Você está na página 1de 9

Este é o diagnóstico que tenho vindo a fazer da realidade que encontrei na EB 2,3 condicionada pelo facto de estar a chegar à escola e não conhecer ainda bem a realidade e os meus interlocutores.

Esta análise refere-se apenas à escola sede, pois considero que a situação no 1º ciclo é mais favorável embora haja desigualdades em termos de condições em cada uma das 4 bibliotecas do 1º ciclo do agrupamento.

Tabela Parte 1

 

Indicadores

 

Pontos fortes

   

Pontos fracos

 

A biblioteca colabora com o C.P. e surge no PEE, no RI e no PAA

 

Não há evidências de colaboração formal e de integração da BE nas planificações com os restantes departamentos do 2º e 3º ciclo apenas funciona como receptora de exposições dos trabalhos dos alunos

A BE colabora embora ainda de forma esporádica com o Dept de Línguas

Tem sido feito algum esforço de divulgação dos recursos da BE, embora mais voltado para o Dept. de Línguas

Não está interiorizada pela maioria dos docentes o uso dos recursos da

No âmbito da área de projecto, alguns docentes solicitam recursos à BE, mas não existe ainda trabalho de pesquisa conjunto

BE

no âmbito das suas actividades lectivas

A

- Articulação curricular da

Este ano existem 6 computadores com internet, que têm sido amplamente usados pelos alunos em trabalhos de pesquisa

O

PTE não estava ainda consolidado na escola no ano anterior, não

biblioteca escolar com as estruturas de coordenação e supervisão pedagógica e com os docentes.

havia computadores na BE com internet

A

BE está a dar os primeiros passos no apoio ao desenvolvimento do PNL

O

Plano OTE é feito fora do âmbito da BE, raramente os prof. procuram

divulgação das listas em reunião e online

 

os

recursos da BE nesses tempos

 

A

equipa da BE, embora pequena e com insuficiência de horas, apoia os

A

BE não produziu guiões de pesquisa nem qualquer outro material

alunos na realização de trabalhos

 

didáctico e de apoio às diversas actividades

Deu-se

início

a

um site onde privilegiar

se pretende, para além de

divulgar as

Existia um site onde se divulgavam as actividades, mas não recursos ou materiais http://bibliotrofa.blogspot.com/

iniciativas,

a

divulgação

dos

recursos.

   
 

O

plano de trabalho inclui actividades de formação de utilizadores que já

 

A

informação, tecnológica e digital

- Promoção das literacias da

teve o seu início com as turmas do 5º ano e será estendido aos restantes

anos

Não existe um plano para a literacia da informação

 

A

BE produz materiais informativos de apoio à formação de utilizadores

Não existe um modelo de pesquisa de informação a ser usado por toda

um pps de apresentação e um bibliopaper para permitir conhecer melhor a

a

escola

organização dos livros nas estantes e a CDU.

 

Neste ano, no âmbito da formação de utilizadores, foram já feitas sessões de literacia digital (ex. criação e contas de e-mail para alunos que ainda não têm)

Não existe uma dinamização sustentada de actividades de educação para os media

BE não produziu ainda materiais informativos e de apoio à adequada utilização da Internet (de resto não havia internet na BE no ano

A

Os alunos recorrem à biblioteca para realização de trabalhos diversificados, utilizam as diversas áreas funcionais, conhecem e actuam de acordo com as normas de funcionamento da BE

 

anterior)

Os alunos revelam grandes dificuldades no processo de elaboração de trabalhos de pesquisa e desconhecem as diferentes fases do processo de pesquisa e tratamento da informação

 

A

BE dispõe de uma colecção razoável e adequada, e foi-lhe atribuída uma

Não foram dinamizadas sessões ou clubes de leitura ou forúns

verba este ano. Para executar esta verba foram pedidas sugestões de obras

aos vários departamentos.

Não existem actividades planeadas que envolvam a família

Existe um grande incentivo ao empréstimo domiciliário, o qual regista taxas muitas elevadas de adesão

B - Leitura e literacia

Foi apresentado em departamento o documento orientador da acção do PNL, que registou o interesse dos docentes. Tem sido registado um crescente aumento da circulação dos livros/conjuntos PNL para leitura em sala de aula

A

BE promoveu encontros com escritores, os quais foram percepcionados

como muito positivos por alunos e professores

A

BE tem promovido a difusão do seu blog e de outros, bem como o uso do

e-mail pelos alunos

A

BE conhece as novidades literárias e procedeu à elaboração da lista de

aquisição, tendo em conta os critérios de qualidade e adequação aos gostos

e

interesses dos alunos

 

A leitura e a literacia constam como meta do PE

 

A BE promove a participação de alunos no concurso Nacional de Leitura

A BE organiza uma Feira do livro incluída na Semana da Leitura

Sempre que é solicitada a BE fornece livros e outros recursos para a sala de

aula

A

BE tem uma prática regular de difusão dos recursos através de pequenas

exposições do “Escritor do Mês” e “Livros do Mês”, top dos livros, etc.

Os alunos utilizam o livro e a BE para ler de forma recreativa, para se informarem ou para realizarem trabalhos escolares

 

A

equipa da BE apoia as actividades livres, as pesquisas e o estudo

Não existe um programa de animação cultural regular e consistente

realizados pelos alunos, embora de forma claramente insuficiente, devido

ao

horário de abertura e pelo nrº de horas dos prof. da equipa

Não existem clubes na escola

C - Apoio a actividades livres, extra-curriculares e de enriquecimento curricular.

Os alunos dispõem de condições favoráveis à utilização individual e em pequenos grupos da BE

Não está criada uma equipa de alunos-monitores de BE.

Os alunos dispõem de uma boa colecção na área da literatura infantil/juvenil e uma colecção mais limitada de CDA e filmes. Não existem jogos educativos. Foram agora requisitados no âmbito da verba a executar até Dezembro 2010

 

A

BE colabora e recebe a colaboração da Casa da Cultura da Trofa, no

Não existe uma prática de parcerias ou projectos com outras entidades

âmbito do SABE do concelho da Trofa. Essa colaboração é sentida por todos

como uma mais-valia para as práticas da BE:

Não existe um catálogo do Agrupamento, nem do concelho, embora se estejam a dar passos nesse sentido.

C - Projectos e parecerias

- Catalogação do fundo documental das BE do 1º ciclo pelos técnicos da CCT

- Apoio dos técnicos da CCT no início do processo de catalogação na EB 2,3

 

- Participação na Semana da Leitura por parte da CCT

Não existem, de momento, projectos que visem estimular a participação dos pais no domínio da promoção da leitura no 2º e 3º ciclos.

Participação dos alunos do agrupamento nas actividades promovidas pela CCT, incentivada e mediada pelos PB

-

 

- Organização do catálogo colectivo (em fase inicial)

 
 

O

PB tem assento no CP.

 

O

regulamento interno faz apenas 3 referências à BE: uma onde caracteriza

Não existe uma prática de os docentes integrarem a BE nas suas práticas, ou quando isso acontece é vago e esporádico. De uma forma geral, os recursos existentes não são rentabilizados de forma eficaz pelos docentes.

a

BE (Artº 7) como actividade de complemento curricular, declarando-a

como um projecto a par com o Desporto Escolar, o PAM, o PNL ou o Gabinete para a saúde e outra para determinar que quando não há professores de substituição os alunos devem ser encaminhados para a BE.

A

BE surge também no capítulo das medidas correctivas.

Não tem sido atribuída qualquer verba pela escola para actualização da colecção ou renovação de equipamentos. A renovação tem sido feita com a verba da candidatura de integração na RBE (a biblioteca tem 2 anos na RBE) e com verbas do PNL e da Autarquia.

(Na prática estas duas situações previstas no RI não acontecem)

O

PAA da BE está integrado no PAA do Agrupamento e acompanha em

- Articulação da biblioteca com

D

escola. Acesso e serviços prestados pela biblioteca

a

termos de acção estratégica o PE do agrupamento e as suas metas. O papel

da BE é referido expressamente como um recurso para atingir uma das

metas do PE.

O horário de funcionamento da BE é insuficiente para as necessidades.

A

atitude dos órgãos de administração e gestão do agrupamento em relação

Foi implementado o sistema de auto-avaliação da BE no ano anterior, mas foi um processo difícil e que causou conflitos (ainda por concluir).

BE é de uma forma geral positiva. Porém, nem sempre a afectação de recursos corresponde à expressa no plano das intenções.

à

De uma forma geral sente-se um clima favorável de apoio, pelo menos teórico, à BE e ao seu papel na promoção da leitura.

A

PB faz parte da equipa da avaliação interna da Escola, pelo que se espera

que o processo de auto-avaliação da BE seja parte integrante da avaliação interna da escola

 

Existe um clima favorável de comunicação entre o PB e os órgãos de direcção, administração e gestão, bem como com as demais estruturas de

 

D

- Condições humanas e

coordenação educativa.

materiais para a prestação dos

Existem muito boas relações interpessoais entre a equipa da BE.

serviços

Começa a existir algum trabalho articulado, mas para já apenas com o Departamento de Línguas

 

A

PB está em processo de formação especializada. A equipa não tem

 

formação, apesar de ter alguma experiência.

O

PB e a equipa têm uma atitude proactiva que induz comportamentos de

acesso e uso dos recursos e procuram uma mediação eficaz entre as

necessidades dos utilizadores e as fontes de informação.

A entrada da Biblioteca é feita pelo interior na cantina, pelo que a sua proximidade à cantina é um factor de perturbação, sobretudo nas horas de almoço.

O

mobiliário é adequado e o equipamento pode ser considerado suficiente

para as necessidades

 

O

número de computadores (6), não sendo elevado, é razoável para as

verdadeiras necessidades de trabalho. Os equipamento de leitura áudio e vídeo/DVD estão já um pouco usados, mas encontram-se em boas condições de funcionamento. Na BE existe internet sem fios.

 

Existe alguma circulação de documentação, mas é esporádica e dependente das deslocações dos 2 PB. Existem as maletas pedagógicas que circulam pelas escolas onde não há BE e permitem a leitura domiciliária desses alunos.

Não existe um documento que defina a política de desenvolvimento da colecção.

Não existia uma rotina de promoção dos recursos existentes na BE

De uma forma geral os livros e outros recursos respondem às necessidades dos programas e orientações curriculares.

Não existia um livro de registo da colecção (já agora a ser feito)

A

selecção dos documentos teve em conta as necessidades identificadas

Os livros estão organizados por estante da CDU, por cores, mas sem cotas. Não existe nenhum livro catalogado.

D - Gestão da colecção/ da informação

junto dos departamento curriculares e utilizadores.

A

BE realiza exposições temáticas para difusão dos recursos existentes.

BE começou a elaborar listas de livros (PNL) que difundiu por mail para os respectivos departamentos e que colocou no blog, para consulta.

A

A

BE tem um blog que tem vindo a ser divulgado pelas escolas do

agrupamento. Há um link para este blog a partir da página do moodle da escola.

Tabela Parte 2

 

Indicadores

Acções de comunicação e de trabalho com a escola que contribuam para uma melhorar apropriação da BE e reconhecimento do seu valor.

 

Apresentar aos docentes sugestões de trabalho conjunto em torno do tratamento de diferentes unidades curriculares

A

- Articulação curricular da biblioteca

Aperfeiçoar o blog, no sentido de aumentar o nº de recursos disponíveis online e que sejam relevantes para o currículo

escolar com as estruturas de coordenação e supervisão pedagógica e com os docentes.

Fazer listas dos recursos existentes por áreas curriculares e promovê-las junto dos alunos e docentes, no sentido de reforçar a possibilidade de articulação entre o trabalho de pesquisa na BE/ os seus recursos e a sala de aula

Reforçar a equipa da BE com elementos de outros departamentos (faltam elementos das Ciências exactas e das Ciências Sociais e Humanas

 

Aplicar na BE, com turma e em situação de trabalho de projecto, os guiões elaborados a trabalhos de pesquisa orientada e tratamento da informação, tendo por base os conteúdos programáticos das diversas áreas curriculares

A

informação, tecnológica e digital

- Promoção das literacias da

Elaborar um plano para a literacia da informação e propô-lo aos departamentos

Produzir e divulgar guiões de pesquisa e outros materiais que suportem a prática sistemática de formação para as literacias avaliação de páginas Web, etc.

 

Dar continuidade ao trabalho realizado de organização da semana da leitura

Dinamizar actividades de promoção da leitura, tirando partido da proposta da PB em CP de o tema global da escola no 2º período ser a LEITURA.

Organizar sessões de poesia na BE para o 3º ciclo, recorrendo a um declamador e a um cantor

B

- Leitura e literacia

Organizar a Feira do Livro e o sarau de encerramento (em articulação com o grupo de Ed. Musical)

 

Promover a participação dos alunos do agrupamento no evento cultual promovido pela CCT “Encontros Lusófonos”

Promover fóruns de leitura com os alunos, aproveitando as leituras que tem vindo a ser solicitadas aos alunos pelos professores de obras do PNL

Dinamizar o encontro já agendado com uma escritora

 

Dar continuidade ao projecto do Melhor Leitor do período e melhor leitor do ano

Reforçar o trabalho de articulação com o Departamento de línguas

Solicitar a participação dos Pais nas actividades da semana da leitura

Dar continuidade ao projecto de atelier de escrita criativa que agora está a ser iniciado

Divulgar as iniciativas através do blog

Apoio a actividades livres, extra- curriculares e de enriquecimento curricular.

C

Promover a celebração de datas culturalmente relevante

Organizar sessões de cinema na BE

Seleccionar uma pequena equipa de alunos/ monitores da BE

 

Aprofundar a parceria com a CCT

C Projectos e parecerias

Estabelecer parcerias com as Associações de Pais

D Articulação da biblioteca com a

Provar aos órgãos de gestão a importância e as vantagens da prática de um horário mais alargado de BE

escola. Acesso e serviços prestados pela

Elaborar e difundir listas de recursos existentes na BE e que sejam considerados pelos professores relevantes para as suas práticas lectivas

biblioteca

 

Tirar partido do clima favorável de relações entre a BE e os órgãos de direcção para obter algumas mais-valias concretas

D

- Condições humanas e materiais para

Aprofundar o trabalho de articulação com o Dept. de Línguas e implementar esse trabalho com os outros departamentos

a

prestação dos serviços

 

Concluir a formação especializada e prosseguir com a auto-formação

 

Elaborar um documento que defina a política de desenvolvimento da colecção e apresentá-lo ao CP para aprovação

D

- Gestão da colecção/ da informação

Promover os recursos existentes na BE (já referida)

 

Deu-se início ao processo de registo do fundo documental da BE

Deu-se início ao processo de catalogação, com o apoio técnico da Bibliotecária da Casa da Cultura da Trofa.

Perante a análise da situação, qual dos domínios lhe parece dever ser já objecto de avaliação? Indique, se necessário outros factores que foram considerados.

Em primeiro lugar não posso deixar de referir que ao elaborar este trabalho analisei com algum detalhe os factores críticos de sucesso e devo registar aqui a angústia que senti à medida que fui constatando a quantidade de tarefas que estão por fazer na minha biblioteca e que constituem à luz do modelo factores de sucesso.

Apesar de estar muito motivada para o desempenho desta tarefa (quem resiste a um bom desafio?), e de achar que de uma forma genérica existe um clima tendencialmente favorável à BE, não posso deixar de constatar que não terei condições de realizar muitas deles, com a qualidade e profundidade que é desejável e que merecem.

No processo de auto-avaliação do ano passado foi avaliado o Domínio A. Foi um processo difícil, que praticamente não acompanhei e que não conheço sequer o resultado.

Assim, como “a escolha do domínio a avaliar deve partir do professor bibliotecário/equipa, mas deve resultar de uma decisão fundamentada, por forma a poder ser validamente justificada junto dos órgãos executivos e de decisão pedagógica. Deve ser discutida e determinada pelas prioridades e restantes processos existentes na escola” (Texto da sessão, p. 4), propus ao órgão de direcção a avaliação do domínio B, por ser aquele que regista mais pontos fortes e onde é mais provável a obtenção de uma avaliação mais positiva.

O facto de haver mais trabalho já desenvolvido ou em desenvolvimento neste domínio facilita o processo de auto-avaliação e permite-nos ir ao mesmo tempo avançado em outras frentes. Assim, informei a direcção que estou a dar prioridade igualmente à área D, nomeadamente ao registo e catalogação da colecção, pois constitui um trabalho de base e de organização da colecção que é ele também essencial para a gestão eficaz dos recursos.

Tenho sentido, como já referi, o apoio da direcção que manifestou ter consciência da sobrecarga de trabalho que me espera como coordenadora e que tenho tido oportunidade de sentir na pele, na forma de longas e longas horas de trabalho nas Bibliotecas e que se prolonga, quase sempre, em casa.

Quero finalmente dizer que estou confiante que no final do ano possa já ver algum resultado do trabalho desenvolvido, e que embora a aplicação do Modelo vá constituir uma sobrecarga de trabalho, seja por uma boa causa: demonstrar que a BE pode fazer a diferença na melhoria dos resultados escolares dos alunos.