Você está na página 1de 441

O

JOGO MENTAL
DO POKER
O

JOGO MENTAL
DO POKER

ESTRATÉGIAS COMPROVADAS PARA


MELHORAR O CONTROLE DE ‘TILT‘,
CONFIANÇA, MOTIVAÇÃO, COMO LIDAR COM
AS VARIÂNCIAS E MUITO MAIS

JARED TENDLER, M. S.
COM BARRY CARTER
O Jogo Mental do Poker: Estratégias comprovadas para melhorar o controle
de ‘tilt’, confiança, motivação, como lidar com as variâncias e muito mais

Copyright © 2016 Jared Tendler, LLC

Todos os direitos estão reservados. Nenhuma parte deste livro poderá ser
reproduzida ou transmitida por qualquer meio ou forma, sem a devida
permissão por escrito do autor, exceto para a inclusão de breves citações, em
uma análise ou comentário. Para solicitar permissão para usar qualquer parte
deste livro, qualquer que seja, escreva para: jared@jaredtendler.com.

Publicado por Jared Tendler, LLC

Impresso nos Estados Unidos da América

ISBN-13: 978-0-9961919-5-1
ISBN-10: 0-9961919-5-X

O Desenho da capa e do livro foi feito por theBookDesigners,


www.bookdesigners.com
Foto de Jared, cortesia de Naheed Choudhry

Traduzido por Rainer Furtado


Revisado por Christiano Furtado
www.jaredtendlerpoker.com

Digital book(s) (epub and mobi) produced by Booknook.biz.


Elogios ao Treinamento de Jared
Tendler

“Ele tem sido uma grande ajuda para mim. Eu agora jogo
praticamente livre do “tilt” e consigo jogar da melhor
forma quase todas as vezes que eu jogo.”
- Dusty “Leatherass” Schmidt, Team PokerStars Pro
online
Autor de Don’t Listen to Phil Hellmuth e Treat Your
Poker Like a Business

“Eu acho que eu fui um dos jogadores mais bem sucedidos


online, ao longo dos últimos cinco anos, e não poderia ter
tido uma influência mais positiva sobre o meu jogo que a
do Jared, e nada chega nem perto.”
- Niman “Samoleus” Kenkre, Coach do BlueFire Poker

“Jared me ajudou a desenvolver estratégias para que eu


pudesse melhor gerir a minha abordagem ao poker e aos
negócios. Se você está tendo problemas com o lado
mental no seu jogo de poker, eu recomendo os serviços de
Jared.”
- Taylor Caby, co-fundador da Cardrunners
“Até conhecer Jared, o único conselho que eu tinha
ouvido falar sobre o “tilt” [imprudência], mesmo de
treinadores respeitados, era ‘não “tilt”.’ [não jogue de
forma imprudente]. Agora eu estou ganhando quase
12bb/100 jogando limites de até 50/100 Heads Up NL.”
- Liz “RikJamesBlatch” Herrera

“Jared inventou esta área de conhecimento, até onde eu


sei.”
- Jesse Maio, The Voice of Poker

“Jared Tendler é um pioneiro do jogo mental do poker.


Nada se compara à abordagem científica, a qual foi
apoiada em anos de estudo da psicologia moderna. Este
livro é o primeiro do tipo e deve ser considerado leitura
obrigatória para qualquer jogador de poker.”
- Hunter Bick, jogador profissional de poker, CEO
DragTheBar
“‘Tilt’? Jared Tendler estende o braço e mostra
negligentemente o dedo do meio para ele.”
- Jon Young, editor da Revista WPT

“Jared é um gênio quando se trata de ajudar você a se


reconhecer e sistematicamente se livrar das questões que
estão lhe atrapalhando a alcançar seu potencial. Eu não
sei onde eu estaria hoje sem ele.”
- Danny Steinberg, Profissional de High Stakes

“Eu conheci um número considerável de pessoas nesta


área e ninguém me impactou da mesma forma que Jared.”
- Sean Gibson, Poker News Daily

“Eu posso dizer, honestamente, que trabalhar com Jared


foi um dos melhores investimentos que já fiz.”
- Matt “mboltl” Bolt, Coach do DragTheBar

“A abordagem da Jared funciona muito bem, porque ele


não tenta remediar o problema, ao invés disso, ele muda a
sua maneira de pensar, e não apenas sobre o poker, mas
sobre a vida em geral.”
- Pascal “Stake Monster” Tremblay, Coach do
Cardrunners

“Jared é um cara inteligente, trabalhador e engraçado, e


extremamente eficiente em seu trabalho. Ele consegue ser
ao mesmo tempo pessoal e profissional, o que é uma coisa
difícil de se fazer. Se você tem problemas de ‘tilt’ que lhe
custam dinheiro, então você seria completamente estúpido
se não trabalhasse com ele.”
- Paul “GiantBuddha” Hoppe, Coach do DragTheBar
Autor de O Caminho do Guerreiro de Poker

“Ele lhe ensina coisas que você simplesmente não poderia


aprender jogando.”
- Ben “NeverScaredB” Wilinofsky
AGRADECIMENTOS
Eu sempre fui extremamente independente durante toda a
minha vida, então quando eu me decidi a escrever um
livro pela primeira vez, pensei que poderia fazê-lo por
conta própria. Eu estava confiante demais (Capítulo 8). Se
não fosse pelas seguintes pessoas, este livro não teria se
tornado realidade.

Eu gostaria de agradecer a Barry Carter, co-autor, por me


ajudar a transformar as minhas ideias e experiências, em
algo que faria sentido para os jogadores de poker. Barry,
como jornalista de poker, jogador de poker, e uma das
melhores pessoas que eu conheço, me forçou a ser mais
claro e detalhado ao expor um determinado ponto. Seu
entusiasmo e paciência me ajudaram a escrever um livro
melhor, para que eu pudesse ter orgulho de incluir ambos
os nossos nomes. Mesmo que o material original deste
livro não seja de Barry, sua contribuição foi inestimável,
e ele o tomou como seu. Ele era a pessoa perfeita para me
ajudar a escrever o livro, que eu vislumbrava.
Eu gostaria de agradecer aos meus clientes por
compartilharem suas histórias neste livro: Dusty Schmidt,
Niman Kenkre, Liz Herrera, Matt Bolt, Jordan Morgan,
Mike Song, Pascal Tremblay e Sean Gibson. A
honestidade e vontade de compartilhar suas histórias em
última análise, trouxeram vida para este livro.

Também sou muito grato a todos os meus clientes por me


darem a oportunidade de aperfeiçoar o meu método e as
minhas técnicas. Em particular, Dusty Schmidt, meu
primeiro cliente de poker, que me ajudou a entender as
nuances do poker de alto nível, me apresentou à
comunidade do poker e traduziu o meu trabalho do golfe
para o poker.

Existem também outros pioneiros como o Dr. Alan


Schoonmaker, Tommy Angelo e Matthew Hilger, que
solidificaram o lugar da psicologia no poker. Eles
expandiram a área e fizeram com que fosse mais fácil para
os jogadores de poker aceitar a importância do jogo
mental.

Sem o amor e o contínuo apoio dos meus pais, irmã e


cunhado, este livro poderia nunca ter sido escrito.
Obrigado por sempre me encorajarem a perseguir meus
sonhos, ajudando-me a perseverar quando foi difícil,
rindo de mim por ter demorado tanto e, mesmo assim,
continuar pensando que eu poderia terminá-lo.

Obrigado Corey Karsch por acreditar em mim,


emprestando suas hábeis habilidades de escrita, e fazendo
com que a maior realização da minha vida fosse mais
divertida.

Obrigado Alexis Nahoum por generosamente ceder-me


seu tempo - sem fazer perguntas. Você foi acima e além, e
realmente se intensificou quando eu precisei de você.
Você realmente ajudou a aliviar a carga, e seu apoio e
perícia foram inestimáveis. Serei eternamente grato.

Um número de amigos e membros da família também


passou horas revisando partes deste livro: Jay Kotlen, Sue
Kotlen, Ronit Glantz, Melissa Nagin, Ben Nagin, Paul
Bacanovic, Sharon Hirshick, Andy Hirshick e Kyra
Karsch. Obrigado por abrir mão de seus dias, noites e fins
de semana, para tornar este livro mais fácil para os outros
lerem.

Obrigado David Horne, Diana Murphy, Scott Brown,


Evan Rothman, Hunter Bick, PokerNews, Jake Poinier e
Tyler Kirkendoll. Devido à uma variedade de razões
vocês me ajudaram a tornar este livro uma realidade.
Índice
1 INTRODUÇÃO
O Golfe Define o Cenário
Entra o Poker
História do Cliente: Dusty “Leatherass” Schmidt
Eu Não Sou Um Jogador de Poker
O Problema com a Psicologia Convencional do
Poker
O Jogo Mental do “Pato”
Estratégia do Jogo Mental
Mitos do Jogo Mental
Como Usar Este Livro

2 FUNDAMENTOS

O MODELO DE APRENDIZAGEM DOS ADULTOS


Adendo: Falhas são Habilidades

LAGARTA
História do Cliente: Niman “Samoleus” Kenkre
Dois Erros Comuns de Aprendizagem

O MODELO DE PROCESSO
Preparação/Aquecimento
História do Cliente: Dusty “Leatherass” Schmidt
Desempenho
Adendo: Pensamento Orientado para Resultados
Resultados
Avaliação
História do Cliente: Niman “Samoleus” Kenkre
Análise
Use o Modelo de Processo Todos Os Dias

3 EMOÇÃO
Resolução
Mau Funcionamento da Mente
Duas Causas da Emoção
Emoção Acumulada
Espectro da Emoção
Desempenho e Emoção

4 ESTRATÉGIA

INJETANDO LÓGICA
1. Reconhecimento
2. Respiração Profunda
3. Injetando Lógica
4. Lembrete de Estratégia
5. Repita Conforme Necessário
6. Desistindo

RESOLUÇÃO
Histórico de “Mãos” Mental
Adendo: Corrigindo Falhas no Poker
Adendo: O Lado Mental Dos Erros No Poker

ESTRATÉGIAS ADICIONAIS
Monitorando a melhoria
Escrita
Emoção Acumulada
Conclusão

5 ”Tilt”
“Tilt” = Raiva + Jogo ruim
A Natureza da Raiva
“Tilt” Acumulado
O “Tilt” do “Tilt”
O Benefício do “Tilt”
“Tilt” do Vencedor
Perfil do “Tilt”
Adendo: Você Acha Que Você Não (entra em)
“Tilt”?
Sete Tipos de “Tilt”
Visão de Barry: Entendendo o “Tilt” de seus
Oponentes
Estratégias Gerais para o “Tilt”
História do Cliente: Liz “RikJamesB1atch”
Herrera
Como é a “Cara” do Progresso e Como Mantê-lo

“TILT” (DA) FASE RUIM


História do Cliente: Matt “mbolt1” Bolt
Focado mais nos Resultados do que na Qualidade
Reservando uma Vitória
Equilíbrio Poker/Vida
Prevendo Bad Beats
Redefinindo Sua Mente

“TILT” DE INJUSTIÇA
Terrível em Identificar Boa Variância
Mais do Que o Justo
Oportunidade do “Tilt” de Injustiça
Desejando que o Poker Não Fosse Assim
Desejo de Controlar a Variância
Uma Desculpa para Não Aprender
História do Cliente: Barry Carter
Histórias de Bad Beat
Ciúme

“TILT” ODEIO-PERDER
Competitividade
Dinheiro Perdido
História do Cliente: Jordan “iMsoLuckyO”
Morgan
Acreditar Que Você Pode Ganhar Todas as Mãos
Habilidade Perdida
Perder se Torna Pessoal
Perder Dói Mais do que Ganhar Faz Bem

“TILT” DE ERROS
Esperando a Perfeição
Quando Um Erro Não é Um Erro
Erros Óbvios
Ameaças Aos Seus Objetivos
Sabe Muito, Dominou Pouco

“TILT” DE DIREITO
Excesso de Confiança
Perder para um Pato
História do Cliente: Liz “RikJamesBlatch”
Herrera
Perder para Regulares
História do Cliente: Mike “Syous” Song
Subindo os Limites (Stakes)
“TILT” DE VINGANÇA
Falta de Respeito
Encarando Agressão Constante
Jogador com História
Recuperando a Confiança
Tomando o Seu Dinheiro
Decretando Vingança
Sua Alma Dominada

“TILT” DE DESESPERO
Adendo: Quando Perder Faz Bem
Estratégia Inegociável

USANDO O “TILT” PARA MELHORAR SEU JOGO


Mantendo Registros

6 MEDO
A Natureza do Medo
Visão de Barry: Seja Destemido como Ivey
Informação Incompleta
Combustível para o Desempenho

PERFIL DO MEDO
1. Pensando Demasiadamente
2. Não Confiar no seu Instinto
Visão de Barry: Sinta os Jogadores
3. Questionando Decisões
4. Ansiedade de Desempenho
5. Futuro Negativo

ESTRATÉGIA GERAL PARA RESOLUÇÃO DO


MEDO
Jogar o Medo Fora
Respondendo Perguntas

MEDOS COMUNS
Medo do Fracasso
Medo do Sucesso
Medo de Errar
Medo de Uma Fase Ruim
História do Cliente: Pascal “Stake Monster”
Tremblay
Medo de Subir os Limites
Aversão ao Risco
História do Cliente: Barry Carter

7 MOTIVAÇÃO
A Natureza da Motivação
Inspiração
Visão de Barry: Apostas Paralelas
Motivação Estável
PROBLEMAS MOTIVACIONAIS COMUNS
Preguiça
Procrastinação
Fase Boa e Fase Ruim
Exaustão
Adendo: Subestimando o Estresse
Problemas com Objetivos
História do Cliente: Matt “mbolt1” Bolt
Freerolling Seu Talento
Pare de Sonhar
Ausência de Aprendizagem
História do Cliente: Jordan “iMsoLuckyO”
Morgan
Insensível às Emoções
Sem Esperança

8 CONFIANÇA
A Natureza da Confiança
Confiança Estável
Falta e Excesso de Confiança

DESENVOLVENDO A CONFIANÇA ESTÁVEL


A Habilidade de Reconhecer a Variância
A Habilidade de Reconhecer a Sua Habilidade
A Habilidade de Reconhecer a Habilidade dos
seus Oponentes
Visão de Barry: Definindo a Sua Vantagem
Ilusão de Controle
História do Cliente: Matt “mbolt1” Bolt
Ilusão de Permanência
Ilusão de Aprendizagem
Desejo
História do Cliente: Sean Gibson

CONCLUSÃO
Você Ainda Não Dominou Este Livro

ANEXO I
Aquecimento e relaxamento

ANEXO II
Questionário dos Clientes
1
INTRODUÇÃO
OS JOGADORES BEM SUCEDIDOS no jogo mental do poker
usam uma estratégia que provou ser útil para eles. Eles
têm uma estrutura e metodologia na forma de abordar o
jogo mental, e não precisam confiar em um “pé de coelho
da sorte” ou em rezar para os deuses do poker.

Se não houvesse uma maneira de controlar se você joga na


“zona” ou entra em “tilt”, meu trabalho como treinador do
jogo mental não seria nada mais do que “puxar o seu
saco”. “Tilt” e jogar o seu melhor acontecem por razões
previsíveis e ocorrem em padrões previsíveis. Como um
jogador de poker, você lucra através da sua capacidade de
analisar os padrões e hábitos de seus adversários. Usando
as ferramentas disponibilizadas neste livro, você irá
desenvolver a capacidade de estudar os padrões e hábitos
no seu próprio jogo mental.

O fato de tantos jogadores terem se beneficiado ao


trabalhar o seu jogo mental, seja por conselho meu ou de
outros, é a prova de que o sucesso no jogo mental se
resume à habilidade, assim como o poker. No entanto,
muitos jogadores pensam que “tilt”, medo, motivação e
confiança acontecem por razões aleatórias, ilógicas ou
irracionais. Como resultado, eles dizem ou pensam o
seguinte:

“Logicamente, eu sei que a variância existe,


por isso é estúpido “tilt” por causa de uma
sessão ruim.”
“Por alguma razão, eu decidi jogar como um
“donkey” na noite passada.”
“Eu estou numa fase muito ruim, talvez eu
devesse fazer uma pausa.”
“Eu sempre jogo o meu melhor jogo no Full
Tilt.”
“Depois de ficar grande, de alguma forma eu
consigo cuspir algumas fichas.”
“Eu gostaria de poder jogar tão bem como eu
fiz hoje, o tempo todo.”

Se você acha que o jogo mental é aleatório, você


simplesmente não tem a habilidade de ver como é
previsível e racional.
Jogadores habilidosos veem, com facilidade como as
ações dos adversários mais fracos não são aleatórias.
Eles captam padrões de apostas, “dicas” de tempo,
“dicas” físicas e verbais, o que lhes permite explorar os
jogos de jogadores mais fracos. Os jogadores mais fracos
não têm a habilidade de ver a previsibilidade em seu
jogo. O mesmo é verdade no jogo mental. Agora, você
provavelmente não tem a habilidade de reconhecer as
ações, pensamentos e emoções que levam você a jogar o
seu melhor ou pior. Isso faz de você um “pato1” no jogo
mental. Felizmente, você foi capaz de evoluir e não ser
mais um “pato” no poker, e com a informação certa, você
pode fazer o mesmo com o seu jogo mental.

Com o poker mais competitivo do que nunca, mais


jogadores estão se voltando para o jogo mental, fazendo
com que esta seja uma forma valiosa para tirar vantagem.
Tirar vantagem não é uma ideia nova, é claro; ela se
tornou mais importante no poker ao longo dos últimos
anos, já que o número de jogadores de poker de qualidade
aumentou dramaticamente. Graças a websites como o 2 +
2, CardRunners, e outros, a forma como o jogo é jogado
mudou para sempre. Agora, com o grupo de jogadores
mais experientes, partes do jogo que não eram levadas tão
a sério, mesmo há poucos anos atrás, tal como o jogo
mental, agora são necessárias.
O Golfe Define o Cenário
Atletas em todos os principais esportes enfrentam o
mesmo desafio para ficar à frente da concorrência.
Embora seja raro que um esporte evolua tão rapidamente
quanto o poker, golfistas profissionais recentemente
passaram por algo semelhante quando Tiger Woods
dominou o mundo do golf no final de 1990. À medida que
ele subia os rankings profissionais, ele trouxe um novo
conjunto de regras que forçaram outros golfistas
profissionais a ficarem mais aptos e levarem o jogo
mental mais a sério.

Antes do surgimento de Tiger no golfe, apenas alguns de


seus colegas olhavam para o exercício como algo
essencial para seus jogos. Muitos jogadores estavam fora
de forma e, assim, o golfe nem sempre foi encarado como
um esporte real. Tiger também tinha um nível de foco,
determinação, e confiança que o distanciava ainda mais de
sua concorrência. A combinação de sua aptidão física e
mental forçou outros jogadores do tour a seguirem sua
liderança, a fim de se manterem competitivos. Tiger
mudou para sempre a forma como os profissionais
abordavam e jogo. Agora, quase todos os golfistas no
PGA Tour (e outros grandes torneios profissionais) tem
um preparador físico e um psicólogo do esporte ou
treinador do jogo mental. Tornou-se o novo padrão.
Como um jogador amador de sucesso no final de 1990, eu
tinha aspirações de me tornar um profissional. Havia
apenas um grande pro-blema; eu continuava tremendo sob
pressão em torneios nacionais. Um mês após Tiger ganhar
seu primeiro grande título, eu tremi ao tentar qualificar-me
para o meu primeiro grande (major) torneiro. Pouco
depois de completar meu primeiro ano na Skidmore
College, onde ganhei dois torneios, eu joguei na primeira
etapa da fase de qualificação para o US Open em 1997.
Durante o qualifier de 18 buracos, joguei um dos melhores
golfes da minha vida, exceto nos greens (piso das últimas
tacadas no golfe). Meu putting foi horrendo. Eu tive que
dar três tacadas no green quatro vezes e errei vários
puttings de curto alcance. Eu fiz um even-par 71, e perdi a
entrada para um playoff por uma tacada.

Foi difícil chegar tão perto, e os meus nervos ficaram à


flor da pele; mas eu não ia deixar isso me parar. Eu
continuei praticando duro, e, em seguida, um dia mais
tarde naquele verão, eu estava descrevendo minhas
dificuldades para um amigo, quando seus olhos se
iluminaram. Ele soube imediatamente que eu precisava ler
um livro que ele tinha acabado de ler. Ele correu para o
vestiário e voltou alguns minutos depois com sua cópia do
“Golf Não é Um Jogo de Perfeitos”, do Dr. Bob Rotella.
Desde que eu soube que o problema estava na minha
cabeça, não no meu swing, o livro instantaneamente
ressoou em mim e eu imediatamente coloquei-o em ação,
junto com outros conselhos que encontrei na psicologia do
esporte. Ajudou, e meu jogo continuou a melhorar
progressivamente ao longo dos próximos três anos, exceto
em grandes torneios. Mesmo que eu tenha atingido o grau
de honras “All-Americans” três vezes e ganho nove
torneios na faculdade, o que eu aprendi com a psicologia
do esporte não me impediu de tremer sob intensa pressão.

Meus sonhos de golfe profissional não foram totalmente


destruídos; eu só tinha que descobrir uma solução para
este problema. Uma vez que o que estava disponível sobre
psicologia do esporte na época não servia para mim, eu
decidi ir procurar minhas próprias respostas. Eu sabia que
não estava pronto para jogar golfe profissional; mas se eu
pudesse descobrir uma solução, então eu poderia jogar
profissionalmente e ter uma outra opção de carreira.

Eu suspeitei que estava faltando na psicologia do esporte


convencional um melhor entendimento da causa de
problemas do jogo mental. A sabedoria tradicional no
golfe era a mesma que está acontecendo agora com o
poker. Foi-me dado técnicas para aumentar o foco,
aumentar a confiança, e reduzir a ansiedade, mas eu não
entendia por que eu tremia, em primeiro lugar. Na época,
eu acreditava que a razão era por causa de problemas
pessoais que eu ou outros golfistas enfrentamos, por isso
eu me matriculei na Universidade Northeastern para um
mestrado em acompanhamento psicológico para ter essa
habilidade. No entanto, o que eu descobri ao longo dos 10
anos seguintes, foi o seguinte: Enquanto as questões
pessoais certamente afetam o desempenho, problemas do
jogo mental podem acontecer por razões muito mais
simples; por exemplo, não gostar de cometer erros, ter
grandes expectativas, e ter uma ética de trabalho pobre.

Seguindo a minha licenciatura e com 3.200 horas de


prática supervisionada para tornar-me licenciado em
terapia tradicional, eu usei o que aprendi e comecei a
trabalhar com jogadores como treinador do jogo mental.
Ao longo dos próximos dois anos e meio, eu treinei mais
de 300, incluindo juniores bem classificados, jogadores
casuais e profissionais do PGA Tour, Nationwide Tour e
LPGA Tour. (Uma jogadora ganhou o seu primeiro título
de turnê logo depois que eu comecei a treiná-la.)

Entra o Poker
Uma fase de boa variância me fez jogar uma partida de
golfe no Bandon Dunes Golf Resort, com Dusty
“Leatherass” Schmidt, no verão de 2007. Por acaso, eu
conheci esse golfista-profissional-que-virou-profissional-
de poker logo depois de eu mesmo começar a jogar golfe
profissional. Dos seus anos no golfe, Dusty já sabia da
importância do jogo mental; então, quando ele estava à
beira do seu primeiro mês de prejuízo como profissional,
e sua busca pelo SuperNova Elite indo por água abaixo
por problemas com “tilt”, ele me pediu ajuda.

Dusty foi o primeiro cliente de poker perfeito por causa


de sua experiência em golfe. Ele sabia que o meu
conhecimento do poker era limitado a jogos em casa e
algumas viagens para o Foxwoods Casino. Para me ajudar
a entender melhor o poker, muitas vezes ele usou termos
de golfe para descrever questões de poker. Quanto mais
nós trabalhamos juntos, mais óbvios eram os paralelos
entre o golfe e o poker para mim. As principais diferenças
eram, obviamente, os detalhes do jogo e a variância. O
golfe é bastante aleatório - “esfregue o verde (rub off the
green)”, como é chamado - mas se compararmos com a
variância no poker, pode-se dizer que no poker ela é
maior. Tendo que superar longos períodos onde só a
habilidade não compensa, os resultados tornam o jogo
mental ainda mais importante no poker do que no golfe. É
preciso uma mente forte para manter-se bem durante
contínuas sessões ruins, e naquela época, Dusty estava
realmente lutando contra isso.
Ele era tão bom professor quanto aluno. Aplicando sua
ética de trabalho bem conhecida para o seu jogo mental,
Dusty teve uma rápida melhora na prevenção de “tilt” e
rapidamente pagou pelas nossas sessões com as
economias em equipamentos de informática (mouses,
teclados e monitores) que não eram mais quebrados. Sua
esposa até mesmo me agradeceu na primeira vez que nos
encontramos. Ela já não sabia dizer quando ele ganhou ou
perdeu.

HISTÓRIA DO
CLIENTE
Dusty “Leatherass” Schmidt
3/6 a 25/50 NLHE
TEAM POKERSTARS ONLINE PRO
Autor de “Don’t Listen to Phil Hellmuth“2
e “Treat your Poker Like a Business”3

“Antes de me tornar jogador profissional de poker, eu


jogava golfe profissional. Como um golfista, eu não
podia pagar um psicólogo esportivo, mas eu sabia
como seu impacto era grande; todos no PGA Tour
tinham um. Eu sempre achei que havia uma grande
correlação entre o poker e o golfe, e eu percebi que
um psicólogo esportivo poderia realmente ajudar o
meu jogo de poker, então em 2007, entrei em contato
com Jared Tendler para me ajudar com alguns
problemas de “tilt”.

Foram necessárias algumas sessões até que Jared


tivesse sua cabeça voltada para o poker, mas eu tive
alguns benefícios instantâneos apenas de falar sobre
as coisas, e mais ainda quando ele começou a entender
o jogo. Como um jogador de poker, estou treinado
para entrar na cabeça dos outros, e o papel de Jared
era basicamente a mesma coisa. O maior impacto para
mim não foi o que ele disse, mas como ele entendeu o
processo do meu pensamento. Comecei a perceber que
Jared era mais ou menos o melhor detector de mentira,
e ele não tinha medo de me chamar a atenção em tudo
.... Quero dizer que ele literalmente não me deixava
escapar com qualquer coisa.

Em última análise, isso me forçou a operar de uma


forma muito mais lógica. Muito do que nós jogadores
de poker temos que lidar é ilógico, e minhas lutas com
a variância foram um grande exemplo disso. Jared
uma vez me perguntou: “Quando você olha para a
previsão do tempo e está previsto que vai chover,
você fica bravo quando sai e está chovendo? Então,
por que você sempre fica com raiva quando você sabe
que a variância vai acontecer? Eu absolutamente
odeio quando estou sendo ilógico, e assim que ele me
conscientizou que eu era, eu pude perceber
imediatamente que poderia lidar melhor com a
variância.

Ao invés de cantar mantras, fazer exercícios de


respiração, ou tentar me hipnotizar para não entrar em
“tilt”, mais do que qualquer coisa, Jared me ajudou a
ser apenas mais lógico na forma de encarar o jogo.
Como o primeiro cliente de poker de Jared, agora
estou mais na fase de manutenção. Quando nós
conversamos, frequentemente ele encontra algumas
pequenas falhas no meu jogo mental. Ninguém domina
um assunto para sempre. As mentalidades das pessoas
mudam, as emoções mudam, então trabalhar com Jared
me mantém no topo do meu jogo.”

As melhorias dramáticas no jogo mental de Dusty


levaram-no a tentar me levar para ser um treinador de
destaque no Stoxpoker. Uma vez que nenhum outro site de
treinamento tinha jogo mental ou treinador de mentalidade
na época, foi uma grande oportunidade de expandir a
minha prática ao poker. No entanto, eu estava me
preparando para a minha primeira temporada completa no
golfe profissional. Eu tinha uma escolha a fazer: perseguir
o meu sonho ou seguir uma carreira? Mesmo que eu não
mais tremesse e estivesse jogando o melhor golfe da
minha vida, tornar-me um golfista profissional bem-
sucedido seria uma grande aposta que levaria anos para
pagar. Mesmo que minha exposição ao alto nível de poker
fosse limitada, o poker parecia ser a aposta mais segura.

Eu Não Sou Um Jogador de Poker


“Jared Tendler descobriu este nicho, até onde eu sei.”
—Jesse May, The Voice of Poker

Enquanto eu crescia jogando todos os tipos de jogos de


cartas, incluindo o poker, o poker de alto nível e os
detalhes do poker online eram um mundo totalmente novo
para mim. Eu tinha muito a aprender e eu estava fazendo
isso no trabalho. Comecei a estudar fervorosamente o
jogo para entender melhor o que os jogadores de poker
precisavam de mim. Agora, mais de três anos mais tarde,
eu já treinei mais de 170 jogadores de 25 países, e tenho
ajudado outros milhares, através de recomendações em
vídeos de treinamento, em fóruns de poker, e em artigos
de revistas que eu escrevi. Ninguém com o meu nível de
educação e formação tem mais experiência em trabalhar o
jogo mental com jogadores de poker do que eu.

Muitas vezes me perguntam como eu posso ajudar os


jogadores de poker quando eu sou um “pato” na maioria
dos jogos. A melhor maneira de explicar isso é com uma
analogia. Um mecânico que trabalha em um carro de
corrida não precisa ser um piloto de classe mundial, para
entender como preparar um carro para ganhar. Ele precisa
ter uma profunda compreensão das necessidades do
condutor, as condições nas quais o carro vai correr, e
como o carro funciona, e ele deve ser capaz de
diagnosticar e corrigir problemas rapidamente. Agora que
eu entendo o poker de alto nível, eu sei o que os jogadores
de poker passam, o que eles precisam para executar o seu
melhor, de forma consistente, e como ajudá-los a se
tornarem mais fortes mentalmente. Eu não sou um jogador
de poker, mas quando os jogadores de poker têm
problemas, eu sou seu mecânico.

O Problema com a Psicologia de Poker


Convencional
Minha experiência com a psicologia do esporte no final
dos anos 1990, se reflete nos comentários que recebo
agora de clientes sobre a psicologia de poker
convencional: “Ela ajuda até certo ponto, mas ela não
fixa, especialmente nos momentos que ela deveria ser a
coisa mais importante.” A maior parte da psicologia do
poker que fui exposto su-gere combater à variância e
outras questões do jogo mental com conse-lhos gerais,
respiração profunda, fazer pausas, visualização,
meditação, Programação Neuro-Linguística e até hipnose.
Cada uma dessas estratégias pode ser uma ótima opção a
curto prazo, mas se não resolvermos a(s) causa(s)
subjacente(s) dos problemas do jogo mental, elas voltam a
aparecer, assim como as ervas daninhas crescem de volta,
se você não retirá-las com suas raízes.

Minha experiência no poker confirmou o que eu encontrei


com golfistas: Ao adotar uma estratégia mais profunda
para o jogo mental, soluções permanentes – não
temporárias – podem ser encontradas. O que falta na
psicologia de poker convencional é a profundidade na
teoria e na compreensão de como desenvolver a
habilidade no jogo mental de uma forma real. A sabedoria
popular conhece a finalidade do jogo, então os jogadores
são orientados a não ter medo, a serem confiantes e não
deixar a variância irritá-los; mas para muitos jogadores
isso não é o suficiente. Uma coisa é saber a finalidade do
jogo, e outra bem diferente, é realmente resolver os
problemas que o impedem de chegar lá.

O Jogo Mental do Pato


Em parte, os “patos” são “patos” porque eles acreditam
em coisas que não são verdadeiras. Eles jogam nos jogos
em que têm poucas chances de ganhar sem perceber. Eles
jogam mal e acreditam que jogaram muito bem. Eles são
dominados por outro jogador e acreditam que tiveram
azar. Eles pensam que o seu jogo não precisa de evolução,
e até mesmo se precisasse, não teriam a menor ideia por
onde começar. Eles não têm nenhuma compreensão do que
eles podem ou não podem controlar na mesa, e muitas
vezes pensam: “Eu sabia que o rei estava vindo” ou “Eu
sempre ganho com ás-dama.”

Você pode ser um jogador de poker sólido e vencedor, que


reconhece as deficiências de um jogador ruim, mas, em se
tratando do jogo mental, é provável que você não seja
diferente [do que se está falando]. Um jogador sólido é
um “pato” do jogo mental se ele:

1. Altera uma estratégia que se provou


vencedora porque eles estão se dando
mal/bem.
2. Nunca reconhece quando alguém jogou bem
contra ele e/ou acredita que todos que jogam
contra ele são ruins e só têm sorte.
3. Tenta ganhar todas as mãos.
4. Acha que o resultado final de um jogo pode
ser alterado gritando, orando, ou jogando
com uma mão favorita.
5. Acha ruim quando um jogador está jogando
mal e ainda mostram porquê eles estão
jogando mal.
6. Sente-se como um fracassado quando perde
uma mão que foi jogada de forma lucrativa.
7. Acha que a solução para um jogo que não
está indo bem é parar de jogar ou alterar os
limites [stakes].
8. Lê um de livro de poker, do início ao fim, e
pensa que sabe tudo sobre o mesmo.
9. Vê alguns dos vídeos de treinamento de Phil
Galfond e acha que agora deve ser capaz de
dominar o jogo como ele.
10. Acredita que ele é amaldiçoado ou que as
outras pessoas têm mais sorte do que ele.
11. Acredita que é possível dominar a alma de
outro jogador.
12. [Continua] jogando mais jogos quando ele
está ganhando/perdendo.
13. Joga menos jogos quando ele está
ganhando/perdendo.
14. Não se importa com o jogo quando os limites
[stakes] são baixos e, portanto, joga mal.
15. Permite que as coisas se tornem pessoais
quando joga com outro jogador regular.
16. Conta histórias de bad beats4 para qualquer
um que queira ouvir, enquanto não faz nada
para melhorar a forma como ele reage às bad
beats.
17. Diz “uma vez.5“

Estratégia do Jogo Mental


Pense no jogo mental como um jogo real. Tal como
acontece com qualquer outro jogo, vencer requer
habilidade e uma boa estratégia. Apesar de se ter uma
estratégia não necessariamente significar que você teve
uma ideia nova, ter uma estratégia para o jogo mental
pode ter este significado.

Vencer no jogo mental, por assim dizer, fundamentalmente


não é diferente do que aprender a jogar poker de forma
vencedora: Você precisa de talento, trabalho duro, e
informações corretas. O único aspecto que você não tem
como controlar é o talento. Alguns jogadores são
naturalmente mais talentosos do que você no jogo mental.
Por exemplo, coisas que te irritam podem, até mesmo,
nem aumentar o batimento cardíaco deles ou eles não têm
nenhum problema em jogar poker durante todo o dia,
enquanto você luta para “jogar firme e de forma
consistente por mais de uma hora”. Ver o talento natural
no jogo mental de outros, pode fazer parecer como se
devesse ser fácil para você também. Errado. É fácil para
eles, porque eles têm mais talento. Felizmente, se lhe falta
talento no jogo mental, esforço e informações corretas
podem, eventualmente, torná-lo mais fácil para você
também.

Muitos jogadores também acreditam que as soluções para


os problemas do jogo mental são fáceis, porque o senso
comum de poker faz parecer dessa maneira. Então você
vai ouvir: “Fique calmo, não deixe que o ‘tilt’ se apodere
de você”, “Não pense no dinheiro; tome a decisão
correta”, ou “Respire fundo, seja destemido”. Tudo isso
soa bem, mas é o equivalente a dizer no poker: “Basta
vencer a mão.” Isso, é claro, é todo o desafio do jogo -
desenvolver uma estratégia para ganhar a mão. No jogo
mental, o desafio é desenvolver uma estratégia que você
possa permanecer calmo, focar na decisão e não no
dinheiro e não deixar o medo afetar sua decisão. Não é
tão fácil como o senso comum faz soar.

Mitos do Jogo Mental


Existem muitos mitos sobre o jogo mental. Se você quer
ter sucesso verdadeiro no jogo mental, você precisa de
uma estratégia baseada na lógica do som (sound logic) e
em uma pesquisa mais atualizada. Caso contrário, você
vai criar mais problemas emocionais e acabar perdendo
uma grande quantidade de tempo e esforço. Sua estratégia
estará errada, se você incorporar estes mitos comuns em
seu jogo mental:

Emoções são um problema, e precisam ser


bloqueadas em todos os momentos.
Ou você tem talento no jogo mental, ou não.
Mudar um hábito é tão simples quanto dizer
“não faça isso.”
Você deve sempre parar de jogar, se você
acha que você está prestes a ter um “tilt”.
Você pode ganhar ao se visualizar vencendo.
A chave para sobreviver à falta de
concentração é fazer pausas ou baixar os
stakes/limites.
Jogar o seu melhor jogo é
randômico/aleatório.
O jogo mental é profundo, confuso e
misterioso.

Como Usar Este Livro


Aqui vão algumas sugestões e notas sobre o livro para que
você possa tirar o máximo proveito dele.

1. Este livro aborda as quatro áreas centrais do jogo


mental de qualquer jogador de poker: “tilt”, Medo,
Motivação e Confiança. Existem outras áreas
importantes, como foco, disciplina, tomada de
decisão, e se concentrar no jogo. No entanto,
trabalhando primeiramente no “tilt”, medo, motivação
e confiança, você automaticamente melhora as outras
áreas. O inverso não é verdade, e é por isso que
começamos aqui.

2. Há uma inter-relação entre os problemas que pode


ser importante olharmos de perto. Por exemplo,
problemas de motivação podem ser provocados pelo
“tilt”; problemas de confiança podem ser causados
pelo medo; o “tilt” pode ser causado por pro-blemas
de confiança; e assim por diante. Lembre-se, você é
um pato do jogo mental, por isso, não pense que você
sabe a causa do seu problema. Comece com o que
você sabe e, em seguida, use este livro para ajudar a
descobrir o problema real.

3. Você irá descobrir que há muito o que a trabalhar


no seu jogo mental. Como você não pode trabalhar
em tudo de uma vez, é importante priorizar. Há muitas
maneiras de priorizar o que traba-lhar primeiro. Aqui
estão algumas delas:

Concentre-se primeiramente nos


problemas menores porque eles são
muitas vezes os mais fáceis de se corrigir.
Corrija os problemas que são os mais
custosos.
Corrija problemas que acontecem com
mais frequência.
Corrija problemas que causam mais
turbulência emocional.

4. É como “escolher o seu próprio livro de aventura”.


Você pode pular para capítulos ou seções deste livro
que sejam mais re-levantes para você, depois de ter
lido os capítulos 2, 3 e 4. Além disso, tenha em mente
que as seções que possam parecer não ser relevantes,
elas realmente o são. Evite terminá-las muito
rapidamente.
5. Não leia este livro do princípio ao fim, e pense que
você sabe tudo. O processo de melhoria é mais como
derrubar uma árvore com um machado, em vez de
cortá-la com uma enorme serra; ele acontece de forma
constante ao longo do tempo. Mantenha este livro por
perto, enquanto você trabalha, gradual e
sistematicamente, em diferentes partes de seu jogo
mental. O domínio em qualquer jogo é um alvo em
movimento, por isso há sempre algo para desenvolver
em seu jogo mental.

6. Serão colocadas questões para você durante todo o


livro. Tire um tempo para refletir e responder a estas
perguntas, como se você estivesse sendo questionado
diretamente. Isso torna o material do livro mais
relevante para você, e irá impedir que você seja
enganado, pensando que você tem todos aqueles
problemas que você leu. O ideal seria você anotar as
respostas.

7. Se você se apressar para entender o seu jogo


mental, pode ser que você seja facilmente
sobrecarregado com tantas informações. Como no
poker, se você tiver informação em demasia, isto
poderá deixá-lo confuso. Lendo o livro ou seções
específicas mais devagar, pode fazer parecer que
você vai levar mais tempo para corrigir os seus
problemas, quando no longo prazo, muitas vezes será
mais rápido.

8. Faça o que funciona. As pessoas são diferentes, por


isso é difícil saber o que vai funcionar melhor com
você. Comece seguindo as estratégias previstas em
cada capítulo para ganhar experiência. Em seguida,
use seu julgamento para ajustar a sua estratégia de
forma que faça sentido para você. É igual a você
adquirir um novo conceito de poker e moldá-lo para
encaixar no seu jogo.

9. Não siga literalmente cada palavra do que está


escrito no livro. Mesmo que se encaixe
perfeitamente, dê um passo atrás para pensar como
cada ponto se aplica especificamente a você. Fazer
isso ajuda a fixar o material e personalizar as
estratégias.

10. Depois de trabalhar em seu jogo mental no poker,


você poderá começar a aplicar as técnicas neste
livro para coisas fora do poker, como esportes,
negócios, investimentos, exercícios, namoro e
relacionamentos. Por também usá-lo fora do poker,
você estará efetivamente treinando para ser eficiente
em outras atividades, que o ajudará a aprender e
melhorar o seu jogo mental no poker. Isso é
especialmente verdadeiro quando o mesmo pro-blema
acontecer no poker e fora dele.

1 N.T. Vamos usar pato no sentido de freguês, ou seja, jogador que perde
sempre.
2 (Imagine Media, 2011)
3 (Imagine Media, 2010)
4 N.T. Bad beat = Uma mão onde o jogador é o favorito e perde por falta de
sorte.
5 N.T. One time = É o que um jogador diz quando está perdendo a mão e
precisa ter mais sorte. Eles querem ter sorte pelo menos “uma vez”, mas na
realidade eles falam isto o tempo todo.
2
FUNDAMENTOS
ERROS NA FORMA de perceber a aprendizagem e o
desempenho podem causar problemas no jogo mental.
Quando os jogadores sabem o que esperar, eles não lutam
contra o que eles acham que é verdade, e assim, eles têm
como se preparar dentro da realidade do que é
verdadeiro. Problemas com “tilt”, medo, motivação e
confiança podem ser eliminados simplesmente por uma
melhor compreensão de como aprender e executar.

Este capítulo detalha as três teorias que formam a base de


uma estrutura organizada e lógica para melhorar seu jogo
mental. Mais adiante no capítulo, um cliente descreve
como ele usou essas teorias para resolver o seu problema
de “tilt”.

As três teorias fundamentais são:

O Modelo de Aprendizagem dos Adultos:


Descreve os quatro diferentes níveis do
processo de aprendizagem.
Lagarta: Mostra como as melhorias
acontecem ao longo do tempo.
O Modelo do Processo: Facilita a jogar o
seu melhor de forma consistente e melhorar
ao longo do tempo.

No curto prazo, pode parecer mais complexo entender


qual seria a melhor forma de aprender e executar as
coisas, mas no longo prazo você terá as informações
necessárias para tornar mais simples a resolução dos seus
problemas do jogo mental. Além disso, estas três teorias
podem ser usadas para melhorar a sua verdadeira
habilidade no poker.

O MODELO DE APRENDIZAGEM
DOS ADULTOS
Ao aprender uma habilidade particular, o processo é
previsível e tem início e fim distintos. Enquanto os
jogadores diferem em aspectos únicos de aprendizagem,
tais como a rapidez com que aprendem, o que é fácil para
eles e onde eles se perdem, o processo global é
exatamente o mesmo.
O “Modelo de Aprendizagem dos Adultos6” (ALM, sigla
em inglês) é uma teoria simples que define os quatro
níveis distintos do processo de aprendizagem. Os quatro
níveis são:

Nível 1 — Incompetência Inconsciente.


Você nem mesmo sabe o que você não sabe.
Em outras palavras, você não enxerga as
formas que lhe faltam habilidade, o que não é
necessariamente bom ou ruim. Para alguns
jogadores a ignorância é felicidade.

Nível 2 — Incompetência Consciente.


Agora você está consciente do que você não
sabe. Mas isso não o torna habilidoso, isso
significa apenas que você sabe quais são as
competências que você precisa melhorar.
Tornar-se consciente acontece a partirdo seu
próprio entendimento ou do que é comparti-
lhado com você por outra pessoa.

Nível 3 — Competência Consciente. Se


você chegou a este nível, significa que você
já fez algum trabalho e/ou repetiu o suficiente
para ganhar um pouco de habilidade. O único
problema é que, a fim de ser habilidoso, você
precisa pensar sobre o que você aprendeu. . .
caso contrário, você volta a ser incompetente.

Nível 4 — Competência Inconsciente.


Neste nível, você aprendeu algo tão bem, que
agora é totalmente automático e você não
precisa pensar. Competência inconsciente é o
Santo Graal da aprendizagem, e de longe, o
conceito mais importante neste livro.

Estes níveis fazem sentido quando você começa a pensar


nas suas próprias experiências ao aprender poker ou
qualquer outra coisa. Um exemplo familiar que mostra a
ALM em ação é aprender a dirigir um carro.

Lembre-se de quando você era uma criança pequena e


pensava em dirigir um carro. Você mal sabia o que um
carro era, e muito menos a forma de conduzi-lo. Este é a
incompetência inconsciente. Então, quando adolescente,
você tornou-se muito mais consciente do que era dirigir e,
talvez, sentiu-se frustrado pelo fato de que você não
poderia dirigir. Você tornou-se consciente de sua
incompetência.

Agora pense em quando você esteve ao volante pela


primeira vez. A fim de dirigir um carro, você primeiro
precisaria aprender a: guiar, pisar no acelerador, prestar
atenção à estrada e mudar a estação de rádio, tudo ao
mesmo tempo; estacionar paralelamente; ajustar à
velocidade do tráfego rodoviário; e lidar com milhares de
situações únicas. Então, você precisava se concentrar e
pensar em todas estas coisas para que você não matasse
você mesmo ou outros. Esta é a competência consciente.

Depois de dirigir durante anos, você não pensa mais sobre


cada ação necessária para dirigir um carro; sua habilidade
vem naturalmente e com pouco esforço. Você pode lidar
com a condução, ouvir música, conversar com os
passageiros, e com situações extremas que surgem, tais
como condições climáticas adversas, tudo sem pensar
muito. Dirigir é agora uma habilidade treinada no nível de
competência inconsciente.

Para começar a olhar para a forma como a ALM se aplica


ao poker, pense um minuto sobre:

1. Quanto que você sabia na primeira vez que


você jogou poker.
2. A complexidade de processo de seu
pensamento quando toma as decisões do jogo
de poker agora, em comparação com quando
você realmente começou a tentar melhorar.
3. Um erro que você descobriu recentemente.
4. Decisões na mesa que são tomadas
automaticamente.
5. Os erros que não acontecem mais.

Um bom exemplo no poker, que


FALHAS SÃO demonstra os níveis de ALM, é
a seleção das mãos iniciais.
HABILIDADES
Quando você jogou pela
primeira vez, você pode até
Na sua
mesmo não ter tido
Competência
conhecimento do conceito e
Inconsciente
jogado muitas mãos. Mesmo
também existem
com algum conhecimento das
falhas ou antigos
mãos iniciais, na primeira vez
hábitos no seu
que você jogou, é improvável
jogo técnico de
que você tenha tido qualquer
poker, assim como
pista de por que pagar um 3-bet7
seu jogo mental.
fora de posição com QJo seria
Basicamente, você
um erro. Então, se você fosse
continua muito
inconscientemente incompetente
bom nos seus maus
hábitos, mas você sobre o conceito como um todo,
ou apenas sobre o refinamento
não quer mais sê-
dos detalhes, de alguma forma,
lo.
este seria um ponto fraco e você
não sabia disso.
Agora, imagine ir para algumas semanas ou meses depois
que você começou a aprender mais sobre como jogar
poker, e especificamente sobre a seleção das mãos. Você
pode ter tido informações sobre isso de um amigo, ou de
um livro que defende o valor de certas mãos em
determinadas posições, de um adversário que lhe
repreendeu por ter jogado um QJo,8 ou, ao jogar mais,
você começou a perceber que você tinha sempre o
segundo melhor jogo com muita frequência. Você ainda
não tinha certeza de quais mãos você deveria jogar, mas
você sabia que algo estava errado. Simplesmente
perceber que você estava cometendo erros na seleção de
mãos não queria dizer que você era bom no que fazia, só
que você precisava trabalhar nisso. Uma maneira fácil de
saber que você está no nível de incompetência consciente
é você ter reconhecido um erro pela primeira vez.

Depois de jogar e estudar mais, você sabe os prós e


contras de todas as possíveis mãos iniciais. Você sente
como se você estivesse melhorando; você está no controle
das mãos que está jogando e as coisas estão boas. . . até
que você perca o foco no final de uma longa sessão, ou
que você fique frustrado por ter perdido alguns grandes
pots. . . Agora, de repente, você se volta para os velhos
hábitos e começa a jogar mãos que você sabe que não
deveria. Os erros são óbvios depois, mas isso só reforça
o fato de que você realmente não sabe as mãos corretas
para jogar tão bem quanto você pensou. Neste ponto do
processo de aprendizagem, você ainda precisa pensar
sobre quais mãos jogar, caso contrário, você comete
erros.

Depois de mais experiência, mais trabalho e mais


aprendizado, seu trabalho está finalmente completo.
Agora, quando você recebe mãos mar-marginais (mãos
especulativas), mesmo em “tilt”, você as joga fora sem
nenhum pensamento, um insta-fold.9 É um novo hábito ou
uma decisão tomada automaticamente. É necessário muito
trabalho para chegar até aqui e o benefício vale a pena.
Agora você não precisa mais pensar em mãos iniciais
para ser bom nisso, e por causa disso, sua mente está livre
para aprender algo novo.

Quer se trate de mãos iniciais ou do controle de “tilt”, há


um limite para o quanto sua mente pode pensar em um
dado momento. Você só pode trabalhar em partes do seu
jogo de cada vez. Como resultado, é fundamental saber em
que nível da ALM estão suas habilidades, para que você
saiba no que se concentrar para melhorar. Se você já não
precisa mais pensar para ser bom, você tem mais espaço
mental para trabalhar em outra fraqueza em seu jogo, e
movê-lo, eventualmente, de incompetência consciente ao
nível de competência inconsciente. No entanto, se você
voltar aos velhos hábitos, você claramente precisa de
mais trabalho, não importa o que você pensou.

Na realidade, o processo de aprendizagem tem muitos


outros pequenos passos, além do que a ALM especifica,
mas como uma teoria geral, ela é brilhantemente simples e
extremamente importante para o seu jogo.

LAGARTA
“Lagarta” é um conceito com um nome estranho, que ajuda
a tornar o processo de melhoria ao longo do tempo mais
fácil de entender. Lagarta não é uma ideia nova e
revolucionária; é apenas uma observação de como você
pode melhorar ao longo do tempo, e algo que você,
provavelmente, nunca pensou anteriormente. Entender
esse conceito de forma mais clara vai ajudar você a:

Tornar-se mais eficiente em sua abordagem


para melhorar.
Melhorar com consistência, ao mesmo tempo
que evita armadilhas comuns.
Evitar lutar contra uma realidade que você
não pode mudar.
Saber onde uma habilidade está no processo
de aprendizagem.
Saber lidar com os altos e baixos naturais da
melhoria no aprendizado.

Haverá momentos em que você se sentirá como se


tivesse dado um enorme passo para trás, como se não
tivesse progredido nem um pouco, ou retomado velhos
hábitos. A próxima vez que isso acontecer, volte a esta
seção.

Compreender o conceito de “lagarta” começa por olhar


mais de perto para a área natural que existe na qualidade
do seu jogo de poker ou no seu jogo mental. Pense por um
momento sobre a qualidade de suas decisões no poker ao
jogar o seu melhor absoluto e quando jogar o seu pior. Em
outras palavras, quão boa ela fica quando você está
jogando bem, e quão ruim ela fica quando você está
jogando mau?

Para ilustrar um ponto, digamos que você avaliou a


qualidade de cada decisão que você fez na mesa de poker
(o seu melhor, pior, e tudo o que estiver entre eles) nos
últimos 6 a 12 meses em uma escala de 1 (pior) a 100
(melhor) e os colocou num gráfico. O que você irá ver no
gráfico é uma curva em forma de sino.
O lado direito ou o lado positivo representa suas melhores decisões.
O lado esquerdo ou o lado negativo representa suas piores decisões.

Esta curva de Gauss ou Curva Normal mostra a faixa


natural que existe no seu jogo e no jogo de qualquer
jogador de poker do planeta – até mesmodos
shortstackers10 - (embora a deles seja a mais estreita).
Enquanto você jogar poker, você sempre terá aspectos do
seu jogo que representam o pico de sua capacidade, e o
outro lado da moeda, o seu pior. Sempre. Um poker
perfeito não é possível ao longo de um grande número de
partidas. Há momentos em que você joga perfeitamente e
outros momentos em que você não o faz. Poker é um jogo
dinâmico que está se tornando mais competitivo. Isto
significa que a definição de perfeição, até mesmo de um
jogo sólido, é um alvo em movimento. Enquanto o seu
jogo estiver evoluindo, significa que você está
aprendendo. Se você está aprendendo, significa que há
intervalo na qualidade de sua tomada de decisão.
Poker não é o único caso em que existe intervalo. Está em
toda parte que você olha, especialmente em esportes
profissionais. Pegue qualquer jogador em um grande
esporte profissional e avalie a qualidade do seu conjunto
de habilidades, de uma amostra que seja grande o
suficiente e você verá uma curva normal. Os jogadores de
beisebol batem home runs e fazem capturas de mergulho,
bem como fazem “strike outs” e cometem erros.
Quarterbacks fazem lançamentos perfeitos de quarenta
jardas passando por coberturas apertadas e depois sofrem
interceptações terríveis. Jogadores de futebol fazem
passes milimétricos para um gol e também fazem passes
muito ruins ou chutam a bola com a canela.

Ao observar seu jogo mais de perto, para o melhor ou o


pior, é importante ser honesto sobre a realidade do
intervalo que existe. Não é o que você deseja que seja a
realidade, mas o que ela realmente é. Dê uma olhada nos
pontos fortes em sua tomada de decisão, representado
pelo lado direito de sua curva normal. Estas são decisões
que acontecem quando o seu pensamento é perfeito, então
elas vêm facilmente, porque você tem uma sólida
compreensão de seus adversários e você está no fluxo do
jogo. Geralmente, você tem uma grande mentalidade e está
focado.
O lado direito também inclui novas informações obtidas a
partir de suas próprias observações, vídeos de
treinamento, conversas com outros jogadores, etc., o que
permite que você tome decisões ainda melhores do que de
costume. Lembre-se, estas são habilidades no nível da
competência consciente e ainda não podem ser
consideradas como uma parte sólida do seu jogo.

Do outro lado da curva normal estão todas as decisões


terríveis que você toma. Estes são todos os erros que você
sabe que não deve cometer, mas ainda o faz. Muitas vezes,
estes estão diretamente ligados a problemas do jogo
mental, tais como, quando dá um branco na sua mente num
grande pot e você desiste da melhor mão; lê de forma
equivocada as atitudes de um adversário porque você está
entediado e o seu terrível blefe é pago; ou “tilt” e joga
muitas mãos de forma muito agressiva. Claramente, estas
são todas as coisas que você quer fora do seu jogo,
porque elas não só custam muito dinheiro, mas elas criam
mais problemas de frustração, confusão e confiança. Este
livro destina-se a ajudá-lo a melhorar o intervalo ruim da
sua faixa do jogo mental, o que significa que não só estes
óbvios erros de poker irão embora, como também que
você vai jogar mais perto de seu pico mental, e com mais
frequência.
O conceito de “lagarta” entra em cena, quando você olha
como a faixa em seu jogo de poker ou mental melhora ao
longo do tempo. A curva normal é um retrato de uma dada
amostra, enquanto que a melhoria é o movimento de uma
curva normal ao longo do tempo; algo como uma lagarta
(lagarta) real ilustra, perfeitamente, na forma como ela se
move.

Uma lagarta parece uma curva normal.

Se você nunca viu a forma como uma lagarta se move, ela


começa esticando seu corpo reto, fixa o “pé” da frente, em
seguida, levanta a parte de trás, se dobra ao meio para
trazer as duas extremidades mais próximas, fixa o “pé” de
trás, em seguida, estende seu corpo reto novamente, e dá
mais um passo adiante.
Quando você chegar a um novo pico em sua habilidade, a
extremidade dianteira de seu intervalo dá um passo
adiante. O seu melhor só se tornou melhor, o que também
significa que seu intervalo aumentou, porque a pior parte
do seu jogo ainda não mudou. A maneira mais eficiente de
avançar novamente é mudar o seu foco para a parte de trás
de seu intervalo e fazer melhorias em suas maiores
fraquezas. Ao eliminar o que é atualmente a pior parte de
seu jogo, sua curva normal dá um passo adiante a partir da
parte de trás, e agora é mais fácil dar mais um passo
adiante a partir da parte da frente.

O conceito “lagarta” ilustra como a melhoria consistente


acontece, ao se dar um passo adiante à frente de sua curva
normal, seguido por um outro passo adiante na parte de
trás. As implicações deste conceito são as seguintes:

1. A melhoria acontece dos dois lados: melhora


a fraqueza e melhora o seu melhor.
2. Jogar o seu melhor é um alvo em movimento,
porque é sempre relativo ao intervalo atual
em seu jogo.
3. Você cria o potencial para um A-game ainda
maior quando você elimina seus C-games
mentais e de poker, porque o espaço mental é
liberado para aprender coisas novas. (Sim, a
qualidade do seu pico ou zona mental pode
realmente melhorar também.)

HISTÓRIA DO
CLIENTE
Niman “Samoleus” Kenkre
5/10 a 25/50 NLHE
INSTRUTOR DE POKER NO BLUEFIRE

“É meio incomum; na realidade eu realmente comecei


a conversar com o Jared quando eu estava muito triste,
e no topo do meu jogo. Eu tinha sido um profissional
de sucesso há mais de cinco anos, mas tive momentos
difíceis no final de 2009. Eu estava jogando muito
mau e um pouco confuso mentalmente. Separei meu
jogo pessoalmente e busquei o Jared quando eu estava
jogando bem, pois pensei que estando num melhor
estado de espírito, iria tirar melhor proveito. Além
disso, eu imaginei que trabalhando com ele poderia
evitar que o meu jogo piorasse novamente.
Eu estava muito cético por trabalhar com um treinador
do jogo mental; o que ele iria me dizer que eu não
tinha ouvido antes? Eu esperava coisas idiotas como
“mantenha a calma”, “não se preocupe com os
resultados ‘’, visualize-se vencendo,” blah, blah, blah
– coisas que você lê em fóruns. Fiquei realmente
surpreso; Jared tem um fantástico sistema de
aprendizagem e isso teve um efeito muito imediato e
enfático em mim.

Ele falou sobre os conceitos, como o efeito “lagarta”,


em um contexto que eu nunca tinha pensado. Perceber
como a parte da frente se encaixa com a parte de trás
foi de abrir os olhos. Eu sempre pensei no meu
(melhor jogo) A-game e no meu F-game (pior jogo)
como duas coisas separadas. Jared me ajudou a
entender como eles trabalhavam juntos, o que tornou
muito sistemática e clara, a forma como melhorar
como um jogador global. Agora eu entendo que
quando eu estou jogando meu pior jogo, eu tenho que
trabalhar duro para torná-lo um pouco melhor, para
que não seja tão ruim amanhã.

Eu também não entendia como as emoções faziam


parte do modelo de aprendizagem.
Surpreendentemente, apenas saber mais sobre isto, fez
com que eu abandonasse completamente o efeito que
as emoções negativas tinham no meu jogo.
Anteriormente, eu levava bad beats e deixava que
jogadores ruins ganhassem, e reagia como um homem
das cavernas – ‘esse cara estava roubando meu
dinheiro !!!’ Eu não tinha estrutura para compreender
essas emoções, e então tudo dava errado. Todo o
conceito de competência inconsciente ajudou a mudar
totalmente tudo isso, além de como eu poderia
trabalhar no meu jogo.

Competência inconsciente pode ser a coisa mais


importante que Jared me ensinou. Quando eu estava
em “tilt”, uma de minhas fraquezas era que eu ficava
frustrado quando jogadores usavam o 3bet em posição
com mãos que não deveriam estar jogando. Eu então
superestimava minhas mãos, e ficava realmente em
“tilt” com a forma que eles estavam jogando. Era a
minha área mais fraca, e eu sabia que eu não estava
jogando bem, mas não conseguia me concentrar. Jared
riu e perguntou: “Então os seus adversários não estão
autorizados a jogar de maneira que seu jogo fique
pior?” Ver isto nesse contexto me fez perceber de
imediato que a minha reação emocional estava
tentando proteger a minha maior fraqueza. Consertei
essa falha, e agora quando me deparo com essas
situações, minha cabeça está muito melhor. Ainda é
frustrante, mas meu jogo não dá errado, porque jogar
bem nessa situação agora está fixado no nível de
Competência Inconsciente.

Agora, a cada dia que eu jogo, eu penso em meu jogo


no contexto do modelo de aprendizagem. Minhas
emoções induzidas por “tilt” são muito menos
frequentes, e quando acontecem, elas não afetam meu
jogo tanto quanto antigamente. Isso é outra coisa
importante que eu aprendi com Jared. Depois de duas
sessões, eu percebi que deveria ter este estado “Zen”
e não deveria estar em “tilt” por bad beats, porque eu
agora havia ‘entendido’.

As emoções estarão lá, e saber disto faz com que elas


se tornem mais fáceis de lidar. Já sou um jogador
profissional de poker há cinco anos, e o que mais teve
influência positiva no meu jogo foram as minhas aulas
com Jared, e nada foi melhor do que isto.”

Dois Erros Comuns de Aprendizagem


Para melhor entender como o efeito “lagarta” se aplica
especificamente ao poker, aqui estão dois erros comuns
que os jogadores muitas vezes cometem, juntamente com
uma solução para cada um deles:

Ignorar as Fraquezas. Quando os jogadores


constantemente aprendem coisas novas, ao evitar, ignorar,
bloquear, ou proteger suas fraquezas, sua curva normal
fica cada vez mais plana. Quando os pontos fracos não
melhoram, então o a parte de trás não se move. Eles
também têm várias novas habilidades para usar, por isso,
quando eles estão no seu melhor, eles são melhores do que
nunca. O problema é que se somente aprenderem
exclusivamente coisas novas, eles criam um grande
intervalo em seu jogo, o que significa que é preciso um
grande esforço mental para pensar em todos esses novos
conceitos.

Se você não tiver uma mente afiada, há uma dramática


queda no seu jogo. Então, quando você está no seu melhor,
você está melhor do que nunca; mas quando o seu jogo vai
mau, ele fica então muito ruim.

Aqui estão algumas outras consequências para essa


abordagem à aprendizagem:

Jogar o seu melhor exaure sua energia, então


isso não acontece com muita frequência.
Os erros, muitos deles básicos, aparecem
completamente do nada.
Parece como se você parou de melhorar, e o
seu jogo estagnou.
Você tem muito o que pensar e muitas vezes
se confunde ou perde detalhes importantes de
uma mão.

Para piorar as coisas, todas as novas informações que


você adquiriu estão em processo de fixação, então elas
não vão aparecer quando você estiver em “tilt”, perder o
foco, se cansar, ou estiver nervoso em pots muito altos.
Quando qualquer um desses problemas do jogo mental
acontece, parece que alguém lhe puxou o tapete, e agora
você está deitado no chão (a parte de trás de sua curva
normal) com a sua confiança abalada, imaginando o que
diabos aconteceu. Para alguns jogadores, isso os leva a
questionar tudo em seu jogo, o que acelera a queda-livre
como um avião em uma espiral de morte.

A consequência de não trabalhar as suas fraquezas, e


aprender exclusivamente coisas novas, pode ser a
diferença entre ser um pequeno perdedor, e um vencedor
sólido. Impedir que isso aconteça é realmente muito
simples: você deve manter o foco na correção de seus
pontos fracos até que seja treinado para o nível de
Competência Inconsciente, especialmente após o seu A-
game melhorar. Fazer isto o mantém humilde, irá lhe
lembrar seus pontos fracos e é a forma mais eficiente para
o seu melhor evoluir.

Comparando o seu pior com o seu melhor. O efeito


“lagarta” também tem uma outra lição importante, que vem
a calhar quando seu jogo está sob pressão, por estar em
uma fase ruim, em “tilt”, ou com falta de motivação e
foco. Durante estes tempos, é especialmente difícil manter
uma perspectiva adequada, especialmente por ter tido
melhorias no seu poker e em seu jogo mental. Mesmo
reconhecendo, realmente, que a melhoria possa não
parecer ser muito grande, ela poderá ser fundamental para
ajudar a mudar as coisas.
A única maneira que você poderá provar que a parte de
trás do seu jogo deu um passo adiante, será através da
análise de seu jogo no seu pior, comparando-a com o seu
pior, durante um momento difícil jogado antes. Então, ao
invés de comparar o seu jogo no seu pior com o seu pico
recente, que pode parecer ter quilômetros de distância e
fazer você se sentir pior, compare maçãs com maçãs, ou
seja, o seu pior com o seu pior antes. Lembre-se, é sob
intensa pressão que você depende fortemente de
competências no nível da Competência Inconsciente;
assim, para melhor ou pior, o que se mostra nesse ponto te
dá uma visão perfeita das maiores fraquezas em seu jogo.

Comparando a sua pior atuação agora, com o que você era


antes, lhe permite provar que a parte de trás de seu
intervalo melhorou. Por exemplo, você pode não estar
completamente livre do “tilt”, mas em comparação com o
que você era antes, você está mais consciente do seu
padrão de “tilt”, gerencia o seu “tilt” melhor, então você
pode jogar melhor por mais tempo, e sair mais cedo,
quando não é mais possível recuperar um processo de
pensamento sólido. Basicamente, você está procurando
ver o seu pior melhorar; e vendo que você melhorou no
meio de um período difícil, poderá lhe dar o tão
necessário impulso de confiança.
O MODELO DE PROCESSO
“O modelo de processo” organiza as partes naturalmente
recorrentes de todo o seu jogo de poker, para que você
possa colocar os princípios da ALM e o efeito “lagarta”
em prática, dia após dia. O resultado final é jogar
constantemente em um nível elevado, ao mesmo tempo que
você faz melhorias constantes em seu poker e em seu jogo
mental. O modelo de processo também se aplica a uma
única mão, uma única sessão ou torneio, um mês do jogo,
um ano, ou uma carreira.

O modelo de processo não inventa nada de novo, mas


ordena um pouco as coisas que você já está fazendo, cria
um fundamento para conseguir o domínio, melhora o
pensamento com foco nos resultados e, finalmente, leva ao
jogo mais consistente.

O modelo de processo tem 5 partes que trabalham juntas:


1. Preparação/Aquecimento: O que você faz
antes de jogar. Se planejado, aleatório, ou
nada disto, esta é a forma como você se
prepara.
2. Desempenho: Jogar poker.
3. Resultados: Efeito do seu jogo.
4. Avaliação: Revisão dos seus resultados logo
após o jogo.
5. Análise: Trabalhando ativamente para
melhorar seu jogo fora da mesa

O modelo de processo é algo que se aplica a qualquer


coisa na vida que envolve desempenho. Você já passou
por isto muitas vezes na sua vida, como por exemplo, em
esportes, namoro, música, arte, redação, negócios e claro,
em poker. Mesmo que você não esteja consciente no
momento que você usa o modelo de processo, de alguma
forma você está.
A seguir, apresentamos uma visão mais detalhada sobre o
modelo de processo, na forma que ele é aplicado ao
profissional de futebol (Americano) e no poker.

Preparação/Aquecimento
No futebol americano profissional, a preparação começa
logo após o último jogo e termina pouco antes do pontapé
inicial. Ao longo da semana, treinadores e jogadores
revisam a fita do jogo, suas corridas, levantam pesos,
analisam os adversários, formulam uma estratégia e
praticam essa estratégia, tudo com a intenção de estarem
prontos para jogar em alto nível e ganhar. No dia do jogo,
os jogadores e treinadores seguem uma rotina estruturada
para aquecer seus corpos, concentrar suas mentes e rever
a sua estratégia tática para que estejam prontos para
competir. Eles correm, ensaiam jogadas, ouvem música,
conferem equipamentos e instigam-se uns aos outros.

Embora os detalhes sejam muito diferentes no poker, a


intenção da preparação permanece a mesma: estar pronto
para executar o seu melhor e vencer. Parte do motivo da
preparação ser tão importante no poker, é por causa do
intervalo que existe na qualidade de seu jogo. Toda vez
que você se senta para jogar, você pode jogar muito bem,
ou pode jogar terrivelmente. A preparação fornece uma
maneira de tornar mais provável que você desempenhe na
parte da frente de sua capacidade, e menos provável que o
seu pior apareça.

A preparação faz com que com seja mais provável que você desempenhe
no seu melhor (na parte da frente do seu intervalo), e lhe coloque em uma
posição para que jogue melhor que nunca.

Como você se prepara é uma questão de preferência


pessoal, que é baseada em seus objetivos gerais. Não há
regras rígidas e rápidas que façam com que a preparação
seja ideal, porque em última análise, é fazer tudo aquilo
que faz mais sentido para você.

Aqui estão algumas coisas básicas que você pode fazer


para se preparar para jogar:

Reveja seus objetivos de longo prazo e


defina metas para a sessão.
Reveja a lista com as correções para seus
erros mais comuns no poker.
Reveja sua estratégia para melhorar
problemas do jogo mental.
Use a respiração profunda, a meditação e/ou
visualização para firmar e focar a sua mente.
Ouça uma música favorita.

Para obter mais instruções sobre como preparar, vá


para o Apêndice I.

HISTÓRIA DO
CLIENTE
Dusty “Leatherass” Schmidt
3/6 a 25/50 NLHE
POKERSTARS TEAM ONLINE PRO
Autor de Don’t Listen to Phil Hellmuth e Treat Your
Poker Like a Business

“Antes de começar a trabalhar com Jared, eu não me


preparava antes de jogar, o que me deixava muito mais
vulnerável aos efeitos de uma “falta de concentração”.
Eu realmente não queria ficar chateado se eu tivesse
uma fase ruim; ficar chateado me tornaria estúpido e
eu não queria ser estúpido. Mais do que tudo, eu não
queria que o Jared me chamasse à atenção pelas
minhas besteiras novamente. Por isso, desenvolvemos
uma rotina pré-jogo que me preparava para um fase
ruim.

A preparação é essencial. Eu sempre soube que seria


prejudicial para mim não me preparar antes de um
torneio de golfe; realmente, eu nunca sequer pensei em
fazê-lo. Agora eu me sinto da mesma maneira sobre o
poker. Isto me foi provado recentemente quando eu
chegava em algumas listas de espera, antes de ter me
preparado adequadamente. Mesas começavam a
aparecer; mesas que por acaso eram as “mesas de
Jesus” você não pode deixar passar, então f*&%-se a
rotina mental, eu começava a jogar.

Nos primeiros 5 a 10 minutos, minha mão do mouse


começava a tremer. Eu sei por conta dos vários anos
de experiência, que eu tenho tendência de ficar
nervoso, só quando eu não sei o que estou fazendo. No
golfe isso acontece quando o lance do “putting” falha,
e estou sob pressão no torneio. Eu jogo com muitas
mãos marginais quando eu sei o que estou fazendo,
mas minha mão começou a tremer naquele dia nas
mesas, porque eu não tinha me preparado e não estava
mentalmente pronto para lidar com cartas terríveis. Eu
não joguei o meu melhor e a sessão foi uma bola de
neve, com uma sucessão de erros. Agora eu sempre
me preparo, custe o que custar. Não importa o que, eu
sempre me preparo agora.”

Desempenho
No futebol americano, jogar o jogo é a única oportunidade
que os jogadores e treinadores têm de colocarem em teste
suas habilidades e o trabalho duro. Seus desempenhos
incluem tudo, desde a primeira jogada do jogo até a
última.

O desempenho no poker é tão óbvio quanto, e não precisa


ser repetido. No entanto, o que não é óbvio são as
consequências de quando a preparação ou a avaliação têm
que ocorrer, enquanto você está jogando.

O ideal é a preparação lhe deixar pronto para jogar em


alto nível, desde o início de sua sessão. Se você não fizer
nada para se preparar de antemão, o início da sessão é a
sua preparação. Isso pode significar que você irá jogar de
forma marginal pelos primeiros 10 a 15 minutos, até que a
sua mente esteja totalmente em ação. Consequentemente,
você está menos focado - e você comete erros, você não
consegue ler a mente do seu adversário, o que cria erros
futuros, e torna-o suscetível a outros problemas do jogo
mental.

Idealmente, a avaliação só deve acontecer após a sessão,


quando você puder enxergar, objetivamente, como você
jogou. (Isto é normalmente mais relevante online do que
ao vivo.) No entanto, os jogadores costumam avaliar as
mãos no meio de uma sessão, se fixam em mãos
anteriores, à procura de erros, fazem cálculos de quanto
vão ganhar e verificam o Hold’em Manager11 ou o Poker
Tracker.12 Basicamente, eles estão avaliando a forma
como estão jogando, enquanto jogam. Em outras palavras,
eles estão realizando múltiplas tarefas e, portanto, eles
jogam pior somente por esse motivo.

Remover a avaliação não significa que você tenha que


eliminar os ajustes. Adaptar-se aos seus adversários
significa estar pelo menos, um passo à frente deles,
enquanto você está jogando. Ajustes são fundamentais;
mas a auto-avaliação enquanto você está jogando é
demais. Se você está perdendo muito tempo revisando
mãos anteriores, seus ajustes não lhe são conhecidos de
forma suficiente. O ideal é que eles sejam tão conhecidos,
que isto seja feito automaticamente e sem parar para
pensar (Competência Inconsciente). Caso contrário, você
não é diferente de um quarterback que realiza uma jogada
na linha de “scrimmage” ao invés de fazer uma “audible”
(uma jogada alternativa pré-determinada que seus
companheiros de equipe já conhecembem). Ao invés de
avaliar, marque a mão ou faça uma anotação rápida, e
foque novamente na ação.

PENSAMENTO ORIENTADO PARA


RESULTADOS

O fato de você não ser orientado para os resultados


é algo que recebe muita atenção no mundo do poker
nos dias de hoje. A solução mais frequentemente
dada é ignorar, bloquear, ou separar-se de seus
resultados. Os jogadores sabem que é um erro se
concentrar demais em resultados de curto prazo,
por causa da variância, mas parar é mais fácil de
dizer do que fazer. Quando você se concentra
apenas em vitórias e derrotas, suas emoções se
tornam uma montanha-russa, porque elas estão
ligadas ao dinheiro e à vitória. Sendo focado na
vitória e no dinheiro, no curto prazo, não é o que lhe
causa problemas; é o conjunto de resultados que
você está ignorando.

Você também precisa se concentrar em resultados


qualitativos, para que suas emoções possam unir-se
a fatores que você tem 100% de controle no curto
prazo. O modelo de processo lhe proporciona a
estrutura e a organização para capturar resultados
qualitativos, uma vez que estes não são facilmente
calculados, no fim de uma sessão ou torneio. Use o
modelo para se concentrar cada vez mais na
qualidade do seu jogo, seu jogo mental, e melhorias
gerais; e constantemente suas emoções vão
reorganizar-se em torno deste conjunto de
resultados.

Resultados
Tanto no futebol americano, quanto no poker, há muitas
maneiras de medir o resultado de um desempenho dos
jogadores. Normalmente, os jogadores de poker pensam
nos resultados, principalmente, em termos de coisas
facilmente quantificáveis, tais como dinheiro, vitórias e
derrotas, o número de jogos e horas do jogo e a taxa de
vitórias. No entanto, também é essencial contabilizar
resultados qualitativos, tais como quão bem você jogou, o
seu nível de foco, o grau de controle de “tilt”, e sua
melhoria dos pontos fracos.

Avaliação
A primeira oportunidade para ganhar uma visão objetiva
sobre o que aconteceu durante o jogo é imediatamente
depois de você terminar de jogar. Quando você está
realmente jogando - seja futebol americano ou poker –
você joga o seu melhor, concentrando-se intensamente no
jogo em si, e muito menos em como você está jogando.

Após os jogos de futebol americano, a mídia corre


imediatamente para falar com jogadores e treinadores
para obter as suas reações. O que eles compartilham é
uma visão rápida de algumas coisas que eles notaram ou
como eles se sentiram no momento, mas não os detalhes
sólidos. Uma vez de volta ao vestiário, os jogadores
falam uns com os outros e têm mais tempo para refletir
sobre o jogo. Os treinadores também iniciam uma revisão
formal do desempenho do jogador, passando fitas do jogo
e revisando suas próprias decisões, para obter uma
impressão inicial, do que precisa ser trabalhado antes do
próximo jogo.
Os jogadores de poker tendem a se concentrar
excessivamente no di-nheiro, imediatamente após a
sessão, porque ele é mais importante no longo prazo e por
ser tão fácil de calcular. O problema é que, por causa da
variância, somente os resultados monetários são medidas
pouco confiáveis no curto prazo de como você jogou.
Aqui estão algumas maneiras melhores para avaliar como
você jogou:

Observe atentamente as decisões difíceis


para ver como você as jogou.
Estime quanto a variância influenciou os
resultados.
Reveja se você realizou as metas qualitativas
que você definiu antes da sessão. Se você
ficou aquém, por quê?
Revise como você desempenhou nas áreas
que você está tentando melhorar (estratégias
de poker e jogo mental). Você viu algum
progresso?
Se você for analisar as mãos depois, escreva
algumas notas do fluxo do jogo ou
pensamentos sobre elas para que você não as
esqueça.
Dedicar um curto tempo para avaliar a partida também é
uma ótima maneira de:

Colocar o poker de lado quando tiver


terminado de jogar, para você poder ir em
frente com sua vida.
Recompor a sua mente antes da próxima
partida que você for jogar.

HISTÓRIA DO
CLIENTE
Niman “Samoleus” Kenkre
5/10 e 25/50 NLHE
INSTRUTOR DE POKER NO BLUEFIRE

“Eu não uso um HUD,13 mas sempre mantive uma


planilha para fins mo-netários. Além de colocar nela o
tempo despendido, os limites (stakes), e o lucro
líquido do dia, eu também tenho uma coluna para os
meus comentários, que anteriormente tinham sido
apenas coisas como, “Aquele Maldito Estúpido
Burro” que me derrotou. Depois de trabalhar com
Jared, agora tenho duas outras colunas. Uma delas é
uma classificação, onde eu avalio a qualidade do meu
jogo e a outra, é um comentário sobre a qualidade de
como eu lidei com minhas emoções. Agora encontro-
me fazendo esforço para jogar e gerir as minhas
emoções muito bem. Estou menos focado em meu
lucro e mais na minha classificação; eu quero ser
capaz de colocar um 9 ou 9.5 para o meu jogo, e é
assim que agora eu defino o meu sucesso. Agora estou
sendo capaz de fazer isso, honestamente; por exemplo,
eu tive uma sessão perdedora há dois dias atrás, mas
senti que joguei tremendamente bem. Eu me dei uma
boa classificação e terminei o meu dia me sentindo
muito bem.”

Análise
A análise é a fase em que você trabalha ativamente em seu
jogo longe da ação. É o melhor momento para entrar em
maiores detalhes ao ava-liar seu jogo e o jogo dos seus
adversários, bem como trazer recursos adicionais para
garantir que você é um jogador mais forte.
No futebol americano, isto inclui uma análise mais
detalhada da fita do jogo, ao investigar os erros que um
quarterback cometeu, ao fazer a leitura da defesa, que
poderá ser investigada. Talvez uma observação tenha sido
feita erroneamente, porque ele viu algo que não chegou a
acontecer. Enquanto assiste à fita do jogo e revê o seu
processo de tomada de decisão, ele pode descobrir o que
deu errado e, em seguida, usar a semana que antecede o
próximo jogo para corrigi-lo. Fazer esse tipo de trabalho
tedioso não é necessariamente a parte mais divertida de
semana de um jogador, mas muitas vezes é a mais valiosa.

No poker, a análise não tem que ser feita imediatamente


após as sessões; na verdade, às vezes é melhor fazer uma
pausa antes de mergulhar nisto. Há muitas maneiras de
trabalhar em seu jogo, tais como análise de partidas
marcadas, postando e lendo fóruns, assistindo vídeos de
treinamento, fazendo cálculos de ganhos, conversando
com outros jogadores e estudando os jogadores regulares.

Depois que você terminar a análise, pegue o que você


aprendeu e ajuste a sua preparação ou aquecimento para
incluir informações mais atualizadas. Dessa forma, você
estará ainda melhor preparado na próxima vez que você
jogar.
Use o Modelo de Processo Todos Os Dias
Em última análise, o modelo de processo faz com que a
sua abordagem sobre o desempenho e a melhora seja mais
ativa, organizada, mensurável e eficiente. Após você usá-
lo por longos períodos de tempo, você também irá
melhorar a sua capacidade de aprender e alcançar
resultados. Muitas vezes, os jogadores só começam a
trabalhar duro em seu jogo quando eles estão jogando
mau, num período ruim, ou quando seu percentual de
vitórias cai. Por que esperar até que algo negativo
aconteça? Com o poker mais competitivo, os jogadores
ganham uma vantagem ao aprender e melhorar
continuamente. Use o modelo de processo a cada dia que
você jogar, para manter a sua curva de aprendizado
crescendo constantemente, e para que o seu jogo nunca
fique estagnado.

6 Nota do Autor: A origem é incerta. O crédito geralmente é dado a Abraham


Maslow, e ao Dr. Thomas Gordon. Também é conhecido como os Quatro
Estágios de Aprendizagem ou o Modelo de Competência Consciente. Foi
citado em: McHugh, Donal E. 2004. O Golfe o o jogo de liderança: um Guia
para os 18 buracos para o sucesso nos negócios e na vida. Nova York, NY:
AMACOM.
7 N.T. Aumentar uma aposta que já foi aumentada, o mesmo que “re-raise”
8 N.T. Definição de QJo – Queen Jack Offsuit, Dama e Valete de naipes
diferentes.
9 N.T. Desistir de uma mão de forma imediata, sem precisar pensar.
10 N.T. Shortstacker = O(s) jogador(es) que têm menos fichas na mesa (ou
torneio).
11 N.T. Softwares utilizados para ver informações estatísticas sobre o jogo dos
oponentes.
12 N.T. Idem.
13 N.T. Heads up Display – Softwares utilizados para ver informações
estatísticas sobre o jogo dos oponentes.
3
EMOÇÃO
EMOÇÃO NÃO É O PROBLEMA. É a chave para dominar o seu
jogo.

A diferença fundamental entre as abordagens comuns


sobre a psicologia do poker e este livro, se resume em
como a emoção é vista. Quando a emoção é vista como a
causa de problemas nas mesas de poker, faz todo o sentido
que a sabedoria convencional lhe apresse a se tornar
robótico, a enganar sua mente, ou tornar-se insensível à
emoção. Na essência, as táticas tradicionais estão
sugerindo que a raiva, o medo e o excesso de confiança
são inerentemente ruins, e por isso você deve se livrar
deles. É claro que o seu objetivo final é excluir essas
emoções negativas de seu jogo, mas elas são o sintoma e
não a verdadeira causa do por que você joga mau.

Encontrar a causa de seus problemas emocionais requer ir


um pouco mais fundo, e quando o fizer, o papel da emoção
muda completamente. A emoção, uma vez vista como
problema, agora serve a um propósito valioso: destacar
falhas na forma de como você encara o jogo mentalmente.
Na essência, a emoção é alguém dizendo exatamente o que
trabalhar em seu jogo mental. (Se você não tem ideia do
que este alguém está dizendo, você tenta matá-lo.)

Emoções que causam problemas em seu jogo são criadas


quando falhas em sua abordagem para o poker são
desencadeadas por certos eventos ou ocorrências na mesa.
Vamos pegar uma bad beat como exemplo. A bad beat
não provoca “tilt”. Se assim fosse, então cada jogador
teria a mesma reação exata para uma, mas alguns
jogadores continuam a jogar bem, não importa quantas
bad beats eles tomem. Assim, não pode ser a natureza de
uma bad beat que provoca o “tilt”; o “tilt” deve ser
causado por algo mais. É resultado de uma falha na
abordagem de um jogador sobre o poker, como uma forma
de “tilt”, onde um jogador acredita que ele é bom demais
para perder para um jogador mais fraco. Quando esse
jogador, com essa crença, toma uma bad beat contra um
jogador mais fraco, ele previsivelmente torna-se irritado.
Assim, uma bad beat provoca raiva, só quando essa falha
(ou outras como esta) existe dentro do jogo mental do
jogador.
Resolução
Quando você visualiza a emoção como o sintoma e não o
problema, surge uma solução totalmente nova para os
problemas do jogo mental: “resolução”. A resolução
mantém todas as características positivas que as emoções
adicionam ao seu jogo e remove as negativas. Quando
você resolve a principal causa das emoções negativas,
como raiva e medo, elas desaparecem. A resolução pode
soar como uma ideia estranha, mas é algo que você já fez,
e pode fazer regularmente, mesmo sem perceber.

Resolver falhas no jogo mental é a forma como você se


torna mentalmente forte. Os jogadores muitas vezes falam
sobre este conceito, mas poucos entendem como realmente
construir músculo mental. Em vez disso, eles acreditam
que a força mental acontece simplesmente por assumir
uma certa atitude. Essa força é percebida temporariamente
porque você está, essencialmente, fingindo que falhas
fundamentais não existem. Então você se sente confiante,
sem medo, ou por um curto período de tempo livre do
“tilt”, mas seja qual for a força mental que você tenha, é
realmente uma ilusão. As falhas ainda estão lá, escondidas
no fundo, até que elas reapareçam e peguem o seu jogo
mental de surpresa.
Alcançar a resolução significa desenvolver verdadeira
força mental. Enquanto resolução pode ser complexo, todo
este livro é organizado em torno dela, tornando-a o mais
simples possível. Para obter etapas detalhadas para
resolver seus problemas do jogo mental, vá para a página
62.

Mal Funcionamento da Mente


Há uma função básica do cérebro que não é bem
conhecida pelos jogadores, ou até mesmo pelo público em
geral. Não compreender isso impacta diretamente nas suas
tentativas de controlar e corrigir problemas emocionais.

Em primeiro lugar, aqui está um pouco de informação para


ajudar você a compreender como o cérebro funciona. O
cérebro está organizado em uma hierarquia. O primeiro
nível é o lugar onde todas as funções mais importantes do
cérebro estão armazenadas, como batimentos cardíacos,
respiração, equilíbrio e ciclos de sono/vigília. A
Competência Inconsciente também está lá. O segundo
nível do cérebro é o sistema emocional e o terceiro é o
nível mental, contendo todas as funções superiores do
cérebro, tais como pensamento, planejamento, percepção,
conscientização, organização e controle emocional. Aqui
vai uma regra:
Quando o sistema emocional se torna hiperativo, ele
desliga as funções cerebrais superiores.

Tradução: Se suas emoções estão muito altas, você toma


decisões ruins no poker porque o cérebro impede que
você seja capaz de pensar direito. Acontece também o
seguinte:

Sua mente fica em branco.


Você perde peças-chave da mão.
Você superestima a importância de algumas
informações, ou se fixa em informações
irrelevantes.
Você sabe a resposta certa, mas é como se
sua cabeça estivesse em uma névoa.
Você volta aos seus maus hábitos.

Infelizmente, quando as emoções são hiperativas, a perda


de funções cerebrais superiores é algo que ninguém
controla. É uma parte com circuitos interligados de nosso
cérebro que não vai mudar. Muitos de vocês conhecem
como a “resposta de luta ou fuga14“ e sua mente está
essencialmente em mau funcionamento, como se fosse um
computador em curto-circuito.
Como você não pode controlar o fato do sistema
emocional desligar a sua capacidade de pensar, no
momento que você vê as duas implicações dessa regra, é
mais fácil ganhar o controle de suas emoções e, portanto,
melhorar o seu jogo mental.

Primeiro, você deve começar a tentar controlar suas


emoções, antes de chegar ao limite de sua emoção (o
ponto onde as emoções começam a desligar as funções
superiores do cérebro); caso contrário, você está lutando
uma batalha difícil. Muitas vezes, as estratégias do jogo
mental sugerem que é fácil pensar quando você está em
“tilt”. Não é. Seu cérebro desliga sua habilidade para
pensar.

Em segundo lugar, quando você combina esta regra com o


ALM, você obtém uma visão perfeita das habilidades em
sua Competência Inconsciente. Quando suas emoções
estão muito altas e você não pode pensar, você perde o
acesso às competências que estão atualmente no processo
de aprendizagem da Competência Consciente.15 Então o
que resta? Competência Inconsciente. Quando você entra
em “tilt” ou está nervoso em pots muito grandes, o
conhecimento ou habilidade que você usa para tomar
decisões no poker só vem através de sua Competência
Inconsciente. É por esta razão que as nossas decisões são
tão ruins em comparação com o que você espera; tudo o
que está sendo aprendido não aparece. Para entender
melhor como isso pode realmente beneficiar o seu jogo,
vá para as páginas 79 e 166.

Duas Causas da Emoção


Na introdução a este capítulo, a emoção é descrita como
sendo causada por falhas em sua Competência
Inconsciente, desencadeadas por coisas como “bad
beats”, erros e derrotas. Há outro lugar onde a emoção é
criada que é importante levar em conta: a mente.

Emoção produzida em dois lugares

Quando você se torna consciente da ansiedade, raiva, ou


baixa motivação, a mente pode fazer esta emoção se
multiplicar. Então você fica mais ansioso porque você já
está ansioso; você entra mais em “tilt”, porque você
reconhece que está com raiva; sua motivação diminui
porque você está ciente do quão pouco você já tem. Estas
camadas extras aumentam a quantidade de emoção que
você precisa lidar, e tornam mais difícil para você manter
o controle.

Emoção Acumulada
Normalmente, o acúmulo de emoção sobe e desce em um
determinado dia. Depois de um dia que você perdeu um
monte de di-nheiro, a frustração que apareceu durante a
sessão começa a desaparecer quando você tiver terminado
de jogar e, eventualmente, desaparece completamente.
Para alguns jogadores, toda a frustração pode acabar em
poucos minutos, ou num dia muito difícil, ela poderá
acabar em algumas horas, juntamente com um treino na
academia, até desaparecer completamente. De qualquer
maneira, a próxima vez que você sentar para jogar, é
como se a frustração nunca tivesse existido.

No entanto, às vezes, a emoção não desaparece


completamente. Então, na próxima vez que você jogar,
você não estará começando do zero; ainda terá alguma
emoção residual pendente, do seu último jogo. Pode não
parecer muito, mas essa emoção residual (“tilt”, excesso
de confiança, dúvida) significa que o seu limite foi
reduzido e você poderá chegar ao seu limite de emoção
mais depressa. Consequentemente, você entra em “tilt”
mais rápido, você protege uma vitória mais rapidamente,
ou sua mente fica em branco após jogar menos grandes
pots.

O acúmulo de emoção durante vários dias, é o que torna


difícil jogar bem, quer você esteja numa fase boa ou ruim.
À medida que a sessão passa, torna-se cada vez mais
difícil para o cérebro se refazer completamente da
emoção acumulada em sessões anteriores. Acumula-se
pouco a pouco, dia após dia, até que o “tilt” aconteça,
instantaneamente, na primeira mão perdida, ou fará com
que você saia logo após você ter ganho alguns buy-ins,16
porque você agora teme que poderá perder logo.

A emoção também poderá se acumular ao longo de


semanas, meses e anos em torno de uma questão
particular. Vamos usar um jogador que acredita que ele
está sempre numa fase ruim, que ache que ele nunca tem
sorte.17 À medida que os meses e os anos passam, sua
raiva fica mais forte e mais forte quando ele perde
“flips18”, ou um pato leva tudo numa mão com grandes
valores. Esta “carga emocional”, como é muitas vezes
chamada, pesa fortemente em sua mente e faz com que ele
reaja de uma maneira, que parece totalmente
desproporcional ao que aconteceu. Perder um “coin flip”
padrão faz com que ele entre num “tilt” insano, porque ele
está reagindo a todos os “coin flips” que ele perdeu no
passado, e não apenas este.

Esta “emoção acumulada” ou carga emocional é a parte


mais difícil do jogo mental a se melhorar. A razão é que
você tem que lidar com a emoção criada hoje com a
derrota, com erros, ou com uma fase boa, além de ter que
lidar com a emoção prolongada criada por estas questões
ao longo do tempo. Quando iniciada, a intensidade é tão
forte que rapidamente domina sua mente e sua capacidade
de se manter no controle; então você entra em “tilt”
instantaneamente, se “congela” mentalmente nas grandes
apostas, ou pensa que você é um deus do poker. A única
maneira de você permanecer no controle nesse momento,
é se concentrar na preparação feita anteriormente para
reduzir a emoção acumulada.

Conceitualmente, o trabalho necessário longe da mesa do


jogo para resolver a emoção acumulada, não é diferente
de trabalhar em uma área complexa de conhecimentos
técnicos de poker, que você não pode fazer durante o jogo,
como cálculos complexos de ganhos ou ICM.19 Para saber
mais sobre a resolução de emoção acumulada, vá para a
página 70.

Espectro da Emoção
A emoção existe ao longo de um espectro que aumenta de
intensidade, à medida que se acumula. Cada uma das
quatro grandes emoções abordadas neste livro – raiva,
medo, motivação e confiança, têm espectros:

Raiva vai desde uma pequena frustração até


um “tilt” insano.
O medo vai desde a incerteza até uma grande
fobia.
A motivação vai da preguiça e falta de
esperança até o altamente inspirado.
A confiança vai da total falta de confiança ao
deus do poker com excesso de confiança.

Enquanto isso não pode ser encarado como uma notícia de


abalar o mundo, as emoções que existem ao longo do
mesmo espectro, muitas vezes parecem estar separadas e
aleatórias. Ao invés disso, através da organização de
emoções no espectro adequado, a acumulação de uma
emoção particular torna-se mais fácil de ser reconhecida.
Quanto me-lhor você puder reconhecer o acúmulo da
emoção, melhor você poderá tomar medidas para impedi-
la de superar o seu limite e permanecer em total controle
emocional.

A dúvida, ansiedade, medo e fobia são o acúmulo de incerteza ao longo


do tempo.

Aqui está um exemplo de como a emoção se constrói ao


longo de um espectro: Um jogador pode ter alguma
incerteza após um dia difícil perdendo, sem saber se ele
jogou mal ou se era apenas variância. Em seguida,
passados mais alguns dias, depois de constantemente
enfrentar os intervalos de cartas superiores dos jogadores,
ele começa a duvidar se ele está fazendo as jogadas
certas. Ele começa a hesitar, repensar decisões, ir contra
o instinto, e comete erros. Então, a ansiedade começa a
mostrar-se quando se está jogando grandes pots, porque
ele tem medo de cometer um erro. Eventualmente, esses
erros acontecem porque sua mente não está funcionando
corretamente. Agora, com mau jogo misturado à fase ruim,
a ansiedade começa a surgir, antes mesmo dele sentar para
jogar. Simplesmente pensar em jogar é o suficiente para
desencadear a ansiedade. Ao longo do tempo, o que
começou como uma incerteza se transformou em um forte
medo de perder. Então, ele não joga de forma intensa e
correta e, ao invés disso, passa horas trabalhando em seu
jogo tentando descobrir como jogar perfeitamente e evitar
a derrota.

Desempenho e Emoção
Emoção é essencial para o desempenho. Somente há
problema quando existe muita ou pouca emoção. Isto é
verdade para ambas as emoções positivas e negativas. Ter
muita confiança é um problema porque isso desliga a sua
capacidade de pensar. Estar cansado é um problema
porque você não tem energia suficiente para pensar.

Compreender a relação entre emoção e desempenho,


conforme será mostrado pelo princípio a seguir, irá tornar
mais fácil melhorar o seu jogo mental. A lei de Yerkes-
Dodson20 descreve a relação entre o nível de excitação (o
termo psicológico para a energia, emoção, foco, ou stress)
e o desempenho de um jogador. Esta lei estabelece que o
desempenho me-lhora à medida que suas emoções sobem
... mas só até certo ponto.
Se a emoção continuar a subir e cruzar o seu limite (o
topo da curva), o desempenho começa a declinar, porque
o sistema emocional encerra a sua capacidade de pensar.
Você pode não funcionar tão bem, porque você não pode
pensar tão bem; e se você não pode pensar bem, você não
pode acessar as habilidades que você está aprendendo.

No lado esquerdo da curva, o oposto acontece. Quando


você não tem emoção suficiente para pensar, como ocorre
quando você está cansado ou desmotivado, você precisa
acumular energia suficiente para obter a parte pensante do
cérebro na engrenagem. Caso contrário, você vai jogar tão
mau, como se você estivesse em “tilt”.
A estratégia geral apresentada no próximo capítulo foi
desenvolvida para ajudar a manter seu nível emocional no
topo da curva de de-sempenho. Isso permite que você
jogue o seu melhor poker com mais frequência, ao
resolver os problemas do jogo mental que criam o caos
em seu jogo.

14 N.T. Resposta aguda de stress, que é uma reação fisiológica que ocorre em
resposta a um evento percebido como prejudicial, um ataque ou uma ameaça à
sua sobrevivência.
15 Nota do Autor: Você não perde todas as suas habilidades da Competência
Consciente, porque a quantidade de perda de pensamento está em proporção
direta ao nível de emoção. O que significa que, quanto maior sua emoção
ultrapassar o limiar, menos você pode pensar.
16 N.T. A quantidade de dinheiro que o jogador está limitado a usar, quando
está jogando em uma determinada mesa, o que pode significar, a uma
exigência máxima, um valor máximo ou tanto um mínimo quanto um máximo.
(http://dictionary.pokerzone.com/Buy-in)
17 Nota do Autor: Talvez seja um mau exemplo, já que isto é muito raro em
poker?!
18 N.T. Situações em que as chances de ganhar e perder são de 50%, como
no cara ou coroa (coin flip em inglês).
19 N.T. ICM = Independent Chip Model, atribui o valor à sua pilha de fichas
em um torneio de poker.
20 Nota do Autor: Yerkes RM, Dodson JD (1908). “The relation of strength of
stimulus to rapidity of habit-formation”. Journal of Comparative Neurology and
Psychology 18: 459-482. [A relação da força de estímulo à rapidez da
formação do hábito”]. Jornal de Neurologia e Psicologia Comparada 18:459-
482.
4
ESTRATÉGIA
OS TRÊS PRIMEIROS CAPÍTULOS deste livro definiram o
cenário para as estratégias gerais descritas neste capítulo.
Como as quatro áreas centrais de seu jogo mental – “tilt”,
medo, motivação e confiança – funcionam com as mesmas
regras, são usadas estratégias semelhantes para lidar com
elas. Este capítulo estabelece uma abordagem lógica,
organizada e estratégica para resolver os problemas do
jogo mental. Nos demais capítulos, você vai encontrar
estratégias adicionais e conselhos específicos para cada
questão.

As duas principais estratégias necessárias para a


resolução de pro-blemas do jogo mental são:

1. Injetando Lógica: A estratégia de curto


prazo que contém problemas do jogo mental
enquanto estiver jogando e também dá um
pequeno passo em direção a resolução
destes.
2. Resolução: A estratégia de longo prazo para
corrigir a falta de lógica que está causando
problemas em seu jogo mental.

INJETANDO LÓGICA
“Injetar lógica” é uma estratégia que se constrói fora do
que as pessoas e os jogadores de poker tendem a fazer
naturalmente, quando enfrentam um problema do jogo
mental: falar consigo mesmo para resolvê-lo. É claro que,
às vezes, o que você diz para si mesmo também pode ser
como jogar gasolina no fogo com óleo, tais como, “Eu não
acredito como eu possa ser tão f*&%mente’ azarado”!
Outras vezes, o que você diz para si mesmo pode ajudar
um pouco, como, “É só variância, eu fiz a jogada certa.
Mantenha-se calmo e apenas continue a jogar bem.” A
solução aqui não é tão simples como dizer as coisas
certas para si mesmo. Se fosse assim tão simples, você já
teria resolvido os seus problemas.

A única maneira de corrigir um problema do jogo mental é


permanecer no controle de suas emoções, enquanto você
está jogando. Por exemplo, se você tende a desistir ou
jogar mau por causa do “tilt”, consertar o seu problema de
“tilt” significa que em algum momento, você vai ter que
confrontá-lo diretamente. A “Injeção de Lógica” é o
músculo que você traz para essa luta para retardar, reduzir
ou bloquear o “tilt” (ou outros problemas), enquanto você
está jogando. A “Injeção de Lógica” é uma ponte
necessária para ajudá-lo a obter uma resolução e não é
uma cura permanente. É uma muleta que contém
temporariamente o problema do jogo mental no curto
prazo, enquanto você trabalha para resolvê-lo no longo
prazo.

Injetar lógica funciona melhor quando:

1. Você percebe o acúmulo de emoção, como


“tilt” ou medo, antes de atingir o seu limite
emocional. Caso contrário, você terá uma
batalha árdua para recuperar a capacidade de
pensar com clareza e jogar bem, sem ter que
fazer uma pausa ou desistir (sair do jogo).
Por quê? Uma vez que suas emoções
cruzarem o limite, torna-se cada vez mais
difícil pensar com clareza. Injetar lógica é
realmente apenas pensar. Portanto, se as suas
emoções desligaram a sua capacidade de
pensar, tentar injetar lógica é o equivalente a
tentar correr com um tornozelo torcido ou
quebrado.
2. Sua lógica também corrige a falha
fundamental. A maneira mais rápida de
resolver um problema do jogo mental é
através da injeção de lógica, que também
corrige a falha fundamental que está causando
isso. Basicamente, você está traba-lhando em
direção a dois objetivos de uma só vez.

Injetar lógica não é a única estratégia de bloqueio


existente. Conselhos da psicologia comum de poker
incluem exemplos de estratégias de bloqueio, como
respiração profunda, parar de jogar mais cedo, diminuir
as apostas, meditar, visualizar, fazer exercícios, contar até
10 e dizer a si mesmo para se acalmar. Injetar lógica os
leva a um passo adiante, ao mesmo tempo que irá
trabalhar para resolver a principal causa [que o leva ao
“tilt”]. Respirar profundamente pode ajuda-lo a parar de
entrar em “tilt” hoje, mas não vai chegar à raiz do por que
você entra em “tilt”, em primeiro lugar. Somente quando
você resolver a principal causa da questão mental do jogo
é que ele estará realmente resolvido. Uma estratégia de
bloqueio que também o ajuda a evoluir em direção à
resolução é mais eficaz e eficiente a longo prazo.

Resolver um problema do jogo mental significa que,


eventualmente, você precisa ser capaz de pensar com
clareza nos momentos em que você normalmente não o
faria. Se você está tentando jogar sem entrar em “tilt”,
você tem que lutar ativamente contra o “tilt” e vencer essa
batalha. Se você está tentando jogar sem medo, você tem
que lutar contra seu medo e continuar a jogar bem. Em
essência, injetar lógica é como usar um observador para
acompanha-lo nas últimas repetições do levantamento de
pesos na academia – permitindo que você
progressivamente construa a força para controlar suas
emoções, de uma maneira que você não conseguiria fazer
anteriormente.

Os seis passos a seguir são organizados em torno da


estratégia de injetar lógica. Eles são propositalmente
óbvios e detalhados, para se certificar que aqueles com os
problemas mais difíceis do jogo mental possam fazer
progressos sólidos. Mantenha em mente, que uma vez que
você pegar o jeito dos primeiros quatro, você vai ser
capaz de fazê-los dentro de poucos segundos.

1. Reconhecimento
2. Respiração profunda
3. Injetar Lógica
4. Lembrete Estratégico
5. Repita conforme necessário
6. Parar/Sair
1. Reconhecimento
A fim de evitar que um problema emocional afete seu
jogo, você deve ser capaz de reconhecer que isso está
acontecendo em tempo real e antes de chegar ao seu
limite. Isso pode parecer fácil, mas não é. O poker já lhe
dá motivos suficientes para se iludir, portanto, não deixe
que este seja outro.

Se você trabalhou tanto em seu jogo mental quanto em


suas habilidades técnicas no poker, você não precisaria se
preocupar em dar o alerta de reconhecimento. No poker,
esta habilidade é implícita; mas no jogo mental, muitos
jogadores não têm a capacidade de reconhecer ou
identificar problemas emocionais antes de já ter
ultrapassado o limite. Alguns nem sequer percebem que
estiveram num “tilt” insano por algumas horas até olhar
para cima e ver que já cuspiram 15 “buy-ins”.

O que você está tentando reconhecer é o padrão associado


com a sua questão do problema do jogo mental.
Felizmente, esses problemas não acontecem
aleatoriamente. Eles se repetem muitas vezes, o que lhe
permite aprender, por exemplo, o seu padrão de “tilt”. Seu
objetivo é conhecer todos os sinais que indicam que você
está prestes a entrar em “tilt”. Isto lhe dá um roteiro de
seu problema, para que você possa ver os sinais antes de
levar o seu jogo a um abismo.

Quanto melhor você aprender o seu padrão, mais rápido


você pode reconhecê-lo cedo e melhor você pode
controlar sua emoção. Aqui está como desenvolver a
habilidade de reconhecimento:

A. Crie um perfil. O Apêndice II inclui um


questionário para ajudá-lo a analisar o seu jogo
mental. Ao terminá-lo, aprofunde-se nos
problemas específicos em seu jogo, escrevendo
com o máximo de detalhes possível, os
pensamentos, comportamentos, ações, emoções,
gatilhos e erros no poker que ocorrem com este
pro-blema. Idealmente, você também está
organizando esses sinais quando eles ocorrem, ou
seja, desde o primeiro sinal de quando o problema
é ainda pequeno, percorrendo todo o caminho até
ele se tornar pior.

B. Estude o perfil. Regularmente reveja o seu perfil,


especialmente antes de jogar.

C. Examine as consequências. Descreva o dano que


estes problemas causaram no passado e o que eles
podem causar no futuro, se não estiverem ainda
resolvidos. Quanto o problema te custou? Ele está
te impedindo de subir os limites/stakes? Ele afeta
a sua confiança, a vida, a felicidade, ou amigos e
família de alguma forma? Ter uma compreensão
clara das consequências muitas vezes proporciona
mais motivação para realizar ações diretas e
imediatas. Caso contrário, é muito fácil continuar
jogando, pensando que nada de ruim está prestes a
acontecer.

D. Adicione ao perfil. Após as sessões, faça notas


dos novos sinais ou detalhes sobre o(s)
problema(s).

E. Defina um alarme. Esta etapa é apenas para


jogadores que ficam tão presos na ação que eles
não reconhecem quaisquer problemas do jogo
mental até terminarem de jogar. Coloque um
temporizador para tocar com alguma frequência
regular, que não seja muito perturbadora (ou seja,
a cada 30, 45, ou 60 minutos). Naquele tempo,
dedique alguns minutos para ver se o problema
está acontecendo, ou se aconteceu recentemente.
Se assim for, rapidamente detalhe os pensamentos,
comportamentos, ações, emoções, gatilhos e erros
de poker ligados ao problema. Sim, este processo
é perturbador a curto prazo, mas você só tem que
fazê-lo, até que você desenvolva habilidade
suficiente para reconhecer o problema sem o
timer.

F. Tome uma atitude. Então, assim que você


reconhecer os sinais que o seu padrão mostrou, vá
para o passo 2.

Além disso, os jogadores têm descoberto que o


treinamento da mente pode ser uma grande ferramenta
para desenvolver a consciência, ou reconhecimento de seu
padrão.

Mesmo depois de melhorar o reconhecimento, os


jogadores ainda ignoram sinais de que o problema está
por vir e previsivelmente entram em dificuldade. Na
superfície, pode parecer ilógico ignorar esses sinais
quando você sabe o que está vindo; no entanto, os
jogadores inconscientemente fazem isso só para provar
que o problema é realmente previsível. Não é nada
diferente de fazer uma jogada que você sabe que está
errada, tal como pagar uma grande aposta no “river21”
sabendo que o vilão tem o “nuts22”; você precisa de mais
provas para saber que você estava certo.
2. Respiração Profunda
O objetivo principal da respiração profunda é criar um
intervalo entre você e sua emoção, para que você possa
injetar lógica. É semelhante a sair da sala durante uma
discussão quente/acalorada com alguém, para esfriar a
cabeça para você pensar melhor. Fazer algumas
respirações profundas, enquanto você se concentra em sua
respiração, poderá lhe dar o intervalo suficiente para
solucionar o problema que está em seu caminho, para que
você não tenha que sair a mesa.

Dependendo do seu nível emocional, você também pode


usar a respiração para:
Acalmar a Emoção ou Aumentar a
Intensidade

Se suas emoções estão muito baixas – como ocorre com


problemas motivacionais – use a respiração profunda para
jogá-lo para cima. Se suas emoções estão muito altas –
como ocorre com “tilt”, ansiedade e com problemas de
confiança – use a respiração profunda para acalmá-lo.

Após ter criado o intervalo e aumentado ou diminuído a


emoção, você está pronto para injetar lógica.

3. Injetando Lógica
Você está em desvantagem. Você foi para um tiroteio com
uma faca. Você está lutando contra um velho padrão, então
para virar a mesa a seu favor, você precisa de algum
músculo mental. Injetar lógica é isso. Pensar é,
essencialmente, o músculo do cérebro, por isso considero
injetar lógica como um treino para construir músculo
mental e ficar mais forte.

Basicamente, o objetivo desta etapa é o de criar uma frase


ou afirmação para dizer a si mesmo (ou em voz alta), que
o ajude a manter com a cabeça no lugar, antes de perdê-la.
Idealmente, esta declaração também corrige a falta de
lógica (lógica defeituosa) que cria o problema, então você
pode trabalhar, simultaneamente, em direção à resolução.
Muitos de vocês já tentam pensar através dos problemas
do jogo mental, por isso considero este apenas um
refinamento de sua técnica para melhores resultados a
curto e longo prazo.

A primeira maneira de refinar a estratégia é realmente


escrever a frase em um bloco de notas, post-it, documento
de Word, telefone celular, ou onde você achar mais
conveniente. Desta forma, você não tem que confiar em
uma mente em mau funcionamento, para lembrá-lo em um
momento crítico. Se você está confiando em sua memória
neste momento, você está arriscando no jogo mental.
A segunda maneira de refinar a estratégia é fazer sua frase
trabalhar, simultaneamente, em direção à resolução, ao
corrigir a falha ou falta de lógica (lógica defeituosa) que
está causando o problema. (Nos capítulos 5-8, sugestões
específicas para estas frases são feitas para correção da
falta de lógica comum). Em última análise, você está
procurando criar uma frase que esteja em seu idioma, que
vá direto ao ponto, e que funcione! A declaração perfeita
é aquela que faz o trabalho para você, não a que soa
melhor ou que funciona para os outros. Aqui estão alguns
exemplos:

Jogadores ruins têm de ganhar, é só variância.


Continue jogando bem e mantenha o controle.
“ = “Bad Beat”
“Hoje eu tenho que superar a variância e
tentar perder a quantidade mínima.” = Fase
Ruim
“Parece que eu posso dominar qualquer um,
mas eu não posso. Pensar dessa maneira é
uma ilusão.” = Excesso de confiança

Se não está funcionando ao injetar lógica, geralmente é


porque:

Seu nível de emoção estava muito forte e já


passou do limite.
Sua frase não é forte o suficiente.
Algo novo te desconcentrou, como um novo
problema do jogo mental.
A emoção acumulada instantaneamente
inundou a sua mente, então você nem sequer
teve a chance de usá-la.
Usar uma gravação de voz da sua frase é uma
opção melhor para você.

4. Lembrete Estratégico
Dependendo de quando você perceber o problema, sua
mente vai precisar de algum tempo para se recuperar antes
que você jogue bem novamente e no fluxo do jogo. Você
pode diminuir esse atraso ao lembrar-se rapidamente de
algumas técnicas “chave” para o seu jogo de poker.

Este passo não tem nada a ver com o jogo mental; esta
é uma estratégia do poker puro.

Por exemplo, ao combater o início do “tilt”, ou o próprio


“tilt”, você pode cometer erros, como ficar muito loose
(jogar com cartas marginais/mãos especulativas) no pré-
flop,23 ignorar a posição na mesa, esquecer-se de colocar
os adversários em “ranges24”, ou não pensar em como o
seu “range” aparenta ser para o seu adversário. Como
você está enfrentando uma mente em mau funcionamento,
as habilidades que estão sendo fixadas começam a
desaparecer de sua mente. Para evitar que isso aconteça,
anote um dos seguintes procedimentos no mesmo lugar da
sua declaração para injetar lógica:

A. Uma lista apenas daquilo que desaparece de seu


processo de pensamento ao tomar uma decisão de
poker.

B. A lista de todos os fatores que você considera ao


tomar uma decisão de poker.

Você não pode pensar que irá jogar bem o tempo todo.
Pensar dessa maneira ignora a realidade de como o
cérebro funciona, quando o seu nível de emoção estiver
muito alto. Se você quer jogar bem nos momentos em que
as emoções começam a afetar o seu jogo, você tem que
trabalhar para permanecer no controle. O lembrete
estratégico faz com que fique mais fácil manter o controle
de seu jogo.

5. Repita Conforme Necessário


Seu problema do jogo mental ainda não foi resolvido.
Enquanto você está jogando, ele continuará voltando,
como uma mosca que não o deixa em paz. Esteja
preparado para passar pelas quatro primeiras etapas
repetidamente, a fim de controlar suas emoções e
continuar jogando bem. Em outros dias, você vai precisar
repetir estes passos mais do que noutros dias.

6. Parar/Sair
Parar é uma habilidade. Parte dessa habilidade é saber
quando um problema do jogo mental é demasiado grave
para continuar jogando e você precisa parar. Não existe
uma regra definida e pronta para determinar quando é o
melhor momento para parar; às vezes você precisa se
esforçar e continuar jogando, enquanto noutras vezes você
precisa parar, antes que fique muito ruim. Em última
análise, a resolução de seus problemas do jogo mental
requer que você encontre uma maneira de jogar, mesmo
com problema.

Alguns jogadores não têm uma opção; eles têm que


encontrar uma maneira de jogar mesmo tendo problemas.
Os jogadores de torneios são os mais óbvios, mas até
mesmo os profissionais que jogam com dinheiro vivo
(“cash game”) que ganham a vida com o poker, precisam
jogar um número de horas suficiente. O ponto é
simplesmente que, sem um plano claro para resolver
problemas do jogo mental, parar só lhe faz ficar melhor
em saber quando deve parar. Não melhora questões como
o “tilt”. Na verdade, alguns jogadores dizem que não tem
um problema de “tilt”, porque desistiram antes de entrar
em “tilt”. [Na realidade] esse jogador ainda tem um
problema de “tilt”. Evitar o “tilt” não significa que o
problema desapareceu. O “tilt” só não está aparecendo
porque eles não estão jogando, mas ainda está custando-
lhe dinheiro de horas perdidas na mesa.

Com um plano claro para resolver os seus problemas do


jogo mental, desistir do jogo torna-se mais estratégico.
Você tem opções, e cada jogador tem que decidir o que faz
mais sentido para si. O fator chave a considerar é se você
pode ou não se recuperar e voltar a jogar bem. Se a
resposta for um firme “não”, você precisa parar e voltar
mais tarde. Se a resposta for “sim” ou “não tenho
certeza”, considere as seguintes maneiras de abordar a
situação para ter uma maior chance de sucesso.

Jogar bem durante momentos difíceis requer que sua força


mental ou que o músculo controle suas emoções. Controle
emocional não é algo que você só pode esperar que
aconteça automaticamente. Desenvolver o músculo mental
para fazê-lo, precisa de esforço, assim como levantar
pesos é necessário para desenvolver os músculos reais.
Ao manter esta comparação, você pode ver o
desenvolvimento do músculo mental da mesma forma que
se exercitando no ginásio: Comece com a quantidade de
peso que você pode levantar e, em seguida, aumente de
forma constante. Ao invés de somente esperar que você
continue a jogar num momento em que você normalmente
iria parar, se esforce para continuar jogando bem e evitar
grandes erros, por apenas mais 5 ou 10 minutos. Então, à
medida que você ficar mais forte mentalmente, adicione
outros 5 a 10 minutos. Claro, 5 a 10 minutos pode parecer
pouco, mas a quantidade de peso que você seria capaz de
levantar, na primeira vez que você foi na academia
também pareceria. Comece devagar e, então, ao prolongar
suas sessões com sucesso, sessão após sessão,
eventualmente, você será capaz de controlar suas emoções
por horas, mesmo durante alguns momentos muito difíceis.

Esta estratégia é arriscada, é claro, mas você é um


jogador de poker. Avalie o risco/benefício relativo de
parar ou continuar jogando, e faça a melhor escolha
dependendo da situação.

RESOLUÇÃO
A resolução é a solução para os problemas do jogo
mental. Quando você treina a(s) correção(ções) para a(s)
falha(s) que está(ão) lhe causando problemas no jogo
mental para o nível de competência inconsciente, você
tem a mentalidade certa para jogar poker. A mentalidade
certa torna-se automática, assim como as habilidades de
poker quando são treinadas até esse nível. Assim, mesmo
sob pressão emocional intensa de uma jogada terrível ou
ao jogar um grande pot, logo após subir de limites, você
permanecerá na estrutura correta da mente, com pouco
esforço.

Resolução significa que a emoção que estava ligada ao


seu problema do jogo mental foi embora. Isso significa
que você não precisa mais pensar sobre como lidar
melhor com uma “bad beat”, você lida melhor com ela
automaticamente, porque uma “bad beat” não mais lhe de-
sencadeia raiva. Ao resolver seus problemas do jogo
mental, você vai jogar melhor, ganhar mais dinheiro, e ter
melhores oportunidades no poker. Aqui estão outros dois
benefícios:

1. Liberar espaço mental aumenta o foco.


Problemas graves do jogo mental tiram muito
de seu foco, mesmo quando não estão
presentes. Estes problemas são semelhantes a
um programa que está sendo executado, em
segundo plano, no seu computador, mas não
está aberto na área de trabalho. Estes
problemas são devoradores de recursos
escondidos, que deixam você com menos
energia mental, para se concentrar em jogar
um poker de qualidade. Você só tem uma
determinada quantidade de energia ou foco
para usar de uma vez. A resolução libera um
pouco dele(a) para que você possa usá-lo(a)
para se concentrar ainda mais na ação, o que
significa que você pode jogar num nível
superior, por mais tempo, e em mais mesas.
2. Como o “lagarta” ilustra, o seu melhor
torna-se ainda melhor. A maioria dos
jogadores de poker de elite têm eliminado a
maior parte dos problemas do jogo mental,
como o “tilt”, o que significa que eles podem
melhorar continuamente os seus jogos de
poker ainda mais.

Conceitualmente, a resolução pode não fazer sentido


ainda, mas é algo que você já fez; você somente não
percebeu isso. Um exemplo simples disso, pode
fazer com que fique mais claro:

Vamos imaginar que você está chateado com um


amigo, que foi um otário com você, na última vez
que vocês saíram. E digamos que você o vê
várias vezes por semana, mas não disse nada a
ele, que você passou o mês todo com raiva dele.
Nesses momentos, a raiva aumenta, e claramente
há tensão entre vocês dois. Isso não impede que
vocês se divirtam juntos, mas não é o mesmo que
era antes.

Depois de um mês, você finalmente diz alguma


coisa. Ele mal se lembra, fica na defensiva, e
nega que aquilo jamais tenha acontecido. A
conversa esquenta e vocês decidem fazer uma
pausa para colocar suas cabeças no lugar
(essencialmente injetando lógica). Vocês voltam,
se desculpam, resolvem os problemas, e
concordam em não deixar mais esse tipo de
coisas guardadas por tanto tempo.

Se o problema foi realmente resolvido, qualquer


raiva entre vocês não terá apenas ido embora
naquele momento – ela nunca mais aparecerá
novamente por essa razão.

A resolução é essencialmente o mesmo, quando você faz


isso para os seus próprios problemas; somente o processo
que difere. Uma vez que a resolução acontece, uma “bad
beat”, engano, ou um grande pot não desencadeiam
emoção. Injetar lógica – ou qualquer outra estratégia de
bloqueio – não é mais necessário, porque não há nenhuma
emoção para conter. O gatilho ainda está lá, mas agora ele
está inativo.

A resolução não é uma solução rápida para a maioria dos


problemas. É preciso experiência, repetição e foco para
substituir um velho hábito e fazer com que o novo
aconteça automaticamente. Os jogadores muitas vezes se
enganam, ao pensar que eles resolveram um problema,
mas sob pressão eles voltam aos seus velhos hábitos. Isso
é de se esperar. É muito difícil saber quando um problema
foi definitivamente resolvido. Cada vez que seu jogo
mental dá um passo para trás, é uma oportunidade para
que você possa provar o que foi aprendido, em nível de
competência inconsciente e identificar o que ainda precisa
de mais trabalho.

Para trabalhar em direção a resolução a longo prazo,


adicione as seguintes estratégias ao que você está fazendo
para conter os problemas a curto prazo.

Histórico de “Mãos” Mental


Abordagens comuns para problemas do jogo mental
tendem a olhar apenas para um aspecto e, em seguida, ir
direto para a solução, sem entender por que isso acontece.
Sem começar por entender por que o problema estava lá,
não há nenhuma maneira de desenvolver uma solução que
faça sentido. Ao invés disso, você tem uma compreensão
superficial, que não irá resolver o problema real, porque
ele nunca foi identificado.

Para resolver um problema do jogo mental de forma


permanente, você precisa, para chegar à raiz do problema,
entender a razão lógica que isso acontece, e descobrir por
que essa lógica não é perfeita. Somente quando você
chegar a esse ponto, você poderá dizer que realmente
você entende o problema bem o suficiente, para
prescrever uma solução que não seja aleatória, nem um
placebo.

Para tornar o processo de dissecação de problemas mais


fácil, utilize o protocolo de 5 etapas, ou “histórico de
‘mãos’ mental”, descrito abaixo. Este protocolo também é
chamado de “histórico de ‘mãos’ mental”, porque os
clientes me enviam versões completas para revisão, da
mesma maneira que eles enviam históricos de mãos para
um treinador de poker. Como você não terá o benefício de
um feedback direto, cada questão é discutida em grandes
detalhes, o que lhe permite identificar a causa raiz e
corrigi-la sozinho.

Certifique-se de anotar as suas respostas, caso contrário,


você terá muita coisa acontecendo em sua mente, para
chegar a uma profundidade suficiente até a lógica
imperfeita, para elaborar uma solução sólida. Além disso,
suas respostas para cada etapa podem ser tão simples
quanto uma frase, ou vários parágrafos detalhados.
Jogadores variam, então faça o que faz sentido para você.
Em geral, quanto mais detalhadas as suas respostas,
melhor.

1. Descreva o problema. Para começar, anote o que você


diria se estivesse descrevendo o problema do seu jogo
mental para mim. Pode ser algo como: “Eu entro em ‘tilt’
quando um ‘pato’ me ganha em um grande pot” ou “eu
jogo muito ‘loose’ quando estou ganhando muito.”

2. Por que faz sentido lógico


CORRIGINDO que você reaja, pense ou
sinta-se desta forma? Esta
FALHAS NO
questão pode ser contra-
POKER intuitiva, se o problema na etapa
1 parece completamente ilógico
Muitos clientes ou irracional. Não é. Problemas
também usam este
protocolo para do jogo mental sempre
quebrar e corrigir acontecem por razões lógicas e
falhas técnicas nos muitas vezes têm várias partes
seus jogos. ou camadas, como uma cebola.
Aprendizado é Se você identifica mais de uma
aprendizado, e os razão enquanto completa esta
passos a seguir etapa, siga as próximas três
tornam mais fácil etapas para cada razão.
desaprender um
velho hábito e De acordo com os exemplos
treinar um novo. acima, a razão lógica de você
entrar em “tilt” quando um
“pato” ganha de você, é porque você sempre espera
ganhar contra jogadores ruins; e a razão de você ficar
loose ao ganhar muito, é porque naquele momento a sua
confiança está alta, o poker parece fácil, e parece que não
importa o que você faça, você vai ganhar. A racionalidade
por trás destas razões faz sentido, mas você ainda precisa
tentar eliminá-la.

3. Por que aquela lógica é imperfeita? Evite usar


respostas armazenadas para o porquê a lógica ou a razão
que você encontrou na etapa 2 é imperfeita, a menos que
você tenha certeza de que está certo. Precisão é
fundamental. Além disso, uma vez que frequentemente
existem várias razões porque sua lógica é imperfeita, não
assuma que você conhece todas elas. As informações em
cada capítulo deste livro irão ajudar.

A emoção negativa acontece por razões previsíveis e


nunca é a falha.

Nos exemplos da etapa 1, a falha mais evidente em sua


lógica é que você está ignorando as realidades do poker.
Ninguém é capaz de sempre ganhar do “pato” ou de
ganhar sem importar como eles jogam. Em essência, você
acredita num nível mais profundo, que você está mais no
controle do resultado do que você realmente está. Para
alguns, ter esse nível de controle é uma fantasia, que eles
desejam que possa se tornar realidade. Quando esse
desejo se prova não ser realista, você vai reagir com
raiva intensa – ou quando se sente como se tivesse se
tornado realidade, você vai reagir com intenso excesso de
confiança. Esta ilusão de controle é um exemplo de uma
imperfeição que não é óbvia. Deixar de corrigí-la, vai
fazer com que você não tenha sucesso com a resolução.
Para saber mais sobre a ilusão de controle, vá até a
página 236.

4. Qual é a maneira correta de lidar com a situação?


Levando em conta as etapas 2 e 3, esta etapa define a
correção direta para a falha principal ou a causa de seus
problemas do jogo mental. Certifique-se de usar
linguagem afirmativa em pelo menos alguma parte de sua
resposta.

Nestes exemplos, se você tivesse pulado as etapas 2 e 3, a


solução que você teria tomado poderia ser algo como,
“’Bad beats’ acontecem, só não deixe que elas te
incomodem”, ou “Você provavelmente está numa fase boa;
não se preocupe se você está muito positivo.” Estas são
boas respostas que abordam a falha em sua reação à
variância, mas não corrigem o sentimento exagerado de
controle. Então, adicione uma frase que corrija a ilusão de
controle, tais como, “Eu não posso controlar os cartas, só
posso ter controle com relação ao meu jogo, ou seja, se
estou jogando bem e como eu reajo” ou “Jogar muito
loose quando estou bem significa que perdi o controle do
meu jogo.”

5. Por que foi correta esta correção? Esta questão


identifica a racionalidade por trás do por que a resposta
para a etapa 4 está correta. Em alguns casos, esta etapa
pode ser um pouco redundante; mas, no mínimo, a
repetição te ajuda a aprender, e também pode adicionar
clareza ou detalhes adicionais para a solução.
Nestes exemplos, “Controle no poker vem através das
minhas decisões e como eu lido com o que acontece na
mesa. ‘Bad beats’ têm que acontecer no longo prazo para
que eu seja lucrativo, porque sem elas o jogo iria mudar
fundamentalmente”. Ou “Se eu ficar loose porque estou
ga-nhando, significa que eu acredito que vou continuar
ganhando no futuro, não importa o que eu faça. Por causa
da variância, isso obviamente não é verdade, então eu só
tenho que me forçar a continuar jogando bem e não achar
que de repente eu dominei o poker.”

Por fim, alcançar a resolução significa que você aprendeu


a lógica correta nas etapas 4 e 5, até o nível de
competência inconsciente. Para chegar a esse nível use o
modelo de processo, injetando lógica, as estratégias
adicionais neste capítulo, e tudo aquilo que você ache que
funciona. Para o modelo de processo, você pode
transformar as etapas 3, 4, ou 5 num objetivo do jogo
mental para usar antes de jogar. Por exemplo, “Eu vou
reconhecer por quê que que será bom para mim no longo
prazo, se o ‘pato’ vencer no curto prazo” ou “Eu vou
manter uma estratégia sólida quer eu esteja ganhando ou
perdendo.” Para injetar lógica, você também pode usar o
que você escrever nas etapas 3, 4 e 5 para a sua frase de
ajuda.
Também tenha em mente que, ao reunir mais detalhes
sobre o problema, ao longo do tempo você poderá
precisar passar por essas etapas novamente.

O LADO MENTAL DOS ERROS DE


POKER

As emoções intensas bloqueiam a aprendizagem e


impedem que as habilidades básicas sejam treinadas
até o nível de competência inconsciente. Como
resultado, os jogadores podem fazer jogadas
excepcionalmente ruins quando estão em “tilt”.
Estes são os tipos de jogadas que estão tão,
descontroladamente, fora de linha que elas foram
cunhadas como a “Explosão de Mike Matusow”,
onde um jogador que é altamente qualificado, de
repente faz algo incrivelmente amador quando está
muito nervoso.

Quando as emoções ligadas a um problema do jogo


mental bloqueiam a aprendizagem, elas criam um
grande intervalo no jogo de um jogador. Resolver o
problema remove a emoção e, portanto, o bloqueio,
e seu jogo melhora rapidamente.
ESTRATÉGIAS ADICIONAIS

Monitorando a Melhoria
Não existe tal coisa como o Hold’em Manager ou Poker
Tracker para o jogo mental (ainda). Por ora, se você
quiser ser mais objetivo em saber como você está
progredindo no jogo mental, você precisa manter um
monitoramento do seu progresso, de alguma outra forma
além de tentar manter todas as informações em sua
cabeça.

O monitoramento de seu jogo mental é importante, porque


a melhora de desempenho muitas vezes é sutil. Se você
não o fizer, sua motivação para continuar progredindo irá
cair, fazendo-o acreditar que não está indo adiante.
Quando você reconhece que está melhorando, você pode
ganhar confiança; por outro lado, se você perceber que
você não está se aperfeiçoando, sua estratégia será mais
fácil de ajustar, pois você terá dados reais para usar.

Aqui estão algumas maneiras de saber que os seus


problemas do jogo mental estão melhorando:

Você aumentou o reconhecimento de seus


padrões na mesa em tempo real.
Você consegue reconhecer os sinais de seus
padrões antes de atingir seu limite. (Isso não
significa que você já pode controlar suas
emoções, somente que você consegue
visualizar melhor o que está acontecendo.)
Você tem mais capacidade para controlar a
emoção durante o jogo.
Você comete menos erros de poker.
Você tem uma mais capacidade de jogar por
mais tempo, enquanto luta contra um
problema.
Você percebe mais rápido que é hora de parar
(pelas razões certas).
Você é capaz de se recuperar e ter uma
atitude sólida mais rápido.
O desejo de repreender seus adversários
diminui.
Você tem menos pensamentos negativos.
Você se sente normal mais rápido depois de
uma sessão ruim.
Seu pior absoluto é melhor do que era antes.
Você reconhece outros tipos de problema, ou
problemas inteiramente novos.
Aumenta sua vontade de trabalhar o seu jogo
após a sessão.
Escrita
A escrita pode ser uma ferramenta poderosa para ajudá-lo
a trabalhar em todos os aspectos do seu jogo mental. Isso
não significa que você tenha que ser um escritor. É uma
ferramenta simples e gratuita que:

Desenvolve o reconhecimento.
Aumenta a velocidade de aprendizagem.
Transforma o que está na sua cabeça,
tornando-o mais concreto.
Cria um registro para você se remeter em
futura comparação ou referência.
Libera a sua mente, para que você não tenha
que se lembrar tanto.
Organiza os problemas, então você estará
mais preparado para encará-los de frente.
Libera emoção e captura dados para ajudá-lo
a acabar com o problema no futuro.
Ajuda a manter o seu jogo organizado hoje; e
se o seu jogo cair cai por terra, será mais
fácil para consertá-lo novamente no futuro.

Frequentemente, a coisa mais difícil para os jogadores


quando eles começam a escrita é saber sobre o que
escrever. Há sugestões em cada capítulo deste livro, mas
se você quiser começar imediatamente, responda as
questões no Apêndice II.

Emoção Acumulada
Quando as emoções se desenvolvem ao longo de grandes
períodos de tempo, a intensidade da emoção poderá ser
tão forte que instantaneamente domina sua mente e a
capacidade de te manter no controle.

Quando você está nervoso em grandes pots, você está


experimentando a ansiedade real sentida naquele dia, mais
a ansiedade antiga, que tem sido sentida ao jogar grandes
pots anteriores. A emoção acumula e é por isso que você
perde o controle após cinco mãos em sua sessão, depois
de uma jogada ruim. Você diz para si mesmo: “Por que
esta p*#@ sempre acontece comigo?” Porque você está
chateado com a jogada ruim que acabou fazer e com
aquelas outras que sempre acontecem. A emoção de todas
essas “bad beats” estão acumuladas em sua memória e,
coletivamente, elas instantaneamente dominam sua mente.

Acabar com a emoção acumulada requer mais trabalho


fora da mesa, porque a injeção de lógica não vai
funcionar. A emoção é tão intensa que rapidamente domina
sua capacidade de pensar e também a capacidade de se
manter no controle. A mente é assim tão poderosa mesmo.
A maneira de controlar a emoção é através da resolução
da emoção antiga. Quando há menos emoção para conter,
você tem mais chance de permanecer no controle. Os
passos abaixo podem ajudá-lo a resolver a emoção antiga.

1. Perceba que a emoção acumulada é um risco


real a cada vez que você jogar – então leve isso
a sério por algum tempo. Não espere que ela
desapareça rapidamente. Ao invés disso, procure
reduzir progressivamente a intensidade da emoção
que você sente, enquanto aumenta a sua capaci-
dade de controlar sua emoção. Esse processo não
é como um interruptor de luz. Em alguns dias isto
será mais fácil do que em outros, por conta dos
intervalos que existem em sua capacidade de
controlar a emoção.

2. Faça um “histórico de ‘mãos’ mental” para cada


problema. Em seguida, estude o que você
escreveu como se se fosse um conceito de poker
que você tem problemas de aprendizagem.

3. Trabalhe duro para desenvolver o


reconhecimento de seu padrão. Em seguida,
enquanto estiver jogando, tra-balhe duro para
reconhecê-lo cada vez mais cedo.
4. Defina um alarme. Veja a página 55.

5. Reescreva o passado. Não literalmente, já que é


impossível. Ao invés disso, faça um “histórico de
‘mãos’ mental” para quaisquer memórias antigas
que se destacam em torno desta questão, tratando a
memória como se ela tivesse acabado de
acontecer.

6. Escreva sobre o que você aprendeu com essas


memórias antigas. Até mesmo as experiências
negativas são frequentemente positivas por conta
do que eles te ensinam a não fazer. Fixar o que
você aprendeu no passado e usá-lo para torná-lo
mais forte hoje, leva algum tempo para resolver a
antiga emoção.

7. Se você é crítico dos seus fracassos do passado,


erros ou semelhantes, consulte a página 129.

8. Não se atenha às expectativas de que isso não


deveria estar acontecendo com você ou que isto
já deveria ter sido corrigido. Se isso fosse
verdade, você não estaria nesta posição. Há
muitos jogadores na mesma posição, por isso não
fique atolado no fato de que você tem que lidar
com isso e apenas faça o necessário para corrigi-
lo.

9. Aborde as partes sutis do problema. Use o


“histórico de ‘mãos’ mental” para ajudá-lo a
identificar e resolver partes previamente
desconhecidas do problema.

10. Mesmo que os problemas possam ser


diferentes, considere usar qualquer uma das
etapas para a corrigir o “tilt” de desespero na
página 160.

A emoção acumulada é o problema mais difícil que se tem


no jogo mental para corrigir, e fazê-lo sozinho vai ser um
desafio. Se você achar difícil seguir essas instruções, ou
achar que elas não estão funcionando bem o suficiente,
considere consultar um psicólogo ou terapeuta. Quando
resolver uma emoção for especialmente difícil, pode
haver uma conexão com um problema fora do poker que
esteja no seu caminho, o que poderá ser outra razão para
considerar trabalhar com um profissional.

Conclusão
Com a estratégia certa, problemas que você possa vir a ter
em seu jogo mental tornam-se oportunidades para tornar-
se melhor como jogador. Tentar bloquear problemas
emocionais no jogo de hoje só o levará até determinada
distância. Se você tem aspirações mais elevadas no poker,
ou está tentando estabelecer-se como um jogador
vencedor, ou é um jogador regular procurando permanecer
à frente, resolver problemas do jogo mental é como você
pode parar de derrotar-se e começar a derrotar os outros
jogadores.

21 N.T. Última carta quando se está distribuindo as cartas em um jogo de


poker.
22 N.T. O melhor jogo possível numa determinada situação.
23 N.T. Antes de serem reveladas as primeiras 3 cartas comunitárias.
24 N.T. Range = combinações de mãos que um jogador pode ter em uma certa
situação. (http://pt.pokerstrategy.com/strategy/others/2244/1/)
5
“TILT”
“Tilt” = Raiva + Jogada Ruim
A DEFINIÇÃO DE “TILT” tal como definida pela sabedoria
convencional de poker é muito ampla. Às vezes “tilt”
significa apenas jogar mal; mas também pode significar
jogar mal por causa da vitória, ou a jogar muito loose, de
forma conservadora, ou bêbado. O “tilt” é difícil de ser
eliminado porque a definição é tão ampla, ela inclui
basicamente tudo, exceto jogar poker muito bem.

Para corrigir o “tilt”, você tem que saber por que você
jogou mal. Somente quando você sabe a causa de ter
jogado mal, você poderá elaborar uma estratégia
específica para corrigi-lo. A estratégia só poderá ser
específica quando o problema for definido. Há centenas
de coisas que podem influenciar você a jogar mal, e a
solução para cada uma requer uma estratégia única. Se
você acha que ser específico não é tão importante,
considere a seguinte comparação.
Você pode ouvir algo como a seguir, ao longo do script de
um jogador:

“Eu estava indo bem, fazendo algumas boas


leituras e estava um buy-in positivo; Em seguida,
eu entrei em ‘“tilt”’ e cuspi todas as minhas
fichas.”

Em geral, os jogadores de poker não analisam o “tilt” da


mesma forma que fariam em uma mão de poker. Em vez
disso, sua análise do “tilt” é o equivalente ao jogo mental
ao analisar uma mão de poker desta forma:

“Estou no small blind,25 todos desistem até o cut-


off26 (CO), que aumenta para $10, eu tenho AQs
(ás-dama naipado), então eu cometo um erro
técnico e perco o meu ‘stack’.27”

Você pode muito bem dizer: “Sentei-me à mesa, blá blá


blá, eu perdi.” Toda a informação relevante que você
precisa para analisar o jogo corretamente e descobrir por
que você perdeu um stack é deixada de fora. Sem essa
informação, não há nenhuma maneira de realmente
melhorar a sua habilidade de poker. O “tilt” não é
diferente.
Gaste tempo suficiente observando jogadores de poker e
irá se tornar claro para você, que a maioria das
referências ao “tilt” referem-se a jogadores que estão
frustrados, com raiva ou furiosos. É por essa razão que
este livro define “tilt” como uma questão de raiva. Isso
não significa que a solução seria apenas não ficar com
raiva. Pensar que você poderia desligar permanentemente
o “tilt” como um interruptor é uma fantasia. Além disso,
você está assumindo que a raiva é o problema. A raiva é o
sintoma e não o problema real.

Como discutido no capítulo 4, resolver o seu problema de


“tilt” significa tanto administrar com sucesso o “tilt” na
mesa, como também trabalhar fora da mesa para resolver
a causa do mesmo. Ambos os lados da estratégia são
essenciais, então evite cair na armadilha de acreditar que
estratégias como respirações profundas, fazer pausas, dar
uma parada, ir à academia, prender a respiração, ou
pensamento positivo são soluções permanentes. Estas
estratégias são mais utilizadas para gerenciar o “tilt” até a
resolução eliminá-lo por completo.

O objetivo deste capítulo é lhe dar a informação básica


que você precisa encarar o “tilt” de cabeça erguida/de
frente e eliminá-lo do seu jogo. Organizadas em seções
consecutivas, as informações sobre o “tilt” constantemente
se tornam mais detalhadas e específicas. Embora os
detalhes, por vezes, possam parecer um exagero, o
domínio se resume aos pequenos detalhes, basta perguntar
a qualquer profissional de “high-stakes”.28

A Natureza da Raiva
A raiva é a emoção que representa conflito. Conflito em
um nível básico é um desentendimento. O conflito é mais
evidente quando é entre você e outra pessoa, como
acontece quando um carro lhe corta, um amigo age como
um idiota bêbado, ou alguém lhe repreende na mesa de
poker por pagar uma aposta que não deveria. A raiva não
é intrinsecamente uma coisa ruim. Ela pode ser um
motivador incrível para agir, mas também pode lhe levar a
grandes problemas. A primeira chave para resolver o seu
problema de “tilt” é compreender a causa específica da
sua raiva.

O conflito entre você e o poker, e você e outros jogadores


de poker, é muito mais fácil de ser percebido do que o
conflito entre você e você mesmo, embora não o seja,
numa desordem de personalidade múltipla como no filme
“Eu, Eu mesmo e Irene29”. Os jogadores muitas vezes
descrevem que se sentem como se eles estivessem
“lutando contra eles mesmos”, tentando controlar o “tilt”.
Este conflito não é uma invenção. É real e existe entre o
que um jogador sabe, conscientemente, e as fa-lhas que
existem em sua Competência Inconsciente.
Essencialmente, eles estão lutando para evitar que essas
falhas causem “tilt”.

Há momentos em que você é capaz de ganhar a luta e


manter a fera enjaulada; outras vezes a sua mente
consciente é dominada pela intensidade de sua raiva e
você perde o controle. Ao perder o controle, é muitas
vezes difícil de envolver sua mente, porque logicamente
você sabe como você deve estar pensando e porque o
“tilt” é irracional, então por que isto não é o suficiente?
Estas são as três possibilidades:

1. Você tem a lógica correta e precisa assimilá-


la no nível de Competência Inconsciente.
2. O “tilt” acumulado domina rapidamente as
suas defesas mentais.
3. Você acha que tem todas as peças do quebra-
cabeças de lógica para resolver o problema,
mas você realmente não as tem.

A grande maioria dos jogadores de poker se relacionam


melhor com a terceira resposta, e o propósito deste
capítulo é dar-lhe as peças que faltam.
“Tilt” Acumulado
A raiva que provoca o “tilt” não é apenas o resultado de
uma sessão ou torneio particular; ela pode se acumular ao
longo do tempo. Quando a raiva não for resolvida, ela é
carregada para o futuro. Se você já teve um “tilt”
instantâneo, como se uma bomba tivesse explodido, é por
causa do “tilt” acumulado. Mais comumente, isso acontece
durante sessões prolongadas com uma variância ruim.
Cada dia fica cada vez mais fácil entrar em “tilt”, porque
a raiva do dia anterior é carregada, muito parecido com
um copo que está constantemente se enchendo de água.
Cada dia um pouco, mas nem toda a água é derramada;
então na próxima vez que a água entra, ela já está em um
nível superior e precisa de menos para transbordar. No
poker, você é capaz de trabalhar com um pouco da raiva
que se acumula ao jogar, mas se isso não é suficiente para
reiniciar completamente a sua mente, você atingirá o seu
limite mais rápido da próxima vez que você jogar.

Como seus pensamentos se relacionam com o controle


emocional, eles são menos poderosos do que as suas
próprias emoções. Não importa o quão mentalmente forte
você é, o “tilt” acumulado pode dominar a sua capacidade
de manter o controle de suas emoções. Isto significa que a
única maneira de lidar com o “tilt” acumulado é
trabalhando-o através de suas emoções, fora da mesa. Use
a estratégia na página 70, bem como a estratégia geral
descrita posteriormente neste capítulo, para resolver o
“tilt” acumulado.

O “Tilt” do “Tilt”
A raiva é criada em dois lugares. A forma mais
significativa da raiva vem de maus hábitos aprendidos no
nível de competência inconsciente. Por exemplo, você
odeia perder e, em seguida, fica com raiva quando perde;
você acredita que merece ganhar porque você é um
jogador me-lhor e fica com raiva quando um “pato” te
elimina; ou você não suporta maus motoristas e perde a
cabeça depois de ser cortado no trânsito.

A raiva também é criada pelo reconhecimento de que você


está com raiva: “o ‘tilt’ do ‘tilt’”. Essencialmente, você
está com raiva porque você está com raiva, ficando
chateado porque um erro te deixa chateado, “tilted”
porque você deixa que um adversário “tilt” você, ou “tilt”
porque você não tem ideia de como resolver o seu
problema de “tilt”.

Estas camadas extras de raiva mental são, basicamente,


como a adição de mais lenha na fogueira. Enquanto o fogo
começou com a lógica falha na competência inconsciente,
usar sua mente de forma mais eficiente é necessário para
resolver o seu problema de “tilt”. Os três capítulos
anteriores tornam mais simples para você pensar através
do “tilt”. É tão simples na verdade ficar “tilted”, que você
pode não ter percebido isso antes. Os jogadores muitas
vezes nem sequer percebem que eles estão adicionando
combustível; eles acham que é água.

O Benefício do “Tilt”
Você leu certo. “Tilt” pode ser uma coisa boa. Ele pode
ser usado para melhorar seu jogo. É claro que o objetivo
final é não “tilt” absolutamente, mas como você não pode
apenas desejar que o problema suma, é melhor usar o
“tilt” para torná-lo um jogador melhor.

Como discutido no capítulo 3, quando alguma emoção


(neste caso, a raiva) torna-se mais intensa, ela tem um
profundo impacto sobre a parte pensante do cérebro,
eventualmente desligando-a completamente. Pensar
fornece proteção contra falhas em seu jogo que não foram
corrigidas em nível de competência inconsciente. Como é
difícil saber quando as habilidades de poker chegaram à
competência inconsciente (já que é inconsciente), o “tilt”
lhe dá uma janela perfeita nesta parte do seu jogo. A
realidade pode ser dura quando você vê quão pouco do
seu jogo é realmente dominado. No entanto, em um jogo
onde o sucesso e a rentabilidade dependerão de ava-
liações precisas do seu jogo, o “tilt” pode ser uma coisa
boa.

Quando você entra em “tilt”, é fácil de se concentrar


apenas no tanto que você jogou mal. Mas é preciso
reconhecer que nem tudo vai para o brejo, você ainda faz
algumas coisas muito bem. Se você ainda joga fora mãos
marginais fora de posição, significa que você já domina a
importância da posição e boa seleção de mãos. Mesmo
que você possa estar jogando muito loose ou tight
enquanto entrando em “tilt”, você também pode estar
apostando o tamanho certo ou “thin value betting30” nos
“spots31” certos.

Claro, há o outro lado óbvio da moeda, onde uma “má


jogada” ou uma agressão constante lhe envia além do seu
limite e suas maiores fraquezas aparecem. De repente,
você pode encontrar-se em terra de ninguém, tentando
blefar um “donkey32” que claramente tem um jogo,
demons-trando que talvez você ainda não saiba
automaticamente quando tirar o seu pé do acelerador
quando um grande pot está à sua frente. Se você se
encontra pagando muito loose ou perseguindo “draws33”
sem as “odds34” certas, isso pode demonstrar uma falta de
compreensão profunda do lado matemático do jogo, ou
pode destacar um impulso interior de “gamble35”.

Embora os erros que você venha a cometer quando em


“tilt” sejam frequentemente básicos, eles só irão acontecer
porque você não domina a correção. Com certeza a raiva
desempenha um papel importante; se você não tivesse
ficado tão irritado, você seria capaz de pensar como de
costume e evitar esses erros. No entanto, as falhas em sua
habilidade de poker precisam ser corrigidas, e o “tilt” lhe
ajuda a identificá-las. Para saber mais sobre como usar o
“tilt” para melhorar o seu jogo, vá para a página 166.

O “Tilt” do Vencedor
Jogar mal depois de ganhar muito não é motivado pela
raiva. Os erros cometidos ao ganhar são mais
frequentemente motivados por emoções positivas, e em
menor grau pelo medo de perder o dinheiro de volta. O
“tilt” do vencedor é causado pelo excesso de confiança,
que desliga a parte pensante do cérebro. A confiança é
uma emoção, e o seu excesso produz erros, pela mesma
razão que a raiva. Contudo, a causa subjacente da raiva é
diferente da causa do excesso de confiança e, portanto,
requer uma estratégia diferente para resolvê-la. Para
maiores informações, vá para o capítulo 8.
Perfil do “Tilt”
Apesar de muitos pontos em comum, todo jogador entra
em “tilt” de formas ligeiramente diferentes e por razões
diferentes. Um dos melhores momentos para entender com
mais acerto o seu “tilt” é, imediatamente, após uma sessão
onde você entrou em “tilt”, porque está bem fresco em sua
mente. Claro que, como o “tilt” lhe é tão caro, a sua
melhor aposta é gastar tempo pensando em situações
anteriores em que você entrou em “tilt”. Use as perguntas
na próxima página como um guia para começar a analisar
e identificar os detalhes do seu “tilt”. Se os detalhes
forem difíceis de encontrar, tudo bem; todo mundo tem um
ponto de partida diferente.

O que faz com que você entre em “tilt”? (Bad


beats, perder para o “pato”, uma fase ruim,
etc.)
Quais são as coisas que você diz para si
mesmo em voz alta, ou para outros jogadores,
quando a frustração começa a subir e quando
está em “tilt”?
Como você sabe que você está em “tilt”?
Qual é a primeira coisa que você nota?
Como o seu corpo reage ao “tilt”? (A cabeça
fica quente, o corpo está suado, o coração
dispara, o punho é cerrado, etc.)
Você consegue identificar o ponto em que o
“tilt” começa a desligar o seu pensamento?
Em que momento você toma medidas para
lidar com o “tilt”?

As respostas a estas perguntas e qualquer outra coisa que


venha à mente sobre “tilt”, formam a base de seu perfil de
“tilt”. É impossível controlar algo que você não entenda,
portanto, o objetivo neste momento é continuar a construir
a sua base de conhecimento do “tilt”. Enquanto precisão
importa muito, quando se trata de resolver o “tilt”,
simplesmente aumentar o seu conhecimento muitas vezes
leva, pelo menos, a alguma melhora. Isso pode não
significar que você possa controlá-lo, em todos os
momentos, mas como o aumento do conhecimento ou o
reconhecimento é muitas vezes o primeiro de muitos
pequenos passos, você está a caminho de um começo
sólido.

VOCÊ ACHA QUE VOCÊ NÃO (ENTRA


EM) “TILT”?

Há jogadores que acreditam que não entram em


“tilt” porque param de jogar antes que isto
aconteça. Será que isso significa que eles não
entram em “tilt”? De acordo com a fórmula no
início deste capítulo, tecnicamente sim, uma vez
que eles não cometem erros. Por outro lado, há
claramente um problema da raiva que não foi
resolvido e está sendo gerenciado por parar de
jogar. Muitas vezes, esses jogadores desenvolvem
problemas de motivação, porque eles não estão
jogando suficientemente bem e, eventualmente,
esquecem que o “tilt” foi a causa. Basicamente, eles
aprendem a viver tão bem com o elefante na sala,
que eventualmente se esquecem que ele [o
elefante] está lá.

Ter uma base para os seus problemas de “tilt” também é


importante, porque lhe dá um sólido ponto de referência
para avaliar o seu progresso no futuro. Monitorar o seu
jogo mental não é como monitorar as estatísticas de poker.
Tem momentos em que a intensidade de sua raiva parece
que é a mesma que antes, mas, na realidade, seus erros
não são tão maus, você reconhece o “tilt” mais rápido,
você age contra o “tilt” mais cedo, você sai de uma sessão
antes e os pensamentos em sua cabeça são menos
negativos. Para mais informações sobre a melhoria do
monitoramento, vá para a página 68.
Para muitos jogadores, pequenas melhorias terão que
ocorrer antes que eles possam assumir o controle total do
“tilt”. Um perfil de “tilt” que foi anotado lhes dá a
capacidade de ver as pequenas melhorias que são
normalmente difíceis de enxergar. É fundamental
reconhecer essas pequenas melhorias, por que elas evitam
que você abandone, erroneamente, uma estratégia que está
funcionando de forma mais lenta ou [de forma] menos
significativa.

Sete Tipos de “Tilt”


A lista a seguir descreve resumidamente os tipos mais
comuns de “tilt”:

“Tilt” (da) “Fase Ruim”: O “tilt” que é


motivado por uma série de cartas ruins não é,
na verdade, um tipo único de “tilt”. Ao invés
disso, um (ou mais) dos outros tipos de “tilt”
acontecem com tanta frequência, em um curto
espaço de tempo, que sua mente não consegue
reiniciar-se antes da próxima vez que você
jogar. Como resultado, o “tilt” se acumula e
paira sobre sua cabeça como uma nuvem
escura.
“Tilt” da Injustiça: “Bad beats”,
“coolers36” e “suck-outs37” são exemplos de
gatilhos que fazem você se sentir
amaldiçoado e faz com que o poker pareça
injusto.
“Tilt” Odeio-perder: Muitos jogadores
odeiam perder, mesmo que eles percebam o
quanto a variância impacta em seus
resultados no curto prazo. Querer ganhar não
é o problema, o problema é como você lida
com as derrotas inevitáveis.
“Tilt” de Erros: Errar é frustrante, por
muitas razões lógicas; estas razões na
realidade são falhas por causa de pontos de
vista imprecisos sobre a aprendizagem.
“Tilt” de Direito: O clássico “tilt” do Phil
Hellmuth é motivado por acreditar que você
merece ganhar por X, Y, ou Z razão. Ganhar é
uma posse e você entra em “tilt” quando
alguém indigno a tira de você.
“Tilt” da Vingança: Desrespeito, ação
agressiva constante e adversários pensando
que são melhores que você são apenas
algumas das razões pelas quais você procura
vingança na mesa.
“Tilt” do Desespero: O desejo de ter o seu
dinheiro de volta e conseguir se liberar é tão
forte, que faz você jogar sessões
monstruosas, forçar a ação e aumentar os
limites.

Mais detalhes sobre cada tipo de “tilt” são fornecidos nas


seções correspondentes dentro deste capítulo. A forma
como você irá escolher ler este capítulo fica inteiramente
a seu critério. Pode fazer sentido ir para qualquer outra
seção que se adeque melhor ao seu perfil de “tilt”. Apesar
de haver muitas razões para ler todas as seções de “tilt”
seguintes. A principal razão é você poder reconhecer
tendências e gatilhos em um tipo de “tilt” que não teria
associado imediatamente ao seu jogo.

VISÃO DE BARRY
Entendendo o “Tilt” de seus
Oponentes

Outra razão para se familiarizar com todos os tipos de


“tilt” seria entender me-lhor o “tilt” de seus
oponentes. Embora este livro não se professa ser um
livro de estratégia de poker tradicional, entender
falhas dos jogos mentais comuns e padrões,
acrescentam uma outra maneira de analisar os seus
adversários. Você não iria querer os jogadores em sua
mesa vendo uma cópia do seu perfil de “tilt”, porque
eles poderiam usá-lo para explorá-lo. Ter uma maior
compreensão das falhas do jogo mental de outro
jogador pode ajudá-lo a criar uma vantagem que
poucas pessoas podem afirmar terem.

Estratégias Gerais para o “Tilt”


A estratégia seguinte vem sendo construída a partir do
modelo geral que foi estabelecido no capítulo 4, e se
aplica a todos os tipos de “tilt”. Cada seção apresenta
estratégias específicas para ajudá-lo, ainda mais, a
quebrar cada tipo específico de “tilt”.

1. Reconhecimento: Não é o suficiente apenas estar


familia-rizado com o seu padrão de “tilt” quando
você estiver longe da mesa. Você tem que ser
capaz de reconhecer, claramente, os sinais de que
você está em “tilt” ou caminhando nessa direção
no momento atual; caso contrário, você não
conseguirá ter controle dele. Para alguns
jogadores, estes sinais são muito pequenos e
fracos para impedi-los de entrar em “tilt”. Estude
o seu perfil de “tilt” como se fosse um conceito de
poker, e desenvolva a habilidade de
reconhecimento. Somente quando você for capaz
de reconhecer os sinais de que você está entrando
em “tilt” enquanto estiver jogando, você poderá
controlá-lo.

2. Preparação: Antes de cada partida de poker,


reveja o seu perfil de “tilt”, injetando frase(s)
lógica(s), lembretes estratégicos, e quaisquer
outras partes de sua estratégia de modo que elas
estejam na frente de sua mente. Dessa forma, você
terá mais chances de detectar os primeiros sinais
de “tilt”, e, portanto, mais propenso a tomar ação,
antes da raiva atingir o seu limite emocional e
começar a desligar sua capacidade de pensar.

3. Desempenho: Faça do controle de “tilt” uma


prioridade. Mantenha-se atento aos sinais de “tilt”
e injete lógica quando você os observar. Além
disso, marque ou tome nota das mãos onde você se
sentiu frustrado ou com raiva. Dessa forma, você
pode facilmente juntar mais detalhes sobre o “tilt”
após a sessão.
4. Avaliação: O que você faz depois de uma sessão
ou torneio depende de quão grave foi o seu “tilt”.

Num dia em que o “tilt” é leve, concentre a sua


ava-liação nas melhorias feitas com o “tilt”.
Preste atenção aos pontos que anteriormente teriam
feito você entrar em “tilt”, onde ao invés, você foi
capaz de permanecer no controle. Analise o que
você fez para gerenciar com sucesso o “tilt”, e
tome nota de quaisquer novos sinais. Reveja seu
“histórico de ‘mãos’ mental” para reforçar a
correção.

Nos dias em que o “tilt” é significativo, mas não


horrível, tome notas logo depois que terminar de
jogar. Enquanto os detalhes de seu “tilt” ainda
estão frescos em sua mente, adicione novos
detalhes que lhe irritaram para o seu perfil de
“tilt”, os erros que você fez, ou os sinais de que
você estava em “tilt”. Não assuma que os detalhes
são sempre os mesmos das outras vezes que você
entrou em “tilt”; procure as diferenças. No mínimo,
se os detalhes forem os mesmos, preste mais
atenção a eles, aumente a habilidade de
reconhecimento. Basicamente, você está
escrevendo a etapa 1 do “histórico de ‘mãos’
mental”, e isso por si só poderá reduzir a raiva. Se
você for objetivo o suficiente depois de terminar a
etapa 1, você vai acelerar o processo de decisão,
ao atravessar as quatro etapas restantes.

Quando o “tilt” for realmente ruim, mesmo que


seja a última coisa que você queira fazer, tomar
notas poderá ajudá-lo a lidar melhor com o “tilt”
no futuro. Livre-se do que está na sua cabeça
desabafando produtivamente. Sim, o desabafo é
uma grande coisa, mas os jogadores muitas vezes o
fazem unicamente com os jogadores que não
querem ouvir. Em vez disso, ao escrever (ou
desabafar a um amigo primeiro e, em seguida,
escrever), você tira os detalhes críticos sobre a
causa de seu “tilt” de sua cabeça e os leva para um
lugar onde você poderá enxergá-los melhor.
Frequentemente os jogadores ignoram essas pepitas
de ouro de discernimento, porque eles nem sequer
percebem, o quão importante elas são para resolver
o “tilt”. Ao percebê-las, você tem os dados críticos
para ajudá-lo a decifrar a causa de seu “tilt”.

O desabafo produtivo também permite que seu


cérebro relaxe e os jogadores que assim o fazem de
forma regular, dizem que isto os ajuda a voltar ao
normal mais rápido. Complete as quatro etapas
restantes do “histórico de ‘mãos’ mental” dentro
dos próximos dias.

HISTÓRIA DO
CLIENTE
Liz “RikJamesB1atch” Herrera
Heads-Up38 NL até 50/100

“Eu era basicamente uma “grinder39” mediana antes


de falar com Jared, em 2008. Eu tinha uma taxa de
vitória decente de 3bb/100 jogando mesas múltiplas
de 6 max NL e estava ganhando 5BB/100 jogando
Heads-Up. Quando eu jogava on-line, eu mantinha o
meu gênero em segredo, porque eu não estava
interessada na fama; eu só queria ser respeitada. É daí
que veio o meu nome de poker; era um nome tão
macho que ninguém jamais iria pensar que eu era do
sexo feminino (é engraçado, porque eu ouvi que o Phil
Galfond escolheu “OMGClayAiken” para que os
jogadores pensassem que ele era uma mulher).

A razão para eu falar com Jared era que eu estava


entrando em “tilt” muito mais em Heads-Up. O poker
pode ser francamente irritante às vezes e isso faz você
querer quebrar o seu mouse. Eu sempre pensei que o
“tilt” fosse normal. Eu tive uma conversa com um
respeitado membro e coach do 2+240, que realmente,
me disse que o “tilt” era apenas parte do jogo. Eu
entrava em “tilt” de duas a três vezes em uma sessão e
assumia que eu tinha que lidar com isso ... Até que eu
li o “post” de Jared no Stoxpoker e decidi fazer uma
tentativa com ele.

Logo de cara, ele me ajudou a ver quantos tipos de


“tilt” existem. Ele me ensinou como identifica-los e
me levou a escrever meus próprios gatilhos pessoais
de “tilt”, para determinar o que eu faria e por que eu
faria isso. Eu os mantinha escritos em um cartão de
notas e me concentrava neles, enquanto eu estava
jogando. Quando um desses gatilhos aparecia, eu me
lembrava que existia um potencial de entrar em “tilt”;
então eu fazia exercícios de respiração e parava e
pensava por um minuto.
Ele também me fez pensar sobre meus sinais de “tilt” -
as coisas que eu fazia quando eu estava em “tilt”,
como estar excessivamente agressiva, agindo sem
pensar e fazendo bluffs41 ruins. Quando eu notava
estes sinais aparecendo, eu definitivamente sabia que
era hora de fazer uma pausa. Depois de fazer isso por
várias semanas, eu eventualmente cheguei a um ponto
em que eu não precisava nem mesmo fazer uma pausa;
eu poderia simplesmente fazer algumas respirações
profundas e apenas continuar jogando - o fato de eu ter
notado os sinais, era o suficiente para me impedir de
entrar em “tilt”.

Realmente a coisa que mais me ajudou foi o conceito


de um diário. Quando ele mencionou pela primeira
vez, eu pensei que era chato e não queria fazer. Eu só
tinha uma imagem de uma adolescente escrevendo
sobre seus sentimentos em um diário. Seis meses
depois de lutar com ele sobre isso, eu dei-lhe uma
chance e poxa vida, eu estava deslumbrada e chateada
por não ter feito isso muito antes. Ele me ajudou a
compreender realmente o que eu precisava fazer. Ele
criou um horizonte, em certo sentido, o que realmente
acelerou meu processo de aprendizagem. Agora eu
tenho um diário para praticamente tudo o que faço, e é
uma ferramenta tão útil. Eu o uso para monitoramento,
mas também para explorar novas ideias e quebrar
meus erros de uma maneira um tanto positiva.

Os resultados do meu trabalho com Jared não


aconteceram da noite para o dia; demorou alguns
meses para realmente colocá-los em ação. Metade do
trabalho é o conselho que ele dá; a outra metade é com
você. Usar o que ele me deu teve um efeito enorme na
minha taxa de vitória. Mesmo incluindo as mãos
antigas, a minha taxa de vitória agora é de quase
12BB/100 em mais de um milhão jogos de 2/4, por
todo o percurso até 50/100 Heads Up.”

Como é a “Cara” do Progresso e Como


Mantê-lo
Geralmente, a primeira constatação que se faz ao
progredir, é a percepção de como o “tilt” acontece. Isso
ainda não significa que você pode controlá-lo; mas
reconhece-se de forma mais clara, o primeiro passo
fundamental para ser capaz de ter o controle. O “tilt” é um
quebra-cabeça complexo que requer contínua atenção para
as suas várias peças.
Aqui estão algumas outras peças chave para se buscar
enquanto se avalia os progressos realizados:

Você identifica os sinais de “tilt” mais cedo e


se mantém no controle com mais facilidade.
Você se recupera, ou se sente normal, mais
rápido após sessões terríveis.
É preciso mais material de indução de “tilt”
para chegar no seu limite.
Enfrenta-se o “tilt” de forma mais fácil e se
consegue jogar mais tempo.
Você é capaz de se reorientar e voltar a jogar
bem mais rápido.
A intensidade de sua raiva é menor.
Você tem maior controle das suas fraquezas
no poker.

Também é fundamental que você catalogue as melhorias


dos piores aspectos de seu “tilt”. Se você está tendo
progresso, você tem dados concretos para referência no
seu perfil de “tilt”. As emoções são tão suaves que, sem
ter um registro escrito, pode parecer como se nada tenha
melhorado, quando, na verdade, muitos aspectos de seu
“tilt” me-lhoraram. Muito frequentemente os jogadores
não percebem que estão fazendo progressos e param de
fazer o que estava funcionando. Ao ver estas pequenas
melhorias, você vai ganhar confiança e motivação extra
para continuar trabalhando em seu “tilt”. Além disso, se
você não está melhorando, pelo menos você tem a prova e
pode usar os dados que você juntou para fazer ajustes em
sua estratégia.

Também é importante lembrar que ao se fazer progressos


muitas vezes há momentos em que você dá alguns passos
para trás. Enquanto eles podem ser desmoralizantes, estes
são grandes oportunidades para me-lhor compreender a(s)
causa(s) de seu “tilt”, para que você esteja me-lhor
preparado, para evitar esses erros no futuro. Como uma
definição de loucura é fazer a mesma coisa repetidas
vezes, enquanto espera resultados diferentes, tente usar
tudo o que o “tilt” lhe dá, ao invés de apenas esperar que
ele vá embora.

“TILT” (DA) FASE RUIM


Entrar em “tilt” durante uma fase ruim é tão comum que os
jogadores costumam pensar no “tilt” como parte real do
jogo. Enquanto há poucas coisas piores no poker do que
períodos prolongados de má sorte, há poucas coisas
melhores para lhe ajudar a identificar falhas mentais e
técnicas em seu jogo. (De maneira distorcida, ter uma
sequencia ruim de cartas é, na verdade, uma forma de boa
variância.)

O “tilt” da fase ruim é motivado por uma forma de “tilt”


acumulado que se desenvolve ao longo de dias, semanas,
meses ou anos de cartas ruins. É um ciclo vicioso que
ganha força porque a variância faz você entrar em “tilt”, o
que faz com que você jogue mal, o que faz você entrar
mais em “tilt”, que é transferido para o dia seguinte, o que
significa que você provavelmente vai entrar em “tilt” mais
rapidamente. Então, quando você entra em “tilt”
novamente, você entra em “tilt” mais intensamente, por
isso, suas perdas se acumulam ainda mais, o que faz você
parar logo de jogar. Então você entra em “tilt” porque
você parou de jogar, então isso pesa mais em sua mente e
você luta para dormir. Você acorda cansado e sente que
você tem que jogar, mas depois você se ferra de novo ...
joga mal ... entra em “tilt” novamente ... comete mais erros
... entra em “tilt” um pouco mais ... joga uma sessão
monstruosa para conseguir se liberar ... cai mais
profundamente no inferno do poker ... acha que ganhar é a
resposta, mas você não consegue ganhar ... mais uma vez
entra em “tilt”... não consegue parar de jogar ... entra em
“tilt” novamente, porque você não consegue parar de
entrar em “tilt” ... acredita que ninguém teve mais azar ...
quer sair do jogo ... não na verdade, você só precisa
ganhar novamente.

Parece familiar?

Seu padrão provavelmente tem diferenças, por que todo


mundo é mais ou menos único. No entanto, os pontos em
comum entre os jogadores de poker que entram em “tilt”
numa fase ruim são surpreendentes, uma vez que você
cave um pouco mais fundo. A principal coisa a ter em
mente é que, enquanto você está numa fase ruim, outros
tipos de “tilt” são acionados repetidamente em um curto
espaço de tempo. Se “bad beats” fazem você entrar em
“tilt”, então durante os períodos em que você recebe
cartas ruins, você vai entrar mais em “tilt”, porque as
“bad beats” estão acontecendo com mais frequência, e às
vezes numa sucessão rápida. Ter os seus AA’s quebrados
durante fase boa não o incomoda, porque isso não
acontece com muita frequência, além dos ganhos
dissiparem qualquer raiva.

Uma sequencia de má variância não motiva o “tilt”. Ela


revela as razões fundamentais que fazem com que você
entre em “tilt”. Se você não tem certeza de quais outros
tipos de “tilt” lhe incomodam por jogar mal, seus
pensamentos podem ajuda-lo a relacioná-los. Por
exemplo:

“Isso não é justo, eu sou destinado não ter


sorte, eu nunca ganho um flip!”= “Tilt” da
Injustiça
“Como é possível perder assim de novo!”=
“Tilt” Odeio-Perder
“Eu sabia! Caramba, como eu posso jogar tão
mal?! “ = “Tilt” do Erro
“Eu sou um jogador muito bom para que isso
aconteça. Como posso continuar perdendo
para este ‘donkey’?” = “Tilt” de Direito
“Vou 3-bet esse idiota; quem que ele pensa
que é !? F* &%-se você, vou colocá-lo em
seu lugar = “Tilt” da Vingança
“Eu vou ficar aqui por uma m#&$* de uma
semana, se eu tiver que ganhar!”= “Tilt” do
Desespero

Depois de identificar o(s) tipo(s) de “tilt” exposto(s) pela


fase ruim, leia a seção correspondente para ajudá-lo a
resolvê-lo. Uma vez que as causas principais do seu “tilt”
forem corrigidas, você não irá mais entrar em “tilt” na
fase ruim, não importa quantas “bad beats” você tome.
Uma má fase continuada, provavelmente, ainda vai ser
frustrante, mas você será capaz de se controlar e jogar
bem.

Se você não puder isolar quaisquer outros tipos de “tilt”,


ou se lhe parecer que o verdadeiro problema é a fase
ruim, você pode pensar numa abordagem mais ampla.
Variância é um conceito difícil para os jogadores, que faz
com que realmente percam a cabeça. Enquanto muitos a
entendem, o seu conhecimento de variância não é
percebido quando a sua mente está à beira de um desastre.
A realidade é que o conhecimento de variância é uma
habilidade como qualquer outra, por isso se aplicam as
mesmas regras. Só o que está treinado em nível de
Competência Inconsciente é garantido ser mostrado sob
pressão emocional; todo o resto não é do-minado e ainda
precisa de mais trabalho. Apesar do seu conhecimento
sobre variância, você precisa aprender melhor. Talvez
seja por isso que os jogadores que vêm de origens
matemáticas ou financeiras tendem a prosperar no poker.
Eles já têm um alicerce de conhecimento sobre a natureza
da variância.

Embora você não possa realmente controlar a variância,


você poderá ter um maior controle do seu jogo ao
aprender mais sobre ela. Mergulhe mais profundamente
nas sutilezas da variância para compreendê-la além dos
óbvios “coolers”, “suck-outs”, e “bad beats”.
Preferencialmente, reforçar a sua habilidade para
reconhecer a variância deve ser feito de forma regular.
Ter essa habilidade permite que você saiba, no momento,
se você está numa sequencia ruim de cartas, jogando mal,
ou sendo superado, o que, em última instância, faz com
que sua mente se mantenha mais estável. Para saber mais
sobre a habilidade de reconhecer variância, vá para a
página 230.

HISTÓRIA DO
CLIENTE
Matt “mbolt1” Bolt
3/6 a 50/100 NLHE
INSTRUTOR DE POKER NO DRAGTHEBAR

“No início, eu progredi muito rapidamente, e fui


financiado e treinado por Dusty Schmidt. Ter essa
oportunidade também me permitiu subir de nível
rapidamente, por isso em alguns meses, um dia ruim
de derrotas deixou de significar duzentos dólares e
passou a representar $5.000. Eu subi bastante,
passando por todos os limites; toda vez que eu subia,
jogava bem e imediatamente esmagava. Eu realmente
não tive ne-nhuma experiência verdadeira com a
variância negativa, até me estabelecer nos limites
médios e altos.

Agora eu estava sujeito a dias de derrotas que você


não pode nem mesmo compreender quando você está
com 16 mesas de 2/4 abertas. O dinheiro nunca foi um
problema tão grande; para mim o pro-blema era a
derrota. Eu pensava que era muito pior perder $5.000
ao longo de uma semana, jogando 3/6 do que perder
$80.000 em um dia jogando 50/100.

O que Jared fez foi me fazer pensar sobre as coisas


certas, e ele me deu uma melhor compreensão, do por
que o meu cérebro fez o que fez. Você naturalmente
desenvolve uma tolerância para a variância, quando
você joga um alto volume, mas nossas conversas
aceleraram o processo.

É tão incrivelmente frustrante quando você está


jogando mal. Houve momentos em 2010, que eu nem
mesmo pensava que eu estava jogando poker, eu
pensava que eu estava jogando um jogo chamado você
[sempre] 42 perde, onde eu aparecia nas mesas todos
os dias para perder. Na minha mente, a diferença entre
um grande jogador e um jogador medíocre é a forma
como eles lidam com as fases ruins. Uma coisa que
ele disse que muito me marcou foi, ‘Michael Jordan
nunca ganhou um centavo na sala de musculação.’ Eu
gosto de pensar no Jordan trabalhando, absurdamente,
na sala de musculação e não ganhando nada. Isso é o
que a fase ruim é para mim, trabalhar duro para perder
o mínimo possível.

Não é fácil de fazer. No lado mental de poker, tudo o


que é importante para um jogador de sucesso é quase
o oposto exato da natureza humana. Ninguém quer
parar de jogar quando está perdendo di-nheiro; eles
querem perseguir suas perdas, mas querem sair bem
cedo quando eles estão ganhando. Quando um bom
jogador de poker está jogando bem, ele quer ficar na
mesa; todas as condições estão certas e eles
geralmente estão jogando seu melhor jogo. Quando é
ruim, eles querem parar de jogar e sair. Jogadores
inexperientes se comportam da maneira oposta. Na
minha experiência, tudo o que você instintivamente
acha que está certo, está errado no jogo mental de
poker.
Eu sempre fui ruim em fazer lição de casa, por isso
por um longo tempo tudo o que fazia com Jared eram
as nossas sessões, e não muito mais. Eu achei que
falar com ele iria ajudar imensamente; mas depois de
um tempo sem uma sessão, as coisas começaram a
escapar porque não estava realmente acontecendo.
Então, finalmente, comecei a preencher planilhas
depois de minhas sessões, onde eu avaliava meu jogo,
estado mental e também notava quanto a variância
passou a desempenhar um papel importante. Isso
realmente me ajudou a lidar com os períodos de má
fase. Todo mundo se lembra naturalmente de todos os
momentos em que você não se deu bem e esquece
todos os pontos que teve sorte.

Anteriormente, eu pensava: ‘Poxa, eu sou a pessoa


mais azarada do mundo, isso é muito injusto, eu
mereço ganhar mais.’ Eu pensava que não tinha
importância me dar mal por alguns dias, desde que eu
tivesse sorte depois para compensar isso. Eu sei que
não é racional, mas no momento você sente a enorme
sensação de injustiça e de frustração que a sorte não
correspondeu. Variância ainda é um saco, mas agora
eu não me concentro muito no meu azar. Qual é a
vantagem? Eu tento ignorar os resultados e me
concentrar em jogar cada partida tão bem quanto
possível. Recentemente, tive um má fase de 90 buy-ins
e não tenho nenhuma dúvida de que só continuei
jogando durante esse tempo porque eu estava
monitorando de perto todo o percurso.”

VOCÊ NÃO TEM


INJETANDO LÓGICA CONTROLE SOBRE QUE
ESTÁ POR VIR, ENTÃO
POR QUE FOCAR NISTO?

VOCÊ É UM VIDENTE FAJUTO E NÃO


CONSEGUE PREVER QUANDO VAI VIRAR O
JOGO. TUDO O QUE PODE FAZER É
CONTINUAR JOGANDO BEM.

Focado Mais nos Resultados do que na


Qualidade
O poker evoluiu rapidamente na última década. Parte
dessa evolução se deve ao fato de cada vez mais os
jogadores direcionarem o foco para a qualidade do seu
jogo, em vez de somente se concentrar nos resultados no
curto prazo. Como é um novo conceito para a comunidade
de poker em geral (anteriormente ouviu-se de alguns que
era melhor ter sorte do que ser bom), os jogadores
frequentemente se queixam que estão conscientes de que o
foco apenas em resultados é errado, mas não conseguem
evitar isto quando eles jogam mal.

Concentrar-se mais na qualidade do jogo é uma


habilidade, o que significa que se joga pelas regras do
MAA (ALM). No entanto, os jogadores muitas vezes
supõem, erroneamente, que fazer uma ação orientada para
resultados, como verificar o caixa ou ficar irritado por um
bad beat, significa que nenhum progresso foi feito com
relação ao seu foco na qualidade. A não ser que você
esteja monitorando o progresso com suas anotações, ou
tenha uma memória fotográfica, é impossível identificar
com precisão as melhorias sutis nesta habilidade. Assim,
os menores sinais de melhoria, tais como um maior
reconhecimento, verificação de resultados com menos
frequência, ter um pouco menos de frustração, ter mais
foco na qualidade, ou revisar seus jogos depois de uma
sessão, são muitas vezes ignorados quando você está
apenas à procura de resultados finais.

Toda vez que você passar por um período de cartas ruins,


é uma oportunidade para provar o quanto você aprendeu.
Somente quando a habilidade se mostra de forma
consistente sob pressão emocional extrema, que você
poderá comprovar o que foi aprendido em nível de
Competência Inconsciente. Todo o resto ainda está em
processo de aprendizado.

É TUDO HABILIDADE;
INJETANDO LÓGICA VOCÊ SÓ NÃO ESTÁ
SENDO
RECOMPENSADO NESSE MOMENTO.

SE É TUDO HABILIDADE NO LONGO PRAZO,


ENTÃO VOCÊ PRECISA SE CONCENTRAR NA
HABILIDADE NO CURTO PRAZO.

Reservando uma Vitória


Após passar por um longo período de fase ruim, o desejo
de fechar uma sessão com êxito parece ser cada vez mais
uma boa opção. Fases ruins podem fazer com que seja
difícil até mesmo se lembrar de como é ganhar um mão,
então programe-se para ter de volta a sensação de ganhar,
ganhar algum dinheiro e evitar a dor de perder outra
sessão. Programar-se para ganhar (junto com jogar em
stakes/limites mais baixos ou menos mesas) é algo que a
sabedoria convencional de poker aconselha para lidar
com a fase de cartas ruins, especialmente quando ela
também está afetando a confiança.
Bem, programar-se para ganhar é a coisa certa a fazer? Ou
você deve apenas continuar tentando, sabendo que desde
que você esteja jogando bem, eventualmente, a sorte
poderá mudar?

A resposta é: depende. Seu trabalho como um jogador é


avaliar o risco. Aqui estão duas coisas a considerar ao
tomar sua decisão:

1. Programar-se para ganhar é uma ótima


opção quando sua confiança está baixa e é
óbvio que você está jogando mal. Se você
está se sentindo esmagado e não se lembra a
última vez que você ganhou nas mesas,
programe-se para ganhar. Com sua vitalidade
tão baixa, e talvez até mesmo -EV quando em
“tilt” , continuar jogando é suicídio no poker.
Se o fato de se programar para ganhar pode
aumentar um pouco a sua confiança e lhe
colocar em forma para jogar melhor, então
faça isso. Apenas observe que se programar
para ganhar não irá resolver os seus
problemas de confiança; é uma correção
temporária para os problemas que, se não
enfrentados diretamente, irão aparecer
novamente na próxima vez que você jogar
mal. Em vez de ter sua confiança oscilando
constantemente para cima e para baixo junto
com seus resultados, leia o capítulo 8 e
comece a tentar desenvolver a confiança
estável.
2. Jogue um pouco mais, se você conseguiu
melhorar o seu problema de “tilt” e provou
que pode controlá-lo. Forçando-se a jogar
um pouco mais, mesmo por apenas 10
minutos, você poderá desenvolver o músculo
mental, fortalecer as habilidades de poker,
aumentar a confiança, e trabalhar para
resolver a principal causa de seu “tilt”.

Equilíbrio Poker/Vida
Ao passar da fase ruim, os efeitos podem começar a afetar
a sua vida pessoal. O poker torna-se mais difícil de
colocar fora de sua mente, as perdas afetam seu humor,
você fica irritado com os amigos, você não sente vontade
de fazer nada, e é mais difícil de se concentrar, dormir, e
desfrutar do seu tempo livre. Para alguns jogadores,
apenas uma sessão de poker é o bastante para começar a
afetá-lo pessoalmente; para outros, leva mais tempo.
A maneira de manter o poker fora de sua vida é através da
criação de uma bolha em torno dele. Siga os passos
abaixo para ajudá-lo a colocar o poker de lado, para que
você possa seguir em frente com sua vida. Evitar que o
poker afete sua vida pessoal requer ação direta. Aqui está
uma estratégia que ajudou muitos jogadores:

Passo 1: Desabafe no papel ou no computador. A


maioria das pessoas desabafam de forma improdutiva.
Elas fazem isso com outras pessoas ou para si
mesmos. Ao invés disso, faça seu desabafo no papel
ou no computador para colocar os pensamentos do
poker fora de sua cabeça e para criar um registro do
que está lhe irritando. Basicamente, você está tentando
criar uma descrição do que aconteceu, enquanto ainda
está fresco em sua mente. Você não precisa fazer nada
com esta informação, você está apenas tirando ela de
sua cabeça, com a intenção de analisar o seu “tilt”
uma vez que você se acalmar, e poder ter uma visão
mais objetiva. Se você precisa fazer uma pequena
pausa antes de escrever, está bem, mas será melhor se
você puder voltar dentro de algumas horas.

Passo 2: Faça anotações sobre seus erros de poker


ou mentais após a sessão. Você não precisa fazer uma
análise radical, apenas organize as partidas que jogou
e capture um pouco do fluxo do jogo, para que você
possa trabalhar em seus pontos fracos, com mais
precisão no futuro. É mais fácil fazer isso quando
você tiver marcado ou identificado os jogos durante a
sessão.

Passo 3: Faça uma pausa. Neste ponto, você já fez


tudo o que você pode fazer. Não há nada mais que
você possa fazer para ajudar o seu jogo, a não ser
relaxar e ‘dar um tempo’. Você não pode mudar o que
aconteceu, mas você pode usar o que aconteceu para
compreender melhor os problemas técnicos ou mentais
em seu jogo, com um olhar crítico e objetivo para se
tornar um jogador melhor no futuro. Você já fez isso
nas etapas 1 e 2. Agora sua mente precisa relaxar,
permitindo que ela se recupere antes de voltar a jogar.

Passo 4: Coloque o poker para fora de sua mente,


ou coloque seus pensamentos no papel. É possível
que os pensamentos sobre o poker continuem
aparecendo em sua mente, mesmo depois de passar
pelas três primeiras etapas. Caso isto aconteça, tente
colocalos para fora de sua mente, concentrando-se,
novamente, no que você está fazendo. Se eles
persistirem, então faça algumas anotações, para que
você possa ir em frente com sua vida.
Ao mesmo tempo que pensar em poker logo após ser
destruído raramente é o que vocë quer, isso é uma ótima
maneira de fazer a sua mente parar de pensar em poker em
momentos que você prefere não pensar.

Prevendo Bad Beats


A fase ruim é agravada quando sua mente começa a prever
mais perdas. Você recebe ases e imediatamente assume
que vai perder a mão. Acerta o par do meio no flop,43 e,
claro, o check-raise44 do seu oponente significa que eles
têm o top set.45 É 20-146 favorito indo para o river e você
sabe que um suck-out está chegando. É apenas uma
conclusão precipitada de que você vai perder, você está
jogando apenas para descobrir como isso vai acontecer
desta vez.

Para alguns jogadores, a precisão do seu poder de


previsão faz parecer que as “bad beats” estão
acontecendo porque eles acharam que viria. Essa ilusão é
criada por não se perceber que a mente faz previsões com
base em acontecimentos recentes.

A mente tem a habilidade de antecipar o futuro, assim


como o corpo faz. Quando seu corpo está em movimento,
está constantemente fazendo previsões para estar
preparado. Um exemplo onde esta previsão dá errado
acontece ao se subir um lance de escadas e não prestar
atenção em quantos degraus realmente existem. Se você
antecipar um degrau que não está lá, você praticamente
vai tropeçar, porque a previsão de seu corpo estava
errada.

Seja em referência para com o corpo ou para a mente, a


previsão é baseada somente nas informações disponíveis
naquele momento. Ao receber cartas ruins, a mente está
desenhando a partir de um conjunto de dados que está
fortemente inclinada à derrota. Naturalmente, a sua mente
prevê mais derrotas. Por outro lado, quando você recebe
cartas boas, acontece a mesma coisa em outra direção:
Você não vê nada além de mais vitórias no futuro, porque
há muito mais dados recentes que sugerem que elas irão
continuar.

Prever mais derrotas, apenas vai ser um problema se:

1. Você começa a jogar com uma estratégia


perdedora em uma tentativa desesperada de
evitar perdas.
2. Você acredita que suas previsões sejam uma
realidade do que o futuro lhe reserva.
A menos que você tenha poder psíquico real (por que
estaria lendo este livro se assim acreditasse?), acreditar
que a sua mente esteja controlando os resultados é uma
ilusão. Esta ilusão de controle é sutil, e é um problema
subjacente que precisa ser tratado diretamente. Resolva
ele, e a previsão de bad beats deixará de adicionar uma
camada adicional de raiva ou afetar a sua tomada de
decisão na fase ruim. Para saber mais sobre a ilusão de
controle, vá para a página 236.

VOCÊ CONTROLA
INJETANDO LÓGICA COMO VOCÊ
CORRESPONDE ÀS
CARTAS, NÃO COMO AS CARTAS SÃO
DISTRIBUÍDAS

Redefinindo Sua Mente


Ao passar de uma fase ruim, ter que lidar com mais coisas
que induzem o “tilt” (gatilhos) também desgasta sua
mente. Quando a frequência de seus gatilhos é típica, sua
mente pode ser reiniciada após uma boa noite de sono,
uma noite fora com amigos, ou um bom treino.
Infelizmente, quando o “tilt” continua aparecendo dia após
dia, torna-se cada vez mais difícil para você aparecer
para jogar com uma mente limpa. O “tilt” do dia anterior
persiste e torna mais provável que você vá entrar em “tilt”
novamente. Enquanto anteriormente levavam cinco ou
mais bad beats para deixá-lo apenas um pouco frustrado,
somente um bad beat agora te envia para o limite do “tilt”
e duas são suficientes para fazer com que você desista.

A razão pela qual você acumula essa raiva extra é porque


o seu cérebro tem muito dela para digerir. A raiva
adicional pesa em sua mente e, eventualmente, pode forçá-
lo a parar de jogar poker, a fim de limpar sua mente. Para
alguns jogadores, isso significa tirar alguns dias de folga,
que podem ser desesperadores também.

Se você não quer tirar um tempo livre, você precisa


limpar a raiva extra que o cérebro não consegue processar
rápido o suficiente por si mesmo. Você pode fazer isso:

1. Seguindo os passos para manter o poker fora


de sua vida, na página 98.
2. Desenvolvendo uma rotina de
desaquecimento usando as sugestões no
Apêndice I.
3. Usando qualquer um passos mencionados
para resolver emoção acumulada na página
70.
Redefinir a sua mente durante uma fase ruim não é apenas
uma boa ideia, é uma parte importante do que o mantem
jogando bem, enquanto você está tomando porrada.

“TILT” DA INJUSTIÇA
Você foi derrotado no river, por coolers, e por bad beats
pela enésima vez hoje e sua cabeça está prestes a
explodir. Você não pode acreditar como pode ter tanto
azar. Jogadores ruins lhe destruíram no pior momento
possível, os regulares também, você entra em “tilt”
quando você pensa em quanto mais você poderia ter
ganhado, os deuses do poker lhe amaldiçoaram, você não
merece isso e você quer saber quando você terá o que lhe
é de direito. A lógica diz que a variância torna o poker
rentável. Basta ter paciência e, eventualmente, as coisas
irão virar a seu favor. Mas as escalas da justiça do poker
conspiraram contra você, e você entra em “tilt” tentando
lutar contra elas.

Como o nome indica, o “tilt” da injustiça é uma questão


de equidade e justiça. Embora possa parecer como se a
resposta seja simplesmente aceitar as realidades do poker,
claramente não é tão simples assim, ou este problema já
teria sido resolvido. Então, como com todos os outros
tipos de “tilt”, encontrar a lógica que falta é a chave para
desvendar uma solução duradoura.

Responda a estas perguntas para ajudar a encontrar a falta


de lógica que está causando o seu “tilt” da injustiça:

A sensação é como se você nunca tivesse a


sua parte da sorte? Ou que você está sempre
sendo ferrado?
A sensação é a mesma como se o dinheiro
que você perdeu está sendo tirado de você?
Um bad beat, um cooler, ou um suck-out é
pior quando acontece contra um “pato” ou
contra um jogador regular?
Quais são as situações em que a má sorte
realmente lhe incomoda?
Você está com ciúmes ou ressentido de outros
jogadores que você acha que jogam melhor
do que você?
Quando a variância é muito ruim, você deseja
que o poker não fosse assim, ou que você
pudesse de alguma forma controlar a
variância?

Para muitos jogadores, o núcleo da injustiça é um


sentimento de que eles não estão ganhando o que eles
acham que é justo. Isso levanta a questão, como você sabe
o que é justo? A mente descobre por consi-derar o
seguinte:

Variância ou sorte
A qualidade da sua habilidade
A qualidade da habilidade do seu oponente

Obviamente, esses três fatores, em conjunto, determinam a


sua vantagem no jogo, mas calculá-los com precisão não é
fácil. Os jogadores que fazem isso muito bem, têm muita
habilidade em detectar uma variância sutil, um erro de sua
parte, ou um movimento sólido feito por seus adversários.
Enquanto todos os jogadores têm alguma habilidade em
cada área, os seus níveis de habilidade variam
drasticamente.

No momento, em salas de poker e on-line, existem


jogadores que não acreditam na matemática. Eles pensam
que KK47 é uma mão melhor preflop do que AA, ou
pensam que sempre acertam seus flushes48 quando
recebem cartas de paus. Sua opinião é naturalmente
influenciada pelas mãos que jogaram até agora em sua
carreira, e não por estatísticas. O que esses jogadores nos
mostram (além de que são ótimos adversários a ter à sua
direita) é que além de jogar mal, jogadores ruins também
cometem muitos erros na forma como interpretam os
resultados. Eles superestimam sua própria habilidade,
eles têm muito pouca compreensão sobre a variância ou
odds,49 e eles acham que eles são melhores do que você
ou do que os outros jogadores regulares na mesa.

Os erros na interpretação dos resultados não são de


domínio exclusivo dos jogadores ruins. Todo jogador tem
um filtro que calcula a influência da variância, a sua
própria habilidade, e a habilidade de seu oponente.

Este filtro orienta a interpretação do resultado de uma


mão, sessão, torneio, SNGs,50 etc. É como um sistema de
classificação: variância nesta pilha, a qualidade do jogo
naquela outra pilha e o jogo dos adversários na última
pilha. Com os resultados da classificação de filtro, os
totais de cada pilha dão automaticamente a um jogador um
senso de seu limite. O “tilt” da injustiça se desenvolve a
partir de fraquezas fundamentais ou erros na capacidade
de um jogador para filtrar os resultados, e que em última
instância, distorce o que acreditam ser justo. Se calcular
cada um destes fatores - variância, sua habilidade, a
habilidade de seu adversário – fosse tão simples, o “tilt”
da injustiça não existiria. Os jogadores facilmente
saberiam o que é justo. Quando você sabe o que é justo,
mesmo se você perde, não lhe parece injusto. Às vezes,
apenas a incerteza de não saber já é o suficiente para fazer
você ficar louco.

Embora seja impossível saber definitivamente, a curto


prazo, o que é justo, existe uma maneira de se descobrir
que pode melhorar com trabalho e experiência. A
princípio, pode não parecer como se você pudesse
melhorar a sua compreensão da variância além de ter seus
ases quebrados por cincos, enfrentar coolers, perder
trinca para trinca, ou constantemente enfrentar o topo do
range do seu oponente. Compreender a variância é uma
habilidade que já melhorou desde quando você começou a
jogar, o que significa que você pode co-ntinuar a entendê-
la ainda mais. Para alguns conselhos sobre como
aumentar a sua compreensão de variância, vá para a
página 230.

A justiça pode ser cega e imparcial no tribunal, mas você


não é. Além de erros no cálculo da variância, da sua
habilidade e da habilidade do seu oponente, ela faz com
que o “tilt” da injustiça seja exagerado pelos preconceitos
que obscurecem o seu julgamento e inclinam a balança da
justiça a governar, automaticamente, contra você. Em
outras palavras, você pega apenas pequenas amostras de
evidências para determinar o que é justo, e isso tem um
impacto direto sobre a forma como você reage à mesa.
Os principais preconceitos no poker são abordados no
restante deste capítulo.

Terrível em Identificar Boa Variância


Normalmente, os jogadores lembram do azar mais do que
da sorte, principalmente sob pressão emocional.
Raramente você vai ouvi-los contar histórias de como
eles lhe sugaram51 mas ouvir uma história de bad beat é
frequentemente inevitável. Lembrar-se e concentrar-se
mais no azar, cria uma perspectiva preconceituosa, pela
simples razão de que, quando você adiciona foco à
alguma coisa, você aprende melhor. Então, o azar recebe
mais atenção e, assim, se destaca mais facilmente em sua
mente. Basicamente, você é realmente habilidoso em
detectar azar e terrível em identificar a sorte.

Para piorar a situação, não só este foco extra no azar


desvia a sua percepção geral, quando sob pressão
emocional a partir de uma fase ruim, é tudo o que você se
lembra. Então, agora uma expressão como: “Eu nunca
tenho sorte” faz todo o sentido, porque o azar é tudo que
você vê. Nesse momento, você realmente acredita que
você nunca tem sorte e isso acontece principalmente
porque você é muito ruim em reconhecê-la.
Mais do que o Justo
Quando você assume que sorte é na verdade mais um
resultado de seu jogo e/ou assume que seus erros na
verdade são azar, e você está errado, esses erros desviam
as escalas da justiça do poker para fazer a variância
parecer injusta quando não é. As próximas duas figuras
ajudam a ilustrar este ponto.

Escala equilibrada. Figura 1


Escala desequilibrada. Figura 2.

Na figura 1, a sua visão da variância está equilibrada ou


neutra. Você reconhece a sua habilidade, seus erros, bem
como as habilidades e os erros de seus adversários. A
Figura 2 mostra como o “tilt” da injustiça se desenvolve.
Primeiro, se a vitória realmente acontece por causa da
sorte, mas você acredita que foi a sua habilidade, então
um pouco de sorte é retirada da escala. Em segundo lugar,
se os seus erros fazem você perder, mas a derrota foi
presumida como se houvesse sido causada pelo azar,
então um pouco de azar é adicionado à escala. Ao atribuir
a sorte à sua habilidade e seus erros ao azar, você
acredita que a variância está contra você. Assim, em
ambos os casos, o azar parece acontecer com mais
frequência e você entra em “tilt” ao acreditar que você
está sendo ferrado, quando na verdade você está se
ferrando mentalmente.

Você pode imaginar quando esse preconceito acontece,


repetidamente, ao longo do tempo. Parece bastante
razoável que você, eventualmente, acredite que foi
amaldiçoado, ou que a variância foi injusta se uma parte
significativa dos seus ganhos foram atribuídos à sua
habilidade, mas suas perdas não foram. Em vez disso,
suas derrotas foram atribuídas ao azar. De certa forma,
você pode considerar que este seja apenas um problema
básico de matemática, mas como cada fator é difícil de se
medir com precisão, está longe de ser básico. É por isso
que há vantagem em ganhar, ao se aperfeiçoar na
avaliação mais objetiva do seu jogo, no jogo do seu
oponente, e na variância.

Claro, é difícil às vezes identificar a sorte; mas como


mencionado acima, parte da razão é porque você não
atribui a vitória à sorte e você é muito mais habilidoso em
identificar o azar. Isso levanta a questão: “Por que você
está tentando fazer com que a vitória no curto prazo seja
resultado de sua habilidade ao invés de boa sorte?” É
porque você quer acreditar que você é tão bom jogador
quanto você pensa, não importando se você realmente é
tão bom. Isto é um problema de confiança e,
inconscientemente, a mente sabe que esta pseudo-
confiança ou excesso de confiança não é estável. Assim,
durante os períodos de fase ruim frequente, você vai
questionar o seu jogo, perder confiança e pode perder a
motivação. Consulte o capítulo 8 para mais informações.

Aqui estão algumas sugestões para corrigir o


desequilíbrio no que você acredita que é justo:

Curto prazo: Melhore a sua capacidade de detectar


variância positiva e seus erros. Fazer isso equilibra a
sua perspectiva sobre a variância. Consulte também a
página 229 para mais informações sobre o
desenvolvimento das habilidades de reconhecimento:
variância, sua habilidade, e a habilidade do seu
oponente.

Longo prazo: Reflita sobre sua carreira de poker,


talvez até mesmo sobre a sua vida pessoal, nos
esportes e nos negócios, e identifique casos de sorte
que, naquele momento, você pensou ter acontecido
mais por causa de sua habilidade do que da variância.

Também procure os casos em que você pensou que estava


sendo ferrado, mas estava na verdade cometendo erros.
Corrigir o preconceito que você tem agora será mais fácil,
quando você corrigir seus preconceitos passados. Você
não pode mudar o que aconteceu no passado, mas mudar a
maneira como você olha para o passado oferece uma
visão mais precisa e estável do presente.

NO POKER NÃO
INJETANDO LÓGICA IMPORTA O QUE VOCÊ
ACHA QUE É JUSTO.

Oportunidade do “Tilt” da Injustiça


Procurar uma oportunidade em uma pilha de “tilt”, não
significa apenas colocar uma interpretação positiva nas
coisas para fazer você se sentir melhor. É também
encontrar algo de valor real, que pode torná-lo mais forte
mentalmente. Quais são as oportunidades?

1. Se você pode aprender a lidar melhor com


o azar de hoje, você vai ter uma vantagem
sobre os outros jogadores, além de lhe dar
uma pista sobre o que pode ser aprendido
amanhã. Quando você tem uma vantagem,
isso significa que você pode trabalhar em
outra coisa que leve o seu jogo ainda mais
longe e lhe mantém à frente, enquanto outros
estão ocupados em aprender a lidar com a
injustiça.
2. Como você lida com o azar pode ajudá-lo a
prever como vai lidar com a sorte.
Melhorar a (s) principal (is) causa (s) de seu
“tilt” da injustiça, também melhora a forma
como você vai lidar com uma fase boa.
Manter o equilíbrio quando se trata de
variância é muito mais importante do que
simplesmente o azar. Tem jogadores que se
deram bem nos jogos durante o boom de
Chris Moneymaker que faliram. Eles
essencialmente ganharam na loteria do poker
e não conseguiram lidar com isso, da mesma
forma como as pessoas que ganham a
verdadeira loteria e vão à falência logo
depois.

Desejando que o Poker Não Fosse Assim


Ao chegar à raiz da questão do azar provocar jogadores a
entrar em “tilt”, muitos admitiram que eles gostariam que
o poker não tivesse tanta variância. Logicamente, eles
sabem que a variância é uma grande parte do que faz o
poker tão rentável, mas esta lógica não é o suficiente para
satisfazer este desejo. De fato, houve mesmo casos em que
figuras de destaque no jogo tentaram criar versões de
baixa ou nenhuma variância de poker. Estas tentativas
caíram como balões de chumbo, porque a variância é
mesmo o atrativo que faz com que o poker seja rentável e
divertido.

O velho ditado, “Cuidado com o que você deseja,” é


verdadeiro neste caso. Se você conseguiu o que queria e
os resultados no curto prazo foram 100% em relação a
aquele jogador que foi melhor, o que aconteceria? Como o
poker é tanto uma guerra de percepção de habilidade,
quanto da habilidade real, a ação dos jogadores mais
fracos desapareceria, e o poker se tornaria xadrez.

Assuminado que isso tudo é tudo verdade, e muitos de


vocês já sabem que é, o que é o desejo realmente?
Desejar que o poker não tenha variância é outra maneira
de dizer: “Eu não posso lidar com a emoção que a
variância me proporciona.” Se a variância não o levasse a
entrar em “tilt”, você adoraria que ela existisse.
Como você não pode controlar a variância, a única
solução é:

1. Ficar melhor em entendê-la. Para saber


mais, consulte a página 230.
2. Melhorar a forma como você lida com isso
emocionalmente

Lidar melhor com a variância significa que você a aceita.


A aceitação acontece naturalmente, depois de saber por
que você não quer que seu desejo de variância zero se
torne realidade.

Desejo de Controlar a Variância


O desejo de controlar a variância, embora possa parecer
ilógico, é, no fundo, algo que muitos jogadores querem e
desejam que venha a acontecer. Frequentemente, isso
aparece de pequenas formas, como chamar as cartas que
você precisa, evitar olhar para o flop para não azarar a
jogo, ou levantar-se de seu assento enquanto viram as
cartas. Nada disso influencia a virada de uma carta, mas
você sente que pode ajudar de alguma forma. Outras
vezes, o desejo de controlar a variância é evidente em
ações como repreender alguém que acaba de “sugar”
você, ou indo tão longe como ficar de joelhos e rezar
como Jerry Yang fez (com sucesso) no Main Event do
WSOP®.

Embora possa não parecer grande coisa, só em ter


esperança que você possa controlar a variância significa
que você está abrindo mão do controle. Vamos supor que
você tenha realmente tido uma fase pior do que o
esperado e por muito mais tempo do que a matemática diz
que é provável.

É completamente razoável ficar chateado, mas a questão é


saber se essa frustração ou raiva irá afetar a qualidade de
seu jogo. Frequentemente, os jogadores com o real desejo
de controlar a variância acabam perdendo o controle de
seu jogo. Como você não pode controlar a variância e só
pode controlar a forma como você reage a ela, o objetivo
é construir mais músculo mental para que você possa
responder de forma eficaz. Claro, é difícil. A variância é
uma das principais razões pela qual o poker seja tão
desafiador. Resolva o desejo de controlar a variância, e
ao invés disso, se concentre em ter um maior controle de
seu jogo.

VOCÊ NÃO PODE


INJETANDO LÓGICA CONTROLAR A
VARIÂNCIA, MAS VOCÊ
PODE ENTENDÊ-LA MELHOR.

VOCÊ NÃO PODE CONTROLAR AS CARTAS.


VOCÊ SÓ PODE CONTROLAR A FORMA COMO
VOCÊ JOGA.

Uma Desculpa para Não Aprender


Não é muito difícil encontrar um jogador que evite
trabalhar no seu próprio jogo, por assumir que suas
perdas são devido à variância. Quando tudo indica, “não
adianta tentar, eu só vou me ferrar de novo”, ou se você é
um jogador online obcecado por estar baixo em EV52 de
all-in, é compreensível por que você não perderia tempo
com isto. Se você acredita que a razão que você está
perdendo é, unicamente, de-vido ao azar, na verdade é
ilógico que você aprimore o seu jogo, especialmente,
quando é muito mais fácil reclamar.

Francamente, é mais fácil reclamar do azar do que


realmente tentar me-lhorar, porque há menos a perder. Se
você tentar melhorar e mesmo assim perder, isso significa
que você foi derrotado ou você mesmo se derrotou.
Ambas são pílulas difíceis de engolir e podem fazer você
se sentir como se tivesse falhado, perdido seu tempo, ou
como se fosse um jogador terrível. Culpar a sorte,
essencialmente, o ajuda a evitar esses sentimentos.

O risco de reclamar do azar é que você tende a ignorar


seus erros ou os detalhes de como você está sendo
superado. Esta informação é essencial para melhorar
como jogador. Ao reclamar, você protege a realidade de
seu jogo de si mesmo. A dinâmica desse padrão significa
que quanto mais ele acontece, mais a sua vantagem real
diminui ... o que aumenta a variância. . . o que significa
mais azar. . . o que significa mais reclamações e menos
trabalho. Este ciclo vicioso vai continuar até que você
enfrente a realidade de seu jogo e faça o trabalho para
melhorar.

Podem também existir outras questões do jogo mental que


você esteja se protegendo, como o medo do fracasso,
perda de confiança e “tilt” por erros. Se for esse o caso,
enfrente diretamente essas questões também.

INJETANDO LÓGICA PARE DE RECLAMAR.


HÁ SEMPRE ALGO A
APRENDER.
HISTÓRIA DO
CLIENTE
Barry Carter
MidStakes SNGs & Cash Games
JORNALISTA DE POKER

“Eu estava trabalhando como jornalista de poker há


cerca de cinco anos atrás, quando eu o conheci o
Jared. Como um monte de pessoas que se prendem ao
poker, eu fui muito bem em meus primeiros anos, mas
em 2009 eu tive uma downswing53 bastante brutal que
estragou o meu jogo. Eu tinha ouvido falar sobre Jared
e visto seus vídeos, mas tinha uma parte de mim que
achava que ele, provavelmente, iria encher minha
cabeça com uma carga de porcarias como ‘veja-se não
tomando bad beats’, porcarias que eu anteriormente
associava com material de autoajuda. Colocando isso
de lado, eu estava me sentindo muito desesperado,
então eu realmente queria tentar, antes de comprar um
livro de autoajuda.
Aproximei-me dele com essencialmente três questões.
Primeiro de tudo, eu sentia como se tivesse sido
amaldiçoado; eu realmente acreditava que eu jogava
pior do que qualquer outra pessoa e estava ansioso
para provar isso, para quem quisesse ouvir. Em
segundo lugar, eu tinha desenvolvido uma terrível
aversão ao risco. Finalmente, eu realmente lutava para
trabalhar o meu jogo longe da mesa e era uma área em
que eu me considerava preguiçoso.

‘Você sabe que isto é um pote de merda, né?’ Jared me


disse.

Fiquei chocado. Não era ele que deveria estar fazendo


com que eu me sentisse como se eu fosse o Phil Ivey e
que eu poderia fazer qualquer coisa? Pode um
treinador do jogo mental falar com as pessoas assim?
Nós não deveríamos começar a cantar cânticos
budistas ou algo assim?

Jared me perguntou se eu podia ver como todas as três


questões eram claramente ligadas umas às outras. Eu
conseguia ver, mais ou menos, a conexão entre me
sentir amaldiçoado e ter aversão ao risco, mas não
conseguia enxergar a conexão entre ser preguiçoso e
trabalhar o jogo longe da mesa.
‘Qual é o propósito de trabalhar o seu jogo se você
está amaldiçoado?’ ele me perguntou. ‘Não existe tal
coisa como preguiça; você simplesmente não está
motivado a trabalhar o seu jogo. Você já decidiu que,
por estar amaldiçoado, você tem uma desculpa para
não aprender, então você não aprende.’

De repente, tudo parecia tão simples. Como é que eu


não percebi isso antes? Sua fala de abertura me
chamando atenção do pote de merda vai sempre ficar
comigo; foi mais ou menos ali, que eu percebi que
Jared era a solução ideal. Eu sempre me considerei
um grande co-nhecedor de mim mesmo. Então por ele
ter me influenciado a trabalhar o meu jogo de forma
rápida e clara, fez com que eu ficasse adepto do jogo
mental (daí o meu envolvimento neste livro).

Demorou muito tempo para eu perder totalmente a


minha relutância em trabalhar no meu jogo, mas ao
longo dos meses seguintes, minha própria experiência
ajudou a evidenciar como a maioria dos problemas do
jogo mental estão interligados. Meu sentimento de que
eu estava amaldiçoado, estava me impedindo de
estudar, mas a minha aversão ao risco também
desempenhou um papel importante nisso. Em uma
sessão específica, eu mencionei a Jared que, para
mim, a ‘imagem’ de sucesso no poker seria a imagem
de um vencedor do torneio, posando para as câmeras
segurando suas duas cartas vencedoras, na frente de
uma montanha de fichas.

‘Eu acho que eu deveria parar de jogar cash games e


SNG’s e começar a jogar torneios’ eu brinquei.

Nunca brinque durante uma sessão com Jared Tendler.


Ele não esquece. Ele me perguntou sobre o porquê, se
a minha imagem de sucesso é ganhar um torneio, que
eu quase nunca os jogava? Depois de passar por
muitos outros ‘Truques da Mente de Jedi’, ele me fez
perceber que a aversão ao risco estava me impedindo
de trabalhar no meu jogo neste momento, porque eu
estava equiparando sucesso com algo que eu nem
estava tentando alcançar, então eu tinha uma desculpa
perfeita quando eu não o alcançava.

Isto, em última análise, me levou à raiz da questão de


por que eu não estava trabalhando no meu jogo. Eu
não queria me colocar em uma posição, onde eu tinha
que ser culpado se eu perdesse. Sendo um jornalista
de poker, eu tenho que reportar sobre jogadores de
sucesso, todos os dias, e eu sou amigo de uma grande
quantidade de profissionais. O que eu realmente temia
era me humilhar na frente deles, então eu peguei o
caminho de baixo risco de não trabalhar no meu jogo,
culpando o azar e não me deixando aberto ao ridículo.

Jogar fora o medo desta forma foi uma quebra de


paradigma. Eu sabia que a pior coisa que eu poderia
experimentar, se eu começasse a trabalhar no meu
jogo, seria o ridículo. Eu também percebi, de toda a
experiência, que eu não era nem de perto um jogador
tão bom como eu pensava, o que era uma coisa boa,
porque isso significava que eu poderia melhorar.
Graças a alguns conceitos de aprendizagem bastante
sólidos, como a ALM e o ‘lagarta’, agora eu sei que
há sempre algo em que eu possa trabalhar e eu tenho
maneiras de perceber pequenas melhorias graduais,
não importa o quão ruim esteja o jogo.”

Histórias de Bad Beats


Histórias de bad beats são exemplos primários do “tilt”
da injustiça e são uma parte do jogo que muitos jogadores
ficariam felizes em vê-las desaparecerem. Os jogadores
odeiam ouvir essas histórias, no entanto, depois de uma
bad beat são compelidos a contar, também.
Por que os jogadores que conscientemente odeiam contar
histórias de bad beats continuam a fazê-lo?

Eles estão procurando a confirmação de que


realmente foi tão terrível quanto eles pensam.
É uma forma de competição para ver quem
tem a pior história.
Eles estão à procura de algo para culpar.
É um motivo para não trabalhar em seu jogo.
Eles estão procurando por compaixão,
simpatia ou consideração.
Às vezes, eles realmente contam grandes
histórias (de uma maneira doentia).

Para alguns jogadores, resolver a necessidade de contar


essas histórias é um resultado de abordar outras partes
deste capítulo. Se este não for o caso, descubra por que
você conta histórias de bad beats usando a lista acima e
corrija.

Ciúme
O “tilt” da injustiça é uma forma de “tilt” que pode se
desenvolver e se acumular, sem mesmo jogar uma partida.
A sensação de que você não está tendo tanta sorte quanto
deveria ter, pode vir ao ver que os outros jogadores têm
mais sorte mais do que você acha que deveriam ter.
Imagina-se que alguns jogadores de sucesso, que jogam
extremamente bem, não dedicam tanto tempo no trabalho
de seu jogo, dando-se pouca ou nenhuma consideração à
sua habilidade.

Por exemplo, alguns acreditam que o sucesso de grandes


nomes como Gus Hansen é devido à sorte e não à sua
habilidade. Então quando você pensa nos milhões de
dólares que ele ganhou e títulos que detém, parece
incompreensível e injusto o quanto ele ganha em
comparação a você. O ciúme também pode acontecer
quando um amigo próximo do poker, o qual você acha que
é tão bom quanto você, está se dando muito bem e fazendo
o seu nome. Ver o que ele está ganhando faz parecer como
se você devesse ter o mesmo nível de sucesso.

Para começar a fazer melhorias sobre a questão do ciúme,


responda às seguintes perguntas:

1. O que os outros têm que você gostaria de ter?


2. O que ter isso significaria para você?
3. O que mais você pode estar fazendo que você
ainda não faz? (Há sempre alguma coisa,
mesmo que seja apenas ter paciência.)
4. O que você alcançou que não foi celebrado o
suficiente?

Suas respostas fornecem informações sobre o que precisa


de mais foco, permitindo que você seja menos focado na
fortuna dos outros. Além disso, já que os jogadores que
têm menos problemas com o ciúme são mais confiantes e
mais estáveis, leia o capítulo 8.

“TILT” ODEIO PERDER


Perder é uma realidade em qualquer ambiente
competitivo. Isto é especialmente verdadeiro no poker,
onde a variância está embutida na estrutura do jogo. Em
nenhum outro lugar que não seja o poker, o melhor
jogador, mesmo o melhor do mundo, perde com tanta
frequência devido à variância.

Porque perder uma partida importa muito, mas importa


menos que a simples realidade de que você perdeu. Perca
uma partida e sua frustração sacode como um tremor leve
na escala Richter. Então, à medida que as perdas se
acumulam, a frustração se desenvolve de forma constante
em “tilt”, a menos que você perca de uma forma
particularmente cruel e, em seguida, uma explosão de
“terremoto-‘tilt’” acontece instantaneamente.
A maioria dos que estão lendo isto sabe que a variância é
parte do jogo. Você gostaria de ser amigo dela, mas no
fundo você a odeia. Logicamente, você sabe que a
variância é parte do que faz o poker tão rentável, mas
como a lógica não é o suficiente para acabar com este tipo
de “tilt”, deve haver mais peças para este quebra-cabeça.

Quando a lógica não é suficiente, há geralmente algumas


outras pepitas de informações que não estão sendo
contabilizadas e que requerem um pouco mais de
investigação para descobrir. A primeira questão
importante a perguntar: Por que você odeia perder?

Será que é o sentimento? Perder


frequentemente dá uma sensação terrível,
pode durar algum tempo e até mesmo afetar
outros aspectos de sua vida.
Será que é o dinheiro? Ganhar dinheiro é,
em última instância, como você é mensurado
no poker, por isso faz sentido porque você
odiaria perdê-lo.

Ninguém nunca vai levantar os braços para comemorar


perder uma ‘bolada’ ou sair de um torneio, mas as seções
a seguir podem ajudá-lo a, pelo menos, fazer as pazes com
a perda.
Competitividade
Não importa o que você está competindo, ser competitivo
é uma ótima característica. É compartilhada por muitos
jogadores de poker de sucesso, atletas e executivos. A
competição traz naturalmente um forte desejo de vencer e
isso é ótimo. Ser competitivo no poker não é, ine-
rentemente, um problema. Esperar para ganhar dinheiro,
bater os seus adversários e lucrar a cada sessão são
objetivos sólidos. Eles só não estão totalmente sob seu
controle no curto prazo.

Todos concordam que há situações em que você perde


para jogadores ruins que são, na realidade, oportunidades
extremamente rentáveis no longo prazo. Logicamente você
entende isso, mas no momento em que você perde, é
difícil ver o quadro geral.

Para descobrir por que perder é um problema tão grande,


muitas vezes é mais fácil olhar primeiro para o que você
obtém da vitória além do dinheiro. Toda vez que você
jogar poker, há mais em jogo que apenas o dinheiro, vale
a pena tirar um pouco do seu tempo para definir o que
mais está em jogo. Aqui estão alguns exemplos:

Ser melhor do que o(s) seu(s) adversário(s).


Capacidade para pagar as contas.
Realização e cumprimento de metas de poker.
O respeito das pessoas que pensam que você
está errado, mesmo por jogar poker.
A confiança no seu jogo.
Capacidade de ultrapassar seus limites.
Opiniões dos outros sobre o seu jogo.
O tempo, a energia e o trabalho que você
coloca no jogo.
A melhor chance de se aposentar mais cedo.

Há mais do que apenas dinheiro em jogo, quando você


joga; você está competindo pelo que está nesta lista e
muito mais. É como se cada um desses itens fosse
apostado juntamente com o verdadeiro dinheiro sobre a
mesa. Quando você perde, não é só o dinheiro que se foi,
você também perdeu a confiança, o respeito dos outros, o
progresso em direção a seus objetivos, ou qualquer outra
coisa em sua lista. Você odeia perder, porque você está
competindo por muito mais do que você imagina.

Perder também dói mais quando você supõe que mais


perdas irão acontecer no futuro, e se sente ainda pior
quando você acha que não vai vencer novamente. Essa
previsão do futuro sopra a espiral descendente do “tilt”.
Quando você acha que mais perdas virão no futuro, você
tem mais para ficar aborrecido no presente.
Resolver este tipo de “tilt” começa com uma melhor
definição do verdadeiro problema. Ser competitivo não é
o problema. Ficar frustrado por perder não é o problema.
Você tem objetivos, há muito em jogo, e ficar frustrado
quando não acontece do seu jeito, significa que você se
preocupa com o que você está investindo no jogo. Além
disso, a frustração em baixos níveis pode ser combustível
para executar e poder motivá-lo a trabalhar mais fora da
mesa. Atletas de sucesso nos principais esportes
canalizam a sua frustração desta forma o tempo todo, mas
isso só pode acontecer quando você retira o excesso de
camadas que a transformam em irritação, ódio ou raiva.

Juntamente com a revisão das outras seções deste


capítulo, considere o seguinte, para ajudar a definir a
causa e a solução do seu ódio por derrotas:

1. Defina a vitória. Já que vencer significa


mais do que apenas dinheiro, dê uma olhada
nas outras coisas que estão em jogo e defina
o que a vitória representa para cada uma
delas. Isto é especialmente importante para
coisas que são mais difíceis de calcular do
que o dinheiro, como respeito, esforço e
realização. Por exemplo: Como você vai
saber quando você pode realmente
ultrapassar os limites? Vencer significa que
você tem um bankroll de 60 buy-ins . Quando
os outros irão respeitá-lo por jogar poker?
Vencer significa que você se sustentou por
cinco anos e, se eles não o respeitam então, o
pro-blema é deles. Como você sabe se você é
melhor do que os seus adversários? Vencer
significa ter um registro melhor do histórico
de vitórias ou do confronto direto numa
grande amostra.

Escreva as definições do que vencer significa


para tudo o que está em jogo para você,
quando você joga. Em seguida, releia-as para
lembrar-se delas antes de jogar. A tendência
é assumir automaticamente que quando você
perde, você também está perdendo tudo que
escreveu ao longo de todas estas linhas; mas
isto pode não ser verdade. Você pode na
verdade estar ganhando e nem sequer
perceber isso.
2. Esqueça o pressuposto de que as derrotas
irão continuar. O pressuposto de que você
irá perder é uma falha mental que significa
que você acredita que suas previsões do
futuro serão sempre 100% exatas. Elas não
serão. Para contrariar isto, faça o seguinte no
momento em que você estiver relaxado ou
pelo menos, quando não estiver chateado:

Olhe para os pontos altos e baixos de seus


resultados, em diferentes momentos da sua
carreira, como há seis meses, há dois anos, e
até mesmo em um passado mais distante.
Fazer isso ajuda você a ter mais perspectiva.
Ao perder no passado, você assumiu que a
derrota iria continuar, mas isso não
aconteceu. Lembre-se deste fato regularmente
e você vai tirar uma camada de frustração
que poderia acumular.

NÃO DEIXE A
INJETANDO LÓGICA VARIÂNCIA
VENCÊ-LO,
FORÇANDO-O A JOGAR MAL.

Dinheiro Perdido
Outra razão pela qual você odeia perder é a sua crença de
que o di-nheiro perdido se foi para sempre. (Isto é
especialmente verdadeiro para jogadores de Heads-Up,
após serem atropelados e abandonados.) Ao invés de
apenas pensar no dinheiro como algo que está ganho ou
perdido a cada vez que você jogar, considere que é um
investimento a seu favor que gera um retorno ao longo do
tempo. Pensar dessa maneira pode parecer lógico, mas o
fato de você estar entrando em “tilt” quando perde
dinheiro, prova que você está com uma visão míope,
preocupado com o curto prazo e não com a estratégia
geral.

Em vez de pensar em termos de dinheiro ganho ou


perdido, aprenda uma lição com o mundo dos negócios.
Em muitos negócios, há uma grande diferença entre o
dinheiro que está sendo retido e o dinheiro que é
realmente ganho como renda. Por exemplo, uma loja de
varejo que oferece um reembolso no prazo de 30 dias,
realiza o lucro de uma venda após o período de 30 dias
ter acabado, não no dia da venda. Até esse ponto, o
dinheiro está apenas sendo retido e não é considerado
renda. No poker, se você acredita que todo o dinheiro
ganho no curto prazo é seu, especialmente em uma grande
fase de cartas, então previsivelmente você vai ficar
aborrecido quando o poker leva de volta o que você
realmente não ganhou. Frequentemente, as sementes do
odiar-perder são plantadas quando você assume que mais
do que você ganhou é renda.
Ao contrário de um negócio de varejo, o poker torna
difícil saber se o dinheiro perdido é realmente para
sempre ou se é apenas um investimento a seu favor. Para
contrariar isto, alguns jogadores tentam pensar em sua
taxa de ganhos: Se eles perderam um buy-in ao longo de
uma hora, eles na verdade fizeram sua taxa horária média
de $X. Se pensar nestes termos ajuda, então continue
fazendo isso. Só não se esqueça de deixar algum espaço
de manobra em sua mente, para que na hora que você
descobrir o que você realmente ganhou ao longo desse
período, você não fique decepcionado se sua renda for
menor do que o esperado.

Alguns jogadores acreditam que usar uma taxa horária


seja uma forma de racionalizar a perda. Em pequenas
amostras é, mas quanto maior o tamanho da amostra em
que sua taxa de ganhos for baseada, mais confiável ela
será. Se você a usa ou não, no mínimo, não assuma que o
dinheiro ganho no curto prazo é seu, até que você possa
provar que você o ganhou.

O DINHEIRO NA MESA É
INJETANDO LÓGICA UM INVESTIMENTO A
SEU FAVOR. SE VOCÊ O
PERDEU FAZENDO JOGADAS LUCRATIVAS, A
PERDA SERÁ TEMPORÁRIA, DESDE QUE VOCÊ
CONTINUE JOGANDO BEM E MELHORANDO.

HISTÓRIA DO
CLIENTE
Jordan ‘iMsoLuckyO’ Morgan
Jogador de torneio & mid-stakes NLHE
FULLTILT POKER RED PRO

“Quando eu conheci Jared, eu já tinha muito sucesso


em torneios e um contrato de patrocínio com o
“Fulltilt Poker”. Eu queria entrar nos cash-games,54
mas estava tendo problemas para não entrar em “tilt”.
Eu estava colecionando perdas, ultrapassando limites
e, basicamente, sendo um apostador degenerado. Se
perdesse, eu dizia para mim mesmo, ‘eu tenho que
pegar meu dinheiro de volta; eu tenho que ficar quite,
eu posso fazer isso; eu tenho controle’, mas eu
controlava o longo prazo, não o curto prazo, e, quando
me dei conta disto, muitos dos meus problemas foram
resolvidos.
A melhoria veio muito instantaneamente. Apenas
entender o que estava acontecendo na minha cabeça
resolveu muito do problema. Incorporar uma
preparação antes de jogar e fazer registros no final do
jogo, também me ajudou a identificar os meus
próprios padrões de “tilt”, o que tornava mais fácil
lidar com eles mais cedo, e de forma mais eficaz.
Agora, eu sou mais calmo, mais realista, menos um
idealista e entendo que essas coisas tenham que
acontecer no poker.”

EU NEM SEMPRE
INJETANDO LÓGICA POSSO JOGAR
PERFEITAMENTE.
EU SOMENTE POSSO JOGAR O MEU
MELHOR”

“MESMO QUE NÃO PAREÇA ASSIM AGORA,


EU ESTOU GANHANDO OS JOGOS...MAS EU
NÃO TENHO MUITA VANTAGEM QUANDO
ENTRO EM “TILT”.

Acreditando que Você Pode Ganhar Todas as


Mãos
Embora seja difícil, na lógica, ver um jogador admitir que
ele acredita que possa ganhar todas as mãos ou todas as
sessões, há muitos que realmente o fazem. Soa ilógico,
porque é claro que eles têm consciência que não é assim;
a variância nunca permitiria que tal coisa aconteça. Saber
que esta crença é ilógica, ainda não é suficiente para
evitar que os jogadores se apeguem à ideia de que um dia
eles irão se tornar tão bons que eles nunca irão perder.

O poker faz um ótimo trabalho alimentando essa crença.


Quando você joga bem, o jogo parece ser um caixa
automático cuspindo dinheiro. Realmente, parece como se
você fosse ganhar todas as mãos. É ótimo ganhar e jogar
tão bem, especialmente quando a fase boa dura mais
tempo. Ganhar tanto assim faz você sonhar em como seria
bom se você nunca perdesse. É semelhante aos sonhos que
as pessoas têm de ga-nhar na loteria, as imagens surgem
em sua mente do que você faria com o dinheiro ou o que
significaria isto para sua vida.

Claro, isso é poker, não é loteria. Enquanto alguns


vencedores recentes do Main Event do WSOP® parecem
ter ganhado a versão do poker da loteria, se fosse
possível para você ou qualquer outra pessoa ser tão bom,
o poker deixaria de ser tão rentável. O fato que você não
pode ganhar sempre é precisamente o por que de você
poder encontrar jogos onde você está tendo vantagem,
com jogadores inferiores dispostos a jogar com você. O
poker não é um caixa automático; é mais parecido com
uma máquina caça-níqueis calibrada, que paga a seu favor
(menos o rake55). Recuperar a sua vantagem pode
significar que você tenha que pagar muito mais do que
você ganhou, às vezes de forma dramática.

Se a fase boa faz com que você ache que seja fácil ganhar
dinheiro no poker, então você vai odiar quando você
inevitavelmente perder, porque perder acaba com o seu
sonho. A solução para esse problema tem que incluir
melhorar a forma como você lida com a vitória, tanto
quanto melhorar a forma como você lida com a derrota.
Isso começa com esquecer o sonho do dinheiro fácil.
Além disso, tente o seguinte para eliminar a crença de que
você pode ganhar todas as partidas ou todas as sessões:

Preparação: Reforce o seu foco na tomada


de boas decisões, revendo as ações e
qualquer outra coisa necessária para jogar
bem. Lembre-se por que perder é uma parte
importante do poker, e por que o dinheiro
economizado com bons folds é tão bom
quanto o dinheiro ganho. Mesmo que isto
possa tornar-se repetitivo, assim que dominar
a situação e resolver o problema, não precisa
mais se preocupar. Até atingir este nível,
continue trabalhando nisto.
Desempenho: Se perder uma partida lhe
deixar um pouco frustrado, injete lógica
depois de cada perda. Fazer isso irá impedir
que a emoção se acumule tanto e retardará o
“tilt”. Como vencer também é parte do
problema, quando as emoções começarem a
ficar muito positivas, injete lógica nessa hora
também.

NÃO É POSSÍVEL
INJETANDO LÓGICA GANHAR TODAS AS
PARTIDAS; SEU FOCO
PRECISA ESTAR EM JOGAR TODAS ELAS BEM.

Avaliação: Independente deste problema


aparecer ao ga-nhar ou perder, use o
“histórico de ‘mãos’ mental” para reforçar a
resolução da falta de lógica e a construção da
correção.
Pare de pensar em ganhar dinheiro fácil:
Prove a si mesmo por que você não quer que
este desejo se torne realidade. Então, cada
vez que você sonhar com ele, redirecione
seus pensamentos ou ações para algo mais
produtivo que você possa realmente alcançar.

Habilidade Perdida
Os jogadores muitas vezes caem numa armadilha, onde
eles acreditam que perder dinheiro também significa que
perderam sua habilidade. Ao perder e em entrar “tilt”,
eles, de repente, acreditam que são ruins. Esta é apenas
uma ilusão da mente. Habilidades aprendidas em nível de
competência inconsciente são dominadas e nunca
desaparecem, mesmo quando em “tilt”.

Esta ilusão surge por três razões:

1. Equiparar dinheiro com habilidade. Se você


perde dinheiro, e dinheiro for igual a
habilidade, então você instantaneamente
torna-se ruim quando perde. Você também vai
odiar perder, porque quando os outros
jogadores estão ganhando você acredita que
eles podem, de repente, ser muito melhores.
Se for possível a sua habilidade desaparecer
de repente, a habilidade deles pode aparecer
instantaneamente.
2. Habilidades da competência inconsciente são
inconscientes, por definição, você não tem
que pensar sobre elas e, consequentemente,
elas são habilidades adquiridas.
3. Habilidades que estão no processo de serem
aprendidas não aparecem quando em “tilt” e
podem parecer ter desaparecido,
possivelmente para sempre, junto com o resto
do seu jogo.

Aqui está como quebrar essa ilusão:

1. Melhore a habilidade de reconhecimento:


variância, sua habilidade e a habilidade do
seu oponente. Então, quando você perder,
você pode determinar como você realmente
jogou, ao invés de apenas assumir/supor que
você é ruim. Além disso, se você jogou bem,
vai se sentir bem em saber que você foi capaz
disto, mesmo num dia difícil. Consulte a
página 230 para mais.
2. Conheça as partes sólidas do seu jogo que
estão treinadas em nível de Competência
Inconsciente. Enquanto estas são habilidades
básicas, somente conhecê-las, prova que o
seu jogo inteiro não pode desaparecer,
mesmo quando em “tilt”.
Perder se Torna Pessoal
Competir contra outros jogadores, especialmente em
Heads Up, torna a vitória um desafio pessoal, onde há
muito mais em jogo do que apenas dinheiro. Perder
significa que eles levaram a melhor sobre você e eles são
os únicos que podem se sentir superiores, não você;
mesmo que apenas tenham tido sorte. Pode ser “tilt”
apenas pensar que outro jogador, especialmente um mais
fraco, acredite que eles são melhores do que você. Se isso
também acontece contra alguém com quem você tem um
histórico de jogos, então o “tilt” é ainda pior.

Se suas ações vierem a transformar em “tilt” de


vingança, a discussão e as estratégias, a partir da
página 149 serão relevantes o suficiente para ajudá-lo a
resolver esta versão do “tilt” odeio-perder.

Perder Dói Mais do que Ganhar Faz Bem


Para muitos jogadores, perder é pior do que a sensação de
se sentir bem ao ganhar (Teoria da Perspectiva).56 Isso
significa que não se compete apenas para ganhar,
compete-se também para evitar os sentimentos negativos
que vêm com a derrota. As pessoas competitivas podem
ser muito duras consigo mesmas quando perdem. A
autocrítica pode aparecer de muitas maneiras, como
perguntar retoricamente: “Por que eu sou tão ruim?”, ou,
“Como é que eu vou ser bom se eu não posso ganhar deste
idiota?” Independentemente de como a autocrítica se
mostra, ela se combina aos outros fatores descritos nesta
seção para fazer a derrota doer tanto, na verdade, mau o
suficiente para que vencer nunca seja igualmente bom e se
torne mais uma fuga da tortura de perder.

Os jogadores que veem a vitória como uma fuga da


derrota, são os mesmos que acham que a resposta para a
dor da derrota seja apenas ganhar (“Se eu apenas ganhar,
tudo vai ficar bem”). Vencer, temporariamente, permite
que você evite a agonia da derrota, mas como a derrota
pode acontecer quando você jogar poker, é melhor
resolver o problema real do que colocar um curativo nele.

O verdadeiro problema aqui é que existem mais razões


para se sentir mal ao perder, do que razões para se sentir
bem ao ganhar. Consequentemente, você antecipa que a
derrota seja mais negativa, e quando isso acontece, isso
lhe “tilt” ainda mais. Ao se reduzir as razões e falhas
desnecessárias pelas quais perder dói, o padrão
observado pela Teoria da Perspectiva acaba.

O primeiro passo para se quebrar esse padrão é saber que


a Teoria da Perspectiva é uma observação, não uma lei da
natureza humana. Este padrão é real, ele só não é
permanente. Para melhorar, resolva as razões pelas quais
perder dói mais do que ganhar, usando os métodos
descritos anteriormente nesta seção.

“TILT” DO ERRO
Aprender significa cometer erros. Quando você não está
cometendo erros, é porque você já sabe o que é correto.

Em um nível básico, ficar frustrado por cometer um erro é


razoável. Você tem objetivos no poker, e é ruim ter um
mau desempenho. Ficar frustrado por erros, não é
necessariamente um problema e pode até mesmo ser uma
coisa boa, quando isto lhe der motivação para corrigi-los.
O que distingue o “’tilt’ do erro” como um problema é a
frustração, que é tão intensa que afeta o seu jogo, o leva a
mais erros e, finalmente, faz com que seja mais difícil de
corrigir os erros que você está cometendo.

O “tilt” do erro é algo que você pode nem perceber que


você está experimentando, por estar muitas vezes
escondido por mais razões óbvias para entrar em “tilt”;
por exemplo, bad beats e fase ruim. Além disso, os
jogadores não costumam falar como eles odeiam seus
erros, mesmo que muitos o façam. Somente quando se
fazem perguntas diretas sobre cometer erros é que fica
claro que seus erros os levaram a entrar em “tilt”.

Como a questão é obscura, para lhe ajudar a identificar se


isto é um problema para você, aqui vão algumas
declarações feitas por jogadores que odeiam quando lhe
perguntam sobre seus erros: “O que lhe deixa tão irritado
quando você comete erros?”

“Parece um desperdício de tempo e


dinheiro.”
“Vai levar muito tempo para compensá-lo.”
“Eles fazem me sentir como um fracassado.”
“Significa que eu não sou tão bom quanto
pensei.”
“Não tem desculpa para eu cometer erros tão
óbvios neste ponto da minha carreira.”
“Eu investi tempo nisto; eu deveria ser mais
esperto.”
“Eu nunca vou ser um grande jogador se eu
continuar cometendo sempre os mesmos erros
estúpidos!”
“Parece como se eu tivesse dado um grande
passo para trás.”
“É pior do que entrar em “tilt”, porque os
erros são tão básicos.”
“Eu estou preocupado com o que os outros
(jogadores, treinador, amigos) vão pensar.”
“Eu simplesmente perdi um dia de trabalho
com um movimento estúpido f*#$%!”

Incorporadas dentro de cada uma dessas declarações


estão as razões principais pelas quais os erros levam os
jogadores a entrar em “tilt”. O restante deste capítulo
divide as razões principais comuns de “’tilt’ do erro”, o
que faz com que fique mais fácil para você resolver.
Embora existam várias razões principais, elas estão todas
interligadas, de alguma forma, a erros fundamentais em
sua compreensão do processo de aprendizagem e da
natureza do seu desempenho. Os erros são essenciais para
fazer com que você melhore como jogador; em essência,
ao odiá-los, você odeia melhorar. É claro que poucas
pessoas pensam dessa forma, mas a sua reação mostra
que, em nível de competência inconsciente, você odeia
erros. Quando esses erros são corrigidos, não significa
apenas que o “tilt” do erro irá desaparecer, mas que você
também vai aprender a corrigir seus erros de poker e
aprender o jogo no todo. Em última análise, você vai se
tornar um jogador melhor.

Quando os erros são vistos como um problema, eles


naturalmente causam “tilt”, especialmente quando eles
continuam a acontecer em grandes torneios, ao subir seus
limites, ou contra um jogador regular que você nunca
consegue derrotar. Ao analisar suas razões pelas quais o
erro lhe leva ao “tilt”, também tenha em mente as
situações que fazem com que o seu “tilt” piore, e por quê.

Esperando a Perfeição
Você consegue desbloquear tudo que você trabalhou e
joga uma incrível sessão ou torneio, ou entra numa longa
sequência de jogo perfeito. Você alcançou um novo nível
em seu jogo, onde grandes jogadas tornam-se o padrão, e
agora você espera que esse novo padrão se mostre todas
as vezes que você jogar. Erros e jogo pobre tornaram-se
uma memória distante, e já nem parecem possíveis.
Infelizmente, alcançar novos níveis em seu jogo não vem
com muita satisfação, pois isso era esperado, e agora
qualquer erro (não importa quão pequeno) é recebido com
indignação. Ou você se sente neutro sobre jogar
perfeitamente, ou você se abate à menor presença de um
erro. Isso parece justo?!

O jogo perfeito é um alvo em movimento que é atingível,


às vezes. No entanto, não é possível alcançar um nirvana
permanente do poker, onde o poker seja fácil para sempre.
A simples razão para que isto não aconteça, é que o seu
melhor se torna melhor, e sua definição de perfeição
aumenta. Essencialmente, quando você alcança um novo
pico em seu jogo, o seu novo A-game empurra seu antigo
A-game para o seu B-game, e seu velho B-game se torna o
seu C-game. Ter o seu conjunto de habilidades
continuamente se movendo para frente, como uma correia
transportadora, é a natureza de como as melhorias
acontecem ao longo do tempo. Em uma escala maior, o
jogo evolui, quando milhares de jogadores de poker
passam por este processo.

As raízes do “tilt” do erro começam a acontecer quando


você está em seu pico. Você encontrou a perfeição
permanente ... um paraíso do poker onde você nunca
comete erros e o jogo é fácil. Só que você está
esquecendo que isto é uma ilusão; a última vez que atingiu
um pico, você pensou que tivesse encontrado o nirvana,
mas você irá perceber que ainda tem fraquezas. Pode ser
fácil acreditar que as fraquezas não existem, enquanto
você está no topo de seu jogo, e é por isso que cometer
um erro é tão frustrante: Você não estava esperando
cometer um erro, mesmo que ele estivesse prestes a
acontecer.

O caminho para chegar ao seu próximo pico é corrigir as


fraquezas. Como o conceito da lagarta ilustra, as
fraquezas fundamentais em seu jogo que causam erros têm
de ser corrigidas na parte de trás de sua faixa, para dar um
passo à frente. Somente quando o seu pior melhorar, você
é capaz de dar passos em direção ao próximo pico em seu
jogo. Ao invés de esperar a perfeição, continue lutando
por isso, corrigindo continuamente os seus erros.

Por último, quando você espera a perfeição, há uma


pressuposição de que você já sabe como fazer a correção
e como aplicá-la, sutilmente, a todas as situações únicas
em que esse erro acontece. Basicamente, você está
supondo que você já domina a correção, mas ao cometer
um erro irá lhe provar que você não o fez. Este é o
verdadeiro erro na situação.

Para corrigir os problemas com o perfeccionismo, tente o


seguinte:

1. Obtenha uma visão mais realista do


processo de aprendizagem, para que você
possa provar porque a perfeição não pode
ser atingida o tempo todo. Com um
conhecimento mais forte sobre a
aprendizagem, você automaticamente não vai
esperar a perfeição, e ao invés disso poderá
tê-la como um objetivo. Reveja o capítulo 2
para mais informações.
2. Quando você jogar perfeitamente, sinta-se
bem com isso. Chegar ao topo de seu jogo
merece algum reconhecimento, uma vez que
você trabalhou duro para chegar lá. Jogar
perfeitamente não é esperado; é um objetivo.
Reconhecer o que você conquistou não
significa que você tenha que se deleitar com a
sua própria grandeza; você só precisa se
sentir bem com isso.
3. Quando você jogar perfeitamente, também
olhe mais atentamente para a forma como
você chegou lá. Saber como você alcança
resultados reforça a sua capaci-dade de
alcançar resultados futuros. Além disso, se
você eliminar as fraquezas na sua abordagem
da aprendizagem e do desempenho, tais como
distrações, procrastinação, ou “tilt” do erro,
você se tornará mais eficiente, ao se esforçar
para o próximo pico e poder chegar lá mais
rápido.

ERROS IRÃO
INJETANDO LÓGICA OCORRER. O MAIOR
ERRO É DEIXAR QUE SE
TRANSFORMEM EM MAIS ERROS.
Quando Um Erro Não é Um Erro
O poker é inerentemente um jogo de engano. Infelizmente,
o engano se estende até à sua percepção de seu jogo.
Esteja numa fase boa de cartas e você acha que jogou
muito bem; esteja numa fase ruim, ou até mesmo apenas
perca uma mão, e você irá achar que jogou terrivelmente.

Embora este tipo de engano seja uma das principais


razões para o poker ser tão lucrativo, ele também
ocasiona um tipo único de “tilt” do erro.

Os jogadores, frequentemente, acham que eles cometeram


um erro ao jogar, e percebem mais tarde que sua decisão
era realmente difícil e, talvez, nem tenha sido mesmo um
erro. Pensar que você comete erros não seria um
problema, se isso não o levasse a entrar em “tilt” (e, em
última análise, a cometer erros reais). Então,
curiosamente, para causar esse tipo de “tilt”, você na
verdade só tem que pensar que cometeu um erro, e não de
fato cometer um.

Portanto, ser capaz de saber quando um erro é realmente


um erro é a chave para eliminar este tipo de “tilt”. Se
você quiser parar de entrar em “tilt” e desperdiçar
dinheiro desta forma, a solução é corrigir o erro real, ou
seja, descobrir a sua incapacidade de reconhecer os erros
em tempo real.

Parece bastante simples, mas você pode nomear as


fraquezas ou os erros comuns em seu jogo agora? Se não,
então você não sabe as fraquezas de seu jogo o suficiente,
para identificá-las enquanto acontecem. Aqui está como
corrigir a sua incapacidade de reconhecer erros, enquanto
estiver jogando:

1. Analise todo o intervalo do seu jogo, a


partir do seu melhor até o seu pior
absoluto. Escreva os erros cometidos quando
você entra em “tilt”, quando estiver cansado,
no piloto automático e distraído. Em seguida,
anote os erros cometidos quando você está
jogando mal, mas não tão mal. Por fim, anote
os erros padrão do seu B-game. Trabalhe na
lista por algumas semanas, adicionando
novos itens, a cada vez que você jogar, antes
de finalizá-la.

Estude-a e em seguida, à mesa de jogo, ao


ver que ocorreu um certo tipo de erro, você
vai ter um feedback instantâneo sobre o quão
bem você está realmente jogando. Se você
não cometer qualquer desses erros, então
você pode continuar focado em jogar bem. Se
você perder a mão, é devido à variância, ou
um novo erro que você não poderia ter
conhecido e não pode analisar durante o jogo.
Tome nota do jogo, siga em frente e fique
focado em jogar bem.
2. Avalie regularmente o seu jogo para
manter sua compreensão atualizada. Ao
longo do tempo, ao eliminar os piores
aspectos do seu jogo, tire-os de sua lista.
Então, quando novos erros ocorrerem no seu
B-game, adicione-os à sua lista. Desta forma,
você tem um fluxo constante de coisas para
trabalhar.

APENAS PORQUE VOCÊ


INJETANDO LÓGICA PERDEU A MÃO, NÃO
SIGNIFICA QUE VOCÊ
JOGOU MAU.

Erros Óbvios
Um erro óbvio é, bem, óbvio, e esse é o problema. Não é
uma decisão tão difícil que possa ter outra alternativa; é
tão descaradamente evidente e tão incrivelmente estúpido
e incompreensível, que você mal consegue acreditar que
aconteceu. Como um erro óbvio geralmente acontece
porque você já está em “tilt”, em piloto automático ou
com excesso de confiança - sendo as duas últimas grandes
razões - cometer um erro tão estúpido causa o “tilt” do
“tilt” e o joga completamente fora do limite. Para alguns,
isso pode ser o primeiro sinal de que estão realmente em
“tilt”.

Este tipo de erro é difícil de perceber, porque parece


descontroladamente fora das características do seu jogo.
Se você continuar jogando, os erros continuam a se
acumular e o “tilt” continua a aumentar até que você
eventualmente desista, mas o problema não termina aí.
Então começam as consequências de tentar fazer sentido,
de como é que isso pode ter acontecido. Ao se esforçar
para chegar a uma resposta além de: “Eu sou um macaco
idiota em ‘tilt’”, os próximos dias serão ruins, porque é
difícil tirar o erro de sua cabeça enquanto tenta relaxar,
sair com amigos, dormir e jogar em sessões futuras.
Corrigir um erro óbvio é um desafio, com certeza, mas
como com qualquer outro problema, a correção começa
por saber o que causou isso.

Os erros são óbvios para você por conta de quão


importante é a diferença entre esses erros e seu jogo
normal. As decisões que você toma quando as emoções
aumentam muito, por causa do “tilt”, ou estão muito baixas
quando você está em piloto automático, entediado, ou
cansado, são tomadas utilizando o conhecimento do poker
que você já domina em nível de competência inconsciente.
Independentemente do que você pense que já domina, as
habilidades que desaparecem, só acontecem, porque você
não tinha aprendido nesse nível ainda.

Há mais. Como os erros que você está cometendo são


muito básicos, é muito provável que o “tilt” acumulado,
ou outra falha do jogo mental, o esteja impedindo de
corrigi-los em nível de competência inconsciente. É como
se o “tilt” acumulado fosse um trabalhador numa linha de
montagem segurando a produção. Em vez de um produto
final, você é deixado com uma pilha inacabada. Neste
caso, o conhecimento de poker está preso ao processo de
aprendizagem e está sendo impedido de chegar à
competência inconsciente. Como resultado, você é
forçado a pensar em todos os novos conhecimentos de
poker, a fim de ser bom nisso, ou seja, na Competência
Consciente. Ao parar de pensar, como acontece quando se
está em “tilt” ou em piloto automático, você não tem
chance de ser capaz de jogar corretamente nessas
oportunidades e um erro óbvio acontece.
Veja como parar de cometer erros óbvios:

1. Revisite a ALM (MAA) e a “lagarta”, e a


seção “Mente em Mau Funcionamento.”
Estas seções explicam como um erro óbvio
pode acontecer. Quando você souber por que
isso acontece, a camada extra de raiva criada
por não saber irá desaparecer. Isto significa
que você poderá se concentrar em consertar
ou o seu “tilt” acumulado, ou qualquer outro
problema do jogo mental e poderá corrigir o
erro óbvio.
2. Depois de cometer um erro óbvio, decida
se quer continuar jogando ou desistir. Se
você decidir continuar jogando, trabalhe duro
para reduzir o erro do jogo mental (“tilt”,
piloto automático, excesso de confiança, etc.)
que causou isso, para que você possa se
concentrar em jogar tão bem quanto você é
capaz.
3. Priorize a melhoria da falha do jogo mental
que o leva a cometer tais erros óbvios.
Caso contrário, você tem pouca chance de
corrigir esses erros.
Ameaça aos seus Objetivos
Você quer estar jogando no “Rail Heaven” ou ganhando
braceletes, mas cometer erros, especialmente os mais
óbvios, parece ser um grande revés para alcançar esse
sonho. Quando as seguintes reações acontecem após entrar
em “tilt” por causa de erros, é porque seus objetivos de
poker estão sob ataque:

“Eu não posso acreditar que eu desperdicei


meu tempo e dinheiro.”
“Eu acabei de apagar tudo pelo que eu estou
trabalhando.”
“Eu falhei.”
“Eu nunca vou ser um grande jogador se eu
continuar cometendo esses erros.”

Quando você tem uma compreensão errada do processo


de aprendizagem, isso significa que você também tem uma
compreensão falha de como alcançar objetivos. As
expectativas sobem muito e você acaba pensando que
você pode fazer mais em menos tempo. Quando os erros
acontecem, naturalmente, o “tilt” aparece, porque parece
como se seus objetivos estivessem sendo destruídos.
Parece que você está falhando e seus objetivos não podem
ser alcançados, mas realmente o erro é a falta de
compreensão sobre o processo de aprendizagem.
Corrija este problema ao entender mais sobre a
aprendizagem e remover quaisquer falhas na forma como
você define metas. Para saber mais sobre a definição de
objetivos, leia página 210.

Sabe Muito, Domina Pouco


Com a enorme quantidade de treinamento de poker
disponível agora, é fácil para os jogadores quererem
ganhar mais conhecimento do que sua habilidade pode
lidar. Com tanta coisa disponível para aprender, os
jogadores podem acabar sendo liberais demais no que
eles definem como um erro. É como um adolescente
dirigindo um carro de corrida, logo após aprender a
dirigir, toda aquela tecnologia seria demais para o seu
nível básico de habilidade. Se esse motorista bater, isso é
um erro? Não. Os erros são apenas erros em relação ao
seu alcance de limite (curva do sino e lagarta). Aqui está
um exemplo propositadamente dramático para provar este
ponto:

Um regular de 25/50, avaliando o jogo de


um jogador de 0,50/l no seu padrão,
identifica erros que o jogador mais fraco
não pode sequer compreender. O jogador
mais forte vê falhas na forma como ele
balanceia seus ranges, aumenta o tamanho
das suas apostas, jogam o turn,57 “level the
regulars58” e muito mais. Portanto, se o
jogador de 0,50/1 tentar corrigir os erros
descobertos pelo regular de 25/50, é o
equivalente a tentar correr antes mesmo de
poder andar. O jogador de 0,50/1 se
beneficiará muito mais aplicando
conhecimentos relevantes para o nível que
ele está jogando.

O novo conhecimento é construído sobre um alicerce do


antigo. Você não aprende subitamente sobre cálculos G-
Bucks (para calcular o EV de uma mão) quando você
começa no 100NL. Você primeiro aprende sobre atribuir
limites e cálculos de equidade, para obter uma forte
compreensão da matemática no poker. Aprender poker é
muito parecido com o progresso através das faixas no
caratê. Para realizar conceitos de nível superior, você
deve primeiro dominar conceitos do nível inferior. Ao
contrário do caratê, seu treinamento no poker pode não ser
tão organizado, e talvez você poderá não saber o que irá
aprender em seguida.

Se o problema for a desorganização, ou consumir muita


informação, este tipo de “tilt” do erro ocorre porque você
sabe mais conceitos de poker, teoricamente, do que você
realmente pode aplicar durante o jogo. Basicamente, você
tem muito para pensar e muito pouco dominado em nível
de competência inconsciente. Quando você alcançar o
domínio das partes básicas de seu jogo, você irá liberar
espaço mental para aplicar os conceitos avançados.

Tal como acontece com muitas outras causas do “tilt” do


erro, a solução é construir uma base sólida de
conhecimentos do processo de aprendizagem e organizar a
sua aprendizagem. Trabalhar de forma constante, através
do equivalente do poker às faixas de caratê, lhe dá a
melhor chance, não só para evitar o “tilt”, mas para
manter uma alta curva de aprendizado.

“TILT” DO DIREITO
Na raiz do “tilt” do direito está a crença de que você tem
o direito ou merece ganhar por várias razões, tais como
trabalhar mais, ser mais inteligente e ter uma carreira mais
longa do que seus adversários. É o “tilt” clássico do Phil
Hellmuth. Ele frequentemente reage da forma que sugere,
que acredita que suas realizações anteriores lhe deram o
direito de ganhar, independentemente, da forma como ele
joga atualmente.
O “tilt” do direito acontece quando algo que você acredita
ser seu, por direito, lhe tenha sido tomado. Vencer é uma
possessão que você já possui e quando perdas inevitáveis
se acumulam, é como se você tivesse sido roubado por
alguém não merecedor da vitória, quer seja por um regular
ou um pato.59 Frequentemente, os primeiros sinais depois
de perder são: descrença, choque ou até mesmo o riso,
porque você não pode acreditar no que acabou de
acontecer. Logo depois, ou à medida que as perdas se
acumulam, o “tilt” se configura e os jogadores têm
pensamentos ou fazem declarações, tais como:

As cartas não têm importância. Eu posso


jogar melhor que eles.”
“Esse cara é muito ruim. Como eu posso
perder para ele!?”
“Eu sou bom demais para permitir que isso
aconteça.”
“Esse cara nem sequer pertence à mesma
mesa que eu.”
“Outros jogadores não trabalham tão duro
quanto eu.”
“Eu tenho que ganhar contra os patos.”
“Eu tenho um ótimo histórico e faço todas as
coisas certas.”
“Eu trabalho com mais afinco, eu sou melhor.
Como diabos eu posso estar perdendo
aqui!?”

O problema real com o “tilt” do direito, não é que você


acha que é um jogador melhor do que os seus adversários.
Em muitos casos, isso provavelmente seja verdade. O
problema real é que você acredita que ser um jogador
melhor, significa que você nunca deve perder. Preste
muita atenção no que esta crença está, essencialmente, lhe
dizendo sobre a sua mentalidade e a verdadeira questão
emerge: excesso de confiança.

Excesso de Confiança
Excesso de confiança significa que a sua confiança está
exagerada ou inflada, porque você acredita em coisas
sobre o seu jogo ou habilidade, que não são verdadeiras.
A crença de que ser melhor do que os seus adversários,
significa que você nunca deve perder, é irrealista.
Portanto, se a sua confiança é baseada nessa crença, ela
não se baseia na realidade. Apesar de ser importante ter
confiança, ela deve ser baseada na habilidade real.
Acreditar que você nunca deve perder para seus
adversários, cria falsa confiança.
O poker faz um bom trabalho ao alimentar falsas crenças à
sua confiança. Uma ótima fase não só enche o seu caixa,
mas também a sua confiança, infelizmente, de forma
artificial para ambos. Jogadores com “tilt” do direito, em
geral, assumem coisas que não são reais, durante uma
grande fase. Eles podem pensar:

1. Exageram na grande fase, achando que ela é


muito mais um resultado direto de seu jogo
do que realmente é.
2. Eles realmente dominam a alma de outro
jogador. Realmente é a compreensão mais
profunda de seus jogos (mais boas cartas),
que produz o seu controle da situação; mas,
sutilmente, eles se sentem como se os
controlassem. Para mais sobre ilusão de
controle, vá para as páginas 159 e 237.
3. Eles alcançaram o nirvana do poker e se
tornaram grandes jogadores, muito maiores
que imaginavam ser possível.

Quando uma boa fase lhe proporcionar combustível para


seus sonhos de quão bom jogador de poker você pode ser,
você está pronto para entrar em “tilt”, até o poker lhe
acordar, “com um tapa”. Você é um pato mental, quando
você acredita que você nunca deveria perder.
Outra crença comum exagerada que aparece durante uma
grande fase é: “Eu sinto que posso vencer qualquer um.”
Embora possa se sentir como se você pudesse vencer
qualquer um, você não pode;60 e acredi tar que você pode,
sem uma boa sequência de cartas, é um sonho. As
emoções positivas em torno desta crença são tão fortes,
que você se sente como se pudesse ganhar de todos que
aparecerem à sua frente. Você não pode. Você não é
realmente tão bom jogador. A variância inflou a sua
confiança e agora você está preparado para o “tilt”,
quando você perde. Querer ganhar não é um problema. O
problema é que você acredita na mentira, que lhe diz que
você tem o direito de ganhar o tempo todo.

Acreditar que você merece ganhar ou que você pode


vencer qualquer um, frequentemente, esconde fraquezas
reais de como você está jogando. Como em sua mente as
vitórias já são suas, seria ilógico colocar o trabalho
necessário, para corrigir as deficiências de seu jogo.
Reconhecer essas fraquezas seria um duro golpe para a
sua confiança. Isso significaria que você não é tão bom
quanto pensou. Então, a fim de permanecer confiante, você
diz a si mesmo estas mentiras:

“Eles tiveram sorte.”


“Eles não merecem ganhar.”
“Eu ganhei porque eu jogo bem.”
“Se eu tinha tudo para ganhar e perdi [suck-
out], é porque eu fiz a jogada certa.”
“Eu sei que me preparei mais do que eles; eu
mereço ganhar.”
“Esse cara é muito ruim.”
“Joguei sólido.”

Estas são tentativas de proteger a sua falsa confiança.


Você quer acreditar que você é tão bom assim. No entanto,
se fosse verdade que você mereceu ganhar porque você é
mais inteligente, melhor, ou se prepara mais, isso
significaria que você também acredita que as regras da
variância não se aplicam a você. Você sabe que a
variância é parte do jogo, mas no fundo você acredita (ou
deseja) que você esteja acima dela.

Uma vez expostos, os jogadores, frequentemente, se


sentem aliviados por não terem que proteger essas
mentiras. Liberados para se concentrar em seu jogo de
uma forma real, eles usam a energia mental que,
anteriormente, estava protegendo a sua confiança, para
identificar e melhorar as suas fraquezas no poker. Pode
ser difícil enfrentar as fraquezas em seu jogo, mas é
melhor do que fingir que elas não existem.
Para reduzir o excesso de confiança, faça o seguinte:

1. Use o “histórico de ‘mãos’ mental” para


eliminar as mentiras em seu jogo. Quando
você encontrar as respostas corretas, estude-
as regularmente para que você possa tra-
balhar para dominar a verdade. Quanto
melhor você conhecer a correção, menos
você vai acreditar nas mentiras e mais você
poderá controlar sua raiva.
2. Injete lógica quando a confiança estiver lhe
subindo à cabeça. Para reduzir o excesso de
confiança, use a mesma estratégia que você
usa para reduzir o “tilt”. A única diferença é
que você estará se mantendo atento aos sinais
de que a sua confiança está subindo alto
demais, e você vai estar injetando lógica
quando você perceber esses sinais.
3. Vá para página 226 para obter mais
informações e conselhos sobre o excesso de
confiança.

VOCÊ JOGOU BEM, A


INJETANDO LÓGICA VARIANCIA APENAS
LHE DEU MAIS
DINHEIRO. ISSO NÃO SIGNIFICA QUE VOCÊ
MERECE TUDO ISSO.

Perdendo para um Pato


Parece ilógico ficar chateado com a derrota para um pato.
Você sabe que eles têm que vencer no curto prazo, mas,
por algum motivo, isso ainda te deixa em “tilt”. Como um
jogador com uma vantagem enorme contra um pato, faz
sentido, porque você tem expectativa de ganhar e,
portanto, você entra em “tilt” quando você perde a mão. O
problema é que você está comparando o nível de
variância no poker com o nível de variância nos esportes.

Nos principais esportes profissionais, tais como golfe,


futebol, beisebol e basquete, quando há grandes
diferenças de habilidade entre os jogadores ou equipes, a
variância tem pouco ou nenhum efeito sobre o resultado.
Um time de futebol profissional nunca perde para um
adversário com o nível de habilidade que é análogo ao do
pato no poker (a menos que eles estejam competindo em
um evento de caridade). Não há variância suficiente
nesses esportes para que isso aconteça. No beisebol,
inúmeras marcações ruins dos árbitros não irão ajudar
uma equipe de ensino médio a vencer o New York
Yankees. No golfe, o clima e o terreno do circuito
contribuem muito para a variância, mas Tiger Woods
nunca perderia para um golfista de clube do interior, nem
mesmo se Tiger tivesse que usar três tacos e bater cada
tacada de joelhos. Exemplos como estes são verdadeiros
em todos os principais esportes, incluindo esportes
mentais, mas isto não acontece no poker. Em nenhum outro
lugar, jogadores que são muito superiores perdem num
ritmo maior do que no poker, no curto prazo.

Como um jogador com habilidade superior, você pode não


perceber que o “tilt” de direito acontece quando você
comete o mesmo erro que um jogador mais fraco faria. O
poker é, em parte, uma batalha de percepção de
habilidade. Uma grande parte de seu lucro vem do fato
dos seus adversários calcularem, erroneamente, sua
habilidade real e sentarem-se em jogos onde são
perdedores insuperáveis. Vencer contra você e outros
regulares, ajuda a abastecer equívocos na forma como
eles veem sua habilidade. Eles acham que são bons o
suficiente para terem uma chance contra você, enquanto
você acha que a sua vantagem é tão grande, que você deve
ganhar o tempo todo. Tanto você, quanto os patos,
cometem erros no cálculo do seu respectivo nível de
habilidade. Os seus erros causam “tilt” quando você
perde.
HISTÓRIA DO
CLIENTE
Liz “RikJamesBIatch” Herrera
Heads Up NL até 50/100

“Eu ficava incrivelmente frustrada quando eu perdia


para adversários mais fracos. Isso destruía todo o meu
dia. Então Jared abriu meus olhos ao me fazer pensar
sobre essa ideia de eu ser como um casino. Ele disse:
‘Você tem que esperar perder, de forma a manter que
seus clientes voltem.’ Toda vez que eu começava a
entrar em “tilt”, eu pensava nisso e isso me fazia
voltar a jogar bem. Agora parece óbvio, mas quando
eu estou tão consumida com a frustração, eu nunca
penso em coisas assim.”

Perder para Regulares


Ao perder contra outros regulares, você pode pensar,
dizer, ou se sentir algo parecido com o que está abaixo:
“Eu odeio quando eles pensam que são
melhores do que eu.”
“Eles fazem coisas tão descaradamente ruins.
Eu não tenho nenhum respeito pelo jogo
deles.”
“Eu sei que eu tenho me empenhado mais do
que esse cara.”
“Eu sei que eu sou melhor.”
“Eles devem ter tido sorte.”
“Eu odeio quando as terríveis jogadas que
eles fazem me custam dinheiro.”

A razão central para que você entre em “tilt” ao perder


para regulares é a mesma que você entra em “tilt” ao
perder para patos: calcular erroneamente a sua
habilidade. É apenas uma forma um pouco mais complexa.

Entre os regulares, as vantagens são pequenas e mais


difíceis de se definir com clareza. Os jogadores,
frequentemente, confiam num sentimento ou numa
sensação que eles têm sobre a sua vantagem contra outros
regulares. Esse sentimento é algo que é indefinível em
termos práticos, reais ou objetivos, mas eles estão
convencidos de que é verdade. Não ter a prova real de
sua superioridade, não significa que sua intuição esteja
errada. No entanto, se você estiver confiando num
sentimento para definir essa vantagem, você deve levar
em conta as principais falhas que causam o “tilt” de
direito. Se você acredita que é superior, mas não pode
provar, você está confiando num sentimento ou numa
sensação para defini-la. Lembre-se, porém, que a sua
opinião é tendenciosa pela causa principal de por que
você entra em “tilt” ao perder para um regular. Você quer
acreditar que você é o melhor jogador e essa falha faz
com que a sua opinião não seja confiável. Pode muito bem
ser verdade que você seja um jogador melhor, mas sem
provas para apoiar essa sensação, você está se
arriscando.

Saber como você acumula fichas contra os seus


adversários é uma grande parte do poker e é realmente
uma habilidade que você precisa para melhorar,
juntamente com suas habilidades técnicas. Quanto mais
forte for esta habilidade, mais claramente você pode
definir a sua vantagem e menos influência os resultados
negativos terão em sua mentalidade.

Sem essa habilidade, você não tem a evidência concreta


para apoiar a crença que você tem sobre a sua vantagem.

Aqui vão algumas estratégias para lhe ajudar a resolver o


“tilt” de direito:
1. Ao invés de sentir como se você fosse um
jogador me-lhor, prove-o. Faça isso ao
melhorar a sua capacidade de determinar
quem tem mais habilidade entre você e os
outros regulares. Pode parecer impossível,
mas como com qualquer outra habilidade, ela
se torna mais forte quanto mais você
trabalhar nela. Além disso, apenas por
trabalhar nela, você já está pensando em uma
forma que impeça o “tilt” de direito de
aparecer. Para saber mais, vá para a página
232.
2. Evite ser pego pensando que os seus
adversários não melhoram. Frequentemente
existem duas crenças escondidas dentro do
“tilt” de direito que causam ainda mais raiva:

1. Você sempre será melhor.


2. Eles sempre serão ruins.

Os jogadores de poker fazem previsões muito


ruins. Muito provavelmente, os outros
regulares vão progredir. Se você é um
jogador melhor agora, isso não significa que
você sempre o será. Assuma que eles vão
progredir e se esforce o suficiente para ficar
à frente deles.

HISTÓRIA DO
CLIENTE
Mike “Syous” Song
Especialista em High Stakes HUNL/PLO
INSTRUTOR DE POKER NO DEUCESCRACKED

“Eu comecei a ser treinado por Jared depois de uma


fase muito difícil, onde eu fiquei no zero a zero por
quatro meses. Pensei que por ser um jogador atento e
de sucesso, seria fácil ganhar dinheiro; mas, depois de
perder por tanto tempo, eu me sentia apenas derrotado.
Como as sessões ficaram piores e piores, eu jogava
cada vez menos. Eu comecei a entrar em ‘tilt’ muito
mais fácil e até tinha uma mancha negra na minha mão
por socar a mesa em frustração. Foi realmente
estressante.
Comecei a usar os conselhos de Jared e eu
imediatamente fiz algumas melhorias. . . isto foi até eu
entrar em ‘“tilt”’ e perder $22.000 em uma sessão.
Normalmente, eu teria ficado realmente para baixo
com isso, mas eu tentei adiar o julgamento, até que eu
pudesse falar com Jared e descobrir o que diabos
aconteceu. O problema era que eu achava que merecia
ganhar contra este jogador. Eu estava super arrogante,
mas nem sequer percebi, até que analisamos o meu
modo de pensar. Jared rapidamente me lembrou que eu
não tinha nada que pensar que eu merecia alguma
coisa no poker. Eu não podia simplesmente achar que
eu ia chegar e ganhar. Se assim o fizesse, então eu
merecia o que estava acontecendo.

Ele também disse algo que foi muito engraçado: ‘Você


está agindo como Phil Hellmuth’. Isso foi um insulto
tão grande para mim, que até mesmo um arrepio
percorreu-me pela espinha; ele é o último cara com
quem eu quero me parecer. Agora é um grande
lembrete dizer para mim mesmo: ‘Você está sendo Phil
Hellmuth’. Eu realmente entendo agora que a única
coisa que posso fazer é jogar o meu melhor, e Jared
me ajudou a ver como a arrogância poderia destruir o
meu jogo.
Então, eu decidi tratar meus oponentes de maneira
completamente oposta que eu o fiz na primeira vez, ou
seja, trato-o como se ele fosse o melhor jogador e que
estudou o seu jogo seriamente. Eu dissequei os
históricos de mãos passados por três horas e, na
próxima vez que joguei, eu ganhei $24.000, em um
dia. Estou agora com lucro de $30.000 no total contra
ele, e já faz tempo que não o vejo nas mesas.

Em geral, eu agora gasto muito mais tempo


trabalhando meu jogo e eu não me critico mesmo pelos
meus erros, ou até mesmo por entrar em “tilt”. Agora,
se eu cometo um erro ou entro em “tilt”, eu só reflito
sobre isso e tento identificar todos os fatores, de
poker ou mental, que os causaram. Eu sei que eu nunca
vou ser livre de erro e eu também não quero dizer que
seja livre de “tilt”, porque eu não sou. Mas é incrível
como me comporto diferente agora no poker. Desde a
nossa quarta lição, a maior parte do peso foi embora.
Eu ainda sinto a pressão, mas ela nunca é esmagadora,
e eu tenho um enfoque mais saudável, mais relaxado
para o jogo.”

Subindo os Limites
Procure pelo “tilt” de direito quando subir o limite. Os
jogadores frequen-temente se sentem no direito de ganhar,
porque eles foram vencedores nos limites mais baixos.
Como resultado, eles frequentemente são rápidos em
pensar que os regulares nos próximos limites são ruins.
Evite cometer esses erros. Eles criam uma falsa confiança
e irão danificar o seu potencial sucesso naquele limite,
assim como o seu sucesso a longo prazo no poker.

“TILT” DE VINGANÇA
A vingança é comum na vida cotidiana, por isso não é
nenhuma surpresa que ela o seja no poker. E, tal como na
vida, as consequências a longo prazo da vingança na mesa
de poker, frequentemente, são maiores que a satisfação de
alcança-la no curto prazo. É claro, as consequências não
estão na frente de sua mente quando você faz 3-bets
constantes, repreende o seu adversário, ou caça um hit-
and-runner.61 Você quer vingança. Você deseja revidar.
Você quer que eles sintam a sua dor. Você quer humilhá-
los por aquilo que acabaram de fazer e, como Tony
Montana em Scarface, aquele olhar penetrante em seus
olhos diz que você quer vingança.
Reagir desta forma é especialmente surpreendente, para
os jogadores que geralmente não procuram vingança fora
do poker. Tipicamente, eles não são pessoas vingativas,
então querer destruir um adversário na mesa de poker
parece um pouco chocante. Algo sobre o poker traz um
lado vingativo. Para alguns jogadores, a razão pela qual
eles buscam vingança, no poker e não na vida, é que o
poker os pressiona de um modo que a vida não o faz. Para
outros jogadores, que na vida tendem a suportar a sua
raiva, o poker é um lugar onde eles podem finalmente
extravasá-la.

A vingança não é irracional. Ela tem uma história de


ajudar a criar leis, códigos de rua62 não escritos e regras
não escritas, que você define como aceitáveis e
inaceitáveis no poker. A vingança não existe quando as
ações de outro jogador são aceitáveis para você. Quando
os adversários o tratam com respeito, não tentam jogar
melhor que você ou continuam a jogar, desde que você
queira que eles joguem, não há nenhuma razão para ficar
zangado. De acordo com as leis de poker, isso é o que
deveria acontecer. Enquanto eles fazem o que você diz,
não há nenhuma razão para a vingança.

Os seus oponentes não se preocupam com as suas regras.


Eles jogam por suas próprias regras e as regras do jogo.
Isso significa que o principal problema que causou o “tilt”
de vingança está com você, não com eles. Mesmo que eles
tenham acertado um hit-and-run, sua agressão constante o
forçou a tomar uma posição, ou seus comentários
irritantes o fizeram querer sufocá-los, eles não são o
problema real (a menos que eles estejam realmente
quebrando as regras da sala de poker ou a lei). Além de
situações extremas, sempre que você busca vingança por
coisas que os jogadores fazem para tirá-lo de si, a sua
raiva é um sinal que indica que há uma falha em seu jogo
mental.

Para começar a descobrir essas falhas, faça uma lista dos


gatilhos que acendem a vingança. Aqui estão alguns dos
gatilhos mais comuns:

Ter o seu dinheiro tomado.


Ser menosprezado ou não mostrar respeito o
suficiente.
Ser constantemente 3-“betado”.
Sentir-se como se você estivesse sendo
atropelado.
Outro jogador tentando fazer você parecer
estúpido.
Seu adversário pensar que ele é melhor do
que você.
Algo sobre eles simplesmente o irrita.
Sentir-se como se o seu adversário estivesse
na sua cabeça e soubesse exatamente o que
você está fazendo.
Um jogador com quem você tem história.

O “tilt” de injustiça tende a ser raiva com o poker e com a


variância, enquanto o “tilt” de vingança tem como alvo
jogadores específicos. Você também pode perceber que o
“tilt” de vingança é mais intenso quando se joga Heads
Up (1 contra 1).

A vingança no poker somente é vantajosa, quando você


usa a sua raiva como combustível para jogar bem. Caso
contrário, é uma estratégia perdedora a longo prazo.
Como você já deve saber isso, você precisa se prevenir
para evitar que o seu jogo seja sequestrado pelo desejo de
vingança. Tal como acontece com todas as outras causas
de “tilt”, conhecer o problema não significa que você
saiba a solução automaticamente. Agora que você já
identificou o que desencadeia o seu “tilt” de vingança, o
próximo passo é entender o(s) motivo(s) que você procura
vingança e, então, você pode começar a resolver a falha
nesse raciocínio.
Pense na última vez que você procurou vingança, ou num
momento em que o desejo era especialmente forte. Qual
foi o principal motivo para a vingança? O que você
queria? O que você estava tentando realizar com suas
ações? Aqui vão algumas respostas a essas perguntas:

“Eu quero mostrar a eles quem é melhor.”


“Eu quero que eles sintam a minha dor.”
“Eu não quero eles pensando que são
melhores do que eu.”
“Eu não quero ser dominado.”
“Eu estou protegendo o meu caixa.”
“Eu quero machucá-los.”

Como cada um destes e de outros motivos têm detalhes


exclusivos, os quais serão discutidos nas próximas
seções, a razão geral que você procura vingança é o
controle.

A vingança está enraizada em um desejo de mostrar aos


outros jogadores, que você tem o controle da situação,
eles não. Você está fazendo com que eles saibam que não
irão jogar melhor que você, eles não vão desrespeitar
você e eles não irão sumir com o seu dinheiro. Também
não podem pressioná-lo ou tentar lhe atropelar. Você está
pegando de volta o controle e fazendo uma retaliação
pelos danos que eles causaram.

Na realidade, tentar pegar o controle da situação da forma


que você faz, mostra que você está fora de controle. Em
última análise, você não tem o controle de seus
adversários. Você não pode decidir quanto tempo eles
jogam, como eles jogam, o que eles dizem, ou se eles
entendem a sua mensagem. Assim como você, eles são
motivados por seus próprios interesses. Mas se o seu
interesse é controlá-los, então você está com menos foco e
energia dedicados a controlar o jogo. Jogar mal por causa
das ações vingativas prova que você está muito menos no
controle do resultado.

A solução para o “tilt” de vingança é usar a sua raiva


como uma forma de:

1. Identificar situações específicas em que você


está abrindo mão do controle de seu jogo.
2. Resolver as razões falhas porque você abre
mão do controle.
3. Melhorar os erros técnicos de poker que você
tende a cometer neste momento.
Falta de Respeito
Ser desrespeitado por outro jogador é, frequentemente,
visto como um sinal para impor um pouco de respeito.
Embora existam centenas de razões para se sentir
desrespeitado, muitas das quais são legítimas, o resultado
final é que você não tem controle sobre o que os outros
jogadores pensam de você ou do seu jogo. Isso não faz o
que eles dizem ser verdadeiro, cordial ou respeitoso;
significa apenas que você não pode controlar o que sai de
suas bocas.

Olhe para isso a partir da perspectiva deles. Não é


pessoal. Eles estão tentando fazer a mesma coisa: ganhar.
Como eles tentam ganhar, não é com você, assim como
eles não podem decidir como você joga. Se o que eles
dizem ou fazem o irrita e faz com que você entre em “tilt”,
eles ganham em outro nível. A raiva pode ser uma força
destrutiva, mas você também pode aproveitar essa energia
e usá-la como combustível para se tornar um jogador mais
forte. A chave é usar a sua raiva para lhe motivar a jogar
melhor e a trabalhar mais fora da mesa, ao invés de tentar
controlar a forma como eles jogam.

Michael Jordan disse em seu famoso discurso de


admissão ao Hall da Fama, que ele foi motivado por todas
as pessoas que achavam que ele não poderia ter sucesso.
De forma mais notável, pelo seu treinador de basquete do
ensino médio que o cortou, e os jornalistas esportivos,
que duvidavam que ele pudesse ganhar um campeonato da
NBA. Jordan até mesmo considerou sutis (talvez não
intencionais) deslizes de outros jogadores como
desrespeito, para que ele pudesse ter motivação extra para
vencê-los em quadra. Esta é a forma mais pura de
motivação? Não, mas funcionou para ele. Se você se
tornar um jogador melhor, ga-nhar mais dinheiro e
alcançar mais sucesso no poker usando a vingança para
alimentar a sua motivação, isto não pode ser tão ruim.
Ideal? Não. Ruim? Claro que não.

Quando você se vingar ao ser desrespeitado, certifique-se


de reco-nhecer o trabalho que você coloca em seu jogo. É
fácil ignorar os passos que você tomou para melhorar seu
jogo, quando a satisfação de atingir com sucesso a
vingança estiver focada em seus adversários. Eles podem
ter motivado você, mas você fez o trabalho, então
aproveite. Você mereceu.

USE SUA RAIVA COMO


INJETANDO LÓGICA COMBUSTÍVEL PARA
JOGAR MELHOR DO
QUE NUNCA.
Enfrentando Agressão Constante
Alguns jogadores entram em “tilt” pela ação agressiva do
adversário. Parece que seu jogo está sob ataque quando
constantemente 3-“betado” e “c-betado”, ou os seus
adversários jogam mais de 50% das mãos e o coloca em
muitos spots difíceis. Enquanto a raiva está parcialmente
relacionada com outras causas do “tilt” de vingança, ela
também protege as fraquezas em seu jogo. Defender o seu
jogo com a vingança pode acontecer, simplesmente, por
faltar experiência suficiente ou conhecimento tático para
lidar com a agressão constante. Uma vez que você souber
como jogar lucrativamente estas situações, a sua
frustração vai embora. Na página 27 um cliente descreve
como isso que aconteceu para ele.

Se consertar as fraquezas em seu jogo, que são expostas


pelo “tilt” de vingança, não eliminar o seu “tilt” de
vingança, há outras razões para isso.

PARECE COMO SE ELES


INJETANDO LÓGICA ESTIVESSEM TODOS
REVIDANDO CONTRA
VOCÊ - PERMANEÇA NO JOGO. CONTROLE E
JOGUE O SEU JOGO É SÓ O QUE VOCÊ PODE
FAZER
Jogador com História
Muitos jogadores, em especial aqueles de grandes apostas
e que vivem em áreas onde o grupo de jogadores é
pequeno, têm um jogador com quem ele tem uma
“história”. Esta nêmese do poker é alguém que parece
sempre jogar melhor que você, ter sorte contra você, ou
agir como um completo idiota quando ele ganha. Só de
ouvir o nome dessa pessoa você fica com raiva, ainda
mais ter que se sentar à mesa com ele. Neste ponto, ganhar
dele se tornou muito mais do que apenas dinheiro.

Tenha em mente que este tipo de “tilt” de vingança não


tem que ser óbvio para o outro jogador, ou qualquer outra
pessoa, para ser um problema para você. Manter a sua
raiva escondida tanto quanto possível, especialmente em
jogos ao vivo, é uma boa estratégia. O problema é que
entrar em “tilt” internamente ainda pode afetar o seu jogo.
Pode não fazer com que você comece a cuspir fichas, mas
se você está em um jogo duro, os efeitos sutis podem
impactar negativamente na sua tomada de decisão.

Este tipo de “tilt” de vingança é uma forma de “tilt”


acumulado; você não pode tê-lo contra alguém que você
está jogando pela primeira vez. O problema que você tem
com este jogador foi construído ao longo do tempo. Cada
vez que você joga, a ação significa muito mais por causa
dessa história. O sangue ruim que é formado ao longo do
tempo pode ser tão forte, que você fica irritado só de
ouvir o nome deles, ou pensar neles. Se isso for verdade,
quando você joga contra eles a sua raiva é intensa, mesmo
que dias, semanas, ou até mesmo anos se passem. Quando
você se senta em frente a eles, a história entre vocês é
uma grande parte da ação.

Use o seguinte conselho para tirar proveito da história


com este jogador:

1. Use a sua história, ao invés de deixar que


ela lhe controle. Para fazer isso, comece por
descobrir por que você odeia tanto esse
jogador. O que eles têm ou o que eles fazem
que lhe deixa tão irritado? Eles tiveram sorte
e acham que são melhores do que você? Eles
são realmente melhores e você os odeia por
isso? Eles são aqueles rivais que parecem
sempre tirar o melhor de você? É algo sobre
a personalidade deles (a maneira de falar,
agir ou vestir?) Seja qual for a razão, reco-
nhecer por que eles lhe irritam é fundamental
para trabalhar o seu “tilt” de vingança,
porque então isso lhe dá a oportunidade de
descobrir o que você está tentando controlar.
2. Espere que sua raiva fique intensa. Ao
injetar lógica, você essencialmente estará
lutando contra si para permanecer no
controle. A batalha não é mais apenas entre
você e o jogador que você quer destruir. Você
também tem que lutar para evitar que a sua
raiva te leve a jogar mal.

A sua raiva em relação a eles pode nunca


desaparecer completamente, mas isso não é
uma coisa ruim. Contanto que você possa
mantê-la abaixo de seu limite de “tilt”, você
pode usar qualquer raiva restante para
abastecer o seu foco e jogar bem. A vingança
é uma grande motivação para você jogar o
seu me-lhor, contanto que você permaneça no
controle dela.
3. Eles vão tentar lhe irritar. Se eles estão
acostumados a vê-lo explodir, mas você está
controlando mais o seu jogo, eles podem ver
isso como um desafio para se esforçar mais
para lhe irritar. É o jogo dentro do jogo.
Esteja pronto para ganhar isso também.
4. Olhe atentamente para a sua ação anterior.
Além de procurar por deficiências em seus
jogos, pense em como você pode usar co-
nhecimentos anteriores do seu “tilt”, para que
isto trabalhe a seu favor. Isso só funciona se
você for capaz de manter o controle e evitar o
“tilt”.
5. Os passos na página 70 podem ajudá-lo a
resolver a emoção acumulada, em torno da
sua história passada com eles.
6. Reveja a história do cliente na página 147.

SE VOCÊ PERDER O
INJETANDO LÓGICA CONTROLE, ENTÃO A
SUA NÊMESE
REALMENTE VENCE

Recuperando a Confiança
Ser esmagado por um adversário, ou quando a variância
faz com que se pareça desta forma, pode fazer você
revidar, jogando abaixo do ideal. Às vezes isso acontece
tão sutilmente, que a primeira coisa que você nota é estar
no meio de uma luta, tentando recuperar o controle da
ação. Frequentemente, você também está lutando para
recuperar a sua confiança.

Quando jogam melhor do que você e você está totalmente


dominado pelo seu oponente, isso pode parecer como se
eles tivessem tomado a sua confiança, juntamente com as
suas fichas. Você toma uma posição. Você não vai ser
atropelado. Você força a ação tentando se vingar deles
para que não pensem que podem brincar com você. Você
aplica um 3-“bet”, imprudentemente, na esperança de que
você possa mostrar um blefe ou tenta fazer hero-calls63
ridículos. Nada que você faz funciona, só faz com que
você perca mais. Superficialmente, você está tentando
revidar contra eles, para mostrar que você é o melhor
jogador. Mas você também está tentando provar isto para
si mesmo.

Você leva vantagem quando o seu adversário interpreta


mal a sua habilidade. A única razão lógica pela qual você
gostaria de provar-lhes que eles não podem lhe atropelar,
é a necessidade de você provar isto para si mesmo.

Este problema de confiança acontece quando você não


tem a capaci-dade de reconhecer a sua habilidade, a
habilidade de seu oponente e a variância. Quando você
conhece a sua vantagem no jogo, não há ne-nhuma razão
para que você tente jogar melhor que o seu adversário de
forma vingativa. Desenvolver essas habilidades pode não
resolver seus problemas com o “tilt” de vingança, mas
elas são peças importantes do quebra-cabeça. Consulte a
página 230 para mais.
Tomando o Seu Dinheiro
Quando lhe parece que foi roubo, o dinheiro que foi ganho
de você, o “tilt” de vingança surge como um cobrador de
dívidas pronto para quebrar algumas pernas.

Você quer o seu dinheiro de volta agora! Você não vê a


hora de entrar em uma mão com eles. Seu foco se fixa
sobre eles. Você não os deixa fora de sua vista. Deus os
ajude se deixarem a mesa, porque você vai caçá-los até
que você ganhe o seu dinheiro de volta.

Embora a intensidade do “tilt” de cada jogador varie, o


denominador comum é o dinheiro. O que faz com que você
fique furioso para recuperar o dinheiro que você perdeu?
O dinheiro sempre representa algo a mais do que apenas o
seu valor real, então o que isso representa para você? É a
concorrência, uma vez que o dinheiro é a maneira de
manter a pontuação no poker? Você odeia perder? O
dinheiro pode estar ligado às metas, realização, status no
jogo, ou à real necessidade de pagar as contas e viver. O
dinheiro serve a muitos propósitos. O(s) motivo(s) que
você “entra em “tilt”” para se proteger de perder dinheiro
é a fraqueza que teremos que abordar.

Quando você perde dinheiro, você percebe que a vingança


o protege de ser visto como um jogador perdedor, de
perder o dinheiro que precisa para pagar as contas, ou de
cair abaixo de suas expectativas. A vingança é proposital,
está apenas fora de curso. Ao invés de realmente se
prevenir de perder dinheiro, você pode perder mais.
Contanto que você possa manter a sua vantagem no jogo,
especialmente nos momentos em que o “tilt” de vingança a
destrói, o dinheiro virá de volta; apenas talvez não do
mesmo jogador.

A correção para esse tipo de “tilt” de vingança não é


apenas adormecer a raiva que está protegendo o seu
dinheiro. Essa solução de curto prazo não aborda a causa
subjacente de sua raiva, por isso você precisa:

1. Ser menos focado em resultados.


Concentrar-se mais no dinheiro do que na
forma como você está jogando, coloca muita
pressão sobre o seu jogo mental quando você
perde. Ao invés disso, concentre-se mais na
qualidade do seu jogo, para que perder
dinheiro importe menos no curto prazo. Para
melhorar a habilidade de reconhecer a
qualidade de sua habilidade, vá para a
página 231.
2. Ver o dinheiro como um investimento em
sua vantagem. Seu investimento não vai
render um retorno toda vez que você jogar
poker. Para saber mais, vá para a página
122.
3. Reveja a página 119 para entender mais
sobre o que o dinheiro representa para
você.

Decretando Vingança
Perder é doloroso. Você provavelmente odeia isso. Você
pode até odiar os jogadores para quem você perde. Ao
longo do tempo, os nomes não importam mais, você
simplesmente odeia quem ganha de você e quer que eles
sintam a sua dor. Intenso como isso soa, frequen-temente a
dor que você sente quando está perdendo é o que forma as
raízes da vingança.

A batalha pela supremacia na mesa é também uma batalha


de quem vai sentir a dor de perder e quem vai sentir a
satisfação da vitória. Essencialmente, o “tilt” de vingança
é uma estratégia defensiva projetada para proteger você
de sentir a dor de perder.

Exceto que na realidade não é todo mundo que


experimenta perder da mesma forma que você. Muitos dos
jogadores nos quais você pretende infligir dor não vão
senti-la, porque perder não os incomoda tanto quanto
incomoda você. Se você quiser resolver este tipo de “tilt”
de vingança, você precisa reduzir a quantidade de dor que
você sente quando está perdendo. As etapas descritas no
“tilt” odeio-perder na página 118 podem ajudar.

Sua Alma Dominada


Você tem que olhar para o lado inverso da vingança, a fim
de completar o quadro do por quê você a procura: Como
você se sente ao atropelar um outro jogador?

Será que parece como se você estivesse no controle


completo? Como se você possuísse a sua alma? Se sim,
qual é a intensidade das emoções positivas associadas ao
poder e ao controle?

Como este tipo de “tilt” de vingança pode parecer


estranho, você pode não pensar que você o tenha em
primeiro lugar. Olhe atentamente para a intenção por trás
de sua raiva para descobrir se, no fundo, você acha que
tem a capacidade de dominar o jogo de outro jogador e de
dominá-los como um mestre de marionetes.

Não é possível estar no controle do jogo de outro jogador,


mas faz sentido porque isso pode parecer dessa forma:
compreender profundamente o controle mímico. Quando
você entende o jogo de um jogador melhor do que eles o
fazem, você basicamente sabe como explorar as suas
fraquezas e fica pelo menos um passo à frente de seus
ajustes. Eles não têm nenhuma maneira de vencê-lo. Você
está no controle completo da partida ou da ação. Você só
poderá perder por causa de variância. Enquanto você está
no controle completo da ação, isso não significa que você
os esteja controlando, significa que você entende seus
jogos. Além disso, você provavelmente está jogando
muito bem e se sentindo ótimo com o seu jogo. Ambos
estes fatores se somam à sensação de estar no controle
completo; e você também pode estar numa fase boa.
Acreditar que você controla o jogo de outro jogador faz
sentido por esses motivos; mas isto não está certo.

A vingança entra em cena porque perder pode parecer


como se o seu adversário o esteja dominando. Se você
acredita que você pode dominar outro jogador, isso
significa que você também acredita que alguém pode
dominar você. O “tilt” de vingança é a sua forma de se
proteger contra isso.

“TILT” DE DESESPERO
Desespero é um sentimento que pode ser difícil de
reconhecer. Perceber isso requer olhar atentamente para a
intenção por trás de ações, como tentar conseguir se
desprender, perseguir perdas, jogar fora a sua banca,
aumentar todas as mãos, verificar constantemente os
resultados, forçar ação, pular limites, jogar longas sessões
monstruosas, e repor dinheiro rapidamente. O que os torna
atos de desespero é a intenção ou vontade de fazer todo o
possível para ganhar imediatamente, ficar quites, ou evitar
ter uma perda.

Em um flash, você pode acordar tendo cuspido uma


tonelada de di-nheiro, “jogando duro” por 16 horas
seguidas, ou até mais. Evitar o desejo de fazer de tudo
para vencer é difícil, porque só o torna mais forte, quanto
mais você perde. É uma coceira que você tem que coçar,
então parar de jogar poker torna-se cada vez mais difícil
de fazer. Vencer, ao que parece, é a única coisa que fará
com que a coceira vá embora. Você recebe algum alívio
de desespero, se você for capaz de forçar uma vitória ou
pelo menos evitar uma grande perda, mas é apenas
temporário.

Uma vez que as perdas se acumulam novamente, o


desespero volta como se ele nunca tivesse ido embora. Na
verdade, ele nunca foi, ele estava apenas se escondendo.
Muito parecido com uma pessoa viciada em drogas, que
vai fazer de tudo para marcar a sua próxima dose, um
jogador de poker desespe-rado para ter seu dinheiro de
volta fará quase tudo para ganhar. Na verdade, isso não é
verdade; eles não farão nada. A distinção entre o que vão
ou não vão fazer irá determinar se eles têm um problema
de desempenho ou um problema de jogo.

Todos os problemas descritos neste livro existem ao longo


de um espectro de intensidade. Os jogadores de poker
com formas bastante leves de “tilt” de desespero podem
usar o conselho, nesta seção, para fazer melhorias sólidas.
Outros poderiam se beneficiar de ajuda profissional. Há
uma linha para cada jogador entre um problema de
desempenho e um pro-blema de jogo. Se o “tilt” de
desespero for um problema para você, você deverá
decidir em qual lado da linha você estará. Será que você
poderá permanecer suficientemente no controle quando
este problema estiver no seu auge e pagar por qualquer
perda pessoal ou financeira, se isto acontecer enquanto
estiver trabalhando neste problema sozinho? Ou, você
precisa da ajuda de um psicólogo especializado em
problemas de jogos?

O “tilt” de desespero é um terreno escorregadio que


precisa de muito trabalho para se prevenir. Quando isso
acontece com um jogador habilidoso, é difícil de
compreender mais tarde o quão mal eles jogaram. As
diferenças entre a forma como eles jogam normalmente, e
quando em “tilt” de desespero, é tão grande, que pode
parecer como se estivessem possuídos por um demônio.
Sem saber por que isso acontece, é impossível se
prevenir. Esta incerteza somente acrescenta mais dor
emocional, para um problema que já é de difícil
compreensão.

O “tilt” de desespero é uma forma de “tilt” acumulado. A


intensidade da raiva que aparece quando se tenta
conseguir se desprender é tão forte, que ela rapidamente
toma a sua mente. A emoção antiga inunda a mente, e a
afoga em tanta raiva, que a sua reação à situação está além
da razão. Você faz coisas que não fazem sentido e “entra
em “tilt”” ainda mais, por causa do quão irracional você
parece estar.

Se esse padrão vem acontecendo há algum tempo, a raiva


que inunda sua mente está sendo construída há alguns
anos. Mesmo que só recentemente tenha se tornado grave
no poker, trabalhar longe da mesa é obrigatório para
construir o músculo mental necessário para tornar uma
luta justa. O “tilt” acumulado é um curinga com este tipo
de “tilt”. Quanto mais você acumula, mais difícil é de se
manter pensando e, assim, de se manter o controle. Se
você tenta enfrentar o “tilt” do desespero de cabeça
erguida sem uma preparação séria, você tem pouca ou ne-
nhuma chance de corrigi-lo. A raiva acumulada
rapidamente domina a sua mente e você joga
terrivelmente. Ao invés de aparecer despreparado,
trabalhe longe da ação com um senso de urgência, como
se a sua vida no poker dependesse disso. Ela depende.

QUANDO PERDER FAZ BEM

Às vezes o desejo de vencer é tão forte, que perder


lhe dá uma sensação de bem estar. Admitir que você
quer perder soa um pouco louco, mas isso acontece
com frequência suficiente para as pessoas habituais,
que não significa, necessariamente, que você está
louco. A derrota pode parecer boa por um número
de razões lógicas. Ela acaba com a dor
rapidamente, você pode controlá-la e ela pode ser
um alívio para a pressão de vencer. Jogadores com
“tilt” de desespero frequentemente ficam presos
tentando descobrir por que eles querem perder.
Essa incerteza acrescenta mais frustração (o “tilt”
do “tilt”) e, finalmente, torna o “tilt” de desespero
mais provável de acontecer novamente.
O “tilt” de desespero é causado por problemas
fundamentais, já abordados neste capítulo. O “tilt” de
desespero é como um alçapão que se encontra abaixo de
cada tipo de “tilt”, mais comumente no “tilt” odeio-
perder, espe-rando para arrastá-lo para o inferno do
poker. Os jogadores de poker com “tilt” de desespero
odeiam sair da mesa presos, e simplesmente não querem
terminar uma sessão com saldo negativo em dinheiro, não
importa quanto tempo leve para ganhar. Quanto mais longa
e profunda as perdas che-guem, pior eles jogam, mais
forte a raiva se torna e é bem provável que eles façam
algo drástico como pular limites, empurrar qualquer jogo,
ou ficar indeciso em todos os big blinds.

Enquanto os outros tipos de “tilt” podem levar ao “tilt” de


desespero, você pode ainda não ter certeza de qual deles
fará com que você se torne desesperado. Tudo bem. O
primeiro objetivo é prevenir o “tilt” de desespero, uma
vez que ele pode causar grandes danos à sua banca,
confiança e motivação. O principal objetivo desta seção é
ajudá-lo a impedir que isso aconteça. Comece com a
estratégia padrão fornecida abaixo. Então, após prestar
mais atenção aos seus gatilhos e sinais de “tilt”,
eventualmente, você vai identificar o tipo de “tilt” que
está causando o desespero.
Estratégia Inegociável
Siga todas ou a maioria dessas medidas para evitar que o
“tilt” de desespero destrua o seu jogo:

1. Tenha um senso de urgência. É um grande


erro considerar muito casualmente o “tilt” de
desespero, ou as medidas para corrigi-lo. Se
você acha que você vai acordar um dia e o
problema terá ido embora, você está
sonhando e jogando com o seu jogo mental.
Para cada jogador que decide parar
instantaneamente um vício, como um fumante
que um dia para e nunca mais fuma, há muitos
outros que falham ao tentar. Se você quiser
que o seu problema de “tilt” melhore, isso
tem que ser a sua prioridade.
2. Escreva um perfil de “tilt”. Certifique-se de
detalhar os primeiros sinais de que o “tilt”
está chegando, o que pode estar
desencadeando o seu “tilt” e os primeiros
erros de poker que você comete. Estude o seu
perfil, frequentemente, e antes de jogar.
Adicione novos detalhes quando você os
encontrar. Para saber mais, consulte a
página 81.
Um dos principais motivos para você ter
dificuldade de controlar o “tilt” é descobrir
os sinais de alerta precoces que ainda não
estão em seu radar. A fim de ter uma chance
de parar o “tilt”, você tem que ser capaz de
identificar os sinais de quando a sua raiva
começa a subir.
3. Defina uma estratégia de parar/perda. É
claro que você já deva ter definido estas
estratégias antes e desistido ao longo do
tempo, mas isso não significa que seja uma
má estratégia. É improvável que você tenha
combinado esta estratégia de parar/perda
com outras medidas para evitar o “tilt”, ou
tenha percebido o quanto é importante manter
o controle consciente de suas emoções.
4. Faça pausas habituais ou use um
cronômetro. Manter o controle emocional
durante toda a sessão é crítico. Se a raiva
começar a desviar a sua capacidade de
pensar, você está muito mais propenso a
sucumbir ao intenso “tilt” acumulado que
segue logo atrás. Embora esta estratégia
possa impedi-lo de jogar o seu melhor, é
muito melhor do que a alternativa. Consulte a
página 55 para obter detalhes específicos.
5. Reveja a sua resposta de emergência.
Antes de todas as sessões, reveja a sua
estratégia para prevenir o “tilt” de desespero,
como se estivesse ensaiando para uma
emergência. Isso mantém todos os detalhes de
seu plano em sua mente, para que você esteja
pronto para tomar medidas de emergência.
6. Tome uma atitude agressiva para com os
primeiros sinais de “tilt”. Depois de
identificar os sinais de “tilt”, tra-balhe duro
para controlar a sua raiva através da
implementação de cada parte de sua
estratégia.
7. Reconheça os pequenos passos que irá dar
mais à frente. Reconhecer sessões onde
você faz progresso com o “tilt” lhe dá mais
confiança para que você se mantenha traba-
lhando duro. Lembre-se, um maior
reconhecimento ou consciência do “tilt”, não
o controle do “tilt”, frequentemente pode ser
o primeiro passo. O “tilt” de desespero é um
grande problema, e eliminá-lo exige um
esforço contínuo durante um longo período de
tempo. Quando pequenas melhorias passam
despercebidas, você pode estar abandonando
uma estratégia que esteja realmente
funcionando. Para saber mais sobre a
melhoria do monitoramento, vá para a
página 68.
8. Depois de identificar o (s) tipo (s) de “tilt”
que levam ao desespero, resolva-o usando
o histórico de “mãos” mental. Tomar essas
medidas reduz a quantidade de raiva que
aparece quando acionado, o que torna mais
fácil de implementar qualquer uma das sete
etapas anteriores. O histórico de “mãos”
mental está na página 64.
9. Compreenda melhor o processo de
aprendizagem. Um fator que contribui para o
“tilt” de desespero são suposições
imprecisas sobre a aprendizagem. Reveja o
Capítulo 2 para que você saiba o que esperar.
10. Desenvolva uma confiança estável lendo o
capítulo 8. Jogadores com confiança estável
não tem “tilt” de desespero.

USANDO O “TILT” PARA


MELHORAR O SEU JOGO
No início deste capítulo, o “tilt” foi apresentado como
algo que poderia beneficiar o seu jogo. O “tilt” está longe
de ser a maneira ideal para melhorar, mas quando é uma
parte real de seu jogo, faça uso do que ele lhe dá, ao invés
de deixar que ele lhe atrapalhe. Aqui está uma rápida
atualização sobre como isso é possível.

Quando a raiva se torna muito intensa e ultrapassa o seu


limite, seu cérebro funciona mal. Funções cerebrais
superiores, tais como a tomada de decisões, percepção e
controle emocional, começam a desligar. Você toma
decisões terríveis porque você não está pensando direito.
De acordo com a ALM, perder a sua habilidade de pensar
significa que você perdeu a informação que está
atualmente em processo de ser aprendida: Competência
Consciente. O que resta são as habilidades ou os
conhecimentos de seu jogo que você já domina:
Competência Inconsciente. Isso inclui as partes sólidas do
seu jogo que você deseja manter, e as partes fracas que
precisam melhorar. Tudo o que não apareceu você
simplesmente não aprendeu ou não domina ainda, ou está
em processo de ser aprendido.

Ao se analisar a qualidade do seu jogo em “tilt”,


considere estas três categorias:

1. Conhecimento básico que está sólido e que é


o ponto forte que você domina.
2. Conhecimento básico que está ultrapassado,
velho, e é a sua maior fraqueza (também
conhecido como maus hábitos).
3. Conhecimento em processo de aprendizagem.

Reconhecer os pontos fortes dominados em seu jogo é


fundamental por três razões:

1. Você identifica as áreas que você não terá


que trabalhar de novo.
2. Você cria uma perspectiva equilibrada do seu
jogo.
3. Você reconhece o limite do quanto você pode
jogar mal. O seu jogo não pode cair em algum
buraco negro que possa deteriorar-se em
completo esquecimento. Estas forças são
garantidas para aparecer, não importa o
tamanho do “tilt” que você esteja.

Reconhecer as suas maiores fraquezas é importante


porque estas são as partes mais fáceis para você corrigir
no seu jogo. Enquanto a realidade de seu jogo possa ser
difícil de aceitar, a boa notícia é que, quando você corrige
os erros, você tem menos a pensar. Como as correções de
suas fraquezas ainda não foram dominadas, elas exigem
que você pense. Quando você dominar as correções em
nível de Competência Inconsciente, você libera espaço
mental, para levar o seu jogo até um nível mental mais
elevado. Consulte a página 18 para mais.

A melhor maneira de começar a corrigir suas maiores


fraquezas é fazer uma lista delas, juntamente com as
correções para cada uma delas e revisá-las antes de jogar.
Depois, durante o jogo, faça tudo o que puder, para fazer
essas correções nos momentos em que você perceber que
sua raiva está aumentando. Como estas fraquezas são tão
básicas em comparação com os seus pontos fortes, elas
não exigem muita atenção, o que significa que será fácil
de corrigir na próxima vez que você estiver em “tilt”. No
entanto, você ainda deve tratá-las como uma prioridade. A
correção para uma fraqueza só é dominada quando você
tiver provado que você pode corrigi-la enquanto entrar em
“tilt”. Isso significa que você pode tirá-la de sua lista e
substituí-la com a sua próxima maior fraqueza. Lembre-se,
não importa o nível que você tenha alcançado, você
sempre terá fraquezas. Vá para página 133 para uma
forma um pouco mais avançada do uso do “tilt” para
analisar o seu jogo.

Mantendo Registros
Ao usar a estratégia acima, faça a sua lista de notas e
mantenha-as organizadas por data. Isso não leva muito
tempo e é valioso por estas duas razões:

1. Escrever as suas notas torna cada uma das


suas fraquezas mais real e mais propensa a se
destacar e ser corrigida quando entrar em
“tilt”. Embora sejam óbvios os erros
cometidos em “tilt”, eles também vão
precisar ser óbvios quando for mais
importante, ou seja: antes de agir. Escrevê-
los acelera esse processo.
2. Ao continuar a escrever os seus pontos
fracos, você irá criar ao longo do tempo, uma
trilha de papel que permite que você prove
que está melhorando como jogador. Ao fazer
progressos com o “tilt”, a intensidade da sua
raiva pode parecer a mesma, mas o seu jogo
poderá ter melhorado. Suas notas lhe dão uma
maneira de comparar o seu pior atual, ao seu
pior de meses anteriores, e provar se a etapa
final do seu jogo melhorou.

Lembre-se, as melhorias acontecem de duas maneiras: Seu


melhor fica melhor e seu pior fica melhor. Usar as etapas
acima permite que você prove se o seu pior está
melhorando, o que indica que você está fazendo as coisas
certas. Desta forma, na próxima vez que você entrar em
“tilt”, você tem pequenas coisas positivas a tirar, num
momento em que previamente você só veria coisas
negativas.

Também é possível que melhorias não tenham sido feitas.


Aqui estão algumas razões:

A causa do seu “tilt” não foi resolvida.


O “tilt” está mais grave do que em qualquer
outro momento, desde que você começou a
manter registros.
Sua abordagem para melhorar não está
funcionando. Reveja os capítulos 2, 3 e 4.

25 N.T. As apostas obrigatórias no Texas Hold’em em inglês são chamadas


small blind e big blind
26 N.T. O assento à direita da pessoa que está distribuindo as cartas (dealer) e
que ‘corta’ o baralho.
27 N.T. O total de fichas que um jogador tem.
28 N.T. Os limites mais altos do poker em inglês são chamados highstakes
29 Nota do Autor: Uma comédia dos ano 2000 Farrelly Brothers estrelando
Kim Carrey como um policial com uma personalidade dividida.
30 N.T. Fazer uma pequena aposta por valor
31 N.T. Spot é usado no poker para indicar uma oportunidade em determinada
mão
32 N.T. Jumento
33 N.T. Jogos incompletos. (Ex: flush draw, straight draw). Em português é
comumente conhecido como “pedida” para flush ou sequência.
34 N.T. Probabilidades
35 N.T. Tentar a sorte
36 N.T. Cooler – Uma situação em que o jogador segura segundo melhor jogo,
e considerando as circunstâncias, ele poderá perder o máximo, não importa
quão bem ele jogue.
37 N.T. - Situação em que um jogo muito favorável a ser ganho é perdido para
um jogo inferior quando as cartas são dadas.
38 N.T. Jogos onde o máximo de jogadores por mesa são dois.
39 N.T. Jogador profissional de poker, que ganha a vida com lucros variados
de forma consistente.
40 N.T. Um site/fórum sobre poker
41 N.T. Uma aposta feita com um jogo que é matematicamente improvável de
ser o melhor jogo, quer seja para fazer dinheiro ou para disfarçar os padrões
de jogo.
42 N.T. Palavra inserida para maior ênfase.
43 N.T. Flop = as 3 primeiras cartas do jogo; todas juntas com a face para
cima - https://www.pokerstars.com/poker/terms/
44 N.T. Check-raise = Passar a vez, e aumentar em seguida, quando um
jogador depois de você aposta.
45 N.T. A maior trinca
46 N.T. A cada 20 vezes, o oponente só ganhará uma.
47 N.T. KK = Reis, AA = Ases
48 N.T. Flush = Um jogo que tem 5 cartas do mesmo nipe
49 N.T. Odds = chances/probabilidades
50 N.T. Sit-N-Go – Tipo de torneio que começa ao atingir o número máximo
de jogadores permitidos que é justo, e isso tem um impacto direto sobre a
forma como você reage à mesa.
51 N.T. Sucked-out = Tinha tudo para ganhar e perdeu
52 N.T. All-in Expected Value – O valor que um determinado jogador poderá
ganhar ao ir all-in.
53 N.T. Período prolongado de perdas no poker.
54 N.T. Cash-Game = Um jogo onde cada mão é jogada com dinheiro vivo ao
invés de jogo de torneio.
http://en.wikipedia.org/wiki/Glossary_of_poker_terms#C
55 N.T. Rake = Valor que é retirado do total apostado em mesa pelo
organizador do jogo
56 Kahneman, Daniel, and Amos Tverky (1979) “Prospect theory: An analyis
of Decision under Risk, Econometrica, XVLVII (1979), 263-291
57 N.T. A quarta carta comunitária.
58 N.T. Entra em muitos confrontos contra os regulares com o objetivo de
“ganhar a todo custo”.
60 Nota do Autor: A menos que você esteja entre os melhores jogadores do
mundo, em um jogo específico.
61 N.T. Jogador que quer jogar apenas uma vez e depois desistir.
62 Nota do Autor: Dr.Michael McCullough, PhD, University of Miami; The
New York Times, 27 de Julho de 2004. Payback time: Why Revenge Tastes
So Sweet, por Benedict Carey.
63 N.T. Hero-call - Quando um jogador tem uma mão fraca, mas suspeita que
seu oponente possa estar blefando e paga para ver.
6
MEDO
NO MUNDO DO POKER onde tudo que esteja abaixo do nível
do seu melhor jogo é chamado de “tilt”, os jogadores mal
percebem a ansiedade e o medo. Definir o “tilt” como
sendo causado apenas pela raiva permite que o medo
surja, como uma verdadeira contribuição para pro-blemas
do jogo mental. O medo estava lá o tempo todo, mas a
menos que você tenha tido a capacidade de detectá-lo, é
provável que você não tenha percebido sua atuação ao
causar problemas no seu próprio jogo. Muitos jogadores o
fazem. Você pode não perceber que o medo pode ser a
causa de dificuldades para pensar com clareza,
verificando constantemente as mãos passados em busca de
erros, ou por que você não tem a energia para jogar.

Enquanto você puder não se apavorar, isto poderá se


apresentar de forma mais sutil numa das seguintes formas:

Sua mente fica em branco em grandes pots.


Você se sente apressado, sem motivo
aparente.
Você constantemente revê as mãos anteriores
em sua mente.
Você constantemente verifica os resultados, o
caixa, ou o tamanho da sua pilha de fichas.
Você joga poker somente quando você está se
sentindo perfeito, então você não joga muito.
Sua mente se acelera e você não consegue
parar de pensar.
Você constantemente questiona suas decisões.
Você evita jogadas onde existe alta variância,
apesar de ser a decisão mais acertada.
Você toma mais tempo para tomar uma
decisão difícil, mas mesmo assim não está
pensando em nada, exceto, “Que diabos eu
faço?”
Você se sente oprimido com a aprendizagem
do jogo.
Você perde regularmente a sua linha de
pensamento em um mão.
Você está relutante para subir de limite.
Você luta para dormir após sessões ruins.

A Natureza do Medo
O medo é um acúmulo de ansiedade.
A ansiedade é um acúmulo de dúvida ou incerteza.

A incerteza é essencialmente uma pergunta para a qual


você não tem resposta, ou não tem experiência suficiente
para provar que a resposta que você já tem é correta.
Quando essas perguntas não são respondidas ou não são
comprovadas, a dúvida persiste e, eventualmente, se
acumula em ansiedade. Se isto continuar por muito tempo,
isto se transforma em medo. Assim como outras emoções,
o medo existe ao longo de um espectro, só que começa
como uma pergunta.

Ao ir ao fundo do seu medo, você pode retirar as


perguntas que não estão respondidas ou não estão
comprovadas. Descobrir as perguntas fundamentais de seu
medo é importante porque elas indicam o que você quer
saber, em um nível mais profundo. Os seguintes são
exemplos de perguntas que os jogadores de poker têm em
comum:

“Se eu não posso derrotar o pato, como eu


posso ser bem-sucedido?”
“O que vou fazer se o poker online acabar, ou
se os jogos diminuírem?”
“É esta a decisão certa aqui?”
“Como eu posso ter sido tão estúpido?”
“Quando é que a fase ruim vai acabar?”
“Por que isto sempre acontece comigo?”
“Por que eu nunca consigo jogar bem quando
eu subo de limite?”
“Será que eu vou ser capaz de atingir o meu
potencial?”
“Será que vou conseguir ser um
profissional?”
“O que eu vou fazer se eu não conseguir ser
um profissional?”
“Posso lidar com outra má fase revoltante?”
“Será que eu vou acordar um dia sem ser
capaz de ganhar no poker?”

Às vezes essas perguntas persistem na mente de um


jogador sem serem respondidas, enquanto em outras
vezes, elas são respondidas automaticamente com
respostas como: “É porque eu sou estúpido, que eu
cometo estes erros”, “Eu nunca vou ser bem sucedido se
eu não conseguir derrotar o pato”, “A fase ruim nunca vai
acabar”, ou “É porque eu simplesmente não sou um
jogador, bom o suficiente para conseguir me tornar um
profissional”. Estas respostas perpetuam o medo.

Pode parecer muito simples reduzir o medo para uma


pergunta, mas pense nisso de forma lógica. Quando você
tem certeza, não há nada a temer. É por isto que as
pessoas que têm certeza exibem confiança, mesmo quando
elas estão erradas.

Se você tivesse 100% de certeza que o poker online seria


legalizado e isto levaria a um segundo ciclo de explosão
do poker, seria ilógico se preocupar com ele acabar. Se
você tivesse 100% de certeza que a sua fase ruim iria
acabar em 10.000 mãos, você não pensaria duas vezes
antes de se sentar para jogar esses 10.000 mãos o mais
rápido possível. Tão simples quanto soa, a certeza é o
antídoto para o medo.

Imprevisibilidade ou incerteza por si só, não cria


ansiedade, assim como a raiva por si só não cria o “tilt”.
Chegar a este nível de intensidade requer falhas
fundamentais, na forma como você está aprendendo e
lidando com o poker. O objetivo final não é eliminar a
incerteza; é corrigir as falhas fundamentais em sua lógica
que o forçam a necessitar de segurança, quando você
realmente ainda não pode tê-la. Sem incerteza, não há
risco. Sem risco, não há nada a ganhar no poker, nenhuma
vantagem a criar e nenhum lucro a ser feito.
VISÃO DE BARRY
Seja Destemido como Ivey

Os jogadores muitas vezes têm um desejo de serem


destemidos, da mesma forma como eles percebem o
Phil Ivey - uma entidade desprovida de todo o medo, e
com a possibilidade de invocar o medo nos outros.
Tentar ser destemido como o Ivey, sem realmente
remover os medos reais que você tem, é uma maneira
de pensar sobre o jogo mental orientada ao resultado.
Você vê a soma das partes do jogo mental dele, mas
não como ele chegou lá. Não é diferente do que querer
ter tanto dinheiro ou de querer ser tão bom jogador
quanto ele. Você vê o resultado final e acha que ele
pode ser seu, sem realmente merecê-lo. Infelizmente, a
mente é poderosa o suficiente para lhe convencer de
que é possível, mas não é poderosa o suficiente para
tornar (este desejo) realidade, instantaneamente.

Informação Incompleta
Você já deve ter ouvido falar do poker, como sendo um
jogo de informação incompleta. A habilidade no poker
vem da criação de certeza, onde previamente havia
incógnitas. Você não tem idéia de que cartas o seu
oponente recebeu, mas você tem a capacidade de colocá-
lo em ranges (o intervalo de jogos que seu oponente pode
ter), repensar mãos anteriores jogadas contra ele e
interpretar tells, para preencher essa informação em falta.
Você não sabe a força de seu adversário, depois de jogar
uma mão com ele; mas se você assistir sites de trei-
namento, postagens em fóruns e trabalhar em seu jogo,
você poderá aprender a avaliar rapidamente o jogo deles.

Hipoteticamente, digamos que haja 10 incógnitas técnicas


em qualquer mão de poker. Um pato só pode preencher
uma ou duas dessas incógnitas desconhecidas em uma
mão, enquanto que um jogador profissional poderá
preencher sete. A vantagem de um profissional vem de sua
capacidade de ter segurança, que os jogadores mais fracos
não têm. Em outras palavras, eles têm a vantagem da
informação.

Um jogador é um pato do jogo mental, quando ele não tem


a proficiência para preencher o suficiente de incógnitas
desconhecidas. Hipoteticamente, digamos também que
existam 10 incógnitas técnicas desconhecidas, dentro de
um problema de jogo mental. Os jogadores com
problemas de ansiedade ou medo, tipicamente, têm a
habilidade para preencher uma ou duas, mas pensam que
eles têm a habilidade para preencher sete. Como eles
acreditam que deveriam ser capazes de descobrir isto,
eles vasculham suas mentes pela resposta. Quando não há
uma resposta para ser encontrada, seus pensamentos se
movem mais rápido e, eventualmente, aceleram para
preencher desesperadamente as incógnitas desconhecidas.
Eles verificam constantemente o caixa, mas não sabem por
que; suas mentes ficam em branco, quando jogam 5/10,
mas eles não conseguem descobrir por que isto não
acontece em limites mais baixos; ou então se apressam em
decisões precipitadas em grandes pots, mas não
conseguem descobrir como poderiam desacelerar.

Tentar preencher mais incógnitas do que sua habilidade do


jogo mental permite, é a mesma coisa que tentar superar
um jogador superior. Sua mente pensa além de sua
capacidade e seus resultados atingem resultados piores,
do que você atingiria se você se limitasse ao que você
sabe. Felizmente, um jogador consegue preencher as
incógnitas desconhecidas no jogo mental ao desenvolver
esta habilidade, da mesma maneira como o faz no próprio
jogo; apenas os detalhes diferem.
Combustível para seu Desempenho

“Se você não está sentindo a pressão sobre o 1o tee64 de


um grande torneio de golfe, você não está vivo.” – Ouvi
isto no PGA Tour

Enquanto o medo causa uma série de problemas, quando


experimentado em níveis menores, pode ser uma
importante fonte de combustível para que você possa
desempenhar no seu mais alto nível e entrar no jogo. Em
situações de pressão, é comum sentir-se ansioso, nervoso,
animado, energizado ou insano. Não importa como você
descreva, ter a emoção e a adrenalina bombeando através
de seu corpo prepara os seus sentidos para captar
detalhes, que você não pode ver normalmente. É porque
você está percebendo os detalhes que se sente, como se a
ação simplesmente fluísse através de você, o tempo
parece desacelerar, e você simplesmente sabe o que seu
oponente está passando. Você está na zona (jogando o seu
melhor), graças aos seus nervos.

No poker, como em outros esportes, negócios e outras


áreas de desempenho, a capacidade de prosperar sob
pressão, anteriormente, deu às pessoas uma vantagem
competitiva distinta. É aquela vantagem, que os impedia
de serem, naturalmente, selecionados fora do jogo, até que
a psicologia propriamente dita, e a psicologia do esporte,
deram a estas pessoas, que tinham dificuldade de jogar
sob pressão, uma maneira formal de aprender esta
habilidade, previamente inatingível. Estas pessoas já
poderiam ser igualmente talentosas, ou até mais que isto,
mas sem a capacidade de jogar sob pressão, eles não
poderiam alcançar um nível de sucesso igual ao seu
talento.

Para os jogadores de poker que não têm a capacidade de


jogar sob pressão, este capítulo pretende nivelar o campo
do jogo. Ao abordar questões de medo, o objetivo é
identificar e separar as falhas fundamentais em seu jogo
mental, que transformam as suas perguntas em medo. Um
exemplo deste tipo de falha é a crença de que ao se sentir
ansioso ou com medo, você não vai jogar bem. Quando
você estava tranquilo na mesa, sua mente não poderia
responder às perguntas: “Por que me sinto desta
maneira?” e “Qual é o meu desempenho ao me sentir desta
forma?” Sua incapacidade de responder a estas perguntas
lhe criou mais ansiedade, o que bloqueou sua mente e fez
com que fosse mais provável que você falhasse. Ao longo
do tempo, você associou a ansiedade à falha, então você
aprendeu que a ansiedade era, inerentemente, ruim. Já que
você aprendeu a temer os seus nervos, você também
poderá aprender a usá-los para jogar melhor o seu poker.
Aqui estão alguns dos outros benefícios que o medo ou a
pressão lhe trazem:

1. Assim como o tilt, a ansiedade expõe


fraquezas fundamentais, na forma como você
joga poker, tecnicamente, e aborda o jogo
mental. Basicamente, ela ajuda a identificar o
que você precisa para melhorar.
2. A pressão é fundamental para a
aprendizagem. Quando seus nervos são
energizados até o topo da curva de
desempenho, você se torna uma máquina de
aprendizagem, que é capaz de observar
detalhes sutis na ação que você, normalmente,
não podia ver.

Ao acatar a ansiedade, você está numa ótima posição para


capitalizar sobre ela.

PERFIL DO MEDO
Antes de abordar seus medos diretamente, você precisa
primeiro reco-nhecer e compreendê-los melhor. A melhor
maneira é identificar os seus padrões de dúvida,
ansiedade e medo. Aqui estão algumas perguntas para
você começar:
Quais são as situações que normalmente
provocam dúvida, ansiedade ou medo?
Quais são os seus primeiros sinais de medo?
Você luta com qualquer um dos itens listados
na página 169 ou tem qualquer uma das
perguntas listadas na página 171? Pode
descreve-los com mais detalhes?
Você consegue identificar o ponto em que a
ansiedade deixa de ajudá-lo a jogar para se
tornar excessiva e começar a lhe causar
problemas?
Como você sente a ansiedade? (Coração
batendo, suor, náuseas, boca seca, bater os
pés ou mãos, etc.)

Ao analisar o seu padrão, pense sobre a presença dos


cinco sintomas comuns de medo descritos abaixo. Os
jogadores de poker muitas vezes veem estes como sendo,
inerentemente, negativos e ruins para o seu jogo. Eles não
são. Eles estão associados às falhas fundamentais que
causam o seu medo. Quando você os entender, você está
um passo mais perto de removê-los e resolver os seus
problemas com a ansiedade e com o medo.

1. Pensando Demasiadamente
O medo faz com que a sua mente acelere, ande em
círculos e fique obcecada por uma coisa específica. Isso
acontece porque a sua mente não consegue encontrar a
resposta à sua pergunta fundamental. O antídoto para o
medo é a certeza, então a mente faz tudo o que pode para
encontrar uma resposta. Quando está realmente
desesperada para encontrar uma resposta, a mente
continua até que fique exausta ou se distraia.

Como a mente é limitada a um número finito de coisas que


ela pode pensar de uma só vez, anote os seus
pensamentos. Escrever sobre o que você está preocupado
torna mais fácil de descobrir a pergunta fundamental que
você está tentando responder. Depois de identificar a
pergunta, escreva a resposta.

Pensar demasiado cria confusão e desordem em sua


mente. A mente desordenada é como uma mesa em
desordem; é difícil encontrar o que você está procurando.
Escrever ajuda a limpar o lixo e a usar sua mente de
forma mais eficiente para encontrar respostas.

2. Não Confiar no seu Instinto


Você sabe a jogada certa, mas vai contra ela. Por quê? É
porque você não confia na resposta que seu instinto lhe
dá. Isso nos leva a perguntar: “Que diabos é o instinto?”
Se você não sabe o que o instinto é, faz sentido que você
não confie nele. Essencialmente, o instinto são as
habilidades em nível de Competência Inconsciente
reagindo à situação com uma resposta. É a versão mental
de uma reação física no esporte.

Um exemplo disso é quando um jogador de basquete indo


em direção à cesta instantaneamente ajusta o
posicionamento da bola no jogo, para evitar a tentativa de
um defensor cortá-lo. Não há nenhum pensamento neste
movimento físico, é uma reação puramente instintiva. O
mesmo é verdadeiro no nível mental; o instinto não pensa
em surgir com a resposta, a resposta vem
automaticamente.

VISÃO DE BARRY
Jogadores Sensitivos

Você frequentemente ouve sobre “jogadores


sensitivos”. Estes são jogadores que parecem ter
alguma capacidade mística de leitura de alma, mas, na
realidade, eles estão apenas usando suas habilidades
treinadas em nível de Competência Inconsciente muito
bem.

Reações mentais, assim como as físicas, acontecem graças


à habilidade profundamente enraizada. Se você não confia
em seu instinto, você não confia em todo o trabalho que
você dedicou para aprender o jogo. Quando o instinto está
certo, você aprende que é algo que você pode confiar e
utilizar como uma parte da sua tomada de decisão. No
entanto, às vezes o seu treinamento está defasado ou falho,
então o seu instinto está errado. Quando isto acontece,
significa que você encontrou um ponto fraco em sua base
de conhecimento para corrigir. Quando você corrigir essa
fraqueza, o seu jogo torna-se ainda mais sólido, porque o
seu instinto está mais preciso.

3. Questionando Decisões
Enquanto você está jogando, o desejo de saber a decisão
correta em mãos que você perdeu ou cometeu um erro
pode ser tão forte, que você as reproduz várias vezes em
sua mente ou revê o histórico de mãos. Você fez uma
jogada, perdeu a mão e agora você a questiona. Você se
pergunta se tomou a decisão certa. Há muitos momentos
em que a decisão é muito difícil, e não saber se foi certa
ou errada pode ser angustiante.

Questionar decisões significa que você tem dúvidas ou


perguntas sobre uma decisão após tomá-la.
Frequentemente, isto é alimentado por um desejo de se
certificar de que você não irá mais perder ou cometer
erros. No entanto, se distrair com as mãos anteriores faz
com que estas questões sejam mais prováveis de
acontecer. A melhor coisa a fazer é tomar uma nota rápida
e rever a mão após terminar de jogar.

4. Ansiedade de Desempenho
Jogar poker é um teste para provar o que você sabe.
Jogadores com ansiedade de desempenho colocam tanta
pressão sobre si mesmos para tomar a decisão correta,
que eles acabam pensando demais, não confiando em seu
instinto e questionando suas decisões. Infelizmente, essas
ações fazem com que joguem pior e tenham mais
dificuldade em ter acesso a todos os seus conhecimentos
de poker.

Teste o seu jogo enquanto está jogando poker, ao invés de


pensar demais, não confiando em seu instinto ou
questionando suas decisões. Então você poderá avaliar,
com mais precisão, os pontos fortes e fracos em seu jogo
para saber, especificamente, o que precisa melhorar.
Desta forma, você estará melhor preparado para fazer o
próximo teste.

5. Futuro Negativo
O seu medo será potencializado se você aumentar sua
expectativa de medo com coisas que poderiam acontecer
no futuro. Este medo do medo faz com que os jogadores
cometam erros, adiem o início de uma sessão, evitem
jogadas de alta variância e joguem menos poker de modo
geral. O que cria este medo adicional é a crença de que, o
que está previsto para acontecer no futuro irá acontecer.
Eles não apenas pensam que eles vão jogar mal e perder,
eles sabem que isto vai acontecer.

Os jogadores de poker são videntes de merda. Eles não


podem prever o futuro. O que eles imaginam que vai
acontecer no futuro é uma previsão, não o que realmente
vai acontecer. Acreditar que a previsão se tornará uma
realidade acrescenta mais medo, o que impede um jogador
de pensar com clareza. Consequentemente, perder,
cometer erros, e jogar mal poderá acontecer, e o que era
previamente temido torna-se uma realidade. Preparar-se,
injetar lógica durante o jogo e fazer exercícios escritos,
como será descrito na próxima sessão, tudo isto evitará
que o futuro que você previu como negativo, se torne
realidade.

ESTRATÉGIA GERAL PARA A


RESOLUÇÃO DO MEDO
Comece a resolver o seu medo por escrever os
pensamentos e as perguntas fundamentais que o rodeiam.
Externar o que está em sua mente lhe permite focar nos
detalhes de seu medo mais objetivamente. Além disso,
escrever é uma das maneiras mais rápidas de fa-

zer um progresso rápido. Isso limpa a sua mente, então é


mais fácil pensar através das decisões, enquanto você está
jogando. Começando na próxima página estão dois
exercícios de escrita, que você pode usar para fazer
progressos eficientes e resolver o seu medo. Para obter
mais detalhes do porquê da escrita ser eficaz, consulte a
página 70.

Jogar o Medo Fora


Qual a pior coisa que poderia acontecer? Esta é uma
pergunta comum feita por pessoas que tentam ajudar
alguém a superar seus medos. Esta estratégia leva a
essência dessa pergunta a um passo adiante.

Comece por tomar a coisa que você tem medo e escrever


a resposta para a pergunta: “Qual é a pior coisa que
poderia acontecer?” Em seguida, faça perguntas de
acompanhamento, tais como “Por que é tão ruim assim?” ;
“O que aconteceria?”; “O que você faria?”; “Como você
se sentiria?”; “Qual é a solução?” Responder essas
perguntas o ajuda a entender melhor o que está causando o
seu medo. Em seguida, aborde diretamente o seu medo ao
decompor a falha fundamental, encontrar algo produtivo
para fazer e pensar melhor no geral.

Aqui está um exemplo de como você pode “jogar fora o


medo” e aumentar seus limites através da escrita:

Qual é a pior coisa que poderia acontecer se você


aumentasse seus limites e tivesse uma downswing?
“Eu perderia dinheiro e confiança.”

O que isto faria para você? “Eu teria que recuar e


construir o meu caminho de volta.”

Como que você se sentiria? “Isso seria péssimo, é


claro; eu estou jogando por um tempo e
simplesmente não consigo me superar. Eu
aparentemente não consigo entender isto”.

Você já fez tudo o que pode para entender isto?


“Eu fiz muito. Talvez haja mais a fazer, eu não
sei. Eu simplesmente não tenho certeza do que eu
poderia fazer.”

Como você pode descobrir? “Eu poderia


perguntar por aí. Eu tenho alguns amigos do
poker que provavelmente poderiam me ajudar. Eu
publiquei em fóruns algumas vezes; eu poderia
fazer isto, talvez contratar um treinador.”

Por que é ruim voltar a jogar em limites mais


baixos? “Eu só quero que as coisas sejam mais
fáceis para não ter que passar por esses altos e
baixos constantes. Isso é muito frustrante. Eu
simplesmente surto sempre que eu jogo em um
nível mais alto.”

Porque você surta? “Eu não sei, eu acho que por


ter falhado tantas vezes, o meu cérebro bloqueia
e eu jogo como um donkey. Eu simplesmente
quero muito ter sucesso. “
Qual seria a probabilidade de você ter mais
sucesso? “Provavelmente, me esforçando mais.
Tenho a tendência de explodir quando as coisas
não estão indo bem e eu realmente preciso ser
mais coerente com isto. Pode não ser divertido,
mas é o único caminho.”

E ainda tem mais para se levar em consideração, mas,


neste ponto, você descobriu que deveria dar um passo
mais produtivo: trabalhar mais, especialmente quando
você não quer. Esta solução por si só não vai eliminar a
incerteza ou mesmo todo o medo de subir (de limites),
mas é um passo na direção certa.

Parte do que está causando o medo, neste exemplo, é um


desejo de que o sucesso em limites mais altos venha
facilmente, como também, alguma incerteza sobre como
melhorar. Essa técnica ajuda a cavar através das camadas
do medo, para encontrar a causa do medo e uma maneira
de resolvê-lo. Muito frequentemente, os jogadores jogam
com o seu medo, e evitam subir (de limites). O objetivo
geral é romper com o medo para que ele não lhe
atrapalhe.

Respondendo Perguntas
Quando as perguntas não têm resposta, elas permanecem
na parte de trás de sua mente e sutilmente minam o seu
esforço para jogar um poker sólido. Quanto mais tempo
elas ficam sem resposta, mais estragos elas criam. Nessa
primeira etapa da estratégia a pergunta que fica
martelando na sua mente afirma a incerteza que você tem
em seu jogo. Por exemplo:

“E se eu não for bom o suficiente?”


“E se eu não conseguir?”
“Se eu não posso vencer este cara, como eu
posso vencer os regulares do próximo
limite?”

O segundo passo é reformular perguntas sobre o futuro


que ainda não podem ser respondidas. Aqui estão alguns
bons exemplos:

“Quando é que a má fase vai acabar?” Como


você não pode saber isto, a melhor pergunta
é: “O que eu preciso fazer para melhorar a
forma como eu lido com a fase ruim? ”
“Vou conseguir ser um profissional?” A
melhor pergunta é: “O que eu preciso fazer
para me dar a melhor chance de me tornar um
profissional?”
O terceiro passo é responder a cada pergunta. Muitas
perguntas, de modo geral, os jogadores as ignoram e
acham que elas são estúpidas ou ilógicas, quando na
verdade elas são perguntas legítimas e razoáveis para se
fazer. Ao responde-las, você desenvolve a certeza
necessária para resolver o seu medo. Você não pode
eliminar a incerteza no poker, mas você pode eliminar o
medo. Responder às perguntas legítimas em seu jogo o
ajuda a fazer isto.

Para ambos os exercícios de escrita, se as respostas não


vêm imediatamente, o melhor é ser preciso e ir mais
devagar, ao invés de forçá-las e obter a resposta errada.

MEDOS COMUNS
O que se segue é uma análise dos medos comuns que os
jogadores de poker enfrentam. Para qualquer medo não
mencionado, use as estratégias gerais fornecidas
previamente neste capítulo e no capítulo 4 para analisar e
resolver este medo.

Medo do fracasso
“[A fórmula] para . . . o sucesso? É muito simples, na
verdade: duplique a sua taxa de fracasso. Você está
pensando no fracasso como inimigo do sucesso. Mas ele
não o é, mesmo . . .” — Thomas J. Watson, primeiro
presidente da IBM

Fracasso significa coisas diferentes para cada jogador.


Para alguns jogadores, o fracasso significa, simplesmente,
não conseguir chegar a um objetivo; para outros, o
fracasso os define. O medo do fracasso não é
necessariamente uma coisa ruim. Ele obriga alguns
jogadores a trabalharem duro e a fazerem tudo o que
puderem para ter sucesso. No entanto, para outros
jogadores, ele pode ser muito desastroso para seus jogos.

A natureza da competição exige que alguém tenha que


falhar e, temer que possa ser você, é o medo mais comum
no poker. A pressão para ter sucesso faz com que
jogadores sólidos pensem demais nas decisões, e só
joguem quando se sentem perfeitos, e fiquem obcecados
por mãos perdidas previamente. Isto só faz com que o
fracasso seja mais provável.

Conselhos comuns sobre o medo do fracasso, tanto dentro


do poker e fora dele, fazem com que a solução pareça
mais simples do que ela é, para a maioria dos jogadores.
O medo do fracasso é frequentemente causado por falhas
fundamentais que não são bem conhecidas. A re-solução
só pode acontecer quando todas as falhas que causam este
medo são corrigidas.

Aqui está uma lista das típicas falhas fundamentais que


causam o medo do fracasso (jogadores normalmente têm
mais de uma):

Expectativas elevadas. Os jogadores


frequentemente têm ideias em sua mente,
sobre o quanto eles deveriam estar ga-
nhando, quão grande suas taxas de ganhos
deveriam ser, ou em que limites eles
deveriam estar jogando. Estas ideias são
metas de longo alcance e elas são muitas
vezes a base para expectativas elevadas.
Quando essas expectativas elevadas não
forem atendidas, os jogadores não são
capazes de entender por que eles falharam.
Isso resulta em medo e ansiedade. A solução
para este problema é transformar
expectativas em objetivos. Como um objetivo
é algo pelo qual um jogador se esforça, eles
sabem que existem etapas necessárias que
precisam ser tomadas e tra-balho que precisa
ser feito, a fim de alcançá-lo. Uma
expectativa é, meramente, uma suposição do
que pode acontecer, por isto, pouco ou
nenhum trabalho é feito. Portanto, quando as
expectativas não forem atendidas, de forma
regular, o jogador começa a temer o fracasso,
mas toma pouca ou nenhuma atitude para
descobrir ou corrigir a causa de seu fracasso.
Por outro lado, quando o objetivo não for
cumprido, o jogador assimila o que foi
aprendido em sua tentativa prévia, ajusta a
sua estratégia e continua o trabalho para
alcançá-lo. Jogadores com expectativas
elevadas temem o fracasso, porque eles não
aprenderam como usar a falha para ajudá-los
a ter sucesso.
Tremendo em grandes spots. Se você treme
em grandes spots, mas não sabe por que, o
medo pode se desenvolver. Não saber por
que você tremeu o deixa incapaz de impedir
isto e incapaz de prever quando isto vai
acontecer em seguida. Essa incerteza faz com
que você se proteja contra o fracasso, o que
paralisa ainda mais a sua mente e significa
que você está mais propenso a tremer
novamente. Tremer por causa de uma grande
decisão acontece, quando o medo acumulado
supera rapidamente o cérebro e desliga toda
a capacidade de pensar. Para parar de
tremer e para reduzir o seu medo
acumulado, identifique a causa fundamental
de seu medo e siga os passos na página 70.
Tentando ter controle sobre o que você não
pode. Quando você leva o poker mais a
sério, há muita coisa a se levar em
consideração: tempo, dinheiro e liberdade,
por exemplo. Quando há mais em jogo, as
consequências pelo fracasso são maiores,
então você tenta fazer tudo o que você pode
para ganhar. Quando isto também inclui tentar
controlar aspectos do jogo, que não podem
ser controlados, você se prepara para o
fracasso. Gastar tempo e energia tentando
controlar a variância ou os outros jogadores
(mesmo que sutilmente) significa que você
está menos concentrado em garantir que você
está jogando bem. Esteja certo de se
concentrar naquilo que realmente pode ser
controlado e em compreender melhor os
fatores que você não pode. Para mais veja
página 230.
Falhando em enxergar o sucesso. Quando
lhe passam despercebidos objetivos menores
alcançados no passado, parece que você está
falhando mais. Você não está; sua perspectiva
é unila-teral porque você falhou em
reconhecer o sucesso anterior. Para corrigir
este problema, procure o seu histórico de
poker por objetivos definidos por você -
pequenos e grandes - e reconheça os que
você já alcançou. Faça isto de forma
constante ao longo de duas semanas, pois é
improvável que você vá se lembrar de todos
eles, de uma só vez. Somente anotar essas
realizações às vezes já é o suficiente para
começar a resolver os seus medos. Esta
causa do medo é similar aos conceitos
apresentados na página 107 sobre o “tilt”
de injustiça.
Tentar ganhar todas as sessões.
Frequentemente, os jogadores de cash game
acreditam que é possível ganhar todas as
sessões. Em sua mente, perder uma sessão
significa que eles falharam. Desejar que fosse
possível ganhar todas as sessões, define uma
expectativa que está além do seu alcance -
então qualquer coisa abaixo disso torna-se
um fracasso. Para resolver esta causa do
medo, prove a si mesmo por que este desejo
é inatingível e por que você não quer que este
desejo se torne realidade e defina objetivos
realistas, ao invés de expectativas
irracionais.
Pensar que o sucesso deveria ser fácil.
Quando o sucesso vem facilmente por um
longo tempo, o jogador frequentemente tem
dificuldades na primeira vez que experimenta
um grande revés, tal como em uma terrível
fase ruim. Com o tempo, eles passaram a
esperar o sucesso e um revés destrói essa
expectativa. Sem nunca ter enfrentado este
desafio, eles não têm a habilidade para lidar
com um revés normal e o medo se
desenvolve, ao imaginarem que nunca mais
terão sucesso novamente. Com a competição
no poker ficando forte, o revés vai acontecer.
Aprender a voltar ao trabalho, durante e
depois de um revés, é uma habilidade. Se
você não tem isto, desenvolva. O sucesso
agora exige trabalho duro, especialmente
quando confrontados com a adversidade.
Pensar que você é um fracasso. Se falhar no
poker faz com que você se sinta como um
fracasso, há muito mais na sua mente do que
apenas dinheiro. Frequentemente, os
jogadores mostram este tipo de medo por não
se esforçarem, por não dedicarem as horas ou
não trabalharem o suficiente em seus jogos.
Se eles o fizessem e ainda assim falhassem, a
sua autoconfiança não saberia como lidar
com isto. Um problema fundamental de
confiança é a causa deste medo. Uma vez
restaurada a confiança, seus medos
desaparecem. Consulte o capítulo 8.

SEM ALGUM
INJETANDO LÓGICA FRACASSO, VOCÊ NÃO
PODE APRENDER O
QUE É NECESSÁRIO PARA ALCANÇAR UM
SUCESSO MAIOR

O VERDADEIRO FRACASSO SÓ ACONTECE


QUANDO VOCÊ DESISTE.

O medo do fracasso é um problema complexo,


especialmente porque há o potencial que você possa
falhar ao tentar se livrar dele. Certifique-se de continuar
agressivo ao corrigir a causa fundamental de seu medo de
falhar, até mesmo o receio de falhar em corrigir o seu
medo. Espere que o revés aconteça; ele é uma parte
normal do processo de aprendizagem. Revés não é
fracasso. Leve isto com calma e continue trabalhando. Por
último, como o medo do fracasso pode estar conectado à
motivação, ao “tilt”, e à confiança, considere rever
também aqueles capítulos.

Medo do Sucesso
Embora seja menos comum do que o medo do fracasso, o
medo do sucesso pode ser também tão prejudicial quanto
o primeiro. Frequentemente é difícil para os jogadores o
identificarem, porque soa estranho ter medo da mesma
coisa que se está tentando alcançar. Então, por que alguém
iria temer o sucesso?

Lidar com o foco de atenção que vem com o


sucesso, pode ser muito difícil,
especialmente, para os jogadores que não são
naturalmente extrovertidos e sociais.
O holofote pode fazer os jogadores se
tornarem arrogantes, egoístas e cheios de si.
Eles temem ficarem assim.
Eles temem os outros jogadores, dizendo que
eles não merecem o sucesso deles e são,
realmente, apenas uma trapalhada que “deu”
certo.
Eles subestimam sua própria capacidade e
sentem-se indignos de seu sucesso.

Subjacente ao medo do sucesso está uma questão de


confiança. Jogadores com confiança estável são capazes
de ter sucesso sem que o sucesso os mude completamente
ou a sua abordagem ao poker. O Capítulo 8 oferece
conselhos sobre como desenvolver uma confiança estável.

Além disso, certifique-se de ter um claro reconhecimento


do seu padrão de medo. Em seguida, quando sinais de
medo aparecerem, como jogar mal, falta de concentração
ou não jogar bem de modo geral, você está preparado
para injetar lógica e atravessar o seu medo.

Medo de Errar
O medo de errar é causado por erros na forma de como
você vê o processo de aprendizagem. Os erros são uma
parte importante deste processo, então temer os erros
sugere que você também tem medo de aprender. O medo
de errar é sutil, então os sinais podem ser mais difíceis de
se detectar. Aqui estão algumas coisas para ficar de olho:

Apressar uma decisão difícil para terminar o


mão, rapidamente, e acabar com a agonia da
incerteza.
Parar após o primeiro erro, ou logo após ter
percebido o erro, sem se importar se ele é
grande ou pequeno.
Tratar todos os erros igualmente - qualquer
coisa menor que a perfeição não é aceitável.
Hesitar, pensar demais e questionar muitas de
suas decisões.

Existem algumas razões fundamentais para se temer os


erros. Primeiro, quando você estuda e trabalha muito em
seu jogo, isto pode levar você a acreditar que você não
vai cometer um erro duas vezes, especialmente um erro
óbvio. Consequentemente, quando você comete um erro
duas vezes, é chocante; você não estava esperando por
isto. Quando a descrença desaparece, ela é logo
substituída por perguntas que giram em torno da sua mente
sobre o estado do seu jogo: “Como isto pode acontecer?”;
“Como eu posso ser tão estúpido?”; “O que mais eu posso
fazer!?” Você trabalha mais para tentar jogar melhor, mas
você ainda comete o mesmo erro. Seu jogo parece estar
fora do seu controle e o medo se multiplica.

Você também teme seus erros, quando você acredita que


os erros nunca deveriam acontecer. Essa crença aumenta a
pressão para jogar perfeitamente, cria ansiedade de
desempenho e, finalmente, o leva a mais erros. Você tenta
prevenir os erros ao aprender tudo o que você puder e
trabalhar tão duro quanto possível. No entanto, este
excesso de conhecimento faz com que seja mais difícil de
decidir qual parte da estratégia usar, mesmo quando sob
uma leve pressão, e, finalmente, o leva a erros.

As falhas fundamentais que o fazem ter medo de errar


também criam “tilt” do erro (alguns jogadores ficam com
raiva, enquanto outros desenvolvem medo). Veja as
páginas 131-139 para saber mais sobre essas falhas
fundamentais. O medo de errar também é conectado com
o medo do fracasso, então você pode encontrar a sua
resposta lá também.

OS ERROS SÃO
INJETANDO LÓGICA OPORTUNIDADES PARA
SE MELHORAR.
CONCENTRE-SE EM JOGAR BEM AGORA, E
APRENDA COM ELES MAIS TARDE.

Medo de Uma Fase Ruim


Temer uma fase ruim, na maioria das vezes, acontece com
os jogadores que já experimentaram muitas fases ruins.
No entanto, com tanta conversa sobre as fases ruins, novos
jogadores podem desenvolver o medo, antes mesmo de ter
uma fase ruim. Fases ruins podem ferir, gravemente, a sua
conta bancária, diminuir a sua confiança e reprimir a sua
motivação, bem como lhe causar “tilt”. Cada vez que você
tem uma fase ruim, toda aquela emoção negativa se
acumula e fica com você. Você não se esquece de como é
ruim experimentá-la. Quando você finalmente chega à uma
fase boa, você não consegue nem mesmo apreciá-la,
porque você sabe que é só uma questão de tempo, antes da
sorte, inevitavelmente, se virar contra você.

Enquanto uma fase ruim faz com que a sua conta bancária
tome uma porrada, a principal razão para os jogadores
desenvolverem este tipo de medo tem mais a ver com a
experiência de uma fase ruim. Claro, é um saco perder
dinheiro, mas você sabe que é um jogo de longo prazo. A
parte difícil é ser capaz de passar por isto mentalmente.

A fase ruim pode deixá-lo louco. É razoável temer todos


os sentimentos negativos que vêm com isto. Experimente a
loucura da fase ruim muitas vezes e você pode
desenvolver a síndrome-do-cão espancado.65 A cada vez
que você tem uma fase ruim, você se torna mais tímido
por causa da surra que a variância inflige em você. A
solução a longo prazo aqui é abordar as questões
específicas - “tilt”, confiança, motivação ou outros
temores - que fazem com que você não saiba lidar com a
fase ruim. Somente quando uma fase ruim se torna menos
caótica, é que você supera este medo.

Depois de fazer melhorias nessas áreas, ao injetar lógica,


você pode começar a superar o medo quando ele aparece.
Na próxima vez que você tiver uma fase ruim, olhe para
isto como um desafio, para provar como você poderá
lidar melhor com isto. Esta abordagem, frequentemente,
leva algum tempo até que todos os jogadores de poker
superem este medo. Somente quando você perceber que
uma fase ruim não vai ser igual a uma surra, é que vai
fazer sentido superar o medo de uma fase ruim. Se você
ainda não fez melhorias para lidar com a fase ruim, não dê
este passo ainda.

HISTÓRIA DO
CLIENTE
Pascal “StakeMonster”Tremblay
10/20 Heads Up NL
INSTRUTOR DE POKER NO CARDRUNNERS
“Entrei em contato com Jared quando eu estava tendo
alguns dos meus melhores meses de todos os tempos,
em termos de resultados, mas eu ainda tinha muita
ansiedade e estresse relacionado ao meu jogo que eu
queria me livrar. Eu jogava profissionalmente em
tempo integral e o nível de estresse - mesmo quando
eu estava ganhando - era um grande problema e, no
longo prazo, estava me prejudicando muito. Eu estava
estressado antes de jogar, durante o jogo e até mesmo
depois. Era uma pressão constante que estava lá o dia
todo.

O que eu vim a aprender era que eu estava


constantemente temendo a variância negativa,
especialmente quando ela durava semanas. Eu estava
constantemente ansioso, porque eu nunca sabia quando
eu iria perder. A possibilidade de eu vir a ter um dia
ou uma semana muito ruim estava sempre lá. Se eu
estava ganhando ou perdendo, eu sabia o que este
estresse me custava. Se eu perdesse um monte de
dinheiro num dia, no dia seguinte eu ficava com medo
que isto fosse acontecer novamente. Se eu estivesse
muito positivo, eu iria parar muito cedo, porque eu
queria reservar uma vitória, evitar uma downswing e
ganhar alguma confiança. Isso me custava dinheiro,
não só quando eu estava perdendo, porque eu caia
rapidamente para o meu C-game66, mas também
quando eu estava ganhando, porque eu estava muito
concentrado nos resultados de curto prazo. Eu não
estava pensando em como eu estava jogando bem; eu
estava pensando sobre os benefícios financeiros
imediatos ou perdas.

Demorou um pouco para compreender algumas das


coisas que Jared estava me dizendo, porque os
problemas que eu estava tendo estavam profundamente
enraizados. As coisas não mudaram, instantaneamente,
durante a noite. Era uma melhoria gradual com muitos
momentos de esclarecimentos entre as sessões. Sua
abordagem funcionou muito bem para mim, porque ele
não colocava somente um curativo sobre o problema
ou me dizia uma solução rápida.

Ao invés disso, ele mudou a minha maneira de pensar


sobre as coisas, não somente no poker, mas na vida em
geral. Não era somente o que ele estava dizendo, mas
também o que eu estava trabalhando fora de nossas
sessões, o que é algo que eu nem sequer pensava em
fazer antes. Eu tinha passado muito tempo analisando
históricos de mãos e vídeos de treinamento, mas nunca
passei nenhum tempo me analisando. Eu nunca pensei
nisso dessa forma. É um aspecto do jogo de um
jogador de poker que, frequentemente, é ignorado e
nunca realmente focado. Como pode ser assim, já que
o nosso estado emocional desempenha um fator tão
importante nas mesas?

Uma grande coisa que ele me fez fazer foi escrever,


então eu comecei um blog e, surpreendentemente, isto
realmente me ajudou muito. Usei-o para expressar as
minhas emoções em relação ao jogo e isto me fez
entendê-las melhor. “Se você não consegue entendê-
las, você não será capaz de resolvê-las”, ele me dizia.
Quanto mais nós conversamos, mais eu entendia e
mais eu percebia que eu não teria que me sentir desta
forma para o resto da vida. Então, ao invés de apenas
ficar chateado e pensar “isto é simplesmente o jeito
que eu sou”, eu comecei a pensar mais sobre o estado
emocional em que eu estava e como poderia mudá-lo.

Em última análise, Jared me ajudou a identificar o que


realmente estava causando este medo. Quando eu tinha
18 anos, eu tive um surto realmente ruim de depressão.
Era algo que eu nunca pensei que teria alguma coisa a
ver com a forma como eu me sinto agora, 10 anos mais
tarde, especialmente no poker. Jared me ajudou a
chegar no cerne disso, e perceber que o motivo pelo
qual eu estava preocupado com a má fase era, em
parte, porque eu não queria voltar a me sentir como
quando eu estava deprimido. Eu realmente não sabia
disso, obviamente. Eu pensei que eu tivesse curado a
minha depressão, já que eu não havia me sentido
assim em 10 anos. Ele me ajudou a perceber que eu
tinha apenas colocado um curativo sobre ela, e que a
causa fundamental não foi resolvida.

Agora, estou mais construtivo e otimista de um modo


geral, e eu não tenho a sensação de que eu preciso
estar totalmente curado. Essas emoções ainda estão lá;
Jared não as fez desaparecer como um mágico, mas
ele fez me sentir muito mais forte lá no íntimo do que
antes. Ainda fico chateado com as más fases ou por
perder muitos grandes pots, em sequência, mas eu
consigo lidar muito melhor com isso. Elas são menos
intensas, consigo me controlar melhor, e o meu pior
jogo (C-Game) é muito melhor, mesmo durante estas
más fases. Eu acho que essas emoções estarão sempre
lá, mas estou confiante de que posso lidar muito
melhor com elas agora.”

“BUSCAR A PERFEIÇÃO
INJETANDO LÓGICA PERMANENTEMENTE É
UM EXERCÍCIO DE
CONSTANTE FRUSTRAÇÃO E DECEPÇÃO.”
Medo de Subir os Limites
Superar um novo limite é mais fácil quando se evita uma
visão comum de ascensão baseada em resultados. Os
jogadores com medo de se supe-rarem, raramente, dizem
que a meta deles seria estabelecer um novo limite para
eles mesmos. Ao invés disso, eles apenas querem chegar a
este limite e ver o processo como se fosse “ou faz ou
morre”. Eles querem o resultado final, mas já que uma
derrota esmagadora é um resultado possível, há uma
tonelada de pressão junto com cada decisão.

Para sair um pouco da pressão, eles só jogam quando os


jogos são mais rentáveis. Uma boa ideia, mas que
alimenta a crença de que ultrapassar (os limites) se
resume em conta bancária, ao invés de se ter a habilidade
necessária para ser bem-sucedido nesse limite no longo
prazo.

O medo de ultrapassar (os limites), frequentemente, pode


ser eliminado por meio de uma estratégia que tem mais
foco no desenvolvimento da habilidade. Ao invés de se
“precipitar” e esperar que você ganhe, observe os seus
primeiros jogos onde você joga em limites superiores,
como uma missão de reconhecimento para reunir
informações sobre:
1. Os pontos fortes e fracos dos jogadores.
2. Os pontos fracos no seu jogo que não são
mostrados no seu limite atual - tanto em seu
poker, quanto em seu jogo mental.

Depois de reunir essas informações, você pode trabalhar


nos pontos fracos que você encontrou no seu limite atual,
sem pressão ou consequências graves. Então, oscile entre
os limites como uma forma de testar ou trabalhar em seu
jogo. O objetivo é que a cada vez que você voltar ao
limite superior, o seu jogo esteja mais forte.
Eventualmente, ele vai estar forte o suficiente para você
permanecer e então você poderá começar a trabalhar em
estabelecer-se como um regular sólido. Como o medo de
se superar em limites também está intimamente associado
ao medo do fracasso, revise essa seção. Por último, é uma
boa ideia decidir quanto de sua conta bancária você vai
querer investir nesta estratégia, para que você limite as
perdas durante a coleta de dados.

Aversão ao Risco
Num jogo de variância e risco, não é de se estranhar que a
aversão ao risco seja um medo comum. Essencialmente,
ao optar por não jogar jogos maiores, blefar ou ir all-in
em spots lucrativos, ou ao se desafiar contra jogadores
regulares difíceis, você estará protegendo o seu jogo do
risco. Por quê? Com o que você está preocupado? Isto é
uma fase ruim? Você está perdendo dinheiro? Confiança?

Ao ter aversão ao risco, os jogadores frequentemente


protegem, sem saber, o seu jogo contra problemas
maiores, como a baixa confiança, “tilt” ou outros medos.
É arriscado para eles fazerem jogadas com alta variância
ou jogar em pots maiores porque, caso eles percam, isto
iria desencadear problemas do jogo mental. Quando esses
problemas maiores começam a se resolver, a aversão ao
risco também começa a ir embora. A fim de resolver
completamente a aversão ao risco, é importante se
esforçar para assumir riscos mais rentáveis na mesa. No
começo, isto poderá fazer com que você arrisque sem ter
dúvidas, então considere definir uma quantidade
específica de dinheiro, para investir em se esforçar para
assumir riscos maiores. Geralmente, saber somente que
suas potenciais perdas estão limitadas, irá lhe ajudar a se
livrar da aversão ao risco.
HISTÓRIA DO
CLIENTE
Barry Carter
MidStakes SNGs & Cash Games
JORNALISTA DE POKER

“Eu tinha uma aversão ao risco devastadora, que se


desenvolveu após um péssimo jogo. Esta aversão
estava destruindo meu jogo. Sempre que eu tinha um
top pair,67 eu temia two pair;68 sempre que eu tinha
uma trinca, eu temia uma trinca maior; sempre que eu
“flopped69” o “nuts”, eu temia ser derrotado. Isso era
igual a jogar, passivamente, com monstros, ou fazer
uma aposta maior para evitar um cooler. ‘Eles sempre
têm jogo’, eu dizia, continuamente, para mim mesmo.

Mesmo que este fosse o problema que causava mais


estrago, sessão após sessão, este foi também foi o o
problema mais fácil de resolver. Na verdade, eu acho
que só respondendo ao questionário de Jared (ver
página 257) eu consegui resolver 90% desta
dificuldade. A aversão ao risco era algo que eu tinha
guardado na minha cabeça, então ao finalmente
colocar tudo para fora, no papel, ao responder as suas
perguntas, melhorou o problema aos trancos e
barrancos.

Jared ajudou ao me mostrar que eu estava assumindo


um risco ainda maior, só pelo fato de não fazer nada.
Ao jogar minhas mãos, passivamente, eu estava
perdendo todo o valor. Eu também percebi que, por
não jogar de forma mais agressiva, eu nunca conseguia
fazer com que os meus adversários desistissem e
estava sempre dependendo do valor de showdown70 –
eu estava, na verdade, encorajando os meus
adversários a me derrotarem.

Eu não posso dizer que só por responder ao


questionário fez com que eu me tornasse um jogador
melhor do que sou hoje, porque eu tive sorte o
suficiente, de ter trabalhado, intensamente, com Jared
em todos os meus problemas do jogo mental. A única
coisa que posso dizer é, se você tivesse jogado
comigo nos últimos 18 meses, não teria chegado à
conclusão que eu estava com problema de aversão ao
risco; se você pensasse qualquer coisa, provavelmente
você pensaria que eu teria que trabalhar em
desacelerar um pouco (ser menos agressivo).”

64 N.T. um pequeno monte ou uma cavilha, sobre a qual uma bola de golfe é
colocada antes de ser atingida no início do jogo.
65 N.T. Expressão Americana que significa que a pessoa merece ser tratada
desta forma.
66 N.T. O pior jogo
67 N.T. Top pair = O maior par
68 N.T. Two pair = Dois pares
69 N.T. Flopped the nuts = Quando as 3 primeiras cartas comunitárias formam
o melhor jogo possível
70 N.T. Quando mais de um jogador permanecer após a última rodada e eles
tiverem que que comparar seus jogos para determinar o vencedor ou
vencedores.
7
MOTIVAÇÃO
AS CHANCES SÃO DE QUE VOCÊ VEIO a este capítulo à
procura de uma maneira de não ser preguiçoso. No
passado, você tentou ouvir música, assistir a momentos
esportivos icônicos e a videoclipes dramáticos, ler livros
e citações e fazer grandes apostas paralelas - tudo na
esperança de ficar motivado para jogar. É como se a
preguiça fosse uma espécie de prisão e com a faísca certa
de inspiração, você pode ultrapassar a guarda e fugir para
sempre. Mas não importa o quanto você tente, a preguiça
sempre alcança você.

Embora você tente todos os tipos de esquemas elaborados


para se enganar e estar motivado, você alguma vez já se
perguntou por que lhe falta motivação, em primeiro lugar?
Na verdade, é um problema mais simples de resolver do
que você imagina.

Para começar, alguns de vocês pensam que têm um


problema motivacional, quando na verdade vocês têm um
outro tipo de problema de jogo mental. Se você
constantemente sai da mesa antes de entrar em “tilt”, tem
um mau desempenho sob pressão, ou não tem confiança
em seu jogo, sua falta de motivação pode ser um sintoma
desses problemas. Por sua falta de motivação ter sido um
problema por tanto tempo, é fácil esquecer que o “tilt” ou
o medo sejam a causa original. Ao corrigir os outros
problemas do jogo mental que afetam sua motivação, a
maior parte deles, se não todos eles, irá voltar.

Muitos jogadores não têm “tilt”, medo, ou problemas de


confiança, e ao invés disso, são procrastinadores
habilidosos, preguiçosos e praticamente incapazes de
jogar quando não estão em uma fase boa. Os jogadores
frequentemente acham que esses problemas não podem ser
eliminados, mas eles podem – especialmente a preguiça.
A preguiça não é uma parte permanente de sua
personalidade, a menos que você queira que seja; alguns
jogadores na realidade se orgulham muito de como eles
são preguiçosos. Além de ser preguiçoso, aqui estão
outros problemas motivacionais abordados neste capítulo:

Você joga muito ou pouco ao ter uma fase


ruim ou uma fase boa.
Você procrastina estudar ou trabalhar no seu
jogo.
Você joga muito e fica exausto.
Você não quer jogar depois de um revés,
como uma grande derrota contra um
adversário difícil.
Os seus sonhos de jogar no Rail Heaven
fazem você não querer “jogar duro e de forma
consistente” em limites mais baixos.
Você melhora muito rapidamente e seu jogo
desmorona quando você perde a dinâmica.

A Natureza da Motivação
É óbvio quando você tem motivação e quando você não
tem, mas você já parou para pensar sobre o que realmente
é a motivação? A resposta é importante, porque ela ajuda
a definir as causas fundamentais dos problemas com
motivação.

A motivação é a emoção ou energia que está por trás do


alcance dos seus objetivos. É o combustível utilizado para
alcançá-los. Se estiver lhe faltando motivação, ou você
está com problemas com seus objetivos ou então, com a
energia que você precisa para alcançá-los. Raramente os
jogadores dizem que têm problemas com os seus
objetivos, mas todos os jogadores com problemas de
motivação os tem. Aqui estão alguns exemplos dos
problemas de objetivos que serão explicados em mais
detalhes mais adiante neste capítulo:

Você está somente em busca de resultados e


não têm objetivos com base em processos.
Você tem altas expectativas.
Você não tem objetivos de curto prazo,
somente de longo prazo.
Você alcança os seus objetivos, mas não
consegue definir novos.
Você tem muitos objetivos.
Você tem muitos interesses e não consegue
escolher o que você quer.
Você tem objetivos fundamentais, como
causar boa impressão, evitar erros, ou manter
a sua margem de vitória.

Cada um dos problemas motivacionais específicos


descritos neste capítulo inclui algum problema com
objetivos. Esses problemas, na verdade, diminuem a
quantidade de energia, foco, ou emoção por trás de seus
objetivos. Em outras palavras, essas falhas são erros que
drenam a sua motivação, em relação aos objetivos de
poker, que você realmente deseja alcançar. É esta falta de
energia que o obriga a usar apostas paralelas e citações
de filme para te colocarem para cima. No entanto, existem
muitas outras fontes de motivação, tais como:

Vencer.
Necessidades financeiras, como sustentar a
família, pagar a escola, ou as despesas de
custo de vida.
Aprender e melhorar como jogador.
Provar que as pessoas estão erradas.
Sentir-se desafiado pelo jogo, outro jogador,
ou a perseguição.
O amor pelo poker.
Sonhos para o futuro.

Como você verá neste capítulo, algumas fontes de


motivação são mais estáveis e benéficas do que outras.

Inspiração
Embora muitos considerem como sendo a mesma coisa, há
uma diferença significativa entre a motivação e a
inspiração. Motivação é como um corredor de maratona e
inspiração é como um velocista. Motivação e inspiração,
ambas desempenham um papel essencial na realização dos
objetivos. A motivação é a energia de forma mais sólida e
estável que o mantém, constantemente, trabalhando a
longo prazo, enquanto a inspiração fornece curtas,
intensas explosões de energia, necessárias para te
colocarem para cima ou para te manter nos trilhos.

Há muitos altos e baixos ao se esforçar para alcançar


objetivos. A inspiração é o extra que o empurra através de
tempos mais difíceis e o ajuda a atingir níveis do jogo
mais elevados. Os jogadores são inspirados de muitas
maneiras diferentes e por diferentes coisas - algumas
muito espontâneas para se conceituar ou se prever. Pode
ser um livro, filme, música, ver outro jogador de sucesso,
ou uma recompensa que faça seu sangue bombear.
Encontrar com sucesso maneiras de se inspirar, às vezes
pode ser a diferença entre o sucesso e o fracasso.

Enquanto a inspiração é inestimável, ela pode ser usada


de forma incorreta. Aqui estão dois problemas para ficar
de olho:

1. Se você está constantemente à procura de


coisas novas para mantê-lo inspirado, você
está confiando demais na inspiração e,
provavelmente, compensando problemas em
sua motivação. Em outras palavras, ao
colocar videoclipes do filme Rocky ou se
desafiar a jogar 100.000 mãos por mês, você
pode, na realidade, estar protegendo um
problema que a inspiração não poderá
consertar.
2. Você acha que uma onda de inspiração faz
com que problemas como o “tilt”, a
ansiedade e a falta de confiança
desapareçam. Esta é uma das razões, pela
qual, as resoluções de Ano Novo falham. As
pessoas esquecem que é preciso um longo
tempo para eliminar velhos hábitos ou
resolver falhas fundamentais. Estar com a
inspiração em alta pode fazer com que estes
pro-blemas pareçam coisa do passado.

Em última análise, quando você usa a inspiração e a


motivação de forma mais eficiente, você está em uma
posição mais forte para atingir os seus objetivos.

VISÃO DE BARRY
Apostas Paralelas
Os jogadores de poker, frequentemente, recorrem às
apostas paralelas para despertar a sua motivação.
Navegue por qualquer fórum de poker e é provável
que você veja um monte de tópicos, onde os jogadores
estão propondo apostas paralelas, onde eles podem
perder uma certa quantidade de peso, jogar um
determinado número de jogos, alcançar o SuperNova
Elite, ficar no topo de um ranking de torneios, ou ter
um certo valor de lucro.

A natureza dessas apostas paralelas é, essencialmente,


jogadores que tentam usar o dinheiro como uma fonte
de inspiração, para fazer algo que eles pretendem ser
capazes de fazer, normalmente, mas não tem a
motivação para enxergar isto. Você pode querer
alcançar o Supernova Elite, mas você acha que não
pode alcança-lo, a menos que você tenha o dinheiro
como uma isca, pendurado na sua frente.

Claro que existem muitas apostas paralelas que tem a


intenção oposta em mente, na qual você está jogando
com foco numa vantagem percebida. Se você já é um
jogador que joga duro e de forma consistente, então
uma série de apostas paralelas pode ser uma
proposição muito rentável para você. Mas se você
estiver usando uma aposta paralela para motivá-lo a
fazer algo que você não está motivado a fazer, você
está, na verdade, apostando muito di-nheiro e é um
grande azarão. É uma seleção de jogos terríveis e
você é um pato dessas apostas paralelas.

Parece haver uma mudança distinta entre os jogadores


mais antigos – os quais só apostariam em proposições
que acham serem certas - e a geração on-line, a qual
quer apostar em resultados que deseja que aconteça.
Você só precisa ouvir sobre as façanhas lendárias de
Amarillo Slim, para entender que ele só apostou nas
perspectivas em que o otário não tinha nenhuma
chance. Nestas apostas motivacionais você é o otário,
embora isto não o impeça de colocar o seu dinheiro
em risco.

No longo prazo, nenhuma quantidade de dinheiro vai


resolver os pro-blemas fundamentais que estão lhe
causando o problema motivacional. Somente ao
resolver estes problemas que você poderá obter a
motivação que anseia desesperadamente.

Motivação Estável
Encontrar a combinação certa de objetivos e fontes de
energia que o conduzem é a chave para atingir o ponto
ideal da motivação: “motivação estável”. O ponto ideal é
um meio termo, onde você é conduzido pela quantidade
certa de energia. Isso permite que você trabalhe de forma
eficiente em direção aos seus objetivos, mantenha uma
curva de aprendizado constante e desempenhe em um
nível elevado, sem experimentar grandes altos e baixos,
ou apenas baixos. A motivação estável é diferente para
cada pessoa, pois nós somos todos únicos. A maneira
mais fácil de encontrar este meio termo motivacional é
resolver as causas fundamentais de seus problemas de
motivação, que podem incluir outras questões do jogo
mental. Depois de fazer isto, o que resta é a motivação
estável para atingir os seus objetivos.

PROBLEMAS MOTIVACIONAIS
COMUNS

Preguiça
Dizer que você é preguiçoso é uma maneira fácil para se
desculpar de ter que fazer alguma coisa. “Eu teria feito X,
mas não estava a fim. O que posso dizer? Eu sou
preguiçoso”. É como se, o fato de ser preguiçoso fosse
uma doença incurável, ou um traço de caráter codificado
em seu DNA. Se você, realmente, acredita que a preguiça
seja permanente, seria ilógico você tentar fazer alguma
coisa para mudar isto. No entanto, a preguiça não é um
traço permanente. É preciso algum trabalho para se livrar
dela, mas esta seção pode tornar essa tarefa mais fácil.

A preguiça é uma habilidade, que para ou bem ou mal, foi


aprendida. Você aprendeu a habilidade de fazer outra
coisa. Você já aprendeu a se dedicar de forma dura e
consistente a ficar vendo televisão e dormir, ao invés de
se fixar e jogar sessões mais longas e trabalhar no seu
jogo. Ao invés de aprender a ser produtivo, você
aprendeu a ser preguiçoso e você é muito bom nisso.

É impossível não ter motivação. Pense em ser preguiçoso


como ter uma forte motivação para dormir por horas,
assistir TV, ou navegar sem preocupação pela internet.
Embora isto possa parecer apenas uma mudança em torno
de palavras, afirmar isto dessa maneira é importante para
compreender e corrigir o problema.

A preguiça pode acontecer por vários motivos. Ela pode


ter se desenvolvido no início de sua vida, se você não foi
forçado a superá-la. Ou talvez tenha se desenvolvido
depois da faculdade, quando você estava completamente
sozinho, ou depois de fazer um bom dinheiro, porque você
sentiu que não precisava fazer mais nada. Aqui está um
exemplo para ajudar a explicar como a preguiça pode se
desenvolver e como resolvê-la:

Frequentemente as pessoas se tornam preguiçosas


quando a estrutura que elas estão acostumadas a ter
em suas vidas desaparece. Ao morar com os pais, ir para
a escola, ou trabalhar para alguém, você não tem que
pensar muito sobre o que fazer, você só tem que fazê-lo. O
valor de ter essa estrutura fornecida para você,
frequentemente, passa despercebida, até que você esteja
completamente sozinho. Agora você tem que fazer as duas
coisas - decidir o que fazer e fazê-lo. Essa camada extra
pode não parecer muito, mas torna a vida, ou o poker,
muito mais difícil e muitas vezes leva à preguiça.

Ao começar a trabalhar em sua preguiça ou qualquer outro


problema motivacional, tente lidar com o poker como se
você estivesse ge-renciando um pequeno negócio. Você
está no comando para decidir quando e onde jogar, por
qual valor jogar, quais limites e jogos jogar, quando e o
que estudar e de quem obter ajuda. É sua responsabilidade
analisar o seu poker e seu jogo mental, ficar em dia com o
software e a estratégia mais recentes, e muito mais.
Há muita coisa para decidir e para fazer. Se você não tem
as habilidades para gerenciar com sucesso o seu negócio,
você parece preguiçoso. Aqui estão algumas maneiras
simples para melhorar estas habilidades:

1. Identifique todas as coisas boas que você está


fazendo, não importa quão insignificante elas
pareçam.
2. Escreva uma lista do que você precisa fazer.
3. Priorize as coisas mais importantes que você
precisa fazer.
4. Faça um plano razoável, para saber como
começar a executá-las.
5. Anote as desculpas que você usou,
anteriormente, para evitar fazê-las.
6. Anote por que cada desculpa foi falha ou
falsa.
7. Comprometa-se com a execução de seu plano
e evite desculpas.

Perceber que há algo que você pode fazer com relação a


preguiça significa que, pelo menos, você tem a chance de
manter-se fora da prisão na qual a preguiça lhe coloca.

FAZER O QUE É MENOS


INJETANDO LÓGICA DIVERTIDO AGORA,
SIGNIFICA QUE VOCÊ
PODE TER MUITO MAIS DIVERSÃO NO FUTURO.

TRABALHE MAIS QUANDO FOR DIFÍCIL E,


EVENTUALMENTE, ELE VAI SE TORNAR FÁCIL
DE VERDADE.

PENSE EM ALGO QUE VOCÊ PODE FAZER PARA


SER PRODUTIVO. CONSTRUIR O MOMENTO
TEM QUE COMEÇAR EM ALGUM LUGAR.

Procrastinação
Adiar constantemente e deixar de lado o que é importante,
definem a habilidade de procrastinar. Há muita coisa que
você pode fazer, como rever as mãos, assistir a vídeos de
treinamento, ler livros, analisar o seu jogo, postar e ler em
fóruns, trabalhar com um treinador, etc. É fácil deixar o
trabalho de lado quando parece que, “há sempre um
amanhã”.

É claro que, para os procrastinadores, o amanhã é uma


leprechaun – uma entidade mística que não é real. Quando
o amanhã se torna hoje, seu trabalho mais uma vez fica
adiado até amanhã. Quanto mais tempo passar, mais
propenso você estará a adiar o trabalho; especialmente
porque a cada dia continuam sendo adicionados mais e
mais vídeos, jogos e publicações no fórum para revisão.

O amanhã nunca chega da forma que você imagina.


Somente quando você estiver sob intensa pressão da fase
ruim, quando sua margem de lucro cai, ou quando você
estiver se preparando para um grande torneio, que você
vai começar a dedicar todo o trabalho que você estava
evitando. Infelizmente, sem intensidade extrema, trabalhar
num ritmo normal parece chato e como se fosse um
trabalho muito árduo. Então, você acaba dependendo de
uma intensa pressão para aprender, o que frequentemente
leva à exaustão e perpetua o seu padrão de
procrastinação.

Outros problemas que resultam de trabalhar muito


intensamente em seu jogo incluem:

Experimentar contínuos altos e baixos de


quão bem você está jogando.
Ser superado por jogadores que trabalham de
forma mais consistente.
Ter uma falsa impressão de quanto você pode
realmente aprender. É impossível aprender
habilidades em nível de Competência
Inconsciente tão rapidamente.
Sentir-se mais confuso, porque agora você
tem muito mais em que pensar ao jogar.

Se você quiser parar de procrastinar, você primeiro deve


eliminar a crença de que “há sempre um amanhã”. Hoje é
quando a melhora acontece, não apenas em seu jogo, mas
também na redução da procrastinação. Hoje é a sua única
oportunidade de melhorar. Amanhã é uma fantasia.

Isso não significa que você tem que fazer tudo hoje;
desenvolver consistência, também significa trabalhar num
ritmo mais constante. Além disso, ao aprender habilidades
de poker ou conhecimento em nível de Competência
Inconsciente, trabalhar 15 minutos por dia (ao invés de
dedicar três horas a cada duas semanas) é o método mais
eficiente. Isso não é verdadeiro para todos, é claro, e isto
não significa que você esteja restrito a trabalhar 15
minutos por vez. No entanto, se você não está trabalhando
atualmente, então 15 minutos por dia já é um bom começo.

HOJE É O DIA PARA


INJETANDO LÓGICA VOCÊ MELHORAR SEU
JOGO. AMANHÃ É UMA
FANTASIA. SE VOCÊ ESPERAR ATÉ AMANHÃ,
VOCÊ VAI TER DUAS VEZES A QUANTIDADE DE
TRABALHO A FAZER
Fase Boa e Fase Ruim
A variância não causa problemas de motivação; ela os
descobre. A fase boa (ou ruim) fornece uma excelente
maneira de identificar os problemas motivacionais
específicos ou outros problemas do jogo mental que
afetam o seu jogo. Graças a variância, problemas que,
normalmente, podem ser pequenos erros, se tornam
problemas maiores. A pressão que a variância coloca em
seu jogo os traz à luz e lhe diz no que trabalhar.

Quando você está na fase ruim, você pode não ter


motivação porque:

Você se sente destinado a perder = “Tilt” de


Injustiça
Trabalhar em seu jogo parece um desperdício
de tempo = Sem Esperança
Você questiona a sua capacidade = Baixa
Confiança
Você diminui os limites e tem problemas para
jogar mãos o suficiente = Baixa Confiança
ou Medo do Fracasso
Você não quer entrar em “tilt” = Qualquer
tipo de “tilt”
Um período de boa variância pode ter um efeito
semelhante sobre a sua motivação, porque:

Você ganhou o suficiente e não precisa mais


jogar = Problemas com Objetivos
Parece muito fácil, como se você estivesse
imprimindo dinheiro = Excesso de
Confiança
Você quer ter o direito de ter uma vitória =
Aversão ao Risco ou “Tilt” Odeio-Perder
Você se sente tão bem sobre o seu jogo, que
você não precisa trabalhar nele = Excesso de
Confiança
Você não quer perder o dinheiro de volta, ou
tem a sensação de que a derrota vem = Medo
do Fracasso

Acima está um punhado de problemas que a fase boa ou


ruim pode expor. É importante que você trabalhe,
constantemente, para melhorá-los, mesmo quando a fase é
normal e a variância não está os expondo. A única forma
de saber se você superou estas questões ou quanto
progresso você fez, é analisar o seu jogo mental na
próxima vez que você tiver uma fase boa ou ruim. Esse é
o seu teste, então esteja preparado e trabalhe
constantemente nele até que você passe.
Exaustão
A exaustão é um problema motivacional único, porque
ele, realmente, é causado por uma intensa motivação.
Mesmo que os jogadores que sofrem, regularmente, de
exaustão frequentemente pensem que eles são preguiçosos,
o oposto é verdadeiro. Eles estão tão motivados a jogar e
a trabalhar, que quando sua mente está extremamente
cansada e precisa de descanso, eles se criticam por não
quererem jogar, serem distraídos facilmente, ficarem
entediados, ou se sentirem cansados. Eles não são
preguiçosos, eles precisam descansar!

Aqui estão duas coisas para ter em mente sobre a


exaustão:

1. É possível confundir a exaustão com outro


problema motivacional, uma vez que os
sintomas são semelhantes.
2. A exaustão também o torna mais suscetível a
outros problemas de jogo mental, como o
“tilt”.

SUBESTIMANDO O ESTRESSE
Geralmente, os jogadores subestimam,
significativamente, a quantidade de estresse e
pressão que sofrem quando jogam poker. Carreira,
família, realização e respeito, tudo isto adiciona
mais pressão para todas as decisões e, portanto,
exige que o jogador tenha mais energia para jogar,
de forma consistente, num nível elevado. Os
jogadores que subestimam o estresse no poker,
frequentemente, são aqueles que são os mais
críticos consigo mesmos. Eles frequentemente
acabam por pensar que estão sendo preguiçosos,
quando na realidade, são os altos níveis de estresse
constantes que lhe causaram esta exaustão.

A exaustão não é uma desculpa; é uma verdadeira


causa de problemas motivacionais.

As pessoas altamente motivadas ficam exaustas, quando


elas passam por um longo período de motivação intensa,
sem ter o descanso adequado. O conceito da exaustão em
termos mentais é, praticamente, o mesmo do treinamento
físico. Quando os corredores treinam demais, o seu
desempenho sofre porque os músculos sobrecarregados
de trabalho se tornam fatigados. Da mesma forma, quando
os jogadores de poker jogam muito e por muito tempo, o
seu desempenho diminui porque seus músculos mentais
estão exaustos.

Aqui estão algumas dicas sobre como quebrar este ciclo:

Durante os tempos em que você estiver


intensamente motivado, tire um pouco o pé do
acelerador. Quando a emoção – mesmo a
motivação – estiver muito alta, ela pode fazer
com que você jogue abaixo do ideal e, assim,
retardar o processo de aprendizagem.
Reconheça os sinais precoces de seu padrão
de exaustão e tome medidas para obter o
descanso adequado, como dormir e se
exercitar, para evitar que o problema se
agrave.
Tire pelo menos um dia de folga por semana
e cinco dias de folga por mês. Em seus dias
de folga, pense e faça outras coisas que não
estão relacionadas ao poker.
Tenha um passatempo, que não seja o poker,
que você goste de fazer e não leve muito a
sério
Para os jogadores on-line, certifiquem-se de
tirar algum tempo longe de todos os
aparelhos eletrônicos a cada dia.
Avalie o seu jogo ao final de cada dia que
você joga. Isso lhe ajuda a colocar o poker
de lado, mentalmente, e permite que o seu
cérebro relaxe.

Problemas com Objetivos


As metas são essenciais para a motivação, porque elas
definem sua direção. Este tópico, frequentemente, cobre
capítulos inteiros em outros livros; mas para manter as
coisas simples, aqui estão as descrições dos problemas
dos objetivos mais comuns, que foram listados,
anteriormente, neste capítulo:

Objetivos orientados só para o resultado. Quando


os resultados são ruins, e essa é a única forma de
definir a sua habilidade ou o progresso no jogo,
perder a motivação faz todo sentido. Como é certo que
você pode passar por períodos de maus resultados, é
importante aprender a manter a motivação ao longo
destes períodos. Para fazer isto, tenha objetivos
baseados em processo, como melhorar o controle de
“tilt”, reduzir o número de erros, melhorar a tomada
de decisão, ou aumentando a qualidade das horas
jogadas. Então, quando os resultados estiverem ruins,
mas você também estiver fazendo progresso em outras
áreas, isto irá fazer com que você se mantenha
motivado. Você não estará eliminando os objetivos de
resultados. Dinheiro, vencer, SuperNova Elite e outros
objetivos de resultados, são importantes. Você está
diversificando seus objetivos no poker, assim como
você diversifica uma carteira de investimentos.
Adicionar objetivos baseados em processo é
especialmente importante no poker, porque você tem o
controle de sua capacidade de alcançar esses
objetivos no curto prazo.

Expectativas elevadas. Frequentemente, os jogadores


têm expectativas que são tão elevadas, que elas são
quase impossíveis de alcançar. Por exemplo, é comum
que os jogadores esperem jogar, facilmente, 40 horas
a mais por mês do que o habi-tual, ganhar uma grande
quantia de dinheiro, ou subir de limite rapidamente.
Esses objetivos parecem fáceis em sua mente, mas
eles estão ignorando as razões pelas quais, na
realidade, serão difíceis de alcançar. Quando eles,
frequentemente, ficam aquém do atingimento dessas
expectativas elevadas, os jogadores ficam presos na
decepção do fracasso e eles perdem a motivação. Eles
estão abatidos por falharem, mesmo que eles já
estivessem errados em acreditar que poderiam
alcançar essas coisas, em primeiro lugar. Realmente,
eles devem estabelecer objetivos. Quando eles têm
objetivos, eles se esforçam para descobrir como
alcançá-los. Então, quando eles ficam aquém de um
objetivo, eles reajustam a sua estratégia e seguem em
frente. A menos que você tenha uma prova sólida de
que você poderá alcança-los, transforme todas as
expectativas num objetivo e depois descubra como
alcançá-lo.

Objetivos distantes. Quando você tem um grande


sonho ou objetivo a longo prazo, sem quaisquer alvos
menores, pode ser fácil perder a motivação quando as
coisas vão mal. Esses contratempos, como numa má
fase, podem fazer com que você se sinta, como se o
seu sonho ou objetivo estivesse mais longe, e pode
fazer com que você perca a esperança. Ao invés disso,
quebre o seu objetivo de longo prazo, em pedaços
mais gerenciáveis. Desta forma, é mais fácil se
recuperar de um contratempo e continuar a seguir em
frente. Ter objetivos menores, ou de curto prazo, é
importante, para que você possa ver o progresso ao
longo do caminho. Essas pequenas vitórias são
essenciais para se manter motivado para o longo
curso.
Alcançou um marco, e agora? Se você ganhar um
torneio, tiver o seu melhor mês de todos os tempos,
subir de limite, se profissio-nalizar, ou alcançar o
SuperNova ou SuperNova Elite sem definir o seu
próximo objetivo, isto poderá fazer com que lhe falte
motivação, simplesmente, porque você não tem algo a
mais pelo o que jogar.

Indecisão. Há uma série de possíveis objetivos pelos


quais lutar, tanto dentro do poker, quanto fora dele.
Quando você não sabe o que quer, você acaba fazendo
muitas coisas aleatórias que fazem parecer como se
você estivesse desmotivado. Realmente, você está
indeciso. Ao invés de ficar para baixo por você não
estar fazendo nada, veja este período pelo que ele é:
uma descoberta. Onde há muitas opções, você está
essencialmente em pé na base de várias montanhas
tentando decidir qual delas subir. Você está no
processo de coleta de informações, eventualmente
precisando tomar uma decisão sobre o que você quer.
Para tornar o processo mais rápido, escreva
regularmente as suas opções, avalie-as e busque
feedbacks de outros jogadores.

Objetivos fundamentais. Às vezes, os jogadores


estão motivados a fim de evitar constrangimentos,
erros, críticas, perder di-nheiro, ou evitar que sua
margem de lucro caia. É raro os jogadores pensarem
nisso como sendo seus objetivos, mas quando visto
dessa maneira, o seu comportamento – como evitar
jogar – faz muito mais sentido. Esses objetivos
fundamentais são um problema, porque você despende
energia com eles, ao invés de despender energia com
os objetivos de poker, que é o que você realmente
deseja alcançar. Depois de identificar esses objetivos
fundamentais em seu jogo, resolva a razão pela qual
você quer alcançá-los, e você terá mais motivação
para os objetivos que são realmente importantes.

Objetivos pessoais. Se você precisa jogar poker, mas


não está motivado com nada no poker, considere como
o poker se encaixa em sua vida. Então, defina
objetivos pessoais, os quais o poker poderá ajudá-lo a
alcançar. A motivação para voltar a jogar irá voltar
assim que o poker tiver uma maior importância na sua
vida.
HISTÓRIA DO
CLIENTE
Matt “mbolt1” Bolt
3/6 a 50/100 NLHE
TREINADOR DO “DRAGTHEBAR”

“Trabalhar com Jared realmente me ajudou a alcançar


o SuperNova Elite em 2010. Nunca duvidei se poderia
fazê-lo ou não. Era uma questão de saber se poderia
alcançar este objetivo jogando de forma dura e
consistente, uma infinidade de mãos, já que eu estava
na fase ruim. O PokerStars não se importa se eu ganho
ou perco; eu não ganho nenhum VPP (Ponto VIP para
o jogador) a mais por jogar bem. Obviamente, eu
queria ganhar dinheiro no processo, mas os objetivos
baseados em resultados eram terríveis; e os objetivos
tais como ganhar uma certa quantia de dinheiro são
estúpidos. Eu só tinha que jogar bem.

A motivação foi definitivamente um problema logo no


início, mas se tornou muito menor ao me acostumar
com a ideia de jogar duro e de forma consistente, sem
me importar com as cartas que estavam por vir. Houve
vários trechos de 100 mil mãos, onde eu joguei o meu
melhor e não venci. Eu posso olhar para trás e dizer
com confiança, que eu não poderia ter jogado muito
melhor. Objetivos em torno de fazer dinheiro, apenas
me levam a maus pensamentos se realmente seria
capaz de controlar a variância que, obviamente, eu
não posso. Jared me ajudou a perceber que eu
precisava me concentrar no que eu podia controlar, o
que fez com que eu jogasse o meu melhor. Ter esses
objetivos para mim foi essencial para alcançar o
SuperNova Elite.”

“Freerolling71” Seu Talento


Há muitas pessoas inteligentes e jovens no poker hoje em
dia. Pessoas que passaram pela escola e até mesmo pela
faculdade rapidamente, subiram nas classificações nas
mesas de poker. Eles são o equivalente a atletas talentosos
e bem-sucedidos, que nunca enfrentaram qualquer um dos
principais desafios ao subirem nas classificações.
Enfrentar as adversidades pela primeira vez é chocante, e
eles não sabem o que fazer. O sucesso veio com tanta
facilidade, que eles não eram obrigados a adquirir a ética
do trabalho, disciplina, organização e força de vontade
necessária para passar por tempos difíceis.

Ser capaz de lidar com a adversidade é uma habilidade


compartilhada por pessoas de grande sucesso, em
qualquer setor competitivo ou no esporte. Só o talento,
não é mais o suficiente. Por exemplo, ao procurarem
futuros quarterbacks72 da NFL, os treinadores são
cautelosos com os jogadores do draft73 que não
experimentaram algum tipo de adversidade, dentro ou fora
do campo. Os treinadores querem ter certeza de que eles
serão capazes de lidar com os desafios que,
inevitavelmente, irão enfrentar na NFL.

Se você está enfrentando dificuldades para encontrar


motivação ao enfrentar a adversidade no poker pela
primeira vez, quer se trate de uma fase terrível ou de
jogos muito difíceis, agora é o momento para se tornar
mais forte mentalmente. Veja como evitar cair na
armadilha de se basear apenas em seu talento:

1. Reafirme ou ajuste os seus objetivos.


2. Defina claramente por que você quer atingi-
los.
3. Faça um plano realista sobre como alcançá-
los.
4. Priorize o seu tempo para se adequar ao
trabalho necessário.
5. Obtenha ajuda de pessoas que tenham uma
forte ética de tra-balho ou de estudo.
6. Anote as cinco coisas que são suscetíveis de
lhe desconcentrar, ou fazem com que seja
difícil de trabalhar.

Evite os erros da etapa 6 ao injetar lógica e usar algo


inspirador. Enfrentar a adversidade é um desafio. No
entanto, a recompensa está lá, para aqueles que podem
enfrentar as adversidades de cabeça erguida e se sair mais
forte da situação.

Pare de Sonhar
É bom ter sonhos. Muitas grandes realizações começaram
com uma pessoa ou um jogador sonhando com o que eles
queriam. Infelizmente, alguns jogadores são tão apegados
aos seus sonhos, que eles tiram a vida de si próprio.
Quando imaginam como seria ganhar o bracelete ou uma
grande soma de dinheiro, é sentida uma emoção real e é
tão forte que, de uma maneira estranha, o sonho já se sente
real.
Quando você acredita que seus sonhos já são reais, parece
que eles são destruídos ao primeiro sinal de problemas.
Você não visualiza a adversidade ao sonhar ou fantasiar.
Em sua mente, seus sonhos se tornam realidade
facilmente; nada vai impedi-lo. Isto é, até que você
inevitavelmente se depare com as dificuldades no
caminho. Consequentemente, você está completamente
despreparado para lidar com as dificuldades reais que
estão entre você e seus sonhos, e você perde motivação.

A solução é transformar os seus sonhos em objetivos.


Pegue o sonho e faça um plano de como torná-lo real.
Identifique o que precisar, as habilidades necessárias para
chegar lá e, talvez tão importante quanto isto, o que fazer
quando a adversidade lhe derrubar.

O QUE VOCÊ PODERIA


INJETANDO LÓGICA FAZER AGORA PARA
TORNAR ESTE SONHO
UMA REALIDADE?

Ausência de Aprendizagem
Você está entediado. O poker tornou-se uma rotina difícil.
É muito difícil lutar contra o piloto-automático, então
você acaba jogando mal. Depois de vários dias desta
forma, o seu desejo de jogar diminui, continuamente, até
que você ache difícil se motivar para jogar. Há muitas
razões para este cenário; um motivo que muitos jogadores
não levam em conta é a ausência de aprendizagem.

Aprender é emocionante e mantém a mente ativa,


concentrada e engajada. Quando não há nada a aprender
no poker, ou quando você acre-dita ter aprendido alguma
coisa em nível da Competência Inconsciente, éilógico
para a sua mente se concentrar. Então você fica entediado.
Este processo é chamado de “habituação”, e é uma
maneira do cérebro ser, energeticamente, eficiente.

Felizmente, há muito que você pode fazer sobre isto e


estes métodos podem ajudar:

Use o tédio como uma dica. Quando você


estiver se sentindo entediado ao jogar poker,
use isto como um sinal de que é hora de
procurar algo novo para aprender, mesmo que
seja algo simples.
Vá fundo, até os pequenos detalhes do
jogo. Já tendo aprendido as coisas grandes, o
próximo lugar para você se tornar habilidoso
está nos spots que têm vantagens menores.
Esta é a base do domínio, e os jogadores de
elite o fazem o tempo todo.
Lembre-se que o domínio é um alvo em
movimento. Frequentemente, os jogadores
acreditam que não há nada de novo a
aprender. Isto é impossível. Embora possa
ser difícil de encontrar, há sempre algo a
aprender, e a recompensa está aí, para
aqueles que trabalham para encontrá-la.
Use o modelo de processo para aprender
de forma consistente e para se concentrar
nos pequenos detalhes.
Contrate um treinador ou um amigo para
ter sessões cansativas e discuta as mãos
com eles. Isso não só esti-mula a
aprendizagem, como também não faz mal
nenhum ter uma crítica imparcial de seu jogo.
Continue até que suas habilidades de
aprendizagem alcancem a Competência
Inconsciente. Frequentemente os jogadores
assumem que aprenderam habilidades em
nível de Competência Inconsciente, quando
na verdade, não o fizeram. Somente quando
você joga sob pressão intensa e mantém,
consistentemente, as habilidades que você
aprendeu, você pode comprovar o
aprendizado delas. Até lá, continue
aprendendo.
Altere seus jogos para que você pense de
uma maneira diferente.
Jogue em jogos mais difíceis para
descobrir e avaliar os pontos fracos no seu
jogo.
Faça uma pausa. Você pode estar exausto.

HISTÓRIA DO
CLIENTE
Jordan ‘iMsoLuckyO’ Morgan
Jogador de Torneio & Mid-Stakes NLHE
RED PRO DO FULLTILT POKER

“Cheguei a um nível bastante elevado de sucesso no


início da minha carreira, então eu consegui um
contrato de patrocínio com o Full Tilt, onde eu podia
ganhar quantias razoáveis de dinheiro somente por
jogar algumas mãos. Eu não estava me dedicando ao
meu jogo, e acabei por ficar com saldo zero por um
longo tempo. Eu estava muito infeliz por um bom
tempo, porque eu não estava melhorando e eu não
estava ganhando.

Foi preciso que Jared me observasse em várias


sessões até compreender o que estava se passando,
mas ele me fez perceber que eu tinha construído uma
espécie de bolha em torno de mim mesmo, na qual eu
esperava que o sucesso que tinha tido no início da
minha carreira continuasse. Eu estava vivendo numa
bolha por tanto tempo, pensando, ‘este [saldo zero]
não deveria estar acontecendo’, mas eu não estava me
dedicando no trabalho, como eu fiz no início da minha
carreira. Eu defini vários objetivos no início da minha
carreira e depois do acordo com o Full Tilt, eu
alcancei todos até ter 23 anos. Então dos 23 aos 25
anos, eu apenas seguia o fluxo e esperava que tudo
continuasse vindo facilmente. Mas as coisas não
funcionam assim.

Foi esclarecedor e libertador perceber que eu não era


tão bom quanto eu pensava. Quando você está indo
bem no poker e você experimenta uma variância
positiva por um longo tempo, você atinge um ponto
onde você se sente invencível – tudo o que você está
fazendo é certo e estará certo para sempre. Quando as
coisas vão mal, você não quer admitir que isto possa
ser sua culpa; você só quer ignorar isto e seguir em
frente. Foi necessário muito exercício de
autoconhecimento para admitir isto e voltar a
trabalhar.

Agora é bom ver o progresso, porque eu sei que eu


estou trabalhando duro por isto. Meus objetivos agora
estão muito mais voltados à melhoria diária, ou
semanal – etapas realistas. Antes, quando eu
começava os cash games, eu dizia a mim mesmo: “Eu
quero jogar 10/20 em um ano”, mas eu não tinha um
processo para chegar lá. Agora, eu estou num caminho
onde eu posso dar pequenos passos para ser melhor a
cada dia. Jared me ajudou a perceber que existem
muitas etapas pequenas para chegar no caminho certo
para onde eu quero ir”.

“POKER É MUITO
INJETANDO LÓGICA MAIS DIFÍCIL DO
QUE SE POSSA
PENSAR; EU NÃO DEVERIA ME CULPAR
TANTO QUANDO OS RESULTADOS SÃO
RUINS.”
Insensível às Emoções
A psicologia convencional do poker, frequentemente,
sugere que os jogadores lidem com a emoção negativa se
tornando anestesiados, insensíveis e robóticos. Esta
abordagem normalmente tem um benefício a curto prazo,
mas a consequência a longo prazo é que ela diminui a
emoção que é usada para a motivação. Claro, você não
vai ‘entrar em tilt’ por causa de um bad beat, mas ganhar
não será tão bom assim. Eventualmente, você se sentirá
desmotivado jogando poker, porque não vai mais ter
nenhuma emoção para lhe turbinar.

Corrigir este problema significa que você vai ter que


voltar, novamente, a experimentar emoções. Pode ser
difícil, uma vez que o “tilt”, o medo ou a confiança podem
reaparecer. Se eles aparecerem, utilize as informações nos
respectivos capítulos para ajudá-lo a lidar com eles. A
inspiração também pode ajudar a lhe colocar para cima no
curto prazo. Encontre uma música, um discurso
motivacional, uma cena inspiradora num filme, ou alguma
outra fonte de inspiração para colocar a sua motivação de
volta na engrenagem.

Sem Esperança
Quando a sua motivação está no seu ponto mais baixo,
você se sente sem esperança. Sentir-se sem esperança
significa que você acredita que não há nada que você
possa fazer para alcançar os seus objetivos. Então você
pode pensar:

“Não importa o que eu faça, não vai fazer


diferença. Por que me preocupar?”
“Qual é o sentido? Eu apenas vou falhar de
qualquer maneira.”
“Eu não consigo ver como as coisas irão
mudar. Eu deveria apenas parar.”

Quando você acredita que não há nenhuma maneira que


possa afetar o resultado, é lógico que você não vai se
sentir motivado. Perder motivação neste grau está
conectado a um problema de confiança fundamental, que
geralmente é causado por acreditar, num nível mais
profundo, que você tem mais controle sobre o resultado
do que você realmente tem. Um exemplo disso é pensar
que uma fase ruim é totalmente culpa sua. Num nível
lógico, você sabe que isto não é verdade; mas em nível de
Competência Inconsciente você acredita nisso e, então, a
falta de esperança aparece tal como previsto.

Para se tornar mais esperançoso, leia o capítulo 8.


71 N.T. Jogo de palavras do autor. Um Freerolling Poker é um jogo onde o
jogador pode entrar de graça e ganhar prêmios. Aqui significa que você está
testando o seu talento nestes jogos.
72 N.T. É o jogador que faz o lançamento da bola no futebol americano. É
considerado o jogador mais importante do time.
73 N.T. Evento em que os times de futebol americano selecionam jogadores.
8
CONFIANÇA
A VARIÂNCIA NO POKER pode fazer com que sua confiança
possa parecer igual a uma montanha-russa, que sobe e
desce junto com as cartas. Ganhe e você está subindo.
Perca e você está descendo, e você pode até mesmo ter
que ficar fora nas próximas partidas.

Os resultados não deveriam ter o controle da sua


confiança, você sabe disso, mas você ainda não consegue
parar de subir e descer ao ganhar e perder. Ao subir, você
tenta não antecipar vitórias, jogar muitas mãos, ou
enfrentar adversários mais fortes, mas eles são muito
difíceis de resistir. Vencer é ótimo. Ao ganhar cada vez
mais, você também ganha mais confiança. Até que a
variância se vire contra você.

Você está tão envolvido em subir ao topo, que você não vê


a derrota chegando. De repente, seus resultados entram
numa queda livre e destroem a sua confiança. “É a
variância, você está jogando bem. Apenas se mantenha
firme que, eventualmente, as cartas irão virar”, seus
amigos ou seu treinador poderão dizer isto para aliviar a
sua mente. Você quer acreditar neles e, logicamente, você
sabe que eles estão certos, mas todo o dinheiro que você
está perdendo faz com que você se sinta terrível com o
seu jogo.

Quando a confiança está completamente vinculada aos


resultados, não há nenhuma maneira de evitar andar na
montanha-russa da confiança. A melhor maneira de parar
estes balanços emocionais e desenvolver uma “confiança
estável” é aprender um conjunto de habilidades de poker,
raramente comentadas, e resolver as falhas fundamentais
em sua confiança.

A Natureza da Confiança
É comum pensar que você precisa de confiança, a fim de
ter sucesso ou para ganhar. O pressuposto é que se você
não tiver confiança, você não vai ter sucesso no esporte,
ao iniciar um negócio, ou ao jogar poker. Ter confiança é
importante, mas não tanto quanto muitos jogadores
parecem pensar.

Depois de uma amostra suficientemente grande,


independentemente de como você se sente sobre a sua
capacidade, seus resultados que irão contar a verdadeira
história. Ter confiança o ajuda a desempenhar seu jogo
num nível mais elevado do que você o tem; no entanto,
isto ainda não significa que você já tenha a habilidade
para ser bem-sucedido. Ter confiança de que você possa
ganhar, não significa que você irá ganhar, assim como a
falta de confiança não significa que você não irá ganhar.

A confiança é a mais complexa das quatro grandes


emoções abordadas neste livro. A confiança deveria ser
um reflexo preciso dos resultados e das habilidades que
você já provou no poker. Se você obteve resultados
sólidos numa grande amostra de jogos, que provam que
você tem muita habilidade no jogo, logicamente isso o
fará se sentir confiante. Por outro lado, se nessa amostra
seus resultados são terríveis, logicamente, você não
deveria ter confiança. No entanto, este nem sempre é o
caso. Há jogadores que não têm um histórico comprovado,
que mostram ter mais confiança do que outros jogadores
que têm um percentual de vitórias enorme, ao longo de
milhões de jogos. Inversamente, há jogadores que têm
esmagado muitos adversários por anos, que perdem a
confiança depois de apenas uma sessão que eles
perderam.
A confiança não é uma medida confiável de resultados e
habilidade por duas razões:

1. Falhas fundamentais em seu jogo mental


criam sentimentos imprecisos sobre a
qualidade de seu jogo.
2. Os jogadores usam resultados de curto prazo
para formar a sua base de confiança. No
entanto, os resultados de curto prazo não são
confiáveis para provar a habilidade do
jogador, desta forma, a sua base de confiança
também não é confiável.

Na maioria das outras áreas competitivas, os resultados


são a maneira mais fácil de provar o nível de habilidade
do jogador. Mas o fato é que, é necessária uma base
grande para determinar a sua habilidade, e quando você a
atingir, a sua habilidade terá mudado. No curto prazo,
você não pode provar definitivamente a sua habilidade,
você só pode estimá-la. Este é um dos desafios do poker e
é o que, talvez, o torna mais difícil do que qualquer outra
forma de competição.

Se você só pode provar o seu nível de habilidade de


poker após meses – se não após anos – o que você faz no
curto prazo? Se você for igual à maioria dos jogadores,
você ainda usa resultados de curto prazo para definir a
sua habilidade, o que é mais ou menos como obter opinião
sobre o seu jogo de alguém que apenas o tenha visto jogar
uma mão. Para evitar que a variância faça com que você
fique louco, você provavelmente deveria tentar estas
opções:

1. Construir um histórico comprovado ao longo


de vários anos.
2. Jogar um volume alto de mãos, para tentar
alcançar o longo prazo o mais rápido
possível.
3. Ignorar, bloquear, ou se dessensibilizar dos
resultados. A intenção é evitar que as suas
emoções passem por ciclos de excesso e falta
de confiança, enquanto os seus resultados
oscilam.
4. Criar a ilusão em sua mente de que você é um
jogador sólido, mesmo que você não possa
provar isto.

Como o seu nível de confiança determina muitas das suas


decisões no poker, é importante ter a sua confiança tão
estável quanto possível. Por isto, o objetivo deste capítulo
é ajudá-lo a construir a confiança estável.
Confiança Estável
Ter confiança estável significa que sua confiança nunca
oscile ao extremo, por causa da variância. Isso é possível
quando o seu jogo é construído de um conjunto de
resultados e habilidades, que lhe dão mais certeza sobre a
força do seu jogo no curto prazo. Quando a sua confiança
estiver estável, pequenas variações realmente o ajudarão
a melhorar o seu jogo. Você não vai ficar muito chateado
ou se criticar pelo seu jogo. E, em igual medida, você não
vai se iludir e pensar que você já domina poker.

Com a confiança estável, as emoções negativas, como o


“tilt” ou o medo, serão facilmente assimiladas sem se
sentir robótico ou anestesiado. Você tem a quantidade
certa de emoção para estar concentrado, objetivo, calmo e
equilibrado. Você se sente sólido sobre as suas
habilidades em relação aos jogos você está jogando. Você
consegue pensar com clareza em todas as informações do
jogo e você consegue tomar uma boa decisão. Quando
você cometer um erro, você será objetivo o suficiente
para tomar nota dele e seguir em frente.

Você está sempre na zona.

De certo modo, você pode considerar a confiança estável


como um meio termo, entre o excesso de confiança e a
falta confiança. Isso não significa que você se sinta neutro,
robótico ou anestesiado. Na verdade, é exatamente o
oposto. Você está cheio de emoção, mas esta emoção não
está mais vinculada aos resultados de curto prazo e, ao
invés disso, ela estará vinculada a elementos do jogo que
você controla. Como resultado, você está:

Jogando em alto nível


Sendo capaz de tomar decisões objetivas
Ciente de seus pontos fortes e fracos
Ciente dos pontos fortes e fracos de seus
oponentes
Lúcido
Confiando nos seus instintos
Não excessivamente emocional, mas
motivado e enérgico
Desafiado
Interessado
Aprendendo em cada sessão
Preparado para trabalhar em seu jogo

Cada jogador atinge a confiança estável de maneiras


ligeiramente diferentes, por isto um bom exercício é fazer
uma breve descrição do seu jogo de poker e seu jogo
mental, quando a sua confiança estiver no ideal. Isso
significa que ela não está neutra, nem muito alta, e
certamente não está baixa; então como ela está? Isto é
importante, porque a maneira de se criar uma confiança
estável é através da remoção de falhas no jogo mental,
melhorando os déficits de habilidades de poker que o
tiram desta confiança. Ao definir claramente o que a
confiança estável significa para você, é mais fácil
identificar quando você está com falta, ou excesso, de
confiança. Então, você poderá tomar medidas para voltar
a estabilizar a confiança naquele momento.

Falta e Excesso de Confiança


Apesar da falta e do excesso de confiança parecerem ser
completamente opostos, eles realmente se originam a
partir dos mesmos pro-blemas centrais: falhas do jogo
mental e déficits de habilidades de poker. Numa sequência
muito boa de cartas a sua confiança fica bem alta. Por
outro lado, uma longa sequência de derrotas pode fazer
com que a sua confiança fique mais baixa do que nunca.
Quando a sua confiança, reagir exageradamente à vitória
ou à derrota, ambas têm origem na mesma falha. Sua
confiança apenas reage de forma diferente, dependendo
das circunstâncias.

Aqui estão as características mais comuns da falta e do


excesso de confiança:
Falta de confiança
Deprimido ou para baixo com o seu jogo.
Parece que você não está progredindo.
O sucesso anterior não significa nada.
Joga em limites mais baixos tentando
recuperar a confiança.
Falta de confiança no seu jogo.
Muda constantemente de estratégia ou alterna
os jogos.
Sente-se pessimista e pressupõe que você vai
perder.
Fica autodestrutivo como se você quisesse
perder.
Sente-se desesperado para encontrar a
resposta para os seus maus resultados.
Envergonhado de diminuir os limites ou pelos
limites em que você está jogando.
No geral, joga menos poker.

Excesso de confiança
Sente-se como se você pudesse vencer
qualquer um.
O poker parece fácil. Você supõe que você
vai ganhar todas as vezes que você jogar.
Não joga tanto.
Reserva vitórias regularmente.
Seu sonho de jogar melhor do que nunca
parece certo que irá se tornar realidade.
Sente uma sensação eufórica.
Falhas ou erros parecem ter desaparecido do
seu jogo.
Repreende os outros jogadores, e fala sobre
como eles jogaram mal.
Tenta ganhar todos os pots e joga muito mais
agressivamente.
Joga fora toda a sua bankroll.
Dispensa conselhos de bons jogadores.
Sente-se impaciente.
Torna-se complacente e para de trabalhar no
seu jogo.

É fácil reconhecer, para a maioria dos jogadores, quando


eles não têm confiança, e muito mais difícil para eles
detectarem quando eles têm muita. Apesar do fato, de se
ter muita confiança ser tão destrutivo quanto não ter o
suficiente, isto, frequentemente, é negligenciado como
sendo um grande problema. Na realidade, para alguns
jogadores ta-lentosos, o excesso de confiança era muito
pior porque os tirava de seus jogos. O “tilt” do vencedor,
como é chamado, pode fazer com que os jogadores
ignorem a gestão básica da bankroll e a seleção dos
jogos. Enquanto estão nas nuvens devido à uma boa
variância, esses jogadores acreditam, facilmente, que
podem vencer qualquer um. Nesse momento, a forte
crença que eles tinham em seu jogo e nas decisões que se
seguiram parecia justificada, mas a realidade contou uma
história muito diferente.

Quando você está com excesso de confiança, os


sentimentos positivos sobre o seu jogo são tão fortes que
eles parecem fazer as fraquezas, o “tilt”, as distrações e
até mesmo a derrota desaparecerem do seu jogo. O poker
parece ser um caixa automático cuspindo dinheiro fácil.
Então, você começa a jogar mais mãos e quase não
importa como você joga, você ainda continua ganhando. É
uma alta impulsionada pela variância e você de certa
forma sabe disso, mas as emoções fazem com que este
pequeno detalhe não importe. Você antecipa vitórias e não
joga tanto, porque o jogo parece muito fácil. Nos
momentos em que você normalmente estaria jogando, ao
invés disso, você está calculando quanto di-nheiro você
ganhará. Talvez você até sonhe com o que está por vir:
jogar nos high stakes contra os melhores, vencer um
torneio enorme, se tornar um profissional, viajar pelo
mundo e comprar as coisas que você sempre quis.
Como diz o ditado, “Quanto mais alto você subir, maior
será a queda”. Quando a sua alta impulsionada pela
variância inevitavelmente terminar, você fica cego pela
derrota. A confiança lhe dá um golpe direto, e quando
você sente o golpe, você terá que juntar as peças do seu
jogo despedaçado.

Quando a confiança está em baixa, há um sentimento


negativo, de-primido e pessimista do seu jogo.
Frequentemente, há muita autocrítica, questionamentos e
baixa motivação também. Você está mal-humorado e isto
começa a afetar sua vida pessoal. Você recusa convites
dos amigos para sair e grita com os outros sem motivo.
Você não trabalha em seu jogo – você muda
completamente a forma como joga, ou altera os jogos de
modo geral. Jogadores online, ocasionalmente, excluem
seus bancos de dados inteiros, na esperança de que um
novo começo irá rejuvenescer a sua confiança. Às vezes,
quando a confiança está muito baixa, perder pode, na
verdade, parecer bom. Consulte a página 162 para mais.

DESENVOLVENDO A CONFIANÇA
ESTÁVEL
Ter confiança estável pode parecer ser uma versão
idealizada de confiança, mas desenvolvê-la, pode na
verdade ser fácil, desde que você entenda como corrigir
um conjunto único de falhas do jogo mental e habilidades
de poker.

Em primeiro lugar, está um conjunto de habilidades de


poker que todos os jogadores de poker já tem, mas que em
relação à sua habilidade técnica real de poker, pode ser
suficientemente fraca para causar problemas de confiança.
Este conjunto de habilidades é semelhante às habilidades
fundamentais descritas no capítulo 2, onde corrigir os
erros na sua abordagem de aprendizagem e de
desempenho eliminaram problemas em seu jogo mental.
Aqui, você pode resolver todos os seus problemas de
confiança, ao melhorar as três competências seguintes:

A habilidade de reconhecer a variância


A habilidade de reconhecer a sua habilidade
A habilidade de reconhecer a habilidade dos
seus oponentes

Mesmo depois de desenvolver essas habilidades de


poker, muitos jogadores ainda não conseguem criar a
confiança estável, que eles precisam para enfrentar a
variância no curto prazo. Alcançar a confiança estável só
pode acontecer quando você resolver as falhas
fundamentais em seu jogo mental, que criam ilusões na sua
confiança. Estas ilusões agem como alçapões para as suas
habilidades de poker, que aparecem quando acionadas por
circunstâncias na mesa, geralmente quando você está
jogando muito mau ou então como um Deus.

A mente é poderosa, e pode ser fácil ser pego acreditando


em coisas do seu jogo que não são reais. Enquanto a
variância faz um ótimo trabalho em alimentar essas
ilusões, o jogador também acredita nelas. O jogador
acredita nessas ilusões, quando ele tem falhas específicas
no nível de Competência Inconsciente. As três ilusões
mais comuns são:

Ilusão de controle
Ilusão de permanência
Ilusão de aprendizagem

Essas ilusões, assim como a forma de desenvolver as


habilidades mentais necessárias para solucioná-las, são
discutidas em detalhes mais adiante neste capítulo.

Quando você reforça as três habilidades de poker


negligenciadas e resolve as falhas criando ilusões em sua
mente, o resultado é a confiança estável. Como até mesmo
jogadores estabelecidos passam por períodos de incerteza
em seu jogo, ter confiança estável não significa que você
estará sempre em seu nível de confiança ideal. Ao invés
disso, a confiança estável significa que a sua confiança é
construída em algo mais sólido do que apenas em
resultados. Dessa forma, no curto prazo, não importa
como você está a sua fase, os altos e baixos em sua
confiança serão minimizados.

A Habilidade de Reconhecer a Variância


A mais importante destas três habilidades é a capacidade
de reconhecer a variância enquanto joga. Como você não
pode controlar a variância, a capacidade de detectá-la lhe
torna mais capaz de avaliar a sua habilidade e a
habilidade de seus oponentes. Já que muitas decisões são
tomadas com base na vantagem de perceber o jogo, a
precisão é fundamental. Se a sua habilidade de reconhecer
a variância for fraca, você não estará usando esta
vantagem de percepção.

A variância é um dos conceitos mais importantes no


poker. No entanto, há apenas uma pequena quantidade de
material instrucional disponível sobre como reconhecer a
variância durante o jogo, além dos coolers óbvios, bad
beats e suck-outs. Isto fez com que um monte de
jogadores qualificados fracassasse no reconhecimento da
variância.

Quando foi a última vez que você admitiu uma fase boa
durante uma sessão? Ou admitiu jogar mal? Ou ainda,
quando você admitiu que outro jogador jogou bem uma
mão contra você? Jogadores online, constantemente, usam
o all-in EV73 como uma medida da variância, enquanto
admitem livremente que isto representa apenas uma
pequena quantidade do total.

Não ter a habilidade de reconhecer a variância durante o


jogo, pode não parecer um grande problema. No entanto,
apenas imagine o que aconteceria com o seu jogo se você
tivesse tanta habilidade em detectar a variância, quanto
você tem em detectar spots rentáveis para blefar.

Automaticamente, você ficaria melhor em avaliar como


você jogou no curto prazo, identificar erros, e saber em
que nível a variância impactou em seus resultados. Não só
seria mais fácil de jogar bem, seria mais fácil de
adicionar novas linhas ao seu jogo.

É muito difícil calcular o impacto da variância em um


jogo, mas como com qualquer outra habilidade, você fica
cada vez melhor quanto mais você trabalhar com ela. Aqui
estão algumas ideias:

1. Durante o jogo, faça nota ou marque as mãos


onde você suspeita que a variância foi um
fator.
2. Antes de olhar para os resultados de uma
sessão (obviamente impossível para
torneios), faça uma avaliação instantânea de
como você jogou. Foi neutro? Você teve uma
fase boa? Ou uma fase ruim? Avalie a
variância ao classificá-la e use os jogos onde
você acredita que ela foi um fator para
reforçar a sua opinião. Você pode
instintivamente olhar mais para os pontos da
fase ruim, então não deixe de olhar para uma
boa variância também.
3. Combine a sua avaliação da variância e a sua
avaliação de como você jogou (mais sobre
isto na próxima seção), e compare com os
resultados reais.
4. Como as instruções de poker são
relativamente vazias, fale com os outros
jogadores sobre como analisar ou estimar o
impacto da variância em determinadas
oportunidades. Então, trabalhe para ficar
melhor nisso. Superficialmente, pode parecer
muito difícil ir além do óbvio, mas você já
melhorou desde que começou a jogar. Além
disso, apenas o fato de tentar entender melhor
a variância, já significa que a sua confiança
será mais estável.

A Habilidade de Reconhecer a Sua Habilidade


Só ao ler este título, pode fazer com que você coce um
pouco a cabeça. Esta habilidade, essencialmente, é a
capacidade de saber como você está jogando em tempo
real. Frequentemente, os jogadores dependem de
resultados para conhecer a sua habilidade, mas os
resultados de curto prazo não são confiáveis. Por
exemplo, é comum que os jogadores assumam que eles
cometeram um erro só porque eles perderam a mão; ou,
inversamente, assumam que eles estão jogando bem
porque estão ganhando. Ao invés disso, ao desenvolver
mais conhecimento sobre seus jogos, os jogadores
automaticamente têm um forte senso de como eles estão
jogando bem, sem necessitar de resultados para lhes dizer.

Embora seja impossível saber definitivamente como você


está jogando, quanto mais forte for o reconhecimento de
sua habilidade, mais estável se tornará a sua confiança.
Aqui estão algumas ideias sobre como me-lhorar a sua
capacidade de reconhecer a sua habilidade de poker:

1. Identifique os pontos fortes em seu jogo que


provaram estar em nível de Competência
Inconsciente. Estas são as habilidades que
sempre aparecem, mesmo se você estiver
jogando mal. Uma das formas de identificar
estes pontos fortes é através da análise das
partes sólidas do seu jogo quando em “tilt”
ou sob pressão emocional, por qualquer outro
motivo. Para saber mais, consulte o capítulo
2 e a seção “Utilizando o ‘tilt’ para melhorar
seu jogo”, na página 166.
2. Crie uma lista das maiores fraquezas em seu
jogo. Estes são todos os principais erros que
aparecem quando você está jogando muito
mal. Estas fraquezas podem ser difíceis de
engolir, porque elas são muito básicas em
relação ao seu melhor. No entanto, identificá-
las significa que você sabe o que melhorar, o
que é melhor do que não saber o que fazer.
Além disso, como essas fraquezas
frequentemente estão ligadas ao “tilt” ou a
outros problemas do jogo mental, reconhece-
las no jogo o ajudará a identificar esses
problemas, para que você possa tomar
medidas para controlá-los.
3. Identifique todo o intervalo de seu jogo,
desde o seu pior absoluto, até o seu melhor
absoluto no momento. Para fazer isto, pense
nos erros que você comete quando joga o seu
B-game, o que torna o seu B-game melhor do
que o seu C-game, e o que define o seu A-
game. Ter este conhecimento irá lhe permitir
fazer melhores ajustes, porque você sabe
como você está jogando. Para mais detalhes
sobre esta análise, consulte a página 133.
4. Avalie o seu jogo regularmente. Depois de
cada sessão, analise como você jogou, o que
melhorou e o que precisa de mais atenção.
Defina objetivos para a próxima sessão com
base em sua avaliação.

Você também pode usar estas etapas para melhorar a


habilidade de reconhecer a sua habilidade do jogo mental.
Ter um conhecimento de-talhado do seu jogo mental,
também contribui para a confiança estável e para uma
melhor tomada de decisão quando se joga. Por exemplo,
se você sabe que tem a capacidade de controlar o “tilt”, a
confiança de modo geral em seu jogo aumenta.
A Habilidade de Reconhecer a Habilidade dos
Seus Oponentes
A última habilidade de poker negligenciada, fortalece
ainda mais a sua capacidade de reconhecer a sua
vantagem no jogo, e lhe dá um sentido mais forte da
precisão dos seus resultados a curto prazo. Aqui estão
algumas ideias sobre como se tornar melhor em
reconhecer a habilidade dos seus oponentes:

1. Identifique casos em que você suspeita que


seus oponentes jogaram bem e jogaram mal.
O que eles fizeram bem que você pode
aplicar para o seu próprio jogo, e o que eles
fizeram mal que você pode explorar no
futuro? Resista ao impulso de rotular alguém,
prematuramente, como um pato. Ao invés
disso, seja objetivo e específico para avaliar
seus pontos fortes e fracos em relação ao seu
jogo. Quanto mais forte for esta habilidade,
mais objetivo você se tornará com relação ao
jogo dos seus oponentes e, assim, com o seu
próprio jogo.
2. Mantenha aberta a sua opinião sobre seus
jogos. Dessa forma, você pode ajustá-la
facilmente quando um jogador fizer algo que
vá de encontro à opinião que você tem deles.
Caso contrário, você pode perder ajustes que
eles possam estar fazendo com relação ao seu
jogo.
3. Analise as mãos chave se colocando na
posição deles.
4. Faça algumas pequenas notas, durante a
sessão, dos jogadores em sua mesa, mesmo
que nada extremamente positivo ou negativo
possa ser dito do jogo deles.
5. Peça conselhos para jogadores melhores de
como eles reconhecem a habilidade de seus
oponentes.

VISÃO DE BARRY
Definindo a Sua Vantagem

Definir vantagem é uma parte muito importante para se


tornar um jogador de poker de sucesso –
especialmente se você depender do jogo para ga-nhar
a vida. Afinal de contas, este deve ser o componente
número um do seu processo de seleção dos jogos.
No entanto, não importa o quão importante seja este
conceito, há poucas áreas na vida, que não sejam de
poker, onde a maioria dos participantes avalia mal,
rotineiramente, o seu próprio nível de habilidade.
Você tem apenas que olhar para os pedidos de
patrocínios nos tópicos dos fóruns de poker, para ver
como todos dizem ser + EV contra os adversários (que
atualmente não têm o dinheiro para competir contra
eles), mas, raramente, eles são capazes de reforçar as
suas reivindicações com um histórico comprovado.

Todo mundo parece pensar que é o melhor jogador em


sua mesa, e frequentemente, os jogadores de limites
baixos criticam as habilidades dos jogadores de elite
e fazem reclamações ingênuas, tais como jogadores de
alto nível como Daniel Negreanu que “não conseguiu
bater 100NL”. Eu entrevistei centenas de jogadores
profissionais de sucesso e essa tendência percorre
todo o caminho até o topo; todos eles parecem
acreditar que são um dos melhores, e menos sortudos
do que a maioria.

Não estou sugerindo que, se você se encaixar num


desses grupos, você está errado na sua avaliação de
sua vantagem. No entanto, se você acreditasse no que
os jogadores de poker dizem ser a verdade, você iria
querer saber, exatamente, aonde os jogadores
perdedores estão. Parece que todos são jogadores
vencedores, todos contra os quais eles jogam são ruins
e eles sempre parecem sair do torneio devido a uma
bad beat.

É compreensível; ninguém quer ‘bater de frente’ com


seus próprios erros. Você nunca ouve alguém dizer que
a sua expectativa é perder $11 por hora contra alguém.
Neste aspecto, você raramente sequer ouve um
jogador dizer que eles estão jogando como aprendizes,
porque eles querem usufruir da experiência de
aprendizagem.

O poker oferece infinitas oportunidades para a ilusão.


Graças a variância, propriamente dita, você pode
escolher acreditar que você não tem sorte quando
você perde e que você dominou o jogo quando você
ganha. Esta é a forma como você pode acabar jogando
em jogos onde você não deveria estar, e perder muito
dinheiro, enquanto culpa os deuses do poker por suas
perdas durante todo o tempo.

A confiança estável desempenha um papel importante


na avaliação, com precisão, do nível da sua vantagem
e de sua habilidade real – e não apenas a sua opinião
ou o que você deseja que seja a sua vantagem. Ela tem
que estar baseada em algo mais sólido, e é por isto
que trabalhar nas suas habilidades para reconhecer a
variância, a sua habilidade, e a habilidade dos seus
oponentes, é tão importante. Não é apenas vital para
ter certeza de que você está jogando em jogos
rentáveis, como também é uma maneira muito
importante de garantir que você estará sempre se
esforçando em me-lhorar seu jogo.

Ilusão de Controle
Há momentos em que você acredita que você tem mais
influência sobre o resultado do que você realmente tem.
Isso pode ser algo tão inofensivo quanto gritar “one time”,
antes de uma carta do river ser virada, ou algo ainda mais
prejudicial, como tentar ganhar todas as mãos. A ilusão do
controle afeta as suas crenças sobre o seu jogo, seus
adversários, e (sobre) a variância.

Ilusões com relação ao seu jogo. Acreditar que você tem


maior controle do seu poker ou do seu jogo mental é a
principal razão para a instabilidade em sua confiança.
Aqui estão as três causas mais comuns:
1. Acreditar que você pode ganhar todas as
mãos. Em sua maioria, você joga
normalmente, mas ao “entrar em tilt” ou numa
fase boa, essa crença é exposta e você acaba
tentando ganhar todas as mãos. Ver página 125
para orientação de como corrigir esta falha.

GANHAR NÃO
INJETANDO LÓGICA SIGNIFICA QUE VOCÊ
JOGOU BEM.

2. Mente em Mau Funcionamento. Um jogador


que não tenha trabalhado para melhorar o seu
problema de “tilt”, previsivelmente perde o
controle quando confrontado com uma en-
xurrada de coisas que o induzem ao “tilt”.
Naquele momento, eles perdem o controle, em
grande parte, porque o cérebro desliga a sua
capacidade de pensar. No entanto, os
jogadores frequentemente esperam ser capazes
de manter o controle de seu jogo,
independentemente de quão intensas forem
suas emoções. Esta ilusão de controle
acontece quando eles não conseguem perceber
que o cérebro é quem está no controle. Ele tem
o poder de encerrar a sua capacidade de
pensar, o que o impede de usar as funções
superiores do cérebro necessárias para
permanecer no controle.

Agora que você tem algum conhecimento de


como o cérebro funciona, concentre os seus
esforços em ganhar o controle real de suas
emoções, usando as estratégias descritas no
capítulo 4.

3. “Tilt” de Direito. Acreditar que você tem o


direito de ga-nhar, especialmente contra patos,
significa que, em nível de Competência
Inconsciente, o seu senso de controle está
exage-rado. É provável que você seja um
jogador sólido, mas ninguém no poker, não
importa quão bom eles sejam, merece ganhar o
tempo todo. Consulte a página 143 para
saber como corrigir este problema.

Ilusões sobre os seus oponentes. Quando você sentir uma


sensação de domínio e de poder sobre os seus oponentes,
parte desse sentimento pode ser uma ilusão. Sentir-se
confiante de que você pode vencê-los é importante, mas,
essa ilusão faz com que você tenha excesso de confiança
ao esmagá-los e falta de confiança ao ser esmagado.

A seção sobre o “tilt” de vingança trata inteiramente dessa


ilusão. Aqui estão as duas causas mais comuns:

1. Possuindo Almas. Pensar que você possui a


alma de outro jogador é uma ilusão. É
baseada numa falha muito sutil, ou seja, você
acha que pode estar no controle de outro
jogador. Esta sensação de poder lhe traz bons
sentimentos, ou mesmo euforia, mas não é
baseada na realidade. Você não pode ler a
alma deles, ou obrigá-los a fazer o que você
quiser. É uma ilusão criada por um alto nível
de compreensão deste jogador. Você tem esta
habilidade, porque você tem perícia e
experiência para conhecer um jogador que
seja mais fraco que você, melhor do que eles
mesmos, não porque você tem o poder de ler
a sua alma. Por outro lado, quando você está
perdendo, pode parecer como se você esteja
sendo possuído. Para ter mais informações,
vá para a página 159.
2. Falta de Respeito. Você não pode controlar
o que as pessoas pensam de você, da mesma
forma que eles não podem controlar o que
você pensa delas. Esta é uma ilusão que está
detalhada na página 152.

Ilusões sobre a variância. A ilusão de que você pode


controlar a variância faz você pensar que é possível ter
uma influência sobre as próprias cartas. Você pode
exagerar ao jogar draws ou pagar demais com pares
pequenos, porque você realmente espera acertar. Você
pode tentar influenciar a ação, torcendo para as cartas
virem, ou se agarrando num amuleto da sorte. Por outro
lado, você pode ficar pessimista e antecipar perder,
apesar de ter tudo para ganhar ou desistir de jogar mãos
fortes porque você pressupõe que enfrentará um cooler.
As seções seguintes podem ajudá-lo a resolver as falhas
fundamentais que criam essa ilusão:

1. Dinheiro Perdido. A ilusão de que o dinheiro


que você perdeu em uma sessão se foi para
sempre está corrigida na página 122.
2. Prevendo Bad Beats. A mente tem a
capacidade de prever o futuro. No entanto, os
jogadores frequentemente pensam que uma
bad beat acontece, porque eles pensaram que
isto iria acontecer. Consulte a página 100
para ter mais informações.
3. Ignorando a Variância. Jogadores com “tilt”
de direito, frequentemente, acham que eles
deveriam ganhar sempre contra jogadores
mais fracos. Para acreditar nisso, eles
também devem acreditar que as regras da
variância não se aplicam a eles. Consulte a
página 141.

ACREDITAR QUE VOCÊ


INJETANDO LÓGICA NÃO PODE PERDER
PARA UM PATO NÃO
MUDA O FATO DE ISTO REALMENTE TER
ACONTECIDO.

HISTÓRIA DO
CLIENTE
Matt “mbolt1” Bolt
3/6 a 50/100 NLHE
INSTRUTOR DE POKER NO DRAGTHEBAR
“Quando eu estava ganhando, eu esperava ganhar
$5.000 ou $10.000 todos os dias, mas mais cedo ou
mais tarde, chegaria o dia em que eu perderia um
Range Rover e seria um desastre. Os pontos altos,
eram muito altos– eu me sentia invencível – e os
baixos eram muito baixos, eu me sentia impotente.
Mesmo que eu soubesse que eu era bom o suficiente
para jogar nos high stakes, a situação ficava tão ruim,
que eu questionava se eu era um jogador vencedor, e
se um dia eu iria ganhar novamente. Este ciclo
aconteceu a cada três ou quatro meses por mais de um
ano. Eu sempre assumia que eu teria sorte e iria
recuperar. Então, mais cedo ou mais tarde, não havia
mais dinheiro na minha conta ... bom jogo ... Jared eu
preciso de você.

Jared realmente fez com que eu me concentrasse, não


na sequência de cartas, mas em como eu estava
jogando. Agora, mesmo quando eu estou numa
sequência boa, eu tento manter o foco numa mão por
vez. Quando eu tiver excesso de confiança, eu corto o
mal pela raiz cedo. É realmente difícil de reconhecer
quando você não está jogando o seu melhor. Quando
você anota os seus sinais de excesso de confiança, é
mais fácil impedir que isto aconteça. Quando eu
começo a abrir mais mãos (65 suited do UTG75) e não
desisto contra 3-bets, eu sei automati automaticamente
que estou com excesso de confiança.

É muito legal, porque reduzir o excesso de confiança,


faz com que se melhore o estado de espírito quando
tudo está indo mal. O fusível do “tilt” fica mais longo
e a minha tolerância à derrota aumenta, porque eu
também sei como eu estou jogando no momento.
Assim, os pontos altos nunca são tão altos, e os baixos
já não são tão baixos. Também é muito mais fácil
“abandonar” o poker no computador. Antes, se eu
tivesse um dia ruim no poker, eu tinha um dia ruim na
vida e isto me afetaria longe das mesas. A abordagem
mais equilibrada lhe permite separar o poker da sua
vida.”

VOCÊ NÃO PODE


INJETANDO LÓGICA CONTROLAR AS
CARTAS; VOCÊ SÓ
PODE CONTROLAR A FORMA COMO VOCÊ
JOGA.

NÃO DESISTA DO CONTROLE POR ALGO QUE


VOCÊ NÃO PODE CONTROLAR.
Ilusão da Permanência
Os problemas de confiança são criados quando você se
ilude acreditando que os aspectos do poker que estão em
constantes mudanças, de alguma maneira, não irão mudar
no futuro. Iludir-se acreditando que os aspectos do poker
em constantes mudanças, de alguma maneira, não irão
mudar no futuro, cria problemas de confiança. Por
exemplo, quando você numa fase terrível, você pressupõe
que isto nunca vai acabar. Quando você está numa fase
ótima, em apenas uma questão de tempo você estará
jogando no Rail Heaven. Em ambos os cenários, a ilusão
de que o que está acontecendo agora continua,
indefinidamente, no futuro, lhe proporciona emoções
intensas. É como se você tivesse pressionado o botão de
repetir no presente, ou no que você está imaginando no
presente, e ele simplesmente continue a tocar dessa
maneira no futuro. Supõe-se que esta fase boa ou ruim vá
continuar, por isto a sua confiança aumenta ou diminui
artificialmente.

Isso é falho porque o poker é um jogo dinâmico, que está,


constantemente, mudando. Por exemplo, muitos jogadores
da internet durante os dias de Moneymaker/PartyPoker,
pensaram que os jogos continuariam sendo fáceis. Eles
ficaram complacentes, pararam de trabalhar em seus
jogos, e foram superados por jogadores que trabalharam
mais. Se você não co-nsegue acompanhar a dinâmica do
jogo, assim como eles, você também pode acabar fora do
jogo.

Supor que os seus oponentes não se ajustarão é outro


exemplo dessa ilusão. Se você estivesse sendo destruído
pelo mesmo jogador dentro de uma boa amostragem, você
iria trabalhar duro para descobrir o por que, para que
você pudesse jogar melhor contra ele. Você não vai
desistir e apenas aparecer, passivamente, para ser
derrotado. No entanto, isto é o que você está supondo que
os seus adversários irão fazer. Se você conti-nuar
esperando que vai destruir o mesmo jogador, e então eles
começarem a vencer, você vai apenas pensar nisso como
variância, sem consi-derar que eles agora podem ter uma
vantagem sobre você. Para ter mais informações,
consulte a página 145.

Aqui estão algumas outras falhas que criam a ilusão de


permanência:

1. Esperar jogar sempre seu A-game. O seu A-


game é um alvo em movimento. Ao melhorar,
o seu A-game também avança. Jogar o seu
melhor o tempo todo é possível, embora ainda
que difícil, mesmo se você trabalhar para
melhorar o seu jogo, de forma consistente e
agressiva. No entanto, os jogadores que
tendem a lutar contra esta falha, acreditam que
jogar seu A-game é factível. Então, eles vêm
para a mesa tendo feito muito pouco, se é que
eles fizeram alguma coisa, e esperam que o
melhor irá acontecer.

A Competência Inconsciente é a única parte do


seu conjunto de habilidades, que você pode
esperar que apareça, fazendo nada mais do
que se sentar à mesa. Todo o resto está no
processo de ser aprendido e requer
concentração e pensamento para se ter um bom
desempenho. No entanto, se você esperar
jogar o seu A-game, sem colocar energia na
mesa e longe dela, você está sinalizando para
o seu cérebro para não se concentrar nas
competências atualmente sendo aprendidas.
Você acredita que o seu A-game é automático,
então você presume que todas as habilidades
que estão sendo aprendidas são automáticas
também. Por esperar jogar o seu melhor, é
praticamente garantido que você não irá.

INJETANDO LÓGICA
PENSAR QUE POKER É
TÃO FÁCIL ASSIM É SONHO, ENTÃO CONTINUE
TRABALHANDO.

2. Potencial vs. Real. O seu potencial é o que


você acredita que você é capaz de alcançar.
Sua habilidade ou os resultados reais são os
que você já alcançou. Quando os jogadores
acreditam que seu potencial já está
comprovado, sua confiança aumenta,
artificialmente, porque estes resultados
imaginados produzem sentimentos de
confiança de forma semelhante aos resultados
reais. Como estes resultados ainda não foram
comprovados, não é preciso muito para expor
a verdade. Até mesmo apenas uma sessão
perdedora será suficiente.

A falha aqui é sutil, mas ela causa muitos


problemas. Ter forte confiança em seu jogo é
uma grande coisa – é o reconhecimento do seu
potencial. No entanto, a ilusão é de que você
já sabe que você deveria estar ganhando mais,
esmagando o próximo limite, ou ganhando um
grande torneio. Você acredita tão
profundamente que isto seja verdade, que
parte da sua confiança agora está construída,
em cima de resultados futuros que você ainda
não pode comprovar.

Até que você tenha resultados, conhecimento e


experiência suficientes para comprovar que
você percebeu o seu potencial, reduza o seu
nível de certeza e continue trabalhando.

Ilusão de Aprendizagem
Se, previamente, você não estava familiarizado com o
ALM, lagarta, ou com o modelo do processo, você pode
ter desenvolvido erros nas suas crenças sobre a
aprendizagem. Esses erros, frequentemente, criam
problemas de confiança e é necessário corrigi-los, para
que você tenha uma confiança estável.

Todas as subseções dentro do “tilt” do erro são exemplos


de falhas que criam ilusões de aprendizagem. Aqui estão
as mais comuns:

1. Esperando a perfeição. Acreditar que você


não deve cometer erros, pode fazer com que
você questione o seu jogo, quando você
inevitavelmente os comete. Ter o objetivo de
jogar perfeitamente é bom, mas esperar a
perfeição significa que você não vai ter
nenhuma tolerância aos erros, ou a realidade
do processo de aprendizagem. Ao jogar bem,
ou numa fase muito boa, é fácil se sentir
como se você não fosse mais cometer erros,
mas essa ilusão o deixa cego para os erros
reais que estão sendo feitos. Inversamente, ao
jogar mal ou numa fase ruim, você vai se
sentir muito pior sobre seu jogo em relação à
gravidade dos seus erros. Consulte a página
131 para mais.
2. Domínio prematuro. Quando numa boa
sequência de cartas ou durante uma ótima
sequência de jogo, é fácil ser enganado em
pensar que as áreas do seu jogo que você está
aprendendo no momento (Competência
Consciente) estão sendo, na verdade,
aprendidas em nível de Competência
Inconsciente. Acreditar nesta ilusão sutil,
significa que você vai parar de trabalhar nas
partes do seu jogo que estavam no processo
de serem aprendidas. Infelizmente, você
agora espera que esta parte do seu jogo seja
automática, mas ela não é. Como você não
está se concentrando nesta área, você comete
erros, e não saber por que os cometeu, faz
com que sua confiança e motivação sejam
abaladas.

Uma determinada habilidade só é dominada quando


desempenhada, consistentemente, sob intensa pressão. Se
este não for o caso, continue trabalhando nesta habilidade,
até que seja comprovado que ela irá aparecer de forma
consistente, sob pressão.

AVALIE O QUE VOCÊ JÁ


INJETANDO LÓGICA
DOMINOU ATÉ QUE
SEJA COMPROVADO SOB INTENSA PRESSÃO.

Desejo
Desejar é um fator crítico que pode minar não só a
confiança, mas também a sua capacidade de corrigir
qualquer dessas ilusões. Uma coisa é ser iludido a pensar
que essas ilusões sejam reais; outra bem diferente é
desejar que elas sejam reais. Quebrar essas ilusões é
impossível, quando você gostaria simplesmente de se
sentar e imprimir dinheiro, se não houvesse variância no
poker, ou se você pudesse sempre jogar o poker perfeito.
Quando você tem desejos como estes, isto significa que
você está mantendo a esperança de que um dia eles
possam se tornar realidade. Por que você iria trabalhar
duro para corrigir problemas em seu jogo de poker ou no
jogo mental, quando no fundo você deseja que eles
pudessem ir embora ao estalar os dedos? Se você acredita
que um gênio do poker vai lhe conceder um desejo de boa
fase eterna, seria ilógico trabalhar duro em seu jogo.

Detectar esses desejos pode ser difícil, por isto, aqui está
uma maneira simples de testar se você os está mantendo
com você. Responda sinceramente:

Você quer ganhar todas as mãos? Ou até


mesmo, acha que seria legal se você
pudesse?
Você gostaria de poder controlar as cartas?
Você gostaria que o poker fosse sempre da
mesma forma de quando você está numa fase
boa?
Você gostaria que não houvesse variância no
poker?

Estes e outros desejos devem ser eliminados, a fim de


resolver as ilusões que lhe causam falta e excesso de
confiança. Para fazer isto:
1. Prove, logicamente, por que você não quer
que os seus desejos se tornem realidade.
2. Descreva as consequências que acreditar
nesses desejos teria em seu jogo.
3. Descreva o que você iria ganhar se seus
desejos se tornassem realidade. Então,
elabore uma estratégia para alcançar seus
desejos de uma forma real.

Estes desejos nunca podem se tornar realidade. Acreditar


neles não é diferente de acreditar em Papai Noel.
Elimine-os, e você estará numa ótima posição para
desenvolver a confiança estável e um forte jogo de poker
e jogo mental – e em última análise, você terá mais
sucesso no poker.

HISTÓRIA DO
CLIENTE
Sean Gibson
1/2 NLHE Full Ring
POKER DAILY NEWS
“Minha história é provavelmente muito familiar. Eu fiz
um depósito on-line de $250, superei rapidamente os
micro stakes, e antes que eu percebesse, eu pulei para
os jogos 200NL, procurando levar o meu jogo ao
próximo nível. Então, em janeiro de 2010, eu “quebrei
a cara” com um enorme downswing, 22 buy-ins
negativos. Eu perdi a confiança, e com ela, a minha
vontade de jogar. Oscilei entre o pensamento de poder
ficar com os profissionais e fazer uma renda extra, até
de repente parar de jogar. Em cinco meses eu joguei
50.000 mãos, o que normalmente é o que eu jogo num
mês.

Eu senti como se eu estivesse no fundo do poço, na


primeira vez em que falei com Jared. Eu me senti
amaldiçoado – não apenas no poker, mas eu estava
numa fase muito ruim, também em aspectos da vida.
Isso veio à tona em nossas sessões e eu me senti
ridículo em falar sobre isto, mas lá estava eu.
Ironicamente, os meus problemas na mesa espelhavam
aqueles de quando eu estava fora dela, e Jared me
ajudou a ver que isto tinha muito a ver com a forma
como eu lidava com a variância.

Ao entrar em “tilt”, eu parava instantaneamente; daí os


meus cinco meses de baixa produtividade. A variância
era verdadeiramente inacreditável – ocorreu quase
tudo que poderia acontecer nestes meses, e eu muitas
vezes dizia em voz alta durante o jogo, ‘Eu não
acredito nisso’ ou ‘Isso é inacreditável’ para as coisas
ridículas que ocorriam e que estavam acontecendo
comigo. Jared me ajudou a perceber que, tudo que
estivesse dentro dos limites das regras, poderia e iria
acontecer ao longo de milhões de mãos. A
argumentação lógica de “Se aconteceu é porque é
possível” era realmente muito poderosa para mim”.
Eu aceitei essa declaração como uma verdade
fundamental e o “tilt” desapareceu, porque agora eu
estou preparado para a variância e eu a aceito.

Estranhamente, parte do que tornava mais difícil lidar


com variância para mim, era que uma parte de mim
gostaria de poder controlá-la. Ninguém quer lidar com
a variância negativa – quem não gostaria de ter boas
cartas o tempo todo? – Mas eu não tinha ideia de que
o desejo me tornava menos propenso a descobrir
como lidar melhor com isto. Ele me ajudou a perceber
que, se o meu desejo se tornasse realidade e eu
conseguisse controlar a variância, o poker se tornaria
insuportavelmente chato. A ironia aqui é que eu
odiava o poker pela própria razão que eu o adorava; e
por causa disso, parava de jogar devido à variância
que realmente tornava o jogo muito mais agradável,
em detrimento dos jogos de não-variância como o
xadrez. Realmente compreender isto, fez com que eu
conseguisse lidar com a variância de forma muito
mais tolerável.

Ele também apontou uma série de coisas que se passa


na cabeça de um jogador de poker, que podem,
realmente, prejudicar a sua confiança, sua capacidade
e o foco para o sucesso. Agora, eu defino objetivos
diários de volume de jogos, e antes, eu desistia
quando eu não tinha mais vontade de jogar.
Fisicamente, anotar os meus objetivos e tê-los na
minha frente é realmente importante; eu faço isto todos
os dias. Agora, eu tenho que continuar me dedicando,
e se eu sentir vontade de desistir antes de ter
alcançado o meu objetivo, eu continuo jogando até que
eu o alcance.

Embora tenhamos acabado de começar a nossa


jornada juntos, Jared Tendler me ajudou a entender as
raízes das minhas frustrações, ao invés de me ensinar
truques de salão sobre como afastá-los. Eu,
simplesmente, não conseguiria ter uma melhor
orientação de como abordar o meu jogo mental.”
73 N.T. Gráfico que mostra a equidade da mão, no momento em que se foi
All-In.
74 N.T. Under the Gun. A posição à esquerda do Big Blind.
75 N.T. Cash Game (high stakes) do site Full Tilt Poker.
CONCLUSÃO

VOCÊ AINDA NÃO DOMINOU


ESTE LIVRO
COM O TÉRMINO DO LIVRO , você pode pensar que
você dominou o jogo mental. Você ainda não o fez. Não é
possível desenvolver a habilidade do jogo mental em
nível de Competência Inconsciente tão rapidamente. Ao
invés disso, pegue o que você aprendeu até agora,
coloque-o em ação e ganhe alguma experiência para ver o
que se manteve e o que precisa de mais trabalho.

Em algum momento, espere que você volte aos velhos


hábitos e entre em um “tilt” insano, tenha a sua mente
totalmente em branco numa aposta enorme, ou fique
totalmente desmoralizado durante um período complicado
de cartas. Mesmo se a melhoria acontecer rapidamente,
ainda haverá retrocessos, lutas e erros ao longo do
caminho. Retrocessos são parte do processo de
aprendizagem; eles vão acontecer em algum momento.
Quando acontecerem, use este livro para ajudá-lo a
continuar a fazer progressos.

Não há uma cura mágica para os problemas reais do jogo


mental. Se você quiser melhorar, você terá que se dedicar
ao trabalho. Claro, ele virá mais facilmente para alguns
jogadores do que para os outros. E daí? Se você tem
metas que pretende alcançar no poker, não deixe que o
“tilt”, o medo, a motivação, ou problemas de confiança o
intimidem. A recompensa está lá fora nesse momento, para
aqueles jogadores dis-postos a fazerem o que for
necessário. As respostas agora estão em suas mãos, mas
se você tiver perguntas, venha me encontrar nos fóruns ou
em www.JaredTendlerPoker.com.
ANEXO I

AQUECIMENTO E
RELAXAMENTO
EM TODOS OS PRINCIPAIS ESPORTES profissionais e
jogadores sérios têm alguma forma estruturada de
aquecimento e relaxamento, imediatamente antes e depois
de jogarem. Em geral, os jogadores de poker ainda não
estão convencidos do por que isto ser tão importante para
eles, além de não haver muita informação disponível
sobre a melhor forma de fazê-lo.

O maior indicador de sucesso a longo prazo é ao


aprender e melhorar a cada dia.

Seu trabalho é continuar a ficar um passo à frente de seus


adversários. Você pode fazer isto ao ter certeza que você
está pronto para jogar melhor (mesmo que apenas um
pouco melhor), a cada dia que você joga. Uma forma
estruturada de aquecimento e relaxamento é uma das
maneiras mais fáceis de jogar de forma consistente, num
nível superior.

Jogar em níveis mais elevados significa que você está


aprendendo conti-nuamente. Como mostra a ALM, o
processo de aprendizagem tem muitos níveis, e muita
repetição e experiência é necessária para aprender uma
habilidade em nível de Competência Inconsciente. O
aquecimento e o relaxamento o ajudam a identificar o que
melhorar e o que você deverá fazer, para manter um olhar
atento sobre o seu progresso. Exercitar-se com o que você
está atualmente aprendendo, torna mais provável que
essas habilidades se mostrem enquanto você está jogando.
Jogar poker é um grande campo de treinamento, e quando
você puder executar de forma consistente, por exemplo,
uma frequência adequada de 3-bet ou o controle do “tilt”,
você começará as repetições necessárias, para aprender
uma habilidade em nível de Competência Inconsciente.

O relaxamento o ajudará a colocar o poker de lado e a


relaxar. Jogar poker pode ser intenso, por isto pense no
relaxamento, como o equivalente a colocar gelo nos
músculos após um jogo difícil. Em termos mentais, isto
significa que você está avaliando como você jogou,
mantendo o controle de seu progresso e identificando
qualquer coisa nova que você aprendeu.

Aquecimento
Se o conceito de aquecimento lhe for novo, antes de você
jogar, co-mece com uma versão básica de três minutos.
Ao se acostumar a fazer um aquecimento, use estratégias
adicionais para que você esteja pronto para jogar em alto
nível, quando você começar a jogar. Existe um limite para
a quantidade de tempo que você deve gastar no
aquecimento. Em geral, qualquer coisa em torno de 15
minutos está mais ou menos certo. Claro que, se mais
tempo funcionar bem para você, faça-o.

Aquecimento básico de três minutos


1. Reveja o que você está trabalhando.
Lembre-se de algumas coisas em seu jogo
que você está tentando me-lhorar. Faça isto
ao rever, brevemente, algumas melhorias
técnicas específicas em sua habilidade de
poker, como apostar mais por valor, diminuir
seu range de abertura, ou fazer menos “3-
bets”. Também reveja a estratégia que você
está usando para melhorar os problemas do
jogo mental.
2. Faça algumas respirações profundas para
se concentrar e jogar.

Estratégias de aquecimento adicionais


Decida quanto tempo você irá jogar. Ter um
tempo definido torna o poker mais
estruturado e, para muitos jogadores, isto faz
com que seus jogos mentais sejam mais
fortes. Obviamente você pode fazer ajustes,
dependendo da qualidade dos jogos.
Remova tudo que não estiver relacionado ao
poker, incluindo o telefone, chat, TV, outras
pessoas e navegadores de internet aleatórios.
Reveja seus objetivos de longo prazo.
Faça anotações sobre tudo de sua vida
pessoal, que está pesando em sua mente.
Dessa forma, você poderá se concentrar
inteiramente no jogo, e facilmente resgatar
essas coisas de volta depois.
Reveja históricos de mãos que se encaixam
com o que você está melhorando atualmente.
Você poderá fazer o mesmo com um problema
do jogo mental, ao revisar históricos de mãos
mentais, ou qualquer outra coisa que você
tenha escrito sobre este problema.
Muitos jogadores assistem a vídeos de
treinamento de poker antes de jogar. Isso
apenas será melhor se você assistir a um
vídeo que se encaixe com as partes do jogo
que você está tentando melhorar. O vídeo o
ajudará a refrescar sua memória, ao invés de
ensinar-lhe algo inteiramente novo. O
momento para aprender não é antes de
começar a jogar, este é um momento para
reforçar o que você está aprendendo, assim
você torna mais provável executá-lo durante
o jogo.
Exercite-se ou faça uma caminhada.
Experimente meditação, visualização, ou
exercícios de respiração.
Jogue 30% a 50% do seu número habitual de
mesas durante 30 minutos. Considere este
como sendo um aquecimento estendido,
projetado para criar uma ponte entre o aque-
cimento e o jogo. Jogar em um percentual das
mesas permite que você pense mais sobre os
conceitos que você está tentando melhorar, e
de maneira firme, entre no fluxo da ação e no
melhor estado de espírito, antes de realmente
começar a jogar.

Relaxamento
Assim como no aquecimento, se o relaxamento for novo
para você, considere iniciar com esta versão de três
minutos. Então, ao se acostumar a fazer mais, incorpore
estratégias adicionais para torná-lo ainda mais eficaz.

Resfriamento básico de três minutos


1. Avalie a variância. Como você não pode
confiar inteiramente nos resultados de curto
prazo, você precisa de uma forma mais
objetiva de identificar como você jogou. Isso
começa pela avaliação do efeito que a
variância teve sobre os seus resultados.
2. Avalie como você jogou. Tenha uma noção
de como foi o seu desempenho nas áreas
técnicas e mentais de seu jogo, as quais você
está tentando melhorar. Você foi capaz de
parar de “entrar em tilt” ou de detectar os
sinais de “tilt” mais cedo? Se não, o que
aconteceu? Você corrigiu os erros técnicos
anteriores? Se não, o que aconteceu?

Estratégias adicionais de resfriamento


Anotar as mãos durante a sessão torna mais fácil rever o
seu jogo depois. Está incerto de quais mãos anotar durante
as sessões? Escolha as mãos fora do padrão, onde a sua
decisão foi difícil, onde você pensou que pode ter
cometido um erro, onde o “tilt” começou a aparecer, onde
você fez um movimento criativo, ou outros pontos que
podem ajudá-lo a aprender e determinar como você jogou.
Então, após a sessão, reveja essas mãos. Isso não
significa que você precisa entrar numa análise pesada,
mas, pelo menos, tome algumas notas do fluxo do jogo,
para que você possa analisar essas mãos no contexto
quando for trabalhá-las mais tarde.

Tome notas sobre quaisquer novos detalhes


de seus problemas do jogo mental e os
adicione ao seu perfil.
Tome nota de qualquer coisa nova que você
fez bem. Isso pode indicar formas de
melhorar o seu jogo ainda mais no futuro.
Olhe, atentamente, para a forma como os
regulares jogam e faça anotações para o
futuro.
Desabafe, produtivamente, ao escrever sobre
o que está pesando em sua mente.
Refine o seu próximo aquecimento, com base
no que você descobriu nesta sessão.
ANEXO II

QUESTIONÁRIO DOS CLIENTE


ANTES DE SUA PRIMEIRA SESSÃO DE
TREINAMENTO, os clientes respondem às perguntas
listadas nas próximas páginas. Embora algumas questões
possam parecer redundantes, fazer perguntas que se
sobrepõem é importante para avaliar, corretamente, todas
as áreas do jogo mental. Muitos clientes dizem que o
preenchimento do questio-nário os ajuda a aumentar o
reconhecimento de seus problemas, e torna mais fácil
melhorar o seu jogo mental.

Quando os clientes respondem ao questionário, eles


também seguem estas instruções:

Primeira fase. Anote apenas as respostas que vêm


facilmente para você. Se você está tendo dificuldades em
responder uma pergunta ou acredita que não seja relevante
para você, ignore-a e vá para a pró-xima. Comece essas
respostas com a notação (1º) em negrito.

Segunda fase. Para cada pergunta ignorada na primeira


fase, forneça uma resposta. Comece essas respostas com a
notação (2º) em negrito.

Terceira fase. Entre três e cinco dias após o


preenchimento do questio-nário, leia cada uma das suas
respostas e acrescente somente algo novo que vem à
mente. Comece essas respostas com a notação (3º) em
negrito.

Se passar pelo questionário três vezes lhe parecer


excessivo, a razão é a seguinte:

A primeira fase define o que você já


sabe bem.
A segunda fase lhe obriga a pensar
mais.
A terceira fase lhe dá a oportunidade
de identificar novos detalhes que não
estavam originalmente em sua mente.
Detalhes são muito importantes na
resolução de problemas do jogo
mental e buscar problemas adicionais,
em sua cabeça, pode fazer uma grande
diferença na velocidade de sua
melhoria.

1. Primeiro, compartilhe um pouco sobre você


(educação, interesses, família, etc):
2. Descreva brevemente sua história no poker.
Como você caracterizaria o seu progresso?
Que jogo (s) / limite (s) você joga?
3. Quais são seus objetivos no poker? De curto
e longo prazo.
4. O poker lhe apoia em quais metas pessoais?
5. Liste e descreva os problemas em seu jogo
mental. Liste-os em ordem de importância
para você ou intensidade. Dê o máximo de
informações que puder, incluindo os gatilhos,
sinais e o que você acha que são as causas.
6. O que você já tentou fazer para corrigir
algum desses pro-blemas? Qual o nível de
sucesso que você já teve?
7. Fatores que estão fora do poker alguma vez
afetaram o seu jogo? Se sim, como? Alguma
vez o poker lhe impactou negativamente em
sua vida? Se sim, como?
8. Por que você joga poker? O que te motiva a
jogar, por que você o ama tanto, o que você
ganha com isto?
9. Liste de três a cinco de suas maiores
distrações durante o jogo. Descreva por que
elas são um problema.
10. Como você decide quando jogar? Você
definiu vezes ou é flexível ou aleatório?
11. Descreva o que você faz antes de jogar.
Como você se aquece, se você o faz?
12. Qual é a duração média de sua sessão?
13. Quantas sessões você joga por dia?
14. Quantas horas você joga por mês, em média?
15. Alguma delas é mais curta do que o seu
objetivo? Em caso afirmativo, de que forma
os problemas listados na pergunta 5 estão
relacionados?
16. Quais são as razões que levariam você a
parar uma sessão prematuramente? Os
problemas listados na pergunta 5 alguma vez
foram a causa?
17. Descreva a sua ética de trabalho. A
procrastinação ou a exaustão alguma vez
foram um problema?
18. Descreva o que você faz fora da mesa para
melhorar, tecnicamente, como jogador.
19. Você alguma vez age sem pensar de forma
negativa? Se sim, por quê? Qual é a situação
típica quando isto acontece?
20. Descreva sua atitude quando você está
jogando o seu melhor.
21. Você já se deprimiu sobre a sua capacidade
como jogador? Se isto aconteceu, foi depois
de uma sessão ruim?
22. Qual nível de sucesso que você consegue ter
em situações de pressão no poker ou em outro
lugar (diferente do poker)? Descreva.
23. Você tem lembranças de situações específicas
no poker nas quais você ainda pensa, ou que
aparecem em sua cabeça aleatoriamente?
(Mãos ruins, eliminações em torneios, ou
outros.)
24. Pensar sobre poker alguma vez o manteve
acordado à noite, ou o impediu de desfrutar a
sua vida? Se isto ocorreu, sobre o que você
está pensando? Você alguma vez ficou sem
saída pensando nos erros?
25. Pergunta hipotética: Você é capaz de fazer
qualquer um dos problemas da pergunta 5
desaparecer magicamente. Qual deles você
escolheria? Por quê? Como você acha que o
seu jogo seria sem ele?
26. Liste e/ou descreva seu vigor mental.
27. Você toma notas sobre o seu jogo depois de
uma sessão? Se sim, descreva.
28. Ao avaliar sua capacidade como jogador,
quanto é influenciado por resultados?
Descreva.
29. Você se exercita? Se sim, com que frequência
e o que você faz geralmente, em média?
30. Em média, quanto você dorme por noite? O
sono alguma vez já foi um problema? Se sim,
descreva. O que, se é que existe, você
percebe no seu jogo nos dias em que você
não dorme bem ou não dorme o tempo
suficiente?
31. Você come ou bebe alguma coisa durante o
jogo? Se sim, des-creva o que é típico.
32. Você fuma, bebe ou usa quaisquer outras
drogas quando joga? Se sim, o que e quanto,
em média? Qual o efeito que você acha que
isto tem sobre o seu jogo, positivo ou
negativo?
33. Você tem alguma doença neste momento? Se
sim, como isto afeta qualquer um dos
problemas na pergunta 5?
34. Você tem problemas psicológicos atuais que
foram diagnosticados por um médico ou
alguém no campo da psicologia? Se sim,
qual, se algum, é o seu tratamento atual e
como você acha que isto afeta qualquer um
dos problemas na pergunta 5?
35. Avalie a quantidade perdida por mês, que foi
resultado dos problemas que você deseja
abordar. Também avalie a porcentagem de
tempo que você joga o seu A-game.
SOBRE O AUTOR

Jared Tendler, M. S. LMHC,


foi treinador do jogo mental de
jogadores de golfe do PGA e
LPGA tours, antes de se tornar
o principal especialista em
jogo mental no poker. Ele
atualmente treina alguns dos
melhores jogadores de poker e
mais de 450 outros
profissionais de todo o mundo. Os métodos inovadores de
Jared também têm ajudado ainda milhares de pessoas
através de seus vídeos de treinamento, artigos e Perguntas
e Respostas, em fóruns. Ele também é treinador de
destaque no DragtheBar.com, e escreve artigos instrutivos
mensais para a WPT Magazine e Poker Pro Europe.

Jared obteve seu mestrado em Aconselhamento


Psicológico da Universidade Northeastern, e tornou-se um
conselheiro licenciado de saúde mental, antes de se tornar
um treinador do jogo mental em 2005.

Barry Carter é
um jogador de
poker e
jornalista do
Reino Unido.
Ele escreve para
a PokerNews e
várias outras
revistas de
Barry’s foto cortesia de Mickey May e BoylePoker
poker, incluindo
a Poker Pro e a
WPT Magazine. Ele gostaria de tornar público que o seu
papel neste livro, foi principalmente dar voz ao trabalho
de Jared como jogador de poker – ele não criou as teorias
em si. Ele vive em Sheffield, Inglaterra, com sua noiva
Gina e seu cão Charlie. Você pode obter mais informações
em www.BarryCarterPoker.com.