Você está na página 1de 3

Samba

1846 José Nogueira de Azevedo Paredes, apelidado de Zé Pereira, reunia-se com seus patrícios portugueses
no Rio de Janeiro e saía com seu famoso bumbo que, somado a tambores e zabumbas, colocou
definitivamente a música no Carnaval brasileiro.

1850 Os Codões carnavalescos tiveram origem na festa de Nossa Senhora dos Rosário Os nomes dos cordões
primavam pelo humor. Alguns de seus primeiros representantes foram Papoula do Japão, Vitoriosos das
Chamas e Clube Paraíso das Morenas.

1870 Foram o embrião do que chamamos hoje de Escolas de Samba. Estes eram uma espécie de cordão mais
organizado, com instrumentos de percussão e sopro, violões e cavaquinhos. Um dos ranchos mais ilustres era
o da Tia Ciata, conhecida até hoje como uma mãe do samba.

1889 “Ó abre alas”, Chiquinha Gonzaga. Produto do Carnaval, música urbana carioca que surgiu quando a
decadência do café no Vale do Paraíba começa a liberar a mão de obra escrava destinada a engrossar as
camadas populares do RJ.

1900 Os Blocos carnavalescos eram reuniões de vizinhos, amigos de bairros e conhecidos que saíam para
brincar de Carnaval sem muita organização. O Bloco do eu Sozinho era uma das atrações e o folião solitário
fazia o que bem queria durante o período carnavalesco.

1901 Samba de partido-alto foi um dos primeiros estilos de samba de que se tem notícia, que mescla tipos de
música mais antigos (o partido-alto baiano) a outros mais modernos. Era dançado, cantado e caracterizava-se
pela improvisação e pela riqueza rítmica e melódica. Cultivado apenas pelos sambistas de “alto gabarito”
(daí a expressão partido-alto).

1916 Donga e Mauro de Almeida compõem o lendário samba “Pelo


telefone”.
1917 “Pelo telefone” é gravado.
1922 É realizada a primeira transmissão radiofônica no Brasil (RJ).

1928 Surge a primeira escola de samba do Brasil, a Deixar Falar, no Rio de Janeiro.
um grupo de músicos liderados por Ismael Silva fundou, na vizinhança do bairro de Estácio de Sá, no Rio de
Janeiro, a primeira escola de samba, Deixa Falar. Eles transformaram o gênero, dando-lhe os contornos
atuais, inclusive coma introdução de novos instrumentos, como o surdo e a cuíca, para que melhor se
adequasse ao desfile de carnaval.

Samba-canção 1928
Também conhecido como samba de meio de ano, foi uma criação de compositores semi-eruditos ligados ao
teatro de revista do RJ. Parecia indicar o casamento do samba com a canção, a sucessora da modinha. A
intenção dos compositores era atender ao romantismo melódico (herdado do século XIX) e às exigências de
ritmo evidenciadas pelo jazz-band.
Aracy Cortes - Linda flor (Ai Ioiô)
https://www.youtube.com/watch?v=XtT0ZjCFEw0

Samba de Carnaval(carnavalesco) 1928


Samba de Carnaval acabava de fixar o ritmo batucado que o diferenciava de uma vez por todas do maxixe.
Nem é bom falar...(samba)... Francisco Alves.
https://www.youtube.com/watch?v=nGIZiiytDlI

1929 Surge a Estação Primeira de Mangueira.

Samba de morro 1930


Samba batucado feito pelos negros que subiram o morro. Conhecido como o samba autenticamente popular
surgido no bairro do Estácio e que teve na Mangueira, um dos seus redutos mais importantes.
Samba-enredo 1930
Estilo criado pelos compositores das escolas de samba cariocas, tendo como fonte inspiradora um fato
histórico, literário ou biográfico, amarrados por uma narrativa. É o tema do samba-enredo que dá o tom do
desfile em suas cores, alegorias, adereços e evoluções, pois este é o assunto que será desenvolvido pela
escola durante a sua evolução na avenida.
Exaltação de tiradentes
https://www.youtube.com/watch?v=luD7QtVxioI

Samba-choro 1930
Utiliza o fraseado instrumental do choro. Entre as primeiras composições no estilo, figura “Amor de
parceria” (Noel Rosa/1935).
O samba de breque, uma variante do samba-choro, é caracterizado por um ritmo acentuadamente sincopado
com paradas bruscas chamadas breques.
Noel Rosa - Amor De Parceria (Aracy de Almeida)
https://www.youtube.com/watch?v=SsARPmabrA8

Samba-exaltação 1930
Samba de melodia longa e letra abordando um tema patriótico. Desenvolveu-se durante o governo de Getúlio
Vargas e foi cultivado por profissionais do teatro musicado, do rádio e do disco depois do sucesso de
“Aquarela do Brasil” (1939), de Ary Barroso. A ênfase musical recai sobre o arranjo orquestral que deve
conter elementos grandiloqüentes, conferindo força e vigor ao nacionalismo que se quer demonstrar.
Aquarela do Brasil - Francisco Alves 1939
https://www.youtube.com/watch?v=H-y8TS7jbpY

1931 Noel Rosa lança “Com que roupa?”, primeiro sucesso interpretado pelo poeta da Vila.
Noel é responsável pela união do samba do morro com o do asfalto. É considerado o primeiro cronista da
música popular brasileira. Nesta época, a rádio difundiu a popularidade do samba por todo o país, e com o
suporte do presidente Getúlio Vargas, o samba ganhou status de "música oficial" do Brasil.

1932 Realiza-se na Praça Onze o primeiro desfile competitivo das escolas


de samba (RJ).

Samba de gafieira 1940


Foi criado na década de 40 e tem acompanhamento de orquestra. Rápido e muito forte na parte instrumental,
é muito usado nas danças de salão.

1940 o samba de partido-altofoi retomado pelos moradores dos morros cariocas, já não mais ligado às
danças de roda.
1942 Ataulfo Alves e Mário Lago lançam o sucesso “Ai, que saudades da Amélia”.
1942 Orson Welles filma o carnaval carioca.
1949 Primeira transmissão do carnaval carioca, pela rádio Continental.
1951 Almirante lança na Rádio Tupi do Rio de Janeiro a série de programas “No tempo de Noel Rosa”.
1953 Surge a escola de samba Acadêmicos do Salgueiro.
1955 O conjunto Demônios da Garoa lança “Saudosa maloca”, de Adoniran Barbosa.

1940 e 1950
Nos anos seguintes o samba se desenvolveu em várias direções, do samba canção às baterias de escolas de
samba. Um dos novos estilos foi a bossa nova, criado por membros da classe média, dentre eles João
Gilberto e Antonio Carlos Jobim.

Sambalanço 1950
Surgiu nos anos 50 em boates de São Paulo e Rio de Janeiro. Recebeu uma grande influência do jazz.. Um
dos mais significativos representantes do sambalanço é Jorge Ben Jor, que mistura também elementos de
outros estilos.
1960
Nos anos sessenta os músicos da bossa nova iniciaram um movimento de resgate dos grandes mestres do
samba. Muitos artistas foram descobertos pelo grande público neste momento. Nomes como Cartola, Nelson
Cavaquinho, Zé Keti e Clementina de Jesus gravaram os seus primeiros discos.

1970
João Nogueira era apaixonado pela Portela, tendo se aproximado, depois, do grupo que fundou a Tradição. O
cantor e compositor também criou, no quintal de sua própria casa, o "Clube do Samba" para revitalizar o
gênero no final dos anos 70.

1980 Pagode
No início da década de 1980, depois de um período de esquecimento onde as rádios eram dominadas pela
música de discoteca e pelo rock brasileiro, o samba reapareceu no cenário brasileiro com um novo
movimento chamado de pagode. Nascido nos subúrbios cariocas, o pagode era um samba renovado, que
utilizava instrumentos adaptados, como o banjo, o repique de mão e o tantã, e uma linguagem mais popular.
Os nomes mais famosos foram Zeca Pagodinho, Almir Guineto, Martinho da Vila, Grupo Fundo de Quintal,
Jorge Aragão e Jovelina Pérola Negra.

Atualmente o samba é um dos gêneros musicais mais populares no Brasil e, sem dúvida, é o ritmo que
melhor representa a imagem do Brasil e do carioca.

Sujestão de Repertório:
Donga - Pelo Telefone

Noel Rosa - Com que roupa

Ary barroso – Aquarela do Brasil

* Cartola – alegria, preciso me encontrar, a sorrir

* Nelson do cavaquinho – quem é do mar não enjôa/ argumento

ESPERANÇAS PERDIDAS - OS ORIGINAIS DO SAMBA


Jorge Ben – mas que nada

chico buarque - Vai passar

Alcione – não deixe o samba morrer

Fundo de quintal – batucada dos nossos tantãs

Zeca pagodinho – Deixo a vida me leva (vida leva eu!)