Você está na página 1de 3

REVOLUÇÃO FRANCESA (1789-1799) Prof.

JOÃO

REVOLUÇÃO FRANCESA: 1789-1799 - 3a Revolução Burguesa  Ministro Necker:


1. DEFINIÇÃO:  Convence o rei a convocar a Assembléia dos Estados
 Queda do Absolutismo francês Gerais¸
 Ascensão da burguesia ao controle do poder político  OBJETIVO: encontrar uma solução para a crise
 Consolidação do Estado Burguês francesa.
 Condições necessárias para o início da industrialização b) 05/1789:
na França.  Pressionados pelo 3º Estado, a Assembléia muda sua
2. CAUSAS ESTRUTURAIS DA REVOLUÇÃO: composição:
a) Absolutismo de Luís XVI:  Primeiro Estado: 291 deputados
 Impostos para custear a sua corte e seus gastos  Segundo Estado: 270 deputados
pessoais.  Terceiro Estado: 578 deputados.
 1o e 2o Estados (alto clero/alta nobreza: 500.000 c) 11/07/1789:
habitantes): isentos  Luís XVI fechou a Assembléia
 3o Estado (burguesia/povo: 24.500.000 habitantes):  Demissão do ministro Necker
sustentava a elite.  Novo ministro: Barão de Bretevil.
 Séc. XVII: 19.000.000 – 20.000.000  REVOLTA: Burguesia + Baixo Clero + sans-culotte,
 Séc. XVIII: 20.000.000 – 26.000.000  Juramento do Jeu de Paume.
b) Dívidas da Corte:  Formação de uma nova Guarda Nacional
 Déficit interno.  Assembléia Constituinte: elaboração de uma
 Aumento de forma desenfreada os impostos. constituição que limitasse o poder do rei.
 Dívidas crescentes. 14/07/1789:
c) Dívida Externa:  Queda de Bastilha (uma prisão real e depósito de
 Empréstimos com bancos ingleses em nome da França. armas).
 Dívida: £ 5.000.000,00  Início da Revolução.
 Receita de impostos anuais: £ 2.500.000,00.  1ª etapa ficou conhecida como o Grande Medo.
 Falência da França. 4. ETAPAS DA REVOLUÇÃO:
a
d) Tratado de Éden-Reynevall: 1 ETAPA DA REVOLUÇÃO: A Assembléia Nacional (1789-
 Isenção de impostos sobre produtos ingleses 92).
 Novos empréstimos.  Atuação da burguesia nas cidades.
 Falência das fábricas francesas  Atuação dos camponeses no interior.
 Aumento do desemprego  Abolição dos privilégios feudais: clero e nobreza
 Descontentamento da burguesia e do povo. passavam a pagar impostos.
e) Exploração do campesinato:  Aprovação da Declaração dos Direitos do Homem e do
 Relações feudais. Cidadão:
 Revolta e descontentamento contra o Absolutismo.  1º documento da Revolução
3. CAUSAS CONJUNTURAIS DA REVOLUÇÃO:  Fim das diferenças de nascença entre nobres e pessoas
a) Guerra dos Sete Anos (1757-63): comuns
 Realizada por Luís XV  Ideais de Liberdade, Igualdade e Fraternidade,
 Desastrosa do ponto de vista econômico para a França.  Base iluminista.
b) Independência dos EUA (1776-81):  Confisco das terras da nobreza.
 Agrava a crise econômica  Emigração dos nobres
 Ideais iluministas: aumento da crítica ao absolutismo  Confisco dos bens da Igreja
de Luís XVI. o OBJETIVO: lastreamento dos assignats (nova
 CUSTO: £ 2.000.000,00 moeda da França).
 Suficiente para sustentar 7.000.000 de franceses por  Constituição Civil do Clero:
um ano. o Ruptura da França com a Igreja Católica.
c) Grande Fome (1787-9): o Transformação do clero em funcionários
 Grande período de estiagens públicos.
 Quebra da produção agrícola francesa (principalmente o REFRATÁRIOS X JURAMENTADOS.
a de trigo)  1791: Primeira Constituição Francesa:
 Elevação no preço dos gêneros alimentícios (pão) o Monarquia constitucional com divisão de
 1 PÃO = 1 MÊS DE SALÁRIO. poderes:
 3. CRONOGRAMA DA REVOLUÇÃO: o Executivo: rei
a) 1789: o Legislativo: deputados eleitos por voto
 Demissão do ministro Calonne censitário (sem participação popular)
 Favorável à extensão do pagamento de impostos para o Judiciário.
o 1o e 2o Estados. o O rei deveria obedecer às leis criadas pela
burguesia.
REVOLUÇÃO FRANCESA (1789-1799) Prof. JOÃO

 06/1791: Declaração de Pilnnitz:


o Luís XVI afirmava a superioridade do poder do  07/1794: assassinato de Marat pela girondina
rei sobre a Constituição. Charlote de Corday.
o Plano de golpe (aliança com a Áustria)  Onda de execuções contra os opositores da
o É declarado criminoso por desobedecer a Revolução
Constituição  As execuções, comandadas por Robespierre
o Tentativa de fuga do rei: preso na fronteira deram início ao Período do Terror.
com a Áustria.
 Suspensão da Constituição e dos direitos
 Disputa interna à burguesia:
garantidos aos cidadãos.
o Girondinos (alta burguesia) desejavam manter
 Período do Terror
a monarquia;
o Jacobinos (pequena burguesia): aliados dos  Falta de recursos dos jacobinos para resolver a
sans-culottes, desejavam instituir a República crise econômica
e executar o rei na guilhotina. o Lei do Preço Máximo: tabelamento de
o Jacobinos declaram a “pátria em perigo” preços.
o Liderados por Marat, Danton e Robespierre, o Catolicismo X Racionalismo
instituem a “Comuna Insurrecional de Paris”.  Descristianização (NOVO DEUS =
o A República estava proclamada, dando início à MARAT)
2a etapa da Revolução o Novo calendário.
a
2 ETAPA DA REVOLUÇÃO: A Convenção Nacional (1792- o Disputas internas entre os próprios
1795) jacobinos.
 20/09/1792: divisão da burguesia em direita o Os girondinos articulam a queda dos
(girondinos conservadores), esquerda (jacobinos jacobinos.
radicais) e centro ou planície (sem posicionamento o 27/07/1794: os girondinos derrubam os
definido). jacobinos do poder através de um golpe
 02/06/1793: os jacobinos tomam o poder conhecido como o “golpe do 9 de
termidor” (Reação Termidoriana)
definitivamente.
o Após a execução de Robespierre, os
 Início da Convenção Montanhesa (1793-94).
girondinos assumem o poder. Tinha início
 21/07/1793: execução de Luís XVI.
a 3a etapa da Revolução.
o Revolta da Vendeia (1793-96): Realistas X
3 ETAPA DA REVOLUÇÃO - GOVERNO DO DIRETÓRIO
a
Republicanos
 Oposição contra a França revolucionária:
 Governo girondino (conservador).
Temor de expansão dos ideais revolucionários pela  Medidas para anular as realizações radicais e
Europa (a maioria dos países era absolutista) populares dos jacobinos:
o Inglaterra: temor de um desenvolvimento  Perseguição dos opositores aos girondinos através
industrial da França (concorrência). do Terror Branco.
o Formação das Coligações contra a França  Constituição do Ano III: critério censitário (por
Revolucionária. renda) para as eleições e controle dos três poderes
 1a Coligação por um Diretório controlado por cinco membros
o Inglaterra + Áustria + Prússia + Holanda+ girondinos.
Espanha.  Vitória sobre levantes Realistas (apoiavam a volta
o Vitória do exército revolucionário francês. dos Bourbons ao trono) e populares (como a
 República revolta liderada por Graco Babeuf – Conjura dos
o Etapa mais radical da Revolução. Iguais).
o Constituição do Ano I:  Vitória sobre a 2a Coligação Contra a França
 Sufrágio Universal. Revolucionária (Espanha, Holanda, Prússia e
 Democratização dos processos Itália). Essas vitórias contaram com a participação
políticos. do general Napoleão Bonaparte.
o Comitê de Salvação Pública:  9/11/1799: Golpe do 18 brumário
 Defesa externa e administração da o Maior controle dos girondinos sobre a
República. política francesa
 Líder: Danton. o Substituição do Diretório pelo Consulado,
 12 membros liderado por três membros.
o Comitê de Segurança Nacional:  Napoleão Bonaparte,
 Defesa Interna representando o exército
o Tribunal Revolucionário:  Roger Ducos, representando os
 Julgava os crimes contra a Revolução. girondinos
 Líder: Robespierre
REVOLUÇÃO FRANCESA (1789-1799) Prof. JOÃO

 Abade Sieyès, representando o


clero.
o OBJETIVO: atribuir poderes para
Napoleão.
 Criar uma estrutura de governo
forte
 Industrializar a França.
 CONCLUSÃO: Acabava assim a Revolução
Francesa. Seu saldo final: o fim do Absolutismo e a
constituição de um Estado Burguês. O povo? Bem,
mais uma vez, o povo foi utilizado como massa de
manobra, não conseguindo conquistar qualquer
tipo de participação ou poder político.

Você também pode gostar