Você está na página 1de 18

Excelentíssimo Senhor Juiz de Direito da Vara Cível da Comarca

de Serra -ES.

Processo n°010206.-66.2019.8.08.0048
Ação de Reintegração de Posse

JOEL DA SILVA RABELO, pessoa física de direito privado, inscrito no CPF nº: 117.292.527-

53 e portador da Carteira Profissional nº: 9144164, Série 001-0, DRT-ES, residente e

domiciliado à Rua 23 de Maio, nº 70, Aptº 1302, Parque Moscoso, Vitória/ES,

REPRESENTADO por seu bastante procurador ELEOMAR BOLZANI DE FREITAS SILVA,

pessoa física de direito privado, inscrito no CPF nº: 054.749.777-60 e portador do RG nº

1.662.525, SPTC/ES, residente e domiciliado à Avenida Talma Rodrigues Ribeiro, nº2865,

Civit II, Serra/ES, por seu patrono ELIAS GUIMARÃES MOTTA, brasileiro, casado,

advogado, inscrito na OAB/ES sob nº 27.570, com escritório na Avenida Jerusalém, nº47,

Vila Palestina, Sala 103, 1º andar, Cariacica-ES, CEP: 29145-620 tel.: (27) 99871-8383, e-

mail: adv.eliasmotta@gmail.com, (procuração inclusa - doc. 01), nos autos do processo em

epígrafe, em que é acionado por SUSANO PAPEL CELULOSE S.A, vem, no prazo legal,

apresentar contestação nos termos que se seguem.

I - DA TEMPESTIVIDADE

Tendo em vista que o advogado da Réu, retirou o processo em carga na data de 11 de

setembro de 2019, este tomou ciência da citação nos moldes do art. 231, inciso VIII, in verbis:
Art. 231. Salvo disposição em sentido diverso, considera-se dia do começo do prazo:

[...]

VIII - o dia da carga, quando a intimação se der por meio da retirada dos autos, em

carga, do cartório ou da secretaria.

[...]

O prazo para apresentar a Contestação é de 15 (quinze) conforme 335caput do CPC e, caso

na contagem dos dias, estes computar-se-ão em dias uteis, conforme art. 219, caput do

CPC.

Destarte, o início do marco processual se deu em 11 de setembro de 2019, finalizando no

dia 01 de outubro de 2019, sendo, a Contestação está devidamente tempestiva.

II - PRELIMINARMENTE

a) CARÊNCIA DE AÇÃO

Pelo que se afere dos documentos juntados com a exordial, verifica-se que o autor ignorou

desconhecer a AÇÃO DE NULIDADE DE REGISTRO C/C ANULAÇÃO DE AVERBAÇÃO

sob o processo nº0248.902.44353 transitada em julgada em face da Empresa Jacaraípe de

Imóveis e outros sobre o bem que pretende, ou seja, quer demandar acerca do mesmo

objeto.

Ora, sabido e consabido, que o objeto desta demanda, já foi objeto de litígio tendo sido

oportunizado aos terceiros interessados a se manifestar em relação ao imóvel adquirido de

forma irregular.

A Autora usa o imóvel do Réu para cultivar seus eucaliptos, supostamente acreditando que

um dia pudesse obter a posse, haja vista pelo o tempo que permaneceu sobre o imóvel, no

entanto, imóvel sob litígio não cabe usucapião, assim entende as cortes superiores, senão,

vejamos:

DECISÃO
RECURSO EXTRAORDINÁRIO - MATÉRIA FÁTICA – INTERPRETAÇÃO
DE NORMAS LEGAIS - INVIABILIDADE - DESPROVIMENTO DO AGRAVO.
O Tribunal de Justiça do Estado de Alagoas negou acolhida a pedido
formulado em apelação, ante fundamentos assim sintetizados (folha 103):
APELAÇÃO CÍVEL - USUCAPIÃO ESPECIAL URBANO - O imóvel objeto de
litígio judicial não pode ser considerado res delericta, portanto, não é passível
de ser usucapido - Falta dos requisitos de posse mansa e pacífica do imóvel,
que se encontra sem condições de habitação, pelo interregno de cinco anos,
e ausência de oposição de proprietário do bem. Inteligência da Lei Nº
10.257/2001.
Recurso conhecido e improvido. Decisão unânime.
A recorribilidade extraordinária é distinta daquela revelada por simples revisão
do que decidido, na maioria das vezes procedida mediante o recurso por
excelência - a apelação. Atua-se em sede excepcional à luz da moldura fática
delineada soberanamente pela Corte de origem, considerando-se as
premissas constantes do acórdão impugnado. A jurisprudência sedimentada é
pacífica a respeito, devendo-se ter presente o Verbete nº 279 da Súmula deste
Tribunal:
Para simples reexame de prova não cabe recurso extraordinário.
As razões do extraordinário partem de pressupostos fáticos estranhos ao
acórdão atacado, buscando-se, em última análise, conduzir esta Corte ao
reexame dos elementos probatórios para, com fundamento em quadro diverso,
assentar a viabilidade do recurso.
A par desse aspecto, descabe confundir a ausência de entrega aperfeiçoada
da prestação jurisdicional com decisão contrária aos interesses defendidos. A
violência ao devido processo legal não pode ser tomada como uma alavanca
para alçar a este Tribunal conflito de interesses cuja solução se exaure na
origem. A tentativa acaba por se fazer voltada à transformação do Supremo
em mero revisor dos atos dos demais tribunais do País. Na espécie, o
Colegiado de origem procedeu a julgamento fundamentado de forma
consentânea com a ordem jurídica.
Acresce que o acórdão impugnado mediante o extraordinário revela
interpretação de normas estritamente legais, não ensejando campo ao acesso
ao Supremo. À mercê de articulação sobre a violência à Carta da República,
pretende-se guindar a esta Corte matéria que não se enquadra no inciso III do
artigo 102 da Constituição Federal. Este agravo somente serve à sobrecarga
da máquina judiciária, ocupando espaço que deveria estar sendo utilizado no
exame de processo da competência da Corte.
Conheço do agravo e o desprovejo.
Publiquem.
Brasília, 18 de setembro de 2009.
Ministro MARCO AURÉLIO
Relator
Sinale-se que as questões relativas a domínio devem ser dirimidas no juízo petitório e não

no possessório.

b) LITIGÂNCIA DE MÁ-FÉ E INÉPCIA DA INICAL

A parte Autora aduz na sua inicial, fls. 85 que adquiriu área de José Mansur, referente

matrícula nº 22.446, L:3 – AV 07/03/1955, no entanto, não mencionou que essa foi uma das

matrículas canceladas por sentença transitada e julgada no processo nº0248.902.44353, o

que presume que a Autora não expos os fatos em juízo conforme a verdade, sendo certo

que há violação do art.77 acerca dos deveres das partes.

Dispõe o artigo 77, inciso I do CPC acerca dos deveres das partes, leia-se:

Art. 77. Além de outros previstos neste Código, são deveres das partes, de

seus procuradores e de todos aqueles que de qualquer forma participem do

processo:

I - expor os fatos em juízo conforme a verdade;

II - não formular pretensão ou de apresentar defesa quando cientes de que

são destituídas de fundamento;

III - não produzir provas e não praticar atos inúteis ou desnecessários à

declaração ou à defesa do direito;

IV - cumprir com exatidão as decisões jurisdicionais, de natureza provisória ou

final, e não criar embaraços à sua efetivação;

[...]

VI - não praticar inovação ilegal no estado de fato de bem ou direito

litigioso.

§ 1º Nas hipóteses dos incisos IV e VI, o juiz advertirá qualquer das pessoas

mencionadas no caput de que sua conduta poderá ser punida como ato

atentatório à dignidade da justiça.


§ 2º A violação ao disposto nos incisos IV e VI constitui ato atentatório à

dignidade da justiça, devendo o juiz, sem prejuízo das sanções criminais, civis

e processuais cabíveis, aplicar ao responsável multa de até vinte por cento do

valor da causa, de acordo com a gravidade da conduta. (Grifo Nosso)

Diante disto, presume-se que a Autora incorre na violação do artigo 80, inciso II e III do CPC,

desta maneira, sendo comprovada a litigância de má-fé, não obsta este juízo a penalidade

prevista no art.81, caput do CPC.

A Autora também não juntou o mapa e a planta georreferenciada da FUSÃO DAS

MATRÍCULAS, referente a matrícula 29.364 requerida a Oficiala do Registro de Imóveis da

Comarca da Serra/ES, Drª Elizabete Bergami Rocha, o que não prova sua propriedade na

área em questão, mas ao menos pode apontar a situação e a localização dessas áreas em

questão, ausente tal documento indispensável à propositura da ação, conforme preceitua o

art. 320 caput do CPC, o que presume inépcia da inicial, art.321 do CPC, leia-se:

Art. 321. O juiz, ao verificar que a petição inicial não preenche os requisitos dos arts.

319 e 320 ou que apresenta defeitos e irregularidades capazes de dificultar o

julgamento de mérito, determinará que o autor, no prazo de 15 (quinze) dias, a emende

ou a complete, indicando com precisão o que deve ser corrigido ou completado.

Parágrafo único. Se o autor não cumprir a diligência, o juiz indeferirá a petição inicial.

Desta forma, se não houver a juntada do mapa e a planta georreferenciada da FUSÃO DAS

MATRÍCULAS, referente a matrícula 29.364, faz necessário o indeferimento da petição

inicial ante a ausência de documento indispensável à propositura da ação.

III - OS FATOS

1. O espólio de Egídio Rabelo são os verdadeiros proprietários do imóvel, objeto desta

demanda, representada pelo Srº JOEL DA SILVA RABELO, o inventariante.

2. O Contestante adquiriu em 29 de setembro de 1978 de um quinhão livre e

desembaraçado de maior porção de 83,91 (oitenta e três e noventa e um por cento)


do Sítio Itacoaba, situado no distrito de Nova Almeida, na Serra/ES, conforme

escritura de compra e venda e registros de matrículas, bem como a cadeia

sucessória, (doc. em anexo).

3. A escritura de COMPRA E VENDA, foi havido de conformidade com a certidão

extraída dos autos de inventário devidamente transcrita no cartório de Registro de

Imóveis da Serra, desde Estado no Livro -3 Reg. Sob o nº 79, (doc. em anexo.

4. Insta observar que no Registro 10.227 encontrado no Cartório do 1ª Zona de Vitória,

o imóvel Sítio de Itacoaba teve sua demarcação judicial e posteriormente averbado a

cada um por direito.

5. Do referido imóvel, foi desmembrada uma área de aproximadamente 1.520,000² (um

milhão e quinhentos e vinte mil metros quadrados) para a implantação do Bairro das

Laranjeiras.

6. Por causa da ilegitimidade das averbações referentes as matrículas de nº 22.446, L:3

– AV 07/03/1955 e matrícula nº 22.492, ocorreu AÇÃO DE NULIDADE DE

REGISTRO C/C ANULAÇÃO DE AVERBAÇÃO sob o processo nº0248.902.44353

transitada em julgada em face da Empresa Jacaraípe de Imóveis e outros.

7. Desde então, o espólio de Egídio Rabelo sempre vem sofrendo com as inúmeras

tentativas de invasões e esbulhos de grileiros de terras.

8. Outrossim, a Autora, também é uma das partes que deseja manter a posse do referido

imóvel para seu cultivo de eucalipto, no entanto, não arca com nenhum tipo de

arrendamento ou indenização ao legítimo proprietário, o espólio de Egídio Rabelo,

representado por Joel da Silva Rabelo, a saber, que no próprio INSTITUTO DE

DEFESA AGROPECUÁRIA E FLORESTAL DO ESPÍRITO SANTO (IDAF) foi

encontrada a área demarcada e assinada pelos confrontantes do espólio de Egídio

Rabelo o reconhecendo como proprietário, (doc. em anexo).


9. Para corroborar com os fatos, é importante observar a cópia do processo de inventário

do Sítio Itacoaba encontrada no arquivo público datada de 1932, (doc. em anexo),

não confunde com o documento da Autora, referente ao Sítio Capivari, documento

acostado nos autos, fls. nº 153.

10. A Autora usa o imóvel do Réu para cultivar seus eucaliptos, supostamente

acreditando que um dia pudesse obter a posse, haja vista pelo o tempo que

permaneceu sobre o imóvel, no entanto, imóvel sob litígio não cabe usucapião, assim

entende as cortes superiores, senão, vejamos:

11. DECISÃO

RECURSO EXTRAORDINÁRIO - MATÉRIA FÁTICA – INTERPRETAÇÃO


DE NORMAS LEGAIS - INVIABILIDADE - DESPROVIMENTO DO AGRAVO.
O Tribunal de Justiça do Estado de Alagoas negou acolhida a pedido
formulado em apelação, ante fundamentos assim sintetizados (folha 103):
APELAÇÃO CÍVEL - USUCAPIÃO ESPECIAL URBANO - O imóvel objeto de
litígio judicial não pode ser considerado res delericta, portanto, não é passível
de ser usucapido - Falta dos requisitos de posse mansa e pacífica do imóvel,
que se encontra sem condições de habitação, pelo interregno de cinco anos,
e ausência de oposição de proprietário do bem. Inteligência da Lei Nº
10.257/2001.
Recurso conhecido e improvido. Decisão unânime.
A recorribilidade extraordinária é distinta daquela revelada por simples revisão
do que decidido, na maioria das vezes procedida mediante o recurso por
excelência - a apelação. Atua-se em sede excepcional à luz da moldura fática
delineada soberanamente pela Corte de origem, considerando-se as
premissas constantes do acórdão impugnado. A jurisprudência sedimentada é
pacífica a respeito, devendo-se ter presente o Verbete nº 279 da Súmula deste
Tribunal:
Para simples reexame de prova não cabe recurso extraordinário.
As razões do extraordinário partem de pressupostos fáticos estranhos ao
acórdão atacado, buscando-se, em última análise, conduzir esta Corte ao
reexame dos elementos probatórios para, com fundamento em quadro diverso,
assentar a viabilidade do recurso.
A par desse aspecto, descabe confundir a ausência de entrega aperfeiçoada
da prestação jurisdicional com decisão contrária aos interesses defendidos. A
violência ao devido processo legal não pode ser tomada como uma alavanca
para alçar a este Tribunal conflito de interesses cuja solução se exaure na
origem. A tentativa acaba por se fazer voltada à transformação do Supremo
em mero revisor dos atos dos demais tribunais do País. Na espécie, o
Colegiado de origem procedeu a julgamento fundamentado de forma
consentânea com a ordem jurídica.
Acresce que o acórdão impugnado mediante o extraordinário revela
interpretação de normas estritamente legais, não ensejando campo ao acesso
ao Supremo. À mercê de articulação sobre a violência à Carta da República,
pretende-se guindar a esta Corte matéria que não se enquadra no inciso III do
artigo 102 da Constituição Federal. Este agravo somente serve à sobrecarga
da máquina judiciária, ocupando espaço que deveria estar sendo utilizado no
exame de processo da competência da Corte.
Conheço do agravo e o desprovejo.
Publiquem.
Brasília, 18 de setembro de 2009.
Ministro MARCO AURÉLIO
Relator
12. Embora o Réu formalmente dono do imóvel, hoje se encontra com idade avançada e,

não tem forças para prolongar outra ação possessória, tendo este vencido, obtido

êxito anteriormente na ação de nulidade sob o processo nº0248.902.44353 transitada

em julgada em face da Empresa Jacaraípe de Imóveis e outros, com o mérito para o

cancelamento das matrículas nº 22.446, L:3 – AV 07/03/1955 e matrícula nº 22. 492.

13. É importante frisar que antes da sentença da ação de nulidade e cancelamento das

matrículas, o MM Juiz abriu prazo para aquele terceiro interessado pudesse se

manifestar dentro do processo nº0248.902.44353 antes da sentença exarada,

transitada e julgada, segue cópia anexada do despacho do Juiz (doc. em anexo).

14. Ocorre que, a Autora não se manifestou como terceira interessada, no entanto usa a

matrícula nº 22.446, L:3 – AV 07/03/1955 cancelada por sentença nos autos do

processo nº0248.902.44353, para legitimar suposta propriedade.

15. Não há, assim, que se falar em posse da Autora sobre o referido imóvel. Muito menos

em perda de posse pela Autora e em ato de esbulho praticado pela Contestante. Em

consequência, é inconcebível a reintegração pretendida.


IV - O DIREITO

1. Dispõe o CPC:

Art. 75. Serão representados em juízo, ativa e passivamente:

[...]

VII - o espólio, pelo inventariante;

[...]

2. Por oportuno, a parte passiva vem representada pelo Joel da Silva Rabelo,

inventariante do espólio de Egídio Rabelo, conforme demonstra a procuração

conferida a sua pessoa, cumpre fielmente este cargo.

3. O Réu já foi parte ativa no processo nº0248.902.44353 da ação de nulidade

representando o espólio de Egídio Rabelo, agora, na condição de Réu neste

processo, vem a este judiciário se manifestar em contestação para defender seu

patrimônio com base e fundamentos a seguir:

4. A parte Autora aduz na sua inicial, fls. 85 que adquiriu área de José Mansur, referente

matrícula nº 22.446, L:3 – AV 07/03/1955, no entanto, não mencionou que essa foi

uma das matrículas canceladas por sentença transitada e julgada no processo

nº0248.902.44353

5. Dispõe o artigo 77 do CPC acerca dos deveres das partes, leia-se:

Art. 77. Além de outros previstos neste Código, são deveres das partes, de

seus procuradores e de todos aqueles que de qualquer forma participem do

processo:

I - expor os fatos em juízo conforme a verdade;

II - não formular pretensão ou de apresentar defesa quando cientes de que

são destituídas de fundamento;

III - não produzir provas e não praticar atos inúteis ou desnecessários à

declaração ou à defesa do direito;


IV - cumprir com exatidão as decisões jurisdicionais, de natureza provisória ou

final, e não criar embaraços à sua efetivação;

[...]

VI - não praticar inovação ilegal no estado de fato de bem ou direito

litigioso.

§ 1º Nas hipóteses dos incisos IV e VI, o juiz advertirá qualquer das pessoas

mencionadas no caput de que sua conduta poderá ser punida como ato

atentatório à dignidade da justiça.

§ 2º A violação ao disposto nos incisos IV e VI constitui ato atentatório à

dignidade da justiça, devendo o juiz, sem prejuízo das sanções criminais, civis

e processuais cabíveis, aplicar ao responsável multa de até vinte por cento do

valor da causa, de acordo com a gravidade da conduta. (Grifo Nosso)

6. Outrossim, na inicial, a Autora não demonstra o mapa atual do referido imóvel,

apresenta apenas um levantamento de campo em fls. 191 a 200 o qual não teve

assinatura dos confrontante e, por tanto, é importante que seja realizada

minuciosamente análise da veracidade destes documentos arcaicos.

7. Quanto a esses pontos essenciais a qualquer postulação de reintegração, tal é a

vagueza de documentos comprobatórios juntados na inicial e, o pedido relativo a

esdrúxula pretensão liminar, não pode ser reconhecida diante da clarividência da

ausência documentos comprobatórios. No caso em exame, a própria narração dos

fatos na inicial não autoriza convencimento do juiz, nesse sentido, infere-se, ao revés,

dúvida sobre a originalidade dos documentos apresentados pela autora, sobre o

imóvel em litígio.

8. Ademais, os registros anteriores de números: 6.491, L2-AE, 17.715, L.2-CG; 17.423

L.2, - CF; 24.223 L.2; 16.833 L. 2-CC; 16.835 L.2 – CC, 16.836 L.2 – CC; 28.845 L.2;

16.217, L. 2 -BZ; 15.007 L. 2 – BR; 7.365 L. 2 – AI; 7.586 L. 2 – AJ; 29.014 L.2, estes

foram unificados constantes na matrícula 29.364 e, nenhum deles aparece a matrícula


22.446 e 22.492, desta forma, presume que nesta matrícula 29.364 refere-se a

qualquer outra área, exceto a área do Réu.

9. Insta observar que o contrato de compra e venda constante em fls. 124 dos autos

entre a autora, ora compradora e o vendedor TRISTÃO COMÉRCIO E

PARTICIPAÇOES S.A faz as referidas confrontações, no entanto, quando faz a fusão

das áreas dos imóveis adquiridos, as confrontações são outras, contradizendo com

as confrontações da matrícula 29.364, fls.1, Livro nº 3.

10. As confrontações que estão descritas no BLOCO 1 conforme a matrícula 29.364

não confere com as confrontações descritas na matrícula, 10.225, 17.217, 79 e

por último a matrícula 1398, do mesmo modo, não existe o mapa desta área

registrado no cartório de registro de imóveis, pois a Autora não apresentou este

mapa aqui. A Autora supostamente, está querendo induzir este juízo a erro,

juntando um suposto documento referente a uma outra área, objeto diverso

desta demanda para confundir o Juiz. É importante ressaltar que, a matrícula nº

22.446 e 22.492 foram canceladas por sentença, estas, foram oriundas das

cadeias sucessórias supracitadas.

11. Outro ponto a ser rebatido é referente as guias de declarações do ITR juntadas nos

autos,fls.131 a 152, refere-se ao imóvel sob nº 5683763 -1 da área BLOCO 5, com

área de 4.974,6 há, por outro lado, não há nenhum número de imóvel referente ao

BLOCO 1, como narrado na inicial, ademais, o pedido de FUSÃO DAS MATRÍCULAS,

seria denominado BLOCO 1, com área de 3.559,7246 ha, no entanto, nota-se que, a

Autora não juntou o mapa da referida FUSÃO, o que se pode presumir é que o cartório

não fez a FUSÃO DAS MATRÍCULAS ou se o fez, fez sem a apresentação do mapa,

este, essencial para verificação das confrontações, sendo assim, o MM. Juiz, poderá
requerer a Autora que, junte ao autos o referido mapa para que seja realizada as

comparações entre os seus documentos e os documentos do Réu.

12. Insta observar que a Autora junta vários recibos referentes ao CAR, INCRA e ITR,

alegando sua posse, seu domínio sobre o imóvel, ora, para aquisição de propriedade

não basta ser declarada é o REGISTRO DA PROPRIEDADE DO IMÓVEL feito no

cartório competente.

13. Importante observar em fls. 119 dos autos, o CCIR (CERTIFICADO DE CADASTRO

DE IMÓVEL RURAL), não contém área registrada, conforme campo: ÁREA DO

IMÓVEL, outro fator é a localização do imóvel, Capivari Joaripe e outros.

14. O BLOCO 5 tem o número do imóvel sob 5683763-1 e, esta área refere-se ao

Capivari, terras devolutas vendida pelo Estado para a Agro Suco Industrial, o BLOCO

5, possui 5.77,510 mtr². Capivari, não se confunde com Sítio Itacoaba, terras do

espólio de Egídio Rabelo, o qual teve parte do seu imóvel desmembrado para

realização do parcelamento do solo, originando assim, o Bairro das Laranjeiras,

conforme aponta a matrícula 1.398, Livro nº 2 H, fls.2, Averbação nº 5.

15. De acordo com a planta topográfica do Sítio Itacoaba, (este será apresentado

pessoalmente em audiência de conciliação), as confrontações estão devidamente

assinadas pelos confrontantes e, de acordo com as confrontações descritas nas

matrículas da cadeia sucessória do registro do imóvel, confere fielmente com a

respectiva planta.

V - A DEFESA

a) PRELIMINAR: AUSÊNCIA DE DOCUMENTAÇÃO

1. Dos termos da inicial ressai a fragilidade dos documentos apresentados pela parte

Autora, o relato dos fatos é carente de demonstração da propriedade/posse pretendida


em razão da AUSÊNCIA DA ESCRITURA de COMPRA E VENDA ENTRE AS PARTES

JOSÉ MANSUR e a REQUERENTE.

2. Outrossim, não juntou o MAPA DA FUSÃO DAS MATRÍCULAS, referente a matrícula

29.364 requerida a Oficiala do Registro de Imóveis da Comarca da Serra/ES, Drª

Elizabete Bergami Rocha, o que não prova sua propriedade na área em questão, mas ao

menos pode apontar a situação e a localização dessas áreas.

3. Ademais, a Fusão das matrículas que a Autora solicitou ao cartório, fls. 121 não

consta no rol das matrículas apresentadas, a matrícula 22.446, L:3-AV 07/03/1955,

no Cartório da 1ª zona de Vitória/ES, cancelada conforme a sentença da ação de

nulidade e, não traz nenhum outro documento que demonstre sua posse naquela

área, cito, Sítio Itacoaba, bem como, não apresenta mapa e planta georreferenciada

da FUSÃO DAS MATRÍCULAS.

4. A saber, a autora vendeu para a Petrobrás uma parte do referido imóvel e, nesta venda,

a outorgante vendedora, ora autora, diz que a outorgada compradora se emitiria da

POSSE PRECÁRIA, por quê posse precária? Por que um comprador de imóvel se

emitira na POSSE PRECÁRIA, tendo em vista que houve pagamento de R$ 95.000,00

(noventa e cinco reais), conforme cláusula primeira do contrato de compra e venda e,

não consta registro dessa área vendida para a PETROBRÁS, (doc. em anexo).

5. Vale ressaltar que, a autora apresenta em um “desenho” referindo-se a uma suposta

cadeia sucessória na ordem cronológica de fls. 82 a fls. 106 e, nas fls 85 do referido

processo, pode se observar afirmação de ter recebido de José Mansur uma parte do Sítio

Itacoaba, mas não diz qual foi essa parte, se quer diz do que se trata este “desenho”,

não juntou contrato de compra e venda, ou uma escritura válida.

6. Insta observar que os documentos acostados nos autos referentes as áreas pleiteadas

pela Autora, são inconsistentes e controversos, sendo que o documento referente a


propriedade do Réu não confunde com o da Autora, pois a propriedade da Autora foi

adquirida pelo Estado no lugar denominado Sítio Capivari, conforme demonstra a

certidão de ônus anexada nos autos, fls. nº153, outro documento referente ao imóvel da

autora, que afirma ser seu imóvel, também situado em CAPIVARI, encontra-se nas fls.

127, adquirida por meio de contrato de compra e venda vendida pela TRITÃO

COMERCIAL E PARTICIPAÇÕES LTDA.

7. Por outro lado, a propriedade do Réu, 83,91% do imóvel, adquirida do Espólio de Taurina

Nunes Ferreira, lugar denominado Sítio Itacoaba e, parte do Sítio Itacoaba foi

desmembrado para a implantação do Bairro das Laranjeiras, conforme averbação nº3,

matrícula 1.398, Livro 2, H, restando a demais área do Sítio Itacoaba fazendo as devidas

confrontações com o espólio de Egídio José Rabelo.

8. Assim, da narração dos fatos da inicial da Autora, não decorre logicamente a conclusão:

reintegração em razão de esbulho praticado, esbulho praticado pelo proprietário da área?

9. Por isso, não faz sentido o prosseguimento do feito. É visível que a fase de instrução,

seguinte à de postulação, carece de provas inequívocas dos fatos da posse e da

propriedade da Autora. E a documentação probatória do Réu, como se sabe, respeita

aos fatos controvertidos da causa. Não pode haver instrução probatória sobre fatos não

explicitados. E sem fatos alegados e provados, não há como aplicar o direito

correspondente, sendo impraticável o julgamento.

10. É, pois, imperativa a extinção do processo sem julgamento do mérito por inépcia da

inicial ante ausência de documentos probatórios, consoante no art. 319, leia:

A petição inicial indicará:

I - o juízo a que é dirigida;


II - os nomes, os prenomes, o estado civil, a existência de união estável, a
profissão, o número de inscrição no Cadastro de Pessoas Físicas ou no
Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica, o endereço eletrônico, o domicílio e a
residência do autor e do réu;
III - o fato e os fundamentos jurídicos do pedido;
IV - o pedido com as suas especificações;
V - o valor da causa;
VI - as provas com que o autor pretende demonstrar a verdade dos fatos
alegados;
VII - a opção do autor pela realização ou não de audiência de conciliação ou
de mediação.
§ 1º Caso não disponha das informações previstas no inciso II, poderá o autor,
na petição inicial, requerer ao juiz diligências necessárias a sua obtenção.
Art. 320. A petição inicial será instruída com os documentos
indispensáveis à propositura da ação.
Ante o exposto, é notório a ausência do mapa e da planta
georreferenciada da área pretendida, por tanto, se não preenche os
requisitos, logo, dificulta o julgamento do mérito.
Art. 321. O juiz, ao verificar que a petição inicial não preenche os requisitos
dos arts. 319 e 320 ou que apresenta defeitos e irregularidades capazes de
dificultar o julgamento de mérito, determinará que o autor, no prazo de 15
(quinze) dias, a emende ou a complete, indicando com precisão o que deve
ser corrigido ou completado.
Parágrafo único. Se o autor não cumprir a diligência, o juiz indeferirá a
petição inicial.
(Grifo nosso).
Outrossim, é a extinção da ação sem resolução do mérito, haja vista que o objeto

desta demanda, outrora foi objeto de litigio da AÇÃO DE NULIDADE DE REGISTRO

C/C ANULAÇÃO DE AVERBAÇÃO sob o processo nº0248.902.44353 em face da

Empresa Jacaraípe de Imóveis e outros transitada em jugado e, conforme preceitua

o art. 485, inciso incisos X, § 3º do CPC, pode o Juiz em qualquer tempo e grau de jurisdição,

enquanto não ocorrer o trânsito em julgado conhecer de ofício, vejamos:

art. 485. O juiz não resolverá o mérito quando:

I - indeferir a petição inicial;

II - o processo ficar parado durante mais de 1 (um) ano por negligência das
partes;
III - por não promover os atos e as diligências que lhe incumbir, o autor
abandonar a causa por mais de 30 (trinta) dias;

IV - verificar a ausência de pressupostos de constituição e de desenvolvimento


válido e regular do processo;

V - reconhecer a existência de perempção, de litispendência ou de coisa


julgada;

VI - verificar ausência de legitimidade ou de interesse processual;

VII - acolher a alegação de existência de convenção de arbitragem ou quando o


juízo arbitral reconhecer sua competência;

VIII - homologar a desistência da ação;

IX - em caso de morte da parte, a ação for considerada intransmissível por


disposição legal; e

X - nos demais casos prescritos neste Código.

§ 1º Nas hipóteses descritas nos incisos II e III, a parte será intimada


pessoalmente para suprir a falta no prazo de 5 (cinco) dias.

§ 2º No caso do § 1º, quanto ao inciso II, as partes pagarão proporcionalmente


as custas, e, quanto ao inciso III, o autor será condenado ao pagamento das despesas
e dos honorários de advogado.

§ 3º O juiz conhecerá de ofício da matéria constante dos incisos IV, V, VI e


IX, em qualquer tempo e grau de jurisdição, enquanto não ocorrer o trânsito em
julgado. (Grifo Nosso)

VI - MÉRITO

1. Ante todo o exposto, em face ao art.343 caput do CPC, é lícito ao Réu formular pedido de

Reconvenção, sendo assim, requer a Reconvenção para Reintegração de posse, diante da

vasta documentação acostada nos autos, é notório que se tem alguém para ser reintegrado

da sua posse, este é o Réu, tendo em vista ter sofrido por esses longos anos a comodidade

da Autora que, nunca procurou o proprietário do imóvel para ajustar uma possível locação

ou compra da referida área.


2. Ainda que se admitisse, em favor da dialética, a possibilidade de superação da preliminar

suscitada e de consequente prosseguimento do feito, mesmo assim não poderia a causa

prosperar quanto ao mérito.

3. De fato, a ninguém é dado ser reintegrado numa posse demonstrada em documentos

vagos. A dicção da petição inicial não permite visualização de posse/propriedade da área do

Sítio Itacoaba, como bem enfocou a Autora, sobre a pretensão liminar, pois tais documentos

que a Autora juntou nos autos refere-se ao Sítio Capivari. Ademais, seu pleito deveria ter

sido outro, que passa bem longe da ação de reintegração de posse

4. É de ver-se, outrossim, que o Réu sempre foi o legítimo dono da área em questão e todos

os documentos em que pese o referido imóvel, estão anexados nos autos na supra

contestação, (doc. em anexo).

VII - CONCLUSÃO

À vista do exposto, espera o ACOLHIMENTO DA PRELIMINAR SUSCITADA, para extinção

do processo sem julgamento do mérito por CARÊNCIA DA AÇÃO, LITIGÂNCIA DE MÁ-FÉ

E INÉPCIA DA INICIAL, ou, superada que seja ela - o que se afigura improvável -, requer

audiência de conciliação nos moldes do art.334, caput do CPC;

De outra forma, é direito do Réu fazer o contraposto, conforme preceitua o art.343 do CPC

pois é este que sofre com o esbulho por parte da Autora há vários anos, diante disto, requer

o direito da Reconvenção para Reintegração da sua posse, esbulhada pela Autora;

Ao final, na longínqua e improvável circunstância de não ser acolhida a preliminar antes

suscitada, seja, no mérito, julgada totalmente improcedente a demanda reintegratória,

assegurando-se ao demandado, a continuidade na posse da área em litígio, face estar

usando do direito adquirido com a propriedade do imóvel, entabulados no art. 1228, do


Código Civil, poderes inerentes à propriedade, leia-se: “o proprietário é aquele que

pode usar, gozar, dispor ou pode reaver a coisa.

Pede a concessão dos benefícios da justiça gratuita em razão de idoso, viver com os parcos

proventos de pensão (doc. anexo), situação econômica que não lhe permite satisfazer as

despesas do processo sem prejuízo do sustento próprio.

Protesta por todos os meios de prova admitidos em direito, mormente depoimento pessoal

da Autora, ouvida de testemunhas, exames periciais, juntada de documentos e outras provas

que o caso exija, tudo de logo requerido.

Termos em que pede e

Espera deferimento.

Serra, 01 de outubro de 2019.

ELIAS GUIMARÃES MOTTA

OAB/ES nº 27.570