Você está na página 1de 21

Se TU queres

Senhor
eu QUERO
Evandro Nunes

Se TU queres
Senhor
eu QUERO
Porque fazer a vontade de
Deus é a sua melhor escolha
Direção geral: Fábio Gonçalves Vieira

Capa: Renata Santiago

Preparação, diagramação e revisão: AnnaBella Editorial / Thuâny Simões

Este livro segue as regras da Nova Ortografia da Língua Portuguesa.

Editora Canção Nova

Rua João Paulo II, s/n – Alto da Bela Vista

12 630-000 Cachoeira Paulista – SP

Tel.: [55] (12) 3186-2600

E-mail: editora@cancaonova.com

loja.cancaonova.com

Twitter: @editoracn

Todos os direitos reservados.

ISBN: 978-85-5339-089-2

© EDITORA CANÇÃO NOVA, Cachoeira Paulista, SP, Brasil, 2018


Sumário
Prefácio......................................................................................... 7
Introdução.................................................................................. 11
Deus disse, Deus fez e Deus viu que era bom................ 17
O poder da amizade com Deus ............................................ 23
Sua fidelidade a Deus é o seu maior investimento..... 29
Deus volta atrás quando você volta do caminho
errado............................................................................................ 35
Homens e mulheres de fé têm coragem para dizer não e
humildade para dizer sim....................................................... 43
Sem sacrifício, não peça banquete..................................... 49
Maria disse mais que sim. Ela disse FAÇA-SE................. 59
Aquele que TUDO sabe, sabe o que é melhor
para nós......................................................................................... 65
Nascer do Espírito é próprio de quem faz a vontade
de Deus.......................................................................................... 71
É hoje, é agora............................................................................ 79
Abraçar a vontade de Deus é deixá-Lo mudar o que
quiser ............................................................................................. 85
Santidade, o ápice da vontade de Deus sobre nós...... 91
Conclusão.................................................................................... 95
Prefácio

É com muita alegria que faço a apresentação deste livro,


Se TU queres, Senhor, eu QUERO, do meu amigo e irmão
Evandro Nunes. Quando recebi o convite para apresentar o livro,
fiquei muito feliz e surpreso, até porque é a primeira vez que
escrevo em um livro. Conheço o Evandro há um bom tempo
e tenho muito carinho e admiração por ele e sua família. Vejo
neste homem uma busca inflamada pelo Céu, pela conquista
de almas, por experienciar um avivamento em sua própria vida
e, assim, transmiti-lo a outros. Como é bonito ver que, além de
grande pregador, Deus o tem levantado como escritor. É uma
honra apresentar este livro a você, caro leitor, pois a obra que
você vai ler é digna de muito reconhecimento, pois são páginas
de muita unção, e tenho certeza que vai impactar a sua vida.
Tive a graça de ler este livro em meu retiro anual, momento
em que paro no ano para ouvir Deus e descansar Nele. Ler este
livro impactou meu coração e me acendeu o desejo mais ardente
de fazer a vontade de Deus, a quem tanto amo e busco. Tenho
certeza de que com você acontecerá o mesmo.
O Evandro, através destas páginas, vai levar você a meditar
com profundidade a Palavra de Deus e colocá-Lo diante de
vários personagens bíblicos que fizeram a vontade de Deus em
suas vidas, e deste modo fazer arder em seu coração o desejo de
também fazer a vontade de Deus.
Se TU queres Senhor eu QUERO

Caro leitor, falar sobre a vontade de Deus é algo muito


sério e, ao mesmo tempo, muito realizador, pois nada pode nos
fazer mais felizes do que a vontade de Deus.
A vontade de Deus nunca será uma imposição para nós, mas,
sim, uma proposta, pois Deus nunca vai nos obrigar a segui-Lo
ou fazer o que Ele quer. Jesus mesmo disse: “Se alguém quer vir
após mim, renegue-se a si mesmo, tome sua cruz de cada dia
e siga-me” (Lucas 9,23). Veja, é uma proposta que poderemos
meditar em todo o contexto deste livro e que vai provocar o seu
coração, como aconteceu com o meu. Agora digo, sem medo
de errar, que ninguém pode ser feliz fora da vontade de Deus.
E aí você pode me dizer: “mas conheço pessoas que não vão à
igreja, não seguem a Deus, não seguem a Sua palavra e são feli-
zes”, digo que não, isso não é possível, e quando digo felicidade,
não é uma felicidade só desta terra, pois de que adianta ganhar
o mundo inteiro e vir a perder a vida eterna?
A Bíblia diz que só aquele que faz a vontade de Deus pode
entrar no Céu. “Nem todo aquele que me diz: Senhor, Senhor,
entrará no Reino dos Céus, mas sim aquele que faz a vontade
de meu Pai, que está nos céus” (Mateus 7,21). Veja que só entra
no Céu quem faz a vontade de Deus, portanto, ninguém pode
ser feliz fora da vontade do Pai. Tenho certeza de que ninguém
quer ser feliz só nessa vida, todos temos desejo do Céu, desejo
da felicidade eterna, e só pela vontade de Deus chegaremos lá.
Meu irmão e minha irmã, temos que ter reverência à vontade
de Deus, temos que ter adoração à vontade de Deus, temos que
dar a vida pela vontade de Deus, porque ela é o único caminho
que nos une a Ele. Mas qual é a vontade de Deus para minha
vida? Quantas pessoas se perguntam isso? O Evandro vai lhe
responder isso com maestria, mas, claro, segundo a palavra de
Deus a resposta é bem objetiva: a vontade de Deus é que você
seja santo. É nisso que Deus está interessado, na sua santidade,
é isso que nos une a Ele.

8
Ev andro Nunes

Parece ser simples o que estamos dizendo, fazer a vontade


de Deus, mas não é, porque para fazer a vontade de Deus pre-
cisamos renunciar à nossa, e aqui está o “x” da questão. Só será
capaz de renunciar à sua vontade quem amar muito a Deus.
O título deste livro é Se TU queres, Senhor, eu QUERO,
ou seja, a vontade de Deus é a minha, e a minha é a Dele, por-
tanto, o título deste livro resume o que é ser santo. Ser santo é,
nada mais, nada menos, do que a união das vontades – o que
eu quero Deus quer e o que Deus quer eu quero –, este é o
grau mais alto de santidade, grau em que os santos chegaram,
uniram a sua vontade à de Deus, como Jesus fez no Getsêmani,
quando disse: “não se faça o que eu quero, mas sim o que tu
queres” (Mateus 26,39).
Segundo os grandes santos do Carmelo, como São João
da Cruz e Santa Teresa, essa união de vontades é indispensável
como caminho de santidade, como caminho de união com
Deus. Por isso, caro leitor, ao ler este livro deixe o seu coração
se abrasar e desejar a vontade de Deus, pois este é o primeiro
passo, “desejar”.
Desde muito cedo na minha vida desejei fazer a vontade
de Deus e ainda não parei de perseguir este objetivo. Foi sem
dúvida a melhor escolha da minha vida, a de buscar a santidade.
Saí de casa com 18 anos de idade para ser padre, mas graças a
Deus saí com a convicção não só de ser padre, mas de ser um
padre santo.
Não adianta só ser padre, só ser pregador, só ser cantor, só
ser missionário, o que vale é ser santo. No meu caso é melhor
ser só santo do que ser um padre que não é santo, entende? O
que mais importa a Deus não é o que nós fazemos, mas, sim, o
que nós somos. E Deus quer que sejamos santos.
Como é triste ver uma pessoa que não quer fazer a vontade
de Deus na sua vida e prefere ficar no pecado, ficar nos seus
apegos. A consequência disso é igual ao que aconteceu com o

9
Se TU queres Senhor eu QUERO

jovem rico que não foi capaz de abandonar sua riqueza para
seguir Jesus, então ficou triste. Não fazer a vontade de Deus
é viver uma vida de tristeza aqui na terra e principalmente na
eternidade.
Por outro lado, alegra muito meu coração ver pessoas que
estão dispostas a tudo para fazer a vontade de Deus. São ca-
pazes de renunciar coisas e pessoas, se preciso for, para fazer a
vontade Dele.
No meu ministério vi pessoas que preferiram e escolheram
ficar com o seu pecado, como, por exemplo, morar junto, fazer
sexo fora do casamento, não perdoar etc. Consequentemente
essas pessoas são infelizes, porque não amam a vontade de Deus
a tal ponto de renunciarem a sua própria vontade. Por outro
lado, vi pessoas que largaram namorados porque estes não que-
riam viver a castidade, vi mulheres abandonando homens que
não queriam casar, vi homens abandonando suas amantes para
voltar para o seu casamento.
Meu irmão e minha irmã, a decisão é sua. O que você
quer? Fazer a sua vontade ou a vontade de Deus? Que este livro
o inspire, dê-lhe sabedoria, dê-lhe coragem de fazer a vontade
de Deus acima da sua vontade e da dos homens.
Oro agora por todos os que vão ler este livro, para que
possam, com o auxílio da Virgem Maria, dizer do mesmo modo
que ela disse: “Faça-se em mim segundo a Tua palavra”, para que
por ela possam também fazer a vontade de Deus em suas vidas.
Deus abençoe a todos, e rezemos para que o Evandro con-
tinue a ser um instrumento de Deus em nossas vidas.

Pe. Fr. Gilson da Silva Pupo Azevedo

10
Introdução

“Tu és digno, Senhor nosso Deus, de receber a glória, a honra e o poder,


pois tu criaste todas as coisas, por tua vontade
é que elas existem e foram criadas.”
(Ap 4,11)

P or que estas folhas que compõem este livro estão agora


em suas mãos, caro irmão leitor? Para que por meio dele,
mais uma vez, a minha vida e o meu chamado influenciem você
a entregar ao Senhor essa expressão apocalíptica.
Esta obra tem o inegociável objetivo de ofertar o que o
Bom Deus merece: Glória, Honra e Poder. Tudo por ELE, para
ELE e por causa Dele!
Você aceita? Então vamos lá...
Dar glória, honra e poder ao Criador é ver acontecer Sua
vontade em nossas vidas, pois nascemos da vontade Dele e exis-
timos por permissão divina. Mesmo que você tenha sido fruto
de uma gravidez indesejada pelos seus pais, a vontade de Deus
prevaleceu. Você existe porque Deus decidiu que você existiria.
Você nasceu, Deus venceu, aleluia!
Dizer “Se TU queres, Senhor, eu QUERO” representa uma
resposta que ELE aguarda, mas que não é resposta vocal, mas,
Se TU queres Senhor eu QUERO

sim, resposta vocacional, visível em nossa história. É o nosso


reconhecimento Àquele que nos quis. E o Seu querer não car-
rega erros.
Há um bom tempo venho refletindo acerca da vontade de
Deus, quais são Seus sinais, Suas exigências, Seus frutos, Suas
consequências e Suas recompensas. Notei nesse período uma
intensa provocação interior que me desafiava a construir um
conteúdo que servisse a você como uma via, ainda que pequena,
uma espécie de “farol” aos que andam buscando nos corredores
da vida identificar a santa vontade de Deus em sua história. Acre-
dite, não são poucas as pessoas que há tempos vivem tal dilema.
É constante e comum, ao final de uma pregação, de um
evento de evangelização e até pelas redes sociais, pessoas de
diversas idades me interrogarem: “Evandro, você pode orar por
mim para me ajudar a descobrir qual a vontade de Deus para a
minha vida?”.
Sei que esse tipo de pergunta é também comum aos meus
irmãos que atuam na evangelização em geral. É evidente que
não posso manter em mim qualquer pretensão de que carrego
comigo as respostas a todos os questionamentos que surgem no
coração do povo de Deus, pois a mim cabe anunciar o Reino
de Deus, Sua verdade e Sua justiça. E Ele mesmo se encarregará
de provocar Seu povo e responder às suas dúvidas, porém tais
respostas podem também chegar através dos ministros, servos
eleitos pelo Senhor da messe.
Sejamos honestos: você já deve ter se perguntado ou mesmo
conhece pessoas que apresentaram este questionamento: “Qual
a vontade de Deus para a minha vida?”. Ou: “Deus está nisso
que decidi?”.

12
Ev andro Nunes
Foi por causa dessa realidade tão presente no coração das
pessoas que a obra Se TU queres, Senhor, eu QUERO chega agora
em suas mãos, não para uma simples leitura, mas para lhe propor
um caminho de revisão dos seus atos, de suas palavras e fazê-lo
descobrir que quando você decidir andar “de mãos dadas com
o Senhor” você tomou a melhor decisão da sua vida.
Todo e qualquer caminho possui um itinerário. Para se
chegar a uma cidade, por exemplo, é preciso entrar no caminho
que contém placas indicando qual direção tomar na estrada, já
que sem as tais placas ficaríamos vagando, gastando combustível
e, por não sabermos onde é o ponto final, em algum momento
pararíamos. Parando estamos informando que é muito possível
que estaremos desistindo.
O caminho que o Espírito Santo me inspirou é de nos
pautarmos na vida de homens e mulheres, narrada nas Sagradas
Escrituras, que disseram:“Se TU queres, Senhor, eu QUERO”.
Outro caminho inspirador é de observarmos a vida de
alguns dos santos de nossa amada Igreja Católica, homens e
mulheres que escreveram, com a assinatura de Deus, o que
foram capazes de fazer quando deram sua corajosa resposta ao
Senhor. Se eles conseguiram, você já tem referência para con-
seguir também, acredite!
Por fim, vou lhes narrar um pouco do que tem acontecido
comigo desde o dia em que eu respondi, temendo e tremendo:
“Se TU queres, Senhor, eu QUERO”.
Gratidão à minha família, fruto da misericordiosa vontade
do Pai sobre mim. Gratidão à minha amada Diocese de Santo
Amaro (SP), lugar onde sou nutrido como ovelha do rebanho
de Cristo. Gratidão à Comunidade Canção Nova, carisma pre-
cioso à Igreja e ao meu coração, que viu nesta nova obra as

13
Se TU queres Senhor eu QUERO

mãos de Deus segurando as minhas e acreditou que as mãos


sustentadas por Deus merecem ser tocadas e o que nelas Deus
colocou publicadas. Gratidão ao meu Bispo, Dom José Negri,
e ao meu pároco, Pe. Anderson Guerra de Andrade, que me
abençoam e me enviam.

Fogo na Alma
Evandro Nunes

14
Capítulo
1
Deus disse, Deus fez e
Deus viu que era bom

L embro-me, com imensa alegria, das manhãs de sábado


em que eu saía de minha casa em direção à paróquia São
José Operário, na Diocese de Santo Amaro (SP), para minhas
aulas de catequese. Acordava cedo e para lá me dirigia cheio de
expectativa do que eu ouviria da minha catequista, Laura, na-
queles sábados. E de tudo que a Laura me ensinou ficou fixada
na minha memória uma frase que ela disse acerca das Sagradas
Escrituras: “Queridas crianças, sobre a Bíblia, primeiro ela foi
vivida, depois ela foi contada e depois escrita”.
É evidente que se trata de uma frase simplista, desacom-
panhada de conceitos teológicos profundos que vamos desco-
brindo quando estudamos as Escrituras já com a idade que nos
dê capacidade de alta compreensão. Ali naquela frase o único
objetivo era despertar na minha infância a fascinação pelo livro
da vida, a carta de amor inspirada por Deus: “Toda a Escritura
é divinamente inspirada e útil para ensinar, para corrigir, para
instruir na justiça; para que o homem de Deus seja perfeito” (Dei
Verbum, 11).
E nessa carta de amor, que é a Sagrada Escritura, no livro
do Gênesis, o primeiro livro, deparamo-nos com o início da
Se TU queres Senhor eu QUERO

criação. O autor sagrado narra os feitos de Deus e faz questão


de registrar no primeiro capítulo a frase “Deus disse”, que é
citada nove vezes. O nove traz um simbolismo que nos remete
também aos nove meses, tempo de gestação para o nascimento
de um bebê.
Podemos então presumir que a vontade é, por assim dizer,
gestada tanto em Deus quanto em nós. O que Deus disse que
ia fazer, Ele fez. O que Deus disse aconteceu, e aconteceu por
Sua vontade. A narrativa da criação do capítulo primeiro de
Gênesis nos apresenta o que nasceu da vontade de Deus – luz,
firmamento, pássaros, plantas, árvores frutíferas, animais de
todas as espécies. Mas de modo ímpar, no sexto dia, a Trindade
decidiu: “façamos o ser humano à nossa imagem e semelhança”. E
ainda com um diferencial: “para que dominem sobre toda criação”
(cf. Gn 1,26). Aqui Deus dava ao homem e à mulher autoridade,
uma unção de governo sobre o que nós não criamos, autoridade
entregue, fruto da vontade exclusiva de Deus sobre nós. E ao
final o autor sagrado ainda relata o sentimento divino: “E Deus
viu que tudo quanto havia feito (e decidido) era bom” (cf. Gn 1,31).
Nessa hora eu lhe pergunto, olhando sua história, sua
conduta, seu proceder: o que você tem feito com a autoridade
que Deus, por Sua vontade, lhe deu? Você consegue afirmar
categoricamente que hoje a sua vida é vista por Deus com bons
olhos? Você tem correspondido à autoridade que Ele lhe deu
nesta terra?
Não limite essa reflexão somente sobre sua responsabilidade
profissional, digo sobre princípios estabelecidos por Deus, que
aguarda de mim e de você correspondência em tudo que nos cerca.
Talvez você nunca parou para pensar em tamanha respon-
sabilidade, e aqui o chamo a essa reflexão não com o intuito
de gerar medo em você, mas, sim, de gerar entusiasmo. Veja

18
Ev andro Nunes

que esplêndido nos ensina o Catecismo da Igreja Católica: “O


homem se torna participante da natureza divina” (§51). Essa
participação, claro, não é imposição, mas um convite amoroso
de Deus, que, necessariamente, não precisa de nós, mas quis
precisar da nossa participação.
A vontade de Deus declarou que tudo era bom, então a nossa
vontade precisa apresentar o mesmo resultado. Mas é impor-
tante levar em consideração que o bom de Deus não contempla
pecado, logo, o nosso conceito de bom precisa seguir o mesmo
critério. E se assim for, no fim da vida, acontecerá conosco o
que a minha amada catequista relatou sobre as Escrituras e que
eu agora comparo a nós: viveremos, contaremos e escreveremos,
ou alguém escreverá a nosso respeito, o que a santa vontade de
Deus foi capaz de produzir em nós.
Você só estará habilitado para testemunhar o que a vontade
de Deus foi capaz de gerar na sua vida se você disser SIM, sem
reservas à vontade do Pai. Isso implica exigências, renúncias,
lágrimas, dores, mas também muito júbilo, consolo, alegria e,
claro, recompensa. Afinal de contas, ninguém que assumiu a
vontade divina sobre sua vida terminou no prejuízo, pois Deus
sabe premiar os que ficam com Ele.
Para banhar sua alma com as luzes do Santo Espírito, a
fim de fazer arder nela a decisão de abraçar a santa vontade de
Deus, vou relatar alguns exemplos extraordinários de homens
e mulheres que deram esse SIM sem reservas a Deus. Homens
e mulheres das mais variadas classes sociais, cidades e países.
Homens e mulheres do povo de Deus que, como você, também
viveram em tempos difíceis, foram visitados por enfermidades,
tribulações, passaram pelo vale das sombras da morte, sofreram
perdas, mas a todo tempo, por pior que fosse o cenário, não
abriram mão da vontade de Deus para suas vidas. São homens

19
Se TU queres Senhor eu QUERO

e mulheres altamente inspiradores aos homens e mulheres de


nosso tempo, são homens e mulheres “encharcados” de fé!
Se TU queres, Senhor, eu QUERO é a proposta de um cami-
nho que percorreremos não para informação, mas para instrução
e inspiração. Porém, antes de prosseguirmos instruindo e ins-
pirando, faz-se necessário esclarecer algo de suma importância
antes do próximo capítulo.

Afinal de contas, o que é a vontade?

Há momentos que estão tão impregnados em nossa vida e


nem sempre recebem de nós o grau de importância que repre-
sentam, e quando digo grau de importância me refiro à com-
preensão desses termos. Alguns regem nosso dia a dia, afetaram
nosso passado, impactam significativamente nosso presente e
realçam nosso futuro. Entre esses termos está, sem sombra de
dúvidas, a vontade.
Voluntas é o termo latim para a palavra vontade, que significa
querer ou anelar. Ou seja, desejar ardentemente.
É a partir daqui que compreenderemos se a nossa vontade
está em conformidade com a vontade de Deus. Identificando isso,
descobriremos se o que quisemos até agora nos fez avançar ou
se devemos retornar. Avançamos quando Deus está e é urgente
voltarmos quando Deus não deu ordem para irmos, simples assim.

20