Você está na página 1de 3

BE STILL

Walter C. Lanyon

"Be Still, and Know That I Am God."

"Fique quieto e saiba que eu sou Deus."


De repente, pela primeira vez, comecei a ver ou ouvir o que AINDA
significava. É abandonar todo desejo - todo desejo ou idéia - um vazio.
Quando isso é estabelecido, o Poder de Deus tem um modo desobstruído de
expressão e se manifesta. Manifestação é a última etapa.
É ação em não ação - quando não há ação de "pensar" nessa inatividade do
pessoal, o Divino entra em manifestação. Não para satisfazer os desejos,
vontades e idéias que eu estimava por toda a vida, mas para trazer à tona
as coisas que "os olhos não viram". É uma descoberta de que a realidade,
que vem tentando surgir há tanto tempo, está prestes a se expressar com
facilidade e naturalidade.
Não é uma quietude mental - não tentar ficar quieto. É um repentino
desapego de tudo - uma rendição completa a um lugar de "Divina
Indiferença" - um reconhecimento repentino de que é isso que "A
extremidade do homem é a oportunidade de Deus" deve ser --- mas
é a oportunidade de Deus somente quando há um " quietude ". À
medida que a não ação do pensamento finalmente se torna aparente,
então: "Venha o que vier", inundando seu universo com LUZ, como você
ainda não conhecia - e os véus da crença humana estão rasgados.
A glória (aquela substância indefinível) enche a casa, a consciência e revela
o que é e sempre foi.
Quando você ainda está - todo o pensamento humano louco, desejo,
desejo-morre. A respiração é calma, entrando e saindo do templo
automaticamente. Você está inspirado. Algo acontece que você ainda não
sabia. Algo começa a pulsar. A vida se manifesta.
"Você não me escolheu, mas eu escolhi você." A princípio, pode ser uma
mera banalidade, um pensamento poético. Eventualmente, deve revelar
uma lei básica - mais precisa e imutável que a matemática. O despertar
começa. No fundo, profundamente no coração, algo se agita. É
reconhecimento. É lembrança --- "e ele lembrou" enquanto ainda era
pródigo. "E ele lembrou." Ele passou por milhares de tentativas de mudar e
fazer alguma coisa acontecer com idéias e aprendizado feitos pelo homem.
Ele procurou no mundo todo um "professor" como um Guru - e
finalmente desembarcou no "chiqueiro" com as cascas dos
ensinamentos pessoais à sua volta, e os véus do pensamento e
crença humanos ainda idéias "grunhindo" de como "Pegue" as
coisas e mude a face do universo. Ele descobrira que era apenas
uma espécie de "enraizamento" na lama dos ensinamentos dos
antepassados, tão cheia de futilidade e frustração nas correntes
tórridas do mal.
Aquilo que o despertou parecia remoto e distante à primeira vista -
impossível de ser atingido - ainda assim ecoava nos recônditos internos de
seu ser: "Você não me escolheu, mas eu te escolhi". Ele podia ouvi-lo com
grande desejo e desejo. Isso não faria nada. Finalmente, ele deve ouvi-lo -
descobri-lo. Não como algo que tivesse que ser colocado, praticado ou
tornado realidade, mas como algo que tivesse que ser reconhecido como
verdadeiro. A escolha de mim trouxe inação da mente humana e forneceu
um canal aberto para a ação de Deus. Ação em inação ocorreu. "Eu
próprio não posso fazer nada '---", mas com Deus todas as coisas
são possíveis "abriram caminho para uma revelação gloriosa. Uma
descoberta de que Jesus desimpedido pela hipnose da crença humana
passou por portas fechadas à expressão, até quando o vento passa pela
tela, repentinamente ele descobre "que seu pai tinha o suficiente e de
sobra".
De alguma forma, no momento em que NÃO pensava, ele ainda estava em
condições de ouvir pela primeira vez o "Senhor no meio de ti" - e havia algo
a dizer e fazer que nada tinha em comum com as palavras gauche da
sabedoria do homem; começou a estender todos os sentidos para um lugar
onde a revelação ocorreu, e o "Olhar de novo" trouxe à tona o que antes
era impossível. O milagre deixou de ser o milagre e tornou-se a ordem e
ação normal natural de Deus no Reino dos céus e ele começou a entender
como era que ele tinha "o dobro do que tinha antes" e como era possível
"olhar" novamente "e veja a ignorância hipnótica do homem e dos
ensinamentos dos antepassados telescopada para o nada. Mil anos
são como um dia.
Quem me escolhe é escolhido por mim --- "Não me escolhestes, mas eu vos
escolhi." A pergunta legítima seria "Para quê"? Com o objetivo de ganhar a
vida com o suor da minha testa? A resposta só poderia vir quando o
estado "still" tivesse ocorrido, e não houvesse pergunta ou
resposta, opiniões ou idéias pessoais na mente do homem, apenas
uma STILLNESS uma lacuna do pensamento humano. Então o "NOME"
poderia ser sussurrado para ele - então ele podia ouvir e pela primeira vez
ouvir "Fique quieto e saber" - e ele também ouvia a autoridade para essa
nova dimensão: "Não chame ninguém seu pai . " Se ele ouvisse essa
palavra secreta e parasse de tentar fazê-lo, e eu surgisse, ele deixaria cair o
grande peso do ensino dos antepassados. O desejo ávido de fazer algo é
subitamente gasto.
Aquele que é escolhido por Deus descobre subitamente que está apenas
descobrindo o que é. Ele é motivado pelo UM e realiza tudo o que coloca a
mão, de maneira que não é possível para o pensamento humano
trabalhado, até Praxiteles transformou um pedaço de mármore na
aparência de chiffon cobrindo uma Deusa. Uma "técnica" de mil sistemas
não a produzirá. A ação de Deus através da inação do homem faz com
que o homem libere algo de belo, revele o que é.

Be STILL---very STILL---yes, even STILLER than STILL.