI - encaminhar ao Ministro de Estado do Desenvolvimento
dades de consultoria e assessoramento jurídicos, aplicando-se, no que Social as propostas de:
privada, como resultado de parceria formalizada nos termos esta- couber, o disposto no art. 11 da Lei Complementar nº 73, de 1993.
belecidos em ato do Ministro de Estado do Desenvolvimento Social.
a) criação, extinção, alteração de localização e instalação de
Art. 23. Às Auditorias Regionais, subordinadas diretamente à novas Superintendências Regionais, Gerências-Executivas, Auditorias
Art. 20. Às Agências da Previdência Social, subordinadas às Auditoria-Geral, compete: Regionais, Corregedorias Regionais, Procuradorias Regionais e Pro-
Gerências-Executivas, compete: curadorias Seccionais; e
I - acompanhar e executar auditorias e recomendar ações
I - atualizar as bases de dados cadastrais, vínculos, remu- preventivas e corretivas nos órgãos e nas unidades descentralizados, b) planos, programas e metas de inovação tecnológica em
nerações e contribuições de segurados da Previdência Social, com conforme diretrizes definidas pela Auditoria-Geral; processos e sistemas utilizados pelo INSS;
vistas ao reconhecimento automático do direito;
II - realizar a apuração de denúncias, de sua competência, VII - remeter a prestação de contas do INSS ao Ministro de
II - proceder ao reconhecimento inicial, à manutenção, ao encaminhadas pela Ouvidoria Social e Previdenciária; Estado do Desenvolvimento Social para fins de encaminhamento ao
recurso e à revisão de direitos aos benefícios administrados pelo Tribunal de Contas da União;
INSS, além da operacionalização da compensação previdenciária e da III - acompanhar a apuração e a solução de denúncias en-
emissão de certidões de tempo de contribuição; caminhadas pela Ouvidoria Social e Previdenciária; VIII - celebrar e rescindir contratos, convênios, acordos e
ajustes, além de ordenar despesas; e
III - proceder à análise e ao atendimento das solicitações de IV - obter, junto a fontes externas, informações para con- IX - decidir sobre:
consignação em benefício; firmar a fidedignidade das evidências obtidas internamente;
a) o Plano Anual de Ação do INSS, a proposta orçamentária
IV - promover as atividades de perícia médica, habilitação e V - requisitar diligências, informações, processos e docu- anual e as suas alterações;
reabilitação profissional e serviço social; mentos necessários ao desempenho de suas atividades;
b) a alienação e a aquisição de bens imóveis;
V - executar as atividades destinadas ao monitoramento ope- VI - orientar e supervisionar a execução das atividades das
racional de benefícios; equipes de auditoria a elas subordinadas; c) a contratação de auditorias externas para análise e emissão
de parecer sobre demonstrativos econômico-financeiros e contábeis e
VI - elaborar, executar e acompanhar o Plano Anual de Ação VII - supervisionar a implementação das recomendações da sobre pagamento de benefícios, além de submeter os resultados ob-
Auditoria e dos órgãos de controle externo; tidos à apreciação do Ministro de Estado do Desenvolvimento Social
do INSS no âmbito de sua competência; e ao Conselho Nacional de Previdência;
VII - executar as atividades de orientação e informação, de VIII - recomendar aos dirigentes a abstenção, a revisão, a
suspensão e a correção de atos; e d) a localização, a alteração e a instalação das Agências da
acordo com as diretrizes estabelecidas nos atos específicos que de- Previdência Social fixas e móveis;
finem o assunto, inclusive aquelas decorrentes das parcerias locais, IX - avaliar os controles internos da gestão quanto à sua
regionais ou nacionais, de acordo com as diretrizes estabelecidas em eficácia, eficiência, efetividade e economicidade, resguardados os in- e) a instalação de Agências da Previdência Social de com-
programa de educação previdenciária, em articulação com a Gerên- teresses do INSS. petências específicas; e
cia-Executiva;
f) a criação de Comissões de Ética no âmbito do INSS.
Art. 24. Às Corregedorias Regionais, subordinadas direta-
VIII - atender as demandas da Ouvidoria Social e Previ- mente à Corregedoria-Geral, compete:
denciária; Seção II
Dos demais dirigentes
I - acompanhar o desempenho dos servidores e dos dirigentes
IX - prestar as informações requisitadas pela Procuradoria nas unidades descentralizadas, além de fiscalizar e avaliar a sua con- Art. 26. Aos Diretores, ao Procurador-Chefe, ao Chefe de
para subsidiar a defesa do INSS em juízo e cumprir, sob orientação duta funcional; Gabinete, ao Chefe da Assessoria de Comunicação Social, ao Au-
da Procuradoria, as decisões judiciais; ditor-Geral, ao Corregedor-Geral, ao Subprocurador-Chefe, aos Co-
II - definir sobre a pertinência da apuração de denúncias ordenadores-Gerais, aos Superintendentes Regionais, aos Gerentes-
X - acompanhar as despesas referentes ao deslocamento de relativas à atuação dos dirigentes e dos servidores do INSS, sem Executivos, aos Auditores Regionais, aos Corregedores Regionais,
beneficiários da Previdência Social para fins de reabilitação e do prejuízo de suas competências; aos Procuradores Regionais, aos Procuradores Seccionais, aos Ge-
benefício de prestação continuada; e rentes de Agência da Previdência Social e aos demais dirigentes
III - promover a instauração de sindicâncias e processos incumbe planejar, dirigir, coordenar, orientar, acompanhar e avaliar a
administrativos disciplinares; execução das atividades relacionadas às suas unidades e exercer ou-
XI - supervisionar a execução dos contratos operacionais. tras atribuições que lhe forem cometidas pelo Presidente do INSS.
Art. 21. Às Procuradorias Regionais, subordinadas direta- IV - julgar sindicâncias e processos administrativos disci- Art. 27. Aos Diretores, ao Procurador-Chefe, ao Auditor-
mente ao Procurador-Chefe, compete: plinares quando a proposta for pelo arquivamento; Geral, ao Corregedor-Geral, ao Subprocurador-Chefe, aos Coorde-
nadores-Gerais, aos Superintendentes Regionais, aos Gerentes-Exe-
I - coordenar e supervisionar as Procuradorias Seccionais V - requisitar diligências, informações, processos e docu- cutivos, aos Procuradores Regionais, aos Procuradores-Seccionais,
sediadas em sua área de abrangência; mentos necessários ao desempenho de suas atividades; e aos Auditores Regionais, aos Corregedores Regionais e aos Gerentes
de Agência da Previdência Social incumbe ordenar despesas, au-
II - atuar em conjunto com as Procuradorias Regionais Fe- VI - receber e apurar as denúncias encaminhadas pela Ou- torizar pagamentos e aprovar projeto básico, plano de trabalho e
vidoria Social e Previdenciária e comunicar a solução à Ouvidoria termo de referência do INSS e do Fundo do Regime Geral da Pre-
derais e as Procuradorias Federais nos Estados na promoção, na vidência Social, em suas áreas de atuação.
Social e Previdenciária.
sistematização e na uniformização da atuação diante dos Tribunais e
das Turmas Recursais em matéria de benefícios; e CAPÍTULO V Art. 28. Aos Diretores, ao Procurador-Chefe, ao Auditor-
DAS ATRIBUIÇÕES DOS DIRIGENTES Geral, aos Superintendentes Regionais, aos Procuradores Regionais e
III - acompanhar os processos judiciais no âmbito dos órgãos aos Gerentes-Executivos incumbe firmar e rescindir contratos, con-
do Poder Judiciário localizados em sua área de atuação, além de Seção I vênios, ajustes, acordos ou instrumentos congêneres do INSS e do
estabelecer uniformidade de procedimentos nos processos de interesse Fundo do Regime Geral da Previdência Social, em suas áreas de
Do Presidente do Instituto Nacional do Seguro Social atuação.
do INSS que tramitem em grau de recurso perante esses órgãos
judiciais, ressalvadas as atribuições dos demais órgãos de execução Art. 25. Ao Presidente do INSS incumbe: CAPÍTULO VI
da Procuradoria-Geral Federal. DISPOSIÇÕES GERAIS
I - exercer a direção superior e o comando hierárquico no
§ 1o No Estado em que não houver Procuradoria Regional, as âmbito do INSS; Art. 29. Ato do Ministro de Estado do Desenvolvimento
competências previstas neste artigo serão exercidas pela Procuradoria Social discriminará as Agências da Previdência Social de compe-
Seccional instalada em sua capital. II - representar o INSS; tências específicas.

ANEXO II Serviço 2 Chefe DAS 101.1


a) QUADRO DEMONSTRATIVO DOS CARGOS EM COMISSÃO E DAS FUNÇÕES DE CON- 2 FG-1
FIANÇA DO INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS: 4 FG-2
12 FG-3
UNIDADE CARGO/ DENOMINAÇÃO DAS/
FUNÇÃO/No CARGO/FUNÇÃO FCPE/FG Coordenação 1 Coordenador DAS 101.3
1 Presidente DAS 101.6 Divisão 1 Chefe DAS 101.2
4 Assessor DAS 102.4
ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL 1 Chefe de Assessoria DAS 101.4
GABINETE 1 Chefe de Gabinete DAS 101.4
4 Assistente DAS 102.2 Divisão 1 Chefe DAS 101.2
4 Assistente Técnico DAS 102.1 Serviço 1 Chefe DAS 101.1
Divisão 1 Chefe DAS 101.2 3 FG-1

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html, Documento assinado digitalmente conforme MP n o- 2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
pelo código 00012017072500007 Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
8 ISSN 1677-7042 1 Nº 141, terça-feira, 25 de julho de 2017

COORDENAÇÃO-GERAL DE PLANEJAMEN- 1 Coordenador-Geral DAS 101.4 Coordenação-Geral de Engenharia e Patrimônio 1 Coordenador-Geral DAS 101.4
TO E GESTÃO ESTRATÉGICA Imobiliário
Coordenação 1 Coordenador DAS 101.3 Coordenação 1 Coordenador DAS 101.3
Divisão 4 Chefe DAS 101.2 Divisão 3 Chefe DAS 101.2
Serviço 1 Chefe DAS 101.1 Serviço 2 Chefe DAS 101.1
3 FG-2 2 FG-2

COORDENAÇÃO-GERAL DE TECNOLOGIA 1 Coordenador-Geral DAS 101.4 Coordenação-Geral de Orçamento, Finanças e 1 Coordenador-Geral DAS 101.4
DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES Contabilidade
Coordenação 2 Coordenador DAS 101.3 Coordenação 2 Coordenador DAS 101.3
Divisão 5 Chefe DAS 101.2 Divisão 10 Chefe DAS 101.2
Serviço 1 Chefe DAS 101.1 Serviço 2 Chefe DAS 101.1
1 FG-1 3 FG-1
4 FG-2
Coordenação-Geral de Licitações e Contratos 1 Coordenador-Geral DAS 101.4
PROCURADORIA FEDERAL ESPECIALIZADA 1 Procurador-Chefe DAS 101.5 Coordenação 1 Coordenador DAS 101.3
Divisão 2 Chefe DAS 101.2
1 Assistente DAS 102.2
Serviço 6 Chefe DAS 101.1
2 Gerente DAS 101.2
7 FG-2
Coordenação 1 Coordenador DAS 101.3
3 FG-3
Serviço 2 Chefe DAS 101.1
3 FG-2 DIRETORIA DE GESTÃO DE PESSOAS 1 Diretor DAS 101.5
1 Assistente DAS 102.2
Subprocuradoria 1 Subprocurador-Chefe DAS 101.4 1 Gerente DAS 101.2
Coordenação 1 Coordenador DAS 101.3 Serviço 2 Chefe DAS 101.1
Divisão 1 Chefe DAS 101.2
Serviço 2 Chefe DAS 101.1 Coordenação-Geral de Gestão de Pessoas 1 Coordenador-Geral DAS 101.4
2 FG-1 Coordenação 3 Coordenador DAS 101.3
2 FG-2 Divisão 6 Chefe DAS 101.2
Serviço 3 Chefe DAS 101.1
Coordenação-Geral de Matéria Administrativa 1 Coordenador-Geral DAS 101.4
Coordenação 1 Coordenador DAS 101.3 Coordenação-Geral de Desenvolvimento de Car- 1 Coordenador-Geral DAS 101.4
Divisão 2 Chefe DAS 101.2 reiras e Educação
Serviço 1 Chefe DAS 101.1 Coordenação 4 Coordenador DAS 101.3
2 FG-1 Divisão 5 Chefe DAS 101.2
2 FG-2 Serviço 2 Chefe DAS 101.1

Coordenação-Geral de Matéria de Benefícios 1 Coordenador-Geral DAS 101.4 DIRETORIA DE BENEFÍCIOS 1 Diretor DAS 101.5
Coordenação 2 Coordenador DAS 101.3 1 Assistente DAS 102.2
Divisão 3 Chefe DAS 101.2 Coordenação 2 Coordenador DAS 101.3
Serviço 1 Chefe DAS 101.1 Divisão 4 Chefe DAS 101.2
2 FG-1 Serviço 1 Chefe DAS 101.1
2 FG-2
Coordenação-Geral de Reconhecimento de Di- 1 Coordenador-Geral DAS 101.4
reitos
Coordenação-Geral de Administração das Procu- 1 Coordenador-Geral DAS 101.4 Coordenação 1 Coordenador DAS 101.3
radorias
Divisão 4 Chefe DAS 101.2
Coordenação 1 Coordenador DAS 101.3
5 FG-1
Divisão 1 Chefe DAS 101.2
2 FG-1 Coordenação-Geral de Administração de Infor- 1 Coordenador-Geral DAS 101.4
2 FG-2 mações de Segurados
Divisão 4 Chefe DAS 101.2
AUDITORIA-GERAL 1 Auditor-Geral DAS 101.5 Serviço 2 Chefe DAS 101.1
Coordenação 1 Coordenador DAS 101.3 4 FG-1
Divisão 2 Chefe DAS 101.2
Serviço 4 Chefe DAS 101.1 Coordenação-Geral de Gerenciamento do Paga- 1 Coordenador-Geral DAS 101.4
3 FG-2 mento de Benefícios
2 FG-3 Divisão 4 Chefe DAS 101.2
4 FG-1
Coordenação-Geral de Auditoria em Benefícios 1 Coordenador-Geral DAS 101.4
Divisão 1 Chefe DAS 101.2 DIRETORIA DE SAÚDE DO TRABALHADOR 1 Diretor DAS 101.5
1 FG-1 1 Assistente DAS 102.2
Divisão 1 Chefe DAS 101.2
Coordenação-Geral de Auditoria em Gestão In- 1 Coordenador-Geral DAS 101.4 Serviço 3 Chefe DAS 101.1
terna 4 FG-1
Divisão 1 Chefe DAS 101.2
1 FG-1 Coordenação-Geral de Serviços Previdenciários 1 Coordenador-Geral DAS 101.4
e Assistenciais
CORREGEDORIA-GERAL 1 Corregedor-Geral DAS 101.4 Coordenação 1 Coordenador FCPE 101.3
1 Assistente Técnico DAS 102.1 Divisão 3 Chefe DAS 101.2
Divisão 4 Chefe DAS 101.2 3 FG-1
Serviço 1 Chefe DAS 101.1
2 FG-1 Coordenação-Geral de Gerenciamento e Avalia- 1 Coordenador-Geral DAS 101.4
ção de Benefícios por Incapacidade e Assisten-
3 FG-2 ciais
Coordenação 2 Coordenador FCPE 101.3
DIRETORIA DE ORÇAMENTO, FINANÇAS 1 Diretor DAS 101.5 Divisão 3 Chefe DAS 101.2
E LOGÍSTICA
1 Assistente DAS 102.2 Coordenação-Geral de Perícias Médicas 1 Coordenador-Geral DAS 101.4
1 Gerente DAS 101.2 Coordenação 3 Coordenador FCPE 101.3
Serviço 1 Chefe DAS 101.1 Divisão 1 Chefe DAS 101.2
1 FG-2 2 FG-1

Coordenação-Geral de Recursos Logísticos 1 Coordenador-Geral DAS 101.4 DIRETORIA DE ATENDIMENTO 1 Diretor DAS 101.5
Coordenação 1 Coordenador DAS 101.3 Coordenação 1 Coordenador DAS 101.3
Divisão 3 Chefe DAS 101.2 1 Gerente DAS 101.2
Serviço 1 Chefe DAS 101.1 1 Assistente DAS 102.2
1 FG-1 Divisão 1 Chefe DAS 101.2
1 FG-2 Serviço 2 Chefe DAS 101.1

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html, Documento assinado digitalmente conforme MP n o- 2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
pelo código 00012017072500008 Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
Nº 141, terça-feira, 25 de julho de 2017 1 ISSN 1677-7042 9
Coordenação-Geral de Suporte à Rede 1 Coordenador-Geral DAS 101.4 b) QUADRO RESUMO DE CUSTOS DOS CARGOS EM COMISSÃO E DAS FUNÇÕES DE CON-
Coordenação 1 Coordenador DAS 101.3 FIANÇA DO INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS:
Divisão 3 Chefe DAS 101.2
Serviço 1 Chefe DAS 101.1
DAS- SITUAÇÃO ATUAL SITUAÇÃO NOVA
1 FG-1 CÓDIGO UNITÁRIO
2 FG-2 QTD. VALOR TOTAL QTD. VALOR TOTAL
DAS 101.6 6,27 1 6,27 1 6,27
Coordenação-Geral de Controle e Avaliação da 1 Coordenador-Geral DAS 101.4 DAS 101.5 5,04 7 35,28 7 35,28
Rede de Atendimento DAS 101.4 3,84 29 111,36 30 115,20
Coordenação 1 Coordenador DAS 101.3 DAS 101.3 2,10 31 65,10 34 71,40
Divisão 3 Chefe DAS 101.2 DAS 101.2 1,27 142 180,34 165 209,55
Serviço 1 Chefe DAS 101.1 DAS 101.1 1,00 498 498,00 381 381,00
3 FG-1
6 FG-2 DAS 102.4 3,84 4 15,36 4 15,36
DAS 102.2 1,27 10 12,70 10 12,70
UNIDADES DESCENTRALIZADAS DAS 102.1 1,00 5 5,00 5 5,00
Superintendência Regional 5 Superintendente DAS 101.4 SUBTOTAL 1 727 929,41 637 851,76
Regional FCINSS 3 1,26 110 138,60 - -
Assessoria de Comunicação Social 5 Chefe DAS 101.2 FCINSS 2 0,76 151 114,76 - -
Divisão 25 Chefe DAS 101.2 FCINSS 1 0,60 1.576 945,60 - -
Serviço 45 Chefe DAS 101.1 SUBTOTAL 2 1.837 1.198,96 - -
Serviço 30 Chefe FCPE 101.1 FCPE 101.3 1,26 - - 110 138,60
Setor 5 Chefe FG-2 FCPE 101.2 0,76 - - 151 114,76
FCPE 101.1 0,60 - - 1.576 945,60
Gerência-Executiva "A" 14 Gerente-Executivo FCPE 101.3 SUBTOTAL 3 - - 1.837 1.198,96
Assessoria de Comunicação Social 5 Chefe DAS 101.1 FG-1 0,20 1.323 264,60 1.280 256,00
(Rio Grande do Sul, Paraná, Rio de Janeiro, FG-2 0,15 691 103,65 633 94,95
Ceará e Bahia)
FG-3 0,12 532 63,84 528 63,36
Seção de Comunicação Social 2 Chefe FG-1
(Pará e Espírito Santo) SUBTOTAL 4 2.546 432,09 2.441 414,31
Divisão 14 Chefe DAS 101.2 TOTAL 5.110 2.560,46 4.915 2.465,03
Serviço 84 Chefe DAS 101.1
Seção 42 Chefe FG-1 ANEXO III

Gerência-Executiva "B" 90 Gerente-Executivo FCPE 101.3 a) REMANEJAMENTO DE CARGOS EM COMISSÃO EM DECORRÊNCIA DO DISPOSTO NO
Seção de Comunicação Social 15 Chefe FG-1 DECRETO Nº 8.785, DE 10 DE JUNHO DE 2016, E SALDO DE DAS-UNITÁRIO A SER RE-
(Alagoas, Amazonas, Roraima, Rondônia, Ama- DUZIDO DO INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS:
pá, Acre, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul,
Goiás, Tocantins, Rio Grande do Norte, Paraíba,
Sergipe, Maranhão e Piauí) DO INSS PARA A SEGES/MP DA SEGES/MP PARA O INSS
Serviço 90 Chefe DAS 101.1 CÓDIGO DAS-UNITÁRIO (a) (b)
Seção 720 Chefe FG-1 QTD. VALOR TOTAL QTD. VALOR TOTAL
Setor 12 Chefe FG-2 DAS 101.4 3,84 - - 1 3,84
DAS 101.3 2,10 - - 3 6,30
Agência da Previdência Social "A" 151 Gerente de Agência FCPE 101.2 DAS 101.2 1,27 - - 23 29,21
Seção 151 Chefe FG-1 DAS 101.1 1,00 117 117,00 - -
302 Supervisor Operacional FG-3 TOTAL 117 117,00 27 39,35
de Benefícios SALDO DO REMANEJAMENTO (c = a - b) 90 77,65
VALOR TOTAL DE DAS-UNITÁRIO A SER REMANEJADO DO 274,65
Agência da Previdência Social "B" 201 Gerente de Agência FCPE 101.1 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DE SUA ENTIDADE
VINCULADA EM DECORRÊNCIA DO DECRETO No 8.785, DE 10 DE
Seção 201 Chefe FG-1 JUNHO DE 2016 (d)
201 Supervisor Operacional FG-3 SALDO DE DAS-UNITÁRIO A SER REMANEJADO DO MINISTÉRIO DO 197,00
de Benefícios DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DE SUA ENTIDADE VINCULADA
(e = d - c)
Agência da Previdência Social "C" 484 Gerente de Agência FCPE 101.1
Setor 484 Chefe FG-2
b) REMANEJAMENTO DE FUNÇÕES GRATIFICADAS EM DECORRÊNCIA DO DISPOSTO NO
Agência da Previdência Social "D" 861 Gerente de Agência FCPE 101.1 DECRETO Nº 8.785, DE 10 DE JUNHO DE 2016, E SALDO DE DAS-UNITÁRIO A SER RE-
DUZIDO DO INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS:
Procuradoria Regional 5 Chefe DAS 101.2
Subprocuradoria Regional 5 Chefe DAS 101.2 DO INSS PARA A SEGES/MP (a)
CÓDIGO DAS-UNITÁRIO
Serviço 15 Chefe DAS 101.1 QTD. VALOR TOTAL
Seção 10 Chefe FG-1 FG-1 0,20 43 8,60
Setor 5 Chefe FG-2 FG-2 0,15 58 8,70
FG-3 0,12 4 0,48
Procuradoria Seccional "A" 4 Chefe DAS 101.2 TOTAL 105 17,78
Serviço 4 Chefe DAS 101.1 VALOR TOTAL DE DAS-UNITÁRIO A SER 70 12,70
Seção 4 Chefe FG-1 REMANEJADO DO MINISTÉRIO DO
DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DE SUA ENTIDADE
Setor 8 Chefe FG-2 VINCULADA EM DECORRÊNCIA DO DECRETO No
8.785, DE 10 DE OUTUBRO DE 2016 (b)
Procuradoria Seccional "B" 72 Chefe DAS 101.1 SALDO DE DAS-UNITÁRIO A SER REMANEJADO DO MINISTÉRIO 0,00
Seção 72 Chefe FG-1 DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DE SUA ENTIDADE
Setor 72 Chefe FG-2 VINCULADA (c = b - a)

Procuradoria Seccional "C" 15 Chefe DAS 101.1 ANEXO IV


15 FG-1
DEMONSTRATIVO DOS CARGOS EM COMISSÃO DO GRUPO-DIREÇÃO
Auditoria Regional "A" 5 Auditor Regional DAS 101.3 E ASSESSORAMENTO SUPERIORES - DAS TRANSFORMADOS NOS TERMOS
Divisão 10 Chefe DAS 101.2 DO ART. 8o DA LEI No 13.346, DE 10 DE OUTUBRO DE 2016
Auditoria Regional "B" 3 Auditor Regional DAS 101.1 DIFERENÇA
3 FG-3 SITUAÇÃO ATUAL (a) SITUAÇÃO NOVA (b)
DAS- (c = b - a)
CÓDIGO UNITÁRIO VALOR VALOR VALOR
Corregedoria Regional "A" 5 Corregedor Regional DAS 101.2 QTD. QTD. QTD.
TOTAL TOTAL TOTAL
5 FG-3 DAS-2 1,27 - - 44 55,88 44 55,88
DAS-1 1,00 56 56,00 - - - 56 - 56,00
Corregedoria Regional "B" 3 Corregedor Regional DAS 101.1 TOTAL 56 56,00 44 55,88 - 12 - 0,12

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html, Documento assinado digitalmente conforme MP n o- 2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
pelo código 00012017072500009 Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
10 ISSN 1677-7042 1 Nº 141, terça-feira, 25 de julho de 2017
DECRETO DE 24 DE JULHO DE 2017 Art. 1o Estabelecer as seguintes diretrizes estratégicas para o Exposição de Motivos
desenvolvimento do mercado de combustíveis, demais derivados de
Autoriza o emprego das Forças Armadas petróleo e biocombustíveis no Brasil: No 48, de 8 de junho de 2017. Resolução no 16, de 8 de junho de
para a garantia da votação e da apuração 2017, do Conselho Nacional de Política Energética - CNPE. Aprovo.
das eleições suplementares no Estado do I - incremento e diversificação da oferta interna de com- Em 24 de julho de 2017.
Amazonas. bustíveis e de derivados de petróleo;
CONSELHO NACIONAL DE POLÍTICA ENERGÉTICA - CNPE
O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições II - ampliação da produção de derivados de petróleo no País;
que lhe confere o art. 84, caput, incisos IV e XIII, da Constituição, RESOLUÇÃO No 16, DE 8 DE JUNHO DE 2017
e tendo em vista o disposto no art. 15 da Lei Complementar nº 97, de III - expansão da infraestrutura para garantia do abasteci-
9 de junho de 1999, e no art. 23, caput, inciso XIV, da Lei nº 4.737, mento nacional de combustíveis, demais derivados de petróleo e bio-
de 15 de julho de 1965 - Código Eleitoral, Altera o plano plurianual de rodadas de li-
combustíveis, com estímulo a modos de transporte mais eficientes; citações de blocos para exploração e pro-
DECRETA: dução de petróleo e gás natural para o biê-
IV - promoção de maior transparência em relação às ca-
pacidades e aos critérios de remuneração pelos serviços e uso da nio 2018 - 2019, aprovado pela Resolução
Art. 1º Fica autorizado o emprego das Forças Armadas para infraestrutura por terceiros; CNPE no 10, de 11 de abril de 2017.
a garantia da votação e da apuração das eleições suplementares no
Estado do Amazonas. V - desenvolvimento de um mercado competitivo nos diver- O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE PO-
sos elos da cadeia, com condições de oferta a preços de mercado para LÍTICA ENERGÉTICA - CNPE, no uso de suas atribuições, tendo
Art. 2º As localidades e o período de emprego das Forças os combustíveis, demais derivados de petróleo e biocombustíveis; em vista o disposto no art. 2o, incisos I e VIII, da Lei no 9.478, de 6
Armadas serão definidos conforme os termos de requisição do Tri- agosto de 1997, no art. 9o, inciso III, da Lei no 12.351, de 22 de
bunal Superior Eleitoral. VI - promoção da livre concorrência, respeito aos contratos e dezembro de 2010, no art. 1o, inciso I, alíneas "a" e "j", do Decreto
proteção dos interesses dos consumidores; no 3.520, de 21 de junho de 2000, no art. 7o, inciso III, e no art. 14,
Art. 3º Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação.
caput, do Regimento Interno, aprovado pela Resolução no 7, de 10 de
VII - aperfeiçoamento da estrutura tributária do setor de novembro de 2009, o que consta do Processo no 48380.000104/2017-
Brasília, 24 de julho de 2017; 196º da Independência e 129º
da República. combustíveis, demais derivados de petróleo e biocombustíveis; 70, e considerando que

MICHEL TEMER VIII - aprimoramento do arcabouço normativo do setor de compete ao Ministério de Minas e Energia explicitar as di-
Raul Jungmann combustíveis, demais derivados de petróleo e biocombustíveis; e retrizes a serem implementadas no planejamento e nos procedimentos
Marco Antônio Freire Gomes licitatórios voltados à identificação de áreas para investimentos e
IX - transição para a nova configuração do mercado, sem
aumento das reservas e da produção nacional de petróleo e gás na-
prejuízo ao abastecimento de combustíveis, demais derivados de pe-
tróleo e biocombustíveis em todo o território nacional. tural;
Presidência da República o planejamento plurianual de rodadas contribui para o pla-
. Art. 2o Criar o Comitê Técnico Integrado para o Desen-
volvimento do Mercado de Combustíveis, demais Derivados de Pe- nejamento dos operadores do setor em seus portfólios globais e para
DESPACHOS DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA tróleo e Biocombustíveis - CT-CB, com os objetivos de: a aquisição de novos dados e realização de estudos, valorizando os
recursos da União; e
MENSAGEM I - avaliar a implementação das propostas apresentadas na
iniciativa "Combustível Brasil"; a incorporação de reservas decorrentes dos resultados de
o-
N 258, de 24 de julho de 2017. Encaminhamento ao Congresso pesquisas exploratórias de petróleo e gás natural ocorre após ciclo de
Nacional do texto da Medida Provisória nº 787, de 24 de julho de II - apresentar ao Ministério de Minas e Energia proposição maturação de longa duração; resolve:
2017. de ações e medidas necessárias ao aprimoramento do marco legal do
setor; e Art. 1o Fica autorizada a Agência Nacional de Petróleo, Gás
N o- 259, de 24 de julho de 2017. Encaminhamento ao Congresso Natural e Biocombustíveis - ANP a modificar as áreas selecionadas
Nacional do texto da Medida Provisória nº 788, de 24 de julho de III - propor ações e medidas destinadas ao desenvolvimento
2017. para oferta nas rodadas de licitações previstas para os anos de 2018 e
do mercado de combustíveis, demais derivados de petróleo e biocom- 2019, conforme estabelecido na Resolução CNPE no 10, de 11 de
bustíveis, em consonância com as diretrizes estabelecidas no art. 1o. abril de 2017, da seguinte forma:
MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA
Parágrafo único. O Comitê, de que trata o caput, deverá I - incluir blocos da Bacia de Sergipe-Alagoas (setores
Exposição de Motivos
observar o alinhamento de suas propostas com outras iniciativas e SSEAL-AUP1 e SSEAL-AUP2) e da Bacia de Pernambuco-Paraíba
No 47, de 8 de junho de 2017. Resolução no 15, de 8 de junho de programas do setor energético, em especial o de desenvolvimento da
(setor SPEPB-AP3) na Décima Quinta Rodada de Licitações de blo-
2017, do Conselho Nacional de Política Energética - CNPE. Aprovo. oferta de biocombustíveis.
cos exploratórios;
Em 24 de julho de 2017.
Art. 3o O CT-CB será integrado por titulares e suplentes dos
seguintes Órgãos e Entidades: II - incluir blocos da Bacia de Campos (setor SC-AP5) na
CONSELHO NACIONAL DE POLÍTICA ENERGÉTICA - CNPE Décima Quinta Rodada de Licitações, excluindo-os da Décima Sexta
RESOLUÇÃO No 15, DE 8 DE JUNHO DE 2017 I - Ministério de Minas e Energia, que o coordenará; Rodada de Licitações de blocos exploratórios;

Estabelece diretrizes estratégicas para o de- II - Casa Civil da Presidência da República; III - incluir blocos da Bacia de Campos (setor SC-AP4) na
senvolvimento do mercado de combustí- Décima Sexta Rodada de Licitações, no ano de 2019, excluindo-os da
veis, demais derivados de petróleo e bio- III - Secretaria Especial do Programa de Parceria de In- Décima Quinta Rodada de Licitações de blocos exploratórios; e
combustíveis, com o objetivo de embasar a vestimentos da Secretaria-Geral da Presidência da República;
proposição de medidas que contribuam para IV - ampliar para sul a área do prospecto de Uirapuru, na
a garantia do abastecimento nacional, e dá IV - Ministério da Fazenda; Bacia de Santos, visando à avaliação dos parâmetros técnicos e eco-
outras providências. nômicos para sua oferta na Quarta Rodada de Licitações de blocos
V - Ministério do Meio Ambiente; sob o Regime de Partilha de Produção, no ano de 2018.
O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE PO-
LÍTICA ENERGÉTICA - CNPE, no uso de suas atribuições, tendo VI - Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão; Art. 2o Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação.
em vista o disposto no art. 2o, incisos I e IX, da Lei no 9.478, de 6
agosto de 1997, no art. 1o, inciso I, alíneas "a", "e", "i" e "j", do VII - Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil;
Decreto no 3.520, de 21 de junho de 2000, no art. 14, caput, do FERNANDO COELHO FILHO
Regimento Interno, aprovado pela Resolução no 7, de 10 de no- VIII - Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento;
vembro de 2009, o que consta do Processo no 48380.000153/2017-11, CASA CIVIL
e considerando que IX - Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços; INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO
são princípios e objetivos da Política Energética Nacional X - Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis;
E REFORMA AGRÁRIA
garantir o fornecimento de derivados de petróleo em todo o território
nacional; proteger os interesses do consumidor quanto a preço, qua- XI - Empresa de Pesquisa Energética; e RETIFICAÇÃO
lidade e oferta dos produtos; promover a livre concorrência; atrair
investimentos para a produção de energia; ampliar a competitividade XII - Conselho Administrativo de Defesa Econômica. No art. 1º da Portaria/INCRA/P/Nº 446, de 20 de julho de
do País no mercado internacional, entre outros definidos no art. 1o da 2017, publicada no DOU nº 139 do dia seguinte, Seção 1, pág. 1,
Lei no 9.478, de 6 de agosto de 1997; § 1o O CT-CB poderá convidar especialistas e representantes onde se lê..." entre 1º de maio de 2016 e 30 de abril de 2017."..."
as ações em curso no âmbito da iniciativa "Combustível de outros órgãos e entidades, bem como da sociedade civil e as- leia-se..."entre 1º de maio de 2017 e 30 de abril de 2018."..."
Brasil" têm como objetivo propor medidas que estimulem a entrada sociações para participar de reuniões e prestar assessoramento sobre
de novos agentes econômicos no setor de combustíveis, biocom- temas específicos. SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO ACRE
bustíveis e demais derivados de petróleo, bem como promover a livre
concorrência; § 2o As despesas relativas à participação dos membros do
RETIFICAÇÃO
CT-CB serão custeadas pelos Órgãos e Entidades que representam.
o aprimoramento do ambiente regulatório estimula a com- Na Retificação da Portaria/INCRA/SR.14/Nº 18, de 09 de ju-
petição e favorece os investimentos para o mercado de combustíveis, Art. 4o O CT-CB submeterá ao CNPE, a cada Reunião Or-
dinária do Conselho, relatório de atividades e planos de trabalho es- nho de 2005, publicada no DOU nº 66, de 5 de abril de 2017, Seção 1,
biocombustíveis e demais derivados de petróleo, além de consolidar a
lógica empresarial de abastecimento nacional; e pecíficos semestrais para o alcance dos objetivos previstos no art. 2o. pág. 3, que criou o Projeto de Assentamento PA João Batista, SIPRA
AC0118000, município de Sena Madureira/AC, onde se lê: "...com área
a prática de preços livres fortalece a concorrência, bem como Art. 5o Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. de 3.980,2581 (três mil novecentos e oitenta hectares, vinte cinco ares e
propicia segurança e confiança necessárias para incentivar investi- oitenta e um centiares)"..., leia-se:"...3.960,2534 (três mil novecentos e
mentos privados, resolve: FERNANDO COELHO FILHO sessenta hectares, vinte e cinco ares e trinta e quatro centiares.

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html, Documento assinado digitalmente conforme MP n o- 2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
pelo código 00012017072500010 Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
Nº 141, terça-feira, 25 de julho de 2017 1 ISSN 1677-7042 11
SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL EM GOIÁS Art. 4º. Providenciar a comunicação à Prefeitura Municipal a NA PORTARIA/INCRA/SR-12//Nº00048 de 19/01/1987 que
criação deste Projeto de Assentamento para a inclusão das famílias no criou o Projeto de Assentamento denominado PA CLEMENTE CA-
o-
PORTARIA N 19, DE 24 DE JULHO DE 2017 Cadastro Único para Programas Sociais (CadÚnico); JAZEIRAS localizado no município de Barra do Corda Código SI-
PRA MA0011000 publicado no DOU de 22/01/1987 onde se lê
O SUPERINTENDENTE REGIONAL DO INCRA NO Art. 5º. Esta portaria entre em vigor na data de sua pu- 11.285,4202ha(onze mil, duzentos e oitenta e cinco hectares, quarenta
blicação no Diário Oficial da União. e dois ares, dois centiares leia-se 11.520,1614 ha (onze mil, qui-
ESTADO DE GOIÁS, no uso das incumbências que lhe são con- nhentos e vinte hectares, dezesseis ares, catorze centiares).
feridas pelo inciso VIII do artigo 130 do Regimento Interno do
INCRA, aprovado pela Portaria /INCRA/P/Nº 49 de 31 de janeiro de EURIPEDES MALAQUIAS DE SOUZA NA PORTARIA/INCRA/SR-12//Nº80 de 12/12/2000 que
2017, publicada no DOU nº 23 de 1º de fevereiro de 2017. criou o Projeto de Assentamento denominado PCA BATALHA lo-
SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO MARANHÃO calizado no município de Amarante do Maranhão Código SIPRA
Considerando a necessidade de dar destinação ao imóvel MA0539000 publicado no DOU de 28/12/2000 onde se lê
rural denominado Fazenda Bom Jesus/Brejão, com área de 750,5941 RETIFICAÇÕES 237,0335ha (duzentos e trinta e sete hectares, três ares, trinta e cinco
(Setecentos e cinquenta hectares, cinquenta e nove ares e quarenta e centiares) leia-se 220,6393ha (duzentos e vinte hectares, sessenta e
um centiares), localizado no município de Arenópolis, Estado de NA PORTARIA/INCRA/SR-12//Nº55 de 10/10/2000 que três ares, noventa e três centiares).
Goiás, declarado de interesse social para fins de reforma agraria pelo criou o Projeto de Assentamento denominado PA CIT NOVO HO-
NA PORTARIA/INCRA/SR-12//Nº67 de 2/09/2002 que
Decreto de 18 de outubro de 2005, cuja imissão na posse se deu em RIZONTE localizado no município de Codó Código SIPRA criou o Projeto de Assentamento denominado PA CUTIA BAIUNA
17 de março de 2017,em conformidade com o registro contábil no MA0522000 publicado no DOU de 26/10/2000 onde se lê localizado no município de Turiaçu Código SIPRA MA0651000 pu-
Sistema de Gerenciamento dos Imoveis de uso especial da União - 8.252,3680ha (oito mil, duzentos e cinquenta e dois hectares, trinta e blicado no DOU de 13/09/2002 onde se lê 5.263,0133ha (cinco mil,
SIPIUnet, conta 12321.01.00 - status"em processo de incorporação. seis ares, oitenta centiares) leia-se 8.118,0606ha (oito mil, cento e duzentos e sessenta e três hectares, um ares, trinta e três centiares)
dezoito hectares, seis ares, seis centiares). leia-se 5.465,3183ha (cinco mil, quatrocentos e sessenta e cinco hec-
Considerando que os órgãos técnicos específicos desta Su- tares, trinta e um ares, oitenta e três centiares).
perintendência Regional procederam a análise do processo adminis- NA PORTARIA/INCRA/SR-12//Nº106 de 3/11/1999 que
trativo INCRA Nº 54150.000158/2005-16 e decidiram pela regula- criou o Projeto de Assentamento denominado PA CASTANHA lo- NA PORTARIA/INCRA/SR-12//Nº00083 de 31/12/2004 que
ridade da proposta, de acordo com os atos normativos que regu- calizado no município de Buriti Bravo Código SIPRA MA0442000 criou o Projeto de Assentamento denominado PA LAGOA DO FRIO,
lamentam a matéria, resolve: publicado no DOU de 8/11/1999 onde se lê 4.250,0000ha (quatro mil, localizado no município de Buriti Bravo Código SIPRA MA0863000
duzentos e cinquenta hectares) leia-se 4.441,4519ha (quatro mil, qua- publicado no DOU de 11/01/2005 onde se lê 3.204,2827ha (três mil,
duzentos e quatro hectares, vinte e oito ares, vinte e sete centiares)
Art. 1º. Aprovar a proposta de destinação para assentamento trocentos e quarenta e um hectares, quarenta e cinco ares, dezenove leia-se 3.154,7115ha (três mil, cento e cinquenta e quatro hectares,
de trabalhadores rurais do imóvel acima citado que prevê a criação de centiares). setenta e um ares, quinze centiares).
49 (quarenta e nove) unidades agrícolas familiares tendo em vista
Laudo de Vistoria e Avaliação - LVA; NA PORTARIA/INCRA/SR-12//Nº74 de 14/10/1997 que NA PORTARIA/INCRA/SR-12//Nº59 de 19/10/2000 que
criou o Projeto de Assentamento denominado PA CAXIXI, localizado criou o Projeto de Assentamento denominado PA CHICO MENDES/
Art. 2º. Determinar à Divisão de Ordenamento da Estrutura no município de Tuntun Código SIPRA MA0202000 publicado no BANANEIRAS localizado no município de Bom Jesus das Selvas
Fundiária SR-04/F desta Superintendência Regional a atualização ca- DOU de 15/10/1997 onde se lê 3.000,0000ha (três mil hectares) leia- Código SIPRA MA0502000 publicado no DOU de 01/11/2000 onde
dastral do imóvel no Sistema Nacional de Cadastro Rural (SNCR) e se 2.838,2167ha (dois mil, oitocentos e trinta e oito hectares, vinte e se lê 5.180,6543ha (cinco mil, cento e oitenta hectares, sessenta e
inclusão do arquivo gráfico relativo ao seu perímetro na base de um ares, sessenta e sete centiares). cinco ares, quarenta e três centiares) leia-se 5.706,1369ha (cinco mil,
dados cartográficos; setecentos e seis hectares, treze ares, sessenta e nove centiares).
NA PORTARIA/INCRA/SR-12//Nº153 de 28/11/1999 que
Art. 3º. Criar o Projeto de Assentamento ELTON JOSÉ DA criou o Projeto de Assentamento denominado PA CAJUEIRO I lo- NA PORTARIA/INCRA/SR-12//Nº13 de 23/04/2007 que
criou o Projeto de Assentamento denominado PA CRISTINA ALVES
SILVA, código SIPRA nº GO0443000, com área de 750,5941 (Se- calizado no município de Amarante do Maranhão Código SIPRA localizado nos municípios de Itapecuru Mirim e Cantanhede Código
tecentos e cinquenta hectares, cinquenta e nove ares e quarenta e um MA0483000 publicado no DOU de 30/12/1999 onde se lê SIPRA MA0855000 publicado no DOU de 2/05/2007 onde se lê
centiares), localizado no município de Arenópolis, Estado de Goiás, a 1.295,5652ha (um mil, duzentos e noventa e cinco hectares, cinquenta e 4.728,5290ha (quatro mil, setecentos e vinte hectares, cinquenta e
ser implantado por esta Superintendência Regional, com articulação seis ares, cinquenta e dois centiares) leia-se 1.450,0143ha (um mil, dois ares, noventa centiares) leia-se 4.791,1331ha (quatro mil, se-
com as Diretorias desta Instituição; quatrocentos e cinquenta hectares, um ares, quarenta e três centiares). tecentos e noventa e um hectares, treze ares, trinta e um centiares).

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html, Documento assinado digitalmente conforme MP n o- 2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
pelo código 00012017072500011 Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
12 ISSN 1677-7042 1 Nº 141, terça-feira, 25 de julho de 2017

§1° O DSA enviará o relatório preliminar de auditoria re- 02. Motivo da solicitação: Registro (29/05/2017)
Ministério da Agricultura, visado ao ente auditado, definindo prazo para que este apresente as Requerente: Adama Brasil S.A.
considerações cabíveis. Marca comercial: Protioconazol Técnico Adama Brasil
Pecuária e Abastecimento § 2° Após a avaliação das considerações da parte auditada, o Nome comum: Protioconazole
. DSA enviará o relatório final de auditoria. Nome químico (RS)-2-[2-(1-chlorocyclopropy)-3-(2-chloro-
Art. 10. Os relatórios finais de auditoria serão divulgados phenyl)-2-hydroxypropyl]-2,4-dihydro-1,2,4-triazole-3-thione
SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA pelo MAPA em observância ao preceito geral da publicidade e em Classe de uso: Fungicida
consonância com a legislação de acesso à informação. Indicação de uso pretendido: Registro de produto técnico equivalente
INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 27, DE 17 DE JULHO DE 2017 Art. 11. O ente auditado deverá elaborar e apresentar o plano Processo nº: 21000.023785/2017-15
de ações corretivas específico para os achados e recomendações des- 03. Motivo da solicitação: Registro (18/05/2017)
O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MI- critos no relatório final de auditoria. Requerente: Cross Link Consultoria e Comércio Ltda.
NISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMEN- §1° Após recebimento e avaliação, pela respectiva Supe- Marca comercial: Imidan GQ Técnico
TO, no uso das atribuições que lhe conferem os artigos 18 e 53 do rintendência Federal de Agricultura, Pecuária e Abastecimento - SFA Nome comum: Fosmete
Anexo do Decreto nº 8.852, de 20 de setembro de 2016, tendo em e pelo DSA, do plano de ações corretivas apresentado pelo órgão
auditado, a SFA executará plano de supervisões para verificação do Nome químico: O,O-dimethyl S-phthalimidomethyl phos-
vista o disposto nos artigos 27-A a 29-A da Lei nº 8.171, de 17 de phorodithioate
janeiro de 1991, no Decreto nº 5.741, de 30 de março de 2006, na seu cumprimento.
§ 2° A apresentação do plano de ações nos prazos esta- Classe de uso: Inseticida
Instrução Normativa nº 14, de 12 de maio de 2017, e o que consta do Indicação de uso pretendido: Registro de produto técnico equivalente
processo 21000.010833/2017-13, resolve: belecidos e a efetiva implementação do plano aprovado constituirão
requisitos para o repasse de recursos do MAPA aos órgãos estaduais Processo nº: 21000.023715/2017-67
Art. 1º Fica implementado o Programa de Avaliação da Qua- de sanidade agropecuária. 04. Motivo da solicitação: Registro (25/05/2017)
lidade e Aperfeiçoamento dos Serviços Veterinários Oficiais das ins- Art. 12. Os Superintendentes Federais de Agricultura de to- Requerente: Cropchem Ltda.
tâncias do Sistema Unificado de Atenção à Sanidade Agropecuária e das as UFs deverão designar em ato formal, no prazo de até 60 Marca comercial: Teflubenzurom Técnico Cropchem
suas diretrizes gerais no âmbito da saúde animal - Quali-SV, na forma (sessenta) dias após a entrada em vigor desta Instrução Normativa, Nome comum: Teflubenzurom
desta Instrução Normativa. um AFFA e seu suplente, lotados na área de saúde animal, para Nome químico: 1-(3,5-dichloro-2,4-difluorophenyl)-3-(2,6-
§1° Para efeito desta Instrução Normativa, o Serviço Ve- atuação como ponto focal do Quali-SV na respectiva UF. difluorobenzoyl)urea
terinário Oficial - SVO é formado pelos setores das instituições go- Parágrafo único. São responsabilidades do ponto focal: Classe de uso: Inseticida
vernamentais que executam procedimentos e prestam serviços re- I - avaliar os dados e indicadores de qualidade do SVO de Indicação de uso pretendido: Registro de produto técnico equivalente
lacionados à saúde animal, como o Ministério da Agricultura, Pe- sua UF de lotação e promover intercâmbio de informações rela- Processo nº: 21000.023384/2017-65
cuária e Abastecimento - MAPA, representando a instância central e cionadas ao tema com as partes interessadas; 05. Motivo da solicitação: Registro (26/05/2017)
superior, e os órgãos estaduais de sanidade agropecuária, represen- II - apoiar as ações para realização de auditorias em saúde Requerente: Nortox S.A.
tando as instâncias intermediárias e locais. animal de sua UF; Marca comercial: Bifentrina Técnica Nortox II
§2° O Departamento de Saúde Animal da Secretaria de De- III - acompanhar a equipe auditora, quando em sua UF de Nome comum: Bifentrina
fesa Agropecuária do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abas- lotação; Nome químico: 2-methylbiphenyl-3-ylmethyl (Z)-
tecimento - DSA/SDA/MAPA, com base em suas atribuições e com- IV - orientar a elaboração e avaliar os planos de ação apre- (1RS,3RS)-3-(2-chloro-3,3,3-trifluoroprop-1-enyl)-2,2-dimethylcyclo-
petências, deverá, por meio da Coordenação de Avaliação e Aper- sentados pelo Serviço Veterinário Estadual - SVE de sua UF de propanecarboxylate
feiçoamento dos Serviços Veterinários - CASV/CGPZ, estabelecer e lotação, em atendimento às recomendações e achados de auditoria; Classe de uso: Inseticida
coordenar as metodologias, procedimentos e atividades do progra- V - articular e promover, em conjunto com a área técnica da Indicação de uso pretendido: Registro de produto técnico
ma. SFA, a programação e realização de supervisões para seguimento dos equivalente
§3° As instâncias do SVO serão avaliadas, por Unidade planos de ação;
VI - atender às demandas do DSA relacionadas ao Quali-SV Processo nº: 21000.023614/2017-96
Federativa - UF, mediante monitoramento de indicadores e avaliações 06. Motivo da solicitação: Registro (26/05/2017)
presenciais, com auditorias e supervisões. de sua UF de lotação, bem como manter o Departamento informado
acerca do tema; e Requerente: Agro-Lead Brasil Assessoria em Produtos Agrí-
Art. 2º O monitoramento de indicadores de qualidade será VII - elaborar e enviar ao DSA relatórios periódicos re- colas Ltda
realizado a partir de análises de bancos de dados do próprio SVO e de ferentes às supervisões realizadas pela área técnica da SFA, rela- Marca comercial: Dicamba Técnico AgroLead
outras instituições, devendo ser publicado e divulgado periodicamente cionados ao Quali-SV de sua UF de lotação. Nome comum: Dicamba
por meio de relatórios elaborados pelo DSA. Art. 13. Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de Nome químico: 3,6-dichloro-o-anisic acid
Parágrafo único. O DSA editará manual contendo as me- sua publicação. Classe de uso: Herbicida
todologias e procedimentos para o monitoramento de indicadores da Indicação de uso pretendido: Registro de produto técnico
qualidade do SVO. LUIS EDUARDO PACIFICI RANGEL equivalente
Art. 3º As auditorias e supervisões do sistema serão re- Processo nº: 21000.023448/2017-28
gulares, de acordo com programação estabelecida, ou esporádicas, SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO 07. Motivo da solicitação: Registro (25/05/2017)
visando atender a situações de justificado interesse. Requerente: Genbra Distribuidora de Produtos Agrícolas Lt-
Parágrafo único. O DSA divulgará a programação do ciclo DE CULTIVARES da.
de auditorias para o ano subsequente. Marca comercial: Indoxacarbe Técnico Genbra
Art. 4º Os órgãos estaduais de sanidade agropecuária serão DECISÃO N o- 43, DE 24 DE JULHO DE 2017
Nome comum: Indoxacarbe
avaliados nas auditorias presenciais quanto aos seguintes componen- Nome químico: methyl (S)-N-[7-chloro-2,3,4a,5-tetrahydro-
tes fundamentais: O Serviço Nacional de Proteção de Cultivares, em cum-
primento ao disposto no § 7° do art. 18 da Lei n° 9.456, de 25 de 4a-(methoxycarbonyl)indeno[1,2-e][1,3,4]oxadiazin-2-ylcarbonyl]-4'-
I - recursos humanos, físicos e financeiros; abril de 1997 e pelo Decreto n° 2.366, de 5 de novembro de 1997, (trifluoromethoxy)carbanilate
II - autoridade, capacidade técnica e operacional; DEFERE os pedidos de proteção de cultivar das espécies relacio- Classe de uso: Cupinicida, Formicida e Inseticida
III - interação com as partes interessadas; e nadas: Indicação de uso pretendido: Registro de produto técnico
IV - capacidade para acesso a mercados. equivalente
§1° Os componentes fundamentais da avaliação serão des- Espécie Denominação da Cultivar N° do Protocolo Processo nº: 21000.023386/2017-54
critos e avaliados como competências críticas com base em ferra- Malus Mill. G 41 21806.000021/2011-91 08. Motivo da solicitação: Registro (11/05/2017)
menta metodológica elaborada pelo DSA. Vitis L. IFG 68175 21806.000210/2011-63 Requerente: Stockton - Agrimor do Brasil Ltda.
§2° Para cada competência crítica avaliada, poderão ser apre- Glycine max (L.) Merr. 5D600RR 21806.000113/2014-13 Marca comercial: Cletodim Técnico STK
Glycine max (L.) Merr. RB975242 21806.000199/2015-65
sentadas recomendações, as quais serão objeto de planos de ações Glycine max (L.) Merr. DS5916IPRO 21806.000079/2016-49
Nome comum: Cletodim
corretivas a serem implementados pelos órgãos avaliados. Glycine max (L.) Merr. CD 2591IPRO 21806.000081/2016-18 Nome químico: (RS)-2-[(E)-1-[(E)-3-chloroallyloxyimi-
§3° O DSA editará manual que estabelecerá as metodologias Glycine max (L.) Merr. CZ48B50LL 21806.000159/2016-02 no]propyl]-5-[2-(ethylthio)propyl]-3-hydroxycyclohex-2-en-1-one
e procedimentos para auditorias e supervisões dos serviços veteri- Glycine max (L.) Merr. AS 3590IPRO 21806.000170/2016-64 Classe de uso: Herbicida
nários. Glycine max (L.) Merr. M5838IPRO 21806.000171/2016-17 Indicação de uso pretendido: Registro de produto técnico
Art. 5º As representações do MAPA nas UFs serão avaliadas Kalanchoe Adans. MERCEDESQ2 21806.000200/2016-32 equivalente
no âmbito da saúde animal por metodologia definida pelo DSA. Triticum aestivum L. TBIO Consistência 21806.000021/2017-86 Processo nº: 21000.023011/2017-94
Art. 6º As equipes de auditorias serão compostas por mé- Fica aberto o prazo de 60 (sessenta) dias para recurso, con- 09. Motivo da solicitação: Registro (31/05/2017)
dicos veterinários Auditores Fiscais Federais Agropecuários - AFFAs tados da publicação desta. Requerente: BIORISK- Assessoria e Comércio de Produtos
do MAPA, devidamente capacitados e designados por ato normativo Agrícolas Ltda.
específico da Secretaria de Defesa Agropecuária - SDA. RICARDO ZANATTA MACHADO Marca comercial: Cyproconazole Técnico Biorisk
§1° Cada equipe será formada por, no mínimo, dois auditores Coordenador Nome comum: Cyproconazole
indicados pelo DSA, sendo que os trabalhos de auditoria terão prio- Nome químico: (2RS,3RS;2RS,3SR)-2-(4-chlorophenyl)-3-
ridade sobre outras atividades dos AFFAs designados para o quadro cyclopropyl-1-(1H-1,2,4-triazol-1-yl)butan-2-ol
auditores do Quali-SV. DEPARTAMENTO DE FISCALIZAÇÃO DE Classe de uso: Fungicida
§2° A depender do grau de complexidade e da amostragem Indicação de uso pretendido: Registro de produto técnico
necessária, a auditoria poderá ser realizada simultaneamente por mais INSUMOS AGRÍCOLAS equivalente
de uma equipe. COORDENAÇÃO-GERAL DE AGROTÓXICOS Processo nº: 21000.024265/2017-20
§3° O DSA poderá convidar especialistas de outros setores E AFINS 10. Motivo da solicitação: Registro (31/05/2017)
do MAPA ou de outras instituições, com reconhecida capacidade Requerente: CCAB Agro S.A.
técnica em áreas de interesse, para acompanhar, apoiar ou assistir a Marca comercial: Diclosulam Técnico CCAB
equipe de auditora. ATO Nº 56, DE 12 DE JULHO DE 2017
Nome comum: Diclosulam
Art. 7º A duração e o roteiro da auditoria, em cada unidade Nome químico: N-(2,6-dichlorophenyl)-5-ethoxy-7-fluo-
federativa, serão definidos pelo DSA, buscando eficiência e qualidade Resumo dos pedidos de registro, atendendo os dispositivos ro[1,2,4]triazolo[1,5-c]pyrimidine-2-sulfonamide
e considerando critérios, tais como: a logística e extensão territorial, legais do artigo 14 do Decreto n. 4074, de 04 de janeiro de 2002, que Classe de uso: Herbicida
a complexidade técnica e a amostragem para a avaliação. regulamenta a Lei nº 7.802, de 11 de julho de 1989. Indicação de uso pretendido: Registro de produto técnico
Art. 8º Os auditores designados para as auditorias ficarão à 01. Motivo da solicitação: Registro (26/05/2017) equivalente
disposição do DSA nos 3 (três) dias úteis que antecedem à atividade, Requerente: Helm do Brasil Mercantil Ltda. Processo nº: 21000.024235/2017-13
para se dedicarem às ações preparatórias, e nos 3 (três) dias úteis Marca comercial: Chlorfenapyr S Técnico Helm 11. Motivo da solicitação: Registro (31/05/2017)
seguintes, para a elaboração do relatório preliminar da auditoria. Nome comum: Chlorfenapyr Requerente: CCAB Agro S.A.
Parágrafo único. Os auditores deverão enviar o relatório pre- Nome químico: 4-bromo-2-(4-chlorophenyl)-1-ethoxyme- Marca comercial: Flumioxazin Técnico CCAB
liminar, de acordo com os padrões estabelecidos, em até 30 (trinta) Nome comum: Flumioxazin
dias após a conclusão da auditoria. thyl-5-(trifluoromethyl)pyrrole-3-carbonitrile Nome químico: N-(7-fluoro-3,4-dihydro-3-oxo-4-prop-2-
Art. 9º O DSA, por meio da CASV/CGPZ, deverá, pre- Classe de uso: Acaricida e Inseticida ynyl-2H-1,4-benzoxazin-6-yl)cyclohex-1-ene-1,2-dicarboxamide
viamente ao envio aos entes auditados, proceder à revisão do re- Indicação de uso pretendido: Registro de produto técnico Classe de uso: Herbicida
latório, a fim de adequar aos padrões e critérios estabelecidos, man- equivalente Indicação de uso pretendido: Registro de produto técnico equivalente
tendo, para tanto, interação com os auditores. Processo nº: 21000.023962/2017-63 Processo nº: 21000.024238/2017-57

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html, Documento assinado digitalmente conforme MP n o- 2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
pelo código 00012017072500012 Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
Nº 141, terça-feira, 25 de julho de 2017 1 ISSN 1677-7042 13
12. Motivo da solicitação: Registro (19/05/2017) 22. Motivo da solicitação: Registro (01/07/2017) - Temperatura Média das Máximas na fase de Floração/En-
Requerente: BRA Defensivos Agrícolas Ltda. Requerente: Basf S.A. chimento de Grãos ≤ 35ºC.
Marca comercial: Mancozebe Técnico BRA Marca comercial: Inscalis Técnico Foram indicados os municípios que apresentaram em, pelo
Nome comum: Mancozebe Nome comum: Afidopyropen menos, 20% de sua área condições climáticas dentro dos critérios
Nome químico: manganese ethylenebis(dithiocarbamate) Nome químico: [(3S,4R,4aR,6S,6aS,12R,12aS,12bS)-3-(cy- adotados em, no mínimo, 80% dos anos avaliados.
(polymeric) complex with zinc salt clopropylcarbonyloxy)-1,2,3,4,4a,5,6,6a,12a,12b-decahydro-6,12- 2. TIPOS DE SOLOS APTOS AO CULTIVO
Classe de uso: Acaricida e Fungicida dihydroxy-4,6a,12b-trimethyl-11-oxo-9-(3-pyridyl)-11H,12H-ben- São aptos ao cultivo de arroz de sequeiro no Estado os solos
Indicação de uso pretendido: Registro de produto técnico zo[f]pyrano[4,3-b]chromen-4-yl]methyl cyclopropanecarboxylate dos tipos 1, 2 e 3, observadas as especificações e recomendações
equivalente Classe de uso: Inseticida contidas na Instrução Normativa nº 2, de 9 de outubro de 2008.
Processo nº: 21000.024269/2017-16 Indicação de uso pretendido: Registro de produto técnico Não são indicadas para o cultivo:
13. Motivo da solicitação: Registro (31/05/2017) equivalente - áreas de preservação permanente, de acordo com a Lei
Requerente: Sinon do Brasil Ltda Processo nº: 21000.031844/2016-48 12.651, de 25 de maio de 2012;
Marca comercial: Tiametoxam Técnico Sinon - áreas com solos que apresentam profundidade inferior a 50
Nome comum: Tiametoxam CARLOS RAMOS VENÂNCIO cm ou com solos muito pedregosos, isto é, solos nos quais calhaus e
Nome químico: 3-(2-chloro-1,3-thiazol-5-ylmethyl)-5-me- Coordenador-Geral matacões ocupem mais de 15% da massa e/ou da superfície do ter-
thyl-1,3,5-oxadiazinan-4-ylidene(nitro)amine reno.
Classe de uso: Inseticida SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA 3. TABELA DE PERÍODOS DE SEMEADURA
Indicação de uso pretendido: Registro de produto técnico
equivalente PORTARIA Nº 21, DE 21 DE JULHO DE 2017 Períodos 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12
Processo nº: 21000.024359/2017-07 Datas 1º 11 21 1º 11 21 1º 11 21 1º 11 21
a a a a a a 28 a a a a a a
14. Motivo da solicitação: Registro (31/05/2017) O SECRETÁRIO DE POLÍTICA AGRÍCOLA, no uso de 10 20 31 10 20 10 20 31 10 20 30
Requerente: Genbra Distribuidora de Produtos Agricolas Lt- suas atribuições e competências estabelecidas pelo Decreto nº 8.701, Meses Janeiro Fevereiro Março Abril
da. de 31 de março de 2016, publicado no Diário Oficial da União de 1º
Marca comercial: Acetamipride Técnico Genbra de abril de 2016, e observado, no que couber, o contido nas Ins-
Nome comum: Acetamipride truções Normativas nº 2, de 9 de outubro de 2008, publicada no Períodos 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24
Nome químico: (E)-N1-[(6-chloro-3-pyridyl)methyl]-N2- Diário Oficial da União de 13 de outubro de 2008, da Secretaria de Datas 1º 11 21 1º 11 21 1º 11 21 1º 11 21
cyano-N1-methylacetamidine Política Agrícola, e nº 18, de 12 de maio de 2016, publicada no a a a a a a a a a a a a
Classe de uso: Inseticida Diário Oficial da União de 13 de maio de 2016, do Ministério da 10 20 31 10 20 30 10 20 31 10 20 31
Indicação de uso pretendido: Registro de produto técnico Meses Maio Junho Julho Agosto
Agricultura, Pecuária e Abastecimento, resolve:
equivalente Art. 1º Aprovar o Zoneamento Agrícola de Risco Climático
Processo nº: 21000.024376/2017-36 para a cultura de arroz de sequeiro no Estado de Tocantins, ano-safra Períodos 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36
15. Motivo da solicitação: Registro (19/05/2017) 2017/2018, conforme anexo. Datas 1º 11 21 1º 11 21 1º 11 21 1º 11 21
Requerente: Adama Brasil S.A. Art. 2º Esta Portaria tem vigência específica para o ano-safra a 10 a a a a a a a a a a a
Marca comercial: Etefom Técnico Adama definido no art. 1º e entra em vigor na data de sua publicação. 20 30 10 20 31 10 20 30 10 20 31
Nome comum: Etefom Meses Setembro Outubro Novembro Dezembro
Nome químico: 2-chloroethylphosphonic acid NERI GELLER
Classe de uso: Regulador de crescimento 4. CULTIVARES INDICADAS
Indicação de uso pretendido: Registro de produto técnico ANEXO Para efeito de indicação dos períodos de plantio, as cul-
equivalente tivares indicadas pelos obtentores/mantenedores para o Estado, foram
Processo nº: 21000.022513/2017-06 1. NOTA TÉCNICA agrupadas conforme a seguir especificado.
16. Motivo da solicitação: Registro (19/05/2017) O Estado de Tocantins cultivou, na safra 2016/2017, uma GRUPO I
Requerente: Adama Brasil S.A. área de 27,3 mil hectares de arroz (Oriza Sativa L.) com uma pro- AGRO NORTE SEMENTES: AN Cambará, ANa 9001, ANa
Marca comercial: Metamitrona Técnico Milenia dução de 55,6 mil toneladas, conforme dados do levantamento da 7007, ANa 8001, ANa 5015, ANa 6005, ANa 7211, ANa 8111 e
Nome comum: Metamitrona CONAB de julho de 2017. ANa9011;
Nome químico: 4-amino-4,5-dihydro-3-methyl-6-phenyl- Os principais elementos climáticos que influenciam a cultura EMBRAPA ARROZ E FEIJÃO - CNPAF: BRS Pepita, BRS
1,2,4-triazin-5-one or 4-amino-3-methyl-6-phenyl-1,2,4-triazin-5(4H)- do arroz são a temperatura do ar, o fotoperíodo e a precipitação Primavera, BRS Sertaneja e BRSGO Serra Dourada.
one pluvial. GRUPO II
Classe de uso: Herbicida A temperatura do ar influencia o crescimento, o desenvol- EMBRAPA ARROZ E FEIJÃO - CNPAF: BRS Bonança,
Indicação de uso pretendido: Registro de produto técnico vimento e a produtividade da cultura e seu impacto varia conforme a BRS Esmeralda e BRS Monarca.
equivalente fase fenológica. As faixas de temperatura ótima variam de 20ºC a Com base nas informações prestadas pelos obtentores/man-
Processo nº: 21000.022516/2017-31 35ºC, sendo de 30ºC a 33ºC para a floração e de 20ºC a 25ºC para tenedores, não existem cultivares de arroz indicadas para o cultivo no
17. Motivo da solicitação: Registro (12/06/2017) maturação. As fases mais sensíveis quanto à temperatura são as de Estado, com enquadramento no grupo III.
Requerente: Lemma - Consultoria e Apoio Administrativo pré-floração e floração. Notas:
Agronegocios, Importação e Exportação Ltda. O fotoperíodo, de um modo geral, não é um fator limitante 1) Informações específicas sobre as cultivares indicadas de-
Marca comercial: Mesotrione Técnico Sino Agri nas principais regiões produtoras do país e nas épocas tradicionais de vem ser obtidas junto aos respectivos obtentores/mantenedores.
Nome comum: Mesotrione cultivo. 2) Devem ser utilizadas no plantio sementes produzidas em
Nome químico: 2-(-4-mesly-2-nitrobenzoyl) cyclohexane-1, A produção do arroz em regime de sequeiro é dependente do conformidade com a legislação brasileira sobre sementes e mudas
3-dione regime pluvial, uma vez que ocorrência de estresses hídricos durante (Lei nº 10.711, de 5 de agosto de 2003, e Decreto nº 5.153, de 23 de
Classe de uso: Herbicida o ciclo e, em especial, no estádio de florescimento/enchimento dos agosto de 2004).
Indicação de uso pretendido: Registro de produto técnico grãos, pode comprometer grandemente a produtividade da cultura. 5. RELAÇÃO DOS MUNICÍPIOS APTOS AO CULTIVO E
equivalente Objetivou-se, com o zoneamento agrícola, identificar os mu- PERÍODOS INDICADOS PARA SEMEADURA
Processo nº: 21000.026678/2017-49 nicípios aptos e os períodos de plantio com menor risco climático
18. Motivo da solicitação: Registro (16/06/2017) para o cultivo do arroz de sequeiro no Estado. MUNICÍPIOS PERÍODOS DE SEMEADURA PARA CULTIVARES DO
Essa identificação foi realizada a partir de análises térmicas GRUPO I
Requerente: Cropchem Ltda.
SOLOS TIPOS 1 SOLOS TIPOS 2 SOLOS TIPOS 3
Marca comercial: Protioconazol Técnico Cropchem e hídricas. Na análise hídrica foi utilizado um modelo de balanço Abreulândia 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Nome comum: Protioconazol hídrico da cultura para períodos de dez dias. Aguiarnópolis 30 a 36 30 a 36 29 a 36
O balanço hídrico foi estimado com o uso das seguintes Aliança do Tocantins 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Nome químico: (RS)-2-[2-(1-chlorocyclopropy)-3-(2-chloro- variáveis climáticas e agronômicas: Almas 28 a 32 + 35 28 a 36 28 a 36
phenyl)-2-hydroxypropyl]-2,4-dihydro-1,2,4-triazole-3-thione a) precipitação pluviométrica: utilizadas séries com, no mí- Alvorada 28 a 32 28 a 36 28 a 36
Classe de uso: Fungicida nimo, 15 anos dados diários registrados nas 55 estações pluviomé- Ananás 30 a 31 + 34 a 36 30 a 36 28 a 36
Indicação de uso pretendido: Registro de produto técnico tricas disponíveis no Estado; Angico 30 a 32 + 35 a 36 30 a 36 28 a 36
equivalente b) evapotranspiração potencial - estimadas médias decendiais Aparecida do Rio Negro 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Processo nº: 21000.027080/2017-77 pelo método de Penmam-Monteith nas 6 estações climatológicas dis- Aragominas 28 a 36 28 a 36 28 a 36
19. Motivo da solicitação: Registro (16/06/2017) poníveis no Estado. Araguacema 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Requerente: Cropchem Ltda. c) coeficiente de cultura - utilizados dados obtidos expe- Araguaçu 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Marca comercial: Triclopir Técnico Cropchem rimentalmente e disponibilizados através da literatura reconhecida Araguaína 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Nome comum: Triclopir pela comunidade científica; Araguanã 30 a 36 28 a 36 28 a 36
Nome químico: butoxyethyl 3,5,6-trichloro-2-pyridyloxyacetate Araguatins 30 a 36 30 a 36 30 a 36
d) disponibilidade máxima de água no solo - estimada em
Classe de uso: Herbicida Arapoema 28 a 36 28 a 36 28 a 36
função da profundidade efetiva das raízes e da capacidade de água Arraias 28 a 31 28 a 32 + 35 a 36 28 a 36
Indicação de uso pretendido: Registro de produto técnico disponível dos solos. Consideraram-se os solos Tipo 1, 2 e 3, com Augustinópolis 30 a 36 30 a 36 30 a 36
equivalente capacidade de armazenamento de água de 30, 50 e 70 mm, res- Aurora do Tocantins 28 a 31 28 a 32 + 35 a 36 28 a 36
Processo nº: 21000.027082/2017-66 pectivamente; e Axixá do Tocantins 30 a 36 30 a 36 30 a 36
20. Motivo da solicitação: Registro (16/06/2017) e) ciclo e fase fenológica da cultura - Para efeito de si- Babaçulândia 30 a 36 28 a 36 28 a 36
Requerente: Cropchem Ltda. mulação foram consideradas as fases de germinação/emergência, cres- Bandeirantes do Tocan- 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Marca comercial: Clorotalonil Técnico Cropchem cimento/desenvolvimento, floração/enchimento de grãos e maturação tins
Nome comum: Clorotalonil fisiológica. As cultivares foram classificadas em três grupos de ca- Barra do Ouro 30 a 36 28 a 36 28 a 36
Nome químico: tetrachloroisophthalonitrile racterísticas homogêneas: Grupo I (n < 115 dias); Grupo II (115 dias Barrolândia 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Classe de uso: Fungicida ≤ n ≤ 130 dias); e Grupo III (n >130 dias), onde n expressa o número Bernardo Sayão 29 a 36 28 a 36 28 a 36
Indicação de uso pretendido: Registro de produto técnico de dias da emergência à maturação fisiológica. Bom Jesus do Tocantins 28 a 36 28 a 36 28 a 36
equivalente Brasilândia do Tocantins 28 a 36 28 a 36 28 a 36
As simulações do balanço hídrico foram realizadas para pe-
Brejinho de Nazaré 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Processo nº: 21000.027081/2017-11 ríodos decendiais. Consideraram-se os valores médios do Índice de Buriti do Tocantins 30 a 36 30 a 36 30 a 36
21. Motivo da solicitação: Registro (16/06/2017) Satisfação de Necessidade de Água - ISNA (expresso pela relação Cachoeirinha 30 a 36 30 a 36 28 a 36
Requerente: Cropchem Ltda. entre evapotranspiração real e evapotranspiração máxima - ETr/ETm), Campos Lindos 31 a 36 28 a 36 28 a 36
Marca comercial: Fluroxipir Técnico Cropchem por data de semeadura, fase fenológica e localização geográfica das Cariri do Tocantins 28 a 31 + 35 a 36 28 a 36 28 a 36
Nome comum: Fluroxipir estações pluviométricas e climáticas utilizadas. Carmolândia 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Nome químico: 1-methylheptylester (4-amino-3,5-dichloro- Foram adotados os seguintes critérios para o cultivo do arroz Carrasco Bonito 30 a 36 30 a 36 30 a 36
6-fluoro-2-pyridyloxy)acetate de sequeiro em condições de baixo risco climático: Caseara 29 a 36 28 a 36 28 a 36
Classe de uso: Herbicida - ISNA maior ou igual a 0,65; Centenário 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Indicação de uso pretendido: Registro de produto técnico equivalente - Temperatura Média das Mínimas na fase de Germina- Chapada da Natividade 28 a 32 + 35 a 36 28 a 36 28 a 36
Processo nº: 21000. 027079/2017-42 ção/Emergência ≥ 15ºC; Chapada de Areia 28 a 36 28 a 36 28 a 36

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html, Documento assinado digitalmente conforme MP n o- 2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
pelo código 00012017072500013 Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
14 ISSN 1677-7042 1 Nº 141, terça-feira, 25 de julho de 2017
Colinas do Tocantins 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Wanderlândia 30 a 36 28 a 36 28 a 36 Pindorama do Tocantins 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Colméia 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Xambioá 30 a 36 28 a 36 28 a 36 Piraquê 29 a 36 28 a 36 28 a 36
Combinado 28 a 31 28 a 32 + 35 a 36 28 a 36 Pium 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Conceição do Tocantins 28 a 31 28 a 32 + 35 a 36 28 a 36 Ponte Alta do Bom Jesus 28 a 34 28 a 36 28 a 36
Couto de Magalhães 29 a 36 28 a 36 28 a 36 MUNICÍPIOS PERÍODOS DE SEMEADURA PARA CULTIVARES DO Ponte Alta do Tocantins 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Cristalândia 28 a 36 28 a 36 28 a 36 GRUPO II Porto Alegre do Tocan- 28 a 30 28 a 36 28 a 36
Crixás do Tocantins 28 a 36 28 a 36 28 a 36 SOLOS TIPOS 1 SOLOS TIPOS 2 SOLOS TIPOS 3 tins
Darcinópolis 30 a 36 28 a 36 28 a 36 Abreulândia 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Porto Nacional 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Dianópolis 28 a 31 + 35 a 36 28 a 36 28 a 36 Aguiarnópolis 29 a 36 29 a 36 28 a 36 Praia Norte 30 a 36 29 a 36 28 a 36
Divinópolis do Tocantins 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Aliança do Tocantins 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Presidente Kennedy 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Dois Irmãos do Tocan- 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Almas 28 a 30 + 33 a 36 28 a 36 28 a 36 Pugmil 28 a 36 28 a 36 28 a 36
tins Alvorada 28 a 30 + 34 a 35 28 a 36 28 a 36 Recursolândia 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Dueré 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Ananás 29 a 36 29 a 36 28 a 36 Riachinho 29 a 36 29 a 36 28 a 36
Esperantina 30 a 36 30 a 36 29 a 36 Angico 29 a 36 29 a 36 28 a 36 Rio da Conceição 28 a 30 + 34 a 36 28 a 36 28 a 36
Fátima 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Aparecida do Rio Negro 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Rio dos Bois 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Figueirópolis 28 a 32 + 35 a 36 28 a 36 28 a 36 Aragominas 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Rio Sono 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Filadélfia 29 a 36 28 a 36 28 a 36 Araguacema 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Sampaio 30 a 36 29 a 36 28 a 36
Formoso do Araguaia 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Araguaçu 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Sandolândia 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Fortaleza do Tabocão 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Araguaína 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Santa Fé do Araguaia 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Goianorte 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Araguanã 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Santa Maria do Tocan- 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Goiatins 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Araguatins 30 a 36 29 a 36 28 a 36 tins
Guaraí 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Arapoema 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Santa Rita do Tocantins 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Gurupi 28 a 32 + 35 a 36 28 a 36 28 a 36 Arraias 28 a 30 28 a 30 + 34 a 36 28 a 36 Santa Rosa do Tocantins 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Ipueiras 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Augustinópolis 32 a 36 29 a 36 28 a 36 Santa Tereza do Tocan- 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Itacajá 28 a 36 28 a 36 28 a 36 tins
Aurora do Tocantins 28 a 30 + 34 a 35
28 a 31 + 34 a 36 28 a 36
Itaguatins 30 a 36 30 a 36 30 a 36 Santa Terezinha do To- 29 a 32 29 a 33 28 a 33
Axixá do Tocantins 30 a 36 29 a 36 28 a 36
Itapiratins 28 a 36 28 a 36 28 a 36 cantins
Babaçulândia 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Itaporã do Tocantins 28 a 36 28 a 36 28 a 36 São Bento do Tocantins 30 a 36 29 a 36 28 a 36
Bandeirantes do Tocan- 28 a 36 28 a 36 28 a 36 São Félix do Tocantins 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Jaú do Tocantins 28 a 31 + 35 a 36 28 a 36 28 a 36 tins
Juarina 29 a 36 28 a 36 28 a 36 São Miguel do Tocantins 30 a 36 29 a 36 28 a 36
Barra do Ouro 28 a 36 28 a 36 28 a 36
São Salvador do Tocan- 28 a 29 28 a 29 28 a 33
Lagoa da Confusão 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Barrolândia 28 a 36 28 a 36 28 a 36 tins
Lagoa do Tocantins 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Bernardo Sayão 28 a 36 28 a 36 28 a 36 São Sebastião do Tocan- 28 a 29 28 a 30 28 a 32
Lajeado 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Bom Jesus do Tocantins 28 a 36 28 a 36 28 a 36 tins
Lavandeira 28 a 31 28 a 32 + 35 a 36 28 a 36 Brasilândia do Tocantins 28 a 36 28 a 36 28 a 36 São Valério da Nativida- 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Lizarda 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Brejinho de Nazaré 28 a 36 28 a 36 28 a 36 de
Luzinópolis 30 a 36 30 a 36 28 a 36 Buriti do Tocantins 30 a 36 29 a 36 28 a 36 Silvanópolis 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Marianópolis do Tocan- 28 a 30 28 a 33 28 a 33 Cachoeirinha 30 a 36 29 a 36 28 a 36 Sítio Novo do Tocantins 30 a 36 29 a 36 28 a 36
tins Campos Lindos 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Sucupira 28 a 30 + 34 a 35 28 a 36 28 a 36
Mateiros 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Cariri do Tocantins 28 a 30 + 34 a 36 28 a 36 28 a 36 Taguatinga 28 a 31 + 34 a 36 28 a 36 28 a 36
Maurilândia do Tocantins 30 a 36 30 a 36 30 a 36 Carmolândia 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Taipas do Tocantins 28 a 30 28 a 36 28 a 36
Miracema do Tocantins 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Carrasco Bonito 30 a 36 29 a 36 28 a 36 Talismã 28 a 30 + 34 a 35 28 a 36 28 a 36
Miranorte 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Caseara 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Tocantínia 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Monte do Carmo 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Centenário 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Tocantinópolis 30 a 36 29 a 36 28 a 36
Monte Santo do Tocan- 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Chapada da Natividade 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Tupirama 28 a 36 28 a 36 28 a 36
tins Chapada de Areia 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Tupiratins 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Muricilândia 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Colinas do Tocantins 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Wanderlândia 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Natividade 28 a 31 + 35 a 36 28 a 36 28 a 36 Colméia 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Xambioá 29 a 36 28 a 36 28 a 36
Nazaré 30 a 32 + 35 a 36 30 a 36 28 a 36 Combinado 28 a 30 + 34 a 35 28 a 31 + 34 a 36 28 a 36
Nova Olinda 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Conceição do Tocantins 28 a 30 28 a 36 28 a 36
Nova Rosalândia 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Couto de Magalhães 28 a 36 28 a 36 28 a 36 MUNICÍPIOS PERÍODOS DE SEMEADURA PARA CULTIVARES DO
Novo Acordo 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Cristalândia 28 a 36 28 a 36 28 a 36 GRUPO III
Novo Alegre 28 a 31 28 a 32 + 35 a 36 28 a 36 Crixás do Tocantins 28 a 36 28 a 36 28 a 36 SOLOS TIPOS 1 SOLOS TIPOS 2 SOLOS TIPOS 3
Novo Jardim 28 a 31 + 35 a 36 28 a 36 28 a 36 Darcinópolis 29 a 36 28 a 36 28 a 36 Abreulândia 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Oliveira de Fátima 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Dianópolis 28 a 30 + 34 a 36 28 a 36 28 a 36 Aguiarnópolis 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Palmas 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Divinópolis do Tocantins 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Aliança do Tocantins 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Palmeirante 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Dois Irmãos do Tocan- 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Almas 28 a 29 + 32 a 35 28 a 36 28 a 36
Palmeiras do Tocantins 30 a 36 30 a 36 28 a 36 tins Alvorada 33 a 34 28 a 36 28 a 36
Palmeirópolis 28 a 30 + 35 a 36 28 a 31 + 35 a 36 28 a 36 Dueré 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Ananás 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Paraíso do Tocantins 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Esperantina 29 a 36 28 a 36 28 a 36 Angico 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Paranã 28 a 31 + 35 a 36 28 a 32 + 35 a 36 28 a 36 Fátima 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Aparecida do Rio Negro 28 a 35 28 a 36 28 a 36
Pau D'Arco 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Figueirópolis 28 a 30 + 34 a 36 28 a 36 28 a 36 Aragominas 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Pedro Afonso 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Filadélfia 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Araguacema 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Peixe 28 a 32 + 35 a 36 28 a 36 28 a 36 Formoso do Araguaia 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Araguaçu 28 a 35 28 a 36 28 a 36
Pequizeiro 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Fortaleza do Tabocão 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Araguaína 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Pindorama do Tocantins 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Goianorte 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Araguanã 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Piraquê 30 a 36 28 a 36 28 a 36 Goiatins 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Araguatins 29 a 36 28 a 36 28 a 36
Pium 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Guaraí 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Arapoema 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Ponte Alta do Bom Jesus 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Gurupi 28 a 30 + 33 a 36 28 a 36 28 a 36 Arraias 28 a 36 28 a 36
Ponte Alta do Tocantins 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Ipueiras 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Augustinópolis 29 a 36 28 a 36 28 a 36
Porto Alegre do Tocan- 28 a 31 28 a 35 28 a 36 Itacajá 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Aurora do Tocantins 33 a 34 28 a 36 28 a 36
tins Itaguatins 30 a 36 29 a 36 28 a 36 Axixá do Tocantins 29 a 36 28 a 36 28 a 36
Porto Nacional 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Itapiratins 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Babaçulândia 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Praia Norte 30 a 36 30 a 36 30 a 36
Itaporã do Tocantins 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Bandeirantes do Tocan- 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Presidente Kennedy 28 a 36 28 a 36 28 a 36 tins
Jaú do Tocantins 28 a 30 28 a 36 28 a 36
Pugmil 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Barra do Ouro 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Juarina 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Recursolândia 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Barrolândia 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Lagoa da Confusão 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Riachinho 30 a 32 + 35 a 36 30 a 36 28 a 36 Bernardo Sayão 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Lagoa do Tocantins 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Rio da Conceição 28 a 31 + 35 a 36 28 a 36 28 a 36 Bom Jesus do Tocantins 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Lajeado 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Rio dos Bois 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Brasilândia do Tocantins 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Lavandeira 28 a 30 + 34 a 35 28 a 31 + 34 a 36 28 a 36
Rio Sono 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Brejinho de Nazaré 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Lizarda 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Sampaio 30 a 36 30 a 36 30 a 36 Buriti do Tocantins 29 a 36 28 a 36 28 a 36
Luzinópolis 30 a 36 29 a 36 28 a 36
Sandolândia 28 a 32 + 35 a 36 28 a 36 28 a 36 Cachoeirinha 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Marianópolis do Tocan- 28 a 29 28 a 33 28 a 33
Santa Fé do Araguaia 28 a 36 28 a 36 28 a 36 tins Campos Lindos 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Santa Maria do Tocan- 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Mateiros 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Cariri do Tocantins 28 a 29 + 32 a 35 28 a 36 28 a 36
tins
Maurilândia do Tocantins 30 a 36 29 a 36 28 a 36 Carmolândia 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Santa Rita do Tocantins 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Miracema do Tocantins 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Carrasco Bonito 29 a 36 28 a 36 28 a 36
Santa Rosa do Tocantins 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Miranorte 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Caseara 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Santa Tereza do Tocan- 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Monte do Carmo 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Centenário 28 a 36 28 a 36 28 a 36
tins
Monte Santo do Tocan- 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Chapada da Natividade 28 a 35 28 a 36 28 a 36
Santa Terezinha do To- 30 a 35 28 a 35 28 a 35
tins Chapada de Areia 28 a 36 28 a 36 28 a 36
cantins
Muricilândia 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Colinas do Tocantins 28 a 36 28 a 36 28 a 36
São Bento do Tocantins 30 a 36 30 a 36 28 a 36
Natividade 28 a 30 + 33 a 36 28 a 36 28 a 36 Colméia 28 a 36 28 a 36 28 a 36
São Félix do Tocantins 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Nazaré 29 a 36 29 a 36 28 a 36 Combinado 28 a 30 + 33 a 36 28 a 36
São Miguel do Tocantins 30 a 36 30 a 36 30 a 36
Nova Olinda 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Conceição do Tocantins 28 a 35 28 a 36
São Salvador do Tocan- 28 a 30 28 a 30 28 a 30
tins Nova Rosalândia 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Couto de Magalhães 28 a 36 28 a 36 28 a 36
São Sebastião do Tocan- 30 a 31 29 a 31 29 a 31 Novo Acordo 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Cristalândia 28 a 36 28 a 36 28 a 36
tins Novo Alegre 28 a 30 + 34 a 35 28 a 31 + 34 a 36 28 a 36 Crixás do Tocantins 28 a 36 28 a 36 28 a 36
São Valério da Nativida- 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Novo Jardim 28 a 30 + 34 a 36 28 a 36 28 a 36 Darcinópolis 28 a 36 28 a 36 28 a 36
de Oliveira de Fátima 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Dianópolis 32 a 36 28 a 36 28 a 36
Silvanópolis 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Palmas 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Divinópolis do Tocantins 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Sítio Novo do Tocantins 30 a 36 30 a 36 30 a 36 Palmeirante 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Dois Irmãos do Tocan- 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Sucupira 28 a 31 + 35 a 36 28 a 36 28 a 36 Palmeiras do Tocantins 29 a 36 28 a 36 28 a 36 tins
Taguatinga 28 a 32 + 35 a 36 28 a 36 28 a 36 Palmeirópolis 28 a 29 28 a 30 + 33 a 36 28 a 36 Dueré 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Taipas do Tocantins 28 a 31 28 a 32 + 35 a 36 28 a 36 Paraíso do Tocantins 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Esperantina 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Talismã 28 a 32 28 a 36 28 a 36 Paranã 28 a 30 28 a 30 + 33 a 36 28 a 36 Fátima 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Tocantínia 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Pau D'Arco 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Figueirópolis 28 a 35 28 a 36 28 a 36
Tocantinópolis 30 a 36 30 a 36 29 a 36 Pedro Afonso 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Filadélfia 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Tupirama 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Peixe 28 a 30 + 33 a 36 28 a 36 28 a 36 Formoso do Araguaia 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Tupiratins 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Pequizeiro 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Fortaleza do Tabocão 28 a 36 28 a 36 28 a 36

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html, Documento assinado digitalmente conforme MP n o- 2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
pelo código 00012017072500014 Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
Nº 141, terça-feira, 25 de julho de 2017 1 ISSN 1677-7042 15
Goianorte 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Art. 1º Aprovar o Zoneamento Agrícola de Risco Climático Notas:
Goiatins 28 a 36 28 a 36 28 a 36 para a cultura de arroz de sequeiro no Estado do Acre, ano-safra 1) Informações específicas sobre as cultivares indicadas de-
Guaraí 28 a 36 28 a 36 28 a 36
2017/2018, conforme anexo. vem ser obtidas junto aos respectivos obtentores/mantenedores.
Gurupi 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Ipueiras 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Art. 2º Esta Portaria tem vigência específica para o ano-safra 2) Devem ser utilizadas no plantio sementes produzidas em
Itacajá 28 a 36 28 a 36 28 a 36
definido no art. 1º e entra em vigor na data de sua publicação. conformidade com a legislação brasileira sobre sementes e mudas
Itaguatins 29 a 36 28 a 36 28 a 36 (Lei nº 10.711, de 5 de agosto de 2003, e Decreto nº 5.153, de 23 de
Itapiratins 28 a 36 28 a 36 28 a 36 NERI GELLER agosto de 2004).
Itaporã do Tocantins 28 a 36 28 a 36 28 a 36 5. RELAÇÃO DOS MUNICÍPIOS APTOS AO CULTIVO
Jaú do Tocantins 28 a 29 + 32 a 36 28 a 36 ANEXO AS ÁREAS DE CULTIVO DE CADA MUNICÍPIO DE-
Juarina 28 a 36 28 a 36 28 a 36 VERÃO SE RESTRINGIR ÀS ÁREAS DE USOS CONSOLIDA-
Lagoa da Confusão 28 a 36 28 a 36 28 a 36 1. NOTA TÉCNICA DOS, DELIMITADAS PELO ZONEAMENTO ECOLÓGICO-ECO-
Lagoa do Tocantins 28 a 35 28 a 36 28 a 36 O Estado do Acre cultivou, na safra 2016/2017, uma área de NÔMICO DO ESTADO DO ACRE, INSTITUÍDO PELO DECRE-
Lajeado 28 a 36 28 a 36 28 a 36 4,3 mil hectares de arroz (Oriza Sativa L.) com uma produção de 5,6 TO ESTADUAL Nº 1.904 DE 5 DE JUNHO DE 2007, PUBLICADO
Lavandeira 28 a 36 28 a 36 mil toneladas, conforme dados do levantamento da CONAB de julho NO DIÁRIO OFICIAL DO ESTADO Nº 9.571 DE 15 DE JUNHO
Lizarda 28 a 35 28 a 36 28 a 36 de 2017. DE 2007.
Luzinópolis 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Os principais elementos climáticos que influenciam a cultura MUNICÍPIOS: Acrelândia, Assis Brasil, Brasiléia, Bujari,
Marianópolis do Tocan- 28 a 29 28 a 36 28 a 36 do arroz são a temperatura do ar, o fotoperíodo e a precipitação Capixaba, Cruzeiro do Sul, Epitaciolândia, Feijó, Jordão, Mâncio
tins
Mateiros 28 a 35 28 a 36 28 a 36
pluvial. Lima, Manoel Urbano, Marechal Thaumaturgo, Plácido de Castro,
Maurilândia do Tocantins 28 a 36 28 a 36 28 a 36
A temperatura do ar influencia o crescimento, o desenvol- Porto Acre, Porto Walter, Rio Branco, Rodrigues Alves, Santa Rosa
Miracema do Tocantins 28 a 36 28 a 36 28 a 36 vimento e a produtividade da cultura e seu impacto varia conforme a do Purus, Sena Madureira, Senador Guiomard, Tarauacá e Xapuri.
Miranorte 28 a 36 28 a 36 28 a 36 fase fenológica. As faixas de temperatura ótima variam de 20ºC a
Monte do Carmo 28 a 36 28 a 36 28 a 36 35ºC, sendo de 30ºC a 33ºC para a floração e de 20ºC a 25ºC para
Monte Santo do Tocan- 28 a 36 28 a 36 28 a 36 maturação. As fases mais sensíveis quanto à temperatura são as de PORTARIA Nº 23, DE 21 DE JULHO DE 2017
tins pré-floração e floração.
Muricilândia 28 a 36 28 a 36 28 a 36 O fotoperíodo, de um modo geral, não é um fator limitante O SECRETÁRIO DE POLÍTICA AGRÍCOLA, no uso de
Natividade 32 a 35 28 a 36 28 a 36 nas principais regiões produtoras do país e nas épocas tradicionais de suas atribuições e competências estabelecidas pelo Decreto nº 8.701,
Nazaré 28 a 36 28 a 36 28 a 36 cultivo. de 31 de março de 2016, publicado no Diário Oficial da União de 1º
Nova Olinda 28 a 36 28 a 36 28 a 36 A produção do arroz em regime de sequeiro é dependente do de abril de 2016, e observado, no que couber, o contido nas Ins-
Nova Rosalândia 28 a 36 28 a 36 28 a 36 regime pluvial, uma vez que ocorrência de estresses hídricos durante truções Normativas nº 2, de 9 de outubro de 2008, publicada no
Novo Acordo 28 a 35 28 a 36 28 a 36 o ciclo e, em especial, no estádio de florescimento/enchimento dos Diário Oficial da União de 13 de outubro de 2008, da Secretaria de
Novo Alegre 28 a 36 28 a 36 Política Agrícola, e nº 18, de 12 de maio de 2016, publicada no
grãos, pode comprometer grandemente a produtividade da cultura.
Novo Jardim 28 a 32 28 a 36 28 a 36 Diário Oficial da União de 13 de maio de 2016, do Ministério da
Oliveira de Fátima 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Objetivou-se, com o zoneamento agrícola, identificar as
áreas aptas e os períodos de plantio com menor risco climático para Agricultura, Pecuária e Abastecimento, resolve:
Palmas 28 a 35 28 a 36 28 a 36
Palmeirante 28 a 36 28 a 36 28 a 36 o cultivo do arroz de sequeiro no Estado. Art. 1º Aprovar o Zoneamento Agrícola de Risco Climático
Palmeiras do Tocantins 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Essa identificação foi realizada a partir de análises térmicas para a cultura de arroz de sequeiro no Estado da Bahia, ano-safra
Palmeirópolis 28 a 29 + 32 a 35 28 a 35 e hídricas. Na análise hídrica foi utilizado um modelo de balanço 2017/2018, conforme anexo.
Paraíso do Tocantins 28 a 36 28 a 36 28 a 36 hídrico da cultura para períodos de dez dias. Art. 2º Esta Portaria tem vigência específica para o ano-safra
Paranã 28 a 35 28 a 36 O balanço hídrico foi estimado com o uso das seguintes definido no art. 1º e entra em vigor na data de sua publicação.
Pau D'Arco 28 a 36 28 a 36 28 a 36 variáveis climáticas e agronômicas:
Pedro Afonso 28 a 36 28 a 36 28 a 36 a) precipitação pluviométrica: utilizadas séries com, no mí- NERI GELLER
Peixe 28 a 35 28 a 36 28 a 36 nimo, 15 anos dados diários registrados nas 8 estações pluviométricas
Pequizeiro 28 a 36 28 a 36 28 a 36 disponíveis no Estado; ANEXO
Pindorama do Tocantins 28 a 35 28 a 36 28 a 36 b) evapotranspiração potencial - estimadas médias decendiais
Piraquê 28 a 36 28 a 36 28 a 36 pelo método de Penmam-Monteith nas 5 estações climatológicas dis- 1. NOTA TÉCNICA
Pium 28 a 36 28 a 36 28 a 36 poníveis no Estado. O Estado da Bahia cultivou, na safra 2016/2017, uma área de
Ponte Alta do Bom Jesus 28 a 32 28 a 36 28 a 36 c) ciclo e fase fenológica da cultura - para efeito de si- 8,1 mil hectares de arroz (Oriza Sativa L.) com uma produção de 7,3
Ponte Alta do Tocantins 28 a 35 28 a 36 28 a 36
mulação foram consideradas as fases de germinação/emergência, cres- mil toneladas, conforme dados do levantamento da CONAB de julho
Porto Alegre do Tocan- 32 a 35 28 a 36 28 a 36
tins cimento/desenvolvimento, floração/enchimento de grãos e maturação de 2017.
Porto Nacional 28 a 36 28 a 36 28 a 36 fisiológica. As cultivares foram classificadas em três grupos de ca- Os principais elementos climáticos que influenciam a cultura
Praia Norte 29 a 36 28 a 36 28 a 36 racterísticas homogêneas: Grupo I (n < 115 dias); Grupo II (115 dias do arroz são a temperatura do ar, o fotoperíodo e a precipitação
Presidente Kennedy 28 a 36 28 a 36 28 a 36 ≤ n ≤ 130 dias); e Grupo III (n >130 dias), onde n expressa o número pluvial.
Pugmil 28 a 36 28 a 36 28 a 36 de dias da emergência à maturação fisiológica. A temperatura do ar influencia o crescimento, o desenvol-
Recursolândia 28 a 36 28 a 36 28 a 36 d) coeficiente de cultura - utilizados dados obtidos expe- vimento e a produtividade da cultura e seu impacto varia conforme a
Riachinho 28 a 36 28 a 36 28 a 36 rimentalmente e disponibilizados através da literatura reconhecida fase fenológica. As faixas de temperatura ótima variam de 20ºC a
Rio da Conceição 32 a 36 28 a 36 28 a 36 pela comunidade científica; 35ºC, sendo de 30ºC a 33ºC para a floração e de 20ºC a 25ºC para
Rio dos Bois 28 a 36 28 a 36 28 a 36 e) disponibilidade máxima de água no solo - estimada em maturação. As fases mais sensíveis quanto à temperatura são as de
Rio Sono 28 a 36 28 a 36 28 a 36 função da profundidade efetiva das raízes e da capacidade de água pré-floração e floração.
Sampaio 29 a 36 28 a 36 28 a 36 disponível dos solos. Consideraram-se os solos Tipo 1, 2 e 3, com
Sandolândia 28 a 35 28 a 36 28 a 36
O fotoperíodo, de um modo geral, não é um fator limitante
capacidade de armazenamento de água de 30, 50 e 70 mm, res- nas principais regiões produtoras do país e nas épocas tradicionais de
Santa Fé do Araguaia 28 a 36 28 a 36 28 a 36 pectivamente; e
Santa Maria do Tocan- 28 a 36 28 a 36 28 a 36 cultivo.
tins
As simulações do balanço hídrico foram realizadas para pe- A produção do arroz em regime de sequeiro é dependente do
Santa Rita do Tocantins 28 a 36 28 a 36 28 a 36 ríodos decendiais. Consideraram-se os valores médios do Índice de regime pluvial, uma vez que ocorrência de estresses hídricos durante
Santa Rosa do Tocantins 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Satisfação de Necessidade de Água - ISNA (expresso pela relação o ciclo e, em especial, no estádio de florescimento/enchimento dos
Santa Tereza do Tocan- 28 a 29 28 a 36 28 a 36 entre evapotranspiração real e evapotranspiração máxima - ETr/ETm), grãos, pode comprometer grandemente a produtividade da cultura.
tins por data de semeadura, fase fenológica e localização geográfica das Objetivou-se, com o zoneamento agrícola, identificar os mu-
Santa Terezinha do To- 28 a 29 28 a 33 28 a 33 estações pluviométricas e climáticas utilizadas. nicípios aptos e os períodos de plantio com menor risco climático
cantins Foram adotados os seguintes critérios para o cultivo do arroz
São Bento do Tocantins 28 a 36 28 a 36 28 a 36 para o cultivo de arroz de sequeiro no Estado.
de sequeiro em condições de baixo risco climático: Essa identificação foi realizada a partir de análises térmicas
São Félix do Tocantins 28 a 35 28 a 36 28 a 36 - ISNA maior ou igual a 0,65;
São Miguel do Tocantins 29 a 36 28 a 36 28 a 36 e hídricas. Na análise hídrica foi utilizado um modelo de balanço
- Temperatura Média das Mínimas na fase de Germina- hídrico da cultura para períodos de dez dias.
São Salvador do Tocan-
tins
28 a 29 28 a 33
ção/Emergência ≥ 15ºC; O balanço hídrico foi estimado com o uso das seguintes
São Sebastião do Tocan- 29 a 30 28 a 31 28 a 31 - Temperatura Média das Máximas na fase de Floração/En-
chimento de Grãos ≤ 35ºC. variáveis climáticas e agronômicas:
tins
Foram indicados os municípios que apresentaram em, pelo a) precipitação pluviométrica: utilizadas séries com, no mí-
São Valério da Nativida- 28 a 36 28 a 36 28 a 36
de menos, 20% de sua área condições climáticas adotadas em, no mí- nimo, 15 anos dados diários registrados nas 156 estações pluvio-
Silvanópolis 28 a 36 28 a 36 28 a 36 nimo, 80% dos anos avaliados. métricas disponíveis no Estado;
Sítio Novo do Tocantins 29 a 36 28 a 36 28 a 36 2. TIPOS DE SOLOS APTOS AO CULTIVO b) evapotranspiração potencial - estimadas médias decendiais
Sucupira 33 a 34 28 a 36 28 a 36 São aptos ao cultivo de arroz de sequeiro no Estado, os solos pelo método de Penmam-Monteith nas 40 estações climatológicas
Taguatinga 28 a 33 28 a 36 28 a 36 dos tipos 1, 2 e 3, observadas as especificações e recomendações disponíveis no Estado.
Taipas do Tocantins 28 a 36 28 a 36
contidas na Instrução Normativa nº 2, de 9 de outubro de 2008. c) coeficiente de cultura - utilizados dados obtidos expe-
Talismã 33 a 34 28 a 36 28 a 36
Não são indicadas para o cultivo: rimentalmente e disponibilizados através da literatura reconhecida
Tocantínia 28 a 36 28 a 36 28 a 36 pela comunidade científica;
Tocantinópolis 28 a 36 28 a 36 28 a 36
- áreas de preservação permanente, de acordo com a Lei
12.651, de 25 de maio de 2012; d) disponibilidade máxima de água no solo - estimada em
Tupirama 28 a 36 28 a 36 28 a 36 função da profundidade efetiva das raízes e da capacidade de água
Tupiratins 28 a 36 28 a 36 28 a 36 - áreas com solos que apresentam profundidade inferior a 50
cm ou com solos muito pedregosos, isto é, solos nos quais calhaus e disponível dos solos. Consideraram-se os solos Tipo 1, 2 e 3, com
Wanderlândia 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Xambioá 28 a 36 28 a 36 28 a 36 matacões ocupem mais de 15% da massa e/ou da superfície do ter- capacidade de armazenamento de água de 30, 50 e 70 mm, res-
reno. pectivamente; e
3. PERÍODOS DE PLANTIO e) ciclo e fase fenológica da cultura - Para efeito de si-
De 11 de setembro a 20 de novembro. mulação foram consideradas as fases de germinação/emergência, cres-
PORTARIA Nº 22, DE 21 DE JULHO DE 2017 cimento/desenvolvimento, floração/enchimento de grãos e maturação
4. CULTIVARES INDICADAS
Para efeito de indicação dos períodos de plantio, as cul- fisiológica. As cultivares foram classificadas em três grupos de ca-
O SECRETÁRIO DE POLÍTICA AGRÍCOLA, no uso de racterísticas homogêneas: Grupo I (n < 115 dias); Grupo II (115 dias
suas atribuições e competências estabelecidas pelo Decreto nº 8.701, tivares indicadas pelos obtentores/mantenedores para o Estado, foram
agrupadas conforme a seguir especificado. ≤ n ≤ 130 dias); e Grupo III (n >130 dias), onde n expressa o número
de 31 de março de 2016, publicado no Diário Oficial da União de 1º GRUPO I de dias da emergência à maturação fisiológica.
de abril de 2016, e observado, no que couber, o contido nas Ins- AGRO NORTE SEMENTES: ANa 7007, ANa 8001, ANa As simulações do balanço hídrico foram realizadas para pe-
truções Normativas nº 2, de 9 de outubro de 2008, publicada no 5015, ANa 6005, ANa 7211 e ANa 8111; ríodos decendiais. Consideraram-se os valores médios do Índice de
Diário Oficial da União de 13 de outubro de 2008, da Secretaria de EMBRAPA ARROZ E FEIJÃO - CNPAF: BRS Monarca. Satisfação de Necessidade de Água - ISNA (expresso pela relação
Política Agrícola, e nº 18, de 12 de maio de 2016, publicada no Com base nas informações prestadas pelos obtentores/man- entre evapotranspiração real e evapotranspiração máxima - ETr/ETm),
Diário Oficial da União de 13 de maio de 2016, do Ministério da tenedores, não existem cultivares de arroz indicadas para o cultivo no por data de semeadura, fase fenológica e localização geográfica das
Agricultura, Pecuária e Abastecimento, resolve: Estado, com enquadramento nos grupos II e III. estações pluviométricas e climáticas utilizadas.

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html, Documento assinado digitalmente conforme MP n o- 2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
pelo código 00012017072500015 Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
16 ISSN 1677-7042 1 Nº 141, terça-feira, 25 de julho de 2017

Foram adotados os seguintes critérios para o cultivo do arroz Carinhanha 31 a 34 e) ciclo e fase fenológica da cultura - para efeito de si-
Catolândia 31 a 34 31 a 35 mulação foram consideradas as fases de germinação/emergência, cres-
de sequeiro em condições de baixo risco climático:
Cocos 31 a 34 31 a 36
- ISNA maior ou igual a 0,65; cimento/desenvolvimento, floração/enchimento de grãos e maturação
Coribe 31 a 34 31 a 35
- Temperatura Média das Mínimas na fase de Germina- Correntina 31 a 34 31 a 36
fisiológica. As cultivares foram classificadas em três grupos de ca-
ção/Emergência ≥ 15ºC; Cotegipe 31 a 34 31 a 35
racterísticas homogêneas: Grupo I (n < 115 dias); Grupo II (115 dias
- Temperatura Média das Máximas na fase de Floração/En- Cristópolis 31 a 34 31 a 35 ≤ n ≤ 130 dias); e Grupo III (n >130 dias), onde n expressa o número
chimento de Grãos ≤ 35ºC Feira da Mata 31 a 34 31 a 35 de dias da emergência à maturação fisiológica.
Foram indicados os municípios que apresentaram em, pelo Formosa do Rio Preto 31 a 34 31 a 35 As simulações do balanço hídrico foram realizadas para pe-
menos, 20% de sua área condições climáticas dentro dos critérios Iuiú 31 a 34 ríodos decendiais. Consideraram-se os valores médios do Índice de
adotados em, no mínimo, 80% dos anos avaliados. Jaborandi 31 a 34 31 a 36 Satisfação de Necessidade de Água - ISNA (expresso pela relação
2. TIPOS DE SOLOS APTOS AO CULTIVO Luís Eduardo Magalhães 31 a 34 31 a 36 entre evapotranspiração real e evapotranspiração máxima - ETr/ETm),
São aptos ao cultivo de arroz de sequeiro no Estado, os solos Malhada 31 a 34 por data de semeadura, fase fenológica e localização geográfica das
dos tipos 2 e 3, observadas as especificações e recomendações con- Mansidão 31 a 34 estações pluviométricas e climáticas utilizadas.
tidas na Instrução Normativa nº 2, de 9 de outubro de 2008. Riachão das Neves 31 a 34 31 a 35 Foram considerados os seguintes critérios de aptidão agro-
Não são indicadas para o cultivo: Santa Rita de Cássia 31 a 34 31 a 35 climática:
São Desidério 31 a 34 31 a 36 - ISNA maior ou igual a 0,65;
- áreas de preservação permanente, de acordo com a Lei
12.651, de 25 de maio de 2012; - Temperatura Média das Mínimas na fase de Germina-
- áreas com solos que apresentam profundidade inferior a 50 ção/Emergência ≥ 15ºC;
MUNICÍPIOS PERÍODOS DE SEMEADURA PARA CULTIVARES DO - Temperatura Média das Máximas na fase de Floração/En-
cm ou com solos muito pedregosos, isto é, solos nos quais calhaus e
matacões ocupem mais de 15% da massa e/ou da superfície do ter-
GRUPO III
chimento de Grãos ≤ 35ºC.
SOLOS TIPO 2 SOLOS TIPO 3
reno. Angical 31 a 33
As áreas agrícolas do Distrito Federal foram indicadas por
3. TABELA DE PERÍODOS DE SEMEADURA Baianópolis 31 a 33
terem apresentado em, pelo menos, 20% de seu território, condições
Barreiras 31 a 34 31 a 35 climáticas de acordo com os critérios adotados em 80% dos anos
Períodos 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 Carinhanha 31 a 33 avaliados.
Datas 1º 11 21 1º 11 21 1º 11 21 1º 11 21 Catolândia 31 a 33 2. TIPOS DE SOLOS APTOS AO CULTIVO
a a a a a a 28 a a a a a a Cocos 31 a 34 31 a 35 São aptos ao cultivo de arroz de sequeiro no Distrito Federal
10 20 31 10 20 10 20 31 10 20 30 Coribe 31 a 33 os solos dos tipos 1, 2 e 3, observadas as especificações e reco-
Meses Janeiro Fevereiro Março Abril Correntina 31 a 34 31 a 35 mendações contidas na Instrução Normativa nº 2, de 9 de outubro de
Cotegipe 31 a 33 2008.
Cristópolis 31 a 33 Não são indicadas para o cultivo:
Períodos 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 Feira da Mata 31 a 33 - áreas de preservação permanente, de acordo com a Lei
Datas 1º 11 21 1º 11 21 1º 11 21 1º 11 21
a a a a a a a a a a a a
Formosa do Rio Preto 31 a 33 12.651, de 25 de maio de 2012;
Iuiú 31 a 33 - áreas com solos que apresentam profundidade inferior a 50
10 20 31 10 20 30 10 20 31 10 20 31
Jaborandi 31 a 34 31 a 35 cm ou com solos muito pedregosos, isto é, solos nos quais calhaus e
Meses Maio Junho Julho Agosto
Luís Eduardo Magalhães 31 a 34 31 a 35 matacões ocupem mais de 15% da massa e/ou da superfície do ter-
Malhada 31 a 33
reno.
Riachão das Neves 31 a 33
Períodos 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36
Santa Rita de Cássia 31 a 33
3. TABELA DE PERÍODOS DE SEMEADURA
Datas 1º 11 21 1º 11 21 1º 11 21 1º 11 21
São Desidério 31 a 34 31 a 35 Períodos 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12
a 10 a a a a a a a a a a a
20 30 10 20 31 10 20 30 10 20 31 Datas 1º 11 21 1º 11 21 1º 11 21 1º 11 21
Meses Setembro Outubro Novembro Dezembro a a a a a a 28 a a a a a a
PORTARIA Nº 24, DE 21 DE JULHO DE 2017 10 20 31 10 20 10 20 31 10 20 30
4. CULTIVARES INDICADAS Meses Janeiro Fevereiro Março Abril
Para efeito de indicação dos períodos de plantio, as cul- O SECRETÁRIO DE POLÍTICA AGRÍCOLA, no uso de
tivares indicadas pelos obtentores/mantenedores para o Estado, foram suas atribuições e competências estabelecidas pelo Decreto nº 8.701,
agrupadas conforme a seguir especificado. de 31 de março de 2016, publicado no Diário Oficial da União de 1º Períodos 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24
Datas 1º 11 21 1º 11 21 1º 11 21 1º 11 21
GRUPO I de abril de 2016, e observado, no que couber, o contido nas Ins- a a a a a a a a a a a a
AGRO NORTE SEMENTES: AN Cambará, ANa 7007, ANa truções Normativas nº 2, de 9 de outubro de 2008, publicada no 10 20 31 10 20 30 10 20 31 10 20 31
8001, ANa 5015, ANa 6005, ANa 7211 e ANa 8111. Diário Oficial da União de 13 de outubro de 2008, da Secretaria de Meses Maio Junho Julho Agosto
Com base nas informações prestadas pelos obtentores/man- Política Agrícola, e nº 18, de 12 de maio de 2016, publicada no
tenedores, não existem cultivares de arroz indicadas para o cultivo no Diário Oficial da União de 13 de maio de 2016, do Ministério da
Estado, com enquadramento nos grupos II e III. Agricultura, Pecuária e Abastecimento, resolve: Períodos 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36
Notas: Art. 1º Aprovar o Zoneamento Agrícola de Risco Climático Datas 1º 11 21 1º 11 21 1º 11 21 1º 11 21
a 10 a a a a a a a a a a a
1) Informações específicas sobre as cultivares indicadas de- para a cultura de arroz de sequeiro no Distrito Federal, ano-safra 20 30 10 20 31 10 20 30 10 20 31
vem ser obtidas junto aos respectivos obtentores/mantenedores. 2017/2018, conforme anexo. Meses Setembro Outubro Novembro Dezembro
2) Devem ser utilizadas no plantio sementes produzidas em Art. 2º Esta Portaria tem vigência específica para o ano-safra
conformidade com a legislação brasileira sobre sementes e mudas definido no art. 1º e entra em vigor na data de sua publicação. 4. CULTIVARES INDICADAS
(Lei nº 10.711, de 5 de agosto de 2003, e Decreto nº 5.153, de 23 de Para efeito de indicação dos períodos de plantio, as cul-
agosto de 2004). NERI GELLER tivares indicadas pelos obtentores/mantenedores para o Distrito Fe-
5. RELAÇÃO DOS MUNICÍPIOS APTOS AO CULTIVO E deral, foram agrupadas conforme a seguir especificado.
PERÍODOS INDICADOS PARA SEMEADURA ANEXO GRUPO II
EMBRAPA ARROZ E FEIJÃO - CNPAF: BRS Bonança.
MUNICÍPIOS PERÍODOS DE SEMEADURA PARA CULTIVARES DO 1. NOTA TÉCNICA Com base nas informações prestadas pelos obtentores/man-
GRUPO I tenedores, das cultivares indicadas nenhuma obteve o enquadramento
SOLOS TIPO 2 SOLOS TIPO 3 Os principais elementos climáticos que influenciam a cultura
do arroz (Oriza Sativa L.) são a temperatura do ar, o fotoperíodo e a nos grupos I e III.
Angical 31 a 35 31 a 36
Baianópolis 31 a 35 31 a 36 precipitação pluvial. Notas:
Barra 31 a 33 A temperatura do ar influencia o crescimento, o desenvol- 1) Informações específicas sobre as cultivares indicadas de-
Barreiras 31 a 35 31 a 36 vimento e a produtividade da cultura e seu impacto varia conforme a vem ser obtidas junto aos respectivos obtentores/mantenedores.
Brejolândia 31 a 32 fase fenológica. As faixas de temperatura ótima variam de 20ºC a 2) Devem ser utilizadas no plantio sementes produzidas em
Buritirama 31 a 33 35ºC, sendo de 30ºC a 33ºC para a floração e de 20ºC a 25ºC para conformidade com a legislação brasileira sobre sementes e mudas
Canápolis 31 a 35 31 a 36 maturação. As fases mais sensíveis são as de pré-floração e flo- (Lei nº 10.711, de 5 de agosto de 2003, e Decreto nº 5.153, de 23 de
Carinhanha 31 a 33
ração. agosto de 2004).
Catolândia 31 a 35 31 a 36 5. PERÍODOS INDICADOS PARA SEMEADURA
Cocos 31 a 35 31 a 1
O fotoperíodo, de um modo geral, não é um fator limitante
Coribe 31 a 35 31 a 36 nas principais regiões produtoras do país e nas épocas tradicionais de CULTIVARES DO GRU- PERÍODOS DE SEMEADURA PRA CULTIVARES DO
Correntina 31 a 35 31 a 1 cultivo. PO I GRUPO I
Cotegipe 31 a 35 31 a 36 A produção do arroz em regime de sequeiro é dependente do SOLOS TIPO 1 SOLOS TIPO 2 SOLOS TIPO 3
Cristópolis 31 a 35 31 a 36 regime pluvial, uma vez que ocorrência de estresses hídricos durante 28 a 2 28 a 3 28 a 3
Feira da Mata 31 a 35 31 a 36 o ciclo e, em especial, no estádio de florescimento/enchimento dos
Formosa do Rio Preto 31 a 35 31 a 36 grãos, pode comprometer grandemente a produtividade da cultura.
Iuiú 31 a 33 CULTIVARES DO GRU- PERÍODOS DE SEMEADURA PARA CULTIVARES DO
Objetivou-se, com o zoneamento agrícola, identificar os pe- PO II GRUPO II
Jaborandi 31 a 35 31 a 1 ríodos de plantio com menor risco climático para o cultivo do arroz
Luís Eduardo Magalhães 31 a 35 31 a 1 SOLOS TIPO 1 SOLOS TIPO 2 SOLOS TIPO 3
de sequeiro no Distrito Federal. 28 a 2 28 a 3 28 a 3
Malhada 31 a 33
Mansidão 31 a 33
Essa identificação foi realizada a partir de análises térmicas
Muquém de São Francisco 31 a 33
e hídricas. Na análise hídrica foi utilizado um modelo de balanço
Riachão das Neves 31 a 35 31 a 36 hídrico da cultura para períodos de dez dias. CULTIVARES DO GRU- PERÍODOS DE SEMEADURA PARA CULTIVARES DO
O balanço hídrico foi estimado com o uso das seguintes PO III GRUPO III
Santa Maria da Vitória 31 a 35 31 a 36
variáveis climáticas e agronômicas: SOLOS TIPO 1 SOLOS TIPO 2 SOLOS TIPO 3
Santa Rita de Cássia 31 a 35 31 a 36
28 a 35 28 a 1 28 a 1
Santana 31 a 32 31 a 32 a) precipitação pluviométrica: utilizadas séries com, no mí-
São Desidério 31 a 35 31 a 1 nimo, 15 anos dados diários registrados nas 26 estações pluviomé-
São Félix do Coribe 31 a 32 31 a 32 tricas disponíveis no Distrito Federal; PORTARIA Nº 25, DE 21 DE JULHO DE 2017
Serra Dourada 31 a 32 b) evapotranspiração potencial - estimadas médias decendiais
Tabocas do Brejo Velho 31 a 33 pelo método de Penmam-Monteith nas 3 estações climatológicas dis-
Wanderley 31 a 33 O SECRETÁRIO DE POLÍTICA AGRÍCOLA, no uso de
poníveis no Distrito Federal. suas atribuições e competências estabelecidas pelo Decreto nº 8.701,
c) coeficiente de cultura - utilizados dados obtidos expe- de 31 de março de 2016, publicado no Diário Oficial da União de 1º
MUNICÍPIOS PERÍODOS DE SEMEADURA PARA CULTIVARES DO
rimentalmente e disponibilizados através da literatura reconhecida de abril de 2016, e observado, no que couber, o contido nas Ins-
GRUPO II pela comunidade científica; truções Normativas nº 2, de 9 de outubro de 2008, publicada no
SOLOS TIPO 2 SOLOS TIPO 3 d) disponibilidade máxima de água no solo - estimada em fun- Diário Oficial da União de 13 de outubro de 2008, da Secretaria de
Angical 31 a 34 31 a 35 ção da profundidade efetiva das raízes e da capacidade de água dispo- Política Agrícola, e nº 18, de 12 de maio de 2016, publicada no
Baianópolis 31 a 34 nível dos solos. Consideraram-se os solos Tipo 1, 2 e 3, com capacidade Diário Oficial da União de 13 de maio de 2016, do Ministério da
Barreiras 31 a 34 31 a 36 de armazenamento de água de 30, 50 e 70 mm, respectivamente; e Agricultura, Pecuária e Abastecimento, resolve:

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html, Documento assinado digitalmente conforme MP n o- 2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
pelo código 00012017072500016 Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
Nº 141, terça-feira, 25 de julho de 2017 1 ISSN 1677-7042 17
Art. 1º Aprovar o Zoneamento Agrícola de Risco Climático Períodos 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 Baixo Guandu 28 a 29 28 a 30
Barra de São Francisco 28 a 29 28 a 30
para a cultura de arroz de sequeiro no Estado do Espírito Santo, ano- Datas 1º 11 21 1º 11 21 1º 11 21 1º 11 21
Bom Jesus do Norte 28 a 30 28 a 32
safra 2017/2018, conforme anexo. a 10 a a a a a a a a a a a
20 30 10 20 31 10 20 30 10 20 31 Brejetuba 28 a 29 28 a 30 28 a 31
Art. 2º Esta Portaria tem vigência específica para o ano-safra Meses Setembro Outubro Novembro Dezembro Cachoeiro de Itapemirim 28 a 30 28 a 31
definido no art. 1º e entra em vigor na data de sua publicação. Cariacica 28 a 29 28 a 30 28 a 31
Castelo 28 a 29 28 a 30 28 a 32
4. CULTIVARES INDICADAS Colatina 28 a 29 28 a 30 28 a 31
NERI GELLER Ficam indicadas no Zoneamento Agrícola de Risco Climá- Conceição do Castelo 28 a 29 28 a 30 28 a 31
tico, para o Estado, as cultivares de arroz registradas no Registro Divino de São Lourenço 28 a 29 28 a 30 28 a 32
ANEXO Nacional ,de Cultivares (RNC) do Ministério da Agricultura, Pecuária Domingos Martins 28 a 30 28 a 31 28 a 36
e Abastecimento, atendidas as indicações das regiões de adaptação, Dores do Rio Preto 28 a 29 28 a 30 28 a 32
1. NOTA TÉCNICA em conformidade com as recomendações dos respectivos obtento- Ecoporanga 28 a 29
O Estado do Espírito Santo cultivou, na safra 2016/2017, Fundão 28 a 29 28 a 30 28 a 31
res/detentores (mantenedores). Governador Lindenberg 28 a 29 28 a 30 28 a 31
uma área de 0,1 mil hectares de arroz (Oriza Sativa L.), com uma Notas: Guaçuí 28 a 29 28 a 30 28 a 31
produção de 0,2 mil toneladas, conforme dados do levantamento da 1) Informações específicas sobre as cultivares indicadas de- Guarapari 28 a 29 28 a 30 28 a 31
CONAB de julho de 2017. vem ser obtidas junto aos respectivos obtentores/mantenedores. Ibatiba 28 a 29 28 a 30 28 a 31
Os principais elementos climáticos que influenciam a cultura 2) Devem ser utilizadas no plantio sementes produzidas em Ibiraçu 28 a 29 28 a 30 28 a 31
do arroz são a temperatura do ar, o fotoperíodo e a precipitação Ibitirama 28 a 29 28 a 30 28 a 31
conformidade com a legislação brasileira sobre sementes e mudas Iconha 28 a 29 28 a 31 28 a 36
pluvial. (Lei nº 10.711, de 5 de agosto de 2003, e Decreto nº 5.153, de 23 de Irupi 28 a 29 28 a 30 28 a 31
A temperatura do ar influencia o crescimento, o desenvol- agosto de 2004). Itaguaçu 28 a 29 28 a 30 28 a 31
vimento e a produtividade da cultura e seu impacto varia conforme a 5. RELAÇÃO DOS MUNICÍPIOS APTOS AO CULTIVO E Itapemirim 28 a 29
fase fenológica. As faixas de temperatura ótima variam de 20ºC a PERÍODOS INDICADOS PARA SEMEADURA Itarana 28 a 29 28 a 30 28 a 31
35ºC, sendo de 30ºC a 33ºC para a floração e de 20ºC a 25ºC para Iúna 28 a 29 28 a 30 28 a 31
maturação. As fases mais sensíveis quanto à temperatura são as de MUNICÍPIOS PERÍODOS DE SEMEADURA PARA CULTIVARES DO Jerônimo Monteiro 28 a 30 28 a 31
João Neiva 28 a 29 28 a 30 28 a 31
pré-floração e floração. GRUPO I
Laranja da Terra 28 a 30 28 a 31
O fotoperíodo, de um modo geral, não é um fator limitante SOLOS TIPO 1 SOLOS TIPO 2 SOLOS TIPO 3
Mantenópolis 28 a 29
nas principais regiões produtoras do país e nas épocas tradicionais de Afonso Cláudio 28 a 30 28 a 31 28 a 32
Marataízes 28 a 29
Água Doce do Norte 28 a 29 28 a 30
cultivo. Marechal Floriano 28 a 29 28 a 31 28 a 36
Águia Branca 28 a 29 28 a 31 28 a 31 Marilândia 28 a 29 28 a 30 28 a 31
A produção do arroz em regime de sequeiro é dependente do Alegre 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Mimoso do Sul 28 a 29 28 a 30
regime pluvial, uma vez que ocorrência de estresses hídricos durante Alfredo Chaves 28 a 30 28 a 32 28 a 36 Muniz Freire 28 a 29 28 a 30 28 a 31
o ciclo e, em especial, no estádio de florescimento/enchimento dos Alto Rio Novo 28 a 29 28 a 30 Muqui 28 a 29 28 a 30
grãos, pode comprometer grandemente a produtividade da cultura. Anchieta 28 a 31 28 a 32 Nova Venécia 28 a 29 28 a 30
Objetivou-se, com o zoneamento agrícola, identificar os mu- Apiacá 28 a 30 28 a 31 Pancas 28 a 30 28 a 30
nicípios aptos e os períodos de plantio com menor risco climático Atilio Vivacqua 28 a 29 28 a 30 Piúma 28 a 30 28 a 31
para o cultivo do arroz de sequeiro no Estado. Baixo Guandu 28 a 30 28 a 31 Presidente Kennedy 28 a 29
Rio Bananal 28 a 29 28 a 30 28 a 31
Essa identificação foi realizada a partir de análises térmicas Barra de São Francisco 28 a 30 28 a 31
Rio Novo do Sul 28 a 30 28 a 31
e hídricas. Na análise hídrica foi utilizado um modelo de balanço Bom Jesus do Norte 28 a 30 28 a 32
Santa Leopoldina 28 a 30 28 a 31 28 a 32
hídrico da cultura para períodos de dez dias. Brejetuba 28 a 30 28 a 31 28 a 31 Santa Maria de Jetibá 28 a 30 28 a 30 28 a 32
O balanço hídrico foi estimado com o uso das seguintes Cachoeiro de Itapemirim 28 a 29 28 a 31 28 a 32 Santa Teresa 28 a 29 28 a 30 28 a 32
Cariacica 28 a 30 28 a 31 28 a 32 São Domingos do Norte 28 a 29 28 a 30 28 a 31
variáveis climáticas e agronômicas:
Castelo 28 a 29 28 a 31 28 a 32 São Gabriel da Palha 28 a 30 28 a 31
a) precipitação pluviométrica: utilizadas séries com, no mí- Colatina 28 a 30 28 a 31 28 a 32 São José do Calçado 28 a 30 28 a 32
nimo, 15 anos dados diários registrados nas 100 estações pluvio- Conceição do Castelo 28 a 29 28 a 31 28 a 32 São Roque do Canaã 28 a 29 28 a 30 28 a 31
métricas disponíveis no Estado; Divino de São Lourenço 28 a 30 28 a 31 28 a 32 Serra 28 a 29 28 a 30 28 a 31
b) evapotranspiração potencial - estimadas médias decendiais Domingos Martins 28 a 30 28 a 32 28 a 36 Vargem Alta 28 a 30 28 a 32 28 a 36
pelo método de Penmam-Monteith nas 16 estações climatológicas Dores do Rio Preto 28 a 30 28 a 31 28 a 32 Venda Nova do Imigrante 28 a 30 28 a 31 28 a 35
disponíveis no Estado. Viana 28 a 29 28 a 30 28 a 31
Ecoporanga 28 a 30
Vila Pavão 28 a 29
c) coeficiente de cultura - utilizados dados obtidos expe- Fundão 28 a 29 28 a 31 28 a 32 Vila Valério 28 a 29 28 a 30 28 a 31
rimentalmente e disponibilizados através da literatura reconhecida Governador Lindenberg 28 a 30 28 a 31 28 a 32 Vila Velha 28 a 29 28 a 30 28 a 31
pela comunidade científica; Guaçuí 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Vitória 28 a 29 28 a 31 28 a 32
d) disponibilidade máxima de água no solo - estimada em Guarapari 28 a 29 28 a 30 28 a 31
função da profundidade efetiva das raízes e da capacidade de água Ibatiba 28 a 30 28 a 30 28 a 31
Ibiraçu 28 a 29 28 a 31 28 a 32 MUNICÍPIOS PERÍODOS DE SEMEADURA PARA CULTIVARES DO
disponível dos solos. Consideraram-se os solos Tipo 1, 2 e 3, com GRUPO III
Ibitirama 28 a 29 28 a 30 28 a 31
capacidade de armazenamento de água de 30, 50 e 70 mm, res- Iconha 28 a 30 28 a 32 28 a 36 SOLOS TIPO 1 SOLOS TIPO 2 SOLOS TIPO 3
pectivamente; e Irupi 28 a 30 28 a 30 28 a 31 Afonso Cláudio 28 a 29 28 a 30
e) ciclo e fase fenológica da cultura - Para efeito de si- Itaguaçu 28 a 30 28 a 31 28 a 31
Águia Branca 28 a 29 28 a 29
mulação foram consideradas as fases de germinação/emergência, cres- Alegre 28 a 29 28 a 30
Itapemirim 28 a 29 28 a 29 Alfredo Chaves 28 a 31 28 a 36
cimento/desenvolvimento, floração/enchimento de grãos e maturação Itarana 28 a 30 28 a 31 28 a 32 Anchieta 28 a 29 28 a 31
fisiológica. As cultivares foram classificadas em três grupos de ca- Iúna 28 a 30 28 a 30 28 a 31 Apiacá 28 a 30
racterísticas homogêneas: Grupo I (n < 115 dias); Grupo II (115 dias Jerônimo Monteiro 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Baixo Guandu 28 a 29
≤ n ≤ 130 dias); e Grupo III (n >130 dias), onde n expressa o número João Neiva 28 a 29 28 a 31 28 a 32 Barra de São Francisco 28 a 29
de dias da emergência à maturação fisiológica. Laranja da Terra 28 a 29 28 a 31 28 a 32 Bom Jesus do Norte 28 a 29 28 a 30
As simulações do balanço hídrico foram realizadas para pe- Mantenópolis 28 a 30 Brejetuba 28 a 29 28 a 30
Marataízes 28 a 29 28 a 29 Cachoeiro de Itapemirim 28 a 30 28 a 31
ríodos decendiais. Consideraram-se os valores médios do Índice de Cariacica 28 a 29 28 a 30
Satisfação de Necessidade de Água - ISNA (expresso pela relação Marechal Floriano 28 a 30 28 a 31 28 a 36
Marilândia 28 a 30 28 a 31 28 a 32 Castelo 28 a 29 28 a 31
entre evapotranspiração real e evapotranspiração máxima - ETr/ETm), Colatina 28 a 29 28 a 30
Mimoso do Sul 28 a 29 28 a 30
por data de semeadura, fase fenológica e localização geográfica das Mucurici 29 a 30
Conceição do Castelo 28 a 29 28 a 30
estações pluviométricas e climáticas utilizadas. Divino de São Lourenço 28 a 29 28 a 30
Muniz Freire 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Domingos Martins 28 a 29 28 a 31 28 a 36
Foram adotados os seguintes critérios para o cultivo do arroz Muqui 28 a 29 28 a 30 Dores do Rio Preto 28 a 29 28 a 30
de sequeiro em condições de baixo risco climático: Nova Venécia 28 a 30 28 a 31 Fundão 28 a 29 28 a 30
- ISNA maior ou igual a 0,65; Pancas 28 a 30 28 a 31 Governador Lindenberg 28 a 29 28 a 30
- Temperatura Média das Mínimas na fase de Germina- Piúma 28 a 30 28 a 32 Guaçuí 28 a 29 28 a 30
ção/Emergência ≥ 15ºC; Presidente Kennedy 28 a 29 28 a 30 Guarapari 28 a 29 28 a 30
- Temperatura Média das Máximas na fase de Floração/En- Rio Bananal 28 a 30 28 a 31 28 a 31 Ibatiba 28 a 29 28 a 30
Ibiraçu 28 a 29 28 a 30
chimento de Grãos ≤ 35ºC. Rio Novo do Sul 28 a 29 28 a 30 28 a 31
Ibitirama 28 a 29 28 a 30
Foram indicados os municípios que apresentaram em, pelo Santa Leopoldina 28 a 30 28 a 31 28 a 32
Iconha 28 a 30 28 a 35
menos, 20% de sua área condições climáticas dentro dos critérios Santa Maria de Jetibá 28 a 30 28 a 31 28 a 32
Irupi 28 a 29 28 a 30
Santa Teresa 28 a 30 28 a 31 28 a 32
adotados em, no mínimo, 80% dos anos avaliados. Itaguaçu 28 a 29 28 a 30
São Domingos do Norte 28 a 30 28 a 31 28 a 32 Itarana 28 a 29 28 a 30
2. TIPOS DE SOLOS APTOS AO CULTIVO São Gabriel da Palha 28 a 29 28 a 31 28 a 31 Iúna 28 a 29 28 a 30
São aptos ao cultivo de arroz de sequeiro no Estado os solos São José do Calçado 28 a 29 28 a 30 28 a 32 Jerônimo Monteiro 28 a 29 28 a 30
dos tipos 1, 2 e 3, observadas as especificações e recomendações São Roque do Canaã 28 a 30 28 a 31 28 a 32 João Neiva 28 a 29 28 a 30
contidas na Instrução Normativa nº 2, de 9 de outubro de 2008. Serra 28 a 29 28 a 31 28 a 32 Laranja da Terra 28 a 29 28 a 30
Não são indicadas para o cultivo: Vargem Alta 28 a 30 28 a 32 28 a 36 Marechal Floriano 28 a 31 28 a 36
- áreas de preservação permanente, de acordo com a Lei Venda Nova do Imigrante 28 a 30 28 a 32 28 a 36 Marilândia 28 a 29 28 a 30
12.651, de 25 de maio de 2012; Viana 28 a 30 28 a 31 28 a 31 Mimoso do Sul 28 a 29
Muniz Freire 28 a 29 28 a 30
- áreas com solos que apresentam profundidade inferior a 50 Vila Pavão 28 a 30
Nova Venécia 28 a 29
cm ou com solos muito pedregosos, isto é, solos nos quais calhaus e Vila Valério 28 a 31 28 a 31
Pancas 28 a 29 28 a 29
matacões ocupem mais de 15% da massa e/ou da superfície do ter- Vila Velha 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Piúma 28 a 29 28 a 30
reno. Vitória 28 a 30 28 a 31 28 a 32 Rio Bananal 28 a 29 28 a 30
3. TABELA DE PERÍODOS DE SEMEADURA Rio Novo do Sul 28 a 29 28 a 30
Santa Leopoldina 28 a 29 28 a 31
Períodos 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 MUNICÍPIOS PERÍODOS DE SEMEADURA PARA CULTIVARES DO Santa Maria de Jetibá 28 a 29 28 a 30
GRUPO II Santa Teresa 28 a 29 28 a 30
Datas 1º 11 21 1º 11 21 1º 11 21 1º 11 21
SOLOS TIPO 1 SOLOS TIPO 2 SOLOS TIPO 3 São Domingos do Norte 28 a 29 28 a 30
a a a a a a 28 a a a a a a
10 20 31 10 20 10 20 31 10 20 30 Afonso Cláudio 28 a 29 28 a 30 28 a 31 São Gabriel da Palha 28 a 29 28 a 30
Água Doce do Norte 28 a 29 28 a 29 São José do Calçado 28 a 29 28 a 30
Meses Janeiro Fevereiro Março Abril
São Roque do Canaã 28 a 29 28 a 30
Águia Branca 28 a 30 28 a 30
Serra 28 a 29 28 a 30
Alegre 28 a 30 28 a 31
Vargem Alta 28 a 31 28 a 36
Períodos 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 Alfredo Chaves 28 a 30 28 a 32 28 a 36 Venda Nova do Imigrante 28 a 29 28 a 30 28 a 33
Datas 1º 11 21 1º 11 21 1º 11 21 1º 11 21 Alto Rio Novo 28 a 29 Viana 28 a 29 28 a 30
a a a a a a a a a a a a Anchieta 28 a 30 28 a 32 Vila Valério 28 a 29 28 a 29
10 20 31 10 20 30 10 20 31 10 20 31 Apiacá 28 a 29 28 a 31 Vila Velha 28 a 29
Meses Maio Junho Julho Agosto Atilio Vivacqua 28 a 29 Vitória 28 a 29 28 a 30

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html, Documento assinado digitalmente conforme MP n o- 2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
pelo código 00012017072500017 Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
18 ISSN 1677-7042 1 Nº 141, terça-feira, 25 de julho de 2017
PORTARIA Nº 26, DE 21 DE JULHO DE 2017 3. TABELA DE PERÍODOS DE SEMEADURA Campos Verdes 28 a 02 28 a 03 28 a 03
Carmo do Rio Verde 28 a 36 28 a 03 28 a 03
O SECRETÁRIO DE POLÍTICA AGRÍCOLA, no uso de Períodos 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 Castelândia 28 a 32 + 36 a 01 28 a 03 28 a 03
suas atribuições e competências estabelecidas pelo Decreto nº 8.701, Datas 1º 11 21 1º 11 21 1º 11 21 1º 11 21 Catalão 28 a 32 28 a 02 28 a 03
de 31 de março de 2016, publicado no Diário Oficial da União de 1º a a a a a a 28 a a a a a a Caturaí 28 a 02 28 a 03 28 a 03
10 20 31 10 20 10 20 31 10 20 30 Cavalcante 28 a 32 28 a 03 28 a 03
de abril de 2016, e observado, no que couber, o contido nas Ins-
Meses Janeiro Fevereiro Março Abril Ceres 28 a 01 28 a 03 28 a 03
truções Normativas nº 2, de 9 de outubro de 2008, publicada no Cezarina 28 a 03 28 a 03 28 a 03
Diário Oficial da União de 13 de outubro de 2008, da Secretaria de Chapadão do Céu 28 a 03 28 a 03 28 a 03
Política Agrícola, e nº 18, de 12 de maio de 2016, publicada no Períodos 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 Cidade Ocidental 28 a 36 28 a 02 28 a 03
Diário Oficial da União de 13 de maio de 2016, do Ministério da Datas 1º 11 21 1º 11 21 1º 11 21 1º 11 21 Cocalzinho de Goiás 28 a 02 28 a 03 28 a 03
Agricultura, Pecuária e Abastecimento, resolve: a a a a a a a a a a a a Colinas do Sul 28 a 01 28 a 03 28 a 03
Art. 1º Aprovar o Zoneamento Agrícola de Risco Climático 10 20 31 10 20 30 10 20 31 10 20 31 Córrego do Ouro 28 a 36 28 a 03 28 a 03
Meses Maio Junho Julho Agosto Corumbá de Goiás 28 a 03 28 a 03 28 a 03
para a cultura de arroz de sequeiro no Estado de Goiás, ano-safra
2017/2018, conforme anexo. Corumbaíba 28 a 34 28 a 03 28 a 03
Cristalina 28 a 31 28 a 02 28 a 03
Art. 2º Esta Portaria tem vigência específica para o ano-safra Períodos 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 Cristianópolis 28 a 02 28 a 03 28 a 03
definido no art. 1º e entra em vigor na data de sua publicação. Datas 1º 11 21 1º 11 21 1º 11 21 1º 11 21 Crixás 28 a 02 28 a 03 28 a 03
a 10 a a a a a a a a a a a Cromínia 28 a 01 28 a 03 28 a 03
NERI GELLER 20 30 10 20 31 10 20 30 10 20 31 Cumari 28 a 32 28 a 02 28 a 03
Meses Setembro Outubro Novembro Dezembro Damianópolis 29 a 31 29 a 32 29 a 02
ANEXO Damolândia 29 a 36 28 a 03 28 a 03
4. CULTIVARES INDICADAS Davinópolis 28 a 31 28 a 01 28 a 03
1. NOTA TÉCNICA Para efeito de indicação dos períodos de plantio, as cul- Diorama 28 a 02 28 a 03 28 a 03
tivares indicadas pelos obtentores/mantenedores para o Estado, foram Divinópolis de Goiás 28 a 31 28 a 36 28 a 03
O Estado de Goiás cultivou, na safra 2016/2017, uma área de agrupadas conforme a seguir especificado. Doverlândia 28 a 02 28 a 03 28 a 03
6,7 mil hectares de arroz (Oriza Sativa L.) com uma produção de 15,4 GRUPO I Edealina 28 a 01 28 a 03 28 a 03
mil toneladas, conforme dados do levantamento da CONAB de julho AGRO NORTE SEMENTES: AN Cambará, ANa 7007, ANa Edéia 28 a 36 28 a 03 28 a 03
de 2017. 8001, ANa 5015, ANa 6005 e ANa9011; Estrela do Norte 28 a 02 28 a 03 28 a 03
Os principais elementos climáticos que influenciam a cultura EMBRAPA ARROZ E FEIJÃO - CNPAF: BRS Monarca, Faina 28 a 02 28 a 03 28 a 03
do arroz são a temperatura do ar, o fotoperíodo e a precipitação BRS Pepita, BRS Primavera, BRSGO Serra Dourada e BRSMG Fazenda Nova 28 a 01 28 a 03 28 a 03
pluvial. 355. Firminópolis 28 a 36 28 a 03 28 a 03
A temperatura do ar influencia o crescimento, o desenvol- GRUPO II Flores de Goiás 28 a 31 28 a 02 28 a 03
vimento e a produtividade da cultura e seu impacto varia conforme a Formosa 28 a 02 28 a 03 28 a 03
AGRO NORTE SEMENTES: ANa 7211 e ANa 8111;
Formoso 28 a 02 28 a 03 28 a 03
fase fenológica. As faixas de temperatura ótima variam de 20ºC a EMBRAPA ARROZ E FEIJÃO - CNPAF: BRS Bonança, Gameleira de Goiás 28 a 02 28 a 03 28 a 03
35ºC, sendo de 30ºC a 33ºC para a floração e de 20ºC a 25ºC para BRS Esmeralda e BRS Sertaneja. Goianápolis 28 a 02 28 a 03 28 a 03
maturação. As fases mais sensíveis quanto à temperatura são as de Com base nas informações prestadas pelos obtentores/man- Goiandira 28 a 32 28 a 02 28 a 03
pré-floração e floração. tenedores, das cultivares indicadas nenhuma obteve o enquadramento Goianésia 28 a 02 28 a 03 28 a 03
O fotoperíodo, de um modo geral, não é um fator limitante no grupo III. Goiânia 28 a 03 28 a 03 28 a 03
nas principais regiões produtoras do país e nas épocas tradicionais de Notas: Goianira 28 a 03 28 a 03 28 a 03
cultivo. 1) Informações específicas sobre as cultivares indicadas de- Goiás 28 a 03 28 a 03 28 a 03
A produção do arroz em regime de sequeiro é dependente do vem ser obtidas junto aos respectivos obtentores/mantenedores. Goiatuba 28 a 32 + 36 a 01 28 a 03 28 a 03
regime pluvial, uma vez que ocorrência de estresses hídricos durante 2) Devem ser utilizadas no plantio sementes produzidas em Gouvelândia 28 a 32 28 a 03 28 a 03
conformidade com a legislação brasileira sobre sementes e mudas Guapó 28 a 03 28 a 03 28 a 03
o ciclo e, em especial, no estádio de florescimento/enchimento dos Guaraíta 28 a 02 28 a 03 28 a 03
grãos, pode comprometer grandemente a produtividade da cultura. (Lei nº 10.711, de 5 de agosto de 2003, e Decreto nº 5.153, de 23 de
agosto de 2004). Guarani de Goiás 30 a 31 28 a 32 + 36 a 02 28 a 03
Objetivou-se, com o zoneamento agrícola, identificar os mu- Guarinos 28 a 02 28 a 03 28 a 03
nicípios aptos e os períodos de plantio com menor risco climático 5. RELAÇÃO DOS MUNICÍPIOS APTOS AO CULTIVO E
Heitoraí 28 a 02 28 a 03 28 a 03
para o cultivo do arroz de sequeiro no Estado. PERÍODOS INDICADOS PARA SEMEADURA Hidrolândia 28 a 03 28 a 03 28 a 03
Essa identificação foi realizada a partir de análises térmicas MUNICÍPIOS PERÍODOS DE SEMEADURA PARA CULTIVARES DO
Hidrolina 28 a 01 28 a 03 28 a 03
e hídricas. Na análise hídrica foi utilizado um modelo de balanço GRUPO I Iaciara 30 a 31 28 a 32 28 a 03
hídrico da cultura para períodos de dez dias. SOLOS TIPOS 1 SOLOS TIPOS 2 SOLOS TIPOS 3 Inaciolândia 28 a 31 28 a 03 28 a 03
Indiara 28 a 36 28 a 03 28 a 03
O balanço hídrico foi estimado com o uso das seguintes Abadia de Goiás 28 a 03 28 a 03 28 a 03
Abadiânia 28 a 02 28 a 03 28 a 03 Inhumas 28 a 02 28 a 03 28 a 03
variáveis climáticas e agronômicas: Ipameri 28 a 32 + 36 a 02 28 a 03 28 a 03
a) precipitação pluviométrica: utilizadas séries com, no mí- Acreúna 28 a 36 28 a 03 28 a 03
Adelândia 28 a 02 28 a 03 28 a 03 Ipiranga de Goiás 28 a 02 28 a 03 28 a 03
nimo, 15 anos dados diários registrados nas 134 estações pluvio- Água Fria de Goiás 28 a 02 28 a 03 28 a 03 Iporá 28 a 02 28 a 03 28 a 03
métricas disponíveis no Estado; Água Limpa 28 a 32 + 36 a 01 28 a 03 28 a 03 Israelândia 28 a 01 28 a 03 28 a 03
b) evapotranspiração potencial - estimadas médias decendiais Águas Lindas de Goiás 28 a 02 28 a 03 28 a 03 Itaberaí 28 a 02 28 a 03 28 a 03
pelo método de Penmam-Monteith nas 16 estações climatológicas Alexânia 28 a 02 28 a 03 28 a 03 Itaguari 28 a 02 28 a 03 28 a 03
disponíveis no Estado. Aloândia 28 a 34 28 a 03 28 a 03 Itaguaru 28 a 02 28 a 03 28 a 03
c) coeficiente de cultura - utilizados dados obtidos expe- Alto Horizonte 28 a 02 28 a 03 28 a 03 Itajá 28 a 32 28 a 03 28 a 03
Alto Paraíso de Goiás 28 a 36 28 a 03 28 a 03 Itapaci 28 a 02 28 a 03 28 a 03
rimentalmente e disponibilizados através da literatura reconhecida Itapirapuã 28 a 02 28 a 03 28 a 03
pela comunidade científica; Alvorada do Norte 28 a 31 28 a 32 28 a 03
Amaralina 28 a 02 28 a 03 28 a 03 Itapuranga 28 a 02 28 a 03 28 a 03
d) disponibilidade máxima de água no solo - estimada em Americano do Brasil 28 a 02 28 a 03 28 a 03 Itarumã 28 a 01 28 a 03 28 a 03
função da profundidade efetiva das raízes e da capacidade de água Amorinópolis 28 a 36 28 a 03 28 a 03 Itauçu 28 a 02 28 a 03 28 a 03
disponível dos solos. Consideraram-se os solos Tipo 1, 2 e 3, com Anápolis 28 a 02 28 a 03 28 a 03 Itumbiara 28 a 32 28 a 03 28 a 03
capacidade de armazenamento de água de 30, 50 e 70 mm, res- Anhanguera 28 a 32 28 a 02 28 a 03 Ivolândia 28 a 36 28 a 03 28 a 03
pectivamente; e Anicuns 28 a 02 28 a 03 28 a 03 Jandaia 28 a 36 28 a 03 28 a 03
e) ciclo e fase fenológica da cultura - Para efeito de si- Aparecida de Goiânia 28 a 03 28 a 03 28 a 03 Jaraguá 28 a 02 28 a 03 28 a 03
Aparecida do Rio Doce 28 a 02 28 a 03 28 a 03 Jataí 28 a 03 28 a 03 28 a 03
mulação foram consideradas as fases de germinação/emergência, cres-
Aporé 28 a 02 28 a 03 28 a 03 Jaupaci 28 a 36 28 a 03 28 a 03
cimento/desenvolvimento, floração/enchimento de grãos e maturação Jesúpolis 28 a 02 28 a 03 28 a 03
Araçu 28 a 02 28 a 03 28 a 03
fisiológica. As cultivares foram classificadas em três grupos de ca- Aragarças 28 a 01 28 a 02 28 a 03 Joviânia 28 a 32 28 a 03 28 a 03
racterísticas homogêneas: Grupo I (n < 115 dias); Grupo II (115 dias Aragoiânia 28 a 03 28 a 03 28 a 03 Jussara 28 a 34 28 a 03 28 a 03
≤ n ≤ 130 dias); e Grupo III (n >130 dias), onde n expressa o número Araguapaz 28 a 02 28 a 03 28 a 03 Lagoa Santa 28 a 32 28 a 03 28 a 03
de dias da emergência à maturação fisiológica. Arenópolis 28 a 36 28 a 03 28 a 03 Leopoldo de Bulhões 28 a 02 28 a 03 28 a 03
As simulações do balanço hídrico foram realizadas para pe- Aruanã 28 a 02 28 a 03 28 a 03 Luziânia 28 a 36 28 a 03 28 a 03
ríodos decendiais. Consideraram-se os valores médios do Índice de Aurilândia 28 a 32 28 a 03 28 a 03 Mairipotaba 28 a 02 28 a 03 28 a 03
Satisfação de Necessidade de Água - ISNA (expresso pela relação Avelinópolis 28 a 02 28 a 03 28 a 03 Mambaí 29 a 31 29 a 32 29 a 35
Baliza 28 a 36 28 a 03 28 a 03 Mara Rosa 28 a 02 28 a 03 28 a 03
entre evapotranspiração real e evapotranspiração máxima - ETr/ETm), Marzagão 28 a 34 28 a 03 28 a 03
Barro Alto 28 a 01 28 a 03 28 a 03
por data de semeadura, fase fenológica e localização geográfica das Bela Vista de Goiás 28 a 02 28 a 03 28 a 03 Matrinchã 28 a 02 28 a 03 28 a 03
estações pluviométricas e climáticas utilizadas. Bom Jardim de Goiás 28 a 01 28 a 03 28 a 03 Maurilândia 28 a 32 28 a 03 28 a 03
Foram adotados os seguintes critérios para o cultivo do arroz Bom Jesus de Goiás 28 a 32 + 36 a 02 28 a 03 28 a 03 Mimoso de Goiás 28 a 02 28 a 03 28 a 03
de sequeiro em condições de baixo risco climático: Bonfinópolis 28 a 02 28 a 03 28 a 03 Minaçu 28 a 36 28 a 03 28 a 03
- ISNA maior ou igual a 0,65; Bonópolis 28 a 03 28 a 03 28 a 03 Mineiros 28 a 03 28 a 03 28 a 03
- Temperatura Média das Mínimas na fase de Germina- Brazabrantes 29 a 36 28 a 03 28 a 03 Moiporá 28 a 36 28 a 03 28 a 03
ção/Emergência ≥ 15ºC; Britânia 28 a 34 28 a 03 28 a 03 Monte Alegre de Goiás 28 a 32 28 a 01 28 a 03
Buriti Alegre 28 a 32 + 36 a 01 28 a 03 28 a 03 Montes Claros de Goiás 28 a 01 28 a 03 28 a 03
- Temperatura Média das Máximas na fase de Floração/En- Montividiu 28 a 01 28 a 03 28 a 03
Buriti de Goiás 29 a 36 28 a 03 28 a 03
chimento de Grãos ≤ 35ºC. Buritinópolis 30 a 31 28 a 32 28 a 03 Montividiu do Norte 28 a 36 28 a 03 28 a 03
Foram indicados os municípios que apresentaram em, pelo Cabeceiras 28 a 36 28 a 03 28 a 03 Morrinhos 28 a 34 28 a 03 28 a 03
menos, 20% de sua área condições climáticas dentro dos critérios Cachoeira Alta 28 a 32 + 36 a 02 28 a 03 28 a 03 Morro Agudo de Goiás 28 a 02 28 a 03 28 a 03
adotados em, no mínimo, 80% dos anos avaliados. Cachoeira de Goiás 28 a 32 28 a 03 28 a 03 Mossâmedes 28 a 02 28 a 03 28 a 03
2. TIPOS DE SOLOS APTOS AO CULTIVO Cachoeira Dourada 28 a 32 28 a 03 28 a 03 Mozarlândia 28 a 02 28 a 03 28 a 03
São aptos ao cultivo de arroz de sequeiro no Estado os solos Caçu 28 a 01 28 a 03 28 a 03 Mundo Novo 28 a 03 28 a 03 28 a 03
dos tipos 1, 2 e 3, observadas as especificações e recomendações Caiapônia 28 a 03 28 a 03 28 a 03 Mutunópolis 28 a 02 28 a 03 28 a 03
Caldas Novas 28 a 34 28 a 03 28 a 03 Nazário 28 a 02 28 a 03 28 a 03
contidas na Instrução Normativa nº 2, de 9 de outubro de 2008.
Caldazinha 28 a 02 28 a 03 28 a 03 Nerópolis 28 a 02 28 a 03 28 a 03
Não são indicadas para o cultivo: Campestre de Goiás 28 a 03 28 a 03 28 a 03 Niquelândia 28 a 01 28 a 03 28 a 03
- áreas de preservação permanente, de acordo com a Lei Campinaçu 28 a 03 28 a 03 28 a 03 Nova América 28 a 03 28 a 03 28 a 03
12.651, de 25 de maio de 2012; Campinorte 28 a 02 28 a 03 28 a 03 Nova Aurora 28 a 32 28 a 03 28 a 03
- áreas com solos que apresentam profundidade inferior a 50 Campo Alegre de Goiás 28 a 32 28 a 02 28 a 03 Nova Crixás 28 a 02 28 a 03 28 a 03
cm ou com solos muito pedregosos, isto é, solos nos quais calhaus e Campo Limpo de Goiás 28 a 02 28 a 03 28 a 03 Nova Glória 28 a 01 28 a 03 28 a 03
matacões ocupem mais de 15% da massa e/ou da superfície do terreno. Campos Belos 28 a 31 28 a 03 28 a 03 Nova Iguaçu de Goiás 28 a 01 28 a 03 28 a 03

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html, Documento assinado digitalmente conforme MP n o- 2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
pelo código 00012017072500018 Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
Nº 141, terça-feira, 25 de julho de 2017 1 ISSN 1677-7042 19
Nova Roma 28 a 31 28 a 36 28 a 03 Anhanguera 28 a 30 28 a 01 28 a 02 Ivolândia 28 a 35 28 a 01 28 a 02
Nova Veneza 29 a 36 28 a 03 28 a 03 Anicuns 28 a 01 28 a 02 28 a 03 Jandaia 28 a 34 28 a 01 28 a 02
Novo Brasil 28 a 36 28 a 03 28 a 03 Aparecida de Goiânia 28 a 02 28 a 03 28 a 03 Jaraguá 28 a 01 28 a 02 28 a 03
Novo Gama 28 a 02 28 a 03 28 a 03 Aparecida do Rio Doce 28 a 01 28 a 02 28 a 03 Jataí 28 a 01 28 a 03 28 a 03
Novo Planalto 28 a 03 28 a 03 28 a 03 Aporé 28 a 36 28 a 02 28 a 03 Jaupaci 28 a 35 28 a 02 28 a 03
Orizona 28 a 36 28 a 03 28 a 03 Araçu 28 a 01 28 a 02 28 a 03 Jesúpolis 28 a 36 28 a 02 28 a 03
Ouro Verde de Goiás 28 a 36 28 a 03 28 a 03 Aragarças 28 a 36 28 a 01 28 a 02 Joviânia 28 a 31 28 a 02 28 a 03
Ouvidor 28 a 31 28 a 01 28 a 03 Aragoiânia 28 a 02 28 a 03 28 a 03 Jussara 28 a 33 28 a 01 28 a 02
Padre Bernardo 28 a 02 28 a 03 28 a 03 Araguapaz 28 a 36 28 a 02 28 a 03 Lagoa Santa 28 a 30 28 a 01 28 a 03
Palestina de Goiás 28 a 01 28 a 03 28 a 03 Arenópolis 28 a 35 28 a 01 28 a 02 Leopoldo de Bulhões 28 a 02 28 a 03 28 a 03
Palmeiras de Goiás 28 a 02 28 a 03 28 a 03 Aruanã 28 a 36 28 a 01 28 a 02 Luziânia 28 a 36 28 a 02 28 a 03
Palmelo 28 a 03 28 a 03 28 a 03 Aurilândia 28 a 33 28 a 01 28 a 02 Mairipotaba 28 a 01 28 a 02 28 a 03
Palminópolis 28 a 36 28 a 03 28 a 03 Avelinópolis 28 a 01 28 a 02 28 a 03 Mambaí 28 a 29 28 a 31 28 a 33
Panamá 28 a 32 28 a 03 28 a 03 Baliza 28 a 35 28 a 02 28 a 03 Mara Rosa 28 a 01 28 a 02 28 a 03
Paranaiguara 28 a 32 28 a 02 28 a 03 Barro Alto 28 a 36 28 a 01 28 a 02 Marzagão 28 a 31 28 a 02 28 a 02
Paraúna 28 a 36 28 a 03 28 a 03 Bela Vista de Goiás 28 a 01 28 a 03 28 a 03 Matrinchã 28 a 36 28 a 01 28 a 02
Perolândia 28 a 03 28 a 03 28 a 03 Bom Jardim de Goiás 28 a 36 28 a 01 28 a 02 Maurilândia 28 a 31 28 a 01 28 a 02
Petrolina de Goiás 28 a 02 28 a 03 28 a 03 Bom Jesus de Goiás 28 a 31 + 35 a 01 28 a 02 28 a 03 Mimoso de Goiás 28 a 36 28 a 01 28 a 02
Pilar de Goiás 28 a 01 28 a 03 28 a 03 Bonfinópolis 28 a 02 28 a 03 28 a 03 Minaçu 28 a 35 28 a 02 28 a 02
Piracanjuba 28 a 01 28 a 03 28 a 03 Bonópolis 28 a 01 28 a 02 28 a 03 Mineiros 28 a 01 28 a 03 28 a 03
Piranhas 28 a 36 28 a 03 28 a 03 Brazabrantes 28 a 34 28 a 02 28 a 02 Moiporá 28 a 35 28 a 02 28 a 03
Pirenópolis 28 a 03 28 a 03 28 a 03 Britânia 28 a 33 28 a 01 28 a 02 Monte Alegre de Goiás 28 a 30 28 a 35 28 a 02
Pires do Rio 28 a 02 28 a 03 28 a 03 Buriti Alegre 28 a 31 + 35 a 36 28 a 01 28 a 03 Montes Claros de Goiás 28 a 35 28 a 01 28 a 02
Planaltina 28 a 02 28 a 03 28 a 03 Buriti de Goiás 29 a 31 + 33 a 35 28 a 02 28 a 02 Montividiu 28 a 36 28 a 02 28 a 03
Pontalina 28 a 01 28 a 03 28 a 03 Buritinópolis 28 a 29 28 a 31 28 a 01 Montividiu do Norte 28 a 34 28 a 02 28 a 03
Porangatu 28 a 02 28 a 03 28 a 03 Cabeceiras 28 a 35 28 a 01 28 a 03 Morrinhos 28 a 34 28 a 02 28 a 03
Porteirão 28 a 32 + 36 a 01 28 a 03 28 a 03 Cachoeira Alta 28 a 36 28 a 02 28 a 03 Morro Agudo de Goiás 28 a 36 28 a 02 28 a 03
Portelândia 28 a 03 28 a 03 28 a 03 Cachoeira de Goiás 28 a 34 28 a 01 28 a 02 Mossâmedes 28 a 36 28 a 02 28 a 03
Posse 28 a 31 28 a 32 + 36 a 02 28 a 03 Cachoeira Dourada 28 a 31 28 a 01 28 a 03 Mozarlândia 28 a 36 28 a 02 28 a 03
Professor Jamil 28 a 01 28 a 03 28 a 03 Caçu 28 a 36 28 a 02 28 a 03 Mundo Novo 28 a 01 28 a 02 28 a 03
Quirinópolis 28 a 32 28 a 03 28 a 03 Caiapônia 28 a 01 28 a 02 28 a 03 Mutunópolis 28 a 01 28 a 02 28 a 03
Rialma 28 a 01 28 a 03 28 a 03 Caldas Novas 28 a 31 28 a 02 28 a 02 Nazário 28 a 01 28 a 02 28 a 03
Rianápolis 28 a 02 28 a 03 28 a 03 Caldazinha 28 a 01 28 a 03 28 a 03 Nerópolis 28 a 01 28 a 02 28 a 03
Rio Quente 28 a 32 28 a 03 28 a 03 Campestre de Goiás 28 a 36 28 a 02 28 a 02 Niquelândia 28 a 36 28 a 01 28 a 02
Rio Verde 28 a 03 28 a 03 28 a 03 Campinaçu 28 a 01 28 a 02 28 a 03 Nova América 28 a 01 28 a 03 28 a 03
Rubiataba 28 a 02 28 a 03 28 a 03 Campinorte 28 a 01 28 a 02 28 a 02 Nova Aurora 28 a 31 28 a 01 28 a 02
Sanclerlândia 28 a 36 28 a 03 28 a 03 Campo Alegre de Goiás 28 a 31 28 a 01 28 a 02 Nova Crixás 28 a 36 28 a 02 28 a 03
Santa Bárbara de Goiás 28 a 02 28 a 03 28 a 03 Campo Limpo de Goiás 28 a 01 28 a 02 28 a 03 Nova Glória 28 a 36 28 a 01 28 a 02
Santa Cruz de Goiás 28 a 02 28 a 03 28 a 03 Campos Belos 28 a 29 28 a 01 28 a 02 Nova Iguaçu de Goiás 28 a 36 28 a 01 28 a 02
Santa Fé de Goiás 28 a 34 28 a 03 28 a 03 Campos Verdes 28 a 01 28 a 02 28 a 02 Nova Roma 28 a 30 28 a 34 28 a 01
Santa Helena de Goiás 28 a 01 28 a 03 28 a 03 Carmo do Rio Verde 28 a 36 28 a 02 28 a 02 Nova Veneza 29 a 34 28 a 02 28 a 02
Santa Isabel 28 a 01 28 a 03 28 a 03 Castelândia 28 a 31 + 35 a 36 28 a 02 28 a 03 Novo Brasil 28 a 35 28 a 02 28 a 02
Santa Rita do Araguaia 28 a 03 28 a 03 28 a 03 Catalão 28 a 30 28 a 01 28 a 02 Novo Gama 28 a 36 28 a 02 28 a 03
Santa Rita do Novo Des- 28 a 01 28 a 03 28 a 03 Caturaí 28 a 36 28 a 02 28 a 03 Novo Planalto 28 a 01 28 a 02 28 a 03
tino Cavalcante 28 a 30 28 a 01 28 a 02 Orizona 28 a 36 28 a 02 28 a 03
Santa Rosa de Goiás 28 a 02 28 a 03 28 a 03 Ceres 28 a 36 28 a 01 28 a 02 Ouro Verde de Goiás 28 a 35 28 a 02 28 a 03
Santa Tereza de Goiás 28 a 02 28 a 03 28 a 03 Cezarina 28 a 01 28 a 02 28 a 03 Ouvidor 28 a 30 28 a 02 28 a 03
Santa Terezinha de Goiás 28 a 02 28 a 03 28 a 03 Chapadão do Céu 28 a 01 28 a 02 28 a 03 Padre Bernardo 28 a 36 28 a 02 28 a 03
Santo Antônio da Barra 28 a 01 28 a 03 28 a 03 Cidade Ocidental 28 a 35 28 a 01 28 a 02 Palestina de Goiás 28 a 36 28 a 02 28 a 03
Santo Antônio de Goiás 28 a 36 28 a 03 28 a 03 Cocalzinho de Goiás 28 a 01 28 a 03 28 a 03 Palmeiras de Goiás 28 a 36 28 a 02 28 a 02
Santo Antônio do Desco- 28 a 02 28 a 03 28 a 03 Colinas do Sul 28 a 36 28 a 01 28 a 02 Palmelo 28 a 36 28 a 01 28 a 02
berto Córrego do Ouro 28 a 35 28 a 02 28 a 02 Palminópolis 28 a 35 28 a 01 28 a 02
São Domingos 28 a 32 28 a 03 Corumbá de Goiás 28 a 02 28 a 03 28 a 03 Panamá 28 a 31 28 a 01 28 a 02
São Francisco de Goiás 28 a 02 28 a 03 28 a 03 Corumbaíba 28 a 31 + 35 a 36 28 a 02 28 a 03 Paranaiguara 28 a 30 28 a 01 28 a 02
São João d'Aliança 28 a 36 28 a 03 28 a 03 Cristalina 28 a 30 28 a 01 28 a 02 Paraúna 28 a 35 28 a 01 28 a 02
São João da Paraúna 28 a 35 28 a 02 28 a 03 Cristianópolis 28 a 01 28 a 02 28 a 03 Perolândia 28 a 01 28 a 03 28 a 03
São Luís de Montes Be- 28 a 36 28 a 03 28 a 03 Petrolina de Goiás 28 a 36 28 a 02 28 a 03
Crixás 28 a 01 28 a 02 28 a 03
los Pilar de Goiás 28 a 36 28 a 02 28 a 03
Cromínia 28 a 36 28 a 02 28 a 03
São Luíz do Norte 28 a 01 28 a 03 28 a 03 Piracanjuba 28 a 36 28 a 02 28 a 03
Cumari 28 a 30 28 a 01 28 a 02
São Miguel do Araguaia 28 a 03 28 a 03 28 a 03 Piranhas 28 a 35 28 a 01 28 a 02
Damianópolis 28 a 29 28 a 31 28 a 33
São Miguel do Passa 28 a 02 28 a 03 28 a 03 Pirenópolis 28 a 01 28 a 03 28 a 03
Quatro Damolândia 28 a 34 28 a 02 28 a 02
Davinópolis 28 a 30 28 a 35 28 a 01 Pires do Rio 28 a 36 28 a 02 28 a 02
São Patrício 28 a 02 28 a 03 28 a 03 Planaltina 28 a 36 28 a 01 28 a 03
São Simão 28 a 32 28 a 02 28 a 03 Diorama 28 a 36 28 a 02 28 a 02
Divinópolis de Goiás 28 a 29 28 a 31 28 a 02 Pontalina 28 a 36 28 a 02 28 a 03
Senador Canedo 28 a 03 28 a 03 28 a 03 Porangatu 28 a 01 28 a 02 28 a 03
Serranópolis 28 a 03 28 a 03 28 a 03 Doverlândia 28 a 36 28 a 02 28 a 03
Edealina 28 a 36 28 a 02 28 a 02 Porteirão 28 a 36 28 a 02 28 a 03
Silvânia 28 a 02 28 a 03 28 a 03 Portelândia 28 a 01 28 a 03 28 a 03
Simolândia 30 a 31 28 a 32 28 a 03 Edéia 28 a 36 28 a 01 28 a 02
Estrela do Norte 28 a 01 28 a 02 28 a 03 Posse 28 a 30 28 a 36 28 a 01
Sítio d'Abadia 28 a 31 28 a 32 28 a 03 Professor Jamil 28 a 01 28 a 02 28 a 03
Taquaral de Goiás 28 a 02 28 a 03 28 a 03 Faina 28 a 36 28 a 02 28 a 03
Fazenda Nova 28 a 35 28 a 02 28 a 02 Quirinópolis 28 a 31 + 35 a 36 28 a 02 28 a 03
Teresina de Goiás 28 a 34 28 a 03 28 a 03 Rialma 28 a 36 28 a 01 28 a 02
Terezópolis de Goiás 28 a 02 28 a 03 28 a 03 Firminópolis 28 a 35 28 a 01 28 a 02
Flores de Goiás 28 a 30 28 a 01 28 a 02 Rianápolis 28 a 36 28 a 02 28 a 02
Três Ranchos 28 a 32 28 a 32 + 36 a 01 28 a 03 Rio Quente 28 a 31 28 a 01 28 a 02
Trindade 28 a 03 28 a 03 28 a 03 Formosa 28 a 36 28 a 01 28 a 03
Formoso 28 a 01 28 a 02 28 a 03 Rio Verde 28 a 01 28 a 02 28 a 03
Trombas 28 a 32 28 a 03 28 a 03 Rubiataba 28 a 01 28 a 02 28 a 03
Turvânia 28 a 02 28 a 03 28 a 03 Gameleira de Goiás 28 a 01 28 a 02 28 a 03
Goianápolis 28 a 02 28 a 03 28 a 03 Sanclerlândia 28 a 35 28 a 02 28 a 02
Turvelândia 28 a 32 28 a 03 28 a 03 Santa Bárbara de Goiás 28 a 36 28 a 02 28 a 03
Uirapuru 28 a 02 28 a 03 28 a 03 Goiandira 28 a 30 28 a 01 28 a 02
Goianésia 28 a 36 28 a 02 28 a 03 Santa Cruz de Goiás 28 a 36 28 a 02 28 a 03
Uruaçu 28 a 01 28 a 03 28 a 03 Santa Fé de Goiás 28 a 33 28 a 01 28 a 02
Uruana 28 a 02 28 a 03 28 a 03 Goiânia 28 a 01 28 a 03 28 a 03
Goianira 28 a 36 28 a 02 28 a 03 Santa Helena de Goiás 28 a 36 28 a 02 28 a 03
Urutaí 28 a 32 + 01 a 02 28 a 03 28 a 03 Santa Isabel 28 a 36 28 a 01 28 a 02
Valparaíso de Goiás 28 a 01 28 a 03 28 a 03 Goiás 28 a 01 28 a 02 28 a 03
Goiatuba 28 a 31 + 35 a 36 28 a 02 28 a 03 Santa Rita do Araguaia 28 a 01 28 a 03 28 a 03
Varjão 28 a 03 28 a 03 28 a 03 Santa Rita do Novo Des- 28 a 36 28 a 01 28 a 02
Vianópolis 28 a 36 28 a 03 28 a 03 Gouvelândia 28 a 30 28 a 02 28 a 03
tino
Vicentinópolis 28 a 32 28 a 03 28 a 03 Guapó 28 a 01 28 a 02 28 a 03
Santa Rosa de Goiás 28 a 36 28 a 02 28 a 03
Vila Boa 28 a 02 28 a 03 28 a 03 Guaraíta 28 a 36 28 a 02 28 a 03
Santa Tereza de Goiás 28 a 01 28 a 02 28 a 03
Vila Propício 28 a 02 28 a 03 28 a 03 Guarani de Goiás 28 a 35 28 a 01
Santa Terezinha de Goiás 28 a 01 28 a 02 28 a 03
Guarinos 28 a 01 28 a 02 28 a 03
Santo Antônio da Barra 28 a 36 28 a 02 28 a 03
Heitoraí 28 a 36 28 a 02 28 a 03
Santo Antônio de Goiás 28 a 36 28 a 02 28 a 03
Hidrolândia 28 a 01 28 a 03 28 a 03
Santo Antônio do Desco- 28 a 36 28 a 02 28 a 03
MUNICÍPIOS PERÍODOS DE SEMEADURA PARA CULTIVARES DO Hidrolina 28 a 36 28 a 01 28 a 03 berto
GRUPO II Iaciara 28 a 31 + 35 a 36 28 a 01 São Domingos 28 a 31 28 a 34
SOLOS TIPOS 1 SOLOS TIPOS 2 SOLOS TIPOS 3 Inaciolândia 28 a 30 28 a 01 28 a 02 São Francisco de Goiás 28 a 01 28 a 02 28 a 03
Abadia de Goiás 28 a 01 28 a 02 28 a 03 Indiara 28 a 36 28 a 02 28 a 02 São João d'Aliança 28 a 36 28 a 01 28 a 02
Abadiânia 28 a 01 28 a 02 28 a 03 Inhumas 28 a 36 28 a 02 28 a 03 São João da Paraúna 28 a 33 28 a 01 28 a 02
Acreúna 28 a 34 28 a 01 28 a 02 Ipameri 28 a 31 + 35 a 36 28 a 01 28 a 02 São Luís de Montes Be- 28 a 35 28 a 02 28 a 02
Adelândia 28 a 36 28 a 02 28 a 03 Ipiranga de Goiás 28 a 36 28 a 02 28 a 03 los
Água Fria de Goiás 28 a 36 28 a 01 28 a 02 Iporá 28 a 36 28 a 02 28 a 03 São Luíz do Norte 28 a 36 28 a 01 28 a 02
Água Limpa 28 a 31 + 35 a 36 28 a 01 28 a 03 Israelândia 28 a 35 28 a 02 28 a 03 São Miguel do Araguaia 28 a 02 28 a 02 28 a 03
Águas Lindas de Goiás 28 a 36 28 a 02 28 a 03 Itaberaí 28 a 36 28 a 02 28 a 03 São Miguel do Passa 28 a 01 28 a 02 28 a 03
Alexânia 28 a 36 28 a 02 28 a 03 Itaguari 28 a 36 28 a 02 28 a 03 Quatro
Aloândia 28 a 36 28 a 02 28 a 03 Itaguaru 28 a 36 28 a 02 28 a 03 São Patrício 28 a 36 28 a 02 28 a 03
Alto Horizonte 28 a 36 28 a 02 28 a 02 Itajá 28 a 35 28 a 02 28 a 03 São Simão 28 a 30 28 a 01 28 a 02
Alto Paraíso de Goiás 28 a 35 28 a 01 28 a 02 Itapaci 28 a 01 28 a 03 28 a 03 Senador Canedo 28 a 01 28 a 03 28 a 03
Alvorada do Norte 28 a 30 28 a 31 + 35 a 36 28 a 01 Itapirapuã 28 a 36 28 a 01 28 a 02 Serranópolis 28 a 01 28 a 02 28 a 03
Amaralina 28 a 01 28 a 02 28 a 03 Itapuranga 28 a 36 28 a 02 28 a 03 Silvânia 28 a 36 28 a 02 28 a 03
Americano do Brasil 28 a 36 28 a 02 28 a 03 Itarumã 28 a 36 28 a 02 28 a 03 Simolândia 28 a 29 28 a 31 + 35 a 36 28 a 01
Amorinópolis 28 a 35 28 a 02 28 a 03 Itauçu 28 a 36 28 a 02 28 a 03 Sítio d'Abadia 28 a 29 28 a 31 28 a 01
Anápolis 28 a 01 28 a 02 28 a 03 Itumbiara 28 a 31 28 a 01 28 a 03 Taquaral de Goiás 28 a 36 28 a 02 28 a 03

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html, Documento assinado digitalmente conforme MP n o- 2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
pelo código 00012017072500019 Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
20 ISSN 1677-7042 1 Nº 141, terça-feira, 25 de julho de 2017
Teresina de Goiás 28 a 30 28 a 02 28 a 02 Fazenda Nova 28 a 34 28 a 36 28 a 01 Quirinópolis 28 a 35 28 a 36 28 a 01
Terezópolis de Goiás 28 a 02 28 a 03 28 a 03 Firminópolis 28 a 34 28 a 36 28 a 01 Rialma 28 a 35 28 a 36 28 a 01
Três Ranchos 28 a 30 28 a 36 28 a 02 Flores de Goiás 33 a 34 28 a 36 28 a 36 Rianápolis 28 a 35 28 a 36 28 a 01
Trindade 28 a 01 28 a 02 28 a 03 Formosa 28 a 35 28 a 36 28 a 36 Rio Quente 28 a 30 28 a 36 28 a 01
Trombas 28 a 35 28 a 02 28 a 03 Formoso 28 a 35 28 a 36 28 a 01 Rio Verde 28 a 36 28 a 01 28 a 02
Turvânia 28 a 01 28 a 02 28 a 03 Gameleira de Goiás 28 a 35 28 a 01 28 a 02 Rubiataba 28 a 36 28 a 01 28 a 02
Turvelândia 28 a 35 28 a 01 28 a 02 Goianápolis 28 a 36 28 a 01 28 a 02 Sanclerlândia 28 a 34 28 a 36 28 a 01
Uirapuru 28 a 01 28 a 02 28 a 03 Goiandira 28 a 29 28 a 35 28 a 36 Santa Bárbara de Goiás 28 a 35 28 a 36 28 a 01
Uruaçu 28 a 36 28 a 01 28 a 02 Goianésia 28 a 35 28 a 36 28 a 01 Santa Cruz de Goiás 28 a 35 28 a 36 28 a 01
Uruana 28 a 36 28 a 02 28 a 03 Goiânia 28 a 36 28 a 01 28 a 02 Santa Fé de Goiás 28 a 32 28 a 36 28 a 01
Urutaí 28 a 31 28 a 01 28 a 02 Goianira 28 a 35 28 a 01 28 a 01 Santa Helena de Goiás 28 a 35 28 a 01 28 a 01
Valparaíso de Goiás 28 a 36 28 a 02 28 a 03 Goiás 28 a 36 28 a 36 28 a 02 Santa Isabel 28 a 35 28 a 36 28 a 01
Varjão 28 a 01 28 a 02 28 a 03 Goiatuba 28 a 35 28 a 01 28 a 01 Santa Rita do Araguaia 28 a 36 28 a 02 28 a 02
Vianópolis 28 a 36 28 a 02 28 a 03 Gouvelândia 28 a 29 28 a 36 28 a 01 Santa Rita do Novo Des- 28 a 35 28 a 36 28 a 01
tino
Vicentinópolis 28 a 36 28 a 02 28 a 03 Guapó 28 a 36 28 a 01 28 a 01
Santa Rosa de Goiás 28 a 34 28 a 36 28 a 01
Vila Boa 28 a 01 28 a 02 28 a 03 Guaraíta 28 a 35 28 a 01 28 a 01
Santa Tereza de Goiás 28 a 35 28 a 01 28 a 01
Vila Propício 28 a 36 28 a 02 28 a 03 Guarani de Goiás 28 a 34 28 a 36
Santa Terezinha de Goiás 28 a 35 28 a 36 28 a 01
Guarinos 28 a 35 28 a 36 28 a 01
Santo Antônio da Barra 28 a 35 28 a 36 28 a 01
Heitoraí 28 a 35 28 a 36 28 a 01
Santo Antônio de Goiás 28 a 34 28 a 01 28 a 01
Hidrolândia 28 a 36 28 a 01 28 a 02
Santo Antônio do Desco- 28 a 35 28 a 01 28 a 01
MUNICÍPIOS PERÍODOS DE SEMEADURA PARA CULTIVARES DO Hidrolina 28 a 34 28 a 36 28 a 02 berto
GRUPO III Iaciara 28 a 35 28 a 36 São Domingos 28 a 31 28 a 36
SOLOS TIPOS 1 SOLOS TIPOS 2 SOLOS TIPOS 3 Inaciolândia 28 a 29 28 a 36 28 a 01 São Francisco de Goiás 28 a 35 28 a 01 28 a 01
Abadia de Goiás 28 a 36 28 a 01 28 a 01 Indiara 28 a 34 28 a 36 28 a 01 São João d'Aliança 28 a 33 28 a 36 28 a 36
Abadiânia 28 a 36 28 a 01 28 a 01 Inhumas 28 a 34 28 a 36 28 a 01 São João da Paraúna 28 a 33 28 a 35 28 a 36
Acreúna 28 a 32 28 a 36 28 a 01 Ipameri 28 a 35 28 a 36 28 a 36 São Luís de Montes Be- 28 a 34 28 a 36 28 a 01
Adelândia 28 a 34 28 a 36 28 a 01 Ipiranga de Goiás 28 a 35 28 a 36 28 a 01 los
Água Fria de Goiás 28 a 34 28 a 36 28 a 01 Iporá 28 a 34 28 a 36 28 a 01 São Luíz do Norte 28 a 35 28 a 36 28 a 01
Água Limpa 28 a 34 28 a 36 28 a 02 Israelândia 28 a 34 28 a 36 28 a 01 São Miguel do Araguaia 28 a 36 28 a 01 28 a 02
Águas Lindas de Goiás 28 a 35 28 a 01 28 a 02 Itaberaí 28 a 36 28 a 01 28 a 01 São Miguel do Passa 28 a 35 28 a 01 28 a 01
Alexânia 28 a 35 28 a 36 28 a 01 Itaguari 28 a 34 28 a 36 28 a 01 Quatro
Aloândia 28 a 35 28 a 36 28 a 01 Itaguaru 28 a 35 28 a 36 28 a 01 São Patrício 28 a 35 28 a 36 28 a 01
Alto Horizonte 28 a 35 28 a 36 28 a 01 Itajá 28 a 34 28 a 36 28 a 01 São Simão 28 a 29 28 a 35 28 a 36
Alto Paraíso de Goiás 28 a 34 28 a 35 28 a 36 Itapaci 28 a 36 28 a 01 28 a 02 Senador Canedo 28 a 36 28 a 01 28 a 02
Alvorada do Norte 28 a 34 28 a 36 Itapirapuã 28 a 34 28 a 36 28 a 01 Serranópolis 28 a 36 28 a 01 28 a 01
Amaralina 28 a 35 28 a 36 28 a 01 Itapuranga 28 a 35 28 a 36 28 a 01 Silvânia 28 a 36 28 a 01 28 a 02
Americano do Brasil 28 a 34 28 a 36 28 a 01 Itarumã 28 a 35 28 a 36 28 a 36 Simolândia 28 a 34 28 a 35
Amorinópolis 28 a 34 28 a 36 28 a 01 Itauçu 28 a 34 28 a 36 28 a 01 Sítio d'Abadia 28 a 35 28 a 36
Anápolis 28 a 36 28 a 01 28 a 02 Itumbiara 28 a 35 28 a 35 28 a 36 Taquaral de Goiás 28 a 34 28 a 36 28 a 01
Anhanguera 28 a 30 28 a 35 28 a 36 Ivolândia 28 a 34 28 a 36 28 a 01 Teresina de Goiás 28 a 31 28 a 36 28 a 01
Anicuns 28 a 35 28 a 36 28 a 01 Jandaia 28 a 34 28 a 36 28 a 36 Terezópolis de Goiás 28 a 36 28 a 01 28 a 02
Jaraguá 28 a 35 28 a 01 28 a 02 Três Ranchos 28 a 29 28 a 35 28 a 01
Aparecida de Goiânia 28 a 36 28 a 01 28 a 02
Jataí 28 a 01 28 a 02 28 a 02 Trindade 28 a 35 28 a 01 28 a 01
Aparecida do Rio Doce 28 a 35 28 a 01 28 a 01
Trombas 28 a 34 28 a 36 28 a 01
Aporé 28 a 35 28 a 36 28 a 02 Jaupaci 28 a 34 28 a 36 28 a 01
Turvânia 28 a 36 28 a 01 28 a 01
Araçu 28 a 34 28 a 36 28 a 01 Jesúpolis 28 a 35 28 a 01 28 a 01
Turvelândia 28 a 34 28 a 36 28 a 01
Aragarças 28 a 34 28 a 36 28 a 01 Joviânia 28 a 30 28 a 36 28 a 01
Uirapuru 28 a 36 28 a 36 28 a 01
Aragoiânia 28 a 36 28 a 01 28 a 02 Jussara 28 a 34 28 a 36 28 a 36
Uruaçu 28 a 35 28 a 36 28 a 01
Araguapaz 28 a 35 28 a 01 28 a 01 Lagoa Santa 28 a 34 28 a 36 28 a 01
Uruana 28 a 35 28 a 36 28 a 01
Arenópolis 28 a 34 28 a 35 28 a 36 Leopoldo de Bulhões 28 a 36 28 a 01 28 a 02
Urutaí 28 a 34 28 a 36 28 a 01
Aruanã 28 a 34 28 a 36 28 a 01 Luziânia 28 a 35 28 a 36 28 a 36
Valparaíso de Goiás 28 a 34 28 a 36 28 a 01
Aurilândia 28 a 33 28 a 36 28 a 01 Mairipotaba 28 a 35 28 a 01 28 a 02
Varjão 28 a 36 28 a 01 28 a 01
Avelinópolis 28 a 34 28 a 36 28 a 01 Mambaí 28 a 30 28 a 33 Vianópolis 28 a 34 28 a 36 28 a 01
Baliza 28 a 34 28 a 36 28 a 01 Mara Rosa 28 a 35 28 a 36 28 a 01 Vicentinópolis 28 a 34 28 a 36 28 a 01
Barro Alto 28 a 34 28 a 36 28 a 36 Marzagão 28 a 34 28 a 36 28 a 01 Vila Boa 28 a 35 28 a 36 28 a 01
Bela Vista de Goiás 28 a 36 28 a 01 28 a 02 Matrinchã 28 a 34 28 a 36 28 a 01 Vila Propício 28 a 35 28 a 36 28 a 01
Bom Jardim de Goiás 28 a 35 28 a 36 28 a 01 Maurilândia 28 a 34 28 a 36 28 a 01
Bom Jesus de Goiás 28 a 35 28 a 01 28 a 01 Mimoso de Goiás 28 a 34 28 a 36 28 a 01
Bonfinópolis 28 a 36 28 a 01 28 a 02 Minaçu 28 a 35 28 a 36 28 a 01 PORTARIA Nº 27, DE 21 DE JULHO DE 2017
Bonópolis 28 a 35 28 a 01 28 a 01 Mineiros 28 a 36 28 a 01 28 a 02
Brazabrantes 28 a 33 28 a 36 28 a 01 Moiporá 28 a 34 28 a 36 28 a 01
Britânia 28 a 33 28 a 36 28 a 36 Monte Alegre de Goiás 28 a 30 28 a 36 28 a 01
O SECRETÁRIO DE POLÍTICA AGRÍCOLA, no uso de
Buriti Alegre 28 a 34 28 a 36 28 a 01 Montes Claros de Goiás 28 a 34 28 a 36 28 a 36 suas atribuições e competências estabelecidas pelo Decreto nº 8.701,
Buriti de Goiás 28 a 34 28 a 36 28 a 01 Montividiu 28 a 35 28 a 36 28 a 01 de 31 de março de 2016, publicado no Diário Oficial da União de 1º
Buritinópolis 28 a 30 28 a 35 Montividiu do Norte 28 a 34 28 a 36 28 a 01 de abril de 2016, e observado, no que couber, o contido nas Ins-
Cabeceiras 28 a 34 28 a 36 28 a 01 Morrinhos 28 a 35 28 a 01 28 a 01 truções Normativas nº 2, de 9 de outubro de 2008, publicada no
Cachoeira Alta 28 a 35 28 a 36 28 a 01 Morro Agudo de Goiás 28 a 35 28 a 36 28 a 01 Diário Oficial da União de 13 de outubro de 2008, da Secretaria de
Cachoeira de Goiás 28 a 34 28 a 36 28 a 01 Mossâmedes 28 a 35 28 a 36 28 a 01 Política Agrícola, e nº 18, de 12 de maio de 2016, publicada no
Cachoeira Dourada 28 a 29 28 a 36 28 a 01 Mozarlândia 28 a 34 28 a 36 28 a 01
Caçu 28 a 35 28 a 36 28 a 01 Mundo Novo 28 a 36 28 a 01 28 a 01
Diário Oficial da União de 13 de maio de 2016, do Ministério da
Caiapônia 28 a 35 28 a 01 28 a 02 Mutunópolis 28 a 35 28 a 36 28 a 01 Agricultura, Pecuária e Abastecimento, resolve:
Caldas Novas 28 a 35 28 a 36 28 a 01 Nazário 28 a 35 28 a 01 28 a 01 Art. 1º Aprovar o Zoneamento Agrícola de Risco Climático
Caldazinha 28 a 36 28 a 02 28 a 03 Nerópolis 28 a 35 28 a 01 28 a 02 para a cultura de arroz de sequeiro no Estado do Maranhão, ano-safra
Campestre de Goiás 28 a 35 28 a 36 28 a 01 Niquelândia 28 a 35 28 a 35 28 a 36 2017/2018, conforme anexo.
Campinaçu 28 a 36 28 a 36 28 a 01 Nova América 28 a 36 28 a 01 28 a 02 Art. 2º Esta Portaria tem vigência específica para o ano-safra
Campinorte 28 a 35 28 a 36 28 a 01 Nova Aurora 28 a 30 28 a 35 28 a 36 definido no art. 1º e entra em vigor na data de sua publicação.
Campo Alegre de Goiás 28 a 34 28 a 36 28 a 01 Nova Crixás 28 a 36 28 a 36 28 a 01
Campo Limpo de Goiás 28 a 35 28 a 36 28 a 01 Nova Glória 28 a 35 28 a 36 28 a 01
Campos Belos 28 a 36 28 a 36 Nova Iguaçu de Goiás 28 a 35 28 a 36 28 a 01
NERI GELLER
Campos Verdes 28 a 35 28 a 36 28 a 01 Nova Roma 28 a 29 28 a 34 28 a 36
Carmo do Rio Verde 28 a 35 28 a 36 28 a 01 Nova Veneza 28 a 33 28 a 34 28 a 01 ANEXO
Castelândia 28 a 35 28 a 36 28 a 01 Novo Brasil 28 a 34 28 a 36 28 a 01
Catalão 28 a 30 28 a 36 28 a 01 Novo Gama 28 a 35 28 a 36 28 a 01 1. NOTA TÉCNICA
Caturaí 28 a 34 28 a 36 28 a 01 Novo Planalto 28 a 35 28 a 01 28 a 01 O Estado do Maranhão cultivou, na safra 2016/2017, uma
Cavalcante 28 a 34 28 a 35 28 a 01 Orizona 28 a 34 28 a 36 28 a 01 área de 146,3 mil hectares de arroz (Oriza Sativa L.) com uma
Ceres 28 a 35 28 a 36 28 a 01 Ouro Verde de Goiás 28 a 34 28 a 36 28 a 01
produção de 214,9 mil toneladas, conforme dados do levantamento da
Cezarina 28 a 35 28 a 01 28 a 01 Ouvidor 28 a 29 28 a 36 28 a 01
Chapadão do Céu 28 a 35 28 a 01 28 a 02 Padre Bernardo 28 a 35 28 a 01 28 a 02
CONAB de julho de 2017.
Cidade Ocidental 28 a 34 28 a 36 28 a 01 Palestina de Goiás 28 a 35 28 a 35 28 a 01 Os principais elementos climáticos que influenciam a cultura
Cocalzinho de Goiás 28 a 36 28 a 01 28 a 02 Palmeiras de Goiás 28 a 35 28 a 01 28 a 01 do arroz são a temperatura do ar, o fotoperíodo e a precipitação
Colinas do Sul 28 a 35 28 a 36 28 a 36 Palmelo 28 a 34 28 a 36 28 a 01 pluvial.
Córrego do Ouro 28 a 34 28 a 36 28 a 01 Palminópolis 28 a 34 28 a 36 28 a 01 A temperatura do ar influencia o crescimento, o desenvol-
Corumbá de Goiás 28 a 36 28 a 36 28 a 02 Panamá 28 a 30 28 a 36 28 a 01 vimento e a produtividade da cultura e seu impacto varia conforme a
Corumbaíba 28 a 35 28 a 36 28 a 01 Paranaiguara 28 a 29 28 a 36 28 a 01 fase fenológica. As faixas de temperatura ótima variam de 20ºC a
Cristalina 28 a 33 28 a 36 28 a 02 Paraúna 28 a 34 28 a 36 28 a 01
Cristianópolis 28 a 35 28 a 36 28 a 01 Perolândia 28 a 36 28 a 01 28 a 02
35ºC, sendo de 30ºC a 33ºC para a floração e de 20ºC a 25ºC para
Crixás 28 a 36 28 a 01 28 a 01 Petrolina de Goiás 28 a 34 28 a 01 28 a 01 maturação. As fases mais sensíveis quanto à temperatura são as de
Cromínia 28 a 35 28 a 01 28 a 02 Pilar de Goiás 28 a 35 28 a 36 28 a 01 pré-floração e floração.
Cumari 28 a 30 28 a 35 28 a 36 Piracanjuba 28 a 35 28 a 01 28 a 02 O fotoperíodo, de um modo geral, não é um fator limitante
Damianópolis 28 a 30 28 a 35 Piranhas 28 a 34 28 a 36 28 a 01 nas principais regiões produtoras do país e nas épocas tradicionais de
Damolândia 28 a 33 28 a 34 28 a 01 Pirenópolis 28 a 36 28 a 01 28 a 02 cultivo.
Davinópolis 28 a 35 28 a 36 Pires do Rio 28 a 34 28 a 36 28 a 01 A produção do arroz em regime de sequeiro é dependente do
Diorama 28 a 34 28 a 36 28 a 01 Planaltina 28 a 35 28 a 01 28 a 01
regime pluvial, uma vez que ocorrência de estresses hídricos durante
Divinópolis de Goiás 28 a 31 28 a 36 Pontalina 28 a 35 28 a 01 28 a 02
Doverlândia 28 a 35 28 a 01 28 a 02 Porangatu 28 a 35 28 a 01 28 a 01
o ciclo e, em especial, no estádio de florescimento/enchimento dos
Edealina 28 a 34 28 a 36 28 a 01 Porteirão 28 a 35 28 a 36 28 a 01 grãos, pode comprometer grandemente a produtividade da cultura.
Edéia 28 a 34 28 a 36 28 a 01 Portelândia 28 a 36 28 a 01 28 a 02 Objetivou-se, com o zoneamento agrícola, identificar os mu-
Estrela do Norte 28 a 35 28 a 36 28 a 01 Posse 28 a 35 28 a 35 nicípios aptos e os períodos de plantio com menor risco climático
Faina 28 a 35 28 a 36 28 a 01 Professor Jamil 28 a 35 28 a 01 28 a 02 para o cultivo do arroz de sequeiro no Estado.

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html, Documento assinado digitalmente conforme MP n o- 2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
pelo código 00012017072500020 Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
Nº 141, terça-feira, 25 de julho de 2017 1 ISSN 1677-7042 21
Essa identificação foi realizada a partir de análises térmicas 5. RELAÇÃO DOS MUNICÍPIOS APTOS AO CULTIVO E Lago Verde 35 a 6 35 a 6 35 a 6
Lagoa do Mato 31 a 4 31 a 5 30 a 6
e hídricas. Na análise hídrica foi utilizado um modelo de balanço PERÍODOS INDICADOS PARA SEMEADURA
Lagoa Grande do Mara- 35 a 4 33 a 5 32 a 6
hídrico da cultura para períodos de dez dias. nhão
MUNICÍPIOS PERÍODOS DE SEMEADURA PARA CULTIVARES DO
O balanço hídrico foi estimado com o uso das seguintes GRUPO I Lajeado Novo 36 a 2 31 a 4 31 a 5
variáveis climáticas e agronômicas: SOLOS TIPO 1 SOLOS TIPO 2 SOLOS TIPO 3 Lima Campos 34 a 5 32 a 6 32 a 6
a) precipitação pluviométrica: utilizadas séries com, no mí- Açailândia 35 a 3 31 a 4 31 a 5 Loreto 29 a 3 28 a 4 28 a 5
Luís Domingues 35 a 6 34 a 6 34 a 6
nimo, 15 anos dados diários registrados nas 126 estações pluvio- Afonso Cunha 36 a 6 34 a 6 33 a 6
Água Doce do Maranhão 1a3 35 a 5 35 a 5 Magalhães de Almeida 36 a 6 35 a 6 35 a 6
métricas disponíveis no Estado; Maracaçumé 34 a 6 34 a 6 34 a 6
b) evapotranspiração potencial - estimadas médias decendiais Alcântara 35 a 6 35 a 6 34 a 6
Aldeias Altas 36 a 5 34 a 6 32 a 6 Marajá do Sena 35 a 4 33 a 6 32 a 6
pelo método de Penmam-Monteith nas 14 estações climatológicas Altamira do Maranhão 35 a 6 35 a 6 35 a 6 Maranhãozinho 35 a 6 35 a 6 35 a 6
disponíveis no Estado. Alto Alegre do Maranhão 35 a 6 32 a 6 32 a 6 Mata Roma 35 a 6 34 a 6 33 a 6
c) coeficiente de cultura - utilizados dados obtidos expe- Alto Alegre do Pindaré 35 a 6 35 a 6 35 a 6 Matinha 35 a 6 35 a 6 35 a 6
rimentalmente e disponibilizados através da literatura reconhecida Alto Parnaíba 31 a 32 28 a 1 28 a 2 Matões 36 a 4 32 a 5 32 a 6
Matões do Norte 35 a 6 34 a 6 33 a 6
pela comunidade científica; Amapá do Maranhão 35 a 6 34 a 6 34 a 6
Milagres do Maranhão 35 a 6 34 a 6 33 a 6
d) disponibilidade máxima de água no solo - estimada em Amarante do Maranhão 35 a 3 31 a 4 31 a 5
Anajatuba 35 a 6 35 a 6 35 a 6 Mirador 31 a 4 30 a 5 30 a 6
função da profundidade efetiva das raízes e da capacidade de água Miranda do Norte 35 a 6 35 a 6 35 a 6
Anapurus 35 a 6 34 a 6 33 a 6
disponível dos solos. Consideraram-se os solos Tipo 1, 2 e 3, com Apicum-Açu 35 a 6 35 a 6 35 a 6 Mirinzal 35 a 6 35 a 6 35 a 6
capacidade de armazenamento de água de 30, 50 e 70 mm, res- Araguanã 35 a 6 35 a 6 35 a 6 Monção 35 a 6 35 a 6 35 a 6
pectivamente; e Araioses 1a3 35 a 5 35 a 5 Montes Altos 36 a 2 31 a 4 31 a 6
Morros 35 a 6 33 a 6 33 a 6
e) ciclo e fase fenológica da cultura - Para efeito de si- Arame 35 a 4 33 a 5 31 a 6
Arari 35 a 6 35 a 6 35 a 6 Nina Rodrigues 34 a 6 32 a 6 32 a 6
mulação foram consideradas as fases de germinação/emergência, cres- Nova Colinas 30 a 2 29 a 4 28 a 5
cimento/desenvolvimento, floração/enchimento de grãos e maturação Axixá 33 a 6 33 a 6 33 a 6
Bacabal 35 a 6 35 a 6 35 a 6 Nova Iorque 32 a 3 30 a 5 29 a 6
fisiológica. As cultivares foram classificadas em três grupos de ca- Bacabeira 35 a 6 34 a 6 33 a 6 Nova Olinda do Maranhão 35 a 6 35 a 6 35 a 6
racterísticas homogêneas: Grupo I (n < 115 dias); Grupo II (115 dias Bacuri 35 a 6 35 a 6 35 a 6 Olho d'Água das Cunhãs 35 a 6 35 a 6 35 a 6
≤ n ≤ 130 dias); e Grupo III (n >130 dias), onde n expressa o número Bacurituba 35 a 6 35 a 6 34 a 6 Olinda Nova do Maranhão 35 a 6 35 a 6 35 a 6
de dias da emergência à maturação fisiológica. Balsas 29 a 3 28 a 4 28 a 5 Paço do Lumiar 35 a 6 34 a 6 34 a 6
Barão de Grajaú 30 a 2 30 a 5 30 a 6 Palmeirândia 35 a 6 35 a 6 35 a 6
As simulações do balanço hídrico foram realizadas para pe- Paraibano 32 a 4 31 a 5 30 a 6
ríodos decendiais. Consideraram-se os valores médios do Índice de Barra do Corda 35 a 2 32 a 5 31 a 6
Barreirinhas 36 a 6 35 a 6 34 a 6 Parnarama 33 a 4 31 a 6 31 a 6
Satisfação de Necessidade de Água - ISNA (expresso pela relação Bela Vista do Maranhão 35 a 6 35 a 6 35 a 6 Passagem Franca 31 a 4 31 a 6 30 a 6
entre evapotranspiração real e evapotranspiração máxima - ETr/ETm), Belágua 35 a 6 33 a 6 33 a 6 Pastos Bons 32 a 4 30 a 5 29 a 6
por data de semeadura, fase fenológica e localização geográfica das Benedito Leite 32 a 2 30 a 4 28 a 5 Paulino Neves 36 a 6 35 a 6 35 a 6
estações pluviométricas e climáticas utilizadas. Bequimão 35 a 6 35 a 6 35 a 6 Paulo Ramos 35 a 6 35 a 6 35 a 6
Pedreiras 33 a 5 31 a 6 31 a 6
Foram adotados os seguintes critérios para o cultivo do arroz Bernardo do Mearim 33 a 5 31 a 6 31 a 6
Pedro do Rosário 35 a 6 35 a 6 35 a 6
de sequeiro em condições de baixo risco climático: Boa Vista do Gurupi 34 a 6 34 a 6 34 a 6
Bom Jardim 35 a 6 35 a 6 35 a 6 Penalva 35 a 6 35 a 6 35 a 6
- ISNA maior ou igual a 0,65; Peri Mirim 35 a 6 35 a 6 35 a 6
Bom Jesus das Selvas 35 a 4 35 a 6 34 a 6
- Temperatura Média das Mínimas na fase de Germina- Bom Lugar 35 a 6 35 a 6 35 a 6 Peritoró 33 a 6 32 a 6 32 a 6
ção/Emergência ≥ 15ºC; Brejo 35 a 6 34 a 6 33 a 6 Pindaré-Mirim 35 a 6 35 a 6 35 a 6
- Temperatura Média das Máximas na fase de Floração/En- Brejo de Areia 35 a 6 35 a 6 35 a 6 Pinheiro 35 a 6 35 a 6 35 a 6
chimento de Grãos ≤ 35ºC. Buriti 36 a 6 34 a 6 33 a 6 Pio XII 35 a 6 35 a 6 35 a 6
Buriti Bravo 32 a 4 31 a 5 31 a 6 Pirapemas 34 a 6 32 a 6 32 a 6
Foram indicados os municípios que apresentaram em, pelo Poção de Pedras 33 a 4 31 a 6 31 a 6
menos, 20% de sua área condições climáticas dentro dos critérios Buriticupu 35 a 4 35 a 6 34 a 6
Buritirana 35 a 3 31 a 4 30 a 5 Porto Franco 35 a 2 31 a 4 30 a 5
adotados em, no mínimo, 80% dos anos avaliados. Cachoeira Grande 35 a 6 32 a 6 32 a 6 Porto Rico do Maranhão 35 a 6 35 a 6 35 a 6
2. TIPOS DE SOLOS APTOS AO CULTIVO Cajapió 35 a 6 35 a 6 34 a 6 Presidente Dutra 35 a 4 32 a 6 31 a 6
São aptos ao cultivo de arroz de sequeiro no Estado, os solos Cajari 35 a 6 35 a 6 35 a 6 Presidente Juscelino 33 a 6 32 a 6 32 a 6
dos tipos 1, 2 e 3, observadas as especificações e recomendações Campestre do Maranhão 36 a 2 31 a 4 31 a 5 Presidente Médici 35 a 6 35 a 6 35 a 6
Cândido Mendes 35 a 6 34 a 6 34 a 6 Presidente Sarney 35 a 6 35 a 6 35 a 6
contidas na Instrução Normativa nº 2, de 9 de outubro de 2008. Presidente Vargas 35 a 6 32 a 6 32 a 6
Não são indicadas para o cultivo: Cantanhede 34 a 6 32 a 6 32 a 6
Capinzal do Norte 34 a 4 32 a 6 32 a 6 Primeira Cruz 35 a 6 34 a 6 33 a 6
- áreas de preservação permanente, de acordo com a Lei Carolina 29 a 3 28 a 4 28 a 5 Raposa 35 a 6 34 a 6 34 a 6
12.651, de 25 de maio de 2012; Carutapera 35 a 6 34 a 6 34 a 6 Riachão 29 a 2 28 a 4 28 a 5
- áreas com solos que apresentam profundidade inferior a 50 Caxias 35 a 5 34 a 6 32 a 6 Ribamar Fiquene 35 a 2 31 a 4 31 a 5
cm ou com solos muito pedregosos, isto é, solos nos quais calhaus e Cedral 35 a 6 35 a 6 35 a 6 Rosário 33 a 6 33 a 6 33 a 6
Sambaíba 29 a 3 28 a 4 28 a 5
matacões ocupem mais de 15% da massa e/ou da superfície do ter- Central do Maranhão 35 a 6 35 a 6 35 a 6
Centro do Guilherme 35 a 6 35 a 6 35 a 6 Santa Filomena do Mara- 35 a 4 31 a 6 31 a 6
reno. nhão
Centro Novo do Maranhão 35 a 6 35 a 6 35 a 6
3. TABELA DE PERÍODOS DE SEMEADURA Chapadinha 35 a 6 34 a 6 32 a 6
Santa Helena 35 a 6 35 a 6 35 a 6
Santa Inês 35 a 6 35 a 6 35 a 6
Cidelândia 1a3 31 a 4 30 a 5
Períodos 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 Santa Luzia 35 a 6 35 a 6 34 a 6
Codó 34 a 5 32 a 6 32 a 6
Datas 1º 11 21 1º 11 21 1º 11 21 1º 11 21 Santa Luzia do Paruá 35 a 6 35 a 6 35 a 6
Coelho Neto 36 a 6 34 a 6 33 a 6
a a a a a a 28 a a a a a a Santa Quitéria do Mara- 35 a 6 33 a 6 33 a 6
10 20 31 10 20 10 20 31 10 20 30 Colinas 32 a 4 31 a 6 30 a 6
nhão
Meses Janeiro Fevereiro Março Abril Conceição do Lago-Açu 35 a 6 35 a 6 35 a 6
Santa Rita 35 a 6 34 a 6 34 a 6
Coroatá 34 a 6 32 a 6 32 a 6
Santana do Maranhão 35 a 6 35 a 6 34 a 6
Cururupu 35 a 6 35 a 6 35 a 6
Santo Amaro do Maranhão 35 a 6 35 a 6 34 a 6
Davinópolis 33 a 2 30 a 4 30 a 6
Períodos 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 Santo Antônio dos Lopes 34 a 4 32 a 6 32 a 6
Dom Pedro 34 a 4 32 a 6 32 a 6
Datas 1º 11 21 1º 11 21 1º 11 21 1º 11 21 São Benedito do Rio Preto 34 a 6 32 a 6 32 a 6
Duque Bacelar 36 a 6 34 a 6 33 a 6
a a a a a a a a a a a a São Bento 35 a 6 35 a 6 34 a 6
Esperantinópolis 33 a 4 31 a 6 31 a 6
10 20 31 10 20 30 10 20 31 10 20 31 São Bernardo 35 a 6 35 a 6 35 a 6
Estreito 31 a 3 29 a 4 28 a 5
Meses Maio Junho Julho Agosto São Domingos do Azeitão 32 a 2 30 a 4 29 a 5
Feira Nova do Maranhão 31 a 3 29 a 4 29 a 5
São Domingos do Mara- 35 a 4 31 a 5 31 a 6
Fernando Falcão 36 a 2 31 a 5 31 a 6 nhão
Formosa da Serra Negra 31 a 32 + 36 a 2 31 a 4 29 a 5 São Félix de Balsas 29 a 2 28 a 4 28 a 5
Períodos 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 Fortaleza dos Nogueiras 31 a 2 29 a 4 29 a 6 São Francisco do Brejão 1a3 31 a 4 30 a 5
Datas 1º 11 21 1º 11 21 1º 11 21 1º 11 21 Fortuna 35 a 4 31 a 5 31 a 6
a 10 a a a a a a a a a a a São Francisco do Mara- 31 a 2 30 a 5 29 a 6
Godofredo Viana 35 a 6 34 a 6 34 a 6 nhão
20 30 10 20 31 10 20 30 10 20 31 Gonçalves Dias 34 a 4 32 a 5 32 a 6 São João Batista 35 a 6 35 a 6 35 a 6
Meses Setembro Outubro Novembro Dezembro Governador Archer 34 a 4 32 a 5 32 a 6 São João do Carú 35 a 6 35 a 6 35 a 6
Governador Edison Lobão 34 a 2 30 a 4 30 a 6 São João do Paraíso 31 a 3 31 a 4 31 a 5
4. CULTIVARES INDICADAS Governador Eugênio Bar- 33 a 4 31 a 6 31 a 6 São João do Soter 35 a 4 32 a 5 32 a 6
Para efeito de indicação dos períodos de plantio, as cul- ros São João dos Patos 32 a 3 30 a 5 29 a 6
tivares indicadas pelos obtentores/mantenedores para o Estado, foram Governador Luiz Rocha 35 a 4 31 a 5 31 a 6 São José de Ribamar 35 a 6 34 a 6 34 a 6
Governador Newton Bello 35 a 6 35 a 6 35 a 6
agrupadas conforme a seguir especificado. São José dos Basílios 35 a 4 32 a 6 32 a 6
Governador Nunes Freire 34 a 6 34 a 6 34 a 6 São Luís 35 a 6 34 a 6 34 a 6
GRUPO I Graça Aranha 35 a 4 32 a 5 31 a 6
AGRO NORTE SEMENTES: AN Cambará, ANa 9001, ANa São Luís Gonzaga do Ma- 33 a 6 31 a 6 31 a 6
Grajaú 35 a 2 31 a 4 31 a 5 ranhão
7007, ANa 8001, ANa 5015, ANa 6005, ANa 7211 e ANa 8111; Guimarães 35 a 6 35 a 6 35 a 6 São Mateus do Maranhão 35 a 6 34 a 6 32 a 6
EMBRAPA ARROZ E FEIJÃO - CNPAF: BRS Esmeralda, Humberto de Campos 35 a 6 34 a 6 33 a 6 São Pedro da Água Branca 35 a 2 31 a 4 30 a 5
BRS Monarca, BRS Pepita, BRS Primavera, BRS Sertaneja e BRS- Icatu 35 a 6 34 a 6 34 a 6 São Pedro dos Crentes 31 a 3 30 a 4 29 a 5
GO. Serra Dourada Igarapé do Meio 35 a 6 35 a 6 35 a 6 São Raimundo das Manga- 29 a 3 28 a 5 28 a 6
Igarapé Grande 34 a 5 31 a 6 31 a 6 beiras
GRUPO II Imperatriz 33 a 2 30 a 4 30 a 6 São Raimundo do Doca 33 a 5 31 a 6 31 a 6
EMBRAPA ARROZ E FEIJÃO - CNPAF: BRS Bonança. Itaipava do Grajaú 35 a 2 33 a 5 31 a 5 Bezerra
Com base nas informações prestadas pelos obtentores/man- Itapecuru Mirim 35 a 6 34 a 6 33 a 6 São Roberto 33 a 4 31 a 6 31 a 6
tenedores, das cultivares indicada nenhuma obteve o enquadramento Itinga do Maranhão 35 a 4 35 a 6 31 a 6 São Vicente Ferrer 35 a 6 35 a 6 35 a 6
no grupo III. Jatobá 32 a 4 31 a 5 30 a 6 Satubinha 35 a 6 35 a 6 35 a 6
Notas: Jenipapo dos Vieiras 35 a 2 32 a 4 31 a 5 Senador Alexandre Costa 35 a 4 32 a 5 32 a 6
João Lisboa 35 a 3 30 a 4 30 a 5 Senador La Rocque 35 a 3 31 a 4 30 a 5
1) Informações específicas sobre as cultivares indicadas de- Joselândia 34 a 4 32 a 6 31 a 6 Serrano do Maranhão 35 a 6 35 a 6 35 a 6
vem ser obtidas junto aos respectivos obtentores/mantenedores. Junco do Maranhão 34 a 6 34 a 6 34 a 6 Sítio Novo 36 a 3 31 a 4 31 a 5
2) Devem ser utilizadas no plantio sementes produzidas em con- Lago da Pedra 35 a 5 33 a 6 32 a 6 Sucupira do Norte 32 a 4 30 a 5 30 a 6
formidade com a legislação brasileira sobre sementes e mudas (Lei nº 10.711, Lago do Junco 35 a 6 33 a 6 32 a 6 Sucupira do Riachão 32 a 4 30 a 5 29 a 6
de 5 de agosto de 2003, e Decreto nº 5.153, de 23 de agosto de 2004). Lago dos Rodrigues 35 a 5 33 a 6 32 a 6 Tasso Fragoso 29 a 3 28 a 4 28 a 5

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html, Documento assinado digitalmente conforme MP n o- 2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
pelo código 00012017072500021 Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
22 ISSN 1677-7042 1 Nº 141, terça-feira, 25 de julho de 2017
Timbiras 35 a 6 33 a 6 32 a 6 Igarapé Grande 32 a 4 31 a 5 31 a 5 Satubinha 34 a 5 34 a 6 34 a 6
Timon 36 a 4 33 a 5 32 a 6 Imperatriz 30 a 1 29 a 3 28 a 3 Senador Alexandre Costa 33 a 3 31 a 4 31 a 4
Trizidela do Vale 33 a 5 31 a 6 31 a 6 Itaipava do Grajaú 34 a 1 31 a 3 30 a 4 Senador La Rocque 34 a 1 29 a 2 28 a 3
Tufilândia 35 a 6 35 a 6 35 a 6 Itapecuru Mirim 34 a 5 32 a 6 32 a 6 Serrano do Maranhão 34 a 6 34 a 6 34 a 6
Tuntum 35 a 4 32 a 5 31 a 6 Itinga do Maranhão 34 a 3 33 a 4 32 a 5 Sítio Novo 34 a 1 29 a 3 29 a 4
Turiaçu 35 a 6 35 a 6 35 a 6 Jatobá 31 a 3 29 a 4 29 a 5 Sucupira do Norte 31 a 3 29 a 4 28 a 4
Turilândia 35 a 6 35 a 6 35 a 6 Jenipapo dos Vieiras 34 a 36 31 a 2 30 a 4 Sucupira do Riachão 30 a 2 29 a 3 28 a 4
Tutóia 36 a 6 35 a 6 35 a 6 João Lisboa 34 a 1 29 a 2 28 a 3 Tasso Fragoso 28 a 1 28 a 2 28 a 3
Urbano Santos 35 a 6 33 a 6 33 a 6 Joselândia 32 a 3 31 a 4 30 a 5 Timbiras 33 a 4 31 a 5 31 a 6
Vargem Grande 35 a 6 32 a 6 32 a 6 Junco do Maranhão 33 a 6 33 a 6 32 a 6 Timon 34 a 3 32 a 4 31 a 4
Viana 35 a 6 35 a 6 35 a 6 Lago da Pedra 33 a 4 31 a 4 31 a 5 Trizidela do Vale 31 a 4 30 a 5 30 a 5
Vila Nova dos Martírios 1a2 31 a 4 30 a 5 Lago do Junco 34 a 4 31 a 5 31 a 5 Tufilândia 34 a 5 34 a 6 34 a 6
Vitória do Mearim 35 a 6 35 a 6 35 a 6 Lago dos Rodrigues 33 a 4 31 a 5 31 a 5 Tuntum 34 a 2 31 a 4 30 a 4
Vitorino Freire 35 a 6 35 a 6 35 a 6 Lago Verde 34 a 5 34 a 5 34 a 6 Turiaçu 34 a 6 34 a 6 33 a 6
Zé Doca 35 a 6 35 a 6 35 a 6 Lagoa do Mato 30 a 3 29 a 4 29 a 5 Turilândia 34 a 6 34 a 6 34 a 6
Lagoa Grande do Maranhão 34 a 3 31 a 4 31 a 4 Tutóia 35 a 4 34 a 5 34 a 6
Lajeado Novo 34 a 36 30 a 2 29 a 4 Urbano Santos 34 a 5 32 a 6 31 a 6
MUNICÍPIOS PERÍODOS DE SEMEADURA PARA CULTIVARES DO Lima Campos 33 a 4 31 a 5 31 a 5 Vargem Grande 32 a 5 31 a 6 31 a 6
GRUPO II Loreto 28 a 1 28 a 2 28 a 3 Viana 34 a 6 34 a 6 34 a 6
SOLOS TIPO 1 SOLOS TIPO 2 SOLOS TIPO 3 Luís Domingues 34 a 6 33 a 6 33 a 6 Vila Nova dos Martírios 34 a 1 29 a 3 29 a 3
Açailândia 34 a 1 30 a 3 29 a 4 Magalhães de Almeida 35 a 4 34 a 5 34 a 6 Vitória do Mearim 34 a 6 34 a 6 34 a 6
Afonso Cunha 34 a 4 33 a 5 32 a 6 Maracaçumé 33 a 6 33 a 6 32 a 6 Vitorino Freire 34 a 4 34 a 5 34 a 6
Água Doce do Maranhão 34 a 5 34 a 6 Marajá do Sena 34 a 3 32 a 4 31 a 5 Zé Doca 34 a 5 34 a 6 34 a 6
Alcântara 34 a 6 33 a 6 33 a 6 Maranhãozinho 34 a 6 34 a 6 33 a 6
Aldeias Altas 34 a 4 32 a 5 31 a 5 Mata Roma 34 a 5 32 a 6 32 a 6
Altamira do Maranhão 34 a 4 34 a 5 34 a 6 Matinha 34 a 6 34 a 6 34 a 6 MUNICÍPIOS PERÍODOS DE SEMEADURA PARA CULTIVARES
Alto Alegre do Maranhão 33 a 4 31 a 5 31 a 6 Matões 34 a 3 31 a 4 31 a 4 DO GRUPO III
Alto Alegre do Pindaré 34 a 5 34 a 6 34 a 6 Matões do Norte 34 a 5 33 a 6 32 a 6 SOLOS TIPO 1 SOLOS TIPO 2 SOLOS TIPO 3
Alto Parnaíba 30 a 31 28 a 35 28 a 36 Milagres do Maranhão 34 a 5 33 a 6 32 a 6 Açailândia 33 a 36 29 a 1 28 a 2
Amapá do Maranhão 34 a 6 33 a 6 33 a 6 Mirador 30 a 2 29 a 3 28 a 4 Afonso Cunha 33 a 2 31 a 4 30 a 4
Amarante do Maranhão 34 a 1 30 a 3 30 a 3 Miranda do Norte 34 a 5 34 a 6 34 a 6 Água Doce do Maranhão 34 a 36 33 a 3 33 a 4
Anajatuba 34 a 5 34 a 6 34 a 6 Mirinzal 34 a 6 34 a 6 34 a 6 Alcântara 33 a 6 32 a 6 32 a 6
Anapurus 34 a 5 32 a 6 32 a 6 Monção 34 a 6 34 a 6 34 a 6 Aldeias Altas 33 a 2 30 a 3 30 a 4
Apicum-Açu 34 a 6 34 a 6 34 a 6 Montes Altos 34 a 36 30 a 2 29 a 4 Altamira do Maranhão 33 a 3 33 a 4 33 a 4
Araguanã 34 a 6 34 a 6 34 a 6 Morros 33 a 6 32 a 6 31 a 6 Alto Alegre do Maranhão 31 a 2 30 a 3 30 a 4
Araioses 34 a 5 34 a 6 Nina Rodrigues 32 a 5 31 a 6 31 a 6 Alto Alegre do Pindaré 33 a 3 33 a 4 33 a 5
Arame 34 a 3 31 a 4 30 a 4 Nova Colinas 28 a 1 28 a 2 28 a 3 Alto Parnaíba 28 a 30 28 a 34 28 a 35
Arari 34 a 5 34 a 6 34 a 6 Nova Iorque 31 a 1 28 a 3 28 a 4 Amapá do Maranhão 32 a 6 32 a 6 31 a 6
Axixá 32 a 6 31 a 6 31 a 6 Nova Olinda do Maranhão 34 a 6 34 a 6 34 a 6 Amarante do Maranhão 31 a 35 29 a 1 29 a 2
Bacabal 34 a 4 34 a 5 34 a 6 Olho d'Água das Cunhãs 34 a 4 34 a 5 34 a 6 Anajatuba 33 a 4 33 a 4 33 a 5
Bacabeira 33 a 6 32 a 6 32 a 6 Olinda Nova do Maranhão 34 a 6 34 a 6 34 a 6 Anapurus 32 a 3 31 a 4 30 a 5
Bacuri 34 a 6 34 a 6 33 a 6 Paço do Lumiar 34 a 6 33 a 6 33 a 6 Apicum-Açu 33 a 6 33 a 6 32 a 6
Bacurituba 34 a 6 33 a 6 33 a 6 Palmeirândia 34 a 6 34 a 6 34 a 6 Araguanã 33 a 4 33 a 6 33 a 6
Balsas 28 a 1 28 a 2 28 a 3 Paraibano 31 a 2 29 a 3 28 a 4 Araioses 34 a 36 33 a 3 33 a 4
Barão de Grajaú 30 a 2 29 a 3 29 a 4 Parnarama 31 a 3 30 a 4 30 a 5 Arame 32 a 1 30 a 3 29 a 3
Barra do Corda 33 a 36 31 a 3 30 a 4 Passagem Franca 30 a 3 29 a 4 29 a 5 Arari 33 a 4 33 a 4 33 a 5
Barreirinhas 34 a 5 33 a 6 32 a 6 Pastos Bons 31 a 2 28 a 3 28 a 4 Axixá 31 a 5 30 a 6 30 a 6
Bela Vista do Maranhão 34 a 5 34 a 6 34 a 6 Paulino Neves 35 a 4 34 a 5 34 a 6 Bacabal 33 a 3 33 a 4 32 a 4
Belágua 34 a 5 32 a 6 31 a 6 Paulo Ramos 34 a 4 34 a 5 33 a 5 Bacabeira 31 a 5 31 a 6 31 a 6
Benedito Leite 32 a 36 28 a 2 28 a 3 Pedreiras 31 a 3 30 a 5 30 a 5 Bacuri 33 a 6 33 a 6 32 a 6
Bequimão 34 a 6 34 a 6 34 a 6 Pedro do Rosário 34 a 6 34 a 6 34 a 6 Bacurituba 33 a 5 32 a 6 31 a 6
Bernardo do Mearim 32 a 3 30 a 5 30 a 5 Penalva 34 a 6 34 a 6 34 a 6 Balsas 29 a 35 28 a 1 28 a 2
Boa Vista do Gurupi 33 a 6 33 a 6 32 a 6 Peri Mirim 34 a 6 34 a 6 33 a 6 Barão de Grajaú 28 a 1 28 a 3 28 a 3
Bom Jardim 34 a 5 34 a 6 34 a 6 Peritoró 32 a 4 31 a 5 31 a 6 Barra do Corda 31 a 34 29 a 1 29 a 2
Bom Jesus das Selvas 34 a 3 33 a 4 33 a 5 Pindaré-Mirim 34 a 6 34 a 6 34 a 6 Barreirinhas 33 a 3 31 a 4 31 a 5
Bom Lugar 34 a 4 34 a 5 34 a 6 Pinheiro 34 a 6 34 a 6 34 a 6 Bela Vista do Maranhão 33 a 3 33 a 4 33 a 5
Brejo 34 a 5 33 a 6 32 a 6 Pio XII 34 a 5 34 a 6 34 a 6 Belágua 31 a 4 31 a 5 30 a 6
Brejo de Areia 34 a 4 34 a 5 34 a 6 Pirapemas 32 a 5 31 a 6 31 a 6 Benedito Leite 28 a 35 28 a 1 28 a 2
Buriti 34 a 5 33 a 6 32 a 6 Poção de Pedras 31 a 3 30 a 4 30 a 5 Bequimão 33 a 6 33 a 6 32 a 6
Buriti Bravo 31 a 3 30 a 4 30 a 4 Porto Franco 34 a 1 29 a 2 29 a 4 Bernardo do Mearim 28 a 2 28 a 3 28 a 4
Buriticupu 34 a 4 33 a 5 33 a 5 Porto Rico do Maranhão 34 a 6 34 a 6 34 a 6 Boa Vista do Gurupi 32 a 6 31 a 6 31 a 6
Buritirana 34 a 1 29 a 3 28 a 4 Presidente Dutra 34 a 2 30 a 4 30 a 5 Bom Jardim 33 a 3 33 a 4 33 a 5
Cachoeira Grande 32 a 6 31 a 6 31 a 6 Presidente Juscelino 32 a 6 31 a 6 31 a 6 Bom Jesus das Selvas 33 a 2 32 a 3 31 a 3
Cajapió 34 a 6 33 a 6 33 a 6 Presidente Médici 34 a 6 34 a 6 34 a 6 Bom Lugar 33 a 2 33 a 3 32 a 4
Cajari 34 a 6 34 a 6 34 a 6 Presidente Sarney 34 a 6 34 a 6 34 a 6 Brejo 32 a 3 31 a 4 31 a 5
Campestre do Maranhão 34 a 36 30 a 2 29 a 4 Presidente Vargas 32 a 5 31 a 6 31 a 6 Brejo de Areia 33 a 3 33 a 3 32 a 4
Cândido Mendes 34 a 6 33 a 6 33 a 6 Primeira Cruz 34 a 5 32 a 6 32 a 6 Buriti 32 a 3 31 a 4 31 a 5
Cantanhede 32 a 5 31 a 6 31 a 6 Raposa 34 a 6 33 a 6 33 a 6 Buriti Bravo 29 a 1 28 a 3 28 a 3
Capinzal do Norte 32 a 3 31 a 5 31 a 5 Riachão 28 a 1 28 a 2 28 a 3 Buriticupu 33 a 3 32 a 3 31 a 4
Carolina 28 a 1 28 a 3 28 a 4 Ribamar Fiquene 34 a 36 30 a 2 29 a 4 Buritirana 33 a 35 28 a 1 28 a 2
Carutapera 34 a 6 33 a 6 33 a 6 Rosário 32 a 6 31 a 6 31 a 6 Cachoeira Grande 28 a 5 28 a 6 28 a 6
Caxias 34 a 4 32 a 5 31 a 5 Sambaíba 28 a 1 28 a 2 28 a 3 Cajapió 33 a 5 32 a 6 32 a 6
Santa Filomena do Maranhão 34 a 2 31 a 4 30 a 4
Cedral 34 a 6 34 a 6 34 a 6 Cajari 33 a 4 33 a 6 33 a 6
Santa Helena 34 a 6 34 a 6 34 a 6
Central do Maranhão 34 a 6 34 a 6 34 a 6 Campestre do Maranhão 33 a 34 28 a 36 28 a 2
Santa Inês 34 a 5 34 a 6 34 a 6
Centro do Guilherme 34 a 6 33 a 6 33 a 6 Cândido Mendes 33 a 6 32 a 6 32 a 6
Santa Luzia 34 a 5 33 a 5 33 a 6
Centro Novo do Maranhão 34 a 6 34 a 6 34 a 6 Cantanhede 31 a 3 30 a 4 30 a 5
Santa Luzia do Paruá 34 a 6 34 a 6 34 a 6
Chapadinha 34 a 5 32 a 6 31 a 6 Capinzal do Norte 31 a 2 30 a 3 29 a 3
Santa Quitéria do Maranhão 34 a 5 32 a 6 32 a 6
Cidelândia 34 a 1 29 a 3 29 a 3 Carolina 29 a 36 28 a 1 28 a 2
Santa Rita 34 a 5 32 a 6 32 a 6
Codó 33 a 4 31 a 5 31 a 5 Carutapera 33 a 6 32 a 6 32 a 6
Santana do Maranhão 34 a 5 33 a 6 32 a 6
Coelho Neto 34 a 5 33 a 5 32 a 6 Caxias 33 a 2 30 a 3 30 a 4
Santo Amaro do Maranhão 34 a 5 33 a 6 32 a 6
Colinas 31 a 3 29 a 4 29 a 5 Cedral 33 a 6 33 a 6 33 a 6
Santo Antônio dos Lopes 32 a 3 31 a 4 31 a 5
Conceição do Lago-Açu 34 a 5 34 a 6 34 a 6 Central do Maranhão 33 a 6 33 a 6 33 a 6
São Benedito do Rio Preto 33 a 5 32 a 6 31 a 6
Coroatá 32 a 4 31 a 5 31 a 6 Centro do Guilherme 33 a 6 32 a 6 32 a 6
São Bento 34 a 6 34 a 6 33 a 6
Cururupu 34 a 6 34 a 6 34 a 6 Centro Novo do Maranhão 33 a 5 33 a 6 32 a 6
São Bernardo 34 a 5 34 a 6 33 a 6
Davinópolis 30 a 1 29 a 2 28 a 3 Chapadinha 31 a 3 31 a 4 30 a 5
São Domingos do Azeitão 30 a 1 28 a 3 28 a 4
Dom Pedro 32 a 3 31 a 4 30 a 5 Cidelândia 33 a 35 28 a 1 28 a 2
São Domingos do Maranhão 31 a 2 30 a 4 30 a 4
Duque Bacelar 34 a 5 33 a 6 32 a 6 Codó 31 a 2 30 a 3 29 a 3
São Félix de Balsas 29 a 36 28 a 2 28 a 3
Esperantinópolis 31 a 4 30 a 4 30 a 5 Coelho Neto 33 a 2 31 a 4 30 a 4
São Francisco do Brejão 34 a 1 29 a 2 29 a 3
Estreito 29 a 1 28 a 3 28 a 4 Colinas 29 a 2 28 a 3 28 a 3
São Francisco do Maranhão 31 a 3 29 a 4 29 a 5
Feira Nova do Maranhão 29 a 1 28 a 3 28 a 3 Conceição do Lago-Açu 33 a 3 33 a 4 33 a 5
São João Batista 34 a 6 34 a 6 34 a 6
Fernando Falcão 34 a 36 30 a 2 29 a 3 Coroatá 31 a 3 30 a 3 29 a 4
São João do Carú 34 a 5 34 a 6 34 a 6
Formosa da Serra Negra 34 a 1 28 a 2 28 a 3 Cururupu 33 a 6 33 a 6 32 a 6
São João do Paraíso 34 a 2 29 a 3 29 a 4
Fortaleza dos Nogueiras 29 a 1 28 a 3 28 a 3 Davinópolis 29 a 35 28 a 1 28 a 2
São João do Soter 34 a 3 32 a 4 31 a 5
Fortuna 34 a 2 31 a 4 30 a 4 Dom Pedro 31 a 1 29 a 3 29 a 3
São João dos Patos 30 a 2 28 a 3 28 a 4
Godofredo Viana 34 a 6 33 a 6 33 a 6 Duque Bacelar 32 a 3 31 a 4 30 a 5
São José de Ribamar 34 a 6 33 a 6 33 a 6
Gonçalves Dias 33 a 3 31 a 4 30 a 5 Esperantinópolis 28 a 2 28 a 3 28 a 3
São José dos Basílios 33 a 3 31 a 4 30 a 5
Governador Archer 32 a 3 31 a 4 30 a 5 Estreito 29 a 36 28 a 1 28 a 2
São Luís 34 a 6 33 a 6 33 a 6
Governador Edison Lobão 34 a 1 29 a 2 28 a 3 Feira Nova do Maranhão 29 a 36 28 a 1 28 a 2
São Luís Gonzaga do Mara- 33 a 4 32 a 5 31 a 6
Governador Eugênio Barros 34 a 2 31 a 4 30 a 4 nhão Fernando Falcão 31 a 34 28 a 1 28 a 2
Governador Luiz Rocha 34 a 2 31 a 4 30 a 4 São Mateus do Maranhão 34 a 4 32 a 5 31 a 6 Formosa da Serra Negra 29 a 35 28 a 1 28 a 2
Governador Newton Bello 34 a 5 34 a 6 34 a 6 São Pedro da Água Branca 34 a 1 29 a 3 29 a 3 Fortaleza dos Nogueiras 29 a 35 28 a 1 28 a 2
Governador Nunes Freire 33 a 6 33 a 6 32 a 6 São Pedro dos Crentes 34 a 2 28 a 3 28 a 4 Fortuna 31 a 1 29 a 3 29 a 3
Graça Aranha 34 a 2 31 a 4 30 a 4 São Raimundo das Manga- 28 a 1 28 a 3 28 a 3 Godofredo Viana 33 a 6 32 a 6 32 a 6
Grajaú 34 a 36 30 a 2 30 a 3 beiras Gonçalves Dias 31 a 1 29 a 3 29 a 3
Guimarães 34 a 6 34 a 6 34 a 6 São Raimundo do Doca Be- 33 a 2 31 a 4 30 a 4 Governador Archer 31 a 1 29 a 3 29 a 3
Humberto de Campos 34 a 6 32 a 6 32 a 6 zerra Governador Edison Lobão 31 a 34 28 a 36 28 a 2
Icatu 34 a 6 32 a 6 32 a 6 São Roberto 32 a 3 31 a 4 30 a 5 Governador Eugênio Barros 31 a 1 29 a 3 29 a 3
Igarapé do Meio 34 a 5 34 a 6 34 a 6 São Vicente Ferrer 34 a 6 34 a 6 33 a 6 Governador Luiz Rocha 31 a 1 29 a 3 29 a 3

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html, Documento assinado digitalmente conforme MP n o- 2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
pelo código 00012017072500022 Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
Nº 141, terça-feira, 25 de julho de 2017 1 ISSN 1677-7042 23
Governador Newton Bello 33 a 4 33 a 5 33 a 5 São Mateus do Maranhão 32 a 3 30 a 4 30 a 4 e) ciclo e fase fenológica da cultura - Para efeito de si-
Governador Nunes Freire 32 a 6 31 a 6 31 a 6 São Pedro da Água Branca 33 a 35 28 a 1 28 a 2
mulação foram consideradas as fases de germinação/emergência, cres-
Graça Aranha 31 a 1 29 a 3 29 a 3 São Pedro dos Crentes 29 a 36 28 a 3 28 a 3
Grajaú 33 a 34 29 a 36 28 a 2 São Raimundo das Mangabei- 29 a 36 28 a 1 28 a 2
cimento/desenvolvimento, floração/enchimento de grãos e maturação
Guimarães 33 a 6 33 a 6 33 a 6 ras fisiológica. As cultivares foram classificadas em três grupos de ca-
Humberto de Campos 32 a 5 31 a 5 31 a 6 São Raimundo do Doca Be- 31 a 1 30 a 3 29 a 3 racterísticas homogêneas: Grupo I (n < 115 dias); Grupo II (115 dias
Icatu 32 a 5 31 a 6 31 a 6 zerra ≤ n ≤ 130 dias); e Grupo III (n >130 dias), onde n expressa o número
Igarapé do Meio 33 a 4 33 a 5 33 a 5 São Roberto 31 a 1 29 a 3 29 a 3 de dias da emergência à maturação fisiológica.
Igarapé Grande 31 a 2 29 a 3 29 a 4 São Vicente Ferrer 33 a 5 33 a 6 32 a 6 As simulações do balanço hídrico foram realizadas para pe-
Imperatriz 29 a 35 28 a 1 28 a 2 Satubinha 33 a 3 33 a 4 33 a 5 ríodos decendiais. Consideraram-se os valores médios do Índice de
Itaipava do Grajaú 32 a 36 30 a 1 29 a 2 Senador Alexandre Costa 31 a 1 29 a 3 29 a 3 Satisfação de Necessidade de Água - ISNA (expresso pela relação
Senador La Rocque 33 a 35 28 a 1 28 a 2
Itapecuru Mirim 32 a 3 31 a 4 31 a 5
Serrano do Maranhão 33 a 6 33 a 6 32 a 6
entre evapotranspiração real e evapotranspiração máxima - ETr/ETm),
Itinga do Maranhão 33 a 2 32 a 3 29 a 3
Sítio Novo 33 a 36 28 a 1 28 a 2
por data de semeadura, fase fenológica e localização geográfica das
Jatobá 29 a 1 28 a 3 28 a 3 estações pluviométricas e climáticas utilizadas.
Jenipapo dos Vieiras 33 a 34 29 a 36 29 a 2 Sucupira do Norte 29 a 1 28 a 3 28 a 3
Sucupira do Riachão 29 a 1 28 a 3 28 a 3 Foram adotados os seguintes critérios para o cultivo do arroz
João Lisboa 31 a 35 28 a 1 28 a 2 de sequeiro em condições de baixo risco climático:
Tasso Fragoso 28 a 35 28 a 1 28 a 2
Joselândia 31 a 2 29 a 3 29 a 3
Junco do Maranhão 32 a 6 31 a 6 31 a 6
Timbiras 31 a 2 30 a 3 30 a 4 - ISNA maior ou igual a 0,65;
Lago da Pedra 31 a 2 30 a 3 29 a 3
Timon 33 a 2 30 a 3 30 a 3 - Temperatura Média das Mínimas na fase de Germina-
Lago do Junco 32 a 2 30 a 3 29 a 4
Trizidela do Vale 29 a 2 29 a 3 29 a 4 ção/Emergência ≥ 15ºC;
Lago dos Rodrigues 32 a 2 30 a 3 29 a 4
Tufilândia 33 a 3 33 a 4 33 a 5 - Temperatura Média das Máximas na fase de Floração/En-
Lago Verde 33 a 3 33 a 4 33 a 4
Tuntum 31 a 1 29 a 3 29 a 3 chimento de Grãos ≤ 35ºC.
Turiaçu 33 a 6 32 a 6 32 a 6 Foram indicados os municípios que apresentaram em, pelo
Lagoa do Mato 29 a 2 28 a 3 28 a 3
Turilândia 33 a 6 33 a 6 32 a 6
Lagoa Grande do Maranhão 32 a 1 30 a 3 29 a 3 menos, 20% de sua área condições climáticas dentro dos critérios
Tutóia 34 a 2 33 a 4 32 a 4
Lajeado Novo 33 a 34 28 a 36 28 a 2
Urbano Santos 31 a 3 31 a 5 30 a 6
adotados em, no mínimo, 80% dos anos avaliados.
Lima Campos 31 a 2 29 a 3 29 a 4
Vargem Grande 31 a 3 30 a 4 30 a 5 2. TIPOS DE SOLOS APTOS AO CULTIVO
Loreto 28 a 35 28 a 1 28 a 2
Viana 33 a 4 33 a 6 33 a 6 São aptos ao cultivo de arroz de sequeiro no Estado os solos
Luís Domingues 33 a 6 32 a 6 32 a 6 dos tipos 1, 2 e 3, observadas as especificações e recomendações
Vila Nova dos Martírios 33 a 35 28 a 1 28 a 2
Magalhães de Almeida 34 a 2 33 a 4 33 a 4 contidas na Instrução Normativa nº 2, de 9 de outubro de 2008.
Vitória do Mearim 33 a 4 33 a 5 33 a 6
Maracaçumé 32 a 6 31 a 6 31 a 6 Não são indicadas para o cultivo:
Vitorino Freire 33 a 2 33 a 3 33 a 4
Marajá do Sena 32 a 2 30 a 3 29 a 3
Zé Doca 33 a 4 33 a 5 33 a 6 - áreas de preservação permanente, de acordo com a Lei
Maranhãozinho 33 a 6 32 a 6 32 a 6
Mata Roma 32 a 3 31 a 4 30 a 5
12.651, de 25 de maio de 2012;
Matinha 33 a 4 33 a 6 33 a 6 - áreas com solos que apresentam profundidade inferior a 50
PORTARIA Nº 28, DE 21 DE JULHO DE 2017 cm ou com solos muito pedregosos, isto é, solos nos quais calhaus e
Matões 33 a 2 30 a 3 29 a 3
Matões do Norte 32 a 3 31 a 4 31 a 5 matacões ocupem mais de 15% da massa e/ou da superfície do ter-
Milagres do Maranhão 32 a 3 31 a 4 31 a 5 O SECRETÁRIO DE POLÍTICA AGRÍCOLA, no uso de reno.
Mirador 29 a 1 28 a 3 28 a 3 suas atribuições e competências estabelecidas pelo Decreto nº 8.701, 3. TABELA DE PERÍODOS DE SEMEADURA
Miranda do Norte 33 a 3 33 a 4 33 a 5 de 31 de março de 2016, publicado no Diário Oficial da União de 1º
Mirinzal 33 a 6 33 a 6 33 a 6 Períodos 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12
de abril de 2016, e observado, no que couber, o contido nas Ins-
Monção 33 a 4 33 a 5 33 a 6 Datas 1º 11 21 1º 11 21 1º 11 21 1º 11 21
Montes Altos 33 a 34 28 a 36 28 a 2
truções Normativas nº 2, de 9 de outubro de 2008, publicada no a a a a a a 28 a a a a a a
Morros 31 a 5 30 a 5 30 a 6 Diário Oficial da União de 13 de outubro de 2008, da Secretaria de 10 20 31 10 20 10 20 31 10 20 30
Política Agrícola, e nº 18, de 12 de maio de 2016, publicada no Meses Janeiro Fevereiro Março Abril
Nina Rodrigues 31 a 3 30 a 4 30 a 5
Nova Colinas 29 a 35 28 a 1 28 a 2 Diário Oficial da União de 13 de maio de 2016, do Ministério da
Nova Iorque 28 a 36 28 a 1 28 a 2 Agricultura, Pecuária e Abastecimento, resolve:
Nova Olinda do Maranhão 33 a 5 33 a 6 33 a 6 Períodos 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24
Olho d'Água das Cunhãs 33 a 2 33 a 3 33 a 4
Art. 1º Aprovar o Zoneamento Agrícola de Risco Climático Datas 1º 11 21 1º 11 21 1º 11 21 1º 11 21
Olinda Nova do Maranhão 33 a 5 33 a 6 33 a 6 para a cultura de arroz de sequeiro no Estado de Minas Gerais, ano- a a a a a a a a a a a a
10 20 31 10 20 30 10 20 31 10 20 31
Paço do Lumiar 33 a 6 32 a 6 31 a 6 safra 2017/2018, conforme anexo.
Meses Maio Junho Julho Agosto
Palmeirândia 33 a 6 32 a 6 32 a 6 Art. 2º Esta Portaria tem vigência específica para o ano-safra
Paraibano 29 a 1 28 a 3 28 a 3 definido no art. 1º e entra em vigor na data de sua publicação.
Parnarama 29 a 2 28 a 3 28 a 3
Períodos 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36
Passagem Franca 29 a 2 28 a 3 28 a 3
Pastos Bons 28 a 36 28 a 3 28 a 3
NERI GELLER Datas 1º 11 21 1º 11 21 1º 11 21 1º 11 21
a 10 a a a a a a a a a a a
Paulino Neves 33 a 3 33 a 4 32 a 4 20 30 10 20 31 10 20 30 10 20 31
Paulo Ramos 33 a 2 32 a 3 32 a 4 ANEXO Meses Setembro Outubro Novembro Dezembro
Pedreiras 28 a 2 28 a 3 28 a 4
Pedro do Rosário 33 a 5 33 a 6 33 a 6 1. NOTA TÉCNICA 4. CULTIVARES INDICADAS
Penalva 33 a 4 33 a 5 33 a 6 O Estado de Minas Gerais cultivou, na safra 2016/2017, uma Para efeito de indicação dos períodos de plantio, as cul-
Peri Mirim 33 a 6 33 a 6 32 a 6 tivares indicadas pelos obtentores/mantenedores para o Estado, foram
área de 4,7 mil hectares de arroz (Oriza Sativa L.) com uma produção
Peritoró 31 a 3 30 a 3 29 a 4
de 7,4 mil toneladas, conforme dados do levantamento da CONAB de agrupadas conforme a seguir especificado.
Pindaré-Mirim 33 a 4 33 a 5 33 a 6
Pinheiro 33 a 6 32 a 6 32 a 6 julho de 2017. GRUPO I
Pio XII 33 a 3 33 a 4 33 a 5 Os principais elementos climáticos que influenciam a cultura AGRO NORTE SEMENTES: AN Cambará, ANa 7007, ANa
Pirapemas 31 a 3 30 a 4 30 a 5 5015 e ANa 6005;
do arroz são a temperatura do ar, o fotoperíodo e a precipitação EMBRAPA ARROZ E FEIJÃO - CNPAF: BRS Pepita,
Poção de Pedras 28 a 2 28 a 3 28 a 3
pluvial. BRSGO Serra Dourada, BRSMG Caravera, BRSMG Relâmpago e
Porto Franco 33 a 35 28 a 1 28 a 2
Porto Rico do Maranhão 33 a 6 33 a 6 33 a 6 A temperatura do ar influencia o crescimento, o desenvol- BRSMG 355.
Presidente Dutra 31 a 1 29 a 3 29 a 3 vimento e a produtividade da cultura e seu impacto varia conforme a GRUPO II
Presidente Juscelino 28 a 5 28 a 6 28 a 6 fase fenológica. As faixas de temperatura ótima variam de 20ºC a AGRO NORTE SEMENTES: ANa 8001, ANa 7211 e ANa
Presidente Médici 33 a 6 32 a 6 32 a 6 35ºC, sendo de 30ºC a 33ºC para a floração e de 20ºC a 25ºC para 8111;
Presidente Sarney 32 a 6 32 a 6 32 a 6 maturação. As fases mais sensíveis quanto à temperatura são as de EMBRAPA ARROZ E FEIJÃO - CNPAF: BRS Esmeralda,
Presidente Vargas 31 a 4 30 a 5 30 a 5 BRS Primavera e BRS Sertaneja.
Primeira Cruz 32 a 4 31 a 5 31 a 5
pré-floração e floração.
O fotoperíodo, de um modo geral, não é um fator limitante Com base nas informações prestadas pelos obtentores/man-
Raposa 33 a 5 32 a 6 31 a 6 tenedores, não existem cultivares de arroz indicadas para o cultivo no
Riachão 29 a 35 28 a 1 28 a 2 nas principais regiões produtoras do país e nas épocas tradicionais de Estado, com enquadramento no grupo III.
Ribamar Fiquene 33 a 34 28 a 36 28 a 2 cultivo. Notas:
Rosário 28 a 5 28 a 6 28 a 6 A produção do arroz em regime de sequeiro é dependente do
Sambaíba 28 a 35 28 a 1 28 a 2 1) Informações específicas sobre as cultivares indicadas de-
Santa Filomena do Maranhão 31 a 1 29 a 3 29 a 3
regime pluvial, uma vez que ocorrência de estresses hídricos durante vem ser obtidas junto aos respectivos obtentores/mantenedores.
Santa Helena 33 a 6 33 a 6 32 a 6 o ciclo e, em especial, no estádio de florescimento/enchimento dos 2) Devem ser utilizadas no plantio sementes produzidas em
Santa Inês 33 a 3 33 a 4 33 a 5 grãos, pode comprometer grandemente a produtividade da cultura. conformidade com a legislação brasileira sobre sementes e mudas
Santa Luzia 33 a 3 32 a 4 31 a 4 Objetivou-se, com o zoneamento agrícola, identificar os mu- (Lei nº 10.711, de 5 de agosto de 2003, e Decreto nº 5.153, de 23 de
Santa Luzia do Paruá 33 a 6 33 a 6 33 a 6 nicípios aptos e os períodos de plantio com menor risco climático agosto de 2004).
Santa Quitéria do Maranhão 32 a 3 31 a 5 30 a 5
para o cultivo do arroz de sequeiro no Estado. 5. RELAÇÃO DOS MUNICÍPIOS APTOS AO CULTIVO E
Santa Rita 32 a 4 31 a 5 31 a 5 PERÍODOS INDICADOS PARA SEMEADURA
Santana do Maranhão 33 a 3 31 a 4 31 a 5 Essa identificação foi realizada a partir de análises térmicas
Santo Amaro do Maranhão 33 a 4 31 a 5 31 a 5 e hídricas. Na análise hídrica foi utilizado um modelo de balanço MUNICÍPIOS PERÍODOS DE SEMEADURA PARA CULTIVARES DO
Santo Antônio dos Lopes 31 a 2 29 a 3 29 a 3 hídrico da cultura para períodos de dez dias. GRUPO I
São Benedito do Rio Preto 31 a 3 30 a 4 30 a 5 O balanço hídrico foi estimado com o uso das seguintes SOLOS TIPO 1 SOLOS TIPO 2 SOLOS TIPO 3
São Bento 33 a 5 32 a 6 31 a 6 Abadia dos Dourados 28 a 30 28 a 31 + 35 a 36 28 a 36
São Bernardo 33 a 3 32 a 4 32 a 5
variáveis climáticas e agronômicas: Abaeté 28 a 30 28 a 31 28 a 36
São Domingos do Azeitão 29 a 36 28 a 1 28 a 2 a) precipitação pluviométrica: utilizadas séries com, no mí- Abre Campo 28 a 30 28 a 31 28 a 32
São Domingos do Maranhão 30 a 1 29 a 3 28 a 3 nimo, 15 anos dados diários registrados nas 438 estações pluvio- Acaiaca 28 a 30 28 a 31 28 a 33
São Félix de Balsas 29 a 35 28 a 1 28 a 2 métricas disponíveis no Estado; Açucena 28 a 29 28 a 30 28 a 31
São Francisco do Brejão 33 a 35 28 a 1 28 a 2 b) evapotranspiração potencial - estimadas médias decendiais Água Boa 28 a 30 28 a 31
São Francisco do Maranhão 29 a 2 28 a 3 28 a 3 Água Comprida 28 a 31 28 a 36 28 a 36
pelo método de Penmam-Monteith nas 58 estações climatológicas Aguanil 28 a 31 28 a 35 28 a 36
São João Batista 33 a 5 33 a 6 32 a 6
São João do Carú 33 a 3 33 a 4 33 a 5 disponíveis no Estado. Aimorés 28 a 31
São João do Paraíso 33 a 36 28 a 3 28 a 3 c) coeficiente de cultura - utilizados dados obtidos expe- Aiuruoca 28 a 36 28 a 36 28 a 36
São João do Soter 31 a 1 30 a 3 30 a 3 rimentalmente e disponibilizados através da literatura reconhecida Alagoa 28 a 36 28 a 36 28 a 36
São João dos Patos 28 a 36 28 a 3 28 a 3 pela comunidade científica; Albertina 28 a 36 28 a 36 28 a 36
São José de Ribamar 33 a 5 31 a 6 31 a 6 Além Paraíba 28 a 30 28 a 31 28 a 36
d) disponibilidade máxima de água no solo - estimada em fun- Alfenas 28 a 33 28 a 36 28 a 36
São José dos Basílios 31 a 1 29 a 3 29 a 3
São Luís 33 a 6 32 a 6 31 a 6 ção da profundidade efetiva das raízes e da capacidade de água dispo- Alfredo Vasconcelos 28 a 31 28 a 32 28 a 36
São Luís Gonzaga do Mara- 32 a 2 31 a 3 30 a 4 nível dos solos. Consideraram-se os solos Tipo 1, 2 e 3, com capacidade Alpercata 28 a 29 28 a 31
nhão de armazenamento de água de 30, 50 e 70 mm, respectivamente; e Alpinópolis 28 a 33 28 a 36 28 a 36

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html, Documento assinado digitalmente conforme MP n o- 2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
pelo código 00012017072500023 Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
24 ISSN 1677-7042 1 Nº 141, terça-feira, 25 de julho de 2017
Alterosa 28 a 34 28 a 36 28 a 36 Caparaó 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Divino 28 a 29 28 a 30 28 a 31
Alto Caparaó 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Capela Nova 28 a 30 28 a 32 28 a 36 Divino das Laranjeiras 28 a 29 28 a 30
Alto Jequitibá 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Capelinha 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Divinolândia de Minas 28 a 29 28 a 30 28 a 31
Alto Rio Doce 28 a 30 28 a 32 28 a 36 Capetinga 28 a 31 28 a 36 28 a 36 Divinópolis 28 a 30 28 a 31 28 a 33
Alvarenga 28 a 29 28 a 31 Capim Branco 28 a 30 28 a 31 28 a 32 Divisa Nova 28 a 35 28 a 36 28 a 36
Alvinópolis 28 a 30 28 a 31 28 a 32 Capinópolis 28 a 30 28 a 36 28 a 36 Dom Bosco 28 a 29 28 a 31 28 a 32
Alvorada de Minas 28 a 29 28 a 31 28 a 32 Capitão Andrade 28 a 29 28 a 31 Dom Cavati 28 a 29 28 a 31
Amparo do Serra 28 a 30 28 a 31 28 a 33 Capitão Enéas 28 a 30 28 a 31 Dom Joaquim 28 a 29 28 a 31 28 a 33
Andradas 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Capitólio 28 a 30 28 a 34 28 a 36 Dom Silvério 28 a 30 28 a 31 28 a 32
Andrelândia 28 a 33 28 a 36 28 a 36 Caputira 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Dom Viçoso 28 a 35 28 a 36 28 a 36
Angelândia 28 a 30 28 a 31 Caraí 28 a 31 Dona Eusébia 28 a 29 28 a 31 28 a 33
Antônio Carlos 28 a 31 28 a 36 28 a 36 Caranaíba 28 a 30 28 a 32 28 a 36 Dores de Campos 28 a 31 28 a 33 28 a 36
Antônio Dias 28 a 30 28 a 31 28 a 32 Carandaí 28 a 31 28 a 32 28 a 36 Dores de Guanhães 28 a 29 28 a 31 28 a 33
Antônio Prado de Minas 28 a 29 28 a 30 Carangola 28 a 29 28 a 29 28 a 31 Dores do Indaiá 28 a 30 28 a 31 28 a 34
Araçaí 28 a 29 28 a 30 28 a 32 Caratinga 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Dores do Turvo 28 a 30 28 a 32 28 a 36
Aracitaba 28 a 30 28 a 32 28 a 33 Carbonita 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Doresópolis 28 a 30 28 a 33 28 a 36
Araguari 28 a 32 28 a 36 28 a 36 Careaçu 28 a 34 28 a 36 28 a 36 Douradoquara 28 a 31 28 a 36 28 a 36
Arantina 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Carmésia 28 a 29 28 a 31 28 a 33 Durandé 28 a 29 28 a 30 28 a 31
Araponga 28 a 30 28 a 31 28 a 36 Carmo da Cachoeira 28 a 31 28 a 34 28 a 36 Elói Mendes 28 a 33 28 a 34 28 a 36
Araporã 28 a 31 28 a 36 28 a 36 Carmo da Mata 28 a 31 28 a 33 28 a 36 Engenheiro Caldas 28 a 29 28 a 31
Arapuá 28 a 30 28 a 31 28 a 36 Carmo de Minas 28 a 34 28 a 36 28 a 36 Engenheiro Navarro 28 a 29 28 a 31
Araújos 28 a 30 28 a 31 28 a 33 Carmo do Cajuru 28 a 30 28 a 31 28 a 33 Entre Folhas 28 a 29 28 a 30 28 a 31
Araxá 28 a 33 28 a 36 28 a 36 Carmo do Paranaíba 28 a 30 28 a 31 28 a 36 Entre Rios de Minas 28 a 30 28 a 32 28 a 36
Arceburgo 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Carmo do Rio Claro 28 a 33 28 a 36 28 a 36 Ervália 28 a 30 28 a 32 28 a 36
Arcos 28 a 30 28 a 33 28 a 36 Carmópolis de Minas 28 a 30 28 a 33 28 a 36 Esmeraldas 28 a 30 28 a 32 28 a 33
Areado 28 a 34 28 a 36 28 a 36 Carneirinho 28 a 31 28 a 36 28 a 36 Espera Feliz 28 a 29 28 a 30 28 a 31
Argirita 28 a 30 28 a 31 28 a 33 Carrancas 28 a 32 28 a 36 28 a 36 Espinosa 29 a 30
Aricanduva 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Carvalhópolis 28 a 33 28 a 35 28 a 36 Espírito Santo do Dourado 28 a 35 28 a 36 28 a 36
Arinos 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Carvalhos 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Estiva 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Astolfo Dutra 28 a 30 28 a 31 28 a 33 Casa Grande 28 a 30 28 a 32 28 a 36 Estrela Dalva 28 a 30 28 a 32 28 a 36
Ataléia 28 a 31 Cascalho Rico 28 a 31 28 a 36 28 a 36 Estrela do Indaiá 28 a 30 28 a 33 28 a 36
Augusto de Lima 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Cássia 28 a 31 28 a 36 28 a 36 Estrela do Sul 28 a 30 28 a 36 28 a 36
Baependi 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Cataguases 28 a 29 28 a 31 28 a 33 Eugenópolis 28 a 29 28 a 30 28 a 33
Baldim 28 a 30 28 a 31 28 a 33 Catas Altas 28 a 30 28 a 31 28 a 32 Ewbank da Câmara 28 a 31 28 a 33 28 a 36
Bambuí 28 a 30 28 a 33 28 a 36 Catas Altas da Noruega 28 a 31 28 a 33 28 a 36 Extrema 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Bandeira do Sul 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Catuji 28 a 29 Fama 28 a 33 28 a 36 28 a 36
Barão de Cocais 28 a 30 28 a 32 28 a 33 Catuti 28 a 29 Faria Lemos 28 a 29 28 a 31
Barão de Monte Alto 28 a 29 28 a 31 28 a 33 Caxambu 28 a 34 28 a 36 28 a 36 Felício dos Santos 28 a 29 28 a 30 28 a 31
Barbacena 28 a 31 28 a 36 28 a 36 Cedro do Abaeté 28 a 30 28 a 31 28 a 36 Felixlândia 28 a 29 28 a 30 28 a 31
Barra Longa 28 a 30 28 a 31 28 a 33 Central de Minas 28 a 31 Fernandes Tourinho 28 a 29 28 a 31
Barroso 28 a 31 28 a 33 28 a 36 Centralina 28 a 32 28 a 36 28 a 36 Ferros 28 a 29 28 a 31 28 a 33
Bela Vista de Minas 28 a 30 28 a 31 28 a 32 Chácara 28 a 30 28 a 32 28 a 33 Fervedouro 28 a 29 28 a 30 28 a 32
Belmiro Braga 28 a 30 28 a 36 28 a 36 Chalé 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Florestal 28 a 30 28 a 32 28 a 33
Belo Horizonte 28 a 31 28 a 33 28 a 36 Chapada do Norte 28 a 31 Formiga 28 a 30 28 a 33 28 a 36
Belo Oriente 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Chapada Gaúcha 28 a 30 28 a 31 Formoso 28 a 29 28 a 30 28 a 32
Belo Vale 28 a 30 28 a 32 28 a 33 Chiador 28 a 30 28 a 32 28 a 33 Fortaleza de Minas 28 a 31 28 a 36 28 a 36
Berilo 28 a 29 Cipotânea 28 a 30 28 a 33 28 a 36 Fortuna de Minas 28 a 30 28 a 31 28 a 32
Betim 28 a 30 28 a 32 28 a 33 Claraval 28 a 31 28 a 36 28 a 36 Francisco Dumont 28 a 29 28 a 31
Bias Fortes 28 a 31 28 a 36 28 a 36 Claro dos Poções 28 a 29 28 a 31 Francisco Sá 28 a 29 28 a 31
Bicas 28 a 30 28 a 32 28 a 33 Cláudio 28 a 30 28 a 33 28 a 36 Franciscópolis 28 a 29 28 a 31
Biquinhas 28 a 30 28 a 30 28 a 32 Coimbra 28 a 30 28 a 32 28 a 36 Frei Gaspar 28 a 31
Boa Esperança 28 a 33 28 a 35 28 a 36 Coluna 28 a 30 28 a 31 Frei Inocêncio 28 a 29 28 a 31
Bocaina de Minas 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Comendador Gomes 28 a 35 28 a 36 28 a 36 Frei Lagonegro 28 a 29 28 a 31
Bocaiúva 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Conceição da Aparecida 28 a 29 28 a 36 28 a 36 Fronteira 28 a 36 28 a 36
Bom Despacho 28 a 29 28 a 30 28 a 33 Conceição da Barra de Mi- 28 a 31 28 a 36 28 a 36 Fruta de Leite 28 a 31
nas
Bom Jardim de Minas 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Frutal 28 a 31 28 a 35 28 a 36
Conceição das Alagoas 28 a 31 28 a 36 28 a 36
Bom Jesus da Penha 28 a 33 28 a 36 28 a 36 Funilândia 28 a 30 28 a 31 28 a 32
Conceição das Pedras 28 a 35 28 a 36 28 a 36
Bom Jesus do Amparo 28 a 30 28 a 32 28 a 33 Galiléia 28 a 29 28 a 31
Conceição de Ipanema 28 a 29 28 a 30 28 a 31
Bom Jesus do Galho 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Gameleiras 29 a 30
Conceição do Mato Dentro 28 a 29 28 a 30 28 a 32
Bom Repouso 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Glaucilândia 28 a 29 28 a 31
Conceição do Pará 28 a 30 28 a 31 28 a 33
Bom Sucesso 28 a 31 28 a 36 28 a 36 Goiabeira 28 a 31
Conceição do Rio Verde 28 a 32 28 a 36 28 a 36
Bonfim 28 a 30 28 a 32 28 a 33 Goianá 28 a 30 28 a 32 28 a 33
Conceição dos Ouros 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Bonfinópolis de Minas 28 a 29 28 a 31 28 a 36 Gonçalves 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Cônego Marinho 29 a 30 29 a 30
Bonito de Minas 29 a 30 28 a 31 Gonzaga 28 a 29 28 a 31
Confins 28 a 30 28 a 31 28 a 33
Borda da Mata 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Gouveia 28 a 29 28 a 30 28 a 32
Congonhal 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Botelhos 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Governador Valadares 28 a 29 28 a 31
Congonhas 28 a 30 28 a 31 28 a 32
Botumirim 28 a 29 28 a 31 Grão Mogol 28 a 29 28 a 31
Congonhas do Norte 28 a 29 28 a 31 28 a 32
Brás Pires 28 a 30 28 a 33 28 a 36 Conquista 28 a 31 28 a 36 28 a 36 Grupiara 28 a 31 28 a 36 28 a 36
Brasilândia de Minas 28 a 29 28 a 31 Conselheiro Lafaiete 28 a 30 28 a 32 28 a 36 Guanhães 28 a 29 28 a 30 28 a 31
Brasília de Minas 28 a 29 28 a 31 Conselheiro Pena 28 a 29 28 a 31 Guapé 28 a 33 28 a 35 28 a 36
Brasópolis 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Consolação 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Guaraciaba 28 a 30 28 a 31 28 a 33
Braúnas 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Contagem 28 a 31 28 a 32 28 a 33 Guaraciama 28 a 29 28 a 31
Brumadinho 28 a 31 28 a 32 28 a 33 Coqueiral 28 a 33 28 a 35 28 a 36 Guaranésia 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Bueno Brandão 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Coração de Jesus 28 a 29 28 a 31 Guarani 28 a 30 28 a 31 28 a 33
Buenópolis 28 a 30 28 a 31 Cordisburgo 28 a 29 28 a 30 28 a 32 Guarará 28 a 30 28 a 32 28 a 33
Bugre 28 a 29 28 a 31 Cordislândia 28 a 33 28 a 35 28 a 36 Guarda-Mor 28 a 30 28 a 31 28 a 36
Buritis 28 a 29 28 a 31 28 a 36 Corinto 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Guaxupé 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Buritizeiro 28 a 29 28 a 31 Coroaci 28 a 29 28 a 31 Guidoval 28 a 30 28 a 31 28 a 33
Cabeceira Grande 28 a 30 28 a 31 28 a 36 Coromandel 28 a 30 28 a 31 28 a 36 Guimarânia 28 a 30 28 a 31 28 a 36
Cabo Verde 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Coronel Fabriciano 28 a 29 28 a 31 28 a 32 Guiricema 28 a 30 28 a 32 28 a 33
Cachoeira da Prata 28 a 30 28 a 31 28 a 32 Coronel Pacheco 28 a 30 28 a 32 28 a 33 Gurinhatã 28 a 30 28 a 36 28 a 36
Cachoeira de Minas 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Coronel Xavier Chaves 28 a 31 28 a 36 28 a 36 Heliodora 28 a 34 28 a 36 28 a 36
Cachoeira de Pajeú 28 a 31 Córrego Danta 28 a 30 28 a 33 28 a 36 Iapu 28 a 29 28 a 31
Cachoeira Dourada 28 a 30 28 a 36 28 a 36 Córrego do Bom Jesus 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Ibertioga 28 a 31 28 a 33 28 a 36
Caetanópolis 28 a 29 28 a 31 28 a 32 Córrego Fundo 28 a 30 28 a 33 28 a 36 Ibiá 28 a 31 28 a 36 28 a 36
Caeté 28 a 31 28 a 32 28 a 36 Córrego Novo 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Ibiaí 28 a 29 28 a 31
Caiana 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Couto de Magalhães de Mi- 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Ibiracatu 29 a 30 29 a 30
Cajuri 28 a 30 28 a 32 28 a 36 nas Ibiraci 28 a 31 28 a 36 28 a 36
Caldas 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Cristais 28 a 30 28 a 34 28 a 36 Ibirité 28 a 31 28 a 32 28 a 33
Camacho 28 a 30 28 a 33 28 a 36 Cristália 28 a 29 28 a 31 Ibitiúra de Minas 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Camanducaia 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Cristiano Otoni 28 a 30 28 a 32 28 a 36 Ibituruna 28 a 31 28 a 36 28 a 36
Cambuí 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Cristina 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Icaraí de Minas 28 a 29 28 a 31
Cambuquira 28 a 33 28 a 36 28 a 36 Crucilândia 28 a 31 28 a 32 28 a 36 Igarapé 28 a 30 28 a 32 28 a 33
Campanário 28 a 29 28 a 31 Cruzeiro da Fortaleza 28 a 30 28 a 31 + 35 a 36 28 a 36 Igaratinga 28 a 30 28 a 31 28 a 33
Campanha 28 a 33 28 a 35 28 a 36 Cruzília 28 a 33 28 a 36 28 a 36 Iguatama 28 a 30 28 a 33 28 a 36
Campestre 28 a 35 28 a 36 28 a 36 Cuparaque 28 a 29 28 a 30 Ijaci 28 a 33 28 a 36 28 a 36
Campina Verde 28 a 33 28 a 36 28 a 36 Curvelo 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Ilicínea 28 a 33 28 a 36 28 a 36
Campo Azul 28 a 29 28 a 31 Datas 28 a 29 28 a 30 28 a 32 Imbé de Minas 28 a 29 28 a 30 28 a 31
Campo Belo 28 a 30 28 a 35 28 a 36 Delfim Moreira 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Inconfidentes 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Campo do Meio 28 a 33 28 a 36 28 a 36 Delfinópolis 28 a 33 28 a 36 28 a 36 Indianópolis 28 a 30 28 a 36 28 a 36
Campo Florido 28 a 34 28 a 36 28 a 36 Delta 28 a 31 28 a 32 + 35 a 36 28 a 36 Ingaí 28 a 33 28 a 36 28 a 36
Campos Altos 28 a 30 28 a 36 28 a 36 Descoberto 28 a 30 28 a 31 28 a 33 Inhapim 28 a 29 28 a 31
Campos Gerais 28 a 33 28 a 36 28 a 36 Desterro de Entre Rios 28 a 30 28 a 31 28 a 36 Inhaúma 28 a 30 28 a 31 28 a 32
Cana Verde 28 a 31 28 a 35 28 a 36 Desterro do Melo 28 a 30 28 a 32 28 a 36 Inimutaba 28 a 29 28 a 31 28 a 31
Canaã 28 a 30 28 a 31 28 a 36 Diamantina 28 a 29 28 a 30 28 a 32 Ipaba 28 a 29 28 a 30 28 a 31
Canápolis 28 a 32 28 a 36 28 a 36 Diogo de Vasconcelos 28 a 30 28 a 32 28 a 33 Ipanema 28 a 29 28 a 30 28 a 31
Candeias 28 a 30 28 a 33 28 a 36 Dionísio 28 a 29 28 a 31 28 a 32 Ipatinga 28 a 29 28 a 31 28 a 31
Cantagalo 28 a 29 28 a 31 Divinésia 28 a 30 28 a 32 28 a 33 Ipiaçu 28 a 30 28 a 34 28 a 36

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html, Documento assinado digitalmente conforme MP n o- 2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
pelo código 00012017072500024 Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
Nº 141, terça-feira, 25 de julho de 2017 1 ISSN 1677-7042 25
Ipuiúna 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Matozinhos 28 a 30 28 a 31 28 a 33 Piedade dos Gerais 28 a 30 28 a 32 28 a 36
Iraí de Minas 28 a 30 28 a 36 28 a 36 Matutina 28 a 30 28 a 36 28 a 36 Pimenta 28 a 30 28 a 33 28 a 36
Itabira 28 a 30 28 a 32 28 a 33 Medeiros 28 a 31 28 a 36 28 a 36 Pingo-d`Água 28 a 29 28 a 30 28 a 31
Itabirinha de Mantena 28 a 29 28 a 31 Medina 28 a 31 Pintópolis 28 a 29 28 a 31
Itabirito 28 a 31 28 a 32 28 a 33 Mendes Pimentel 28 a 31 Piracema 28 a 31 28 a 32 28 a 36
Itacambira 28 a 29 28 a 31 Mercês 28 a 30 28 a 32 28 a 33 Pirajuba 28 a 33 28 a 36 28 a 36
Itacarambi 28 a 31 Mesquita 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Piranga 28 a 31 28 a 33 28 a 36
Itaguara 28 a 31 28 a 33 28 a 36 Minas Novas 28 a 29 28 a 31 Piranguçu 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Itaipé 28 a 31 Minduri 28 a 33 28 a 36 28 a 36 Piranguinho 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Itajubá 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Mirabela 28 a 29 28 a 31 Pirapetinga 28 a 30 28 a 32 28 a 36
Itamarandiba 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Miradouro 28 a 29 28 a 31 28 a 33 Pirapora 28 a 29 28 a 31
Itamarati de Minas 28 a 30 28 a 31 28 a 33 Miraí 28 a 30 28 a 32 28 a 33 Piraúba 28 a 30 28 a 31 28 a 33
Itambacuri 28 a 29 28 a 31 Miravânia 29 a 30 29 a 31 Pitangui 28 a 30 28 a 31 28 a 32
Itambé do Mato Dentro 28 a 30 28 a 32 28 a 33 Moeda 28 a 30 28 a 32 28 a 33 Piumhi 28 a 30 28 a 33 28 a 36
Itamogi 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Moema 28 a 30 28 a 31 28 a 33 Planura 28 a 30 28 a 35 28 a 36
Itamonte 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Monjolos 28 a 29 28 a 30 28 a 32 Poço Fundo 28 a 34 28 a 36 28 a 36
Itanhandu 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Monsenhor Paulo 28 a 33 28 a 34 28 a 36 Poços de Caldas 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Itanhomi 28 a 29 28 a 31 Montalvânia 29 a 30 28 a 31 Pocrane 28 a 29 28 a 31
Itapagipe 28 a 35 28 a 36 28 a 36 Monte Alegre de Minas 28 a 35 28 a 36 28 a 36 Pompéu 28 a 30 28 a 30 28 a 32
Itapecerica 28 a 30 28 a 33 28 a 36 Monte Azul 28 a 31 Ponte Nova 28 a 30 28 a 32 28 a 33
Itapeva 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Monte Belo 28 a 34 28 a 36 28 a 36 Ponto Chique 28 a 29 28 a 31
Itatiaiuçu 28 a 30 28 a 32 28 a 36 Monte Carmelo 28 a 30 28 a 31 + 35 a 36 28 a 36 Porteirinha 28 a 31
Itaú de Minas 28 a 33 28 a 36 28 a 36 Monte Santo de Minas 28 a 33 28 a 36 28 a 36 Porto Firme 28 a 30 28 a 32 28 a 33
Itaúna 28 a 30 28 a 32 28 a 33 Monte Sião 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Poté 28 a 29 28 a 31
Itaverava 28 a 30 28 a 32 28 a 36 Montes Claros 28 a 29 28 a 31 Pouso Alegre 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Itinga 28 a 29 Morada Nova de Minas 28 a 29 28 a 30 28 a 32 Pouso Alto 28 a 35 28 a 36 28 a 36
Itueta 28 a 31 Morro da Garça 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Prados 28 a 31 28 a 36 28 a 36
Ituiutaba 28 a 30 28 a 36 28 a 36 Morro do Pilar 28 a 30 28 a 32 28 a 33 Prata 28 a 35 28 a 36 28 a 36
Itumirim 28 a 33 28 a 36 28 a 36 Munhoz 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Pratápolis 28 a 31 28 a 33 28 a 36
Iturama 28 a 34 28 a 36 28 a 36 Muriaé 28 a 30 28 a 31 28 a 33 Pratinha 28 a 31 28 a 36 28 a 36
Itutinga 28 a 32 28 a 36 28 a 36 Mutum 28 a 30 28 a 31 Presidente Bernardes 28 a 30 28 a 33 28 a 36
Jaboticatubas 28 a 30 28 a 32 28 a 33 Muzambinho 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Presidente Juscelino 28 a 29 28 a 31 28 a 32
Jacuí 28 a 33 28 a 36 28 a 36 Nacip Raydan 28 a 29 28 a 31 Presidente Kubitschek 28 a 29 28 a 31 28 a 32
Jacutinga 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Naque 28 a 29 28 a 31 Presidente Olegário 28 a 30 28 a 31 28 a 36
Jaguaraçu 28 a 29 28 a 31 28 a 32 Natalândia 28 a 30 28 a 31 28 a 36 Prudente de Morais 28 a 30 28 a 31 28 a 32
Jaíba 28 a 31 Natércia 28 a 35 28 a 36 28 a 36 Quartel Geral 28 a 30 28 a 31 28 a 36
Jampruca 28 a 29 28 a 31 Nazareno 28 a 31 28 a 36 28 a 36 Queluzito 28 a 30 28 a 32 28 a 36
Janaúba 28 a 29 28 a 31 Nepomuceno 28 a 31 28 a 34 28 a 36 Raposos 28 a 30 28 a 32 28 a 33
Januária 29 a 30 28 a 31 Nova Belém 28 a 31 Raul Soares 28 a 29 28 a 30 28 a 31
Japaraíba 28 a 30 28 a 32 28 a 36 Nova Era 28 a 30 28 a 31 28 a 32 Recreio 28 a 30 28 a 32 28 a 36
Japonvar 28 a 29 28 a 31 Nova Lima 28 a 31 28 a 32 28 a 33 Reduto 28 a 29 28 a 30 28 a 31
Jeceaba 28 a 30 28 a 32 28 a 33 Nova Módica 28 a 31 Resende Costa 28 a 30 28 a 36 28 a 36
Jequeri 28 a 30 28 a 31 28 a 33 Nova Ponte 28 a 30 28 a 36 28 a 36 Resplendor 28 a 31
Jequitaí 28 a 29 28 a 31 Nova Porteirinha 28 a 29 28 a 31 Ressaquinha 28 a 31 28 a 32 28 a 36
Jequitibá 28 a 30 28 a 31 28 a 32 Nova Resende 28 a 33 28 a 36 28 a 36 Riachinho 28 a 29 28 a 30 28 a 31
Jesuânia 28 a 34 28 a 36 28 a 36 Nova Serrana 28 a 30 28 a 31 28 a 32 Riacho dos Machados 28 a 31
Joanésia 28 a 29 28 a 31 28 a 32 Nova União 28 a 30 28 a 32 28 a 34 Ribeirão das Neves 28 a 30 28 a 32 28 a 33
João Monlevade 28 a 30 28 a 31 28 a 32 Novo Cruzeiro 28 a 31 Ribeirão Vermelho 28 a 31 28 a 36 28 a 36
João Pinheiro 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Novorizonte 28 a 31 Rio Acima 28 a 30 28 a 32 28 a 33
Joaquim Felício 28 a 29 28 a 31 Olaria 28 a 33 28 a 36 28 a 36 Rio Casca 28 a 30 28 a 31 28 a 32
José Raydan 28 a 30 28 a 31 Olhos-d`Água 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Rio Doce 28 a 30 28 a 31 28 a 33
Josenópolis 28 a 31 Olímpio Noronha 28 a 34 28 a 36 28 a 36 Rio Espera 28 a 30 28 a 32 28 a 36
Juatuba 28 a 30 28 a 32 28 a 33 Oliveira 28 a 30 28 a 33 28 a 36 Rio Manso 28 a 30 28 a 32 28 a 36
Juiz de Fora 28 a 31 28 a 33 28 a 36 Oliveira Fortes 28 a 30 28 a 32 28 a 36 Rio Novo 28 a 30 28 a 31 28 a 32
Juramento 28 a 29 28 a 31 Onça de Pitangui 28 a 30 28 a 31 28 a 32 Rio Paranaíba 28 a 30 28 a 36 28 a 36
Juruaia 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Oratórios 28 a 30 28 a 31 28 a 33 Rio Pardo de Minas 28 a 31
Juvenília 29 a 30 29 a 31 Orizânia 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Rio Piracicaba 28 a 30 28 a 31 28 a 32
Ladainha 28 a 29 28 a 31 Ouro Branco 28 a 30 28 a 32 28 a 33 Rio Pomba 28 a 30 28 a 32 28 a 33
Lagamar 28 a 29 28 a 30 28 a 36 Ouro Fino 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Rio Preto 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Rio Vermelho 28 a 29 28 a 30 28 a 31
Lagoa da Prata 28 a 30 28 a 32 28 a 33 Ouro Preto 28 a 30 28 a 32 28 a 33
Ritápolis 28 a 31 28 a 36 28 a 36
Lagoa dos Patos 28 a 29 28 a 31 Ouro Verde de Minas 28 a 29 28 a 30
Rochedo de Minas 28 a 30 28 a 32 28 a 33
Lagoa Dourada 28 a 30 28 a 36 28 a 36 Padre Carvalho 28 a 31
Rodeiro 28 a 30 28 a 31 28 a 33
Lagoa Formosa 28 a 30 28 a 31 28 a 36 Padre Paraíso 28 a 31
Romaria 28 a 30 28 a 36 28 a 36
Lagoa Grande 28 a 29 28 a 30 28 a 33 Pai Pedro 28 a 31
Rosário da Limeira 28 a 30 28 a 32 28 a 33
Lagoa Santa 28 a 30 28 a 31 28 a 33 Paineiras 28 a 30 28 a 30 28 a 36
Rubelita 28 a 31
Lajinha 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Pains 28 a 30 28 a 33 28 a 36
Sabará 28 a 30 28 a 32 28 a 33
Lambari 28 a 34 28 a 36 28 a 36 Paiva 28 a 30 28 a 32 28 a 33
Sabinópolis 28 a 29 28 a 30 28 a 32
Lamim 28 a 30 28 a 32 28 a 36 Palma 28 a 29 28 a 31 28 a 33
Sacramento 28 a 34 28 a 36 28 a 36
Laranjal 28 a 29 28 a 31 28 a 33 Palmópolis 28 a 29
Salinas 28 a 31
Lassance 28 a 29 28 a 31 Papagaios 28 a 29 28 a 30 28 a 32
Santa Bárbara 28 a 30 28 a 32 28 a 33
Lavras 28 a 33 28 a 36 28 a 36 Pará de Minas 28 a 30 28 a 32 28 a 33
Santa Bárbara do Leste 28 a 29 28 a 30 28 a 32
Leandro Ferreira 28 a 30 28 a 31 28 a 32 Paracatu 28 a 30 28 a 31 28 a 36
Santa Bárbara do Monte 28 a 32 28 a 36
Leme do Prado 28 a 29 28 a 31 Paraguaçu 28 a 33 28 a 35 28 a 36 Verde
Leopoldina 28 a 30 28 a 31 28 a 33 Paraisópolis 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Santa Bárbara do Tugúrio 28 a 31 28 a 31 28 a 32
Liberdade 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Paraopeba 28 a 29 28 a 31 28 a 32 Santa Cruz de Minas 28 a 32 28 a 36 28 a 36
Lima Duarte 28 a 32 28 a 36 28 a 36 Passa Quatro 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Santa Cruz do Escalvado 28 a 30 28 a 32 28 a 35
Limeira do Oeste 28 a 30 28 a 36 28 a 36 Passa Tempo 28 a 31 28 a 32 28 a 36 Santa Efigênia de Minas 28 a 29 28 a 29
Lontra 29 a 30 28 a 31 Passa-Vinte 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Santa Fé de Minas 28 a 29 28 a 31
Luisburgo 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Passabém 28 a 30 28 a 31 28 a 33 Santa Juliana 28 a 30 28 a 36 28 a 36
Luislândia 28 a 29 28 a 31 Passos 28 a 33 28 a 36 28 a 36 Santa Luzia 28 a 30 28 a 32 28 a 33
Luminárias 28 a 32 28 a 36 28 a 36 Patis 29 a 30 28 a 31 Santa Margarida 28 a 29 28 a 30 28 a 31
Luz 28 a 30 28 a 31 28 a 36 Patos de Minas 28 a 30 28 a 31 28 a 36 Santa Maria de Itabira 28 a 29 28 a 31 28 a 32
Machado 28 a 33 28 a 35 28 a 36 Patrocínio 28 a 30 28 a 36 28 a 36 Santa Maria do Salto 28 a 29
Madre de Deus de Minas 28 a 31 28 a 36 28 a 36 Patrocínio do Muriaé 28 a 29 28 a 31 28 a 33 Santa Maria do Suaçuí 28 a 30 28 a 31
Malacacheta 28 a 29 28 a 31 Paula Cândido 28 a 30 28 a 32 28 a 33 Santa Rita de Caldas 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Mamonas 28 a 31 Paulistas 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Santa Rita de Ibitipoca 28 a 31 28 a 32 28 a 36
Manga 29 a 30 29 a 30 Peçanha 28 a 29 28 a 31 Santa Rita de Jacutinga 28 a 32 28 a 36 28 a 36
Manhuaçu 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Pedra Azul 28 a 31 Santa Rita de Minas 28 a 30 28 a 31
Manhumirim 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Pedra Bonita 28 a 29 28 a 30 28 a 32 Santa Rita do Itueto 28 a 29 28 a 31
Mantena 28 a 29 28 a 31 Pedra do Anta 28 a 30 28 a 31 28 a 36 Santa Rita do Sapucaí 28 a 35 28 a 36 28 a 36
Mar de Espanha 28 a 30 28 a 32 28 a 33 Pedra do Indaiá 28 a 30 28 a 33 28 a 34 Santa Rosa da Serra 28 a 30 28 a 33 28 a 36
Maravilhas 28 a 29 28 a 31 28 a 32 Pedra Dourada 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Santa Vitória 28 a 30 28 a 36 28 a 36
Maria da Fé 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Pedralva 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Santana da Vargem 28 a 33 28 a 35 28 a 36
Mariana 28 a 30 28 a 31 28 a 33 Pedras de Maria da Cruz 28 a 29 28 a 31 Santana de Cataguases 28 a 30 28 a 31 28 a 33
Marilac 28 a 29 28 a 31 Pedrinópolis 28 a 30 28 a 36 28 a 36 Santana de Pirapama 28 a 29 28 a 31 28 a 32
Mário Campos 28 a 30 28 a 32 28 a 33 Pedro Leopoldo 28 a 30 28 a 31 28 a 33 Santana do Deserto 28 a 30 28 a 32 28 a 33
Maripá de Minas 28 a 30 28 a 32 28 a 33 Pedro Teixeira 28 a 31 28 a 36 28 a 36 Santana do Garambéu 28 a 32 28 a 36 28 a 36
Marliéria 28 a 29 28 a 31 28 a 31 Pequeri 28 a 30 28 a 32 28 a 33 Santana do Jacaré 28 a 30 28 a 35 28 a 36
Marmelópolis 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Pequi 28 a 30 28 a 31 28 a 32 Santana do Manhuaçu 28 a 29 28 a 30 28 a 31
Martinho Campos 28 a 29 28 a 30 28 a 32 Perdigão 28 a 30 28 a 31 28 a 33 Santana do Paraíso 28 a 29 28 a 30 28 a 31
Martins Soares 28 a 30 28 a 30 28 a 31 Perdizes 28 a 31 28 a 36 28 a 36 Santana do Riacho 28 a 30 28 a 31 28 a 33
Materlândia 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Perdões 28 a 31 28 a 36 28 a 36 Santana dos Montes 28 a 30 28 a 32 28 a 36
Mateus Leme 28 a 31 28 a 32 28 a 33 Periquito 28 a 29 28 a 31 Santo Antônio do Amparo 28 a 31 28 a 32 28 a 36
Mathias Lobato 28 a 29 28 a 31 Pescador 28 a 31 Santo Antônio do Aventurei- 28 a 31 28 a 36 28 a 36
Matias Barbosa 28 a 30 28 a 32 28 a 33 Piau 28 a 30 28 a 32 28 a 36 ro
Matias Cardoso 28 a 31 Piedade de Caratinga 28 a 30 28 a 31 Santo Antônio do Grama 28 a 29 28 a 31 28 a 32
Matipó 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Piedade de Ponte Nova 28 a 30 28 a 31 28 a 32 Santo Antônio do Itambé 28 a 29 28 a 30 28 a 31
Mato Verde 29 a 30 Piedade do Rio Grande 28 a 31 28 a 36 28 a 36 Santo Antônio do Jacinto 28 a 29

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html, Documento assinado digitalmente conforme MP n o- 2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
pelo código 00012017072500025 Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
26 ISSN 1677-7042 1 Nº 141, terça-feira, 25 de julho de 2017
Santo Antônio do Monte 28 a 31 28 a 31 28 a 36 Tocos do Moji 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Belo Vale 28 a 30 28 a 31 28 a 36
Santo Antônio do Rio Abai- 28 a 30 28 a 36 28 a 36 Toledo 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Betim 28 a 30 28 a 32 28 a 33
xo Tombos 28 a 29 28 a 30 28 a 33 Bias Fortes 28 a 31 28 a 36 28 a 36
Santo Hipólito 28 a 29 28 a 31 28 a 32 Três Corações 28 a 33 28 a 36 28 a 36 Bicas 28 a 30 28 a 32 28 a 33
Santos Dumont 28 a 31 28 a 32 28 a 36 Três Marias 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Biquinhas 28 a 29 28 a 31 28 a 32
São Bento Abade 28 a 32 28 a 34 28 a 36 Três Pontas 28 a 33 28 a 35 28 a 36 Boa Esperança 28 a 32 28 a 35 28 a 36
São Brás do Suaçuí 28 a 30 28 a 32 28 a 34 Tumiritinga 28 a 29 28 a 31 Bocaina de Minas 28 a 36 28 a 36 28 a 36
São Domingos das Dores 28 a 29 28 a 30 Tupaciguara 28 a 35 28 a 36 28 a 36 Bocaiúva 28 a 29 28 a 30
São Domingos do Prata 28 a 30 28 a 31 28 a 32 Turmalina 28 a 30 28 a 31 Bom Despacho 28 a 29 28 a 31 28 a 32
São Félix de Minas 28 a 31 Turvolândia 28 a 33 28 a 36 28 a 36 Bom Jardim de Minas 28 a 36 28 a 36 28 a 36
São Francisco 29 a 30 28 a 31 Ubá 28 a 30 28 a 32 28 a 33 Bom Jesus da Penha 28 a 33 28 a 36 28 a 36
São Francisco de Paula 28 a 31 28 a 32 28 a 36 Ubaí 28 a 29 28 a 31 Bom Jesus do Amparo 28 a 30 28 a 32 28 a 33
São Francisco de Sales 28 a 31 28 a 36 28 a 36 Ubaporanga 28 a 30 28 a 31 Bom Jesus do Galho 28 a 29 28 a 31 28 a 32
São Francisco do Glória 28 a 29 28 a 31 Uberaba 28 a 31 28 a 36 28 a 36 Bom Repouso 28 a 36 28 a 36 28 a 36
São Geraldo 28 a 30 28 a 32 28 a 33 Uberlândia 28 a 35 28 a 36 28 a 36 Bom Sucesso 28 a 32 28 a 36 28 a 36
São Geraldo da Piedade 28 a 29 28 a 29 Unaí 28 a 30 28 a 31 28 a 36 Bonfim 28 a 30 28 a 32 28 a 36
São Geraldo do Baixio 28 a 31 União de Minas 28 a 31 28 a 36 28 a 36 Bonfinópolis de Minas 28 a 29 28 a 30 28 a 31
São Gonçalo do Abaeté 28 a 29 28 a 30 28 a 32 Uruana de Minas 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Bonito de Minas 29 a 30 28 a 30
São Gonçalo do Pará 28 a 30 28 a 31 28 a 33 Urucânia 28 a 30 28 a 31 28 a 33 Borda da Mata 28 a 35 28 a 36 28 a 36
São Gonçalo do Rio Abaixo 28 a 29 28 a 31 28 a 32 Urucuia 28 a 29 28 a 31 Botelhos 28 a 35 28 a 36 28 a 36
São Gonçalo do Rio Preto 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Vargem Alegre 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Botumirim 28 a 29 28 a 30
São Gonçalo do Sapucaí 28 a 32 28 a 36 28 a 36 Vargem Bonita 28 a 30 28 a 36 28 a 36 Brás Pires 28 a 31 28 a 33 28 a 36
São Gotardo 28 a 30 28 a 36 28 a 36 Varginha 28 a 33 28 a 34 28 a 36 Brasilândia de Minas 28 a 29 28 a 30
São João Batista do Glória 28 a 29 28 a 34 28 a 36 Varjão de Minas 28 a 30 28 a 30 28 a 32 Brasília de Minas 28 a 29 28 a 30
São João da Lagoa 28 a 29 28 a 31 Várzea da Palma 28 a 29 28 a 31 Brasópolis 28 a 36 28 a 36 28 a 36
São João da Mata 28 a 33 28 a 36 28 a 36 Varzelândia 29 a 30 28 a 31 Braúnas 28 a 29 28 a 30 28 a 31
São João da Ponte 29 a 30 28 a 31 Vazante 28 a 29 28 a 31 28 a 36 Brumadinho 28 a 31 28 a 32 28 a 33
São João das Missões 29 a 30 28 a 31 Verdelândia 28 a 31 Bueno Brandão 28 a 36 28 a 36 28 a 36
São João del Rei 28 a 31 28 a 36 28 a 36 Veredinha 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Buenópolis 28 a 29 28 a 30
São João do Manhuaçu 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Veríssimo 28 a 34 28 a 36 28 a 36 Bugre 28 a 30 28 a 31
São João do Manteninha 28 a 29 28 a 29 Vermelho Novo 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Buritis 28 a 29 28 a 31 28 a 32
São João do Oriente 28 a 29 28 a 31 Vespasiano 28 a 30 28 a 32 28 a 33 Buritizeiro 28 a 29 28 a 30
São João do Pacuí 28 a 29 28 a 31 Viçosa 28 a 30 28 a 32 28 a 35 Cabeceira Grande 28 a 29 28 a 31 28 a 32 + 35 a 36
São João Evangelista 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Vieiras 28 a 29 28 a 30 28 a 33 Cabo Verde 28 a 35 28 a 36 28 a 36
São João Nepomuceno 28 a 30 28 a 32 28 a 33 Virgínia 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Cachoeira da Prata 28 a 29 28 a 31 28 a 32
Virginópolis 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Cachoeira de Minas 28 a 35 28 a 36 28 a 36
Virgolândia 28 a 29 28 a 31 Cachoeira Dourada 28 a 30 28 a 32 28 a 36
Visconde do Rio Branco 28 a 31 28 a 32 28 a 36 Caetanópolis 28 a 29 28 a 31 28 a 31
São Joaquim de Bicas 28 a 30 28 a 32 28 a 33 Volta Grande 28 a 30 28 a 31 28 a 36 Caeté 28 a 30 28 a 32 28 a 36
São José da Barra 28 a 31 28 a 36 28 a 36 Wenceslau Braz 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Caiana 28 a 30 28 a 31
São José da Lapa 28 a 30 28 a 31 28 a 33 Cajuri 28 a 30 28 a 31 28 a 36
São José da Safira 28 a 29 28 a 31 Caldas 28 a 36 28 a 36 28 a 36
São José da Varginha 28 a 30 28 a 31 28 a 33
Camacho 28 a 30 28 a 33 28 a 36
São José do Alegre 28 a 36 28 a 36 28 a 36
MUNICÍPIOS PERÍODOS DE SEMEADURA PARA CULTIVARES Camanducaia 28 a 36 28 a 36 28 a 36
São José do Divino 28 a 31
DO GRUPO II Cambuí 28 a 36 28 a 36 28 a 36
São José do Goiabal 28 a 29 28 a 31 28 a 32
SOLOS TIPO 1 SOLOS TIPO 2 SOLOS TIPO 3 Cambuquira 28 a 33 28 a 36 28 a 36
São José do Jacuri 28 a 29 28 a 31
Abadia dos Dourados 28 a 30 28 a 36 28 a 36 Campanário 28 a 29 28 a 30
São Lourenço 28 a 33 28 a 36 28 a 36
Abaeté 28 a 29 28 a 31 28 a 32 Campanha 28 a 33 28 a 35 28 a 36
São Miguel do Anta 28 a 30 28 a 31 28 a 36
Abre Campo 28 a 29 28 a 31 28 a 32 Campestre 28 a 35 28 a 36 28 a 36
São Pedro da União 28 a 33 28 a 36 28 a 36
Acaiaca 28 a 30 28 a 32 28 a 32 Campina Verde 28 a 32 28 a 36 28 a 36
São Pedro do Suaçuí 28 a 29 28 a 31
Açucena 28 a 29 28 a 30 Campo Azul 28 a 29 28 a 30
São Pedro dos Ferros 28 a 30 28 a 31 28 a 32
Água Boa 28 a 29 28 a 30 Campo Belo 28 a 31 28 a 35 28 a 36
São Romão 28 a 29 28 a 31
Água Comprida 28 a 31 28 a 36 28 a 36 Campo do Meio 28 a 33 28 a 36 28 a 36
São Roque de Minas 28 a 33 28 a 36 28 a 36
Aguanil 28 a 31 28 a 35 28 a 36 Campo Florido 28 a 34 28 a 36 28 a 36
São Sebastião da Bela Vista 28 a 34 28 a 36
Aimorés 28 a 29 Campos Altos 28 a 30 28 a 36 28 a 36
São Sebastião da Vargem 33 a 36 33 a 36
Alegre Aiuruoca 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Campos Gerais 28 a 33 28 a 36 28 a 36
São Sebastião do Anta 28 a 29 28 a 31 Alagoa 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Cana Verde 28 a 31 28 a 35 28 a 36
São Sebastião do Maranhão 28 a 29 28 a 31 Albertina 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Canaã 28 a 30 28 a 31 28 a 32 + 35 a 36
São Sebastião do Oeste 28 a 31 28 a 32 28 a 36 Além Paraíba 28 a 29 28 a 31 28 a 36 Canápolis 28 a 32 28 a 36 28 a 36
São Sebastião do Paraíso 28 a 29 28 a 36 28 a 36 Alfenas 28 a 33 28 a 36 28 a 36 Candeias 28 a 29 28 a 33 28 a 36
São Sebastião do Rio Verde 28 a 32 28 a 36 28 a 36 Alfredo Vasconcelos 28 a 31 28 a 36 28 a 36 Cantagalo 28 a 29 28 a 30
São Thomé das Letras 28 a 33 28 a 36 28 a 36 Alpercata 28 a 29 28 a 30 Caparaó 28 a 30 28 a 31
São Tiago 28 a 31 28 a 36 28 a 36 Alpinópolis 28 a 32 28 a 36 28 a 36 Capela Nova 28 a 30 28 a 32 28 a 36
São Tomás de Aquino 28 a 31 28 a 36 28 a 36 Alterosa 28 a 34 28 a 36 28 a 36 Capelinha 28 a 29 28 a 30 28 a 31
São Vicente de Minas 28 a 33 28 a 36 28 a 36 Alto Caparaó 28 a 30 28 a 31 Capetinga 28 a 31 28 a 35 28 a 36
Sapucaí-Mirim 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Alto Jequitibá 28 a 30 28 a 31 Capim Branco 28 a 29 28 a 31 28 a 32
Sardoá 28 a 29 28 a 31 Alto Rio Doce 28 a 30 28 a 32 28 a 36 Capinópolis 28 a 30 28 a 31 28 a 36
Sarzedo 28 a 31 28 a 32 28 a 33 Alvarenga 28 a 29 28 a 30 Capitão Andrade 28 a 29 28 a 30
Sem-Peixe 28 a 30 28 a 31 28 a 32 Alvinópolis 28 a 29 28 a 31 28 a 32 Capitão Enéas 28 a 29 28 a 30
Senador Amaral 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Alvorada de Minas 28 a 29 28 a 31 28 a 32 Capitólio 28 a 31 28 a 35 28 a 36
Senador Cortes 28 a 30 28 a 32 28 a 33 Amparo do Serra 28 a 30 28 a 31 28 a 32 Caputira 28 a 29 28 a 30 28 a 31
Senador Firmino 28 a 30 28 a 32 28 a 36 Andradas 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Caraí 28 a 29
Senador José Bento 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Andrelândia 28 a 35 28 a 36 28 a 36 Caranaíba 28 a 30 28 a 32 28 a 36
Senador Modestino Gonçal- 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Angelândia 28 a 29 28 a 30 Carandaí 28 a 31 28 a 32 + 35 a 36 28 a 36
ves Antônio Carlos 28 a 31 28 a 36 28 a 36 Carangola 28 a 30 28 a 31
Senhora de Oliveira 28 a 30 28 a 33 28 a 36 Antônio Dias 28 a 30 28 a 31 28 a 32 Caratinga 28 a 29 28 a 30 28 a 31
Senhora do Porto 28 a 29 28 a 31 28 a 32 Antônio Prado de Minas 28 a 29 Carbonita 28 a 30 28 a 31
Senhora dos Remédios 28 a 30 28 a 32 28 a 36 Araçaí 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Careaçu 28 a 34 28 a 36 28 a 36
Sericita 28 a 30 28 a 31 28 a 32 Aracitaba 28 a 30 28 a 32 28 a 36 Carmésia 28 a 29 28 a 31 28 a 32
Seritinga 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Araguari 28 a 34 28 a 36 28 a 36 Carmo da Cachoeira 28 a 31 28 a 34 28 a 36
Serra Azul de Minas 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Arantina 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Carmo da Mata 28 a 31 28 a 33 28 a 36
Serra da Saudade 28 a 30 28 a 33 28 a 36 Araponga 28 a 29 28 a 31 28 a 32 Carmo de Minas 28 a 34 28 a 36 28 a 36
Serra do Salitre 28 a 30 28 a 36 28 a 36 Araporã 28 a 31 28 a 36 28 a 36 Carmo do Cajuru 28 a 30 28 a 31 28 a 32
Serrania 28 a 33 28 a 36 28 a 36 Arapuá 28 a 30 28 a 31 28 a 36 Carmo do Paranaíba 28 a 30 28 a 31 28 a 36
Serranópolis de Minas 28 a 31 Araújos 28 a 29 28 a 31 28 a 32 Carmo do Rio Claro 28 a 33 28 a 36 28 a 36
Serranos 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Araxá 28 a 32 28 a 36 28 a 36 Carmópolis de Minas 28 a 30 28 a 32 28 a 36
Serro 28 a 29 28 a 31 28 a 32 Arceburgo 28 a 35 28 a 36 28 a 36 Carneirinho 28 a 30 28 a 36 28 a 36
Sete Lagoas 28 a 30 28 a 31 28 a 32 Arcos 28 a 30 28 a 32 28 a 36 Carrancas 28 a 32 28 a 36 28 a 36
Setubinha 28 a 29 28 a 31 Areado 28 a 34 28 a 36 28 a 36 Carvalhópolis 28 a 33 28 a 35 28 a 36
Silveirânia 28 a 30 28 a 32 28 a 33 Argirita 28 a 29 28 a 31 28 a 33 Carvalhos 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Silvianópolis 28 a 33 28 a 36 28 a 36 Aricanduva 28 a 30 28 a 31 Casa Grande 28 a 30 28 a 32 28 a 36
Simão Pereira 28 a 29 28 a 32 28 a 33 Arinos 28 a 29 28 a 31 28 a 31 Cascalho Rico 28 a 31 28 a 36 28 a 36
Simonésia 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Astolfo Dutra 28 a 29 28 a 31 28 a 32 Cássia 28 a 31 28 a 36 28 a 36
Sobrália 28 28 a 29 28 a 31 Ataléia 28 a 29 Cataguases 28 a 29 28 a 31 28 a 32
Soledade de Minas 28 a 34 28 a 36 28 a 36 Augusto de Lima 28 a 29 28 a 31 Catas Altas 28 a 29 28 a 31 28 a 32
Tabuleiro 28 a 30 28 a 31 28 a 32 Baependi 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Catas Altas da Noruega 28 a 29 28 a 31
Taiobeiras 28 a 31 Baldim 28 a 30 28 a 31 28 a 32 Catuji 28 a 29
Taparuba 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Bambuí 28 a 30 28 a 34 28 a 36 Catuti 28 a 29
Tapira 28 a 34 28 a 36 28 a 36 Bandeira do Sul 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Caxambu 28 a 34 28 a 36 28 a 36
Tapiraí 28 a 30 28 a 36 28 a 36 Barão de Cocais 28 a 30 28 a 31 28 a 33 Cedro do Abaeté 28 a 29 28 a 31 28 a 36
Taquaraçu de Minas 28 a 30 28 a 32 28 a 33 Barão de Monte Alto 28 a 29 28 a 31 28 a 32 Central de Minas 28 a 29
Tarumirim 28 a 29 28 a 31 Barbacena 28 a 31 28 a 36 28 a 36 Centralina 28 a 32 28 a 36 28 a 36
Teixeiras 28 a 30 28 a 32 28 a 35 Barra Longa 28 a 29 28 a 31 28 a 32 Chácara 28 a 30 28 a 32 28 a 33
Teófilo Otoni 28 a 31 Barroso 28 a 31 28 a 36 28 a 36 Chalé 28 a 29 28 a 31 28 a 31
Timóteo 28 a 29 28 a 31 28 a 31 Bela Vista de Minas 28 a 30 28 a 31 28 a 32 Chapada do Norte 28 a 29
Tiradentes 28 a 31 28 a 36 28 a 36 Belmiro Braga 28 a 30 28 a 36 28 a 36 Chapada Gaúcha 28 a 29 28 a 30
Tiros 28 a 30 28 a 31 28 a 36 Belo Horizonte 28 a 31 28 a 32 28 a 36 Chiador 28 a 30 28 a 32 28 a 33
Tocantins 28 a 30 28 a 32 28 a 33 Belo Oriente 28 a 29 28 a 30 28 a 30 Cipotânea 28 a 31 28 a 32 28 a 36

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html, Documento assinado digitalmente conforme MP n o- 2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
pelo código 00012017072500026 Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
Nº 141, terça-feira, 25 de julho de 2017 1 ISSN 1677-7042 27
Claraval 28 a 31 28 a 36 28 a 36 Franciscópolis 28 a 29 28 a 30 José Raydan 28 a 29 28 a 30
Claro dos Poções 28 a 29 28 a 30 Frei Gaspar 28 a 29 Josenópolis 28 a 29
Cláudio 28 a 30 28 a 32 28 a 36 Frei Inocêncio 28 a 29 28 a 30 Juatuba 28 a 30 28 a 31 28 a 32
Coimbra 28 a 30 28 a 31 28 a 36 Frei Lagonegro 28 a 29 28 a 30 Juiz de Fora 28 a 31 28 a 32 28 a 36
Coluna 28 a 29 28 a 30 Fronteira 28 a 35 28 a 36 Juramento 28 a 29 28 a 30
Comendador Gomes 28 a 35 28 a 36 28 a 36 Fruta de Leite 28 a 29 Juruaia 28 a 35 28 a 36 28 a 36
Conceição da Aparecida 28 a 34 28 a 35 Frutal 28 a 30 28 a 35 28 a 36 Juvenília 29 a 30 28 a 30
Conceição da Barra de Mi- 28 a 34 28 a 35 Funilândia 28 a 29 28 a 31 28 a 32 Ladainha 28 a 29 28 a 30
nas Galiléia 28 a 29 28 a 30 Lagamar 28 a 29 28 a 30 28 a 36
Conceição das Alagoas 28 a 31 28 a 36 28 a 36 Gameleiras 28 a 29 Lagoa da Prata 28 a 30 28 a 32 28 a 33
Conceição das Pedras 28 a 35 28 a 36 28 a 36 Glaucilândia 28 a 29 28 a 30 Lagoa dos Patos 28 a 29 28 a 30
Conceição de Ipanema 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Goiabeira 28 a 29 Lagoa Dourada 28 a 30 28 a 32 + 35 a 36 28 a 36
Conceição do Mato Dentro 28 a 29 28 a 29 Goianá 28 a 30 28 a 31 28 a 33 Lagoa Formosa 28 a 30 28 a 31 28 a 36
Conceição do Pará 28 a 30 28 a 31 28 a 32 Gonçalves 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Lagoa Grande 28 a 29 28 a 30 28 a 32
Conceição dos Ouros 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Gonzaga 28 a 29 28 a 30 Lagoa Santa 28 a 30 28 a 31 28 a 33
Cônego Marinho 28 a 29 28 a 30 Gouveia 28 a 29 28 a 31 28 a 32 Lajinha 28 a 29 28 a 31 28 a 31
Confins 28 a 30 28 a 31 28 a 32 Governador Valadares 28 a 29 28 a 30 Lambari 28 a 33 28 a 36 28 a 36
Congonhal 28 a 35 28 a 36 28 a 36 Grão Mogol 28 a 29 28 a 30 Lamim 28 a 30 28 a 32 28 a 36
Congonhas 28 a 29 28 a 31 28 a 32 Grupiara 28 a 31 28 a 36 28 a 36 Laranjal 28 a 29 28 a 31 28 a 32
Congonhas do Norte 28 a 29 28 a 31 28 a 32 Guanhães 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Lassance 28 a 29 28 a 30
Conquista 28 a 31 28 a 36 28 a 36 Guapé 28 a 32 28 a 36 28 a 36 Lavras 28 a 33 28 a 36 28 a 36
Conselheiro Lafaiete 28 a 30 28 a 31 28 a 36 Guaraciaba 28 a 30 28 a 31 28 a 32 Leandro Ferreira 28 a 29 28 a 31 28 a 32
Conselheiro Pena 28 a 29 Guaraciama 28 a 29 28 a 29 Leme do Prado 28 a 29
Consolação 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Guaranésia 28 a 35 28 a 36 28 a 36 Leopoldina 28 a 29 28 a 31 28 a 36
Contagem 28 a 30 28 a 32 28 a 33 Guarani 28 a 30 28 a 31 28 a 32 Liberdade 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Coqueiral 28 a 32 28 a 35 28 a 36 Guarará 28 a 30 28 a 32 28 a 33 Lima Duarte 28 a 32 + 35 a 36 28 a 36 28 a 36
Coração de Jesus 28 a 29 28 a 30 Guarda-Mor 28 a 29 28 a 32 28 a 36 Limeira do Oeste 28 a 30 28 a 36 28 a 36
Cordisburgo 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Guaxupé 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Lontra 28 a 29 28 a 30
Cordislândia 28 a 33 28 a 34 28 a 36 Guidoval 28 a 29 28 a 31 28 a 32 Luisburgo 28 a 30 28 a 31
Corinto 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Guimarânia 28 a 30 28 a 31 28 a 36 Luislândia 28 a 29 28 a 30
Coroaci 28 a 29 28 a 30 Guiricema 28 a 30 28 a 31 28 a 33 Luminárias 28 a 32 28 a 36 28 a 36
Coromandel 28 a 30 28 a 31 28 a 36 Gurinhatã 28 a 30 28 a 36 28 a 36 Luz 28 a 30 28 a 31 28 a 36
Coronel Fabriciano 28 a 29 28 a 31 28 a 31 Heliodora 28 a 34 28 a 36 28 a 36 Machado 28 a 33 28 a 36 28 a 36
Coronel Pacheco 28 a 30 28 a 32 28 a 36 Iapu 28 a 30 28 a 31 Madre de Deus de Minas 28 a 29 28 a 36 28 a 36
Coronel Xavier Chaves 28 a 31 28 a 32 + 35 a 36 28 a 36 Ibertioga 28 a 31 28 a 36 28 a 36 Malacacheta 28 a 29 28 a 30
Córrego Danta 28 a 30 28 a 36 28 a 36 Ibiá 28 a 31 28 a 36 28 a 36 Mamonas 28 a 29
Córrego do Bom Jesus 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Ibiaí 28 a 29 28 a 30 Manga 28 a 29 28 a 30
Córrego Fundo 28 a 30 28 a 33 28 a 36 Ibiracatu 28 a 29 28 a 30 Manhuaçu 28 a 29 28 a 31 28 a 31
Córrego Novo 28 a 29 28 a 31 28 a 31 Ibiraci 28 a 32 28 a 36 28 a 36 Manhumirim 28 a 29 28 a 31 28 a 31
Couto de Magalhães de Mi- 28 a 29 28 a 29 Ibirité 28 a 31 28 a 32 28 a 35 Mantena 28 a 29
nas
Ibitiúra de Minas 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Mar de Espanha 28 a 30 28 a 32 28 a 36
Cristais 28 a 31 28 a 35 28 a 36
Ibituruna 28 a 32 28 a 36 28 a 36 Maravilhas 28 a 29 28 a 31 28 a 31
Cristália 28 a 29 28 a 30
Icaraí de Minas 28 a 29 28 a 30 Maria da Fé 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Cristiano Otoni 28 a 30 28 a 32 28 a 36
Igarapé 28 a 30 28 a 31 28 a 32 + 35 a 36 Mariana 28 a 30 28 a 31 28 a 32
Cristina 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Igaratinga 28 a 30 28 a 31 28 a 32 Marilac 28 a 29 28 a 30
Crucilândia 28 a 30 28 a 32 28 a 36
Iguatama 28 a 30 28 a 32 28 a 36 Mário Campos 28 a 30 28 a 32 28 a 33
Cruzeiro da Fortaleza 28 a 30 28 a 31 + 35 a 36 28 a 36
Ijaci 28 a 33 28 a 36 28 a 36 Maripá de Minas 28 a 29 28 a 31 28 a 33
Cruzília 28 a 33 28 a 36 28 a 36
Ilicínea 28 a 33 28 a 36 28 a 36 Marliéria 28 a 29 28 a 31 28 a 31
Curvelo 28 a 29 28 a 31 28 a 31
Imbé de Minas 28 a 29 28 a 30 Marmelópolis 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Datas 28 a 29 28 a 30 28 a 32
Delfim Moreira 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Inconfidentes 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Martinho Campos 28 a 29 28 a 31 28 a 31
Delfinópolis 28 a 32 28 a 36 28 a 36 Indianópolis 28 a 30 28 a 31 + 35 a 36 28 a 36 Martins Soares 28 a 29 28 a 31 28 a 31
Delta 28 a 31 28 a 32 + 35 a 36 28 a 36 Ingaí 28 a 32 28 a 36 28 a 36 Materlândia 28 a 29 28 a 30 28 a 31
Descoberto 28 a 30 28 a 31 28 a 32 Inhapim 28 a 30 28 a 31 Mateus Leme 28 a 30 28 a 32 28 a 32 + 35 a 36
Desterro de Entre Rios 28 a 29 28 a 30 Inhaúma 28 a 29 28 a 31 28 a 32 Mathias Lobato 28 a 29 28 a 29
Desterro do Melo 28 a 30 28 a 32 28 a 36 Inimutaba 28 a 29 28 a 31 28 a 31 Matias Barbosa 28 a 30 28 a 31 28 a 33
Diamantina 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Ipaba 28 a 30 28 a 31 Matias Cardoso 28 a 29 28 a 30
Diogo de Vasconcelos 28 a 30 28 a 31 28 a 33 Ipanema 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Matipó 28 a 29 28 a 31 28 a 31
Dionísio 28 a 29 28 a 31 28 a 31 Ipatinga 28 a 29 28 a 31 28 a 31 Mato Verde 28 a 29
Divinésia 28 a 30 28 a 31 28 a 33 Ipiaçu 28 a 29 28 a 31 28 a 36 Matozinhos 28 a 30 28 a 31 28 a 32
Divino 28 a 29 28 a 31 28 a 31 Ipuiúna 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Matutina 28 a 30 28 a 36 28 a 36
Divino das Laranjeiras 28 a 29 28 a 30 Iraí de Minas 28 a 30 28 a 36 28 a 36 Medeiros 28 a 31 28 a 36 28 a 36
Divinolândia de Minas 28 a 29 28 a 30 Itabira 28 a 30 28 a 31 28 a 32 Mendes Pimentel 28 a 29
Divinópolis 28 a 30 28 a 31 28 a 32 Itabirinha de Mantena 28 a 29 Mercês 28 a 30 28 a 31 28 a 33
Divisa Nova 28 a 35 28 a 36 28 a 36 Itabirito 28 a 30 28 a 32 28 a 33 Mesquita 28 a 29 28 a 31 28 a 31
Dom Bosco 28 a 29 28 a 31 28 a 31 Itacambira 28 a 29 28 a 30 Minas Novas 28 a 29 28 a 30
Dom Cavati 28 a 30 28 a 31 Itacarambi 28 a 29 28 a 30 Minduri 28 a 35 28 a 36 28 a 36
Dom Joaquim 28 a 29 28 a 31 28 a 32 Itaguara 28 a 30 28 a 32 28 a 36 Mirabela 28 a 29 28 a 29
Dom Silvério 28 a 29 28 a 31 28 a 32 Itaipé 28 a 29 Miradouro 28 a 29 28 a 31 28 a 32 + 35 a 36
Dom Viçoso 28 a 35 28 a 36 28 a 36 Itajubá 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Miraí 28 a 30 28 a 31 28 a 33
Dona Eusébia 28 a 29 28 a 31 28 a 32 Itamarandiba 28 a 30 28 a 31 Miravânia 28 a 29 28 a 30
Dores de Campos 28 a 31 28 a 32 + 35 a 36 28 a 36 Itamarati de Minas 28 a 29 28 a 31 28 a 33 Moeda 28 a 30 28 a 32 28 a 33
Dores de Guanhães 28 a 29 28 a 31 28 a 32 Itambacuri 28 a 29 28 a 30 Moema 28 a 29 28 a 31 28 a 32
Dores do Indaiá 28 a 29 28 a 31 28 a 34 Itambé do Mato Dentro 28 a 30 28 a 31 28 a 32 Monjolos 28 a 29 28 a 30 28 a 32
Dores do Turvo 28 a 30 28 a 32 28 a 36 Itamogi 28 a 33 28 a 36 28 a 36 Monsenhor Paulo 28 a 33 28 a 35 28 a 36
Doresópolis 28 a 30 28 a 35 28 a 36 Itamonte 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Montalvânia 28 a 30 28 a 30
Douradoquara 28 a 30 28 a 36 28 a 36 Itanhandu 28 a 35 28 a 36 28 a 36 Monte Alegre de Minas 28 a 35 28 a 36 28 a 36
Durandé 28 a 29 28 a 31 28 a 31 Itanhomi 28 a 29 28 a 30 Monte Azul 28 a 29
Elói Mendes 28 a 33 28 a 34 28 a 36 Itapagipe 28 a 34 28 a 36 28 a 36 Monte Belo 28 a 35 28 a 36 28 a 36
Engenheiro Caldas 28 a 29 28 a 30 Itapecerica 28 a 30 28 a 33 28 a 36 Monte Carmelo 28 a 30 28 a 31 + 34 a 36 28 a 36
Engenheiro Navarro 28 a 29 28 a 29 Itapeva 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Monte Santo de Minas 28 a 35 28 a 36 28 a 36
Entre Folhas 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Itatiaiuçu 28 a 30 28 a 31 28 a 32 + 35 a 36 Monte Sião 28 a 35 28 a 36 28 a 36
Entre Rios de Minas 28 a 30 28 a 32 28 a 36 Itaú de Minas 28 a 31 28 a 35 28 a 36 Montes Claros 28 a 29 28 a 29
Ervália 28 a 30 28 a 31 28 a 36 Itaúna 28 a 30 28 a 31 28 a 36 Morada Nova de Minas 28 a 29 28 a 31 28 a 32
Esmeraldas 28 a 30 28 a 31 28 a 32 Itaverava 28 a 30 28 a 32 28 a 36 Morro da Garça 28 a 30 28 a 31
Espera Feliz 28 a 30 28 a 31 Itueta 28 a 29 Morro do Pilar 28 a 30 28 a 32 28 a 32 + 35 a 36
Espinosa 28 a 29 Ituiutaba 28 a 30 28 a 36 28 a 36 Munhoz 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Espírito Santo do Dourado 28 a 30 + 33 a 34 28 a 34 Itumirim 28 a 33 28 a 36 28 a 36 Muriaé 28 a 30 28 a 31 28 a 32
Estiva 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Iturama 28 a 34 28 a 36 28 a 36 Mutum 28 a 29 28 a 30
Estrela Dalva 28 a 29 28 a 32 28 a 36 Itutinga 28 a 32 28 a 36 28 a 36 Muzambinho 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Estrela do Indaiá 28 a 30 28 a 32 28 a 36 Jaboticatubas 28 a 30 28 a 31 28 a 32 Nacip Raydan 28 a 30 28 a 31
Estrela do Sul 28 a 30 28 a 36 28 a 36 Jacuí 28 a 33 28 a 36 28 a 36 Naque 28 a 29 28 a 30
Eugenópolis 28 a 29 28 a 31 28 a 32 Jacutinga 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Natalândia 28 a 29 28 a 30 28 a 31 + 35 a 36
Ewbank da Câmara 28 a 31 28 a 32 28 a 36 Jaguaraçu 28 a 29 28 a 31 28 a 31 Natércia 28 a 35 28 a 36 28 a 36
Extrema 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Jaíba 28 a 29 28 a 30 Nazareno 28 a 32 28 a 36 28 a 36
Fama 28 a 33 28 a 36 28 a 36 Jampruca 28 a 29 28 a 30 Nepomuceno 28 a 31 28 a 35 28 a 36
Faria Lemos 28 a 30 28 a 31 Janaúba 28 a 29 28 a 30 Nova Belém 28 a 29
Felício dos Santos 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Januária 28 a 29 28 a 30 Nova Era 28 a 30 28 a 31 28 a 32
Felixlândia 28 a 29 28 a 31 28 a 31 Japaraíba 28 a 30 28 a 32 28 a 36 Nova Lima 28 a 31 28 a 32 28 a 36
Fernandes Tourinho 28 a 29 28 a 30 Japonvar 28 a 29 28 a 30 Nova Módica 28 a 30
Ferros 28 a 29 28 a 31 28 a 32 Jeceaba 28 a 30 28 a 32 28 a 35 Nova Ponte 28 a 30 28 a 31 + 35 a 36 28 a 36
Fervedouro 28 a 29 28 a 31 28 a 32 Jequeri 28 a 30 28 a 31 28 a 32 Nova Porteirinha 28 a 29 28 a 30
Florestal 28 a 30 28 a 31 28 a 32 Jequitaí 28 a 29 28 a 30 Nova Resende 28 a 35 28 a 36 28 a 36
Formiga 28 a 30 28 a 33 28 a 36 Jequitibá 28 a 29 28 a 31 28 a 32 Nova Serrana 28 a 30 28 a 31 28 a 32
Formoso 28 a 29 28 a 31 28 a 32 Jesuânia 28 a 34 28 a 36 28 a 36 Nova União 28 a 30 28 a 32 28 a 35
Fortaleza de Minas 28 a 31 28 a 35 28 a 36 Joanésia 28 a 29 28 a 31 28 a 31 Novo Cruzeiro 28 a 30
Fortuna de Minas 28 a 29 28 a 31 28 a 32 João Monlevade 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Olaria 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Francisco Dumont 28 a 29 28 a 29 João Pinheiro 28 a 29 28 a 31 Olhos-d`Água 28 a 29 28 a 30
Francisco Sá 28 a 29 28 a 30 Joaquim Felício 28 a 29 28 a 30 Olímpio Noronha 28 a 34 28 a 36 28 a 36

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html, Documento assinado digitalmente conforme MP n o- 2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
pelo código 00012017072500027 Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
28 ISSN 1677-7042 1 Nº 141, terça-feira, 25 de julho de 2017
Oliveira 28 a 30 28 a 36 28 a 36 Rio Novo 28 a 30 28 a 31 28 a 32 Sem-Peixe 28 a 29 28 a 31 28 a 32
Oliveira Fortes 28 a 30 28 a 32 28 a 36 Rio Paranaíba 28 a 30 28 a 36 28 a 36 Senador Amaral 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Onça de Pitangui 28 a 30 28 a 31 28 a 32 Rio Pardo de Minas 28 a 29 Senador Cortes 28 a 29 28 a 32 28 a 36
Oratórios 28 a 30 28 a 31 28 a 32 Rio Piracicaba 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Senador Firmino 28 a 30 28 a 32 28 a 36
Orizânia 28 a 29 28 a 31 28 a 31 Rio Pomba 28 a 30 28 a 31 28 a 33 Senador José Bento 28 a 35 28 a 36 28 a 36
Ouro Branco 28 a 30 28 a 31 28 a 33 Rio Preto 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Senhora de Oliveira 28 a 31 28 a 32 28 a 36
Ouro Fino 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Rio Vermelho 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Senhora do Porto 28 a 29 28 a 31 28 a 32
Ouro Preto 28 a 30 28 a 31 28 a 33 Ritápolis 28 a 31 28 a 36 28 a 36 Senhora dos Remédios 28 a 30 28 a 32 28 a 36
Ouro Verde de Minas 28 a 29 Rochedo de Minas 28 a 30 28 a 31 28 a 32 Sericita 28 a 29 28 a 31 28 a 32
Padre Carvalho 28 a 30 Rodeiro 28 a 29 28 a 31 28 a 32 Seritinga 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Padre Paraíso 28 a 30 Romaria 28 a 30 28 a 36 28 a 36 Serra Azul de Minas 28 a 29 28 a 30 28 a 31
Pai Pedro 28 a 30 Rosário da Limeira 28 a 30 28 a 32 28 a 33 Serra da Saudade 28 a 30 28 a 32 + 35 a 36 28 a 36
Paineiras 28 a 29 28 a 31 28 a 32 Sabará 28 a 30 28 a 32 28 a 33 Serra do Salitre 28 a 30 28 a 36 28 a 36
Pains 28 a 30 28 a 32 28 a 36 Sabinópolis 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Serrania 28 a 33 28 a 36 28 a 36
Paiva 28 a 30 28 a 31 28 a 36 Sacramento 28 a 35 28 a 36 28 a 36 Serranópolis de Minas 28 a 30
Palma 28 a 29 28 a 31 28 a 36 Santa Bárbara 28 a 30 28 a 31 28 a 33 Serranos 28 a 35 28 a 36 28 a 36
Palmópolis 28 a 29 Santa Bárbara do Leste 28 a 29 Serro 28 a 29 28 a 31 28 a 32
Santa Bárbara do Monte 28 a 30 28 a 36 Sete Lagoas 28 a 29 28 a 31 28 a 32
Papagaios 28 a 29 28 a 31 28 a 31
Verde Setubinha 28 a 29 28 a 30
Pará de Minas 28 a 30 28 a 31 28 a 32
Santa Cruz de Minas 28 a 31 28 a 36 28 a 36 Silveirânia 28 a 30 28 a 31 28 a 33
Paracatu 28 a 29 28 a 32 28 a 35
Santa Efigênia de Minas 28 a 29 28 a 30 Silvianópolis 28 a 33 28 a 36 28 a 36
Paraguaçu 28 a 33 28 a 35 28 a 36
Santa Fé de Minas 28 a 29 28 a 30 Simão Pereira 28 a 29 28 a 31 28 a 32
Paraisópolis 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Santa Juliana 28 a 30 28 a 36 28 a 36 Simonésia 28 a 30 28 a 31
Paraopeba 28 a 29 28 a 31 28 a 31
Santa Luzia 28 a 30 28 a 32 28 a 33 Sobrália 28 a 30 28 a 31
Passa Quatro 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Soledade de Minas 28 a 34 28 a 36 28 a 36
Passa Tempo 28 a 30 28 a 35 28 a 36 Santa Margarida 28 a 29 28 a 31 28 a 31
Santa Maria de Itabira 28 a 29 28 a 29 Tabuleiro 28 a 29 28 a 31 28 a 32
Passa-Vinte 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Taparuba 28 a 29 28 a 30
Passabém 28 a 30 28 a 31 28 a 32 Santa Maria do Suaçuí 28 a 29 28 a 30
Tapira 28 a 35 28 a 36 28 a 36
Passos 28 a 32 28 a 36 28 a 36 Santa Rita de Caldas 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Tapiraí 28 a 30 28 a 36 28 a 36
Patis 28 a 29 28 a 30 Santa Rita de Jacutinga 28 a 29 + 33 a 35 28 a 35 28 a 35
Taquaraçu de Minas 28 a 30 28 a 31 28 a 32
Patos de Minas 28 a 30 28 a 31 28 a 36 Santa Rita de Minas 28 a 31 28 a 31
Tarumirim 28 a 30 28 a 31
Patrocínio 28 a 30 28 a 36 28 a 36 Santa Rita do Itueto 28 a 30
Teixeiras 28 a 30 28 a 31 28 a 36
Patrocínio do Muriaé 28 a 29 28 a 31 28 a 32 Santa Rita do Sapucaí 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Teófilo Otoni 28 a 30
Paula Cândido 28 a 30 28 a 32 28 a 36 Santa Rosa da Serra 28 a 30 28 a 36 28 a 36
Timóteo 28 a 29 28 a 31 28 a 31
Paulistas 28 a 29 28 a 30 Santa Vitória 28 a 30 28 a 36 28 a 36
Tiradentes 28 a 31 28 a 32 + 35 a 36 28 a 36
Peçanha 28 a 29 28 a 30 Santana da Vargem 28 a 32 28 a 35 28 a 36 Tiros 28 a 30 28 a 31 28 a 36
Pedra Bonita 28 a 29 28 a 31 28 a 31 Santana de Cataguases 28 a 29 28 a 31 28 a 32 Tocantins 28 a 30 28 a 31 28 a 33
Pedra do Anta 28 a 30 28 a 31 28 a 32 + 35 a 36 Santana de Pirapama 28 a 29 28 a 31 28 a 32 Tocos do Moji 28 a 35 28 a 36 28 a 36
Pedra do Indaiá 28 a 30 28 a 32 28 a 35 Santana do Deserto 28 a 30 28 a 31 28 a 33 Toledo 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Pedra Dourada 28 a 29 28 a 31 28 a 31 Santana do Garambéu 28 a 32 28 a 36 28 a 36 Tombos 28 a 29 28 a 31 28 a 32
Pedralva 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Santana do Jacaré 28 a 31 28 a 36 28 a 36 Três Corações 28 a 33 28 a 36 28 a 36
Pedras de Maria da Cruz 28 a 29 28 a 29 Santana do Manhuaçu 28 a 29 28 a 31 28 a 31 Três Marias 28 a 29 28 a 31 28 a 31
Pedrinópolis 28 a 30 28 a 31 + 35 a 36 28 a 36 Santana do Paraíso 28 a 29 28 a 31 28 a 31 Três Pontas 28 a 33 28 a 35 28 a 36
Pedro Leopoldo 28 a 30 28 a 31 28 a 32 Santana do Riacho 28 a 30 28 a 31 28 a 32 Tumiritinga 28 a 29 28 a 30
Pedro Teixeira 28 a 31 28 a 36 28 a 36 Santana dos Montes 28 a 30 28 a 32 28 a 36 Tupaciguara 28 a 35 28 a 36 28 a 36
Pequeri 28 a 30 28 a 32 28 a 33 Santo Antônio do Aventurei- 28 a 31 28 a 35 Turmalina 28 a 29 28 a 30
ro Turvolândia 28 a 33 28 a 36 28 a 36
Pequi 28 a 29 28 a 31 28 a 32
Santo Antônio do Grama 28 a 29 Ubá 28 a 30 28 a 31 28 a 33
Perdigão 28 a 30 28 a 31 28 a 32
Santo Antônio do Itambé 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Ubaí 28 a 29 28 a 30
Perdizes 28 a 30 28 a 36 28 a 36
Santo Antônio do Jacinto 28 a 29 Ubaporanga 28 a 30 28 a 31
Perdões 28 a 31 28 a 36 28 a 36
Santo Antônio do Rio Abai- 28 a 29 28 a 29 Uberaba 28 a 31 28 a 36 28 a 36
Periquito 28 a 29 28 a 30 xo
Pescador 28 a 30 Uberlândia 28 a 35 28 a 36 28 a 36
Santo Hipólito 28 a 29 28 a 31 28 a 31 Unaí 28 a 29 28 a 31 28 a 32 + 35 a 36
Piau 28 a 30 28 a 32 28 a 36 Santos Dumont 28 a 31 28 a 32 28 a 36
Piedade de Caratinga 28 a 31 28 a 31 União de Minas 28 a 30 28 a 36 28 a 36
São Bento Abade 28 a 32 28 a 35 28 a 36 Uruana de Minas 28 a 29 28 a 31 28 a 31
Piedade de Ponte Nova 28 a 30 28 a 31 28 a 32 São Brás do Suaçuí 28 a 30 28 a 32 28 a 33
Piedade do Rio Grande 28 a 31 28 a 36 28 a 36 Urucânia 28 a 29 28 a 31 28 a 32
São Domingos do Prata 28 a 29 28 a 31 28 a 32 Urucuia 28 a 29 28 a 30
Piedade dos Gerais 28 a 30 28 a 32 28 a 36 São Félix de Minas 28 a 30 Vargem Alegre 28 a 30 28 a 31
Pimenta 28 a 30 28 a 35 28 a 36 São Francisco 28 a 29 28 a 30 Vargem Bonita 28 a 31 28 a 36 28 a 36
Pingo-d`Água 28 a 29 28 a 31 28 a 31 São Francisco de Sales 28 a 29 28 a 32 28 a 35 Varginha 28 a 31 28 a 34 28 a 36
Pintópolis 28 a 29 28 a 30 São Francisco do Glória 28 a 29 Varjão de Minas 28 a 29 28 a 31 28 a 32
Piracema 28 a 30 28 a 32 28 a 36 São Geraldo 28 a 30 28 a 31 28 a 33 Várzea da Palma 28 a 29 28 a 30
Pirajuba 28 a 31 28 a 36 28 a 36 São Geraldo da Piedade 28 a 29 28 a 30 Varzelândia 28 a 29 28 a 30
Piranga 28 a 31 28 a 32 28 a 36 São Geraldo do Baixio 28 a 30 Vazante 28 a 29 28 a 31 28 a 36
Piranguçu 28 a 36 28 a 36 28 a 36 São Gonçalo do Abaeté 28 a 29 28 a 31 28 a 32 Verdelândia 28 a 29 28 a 30
Piranguinho 28 a 36 28 a 36 28 a 36 São Gonçalo do Pará 28 a 30 28 a 31 28 a 32 Veredinha 28 a 29 28 a 30 28 a 31
Pirapetinga 28 a 29 28 a 32 28 a 36 São Gonçalo do Rio Abaixo 28 a 29 28 a 30 Veríssimo 28 a 34 28 a 36 28 a 36
Pirapora 28 a 29 28 a 30 São Gonçalo do Rio Preto 28 a 29 28 a 30 Vermelho Novo 28 a 29 28 a 30 28 a 31
Piraúba 28 a 30 28 a 31 28 a 32 São Gotardo 28 a 30 28 a 36 28 a 36 Vespasiano 28 a 30 28 a 31 28 a 33
Pitangui 28 a 30 28 a 31 28 a 32 São João Batista do Glória 28 a 29 + 33 a 34 28 a 35 Viçosa 28 a 30 28 a 32 28 a 36
Piumhi 28 a 30 28 a 35 28 a 36 São João da Lagoa 28 a 29 28 a 30 Vieiras 28 a 29 28 a 31 28 a 32
Planura 28 a 30 28 a 34 28 a 36 São João da Mata 28 a 35 28 a 36 28 a 36 Virgínia 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Poço Fundo 28 a 34 28 a 36 28 a 36 São João da Ponte 28 a 29 28 a 30 Virginópolis 28 a 29 28 a 30 28 a 31
Poços de Caldas 28 a 36 28 a 36 28 a 36 São João das Missões 28 a 29 28 a 30 Virgolândia 28 a 29 28 a 30
Pocrane 28 a 29 28 a 30 São João del Rei 28 a 31 28 a 36 28 a 36 Visconde do Rio Branco 28 a 29 28 a 30 + 33 a 36
Pompéu 28 a 29 28 a 31 28 a 31 São João do Manhuaçu 28 a 29 28 a 31 28 a 31 Volta Grande 28 a 29 28 a 31 28 a 36
Ponte Nova 28 a 30 28 a 31 28 a 32 São João do Manteninha 28 a 29 Wenceslau Braz 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Ponto Chique 28 a 29 28 a 30 São João do Oriente 28 a 30 28 a 31
Porteirinha 28 a 29 28 a 30 MUNICÍPIOS PERÍODOS DE SEMEADURA PARA CULTIVARES DO
São João do Pacuí 28 a 29 28 a 30 GRUPO III
Porto Firme 28 a 30 28 a 31 28 a 33 São João Evangelista 28 a 29 28 a 30
Poté 28 a 29 28 a 30 SOLOS TIPO 1 SOLOS TIPO 2 SOLOS TIPO 3
São João Nepomuceno 28 a 30 28 a 31 28 a 32 Abadia dos Dourados 28 a 29 28 a 35 28 a 36
Pouso Alegre 28 a 35 28 a 36 28 a 36 São Joaquim de Bicas 28 a 30 28 a 31 28 a 32 Abaeté 28 a 30 28 a 31
Pouso Alto 28 a 35 28 a 36 28 a 36 São José da Barra 28 a 32 28 a 36 28 a 36 Abre Campo 28 a 29 28 a 30
Prados 28 a 31 28 a 36 28 a 36 São José da Lapa 28 a 30 28 a 31 28 a 32 Acaiaca 28 a 29 28 a 30 28 a 32
Prata 28 a 35 28 a 36 28 a 36 São José da Safira 28 a 29 28 a 30 Açucena 28 a 29 28 a 30
Pratápolis 28 a 31 28 a 33 28 a 36 São José da Varginha 28 a 30 28 a 31 28 a 32 Água Boa 28 a 29 28 a 30
Pratinha 28 a 32 28 a 36 28 a 36 São José do Alegre 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Água Comprida 29 a 30 28 a 36 28 a 36
Presidente Bernardes 28 a 31 28 a 32 28 a 36 São José do Divino 28 a 30 Aguanil 29 a 30 28 a 33 28 a 36
Presidente Juscelino 28 a 29 28 a 31 28 a 32 São José do Goiabal 28 a 29 28 a 31 28 a 32 Aimorés 28 a 29
Presidente Kubitschek 28 a 29 28 a 31 28 a 32 São José do Jacuri 28 a 29 28 a 30 Aiuruoca 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Presidente Olegário 28 a 29 28 a 31 28 a 36 São Lourenço 28 a 33 28 a 36 28 a 36 Alagoa 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Prudente de Morais 28 a 29 28 a 31 28 a 32 São Miguel do Anta 28 a 30 28 a 31 + 35 a 36 28 a 36 Albertina 28 a 35 28 a 36 28 a 36
Quartel Geral 28 a 29 28 a 31 28 a 36 São Pedro da União 28 a 35 28 a 36 28 a 36 Além Paraíba 28 a 30 28 a 36
Queluzito 28 a 30 28 a 32 28 a 36 São Pedro do Suaçuí 28 a 29 28 a 30 Alfenas 29 a 32 28 a 36 28 a 36
Raposos 28 a 30 28 a 31 28 a 32 São Pedro dos Ferros 28 a 29 28 a 31 28 a 32 Alfredo Vasconcelos 29 a 30 28 a 36 28 a 36
Raul Soares 28 a 29 28 a 30 28 a 31 São Romão 28 a 29 28 a 30 Almenara 28 a 29
Recreio 28 a 29 28 a 32 28 a 36 São Roque de Minas 28 a 32 28 a 36 28 a 36 Alpercata 28 a 29
Reduto 28 a 29 28 a 31 28 a 31 São Sebastião da Bela Vista 28 a 29 + 33 a 34 28 a 35 Alpinópolis 29 a 32 28 a 36 28 a 36
Resende Costa 28 a 30 28 a 36 28 a 36 São Sebastião da Vargem 28 a 29 28 a 30 Alterosa 28 a 33 28 a 36 28 a 36
Resplendor 28 a 30 Alegre Alto Caparaó 28 a 29 28 a 30
Ressaquinha 28 a 31 28 a 32 + 35 a 36 28 a 36 São Sebastião do Anta 28 a 29 28 a 30 Alto Jequitibá 28 a 29 28 a 29
Riachinho 28 a 30 28 a 31 São Sebastião do Maranhão 28 a 29 28 a 31 Alto Rio Doce 28 a 29 28 a 31 28 a 36
Riacho dos Machados 28 a 29 28 a 30 São Sebastião do Rio Verde 28 a 34 28 a 35 Alvarenga 28 a 29
Ribeirão das Neves 28 a 30 28 a 32 28 a 33 São Thomé das Letras 28 a 33 28 a 36 28 a 36 Alvinópolis 28 a 30 28 a 31
Ribeirão Vermelho 28 a 32 28 a 35 28 a 36 São Tiago 28 a 31 28 a 36 28 a 36 Alvorada de Minas 28 a 30 28 a 31
Rio Acima 28 a 30 28 a 32 28 a 33 São Tomás de Aquino 28 a 31 28 a 35 28 a 36 Amparo do Serra 28 a 29 28 a 30 28 a 31
Rio Casca 28 a 30 28 a 31 28 a 32 São Vicente de Minas 28 a 35 28 a 36 28 a 36 Andradas 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Rio Doce 28 a 29 28 a 31 28 a 32 Sapucaí-Mirim 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Andrelândia 29 a 34 28 a 36 28 a 36
Rio Espera 28 a 30 28 a 32 28 a 36 Sardoá 28 a 29 28 a 30 Angelândia 28 a 29 28 a 30
Rio Manso 28 a 30 28 a 32 28 a 36 Sarzedo 28 a 30 28 a 32 28 a 33 Antônio Carlos 29 a 30 28 a 36 28 a 36

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html, Documento assinado digitalmente conforme MP n o- 2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
pelo código 00012017072500028 Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
Nº 141, terça-feira, 25 de julho de 2017 1 ISSN 1677-7042 29
Antônio Dias 28 a 30 28 a 31 Carmo da Cachoeira 29 a 31 28 a 33 28 a 36 Estiva 28 a 35 28 a 36 28 a 36
Araçaí 28 a 29 28 a 31 Carmo da Mata 29 a 30 28 a 32 28 a 36 Estrela Dalva 28 a 30 + 35 a 36 28 a 36
Aracitaba 28 a 29 28 a 30 28 a 36 Carmo de Minas 28 a 33 28 a 36 28 a 36 Estrela do Indaiá 28 a 29 28 a 36 28 a 36
Araguari 28 a 34 28 a 36 28 a 36 Carmo do Cajuru 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Estrela do Sul 28 a 29 28 a 35 28 a 36
Arantina 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Carmo do Paranaíba 28 a 29 28 a 36 28 a 36 Eugenópolis 28 a 29 28 a 31 + 34 a 35
Araponga 28 a 30 28 a 31 Carmo do Rio Claro 29 a 32 28 a 36 28 a 36 Ewbank da Câmara 29 a 30 28 a 31 28 a 36
Araporã 29 a 30 28 a 35 28 a 36 Carmópolis de Minas 28 a 29 28 a 31 + 35 a 36 28 a 36 Extrema 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Arapuá 28 a 29 28 a 30 + 33 a 36 28 a 36 Carneirinho 29 a 30 28 a 36 28 a 36 Fama 29 a 32 28 a 35 28 a 36
Araújos 28 a 30 28 a 31 Carrancas 29 a 31 28 a 36 28 a 36 Faria Lemos 28 a 29 28 a 30
Araxá 29 a 32 28 a 36 28 a 36 Carvalhópolis 29 a 32 28 a 36 28 a 36 Felício dos Santos 28 a 29 28 a 30
Arceburgo 28 a 34 28 a 36 28 a 36 Carvalhos 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Felisburgo 28 a 29
Arcos 28 a 29 28 a 31 28 a 35 Casa Grande 28 a 29 28 a 31 + 35 a 36 28 a 36 Felixlândia 28 a 29 28 a 31
Areado 28 a 33 28 a 36 28 a 36 Cascalho Rico 28 a 34 28 a 36 28 a 36 Fernandes Tourinho 28 a 29
Argirita 28 a 30 28 a 31 + 34 a 36 Cássia 29 a 31 28 a 36 28 a 36 Ferros 28 a 30 28 a 31
Aricanduva 28 a 29 28 a 30 Cataguases 28 a 30 28 a 31 Fervedouro 28 a 29 28 a 31 + 34 a 36
Arinos 28 a 29 28 a 30 Catas Altas 28 a 30 28 a 31 Florestal 28 a 29 28 a 30 28 a 31
Astolfo Dutra 28 a 30 28 a 31 + 35 a 36 Catuti 28 a 29 Formiga 28 a 29 28 a 33 28 a 35
Augusto de Lima 28 a 29 28 a 30 Caxambu 28 a 33 28 a 36 28 a 36 Formoso 28 a 29 28 a 31
Baependi 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Cedro do Abaeté 28 a 30 28 a 35 Fortaleza de Minas 29 a 31 28 a 34 28 a 36
Baldim 28 a 30 28 a 31 Central de Minas 28 a 29 Fortuna de Minas 28 a 30 28 a 31
Bambuí 29 a 30 28 a 34 28 a 36 Centralina 29 a 30 28 a 36 28 a 36 Francisco Dumont 28 a 29
Bandeira do Sul 28 a 35 28 a 36 28 a 36 Chácara 28 a 29 28 a 30 28 a 36 Francisco Sá 28 a 29 28 a 30
Barão de Cocais 28 a 29 28 a 30 28 a 32 Chalé 28 a 29 28 a 30 Franciscópolis 28 a 29
Barão de Monte Alto 28 a 29 28 a 31 + 34 a 36 Chapada do Norte 28 a 29 Frei Inocêncio 28 a 29
Barbacena 29 a 30 28 a 36 28 a 36 Chapada Gaúcha 28 a 29 Frei Lagonegro 28 a 29
Barra Longa 28 a 30 28 a 31 Chiador 28 a 29 28 a 30 28 a 36 Fronteira 28 a 34 28 a 35
Barroso 29 a 30 28 a 36 28 a 36 Cipotânea 29 a 30 28 a 31 28 a 36 Frutal 28 a 29 28 a 33 28 a 35
Bela Vista de Minas 28 a 29 28 a 31 Claraval 29 a 31 28 a 36 28 a 36 Funilândia 28 a 30 28 a 31
Belmiro Braga 29 a 30 28 a 36 28 a 36 Claro dos Poções 28 a 29 Galiléia 28 a 29
Belo Horizonte 29 a 30 28 a 31 28 a 34 Cláudio 29 a 30 28 a 31 28 a 36 Gameleiras 28 a 29
Belo Oriente 28 a 29 28 a 30 Coimbra 28 a 29 28 a 30 28 a 36 Glaucilândia 28 a 29
Belo Vale 28 a 29 28 a 30 28 a 36 Coluna 28 a 29 Goianá 28 a 29 28 a 30 28 a 36
Betim 29 a 30 28 a 31 28 a 32 Comendador Gomes 28 a 34 28 a 36 28 a 36 Gonçalves 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Bias Fortes 29 a 30 28 a 36 28 a 36 Conceição das Alagoas 29 a 30 28 a 36 28 a 36 Gonzaga 28 a 29 28 a 30
Bicas 28 a 29 28 a 30 28 a 32 + 35 a 36 Conceição das Pedras 28 a 34 28 a 36 28 a 36 Gouveia 28 a 30 28 a 31
Biquinhas 28 a 29 28 a 31 Conceição de Ipanema 28 a 29 28 a 31 Governador Valadares 28 a 29
Boa Esperança 29 a 32 28 a 35 28 a 36 Conceição do Mato Dentro 28 a 29 28 a 29 Grão Mogol 28 a 29
Bocaina de Minas 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Conceição do Pará 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Grupiara 29 a 30 28 a 36 28 a 36
Bocaiúva 28 a 29 28 a 30 Conceição dos Ouros 28 a 35 28 a 36 28 a 36 Guanhães 28 a 29 28 a 31
Bom Despacho 28 a 30 28 a 31 Cônego Marinho 28 a 29 Guapé 29 a 31 28 a 35 28 a 36
Bom Jardim de Minas 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Confins 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Guaraciaba 28 a 29 28 a 30 28 a 31
Bom Jesus da Penha 28 a 33 28 a 36 28 a 36 Congonhal 28 a 34 28 a 36 28 a 36 Guaraciama 28 a 29
Bom Jesus do Amparo 28 a 29 28 a 30 28 a 33 Congonhas 28 a 30 28 a 32 Guaranésia 28 a 34 28 a 36 28 a 36
Bom Jesus do Galho 28 a 29 28 a 30 Congonhas do Norte 28 a 30 28 a 31 Guarani 28 a 29 28 a 30 28 a 31 + 34 a 36
Bom Repouso 28 a 35 28 a 36 28 a 36 Conquista 29 a 30 28 a 36 28 a 36 Guarará 28 a 29 28 a 30 28 a 36
Bom Sucesso 29 a 31 28 a 36 28 a 36 Conselheiro Lafaiete 28 a 29 28 a 30 28 a 36 Guarda-Mor 28 a 34 28 a 36
Bonfim 28 a 29 28 a 30 28 a 36 Conselheiro Pena 28 a 29 Guaxupé 28 a 35 28 a 36 28 a 36
Bonfinópolis de Minas 28 a 29 28 a 30 Consolação 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Guidoval 28 a 30 28 a 31 + 35 a 36
Bonito de Minas 28 a 29 28 a 30 Contagem 29 a 30 28 a 31 28 a 32 Guimarânia 28 a 29 28 a 30 28 a 36
Borda da Mata 28 a 34 28 a 36 28 a 36 Coqueiral 29 a 32 28 a 33 28 a 36 Guiricema 28 a 29 28 a 30 28 a 32 + 35 a 36
Botelhos 28 a 35 28 a 36 28 a 36 Coração de Jesus 28 a 29 Gurinhatã 28 a 29 28 a 35 28 a 36
Botumirim 28 a 29 Cordisburgo 28 a 29 28 a 31 Heliodora 28 a 33 28 a 36 28 a 36
Brás Pires 29 a 30 28 a 32 28 a 36 Cordislândia 29 a 32 28 a 33 28 a 36 Iapu 28 a 29
Brasilândia de Minas 28 a 29 28 a 30 Corinto 28 a 29 28 a 30 Ibertioga 29 a 30 28 a 36 28 a 36
Brasília de Minas 28 a 29 Coroaci 28 a 29 Ibiá 29 a 30 28 a 36 28 a 36
Brasópolis 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Coromandel 28 a 30 28 a 36 Ibiaí 28 a 29
Braúnas 28 a 29 28 a 31 Coronel Fabriciano 28 a 29 28 a 31 Ibiracatu 28 a 29
Brumadinho 29 a 30 28 a 31 28 a 36 Coronel Pacheco 28 a 29 28 a 31 + 35 a 36 28 a 36 Ibiraci 29 a 31 28 a 36 28 a 36
Bueno Brandão 28 a 35 28 a 36 28 a 36 Coronel Xavier Chaves 29 a 30 28 a 31 + 34 a 36 28 a 36 Ibirité 29 a 30 28 a 31 28 a 34
Buenópolis 28 a 29 28 a 30 Córrego Danta 28 a 29 28 a 36 28 a 36 Ibitiúra de Minas 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Bugre 28 a 29 28 a 30 Córrego do Bom Jesus 28 a 35 28 a 36 28 a 36 Ibituruna 29 a 31 28 a 36 28 a 36
Buritis 28 a 30 28 a 31 Córrego Fundo 28 a 29 28 a 32 28 a 35 Icaraí de Minas 28 a 29
Buritizeiro 28 a 29 Córrego Novo 28 a 29 28 a 30 Igarapé 28 a 29 28 a 30 28 a 31 + 34 a 36
Cabeceira Grande 28 a 30 28 a 31 + 34 a 36 Cristais 29 a 30 28 a 33 28 a 36 Igaratinga 28 a 29 28 a 30 28 a 31
Cabo Verde 28 a 35 28 a 36 28 a 36 Cristália 28 a 30 Iguatama 28 a 29 28 a 32 28 a 35
Cachoeira da Prata 28 a 30 28 a 31 Cristiano Otoni 28 a 29 28 a 31 + 35 a 36 28 a 36 Ijaci 29 a 32 28 a 36 28 a 36
Cachoeira de Minas 28 a 34 28 a 36 28 a 36 Cristina 28 a 35 28 a 36 28 a 36 Ilicínea 28 a 32 28 a 35 28 a 36
Cachoeira Dourada 28 a 29 28 a 32 28 a 36 Crucilândia 28 a 29 28 a 31 28 a 36 Imbé de Minas 28 a 29 28 a 30
Caetanópolis 28 a 30 28 a 31 Cruzeiro da Fortaleza 28 a 29 28 a 36 28 a 36 Inconfidentes 28 a 35 28 a 36 28 a 36
Caeté 28 a 29 28 a 31 28 a 35 Cruzília 28 a 33 28 a 36 28 a 36 Indianópolis 28 a 29 28 a 34 28 a 35
Caiana 28 a 29 28 a 30 Curvelo 28 a 29 28 a 31 Ingaí 29 a 32 28 a 36 28 a 36
Cajuri 28 a 29 28 a 30 28 a 36 Datas 28 a 29 28 a 31 Inhapim 28 a 29 28 a 30
Caldas 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Delfim Moreira 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Inhaúma 28 a 30 28 a 31
Camacho 28 a 29 28 a 32 28 a 36 Delfinópolis 29 a 31 28 a 36 28 a 36 Inimutaba 28 a 29 28 a 30
Camanducaia 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Delta 29 a 30 28 a 31 + 34 a 36 28 a 36 Ipaba 28 a 29 28 a 30
Cambuí 28 a 35 28 a 36 28 a 36 Descoberto 28 a 30 28 a 31 + 35 a 36 Ipanema 28 a 29 28 a 31
Cambuquira 29 a 32 28 a 36 28 a 36 Desterro de Entre Rios 28 a 29 28 a 30 Ipatinga 28 a 29 28 a 31
Campanha 29 a 32 28 a 36 28 a 36 Desterro do Melo 28 a 29 28 a 31 28 a 36 Ipiaçu 28 a 30 + 34 a 35 28 a 36
Campestre 28 a 34 28 a 36 28 a 36 Diamantina 28 a 29 28 a 31 Ipuiúna 28 a 35 28 a 36 28 a 36
Campina Verde 28 a 33 28 a 36 28 a 36 Diogo de Vasconcelos 28 a 29 28 a 30 28 a 36 Iraí de Minas 28 a 29 28 a 36 28 a 36
Campo Azul 28 a 29 Dionísio 28 a 29 28 a 31 Itabira 28 a 29 28 a 30 28 a 31
Campo Belo 29 a 30 28 a 35 28 a 36 Divinésia 28 a 29 28 a 30 28 a 36 Itabirinha de Mantena 28 a 29
Campo do Meio 29 a 32 28 a 35 28 a 36 Divino 28 a 29 28 a 30 Itabirito 29 a 30 28 a 30 28 a 32 + 35 a 36
Campo Florido 28 a 33 28 a 36 28 a 36 Divinolândia de Minas 28 a 29 28 a 30 Itacambira 28 a 29
Campos Altos 29 a 30 28 a 36 28 a 36 Divinópolis 28 a 30 28 a 31 Itacarambi 28 a 29
Campos Gerais 29 a 32 28 a 35 28 a 36 Divisa Nova 28 a 34 28 a 36 28 a 36 Itaguara 28 a 29 28 a 35 28 a 36
Cana Verde 29 a 30 28 a 35 28 a 36 Dom Bosco 28 a 29 28 a 31 Itajubá 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Canaã 28 a 29 28 a 30 28 a 34 Dom Cavati 28 a 29 28 a 30 Itamarandiba 28 a 29 28 a 30
Canápolis 29 a 30 28 a 36 28 a 36 Dom Joaquim 28 a 30 28 a 31 Itamarati de Minas 28 a 30 28 a 32 + 35 a 36
Candeias 28 a 29 28 a 32 28 a 35 Dom Silvério 28 a 29 28 a 31 Itambacuri 28 a 29
Cantagalo 28 a 29 28 a 30 Dom Viçoso 28 a 34 28 a 36 28 a 36 Itambé do Mato Dentro 28 a 29 28 a 30 28 a 31
Caparaó 28 a 29 28 a 30 Dona Eusébia 28 a 30 28 a 31 + 35 a 36 Itamogi 29 a 32 28 a 36 28 a 36
Capela Nova 28 a 29 28 a 31 28 a 36 Dores de Campos 29 a 30 28 a 36 28 a 36 Itamonte 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Capelinha 28 a 29 28 a 30 Dores de Guanhães 28 a 29 28 a 31 Itanhandu 28 a 34 28 a 36 28 a 36
Capetinga 29 a 31 28 a 34 28 a 36 Dores do Indaiá 28 a 30 28 a 34 Itanhomi 28 a 29
Capim Branco 28 a 30 28 a 31 Dores do Turvo 28 a 29 28 a 31 28 a 36 Itaobim 28 a 29
Capinópolis 28 a 29 28 a 32 28 a 36 Doresópolis 28 a 29 28 a 32 28 a 35 Itapagipe 28 a 33 28 a 36 28 a 36
Capitão Andrade 28 a 29 Douradoquara 29 a 30 28 a 36 28 a 36 Itapecerica 28 a 29 28 a 32 28 a 36
Capitão Enéas 28 a 29 28 a 30 Durandé 28 a 29 28 a 30 Itapeva 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Capitólio 29 a 30 28 a 34 28 a 36 Elói Mendes 29 a 31 28 a 34 28 a 36 Itatiaiuçu 28 a 29 28 a 30 28 a 31 + 34 a 36
Caputira 28 a 29 28 a 30 Engenheiro Caldas 28 a 29 Itaú de Minas 29 a 30 28 a 36 28 a 36
Caranaíba 28 a 29 28 a 31 + 35 a 36 28 a 36 Engenheiro Navarro 28 a 29 Itaúna 28 a 29 28 a 30 28 a 36
Carandaí 29 a 30 28 a 31 + 34 a 36 28 a 36 Entre Folhas 28 a 29 Itaverava 28 a 29 28 a 31 28 a 36
Carangola 28 a 29 28 a 30 Entre Rios de Minas 28 a 29 28 a 31 28 a 36 Ituiutaba 29 a 30 28 a 35 28 a 36
Caratinga 28 a 29 28 a 30 Ervália 28 a 29 28 a 30 28 a 31 + 34 a 36 Itumirim 29 a 32 28 a 36 28 a 36
Carbonita 28 a 29 28 a 29 Esmeraldas 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Iturama 28 a 33 28 a 35 28 a 36
Careaçu 28 a 33 28 a 36 28 a 36 Espera Feliz 28 a 29 28 a 30 Itutinga 29 a 31 28 a 36 28 a 36
Carmésia 28 a 30 28 a 31 Espinosa 28 a 29 Jaboticatubas 28 a 29 28 a 30 28 a 31

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html, Documento assinado digitalmente conforme MP n o- 2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
pelo código 00012017072500029 Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
30 ISSN 1677-7042 1 Nº 141, terça-feira, 25 de julho de 2017
Jacuí 29 a 32 28 a 36 28 a 36 Nazareno 29 a 31 28 a 36 28 a 36 Ribeirão Vermelho 29 a 32 28 a 36 28 a 36
Jacutinga 28 a 35 28 a 36 28 a 36 Nepomuceno 29 a 30 28 a 33 28 a 36 Rio Acima 28 a 29 28 a 30 28 a 32 + 35 a 36
Jaguaraçu 28 a 29 28 a 30 Nova Era 28 a 30 28 a 31 Rio Casca 28 a 30 28 a 31
Jaíba 28 a 29 28 a 30 Nova Lima 29 a 30 28 a 31 28 a 36 Rio Doce 28 a 30 28 a 31
Jampruca 28 a 29 Nova Ponte 28 a 29 28 a 31 28 a 36 Rio Espera 28 a 29 28 a 31 28 a 36
Janaúba 28 a 29 28 a 30 Nova Porteirinha 28 a 29 28 a 31 Rio Manso 28 a 29 28 a 30 28 a 36
Januária 28 a 29 28 a 29 Nova Resende 28 a 33 28 a 36 28 a 36 Rio Novo 28 a 30 28 a 31 + 35 a 36
Japaraíba 28 a 29 28 a 31 28 a 35 Nova Serrana 28 a 30 28 a 31 Rio Paranaíba 28 a 29 28 a 36 28 a 36
Japonvar 28 a 29 Nova União 29 a 30 28 a 31 28 a 34 Rio Piracicaba 28 a 29 28 a 31
Jeceaba 28 a 29 28 a 31 28 a 36 Novo Cruzeiro 28 a 29 Rio Pomba 28 a 29 28 a 30 28 a 32 + 35 a 36
Jequeri 28 a 30 28 a 31 Olaria 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Rio Preto 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Jequitaí 28 a 29 Olhos-d`Água 28 a 29 Rio Vermelho 28 a 29 28 a 30
Jequitibá 28 a 30 28 a 31 Olímpio Noronha 28 a 33 28 a 36 28 a 36 Ritápolis 29 a 30 28 a 36 28 a 36
Jequitinhonha 28 a 29 Oliveira 28 a 29 28 a 36 28 a 36 Rochedo de Minas 28 a 30 28 a 31 + 35 a 36
Jesuânia 28 a 33 28 a 36 28 a 36 Oliveira Fortes 28 a 29 28 a 31 28 a 36 Rodeiro 28 a 30 28 a 31 + 35 a 36
Joanésia 28 a 29 28 a 31 Onça de Pitangui 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Romaria 28 a 29 28 a 30 + 33 a 36 28 a 36
João Monlevade 28 a 29 28 a 30 Oratórios 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Rosário da Limeira 28 a 29 28 a 30 + 35 a 36 28 a 32 + 35 a 36
João Pinheiro 28 a 29 28 a 31 Orizânia 28 a 29 28 a 30 Sabará 28 a 29 28 a 30 28 a 32
Joaquim Felício 28 a 29 28 a 30 Ouro Branco 28 a 29 28 a 30 28 a 32 + 35 a 36 Sabinópolis 28 a 29 28 a 31
José Raydan 28 a 29 Ouro Fino 28 a 35 28 a 36 28 a 36 Sacramento 28 a 34 28 a 36 28 a 36
Juatuba 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Ouro Preto 28 a 29 28 a 30 28 a 32 + 35 a 36 Santa Bárbara 28 a 29 28 a 30 28 a 32
Juiz de Fora 29 a 30 28 a 36 28 a 36 Pai Pedro 28 a 29 Santa Bárbara do Leste 28 a 29
Juramento 28 a 29 Paineiras 28 a 30 28 a 31 Santa Bárbara do Monte 28 a 36
Juruaia 28 a 35 28 a 36 28 a 36 Pains 28 a 29 28 a 31 28 a 35 Verde
Juvenília 28 a 29 28 a 30 Paiva 28 a 29 28 a 30 28 a 36 Santa Cruz de Minas 29 a 30 28 a 36 28 a 36
Ladainha 28 a 29 Palma 28 a 30 28 a 36 Santa Efigênia de Minas 28 a 29
Lagamar 28 a 30 28 a 35 Papagaios 28 a 30 28 a 31
Lagoa da Prata 28 a 29 28 a 31 28 a 35 Pará de Minas 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Santa Fé de Minas 28 a 29
Lagoa dos Patos 28 a 29 Paracatu 28 a 31 28 a 35 Santa Juliana 28 a 29 28 a 35 28 a 36
Lagoa Dourada 29 a 30 28 a 31 + 34 a 36 28 a 36 Paraguaçu 29 a 32 28 a 34 28 a 36 Santa Luzia 28 a 29 28 a 30 28 a 32
Lagoa Formosa 28 a 29 28 a 30 + 34 a 36 28 a 36 Paraisópolis 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Santa Margarida 28 a 29 28 a 30
Lagoa Grande 28 a 30 28 a 31 Paraopeba 28 a 30 28 a 31 Santa Maria de Itabira 28 a 29 28 a 29
Lagoa Santa 29 28 a 30 28 a 32 Passa Quatro 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Santa Maria do Suaçuí 28 a 29
Lajinha 28 a 29 28 a 30 Passa Tempo 28 a 29 28 a 35 28 a 36 Santa Rita de Caldas 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Lambari 28 a 33 28 a 36 28 a 36 Passa-Vinte 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Santa Rita de Minas 28 a 29 28 a 30
Lamim 28 a 29 28 a 31 28 a 36 Passabém 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Santa Rita do Itueto 28 a 29
Laranjal 28 a 30 28 a 31 + 35 a 36 Passos 29 a 31 28 a 36 28 a 36 Santa Rita do Sapucaí 28 a 35 28 a 36 28 a 36
Lassance 28 a 29 28 a 29 Patis 28 a 29 Santa Rosa da Serra 28 a 29 28 a 36 28 a 36
Lavras 29 a 32 28 a 36 28 a 36 Patos de Minas 28 a 29 28 a 30 28 a 36 Santa Vitória 28 a 29 28 a 35 28 a 36
Leandro Ferreira 28 a 30 28 a 31 Patrocínio 28 a 29 28 a 36 28 a 36 Santana da Vargem 29 a 32 28 a 33 28 a 36
Leme do Prado 28 a 29 Patrocínio do Muriaé 28 a 29 28 a 31 + 34 a 36 Santana de Cataguases 28 a 30 28 a 31 + 35 a 36
Leopoldina 28 a 30 28 a 36 Paula Cândido 28 a 29 28 a 31 28 a 36 Santana de Pirapama 28 a 30 28 a 31
Liberdade 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Paulistas 28 a 29 Santana do Deserto 28 a 29 28 a 30 28 a 32 + 35 a 36
Lima Duarte 29 a 36 28 a 36 28 a 36 Peçanha 28 a 29 Santana do Garambéu 29 a 31 28 a 36 28 a 36
Limeira do Oeste 28 a 29 28 a 35 28 a 36 Pedra Bonita 28 a 29 28 a 30 Santana do Jacaré 29 a 30 28 a 35 28 a 36
Lontra 28 a 29 28 a 30 Pedra do Anta 28 a 29 28 a 30 28 a 34 Santana do Manhuaçu 28 a 29 28 a 30
Santana do Paraíso 28 a 29 28 a 30
Luisburgo 28 a 29 28 a 30 Pedra do Indaiá 28 a 31 28 a 34
Santana do Riacho 28 a 30 28 a 31
Luislândia 28 a 29 Pedra Dourada 28 a 29 28 a 30
Santana dos Montes 28 a 29 28 a 31 28 a 36
Luminárias 29 a 31 28 a 35 28 a 36 Pedralva 28 a 35 28 a 36 28 a 36
Santo Antônio do Aventurei- 32 a 36 30 a 36
Luz 28 a 29 28 a 31 28 a 35 Pedrinópolis 28 a 29 28 a 30 + 33 a 35 28 a 36
ro
Machado 29 a 32 28 a 36 28 a 36 Pedro Leopoldo 28 a 29 28 a 30 28 a 31
Santo Antônio do Rio Abai- 35 a 36 34 a 36
Malacacheta 28 a 29 Pedro Teixeira 29 a 30 28 a 36 28 a 36 xo
Manga 28 a 29 28 a 30 Pequeri 28 a 29 28 a 31 28 a 36 Santo Hipólito 28 a 29 28 a 30
Manhuaçu 28 a 29 28 a 30 Pequi 28 a 30 28 a 31 Santos Dumont 29 a 30 28 a 31 + 35 a 36 28 a 36
Manhumirim 28 a 29 28 a 30 Perdigão 28 a 30 28 a 31 São Bento Abade 29 a 31 28 a 35 28 a 36
Mantena 28 a 29 Perdizes 28 a 30 28 a 36 28 a 36 São Brás do Suaçuí 28 a 29 28 a 31 28 a 35
Mar de Espanha 29 a 30 28 a 31 + 35 a 36 28 a 36 Perdões 29 a 31 28 a 36 28 a 36 São Domingos do Prata 28 a 29 28 a 31
Maravilhas 28 a 30 28 a 31 Periquito 28 a 29 São Francisco 28 a 29
Maria da Fé 28 a 35 28 a 36 28 a 36 Piau 29 a 30 28 a 31 + 35 a 36 28 a 36 São Francisco de Sales 28 a 29 28 a 32 28 a 34
Mariana 28 a 29 28 a 30 28 a 32 Piedade de Caratinga 28 a 29 São Geraldo 28 a 29 28 a 30 28 a 36
Marilac 28 a 29 Piedade de Ponte Nova 28 a 30 28 a 31 São Geraldo da Piedade 28 a 29
Mário Campos 28 a 29 28 a 30 28 a 32 Piedade do Rio Grande 29 a 30 28 a 36 28 a 36 São Geraldo do Baixio 28 a 29
Maripá de Minas 28 a 30 28 a 36 Piedade dos Gerais 28 a 29 28 a 30 28 a 36 São Gonçalo do Abaeté 28 a 30 28 a 31
Marliéria 28 a 29 28 a 30 Pimenta 28 a 29 28 a 34 28 a 36 São Gonçalo do Pará 28 a 29 28 a 30 28 a 31
Marmelópolis 28 a 35 28 a 36 28 a 36 Pingo-d`Água 28 a 29 São Gonçalo do Rio Abaixo 28 a 29
Martinho Campos 28 a 29 28 a 30 Pintópolis 28 a 29 São Gonçalo do Rio Preto 28 a 29
Martins Soares 28 a 29 28 a 30 Piracema 28 a 29 28 a 31 + 34 a 35 28 a 36 São Gotardo 28 a 29 28 a 36 28 a 36
Materlândia 28 a 29 28 a 31 Pirajuba 29 a 30 28 a 35 28 a 36 São João da Lagoa 28 a 29
Mateus Leme 28 a 29 28 a 30 28 a 36 Piranga 29 a 30 28 a 31 28 a 36 São João da Mata 28 a 34 28 a 36 28 a 36
Mathias Lobato 28 a 29 Piranguçu 28 a 36 28 a 36 28 a 36 São João da Ponte 28 a 29
Matias Barbosa 28 a 29 28 a 30 28 a 32 + 35 a 36 Piranguinho 28 a 36 28 a 36 28 a 36 São João das Missões 28 a 29
Matias Cardoso 28 a 29 Pirapetinga 28 a 29 28 a 31 + 34 a 36 28 a 36 São João del Rei 29 a 30 28 a 36 28 a 36
Matipó 28 a 29 28 a 30 Pirapora 28 a 29 São João do Manhuaçu 28 a 29 28 a 30
Matozinhos 28 a 30 28 a 31 Piraúba 28 a 29 28 a 30 28 a 31 + 35 a 36 São João do Oriente 28 a 29
Matutina 28 a 29 28 a 36 28 a 36 Pitangui 28 a 30 28 a 31 São João do Pacuí 28 a 29
Medeiros 29 a 30 28 a 36 28 a 36 Piumhi 29 a 30 28 a 34 28 a 36 São João Evangelista 28 a 29
Medina 28 a 29 Planura 28 a 29 28 a 33 28 a 35 São João Nepomuceno 28 a 30 28 a 31 + 35 a 36
Mendes Pimentel 28 a 29 Poço Fundo 28 a 33 28 a 36 28 a 36 São Joaquim de Bicas 28 a 29 28 a 30 28 a 31
Mercês 28 a 29 28 a 30 28 a 36 Poços de Caldas 28 a 36 28 a 36 28 a 36 São José da Barra 29 a 31 28 a 35 28 a 36
Mesquita 28 a 29 28 a 31 Pocrane 28 a 29 São José da Lapa 28 a 29 28 a 30 28 a 32
Minas Novas 28 a 29 Pompéu 28 a 30 28 a 31 São José da Safira 28 a 29
Minduri 29 a 34 28 a 36 28 a 36 Ponte Nova 28 a 29 28 a 30 28 a 31 São José da Varginha 28 a 29 28 a 30 28 a 31
Mirabela 28 a 29 Ponto Chique 28 a 29 São José do Alegre 28 a 35 28 a 36 28 a 36
Miradouro 28 a 29 28 a 31 + 34 a 36 Porteirinha 28 a 29 São José do Goiabal 28 a 29 28 a 31
Miraí 28 a 29 28 a 30 28 a 31 + 35 a 36 Porto Firme 28 a 29 28 a 30 28 a 32 + 35 a 36 São José do Jacuri 28 a 29
Miravânia 28 a 29 Poté 28 a 29 São Lourenço 28 a 33 28 a 36 28 a 36
Moeda 28 a 29 28 a 30 28 a 36 Pouso Alegre 28 a 34 28 a 36 28 a 36 São Miguel do Anta 28 a 29 28 a 30 28 a 34
Moema 28 a 30 28 a 31 Pouso Alto 28 a 34 28 a 36 28 a 36 São Pedro da União 28 a 34 28 a 36 28 a 36
Monjolos 28 a 29 28 a 31 Prados 29 a 30 28 a 31 + 34 a 36 28 a 36 São Pedro do Suaçuí 28 a 29
Monsenhor Paulo 29 a 31 28 a 34 28 a 36 Prata 28 a 34 28 a 36 28 a 36 São Pedro dos Ferros 28 a 29 28 a 31
Montalvânia 28 a 29 Pratápolis 29 a 30 28 a 32 28 a 34 São Romão 28 a 29
Monte Alegre de Minas 28 a 34 28 a 36 28 a 36 Pratinha 29 a 30 28 a 36 28 a 36 São Roque de Minas 29 a 31 28 a 36 28 a 36
Monte Belo 28 a 33 28 a 36 28 a 36 Presidente Bernardes 29 a 30 28 a 31 28 a 36 São Sebastião da Vargem 35 a 36 31 a 36 30 a 36
Monte Carmelo 28 a 29 28 a 35 28 a 36 Presidente Juscelino 28 a 30 28 a 31 Alegre
Monte Santo de Minas 28 a 34 28 a 36 28 a 36 Presidente Kubitschek 28 a 29 28 a 31 São Sebastião do Anta 28 a 29
Monte Sião 28 a 35 28 a 36 28 a 36 Presidente Olegário 28 a 30 28 a 36 São Thomé das Letras 29 a 32 28 a 36 28 a 36
Montes Claros 28 a 29 Prudente de Morais 28 a 30 28 a 31 São Tiago 29 a 30 28 a 36 28 a 36
Morada Nova de Minas 28 a 29 28 a 31 Quartel Geral 28 a 30 28 a 35 São Tomás de Aquino 29 a 31 28 a 34 28 a 36
Morro da Garça 28 a 29 28 a 30 Queluzito 28 a 29 28 a 31 28 a 36 São Vicente de Minas 28 a 34 28 a 36 28 a 36
Morro do Pilar 28 a 29 28 a 30 28 a 36 Raposos 28 a 29 28 a 30 28 a 31 Sapucaí-Mirim 28 a 36 28 a 36 28 a 36
Munhoz 28 a 35 28 a 36 28 a 36 Raul Soares 28 a 29 28 a 30 Sardoá 28 a 29
Muriaé 28 a 30 28 a 31 + 35 a 36 Recreio 28 a 30 28 a 36 Sarzedo 29 a 30 28 a 31 28 a 33
Mutum 28 a 29 Reduto 28 a 29 28 a 30 Sem-Peixe 28 a 29 28 a 31
Muzambinho 28 a 35 28 a 36 28 a 36 Resende Costa 28 a 29 28 a 35 28 a 36 Senador Amaral 28 a 35 28 a 36 28 a 36
Nacip Raydan 28 a 29 Ressaquinha 29 a 30 28 a 36 28 a 36 Senador Cortes 28 a 30 28 a 36
Naque 28 a 29 Riachinho 28 a 29 28 a 29 Senador Firmino 29 a 30 28 a 31 28 a 36
Natalândia 28 a 29 28 a 31 + 34 a 36 Riacho dos Machados 28 a 29 Senador José Bento 28 a 34 28 a 36 28 a 36
Natércia 28 a 34 28 a 36 28 a 36 Ribeirão das Neves 28 a 29 28 a 30 28 a 32 Senhora de Oliveira 29 a 30 28 a 31 28 a 36

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html, Documento assinado digitalmente conforme MP n o- 2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
pelo código 00012017072500030 Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
Nº 141, terça-feira, 25 de julho de 2017 1 ISSN 1677-7042 31
Senhora do Porto 28 a 30 28 a 31 Objetivou-se, com o zoneamento agrícola, identificar as 5. RELAÇÃO DOS MUNICÍPIOS APTOS AO CULTIVO E
Senhora dos Remédios 28 a 29 28 a 31 28 a 36
Sericita 28 a 29 28 a 31
áreas aptas e os períodos de plantio com menor risco climático para PERÍODOS INDICADOS PARA SEMEADURA
Seritinga 28 a 36 28 a 36 28 a 36 o cultivo do arroz de sequeiro no Estado.
Serra Azul de Minas 28 a 29 28 a 31 Essa identificação foi realizada a partir de análises térmicas MUNICÍPIOS PERÍODOS DE SEMEADURA PARA CULTIVARES DO
GRUPO I
Serra da Saudade 28 a 29 28 a 36 28 a 36 e hídricas. Na análise hídrica foi utilizado um modelo de balanço SOLOS TIPOS 1 SOLOS TIPOS 2 SOLOS TIPOS 3
Serra do Salitre 28 a 29 28 a 36 28 a 36 hídrico da cultura para períodos de dez dias.
Serrania 28 a 33 28 a 36 28 a 36 Água Clara 29 a 36 28 a 01 28 a 03
Serranópolis de Minas 28 a 29
O balanço hídrico foi estimado com o uso das seguintes Alcinópolis 28 a 03 28 a 03 28 a 03
Serranos 28 a 34 28 a 36 28 a 36 variáveis climáticas e agronômicas: Amambaí 32 a 34 28 a 29 + 32 a 02
Serro 28 a 29 28 a 31 a) precipitação pluviométrica: utilizadas séries com, no mí- Anastácio 29 a 30 29 a 35
Sete Lagoas 28 a 30 28 a 31 nimo, 15 anos dados diários registrados nas 63 estações pluviomé- Anaurilândia 36 a 01 35 a 01
Setubinha 28 a 29 tricas disponíveis no Estado; Antônio João 29 a 30 + 35 a 01
Silveirânia 28 a 29 28 a 30 28 a 32 + 35 a 36 Aparecida do Taboado 30 a 32 29 a 02 28 a 03
Silvianópolis 28 a 34 28 a 36 28 a 36
b) evapotranspiração potencial - estimadas médias decendiais Aquidauana 28 a 35 28 a 01
Simão Pereira 28 a 30 28 a 31 + 35 a 36 pelo método de Penmam-Monteith nas 9 estações climatológicas dis- Aral Moreira 29 a 30 + 35 a 01
Simonésia 28 a 29 poníveis no Estado. Bandeirantes 29 a 34 29 a 36 29 a 01
Sobrália 28 a 29 c) coeficiente de cultura - utilizados dados obtidos expe- Bataguassu 36 a 01 31 a 01
Soledade de Minas 28 a 33 28 a 36 28 a 36 rimentalmente e disponibilizados através da literatura reconhecida Batayporã 28 a 31
Tabuleiro 28 a 30 28 a 31
Taparuba 28 a 29 28 a 31
pela comunidade científica; Bela Vista 29 a 30
d) disponibilidade máxima de água no solo - estimada em Bodoquena 31 a 32 28 a 32
Tapira 28 a 34 28 a 36 28 a 36 Bonito 30 a 31
Tapiraí 29 a 30 28 a 36 28 a 36 função da profundidade efetiva das raízes e da capacidade de água
Brasilândia 31 a 36 30 a 01
Taquaraçu de Minas 28 a 29 28 a 30 28 a 31 disponível dos solos. Consideraram-se os solos Tipo 1, 2 e 3, com Caarapó 28 a 29
Tarumirim 28 a 29 capacidade de armazenamento de água de 30, 50 e 70 mm, res-
Teixeiras 28 a 29 28 a 30 28 a 33 Camapuã 28 a 36 28 a 01 28 a 02
Timóteo 28 a 29 28 a 30
pectivamente; e Campo Grande 29 a 32 29 a 36 29 a 01
Tiradentes 29 a 30 28 a 31 + 34 a 36 28 a 36 e) ciclo e fase fenológica da cultura - Para efeito de si- Caracol 28 a 30 + 01 a 03
Tiros 28 a 30 28 a 36 mulação foram consideradas as fases de germinação/emergência, cres- Cassilândia 28 a 01 28 a 03 28 a 03
Tocantins 28 a 29 28 a 30 28 a 32 + 35 a 36 cimento/desenvolvimento, floração/enchimento de grãos e maturação Chapadão do Sul 28 a 02 28 a 03 28 a 03
Tocos do Moji 28 a 34 28 a 36 28 a 36 fisiológica. As cultivares foram classificadas em três grupos de ca- Corguinho 28 a 36 28 a 36
Coronel Sapucaia 32 a 34 28 a 03
Toledo
Tombos
28 a 36 28
28
a
a
36
29
28
28
a
a
36
31
racterísticas homogêneas: Grupo I (n < 115 dias); Grupo II (115 dias Corumbá 29 a 36 29 a 02
Três Corações 29 a 32 28 a 36 28 a 36 ≤ n ≤ 130 dias); e Grupo III (n >130 dias), onde n expressa o número Costa Rica 28 a 03 28 a 03 28 a 03
Três Marias 28 a 29 28 a 30 de dias da emergência à maturação fisiológica. Coxim 28 a 36 28 a 03 28 a 03
Três Pontas 29 a 32 28 a 34 28 a 36 As simulações do balanço hídrico foram realizadas para pe- Deodápolis 28 a 32
Tumiritinga 28 a 29 ríodos decendiais. Consideraram-se os valores médios do Índice de Dois Irmãos do Buriti 28 a 32 28 a 36
Tupaciguara 28 a 34 28 a 36 28 a 36
Turmalina 28 a 29
Satisfação de Necessidade de Água - ISNA (expresso pela relação Douradina 29 a 31
entre evapotranspiração real e evapotranspiração máxima - ETr/ETm), Dourados 29 a 30
Turvolândia 29 a 32 28 a 36 28 a 36 Eldorado 32 a 33 32 a 34
Ubá 28 a 29 28 a 30 28 a 32 + 35 a 36 por data de semeadura, fase fenológica e localização geográfica das
Fátima do Sul 31 a 32 28 a 32
Ubaí 28 a 29 estações pluviométricas e climáticas utilizadas. Figueirão 28 a 36 28 a 03 28 a 03
Ubaporanga 28 a 29 Foram adotados os seguintes critérios para o cultivo do arroz
Uberaba 29 a 30 28 a 36 28 a 36 Glória de Dourados 35 a 36 35 a 36
Uberlândia 28 a 34 28 a 36 28 a 36
de sequeiro em condições de baixo risco climático: Guia Lopes da Laguna 30 a 31 30 a 33 28 a 34
Unaí 28 a 30 28 a 31 + 34 a 36 - ISNA maior ou igual a 0,65; Iguatemi 29 a 33
União de Minas 28 a 30 28 a 35 28 a 36 - Temperatura Média das Mínimas na fase de Germina- Inocência 29 a 01 28 a 03 28 a 03
Uruana de Minas 28 a 29 28 a 30 ção/Emergência ≥ 15ºC; Itaporã 29 a 30
Urucânia 28 a 30 28 a 31 - Temperatura Média das Máximas na fase de Floração/En- Itaquiraí 29 a 33
Urucuia 28 a 29 chimento de Grãos ≤ 35ºC. Japorã
Jaraguari 29 a 34
32 a 33
29 a 36
32 a 34
29 a 01
Vargem Alegre 28 a 29
Vargem Bonita 29 a 30 28 a 36 28 a 36 Foram indicados os municípios que apresentaram em, pelo Jardim 29 a 30
Varginha 29 a 31 28 a 35 28 a 36 menos, 20% de sua área condições climáticas dentro dos critérios Jatei 29 a 31
Varjão de Minas 28 a 30 28 a 31 adotados em, no mínimo, 80% dos anos avaliados. Juti 36 a 01
Várzea da Palma 28 a 29 2. TIPOS DE SOLOS APTOS AO CULTIVO Laguna Carapã 28 a 30
Varzelândia 28 a 29 São aptos ao cultivo de arroz de sequeiro no Estado os solos Maracaju 29 a 32 + 35 a 01
Vazante 28 a 30 28 a 35 Miranda 29 a 30 + 35 a 01 29 a 02
Verdelândia 28 a 29 dos tipos 1, 2 e 3, observadas as especificações e recomendações
contidas na Instrução Normativa nº 2, de 9 de outubro de 2008. Naviraí 36 a 01
Veredinha 28 a 29
Nioaque 29 a 31 29 a 33
Veríssimo 28 a 33 28 a 36 28 a 36 Não são indicadas para o cultivo: Nova Alvorada do Sul 30 a 01
Vermelho Novo 28 a 29 - áreas de preservação permanente, de acordo com a Lei Nova Andradina 31 a 36
Vespasiano 28 a 29 28 a 30 28 a 32 12.651, de 25 de maio de 2012;
Viçosa 28 a 29 28 a 31 28 a 33 Novo Horizonte do Sul 28 a 29
Vieiras 28 a 29 28 a 31 + 34 a 36 - áreas com solos que apresentam profundidade inferior a 50 Paraíso das Águas 28 a 02 28 a 03 28 a 03
Virgínia 28 a 35 28 a 36 28 a 36 cm ou com solos muito pedregosos, isto é, solos nos quais calhaus e Paranaíba 29 a 36 28 a 03 28 a 03
Virginópolis 28 a 29 28 a 31 matacões ocupem mais de 15% da massa e/ou da superfície do ter- Paranhos 33 a 34 28 a 29 + 33 a 36
Virgolândia 28 a 31 reno. Pedro Gomes 28 a 03 28 a 03 28 a 03
Visconde do Rio Branco 28 a 29 28 a 30 + 33 a 36 Ponta Porã 29 a 30 + 35 a 36 29 a 30 + 35 a 02
3. TABELA DE PERÍODOS DE SEMEADURA
Volta Grande 28 a 30 + 35 a 36 28 a 36 Porto Murtinho 29 a 30
Wenceslau Braz 28 a 36 28 a 36 28 a 36 Ribas do Rio Pardo 30 a 35 29 a 36 29 a 01
Períodos 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12
Rio Brilhante 36 a 01
Datas 1º 11 21 1º 11 21 1º 11 21 1º 11 21
a a a a a a 28 a a a a a a Rio Negro 32 a 34 29 a 36 29 a 01
PORTARIA Nº 29, DE 21 DE JULHO DE 2017 10 20 31 10 20 10 20 31 10 20 30 Rio Verde de Mato 29 a 32 29 a 01 29 a 02
Meses Janeiro Fevereiro Março Abril Grosso
O SECRETÁRIO DE POLÍTICA AGRÍCOLA, no uso de Rochedo 29 a 32 29 a 36 29 a 01
suas atribuições e competências estabelecidas pelo Decreto nº 8.701, Santa Rita do Pardo 31 a 01 30 a 02
de 31 de março de 2016, publicado no Diário Oficial da União de 1º São Gabriel do Oeste 29 a 35 29 a 01 29 a 02
Períodos 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 Selvíria 31 a 34 30 a 01 28 a 03
de abril de 2016, e observado, no que couber, o contido nas Ins- Datas 1º 11 21 1º 11 21 1º 11 21 1º 11 21 Sete Quedas 31 a 34 31 a 35
truções Normativas nº 2, de 9 de outubro de 2008, publicada no a a a a a a a a a a a a
Sidrolândia 28 a 36 28 a 01
Diário Oficial da União de 13 de outubro de 2008, da Secretaria de 10 20 31 10 20 30 10 20 31 10 20 31
Sonora 28 a 03 28 a 03 28 a 03
Política Agrícola, e nº 18, de 12 de maio de 2016, publicada no Meses Maio Junho Julho Agosto
Tacuru 31 a 34 28 a 36
Diário Oficial da União de 13 de maio de 2016, do Ministério da Terenos 29 a 30 29 a 36 29 a 01
Agricultura, Pecuária e Abastecimento, resolve: Três Lagoas 30 a 35 29 a 01 29 a 02
Art. 1º Aprovar o Zoneamento Agrícola de Risco Climático Períodos 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 Vicentina 29 a 30
para a cultura de arroz de sequeiro no Estado de Mato Grosso do Sul, Datas 1º 11 21 1º 11 21 1º 11 21 1º 11 21
ano-safra 2017/2018, conforme anexo. a 10 a a a a a a a a a a a
Art. 2º Esta Portaria tem vigência específica para o ano-safra 20 30 10 20 31 10 20 30 10 20 31
Meses Setembro Outubro Novembro Dezembro MUNICÍPIOS PERÍODOS DE SEMEADURA PARA CULTIVARES DO
definido no art. 1º e entra em vigor na data de sua publicação. GRUPO II
SOLOS TIPOS 1 SOLOS TIPOS 2 SOLOS TIPOS 3
NERI GELLER 4. CULTIVARES INDICADAS Água Clara 28 a 34 28 a 36 28 a 01
Para efeito de indicação dos períodos de plantio, as cul- Alcinópolis 28 a 01 28 a 02 28 a 03
ANEXO tivares indicadas pelos obtentores/mantenedores para o Estado, foram Amambaí 31 a 34 28 a 36
agrupadas conforme a seguir especificado. Anastácio 28 a 29 28 a 34
1. NOTA TÉCNICA GRUPO I Anaurilândia 34 a 35 34 a 35
Os principais elementos climáticos que influenciam a cultura AGRO NORTE SEMENTES: ANa 7007, ANa 8001 e ANa Antônio João 34 a 35 34 a 35
Aparecida do Taboado 28 a 31 28 a 36 28 a 01
do arroz são a temperatura do ar, o fotoperíodo e a precipitação 6005.
Aquidauana 28 a 30 + 34 a 35 28 a 35
pluvial. GRUPO II Aral Moreira 34 a 35 34 a 36
A temperatura do ar influencia o crescimento, o desenvol- AGRO NORTE SEMENTES: ANa 7211 e ANa 8111; Bandeirantes 28 a 34 28 a 35 28 a 35
vimento e a produtividade da cultura e seu impacto varia conforme a EMBRAPA ARROZ E FEIJÃO - CNPAF: BRS Bonança e Bataguassu 34 a 35 34 a 35
fase fenológica. As faixas de temperatura ótima variam de 20ºC a BRS Primavera. Batayporã 28 a 31
35ºC, sendo de 30ºC a 33ºC para a floração e de 20ºC a 25ºC para Com base nas informações prestadas pelos obtentores/man- Bela Vista 28 a 29
maturação. As fases mais sensíveis quanto à temperatura são as de tenedores, das cultivares indicadas nenhuma obteve o enquadramento Bodoquena 31 a 32 28 a 32
pré-floração e floração. Bonito 28 a 29
O fotoperíodo, de um modo geral, não é um fator limitante no grupo III.
Brasilândia 30 a 35 29 a 36
nas principais regiões produtoras do país e nas épocas tradicionais de Notas: Caarapó 28 a 33
cultivo. 1) Informações específicas sobre as cultivares indicadas de- Camapuã 28 a 34 28 a 35 28 a 01
A produção do arroz em regime de sequeiro é dependente do vem ser obtidas junto aos respectivos obtentores/mantenedores. Campo Grande 28 a 30 28 a 34 28 a 35
regime pluvial, uma vez que ocorrência de estresses hídricos durante 2) Devem ser utilizadas no plantio sementes produzidas em con- Caracol 36 a 01
o ciclo e, em especial, no estádio de florescimento/enchimento dos formidade com a legislação brasileira sobre sementes e mudas (Lei nº 10.711, Cassilândia 28 a 36 28 a 02 28 a 02
grãos, pode comprometer grandemente a produtividade da cultura. de 5 de agosto de 2003, e Decreto nº 5.153, de 23 de agosto de 2004). Chapadão do Sul 28 a 36 28 a 02 28 a 02

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.gov.br/autenticidade.html, Documento assinado digitalmente conforme MP n o- 2.200-2 de 24/08/2001, que institui a
pelo código 00012017072500031 Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
32 ISSN 1677-7042 1 Nº 141, terça-feira, 25 de julho de 2017
Corguinho 28 a 29 28 a 34 28 a 35 PORTARIA Nº 30, DE 21 DE JULHO DE 2017 3. TABELA DE PERÍODOS DE SEMEADURA
Coronel Sapucaia 31 a 34 28 a 03
Corumbá 28 a 35 28 a 36 Períodos 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12
Costa Rica 28 a 01 28 a 02 28 a 02
O SECRETÁRIO DE POLÍTICA AGRÍCOLA, no uso de
suas atribuições e competências estabelecidas pelo Decreto nº 8.701, Datas 1º 11 21 1º 11 21 1º 11 21 1º 11 21
Coxim 28 a 35 28 a 01 28 a 02 a a a a a a 28 a a a a a a
Deodápolis 28 a 32 de 31 de março de 2016, publicado no Diário Oficial da União de 1º 10 20 31 10 20 10 20 31 10 20 30
Dois Irmãos do Buriti 28 a 30 28 a 34 de abril de 2016, e observado, no que couber, o contido nas Ins- Meses Janeiro Fevereiro Março Abril
Douradina 28 a 29 truções Normativas nº 2, de 9 de outubro de 2008, publicada no
Dourados 28 a 29 Diário Oficial da União de 13 de outubro de 2008, da Secretaria de
Eldorado 32 a 33 32 a 34 Política Agrícola, e nº 18, de 12 de maio de 2016, publicada no Períodos 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24
Fátima do Sul 31 a 32 28 a 32 Diário Oficial da União de 13 de maio de 2016, do Ministério da Datas 1º 11 21 1º 11 21 1º 11 21 1º 11 21
Figueirão 28 a 35 28 a 01 28 a 01 a a a a a a a a a a a a
Agricultura, Pecuária e Abastecimento, resolve: 10 20 31 10 20 30 10 20 31 10 20 31
Glória de Dourados 31 a 32 29 a 32 Art. 1º Aprovar o Zoneamento Agrícola de Risco Climático Meses Maio Junho Julho Agosto
Guia Lopes da Laguna 28 a 29
para a cultura de arroz de sequeiro no Estado de Mato Grosso, ano-
Iguatemi 28 a 32
Inocência 28 a 36 28 a 01 28 a 02
safra 2017/2018, conforme anexo.
Itaporã 28 a 29
Art. 2º Esta Portaria tem vigência específica para o ano-safra Períodos 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36
Itaquiraí 28 a 34 definido no art. 1º e entra em vigor na data de sua publicação. Datas 1º 11 21 1º 11 21 1º 11 21 1º 11 21
a 10 a a a a a a a a a a a
Japorã 31 a 32 28 a 33 20 30 10 20 31 10 20 30 10 20 31
Jaraguari 28 a 32 28 a 35 28 a 35 NERI GELLER Meses Setembro Outubro Novembro Dezembro
Jardim 28 a 29
Jateí 29 a 31 ANEXO 4. CULTIVARES INDICADAS
Juti 29 a 33 Para efeito de indicação dos períodos de plantio, as cul-
Laguna Carapã 28 a 29 1. NOTA TÉCNICA tivares indicadas pelos obtentores /mantenedores para o Estado, foram
Maracaju 28 a 29 28 a 30 O Estado de Mato Grosso cultivou, na safra 2016/2017, uma agrupadas conforme a seguir especificado.
Miranda 28 a 29 + 34 a 36 28 a 29 + 33 a 36 área de 149,3 mil hectares de arroz (Oriza Sativa L.) com uma GRUPO I
Nioaque 28 a 30 28 a 31
produção de 488,8 mil toneladas, conforme dados do levantamento da AGRO NORTE SEMENTES: AN Cambará, ANa 9001, ANa
Nova Alvorada do Sul 29 a 30 29 a 35
Nova Andradina 29 a 30 + 34 a 35
CONAB de julho de 2017. 7007, ANa 8001, ANa 5015, ANa 6005, ANa 7211, ANa 8111 e
Novo Horizonte do Sul 28 a 29 Os principais elementos climáticos que influenciam a cultura ANa9011;
Paraíso das Águas 28 a 36 28 a 02 28 a 02 do arroz são a temperatura do ar, o fotoperíodo e a precipitação EMBRAPA ARROZ E FEIJÃO - CNPAF: BRS Esmeralda,
Paranaíba 28 a 34 28 a 01 28 a 02 pluvial. BRS Pepita, BRS Primavera, BRSGO Serra Dourada e BRSMG
Paranhos 31 a 34 28 a 36 A temperatura do ar influencia o crescimento, o desenvol- 355.
Pedro Gomes 28 a 01 28 a 02 28 a 03 vimento e a produtividade da cultura e seu impacto varia conforme a GRUPO II
Ponta Porã 28 a 29 + 34 a 35 28 a 29 + 34 a 36 fase fenológica. As faixas de temperatura ótima variam de 20ºC a EMBRAPA ARROZ E FEIJÃO - CNPAF: BRS Bonança,
Porto Murtinho 28 a 29 35ºC, sendo de 30ºC a 33ºC para a floração e de 20ºC a 25ºC para BRS Monarca e BRS Sertaneja.
Ribas do Rio Pardo 29 a 34 28 a 35 28 a 35 maturação. As fases mais sensíveis quanto à temperatura são as de Com base nas informações prestadas pelos obtentores/man-
Rio Brilhante 28 a 29 pré-floração e floração. tenedores, das cultivares indicadas nenhuma obteve o enquadramento
Rio Negro 30 a 32 28 a 35 28 a 35
O fotoperíodo, de um modo geral, não é um fator limitante no grupo III.
Rio Verde de Mato 28 a 34 28 a 36 28 a 36
nas principais regiões produtoras do país e nas épocas tradicionais de Notas:
Grosso 1) Informações específicas sobre as cultivares indicadas de-
Rochedo 28 a 31 28 a 35 28 a 35 cultivo.
A produção do arroz em regime de sequeiro é dependente do vem ser obtidas junto aos respectivos obtentores/mantenedores.
Santa Rita do Pardo 30 a 35 28 a 36
regime pluvial, uma vez que ocorrência de estresses hídricos durante 2) Devem ser utilizadas no plantio sementes produzidas em
São Gabriel do Oeste 28 a 34 28 a 35 28 a 36
conformidade com a legislação brasileira sobre sementes e mudas
Selvíria 29 a 31 28 a 36 28 a 01 o ciclo e, em especial, no estádio de florescimento/enchimento dos (Lei nº 10.711, de 5 de agosto de 2003, e Decreto nº 5.153, de 23 de
Sete Quedas 31 a 33 31 a 35 grãos, pode comprometer grandemente a produtividade da cultura. agosto de 2004).
Sidrolândia 28 a 34 28 a 35 Objetivou-se, com o zoneamento agrícola, identificar os mu-
Sonora 28 a 01 28 a 03 28 a 03 5. RELAÇÃO DOS MUNICÍPIOS APTOS AO CULTIVO E
nicípios aptos e os períodos de plantio com menor risco climático PERÍODOS INDICADOS PARA SEMEADURA
Tacuru 31 a 34 28 a 35
para o cultivo do arroz de sequeiro no Estado.
Terenos 28 a 30 28 a 34 28 a 35
Três Lagoas 29 a 34 28 a 35 28 a 36
Essa identificação foi realizada a partir de análises térmicas MUNICÍPIOS PERIODOS DE SEMEADURA PARA CULTIVARES DO
Vicentina 28 a 30 e hídricas. Na análise hídrica foi utilizado um modelo de balanço GRUPO I
hídrico da cultura para períodos de dez dias. SOLO TIPO 1 SOLO TIPO 2 SOLO TIPO 3
O balanço hídrico foi estimado com o uso das seguintes Acorizal 30 a 01 29 a 03 28 a 03
Água Boa 28 a 02 28 a 03 28 a 03
MUNICÍPIOS PERÍODOS DE SEMEADURA PARA CULTIVARES DO
variáveis climáticas e agronômicas: Alta Floresta 28 a 03 28 a 03 28 a 03
GRUPO III a) precipitação pluviométrica: utilizadas séries com, no mí- Alto Araguaia 28 a 03 28 a 03 28 a 03
SOLOS TIPOS 1 SOLOS TIPOS 2 SOLOS TIPOS 3 nimo, 15 anos dados diários registrados nas 64 estações pluviomé- Alto Boa Vista 28 a 03 28 a 03 28 a 03
Água Clara 28 a 33 28 a 35 28 a 36 tricas disponíveis no Estado; Alto Garças 28 a 03 28 a 03 28 a 03
Alcinópolis 28 a 36 28 a 01 28 a 02 b) evapotranspiração potencial - estimada médias decendiais Alto Paraguai 28 a 03 28 a 03 28 a 03
Amambaí 28 a 29 pelo método de Penmam-Monteith nas 8 estações climatológicas dis- Alto Taquari 28 a 03 28 a 03 28 a 03
Anastácio 29 a 32 poníveis no Estado. Apiacás 28 a 03 28 a 03 28 a 03
Anaurilândia 33 a 34 32 a 34 c) coeficiente de cultura - utilizados dados obtidos expe- Araguaiana 28 a 34 28 a 03 28 a 03
Antônio João 32 a 33 32 a 34 Araguainha 28 a 02 28 a 03 28 a 03
rimentalmente e disponibilizados através da literatura reconhecida
Aparecida do Taboado 28 a 30 28 a 35 28 a 35 Araputanga 29 a 32 28 a 01 28 a 03
Aquidauana 28 a 30 28 a 33 28 a 34
pela comunidade científica; Arenápolis 28 a 03 28 a 03 28 a 03
Aral Moreira 33 a 34 32 a 35
d) disponibilidade máxima de água no solo - estimada em Aripuanã 28 a 03 28 a 03 28 a 03
Bandeirantes 28 a 31 28 a 33 28 a 34 função da profundidade efetiva das raízes e da capacidade de água Barão de Melgaço 31 a 32 30 a 02 28 a 03
Bataguassu 28 a 33 disponível dos solos. Consideraram-se os solos Tipo 1, 2 e 3, com Barra do Bugres 28 a 01 28 a 03 28 a 03
Bela Vista