Você está na página 1de 32

NOVAS ESTRATÉGIAS DE

SERVIÇOS DE SAÚDE
NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE
NASF
NASF
• Apóia a inserção da Estratégia Saúde da Família na
rede de serviços, garantindo a continuidade e
integralidade da atenção Portaria GM nº 154, de 24
de Janeiro de 2008.

• Amplia a abrangência e a diversidade das ações


das ESF, bem como sua resolubilidade, uma vez que
promove a criação de espaços para a produção de
novos saberes e ampliação da clínica.
NASF
• Atuam em parceria com os profissionais
das ESF, compartilhando as práticas em
saúde nos territórios sob responsabilidade
das ESF no qual o NASF está cadastrado.
• o NASF não se constitui porta de
entrada do sistema para os
usuários, mas apoio às equipes de
saúde da família.
NASF – Modalidades existentes
• NASF 1: no mínimo cinco profissões de nível superior -
vinculado de 5 a 9 Equipes de Saúde da Família;
• NASF 2: três profissões de nível superior - vinculado a, no
mínimo, 03 Equipes de Saúde da Família e, no máximo a
04 Equipes
• NASF 3: três profissões de nível superior - vinculado a, no
mínimo, 01 Equipes de Saúde da Família e, no máximo a
02 ESF e/ou equipes de Atenção Básica para populações
específicas (consultórios na rua, equipes ribeirinhas e
fluviais, etc.)
NASF – Perfis
• O NASF está dividido em oito áreas estratégicas:
atividade física/praticas corporais; práticas integrativas e
complementares; reabilitação; alimentação e nutrição;
saúde mental; serviço social; saúde da
criança/adolescente/adulto jovem; saúde da mulher e
assistência farmacêutica.

• Podem compor as equipes: Assistente Social; Educador


Físico; Farmacêutico; Fisioterapeuta;Fonoaudiólogo;
Médico Acupunturista; Médico Ginecologista; Médico
Homeopata; Médico Pediatra; Médico Psiquiatra;
Nutricionista; Psicólogo e Terapeuta Ocupacional. Os
profissionais médicos podem compor apenas as equipes
de modalidade 1.
NASF – Perfis
• Tendo em vista a magnitude
epidemiológica dos transtornos mentais,
recomenda-se que cada NASF conte
com pelo menos 01 (um) profissional da
área de saúde mental.

• Os NASF devem funcionar em horário de


trabalho coincidente com o das equipes
de Saúde da Família - 40 horas semanais.
NASF – Perfis 16/07/2011
• Agora, o Ministério da Saúde ampliará
este elenco de profissões, incluindo, nos
NASFs, a possibilidade de os gestores
locais do SUS contratarem profissionais
como médico veterinário e sanitarista,
entre outros.
NASF – Critérios para a implantação
• NASF I: Mais de 7 ESF (1234 NASFs I em
06/07/2011)

• NASF II: 3 a 7 ESF, independente da densidade


demográfica, que antes era preciso ser menor
do que 10 hab/KM², sendo financiado apenas
(um) NASF 2. (137 NASFs II em 06/07/2011)

• Aqueles municípios que não se encaixam nos


critérios de implantação, poderão optar pela
conformação de consócios intermunicipais com
municípios que fazem limite geográfico.
NASF – Financiamento
Portaria 978 de 17/05/2012

• Há incentivo para implantação,


parcela única, e custeio, mensal.
• Os valores serão repassados Fundo a
Fundo, de acordo com a modalidade
de NASF:
• NASF I: implantação- R$ 20.000,00 -
custeio – R$ 20.000,00 (mensal)
• NASF II: implantação – R$ 8.000,00 -
custeio - R$ 8.000,00 (mensal)
REGIONALIZAÇÃO E HIERARQUIZAÇÃO

HOSPITAL

UNIDADE MISTA UNIDADE MISTA (AMA)


(AMA/AME)

NASF NASF NASF


UNIDADE BÁSICA UNIDADE BÁSICA UNIDADE BÁSICA
DE SAÚDE / DE SAÚDE / DE SAÚDE /
UNIDADE SAÚDE DA UNIDADE SAÚDE DA UNIDADE SAÚDE DA
FAMÍLIA FAMÍLIA FAMÍLIA
NASF

Estratégia Saúde da Família


Médico
Enfermeiro (a)
Auxiliar/Técnico de
Enfermagem
Programa Agente
Comunitário de
Saúde
PACS
Situação de Implantação de Núcleos de Apoio à Saúde da Família
BRASIL - 2008 - AGOSTO/2011
Evolução do Número de Núcleos de Apoio à Saúde da Família
Implantados BRASIL - 2008 - AGOSTO/2011
Evolução do Número de Municípios com Núcleos de Apoio à Saúde
da Família Implantados BRASIL - 2008 - AGOSTO/2011
Programa Academia da Saúde
Abril/2011

• Prática de atividade física, orientação nutricional, oficinas de artes cênicas,


dança, palestras e demais atividades que promovam modos de vida
saudáveis, reduzir internações e garantir uma qualidade de vida

• Promoção da saúde como também a prevenção e redução de mortes


prematuras por Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT),
relacionadas ao tabagismo, álcool, alimentação inadequada, sedentarismo
e obesidade.

• A meta é habilitar 4 mil academias até 2014.

• Para cada polo do Programa Academia da Saúde será obrigatório o


cadastramento de profissionais de saúde de nível superior na quantidade
mínima de um profissional com carga horária semanal de 40 horas ou dois
profissionais com carga horária mínima individual de 20 horas semanais.
Programa Academia da Saúde
Abril/2011

• Custeio: Se houver vinculo com Núcleo de Apoio à Saúde da Família


(NASF), será repassado a este. Se não possuir um NASF, ao solicitar, o
município receberá uma única parcela anual. Isso já vale para os
municípios que tinham estruturas semelhantes às Academias da Saúde
e que passaram a integrar o Programa.

• Os incentivos de custeio destinam-se ao pagamento das despesas


correntes como capacitação, pagamento de profissionais e aquisição de
material de consumo.
Consultório de Rua
Portaria N° 122, de 25 de janeiro de 2012

• Procura ampliar o acesso da população de rua e ofertar atenção integral


à saúde, por meio das equipes e serviços da atenção básica.

• As equipes devem realizar as atividades de forma itinerante e, quando


necessário, utilizar as instalações das Unidades Básicas de Saúde
(USB) do território, desenvolvendo ações em parceria com as equipes
dessas unidades,

• Cumprir carga horária mínima semanal de 30 horas.

• Pode ocorrer em período diurno e/ou noturno, em todos os dias da


semana.
Consultório de Rua
Portaria N° 122, de 25 de janeiro de 2012

• Equipes poderão ser compostas : enfermeiro; psicólogo; assistente


social; terapeuta ocupacional; médico; agente social; técnico ou auxiliar
de enfermagem; técnico em saúde bucal.

Modalidades:
• Modalidade I: equipe formada minimamente por 4 (quatro) profissionais,
sendo 2 (dois) profissionais de nível superior e 2 (dois) de nível médio;
• Modalidade II: equipe formada minimamente por 6 (seis) profissionais,
sendo 3 (três) de nível superior e 3 (três) de nível médio;
• Modalidade III: equipe da Modalidade II acrescida de um profissional
médico
CONSÓRCIOS
INTERMUNICIPAIS
CONSÓRCIOS INTERMUNICIPAIS

• São parcerias formadas por dois ou mais entes


da federação, para realização de objetivos de
interesse comum, em qualquer área.

• Tem como um dos principais objetivos viabilizar


a gestão pública nos espaços metropolitanos,
em que a solução de problemas comuns só
podem se dar por meio de políticas e ações
conjuntas.
CONSÓRCIOS INTERMUNICIPAIS
• O consórcio também permite que pequenos municípios
ajam em parceria e, com ganho de escala, melhorem
a capacidade técnica, gerencial e financeira.

• Os municípios que constituem o consórcio deverão


elaborar projeto único, especificando entre outros
pontos, qual município irá cadastrar A AÇÃO que vai
ser feita em conjunto qual a contrapartida de cada um
dos consorciados
PACTO PELA SAÚDE
PACTO PELA SAÚDE

• É um conjunto de reformas institucionais pactuado


entre as três esferas de gestão (União, estados e
municípios) do Sistema Único de Saúde.

• Sua implementação se dá por meio da adesão de


municípios, estados e União ao Termo de
Compromisso de Gestão (TCG), que, renovado
anualmente, substitui os anteriores processos de
habilitação e estabelece metas e compromissos
para cada ente da federação.
PACTO PELA SAÚDE

• As transferência dos recursos também foram


modificadas, passando a ser divididas em seis
grandes blocos de financiamento (Atenção,
Básica, Média e Alta Complexidade da
Assistência, Vigilância em Saúde, Assistência
Farmacêutica, Gestão do SUS e Investimentos
em Saúde).
PACTO PELA SAÚDE
PRINCÍPIOS
Proposição
de
Respeito às Instituição de financiament
diferenças mecanismos o
loco-regionais de co-gestão tripartite
e com
planejamento estimulaç
Qualificação do
regional ão
acesso à
Valorização de
atenção
da critérios
integral à
macrofunção de
saúde,
de eqüidade
com qualificação
cooperação nas
dos
instrumentos técnica
entre os transferê
de regulação
gestores ncias
e programação
PACTO PELA SAÚDE
3 DIMENSÕES
■ Pacto pela Vida: Compromisso dos gestores em torno
de prioridades que apresentam impacto sobre a
situação de saúde da população
■ Pacto em Defesa do SUS: Expressa os compromissos
entre os gestores do SUS com a consolidação da
Reforma Sanitária Brasileira, explicitada na defesa dos
princípios do SUS;
■ Pacto de Gestão: Definição de responsabilidades
sanitárias, constituindo espaços de co-gestão e
resgatando o apoio entre os entes, num processo
compartilhado;
PACTO PELA VIDA
• Estabelece um conjunto de compromissos sanitários
considerados prioritários, pactuado de forma tripartite,
a ser implementado pelos entes federados.
• Prioridades estaduais, regionais ou municipais podem
ser agregadas às prioridades nacionais, a partir de
pactuações locais.
• Os estados e municípios devem pactuar as ações que
considerem necessárias ao alcance das metas e
objetivos gerais propostos.
PACTO PELA VIDA
• O Pacto pela Vida contém os seguintes objetivos e metas prioritárias (Portaria
GM/MS nº 325, de 21 de fevereiro de 2008):
• I- Atenção à saúde do idoso;
• II- Controle do câncer de colo de útero e de mama;
• III- Redução da mortalidade infantil e materna;
• IV- Fortalecimento da capacidade  de resposta às doenças emergentes e
endemias, com ênfase na dengue, hanseníase, tuberculose, malária, influenza,
hepatite, aids;
• V- Promoção da saúde;
• VI- Fortalecimento da atenção básica;
• VII- Saúde do trabalhador;
• VIII- Saúde mental;
• IX- Fortalecimento da capacidade de resposta do sistema de saúde às pessoas
com deficiência;
• X- Atenção integral às pessoas em situação ou risco de violência;
• XI- Saúde do homem.
PACTO EM DEFESA DO
SUS
• Expressa os compromissos entre os gestores do SUS
com a consolidação do processo da Reforma Sanitária
Brasileira e articula as ações que visem qualificar e
assegurar os SUS como política pública.

• Apresenta uma clara estratégia de imobilização social


e buscar um financiamento compatível com as
necessidades de saúde por parte dos entes Federados
e inclui regulamentação da emenda constitucional nº
29 pelo Congresso Nacional.
PACTO DE GESTÃO
DO SUS
• Valoriza a relação solidárias entre gestores, definindo-as
diretrizes e responsabilidades, contribuindo para o
fortalecimento da gestão, em cada eixo de ação:
• Descentralização
• Regionalização
• Financiamento do SUS
• Planejamento no SUS
• Programação Pactuada Integrada (PPI)
• Regulação da Atenção à Saúde e Regulação Assistencial
• Participação e Controle Social
• Gestão do Trabalho na Saúde
• Educação na Saúde