Você está na página 1de 115

Livro Eletrônico

Aula 05

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital

Alessandro Sanchez
Alessandro Sanchez
Aula 05

SUMÁRIO
Sumário ................................................................................................................................ 1
Considerações Iniciais .......................................................................................................... 4
1 - Títulos de Crédito ............................................................................................................ 4
1.1 - Introdução..................................................................................................................... 4
1.2 – Legislação Aplicável...................................................................................................... 5
1.3 – Conceito ....................................................................................................................... 7
1.4 - Principais Características............................................................................................... 8
1.4.1 - Cartularidade .................................. . . . ............. .............................................
8
1.4.2 - Literalidade ................................................................................................................ 9
1.4.3 - Autonomia ................................................................................................................. 9
1.4.3.1 - Abstração ................................................................................................................ 9
1.4.3.2 - Independência ...................................................................................................... 11
1.4.3 – Inoponibilidade das exceções pessoais aos terceiros de boa-fé............................... 12
1.5 – Atributos dos Títulos de Crédito .................................................................................. 14
2 - Classificação dos Títulos de Crédito .............................................................................. 16
2.1 - Quanto ao modelo ...................................................................................................... 16
2.1.1 – Modelos livres ......................................................................................................... 16
2.1.2 – Modelos vinculados................................................................................................. 16
2.2 - Quanto à natureza ...................................................................................................... 16
2.2.1 – Ordem de pagamento ............................................................................................. 16
2.2.2 – Promessa de pagamento ......................................................................................... 16
2.3 - Quanto à vinculação à relação de origem ................................................................... 17
2.3.1 - Causais ..................................................................................................................... 17
2.3.2 – Não causais ou abstratos ......................................................................................... 17
2.4 - Quanto à circulação .................................................................................................... 17
2.4.1 – Ao portador ............................................................................................................. 17
2.4.2 - Nominativos ............................................................................................................. 17
3 – Títulos de Crédito no Código Civil ................................................................................. 17
3.1 – Saque ou Emissão ....................................................................................................... 18
1
Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 114
www.estrategiaconcursos.com.br
Alessandro Sanchez
Aula 05

3.1.1. – Emissão de títulos eletrônicos ................................................................................. 19


3.2 – Circulação dos títulos de crédito ................................................................................. 20
3.2.1. – Os títulos ao portador no Código Civil ..................................................................... 21
3.2.2. – Os Títulos à Ordem e o Endosso .............................................................................. 22
A) Endosso-Mandato........................................................................................................... 25
B) Endosso-Caução .............................................................................................................. 25
C) Endosso-Póstumo............................................................................................................ 25
3.2.2. – Os Títulos Nominativos ........................................................................................... 26
3.3 – O Instituto do Aval no Código Civil .............................................................................. 26
4 – Preferências e Privilégios creditórios no Código Civil ................................................... 29
A) Créditos preferenciais ..................................................................................................... 30
B) Privilégio Especial ........................................................................................................... 31
C) Privilégio Geral ................................................................................................................ 32
5- Letra de Câmbio e Nota Promissória .............................................................................. 33
5. 1 - Letra de Câmbio ......................................................................................................... 33
5.2 - Nota Promissória......................................................................................................... 48
6- Cheque ........................................................................................................................... 50
6.1- Da Emissão e da Forma do Cheque .............................................................................. 50
6.2 - Características............................................................................................................. 52
6.3 - Da Apresentação e do Pagamento .............................................................................. 55
6.4 - Cheque Cruzado .......................................................................................................... 55
6.5 - Cheque para ser levado em conta ............................................................................... 56
6.6 - Cheque Visado............................................................................................................. 57
6.7 - Cheque Administrativo ................................................................................................ 58
6.8- Protesto e Ação Cambial .............................................................................................. 59
7- Duplicata ........................................................................................................................ 64
7.1- Características ............................................................................................................. 64
8- Cédulas de Crédito ......................................................................................................... 68
8.1-Conceito ........................................................................................................................ 68
8.2- Classificação ................................................................................................................ 69
8.3- Requisitos..................................................................................................................... 71
8.4-Transferência ................................................................................................................ 73

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 2


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

8.5-Caracteríticas ................................................................................................................ 74
8.6-Conhecimento de Depósito e Warrant .......................................................................... 75
9- Cédula De Crédito Imobiliário ........................................................................................ 77
10- Cédula De Produto Rural .............................................................................................. 78
11- Cédulas De Crédito Bancário ........................................................................................ 79
12 – Destaques da Legislação ............................................................................................. 82
13- Resumo......................................................................................................................... 86
13.1-Requisitos dos Títulos de Crédito ................................................................................. 86
13.2-Títulos ao Portador, à Ordem e Nominativos............................................................... 87
3.3-Preferências e Privilégios............................................................................................... 87
13.7-Cédulas de Crédito ...................................................................................................... 90
13.8-Outros Títulos Impróprios............................................................................................ 91
14 - Questões ..................................................................................................................... 91
14.1 - Questões sem Gabarito ............................................................................................. 91
14.2 – Gabarito ................................................................................................................... 98
14.3 - Questões com Gabarito ............................................................................................. 98
15- Considerações Finais ...................................................................................................114

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 3


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

TÍTULOS DE CRÉDITO
CONSIDERAÇÕES INICIAIS
Na aula de hoje, trataremos dos Títulos de Crédito no Código Civil.
Antes de iniciarmos os nossos estudos, vamos analisar a incidência do tema dentro das
provas anteriores aplicadas pelas bancas FGV e FCC:

TEMA TODOS 2015-2019


Títulos de
8 3
Crédito
Constituição do
32 4
Crédito

Fonte: http://www.tecconcursos.com.br

1 - TÍTULOS DE CRÉDITO

1.1 - INTRODUÇÃO

A disciplina dos Títulos de Crédito tem sua criação diretamente relacionada ao auxílio e
simplificação das diversas relações comerciais que envolvem somas em dinheiro, para que
haja uma circulação segura, rápida e fácil do crédito.
A palavra título nos oferece a ideia de um documento em papel, é assim com o título de
eleitor ou com o título de um clube. Nesse caso, teremos um título, logo, um documento
representativo do crédito. Aliás, o que é crédito?
O crédito, nada mais é, do que a consecução de um bem da vida, uma mercadoria, um
empréstimo, logo, uma antecipação do bem da vida, formalizando em papel o pagamento
futuro. Em simples palavras, a troca do bem no presente, pelo dinheiro futuro.
Os títulos mais utilizados hoje em dia são a Nota promissória, Cheque e Duplicata a nota
promissória. A Nota promissória se esboça com uma pessoa denominada devedora, que
emite o título e escreve no documento que pagará certa quantia em dinheiro para uma outra
pessoa, a qual se denomina credora. Eis um Título de Crédito.
Em vista dos estudos, os títulos mais importantes são: A letra de câmbio, nota promissória,
cheque e duplicata, pois todos os demais títulos derivam destes; além disso, trataremos dos
institutos que os cercam. Os títulos citados neste parágrafo são denominados títulos próprios
e serão a base de nosso trabalho. Utilizaremos o Cheque e a Duplicata para os exemplos.

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 4


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

1.2 – LEGISLAÇÃO APLICÁVEL

Historicamente, cada um dos principais títulos de crédito, quais sejam: A letra de câmbio,
Nota Promissória, Cheque e Duplicata, sempre tiveram as suas próprias leis especiais, e,
atualmente, não é diferente.
A Letra de Câmbio e Nota Promissória são títulos regulados pelo Decreto 57.663/66,
também conhecida como Lei Uniforme de Genebra (LU). Esse decreto nasceu em vista da
Convenção de Genebra de 1964, onde a maioria dos países de todo o planeta reuniram-se
para, entre muitas discussões, uniformizar as regras dos principais títulos de crédito.
A Convenção de Genebra tem dois anexos. Em um dos anexos, os princípios de Direito
Internacional, que, logicamente, não interessam aos nossos estudos.
No Anexo II, as regras que regulam institutos muito conhecidos dos diversos certames nas
carreiras jurídicas e fiscais, quais sejam a Letra de Câmbio (Artigo 1º); O endosso (Artigo
11); O aval (Artigo 32); a prescrição (Artigo 70), e, enfim, a Nota Promissória em seu artigo
75.
O Cheque é regido pela lei interna de nº 7.357/85 e a Duplicata pela Lei 5.474/68. Como já
dito, os demais títulos derivam destes.

Legislação aplicável
Letra de Decreto
câmbio 57.663/66
Nota Convenção de
Promissória Genebra

Cheque Lei 7.357/85

Duplicata Lei 5.474/68


A pergunta que agora vem é: “Professor, se cada título é regido por uma lei especial própria
para solucionar todas as suas questões, em quais situações devemos utilizar o Código Civil?
A resposta é dura! “O Código Civil, na matéria dos títulos de crédito não é grande coisa.” Digo
desse modo, pois o próprio Código Civil em seu artigo 903, demonstra não ser referência
nessa matéria, a seguir:
“Artigo 903. Salvo disposição diversa em lei especial, regem-se os títulos de crédito pelo disposto neste
Código.”

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 5


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

Note, que o Código Civil tira o corpo fora quando o assunto tem relação com os principais
títulos de crédito existentes no ordenamento e o artigo 907 do mesmo diploma
complementa.
A aplicação do Código Civil será apenas subsidiária, o que significa, que somente nos casos
em que o legislador se omitir na legislação especial, é que devemos aplicar o conteúdo dos
artigos 887 e seguintes do diploma civil.
Aliás, alguns editais de concursos públicos apenas solicitam as temáticas dos Títulos de
Crédito que estão presentes no Código Civil, o que, facilmente nos faz perceber que a banca
examinadora não foi formada por especialistas na área.
O conteúdo do diploma civil tem utilização subsidiária para os mais importantes títulos, com
aplicação integral apenas para os denominados títulos impróprios que veremos mais
adiante.

Legislação aplicável
Letra de Decreto
câmbio 57.663/66
Nota Convenção de
Promissória Genebra

Cheque Lei 7.357/85

Duplicata Lei 5.474/68

Artigo 887-926, CC – Aplicaçao meramente Subsidiaria

Vamos agora ao conceito de título de crédito. Aliás, vamos fazer um texto de recuperação
do prestígio do Código Civil.
Em primeiro, as bancas focam em determinados artigos que não podem ficar de fora de nosso
estudo, além do mais, serve como um bom instrumento de auxílio para tratar de regras
gerais, o que pode tornar a nossa matéria mais leve.
Você notará ao longo do texto que o Decreto 57.663/66, também oferece grande auxílio
para a compreensão dos itens mais básicos e comuns a todos os títulos. Vamos aos estudos!

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 6


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

1.3 – CONCEITO

O Código Civil prevê em seu artigo 887 que o título de crédito é: “um documento necessário
ao exercício do direito literal e autônomo nele contido.”
Ocorre, a doutrina é no sentido de que a palavra contido é um erro, já que os direitos
emergentes no título não estão contidos na cártula, mas apenas mencionados. Um pouco
mais a frente voltaremos a esse assunto.
“Artigo 887. O título de crédito, documento necessário ao exercício do direito literal e autônomo nele
contido, somente produz efeito quando preencha os requisitos da lei.”
O título de crédito é um documento formal, uma representação gráfica que destina a
reproduzir e a provar a existência de uma dívida, e, consequentemente, a vontade de assumir
uma obrigação. Além do que, esse documento é importante para que o credor possa exigir o
pagamento da dívida mencionada.
Note, que o conceito exarado no Código Civil traz a ideia de um documento formal, mas logo
em seguida menciona o direito literal. O que isso quer dizer? Quer dizer que o documento
não bastará, é necessário o preenchimento do título de acordo com os requisitos exigidos na
lei. Vamos a um exemplo!
Imagine que esteja transitando por um “shopping center” e você se depara com o título:
“Aceitamos cheque pré-datado e parcelamos qualquer produto em até 6 (seis) parcelas”. Aí
você pensa: “Vou no cartão de crédito, é mais prático!”. Trata-se de uma loja de calçados,
você prova o tênis, mas, ao tentar o pagamento, não há limite de crédito. Imaginou?
No caso acima, você abre a carteira e pega o talão de cheques, um título de crédito
(documento formal), mas será necessário descrever – literalmente – as condições de
pagamento. Assim, ao escrever o valor a que está se obrigando, o nome do beneficiário
(lojista), data, local e assinatura, você estará oferecendo literalidade ao título.
Agora que você já compreende a Cartularidade (documento formal) e a literalidade
(preenchimento do título), vamos ao último requisito, qual seja, a autonomia.

Cartularidade (A literalidade se dá com o preenchimento).

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 7


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

No texto acima, você estudou o conceito simplificado de título de crédito. Caso não haja
muitas dúvidas poderá prosseguir diretamente para o “capítulo 2 – Constituição do Crédito
Bancário.”
O capítulo da constituição do crédito bancário é o mais prestigiado pelo examinador, pois
retrata o saque (emissão do título), discute os títulos ao portador, títulos nominativos,
títulos à ordem e o instituto do endosso, assim como o aval, vencimento e pagamento.

1.4 - PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS

1.4.1 - Cartularidade

O título de crédito é um documento necessário ao exercício do direito nele mencionado,


logo, é preciso apresentá-lo à pessoa indicada para efetuar o pagamento.
“Artigo 887. O título de crédito, documento necessário ao exercício do direito literal e autônomo nele
contido, somente produz efeito quando preencha os requisitos da lei.”
Assim, o princípio da cartularidade é o que exige a exibição original do título de crédito para
exercer o direito dele resultante. Na cobrança judicial, por exemplo, o original do título deve
ser juntado com a petição inicial. Igualmente para fundamentar requerimento de falência
com base na impontualidade.
A posse do título é o pressuposto para alguém exercer o direito nele mencionado. Não
basta, porém, a apresentação da fotocópia, ainda que autenticada. É preciso a exibição do
título de crédito original, pois só assim se tem a garantia de que não houve sua circulação.
Vale ainda ressaltar, que o título de crédito é documento, isto é, um papel escrito, dotado
de conteúdo e identificação do signatário (aquele que assim) com valor probatório em uma
ação judicial.

O escrito, para ser título de crédito, deve ser lançado em papel, não se admitindo gravações,
filmagens, nem “pen drive” ou similar. Não existe, também, título de crédito oral.
Sobre as exceções ao princípio da cartularidade, neste momento cumpre mencionar a do
§3.o do Artigo 889 do Código Civil, a seguir:

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 8


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

Artigo 889. [...]


“§3.o O título poderá ser emitido a partir dos caracteres criados em computador ou meio técnico
equivalente e que constem da escrituração do emitente, observados os requisitos mínimos previstos
neste artigo.”

1.4.2 - Literalidade
O direito que, por meio do título de crédito, se pretende exercer deve estar literalmente
nele mencionado. Aliás, qualquer relação jurídica relacionada com o título de crédito só é
levada em consideração quando nele constar expressamente.
“Artigo 887. O título de crédito, documento necessário ao exercício do direito literal e autônomo nele
contido, somente produz efeito quando preencha os requisitos da lei.”
O aval, por exemplo, quando lançado fora do título de crédito, ainda que por escritura
pública, não tem a natureza jurídica de aval, embora possa valer como fiança.
A quitação lançada em documento separado, isto é, fora do título, não produz efeitos.
Igualmente, o endosso em separado não surte efeito algum.
Pelo princípio da literalidade, só é levado em consideração o que está escrito no título de
crédito, e, por consequência, as obrigações inseridas em separado a ele não se integram.
Exceção a esse princípio verifica-se na duplicata, pois o §1º do artigo 9º da Lei nº 5.474/1968
admite a quitação, pelo legítimo possuidor do título, em documento separado.
1.4.3 - Autonomia
O princípio da autonomia, de fato, exige mais atenção, já que é o mais importante princípio
para a profunda compreensão dos títulos de Crédito. O título tem autonomia, em no
mínimo, 3 (três) ângulos diferentes de visão, por isso, tal princípio é explicado por
intermédio de sub-princípios, a seguir:
“Artigo 887. O título de crédito, documento necessário ao exercício do direito literal e autônomo nele
contido, somente produz efeito quando preencha os requisitos da lei.”

1.4.3.1 - Abstração
O princípio da abstração consagra a irrelevância da causa que deu origem ao título, em
relação ao terceiro de boa-fé para o qual este fora transferido. Para a compreensão da
abstração, devemos seguir por partes, entendendo um erro existente no artigo 887, CC.
Inicialmente, vamos trabalhar o erro presente neste artigo, já que a sua compreensão ajudará
a entender melhor a “abstração”. Note, que no início desse trabalho, houve aviso de que
trataríamos disso.
O Artigo 887 do Código Civil é o dispositivo determinante da compreensão de toda essa
matéria, portanto, tenha um pouco mais de paciência. Valerá a pena!

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 9


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

Artigo 887. O título de crédito, documento necessário ao exercício do direito literal e autônomo nele
contido, somente produz efeito quando preencha os requisitos da lei.
É válido ressaltar, que no conceito exarado no artigo 887 do Código Civil, a seguir:
“documento necessário ao exercício do direito literal e autônomo nele contido...”, a palavra
destacada em vermelho é imprópria, já que toda a doutrina é pacífica ao entendimento de
um dos maiores mestres do Direito Empresarial Italiano, o Jurista Cesare Vivante.
A expressão “contido” é um erro crasso, já que o direito não está contido, mas em vista da
literalidade, apenas mencionado no título. Explico mais!

Vamos a um exemplo, ainda não utilizado neste material. O Professor Cristiano Rodrigues
compra um carro do Professor Alexandre Mazza, temos uma relação contratual de compra e
venda, regulada pelo Direito Civil. Essa transação é a relação que origina o título, denominada
“causa debendi” e não está contida no título, em hipótese alguma!.

(Compra e Venda de um carro + Contrato = Relação de origem ou “Causa debendi”)


Assim, enquanto o Título de Crédito não é emitido, a relação é resolvida pelo ramo do
Direito originário, seja o Direito Civil.
Exemplificando um pouco mais, comprar um carro, ainda que não documentadamente,
talvez, pelo modo verbal, não traz a solução para o Direito Empresarial. Em conclusão, se o
cheque não for emitido, utilizaremos o Direito Civil para solucionar a questão.
Em contrapartida, a emissão do título de crédito apaga a relação de origem e a regulação
segue - de forma autônoma - pelas normas de Direito Empresarial relacionadas aos títulos
de crédito.
A relação que dá origem ao título (compra do carro), originariamente, seria regulada pelas
normas de direito civil, como no caso acima, mas com a emissão do título e o consequente
direito mencionado, nasce um direito novo!.
Assim, devemos utilizar a palavra “mencionado.” O Artigo 887 do Código Civil, passaria ao
seguinte texto: “O título de crédito, documento necessário direito literal e autônomo nele
mencionado, somente produz efeito quando preencha os requisitos da lei.”
Obs: Alteração meramente didática, não compreendida no texto legal.

Vamos a mais alguns exemplos, mas se a matéria estiver bem compreendida, siga adiante
para o subtítulo de nome independência. Os exemplos no quadro abaixo serão para
compreender que esse princípio atende apenas aos terceiros de boa-fé:

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 10


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

Exemplo 1: Caso um cheque tenha sido obtido mediante extorsão, sendo transferido pelo
extorsionário a um terceiro de boa-fé, este poderá descontá-lo validamente.
Exemplo 2: Caso o vendedor de carro roubado transfere a terceiro de boa-fé o título de
crédito que recebera em pagamento, este poderá cobrar o título do comprador que
desconhecia a origem criminosa do bem adquirido.
O princípio da abstração, porém, só é aplicado em relação ao terceiro, que de boa-fé
adquiriu o título de crédito de um dos contratantes.

O princípio da abstração não é aplicado entre os contratantes, pois eles se obrigam pelo
contrato, e, por consequência, o vício que o contamina é uma defesa pessoal alegável por
quem for prejudicado, buscando inibir o pagamento do título de crédito.
Força convir, portanto, que o princípio da abstração só entra em cena quando o título de
crédito é posto em circulação, aplicando-se, tão somente, entre as pessoas que não
contrataram entre si.
Vamos agora ao estudo do artigo 888 do Código Civil:
“Artigo 888. A omissão de qualquer requisito legal, que tire ao escrito a sua validade como título de
crédito, não implica a invalidade do negócio jurídico que lhe deu origem.” (Grifo nosso).
Caso o título emitido esteja invalidado, e isso pode ocorrer pela ausência de um de seus
requisitos essenciais, a questão será solucionada pelo Direito Civil, não havendo a
invalidação do negócio jurídico que lhe deu origem.

Imagine, que o negócio tenha sido consubstanciado por uma “Nota Promissória”, um título
livre que pode ser confeccionado com uma folha de sulfite e uma caneta em mãos. A ausência
da expressão – “Nota Promissória” – afasta um requisito essencial para a sua validade.

1.4.3.2 - Independência

A autonomia citada no artigo 887 do Código Civil, além da abstração, consagra a


independência das relações jurídicas constantes no título de crédito.

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 11


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

Caso o emitente da nota promissória seja incapaz, por ser menor, a título de exemplo,
Priscilinha, que aos 17 (dezessete) anos de idade, em vista de saber acerca de sua mesada nos
próximos 15 (quinze) dias, resolve assinar uma nota promissória para a aquisição de um
patinete do Professor Rosenval. Sigamos com o exemplo!
O Professor Rosenval, com alguma desconfiança, solicita que alguém possa garantir o
pagamento dessa obrigação, pois caso Priscilinha não realize o pagamento na data do
vencimento, alguém fará o pagamento em seu lugar. Note, que a relação originária é viciada.
O exemplo prossegue: “O Professor Ricardo Torques, em vista de sua fama de bom pagador
e por confiar em Priscila, assina o título como um avalista.” A pergunta que fica é: “Rosenval
pode prosseguir na cobrança do Avalista?” Pode sim!

O credor (Rosenval) poderá exigir o pagamento do avalista (Ricardo Torques), sendo que
este último, em razão do princípio da autonomia, não poderá alegar a nulidade do título pelo
fato de ter sido emitido por incapaz.
Assim, a nulidade de uma obrigação lançada no título não contamina as outras obrigações
nele mencionadas, porque elas são autônomas.
Ainda com o exemplo acima, podemos explicar o próximo elemento, encerrando todas as
possíveis discussões sobre a Autonomia, que se explica pela Abstração, Independêcia e
inoponibilidade das exceções a terceiros de boa-fé.
Assim, ainda que o possuidor de boa-fé execute um direito próprio, não pode ser
restringido ou destruído em virtude das relações entre os demais intervenientes no título
(Ricardo Torques e Priscilinha), pois cada obrigação que deriva do título é autônoma em
relação às demais.
Finalmente, cada assinatura correspondente a uma obrigação é autônoma, pois
independente, logo, Ricardo Torques não poderá opor defesas pessoais contra terceiros de
boa-fé, no caso, o Professor Rosenval, que prosseguirá na cobrança do Professor Ricardo
Torques.
Notas explicativas: “Inoponibilidade”: Não é possível opor. “Exceções”: Defesas.

1.4.3 – Inoponibilidade das exceções pessoais aos terceiros de boa-fé

Agora que já percebemos que as assinaturas constantes no título são autônomas, portanto,
independentes, vale trabalhar um pouco mais a questão da inoponibilidade das exceções
(defesas) pessoais aos terceiros de boa-fé.

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 12


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

Assim, o princípio da inoponibilidade consubstancia-se na proibição de o devedor, no plano


processual, alegar, em face do portador do título de crédito, as defesas pessoais que
poderia sustentar contra os coobrigados anteriores.
No exemplo que envolveu “Ricardo Torques, Priscilinha e Rosenval, note que Ricardo Torques
é devedor por ser avalista”, e, nesse caso, poderia alegar contra a Priscilinha o vício da relação
que se formou com uma pessoa incapaz, mas não pode alegar essa defesa pessoal em face
de Rosenval.
Vê-se, assim, que o terceiro de boa-fé, quando adquire o título de crédito, o recebe
purificado, não tendo, pois, que se preocupar com os fatos modificativos ou extintivos
atinentes aos direitos de seus antecessores. O Código Civil segue esse mesmo caminho em
seus artigos 915 e 916, a seguir transcritos:
“Artigo 915. O devedor, além das exceções fundadas nas relações pessoais que tiver com o portador, só
poderá opor a este as exceções relativas à forma do título e ao seu conteúdo literal, à falsidade da própria
assinatura, a defeito de capacidade ou de representação no momento da subscrição, e à falta de
requisito necessário ao exercício da ação.
Artigo 916. As exceções, fundadas em relação do devedor com os portadores precedentes, somente
poderão ser por ele opostas ao portador, se este, ao adquirir o título, tiver agido de má-fé.
Finalmente, é correto pensar que a independência das relações exaradas no título e a
inoponibilidade das exceções aos terceiros de boa-fé, estão intimamente relacionados!.
Vamos agora, a um quadro que visa a memorização da matéria. Ao pensar nas características
dos títulos de crédito, presentes no artigo 887 do Código Civil, lembre-se de CARLITO, como
no quadro abaixo:

Títulos de Crédito - Características

Cartularidade Literalidade Autonomia

Materialização do Direitos e
Abstração: causa Inoponibilidade de
título: modelos obrigações devem
ou origem do título exceções pessoais
livres e vinculados constar
é irrelevante ao
expressamente do
terceiro de boa-fé
título

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 13


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

1.4.4. Exceções em que é possível alegar defesas pessoais

Em duas hipóteses, no entanto, o devedor poderá alegar as exceções visando inibir o


pagamento do título.

I – A primeira refere-se às exceções comuns, que são defesas pertinentes à inexistência


da relação jurídica (quitação); Invalidade (falta de requisito essencial); ou inexigibilidade
do título de crédito (prescrição do título).

II – A segunda verifica-se quando o terceiro adquire o título de crédito de má-fé, vale


dizer, consciente do fato que poderia ser alegado em face do credor anterior.

Observação importante: Não se exige, para a caracterização da má-fé, o conluio entre o


terceiro adquirente e a pessoa que lhe transferiu a cártula, pois é suficiente para a torpeza a
aquisição do título com conhecimento das defesas pessoais que o devedor poderia opor
contra o credor anterior.

Comuns: inexistência, invalidade ou


inexigibilidade

Exceções ao pagamento do título de


crédito

Terceiro adquirente de má-fé

1.5 – ATRIBUTOS DOS TÍTULOS DE CRÉDITO

Nesse momento, a palavra atributo tratá o significado de qualidade. A primeira qualidade do


título é a “fácil circulação dos Títulos de Crédito”, aliás, um dos motivos de sua existência, já
que foram criados para que a circulação de riquezas fossse mais rápida, fácil e segura,
simplificando as relações comerciais. Vamos a um exemplo!
O melhor exemplo está no instituto do endosso, que será estudado mais adiante. O instituto
demonstra a praticidade de transferir um crédito mencionado no título para uma outra
pessoa, eis a fácil circulação. Vale observar que a pessoa que transfere é o endossante e a
pessoa que recebe o título em transferência é o endossatário. Vamos trabalhar um
pouquinho mais essa questão!

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 14


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

Assim, para a transferência da propriedade do título e dos próprios direitos emergentes dele
decorrentes (direito ao valor mencionado, direitos de cobrança, direito de transferi-lo, etc...),
basta uma assinatura no verso do documento. Não há nenhum instituto tão prático no
Direito Civil, o que por si só, justifica a autonomia do direito empresarial.
Observação: Trataremos o endosso em tópico específico!

O segundo e último atributo está na executividade. O título de crédito é um “documento


formal, com força executiva”, representativo de dívida líquida e certa, de circulação
desvinculada do negócio que o originou.
Ao credor, basta a propriedade do título e o descumprimento da obrigação por parte do
devedor para que ele ajuize uma ação executiva para a cobrança. Qual a vantagem disso
tudo? Vamos lá!
A vantagem está no fato de que em uma ação executiva a parte contrária não será citada
para responder ou contestar, mas sim para pagar em três dias, pois o título em mãos concede
ao juiz a certeza que de que há um valor em favor de um credor que tem o direito de exigi-
lo indenpendentemente de qualquer discussão.
São essas as vantagens, e, aliás, parecem-me muito interessantes!

Fácil circulação: Executividade:


ausência de Atributos dos
agilidade nas
discussão sobre Títulos de
relações
existência/ Crédito
cambiais
exigibilidade
obrigação

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 15


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

2 - CLASSIFICAÇÃO DOS TÍTULOS DE CRÉDITO

2.1 - QUANTO AO MODELO

2.1.1 – Modelos livres

São aqueles que não possuem uma forma ou padrão preestabelecido pela lei, portanto,
podem ser confeccionados de forma livre, utilizando-se de modelo próprio, desde que
estejam presentes os requisitos legais que devem constar no conteúdo do título. Ex.: letra de
câmbio e nota promissória.
A criação desses títulos exige uma caneta, papel e conhecimento dos requisitos legais, que,
no caso de uma nota promissória são muito simples, como segue: nome do emitente; nome
do beneficiário; a expressão nota promissória; valor mencionado, local e data do pagamento;
assinatura do devedor.

2.1.2 – Modelos vinculados

São aqueles que possuem uma forma ou padrão predeterminado pela lei, significando que
o direito definiu um padrão para o preenchimento dos requisitos específicos de cada um. Ex.:
cheque e duplicata.
Ninguém pode confeccionar um impresso, constando tratar-se de cheque, pois cheque
somente será o título que o banco (sacado) fornece ao emitente (sacador), seguindo-se o
modelo estatuído pela lei de acordo com o Banco Central e Casa da Moeda.
Portanto, ainda que constem todos os requisitos do cheque num impresso de confecção
própria, o sacado (banco) deverá recusar o pagamento quando de sua apresentação.

2.2 - QUANTO À NATUREZA

2.2.1 – Ordem de pagamento

Trata-se de título que apresenta três relações jurídicas diferentes: aquele que dá ordem
(sacador ou emitente), aquele que recebe a ordem (sacado ou devedor) e aquele que é
beneficiário da ordem (tomador). Ex.: Cheque (emitente, beneficiário e banco).

2.2.2 – Promessa de pagamento

Trata-se de título que apresenta duas relações jurídicas diferentes: aquele que promete o
pagamento e aquele que é beneficiário do pagamento, isto é, o beneficiário da promessa. Ex.:
nota promissória.

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 16


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

2.3 - QUANTO À VINCULAÇÃO À RELAÇÃO DE ORIGEM

2.3.1 - Causais

São aqueles que somente podem ser emitidos se ocorrer o fato que a lei elegeu como causa
possível para sua emissão. Ex.: duplicata mercantil.
Esse título apenas pode ser emitido em vista de uma transação em que empresários estejam
nos dois pólos passivos (Compra e Venda ou Prestação de serviços mercantis).

2.3.2 – Não causais ou abstratos

São aqueles que podem ser criados por qualquer causa, representando obrigação de
qualquer natureza, já que o título, a partir do momento em que é emitido, torna-se livre da
causa que lhe originou. Ex.: letra de câmbio, cheque e nota promissória.

2.4 - QUANTO À CIRCULAÇÃO

2.4.1 – Ao portador

São aqueles que não identificam o credor, sendo transmissíveis por mera tradição (entrega)
do emissor para o beneficiário.

2.4.2 - Nominativos

São aqueles que identificam o credor, isto é, o título é emitido em favor de pessoa cujo nome
conste no registro do emitente, sendo que sua transmissão pressupõe, além da tradição,
outro ato jurídico (endosso ou cessão de crédito).
Os títulos nominativos podem ser “à ordem” ou “não à ordem”.
Os títulos nominativos à ordem são aqueles que podem ser transferidos pelo beneficiário a
um terceiro mediante endosso. Caso conste em um título a cláusula não à ordem, o título
não poderá ser transferido por endosso.

3 – TÍTULOS DE CRÉDITO NO CÓDIGO CIVIL


As páginas anteriores não tratam apenas de um artigo de lei, qual seja o artigo 887 do
Código Civil, mas imagino que você já tenha percebido isso. O estudo dos tópicos anteriores
facilita, e muito, a compreensão da “Constituição do Crédito Cambiário”. Os próximos temas
tem grande recorrência.

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 17


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

O capricho na parte geral se deu - justamente - para que tivessem elementos para
compreender os dispositivos que vem pela frente!
Nota: A palavra cambiário serve como referência para o ramo do direito que estuda os títulos
de crédito (Direito Cambiário), uma área de estudo que integra o Direito Empresarial.
Na parte introdutória do material, é possível perceber que cada um dos títulos possuem, em
vista de suas leis especiais, requisitos que lhe são próprios. O Código Civil apenas é aplicado
aos títulos denominados próprios: Letra de Câmbio, Nota Promissória, Cheque e Duplicata,
de forma subsidiária.
A pergunta que você faz agora: Já que o Código Civil é aplicado apenas como um
complemento aos principais títulos, qual a serventia desses artigos?
Tais dispositivos são aplicados para títulos de crédito criados após o ano de 2002, como seria
o caso da Letra de Crédito Imobiliário, Cédula de Crédito Imobiliário ou mesmo a Cédula de
Crédito Bancário. A pergunta que não cala nesse momento: Terei que estudar esses títulos?

“Alguns editais cobram apenas os dispositivos do Código Civil. É o caso!”

3.1 – SAQUE OU EMISSÃO

O Emitente é aquele que cria o título com o preenchimento de todos os requisitos e a


tradição de boa-fé, constitui o crédito cambiário. Aliás, guarde isso, a tradição de boa-fé é o
momento de constituição do crédito.
Aquele contra quem o título é emitido é chamado de sacado. O beneficiário do título é
chamado de tomador.
Na nota promissória, como há uma promessa de pagamento, o saque é feito pelo devedor
que assina o título se comprometendo a pagar a quantia nele mencionada. Portanto, na
nota promissória tem-se o devedor chamado de emitente e o credor chamado de
beneficiário.
O artigo 889 do Código Civil determina os requisitos necessários e também suficientes para
que determinado documento possa ser qualificado como título de crédito, a seguir:
Artigo 889. Deve o título de crédito conter a data da emissão, a indicação precisa dos direitos que
confere, e a assinatura do emitente.
§1.o É à vista o título de crédito que não contenha indicação de vencimento.
Os requisitos necessários são: 1) data de emissão; 2) Descrição do ou dos direitos que
confere; e, 3) a assinatura do emitente.

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 18


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

O dispositivo conversa com a súmula 387 do STF que vai no sentido de que as omissões em
branco existentes no título, podem e devem ser preenchidas pelo credor de boa-fé antes
do protesto ou da cobrança judicial, a seguir transcrita:
Súmula 387, STF. “A cambial emitida ou aceita com omissões, ou em branco, pode ser completada pelo
credor de boa-fé antes da cobrança ou do protesto.”
Sabemos que os títulos circulam de mão em mão sem alguns campos preenchidos, o que
não será um problema, desde que haja a data de emisão, que os direitos mencionados sejam
claros, e, logicamente, conste a assinatura do emitente.
Em caso de omissão da data do vencimento, o §1.o do artigo 889 do Código Civil, o considera
à vista, já no caso de omissão local de emissão e de pagamento, considera-se o domicílio do
emitente, como no §2.o do Artigo 889, a seguir:
“§2.o Considera-se lugar de emissão e de pagamento, quando não indicado no título, o domicílio do
emitente.”
O artigo 891 e se parágrafo único do mesmo diploma civil, segue no mesmo caminho dos
dispositivos anteriores.
“Artigo 891. O título de crédito, incompleto ao tempo da emissão, deve ser preenchido de conformidade
com os ajustes realizados.”
“Parágrafo único. O descumprimento dos ajustes previstos neste artigo pelos que deles participaram,
não constitui motivo de oposição ao terceiro portador, salvo se este, ao adquirir o título, tiver agido de
má-fé.”

Alguns elementos lançados no título pelas partes, não são benvindos pelo legislador, como
se percebe da leitura do artigo 890 do Código Civil, a seguir:
“Artigo 890. Consideram-se não escritas no título a cláusula de juros, a proibitiva de endosso, a
excludente de responsabilidade pelo pagamento ou por despesas, a que dispense a observância de
termos e formalidade prescritas, e a que, além dos limites fixados em lei, exclua ou restrinja direitos e
obrigações.” (grifo nosso).

3.1.1. – EMISSÃO DE TÍTULOS ELETRÔNICOS

Hoje em dia, crescem as tecnologias de informática, como é o caso dos contratos eletrônicos,
o comércio eletrônico, e, logicamente, os recursos eletrônicos como facilitadores dos títulos
de crédito.
O §3.o do Artigo 889 do Código Civil traz a ideia dos meios eletrônicos como suporte
material para declarações cambiárias (constituição de créditos cambiários), a seguir
transcrito:

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 19


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

§ 3o O título poderá ser emitido a partir dos caracteres criados em computador ou meio técnico
equivalente e que constem da escrituração do emitente, observados os requisitos mínimos previstos
neste artigo.

Assim, a criação por meio eletrônico não lhe retira a natureza de título de crédito.
Atualmente, os empresários negociam entre si, tendo o banco como um intermediário em
suas relações, como é o caso das relações de compra e venda. No caso, o vendedor emite a
nota fiscal, envia as mercadorias para o comprador que assina o recebimento. Vamos utilizar
esse exemplo já no próximo parágrafo.
Assim, a duplicata em si, chega ao comprador (devedor) por meios eletrônicos, já que, o
comprovante de mercadorias esclarece de uma vez por todas se a relação se aperfeiçoou
ou não, sendo possível, em posse de tal comprovante, o protesto do título, assim como a
cobrança judicial pela via executiva.

3.2 – CIRCULAÇÃO DOS TÍTULOS DE CRÉDITO

Os títulos de crédito existem para a circulação. A transferência de titularidade desses


documentos implica a transmissão do direito literal neles mencionado, sem qualquer
exceção, como a seguir:
Artigo 893. A transferência do título de crédito implica a de todos os direitos que lhe são inerentes.
Existem alguns títulos de crédito que são representativos de mercadorias, como é o caso do
conhecimento de depósito. Esse título representa a situação de determinada pessoa que
armazena a mercadoria em um depósito, e, para representar esse negócio, recebe um
documento que se denomina conhecimento de depósito. Um título de crédito atípico.
Tendo em conta que o Código Civil é de aplicação apenas subsidiária para a maioria dos
títulos, creio que, em alguns casos, o legislador resolveu solucionar pendências antigas. O
artigo 894 do diploma civil, é justamente para regular títulos como o conhecimento de
depósito ou o conhecimento de transporte, que, destaque-se, não integram o seu edital.
Artigo 894. O portador de título representativo de mercadoria tem o direito de transferi-lo, de
conformidade com as normas que regulam a sua circulação, ou de receber aquela independentemente
de quaisquer formalidades, além da entrega do título devidamente quitado.
Aliás, sabemos que mesmo nos casos em que os títulos de crédito não representem uma
relação originária conhecida por nós, existe uma relação que origina o título, a que se
denomina “causa debendi”, que, inclusive, já foi bastante explicada, como um empréstimo
pode muito bem ser a “causa debendi” de uma nota promissória.

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 20


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

O artigo 895 do Código Civil, indica que todos os títulos de crédito, sejam aqueles abstratos,
que não se vinculam à relação originária, como no exemplo acima, ou até os representativos
de coisas como o conhecimento de depósito, possuem uma origem, e o dispositivo quer
fazer clara a ideia de que existe uma relação civil e outra cambiária, paralelamente:
Artigo 895. Enquanto o título de crédito estiver em circulação, só ele poderá ser dado em garantia, ou
ser objeto de medidas judiciais, e não, separadamente, os direitos ou mercadorias que representa.
Enfim, não há sentido em reivindicar o título de quem o tenha adquirido de boa-fé, de
acordo com as normas que disciplina a sua circulação, como no artigo 896 do diploma civil,
a seguir transcrito:
Artigo 896. O título de crédito não pode ser reivindicado do portador que o adquiriu de boa-fé e na
conformidade das normas que disciplinam a sua circulação.
Nos títulos a seguir, cuidaremos bastante das normas de circulação. O Código Civil permite
que os Títulos de Crédito, segundo o modo como se dê a circulação, possam apresentar três
formas diversas: ao portador, à ordem ou nominativa. O seu edital faz menção diretamente
a cada uma das formas.
Teremos de nos preocupar com possibilidade de equívocos, pois um título à ordem (títulos
que podem ser transferidos), não deixam de ser nominativos (consta o nome do credor),
assim como, os títulos à ordem, podem ser ao portador (sem constar o nome do credor).
Arrisco dizer que, ao bem da verdade, temos apenas duas espécies:

I – Os títulos ao portador são aqueles transferidos pela simples tradição (entrega de boa-
fé ao beneficiário).

II – O título nominativo, como aquele em favor de uma pessoa que conste do registro do
emitente.

Os nominativos e ao portador, já que todos os dois podem ser transferidos mediante


endosso, portanto, ambos podem ser títulos à ordem.
Vamos aos estudos das três temáticas, mas, primeiramente, cuidaremos dos títulos ao
portador, logo a seguir.

3.2.1. – OS TÍTULOS AO PORTADOR NO CÓDIGO CIVIL

Assim, como os títulos de crédito próprios (letra de câmbio, nota promissória, cheque e
duplicata), seguem as suas leis especiais, que, diga-se, vedam os títulos ao portador, já
aqueles títulos criados após o Código Civil de 2002, poderão circular ao portador.

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 21


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

Os títulos ao portador são aqueles transferidos pela simples tradição (entrega de boa-fé ao
beneficiário). Adiante, você perceberá que os títulos ao portador não são diferentes do que
se denomina “endosso em branco”, mas isso nós vamos cuidar um pouquinho depois.
Segue o Artigo 904 do Código Civil:
CAPÍTULO II
Do Título ao Portador
Artigo 904. A transferência de título ao portador se faz por simples tradição.
Artigo 905. O possuidor de título ao portador tem direito à prestação nele indicada, mediante a sua
simples apresentação ao devedor.
Parágrafo único. A prestação é devida ainda que o título tenha entrado em circulação contra a vontade
do emitente.
O dispositivo acima, qual seja o “caput” do Artigo 905 do Código Civil é para legitimar o seu
possuidor como legítimo titular do direito nele mencionado, podendo reclamar a sua
obrigação. A presunção de titularidade não é absoluta, salvo hipótese de má-fé.
Artigo 906. O devedor só poderá opor ao portador exceção fundada em direito pessoal, ou em nulidade
de sua obrigação.
Assim, o devedor apenas poderá opor defesa pessoal ao portador do título que tenha com
ele próprio contratado, nunca em relação a terceiros, como, inclusive, já vimos antes ou em
nulidade de obrigação. Em algumas passagens, esclareci que a compreensão da parte geral
facilitaria o nosso estudo mais adiante.

Chegamos a esse momento! Tudo isso decorre do princípio da autonomia, o mais


importante para os Títulos de Crédito.

3.2.2. – OS TÍTULOS À ORDEM E O ENDOSSO

Endosso é o ato pelo qual o beneficiário de um título opera sua transferência a outrem.
Evidente que a transferência do título a terceiro se efetiva mediante a tradição, já que é
necessária a apresentação do título para sua cobrança. (“cartularidade”).
Aquele que transfere o título é chamado de endossante (ou endossador). O adquirente do
título é chamado de endossatário. Não há limites para o número de endossos, podendo ser
endossado diversas vezes ou nunca ser endossado.

I – O endosso pode ser “em branco”, quando não identificado o endossatário, tornando-
se título ao portador

II – O endosso em preto se dá quando o endossatário é identificado, tornando-se título


nominativo.

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 22


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

O Código Civil tem um capítulo próprio para os “Títulos à Ordem”. Os títulos de crédito em
geral, possuem uma cláusula implícita de que podem ser transferidos. Assim, em regra,
todos os títulos (ao portador ou nominativos) são à ordem, portanto, endossáveis.
O Artigo 910 do Código Civil permite que o endosso seja lançado no verso (costas do título),
ou no anverso (frente do título), mas o seu §1o segue a tradição de que a simples assinatura
do verso do título, indica o endosso. No caso de lançar o endosso na frente do título, passa
a ser necessário escrever a expressão “por endosso”, ou equivalente.
Do Título À Ordem
Artigo 910. O endosso deve ser lançado pelo endossante no verso ou anverso do próprio título.
§1 oPode o endossante designar o endossatário, e para validade do endosso, dado no verso do título, é
suficiente a simples assinatura do endossante.
§2 o A transferência por endosso completa-se com a tradição do título.
§3 o Considera-se não escrito o endosso cancelado, total ou parcialmente.
O endosso resulta da simples assinatura do credor do título lançado no seu verso, podendo
ser feita sob a expressão “pague-se a ...” (endosso em preto) ou simplesmente “pague-se”
(endosso em branco), ou sob outra expressão equivalente, não podendo o endossador
limitar-se a assinar o título, caso o endosso esteja no anverso.
Além disso, o código civil não autoriza endosso lançando em folha anexa.

No endosso em branco, a transferência do título pode ser feita mediante mera tradição (ao
portador), hipótese em que o credor do título que o transfere não ficará coobrigado.
O Artigo 913 do Código Civil, esclarece que é possível mudar o endosso de branco (ao
portador), para endosso em preto (nominativo).
Artigo 913. O endossatário de endosso em branco pode mudá-lo para endosso em preto, completando-
o com o seu nome ou de terceiro; pode endossar novamente o título, em branco ou em preto; ou pode
transferi-lo sem novo endosso.
É nulo o endosso parcial, segundo se depreende da norma contida no parágrafo único do
artigo 912 do Código Civil.
O caput do artigo 912, ainda trata o endosso condicional, em que a transferência do crédito
fica subordinada a alguma condição, resolutiva ou suspensiva, não é nulo, mas referida
condição será ineficaz, porque a lei a considera não escrita.
“Artigo 912. Considera-se não escrita no endosso qualquer condição a que o subordine o endossante.
Parágrafo único. É nulo o endosso parcial.”

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 23


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

A condição retratada no dispositivo e também no parágrafo anterior, pode ter como


exemplo, o sujeito que escreve no título que o endosso apenas produzirá efeitos se um
terceiro entregar-se certa quantia relacionada a direitos em um contrato de compra e venda.
São efeitos do endosso no código civil:

I – o endossante transfere a titularidade do crédito representado pelo título;

II – sendo que, na hipótese de inadimplemento do sacado, o endossante não pode ser


chamado pelo beneficiário a fim de adimplir o débito.

O Código Civil Brasileiro, inexplicavelmente, adotou o mesmo sistema do Código Civil


Brasileiro, já que o endossante não responderá de forma solidária com os outros devedores,
a não ser que escreva no título a assunção de responsabilidade solidária, como a seguir:
“Artigo 914. Ressalvada cláusula expressa em contrário, constante do endosso, não responde o
endossante pelo cumprimento da prestação constante do título.
§ 1 o Assumindo responsabilidade pelo pagamento, o endossante se torna devedor solidário.
§ 2 o Pagando o título, tem o endossante ação de regresso contra os coobrigados anteriores.”
Caso o endossante resolva assumir a responsabilidade solidária por cláusula expressa no
título, e, por eventualidade, seja compelido a pagar a obrigação, terá direito de ajuizar uma
ação regressiva contra o devedor principal, como no §2 o acima transcrito.

A transferência de titularidade de crédito que não é representado por título de crédito é


chamada de cessão civil de crédito, que apresenta outros efeitos que não o do endosso.
Artigo 919. A aquisição de título à ordem, por meio diverso do endosso, tem efeito de cessão civil.
Conforme já mencionado, a transferência de titularidade de crédito que não é representado
por título de crédito é chamada de cessão civil de crédito, que apresenta outros efeitos que
não o do endosso. A matéria não está em seu edital, então seremos breves. Existem duas
regras que devem ser destacadas sobre a cessão civil de crédito:

I – a) O cedente responde, em regra, apenas pela existência do crédito pelo tempo que o
cedeu (artigo 295 do Código Civil), e não pela solvência do devedor (artigo 296 do CC);

II – A responsabilidade é subsidiária e não solidária.

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 24


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

Por fim, há endossos que produzem efeitos de cessão civil de crédito, São duas hipóteses,
a saber:

I – endosso praticado após o protesto por falta de pagamento ou do transcurso do prazo


legal para a extração desse protesto (endosso póstumo);

II – endosso de título com a cláusula “não à ordem”.

Existem inúmeras espécies de endosso, o Código Civil regula o endosso-caução, endosso


mandato, e endosso póstumo e outros, nos dispositivos adiante.

A) ENDOSSO-MANDATO

Iniciaremos pelo endosso-mandato, também chamado de endosso-procuração ou endosso-


cobrança. Aliás, essa espécie é muito utilizada para que um endossante transfira os direitos
emergentes do título para um endossatário que realizará a cobrança do valor mencionado
no título.
O endossatário, inclusive, conserva a possibilidade de transferir o título por essa mesma via,
mas apenas no que for concernente aos direito que recebeu.
Artigo 917. A cláusula constitutiva de mandato, lançada no endosso, confere ao endossatário o exercício
dos direitos inerentes ao título, salvo restrição expressamente estatuída.
§ 1 o O endossatário de endosso-mandato só pode endossar novamente o título na qualidade de
procurador, com os mesmos poderes que recebeu.

B) ENDOSSO-CAUÇÃO

O endosso-caução se identifica pelas expressões valor em garantia ou valor em penhor ou


outra indicação de caução. O Código Civil em seu artigo 918 admite que qualquer título de
crédito possa ser conferido em penhor mediante simples aposição de endosso.
Artigo 918. A cláusula constitutiva de penhor, lançada no endosso, confere ao endossatário o exercício
dos direitos inerentes ao título.
§ 1 o O endossatário de endosso-penhor só pode endossar novamente o título na qualidade de
procurador.
§ 2 o Não pode o devedor opor ao endossatário de endosso-penhor as exceções que tinha contra o
endossante, salvo se aquele tiver agido de má-fé.

C) ENDOSSO-PÓSTUMO

O endosso póstumo é aquele que se dá após o vencimento, porém, ainda assim preservará
todos os direitos que o endosso realizado de forma anterior ao vencimento, mas a situação
muda com a realização do protesto, situação em que terá apenas valor de cessão de crédito.
Artigo 920. O endosso posterior ao vencimento produz os mesmos efeitos do anterior.

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 25


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

3.2.2. – OS TÍTULOS NOMINATIVOS

O presente capítulo, a partir do Artigo 921 do Código Civil é para conceituar o título
nominativo, como aquele em favor de uma pessoa que conste do registro do emitente.
Nesse caso, o nome do adquirente constará do documento, como a seguir:
CAPÍTULO IV
Do Título Nominativo
Artigo 921. É título nominativo o emitido em favor de pessoa cujo nome conste no registro do emitente.
Artigo 922. Transfere-se o título nominativo mediante termo, em registro do emitente, assinado pelo
proprietário e pelo adquirente.
O texto acima demonstra que os títulos nominativos, bem como, os títulos ao portador,
podem ser transferidos mediante o instituto do endosso que trataremos no próximo título.
Artigo 923. O título nominativo também pode ser transferido por endosso que contenha o nome do
endossatário.

3.3 – O INSTITUTO DO AVAL NO CÓDIGO CIVIL

É o ato em que uma pessoa garante o pagamento do título em favor do devedor principal
ou de um coobrigado. Quem dá garantia de pagamento é chamado de avalista. A quem é
dada a garantia é chamado de avalizado.
Artigo 897. O pagamento de título de crédito, que contenha obrigação de pagar soma determinada,
pode ser garantido por aval.
Parágrafo único. É vedado o aval parcial.
O aval resulta da simples assinatura do avalista no anverso do título, sob alguma
expressão indicativa do ato praticado como “por aval” ou equivalente. Se o avalista quiser
firmar no verso do título, somente poderá fazê-lo identificando o ato praticado.
Artigo 898. O aval deve ser dado no verso ou no anverso do próprio título.
§ 1o Para a validade do aval, dado no anverso do título, é suficiente a simples assinatura do avalista.
§ 2o Considera-se não escrito o aval cancelado.
O código civil apenas aceita o aval integral, e o avalista é responsável da mesma forma que
o seu avalizado, sendo sua obrigação autônoma em relação ao avalizado.
Artigo 899. O avalista equipara-se àquele cujo nome indicar; na falta de indicação, ao emitente ou
devedor final.
§ 1° Pagando o título, tem o avalista ação de regresso contra o seu avalizado e demais coobrigados
anteriores.

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 26


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

O aval pode ser “em branco”, quando não é identificado o avalizado, e “em preto”, quando
é identificado. O aval em branco é presumido em favor do sacador segundo a súmula 189 do
STF.
O aval póstumo é aquele dado após o vencimento da obrigação mencionada no título. O
aval dado após o vencimento produz os mesmos efeitos do anteriormente dado.
Artigo 900. O aval posterior ao vencimento produz os mesmos efeitos do anteriormente dado.
O aval póstumo que se dá após o protesto do título perde a natureza cambiária, logo, não
produzirá efeitos de Aval. A garantia de um crédito dado sem efeitos cambiários é a fiança.
Distingue-se a fiança do aval no seguinte: a obrigação do fiador é pessoal e acessória em
relação ao afiançado e a responsabilidade é subsidiária; já a obrigação do avalista é
autônoma, independente da do avalizado.

(FGV - Advogado (ALERO)/ALERO/2018). Sobre títulos de crédito, analise as


afirmativas a seguir.

I. A lei brasileira permite que se faça um endosso parcial, desde que seja tal
circunstância anotada no verso do título de crédito transferido.

II. Nos títulos de crédito ao portador, a prestação é devida ainda que o documento
tenha entrado em circulação contra a vontade do emitente.

III. Em relações jurídicas regidas pelo direito comum, é válida a cláusula pela qual
o avalista se responsabiliza por parte do pagamento da dívida.

Está correto o que se afirma em


a) I, somente.
b) II, somente.
c) III, somente.
d) I e II, somente.
e) II e III, somente.

“O gabarito está logo abaixo!”


- Caso você prefira estudar as questões apenas ao final, pule essa parte –

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 27


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

O item I está incorreto, vez que o endosso é o ato no


qual o credor (endossante) transmite seus direitos cambiários a terceiros
(endossatário), segundo o Código Civil¹, o endosso parcial será nulo, vejamos:
“Artigo 912. Considera-se não escrita no endosso qualquer condição a que o
subordine o endossante. Parágrafo único. É nulo o endosso parcial.”
O item II está correto, segundo preceitua o artigo 905º do Código Civil: “o
possuidor de título ao portador tem direito à prestação nele indicada, mediante a
sua simples apresentação ao devedor. Parágrafo único. A prestação é devida ainda
que o título tenha entrado em circulação contra a vontade do emitente.”
O item III está incorreto, segundo dispõe o artigo 897º do Código Civil, o aval
parcial é vedado: “O pagamento de título de crédito, que contenha obrigação de
pagar soma determinada, pode ser garantido por aval. Parágrafo único. É vedado
o aval parcial.”

(FGV - OAB UNI NAC/OAB/XXVI Exame/2018). Três Coroas Comércio de Artigos


Eletrônicos Ltda. subscreveu nota promissória em favor do Banco Dois Irmãos S.A.
com vencimento a dia certo. Após o vencimento, foi aceita uma proposta de
moratória feita pelo devedor por 120 (cento e vinte) dias, sem alteração da data
de vencimento indicada no título. O beneficiário exigiu dois avalistas simultâneos,
e o devedor apresentou Montenegro e Bento, que firmaram avais em preto no
título.
Sobre esses avais e a responsabilidade dos avalistas simultâneos, assinale a
afirmativa correta.
a) Por ser vedado, no direito brasileiro, o aval póstumo, os avais simultâneos são
considerados não escritos, inexistindo responsabilidade cambial dos avalistas.
b) O aval lançado na nota promissória após o vencimento ou o protesto tem efeito
de fiança, respondendo os avalistas subsidiariamente perante o portador.
c) O aval póstumo produz os mesmos efeitos do anteriormente dado,
respondendo os avalistas solidariamente e autonomamente perante o portador.
d) O aval póstumo é nulo, mas sua nulidade não se estende à obrigação firmada
pelo subscritor (avalizado), em razão do princípio da autonomia.

“O gabarito está logo abaixo!”


- Caso você prefira estudar as questões apenas ao final, pule essa parte -

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 28


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

O aval é uma garantia de pagamento feita pelo avalista no próprio título. Vamos
analisar as alternativas apresentadas pela banca:
A alternativa “A” está errada, uma vez que o aval póstumo é aquele feito após
o prazo para o protesto do título ou após o protesto já efetuado . É possível sim
que sejam feitos avais simultâneos. Avais simultâneos são aqueles feitos ao
mesmo tempo, de maneira que os avalistas são garantidores da mesma maneira,
ou seja, tanto Montenegro como Bento respondem independente e integralmente
pelas dívidas relativas ao título de crédito e a garantia por eles dada.
A alternativa “B” está errada, pois aval póstumo é aquele feito após o protesto ou
prazo para o protesto. Isso geralmente acontece após o vencimento sim, porém
um aval pode ser dado após o vencimento e antes do protesto. Esse aval produz
os mesmos efeitos do que o dado anteriormente ao vencimento. Então, não
confunda, aval póstumo com aval lançado após o vencimento. A legislação não
prevê especificamente o regramento e os efeitos de um aval póstumo, a doutrina
varia o entendimento em relação a esse assunto. O que não impede de marcar a
questão como errada, já que o aval lançado na nota após o vencimento não tem
efeito de fiança.
A alternativa “C” está correta, nos exatos termos do artigo 900º do Código Civil:
“O aval posterior ao vencimento produz os mesmos efeitos do anteriormente
dado.” Como dito, a lei não estabelece os efeitos do aval póstumo, uma das
correntes doutrinárias sobre o assunto nos ensina exatamente o que está previsto
nessa alternativa, pois, segundo alguns doutrinadores, o aval póstumo produz os
mesmos efeitos do anteriormente dado de maneira que os avalistas serão
responsabilizados normalmente, ou seja, solidariamente e autonomamente
perante o portador.
A alternativa “D” está errada, vez que uma das correntes acima citadas vai dizer
exatamente que o aval póstumo não tem validade, no entanto, não foi essa
corrente adotada pela banca e, por isso, essa alternativa errada. Então, para a FGV
admite-se sim aval póstumo.

4 – PREFERÊNCIAS E PRIVILÉGIOS CREDITÓRIOS NO CÓDIGO CIVIL


O Código Civil possui um capítulo para estabelecer preferências e privilégios em relação aos
considerados insolventes.
Tais dispositivos são, inclusive, bastante úteis nas falências e recuperações, mas no código
civil, apresentam-se para solucionar a declaração de insolvência de determinado devedor,
não sujeito ao processo de falência. É válido ressaltar que, em regra, a falência tem aplicação
apenas aos tipos empresariais.

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 29


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

A insolvência quer significar um volume de dívidas que não pode ser pago com o
patrimônio do sujeito que assim se declara, ou que sofre uma ação de insolvência civil,
valendo considerar que o atual código de processo civil nada trouxe sobre o assunto. Assim,
aplicamos o processo do código processual antigo.
As regras relacionadas ao concurso de credores, situação em que se estabelece quem
recebe em primeiro, segundo, terceiro ou último lugar será resolvida conforme os artigos
955 a 965 do Código Civil, como a seguir:
Artigo 955. Procede-se à declaração de insolvência toda vez que as dívidas excedam à importância dos
bens do devedor.
É natural que se os credores não estiverem classificados entre os privilegiados, não haverá
preferência, tendo os credores direitos iguais aos bens do devedor comum, como segue:
Artigo 957. Não havendo título legal à preferência, terão os credores igual direito sobre os bens do
devedor comum.

A) CRÉDITOS PREFERENCIAIS

Os Artigos 958 a 961 do Código Civil determinam e regulam a preferência que está com os
créditos de natureza real, como é o caso do credor hipotecário, geralmente, as instituições
financeiras, ainda que existam outras possibilidades, como a seguir transcrito:
Artigo 958. Os títulos legais de preferência são os privilégios e os direitos reais.
Artigo 959. Conservam seus respectivos direitos os credores, hipotecários ou privilegiados:
I - sobre o preço do seguro da coisa gravada com hipoteca ou privilégio, ou sobre a indenização devida,
havendo responsável pela perda ou danificação da coisa;
II - sobre o valor da indenização, se a coisa obrigada a hipoteca ou privilégio for desapropriada.
Artigo 961. O crédito real prefere ao pessoal de qualquer espécie; o crédito pessoal privilegiado, ao
simples; e o privilégio especial, ao geral.
O Artigo 962 do Código Civil regula o rateio, que nada mais é, do que a distribuição
proporcional dos ativos do devedor, após a sua liquidação, já que, geralmente, o produto
do processo de insolvência não costuma bastar para o pagamento integral de todos, como a
seguir:
Artigo 962. Quando concorrerem aos mesmos bens, e por título igual, dois ou mais credores da mesma
classe especialmente privilegiados, haverá entre eles rateio proporcional ao valor dos respectivos
créditos, se o produto não bastar para o pagamento integral de todos.

O Artigo 963 do Código Civil deixa claro que em primeiro lugar estarão os créditos de
natureza real, e, logo em seguida, em segundo lugar, os privilégios especiais, para que,
somente após isso, sejam pagos os privilégios gerais.

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 30


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

“Artigo 963. O privilégio especial só compreende os bens sujeitos, por expressa disposição de lei, ao
pagamento do crédito que ele favorece; e o geral, todos os bens não sujeitos a crédito real nem a
privilégio especial.”

B) PRIVILÉGIO ESPECIAL

Artigo 964. Têm privilégio especial:

I - sobre a coisa arrecadada e liquidada, o credor de custas e despesas judiciais feitas com
a arrecadação e liquidação;

II - sobre a coisa salvada, o credor por despesas de salvamento;

III - sobre a coisa beneficiada, o credor por benfeitorias necessárias ou úteis;

IV - sobre os prédios rústicos ou urbanos, fábricas, oficinas, ou quaisquer outras


construções, o credor de materiais, dinheiro, ou serviços para a sua edificação,
reconstrução, ou melhoramento;

V - sobre os frutos agrícolas, o credor por sementes, instrumentos e serviços à cultura, ou


à colheita;

VI - sobre as alfaias e utensílios de uso doméstico, nos prédios rústicos ou urbanos, o


credor de aluguéis, quanto às prestações do ano corrente e do anterior;

VII - sobre os exemplares da obra existente na massa do editor, o autor dela, ou seus
legítimos representantes, pelo crédito fundado contra aquele no contrato da edição;

VIII - sobre o produto da colheita, para a qual houver concorrido com o seu trabalho, e
precipuamente a quaisquer outros créditos, ainda que reais, o trabalhador agrícola,
quanto à dívida dos seus salários.

IX - sobre os produtos do abate, o credor por animais.

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 31


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

C) PRIVILÉGIO GERAL

Artigo 965. Goza de privilégio geral, na ordem seguinte, sobre os bens do devedor:

I - o crédito por despesa de seu funeral, feito segundo a condição do morto e o costume
do lugar;

II - o crédito por custas judiciais, ou por despesas com a arrecadação e liquidação da


massa;

III - o crédito por despesas com o luto do cônjuge sobrevivo e dos filhos do devedor
falecido, se foram moderadas;

IV - o crédito por despesas com a doença de que faleceu o devedor, no semestre


anterior à sua morte;

V - o crédito pelos gastos necessários à mantença do devedor falecido e sua família, no


trimestre anterior ao falecimento;

VI - o crédito pelos impostos devidos à Fazenda Pública, no ano corrente e no anterior;

VII - o crédito pelos salários dos empregados do serviço doméstico do devedor, nos seus
derradeiros seis meses de vida;

VIII - os demais créditos de privilégio geral.

Todos os demais, quirografários, portanto, ficam na última posição. São os créditos


residuais, logo, todos que não tem preferências ou privilégios.

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 32


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

5- LETRA DE CÂMBIO

5. 1 - LETRA DE CÂMBIO

A letra de câmbio é um título de crédito abstrato, que corresponde a um documento formal,


decorrente da relação de crédito entre duas ou mais pessoas. Um título abstrato é aquele
que não tem vinculação com a relação originária, como já trabalhamos na primeira parte de
nosso material.
Por essa relação de crédito o sacador dá ordem de pagamento pura e simples, à vista ou a
prazo, em favor de terceira pessoa (tomador ou beneficiário), no valor e nas condições nela
constantes para que esta última procure o sacado acerca do aceite, conforme Art. 3.º,
Decreto 77.663/66:
Art. 3º - A letra pode ser a ordem do próprio sacador. Pode ser sacada sobre o próprio sacador. Pode ser
sacada por ordem e conta de terceiro.
A relação de mais alta complexidade da letra de câmbio é essa esboçada acima já que
perfazer três relações jurídicas, como passamos a explicar no exemplo abaixo.

Vamos a um exemplo! Imagine que Ricardo Vale, após visita, se interesse por uma obra em
minha prateleira, a Coleção dos livros do doutrinador Pontes de Miranda. Vamos imaginar
mais. Ricardo Vale não tem a quantia em dinheiro, mas resolve emitir uma Letra de Câmbio
em meu favor (Alessandro Sanchez). No caso em tela serei o beneficiário.
Note, que na explicação acima, por enquanto, temos apenas duas pessoa. Ricardo Vale indica
no título que o beneficiário (Alessandro Sanchez), deverá procurar Rosenval para que este
efetue o pagamento, já que o sacado, ora indicado, lhe deve determinada quantia suficiente
para pagamento do título.

Assim, temos as três relações jurídicas desenhadas, como no quadro abaixo:

Sacador: “Ricardo Vale”. Emite o título em favor do beneficiário e contra o sacado.

Beneficiário: “Alessandro Sanchez”. Recebe o título do sacador e deve procurar o sacado.

Sacado: “Rosenval”. Deve informar no título se aceita o pagamento ou não.

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 33


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

No caso, imaginemos que o Professor Rosenval aceita o pagamento. Resolvido, todos felizes!
Ricardo vale (emitente) conseguiu a aquisição de seu livro e utilizou o crédito que tinha com
o Professor Rosenval. Alessandro Sanchez (beneficiário), procurou Rosenval que, além de
aceitar, fez o pagamento. Rosenval não deve mais nada para Ricardo Vale ou para
Alessandro.
Caso estejamos diante da primeira parte do Art. 3.º, Decreto 77.663/66, a situação é mais
simples já que o sacador consta também como sacado e nesse caso o título funcionará como
uma espécie de Nota Promissória. Explico mais!
Se o título é sacado contra o próprio sacador, temos a figura de Ricardo Vale (sacador) que
se posicionará também como sacado, devendo realizar o pagamento e Alessandro Sanchez
como beneficiário, portanto, apenas duas relações jurídicas.
Finalmente, essa forma de explicação resolve o propósito, já que a Letra de Câmbio, tão
pouco utilizada precisa ser compreendida para responder as hipóteses de prova.
5.1.1 - Saque
A letra de câmbio é uma ordem de pagamento. Portanto, seu saque ou emissão geram três
relações jurídicas. O sacador emite a ordem para que o sacado pague e o tomador se
beneficie.
O saque (emissão) autoriza o tomador a procurar o sacado para, ocorridas determinadas
condições, receber a quantia referida no título, e vincula o sacador ao pagamento da letra
de câmbio.
Caso o sacado não pague ao tomador o valor mencionado na letra de câmbio, poderá este
cobrar o valor do sacador, na medida em que o sacador, ao praticar o saque, tornou-se
codevedor do título.

Sacador Sacado Tomador/Beneficiário

São requisitos da letra de câmbio, conforme Art. 1.º, Decreto 57.663/66:


 a expressão letra de câmbio;
 a ordem de pagar a quantia;
 o nome do sacado;
 o lugar do pagamento;
 o nome do tomador;
 o local e data do saque;
 a assinatura do sacador.

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 34


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

Requisitos da
Letra de Câmbio

Assinatura do Expressão “letra


sacador de câmbio”

Mandato puro e
Lugar da emissão simples para
pagar quantia

Nome do Nome do sacado


beneficiário

Lugar do Época do
pagamento pagamento

Os requisitos da letra de câmbio e dos demais títulos de crédito podem ser preenchidos até
o momento em que a cártula é apresentada para cobrança ou protesto, viabilizando-se,
destarte, a sua circulação em branco ou incompleta, estando, pois, o portador de boa-fé
legitimado a preenchê-la, ostentando a condição de mandatário tácito do sacador.

Sobre o assunto, dispõe a Súmula 387 do STF:


A cambial emitida ou aceita com omissão ou em branco pode ser completada pelo credor de boa-fé,
antes da cobrança ou do protesto.

Vê-se, assim, que é inadmissível a cobrança, a execução ou o protesto de título de crédito


que não esteja devidamente preenchido.
Cumpre ainda esclarecer que até mesmo o saque da letra de câmbio, e não apenas os demais
atos cambiários, pode ser realizado por procurador com poderes especiais.

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 35


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

Todavia, em conformidade com o artigo 8º da Lei Uniforme, todo aquele que opuser a sua
assinatura numa letra, como representante de uma pessoa, sem que tenha poderes para
tanto ou então extrapolando os seus poderes, fica obrigado pela aludida letra, mas, em
contrapartida, se “A” pagar, passa a ter os mesmos direitos que o pretendido representado
teria.
A mesma regra se aplica ao representante que tenha excedido os seus poderes.
Art. 8º. Todo aquele que apuser a sua assinatura numa letra, como representante de uma pessoa, para
representar a qual não tinha de fato poderes, fica obrigado em virtude da letra e, se a pagar, tem os
mesmos direitos que o pretendido representado. A mesma regra se aplica ao representante que tenha
excedido os seus poderes.

2.1.2 - Aceite
O aceite é o ato cambial pelo qual o sacado de uma ordem de pagamento a prazo concorda
em se obrigar a efetuar o pagamento no vencimento do título que lhe é apresentado.
O sacado, antes do aceite, não é ainda devedor da letra. Aliás, na letra de câmbio, o aceite é
facultativo. Contudo, ao aceitá-la, o sacado passa a se chamar aceitante, tornando-se o
devedor principal do título.
Assim, a letra de câmbio a prazo é apresentada ao sacado duas vezes. A primeira é para o
aceite, a segunda, para o pagamento.

É facultativo, portanto, o beneficiário deve


procurar o sacado para expressar o aceite ou não e,
se positivo, retornar para receber o valor
representado na cártula

Aceite

Torna o sacado devedor


principal, fazendo o sacador
solidariamente responsável
pela obrigação
Efeitos do aceite

O sacado passa a ser tratado


como aceitante

É denominado “vista” ou “vista para aceite” o ato pelo qual o portador da letra apresenta ao
sacado para que este dê sua anuência ao pagamento.

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 36


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

O aceite é escrito na própria letra. Exprime-se pela palavra “aceite” ou qualquer outra
palavra equivalente, como, por exemplo, a expressão “de acordo”. Vale, também, como
aceite, a simples assinatura do sacado aposta no anverso (frente) da letra.
Em resumo, o aceite, no anverso, pode se expressar com a mera assinatura do sacado, mas,
no verso, além dessa assinatura, é necessária a inserção escrita da palavra “aceite” ou outra
equivalente.
Aceite limitativo: é aquele em que o sacado aceita pagar apenas uma parte do valor do título.
Se o sacado pode simplesmente não aceitar a obrigação, natural que possa aceitar pagar
apenas uma parte.
Cláusula não aceitável: é a que traz a proibição do aceite antes da data de seu vencimento.

•Sacado se desobriga
Recusa do aceite •A obrigação vence antecipadamente contra o
sacador

•Sacado aceita pagar apenas uma parte do valor do


Aceite limitativo título
•Pode, ainda, alterar prazo ou lugar do pagamento

•Proibição do aceite
Cláusula não aceitável •Título é apresentado ao sacado apenas na
oportunidade para pagamento

5.1.3 - Endosso
No que se refere ao ato jurídico que opera a transferência da titularidade, os títulos de crédito
são obrigatoriamente nominativos, e poderão ser “à ordem” ou “não à ordem”.
Os títulos “à ordem” são aqueles cuja circulação ocorre mediante endosso; a cláusula “não
à ordem” inviabiliza o endosso, devendo a transferência da titularidade da letra de câmbio
operar-se pela via da cessão civil de crédito, conforme preceitua a segunda parte do artigo
11 da Lei Uniforme.
Artigo 11. Toda letra de câmbio, mesmo que não envolva expressamente a cláusula à ordem, é
transmissível por via de endosso.
Quando o sacador tiver inserido na letra as palavras "não à ordem", ou uma expressão equivalente, a
letra só é transmissível pela forma e com os efeitos de uma cessão ordinária de créditos.

Endosso é o ato cambiário que opera a transferência do crédito, representado por um título
“à ordem”. A cláusula “à ordem” é tácita. Dessa forma, para que um título de crédito seja
considerado “à ordem” e, portanto, transferível por endosso, basta que não contenha uma
cláusula “não à ordem”.
Artigo 12. O endosso deve ser puro e simples. Qualquer condição a que ele seja subordinado considera-
se como não escrita.
O endosso parcial é nulo.

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 37


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

O endossante e o endossatário são as partes envolvidas no endosso. O primeiro é o


proprietário do título de crédito, ostentando, em razão disso, a qualidade de credor da
cártula. O segundo é a pessoa para a qual o título foi transferido, sendo, pois, o seu novo
proprietário, assumindo também a posição de credor.

É claro que apenas o proprietário do título de crédito desfruta de legitimidade para


endossá-lo, porquanto ninguém pode transferir direitos que não possui, distinguindo-se,
assim, do aval, que é uma garantia dada por terceiro estranho ao título.
Não há limite ao número de endosso. Este pode ser feito em favor de qualquer pessoa,
inclusive do próprio sacado, aceitando ou não, do sacador, ou de qualquer outro coobrigado,
sendo que estas pessoas poderão endossar novamente a letra.
O primeiro endosso deverá ser efetuado pelo tomador, que é o primeiro credor do título. O
segundo endossador ou endossante é o endossatário do tomador, e assim sucessivamente.
Cada endossante, ao endossar o título de crédito a um endossatário, deixa de ser credor do
valor nele mencionado, passando a figurar como codevedor juntamente com os demais
endossadores e o sacado. Endosso em preto é o que identifica o nome do endossatário,
revelando-se pela expressão “pague-se a Fausto Silva”.
Artigo 15. O endossante, salvo cláusula em contrário, é garante tanto da aceitação como do pagamento
da letra. O endossante pode proibir um novo endosso, e, neste caso, não garante o pagamento às
pessoas a quem a letra for posteriormente endossada.

Endosso em branco é o que não identifica o endossatário, revelando-se por simples


assinatura do endossante no verso do título ou no anverso pela expressão “pague-se” ou
outra equivalente.
Com o endosso em branco, transforma-se o título em “ao portador”, podendo, desde então,
ser transferido com a mera tradição (entrega do título), prescindindo-se de um novo endosso.
No endosso em branco, porém, continua existindo a figura do endossatário, considerando-se
como tal o portador do título.
Artigo 13. O endosso deve ser escrito na letra ou numa folha ligada a esta (anexo). Deve ser assinado
pelo endossante.
O endosso pode não designar o benefício, ou consistir simplesmente na assinatura do endossante

Não obstante, o endosso em branco autoriza a transferência do título pela simples tradição,
transformando-o em “ao portador”, sendo certo que, por força do artigo 1º da Lei
8.021/1990, no momento do pagamento, é obrigatória a identificação do beneficiado,
inserindo-se o seu nome no espaço em branco em que se lançou o endosso:
Artigo 1° A partir da vigência desta lei, fica vedado o pagamento ou resgate de qualquer título ou
aplicação, bem como dos seus rendimentos ou ganhos, a beneficiário não identificado.

Essa prática já era possível, nos termos do artigo 14 da Lei Uniforme, mas tornou-se
obrigatória com a Lei 8.021/1990, funcionando como um mecanismo de controle fiscal:

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 38


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

Artigo 14. O endosso transmite todos os direitos emergentes da letra. Se o endosso for em branco, o
portador pode:
1º) preencher o espaço em branco, quer com o seu nome, quer com o nome de outra pessoa;
2º) endossar de novo a letra em branco ou a favor de outra pessoa;
3º) remeter a letra a um terceiro, sem preencher o espaço em branco e sem a endossar.

Endosso em preto

•Identifica o endossatário
•"Pague-se a ..."

Endosso em branco

•Não identifica o endossatário


•Torna o título em “ao portador”
•Transferência por simples tradição: transmitente não se vincula ao pagamento
•Transferência por endosso: transmitente se torna devedor solidário

Outra modalidade de endosso é o chamado endosso mandato, o que institui o portador da


cártula como o mandatário do proprietário do título de crédito, autorizando-o a efetuar a
cobrança em nome deste.
Referido endosso, que nada mais é do que um simples mandato, e, por isso, não se reveste
de efeito translativo da propriedade do título, revela-se por mandato, isto é, na qualidade de
procurador, o que equivale a um substabelecimento.

• Trata-se de simples mandato


• Há transmissão dos direitos de cobrança e
emergentes do título de crédito
• Não há transmissão do crédito

Endosso Mandato

De fato, o endossatário-mandatário não é o credor do título, mas mero representante do


credor, e, sendo assim, o devedor não pode se opor ao pagamento com as defesas que teria
perante esse endossatário.

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 39


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

O mandatário tem legitimidade para protestar o título e executá-lo judicialmente por meio
das expressões “por procuração” ou “pague-se por procuração”, “valor a cobrar”, “para
cobrança”, ou qualquer outra que implique em simples mandato.
De acordo com o artigo 18 da Lei Uniforme, o mandato que resulta de um endosso por
procuração não se extingue por morte ou sobrevinda incapacidade legal do mandante,
excepcionando-se, destarte, a norma contrária prevista no Código Civil.
Artigo 18. Quando o endosso contém a menção "valor a cobrar" (valeur en recouvrement), "para
cobrança" (pour encaissement), "por procuração" (par procuration), ou qualquer outra menção que
implique um simples mandato, o portador pode exercer todos os direitos emergentes da letra, mas só
pode endossá-la na qualidade de procurador.

Convém, ainda, acrescentar que, no endosso-mandato, os poderes do mandatário


circunscrevem-se à cobrança da cártula e demais direitos emergentes do título de crédito,
podendo, inclusive, endossá-lo, como salientado anteriormente, e desfrutar de todos os
direitos emergentes da letra.

Súmula 476 do STJ: O endossatário de título de crédito


por endosso-mandato só responde por danos decorrentes de protesto indevido se extrapolar
os poderes de mandatário.

Outra modalidade importante de endosso é o endosso-caução, que propicia a posse do


título, como penhor, em favor do credor do endossante. Tome-se como exemplo dinheiro
emprestado de um amigo, descontando-lhe, como caução, uma letra de câmbio, que será
devolvida quando o pagamento do débito for efetivado.
Artigo 19. Quando o endosso contém a menção "valor em garantia", "valor em penhor" ou qualquer
outra menção que implique uma caução, o portador pode exercer todos os direitos emergentes da letra,
mas um endosso feito por ele só vale como endosso a título de procuração.

Aludido endosso é exteriorizado quando existe no título menção a expressões como “pague-
se por caução”, “valor em garantia”, “valor em penhor”, ou qualquer outra que implique
uma caução.
O portador pode exercer todos os direitos emergentes do título, inclusive protestá-lo e
executá-lo judicialmente, caso haja inadimplemento, facultando-se-lhe, ainda, a prática do
endosso por procuração.
E, finalmente, temos o endosso tardio, ou póstumo, ou impróprio, que é feito após o título
já ter sido protestado por falta de pagamento, ou depois de expirado o prazo fixado para se
fazer o protesto.
Artigo 20. O endosso posterior ao vencimento tem os mesmos efeitos que o endosso anterior. Todavia,
o endosso posterior ao protesto por falta de pagamento, ou feito depois de expirado o prazo fixado
para se fazer o protesto, produz apenas os efeitos de uma cessão ordinária de créditos.

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 40


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

Neste endosso, o endossante não é devedor solidário, respondendo, tão somente, pela
existência do título de crédito e, ainda assim, apenas perante o endossatário. Produz, como
se vê, os efeitos de uma cessão civil de crédito.

• Após o título ser protestado por falta de pagamento


• Após o prazo de protesto
• Tem efeitos equivalentes aos da cessão de crédito

Endosso Tardio

Súmula 475 do STJ: Responde pelos danos decorrentes de


protesto indevido, o endossatário que recebe por endosso translativo título de crédito contendo
vício formal extrínseco ou intrínseco, ficando ressalvado seu direito de regresso contra os
endossantes e avalistas.

5.1.4 - Aval
Aval é o ato cambiário pelo qual uma pessoa garante o pagamento do título de crédito em
favor de outro coobrigado. Essa garantia é dada por um terceiro ou mesmo por signatário da
letra de câmbio (artigo 3º da Lei Uniforme).
Artigo 3º. A letra pode ser à ordem do próprio sacador. Pode ser sacada sobre o próprio sacador. Pode
ser sacada por ordem e conta de terceiro.

O avalista ou dador de aval é a pessoa que se responsabiliza pelo pagamento, tornando-se,


pois, coobrigado, da mesma maneira que a pessoa por ele afiançada.
O avalizado, por sua vez, é a pessoa em favor de quem foi dado o aval. A propósito, o aval
deve indicar a pessoa por quem se dá. Na falta de indicação, entender-se-á pelo sacador
(artigo 31 da Lei Uniforme).
Artigo 31. O aval é escrito na própria letra ou numa folha anexa. Exprime-se pelas palavras "bom para
aval" ou por qualquer fórmula equivalente; e assinado pelo dador do aval.

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 41


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

O aval considera-se como resultante da simples assinatura do dador aposta na face anterior da letra,
salvo se se trata das assinaturas do sacado ou do sacador.
O aval deve indicar a pessoa por quem se dá. Na falta de indicação, entender-se-á pelo sacador.

O avalista deve ser capaz, mas sua incapacidade limita-se a anular o aval, mantendo-se a
validade do título de crédito, por força do princípio da autonomia das obrigações cambiais
(artigo 7º da Lei Uniforme).
Artigo 7º. Se a letra contém assinaturas de pessoas incapazes de se obrigarem por letras, assinaturas
falsas, assinaturas de pessoas fictícias, ou assinaturas que por qualquer outra razão não poderiam
obrigar as pessoas que assinaram a letra, ou em nome das quais ela foi assinada, as obrigações dos
outros signatários nem por isso deixam de ser válidas.

De fato, a obrigação do avalista é autônoma e independente das obrigações assumidas


pelos demais signatários do título, circunstância que levou Rubens Requião a afirmar que o
aval dado a uma assinatura falsa, ou a obrigação assumida por um menor incapaz, não é
atingido pela nulidade decorrente da falsificação ou da incapacidade do menor.

Aval

Avalista: pessoa que se Avalizado: pessoa em


responsabiliza pelo favor de quem foi dado
pagamento o aval, na falta de
indicação, será o
sacador

Responsabilidade Solidária

Deve ser capaz, porém sua incapacidade


limita-se à anulação do aval, mantendo-se
válido o título » princípio da autonomia das
relações cambiárias

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 42


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

Sobre o assunto, também dispõe o artigo 32 da Lei Uniforme que a obrigação do avalista se
mantém, mesmo no caso de obrigação que ele garantia ser nula por qualquer razão que
não seja um vício de forma. Assim, somente o vício de forma, como, por exemplo, o aval
dado em documento separado, é capaz de excluir a obrigação do avalista.
Artigo 32. O dador de aval é responsável da mesma maneira que a pessoa por ele afiançada.
A sua obrigação mantém-se, mesmo no caso de a obrigação que ele garantiu ser nula por qualquer
razão que não seja um vício de forma.
Se o dador de aval paga a letra, fica sub-rogado nos direitos emergentes da letra contra a pessoa a
favor de quem foi dado o aval e contra os obrigados para com esta em virtude da letra.

Aval em branco é o que não identifica o avalizado, reputando-se como tal o sacador (artigo
31 da Lei Uniforme).
Artigo 31. O aval é escrito na própria letra ou numa folha anexa. Exprime-se pelas palavras "bom para
aval" ou por qualquer fórmula equivalente; e assinado pelo dador do aval.
O aval considera-se como resultante da simples assinatura do dador aposta na face anterior da letra,
salvo se se trata das assinaturas do sacado ou do sacador.
O aval deve indicar a pessoa por quem se dá. Na falta de indicação, entender-se-á pelo sacador.

Aval em preto, ao revés, é o que identifica expressamente o avalizado. Nesse caso, o


beneficiado pode ser qualquer coobrigado do título (aceitante, sacador, endossantes e
avalistas).
Avais simultâneos são os lançados por dois ou mais avalistas em favor do mesmo avalizado.
É quando o devedor tem mais de um avalista.
Avais sucessivos ocorrem quando um avalista garante o outro avalista. É quando um avalista
também tem avalista. De acordo com a jurisprudência, não se presume, dependendo, pois,
de cláusula expressa de sucessividade.

Em branco: é aquele que não identifica o avalizado, portanto


reputa-se o sacador

Em preto: identifica expressamente o avalizado (aceitante,


sacador, endossantes e avalistas)

Aval

Simultâneos: são os lançados por dois ou mais avalistas em favor


do mesmo avalizado

Sucessivos: são lançados por dois avalistas, um avalista garante


outro avalista

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 43


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

Os avais em branco, quando superpostos em linhas, isto é, com uma assinatura acima da
outra, são considerados simultâneos, em benefício do sacador, ainda que figurem em série,
com número de ordem (primeiro avalista, segundo avalista etc.), consoante dispõe a
Súmula 189 do STF, cujo teor é o seguinte:

Súmula 189 do STF: Avais em branco e superpostos consideram-se simultâneos e não sucessivos.
Súmula 26 do STJ: O avalista do título de crédito vinculado a contrato de mútuo também responde pelas
obrigações pactuadas, quando no contrato figurar como devedor solidário.

5.1.5 - Vencimento
Vencimento é o fato jurídico a partir do qual a obrigação se torna exigível.
De acordo com o artigo 2º da Lei Uniforme, a letra de câmbio em que se não indique a época
do pagamento entende-se pagável à vista. Forçoso convir, portanto, que a época do
pagamento é um requisito facultativo, isto é, a sua ausência não desqualifica o título como
letra de câmbio.
Artigo 2º. O escrito em que faltar algum dos requisitos indicados no artigo anterior não produzirá efeito
como letra, salvo nos casos determinados nas alíneas seguintes:
A letra em que se não indique a época do pagamento entende-se pagável à vista.
Na falta de indicação especial, o lugar designado ao lado do nome do sacado considera-se como sendo
o lugar do pagamento, e, ao mesmo tempo, o lugar do domicilio do sacado.
A letra sem indicação do lugar onde foi passada considera-se como tendo-o sido no lugar designado, ao
lado do nome do sacador.

No dia do vencimento do título, este já se revela exigível, podendo ser cobrado do aceitante
e seu respectivo avalista, independentemente do protesto; todavia, para cobrança dos
demais coobrigados, o protesto se faz necessário.
O vencimento duplo gera a nulidade da letra de câmbio. Com efeito, dispõe o artigo 33 da Lei
Uniforme que as letras, quer com vencimentos diferentes, quer com vencimentos sucessivos,
são nulas. O vencimento poderá ser à vista, a certo termo da data, a certo termo da vista ou
a dia certo.
Artigo 33. Uma letra pode ser sacada:
à vista;
a um certo termo de vista;
a um certo termo de data;
pagável num dia fixado.
As letras, quer com vencimentos diferentes, quer com vencimentos sucessivos, são nulas.

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 44


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

A certo termo da vista: é aquela em que o vencimento se opera num determinado período,
cujo termo inicial é a data do aceite ou a data do protesto por falta de aceite.
As letras a certo termo de vista devem ser apresentadas ao aceite dentro do prazo de um
ano, a contar da data do saque, mas o sacador pode reduzir esse prazo ou estipular um prazo
maior, sendo que esses prazos também podem ser reduzidos pelos endossantes (artigo 23
da Lei Uniforme).
Artigo 23. As letras a certo termo de vista devem ser apresentadas ao aceite dentro do prazo de 1 (um)
ano das suas datas.
O sacador pode reduzir este prazo ou estipular um prazo maior.
Esses prazos podem ser reduzidos pelos endossantes.

Se não for apresentado dentro desses prazos, o portador não poderá exercer o direito de
regresso contra os coobrigados anteriores.
Na falta de data do aceite, por dolo ou negligência do aceitante, o portador da letra de câmbio
possui três opções: a primeira é inserir no título a data do aceite, procedendo-se com boa-fé
(Súmula 387 do STF).

Súmula 387 do STF:


A cambial emitida ou aceita com omissões, ou em branco, pode ser completada pelo credor de boa-fé
antes da cobrança ou do protesto.

A segunda é providenciar o protesto por falta de data do aceite, para que o aceitante seja
intimado a datá-lo, sob pena de ser considerada a data do protesto como sendo o dia do
aceite. A terceira é considerar a data do último dia do prazo para a apresentação ao aceite
(artigo 35 da Lei Uniforme).
Artigo 35. O vencimento de uma letra a certo termo de vista determina-se, quer pela data do aceite,
quer pela do protesto. Na falta de protesto, o aceite não datado entende-se, no que respeita ao
aceitante, como tendo sido dado no último dia do prazo para a apresentação ao aceite.

A certo termo da data: tem-se o vencimento após o transcurso de um lapso temporal


iniciado na data do saque.
A data certa: tem-se por vencido o título em dia predeterminado pelas partes.

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 45


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

Vencimento

A certo termo da A certo termo da A data certa: dia


vista – termo inicial: data: termo inicial do predeterminado
prazo é a data do pelas partes
saque

Data do protesto por


Data do aceite
falta de aceite

Falta de data do aceite – o portador do título tem três opções:


 Inserir no título a data do aceite
 Providenciar o protesto por falta de data do aceite, para que o
aceitante seja intimado a datá-lo
 Considerar a data do último dia do prazo para a apresentação ao
aceite

As regras de contagem do prazo de vencimento no direito cambiário estão dispostas no


artigo 36 da Lei Uniforme.
Artigo 36. O vencimento de uma letra sacada a 1 (um) ou mais meses de data ou de vista será na data
correspondente do mês em que o pagamento se deve efetuar. Na falta de data correspondente, o
vencimento será no último dia desse mês.

Ressalte-se que, para efeito de contagem de prazo, dia útil é aquele em que há expediente
bancário.
As obrigações de pagar, em geral, poderão ser quesíveis (quérable) ou portáveis (portable).
São quesíveis quando cabe ao credor a iniciativa de procurar o devedor para a satisfação
de seu crédito. São portáveis quando cabe ao devedor a iniciativa de procurar o credor para
o pagamento de seu débito.
5.1.6 - Protesto
O protesto é um ato notarial que visa documentar, no próprio título, a ocorrência de um
fato que tem relevância para as relações cambiais.

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 46


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

A letra de câmbio comporta três tipos de protesto: por falta de aceite; por falta de data de
aceite; e por falta de pagamento.
O protesto por falta de aceite é cabível quando o sacado, antes do vencimento da letra de
câmbio, se recusa a emitir o aceite ou não é encontrado para aceitá-la.
O protesto por falta de aceite é extraído contra o sacador, mas o cartório intimará o sacado
a manifestar se irá ou não aceitar a letra de câmbio.
Aceitando-a, o protesto não se realiza. Recusando-se o aceite, o protesto se concretiza na
pessoa do sacador, tendo em vista que o sacado não é obrigado a aceitar a letra de câmbio.
O protesto por falta de aceite deve ser feito nos prazos fixados para a apresentação do
aceite (artigo 44 da LU), que, grosso modo, é de um ano a contar do saque, salvo se o sacador
reduziu esse prazo, ou estipulou outro maior, ou se esses prazos foram reduzidos pelos
endossantes.
Convém, ainda, esclarecer que o protesto por falta de aceite dispensa o protesto por falta de
pagamento em relação ao sacador, viabilizando-se, desde logo, contra ele, a cobrança judicial
(artigo 44 da LU).
Artigo 44. A recusa de aceite ou de pagamento deve ser comprovada por um ato formal (protesto por
falta de aceite ou falta de pagamento).

• Antes do vencimento da
letra de câmbio
Por falta de aceite
• Sacado se recusa a emitir o
aceite ou não é encontrado
para aceitá-lo

• Letra de câmbio a certo


Por falta de data termo de vista
Protesto de aceite • Pode ser extraído até o
término do prazo para
apresentação ao aceite

• Facultativo em relação ao
aceitante e respectivo avalista
Por falta de
pagamento • Necessário para a cobrança
judicial em relação aos demais
coobrigados

A certo termo da data ou de vista e dia fixo: o protesto deve ser feito
num dos dois dias úteis seguintes àquele em que a letra de câmbio é
pagável.
À vista: o protesto deve ser feito dentro do prazo de um ano, a contar
da data do saque, salvo se fixado outro prazo.

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 47


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

5.1.7 – Prescrição

O prazo prescricional está fixado no artigo 70 da LU:


 Três anos: a contar da data do vencimento do título – para o exercício do direito de
crédito contra o devedor principal e seu avalista.
 Um ano: a contar da data do protesto do título – para o exercício do direito de crédito
contra os coobrigados (sacador, endossantes e respectivos avalistas).
 Seis meses: a contar do pagamento – para o exercício do direito de regresso por
qualquer um dos coobrigados.
De acordo com o artigo 71 da Lei Uniforme, a interrupção da prescrição só produz efeitos
em relação à pessoa para quem a interrupção foi feita, fluindo normalmente para os demais,
diferentemente do estatuído pelo §1º do artigo 204 do Código Civil, segundo o qual, a
interrupção efetuada contra devedor solidário envolve os demais devedores.
Prevalece, no entanto, para o direito cambiário, o artigo 71 da Lei Uniforme, conforme já
salientado anteriormente.
Artigo 71. A interrupção da prescrição só produz efeito em relação à pessoa para quem a interrupção
foi feita.

5.2 - NOTA PROMISSÓRIA

É a promessa de pagamento que uma pessoa faz a outra. Vimos que, quando do saque das
letras de câmbio, surgem três situações jurídicas distintas: sacador, sacado e tomador.
Tratando-se de notas promissórias, surgem duas situações jurídicas distintas: aquele que
promete pagar determinada quantia e o beneficiário dessa promessa. A pessoa que
promete pagar denomina-se sacador, promitente ou emitente.
A pessoa em favor de quem é feita a promessa denomina-se sacado ou beneficiário.
Os requisitos essenciais das notas promissórias conforme art. 75 (LU) são:
a) denominação “nota promissória” expressa no idioma empregado no título;
b) promessa pura e simples de pagar quantia determinada;
c) pessoa a quem deve ser paga;
d) data de emissão;
e) assinatura do emitente.

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 48


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

Súmula 258 do STJ: A nota promissória vinculada a contrato de abertura de crédito não goza de
autonomia em razão da iliquidez do título que a originou.
Súmula 233 do STJ: O contrato de abertura de crédito, ainda que acompanhado de extrato da
conta-corrente, não é título executivo.

O título em que faltar algum dos requisitos indicados não produzirá efeito como nota
promissória, salvo nos casos determinados em lei.
A nota promissória em que se não indique a época do pagamento será considerada à vista.
Na falta de indicação especial, o lugar onde o título foi passado considera-se como sendo o
lugar do pagamento e, ao mesmo tempo, o lugar do domicílio do subscritor da nota
promissória.
A nota promissória que não contenha indicação do lugar onde foi passada considera-se como
tendo-o sido no lugar designado ao lado do nome do subscritor.

Nota Promissória

Sacador/Promitente/Emitente: Sacado/Beneficiário: Pessoa em


Pessoa que promete pagar favor de quem foi feita a promessa

Requisitos: A prescrição trienal da pretensão à


• Expressão “nota promissória” no título execução de nota promissória à vista
• Promessa pura e simples de pagar quantia conta-se a partir do término do prazo legal
determinada para apresentação a pagamento ou do
prazo fixado no título
• Pessoa a quem deve ser paga
• Data de emissão
• Assinatura do emitente

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 49


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

6 - CHEQUE

6.1 - DA EMISSÃO E DA FORMA DO CHEQUE

Os requisitos do cheque segundo o Art. 1º, lei 7.357/85, são:

I - a denominação ‘’cheque’’ inscrita no contexto do título e expressa na língua em que


este é redigido;

II - a ordem incondicional de pagar quantia determinada;

III - o nome do banco ou da instituição financeira que deve pagar (sacado);

IV - a indicação do lugar de pagamento;

V - a indicação da data e do lugar de emissão;

VI - a assinatura do emitente (sacador), ou de seu mandatário com poderes especiais.

A assinatura do emitente ou a de seu mandatário com poderes especiais pode ser constituída,
na forma de legislação específica, por chancela mecânica ou processo equivalente.
O título, a que falte qualquer dos requisitos enumerados precedente não vale como cheque,
segundo o Art. 2º, lei 7.357/85, salvo nos casos determinados a seguir:
I - na falta de indicação especial, é considerado lugar de pagamento o lugar designado junto
ao nome do sacado; se designados vários lugares, o cheque é pagável no primeiro deles;
não existindo qualquer indicação, o cheque é pagável no lugar de sua emissão;
II - não indicado o lugar de emissão, considera-se emitido o cheque no lugar indicado junto
ao nome do emitente.

O cheque é emitido contra banco, ou instituição financeira que lhe seja equiparada, sob
pena de não valer como cheque.
O emitente deve ter fundos disponíveis em poder do sacado e estar autorizado a sobre eles
emitir cheque, em virtude de contrato expresso ou tácito.
A infração desses preceitos não prejudica a validade do título como cheque.
A existência de fundos disponíveis é verificada no momento da apresentação do cheque para
pagamento.

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 50


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

Art. 4º, §2 º, Lei 7.357/85. Consideram-se fundos disponíveis:


a) os créditos constantes de conta-corrente bancária não subordinados a termo;

b) o saldo exigível de conta-corrente contratual;

c) a soma proveniente de abertura de crédito.

O cheque não admite aceite considerando-se não escrita qualquer declaração com esse
sentido.
Pode o sacado, a pedido do emitente ou do portador legitimado, lançar e assinar, no verso
do cheque não ao portador e ainda não endossado, visto, certificação ou outra declaração
equivalente, datada e por quantia igual à indicada no título.
A aposição de visto, certificação ou outra declaração equivalente obriga o sacado a debitar à
conta do emitente a quantia indicada no cheque e a reservá-la em benefício do portador
legitimado, durante o prazo de apresentação, sem que fiquem exonerados o emitente,
endossantes e demais coobrigados.
O sacado creditará à conta do emitente a quantia reservada, uma vez vencido o prazo de
apresentação; e, antes disso, se o cheque lhe for entregue para inutilização.
Pode-se estipular no cheque que seu pagamento seja feito:
 a pessoa nomeada, com ou sem cláusula expressa ‘’à ordem’’;
 a pessoa nomeada, com a cláusula ‘’não à ordem’’, ou outra equivalente;
 ao portador.
Vale como cheque ao portador o que não contém indicação do beneficiário e o emitido em
favor de pessoa nomeada com a cláusula ‘’ou ao portador’’, ou expressão equivalente.
O cheque pode ser emitido:
 à ordem do próprio sacador;
 por conta de terceiro;
 contra o próprio banco sacador, desde que não ao portador.

“Considera-se não escrita a estipulação de juros inserida no cheque.”


O cheque pode ser pagável no domicílio de terceiro, quer na localidade em que o sacado
tenha domicílio, quer em outra, desde que o terceiro seja banco.
Feita a indicação da quantia em algarismos e por extenso, prevalece esta no caso de
divergência. lndicada a quantia mais de uma vez, quer por extenso, quer por algarismos,
prevalece, no caso de divergência, a indicação da menor quantia.
As obrigações contraídas no cheque são autônomas e independentes.

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 51


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

A assinatura de pessoa capaz cria obrigações para o signatário, mesmo que o cheque
contenha assinatura de pessoas incapazes de se obrigar por cheque, ou assinaturas falsas, ou
assinaturas de pessoas fictícias, ou assinaturas que, por qualquer outra razão, não poderiam
obrigar as pessoas que assinaram o cheque, ou em nome das quais ele foi assinado.
Obriga-se pessoalmente quem assina cheque como mandatário ou representante, sem ter
poderes para tal, ou excedendo os que lhe foram conferidos. Pagando o cheque, tem os
mesmos direitos daquele em cujo nome assinou.
O emitente garante o pagamento, considerando-se não escrita a declaração pela qual se
exima dessa garantia.
Se o cheque, incompleto no ato da emissão, for completado com inobservância do
convencionado com a emitente, tal fato não pode ser oposto ao portador, a não ser que este
tenha adquirido a cheque de má-fé.

6.2 - CARACTERÍSTICAS

Cheque é o título de crédito emitido contra banco, ou instituição financeira que lhe seja
equiparada, contendo uma ordem de pagamento à vista.

1.Contrato

Sacador Sacado
(correntista) (Banco)

Beneficiário
(lojista)
3. Apresentação do título ao
2. Emissão
Banco para pagamento

O cheque é disciplinado pela Lei 7.357/1985, cujo artigo 32 dispõe que ele é pagável à vista,
considerando-se não escrita qualquer menção em contrário. Não se admite, como se vê, a
cláusula de pagamento a prazo, mas a sua inserção não anula o cheque, sendo, pois, reputada
não escrita, isto é, inexistente.
A propósito, o parágrafo único do citado artigo 32 preceitua que o cheque apresentado para
pagamento antes do dia indicado como data de emissão é pagável no dia da apresentação.
Art . 32 O cheque é pagável à vista. Considera-se não-estrita qualquer menção em contrário.
Parágrafo único - O cheque apresentado para pagamento antes do dia indicado como data de emissão
é pagável no dia da apresentação.

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 52


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

Convém ainda frisar que o cheque é emitido contra banco, ou instituição financeira que lhe
seja equiparada, sob pena de não valer como cheque (artigo 3º). O sacador é o emitente do
cheque e o sacado é o banco, sendo o beneficiário aquele em favor do qual determinada
quantia é paga.
Art . 3º O cheque é emitido contra banco, ou instituição financeira que lhe seja equiparada, sob pena
de não valer como cheque.

A falta de fundos disponíveis não prejudica a validade do título como cheque (artigo 4º).
É da competência do Conselho Monetário Nacional expedir normas relativas à matéria
bancária relacionada com o cheque (artigo 69 da Lei 7.357/1985).
Art . 69 Fica ressalvada a competência do Conselho Monetário Nacional, nos termos e nos limites da
legislação especifica, para expedir normas relativas à matéria bancária relacionada com o cheque.

Dentre essas normas, merece destaque a que transforma o cheque em título de modelo
vinculado, cujo papel fornecido pelo banco, em talão ou avulso, deve observar formato
normativo.

É elemento essencial do cheque ser um título à vista.1 No


Brasil, o cheque é necessariamente nominativo. Observe-se, entretanto, que o Plano Collor (Lei
8.021/1990) estabeleceu que o cheque poderá ser ao portador até determinada quantia e a
Súmula 370 do STJ o reconhece na forma pré-datada ao se posicionar pela caracterização do
dano moral por sua apresentação antecipada.

O prazo de apresentação do cheque será de:


 30 dias, tratando-se de cheque da mesma praça;
 60 dias, tratando-se de cheques de praças diferentes.
O termo inicial para a contagem do prazo de prescrição do cheque é a expiração do prazo de
apresentação citado anteriormente, que será de seis meses.

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 53


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

Apresentação para pagamento

Mesma Praças
praça distintas

30 dias 60 dias

+
6 meses

A prescrição da pretensão executória não atinge o próprio direito material ou crédito, que
podem ser exercidos ou cobrados por outra via processual, admitida pelo ordenamento
jurídico.
Após o transcurso do prazo prescricional, o cheque não será mais considerado título
executivo; porém, como título monitório, poderá consubstanciar prova escrita para o
ajuizamento da ação monitória.

Nesse sentido, as Súmulas 503, 504 e 505 do STJ também seguiram a orientação
jurisprudencial anterior e a seguir citada, principalmente para definir o prazo quinquenal e o
termo inicial da contagem prescricional, seja o dia seguinte ao vencimento do título:

Súmula 247 do STJ: O contrato de abertura de crédito em


conta-corrente, acompanhado de demonstrativo de débito, constitui documento hábil para o
ajuizamento de ação monitória.

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 54


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

6.3 - DA APRESENTAÇÃO E DO PAGAMENTO

O cheque é pagável à vista, e considera-se não-estrita qualquer menção em contrário.

O cheque apresentado para pagamento antes do dia indicado como data de emissão é pagável
no dia da apresentação.

O cheque deve ser apresentado para pagamento, a contar do dia da emissão, no prazo de:
 30 (trinta) dias, quando emitido no lugar onde houver de ser pago;
 60 (sessenta) dias, quando emitido em outro lugar do País ou no exterior;
Quando o cheque é emitido entre lugares com calendários diferentes, considera-se como de
emissão o dia correspondente do calendário do lugar de pagamento.
A apresentação do cheque à câmara de compensação equivale à apresentação a
pagamento.
O emitente do cheque pagável no Brasil pode revogá-lo, mercê de contra-ordem dada por
aviso epistolar, ou por via judicial ou extrajudicial, com as razões motivadoras do ato.
Art . 35 O emitente do cheque pagável no Brasil pode revogá-lo, mercê de contra-ordem dada por aviso
epistolar, ou por via judicial ou extrajudicial, com as razões motivadoras do ato.
Parágrafo único - A revogação ou contra-ordem só produz efeito depois de expirado o prazo de
apresentação e, não sendo promovida, pode o sacado pagar o cheque até que decorra o prazo de
prescrição, nos termos do art. 59 desta Lei.
A revogação ou contra-ordem só produz efeito depois de expirado o prazo de apresentação
e, não sendo promovida, pode o sacado pagar o cheque até que decorra o prazo de
prescrição. (O famoso desacordo comercial).
A oposição do emitente indica que durante o prazo de apresentação, o emitente e o portador
legitimado podem fazer sustar o pagamento, manifestando ao sacado, por escrito, oposição
fundada em relevante razão de direito.
Art . 36 Mesmo durante o prazo de apresentação, o emitente e o portador legitimado podem fazer sustar
o pagamento, manifestando ao sacado, por escrito, oposição fundada em relevante razão de direito.
A oposição do emitente e a revogação ou contra-ordem se excluem reciprocamente.
Não cabe ao sacado julgar da relevância da razão invocada pelo oponente.
A morte do emitente ou sua incapacidade superveniente à emissão não invalidam os efeitos
do cheque.

6.4 - CHEQUE CRUZADO

O cheque cruzado, por sua vez, é o que contém, no anverso, dois traços paralelos, inseridos
pelo emitente ou por qualquer portador.

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 55


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

Art . 44 O emitente ou o portador podem cruzar o cheque, mediante a aposição de dois traços paralelos
no anverso do título.

A finalidade do cruzamento, que é evitar que o cheque seja pago diretamente no caixa da
agência bancária sem que se identifique o beneficiado, na verdade, é atingida por qualquer
cheque de valor superior a cem reais, independentemente de cruzamento, pois, a partir
desse valor, o cheque tem que ser nominativo.
Força, portanto, convir que a utilidade prática do cruzamento cinge-se aos cheques ao
portador, que, no Brasil, não pode ter valor superior a cem reais. Uma vez cruzado, veda-se
o saque direto no caixa, exigindo-se, pois, o depósito do cheque, realizando-se, destarte, a
identificação do beneficiado.
O cruzamento é em branco se entre os dois traços não houver nenhuma indicação do nome
do banco ou, então, existir apenas a indicação “banco”, ou outra equivalente.
§ 1º O cruzamento é geral se entre os dois traços não houver nenhuma indicação ou existir apenas a
indicação ‘’banco’’, ou outra equivalente. O cruzamento é especial se entre os dois traços existir a
indicação do nome do banco.

O cheque com cruzamento geral pode ser pago pelo banco sacado a outro banco, ou a
cliente do sacado, mediante crédito em conta.
O cruzamento é especial ou em preto se entre os dois traços existir a indicação do nome do
banco. O cheque com cruzamento especial só pode ser pago pelo sacado ao banco indicado
ou, se este for o sacado, a cliente seu, mediante crédito em conta. Se o credor não tiver conta
no banco indicado, ficará impedido de depositar o cheque, restando-lhe, no entanto, a opção
de endossar o cheque.
Art . 45 O cheque com cruzamento geral só pode ser pago pelo sacado a banco ou a cliente do sacado,
mediante crédito em conta. O cheque com cruzamento especial só pode ser pago pelo sacado ao banco
indicado, ou, se este for o sacado, a cliente seu, mediante crédito em conta. Pode, entretanto, o banco
designado incumbir outro da cobrança.

O cruzamento é irretratável. A propósito, dispõe o § 3º do artigo 44 da Lei 7.357/1985 que a


inutilização do cruzamento ou do nome do banco é reputada como não existente. O
cruzamento geral pode ser convertido em especial, mas este não pode converter-se naquele.

6.5 - CHEQUE PARA SER LEVADO EM CONTA

A Lei 7.357/1985, em seu artigo 46, define cheque para ser levado em conta como aquele
que possui cláusula proibindo o seu pagamento em dinheiro.
Art . 46 O emitente ou o portador podem proibir que o cheque seja pago em dinheiro mediante a
inscrição transversal, no anverso do título, da cláusula ‘’para ser creditado em conta’’, ou outra
equivalente. Nesse caso, o sacado só pode proceder a Iançamento contábil (crédito em conta,
transferência ou compensação), que vale como pagamento. O depósito do cheque em conta de seu
beneficiário dispensa o respectivo endosso.

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 56


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

Essa cláusula, que pode ser inserida pelo emitente ou por qualquer portador, é revelada pela
expressão “para ser creditado em conta”, ou outra equivalente, escrita de forma transversal
no anverso do título.
Nesse caso, o pagamento pelo sacado é feito por lançamento contábil, após o depósito do
cheque, consistente em crédito em conta do depositante ou transferência para outra conta,
a pedido do depositante, ou, ainda, por compensação, caso o depositante esteja em débito
com o banco no qual o cheque fora depositado.
Aludida cláusula é irretratável, reputando-se não escrita a sua eventual inutilização. O
depósito do cheque em conta de seu beneficiário dispensa o respectivo endosso.
Conquanto seja comum, se inserido nesse cheque o número da conta na qual se deve fazer
o depósito – exigência que não consta na lei –, basta a expressão “para ser creditado em
conta”; caso figure o número da conta, o cheque só poderá ser depositado nessa conta.

6.6 - CHEQUE VISADO

O cheque visado é aquele que contém, no verso, um visto e assinatura do sacado,


representando a confirmação da existência de fundos. Embora o cheque não admita aceite,
tendo em vista que é ordem de pagamento à vista, considerando-se não escrita qualquer
declaração com esse sentido, o artigo 7º da Lei 7.357/1985 prevê cheque visado.
O visto deve ser requerido ao sacado pelo próprio emitente ou portador legitimado.
O artigo 7º da Lei 7.357/1985 proíbe que o cheque ao portador ou já endossado sejam
visados. O visamento do cheque indica que o banco sacado reservou numerário suficiente
para o pagamento deste durante o prazo de apresentação.
Art . 7º Pode o sacado, a pedido do emitente ou do portador legitimado, lançar e assinar, no verso do
cheque não ao portador e ainda não endossado, visto, certificação ou outra declaração equivalente,
datada e por quantia igual à indicada no título.
§ 1º A aposição de visto, certificação ou outra declaração equivalente obriga o sacado a debitar à conta
do emitente a quantia indicada no cheque e a reservá-la em benefício do portador legitimado, durante
o prazo de apresentação, sem que fiquem exonerados o emitente, endossantes e demais coobrigados.

Expirado esse prazo, sem que o cheque tenha sido apresentado, o banco sacado procede ao
cancelamento do visamento, creditando na conta do emitente a quantia reservada.
Sobredito cancelamento, ainda que não vencido o prazo de apresentação, pode ser também
providenciado pelo sacado, se o cheque lhe for entregue para inutilização.
O cheque visado é, na prática, dinheiro na mão, pois o banco é responsável pelo pagamento,
se o visou irregularmente ou então se não reservou numerário suficiente para o pagamento,
tendo, em tal situação, direito de regresso contra o emitente.

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 57


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

6.7 - CHEQUE ADMINISTRATIVO

O cheque administrativo, por sua vez, é o emitido pelo banco contra o próprio banco
sacador. É também chamado de cheque bancário, ou cheque caixa, ou, ainda, cheque de
tesouraria.
Nesse cheque, o emitente é o próprio banco, figurando como sacado uma de suas agências
bancárias. Referido cheque é previsto no artigo 9º, III, da Lei 7.357/1985, não podendo ser
ao portador. A exigência de que seja nominativo não implica, porém, em proibição do
endosso. Ex.: traveller check.
Art . 9º O cheque pode ser emitido:
I - à ordem do próprio sacador;
II - por conta de terceiro;
Ill - contra o próprio banco sacador, desde que não ao portador.

Espécies de cheque

Pré-datado: caracteriza dano Cruzado: não haverá


moral a apresentação apresentação para retirada
antecipada ou a simples de dinheiro diretamente no
devolução indevida caixa

Não à ordem: não haverá Cruzamento especial ou


transmissão por endosso em preto: indica o banco
a ser apresentado

Administrativo: o banco Visado: o banco chancela a Para ser levado em conta:


figura como sacado e existência de fundos durante contém cláusula que proíbe
sacador, simultaneamente o prazo de apresentação seu pagamento em dinheiro

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 58


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

6.8- PROTESTO E AÇÃO CAMBIAL

A cobrança de um cheque sem fundos, pela lei, pressupõe o protesto do cheque dentro do
prazo de apresentação, sob pena de o credor perder seu direito de crédito contra os
endossantes e os avalistas.
A falta de pagamento do cheque pode ser comprovada de três formas:
a) protesto;
b) declaração do sacado, escrita e datada sobre o cheque, com indicação do dia da
apresentação, constando a insuficiência de fundos;
c) declaração escrita e datada por câmara de compensação, com menção da
insuficiência de fundos.

Comprovação da falta de
pagamento do cheque

Protesto dentro do prazo Declaração por câmara de


Declaração do sacado
de apresentação compensação

Ausência gera perda do direito de execução

Essas duas declarações acima dispensam o protesto, pois produzem os efeitos deste. A falta
de protesto e das declarações supramencionadas gera a perda do direito de execução
contra os endossantes e seus avalistas (inciso II do artigo 47).
47, II - contra os endossantes e seus avalistas, se o cheque apresentado em tempo hábil e a recusa de
pagamento é comprovada pelo protesto ou por declaração do sacado, escrita e datada sobre o cheque,
com indicação do dia de apresentação, ou, ainda, por declaração escrita e datada por câmara de
compensação.

O protesto ou as declarações acima, porém, são dispensáveis para a execução nas seguintes
hipóteses:

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 59


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

a) execução contra o emitente e seu avalista (inciso I do artigo 47): “Art . 47 Pode
o portador promover a execução do cheque: I - contra o emitente e seu
avalista.”
b) cláusula “sem despesa”, “sem protesto”, ou outra equivalente. Se esta
cláusula é lançada pelo emitente, protesto ou declaração equivalente se tornam
facultativos para todos os obrigados. Se lançada por endossante ou por avalista,
produz efeito de dispensar o protesto ou declaração equivalente, somente em
relação ao que lançar. Aludida cláusula, contudo, não dispensa o portador da
apresentação do cheque no prazo estabelecido;
c) intervenção, liquidação extrajudicial ou falência do sacado (§ 4º do artigo 47).
Se um desses fatos obstou a apresentação ou o pagamento do cheque, a execução
independe de protesto e das declarações de insuficiência de fundos: “§ 4º A
execução independe do protesto e das declarações previstas neste artigo, se a
apresentação ou o pagamento do cheque são obstados pelo fato de o sacado ter
sido submetido a intervenção, liquidação extrajudicial ou falência.”
O portador, nos quatro dias úteis seguintes ao protesto ou às declarações supra, deve dar
aviso da falta de pagamento ao seu endossante e ao emitente.
O aviso pode ser dado por qualquer forma, até pela simples devolução do cheque. Não
decai do direito de regresso o que deixa de dar o aviso no prazo estabelecido. Responde,
porém, pelo dano causado por sua negligência, sem que a indenização exceda o valor do
cheque.
Prescreve em seis meses, contados da expiração do prazo de apresentação, a ação de
execução contra o emitente, endossantes e avalistas (artigo 59 da Lei 7.357/1985):
Art . 59 Prescrevem em 6 (seis) meses, contados da expiração do prazo de apresentação, a ação que o
artigo 47 desta Lei assegura ao portador.
Parágrafo único - A ação de regresso de um obrigado ao pagamento do cheque contra outro prescreve
em 6 (seis) meses, contados do dia em que o obrigado pagou o cheque ou do dia em que foi demandado.

Portanto, o prazo de seis meses não se conta da data da efetiva apresentação do cheque ao
sacado, e sim da expiração do prazo legal para a sua apresentação.
Se, por exemplo, o cheque da mesma praça é emitido no dia 4 de fevereiro, o termo inicial
da prescrição será o término do prazo de apresentação, que é de 30 dias, não se confundindo
com o prazo de um mês.
Logo, no exemplo, o termo inicial da prescrição será o dia 6 de março ou, se o ano for
bissexto, o dia 5 de março, podendo a execução ser ajuizada até o dia 6 ou 5 de setembro do
mesmo ano, respectivamente. Uma vez prescrita a execução, cabe, no prazo de até cinco
anos seguintes ao término do prazo prescricional, ação monitória.
Súmula 600 do STF: Cabe ação executiva contra o emitente e seus avalistas, ainda que não apresentado
o cheque ao sacado no prazo legal, desde que não prescrita a ação cambiária.

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 60


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

Para todos os efeitos, emissão de cheque sem fundos é crime previsto no artigo 171, § 2º,
VI, do Código Penal.
Não é considerada crime a emissão de cheque pós-datado sem fundos. Para que se
caracterize o crime, é necessário que tenha havido dolo.
No que se refere à conta conjunta, a responsabilidade dos titulares da conta não é solidária
quanto à emissão do cheque. É solidária apenas no que se refere ao contrato de abertura de
crédito com o banco.

Pode o portador promover a execução do cheque:

I - contra o emitente e seu avalista;

II - contra os endossantes e seus avalistas, se o cheque apresentado em tempo hábil e a


recusa de pagamento é comprovada pelo protesto ou por declaração do sacado, escrita
e datada sobre o cheque, com indicação do dia de apresentação, ou, ainda, por
declaração escrita e datada por câmara de compensação.

Os signatários respondem pelos danos causados por declarações inexatas.


O portador que não apresentar o cheque em tempo hábil, ou não comprovar a recusa de
pagamento pela forma indicada neste artigo, perde o direito de execução contra o emitente,
se este tinha fundos disponíveis durante o prazo de apresentação e os deixou de ter, em
razão de fato que não lhe seja imputável.
A execução independe do protesto e das declarações previstas neste artigo, se a
apresentação ou o pagamento do cheque são obstados pelo fato de o sacado ter sido
submetido a intervenção, liquidação extrajudicial ou falência.
O protesto ou as declarações do artigo anterior devem fazer-se no lugar de pagamento ou do
domicílio do emitente, antes da expiração do prazo de apresentação. Se esta ocorrer no
último dia do prazo, o protesto ou as declarações podem fazer-se no primeiro dia útil
seguinte.
A entrega do cheque para protesto deve ser prenotada em livro especial e o protesto tirado
no prazo de 3 (três) dias úteis a contar do recebimento do título.

O instrumento do protesto, datado e assinado pelo oficial público competente, contém:

a) a transcrição literal do cheque, com todas as declarações nele inseridas, na ordem em


que se acham lançadas;

b) a certidão da intimação do emitente, de seu mandatário especial ou representante


legal, e as demais pessoas obrigadas no cheque;

c) a resposta dada pelos intimados ou a declaração da falta de resposta;

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 61


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

d) a certidão de não haverem sido encontrados ou de serem desconhecidos o emitente


ou os demais obrigados, realizada a intimação, nesse caso, pela imprensa.

O instrumento de protesto, depois de registrado em livro próprio, será entregue ao portador


legitimado ou àquele que houver efetuado o pagamento.
Pago o cheque depois do protesto, pode este ser cancelado, a pedido de qualquer
interessado, mediante arquivamento de cópia autenticada da quitação que contenha
perfeita identificação do título.
O portador deve dar aviso da falta de pagamento a seu endossante e ao emitente, nos 4
(quatro) dias úteis seguintes ao do protesto ou das declarações ou, havendo cláusula ‘’sem
despesa’’, ao da apresentação.
Cada endossante deve, nos 2 (dois) dias úteis seguintes ao do recebimento do aviso,
comunicar seu teor ao endossante precedente, indicando os nomes e endereços dos que
deram os avisos anteriores, e assim por diante, até o emitente, contando-se os prazos do
recebimento do aviso precedente.
O aviso dado a um obrigado deve estender-se, no mesmo prazo, a seu avalista.
Se o endossante não houver indicado seu endereço ou o tiver feito de forma ilegível, basta o
aviso ao endossante que o preceder.
O aviso pode ser dado por qualquer forma, até pela simples devolução do cheque.
Aquele que estiver obrigado a aviso deverá provar que o deu no prazo estipulado. Considera-
se observado o prazo se, dentro dele, houver sido posta no correio a carta de aviso.
Não decai do direito de regresso o que deixa de dar o aviso no prazo estabelecido. Responde,
porém, pelo dano causado por sua negligência, sem que a indenização exceda o valor do
cheque.
O emitente, o endossante e o avalista podem, pela cláusula ‘’sem despesa’’, ‘’sem protesto’’,
ou outra equivalente, lançada no título e assinada, dispensar o portador, para promover a
execução do título, do protesto ou da declaração equivalente.
A cláusula não dispensa o portador da apresentação do cheque no prazo estabelecido, nem
dos avisos. Incumbe a quem alega a inobservância de prazo a prova respectiva.
A cláusula lançada pelo emitente produz efeito em relação a todos os obrigados; a lançada
por endossante ou por avalista produz efeito somente em relação ao que lançar.
Se, apesar de cláusula lançada pelo emitente, o portador promove o protesto, as despesas
correm por sua conta. Por elas respondem todos os obrigados, se a cláusula é lançada por
endossante ou avalista.
Todos os obrigados respondem solidariamente para com o portador do cheque.
O portador tem o direito de demandar todos os obrigados, individual ou coletivamente, sem
estar sujeito a observar a ordem em que se obrigaram. O mesmo direito cabe ao obrigado
que pagar o cheque.

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 62


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

A ação contra um dos obrigados não impede sejam os outros demandados, mesmo que se
tenham obrigado posteriormente àquele.
Regem-se pelas normas das obrigações solidárias as relações entre obrigados do mesmo
grau.

O portador pode exigir do demandado:

I - a importância do cheque não pago;

II - os juros legais desde o dia da apresentação;

III - as despesas que fez;

IV - a compensação pela perde do valor aquisitivo da moeda, até o embolso das


importâncias mencionadas nos itens antecedentes.

Quem paga o cheque pode exigir de seus garantes:

I - a importância integral que pagou;

II - os juros legais, a contar do dia do pagamento;

III - as despesas que fez;

IV - a compensação pela perda do valor aquisitivo da moeda, até o embolso das


importâncias mencionadas nos itens antecedentes.

O obrigado contra o qual se promova execução, ou que a esta esteja sujeito, pode exigir,
contra pagamento, a entrega do cheque, com o instrumento de protesto ou da declaração
equivalente e a conta de juros e despesas quitada. O endossante que pagou o cheque pode
cancelar seu endosso e os dos endossantes posteriores.
Quando disposição legal ou caso de força maior impedir a apresentação do cheque, o
protesto ou a declaração equivalente nos prazos estabelecidos, consideram-se estes
prorrogados.
O portador é obrigado a dar aviso imediato da ocorrência de força maior a seu endossante e
a fazer menção do aviso dado mediante declaração datada e assinada por ele no cheque ou
folha de alongamento. São aplicáveis, quanto ao mais, as disposições do artigo 49 e seus
parágrafos desta Lei.
Cessado o impedimento, deve o portador, imediatamente, apresentar o cheque para
pagamento e, se couber, promover o protesto ou a declaração equivalente.
Se o impedimento durar por mais de 15 (quinze) dias, contados do dia em que o portador,
mesmo antes de findo o prazo de apresentação, comunicou a ocorrência de força maior a

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 63


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

seu endossante, poderá ser promovida a execução, sem necessidade da apresentação do


protesto ou declaração equivalente.
Não constituem casos de força maior os fatos puramente pessoais relativos ao portador ou à
pessoa por ele incumbida da apresentação do cheque, do protesto ou da obtenção da
declaração equivalente.

7- DUPLICATA

7.1- CARACTERÍSTICAS

A duplicata é um título de crédito emitido para representar uma compra e venda mercantil
ou uma prestação de serviços.
Ambas as transações mercantis são regidas pela Lei 5.474/1968 e têm regime jurídico quase
idêntico, apresentando a praticidade de o sacado se vincular, ainda que não tenha assinado
o título, diferentemente do que ocorre com a letra de câmbio.
De fato, na duplicata o aceite é obrigatório, dispensando a assinatura do devedor, ao passo
que, em uma letra de câmbio, o aceite é facultativo.
A duplicata pode ser garantida por outra pessoa por meio do aval. O avalista terá a mesma
responsabilidade da pessoa avalizada por ele.
Se não tiver a indicação de quem é o avalizado, será considerado o nome da pessoa abaixo
da assinatura do avalista. Fora isso o aval pode ser dado para garantir o comprador ou seja o
sacado da duplicata.
A Lei 5.474/1968, em seu artigo 1º, estabelece que todo empresário que realiza uma venda,
com prazo não inferior a 30 dias, deverá extrair uma fatura e apresentá-la ao devedor. A
fatura é um documento emitido pelo vendedor, relacionando as mercadorias vendidas,
discriminando-as, indicando sua quantidade e o respectivo valor.
Art . 1º Em todo o contrato de compra e venda mercantil entre partes domiciliadas no território
brasileiro, com prazo não inferior a 30 (trinta) dias, contado da data da entrega ou despacho das
mercadorias, o vendedor extrairá a respectiva fatura para apresentação ao comprador.

A fatura é um documento que tem o condão de facilitar a atividade do Fisco, aumentando


seu poder de controle sobre as atividades mercantis.
Para isso, foi criada a chamada nota fiscal-fatura. Por meio de um único documento, o
empresário cumpre duas obrigações: uma de caráter empresarial, emissão da fatura; e outra
de caráter fiscal, emissão de nota fiscal.

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 64


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

São duas as espécies de duplicata, também conhecidas como o princípio do direito brasileiro, a
saber:
a) duplicata mercantil ou duplicata de fatura ou conta assinada;
b) duplicata de prestação de serviços.

A duplicata pode, então, ser definida como uma ordem de pagamento emitida pelo
empresário com o escopo de documentar o crédito oriundo de uma operação de compra e
venda mercantil ou prestação de serviços.
Os requisitos da duplicata são encontrados no artigo 2º, § 1º, da Lei 5.474/1968. A duplicata
é título de crédito de aceite obrigatório, o que significa que o comprador da mercadoria –
sacado – não poderá deixar de aceitar o título.
Art . 2º No ato da emissão da fatura, dela poderá ser extraída uma duplicata para circulação como
efeito comercial, não sendo admitida qualquer outra espécie de título de crédito para documentar o
saque do vendedor pela importância faturada ao comprador.
§ 1º A duplicata conterá:
I - a denominação "duplicata", a data de sua emissão e o número de ordem;
II - o número da fatura;
III - a data certa do vencimento ou a declaração de ser a duplicata à vista;
IV - o nome e domicílio do vendedor e do comprador;
V - a importância a pagar, em algarismos e por extenso;
VI - a praça de pagamento;
VII - a cláusula à ordem;
VIII - a declaração do reconhecimento de sua exatidão e da obrigação de pagá-la, a ser assinada pelo
comprador, como aceite, cambial;
IX - a assinatura do emitente.

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 65


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

Partes Intervenientes Aceite

Sacador: vendedor que, em


conjunto com as mercadorias,
emitirá a nota fiscal para Aceite ordinário
representar a relação tributária e a
duplicata para representar a
relação empresarial

Sacado: comprador que receberá as Aceite presumido: falta de


mercadorias e, caso estejam em aceite no título ou não
ordem, deverá aceitar a duplicata devolução do título

A recusa do aceite apenas poderá ocorrer em situações expressamente previstas em lei,


especificamente no artigo 8º da Lei 5.474/1968.
I – Avaria ou não recebimento das mercadorias, quando não expedidas ou não entregues por sua conta
e risco. Assim, quando o transporte é por conta e risco do vendedor, o comprador pode se recusar a
aceitar a duplicata, se houver avaria ou o não recebimento da mercadoria.
II – Vícios, defeitos e diferenças na qualidade ou na quantidade das mercadorias, devidamente
comprovados. O ônus da prova do vício de qualidade ou quantidade é do comprador.
III – Divergência nos prazos ou nos preços ajustados.

Fora dessas hipóteses, a eventual recusa do aceite será inócua, pois a simples emissão da
duplicata, acompanhada do comprovante da entrega da mercadoria, é suficiente para
vincular o comprador ao pagamento, presumindo-se o aceite, dispensando-se a sua
assinatura.
Vê-se, assim, que a emissão da duplicata é facultativa, mesmo quando a fatura for
obrigatória. Conquanto facultativa, a duplicata, em relação ao vendedor, é insubstituível, pois
ele não pode emitir outro título de crédito.
O protesto deverá ser efetuado nos 30 dias seguintes ao vencimento da duplicata, sob pena
de o credor perder seu direito de crédito contra os endossantes e seus avalistas, mantendo-
se, porém, em relação ao sacado e seu avalista.
A duplicata de prestação de serviço é a emitida pelo empresário individual ou sociedade
empresária, ou, ainda, por fundações e sociedade civis que se dediquem à prestação de
serviços.

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 66


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

Baseia-se numa fatura que deverá discriminar a natureza dos serviços prestados e a soma a
pagar em dinheiro, correspondente ao preço dos serviços prestados. É, ainda, obrigatória,
para emitir essa duplicata, a sua escrituração em livro de registro de duplicata.
Referida duplicata está sujeita ao mesmo regime jurídico da duplicata mercantil, a única
diferença é que o protesto por indicações, para ser tirado, depende da apresentação do
instrumento contratual e da efetiva comprovação da prestação dos serviços (§ 3º do artigo
2º da Lei 5.474/1968.
§ 3º Nos casos de venda para pagamento em parcelas, poderá ser emitida duplicata única, em que se
discriminarão tôdas as prestações e seus vencimentos, ou série de duplicatas, uma para cada prestação
distinguindo-se a numeração a que se refere o item I do § 1º dêste artigo, pelo acréscimo de letra do
alfabeto, em seqüência.

Aliás, admite-se o aceite por presunção, pois o sacado só poderá deixar de aceitar a duplicata
nos seguintes casos, previstos no artigo 21 da Lei 5.474/1968:
I – não correspondência com os serviços efetivamente contratados;
II – vícios na qualidade dos serviços prestados, devidamente comprovados;
III – divergência nos prazos ou nos preços ajustados.

Fora dessas hipóteses, o sacado é devedor e poderá ser executado, ainda que não tenha
assinado o título.

O documento para a propositura de ação de execução depende do tipo de aceite da duplicata:


a) se for aceite ordinário, o protesto é desnecessário;
b) se for por falta de aceite ou falta de devolução, deve ser apresentada a duplicata ou triplicata
(protestada), acompanhada do comprovante de entrega das mercadorias.

Aceite ordinário = protesto


Documento necessário
depende do aceite
Proposta da ação de execução
Aceite por duplicata =
duplicata ou triplicata +
comprovante de entrega das
mercadorias
Foro competente = o do lugar
do pagamento

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 67


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

O protesto por falta de devolução representa uma exceção ao princípio da cartularidade. O


credor, que não está na posse do título, protesta-o por indicação. Essa indicação da emissão
da duplicata é extraída do livro de registro de duplicatas.
A ação de execução contra o sacado e seu avalista prescreve em três anos a contar do
vencimento do título; contra os coobrigados (endossantes e seus avalistas), prescreve em um
ano, a contar da data do protesto do título.
Por ser um título causal, a duplicata mercantil não pode ser emitida e protestada sem que
tenha havido a efetiva prestação de serviços.
A ação para cobrança da duplicata sem aceite deve estar acompanhada de comprovante de
entrega de mercadorias.
O foro competente para a propositura da execução do título extrajudicial é, em princípio, o
do lugar do pagamento.
A ação de anulação de cambial pode ser movida tanto nas hipóteses de extravio, destruição
parcial ou total, como nas hipóteses de furto, roubo ou apropriação indébita do título.

A doutrina e a jurisprudência têm entendido,


acertadamente, que a ação também pode ser ajuizada pelo credor pignoratício ou pelo
endossatário mandatário, pois ambos podem exercer os direitos emergentes da cambial.

8- CÉDULAS DE CRÉDITO

8.1-CONCEITO

Cédulas de crédito são títulos de créditos causais que representam promessa de pagamento
obtida por meio de operações de financiamento, ou seja, as cédulas têm por objeto
empréstimo fornecido por instituição financeira, ou a ela equiparada, e destina-se ao
estímulo de atividades de certas áreas econômicas especificadas em lei.
As cédulas de crédito permeiam relações jurídicas específicas, de maneira que surgem por
meio de uma operação financeira, tendo como credor obrigatório uma instituição financeira
ou a ela equiparada, e em razão de circunstâncias legais, não sendo possível aplicar tal
financiamento em finalidade diversa da prevista na legislação.

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 68


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

Cédula de Crédito

• Financeira •Rural
• Equiparada •Industrial
• Financiamento •Comercial
• Empréstimo •Exportação
•Imobiliário
•Bancário

Instituição Áreas

8.2- CLASSIFICAÇÃO

A finalidade das cédulas de crédito é estimular a produção em áreas específicas, sendo estas
classificadas nas seguintes categorias:

8.2.1 Quanto à espécie de garantia

a) Cédula hipotecária: trata-se da garantia que recai sobre bem imóvel.


b) Cédula pignoratícia: trata-se da garantia por meio do penhor.
c) Cédula fiduciária: trata-se da garantia que recai sobre alienação fiduciária de bens
adquiridos por meio do financiamento ou do devedor.
d) Cédula pignoratícia e hipotecária: trata-se da garantia dada por meio do penhor de bem
móvel e hipoteca que recai sobre bem imóvel.

Cédula hipotecária

Quanto à espécie de
Cédula pignoratícia
garantia
Classificação das
cédulas de crédito
Cédula fiduciária

Cédula pignoratícia
e hipotecária

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 69


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

8.2.2 Quanto às áreas específicas

a) Cédulas de crédito comercial: são títulos causais emitidos pelos armazéns-gerais quando
do depósito de mercadorias. Destacam-se o conhecimento de depósito, que representa o
depósito da mercadoria, e o warrant, que é a promessa de pagamento cuja garantia é a
mercadoria depositada.
b) Cédulas de crédito industrial: são títulos causais, que representam promessa de
pagamento, obtidos por meio de financiamento requerido por empresas no mercado
financeiro com finalidade industrial. São disciplinadas pelo Decreto-Lei nº. 413/1969.
c) Cédulas de crédito à exportação: são títulos causais, que representam promessa de
pagamento, obtidos por meio de financiamento destinado à exportação ou à produção de
bens para exportação. São disciplinadas pela Lei nº. 6.313/1975.
d) Cédulas de crédito rural: são títulos causais, que constituem promessa de pagamento ou
entrega de coisa certa, obtidos por meio de financiamento requerido por cooperativa,
empresa ou produtor rural. São disciplinadas pelo Decreto-Lei nº. 167/1967. Destaca-se a
cédula de produto rural.
e) Cédulas de crédito imobiliário: são títulos causais, que constituem promessa de
pagamento, destinados à execução de empreendimentos imobiliários. Destaca-se a cédula
hipotecária.
f) Cédulas de crédito bancário: são títulos causais, que constituem promessa de pagamento,
obtidos por meio de financiamento destinado ao desenvolvimento de qualquer atividade.
Destacam-se as cédulas de crédito bancário.

Comercial

Industrial

Quanto às áreas
Exportação
específicas
Classificação das cédulas de crédito
Rural

Imobiliária

Bancária

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 70


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

8.3- REQUISITOS

Os requisitos das cédulas de crédito serão abordados de forma geral, resguardados


detalhamentos das cédulas em espécie.

8.3.1 Denominação

A denominação do título deve estar posicionada de maneira visível, em destaque na cártula,


obedecendo ao princípio da literalidade, para que o emitente não tenha dúvidas quanto à
sua natureza e ao mesmo tempo defina a obrigação assumida.

8.3.2 Promessa de adimplemento

As cédulas de crédito representam promessa de pagamento ou entrega de coisa certa,


portanto não é possível que se faça mera declaração de afirmação de crédito, seu objeto deve
ser definível apurado mediante simples cálculos aritméticos, dotando a cédula de crédito de
liquidez e certeza.

8.3.3 Forma de pagamento

A forma de pagamento deve constar expressamente no título em cláusula discriminativa do


valor e data de pagamento das prestações, sendo possíveis prorrogações de vencimento ou
estipulação de pagamento em prestações periódicas.

8.3.4 Indicação do credor

O nome do credor deve constar necessariamente na cédula de crédito, podendo ser emitida
de forma à ordem ou nominativa, pois as operações de financiamento são registradas na
instituição financeira.

8.3.5 Valor do crédito

O valor do crédito originário de operação de financiamento por meio de instituição


financeira, ou a ela equiparada, deve ser indicado na cédula de crédito, conferindo liquidez
a ela. O valor do crédito deverá vir em algarismos e por extenso.

8.3.6 Finalidade do financiamento

A cédula de crédito deve trazer em seu corpo a indicação da finalidade a que se destina o
financiamento concedido pela instituição financeira e sua forma de uso. No caso de
pluralidade de beneficiários, o uso do crédito pode ser feito por qualquer deles, persistindo
a reponsabilidade solidária dos outros emitentes.
Facultativamente, pode-se vincular ao título um orçamento assinado pelo credor e devedor
no qual conste o emprego adequado do valor financiado e eventuais alterações
convencionadas em razão deste.

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 71


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

8.3.7 Definição da garantia real

A garantia real será necessária às cédulas de crédito, quais sejam, hipoteca, penhor e
alienação fiduciária.
Na hipoteca deve ser mencionada a situação do imóvel, assim como suas dimensões,
confrontações, benfeitorias, data da aquisição do imóvel e anotações do registro imobiliário.
Essa pormenorização poderá ser substituída pela juntada do título de propriedade à cédula,
na qual se fará essa menção.

8.3.8 Encargos financeiros

Por se originarem de operações de financiamento, sobre as cédulas de crédito incidem: juros


remuneratórios (remuneração a cessão de capital), capitalização de juros (capitalização dos
juros vencidos), juros de mora e multa moratória, e correção monetária antes e após o
vencimento do título.

8.3.9 Praça de pagamento

A praça de pagamento deve vir especificada no título, de modo que define, além do lugar
onde a obrigação deve ser cumprida, o foro competente para dirimir eventuais demandas
que se originem em razão da cédula de crédito.

8.3.10 Data, lugar de emissão e assinatura

A data e o lugar são necessários na exata medida de fixação do local de cumprimento da


obrigação e foro competente.
Necessária se faz a assinatura de próprio punho do devedor/emitente/beneficiário ou de seu
representante com poderes especiais para tal. Desnecessária a assinatura em todas as folhas,
do credor ou de testemunhas.

8.3.11 Registro

O registro será feito em livro próprio desta natureza existente nos cartórios. Antes da
inscrição a cédula obriga apenas os signatários. Após, o registro é oponível contra terceiros.
Será oferecida cópia idêntica ao original do título, junto da apresentação deste, que será
conferida pelo cartório e autenticada pelo tabelião.
A averbação do cancelamento da inscrição se dará mediante ordem judicial ou prova de
quitação, fazendo constar, no primeiro caso, a data do mandato, o juízo de que procede, o
nome do juiz etc., e, no segundo caso, o nome de quem pagou, quem recebeu e a data do
pagamento. Uma das vias, da ordem judicial ou quitação, será arquivada em cartório.

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 72


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

Valor do Praça de
Denominação
crédito pagamento

Promessa de Finalidade do Data, local e


adimplemento financiamento assinatura

Forma de Indicação do
pagamento credor

Definição da Encargos
garantia real financeiros
==119ab8==

8.4-TRANSFERÊNCIA

A cédula de crédito pode ser transferida por endosso em preto que será lançado no presente
título na via do credor, podendo, ainda, o endossatário se valer dos direitos oferecidos pela
cédula, inclusive cobrar os juros e demais encargos estabelecidos na cártula, dentro dos
limites legais.
O endosso deverá indicar o valor do crédito transferido, sob hipótese de se considerar o valor
indicado no título, acrescido de acessórios. O endossante é responsável solidário pelo
pagamento da cédula, ou seja, poderá ser chamado pelo endossatário, sendo desnecessário
o protesto para garantir o direito de regresso contra endossantes e avalistas.
A cédula de crédito pode, ainda, ser transferida por meio da cessão de crédito, podendo
inclusive o titular promover execução do título, se transferido por ato entre vivos.

Transferência da
cédula de crédito

Endosso “em preto” Cessão de crédito

Possível execução do
Lançado na via do Deve indicar o valor
título, por ato entre
credor transferido
vivos

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 73


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

8.5-CARACTERÍTICAS

Por expressa previsão legal, as cédulas de crédito são títulos líquidos, certos e exigíveis. Os
são tanto pelo valor delas constante como pelo eventual saldo devedor, acrescidos de seus
acessórios.
A cédula de crédito torna-se exigível na data do vencimento, que pode se dar em parcela
única ou em várias parcelas. Até o vencimento da única parcela, ou de cada uma delas, a
possibilidade de execução fica suspensa.
Note-se que, além do inadimplemento de qualquer parcela, a exigibilidade vem à tona com
o descumprimento de qualquer obrigação acordada no corpo do título ou em seus anexos, é
o que se denomina vencimento antecipado da dívida, por se tratar de relação jurídica
segundo a lei.
Ainda trata do assunto o artigo 1.425 do Código Civil, que diz que a dívida considera-se
vencida quando:
a) deteriorando-se, ou depreciando-se o bem dado em segurança, desfalcar a garantia, e o devedor,
intimado, não a reforçar ou substituir;
b) o devedor cair em insolvência ou falir;
c) as prestações não forem pontualmente pagas, toda vez que desse modo se achar estipulado o
pagamento. Nesse caso, o recebimento posterior da prestação atrasada importa renúncia do credor ao
seu direito de execução imediata;
d) perecer o bem dado em garantia, e não for substituído;
e) se desapropriar o bem dado em garantia, hipótese na qual se depositará a parte do preço que for
necessária para o pagamento integral do credor.

Ademais, em se tratando de vencimento antecipado da dívida, não se compreendem os juros


correspondentes ao tempo ainda não decorrido.
O terceiro que presta garantia real por dívida de outrem não fica obrigado a substituí-la, ou
reforçá-la, quando há perda, deterioração ou desvalorização, sem culpa dele.
No tocante à prescrição, aplica-se a regra geral constante no artigo 206, § 3º, VIII, do Código
Civil:
“Prescreve em três anos a pretensão ao pagamento de título de crédito, a contar do vencimento.”

Características das Cédulas de Crédito

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 74


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

• Disposição legal
Liquidez • Determinado ou
determinável
• Disposição legal
Certeza
Certeza
• Documento
comprobatório

• Disposição legal
Exigibilidade
• Vencimento

8.6-CONHECIMENTO DE DEPÓSITO E WARRANT

De acordo com o Decreto 1.102/1.903, os armazéns gerais poderão emitir, a pedido do


depositante, dois títulos unidos, mas separáveis à vontade, denominados “conhecimento
de depósito” e “warrant”.
O “conhecimento de depósito” transfere a titularidade dos bens depositados, enquanto
que o “warrant” representa a existência de tais bens para permitir que sejam objetos de
penhor, ou seja, utilizados como garantia real, por meio do endosso do título, conforme
dispõe o artigo 18:
§ 2º O endosso dos títulos unidos confere ao cessionário o direito de livre disposição da mercadoria
depositada; o do “warrant” separado do conhecimento de depósito o direito de penhor sobre a mesma
mercadoria e do conhecimento de depósito a faculdade de dispor da mercadoria, salvo os direitos do
credor, portador do “warrant”.

O “conhecimento de depósito” e o “warrant” devem ser emitidos à ordem e conter: sua


designação; a denominação da empresa do armazém geral e sua sede; nome, profissão e
domicílio do depositante ou de terceiro por este indicado; o lugar e prazo de depósito.
Ainda devem constar do título: a natureza e a quantidade das mercadorias em depósito,
designadas pelos nomes mais usados no comércio; seu peso; o estado dos envoltórios e todas
as marcas e indicações próprias para estabelecerem a sua identidade, ressalvadas as
peculiaridades das mercadorias depositadas a granel.
Em se tratando de mercadorias de mesma natureza e qualidade e de donos diferentes, deve
ser especificada a sua qualidade.

O título deve indicar o segurador da mercadoria e o valor


do seguro, a declaração dos impostos e direitos fiscais, dos encargos e despesas a que a
mercadoria está sujeita, a data da emissão dos títulos e assinatura do empresário ou pessoa
devidamente habilitada por este.

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 75


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

Os títulos serão extraídos de um livro de talão, que conterá todas as declarações exigidas e o
número de ordem correspondente.
No verso do respectivo talão, o depositante, ou terceiro por este autorizado, passará o
recibo dos títulos e as ocorrências que se derem com os títulos dele extraídos, como, por
exemplo, substituição, restituição, perda, roubo.
Os armazéns gerais são responsáveis para com terceiros pelas irregularidades e inexatidões
encontradas nos títulos que emitirem relativamente a quantidade, natureza e peso da
mercadoria.
O “conhecimento de depósito” e o “warrant” podem ser penhorados, arrestados por dívidas
do portador e transferidos, unidos ou separados, por endosso, e, se for em branco, o portador
do título terá direitos de cessionário.
O primeiro endosso do “warrant” declarará a importância do crédito garantido pelo penhor
da mercadoria, a taxa de juros e a data do vencimento, as quais serão transcritas no
“conhecimento de depósito” com assinatura do(s) endossatário(s) do título.
A mercadoria depositada será retirada do armazém geral contra a entrega do conhecimento
de depósito ou do “warrant” correspondente, liberta pelo pagamento principal e juros da
dívida, se foi negociado.
O portador do “conhecimento de depósito” poderá retirar a mercadoria antes do
vencimento da dívida constante do “warrant”, consignando o armazém geral o principal e os
juros até o vencimento e pagando os impostos fiscais, armazenagens vencidas e mais
despesas.
Se o “warrant” não for apresentado ao armazém geral até oito dias depois do vencimento da
dívida, a quantia consignada será levada a depósito judicial por conta de quem pertencer. A
perda, o roubo, o extravio do “warrant” não prejudicarão o exercício do direito do portador
do conhecimento de depósito.
O portador do “warrant”, que no dia do vencimento não for pago, e que não achar
consignada no armazém geral a importância de seu crédito e juros, deverá interpor o
respectivo protesto nos prazos e pela forma aplicáveis ao protesto das letras de câmbio no
caso de não pagamento.
O oficial dos protestos entregará ao protestante o respectivo instrumento, dentro do prazo
de três dias, sob pena de responsabilidade e de satisfazer perdas e danos.
O portador do warrant venderá em leilão, por intermédio do corretor ou leiloeiro que
escolher, as mercadorias especificadas no título, independentes de formalidades judiciais.
O corretor ou leiloeiro, encarregado da venda depois de avisar o administrador do armazém
geral, ou o chefe da competente repartição federal, anunciará pela imprensa o leilão, com
antecedência de quatro dias, especificando as mercadorias conforme as declarações do
warrant e declarando o dia e a hora da venda, as condições desta e o lugar onde podem ser
examinadas aquelas mercadorias.

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 76


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

Efetuada a venda, o corretor ou leiloeiro dará a nota do contrato ou conta de venda ao


armazém geral, que receberá o preço e entregará ao comprador a mercadoria. O armazém
geral, imediatamente após o recebimento do produto da venda, fará deduções de créditos
preferenciais, e com o líquido pagará o portador do warrant.

O portador do warrant que ficar integralmente pago


entregará, ao armazém geral, o título com a quitação; caso contrário, o armazém geral
mencionará no warrant o pagamento parcial feito e o restituirá ao portador. Pago o credor,
o excedente do preço da venda será entregue ao portador do “conhecimento de depósito”
contra a restituição desse título.
As quantias reservadas ao portador do warrant ou do “conhecimento de depósito”, quando
não reclamadas no prazo de 30 dias depois da venda da mercadoria, serão depositadas
judicialmente por conta de quem pertencer.
Se o portador do warrant não ficar integralmente pago, em virtude da insuficiência do
produto líquido da venda da mercadoria ou da indenização do seguro no caso de sinistro,
poderá, por meio de ação, haver o saldo contra os endossadores anteriores solidariamente.
O prazo para prescrição de ação regressiva corre do dia da venda.
Aquele que perder o título avisará ao armazém geral e anunciará o fato durante três dias pelo
jornal de maior circulação da sede daquele armazém. Se se tratar do conhecimento de
depósito e correspondente warrant, ou só do primeiro, o interessado poderá obter duplicata
ou a entrega das mercadorias, garantindo o direito do portador do warrant, se este foi
negociado, ou do saldo à sua disposição, se a mercadoria foi vendida.

9- CÉDULA DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO


A cédula de crédito imobiliário origina-se de financiamento para impulsionar o ramo
imobiliário, portanto é título executivo extrajudicial, exigível pelo valor apurado de acordo
com as cláusulas e condições pactuadas no contrato que lhe deu origem. O crédito
representado na cédula será exigível mediante ação de execução, ressalvadas as hipóteses
em que a lei determine procedimento especial, judicial ou extrajudicial para satisfação do
crédito e realização da garantia. A lei de regência é a de nº 10.931/2004.

A cédula de crédito imobiliário será emitida pelo credor do


crédito imobiliário e poderá ser integral, quando representar a totalidade do crédito, ou
fracionária (simultaneamente ou não, a qualquer momento antes do vencimento do crédito),
quando representar parte dele, não podendo a soma das fracionárias emitidas em relação a
cada crédito exceder o valor total do crédito que elas representam.

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 77


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

A cédula de crédito imobiliário poderá ser emitida com ou sem garantia, real ou fidejussória
(aval), sob a forma escritural ou cartular.
A emissão da cédula de crédito imobiliário sob a forma escritural far-se-á mediante escritura
pública ou instrumento particular, devendo esse instrumento permanecer custodiado em
instituição financeira e registrado em sistemas de registro e liquidação financeira de títulos
privados autorizados pelo Banco Central do Brasil.
Sendo o crédito imobiliário garantido por direito real, a emissão da cédula de crédito
imobiliário será averbada no Registro de Imóveis da situação do imóvel, na respectiva
matrícula, devendo dela constar, exclusivamente, o número, a série e a instituição
custodiante.

No caso de cédula de crédito imobiliário emitida sob a


forma escritural, caberá à instituição custodiante identificar o credor, para o fim de
constrição judicial.

10- CÉDULA DE PRODUTO RURAL


A cédula de produto rural representa promessa de entrega de produtos rurais, com ou sem
garantia, e pode ser emitida pelo produtor rural e suas associações, inclusive cooperativas.
A lei de regência é a de nº 8.929/1994.
Assim, a descrição dos bens vinculados em garantia, que poderá ser feita em documento à
parte, assinado pelo emitente, será feita de modo simplificado e, quando for o caso, este
será identificado pela sua numeração própria, e pelos números de registro ou matrícula no
registro oficial competente, dispensada, no caso de imóveis, a indicação das respectivas
confrontações.
A cédula de produto rural é título líquido e certo, exigível pela quantidade e qualidade de
produto nela previsto, sendo que, no caso de cumprimento parcial da obrigação, será exigível
apenas o saldo, anotando-se na cédula. Uma vez vencida a obrigação, será exigível por meio
de ação de execução para entrega de coisa incerta.
A garantia da obrigação da cédula de produto rural poderá consistir em hipoteca (imóveis
rurais e urbanos), penhor (bens suscetíveis de penhor rural, penhor mercantil ou penhor
cedular) ou alienação fiduciária.
A cédula de produto rural poderá ser aditada, ratificada e retificada por aditivos, passando
a integrá-la e mencionado tais fatos, datados e assinados pelo emitente e pelo credor.
A cédula de produto rural pode ser transferida por endosso, assim, deve ser completo, não
respondendo os endossantes pela entrega do produto, e sim pela existência da obrigação.
A cédula de produto rural passa a ter eficácia contra terceiros a partir da inscrição em Cartório
de Registro de Imóveis do domicílio do emitente, e, em se tratando de hipoteca e penhor,

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 78


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

deverá, ainda, ser averbada na matrícula do imóvel hipotecado e no Cartório de localização


dos bens apenhados, no prazo de três dias úteis, a contar da apresentação do título, sob pena
de responsabilidade funcional do oficial encarregado de promover os atos necessários.
O emitente da cédula de produto rural responde pela evicção, não podendo invocar em seu
benefício o caso fortuito ou de força maior. A entrega do produto antes da data prevista na
cédula depende da anuência do credor.
Poderá ocorrer o vencimento antecipado da cédula de produto rural quando do
inadimplemento de qualquer das obrigações do emitente. Para cobrança da cédula de
produto rural, cabe a ação de execução para entrega de coisa incerta.
A busca e apreensão do bem alienado fiduciariamente, promovida pelo credor, não elide
posterior execução, inclusive da hipoteca e do penhor constituído na mesma cédula, para
satisfação do crédito remanescente.
O credor tem direito, ainda, ao desentranhamento do título, depois de efetuada a busca e
apreensão, para instruir a ação de cobrança do saldo devedor.
Os bens vinculados à cédula de produto rural não serão penhorados ou sequestrados por
outras dívidas do emitente ou do terceiro prestador da garantia real.
A cédula de produto rural pode sofrer liquidação financeira desde que sejam explicitados, em
seu corpo, os referenciais necessários à clara identificação do preço ou do índice de preços a
ser utilizado no resgate do título, a instituição responsável por sua apuração ou divulgação,
a praça ou o mercado de formação do preço e o nome do índice.
Ainda que os indicadores de preço sejam apurados por instituições idôneas e de credibilidade
junto às partes contratantes, tenham divulgação periódica, preferencialmente diária, e ampla
divulgação ou facilidade de acesso, de forma a estarem facilmente disponíveis para as partes
contratantes e que na cédula, além de seu nome específico, conste em seguida o termo
“financeira”.
Dessa forma, torna-se o título líquido e certo, exigível, na data de seu vencimento, pelo valor
resultante da multiplicação do preço, apurado segundo os critérios previstos na cédula, pela
quantidade do produto especificado, e contra o qual, no inadimplemento, cabe ação de
execução por quantia certa.

11- CÉDULAS DE CRÉDITO BANCÁRIO


A cédula de crédito bancário, regida pela Lei nº. 10.931/2004, é título de crédito causal
emitido em operação no sistema financeiro, com ou sem garantia, real ou fidejussória, por
pessoa física ou jurídica, em favor de instituição financeira ou de entidade a ela equiparada,
que representa promessa de pagamento em dinheiro, decorrente de operação de crédito, de
qualquer modalidade, quais sejam, rural, comercial, industrial e para exportação.
A instituição credora deve integrar o Sistema Financeiro Nacional, sendo admitida a emissão
da cédula de crédito bancário em favor de instituição domiciliada no exterior, inclusive

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 79


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

permitida em moeda estrangeira, desde que a obrigação esteja sujeita exclusivamente à lei
e ao foro brasileiro.
A cédula de crédito bancário deve apresentar os requisitos essenciais: a denominação
específica; a promessa do emitente de pagar a dívida em dinheiro, certa, líquida e exigível no
seu vencimento ou, no caso de dívida oriunda de contrato de abertura de crédito bancário, a
promessa do emitente de pagar a dívida em dinheiro, certa, líquida e exigível,
correspondente ao crédito utilizado; a data e o lugar do pagamento da dívida e, no caso de
pagamento parcelado, as datas e os valores de cada prestação, ou os critérios para essa
determinação; o nome da instituição credora, podendo conter cláusula à ordem; a data e o
lugar de sua emissão; a assinatura do emitente e, se for o caso, do terceiro garantidor da
obrigação, ou de seus respectivos mandatários.

Sendo a cédula de crédito bancário título executivo


extrajudicial que representa dívida em dinheiro, certa, líquida e exigível, tanto pelo valor nela
indicado, quanto pelo eventual saldo devedor demonstrado em planilha de cálculo, ou nos
extratos da conta-corrente, é que em suas cláusulas poderão ser pactuados:
a) os juros sobre a dívida, capitalizados ou não, os critérios de sua incidência e, se for o
caso, a periodicidade de sua capitalização, bem como as despesas e os demais encargos
decorrentes da obrigação;
b) os critérios de atualização monetária ou de variação cambial como permitido em lei;
c) os casos de ocorrência de mora e de incidência das multas e penalidades contratuais,
bem como as hipóteses de vencimento antecipado da dívida (se relação de consumo, a
multa não poderá ultrapassar 2%);
d) os critérios de apuração e de ressarcimento, pelo emitente ou por terceiro garantidor,
das despesas de cobrança da dívida e dos honorários advocatícios, judiciais ou
extrajudiciais, sendo que os honorários advocatícios extrajudiciais não poderão superar
o limite de dez por cento do valor total devido;
e) quando for o caso, a modalidade de garantia da dívida, sua extensão e as hipóteses
de substituição de tal garantia;
f) as obrigações a serem cumpridas pelo credor;
g) a obrigação do credor de emitir extratos da conta-corrente ou planilhas de cálculo da
dívida, ou de seu saldo devedor, de acordo com os critérios estabelecidos na própria
cédula de crédito bancário, observado o disposto no § 2º do artigo 28;
h) outras condições de concessão do crédito, suas garantias ou liquidação, obrigações
adicionais do emitente ou do terceiro garantidor da obrigação, desde que não
contrariem as disposições legais.

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 80


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

A cédula de crédito bancário será transferível mediante endosso em preto, ao qual se


aplicarão, no que couberem, as normas do direito cambiário, caso em que o endossatário,
mesmo não sendo instituição financeira ou entidade a ela equiparada, poderá exercer todos
os direitos por ela conferidos, inclusive cobrar os juros e demais encargos na forma pactuada
na cédula.
A cédula de crédito bancário será emitida por escrito, em tantas vias quantas forem as partes
que nela intervierem, assinadas pelo emitente e pelo terceiro garantidor, se houver, ou por
seus respectivos mandatários, devendo cada parte receber uma via. Somente a via do credor
será negociável, devendo constar nas demais vias a expressão “não negociável”.
A cédula de crédito bancário pode ser aditada, retificada e ratificada mediante documento
escrito, datado, com os requisitos já apresentados, passando esse documento a integrar a
cédula para todos os fins.
A garantia da cédula de crédito bancário poderá ser fidejussória ou real, neste último caso
constituída por bem patrimonial de qualquer espécie, disponível e alienável, móvel ou
imóvel, material ou imaterial, presente ou futuro, fungível ou infungível, consumível ou não,
cuja titularidade pertença ao próprio emitente ou a terceiro garantidor da obrigação
principal.
A constituição da garantia poderá ser feita na própria cédula ou em documento separado,
mencionando tal fato no título. O bem constitutivo da garantia deverá ser descrito e
individualizado de modo que permita sua fácil identificação, sendo permitida sua substituição
pela remissão a documento ou certidão expedida por entidade competente, que integrará a
cédula para todos os fins.
A garantia da obrigação abrangerá, além do bem principal constitutivo da garantia, todos
os seus acessórios, benfeitorias de qualquer espécie, valorizações a qualquer título, frutos
e qualquer bem vinculado ao bem principal por acessão física, intelectual, industrial ou
natural.
Assim, o credor poderá averbar, no órgão competente para o registro do bem constitutivo da
garantia, a existência de qual- quer outro bem por ela abrangido.
Até a efetiva liquidação da obrigação garantida, os bens abrangidos pela garantia não
poderão, sem prévia autorização escrita do credor, ser alterados, retirados, deslocados ou
destruídos, nem poderão ter sua destinação modificada, exceto quando a garantia for
constituída por semoventes ou por veículos, automotores ou não, e a remoção ou o
deslocamento desses bens for inerente à atividade do emitente da cédula de crédito
bancário, ou do terceiro prestador da garantia.

Os bens constitutivos de garantia pignoratícia ou objeto de


alienação fiduciária poderão, a critério do credor, permanecer sob a posse direta do
emitente ou do terceiro prestador da garantia, nos termos da cláusula de constituto
possessório, caso em que as partes deverão especificar o local em que o bem será guardado

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 81


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

e conservado até a efetiva liquidação da obrigação garantida. O emitente e, se for o caso, o


terceiro prestador da garantia responderão solidariamente pela guarda e conservação do
bem constitutivo da garantia e, se for prestada por pessoa jurídica, esta indicará
representantes para responder pela guarda e conservação.
Ainda, poderá o credor exigir que o bem constitutivo da garantia seja coberto por seguro até
a efetiva liquidação da obrigação garantida, em que o credor será indicado como exclusivo
beneficiário da apólice securitária e estará autorizado a receber a indenização para liquidar
ou amortizar a obrigação garantida, vedado o enriquecimento indevido do credor.
Da mesma forma, se o bem constitutivo da garantia for desapropriado, ou se for danificado
ou perecer por fato imputável a terceiro, o credor sub-rogar-se-á no direito à indenização
devida pelo expropriante ou pelo terceiro causador do dano, até o montante necessário para
liquidar ou amortizar a obrigação garantida, facultando-lhe exigir a substituição da garantia,
ou o seu reforço, renunciando ao direito à percepção do valor.
Também poderá fazê-la em caso de perda, deterioração ou diminuição de seu valor, caso em
que notificará por escrito o emitente e, se for o caso, o terceiro garantidor, para que
substituam ou reforcem a garantia no prazo de quinze dias, sob pena de vencimento
antecipado da dívida garantida.
A validade e a eficácia da cédula de crédito bancário não dependem de registro, mas as
garantias reais, por ela constituídas, ficam sujeitas, para valer contra terceiros, aos registros
ou averbações previstos na legislação aplicável, com as alterações introduzidas pela própria
lei.
Nas operações de crédito rotativo, o limite de crédito concedido será recomposto,
automaticamente e durante o prazo de vigência da cédula de crédito bancário, sempre que
o devedor, não estando em mora ou inadimplente, amortizar ou liquidar a dívida.
Nos contratos que tenham por objeto crédito fixo não há recomposição como a explicitada.
A cédula de crédito bancário poderá ser protestada por indicação, desde que o credor
apresente declaração de posse da sua única via negociável, inclusive no caso de protesto
parcial. Ficando dispensado o protesto para garantir o direito de cobrança contra
endossantes, seus avalistas e terceiros garantidores.

12 – DESTAQUES DA LEGISLAÇÃO

Neste ponto da aula, citamos, para fins de revisão, os principais dispositivos de lei que
podem fazer a diferença na hora da prova. Lembre-se de revisá-los!

5.1. Títulos de Crédito no Código Civil – Disposições Gerais

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 82


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

Dos Títulos de Crédito


CAPÍTULO I
Disposições Gerais
Artigo 887. O título de crédito, documento necessário ao exercício do direito literal e autônomo nele
contido, somente produz efeito quando preencha os requisitos da lei.
Artigo 888. A omissão de qualquer requisito legal, que tire ao escrito a sua validade como título de
crédito, não implica a invalidade do negócio jurídico que lhe deu origem.
Artigo 889. Deve o título de crédito conter a data da emissão, a indicação precisa dos direitos que
confere, e a assinatura do emitente.
§ 1. o É à vista o título de crédito que não contenha indicação de vencimento.
§ 2. o Considera-se lugar de emissão e de pagamento, quando não indicado no título, o domicílio do
emitente.
§ 3. o O título poderá ser emitido a partir dos caracteres criados em computador ou meio técnico
equivalente e que constem da escrituração do emitente, observados os requisitos mínimos previstos
neste artigo.
Artigo 890. Consideram-se não escritas no título a cláusula de juros, a proibitiva de endosso, a excludente
de responsabilidade pelo pagamento ou por despesas, a que dispense a observância de termos e
formalidade prescritas, e a que, além dos limites fixados em lei, exclua ou restrinja direitos e obrigações.
Artigo 893. A transferência do título de crédito implica a de todos os direitos que lhe são inerentes.
Artigo 896. O título de crédito não pode ser reivindicado do portador que o adquiriu de boa-fé e na
conformidade das normas que disciplinam a sua circulação.
Artigo 903. Salvo disposição diversa em lei especial, regem-se os títulos de crédito pelo disposto neste
Código.
Artigo 907. É nulo o título ao portador emitido sem autorização de lei especial.

5.2. Títulos de Crédito no Código Civil – Do Título ao Portador

CAPÍTULO II
Do Título ao Portador
Artigo 904. A transferência de título ao portador se faz por simples tradição.
Artigo 905. O possuidor de título ao portador tem direito à prestação nele indicada, mediante a sua
simples apresentação ao devedor.
Parágrafo único. A prestação é devida ainda que o título tenha entrado em circulação contra a vontade
do emitente.
Artigo 906. O devedor só poderá opor ao portador exceção fundada em direito pessoal, ou em nulidade
de sua obrigação.

5.3. Títulos de Crédito no Código Civil – Do Título à Ordem e o Endosso

CAPÍTULO III

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 83


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

Do Título À Ordem
Artigo 910. O endosso deve ser lançado pelo endossante no verso ou anverso do próprio título.
§ 1 o Pode o endossante designar o endossatário, e para validade do endosso, dado no verso do título, é
suficiente a simples assinatura do endossante.
§ 2 o A transferência por endosso completa-se com a tradição do título.
§ 3 o Considera-se não escrito o endosso cancelado, total ou parcialmente.
Artigo 912. Considera-se não escrita no endosso qualquer condição a que o subordine o endossante.
Parágrafo único. É nulo o endosso parcial.
Artigo 913. O endossatário de endosso em branco pode mudá-lo para endosso em preto, completando-
o com o seu nome ou de terceiro; pode endossar novamente o título, em branco ou em preto; ou pode
transferi-lo sem novo endosso.
Artigo 914. Ressalvada cláusula expressa em contrário, constante do endosso, não responde o
endossante pelo cumprimento da prestação constante do título.
§ 1 o Assumindo responsabilidade pelo pagamento, o endossante se torna devedor solidário.
§ 2 o Pagando o título, tem o endossante ação de regresso contra os coobrigados anteriores.
Artigo 915. O devedor, além das exceções fundadas nas relações pessoais que tiver com o portador, só
poderá opor a este as exceções relativas à forma do título e ao seu conteúdo literal, à falsidade da própria
assinatura, a defeito de capacidade ou de representação no momento da subscrição, e à falta de
requisito necessário ao exercício da ação.
Artigo 916. As exceções, fundadas em relação do devedor com os portadores precedentes, somente
poderão ser por ele opostas ao portador, se este, ao adquirir o título, tiver agido de má-fé.
Artigo 917. A cláusula constitutiva de mandato, lançada no endosso, confere ao endossatário o exercício
dos direitos inerentes ao título, salvo restrição expressamente estatuída.
§ 1 o O endossatário de endosso-mandato só pode endossar novamente o título na qualidade de
procurador, com os mesmos poderes que recebeu.
Artigo 918. A cláusula constitutiva de penhor, lançada no endosso, confere ao endossatário o exercício
dos direitos inerentes ao título.
§ 1 o O endossatário de endosso-penhor só pode endossar novamente o título na qualidade de
procurador.
Artigo 919. A aquisição de título à ordem, por meio diverso do endosso, tem efeito de cessão civil.
Artigo 920. O endosso posterior ao vencimento produz os mesmos efeitos do anterior.
5.4. Títulos de Crédito no Código Civil – Do Nominativo

CAPÍTULO IV
Do Título Nominativo
Artigo 921. É título nominativo o emitido em favor de pessoa cujo nome conste no registro do emitente.
Artigo 922. Transfere-se o título nominativo mediante termo, em registro do emitente, assinado pelo
proprietário e pelo adquirente.
Artigo 923. O título nominativo também pode ser transferido por endosso que contenha o nome do
endossatário.

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 84


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

5.5. Títulos de Crédito no Código Civil – Aval

Artigo 897. O pagamento de título de crédito, que contenha obrigação de pagar soma determinada,
pode ser garantido por aval.
Parágrafo único. É vedado o aval parcial.
Artigo 898. O aval deve ser dado no verso ou no anverso do próprio título.
§ 1 o Para a validade do aval, dado no anverso do título, é suficiente a simples assinatura do avalista.
§ 2 o Considera-se não escrito o aval cancelado.
Artigo 899. O avalista equipara-se àquele cujo nome indicar; na falta de indicação, ao emitente ou
devedor final.
§ 1° Pagando o título, tem o avalista ação de regresso contra o seu avalizado e demais coobrigados
anteriores.
Artigo 900. O aval posterior ao vencimento produz os mesmos efeitos do anteriormente dado.

5.6. Das Preferências e Privilégios Creditórios

TÍTULO X
Das Preferências e Privilégios Creditórios
Artigo 955. Procede-se à declaração de insolvência toda vez que as dívidas excedam à importância dos
bens do devedor.
Artigo 957. Não havendo título legal à preferência, terão os credores igual direito sobre os bens do
devedor comum.
Artigo 958. Os títulos legais de preferência são os privilégios e os direitos reais.
Artigo 961. O crédito real prefere ao pessoal de qualquer espécie; o crédito pessoal privilegiado, ao
simples; e o privilégio especial, ao geral.
Artigo 962. Quando concorrerem aos mesmos bens, e por título igual, dois ou mais credores da mesma
classe especialmente privilegiados, haverá entre eles rateio proporcional ao valor dos respectivos
créditos, se o produto não bastar para o pagamento integral de todos.
Artigo 963. O privilégio especial só compreende os bens sujeitos, por expressa disposição de lei, ao
pagamento do crédito que ele favorece; e o geral, todos os bens não sujeitos a crédito real nem a
privilégio especial.
Artigo 964. Têm privilégio especial:
I - sobre a coisa arrecadada e liquidada, o credor de custas e despesas judiciais feitas com a arrecadação
e liquidação;
II - sobre a coisa salvada, o credor por despesas de salvamento;
III - sobre a coisa beneficiada, o credor por benfeitorias necessárias ou úteis;
IV - sobre os prédios rústicos ou urbanos, fábricas, oficinas, ou quaisquer outras construções, o credor de
materiais, dinheiro, ou serviços para a sua edificação, reconstrução, ou melhoramento;

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 85


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

V - sobre os frutos agrícolas, o credor por sementes, instrumentos e serviços à cultura, ou à colheita;
VI - sobre as alfaias e utensílios de uso doméstico, nos prédios rústicos ou urbanos, o credor de aluguéis,
quanto às prestações do ano corrente e do anterior;
VII - sobre os exemplares da obra existente na massa do editor, o autor dela, ou seus legítimos
representantes, pelo crédito fundado contra aquele no contrato da edição;
VIII - sobre o produto da colheita, para a qual houver concorrido com o seu trabalho, e precipuamente a
quaisquer outros créditos, ainda que reais, o trabalhador agrícola, quanto à dívida dos seus salários.
IX - sobre os produtos do abate, o credor por animais.
Artigo 965. Goza de privilégio geral, na ordem seguinte, sobre os bens do devedor:
I - o crédito por despesa de seu funeral, feito segundo a condição do morto e o costume do lugar;
II - o crédito por custas judiciais, ou por despesas com a arrecadação e liquidação da massa;
III - o crédito por despesas com o luto do cônjuge sobrevivo e dos filhos do devedor falecido, se foram
moderadas;
IV - o crédito por despesas com a doença de que faleceu o devedor, no semestre anterior à sua morte;
V - o crédito pelos gastos necessários à mantença do devedor falecido e sua família, no trimestre anterior
ao falecimento;
VI - o crédito pelos impostos devidos à Fazenda Pública, no ano corrente e no anterior;
VII - o crédito pelos salários dos empregados do serviço doméstico do devedor, nos seus derradeiros seis
meses de vida;
VIII - os demais créditos de privilégio geral.

13- RESUMO
Para finalizar o estudo da matéria, trazemos um resumo
dos principais aspectos estudados ao longo da aula.
Sugerimos que esse resumo seja estudado sempre
previamente ao início da aula seguinte, como forma de
“refrescar” a memória. Além disso, segundo a organização de estudos de vocês, a cada ciclo
de estudos é fundamental retomar esses resumos.

13.1-REQUISITOS DOS TÍTULOS DE CRÉDITO

 Cartularidade
Não pode ser verbal, deve existir o documento, o título propriamente dito.

 Literalidade
Só terá validade para o mundo jurídico aquilo que está escrito no título.

 Autonomia

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 86


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

Abstração – a obrigação constante no título se desvincula do negócio que lhe deu origem.
Não oposição das exceções a terceiros de boa-fé a invalidade de uma relação não prejudica
as demais.

 Abstração
O princípio da abstração consagra a irrelevância da causa que deu origem ao título, em
relação ao terceiro de boa-fé para o qual este fora transferido.
 Independência
As diversas relações existentes no título são independentes e o vício em uma delas, não
descaracteriza as demais.

 Inoponibilidade das exceções pessoais aos terceiros de boa-fé


O princípio da inoponibilidade consubstancia-se na proibição de o devedor, no plano
processual, alegar, em face do portador do título de crédito, as defesas pessoais que poderia
sustentar contra os coobrigados anteriores.

13.2 - TÍTULOS AO PORTADOR, À ORDEM E NOMINATIVOS

 Ao portador: São transferidos por mera tradição.

 À ordem: Os títulos possuem uma cláusula implícita em que é possível a transferência.

 Nominativos: Emitidos em favor de alguém que tenha o nome registrado pelo emitente.

13.3 - PREFERÊNCIAS E PRIVILÉGIOS

 Os créditos de natureza real preferem os pessoais.

 Os Créditos privilegiados preferem os comuns.

 Os Privilégios especiais preferem os gerais.

13.4 - LETRA DE CÂMBIO E NOTA PROMISSÓRIA

 Letra de câmbio
Título abstrato, documento formal decorrente da relação de crédito entre duas ou mais
pessoas.
 Aceite
Ato de concordar com o cumprimento da obrigação, realizado pelo sacado.

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 87


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

 Endosso
Ato cambiário em que se opera a transferência do crédito representado por um título “à
ordem”.
 Aval
Ato cambiário pelo qual uma pessoa garante o pagamento de um título em favor de um dos
devedores.
 Vencimento
A certo termo da vista
O vencimento ocorre após o transcurso de um lapso temporal iniciado na data do aceite.
A certo Termo da data
O vencimento ocorre após o transcurso de um lapso temporal iniciado na data do saque.
A data certa
O vencimento ocorre em dia predeterminado pelas partes.
 Protesto
Ato notarial que documenta, no próprio título, a ocorrência de fato que tem relevância para
a relação cambial.
 Nota Promissória
Promessa de pagamento que uma pessoa faz a outra envolve três pessoas: sacador, sacado
e tomador.
 Partes Intervenientes
A nota promissória possui apenas duas partes: o sacador ou promitente e o beneficiário.
 Atos Cambiários
A legislação sobre os atos cambiários presentes na convenção de Genebra se aplica à letra de
câmbio e também à nota promissória.
 A Nota Promissória na Jurisprudência
A nota promissória vinculada a contrato de abertura de crédito não goza de autonomia em
vista de sua iliquidez.

13.5 - CHEQUE

Cheque é o título de crédito emitido contra banco ou instituição financeira que lhe seja
equiparada, contendo uma ordem de pagamento à vista.
 Prazo de apresentação
O prazo de apresentação do cheque é de 30 dias, tratando-se de cheque da mesma praça, e
de 60 dias, tratando-se de cheques de praças diferentes.
 Termo inicial
O termo inicial para a contagem do prazo de prescrição do cheque é a expiração do prazo de
apresentação, 30 ou 60 dias, e será de seis meses.

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 88


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

 Cheque cruzado
É o que contém, no anverso, dois traços paralelos, inseridos pelo emitente ou por qualquer
portador. A finalidade do cruzamento é evitar que o cheque seja pago diretamente no caixa
da agência bancária sem que se identifique o beneficiado.
 Cheque para ser levado em conta
É aquele que contém a cláusula proibindo o seu pagamento em dinheiro, sendo que tal
cláusula pode ser inserida pelo emitente ou por qualquer portador e é revelada pela
expressão “para ser creditado em conta”, ou outra equivalente, escrita de forma transversal
no anverso do título.
 Cheque visado
É aquele que contém, no verso, um visto e assinatura do sacado, representando a
confirmação da existência de fundos. Embora o cheque não admita aceite, tendo em vista
que é ordem de pagamento à vista, considerando-se não escrita qualquer declaração com
esse sentido, a lei do cheque prevê o cheque visado.
 Cheque administrativo
O banco se posiciona como sacador e sacado simultaneamente.
 Protesto
O protesto serve como meio de coagir a cobrança de uma cambial, na forma de uma execução
forçada.
 Ação cambial
A ação cambiária trata-se de uma ação executiva típica, com o escopo de forçar o
cumprimento de uma obrigação cambiária.
 Ação monitória
É a forma mais célere para cobrar dívida proveniente de cheque prescrito

13.6 - DUPLICATA E TÍTULOS IMPRÓPRIOS

 Espécies
A duplicata pode ser emitida na modalidade compra e venda, prestação de serviços ou
serviços mercantis.
 Sacador
O sacador representa aquele que vende mercadoria ou presta determinado serviço na seara
empresarial. Tem o dever de emitir a nota fiscal e a duplicata na entrega da mercadoria ou
serviço.
 Sacado
Aquele que adquire a mercadoria ou serviço e que, no recebimento, deve oferecer o seu
aceite, referendando a transação.
 Fatura
Documento que representa a transação, no que a duplicata se baseia para que seja emitida.

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 89


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

 Triplicata
Segunda via da duplicata.
 Aceite ordinário
Simples assinatura do sacado no título.
 Aceite presumido
Situação em que o sacado não assina o título ou o retém em seu poder. O comprovante de
entrega de mercadorias assinado faz presumir o aceite, que é obrigatório.
 Protesto por falta de aceite ou falta de devolução
Se dá em vista do sacado não ter aceitado o título, ainda que tenha recebido a mercadoria
ou serviço.
 Prazo para protesto
30 dias.

13.7 - CÉDULAS DE CRÉDITO

 Conceito
Cédulas de crédito são títulos de créditos causais que representam promessa de pagamento
obtida por meio de operações de financiamento, ou seja, têm por objeto empréstimo
fornecido por instituição financeira, ou a ela equiparada, e destina-se ao estímulo de
atividades de certas áreas econômicas especificadas em lei.
 Cédulas de crédito comercial
Cédulas de crédito comercial são títulos causais emitidos pelos armazéns-gerais quando do
depósito de mercadorias. Destacam-se o conhecimento de depósito, que representa o
depósito da mercadoria, e o warrant, que é a promessa de pagamento cuja garantia é a
mercadoria depositada.
 Cédulas de crédito industrial
Cédulas de crédito industrial são títulos causais, que representam promessa de pagamento,
obtidas por meio de financiamento requerido por empresas no mercado financeiro com
finalidade industrial. Disciplinada pelo Decreto-lei 413/1969.
 Cédulas de crédito à exportação
Cédulas de crédito à exportação são títulos causais, que represen- tam promessa de
pagamento, obtidas por meio de financiamento destinado à exportação ou à produção de
bens para exportação. Disciplinada pela Lei nº. 6.313/1975.
 Cédulas de crédito rural
Cédulas de crédito rural são títulos causais, que constituem promessa de pagamento ou
entrega de coisa certa, obtidas por meio de financiamento requerido por cooperativa,
empresa ou produtor rural. Disciplinada pelo Decreto-Lei nº. 167/1967. Destaca-se a cédula
de produto rural.

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 90


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

13.8 - OUTROS TÍTULOS IMPRÓPRIOS

 Conhecimento de depósito
O “conhecimento de depósito” transfere a titularidades dos bens depositados.
 Warrant
O warrant representa a existência de tais bens para permitir que sejam objetos de penhor,
ou seja, utilizados como garantia real, por meio do endosso do título.
 Cédula de crédito imobiliário
A cédula de crédito imobiliário origina-se de financiamento para impulsionar o ramo
imobiliário, portanto é título executivo extra- judicial, exigível pelo valor apurado de acordo
com as cláusulas e condições pactuadas no contrato que lhe deu origem.
 Cédula de produto rural
A cédula de produto rural representa promessa de entrega de produtos rurais, com ou sem
garantia, e pode ser emitida pelo produtor rural e suas associações, inclusive cooperativas. A
Lei de regência é a de nº 8.929/1994.
 Cédula de crédito bancário
A cédula de crédito bancário, regida pela Lei nº. 10.931/2004, é título de crédito causal
emitido em operação no sistema financeiro, com ou sem garantia, real ou fidejussória, por
pessoa física ou jurídica, em favor de instituição financeira ou de entidade a ela equiparada,
que representa promessa de pagamento em dinheiro, decorrente de operação de crédito, de
qualquer modalidade, quais sejam, rural, comercial, industrial e para exportação.

14 - QUESTÕES

14.1 - QUESTÕES SEM GABARITO

Questão 1. (FGV - AUDITOR FISCAL CUIABÁ - 2016). Com relação à Teoria Geral do
Direito Cambiário, assinale V para a afirmativa verdadeira e F para a falsa.

( ) Em observância ao princípio da cartularidade, nenhum título de crédito pode ser


emitido em meio eletrônico ou ser escritural.
( ) Por ser a nota promissória documento com conteúdo literal, não se presume a
cláusula sem garantia quando for endossada pelo beneficiário.
( ) Nos títulos de crédito causais e à ordem, como a duplicata, não se aplica o princípio
da abstração no momento da circulação.
( ) Em se tratando de título de crédito representativo de mercadorias, diante da
incorporação do direito real à cártula, o portador não tem o direito de transferi-lo, mas

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 91


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

apenas recebê-las independentemente de quaisquer formalidades.


As afirmativas são, respectivamente,

a) F, V, F e V.
b) F, F, V e V.
c) F, V, F e F.
d) V, V, F e F.
e) V, F, V e V.

Questão 2. (FGV - OAB - 2018). Três Coroas Comércio de Artigos Eletrônicos Ltda.
subscreveu nota promissória em favor do Banco Dois Irmãos S.A. com vencimento a dia
certo. Após o vencimento, foi aceita uma proposta de moratória feita pelo devedor por
120 (cento e vinte) dias, sem alteração da data de vencimento indicada no título. O
beneficiário exigiu dois avalistas simultâneos, e o devedor apresentou Montenegro e
Bento, que firmaram avais em preto no título.

Sobre esses avais e a responsabilidade dos avalistas simultâneos, assinale a afirmativa


correta.

a) Por ser vedado, no direito brasileiro, o aval póstumo, os avais simultâneos são
considerados não escritos, inexistindo responsabilidade cambial dos avalistas.
b) O aval lançado na nota promissória após o vencimento ou o protesto tem efeito de
fiança, respondendo os avalistas subsidiariamente perante o portador.
c) O aval póstumo produz os mesmos efeitos do anteriormente dado, respondendo os
avalistas solidariamente e autonomamente perante o portador.
d) O aval póstumo é nulo, mas sua nulidade não se estende à obrigação firmada pelo
subscritor (avalizado), em razão do princípio da autonomia.

Questão 3. (FGV - ADVOGADO ALERO - 2018). Sobre títulos de crédito, analise as


afirmativas a seguir.
I. A lei brasileira permite que se faça um endosso parcial, desde que seja tal
circunstância anotada no verso do título de crédito transferido.

II. Nos títulos de crédito ao portador, a prestação é devida ainda que o documento
tenha entrado em circulação contra a vontade do emitente.

III. Em relações jurídicas regidas pelo direito comum, é válida a cláusula pela qual o
avalista se responsabiliza por parte do pagamento da dívida.

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 92


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

Está correto o que se afirma em


a) I, somente.
b) II, somente.
c) III, somente.
d) I e II, somente.
e) II e III, somente.

Questão 4. (FGV - AUDITOR FISCAL DA RECEITA MUNICIPAL ANGRA - 2010). Em relação


aos títulos de crédito, assinale a afirmativa INCORRETA.

a) Aquele que possui um título ao portador pode exigir o cumprimento da prestação


nele indicada. Entretanto, se o título entrou em circulação contra a vontade do
emitente, a prestação já não é mais devida.
b) Caso o título de crédito seja omisso quanto à data de vencimento, considera-se que
ele seja à vista.
c) O título de crédito é um documento necessário ao exercício do direito nele contido,
que somente produz efeito quando preenchidos os requisitos da lei. Assim, a
transferência do título que atende a todos os requisitos da lei implica a dos direitos que
lhe são inerentes.
d) Qualquer negócio ou medida judicial que tenha por objeto o título só produz efeito
perante emitente ou terceiros, uma vez feita a competente averbação no registro
emitente.
e) O título de crédito corresponde a bem móvel, estando, portanto, sujeito aos
princípios que disciplinam a circulação de tais bens.

Questão 5. (FGV - AUDITOR FISCAL DA RECEITA ESTADUAL - SEFAZ RJ - 2010).Com


relação aos atos cambiais, analise as afirmativas a seguir.

I. O aval garante o pagamento do título de crédito e não pode ser parcial.


II. O endosso possibilita o protesto do título de crédito.
III. O aceite é ato a ser praticado pelo sacado.

Assinale:
a) se somente as afirmativas I e II estiverem corretas.
b) se somente as afirmativas I e III estiverem corretas.

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 93


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

c) se somente as afirmativas II e III estiverem corretas.


d) se somente a afirmativa I estiver correta.
e) se todas as afirmativas estiverem corretas.

Questão 6. (FGV - FISCAL DA RECEITA ESTADUAL AP - 2010). A respeito do instituto do


aval, é correto afirmar que:

a) é o instituto jurídico que possibilita a garantia pessoal nos contratos empresariais.


b) o avalista que paga o valor determinado no título tem direito de regresso contra o
devedor principal.
c) o avalista pode garantir apenas parte da obrigação estabelecida no título de crédito.
d) a responsabilidade do avalista é subsidiária em relação ao devedor principal.
e) é dado em instrumento contratual apartado do título de crédito a que se refere.

Questão 7. (FGV - PROCURADOR DO TRIBUNAL DE CONTAS DO MUNICÍPIO DO RIO DE


JANEIRO - 2008). Em relação aos títulos de crédito, assinale a afirmativa incorreta.
a) O título de crédito emitido em branco ou incompleto pode ser completado pelo
credor de boa-fé, antes da ação de execução ou protesto.
b) O endosso parcial é considerado como não-escrito.
c) O saque de uma letra de câmbio é considerado declaração originária e necessária à
constituição do crédito.
d) O endosso parcial é considerado nulo.
e) O endosso impróprio transfere o exercício dos direitos inerentes à cambial.

Questão 8.(FCC– DEFENSOR PÚBLICO AM - 2018). Em relação aos títulos de crédito, é


correto afirmar:
a) O título de crédito, enquanto documento necessário ao exercício do direito literal e
autônomo nele contido, produz efeitos se preenchidos ou não os requisitos legais.
b) Consideram-se não escritas no título a cláusula de juros, a proibitiva de endosso, a
excludente de responsabilidade pelo pagamento ou por despesas, a que dispense a
observância de termos e formalidades prescritas, e a que, além dos limites fixados em
lei, exclua ou restrinja direitos e obrigações.
c) A omissão de qualquer requisito legal, que tire ao escrito a sua validade como título
de crédito, implica a invalidade do negócio jurídico que lhe deu origem.
d) Enquanto o título de crédito estiver em circulação, tanto ele poderá ser dado em
garantia e ser objeto de medidas judiciais, como também, em conjunto, os direitos ou
mercadorias que representa.

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 94


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

e) O pagamento de título de crédito, que contenha obrigação de pagar soma


determinada, não admite garantia por aval, embora possa ser concedido aval parcial.
a) O título de crédito, enquanto documento necessário ao exercício do direito literal e
autônomo nele contido, produz efeitos se preenchidos ou não os requisitos legais.

Questão 9.(FCC- DEFENSOR PÚBLICO AM - 2018). A respeito do protesto de títulos:


a) Uma vez apresentado o pedido de protesto, o devedor deverá ser intimado por
qualquer meio que assegure a comprovação do recebimento, vedada a intimação por
portador do próprio tabelião.
b) O título do documento de dívida cujo protesto tiver sido sustado judicialmente só
poderá ser pago, protestado ou retirado com autorização judicial.
c) Não são títulos sujeitos a protesto as certidões de dívida ativa da União, dos Estados,
do Distrito Federal, dos Municípios e das respectivas autarquias e fundações públicas.
d) Uma vez revogada a ordem judicial de sustação do protesto, o tabelião deverá lavrar
novamente o protesto e proceder a nova intimação do devedor.
e) Das certidões de informações de protestos constarão todos os registros, inclusive
aqueles cujos cancelamentos tiverem sido averbados.

Questão 10.(FCC - Procurador do Estado do AP – 2018). Em relação ao protesto de


títulos,
a) os títulos e documentos de dívida protocolizados serão examinados em seus
caracteres formais, mas poderá o Tabelião de Protesto verificar a ocorrência de
prescrição ou caducidade, por se tratar de matéria de ordem pública.
b) quando o sacado retiver a letra de câmbio ou a duplicata enviada para aceite e não
proceder à devolução dentro do prazo legal, o protesto poderá ser baseado na segunda
via da letra de câmbio ou nas indicações da duplicata, que se limitarão a conter os
mesmos requisitos lançados pelo sacador ao tempo da emissão da duplicata, vedada a
exigência de qualquer formalidade não prevista na lei que regula a emissão e circulação
das duplicatas.
c) só poderão ser protestados títulos e outros documentos de débito em moeda
nacional, defeso o protesto de títulos emitidos fora do Brasil.
d) na contagem do prazo para registro do protesto, que é de 48 horas, inclui-se o dia da
protocolização e exclui-se o do vencimento.
e) o protesto pode ser tirado por falta de aceite, antes ou após o vencimento da
obrigação, desde que antes do prazo para devolução do título da dívida.

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 95


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

Questão 11.(FCC- DEFENSOR PÚBLICO MA - 2018). De acordo com a jurisprudência


consolidada do STJ a respeito do cheque:
a) não caracteriza dano moral a apresentação antecipada de cheque pré-datado.
b) em ação monitória fundada em cheque prescrito ajuizada contra o emitente, é
indispensável a menção ao negócio jurídico subjacente à emissão da cártula
c) a simples devolução indevida de cheque não caracteriza dano moral.
d) o prazo para ajuizamento de ação monitória em face do emitente de cheque sem
força executiva é quinquenal, a contar do dia seguinte à data de emissão estampada na
cártula.
e) é inadmissível a ação monitória fundada em cheque prescrito.

Questão 12.(FCC- DEFESOR PÚBLICO AP - 2018). Em relação à duplicata, considere os


seguintes enunciados:

I. Nos casos de venda para pagamento em parcelas, deverão ser emitidas tantas
duplicatas quantas forem as parcelas ajustadas, nas quais haverá a discriminação dos
vencimentos e do valor de cada prestação, consignando-se para cada qual numeração
em sequência de ordem dos vencimentos.
II. No ato da emissão da fatura, dela poderá ser extraída uma duplicata para circulação
como efeito comercial, não sendo admitida qualquer outra espécie de título de crédito
para documentar o saque do vendedor pela importância faturada ao comprador.
III. A duplicata indicará sempre o valor total da fatura, a não ser que o comprador tenha
direito a rebate ou compensação, citando o vendedor o valor líquido que o comprador
deverá reconhecer como obrigação de pagar.
IV. A venda mercantil para pagamento contra a entrega da mercadoria ou do
conhecimento de transporte, sejam ou não da mesma praça vendedor e comprador, ou
para pagamento em prazo inferior a trinta dias, contado da entrega ou despacho das
mercadorias, poderá representar-se por duplicata, em que se declarará que o
pagamento será feito nessas condições.
V. É lícito ao comprador resgatar a duplicata antes de aceitá-la, mas não antes da data
do vencimento.

Está correto o que se afirma APENAS em


a) I e IV.
b) II e IV.
c) II, III e V.
d) II, IV e V.

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 96


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

e) I, III e V.

Questão 13.(CEBRASPE(CESPE) – Banco Nacional do Brasil - 2018). Julgue o próximo


item, a respeito de garantias fidejussórias, considerando a instrumentalidade na
formalização dessas garantias e a responsabilidade atribuída ao avalista e(ou) ao fiador.

No caso do aval, a responsabilidade pelo pagamento da dívida é solidária, ou seja, tanto


o devedor quanto o avalista são responsáveis pelo montante integral da dívida; no caso
da fiança, a responsabilidade é subsidiária, e existe o benefício de ordem, isto é, o fiador
somente será acionado se o devedor principal não cumprir a obrigação.

Questão 14.(CEBRASPE(CESPE) – Banco Nacional do Brasil - 2018). Julgue o próximo


item, a respeito de garantias fidejussórias, considerando a instrumentalidade na
formalização dessas garantias e a responsabilidade atribuída ao avalista e(ou) ao fiador.

Para que um dos cônjuges possa prestar fiança ou aval, é necessário, exceto no caso de
casamento em regime de separação absoluta de bens, que haja o consentimento
expresso do outro cônjuge, situação denominada outorga uxória ou marital.

Questão 15.(CEBRASPE(CESPE) – Banco Nacional do Brasil - 2018). Acerca de títulos de


crédito, julgue o item a seguir.

Na nota promissória, é requisito essencial o nome do credor no título, não se admitindo


nota promissória ao portador.

Questão 16.(CEBRASPE(CESPE) – Banco Nacional do Brasil – 2018). Acerca de títulos de


crédito, julgue o item a seguir.

Caso um cheque seja apresentado para pagamento em data anterior à que nele esteja
estipulada, ele deverá ser devolvido pela instituição financeira, mesmo que a conta
sacada disponha de saldo suficiente para honrá-lo.
como única consequência a ampliação do prazo de apresentação (...)”

Questão 17.(CEBRASPE(CESPE) – Banco Nacional do Brasil - 2018). Acerca de títulos de


crédito, julgue o item a seguir.

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 97


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

O prazo de apresentação de um cheque para pagamento é de seis meses, a contar da


data de sua emissão.

14.2 – GABARITO

1) C
2) C
3) B
4) A
5) B
6) B
7) B
8) B
9) B
10) B
11) D
12) B
13) CERTO
14) CERTO
15) CERTO
16) ERRADO
17) ERRADO

14.3 - QUESTÕES COM GABARITO

Questão 1. (FGV - AUDITOR FISCAL CUIABÁ - 2016). Com relação à Teoria Geral do
Direito Cambiário, assinale V para a afirmativa verdadeira e F para a falsa.

( ) Em observância ao princípio da cartularidade, nenhum título de crédito pode ser


emitido em meio eletrônico ou ser escritural.
( ) Por ser a nota promissória documento com conteúdo literal, não se presume a
cláusula sem garantia quando for endossada pelo beneficiário.
( ) Nos títulos de crédito causais e à ordem, como a duplicata, não se aplica o princípio
da abstração no momento da circulação.
( ) Em se tratando de título de crédito representativo de mercadorias, diante da
incorporação do direito real à cártula, o portador não tem o direito de transferi-lo, mas

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 98


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

apenas recebê-las independentemente de quaisquer formalidades.


As afirmativas são, respectivamente,

a) F, V, F e V.
b) F, F, V e V.
c) F, V, F e F.
d) V, V, F e F.
e) V, F, V e V.
O item I está incorreto, uma vez que a lei admite a possibilidade de títulos eletrônicos
e que sejam escriturais. Os títulos eletrônicos são os criados em computador ou meio
equivalente e são escriturais, pois devem constar na escrituração de quem emite,
conforme Artigo 889 §3.o do Código Civil, a seguir: “O título poderá ser emitido a partir
dos caracteres criados em computador ou meio técnico equivalente e que constem da
escrituração do emitente, observados os requisitos mínimos previstos neste artigo.”

O item II está correto, pois segue abaixo a regra prevista na Lei Uniforme de Genebra
que fundamenta nosso argumento e que trata das letras de câmbio, mas que se aplica
também às notas promissórias: LUG - Artigo 15: “O endossante, salvo cláusula em
contrário, é garante tanto da aceitação como do pagamento da letra.”
O item III está incorreto, pois os títulos de crédito, em geral, seguem o princípio da
abstração, por esse princípio temos que o título de crédito quando circula desvincula-
se da relação que lhe deu origem. Esse princípio também é aplicável às duplicatas.
Então, se a duplicata é endossada a outra pessoa, ela se desvincula do negócio jurídico
que deu origem a sua emissão em função do princípio da abstração.
O item IV está incorreto, já que nos termos do artigo 894 do Código Civil: “o portador
de título representativo de mercadoria tem o direito de transferi-lo, de conformidade
com as normas que regulam a sua circulação, ou de receber aquela independentemente
de quaisquer formalidades, além da entrega do título devidamente quitado.”

Questão 2. (FGV - OAB - 2018). Três Coroas Comércio de Artigos Eletrônicos Ltda.
subscreveu nota promissória em favor do Banco Dois Irmãos S.A. com vencimento a dia
certo. Após o vencimento, foi aceita uma proposta de moratória feita pelo devedor por
120 (cento e vinte) dias, sem alteração da data de vencimento indicada no título. O
beneficiário exigiu dois avalistas simultâneos, e o devedor apresentou Montenegro e
Bento, que firmaram avais em preto no título.

Sobre esses avais e a responsabilidade dos avalistas simultâneos, assinale a afirmativa


correta.

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 99


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

a) Por ser vedado, no direito brasileiro, o aval póstumo, os avais simultâneos são
considerados não escritos, inexistindo responsabilidade cambial dos avalistas.
b) O aval lançado na nota promissória após o vencimento ou o protesto tem efeito de
fiança, respondendo os avalistas subsidiariamente perante o portador.
c) O aval póstumo produz os mesmos efeitos do anteriormente dado, respondendo os
avalistas solidariamente e autonomamente perante o portador.
d) O aval póstumo é nulo, mas sua nulidade não se estende à obrigação firmada pelo
subscritor (avalizado), em razão do princípio da autonomia.

O aval é uma garantia de pagamento feita pelo avalista no próprio título. Vamos
analisar as alternativas apresentadas pela banca:

A alternativa “A” está errada, uma vez que o aval póstumo é aquele feito após o prazo
para o protesto do título ou após o protesto já efetuado. É possível que sejam feitos
avais simultâneos. Avais simultâneos são aqueles feitos ao mesmo tempo, de maneira
que os avalistas são garantidores da mesma maneira, ou seja, tanto Montenegro como
Bento respondem independente e integralmente pelas dívidas relativas ao título de
crédito e a garantia por eles dada.

A alternativa “B” está errada, pois aval póstumo é aquele feito após o vencimento,
protesto ou prazo para o protesto. Isso geralmente acontece após o vencimento, porém
um aval pode ser dado após o vencimento e antes do protesto. Esse aval produz os
mesmos efeitos do que o dado anteriormente ao vencimento. A legislação prevê
especificamente o regramento e os efeitos de um aval póstumo feito após o vencimento
já em relação ao aval feito após o protesto, os efeitos são de fiança. A alternativa está
errada, já que o aval lançado na nota após o vencimento não tem efeito de fiança,
inclusive com base no artigo 900 do Código Civil, a seguir.
A alternativa “C” está correta, nos exatos termos do artigo 900 do Código Civil: “O aval
posterior ao vencimento produz os mesmos efeitos do anteriormente dado.”
A alternativa “D” está errada, nos mesmos termos das explicações anteriores.

Questão 3. (FGV - ADVOGADO ALERO - 2018). Sobre títulos de crédito, analise as


afirmativas a seguir.
I. A lei brasileira permite que se faça um endosso parcial, desde que seja tal
circunstância anotada no verso do título de crédito transferido.

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 100


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

II. Nos títulos de crédito ao portador, a prestação é devida ainda que o documento
tenha entrado em circulação contra a vontade do emitente.

III. Em relações jurídicas regidas pelo direito comum, é válida a cláusula pela qual o
avalista se responsabiliza por parte do pagamento da dívida.
Está correto o que se afirma em
a) I, somente.
b) II, somente.
c) III, somente.
d) I e II, somente.
e) II e III, somente.

O item I está incorreto, sendo que o endosso é o ato no qual o credor (endossante)
transmite seus direitos cambiários a terceiros (endossatário), segundo o Código Civil¹,
o endosso parcial será nulo, vejamos: “Artigo 912. Considera-se não escrita no endosso
qualquer condição a que o subordine o endossante. Parágrafo único. É nulo o endosso
parcial.”
O item II está correto, segundo preceitua o artigo 905 do Código Civil: “o possuidor de
título ao portador tem direito à prestação nele indicada, mediante a sua simples
apresentação ao devedor. Parágrafo único. A prestação é devida ainda que o título
tenha entrado em circulação contra a vontade do emitente.”
O item III está incorreto, segundo dispõe o artigo 897 do Código Civil, o aval
parcial é vedado: “O pagamento de título de crédito, que contenha obrigação de pagar
soma determinada, pode ser garantido por aval. Parágrafo único. É vedado o aval
parcial.”

Questão 4. (FGV - AUDITOR FISCAL DA RECEITA MUNICIPAL ANGRA - 2010). Em relação


aos títulos de crédito, assinale a afirmativa INCORRETA.

a) Aquele que possui um título ao portador pode exigir o cumprimento da prestação


nele indicada. Entretanto, se o título entrou em circulação contra a vontade do
emitente, a prestação já não é mais devida.
b) Caso o título de crédito seja omisso quanto à data de vencimento, considera-se que
ele seja à vista.
c) O título de crédito é um documento necessário ao exercício do direito nele contido,
que somente produz efeito quando preenchidos os requisitos da lei. Assim, a

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 101


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

transferência do título que atende a todos os requisitos da lei implica a dos direitos que
lhe são inerentes.
d) Qualquer negócio ou medida judicial que tenha por objeto o título só produz efeito
perante emitente ou terceiros, uma vez feita a competente averbação no registro
emitente.
e) O título de crédito corresponde a bem móvel, estando, portanto, sujeito aos
princípios que disciplinam a circulação de tais bens.

A alternativa “A” está errada, uma vez que a pessoa que tem o título ao portador em
mãos, e, por essa razão, pode exigir a prestação devida no título. Aliás, ainda que o título
circule contra sua vontade, ainda assim esse título deverá ser pago, nos termos do artigo
905 do Código Civil: “O possuidor de título ao portador tem direito à prestação nele
indicada, mediante a sua simples apresentação ao devedor. Parágrafo único. A
prestação é devida ainda que o título tenha entrado em circulação contra a vontade do
emitente.”
A alternativa “B” está correta, uma vez que se não tiver data de vencimento, o título é
à vista, conforme preceitua o artigo 889, §1.o do Código Civil: “é à vista o título de
crédito que não contenha indicação de vencimento.”
A alternativa “C” está correta, uma vez que a transferência de um título de crédito por
meio do endosso transfere a quem recebe todos os direitos que lhe são inerentes, nos
termos do artigo 893 do Código Civil: “a transferência do título de crédito implica a de
todos os direitos que lhe são inerentes.”
A alternativa “D” está correta, uma vez que esta é a regra para o título nominativo
contida no artigo 926 do Código Civil: “qualquer negócio ou medida judicial, que tenha
por objeto o título, só produz efeito perante o emitente ou terceiros, uma vez feita a
competente averbação no registro do emitente.”
A alternativa “E” está correta, uma vez que o título de crédito tem natureza jurídica de
bem móvel de acordo com o previsto no Direito Civil.

Questão 5. (FGV - AUDITOR FISCAL DA RECEITA ESTADUAL - SEFAZ RJ - 2010).Com


relação aos atos cambiais, analise as afirmativas a seguir.

I. O aval garante o pagamento do título de crédito e não pode ser parcial.


II. O endosso possibilita o protesto do título de crédito.
III. O aceite é ato a ser praticado pelo sacado.

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 102


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

Assinale:
a) se somente as afirmativas I e II estiverem corretas.
b) se somente as afirmativas I e III estiverem corretas.
c) se somente as afirmativas II e III estiverem corretas.
d) se somente a afirmativa I estiver correta.
e) se todas as afirmativas estiverem corretas.

Gabarito: B

O item I está correto, porque o aval, que serve para garantir o pagamento do título de
crédito, conforme consta no artigo 30º da LUG, não pode ser parcial, nos termos do
parágrafo único do artigo 897 do Código Civil. As legislações especiais dos mais diversos
títulos de crédito preveem a possibilidade do aval parcial.
O item II está errado, uma vez que o endosso serve para transferir a propriedade do
título de crédito e não para possibilitar o protesto do título, conforme o artigo 11 da Lei
Uniforme Relativa às Letras de Câmbio e Notas Promissórias. O Código Civil acompanha
esse entendimento.
O item III está correto, pois o aceite é ato a ser praticado pelo sacado, nos moldes do
artigo 21 da Lei Uniforme de Genebra. Esse assunto é melhor estudados nos títulos em
espécie.

Questão 6. (FGV - FISCAL DA RECEITA ESTADUAL AP - 2010). A respeito do instituto do


aval, é correto afirmar que:

a) é o instituto jurídico que possibilita a garantia pessoal nos contratos empresariais.


b) o avalista que paga o valor determinado no título tem direito de regresso contra o
devedor principal.
c) o avalista pode garantir apenas parte da obrigação estabelecida no título de crédito.
d) a responsabilidade do avalista é subsidiária em relação ao devedor principal.
e) é dado em instrumento contratual apartado do título de crédito a que se refere.

A alternativa “A” está incorreta, uma vez que o aval é o instituto utilizado como
garantia de pagamento de um título de crédito e não para ser usado nos contratos
empresariais, nos termos do artigo 897º do Código Civil: “O pagamento de título de
crédito, que contenha obrigação de pagar soma determinada, pode ser garantido por
aval.”

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 103


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

A alternativa “B” está correta, uma vez que o avalista paga o título de crédito que não
foi pago pelo devedor principal, ele passa a ter direito de regresso contra o avalizado e
os demais coobrigados anteriores, conforme determina o artigo 899do Código Civil: “o
avalista equipara-se àquele cujo nome indicar; na falta de indicação, ao emitente ou
devedor final. §1° Pagando o título, tem o avalista ação de regresso contra o seu
avalizado e demais coobrigados anteriores.”
A alternativa “C” está incorreta, pois o Código Civil afirma categoricamente que não se
pode dar aval parcial.
A alternativa “D” está incorreta, uma vez que a responsabilidade do avalista é
SOLIDÁRIA em relação ao devedor principal.
A alternativa “E” está incorreta, uma vez que o aval é dado no próprio título de crédito
e não em um instrumento separado.

Questão 7. (FGV - PROCURADOR DO TRIBUNAL DE CONTAS DO MUNICÍPIO DO RIO DE


JANEIRO - 2008). Em relação aos títulos de crédito, assinale a afirmativa incorreta.
a) O título de crédito emitido em branco ou incompleto pode ser completado pelo
credor de boa-fé, antes da ação de execução ou protesto.
b) O endosso parcial é considerado como não-escrito.
c) O saque de uma letra de câmbio é considerado declaração originária e necessária à
constituição do crédito.
d) O endosso parcial é considerado nulo.
e) O endosso impróprio transfere o exercício dos direitos inerentes à cambial.

A alternativa “A” está correta, pois conforme entendimento jurisprudencial contido na


Súmula 387 do STF: “a cambial emitida ou aceita com omissões, ou em branco, pode
ser completada pelo credor de boa-fé antes da cobrança ou do protesto”.
A alternativa “B” está incorreta, já que o endosso, quando parcial, conforme previsto
no parágrafo único do artigo 912 do Código Civil é considerado nulo: “é nulo o endosso
parcial.” No mesmo sentido, a Lei Uniforme de Genebra, em seu artigo 12: “o endosso
deve ser puro e simples. Qualquer condição a que ele seja subordinado considera-se
como não escrita.”
A alternativa “C” está correta, uma vez que é com o saque (emissão) que o sacador
exprime a declaração originária para a constituição do crédito. Sem a ordem, a
assinatura daquele que cria o título, não existe o titulo.
A alternativa “D” está correta, conforme explicamos na alternativa B, uma vez que o
endosso parcial implica na transferência parcial e isso não pode acontecer, pois não se
transfere parte do título, mas ele em sua integralidade, com todos os direitos.

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 104


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

A alternativa “E” está correta, o endosso impróprio, é aquele que "destina-se a


legitimar a posse de certa pessoa sobre um título de crédito, sem lhe transferir o direito
creditício". Nesses termos, o endosso impróprio tem como finalidade legitimar a posse
sobre o título de crédito por alguém, para exercer os direitos representados na cártula,
mas sem produzir o principal efeito inerente ao endosso que é a de transferir a
titularidade do crédito contido no titulo.

Questão 8.(FCC– DEFENSOR PÚBLICO AM - 2018). Em relação aos títulos de crédito, é


correto afirmar:
a) O título de crédito, enquanto documento necessário ao exercício do direito literal e
autônomo nele contido, produz efeitos se preenchidos ou não os requisitos legais.
b) Consideram-se não escritas no título a cláusula de juros, a proibitiva de endosso, a
excludente de responsabilidade pelo pagamento ou por despesas, a que dispense a
observância de termos e formalidades prescritas, e a que, além dos limites fixados em
lei, exclua ou restrinja direitos e obrigações.
c) A omissão de qualquer requisito legal, que tire ao escrito a sua validade como título
de crédito, implica a invalidade do negócio jurídico que lhe deu origem.
d) Enquanto o título de crédito estiver em circulação, tanto ele poderá ser dado em
garantia e ser objeto de medidas judiciais, como também, em conjunto, os direitos ou
mercadorias que representa.
e) O pagamento de título de crédito, que contenha obrigação de pagar soma
determinada, não admite garantia por aval, embora possa ser concedido aval parcial.
a) O título de crédito, enquanto documento necessário ao exercício do direito literal e
autônomo nele contido, produz efeitos se preenchidos ou não os requisitos legais.

A alternativa “A” está incorreta, uma vez que o título de crédito, enquanto documento
necessário ao exercício do direito literal e autônomo nele contido, somente produz
efeitos se preenchidos os requisitos legais. É o que dispõe o Artigo 887 do CÓDIGO CIVIL:
"Artigo 887. O título de crédito, documento necessário ao exercício do direito literal e
autônomo nele contido, somente produz efeito quando preencha os requisitos da lei".

A alternativa “B” está correta, uma vez que É o exato teor do Artigo 890 do CÓDIGO
CIVIL:
"Artigo 890. Consideram-se não escritas no título a cláusula de juros, a proibitiva de
endosso, a excludente de responsabilidade pelo pagamento ou por despesas, a que
dispense a observância de termos e formalidade prescritas, e a que, além dos limites
fixados em lei, exclua ou restrinja direitos e obrigações".

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 105


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

A alternativa “C” está incorreta, uma vez que a omissão de qualquer requisito legal,
que tire ao escrito a sua validade como título de crédito, não implica a invalidade do
negócio jurídico que lhe deu origem, como determina o Artigo 888 do CÓDIGO CIVIL:
"Artigo 888. A omissão de qualquer requisito legal, que tire ao escrito a sua validade
como título de crédito, não implica a invalidade do negócio jurídico que lhe deu origem".

A alternativa “D” está incorreta, pois conforme preceitua o artigo 895 do CÓDIGO CIVIL,
enquanto o título de crédito estiver em circulação, só ele poderá ser dado em garantia
ou ser objeto de medidas judiciais, e não os direitos ou mercadorias que representa,
que, embora encontrem-se incorporados ao título, não podem ser dados em garantia
separadamente: "Artigo 895. Enquanto o título de crédito estiver em circulação, só ele
poderá ser dado em garantia, ou ser objeto de medidas judiciais, e não, separadamente,
os direitos ou mercadorias que representa".

A alternativa “E” está incorreta, uma vez que o pagamento de título de crédito, que
contenha obrigação de pagar soma determinada, admite garantia por aval, embora não
possa ser concedido aval parcial, conforme dispõe o Artigo 897, caput, e Parágrafo
único do CÓDIGO CIVIL: "Artigo 897. O pagamento de título de crédito, que contenha
obrigação de pagar soma determinada, pode ser garantido por aval. Parágrafo único. É
vedado o aval parcial".

Questão 9.(FCC- DEFENSOR PÚBLICO AM - 2018). A respeito do protesto de títulos:


a) Uma vez apresentado o pedido de protesto, o devedor deverá ser intimado por
qualquer meio que assegure a comprovação do recebimento, vedada a intimação por
portador do próprio tabelião.
b) O título do documento de dívida cujo protesto tiver sido sustado judicialmente só
poderá ser pago, protestado ou retirado com autorização judicial.
c) Não são títulos sujeitos a protesto as certidões de dívida ativa da União, dos Estados,
do Distrito Federal, dos Municípios e das respectivas autarquias e fundações públicas.
d) Uma vez revogada a ordem judicial de sustação do protesto, o tabelião deverá lavrar
novamente o protesto e proceder a nova intimação do devedor.
e) Das certidões de informações de protestos constarão todos os registros, inclusive
aqueles cujos cancelamentos tiverem sido averbados.

A alternativa “A” está incorreta, uma vez que a assertiva trata da intimação do devedor
após a apresentação do pedido de protesto. Nesse sentido a Lei de Protesto dispõe:
Artigo 14, § 1º A remessa da intimação poderá ser feita por portador do próprio

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 106


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

tabelião, ou por qualquer outro meio, desde que o recebimento fique assegurado e
comprovado através de protocolo, aviso de recepção (AR) ou documento equivalente.

A alternativa “B” está correta, uma vez que traz os exatos termos do §1º, artigo 17 do
indigitado diploma: Artigo 17. Permanecerão no Tabelionato, à disposição do Juízo
respectivo, os títulos ou documentos de dívida cujo protesto for judicialmente sustado.
§ 1º O título do documento de dívida cujo protesto tiver sido sustado judicialmente só
poderá ser pago, protestado ou retirado com autorização judicial.

A alternativa “C” está incorreta, uma vez que o incluem-se, entre os documentos
sujeitos a protesto, as CDA’s da União, Estados/DF e Municípios, bem como das
respectivas autarquias e fundações públicas: Artigo 1º, Parágrafo único. Incluem-se
entre os títulos sujeitos a protesto as certidões de dívida ativa da União, dos Estados,
do Distrito Federal, dos Municípios e das respectivas autarquias e fundações públicas.

A alternativa “D” está incorreta, uma vez que o com a revogação da ordem judicial de
sustação do protesto não há necessidade de nova intimação do devedor, sendo – via
de regra – a lavratura e o registro do protesto efetivados até o primeiro dia útil
subsequente ao do recebimento da revogação: Artigo 17, § 2º Revogada a ordem de
sustação, não há necessidade de se proceder a nova intimação do devedor, sendo a
lavratura e o registro do protesto efetivados até o primeiro dia útil subseqüente ao do
recebimento da revogação, salvo se a materialização do ato depender de consulta a ser
formulada ao apresentante, caso em que o mesmo prazo será contado da data da
resposta dada.

A alternativa “E” está incorreta, visto que a Lei Uniforme preceitua que: Artigo 27, §2º.
Das certidões de informações não constarão os registros cujos cancelamentos tiverem
sido averbados, salvo por requerimento escrito do próprio devedor ou por ordem
judicial.

Questão 10.(FCC - Procurador do Estado do AP – 2018). Em relação ao protesto de


títulos,
a) os títulos e documentos de dívida protocolizados serão examinados em seus
caracteres formais, mas poderá o Tabelião de Protesto verificar a ocorrência de
prescrição ou caducidade, por se tratar de matéria de ordem pública.
b) quando o sacado retiver a letra de câmbio ou a duplicata enviada para aceite e não
proceder à devolução dentro do prazo legal, o protesto poderá ser baseado na segunda
via da letra de câmbio ou nas indicações da duplicata, que se limitarão a conter os

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 107


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

mesmos requisitos lançados pelo sacador ao tempo da emissão da duplicata, vedada a


exigência de qualquer formalidade não prevista na lei que regula a emissão e circulação
das duplicatas.
c) só poderão ser protestados títulos e outros documentos de débito em moeda
nacional, defeso o protesto de títulos emitidos fora do Brasil.
d) na contagem do prazo para registro do protesto, que é de 48 horas, inclui-se o dia da
protocolização e exclui-se o do vencimento.
e) o protesto pode ser tirado por falta de aceite, antes ou após o vencimento da
obrigação, desde que antes do prazo para devolução do título da dívida.

A alternativa “A” está incorreta, visto que a prescrição e caducidade são matérias que
deverão ser alegadas pela pessoa protestada, de modo que não caberá ao tabelião fazer
tal verificação. Isso está previsto no seguinte artigo da Lei de Protestos: Artigo 9º Todos
os títulos e documentos de dívida protocolizados serão examinados em seus caracteres
formais e terão curso se não apresentarem vícios, não cabendo ao Tabelião de Protesto
investigar a ocorrência de prescrição ou caducidade.
A alternativa “B” está correta, conforme expressa disposição do Artigo 20. § 3º da Lei
Uniforme Quando o sacado retiver a letra de câmbio ou a duplicata enviada para aceite
e não proceder à devolução dentro do prazo legal, o protesto poderá ser baseado na
segunda via da letra de câmbio ou nas indicações da duplicata, que se limitarão a conter
os mesmos requisitos lançados pelo sacador ao tempo da emissão da duplicata, vedada
a exigência de qualquer formalidade não prevista na Lei que regula a emissão e
circulação das duplicatas.
A alternativa “C” está incorreta, uma vez acompanhados da tradução efetuada
por tradutor público juramentado, poderão ser protestados títulos e outros
documentos em moda estrangeira, emitidos fora do Brasil. Conforme o disposto na Lei
de Protesto: Artigo 10. Poderão ser protestados títulos e outros documentos de dívida
em moeda estrangeira, emitidos fora do Brasil, desde que acompanhados
de tradução efetuada por tradutor público juramentado.
A alternativa “D” está incorreta, visto que o prazo para registro do protesto será de 3
dias úteis, contado da protocolização do título. Além disso, exclui-se o dia da
protocolização e inclui-se o dia do vencimento (vejam que o examinador peçonhento
inverteu). Isso está disposto no seguinte artigo:Artigo 12. O protesto será registrado
dentro de três dias úteis contados da protocolização do título ou documento de dívida.§
1º Na contagem do prazo a que se refere o caput exclui-se o dia da
protocolização e inclui-se o do vencimento.
A alternativa “E” está incorreta, visto que protesto por falta de aceite somente poderá
ser efetuado: antes do vencimento da obrigação; e após o prazo

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 108


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

para aceite ou devolução do título. Isso está previsto no seguinte dispositivo da Lei de
Protestos: Artigo 21. § 1º O protesto por falta de aceite somente poderá ser efetuado
antes do vencimento da obrigação e após o decurso do prazo legal para o aceite ou a
devolução.

Atenção, APÓS o vencimento da obrigação, o protesto sempre será efetuado por falta
de pagamento, vedada a recusa da lavratura e registro do protesto por motivo não
previsto na lei cambial (artigo 21, §2º).

Questão 11.(FCC- DEFENSOR PÚBLICO MA - 2018). De acordo com a jurisprudência


consolidada do STJ a respeito do cheque:
a) não caracteriza dano moral a apresentação antecipada de cheque pré-datado.
b) em ação monitória fundada em cheque prescrito ajuizada contra o emitente, é
indispensável a menção ao negócio jurídico subjacente à emissão da cártula
c) a simples devolução indevida de cheque não caracteriza dano moral.
d) o prazo para ajuizamento de ação monitória em face do emitente de cheque sem
força executiva é quinquenal, a contar do dia seguinte à data de emissão estampada na
cártula.
e) é inadmissível a ação monitória fundada em cheque prescrito.

A alternativa “A” está incorreta, uma vez que de acordo com a jurisprudência
caracteriza dano moral a apresentação antecipada de cheque pré-datado.
A alternativa “B” está incorreta, uma vez que em ação monitória fundada em cheque
prescrito ajuizada contra o emitente, é dispensável a menção ao negócio jurídico
subjacente à emissão da cártula.
A alternativa “C” está incorreta, uma vez que prevê a Súmula 388 do STJ que a simples
devolução indevida de cheque caracteriza dano moral.
A alternativa “D” está correta, visto que preceitua a Súmula 503 do STJ que o prazo
para ajuizamento de ação monitória em face do emitente de cheque sem força
executiva é quinquenal, a contar do dia seguinte à data de emissão estampada na
cártula.
A alternativa “E” está incorreta, uma vez que a Súmula 299 do STJ determina
ser admissível a ação monitória fundada em cheque prescrito.

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 109


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

Questão 12.(FCC- DEFESOR PÚBLICO AP - 2018). Em relação à duplicata, considere os


seguintes enunciados:

I. Nos casos de venda para pagamento em parcelas, deverão ser emitidas tantas
duplicatas quantas forem as parcelas ajustadas, nas quais haverá a discriminação dos
vencimentos e do valor de cada prestação, consignando-se para cada qual numeração
em sequência de ordem dos vencimentos.
II. No ato da emissão da fatura, dela poderá ser extraída uma duplicata para circulação
como efeito comercial, não sendo admitida qualquer outra espécie de título de crédito
para documentar o saque do vendedor pela importância faturada ao comprador.
III. A duplicata indicará sempre o valor total da fatura, a não ser que o comprador tenha
direito a rebate ou compensação, citando o vendedor o valor líquido que o comprador
deverá reconhecer como obrigação de pagar.
IV. A venda mercantil para pagamento contra a entrega da mercadoria ou do
conhecimento de transporte, sejam ou não da mesma praça vendedor e comprador, ou
para pagamento em prazo inferior a trinta dias, contado da entrega ou despacho das
mercadorias, poderá representar-se por duplicata, em que se declarará que o
pagamento será feito nessas condições.
V. É lícito ao comprador resgatar a duplicata antes de aceitá-la, mas não antes da data
do vencimento.

Está correto o que se afirma APENAS em


a) I e IV.
b) II e IV.
c) II, III e V.
d) II, IV e V.
e) I, III e V.

Item “I” está incorreto, uma vez que nos casos de venda para pagamento em
parcelas, poderão ser emitidas tanto séries de duplicatas, uma para cada prestação,
assim como uma duplicata única com discriminação dos vencimentos e do valor de cada
prestação, consignando-se para cada qual numeração em sequência de ordem dos
vencimentos, mas podendo ser alterada a numeração pelo acréscimo de letra do
alfabeto. Conforme dispõe o Artigo 2º, caput, § 1º, I, e § 3º da Lei 5.474/68 (Lei das
Duplicatas): "Artigo 2º, § 1º A duplicata conterá: I - a denominação 'duplicata', a data
de sua emissão e o número de ordem. § 3º Nos casos de venda para pagamento em
parcelas, poderá ser emitida duplicata única, em que se discriminarão todas as
prestações e seus vencimentos, ou série de duplicatas, uma para cada prestação

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 110


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

distinguindo-se a numeração a que se refere o item I do § 1º deste artigo, pelo acréscimo


de letra do alfabeto, em sequência".
Item “II” está correto, uma vez determina o Artigo 2º, caput, da Lei 5.474/68 que no
ato da emissão da fatura, dela poderá ser extraída uma duplicata para circulação como
efeito comercial, não sendo admitida qualquer outra espécie de título de crédito para
documentar o saque do vendedor pela importância faturada ao comprador.
Item “III” está incorreto, pois de acordo com o Artigo 3º, caput, da Lei 5.474/68, a
duplicata indicará sempre o valor total da fatura, ainda que o comprador tenha direito
a rebate ou compensação, citando o vendedor o valor líquido que o comprador deverá
reconhecer como obrigação de pagar: "Artigo 3º A duplicata indicará sempre o valor
total da fatura, ainda que o comprador tenha direito a qualquer rebate, mencionando o
vendedor o valor líquido que o comprador deverá reconhecer como obrigação de
pagar".
Item “IV” está correto, pois é o que determina o § 2º, do Artigo 3º, da Lei 5.474/68:
"§ 2º A venda mercantil para pagamento contra a entrega da mercadoria ou do
conhecimento de transporte, sejam ou não da mesma praça vendedor e comprador, ou
para pagamento em prazo inferior a 30 (trinta) dias, contado da entrega ou despacho
das mercadorias, poderá representar-se, também, por duplicata, em que se declarará
que o pagamento será feito nessas condições".
Item “V” está incorreto, uma vez é lícito ao comprador resgatar a duplicata antes de
aceitá-la, ou antes da data do vencimento, como estabelece o Artigo 9º, caput, da Lei
5.474/68: é lícito ao comprador resgatar a duplicata antes de aceitá-la ou antes da data
do vencimento".

Logo, está correto o que se afirma apenas em II e IV, sendo a Letra B o gabarito da
questão.

Questão 13.(CEBRASPE(CESPE) – Banco Nacional do Brasil - 2018). Julgue o próximo


item, a respeito de garantias fidejussórias, considerando a instrumentalidade na
formalização dessas garantias e a responsabilidade atribuída ao avalista e(ou) ao fiador.

No caso do aval, a responsabilidade pelo pagamento da dívida é solidária, ou seja, tanto


o devedor quanto o avalista são responsáveis pelo montante integral da dívida; no caso
da fiança, a responsabilidade é subsidiária, e existe o benefício de ordem, isto é, o fiador
somente será acionado se o devedor principal não cumprir a obrigação.

Gabarito: CERTO

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 111


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

O aval corresponde a responsabilidade solidária, na qual o devedor e o avalista serão


responsáveis pelo montante integral da dívida, já a fiança corresponde a uma
responsabilidade subsidiária, fiador somente será acionado se o devedor principal não
cumprir a obrigação principal.

Questão 14.(CEBRASPE(CESPE) – Banco Nacional do Brasil - 2018). Julgue o próximo


item, a respeito de garantias fidejussórias, considerando a instrumentalidade na
formalização dessas garantias e a responsabilidade atribuída ao avalista e(ou) ao fiador.

Para que um dos cônjuges possa prestar fiança ou aval, é necessário, exceto no caso de
casamento em regime de separação absoluta de bens, que haja o consentimento
expresso do outro cônjuge, situação denominada outorga uxória ou marital.

Gabarito: CERTO
O STJ entende o seguinte, quando se trata de títulos de créditos inominados ou
atípicos (que são de livre criação): aplica-se a regra do artigo 1.647, inciso III do CÓDIGO
CIVIL, qual seja: HÁ NECESSIDADE do consentimento do outro cônjuge quando for
prestado o Aval, salvo se o regime for o de separação absoluta. Em se tratando de títulos
de créditos nominados (Letra de Câmbio, Nota Promissória, Cheque, Duplicata,...): o
código civil é aplicado de forma subsidiária... de modo que a lei especial irá dispor sobre
as regras referentes ao Aval. Portanto, a necessidade do consentimento do outro
cônjuge deverá vir prevista na lei especial.

Questão 15.(CEBRASPE(CESPE) – Banco Nacional do Brasil - 2018). Acerca de títulos de


crédito, julgue o item a seguir.

Na nota promissória, é requisito essencial o nome do credor no título, não se admitindo


nota promissória ao portador.

Gabarito: CERTO
Conforme preceitua o Artigo 75 – A nota promissória contém: 5 – O nome da pessoa a
quem ou a ordem de quem deve ser paga. Ou seja, entre os requisitos de validade
esta. Ou seja, um dos requisitos essenciais é o nome da pessoa a quem ou à ordem de
quem deve ser paga. Nossa legislação não admite a nota promissória ao portador e,
nessa condição, é essencial identificar o credor originário que poderá receber a
promessa, ou transferir o direito de receber a referida promessa

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 112


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

Questão 16.(CEBRASPE(CESPE) – Banco Nacional do Brasil – 2018). Acerca de títulos de


crédito, julgue o item a seguir.

Caso um cheque seja apresentado para pagamento em data anterior à que nele esteja
estipulada, ele deverá ser devolvido pela instituição financeira, mesmo que a conta
sacada disponha de saldo suficiente para honrá-lo.

Gabarito: ERRADO
Se houver fundos, o cheque pré-datado apresentado antes da data prevista no
título poderá ser pago pelo banco. Vejamos o que ensina André Ramos¹: Segundo a
legislação (artigo 32 da Lei do Cheque²), o cheque será sempre uma ordem de
pagamento à vista, devendo ser considerada não escrita qualquer menção em sentido
contrário eventualmente colocada na cártula. Sendo assim, havendo saldo, um cheque
pré-datado pode ser descontado ou devolvido, conforme o emitente possua ou não
fundos suficientes para o seu pagamento.
Sobre o assunto, assentou o STJ no REsp 612.423/DF: “(...) a emissão de cheque pós-
datado, popularmente conhecido como cheque pré-datado, não o desnatura como
título de crédito, e traz como única consequência a ampliação do prazo de
apresentação (...)”

Questão 17.(CEBRASPE(CESPE) – Banco Nacional do Brasil - 2018). Acerca de títulos de


crédito, julgue o item a seguir.

O prazo de apresentação de um cheque para pagamento é de seis meses, a contar da


data de sua emissão.

Gabarito: ERRADO
O prazo para apresentar o cheque pode variar de 30 a 60 dias, sendo 30 dias cheques
da mesma praça da emissão e 60 dias cheque de praça distinta da emissão, nos termos
do artigo 33 da lei do cheque: Artigo . 33 O cheque deve ser apresentado para
pagamento, a contar do dia da emissão, no prazo de 30 (trinta) dias, quando emitido no
lugar onde houver de ser pago; e de 60 (sessenta) dias, quando emitido em outro lugar
do País ou no exterior. O prazo de 6 meses diz respeito ao prazo prescricional para se
entrar com a ação de execução, não podendo um prazo ser confundido com o outro.

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 113


www.estrategiaconcursos.com.br
114
Alessandro Sanchez
Aula 05

15- CONSIDERAÇÕES FINAIS


Chegamos ao final da nossa aula sobre a parte geral dos Títulos de Crédito e os Títulos
de Crédito no Código Civil.

Vimos as regras acerca dos títulos de crédito, aprendemos seus princípios,


características, formas de constituição e sua circulação.
Um grande abraço,
Alessandro Sanchez.

Para tirar dúvidas e ter acesso a dicas e conteúdos gratuitos, acesse nossas redes
sociais:
Instagram - Professor Alessandro Sanchez:
https://www.instagram.com/professorsanchez

Canal do YouTube do Professor Alessandro Sanchez:


https://www.youtube.com/channel/alessandrosanchez

Direito Empresarial p/ SEFAZ-DF (Auditor Fiscal) - Pós-Edital 114


www.estrategiaconcursos.com.br
114