Você está na página 1de 15

FEDERALIZAÇÃO DA

FRONTEIRA: A CRIAÇÃO E O
PRIMEIRO GOVERNO DO AMAPÁ
(1930-1956)
FEDERALIZATION OF THE BORDER:
THE CREATION AND THE FIRST GOVERNMENT OF
AMAPÁ (1930-1956)

Sidney da Silva Lobato


Universidade Federal do Amapá

Correspondência:
KM-02 - Rod. Juscelino Kubitscheck - Jardim Marco Zero,
Macapá - AP, CEP: 68903-419
E-mail lobato.sidney@yahoo.com.br

Resumo Abstract

Neste texto, analisamos o processo de redivisão In this text, we analyze the Brazil’s process of
territorial do Brasil que resultou na criação do the fixing boundaries that resulted on the crea-
Amapá e o projeto modernizador do primeiro tion of the Amapá and the first territorial gov-
governador deste Território Federal. Nas déca- ernment’s modernizing project. On 1930’ and
das de 1930 e 1940, o otimismo nacionalista e o 1940’, nationalist optimism and state interven-
intervencionismo estatal ensejaram a rápida tionist rapid realization of the national security
efetivação de ações ligadas à segurança nacional actions and of the Amazon population’s organ-
e à reorganização das populações da Amazônia, izing, according technic rationality. Creation of
segundo a racionalidade técnica. A criação do the Amapá was one of this actions and educat-
Amapá foi uma destas ações e era o objetivo do ing “caboclo” according work ethic was the
seu primeiro governo incutir no “caboclo” uma first territorial government aim.
nova ética, a ética do trabalho.

Palavras-chave fronteira; política; Amazônia. Keywords: frontier; policy; Amazon.

Revista Territórios & Fronteiras, Cuiabá, vol. 7, n. 1, jan.-jun., 2014


SIDNEY DA SILVA LOBATO Página | 273

Introdução: a redivisão territorial do Brasil

Após longo processo de debates políticos, o governo federal decidiu criar os


territórios federais de Rio Branco, Guaporé, Ponta-Porã, Iguaçu e do Amapá. Pu-
blicada em 13 de setembro de 1943, esta decisão se apoiava na constituição de
1937, que definia os territórios como áreas diretamente administradas pelo governo
federal (Art. 4 e 6). Mas, antes mesmo 1937, várias propostas de redivisão territorial
do Brasil já haviam sido feitas. Logo após a Independência do Brasil iniciaram as
discussões sobre este tema. Nos primeiros anos do Período Republicano, a possibi-
lidade do aparecimento de um poder central forte sucumbiu diante do fortalecimen-
to da autonomia administrativa dos estados e do arranjo político que garantiu a
concentração de poder nas elites de Minas Gerais e São Paulo. Este quadro intimi-
dava qualquer iniciativa de subtrair das unidades federadas parte de suas terras.1
A velha divisão — que tinha suas origens nas capitanias hereditárias e nas
bandeiras — passou a ser muito criticada nas décadas de 1930 e 1940 do século
XX. Propostas então surgiram para fortalecer a ideia de que a boa gestão dos recur-
sos e do território dependia do aparecimento de novas unidades político-
administrativas. O alvo principal das críticas eram os estados considerados demasi-
adamente grandes e quase despovoados: Pará, Amazonas, Mato Grosso e Goiás. 2
Este fortalecimento tem relação direta com a formação de um Estado nacional cada
vez mais centralizador e intervencionista, após a chamada Revolução de 1930. A
partir deste fato, o poder de Getúlio Vargas ganhou novas e progressivas propor-
ções. Inicialmente, Vargas exerceu o poder como chefe de um governo provisório
(1930-1934); em seguida, com a promulgação da segunda Constituição republicana,
em 1934, ele passou a ser presidente constitucional, eleito pela Assembleia Consti-
tuinte (1934-1937); finalmente, com a institucionalização do Estado Novo, ele pôde
governar como ditador — de 1937 a 1945.3
Além disto, nos anos 30 e 40, formou-se uma atmosfera de grandes e rápidas
mudanças na sociedade brasileira. Os processos de urbanização e de industrializa-
ção e a nova política de desenvolvimento social que o Estado criava deram vigor a
uma visão mais otimista do Brasil. Neste novo quadro, as teorias racistas — que
viam indígenas, negros e mestiços como empecilhos à modernização do país —
caíram em descrédito. O projeto varguista de criação de um novo homem brasileiro
não se fundamentava no branqueamento da população ou na imigração de euro-
peus, mas na ampliação do intervencionismo do Estado em áreas como a educação
e a medicina social. Ou seja, as diretrizes do governo federal não mais se baseavam

1
VIANA, João Segadas. Divisão territorial do Brasil. Revista Brasileira de Geografia. Ano 2, nº 3, de
julho de 1940, p. 372-406.
2
FREITAS, A. Teixeira de. A redivisão política do Brasil. Revista Brasileira de Geografia. Ano 3, nº 3,
de junho a setembro de 1941, p. 533-554.
3
SKIDMORE, Thomas. Brasil: de Getúlio a Castelo (1930-1964). Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.

Revista Territórios & Fronteiras, Cuiabá, vol. 7, n. 1, jan.-jun., 2014


SIDNEY DA SILVA LOBATO Página | 274

na ideia de que o atraso socioeconômico brasileiro era causado pela inferioridade


racial dos brasileiros. A organização de um mercado de trabalho nacional era a ba-
se de uma política que tinha como objetivo ampliar ao máximo o acesso dos traba-
lhadores aos bens de consumo.4
No pós-1930, muitos intelectuais e políticos abandonaram a perspectiva dos
determinismos raciais e ambientais, e passaram a atribuir o “atraso” de grandes re-
giões como a Amazônia ao descaso dos representantes do Estado liberal, suposta-
mente vigente na Primeira República (1889-1930). Tal descaso teria feito com que
esta região ficasse a mercê dos poderes locais (constituídos por seringalistas deca-
dentes e latifundiários) que não reuniam as condições necessárias para alavancar o
seu desenvolvimento econômico. Para muitos daqueles que viviam as tensões em
torno da crise do liberalismo no Brasil e no mundo, o governo federal, usando as
técnicas modernas de gestão e de produção, deveria intervir na Amazônia para aí
criar uma mínima ordem socioeconômica capitalista. Em outras palavras: a denún-
cia do atraso da região amazônica servia para justificar a intervenção técnica do
Estado.5 Por exemplo, no livro Territórios Federais (de 1944), o jurista Océlio de Me-
deiros apresentou como causa do “atraso” amazônico a incapacidade dos poderes
locais e estaduais de desenvolver a região. Para Medeiros, a desproporção de tama-
nho territorial entre os estados e a total autonomia destes para administrar espaços
às vezes muito vastos prejudicava o equilíbrio da nação. Remediar este desequilí-
brio seria tarefa legítima da União. O influente pesquisador Everardo Backheuser
defendia uma “equipotência dos Estados” — algo como um tamanho equivalente de
território, população e riquezas.6
O otimismo nacionalista do pós-30 tinha como cerne a crença na viabilidade
da construção no Brasil de uma nação moderna a partir das forças produtivas inter-
nas. Ao lado do nacionalismo, a crescente influência dos militares na cúpula gover-
namental federal fortalecia o projeto de consolidação nacional por meio da integra-
ção econômica. Isto também favorecia a aceleração da efetivação de medidas liga-
das à segurança nacional, como a criação de novos Territórios Federais nas áreas
de fronteira. O Exército transformou-se no principal esteio da ordem política insti-
tuída pela Revolução de 1930. Em 1937, quando já havia passado por um processo
de renovação e fortalecimento de sua cúpula, o Exercito propugnava o desenvolvi-
mento econômico, a indústria de base, a exportação, as estradas de ferro, o fortale-
cimento das Forças Armadas, a segurança interna e defesa externa.7

4
GOMES, Ângela de Castro. A construção do homem novo: o trabalhador brasileiro. In: OLIVEI-
RA, Lúcia Lippi; VELLOSO, Mônica Pimenta; e GOMES, Angela de Castro (orgs). Estado Novo:
ideologia e poder. Rio de Janeiro: Zahar, 1982, 151-166.
5
REIS, Arthur Cézar Ferreira. A valorização da Amazônia. In: A Amazônia que os portugueses revela-
ram. Belém: Secretaria de Estado da Cultura, 1994, p. 113 (a primeira edição foi lançada em 1957).
6
MEDEIROS, Océlio. Territórios Federais. Rio de Janeiro: Editora Nacional de Direito, 1944.
7
CARVALHO, José Murilo. Forças Armadas e política no Brasil. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.,
2005, p. 99.

Revista Territórios & Fronteiras, Cuiabá, vol. 7, n. 1, jan.-jun., 2014


SIDNEY DA SILVA LOBATO Página | 275

No relativo à segurança das zonas fronteiriças, a preocupação dos militares


cresceu durante a Segunda Guerra Mundial, gerada pelo choque de projetos impe-
rialistas de países industrializados. Comentando um discurso de saudação proferido
por Getúlio Vargas aos novos aspirantes a oficiais da Reserva do Exército, o profes-
sor da Escola Militar Idelfonso Escobar ressaltou que “na hipótese de um bloqueio na-
val de nosso litoral, os Estados do extremo norte do país — Piauí, Maranhão, Pará e Amazo-
nas — encontrar-se-iam em precária situação estratégica, isolados e privados de receber recur-
sos militares, pela supressão da única via de comunicações existente entre êles e os Estados do
sul”.8
Foi dentro de uma atmosfera de otimismo nacionalista e de centralização
política que os novos Territórios Federais (Amapá, Rio Branco, Guaporé, Ponta
Porã e Iguaçu) foram criados em 13 de setembro de 1943. Durante a Primeira Re-
pública, os Estados, fortalecidos pela lógica federalista da política brasileira, difi-
cilmente consentiriam a subtração de parte de sua base territorial. No pós-30, Var-
gas minimizou esta possibilidade de resistência através dos interventores federais
(governadores estaduais escolhidos diretamente pelo presidente), por meio dos
quais ele influía na vida política dos Estados.
As reações ao fracionamento dos estados precisam ser mais bem estudadas.
Sabemos, porém, que sempre que se levantava a questão de dividir grandes unida-
des consideradas mal povoadas uma forte reação regionalista se levantava. Estas
reações ocorriam principalmente nas capitais, onde as classes dirigentes estaduais
ficavam temerosas de perder prestígio político. Vilas e pequenas cidades interiora-
nas, não raro, manifestavam-se pela autonomia, por se perceberem como a parte
esquecida e desamparada pelos gestores estaduais (ou provinciais, antes de 1889). É
o que se pode notar no estudo da história dos núcleos de povoamento que, em
1943, formaram o Território Federal do Amapá. Sem a pretensão de apresentar
uma análise exaustiva, faremos uma rápida digressão a este respeito.

Sonhos de autonomia

Em 1853, Candido Mendes de Almeida e outros deputados apresentaram à


Assembleia Geral Legislativa do Brasil um projeto de lei que propunha a criação da
província de Oyapóckia. O projeto encontrou ressonância na população de Maca-
pá: moradores deste lugar fizeram uma representação, solicitando àquela Câmara a
aprovação da proposta. Uma vez que o projeto demorava muito para virar lei, em
1870, uma nova representação foi feita e foi assinada por 387 macapaenses. Neste
documento, os assinantes rebatiam os argumentos usados por aqueles que se nega-
vam a concordar com a criação de Oyapóckia. Argumentos que se baseavam na
ideia de que as terras da referida cidade ofereciam muitos perigos à saúde, especi-

8
ESCOBAR, Idelfonso. A marcha para o Oeste: Couto de Magalhães e Getúlio Vargas. Rio de Janei-
ro: A Noite, 1941, p. 64-65.

Revista Territórios & Fronteiras, Cuiabá, vol. 7, n. 1, jan.-jun., 2014


SIDNEY DA SILVA LOBATO Página | 276

almente as frequentes febres palustres (malária). Segundo os críticos, águas paradas


em pântanos e lagos eram a causa dos numerosos acessos febris que a população de
Macapá sofria. Para piorar esta imagem negativa, era corrente a opinião de que os
córregos e igarapés que cortavam a cidade estavam contaminados pela seiva de
uma planta venenosa (o assacuseiro), que supostamente era comum neste lugar.9
Na mencionada representação, os macapaenses destacavam que Macapá
não possuía pântanos e era cortada por dois igarapés (um que passava ao sul, ao
lado da Fortaleza de São José, e outro ao norte, chamado “das mulheres”). As áreas
chamadas de pantanosas eram na verdade as várzeas dos referidos igarapés. Desta-
cavam também que nas várzeas não havia assacuseiros. Os macapaenses argumen-
taram que também que as causas da endemia de febre palustre era a falta de higiene
das casas (feitas na maioria de taipa) e a inexistência de um serviço regular de cole-
ta do lixo urbano. Acusaram os “homens da capital da Província” (os belenenses) de
fazerem uma campanha contra a criação de Oyapóckia: tanto demonstravam des-
prezo, quanto difundiam mentiras acerca da (falta de) qualidade de vida em Maca-
pá. O texto da representação termina destacando o descaso da Assembleia Legisla-
tiva Provincial do Pará em relação às necessidades da cidade, pois a manutenção
dos prédios públicos (casa de alfândega, cadeia, casa da câmara e matriz) era feita
exclusivamente pelos assinantes. Porém, o projeto de criação da nova província
ficou parado nas gavetas dos deputados da Assembleia Geral Legislativa do Brasil,
assim como os abaixo-assinados dos moradores de Macapá. Latente ficava o desejo
da autonomia e a insatisfação com a ausência de investimentos públicos provinciais
para a melhoria da vida dos macapaenses.10
Não foi apenas em Macapá que se nutriu o sonho da autonomia político-
administrativa. No final do século XIX, a área entre os rios Oiapoque e Araguari
era economicamente dinâmica. A economia local era aquecida pela exploração da
balata, do pau-rosa, da borracha, da pesca da gurijuba e da pecuária. A partir de
1893, a extração de ouro nos vales dos rios Cassiporé, Amapá Grande e Calçoene
intensificou-se. A descoberta de grandes jazidas auríferas acirrou a histórica disputa
entre franceses e brasileiros pelo domínio deste território. Além das vilas de Espírito
Santo do Amapá e Calçoene, destacavam-se os povoados de Cunani, Cassiporé e
Uaçá. No entanto, era na zona de extração de ouro que se adensava uma popula-
ção de faiscadores. Segundo o historiador Arthur Cezar Ferreira Reis, já em maio
de 1894, cerca de 6.000 pessoas habitavam o vale do rio Calçoene.11
A querela diplomática dos limites entre Brasil e Guiana Francesa foi defini-
tivamente resolvida quando o laudo do tribunal suíço reconheceu, em 1900, o direi-

9
ALMEIDA, Candido Mendes de. Pinsonia: ou elevação do território septentrional da província do
Grão-Pará à categoria de província. Rio de Janeiro: Nova Tipografia de J. P. Hildebrandt, 1873, p.
XI-XXIV.
10
Ibidem, p. V-VIII.
11
REIS, Arthur Cézar Ferreira. Território do Amapá: perfil histórico. Rio de Janeiro: Departamento
de Imprensa Nacional, 1949, p. 98.

Revista Territórios & Fronteiras, Cuiabá, vol. 7, n. 1, jan.-jun., 2014


SIDNEY DA SILVA LOBATO Página | 277

to brasileiro de soberania sobre a região.12 Mas, durante toda a vigência do Contes-


tado franco-brasileiro (1841-1900), esta região estava sob a responsabilidade do go-
verno central, sediado no Rio de Janeiro. A falta de fiscalização governamental
favoreceu a consolidação de uma rede que ligava a economia do Amapá aos mer-
cados estrangeiros próximos. Nas palavras de Manuel Buarque: “[...] todos que co-
nhecem esta terra, desde o tempo do antigo Contestado, sabem perfeitamente que os negocian-
tes desta região mantinham sempre relações comerciais com Caiena, Barbados e Demerara e
nunca o Governo Federal aqui procurou salvaguardar os interesses do fisco nacional”.13 Em
1901, esta região foi incorporada ao Estado do Pará e em 1902 foi transformada no
município de Montenegro. Os munícipes esperavam então melhorias e investimen-
tos oriundos da governança paraense. Mas, em geral, a situação permaneceria a
mesma: o dinamismo econômico gerado pela exploração do ouro contrastando
com a falta de uma infraestrutura mínima. Em 1920, representantes das diversas
categorias sociais do município de Montenegro (nome que então recebia o municí-
pio de Amapá) fizeram um abaixo assinado, denunciando ao presidente da Repú-
blica (Epitácio Pessoa) o descaso do governo paraense em relação à região, ou seja:
a falta de escolas, hospitais e infraestrutura em geral. Pediam autonomia política da
região em relação ao Pará.14
Nas três primeiras décadas do século XX, vários foram os enfrentamentos
entre os moradores de Montenegro e os prepostos do governo paraense. Estes con-
flituosos episódios fizeram crescer na população local o desejo de autonomia políti-
ca em relação ao Pará. Porém, isto só ocorreu em 1943, quando o governo de Getú-
lio Vargas criou os novos territórios federais, e dentre eles o do Amapá.

O Amapá em 1943

A crise da economia da borracha — que atingiu toda a Amazônia a partir de


1912 — abriu espaço para novas cogitações acerca da valorização econômica da
região. De acordo com a doutrina da Segurança Nacional do Estado Novo, era ne-
cessário dar utilidade econômica para esta parte do Brasil, a fim de atrair para aí
fluxos populacionais. Toda a região amazônica era vista pelas classes dirigentes
nacionais como um imenso espaço a ser ocupado e valorizado. Transformar este

12
Em 1841, no início do reinado de Pedro II, foi realizado um acordo entre os governos francês e
brasileiro, determinando a neutralização da área entre os rios Oiapoque e Araguari. A criação do
Contestado franco-brasileiro estabeleceu a suspensão da jurisdição exercida sobre esta faixa de terras
pelos governos envolvidos na contenda. As leis e a composição da administração desta área passa-
ram a ser definidas por seus moradores (CARDOSO, Francinete do Socorro Santos. Entre conflitos,
negociações e representações: o Contestado Franco-Brasileiro na última década do século XIX. Belém:
UNAMAZ e UFPA, 2008).
13
BUARQUE, Manuel. O Amapá depois do laudo suisso. Belém: Tipografia Casa Editora Pinto Barbo-
sa de Nestor Camara, 1908, p. 27.
14
REIS, Arthur Cézar Ferreira. Território do Amapá. Op. Cit. P. 178-180.

Revista Territórios & Fronteiras, Cuiabá, vol. 7, n. 1, jan.-jun., 2014


SIDNEY DA SILVA LOBATO Página | 278

espaço numa grande fronteira agrícola tornou-se, então, uma importante meta go-
vernamental. A agricultura que se queria implantar aí não era aquela tradicional e
voltada principalmente para a subsistência familiar ou comunitária, mas a regida
pelas modernas técnicas de cultivo e geradora de volumosos excedentes comerciali-
záveis.15
Utilizando recursos obtidos através dos Acordos de Washington para a chama-
da Batalha da Borracha16, o governo federal promoveu uma grande onda migratória
de nordestinos para as áreas de estabelecimento de colônias agrícolas nacionais. Os
representantes das agências oficiais viam a colonização como uma forma racionali-
zada de povoamento. Através da colonização os planejadores objetivavam mudar o
histórico perfil de ocupação do território brasileiro. O direcionamento das correntes
migratórias pelo governo corrigiria os problemas que o povoamento espontâneo
havia criado. Problemas como a grande concentração populacional na faixa litorâ-
nea, que contrastava com a população rarefeita dos imensos sertões. 17
E áreas de fronteira contestadas durante longo tempo preocupavam ainda
mais o governo federal. Era o caso do Território Federal do Amapá, cujas terras
foram disputadas diplomática e militarmente por franceses e brasileiros no curso de
décadas e décadas. A descoberta de jazidas de ouro no rio Cassiporé e sua crescente
exploração por faiscadores estrangeiros tornavam mais urgente, aos olhos do poder
central, a tomada de medidas de nacionalização deste espaço. Além disto, no con-
texto da Segunda Guerra Mundial, o Amapá ganhou destaque porque em suas ter-
ras, no ano de 1942, os norte-americanos construíram uma base aérea, cuja locali-
zação era estratégica para a defesa do Atlântico Norte.18

15
A proposição da ruralização da sociedade brasileira — e especialmente dos chamados sertões —
remontava às ideias reformistas formuladas por Alberto Torres, no início do século XX. Influencia-
do por Torres, Oliveira Vianna via no ruralismo uma propícia estratégia de desproletarização das
classes trabalhadoras. Vianna postulava a formação de uma grande classe de pequenos proprietários
rurais, como meio de prevenir o êxodo rural, as tensões urbanas e o desenvolvimento dos movimen-
tos de cunho socialista. Nos anos 40 e 50 do século XX, inspirados neste ideal ruralista, os agentes
do planejamento governamental tentaram antecipar-se a qualquer movimento espontâneo e moder-
nizar o Norte do Brasil. Discutimos como a Amazônia foi percebida e caracterizada por autores
vinculados ao pensamento nacionalista autoritário em: LOBATO, Sidney da Silva. Estado, nação e
região na obra de Arthur Cezar Ferreira Reis. Diálogos. Maringá: UEM/ DHI, vol. 13, nº 3, 2009, p.
625-642.
16
Por meio dos Acordos de Washington o governo brasileiro conseguiria realizar o reequipamento de
suas forças militares e os EUA garantiam o fornecimento de produtos estratégicos e a instalação de
bases militares no Nordeste e no Norte do Brasil. Foi em torno da questão do fornecimento da bor-
racha para os EUA que se formou a maior onda migratória para a Amazônia, em meado do século
XX. Entre 1941 e 1945, 55.339 nordestinos deslocaram-se para a Amazônia. O próprio nome da
empreitada de elevação da produção gomífera, Batalha da Borracha, indicava que o vale amazônico
estava conectado aos dilemas das forças aliadas e ao movimento transnacional (de: pessoas, maté-
rias-primas, aeronaves, navios, submarinos, alimentos...) gerado pela Guerra (MARTINELLO,
Pedro. A “Batalha da Borracha” na Segunda Guerra Mundial e suas consequências para o Vale Amazônico.
Tese de doutorado em História Econômica, USP, 1985).
17
LENHARO, Alcir. Colonização e trabalho no Brasil: Amazônia, Nordeste e Centro-Oeste. 2 ed.
Campinas: Editora da UNICAMP, 1986.
18
BARRETO, Cassilda. Pássaros máquinas no céu do Amapá. Brasília: Da autora, 2000.

Revista Territórios & Fronteiras, Cuiabá, vol. 7, n. 1, jan.-jun., 2014


SIDNEY DA SILVA LOBATO Página | 279

Antes de serem criados os novos territórios federais, diversos estudos foram


realizados para inventariar as características e os “problemas” de suas áreas. Em
1942, Moacir Silva, consultor técnico do Conselho Nacional de Geografia, apresen-
tou dados referentes às regiões de fronteira da Amazônia que destacavam sua baixa
densidade demográfica.19 No relativo à região que compôs o Território Federal do
Amapá20, podemos perceber uma grande controvérsia acerca dos dados populacio-
nais exatos.21 Essa controvérsia resultava dos processos de contagem populacional
ainda parcialmente baseados em estimativas. As variações, no entanto, se manti-
nham sempre dentro da faixa de classificação demográfica das “terras despovoadas”
(abaixo de 1 habitante por km2).
Mas, apesar desta imagem de lugar quase desabitado, nas terras amapaenses
havia núcleos urbanos antigos. Como destacamos anteriormente, muitos dos mora-
dores destes núcleos estavam insatisfeitos com a dependência em relação ao gover-
no sediado em Belém. Na alvorada do século XX, a extração de ouro e a exporta-
ção de peixe, pele e carne bovina para a Guiana Francesa dinamizaram a economia
de Montenegro (futuro município de Amapá). Porém, como já exposto, esse dina-
mismo contrastava com a falta de serviços públicos básicos. Politicamente, a área
entre os rios Oiapoque e Araguari sofria a influência de fazendeiros como Júlio
Pontes e Arlindo Correia, que não hesitavam em enfrentar os representantes do
governo paraense.22 Em 1941, a criação da mencionada base aérea norte-
americana, para escala de aviões de guerra que fossem para a África e Europa,
atraindo centenas de funcionários, estimulou o comércio local. Em 1943, quando
Getúlio Vargas criou o Território Federal do Amapá, este município foi escolhido
para ser a capital. Janary Nunes, então escolhido por Vargas para governar o re-
cém-criado Território, alegou que o Amapá possuía dificuldades de comunicação

19
Os três municípios que comporiam o Território Federal do Amapá apresentavam os seguintes
dados populacionais: Amapá com 6.496 habitantes (0,09 hab/km2), Macapá com 15.595 (0,80
hab/km2) e Mazagão com 8.217 (0,36 hab/km2) (SILVA, Moacir M. F. Geografia das fronteiras no
Brasil. Revista Brasileira de Geografia. Ano IV, n. 4, out-dez. 1942, p. 764).
20
O Território Federal do Amapá tinha os seguintes limites: linha de limites com as Guianas Ho-
landesa e Francesa (noroeste e norte); Oceano Atlântico (nordeste e leste); Canal do Norte e o braço
norte do rio Amazonas até a foz do rio Jarí (sul e sudeste); o rio Jarí, da sua foz até as cabeceiras na
Serra do Tumucumaque (sudoeste e oeste). 143.716 km2 formavam a superfície total do Território
do Amapá.
21
Giorgio Mortara, consultor técnico do Serviço Nacional de Recenseamento do IBGE, num relató-
rio datilografado de 1944, afirma que, em 1940, a população do Território Federal do Amapá estava
assim distribuída: Amapá com 6.007, Macapá com 9.973 e Mazagão 4 196 (MORTARA, Giorgio.
A população de fato do Território Federal do Amapá nas suas novas fronteiras. Mimeo, 1944 — CPDOC-
FGV: GV, 00.00/8). Observe-se (apesar do hiato de apenas dois anos) a grande diferença numérica
destes dados em relação aos apresentados por Moarcir Silva (nota anterior). Devemos ressaltar que
os estudos de Mortara e de Moacir Silva se referiam ao momento imediatamente anterior à criação
do Território — quando ainda se verificava nesta área um ritmo lento de crescimento populacional.
22
BARRETO, Cassilda. A rebelião rural no Amapá. Brasília: Fundação Biblioteca Nacional, 1999.

Revista Territórios & Fronteiras, Cuiabá, vol. 7, n. 1, jan.-jun., 2014


SIDNEY DA SILVA LOBATO Página | 280

por via fluvial, e por sua vez Vargas transferiu o status de capital para o município
de Macapá.23
O município de Macapá, apesar de ser mais populoso que o de Amapá, ti-
nha uma economia mais modesta. No início da década de 1940, os macapaenses
sobreviviam basicamente da agricultura de subsistência (produzindo principalmente
farinha de mandioca), da criação de gado, da pesca, da caça, do extrativismo vege-
tal (sementes oleosas, madeira e, sobretudo, látex), do pequeno comércio e do em-
prego público. A agricultura macapaense era extensiva: abriam-se clareiras na flo-
resta através de queimadas (a coivara). A baixa fertilidade do solo era compensada
pela possibilidade permanente de se abrirem novas clareiras.24 Também havia em
Macapá coronéis ricos e influentes, como Leopoldo Gomes Machado, Coriolano
Finéas Jucá (comerciante cuja atividade atingia grande parte da região foz do
Amazonas) e José Serafim Gomes Coelho, de quem Clodóvio Gomes Coelho her-
dara a propriedade da vila de Santa Engrácia, localizada no atual centro histórico
da cidade.25
O município de Macapá ocupava a região central do território. Ao sul ficava
localizado o município de Mazagão, que possuía uma atividade expressiva de ex-
tração de castanha, borracha e óleos vegetais, bem como a pecuária extensiva (com
gado bovino e bufalino). Entre 1898 e 1948, o coronel e seringalista José Júlio de
Andrade exerceu forte influência na vida econômica e política da região. Era dono
de vasta propriedade, onde estabelecia um regime de rigoroso mandonismo. José
Júlio comandava o trabalho de extração de látex no vale do rio Jarí26, que funcio-
nava segundo o regime de aviamento.27
Portanto, em 1943, Amapá era um território de diversidades sociais, econô-
micas e culturais. De modo geral, podemos afirmar que já havia nos anos 40 do
século passado alguma produção de excedentes locais que vinculava esta área aos
mercados regional, nacional e internacional. No entanto, ainda de modo geral, esta
vinculação não provocara a modernização dos fatores de produção e circulação de

23
NUNES, Janary. Relatório das atividades do Governo do Território Federal do Amapá em 1944. Rio de
Janeiro: Imprensa Nacional, 1946, p. 134.
24
GUERRA, Antônio Teixeira. Estudo geográfico do Território do Amapá. Rio de Janeiro: IBGE, 1954.
25
BARBOSA, Coaracy Sobreira. Personagens ilustres do Amapá. Macapá: Governo do Estado do
Amapá/ Departamento de Imprensa Oficial, 1997, 71-78.
26
RAIOL, Osvaldino. A utopia da terra na fronteira da Amazônia: geopolítica e o conflito pela terra no
Amapá. Macapá: O Dia, 1992, p. 207-212.
27
No regime de aviamento o seringueiro era envolvido num sistema de endividamento que iniciava tão
logo aceitasse o trabalho nos seringais — aonde já chegava devendo passagens, alimentos da viagem
e os instrumentos de trabalho. A cada safra o seringueiro aumentava seu débito e não poderia sair
do seringal enquanto devesse (o que geralmente era garantido por meio do policiamento de milícias
armadas). O seringalista funcionava como elo de ligação entre os fornecedores de mantimentos
(donos das casas aviadoras de Belém) e os seringueiros. As casas aviadoras negociavam com os
exportadores da borracha. A geração de riquezas neste sistema não concorria para o aprimoramento
dos fatores de produção. O crescimento da produção de borracha se dava apenas pela expansão da
área de extração (que cedo esgotava seu potencial econômico).

Revista Territórios & Fronteiras, Cuiabá, vol. 7, n. 1, jan.-jun., 2014


SIDNEY DA SILVA LOBATO Página | 281

mercadorias: a definição do lugar e do tempo de trabalho sofria forte influência da


natureza.

O projeto janarista e o modo de vida local

Uma vez criado o Território Federal do Amapá, era necessário escolher o


seu governador. Como no caso dos interventores estaduais, a decisão cabia ao pre-
sidente da República. E, como nas interventorias estaduais, o governador deveria
ser um dos oficiais da ativa do Exército. Dois capitães foram indicados: Emanuel
de Almeida Morais e Janary Gentil Nunes. Este último, por sua experiência e reco-
nhecida atuação no Norte, foi o escolhido por Vargas.
Gentil Nunes nasceu em 1912, no município de Alenquer, no Pará. Em
1930, aos 18 anos ingressou na Escola Militar do Realengo, no Distrito Federal
(cidade do Rio de Janeiro). Entre 1936 e 1937, serviu no pelotão de Clevelândia do
Norte. No ano de 1938, foi para Curitiba, no Paraná, para cursar instrução no Cen-
tro de Transmissão da 5ª Região Militar — no qual foi primeiro colocado. Neste
mesmo ano, publicou o livro Bandeira do Brasil. Tornou-se diretor técnico da Fede-
ração de Escoteiros do Paraná e Santa Catarina, região que na época era alvo da
campanha de nacionalização das colônias de imigrantes, principalmente alemães.
Em 1939 Janary Nunes foi secretário e relator da Comissão Interministerial do
Exército, Marinha, Justiça e Educação, quando colaborou na elaboração do Decre-
to-Lei 43.545 (de 31 de julho de 1940) que regulamentou o culto aos símbolos naci-
onais. Janary assumiu em 1940 o comando do Pelotão do Oiapoque. Em 1942, foi
indicado para liderar a 1ª Companhia Independente de Metralhadoras Antiaéreas,
responsável pela defesa da Base Aérea de Belém, durante a Segunda Guerra Mun-
dial. E, em 27 de dezembro de 1943, foi nomeado governador do Território Federal
do Amapá.28
No dia 25 de janeiro de 1944, num avião da Força Aérea Brasileira, Janary
Nunes chegou a Macapá para a instalação do novo governo territorial. Acompa-
nhavam-no a sua esposa, Iracema Carvão Nunes e seus dois filhos, assim como o
Ministro da Justiça e Negócios Interiores, alguns deputados e convidados. Neste
dia, também chegaram a Macapá, por via fluvial, vários membros das camadas
mais abastadas de Belém e das ilhas circunvizinhas. Todos interessados em assistir
a posse daquele que aos 31 anos de idade trazia um histórico de destacadas ativida-
des militares. Na cerimônia de posse — ocorrida na sede antiga Intendência de
Macapá — o Coronel Joaquim de Magalhães Cardoso Barata, interventor do Pará,
leu o ato de transferência dos bens patrimoniais do Pará para o Território Federal
do Amapá.

28
BENEVIDES, Marijeso de Alencar. Os novos territórios federais. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional,
1946, p. 75-76.

Revista Territórios & Fronteiras, Cuiabá, vol. 7, n. 1, jan.-jun., 2014


SIDNEY DA SILVA LOBATO Página | 282

Durante os seus doze anos de governo — no dia 1º de fevereiro de 1956 foi


nomeado presidente da Petrobrás — Janary procurou evidenciar que o dia 25 de
janeiro de 1944 foi um marco histórico que dividiu em dois momentos radicalmen-
te distintos a história das populações das terras do novo território. Nos dias 25 de
janeiro ocorriam atividades como: apresentações diversas, campeonatos esportivos,
inaugurações, churrascos, passeios e bailes. Neste dia, o jornal Amapá29 apresentava
edições especiais, com um número maior de páginas ou vários cadernos com fotos
e crônicas sobre as principais realizações do governo.30
Deste modo, ocorria a tentativa do estabelecimento de uma narrativa histó-
rica para os amapaenses, na qual a posse de Janary simbolizava o fim de um perío-
do de pessimismo, abandono, caos, atraso, doenças, analfabetismo, superstição,
pobreza e invisibilidade. Iniciava então um luminoso momento de otimismo, patri-
otismo, progresso em todos os aspectos socioeconômicos. Contra a impressão de
continuidade da completa falta de assistência da administração pública aos mora-
dores, o governo procurava dar destaque àquilo que seus representantes realizavam
e diziam. Apresentar suas realizações também era uma das principais estratégias de
Janary para obter o apoio do governo federal. Em abril de 1945, quando esteve no
Distrito Federal, o governador do Amapá entregou ao presidente Vargas e ao então
Ministro da Guerra, General Eurico Gaspar Dutra, um álbum de fotos nas quais
figurava “o estado de abandono em que encontrou aquela região ao assumir o cargo” e as
realizações do seu governo.31 Fotografias de obras e serviços povoam os relatórios
governamentais e as páginas do jornal Amapá, fazendo ecoar a mensagem de que
havia algo novo a ser reconhecido pelos amapaenses.
O discurso e a prática janaristas estavam ligados a um ambicioso projeto po-
lítico de modernização da sociedade. À luz do projeto governamental, os discursos
e narrativas procuravam evidenciar o sentido da obra que se estava realizando: a
superação do “atraso” socioeconômico do Amapá. Contudo, este projeto não estava
livre de críticas. E por vezes elas partiram de pessoas que faziam do grupo que
compunha a administração territorial. O aspecto mais criticado na administração
janarista por aqueles que a testemunharam não foi a existência de uma incoerência
entre plano e ação governamentais. Foi a incapacidade de Gentil Nunes se relacio-

29
Semanário criado em 1945, o jornal Amapá era utilizado pelo governo territorial para apresentar
suas realizações e difundir seus ideais. Suas páginas traziam também: poemas, anúncios, crônicas,
entre outros.
30
Como exemplo, destacamos um trecho do Editorial do número especial do jornal Amapá, de 25 de
janeiro de 1952: “se o Amapá caminhou mais célere do que outros recantos do país, projetando-se em evidência
no cenário econômico e social da Pátria, deve-se ao entrosamento produtivo entre o seu Governo e o seu povo, que
sempre marcharam unidos na árdua e gloriosa missão de soerguimento do Território. Foi graças a essa coesão de
ideais que nasceu e cresceu, florindo e frutificando, a mística do Amapá, tornando esta terra de heróis e de
sofrimentos, numa das mais promissoras esperanças do Brasil atual” (Oito anos de batalha territorial [Edi-
torial]. Amapá. N. 358 (1ª secção), de 25/01/52, p. 1). Grifo do original.
31
O Governador Janary Nunes e sua permanência no Rio de Janeiro (do correspondente no Rio de
Janeiro). Amapá. Nº 04, 14/04/1945, p. 01.

Revista Territórios & Fronteiras, Cuiabá, vol. 7, n. 1, jan.-jun., 2014


SIDNEY DA SILVA LOBATO Página | 283

nar dentro de um espírito democrático com posturas, propostas, projetos e valores


divergentes dos seus. A intransigência de Janary se fez notar em diversos momen-
tos. Aliás, isto levou alguns de seus apoiadores tornarem-se opositores. Por exem-
plo, Amaury Guimarães Farias, que foi assessor técnico do gabinete governamen-
tal, em 1958 entrou para o PTB, que fazia oposição ao PSD, partido de Janary. Fa-
rias assim descreveu a intolerância política de Janary: “se alguém quisesse divergir das
ideias do governo, esse alguém seria uma persona non grata”. Mas se opor ao governa-
dor era uma decisão muito perigosa, pois no Amapá só havia dois empregadores: o
governo e o governo.32
Além de não ter sido realizado de forma democrática, o projeto janarista
possuía um fundamento ideológico etnocêntrico, que não tinha como meta sim-
plesmente responder às demandas internas da sociedade amapaense. Seu objetivo
era mais ambicioso: reorganizar a vida com base em novos valores e hábitos. Este
objetivo se chocava em muitos aspectos com o modo de vida da maior parte da po-
pulação territorial. O papel ativo do Estado no processo de modernização da socie-
dade brasileira se fez sentir no Amapá e na Amazônia de forma clara e ampla33,
uma vez que este se achava então diante de uma sociedade cujo modo de vida —
algo heterogêneo — estava mais distante dos valores chamados de modernos. As
necessidades regionais muitas vezes não coincidiam com a perspectiva defendida
pelo governo federal. Por exemplo, a valorização da produção em grande escala
levava os técnicos e políticos dos governos federal e territorial a reprovar a falta de
ambição — leia-se desejo de acumular riquezas — de muitos ribeirinhos, que pro-
duziam principalmente para o próprio consumo. Por isso, Janary, em 1946, convo-
cou todas as categorias de trabalhadores para ajudar na conversão do homem local,
dizendo:

precisamos reagir contra esse vício que bem revela o desprezo pela
produção. Há falta de ambição e de eficiência. Combatamos essa
tara de nosso caráter e de nossa formação. De nada adiantará o es-
forço isolado. Levemos para a barraca do agricultor, do seringuei-
ro, do pescador, do castanheiro, para todos os lares da Amazônia,
dos que moram nas cidades, dos que se juntam em torno dos ‘bar-
racões’ ou dos isolados nas beiras dos rios sob a sombra da selva –
a evidência da necessidade de produzir mais. Esse será o caminho

32
FARIAS, Amaury Guimarães. Meus momentos políticos. Macapá: [produção independente], s/d, p.
1.
33
Nos centros urbanos do Sudeste, este papel também pôde ser percebido. Mas, de outro modo: no
Sudeste, forças modernizadoras presentes na sociedade e na economia (agentes da urbanização e da
industrialização) criavam demandas sociais que o Estado procurava atender. Contudo, os diversos
setores e classes sociais dos centros mais urbanizados tinham demandas diferentes e, frequentemen-
te, contraditórias. O governo Vargas teve que enfrentar, por exemplo, os choques de interesses entre
patrões e empregados das fábricas, e defender constantemente seu intuito de maximizar a socializa-
ção dos ganhos econômicos, dentro da ordem capitalista. O atendimento ou não das diversas de-
mandas sociais estava sempre sujeito às diretrizes desenvolvimentistas do governo. Portanto, o Es-
tado no pós-30 não pode ser identificado como meramente passivo na sua relação com os agentes
sociais das cidades do Sudeste urbano.

Revista Territórios & Fronteiras, Cuiabá, vol. 7, n. 1, jan.-jun., 2014


SIDNEY DA SILVA LOBATO Página | 284

da redenção do nosso caboclo e do levantamento do nível de vida


do povo brasileiro.34

As práticas tradicionais de cultivo e de extrativismo florestal das populações


locais eram classificadas como primitivas e inadequadas à aceleração do crescimen-
to dos índices econômicos do Amapá. As comunidades amapaenses foram convo-
cadas a abandonar sua cultura (desdenhando-a como atrasada) em nome da ade-
quação aos princípios do capitalismo. O governo federal, a partir de 1930, procurou
organizar as relações sociais e produtivas no Brasil com base na ética do trabalho: um
sistema de valores que condenava o gozo despreocupado do tempo livre, e valori-
zava o tempo produtivo, gasto no trabalho disciplinado e constante.
Além do regime de trabalho, outros aspectos do modo de vida local foram
condenados. O principal meio de transporte no Amapá de meados do século XX
era a canoa (chamada também de montaria). Após visita à região da foz do Ama-
zonas, em 1947, o técnico do IBGE Jorge Pereira de La Roque destacou a impor-
tância das hidrovias na vida do “caboclo” e esclareceu que a palavra “igarapé” (que
se refere a “um rio em miniatura”) é um nome tupi que significa “caminho de canoa”.35
Os rios eram os principais caminhos utilizados pelos amapaenses interioranos.
Através dos rios os regatões transportavam vários tipos de mercadorias para vendê-
las aos ribeirinhos. Este aspecto da vida da maioria dos amapaenses era muito criti-
cado pela classe dirigente territorial. Para esta classe, a modernização da sociedade
local dependia da construção de uma rede rodoviária que tornasse mais rápido o
deslocamento de pessoas e mercadorias e que funcionasse como meio de integração
socioeconômica. Através das hidrovias, a viagem de uma localidade a outra do Ter-
ritório poderia demorar dias e uma simples ida à escola poderia durar horas. Os
movimentos da maré (lançante e vazante), as maresias e as fortes chuvas podiam
tornar as viagens muito mais difíceis.36
Geralmente, o ribeirinho exercia duas ou três atividades econômicas durante
o ano, conforme a estação climática. Por exemplo, no sul do Amapá, no período de
intensas chuvas (de dezembro até julho), os extrativistas moravam próximo dos
castanhais (nos altos e médios cursos dos rios) e durante os meses do verão (de
agosto até novembro) se instalavam próximo dos seringais, nos baixos cursos.
Quando eram lavradores, os amapaenses, na época da entressafra, se dedicavam
também à caça de animais silvestres, à pesca, à coleta de sementes oleaginosas e à
extração de látex. A cultura predominante em todo o Território era a da mandioca,

34
NUNES, Janary Gentil. O caminho da redenção. Amapá. N. 52, de 16/03/1946, p. 1 (grifos do
autor).
35
LA ROQUE, Jorge Pereira de. Viagem ao Amapá — separata da Revista Brasileira de Geografia [n.
2 — ano XII]. Rio de Janeiro: IBGE e Conselho Nacional de Geografia, 1950, p. 299.
36
COSTA, Paulo Marcelo Cambraia da. Na ilharga da Fortaleza, logo ali na Beira, lá tem o regatão: os
significados dos regatões na vida do Amapá — 1945 a 1970. Belém: Açaí, 2008, p. 56.

Revista Territórios & Fronteiras, Cuiabá, vol. 7, n. 1, jan.-jun., 2014


SIDNEY DA SILVA LOBATO Página | 285

utilizada, principalmente, na produção da farinha. Outro aspecto importante da


produção agrícola praticada no Amapá era o deslocamento constante para novas
áreas de cultivo. A busca constante por terras novas era parte de uma cultura itine-
rante, na qual o agricultor era obrigado a fazer quase anualmente novas devasta-
ções. O regime de trabalho das populações rurais amapaenses (e mesmo amazôni-
cas) era parte de um modo de vida marcado por atividades provisórias. Os deslo-
camentos sazonais para a extração de borracha, da castanha, das sementes oleagi-
nosas e de outros produtos se combinavam com migrações, menos frequentes, de-
correntes da abertura de novos roçados.37
Na perspectiva governamental era imprescindível fixar o homem, ou seja,
através do emprego de modernas técnicas, liberá-lo do influxo das cambiantes for-
ças naturais (marés, estações, dispersão dos recursos florestais e outros). O caráter
provisório do modo de vida do ribeirinho era combatido até mesmo no seu aspecto
material mais evidente: a casa. No artigo “Lar para o cabôclo” — publicado na Re-
vista do Amapá de maio de 1947 — Janary Nunes afirmou: “se ao invés duma sórdida
barraca de palha, com piso de paxiúba, o homem do interior trabalhar durante mêses segui-
dos, na edificação de uma casa digna, coberta de telha ou de cavaco, assoalhada de madeira
de lei, arejada e sólida, ficará prêso à sua obra e ao suor que gastou para erguê-la”. E, refe-
rindo-se ao caboclo, completou: “convencê-lo e levá-lo para a construção da casa digna e
da prática dos hábitos sadios, criar a tradição do lar, é a missão que incumbe à escola, às eli-
tes, ao Govêrno e a todos os que sonham com dias mais felizes para a Amazônia”.38 Portan-
to, a edificação de um tipo de casa com maior volume de trabalho agregado era
percebida por Janary como um avanço importante no processo de sedentarização
das populações amapaenses.
Para os governos, tornar moderna a vida nos sertões do Brasil em meado do
século XX era fazer do “caboclo” um sedentário e, ao tempo da natureza, sobrepor o
tempo do relógio — o tempo da produção constante, enfim, o tempo transformado
em valor, em dado absoluto e não relativo. Os ocupantes dos mais altos cargos do
governo federal tinham uma percepção negativa das formas tradicionais de subsis-
tência dos trabalhadores rurais da Amazônia e, fascinados pela modernidade dos
países industrializados, pregavam a necessidade urgente de superá-las.

Palavras finais

A política modernizadora estandardizada pelo governo amapaense tinha o


objetivo de fazer desaparecer a cultura local — que era percebida como atrasada e

37
MARTINS, José de Souza. Vida privada nas áreas de expansão da sociedade brasileira. In:
SCHWARCZ, Lilia M. (org.). História da vida privada no Brasil. Contrastes da intimidade contempo-
rânea. São Paulo: Companhia das Letras, 1998, p. 664.
38
NUNES, Janary Gentil. Lar para o cabôclo. Revista do Amapá. Macapá, maio — 1947, ano 2, n. 3,
p. 5-6.

Revista Territórios & Fronteiras, Cuiabá, vol. 7, n. 1, jan.-jun., 2014


SIDNEY DA SILVA LOBATO Página | 286

inferior. Ao serem vistos como ignorantes, os ribeirinhos, os extrativistas e lavrado-


res amapaenses eram também expropriados do poder de dizer o que era melhor
para si, de participar ativamente do planejamento estatal. Assim, a voz do povo
simples não era ouvida como palavra (na qual se reconhece uma inteligência, uma
lógica ou um sentido), mas como barulho. Afinal, como nos lembra Rancière: “há
política porque o logos nunca é apenas a palavra, porque ele é sempre indissoluvelmente a
contagem que é feita dessa palavra: a contagem pela qual uma emissão sonora é ouvida co-
mo palavra, apta a enunciar o justo, enquanto uma outra é apenas percebida como barulho
que designa prazer ou dor, consentimento ou revolta”.39
Por outro lado, o intervencionismo federal fez das áreas separadas dos ve-
lhos estados espaços controlados ou politicamente dependentes. A autonomia do
Amapá esteve longe de ser completa nas quatro primeiras décadas que sucederam a
criação deste território. Principalmente porque seus governadores não eram eleitos
pela sociedade local e porque as dotações orçamentárias e o planejamento dos des-
tinos desta terra eram muito dependentes das decisões do executivo federal. A au-
tonomização política do Amapá fortaleceu-se com a transformação de tal território
em estado (1988) e com a posse do primeiro governador escolhido pelo eleitorado
amapaense (1990).

Artigo recebido em 21 de setembro de 2013.


Aprovado em 22 de maio de 2014.

39
RANCIÈRE, Jacques. O desentendimento: política e filosofia. São Paulo: Ed. 34, 1996, p. 36. Grifos
do autor.

Revista Territórios & Fronteiras, Cuiabá, vol. 7, n. 1, jan.-jun., 2014