Você está na página 1de 16

Considerações acerca da Síndrome de

Burnout em Acadêmicos de Psicologia da


Universidade Federal de Goiás

Amanda P. Borges de Souza


Andreza Mariz da Silva
Bárbara Monielle P. Cerqueira
Bianka M. da Silva Moreira
Domenica de Melo Silva
Introdução
Objetivos:
Geral
Avaliar se existe diferença nas dimensões da Síndrome de Burnout em estudantes de início e final de
um curso (segundo e oitavo período) do curso de Psicologia da UFG.
Específicos
● Analisar se há correlação entre o fator idade e os níveis da Síndrome;
● Verificar se há diferença significativa entre resultados obtidos no artigo de Tarnowski e Carlotto
(2007) “Síndrome de Burnout em estudantes de psicologia” e a presente pesquisa.
Método
Análise estatística
1) Análise descritiva, para identificar as frequências e as medidas de tendência central tanto da
variável burnout quanto das variáveis sociodemográficas e de ensino para caracterização da amostra;
2) Análise inferencial, por meio da prova t de student, para identificar a existência de diferenças
entre os grupos no que se refere às dimensões da Síndrome de Burnout.
3) Teste de hipóteses, utilizando a tabela F Snedecor para verificar a relação entre o nível de
Burnout e a idade dos indivíduos.

Coleta de dados
MBI-SS (Maslach Burnout Inventory–Student Survey)
Instrumentos
Questionário sociodemográfico (Idade, Sexo, Estado Civil, Filhos e Trabalho)

● 15 afirmações sobre sentimentos e emoções


● Exaustão Emocional - 5 itens
● Descrença - 4 itens
● Eficácia Profissional - 6 itens
● Número de 0 a 6 de acordo com a frequência com que ocorre
● (0 nunca; 1 quase sempre; 2 algumas vezes; 3 regularmente; 4 bastante vezes; 5 quase sempre; 6
sempre)
Amostra

Tabela 1- Variáveis sociodemográficas - Amostra 1 – (2° período)

Idade 20,60 anos DP= 3,97

Sexo 20% homens 80% mulheres

Filhos 4% com filhos 96% sem filhos

Trabalho 8% trabalham 92% não trabalham

Fonte: Pesquisa amostral realizada no período de 01 a 18 de fevereiro de 2016.


Amostra

Tabela 2- Variáveis sociodemográficas- Amostra 2 - (8° período)

Idade 22,8 anos DP= 2,62

Sexo 16% homens 84% mulheres

Filho 8% com filhos 92% sem filhos

Trabalham 24% trabalham 76% não trabalham

Fonte: Pesquisa amostral realizada no período de 01 a 18 de fevereiro de 2016.


Instrumentos
MBI-SS (Maslach Inventory - Student Survey) de Schaufeli et al. (2002)

Tabela 3 - Escala dos índices de Burnout da MBI-SS

Baixo Moderado Alto

Exaustão Emocional 0-16 17-26 >27

Descrença 0-6 7-12 >13

Eficácia 0-31 32-38 >39

Fonte: Illinois Periodicals Online, 2002.


Procedimentos
● Alunos orientados responder os instrumentos
● Aplicação de 25 questionários para cada turma (2º e 8º períodos)

● Instrumentos recolhidos
● Análise dos dados
● Realização: 01 a 18 de Fevereiro de 2016.
Resultados e Discussão
Médias dos resultados do MBI- STUDENT

Subitens do 2º Período 8º Período


Burnout

Exaustão Emocional 16,68 22,12

Descrença 6,72 14

Eficácia Profissional 24,32 19,88

Total 46,72 55,56

Fonte: Pesquisa amostral realizada no período de 01 a 18 de fevereiro de


2016.
Exaustão Emocional
● Ambos os períodos encontram-se na classificação moderada
● Média maior do 8º período

Possíveis fatores:

Carga horária

Carga teórica

Autoritarismo docente

Relações conflituosas
Exaustão Emocional
Variáveis contributivas para o nível moderado:

● Estado civil
● Filhos
Descrença
2º Período - Nível moderado (6,72)

8º período - Nível alto (14)

O que os resultados obtidos indicam?

● Ausência de sentido do que aprendeu no curso


● Aproximação com a realidade profissional
● Incertezas e medos
Eficácia Profissional
● Classificação alta para ambos os períodos
● Capacidade de conseguir responder às exigências acadêmicas
● Contradição 8º período - Descrença alta e Eficácia profissional alta
Universidade particular X UniversidadePública

Resultados: Exaustão emocional X Descrença

Tabela 5- Características demográficas e laborais de acordo com o período do curso


Características Início Final

Sexo 84,8% feminino 84,8% feminino

Idade 38,3 anos (DP=16,8) 34,9 anos (DP=12,5)

Estado civíl 57,6% solt/sep/viúvo 52,6% solt/sep/viúvo

Filhos 51,5% não possui filhos 61,3% não possui filhos

Fonte: “Síndrome de Burnout em estudantes de psicologia”, (TARNOWSKI e CARLOTTO,


2006)
Conclusão

● 8º período - Nível alto (14) do subítem Descrença;


● Não se evidencia indicativos de Burnout;
● Não há correlação entre idade e os níveis da síndrome;
● Relevância dos fatores sociodemográficos (características da amostra);
● Necessidade de intervenção adequada nos alunos de final de curso;
● Necessidade de novos estudos com diferentes amostras por meio de grupos pareados
ou delineamento longitudinal.
Referências Bibliográficas

TARNOWSKI, M. e CARLOTTO, M. S. Síndrome de Burnout em estudantes de psicologia. Temas psicol. [online]. 2007, vol.15, n.2, pp.
173-180.

CARLOTTO, M. S. e CÂMARA, S. G. Características Psicométricas do Maslash Burnout Inventory - Student Survey (MBI-SS) em
estudantes universitários brasileiros. Psico- USF, r. 11, n. 2, p. 167-173, jul/dez. 2006.

CARLOTTO, M. S., NAKAMURA, A. P. e CÂMARA, S. G. Síndrome de Burnout em estudantes universitários da área da saúde. Psico-
PUCRS, 37(1), 57-62, 2006.

LAZARUS, R. S.; FOLKMAN, S. Stress, appraisal and coping. New York: Springer, 1984.

SCHAUFELI, W. B., MARTINEZ, I. M., PINTO, A. M., SALANOVA, M. e BAKKER, A. B. (2002). Burnout and engagement in
university students. A Cross National Study, 33(5), 464-481.

Você também pode gostar