Você está na página 1de 254

O TEMPO

CHEGOU
LUX ORIENS

Revisado em janeiro de 2014


O Tempo Chegou!

ÍNDICE

FRONTISPÍCIO ............................................................................................................................ 4
PREFÁCIO ................................................................................................................................. 13
SALMOS DE MEISHU-SAMA SOBRE O TEMA: "TRANSIÇÃO DO MUNDO" .................. 16
PARTE 1 - A CRIAÇÃO DA CIVILIZAÇÃO ............................................................................ 21
1 - A CRIAÇÃO DA CIVILIZAÇÃO ......................................................................................... 22
2 - OS ERROS DA CULTURA ESTABELECIDA ........................................................................ 25
3 - CONSTRUÇÃO DO REINO DO CÉU E EXPULSÃO DO MAL ................................................ 29
4 - O MAL E OS ESPÍRITOS PROTETORES ........................................................................... 37
4.1 - Comentários do tradutor sobre kubukurin (0,99) e ichirin (0,01)
compilados de alguns dos Ensinamentos de Meishu Sama ..................................... 43
5 - O SURGIMENTO DO MAL E AS DOENÇAS ........................................................................ 46
6 - SAÚDE E LONGEVIDADE ................................................................................................ 51
7 - SALVADOR E REDENTOR ............................................................................................... 55
8 - O REINO DO CÉU NA TERRA.......................................................................................... 59
9 - DOENÇAS E CIÊNCIAS MÉDICAS .................................................................................... 61
10 - AUTÓPSIA DA MEDICINA .............................................................................................. 65
11 - RESPEITE A NATUREZA ............................................................................................... 71
12 - AS DOENÇAS E A EFICÁCIA DOS MEDICAMENTOS ....................................................... 75
13 - NUTRIÇÃO ................................................................................................................... 76
14 - O HOMEM E AS DOENÇAS ........................................................................................... 84
15 - O MUNDO IMATERIAL .................................................................................................. 87
16 - A PRIMAZIA DO ESPÍRITO SOBRE A MATÉRIA .............................................................. 90
17 - O MAL CAUSADO PELOS REMÉDIOS ............................................................................. 95
18 - CONSEQUÊNCIAS DA INTERPRETAÇÃO EQUIVOCADA SOBRE A CAUSA DAS DOENÇAS .. 99
19 - TRANSIÇÃO DA NOITE PARA O DIA NO MUNDO ESPIRITUAL....................................... 102
20 - CHEGADA DO MUNDO DE 5, 6, 7 E EXTINÇÃO DO BUDISMO ....................................... 108
21 - A ORIGEM DO BUDISMO ............................................................................................ 112
22 - IZUNOME NO KAMI ..................................................................................................... 116
23 - KANZEON BOSATSU .................................................................................................. 120
24 - O ENCONTRO DOS TRÊS MIROKU .............................................................................. 126
PARTE 2 - A FORMAÇÃO DO POVO JAPONÊS DO PONTO DE VISTA ESPIRITUAL . 130
1 - INÍCIO .......................................................................................................................... 131
2 - AMATHERASU OOKAMI ................................................................................................ 131
3 - ORIGEM DO POVO JAPONÊS ........................................................................................ 132
4 - EPISÓDIOS CORRELATOS ............................................................................................ 134
5 - LUTAS PELO PODER NA HISTÓRIA DO JAPÃO .............................................................. 135
6 - HISTÓRIA DO POVO TENSON ........................................................................................ 136
7 - EPISÓDIO DA VIDA DE OOKUNINUSHI ........................................................................... 139
8 - REVELAÇÕES DIVINAS ................................................................................................. 140
9 - GENEALOGIA DO POVO JAPONÊS ................................................................................ 142
10 - DISPUTAS PELO PODER ............................................................................................. 143
11 - O GOVERNO TOKUGAWA ........................................................................................... 144
12 - TRANSFORMAÇÕES NO MUNDO ESPIRITUAL ............................................................. 148
13 - OS QUATRO GRUPOS................................................................................................. 151
14 - PERÍODO KAMAKURA ................................................................................................ 154
15 - PERÍODO MOMOYAMA ............................................................................................... 154
16 - PERÍODO GENROKU .................................................................................................. 155
17 - OS CERAMISTAS ........................................................................................................ 155
18 - OUTROS ARTISTAS .................................................................................................... 156
19 - OS POVOS TENSON E IZUMO ..................................................................................... 156
20 - OS NATIVOS .............................................................................................................. 157
21 - DIFERENÇAS EXISTENTES ENTRE AS LINHAS SANGUÍNEA E ESPIRITUAL ..................... 158
22 - O EXEMPLO DO TEAR ................................................................................................ 158

2
O Tempo Chegou!

23 - DENSIDADE DEMOGRÁFICA CORRESPONDENTE AOS GRUPOS: TENSON, IZUMO, YAMATO


E NATIVOS .................................................................................................................................. 159
PARTE 3 - COLETÂNEA DE PALESTRAS DE MEISHU SAMA ........................................ 160
1 - LEI DO AMATSU KANAGI ............................................................................................. 161
2 - A MUDANÇA DA ERA DA NOITE PARA A ERA DO DIA NO MUNDO ESPIRITUAL ............. 163
2.1 - O Mundo de Miroku ..................................................................................... 165
2.2 Chegada da Era do Dia e Manifestação do Deus do Sol ......................... 165
3 - SIGNIFICADO OCULTO DO PLANO DE DEUS ................................................................. 167
3.1 - Explicações do Tradutor sobre o Ensinamento: "Significado Oculto do
Plano de Deus" ................................................................................................................ 168
4 - LEI DO SOOW ............................................................................................................... 171
5 - PAZ ESPIRITUAL ........................................................................................................... 177
6 - MEU MODO DE PENSAR ................................................................................................ 180
7 - PURIFICAÇÃO ............................................................................................................... 182
8 - JULGAMENTO NO MUNDO ESPIRITUAL E APRIMORAMENTO DO ESPÍRITO......................... 186
8.1 - Bem e Mal do Fórum de Enma Daioo no Mundo Material ..................... 187
9 - FORÇA ESPIRITUAL CONSTRUTIVA E FORÇA M ATERIAL DESTRUTIVA.............................. 189
10 - MEDICAMENTOS E CIÊNCIA ......................................................................................... 193
11 - MESSIÂNICA E HOSPITAIS ........................................................................................... 197
12 - REVOLUÇÃO DA MEDICINA ATRAVÉS DO JOHREI .......................................................... 199
13 - TRANSFORMAR O M AL EM BEM ................................................................................... 200
14 - MINHA IDENTIFICAÇÃO COM O PRÍNCIPE SHOTOKU ...................................................... 201
15 - IMPORTÂNCIA ESPIRITUAL DO MUSEU DE HAKONE ....................................................... 205
16 - REINO DO CÉU E MUNDO DA ARTE .............................................................................. 209
17 - REGIMES POLÍTICOS E IZUNOME .................................................................................. 211
18 - SALVAÇÃO DA AMÉRICA ............................................................................................. 214
18.1 - Notícias da América do Norte .................................................................. 214
PARTE 4 - PALESTRAS DO REVERENDO NAKAHASHI ................................................. 217
1 - MEISHU SAMA: NOSSO CAMINHO DE LUZ .................................................................... 218
2 - INTERPRETAÇÃO DA PRECE DE LOUVOR A DEUS (ZENGEN SANJI) .............................. 236
Interpretação das estrofes da Oração do Céu (Zengen Sanji) ................................ 239
NOTAS AO LEITOR ................................................................................................................ 250

3
O Tempo Chegou!

FRONTISPÍCIO

Quando se fala em fim do mundo, é comum pensar-se que


catástrofes - desastres naturais de grandes proporções,
pandemias, cometas - atingirão nosso planeta e que não restará
pedra sobre pedra da civilização que conhecemos. E até Meishu
Sama já dizia que o fim do mundo estava bem próximo.
Entretanto, o mais importante é entender o que ele realmente
queria expressar ao dizer isso.

Meishu Sama sempre buscou cumprir a difícil tarefa de


explicar a mentes presas à modernidade a inegável atuação de
Deus na vida de todos. Então, quando se referia ao fim da era
que vivenciamos hoje, sua intenção era explicar que mais um
ciclo da vida terrena - a que denominava "Era da Noite" - teria fim
e que, a partir daí, um novo ciclo teria início: a Era do Dia,
momento em que o homem romperia com valores materialistas,
dando lugar a uma era de espiritualidade, de absoluta
consciência da atuação do divino sobre todos os aspecfos aqui
da vida terrena.

Mas Meishu Sama não se limitou apenas a falar


teoricamente sobre isso, não! Preparou pessoas capacitadas
para mostrar ao mundo, através do Johrei, a força da atuação da
Luz divina para levar os homens a uma real mudança de
consciência, proporcionando-Ihes, então, o alcance da
verdadeira felicidade e, conseqüentemente, da paz entre todos
os povos. Enfim, estamos a um passo de um novo tempo; do
momento de o homem, realmente, passar a vivenciar o Reino do
Céu na Terra.

4
O Tempo Chegou!

MEISHU SAMA

O TEMPO CHEGOU!

Coletânea de Ensinamentos

Tradução
Minoru Nakahashi

Copy desk e Revisão


Denise da Silva Prado

Coordenação Editorial
Karina Kramer

Lux Oriens Editora

5
O Tempo Chegou!

Meishu Sama

O Tempo Chegou!

Coletânea de Ensinamentos

Lux Oriens Editora Ltda.


Rua Itapicuru, 849 – Perdizes
CEP 05006-000
São Paulo – SP
Fone: (11) 3675-6947

Homepage: http: www.lux-oriens.com.br

E-mail: editora@lux-oriens.com.br
1ª edição: dezembro de 2010

ISBN nº 978-85-88311-16-9

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)


(Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil)

Sama, Meishu

O tempo chegou!: Coletânea de Ensinamentos de Meishu Sama /


tradução Minoru Nakahashi; copy desk e revisão Denise da Silva Prado;
coordenação editorial Karina Kramer. São Paulo: Lux Oriens, 2010.

Título original: Toki ga Kita

1. Sama, Meishu, 1882-1955 – Ensinamentos


I. Título.
10-11947 CDD-299.56

Índices para catálogo sistemático:

1.Meishu Sama: Doutrina Messiânica: Religião 299.56

Todos os direitos desta edição reservados à Lux Oriens Editora

Não é permitida a reprodução total ou parcial desta obra, por quaisquer


meios, sem a prévia autorização por escrito da Editora Lux Oriens.

6
O Tempo Chegou!

Meishu Sama
O Tempo Chegou!

Coletânea de Ensinamentos

Tradução

Minoru Nakahashi

7
O Tempo Chegou!

Tradução dos originais de Meishu Sama


Reverendo Minoru Nakahashi

Copy desk da Parte II “A Formação do Povo Japonês do Ponto de Vista


Espiritual”
Doracy Machado dos Santos (in memorian)

Copy desk e revisão


Denise da Silva Prado

Idealização, preparo de originais, projeto gráfico e coordenação editorial


Karina Kramer

Diagramação
Casa de Ideias Editoração e Design

Capa e contracapa
Obras do Rev. Minoru Nakahashi

Colaboradores
Juliana Bourbonnais Nakahashi
Eliel Batista Coutinho

Arte da capa
Lumetech Soluções Tecnológicas

Fotografia
Danilo Matias Takano

Impressão e acabamento
Bartira Gráfica e Editora S.A

Templo Luz do Oriente


Rua Itapicuru, 851 – Perdizes
CEP 05006-000
São Paulo - SP
Fone: (11) 3675-6947

Diariamente, é transmitida ao vivo, pela Internet. a Oração Matinal, realizada


às 8:00 h, seguida de uma palestra do Reverendo Nakahashi. Para assistir,
basta clicar no link disponível na nossa página na internet:
www.temploluzdooriente.org.br

8
O Tempo Chegou!

Sumário

Prefácio ........................................... 9
Salmos de Meishu Sarna sobre o tema:
"Transição do Mundo" ..................13

PARTE I
A Criação da Civilização

1.A Criação da Civilização .............. 21


2.Os Erros da Cultura Estabelecida 25
3.Construção do Reino do Céu e Expulsão
.................................................. do Mal 30
4.O Mal e os Espíritos Protetores ... 41
............... 4.1 Comentários do Tradutor 50
5.O Surgimento do Mal e as Doenças 54
6.Saúde e Longevidade .................. 60
7.Salvador e Redentor.. .................. 66
8.O Reino do Céu na Terra ............ 72
9.Doenças e Ciências Médicas ....... 74
10.Autópsia da Medicina ................. 79
11.Respeite a Natureza ...................87
12.As Doenças e a Eficácia dos Medicamentos 92
13.Nutrição ..................................... 94
14.O Homem e as Doenças .......... 106
15.O Mundo Imaterial ....................110
16.A Primazia do Espírito sobre a Matéria 114
17.O Mal Causado pelos Remédios 122
18.Consequências da Interpretação
........................................................ Equivocada sobre a
Causa das Doenças .................................. 127
19.Transição da Noite para o Dia no Mundo
........................................................ Espiritual. 132

9
O Tempo Chegou!

4.
5.
6.
7.

20.Chegada do Mundo de 5, 6, 7 e Extinção


do Budismo ........................... ············ 140
21.A Origem do Budismo ................................................ ·· 146
22.Izunome no Kami.. ................................................ ······· 152
23.Kanzeon Bosatsu .......................................................... 157
24.O Encontro dos Três Miroku ......................................... 166

PARTE 11

A Formação do Povo Japonês do


Ponto de Vista Espiritual

•Início ..................................................... 175


•Amatherasu Ookami ................................................... ..··.175
•Origem do povo japonês ............................................. .....177
•Episódios correlatos ................................................... .....180
•Lutas pelo poder na História do Japão ....................... .....182
•História do povo Tenson .................................... ........ .....183
•Episódio da vida de Ookuninushi ....................... ........ ..... 187
•Revelações divinas ............................................ ........ .....188
•Genealogia do povo japonês ............................. ........ .....191
•Disputas pelo poder ........................................... ........ ..... 193
•O governo Tokugawa ........................................ ........ ..... 194
•Transformações no Mundo Espiritual ................ ........ .....201
•Os quatro grupos ............................................... ........ ..... 204
•Período Kamakura ............................................. ........ ········· 209
•Período Mamoyama .......................................... ........ ..... 210
•Período Gemoku ................................................ .. ······ .... 210
•Os ceramistas ·· ............................................... .. 211
•Outros artistas .................................................. .. 211

10
O Tempo Chegou!

•Os povos Tenson e Izumo ................................. ........ ········ 212


•Os nativos .................................................. .. 213
•Diferenças existentes entre as linhas
sanguínea e espirituaL.......... . ............... 214

•O exemplo do tear ....................... 215


•Densidade demo gráfica correspondente aos
....................................................... grupos: Tenson,
Izumo, Yamato e nativos ......................... 216

PARTE 111
Coletânea de Palestras
de Meishu Sarna

1.Lei do Amatsu Kanagi.. ................ 219


2.A Mudança da Era da Noite para a Era do
..................... Dia no Mundo Espiritual.. .222
......................... 2.10 Mundo de Miroku .225
2.2 Chegada da Era do Dia e Manifestação
.................................... do Deus do Sol 226
3.Significado Oculto do Plano de Deus 228
3.1 Explicações do Tradutor sobre o
Ensinamento: "Significado Oculto
............................... do Plano de Deus" .230
4.Lei do Soow ................................ 234
5.Paz Espiritual ..............................243
6.Meu Modo de Pensar ................ .247
7.Purificação .................................. 250
8.Julgamento no Mundo Espiritual e
........................................................ Aprimoramento do
Espírito ...................................................... 256
8.1 Bem e Mal do Fórum de Enma Daioo
....................................................... no Mundo Material
.257
9.Força Espiritual Construtiva e Força

11
O Tempo Chegou!

............................... Material Destrutiva .260


10.Medicamentos e Ciência .......... .266
11 M . A· H .. 271
....................... . essiaruca e ospitais .
12.Revolução da Medicina através do Johrei 273
13.Transformar o Mal em Bem ..... .275
14.Minha Identificação com o Príncipe Shotoku .276

7
8.

15.Importância Espiritual do Museu de Hakone 281


16.Reino do Céu e Mundo da Arte 286
17.Regimes Políticos e Izunome ... 289
18.Salvação da América ............... 293
...... 18.1 Notícias da América do Norte 294

PARTE IV
Palestras do
Reverendo N akahashi

1.Meishu Sarna: nosso caminho de Luz 299


2.Interpretação da Prece de
............ Louvor a Deus (Zengen Sanji) 322
Notas ao leitor. ............................. 341

12
O Tempo Chegou!

PREFÁCIO

Meishu Sama sempre teve por objetivo explicar a todos as


bases da verdadeira relação que se estabelece entre Deus e o
homem, e foi exatamente para isso que escreveu “A Criação da
Civilização" - livro que ele mesmo dizia ser a “BÍblia do século
21”. "O Tempo Chegou!" abrange excertos desse grandioso
legado literário de Meishu Sama, além de palestras que também
proferiu.

Os capítulos de "O Tempo Chegou!" correspondentes à


"Criação da Civilização" não chegam a abarcar essa obra em sua
totalidade. Entretanto, abrangem a sua parte essencial,
justamente a que apresenta as concepções de Meishu Sama
relativas à causa e à cura de doenças. Trata--se de pontos que,
em essência, diferem das proposições e métodos terapêuticos
utilizados tanto pela medicina ocidental quanto oriental. Por isso,
as ideias de Meishu Sama são inéditas, já que se contrapõem às
próprias bases em que as ciências médicas estão assentadas.
São pontos de partida absolutamente divergentes, opostos,
pontos de vista que não se encontram, não se cruzam, porque
nada têm em comum. Inclusive, tínhamos a seguinte
preocupação: antes de Iançarmos “A Criação da Civilização”,
deveríamos levar ao conhecimento de nossos leitores vários
Ensinamentos relativos às concepções de Meishu Sama sobre a
origem e a cura de doenças. Nosso intuito era de que os leitores
já estivessem habituados às Verdades que ele expressa relativas
a essa temática.

'Mas, como o próprio título do nosso livro diz tão


apropriadamente, "O Tempo Chegou!" já não dá mais para
esperar; é chegado o momento de lançarmos o trecho mais
importante da obra original de Meishu Sama, “A Criação da
Civilização". Inclusive, é meu desejo que os leitores não se
limitem apenas ao seu entendimento, mas que, principalmente,
mostrem o mais Iegítimo interesse em seguir as teorias

13
O Tempo Chegou!

propostas.

Há trinta anos, na época em que dei início à tradução da


"Criação da Civilização”: encontrei um médico que havia lido
alguns Ensinamentos, e de me disse o seguinte: Meishu Sama
tomou rumos em sentidos totalmente opostos aos adotados pela
medicina. Porém, se os leitores seguirem a linha de raciocínio
adotada por ele, verão que ela se mostra absolutamente lógica.
Só que, para isso, terão de zerar ideias preconcebidas,
mostrando-se abertos a conceitos novos.

Em 1956, quando eu dedicava na cidade de Curitiba,


aluguei um sobrado, na Rua Silva Jardim, cujo dono era um
médico bastante famoso na época, Dr. Napoleão Teixeira,
catedrático de uma importante faculdade do Paraná. Em um de
nossos encontros, levei para ele alguns Ensinamentos, ainda em
inglês, ele os leu e fez o seguinte comentário: “Meishu Sama está
certo. Nós médicos é que estamos errados".

Nesse período, ainda não tínhamos registro como


entidade religiosa. Mesmo assim, eu já ministrava Johrei e
prestava atendimento a doentes - o que acabou levando a uma
denúncia de prática de curandeirismo, atividade considerada
ilegal. Foi quando acabei sendo preso e levado a uma delegacia
para investigação.

No início, fui tratado como se fosse um criminoso.


Entretanto, no decorrer do meu depoimento, o delegado que
estava me interrogando recebeu um telefonema do próprio Dr.
Napoleão Teixeira, em que ele afirmava que eu era merecedor
de todo o respeito, justamente por não ser um charlatão. A partir
disso, o delegado mudou de atitude. Chegou até a me dizer que
tinha problemas de fígado. Daí, tirou seu paletó e me pediu que
ministrasse Johrei, ali mesmo, na delegacia. Nesse momento,
havia também outras pessoas na sala presenciando a cena: um
investigador e um escrivão, que acabou me pedindo para

14
O Tempo Chegou!

ministrar Johrei em sua mãe, que estava acamada, quase


morrendo.

Então, eu o acompanhei até a sua casa e, quando cheguei


ao quarto da doente, vi que ela se encontrava muito mal. Há dias
já não se alimentava, não tendo forças nem para se levantar. Até
já havia velas acesas no local como se a mãe do escrivão já
estivesse sendo devidamente preparada para a hora da morte.
Porém, nesse exato momento, me veio à mente a certeza de que
um milaqre estava prestes a ocorrer. E foi exatamente o que
aconteceu: após alguns minutos de Johrei, a doente se Ievantou
e disse que estava com fome - o que foi uma verdadeira surpresa
para todos ali presentes. E, a partir daí, até policiais de outras
cidades passaram a receber Johrei diariamente.

Por isso é que se pode afirmar que, quando se dá o


milagre da cura, isso se encontra totalmente fora da lógica
convencional médica - e é justamente essa lógica milagrosa que
Meishu Sama procura explicar às mentes presas à modernidade:
a atuação do invisível evidenciada por meio de resultados
palpáveis, o que justifica por que ele desejava tanto que médicos
e pesquisadores lessem os Ensinamentos, com afinco. Esse foi o
motivo que nos levou à publicação de “O Tempo Cheqou!".
Entendemos que agora seja o momento propício para as
pessoas aprofundarem seus conhecimentos nos conceitos
propostos por Meishu Sama.

Para concluir, vou explicar o porquê do título desta obra:


“O Tempo Cheqou!" Isso não significa dizer que o Fim do Mundo
esteja próximo, mas sim que é chegado o momento para novos
horizontes; que chegou o tempo de as pessoas terem acesso aos
Ensinamentos de Meishu Sama, às Verdades que lhe foram
reveladas diretamente por Deus. É como se as portas do mistério
tivessem sido abertas!

Minoru Nakahashi

15
O Tempo Chegou!

SALMOS DE MEISHU-SAMA SOBRE O TEMA: "TRANSIÇÃO


DO MUNDO"

Aproximação do Fim do Mundo

Aparentemente,
nosso mundo diz estar pregando a paz.
Outra coisa não faz, senão polir a espada.

Do fim dos tempos


agora é momento. Irá começar
na Terra, no século vindouro, o Reino do Céu.

Aproxima-se
a grande mudança. Guerras e doenças
continuam afligindo a humanidade.

Constantemente,
desordens estão afligindo o mundo.
São causadas pelas muitas ideias ateístas.

Apenas sonho
será, logo mais, a esperança de paz,
se a humanidade não acreditar em Deus.

É Fim do Mundo.
Inúmeras máculas acumuladas
os países todos começam a eliminar.

Está mais claro


o Mundo Espiritual. Já começam
as purificações para quem, muitas máculas, tem.

Próxima está
a separação entre o Bem e o Mal.
Permaneça, ó homem, com o coração atento.

16
O Tempo Chegou!

Tranquila será
a chegada do terrível fim dos tempos
para aqueles que têm uma alma pura.

O coração de Deus
continua prolongando o fim dos tempos.
Quer salvar, mesmo que seja, mais uma pessoa.

Fim do Mundo

Qualquer erudito,
quando observar o Céu no Fim do Mundo,
ficará agachado, na Terra, apavorado.

Eis o fim dos tempos:


o céu rachando; a terra abrindo-se;
membros purificados observando tranquilos.

Abra os olhos!
Perceba, na destruição, um trabalho
divino lançando o martelo da construção.

Ao chegar o Fim
do Mundo, somente a Deus recorrendo,
sentirão as criaturas arrependimento.

O povo simples,
vendo a cena da grande destruição,
ajoelhará diante de Deus, rezando ao Céu.

Civilização
e ciência para nada servirão,
na hora em que ocorrer o Juízo Final.

17
O Tempo Chegou!

Quando o planeta,
deslocado de seu eixo, cambalear,
nosso único socorro será o poder de Deus.

Estão chegando
os horrores da destruição do homem
e da matéria. Somente podemos contar com Deus.

Angustiante foi
a situação do grande dilúvio de Noé.
Bem mais apavorante será a ação do fogo.

Todo o silêncio
das trevas foi, de repente, quebrado.
Um som forte e ruidoso agitou o mundo.

Acontecerão,
ao mesmo tempo, desgraças e prodígios,
quando ao mundo chegar a hora das mudanças.

Chegou o tempo!
Agora o poder infinito de Deus
já pode ser manifestado em plenitude.

Arrependimento

Como poderá,
com tantos apetites mundanos, transpor
o angustiante período da transição?

Chegou o tempo!
É preciso despertar! Grande tolice
confiar somente em recursos materiais.

18
O Tempo Chegou!

Oh! Pobre homem!


Tens ilimitadas ambições. Nem sabes
como será teu efêmero dia de amanhã.

Corre perigo
o homem que busca o bem só para si.
Planta no coração a semente da desgraça.

Para refletir
nos próprios atos e corrigir o coração,
não percas o teu tempo criticando os outros.

Mundo Futuro

Água e fogo
limparão agora a Terra inteira.
Chegou o tempo da construção do Reino do Céu.

Com a presença
da Luz divina no plano material,
cultura e Ensinamentos da noite findarão.

Ansiosamente
esperado há milhares de anos,
está chegando o iluminado Reino do Céu.

Vai a Mão de Deus


reconstruir esta cultura atual
criada por atos de entidades negativas.

Amor e poder
só são encontrados na união com Deus.
Como, então, viver tranqüilo afastado do Pai?

19
O Tempo Chegou!

Meus olhos veem


bem mais além das entranhas do futuro.
Sofro por não lhes poder falar abertamente.

Fiquem tranquilos.
Esperem um pouco mais. Aproxima-se
uma vida venturosa nunca antes sonhada.

20
O Tempo Chegou!

PARTE 1 - A CRIAÇÃO DA CIVILIZAÇÃO

21
O Tempo Chegou!

1 - A Criação da Civilização

A Criação da Civilização 1 é um livro que não se


assemelha a nenhuma outra obra já existente na História. Em
síntese, trata do plano concernente ao mundo de uma nova
civilização, o que o leva a ser, então, ao mesmo tempo, o
Evangelho do Céu, a Bíblia do século XX.

A civilização atual não é definitiva; é apenas temporária,


até que surja uma nova civilização para substituí-Ia. Inclusive,
alguns trechos da Bíblia referentes ao Fim do Mundo aludem ao
término dessa civilização temporária.

A difusão do livro A Criação da Civilização chegou a ser


prevista em uma profecia, que dizia o seguinte: "e será pregado
este Evangelho do Reino por todo o mundo, para testemunho de
todas as nações. Então, virá o fim". A doutrina de Jesus Cristo
encontra-se no Novo Testamento, mas no livro A Criação da
Civilização está a revelação direta de Jeová, a quem Jesus
aludiu, muitas vezes, chamando-o "Pai do Céu". Dizia Jesus:
"arrependei-vos, porque está próximo o Reino do Céu". Eu nem
digo que o Reino do Céu esteja próximo, porque o tempo para a
sua concretização já chegou, uma vez que teve início a
preparação das bases para o seu estabelecimento.

Por ora, só temos uma semente ainda muito pequenina,


mas que já se expande com prodigiosa rapidez. Está
devidamente cercada de uma sucessão de milagres que deixam
os homens maravilhados - fato que mostra o quanto tudo foi
cuidadosa e minuciosamente preparado por Deus há milênios,
sem que absolutamente nada tivesse escapado a Ele. Tal
preparação consiste em, basicamente, liquidar com a velha
civilização e esboçar uma outra, nova. E com esse propósito é
que está exposta neste livro, em detalhes, uma tese baseada na

1
O livro A Criação da Civilização só chegou a ser publicado após o Goshoten de Meishu
Sama. (N. T.)

22
O Tempo Chegou!

realidade.

O primeiro fato importante a ser assinalado quanto à velha


civilização diz respeito ao poder dominante do Mal em
contraposição à fraqueza do Bem. Mas como finalmente já é
chegado o tempo propício, presenciamos a inversão dessa
situação, ou seja: o mundo ingressa agora na fase do
estabelecimento do Reino do Céu na Terra - o que gera,
impreterivelmente, a liquidação da velha civilização, decorrendo
daí a eliminação de máculas e pecados resultantes do acúmulo
de todas as maldades praticadas ao longo de um período
bastante grande.

Por outro lado, isso também acarreta um grave problema,


pois significa que haverá uma vasta ação purificadora de âmbito
mundial e, nesse processo de purificação, o número de vítimas
será inumerável, sendo que quase não restarão alternativas às
pessoas, pois trata-se justamente do próprio Juízo Final. Mas
Deus, com Seu infinito Amor, escolheu-me como executor de
uma grande tarefa da qual este livro constitui o seu prelúdio.
Então, desejo que o leiam, guardando no coração tudo o que
digo. Porém, assim que tiver fim o Juízo Final, a construção de
um novo mundo terá início. Entretanto, nesse período de
transição, tanto a transformação quanto a renovação de toda a
cultura atual representarão uma catástrofe sem precedentes na
História, de proporções inimagináveis.

Em primeiro lugar, este livro aponta o lado bom e lado mau


dos erros da velha civilização, mas, em contrapartida, também
oferece as diretrizes de uma nova civilização, o que será
exposto, pormenorizadamente, no decorrer da leitura desta obra.
E os que lerem estas palavras e a elas se agarrarem serão
salvos. Por outro lado, aqueles que deixarem para se arrepender
só depois, talvez o façam quando já for tarde demais.

Quem tiver muitos pecados será destruído; os que tiverem

23
O Tempo Chegou!

pecados mais leves serão salvos e habitarão o futuro Reino do


Céu na Terra. Até me faltam palavras para descrever a
magnificência do Plano de Deus. E quando chegar o tempo para
isso, os homens serão capazes de compreender claramente o
quanto a atual civilização foi bárbara e medíocre.

A partir daí, a humanidade, exultante, se rejubilará.

Meishu Sama

(Texto extraído da introdução do livro A Criação da Civilização)

24
O Tempo Chegou!

2 - Os erros da cultura estabelecida

Conforme sugerido na introdução desta obra, é possível


afirmar que este livro terá efeito semelhante ao de uma bomba
atômica para a civilização contemporânea, ao lançar um olhar
crítico e penetrante sobre a religião, o pensamento corrente, a
filosofia, a educação, a ciência e as artes - bases de sustentação
da civilização estabelecida. Este livro investiga criteriosamente
cada um desses campos, desnudando-os, e aqueles que o lerem
não deixarão de trocar velhas roupagens por outras, novas.
Quando esta obra abrir os olhos dos homens no sentido de
despertá-los, causará um impacto tal, que a civilização atual
sofrerá, inevitavelmente, uma transformação de 180 graus.

Após o término de sua elaboração, este livro será


distribuído por meios adequados em qualquer parte do mundo,
nos círculos religiosos e universitários, entre pessoas insignes e
na imprensa. Só que, infelizmente, devido ao fato de a maioria
das pessoas ligadas a esses meios representar uma" autoridade"
em ciência materialista, no início, serão encontradas algumas
dificuldades para que este livro possa ser compreendido na
íntegra.

Entretanto, pelo fato de os princípios fundamentais da


ciência estarem aqui expostos de forma clara e como uma
verdade inquestionável, penso que, se esta obra for analisada
atentamente, nada impossibilitará alguém de compreendê-Ia. E
nesse contexto, o aspecto mais importante a ser considerado é o
que diz respeito às mentalidades eruditas - que até hoje encaram
religião e ciência como polos absolu tamente distintos. Contudo,
ao se adotar tal ponto de vista, incorre-se em um grande erro - e
o objetivo desta obra é justamente elucidar essa questão.

Na Terra, tudo se compõe de dualidades opostas: yin e


yang, luz e sombra, verso e reverso, espí rito e matéria. Mas para
a ciência, apenas o lado material é reconhecido, sendo que os

25
O Tempo Chegou!

aspectos espirituais são totalmente ignorados. Já que o espírito é


invisível e não pode ser mensurado por nenhum aparelho, as
pesquisas científicas reconhecem somente a existência do ar e
da eletricidade na parte externa do globo terrestre. No entanto,
eu descobri o reiki, cuja existência também é igualmente certa.

Dessa forma, descreverei primeiramente o estado real do


espaço que circunda o globo terrestre: dois elementos básicos -
reiki (fogo) e ar - unificados num corpo fluido (água) circundam a
massa da Terra que, por sua vez, é um corpo sólido. E juntos,
esses três elementos2 situam-se no centro do cosmos - e esse
vem a ser o estado do mundo em que vivemos.

No entanto, pelo fato de a ciência não admitir a existência


do espírito, seus progressos tomaram por objeto de estudo
apenas o ar e a terra como elementos básicos de investigação -
o que nos possibilita afirmar que a ciência leva em conta apenas
dois terços dos fatos e, portanto, não é plena. E devido a essa
deficiência fundamental, ela, então, se encontra fora da verdade
da trindade - o que esclarece que, mesmo a despeito de todo o
progresso e desenvolvimento alcançados, sempre haverá
contradições entre as teorias científicas e os fatos reais. E
enquanto tal lacuna não for devidamente preenchida, o mundo
civilizado não poderá nascer.

Examinemos agora a relação que se estabelece entre os


três elementos básicos aos quais me referi antes: verticalmente,
encontram-se dispostos na seguinte ordem: espírito-ar-terra,
ordem essa representada pela posição do Sol, da Lua e da Terra.
Horizontalmente, ou seja, em nível plano, não há absolutamente
nenhuma distância entre eles, os quais encontram-se juntos e
entrelaçados, formando um todo harmonioso a flutuar no espaço.
Assim está caracterizado o globo terrestre, mas é evidente que
cada um de seus três elementos básicos tem faculdades e

2
Os três elementos básicos aos quais Meishu Sarna se refere são: fogo, água e terra. (N.
T.)

26
O Tempo Chegou!

movimentos específicos próprios. O fogo queima verticalmente; a


água flui horizontalmente. Quanto à terra, é relativamente imóvel.
Sua imobilidade não é absoluta, já que seu corpo imóvel contém
um corpo móvel, que apresenta um movimento respiratório
peculiar.

Verticalidade e horizontalidade encontram-se mescladas,


formando correntes ondulatórias de partículas ultradiminutas que
fluem e penetram no centro do globo terrestre. E como tais
correntes são rarefeitas - a ponto até de parecerem não ser
nada, ou melhor, vácuo - não são perceptíveis à ciência, pelo
menos no nível de conhecimento em que ela ainda se encontra
nos dias atuais. Contudo, de modo surpreendente, é justamente
esse corpo a verdadeira fonte de toda a energia da Terra, mesmo
que a sua essência profundamente sutil e misteriosa não esteja
ao alcance da nossa imaginação.

Kakusha é quem já conheceu uma parte desse mistério;


aquele que chegou a conhecer mais do que uma só parte é
denominado “daikakusha". E o daikakusha que já alcançou um
nível de aprofundamento maior ainda, atingiu o nível de
kenshinjitsu. Sakiyamuni e Cristo atingiram o nível de
kenshinjitsu, entretano, mesmo na condição de homens santos,
tiveram atuação limitada, já que o período em que viveram ainda
era prematuro - o que esclarece por que faltou-lhes poder para a
salvação das pessoas. Como prova disso, tanto esses dois
homens santificados, bem como outros kakusha, nada puderam
fazer para solucionar os problemas da humanidade.

Só que agora, finalmente, chegamos ao tempo do Céu,


quando é dado um poder absoluto de salvação a alguém - e é
justamente daí que eu surjo, utilizando-me dessa força para
cumprir a missão de salvar a todos. Dessa forma, através de
mim, será ensinada a Verdade profunda, ao mesmo tempo em
que realizarei a salvação da humanidade, ao executar a missão
de orientador do plano mundial para o estabelecimento de uma

27
O Tempo Chegou!

nova civilização. E os homens verão surgir um Evangelho sem


precedentes na história da humanidade.

Ao examinarmos com olhos de kenshinjitsu essa cultura


que enfatiza excessivamente a matéria, notamos algo
surpreendente: foi o próprio materialismo que possibilitou o
surgimento e o progresso de uma cultura assim tão brilhante -
mesmo que tal contradição constitua o maior dos mistérios. No
entanto, note-se que esse aspecto não foi excluído do insondável
Plano de Deus.

Em síntese: a civilização atual foi bem-sucedida na parte


material até agora, mas malogrou no que diz respeito ao lado
espiritual. Mas por que será que Deus não criou, desde o início,
uma civilização perfeita, sem falhas? Essa dúvida será
devidamente esclarecida, à medida que a leitura deste livro for
despertando a compreensão de seus leitores.

28
O Tempo Chegou!

3 - Construção do Reino do Céu e Expulsão do Mal

Para o estabelecimento do Reino do Céu neste mundo,


uma condição é fundamental: a expulsão do Mal, armazenado no
fundo do coração da maioria dos homens, hoje em dia. De modo
geral, toda pessoa dotada de bom-senso desaprova o Mal,
chegando até a evitar qualquer contato com ele. Inclusive,
sistemas éticos e morais foram criados como tentativas para
eliminá-lo.

No tocante à educação, esta vem a ser a sua principal


meta, enquanto que as religiões buscam aconselhar a prática do
Bem e, consequentemente, a rejeição do Mal. Em qualquer
camada social, repreensões contra maldades são feitas de pais
para filhos, entre cônjuges ou mesmo entre superiores e
subalternos. Só que, a despeito de todos os esforços
despendidos nesse sentido, o número de homens maus no
mundo supera o daqueles que são bons. Considerando-se um
grupo de dez pessoas, em maior ou menor escala, podemos
dizer que nove delas são más. Na verdade, a proporção dos
bons nem chega a perfazer um décimo do total da humanidade.

São várias as espécies e os graus de homens maus: o


primeiro tipo, por exemplo, corresponde àqueles que são
perversos do fundo do coração; os que são capazes de causar
mal aos demais, deliberadamente. Já a segunda categoria diz
respeito aos que cometem maldades de forma inconsciente. A
terceira espécie corresponde aos que cometem maldades por
ignorância. O quarto tipo é referente àqueles que incidem no Mal
acreditando tratar-se do Bem.

Quanto aos que se enquadram no primeiro tipo,


dispensam maiores explicações. No tocante ao segundo, é o que
ocorre mais comumente. Quanto ao terceiro, inserem-se nessa
condição os povos etnicamente bárbaros e, levando-se em
consideração aspectos individuais, podemos também citar os

29
O Tempo Chegou!

dementes, os débeis mentais e as crianças, dentre outros - razão


pela qual os inseridos nesse grupo não chegam a representar um
problema propriamente dito. Em relação ao quarto tipo, esse,
sim, é mais nocivo que os demais, devido justamente à firmeza e
fervor com que aqueles inseridos nesse grupo praticam o Mal,
persuadidos de estarem praticando o Bem. Mais adiante, irei
estender-me pormenorizadamente no tocante a essa questão.
Por ora, apenas examinemos o mundo do Mal sob a perspectiva
do Bem.

Ao lançarmos um olhar abrangente no tocante ao mundo


de hoje, isso é suficiente para podermos deduzir que ele está
totalmente dominado pelo Mal - e desde a Antiguidade têm sido
muitos os exemplos de homens bons atormentados por outros,
maus. E eu jamais ouvi dizer que homens maus tenham sido,
alguma vez, supliciados por homens bons, já que os maus
sempre contam com muitos aliados, ao passo que os bons,
normalmente, contam com poucos. Os maus, geralmente, são
poderosos, desprezam as leis e caminham bem despreocupados
pelo mundo. Os bons, no entanto, vivem oprimidos ou sentindo-
se atemorizados. Essa é a imagem real da sociedade: os bons,
por serem fracos, sempre foram torturados pelos maus, que são
fortes. E como uma contestação a esse contrassenso, foi que,
espontaneamente, nasceu a democracia.

Devido à mentalidade feudal predominante no Japão


durante um longo período, tivemos o estabelecimento de uma
sociedade onde os fortes dominavam os fracos. Mas, felizmente,
graças a uma potência estrangeira, a democracia foi instituída
nesse país - o que serve como esclarecimento de que ela não
surgiu de modo espontâneo no Japão, mas sim como um efeito
natural dos acontecimentos políticos da época. Entretanto, não
sou o único a pensar que tal democracia ainda não criou raízes
profundas, pois em muitas camadas da sociedade japonesa
ainda persistem resquícios de regime feudal.

30
O Tempo Chegou!

Examinemos agora a relação existente entre o Mal e o


próprio desenvolvimento cultural da humanidade. O surgimento
da nossa cultura deveu-se, basicamente, a conflitos entre Bem e
Mal. Como a História nos mostra de modo claro, nas eras
primitivas e selvagens, no início, os fortes atormentavam os
fracos, submetendo-os à privação de liberdade - inclusive,
matando-os, saqueando-os e torturando-os arbitrariamente. Só
que, em consequência disso, os fracos acabaram inventando
toda sorte de medidas defensivas: produziram armamentos,
levantaram cercas de proteção e também deram início ao
desenvolvimento de meios de transporte. Tanto individual quanto
coletivamente, dedicaram-se a diversos tipos de novos inventos -
o que acabou contribuindo de modo significativo para o próprio
progresso cultural da humanidade.

Dessa forma, passo a passo, presenciou-se o


desenvolvimento da intelectualidade, o surgimento de métodos
de escrita e também o estabelecimento dos primeiros acordos
entre grupos, dos quais originaram-se certos tratados
internacionais da atualidade. Assim, buscando refrear a atuação
do Mal, a sociedade criou sanções de caráter punitivo cujas
formulações deram origem a legislações vigentes ainda hoje.

Mas, na verdade, não é nada fácil tentar-se a eliminação


do Mal que afeta o ser humano. Até o próprio desenvolvimento
intelectual do homem propiciou ao Mal meios ainda mais
engenhosos para a sua atuação. Assim sendo, desde os
primórdios da humanidade, conflitos entre o Bem e o Mal
prosseguem de forma ininterrupta, sempre com os bons
defendendo-se da devastação provocada pelos maus.

No entanto, como uma consequência natural dos próprios


fatos, temos pleno conhecimento dos progressos alcançados
pela inteligência humana e do alto grau atingido quanto ao seu
desenvolvimento cultural - processo esse que, mesmo
envolvendo um grande número de vítimas, sempre foi inevitável.

31
O Tempo Chegou!

Nota-se que, até hoje, ainda prossegue essa luta entre Bem e
Mal.

Por isso é que, de tempos em tempos - justamente para


aliviar todo o sofrimento de que padecem os bons - surgem
grandes líderes religiosos. Seus ensinamentos visam à limitação
de desejos materiais, já que priorizam aspectos relativos a
resignação e obediência. Concomitantemente, tais líderes
infundem ideais baseados na esperança de um futuro promissor,
ao profetizarem o advento de um mundo ideal, o Reino do Céu
na Terra, ou seja: o Mundo de Miroku. Também empenham-se
bastante em pregar a Lei de Causa e Efeito, fazendo-no com o
intuito de levar os perversos, o mais rapidamente possível, ao
arrependimento por seus atos.

No entanto, ao difundirem seus ensinamentos, muitos


religiosos sofreram sucessivos martírios, tendo até chegado a
suportar as mais tirânicas e sangrentas perseguições. Trata-se
aqui de homens que, mesmo tendo obtido notáveis resultados
em seus feitos, nada puderam fazer contra a tendência geral
imperante. Em compensação, os ateus desenvolveram
conhecimentos científicos de ordem material e se empenharam
muito no sentido de proteger a humanidade das desgraças
resultantes do Mal. Em consequência disso, o homem pôde
presenciar o progresso da ciência, e a cultura que desenvolveu
produziu frutos bem superiores a qualquer expectativa anterior.

Contudo, inúmeras dificuldades inesperadas surgiram, já


que o Mal também passou a fazer uso dos progressos
alcançados pelos meios científicos. Nota-se claramente que,
quanto mais potentes são os armamentos produzidos, maior é a
escalada de guerras - o que acabou resultando na criação da
bomba atômica, cristalização de um horror jamais sequer
imaginado antes. Ao tomarem conhecimento dessa descoberta,
foram muitos os que se alegraram, supondo que, com isso, as
guerras teriam fim. Só que não tardou a surgir o perigo de tal

32
O Tempo Chegou!

utilização pelo lado do Mal - o que agrava ainda mais a


intranquilidade da maioria. Não obstante, também é certo que já
se aproxima o tempo em que se tornará impossível deflagrarem-
se guerras - e quando passamos a meditar profundamente sobre
isso, notamos um fato bem curioso: o mesmo Mal que criou as
guerras será exatamente o Mal que porá fim a elas, o que nos
leva a perceber que Bem e Mal são partes integrantes do Plano
de Deus.

Tanto os que se postam ao lado da cultura espiritualista


quanto aqueles que defendem a cultura materialista -
excetuando-se os que são maus do fundo do coração - todos
anseiam por um mundo ideal onde reinem a paz e a felicidade.
Mas o cerne da questão consiste em saber se a concretização de
tal mundo é algo realmente possível e, em caso afirmativo,
quando chegará o tempo de sua realização.

Já que, no momento, não existem perspectivas concretas


nesse sentido, agrava-se cada vez mais o sofrimento humano.
Apesar de muitas pessoas serem bem intencionadas, encontram-
se cercadas por nuvens de dúvidas. Assim, não lhes é possível
enxergar uma saída para seus próprios problemas. Alguns
chegam a buscá-Ia na religião, enquanto outros apoiam-se na
filosofia. Entretanto, a maioria acaba mesmo é procurando
promover o progresso da ciência, ao crer que isso levará à
solução de anseios pessoais.

No entanto, tampouco a ciência parece capaz de oferecer


esperança a todos. Então, o ser humano acaba se sentindo num
verdadeiro beco sem saída. Enquanto isso, a humanidade
continua sem alternativas, atormentada por três grandes
calamidades: doenças, pobreza e guerras. De minha parte, por
revelação divina, tomei conhecimento quanto a todas essas
questões, e procurarei expô-Ias, a fim de que os erros de nossa
cultura atual venham a ser corrigidos.

33
O Tempo Chegou!

Mas voltemos à nossa questão inicial: se é do Mal que


provém a infelicidade do ser humano, por que então Deus
permite que ele exista? Até hoje, nem as religiões e, muito
menos, a ciência tocaram nesse assunto, renunciando, portanto,
à tentativa de elucidá-lo. O que ocorre é que é impossível ao
intelecto humano investigar rigorosamente um problema assim
tão complexo e incompreensível. Porém, enquanto tal questão
não for devidamente esclarecida, tomar-se-a inviável o
estabelecimento de uma nova civilização. Por isso, revelarei
agora o significado fundamental do Mal.

Na verdade, até o momento, sua existência na Terra foi


necessária - e ainda hoje isso vem a ser o grande mistério do
mundo. Porém, de qualquer modo, de todos os males existentes,
os que se constituem nas maiores ameaças para o homem são
as guerras e as doenças - duas das grandes calamidades que
afetam a vida humana. Evidentemente, as guerras são a maior
das tragédias já enfrentadas pela humanidade, uma vez que
ceifam um grande número de vidas.

Mas, justamente para escapar dessa catástrofe, os


homens despenderam o máximo de esforços - fato que acabou
impulsionando extraordinariamente o progresso da cultura
humana. Note-se o grandioso desenvolvimento alcançado por
todos os países, sem exceção - vitoriosos ou derrotados - no
período do pós-guerra. Se não fossem tantos os combates
havidos, seria até provável que nossa cultura tivesse
permanecido em um estágio primitivo, apresentando, quando
muito, apenas um progresso mínimo. Então, da mesma forma
com que dois fios entrelaçados formam um cordão, foi pela
alternância de períodos de guerra e paz que a humanidade
alcançou maior evolução cultural.

Curiosamente, essa mesma verdade pode ser aplicada à


sociedade e ao destino do próprio homem - o que esclarece,
portanto, que os conflitos entre Bem e Mal nada mais são do que

34
O Tempo Chegou!

degraus para o progresso humano. Isso nos leva a poder dizer


que o Mal vem desempenhando um grande papel na História. No
entanto, sua duração não será eterna, mas, sim, limitada, dada a
vontade do Supremo Deus governante do mundo. Em termos
filosóficos, Ele é o Ser Absoluto, a Vontade Cósmica. Em outras
palavras, podemos dizer que trata-se do Fim do Mundo
profetizado por Jesus e do subsequente advento do Reino do
Céu, tão ansiosamente aguardado pela humanidade: o mundo da
Verdade, da Virtude e da Beleza, isento de doenças, pobreza e
conflitos; o Mundo de Miroku, etc. As denominações podem até
diferir, mas têm significado idêntico. Em síntese, será um mundo
onde o Bem triunfará sobre o Mal.

No entanto, para a criação de um mundo assim tão


maravilhoso, torna-se necessária uma preparação adequada - e
todos os requisitos de ordem tanto material quanto espiritual
deverão estar devidamente preenchidos. E no ordenamento
referente a essa preparação, Deus antecipou o que diz respeito a
aspectos materiais, já que a elevação espiritual pode ser
alcançada instantaneamente, de modo inverso ao que ocorre
com o lado material, cujas dificuldades a serem enfrentadas são
inúmeras - o que acaba requerendo um longo período para a sua
elaboração.

Inclusive, foi mesmo preciso que o homem, antes de tudo,


ignorasse a própria existência de Deus. Em consequência,
tendeu para o materialismo, o que, por sua vez, gerou o
nascimento do ateísmo, cujas bases foram necessárias para o
estabelecimento do próprio Mal. E assim deu-se o nascimento do
Mal, que se fortaleceu gradativamente, afligindo os homens de
Bem, insuflando lutas e atritos, mergulhando a humanidade nas
profundezas dos abismos do sofrimento. Por outro lado, os
homens tiveram de se esforçar ao máximo para conseguir
escapar de tão penosa situação - o que não deixa de ser trágico,
mas também imprescindível para o progresso humano, pois foi
isso que impulsionou o desenvolvimento cultural da humanidade.

35
O Tempo Chegou!

De modo geral, acho que vocês compreenderam o sentido


básico do Bem e do Mal. Só que agora é chegado o momento de,
finalmente, o Mal ser extinto. Já nos encontramos na linha
divisória a partir da qual o Mal - cuja situação já não é mais assim
tão fácil - cederá lugar ao Bem. E olhem que isso não se trata de
mera suposição, esperança ou conjectura de minha parte, mas
sim do próprio despontar do Plano de Deus em relação ao plano
mundial. Acreditem ou não, esse é o destino decisivo da
humanidade: a roda do Mal será sustada e a cultura - até agora
livremente manipulada por ele - voltará para as mãos do Bem, o
que levará a humanidade a ingressar na fase do estabelecimento
do Reino do Céu na Terra.

36
O Tempo Chegou!

4 - O Mal e os Espíritos Protetores

Como vimos no capítulo anterior, embora o Mal necessário


que imperou até agora tenha se tornado dispensável, não é
assim tão fácil expulsá-lo do mundo em caráter definitivo.
Embora no Plano de Deus concernente a esse ponto haja algo
de muito sutil e delicado, isso só poderá ser explicado
paulatinamente, porque é preciso antes conhecermos a
constituição do cosmos.

No centro do cosmos há três massas flutuantes: Sol, Lua e


Terra. Passemos agora ao exame dos elementos básicos
componentes das mesmas. O elemento do Sol é kaso (Espírito
do Fogo), o da Lua é suiso (Espírito da Água) e o da Terra é
doso (Espírito da Terra), sendo que cada um deles apresenta
particularidades e manifestações instintivas próprias. São duas
as energias que se unem para formar a atmosfera que circunda o
globo terrestre: kaso e suiso - que mantêm a possibilidade do
nascimento e do crescimento de todas as coisas. Tudo o que se
encontra sobre o globo terrestre divide-se em yang e yin, sendo
que o Espírito do Fogo é yang e o da Água, yin. O Fogo queima
verticalmente, a água flui horizontalmente, e essas correntes
verticais e horizontais se entrelaçam semelhantemente aos fios
de uma urdidura em movimento. Assim entrecruzados, os raios -
que se constituem de partículas ultradiminutas - se elevam até
determinada altura sobre o globo terrestre, formando as camadas
de ar e a atmosfera.

As essências de yang e de yin se materializam sob


diversas formas, como fogo e água, calor e frio, dia e noite,
claridade e trevas, espírito e corpo, homem e mulher, etc.
Divididos em Bem e Mal, yang corresponde a espírito - e é do
Bem - enquanto que yin é corpo - e é do Mal. Nesse sentido,
vemos que Bem e Mal estão em contraposição, e assim o
aspecto básico da Grande Natureza se encontra configurado -
princípio que pode ser compreendido ao observarmos o ser

37
O Tempo Chegou!

humano, cuja composição estrutural compreende dois elementos:


o corpo físico visível e o espírito, invisível, cuja relação
corresponde a uma união inseparável entre ambos. E a vida
humana é sustentada exatamente pela energia vital que nasce
dessa união entre corpo físico e espírito. Contudo, tal
constatação obedece a uma Lei demonstrada claramente pelos
fatos: o espírito é primário e a matéria, secundária. Quando uma
vontade surge no coração - que corresponde ao centro do
espírito do ser humano - ela ordena ao corpo que passe à ação,
o que nos leva a concluir que o espírito corresponde à essência
do homem, e é o seu regente.

Mas por que então o espírito incita maus pensamentos?


Como esse é justamente o ponto focal da questão, será
examinado em detalhes, porém sua explanação,
necessariamente, será de caráter religioso - inclusive, devendo
ser lida com esse propósito mesmo, já que todo problema entre
Bem e Mal advém da mente humana. Chegamos, portanto, ao
ponto essencial a ser examinado: já que o ser humano é
constituído por espírito e matéria, a ciência - que toma por objeto
de estudo apenas o corpo físico - é falha, por maiores que sejam
os progressos que chegue a alcançar. E logicamente, desse
modo, não presenciamos o nascimento da verdadeira ciência.
Mas de forma inversa, ao se estabelecer o nosso ponto de vista,
que toma por base a relação existente entre espírito e matéria, o
que é isso, senão a verdadeira ciência?

Conforme dito anteriormente, Bem e Mal têm sua causa na


mente humana, isto é, no espírito. E caso a explanação
desenvolvida aqui seja examinada criteriosamente, tal princípio
poderá ser compreendido por todos, desde as primeiras
explicações, contanto que a Lei de que "O Espírito Precede a
Matéria" seja aceita como verdade inquestionável.

Como se sabe, a concepção é a gênese do ser humano e,


sob o ponto de vista material, é um espermatozoide masculino

38
O Tempo Chegou!

que adentra um óvulo feminino, fecundando-o. Em termos


espirituais, trata-se de uma partícula divina (Espírito Primordial)
que se instala no corpo tornando-se uma alma.

E completadas as luas necessárias a esse processo,


outros dois espíritos se aproximarão, estabelecendo-se, portanto,
uma ligação entre três espíritos. Um deles denomina-se "Espírito
Secundário", e trata-se aqui de um espírito animal que,
geralmente, penetra na criança quando ela atinge dois ou três
anos de idade. O outro espírito é chamado de "Protetor"3, e não
chega a se encostar diretamente na pessoa, apenas ficando
próximo a ela, com a função específica de protegê-Ia. Tanto o
Espírito Secundário quanto o Espírito Protetor acompanham
alguém no curso de toda a sua existência, o que nos possibilita
concluir que o ser humano é um corpo resultante da cooperação
de três espíritos.

O primeiro deles a se instalar é o Espírito Primordial. É


divino intrinsecamente e corresponde à nossa consciência - e eis
o porquê de se dizer antigamente que o homem é bom por
natureza. Por outro lado, o Espírito Secundário já é mau em sua
própria essência e vive combatendo o Bem do Espírito
Primordial, fato que qualquer um pode observar ao voltar o
próprio olhar para si mesmo. O terceiro espírito, ou seja, o
Protetor, é escolhido dentre as almas de um dos nossos
antepassados, e sua missão é proteger a pessoa de tudo aquilo
que, porventura, possa conduzi-Ia à infelicidade: acidentes,
perigos, doenças, má conduta, preguiça, depravação, etc.
Também se devem a esse espírito os pressentimentos,
desencontros e atrasos com que alguém possa se deparar, por
exemplo, no caso de escapar de um grande perigo devido ao fato

3
No texto original escrito em japonês, os três espíritos são denominados de "Guardiães"
por Meishu Sama, que se refere a eles como "Espírito Guardião Primário", "Espírito
Guardião Secundário" e "Espírito Guardião Principal". Mas com o objetivo de simplificar o
entendimento do texto, e também para não gerar confusões por parte dos leitores,
preferimos, nesta tradução, denominar "Guardião" somente o "Espírito Protetor"
propriamente dito, o qual, por sua vez, corresponde ao "Anjo da Guarda" no Cristianismo.
(N. T.)

39
O Tempo Chegou!

de ter se atrasado para tomar um trem, ou também quando


algum incidente acaba impedindo a pessoa de entrar em contato
com algo que, talvez, lhe seja nocivo.

Entre os Espíritos Primordial e Secundário trava-se uma


batalha constante. Quando o primeiro triunfa, o Bem é praticado;
quando o triunfo cabe ao segundo, o Mal é cometido. O ser
humano encontra-se entre Deus e o animal. Assim, no caso de
se elevar, torna-se divino. Porém, no caso de decair, vai se
assemelhar a um animal - e disso o mundo nos oferece os mais
claros exemplos.

Mas que espécie de espírito acaba se tornando um


Espírito Secundário? Nos homens japoneses, principalmente
espíritos desencarnados de serpentes, texugos, cavalos,
cachorros e aves, dentre outros. Nas mulheres japonesas,
geralmente, espíritos desencarnados de raposas, cobras, gatos,
aves e outros mais. Só que, além do Espírito Secundário, outros
espíritos também podem vir a se encostar em alguém,
eventualmente. Para o homem moderno, tais coisas chegam a
parecer ridículas, contudo trata-se da mais pura verdade, que só
não é aceita devido à superstição materialista reinante.
Entretanto, eliminada tal superstição, todos seriam capazes de
compreender, de imediato, a questão de que o ser humano
expressa, sobretudo, características do espírito animal que o
acompanha na vida - e basta um olhar atento para que isso seja
perceptível.

Quase sempre, os espíritos que encostam


temporariamente são de animais, mas, algumas vezes, o
indivíduo fica possuído pelo espírito desencarnado de outro ser
humano - e até mesmo, mais raramente, pelo espírito de uma
pessoa que ainda se encontra viva. Mas o que será que leva um
espírito a se encostar temporariamente em alguém? Isso se
deve às impurezas do próprio espírito da pessoa. Inclusive,
quanto mais densas as nuvens que carregar consigo, mais

40
O Tempo Chegou!

facilmente estará sujeita a encostos e, nesse caso, isso significa


que o Espírito Secundário se tornou mais forte que o próprio
indivíduo, fazendo-o então passar, infalivelmente, à prática de
maldades. E como a maioria das pessoas hoje em dia carrega
muitas nuvens espirituais, os espíritos malignos acabam
encontrando muita facilidade para conseguir encostar e atuar - o
que gera o aumento da incidência de crimes.

Porém, de modo inverso, o homem de fé tem


pouquíssimas nuvens, e os que gostam de praticar o Bem têm a
alma pura e são mais fortes no sentido de serem capazes de
dominar espíritos malignos. Vimos, então, a importância da fé.
Em geral, aquele que não tem fé, mesmo aparentando ser uma
boa pessoa, está sujeito, a qualquer momento, à possessão de
um espírito do Mal - o que nos leva a poder dizer que, até certo
ponto, esse indivíduo chega a ser perigoso. Daí, como uma
consequência natural para a criação de uma sociedade melhor,
não existe outro meio possível, senão aumentar-se o número
daqueles que possuem almas puras.

Em sua forma original, a alma é uma espécie de corpo


luminoso cuja Luz é bastante temida pelos espíritos animais. Só
que, hoje em dia, quase todos têm a alma nublada - o que acaba
facilitando a penetração de um espírito animal. E como o ser
humano é imediatamente manipulado por ele, é natural que na
sociedade vigente os demônios andem à solta. E as autoridades
- cegas que estão para essas coisas - ficam procurando cercear
o Mal através de sanções penais de ordem legal. Mas como
medidas assim acabam se desviando totalmente do ponto focal
da questão, claro que não podem ser eficazes, já que não
passam de meros paliativos. No Congresso Nacional do Japão,
essa lamentável insensatez ainda persiste, e quase todos os
projetos de lei apresentados acabam não passando de emendas
e complementos a leis já em vigor. No entanto, uma vez
compreendido o sentido geral do Mal, torna-se claro não haver
outra solução radical possível para tal questão a não ser a fé.

41
O Tempo Chegou!

Mesmo assim, somente o fato de se ter fé não é o


bastante. As divindades cultuadas pelas várias religiões se
dividem em três classes, a saber: superior, média e inferior, num
total de 181 camadas. Existem, ao mesmo tempo, divindades
justas e malignas, sendo bem difícil se fazer a distinção entre
elas. Há pessoas que, a despeito de uma fé ardente, não
recebem nenhuma graça, não conseguem se curar de
enfermidades e, inclusive, mostram ter uma conduta bem pouco
recomendável. Isso se dá, porque o poder da divindade que
cultuam é muito fraco para chegar a impedir a atuação dos
jashin. O que acontece, na verdade, é que, ao se observar casos
dessa natureza, ocorre a tendência em se rotular as crenças
religiosas como um todo, julgando-se que as religiões - inclusive
as mais justas - são idênticas entre si.

Na Antiguidade, de modo geral os homens consideravam


todos os deuses como sublimes, sem te rem a menor noção de
que há diferenças entre eles - o que é algo perigoso. Até agora,
mesmo as divindades justas foram de nível secundário. Seus
poderes eram fracos na luta entre o justo e o injusto, razão que
levou o Mal a triunfar temporariamente. E ao observarem esse
triunfo, os homens acabaram adorando o Mal, inclusive tentaram
imitá-Io - especialmente os ambiciosos e os que encontraram
condições favoráveis para isso. A própria História registra a
passagem de muitos desses "heróis".

No entanto, o que vemos é que eles até podem ter sido


muito bem-sucedidos durante um determinado período, mas,
sem exceção, todos acabaram malogrando em seus propósitos.
Observando-os sob o ponto de vista espiritual, nota-se que foram
possuídos por uma grande entidade do reino demoníaco - e o
interessante é que, no começo, tudo correu muito bem até
determinado ponto, quando, inevitavelmente, malograram devido
ao afastamento imediato do espírito que havia encostado neles.
Mussolini e Hitler podem ser tomados como exemplos relevantes
disso. Após fracassarem em seus intentos, ficaram como que

42
O Tempo Chegou!

abobalhados, a ponto de parecerem ser outra pessoa - e é


justamente isso o que acontece sempre que um espírito diabólico
se afasta de alguém.

Por mais incrível que possa parecer, o chefe do reino


demoníaco, há mais de dois mil anos, elaborou planos
terrivelmente minuciosos e duradouros no sentido de dominar o
mundo - inclusive, as manobras secretas de que se utilizou
prosseguem até hoje. No entanto, tem sido combatido por
entidades do Bem, como Cristo, Sakiyamuni, Maomé e
Kunitokotachi no Mikoto.

Mas Deus Supremo fez a cultura progredir mediante esse


confronto entre as divindades justas e os jashin - o que, em
consequência, levou essas entidades malignas a dominar o
mundo em 0,99. Entretanto, agora é chegado o tempo de o poder
do ichirin (0,01) - poder do Supremo Deus - inverter
definitivamente o grande plano dos jashin. E no momento,
encontramo-nos a apenas um passo da luta a ser travada entre
kubukurin e ichirin, e aqueles que compreenderem essa verdade
serão capazes de despertar plenamente.

4.1 - Comentários do tradutor sobre kubukurin (0,99) e ichirin


(0,01) compilados de alguns dos Ensinamentos de Meishu
Sama

Meishu Sama costumava empregar o simbolo para


explicar kubukurin (0,99) e ichirin (0,01). Segundo o Mestre, os
corpos celestes têm forma circular. Evidentemente, o Sol, a Lua e
a Terra assim se apresentam, mas espíritos e as próprias
divindades também se movimentam como bolas de luz. Porém, a
partir do momento em que surge um ponto no centro do círculo,
este adquire alma e vida - e é justamente esse pontinho místico
que corresponde ao ichirin (0,01).

O número 1 diz respeito a Deus, a poder absoluto, a

43
O Tempo Chegou!

totalidade e a perfeição. A fração decimal 0,01 também é uma


forma da manifestação direta de Deus. Só que, até agora, nossa
civilização não contava com esse pontinho místico, isto é, ela não
tinha alma, sendo apenas um círculo pintado de preto. No
entanto, agora que o lado do Mal avançou consideravelmente,
chegando a dominar 0,99 (kubukurin) da totalidade da nossa
civilização, dar-se-à a inversão da situação atual em que ela se
encontra, ou seja, mediante o poder de ichirin, Deus Supremo
transformará tudo. Ao descer e penetrar no círculo, o ichirin, aos
poucos, transformará o círculo negro em um círculo branco com
um ponto em seu centro - e essa vem a ser a origem do Johrei.

O mundo está negro, porque 99,9% da humanidade creem


nas ciências médicas criadas pelo homem. Só que, na tentativa
de combatermos os sintomas de uma doença, acabamos
solidificando ainda mais as toxinas contidas no corpo físico,
impedindo-as, então, de serem expelidas do organismo por
meios naturais. Apesar de os remédios Ievarem a um alívio
temporário, não curam definitivamente, pois não atingem o ponto
focal das moléstias, o que faz com que, depois de algum tempo,
as doenças acabem, infalivelmente, surgindo de novo. Mas de
forma inversa, o Johrei dissolve as impurezas do corpo,
exterminando-as em definitivo.

Assim sendo, quando então a humanidade deixar de tomar


remédios, todas as toxinas serão eliminadas e não haverá mais
pessoas doentes. E em consequência desse processo, pobreza e
conflitos serão extintos também, porque num mundo habitado por
pessoas sãs física e mentalmente, todos agirão de modo
altruísta, tendo horror a conflitos e ajudando-se uns aos outros -
e essa vem a ser a essência da Iuta entre kubukurin e ichirin.
Portanto, o ponto fundamental para a construção do Reino do
Céu na Terra é a revolução nos conceitos empregados pela
medicina convencional.

O objetivo do livro “A Criação da Civilização" é exatamente

44
O Tempo Chegou!

explicar a relação entre o Criador e os erros conceituais


cometidos pelo homem. Para o desenvolvimento da cultura
humana, Deus Supremo criou o Bem e o Mal, fazendo-os lutar
entre si - e até agora todas as religiões condenaram o Mal
porque o encararam segundo o ponto de vista do Bem, isto é,
das divindades justas. Não obstante isso, o Mal teve poder
suficiente para oprimir o Bem - o que gerou infelicidade para o
ser humano e tornou o mundo um lugar infernal para se viver.
Mas sob a ótica divina, o Iado do Mal foi necessário até agora -
inclusive, o trabalho que realizou foi excelente. Entretanto, caso
continue a predominar sobre o Bem, não será possível o
surgimento do Mundo de Miroku. Na Nova Era, não teremos
ainda a eliminação absoluta do Mal, porque isso só se dará num
futuro ainda distante. Porém, o importante é que o Bem
prevalecerá sobre o Mal, já que até agora deu-se o contrário -
fato que levou a humanidade a um sofrimento intenso. No
entanto, assim que houver o predomínio do Bem sobre o Mal,
surgirá o Mundo de Miroku.

Quando, no interior do ser humano, o Espírito Secundário


vence o Espírito Primordial, somos impelidos a praticar o Mal - o
que nos torna infelizes. Contudo, quando o Espírito Primordial
vence o Secundário, estamos protegidos contra os infortúnios
que nos assolam. De modo análogo, quando o lado do Bem
subjugar o do Mal, mesmo que só um pouco, o mundo será muito
melhor.·As guerras e outros conflitos serão eliminados, já que
são frutos que decorrem diretamente da prática do Mal.

45
O Tempo Chegou!

5 - O surgimento do Mal e as doenças

Como vimos no capítulo anterior, assim que o ichirin (0,01)


brandir seu poder divino absoluto contra o kubukurin (0,99), toda
a cultura instituída até agora será corrigida, o que vai gerar o
estabelecimento de uma nova cultura. Em síntese, haverá uma
inversão dos valores vigentes até então, e esse é justamente o
cerne do Plano de Deus - um Plano sem precedentes, que vai
além da nossa imaginação, e com o qual relaciona-se o episódio
do “fruto proibido" mencionado no Livro Gênesis, do Antigo
Testamento da Bíblia. Evidentemente, trata-se aqui de uma
metáfora, mas a história de Adão e Eva no Jardim do Éden não
deixa também de ocultar um grande mistério, que será
devidamente esclarecido, pouco a pouco. Entretanto, antes de
mais nada, é preciso que o leitor faça de sua mente uma tábula
rasa 4 , caso contrário, não chegará à compreensão necessária
desta obra.

Como se sabe, o Mal teve início ao ter sido comido o fruto


proibido da árvore do Paraíso. Mas, na verdade, esse fruto
proibido vem a ser os próprios remédios. Através deles, foram
criadas as doenças que, por sua vez, deram origem ao
nascimento do Mal. Ao saber, então, que o fruto proibido vem a
ser uma alusão aos próprios medicamentos, ninguém deixará de
ficar espantado ao ter conhecimento de que, muito antes da Era
Cristã, a humanidade já se utilizava de remédios como uma
tentativa para a cura de enfermidades. Porém, a razão disso vai
além da nossa imaginação, e daí a necessidade de ela ser
esclarecida pormenorizadamente. Assim, além de aspectos
teóricos, vou me utilizar de fatos concretos. Dessa forma, peço
aos leitores desta obra que procedam à sua leitura mantendo os
olhos bem abertos.

Conforme visto anteriormente, o ser humano constitui-se


4
Tábula rasa: para os empiristas, estado que caracteriza a mente vazia, anterior a qualquer
experiência. Instituto Antônio Houaiss, Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, p. 2655;
Editora Objetiva; Rio de Janeiro, 2004.

46
O Tempo Chegou!

de espírito e corpo - e já expliquei o princípio segundo o qual o


espírito é o principal e o corpo, secundário. A causa do
aparecimento do Mal deve-se às nuvens que surgem no espírito.
E justamente por intermédio dessas nuvens é que o espírito
animal presente desde o início - ou até mesmo somado a outro
espírito que, porventura, tenha encostado posteriormente - é
capaz de induzir o ser humano à prática de atos animalescos. É
assim que o Mal atua e, em síntese, as nuvens espirituais não
são nada mais, nada menos do que o próprio Mal. Dessa forma,
fica claro que, para a erradicação do Mal, é preciso antes
dissolver as nuvens do nosso corpo espiritual.

Mas o grande problema é que essas nuvens foram


causadas pela ingestão de medicamentos, o que faz com que as
nuvens que se encontram em nosso corpo espiritual se
constituam em um reflexo das impurezas contidas em nosso
próprio sangue. Portanto, o sangue impuro foi criado pelo
emprego de remédios. Entretanto, se o ser humano não tivesse
feito uso de medicamentos, o Mal nem teria surgido.
Compreendida essa questão, podemos dizer que o fruto proibido
do Paraíso, ou seja, os remédios foram a base para o surgimento
do Mal.

Há ainda mais um ponto a ser considerado: os


medicamentos que produziram o Mal para impulsionar o
progresso da cultura humana também chegaram a desempenhar
um outro papel, conforme veremos. Uma ação purificadora
natural elimina as impurezas do sangue, pois o acúmulo de
nuvens afeta a saúde, vindo a perturbar as atividades instintivas
do ser humano. No entanto, devido a uma certa limitação de sua
própria inteligência, o homem interpretou como negativas as
dores decorrentes das ações purificadoras, dando início, assim, à
utilização de medicamentos, visando diminuir os padecimentos
que, normalmente, acompanham as doenças.

Contudo, a paralisação de uma ação purificadora debilita o

47
O Tempo Chegou!

corpo todo, levando-o ao enfraquecimento. Consequentemente,


as dores sentidas se tornam mais amenas. Em compensação,
tem-se paralelamente o enfraquecimento da própria ação
purificadora natural. E ao interpretar tal processo como cura da
doença, o homem acabou se confundindo, e se iludiu com isso -
equívoco que, justamente, vem a ser a causa primordial do
estado infernal repleto de sofrimentos em que o mundo vive hoje.
Os remédios só aliviam uma dor por serem verdadeiros venenos
e, além do mais, não atuam de modo definitivo na cura das
enfermidades, muito pelo contrário: são os causadores delas. E
como expressar tamanha ignorância no tocante à cegueira
existente em relação às doenças? Na verdade, existe aí uma
profunda e prodigiosa intenção divina que será, detalhadamente,
exposta a seguir.

Dois meios contribuíram para o desenvolvimento da


cultura humana: o primeiro deles, conforme já expliquei, foi a
criação do Mal para combater o Bem e o segundo deu-se no
sentido da debilitação da própria saúde do ser humano. Ao
examinarmos a História desde os seus primórdios,
compreendemos que, inicialmente, o homem vivia de forma
bastante natural, assemelhando-se aos animais no que diz
respeito a alimentação, moradia e vigor físico. Também não
sentia necessidade de usar muitas vestimentas. Escalava
montanhas, corria pelos campos afora, lutava com animais
ferozes e também com cobras venenosas. Pode-se até dizer que,
naquela época, tais atividades chegavam a absorver quase que a
totalidade da vida de um homem.

Mas, paulatinamente, essa agressividade contra outros


animais começou a se tornar desnecessária, o que acabou
levando os homens a começar a lutar entre si.

Entretanto, mediante a própria intensificação desses


conflitos, a inteligência humana desenvolveu-se
significativamente. Assim, com o passar dos séculos, deu-se o

48
O Tempo Chegou!

estabelecimento de uma cultura em estágio já mais avançado.


Podemos considerar que, caso o homem continuasse a ter uma
existência tranquila e sem conflitos, sua inteligência teria se
desenvolvido muito pouco, levando-o a se contentar com o
estágio primitivo em que vivia. Mas, "ao comer do fruto proibido",
as doenças foram criadas e o Mal gerado. E como a
humanidade, até hoje, não percebeu isso, acreditou na
superstição da extrema valorização dos medicamentos - e ainda
persiste nesse erro.

À medida que foi sendo capaz de dominar os animais


ferozes e alcançar maior segurança, o homem - que nos tempos
primitivos gozava de perfeita saúde - começou a perder a
vitalidade. Mas, ao mesmo tempo, seu desenvolvimento
intelectual aumentou significativamente, o que levou-o à abertura
de estradas e à invenção de meios de locomoção puxados por
cavalos e bois, em substituição às viagens realizadas
anteriormente a pé. Refiro-me aqui ao que ocorreu no Japão,
porque em outras partes do mundo deu-se a invenção do trem,
que corre sobre trilhos, movido a carvão. E outros progressos
levaram o homem a criar novos meios de transporte, tais como o
automóvel e o avião. Isso dentre outros tantos inventos, por
exemplo, aparelhos elétricos, rádio, etc.

Então, no esforço para reduzir a infelicidade do homem,


deu-se o desenvolvimento do conhecimento científico, além do
fato de grandes progressos também terem sido alcançados em
todos os campos da cultura humana. Dentre outros aspectos,
instituições sociais, políticas, econômicas, educacionais e
artísticas foram estabelecidas - e justamente desse progresso é
que surgiu a atual sociedade civilizada. Mas tudo isso não vem a
ser nada mais do que a própria preparação - que, aliás, já está
bem próxima - para o estabelecimento do Reino do Céu na Terra.

Entretanto, os avanços na área médica acabaram


introduzindo o Mal no ser humano, debilitando-lhe a própria

49
O Tempo Chegou!

saúde. E assim, o mundo, conforme já previsto, chegou ao


estágio em que se encontra hoje. Inclusive, se a medicina
continuar a avançar cada vez mais, a humanidade estará
correndo o risco de ser destruída. Porém, justamente para sustar
novos avanços nesse sentido, Deus revelou-me a Verdade, com
o intuito de que seja processada a grande transição da civilização
e de que o Mal possa vir a ser controlado, mesmo que só até
certo ponto. E já é chegada a hora do estabelecimento dessa
nova civilização, onde o Bem terá precedência sobre o Mal.

50
O Tempo Chegou!

6 - Saúde e Longevidade

Farei aqui uma exaustiva análise da medicina, porém


antes devo escrever sobre saúde e longevidade. Caso a
medicina contemporânea fosse, realmente, a arte da cura,
deveria ser capaz de, ano a ano, reduzir o número de doentes,
prolongando, cada vez mais, a vida do ser humano. Assim
sendo, bastariam algumas centenas de anos para que a
tuberculose 5 , além de outras epidemias consideradas também
como grandes problemas da atualidade, fossem erradicadas
definitivamente - o que levaria os sofrimentos decorrentes dessas
enfermidades a se tornarem uma lenda do passado. Mas a
realidade dos acontecimentos mostra-nos exatamente o contrário
disso - fato que acaba deixando bem claro que as ciências
médicas não podem ser tomadas como verdadeiramente
autênticas.

Ao criar o ser humano, Deus determinou-lhe a duração da


vida que, conforme a revelação divina que recebi, deveria ser de
uns 120 anos, no mínimo, e ainda com a possibilidade de se
chegar a alcançar 600. Então, caso os homens não incorressem
em erro, seriam capazes de atingir, normalmente, 120 anos,
contando, inclusive, com uma existência plena de esperanças.
Assim, além de vida longa, apresentariam bastante vigor físico e
jamais se preocupariam com doenças - o que levaria a Terra a,
realmente, a se tornar o Paraíso.

Mas em que consiste exatamente o equívoco humano ao


qual me refiro? Por mais incrível que pareça, precisamente na
medicina. Para ilustrar a tese de que o homem pode chegar a
viver 120 anos, vou me utilizar de uma alegoria que divide a vida
humana nas quatro estações do ano: primavera, verão, outono e
inverno. 6 Os meses de janeiro, fevereiro e março

5
Na época em que Meishu Sama escreveu este texto, a tuberculose vitimava, no Japão,
um grande número de pessoas. (N. T.)
6
As estações do ano mencionadas neste texto tomam o Japão corno referência. (N. T.)

51
O Tempo Chegou!

corresponderiam à primavera. Considerando-se o ano-novo


como a data de nascimento de alguém, janeiro corresponderia à
infância e fevereiro - quando as ameixeiras se cobrem de flores -
seria correspondente à adolescência. E na época em que as
cerejeiras começassem a florescer, o homem tornar-se-ia
independente, lançando-se pelo mundo. Seguindo-se agora o
mês de abril - quando a florada das cerejeiras atinge o clímax -
teríamos nesse período, que se estende aproximadamente até os
40 anos, um homem de coração alegre, despreocupado, no auge
de suas atividades.

Dizem que, aos 42 anos, o homem atinge uma idade


crítica, que aqui pode ser comparada ao período em que
desabam as tempestades e em que as flores ficam despetaladas,
da noite para o dia. Nos meses de maio, junho e julho - que
correspondem ao verão - teríamos esplêndidas folhagens, que
começariam a brotar até que os galhos das árvores pendessem,
carregados de frutos. Mas passada essa estação, a temperatura
começaria a declinar, até que finalmente chegasse o outono -
época de sazonamento e do início de colheitas. E o mesmo se
daria em relação ao ser humano, que veria amadurecerem,
nesse período, os frutos de seu árduo trabalho de longos anos
quando, concluída essa fase, chegaria então a adquirir
respeitabilidade, passando a vivenciar a multiplicação dos
próprios netos e ingressando no ditoso período final de sua
existência. E ao fazer uso de suas múltiplas experiências de vida
e da confiança que conseguira conquistar, daí o homem passaria
a se dedicar ao próximo, buscando beneficiar o mundo na
medida de suas possibilidades. E ao fim desse decênio, já tendo
atingido seus 90 anos, teria início a estação invernal, que o
levaria a poder passar o resto de seus dias apreciando a
Natureza. E caso preferisse dar prosseguimento às suas
atividades habituais, não lhe faltariam condições de poder
trabalhar até o fim de seus dias.

Pelo exemplo que citei, vimos que a duração da vida

52
O Tempo Chegou!

coincide perfeitamente com as quatro estações do ano. Inclusive,


a analogia feita corresponde ao ponto de vista mais apropriado
para o sustento da tese de que podemos viver 120 anos. E logo
que as terapêuticas convencionais da medicina desaparecerem
por completo, chegar aos 120 anos não será algo assim tão
prodigioso.

Apesar de serem muitos os métodos de tratamentos


médicos existentes até os dias atuais, os mais empregados
durante séculos sempre foram os que se utilizaram de remédios -
mesmo que, por outro lado, também causassem outras
enfermidades.

Como as doenças, na tentativa de serem debeladas, foram


criadas pelo próprio uso de medicamentos, é natural depararmo-
nos com o agravamento das moléstias, ao mesmo tempo em que
temos a diminuição do tempo médio de duração da vida humana.
E a melhor prova disso é que, mesmo com todo o progresso
alcançado pela medicina, o número de diferentes moléstias não
chegou a diminuir, como seria natural ocorrer. Ao contrário até:
houve um aumento proporcional das doenças, paralelamente ao
surgimento de novas modalidades medicamentosas.

Há também um outro aspecto importante a ser


considerado e que, geralmente, é negligenciado: se a medicina
fosse capaz de curar as enfermidades existentes de modo
definitivo, a saúde dos médicos deveria ser superior
comparativamente à dos demais indivíduos, e não inferior, tal
como se apresenta na realidade. Como se sabe, dentre doutores,
são os médicos os que vivem menos, inclusive os respectivos
membros de suas famílias são mais fracos que os de outras.
Excetuando-se os óbitos decorrentes de desastres ou acidentes,
hoje em dia, as mortes, normalmente, são consequência de
enfermidades. E a agonia dos doentes quase sempre é tão
penosa, que muitos deles chegam a implorar aos médicos que os
matem de uma vez, por não suportarem mais tantos sofrimentos.

53
O Tempo Chegou!

Contudo, qual seria a razão de tantos padecimentos? É


que as pessoas morrem antes de haver chegado a hora para
isso, da mesma forma que um galho pode ser partido, à força. E
lembremo-nos de que o ciclo da vida conclui-se de modo natural
quando as folhas das árvores secam e caem, ou quando a grama
murcha, ou ainda quando os cereais são colhidos após seu
amadurecimento. Mas quando uma folha é arrancada ainda
estando verde, ou no caso de uma espiga de arroz ser colhida
antes de estar devidamente madura, trata-se aí de um processo
antinatural - e a morte deve ser sempre decorrente de causas
naturais. Inclusive, a vitalidade do homem moderno está de tal
modo debilitada, que mesmo que a causa mortis de alguém não
seja decorrente de nenhuma doença, geralmente, essa pessoa
nem chegou ainda aos 90 ou 100 anos.

Só que Deus concedeu ao ser humano a possibilidade de


viver, pelo menos, 120 anos, além do fato de tê-lo criado para
trabalhar normalmente, sem sofrer qualquer espécie de
enfermidade. No entanto, a falta de perspicácia dos homens fê-
los incorrer em erro - o que levou-os a criar todos os sofrimentos
decorrentes de doenças e, inclusive, a encurtar o próprio ciclo da
vida. Até me faltam palavras para expressar tão dolorosa
ignorância!

54
O Tempo Chegou!

7 - Salvador e Redentor

Como já vimos, fundamentalmente, o Mal foi necessário


para o progresso e o desenvolvimento cultural da humanidade,
mas há outro importante ponto a ser assinalado também: a
História registrou o surgimento de muitas religiões, e todas elas,
sem exceção, encorajaram o Bem, condenando de forma
drástica o Mal - e essa era precisamente a missão que lhes
cabia.

No entanto, as pessoas viviam me questionando a esse


respeito, fazendo-me perguntas do seguinte teor: "Por que os
homens maus foram criados, sendo Deus a encarnação do Amor
e Buda, a da misericórdia? Justamente para induzir os homens
ao pecado e depois puni-Ios? Não haverá nisso uma grande
contradição? Se o Mal não tivesse sido criado desde o princípio,
não haveria necessidade de punições. Será esse o verdadeiro
Amor de Deus?" Evidentemente que tais perguntas têm
fundamento, mas, para dizer a verdade, eu também ficava
intrigado com isso e, invariavelmente, dava a seguinte resposta:
"Sim, com efeito! Mas quem criou o Mal não fui eu e, por isso,
não posso explicar por que ele foi criado. Deus deve tê-to feito
por alguma razão que, com certeza, algum dia ficará clara e,
então, só nos resta mesmo esperar até lá".

Entretanto, esse dia, finalmente, acabou chegando, e a


razão da minha alegria é que a resposta a esses
questionamentos me foi diretamente revelada por Deus. E tal
como uma lâmpada acesa em plena noite, a explanação
adequada poderá abrir os olhos de muitas pessoas que, com
certeza, devem nutrir dúvidas idênticas às que acabei de expor.

No entanto, por que será que até agora todos os


fundadores de religiões condenaram, irrestritamente, o Mal?
Como já expliquei, Deus Supremo não mostrou antes o
significado mais profundo dele, justamente porque a sua

55
O Tempo Chegou!

ocorrência foi necessária durante um certo tempo. E nem mesmo


as divindades mais justas souberam disso e, muito menos,
valeram-se unicamente da justiça na tentativa de criarem aqui na
Terra o Reino do Céu. E enquanto isso, os jashin - de forma
inversa - procuraram concretizar suas ambições através do Mal,
valendo-se de todos os meios possíveis para isso. Mas já que,
finalmente, chegou o fim do período para a sua duração, Deus
Supremo passa então a manifestar diretamente o Seu poder,
revelando não só o significado fundamental do Mal, mas também
o do Bem.

Até hoje, nem os grandes fundadores de religiões


dispuseram de poder supremo. Jesus Cristo foi chamado de
"Redentor", palavra cujo significado é “aquele que redime os
pecados", ou seja, quem absorve no próprio corpo os pecados de
milhões de pessoas, com a missão de pedir perdão ao Supremo
Deus em nome dos pecadores - o que acabou levando Cristo a
ser crucificado.

Sakiyamuni devotou-se de corpo e alma à pregação de


Sutras, tendo por objetivo, através do Budismo, criar um mundo
paradisíaco - que acabou não evoluindo conforme as suas
previsões. Há um Sutra que diz que Sakiyamuni alcançou o
kenshinjitsu aos 72 anos, quando chegou, realmente, a conhecer
o destino e a missão que cabiam a ele. Então, ao despertar para
as suas próprias interpretações errôneas, e já compreendendo
que a concretização do mundo paradisíaco que previra
encontrava-se num futuro ainda muito longínquo, Sakiyamuni
admitiu haver falhas nos Sutras que pregara anteriormente. E
assim, só a partir desse ponto é que seus ensinamentos
puderam constituir a Verdade, mesmo. Daí, Sakiyamuni passou
então a pregar o que ele mesmo denominou de “A Verdadeira
Doutrina", exposta nos três Sutras seguintes: Hoometsujin-kyo (o
Sutra sobre a extinção do Budismo); Miroku-shutsugen-jooju-kyo
(o Sutra sobre o advento e a realização de Maitreya) e nos vinte
e oito volumes do Sadharma-pundarika-stutra (o Sutra do Lótus).

56
O Tempo Chegou!

Em síntese, Sakiyamuni soube que o Budismo desapareceria


fatalmente, mas que, após isso, dar-se-ia a concretização do
Mundo de Maitreya-bodhisattva7, ou seja, o Paraíso na Terra -
profecia essa bastante conhecida.

Mas quero chamar a atenção de vocês quanto ao tempo


previsto por Sakiyamuni para o advento do Mundo de Maitreya: 5
bilhões e 670 milhões de anos, a se contar da data em que ele
profetizou isso. Pensando bem, é absurdo que uma profecia diga
respeito a um futuro tão remoto assim, principalmente porque tal
previsão nem chega a ter significado, já que se torna impossível
imaginar o que será do mundo e da própria humanidade num
futuro tão distante. Inclusive, conforme me foi revelado, tal
profecia faz referência aos números 5, 6 e 7 - que encerram uma
profunda significação oculta, já que 5 é sol (fogo), 6 é lua (água)
e 7 é terra. Essa seria a ordem correta, mas o que prevaleceu,
até hoje, foi uma ordem incorreta, a saber: 6, 7 e 5. Mais adiante,
tecerei algumas considerações a respeito dessa questão.

De qualquer forma, nem mesmo os grandes Mestres


puderam expor toda a Verdade. Tanto nos Sutras budistas
quanto na Bíblia faltou clareza em relação à Verdade - o que
acabou tornando quase que impossível alguém chegar a captá-
Ia. No entanto, é evidente que o tempo para isso ainda não havia
chegado, mas agora, finalmente, Deus Supremo revelou-me a
Verdade - o que torna bem claras todas as explicações contidas
neste livro, não deixando a menor margem a dúvidas. Assim,
qualquer pessoa poderá saber o que ela, realmente, vem a ser.

As poderosas forças do Mal já conquistaram o kubukurin


(0,99 do mundo), entretanto, quando tentarem a conquista do
0,01 restante, surgirá, inesperadamente, o poder de ichirin - o
que vai levar à inversão definitiva dos perniciosos estratagemas
de que se valem os jashin. E isso significa que este mundo, onde
até agora o Mal teve prevalência sobre o Bem, acabará se
7
Mundo de Maitreya-bodhisattva: Mundo de Miroku. (N. T.)

57
O Tempo Chegou!

tornando o mundo em que o Bem prevalecerá sobre o Mal.

Em termos concretos, o Mal do kubukurin corresponde à


medicina voltada unicamente ao materialismo. Como já disse
antes, esse foi um Mal necessário, e até agora as coisas
andaram relativamente em ordem assim. Só que, em
consequência disso, houve o completo domínio da vida humana -
justamente o que o homem tem de mais precioso. E ao se
concluir que a medicina age equivocadamente, podemos até
afirmar que a vida humana corre um perigo tão grande, que nem
podemos expressá-lo com exatidão. E não é tarefa nada fácil
tentar-se esclarecer os procedimentos médicos adotados até
agora, pois, mesmo errôneos, a humanidade ainda acredita neles
com a mais forte convicção.

58
O Tempo Chegou!

8 - O Reino do Céu na Terra

"Reino do Céu na Terra" é uma expressão bíblica e, em


relação a esse mesmo conceitl:o, as escrituras budistas se
referem ao "Mundo de Miroku". No Ocidente, diz-se que a criação
desse mundo ideal não passa de utopia, mas, como já expliquei,
trata-se de um desígnio de Deus - e o curso seguido pela História
até hoje nada mais é senão a própria trajetória nesse sentido.
Após a sucessão das mais diversas mudanças, a humanidade
chegou, gradualmente, a se encontrar no estágio em que está
agora, ou seja: a um passo do Reino do Céu na Terra que, em
síntese, vem a ser um mundo isento de doenças, pobreza e
conflitos.

Desses três grandes infortúnios, a doença é o que detém a


primazia, pois solucionado esse dilema, pobreza e conflitos
serão, auteomaticamente, eliminados também. Por isso, no
momento, vou priorizar a causa fundamental das enfermidades,
esclarecendo-a e analisando-a pormenorizadamente. E de modo
inverso ao que ocorre com a medicina, a teoria a ser enfocada
aqui não vem a ter seus fundamentos baseados na ciência
originada do intelecto humano. Trata-se da Verdade que se
fundamenta na revelação de Deus, a qual pode ser confirmada
pela experiência - razão que explica por que não tem a mínima
parcela de erros. Quando digo “experiência", refiro-me à
prodigiosa porcentagem de curas alcançadas por meus adeptos
nos tratamentos diários dispensados a milhares de doentes,
comparativamente, uns cem para cada cura registrada pela
medicina convencional - e não se trata aqui de mera força de
expressão.

No entanto, mesmo a despeito de tão extraordinária


realidade referente ao alcance de curas, a humanidade continua
a confiar erroneamente nas ciências médicas - que não têm
poder curativo e que, além de afligirem bastante os homens
quanto à possibilidade de terem de enfrentar dolorosas

59
O Tempo Chegou!

enfermidades, ainda encurtam vidas que poderiam ser


prolongadas. E ante essa situação tão deplorável criada pela
ignorância humana, não me é mais possível permanecer calado.
Inclusive, naturalmente, nem Deus daria Sua permissão para que
essa trágica conjuntura perdurasse indefinidamente, pois poderia
até representar o fim da própria humanidade. Por isso, e também
para criar homens saudáveis que possam habitar o mundo ideal
vindouro, torno públicos os erros conceituais de que se vale a
medicina convencional.

60
O Tempo Chegou!

9 - Doenças e Ciências Médicas

Falei anteriormente sobre dois grandes sofrimentos tidos


como causas da anticivilização: guerras e doenças. Mas há ainda
um terceiro a ser abordado, que é a pobreza - problema que será
solucionado assim que forem resolvidos os conflitos decorrentes
de guerras e doenças. Dessa forma, não me estenderei muito a
respeito desse tema.

Primeiramente, vou explicar a causa das guerras, que são


geradas por falhas espirituais, isto é, por mentes doentias. E
afirmo que os conflitos bélicos vão ser solucionados, assim que
os problemas decorrentes de doenças forem resolvidos, já que
doenças, guerras e pobreza têm origem em uma mesma causa,
cuja solução se encontra na criação de homens genuinamente
sãos, ou seja: perfeitos quanto a espírito e corpo.

A despeito de todas as dificuldades para se chegar a uma


solução nesse aspecto, afirmo que esse ideal não é impossível
de ser alcançado, já que Deus revelou-me o meio infalível para
que os problemas relativos a doenças, guerras e pobreza
venham a ser solucionados. Essa é a minha missão, e este livro
representa justamente um passo nesse sentido.

Iniciemos nossa análise examinando as doenças.

Conforme já disse, é preciso enxergar as enfermidades em


seus dois lados: o do corpo e o do espírito. Hoje em dia, de modo
geral, tem-se em mente que as doenças acometem apenas o
corpo físico - e é exatamente nesse ponto que reside um grande
erro, pois a causa das guerras se deve a indivíduos de espírito
doentio. Por isso, enquanto os homens não se tornarem sãos
física e espiritualmente, nem é preciso dizer que não será
possível o surgimento de um mundo verdadeiramente civilizado.

Entretanto, como será que tal mundo vai poder se tornar

61
O Tempo Chegou!

realidade? Antes de mais nada, é preciso compreender o seu


princípio fundamental e descobrir um meio para possibilitar a sua
concretização. Mas eu descobri não só o princípio, como também
o meio pelo qual chegaremos à solução definitiva para a
concretização desse novo mundo. Examinaremos tal solução a
seguir, mas antes torna-se necessário descrever o jitsuso 8 do
planeta habitado nós.

Até o momento, a ciência só admitiu a existência da


matéria, julgando que, além dela, nada mais existe. Só que tal
modo de pensar é absolutamente incorreto, pois nesse "nada"
certamente existe o que há de mais importante para a
humanidade - o que nos leva à seguinte indagação: por que
então isso não foi devidamente compreendido até hoje? Como
resposta, devo dizer que é porque o homem depende
exclusivamente da ciência materialista, e as teorias científicas
baseadas unicamente na existência da matéria determinam que
tudo o que não pode ser detectado, simplesmente, não existe.

Passemos agora ao exame dos pontos de vista adotados


pelas ciências médicas. Já que a causa das doenças foge à
compreensão da medicina, isso acaba levando os fatos a
interpretações equivocadas. E penso que nem poderia ser de
outra forma, já que a medicina evoluiu tomando por base apenas
teorias materialistas - o que a leva a enfocar unicamente os
sofrimentos de ordem física, aqueles que se manifestam só na
parte exterior. Assim sendo, os progressos alcançados pela
medicina não passam de métodos de alívio temporário dos
sofrimentos mediante o emprego de medicamentos,
radiatividade, aparelhos específicos, etc. E esse contexto todo
ainda é equivocadamente tomado como prova da obtenção de
curas!

Dessa forma, mesmo que a ciência materialista tenha


alcançado grandes progressos, não se deu conta desse aspecto.
8
Jitsuso: verdadeiro aspecto. (N. T.)

62
O Tempo Chegou!

Inclusive, tal postura dogmática sepultou nas sombras da


negação tudo o que não pode ser conhecido a não ser
unicamente por meio da própria ciência materialista - o que deixa
bem claro o quanto os cientistas são obstinados e cheios de
preconceitos. Mas seja como for, o fato é que a felicidade não
acompanha os progressos alcançados pelo desenvolvimento
cultural da humanidade - o que será detalhadamente esclarecido
a seguir.

Entretanto, na realidade, existe uma diferença fundamental


entre amenizar-se os sofrimentos de alguém e curá-lo para
sempre. O primeiro aspecto diz respeito a soluções de caráter
meramente temporário, mas o segundo, não, pois trata-se de
algo definitivo. Além do mais, deve-se considerar que os próprios
métodos destinados ao alívio de sofrimentos podem agravar
ainda mais uma doença - ou até mesmo provocar outras - razão
que esclarece por que esse problema é sério demais.

Como já mencionado anteriormente, as ciências médicas


legítimas deveriam criar homens perfeitos em espírito e corpo.
Mas estarão essas áreas científicas progredindo nesse sentido?
Muito pelo contrário: graves erros são cometidos e, sem exagero,
pode-se afirmar que isso contribui não só para a criação das
próprias doenças, mas principalmente para o aumento do
número de enfermos.

Sendo a medicina uma ciência de ordem unicamente


material, acaba enfocando o corpo humano só como matéria - o
que, em decorrência, coloca o homem em plano de igualdade
com as outras espécies animais. Justamente por isso é que, na
tentativa de se descobrir a origem de moléstias, animais são
tomados como objeto de estudo. Inclusive, quando se chega a
um resultado final em experimentos laboratoriais, imediatamente
eles passam a ser aplicados em humanos - o que constitui um
erro gravíssimo, já que o homem difere em forma, essência e
conteúdo relativamente a outros animais. E devido a essas

63
O Tempo Chegou!

diferenças características, as moléstias do ser humano deveriam


ser estudadas exclusivamente no próprio homem. Caso contrário,
toma-se impossível o estabelecimento da medicina como uma
ciência realmente capaz de curar.

Ainda resta outro ponto a ser assinalado: no ser humano,


a psique exerce uma influência bastante significativa sobre as
doenças, fato que não ocorre com outras espécies animais.
Tomemos como exemplo o caso de alguém que tenha acabado
de saber que está com tuberculose. Vai sofrer um grande
impacto psicológico, ficando visivelmente abalado - e isso é do
conhecimento de qualquer médico.

Face ao exposto, podemos concluir que, atualmente, são


as seguintes as principais falhas cometidas pela medicina: 1ª:
trata o homem, que é composto por corpo e espírito, como se
fosse apenas corpo, negligenciando, portanto, o espírito; 2a:
classifica o ser humano em categoria semelhante à de outros
animais.

64
O Tempo Chegou!

10 - Autópsia da Medicina

Nos Ensinamentos anteriores, escrevi sobre os erros que a


medicina, em geral, comete. Agora, procederei a uma "autópsia"
dessa área, utilizando-me, para isso, de uma faca bem afiada,
ainda que minha intenção não seja difamar a medicina em si
mesma, mas apenas apontar os seus erros. Por isso, peço aos
leitores que leiam esta obra com a mente aberta e despida de
preconceitos.

Darei início à minha explanação citando alguns fatos. Os


médicos não podem afirmar com segurança, por exemplo, qual
será a evolução de uma doença. Podem apenas pensar que uma
moléstia é curável, que a medicina obtém sucesso na cura de
algumas enfermidades ou que determinadas terapias,
comumente, são eficazes. Inclusive, é de conhecimento da
própria classe médica que o efeito de alguns tratamentos
empregados pela medicina convencional ainda são
desconhecidos. Mas os médicos também afirmam que um
paciente obterá melhora em seu estado se ficar na dependência
de um determinado regime, ou mesmo, nos caso de
enfermidades raras, que o doente precisará de hospitalização,
ainda que, com tal procedimento não lhe seja assegurado ficar
totalmente curado. Inclusive, os médicos têm conhecimento de
que muitos casos apresentam uma evolução exatamente oposta
a prognósticos feitos anteriormente por eles mesmos.

Um exame médico inclui percussão 9 , auscultação 10 ,


verificação da capacidade respiratória, medição da pressão
sanguínea, da temperatura corporal, bem como exames de

9
Percussão: método semiológico por meio do qual se procura examinar certos órgãos
internos, utilizando, para isso, o som obtido ao se dar pequenos golpes repetidos na região,
com a extremidade de um dedo, com a mão ou com um instrumento. (RAY, Luís. Dicionário
a
de Termos Técnicos de Medicina e Saúde. 2 ed., Rio de Janeiro: Guanabara Koogan,
2003).
10
Auscultação: ato de escutar os ruídos internos de um organismo, para controlar o
funcionamento de um órgão ou para perceber alguma anomalia. (RAY, Luís. Dicionário de
Termos Técnicos de Medicina e Saúde. 2a ed., Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2003).

65
O Tempo Chegou!

sangue, radiografias, testes e análises laboratoriais. Para tanto,


os médicos se valem da mais diversificada aparelhagem
específica. Porém, caso a medicina apresentasse, realmente,
absoluta precisão científica, os médicos deveriam ser capazes de
dizer, com rigor, após a realização de todos os exames que
solicitaram, qual o verdadeiro estado em que o paciente se
encontra.

Além desses aspectos todos, os médicos ainda se valem


de pesquisas do histórico do paciente, ao verificarem seus
antecedentes 11 , bem como o de seus genitores e demais
parentes afins. E tudo isso, provavelmente, para assegurar a
infalibilidade do diagnóstico a ser feito. Só que, na grande
maioria dos casos, as curas não se processam segundo os
próprios prognósticos médicos - seja em decorrência de erros, ou
mesmo de terapias que não surtiram os efeitos esperados, ou
ainda por essas duas razões juntas. A porcentagem de curas
legítimas de doentes, dificilmente, chega a 10%, porque, ainda
que o indivíduo aparente estar curado, sua recuperação foi
apenas temporária - o que vai lhe gerar constantes
preocupações, já que os sintomas das doenças, quase sempre,
acabam se manifestando novamente, ou até mesmo voltando a
aparecer sob a forma de outras enfermidades. Assim, baseado
no que foi exposto, cabe-me levantar dúvidas relativas às
chamadas curas definitivas de doenças - aspecto esse, aliás,
também de conhecimento dos próprios médicos.

Relativamente ao que já foi dito, consideremos agora


como exemplo a expressão "o meu médico". Caso estivéssemos
mesmo diante de curas autênticas e definitivas, não haveria a
menor necessidade de as pessoas consultarem médicos com
regularidade. Se a medicina fosse capaz de curar doenças, de
verdade, tanto as enfermidades quanto o número de doentes
11
Antecedentes: fatos ou circunstâncias que precederam uma doença, seja de ordem
pessoal, familiar ou ancestral, cujo conhecimento auxilia o diagnóstico ou a avaliação do
estado de saúde atual de um paciente. (RAY, Luís. Dicionário de Termos Técnicos de
a
Medicina e Saúde. 2 ed., Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2003).

66
O Tempo Chegou!

decresceria gradualmente, ocasionando o desemprego de


médicos e o consequente esvaziamento dos hospitais, que
acabariam por ter de fechar as suas portas. Entretanto, o que se
vê é exatamente o inverso disso, ou seja, faltam leitos
hospitalares, além do fato de o governo e também de algumas
instituições privadas serem obrigados a gastar altas somas de
dinheiro com programas voltados à saúde. Obviamente, deve
haver algum erro por parte da medicina atual - e causa-me
estranhamento que ele ainda não tenha sido descoberto. Deve
ser porque as pessoas se encontram tão aferradas à ciência
materialista, que acabam se recusando a enxergar outros
aspectos.

Deve-se também levar em consideração que o próprio


caráter científico dos diagnósticos clínicos é altamente duvidoso.
Por exemplo, quando vários médicos diagnosticam um paciente,
é frequente haver divergência de opinião entre eles - e caso
estivessem mesmo diante da aplicação de padrões de caráter
absolutamente científico, isso não viria a ocorrer. Ademais, antes
de mais nada, a eficácia da medicina deveria se fazer sentir nos
próprios membros das famílias dos médicos, que deveriam gozar
de mais saúde, o que levaria tais famílias a apresentar um
número de doentes bem menor que as demais. Além disso, os
médicos poderiam ter condições de atingir maior longevidade que
outras pessoas. Isso além do fato de que seus familiares
deveriam ser muito mais saudáveis que as pessoas em geral.
Mas, muitas vezes, o que acontece é exatamente o contrário
disso, ou seja: são ainda mais doentes.

É compreensível que um paciente seja desenganado por


um médico por tê-lo procurado tardiamente. Mas o que dizer nos
casos de isso ocorrer com membros da família do próprio médico
que, naturalmente, conta com todos os recursos para evitar tal
situação? Acrescente-se a isso que, pelo bom-senso, quando um
membro da família de um médico adoece, o próprio médico, na
qualidade de pai ou de marido, deveria pessoalmente incumbir-

67
O Tempo Chegou!

se de diagnosticar e tratar esse paciente, em lugar de confiá-lo a


colegas. Entretanto, a esse respeito, ouço dizer muitas vezes
que, quando se trata dos próprios familiares, os médicos se
sentem tolhidos devido a seu envolvimento emocional com tais
pacientes, o que lhes dificultaria um diagnóstico preciso. Só que
isso significa que os diagnósticos médicos não têm
embasamento científico - o que contribui bastante para
pressupostos e conjecturas de caráter pessoal.

Uma vez, um médico me contou que é muito difícil saber,


com a máxima exatidão, o mal que os pacientes apresentam.
"Nos grandes hospitais - acrescentou ele - os resultados de
autópsias, na maioria dos casos, divergem dos diagnósticos já
feitos. Inclusive, as terapêuticas medicamentosas prescritas nem
sempre condizem com os efeitos previstos - o que, em lugar de
levar à cura, frequentemente, agrava ainda mais o estado do
paciente, até chegando a colocar a sua vida em risco. Nesses
casos - confessou-me o médico - muitas vezes, perco o sono,
pensando em como vou explicar a situação ao paciente e a seus
familiares. E esse é um dos nossos tormentos".

O fato é que, a despeito dos grandes progressos


alcançados pela medicina, em muitos casos, ainda ocorrem
discrepâncias entre os diagnósticos feitos e os resultados
obtidos, fazendo com que alguns médicos, principalmente
aqueles já mais maduros e experientes, deixem de confiar em
tratamentos da medicina convencional, aspecto esse que os leva
a procurar apoio em psicoterapias.

O Dr. Tatsukichi Irisawa, que foi médico do imperador,


quando estava para morrer, escreveu o seguinte poema em estilo
waka12:

12
A tradução do poema de autoria do Dr. Tatsukichi Irisawa não segue a estrutura silábica
fixa do estilo waka, ou seja: 5/7-5/7-7.

68
O Tempo Chegou!

Não creio que esta droga eficácia possa ter.


Julgo-me, contudo, no dever
de tomar o que a outros prescrevi.

Ainda há o caso de um outro médico - meu amigo íntimo -


que sempre me procura quando ele mesmo ou um de seus
familiares adoece. E todos se mostram bem contentes quando eu
os curo, imediatamente. Houve uma vez em que tratei de um
caso de nevralgia recorrente, e o meu paciente, além de
renomado médico, era também professor de medicina. E, em
pouquíssimo tempo, cheguei não só a curá-lo, como também
acabei curando sua filha, que era portadora de tuberculose.
Então, sua esposa ficou tão impressionada com os resultados
obtidos, que acabou insistindo para que seu marido abandonasse
a medicina, passando a adotar o meu método terapêutico de
cura. Só que, devido à posição social que já havia alcançado, a
seu prestígio profissional e também a razões de ordem
econômica, ele decidiu não fazê-lo, e continuou a exercer as
suas atividades médicas habituais.

Devo citar também um outro caso bem interessante: há


cerca de dez anos, pediram-me que tratasse da esposa de um
grande industrial. Ela havia sofrido uma paralisia facial, e ficara
com o rosto tão desfigurado, que chegava a causar repulsa
naqueles que a fitavam. Então, aconselhei-a a não se submeter a
qualquer tratamento médico, mas devido à insistência de sua
própria família, ela acabou sendo encaminhada para um
conceituado hospital, onde o médico-chefe, um amigo íntimo
dessa família, lhe disse durante a consulta: "Em dois anos, a sua
moléstia será curada, naturalmente. Por isso, não se submeta a
eletroterapia, muito menos a qualquer outro tratamento do
gênero, mesmo que isso lhe seja recomendado aqui neste
hospital". Ao que ela respondeu: "Já recomendaram, mas eu
recusei". "E fez muito bem" - voltou a dizer o médico. Quando
ouvi essa história, passei a admirar muito aquele profissional, por
achar que ele era um grande médico. E quanto à mulher que

69
O Tempo Chegou!

estava com paralisia facial, foi curada por mim, em dois meses. E
agora, passarei a falar sobre os erros cometidos pela medicina.

70
O Tempo Chegou!

11 - Respeite a Natureza

Um dos erros que a medicina comete é considerar o


repouso uma condição fundamental para o tratamento da
tuberculose. Porém, o melhor mesmo é que se deixe a moléstia
seguir seu curso natural, o que significa permitir ao doente agir
espontaneamente, sem impor-lhe restrições, apenas orientando-
o no sentido de não se esforçar demais. Por exemplo: no caso de
um paciente sentir-se cansado ou febril, considerando por si
mesmo que o melhor é descansar, daí o ideal é que repouse.

Entretanto, se não for de seu agrado ficar confinado a um


leito, ou mesmo se esse doente achar que seu corpo está
necessitando de movimento, então é melhor que se levante.
Inclusive, deverá andar, se tiver vontade de andar; correr, se tiver
vontade de correr; cantar, quando tiver ímpetos para isso, ou até
mesmo trabalhar, caso se sinta disposto para tal. O mais certo é
obedecer aos comandos da mente e não fazer nada que não seja
do próprio agrado. Em suma, o doente deverá agir com
espontaneidade - princípio válido não só no tocante ao
tratamento da tuberculose, mas também no caso de outras
enfermidades. O mesmo princípio também deve ser levado em
consideração no que diz respeito à alimentação do doente: se
sentir apetite, deverá comer o quanto tiver vontade. Tomar
remédios não é nada bom, mas também não é recomendável
que o doente precise se esforçar em ingerir alimentos que não
lhe apetecem, simplesmente por serem considerados mais
nutritivos, ou até mesmo terapêuticos. Quando determinados
alimentos se fazem necessários ao organismo, a pessoa,
naturalmente, sente vontade de comê-Ios. E caso não manifeste
desejo algum nesse sentido, é justamente porque o organismo
desse doente não apresenta a menor necessidade daquele
alimento.

Um alto consumo de proteínas animais é prejudicial,


especialmente para pacientes tuberculosos. Mas a ingestão de

71
O Tempo Chegou!

uma pequena quantidade dessas proteínas também não causa


maiores danos. No entanto, é preferível procurar seguir uma
dieta vegetariana sempre. Hoje em dia, a medicina recomenda a
ingestão de carnes de vaca, de aves ou de peixes, por considerá-
Ias de alto valor nutritivo - o que é um grande equívoco. O
consumo de carnes aumenta a vitalidade do organismo só
temporariamente e, inclusive, chega a causar uma certa fraqueza
progressiva, no caso de ser muito prolongado.

Alimentos de origem vegetal são, essencialmente, muito


mais nutritivos, e dietas que, no decorrer de um período longo,
restringem-se a peixes, aves e carnes, acabam provocando o
envenenamento do sangue - podendo, nesses casos, chegar a
ter consequências fatais. Entretanto, a adoção de uma dieta
vegetariana não provoca enfermidades, é muito mais saudável,
chegando até a nos possibilitar alcançar maior longevidade. Eu
mesmo já passei por uma experiência assim.

Na juventude, fui declarado tuberculoso, inclusive até


cheguei a ser desenganado por médicos. Mas por alguma razão,
tomei consciência dos malefícios que a ingestão de grandes
quantidades de alimentos de origem animal estava me causando,
e daí acabei decidindo adotar uma alimentação vegetariana. Ao
perceber que a medicina estava equivocada, resolvi abandonar
os remédios e, durante três meses, alimentei-me exclusivamente
de produtos de origem vegetal. Dessa forma, acabei ficando
totalmente curado, além de me sentir muito mais saudável do
que antes. Posteriormente a esses acontecimentos, não deixei
de sofrer outras enfermidades, mas nunca mais tive tuberculose -
caso não tivesse despertado para o ponto fundamental na época
de minha doença, já teria partido para o outro mundo!

Principalmente para pacientes que vomitam sangue, não


há nada mais indicado que a adoção de uma dieta à base só de
vegetais. Uma vez, tratei de um caso em que isso ficou bem
evidente. Todas as vezes em que o paciente ingeria carne,

72
O Tempo Chegou!

acabava vomitando sangue, no dia seguinte. No entanto, quando


ele se alimentava apenas de vegetais, seus vômitos cessavam,
de imediato, o que evidencia os efeitos benéficos do
vegetarianismo.

Um outro erro cometido pelos médicos ocorre quando


consideram a fadiga prejudicial ao organismo, ao afirmarem que
dormir pouco não é nada bom para a saúde de ninguém -
equívoco que decorre do desconhecimento das causas que
provocam a fadiga. O cansaço é uma consequência natural da
prática de exercícios físicos. Quando alguém faz exercícios,
movimenta as pernas, o que acaba provocando uma ação
purificadora nos pontos onde existem toxinas solidificadas.
Inclusive, precisamente nesses pontos, nota-se um ligeiro
aumento de temperatura, uma febre que se traduz por um torpor,
que vem a ser a fadiga que a pessoa sente. No entanto, trata-se
aqui de algo benéfico ao organismo, justamente porque reduz a
quantidade de toxinas nele existentes. Os que fazem ginástica ou
sempre estão praticando exercícios que geram fadiga podem ser
considerados pessoas sadias. E se um indivíduo fatigado tocar
em pontos de suas pernas com as próprias mãos, sentirá que
alguns deles apresentam uma leve febre, o que é um indicativo
de que toxinas estão sendo dissolvidas exatamente ali.

Dormir pouco também não exerce a menor influência


quanto à possibilidade de se contrair tuberculose. Pelo contrário:
até chega a fazer bem, o que fica claramente demonstrado pelos
fatos. Segundo algumas pesquisas médicas, entre os que
dormem pouco devido ao exercício de trabalho noturno - os
empregados de hotéis, por exemplo - nota-se que são bem raros
os casos de tuberculose. Quando uma pessoa dorme menos e
dedica um número maior de horas às suas atividades cotidianas,
acaba ficando mais suscetível à ocorrência de purificações,
decorrendo daí seu maior cansaço, muito embora a medicina
interprete tal fato de modo inverso, ou seja: considerando poucas
horas de sono comó algo prejudicial à saúde. Inclusive, isso pode

73
O Tempo Chegou!

ser ilustrado pelo seguinte fato: mesmo nos casos de pacientes


que se encontram confinados ao leito, geralmente, sua
temperatura corporal se encontra mais baixa no período da
manhã, subindo só lá pelas 15:00 ou 16:00 horas, e isso se dá,
porque o mero uso dos sentidos também provoca ações
purificadoras.

74
O Tempo Chegou!

12 - As Doenças e a Eficácia dos Medicamentos

Continuamente, surgem no mercado novos remédios para


o combate de todas as doenças, e esses incessantes
lançamentos se devem ao fato de os medicamentos encontrados
anteriormente já não produzirem mais tanto efeito. Como vimos,
a eficácia dos remédios se deve aos venenos que eles contêm e,
quanto mais fortes forem, maior a capacidade que terão de
paralisar a dissolução natural de toxinas do organismo, aliviando,
portanto, os sintomas das doenças. E esse é justamente o caso
dos medicamentos com indicações específicas. Só que, mais
cedo ou mais tarde, acabará surgindo uma ação purificadora
para eliminar as toxinas introduzidas no corpo por meio do uso
desses remédios. Inclusive, quanto mais fortes forem os venenos
neles contidos, mais severa será a purificação.

Consequentemente, os métodos utilizados por al guém no


sentido de escapar dos primeiros sofrimentos de uma moléstia
criarão outros sofrimentos e, dessa vez, muito mais sérios. No
entanto, tudo é considerado como um progresso da farmacologia.
Portanto, vemo-nos diante de um problema extremamente grave!

Na verdade mesmo, o que ocorre é que os equívocos


cometidos pela medicina só fazem aumentar ainda mais o
número de doentes. Portanto, encontramo-nos frente ao
progresso das indústrias farmacêuticas e de seus veículos de
propaganda - que, aliás, recebem vultosas somas para divulgar
produtos farmacológicos. Pobre sociedade civilizada a nossa!

E o fato de me ter sido revelado um assunto de tamanha


importância como esse é um indicativo de que, finalmente, um
raio da Luz de Deus começou a penetrar neste mundo de trevas -
o que é um indício de que a concretização do Reino do Céu na
Terra já está bem próxima.

75
O Tempo Chegou!

13 - Nutrição

Nas páginas anteriores, discorri acerca dos terríveis efeitos


dos medicamentos sobre o organismo - e penso que isso já
tenha ficado bem claro. Entretanto, também não podemos perder
de vista os grandes equívocos cometidos no que diz respeito à
alimentação humana. Nos capítulos sobre tuberculose, fiz
referência à inconveniência da ingestão de proteínas de origem
animal, mas os conceitos errôneos em que a dietética moderna
incorre não se limitam unicamente a esse aspecto. Seu maior
equívoco consiste no fato de estar voltada tão-somente à
necessidade do consumo de alimentos bem diversos, relegando
a plano inferior a importância das próprias funções orgânicas
envolvidas no processo de nutrição, como veremos a seguir.

Tomemos como exemplo as vitaminas: subdividem-se em


grupos (A, B, C, D, etc.), mas existe a tendência de se procurar
suprir a carência desses elementos no organismo - o que é um
verdadeiro absurdo, já que isso significa ignorar-se totalmente a
faculdade natural das funções orgânicas, que é justamente a de
produzir não só vitaminas suficientes, mas também carboidratos,
proteínas, aminoácidos, glicogênio e gorduras, dentre outras
substâncias capazes de suprir plenamente nossas necessidades.

Ainda que um determinado alimento não contenha


vitaminas, por um "processo mágico" natural, tal alimento
acabará sendo elaborado por órgãos do próprio organismo, que
produzirão a quantidade exata das vitaminas de que
necessitamos - aspecto que esclarece por que dietas
balanceadas voltadas a uma superalimentação acabam
produzindo um efeito contrário ao desejado, pois quanto mais
abundante for um processo de nutrição, mais o corpo ficará
debilitado. De modo análogo, quanto maior a quantidade de
vitaminas ingeridas por alguém, tanto maior a carência orgânica
desses elementos - o que não é de se estranhar, uma vez que,
quanto mais introduzimos nutrientes no organismo, tanto maior a

76
O Tempo Chegou!

regressão das funções orgânicas dos órgãos produtores de tais


elementos nutricionais, já que o desuso é justamente o
responsável por fazer cessar nossas atividades orgânicas
naturais.

Entretanto, a tendência do homem moderno é ingerir, cada


vez mais, elementos nutricionais elaborados artificialmente, sob a
forma dos chamados "alimentos completos". Ora, a força vital do
ser humano, por princípio, é gerada pela atividade de Suas
funções orgânicas naturais e, de todas elas, as digestivas são as
principais, o que significa afirmar que a força vital do ser humano
depende da atividade de suas funções digestivas. Em outras
palavras, o laborioso e complexo processo mediante o qual o
nosso organismo transforma alimentos incompletos em outros,
completos, é que dá origem à vitalidade humana. Tanto é que
nos sentimos enfraquecidos quando estamos de estômago vazio,
justamente por haver cessado o laborioso processo de
transformação dos alimentos que ingerimos. Mas assim que
comemos alguma coisa, nosso corpo, imediatamente, fica
revitalizado. E como todos os nossos órgãos se encontram inter-
relacionados, é natural que, diante do enfraquecimento do órgão
principal do sistema digestivo, os demais também se
enfraqueçam.

Exercícios físicos são atividades necessárias à


manutenção da saúde humana, e sua ação principal é exercida
no tocante à aceleração do metabolismo através da ativação do
sistema cardiovascular. Em outros processos orgânicos, a prática
de exercícios também se mostra benéfica, mas trata-se aqui de
ações secundárias ou suplementares. Portanto, a condição
fundamental para a melhora da saúde é o fortalecimento da
atividade dos órgãos envolvidos no processo digestivo - e é
devido a isso que os alimentos digeridos com muita facilidade
acabam levando ao enfraquecimento desses órgãos. Por isso,
alimentos naturais são, geralmente, os melhores.

77
O Tempo Chegou!

Assim sendo, a medicina se mostra equivocada ao nos


sugerir buscar alimentos de fácil digestão. Além do mais, com a
recomendação de que sejam muito bem mastigados - o que não
é nada bom, justamente por levar ao enfraquecimento do
estômago. Dessa forma, a gastroptose 13 acaba sendo uma
doença criada pelo próprio homem. Quando damos preferência a
alimentos que facilitam a digestão, mastigamo-os bastante e,
além disso, fazemos uso de medicamentos tidos como digestivos
- o que não passa de uma enorme tolice - acabamos levando
nosso estômago a um enfraquecimento paulatino, fazendo-o
perder o seu tônus naturaldevido ao relaxamento dos tecidos que
entram em sua formação.

Vou agora relatar uma experiência pessoal. Nos anos 20,


o fletcherismo14 estava em voga nos Estados Unidos, e Fletcher
afirmava que era muito importante para a saúde a mastigação
bem demorada dos alimentos. Acabei experimentando esse
método e, como a princípio me senti muito bem, decidi dar
continuidade a ele. Só que, um mês depois, comecei a perceber
que, pouco a pouco, estava ficando debilitado e perdendo minhas
forças. Daí então, voltei a mastigar como antes, e acabei
recuperando a saúde. Dessa forma, podemos ver que quase
todas as teorias científicas relativas a nutrição contrariam a
realidade e, portanto, não são benéficas a ninguém.

Tomemos outro exemplo: as lactantes com pouco leite são


aconselhadas a tomar leite de vaca - o que é ridículo, já que o
natural é o recém-nascido, infalivelmente, ter lactação materna
como fonte perfeita de alimentação. Se o leite materno é
escasso, é porque alguma coisa está errada em algum ponto.
Portanto, é necessário que se descubra onde está esse erro,
para que ele possa ser corrigido. Entretanto, a medicina não

13
Gastroptose: ptose do estômago devida ao relaxamento de suas estruturas de
a
sustentação. (REY, Luís. Dicionário de Termos Técnicos de Medicina e Saúde. 2 ed., Rio
de Janeiro: Guanabara Koogan).
14
Fletcherismo: de Horace Fletcher, nutricionista americano que ensinava que é preciso
mastigar-se os alimentos o máximo de vezes possível.

78
O Tempo Chegou!

consegue perceber onde se encontra o problema e, mesmo que


consiga achá-lo, nada poderá fazer. E é justamente por isso que
os médicos japoneses recomendam às mães que tomem leite de
vaca. Mas será mesmo que eles pensam que o leite de vaca vai
passar diretamente da boca da lactante para os bicos de seus
seios? Quando uma mãe toma leite de vaca, acaba ocorrendo o
inverso, ou seja: produz menos leite ainda, porque a ingestão de
leite animal acaba atrofiando as funções naturais do órgão
responsável pela produção do leite materno.

Há doentes que, espantosamente, ingerem sangue animal


como alimento, o que, algumas vezes, até chega a produzir um
certo efeito, mas só que momentâneo. Na verdade, tal prática
enfraquece os órgãos responsáveis pela produção de sangue no
organismo, e a consequência disso é o oposto do que se poderia
esperar, isto é: a pessoa se torna anêmica. Pensem bem: o ser
humano, ao se alimentar de pão e arroz branco, vegetais verdes
e cereais amarelados, produz sangue, que é vermelho - o que
nos faz ver o quão fantástico é o corpo humano como máquina
produtora, pois é capaz de fabricar sangue a partir de elementos
que não contêm um pingo dessa substância. Mas o que ocorre
quando alguém ingere sangue animal? É evidente que seu
organismo não produzirá sangue. Até as vacas, que se
alimentam de capim, produzem um leite excelente. Então, por
que o ser humano também não poderia fazê-lo? Dessa forma,
podemos ver que a origem dos erros cometidos pela ciência da
nutrição reside no fato de se basear única e exclusivamente em
conceitos teóricos que não levam em consideração aspectos da
própria Natureza.

Os alimentos que contêm todos os elementos essenciais


para a perfeita nutrição do ser humano são os vegetais. Os
monges zen-budistas, normalmente, atingem uma idade mais
avançada que as pessoas em geral, justamente por se
alimentarem com simplicidade. Também o escritor inglês Bernard
Shaw, que faleceu aos 94 anos, foi um vegetariano notório.

79
O Tempo Chegou!

Um dia, quando eu fazia uma viagem de trem pelo norte


do Japão, sentou-se ao meu lado um camponês de uns 50 anos
mais ou menos, corado e de aparência bem saudável. Percebi
que, de vez em quando, ele tirava do bolso do paletó uma folhas
verdes de pinheiro e as comia, com bastante prazer. Expressei-
lhe minha estranheza em relação a esse fato, e ele me
respondeu, com muito orgulho, que há mais de dez anos sua
alimentação consistia unicamente de folhas verdes de pinheiro. E
ainda chegou a acrescentar que antes fora um homem muito
fraco, o que levou-o a começar a comer tais folhas, já que ouvira
dizer que elas eram ótimas para a saúde. Disse-me que, no
começo, elas não lhe apeteciam muito, mas, com o passar do
tempo, acabou se habituando a seu sabor característico, e foi
isso que o fez adquirir uma saúde excelente. Foi daí que ele
desabotoou o paletó para mostrar-me o quanto era forte a
musculatura de seu braço. Já faz algum tempo também que um
jornal publicou a história de um rapaz que se alimentava
exclusivamente de folhas de chá usadas. E trata-se de uma
história real relatada pelo próprio jovem.

Vejamos mais um exemplo, dessa vez, ocorrido há muito


tempo. Hakuseki Arai, eminente confucionista15 que viveu em fins
do Xogunato Tokugawa, em sua juventude, residiu durante algum
tempo num quartinho localizado sobre uma fábrica de tofu 16 .
Durante dois anos, alimentou-se unicamente de bagaços de soja.

Até já mencionei que eu mesmo, procurando sarar de uma


tuberculose, alimentei-me, durante três meses, somente de
vegetais, tendo ficado completamente curado com essa dieta que
adotei, na qual não se incluíam peixes secos, tampouco qualquer
medicamento. E acho que, quando uma pessoa chega a atingir
90 anos, deveria ater-se a uma dieta exclusivamente
vegetariana, procurando sempre alimentar-se frugalmente - o que
acabaria por levá-Ia a rejuvenescer. É preferível adotar uma
15
Confucionista: pessoa especializada em estudos de Confúcio e em textos clássicos
chineses.
16
Tofu: queijo elaborado com soja.

80
O Tempo Chegou!

alimentação natural a outra que se baseie em alimentos


industrializados ou refinados, porque, com isso, os órgãos
digestivos são obrigados a trabalhar de forma mais enérgica na
produção dos elementos necessários à nossa nutrição. Inclusive,
é justamente essa ativação dos órgãos digestivos que provoca o
rejuvenescimento de uma pessoa, fazendo-a adquirir mais saúde
e, consequentemente, atingir maior longevidade.

A saúde dos trabalhadores da Manchúria é considerada


tão extraordinária, que alguns cientistas ocidentais, segundo ouvi
dizer, dirigem-se a esse local a fim de estudar alguns casos. No
entanto, os trabalhadores da Manchúria se alimentam, por dia,
apenas de três espécies de pão koaling17, um a cada refeição. E
o que dirão os nutricionistas a esse respeito?

Por todos esses exemplos, podemos ver que a ciência da


nutrição se equivoca ao recomendar o consumo de uma grande
variedade de alimentos em cada uma das refeições diárias, ainda
que o ideal seja consumi-los do modo menos variado possível.
Quando alguém ingere a mesma espécie de alimentos
continuamente, acaba fortalecendo a atividade das funções
orgânicas relacionadas à nutrição de modo semelhante a uma
pessoa que, ao se dedicar a uma única atividade em seu
trabalho, acaba por especializar-se tanto, que vai desempenhar
suas tarefas com a maior destreza possível.

Outro aspecto inusitado referente a alimentação é que os


vegetarianos sentem mais calor que os seguidores de dietas à
base de carnes. Os consumidores de carne também sentem
calor após a ingestão desse alimento, porém, logo depois de
poucas horas, voltam a sentir frio. Daí a necessidade do uso de
modernos sistemas de aquecimento na Europa e nos Estados
Unidos, já que a grande maioria da população desses locais é de
carnívoros, fato que os torna bastante sensíveis ao frio.
Antigamente, os japoneses não tinham hábito de comer carne e,
17
Koaling: espécie de cereal selvagem.

81
O Tempo Chegou!

por isso, não se preocupavam em construir suas casas com


sistemas de proteção para o inverno. Inclusive, entre os
trabalhadores, era comum andarem com as pernas descobertas
do joelho para baixo, mesmo em períodos de frio intenso. As
mulheres costumavam usar uma ou duas anáguas de algodão
sob a saia e, geralmente, nem chegavam a usar meias. Hoje, no
entanto, as japonesas usam várias malhas de lã e, mesmo
assim, tremem de frio.

Há ainda outros pontos importantes a serem observados:


atualmente, costuma-se dizer que os trabalhadores do campo
são subnutridos, e a recomendação dada a eles é de que comam
mais carne, tanto de peixes e aves, como também de outros
animais - o que também é um erro! A nutrição proveniente de
uma alimentação vegetariana aumenta consideravelmente a
resistência do organismo, o que permite o exercício de trabalhos
pesados durante longas horas, sem que disso advenha qualquer
cansaço por parte do trabalhador. E foi até por esse motivo que,
desde a Antiguidade, os lavradores japoneses - homens e
mulheres - trabalhavam do alvorecer até o cair da noite.
Entretanto, se passarem agora a comer muitos alimentos de
origem animal, certamente, haverá queda em sua produtividade.

Nos Estados Unidos, um dos fatores que mais influenciou


o surgimento da mecanização agrícola foi a necessidade de
compensar com a inteligência humana a falta de resistência física
dos lavradores. Portanto, se houver o aumento do consumo de
alimentos de origem animal, os trabalhadores rurais terão de ter,
necessariamente, o seu trabalho acompanhado pela força de
máquinas - o que nos leva a concluir que o vegetarianismo é a
alimentação mais adequada ao organismo humano.

Mas ainda é necessário levarmos em consideração outros


aspectos envolvidos nesse assunto: se os vegetais constituem a
alimentação mais adequada para quem trabalha na lavoura, já
não se dá o mesmo no que diz respeito àqueles cujas atividades

82
O Tempo Chegou!

são urbanas, uma vez que trabalham muito mais com a mente do
que com o corpo. Para eles, por exemplo, será necessária a
adoção de dietas adequadas ao exercício de trabalhos
intelectuais, ou até mesmo competitivos. No caso do Japão
especificamente, tal alimentação é suprida por um consumo
maior de peixes e aves relativamente às outras espécies de
carnes - aspecto que pode ser explicado pelo fato de o Japão ser
uma ilha. Essencialmente, a ingestão de peixes e aves constitui-
se numa alimentação adequada ao cérebro, porque aumenta a
sua eficiência. O consumo de carnes de animais estimula o
desejo de competição que, inclusive, pode até vir a se
transformar numa vontade de lutar - o que é claramente
observável na própria história das raças brancas. Foi graças ao
espírito competitivo dessas raças que a cultura que conhecemos
hoje se desenvolveu. Por outro lado, esse mesmo espírito de luta
tem dado margem a guerras intermináveis, mesmo que o número
de conflitos bélicos entre países civilizados do Ocidente seja
maior do que no Oriente.

Em síntese, o que posso dizer é que o ser humano deve


procurar se alimentar naturalmente sempre que manifestar
desejo de comer, não havendo necessidade de se preocupar em
demasia com a própria alimentação. Para habitantes da cidade, é
preferível a adoção de dietas de origem animal e vegetal
paralelamente. Para lavradores e doentes, porém, o ideal é que
adotem uma alimentação baseada na ingestão de 70% a 80% de
vegetais, com somente 30% de produtos de origem animal. Com
a adoção desse tipo de dieta, aliada à não ingestão de qualquer
medicamento, nenhuma doença surgirá, levando-nos a concluir
que as teorias atuais sobre higiene e saúde humana não
condizem com a realidade. Então, além de representarem uma
grande perda de tempo, ainda levam a maus resultados. Pobre
homem civilizado!

83
O Tempo Chegou!

14 - O Homem e as Doenças

A medicina, atualmente, atribui às bactérias a causa de


quase todas as doenças existentes. Isso nos permite concluir
que, segundo esse princípio, quem for capaz de se proteger
contra as contaminações provocadas por esses microrganismos
não vai contrair doença alguma. Entretanto, tal preceito é
bastante vulnerável, o que torna necessário explicitar
pormenorizadamente a origem das bactérias.

Tais organismos microscópicos surgiram de algum lugar,


por alguma razão, e nenhuma teoria terá validade, a menos que
compreenda o princípio da origem das bactérias. Mas
considerando-se o grau de conhecimento em que se encontram
as ciências médicas hoje, isso se torna impossível - o que deixa
absolutamente fora de cogitação o estabelecimento de uma
medicina que possa ser considerada genuína.

É evidente que as bactérias não surgiram de repente,


muito menos ao acaso, e tal preceito será explicado em detalhes.
Já que esses micro-organismos são a causa de doenças, e se
seu contágio provoca tantos sofrimentos aos seres humanos,
devemos nos perguntar: por que então existem e para que
servem? Na verdade, é justamente porque todas as coisas no
Universo são necessárias ao ser humano, não havendo nada na
Criação divina que seja supérfluo. A própria História nos mostra
claramente que, quando uma espécie se torna desnecessária,
sofre extinção natural. Em eras remotas, são vários os exemplos
de monstros pré-históricos que sobreviveram só um determinado
tempo, e o mesmo deve se dar no caso das bactérias: existem
porque têm um papel a desempenhar. No entanto, esse papel
ainda não foi devidamente compreendido pela ciência - razão
que justifica por que as bactérias são ainda temidas de modo tão
cego pelos meios científicos.

Encaradas então sob esse prisma, por que razão Deus

84
O Tempo Chegou!

criou as bactérias, já que torturam tanto a humanidade, inclusive


chegando a colocar em risco a própria sobrevivência humana?
Na verdade, elas têm uma importância bastante significativa, mas
o problema é que os homens não manifestaram interesse em
desvendar esse ponto, e a ciência ainda nem chegou lá. Nesse
contexto, penso que este livro será o despertar da consciência da
civilização atual, o que elevará a mente humana ao seu nível
máximo.

Antes, porém, devo escrever sobre um outro ponto de


extrema relevância: por que Deus Supremo criou o Universo e o
ser humano? Talvez nem chegue a existir questão de
importância tão fundamental quanto esta e, mesmo que sua
solução seja procurada por todos, até agora, ninguém foi capaz
de dar uma resposta satisfatória. O propósito do Criador foi fazer
da Terra um mundo ideal, pleno de Verdade, Virtude e Beleza,
capaz de progredir e se desenvolver infinitamente - e essa é uma
verdade que não vai morrer nunca. Portanto, a humanidade tem
pela frente um brilhante futuro, que vai além da imaginação e da
inteligência humanas. E cabe aos homens dedicarem-se, com
alegria, a essa missão divina, enchendo o peito de Luz, para
percorrerem o caminho a eles destinado. O ser humano foi criado
para desempenhar a missão que lhe foi proposta por Deus
Supremo e, por essa razão, é seu dever conscientizar-se disso,
procurando trabalhar, sem jamais se afastar dessa meta
enquanto viver. Só que, para isso, em primeiro lugar, será
necessário que tenha saúde.

Mas como anda a saúde humana? Como é de


conhecimento geral, os homens contraem doenças com
facilidade, o que, muitas vezes, compromete irreversivelmente a
saúde. No entanto, buscando manter os seres humanos sadios,
Deus dotou-os de ações naturais de proteção ao organismo. E
quais são tais ações? Surpreendentemente - mesmo que isso
nos pareça totalmente ilógico - correspondem ao que
costumamos chamar de "doenças". Antes de mais nada, é

85
O Tempo Chegou!

necessário esclarecer que, quando procuramos desempenhar


nosso papel como seres humanos, inevitavelmente, acumulamos
impurezas no nosso corpo todo. Mais adiante, tratarei sobre isso
detalhadamente. O que quero dizer é que, em síntese, as
impurezas que acumulamos no plano espiritual correspondem a
"nuvens" e as acumuladas em nosso corpo físico, a sangue
impuro. E quando tais impurezas ultrapassam determinado limite,
perturbam e dificultam as atividades que cabem ao ser humano
desempenhar.

Como vimos, para a eliminação de impurezas, temos a


ocorrência de ações naturais, isto é, de ações purificadoras. Mas
como tais processos causam dores e desconforto, passaram a
ser interpretados como doenças prejudiciais ao organismo
humano. E por isso a preocupação das pessoas ao se verem
afetadas por qualquer doença, já que pensam que isso não lhes
trará benefício algum, chegando, até mesmo a representar risco
de vida. Daí o emprego de tratamentos médicos como recursos
para se tentar suprimir ou aliviar dores e desconfortos físicos - o
que, conforme já expliquei, é um grande equívoco! Portanto, as
doenças são uma dádiva suprema de Deus Criador no sentido de
preservar a saúde dos homens - e podemos dizer que só uma
medicina baseada nessa verdade pode ser tida como legítima.

86
O Tempo Chegou!

15 - O Mundo Imaterial

Agora, escreverei sobre o princípio e a ordenação do


surgimento das bactérias. Mesmo os microscópios eletrônicos
mais avançados da atualidade limitam-se a ampliar apenas
dezenas de milhares de vezes os organismos denominados
"bactérias". No entanto, é previsível que, algum dia, cheguem a
se desenvolver a um ponto tal, que lhes permita detectar até os
ultramicroorganismos - só que isso ainda deverá demorar
bastante para acontecer. Mesmo assim, a ciência atual já
alcançou o ponto máximo da visão materialista - o que a faz
encontrar-se a um passo do Reino lmaterial, que corresponde ao
Mundo Espiritual. Porém, os meios científicos se defrontam com
um enorme muro pela frente, bem difícil de ser transposto, já
que, além do Reino Imaterial, existe ainda um mundo quase igual
a nada que, inclusive, não tem condições de ser revelado pela
ciência materialista.

O físico nuclear Hideki Yukawa, laureado com o Prêmio


Nobel, foi o primeiro a anunciar a existência teórica do méson18 -
teoria confirmada experimentalmente por acaso, quando outros
cientistas, ao fotografarem raios cósmicos, encontraram
gravadas em suas chapas algumas partículas elementares, que
constataram como mésons. E foi dessa forma que a teoria de
Yukawa pôde ser comprovada pela física experimental. Agora, o
que venho pregando é a existência teórica de uma ciência divina
cuja aplicação possibilita a obtenção de efeitos prodigiosos na
cura de enfermidades. E comprovações de ordem prática
complementam minha tese teórica, tornando-a, portanto, uma
ciência divina de caráter experimental. Dessa forma, aqui
também nos encontramos diante de uma descoberta científica.

O ponto máximo já alcançado pela ciência materialista até


hoje é o que diz respeito aos conhecimentos teóricos relativos ao
18
Méson: cada uma das partículas elementares, que pertence ao conjunto de hádrons, de
spin inteiro e carga elétrica neutra, positiva ou negativa. (Dicionário Houaiss da língua
portuguesa. 1ª ed., Rio de Janeiro: Objetiva, 2009).

87
O Tempo Chegou!

uso da energia nuclear. Assim, podemos dizer que a descoberta


de um Reino próximo a esse, isto é, de um Reino lmaterial,
representa o alcance de um extraordinário progresso sob o ponto
de vista científico. E esse Reino a que me refiro significa
justamente o elo entre ciência e espírito, o que quer dizer que
este Ensinamento preenche o espaço intermediário existente
entre os mundos científico e divino.

Só que esse misterioso espaço intermediário tem sido um


enigma indecifrável que desafia cientistas, filósofos e religiosos.
Porém, aqui é desvendado, finalmente, o próprio alvo tão visado
pelos intelectuais que buscavam a Verdade, e que a tinham no
fundo dos próprios corações - fato que leva à concretização
desse ideal tão longamente sonhado por eles. E muitos devem
ter previsto que, com o progresso alcançado pela civilização, um
dia, o homem seria capaz de conhecer essa região envolta em
mistérios. Porém, a maioria deve ter pensado que tal
conhecimento seria alcançado por progressos obtidos pela
ciência materialista. Só que, surpreendentemente, enganaram-se
em suas previsões, pois essa descoberta coube a um religioso.

De qualquer modo, o importante mesmo é aplicá-Ia em


prol da humanidade toda, caso contrário, ela não teria o menor
sentido. Inclusive, tal fato não se encontra fora da realidade, pois
cerca de 90% dos doentes obtiveram a cura absoluta de suas
enfermidades, o que lhes possibilitou o prolongamento da própria
vida.

A descoberta a que me refiro trará benefícios incalculáveis


à humanidade e, após ser amplamente divulgada, provocará uma
grande transformação na civilização atual, marcando um início
sem precedentes na história humana. E afirmo categoricamente
que, ao chegarmos a esse ponto, não haverá mais distinção
entre ciência e religião, pois nos defrontaremos com a ciência e a
religião, concomitantemente. Essa será a época da verdadeira
civilização, aquela jamais experimentada e nem sequer

88
O Tempo Chegou!

imaginada antes pela humanidade. A seguir, examinarei a


relação existente entre os mundos imaterial e material.

89
O Tempo Chegou!

16 - A Primazia do Espírito sobre a Matéria

O ser humano é constituído por dois elementos principais,


que se encontram unidos um ao outro de modo inseparável:
corpo e espírito. Por ser material, o corpo é visível. No entanto, o
espírito é invisível e, por essa razão, geralmente, não tem sido
bem compreendido, apesar de sua existência ser tão certa
quanto a do corpo físico.

Mesmo que o espírito corresponda a um corpo etéreo,


existem meios para podermos percebê-Ia. Assim, do mesmo
modo como o corpo físico encontra-se no ar, o espírito situa-se
no Mundo Espiritual, que é um corpo transparente, muito mais
rarefeito que o ar, e com o qual não pode ser comparado, em
hipótese alguma. Por isso, é até compreensível que tenha sido
considerado como nada. No entanto, é justamente o Mundo
Espiritual a fonte de onde tudo se origina. Inclusive, é nele que se
encontra armazenada uma energia absoluta e invisível capaz de
gerar e desenvolver tudo aquilo que concebemos como existente.

A essência do Mundo Espiritual se dá pela integração


perfeita entre os Espíritos do Sol, da Lua e da Terra - e trata-se
de um mundo misterioso que se encontra além do alcance de
nossa imaginação.

A questão é que o ser humano, ao desempenhar funções


que lhe cabem, acaba acumulando nuvens, no espírito, de modo
idêntico a como acumula sujeiras no corpo físico.

Semelhantemente a um banho capaz de nos livrar das


sujeiras acumuladas em nosso corpo físico, uma ação
purificadora natural tem por finalidade limpar as impurezas
contidas em nosso corpo espiritual - ocorrência essa que atinge
não só o homem, mas também tudo o que existe entre o Céu e a
Terra. Por exemplo: em casos de acúmulo de impurezas no
corpo espiritual da Terra, a própria Natureza se encarrega de

90
O Tempo Chegou!

concentrá-Ias em um determinado lugar para, posteriormente,


Iimpá-las mediante a queda da pressão atmosférica, que nada
mais é do que uma atividade purificadora natural. Assim sendo,
tempestades, enchentes e incêndios, sejam os deflagrados por
raios ou os provocados pelo próprio homem - também se
constituem em atividades purificadoras. E de modo análogo a
esse, processam-se todas as demais ações purificadoras que
atingem o ser humano.

ALMA

MENTE

CORPO ESPIRITUAL

As impurezas que se acumulam no espírito do homem


assemelham-se a nuvens - e são justamente tais nuvens que
formam a parte opaca do espírito, pois ele, em sua essência, é
um corpo transparente. São duas as maneiras pelas quais são
criadas as nuvens espirituais: 1ª: surgem no próprio espírito; 2a:
podem se refletir do corpo para o espírito.

Em primeiro lugar, vou me deter em explicações que


dizem respeito à parte espiritual. Verticalmente, o homem é
constituído por três níveis concêntricos distintos; horizontalmente,
essas três camadas concêntricas podem ser imaginadas da
seguinte forma:

A alma, naturalmente, corresponde ao centro do círculo e,


pela Lei da Natureza, quando um ser humano é concebido neste
mundo, a alma, que procede do homem, é instalada no ventre da
mulher. Como se sabe, a alma, por si só, corresponde a um
pontinho infinitesimal. Só que cada alma tem individualidade
própria e exerce absoluto controle sobre a pessoa no decorrer de
sua vida terrena.

A alma é envolta e protegida pela mente que, por sua vez,

91
O Tempo Chegou!

é envolvida pelo espírito - que preenche o corpo inteiro e, por


isso, apresenta forma idêntica à do corpo físico. Como espírito e
corpo encontram-se unidos um ao outro, o estado da alma,
através da mente, se reflete no espírito, ao mesmo tempo em
que, também através da mente, o estado de espírito se reflete na
alma. Assim sendo, alma, mente e espírito encontram-se inter-
relacionados, podendo ser considerados uma trindade.

No decorrer de sua existência terrena, o ser humano


pratica tanto o Bem quanto o Mal. Porém, quando as ações do
Mal superam as do Bem, daí decorrem pecados e máculas, que
acabam anuviando a alma - e são justamente essas as nuvens
que encobrem a mente e, a seguir, o espírito.

Contudo, quando o acúmulo de nuvens espirituais


ultrapassa um certo limite, surge então uma ação purificadora
espontânea para dissolver e eliminar essas nuvens. Só que,
antes de esse processo ter início, nuvens esparsas se
acumulam, paulatinamente, em um ou mais pontos do corpo
espiritual, onde irão se tornar densas e com pouco volume, até
chegarem a solidificar. O mais interessante, porém, é que as
áreas em que ocorrem condensações de nuvens espirituais
correspondem a pecados peculiares cometidos. Por exemplo:
nuvens espirituais se condensarão nos olhos de quem pecou
com os olhos; na cabeça ou no peito de quem pecou com a
cabeça ou com o peito.

Agora, esclarecerei a segunda parte do assunto em


questão. Aqui, de modo inverso ao que ocorreu na primeira parte,
as nuvens vão se refletir do corpo para o espírito e, nesse caso,
o que ocorre é que, inicialmente, surgem impurezas no sangue,
ou seja: ele se torna impuro - o que acaba se refletindo no
próprio espírito, em forma de nuvens. E de forma idêntica à que
relatei no caso anterior, as nuvens que se formarem vão ficar
concentradas em um ou em mais pontos - locais esses em que
se tornarão densos.

92
O Tempo Chegou!

O sangue é a materialização do espírito e o espírito, a


espiritualização do sangue. Portanto, pode-se concluir que o
espírito é igual ao corpo. Só que, pela Lei de que "O Espírito
precede a Matéria", o espírito vem a ser o principal, enquanto
que o corpo é o secundário - e essa é a razão que esclarece por
que ocorre um incessante processo de acúmulo e de
solidificação de toxinas no corpo físico. No entanto, ao serem
dissolvidas por ações purificadoras, tais toxinas liquefazem-se
para, posteriormente, serem eliminadas por determinadas partes
do próprio corpo físico - processo que gera dores e desconfortos
e que, justamente em decorrência disso, passou a ser
considerado "doença".

Mas o que leva à produção de sangue impuro no


organismo? Por mais surpreendente que possa parecer, são os
medicamentos prescritos - que, aliás, ocupam lugar de honra nos
tratamentos médicos. Inclusive, não existe neste mundo nada
que possa ser chamado de remédio. Todos eles, na verdade, não
passam de venenos - o que pode ser devidamente comprovado
pelos fatos. Quando alguém começa a receber tratamento
médico, os próprios medicamentos prescritos acabam
prolongando, ou até mesmo agravando a enfermidade - isso
quando não trazem ainda outras complicações mais. E o sangue
impuro produzido por remédios acaba se refletindo no espírito,
sob a forma de nuvens, que passam, dessa forma, a ser a
própria causa das doenças contraídas. Consequentemente, são
os próprios métodos de cura empregados pela medicina atual os
grandes causadores de enfermidades.

Já vimos que, pela Lei divina, o espírito é o principal e o


corpo, secundário. Assim sendo, quando eliminamos as nuvens
do espírito, nosso sangue se torna puro, decorrendo daí a cura
absoluta de enfermidades. E o método de que me utilizo para a
cura de doenças consiste justamente na aplicação desse
princípio a que denominei "Johrei" - e cujo objetivo vem a ser a
purificação do espírito, o que acaba resultando na cura definitiva

93
O Tempo Chegou!

de doenças. No entanto, a medicina progrediu ignorando


totalmente o espírito, tomando apenas o corpo físico como seu
objeto de estudo, o que, em última análise, resulta apenas na
recuperação temporária da saúde.

Na verdade, os tratamentos médicos não chegam a


alcançar a cura definitiva das doenças. Um paciente submetido a
alguma cirurgia pode até aparentar estar plenamente curado,
mas ainda que não haja recorrência de sua enfermidade,
apresentará outra moléstia, inevitavelmente. A apendicite, por
exemplo, não será recorrente depois de removido o órgão
afetado, mas o paciente submetido ao processo cirúrgico estará
facilmente propenso a apresentar adenite, moléstias nos rins, ou
mesmo em áreas adjacentes a eles. Isso porque, a despeito da
remoção do apêndice, as nuvens que se formaram
permanecerão e, além do mais, a introdução de novos
medicamentos levará ao aumento das impurezas já contidas no
sangue, que produzirá novas nuvens. E essas, acrescidas às
nuvens já preexistentes, vão mudar de lugar, ocasionando
moléstias em outras áreas do corpo do paciente citado aqui como
hipótese.

Vejamos agora as alterações que o sangue impuro pode


sofrer. Por meio de uma purificação incessante, o sangue impuro
torna-se cada vez mais denso até que haja uma alteração das
próprias células sanguíeas que, ao produzirem o aumento do
número de glóbulos brancos, darão origem à formação de pus.

Mas, ao ocorrer uma mistura de pus com sangue, ainda


nos encontramos só a meio caminho desse processo final de
transformação sanguínea. Numa etapa mais avançada, os
glóbulos brancos já terão se convertido totalmente em pus - e é
justamente por isso que o catarro de um tuberculoso, por
exemplo, frequentemente, ocorre misturado com sangue,
processo a que a medicina denomina "fagocitose”.

94
O Tempo Chegou!

17 - O mal causado pelos remédios

Como já expliquei anteriormente, as falhas ou pecados do


ser humano criam máculas na alma, sendo que tais impurezas,
através da mente, acabam gerando nuvens no corpo espiritual.
Então, para que possam ser eliminadas, surgem as doenças - e
daí não existir outro modo de curá-Ias, senão a ocorrência de
purificações.

Desde o início do surgimento de moléstias, foram criados


meios para se procurar aliviar os sofrimentos que elas geram.
Assim, Hipócrates - no Ocidente - e Shinnou 19 - no Oriente -
deram início à medicina que se valia de drogas ou ervas para
trazer alívio temporário aos doentes. Portanto, foi nessa época
que o equívoco do emprego de remédios começou a nascer.
Pensou-se que esse seria o meio de se chegar à cura de
doenças, já que o emprego de medicações levava ao
desaparecimento dos sintomas criados por enfermidades.

Contudo, tal conceituação era condizente com o nível de


inteligência humana desse período. Embora a capacidade de
entendimento do homem tenha evoluído muitíssimo dessa época
para cá, no que diz respeito à medicina, ainda hoje permanece
essa mesma manifestação de ignorância de tempos atrás - o
que, de fato, é um comportamento bastante estranho!

No entanto, chegou o momento de agradecer, pois, devido


ao meu nascimento, tornou-se possível dar solução ao problema
das doenças - motivo de tanta infelicidade para os seres
humanos. E em consequência do conhecimento das verdadeiras
causas geradoras das enfermidades, a civilização passará então
por uma mudança de 180 graus, surgindo daí o tão desejado
mundo ideal, onde a humanidade passará a viver livre de toxinas.

Até agora, as pessoas continuam tomando remédios e,


19
Shinnou: fundador do kanpoo, no Oriente. (N. T.)

95
O Tempo Chegou!

devido a isso, encontram-se contaminadas e viciadas neles - e


qualquer medicamento contém toxinas que, ao serem ingeridas,
acumulam-se no corpo, gerando, consequentemente, toda
espécie de doenças. Entretanto, a medicina parte do princípio de
que as impurezas contidas em nosso organismo são eliminadas
naturalmente, com o passar do tempo - o que é um grande
engano! Para exemplificar esse fato, vou citar uma experiência
pessoal.

Há 36 anos, extraí um dente e, nesse procedimento, foi


usado no local da extração um antisséptico. A partir daí, comecei
a sofrer dores terríveis e, na tentativa de amenizá-Ias, passei a
fazer uso de remédios, mas sem obter qualquer resultado
satisfatório.

E à medida que as dores tornavam-se mais intensas, eu


saía em busca de outros dentistas famosos. Mesmo assim, não
foi encontrada nenhuma solução para o meu caso, o que me
levou a pensar que jamais ficaria curado. Vocês podem imaginar
o quão terrível foi essa situação? Para completar, acabei
extraindo mais quatro dentes - mas nada de a dor aliviar. E além
disso, toxinas começaram a atingir o meu cérebro, levando-me
ao ponto de quase enlouquecer de tanta dor. Cheguei até a
pensar em suicídio!

Só que, apesar de tantos sofrimentos, não fui abandonado


pelo Alto. Inclusive, cheguei a descobrir que tudo o que passei foi
consequência do uso de remédios. Foi então que acabei
deixando de recorrer a dentistas, e daí fui melhorando - o que me
levou a chegar até aqui. Porém, o mais impressionante é que, até
hoje, ainda sinto um pouco de dor, apesar de todos os dias
ministrar autojohrei - o que torna evidente que, mesmo passados
alguns anos, as toxinas não desaparecem definitivamente, pois
os medicamentos, uma vez ingeridos, não se extinguem no
organismo.

96
O Tempo Chegou!

Mas por que ocorre tal fato? É que, na verdade, o corpo


físico só digere aquilo que pode ser aceito por ele e, uma vez que
remédios são elementos estranhos ao corpo humano, nunca
serão absorvidos por nosso organismo. Além do mais, os
medicamentos acabam apodrecendo no corpo, transformando-se
em toxinas. Aliás, foi exatamente por isso que Deus, ao criar o
ser humano, legou-lhe não só os alimentos adequados para
consumo, mas também todas as condições necessárias para que
fossem obtidos da própria Natureza - o que levaria o homem a
viver feliz. O Criador legou ainda uma força especial ao solo, ao
mar e aos rios, além de também colocar na Terra todos os
vegetais e minerais necessários à sobrevivência da espécie
humana.

Deus proporcionou a Suas criaturas um Universo


esplêndido com ar, sol, lua e estrelas, justamente para que
usufruíssem do maior bem-estar possível. Portanto,
absolutamente nada foi esquecido pelo Criador e, devido ao fato
de haver alimentos que o ser humano não deve digerir, Deus
também conferiu ao homem o dom do paladar. Dessa forma, o
poder divino colocou sabor nos alimentos para que Suas
criaturas fizessem uso da mais adequada escolha alimentar.

Complementando o Seu trabalho de Criação, Deus


determinou a existência de uma enorme variedade de produtos
alimentícios visando não somente a própria saúde humana, mas,
inclusive, a mais perfeita adaptação do homem ao ambiente em
que iria viver - e exatamente por isso é que cada região tem
alimentos característicos.

Além do mais, ao criar o corpo humano, Deus concedeu-


lhe a capacidade de ter determinadas sensações. Assim sendo,
caso haja necessidade orgânica de se consumir sal ou açúcar,
teremos vontade de comer especificamente comidas doces ou
salgadas - dando-se o mesmo em relação à necessidade de
ingerirmos líquidos. Sentimos sede quando existe carência de

97
O Tempo Chegou!

água em nosso organismo. Portanto, a natureza humana, em sua


própria origem, foi dotada da possibilidade de ter desejos; de
sentir vontades.

Nosso sistema digestório também funciona dentro de


limites adequados, ou seja: tudo o que nos for permitido comer
será facilmente digerido por nosso organismo. Em compensação,
elementos estranhos a ele, como medicamentos, por exemplo,
permanecerão intactos, até chegarem a apodrecer em nosso
corpo, transformando-se em toxinas.

Entretanto, ao atingir esse nível, nosso corpo físico sentirá


necessidade de eliminar tais impurezas - e nesse exato ponto
realizar-se-á uma ação purificadora a que denominamos
"doença". Daí concluir-se que, em última instância, a causa
principal das enfermidades encontra-se na ingestão de remédios.
Por sua vez, são os próprios remédios os responsáveis por gerar
os sintomas mais comuns das enfermidades em geral. Assim, por
exemplo, catarro, suor, pus e sangue impuro têm sua origem na
transformação de medicamentos em toxinas. Daí podermos
concluir que não há no mundo mal mais terrível do que o uso de
medicamentos.

98
O Tempo Chegou!

18 - Consequências da interpretação equivocada sobre a


causa das doenças

Devido ao desconhecimento quanto à verdadeira causa


das enfermidades que acometem o ser humano, até agora, o
homem vem tentando obter curas valendo-se do uso de
medicamentos. Entretanto, como resultado desse procedimento,
temos o crescente aumento de novas e estranhas moléstias, que
agravam ainda mais o sofrimento humano - e não existe
realidade mais absurda que essa. Mas como é possível que um
engano assim tão evidente não seja perceptível?

Dessa feita, só o fato de ser anunciado ao mundo esse


ponto equivocado já constitui um grande passo para a salvação
da humanidade. Se médicos e outros profissionais ligados à área
da saúde voltassem suas observações para o quanto os
remédios são perniciosos - além de não curarem ninguém - iriam
ter a mais absoluta certeza de que falo a verdade.

Com o que expliquei até aqui, também já é possível


entender-se o motivo pelo qual, no decorrer de séculos, o ser
humano sofreu, justamente em decorrência dessa interpretação
errônea relativa à causa das doenças - visão distorcida que
acabou levando ao aparecimento de outras espécies de
enfermidades. Além do mais, tal equívoco se constitui na origem
não só da própria pobreza, mas também dos conflitos que tanto
afligem o nosso mundo. E eis o porquê do entendimento de que
jamais nascerá a verdadeira civilização, caso tamanho erro de
interpretação quanto ao uso de remédios não venha ser
corrigido.

Comparando-se o homem de hoje ao dos tempos


primitivos - quando não se fazia uso de medicamentos - pode-se
perceber, com clareza, que nos dias atuais as pessoas,
indiscutivelmente, são mais fracas. Em certidões e outros
registros, fica bastante claro que era comum as pessoas

99
O Tempo Chegou!

ultrapassarem os cem anos na época em que não se usava


qualquer espécie de remédios. Eu mesmo não acreditava na
famosa biografia de Sukune Takeuchi, onde se dizia ter ele
alcançado 306 anos de idade. Entretanto, há lguns dias, lendo
um livro a respeito da árvore genealógica da família Takeuchi,
acabei constatando ser essa história, realmente, verdadeira.
Inclusive, aIguns ancestrais dessa família chegaram a atingir 349
anos; outros, 320 ou 310; Sukune, membro da 4ª geração, viveu
pouco mais de três séculos. Para melhor compreensão a esse
respeito, é bom que saibam que a família Takeuchi viveu há mais
de 2.000 anos, portanto, num período anterior à introdução do
método kanpoo.

Em registros antigos do Japão, consta que, até o século VI


a.C., imperadores dessa nação - inclusive o primeiro deles,
Jinmu - chegaram a alcançar idade superior a 100 anos.
Recentemente, tanto nos Estados Unidos quanto no Japão, nota-
se um aumento na expectativa média de vida da população,
aspecto que vem trazendo alívio geral. Posteriormente, abordarei
essa questão para a qual até existe uma explicação lógica que,
contudo, independe dos progressos alcançados pela medicina.
De qualquer modo, o ponto mais importante neste momento é se
ter consciência de que a causa de todas as enfermidades advém
do uso de medicamentos.

Assim sendo, dores, coceiras, febre e mal-estar - sintomas


manifestos comumente em doenças - decorrem da utilização de
remédios e, quanto a isso, não existe a menor margem de erro
nessa afirmação, segundo minhas experiências nesse sentido.
No que diz respeito a toxinas hereditárias, causadoras da varíola,
coqueluche, sarampo e de outras tantas enfermidades, também
advêm do emprego de inúmeras drogas. Daí a dificuldade em se
achar, levando-se em consideração um grupo de dez pessoas,
uma sequer que se encontre absolutamente isenta de qualquer
espécie de doença - o que quer dizer que todas apresentam, pelo
menos, uma moléstia em especial.

100
O Tempo Chegou!

Também nas famílias como um todo chega a ser quase


que impossível um de seus membros não se encontrar doente.
Na grande maioria dos casos, para cada grupo familiar, há
sempre uma ou duas pessoas obrigadas a se dirigir a hospitais
para se submeter a tratamentos médicos. Mais raro ainda é
encontrarmos alguém que não tome absolutamente nenhum
remédio.

E justamente por ter tanto temor a doenças é que o


homem moderno acabou levando seu próprio organismo a se
tornar extremamente frágil. Além do mais, o uso de uma
quantidade tão grande de medicamentos gera não só o próprio
enfraquecimento crescente da saúde, mas também a perda da
tranquilidade, já que a pessoa é obrigada a empreender, muitas
vezes, um esforço enorme para obter os recursos financeiros de
que necessita para manter os tratamentos a que está se
submetendo - e nada é mais inútil do que uma atitude dessas!

Como todas as minhas ideias aqui expostas poem ser


comprovadas através de mera observação, pode-se afirmar que
só será possível ocorrer a diminuição do número das
enfermidades que acometem o ser humano no momento em que
os homens conseguirem jogar fora todos os remédios, abolindo
completamente o seu uso. Em contrapartida, em questão de uns
dez anos, os efeitos positivos dessa corajosa atitude já se farão
notar. E daí então dar-se-á, efetivamente, o início da
concretização de um mundo isento de doenças.

101
O Tempo Chegou!

19 - Transição da Noite para o Dia no Mundo Espiritual

Quando se fala sobre transição, o ponto mais importante a


ser considerado é a grande passagem da Noite para o Dia, ou
seja, a conversão da Noite em Dia. Abordar esse assunto pode
até parecer um pouco estranho, pois o comum é todos pensarem
em dia e noite como o espaço de tempo que ocorre no
transcorrer do período correspondente a um dia. Quanto a isso
não restam dúvidas, porém, quando falo sobre passagem, estou
me referindo à transição da Noite para o Dia no Grande Cosmos
- e só ao termos conhecimento desse fato é que se torna
possível aceitar o quanto de mistério ele envolve, um mistério tão
grande, que a inteligência humana não é capaz nem sequer de
imaginar! Trata-se de um mundo onde até é possível captarmos
acontecimentos que só virão a ocorrer futuramente.

Como já mencionei antes, o Grande Cosmos é composto


por três diferentes níveis: Mundo Material, Mundo Volátil 20 e
Mundo Espiritual. A ocorrência de dia e noite relativos ao Mundo
Material pode ser determinada através dos nossos próprios
sentidos e, no caso do Mundo Volátil, por meio de experimentos
ou de aparelhos especiais. Contudo, no que diz respeito ao
Mundo Espiritual, Dia e Noite são intangíveis; não são passíveis
de determinação, e daí nossa dificuldade em acreditar em sua
existência, mesmo que possamos ler bastante a esse respeito.
Até eu, se não tivesse a mais plena certeza sobre Deus, também
me encontraria em patamar idêntico aos demais. Entretanto, no
meu caso especificamente, tenho uma grande missão a cumprir,
o que deixa bastante claro por que mantenho tão íntimo
relacionamento com Deus e tanta certeza assim sobre tudo o que
acontece no Mundo Espiritual.

Então, vejamos: semelhantemente à existência do dia e da


noite no transcorrer de um dia todo aqui no Mundo Material, lá no

20
Mundo Volátil: um mundo composto pelo ar que, como sabemos, tem existência própria,
apesar de invisível. (N. T.)

102
O Tempo Chegou!

Mundo Espiritual, também temos a ocorrência de dias e noites


que se alternam, só que, nesse caso, essa alternância
corresponde a períodos de 10, 100, 1.000 ou de 10.000 anos. E
cada vez que acontece uma transição dessa espécie no Mundo
Espiritual, tal fato se reflete diretamente aqui no mundo em que a
humanidade habita. O fator tempo, no Mundo Espiritual,
apresenta uma precisão absoluta. Entretanto, em relação aos
seus reflexos que se fazem sentir aqui no Mundo Material,
existem diferenças em termos de tempo a serem consideradas.
Não existe uma correspondência temporal imediata e precisa no
que diz respeito a datas quando comparamos o Mundo Material
com o Mundo Espiritual.

Com base nesse conhecimento, ao se observar a longa


história da humanidade, é possível notar mudanças pequenas,
médias ou maiores quanto à ocorrência de determinados fatos - e
encontramo-nos agora diante de um momento correspondente ao
ponto principal de uma grande transição que se dará aqui no
mundo terreno. Na verdade, tal transição até já começou, e seu
marco inicial deu-se em 15 de junho de 1931, sendo que o
término dessa sua primeira fase dar-se-á em 15 de junho de
1961. Temos, portanto, aí um período que abrange o decorrer de
30 anos.

Para os seres humanos, tal espaço de tempo pode ser


considerado um período relativamente longo, mas, tratando-se
do Plano de Deus no Grande Cosmos, isso corresponde a, mais
ou menos, um segundo. Inclusive, aqui no Mundo Material, esses
30 anos não têm por característica mudanças muito drásticas.
Claro que não estou dizendo que não vá haver avanços. Porém,
se darão paulatinamente. Somando-se 30 anos a esse período
inicial do Plano de Deus, obtemos um total de 60 anos como
resultado - e esse vem a ser justamente o tempo necessário não
só para a preparação dessa grande transição, mas também para
os arranjos finais que se fizerem indispensáveis após a sua fase
inicial de efetivação.

103
O Tempo Chegou!

Mas qual o significado dessa mudança? Até agora, o


Mundo Material estava atravessando um período correspondente
à Noite, tendo a Lua como seu governante. Porém, eis que,
finalmente, tem início a Era do Dia, caracterizada pela vinda aqui
à Terra de dois homens santificados, sendo que um deles é
Sakiyamuni.

Ao completar 72 anos, Sakiyamuni atingiu o grau de


kenshinjitsu. Entretanto, logo no dia seguinte a isso, mostrava-se
bastante melancólico, fato que chamou a atenção de um de seus
discípulos – Ananda - que, dirigindo-se ao Mestre, perguntou-lhe:
"O senhor aparenta estar bastante triste hoje. Está preocupado
com o quê?" Sakiyamuni então deu-lhe, imediatamente, a
seguinte resposta: "Criei a Lei búdica como missão de minha
parte no aspecto de salvar todos os povos - e vou continuar me
esforçando nesse sentido. Porém, hoje, através do Grande Buda,
coisas que vão além da imaginação me foram reveladas. Dessa
forma, chegará o tempo da extinção da própria Lei búdica - e foi
justamente isso que me levou a ficar assim tão decepcionado. Ao
atingir o kenshinjitsu, acabei entendendo que existem erros - e
não são poucos - nos Sutras pregados por mim até agora. Mas, a
partir de hoje, passarei a pregar a Verdade, para que vocês
venham a alcançar o shokaku21!".

Os Sutras que mostram a essência da Lei búdica


correspondem aos 28 capítulos do Hokekyo (Sutra da Flor de
Lótus), ao Hometsujinkyo (Sutra da Extinção da Lei búdica) e ao
Miroku-Shutsujin-Seijukyo (Sutra do Surgimento de Miroku).
Todavia, foi Nichiren quem fez essa descoberta de que as
pregações de Sakiyamuni, antes de ele atingir o kenshinjitsu, não
correspondiam fielmente à Verdade. Foi quando então Nichiren
passou a pregar, com muita força e coragem, só o Hokekyo
(Sutra da Flor de Lótus), invalidando, portanto, todos os demais
Sutras de Sakiyamuni. No entanto, Nichiren não podia criticá-los
assim tão franca e abertamente e, por isso, suas explicações se
21
Shokaku: despertar corretamente. (N. T.)

104
O Tempo Chegou!

voltaram mais para o significado desses 28 capítulos


componentes do Sutra da Flor de Lótus (Hokekyo).

Nesse Sutra, o capítulo 25 diz respeito a Kannon - e


justamente nesse ponto é que são feitas referências ao Grande
Mistério. O que quer dizer "Hokekyo"? Seu significado é "Flor da
Lei búdica", ou seja, seria necessário haver uma florada final da
Lei búdica. Tal execução ficaria a cargo de Nichiren, sendo que o
Japão seria o local dessa ocorrência. Era nisso que Nichiren
acreditava, e esse foi justamente o ponto que o levou a
revalorizar o Sutra da Flor de Lótus pelo Japão inteiro,
independentemente de obstáculos e perseguições que pudesse
vir a sofrer - e ele tinha a mais absoluta convicção disso.

Como já mencionei antes, a Lei búdica, originalmente, é


um ensinamento lunar. Os ensinamentos búdicos são yin,
portanto, pertencentes ao que diz respeito a "feminino". O próprio
Sakiyamuni admitiu ser um homem de espírito feminino - o que
significa dizer que pertencia ao Mundo Lunar. Conclui-se daí que
o que Nichiren praticou encontrava-se absolutamente fora dos
padrões budistas vigentes em sua época.

Quando Nichiren chegou ao término do seu próprio


aprimoramento, escalou a Montanha Kiyosumi, em Abo. Estado
de Chiba, local de seu nascimento. Nessa montanha, a leste, no
sentido do nascer do Sol, entoou em voz alta cinco sílabas: Myo-
Hoo-Ren-Ge-Kyo - e só a partir desse momento deu início,
finalmente, à divulgação do Sutra Hokekyo. Esse episódio é
bastante famoso, porque, até então, todas as demais escolas do
budismo rezavam as seguintes sílabas: Na-Mi-Amu-Da-Bu-Tsu.
No entanto, Nichiren também costumava entoá-Ias - o que é
bastante significativo, já que 5 corresponde a Sol e 6, a Lua.

Como todos sabem, até esse momento, o Budismo, no


Japão, tendia para yin e, só a partir das pregações religiosas de
Nichiren, é que passou a manifestar uma força yang, com o Sutra

105
O Tempo Chegou!

entoado em voz alta, ao som das batidas do tambor Taiko, todo


enfeitado de flores - o que tornava tudo muito animado.
Realmente, foi Nichiren quem conseguiu levar o Sutra do Lótus
Branco a florescer. No entanto, os próprios seguidores do
Budismo diziam que a Flor búdica dura só uma geração, pois,
após florescer, perde suas pétalas. Trata-se de um período muito
bom, só que de curta duração - e precisamente nesse ponto é
que reside o mistério dos 28 capítulos do Hokekyo.

O número 28 manifesta a correspondência relativa a 28


estações da Lua. O Sutra que faz referência a Kannon encontra-
se no capítulo 25 do Hokekyo, então temos a seguinte
correspondência: 5 X 5 = 25. O número 5 é Sol e, nessa
acepção, significa o surgimento do Sol, o que quer dizer que do
Mundo Búdico da Lua é que se deu o nascer do Sol, ou seja: foi
no tempo espiritual mais profundo da Noite que os primeiros raios
da Aurora começaram a brilhar.

É interessante notar que todas as escolas búdicas tiveram


origem no Oeste. Dessa forma, a única que surgiu no Leste foi a
de Nichiren. Além desse ponto, devemos lembrar que o Monte
Kiyosuni, na cidade de Abo, localiza-se bem no extremo leste do
Japão - aspecto que, em sua própria concepção, envolve um
misterioso segredo. Dessa feita, tal local corresponde à segunda
dimensão do Mundo Espiritual - exatamente o ponto terrestre em
que teve início o Mundo da Era do Dia. Até cheguei a escrever
anteriormente sobre esse tema. Dessa forma, vocês poderão ler
a respeito.

Portanto, necessariamente, como segunda etapa, seria


preciso que a Flor búdica florescesse no Japão. Caso contrário, o
nascimento do fruto não poderia se dar - e esse é justamente o
aspecto que envolve o grande significado oculto relativo a esse
tema. O fruto ao qual me refiro aqui diz respeito ao Mundo do
Aspecto Verdadeiro, e a semente de tal fruto é trabalho de
Nyoirin Kannon. Como sempre digo, Kannon é Miroku do Sol,

106
O Tempo Chegou!

Amita, Miroku da Lua e Sakiyamuni, Miroku da Terra. Portanto,


esses três Budas é que formam os três Miroku. Amita e
Sakiyamuni deveriam cumprir a missão que lhes cabia no
período correspondente ao Mundo da Noite. Kannon, entretanto,
deveria manifestar seu poder logo no início do Mundo do Dia.
Esse Plano já havia sido profetizado anteriormente na antiga
Índia, local de origem da Lei búdica.

Em seu início, nossa Igreja caracterizou-se como uma


religião de Kannon, no Japão. Eu até costumo desenhá-lo como
uma imagem divina, em postura de prece - e acho que o corpo
espiritual de Kannon me acompanha sempre, justamente por
isso. Sakiyamuni e Amita são Nyorai, mas Kannon é Bodhisattva.
Portanto, dependendo da escola, Kannon chega a ser
considerado inferior a Amita e Sakiyamuni. No entanto, a
revelação a que me referi há pouco não deixa margem para
equívocos. Devemos também lembrar que Kannon ascendeu,
tornando-Se Koomyoo Nyorai - posição em que mantém Seu
trabalho divino até hoje. Mas esse é um aspecto que todos os
membros da Messiânica já conhecem muito bem!

107
O Tempo Chegou!

20 - Chegada do Mundo de 5, 6, 7 e Extinção do Budismo

Sakiyamuni 22 fez uma profecia magnífica, em que dizia


que o Budismo seria extinto23 dentro de 5 bilhões e 670 milhões
de anos, contados a partir de sua época, e que, logo em seguida,
Bodhisattva Miroku 24 desceria aqui à Terra para estabelecer o
Mundo de Miroku - um mundo em que seria possível os corpos
se transportarem para lugares distantes milhares e milhares de
quilômetros. Mundo em que as pessoas obteriam o que
desejassem, sem que houvesse necessidade de terem de se
deslocar. Também se tornaria possível uns se comunicarem com
outros valendo-se apenas do próprio pensamento,
independentemente da distância que acaso os separasse.

Na época de Sakiyamuni, algo assim não era nem sequer


imaginado e, mesmo agora, ainda parece ser um mundo possível
apenas quando concebido em sonhos. Entretanto, é chegado o
momento de essa profecia de Sakiyamuni se tornar realidade; de
o Mundo de Miroku se materializar. Mas os budistas sempre
tiveram dúvida em relação a esse tempo profetizado para a
chegada do Mundo de Miroku: 5 bilhões e 670 milhões de anos,
contados a partir do período em que viveu Sakiyamuni. No
entanto, ao se refletir um pouco a esse respeito, é possível
compreender de imediato o que, realmente, essa profecia quer
dizer.

Como teria sido possível Sakiyamuni ter profetizado, em


termos absolutos, a concretização de um mundo num futuro
correspondente a 5 bilhões e 670 milhões de anos? Creio eu que
ele jamais teria feito uma profecia como essa, mesmo porque um
mundo idealizado num lapso temporal futuro de tamanha
magnitude não teria a menor utilidade de ordem prática. Muito

22
Sakiyamuni (566 - 486 a.C): foi o fundador do Budismo.
23
Tal profecia foi feita 2.500 anos atrás. (N. T.)
24
Miroku (ou Maitreya - o Buda do Futuro): usa-se o termo "Miroku" para designar o Deus
vivo, com individualidade e forma humanas. Corresponde à manifestação concreta de
Deus, que possibilitará o estabelecimento do Reino do Céu na Terra. (N. T.)

108
O Tempo Chegou!

menos, seria possível alguém sequer imaginar o que viria a


ocorrer com o próprio destino do globo terrestre num espaço de
tempo assim tão grande. Nessas condições, trata-se de algo
inconcebível! O que a profecia de Sakiyamuni quis, realmente,
mostrar é a sequência numérica 5, 6, 7. Como digo sempre, o
Mundo de Miroku é o Mundo do 5, 6, 7, cujo significado é o
seguinte: 5 é Sol; 6, Lua e 7, Terra - o que quer dizer que o
nosso mundo tem uma ordem correta, ao estar de acordo com
essa sequência numérica. Vou até deixar registrado por escrito o
significado mais profundo disso.

Até o momento, imperou o Mundo da Noite, já que o Sol


ainda não estava aparecendo no Céu. É claro que trata-se aqui
de um fenômeno que diz respeito ao Mundo Espiritual, mas
valendo-me de um pequeno exemplo sobre o globo terrestre, dá
para esclarecer melhor esse assunto. Durante a Noite, a Lua se
encontra no Céu, iluminando a Terra. Entretanto, devido ao
próprio movimento giratório da Terra, a Lua acaba se pondo no
extremo Oeste, ocultando-se na parte de trás do globo terrestre.
É quando o Sol se levanta no Leste, passando a brilhar no centro
do Céu - e essa é a configuração do Mundo da Era do Dia. Sol é
Espírito do Fogo; no meio entre o Céu e a Terra temos o Mundo
de Suiso25; a Terra continua sendo sempre a Terra26. A ordem da
sequência 5,6, 7, em palavras, significa "Mundo Diurno", ou seja:
o Sol, que não brilhava no Céu, agora passa a brilhar - e esse é
justamente o Mundo do 5, 6, 7.

Um dia, um dos discípulos de Sakiyamuni perguntou-lhe


em que consistia a essência do Budismo, e obteve a seguinte
resposta, em uma única palavra: "é shinnyo". Shinnyo significa
"Lua do Shinnyo" - o que deixa bem claro que, já naquela época,
o Budismo correspondia a um ensinamento de caráter lunar. O
termo" shinnyo", apesar de aparentar ser algo verdadeiro, na
realidade, não é - e esse é um ponto sobre o qual é necessário

25
Suiso: Espírito da Água.
26
Terra: Espírito da Terra.

109
O Tempo Chegou!

refletir.

Entretanto, no Sutra búdico fala-se muito em "jiso


shinnyo". Só que essas duas palavras têm significados opostos:
jiso quer dizer "verdade"; "Mundo da Era do Dia". Por outro lado,
shinnyo significa "Mundo da Noite". Então, a ordem correta seria
a palavra "shinnyo" vir em primeiro lugar, porque só a partir daí é
que seria possível nascer o Mundo de Jiso. E existe ainda um
outro aspecto semelhante a ser acrescentado: no Sutra, está
escrito "Sansen Daizen Sekai" - e isso também se encontra em
ordem inversa. Tanto é que eu até fiz a correção necessária na
Oração Zengen Sanji, invertendo os termos para "Daisen Sanzei
Sekai". "Sanzen Sekai" significa "Três Reinos", a saber: Reino
Divino, Reino Espiritual e Mundo Material. Ao reunirmos esses
três Reinos em um único, daí então é que teríamos "Daisen
Sekai".

大)27, e seu
O termo "Dai" se escreve da seguinte forma (大
significado corresponde a "uma só pessoa", ou seja, diz respeito
a Deus Supremo; governante único do mundo.

Posteriormente, Sakiyamuni também explicou que a Terra


é um local cheio de máculas; é uma casa pegando fogo; um
mundo repleto de sofrimentos. Em seguida, classificou os quatro
sofrimentos terrenos - nascimento, doenças, envelhecimento e
morte - acrescentando o seguinte: "todos os acontecimentos do
mundo são tão incertos e mutáveis, que até o próprio Mal se
torna capaz de extinguir as Leis existentes".

Complementando, disse também: "tudo é nada"; é


28
“vazio ". Dessa forma, sinteticamente, poderíamos dizer que o
significado de tais palavras é o seguinte: o sofrimento é algo

27
O ideograma 大 (= Dai) resulta da união de dois ideogramas: 一 (ichi = 1) e 人 (hito =
pessoa). (N. T.)
28
Vazio: segundo a concepção budista, refere-se à ausência absoluta de existência
inerente nas pessoas ou coisas. O vazio não é um estado ontológico (relativo ao ser em si
mesmo, em sua dimensão ampla e fundamental), pois é vazio de existência inerente.

110
O Tempo Chegou!

inevitável; o ser humano já nasce carregado de sofrimentos e,


mesmo que faça todas as tentativas para se livrar deles, não
contará com meios para isso. Portanto, o fundamental é resignar-
se. É inútil o ser humano ter desejos e sonhos grandiosos,
porque não conseguirá atingir um estado de tranquilidade plena
aqui na Terra. Nosso mundo é composto por trevas, e não
podemos enxergar nenhum centímetro à frente. Trata-se de um
mundo de ilusões e, independentemente de esforços e sacrifícios
para criarmos as coisas, no final, tudo se torna vácuo; nada tem
existência eterna. Assim sendo, todos os nossos apetites não
passam de sofrimentos temporários - e eis aí a importância da
resignação.

Segundo o Budismo, só a mais legítima resignação nos


possibilita o alcance da verdadeira tranquilidade - e esta vem a
ser a essência do próprio Budismo. Entretanto, tais palavras
descrevem o cenário característico do Mundo da Noite. Nesse
sentido, portanto, nosso mundo estaria assim configurado até o
advento do Mundo do Dia, o que nos leva a concluir que, até o
surgimento do Mundo de Jiso, nada mais restaria ao ser humano
a não ser esperar - e é justamente essa a mentalidade que ainda
vigora hoje.

111
O Tempo Chegou!

21 - A Origem do Budismo

Há tempos venho dizendo que, em essência, Bodhisattva


Kannon é Deus Izunome. Entretanto, o que precisamos
realmente saber é de onde se origina a base de um buda. São
duas as formas possíveis de se gerar um buda: na primeira, a
pessoa já nasce na condição de buda; na segunda, trata-se de
um deus, que depois se torna um buda.

Há dois mil e seiscentos anos, Buda (Sakiyamuni) 29


nasceu, na Índia. Até esse momento, nesse país, era o
Bramanismo que prosperava de forma extrema - e isso já vinha
ocorrendo há muito tempo. Entretanto, o Bramanismo não tinha
doutrina própria. Então, as pessoas procuravam atingir a
Verdade do Cosmos através de práticas de ascetismo30 - e até
hoje, pinturas e esculturas indianas mostram vários rakan 31
praticando diversas formas de ascetismo.

Um desses exemplos apresenta pessoas que sobem em


cima de árvores, ali permanecendo sentadas, meditando durante
anos a fio, como se vivessem em ninhos de pássaros. Inclusive,
nessa época, houve até um sacerdote conhecido pelo nome de
"Ninho de Pássaro" 32 . Outros ascetas costumavam manter um
pequeno modelo de torre sobre a palma da mão, procurando
sustentá-Io durante anos seguidos. De qualquer forma, isso
sempre provoca uma sensação meio estranha para quem vê uma
cena assim. Poderia citar ainda muitos outros casos, até bem
mais radicais do que esses, tais como o de pessoas que fixavam
vários pregos em tábuas para depois ali permanecerem
sentadas, em posição de Lótus. Imaginem que sofrimento devia
ser ficarem sangrando, sentadas sobre pregos que lhes furavam
as nádegas! Mas o aprimoramento adviria justamente da
29
Na mesma época em que Sakiyamuni viveu, todos os que conseguissem atingir a
iluminação eram considerados budas. (N. T.)
30
Ascetismo: práticas de mortificação, ou seja, flagelação do corpo através de penitências
ou jejuns, como meios para refrear desejos; tortura; maceração do corpo físico.
31
Rakan: aquele que procura a iluminação através do ascetismo. (N. T.)
32
Ninho de Pássaro: Torisu Zenshi. (N. T.)

112
O Tempo Chegou!

tolerância a esse grau de sofrimento - coisa que, nos dias de


hoje, fica até difícil sequer imaginar.

Um exemplo de um caso semelhante: durante nove anos,


Daruma Daishi 33 permaneceu sentado meditando, em frente a
uma parede de pedra, em posição de Lótus - o que deve ter sido
uma penitência terrível! Só que há uns 1.200 ou 1.300 anos, lá
na China, havia outra pessoa de nome idêntico, fato que gera
uma grande confusão, já que o Daruma Daishi que apareceu na
China foi quem se deslocou até o Japão, na época do Príncipe
Shotoku - que chegou a entrevistá-lo, inclusive. Eu mesmo vi o
registro autêntico desse encontro entre os dois.

Voltando ao tema de que tratava antes, por que será que


ascetas do Bramanismo se entregavam a práticas de ascetismo
assim tão difíceis? Justamente por acreditarem que, através
delas, chegariam a descobrir a Verdade do Cosmos,
semelhantemente ao caminho trilhado por aqueles que estudam
muito visando a obtenção de títulos e honrarias que lhes
possibilitem atingir maior status social.

Há mais um fato interessante sobre Daruma Daishi. Certa


noite, após nove anos de meditação, ao voltar seu olhar para a
lua cheia, Daruma teve a nítida impressão de que a luz da lua
iluminou seu coração de forma tão intensa, que ele,
imediatamente, atingiu a iluminação. Depois disso, sua alegria
chegou ao ponto máximo, e Daruma, então, passou a ser capaz
de responder, sempre com o mesmo kenshiniitsu34, a qualquer
pergunta que lhe fosse feita, mesmo as de alto teor de
complexidade. Com isso, se tornou alguém muito admirado,
principalmente por aqueles que, nessa mesma época, também
estavam em busca da Verdade.

33
Daruma Daishi: nasceu na Índia, tendo se deslocado posteriormente para a China, local
onde decidiu meditar por nove anos. (N. T.)
34
Kenshinjitsu: máximo grau possível de sabedoria a ser atingido por alguém. Quem chega
a esse nível consegue enxergar a realidade presente, passada e futura, podendo, então,
transcender a noção de tempo e espaço.

113
O Tempo Chegou!

Nesse período, de forma semelhante a Amatherasu


Ookami no Japão, a divindade mais respeitada na Índia era
Daijizai-Ten. Havia outras também, como, por exemplo,
Daikoomoku-Ten e Taishaku-Ten. São muitos os nomes, e isso
aparece em um mandala35 do Nichiren Shu36. Mas, seja como for,
é um equívoco afirmar-se que o Bramanismo estava em plena
expansão na sociedade indiana da época. Também nem seria
preciso dizer que foi justamente nesse período que,
repentinamente, surge Sakiyamuni Nyorai que, em sânscrito, é
conhecido por Tathagata 37 Sakiyamuni. Posteriormente, até
pretendo escrever algo a esse respeito.

Siddhartha Gautama38 foi um príncipe que, após o término


do próprio aprimoramento, deixou a montanha em que estava, já
na condição de "Grande Despertado". Adquiriu a Verdade do
mundo invisível e, dotado da mais ardente compaixão, fez seus
votos no sentido de salvar todos os povos. Então, a partir desse
tempo, o meio para se atingir a iluminação passou a ser a leitura
de Sutras - e foi exatamente isso que Shakuson 39 passou a
pregar. Tal fato provocou grande sensação na sociedade da
época, já que, até aquele momento, os meios reconhecidos para
se atingir a iluminação ainda eram os propostos pelo
Bramanismo - o que deixa claro por que tal revelação trouxe
tanta alegria assim para todos.

Dessa forma, a partir desse momento, tornou-se possível


chegar à iluminação através da leitura de Sutras, e não mais pela
utilização de práticas de ascetismo - como era usual até então.
Foi daí que o povo, dia após dia, passou a seguir as virtudes de

35
Mandala: em geral, o termo "mandala" designa um símbolo cósmico em que aparecem
imagens de círculos conêntricos e de algumas outras simetrias. Como instrumento de
contemplação, um mandala representa os estados purificados da mente de uma pessoa
que medita.
36
Nichiren Shu: religião Nichiren. (N. T.)
37
Tathagata: significa literalmente “a essência daquele que é o que é". Esse termo refere-e
à presença da semente da budeidade ou da natureza búdica no interior de todos os seres
sensíveis.
38
Siddhartha Gautama é Sakiyamuni.
39
Shakuson: outra denominação de Sakiyamuni. (N. T.)

114
O Tempo Chegou!

Sakiyamuni, o que gerou um aumento considerável no número


dos que se converteram ao Budismo. Então, finalmente, o
Budismo se expandiu por toda a Índia, e Sakiyamuni se tornou
objeto de crença do povo como "O Salvador da Índia" - e essa
vem a ser a verdadeira origem do Budismo.

A partir disso, a força do Bramanismo, na Índia, foi


diminuindo naturalmente, enfraquecendo pouco a pouco.
Contudo, o Bramanismo não se extinguiu de forma definitiva e,
até hoje, restam seguidores dessa religião que ainda mostram
muitos milagres. Inclusive, pesquisadores ingleses fizeram sérios
estudos nesse sentido. Eu mesmo tive a oportunidade de ler
alguns desses relatórios onde milagres fantásticos são descritos.

115
O Tempo Chegou!

22 - Izunome no Kami

Conforme mencionei no Ensinamento anterior, no período


em que o Bramanismo estava em franca expansão, a entidade
máxima dessa religião era Daijizai- Ten. Também como já disse
antes, foi justamente nessa época que divindades do Japão
antigo, sob a liderança de Izunome no Kami, partiram para a
Índia, vindo a se tornar keshin-butsu40.

Nesse tempo, no Japão, Izunome no Kami era quem


ocupava a posição de divindade máxima. Por outro lado, na
Coreia, a liderança das divindades cabia a Susanoo no Mikoto.
Só que o grande desejo de Susanoo era ocupar a posição de
Izunome. Então, com esse intuito, decidiu partir para o Japão
para desafiar Izunome diretamente. Entretanto, Izunome no Kami
não cedeu de imediato às perseguições de Susanoo no Mikoto,
que então continuou a pressionar e a perseguir o seu oponente,
chegando ao ponto de ameaçá-lo até de morte. Foi quando
Izunome tomou a decisão de abandonar imediatamente a
posição que ocupava. Então, através de disfarces, foi buscando
distrair Susanoo até que chegasse o momento de conseguir
abandonar o Japão o mais rapidamente possível.

Assim, Izunome passou pela China, e acabou encontrando


refúgio na Índia, onde assumiu o nome de Kanjizai Bosatsu.
Nessa época, construiu uma residência nova e imaculada em
uma montanha não muito alta denominada "Hodaraka"41, que se
localiza em uma praia ao sul da Índia - fato descrito no Sutra
Higen, da seguinte forma: "Kanjizai Bosatsu, assentado em
Kongo42, fez suas pregações sentado, em posição de Lótus, na
grama macia da Montanha Hodaraka, acompanhado por 28
discípulos".

40
Keshin-butsu: divindades que, posteriormente, se transformaram em budas. (N. T.)
41
Hodaraka: em tibetano, diz-se "Potalaka". (N. T.)
42
Kongo: local que passou a ser sagrado, a partir do momento em que Izunome no Kami
firmou residência. (N. T.)

116
O Tempo Chegou!

Por volta dessa época, o jovem Sakiyamuni - também


conhecido como Zenzai Doji - ouviu uma palestra de Kanjizai
Bosatsu43 e ficou muito impressionado com o excelente nível dos
Ensinamentos que pregava. Foi quando resolveu abandonar a
posição que ocupava como Príncipe Sidharta, decidido a afastar-
se do mundo profano - onde, aliás, havia muita corrupção nesse
período. Assim, Sakiyamuni partiu para uma montanha, com a
firme intenção de ali permanecer sentado sobre uma pedra,
debaixo de uma árvore denominada "Bodaiju", concentrado de
corpo e alma em estado de meditação profunda, até que
chegasse o momento de atingir a iluminação.

São várias as versões existentes sobre esse período de


aprimoramento de Sakiyamuni. Entretanto, ele mesmo me disse,
através de uma revelação que me fez, que levou sete anos para
atingir o aprimoramento que tanto buscava e que, depois de
atingir a iluminação - portanto, já na condição de Sakiyamuni
Nyorai - deixou a montanha em que estivera, passando então a
divulgar o Buppo44 pela Índia afora.

Portanto, o verdadeiro fundador do Budismo foi Izunome


no Kami - o que é mais uma prova de que essa religião teve
origem no próprio Japão. Nesse sentido, existe um fato relevante
que não podemos esquecer: há uma palavra muito usada no
Budismo que, no meu entender, esclarece bem esse ponto: honji
suijaku. O sentido do termo "honji" é "país de origem". Por sua
vez, "suijaku" significa" divulgar", o que quer dizer que,
finalmente, passa-se a ensinar por todo o Japão - justamente o
local de nascimento de Izunome. O que está oculto na expressão
"honji suijaku" é o sentido de a Flor búdica dar frutos.

Outro aspecto que ainda merece destaque é o fato de que


a imagem de Kanzeon Bosatsu apresenta essa divindade de
cabelo liso e preto, característica típica do povo japonês,
43
No Japão, Kanjizai Bosatsu é conhecido corno Izunome no Kami. É na Índia que ele é
conhecido corno Kanjizai Bosatsu. (N. T.)
44
Buppo: Lei de Buda. (N. T.)

117
O Tempo Chegou!

diferente, portanto, de Sakiyamuni e de Amida, que tinham


cabelos castanhos e cacheados - o que deixa claro que esses
dois Nyorai são de origem indiana. Além disso, deve-se notar que
os adornos usados por Kannon, como, por exemplo, sua coroa e
seu colar, são joias 45 que o representam como alguém
pertencente à nobreza. Em sentido simbólico, o capuz que cobre
a cabeça de Kannon significa que Ele esconde a própria coroa.

Dentre os discípulos de Sakiyamuni, havia um que se


destacava em relação ao demais, cujo nome era Hozo Bosatsu.
Temporariamente, manteve-se afastado de Sakiyamuni, já que
decidira aprimorar-se em outro local. Terminada sua fase de
aprimoramento, Hozo Bosatsu, por ocasião de uma visita que fez
a Sakiyamuni, disse-lhe: "Escolhi uma terra sagrada a oeste da
Índia para construir Gion Shoja 46 , e dei-lhe o nome de "Terra
Purificada da Sublime Alegria". Assim, concluído esse objetivo,
todos os despertados, ou seja, aqueles que alcançarem a
qualificação de Buda valendo-se dos seus Ensinamentos,
poderão ser enviados a Gion Shoja, para daí viverem
tranquilamente numa terra purificada onde impera a alegria
extrema. Em outras palavras, trata-se da Terra Purificada da Luz
Tênue47, capaz de deixar nossa alma num estado de êxtase de
felicidade plena" - e essa foi a promessa que Hozo Bosatsu fez a
Sakiyamuni.

Quando Hozo Bosatsu faleceu - já como Amida Nyorai -


salvou a todos no Mundo Espiritual. Isso quer dizer que
Sakiyamuni seria o Salvador do Mundo Material, cabendo a
Amida a salvação do Mundo Espiritual. Kanjizai Bosatsu mudou
de nome, passando a ser conhecido como Kanzeon Bosatsu que,
em sânscrito, significa "Avalokiteshvara 48 ": Na China, um

45
As joias que Kannon usa representam, simbolicamente, as virtudes humanas. (N. T.)
46
Gion Shoja: pequeno modelo do Reino do Céu na Terra. (N. T.)
47
A Luz tênue de Joodo diz respeito à Luz da Lua.
48
Avalokitesvara: Izunome; Kannon; Kanzeon. Izunome: imperador do Japão que, há 2.600
anos, foi para a Índia propagar uma doutrina que, mais tarde, serviria de base para a
fundação do Budismo. Kannon: segundo sua origem, essa é a denominação de uma
divindade tanto masculina quanto feminina que, ao observar todas as leis regentes do

118
O Tempo Chegou!

sacerdote denominado Kumaraju até chegou a fazer uma


tradução sobre Kanzeon. Entretanto, existe um mistério que
envolve o nome de Kanzeon, mas só daqui a algum tempo vou
escrever algo a respeito.

Universo, salva livremente os povos. Dessa forma, então, ao se dizer seu nome, vem
imediatamente em socorro daquele que o pronunciou e, dependendo do pedido de auxílio
que lhe tenha sido feito, manifesta-se sob diferentes formas. Foi reverenciado desde os
mais remotos tempos, especialmente no Oriente. Sempre se mostra pronto a responder, de
imediato, às necessidades do ser humano, a qualquer tempo e em todas as partes do
mundo. Kanzeon: o mesmo que Kannon. Trata-se de uma das denominações de
Avalokitesvara. (N. T.)

119
O Tempo Chegou!

23 - Kanzeon Bosatsu

Até o Ensinamento precedente, escrevi, sob diversos


aspectos, a respeito da ligação espiritual que Kannon mantém
comigo. A causa fundamental para Izunome no Kami ter se
tornado Kannon deveu-se a atos agressivos por parte de
Susanoo no Mikoto - e eu também já dei explicações a esse
respeito. Agora vou falar sobre o que aconteceu com o Japão
após Deus Izunome ter deixado esse país.

O irmão mais novo de Izunome se tornou o Imperador


Amatherasu. Mas, mesmo sem nenhum motivo aparente que
justificasse o ocorrido, lamentavelmente, veio a falecer, assim de
repente. Então, na falta de outra alternativa possível, sua esposa
assume o trono, tornando-se Amatherasu Koogoo, que quer dizer
"Imperatriz Amatherasu". Até esse momento, Amatherasu
Oomikami, mesmo na condição de Deus Solar, era reverenciado
com deusa.

Corno já escrevi anteriormente 49 a respeito, Susanoo no


Mikoto desejava ser a autoridade máxima no governo do Japão -
e não mediu esforços nesse sentido para atingir seus objetivos, o
mais rápido possível. Passou então à prática de uma política de
força, o que gerou grande intranquilidade na população. O país
chegou a um estado tal, que já não havia meios para se
recuperar. Esse fato desagradou bastante Izanagi no Mikoto50 ,
que se viu obrigado a repreender seu filho que, originalmente,
vem a ser um deus da linha coreana. Entretanto, Susanoo
continuou a agir da mesma maneira, sem demonstrar o mínimo
arrependimento por seus atos. Então, não vendo outra
alternativa, Izanagi no Mikoto, como último recurso possível,
acabou expulsando Susanoo do Japão.

O Kojiki descreve não só as atitudes, mas também a

49
Ler "A Formação do Povo Japonês do Ponto de Vista Espiritual" (p.175-217). (N. T.)
50
Izanagi no Mikoto: pai de Susanoo no Mikoto.

120
O Tempo Chegou!

péssima administração exercida por Susanoo no Mikoto -


aspectos esses que levaram-no a ser repreendido por Izanagi no
Mikoto que, por fim, acabou expulsando o próprio filho do Japão
e enviando-o para Yomo no Kuni 51 , localidade onde se
encontrava Izanami no Mikoto 52 . Susanoo deveria permanecer
em Yomo até que fosse perdoado pelos pecados todos que
cometera. Dessa forma, por algum tempo, ficaria em companhia
da mãe, como se cumprisse uma espécie de penitência.

Antes de sua partida, a irmã de Susanoo - Amatherasu


Ookami, que estava no Mundo Celestial - veio se despedir dele,
episódio descrito da seguinte forma no Kojiki: "Susanoo no
Mikoto, ao tentar subir na Planície Celestial, fez muito barulho na
montanha, fazendo os rios tremerem. Sua irmã, Amatherasu
Ookami, ao presenciar tudo isso, ficou bastante assustada,
chegando a pensar que Susanoo estivesse vindo com o intuito de
atacá-Ia. Então, quando Susanoo chegou ao Mundo Celestial
para se encontrar com Amatherasu, notou que a irmã estava
muito nervosa e, inclusive, duvidando de suas verdadeiras
intenções. Assim, percebendo a situação em que se encontrava,
Susanoo dirigiu-se a Amatherasu, dizendo: 'não tenho nenhum
pensamento negativo; sou inocente, tenho o coração puro e
quero lhe dar uma prova disso'. Desembainhou sua espada e
colocou-a nas águas do Ama no Munai53. Nesse exato momento,
nasceram três deusas denominadas 'Itsukishima Hime no
Mikoto', Okitsu Hime no Mikoto' e 'Tagiri Hime no Mikoto'. Vendo
isso, Amatherasu decidiu mostrar ao irmão que seu coração
também era puro. Daí, tirou o colar que usava no peito,
mergulhou-o no Ama no Manai e agitou-o na água.
Imediatamente, nasceram cinco divindades: Amenooshi Homi no
Mikoto, Amenohohi no Mikoto, Amatsuhikone no Mikoto, Ikutsu
Hikone no Mikoto e Kumano Kusuhi no Mikoto".

51
Yomo no Kuni é uma localidade fora do Japão correspondente a uma espécie de
purgatório. Alguns estudiosos fazem referência a esse local como sendo uma região da
Ásia Menor localizada no Afeganistão ou no Paquistão. (N. T.)
52
Izanami no Mikoto: mãe de Susanoo no Mikoto.
53
Ama no Manai: espécie de poço de águas celestiais. (N. T.)

121
O Tempo Chegou!

É claro que trata-se aqui de uma parábola, já que, na


verdade, o que ocorreu mesmo foi que, na hora do encontro
entre os dois irmãos, Susanoo chamou três de suas filhas e
Amatherasu, cinco de seus mais importantes auxiliares. Isso quer
dizer que, no momento do encontro dessas duas divindades, elas
firmaram uma espécie de pacto, tomando por testemunhas três
mulheres e cinco homens. E assim firmou-se o acordo entre
Susanoo e Amatherasu, em torno do Ama no Manai, que
corresponde ao Lago Biwa54, localizado na província de Oomi, no
atual Estado de Shiga. Tomando-se como referência o centro do
Lago Biwa, o governo do lado leste teria ficado a cargo de
Amatherasu Ookami e o do lado oeste, a cargo de Susanoo no
Mikoto. Esse pacto firmado ficou conhecido como o "Tratado de
Yasugawara"55 - que pode ser comparado aos tratados de paz
firmados entre países atualmente.

Essa foi a forma encontrada para que reinasse a paz


naquela época. Entretanto, isso foi apenas temporário, já que
Susanoo no Mikoto - como sempre - continuou a não demonstrar
o menor arrependimento por seus atos, o que acabou levando-o
a ser expulso do Japão em caráter definitivo. Até hoje, ainda
existe um vilarejo denominado "Yasugawara", às margens do
Lago Biwa. É provável que se trate do mesmo local citado no
Kojiki.

Agora vou falar sobre uma divindade popular bastante


conhecida no Japão desde antigamente. Trata-se de Ryu-Gu, do
Otohime. 56 Só que, para isso, preciso retomar alguns dos
acontecimentos ocorridos naquela época. Izanagi e Izanami no
Mikoto tiveram cinco filhos. O primogênito foi o Imperador
Izunome; o segundo filho, o Imperador Amatherasu; o terceiro,
Kan Susanoo no Mikoto. Depois, vieram duas meninas. A mais
54
Meishu Sarna cita que o seu Espírito Protetor, o Dragão Dourado, habitava o Lago Biwa.
(N. T.)
55
Yasugawara: Yasu é um rio; gawara quer dizer "área que permeia as margens do rio".
Nesse local foi firmado o Tratado de Paz de Yasugara, sendo que o Rio Yasu foi o marco
divisório para a delimitação territorial cabível a cada uma das partes. (N. T.)
56
Otohime: Palácio do Dragão. (N. T.)

122
O Tempo Chegou!

velha chamava-se Wakahimegimi no Mikoto e a mais nova,


Hatsuwakahime no Mikoto.

Inicialmente, Izanagi no Mikoto determinou que o governo


do Japão ficasse a cargo de Izunome no Mikoto. Contudo, devido
ao fato de Izunome ter deixado o Japão, coube ao Imperador
Amatherasu assumir o cargo em seu lugar. Por sua vez,
Amatherasu foi sucedido por sua esposa, Amatherasu Koogo. O
domínio da Coreia foi confiado a Susanoo no Mikoto que,
posteriormente, desposou uma divindade de origem coreana.
Pelo fato de tal divindade ter sido desposada pelo irmão mais
novo57, ficou conhecida como a "Princesa do Irmão Mais Novo" -
que se diz" Otootohime", denominação que, certamente, foi
abreviada para "Otohime", que também era conhecida, desde
antigamente, por "Otomehime". É provável que isso tenha
ocorrido pelo fato de seu nome coreano de solteira conter o
radical "me"58.

Otootohime ou Otohime, certamente, passou a levar uma


vida de extrema solidão, após seu marido ter partido em uma
viagem. Então, pouco tempo depois, decidiu regressar à Coreia,
onde construiu um majestoso palácio em que passou a viver
acompanhada por um grande número de mulheres, para guardar
em solidão a ausência do marido.

Nessa mesma época, havia um jovem de nome "Taro",


originário de Shinsu, que, praticamente, passava a vida no mar,
tanto seu amor pela pesca. Certo dia, próximo a uma praia do
norte do Japão, ocorreu uma tempestade tão grande, que Taro
acabou sendo arrastado até uma praia da Coreia. Nessa ocasião,
a presença de japoneses nesse país suscitava muita curiosidade,
o que acabou fazendo com que esse jovem fosse levado até o
palácio habitado por Otohime. Nesse caso, foi aberta uma
exceção, já que não era permitida a entrada de homens nesse

57
Otooto: irmão mais novo. (N. T.)
58
Me: arroz. (N. T.)

123
O Tempo Chegou!

local. É bem provável que Otohime tenha dado consentimento


para que Taro fosse levado à sua presença, justamente por não
mais suportar viver em tamanha solidão.

Mas Taro era detentor de uma beleza tão rara, que


Otohime acabou não resistindo. Então, tomada de amor à
primeira vista, arranjou um pretexto qualquer para permitir a
permanência do jovem no palácio. O amor entre eles crescia
cada vez mais, e Otohime mantinha o amado por perto, dia e
noite, não lhe permitindo afastar-se nem por um momento
sequer.

Só que esse fato chegou aos ouvidos do povo, fazendo


com que incômodas vozes de censura se elevassem - o que
obrigou a princesa a renunciar ao amor a que tanto se apegara.
Então, Otohime decidiu colocar uma preciosa joia em uma caixa,
ofertou-a a Taro como presente e mandou-o de volta a seu país
de origem. Tal caixa ficou conhecida como "A Caixa do Segredo"
e, em torno desse fato, até inventou-se uma lenda que diz que,
quando alguém abre a Caixa do Segredo, imediatamente, fica de
cabelos brancos.

Temos ainda o nome de Urashima59, que deriva do fato de


a Coreia localizar-se atrás do Japão. É bem provável que
redatores dessa narrativa tenham inventado tal denominação
posteriormente. No período em que Otohime era rainha da
Coreia, a China e o Japão também ficaram sob o seu domínio.
Mas a esfera da influência coreana abrangia, inclusive, todo o
oriente da Índia - o que, certamente, deveu-se ao imenso poder
que Susanoo no Mikoto chegou a exercer durante algum tempo.
Otohime foi uma heroína, e seu valor chegou a superar o de
muitos homens.

Nessa época, Kanjizai Bosatsu, que acabara de encerrar a


sua missão na Índia, decidiu voltar para o Japão. Mas,
59
Urashima: Ilha de Trás. (N. T.)

124
O Tempo Chegou!

compreendendo que esse país ainda representava um certo


perigo, decidiu se dirigir para o sul da Índia, aí permanecendo por
algum tempo. Foi justamente nesse período que adotou o nome
de "Kanzeon”. Durante a sua permanência na Índia, presenciou o
domínio de Jizaiten e, assim, passou a ser chamado de
"Kanjizai”60. Entretanto, vindo a observar o domínio de Otohime,
passou a ficar conhecido como "Kanzeon61”, cujo significado é:
"aquele que olha o Mundo de Otohime".

Quando Kanzeon foi divulgar os seus Ensinamentos no sul


da China, já era possuidor de altíssimas virtudes. Então, a
população da região passou a admirá-lo, denominando-o "Pai do
Povo". Todos procuravam se juntar em torno dele e, a partir
dessa época, finalmente, a fé em Kannon atingiu a China na
totalidade de seu território. Mas Kannon, por já ser bastante
idoso, assim que terminou o seu Plano, veio a falecer, na China
mesmo. E até nossos dias, na própria China, na Manchúria,
Mongólia ou Tibete 62 , a fé em Kannon continua idêntica; não
diminuiu. Mas se, até hoje, a fé nessa divindade não
enfraqueceu, é porque deve haver um forte motivo para isso.
Pouco a pouco, irei dar os devidos esclarecimentos nesse
sentido. Entretanto, é lamentável que os vestígios da passagem
de Kannon pelo sul da Índia tenham sido apagados devido à
ocorrência de guerras, que chegaram a destruir absolutamente
tudo o que dizia respeito à sua passagem por esse país.

60
. Kanjizai: kan = olhar; jizai = divindade máxima indiana;
61
Diz-se Otohime ou Onhime, já que oto = on; kan = olhar; ze = mundo. On corresponde a
uma redução de Otohime. Então, Kanzeon quer dizer "Aquele que olha o Mundo de
Otohime". É importante saber que essa explicação foi dada a Meishu Sarna pelo próprio
Kannon. Até então, ninguém havia esclarecido nada nesse sentido. Normalmente, os
tradutores costumam explicar o nome "Kanzeon" como sendo "contemplador do reino do
som". Entretanto, Kanzeon guarda o mistério que Meishu Sama nos revelou, dizendo o
seguinte: "Kanzeon quer dizer 'aquele que olha o Mundo de Otohime', porque Otohime, na
época, correspondia à divindade máxima que dominava o mundo. Portanto, restava a
Kannon apenas poder olhar, devendo ficar no aguardo do tempo certo, para só daí então
manifestar todo o seu poder". (N. T.)
62
O Dalai Lama - autoridade máxima do Budismo tibetano atualmente - é considerado uma
reencarnação do próprio Kannon. (N. T.)

125
O Tempo Chegou!

24 - O encontro dos Três Miroku

Desde antigamente, fala-se sobre o encontro dos Três


Miroku 63 . Entretanto, esse fato sempre esteve envolto numa
espécie de cortina de mistério, jamais revelada antes por
ninguém. E como, até hoje, isso não foi devidamente
compreendido, chegou a hora de eu esclarecer essa questão. A
expressão "Encontro dos Três Miroku" significa que eles se
encontraram ao mesmo tempo - e nem seria preciso esclarecer
que trata-se do encontro de Sakiyamuni, Amida e Kannon.

Sakiyamuni é Miroku da Terra; Amida, Miroku da Lua e


Kannon, Miroku do Sol e, como já disse diversas vezes, a
verdadeira ordem em relação a essas três divindades é: Sol, Lua
e Terra ou Fogo, Água e Terra - ordem também manifesta na
sequência numérica 5, 6, 7 cuja somatória resulta em 18. Em
relação ao número 18, a obra Ofudesaki, da religião Oomoto, diz
o seguinte: "Até agora, Céu corresponde a 6; o intermediário
entre Céu e Terra é igual a 6; a Terra é igual a 6. A alma do
Ichirin, ao descer do Céu para a Terra, torna o Céu igual a 5. Por
sua vez, a Terra fica igual a 7". Isso significa que, no Plano mais
profundo de Deus, a alma do Ichirin é Poti 64 , Bola de Mani e
também Nyoi-Hoshu - e justamente em decorrência disso é que o
Mundo de Miroku, o Mundo do 5, 6, 7 surgirá.

Os números 3, 6, 9 também são chamados de "Miroku"65.


No 3° volume da Criação da Civilização vou me ater a uma
explicação mais detalhada nesse sentido. Seja como for, a
questão é que o número 18 é o mais importante como
representação de Miroku. Pelo ideograma, a interpretação nesse
sentido seria a seguinte: 10 = (+) tem por significado o
cruzamento entre verticalidade e horizontalidade.
Simbolicamente, corresponde a Deus em Sua forma plena,
63
Substantivos de origem japonesa, tais como, "Miroku" e "Ohikari", não formam plural com
o acréscimo de um "s", assim como, comumente, tal flexão se dá no português.
64
Poti é o mesmo que Chon (ponto no centro do círculo do Maru ni Chon). (N. T.)
65
3, 6, 9 são chamados de "Miroku", porque, quando somados, formam 18. (N. T.)

126
O Tempo Chegou!

perfeita. O número 8 corresponde a expansão. Portanto, 8


significa "infinito66".

Mesmo no Budismo, já há muito tempo, o número 18 é


bastante utilizado. Tanto o Templo de Kannon, em Asakusa,
quanto o Templo de Zenko medem 18 ken67 e, em ambos, a data
do Culto Mensal é sempre dia 18. Duplicado, 18 corresponde a
36 - que também é um número representativo de Miroku. Em
qualquer templo budista, no final do ano, os sinos soam 108
vezes, e o número de contas dos rosários budistas também é
108. O número 100 corresponde a 10 x 10 - e fica fácil perceber
que nisso também está implícito o significado representativo de
Miroku.

Vou explicar agora a acepção do termo "Izunome".Do


ponto de vista numérico, Izunome corresponde a 5 + 3. O número
5 significa "Izu" (Fogo) e 3, "Mi" (Água). Em japonês, Deus é
"Kami" (Ka = Fogo e Mi = Água), o que esclarece por que
"Izunome" significa a união entre Fogo e Água - e é justamente
essa união que gera Luz, como se pode deduzir da própria
análise do ideograma (光光), composto pelo ideograma "Fogo" (火 火)
atravessado por um traço horizontal representativo da " Água".

A composição de um ideograma é tão perfeita, que nos


permite concluir que, na verdade, trata-se de uma criação de
Deus. Mas se o ideograma representativo de Kami se resumisse
só a isso, teríamos apenas a representação de dois poderes:
Fogo e Água. Entretanto, é preciso acrescentar uma terceira
força - que é justamente a que vai representar o elemento Terra.
Assim sendo, seguindo-se essa lógica, deve-se considerar que,
quando a Luz passa pelo corpo - que vem a ser o elemento Terra
- daí é que surge o poder da trindade68. Mesmo em relação ao
próprio Johrei, se refletirmos a seu respeito sob essa ótica, é

66
O termo "infinito" (∞) corresponde a um 8 deitado. (N. T.)
67
Um ken equivale a 1,80 m. (N. T.)
68
Poder da trindade: Fogo, Água, Terra. (N. T.)

127
O Tempo Chegou!

possível captarmos o seu verdadeiro significado.

Retomando o assunto de que tratava anteriormente, disse


que Sakiyamuni e Amida eram hindus, mas isso apenas quando
comparados a Kannon. Entretanto, em termos de princípios,
Sakiyamuni e Amida são divindades oriundas do Japão.
Espiritualmente é que teriam partido para a Índia, nascendo,
então, como indianos 69 . O espírito de Sakiyamuni é
Wakahimegini no Mikoto e o de Amida, Kan Susanoo no Mikoto.
No entanto, é preciso saber que o genuíno povo indiano
reverenciava Daijizaiten como divindade principal.

Vou descrever agora um fato bastante interessante:


Kannon nasceu do Budismo. Portanto, o Budismo corresponde
ao pai e à mãe que geraram Kannon. O iniciador do Budismo foi
Sakiyamuni. Mas quem gerou Sakiyamuni foi o pai do pai de
Kannon. Dessa forma, Izunome no Kami vem a ser a divindade
ancestral do próprio Sakiyamuni. Vendo os acontecimentos sob
esse ângulo, Buda se origina de Deus, tendo ficado a cargo de
Sakiyamuni - justamente por ser Terra - o trabalho de gerá-Io.
Por sua vez, Amida, por ser Lua, é mulher. Dessa forma, pode-se
dizer que ela é que vem a ser a mãe de Kannon. Assim sendo,
Terra e Lua seriam os geradores do Sol, em sentido original - e
esse vem a ser o verdadeiro aspecto do Cosmos.

Existem lendas chinesas antigas sobre Seiobo 70 ,


emanação do Deus Lunar. Segundo consta, no jardim em que
Seiobo se encontra, existe um pessegueiro que dá frutos a cada
três mil anos. Por isso, o pêssego dessa árvore é considerado
uma joia preciosa, que deverá ser ofertada ao Grande Deus do
Céu. Por outro lado, nas tradições indianas, diz-se que, a cada
três mil anos, nasce Tenrin Bodhisattva e, assim que ele surge, o
povo é salvo, realizando-se, dessa forma, o Reino do Céu na
69
Isso corresponderia a uma imigração espiritual, assim como acontece agora com os
brasileiros que dedicam aqui no Brasil: correspondem a japoneses que teriam imigrado
espiritualmente para esse país. (N. T.)
70
Seiobo: Sagrada Rainha-Mãe. (N. T.)

128
O Tempo Chegou!

Terra - profecia cujo significado, para nós, corresponde ao tempo


da construção do Reino de Deus aqui na Terra.

Entretanto, Tenrin Bodhisattva corresponde a uma outra


denominação do próprio Kannon. A religião Tenri faz referência a
Tenrio no Mikoto - e eu particularmente sou de opinião que
Tenrio no Mikoto está ligado à mesma divindade Tenrin
Bodhisattva.

Amida e Kannon também são conhecidos por outras


denominações. Amida é chamada de "Geko Bodhisattva” 71 e
Kannon, de "Dainichi Nvorai" 72 . Trata-se então de duas
divindades que representam a Luz (Amida) e o Sol (Kannon), o
que quer dizer que também seriam marido e mulher.

Esse aspecto fica bastante claro quando observamos os


templos budistas espalhados por todo o Japão. Nos locais em
que Kannon se encontra, sempre há também o Grande Buda
que, na verdade, é a representação de Amida. Kannon é
representado por uma imagem pequena, que fica dentro do
templo, e o Grande Buda, por uma imagem externa, em tamanho
grande. Isso tem o seguinte significado: Kannon vem a ser o
Buda no interior do Japão. Amida, por outro lado, seria o Buda
fora do Japão. A verdadeira imagem de Kannon é representada
por uma estátua em puro ouro, cuja medida é 1,8 sun73: Quanto
às imagens de Amida, são confeccionadas em madeira ou ligas
metálicas e, posteriormente, revestidas em ouro. Dessas
imagens, as mais apreciadas são as de grande porte - e isso é o
bastante para compreendermos tudo.

71
Geko: Luz da Lua. (N. T.)
72
Dainichi: Grande Sol. (N. T.)
73
Sun: equivalente a 5,46 cm. (N. T.)

129
O Tempo Chegou!

PARTE 2 - A FORMAÇÃO DO POVO JAPONÊS DO PONTO


DE VISTA ESPIRITUAL

130
O Tempo Chegou!

1 - Início

Antes de iniciar esta narrativa, é preciso deixar bem claro


que os assuntos a serem enfocados não se encontram
registrados em lugar algum. Trata-se, portanto, de um relato de
caráter inédito e, como japonês, penso ser necessário meus
compatriotas conhecerem a verdade sobre seu povo - verdade
sobre a qual só agora tenho condições de discorrer a respeito.

Os pontos que abordarei são delicados e poderiam ter


gerado interpretações equivocadas, caso fossem levados ao
conhecimento público antes do término da Segunda Guerra
Mundial. De modo geral, tem-se consciência de que as antigas
narrativas históricas sobre a origem do Japão fundamentam-se
em fatos mitológicos bastante difíceis de serem interpretados
pelo senso comum.

2 - Amatherasu Ookami

Com base na mitologia japonesa, sabe-se que a mais alta


hierarquia divina cultuada no Japão é Amatherasu Ookami74 - e
até hoje existe a crença de que tal divindade ainda está presente,
em espírito, no Templo de Ise. São várias as versões existentes
sobre Amatherasu Ookami, porém a mais confiável é a seguinte:
tal divindade teria permanecido em um lugar denominado "Tanba
no Kuni Motoise"75 - local de onde, há uns mil e cem anos, teria
sido transferida para Yamada no Ise, localidade em que se
encontraria até hoje.

Segundo tal versão, quando a imagem de Amatherasu


Ookami estava sendo carregada num palanquim por algumas
pessoas para ser transferida do local onde se encontrava, tornou-
se extremamente pesada, no exato momento em que deveria
fazer a travessia do Rio Isuzu. E como não houve meios de se

74
Amatherasu Ookami é tida como a ancestral da família imperial. (N. T.)
75
Tanba no Kuni Motoise: vilarejo do Estado de Tanba. (N. T.)

131
O Tempo Chegou!

conseguir continuar a transportá-Ia, ficou decidido que ela


deveria permanecer no Templo de Tanba - local de onde foi feita
a tentativa de se removê-Ia.

Nessa ocasião, uma rocha de mais ou menos uns 10 m


teria caído à beira do riacho que passa bem atrás do Templo de
Isu, permanecendo "sentada" aí até hoje. Justamente por isso,
passou a ser conhecida por "Gozaseki 76 ", já que esse
acontecimento, na época, foi interpretado como o próprio desejo
de Amatherasu Ookami em permanecer no Templo Tanba. Ao
lado da rocha denominada "Gozaseki", existe uma caverna
relativamente grande, conhecida como "Iwato" 77 . No ano
passado, inclusive, por ocasião de uma visita que fiz a Motoise78,
tive oportunidade de conhecer pessoalmente essa pedra.

3 - Origem do povo japonês

A história do Japão antigo fundamenta-se em aspectos


mitológicos que fazem referência à existência de um casal de
divindades - Izanagi e Izanami - que gerou filhos: uma menina,
Amatherasu Ookami, e um menino, Kansusanoo no Mikoto.
Kansusanoo foi designado governante da Coreia, ao passo que o
governo do Japão teria ficado a cargo de Amatherasu que,
segundo consta, gerou um menino, denominado "Hiruko no
Mikoto". Assim sendo, caso isso realmente corresponda à
verdade, conclui-se que Amatherasu tenha tido um marido.

Entretanto, não há registros históricos sobre ele e, até


hoje, ninguém procurou desvendar esse enigma - o que pode ser
explicado pelo fato de que, até a Segunda Guerra Mundial, esse
aspecto poderia vir a ser interpretado como uma atitude de
irreverência para com a família imperial. Justamente por isso é
que não se teceu nenhum comentário a respeito da falta de
registros que versassem sobre a existência do marido de
76
Gozaseki: pedra que sentou. (N. T.)
77
Iwato: porta da rocha. (N. T.)
78
Motoise: Tanba no Kunimoto Ise. (N. T.)

132
O Tempo Chegou!

Amatherasu Ookami. Só que agora já não é mais preciso ter


receios nesse sentido - o que me dá plena liberdade para
abordar esse tema.

De acordo com a História antiga do Japão, um povo


denominado "Tenson" - cujo líder era Ninigi no Mikoto - desceu
do Céu e se instalou no alto da Montanha Takachiho, que se
situa ao sul do Japão, na Ilha de Kyushu. Algum tempo depois, o
próprio neto de Ninigi no Mikoto - cuja denominação era Jinmu -
teria se tornado o imperador do povo Tenson. Jinmu também era
conhecido como Kamuyamato Iwarehito no Mikoto.

Aos 45 anos de idade, Jinmu teria organizado um exército


próprio, com a intenção de conquistar a região leste do Japão.
Segundo consta, seu exército teria se deslocado primeiramente
para Yamato79 - local em que os conflitos bélicos transcorridos
foram pouco favoráveis a Jinmu, que acabou sendo derrotado.
Nessa ocasião, em uma batalha, Jinmu teria perdido o seu filho
primogênito, Itsuse no Mikoto.

Jinmu, então, muito desolado, teria percebido que a causa


de seu insucesso deveu-se ao fato de ele ter se encaminhado
para a guerra seguindo direto para o Leste, ou seja: exatamente
em sentido contrário ao do Sol. Ainda assim, ele teria decidido
prosseguir em seu intento, mesmo que agora houvesse
necessidade de ter que dar uma grande volta para atingir seus
objetivos. Foi quando suas tropas seguiram em sentido Oeste,
tendo, portanto, o Sol às suas costas, até chegarem novamente à
região que tanto desejavam conquistar: o Leste.

Segundo consta, com essa nova estratégia, Jinmu obteve


êxito: venceu a guerra e estabeleceu o governo de Yamato.
Contudo, não conseguiu dominar de forma absoluta todo o Leste,
porque nessa região havia outras bases militares solidamente
organizadas, em especial, a de um local bem distante de
79
Yamato corresponde à atual cidade de Nara. (N. T.)

133
O Tempo Chegou!

Yamato, denominado "Izumo no Kuni80", Tal assentamento militar


correspondia à sede central do governo japonês que, nessa
ocasião, era chefiado por Ookuninushi no Mikoto. Então, a partir
daí, passaram a existir dois governos distintos no Japão: o de
Yamato, regido por Jinmu, e o de lzumo-cho 81 , sob chefia de
Ookuninushi no Mikoto.

Dessa feita, na tentativa de resolver em definitivo a


questão para dar um fim a essa guerra, o Imperador Yamato teria
enviado à região de Izumo dois de seus representantes. Só que
eles não obtiveram êxito algum em sua empreitada. Inclusive,
uma segunda tentativa nesse mesmo sentido teria sido feita, mas
acabou sendo malsucedida também. Em ambos os casos, o
motivo do fracasso nas negociações teria sido devido ao fato de
o inimigo82 ter conseguido ludibriar os emissários do Imperador
Jinmu ao oferecer-Ihes mulheres e bebidas alcoólicas.

Foi quando Jinmu, enfurecido, teria feito uma terceira


tentativa para alcançar seus intentos. Dessa vez, porém,
valendo-se de meios ainda mais vigorosos: nomeando um
general de exército - Takamikazuchi no Mikoto - e um almirante
da marinha - Futsunuchi no Mikoto - para atacarem o inimigo,
concomitantemente, por terra e mar. Com isso, Ookuninuchi no
Mikoto teria se assustado tanto que acabara se entregando, sem
oferecer a menor resistência. Como resultado dessa manobra de
Jinmu, o poder do Japão teria passado das mãos do povo lzumo
para o domínio dos Tenson83

4 - Episódios correlatos

Vou narrar agora alguns episódios que se acham um


pouco afastados da ideia principal a que me propus. O primeiro
deles diz respeito ao casamento do segundo imperador do Japão
80
Izumo no Kuni: aldeia de lzumo. (N. T.)
81
Izumo-cho: sede central do governo japonês. (N. T.)
82
Izumo-cho. (N. T.)
83
Sob chefia de Jinmu. (N. T.)

134
O Tempo Chegou!

- Suizei, filho de Jinmu - com a filha de Ookuninushi no Mikoto.


Sou de opinião de que tal união tenha sido uma manobra política
do perdedor no sentido de uma possível pacificação futura entre
os dois povos84.

Outro acontecimento de grande relevância a ser


considerado diz respeito à construção do Templo de Kashima -
localizado no Estado de Miyagi - como homenagem póstuma a
Takamikazuchi no Mikoto, o responsável pela grande vitória de
Jinmu sobre o povo Izumo. Kashima corresponde ao mais antigo
templo xintoísta já construído no Japão.

A partir daí, teria se tornado habitual os soldados


japoneses, antes de partirem para qualquer guerra, visitarem o
Templo Kashima para pedir proteção nas batalhas que viessem a
travar - e desse costume é que teria surgido no exército japonês
o lema "Kashimadachi 85 '', cujo significado corresponde a:
primeiro ir ao Templo Kashima para só depois seguir para a
guerra.

5 - Lutas pelo poder na História do Japão

Antes de mais nada, é preciso entender que a ocorrência


da passagem do governo do povo Izumo para os Tenson é que
deu origem futura, no Japão, a outras guerras de conquista que,
até hoje, ainda se manifestam nos mais diversos setores. Na
verdade, tais lutas querem dizer que, no plano espiritual, os
Izumo e os Tenson continuam vivos e ainda guerreando entre si.
Isso significa que, embora tenham sido destruídos uma vez no
plano físico, seus respectivos líderes continuaram a renascer em
sucessores que, ainda hoje, lutam pelo poder, semelhantemente
à atuação de seus ancestrais no passado.

É preciso ficar bem claro que a mudança de governo do

84
Chefiados, respectivamente, por Jinmu e Ookuninushi no Mikoto. (N. T.)
85
Kashimadachi: partir de Kashima. (N. T.)

135
O Tempo Chegou!

Japão de outrora vem a ser a raiz de todas as guerras ocorridas


nesse país visando à conquista do poder. As lutas travadas entre
os Izumo e os Tenson são também o marco inicial das demais
desavenças internas enfrentadas, até hoje, pelos japoneses -
aspecto de que não se tinha conhecimento antes, justamente por
se tratar de movimentos cuja origem se encontra no Mundo
Espiritual.

Os historiadores do Japão registraram unicamente dados


superficiais resultantes de investigações que levaram em conta
apenas o plano material - e tudo continuou assim até o término
da Segunda Guerra Mundial. Por isso é que agora apresento
meu próprio ponto de vista sobre a história do povo japonês:
justamente para esclarecer tanto os fatos já ocorridos quanto os
que ainda acontecem no Mundo Material.

6 - História do povo Tenson

Retomando o início da história mitológica dos Tenson, tal


povo teria descido do Céu e se instalado no topo da Montanha
Takachiho, aí permanecendo durante algum tempo. Entretanto,
pode-se dizer que tal narrativa corresponde a um verdadeiro
absurdo! Segundo esse relato, Ugayajukiaezu no Mikoto - filho do
Tenson Ninigi no Mikoto e pai do Imperador Jinmu - teria sido
enviado, a mando de Amatherasu Ookami, para assumir o
governo do povo Tenson. Se isso realmente corresponder à
verdade, podemos, então, afirmar que a autoridade suprema do
povo japonês encontrava-se nas mãos dessa divindade que, por
sua vez, a teria recebido de outra, que lhe era superior -
particularidade que a mitologia do Japão não esclarece
devidamente.

Ainda mais um aspecto a ser considerado em relação a


essa questão: na mitologia japonesa, não consta uma explicação
clara sobre a origem e o local de nascimento de Ninigi no Mikoto,
muito menos uma justificativa do motivo que o teria levado a ser

136
O Tempo Chegou!

o líder dos Tenson, quando esse povo se instalou na Montanha


Takachiho. Caso seja verdade que ele tenha descido do Céu,
não há, então, a menor necessidade de se comentar mais nada a
respeito. Entretanto, conforme já fiz menção anteriormente, quem
detinha o poder antes de o Imperador Jinmu assumir o governo
do Japão era Ookuninushi no Mikoto. Dessa feita, uma vez que o
governo central já se encontrava nas mãos de Ookuninushi no
Mikoto, não existe a menor lógica no fato de Amatherasu Ookami
ter cedido seu próprio poder de governança a Ninigi no Mikoto.
Inclusive, também não haveria justificativas para Jinmu ter lutado
pela conquista da liderança política no Japão, já que teria
recebido o governo japonês por ordem divina. No entanto, vê-se
que não foi bem isso o que aconteceu, pois os generais sob o
comando de Jinmu batalharam contra o povo Izumo.

Nesse mesmo sentido, outra hipótese possível é que, em


épocas remotas, Susanoo no Mikoto - pai de Ookuninushi no
Mikoto - tenha se apossado do poder ou, talvez, este até lhe
tenha sido entregue por algum motivo que a mitologia japonesa
não esclarece devidamente. Esses são aspectos que ainda
permanecem em total obscuridade até hoje.

Por outro lado, a história do governo de Izumo não dá


margem a tantas dúvidas - e é justamente a esse respeito que
vou discorrer agora. Há alguns anos, visitei o Templo Izumo,
atrás do qual existe uma península denominada "Hinomizaki".
Segundo explicação que me foi dada por um sacerdote do
próprio templo, todos os anos, no início do mês de outubro, os
deuses se deslocam para visitar a sua terra natal, tendo como
ponto de partida a península Hinomizaki. Após um mês, retornam
ao Templo Izumo, que é dedicado especialmente a eles.
Inclusive, foi tal lenda que dirimiu minhas dúvidas quanto às
deduções que fiz de que os deuses de Izumo não se originam do
Japão, mas, sim, de que se trata de emigrantes de outros países.

Outro fato que fundamenta minhas conclusões é que,

137
O Tempo Chegou!

desde antigamente, outubro é denominado o "Mês do


Kannazuki", ou seja, o mês da ausência dos deuses, já que,
nesse período, estariam em viagem por outras localidades.
Inclusive, no livro de mitologia mais antigo do Japão86 consta que
o pai de Ookuninushi no Mikoto é Susanoo no Mikoto - divindade
que teria descido a Montanha Soshimori, localizada na Coreia.
Trata-se, portanto, de uma divindade de origem coreana.

Segundo a mitologia, consta que Susanoo no Mikoto


matou a enorme cobra Yamata no Orochi, no alto, próximo à
nascente do Rio Hi, localizado no Izumo, salvando, assim, a
Princesa Kushinada. Posteriormente, ele a teria recebido como
esposa, tendo construído em sua homenagem um grande palácio
denominado "Suga" - local em que hoje se encontra o Templo
Izumo.

A lenda diz que, ao entrar pela primeira vez no Palácio


Suga, Susanoo no Mikoto teria sentido todo o frescor do
ambiente, considerando-o bastante agradável. Devido a isso,
acabou denominando-o "Suganomiya". Nesse local, o casal teria
vivido um amor intenso, num clima de total harmonia. Tamanha
felicidade teria levado Susanoo a compor, em homenagem à sua
esposa, o poema que vem a seguir, cuja estrutura silábica
corresponde a: 5-7/5-7/7.

Yagumo tatsu
Izumo yaegaki tsumagome ni
yaegaki tsukuru sono yaegaki wo.

Surgiram nuvens
formando uma cerca de oito voltas.
Oito voltas de nuvens cercam o palácio real.

Tal poema marca o início das composições de 31 sílabas


fixas, que darão origem ao estilo waka. Susanoo no Mikoto teria
86
Kojiki: livro de mitologia mais antigo do Japão. (N. T.)

138
O Tempo Chegou!

sido, então, o primeiro poeta a compor especificamente nesse


estilo.

Discorrendo ainda sobre as origens de Susanoo no


Mikoto, segundo a mitologia japonesa, tem-se conhecimento de
que são três as gerações que se identificam com nome idêntico:
Kansusanoo no Mikoto (pai); Haya-Susanoo no Mikoto (filho) e
Takehaya-Susanoo no Mikoto (neto). Só após essas gerações -
que, segundo minha opinião, ainda continuam a se manifestar - é
que teria nascido Ookuninushi no Mikoto.

A correlação desses fatos com um ritual do Templo Izumo,


em que uma lamparina permanece acesa ininterruptamente,
sendo sempre substituída antes que se apague, tem uma
importância bastante grande. Trata-se de um ato ritualístico cuja
duração já ultrapassa dois mil anos - o que me faz pensar que tal
simbologia tenha um significado bastante profundo:
possivelmente, o da não interrupção da própria linhagem
sanguínea de Susanoo no Mikoto, até que chegasse o dia de ele
recuperar novamente o governo do Japão.

7 - Episódio da vida de Ookuninushi

Os temas que abordarei agora fogem um pouco dos


assuntos tratados até aqui. Ookuninushi no Mikoio 87 tinha dois
filhos: Kotoshironushi no Mikoto, seu primogênito, e
Takeminakata no Mikoto. O filho mais velho era uma pessoa
extremamente cordata. Portanto, aceitou facilmente a derrota
sofrida por seu pai. Já o segundo nunca chegou a se conformar,
o que o levou a resistir bravamente ao inimigo. Com isso, acabou
sendo perseguido, só que, mesmo assim, conseguiu chegar até o
Lago Suwa, que se localiza no Estado de Shinshu, ao norte do
Japão - local onde hoje se encontra o Templo Suwa.
Takeminakata no Mikoto teve uma morte bastante trágica: atirou-
se no Lago Suwa, pondo fim à própria vida.
87
Ookuninushi no Mikoto: o perdedor da guerra travada contra Jinmu. (N. T.)

139
O Tempo Chegou!

8 - Revelações divinas

Agora, passarei ao relato de fatos que me foram


diretamente revelados por Deus. Relembrando um pouco o que
já disse anteriormente, quando Kansusanoo no Mikoto veio da
Coreia para o Japão, desembarcou no Sul, numa região
denominada Izumo no Kuni. Nesse período, quem detinha o
poder de go-ernança era o Imperador divino Izunome - o qual,
segundo meu ponto de vista, parece ter sido, desde antigamente,
o verdadeiro dirigente do Japão. Izunome seria originário do povo
Yamato, estirpe cuja característica principal era não apreciar
conflitos. Os Yamato eram amantes extremados da paz.

Num confronto de forças com invasores, lzunome não


ofereceu resistência alguma e, ao sentir que sua vida corria
perigo, acabou fugindo. Atravessou o mar e chegou a outro país.
Quem ficou em seu lugar foi um filho - o Imperador Amatherasu -
que acabou vindo a falecer, em circunstâncias de que não se tem
informações precisas. Mas sua esposa, a imperatriz, teria
continuado no poder.

Entretanto, a situação dos Yamato teria se tornado cada


vez mais precária, não havendo meios de esse povo chegar a
outra alternativa, senão acatar as exigências feitas por Susanoo
no Mikoto. Foi quando um acordo de paz entre ambos 88 foi
firmado, numa região denominada "Ame no Yasugawara". Tal
contrato encontra-se registrado no mais antigo livro japonês de
mitologia - o Kojiki. De acordo com as determinações do tratado
firmado, ficou estabelecido que o Lago Biwa89 viria a ser o marco
divisor de possessões territoriais, cabendo a parte oeste a
Susanoo no Mikoto e o lado leste, à Imperatriz Amatherasu.

O importante agora é saber quais as verdadeiras razões


88
A Imperatriz Amatherasu e Susanoo. (N. T.)
89
Lago Biwa: o maior lago do Japão. Localiza-se bem na região central do país. Na parte
leste desse lago existe uma aldeia denominada "Yasu", onde, provavelmente, esse acordo
de paz foi assinado. (N. T.)

140
O Tempo Chegou!

que teriam levado ao estabelecimento de tal acordo. Na


realidade, Susanoo no Mikoto o teria aceito, já com segundas
intenções: governaria, inicialmente, conforme as determinações
estabelecidas, porém, mais tarde, partiria para a conquista e o
domínio do Japão todo.

Mas, nessa época, a situação geral não permitia a


Susanoo fazer, de uma só vez, tudo o que almejava, pois é certo
que não contaria, assim de imediato, com apoio suficiente. Com
certeza, a opinião pública se manifestaria contra ele - o que o
obrigou a ter de esperar pelo momento certo para poder
manifestar suas verdadeiras intenções.

Assim sendo, Susanoo teria decidido ameaçar de morte a


imperatriz Amatherasu, caso esta não lhe cedesse o poder do
lado leste. Então, não tendo mais como resistir às ameaças de
Susanoo, Amatherasu teria decidido abandonar o trono, sem
demonstrar apego algum ao poder que detinha. Só mesmo dessa
forma conseguiria escapar do perigo que corria.

Então, acompanhada por alguns de seus auxiliares,


Amatherasu decidiu empreender uma viagem de fuga. Mas, logo
que Susanoo tomou conhecimento de seus planos, deu ordem
expressa para seus exércitos acabarem definitivamente com ela.
Contudo, os intentos de Susanoo não lhe valeram vitória alguma,
já que a imperatriz conseguiu se livrar das perseguições que
sofria. Foi quando, finalmente, Amatherasu decidiu estabelecer
residência no topo da atual Montanha Minakami - localizada no
Estado de Shinano no Kuni 90 , Só que, nessa localidade,
Amatherasu também não obteve tranquilidade. Daí, visando a
uma segurança maior, teria passado a viver no interior de uma
montanha cuja denominação é "Togakushi91".

Outra narrativa menciona a vinda - só que bem mais tarde,

90
Shinano no Kuni: estado que se localiza no extremo norte do Japão. (N. T.)
91
Togakushi: lugar da porta escondida. (N. T.)

141
O Tempo Chegou!

muito depois de Susanoo no Mikoto - de um outro herói


pertencente à dinastia chinesa Chou, denominado "Ninigi no
Mikoto". Seu antepassado era conhecido por Banko Shinno, que
quer dizer "Rei divino de Banko". Na China, Banko Shinno92 era
considerado como Amatherasu.

Segundo consta, quando Banko Shinno tomou


conhecimento de que o Japão estava dominado por Susanoo no
Mikoto, decidiu reagir. Porém, veio a falecer antes de conseguir o
que pretendia. Assim, foram adiados os intentos de conquista do
território japonês - feito que acabou se concretizando só bem
mais tarde, por outro grande líder da terceira geração de Banko-
Shi, denominado "Kamiyamato lwarehiko no Mikoto", que
corresponde a Ninigi no Mikoto.

9 - Genealogia do povo japonês

Após um longo tempo de lutas, teve início o governo do


Imperador Jinmu, cuja característica principal foi dar início à
pacificação dos quatro cantos do Japão. Todavia, nesse período,
as tribos nativas espalhadas pelo país todo já tinham bastante
poder e, por isso, ofereceram resistência à conquista militar
empreendida pelo povo Tenson. Dentre outros, a história registra,
nesse sentido, os seguintes grupos: Yasotakeru, Nagasunehiko e
Kumaso.

Porém, o exército de Jinmu possuía bem mais


armamentos que os demais grupos que ofereciam resistência ao
imperador. Então, a maioria das regiões foi conquistada, levando
o povo japonês a submeter-se ao novo governo. Mesmo assim,
até hoje, algumas tribos oferecem resistência às conquistas
empreendidas por Jinmu e, por isso, ainda continuam fugindo ou
vivendo isoladas, sem participar da sociedade como um todo.

Considerando-se esses aspectos todos, o povo japonês


92
Shinno é também conhecido por Banko-Shi; rei da linha solar; homem divino. (N. T.)

142
O Tempo Chegou!

apresenta-se dividido em quatro ramos distintos, a saber: o grupo


Yamato, raça pura que seguia Amatherasu; os Tenson, da linha
de Ninigi no Mikoto; os Izumo, que eram da estirpe de Susanoo
no Mikoto e, por fim, o conjunto das demais tribos nativas do
Japão.

A linha do povo primitivo japonês origina-se de uma região


denominada "Kokasasu". Tal povo teria atravessado a Mongólia,
a Manchúria e a Coreia do Norte, chegando, finalmente, à
península de Aomori - norte do Japão. Assim, o país teria sido
penetrado paulatinamente, até o grupo atingir a região de Kinki93.
Não há evidências de deslocamentos além desse ponto.

Dentro dessa linhagem primitiva, existem duas


manifestações culturais distintas, comprovadas por descobertas
arqueológicas, realizadas no Japão todo, de diversos objetos
confeccionados em pedra e cerâmica. Uma delas diz respeito
aos próprios nativos e a outra, ao povo Yamato, cujo estilo na
arte da fabricação de cerâmicas era bastante evoluído. Tal estilo
é denominado "Yayoi".

10 - Disputas pelo poder

Conforme já mencionado, o domínio do Japão até o final


da Segunda Guerra Mundial coube ao povo Tenson. Mesmo
assim, no decorrer desse longo período, ocasionalmente,
surgiram dirigentes de linhagem pura, como, por exemplo:
Nintoku e o Imperador e a Imperatriz Komyo.

Por sua vez, descendentes na linha de sucessão de


Susanoo no Mikoto continuaram batalhando, de todas as formas
possíveis, para reconquistar o poder - de onde se pode deduzir
que nunca deixou de haver guerras persistentes 94 entre o
governo do norte - sob liderança dos Tenson - e o governo do

93
Kinki: região de Kyoto, Osaka. (N. T.)
94
Nanbokucho: 1336 a 1392. (N. T.)

143
O Tempo Chegou!

sul 95 - chefiado por Izumo. Portanto, foram as disputas entre


essas duas linhagens que teceram, ao longo de séculos, a
própria história do povo japonês.

Assim sendo, conclui-se que, para o devido entendimento


das particularidades que envolvem a verdadeira história da
sociedade japonesa, é necessário, primeiro, ter-se conhecimento
desse princípio básico característico de disputa permanente entre
povos.

11 - O governo Tokugawa

Uma das últimas manifestações de luta pelo poder no


Japão foi a da Era Tokugawa - ou da política conhecida, no
Ocidente, como Xógum e, no Oriente, como Bakufu. Os
vencedores, que pertenciam à família Tokugawa, conseguiram
dominar o país por cerca de 264 anos, de 1603 a 1867. A sede
do governo Tokugawa era em Tóquio, embora o imperador do
Japão se mantivesse em Kyoto.

Nem seria necessário fazer menção quanto aos


verdadeiros objetivos envolvidos na política Xógum. Basta
simplesmente dizer que o poder exercido pelos Xógum deveria
ter permanecido nas mãos do imperador. O primeiro governante
desse período foi Ieyasu Tokugawa que, muito esperto, não
mostrou, assim tão de imediato, as suas verdadeiras intenções.
Para tanto, primeiramente, elaborou um plano estratégico muito
bem fundamentado - inclusive, tentou mantê-Io vigente durante
muitos anos, justamente para não dar motivos para a opinião
pública se voltar contra o seu governo. Assim, ao longo do
período sob seu domínio, Ieyasu Tokugawa se esforçou em
adotar vários meios para levar o próprio povo a esquecer a
presença do imperador - aspecto que demonstra a sua grande
perspicácia.

95
Nancho. (N. T.)

144
O Tempo Chegou!

Dentre as medidas que tomou, uma delas foi cortar


drasticamente as despesas da família imperial que, a partir daí,
passou a receber apenas 10.000 goku 96 de arroz, quantia
equivalente a 300.000 sacas anuais - o que, de fato,
correspondia a uma cota absolutamente irrisória. Por vezes, nem
isso a família imperial chegava a receber. Na verdade mesmo,
Tokugawa deixou o imperador na miséria e, para comprovar esse
fato, basta lembrar que a sua própria família, nesse mesmo
período, recebia a quantia de 8.000.000 de goku de arroz.

Nessa época, tanto o príncipe quanto o futuro imperador


Meiji - que tinha mais ou menos uns 7 anos de idade - não
podiam sequer tomar um mero lanche, tamanha a escassez de
alimentos a que a família imperial foi submetida pelas medidas
tomadas por Tokugawa. Mas, por pena, o dono da Toraya,
doceria bastante famosa do Japão, ofertava-lhes doces à
vontade. Inclusive, quando o Imperador Meiji ascendeu ao trono
(1868 - 1910), uma de suas primeiras providências foi chamar o
dono da Toraya para conceder-lhe, em caráter irrevogável, a
concessão de serviços tanto para o palácio imperial quanto para
a aristocracia em geral - gesto que caracteriza todo o
agradecimento do príncipe pela profunda fidelidade demonstrada
por essa pessoa na época mais crítica em que a família imperial
esteve submetida ao governo inimigo. Ainda hoje, a loja Toraya é
a responsável pelo abastecimento de todo o palácio imperial.

No período de despotismo do governo Tokugawa, os


aristocratas também enfrentaram as mais sérias dificuldades.
Foram até obrigados a fazer serviços extras para garantir a
própria sobrevivência. Inclusive, no final do regime, a situação da
família Tokugawa e a dos feudais que lhe eram fiéis já não se
mostrava muito diferente da vida de restrições enfrentada pela
aristocracia nesse momento.

Os Tokugawa, que tinham muito orgulho da própria


96
Goku: medida específica de determinada quantidade de arroz. (N. T.)

145
O Tempo Chegou!

riqueza e do luxo em que viviam, passaram a ter sérios


problemas tanto para se manter quanto para sustentar os feudais
pertencentes ao seu mesmo ramo familiar. Tanto assim, que a
maioria não encontrou outra alternativa, senão pedir dinheiro
emprestado a grandes e ricos comerciantes oriundos do próprio
povo. Mas, em troca pelos favores obtidos, foram obrigados a se
desfazer de objetos valiosos e de obras de arte. Dentre outros,
os nomes de Tatsugoro Yodoya e de Zenyemon se tornaram
famosos no Japão devido justamente ao socorro que prestaram
aos Tokugawa.

Ainda hoje consta que a Família Koonoike possui um


depósito correspondente ao tamanho de dez casas, onde se
encontram guardados inúmeros objetos preciosos de que muitos
aristocratas e feudais foram obrigados a se desfazer. Daí poder-
se concluir que os servidores de Tokugawa também ficaram na
miséria, precisando até trabalhar em outros empregos para
garantir a própria sobrevivência. Mesmo assim, apesar dessa
situação absolutamente calamitosa, alguns não perderam a
imponência - e daí o surgimento de um dito popular que tão bem
expressa a atmosfera da época: “um samurai usa o palito
orgulhosamente, mesmo sem comer".

Os motivos que levaram ao enfraquecimento dos


Tokugawa são relativamente semelhantes aos que ocorrem, até
hoje, em diversos países: dificuldades financeiras. Em seu
período de domínio, a única fonte de renda dos Tokugawa
provinha da produção de ouro - produção essa que sofreu uma
queda drástica, principalmente quando as minas da Ilha de Sado,
per tencentes à família Tokugawa, pararam de produzir.

É oportuno lembrar que a exploração de minas de ouro


não se deu só na Era Xógum. Desde antigamente, sem exceção,
qualquer pessoa que assumisse o governo tinha o direito de
deter o comércio de ouro no país. Foi o que se deu com Yoritomo
Minamoto (1190 - 1199) que, com o intuito de encontrar minas

146
O Tempo Chegou!

auríferas, chegou até a escravizar um famoso especialista -


Kichiji Kanahori, antigo discípulo de Yoshitsune.

Mais tarde, a história se repete, dessa vez, com outro


governante, Hideyoshi Toyotomi, que acabou ficando bem
conhecido por todo o empenho que empreendeu na busca por
ouro. Posteriormente, surge Ieyasu Tokugawa, com um histórico
semelhante ao dos demais: concentrou inúmeros esforços para
encontrar ouro, tendo chegado a contratar Yuwamimori Ookubo -
um dos especialistas mais habilidosos da época na descoberta
de minas auríferas. Assim, foi atribuído a Yuwamimori um cargo
de grande importância, e ele então passou a percorrer o Japão
inteiro à procura do precioso metal.

Nessa sua empreitada, foram descobertas duas grandes


minas: a de Izu e a de Oohito, ambas com ouro de excelente
qualidade, em abundância. Dessa forma, juntamente com a mina
de Sado, foi atingida uma produção fabulosa desse metal
precioso que chegou, inclusive, a dar condições para a
construção do Templo Toshogun - obra em que empregou-se
ouro em grande quantidade. A elaboração do projeto desse
templo coube a Iemitsu, neto do próprio Ieyasu Tokugawa.

Considerando-se os fatos, nota-se o quanto as finanças do


governo Tokugawa eram estáveis. Inclusive, o próprio Ministério
da Fazenda97 era um órgão de grande importância no Japão, que
sempre contou com profissionais altamente competentes para
administrá-Io.

Além do mais, conforme já mencionei antes, quando o


período Tokugawa estava em sua fase final, houve um drástico
declínio na produção de ouro no país, principalmente devido à
falência das minas de Oohito e Sado. Daí eu não ter a menor
dúvida de que a decadência financeira do governo japonês foi a
causa fundamental do desmoronamento do poder dominante.
97
Kanjoobugyo: Ministério da Fazenda, no Japão. (N. T.)

147
O Tempo Chegou!

É certo também que, nessa mesma época, surgiram


muitos militantes contrários ao regime vigente, que tencionavam
derrubá-Io. Foi daí que dois feudos - Satsuma e Choshu - se
revoltaram contra o poder, realizando, muito antes do que o povo
pudesse imaginar, o grandioso renascimento do reino, na busca
pela revalorização da família imperial.

Mas a grande causa da derrocada dos Tokugawa deveu-


se, com certeza, a dificuldades financeiras, as quais, por sua vez,
constituíram-se na própria base do processo todo de
transformação pelo qual o imperador pôde retomar a sua
autoridade de fato - o que levou-o a promulgar uma nova
Constituição, que gerou grandes mudanças em todas as áreas
sociais do país. E foi dessa forma que se estabeleceu a sólida
monarquia japonesa de que todos têm conhecimento.

Finalmente, após a vitória em duas grandes guerras -


contra a China e a Rússia - o poder real se fortaleceu. O Japão
passou a ser um país de primeiro mundo: tornou-se forte; um
império muito bem estruturado, mesmo quando considerado
subjetivamente.

12 - Transformações no Mundo Espiritual

No ponto em que estamos, já é possível dar explicações a


respeito das mudanças relativas à história do Japão ocorridas no
Mundo Espiritual. Susanoo no Mikoto já havia perdido o poder,
entretanto continuava se utilizando de inúmeros subterfúgios
para reconquistá-Io. Contudo, fazia-o veladamente, sem revelar
as suas verdadeiras intenções. Por sua vez, o Imperador Jinmu
também tecia planos pessoais nesse mesmo sentido,
manifestando, porém, seus objetivos bem mais abertamente que
Susanoo.

O que se concretizou no Mundo Material foram os fatos


ocorridos a partir do governo Fujiwara (889 - 1184) - período em

148
O Tempo Chegou!

que tiveram início os conflitos entre as linhas Tenson e Izumo,


através de seus representantes Dokyo e Wakeno Kiyomaru;
Kiyomori e Shigemori; Tokihira e Michizane; Tokiuji e Masashige
e, posteriormente, dos governantes do período Tokugawa, todos
eles visando ao domínio do país.

Entretanto, ainda há um ponto fundamental sobre o qual


falarei agora, que passa meio despercebido na história do Japão:
a linhagem dos Izumo. Embora seus representantes tenham
lutado por dois mil anos, não atingiram suas metas, o que os
obrigou a mudar de estratégia. Assim, dando uma guinada de
cento e oitenta graus, abandonaram as armas, procurando
chegar à conquista do poder por meio da religião. Para isso,
lançaram mão de ramos distintos do Xintoísmo, de épocas e
fundadores diferentes, tais como: Tenrikyo, Oomotokyo,
Konkoukyo, Myoreikyo e Kurozumikyo. Mas sempre com planos
muito bem elaborados sobre cada um deles.

No Budismo, a linha Izumo serviu-se do ramo Nichiren -


que hoje é uma verdadeira potência no Japão 98 . Mas, dentre
todos esses grupos religiosos, o que realmente foi capaz de
atingir os melhores resultados foi o Tenrikyo, cujos
Ensinamentos, denominados Ofudesaki e Okagura, ambos
psicografados, manifestam explicitamente a intenção de
conquista do país.

Uma boa parte desses escritos diz claramente que o


imperador do Japão é de origem chinesa. Um trecho do Okagura,
por exemplo, diz o seguinte: "A verdadeira coluna do monte alto é
chinesa, e esta é a ira principal de Deus." Tal passagem significa
que o imperador é a verdadeira coluna do monte alto. Quanto ao
deus irado, nem é preciso dizer que se trata de Susanoo no
Mikoto. Outros poemas da doutrina Tenrikyo também se referem
à maioria dos funcionários do governo como sendo de origem
98
Já conta com trinta deputados no parlamento e um jornal com duas tiragens diárias de,
aproximadamente, quatro milhões de exemplares. Isso além de também ser um partido
político fortíssimo. (N. T)

149
O Tempo Chegou!

chinesa.

Há algum tempo, eu mesmo cheguei a ver esse assunto


referente às origens do imperador publicado no livro de autoria
de Aijiro Oonishi - cuja doutrina teve rápida expansão, levando-o,
inclusive, a ficar encarcerado durante quatro anos. Aijiro foi o
fundador do Templo Tenrihondo, sediado em Osaka.

Também os Ensinamentos da Oomoto - que constam do


livro Ofudesaki, psicografado por sua fundadora99 - apresentam
sentido semelhante de crítica ao imperador, partindo desse
mesmo princípio de que ele seria originário da China. Sabe-se,
pela imprensa, que a Igreja Oomoto teria sofrido muitas
perseguições, desde 1922 até 1935100. Na verdade, a Oomoto se
constituía numa espécie de exército de oposição ao imperador -
motivo que a teria levado a sofrer um ataque fatal.

Por sua vez, a Tenrikyo teria criado uma doutrina nova,


que ocultava em seus Ensinamentos temas referentes às origens
da monarquia japonesa, motivo que teria levado essa religião a
crescer muito, alcançando, assim, considerável expansão - aliás,
trata-se aqui de uma manobra bastante habilidosa por parte de
seu dirigente. Quanto aos demais ramos religiosos, não vou fazer
menção alguma, já que representam grupos pequenos de pouca
influência.

Em relação ao Budismo, a linha Nichiren foi a grande


causadora de sérios problemas. Dentre seus seguidores, havia
um grupo tremendamente agressivo que, inclusive, chegou a
penetrar no âmago do exército japonês, provocando dois grandes
incidentes: o de 15/05/1932 e o de 26/02/1936 - tentativas essas
que, valendo-se de golpes militares, pretendiam a retomada do

99
Nao Deguchi. (N. T)
100
Em 08 de dezembro de 1935, o templo que sediava a Oomoto foi dinamitado, ficando
totalmente danificado. É interessante notar que essa data corresponde ao primeiro dia do
surgimento do Sol no Mundo Espiritual. Em 1941, também em 08 de dezembro, o Japão
declarou guerra aos Estados Unidos. (N. T).

150
O Tempo Chegou!

poder.

Ao se analisar, sob o ponto de vista espiritual, o incidente


ocorrido em 26/02/1936, é possível notar que se baseia em
causas muito profundas sobre as quais ainda não posso me
referir, por ainda não ser o tempo propício para tal.

13 - Os quatro grupos

Conforme já mencionei, os japoneses se originam de


quatro grupos distintos, sendo que um deles corresponde ao
tronco Yamato - povo peculiarmente pacifista, que sempre
demonstrou aversão a lutas. Por isso, em sua época, os Yamato
se caracterizavam por possuir um governo tranquilo e
harmonioso. Embora contando com poucos recursos e possuindo
uma cultura bastante primitiva, eram alegres e felizes. Assim, no
decorrer de muitos anos, os Yamato viveram pacatamente, sem
se preocupar com a possibilidade de invasões inimigas - sonho
de paz alimentado durante um longo tempo, até ser,
repentinamente, desfeito pela chegada de Susanoo no Mikoto.

Com isso, o ambiente social em que viviam os Yamato


sofreu drásticas modificações, e assim permaneceu centenas de
anos, sempre enfrentando muitos conflitos até o final do governo
do Imperador Jinmu. Mas a partir daí, foi estabelecido um
ambiente de paz e serenidade, embora a sociedade, em seu
íntimo, sentisse a existência de duas correntes distintas.
Portanto, ainda reinava entre o povo um certo clima de
intranquilidade e estranheza.

Porém, com o aumento populacional, foi dado início a um


modo de vida mais sistematizado, com instituições
especificamente definidas em todas as áreas. Até o próprio
governo passou a exigir o chamado "tributo de produção" - uma
espécie de imposto de valor proporcional relativo a produtos
adquiridos pelas pessoas em geral. Há até, um famoso poema do

151
O Tempo Chegou!

Imperador Nintoko que define muito bem a situação da época:

Ao lugar mais alto


subindo, vejo fumaça saindo.
O forno da casa do povo em atividade.

Na verdade, pode-se perceber pelo poema que, nesse


período, o povo tinha o que comer, mesmo que não fosse assim
tão afortunado quanto se imaginava. Foi daí que o imperador
tomou a decisão de diminuir os impostos. Então, os japoneses
continuaram a viver em paz por mais uns mil anos, mais ou
menos, sem a ocorrência de nenhum acontecimento social
extraordinariamente marcante.

Entretanto, a partir daí, houve uma grande revolução no


Japão: a chegada do Budismo, no ano de 538 a.C, durante o
império de Kinmei. Assim, teve início uma cultura fantástica, que
foi influenciada pela arte búdica.

Após isso, veio o tempo do Imperador Suiko e, depois


dele, seguem-se outros períodos distintos, com seus respectivos
imperadores, a saber: Asuka, Tenpyo e Hakuhoo - época em que
o Japão viu florescer uma cultura magnífica, com manifestações
artísticas em todos os níveis. O Príncipe Shotoku, por exemplo,
construiu, nesse período, o Templo Houryu - uma obra
arquitetônica genial, que seguia os modelos existentes na Índia.
Um pouco mais tarde, foi edificado o Templo Todai do Grande
Buda - estrutura que revela a grandiosidade da arte do Budismo,
tão admirada pelo mundo todo. Analisando-se os fatos, nota-se o
quão exemplar foi o passado do povo Yamato, a começar pelo
próprio Príncipe Shotoku - um grande homem, amante da paz.

Em seguida, tem-se o período Fujiwara 101, tempo em que


começaram a brotar as primeiras sementes dos conflitos entre
duas linhas: a dos Tenson - de origem chinesa - e a dos Izumo -
101
Fujiwara: 930 a 1196 a.c. (N. T.)

152
O Tempo Chegou!

de origem coreana. Foi daí que o povo japonês começou a


perceber que estava tendo início um período de guerras.

Nesse momento, contudo, o grupo Yamato - sempre


contrário a discórdias - se voltou para a produção literária. Foi
então que surgiram alguns livros bastante famosos, como: Genji
Monogatari 102 , Tsurezuregusa, Makura no Sooshi, Ise
Monogatari 103 , além de outros tantos. Algum tempo depois,
surgem dois livros de poesia: Manyo-Shu e Kokin-Shu. Esse
conjunto de obras se caracteriza por expressar uma arte literária
tipicamente japonesa. A partir dessa época, outros literatos
também começam a surgir: Murasaki Shikibu, Kenkoo, Hitomaro,
Saigyo e Basho, dentre outros. Nesse período, alguns calígrafos
também se notabilizaram, como, por exemplo, Tsurayuki, Doofu e
Yukinari.

Porém, a tendência artística mais expressiva do povo


Yamato diz respeito às artes plásticas - manifestação artística
cuja produção maior se deu no período Fujiwara, sob influência
do Budismo. Nessa época, merecem destaque na pintura:
Chodenshi, Kozeno, Kanaoka e Tobasojo, dentre outros. Na
escultura, Kuukai e Gyoki. Na técnica do Sharon, arte peculiar do
Japão, sem representantes no exterior - o que, aliás, é motivo de
grande orgulho para o país - destacam-se autores anônimos,
surgidos desde a época Tenpyo.

Mas é importante não nos esquecermos de outros artistas


também notáveis, que tanto contribuíram para o enriquecimento
da arte japonesa. Dentre eles, destacam-se Yoshimitsu Ashikaga
e Yoshimasa Ashikaga, responsáveis pela construção do Templo
Dourado Kinkaku e do Templo Prateado Ginkaku. Nesse período,
esses dois artistas importaram muitas obras de arte chinesas,
especialmente pinturas famosas do período das dinastias Song e
Yuan. Primaram não só pela escolha de excelentes obras, mas

102
Genji Monogatari: história da vida de Genji. (N. T.)
103
Ise Monogatari: história da vida de Ise. (N. T.)

153
O Tempo Chegou!

também por todo o empenho que empreenderam no sentido de


conservá-Ias. Justamente por isso é que elas podem, ainda hoje,
ser apreciadas na coleção de Higashiyama Gyobutsu.

Atualmente, a maioria dos objetos de arte importados da


China foi tombada como patrimônio nacional. Daí poder-se
constatar o inestimável valor desses dois colecionadores e de
sua grande contribuição para o emiquecimento do patrimônio
cultural do Japão. Também se pode afirmar que os modelos
chineses serviram de base para a pintura japonesa, dando
origem à Escola Kanoo, em cujo estilo predomina o dom artístico
do povo Yamato.

14 - Período Kamakura

Ao ter início esta fase (1192 - 1333), a escultura - que já


começara a se desenvolver - chegou a atingir um alto grau de
perfeição, principalmente as obras influenciadas pela arte do
Budismo. Foi nesse momento que surgiu o famoso escultor
Unkei, considerado um grande mestre de sua época.

Entretanto, com a intensificação de guerras, o lado


pacífico dessa cultura ficou adormecido. Mas, passado certo
tempo, um grande político, Hideyoshi Toyotomi104, conseguiu a
pacificação do país. Assim, de repente, passou a reinar um
ambiente de alegria e felicidade no Japão, o que contribuiu para
que as artes florescessem novamente.

15 - Período Momoyama

Pode-se dizer que essa época, de forma relativamente


misteriosa, coincidiu com o Renascimento na Europa - momento
em que surgiram, assim como se fossem nuvens no céu, muitos
mestres e grandes figuras na área cultural.

104
1585. (N. T.)

154
O Tempo Chegou!

No Japão, por exemplo, merecem destaque: na pintura,


Sotatsu, com técnica criativa própria, individual; no Maki-e,
Koetsu, artista bastante famoso que também se notabilizou como
ceramista e calígrafo: na cerimônia do chá, Rikyu. Na construção
de jardins e de arranjos florais, muitos artistas se salientaram,
mas Kobori Enchu foi o mais famoso deles.

16 - Período Genroku

Decorridos, aproximadamente, duzentos anos, chega a


época Genroku, que se caracteriza por um ambiente de
suntuosidade e paz. Nessa fase, surgem dois grandes nomes na
pintura: os irmãos Korin e Kenzan. Bem mais recentemente,
aparecem dois outros famosos pintores a quem não poderia
deixar de fazer referência: Hooitsu e Seihou, responsáveis pelo
ressurgimento do estilo artístico da Era Mamoyama. Ambos
criaram obras que, até hoje, deixam seus apreciadores bastante
deslumbrados.

17 - Os ceramistas

A produção de cerâmica no Japão começou a se


desenvolver na época Kamakura - período em que fornos foram
construídos nas regiões de Seto e Obari, principalmente. Algum
tempo depois, a atividade de ceramista passou também a se
desenvolver em Kyoto - localidade em que obras famosas foram
produzidas por um notável artista denominado "Ninsei". Também
não se pode deixar de mencionar Chojirou - fundador do Raku
Yaki, estilo de trabalho em cerâmica criado a partir de modelos
coreanos.

Além do que já mencionei, não existe quase mais nada a


ser destacado. Só mesmo o nome de um grande catalogador,
Fumaiko Matsudaira, que deu uma contribuição bastante
significativa para o surgimento de coleções organizadas de
objetos raros confeccionados em cerâmica.

155
O Tempo Chegou!

18 - Outros artistas

Existem também outros artistas importantes; entretanto,


não vou discorrer a respeito, já que o principal objetivo deste
artigo é mesmo um estudo sobre o povo Yamato. Daí,
propositadamente, eu ter evitado fazer referências em relação a
manifestações artísticas de origem chinesa. Só escrevi, portanto,
sobre aspectos culturais típicos do Japão.

19 - Os povos Tenson e Izumo

Deveria, a seguir, discorrer sobre os povos Tenson e


Izumo, mas os fatos relativos a eles já são bastante conhecidos
pela História. Dessa forma, achei desnecessário dizer que os
militares, que quase todos os generais famosos do Japão se
originam desses dois povos.

Contudo, na linha dos Tenson, merece destaque o


surgimento de alguns eruditos e de escritores que, de modo
especial, estavam ligados à cultura chinesa. Entre os seguidores
do imperador, é interessante notar a existência de vários
intelectuais que deram uma grande contribuição quanto ao
fortalecimento do reinado japonês - fato que ajudou
significativamente na salvação do povo Tenson, que vivia sob
forte pressão do grupo dos Izumo.

Em atitude oposta à de estudiosos da cultura chinesa, os


Yamato seguiram uma tendência artística peculiar, mais voltada
para a literatura. Como resultado, acabaram contribuindo muito
em aspectos culturais do Japão, em especial no que diz respeito
a poemas em estilo waka e a obras em hiragana - escrita
japonesa típica criada pelos próprios Yamato.

Os Yamato não despertaram muita atenção, já que não


constituíam presença marcante em guerras - aliás, tinham total
aversão a elas. Mas é preciso que fi que bem claro o seguinte:

156
O Tempo Chegou!

apesar de esse povo não ser voltado a lutas, os últimos


governantes do Japão - do período do Imperador Nintoku e da
Imperatriz e do Imperador Komyo - pertenciam à linha dos
Yamato.

20 - Os nativos

A seguir, falarei sobre os nativos, os ancestrais mais


distantes dos japoneses. Foram conquistados pelo Imperador
Jinmu - e daí tal povo, mesmo nos dias atuais, ainda conservar
um forte sentimento de rancor. É dessa linha que se originam os
comunistas do Japão, os quais, até antes do término da Segunda
Guerra Mundial, cultivavam grande antipatia pelo imperador -
atitude originária do antigo karma oriundo de guerras de
conquista.

Nessa época, era bastante clara a hostilidade que


manifestavam pela figura do imperador e também por militares e
burocratas do governo - atitude que, aparentemente, até chega a
parecer estranha como sentimento de fidelidade em relação a
outro país, pois os nativos viviam e se alimentavam do mesmo
arroz de seus compatriotas. No entanto, quando se torna
conhecida a linha espiritual da alma, entende-se claramente o
motivo de terem se mantido fiéis à Rússia105 - país de onde, na
verdade, o povo nativo do Japão se origina.

Assim, de acordo com o mesmo raciocínio fundamentado


na linha espiritual para o estabelecimento do povo japonês, é
possível entender o porquê de alguns serem extremamente fiéis
ao imperador, enquanto outros nem sequer nutrirem por ele a
mínima simpatia, chegando ao ponto, inclusive, de não admitirem
manter qualquer vínculo com a sua pessoa. Na verdade, a
primeira corrente que lhe foi fiel origina-se do povo Tenson, ao
passo que a segunda - que lhe era contrária - pertence aos
Izumo.
105
Rússia: atual Federação Russa; ex-União Soviética.

157
O Tempo Chegou!

21 - Diferenças existentes entre as linhas sanguínea e


espiritual

De modo geral, as pessoas nem notam a menor diferença


entre ambas, mas os fatos não são bem assim. A linha espiritual
se refere à ligação entre almas, sendo que esse vínculo é de
caráter eterno. Por sua vez, o lado sanguíneo sofre mudanças
permanentes, justamente devido ao estabelecimento de contato
entre raças distintas.

Dessa feita, mesmo para um povo nascido no Japão, não


se pode ter conhecimento de quais sangues diferentes tenham
se misturado para lhe dar origem - fato que não tem nada de
condenável, uma vez que esse inter-relacionamento gera
personalidades distintas e, inclusive, mais fortes, o que dá origem
a pessoas de inteligência bastante aguçada. Na realidade, a
mistura de sangues significa acúmulo tanto de experiências
quanto de diversas dificuldades com as quais os seres humanos
entram em contato no decorrer de suas várias existências.

Assim, com base nessa fundamentação, embora muitos


afirmem que sangue puro é importante, não concordo com isso.
Inclusive, pelo mesmo motivo apresentado anteriormente, penso
ser preciso os parceiros de casamento pertencerem a linhagens
sanguíneas diferentes - e quanto mais distantes forem, melhor -
razão por que desaconselho as uniões entre membros de uma
mesma família. Observem que nas Américas, por exemplo, há
um grande número de pessoas que são excelentes - fato que se
origina da acentuada mistura de vários sangues nessas regiões,
muito mais do que o que ocorre no Oriente.

22 - O exemplo do tear

Para ficar ainda mais clara a diferença existente entre as


linhas sanguínea e espiritual, vou citar como exemplo o tear: para
que o pano possa ser tecido, são necessários fios verticais, que

158
O Tempo Chegou!

não mudam de posição, permanecendo firmes e retos durante


todo o processo de tecelagem. Em relação à vida humana, isso
corresponderia à parte da alma, que continua sempre a mesma,
dando forma, assim, à nossa linhagem espiritual.

Por outro lado, os fios horizontais de uma tecelagem ficam


se movimentando da esquerda para a direita, o que dá origem à
própria trama do tecido, com suas várias nuances de cor. Nesse
sentido, esses fios horizontais seriam a representação da nossa
genealogia sanguínea.

23 - Densidade demográfica correspondente aos grupos:


Tenson, Izumo, Yamato e nativos

Vou falar agora sobre o percentual representativo desses


quatro grupos. Os Tenson 106 constituem maioria, seguidos dos
Izumo 107 , Ainda há que se considerar um reduzidíssimo grupo
formado pelos cáucasos108. O grupo menor é o representado pelo
povo Yamato. Segundo meus cálculos, tal grupo corresponde a
1% da totalidade dos habitantes do Japão.

106
Tenson: origem chinesa. (N. T.)
107
/zumo: origem coreana. (N. T.)
108
Cáucasos: nativos. (N. T.)

159
O Tempo Chegou!

PARTE 3 - COLETÂNEA DE PALESTRAS DE MEISHU SAMA

160
O Tempo Chegou!

1 - Lei do Amatsu Kanagi

A Lei do Amatsu Kanagi existe desde antigamente, e


sempre esteve envolta em grande mistério por parte do Xinto109.
Trata-se de um objeto cuja base é em forma de cruz110. Do centro
do cruzamento entre as suas linhas quadrangulares idênticas -
horizontal e vertical - sobe uma coluna também quadrangular111.
O primeiro Amatsu Kanagi foi confeccionado com uma tábua de
madeira bem velha. No primeiro dia do ano, os imperadores do
Japão costumavam rezar para esse objeto sagrado e, nesse
momento, tinham visões de todos os acontecimentos vindouros,
bons ou ruins, relativos à sorte, ao destino do país naquele ano.

Voltando a falar sobre o mistério que envolve o Amatsu


Kanagi, antes do seu surgimento, havia um outro objeto
considerado sagrado: tratava-se do Gyoku Za, um quadrado que
não se sabe se, na época, era feito de tatami ou madeira. Seu
centro apresentava uma cruz sobre a qual Deus estaria sentado.
Antes do aparecimento do Amatsu Kanagi era assim.

Acredita-se que, quando Amatherasu Ookami era o


supremo governante do mundo, costumava sentar-se no Gyoku
Za e, ao fechar os olhos, ter a revelação de acontecimentos
vindouros. Porém, após a morte de Amatherasu Ookami, o
Gyoku Za foi substituído pelo Amatsu Kanagi. Então, de uma
tábua quadrangular, passou-se a um outro objeto sagrado
constituído por duas tábuas cruzadas com uma coluna bem no
centro - e essa é a origem do Xintoísmo. Porém, penso que até

109
Xinto: religião milenar que, posteriormente, deu origem ao Xintoísmo. Xinto significa
"Caminho de Deus". (N. T.)
110
Cruz: figura geométrica formada por duas linhas ou barras que se cruzam em um ângulo
de 90° dividindo uma das linhas ou ambas ao meio. As linhas se apresentam, normalmente,
na horizontal e na vertical. Existem vários modelos de cruz. A cruz do Amatsu Kanagi, que
lhe serve de base, é a cruz grega: reta, com seus braços de tamanho idêntico. A cruz é um
dos símbolos humanos mais antigos, e é usada por diversas religiões. Normalmente, uma
cruz representa a união dos conceitos de divino - na linha vertical - e mundano - na linha
horizontal.
111
A coluna quadrangular central do Amatsu Kanagi apresenta, relativamente, o dobro do
tamanho das linhas cruzadas idênticas - vertical e horizontal - que constituem a base desse
objeto sagrado.

161
O Tempo Chegou!

mesmo os próprios xintoístas desconheçam esse fato. O símbolo


da Messiânica tem por base o Amatsu Kanagi, mas sobre esse
mistério vou falar em uma outra ocasião.

No que diz respeito ao Amatsu Kanagi112, podemos dizer


que esse objeto sagrado corresponde ao mistério mais profundo
do Xinto. Por ocasião do falecimento de Amatherasu Ookami113,
em substituição a essa divindade, foi confeccionada uma peça
denominada Amatsu Kanagi. No momento em que ela era
colocada sobre as costas de uma pessoa - devidamente eleita
anteriormente - a divindade Amatherasu Ookami começava a se
manifestar através dessa pessoa, que passava então a narrar
oralmente a história do Japão antigo. Tal procedimento foi assim
mantido até a época de Hieda no Are - o kataribe114 mais famoso
do Japão, e um dos que mais usou o Amatsu Kanagi. Hieda no
Are também chegou a escrever o Kojiki115.

Acredito que vocês estejam curiosos em saber como ficou


o uso do Amatsu Kanagi após a morte de Hieda no Are. Eu
mesmo não sei exatamente o que aconteceu, mas creio que,
futuramente, no período em que todas as religiões se unificarem,
a humanidade passará a rezar para Amatsu Kanagi. Também
deve ser considerada a hipótese do surgimento de outras formas
de preito, em substituição a essa.

(Palestra proferida em 1953)

112
Amatsu Kanagi: Amatsu = Céu; Kanagi = árvore dourada.
113
Amatherasu Ookami: Deus Solar. (N. T.)
114
Kataribe: título que se dá, no Japão, àqueles que têm por função transmitir oralmente a
tradição histórica do país. (N. T.)
115
Kojiki: História do Japão antigo. (N. T.)

162
O Tempo Chegou!

2 - A Mudança da Era da Noite para a Era do Dia no Mundo


Espiritual

Quando me refiro à transição da Noite para o Dia, meus


ouvintes poderão pensar tratar-se do conceito de noite e dia
segundo a concepção habitual de tempo correspondente a um
período de vinte e quatro horas - e nem haveria nada de errado
nessa interpretação. Entretanto, o ponto que desejo abordar se
refere à mudança da Noite para o Dia no grande cosmos - fato
esse que as pessoas sem poderes para enxergar claramente o
futuro não são capazes nem sequer de imaginar. Mas, uma vez
atingida a compreensão de tal mistério, torna-se até possível se
chegar ao conhecimento prévio de acontecimentos cuja
ocorrência só se dará futuramente.

Conforme já fiz menção antes, o mundo cósmico é


composto pelos seguintes Reinos: Reino Material Visível, Reino
Material Invisível116 e Reino Invisível117. Aqui no Mundo Material
Visível, e até mesmo no Mundo Material Invisível, é possível
fazer-se a distinção entre dia e noite, levando-se em conta o
período correspondente a um dia inteiro - o que pode ser
comprovado cientificamente tomando-se por base o nascer e o
pôr do sol. No tocante ao homem, chega até a ser possível que
consiga captar aspectos do Mundo Material Invisível valendo-se,
para isso, de algum dos seus cinco sentidos.

No entanto, os acontecimentos concernentes ao Mundo


Espiritual não podem ser apreendidos de forma plena, em
hipótese alguma, ainda que se leve em conta o caso dos que têm
a faculdade de enxergar espiritualmente. Mesmo nessas
condições, continua a haver a dificuldade em se acreditar nesses
aspectos. Até em relação a mim, caso eu não tivesse o mais
pleno conhecimento de Deus, acabaria me encontrando em
116
O Reino Material Invisível pode ser comparado ao ar que respiramos: sabemos que ele
existe, apesar de não o enxergarmos. (N. T.)
117
Quando falamos sobre Reino Invisível, estamos fazendo referência a Reino Espiritual.
(N. T.)

163
O Tempo Chegou!

patamar idêntico ao das pessoas em geral. No meu caso, porém,


existe a determinação de uma missão a ser cumprida - e ela
cabe somente a mim. Mantenho um estreito relacionamento com
Deus, e daí eu ter tanta certeza assim de que, da mesma forma
como o dia e a noite se alternam num período de vinte e quatro
horas, lá no Mundo Espiritual, tem-se a alternância de ciclos
temporais que, desta vez, estão correspondendo a um período
de 3.000 anos denominado "Era da Noite". E quando uma
sucessão dessas ocorre no Mundo Espiritual, ela se faz refletir no
mundo em que a humanidade habita, ou seja, aqui no Mundo
Material. Tais mudanças têm data certa para acontecer no
Mundo Espiritual, mas o que ninguém sabe ao certo é quando
virão a se refletir no Mundo Material.

Partindo-se desse ponto, podemos observar que, ao longo


de sua história, a humanidade se deparou com mudanças de
longa, média ou de pequena duração. Por isso, desejo abordar
agora a questão principal relacionada ao momento presente no
tocante a uma transição de âmbito mundial. Seu início se deu em
15 de junho de 1931 e o término de sua primeira fase dar-se-á
em 15 de junho de 1961. Uma duração de 30 anos que, segundo
a concepção de tempo para o ser humano, até pode ser
considerada como um longo período. No entanto, pela ótica
divina do grande cosmos, isso não chega sequer a corresponder
a um segundo.

Esses 30 anos iniciais de transição aqui no Mundo


Material não se caracterizarão por mudanças marcantes muito
bruscas, já que correspondem a avanços que se darão de forma
lenta. Mas serão necessários um pouco mais de 60 anos118 para
que essa transição se efetive, pois ela exige um certo tempo
tanto para o seu preparo quanto para os arranjos necessários
118
Devemos observar que o Ensinamento aqui em questão afirma que existe exatidão dos
fatos apenas no que diz respeito ao Mundo Espiritual. Assim sendo, não se torna possível
calcular com precisão matemática quando tal transição se dará aqui no Mundo Material.
Mesmo assim, é possível se ter uma ideia aproximada disso, pois algumas pessoas já são
capazes de sentir que tal transição está bem próxima. Aqueles que são mais sensíveis já
conseguem senti-Ia, com clareza. (N. T.)

164
O Tempo Chegou!

relativos a seus acontecimentos vindouros. Até o presente


momento, o significado dessa transição cósmica esteve calcado
no Mundo da Noite, que tinha a Lua como seu governante
absoluto.

2.1 - O Mundo de Miroku

Quando me refiro a Mundo da Noite, estou falando sobre o


que acontecia até o presente momento, quando o Sol ainda não
estava apontado para o Céu. Obviamente que a ocorrência de tal
fenômeno diz respeito ao Mundo Espiritual, porém, com um
exemplo referente ao globo terrestre, vocês entenderão melhor
essa questão. Até agora, ainda no decorrer do Mundo da Noite, a
Lua era responsável por iluminar o Mundo Material, projetando a
sua sombra a oeste da Terra. Mas quando ocorrer o giro do
próprio globo terrestre, será o Sol que passará a brilhar no centro
do Céu, a leste - característica básica do Mundo do Dia.

Céu corresponde a fogo; Mundo Intermediário, a suiso119;


globo terrestre tem correspondência com terra. Assim sendo,
temos a seguinte ordem: 5, 6, 7. Em resumo, no Mundo da Era
do Dia, o Sol - que se manteve invisível até agora - passará a
brilhar no centro do Céu. E esse vem a ser o aspecto
caracerístico do Mundo de Miroku.

2.2 Chegada da Era do Dia e Manifestação do Deus do Sol

O Mundo da Era do Dia chegou e, desta vez, após a


decorrência de 3.000 anos. O cosmos encerra em si mesmo um
mistério tão infinito, que se torna impossível expressá-Io através
de palavras. Entretanto, ainda que eterno, alterna períodos
característicos de máxima, média ou de pequena duração.

E agora, decorridos 3.000 anos, vemo-nos diante de mais


uma volta cósmica, que até poderia chegar a corresponder ao
119
Suiso: lua, água.

165
O Tempo Chegou!

conceito de eternidade, tomando-se por base comparativa a


duração da vida terrena de cada um de nós. São 3.000 anos de
alternância entre nascimentos, mortes e renascimentos. Então,
trata-se de uma mudança, de uma transição tão grande, que nem
nossos ancestrais chegaram a passar por tal experiência.
Portanto, aqueles que, neste momento, se encontram vivos e
dedicando na Obra Divina, não fazem a menor ideia do quanto
são felizes - aspecto esse que nossos ancestrais não tiveram a
oportunidade de vivenciar. Por isso, torna-se tão trabalhoso
fazermo-nos entender pelos demais, justamente pelo fato de a
mudança ocorrida ter sido assim tão grande.

Mas, mesmo que de difícil compreensão, ao ouvirmos a


explicação dada aqui, passamos a entender melhor os fatos. Tal
explicação não pode ser caracterizada como pertencente ao
campo da filosofia ou ao da religião simplesmente, pois trata-se
de algo de caráter novo. Inclusive, quando faço referências ao
termo "despertar", quero dizer ter conhecimento desse ponto.

Na Messiânica, ao se analisar o aspecto da grande


mudança sob o prisma da atualidade, fica complicado entendê-Io
em toda a sua abrangência. Entretanto, uma vez captado o seu
sentido, tudo se torna claro. Chegar-se à compreensão desse
princípio em sua base pode até parecer um pouco difícil, mas,
absolutamente, não é. Basta entender que, através do Johrei,
vocês podem levar um doente à cura, com bastante facilidade -
resultado que nem médicos conseguem atingir. E essa é uma
diferença tão extraordinariamente marcante, que seu
entendimento pleno chega a ser de difícil aceitação.

(Palestra proferida em 1953)

166
O Tempo Chegou!

3 - Significado Oculto do Plano de Deus

Quero falar sobre um número que é bastante interessante.


Este ano 120 será correspondente a 28, sendo que 20 significa
cruzar; unir; unificar Céu e Terra. Ni ( 二 ) significa 2; Ju ( 十 )
significa 10. A soma desses ideogramas japoneses dá origem à
palavra rei (王 王) que, por sua vez, significa cruzar; unir espírito e
corpo. Inclusive, é por esse motivo que, ao marcar datas para
casamentos, costuma-se escolher o dia 20, já que é um número
que corresponde ao cruzamento entre espírito e corpo, entre yin
e yang, entre homem e mulher. Normalmente, opto pelo dia 21, já
que esse número tem por significado unir duas pessoas;
começar. O número 1 quer dizer "começo" . O número 8 também
tem um significado especial: 八 (hachi). 8 significa" Monte Fuji", o
que quer dizer que a forma do Monte Fuji corresponde ao próprio
ideograma - fato que esclarece por que, desde antigamente, tal
monte é denominado "Hachisu". O número 8 significa "aquele
que governa". 8 = 5 ( 五 ) + 3 ( 三 ) 121 . Portanto, quer dizer
"Izunome". Ao se cruzar espírito e corpo, cruza-se a verticalidade
com a horizontalidade - e daí o fato de o número 20 ser assim tão
significativo.

O número 10 significa o cruzamento da verticalidade com


a horizontalidade. Somando-se 10 (十十) + 10 (十
十) obtém-se 20 (廿廿
)122, que forma a letra i, cujo significado corresponde a Plano de
Deus - e é devido a isso que muita gente tem i em seu
sobrenome, como, por exemplo, Yamai, Murai, etc. Dessa forma,
quando o Plano de Deus é promovido, frequentemente, a letra i (
イ)123 é usada. Falando-se do ponto de vista de kototama, a letra
i do katakana significa "homem". E o termo hito é formado por

120
1953. (N. T.)
121
5 corresponde a fogo; 3, a água. (N. T.)
122
Kanji: sistema de ideogramas utilizado na língua japonesa. O kanji correspondente à
廿
letra i é . (N. T.)
123
Katakana: sistema de silabogramas utilizado na língua japonesa. No katakana, a letra i (
イ ) tem sua origem no kanji人 cujo significado é hito = homem.

167
O Tempo Chegou!

espírito e matéria - e sua letra em kanji já representa essa união.

Quando algum ano termina em 5, 6 ou 7 de vigésimos, tal


como 25, 26 ou 27124 - isso corresponde ao término do número
de Miroku. Então, finalmente, neste ano que se inicia, entra o
número 8, o que quer dizer "expansão", ou seja: o Plano, a
Providência de Miroku irá se expandir. Por isso é que, a partir
deste ano - cujo final corresponde a 8 - chegará, realmente, o
tempo para a expansão da Era do Dia.

3.1 - Explicações do Tradutor sobre o Ensinamento:


"Significado Oculto do Plano de Deus"

Na cultura ocidental, os números são classificados em


categorias matemáticas precisas, e seu significado não vai além
de tal aspecto. Entretanto, no Oriente, o caráter simbólico dos
números é também levado em consideração, pois, segundo a
cultura oriental, cada número encerra em si mesmo um
significado profundo peculiar.

Em seus Ensinamentos, Meishu Sama costumava tecer


importantes considerações sobre numerologia125, explicando que
1 corresponde a Deus; único. Isso no princípio, pois,
posteriormente, houve a divisão correspondente a 2: yin / yang;
homem / mulher; Oriente / Ocidente; verticalidade /
horizontalidade. Sequencialmente, temos 3, representando a
materialização do fruto dessa união homem / mulher. Assim, 3
corresponde ao filho. O número 4 seria o indicativo das quatro
direções - Norte, Sul, Leste e Oeste - no sentido da expansão
das mesmas. Sucessivamente, temos 5, com o significado de
fogo, o que quer dizer que, ao dominar o fogo, o homem teria
dado início à civilização. Por sua vez, 6 simboliza água e 7, terra.
Meishu Sama proferiu a palestra "Significado Oculto do Plano de

124
25, 26 ou 27: período Showa, no Japão. (N. T.)
125
Numerologia: estudo do significado oculto dos números e também de sua influência no
comportamento e no destino dos homens.

168
O Tempo Chegou!

Deus" em 1953 e, nessa ocasião, teceu importantes


considerações referentes ao ano-novo. Segundo o calendário da
Era Showa126, tal data equivale ao ano 28, portanto diz respeito à
complementação final do número de Miroku, cuja
correspondência vem a ser 25, 26 e 27. Quando o ciclo 5, 6, 7 -
correspondente a fogo, água e terra respectivamente - se
completa, isso gera uma força que dá início à expansão do Plano
de Deus. Então, 28 tem por significado "expansão do Plano de
Miroku".

Em suas últimas pregações, devidamente registradas em


um de seus Sutras, Sakiyamuni fez referências numerológicas a
respeito de quando se daria a concretização do Reino de Deus
na Terra. Dizia ele que tal fato ocorreria, a partir da data de sua
morte, dali a cinco bilhões seiscentos e setenta milhões de anos.
Para nós, imaginar tal aspecto temporal como válido é
absolutamente fora de propósito! Não somos capazes nem
sequer de prever como será o mundo terreno daqui a cem anos...
quanto mais daqui a cinco bilhões seiscentos e setenta milhões
de anos!

Por outro Iado, não nos causa uma certa estranheza o fato
de Sakiyamuni ter profetizado algo tão despropositado assim? A
resposta para esse grande enigma foi revelada por Deus a
Meishu Sama, que nos explica o seguinte: a profecia de
Sakiyamuni, feita há 2.500 anos, encerra um código secreto em
que os números 5, 6 e 7 aparecem de forma subliminar. Mas
trata-se de uma sequência numérica simbólica altamente
significativa, uma vez que vem a ser a própria representação de
Miroku127. O número 5 simboliza fogo; 6, água; 7, terra. Inclusive,
é interessante observar que a Bíblia faz diversas referências ao 7
como um número de caráter altamente místico. O número 7
126
Além do calendário gregoriano, os japoneses utilizam um calendário próprio com a
contagem dos anos feita de forma diferente. O calendário japonês divide-se em eras,
geralmente iniciadas cada vez que um novo imperador ascende ao trono.
127
Quando Meishu Sarna desejava escrever "Miroku", já nem se utilizava mais de
ideogramas: grafava direto os números 5, 6, 7 - e todos os membros de sua Igreja liam tal
sequência numérica como a própria representação simbólica de Miroku. (N. T.)

169
O Tempo Chegou!

significa "completar". Também corresponde ao último número de


Miroku, cujo significado é "terra".

São João Batista batizava pela água, mas já pregava que


seu sucessor, Cristo, batizaria pelo fogo. Apesar de pouco
relevante nos dias atuais, desde antigamente, impera o conceito
de que os três elementos básicos da Criação correspondem a
fogo, água e terra. Entretanto, no decorrer da Era da Noite, a
tendência existente era esses aspectos se apresentarem
separados um do outro, individualizados - o que impossibilitaua
os elementos fogo, água e terra de se unirem proporcionalmenie
para gerarem Luz.

Lembremo-nos de que a união de diferentes elementos é


que gera energia. Pensemos, por exemplo, nas antigas
locomotivas movidas a vapor. A força energética necessária para
impulsionar os vagões provinha da queima de carvão utilizado
para aquecer a água armazenada em caldeiras. Desse processo
é que resultava o vapor capaz de dar movimento às locomotivas.
Outro exemplo da união de fogo e água como geradores de
energia é o que se dá quando cozinhamos alimentos.

Esses são exemplos de forças materiais que surgem da


união de fogo com água. Porém, espiritualmente, temos também
a ocorrência de fenômeno semelhante: a união de duas energias
espirituais - fogo e água - gera uma determinada força que,
posteriormente, se unirá ao elemento terra, dando origem à Luz
do Johrei. Então, em suma, temos o seguinte: a união da energia
espiritual do fogo com a da água gera uma Luz que, ao
atravessar o nosso corpo (barro), torna-se a combinação perfeita
de três dos elementos básicos da Criação: fogo, água e terra. E a
energia espiritual resultante dessa combinação ideal corresponde
justamente à força capaz de eliminar não só impurezas
espirituais, mas também as toxinas existentes em nosso corpo
físico. Em última análise, esse é o princípio do Johrei.
Minoru Nakahashi

170
O Tempo Chegou!

4 - Lei do Soow

O mais importante em questão de fé é estarmos sempre


atentos ao significado da expressão "Reino do Céu", que quer
dizer "Mundo Adequado", onde tudo tem de ser apropriado. Em
japonês, a palavra que traduz esse conceito é "Soow"128.

Mas o que significa soow? É um termo que corresponde a


adequado, apropriado, condizente, ou seja, ter lógica. Sob esse
prisma, por exemplo, ao fazer uso de remédios, o ser humano
não estaria soow, porque estaria agindo em desacordo com a
lógica. Assim, ao procurar fabricar remédios utilizando-se de
folhas de árvores, de capim, de minerais moídos ou de musgos
aquáticos - como é o caso da penicilina - o homem se encontraria
fora da lógica. Deus criou musgos em água doce como alimento
específico para os peixes, e não para os seres humanos. Assim,
ao se apropriar de musgos para consumo próprio, o homem
estaria agindo como se estivesse roubando a comida dos peixes
- atitude essa totalmente incorreta.

As doenças estão relacionadas à vida do ser humano.


Portanto, para o homem ser salvo, folhas de árvores ou capim de
nada servirão. Pelo contrário até: têm poder suficiente para
destruir a vida humana, já que não passam de venenos, de
substâncias que não têm a mínima força para salvar uma vida.
Para ser capaz de salvar, só mesmo algo que esteja acima, algo
com força superior à do ser humano. E só Deus possui essa
força, o que nos leva à conclusão de que não adianta nada tomar
remédios. Entretanto, os homens hoje agem tão completamente
fora da lógica, que até fico constrangido em afirmar que já
chegaram a ultrapassar os próprios limites da ignorância. Há um
provérbio japonês que diz o seguinte: "uma pessoa ignorante só
se cura quando morre". E justamente por isso é que as pessoas
morrem tão cedo.

128
so: equivalente. ow: adaptar-se; estar de acordo. (N. T.)

171
O Tempo Chegou!

De modo semelhante, o preceito soow também pode ser


aplicado no que diz respeito à prática da fé. Mesmo a imagem de
Deus, quando entronizada em uma residência, precisa estar em
concordância com as circunstâncias locais, ou seja, deverá se
encontrar em condições apropriadas ao lugar. Recentemente, um
membro da Messiânica correu perigo, mas acabou recebendo
graças e proteção até superar seus problemas. Aconteceram
fatos que não deveriam ter ocorrido, mas, pensando bem, nosso
membro havia entronizado em sua residência uma imagem de
Deus que não estava adequada com a casa em que residia. Está
incorreto entronizar-se a imagem de Dai Koomyoo Nyorai em
casas muito pequenas, humildes e sem qualificação para tal. Isso
não está soow, ou melhor, não é adequado. Quando uma casa é
boa de verdade, até Dai Koomyoo Nyorai pode ser entronizado,
sem maiores problemas - e necessariamente, não é preciso
tratar-se, nesse caso, de uma Difusão ou da residência de um
ministro.

Antigamente, eu desenhava imagens de Kannon, e uma


pessoa entronizou uma delas em sua casa - aquela imagem em
que Kannon se encontra de frente. Entretanto, a imagem
entronizada acabou ficando toda manchada, devido a chuva.
Achei o fato um pouco estranho, mas fiquei sabendo que a
imagem que manchou havia sido entronizada numa pequena
casa de agricultores. Ora, uma imagem grande, excelente, não
estava soow com o local em que foi colocada, o que explica por
que acabou molhada pela chuva. Portanto, tudo precisa estar de
acordo com o soow, com a lógica - e quem age dessa forma não
erra nunca.

O mesmo se dá em relação a nomes. Procura-se escolher


um nome que seja bom para alguém, tendo-se em mente que
isso lhe será favorável. Só que, no final, esse nome poderá
acarretar uma perda para a própria pessoa, devido justamente ao
peso do significado que tem. Em japonês, costuma-se usar o

172
O Tempo Chegou!

termo "namake", que significa "preguiçoso". Mas "namake" 129


também quer dizer "perder para o nome". Em resumo: o nome
acaba sendo mais importante que o indivíduo e, nessas
condições, a pessoa pode se tornar muito preguiçosa. Eu
mesmo, antigamente, costumava dar nome às pessoas, achando
ser necessário termos um nome que nos seja favorável.
Entretanto, não fiquei satisfeito com os resultados que obtive
nesse intento. Tudo tem de estar de acordo com o soow, e isso
se aplica não só a nomes de pessoas, mas também ao de
associações. Quando, por exemplo, a palavra "céu" consta em
um nome, isso nunca dá certo, por ser um termo
demasiadamente elevado, bom demais. Portanto, em nenhuma
circunstância da vida podemos nos esquecer do soow.

No tocante à vida prática das pessoas, também deverá


estar de acordo com o soow que lhes diga respeito: renda
familiar, posição social, tudo deverá estar devidamente ajustado.
Dessa forma, a vida transcorrerá muito bem. Quando sentirmos
que alguma coisa não está certa, basta fazermos uma análise da
situação obedecendo aos princípios do soow, que logo
descobriremos o fator que não está se enquadrando
adequadamente às nossas condições.

Quanto a atitudes pessoais, também deverão estar de


acordo com nossas condições, com o ambiente e outras
circunstâncias que nos disserem respeito. Tudo deverá seguir a
lógica que for apropriada a nós. Quando alguém é muito
excêntrico, extravagante, nada dá certo. Vejam o caso do
fracasso do Japão na Segunda Grande Guerra. O motivo de sua
derrota deveu-se a extravagâncias, já que os japoneses
praticaram atos que não condiziam com as condições do país
naquele momento; que não estavam soow com o contexto do
período. O Japão, mesmo sem forças suficientes, tentou, a todo
custo, conquistar o Oriente, tendo também por objetivo chegar à
Austrália, ou seja, o país não estava soow; não tinha condições
129
Make: perder; na: nome. (N. T.)

173
O Tempo Chegou!

para arcar com tantas extravagâncias. HitIer pode servir como


outro exemplo. O que fez também foi extravagante: o exército
alemão lutou contra a Inglaterra e a Rússia ao mesmo tempo,
assim como se caminhasse para frente e, concomitantemente,
atirasse para trás. Claro que não deu certo, já que isso não
passava de uma enorme excentricidade.

Há pessoas que têm prazer em fazer coisas extravagantes


só para surpreender os outros; só para deixá-Ios boquiabertos - o
que é absolutamente incorreto. O bom mesmo é praticar coisas
comuns, corriqueiras. Até no meu caso, em que teço planos para
a execução de grandes obras, mesmo assim, nunca faço nada
com o intuito de surpreender os outros. Aliás, procuro prestar a
máxima atenção nesse sentido. Hoje mesmo, li um artigo que
falava sobre a difusão da Messiânica nos Estados Unidos. Isso
pode até parecer uma certa extravagância de minha parte, mas,
com o poder que recebi de Deus, examinando a situação
americana, chego à conclusão de que está soow, ou seja, de
acordo com a lógica necessária. Não observo haver
discrepâncias nos planos e, por isso, tenho certeza de que tudo
dará certo. Não farei muito alarde a respeito. No início, enviarei
apenas a Reverenda Higuchi aos Estados Unidos, onde ela
iniciará nossos trabalhos em um local pequeno, dando
continuidade a eles paulatinamente. Agindo dessa forma,
acredito que não haverá falhas ou malogros, que não precisarei
voltar atrás. Creio que, agindo assim, tudo transcorrerá a
contento.

Inclusive no tocante ao trabalho que venho executando no


que diz respeito à construção do Reino do Céu na Terra, mesmo
que as pessoas se mostrem bastante surpresas com o que
venho realizando, procuro sempre estar atento a detalhes,
buscando me lembrar permanentemente do fator ordem e
também do soow. Acho que por isso é que tudo tem corrido muito
bem, andado rápido, já que minha intenção nunca foi retroceder
em meus projetos. Mesmo para abrir uma Difusão, não devemos

174
O Tempo Chegou!

fazer planos grandiosos, que chamem muito a atenção. O melhor


mesmo é executar cada coisa passo a passo, obedecendo à
ordem e à prática do soow. Agindo-se assim, tudo transcorre
naturalmente.

Quando o objetivo único é ampliar para tornar algo


grandioso, aí não se consegue obter resultados positivos.
Entretanto, se por um lado não é boa a atitude de apenas
pensar-se em fazer coisas grandes, por outro, também não se
deve cair no extremo de diminuir muito aquilo que se tem em
mente. Eu costumo dizer o seguinte para quem inicia uma
atividade comercial: não pense no que você vai ganhar.
Basta você pensar apenas em não ter prejuízos. Aí sim, não
haverá erro. Não é bom ter em mente que se vai alcançar o
sucesso em algum empreendimento. O certo mesmo é pensar-se
em não malograr. Pessoas que já sofreram um pouco na vida
dizem, frequentemente, que o ideal é agir da seguinte forma:
pensar só de leve na obtenção de sucesso, mas firmemente na
possibilidade de não malograr, de não precisar voltar atrás no
que se pretendia. Tal modo de pensar não falha nunca. Até
parece que isso não é nada, no entanto esse é justamente o
ponto fundamental da questão. Assim, é importante imaginarmos
também a hipótese de termos prejuízo e de como faremos no
caso de isso vir a ocorrer.

Quando eu era jovem, procurava ganhar dinheiro, e até


cheguei a ter um comércio próprio. Mas se, naquela época, eu
pensasse do mesmo modo como penso hoje, acho que teria
ganho muito mais. porém, nesse período, não pretendia outra
coisa, senão ganhar dinheiro. Notem o caso do Japão na
Segunda Guerra: a hipótese de uma derrota nunca foi
pressentida; pensou-se única e exclusivamente na certeza da
vitória. Em nenhum momento, passou pela cabeça dos
japoneses que poderiam perder a guerra - e foi justamente
devido a esse aspecto que o país acabou na miséria; que tudo
acabou em tragédia. Por isso é tão importante seguir a lógica do

175
O Tempo Chegou!

soow, imaginando-se que providências deverão ser tomadas em


caso de malogro. Essa é a fórmula para se alcançar o sucesso,
para tudo correr bem.

Isso também se aplica à religião e à filosofia. Quando


iniciei a Messiânica, eu dizia às pessoas para procurarem fazer o
que tivesse de ser feito, sem grandes alardes, sem muita
propaganda. E foi justamente isso que acabou levando a
Messiânica a ficar conhecida mundo afora. O ideal é começar
com pouco para, no futuro, crescer. Isso é o que faz toda a
diferença. Por isso é que digo que em todas as coisas da vida é
preciso cuidar do soow. Esse é sempre o aspecto mais
importante.

Até no que diz respeito à cura de doenças, a prática do


soow deve ser respeitada. Ao vermos um doente sofrendo devido
a uma purificação, precisamos procurar saber por que os fatos
estão transcorrendo daquela forma e, principalmente, o que está
causando a doença que a pessoa tem. Ao voltarmos nosso olhar
para as circunstâncias que a rodeiam, em especial o ambiente
em que vive, se notarmos a inexistência de discrepâncias para a
obtenção da cura, daí poderemos acreditar que tudo dará certo
para o doente - o que quer dizer que ele está soow.

No caso do Johrei, por exemplo: ao ser ministrado em


alguém, sem a obtenção de maiores resultados, isso é sinal de
que é necessário fazer orações a Deus. De imediato, haverá
melhora no estado da pessoa, porque quando nos inclinamos
demasiadamente apenas no sentido da prática do Johrei,
esquecendo-nos de levar em consideração que o aspecto
fundamental é Deus, estamos dando importância apenas ao
galho, e não ao tronco principal. Mas quando se chega a esse
ponto, o importante é pensar onde se está errando e o que se
encontra fora da lógica adequada ao caso.

176
O Tempo Chegou!

5 - Paz Espiritual

A questão é: como obtê-Ia? Encontramos o caminho que


nos conduz à paz interior quando prestamos ajuda a nossos
semelhantes e também ao servirmos na Obra de Deus. Tais
práticas, quando sinceras, são capazes de extinguir nossas
impurezas, minimizando a possibilidade de nos defrontarmos
com ações purificadoras intensas. Ao se atingir tal estado
espiritual, passamos então a vivenciar o que se entende por paz
interior - e daí, sim, torna-se possível entregarmo-nos a Deus.

Entretanto, apesar de tão desejado, tal estágio demanda


um certo tempo para ser atingido, já que, antes de sua conquista
se dar, será necessário purificarmos o espírito, porque é
justamente nele que se instalam as máculas que nos impedem
de entregarmo-nos verdadeiramente a Deus. Só mesmo quando
interiorizarmos essa verdade, é que passaremos a acreditar na
possibilidade da concretização dessa transformação interior que
traduzimos por paz espiritual. Em compensação, mesmo que
pouco a pouco, tal condição acabará fazendo parte integrante de
nossa vida.

E ao termos a mais absoluta certeza desse fato,


independentemente de qualquer obstáculo eventual que
tenhamos de enfrentar, nada irá nos assustar, porque os que
conhecem a Verdade e têm fé sabem perfeitamente que períodos
de purificação levam à diminuição de toxinas e impurezas
acumuladas. Daí podermos afirmar que, ao ingressarmos na
Messiânica, tem início o caminho que nos conduzirá à paz
interior, à paz espiritual.

No tocante à questão da ocorrência de purificações


intensas, alguns membros chegam a ficar em dúvida e até a se
questionar: por que isso ocorre? E justamente comigo? Porém,
trata-se de uma reação natural, já que somos humanos. Mas
quando entendemos exatamente as causas que ocasionam tais

177
O Tempo Chegou!

purificações, daí ficamos aliviados e, inclusive, até mais


confortados para ultrapassar os períodos de sofrimento que
essas circunstâncias acarretam.

Eu mesmo, no ano passado, fui tão maltratado pela


polícia, que cheguei a pensar que não havia necessidade de
Deus me deixar sofrer tanto assim. Só que, em contrapartida,
acabei entendendo que, se eu tenho uma missão tão importante
para cumprir, é óbvio que vou acabar sofrendo mais que as
pessoas comuns - e foi isso que me levou a aceitar tudo o que
me aconteceu.

Outro mal que atinge a humanidade - e que é motivo para


grandes sofrimentos - é o fato de a pobreza existir. Mas por que
será que não se consegue extingui-Ia? É preciso entender que,
quando a pobreza tem fim, isso é sinal de que, lá no Mundo
Espiritual, foi possível atingir-se o nível correspondente à
abundância. O problema da pobreza que nos afeta reside
justamente no posicionamento em que nos encontramos no
Mundo Espiritual. Mas tal condição sofre alterações à medida
que vamos eliminando impurezas, permitindo, dessa forma, a
elevação do nosso próprio yukon.

São dois os caminhos que levam à efetivação dessa


conquista. Pelo primeiro deles, a pessoa elimina máculas ao
enfrentar sofrimentos. Pelo segundo, evolui quando presta ajuda
a seus semelhantes. Inclusive, é exatamente agindo em prol da
felicidade alheia que conseguimos melhorar bem rápido a nossa
posição no Mundo Espiritual. E quanto mais elevado for o nível
em que estivermos, iremos superar, com muito mais facilidade,
as dificuldades que se apresentam nos níveis baixo e médio -
justamente os que antecedem o nível correspondente à
abundância.

Com frequência, me perguntam se o motivo que leva uma


pessoa a ser infeliz se deve ao fato de ela estar mal

178
O Tempo Chegou!

psicologicamente. É isso mesmo! Imaginem uma montanha: à


medida que subirmos em direção ao seu topo, a paisagem em
torno irá se descortinar, tornando cada vez mais amplo o nosso
campo de visão. E de modo semelhante a isso, quando não
estamos bem psicologicamente, enxergamos de forma limitada e
não temos clareza de raciocínio. Mas a cabeça daqueles que
atingem o topo da montanha... esses, sim, são capazes de
enxergar tudo ao redor.

(Palestra proferida em 05 de novembro de 1951)

179
O Tempo Chegou!

6 - Meu Modo de Pensar

Quando tenho algum projeto em mente, costumo analisá-


Io cuidadosamente sob todos os ângulos, antes de pô-lo em
prática. Mas a maioria das pessoas não tem paciência para
esperar; fica ansiosa para executar seu plano o mais rápido
possível, confiando na sorte e esperando que tudo dê certo. Na
prática, porém, as realizações nem sempre correm da maneira
desejada, e o projeto, muitas vezes, acaba sendo malsucedido. o
perigo reside precisamente no fato de só se contar com o
sucesso e não se pensar na possibilidade de fracasso. Eu, ao
contrário, sempre penso, desde o começo, na eventualidade de
um malogro, e tomo as devidas precauções. Por isso, se o
projeto não der certo, aguardo um tempo mais propício, evitando,
assim, golpes fatais. Então, no caso de algum insucesso, posso
me reerguer, sem grandes problemas.

Adoto o mesmo procedimento no que diz respeito a


dinheiro: divido o capital disponível em três partes, duas das
quais ficam como reserva. Assim, se na primeira etapa faltarem
recursos para a conclusão de um trabalho, emprego a segunda
parte do numerário em disponibilidade. E, no caso de esta
também ser insuficiente, recorro à terceira. Deste modo, ainda
que o custo ultrapasse em muito o orçamento inicial, não corro o
risco de ficar arruinado.

Antes de concretizar qualquer resolução, faço também


todos os preparativos necessários e estudo, com atenção,
diversos pormenores. À primeira vista, o meu método pode
parecer excessivamente lento, mas como nele não há falhas e a
execução dos planos é rápida, acabo evitando despesas
extraordionárias, além de economizar tempo e mão de obra.
Todos esses cuidados, no final, representam um lucro
considerável. Conforme vocês sabem, planejo grandes
empreendimentos seguidamente, e sempre consigo realizá-los
com alegria e sem preocupações. Mas, mesmo depois de

180
O Tempo Chegou!

elaborado o projeto, não o concretizo de imediato: aguardo o


momento oportuno, sem me apressar. Na hora exata, começo a
executá-Io com todo o empenho, porém sem impaciência e
afobação.

Na medida do possível, o ser humano deve evitar a


intranquilidade, porque ela acaba conduzindo à precipitação.
Além disso, decisões impensadas nunca trazem bons resultados.
Observando aqueles que malograram na vida, a causa de seus
insucessos está sempre relacionada à impaciência e à tentativa
de forçarem situações.

A propósito, convém recordar o que aconteceu com o


Japão na Segunda Guerra Mundial. De início, tudo corria bem,
mas os dirigentes militares desse país se envaideceram com as
vitórias que obtiveram. Então, quando os fatos começaram a
tomar um rumo que lhes era desfavorável, nem perceberam que
a maré havia invertido, e passaram a forçar a situação de
maneira cada vez mais ilógica, até chegarem a um resultado
trágico. Na época, quando começaram a se afobar, eu já sabia
que tudo estaria perdido, já que, se tivessem pensado desde o
começo na possibilidade de perderem a guerra, a situação não
teria chegado a ficar tão desconcertante. Portanto, o Japão foi
derrotado devido à imprudência de seus chefes militares.

Quem observa o método pelo qual realizo os meus


trabalhos acha que, em certos momentos, sou muito arrojado e,
em outros, bastante pacato. Essa minha maneira de agir deixa as
pessoas confusas, pois jamais conseguem prever qual será meu
próximo lance. E dessa estratégia é que depende, até certo
ponto, a rapidez com que minhas obras são executadas, embora,
realmente, tudo se deva à grande proteção de Deus.

181
O Tempo Chegou!

7 - Purificação

Como todos já puderam perceber, as ações purificadoras


vêm se intensificando e, no próximo mês - assim que passar o
Culto do Risshun, no dia 04 de fevereiro - ficarão ainda mais
aceleradas. Portanto, principalmente vocês, membros, deverão
ficar atentos, já que este é um momento em que se torna
bastante evidente a distinção entre aqueles que estão
conseguindo evoluir e os que estão caindo - e que não se
levantarão nunca mais.

Trata-se de um período de definições no sentido de


escolher quem será ou não capaz de continuar a servir na Obra
de Deus. É um momento em que nosso corpo físico poderá
chegar a um tal limite de esgotamento, que ficaremos
impossibilitados de executar qualquer dedicação - o que,
realmente, seria lamentável! É preferível trabalhar com o nosso
corpo físico enquanto nos encontramos aqui na Terra. O ideal é
conseguirmos servir, ao máximo, na Obra divina para a
construção do Reino do Céu na Terra enquanto ainda estamos
vivendo aqui no Mundo Material, deixando só para bem mais
tarde as atividades que desempenharemos lá no Mundo
Espiritual, após a nossa morte.

Entretanto, essa questão de nos encontrarmos em pleno


momento de intensificação de ações purificadoras diz respeito a
todos, e não só a membros. Eu mesmo tenho me surpreendido
bastante com alguns casos de purificação, porque, ultimamente,
tem sido grande o número de pessoas conhecidas que
morreram. E notem que esses acontecimentos ainda estão
apenas no início. Logo após o Risshun deste ano, é que parece
que se intensificarão, atingindo, no começo, muitos membros e
depois, o povo de modo geral. Há videntes que já estão
enxergando que, lá no Mundo Espiritual, será grande o número
de espíritos que irão desencarnar aqui da Terra e que, só mesmo
ao atingirem esse nível, é que começarão a entender os

182
O Tempo Chegou!

princípios do tratamento que eu ensino. Mas chegará o tempo de


ninguém mais conseguir obter curas, a não ser por meio do
Johrei - o que vai elevar bastante o número de seus seguidores,
aumentando, consequentemente, o trabalho de atendimento. Só
que isso não se dará de modo repentino; ocorrerá pouco a
pouco.

Por isso é que digo que agora é o momento para preparar


as pessoas que, futuramente, serão procuradas pelos que irão
necessitar de ajuda - o que chega a explicar por que estamos
conseguindo expandir; por que o número dos nossos membros
vem crescendo paulatinamente. Como disse, estamos em um
período de preparação, e só mesmo quando estivermos prontos
é que as ações purificadoras generalizadas terão início. Assim
sendo, presenciaremos situações de alegria e de tristeza.

Kannon também é conhecido como Daihi Bosatsu 130 -


divindade que irá se manifestar justamente nesse período de
intensas transformações a que me referi antes. Entretanto, é
preciso considerar que Deus não está restrito apenas a
manifestações de dor ou tristeza, mas, sim, que Ele é o Salvador.
Dessa forma, quando Daihi Bosatsu se manifestar para salvar,
manifestará também uma grande misericórdia - e já estamos bem
próximos dessa época em que, obviamente, o Johrei virá a ser o
único meio de salvação possível para todos.

Por outro lado, também existe a necessidade urgente de


buscarmos aprofundar bastante nossa própria sabedoria para
ministrar Johrei. O que se nota é que as purificações em torno da
cabeça vêm aumentando. Precisamos estar sempre examinando
nossa própria cabeça e a região em torno do pescoço,
procurando fazer o máximo para dissolver as toxinas que
costumam ficar alojadas nesses locais. Eu mesmo tenho grande
130
Daihi Bosatsu: uma das denominações de Kannon. Daihi significa pesar; sofrimento - o
que quer dizer que Kannon manifesta pesar e dor pelo estado de sofrimento das pessoas.
Tomando-se a cultura ocidental por referência, Kannon Daihi corresponderia a uma das
denominações de Nossa Senhora, por exemplo, Nossa Senhora das Dores. (N. T.)

183
O Tempo Chegou!

quantidade delas e, por isso, ministro autojohrei diariamente. Até


chego a me assustar, tamanha a quantidade de toxinas ainda
existentes - e todos deverão pensar do mesmo modo que eu, ou
seja: que possuem no corpo mais toxinas do que imaginam.
Inclusive, seria um grande erro achar que a quantidade delas já
diminuiu o suficiente. Nós nos encontramos apenas no início
desse processo todo.

No meu caso, em especial, não nego que, em relação às


pessoas em geral, o volume de toxinas de meu corpo já diminuiu
consideravelmente devido ao grau de aprimoramento que atingi e
também ao próprio Johrei. Tenho muita vitalidade, e minha
cabeça é bem melhor que a dos demais. Ao observar os jovens
de hoje em dia, constato uma situação lamentável! Quando os
acompanho na escalada de montanhas, eu é que acabo
controlando o ritmo da caminhada, porque eles são tão lentos,
que me obrigam a diminuir o próprio ritmo para acompanhá-Ias.
Eles até costumam dizer: "Meishu Sarna é muito rápido". E eu
respondo: "É por causa da nossa diferença de idade".

Em termos de rapidez, digo aos jovens que tentem imitar


os batedores de carteira. Esses larápios são melhores do que
eles. Quando um ladrão entra em nossa casa, isso não temos
como evitar. No entanto, se estivermos realmente atentos,
nenhum batedor de carteira vai conseguir nos roubar. Se, por
acaso, algum deles chegar a isso, é porque não estávamos
atentos o suficiente para evitar o furto - e essa lição é o ponto
que realmente precisamos apreender, captar; é necessário nos
tornarmos espertos e rápidos tal como os batedores de carteira.
Devemos procurar agir com a mesma rapidez deles. No meio da
multidão, os batedores de carteira escolhem a sua vítima; sabem
muito bem que bolsa vão conseguir roubar - e é exatamente essa
agilidade em evitar o roubo que devemos ter. Portanto, nesse
aspecto, os batedores de carteira e os fraudadores acabam se
destacando muito mais que as pessoas em geral.

184
O Tempo Chegou!

Os fraudadores elaboram planos para burlar a lei, para


conseguir ter sucesso em seus golpes. Assim, acabam
enganando os ricos e até aqueles com nível intelectual alto - só
que o bom mesmo seria usarem essa habilidade toda para
praticarem o Bem. Isso, sim, seria bastante útil. Ao nos
compararmos a eles, o necessário seria desenvolvermos esse
olhar tão característico dos batedores de carteira, quando
estivéssemos diante de uma pessoa doente; deveríamos ser
capazes de enxergar exatamente o ponto focal da doença que a
pessoa à nossa frente tem. Até mesmo o fato de alguém ter
muita fé pode chegar a ser um ponto desfavorável131. É preciso
também ter sabedoria e uma percepção aguçada para distinguir
o certo do errado nas ocasiões necessárias.

Até costumo dizer o seguinte para os jovens que me


acompanham: "Vocês agem como se vivessem 300, 500 ou
1.000 anos atrás. Realmente, são muito vagarosos" - e é grande
o número de jovens que vêm à minha casa para dedicar, para
servir, mas todos são assim: lentos. São tão sossegados, que
nem parece que vivem em pleno século XX. Inclusive, esse
aspecto se mostra mais acentuado ainda no caso daqueles que
ingressam na fé. Acho que pensam que, ao se entregarem
completamente nas Mãos de Deus, tudo será resolvido, tudo
ficará bem. O que não entendem é que, com essa atitude de não
tomarem as rédeas da própria vida nas mãos, estão transferindo
para Deus uma responsabilidade que não cabe ao Criador, mas,
sim, a cada um. Na verdade, a atitude que os jovens deveriam
tomar seria procurarem dar menos trabalho a Deus, pois a carga
que Ele tem já é bem grande. Entretanto, vê-se que impera o
pensamento infantil de que é necessário um "pai para cuidar do
seu bebê".

(Palestra proferida em 25 de janeiro de 1954)


131
Normalmente, pessoas extremamente fervorosas não mostram ter a agilidade mental
necessária para perceber, de imediato, tanto o ponto focal quanto a causa de doenças.
Mostram-se meio inocentes, justamente nas ocasiões que exigiriam maior agilidade mental.
(N. T.)

185
O Tempo Chegou!

8 - Julgamento no Mundo Espiritual e Aprimoramento do


Espírito

Um espírito, ao deixar aqui o Mundo Material, está vestido


com uma roupa branca. Mas, assim que esse espírito chega ao
Mundo Espiritual e passa por um rio denominado Sanzu 132 , a
roupa que estava trajando muda de coloração, passando do
branco para tons bem clarinhos de amarelo, vermelho, azul,
cinza, até essas cores se tornarem bem intensas - exceto a cor
roxa, por ser de uso exclusivo dos espíritos divinos. O fato de a
roupa branca original com a qual um espírito está vestido mudar
de cor dependerá do grau de máculas e pecados daqueles que
partem para o Mundo Espiritual.

O Fórum de Enma Daioo assemelha-se aos fóruns aqui do


Mundo Material. É presidido por Haraido no Oomikami,
devidamente assessorado por auxiliares cuja função corresponde
a proceder às indagações que determinarão a pena ou a
absolvição dos que estiverem sendo julgados, em conformidade
com suas ações praticadas em vida aqui no Mundo Material.
Justamente nessa etapa é que os muito bons são encaminhados
ao Reino do Céu, ao passo que os maus se dirigem para o
inferno. O mais comum, entretanto, é a maioria ser encaminhada
para o purgatório - local onde se dá o aprimoramento dos que
partem para o Mundo Espiritual.

A primeira etapa de tal aprimoramento corresponde a


ouvir-se a pregação de um kyokaishi - pessoas que, no decorrer
de sua vida terrena, já estavam devidamente qualificadas para a
prática sagrada do sacerdócio religioso. Assim, os kyokaishi
procurarão, por meio de palavras, levar ao arrependimento
aqueles que se encaminharam ao Mundo Espiritual. Dessa
forma, os que chegarem a se arrepender serão encaminhados
diretamente ao Céu, ao Reino de Deus. Em contrapartida, quem
não se arrepender irá para o inferno. Tal período de
132
Sanzu: palavra japonesa cujo significado é "Três Caminhos". (N. T.)

186
O Tempo Chegou!

aprimoramento tem uma duração máxima de uns 30 anos,


aproximadamente.

8.1 - Bem e Mal do Fórum de Enma Daioo no Mundo Material

A alma dos seres humanos se encontra ligada ao Fórum


de Enma Daioo por meio de fios espirituais, um a um, como se
fossem ondas eletromagnéticas - o que explica por que há
possibilidades de esse Fórum ter conhecimento do Bem e do Mal
praticados pelo homem no Mundo Material. Não há margem de
erro: tudo fica registrado no Fórum de Enma Daioo, onde existe
um encarregado de proceder aos registros, gravando-os em um
livro.

Assim, de acordo com o grau das maldades praticadas por


uma pessoa, ela acaba sendo devidamente censurada e,
posteriormente, castigada, de forma habilidosa, aqui mesmo na
Terra, por esse encarregado lá do Mundo Espiritual. Todos os
erros cometidos por alguém aqui no Mundo Material vêm à tona,
mesmo aqueles que a pessoa, a todo custo, tentar esconder.
Não há escapatória: de acordo com os registros feitos no Mundo
Espiritual, as maldades cometidas por alguém no Mundo Material
são punidas, e a pessoa recebe os castigos que lhes forem
correspondentes.

Dessa forma, qualquer um, ao entender esse fato,


procurará não praticar maldade alguma, justamente por temer
esse julgamento do Mundo Espiritual ao qual se encontra ligado.
Mas, obviamente, quando alguém praticar atos bons, será
devidamente recompensado; será premiado por tal feito. Esse é
um aspecto particular dos Reinos Material e Espiritual - o que nos
leva a concluir que o Universo criado por Deus é absolutamente
perfeito.

Entretanto, conforme o Mundo Espiritual vai clareando,


aqui mesmo no Mundo Material, Bem e Mal, rapidamente, se

187
O Tempo Chegou!

tornam cada vez mais nítidos. Assim sendo, aqueles que agirem
incorretamente, buscando apenas a satisfação de seus próprios
desejos, serão, de imediato, impedidos de realizar aquilo que
tiverem por intento. Seria assim, como se pudéssemos
estabelecer uma comparação entre o efeito do uso de remédios e
o consumo de drogas alucinógenas. Os efeitos colaterais das
drogas são imediatos - e justamente isso é que leva as pessoas
a temer fazer uso delas. Entretanto, os efeitos colaterais
provocados por remédios não são tão instantâneos assim - o que
acaba levando ao aumento da utilização de medicamentos, já
que seus usuários pensam estar fazendo algo benéfico à própria
saúde.

Porém, com o advento da Era do Dia, qualquer maldade


será descoberta com muito mais rapidez - o que acabará levando
as pessoas a desistir de praticá-Ias, já que isso seria pura
bobagem. Em decorrência da chegada da Era do Dia, roubos e
fraudes serão descobertos de imediato. Antes, até havia uma
certa demora nesse aspecto - fato que levava muitos a se iludir,
pensando que suas maldades jamais viriam à tona.

188
O Tempo Chegou!

9 - Força Espiritual Construtiva e Força Material Destrutiva

O modo mais fácil que encontrei para explicar aos


membros por que a Luz do Johrei é capaz de curar doenças é
comparando-a aos efeitos da bomba atômica. Como sabemos,
ao explodir, ela pode gerar temperaturas altíssimas no globo
terrestre, capazes de exterminar tudo o que estiver sobre a Terra,
já que o poder de destruição do fogo é imenso. Até o seu
surgimento, ainda não tínhamos conhecimento de uma força tão
poderosa - e é essa força que comparo aos poderes do Johrei,
quando afirmo que ele corresponde a uma bomba atômica, só
que de caráter espiritual.

Ao darem explicações sobre a bomba atômica, os


cientistas costumam dizer que seria assim como se tivessem
criado um pequeno Sol - astro que, ao explodir de modo
contínuo, emite radiação, luz e calor, sendo que tal calor
corresponde à parte material do Sol. Entretanto, o espírito é
invisível e não atinge os cinco sentidos do homem. Contudo,
como sempre digo, o lado espiritual tem poder maior que o lado
material. Mesmo que se trate de um aspecto complicado para eu
explicar, sou uma pessoa ligada ao Sol, já que o próprio Espírito
do Fogo do Sol foi transmitido a mim. Chego até a encontrar uma
certa dificuldade para tratar desse assunto, mas, um dia, darei
explicações detalhadas a respeito.

A ciência aborda aspectos relativos apenas ao que ela


enxerga, contudo as minhas explicações dizem respeito a uma
ciência de ordem espiritual, invisível; a uma Luz que, quando
irradiada no local de uma doença, é capaz de levar um paciente
à cura, ao derreter-lhe as nuvens do corpo espiritual, as quais
denomino "Espírito da Água Impuro" - um núcleo proveniente de
toxinas, com capacidade de se solidificar.

No início, as toxinas inoculadas em um organismo por


meio de medicações se espalham pelo corpo espiritual da

189
O Tempo Chegou!

pessoa. Entretanto, pouco a pouco, vão se solidificando no


próprio corpo físico, normalmente nas áreas que a pessoa utiliza
mais. Tal processo acaba provocando dores e inchaços em
determinados pontos - e o Espírito da Água Impuro se acumula
justamente nesses locais, que passam a ser o núcleo dessas
toxinas. Isso explica o emijecimento dos ombros - um fato que se
deve justamente à solidificação de toxinas nessa parte do nosso
corpo.

Entretanto, o Johrei tem poder de queimar essas


partículas tóxicas, já que se trata de uma força de grande
intensidade, de um Fogo mais forte até do que o de uma bomba
atômica. Quando me refiro a partículas, quero dizer que elas são
tão minúsculas, que se torna impossível detectá-Ias através do
uso de microscópios. Mas a Luz do Johrei é capaz de queimá-
Ias. E depois de devidamente queimadas, tais partículas tóxicas
se transformam em cinzas, assim como se comparássemos
cadáveres a seres vivos.

São diversas as formas de eliminação dessas partículas


pelo nosso organismo. Dentre várias, uma delas é por meio de
pus. Só que, ao recebermos Johrei, desaparece completamente
a dor que o processo de eliminação de toxinas provoca. No
entanto, isso não é indício de que as cinzas que se formaram
tenham desaparecido por completo. Continuam a existir, mas
agora não mais provocam dor, porque as toxinas já se tornaram
inativas; já perderam o seu poder de atuação. Quando toxinas se
movem é que geram dores, dentre outros sintomas. Mas, depois
de mortas, param de irritar os nervos do nosso corpo e, por isso,
é que deixamos de sentir dores.

No entanto, nosso organismo tem de eliminar esses


"cadáveres" - e justamente para isso é que foi dotado de uma
capacidade natural para rejeitar qualquer corpo que lhe seja
estranho. Inclusive, chega a ser frequente, em casos de morte
fetal, os médicos procederem a cirurgia para extração do feto

190
O Tempo Chegou!

morto. Entretanto, em casos assim, o feto sai naturalmente, caso


seja ministrado Johrei na mãe.

Nosso organismo não retém nenhum corpo estranho e, por


isso, possui essa capacidade ativa natural para rejeitar tudo o
que possa vir a prejudicá-Ia. É mesmo como diz o testemunho de
uma pessoa que, acidentalmente, enfiou uma agulha na perna:
após receber Johrei, a agulha foi se movimentando devagar, até
que, depois de alguns meses, acabou saindo do lado oposto ao
que havia penetrado. Tudo o que não deve permanecer em
nosso organismo é eliminado; é posto para fora. Por isso é que
as partículas venenosas que se encontram em nossas nuvens
espirituais acabam, infalivelmente, sendo expelidas. Quando o
Espírito do Fogo queima essas partículas, elas morrem; depois,
são rejeitadas e, posteriormente, eliminadas por meio de ações
orgânicas naturais, espontâneas.

Eu fiz menção ao poder de força da bomba atômica,


porque, até agora, a sua existência era desconhecida - e é
interessante notar o fator tempo nessa relação entre a
descoberta da bomba atômica e o Johrei - ambos do século XX.
Em termos temporais, portanto, são coincidentes. Se
tentássemos relativizar comparativamente o calor gerado por
uma bomba de hidrogênio ao de uma bomba atômica, veríamos
que não há termos de comparação entre um e outro. Dizem que
o calor material produzido por uma bomba atômica pode chegar
a 20.000 ou 30.000 graus, mas o produzido por umna bomba
dehidrogênio chega a ser milhares de vezes mais forte. Algo
assim, praticamente, incalculável! Mas o Espírito do Fogo
irradiado através da palma da mão é de um poder ainda maior,
infinito, justamente pelo fato de ser de caráter espiritual e, não,
material.

Dessa forma, é capaz de atingir temperaturas ainda mais


altas do que o próprio calor gerado por uma bomba atômica.

191
O Tempo Chegou!

Conforme já mencionei outras vezes, a causa de doenças


se deve à formação de nuvens no corpo espiritual. Portanto, se o
fator gerador de uma doença é de ordem espiritual, o doente só
obterá cura através do espírito - e essa é a verdade! Entretanto,
a medicina busca sanar doenças valendo-se da matéria para isso
- ponto exato em que se mostra totalmente equivocada. Aliás, é
por esse motivo que não obtém curas. Mas tenho consciência de
que compreender essa lógica não é assim tão fácil.

É bastante significativo o fato de o Johrei e a bomba


atômica terem surgido na mesma época - porém, esta última
corresponderia ao que eu denomino de "irradiação assassina".
Por outro lado, o Espírito do Fogo vem a ser a irradiação capaz
de fazer reviver o ser humano. Assim, comparativamente,
teríamos: uma irradiação feita para matar e a outra, para dar
vida. Como costumo dizer, o Reino do Céu na Terra é relativo a
construção. Assim, a bomba atômica seria o seu correspondente
em termos de destruição. O Espírito do Fogo é poder de
construção, poder de criação. Portanto, o Johrei restitui vida
àquilo que foi destruído. Dessa forma, temos o seguinte: pelo fato
de a medicina não ser capaz de levar ninguém à cura, o número
de pessoas doentes acaba tendendo só mesmo a aumentar.
Mas, se por um lado a medicina aniquila o ser humano, por outro
o Johrei o leva à cura, realmente - e é nesse exato ponto que se
dá o aspecto de destruição seguido pela possibilidade de
reconstrução.

(Palestra proferida em 25 de agosto de 1949)

192
O Tempo Chegou!

10 - Medicamentos e Ciência

Remédios se originam de experimentos cuja base nada


tem de científica. Então, partindo-se do pressuposto de que um
determinado medicamento - para uso oral ou injetável - poderá
vir a ser eficaz, têm início algumas experiências nesse sentido.
Primeiramente, animais são tomados como objeto de estudo.
Num segundo momento, seres humanos passam a ser usados
como cobaias. Mas, mesmo que se obtenha bons resultados nas
experiências com humanos, isso é só temporário; não dura
muito.

Quando um remédio em caráter experimental se mostra


eficaz durante um período de um mês, ou até mesmo de seis
meses, já tem início a sua comercialização, veiculada através de
publicações específicas voltadas à área médica. Entretanto,
passados um ou dois anos, tais medicações começam a
apresentar efeitos colaterais tão prejudiciais, a ponto de deixarem
de ser fabricadas. O efeito dos remédios é levar à paralisação de
purificações - e justamente por isso é que, infalivelmente, tem-se
a ocorrência de efeitos contrários aos esperados. E isso é
certeza absoluta!

Dessa forma, os remédios não se mantêm no mercado


durante muitos anos. Mas os médicos não têm uma percepção
clara desse fato, apesar de essa ser exatamente a razão de as
descobertas de medicamentos não se embasarem em teorias de
caráter científico. E no caso de algumas medicações surtirem os
efeitos desejados, trata-se aí de uma mera questão de sorte133.
Mesmo assim, a divulgação de novas drogas farmacológicas é
feita como se elas fossem "grandes descobertas científicas".
Justamente por isso, é tão frequente vermos notícias de que foi
encontrada a cura para algumas doenças do fígado ou do
coração, dentre outras. E todo esse alarde apenas em função de
resultados positivos decorrentes de pequenas experiências que,
133
Da mesma forma como alguém pode acertar na loteria, sendo premiado. (N. T.)

193
O Tempo Chegou!

inicialmente, entusiasmam muito, mas que, pouco tempo depois,


desaparecem como fumaça. É lamentável que isso venha se
repetindo ao longo de tantos anos!

Quando a medicina se depara com pequenos resultados


positivos, logo acredita estar diante de grandes descobertas. Só
que a vítima disso tudo, realmente, é o coitado do ser humano!
Entretanto, tal situação não vai poder perdurar por muito tempo.
Mas o importante mesmo será sabermos qual o motivo que levou
Deus a criar substâncias prejudiciais à saúde humana e por que,
até agora, elas não nos foram reveladas. Por que o Criador
deixou de fazer isso? Por que ainda não nos permitiu saber a
verdade? Justamente por existir aí um grande e profundo
significado.

O homem primitivo não adoecia; era forte, vivia satisfeito e


devidamente adaptado ao mundo de sua época. Entretanto, o
objetivo de Deus era desenvolver a cultura materialista, para que,
a partir dela, fosse estabelecida uma civilização que tivesse por
base a Verdade, a Virtude e a Beleza. Para isso, entretanto,
fazia-se necessário enfraquecer o ser humano. Inclusive, o
próprio desenvolvimento dos meios de transporte foi
consequência desse enfraquecimento, já que, com pernas fortes,
o homem seria capaz de se deslocar para longe, de andar por
montanhas e campos, sem sentir a mínima necessidade de ter
de inventar meios de transporte para a sua própria locomoção.

Um cientista estrangeiro até chegou a dizer que o


desenvolvimento da civilização, com a consequente aparição de
novas descobertas, deveu-se justamente à preguiça
característica do ser humano - e eu concordo plenamente com
ele. Só que, para isso, é preciso que o corpo esteja enfraquecido,
pois quanto mais enfraquecido estiver, mais o homem se verá
propenso a procurar por mais conforto e facilidades - o que, em
contrapartida, tornará seu senso de beleza mais aguçado.

194
O Tempo Chegou!

Portanto, não havia outros meios para Deus, senão


enfraquecer o corpo humano. Assim, o Criador fez com que o
homem passasse a consumir venenos, sem ter, no entanto, a
menor consciência disso. Caso contrário, ou seja, se Deus
tivesse deixado claro que remédios são venenos, o ser humano
não os tomaria jamais. Mas, ao fazer com que os homens
tomassem remédios pensando serem benéficos à saúde, o
Criador acabou enganando a todos. Talvez, isso até leve à
concepção errônea de que Deus tenha sido cruel com os
homens. Porém, não Lhe restava outra alternativa.

O Plano divino difere completamente dos nossos


conceitos. Para nós, dois mais dois são quatro; duas vezes
quatro, oito. Entretanto, para Deus, dois mais dois podem resultar
em oito, ou duas vezes três, em nove. Por isso, o Plano de Deus
é tão misterioso. Contudo, vem a ser justamente a causa do
nosso próprio desenvolvimento cultural.

No entanto, caso a cultura humana continue a se


desenvolver muito além dos limites que já atingiu, o grau
evolutivo a que chegou tornar-se-á negativo 134 . Nesse caso
especificamente, pode-se citar a bomba atômica como
decorrência dessa espécie negativa de avanço científico.

Visando ao desenvolvimento da cultura materialista, Deus


enfraqueceu o organismo humano. Mas agora, as condições são
outras: o Criador deseja recuperar a nossa saúde e, por isso, ao
contrário de antes, está nos ensinando que remédios não
passam de venenos - e justamente esse vem a ser o trabalho
primordial da Messiânica. Inclusive, tal fato foi o que me levou a
esclarecer, inicialmente, por que o ser humano passou a fazer
uso de medicamentos, ou seja, de venenos tão prejudiciais à sua
própria saúde.

134
Existe um limite para o desenvolvimento materialista que, caso seja ultrapassado,
acabará se tornando algo de caráter negativo. (N. T.)

195
O Tempo Chegou!

Quem deu um enorme incentivo para que a espécie


humana passasse a fazer uso de remédios foi Yakushi Nyorai135.
Em sua época, a ciência ainda não havia se desenvolvido, e os
homens acabaram ficando bem mais fracos devido à ingestão de
ervas, raízes e cascas de árvores. Entretanto, Yakushi Nyorai era
Bodhisattva Kannon, ou seja, o próprio Kannon transformado em
Yakushi Nyorai - o que prova, portanto, que os remédios são
criação de Deus.

Contudo, no momento, Kannon afirma que remédios são


venenos. Antes, tal divindade até chegou a enganar os homens,
mas agora está dizendo a verdade. Em suma: Kannon se adapta
constantemente às necessidades de evolução do ser humano.
Portanto, valendo-se só da própria inteligência, fica muito difícil
para o homem entender a profundidade do Plano de Deus.

(Palestra proferida em 05 de março de 1954)

135
Yakushi: aquele que receita remédios; Nyorai: Tathagata; um iluminado; um buda. (N. T.)

196
O Tempo Chegou!

11 - Messiânica e Hospitais

A data de 15 de junho de 1931 é um marco a partir do qual


não mais foi possível se alcançar a cura de doenças pela religião.
Há tempos cheguei a falar a esse respeito com seguidores da
Tenri, que acabaram confirmando aquilo que eu já dizia, ou seja:
que, a partir de 1931, as religiões não seriam mais capazes de
curar - motivo que levou-as à crença de que não lhes restava
outra alternativa, senão partirem para a criação de hospitais.
Mesmo com toda a expansão alcançada pela Tenri136, ela acabou
se caracterizando - e mantém isso até hoje - como uma religião
incapaz de curar. No início de suas atividades, sim, até que tudo
era diferente, pois seus adeptos obtinham a cura de
enfermidades.

A atual PL 137 e a Igreja Konko Kyo são religiões que


cresceram de modo bastante significativo, tendo chegado a se
tornar assim tão grandes, exatamente por conseguirem curar
doenças. Entretanto, trata-se de religiões que construíram
hospitais modernos.

Outro dia mesmo, a Igreja Ritsushokosei Kai também


edificou um grande hospital. Dessa forma, quando comparada a
outras religiões de destaque, a Messiânica torna-se a única que
não constrói hospitais, fato que se dá justamente por estar
apoiada na chegada da Era do Dia - de onde se conclui que as
demais religiões são todas lunares 138 , incapazes, portanto, de

136
Já na época de Meishu Sama, a religião Tenry Kyo tinha uma penetração bastante
grande, contando com três ou quatro milhões de adeptos. Inclusive, até possuíam uma
cidade própria, denominada "Cidade Tenry", localizada próximo a Nara. (N. T.)
137
PL: Perfect Liberty.
138
Durante todo o decorrer da Era da Noite, as religiões se utilizaram do Espírito da Água,
ou seja, do Espírito da Lua para alcançarem a cura de doenças, só que, através da
solidificação de toxinas. Até certo ponto, pode-se considerar que obtiveram resultados
favoráveis, mas, a partir de 15 de junho de 1931, o Espírito do Fogo, ou seja, o Espírito do
Sol, começou a apontar lá no Mundo Espiritual. Assim sendo, para que, realmente, fosse
possível obter-se a cura de doenças, tornou-se necessário que toxinas passassem a ser
dissolvidas pela atuação do Espírito do Fogo - de onde se conclui que as religiões
pertencentes à Era da Noite, aquelas que se valiam do Espírito da Água para obterem
curas, tiveram de dar início à construção de hospitais, já que não mais se mostravam
capazes de continuar a curar ninguém. (N. T.)

197
O Tempo Chegou!

curar doenças. E isso é o que torna bastante claro o aspecto de a


Messiânica ser capaz de obter curas cada vez maiores, conforme
o Sol vai se levantando e a sua luz tornando-se mais intensa.

198
O Tempo Chegou!

12 - Revolução da Medicina através do Johrei

Com o aumento da atuação do Espírito do Fogo, já não é


mais possível haver a solidificação de toxinas por meio do uso de
remédios. Como já escrevi antes, após o longo período
correspondente à Era da Noite, finalmente, encontramo-nos no
período de transição para a Era do Dia - que se caracteriza pelo
aumento da atuação de kaso139, lá no Mundo Espiritual.

Assim, cada vez mais, intensifica-se o poder da força


purificadora, o que explica por que, atualmente, já não é mais
possível haver a solidificação de toxinas por meio do uso de
remédios - exatamente a causa dos nossos problemas de hoje
em dia. Por isso é que, quanto mais o tempo passa, mais difícil
se torna haver a solidificação de toxinas. Inclusive, até os
médicos já começaram a se questionar sobre a validade do uso
de remédios. E ao ficar bem claro o quão terrível são os danos
que os medicamentos causam ao nosso organismo, a própria
medicina terá de mudar seu ponto de partida, seguindo em outra
direção.

Mas, ao começar a enxergar os fatos com perspectivas


novas, os médicos irão descobrir o verdadeiro valor dos
tratamentos com Johrei - momento que gerará grandes
transformações na área médica. E trata-se de uma mera questão
de tempo para que isso se efetive em caráter mundial.

139
Kaso: Espírito do Fogo; essência do Sol.

199
O Tempo Chegou!

13 - Transformar o Mal em Bem

Uma força capaz de converter o Mal em Bem - eis aí o


valor de uma religião. Mesmo sendo impossível a eliminação total
do Mal, é preciso haver uma força poderosa capaz de, pelo
menos, enfraquecê-lo - missão essa que cabe às religiões. No
entanto, ainda não surgiu nenhuma com poder suficiente para
isso, o que justifica por que, até agora, as forças do Mal ainda
não foram enfraquecidas. E é exatamente nesse ponto que se
encontra o maior e mais importante problema concernente à
missão dos religiosos.

Mas a Messiânica tem força para enfraquecer e controlar o


Mal, porque é uma religião que possui Luz - aspecto inédito, já
que, até o momento, ainda não havia surgido na Terra um
fundador, um religioso que possuísse Luz suficiente para lutar
contra o Mal. Mesmo divindades e budas, todos esses espíritos
divinos buscaram, antes de mais nada, a Luz. Entretanto, só
mesmo agora o Mundo Espiritual está se tornando mais claro, o
que possibilita aos espíritos divinos banharem-se de Luz,
eliminando definitivamente qualquer espécie de mácula.

200
O Tempo Chegou!

14 - Minha Identificação com o Príncipe Shotoku

Ao comparar a construção do Templo Houryu com a do


Templo Messiânico que estou edificando em Atami, noto uma
semelhança bastante interessante entre ambas: as medidas da
Torre do Templo Houryu são bem precisas - e era uma
característica do Príncipe Shotoku140 essa intuição no tocante às
construções que realizava. Orientava arquitetos e trabalhadores
quanto às medidas pretendidas por ele, e foi assim que se deu a
edificação da Torre do Templo Houryu.

Mesmo hoje em dia, dispondo-se da mais avançada e


moderna tecnologia arquitetônica, não se consegue edificar uma
obra com tanta precisão e, inclusive, de beleza tão rara quanto
essa realizada pelo Príncipe Shotoku. No ano passado, quando
fui visitá-Ia, dispunha de bastante tempo, então, pude apreciá-Ia
com calma. Foi quando constatei que tudo nela é perfeitamente
harmônico. Suas medidas, altura, distância entre cada um dos
andares e a curvatura do telhado. Não há absolutamente nada a
ser criticado. É perfeita! Na verdade, como sempre costumo
comentar, o Príncipe Shotoku foi uma das minhas encarnações
anteriores e, por isso, o que estou fazendo agora assemelha-se
bastante às obras realizadas por ele.

Próximo à Torre construída em Nara, há um templo


denominado "Yumedono" 141 . Nesse palácio, encontra-se uma
imagem de Guse Kannon142 , que seria o mesmo que Meshiya
Kannon. Inclusive, o Príncipe Shotoku havia profetizado que, no
futuro, renasceria como Guse Kannon. Quando ainda era vivo,
Shotoku residia no Palácio Yumedono e, após a sua morte, foi
colocada nesse local uma estátua de Guse Kannon, em tamanho
natural. E as pessoas que cuidavam do Templo Yumedono
mantiveram-na envolta em um tecido branco e trataram-na
140
Príncipe Shotoku: 574 - 622.
141
Yumedono: yume = sonho; dono = casa; palacete. Yumedono = Palácio dos Sonhos. (N.
T.)
142
Guse Kannon: guse = salvar. Kannon = Messias. (N. T.)

201
O Tempo Chegou!

durante cerca de 1.300 anos, com a maior reverência, como se


ela fosse um "Buda secreto".

As medidas do Templo Messiânico são bem precisas,


assim como as do Templo Houryu, construído pelo Príncipe
Shotoku, propagador do Budismo no Japão. Na cidade de Nara,
Shotoku deu início à arte do Budismo, ou seja, se utilizou da arte,
do belo para propagar essa religião. Para isso, valeu-se de
estátuas, pinturas, jardins e construções de templos de magnífica
beleza arquitetônica.

Pretendo fazer o mesmo bem que o Príncipe Shotoku fez


pelo Japão, só que, a nível mundial. Na época de Shotoku, o
Budismo ainda era uma religião nova no Japão onde, até então,
predominava o Xintoísmo. E, para difundir a Messiânica como
uma nova religião, também vou me valer da arte e da beleza na
construção de jardins, museus e em desenhos de imagens.
Então, a diferença que se estabelece entre mim e o Príncipe
Shotoku é só uma questão relativa a tempo. Em sua época,
Shotoku tomou por base o Budismo advindo da China e, usando
de muita criatividade, deu início à expansão dessa religião, no
Japão. Essa foi a base inicial do Budismo japonês, que acabou
se expandindo pelo país todo. Então, em resumo, a Messiânica
vai repetir os feitos do Príncipe Shotoku, no Japão, só que em
caráter mundial.

Shotoku divulgou o Budismo enfocando, principalmente, o


despertar da sabedoria para tornar os homens seres iluminados.
Entretanto, não procurou dar um enfoque especial à cura de
doenças, muito menos à prática da Agricultura da Grande
Natureza. Porém, no meu caso, não vou me valer só de
pregações, mesmo porque isso já foi suficientemente feito por
meus antecessores.

Pregações já não são mais tão necessárias, além do fato


de não serem suficientes por si mesmas para levar a salvação.

202
O Tempo Chegou!

Por isso, é que eu ensino como solucionar os problemas


decorrentes de sofrimentos gerados por doenças, pobreza e
conflitos. Entretanto, no tocante à questão de construções
arquitetônicas, há muita semelhança entre as obras do Príncipe
Shotoku e as minhas.

Estudos acadêmicos e científicos que se valem de leis


matemáticas aplicadas à engenharia concluíram que as
construções que faço são absolutamente precisas. No entanto,
meus feitos tomam por base a sabedoria divina. Tudo o que
executo me vem à mente em relances, na hora certa para isso: a
altura do teto de uma obra, as dimensões de um templo, etc. É
preciso sentir o que seria correto, exatamente no momento em
que se idealiza a obra, já que a construção de um templo difere
bastante da de um teatro, por exemplo. Em locais de grande
circulação de pessoas, uma construção deverá transmitir, além
de uma atmosfera de reverência, uma sensação agradável para
todos, fazendo com que se sintam bem, devido à própria
harmonia e beleza do local. E quando penso nas condições
necessárias para algum lugar, elas surgem em minha mente, de
modo natural e instantâneo. Então, basta que eu transmita aos
construtores as medidas ideais da obra a ser realizada.

Em Atami143; o templo que estou construindo tem o teto


arredondado e, ao adentrarem o local, as pessoas já sentem que
essa é a forma ideal para ele.

Quanto às dimensões das colunas, por exemplo, assim


que olhei a maquete, intuí quais as proporções a serem
seguidas. Falei sobre as medidas que deveriam ter e, inclusive,
elas até chegaram a ser comprovadas matematicamente por um
arquiteto, logo depois de as colunas terem sido levantadas. Tais
cálculos demandariam uns dois meses até serem finalizados,
143
O Templo de Atami citado por Meishu Sarna foi construído entre 1953 e 1955. Seu
acabamento não chegou a ser finalizado, pois, em 1955, deu-se o falecimento do Mestre.
Lamentavelmente, esse templo foi demolido logo após o Goshoten de Meishu Sama e, em
seu lugar, foi construído um outro. (N. T.)

203
O Tempo Chegou!

mas eu demorei apenas cinco minutos para realizá-Ios.

A lógica científica progride passo a passo, mas pode levar


anos até chegar a conclusões definitivas. No entanto, tudo o que
faço é rápido. Então, para mim, o tempo necessário a ser
despendido em cálculos é algo que ocorre de imediato. Chego à
conclusão das medidas corretas de uma obra na hora, já que, em
primeiro lugar, consigo visualizá-Ia em sua fase final de
construção. E o mesmo se dá em relação à cura de doenças: os
resultados que os médicos não conseguem obter em anos de
trabalho, em pouco tempo, através do Johrei, eu consigo.

(Palestra proferida em 26 de dezembro de 1953)

204
O Tempo Chegou!

15 - Importância Espiritual do Museu de Hakone

Até agora, não dei as devidas explicações sobre o


significado, em sentido espiritual, do Museu de Arte que edifiquei
em Hakone. Ao pisarmos essa terra, aproximamo-nos do Mundo
Espiritual nela reinante, e esse é o primeiro efeito que tal museu
exerce sobre nós - o que até justifica o quanto ele é necessário.
Trata-se de um local onde existe muita Luz e, por isso, só o fato
de alguém entrar em contato com essa terra já é motivo para a
pessoa ter o seu corpo espiritual bastante purificado.

No período da edificação do Museu de Arte, tudo correu


muito depressa, segundo o próprio Plano de Deus. Não há
exemplo no mundo de outra construção que tenha se dado de
forma tão rápida quanto essa. Hoje em dia, de modo geral, a
maioria das pessoas influentes socialmente não se interessa por
religião, nem chegando sequer a tocar nesse assunto. Mas,
agora, com a inauguração do Museu de Hakone, será despertado
em muitos o desejo de apreciar as suas obras de arte - o que
levará ao aumento gradativo do número de seus visitantes.

Só o seu acervo de porcelanas chinesas já é suficiente


para o Museu de Hakone poder ser considerado um dos
melhores do mundo. Entretanto, tais coleções não advêm de
trabalho humano. Nesse ponto, foi Deus quem trabalhou muito.
As obras de arte expostas em Hakone geram nas pessoas um
impacto bem profundo. Claro, purificam-Ihes o próprio espírito.
Por isso que quem visita o Museu de Hakone, uma só vez que
seja, jamais se esquece da visita que fez - e cada vez que se
lembra dela, seu espírito, através do próprio fio espiritual que liga
a pessoa a esse local sagrado, vai sendo purificado, pouco a
pouco, mesmo que não se tenha consciência desse fato. Dessa
forma, quando esses visitantes ouvirem falar a respeito dos
Ensinamentos da Messiânica, irão mudar paulatinamente - até
mesmo aqueles que jamais demonstraram o menor interesse em
relação ao assunto. E Hakone vem se tornando um museu

205
O Tempo Chegou!

famoso, com um número de visitantes cada vez maior.

Entretanto, deve-se destacar que, em especial, no tocante


a questões religiosas, são as pessoas mais influentes que,
necessariamente, precisam entendê-Ias - o que não invalida o
fato de que o ideal mesmo seria todos se interessarem. Porém,
na realidade, são as classes dirigentes que precisam ser
tocadas, já que cabe a elas exercer maior influência no sentido
de modificações de caráter social. Caso contrário, o mundo não
poderá ser salvo verdadeiramente. Mas Deus criou um museu
justamente para isso: para fazer com que aspectos de sentido
espiritual viessem a ser compreendidos. Os que entram em
contato com a terra de Hakone se aproximam do Mundo
Espiritual nela existente - e eis o primeiro efeito que o Museu de
Arte exerce sobre quem o visita. Como já mencionei antes, é
nesse sentido que ele é tão necessário.

Quando alguém não se mostra capaz de compreender


assuntos relativos a Deus, é porque o próprio espírito secundário
da pessoa está em atuação, criando-lhe obstáculos nesse
sentido. São pouquíssimos os que não possuem a capacidade de
entender verdadeiramente. O que acontece é que muitos
entendem, mas, mesmo assim, não demonstram o menor
interesse - apesar de receberem de Deus as mais inúmeras
graças. Algo impede essas pessoas de ingressar na fé. É o
espírito secundário delas atrapalhando-lhes o caminho. E quando
uma pessoa se encontra nessas condições, mesmo que haja
nove pontos positivos, ao ler um único artigo negativo publicado
em jornais, ou mesmo ao ouvir qualquer comentário maledicente,
isso já vem a ser o suficiente para levar à anulação daqueles
nove pontos favoráveis. Basta um negativo para eliminar nove
positivos - fato que se deve a meros cochichos do espírito
secundário diretamente no ouvido de alguém.

Assim sendo, vê-se que o ideal vem a ser o


enfraquecimento da força que o espírito secundário pode

206
O Tempo Chegou!

exercer. Mas, para isso, é preciso que se pise na terra sagrada


de Hakone - o que, aliás, é sempre muito bom. No entanto,
pessoas ilustres e intelectuais não querem essa aproximação, de
jeito nenhum. Só que, por outro lado, trata-se de pessoas que
cultivam um apreço especial por arte - aspecto esse que vai
atraí-Ias até Hakone, onde o próprio Mundo Espiritual do local
tem muita Luz, o que, consequentemente, gera o
enfraquecimento da atuação de espíritos secundários. Portanto,
visitar Hakone é sempre excelente, seja lá por que motivo for. Só
o simples fato de alguém ir até esse local já é ótimo. O Museu de
Arte de Hakone costuma deixar uma forte impressão nas
pessoas, exercendo diretamente sobre seus espíritos uma
influência bastante considerável. Ao apreciarem as obras ali em
exposição, é como se os visitantes colassem o próprio espírito
nelas, impregnando-as de Luz - assim como se estivessem
colocando em cada peça um Ohikari. Então, aqueles que já
tiveram a oportunidade de apreciar essas obras, cada vez que se
lembrarem delas, irão se purificar através de Luz espiritual, a
qual, mes mo sendo invisível, manifesta uma força incrível.

É claro que os nossos adeptos procuram incentivar


pessoas a conhecer o Museu de Arte. Mas agora, tendo ciência
do significado espiritual dessa questão, vão ter mais força ainda
em suas próprias palavras quando convidarem alguém para
visitar Hakone. No entanto, mesmo assim, existe um aspecto
negativo que noto nas pessoas em geral: elas têm cabeça ruim.
Em termos superficiais, até que se poderia considerar terem
cabeça boa, mas, no meio, não é o que ocorre. Superficialmente,
aparentam ser espertas, entretanto, no centro, nota-se que são
ignorantes - fator que se deve à existência de nuvens na cabeça.
Porém, quando alguém vai a Hakone, tais nuvens tendem a
diminuir bastante, fato que ocorre da seguinte forma: quando o
visitante retorna à sua casa e se lembra da visita que fez ao
Museu de Arte, exatamente nesse momento, conecta seu espírito
com Hakone através de fios espirituais e, com isso, vai
purificando as suas próprias nuvens. Dessa forma, só o fato de

207
O Tempo Chegou!

alguém pensar em mim já é suficiente para a pessoa purificar. E


quanto mais se lembrar, mais purificada e evoluída se tornará.

(Palestra proferida em 06 de julho de 1952)

208
O Tempo Chegou!

16 - Reino do Céu e Mundo da Arte

Diariamente, eu me interesso pelo universo da arte e,


como é de conhecimento de todos os membros, estou
construindo, projetando a possibilidade de fruição da arte em seu
sentido mais nobre como, até agora, ninguém tentou fazer.
Antigamente, costumava desenhar, pintar, só que, no momento,
devido a muitos afazeres, já não disponho de tempo para isso.
Mas, mesmo hoje em dia, sinto alegria em me dedicar a outras
atividades, tais como, compor poemas, participar de cerimônias
do chá, fazer caligrafias e arranjos de flores 144 , Além disso,
aprecio muito as obras de arte e, na medida do possível, procuro,
dentro das minhas possibilidades, obter aquelas que desejo.
Chego até a receber contribuições dos próprios membros para
que possa adquiri-Ias, podendo, assim, satisfazer meu hobby
nessa área.

Gosto também de teatro e de música clássica, mas, como


não tenho tempo, acabo tendo de apreciar essas modalidades
artísticas através do cinema e do rádio - mas isso já me deixa
contente. Em termos de música, gosto tanto da ocidental quanto
da oriental. As pessoas até costumam dizer que, na minha idade,
é bem raro alguém gostar de cinema e música clássica
ocidentais. Mas, entre os americanos, vejo que são muitos os
que apreciam ambas as culturas - a ocidental e a oriental.
Entretanto, dentre os orientais, são poucos os apreciadores da
cultura ocidental.

O que posso dizer é que minha vida cotidiana é


preenchida, em sua maior parte, pela arte - e isso se deve
totalmente à minha missão no sentido de construir o Reino do
Céu aqui na Terra. Deus dotou-me com tal natureza, justamente
porque o Reino do Céu na Terra será o mundo das artes, e existe
uma razão para tal: até hoje, imperou o Mundo da Noite, das
trevas, um mundo sem Luz e, por isso, o ser humano teve
144
Meishu Sama está se referindo à elaboração de ikebanas. (N. T.)

209
O Tempo Chegou!

facilidade em praticar atos pecaminosos, às escondidas, assim


como se fosse um hobby enganar os outros fazendo-os sofrer,
roubar seus bens e, além disso, ainda apreciar relacionamentos
impuros entre homem e mulher.

Mas, com a chegada do Mundo do Dia, tudo aparecerá


claramente; nada mais será praticado às escondidas e, assim, de
forma natural, o ser humano deixará de ter o mal como hobby;
passará a apreciar o bem, aquilo que é correto, sentindo até
prazer nisso. E por esse motivo é que existe a certeza de que os
rumos de tudo relacionado à arte vão mudar: poemas, cantos,
instrumentos musicais e todas as outras áreas artísticas,
incluindo-se aí, obviamente, construções, teatro, parques de
diversão, etc. A decoração das casas inclusive, e até as próprias
roupas que as pessoas vão usar, tudo isso se tornará cada vez
mais belo, muito além do que a gente possa imaginar. Ainda não
temos nem ideia do quanto tudo ficará bonito! Então, sendo
assim, o Mundo de Miroku - o Reino do Céu na Terra - será o
mundo da Beleza, ou seja: o próprio mundo da arte.

(Palestra proferida em 25 de fevereiro de 1950)

210
O Tempo Chegou!

17 - Regimes Políticos e Izunome

Por não dispor de muito tempo hoje, vou falar de modo


mais simples. Esta palestra não está voltada apenas para vocês,
já que pessoas do mundo todo poderão se interessar pelo tema.
É uma pena eu me dirigir só aos aqui presentes, e não ao mundo
inteiro, mas espero fazer-me ouvir através do próprio espírito do
kototama.

O que vai ser do mundo quando Stalin morrer? O que será


do comunismo? Apesar de não se tratar de assunto de interesse
geral da humanidade, desejo discorrer sobre esse tema no
sentido de uma profecia que, há exatamente três anos, Deus
anunciou através de um kata. E caso os membros se empenhem
na busca por uma resposta, compreenderão por que, justamente
no mês de janeiro do ano de 1950, deu-se esse kata. Inclusive,
ao entenderem esse aspecto, chegarão à mais clara
compreensão quanto ao futuro do comunismo.

Mas o que vai ser do comunismo, já que tal regime político


formou uma força potente de âmbito mundial? Vejam que o
último a conseguir fazer do comunismo algo dessa dimensão foi
Stalin. Porém, quando esse líder cair, esse regime desaparecerá
facilmente, dada a fragilidade de seu momento histórico.

Entretanto, a questão aqui é: como ficarão os Estados


Unidos com o enfraquecimento do comunismo? Tal país
conseguirá atingir seus objetivos? Se assim for, até que vai ser
bom, porém isso não será tão fácil. Ocorrerá algo bastante grave
com os Estados Unidos, mesmo que esse país pense que vai se
desenvolver apoiado no capitalismo e na democracia. Isso não
irá ocorrer, porque haverá urna grande mudança no capitalismo
americano e na própria maneira de se conduzir o país. Apesar de
esse aspecto ter sido mostrado por Deus através de um kata,
ainda não me é permitido falar claramente a respeito. Mas se
vocês conseguirem perceber, daqui por diante, será adotada a

211
O Tempo Chegou!

ideologia do meio, ou seja: nem capitalismo, nem comunismo.

A ideia seria dominar o mundo através da matéria, mas


tanto o comunismo quanto o capitalismo já começam a perceber
que o ideal materialista não vem a ser o correto. Então, terão
início ideias antigas, mas que, concomitantemente, serão novas,
baseadas no teísmo. Como digo há muito tempo, surgirá um
ideal que, inclusive, progredirá cada vez mais, na busca pela
harmonização e controle de ambos os lados - teísmo e ateísmo.
E tal perspectiva, em síntese, corresponde ao princípio
messiânico, que servirá como ponto de orientação para a
implantação desse ideal. Como sempre falo, isso é izunome,
quer dizer: nem direita, nem esquerda (+) surgindo daí a ideia
que estabelecerá o cruzamento entre verticalidade e
horizontalidade.

Isso não acontecerá só no restante do mundo, mas aqui


mesmo no Japão. Hoje está havendo uma grande movimentação
devido às eleições. E ao analisarmos a ideologia dos partidos
políticos japoneses, vemos que se inclinam ora para a direita, ora
para a esquerda - o que é um erro: simplesmente, esquerda ou
direita!

Dentro da própria ideologia de direita existem os dois


lados, sendo que o mesmo se dá no tocante aos ideais de
esquerda. Mas o que acontece sempre é que existe a tendência
em haver inclinação para um só lado. Ao precisarmos apanhar
algo, se usarmos os dois braços, conseguiremos. Porém, se
usarmos um só, não vamos conseguir. E o mesmo ocorre se
quisermos caminhar: se usarmos um só pé, teremos de ficar
pulando; não conseguiremos andar direito. Só alcançaremos o
equilíbrio necessário se usarmos os dois. Caso contrário,
cairemos ou nos machucaremos - o que quer dizer que a
Rússia 145 chegará a perceber os erros do comunismo, assim
como os Estados Unidos conseguirão entender que o capitalismo
145
Atual Federação da Rússia.

212
O Tempo Chegou!

não está mais dando certo. Daí sim, os dois lados procurarão não
mais se inclinar para um só. Mas, para que tal ponto venha a ser
percebido, a Messiânica tem muito por fazer quanto ao fato de
incentivar esse aspecto. Portanto, é grande a responsabilidade
que lhe cabe nesse sentido.

(Palestra proferida no Teatro de Kyoto, em 10 de abril de 1953)

213
O Tempo Chegou!

18 - Salvação da América

Recentemente, publiquei um livro intitulado “A Salvação da


América”, onde apresento, em alguns capítulos, os motivos que
conduziriam à salvação do continente norte-americano -
especialmente no que diz respeito a cuidados relativos à saúde
humana.

Para dar início a esse trabalho de orientação, estamos


enviando aos Estados Unidos a Reverenda Higuchi. Nossa
expectativa é que, dentro de um mês, nossa Igreja, em Los
Angeles, já esteja pronta. Então, com nosso soonen centralizado
sobre esse grupo missionário, esperamos iniciar, nos Estados
Unidos, um trabalho de orientação sobre saúde e tratamento de
doenças.

É como digo sempre: esse é apenas o começo do


estabelecimento de uma civilização nova. Até o momento, faltou-
nos equilíbrio suficiente para tal. Poderíamos até dizer que ainda
estávamos mancando, só que, agora, vejo que já estamos
andando com dois pés. Mas trata-se de uma informação que, só
mesmo com o tempo, poderá vir a ser enriquecida para,
futuramente, merecer novos esclarecimentos de nossa parte. Por
enquanto, trata-se apenas de formas de comunicação que
estamos vivenciando na prática.

18.1 - Notícias da América do Norte

Recebi uma carta de um missionário a nosso serviço nos


Estados Unidos em que ele relata alguns testemunhos de
milagres ocorridos por lá, justamente no momento em que demos
início, nesse país, a um trabalho mais efetivo de divulgação
sobre os efeitos do Johrei. Nosso missionário chamava-nos a
atenção para o fato de que, segundo o que havia constatado, os
resultados de cura obtidos nos Estados Unidos se davam não só
com frequência, mas também em tempo bem menor do que no

214
O Tempo Chegou!

Japão. Era marcante o aumento do número de casos de doenças


mentais entre os norte-americanos - mas com a obtenção de
resultados positivos dentre aqueles que receberam Johrei. Então,
se tal parâmetro se mantivesse, a tendência seria a rápida
expansão do Johrei como um novo método de cura.

Em sua carta, nosso missionário relatava os casos de


duas pessoas afetadas por distúrbios de fala, mas que
apresentavam sintomas que se opunham diametralmente: no
primeiro caso, a pessoa, apesar de ter plena consciência do
contexto ao seu redor, mantinha-se muda; no segundo, falava
sem parar. Quando recebemos a carta do nosso missionário,
essas duas pessoas se submetiam a tratamento com Johrei,
sendo que uma delas já estava curada e a outra, em processo
final de plena recuperação.

Entretanto, o mais importante foi poder observar que


ambas reagiram ao tratamento de maneira idêntica: eliminaram
pus e sangue, provando, com isso, tratar-se de curas
verdadeiras, conforme as observações que tenho feito. Sangue e
pus costumam acumular-se na parte posterior da cabeça e, só
após serem dissolvidos, é que se processa a cura definitiva. E
tanto diarreias quanto a própria expulsão de sangue são formas
benéficas de eliminação de toxinas - justamente para que o pleno
restabelecimento da saúde possa se dar.

Nos dois casos relatados, é óbvio que se tratava de


problemas de ordem espiritual, pois desarmonia e fraqueza
mentais são fatores que contribuem para a influência negativa de
espíritos que atuam na cabeça. Portanto, quero lembrar-Ihes
que, em casos de doenças mentais, deve-se ministrar Johrei na
cabeça, de alto a baixo, com intensidade. De dez pessoas, oito
ou nove delas apresentam toxinas solidificadas na região da
nuca - e daí ser esse justamente o ponto focal mais importante
quando se ministra Johrei.

215
O Tempo Chegou!

Quase sempre, em um dos lados da nuca - comumente no


esquerdo - existe uma saliência que apresenta ponto febril e, em
tais circunstâncias, a pessoa se mostra inapetente e, inclusive,
com dificuldades de raciocínio. Nesses casos em que o ponto
focal da doença se encontra na nuca, normalmente, o processo
de cura é antecedido pela ocorrência de diarreias. É assim: o
Johrei dissolve toxinas, que se encaminham para o estômago
causando enjoos e, algumas vezes, até um certo mal-estar no
peito. Posteriormente, tais toxinas seguem para os intestinos,
provocando dores no abdômen até, finalmente, virem a ser
eliminadas através de diarreias. Inclusive, é bom termos
conhecimento dessa ordem em que os sintomas ocorrem nos
processos de dissolução de toxinas do nosso organismo, pois
isso significa exatamente o prenúncio de curas - e esse processo
precisa estar bem claro para todos os que ministram o sagrado
ato do Johrei.

Misteriosamente, a nuca e as parótidas - que também


costumam apresentar febrícula e inchaço - podem ser
consideradas os pontos focais mais frequentes da maioria dos
males que acometem o organismo humano. Isso se dá
justamente pelo fato de que a presença de toxinas contribui para
a má circulação cerebral - o que acaba interferindo na própria
lógica e, consequentemente, nos nossos processos de tomada
de decisão, acarretando dificuldades em múltiplos aspectos da
vida: em nosso convívio social e em nossos inter-
relacionamentos pessoais, profissionais e religiosos.

(Excerto de palestra proferida em 1950)

216
O Tempo Chegou!

PARTE 4 - PALESTRAS DO REVERENDO NAKAHASHI

217
O Tempo Chegou!

1 - Meishu Sama: nosso caminho de Luz

O dia 15 de junho é uma data altamente significativa para


a doutrina messiânica, pois corresponde ao dia da Celebração do
Reino de Deus na Terra. Inclusive, é uma característica do ser
humano a comemoração de datas especiais. Para os animais
irracionais, por exemplo, 23 de dezembro (dia do nascimento de
Meishu Sama), ano-novo e aniversários não têm o menor
significado. No entanto, para nós, são marcos que ficam
gravados profundamente em nossa memória.

Em 15 de junho de 1931 - como todos os adeptos da


Messiânica bem sabem - Meishu Sama escalou o Monte
Nokogiri, no Japão, local onde Deus Lhe anunciou diretamente
que a Era do Dia teria início. Assim, segundo tal revelação divina,
15 de junho de 1931 corresponderia à data em que o Mundo
Espiritual e, posteriormente, o Mundo Material começariam a
clarear, em decorrência da transição da Era da Noite para a Era
do Dia. Isso significa dizer que a Era da Noite, caracterizada pela
infelicidade e sofrimentos, se transformaria na Era do Dia, que se
distingue pela felicidade e alegria. Em outras palavras, a
realidade do Reino do Céu passaria a se manifestar aqui na
Terra - o que, em japonês, traduz-se por Tijotengoku. Até então,
o Reino de Deus se manifestava exclusivamente no Céu, no
Mundo Divino.

Entretanto, essa não foi a primeira nem a única referência


quanto à concretização do Reino de Deus aqui na Terra. Há mais
de 2.000 anos, tanto São João Batista quanto Jesus fizeram
profecias semelhantes. Sakiyamuni (566 - 486 a. C. - fundador do
Budismo) também pregou o advento do Mundo de Miroku ou
Mundo de Maitreya; Só que as suas profecias se referiam a um
futuro absurdamente distante, que viria a se concretizar dali a
cinco bilhões seiscentos e setenta milhões de anos. Mas, em um
de seus Ensinamentos, Meishu Sama explica o real significado
desse número que, para nós, parece tão disparatado.

218
O Tempo Chegou!

Quando Meishu Sama recebeu a revelação divina sobre a


concretização do Reino de Deus na Terra a partir de 15 de junho
de 1931, ainda não havia estabelecido oficialmente a sua
religião, contando, ao todo, com pouco menos de 100
seguidores. Em Tóquio, havia; aproximadamente, só uns 30 ou
40 membros. Nessa época, Meishu Sama se dedicava apenas à
cura de doenças, sem exercer; paralelamente, atividades
religiosas formais devido ao fato de o regime militar vigente, no
Japão, nesse período, impor sérias restrições à liberdade de
aIguns cultos religiosos.

Em 15 de junho de 1931, acompanhado por 30 de seus


discípulos, Meishu Sama fez a escalada do Monte Nokogiri, onde
recebeu as revelações divinas sobre a transição da Era da Noite
para a Era do Dia. Posicionou-se em sentido Leste e, ao nascer
do sol; entoou a Oração Amatsu Norito, dando, assim, início à
missão que lhe caberia cumprir. Foi nesse momento solene que
Deus outorgou a Meishu Sama a responsabilidade de iniciar a
grandiosa tarefa da construção do Reino Divino aqui na Terra e,
justamente por isso, é que 15 de junho de 1931 é um marco de
extrema importância para os messiânicos. Inclusive, é notável
como, ano a ano, a partir dessa mesma data, aumenta a
intensidade com que a Luz divina se manifesta aqui na Terra
para dar mais força espiritual a todos os seus seguidores.

Em 01 de janeiro de 1935, Meishu Sama fundou


oficialmente a Doutrina Messiânica, em Tóquio, mas com número
bastante reduzido de participantes na cerimônia de inauguração.
Porém, logo depois desse acontecimento, teve início a Segunda
Guerra Mundial, o que Ieuou à interrupção temporária dessas
atividades religiosas. Só mesmo após o término da guerra é que
elas, efetivamente, puderam ter continuidade - e foi justamente
nesse periodo que Meishu Sama procurou divulgar uma série de
Ensinamentos focados, principalmente, no tema da transição da
Era da Noite para a Era do Dia, com as consequentes mudanças
que tal fato acarretaria para a civilização atual.

219
O Tempo Chegou!

A meu ver, penso que o principal aspecto relativo a tais


mudanças diz respeito à adoção de uma nova visão no tocante
às doenças. No decorrer da Era da Noite, era bem mais fácil
haver a solidificação de toxinas no interior do organismo, mas
isso também se aplica quanto à existência de máculas e
impurezas em sentido mais amplo. Na Era da Noite, havia uma
certa facilidade em essa sujeira toda se manter bem escondida,
entretanto tai aspecto não poderá mais se sustentar na Era do
Dia - período que se distingue pela ocorrência de purificações, de
eliminações, que se dão de dentro para fora.

Durante 3.000 anos, a humanidade acumulou muitas


máculas no espírito e também toxinas no corpo. Mas, na Era do
Dia, impurezas e máculas serão extintas forçosamente - e nós
não temos a menor ideia do quanto acumulamos máculas no
espírito e toxinas no corpo. Tal limpeza ocorrerá tanto em sentido
global quanto individual. No passado, tais ocorrências, como é de
conhecimento geral, foram profetizadas como "Juízo Final" ou
"Fim do Mundo".

Entretanto, Meishu Sama explicou - aliás, com bastante


clareza - que, quando se faz referências ao Fim do Mundo, isso
não quer dizer que o mundo terreno terminará, mas, sim, que a
Era da Noite vai acabar, justamente para dar Iugar a uma outra
era; para dar início a um mundo novo, que se caracterizará como
o Reino de Deus na Terra. Isso quer dizer que a humanidade se
verá diante de um grande impulso evolucionário no sentido da
elevação de valores de cunho espiritual. AIgo absolutamente
distinto dos valores em que, até então, se manteve calcada. Na
verdade, podemos observar que tal tendência já vem crescendo,
mesmo que devagar.

Em 1953, precisamente em 15 de junho, Meishu Sama


inaugurou, no Japão, na cidade de Hakone, o que ele mesmo
denominou de "Protótipo do Reino de Deus na Terra", declarando
que essa data seria o marco correspondente ao primeiro dia do

220
O Tempo Chegou!

Juízo Final aqui em nosso mundo. Assim sendo, 15 de junho de


1931 corresponderia ao início da Era do Dia lá no Mundo
Espiritual. E também o dia 15 de junho - só que do ano de 1953 -
seria o marco correspondente ao ponto de partida das primeiras
manifestações da Era do Dia aqui no Mundo Material.

Para aqueles com um certo grau de conhecimento e uma


sensibilidade mais aguçada que os demais, as mudanças que já
vêm acontecendo em direção à Era do Dia são bastante
perceptíveis. Nota-se que, de um ano para outro, ocorrem
transformações bem significativas, externadas em forma de
grandes purificações, como, por exemplo, maremotos, ciclones e
terremotos.

Particularmente, sinto que o fim dos tempos já está


bastante próximo, apesar de não se ter conhecimento do dia em
que se dará a grande transição. Deus não faz nenhuma
revelação nesse sentido, justamente para a humanidade não ter
conhecimento desse fato em termos de uma data precisa. E caso
Deus dissesse, por exemplo, que a transição da Era da Noite
para a Era do Dia iria ocorrer daqui a 10 anos, muitos chegariam
a pensar que ainda lhes restava algum tempo de vida pela frente
e aproveitariam para se divertir ainda mais. No entanto, essa
transição se dará de modo repentino. Mas o maior problema
mesmo é que talvez nem estejamos suficientemente preparados
quando isso vier a ocorrer.

No entanto, alguns Ensinamentos de Meishu Sama nos


permitem fazer especulações a respeito de quando se dará o
Juízo Final. Em 1953, o Mestre explicava que ocorrências do
mundo invisível se refletem aqui no Mundo Material; mesmo com
uma certa diferença em termos de tempo. Porém, sempre
obedecendo a um padrão definido. Aparentemente, o número 6 e
seus respectivos múltiplos - 30, 60, 90... - são a chave de tal
padrão. Em 1953, Meishu Sama dizia que nos próximos 30 anos,
aproximadamente 1983, a primeira fase da grande transição da

221
O Tempo Chegou!

Noite para o Dia (Juízo Final) estaria concluída e, em seguida,


dar-se-ia o início de uma nova era. Se acrescentarmos mais 30
anos a essa data, totalizando 60 anos a partir de 1953,
obteremos 2013, ou seja, apenas 5 anos, a partir do ano corrente
(2008) - o que me leva a concluir que daqui a uns 5, 6 ou 7 anos
será atingido o ponto culminante do Juízo Final aqui na Terra.

Muitas pessoas, baseadas nas profecias completas de


Nostradamus encontradas em uma biblioteca na Inglaterra,
afirmam que o Juízo Final ocorrerá em 2012. Há muito tempo
esse texto tão procurado vem sendo analisado por estudiosos,
que chegaram à conclusão de que o ano de 2012 - ou mesmo
um pouco antes dele - teria como característica marcante a
ocorrência de catástrofes de enormes proporções. É interessante
observar que essas profecias coincidem com o que Meishu Sama
diz em seus Ensinamentos. Portanto, não nos resta muito tempo.
Inclusive, já é possível notar claramente algumas diferenças
marcantes que acontecem de um ano para outro. Aqui em nosso
Templo, são impressionantes as comprovações do aumento da
manifestação da Luz de Deus, principalmente a que é canalizada
através do Johrei - e essas atuações intensas e diretas de Deus
e de Meishu Sama são tão incríveis, que chegam até a nos
deixar um pouco assustados.

Nesse contexto, podemos nos lembrar do Ensinamento de


Meishu Sama que trata sobre a diferença existente entre o
movimento vibratório espiritual característico da Era da Noite e o
da Era do Dia. Na Era da Noite, tal vibração se dava da direita
para a esquerda, ou seja, em sentido anti-horário. Mas na Era do
Dia, dar-se-à o inverso: da esquerda para a direita, isto é, em
sentido horário, caracterizando exatamente a ordem de
precedência do espírito em relação à matéria.

Em suma, na Era da Noite, a ordem de primazia cabia à


matéria. Então, o espírito ocupava apenas o plano secundário, o
que justifica por que, na Era da Noite, o objetivo primordial era o

222
O Tempo Chegou!

acúmulo de bens materiais e a aquisição de status social. Era o


sucesso material nesses dois sentidos que tinha grande
importância e, por isso, as pessoas se sentiam tão felizes ao
atingirem seu intento nesse âmbito.

É inegável o quanto esses valores persistem nos dias


atuais, apesar de não passarem de resquícios típicos da Era da
Noite. Ainda permanecem como válidos em nossa filosofia de
vida, o que significa dizer que não sofremos as transformações
interiores necessárias para a nossa adaptação quanto à
transição da Era da Noite para a Era do Dia. Estamos ainda
bastante presos à mentalidade de que o lado material deve
imperar, subjugando o espírito; só nos sentimos contentes
quando ganhamos dinheiro - e arrasados quando não
conseguimos ganhá-Io. Em resumo, a civilização atual está
calcada na mentalidade característica da Era da Noite, onde os
valores de ordem material precedem os de ordem espiritual.

Olhem para si mesmos e observem quais os motivos que


os levam a sentir felicidade, a ficar alegres e agradecidos a Deus.
Em geral só mesmo quando vocês recebem graças materiais, e
não quando são capazes de sentir, no fundo da alma, a presença
da Luz de Deus ou a de Meishu Sama. Caso isso ocorresse, daí,
sim, seria marcante o aspecto característico da profunda
mudança de valores que ocorrerá com a transição da Noite para
o Dia. Estou me referindo às transformações interiores
necessárias, e não às contínuas mudanças que ocorrem no
mundo ao nosso redor.

São esses aspectos todos que nos levam à necessidade


de uma reflexão atenta e profunda em relação ao sentido real da
data de 15 de junho no tocante à nossa conscientização quanto a
valores como alegria e felicidade. Precisamos entender
definitivamente que as ocorrências do Mundo Material, do mundo
fenomenal não são duradouras; são de caráter efêmero, já que
nossos apetites nesse sentido são insaciáveis. Meishu Sama

223
O Tempo Chegou!

sempre dizia: “Nossos desejos são infindáveis. Mesmo quando


uma pessoa ganha muito dinheiro, não se satisfaz plenamente.
Sempre quer mais". E a própria história da humanidade é um
exemplo bem marcante de que a ambição humana não tem
limites; que homens ambiciosos, quanto mais conquistam outros
países pela guerra, mais desejo têm de ampliar seus feitos,
procurando sempre subjugar outros países, até chegarem,
finalmente, à conquista do mundo todo. Essa é a lógica humana -
e ela nunca terá fim.

Estamos caminhando de forma equivocada, sem perceber


que a felicidade que podemos sentir em nossa alma é muito mais
importante que os valores que tanto prezamos relativos ao
mundo que nos rodeia. Não sentimos satisfação quando
crescemos espiritualmente, quando acumulamos muitos e muitos
tesouros no fundo de nossa alma - que é exatamente o que
acontece quando nos tornamos mais honestos, mais amorosos e
sinceros. Não sentimos gratidão, e já não somos mais capazes
de agradecer, do fundo do coração, por tudo o que Deus sempre
está nos concedendo.

E, sem dúvida alguma, essa é a transformação radical


interior necessária à qual me refiro. Inclusive, penso ser esse o
desejo primordial de Deus e de Meishu Sama para o
estabelecimento de uma nova civilização. Antes da construção
do Reino de Deus em forma material, é preciso edificá-Io no
interior do nosso coração.

Observando-se a própria evolução na canalização do


Johrei, podemos perceber que, ao mudarmos o nosso soonen,
direcionando-o para os valores da Era do Dia; sentimos bem
mais intensamente a presença de Deus e a manifestação de Sua
Luz - e é necessidade primordial acompanharmos essa evolução
espiritual; que se reflete aqui em nosso mundo. De 1940 até
meados da década de 50 - momento em que Meishu Sama
passou para o Mundo Divino - eram inúmeros os milagres

224
O Tempo Chegou!

alcançados na Messiânica por meio do Johrei, não só no exterior;


mas no Brasil. também. Ninguém temia as purificações de
doenças, e não havia dúvidas quanto aos efeitos do Johrei no
sentido de curá-las. Entretanto, depois dessa época,
paulatinamente, a própria eficácia do Johrei tendeu a diminuir,
levando as pessoas a ter menos confiança em seus efeitos.

Particularmente, acho que isso se deu em virtude de os


adeptos não procurarem evoluir nada em sentido espiritual,
mantendo-se em nível idêntico sempre - e até encarando o Johrei
apenas como um mero tratamento. A tendência que se nota é a
de os ministrantes pensarem que levantar a mão para canalizar
Johrei é o bastante; que a partir daí, os milagres vão ocorrer
automaticamente, sem que haja a mínima necessidade de
mudanças interiores no sentido de uma busca contínua para o
alcance de maior evolução espiritual: À medida em que a força
da precedência do espírito sobre a matéria avança no Mundo
Espiritual, cresce a necessidade de se procurar acompanhar
esse movimento, que avança em direção à Era do Dia. Mas está
havendo a tendência de os membros vibrarem justamente em
sentido contrário ao que deveriam.

Em seus primórdios, o Johrei era ministrado como uma


espécie de tratamento, uma prática quase que exclusivamente de
ordem material, como outras tantas já conhecidas pelos
japoneses, como shiatsu e do-in, por exemplo. Porém, pouco a
pouco, o Johrei se tomou uma prática de caráter espiritual.

No entanto, após a passagem de Meishu Sama para o


Mundo Dicino, a grande maioria dos membros perdeu essa
característica de espiritualidade do Johrei, devido ao fato de
estarem muito apegados à própria presença física de Meishu
Sama. Em caso de dúvidas, era habitual as pessoas se dirigirem
pessoalmente a ele para receberem a sua orientação, mas, de
uma hora para outra, a possibilidade desse contato físico chegou
ao fim.

225
O Tempo Chegou!

Só que, antes do seu Goshoten, Meishu Sama já deixara


vários Ensinamentos prometendo a toda a humanidade que,
após o seu falecimento, a Luz divina do Johrei e a força espiritual
que dele emanava tornar-se-iam ainda mais intensas, uma vez
que se encontraria liberto das limitações que seu corpo físico lhe
impunha. Entretanto, o problema é que, para poder receber essa
poderosa Luz espiritual, é preciso que o ser humano se esforce
no sentido de alcançar maior espiritualidade - e esse é
justamente o ponto fundamental da questão.

Então, a partir de agora, precisaremos nos esforçar nesse


sentido, mesmo que essa não seja uma tarefa nada fácil, já que
estamos bem habituados à valorização de aspectos só de ordem
material. Mas essa tendência está começando a mudar. Aqui
mesmo no Templo já se nota que muitas pessoas, durante uns
20 ou 30 minutos, se postam diante do altar para se beneficiarem
da Luz que emana de Deus e de Meishu Sama. E mesmo sem
receberem Johrei, só o fato de, através de meditação, essas
pessoas entrarem em contato com a Luz divina já é suficiente
para sentirem uma força interior maior, que faz desaparecer mal-
estares e sentimentos negativos. Sentem-se aconchegadas,
assim como se estivessem sendo abraçadas por Deus e por
Meishu Sama.

Contudo, é imprescindível nosso esforço contínuo nesse


sentido. Deus e Meishu Sama não podem nos transmitir todo o
Seu amor e a Sua Luz, caso não sintam haver receptividade de
nossa parte. Justamente por isso é que devemos nos esforçar
sempre mais no sentido da busca por maior desenvolvimento
espiritual. - e vare a pena traçarmos um caminho nessa direção,
principalmente hoje em dia, quando a atuação de Deus e de
Meishu Sama está mais intensa ainda. Antigamente, sim, era
difícil, mas agora isso já é possível. Meishu Sama quer que
experimentemos esse contato direto com ele, pois tem
conhecimento de que é essa experiência que vai trazer força e
maior firmeza para a nossa alma.

226
O Tempo Chegou!

Quando nos sentimos fatigados e sem ânimo para dedicar,


isso é sinal de que algo vai mal com o nosso espírito; é sinal de
que estamos envoltos por uma espécie de mácula à qual talvez
estejamos até acostumados, a ponto de não mais a
identificarmos como algo negativo. Normalmente, quando
estamos cansados, atribuímos nossa fadiga a muito trabalho,
como se estivéssemos exauridos devido a excesso de esforços
físicos. Mas trata-se de um grande engano nosso que, inclusive,
pode ser constatado ao ficarmos em frente ao altar meditando e
recebendo a Luz Divina. Sentimos que, pouco a pouco, nosso
cansaço desaparece por completo.

Entretanto, no início dessas experiências, será preciso


haver perseverança de nossa parte, porque meditar por cinco ou
dez minutos não é nada fácil. Logo já pensamos em desistir para
deitar um pouquinho e descansar. Porém, ao insistirmos, nosso
mal-estar tenderá a desaparecer e vamos sentir que uma nova
energia tomou conta de nós. Estaremos revigorados e despertos.
Contudo, como altos e baixos são características tipicamente
humanas, precisaremos repetir tais experiências mais vezes,
num esforço contínuo, sempre que percebermos que estamos
desanimados, meio caídos.

Quando sentirmos que as coisas estão girando na ordem


inversa - da direita para a esquerda - deveremos parar, buscando
fazê-Ias girar em sentido contrário, ou seja: tendo a mais
absoluta convicção de que a prioridade cabe ao lado espiritual e
de que aspectos materiais têm solução, sim, justamente por
serem decorrência do nosso próprio desenvolvimento espiritual.
Inclusive , com certeza, seremos muito mais felizes ao nos
habituarmos a raciocinar sempre dessa forma.

Porém, será preciso começar a mudar nosso modo de


pensar a partir de coisas pequenas, por exemplo, assim que
despertarmos. Deveremos nos sentir gratos a Deus por termos
acordado. Muitos nem acordam direito; parece até que morreram

227
O Tempo Chegou!

enquanto dormiam.

Em relação a esse aspecto de se sentir grato, certa vez,


passei por uma experiência da qual não me esqueço nunca.
Tudo aconteceu logo no início da minha missão aqui no Brasil,
quando eu morava em Curitiba. Nesse período, ainda não
tínhamos uma Igreja, então eu ministrava Johrei em uma casa
que havia sido alugada para esse fim. Só que, nessa época, as
pessoas vinham receber Johrei assim como se estivessem
consultando um curandeiro. Mas as notícias das curas obtidas
foram passando de boca em boca - o que só fez aumentar o
número de interessados em receber Johrei.

Certo dia, bem cedo, pela manhã, estava sozinho em casa


ministrando Johrei em uma pessoa quando, de repente, um
policial entrou munido de câmera fotográfica. Bateu uma foto - já
com a intenção de comprovar minhas atividades em Johrei - e
logo em seguida se retirou. E foi assim que quase fui processado
por prática de curandeirismo. Cheguei a ser detido, mas acabei
sendo solto no mesmo dia graças ao telefonema de um médico
conhecido: justamente o proprietário da casa que eu alugara.

Em nossos encontros para tratar sobre as condições do


aluguel, conversamos bastante sobre medicina. Nessa ocasião,
os Ensinamentos de que dispunha ainda estavam todos em
inglês, então eu mesmo apresentei a esse médico as
concepções da Messiânica sobre Johrei e medicina - fato esse,
aliás, que o levou a concordar plenamente com as ideias
inovadoras de Meishu Sama sobre a cura de doenças. Então, ao
tomar conhecimento de que eu havia sido detido, o próprio
médico ligou para o defegado, intercedendo a meu favor no
sentido de esclarecer que não se tratava de caso de
charlatanismo - e foi assim que eu me vi livre novamente.

Só que, depois disso, toda manhã me vinha à mente um


grande temor pela possibilidade de ser preso de novo. Então,

228
O Tempo Chegou!

quando os dias transcorriam sem maiores incidentes, passei a


me sentir sempre imensamente grato a Deus. Mas só mesmo
mais tarde, quando formalizamos a fundação de uma Igreja, é
que se tornou possioel ministrar Johrei e pôr em prática os
Ensinamentos de Meishu Sama, sem maiores receios.

Muitas pessoas dormem e não despertam no dia seguinte.


Pontão, se acordamos, respiramos o ar matinal, somos capazes
de enxergar e de andar até o banheiro, tudo já é motivo para
sentirmos gratidão a Deus - e é importante darmos valor a esses
aspectos aparentemente tão insignificantes. Basta supor que, um
dia, ao despertarmos pela manhã, poderemos não ser mais
capazes de enxergar, de andar ou de respirar naturalmente.
Apesar de serem coisas tão simples, muitos não podem fazê-las.

Só que nossa tendência é sempre achar que tudo é muito


banal; simplesmente um direito que nos cabe. Entretanto, a vida
não é assim, e são muitos os que não podem desfrutar dos
privilégios que nós temos. Tudo o que recebemos de Deus -
desde as coisas mais pequeninas - deve ser motivo para nos
lembrarmos de agradecer. Se acharmos que se trata apenas de
aspectos banais da vida, vamos acabar nos esquecendo de que,
na verdade, são graças divinas.

Quantos milhões de pessoas no mundo passam fome?


Vejam os terremotos ocorridos recentemente na China. O
número de desabrigados passa de sete milhões e meio. É muita
gente! Autoridades chinesas declararam que há um déficit de,
aproximadamente, um milhão de barracas para uso dos
desabrigados e que, até o momento, só haviam conseguido
quatrocentas mil, ou seja: nem sequer a metade do que
necessitavam - o que obrigou milhares de chineses a dormir ao
relento.

Também não havia água potável disponível para todos. As


vítimas desses terremotos eram obrigadas a beber água

229
O Tempo Chegou!

contaminada. É preciso lembrar que tais fatos estão acontecendo


com uma parcela da humanidade da qual fazemos parte. Somos
todos irmãos e, em questão de apenas seis ou sete segundos, lá
na China, milhões perderam absolutamente todos os bens
materiais que possuíam.

Através de exemplos como esse é que Deus procura


alertar a humanidade toda para a fragilidade da matéria,
mostrando que não vale a pena nos apegarmos a ela. Há até um
salmo de Meishu Sama que diz que, ao surgirem desgraças que
atingem outros povos, muitas vezes, pensamos estar livres de ter
de enfrentar acontecimentos semelhantes. Porém, é óbvio que
estamos sujeitos a passar pelos mesmos sofrimentos e,
exatamente por isso, é que devemos ficar alegres e muito gratos
a Deus pela condição em que nos encontramos. É preciso
despertar! O sentimento de gratidão por tudo o que Deus nos dá
é de suma importância!

O Brasil, por exemplo, é um país afortunado, com


alimentos em profusão. Muitos povos que vivem em desertos ou
em países de clima muito rigoroso passam por sérias
dificuldades para obter seu sustento. Os brasileiros não têm
muita noção de quantas pessoas no mundo passam fome,
porque, aqui no Brasil, esse problema é raro. Há variedade e
uma quantidade enorme de alimentos - e essa abundância é que
deveria ser motivo de muita gratidão. Os brasiieiros são,
realmente, um povo abençoado por Deus!

Crescer espiritualmente é bem melhor que acumular muito


dinheiro. E, da mesma forma como ocorre com aspectos
materiais, o crescimento do espírito também é fruto de esforços
conscientes de nossa parte, assim como se fossem verdadeiros
exercícios espirituais. Este ano, por exemplo, a China sediará os
jogos olimpicos, e todos os atletas participantes andam treinando
intensamente para fortalecer músculos e, inclusive, a própria
mente. O principal; contudo, é estarem muito bem preparados

230
O Tempo Chegou!

fisicamente - e isso, além de difícil; gera dores intensas. Mesmo


assim, os atletas treinam de modo árduo, porque sabem que,
para vencer, é preciso ir sempre um pouco além. Se os
adversários estiverem treinando oito horas ao dia, será preciso
treinar nove, dez ou doze para conseguir superá-los.

Todo esse empenho é necessário para competições de


ordem material: Entretanto, espiritualmente, é a mesma coisa.
Penso que nosso corpo espiritual também precisa de "músculos
espirituais" fortes para poder suportar todo o peso que
carregamos conosco. Para viver neste mundo - e até mesmo
para nascer - temos de carregar muito peso: da família, dos
amigos e da sociedade. Dai a necessidade de precisarmos tanto
de músculos bem fortes em nosso corpo espiritual; tais como,
paciência, persistência, fé e esperança, dentre outros. Quando
temos bastante fé, somos capazes de suportar uma grande carga
em nossos ombros - e é bom nos lembrarmos sempre de que
nossos sofrimentos são como a chuva ou o vento: uma hora
chegam ao fim, porque nada é para sempre. Um dia, o sol volta a
brilhar. No entanto, até que cheguemos a isso, precisaremos de
muita paciência para suportar os inúmeros problemas com os
quais nos deparamos sempre. Mas por que será que surgem
tantas adversidades assim em nossa vida? Exatamente, para nos
dar uma oportunidade para fortalecer os músculos do nosso
espírito.

No Budismo, esse conceito é expresso simbolicamente por


duas divindades representadas por esculturas de corpos
musculosos e que aparentam bastante braveza nas faces.
Costumam ser colocadas na entrada dos templos, uma de cada
lado, tendo por função guardar e proteger o Buda que se
encontrasse no interior do próprio templo. Ambas seriam a
representação da força espiritual de que necessitamos para
suportar todos os sofrimentos que a vida nos impõe e dos quais
não podemos fugir, pois, caso contrário, não iríamos nos
fortalecer nunca. Nossas dificuldades devem sempre ser motivo

231
O Tempo Chegou!

de agradecimento, já que são oportunidades para o crescimento


da nossa alma.

Muitas pessoas, para o desenvolvimento da musculatura


corporal; se submetem a árduos treinamentos de levantamento
de pesos. E quanto mais se exercitam, mais desenvolvem a
capacidade em levantar pesos cada vez maiores. Para nós, é
fácil entender esse processo de fortalecimento muscular do corpo
físico. O difícil, de fato, é aceitar essa mesma lógica em relação
ao nosso corpo espiritual.

Normalmente, as pessoas choram, dizendo que nada


fizeram por merecer o peso todo do sofrimento pelo qual passam.
Reclamam que estão sendo injustiçadas, que não merecem
padecer tanto assim. Na verdade, o que querem mesmo é se
livrar de toda essa carga que precisam carregar. Estão desistindo
do próprio treinamento espiritual, sem se lembrar de que o peso
de sofrimentos é o exercício específico para o fortalecimento da
alma.

Existem dois aspectos importantes a serem Iembrados: o


primeiro deles diz respeito a limpeza; a purificação - e é nesse
sentido que recebemos Johrei: para purificar as nossas máculas
espirituais e também eliminar as toxinas do nosso corpo físico.
Esses são os objetivos do Johrei. O segundo ponto a ser
considerado centra-se no crescimento da alma que,
necessariamente, precisa se ampliar e estar sempre fortalecida.

São, portanto, dois aspectos bem diferentes. Por si só, o


Johrei não leva à expansão da alma. Crescimento espiritual é
algo que depende inteiramente de nós, conforme vamos
aceitando as provações a que somos submetidos
constantemente. E, caso não passemos por treinamentos
espirituais, permaneceremos sempre fracos. Portanto, só
purificar não é o bastante. Ambos os pontos são necessários:
purificar e fortalecer a alma. Ao passarmos por uma purificação,

232
O Tempo Chegou!

nossa alma se eleva, mas isso não quer dizer que se fortaleceu
ou se expandiu. Crescimento da alma e purificação são aspectos
absolutamente distintos.

No momento, o que precisamos mais é aprimorar o


crescimento da nossa alma, justamente para que Deus possa
nos usar como Seu instrumento; sermos um apoio no qual Ele
possa, realmente, confiar. Deus não pode Se apoiar em almas
fracas, porque elas caem com facilidade diante do primeiro
obstáculo que tiverem de enfrentar. Caem e não são mais
capazes de se levantar.

Portanto, para o cumprimento de nossa missão, será


imprescindível estarmos bem treinados por dificuldades, além de
conscientes e devidamente preparados para o Juízo Final que, a
qualquer momento, deverá chegar. E não podemos deixar
nossas decisões para depois, porque o momento é agora. Mas
penso que, com uma atitude firme de nossa parte, Meishu Sama
estará ao nosso lado para o desenvolvimento e a expansão do
plano de Deus.

Analisando os acontecimentos que nos cercam, podemos


notar que não são obra do ser humano. São ocorrências
grandiosas do mundo invisível, que estão se refletindo aqui no
plano material. Mas elas vão bem além da nossa capacidade de
percepção imediata. Porém, se estivermos prontos para servir
como instrumentos, também seremos capazes de realizar feitos
grandiosos. Só que, para tanto, será preciso mudar o nosso
próprio modo de enxergar os fatos. Vamos precisar "pensar
grande", pois Deus afirmou que vai construir o Seu Reino aqui na
Terra e que essa será uma Obra monumental, nunca vista antes.
E, agora, após três mil anos de Era da Noite, as palavras de
Deus já começam a se tornar realidade.

Meishu Sama dizia que a felicidade dos que podem


dedicar na Obra Divina nesse momento é algo que não se

233
O Tempo Chegou!

compara a nada do que conhecemos. É um privilégio que cabe


àqueles que, dentre todos os seus ancestrais, foram os efeitos
para estar presentes aqui neste mundo servindo como
instrumentos do Plano Divino. A missão dos que hoje servem à
Obra Divina os credenciará como futuros grandes antepassados.
Normalmente, só os grandes antepassados da humanidade são
reverenciados, mas as pessoas que estão dedicando nesse início
da Era do Dia também o serão. Pais e avós que trabalharam na
Obra Divina serão vistos com muita admiração por seus
sucessores; serão considerados os pioneiros que estabeleceram
as bases para a construção do Reino de Deus aqui na Terra - e
eu tenho grande esperança de que vá ser exatamente assim.

Imaginem a hipótese de nossos descendentes dizerem


que seus próprios antepassados - apesar de terem tido todas as
oportunidades - nada fizeram pela concretização do Reino
Divino. Isso seria vergonhoso, e daí a necessidade de nos
empenharmos no sentido de não deixar essa herança negativa
para nossas futuras gerações.

Entretanto, temos de fazer a parte que nos cabe agora,


pois não teremos outra oportunidade. Não haverá mais tempo!
Quando o Reino de Deus chegar, não haverá como fazer a
opção em servir. É agora que temos chances nesse sentido. É
assim como se procurássemos uma oportunidade para ajudar
pessoas necessitadas em um país já plenamente desenvolvido.
Não haveria mais nada que pudéssemos fazer por elas.
Entretanto, se fôssemos para um país subdesenvolvido, aí sim,
seríamos úteis, encontraríamos mil circunstâncias oportunas para
prestar ajuda a quem necessitasse.

Nesse momento, vemo-nos diante do extraordinário


privilégio de testemunhar o Plano Divino invisível tomar forma
aqui em nosso Mundo Material. Foi-nos dada essa oportunidade
de assistir à transformação do mundo e das pessoas, podendo
perceber a atuação de forças invisíveis por trás das mudanças

234
O Tempo Chegou!

que ocorrem aqui na Terra. Somos os observadores e, ao


mesmo tempo, os partícipes desse processo da construção do
Reino de Deus aqui no mundo em que vivemos.

Então, vamos pedir a Deus e a Meishu Sama, bem do


fundo dos nossos corações, que nos concedam a graça de poder
servir como Seus instrumentos. A nós, caberá o empenho em
priorizar o Iado espiritual em detrimento do material: Nosso
próprio despertar, pela manhã, deverá ser feito com ânimo
redobrado, pois o sentimento com que despertamos irá reger o
restante de todo o nosso dia. Se acordarmos mal, é certeza de
que teremos pela frente um dia inteiro bastante conturbado.
Porém, não costumamos dar a devida importância aos nossos
estados de espírito - e esse é justamente um dos maiores erros
que cometemos, pois é o espírito o grande regente da nossa
vida.

(Palestra proferida em 14 de junho de 2008 pelo Reverendo


Nakahashi, em Aula de Aprimoramento, na Sede do Templo Luz
do Oriente)

235
O Tempo Chegou!

2 - Interpretação da Prece de Louvor a Deus (Zengen Sanji)

(Rev. Minoru Nakahashi)

A Oração Zengen Sanji foi composta por Meishu Sama em


04 de dezembro de 1934, poucos dias antes da fundação oficial
da Messiânica (01 de janeiro de 1935) cujo nome era "Dai Nippon
Kannon Kai" que, em português, significa "Associação de Kannon
no Japão146".

Trata-se de uma oração que, além de mostrar a estreita


relação que Meishu Sama mantinha com Kannon, também revela
quem, verdadeiramente, é Kannon - fato esse que permaneceu
oculto durante todo o decorrer da Era da Noite, embora o próprio
Kannon, de forma infinitamente misteriosa, jamais tenha deixado
de manifestar pleno poder e grande misericórdia por todos os
seres. Mesmo no Budismo, não se fez menção sobre a
verdadeira identidade de tal divindade - aspecto esse conhecido
como "O Buda 'Misterioso".

Existe uma expressão específica para pedirmos que o


poder de Kannon se manifeste: "Nenpi Kannon Riki". Entretanto,
o mesmo não ocorre em relação a outras divindades búdicas, tais
como, Sakiyamuni ou Amida. Não existem, por exemplo,
expressões como “Sakiyamuni Riki", nem Amida Riki". Única e
especificamente para Kannon tal pedido pode ser feito, já que só
Ele possui poder para transcender as dualidades bem / mal; yin /
yang homem / mulher; verticalidade / horizontalidade.

Intrinsecamente, Kannon também possui dualidade e, por


isso, não é homem, nem mulher. E justamente da união de
dualidades, assim como, por exemplo, da união de água e fogo
para gerar vapor, é que nasce a poderosa força que Kannon é
capaz de manifestar. Daí o surgimento da expressão "Kannon

146
Nesse período, no Japão, não havia liberdade religiosa, o que esclarece o uso apenas
do termo "Associação". (N. T.)

236
O Tempo Chegou!

Riki”, ou seja, "Poder de Kannon" - que, aliás, já se manifestava


em plena Era da Noite através de milagres e daquela sabedoria
bastante profunda (myochi) capaz de transcender a dualidade
bem / mal.

A sabedoria de Kannon não toma por base exclusivamente


um lado só (vertical ou horizontal) e, por isso, é muito mais
profunda, já que envolve um mistério que vai além da mera
compreensão humana. Os homens se encontram presos,
limitados a dualidades opostas, tais como, Bem / Mal,
verticalidade / horizontalidade. Entretanto, conforme a Era do Dia
vai cheqando, o Espírito do Fogo começa a se destacar. Dessa
forma, à medida que o Mundo Espiritual se torna mais claro, o
poder de Kannon passa a se manifestar de forma mais direta, já
que, no decorrer da Era da Noite, era manifesto apenas
indiretamente.

Kannon se manifestou diretamente para Meishu Sama,


levando-o a agir conforme os seus desejos. Foi então que o
próprio espírito divino de Kannon começou a realizar o seu
trabalho de acompanhamento da evolução do tempo em direção
à Era do Dia. Na Era da Noite, a imagem de Kannon revelava
essa divindade coberta da cabeça aos pés por um manto - o que,
na verdade, quer dizer que Kannon, no decorrer da Era da Noite,
se manteve oculto por tal manto. Entretanto, Kannon é um Buda
solar e, por isso mesmo, só com a aproximação da chegada da
Era do Dia é que pôde dar início à manifestação de todo o seu
poder, mostrando quem realmente é - e isso se refletiu em todos
os trabalhos divinos executados por Meishu Sama.

À medida que tais trabalhos se expandiam, mostravam a


grandiosidade da obra de Meishu Sama e revelavam mistérios
que se mantiveram ocultos durante o transcorrer da Era da Noite
- período em que muitas coisas tidas como Verdade estavam
invertidas. No entanto, através da manifestação de Kannon, a
Verdade viria à tona para tornar o mundo um lugar isento de

237
O Tempo Chegou!

doenças, pobreza e conflitos, possibilitando, assim, a edificação


do verdadeiro Reino de Deus aqui na Terra - um mundo pleno de
verdade, virtude e beleza; saúde, abundância e paz. Portanto,
Kannon vem a ser o Salvador do mundo e o construtor do Reino
de Deus aqui na Terra.

Foi Kannon mesmo quem escolheu Meishu Sama como o


executor de Seu Plano Divino aqui na Terra, já que entre ambos
estabelecia-se a mais perfeita comunhão. Por isso é que Kannon
fez revelações a Meishu Sama a respeito de todos os mistérios
envolvidos em sua própria origem e também sobre o passado e o
futuro da humanidade.

Tais revelações têm caráter inédito, e nem mesmo os


grandes estudiosos dos Sutras budistas chegam a ter
conhecimento dessas Verdades. Em virtude disso é que, para
lerem os Ensinamentos, os leitores deverão procurar esquecer,
anular todos os conhecimentos que adquiriram até então. Caso
contrário, torna-se impossível a compreensão plena do que
querem dizer. Mas os que acreditam verdadeiramente, os
seguidores das revelações expressas nos Ensinamentos de
Meishu Sama; esses, sim, vão presenciar milagres; vão sentir a
presença do espírito de Kannon bem perto de si.

Uma das características de Kannon é a possibilidade de


essa divindade vir a se manifestar para pessoas de espírito
elevado, sempre com o mais projundo respeito pela
individualidade peculiar de cada um - o que quer dizer que
Kannon pode realizar seus próprios desejos e manifestar sua
misteriosa força, com facilidade, sem jamais anular a
individualidade, as características pessoais de ninguém; sempre
mantendo um absoluto respeito pela natureza do indivíduo. Daí o
fato de esse tipo de manifestação de Kannon denominar-se
"Ooshin" (manifestação que pode variar, dependendo do
contexto característico de espaço / tempo). Dessa forma,
respeitando limites, Kannon se adapta devidamente a diferentes

238
O Tempo Chegou!

circunstâncias, e daí então passa a atuar, a se manifestar.

Interpretação das estrofes da Oração do Céu (Zengen Sanji)

Respeitosamente,
reverenciamos Bodhisattva Kannon
que, ao descer do Céu, transformou-se em
Koomyoo Nyorai.

Manifestou-se
a seguir como Ooshin Miroku
para, posteriormente, tornar-se Messias.

Essas duas estrofes iniciais da Oração do Céu querem


dizer que Kannon - divindade que, durante a Era da Noite,
através do Mundo Búdico, exercia o trabalho de salvação -
desceu aqui à Terra, no limiar da Era do Dia, transformado,
primeiramente, em Koomyoo Nyorai147 (Tathagata, em sânscrito)
e, a seguir, em Miroku (Maitreya).

Para os budistas, Miroku Maitreya seriam divindades


totalmente distintas, mas eles esperavam pela vinda do Buda do
Futuro, que seria Maitreya 148 . Acreditavam que, daí então,
visando à salVação da humanidade, dar-se-ia o estabelecimento
do Reino de Deus aqui na Terra. No entanto, Kannon revelou a
Meishu Sama que Miroku e Maitreya eram a mesma divindade,
ainda que, por vezes, justamente em decorrência da
aproximação da Era do Dia, exercessem funções diferenciadas.
De qualquer modo, em essência, tratava-se de divindade
idêntica.

Os três venenos
e as cinco impurezas expurgando dos
Três Reinos, deseja salvar todos os seres vivos.

147
Até então, Kannon encontrava-se em nível de Bodhisattva. (N. T.)
148
Miroku.

239
O Tempo Chegou!

Quando fazemos referência às expressões “Três Venenos”


e "Cinco Impurezas”, podemos interpretá-Ias como parte de um
Sutra budista de Sakiyamuni em que ele ensinava que "Três
Venenos" correspondem a: desejos, ira e ignorância. Por sua
vez, as "Cinco Impurezas" seriam correspondentes a: 1.
deterioração do ambiente social; 2. pensamentos negativos,
malignos e violentos; 3. vícios; 4. enfraquecimento do espírito e
do corpo, provocando o aumento de sofrimentos; 5.
enfraquecimento da vitalidade humana.

Entretanto, os "Três Venenos" também podem ser


interpretados no sentido das três espécies de toxinas existentes
no corpo humano, conforme Meishu Sama explicava: 1. toxinas
hereditárias (ou congênitas); 2. toxinas medicamentosas
(provenientes do uso de medicamentos); 3. toxinas úricas
(aquelas que se formam em consequência do funcionamento
insuficiente dos rins).

Ainda nessa mesma linha de raciocínio, as "Cinco


Impurezas" adviriam do uso de adubos e de agrotóxicos que,
como Meishu Sama mesmo esclarecia; poluem e agridem o solo,
aumentando ainda mais a ação dos Três Venenos, causando
muitas doenças, etc. Inclusive, tal ocorrência não estaria restrita
apenas aqui ao nosso Mundo Material, uma vez que pode ocorrer
nos Três Reinos: Divino, Espiritual e Material. Mas ninguém
imaginava que pudesse haver impurezas no Mundo Divino. No
Mundo Espiritual, poderíamos até admitir tal circunstância, porém
como aceitar que no Mundo Divino também houvesse impurezas
ou sombras? Isso se explica pelo fato de que o Mundo Divino
estava sob a regência da Noite, porque o Sol ainda não
começara a mostrar todo o seu brilho. Na Era da Noite, mesmo o
Mundo Divino não se mostrava claro, límpido como o Dia.

Segundo um Sutra budista, Amida teria criado, no Reino


Divino, o Mundo da Paz e da Alegria. Em tal Sutra, consta
também que o espaço purificado (conhecido como “Joodo”) era

240
O Tempo Chegou!

Jakuhoo (Luz Tênue) - o que quer dizer que era iluminado pela
tênue Luz da Lua, não tendo, portanto, clareza absoluta, total.
Limpidez. Era como se ainda se mantivesse em plena Noite
Lunar. Mas conforme a Era do Dia foi tendo início, o Sol começou
a apontar lá no ponto mais alto do Mundo Divino. Depois,
partindo exatamente desse ponto altíssimo; foi descendo, até
começar a emanar Luz no Mundo Espiritual, no Mundo Astral,
para daí começar a brilhar, finalmente, aqui no Mundo Material.

Em um de seus Ensinamentos, Meishu Sama diz que o


primeiro raio solar teve início no ponto mais alto do Mundo Divino
há setecentos anos, no século XIII - período que coincide com o
aparecimento de Nichiren, considerado o primeiro Mestre do
Budismo lunar que manifestou o poder solar, no Oriente. Nessa
mesma época, no Ocidente, pode-se dizer que tal feito coube a
São Francisco de Assis, frade católico, também conhecido como
"Irmão Sol".

Realizado
tão sublime anseio, Luz e júbilo
eternos reinarão em todos os cantos do mundo.

Em qualquer parte da Terra, independentemente de


credos, cultura e costumes, todos anseiam por um mundo pleno
de paz, alegria, Luz e felicidade. Mas, finalmente, chegou o
momento da concretização dessas aspirações, porque, em
qualquer parte do planeta, a Luz, a sabedoria e o amor de
Kannon já se fazem presentes. Dessa forma, a humanidade,
enfim, poderá cumprir a sua missão. A cada ser caberá a
realização de desejos individuais, dos desejos da essência de
seu espírito divino, ou seja, de todos os anseios que atingem a
alma humana.

Desarmonia
não existe nos domínios de Miroku.
A cada cinco dias venta; a cada dez, chove.

241
O Tempo Chegou!

Tão suave é a brisa,


que nem os galhos farfalham.
Entidades negativas obedecem a Kannon.

Quando a Era do Dia chegar, terá Miroku como seu


governante absoluto. Até o próprio clima se tornará mais
harmonioso: a cada cinco dias haverá vento e, a cada dez, chuva
na quantidade absolutamente necessária - aspectos esses
constantes de um Sutra budista. Em relação aos ventos, serão
bastante suaves; não haverá tempestades, muito menos, tufões;
apenas uma leve brisa, que não chegará a quebrar nenhum
galho de árvore.

Todas as entidades negativas se submeterão a Kannon,


isto é, não ultrapassarão o limite daquilo que couber a elas. A
ação do negativo também faz parte do Plano de Deus - o que
justifica por que qualquer ação do Mal, de uma forma ou de
outra, sempre acaba gerando o Bem.

Leis malignas
são anuladas; os vários males, extintos;
yashas149 e dragões150, inteiramente libertados.

O termo "Lei Maliga" pode ser entendido aqui como a Lei


que diz que o forte vence o fraco; que o material prevalece em
relação ao espiritual. Como exemplo de forças materiais
predominantes, podemos citar países com poderio militar capaz
de fazer com que países mais fracos se submetam a eles. Outra
interpretação da Lei do Mal diz respeito àqueles doentes que,
tentando obter cura a todo custo, fazem uso de medicamentos,
cada vez mais. Na Era do Dia, tal Lei será extinta por Kannon, o
que levará ao desaparecimento de vários males.

149
Yashas: entidades negativas que, arrependidas, tornam-se discípulas de Kannon. (N. T.)
150
Dragões: espíritos de seres divinos que, durante a Era da Noite, devido a apego,
transformaram-se em dragões. Porém, na Era do Dia, voltarão a assumir forma humana.
(N. T.)

242
O Tempo Chegou!

Na Era do Dia, as entidades com forte poder negativo,


como os Yashas, serão libertadas dos “Três Males”: desejo, ira e
ignorância. E, ao se encontrarem libertas, ficarão arrependidas,
passando a prestar total obediência a Kannon. Quanto aos
Dragões, estarão livres do mal do apego.

Os santos homens,
assim como os vários Budas151 e Devas152,
podem cumprir plenamente a sua missão.

Antigamente, homens santificados que procuraram cumprir


a missão que lhes cabia para o estabelecimento do Reino de
Deus aqui na Terra se depararam com sérios obstáculos, sendo
obrigados a ter de enfrentar inúmeras dificuldades. Entretanto, na
Era do Dia, tais missões poderiam ter sido cumpridas. Antes,
não: mesmo desejando-se ardentemente tentar saldar a
humanidade, ninguém conseguiu atingir esse intento. Mas,
agora, com a chegada da Era do Dia, isso se torna possível.

Até grandes Mestres sagrados e vários Budas foram,


muitas vezes, enganados por entidades negativas, ainda que
pensassem estar fazendo o que era correto. Só que, na verdade
mesmo, estavam apenas cometendo muitos erros. Por isso é que
Meishu Sama diz que, inclusive no caso de divindades, há
necessidade de arrependimento perante Deus por equívocos
cometidos, mesmo que involuntariamente. Isso nos faz
compreender que, na Era da Noite, até as próprias divindades
chegaram a ser enganadas por entidades negativas - o que
explica por que enganar o ser humano foi assim tão fácil: Vejam
a medicina, por exemplo: foi inventada pelo negativo visando ao
enfraquecimento do homem. Mas o ser humano é criação divina.
Portanto, é a Deus que tem de pedir para ser curado. Os homens
nada sabem sobre os mistérios do corpo. Perderam a noção de
que o corpo humano é fruto da Vontade divina e, assim sendo, só

151
Budas: todos aqueles que atingiram a iluminação. (N. T.)
152
Devas: espíritos da Natureza. (N. T.)

243
O Tempo Chegou!

mesmo Deus para curar o homem - e essa é a ideia principal que


devemos ter sempre em mente.

Todos os rios,
montanhas, árvores e plantas recebem
copiosas graças pela complacência de Kannon153

Aves, animais,
insetos e peixes podem viver tranquilos,
ocupando cada qual o seu exato lugar.

Não só os seres vivos, mas também os rios, montanhas,


árvores e plantas, enfim, tudo na Natureza se torna mais belo
quando recebe graças de Kannon. Animais podem, então, viver
mais tranquilos e alegres, sem se sentirem ameaçados; cada
qual ocupando o Iugar que lhe cabe para a realização plena de
sua própria existência aqui na Terra.

Assume, então,
o mundo o seu verdadeiro aspecto:
nuvens, prenunciando maravilhas, pairam no Céu.

Sobre a terra,
em que milhares de flores exalam
sua fragrância, voa a Ave do Paraíso.

Bem destacada,
ladeada de grandes templos nevoados
pela distância, brilha a Torre Sagrada.

Em seus telhados
de ouro refulgem os raios do Sol,
revelando, permanentemente, tesouros sem fim.

153
Quando acontece tal fato, a própria Natureza se transforma, parecendo mais luminosa e
brilhante para aqueles que a observam.

244
O Tempo Chegou!

Esse é o verdadeiro aspecto do mundo criado por Deus.


Nele, até as nuvens que pairam no Céu podem ser sinais do
prenúncio de maravilhas e de bons presságios; sobre a terra,
espalham-se belíssimas flores que exalam um delicioso aroma;
por todas as direções, aves de raro esplendor voam.

Nessa paisagem, por todos os cantos, vários Templos e


Torres Sagradas154 de telhados de ouro refletem infinita beleza
sob a ação dos raios do Sol. E, mesmo sob névoa, continuarão a
brilhar ao Ionge, formando uma paisagem tão esplêndida, que
teremos a impressão de já estarmos no Céu.

Em seu interior, Torres Sagradas mantêm tesouros que,


na verdade, simbolizam o acúmulo das virtudes humanas, tais
como: honestidade, humildade, paciência, amor, coragem, etc.
Por isso, costumamos usar a expressão "essa pessoa tem um
coração de ouro” - o que quer dizer que é muito pura, bondosa.
Quando a Oração do Céu faz referência aos tesouros contidos
nas Torres Sagradas, quer dizer que eles são joias eternas, uma
vez que correspondem às várias virtudes do homem para com
Deus. No momento em que o Reino do Céu vier a se concretizar
aqui na Terra, é assim que estará configurado.

Eis a paisagem
do Reino do Céu no solo purificado.
Fartas colheitas abarrotam os armazéns.

É abundante
a pesca. Animadas, elevam-se
para o Céu as vozes de todos os seres vivos.

Esse trecho faz referência à natureza da paisagem do


Reino do Céu na Terra na Era do Dia: solos purificados, isentos
de venenos advindos do uso de adubos e agrotóxicos; soros
exatamente iguais à forma original de quando foram criados por
154
Torres Sagradas: símbolos de toda a grandeza divina no Reino do Céu. (N. T.)

245
O Tempo Chegou!

Deus - e é óbvio que terras tão puras assim são garantia das
mais fartas colheitas.

No tocante ao resultado dessas colheitas em solos puros,


ou seja, aos alimentos provenientes da Agricuftura da Grande
Natureza, deve-se destacar a diferença entre o termo “Natureza”
e “Grande Natureza”. A Natureza diz respeito a tudo que
podemos ver a olho nu, tal como, árvores, plantas, montanhas e
rios, por exemplo. Entretanto, a Grande Natureza transcende a
própria Natureza; encontra-se em uma outra dimensão, vindo a
ser, na realidade, a essência invisível da Natureza. Invisível,
porém essencial. Assim, atrás da Natureza de caráter visível;
encontrar-se-ia a Grande Natureza invisível.

Os produtos provenientes da Agricuftura da Grande


Natureza não têm por função a nutrição material do ser humano,
simplesmente. Trata-se de alimentos com força suficiente para
também fortalecerem o lado espiritual do homem 155 . Ao nos
alimentarmos com produtos provenientes da Agricultura da
Grande Natureza, vamos nos sentir afegres e muito mais felizes.
Não se trata apenas da satisfação de nossa fome, mas, sim, do
abastecimento de nossa energia vital; do fortalecimento da nossa
própria alma. Isso quer dizer que alimentos advindos de solos
puros nos trazem algo que vai além da mera necessidade de
satisfação da nossa fome: trazem satisfação interior - e essa vem
a ser justamente a sua verdadeira função.

Com o estabelecimento do Reino do Céu na Terra, a


prática da Agricultura da Grande Natureza trará como resultado
fartas colheitas, levando armazéns a ficarem lotados. Nesse
período, também a pesca se tornará mais abundante - e esses
dois aspectos possibilitarão ao homem louvar a Deus,
manifestando grande alegria em poder viver aqui na Terra.
Então, vozes humanas se elevarão para o Céu, em sinal de

155
Assim. o único adubo realmente necessário seria o próprio amor cos homens pela
Natureza. (N. T.)

246
O Tempo Chegou!

agradecimento por essas inúmeras bênçãos. Quanto aos outros


animais aqui do planeta, manifestarão alegria e gratidão por
serem também criaturas abençoadas pelo Alto - e louvarão a
Deus por isso.

Desapareceram,
como por encanto, as divisas, ódios
e motivos de disputa entre os países.

A humanidade
está agora abraçada pelo
coração misericordioso de Kannon
e unida pela mão de Miroku.

É praticado,
no trabalho cotidiano, o despertar
da mais profunda sabedoria divina.

Acumulando
atos virtuosos, as familias prosperam
e prolongam a vida, sem usar remédios.

Permanecendo
bem concentrado, com a cabeça baixa
e o corpo curvado, humildemente, peço:

Chovam do Céu
tão puras e preciosas bênçãos. Formem elas
um mar de ilimitada bem-aventurança.

Quando a Terra estiver purificada, a humanidade


encontrará a verdadeira paz. Na Era do Dia, não haverá divisas
entre os países, e todos viverão pacífica e harmoniosamente.
Assim que os homens começarem a manifestar um intenso
sentimento de gratidão para com Deus, assim que priorizarem o
Criador na própria vida, automaticamente, qualquer conflito

247
O Tempo Chegou!

humano deixará de existir.

Pessoas sem fé tendem a se manter na horizontalidade,


dando importância maior às relações humanas. Entretanto, ao se
ligarem a Deus, criam a verticalidade, fazendo com que conflitos
sejam extintos. Nessas condições, a humanidade se sente
protegida, tendo a certeza de que habita o coração de Kannon -
amoroso e repleto de misericórdia por todos os seres. Quando
nos sentimos abraçados por Kannon, nossos trabalhos cotidianos
são realizados em clima de harmonia e paz. Inclusive, no
momento em que a sabedoria divina for despertada no homem,
daí, sim, ele será capaz de viver em perfeita harmonia.

Trabalhando nessas condições, como consequência de


uma prática diária, o homem passará, então, a acumular atos
virtuosos, tornando-se mais próspero; terá a própria vida
prolongada, gozando de muita saúde, já que atingirá a condição
de não precisar fazer uso de medicamentos de espécie alguma.
Na Era do Dia, todos serão tão saudáveis, que se esquecerão
completamente da existência de remédios.

Para a realização desse sonho ideal, devemos nos


concentrar nesse sentido e, com firmeza e humildade, pedir a
Deus e a Kannon que nos abençoem lá do Céu; que façam com
que bênçãos chovam abundantemente sobre nós, até que um
ilimitado mar de graças divinas aqui na Terra seja formado.

Com o advento da Era do Dia, a ação do espiritual se


intensifica e a presença do Espírito do Fogo também tende a
aumentar. Em consequência, a temperatura do globo terrestre
sobe, gerando maior evaporação de rios e mares. Com a
intensificação do Espírito do Fogo, o Espírito da Água também
adquire verticalidade. Pelo processo natural de evaporação, a
água se desloca para a formação de nuvens no Céu e,
posteriormente, acaba voltando aqui para a Terra, em forma de
chuvas. Entretanto, o que devemos ter em mente é que, na Era

248
O Tempo Chegou!

do Dia, isso se dará em forma de bênçãos divinas, conforme está


escrito na Oração Zengen Sanji.

A união do Espírito da Água com o Espírito do Fogo gera


uma energia característica, que vem a ser, justamente, a Luz
divina - e é essa Luz que jorrará do Céu aqui para a Terra, em
forma de bênçãos, para tornar o ser humano verdadeiramente
feliz.

É relevante ressaltar a importância de entoarmos a Oração


Zengen Sanji pedindo que a força do kototama contida nas
palavras dessa prece escrita por Meishu-Sama crie,
imediatamente, o Reino do Céu lá no Mundo Espiritual (no local
em que nosso espírito habita) e que, posteriormente, tal Reino se
expanda cada vez mais, até chegar a se materializar, atingindo
aqui a Terra em sua totalidade.

O ideal é entoarmos, com muito sentimento, todos os dias,


a Zengen Sanji original, bem como a sua tradução (Prece de
Louvor a Deus) sempre pedindo a concretização de bênçãos
divinas para toda a humanidade. Isso, na verdade, já acontece
naturalmente, quando cada indivíduo começa a criar o Reino do
Céu em seu coração - mesmo porque, de nada adiantaria haver
a concretização do Reino de Deus aqui na Terra, caso já não o
vivenciássemos em nosso próprio interior.

249
O Tempo Chegou!

NOTAS AO LEITOR

Exemplos de palavras japonesas que apresentam


particularidades de leitura:

som de: ch = tch - chikara lê-se /tchi-ka-rá


okuchoo lê-se /o-ku-tchoô
som de: gê = gue ningen lê-se /nin-guén
muge lê-se / mu-guê
som de: gi = gui aogite lê-se /a-o-gui-tê
kagiri lê-se /ka-gui-ri
som de: h = rr hara lê-se /ra-rá
hikari lê-se /ri-ká-ri
horobinto lê-se /ro-ro-bin-tô
toohoo lê-se /too-rrôo
mihikari lê-se /mi-rri-ká-ri
somde:ji = dji yasunji lê-se /ya-ssun-dji
onaji lê-se / o-na-dji
som de: s = ss sabishisa lê-se / sa-bi-shi-ssá
michitose lê-se /mi-tchi-to-ssê
koso lê-se /ko-ssô
tsukusu lê-se /tsu-ku-ssu
Observações:

1 - Algumas palavras japonesas possuem vogais longas


como, por exemplo, tsuuki - ventilação (diferente de tsuki - lua).
Para ser mais fiel à sonoridade da palavra, bem como facilitar a
leitura, foram transcritas em romaji ( = caracteres romanos) com
a vogal dobrada. Exemplos:

Koo-myoo lê-se /Koo-myoo/


tooki lê-se /too-ki/
okuchoo lê-se /o-ku-tchoo/
tootokere lê-se /too-to-ke-rê/
toohoo lê-se /too-rroo/
kyoo lê-se /kyoo

250
O Tempo Chegou!

2 - A palavra que tiver as letras p, t, k, s dobradas entre


vogais deve ser lida fazendo-se uma leve pausa na vogal da
sílaba anterior.

Exemplos: zettai - /zet'-tai/


mattaku - /mat'-ta-ku/

3 - Em japonês, o "r" deve ser pronunciado como se usa


no português, quando ele vem entre duas vogais.

Exemplos: rei, Johrei, genrei, reiki, senrei.

4 - Muitas palavras da língua japonesa possuem sílabas


tônicas e subtônicas, semelhantemente à palavra "cafezal" em
português.

ca (sílaba átona) fe (subtônica) zal (tônica)

251
O Tempo Chegou!

Desejando receber informações sobre os próximos


lançamentos da Lux Oriens Editora, entre em contato conosco.

Lux Oriens Editora Ltda.


Rua Itapicuru, 849 – Perdizes
CEP 05006-000
São Paulo - SP
Fone: (11) 3675-6947
Fax: (11) 3675-3741
e-mail: editora@lux-oriens.com.br

Os livros poderão ser adquiridos pela internet através da


nossa Loja Virtual. Acesse o nosso site:

www.temploluzdooriente.org.brjloja

252
O Tempo Chegou!

Este livro foi composto pela Lux Oriens Editora Ltda., e impresso pela
Bartira Gráfica e Editora, em papel Pólen Soft 80 g/m2 da Cia. Suzano de
Papel e Celulose, em dezembro de 2010.

253
O Tempo Chegou!

Outras obras da editora:

* A Arte do Johrei - volumes I e II


* Mistério da Grande Natureza
* Evangelho do Céu I - Iniciação
* Evangelho do Céu II - Sabedoria
* Evangelho do Céu III - Reino Divino
* Coletânea de Salmos
* Orações vol. I
* O Caminho da Felicidade
* Seguindo Meishu Sama
* Coleção Satori

www.temploluzdooriente.org.br/loja

Lux Oriens Editora

254