Você está na página 1de 71

Curso de Fotograa

National Geographic

Polya

3 de Novembro de 2008
2
Conteúdo

1 Aprendendo a Observar 7
1.1 Iniciação à Fotograa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
1.1.1 Luz e Exposição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
1.1.2 Modo Manual e Modo Semiautomático . . . . . . . . . . . 8
1.1.3 A Profundidade de Campo . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
1.1.4 Velocidade ou Abertura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
1.2 Retratos e Instantâneos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
1.2.1 Retratos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
1.2.2 Iluminação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
1.2.3 Retratos Ambientados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
1.2.4 Foto de Grupo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
1.2.5 Instantâneos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
1.3 Fotografando a Família . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
1.3.1 Fotografando Crianças . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
1.3.2 Aniversários . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
1.3.3 Formatura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
1.3.4 Casamentos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
1.4 Os Fotógrafos Contam as Suas Experiências . . . . . . . . . . . . 15
1.4.1 Conselhos de Jodi Cobb . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15

2 Composição da Imagem 17
2.1 Conceitos Básicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
2.1.1 Composição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
2.1.2 Outras Técnicas de Composição . . . . . . . . . . . . . . 19
2.2 Paisagens . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
2.2.1 O Que Fotografar? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
2.2.2 Volte Sempre . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
2.2.3 Equipamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
2.2.4 Procure Por Detalhes e Padrões . . . . . . . . . . . . . . . 21
2.3 Condições Climáticas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
2.3.1 Chuva . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
2.3.2 Neve . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
2.3.3 Neblina e Névoa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
2.3.4 Céus Tempestuosos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
2.4 Os Fotógrafos Contam as Suas Experiências . . . . . . . . . . . . 23
2.4.1 Dicas de Sam Abell . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23

3
4 CONTEÚDO

3 A Câmara Fotográca 25
3.1 Conceitos Básicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
3.1.1 Camaras Fotográcas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
3.1.2 Tipos Básicos de Câmaras . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
3.1.3 Camaras Fotográcas Grandes . . . . . . . . . . . . . . . 26
3.2 Movimento  Congelar e Usar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
3.2.1 Congelando a Acção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
3.2.2 Aproveitar o Movimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
3.3 Animais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
3.3.1 Animais de Estimação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
3.3.2 Jardins e Parques . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
3.3.3 Parques e Reservas Naturais . . . . . . . . . . . . . . . . 30
3.3.4 No Safari . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
3.4 Os Fotógrafos Contam As Suas Experiências . . . . . . . . . . . . 32
3.4.1 Conselhos de Alan Harvey . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
3.4.2 Conselhos de Chris Johns . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33

4 As Objectivas Fotográcas 35
4.1 Conceitos Básicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
4.1.1 Objectivas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
4.2 Arquitectura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
4.2.1 Uso das Objectivas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
4.2.2 Pers . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
4.2.3 Monumentos e Pontos de Interesse . . . . . . . . . . . . . 39
4.3 Fotograa em Close-Up . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
4.3.1 Lentes Macro e Especiais . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
4.3.2 Dica Para Macrofotograa . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
4.4 Os Fotógrafos Contam as Suas Experiências . . . . . . . . . . . . 40
4.4.1 Dicas de Staneld . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40

5 Escrever Com a Luz 43


5.1 Conceitos Básicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
5.1.1 A Qualidade da Luz . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
5.1.2 A Direcção da Luz . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
5.1.3 A Cor da Luz . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
5.1.4 Controlar a Luz . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46
5.2 Os Fotógrafos Contam As Suas Experiências . . . . . . . . . . . . 46
5.2.1 Dicas de Michael Yamashita . . . . . . . . . . . . . . . . . 46

6 Os Filmes 49
6.1 Filme: A Paleta do Fotógrafo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49
6.1.1 Velocidade do Filme / Sensibilidade do Filme . . . . . . . 49
6.1.2 Tipos de Filme . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
6.1.3 Técnicas de Exposição e Revelação . . . . . . . . . . . . . 50
6.1.4 Filmes a Preto e Branco . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
6.2 Os Fotógrafos Contam as Suas Experiências . . . . . . . . . . . . 52
6.2.1 Dicas de Michael Nichols . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52
CONTEÚDO 5

7 Como Obter o Melhor Resultado 53


7.1 Exposição e Fotometria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
7.1.1 Conceitos Básicos de Exposição . . . . . . . . . . . . . . . 53
7.1.2 Medir a Luz . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
7.1.3 Fotómetros Incorporados . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
7.1.4 Sugestões Para Uma Exposição Correcta . . . . . . . . . . 56
7.1.5 Variar a Exposição (Bracketing) . . . . . . . . . . . . . . 56
7.1.6 Fotómetros Não Incorporados . . . . . . . . . . . . . . . . 57
7.2 Flash e Acessórios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57
7.2.1 Conceitos Básicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57
7.2.2 A Velocidade do Sincronismo . . . . . . . . . . . . . . . . 58
7.2.3 Número-Guia (GN) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58
7.2.4 Tipos Básicos de Flash . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58
7.2.5 Uso de Flash Em Ambientes Externos . . . . . . . . . . . 59
7.2.6 Evite a Subexposição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61
7.2.7 Foto Convencional Com Flash . . . . . . . . . . . . . . . . 62
7.3 Testemunhas da Actualidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
7.3.1 O Homem e o Trabalho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
7.4 Os Fotógrafos Contam As Suas Experiências . . . . . . . . . . . . 64
7.4.1 Dicas de David Doubilet . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64
7.5 História da Reportagem National Geographic . . . . . . . . . . . 64

8 As Novas Fronteiras 65
8.1 Equipamentos e Manutenção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65
8.1.1 Tripés . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65
8.1.2 Bolsas de Equipamento Fotográco . . . . . . . . . . . . . 65
8.1.3 Cuidados Com O Equipamento Fotográco . . . . . . . . 67
8.2 Informações Úteis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68
8.2.1 Prepare-se Para Viajar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68
8.3 Fotografar Para Conhecer . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
8.3.1 Pessoas e Personalidades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
8.3.2 Países, Costumes e História . . . . . . . . . . . . . . . . . 71
8.3.3 O Mundo Animal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71
6 CONTEÚDO
Capítulo 1

Aprendendo a Observar

1.1 Iniciação à Fotograa


1.1.1 Luz e Exposição
A Velocidade do Filme

A que corresponde a velocidade de um lme fotográco?


A velocidade de um lme indica a sua sensibilidade à luz. Quanto maior for a
sensibilidade de um lme, menor é a quantidade de luz que esse mesmo lme
vai precisar para obter uma exposição correcta.

A Abertura

O que entende por abertura?


A abertura é o tamanho do mecanisma do diafragma da objectiva. Quanto
maior for a abertura escolhida, mais luz entrará para expor o lme num dado
intervalo de tempo. Para indicar a abertura, usa-se uma série de números de
diafragma (f/). Um valor menor de diafragma indica uma abertura maior; um
valor maior indica uma abertura menor.

Tempo de Exposição

O que entende por tempo de exposição?


O tempo de exposição corresponde à velocidade que controla quanto tempo a
cortina do obturador da câmara cará aberta. Quanto maior for o tempo de
exposição, ou seja, mais baixa a velocidade, mais luz atingirá o lme para uma
dada abertura do diafragma.

Combinação Abertura/Velocidade

Como varia a exposição correcta de um lme em função da combinação aber-


tura/velocidade?
Quanto maior for a abertura escolhida, menor será o tempo necessário para
expor correctamente o lme. Inversamente, quanto mais tempo a cortina per-
manecer aberta, menor será a abertura necessária.

7
8 CAPÍTULO 1. APRENDENDO A OBSERVAR

Como é que varia a profundidade de campo em função da combinação aber-


tura/velocidade?
Com grande abertura e alta velocidade a profundidade de campo é pequena e o
movimento é congelado. Com pequena abertura e baixa velocidade, a profun-
didade aumenta e é mais difícil parar a imagem.

O Fotómetro

O que é um fotómetro?
O fotómetro é um dispositivo que regula a câmara fotográca de modo a que
seja captada a quantidade de luz ideal num dado ambiente.

1.1.2 Modo Manual e Modo Semiautomático


Modo Manual

Como funciona o modo manual?


Neste modo de funcionamento, é usual utilizar o fotómetro de modo a obter
a melhor regulação para a exposição. Torna-se necessário regular não só o
diafragma mas também a velocidade, usando estes controlos separadamente
até se obter uma exposição correcta. O modo manual, em muitas câmaras, é
indicado pela sigla M.

Modo Semiautomático

Como funciona o modo semiautomático?


A maioria das câmaras oferece pelo menos um modo de operação no qual só
precisa de denir uma das variáveis, em geral a abertura. A câmara então es-
colhe a velocidade de modo a obter uma exposição correcta. A este sub modo do
modo semiautomático dá-se o nome de modo automático com prioridade para
a abertura. Este modo costuma ser designado pela sigla AV. Há modelos de
câmaras que oferecem uma outra opção, na qual o fotógrafo determina a veloci-
dade e a câmara ajusta a abertura. A este sub modo do modo semiautomático
dá-se o nome de modo automático com prioridade para a velocidade. Este modo
costuma ser designado pela sigla TV.

Modo Programado

Como funciona o modo programado?


As câmaras de última geração oferecem também um modo totalmente au-
tomático, normalmente designado por P. Nesta opção, o processador da câmara
determina tanto a abertura como a velocidade para uma exposição correcta. A
combinação, porém, pode não satisfazer as nossas necessidades criativas.

1.1.3 A Profundidade de Campo


Distância Focal

O que se entende por profundidade de campo?


A profundidade de campo é a zona numa fotograa em que a focagem está
aceitavelmente nítida.
1.1. INICIAÇÃO À FOTOGRAFIA 9

Que relação existe entre a profundidade de campo e a distância focal?


Objectivas longas, ou tambem denominadas por teleobjectivas, 300 mm ou mais,
fazem fotos com pequena profundidade de campo, enquanto que as objectivas
curtas, conhecidas por grandes angulares, 28 mm ou 35 mm, produzem uma
profundidade de campo mais extensa.

Distância do Assunto

Que relação existe entre a profundidade de campo e a distância ao assunto?


A profundidade de campo depende da distância a que o motivo se encontra no
momento da foto. Quanto mais perto estiver do motivo, menor será a profun-
didade de campo. No extremo oposto, ao fotografar o horizonte ao longe, a
profundidade de campo é grande.

Que relação existe entre a abertura do diafragma e a profundidade de campo?


Em qualquer foto, apenas o plano focado, está realmente nítido, mas a zona
de nitidez aceitável é mais extensa. Com uma abertura grande de diafragma,
a profundidade de campo é limitada. Com uma abertura menor, uma zona à
frente e atrás do assunto aparecerá razoavelmente nítida.

Plano de Foco

A que distância do ponto de focagem é que se encontra a profundidade de


campo?
A profundidade de campo começa em geral por volta de um terço à frente do
ponto de focagem e estende-se dois terços atrás dele.

1.1.4 Velocidade ou Abertura

Como Evitar Fotos Pouco Nítidas: As Vibrações

Que velocidade devemos usar em regra geral quando fotografamos com a câmara
na mão?
Se estiver com a câmara na mão, deve-se usar uma velocidade alta para com-
pensar o balanço do corpo.

Quais são os cuidados a ter para evitar a desfocagem quando se usam teleob-
jectivas?
Um tripé é um acessório muito importante no caso do uso de teleobjectivas. As
objectivas com distância focal muito grande amplicam as vibrações. Um ponto
para apoiar a câmara é essencial para obter fotos nítidas.

Como Evitar Fotos Pouco Nítidas: O Equipamento

Qual é a velocidade do lme a usar para velocidades elevadas, se quisermos au-


mentar a probabilidade de obtermos fotos nítidas?
Para usar velocidades mais altas, aumentando a probabilidade de fotos nítidas,
prera um lme rápido, que lhe permitirá aumentar as variações possíveis de
abertura e velocidade.
10 CAPÍTULO 1. APRENDENDO A OBSERVAR

Que relação entre a abertura e a velocidade devemos seguir de modo a au-


mentarmos as chances de obtermos fotos nítidas?
A regra simples é tirar a foto a uma velocidade pelo menos um ponto acima
do valor da distância focal. Por exemplo, com uma objectiva de 28mm, tire a
1/30; com uma objectiva
foto a de 50mm, tire a 1/60; com uma teleobectiva de
200mm, use 1/250 ou mais.

1.2 Retratos e Instantâneos


Há dois tipos de fotograa de pessoas: retratos em pose ou portraits, e instan-
tâneos. No retrato existe uma cooperação entre o fotógrafo e a pessoa que está
a posar. Nos instantâneos, o fotógrafo age mais como um fotógrafo jornalístico
ou documental, indo atrás de momentos que ocorrem sem a sua intervenção.
Em ambos os casos é necessário gastar algum tempo a pensar sobre o tema e a
situação, para que tenha ideias sobre o que quer captar.

1.2.1 Retratos

O que é um bom retrato?


Um bom retrato é aquele que consegue transmitir a personalidade e o carácter
de quem está a ser retratado.

Que aspectos devemos considerar ao realizar retratos formais?


Ao fazer retratos formais, pense sobre os temas que tem em mãos. Como são
essas pessoas? Quais são os atributos da sua personalidade que deseja registar.
São intelectuais, sensuais, despreocupadas, melancólicas? Pense no que pode
utilizar, poses diferentes, traje, ambiente, para comunicar essas qualidades.

Que parte do corpo expressa melhor a personalidade de uma pessoa?


A expressão de um rosto é geralmente o mais imediato e claro indício da per-
sonalidade, mas todos os elementos da foto contribuem para o sentimento.

Observe primeiro

Quais são os principais cuidados que devemos ter aquando da preparação de um


retrato fotográco?
Encontre o local onde você quer que o sujeito do seu tema pose e determine a
posição da sua câmara. Monte e teste todas a luzes e reectores que irá utilizar.
Uma coisa muito importante é que a pessoa esteja relaxada e à vontade. Não
a deixe à espera enquanto prepara o seu equipamento. Quando ela chegar ao
local onde a foto vai ser feita você já deve estar com tudo preparado e pronto
para lhe dedicar toda a atenção.

Que tipo de acessórios fotográcos poderão ser úteis à realização de retratos?


O motor drive é útil para retratos individuais ou de grupos. Geralmente as pes-
soas cam tensas no momento no momento em que você está para pressionar
o disparador, mas depois relaxam. Com um motor drive, pode fazer outra foto
1.2. RETRATOS E INSTANTÂNEOS 11

imediatamente, captando a pose mais relaxada. Se você montou a câmara num


tripé, pode ser bom usar um disparador remoto para que possa continuar a
ocupar-se do tema sem desaparecer por detrás da câmara.

Lentes Para Retratos

Quais são as objectivas mais indicadas para retratos em close-up de rostos ou


fotos de busto?
Teleobjectivas curtas - 85, 105 ou 135mm - são melhores para retratos em close-
up de rostos ou fotos de busto.

Em que casos é aconselhável a utilização de grandes angulares na realização


de retratos?
Para retratos de tamanho natural ou ambientados, você pode usar uma objec-
tiva normal ou grande-angular para incluir o corpo inteiro ou todo o ambiente.

Que aspectos devemos ter em conta quando fotografamos com uma grande an-
gular?
Devemos ter cuidado com a distorção ao usar uma grande-angular.

1.2.2 Iluminação
A iluminação é o elemento mais importante nos retratos. A luz suave e difusa é
geralmente a melhor e mais favorável, mas pode acontecer que, algumas vezes,
uma luz lateral mais marcante seja apropriada para o seu tema. Pesquise di-
versos tipos de iluminação para que que familiarizado. Quando surgir uma
situação especial, você será capaz de iluminá-la correctamente.

Flashes de Estúdio e Lâmpadas Photoood

Em que posição relativamente à pessoa a fotografar deve ser colocada a ilumi-


nação e quais são os cuidados a ter com a mesma quando fotografamos num
estúdio?
A iluminação padrão para retratos, é ter a fonte principal de luz (seja ash,
seja photoood) ligeiramente mais alta que o tema e a um ângulo de 45º do
mesmo, com um reector no lado oposto, para proporcionar uma luz de enchi-
mento. Torne a luz difusa rebatendo-a numa sombrinha ou colocando algum
tipo de material difusor na frente dela (papel vegetal ou uma folha branca
servem). Deixe o material difusor a alguma distância da luz para evitar que ele
se queime. Movendo a luz 90º em relação ao tema (e ajustando o reector),
você pode variar a quantidade de sombra nos contornor do rosto.

Que cuidados devemos ter relativamente ao fundo da fotograa?


Preste atenção ao fundo. Não é bom que ele concorra com o tema ou seja
dispersivo.

Utilizando Mais de Uma Luz

Em que posições poderá ser colocada uma segunda luz na realização de retratos
em estúdios fotográcos?
Uma segunda luz pode ser usada para iluminar por detrás o cabelo de uma
12 CAPÍTULO 1. APRENDENDO A OBSERVAR

pessoa, ou projectar uma luz para o fundo. Para a iluminação traseira do


cabelo, você deve posicionar a segunda luz ao alto e na direcção de um dos
lados atrás do sujeito, e utilizar um funil, de modo a estreitar o feixe de luz.
Pode também posicionar a luz por baixo e directamente atrás do sujeito para
que que escondida da câmara. Para iluminar o fundo, aponte a segunda luz
para lá, lembrando-se de balancear a intensidade com que a luz incide sobre o
sujeito.

Luz Externa

Que cuidados devemos ter com a luz ao fotografar no exterior?


A luz do Sol nunca deve agredir a personagem, pelo contrário deve destacar
as linhas do rosto e da gura. A luz quente do começo da manhã e do nal
da tarde é a melhor. Dias nublados, com a luz difusa e suave, são bons para
retratos exteriores.

1.2.3 Retratos Ambientados


Nos retratos ambientados, o fotógrafo coloca o motivo no seu ambiente de tra-
balho normal. A ideia é retratar não apenas a pessoa em si, mas também algo
do que ela faz na vida, seja uma prossão, seja um hobby. É preciso captar os
interesses da pessoa e reforçá-los dentro de um arranjo. Retratos ambientados
geralmente não são fotos de rosto ou de meio corpo, mas fotos nas quais a pessoa
é apenas um elemento da composição.

Captar os Interesses

Que tipo de estudo deve ser feito de modo a captar os interesses da personagem
a fotografar e potenciar o mais possível a qualidade do resultado nal?
Pesquise antes, e de preferência visite a personagem. Pergunte se pode car ali
durante algum tempo, observando o que ela faz. Faça anotações mentais sobre
o que poderá dar uma boa foto. Descubra se há alguma coisa da qual a person-
agem se orgulhe em particular: um determinado touro de um criador de gado, a
or predilecta de um jardineiro, etc. Repare na roupa que ela está a usar e edu-
cadamente sugira que vista a mesma ou uma semelhnate na altura de fotografar.

Que cuidados devemos tomar relativamente à iluminação neste tipo de tra-


balho?
Se for trabalhar num espaço aberto, observe o local em diferentes períodos do
dia para decidir que luz servirá melhor. Se for em interiores, monte e teste de
antemão todas as luzes e reectores de que precisará.

1.2.4 Foto de Grupo


A Composição de Um Grupo

Que cuidados devemos ter com a disposição dos elementos quando pretendemos
realizar uma fotograa de um pequeno grupo de pessoas num ambiente fechado?
Para um pequeno grupo num ambiente fechado, utilize as mesmas congurações
que usaria para um retrato individual.
1.2. RETRATOS E INSTANTÂNEOS 13

Que cuidados devemos ter com a disposição dos elementos quando pretendemos
realizar uma fotograa de um grande grupo de pessoas num ambiente fechado?
Se for um grupo grande, arranje-o numa escadaria, numa arquibancada, ou sim-
plesmente peça que as pessoas da frente se agachem.

Que cuidados devemos ter com a disposição dos elementos quando pretende-
mos realizar uma fotograa de um grande grupo de pessoas em espaço aberto?
Embora a disposição das pessoas deva ser a mesma que num ambiente fechado,
devemos aproveitar declives, cercas ou qualquer coisa sobre a qual possa reunir
as suas personagens.

Que cuidados devemos ter com a iluminação quando pretendemos realizar uma
fotograa de um grande grupo de pessoas num ambiente fechado?
Certique-se de que a luz esteja a incidir igualmente sobre todos e que as pes-
soas posicionadas à frente não provoquem sombras nas que estão atrás.

Que cuidados devemos ter com a iluminação quando pretendemos realizar uma
fotograa de um grande grupo de pessoas em espaço aberto?
Tenha cuidado com o ângulo do Sol e com a maneira como as sombras estão a
bater.

Qual é o tipo de comportamento a adoptar com as personagens para tornar


mais cativante a própria fotograa?
Brinque com a personagens enquanto está a fotografar. Faça-as rir. Peça para
contarem piadas e aproveite os momentos nais da cena para fotografar. Não es-
pere que quem todos em posição na altura dos retratos de grupo. Os momentos
imediatamente antes e depois geralmente rendem fotograas cativantes.

Grandes Grupos

Que tipo de cuidado devemos ter de modo a evitar que os olhos dos elementos
do grupo apareçam fechados?
Cuidado com as piscadelas de olhos. Deverá fazer várias fotos para que em pelo
menos uma todos estejam com os olhos abertos.

Que tipo de atenção devemos ter relativamente à obtenção de um centro de


interesse neste tipo de fotograa?
É bom ter um centro de interesse, mesmo em fotos de grupos numeros. Centre
a atenção sobre o troféu da equipa infantil ou o melhor jogador, sobre o avô e
a avó, ou sobre o presidente da empresa. Eles não precisam de ocupar o centro
da foto, mas devem estar inteiramente visíveis e ser alvo de atenção das outras
pessoas na fotograa.

1.2.5 Instantâneos

Qual é o tipo de comportamento mais aconselhado a um fotógrafo na realização


de um retrato instantâneo de modo a expressar o espírito da pessoa retratada e
o seu mundo?
Neste tipo de retrato, o fotógrafo deve aguardar sem intervir, pelo momento
14 CAPÍTULO 1. APRENDENDO A OBSERVAR

mais propício para registar o personalidade de um indíviduo ou as relações den-


tro de um grupo. Comportamentos e situações devem ser captados no momento
em que ocorrem pois só assim expressarão melhor o espírito da pessoa retratada
e o seu mundo.

O Que Você Quer Registar

Qual é o melhor comportamento a adoptar para com as pessoas a fotografar?


Se as pessoas o notarem, sorria e seja simpático. Diga-lhes o que está a fazer.
Se estiver concentrado numa determinada pessoa ou grupo, peça permissão.

1.3 Fotografando a Família


As fotos de família não são apenas as que mais temos, mas também as que trata-
mos com mais carinho. Fazer fotos de família é a melhor maneira de praticar
as técnicas de pose e instantâneos. Você já conhece as personagens e, o mais
importante, elas conhecem-no, conam em si e estarão mais dispostas do que a
maioria das outras pessoas a serem pacientes durante os testes de luz e objecti-
vas. Tal experiência colocá-lo-á em vantagem quando for tirar fotos de outras
pessoas.

1.3.1 Fotografando Crianças


Dada a sua expontaniedade e mudança instantânea de expressão, que aspectos
devemos ter em conta quando fotografamos crianças?
Esteja sempre com a sua câmara carregada e à mão. Nunca se sabe quando
uma criança fará alguma coisa que você não pode deixar de fotografar.

O Momento da Foto

Qual é a importância do envolvimento do fotógrafo com as crianças para que as


mesmas se abstraiam da sua presença?
Envolva-se nas actividades dos seus lhos. Jogue à bola, conte histórias, para
que se habituem a si e descontraiam. Deixe que espreitem pelo visor da câmara,
mas cuidado com os dedos sujos nas lentes. Rapidamente a curiosidade passará
e as crianças retomarão o que estavam a fazer.

Quais são as posições mais indicadas para fotografar crianças?


Procure car à mesma altura das crianças. Ficar muito tempo ajoelhado ou
deitado de barriga no chão é a única maneira de realmente vêr as expressões
nos seus rostos e também ter uma ideia do mundo do ponto de vista delas.

1.3.2 Aniversários
Quais são os principais aspectos que devemos ter em atenção ao fotografar
aniversários de crianças ou em que estas estejam presentes?
As fotos padrão são aquelas que todos nós gostamos: o assoprar das velas,
abrir presentes, uma carinha besuntada com cobertura de chocolate. Esteja
preparado. Quando o momento chegar, dispare.
1.4. OS FOTÓGRAFOS CONTAM AS SUAS EXPERIÊNCIAS 15

1.3.3 Formatura
Quais são os principais aspectos que devemos ter atenção ao fotografar format-
uras?
Assim como nos aniversários, você vai procurar as fotograas padrão: neste
caso, o formando a receber o seu diploma, as turmas a atirar os chapéus ao ar,
etc. Essas fotograas captam a essência da ocasião. Mas procure também out-
ros momentos: a sua lhas abraçando a melhor amiga, a expressão de orgulho
no rosta da mãe. O uniforme preto dos formandos talvez engane o fotómetro.
Faça a leitura tendo por base um rosto ou um cartão cinzento.

1.3.4 Casamentos
Quais são os principais aspectos que devemos ter atenção ao fotografar casa-
mentos?
O casamento é provavelmente o evento mais fotografado da nossa vida, por isso
prepare-se para tirar muitas fotograas. Como os casamentos acontecem de uma
forma previsível, é melhor aborda-los como uma história em imagens. Comece
pelos bastidores que antecedem o casamento: a noiva a ser penteada, as damas
de honor a arranjarem-se. O noivo andando nervosamente, a noiva a olhar por
uma janela. O vestido branco pode enganar o fotómetro, assim como o traje
escuro do noivo. Peça permissão antes de fotografar dentro da igreja. Faça uma
foto da noiva a entrar e então dirija-se por trás até um dos lados do altar para
acompanhar a cerimónia. Nos bastidores do casamento, os melhores amigos e
os parentes estarão com os noivos, oferecendo bons instantâneos.

1.4 Os Fotógrafos Contam as Suas Experiências


1.4.1 Conselhos de Jodi Cobb
1. Fotografe o que lhe interessa, algo pelo qual você seja apaixonado. Per-
gunte a si mesmo o que pensa e sente em relação ao tema e porque razão
está a fotografar.

2. Recorte as fotos intrigantes que encontrar nas revistas. Pergunte a si


mesmo porque determinadas fotos o atraem.

3. Ao meio dia, fotografe de cima para baixo, de um lugar alto. Sob luz forte,
fotografe à sombra ou em ambiente fechado. Quando sombras pesadas se
abatem sobre o tema, use um pouco o ash.
16 CAPÍTULO 1. APRENDENDO A OBSERVAR
Capítulo 2

Composição da Imagem

2.1 Conceitos Básicos


2.1.1 Composição

A Regra dos Terços

O que é a regra dos terços?


A regra dos terços é uma técnica tradicional utilizada por pintores ao longo dos
séculos com o objectivo de descentrar a posição do motivo e com isso criar uma
foto harmoniosa.

Como funciona a regra dos terços?


Para seguir a regra dos terços, imagine o visor da sua câmara dividido com uma
grelha de linhas verticais e horizontais tal como no jogo do galo. Assim que
observar a cena, coloque o motivo num dos pontos de intersecção. Esta técnica
funciona bem com enquadramento vertical ou horizontal.

Céus Cinematográcos

Como devem ser representados os céus cinematográcos nas fotograas?


Dê mais efeito dramático a um céu grandioso, colocando o horizonte na parte
inferior do quadro, alinhando com a linha inferior da grelha imaginária. Se o
céu for monótono, porém importante para a mensagem da fotograa, coloque-o
na linha superior.

Motivos em Primeiro Plano e em Movimento

O que diferencia o procedimento fotográco quando fotografamos um motivo


em primeiro plano em relação a um motivo em movimento?
Num retrato em close-up, por exemplo, coloque o elemento mais importante
num dos pontos de intersecção superior das linhas, para evitar muito espaço
vazio acima do motivo. No caso dos temas em movimento, deixe espaço diante
do motivo para que ele entre na cena. Se for um motivo animado em repouso,
um animal ou uma pessoa, deixe um espaço para ele olhar, caso ele não esteja
a olhar para a câmara.

17
18 CAPÍTULO 2. COMPOSIÇÃO DA IMAGEM

Da Esquerda Para a Direita

Geralmente, em que local da fotograa deve ser colocado o motivo principal?


É adequado deixar o motivo principal na parte esquerda do quadro.

Motivo Muito Grande e Em Movimento

Que tipo de cuidado devemos de tomar de modo a dar mais harmonia neste tipo
de fotos?
Um motivo em movimento, refere-se ao movimento de um fotógrafo que desse
modo obtém variações no enquadramento do motivo que por sua vez está imóvel.
Devemos procurar obter uma imagem equilibrada, quer vertical quer horizon-
talmente. Todos os elementos da cena devem ocupar um bom espaço sem que
nenhum prevaleça.

Composição Descentrada

Qual é o procedimento correcto no caso de estarmos perante um ponto de in-


teresse pequeno, e querermos realizar uma composição descentrada baseada na
regra dos terços?
Em qualquer composição descentrada e com um ponto de interesse pequeno,
haverá sempre um pouco de espaço vazio no quadro. Nesse caso, componha
a imagem de forma a que haja um motivo secundário, talvez mais distante,
que crie uma imagem mais satisfatória. Deixe o espaço vazio ocupar a imagem
apenas se quiser enfatizar a ideia do isolamento.

Elementos Enquadramento Em Primeiro Plano

Em que tipos de fotograa se torna vantajoso utilizar elementos de enquadra-


mento?
Muitas vezes, em fotograas de paisagem e arquitectura, o uso de um elemento
que enquadra a imagem pode ser muito útil, valorizando o assunto.

Elementos de Enquadramento Nítidos ou Desfocados

De que forma deve ser apresentado o elemento de enquadramento?


O uso de elementos de enquadramento tem como principal objectivo destacar
o tema. O elemento de enquadramento deve ser apresentado bem nítido ou
totalmente desfocado. Para fotograas de arquitectura, é melhor manter tudo
focado. No caso de um elemento natural, como folhagem, talvez seja melhor
desfoca-lo totalmente, criando uma núvem suave de cor.

Escolha o Objecto de Enquadramento Adequado

Que tipo de regras deve cumprir o elemento de enquadramento?


O objecto de enquadramento não deve ser tão grande, surpreendente ou colorido
a ponto de desviar a atenção do verdadeiro centro de interesse da foto.

Moldura na Base da Foto

Qual é a posição indicada numa fotograa para a colocação de objectos de


enquadramento?
2.2. PAISAGENS 19

Um objecto de enquadramento perto da linha inferior de uma foto também pode


ser útil para preencher grandes espaços vazios, como um relvado. Certique-se
de que esses elementos se harmonizam com o motivo principal.

Linha Guia

Como se deve comportar um fotógrafo perante a presença de um linha guia?


Ao fotografar paisagens ou outras cenas panorâmicas, tente achar um elemento
do motivo que conduza o olhar do observador ao percorrer a imagem para o
assunto principal, seja da esquerda para a direita, seja de baixo para cima.
Pode ser uma estrada que vai diminuindo em direcção a uma montanha, placas
de gelo na água conduzindo a um glaciar, a graciosa curva em S de um rio
descendo pela montanha ou uma leira de barcos em diferentes distâncias a
partir de uma aldeia.

2.1.2 Outras Técnicas de Composição

Dena Bem o Ponto de Interesse

Qual deve ser o comportamento de um fotógrafo relativamente ao encontro de


um ponto de interesse?
Evite que o olho do observador se perca pela imagem à procura de algo para
observar. Inclua sempre na composição um motivo que ofereça um ponto de
interesse.

Apresente Uma Mensagem Clara

Que tipo de comportamento deve ter um fotógrafo relativamente à procura de


elementos artísticos para uma fotograa?
Tenha em conta componentes artísticos quando estiver a planear a sua foto
dentro de uma paisagem vasta. Procure o ritmo de elementos repetitivos, ou
uma diagonal dinâmica, contrastes de cor, textura ou forma.

Crie Profundidade

Quais são algumas das técnicas úteis à criação de profundidade numa fotograa?
Use uma objectiva grande-angular e enquadre o motivo com o primeiro plano,
com o intermédio e com o fundo, para dar uma sensação tridimensional à im-
agem, que naturalmente é bidimensional.

2.2 Paisagens
As paisagens são, depois das pesssoas, os nossos temas preferidos. O desao
está em como captar esse sentimento, como transportar isso para um minúsculo
pedaço de lme. É necessário muita paciência, reexão e esforço físico. Muitas
vezes, ao regressarmos de uma viagem, as nossas fotos de paisagem parecem
insípidas e frustrantes. Todos os elementos que nos fascinaram estão presentes,
mas a foto não nos encanta como quando estávamos diante da cena. Geralmente
isso acontece devido à falta de um elemento ou tema central. Quando olhamos
para uma foto, os nossos olhos pedem por algo que chame a atenção.
20 CAPÍTULO 2. COMPOSIÇÃO DA IMAGEM

2.2.1 O Que Fotografar?

Qual é a primeira coisa em que devemos pensar quando estamos prestes a fo-
tografar uma paisagem?
Fazer grandes fotos é, antes de tudo, um processo mental. Para começar, pense
na natureza do lugar, aquilo que lhe chamou a atenção e lhe fez sentir que valia
a pena fotografar. Depois disso, pense nas maneiras como irá fotografá-lo: a
escolha das lentes, a hora do dia, os elementos da composição, tudo o que irá
destacar a imagem. Pense nos adjectivos que usaria para descrever o lugar a
um amigo.

2.2.2 Volte Sempre

Qual é a vantagem e principal razão de voltar ao local da cena em diferentes


períodos do dia, ou até mesmo em diferentes estações do ano?
Se tiver tempo, procure voltar ao local da cena em diferentes períodos do dia,
ou até mesmo em diferentes estações, para vêr como a mudança de luz o afecta.

Diferentes Situações de Luz e Sombra

Qual é a melhor altura do dia para fotografar paisagens?


A luz do amanhecer ou do m de tarde são geralmente melhores para as pais-
agens, pois o Sol baixo possui tons mais quentes e formas mais longas, que dão
profundidade e contorno à cena.

Quais são as vantagens de fotografarmos em dias nublados?


Dias nublados podem ser bons para fotografar cenas em que a cor é importante,
como no caso de folhas de Outono ou pradarias verde-esmeralda, por causa do
aumento de saturação a cor. E não se deixe desanimar por céus carregados.
Eles podem acrescentar um tom dramático e, se tiver paciência, talvez depare
com deslumbrantes raios de Sol irrompendo pelo meio das nuvens.

2.2.3 Equipamento

Câmaras de Grande Formato

Quais são as principais vantagens das câmaras fotográcas de grande formato


quando usadas para fotografar paisagens?
Para fotografar paisagens, as câmaras de grande formato são melhores, porque
delas se pode obter uma profundiadde de campo quase innita. Também o
tamanho do lme oferece elementos extremamente minuciosos.

Grandes Angulares

Quais são as vantagens que advêm do uso de grandes angulares e teleobjectivas


na fotograa de paisagens?
A grande angular é indicada para grandes paisagens com muitos elementos de
interesse. Além disso, ao fotografar de uma posição mais elevada, é possível
denir vários níveis na paisagem. A teleobjectiva, ao contrário, serve para captar
elementos de panoramas que estão longe do alcance dos olhos, destacando algum
elemento de interesse.
2.3. CONDIÇÕES CLIMÁTICAS 21

2.2.4 Procure Por Detalhes e Padrões


Qual é a importância dos pormenores na fotograa de paisagens?
Um pormenor pode ser mais signicativo que o todo. Uma simples rocha esculp-
ida pelo tempo, por exemplo, pode transmitir mais o sentimento de um lugar
do que uma foto do vale todo.

Que tipo de jogo é aconselhável fazer com as objectivas de que disposmos


no objectivo de transmitir mais interesse à fotograa?
Antes de fotografar uma paisagem, olhe para ela através de diversas lentes para
ver qual serve melhor.

Cascatas e Rios

Que conselhos devemos seguir para obtermos boas fotos quando fotografamos
cascatas e rios?
Se o seu interesse é fotografar cascatas e rios, é necessário seguir alguns conselhos
para fotografar bem o movimento da água. Nas fotos de cascatas e rios, o
movimento da água pode ser o motivo ou o elemento principal nas composições.
Para mostrar os salpicos da água no nal de uma cascata, use uma velocidade
rápida de obturação, congelando-os em pleno ar. Se quiser mostrar o uxo de
água numa cascata ou num rio, utilize uma velocidade lenta de obturação, por
volta de 18.

Florestas

Em que casos devemos optar por teleobjectivas ou grandes angulares quando


fotografamos orestas?
As orestas possuem duas almas: uma extrena, compacta e luminosa, e outra
interna, obscura e composta de muitos detalhes. Uma grande angular consegue
enquadrar a simetria compacta dos troncos, desde a base até ao alto, enquanto
que uma teleobjectiva permite que se concentre nos detalhes.

Praias

Que conselhos devemos seguir quando queremos fotografar praias?


Cada praia tem as suas características, que podem mudar de acordo com as
condições atmosféricas. Pense na praia que vai fotografar em concreto e veja o
que pode fazer para realçar o aspecto dela. O que acha interessante?

2.3 Condições Climáticas


O mau tempo pode contribuir para transmitir estados de espírito diferentes,
transmitindo mais expressão e intensidade à imagem.

2.3.1 Chuva
Que cuidados devemos ter com a câmara fotográca quando queremos fotogra-
far à chuva?
Se fotografar à chuva, procure um local protegido. Use um guarda-chuva ou
embrulhe de alguma maneira a sua câmara num saco plástico transparente,
22 CAPÍTULO 2. COMPOSIÇÃO DA IMAGEM

deixando apenas uma abertura para a lente.

De que maneira podemos congelar as gotas de chuva em pleno ar?


Para congelar gotas de chuva em pleno ar, use uma velocidade de 1/125 ou
maior. A 1/60, a chuva aparecerá como riscos, que se tornam mais compridos
quanto menor for a velocidade.

2.3.2 Neve

Que cuidados devemos ter com a iluminação quando fotografamos na neve?


A neve e o gelo, assim como as praias arenosoas, são enganadoras. O branco
brilhante faz com que o fotómetro dê uma exposição insuciente. Se estiver a
fotografar a neve, para manter o seu branco natural, deve evitar subexposições
e sombras, pois resultam em tons azulados na imagem. A maneira mais fácil de
compensar é fazer uma leitura de um cartão cinzento. Certique-se de que essa
referência está na mesma luz que o motivo.

Exposição

Caso uma câmara fotográca não disponha de um dispositivo de compensação


de exposição para um aumento automático, de que modo podemos enganar o
fotómetro?
Se for fazer várias fotos do mesmo cenário e já determinou quanto o seu fotómetro
está a dar de subleitura, caso uma câmara fotográca não disponha de um
dispositivo de compensação de exposição para um aumento automático, pode
mudar o índice ISO para enganar o fotómetro. Por exemplo, digamos que o
seu fotómetro esteja a lêr f/16 em 1/250 para um lme de ISO 200. Com um
cartão cinzento você obtém uma leitura de f/11 em 1/250. Mude simplesmente
o índdice ISO para 100, de modo a compensar a diferença do diafragma.

Que cuidados devemos ter com a câmara fotográca em condições muito frias?
Em condições muito frias, procure manter a câmara razoavelmente aquecida
para que as baterias funcionem com ecácia. Por exemplo, deixe-a dentro do
casaco, tire-a somente para fazer as fotos, e então guarde-a de novo. Cuidado
com a condensação em dias muito frios.

2.3.3 Neblina e Névoa

Da mesma forma como se fazem fotos de neve, é necessário medir a luminosidade


com atenção para evitar imagens subexpostas. Se a neblina for muito espessa,
proteja a câmara com um saco de plástico transparente. Tenha muito cuidado
com a concentração de humidade na lente.

2.3.4 Céus Tempestuosos

Que conselhos devemos seguir ao fotografar céus tempestuosos?


Um céu cinzento precisa de elementos que dêem um certo contraste à uniformi-
dade cromática, assim como de um objecto que dena a linha de separação entre
o céu e a terra.
2.4. OS FOTÓGRAFOS CONTAM AS SUAS EXPERIÊNCIAS 23

2.4 Os Fotógrafos Contam as Suas Experiências


2.4.1 Dicas de Sam Abell
Realize algo importante. Reicta sobre assumir um projecto de vida.
24 CAPÍTULO 2. COMPOSIÇÃO DA IMAGEM
Capítulo 3

A Câmara Fotográca

3.1 Conceitos Básicos


3.1.1 Camaras Fotográcas

APS - Sistema Avançado de Fotograa

Quais são as principais vantagens e desvantagens dos lmes APS relativamente


aos lmes de 35mm?
No que diz respeito ao lme APS, as câmaras que são construídas para este tipo
de lme, são em geral mais compactas e a introdução do lme é practicamente
à prova de erro humano. Neste sistema, o laboratório entrega o índice de fo-
tos numeradas, facilitando a escolha das que deseja copiar. Após a revelação
das fotograas, o negativo APS permanece dentro da cassete para ser guardado
e protegido. Enquanto o APS é muito conveniente para câmaras automáticas
(point and shot), a maioria dos fotógrafos prossionais continua el ao formato
SLR 35mm, devido ao maior tamanho de imagem, diversidade de lmes e mod-
elos de máquinas disponíveis. No que diz respeito à qualidade de imagem, o
negativo de 35mm oferece melhores resultados especialmente nas ampliações
acima de 20 por 25cm.

3.1.2 Tipos Básicos de Câmaras

Câmaras Compactas de Obturador na Objectiva

De que forma se visualiza o motivo fotográco nas câmaras de bolso?


Nas câmaras de bolso, também chamadas em inglês de point and shoot, a cena
é vista por um visor e não através da objectiva como nas câmaras reex. Deste
modo o enquadramento não é perfeito, porque o que se vê pelo visor não é ex-
actamente o que a objectiva capta. Elas também não aceitam outras objectivas
ou acessórios, o que limita o seu uso. Decididamente, estas câmaras não se
destinam à fotograa prossional.

Câmaras Reex

Quais são as principais caracterísitcas das câmaras reex?


Esta abreviatura do inglês, Single Lens Reex (Reexo por Objectiva Única)

25
26 CAPÍTULO 3. A CÂMARA FOTOGRÁFICA

siginica que a câmaras visualiza e fotografa através da mesma objectiva. As


câmaras reex variam de modelos básicos (totalmente manuais) até aos muito
avançados, com automação inteligente, que permitem mesmo ao principiante
tirar fotograas tecnicamente boas. Estas câmaras posuem elevada disponibili-
dade de objectivas e acessórios.

A Câmara com Telémetro Incorporado

Quais são as principais caracterísiticas das câmaras com telémetro incorporado?


Estas câmaras são caracterizadas pela existência no seu interior de um telémetro
que é responsável pela focagem da imagem a fotografar. Estas câmaras possi-
bilitam o uso de teleobjectivas com valor máximo de 135mm. Graças a um
sistema sosticado, o que se vê pelo visor corresponde exactamente à imagem
que será captada pelo lme.

Comparação Entre um Câmara Reex e uma Câmara com Telémetro


Incorporado

Quais são os prós e os contras destes dois tipos de câmaras?


Muitas das objectivas usadas nas câmaras reex, e muitas câmaras reex per-
mitem controlar previamente a profundidade de campo. O mesmo já não se
passa com uma câmara com telémetro incorporado. Enquanto que numa câ-
mara reex se pode ver exactamente o que está enquadrado, nas câmaras com
telémetro, utilizando o botão ver enquadramento é possível vericar o corte
exacto do quadro. Para motivos com um distância inferior a 20m, esta operação
pode tornar-se desastrosa, uma vez que o que se vê pelo visor não é exactamente
o que a objectiva capta.

3.1.3 Camaras Fotográcas Grandes


Câmaras de Médio Formato

Em que casos são utilizadas as câmaras de médio formato?


As câmaras de médio formato são utilizadas geralmente em fotograas de moda,
retratos e objectos de arte. Graças ao formato do lme, as imagens saem mais
nítidas e detalhadas.

Câmaras de Estúdio - Chapas

Em que casos são utilizadas as câmaras de estúdio?


As câmaras que usam chapas de grande formato são aparelhos altamente
prossionais, utilizados principalmente em fotos de arquitectura e publicidade.
O uso de chapas de grande formato oferece resultados com grande nitidez e
detalhe.

Câmaras Panorâmicas

Qual é a principal utilização das câmaras panorâmicas?


Embora não sejam as principais, existem câmaras de 35 mm e de médio for-
mato (e mesmo algumas de grande formato) capazes de reproduzir uma imagem
panorâmica. Geralmente, usam uma longa ta de lme para reproduzir uma
imagem ampla, que regista 140º de uma cena (ou mais, ou menos).
3.2. MOVIMENTO  CONGELAR E USAR 27

Foco Manual Vs Autofoco

Quais são as principais características do sistema autofoco nas câmaras reex?


A maioria das câmaras compactas e reex de 35mm actualmente no mercado
tem o autofoco, ou AF, incorporado. Uma câmara reex, diferentemente das
compactas, permite mudar para foco manual em situações críticas. Ainda as-
sim, pode aproveitar o sinal de conrmação que se acende no visor quando o
motivo entra em focagem. E mesmo com o AF, ainda pode controlar precisa-
mente o ponto de focagem. Practicamente todos os modelos actuais de autofoco
também possuem autofoco contínuo, com capacidade de acompanhar e focar ao
mesmo tempo um motivo em movimento, produzindo uma série de fotos nítidas,
conhecido como o sistema de tracking focus.

Como Escolher Uma Câmara Fotográca

Quais são os factores que devemos ter em atenção quando queremos escolher
uma câmara fotográca?
É difícil escolher uma reex de 35 mm entre as diversas marcas que existem ac-
tualmente no mercado. Alguns fotógrafos preferem os modelos computadoriza-
dos com recursos de alta tecnologia, além de oferecerem o modo manual para
todas as funções. Outros modelos insistem em sistemas totalmente manuais
e mesmo inteiramente mecânicos, que funcionam mesmo sem bateria. O seg-
redo da compra certa é pesquisar. Concentre-se em três ou quatro modelos
que possuam os recursos que deseja, a um preço que possa pagar. De seguida
avalie a facilidade de manuseamento, a lógica da disposição dos comandos e a
simplicidade de operação. Um teste drive é essencial.

3.2 Movimento  Congelar e Usar


As fotos de acção são das mais excitantes e dinâmicas de fazer, mas fotografar
acção pode exigir mais atenção e habilidade. A primeira coisa a pensar é como
quer representar a acção.

3.2.1 Congelando a Acção

Como é que a velocidade usada para fotografar depende do tema e do ângulo


em relação a ele?
O mais importante para congelar a acção é uma velocidade alta, embora esta
dependa do tema e do ângulo em relação a ele. Uma pessoa a correr não requer
uma velocidade tão rápida quando um carro muito veloz, e o mesmo carro não
precisa de uma velocidade tão alta se vier na sua direcção (ou na direcção oposta)
quanto a velocidade requerida quando está em ângulo recto em relação ao seu
percurso. A escolha das lentes também é importante. O motivo mover-se-á
menos no enquadramento de uma grande-angular do que numa teleobjectiva,
portanto, pode usar uma velocidade menor.

O Tempo de Exposição

De que forma é possível focar temas em velocidade?


Em muitos casos, irá querer usar uma velocidade mais alta. Mas pense também
28 CAPÍTULO 3. A CÂMARA FOTOGRÁFICA

na profundidade de campo. Talvez seja bom encontrar uma combinação de


velocidade e abertura que congele a acção e permita alguma margem de focagem.
Se não conseguir a combinação que precisa, por não haver luz suciente, mude
para um lme mais rápido ou mude de posição para que o tema se aproxime de
si, e um determinado ângulo para que possa ser congelado com uma velocidade
de obturação um pouco mais baixa.

Movimento e Foco

Que conselhos devemos seguir para aumentarmos a probabilidade de focagem


quando fotografamos motivos em movimento?
A melhor maneira de ter uma certeza razoável da focagem nessa situação é achar
um ponto pelo qual o tema passará e fazer os acertos de antemão. Coloque a
câmara em focagem automática e aguarde que o tema entre no enquadramento.
Algumas câmaras com focagem automática não reagem rapidamente a motivos
em alta velocidade. Portanto talvez tenha de desactivar esse recurso. Há ainda
câmaras que possuem armadilhas na focagem, ou seja, disparam assim que
algo surge num plano de focagem predenido. Ajuste previamente também a
exposição, para que não tenha de esperar que o fotómetro responda ao novo
elemento que entrou no seu campo. Pode fazê-lo manualmente ou, no modo
automático, apertando levemente o botão de disparo para accionar o fotómetro
e mantê-lo activado até que dispare. Congelar a acção com um ash funciona
bem em situações sombrias ou escuras, mas lembre-se que a sua câmara tem um
sincronismo máximo de velocidade, normalmente entre 1/60 e 1/250 de segundo.

3.2.2 Aproveitar o Movimento


Pode usar o movimento para criar fotos dinâmicas, fazendo um panning com o
seu motivo ou deixando-o tremido. No primeiro caso, procure deixar o motivo
(ou boa parte dele) nítido e o fundo tremido. No segundo, deixe que o movimento
do motivo crie o efeito tremido com a câmara parada.

Panning

Em que consiste a técnica de paning?


A ideia do panning é movimentar a câmara acompanhando o movimento do
motivo para que a imagem resultante capte um tema nítido contra um fundo
sem nitidez. É mais fácil ser feito em situações de pouca luz. A velocidade
de exposição depende da velocidade do motivo e da distância ao mesmo. A
velocidade entre 1/4 e 1/30 de segundo é um bom campo para o panning.
Ajuste a velocidade e a abertura para a exposição correcta. Enquadre a imagem,
focando algo próximo onde o seu motivo estará.

Fotos Tremidas

De que modo podemos obter fotos tremidas ao fotografar um motivo que se


encontre em movimento?
O próprio movimento é o tema nas fotos tremidas. O objecto que fotografa
torna-se um borrão impressionista cando por vezes irreconhecível. As fotos
tremidas são conseguidas com velocidades baixas, que por sua vez dependem da
rapidez com que o objecto se está a mover. Normalmente usa-se 1/8 ou menos.
3.3. ANIMAIS 29

Fotos Tremidas Com o Flash

Em que casos devemos usar o ash quando queremos obter fotos dinâmicas ao
fotografar motivos em movimento?
Pode criar fotos dinâmicas combinando o panning ou o efeito tremido com
um ash. Nesse caso, estará a seguir o tema ou a segurar a câmara parada,
usando uma velocidade baixa para criar movimento e congelar o tema com um
ash. Geralmente isso funciona melhor em situações de pouca luz, com uma
velocidade de 1/15 ou mais baixa, dependendo do quão tremido desejar. Meça
a luz da cena como faria normalmente. Ajuste a velocidade em 1/15 (ou menos,
se desejar mais tremido) e seleccione a abertura do diafragma apropriada. Pode
subexpor um pouco para que o tema se destaque ainda mais.

3.3 Animais
Que conselhos, de uma forma geral, devemos seguir para fotografar animais?
Fotografar animais, seja o seu cão de estimação ou um leão na natureza, exige
tempo, paciência e sensibilidade. Pense na maneira de ser dos animais e procure
passar isso para o lme. É preciso esperar e aprender a prever o comportamento
deles.

3.3.1 Animais de Estimação


Que posição deve o fotógrafo adoptar quando pretende fotografar animais de
estimação?
As melhores fotograas de animais de estimação são feitas ao seu nível, o que
geralmente signica deitar-se no chão. Essa é a única maneira de captar as suas
expressões e de transmitir a sua visão do nosso mundo. Aproxime-se.

3.3.2 Jardins e Parques


Os jardins ocultam uma grande quantidade de temas para se observar e fotogra-
far. A macro fotograa dá-nos a possibilidade de vêr o mundo dos insectos e
das plantas como se estivessemos a observá-los com uma lente de aumento. De
certo que realizará fotos de grande efeito.

Quando e Como Tirar Fotos

Que conselhos devemos seguir quando pretendemos fotografar animais em jardins


ou parques?
Os pequenos animais selvagens comportam-se como os seus parentes maiores.
Suspeitam de outros animais, algumas vezes são tímidos e não gostam de ser
perturbados. Trabalhe de modo a que os animais notem a sua presença minima-
mente. Procure um bom abrigo e não faça barulho. Vai vêr que com paciência
conseguirá realizar óptimas imagens. Tire muitas fotograas de modo que de-
pois consiga ter material suciente para seleccionar as melhores imagens.

De Longe e de Perto

Qual é a velocidade de obturação e sensibilidade do lme que devemos usar


quando queremos fotografar animais em jardins e parques?
30 CAPÍTULO 3. A CÂMARA FOTOGRÁFICA

Como os animais são normalmente assustadiços, e caso não esteja a fotografar


em plena luz do Sol, é aconselhável utilizar uma velocidade alta e talvez um
lme ISO bastante rápido.

3.3.3 Parques e Reservas Naturais

Quais são as principais fontes de informação sobre parques naturais e os respec-


tivos animais que neles habitam?
Muitos parques dispõem de mostruários e folhetos sobre a fauna e a ora,
fornecendo boas dicas. Há também postais e livros que dão uma noção do
que procurar. Os guardas orestais costumam saber o paradeiro e o habitat dos
diversos animais. Pergunte-lhes onde é mais provável encontrar um determinado
animal e se são acessíveis. Nas áreas mais remotas, os animais geralmente são
extremamente ariscos.

Quais são as partes do dia mais propícias para fotografar animais em parques
ou reservas naturais?
O início da manhã e o nal da tarde costumam ser melhores para fotografar,
pois os animais procuram água ou comida.

Quais são as maneiras existentes de se fazer fotograas da vida selvagem?


Há duas maneiras básicas de fazer fotograas da vida selvagem: de um escon-
derijo ou por aproximação furtiva. A ideia é ser o mais discreto possível. Use
roupas que não chamem à atenção. Se a sua pele for clara, cubra as pernas e
os braços. Não use perfume, after-shave ou desodorizante. Os animais têm o
olfacto muito apurado.

Esconderijos

Que cuidados devemos ter quando usamos esconderijos para fotografar animais
em parques ou reservas naturais?
Se tiver de trabalhar atrás de uma cortina protectora ou esconderijo, certique-
se de montá-los a uma distância razoável de uma nascente, cova ou qualquer que
seja o lugar a ser fotografado. É bom car o mais próximo possível, mas não o
bastante para afugentar o seu motivo. Entre no esconderijo de forma a que os
animais não o vejam entrar. Essa técnica funciona bem no caso de lagoas ou de
pequenas estradas na oresta por onde os animais passam em alguns momentos
do dia. Muitos fotógrafos montam um esconderijo bem distante e deixam-no
lá por alguns dias. Depois levam-no para perto por mais alguns dias, e assim
por adiante, até chegar ao ponto desejado. Isso dá tempo a que os animais se
acostumem com o novo elemento da paisagem. Mesmo que consiga montar logo
o esconderijo no lugar que quer, é bom deixá-lo desocupado por um dia. Muitas
fotograas de vida selvagem acontecem por acaso, e é bom estar preparado.
usando o carro como esconderijo, mova-se lentamente até perto do animal. Use
um colete dobrado para apoiar a teleobjectiva na janela. Não tenha pressa.

Aproximação Furtiva

Que cuidados devemos ter quando nos aproximamos furtivamente para fotogra-
far animais em parques e reservas naturais?
3.3. ANIMAIS 31

Se encontrar um animal no caminho, pare imediatamente. Se ele não o tiver


visto, pode-se deslocar lentamente até uma posição melhor. Se o animal o viu,
que imóvel até que ele relaxe. Se ele não tiver corrido no momento em que o
viu, a probabilidade é de que não o faça, a não ser que o assuste. Não o en-
care. O contacto visual é uma ameaça. Espere até que ele desvie o olhar, então
pegue na câmara e tire a fotograa. Se ele ainda lá estiver, procure baixar-se
lentamente para fazer mais fotos - você ca menos ameaçador se não parecer
muito grande. Se ele tolerar a sua presença, que algum tempo para conseguir
fotos comportamentais. Ao aproximar-se de uma área onde acha que o seu tema
pode estar, pare frequentemente para escutar e olhar em seu redor. Os animais
geralmente revelam a sua presença com vocalizações e os ruídos que fazer ao
mover-se. Caminhe o mais vagarosa e silenciosamente possível - lembre-se de
que eles também estão a observar e a escutar. Você é um caçador com uma
câmara, e o objectivo é chegar ao alcance do seu tema sem o conhecimento dele.

3.3.4 No Safari

Que tipo de informação devemos saber quando preparamos um safari?


Antes de fazer um safari, leia acerca dos animais. Isso vai ajudá-lo a aprender
onde procurar animais especícos, bem como os tipos de comportamento que
pode fotografar.

O Que Levar

Que equipamento fotográco é aconselhável levar para um safari?


Se for viajar para África ou para outro lugar famoso pela sua vida selvagem,
leve muitos lmes - certamente irá fotografar mais do que planeava, e nada pior
do que estar diante de uma óptima cena e car sem rolo. Leve lmes de várias
velocidades: ISO médio para a maioria das situações, lmes rápidos para fotos
ao anoitecer e na aurora para trabalhar na mata e com pássaros. Se tiver uma
câmara extra, leve-a, pois se a sua câmara se partir, pode ser difícil consertá-la.
Leve diversas objectivas - os animais, na maioria dos parques, estão acostumados
aos carros e é possível aproximar-se deles sem perturbá-los. Na maoria dos casos,
pode fazer retratos de enquadramentos fechados com uma 300mm. Porém, se
estiver a trabalhar com animais ariscos ou com pássaros, será preciso algo mais
longo. Uma lente de 600mm é óptima para essas situações, mas é grande e talvez
demasiado pesada. Se acha que precisa de um alcance maior, mas não deseja
investir numa teleobjectiva, pode tentar um teleconversor. Um que amplie 2x
numa 300mm dará um resultado de uma lente de 600mm. Leve uma grande
angular para fotograas de família no safari.

Quando Estiver Lá

Quais são as partes do dia mais propícias para fotografar animais num safari?
Levante-se antes de o Sol nascer. O início da manhã e o nal da tarde propor-
cionam a melhor luz e também são os períodos em que os animais estão mais
activos. O amanhecer é particularmente favorável - todos os animais estão brin-
calhões e as hienas, os leões e outros caçadores nocturnos podem ainda estar
com as suas presas. A tendência é haver pouca actividade a meio do dia: os
herbívoros cam a ruminar e os predaddores a dormir. No nal da tarde, as
32 CAPÍTULO 3. A CÂMARA FOTOGRÁFICA

coisas agitam-se novamente, é aconselhável car depois do pôr do sol.

Que conselhos devemos seguir quando queremos aproximar-mo-nos de um ani-


mal?
Se estiver num safari a pé, veja a secção anterior, sobre parques, para dicas sobre
como se aproximar sem perturbar os animais. Lembre-se que é mais provável
que haja animais perigosos escondidos nos bosques de África do que no par-
que da sua cidade. Nunca aborde o seu motivo de frente pois pode assustá-lo.
Em vez disso, faça um trajecto em ziguezague até ele e, quando estiver perto,
aproxime-se em ângulo oblíquo, para que o animal não pense que irá correr atrás
dele. A maioria dos animais tem distâncias de deslocamento que variam de uma
espécie para outra e geralmente de um espécime para outro.

Qual é o comportamento a adoptar pelo fotógrafo relativamente aos animais


na busca de uma boa fotograa?
Prepare-se para esperar. Pode ser mais produtivo gastar tempo com um grupo
de animais e aguardar que eles façam alguma coisa do que percorrer toda a
planície em busca de acção. Ficar várias horas perto de um grupo de leões
adormecidos pode ser entediante, mas a recompensa é enorme. Estará lá, pronto
para quando uma cria acordar e morder a cauda da mãe, ou quando todos os
adultos partirem para a caça. Registar acção requer paciência, conhecimento
dos animais e sorte. É preciso procurar prever que percurso a caça vai tomar e
posicionar-se de maneira a que possa fotografá-la e, assim mesmo, não se colocar
no caminho ou alertar a sua possível presa.

3.4 Os Fotógrafos Contam As Suas Experiências


3.4.1 Conselhos de Alan Harvey
1. Antes de visitar um país, inteire-se sobre os protocolos sociais, sobre a
história e a cultura locais para não ofender as pessoas.

2. Inclua pessoas nas fotos de arquitectura ou de paisagens. Uma catedral


ganhará interesse, personalidade, profundidade e uma noção de escala se
incluir um elemento humano.

3. A maioria dos fotógrafos ganha ao personalizar o trabalho, encontrando o


elemento de uma situação de foto com o qual se possa relacionar. É fácil
prender-se a festivais e outras situações exóticas. Mas procure também
por momentos universais como o relacionamento entre pessoas. Procure
conhecer uma família durante a viagem, entrose-se e as fotos surgirão.

4. Procure símbolos que representem a cultura do país: comida, trajes, teci-


dos, cerâmica. Um mercado é uma fonte muito rica de informação.

5. Estude a obra de pintores clássicos. Desenvolva um sentido de composição


e uma atenção em relação à textura, luz, cor, equilíbrio e desenho.

6. Quando a situação perfeita da foto surge, talvez não tenha tempo para
se preocupar com a exposição e aberturas exactas. Simplesmente faça a
foto. Não tenha medo de experimentar - principalmente em locais escuros
3.4. OS FOTÓGRAFOS CONTAM AS SUAS EXPERIÊNCIAS 33

onde não pode fazer uso do tripé ou ash. Apoie o cotovelo numa mesa,
encoste-se a uma cabina telefónica ou apoie a câmara sobre uma garrafa
de refrigerante.

3.4.2 Conselhos de Chris Johns


1. Se deseja uma fotograa realmente boa de um espécime, pesquise o animal
e passe algum tempo com pessoas que o conheçam. Aprenda a respeitar os
animais. Muitas pessoas sofrem lesões e os animais têm de ser sacricados
por causa da ignorância humana. Evite correr riscos no ambiente da vida
selvagem.

2. Levante-se cedo. Em África, eu acordo por volta das 4h30. Os animais


são mais activos no começo da manhã e ao anoitecer.

3. Invista tempo num animal, explore-o no seu habitat com diversas lentes e
de diferentes ângulos. Procure car agachado para não fotografar de cima
para baixo. Espere pela caça ou outra actividade. Fique num veículo ou
num esconderijo e deixe o animal chegar até si. Raramente, ou nunca, se
consegue uma boa foto perseguindo-os. Uma lente 600mm f/4 é essencial
em algumas situações, mas a lente 300mm f/2.8, com um teleconverter
2x ou 1.4x incorporado, também é excelente. Alguma das minhas mel-
hores fotograas foram feitas com lentes grande-angulares. Não pense
em aproximar-se demais com uma lente curva; pense em incluir mais do
habitat e usar luz para isolar o animal.

4. Com luz baixa, experimente velocidades de obturação longas para obter o


efeito tremido - use o ash para acrescentar uma pitada de luz aos olhos.
Se todas as fotos do seu rolo estiverem perfeitas, então é porque falhou.
34 CAPÍTULO 3. A CÂMARA FOTOGRÁFICA
Capítulo 4

As Objectivas Fotográcas

4.1 Conceitos Básicos


4.1.1 Objectivas
Como Funciona a Objectiva

Qual é a principal vantagem das câmaras reex no que diz respeito ao uso de
objectivas fotográcas?
Uma das vantagens da câmara reex é a possibilidade de aceitar uma grande
variedade de objectivas.

Qual é a diferença básica entre as objectivas curtas e as objectivas longas?


A diferença básica entre objectivas curtas e longas é o ângulo de visão(em graus),
ou seja, a parte da cena que a objectiva abrange. Esse ângulo varia de bem
aberto (grandes-angulares) até bem fechado (teleobjectivas).

Qual é o conselho que se deve seguir aquando da compra de uma nova ob-
jectiva?
Não é recomendável comprar todas as objectivas que há no mercado. É melhor
aumentar a sua colecção após ter-se denido por uma especialidade, ou para
resolver problemas encontrados com frequência.

Objectiva Normal

Quais são as principais características da objectiva normal?


A objectiva de 50 mm é também conhecida por objectiva normal porque gera
uma imagem exactamente como é vista pelo olho humano.

A Perspectiva

No que diz respeito à perspectiva, quais são as principais diferenças entre o tra-
balho realizado por uma teleobjectiva e uma grande angular?
Em geral usamos teleobjectivas para motivos distantes. Diminuindo a noção
de perspectiva, fazem a distância entre o motivo e o fundo parecer curta. Com
uma grande angular, talvez tenhamos de nos aproximar muito para preencher
o quadro. Isso causa uma perspectiva exagerada. O motivo em primeiro plano

35
36 CAPÍTULO 4. AS OBJECTIVAS FOTOGRÁFICAS

parece muito maior do que a olho nú, enquanto os objectos mais distantes pare-
cem estar ainda mais longínquos.

Grandes-Angulares

Que objectivas são consideradas como grandes angulares?


Qualquer objectiva com distância focal inferior a 50 mm pode ser considerada
grande angular. Dentro dessa denição tão ampla, encontramos desde 35mm
até 6mm. As objectivas de 20 mm ou menos são chamadas de ultra angulares.

Qual é a principal vantagem no uso de objectivas grandes angulares?


A principal vantagem das objectivas de distância focal curta é que elas en-
quadram uma parcela maior da cena. Uma objectiva grande angular pode ser
útil se não tiver como recuar o suciente para incluir no quadro todo o motivo
que deseja fotografar usando uma objectiva mais longa.

Distorção Ocasional de Linhas

Que tipo de efeito é obtido quando a objectiva fotográca é inclinada para cima
ou para baixo?
Quando a objectiva é inclinada para cima ou para baixo, as linhas da cena
tendem a convergir.

Teleobjectivas

Que objectivas são designadas por teleobjectivas?


Em geral são chamadas teleobjectivas as objectivas com distância focal maior
que cerca de 60 mm e podem chegar até aos 2000 mm.

Efeito de Aproximação

Em que casos devem ser utilizadas as teleobjectivas?


Quando é impossível chegar mais perto da acção, mude para uma distância
focal maior para preencher todo o quadro. Apenas uma pequena parte do que
os seus olhos vêem entra no quadro da foto. Assim, a teleobjectiva, facilita a
exclusão de elementos de distracção em torno do centro de interesse. No caso
das teleobjectivas curtas, as de 105mm, são ideais para retratos.

Pouca Profundidade de Campo

Que relação existe entre a profundidade de campo e uma teleobjectiva?


A pouca profundidade de campo é uma característica das teleobjectivas que
permite que a linha de profundidade de campo que está focada seja bem estreita,
de modo a que apenas o ponto focado que realmente nítido.

Objectivas Zoom

O que são objectivas zoom?


As objectivas zoom são objectivas fotográcas que possibilitam a variação da
distância focal imediatamente sem ser necessário mudar a objectiva.
4.1. CONCEITOS BÁSICOS 37

Abertura e Luminosidade

Que relação existe entre a abertura, a luminosidade e uma objectiva zoom?


Muitas objectivas zoom, principalmente os modelos mais compactos, tendem a
ser escuras , enquanto que as objectivas comuns são geralmente claras, o que
permite velocidades mais altas, úteis quando se fotografa com a câmara na mão.
Os lmes de ISO 400 ou ash electrónico podem minimizar a necessidade de ob-
jectivas claras para congelar o movimento, seja o do motivo ou o do fotógrafo.

Que conselhos devem ser seguidos na aquisição de uma objectiva zoom?


Se insistir em ter uma zoom clara de abertura constante, escolha um dos mod-
elos de f/2.8. O preço, o tamanho e o peso desse tipo são maiores, mas muitos
fotógrafos aceitam essas desvantagens em troca das vantagens que oferece.

Objectivas Espelho

O que são objectivas espelho, e quais são as suas principais características?


Também chamadas de objectivas reex e catadióptricas, são objectivas de grande
distância focal, leves e incrivelmente compactas. Usam espelhos para duplicar
a trajectória da luz, permitindo que o tubo da objectiva seja mais curto.

Quais são as principais desvantagens das objectivas espelho?


Em geral, a qualidade de imagem destas objectivas não é tão boa quanto numa
teleobjectiva convencional. A sua principal desvantagem é a pequena abertura
(em geral f/8) e ser xa, não se podendo variar o diafragma. Com f/8, uma
exposição correcta pode exigir velocidades baixas. Um lme rápido (ISO 400 a
1000) permite maiores velocidades, além do uso do tripé, evitando assim o risco
de fotos tremidas. Outra desvantagem é que as objectivas de espelho fazem que
os pontos luminosos fora de focagem apareçam com uma forma de rosca , em
vez de pontos redondos, de aspecto mais agradável.

Extensores

O que são extensores?


Muitos fotógrafos de desporto e de natureza gostariam de utilizar objectivas
prossionais de 500 ou 600mm, mas poucos têm condições para comprar apar-
elhos tão avançados. Uma boa alternativa é dispor de extensores. Disponíveis
em versões de multiplicação de 1,4x ou 2x, os extensores, ou conversores de
teleobjectiva (teleconverters), aumentam a distância focal de uma objectiva mais
curta.

Que cuidados devemos ter na aquisição de extensores?


Poucas objectivas zoom dão uma qualidade de imagem aceitável quando são
usadas com extensor, por isso, em geral estes devem ser usados somente com
objectivas de distância focal xa, de preferência de 180 mm para cima. A melhor
escolha é um extensor da mesma marca que a sua objectiva.

Objectivas Macro

Qual é o signicado do termo macro?


O termo macro refere-se à capacidade de uma objectiva focar a distâncias muito
38 CAPÍTULO 4. AS OBJECTIVAS FOTOGRÁFICAS

curtas.

Objectivas de Controlo de Perspectiva

O que são objectivas de controlo de perspectiva?


São objectivas desenvolvidas para resolver o problema da distorção da perspec-
tiva. Este fenómeno pode ocorrer quando se inclina a câmara para fotografar
um motivo muito alto, inteiro e de um ponto de vista baixo.

4.2 Arquitectura
Nada capta o carácter de uma cidade ou metrópole como os seus edifícios.
Visitando uma cidade distante, não é importante se está a fazer uma viagem
em trabalho ou de férias. O objectivo é conseguir fotos que evoquem o espírito
do lugar.

4.2.1 Uso das Objectivas

Qual deve ser a atitude a tomar por um fotógrafo no que diz respeito à sua
movimentação e mudança das suas objectivas quando pretende fotografar mo-
tivos de arquitectura?
Mudar as objectivas e movimentar-se à volta do motivo ajuda muito a encontrar
um ângulo de interpretação pessoal do tema arquitectónico a ser fotografado.

Os Detalhes

Quais são as objectivas mais aconselhadas na captura de detalhes em motivos


arquitectónicos?
As teleobjectivas podem ser bastante úteis para isolar um edifício, ou apenas
parte dele.

4.2.2 Pers

Qual é a melhor combinação entre o perl e a iluminação, de modo a melhor


transmitir o espírito de uma cidade ou metrópole?
Fotos do horizonte é uma das melhores maneiras de transmitir o espírito de uma
cidade ou metrópole. Procure antes. Encontre um local com uma vista inin-
terrupta. Geralmente os bilhetes-postais ou folhetos de turismo dão-nos pistas.
Depois observe qual o período do dia que proporciona a melhor luz. Não se
limite à iluminação frontal. Procure ângulos em que o Sol nascente ou poente
esteja a brilhar numa rua entre edifícios. Olhe para o horizonte através de várias
lentes e escolha aquela que isole apenas os elementos que deseja. Algumas das
melhores fotos do horizonte são feitas antes ou depois do pôr do Sol, quando as
silhuetas dos prédios se destacam no céu.
4.3. FOTOGRAFIA EM CLOSE-UP 39

4.2.3 Monumentos e Pontos de Interesse


Ambientes Interiores

Qual deve ser a atitude a tomar por um fotógrafo ao fotografar ambientes inte-
riores?
Descubra o que acha atraente num recinto e como a sua foto irá acentuar essa
qualidade. Seria a maneira como a luz do Sol ui através da janela? A dis-
posição da mobília? Seja o que for, encontre o ângulo que transmita melhor o
clima que o induziu a fazer aquela fotograa.

Luz Em Ambientes Interiores

Que dicas devemos seguir de modo a obter os melhores resultados com a ilumi-
nação quando se fotografa em ambientes interiores?
A iluminação é o elemento mais importante na fotograa de interiores. Não é
simples fotografar ambientes interiores de prédios históricos, uma vez que em
geral a luz é escassa e é necessária a permissão para utilizar o tripé. Mas com al-
gumas dicas como por exemplo, usar um lme mais sensível ou então aproveitar
a luz que passa pelas janelas, é possível obter imagens muito sugestivas. Observe
o ambiente em diferentes períodos do dia.

4.3 Fotograa em Close-Up


A fotograa em close-up possibilita a realização de imagens de pequenos temas
que de outra forma passariam despercebidos ao olhar por distracção ou pelo
limite da capacidade de observação. O close-up é muito utilizado para fotograa
de insectos e ores, mas isso não signica que se possam realizar belíssimas
imagens de pedras, pedaços de madeira ou detalhes de obras de arte. Existem
basicamente três opções em termos de objectivas quando se trata de close-up:
lentes macro; extensores ou foles; e lentes close-up, que são rosqueadas como
um ltro na frente de uma lente.

4.3.1 Lentes Macro e Especiais


As objectivas macro são dotadas de sistemas ópticos especiais que possibilitam
a aproximação de um tema, reproduzindo até metade do seu tamanho natural.
Destacam-se como sendo as mais fáceis e rápidas de usar entre as três opções,
mas são as mais caras. Projectadas para close-up, dão melhor qualidade de
imagem e transmitem mais luz do que as outras opções. Pode usar o fotómetro
normalmente. As lentes focais mais populares são de 55 mm e a de 105 mm.

Foles e Extensores

Quais são as características de funcionamento dos foles e extensores?


Estas duas objectivas funcionam do mesmo modo, deixando a lente distante do
lme e incrementando a ampliação. São algo complicadas de usar mas são mais
baratas e proporcionam close-ups muito bons.

Que cuidados devemos ter com a medição de luz ao usarmos foles e exten-
sores?
40 CAPÍTULO 4. AS OBJECTIVAS FOTOGRÁFICAS

A distância a mais entre a lente e o lme provoca perda de luz. Assim, depois
de tudo preparado e com a focagem ajustada, faça uma medição de luz com o
fotómetro. Se não estiver a dar leitura por haver pouca luz, retire a extensão e
faça uma leitura através da lente como faria normalmente. Depois recoloque a
extensão e abra o diafragma seguindo as instruções incluídas com o equipamento
de close-up.

Lentes Close-Up

Quais são as características de funcionamento das lentes close-up?


É a opção mais barata para obter fotos close-up de qualidade. São colocadas
na frente da objectiva por meio de rosca como um ltro. Podem ser usados em
combinação para incrementar a ampliação, mas lembre-se de que quanto mais
vidro a luz tiver de atravessar, menos nítida será a imagem. Procure fotografar
com abertura f/8 ou menor ao usar lentes de aumento, para deixar a imagem
com o máximo de nitidez.

4.3.2 Dica Para Macrofotograa

Quais são alguns dos cuidados a ter de modo a optimizar a profundidade de


campo ao realizar fotograas em close-up?
Há muita coisa para se ter em conta independentemente do sistema de close-up
que estiver a usar. A profundidade de campo é pouca na fotograa em close-up.
Aberturas pequenas signicam velocidades lentas. Por isso use o tripé e o cabo
de disparo. Se puder, disponha o tema de modo a que todo ele, ou boa parte
dele, esteja paralelo ao plano do lme, cando assim em foco.

4.4 Os Fotógrafos Contam as Suas Experiências


4.4.1 Dicas de Staneld

1. Como ponto de partida numa nova cidade, observe os melhores bilhetes-


postais e guias de turismo que contenham muitas fotos. Observe os locais
e tome nota para voltar logo pela manhã ou ao anoitecer. Encontre um
ponto favorável, que não seja o mesmo que os outros usam.

2. A luz é a ferramenta mais poderosa do fotógrafo. Tire proveito do aman-


hecer, do pôr do Sol e de más condições do tempo.

3. Para dar cor ambiente às fotograas de pessoas, visite um mercado. Para


encontrar pessoas em trajes típicos, é o melhor local, sendo a melhor altura
logo pela manhã.

4. Em ambientes fechados, aponte o ash para alguma coisa, em vez de


utilizá-lo de modo directo. Aumente a luz ambiente, mas não a destrua.
Utilize uma gelatina âmbar sobre a cabeça do ash para contra-balançar
a temperatura da sua cor com a das lâmpadas. Quando há luz de uma
janela, utilize ash de enchimento para ampliá-la, congelar a acção ou
moderar o contraste.
4.4. OS FOTÓGRAFOS CONTAM AS SUAS EXPERIÊNCIAS 41

5. Os melhores fotógrafos são aqueles que trabalham muito. Faça pesquisas,


faça perguntas, que na rua até tarde. E, com um olho rápido e uma
mente curiosa, procure por momentos espontâneos.
42 CAPÍTULO 4. AS OBJECTIVAS FOTOGRÁFICAS
Capítulo 5

Escrever Com a Luz

5.1 Conceitos Básicos


5.1.1 A Qualidade da Luz

Luz Dura

Como é que se caracterizam os efeitos obtidos pela luz dura num motivo fo-
tográco?
Os efeitos obtidos caracterizam-se por sombras profundas e zonas de alta lumi-
nosidade criando um forte contraste.

Quais são as características de uma fonte de luz dura?


A iluminação tende a ser dura quando vem primariamente de uma fonte de luz
pequena.

Quais são os efeitos deste tipo de luz numa fotograa?


Muitos pormenores podem perder-se numa foto, tanto nas áreas de sombra como
nas iluminadas, pois o lme não consegue registar os dois tipos de detalhes.

Luz Suave

Como é que se caracterizam os efeitos obtidos pela luz suave num motivo fo-
tográco?
Ela envolve o motivo, vinda de muitas direcções, como acontece num dia nublado.
A luz suave não é contrastada, ou seja, não há pontos de alta luminosidade nem
áreas muito sombreadas.

Quais são as características de uma fonte de luz suave?


A luz suave vem de uma fonte de luz grande e difusa.

Quais são os efeitos deste tipo de luz numa fotograa?


Neste tipo de luz, o lme reproduz facilmente os detalhes em todo o quadro.

43
44 CAPÍTULO 5. ESCREVER COM A LUZ

Neblina e Névoa

Que tipo de efeito é produzido pela luz num motivo, num dia de neblina?
Partículas microscópicas em suspensão no ar funcionam como um itro, re-
duzindo o contraste. Nestas condições, o aspecto geral é suave, especialmente o
dos objectos distantes.

Recursos para Modicar a Luz

Que tipo de recursos existem para modicar a luz ambiente?


Quando se está a fotografar num ambiente externo é fácil encontrar-se em situ-
ações de luz muito suave ou muito dura. Nesses casos é o sol que dita as regras, o
que por sua vez não signica que deve abandonar a sua ideia. Existem acessórios
que conseguem alterar a luz ambiente. Painéis difusores podem ser colocados
entre o sol e tema a m de suavizar a luminosidade criando sombras menos duras
e cores mais vibrantes. Os painéis rebatadores devem ser utilizados de modo a
reectir a luz sobre o tema como se fosse um espelho. Os painéis rebatadores
são utilizados para diminuir as sombras que podem escurecer demasiadamente
certos elementos.

De que forma deve ser colocado um painel rebatador relativamente á fonte de


luz?
Deve ser colocado na parte oposta relativamente à fonte de luz.

Que tipo de efeito produz um painel rebatedor branco numa fotograa?


Diminui as sombras, atenuando o contraste luminoso do motivo.

Que tipo de efeito produz um painel rebatedor dourado numa fotograa?


Diminui as sombras, atenuando o contraste luminoso do motivo ao mesmo tempo
que faz com que este adquira tons mais quentes.

Que tipo de efeito produz um painel rebatedor prateado numa fotograa?


Diminui as sombras, atenuando o contraste luminoso do motivo ao mesmo tempo
que faz com que este adquira tons mais frios.

Que tipo de efeito produz um painel difusor numa fotograa?


Faz com que o tema adquira mais uniformidade de luz, evitando contrastes e
maximizando a reproduçãos dos detalhes.

5.1.2 A Direcção da Luz

Iluminação de Cima

Que tipo de efeito é obtido numa fotograa em que a iluminação vem de cima?
Quando a luz incide sobre o motivo, vinda de cima, resulta numa imagem sem
nenhum efeito tridimensional, profundidade aparente ou atracção visual. As
sombras cam pequenas e muito escuras.
5.1. CONCEITOS BÁSICOS 45

Iluminação Frontal

Que tipo de efeito é obtido numa fotograa em que a iluminação é frontal?


Nesta situação é fácil fotografar, mas o resultado é geralmente pobre. Formam-
se sombras por detrás do motivo, criando um aspecto chapado. A iluminação
frontal pode ser ecaz para a reprodução viva das cores, excepto quando o
próprio motivo reecte a luz, produzindo, nesse caso, um efeito lavado.

Iluminação Lateral

Que tipo de efeito é obtido numa fotograa quando a iluminação é lateral?


Quando a luz incide sobre o motivo vinda de lado, formam-se manchas de con-
traste que realçam a textura e os contornos.

Para que tipos de fotograa este tipo de iluminação é uma mais valia?
Este tipo de iluminação não favorece um retrato humano, no entanto, é dos mais
aconselhados em arquitectura. Em paisagens, a luz lateral aumenta o sentido
de profundidade, graças às sombras alongadas. Normalmente o contraste é alto,
fazendo com que se percam detalhes tanto nas áreas com mais luz como nas de
sombra, mas no geral o efeito é bastante agradável.

Contraluz

Que tipo de efeito é obtido numa fotograa realizada em contraluz?


Normalmente produz muito contraste, o que resulta em fotos com pouquíssimos
pormenores, seja no fundo brilhante, seja no tema escuro(a menos que use ash
para preencher as áreas de sombra).

5.1.3 A Cor da Luz

Luz Quente

Que tipo de efeito é produzido pela luz quente?


Se retratar uma pessoa ao pôr do sol, verá que a cor vai tender para o amarelado
ou alaranjado, dando um efeito talvez demasiado quente.

Luz Fria

Que tipo de efeito é produzido pela luz fria?


Em certas horas do dia, a luz tende a reproduzir-se com tendência para o azul.
Em geral acontece pouco antes do nascer do sol, num céu muito encoberto, ou
quando o motivo está na sombra de um edifício. Em altitudes elevadas, a luz é
mesmo fria em dias de sol.

Luz Certa

Qual é a luz certa para um determinado motivo?


A luz certa, em termos de cor, qualidade e direcção, depende do motivo. Não
há regras absolutas.
46 CAPÍTULO 5. ESCREVER COM A LUZ

5.1.4 Controlar a Luz

Filtros Para Modicar a Luz

Que tipo de efeito é produzido por um ltro numa fotograa?


O uso de ltros coloridos em fotograa tem como objectivo modicar a temper-
atura da cor.

Que tipo de efeito é produzido numa fotograa por um ltro âmbar?


Um ltro âmbar, por exemplo, usado uma hora depois de o Sol nascer, pode
trazer de volta algo do brilho quente que ocorreu pouco tempo antes.

Que tipo de efeito é produzido numa fotograa por um ltro azul claro?
Se você está a fazer um retrato já perto do pôr do Sol e não deseja uma foto de-
masiado quente, puxada para o laranja, um ltro azul claro produz um balanço
de cores mais neutro.

O Filtro Polarizador

Que tipo de efeito é produzido por um ltro polarizador numa fotograa?


Ao bloquear a luz polarizada esse ltro produz céus mais intensos. O resultado
são cores mais ricas e pormenores revelados.

Filtro Graduado de Densidade Neutra

Qual é o efeito e o modo de funcionamento de um ltro graduado de densidade


neutra?
Usado com frequência para fotograa de paisagens, o ltro ND Grad é metade
incolor e metade cinzento. Em situações em que o céu ou a água é muito mais
luminoso que a terra, coloque a metade escuro sobre a área mais brilhante.
Posicione a linha divisória ao longo do horizonte ou de alguma outra linha do
motivo. Ao equilibrar a luminosidade das duas áreas, o contraste é reduzido,
permitindo ao lme registar mais detalhes em ambas as áreas.

5.2 Os Fotógrafos Contam As Suas Experiências


5.2.1 Dicas de Michael Yamashita

1. As melhores fotos de paisagem incluem riqueza de cor, desenho, com-


posição agradável, linha, textura e, às vezes, movimento. Pergunte-se o
que o atrai visualmente na cena e coloque esses elementos no lme.

2. Não existe segredo na fotograa de pessoas, a não ser a intimidade. Pode


fotografar com uma teleobjectiva não sendo preciso estar perto do tema.
Aproximando-se sicamente torna as suas fotos mais fortes mas isso tam-
bém é verdade no aspecto psicológico, diz Robert Capa.

3. As regras de composição são importantes, mas a ideia é aprendê-las e


depois romper com elas.

4. Leve somente as lentes que costuma usar.


5.2. OS FOTÓGRAFOS CONTAM AS SUAS EXPERIÊNCIAS 47

5. Explore com a câmara através de vários ângulos.

6. Torne a fotograa parte do seu estilo de vida. Tenha sempre consigo uma
câmara e pratique com os seus amigos e família. Desenvolva o talento
visual em ambientes familiares.
48 CAPÍTULO 5. ESCREVER COM A LUZ
Capítulo 6

Os Filmes

6.1 Filme: A Paleta do Fotógrafo


6.1.1 Velocidade do Filme / Sensibilidade do Filme
Filmes Lentos vs Filmes Rápidos

Quais são as principais diferenças entre os lme lentos e os lme rápidos?


Para medir a sensibilidade de cada lme à luz, foi concebido o sistema numérico
ISO, que indica a sensibilidade do lme. Quanto mais rápido, maior o número
ISO. Um lme não muito sensível à luz, vai precisar de velocidades baixas para
produzir uma foto correctamente exposta. Os lmes lentos, de ISO 25 a ISO
50, são os lmes menos sensíveis. Filmes de velocidade média, como ISO 200,
são mais sensíveis, enquanto os lmes de número ISO maior (rápido) sao pro-
gressivamente mais sensíveis.

Prós e Contras

Quais são os prós e contras de se usar lmes fotográcos de altas velocidades?


Velocidades de obturação altas são ideais para fotos bem nítidas. Permitem ao
fotógrafo congelar o movimento do motivo e reduzem o risco de efeito trem-
ido devido aos movimentos da câmara quando não se usa tripé. Poderíamos
neste caso perguntar porque é que não se usa um lme ISO 800 para todas
as necessidades. A resposta é simples! Quanto mais rápido for o lme menor
será a qualidade geral da imagem em termos de resolução de detalhes, nitiddez,
granulação e reprodução das cores.

Filmes de 35mm

Quais são as principais características dos lmes ISO 100 que os fazem dos mais
usados nas câmaras prossionais?
A saturação da cor é alta e os objectos cam nítidos.

Dicas Para a Escolha da Velocidade do Filme

Em que situações devemos usar lmes com ISO 25?


Este tipo de lme é adequado para macrofotograas e motivos que exijam grande

49
50 CAPÍTULO 6. OS FILMES

precisão de detalhes, como é o caso de relevos artísticos.

Em que situações devemos usar lmes com ISO 50?


Os lmes ISO 50 têm baixa sensibilidade e produzem óptimos resultados em ca-
sos de paisagens com muita luminosidade. São utilizados também em situações
de luz difusa.

Em que situações devemos usar lmes com ISO 100?


O lme para transparência ISO 100 é muito utilizado actualmente devido ao seu
poder de adaptação a vários motivos: paisagens marinhas, urbanas e naturais,
ambientes interiores, retratos e reportagens em todas as estações do ano.

Em que situações devemos usar lmes com ISO 200?


É adequado em situações com pouca luz ou céu encoberto.

Em que situações devemos usar lmes com ISO 400?


O lme ISO 400 possibilita a realização de fotos, mesmo sem usar tripé, de ambi-
entes interiores iluminados somente pela luz ambiente ou exteriores em presença
de pouca luz.

Em que situações devemos usar lmes com ISO 800?


A alta sensibilidade dos lmes ISO 800 pode ajudar muito na realização de fo-
tos desportivas, principalmente no caso de teleobjectivas e tempos de exposição
muito rápidos, que permitem "congelar"o movimento. As cores são menos sat-
uradas.

6.1.2 Tipos de Filme

6.1.3 Técnicas de Exposição e Revelação

Puxar um Filme

Em que consiste o processo de puxar um lme fotográco e, em que casos pode


ser útil?
Tanto os lmes negativos (a preto e branco e coloridos) como os lmes de slide
podem ser puxados, o que signica expor o lme como se ele fosse mais rápido
do que o seu valor ISO indicado. Isso pode ser útil se estiver a usar um lme
lento e precisar de velocidades maiores de obturação. Basta ajustar o botão para
regular a sensibilidade do lme na sua câmara para um número ISO mais alto
do que o valor ISO indicado no lme. Isto aumentará a sua sensibilidade efectiva.

Que infomações devem ser dadas num laboratório aquando do pedido de reve-
lação de um lme que tenha sido submetido ao processo anteriormente especi-
cado?
Ao entregar o lme no laboratório, peça para "puxar 1 ponto". O laboratório
vai aumentar o tempo de revelação, de forma a que as imagens resultantes não
quem subexpostas em consequência do seu "erro".
6.1. FILME: A PALETA DO FOTÓGRAFO 51

Em que tipo de condições de luz é que este processo é aconselhado?


Quando se puxa um lme de slides, o contraste aumenta. Portanto, só puxe
um lme de slides se ele tiver sido exposto em iluminação suave ou interior, e
apenas quando for absolutamente necessário.

Quais são as desvantagens em se puxar o lme em mais do que 1 ponto?


Se a luz for uniforme, o resultado será o aumento do contraste (com sombras
muito marcadas e áreas de luz demasiado forte).

Rebaixar um lme

Em que consiste o processo de rebaixar um lme fotográco e, em que casos


pode ser útil?
Apesar de ser um procedimento raramente usado, o lme de slides e os neg-
ativos a preto e branco ou coloridos também podem ser puxados para menos
(rebaixados), ou seja, expostos a uma sensibilidade menor que a nominal.

Que infomações devem ser dadas num laboratório aquando do pedido de reve-
lação de um lme que tenha sido submetido ao processo anteriormente especi-
cado?
Avise o laboratório e peça para revelar "rebaixando 1 ponto". O tempo de
revelação será reduzido, para evitar que as imagens saiam sobreexpostas.

Slides e Cópias em Papel de Alta Qualidade

Em que consiste o processo cross-over?


Consiste em revelar um lme diapositivo como se este fosse um lme negativo.

6.1.4 Filmes a Preto e Branco

Laboratórios Para Fotos a Preto e Branco

Que tipo de impacto provoca uma fotograa a preto e branco no observador?


Embora os nossos olhos vejam o mundo a cores, o preto e branco permite ao
fotógrafo transmitir uma versão impressionista da realidade.

Quais são as principais desvantagens dos laboratórios automáticos no processo


de revelação de fotos a preto e branco?
Poucos laboratórios automáticos do tipo revelação numa hora podem revelar
os lmes a preto e branco tradicionais, uma vez que eles exigem um processo
totalmente diferente do da revelação a cores. Além disso, vários fabricantes
actualmente vendem lmes a preto e branco baseados na tecnologia dos lmes
coloridos. Esses lmes podem ser revelados em qualquer laboratório. As cópias
poderão sair em castanho e branco, mas é possível obter um verdadeiro preto
e branco se o equipamento estiver correctamente regulado.

Filmes a Preto e Branco

Quais são os principais factores de que depende o impacto de uma fotograa a


preto e branco?
52 CAPÍTULO 6. OS FILMES

O impacto de uma imagem monocromática depende de ingredientes fundamen-


tais da fotograa, tais como a composição, perspectiva dinâmica, formas grá-
cas, desenhos, texturas e contrastes.

Em que aspecto a fotograa a preto e branco desenvolve a visão do fotógrafo?


Trabalhar a preto e branco exige uma percepção especial por parte do fotógrafo.
A monocromia auxilia muito a treinar a visão para o que é essencial.

Filtros de Contraste

Qual é a função dos ltros de contraste na fotograa a preto e branco?


Se decidir fazer fotos com lmes a preto e branco, lembre-se que, nesse caso,
os ltros são acessórios fundamentais. Na fotograa a preto e branco os ltros
coloridos alteram as várias tonalidades de cinza, melhorando o contraste geral.
Um ltro deixa mais clara a sua própria cor e escurece as cores complementares
à sua.

6.2 Os Fotógrafos Contam as Suas Experiências


6.2.1 Dicas de Michael Nichols
1. Estude os mestres da fotograa. Uma aprendizagem multi-disciplinar vai
aumentar o seu conhecimento e ser-lhe-á útil para o futuro.

2. Participe em workshops de fotograa sobre temas que sejam do seu inter-


esse. Irá aprender conselhos e dicas úteis para o seu trabalho.

3. Ao fotografar animais, escolha um tema. Concentre-se, seja paciente e


objectivo. A sua paciência será compensada.

4. Ao trabalhar com pessoas, aproxime-se. Utilize uma objectiva mais curta


e envolva-se com o tema.

5. Encontre um tema central que realmente o motive e siga nessa direcção.


Seja criativo, evite fotografar temas que já foram retratados de maneira
excepcional por outros fotógrafos.

6. Seja crítico com as suas próprias fotos.


Capítulo 7

Como Obter o Melhor


Resultado

7.1 Exposição e Fotometria


7.1.1 Conceitos Básicos de Exposição

Para obter uma boa fotograa, com toda a gama de tons, a exposição tem de
ser correcta, ou seja, o lme tem de receber a quantidade certa de luz. Isso
depende da velocidade do lme e de dois outros factores. Primeiro, a velocidade
do obturador, que controla o intervalo de tempo durante a qual a luz vai atingir
o lme. Segundo, a abertura (f/stop), que controla a quantidade de luz que vai
atravessar a objectiva.

Medir a Luz

Que tipo de indicações são transmitidas pelos fotómetros que vêm incorporados
nas câmeras fotográcas?
Muitos modelos mais antigos de câmeras reex possuem indicações muito sim-
ples do fotómetro localizadas no visor. Em muitas delas existe uma agulha
que assinala, por meio de simples símbolos, se a exposição está correcta (0) ou
errada (+ para sobreexposição e - para subexposição). Na maioria das reex
automáticas, as indicações da exposição estão no visor e podem ser vistas por
meio de leds luminosos.

Exposição Correcta

Qual é a denição de exposição correcta?


Não há uma denição simples de exposição correcta. Com uma exposição cor-
recta o lme deveria gerar imagens exactamente como vêem os nossos olhos.
Em princípio, uma boa exposição é el ao que os olhos vêem. Idealmente todas
as áreas devem apresentar um nível mínimo de minúcia ou textura.

53
54 CAPÍTULO 7. COMO OBTER O MELHOR RESULTADO

Filmes Negativos e Diapositivos

É possível efectuar alterações à exposição de uma fotograa aquando da sua


revelação em laboratório?
No laboratório, podem ser feitas alterações importantes na exposição, quando
a revelação é feita apartir de lmes negativos. A exposição correcta é um factor
crucial quando se fotografa com lme de slides. Se o slide estiver sobreexposto
ou subexposto há pouco a fazer para corrigi-lo.

A Tonalidade Média

Que relação existe entre uma tonalidade média e o funcionamente de um fotómetro?


Entende-se por tonalidade média, um tom que não é muito escuro nem muito
claro. Todos os fotómetros são programados para produzir uma exposição cor-
recta de uma tonalidade média.

Áreas Claras e Áreas Escuras

Porque razão podemos conar no fotómetro para obter uma boa exposição,
numa larga percentagem de fotos que tenham áreas claras e áreas escuras?
Em muitas situações, vamos fotografar uma cena que inclui tanto áreas claras
como escuras. Essas cenas muitas vezes acabam por ser compensadas e resul-
tam numa tonalidade média. Uma cena dessas cará exposta correctamente, ou
quase. Entretanto, há muitas cenas e motivos não médios, em que não podemos
simplesmente conar no fotómetro para obtermos uma boa exposição.

Que cuidados devemos ter quando quisermos fotografar cenas que consistam
basicamente em motivos brancos ou pretos?
Todas as vezes que uma cena consistir basicamente em motivos brancos ou pre-
tos, ou tiver grandes áreas que sao muito claras ou muito escuras, a maioria dos
fotómetros vai produzir resultados insatisfatórios.

Fotometria por Substituição

Como funciona o método de fotometria por substituição e qual é o seu objec-


tivo?
Direccione a objectiva para uma área de tonalidade média e considere a leitura
do fotómetro. Depois de refazer o enquadramento para obter a composição
desejada, use aquela leitura de abertura e velocidade para obter a fotograa.
Neste método, estamos a fazer uma estimativa, assumindo que o resto da cena
está numa tonalidade média.

Como funciona o método de fotometria baseado na leitura de um cartão cinzento


e qual é o seu objectivo?
Um cartão cinzento de fotograa que é nada mais nada menos um pedaço de
cartão cinzento fosco que reecte 15 por cento da luz.
Com a câmera em modo manual, coloque o cartão próximo do motivo principal
e aproxime-se para obter apenas a fotometria do cartão. Leia a combinação de
velocidade e abertura que o fotómetro indica e vai obter uma exposição correcta.
7.1. EXPOSIÇÃO E FOTOMETRIA 55

Mantendo o Valor da Exposição

Como funciona o bloqueio do valor da exposição no caso de estarmos a trabalhar


no modo automático?
É possível manter a exposição enquanto se procura o enquadramento da im-
agem. Em modo automático a câmara muda as regulações quando refaz o
quadro. Assim, quando encontrar a exposição desejada e decidir conservá-la
inalterada para um enquadramento diferente, mantenha pressionado o botão
de bloqueio da exposição automática no meio-tom, direccione a câmara para o
novo enquadramento e, então, tire a foto.

7.1.2 Medir a Luz

Modo Manual

Como é que se realiza a compensação da exposição quando fotografamos em


modo manual?
Regula-se a abertura (f/stop), ou o tempo, ou ambos, até que a leitura do
fotómetro no visor indique a exposição correcta. Posteriormente, mude para
uma abertura maior e/ou uma velocidade mais baixa, para compensar um mo-
tivo muito escuro; ou então mude para uma abertura menor e/ou uma velocidade
maior para compensar um motivo claro.

Modo Automático

Como é que se efectua a compensação de exposição quando se fotografa em


modo automático?
Neste modo, mudar a abertura e/ou a velocidade não vai afectar a exposição. Se
quisermos mudar a exposição, deveremos procurar alguma forma de a compen-
sar. Se não encontrar na sua câmara um botão claramente marcado com uma
série de números precedidos do sinal de mais e de menos, consulte o manual da
câmara. Uma regulação de +1 signica que está a aumentar a quantidade de
luz em 1 ponto acima da leitura do fotómetro, −0, 5 signica que está a diminuir
a quantidade de luz em meio ponto abaixo da leitura do fotómetro, e assim por
adiante.

7.1.3 Fotómetros Incorporados

Há três tipos de fotómetros nas câmeras actuais. Todos eles lêem a luz reec-
tida pelo motivo, mas têm algumas diferenças: fotómeto ponderado ao centro,
fotómetro spot e fotómetro multissegmento. O que distingue uns dos outros é
a fonte apartir da qual é feita a leitura e, o sistema usado para a análise dos
valores encontrados nela.

Fotómetros Ponderados ao Centro

Este fotómetro lê a luz na maior parte da área que aparece no visor, mas dá mais
importância aos motivos próximos do centro. É bem provável que a exposição
seja correcta em muitas cenas comuns de exterior.
56 CAPÍTULO 7. COMO OBTER O MELHOR RESULTADO

Fotómetros Spot

Este fotómetro mede a luz reectida de uma área muito menor, de forma a que
possa fazer a leitura de um motivo especíco, pequeno, tal como um cartão
cinzento ou o rosto de uma criança em contraluz. Em geral, o visor mostra um
círculo que indica a área lida pelo fotómetro. Lembre-se de que será necessário
alterar manualmente as leituras se o tema não for predominantemente um meio-
tom.

Fotómetros Multissegmento

Este fotómetro também é chamado de matricial. Avalia as diversas variações


de luz de uma cena e calcula uma média articial. Geralmente dá resultados
mais precisos em situações de disparo rápido do que o fotómetro ponderado
ao centro. Alguns dos modelos mais recentes, de alta tecnologia, conseguem
reconhecer cenas muito iluminadas e compensar automaticamente.

7.1.4 Sugestões Para Uma Exposição Correcta

A Regra de f/16 Em Dias de Sol

Há uma regra que diz o seguinte: Num dia de Sol, ao fotografar motivos de alta
reectividade, ponha o diafragma em f/16 e use o número ISO do lme como
velocidade para obter bons resultados em modo manual. Por exemplo, com o
lme ISO 100, a sua regulação num dia de Sol seria f/16 a 1/100 (ou 1/125).
Com lme ISO 400, seria 1/400.

7.1.5 Variar a Exposição (Bracketing)

Bracketing Em Modo Manual

Como se realiza o bracketing em modo manual?


No lme de slides, a exposição precisa é fundamental. Na maioria dos casos,
o resultado pode ser inaceitável se errar a exposição por mais de meio ponto.
Especialmente em situações de iluminação difícil, vale a pena fazer bracketing,
ou seja, registar a mesma cena três vezes: primeiro, com a regulação inicial dada
pelo fotómetro e, outras duas vezes, ligeiramente acima e ligeiramente abaixo.
Desta forma, um dos três slides deverá ser practicamente perfeito, a menos que
a regulação original esteja muito errada. Também é possível fazer bracketing
variando a velocidade, mas a maioria das câmaras não permite regular a veloci-
dade de obturação com variações tão pequenas.

Como é que se realiza o bracketing em modo automático?


O bracketing em modo automático é realizado de modo idêntico ao manual.
Neste caso é usado o botão de compensação da exposição.

Que cuidados devemos ter quando queremos realizar bracketing com lmes neg-
ativos coloridos?
No caso de se estar a realizar bracketing com um lme negativo colorido, de-
vemos fazê-lo empontos inteiros e apenas em direcção à sobreexposição (+1 e
+2), pois esses lmes não respondem bem à subexposição.
7.2. FLASH E ACESSÓRIOS 57

7.1.6 Fotómetros Não Incorporados

A maioria das câmaras de 35 mm e médio formato contém um fotómetro para


medir a luminosidade da cena e oferecer orientação nas regulações para uma
exposição correcta. Alguns prossionais não conam no fotómetro da câmera,
enquanto outros usam o fotómetro separado como uma segunda opinião. Esse
fotómetro mede a intensidade da luz e traduz essa informação em combinações
de velocidade e abertura. Deve, então, com a câmera em modo manual, utilizar
esses valores. Naturalmente, para certos motivos, pode decidir desviar-se das
indicações do fotómetro.

Fotómetro de Luz Reectida

Como funcionam os fotómetros de luz reectida?


Estes fotómetros, tais como aqueles incorporados nas câmaras, lêem a luz re-
ectida. O spot é o mais comum. Ele lê o reexo da luz apenas numa área ex-
tremamente pequena, para obter uma medida de alta precisão. Alguns fotómet-
ros podem fazer várias medições seguidas rapidamente; por exemplo, de uma
área de sombra, de uma tonalidade média e de uma área muito luminosa, o que
permite medir com precisão o contraste do quadro.

Fotómetro de Luz Incidente

Como funcionam os fotómetros de luz incidente?


Estes fotómetros medem a luz que incide no motivo, e não a luz reectida.
Usados correctamente, estes instrumentos oferecem as informações mais precisas
sobre a quantidade de luz. Este tipo de fotómetro não é apontado para o motivo.
Mantenha-o na frente do motivo com a semiesfera difusora (o colector de luz)
virada em direcção à câmara. Em certas situações, será necessário desviar-se
das regulações indicadas pelo fotómetro de luz incidente.

7.2 Flash e Acessórios


Alguns fotógrafos preferem fotografar apenas com a luz disponível. Outros usam
um ash electrónico independente, para obtererem boas fotos em más condições
de iluminaçao.

7.2.1 Conceitos Básicos

Quais são as vantagens em usar ashes separados das câmaras?


Sempre que possível, é preferível usar um ash separado da câmera uma vez que
este demarca melhor a forma do motivo e revela mais detalhes.

Como é que funcionam os ashes independentes das câmaras?


Os ashes electrónicos portáteis com alimentação a pilhas são encaixados na
câmara por meio de uma sapata de contacto que ca na parte superior do corpo
da camara. Esse contacto assegura a emissão da luz do ash no momento de
disparo da câmera. Após acender o ash o condensador carrega e, quando está
carregado acende-se uma pequena luz que indica que o ash está pronto. Nos
58 CAPÍTULO 7. COMO OBTER O MELHOR RESULTADO

ashes manuais é o fotógrafo que indica o tempo de sincronização do ash e reg-


ula o diafragma na objectiva de acordo com o assunto a ser fotografado, com a
ajuda da tabela de cálculo presente no próprio ash. Os ashes mais modernos
possibilitam a realização de todas as operações de modo automático.

7.2.2 A Velocidade do Sincronismo

Qual é a importância da velocidade de sincronização da câmara fotográca?


Para fotografar com o ash é necessário que o disparo rápido de 1/10000 a
1/40000 de segundo esteja sincronizado com o obturador da câmara fotográca.
Isso pode ser feito por meio de um cabo sincronizador ou através dos contactos
electrónicos presentes na sapata de contacto localizada na parte superior do
corpo da câmara fotográca. Nas câmaras reex com obturador no plano de
focagem, para que o tempo de sincronismo seja perfeito, é necessário denir o
tempo de sincronismo do ash, ou seja, a velocidade mais rápida durante a qual
o lme ca completamente exposto pelo obturador. Esta velocidade varia de
acordo com o tipo de câmara. Certamente é possível escolher tempos maiores
para fazer as fotograas mas nunca inferiores, pois, nesse caso, a breve duração
do disparo do ash acabaria por expôr parte da cortina do obturador, impedindo
a exposição de parte do quadro. Em algumas câmaras de médio formato, o
obturador é parte integrante da objectiva, tal como nas câmaras automáticas.
Em ambas, o quadro inteiro é exposto a qualquer velocidade de obturação.

7.2.3 Número-Guia (GN)

O que é o número-guia de um ash?


O NG (número-guia) é uma medida da potência de iluminação declarada pelo
fabricante para cada modelo, geralmente para lme ISO 100. Quanto maior for
o número-guia, maior será a potência do ash e, portanto, a sua capacidade de
iluminar e expor correctamente até mesmo temas mais distantes.

Sabendo o número-guia de um ash, de que maneira podemos obter uma cor-


recta exposição para um determinado motivo?
O número-guia indica a abertura do diafragma que deve ser seleccionada para
obter uma boa exposição usando um lme ISO 100. Com um simples cálculo, f =
Número-Guia/Distância do Assunto, consegue-se obter o diafragma que deverá
ser utilizado para a correcta exposição do assunto de acordo com cada distância.

7.2.4 Tipos Básicos de Flash

Existem em uso três sistemas diferentes para o controlo da exposição do ash.


Vamos explicar cada um, dando ênfase ao TTL, por ser o tipo mais comum.

Flash Completamente Manual

Como é que se regula a exposição de um ash completamente manual?


É o tipo mais simples, em que normalmente não se pode controlar a potên-
cia. Exige que o fotógrafo faça todas as regulações manualmente. Primeiro é
necessário ajustar a velocidade do lme no ash e, posteriormente, focar o mo-
tivo. Após vericarmos na objectiva a distância da câmera ao motivo, usa-se
7.2. FLASH E ACESSÓRIOS 59

uma tabela de exposição presente na parte posterior do ash de modo a deter-


minar qual a abertura a usar para uma correcta exposição do ash para aquela
distância.

Flash Automático

Como é que se regula a exposição de um ash automático?


No modo automático, graças a um fotómetro incorporado, o ash doseia a potên-
cia e a duração do disparo de acordo com a distância a que se encontra o motivo
e de acordo com o lme utilizado e a abertura do diafragma.

Flash TTL

Como é que se regula a exposição de um ash TTL?


Os ashes TTL são ashes automáticos elaborados com uma tecnologia avançada,
que permite a dosagem da potência e da duração da exposição, exclusivamente
com base na leitura, através da objectiva, da luz que reecte no tema.

Vantagens do Flash TTL

A vantagem mais evidente é que, mesmo usando um ltro na objectiva, o que


reduz a transmissão de luz, a exposição será a correcta. Neste caso, num sistema
não-TTL, seria necessário fazer cálculos para a perda de luz.

7.2.5 Uso de Flash Em Ambientes Externos


Áreas Claras e Áreas Escuras

Em que situações podemos tirar proveito do uso do ash quando fotografamos


em ambientes exteriores?
O ash em exteriores pode ser útil para suavizar sombras duras que ocultam
elementos importantes. Em condições de contraluz intensa, uma foto sem ash
vai resultar em contraste excessivo. Em dias de vento, as ores ou a relva movem-
se e podem aparecer tremidas na foto, o mesmo se passa com uma pessoa em
movimento. Este problema pode ser resolvido com um breve disparo de ash.
Repare-se que ao usarmos o ash vamos "obrigar"a um aumento da velocidade
do obturador, "congelando"assim o motivo. Quanto mais alta for a velocidade
de sincronismo mais ecaz será esta técnica.

Alta Velocidade do Disparo

Quando se usam velocidades altas, com ash, o fundo da foto geralmente ca
escuro. Como é que podemos contornar esta situação?
Se o fundo estiver na sombra ou muito distante, o ash não o alcançará. Se
quiser fundos mais iluminados, opte por um tempo de exposição mais longo.

Efeito de Enchimento Moderado

O principal problema do uso do ash em exteriores é que a luz articial às vezes


supera a luz ambiente, produzindo um efeito duro, chapado. Isso pode acontecer
ao usar o ash, manualmente ou no modo automático, seguindo as instruções já
citadas para fotograas em presença de pouca luz. Em dias de Sol, o desejável e
60 CAPÍTULO 7. COMO OBTER O MELHOR RESULTADO

reduzir a intensidade do ash, de forma que a luz discreta que é produzida seja
suciente apenas para encher as sombras. É interessante reter um pouco das
sombras suaves e evitar um motivo demasiado luminoso. O método para usar
ash de enchimento suave depende do tipo de equipamente que está a usar.

Efeito de Enchimento Com Flash Automático

Com um sistema diferente do TTL, opte por usar um lme lento (ISO 50 ou
100). Escolha o tempo de exposição: digamos, f/11 com 1/60. Primeiro, ajuste
o f-stop na objectiva, depois, visto que deseja que o ash emita menos luz (dois
pontos a menos, em geral), deve enganar o ash, fazendo que ele leia uma
abertura maior do que é na verdade. Posicione a tabela de cálculo do ash na
condição de um diafragma aberto em dois pontos a menos do que a camara, ou
seja, com um f-stop menor. No nosso caso será f/5,6 no ash e f/11 na objectiva.
Desta forma, o ash irá apagar-se antes de ter emitido luz suciente, o que
por sua vez é ideal para uma iluminação mais suave, de enchimento.

Efeito de Enchimento Com Flash Manual

Em primeiro lugar, é necessário fazer uma leitura da luz ambiente com o fotómetro
para determinar qual deve ser a exposição na velocidade de sincronismo mais
alta da câmara. Seja neste caso f/8 a 1/60, e regulemos a objectiva para esta
abertura. Devemos agora colocarmo-nos numa distância para a qual a tabela
de regulação existente na parte posterior do ash indique uma abertura de f/4
e tirar a foto. Esta operação poderá exigir uma objectiva mais longa. Se o
ash tiver controlo variável de potência, não será necessário movermo-nos si-
camente. Teremos apenas que ajustar um nível de potência correspondente à
abertura maior e fotografar.

Flashes TTL Antigos Em Ambientes Externos

Com alguns ashes TTL mais antigos, é possível enganar o sistema para que
ele emita menos luz, mudando a regulação da sensibilidade do lme, desde que
a câmara o permita. O sistema vai acreditar que está a usar um lme mais
rápido do que realmente está e vai emitir menos luz.

Flash TTL de Alta Tecnologia Em Ambientes Externos

A maioria das câmaras reex autofoco de última geração (e algumas câmaras


de focagem manual de alta tecnologia) oferecem, em situações de luz muito in-
tensa, ash de enchimento automático calibrado para a luz do dia (daylight
balanced). Quando a medição do ash TTL é associada a um sistema in-
teligente desse tipo, a tecnologia pode dar bons resultados sem a necessidade
de alterar para o modo manual a câmara ou o ash.

Como Reduzir a Intensidade do Flash

Alguns fotógrafos acham que o ash de enchimento calibrado para a luz do dia
é excessivo, já que ca evidente que foi utilizado ash. Alguns ashes modernos
actuais e também certas câmaras reex possuem um controlo de compensação
de exposição do ash. Se acha que o ash de enchimento calibrado para luz
7.2. FLASH E ACESSÓRIOS 61

do dia está forte demais, coloque um factor de compensação de exposição de -1


ou -0,5 para obter uma iluminação de enchimento mais subtil. Se a sua câmara
não dispõe de ash automático de enchimento calibrado para luz do dia, então
uma compensação de exposição do ash da ordem de -2 ou -2,5 provavelmente
dará os melhores resultados.

7.2.6 Evite a Subexposição

Nem sempre as combinações de câmara/ash TTL reguladas para ash de enchi-


mento de luz do dia resultarão numa exposição correcta. Em situações de con-
traluz muito forte, ou com um fundo de luz muito intensa, haverá subexposição,
fazendo com que o motivo principal que demasiado escuro. Se a sua câmera
dispuser de um controlo de compensação de exposição do ash, experimente
colocar um factor +1 para aumentar a intensidade do ash. Se não dispuser
desse recurso, a opção é regular o compensador de exposição da câmera para
luz ambiente na posição +1, em modo automático.

Técnicas Alternativas

Somente as câmeras e/ou ashes mais caros possuem controlo de compensação


de exposição do ash. Se acha que o seu ash de enchimento automático
preparado para luz do dia lhe está a dar excessiva luminosidade, tem poucas
opções disponíveis. Poucos ashes modernos permitem mudar o grau ISO no
próprio ash. Existe, porém, uma técnica que vale a pena experimentar. Se o
seu ash tiver cabeça com zoom (que se ajusta à distância focal da objectiva
em uso), regule-o para a menor distância focal possível.

Flash de Enchimento Em Close-Ups

De que forma podemos obter melhores resultados com ash de enchimento em


close-ups?
Quando o ash é usado apenas para a luz de enchimento, ele fornece somente
uma pequena percentagem da luz total. Assim sendo, o ash incorporado na câ-
mara dá, em geral, resultados aceitáveis em exteriores, especialmente quando o
motivo está pelo menos a 3 metros de distância. Porém, para fotos em close-up,
obterá melhores resultados se usar um ash separado da câmera. Como ponto
de partida, coloque-o num ângulo de 45º de lado e 45º acima do motivo.

Qual é a importância do uso de ltros na cabeça do ash, no caso de estar-


mos a fotografar no exterior com ash de enchimento?
O acessório mais útil para fotograa de exteriores é um ltro na cabeça do ash
para aquecer a temperatura da luz. Quando se tiram fotos com ash por volta
do nascer ou pôr do Sol, a luz do ash é muito fria em comparação com a luz
amarelo-alaranjada do Sol. Se usar o ash parar encher as sombras no motivo
principal, o resultado cará muito articial, pois a luz do Sol no resto da cena
terá uma temperatura de cor diferente. Nestes casos, recomenda-se um ltro
âmbar-claro sobre a cabeça do ash.
62 CAPÍTULO 7. COMO OBTER O MELHOR RESULTADO

7.2.7 Foto Convencional Com Flash

A luz directa de um ash montado na câmara é dura. Para produzir um efeito


diferente, é necessário destacar o ash do corpo da camara e reectir a luz sobre
uma superfície próxima. A luz rebatida no tecto, embora seja muito utilizada,
gera sombras escuras em volta dos olhos e em baixo do nariz e queixo. Os
melhores resultados em ambientes internos obtêm-se direccionando a luz sobre
uma parede de tons claros.

Flash Indirecto

Quais são os principais inconvenientes que advêm do uso de ash directo da


câmara, e de que forma os podemos ultrapassar?
O ash directo da câmara é desfavorável à pessoa fotografada, pois a luz directa
quando incide de frente sobre o motivo elimina todas as sombras e cria, ao mesmo
tempo, sombras duras na parede que está por detrás do motivo. Ambos os
problemas são minimizados ao rebater a luz do ash numa parede próxima ou
no tecto. Para tal, é necessário que o ash tenha uma cabeça inclinável (para
rebater no tecto) ou uma cabeça articulada (para usar a parede como superfície
relfectora). Pode-se também usar o ash separado da câmara e simplesmente
dirigi-lo para a parede ou para o tecto. A superfície de rebatimento deve ser
branca, se possível, para evitar uma tonalidade colorida indesejável.

Flash Directo

Qual é a melhor forma de usar ash directo em interiores e exterioes?


Se segurar o ash a um ângulo de 45º de lado e 45º acima do motivo, irá
produzir um efeito mais agradável tanto em inteiror como em exterior. Isso
também faz com que as sombras caiam abaixo do motivo, e não na parede que
está directamente atrás dele, de forma a não aparecerem nas fotos.

Controlo do Efeito de Olhos Vermelhos

Porque motivo ocorre o efeito de olhos vermelhos, e de que forma o podemos


minimizar?
O efeito de olhos vermelhos ocorre quando o ash ilumina os vasos sanguíneos
no fundo do globo ocular. Para minimizar o risco desse efeito, experimente uma
ou várias das seguintes técnicas: tente posicionar o ash separadamente da ob-
jectiva; rebater a luz do ash numa parede ou no tecto; usar uma distância focal
mais curta e aproximar-se do motivo; aumentar a luminosidade do ambiente,
acendendo mais lâmpadas; pedir à pessoa que não olhe directamente para a
câmara; ou usar o recurso de redução de olhos vermelhos da própria câmara.

Acessórios Para Modicar a Luz

Qual é a função de um difusor e de um reector, e quando é que estes acessórios


podem ser úteis?
Acessórios do ash, como um difusor ou um relfector, podem resultar numa
iluminação mais suave, para um efeito mais subtil em interiores e sombras mais
brandas em exteriores. Esse acessórios modicam a luz, tornando-a mais amena
ou mais difusa, o que é especialmente útil quando se está a usar o ash da
7.3. TESTEMUNHAS DA ACTUALIDADE 63

própria câmara. A ecácia é maior quando o motivo está próximo, a 2 m da


câmera ou menos, pois, nessas situações eles tornam-se uma fonte de luz maior
em relação ao tamanho do motivo. No entanto, reduzem a transmissão da luz,
o que os faz de pouca utilidade para motivos distantes, a menos que se use um
ash potente.

Flashes Múltiplos

Quais são algumas das razões para o uso de ashes múltiplos?


Fotógrafos prossionais de retratos em geral usam vários ashes electrónicos
em estúdio. Uma luz principal para a pessoa, outra para realçar o cabelo,
uma terceira para iluminar o fundo, uma quarta de preenchimento, e assim por
adiante. Muitos sistemas modernos de câmeras reex 35 mm eferecem cabos de
conexão para ash TTL que podem receber dois ou mais ashes. Pode tambem
comprar unidades escravas, que por meio de células fotoeléctricas, disparam
ashes remotos em sincronia com o ash principal, sem necessidade de nenhum
cabo de conexão. Uma alternativa prática são os novos sistemas sem cabo,
hoje disponíveis em certas marcas de ash e de câmara reex autofoco, que não
exigem cabos e podem manter o controlo do ash TTL.

7.3 Testemunhas da Actualidade


7.3.1 O Homem e o Trabalho

Dissemos muitas vezes que uma fotograa deve conseguir contar uma história,
mas cada fotograa encerra em si também uma história relacionada intimamente
com a experiência do fotógrafo que a fez.

As Desgraças da Guerra

Na documentação da guerra ou dos conitos a National Geographic nunca pub-


licou imagens violentas, tendo preferido sempre mostrar imagens de situações
dolorosas, que demonstrassem todos os horrores e problemas gerados para os
povos, sem com isso chocar o leitor com fotograas de morte e sangue. Às
vezes, alguns pequenos gestos é que transmitem todo o dramatismo da situ-
ação e o fotógrafo precisa de estar atento para perceber, ter sensibilidade para
compreender e estar pronto para fazer a foto no momento exacto.

Sobrevivência Acima de Tudo

Investigar a respeito da condição humana, compreender o modo de vida ou de


sobrevivência de milhões de pessoas de todas as partes do mundo é um dos
temas mais frequentes tratados pela National Geographic desde o início da sua
publicação. Tempo de guerra em tempos de paz: existem países em que mesmo
gestos simples do dia-a-dia são realizados sob um clima suspeito e perigoso.
Apanhar o autocarro, ir à escola ou ao trabalho, até mesmo sair para se divertir,
pode-se tornar um desao, onde conta muito a prudência.
64 CAPÍTULO 7. COMO OBTER O MELHOR RESULTADO

O Grito de Alarme

Os fotógrafos que se querem dedicar à documentação do mundo nas páginas


da National Geographic devem realizar imagens que emocionem, que contem a
realidade e, ao mesmo tempo, mostrem um estilo pessoal.

7.4 Os Fotógrafos Contam As Suas Experiências


7.4.1 Dicas de David Doubilet
1. Primeiro torne-se um bom mergulhador, não só competente, mas à vontade
para começar a fotografar.

2. Comece com lmes a preto e branco para entender a composição da luz.


Estude a obra dos mestres da arte e da fotograa.

3. Aprenda um pouco sobre biologia marinha.

4. Trabalhe com um amigo que possa ajudar a encontrar um grande motivo.

5. Não fotografe com luz directa e dura vinda da câmara. Utilize extensores
de ash e ajuste-os para a posição que ofereça efeitos mais agradáveis.

7.5 História da Reportagem National Geographic


Não se nasce fotógrafo. É necessário talento, experiência e muito estudo. Tornar-
se fotógrafo da National Geographic não signica começar, sendo já grande e
famoso, mas signica crescer junto com a revista, dentro de um grupo. Fotó-
grafos famosos da revista, todos sem excepção, vieram do nada. Começaram
devagar para depois crescer. Apresentaram-se com os seus portfolios, e muitos
dos seus primeiros trabalhos nem foram aceites. Para fazer parte do grupo de
colaboradores, a condição é possuir talento, conhecimento técnico e personali-
dade. A experiência de cada um dos fotógrafos ajuda a compreender o valor
da vontade de se superar, a capacidade de aprender e de desenvolver um estilo
próprio.
Capítulo 8

As Novas Fronteiras

8.1 Equipamentos e Manutenção


8.1.1 Tripés
Ao manter a câmera perfeitamente rme, o tripé elimina a vibração, o que
resulta em fotograas mais nítidas. Permite usar o lme, a abertura e a veloci-
dade de obturação mais adequados ao motivo, sem ter de se preocupar com o
tremer da câmera durante exposições lentas. O tripé também possibilita um
estudo cuidadoso da composição no visor. Um tripé é um dos passos mais prác-
ticos para passar do estado amador ao prossional, pelo menos em termos de
qualidade técnica que as suas imagens podem alcançar.

Como Escolher Um Tripé

Verique a rigidez de vários modelos. Tripés com pernas compostas de três


segmentos em geral são mais rígidos do que os de quatro segmentos. Modelos
feitos de metal tubular dão mais estabilidade do que os de secção em U, tipo
meia cana. A possibilidade de ajustar separadamente o ângulo de cada perna
é muito conveniente para trabalhar em terreno irregular. Isso permite variar
a extensão de cada perna independentemente. Travões nas pernas do tripé
impedem que elas se retraiam.

Como Escolher Uma Cabeça Para Um Tripé

Muitos tripés vêm com a cabeça já incorporada, porém pode ser frágil. A
tradicional cabeça panorâmica ainda é a mais comum, mas há quem a ache
lenta e inconveniente a operação dos seus controlos de acerto. As novas cabeças
de esfera são de operação mais rápida, pois um único controlo permite uma
innidade de posições da câmera. Alguns modelos têm também o controlo da
tensão.

8.1.2 Bolsas de Equipamento Fotográco


Os fotógrafos mais activos precisam de três tipos diferentes de bolsas para o
equipamento: uma pequena, para saídas curtas e viagens de férias com a família;
uma grande, para os trabalhos mais sérios; e, ainda, uma mochila ou bolsa

65
66 CAPÍTULO 8. AS NOVAS FRONTEIRAS

grande de cintura, para ter o máximo de mobilidade na fotograa de aventura


e de acção. Não há um úico tipo de bolsa, saco ou colete que seja ideal para
todas as situações.

Saco a Tiracolo

Em que casos é mais conveniente o uso de um saco a tiracolo?


A mala a tiracolo é ideal quando está com pressa, a trabalhar na multidão ou
precisa de aceder ao equipamento rapidamente.

Mochila de Fotograa e Bolsa de Cintura

Em que casos devem ser usadas as mochilas de fotograa?


Para caminhadas, nada melhor do que o conforto de ua mochila deste tipo.
Ganha total mobilidade e ca livre de cansaço, em razão de um sistema de
suspensão que distribui o peso por uma grade área das costas. A unica desvan-
tagem é que quase sempre precisa de tirar a mochila para aceder ao equipamento.

Em que casos é aconselhável o uso de bolsas de cintura?


Este tipo de bolsa e muito útil quando está a andar de bicicleta, de barco ou a
fazer uma caminhada.

Bolsas Ultra-Resistentes

Em que casos devem ser utilizadas bolsas fotográcas ultra-resistentes?


Fotógrafos que costumam viajar de avião, com grandes quantidades de equipa-
mento para serem despachadas como bagagem, preferem malas rígidas, feitas de
ABS (antichoque), policarbonato ou alumínio.

Colete de Fotógrafo

Em que casos podemos usar o colete de fotógrafo?


Em campo, muitos fotógrafos preferem usar um colete de fotógrafo, pois ele
distribui o peso do equipamento pelos ombros e costas. Os coletes também são
ideais quando precisa de mudar rapidamente de objectiva para acompanhar a
acção.

A Bolsa Ideal Para a Câmara

Que características deve possuir uma bolsa ideal para uma câmara fotográca?
Ainda que não exista a bosa ideal, procure uma combinação das seguintes car-
acterísticas para garantir o máximo de satisfação:

1. Materiais como lona ou nylon (sucientemente resistentes), com costuras


robustas, reforçadas nos pontos de maior tensão.

2. Nas bolsas a tiracolo, procure uma de fund rígido, alcochoado de espuma,


para protecção contra choques.

3. Divisórias internas acolchoadas de espuma de alta densidade. Se precisar


de personalizar a interior da bolsa, use divisórias ajustáveis e amovíveis.
8.1. EQUIPAMENTOS E MANUTENÇÃO 67

4. Numerosos bolsos externos para acesso rápido aos lmes e objectos pe-
quenos, e vários compartimentos internos para organizar as suas câmaras
e objectivas.

5. Fechos grandes, estruturas metálicas soldadas, velas plásticas (tipo tri-


dente, fáceis de abrir e fechar), uma aba contra a chuva.

6. Alça reforçada, com ombreira curva e acolchoada para reduzir o esforço


do ombro ao carregar muito peso.

7. Na mochila, um sistema de bandoleira bem concebido e que se adapte bem


ao seu corpo.

8. Para viagens de avião, o tamanho não deve exceder o padrão internacional


para bagagem de mão.

8.1.3 Cuidados Com O Equipamento Fotográco


Existem circunstâncias que podem colocar em risco o delicado mecanismo da
câmara fotográca, portanto é necessário tomar algumas precauções. Antes de
tudo é preciso proteger-se contra a areia, a humidade, gotas de água ou pó.
Estes são terríveis inimigos do equipamento fotográco.

Mantenha as Lentes Imaculadas

Que cuidados devemos ter com as lentes fotográcas?


Use apenas uma gota de um líquido especial para limpar lentes, e um dos novos
tecidos de microbra, em vez de lenço de papel. Mantenha a objectiva protegida
com a tampa quando não estiver a fotografar.
Um ltro quase transparente em cada objectiva (Skylight, UV ou 1A) impede
arranhões e outros danos ao elemento frontal, que é o mais caro.

Evite a Humidade e a Condensação

Que cuidados devemos ter com a água de modo a preservarmos o nosso equipa-
mento fotográco?
A água é um perigo para as câmaras electrónicas e mecânicas, assim como para
as objectivas. Em condições de alta humidade, pacotes de cristal de sílica gel
têm pouca ecácia, pois eles próprios saturam-se em alguns minutos e deixam
de absorver a humidade. Lojas de fotograa prossional vendem embalagens
grandes, metálicas, de sílica gel, que pode ser desumidicada com o calor. Num
lugar de alta humidade, quando sai de um carro ou local com ar condicionado,
forma-se condensação na sua câmara e nas lentes. Num momento de aperto, use
um secador de cabelo para evaporar a condensação. Para evitar esse problema,
coloque cada componente do seu equipamento num saco de plástico hermético,
ou então ponha tudo junto dentro de um saco de lixo. Forma-se condensação
apenas no interior do saco. Espere até que o equipamento atinja a temperatura
ambiente antes de usá-lo.
A maresia corrói componentes metálicos da câmara e do tubo da objectiva.
Se vai trabalhar próximo da água do mar, embrulhe a câmara e a lente num
saco plástico transparente e manipule os controlos através do plástico, cortando
apenas um orifício para o elemento frontal da objectiva.
68 CAPÍTULO 8. AS NOVAS FRONTEIRAS

8.2 Informações Úteis


8.2.1 Prepare-se Para Viajar

Viajar, seja nma região diferente ou algum lugar distante, é sempre surpreen-
dente. Tudo parece chamar a nossa atenção e percebemos as coisas às quais
não damos importância no nosso local de origem. O modo como as pessoas se
vestem, o trabalho que fazem, a aparência do local e a arquitectura das cidades.
Temos uma atenção redobrada em relação a tudo e vemos as coisas com uma
sensação de encantamento pueril. Seja a trabalhar para uma revista, seja e
viagem de férias, as fotos que trazemos devem reectir esse sentimento de ad-
miração, para que possamos transmiti-lo àqueles que não tiveram oportunidade
e ir.

Antes de Partir

Estude. Leia tudo sobre o lugar para onde vai. Visite a biblioteca mais próxima
e consulte livros sobre o lugar. Vá a uma livraria para ver or guias de viagem
e não se esqueça da secção de fotograas, já que muitos lugares são temas
de livros admiráveis. Navegue pela internet, entrando em site de revistas de
turismo que possam ter artigos sobre o seu destino. Ligue ou visite o site do
departamento de turismo do país que pretende conhecer para saber se há algum
evento especial a coincidir com a data da sua viagem. Quanto mais souber sobre
o local e o seu povo, mais fácil será decidir sobre o que procurar e fotografar.
Anote o que achar interessante. Antes de partir, transforme tudo numa lista de
fotograas coordenada com o seu itinerário, lembrando-se de incluir os horários e
as datas dos eventos especiais. Se viajar em trabalho como fotógrafo prossional,
a embaixada talvez precise de obter uma permissão das autoridades locais, e
isso pode demorar. Os turistas normalmente não têm problemas em levar um
pequeno equipamento fotográco para outros países, mas, se o equipamento for
grande, verique se é necessária uma autorização especial. Antes de sair do seu
país, deve registar o equipamento na alfândega, caso contrário, podem pensar
que o está a importar e cobram-lhe o imposto no regresso. Tenho uma lista
impressa de todo o equipamento e os números de série. Muitas vezes, pode
uilizar essa mesma lista ao chegar a um país estrangeiro.

O Que Levar

Pense nas situações que provavelmente irá encontrar e calcule a quantidade


mínima de equipamento que irá utilizar. Não compre nenhum equipamento novo
antes de partir, reserve antes algum tempo para se acostumar ao equipamento e
certique-se de que funciona bem. Tudo deverá caber na sua mala fotográca.
Eu costumo viajar com dois corpos de câmara, lentes de 20mm, 28mm, 85mm
e 80 − 200mm, um ash e um pacote de pilhas. Dois corpos são úteis, pois pode
ter duas lentes diferentes à disposição sem ter de perder tempo para trocá-las, ou
pode deixar dois tipos de lme carregados para diferentes situações. As quatro
lentes permitem-me cobrir practicamente tudo, e o ash é necessário para fotos
em ambientes fechados, à noite e como ash de enchimento.
8.2. INFORMAÇÕES ÚTEIS 69

Sugestão de Material Para Viajar

As sugestões seguintes são para uma viagem normal. Poderá encontrar situações
que exigem alguma adaptação, como por exemplo fotograas de vida selvagem
ou debaixo de água.

1. Câmaras:

(a) 35mm reex. Leve um corpo extra de reserva.

2. Lentes:
De grande-angular a teleobjectiva média.
Exemplos:

(a) 28mm, 50mm, e 105mm


(b) 24mm, 50mm, e zoom de 80 − 200mm

3. Filtros:

(a) Skylight, para proteger as lentes e reduzir a neblina.

(b) Polarizador, para intensicar a cor do céu e elimnar reexos.

4. Flash:

(a) Uma unidade pequena de cabeça móvel. Leve um cabo de extensão


para poder usá-lo fora da câmara.

5. Acessórios:

(a) Tripé e cabo de disparo.

(b) Pilhas de reserva para câmara e ash.

(c) Carregador de pilhas, se estas forem recarregáveis.

(d) Não deixe de levar um conversor de voltagem e adaptadores de tomada.

(e) Pincel de pêlo de camelo, soprador de borracha (pêra), líquido e pano


de limpeza de lentes.

(f ) Um jogo de chaves de fendas de joalheiro para reparações urgentes.

(g) Bloco de notas e canetas.

Ao Chegar ao Destino

Veja os bilhetes postais para obter pistas do que vai fotografar. Pergunte a
um motorista de táxi ou na recepção do hotel onde encontrar um boa vista da
cidade. Passei bastante. Não tenha medo de se perder. Isso ajuda a conhecer
melhor o local e torna possível deparar com coisas que não estariam no roteiro
turístico normal. Se encontrar um fundo especialmente bonito, sente-se numa
cerca ou num bar onde tenha uma boa vista e espere que algo interessante lhe
passe à frente. Não tenha pressa. Se for paciente, verá que quase sempre as
fotos virão ao seu encontro. Levante-se cedo. Tanto na cidade como no campo,
a vida matinal é normalmente mais activa e alegre e a luz é boa. Não seja
tímido. As pessoas são bastante prestáveis se as abordar de maneira amigável
e mostrar que o seu interesse por elas é genuíno.
70 CAPÍTULO 8. AS NOVAS FRONTEIRAS

Saiba Como se Comportar

Observe o que as pessoas locais usam e vista-se de acordo, se não vir nenhum
adulto vestido com calções, use calça comprida, e se as mulheres locais cobrirem
os braços e as pernas, faça o mesmo. Será um sinal de educação e respeito,
assim como aprender palavras do idioma local. É necessário ter em conta que,
para certas culturas, há temas que não se devem fotografar, como por exem-
plo fotos de mulheres, que são proibídas em muitas comunidades muçulmanas.
Quando andar pelas ruas, leve apenas o necessário. Numa área com muita
gente, mantenha a sua mala fechada e coloque-a à sua frente para poder vigiá-la
facilmente. Quando trabalho nesses lugares, utilizo uma mala fotográca velha
e gasta, que dá a impressão de não ter nada valioso lá dentro. As pessoas costu-
mas perguntar-me como é que decido as fotos que vou tirar. Normalmente, fora
coisas óbvias que descubro ao pesquisar, não sei até encontrá-las, passo alguns
dias sem rumo e co com uma noção do carácter do local - tanto pode ser a
arquitectura distinta ou o burburinho da feira. Pense no que distingue aquele
lugar de todos os outros e procure por fotos que mostrarão esse atributo.

8.3 Fotografar Para Conhecer


As fotograas da National Geographic são como uma janela aberta para o mundo
nas suas várias formas de se manifestar. Para contar a história do nosso planeta
por meio de imagens, não basta traçar um itenerário sobre um mapa. É preciso
deslocar-se como um cão de caça e descobrir lugares e situações representativos
da vida de todos os dias, do passado ao presente e, se possível, até mesmo do
futuro que nos aguarda.

8.3.1 Pessoas e Personalidades

Por detrás da foto, em pose ou espontânea, de um homem, de uma mulher, de um


casal, de crianças, jovens ou idosos, existe sempre uma experiência pessoal, uma
vida e um carácter totalmente único. Por meio da fotograa, nós podemos ler
um rosto, indagar sobre uma pessoa, perguntar-nos quem é, como vive e, talvez,
conseguir compreender uma parte da sua personalidade. Seguindo o Curso de
Fotograa, aprendemos que uma das coisas mais difíceis é fazer um bom retrato.
Os fotógrafos aconselham-nos sempre a aproximarmo-nos do motivo, no intuito
de captarmos a emoção, o sentimento de raiva, de felicidade, de dor ou de
alegria. Essa aproximação é uma das partes mais difíceis do trabalho, pois
envolve a vida privada e íntima das pessoas, tanto de quem vai ser fotografado
como do próprio fotógrafo. Os fotógrafos que querem trabalhar para a National
Geographic devem fotografar pessoas, pois são elas que representam a alma de
um povo. Por isso, o fotógrafo deve adaptar-se às regras da sociedade e arrisca-
se a voltar para casa sem ter realizado o seu trabalho. A arte da fotograa está
em saber transmitir as emoções e em conseguir contar uma pequena história que
torne possível ao observador participar e reconhecer-se nos gestos e nos rostos
retratados. É preciso saber captar o momento certo e prever a imagem muito
antes de a realizar.
8.3. FOTOGRAFAR PARA CONHECER 71

8.3.2 Países, Costumes e História


Os fotógrafos que realizam imagens de países, povos, culturas e história, além de
viajarem sempre com grandes quantidades de material e equipamento, devem
contar com uma enorme bagagem cultural. Quem já esteve com James Staneld
durante uma das suas viagens arma que ele é minuncioso e muito curioso: em
cada etapa da jornada, antes de começar a fotografar, visita o lugar, conhece um
museu, observa tudo, obtém informações sobre todas as coisas, anota e rabisca
no seu boco de notas. Depois volta para o hotel para organizar todos os dados
que recolheu. Somente depois disso é que sai para fotografar.

8.3.3 O Mundo Animal


A National Geographic contribuiu muito para o conhecimento da fauna selvagem
com a difusão das suas imagens: se pensarmos que, no início do século passado,
os animais eram vistos como um troféu, um objecto de caça, ou simplesmente al-
imento, perceberemos quão distantes estamos dessa ideia hoje e como progrediu
o nível de consciência a respeito da protecção ambiental e da natureza.

Interesses relacionados