Você está na página 1de 6

ODONTO RB E AGREGADOS

Ambiente Cirúrgico
Microorganismos

Seres capazes de sobreviver em ambientes de diversas condições físicas

 Vírus da hepatite B (HBV)- permanece viável em intrusmentos


contaminados por mais de 2 semanas

Contaminação

“Ato ou efeito de contaminar-se, contato preliminar entre o organismo vivo e o


microorganismo”

 Qualquer partícula presente no aerossol, seja de que tamanho for,


poderá conter microrganismos patogênicos e causar uma infecção
cruzada
 Estudos mostram que as partículas de aerossóis são percebidas 2
metros de distancia da turbina de alta rotação.

Medidas de precaução universais ou medidas padrão

 Medidas de controle de infecção, adotadas universalmente, para


redução do risco ocupacional e transmissão de microorganismos nos
serviços de saúde
 Uso de barreiras e equipamentos de proteção EPI
 Prevenção da exposição a sangue e fluidos corpóreos
 Manejo adequado aos acidentes de trabalho que envolvem fluidos
organismos e sangue
 Manejo adequado dos procedimentos de descontaminação e do destino
de dejetos resíduos nos serviços de saúde
 Os profissionais devem tomar medidas para proteger a sua saúde e a
de sua equipe
 Imunizações
 Lavagem das mãos

Fômites

“São substancias ou materiais capazes de absover e transmitir o contagio de


uma doença infecciosa.”

Antissepsia

“É o método através do qual se impede a proliferação de microorganismos em


tecidos vivos com o uso de substancias químicas usadas como bactericidas
ou bacteriostáticos
ODONTO RB E AGREGADOS

Anti-Séptico

 Agente químico que impede a atividade e proliferação de germes


 Baixa causticidade
 Hipoalergênico

PVP-I a 10% (polivinilpirrolidona)

 È um anti-séptico de amplo espectro, multifuncional á base de complexo


orgânico de iodo ativo a 10%. Possui propriedades bactericidas,
fungicidas esporicidas e virucidas.
 Pode ser utilizados em diversas formulações microbicidas na forma de
soluções sabões líquidas e em barras, arrosóis, géis e pós
 Nomes comerciais: Povidine Tópico, Povidine Tintura, Povidine
Dergermante

Digluconato de Clorexidina

 É um anti-séptico com efeito anti-placa maior que os outros agentes


antimicrobianos, devido á sua acentuada capacidade de absorção aos
dentes e as superfícies mucosas, com posterior liberação na cavidade
oral em níveis terapêuticos, sendo liberada no período de 24h. Quando
usada em altas concentrações, possui efeitos bactericidas e em baixas
concentrações, exerce efeito bacteriostático presente na placa.
 Apresentações:
 Soluções de bochecho a 0,12 e o,2%
 Spray a 0,2%
 Gel a 0,5%
 Sabonete liquido 2,0% a 4,0%
 Solução aquosa a 2,%
 Solução aquosa a 0,5%

Desinfecção

“É a destruição dos microorganismos patogênicos, com exceção dos esporos,


por meios físicos ou químicos por ação bactericida ou bacteriostáticos.”

 ALTO NIVEL: fazem esterilização. Agem contra fungos, bactérias em


forma vegetativa (GRAM +/-) esporos bacterianos e vírus. Ex:
glutraldeido e formaldeído
 NÍVEL INTERMEDIARIO: capazes de destruir todas as formas de
microorganismos, exceto esporos. Ex: clorexidina, iodo, hipoclorito de
sódio, alcoóis.
 BAIXO NIVEL: não agem em vírus da hepatite, poliomielite, esporos e
M. tuberculosis. Ex: Fenóis sintéticos
ODONTO RB E AGREGADOS

Degermação

“É o ato de redução ou remoção parcial dos microorganismos da pele, ou


outros tecidos por métodos químicos-mecaninos.”

Assepsia

“É o conjunto de meios usados para impedir a penetração de microorganismos


numa determinada área. Assim, constitui o ideal de não infectar, sendo a base
da cirurgia.”

Esterilização

“É a eliminação total de todas as formas de microorganismos, patogênicos ou


não, quer em forma vegetativa ou esporulada.”

QUIMICOS

FISICOS

Meios Físicos

Vapor sob pressão:

 Autoclave
 Termocoagulação e desnaturação das proteínas microbianas
 Método mais confiável
 Possui boa penetrabilidade
 Usar 70% do seu volume total
 Caixas com perfuração
 Deixar as tesouras e pinças abertas

Autoclave

Cuidados básicos:

 Limpeza externa e interna da autoclave


 Não sobrecarregar o aparelho
 Disposição adequada dos pacotes
 Manter a porta entreaberta após esterilização (5ª15min)

Calor Seco

 Estufa
 Causa oxidação das células
 Usada para produtos que são danificados pela umidade (pó,derivados
de petróleo e intr. de corte)
 Ciclos mais longos
ODONTO RB E AGREGADOS

 Uso questionável por diversos autores

Cuidados básicos

 Higienização interna e externa da estufa


 Material limpo e seco
 Evitar sobrecarga
 Não abrir a estufa durante o processo
 Lacrar as caixas após a esterilização
 Brocas, cinzéis-papel alumínio

Meios Químicos/físicos

Oxido de etileno:

 Gás inflamável, explosivo e tóxico para todas os microorganismos


 Promove alquilação e desnaturação das proteínas inclusive DNA E RNA
 Esteriliza a baixas temperaturas (55ºC)
 Processo longo e caro

Meios químicos

Gluraraldeido

 Utilizado para esterilização de artigos termo-sensiveis que não possam


sofrer esterilização pelos processos físicos
 Atuam realizando alquilação das proteínas e ácidos nucléicos, alterado
o DNA e RNA e síntese de proteínas
 Fácil uso e custo baixo
 Materiais para uso imediato
 Esterilização: glutaraldeido a 2% por 10h em caixa de plástico com
tampa
 Desinfecção: glutaraldeido a 2% por 30min em caixa de plástico com
tampa

Cuidados no uso

 O material a ser esterilizado deve ser muito bem lavado e seco


 Imergir totalmente o material na solução, evitar a formação de bolhas, o
recipiente no qual os matérias serão imersos deve estar esterilizado e
deve ser preferencial de vidro ou plástico
 Tampar o recipiente, e marcar o inicio da esterilização
 Manusear os materiais com uso de luvas ou pinças e mascara, se
possível
 Enxaguar por três vezes os materiais após esterilização, utilizando água
ou soro fisiológico estéreis, tomando cuidado para se evitar
ODONTO RB E AGREGADOS

contaminação dos materiais; o material deve ser utilizado


imediatamente

Materiais para Embalagens

Objetivos

 Proteger o material durante o transporte e manuseio


 Possibilitar a abertura asséptica
 Funcionar como barreira microbiológica
 Ser flexível atóxico e resistente
 Permitir que o agente esterilizador entre em contato com o material

Tipos

 Papeis: Crepe, celofane


 Tecidos; Algodão, musselina, lã
 Plásticos; Polietileno, poliéster
 Polipropileno, PVC
 Metais; alumínio

Principais falhas

 Desconhecimento técnico
 Limpeza deficiente dos materiais
 Pacotes grandes e apertados
 Invólucro inadequado
 Abertura rápida do aparelho
 Pacotes em contato com a câmara

Porque devemos aprender a praticar técnicas que limitem a disseminação de


contaminação?

Objetivo

 Previnir o risco de infecção cruzada


 A transmissão de agentes infecciosos de uma pessoa para outra requer
 UMA FONTE DE INFECCÇÃO: Pessoas ou ambientes
 UM VEICULO OU VEETOR: sangue, saliva água, restos teciduais,
instrumentos, equipamentos, ar, etc
 UMA VIA DE TRANSMISSÃO: inalação ou inoculação

Infecção cruzada

Formas:

 Dos pacientes para o profissional e equipe auxiliar


ODONTO RB E AGREGADOS

 Dos profissionais equipes auxiliar para os pacientes


 De um paciente para o outro via pessoal ou meios odontológicos
 Via fômites, podendo atingir tanto os pacientes quanto o pessoal do
serviço