Você está na página 1de 7

Português 10.

º ano
Síntese

1. Lê o seguinte texto.

Lírica Camoniana
Luís de Camões é um dos expoentes máximos da literatura portuguesa. Apesar de algumas
incertezas sobre a sua vida, deixou uma obra lírica ímpar. Para uma melhor compreensão da
lírica camoniana, vamos começar por referir a época em que viveu, as influências que recebeu e
as temáticas que cultivou.

Camões foi incontestavelmente marcado pelo seu tempo. Por isso, é importante conhecer a
época em que viveu, marcada pelas descobertas de um mundo novo, do próprio homem e do
renascer da antiguidade clássica. O século de Camões (XVI) foi influenciado pelo movimento
cultural do Renascimento caracterizado por uma atitude de rejeição da estética medieval e pelo
cultivo paralelo de formas novas e da medida velha, conciliando modernidade e tradição.

A lírica camoniana foi influenciada tanto por autores clássicos (Virgílio, Ovídio e Horácio) e
italianos (Petrarca e Dante), como pela poesia provençal e pelo romance cortês. Nela coexistem
a poesia com sabor tradicional e uma poesia de influência clássica renascentista. Assim, e por
influência tradicional escreveu vilancetes, cantigas, esparsas, endechas e trovas, cultivou o
verso de cinco (redondilha menor) e de sete sílabas métricas (redondilha maior), fazendo uso
da medida velha. Ao mesmo tempo, cultivou a medida nova, com o verso decassílabo,
escrevendo sonetos, canções, odes, elegias e éclogas. Camões escreveu sobre temáticas
tradicionais e populares como o amor, a saudade, a natureza e o ambiente palaciano. Nas
temáticas renascentistas cultivou o amor platónico, o destino, a mudança, o desconcerto do
mundo, a beleza e a mulher.

Não é por acaso que o século de Camões é considerado o século de ouro da nossa Literatura,
pois nele se introduziram géneros novos e os já existentes adquiriram novas formas. Também
não restam dúvidas que estamos na presença de um poeta de excelência, uma das vozes mais
expressivas da língua portuguesa, um poeta muito à frente do seu tempo.

1.1. Seleciona a opção correta.

Na frase "Nela coexistem a poesia com sabor tradicional e uma poesia de influência clássica
renascentista.", podemos verificar que a coesão lexical é obtida através da...

a) substituição por sinonímia.


b) repetição.
c) elipse.
d) substituição por antonímia.

1 /7
Português 10.º ano

1.2. Estabelece a correspondência correta, tendo em conta os mecanismos de coesão lexical.

I II
1. Anáfora a) "Nas temáticas renascentistas cultivou o amor
platónico, (...) a beleza e a mulher."
2. Elipse
b) "Nela coexistem a poesia com sabor tradicional e
3. Repetição uma poesia de influência clássica renascentista."

c) "(...) pois nele se introduziram géneros novos e os


já existentes adquiriram novas formas.".

d) "Assim, e por influência tradicional escreveu


vilancetes, cantigas (...)"

e) "Apesar de algumas incertezas sobre a sua vida,


deixou uma obra lírica ímpar."

1.3. Identifica o recurso que garante a coesão lexical na expressão "Por isso, é importante
conhecer a época em que viveu (...)” (segundo parágrafo).

1.4. Seleciona a opção correta.

No segundo parágrafo, na expressão "Por isso, é importante conhecer a época em que


viveu (...)", o conector destacado apresenta um valor...

a) conclusivo.
b) aditivo.
c) alternativo.
d) temporal.

1.5. Seleciona a opção correta.

No último parágrafo, na expressão "Não é por acaso que o século de Camões é considerado o
século de ouro da nossa Literatura (...)", o vocábulo destacado é um deítico...

a) textual.
b) espacial.
c) temporal.
d) pessoal.

1.6. Apresenta as ideias-chave do texto.

2 /7
Português 10.º ano

2. Seleciona a opção correta.

Os marcadores discursivos "por isso", "pois", "portanto" e "por esta razão" apresentam um
valor...

a) contrastivo, dado que indicam uma relação de oposição.


b) temporal, porque indicam uma relação de tempo entre as frases ou orações.
c) aditivo, uma vez que acrescentam uma informação.
d) explicativo ou conclusivo, indicando uma relação de causa-efeito.

3. Identifica as principais características de uma síntese.

4. Lê o seguinte texto

O mar, a nossa herança

A Terra é o único planeta do sistema solar onde a água existe em quantidade apreciável, pois
cobre cerca de sete décimos da superfície do Globo. Mas essa água, onde a vida surgiu pela
primeira vez e da qual todos os organismos ainda dependem para sobreviver, foi-nos dada de
uma vez por todas: não haverá mais.

A História recordará a nossa época como um período de crise em que o Homem, o principal
causador de toda a poluição, pôs em perigo o meio ambiente, incluindo o mar, sustentáculo da
vida. Ao permitir que os resíduos industriais sejam lançados aos oceanos e recusando-se a
aceitar um rigoroso controlo internacional dos direitos de pesca, o Homem impede o
aparecimento de gerações futuras.

As ilhas, lugares que desde sempre fascinaram a espécie humana, também são afetadas. Elas
têm salvaguardado e preservado uma extraordinária diversidade de vida vegetal e animal,
tendo sido o seu isolamento o fator que as transformou num último refúgio para numerosos
peixes, corais e outras criaturas marinhas. Hoje em dia até estes oásis estão ameaçados.

No entanto, apesar de ser acusada de causadora de todos os males do mundo moderno, a


tecnologia é, na realidade, a melhor arma da Humanidade contra a poluição, que tantas vezes
se nos apresenta como preço do progresso. Na verdade, não são os avanços científicos e
industriais que ameaçam o Homem e a Natureza, mas sim a maneira errada e inconsciente
como a Humanidade aplica as suas conquistas tecnológicas.

Tenho esperanças de que um maior profundo conhecimento do mar, de que há milénios os


homens recebem sabedoria, inspire mais uma vez os pensamentos e as ações que preservarão
o equilíbrio da Natureza e permitirão a conservação da própria vida.

Jacques-Yves Cousteau, a bordo do Calypso, in Segredos do Mar, o Mundo Fascinante dos Oceanos e das Ilhas. Sel.
Reader’s Digest, julho de 1978

4.1. Delimita o texto nas três partes constituintes.

3 /7
Português 10.º ano

4.2. Apresenta as ideias fundamentais de cada uma das partes do texto.

4.3. Elabora a síntese do texto.

4.4. Seleciona a opção correta.

Na expressão “(...) apesar de ser acusada de causadora de todos os males do mundo moderno,
a tecnologia (...)”, a coesão textual obtém-se através da...

a) catáfora.
b) anáfora.
c) elipse.
d) correferência não anafórica.

4.5. Seleciona a opção correta.

No início do quarto parágrafo, o conector ”No entanto” apresenta um valor

a) aditivo.
b) conclusivo.
c) de oposição.
d) alternativo.

4.6. Substitui o conector “No entanto” (início do 4.º parágrafo) por outro de sentido
equivalente.

5. Lê o seguinte texto.

O prazer das fardas


Sei que é quase impossível imaginá-lo, mas houve de facto uma altura na História do Mundo
em que o uniforme foi um fenómeno socialmente mal visto. Aí há uns trinta anos lutou-se pela
liberdade do traje e tudo foi largando as fardas, batas, hábitos e costumes que se consideravam
humilhantes e ofensivos à consciência da unicidade do utilizador. A começar pelo que, já em
declínio, se chamava pessoal doméstico, as escolas, restaurantes, autocarros e o exército
propriamente dito borbulhava então de uma gente garrida e à sua vontade que tratava
imaginativa o tema do uniforme, avivando com flores em locais desconcertantes, lenços à pirata
e todo o género de toques pessoais uma vida em sociedade até aí pequenita e sempre igual.

Mas a liberdade tem muitos perigos e muitas ameaças e o mundo voltou, diríamos que por
instinto, à uniformização protetora do uniforme. Do McDonald’s aos Correios de Portugal,
passando por estudantes e donas de boutiques, hoje tudo veste farda, naquela noção mágica de
que farda é competência e assumindo sempre que uma pessoa com farda é mais do que uma
pessoa.

GOMES, Luísa Costa – "O prazer das fardas" [em linha]. [consult.2015-02-13]. Disponível na internet:
http://www.luisacostagomes.net/imagens/o_prazer_das_fardas.pdf

4 /7
Português 10.º ano

5.1. Identifica as palavras ou expressões chave do texto.

5.2. Apresenta as ideias essenciais de cada parágrafo.

5.3. Elabora a síntese do texto.

5.4. Substitui o marcador discursivo “Mas” presente no início do segundo parágrafo por outro
de sentido equivalente.

6. Classifica as seguintes afirmações em verdadeiras ou falsas


a) Numa síntese, devemos apresentar um texto reduzido a metade do texto original.
b) Durante a elaboração de uma síntese, devemos manter as opiniões e/ou as intenções do
autor.
c) A síntese deve ser apresentada na 3.ª pessoa, fazendo referências ao autor.
d) Na síntese, não deve ser feita a substituição de palavras ou expressões, ainda que dessa
substituição resulte uma economia de palavras.
e) A síntese deve manter a naturalidade, a fidelidade e a coerência do texto original.

7. Estabelece a correspondência correta, de modo a obteres afirmações verdadeiras.

I II
1. Antes de redigirmos a síntese
devemos... a) o modo como se encontra organizado o texto.

2. Para nos ajudar na elaboração


da síntese, a divisão do texto
original em partes ajuda-nos a b) palavras ou expressões por outras mais
compreender... económicas.

3. Durante a redação da síntese,


c) proceder à leitura e compreensão do texto original.
devemos substituir...

4. Por fim, devemos... d) proceder à revisão da síntese, de modo a garantir a


correção linguística e a coerência da informação.

5 /7
Português 10.º ano
Síntese Soluções
1.1.
b)

1.2.
1. – c); e)
2. – a); d)
3. – b)

1.3.
Elipse.

1.4.
a)

1.5.
d)

1.6.
– Apresentação do tema exposto.
– Importância do conhecimento da época vivida pelo poeta.
– Influências culturais clássicas e tradicionais.
– Apresentação de exemplos de autores clássicos que influenciaram o poeta.
– Síntese das ideias principais do texto.

2.
d)

3.
A síntese deve:
- ser reduzida (cerca de ¼ do texto original);
- deve manter a opinião do autor do texto original;
- ser redigida na 3ª pessoa;
- ser coerente e fiel ao texto original.

4.1.
O texto é constituído:
- Introdução: primeiro parágrafo
- Desenvolvimento: 2.º, 3.º e 4.º parágrafos
- Conclusão: último parágrafo.

4.2
Na introdução, o autor refere que o planeta Terra é o único planeta do sistema solar que existe
água em quantidade, mas que não é renovável.
No desenvolvimento, o autor afirma que o Homem é o principal causador da poluição e pôs em
perigo o meio ambiente, afetando até as ilhas, que salvaguardam grande diversidade de vida
vegetal e animal. Acrescenta ainda que a tecnologia pode ser aplicada para salvar a
Humanidade contra a poluição.
Na conclusão, o autor manifesta a esperança que um profundo conhecimento do mar inspire os
pensamentos e ações para preservar a natureza.

6 /7
Português 10.º ano

4.3.
Jacques-Yves Cousteau refere que a Terra é o único planeta do sistema solar onde a água
existe em quantidade apreciável, uma vez que cobre cerca de sete décimos da superfície. O
autor afirma, porém, que essa água é um bem vital, insubstituível e limitado. Ora, o Homem é o
principal culpado pelos ataques ao meio ambiente. Até as ilhas, que têm salvaguardado a
diversidade da vida vegetal e animal, graças ao fator isolamento, estão a ser afetadas.
Cousteau sublinha que, embora a responsabilidade pelos problemas ambientais recaia,
frequentemente, na tecnologia, na verdade, esta é a melhor arma contra a poluição, caso seja
bem utilizada. O autor conclui que o Homem use os seus conhecimentos em prol da defesa da
natureza e da vida.

4.4.
a)

4.5.
c)

4.6.
Contudo; Porém, ...

5.1.
As palavras ou expressões chave do texto são “fardas”; “uniforme”; “liberdade do traje”;
“humilhante e ofensivo”; “farda é competência”.

5.2.
No primeiro parágrafo, a autora refere que antigamente o uniforme era mal visto e que se lutou
para a liberdade do traje, por ser considerado humilhante e ofensivo.
No segundo parágrafo, a autora refere que a liberdade tem perigos e ameaças e que, por isso,
se refugiou na uniformização do uniforme, por ser considerado sinónimo de competência,
transformando a pessoa num ser superior.

5.3.
Luísa da Costa Gomes apresenta a utilização das fardas como um fenómeno em constante
mudança. Se em tempos, a sociedade lutou pela liberdade do traje e abandono dos uniformes
considerados humilhantes e ofensivos à consciência de pessoa como um ser único; agora as
fardas surgem associadas a marcas, funções e locais de trabalho. Segundo a autora,
atualmente a farda é competência, transformando a pessoa num ser superior.

5.4.
Porém, Contudo, No entanto...

6.
a) F
b) V
c) V
d) F
e) V

7.
1- c)
2 – a)
3 – b)
4 – d)

7 /7