Você está na página 1de 3

O que é ética (São Paulo, brasiliense, 2003, 79 páginas) de Álvaro L. M.

Valls,
enfatiza a ética na sociedade, traz um conjunto de idéias e discussões sobre ética
antiga, sua relação perante a religião, comportamento, consciência moral, liberdade,
valores, bem como os dias de hoje. Álvaro L. M. Valls, nasceu em 1947, Porto Alegre,
graduado em Filosofia na Faculdade Medianeira, em São Paulo e pós-graduado na
Alemanha, em Heidelberg. Dedicou o trabalho de mestrado a Adorno e o de doutorado
ao conceito de história em Kierkegaard. Já publicou artigos sobre temas filosóficos e
educacionais. &nb sp; O livro começa assimilando ética ao comportamento humano
em suas diversas ações e costumes, trazendo uma série de questionamentos. O
primeiro capítulo, o autor mostra os problemas, a maneira tradicional e a moderna em
que os povos agiam diante da ética e da moral, já que o assunto gerava polêmica.
Como foi no caso de Sócrates, filósofo grego, condenado a beber veneno, acusado de
induzir a juventude a questionar as leis. Enquanto isso Kant achava que ética
dependia da igualdade humana, estava sempre em busca da moral racional entre os
povos, ou seja, todos deveriam agir segundo a razão. Já no terceiro capítulo aborda a
relação da ética com a doutrina religiosa, onde se discute as influências de
relacionamento, sexualidade e moralidade. As atitudes do ser humano perante a
sociedade influenciava no modo em que eram as pessoas eram vistas. Princípios
religiosos era de fato, uma moral existente. No capítulo ‘Os ideais éticos’, a moral agia
de acordo com a consciência de cada pessoa. Praticar o bem era um ato importante
na doutrina. Para outros, viver de acordo com a natureza era fundamental, soava
como viver aos princípios de Deus. E ainda havia aqueles que achavam que o mais
importante era a busca pelo prazer. No quinto Capítulo, aborda a liberdade humana,
fato que depende do modo de pensar e agir no seu interior e exterior, lembrando
sempre que há normas a serem seguidas e responsabilidades a serem cumpridas.
Liberdade essa que é guiada pela consciência moral e que muitas vezes leva o ser
humano a crises existenciais. Surgem então dúvidas quanto praticar o bem e o mal.
Agir para o bem é uma questão de ética, a forma como esse bem será praticado,
depende única e exclusivamente de cada um. O comportamento moral engloba toda a
preocupação que o ser humano tem com a consciência individual. O modo de pensar
e agir, influencia sim nas questões políticas e na busca do ideal. A ética é um conceito
que sempre esteve presente em todas as sociedades e hoje se resume em uma ética
individual, onde cada pessoa define o que prefere seguir e idealizar. Define como
praticar o bem e qual caminho seguir. Aprendem a lidar com as diferenças e diversos
costumes de um povo a outro. A forma como a ética e a moral vai ser explorada, varia,
pois enquanto uma se torna dever, a outra tende para a obrigação.
ÉTICA
RESUMO - O QUE É ÉTICA
Álvaro L. M. VALLS

O esboço do tema relacionado à ética, esboçado por Álvaro Valls, vem de forma clara mostrar quanta
complexidade é encontrada para discorrer sobre o mesmo, mas não descarta a grande necessidade e ao
mesmo tempo a obrigatoriedade da constante vivência e atualização, pois ele é evidente e se observado
afundo é quase impossível a sua definição, trançado um paralelo de comparação, vê-se que em todos os
lugares e culturas e pertinentes seus valores, crenças, costumes, modos de vida, e acima de tudo
verifica-se as normas expostas – um poder maior que está acima de todos, conforme a época, eles vêm
se modificado até mesmo pelas constantes mudanças sociais e tecnológicas criadas e organizadas pelo
próprio homem; embora para cada “homem” as realidades venham contextualizar realidades diferentes –
assim sendo, Ética é tudo aquilo que consideramos correto, que vivemos e defendemos e, tem como
referencial o respeito ao outro, o que ele vive, cada um deve pensar de certa forma em conviver e trocar
experiências, participando ativamente do processo social envolvendo indivíduos de diferentes lugares.
Ainda neste ponto de vista torna-se essencial ressaltar que a ética está em cada um, em todos os lugares
e a todos os momentos se exige ética de todas as pessoas – concernentes ao modo de falar, como falar,
quando falar.

Existem muitas teorias que argumentam e discutem sobre a ética; expondo a todos os momentos
situações que tragam profundas reflexões a fim de se estabelecer um conceito, mas cada um a define,
neste sentido se a filosofia, a psicologia, a teologia, diante de pensadores de acordo com sua
compreensão de mundo, reprimidos e, somente mais tarde é que estes irão conseguir a verdadeira
compreensão das suas formas de expressão, por conta da evolução social e cultural que agora se
manifestará, estes pensadores por sua vez já buscavam relacionar teoria e pratica na tentativa de
alcançar quem sabe, a verdade absoluta sobre determinados assuntos, sempre esbarrando num
pressuposto maior, numa fundamentação além, ditos do próprio Jesus cristo, induz neste momento a uma
questão primordial que deve ser considerada entre os homens: “sede perfeitos (...)como Jesus cristo. A
bíblia relata que Jesus aqui na terra foi: amoroso, paciente, fiel, justo, reto (...) é possível ser perfeito ?. a
ética pela sua abrangência, revela que seus próprios argumentos tornam-se vazios para tão ampla
abrangência; o espaço físico e mental não consegue comportar discussões tão vastas.

As reflexões agora se voltam para as atitudes e as concentrações de vários saberes, em busca do


principio absoluto da conduta, fundamentados especificamente na religião: logo, pensamentos de grandes
teóricos como, Sócrates, Aristóteles e Platão; no sentido de levar as divisões ética e sua compreensão
tendo relevância a teologia: de um lado a infidelidade da vida humana é cultuar a Deus; no segundo
aspecto o prazer não é um bem nem um mal,
“(...) este é o fim mais nobre e a nossa norma mais segura de conduta.”

Nestas perspectivas, são firmadas doutrinas que colocam a felicidade no centro das preocupações éticas,
apontando fatores ideais sem, contudo esquecer-se de que sempre há a necessidade de observação da
realidade circundamente a nossa volta; revelando por intermédio do bem as atitudes louváveis perante a
sociedade, que através do próprio homem integralmente, se bem agir terá a fidelidade de convencer
outros mediante que apresentar, logo em seguida, o autor apresenta a sabedoria naquele alguém cujo
potencial lhe orienta para decidir sobre determinados assuntos tendo em vista a lógica, a razão. Para
Platão este é o sumo bem; já para Aristóteles o empírico vem determinar e envolver todos os demais
aspectos da vida. No contexto da religiosidade e ética tem havido confusões, vários pensadores buscam
ainda universalizar os conceitos que se relacionam ao assunto, acreditando que os princípios devem ser
os mesmo para todos ao mesmo tempo; por outro lado apresentam que a tendência da modernidade
valoriza sim; os prazeres em detrimento da razão e do bom senso; a praticidade aos valores morais e
éticos até então considerados, sufocando a moral e, ao mesmo tempo causando preocupação
concernente a ética neste sentido. Onde começa e até onde vai a ética; em termos éticos a religião volta-
se para a educação e o aperfeiçoamento do homem que busca a santidade de Deus. É notório que ela, a
religião, tenha, trazido um grande progresso moral para a humanidade; pois os seus conceitos teológicos
reforçam a sua interpretação.

Os ideais éticos por sua vez, refazem a idéia de viver em harmonia com a natureza atentando para os
critérios da moralidade e a razão e a liberdade, que consiste na preservação dos direitos do homem como
um agente no processo de organização, não estando ele, portanto isento do cumprimento dos seus
deveres nem alheio aos seus direitos para a igualdade entre todos, almejando uma vida social mais justa
e mais humana, uma verdadeira preocupação com o futuro. Todavia, uma reflexão ético-social dos
nossos dias caracteriza o momento alarmante em que todo o avanço tornou-se moral, pois não há
participação; assim sendo a ética torna-se impossível diante da liberdade e da fatalidade, mas, não há o
que não acabe esbarrando na ética, que aqui está voltada para o Deus dominador. No texto apresentado
apontam-se vários filósofos cuja preocupação com a ética e o de resolver as contradições entre:
necessidade x possibilidade; tempo x eternidade: individual x social; econômico x moral; corporal x
psíquico; natural x cultural; inteligência x vontade.

Mark e kierkegaard apresentam duas contribuições para estes tempos: para mark a ação humana está
definida em trabalho e técnica, não aceitando o domínio do homem pelo próprio homem, na segunda o
presente deve ser compreendido como o instante da decisão; o bem e o mal vem agora descrever o
comportamento moral que ainda se define em consciência moral; sua autonomia por intermédio sabendo-
se que para cada uma situação existe atitudes a serem tomadas e, cada uma delas leva em conta a
linguagem ética. Agir eticamente é agir bem e não mal, não devendo, portanto estar distraído quanto a
esta escolha; sim agir normalmente, para atitudes aponta três em que uma ética concreta não ignora:

• A família: demonstrando a grande e latente necessidade de reformulação no que se dirigem ao


relacionamento pais x filhos; direitos e os deveres de todos os componentes.

• A sociedade civil: aparece retratando o quadro gritante da injustiça social: onde há riqueza de poucos e
pobreza de muitos; domínio, poder e privilegio, o trabalho e a propriedade são fatores pertinentes.

• Estado: apresenta grandes problemas de desigualdade entre as classes sociais; exploração. Pois os
meios de comunicação contribuem para a passividade do cidadão quando apenas ouve não tendo a
oportunidade de interagir e de participar, assim sente-se cada vez mais impotente. Portanto, jamais
descarta as vertentes possibilidades de uma conscientização que será ampliada por meio da educação
escolarizada, que será a abertura aos novos horizontes e a chegada a uma tão almejada sociedade com
atos de participação e o pleno exercício da cidadania palavra-chave: ética – sociedade – culturas –
valores –moralidade - ser ético – religião – consciências – liberdade – deveres – realidade – tendências.

Ao usar este artigo, mantenha os links e faça referência ao autor:


RESUMO - O QUE É ÉTICA publicado 14/05/2009 por ANDREIA JÓIA em
http://www.webartigos.com

Quer publicar um artigo? Clique aqui e crie já o seu perfil!

ANDREIA JÓIA
RESUMO - O QUE É ÉTICA Álvaro L. M. VALLS O esboço do tema relacionado à ética, esboçado por
Álvaro Valls, vem de forma clara mostrar quanta complexidade é encontrada para discorrer sobre o
mesmo, mas não descarta a grande necessi-dade e ao mesmo tempo a obrigatoriedade da constante
vivência e atualização, pois ele é evidente e se observado afundo é quase impossível a sua definição,
trançado um paralelo de comparação, vê-se que em todos os lugares e culturas e pertinentes seus
valores, crenças, costumes, modos de vida, e acima de tudo verifica-se as normas expostas – um poder
maior que está acima de todos, conforme a época, eles vêm se modificado até mesmo pelas constantes
mudanças sociais e tecnológicas criadas e organizadas pelo próprio homem; embora para cada “homem”
as realidades venham contextualizar realidades diferentes – assim sendo, Ética é tudo aquilo que
consideramos correto, que vivemos e defendemos e, tem como referencial o respeito ao outro, o que ele
vive, cada um deve pensar de certa forma em conviver e tro-car experiências, participando ativamente do
processo social envolvendo indivíduos de diferentes lugares. Ainda neste ponto de vista torna-se
essencial ressaltar que a ética está em cada um, em todos os lugares e a todos os momentos se exige
ética de todas as pessoas – concernentes ao modo de falar, como falar, quando falar

Ler outros artigos de ANDREIA JÓIA

Fonte: http://www.webartigos.com/articles/18100/1/RESUMO---O-QUE-E-
ETICA/pagina1.html#ixzz17FsrGrfG