Você está na página 1de 2

Disciplina: Língua Portuguesa

Turmas: 3os Integrados AGR117, Professora: Cláudia Santos


INF117, ZOO117

Período Composto: Orações Subordinadas Substantivas


Ao contrário das Coordenadas,
as orações subordinadas são
dependentes entre si, de modo que
uma se subordina a outra, para
complementação ou determinação de
seu sentido. Veja:
É necessário que os alunos realizem a
inscrição.
- Oração 1: É necessário
- Oração 2: [que] os alunos realizem a
inscrição.
As orações subordinadas substantivas
desempenham função sintática dos
termos integrantes e acessórios da
oração e são introduzidas pelas
conjunções integrantes “que” e “se”.
Porém, podem ser iniciadas, também,
pelos pronomes: quem, que (relativo),
Disponível em: <https://www.linguaminha.com.br/artigos/termos-da-oracao/>. quantos, como, onde, por que,
Acesso em 30/08/2019 quando, qual (is).

1. Classifique as orações subordinadas substantivas, a partir das frases abaixo.


a) É necessário que você contribua. d) Sou grato a que me ajudou
b) O pai perguntou se tudo estava bem. e) Ele me convenceu de que a vida é breve.
c) Seu medo era que ele desistisse. f) Só lhe peço uma coisa: que você não desista.

1. Leia a frase do anúncio:


Nosso maior prêmio é saber que nossos clientes têm
a certeza de sempre poder contar com a gente.
a) Qual é a predicação do verbo saber?
b) Identifique a oração que complementa esse verbo?
c) Como se essa oração classifica?

2) Observe:
.... nossos clientes têm a certeza de sempre poder
contar com a gente.
a) Qual é o complemento do substantivo certeza?
b) Esse complemento é uma oração? Por quê?
c) Como essa oração se classifica?

3. Observe a fala do 2º balão no


primeiro quadrinho.
a) Quais são os complementos do
verbo dizer?
b) Esses complementos são
introduzidos por uma conjunção?
Qual?
c) Como se classificam as orações
que complementam o verbo
saber?
d) Há duas inadequações, no 1º
balão do segundo quadrinho
gramatical e de pontuação, na
primeira fala. Quais são elas?
Leitura: artigo de opinião “Violência contra criança e adolescente”.
Violência contra criança e adolescente
Diariamente, somos bombardeados por notícias e informações catastróficas, envolvendo mortes,
acidentes, tráfico, roubo, entre outros, ou seja, diferentes formas de violência. Entre essas notícias, as
violências sofridas por crianças e adolescentes têm se tornado cada vez mais frequentes: padrasto que
estupra e engravida menina de 9 anos; professora que silencia aluno colocando fita crepe na boca;
adolescentes e suas famílias “acorrentados” pelo crack; precariedade dos serviços públicos para atender
às necessidades da população. Isso sem contar os tantos outros casos que ocorrem diariamente e não são
veiculados pelos meios de comunicação, ficando silenciados pelo anonimato.
Diante de tudo isso, pensar em infância, em crianças e adolescentes como “seres de direito” é
pensar a partir de uma trajetória histórico-cultural que foi e está sendo construída ao longo do tempo.
Com a Constituição de 1988, o “ser criança” passa a ser percebido como um sujeito social, uma criança
cidadã, portadora de direitos.
Em 1990, com o Estatuto da Criança e do Adolescente, é reforçada a importância da proteção à
criança e ao adolescente contra todos os tipos de violência, sendo reconhecidos legalmente como “sujeitos
de direito”. No entanto, o fato de termos uma legislação que respalde a infância no Brasil não garante que
esta seja respeitada e valorizada. Sabe-se que muitas crianças e adolescentes sofrem diariamente
diferentes formas de violência (física, psicológica, social, sexual) e a legislação, na maioria das vezes,
pouco contribui para amenizar este quadro.
Nós, enquanto profissionais da educação, precisamos estar atentos às diferentes formas de
violência, repensando algumas de nossas posturas frente a essa problemática. É preciso unir forças no
combate à violência infantil, por meio de uma interação constante entre os diferentes segmentos da
sociedade, denunciando toda e qualquer tipo de violência às autoridades responsáveis pela proteção
dessas crianças e adolescentes.
[...]
JOZE M. S. A. TONIOLO. Disponível em: <http://www.clicrbs.com.br/dsm/rs/impressa/4,41,2649689,13105>. Acesso em: 30/08/2019.

4. O gênero discursivo artigo de opinião é um texto em que o autor expõe seu posicionamento diante de
algum tema atual e de interesse de muitos. Qual é o tema abordado nesse artigo?

5. As ideias defendidas em um artigo de opinião são de total responsabilidade do autor. Ele é responsável
pela veracidade dos elementos apresentados e, por isso, deve assinar o texto no final. Quais os recursos
adotados pelo autor para garantir a credibilidade dos fatos?

6. O autor inicia apontando fatos de violência em geral. Qual a importância dos fatos apresentados nesse
parágrafo para a estratégia adotada pelo produtor do texto?

7. Qual a relação do segundo parágrafo com o primeiro, em relação à temática do texto?

8. Observe o 3º parágrafo do texto:

No entanto, o fato de termos uma legislação que respalde a infância no Brasil não garante que esta seja
respeitada e valorizada. Sabe-se que muitas crianças e adolescentes sofrem diariamente diferentes
formas de violência (física, psicológica, social, sexual) e a legislação, na maioria das vezes, pouco
contribui para amenizar este quadro.
a) O verbos em destaque são transitivos diretos ou indiretos? Justifique.
b) Como se classificam as orações que complementam esses verbos?

9. Observe este fragmento do 3º parágrafo do texto:

É preciso unir forças no combate à violência infantil, por meio de uma interação constante entre os
diferentes segmentos da sociedade, denunciando toda e qualquer tipo de violência às autoridades
responsáveis pela proteção dessas crianças e adolescentes.
Essas orações exprimem uma avaliação do produtor do texto sobre a violência contra a criança e o
adolescente? Comente.

10. Responda: o texto “Violência contra criança e adolescente” evidencia a relação entre os períodos
compostos de que participam orações subordinadas substantivas e textos da ordem do argumentar?
Comente.
(Aula adaptada de: <http://portaldoprofessor.mec.gov.br/>. Acesso em 29/08/2019)