Você está na página 1de 88

AULA 1

FONÉTICA/SEPARAÇÃO SILÁBICA
É a parte da gramática que estuda os sons da fala humana, ou seja, os fonemas.
1. Fonemas
Fonemas são sons da fala humana que, sós ou combinados, formam as sílabas que, por sua vez,
formam as palavras.
2. Fonemas e Sílabas - Diferença
Não há que confundir fonema e sílaba, coisas bem diferentes. Uma sílaba pode conter um (a-go-
ra), dois (a-go-ra), três (es-tre-la), quatro (cris-tão) e até cinco (felds-pa-to) fonemas.
3. Letras
Letras são as representações gráficas (símbolos convencionados) dos fonemas.
4. Fonema e Letra - Diferença
Fonema pronuncia-se e ouve-se; letra escreve-se e vê-se.
Uma palavra pode ter igual número de fonemas e letras:
cabelo - 6 letras e 6 fonemas.
O número de letras pode ser maior do que o número de fonemas:
hoje - 4 letras e 3 fonemas, pois o “h” não é pronunciado;
guerra - 6 letras e 4 fonemas, pois os dígrafos “gu” e “rr” representam apenas um fonema
cada um;
tanto - 5 letras e 4 fonemas, pois o “n” apenas faz com que o “a” seja nasalizado.
Há, ainda, palavras que possuem mais fonemas do que letras:
tóxico - 6 letras e 7 fonemas, pois o “x” equivale a /ks/.
Por outro lado, um mesmo fonema pode ser representado por letras diferentes, como podem,
também, fonemas diferentes ser representados por uma mesma letra:
mesa, beleza - as letras s e z representam o mesmo fonema /z/;
texto (x = /s/), exame (x = /z/), sexo (x = /ks/), máximo (x = /ss/), lixo (x = /ch/) - em cada uma o
“x” representa fonemas diferentes.
Por aí se vê que não há, rigorosamente, um símbolo gráfico (letra) para cada fonema de nossa
língua. Essa discrepância entre fonemas e letras é a responsável pela maior parte das dificuldades
ortográficas que enfrentamos.
5. Nome da letra
Não se confunda o nome da letra com o fonema respectivo. Assim, ele, eme, erre, cê são os
nomes das letras l, m, r, c.
Os fonemas são os sons que a leitura dessas letras produz na palavra.

6. Classificação dos Fonemas


a) VOGAIS
Não são simplesmente as letras a, e, i, o, u. Em quilo, a letra u nem é fonema.
A vogal é fonema básico de toda sílaba. Não há sílaba sem vogal e não pode haver mais de
uma vogal numa sílaba. Por outra, o número de vogais de um vocábulo é igual ao número de
sílabas; inversamente, o número de sílabas é igual ao número de vogais.
b) CONSOANTES
Como o próprio nome sugere (com + soante = soar com), consoantes são os fonemas que, para
serem emitidos, necessitam do amparo de outros fonemas, ou seja, das vogais.
Cabe relembrar que, para haver consoante, é necessário o fonema (ruído) e não a letra (escrita).
Assim, em “hipótese”, não há a consoante “h”, mas apenas essa letra; em “ilha”, a consoante única é
o fonema representado pelas letras “lh”; em “manga”, o “n” não é consoante, porque não constitui
fonema, mas apenas indica a nasalização do “a”.
c) SEMIVOGAIS
Constituem os fonemas intermediários entre as vogais e as consoantes: não têm a fraqueza
destas nem a autonomia daquelas. São, na prática, o “i” e o “u”, quando, ao lado de uma vogal
autêntica, soam levemente, sem a força de vogal. O “e” e o “o”, sempre que, na mesma
circunstância, forem pronunciados, respectivamente, como “i” e “u”, também serão semivogais.
Comparem-se as diferenças de intensidades dos fonemas grifados, nas palavras que seguem:
Semivogais Vogais
pais país
mau baú
mágoa pessoa
vídeo Leo
Mário Maria

Observações:
1ª) O a é sempre vogal, aberto ou fechado, oral ou nasal.
2ª) Qualquer uma das letras a, e, i, o, u, isolada ou entre duas consoantes, será vogal.
3ª) O fonema que receber o acento tônico será obviamente vogal.
4ª) Pode haver duas vogais juntas, mas jamais se juntarão duas semivogais.
7. Grupos ou Encontros Vocálicos
Chamam-se assim os grupos ou encontros constituídos de dois ou mais fonemas vocálicos
(vogais e semivogais).
a) DITONGO
É o grupo constituído de uma vogal e uma semivogal ou vice-versa.
O ditongo pode ser:
crescente - quando a semivogal vem antes: série, água, vítreo, nódoa, quando, freqüente;
decrescente - quando a semivogal vem depois: leite, baixo, céu, herói, mão mãe, põe, muito.
Qualquer ditongo ainda pode ser:
oral - quando emitido sem a participação das fossas nasais: série, água, vítreo, nódoa, quase, leite,
baixo, céu;
nasal - quando há participação das fossas nasais: quando, freqüente, põe, muito.

Na prática, os ditongo nasais são:


1 - os que levam o til: sabão, anões, mãe, cãibra;
2 - os que vêm seguidos de “m” ou “n” na mesma sílaba: quando, guampa;
3 - o “ui” de mui e muito;
4 - os grupos “em”, “en”, “ens” e “am” no final de vocábulos: também, éden, edens, armam.

b) HIATO
É o encontro de duas vogais: pessoa, guria, saúde, saída, coordenar.
Observação:
Todas as vogais repetidas constituem hiatos e, por isso, devem ser pronunciadas
separadamente: crêem, caatinga, vôo, niilismo.
c) TRITONGO
É o grupo formado por uma vogal entre duas semivogais: quais, saguão.
Observação:
Uma vogal ladeada por semivogais é o único jeito possível de haver tritongo. Acautele-se, pois, o
leitor contra a falsa impressão de tritongo que podem dar palavras como “raio”, “tamoio”, “veraneio”,
“bóia”, “idéia”. Observe-se que não há tritongo pelo simples fato de que é uma semivogal que está
entre duas vogais. Tem sido norma gramatical separar as sílabas dessas palavras assim: rai-o, ta-
moi-o, ve-ra-nei-o, bói-a, i-déi-a, formando, portanto, ditongos decrescentes.
Os tritongos podem ser:
orais - quando emitidos sem a participação das fossas nasais: Uruguai, desiguais;
nasais - quando emitidos com a participação das fossas nasais: saguão, saguões, enxáguam,
ágüem.
8. Encontros Consonantais
São as seqüências de duas ou mais consoantes: vidro, digno, escrita.
Observação:
Os encontros consonantais disjuntos (separados silabicamente), como os de “advogados”,
“ritmo”, “opção”, “digno”, por serem de difícil elocução, têm proporcionado verdadeiras aberrações
fonéticas e até ortográficas. É comum ouvirmos e às vezes até vemos tais palavras escritas assim:
“adevogados”, “rítimo”, “opição”, “diguino”. Note-se que, assim, são acrescidas de um fonema e
uma sílaba.
9. Dígrafos
São os grupos de duas letras representando um fonema apenas. Não confundamos dígrafo (2
letras = 1 fonema) com encontro consonantal (cada letra = 1 fonema).
Estes são os dígrafos:
ch, lh, nh  cheio, filho, ninho;
gu, qu, (com o u mudo)  guindaste, querido, requinte, segue;
rr, ss  terra, morro, isso, passa;
sc, xc (antes de e e de i)  piscina, exceto;
sç  nasça, desça;
am, an, em, en, in, im, om, on, um, un, desde que não sejam ditongos nasais (ver ditongo nasal) ou
façam parte de tritongo nasal (ver tritongo nasal)  também, canto, sempre, entre, ímpio, pintura,
combate, onda, álbum, funda. Em outras palavras: as vogais seguidas de m ou n na mesma sílaba,
uma vez que estes, nesse caso, são meros índices de nasalização.

SEPARAÇÃO SILÁBICA
1 - A divisão de sílabas se processa pela silabação das palavras, jamais pelos elementos
constitutivos de sua formação. Sabemos, por exemplo, que bisavô se forma de bis + avô, mas, na
silabação, teremos bi-sa-vô, sendo esta a separação correta.
2 - Toda consoante precedida de vogal forma sílaba com a vogal seguinte:
janela ............... ja-ne-la
ético ................ é-ti-co
desumano ....... de-su-ma-no
subumano ....... su-bu-ma-no
subabitação ..... su-ba-bi-ta-ção
superativo ........ su-pe-ra-ti-vo
hiperácido ........ hi-pe-rá-ci-do
Observação:
Como vimos nos dígrafos, as letras m e n muitas vezes são índices de nasalização da vogal
anterior. Para efeitos fônicos, é como se fossem til: transandino, consorte, sentido, bomba, campo,
lindo. Por isso, justificam-se por essa mesma regra as separações: tran-san-di-no, tran-sa-ma-zô-ni-
co, con-sor-te, sen-ti-do, bom-ba, cam-po, lin-do.
3 - O que se pode e o que não se pode separar:
Não se separam:
a) os ditongos e os tritongos: lei, fai-xa, a-zei-te, fé-rias, lé-gua, nó-doa, cha-péu, ji-bói-a, mai-o a-
ve-ri-güei, quais, pa-ra-guai-a;
b) os dígrafos do “h” e do “u”: cha-ve, fi-lho, ne-nhum, a-qui-lo, se-gue, se-quer;
c) os encontros consonantais no início de palavras: gno-mo, mne-mô-ni-co, pneu-má-ti-co, psi-có-
lo-go;
d) em geral, os grupos consonantais em que a segunda letra é “l” ou “r”: a-tle-ta, o-blí-quo, a-tri-
to, sa-cro, le-tra, a-dro.
Separam-se:
a) os hiatos: vô-o, ga-ú-cho, fi-lo-so-fi-a, ca-no-a, a-í, Le-o;
b) os dígrafos “rr”, “ss”, “sç”, “sc” e “xc”: bar-ro, os-so, des-ça, nas-ce, ex-ce-to;
c) os encontros consonantais pronunciados disjuntamente: ad-vo-ga-do, dig-no, ar-te, per-cus-
são, sub-di-re-tor, sub-li-nhar (pronuncia-se como sub-lo-car);
d) as consoantes duplas: oc-ci-pi-tal, fric-ção;
e) os encontros consonantais (de mais de duas consoantes) em que aparece “s” separam-se
depois do “s”: es-tre-la, des-pres-tí-gio, in-ters-tí-cio, felds-pa-to, pers-cru-tar, ins-tru-ir.
4 - É claro que, se a palavra já for separada por hífen, essa separação será respeitada, e, na
passagem de uma linha para a outra (translineação), tal hífen até deve ser repetido:
..................................... ex-
-atleta ..................................
................................... disse-
-nos .....................................
.................................... obra-
-prima ..................................
.................................... auto-
-retrato ................................

EXERCÍCIOS SALA
1. Assinale a alternativa errada a respeito da palavra "churrasqueira".

a) apresenta 13 letras e 10 fonemas

b) apresenta 3 dígrafos: ch, rr, qu

c) divisão silábica: chur-ras-quei-ra

d) é paroxítona e polissílaba

e) apresenta o tritongo: uei

2. Qual das alternativas abaixo possui palavras com mais letras do que fonemas?

a) Caderno

b) Chapéu

c) Flores

d) Livro

e) Disco

3. Assinale a melhor resposta. Em papagaio, temos:

a) um ditongo

b) um tritongo

c) um trissílabo

d) um oxítono

e) um proparoxítono

4. Assinale a série em que apenas um dos vocábulos não possui dígrafo:

a) folha - ficha - lenha - fecho

b) lento - bomba - trinco - algum

c) águia - queijo - quatro - quero

d) descer - cresço - exceto - exsudar

e) serra - vosso - arrepio - assinar

5. Assinale a alternativa que inclui palavras da frase abaixo que contêm, respectivamente, um ditongo oral crescente e um hiato. As mágoas de
minha mãe, que sofria em silêncio, jamais foram compreendidas por mim e meus irmãos.

a) foram - minha

b) sofria - jamais

c) meus - irmãos

d) mãe - silêncio

e) mágoas - compreendidas

6. Assinale a sequência em que todas as palavras estão partidas corretamente.

a) trans-a-tlân-ti-co / fi-el / sub-ro-gar

b) bis-a-vô / du-e-lo / fo-ga-réu

c) sub-lin-gual / bis-ne-to / de-ses-pe-rar


d) des-li-gar / sub-ju-gar / sub-scre-ver

e) cis-an-di-no / es-pé-cie / a-teu

7. Segundo as normas do vocabulário oficial, a separação silábica está corretamente efetuada em ambos os vocábulos das opções:

a) to-cas-sem, res-pon-dia

b) mer-ce-ná-ri-o, co-in-ci-di-am

c) po-e-me-to, pré-dio

d) ru-i-vo, pe-rí-o-do

e) do-is, pau-sas

8. Assinale a alternativa que não apresenta todas as palavras separadas corretamente.

a) de-se-nho, po-vo-ou, fan-ta-si-a, mi-lhões

b) di-á-rio, a-dul-tos, can-tos, pla-ne-ta

c) per-so-na-gens, po-lí-cia, ma-gia, i-ni-ci-ou

d) con-se-guir, di-nhei-ro, en-con-trei, ar-gu-men-tou

e) pais, li-ga-ção, a-pre-sen-ta-do, au-tên-ti-co

EXERCÍCIOS CASA

1. Nas palavras alma, pinto e porque, temos, respectivamente:

a) 4 fonemas - 5 fonemas - 6 fonemas.

b) 5 fonemas - 5 fonemas - 5 fonemas.

c) 4 fonemas - 4 fonemas - 5 fonemas.

d) 5 fonemas - 4 fonemas - 6 fonemas.

e) 4 fonemas - 5 fonemas - 5 fonemas.

2. A alternativa que apresenta uma incorreção é:

a) o fonema está diretamente ligado ao som da fala.

b) as letras são representações gráficas dos fonemas.

c) a palavra "tosse" possui quatro fonemas.

d) uma única letra pode representar fonemas diferentes.

e) a letra "h" sempre representa um fonema.

3. Todas as palavras abaixo possuem um encontro vocálico e um encontro consonantal, exceto:

a) destruir.
b) magnésio.

c) adstringente.

d) pneu.

e) autóctone.

4. A série em que todas as palavras apresentam dígrafo é:

a) assinar / bocadinho / arredores.

b) residência / pingue-pongue / dicionário.

c) digno / decifrar / dissesse.

d) dizer / holandês / groenlandeses.

e) futebolísticos / diligentes / comparecimento.

5. Verificamos a presença de um hiato em:

a) entendia.

b) trabalho.

c) conjeturou.

d) mais.

e) saguão.

6. A alternativa que apresenta certa dificuldade de distinção entre ditongo crescente e hiato é:

a) pai-saúde-mau-juízo.

b) Saara-preencher-cruel-doer.

c) faísca-degrau-chapéu-vôo.

d) piada-miolo-poente-miudeza.

e) frear-foi-saída-rei.

7. A alternativa que apresenta uma incorreção é:

a) "chapéu" possui um dígrafo e um ditongo decrescente.

b) "guerreiro" possui dois dígrafos e um ditongo decrescente.

c) "mangueira" possui dois dígrafos e um ditongo decrescente.

d) "enxagüei" possui dois dígrafos e um tritongo.

e) "exato" não possui dígrafos e nem encontro vocálico.

8. A alternativa em que as letras sublinhadas nas palavras constituem, respectivamente, dígrafo e


encontro consonantal é:
a) exceção / étnico

b) banho / desça

c) seguir / nascimento

d) aquático / psicologia

e) occipital / represa

GABARITO:

1C

2E

3C

4A

5A

6D

7D

8A

AULA 2
ORTOGRAFIA/SITUAÇÕES ORTOGRÁFICAS
PROBLEMAS
ORTOGRÁFICOS
I. TERMINAÇÕES
1. Terminações -ez (-eza), -ês (-esa)
Observe os exemplos:
Grupo 1 Grupo 2
gentil ........ gentileza campo.......camponês, camponesa
belo .......... beleza barão........ baronesa
mole ......... moleza burgo ........burguês, burguesa
fluido ........ fluidez Pequim......pequinês, pequinesa
insensato .. insensatez Portugal.....português, portuguesa

No Grupo 1, a palavra primitiva é adjetivo, e a derivada, substantivo.


No Grupo 2, a palavra primitiva é substantivo, e a derivada, adjetivo.
Portanto, usa-se -ez(-eza), quando a palavra deriva de um adjetivo, e -ês(-esa), quando a palavra
deriva de um substantivo.
2. Terminação -oso(s), -osa(s)
Essa terminação (sufixo) forma muitas palavras adjetivas na Língua Portuguesa. É desnecessário
dizer que ela será sempre com “s”: bondoso(s), bondosa(s); gasoso(s), gasosa(s); bilioso(s),
biliosa(s); maravilhoso(s), maravilhosa(s).
O substantivo gozo(s) e todas as formas do verbo gozar (eu gozo, tu gozas, ele goza etc.) são
com z, mas não constituem exceção, porque essas palavras não têm sufixos, isto é, não são
derivadas de outra menor.
3. Teminações -izar, -(is)ar
Com a terminação izar (sufixo com z), formam-se muitos verbos na Língua Portuguesa:
canal ......... canalizar
bárbaro ..... barbarizar
nacional .... nacionalizar
estilo ......... estilizar
humano ..... humanizar
Observe-se que, realmente, acrescentamos -izar, retirando, quando muito, uma letra da palavra
primitiva.
Há alguns verbos que, aparentemente, apresentam a terminação -isar (com “s”):
análise ...... analisar
paralisia .... paralisar
pesquisa .... pesquisar
friso ............ frisar
Observe-se que, nestes exemplos, acrescentamos apenas -ar, pois is já estava na palavra
primitiva, o que significa que não existe o sufixo -isar, e sim -ar.
- IZAR - quando a palavra primitiva não oferece IS.
- ISAR - quando a palavra primitiva oferece IS.
Nota: A conjugação desses verbos, bem como as palavras que se formam a partir deles,
evidentemente, mantêm o z ou o s, conforme o caso:
canalizar - canalização, canalizado, canalizamos etc;
paralisar - paralisação, paralisado, paralisaremos, paralisando etc.
4. Terminação -inho
Esse sufixo liga-se ao radical por duas maneiras:
a) diretamente, eliminando, quando muito, uma vogal da palavra primitiva:
curral + inho = curralinho, dent(e) + inho = dentinho, nariz + inho = narizinho, barc(o) + inho =
barquinho, cant(o) + inho = cantinho, lag(o) + inho = laguinho.
As consoantes finais do radical l, z, t, c, (transformada em qu) e g (transformada em gu)]
permitem que esta ligação direta aconteça.
Isso igualmente acontece, quando a consoante final da palavra primitiva, tomada no singular, for o
“s”. Por isso, temos:
país + inho = paisinho, mes(a) + inha = mesinha, pes(o) + inho = pesinho, Luís(a) +
inha = Luisinha.
Nestes exemplos, seria tão absurdo substituir o s por outra letra (z), como seria absurdo substituir
as consoantes dos exemplos anteriores.
b) Entretanto, se o radical não oferecer uma consoante que permita essa ligação
espontânea, natural, será preciso recorrer a uma, que se acrescenta; e essa consoante deverá ser o
z, e apenas o z:
pai + z + inho = paizinho, mãe + z + inha = mãezinha, guri + z + inho = gurizinho, árvore +
z + inha = arvorezinha.

- (S) INHO- quando o radical oferecer S.


- ZINHO- quando o radical não oferecer S ou outra consoante.

Observação: As palavras formadas com sufixos como -ito, -al, -ão, arão, -arrão obedecem à
mesma norma ortográfica:
piá + z + ito = piazito, pai + z + ão = paizão, capim + z + al = capinzal, homem + z + arrão
= homenzarrão; lápis + ito = lapisito,
Luís + ão = Luisão, cas(a) + arão = casarão.
5. Terminações -agem, -igem, -ugem
Eis terminações que geralmente se grafam com g: garagem, a viagem, fuligem, ferrugem,
vertigem.
Todavia, os verbos em -ajar, -ijar e -ujar (viajar, alijar, enferrujar etc.) mantêm, na conjugação, o j.
Por isso, temos: que eles viajem, que eles alijem, que eles enferrujem etc.
Nota: As pessoas mais desavisadas têm certa dificuldade em distinguir, na frase, o substantivo
viagem (com g) do verbo viajem (com j). A elas basta que se diga que o substantivo admite o plural
viagens e que o verbo pode mudar para qualquer outra pessoa (viaje, viajemos etc.);
Que viajem! Na próxima vez, viajem vocês.
(Que viagens! Na próxima vez, viaje você.)
6. Terminações -ear, -iar
Muitos são os verbos terminados em -ear e -iar. Eis alguns:
campear passear financiar
veranear acarear aviar
estrear negociar amaciar
recear acariciar copiar
Como evitar trocas entre e e i na hora de empregar essas formas infinitivas?
Conjugando o verbo na primeira pessoa do presente do indicativo: se esta terminar em -eio, o
infinitivo será com -ear; se terminar em -io, o infinitivo será com –iar:
eu campeio eu passeio eu financio
eu veraneio eu acareio eu avio
eu estréio eu negocio eu amacio
eu receio eu acaricio eu copio
Observação:
Apenas cinco verbos fazem “eu -eio”, apresentando, contudo, o infinitivo com -iar. São os da
“Regra do MÁRIO”: mediar, ansiar, remediar, incendiar e odiar.
7. Terminações -(e)eiro -(e)eira, -(i)eiro, -(i)eira
Às vezes, surgem dúvidas entre o emprego de e ou i antes das terminações -eiro, -eira. A dúvida
desaparece, se atentarmos para a origem da palavra formada com essas terminações, pois a letra da
dúvida (e ou i) será a mesma que estiver na palavra primitiva:
cume ....... cumeeira estância .... estancieiro
lume ........ lumeeiro espécie ..... especieiro
candeia...... candeeiro frio ........... frieira
areia .......... areeiro
8. Terminações -am, -ão
Nas formas verbais, a terminação será -am (e não -ão), se a sílaba tônica for a penúltima
(paroxítona): captaram, fizeram, comeram, realizaram. Se a sílaba tônica for a última (oxítona), a
terminação será -ão: cantarão, venderão, farão, comerão.

II. LETRAS
1. X
a) Jamais use ch em vez de x, se houver ditongo antes:
caixa, faixa, peixe, ameixa, frouxo.
b) Em geral, depois de me e mi iniciais:
mexer, mexerica, mixuruca.
Exceção: a mecha.
c) Em geral, depois de en.
enxada, enxergar, enxurrada, enxame.
Observação:
Se a palavra derivar de uma que tem ch, este se mantém:
enchavear (en+chave+ar)
2. Correlação nd x ns
Escreva ns e não nc, se houver outra da família com nd:
compreensão (compreender), extensão (estender).
3. Correlação c x z
Na dúvida entre z ou s em certos vocábulos, basta ver se há uma família que se escreve com c:
atroz, (atrocidade), falaz (falácia), vizinho (vicinal).
4. Correlação t x c(ç)
Outra correlação entre palavras da mesma família que soluciona muitas dúvidas:
exceção (exceto), torcer, torção (torto).

5. Correlações ced x cess, prim x press,


gred x gress, tir x ssão
concessão (conceder), excesso (exceder), agressão (agredir), progressivo (progredir),
opressivo (oprimir), impressão (imprimir), discussão (discutir), repercussão (repercutir).
6. “H” mudo no meio só na bahia dos baianos
desonesto, desonra, subumano.
7. K, W, Y
São usadas apenas em abreviaturas (W.C. - “water-closet”), símbolos (kg - quilograma) e nomes
próprios (Kant, Byron) ou palavras derivadas deles (kantismo, byroniano).
8. S e NÃO Z
a) Depois de ditongo, usa-se sempre s:
lousa, maisena, Sousa, náusea, Neusa.
b) Se a palavra não for oxítona, jamais use z no fim:
ourives, lápis, ônibus, Álvares, Ramires, Rodrigues.

III - PALAVRAS E EXPRESSÕES


1. JEITO é com “j”, porque não tem outro jeito. E assim seus derivados: jeitinho, jeitoso,
ajeitar, rejeitar etc.
2. REIvindicar - REI, depois “vindicar”.
3. Se laranja é com j, laranjeira também será. Se cume é com e, cumeeira manterá o e. Se
candeia tem e depois do d, candeeiro manterá o e. E, assim, a grafia correta de muitas palavras
depende apenas de observação inteligente.
4. A FIM DE - Se há DE separado, separe o A. AFIM (junto) significa afinidade e, geralmente, é
usado no plural:
Nós temos idéias afins.
5. QUIS (com S) e FIZ (com Z). Por quê? Ligue-se no infinito, no nome do verbo. Se este contiver
Z, está na cara que ele não deve ser trocado por S na conjugação. Se o infinitivo não contiver Z,
então, na conjunção, devemos usar S:
FAZER (com Z) - fiz, fizemos, fizeste etc.
DIZER (com Z) - diz, dizemos etc.
APRAZER (com Z) - apraz, aprazia etc.
Mas:
QUERER (sem Z) - quis, quiseste, quisera etc.
PÔR (certo) - pus, pôs, pusemos, pusera etc.
6. EXPECTATIVA (com X), que significa espera.
ESPECTADOR, o que assiste a um espetáculo, é que é com S.
7. Os verbos terminados em uir mantêm o i na 3ª pessoa do singular:
possui, constitui, constrói, anui, rui, flui.
8. PRIVILÉGIO (com i) vem de PRIVADO (com i).
9. CONSCIÊNCIA todo mundo sabe que é com sc; logo, os derivados serão com sc:
conscientizar, inconsciência, conscientização etc.
10. ATRASADO, segundo o Prof. Édison de Oliveira, é quem escreve atrasado com z.
11. EXCESSO - Não confundir com exceção.
12. A PAR x AO PAR - A expressão de uso comum é a par. Ao par usa-se no mundo financeiro
para indicar equivalência de moedas e títulos. A par de (=ao lado de) é sinônimo de de par com:
A par da (ou De par com a) beleza, devemos ressaltar sua inteligência.
13. AFORA
Andava pelo mundo afora.
Afora o líder, todos riram.
Existem de fora, por fora, em fora; mas não existe à fora. É, pois, erro grosseiro escrever:
“Andava pelo mundo à fora”.
14. TAMPOUCO x TÃO POUCO - Tampouco significa também não:
Não fuma, tampouco bebe.
Tão pouco traz a idéia de muito pouco:
Ele estuda tão pouco, que não passará.
15. TÃO-SÓ e TÃO-SOMENTE - São expressões que tão-somente servem para reforçar
somente. Empregam-se com hífen.
16. ACERCA DE x HÁ CERCA DE x A CERCA DE - As três expressões são usadas: a primeira
significa a respeito de (Só falava acerca de suas aventuras); a segunda indica tempo transcorrido,
em que há é igual a faz (Há cerca de dez anos, estávamos no início desta obra); a terceira indica um
tempo futuro (Daqui a cerca de três meses iniciaremos a obra).
17. IR AO ENCONTRA DA NAMORADA ou IR DE ENCONTRA À NAMORADA?
É muito melhor ir ao encontra da namorada. Ir de encontra a significa chocar-se, abalroar:
O automóvel foi de encontro ao barranco.
18. AO INVÉS DE x EM VEZ DE - Aproximam-se no significado, mas não são exatamente iguais.
Ao invés de traz a idéia de ao contrário de:
Quando ouviu a piada, ao invés de rir, chorou.
Em vez de significa em lugar de:
Em vez de trabalhar, foi ao cinema.
19. PORVENTURA Significa acaso, por acaso. Não se separa.
20. EMPECILHO (com e e lh) - Vem de empecer, que significa estorvar, criar obstáculos.
IV - EMPREGO DO HÍFEN
1 - Certos prefixos, às vezes, exigem hífen.
Examinemos este quadro:
Palavra iniciada por:
PREFIXOS VOGAL h r s
a) pseudo, auto,
neo, infra, supra, SIM SIM SIM SIM
extra, proto, intra,
contra, ultra, semi
b) circum, pan, SIM SIM NÃO NÃO
mal
c) ante, anti, arqui, NÃO SIM SIM SIM
sobre
d) super, inter, NÃO SIM SIM NÃO
hiper
e) sub (também se NÃO NÃO SIM NÃO
separa antes de b.)
Exemplos:
a) pseudo-homem, auto-retrato, neo-sectário, infra-assinado, supra-renal, extra-oficial,
(“extraordinário” é a única exceção desse quadro), proto- -história, intra-uterino, contra-
revolucionário, ultra- -som, semi-reta, semi-índio;
b) circum-adjacente, circum-hospitalar, pan- -amaricano, pan-helenismo, mal-estar, mal-
-humorado; mas: circunsessão, circunrodar, pansexual, panruralismo, malroupido, malsão;
c) ante-histórico, ante-sala, ante-republicano, arqui-rabino, arqui-secular, sobre-humano, sobre-
-restar; mas: anteontem, antiimperialista, arquiavô, sobreaviso, sobreeminência.
d) super-homem, super-resistente, inter- -humano, inter-radical: mas: superativo,
superinfluente, superunião, interurbano, interagir, intersindical.
e) sub-reitor, sub-ramo, sub-base, sub-biblioteca; mas: subalimentado, subalugar, suboficial,
subumano, subsolo, subseção.
Observação:
Atente-se bem para o fato de que todos esses prefixos se unirão à palavra radical, se esta não
começar por vogal, h, r, ou s (HORAS - o e a representam as vogais).
Sem HORAS, não haverá hífen.
Neoclássico, autodidata, internacional, pseudo-progresso, superbase, infravermelho,
circumpolar, malcriado, supermercado, subchefe, subdiretor, antebraço, anticristo.
2 - Sempre exigirão hífen:
a) prefixos tônicos, com acento: além, aquém, recém, pré, pró, pós, grã, grão: além-túmulo,
além-mar, aquém-fronteira, pró-creches, pós-guerra, grão-mestre, grã- -finagem.
b) soto, sota, vice: soto-mestre, sota- -piloto, vice-governador, vice-almirante.
c) bem, sem: bem-humorado, sem- -vergonha, bem-amado, bem-estar, sem- -cerimônia.
d) ex, significando estado anterior, que já foi: ex-colega, ex-presidente, ex- -empregado.
e) não, quando empregado como prefixo: não-agressão, não-alinhado, não- -violência.
3 - Nunca exigirão hífen outros elementos de composição que não têm vida própria na língua, tais
como: micro, macro termo, bi, tri, tetra, penta, hexa, hepta, aero, angi, bio, cis, ego, eletro, fisio,
hemi, hidro, mono, multi, mini, maxi, neuro, oni, psico, quadri, radio, retro, sesqui, tele, termo,
turbo, zoo: microônibus, macroatacado, termodinâmica, bicampeão, aeroespacial, anfiteatro,
bioexaustor, cisplatino, egocentrista, eletromagnético, fisioterapia, retropropulsor, telejornalismo,
turboélice, zoobotânica.
Observação: Quando os elementos que não exigem hífen se ligam a palavras iniciadas por h, r,
e s poderá ser necessário fazer adaptação ortográfica:
sub + humano = subumano (não há “h” mudo no meio),
turbo + hélice = turboélice,
mini + saia = minissaia (sem “ss” teríamos de ler “minizaia”),
radio + repórter = radiorreporter.

V - POR QUE - POR QUÊ - PORQUE - PORQUÊ(S)


Não se trata, como dizem por aí, da mesma palavra com grafias diferentes; trata-se, na verdade,
de palavras de categorias diferentes, cujo emprego depende da frase em que se inserem.
Vejamos cada caso:

POR QUE

Funciona como advérbio interrogativo, nas frases interrogativas diretas ou indiretas:


Por que discordas de mim? (interrogativa direta)
Gostaria de saber por que discordas de mim. (interrogativa indireta)
Por que há tanta celeuma? (interrogativa direta)
Dize-me por que há tanta celeuma. (interrogativa indireta)
Pode ser, ainda, a preposição por e o pronome relativo que. Ora, se pode ser pronome precedido
de preposição, à semelhança de a que, de que, em que etc., está errado quem diz que se usa por
que somente nas perguntas:
A causa por que lutamos vencerá.
Os caminhos por que andamos são tortuosos.
Comprova-se, na prática, o uso de por que (preposição e pronome separados), substituindo-os
pela expressão PELO QUAL (PELOS QUAIS, PELA QUAL, PELAS QUAIS):
A causa pela qual lutamos vencerá.
Os caminhos pelos quais andamos são tortuosos.
Embora não seja necessário, porque as frases interrogativas são fáceis de reconhecer, artifício
semelhante pode ser aplicado ao advérbio interrogativo:
Por qual razão há tanta celeuma?
Dize-me a razão pela qual há tanta celeuma.
Resumindo, usa-se por que, sempre que for possível substituí-lo por uma expressão onde
apareça QUAL ou QUAIS.

POR QUÊ

Só pode ser advérbio interrogativo:


Vieste tão tarde, por quê ?
Podes sair, mas quero saber por quê.
Por quê, afinal ?
O acento se justifica pelo fato de o quê haver adquirido tonicidade, o que acontece quando for insulado
ou está em final de frase. Pelos exemplos, observa-se que é muito freqüente nos diálogos das narrativas.
Seu reconhecimento, na prática, faz-se pelo mesmo artifício do anterior. Receberá o acento, se
bater num sinal de pontuação.

PORQUE

É sempre conjunção. Em geral, é substituível por POIS e nunca é substituível por uma expressão
em que aparece QUAL ou QUAIS:
Trabalha, porque o trabalho enobrece.
Há pessoas que não se abatem, porque possuem muita força de vontade.
Na prática, se não for substituível por POIS, reconhece-se pela exclusão de POR QUE e POR QUÊ:
Neste capítulo, há muitos porquês, mas é porque ele versa sobre eles e não porque o
autor seja maníaco

PORQUÊ(S)

Trata-se de uma substantivação. Como ocorre com os substantivos em geral, admite ser
pluralizado, ao contrário dos casos anteriores em que temos palavras invariáveis:
Não é fácil compreender o porquê desse comportamento.
Eram tantos os porquês, que começamos a duvidar.
Se o pomos ou podemos pô-lo no plural, usemos PORQUÊS ou PORQUÊ.
VI - QUE, QUÊ(S)
O “que” é a palavra que mais funções pode exercer na frase. Isso, entretanto, não nos interessa
analisar aqui. Para os objetivos deste capítulo, basta que saibamos os raros casos nos quais deve
ser acentuado por adquirir tonicidade.
Esses casos, podemos reduzi-los a dois:

1)quando encerra a frase ou for exclamativo, circunstâncias em que virá necessariamente


seguindo de ponto:
Disseste o quê?
Quê! Não acredito.
2) quando for substantivado, caso em que admite ser pluralizado:
Tinha um quê estranho no olhar.
(Tinha uns quês estranhos no olhar.)

EXERCÍCIOS CLASSE

1) Uma das palavras está grafada incorretamente em:


a) insensatez, consulesa
b) improvisado, ajuizado
c) descortezia, atrasaram
d) propusemos, quisemos
e) formalizaram, paralisaram
2) Idem:
a) excessões, utensílios
b) trigésimo, concessões
c) inadmissível, necessidade
d) transgressões, percurso
e) desclassificaram, assessoraram
3) Idem:
a) cochilaram, encorajei
b) enxergavam, linchavam
c) trajetória, relaxaram
d) homenageiam, regeitavam
e) contagiante, majestoso
4) Uma das palavras está grafada incorretamente em:
a) hesitamos, seiscentos
b) asterisco, idoneidade
c) sessenta, repercução
d) aeroporto, beneficente
e) meteorológico, madeireira
5) A única palavra que não se escreve com - X -, na série abaixo, é:
a) bruxulear
b) enxumaçar
c) debuxo
d) mexilhão
e) enxame
6) Assinale o item em que o emprego da letra Z num vocábulo está incorreto:
a) catequizar, abalizar, rezar
b) matizar, modernizar, agonizar
c) ajuizar, finalizar, simbolizar
d) granizar, amenizar, frizar
e) suavizar, fiscalizar, anarquizar
7) As ........................... passara ficaram gravadas em seu .............................. .
a) vississitudes porque subconsciente
b) vicissitudes porque sub-consciente
c) vississitudes por que sub-consciente
d) vicissitudes por que subconsciente
e) vicissitudes porque subconsciente
8) Somente em um dos termos seguintes, está correto o uso do hífen:
a) super-produção
b) super-humano
c) super-bomba
d) super-confiante
e) super-potente
9) Pense nos ideais ...................... batalhamos há tanto tempo, e diga-me ................. fracassamos.
Será ............ fomos incapazes ou descuidados em algum ponto?
a) por que por que por que
b) por que por que porque
c) porque porque porque
d) porque por que porque
e) por que porque por que
10) Então .............não posso ir também? Só ............. sou mais novo? Responda, ou não vai me
dizer ....... ?
a) porque porque porque
b) porque por que por quê
c) por que por que por quê
d) por que porque por quê
e) por que por que porque

EXERCÍCIOS CASA

1) O amor verdadeiro provoca sempre alegria. ..................? ................ é crescimento, realização,


dom de vida. No entanto, você poderia perguntar ............... sofrem aqueles que amam.
a) Porque Por que porque
b) Por quê Por que porque
c) Porque Porque por que
d) Por que Porque por que
e) Por quê Porque por que
2) É ............. a condição em que vivem as famílias...............................
a) subumana superpobres
b) subhumana superpobres
c) sub-humana super-pobres
d) sub-humana superpobres
e) subumana super-pobres
3) Assinale a alternativa em que não há erro quanto ao hífen:
a) subdiretor, autodidata,
anticonvencional, antedata
b) pseudo-progresso, super-desenvolvido,
sub-chefe
c) pré-carnavalesco, macro-atacado,
bi-campeão, micro-ônibus
d) ultra-moderno, neo-clássico,
super-resistente, super-homem
e) sub-solo, arqui-avô, sobre-eminência,
pré-cabralino
4) Há erro de grafia na alternativa:
a) Por que você decidiu cursar Comunicação Social?
b) Eu ignoro o porquê de sua decisão em cursar Comunicação Social.
c) Eu ignoro por que motivo você se decidiu cursar Comunicação Social.
d) Eu ignoro por que você se decidiu cursar Comunicação Social.
e) Você se decidiu cursar Comunicação Social só por que pensa que o curso oferece boas
perspectivas?
5) A manifestação do Ministro foi contundente: “............ dar................ aos ............... ?”
a) Por que subsídios privilegiados
b) Por que subsídios previlegiados
c) Porque subisídios privilegiados
d) Por que subisídios privilegiados
e) Porque subsídios previlegiados
6) Indique a alternativa onde todas as palavras estão corretas:
a) vice-reitor, pré-carnavalesco, anti-comunista
b) super-produção, auto-didata, ultra-saudável
c) pseudo-profeta, inter-resistente, pós-guerra
d) sobre-humano, intra-muscular, ante-sala
e) ante-republicano, neo-humanismo, semi-reta

GABARITO
1- E 2- A 3- A 4- E 5- A 6- E
AULA 3
ACENTUAÇÃO GRAFICA
A partir de janeiro de 2009, passou a vigorar o NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO e algumas
mudanças ocorreram nas regras de acentuação gráfica, porém essas mudanças não foram
tantas como muitos imaginam. A maior parte continua como era.
Quando se fala em acentuação, é importante perceber que podemos estar nos
referindo ao acento da fala (acento prosódico) ou ao acento da escrita (acento gráfico).
Para se utilizar o acento gráfico é necessário seguir algumas regras. Vejamos:

a) Monossílabos Tônicos: são acentuados os que terminam em:


 a, as: pá, pás;
 e, es: pé, pés;
 o, os: pó, pós.

b) Oxítonas: são acentuados as que terminam em:


 a, as: Pará, sofá, estás, irás;
 e, es: você, sapé, jacarés, Urupês;
 o,os: cipó, avô, retrós, supôs;
 em, ens: alguém, parabéns, vintém, armazéns;

c) Paroxítonas: são acentuados as que terminam em:


 i, is: táxi, lápis, júri, grátis;
 us: vírus, bônus;
 um, uns: álbum, álbuns;
 l: incrível, útil, visível;
 r: éter, mártir;
 x: tórax, ônix;
 ps: bíceps, fórceps;
 ã, ãs: ímã, órfã, ímãs, órfãs;
 ão, ãos: bênção, órgão, órfãos, sótãos;
 ei, eis: vôlei, jóquei, amáveis, difíceis;
 ditongo crescente seguido ou não de s: colégio, histórias, relógio, ciências;
 n: próton, elétron, hífen, abdômen;

Quanto à terminação em NS, há duas vertentes, ou seja, pode-se ver a questão pelo lado das
paroxítonas ou das oxítonas:

a. paroxítonas terminadas em ENS não são acentuadas: hifens, itens, germens, polens,
abdomens, imagens, jovens, nuvens, totens;
b. paroxítonas em ONS são acentuadas: elétrons, prótons, nêutrons;

ou:

c. oxítonas em ENS são acentuadas: parabéns, conténs, armazéns, nenéns.


d. oxítonas em ONS não são acentuadas: maçons, garçons, acordeons.

d) Proparoxítonas: são todas acentuadas. É o caso de: lâmpada, Júpiter, relâmpago,


lúdico, Atlântico, tecnológico, psicológica, pássaro, pêssego, autêntico, óculos, período.

e) Ditongos Abertos Tônicos:

Agora veja o quadrinho abaixo:


Eram acentuados os ditongos tônicos abertos: éi, ói, éu, seguidos ou não de s. Agora ficou
assim:

 O ditongo aberto éu, seguido ou não de s, é acentuado. É o caso de chapéu e céus.


Cuidado: não haverá acento se o ditongo aberto não for tônico: aneizinhos,
chapeuzinhos, heroizinho.

 Some o acento dos ditongos abertos éi e ói das palavras paroxítonas (as que têm a
penúltima
sílaba mais forte):

Antes Depois
européia, idéia, heróico, apóio, bóia, europeia, ideia, heroico, apoio, boia,
asteróide, Coréia, estréia, jóia, platéia, asteroide, Coreia, estreia, joia, plateia,
paranóia, jibóia, assembléia paranoia, jiboia, assembleia

Agora preste atenção: herói, papéis, troféu mantêm o acento (porque têm a última sílaba
mais forte).

f) Hiatos:
 I / U: quando a segunda vogal do hiato for i ou u, tônicos, acompanhados ou não de s,
haverá acento: saída, faísca, carnaúba, viúva, país, baú, Jaú, balaústre, caíste.

Obs.: Quando o I ou U tônicos do hiato vierem seguidos de outra letra (que não o s) na
mesma sílaba, não se acentuam: Sa-ul, a-in-da, ru-im, ca-ir-mos, ju-iz, ca-iu.
Quando o I tônico do hiato vier seguido de nh na sílaba seguinte, não se acentuam:
ra-i-nha, ta-i-nha, mo-i-nho.
Agora veja o quadrinho:

Some o acento no i e no u tônicos depois de ditongos (junção de duas vogais), em palavras


paroxítonas:
Antes Depois
Baiúca, bocaiúva, feiúra Baiuca, bocaiuva, feiura

Agora preste atenção: Se o i e o u estiverem na última sílaba, o acento continua como em:
tuiuiú ou Piauí.

 Os hiatos ÔO e ÊEM eram acentuados, mas perderam o acento. Veja quadrinho:

Portanto, some o acento circunflexo das palavras terminadas em êem e ôo (ou ôos):
Antes Depois
crêem, dêem, lêem, vêem, prevêem, vôo, creem, deem, leem, veem, preveem, voo,
enjôos enjoos

g) Verbos TER, VIR e seus derivados: são acentuados na 3ª pessoa do plural do presente
do indicativo para diferenciá-los da 3ª pessoa do singular do mesmo tempo e modo:
ele tem – eles têm ele vem – eles vêm

Com os derivados desses verbos, é preciso lembrar que há acento agudo na 3ª


pessoa do singular e circunflexo na 3ª pessoa do plural do presente do indicativo:
ele detém – eles detêm ele intervém – eles intervêm
ele mantém – eles mantêm ele provém – eles provêm
ele obtém – ele obtêm ele convém – eles convêm

h) Trema: colocava-se o trema nos grupos gue, gui, que, qui, quando o u era pronunciado e
átono. Agora, desaparece em todas as palavras:
Antes Depois
freqüente, lingüiça, agüentar frequente, linguiça, agüentar

Agora preste atenção: Fica o acento em nomes como Müller


Assim, resta divertir-se com esses quadrinhos:
i) Grupos (gue, gui, que, qui): quando a letra u era pronunciada tonicamente, havia acento
agudo como em apazigúe, argúi, obliqúe, averigúem, argúem, obliqúem. Com a reforma
ortográfica, some o acento agudo no u forte nos grupos gue, gui, que, qui, destes verbos.
Antes Depois
Averigúe, apazigúe, argúi Averigue, apazigue, argui

j) Acentos diferenciais: algumas palavras que recebiam acento excepcional, para


diferenciá-las, na escrita, de suas homônimas. O acento diferencial sumiu em muitas delas,
ficando apenas nos casos do quadro abaixo:

 pôr (verbo) / por (preposição).


 pôde (pretérito perfeito do indicativo do verbo poder) / pode (presente do indicativo do verbo
poder).
 fôrma, para diferenciar de forma, pode receber acento circunflexo.
Portanto ficou assim:
Antes
Pára, péla, pêlo, pólo, pêra, côa

Depois
Para, pela, pelo, polo, pera, coa
Abaixo o quadro dos casos de acento diferencial antes da reforma ortográfica:

 pára (forma do verbo parar, também em pal. compostas: pára-raios, pára-quedas) / para
(preposição)
 péla, pélas (formas do presente do indicativo do verbo pelar) / pela, pelas (contração da preposição
per + artigo a e as)
 pêlo, pêlos ( substantivos) / pélo (forma do verbo pelar) / pelo, pelos (contração da preposição per +
artigo o e os)
 pêra (substantivo) / pera (preposição arcaica)
 pôlo, pôlos (substantivo; gavião ou falcão com menos de um ano) / pólo, pólos (substantivo) / polo
(contração arcaica de preposição)
 côa, côas (formas do presente do indicativo do verbo coar) / coa, coas (preposição com + artigo a e
as; essas formas são comuns em poesia)

EXERCÍCIOS CLASSE
1. Qual dentre as palavras abaixo deve ser necessariamente acentuada:
a) ai
b) pais
c) doida
d) sauva
e) saia

2. A palavra que pode ser enquadrada em duas diferentes regras de acentuação é:


a) veículo.
b) abençôo.
c) límpido.
d) refém.
e) pajé.

3. A alternativa em que somente uma das palavras deve receber acento gráfico é:
a) Luis, patroa, nuvem
b) hifens, item, somente
c) arcaico, itens, caju
d) seduzi-lo, maracatu, cafezal
e) abençoe, saiu, hotel

4– (Mackenzie) Indique a única alternativa em que nenhuma palavra é acentuada graficamente:


a) lapis, canoa, abacaxi, jovens,
b) ruim, sozinho, aquele, traiu
c) saudade, onix, grau, orquidea
d) flores, açucar, album, virus,
e) voo, legua, assim, tenis

5-(INSPER 2007)
O texto a seguir foi extraído da seção “Barbara responde”, na qual a irreverente jornalista se propõe a “esclarecer” as dúvidas dos leitores. Leia-o
com atenção.
RIGOR GRAMATICAL
“Aprendi que oxítonas terminadas em ‘i’ e ‘u’ não são acentuadas. Mas, e aquele banco cujo nome é oxítono e termina em ‘u’ acentuado, por que
ele pode?”
Pasquala
Pascácia
Sei, sei. Quer dizer que você compareceu à aula das oxítonas, mas perdeu aquela que ensinava que com nome próprio cada um faz como bem
entende, né, madame?
(Revista da Folha, 25/03/2007)
Analisando a pergunta da leitora e a resposta da jornalista, e considerando as regras oficiais de acentuação gráfica, é possível concluir que
a) A palavra em questão — Itaú — não é oxítona, mas proparoxítona. Segundo as regras de acentuação gráfica em vigor, todos os proparoxítonos
são acentuados.
b) Embora a palavra seja realmente oxítona, a razão pela qual ela é acentuada é outra: acentuam-se as letras “i” e “u” quando formarem hiatos
tônicos, sozinhos ou acompanhados de “s”.
c) Trata-se de uma exceção à regra. O mesmo ocorre com a palavra “Pacaembú”.
d) A resposta da jornalista está correta, uma vez que um fato semelhante ocorre com a grafia de seu nome,que deveria ter acento agudo: Bárbara.
e) A palavra recebe acento agudo por ser uma paroxítona terminada em “u”.

6-(INSPER)
Levando em conta as informações do primeiro quadrinho, identifique a alternativa que apresenta a palavra
que também sofreu alterações na acentuação gráfica devido à regra mencionada.
a) plateia
b) heroico
c) gratuito
d) baiuca
e) caiu

EXERCÍCIOS CASA

1. Assinale o item em que todas as palavras são acentuadas pela mesma regra de: também, incrível e caráter.
a) alguém, inverossímil, tórax
b) hífen, ninguém, possível
c) têm, anéis, éter
d) há, impossível, crítico
e) pólen, magnólias, nós

2. São acentuadas graficamente pela mesma razão as palavras da opção:


a) há – até – atrás
b) história – ágeis – você
c) está – até – você
c) ordinário – apólogo – insuportável
c) mágoa – ícone – número

3. Todas as palavras devem ser acentuadas na alternativa:


a) pudico, pegada, rubrica
b) gratuito, avaro, policromo
c) abdomen, itens, harem
d) magoo, perdoe, ecoa
e) contribuia, atribuimos, caiste

4. Assinale o item em que as palavras estão acentuadas segundo a mesma regra:


a) miúdo, pêndulo
b) história, distância
c) música, porém
d) respeitável, pálpebra
e) Lucília, três

5. Por serem proparoxítonos, deveriam estar acentuados os vocábulos da opção:


a) refrega, ibero, decano
b) aziago, pegada, avaro
c) leucocito, alcoolatra, interim
d) inaudito, batavo, erudito
e) rubrica, maquinaria, pudico

GABARITO:

1. a
2. c
3. e
4. b
5. c
AULA 4
HOMÔNIMAS E PARÔNIMAS
1. HOMÔNIMAS - palavras de significantes iguais e de significados diferentes.
1.1. HOMÓFONAS: palavras de pronúncias iguais (mesmos fonemas):
COSER(costurar) x COZER (cozinhar)
CERRAR (fechar) x SERRAR (cortar)
1.2.HOMÓGRAFAS: palavras de grafias iguais (mesmas letras), mas de pronúncias
diferentes:
SOBRE (preposição) x SOBRE (do verbo sobrar)
PÊLO (substantivo) x PÉLO (do verbo pelar)

1.3. PERFEITAS: palavras de mesma grafia e mesma


LIMA (fruta) x LIMA (ferramenta)
SÃO pronúncia: (adjetivo) x SÃO (do verbo ser)

2. PARÔNIMAS - palavras de significantes semelhantes e de significados diferentes:


INFRINGIR (transgredir) x INFLIGIR (aplicar)
RATIFICAR (confirmar) x RETIFICAR (consertar)

POLISSEMIA : é a propriedade da palavra de apresentar significados que só


podem ser explicados dentro do contexto.
O lavrador quebrou o cabo da enxada.
O navio contornou o Cabo das Tormentas
Aquele soldado tornou-se Cabo.
Ele nunca mais quis ser cabo eleitoral.

Esfera Semântica : Hiperônimos e hipônimos


Na construção de um texto, é muito importante o emprego de palavras que mantenham uma relação de
significado entre si. Tal relação recebe o nome de hiperonímia e hiponímia.
Ex. Fui à feira, comprei maças, peras, mangas e outras frutas frescas.
Maça, Pera e Manga têm certa familiaridade significativa, pois pertencem a mesma esfera semântica ou
seja, todas são frutas. Essas palavras são Hipônimas.
A palavra FRUTA é o sentido mais abrangente englobando todas as anteriores.

Logo a palavra fruta é Hiperônima de todas aquelas a que ela se relaciona.

1- Assinale os Hipônimos dos Hiperônimos abaixo:


FLOR:
Rosa x pétalas cravo x Dália x caule vermelho malmequer orquídea x

ÁRVORE
Castanheiro x Folhas Plátano x tronco Olaia x Faia x Cerejeira x ramos

PEIXES
Pescada x barbatana Sardinha x escama Espada x Corvina x raia baleia
EXERCÍCIOS CLASSE

1. Identifique se são:
(1) HOMÔNIMAS HOMÓFONAS (3) HOMONÌMAS PERFEITAS
(2) HOMÔNIMAS HOMÓGRAFAS (4) PARÔNIMAS
01. ( ) Eu como feijão como um verdadeiro brasileiro.
02. ( ) Ônibus tem um acento e vários assentos.
03. ( ) Sua licença foi cassada devido a uma caçada fora de temporada.
04. ( ) Por espiar o que não devia, ele deverá expiar um castigo.
05. ( ) Ele deu o seu apoio e eu apóio também.
06. ( ) O ladrão entrou despercebido e tomou o banco que estava desapercebido.
07. ( ) É iminente a vinda daquela eminente pessoa.
08. ( ) A descrição da mulher foi feita com bastante discrição.
09. ( ) Este Estado fica a este e não a oeste.
10. ( ) Sujou a manga da camisa com o suco de manga.

2. Empregue o parônimo adequadamente: .


01. Não é preciso você ............. as calças para ................... um cavalo, (arrear - arriar)
02. Os processos não serão .....(deferidos - diferidos). É preciso primeiro .....(deferir - diferir) um do outro.
03. Não houve ........ na ............. do comportamento daquela mulher, (descrição - discrição)
04. Depois de ............ o prazo várias vezes, acabou por................ seu companheiro que não quis dividir o
roubo com ele. (delatar - dilatar)
05. Depois de ............. o certo do errado, acabou por ............ teu chefe que verdadeiramente era
inocente. (descriminar - discriminar)
06. Sua ........... está na ........... de ser promovido mais uma vez. (eminência - iminência)
07. Por ele me ........... em público, vou ......... todos os meus contratos com ele. (destratar - distratar)
08. O submarino depois de ............. teve de ................. imediatamente, pois apresentou um grave defeito.
(emergir - imergir)
09. Depois de colocar as mercadorias na .......ele recebeu ..... das demais tarefas, (despensa - dispensa)
10. Para ........o público, ele teve de .......uma comédia há muito esquecida pelo povo. (recrear - recriar)
11. Aqueles dois zagueiros de .............. fugiram da concentração e foram ao Teatro Municipal onde
ouviram uma belíssima .................. (área - ária)

3. Empregue o parônimo» adequadamente:


01. O juiz ........ (assoava - assuava) o nariz, enquanto era ............... (assoado - assuado) pela torcida.
02. Embora fosse um trabalho muito ......às 5:00 h. ele já tinha .......o seu dever, (comprido - cumprido)
03. Receba os nossos ........................ (comprimentos - cumprimentos)
04. A regata que foi.................. pelo Banco do Brasil, (custeada - costeada)
05. No verão, são comuns os casos de ................. (insulação - insolação).
06. Depois que o apito do juiz ................. você terá que .............. a camiseta, (soar - suar)
07. É necessário um ............... (surtimento - sortimento) maior de mercadorias, para que as propagandas
.......... (surtam - sortam) algum efeito.
08. Era um pacote muito ........................... (vultoso - vultuoso).

EXERCÍCIOS CASA

1.Indique o homônimo ou parônimo correto:


01. Ele foi.......... (acender ou ascender) uma vela para ............. (acender ou ascender) de posto.
02. Este corpo ................ (discente - docente) é formado só por professores
............(decentes - descontes).
03. Ônibus tem um ............... e trinta e seis ................ (acento - assento).
04. Saiu .............. depois de ter.................. as mercadorias, (apreçado - apressado)
05. Teve sua licença ........... por. ter feito uma ................ fora de época.-(caçada - cassada)
06. Colocou a ................. do cavalo na ................... do bandido, (sela - cela)
07. É necessário ter um ........crítico para analisar o ......... escolar feito há dois anos. (senso -censo).
08. De tão cansado ele ......... (serrava - cerrava) com os olhos ..........(serrados - cerrados).
09. Os ............... do rei pediram-lhe licença para caçar............. (servos - cervos).
10. Houve uma .............. especial na .............. de vendas, para se discutir a respeito da .................... do
prêmio extra recebido pêlos vendedores aos mais necessitados, (seção, sessão, cessão)
11. Não havia nenhum ........... aceso em torno do ................ morto, (círio - sírio)
12. O ........ pôde ser realizado graças ao ...... feito no sistema de som do teatro, (concerto - conserto)
13. Os políticos já estão ...................... (empoçados - empossados).
14. Para esta ............... a situação ficou .............. (ruça - russa).
15. Seu nome foi........... na lista de um modo ................ (incerto - inserto).
16. O desconhecimento tornava-o .............. e a inexperiência,........ (incipiente - insipiente).
17. Estamos a dois ................. (paços ou passos) do ......... (paço ou passo) real.

2. Sublinhe o homônimo ou parônimo adequado:


01. Tudo ocorreu no momento (asado ou azado).
02. Ninguém gosta de ovos mal (cozidos ou cosidos). .
03. Faltou luz porque queimou o (fuzil - fusível).
04. Ele teve de (coser ou cozer) o casaco rasgado pela ponta do (fusível ou fuzil).
05. Os professores vão (revezar ou revisar) as notas.
06. Os médicos vão (revezar ou revisar) nos plantões.
07. Ele é o maior (ás ou az) do volante.

3. Utilize o homônimo correto:


01. Há muitos ......... em prisões porque andaram ............ o que não deviam, (espiando ou expiando)
02. O filho ainda ......... (espirava /expirava), mas o pai já tinha ............ (espirado/ expirado).
03. O ............. como todo osso não está .................... ao nosso corpo, (esterno ou externo)
04. Ele ficou ............. diante daquele quadro ..................... . (estático ou extático)
05. Este é o .................. da sua conta, (extraio ou estrato)
06. Embora um ....em Química, ele era bastante .....esperto ou experto) para resolver problemas de
Física.

4. Aplique o homônimo ou parônimo correto:


1. O pintor largou a .............. pegou o martelo e bateu-o sobre a ...................cuja cabeça está bastante
saliente, (brocha ou broxa)
2. Bateu com esta .............. sobre a minha ... ............ (cachola ou caixola)
3. O ........... do Ira sempre gostou de ............ inglês, (xá ou chá)
4. Passou o fim de semana em sua .............. ........... (chácara ou xácara).
5. Deu um .................mate e recebeu o ........ ..... do prêmio, (cheque - xeque)
6. Prendeu-se com ............. o aviso sobre as............ a serem pagas, (tachas ou taxas)
7. Ele ........ (tachou ou taxou) de absurdas tais declarações.
8. Além de.............. (cocho ou coxo) ainda feriu a ............. (cocha ou coxa) esquerda.

EXERCÍCIO 1:
01. acender-ascender 02. docente – decentes 03. acento – assentos 04. apressado –
apreçado 05. cassada – caçada 06. sela – cela 07. senso – censo 08. serrava - cerrados
09. servos – cervos 10. sessão - seção – cessão 11. círio – sírio 12. concerto- conserto
13. empossados 14. russa – ruça 15. inserto - incerto 16. insipiente - incipiente
17. passos – paço

EXERCÍCIO 2:
01. azado 02. cozidos 03. fusível 04. coser /fuzil 05. revisa r 06. revezar 07. ás

EXERCÍCIO 3:
01. expiando - espiando 03. esterno – externo 05. extrato
02. espirava – expirado 04. extático – estático 06. experto - esperto

EXERCÍCIO 4:
01. broxa - brocha 02. caixola – cachola 03. xá – chá 04. chácara
05. xeque – cheque 06. tachas – taxas 07. tachou 08. coxo - coxa
AULA 5
PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PALAVRAS
Para analisar a formação de uma palavra, deve-se procurar a origem dela. Caso seja
formada por apenas um radical, diremos que foi formada por derivação; por dois ou
mais radicais, composição. São os seguintes os processos de formação de palavras:
DERIVAÇÃO
Formação de novas palavras a partir de apenas um radical.
DERIVAÇÃO PREFIXAL: acréscimo de um prefixo à palavra primitiva;
também chamado de prefixação. Antepasto,
reescrever, infeliz.
DERIVAÇÃO SUFIXAL: acréscimo de um sufixo à palavra primitiva; também
chamado de sufixação. Felizmente, igualdade, florescer.
DERIVAÇÃO PREFIXAL E SUFIXAL: é o acréscimo de um prefixo e de um
sufixo, em tempos diferentes ; também chamado de prefixação e
sufixação. Infelizmente, desigualdade, reflorescer.
DERIVAÇÃO PARASSINTÉTICA: é a adição de um prefixo e de um sufixo, ao
mesmo tempo; também chamado de parassíntese.
Envernizar, enrijecer, anoitecer.
DERIVAÇÃO REGRESSIVA: é a retirada da parte final da palavra
primitiva,obtendo, por essa redução, a palavra derivada.
Do verbo debater, retira-se a desinência de infinitivo -R: formou-se o substantivo
debate.

DERIVAÇÃO IMPRÓPRIA : é a formação de uma nova palavra pela mudança


de classe gramatical.
A palavra gelo é um substantivo, mas pode ser transformada em um adjetivo:
camisa gelo.

COMPOSIÇÃO
Formação de novas palavras a partir de dois ou mais radicais.
COMPOSIÇÃO POR JUSTAPOSIÇÃO: na união, os radicais não sofrem
qualquer alteração em sua estrutura.
Ao se unirem os radicais ponta e pé, obtém-se a palavra pontapé.

COMPOSIÇÃO POR AGLUTINAÇÃO: na união, pelo menos um dos radicais


sofre alteração em sua estrutura.
Ao se unirem os radicais água e ardente, obtém-se a palavra aguardente, com o
desaparecimento do “a”. O mesmo acontece com embora (em boa hora), planalto
(plano alto).

OUTROS PROCESSOS
HIBRIDISMO: é a formação de novas palavras a partir da união de radicais
de idiomas diferentes.
Automóvel (auto + móvel, grego e latim), televisão (tele + visão, grego e latim),
alcoômetro (álcool + metro, árabe e grego), abreugrafia (Abreu + grafia, português e
grego).
ONOMATOPÉIA: consiste em criar palavras, tentando imitar sons da natureza.
Zunzum, cricri, tique-taque, pingue-pongue.
REDUÇÃO: consiste na
eliminação de um segmento da palavra, a fim de se obter uma forma mais
curta.
extraordinário - extra, telefone - fone.
SIGLAS: as siglas são formadas pela combinação das letras iniciais
de uma seqüência de palavras que constitui um nome.
IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística); IPTU Imposto Predial,
Territorial e Urbano).
EMPRÉSTIMO LINGÜÍSTICO: é uma forma ou condição de
aportuguesamento de palavras estrangeiras ; se a grafia da palavra não se
alterar, ela deverá ser escrita entre aspas.
Estresse, estande, futebol, bife, “show”, xampu, “shopping center”, “shampoo”,
deletar, estartar

EXERCÍCIOS CLASSE

1. (EPCAR) Numere as palavras da primeira coluna conforme os processos de formação numerados à direita.
Em seguida, marque a alternativa que corresponde à sequência numérica encontrada:

( ) aguardente 1) justaposição

( ) casamento 2) aglutinação

( ) portuário 3) parassíntese

( ) pontapé 4) derivação sufixal

( ) os contras 5) derivação imprópria

( ) submarino 6) derivação prefixal

( ) hipótese

a) 1, 4, 3, 2, 5, 6, 1

b) 4, 1, 4, 1, 5, 3, 6

c) 1, 4, 4, 1, 5, 6, 6

d) 2, 3, 4, 1, 5, 3, 6

e) 2, 4, 4, 1, 5, 3, 6

2. (UF-MG) Em que alternativa a palavra sublinhada resulta de derivação imprópria?


a) Às sete horas da manhã começou o trabalho principal: a votação.

b) Pereirinha estava mesmo com a razão. Sigilo... Voto secreto ... Bobagens, bobagens!

c) Sem radical reforma da lei eleitoral, as eleições continuariam sendo uma farsa!

d) Não chegaram a trocar um isto de prosa, e se entenderam.

e) Dr. Osmírio andaria desorientado, senão bufando de raiva.

3. (AMAN) Assinale a série de palavras em que todas são formadas por parassíntese:
a) acorrentar, esburacar, despedaçar, amanhecer

b) solução, passional, corrupção, visionário

c) enrijecer, deslealdade, tortura, vidente

d) biografia, macróbio, bibliografia, asteroide

e) acromatismo, hidrogênio, litografar, idiotismo

4. Assinale a opção em que nem todas as palavras são de um mesmo radical:


a) noite, anoitecer, noitada

b) luz, luzeiro, alumiar

c) incrível, crente, crer

d) festa, festeiro, festejar

e) riqueza, ricaço, enriquecer

5. (UF-MG) Em todas as frases, o termo grifado exemplifica corretamente o processo de formação de palavras indicado, exceto em:
a) derivação parassintética - Onde se viu perversidade semelhante?

b) derivação prefixal - Não senhor, não procedi nem percorri.

c) derivação regressiva - Preciso falar-lhe amanhã, sem falta.

d) derivação sufixal - As moças me achavam maçador, evidentemente.

e) derivação imprópria - Minava um apetite surdo pelo jantar.

6. (UF SÃO CARLOS) Considerando-se os vocábulos seguintes, assinalar a alternativa que indica os pares de derivação regressiva,
derivação imprópria e derivação sufixal, precisamente nesta ordem:

embarque

histórico
cruzes!

porquê

fala

sombrio

a) 2-5, 1-4, 3-6

b) 1-4, 2-5, 3-6

c) 1-5, 3-4, 2-6

d) 2-3, 5-6, 1-4

e) 3-6, 2-5, 1-4

EXERCÍCIOS CASA
1. (UF-UBERLÂNDIA) Em qual dos itens abaixo está presente um caso de derivação parassintética:

a) operaçãozinha

b) conversinha

c) principalmente

d) assustadora

e) obrigadinho

2. (OBJETIVO) "O embarque dos passageiros será feito no aterro". Os dois termos sublinhados representam, respectivamente, casos de:

a) palavra primitiva e palavra primitiva

b) conversão e formação regressiva

c) formação regressiva e conversão

d) derivação prefixal e palavra primitiva

e) formação regressiva e formação regressiva

3. (UFF-RIO) O vocábulo catedral, do ponto de vista de sua formação é:

a) primitivo

b) composto por aglutinação

c) derivação sufixal

d) parassintético

e) derivado regressivo de catedrático

4. (PUC) Assinale a classificação errada do processo de formação indicado:

a) o porquê - conversão ou derivação imprópria

b) desleal - derivação prefixal

c) impedimento - derivação parassintética

d) anoitecer - derivação parassintética


e) borboleta - primitivo

5. (UF-PR) A formação do vocábulo sublinhado na expressão "o canto das sereias" é:

a) composição por justaposição

b) derivação regressiva

c) derivação prefixal

d) derivação sufixal

e) palavra primitiva

6. (ES-UBERLÂNDIA) Todos os verbos seguintes são formados por parassíntese (derivação parassintética), exceto:

a) endireitar

b) atormentar

c) enlouquecer

d) desvalorizar

e) soterrar

7. (FUVEST) Assinalar a alternativa em que a primeira palavra apresenta sufixo formador de advérbio e, a segunda, sufixo formador de substantivo:

a) perfeitamente varrendo

b) provavelmente erro

c) lentamente explicação

d) atrevimento ignorância

e) proveniente furtado

8. (FUVEST) As palavras adivinhar - adivinho e adivinhação - têm a mesma raiz, por isso são cognatas. Assinalar a alternativa em que não ocorrem três cognatos:

a) alguém - algo - algum

b) ler, leitura - lição

c) ensinar - ensino, ensinamento

d) candura - cândido - incandescência

e) viver - vida - vidente

9. (FCMSC-SP) As palavras expatriar, amoral, aguardente, são formadas por:

a) derivação parassintética, prefixal, composição por aglutinação

b) derivação sufixal, prefixal, composição por aglutinação

c) derivação prefixal, prefixal, composição por justaposição

d) derivação parassintética, sufixal, composição por aglutinação

e) derivação prefixal, prefixal, composição por justaposição

10. (MACK) As palavras entardecer, desprestígio e oneroso, são formadas, respectivamente, por:

a) prefixação, sufixação e parassíntese

b) sufixação, prefixação e parassíntese

c) parassíntese, sufixação e prefixação


d) sufixação, parassíntese e prefixação

e) parassíntese, prefixação e sufixação

GABARITO:
1-D

2-E

3-C

4-B

5-D

6- E

7-C

8-A

9–E

AULA 6
SUBSTANTIVO
Substantivo – Definição, classificação e flexão

Definição:
Substantivo é a palavra que dá nome aos seres, indicando pessoas, lugares, sentimentos,
estados, qualidades, ações.

Classificação:
1. Comum - é aquele que indica um nome comum a todos os seres da mesma espécie: terra,
futebol, criança.

2. Próprio – designa nome de pessoas, cidades, países, etc.: Maria, Brasil, Belo Horizonte,
Terra.

3. Simples – formado por uma só palavra: barriga, couve, pé, roupa.

4. Composto – formado por duas ou mais palavras: guarda-noturno, guarda-roupa, pé-de-


moleque.

5. Primitivo – a partir dele se formam outros substantivos: mar, pedra, terra, barba.

6. Derivado – é aquele que se forma a partir de outro substantivo: maresia, pedreiro, terreiro,
barbeiro.

7. Concreto – é aquele que indica seres reais ou imaginários, cuja existência é próprio,
independente de outros: mar, Deus, saci, mulher, casa, caneta.

8. Abstrato – é aqueles que indica seres de natureza dependente, ou seja, sua existência está
ligada a nossa consciência apenas: amor, verdade, ódio, saudade, sensatez, mentira.

9. Coletivo – indica um conjunto de seres da mesma espécie, embora estando no singular:


cardume (conjunto de peixes), enxame (conjunto de abelhas), quadrilha (conjunto de
bandidos).

Relação de alguns substantivos coletivos

Assembléia – de pessoas reunidas, de parlamentares


Acervo – de obras de arte
Alcatéia – de lobos
Antologia – de textos
Arquipélago – de ilhas
Atlas – de mapas
Arsenal – de armas, munições
Banda – de músicos
Bando – de aves
Batalhão – de soldados
Biblioteca – de livros
Cacho – de frutas
Chusma – de pessoas em geral
Colméia – de abelhas
Constelação – de estrelas
Cordilheira – de montanhas
Elenco – de atores
Enxoval – de roupas
Falange – de soldados
Fauna – de animais
Feixe – de lenha
Flora – de plantas
Frota – de navios
Galeria – de quadros
Horda – de bandidos
Júri – de jurados
Junta – de médicos, examinadores
Legião – de soldados
Lote – de coisas
Manada – de animais
Molho - de chaves
Multidão – de pessoas
Ninhada – de filhotes
Pinacoteca – de quadros
Piquete – de pessoas em greve
Plantel – de animais de raça
Pomar – de arvores frutíferas
Ramalhete – de flores
Réstia – de alho, de cebola
Vara – de porcos
Vocabulário – de palavras

Flexão do substantivo

Os substantivos podem ser flexionados em gênero, número e grau.

Gênero do substantivo

Os substantivos apresentam dois gêneros: masculino e feminino.

A) Masculino: os nomes que são antecedidos pelo artigo o: o menino, o sol, o mar, o trem.

B) Feminino: os nomes que são antecedidos pelo artigo a: a carta, a menina, a caneta, a lua.

Substantivos biformes ou heterônimos: são aqueles que apresentam duas formas para a
indicação de gênero

Substantivos terminados em –o mudam para –a.

Menino – menina
Gato – gata

Substantivos terminados em –ão mudam para –ã, -oa, -ona.

Irmão – irmã
Leão – leoa
Chorão – chorona

Substantivos terminados em –or formam o feminino com o acréscimo de –a.

Doutor – doutora
Professor – professora
Corretor – corretora

Pela troca da terminação -e por -a.

Parente – parenta
Presidente – presidenta
Mestre – mestra

Pelo acréscimo de -a aos substantivos terminados em –ês, -l, e –z.

Freguês – freguesa
Oficial – oficiala
Juiz – juíza

Por meio de –esa, -essa e –isa aos substantivos indicadores de ocupações especiais e de
títulos.

Cônsul – consulesa
Visconde – viscondessa
Poeta – poetisa

Formação de feminino com palavras diferentes.

Bode – cabra
Boi – vaca
Burro – besta
Cão – cadela
Carneiro – ovelha
Cavaleiro – amazona
Frade – freira
Veado – cerva
Zangão – abelha

Por formações irregulares.

Ateu – atéia
Ator – atriz
Avô – avó
Embaixador – embaixatriz
Judeu – judia
Maestro – maestrina
Marajá – marani
Réu – réSultão – sultana

Substantivos uniformes: são aqueles que possuem uma só palavra para indicar o masculino
e o feminino. Classificam-se em:

1. Epicenos: são os nomes de animais e de plantas em que se distingue o gênero mediante o


emprego das palavras macho e fêmea.

Cobra macho
Crocodilo fêmea
Mamoeiro macho

2. Comum de dois gêneros: são substantivos que possuem uma só forma para o masculino e
para o feminino diferenciados pelos artigos o (masculino) e a (feminino)

o cliente – a cliente
o doente – a doente
o estudante – a estudante

3. Sobrecomuns: são substantivos de um só gênero, que indicam homem e mulher,


identificando apenas pelo contexto.

O cônjuge
A criança
O cadáver
A testemunha

(Mudança de gênero e de significado) = Substantivos podem ter significados diferentes


dependendo do gênero:

A cabeça – parte do corpo


O cabeça – o chefe
A caixa – objeto
O caixa – pessoa
A rádio – estação
O rádio – o aparelho

Alguns substantivos possuem mais de um feminino:

Aldeão – aldeã, aldeoa


Elefante – elefanta, aliá
Ladrão – ladra, ladrona, ladroa

Particularidades

Os nomes de rios, mares, montes, pontos cardeais, letras do alfabeto e meses são
masculinos.

Substantivos de Gênero Vacilante:

Certos substantivos oferecem dúvida quanto ao genero.


São masculinos:

o aneurisma,
o apêndice
o dó
o champanha/champanhe

São femininos:
a derme
a cal
a libido
a alface
a dinamite
a comichão
a omoplata

São masculinos e femininos:


o/a cólera
o/a diabetes/diabete
o/a sabiá
o/a suéter

Flexão de Número do Substantivo

O substantivo apresenta dois números:

A) Singular – que indica apenas um ser: copo, flor, caneta.

B) Plural – que indica mais de um ser: copos, flores, canetas.

Plural dos substantivos simples

Substantivos terminados em vogal ou ditongo oral acrescenta-se o s:

Gato – gatos
Série – séries

Substantivos terminados em m troca-se por ns:

Item – itens
Álbum – álbuns

Substantivos terminados por –ão troca-se por –ões, -ães, -ãos:

Aldeão – aldeões
Alemão – alemães
Irmão – irmãos

Substantivos terminados por –r ou –z acrescenta-se –es:

Colher – colheres
Paz – pazes

Substantivos terminados por –s (oxítonas ou monossílabos tônicos) acrescenta-se –es:


Ás – ases

Freguês – fregueses

Substantivos terminados por –s (paroxítonos) ficam invariáveis:

O lápis – os lápis
O vírus – os vírus
Substantivos terminados por –x ficam invariáveis:

O clímax – os clímax
O tórax – os tórax

Substantivos terminados por –al, -el, -ol, e ul troca-se por –is:

Varal – varais
Túnel – túneis
Anzol – anzóis
Azul – azuis

Substantivos terminados por –il (oxítonas) troca-se por -is:

Barril – barris
Cantil – cantis

Substantivos terminados por –il (paroxítonas) troca-se por –eis:

Fóssil – fósseis
Projétil – projéteis

Plurais dos substantivos compostos

Substantivo composto não separado por hífen acrescenta-se o s:

Pontapé – pontapés
Passatempo – passatempos

Só o primeiro elemento vai para o plural:

- nos substantivos compostos ligados por preposição, clara ou subentendida. (pés-de-moleque;


mulas-sem-cabeça)

- nos substantivos compostos por dois substantivos, em que o segundo transmite a idéia de
finalidade ou semelhança. (mangas-rosa; pombos-correio)

Só o último elemento vai para o plural:

- nos substantivos com os prefixos grão, grã, e bel. (grão-duques; grã-cruzes; bel-prazeres)

- nos substantivos compostos formados por verbos ou palavras invariáveis, seguidas de


substantivo ou adjetivo. (ex-diretores; beija-flores;)

- nos substantivos ligados por três ou mais elementos não ligados por preposição. (bem-me-
queres)
- nos substantivos compostos cujos elementos aparecem dobrados. (tico-ticos; reco-recos)

Os dois elementos vão para o plural:

- nos substantivos formados por substantivo+substantivo. (cartas-bilhetes)

- nos substantivos formados por substantivo+adjetivos. (amores-perfeitos)

- nos substantivos formados por adjetivo+substantivo. (gentis-homens

Ficam invariáveis os substantivos:

- compostos por frases substantivas. (os bumba-meu-boi)

- compostos por verbos+palavra invariável. (os ganha-pouco)

- compostos por verbos de sentido oposto. (os vai-e-volta)

Flexões de grau do substantivo

O grau do substantivo são dois: aumentativo e diminutivo

Grau aumentativo

Quando se emprega um adjetivo que indique aumento chamamos de grau aumentativo


analítico: casa grande, nariz imenso.

O grau aumentativo sintético acontece quando o substantivo recebe sufixos que indiquem
aumento: cabeça – cabeção

Grau diminutivo

O grau diminutivo analítico acontece quando se emprega um adjetivo que indique diminuição:
casa pequena, nariz pequeno.

O grau diminutivo sintético acontece quando o substantivo recebe sufixos que indiquem
diminuição: casinha.

EXERCÍCIOS CLASSE
1. (UM-SP) Indique o período que não contém um substantivo no grau diminutivo.
a) Todas as moléculas foram conservadas com as propriedades particulares, independentemente da atuação do cientista.
b) O ar senhoril daquele homúnculo transformou-o no centro de atenções na tumultuada assembleia.
c) Através da vitrina da loja, a pequena observava curiosamente os objetos decorados expostos à venda, por preço bem baratinho.
d) De momento a momento, surgiam curiosas sombras e vultos apressados na silenciosa viela.
e) Enquanto distraía as crianças, a professora tocava flautim, improvisando cantigas alegres e suaves.

2. De acordo com o código em referência, explicite seus conhecimentos relacionando as colunas:


(SA) substantivo abstrato
(SE) substantivo epiceno
(SS) substantivo sobrecomum
(SCG) substantivo comum de dois gêneros

( ) jacaré macho/jacaré fêmea – cobra macho/cobra fêmea


( ) amor, felicidade, gratidão
( ) o líder/a líder – o indígena/a indígena
( ) a vítima – o cônjuge – a testemunha

3. (PUC-SP) Indique a alternativa correta no que se refere ao plural dos substantivos compostos:
casa-grande, flor-de-cuba, arco-íris e beija-flor.

a) casa-grandes, flor-de-cubas, os arco-íris, beija-fior


b) casas-grandes, flores-de-cuba, arcos-íris, beijas-flores
c) casas-grande, as flor-de-cubas, arcos-íris, os beija-flor
d) casas-grande, flores-de-cuba, arcos-íris, beijas-flores
e) casas-grandes, flores-de-cuba, os arco-íris, beija-flores

4. (FSA-SP) Dentre as frases abaixo, escolha aquela em que há, de fato, flexão de grau para o substantivo.
a) O advogado deu-me seu cartão.
b) Deparei-me com um portão, imenso e suntuoso.
c) A professora distribuiu as cartilhas a todos os alunos
d) Moravam num casebre, à beira do rio. d)A abelha, ao picar a vítima, perde seu ferrão.
e) A professora distribuiu as cartilhas a todos os alunos.

5. Em:
1) Na segunda situação, o deputado Lula, vitima de uma apendicite, foi levado de Brasília para o hospital Sírio-Libanês em São Paulo.
2)Isso porque era o Lula deputado.
3) Se fosse o Lula operário tinha morrido antes de ser operado.
4) Tinha morrido como milhares de mães vêem seus filhos morrerem no colo à procura de uma maldita assistência médica que nunca vem para o pobre.
Os termos sublinhados ora designam seres ora qualificam ou caracterizam os seres. Os termos que qualificam os seres são os dos trechos:
a) um e dois.
b) um e quatro.
c) dois e três apenas.
d) dois, três e quatro.
e) três e quatro apenas.

6. "Substantivo é o nome com que designamos seres em geral - pessoas, animais e coisas."
(BECHAPA, Evanildo, Moderna gramática portuguesa. 31. ed. São Paulo: Nacional, 1987, p.73)
I - Acabamos perdendo o nosso vôo por causa do trânsito ruim.
II - Ela me olhou com um olhar estranho.
III - 0 "a" pode ter o valor de artigo definido feminino em português.
IV - Olhava tristemente a transparência das águas da represa.
V - Comprei um par de sapatos gelo para combinar com meu novo vestido.
Tomando como referência, única e exclusivamente, o trecho transcrito acima, pode-se afirmar que é substantivo, a palavra destacada
a) em todas as sentenças.
b) nas sentenças I, II, IV e V.
c) nas sentenças I e III.
d) na sentença III.
e) na sentença V.

7. Indique o grupo de substantivo que só admite o artigo “o” :

a) cal, dó, sentinela;


b) contralto, eczema, aluvião;
c) hosana, apêndice, apendicite;
d) telefonema, eclipse, afã;
e) trama, elipse, omoplata.

EXERCÍCIOS CASA
1) Marque a alternativa que apresenta os femininos de “Monge”, “Duque”, “Papa” e “Profeta”:

a) monja – duqueza – papisa – profetisa;


b) freira – duqueza – papiza – profetisa;
c) freira – duquesa – papisa – profetisa;
d) monja – duquesa – papiza – profetiza;
e) monja – duquesa – papisa – profetisa.

2) (UM-SP) Relacione as duas colunas, de acordo com a classificação dos substantivos, e assinale a alternativa correta.

1) padre

2) seminário

3) Dias

4) Ano

( ) próprio

( ) coletivo
( ) derivado

( ) comum

a) 3, 4, 2, 1

b) 1,2, 4, 3

c) 1, 3, 4, 2

d) 3, 2, 1, 4

e) 2, 4, 3, 1

3) (UFF) Assinale a opção em que o termo em destaque não se vincula sintaticamente ao substantivo que o antecede:

a) "esclarecei seu intelecto COM O ESTUDO DE COISAS ÚTEIS" (par.1)


b) "Cessai aqueles todos discursos COM OS QUAIS atordoais sua razão" (par.2)
c) "a mulher DE HOJE EM DIA pode sair-se melhor do que aquela" (par.2)
d) "quando nada mais é que a escrava DOS VOSSOS CAPRICHOS" (par.2)
e) "trate-a como uma companheira DA SUA VIDA" (par.3)

4) (UFF) Na flexão dos diminutivos, o uso coloquial, com freqüência, se diferencia do uso prescrito pela gramática normativa.
Assinale o par de palavras em que os DOIS USOS ocorrem:

a) colherzinhas - florzinhas
b) mulherzinhas - coraçõezinhos
c) florezinhas - mulherezinhas
d) mulherzinhas - coraçãozinhos
e) colherezinhas - floreszinhas

5) (MACK) - Aponte a incorreta:

a) Grã-duquesas, altares-mores.
b) Vaivéns, os leva-e-traz.
c) Flores-de-lis, navios-escola.
d) Malmequeres, bem-te-vis.
e) Aves-marias, guarda-noturnos.

6) (UBERLÂNDIA) - Dentre os plurais de nomes compostos aqui relacionados, há um que está errado. Qual?

a) Escolas-modelo
b) Quebra-nozes
c) Chefes-de-seções
d) Guardas-noturnos
e) Redatores-chefes

7) (ITA) - Indique a frase correta:

a) Mariazinha e Rita são duas leva-e-trazes.


b) Os filhos de Clotilde são dois espalhas-brasas.
c) O ladrão forçou a porta com pés-de-cabra.
d) Godofredo almoçou duas couves-flor.
e) Alfredo e Radagásio são dois gentil-homens.

8) (Uelondrina 1999) - A palavra em destaque está INCORRETAMENTE flexionada na frase:

a) QUAISQUER que fossem as medidas, ele as impugnava.


b) Os BEIJA-FLORES aí estão, desfrutando a primavera.
c) Os móbiles estavam presos por CORDELZINHOS.
d) São BEIJOS-DE-FRADE - explicou-me, apontando as ervas.
e) Dois dos GUARDA-ROUPAS estavam infestados de cupins.

9) (Uelondrina 1995) - Assinale a letra correspondente à alternativa que preenche corretamente as lacunas da frase apresentada.

É nas ..... do Palácio que ocorrem, por motivos ....., as disputas do poder de influência sobre o Presidente.

a) antes-sala - quaisquer
b) ante-salas - qualquer
c) antes-salas - quaisquer
d) antes-salas - qualquer
e) ante-salas - quaisquer

1) E 2) A 3) A
4) B 5) E 6) C 7) C 8) C 9) E
AULA 7
ADJETIVO
É toda e qualquer palavra que, junto de um substantivo, indica qualidade, defeito, estado ou
condição. Ex.:
Homem bom, moço perverso;
Casa suja;
Moça feliz;
Velho amigo;
Nova remarcação.

FORMAÇÃO DO ADJETIVO

Simples: é formado por um único radical. Ex.:

Usava sapato azul.

Composto: é formado por mais de um radical. Ex.:

Usava sapato azul-marinho.

Primitivo: não provém de outra palavra. Ex.:

Tomaram banho quente.

Derivado: provem de outra palavra (substantivo, verbo ou adjetivo). Ex.:

Era um amigo infiel. (derivado do adjetivo fiel)

O adjetivo pode variar em gênero, número e grau:

FLEXÃO DE GÊNERO

1. UNIFORME: possui uma só forma para os dois gêneros. Ex.:

O menino feliz / A menina feliz.

2. BIFORME: possui uma forma para cada gênero. Ex.:

O menino bom / A menina boa

FLEXÃO DOS ADJETIVOS BIFORMES

a) trocam o o por a em sua terminação. Ex.:

O rapaz ativo / a moça ativa.


b) terminado em ês, or e u recebem a em sua terminação. Ex.:

Português / portuguesa;
sedutor / sedutora;
cru / crua.

EXCEÇÕES: hindu, cortês, pedrês, incolor, multicor, bicolor, tricolor e as formas comparativas maior,
melhor, pior, superior, inferior, anterior, posterior, que são invariáveis. Destaque também o par mau / má.

c) trocam ão por ã, ona e, mais raramente, por oa. Ex.:


São/sã;
Catalão/catalã;
Chorão/chorona; Beirão/ beiroa.

d) trocam eu por éia; os terminados em éu, por oa. Ex.:

Plebeu/plebéia;
ateu/atéia;
Ilhéu/ilhoa
e) nos substantivos compostos formados por dois adjetivos, apenas o último elemento sofre flexão;
aqueles em que o segundo elemento é um substantivo são invariáveis. Ex.:

Cidadão luso-brasileiro / Cidadã luso-brasileira.


Casco verde-escuro / Saia verde-escura.

São invariáveis:

Tecido amarelo-ouro / Roupa amarelo-ouro;


Papel verde-mar / Tinta verde-mar.

EXCEÇÃO: Moço surdo-mudo / Moça surda-muda.

OBS.: Os adjetivos azul-marinho e azul-celeste são uniformes.

FLEXÃO DE NÚMERO

a) O adjetivo concorda em número com o substantivo a que se refere. Ex.:

Governante capaz / Governantes capazes.


Salário digno / Salários dignos

b) Nos adjetivos compostos formados por dois adjetivos, apenas o segundo elemento vai para o plural.
Ex.:

Tratado luso-brasileiro / Tratados luso-brasileiros.


Intervenção médico-cirúrgica / Intervenções médico-cirúrgicas.

EXCEÇÃO: Rapaz surdo-mudo / Rapazes surdos-mudos.

c) Os adjetivos compostos em que o segundo elemento é um substantivo são invariáveis. Ex.:

Recipiente verde-mar / Recipientes verde-mar


Uniforme amarelo-canário / Uniformes amarelo-canário.

Também são invariáveis azul-marinho e azul-celeste.


Ex.:

Camisa azul-marinho / Camisas azul-marinho.


Camiseta azul-celeste / Camisetas azul-celeste.

OBS.: Os adjetivos compostos podem ser divididos em três tipos:

a) os que são formados por dois adjetivos como verde- escuro — nesses casos, é o segundo elemento
que varia para indicar gênero e número (verde-escura, verde-escuros, verde-escuras).
b) os que apresentam como segundo elemento um substantivo, como amarelo-ouro —- adjetivos desse
tipo são invariáveis em gênero e número.

c) os que indicam cores e são formados pela expressão cor-de + substantivo — adjetivos desse tipo
são invariáveis, mesmo quando a expressão cor de estiver subentendida (papel cor-de-rosa, papéis cor-
de-rosa; giz [cor de] laranja; gizes [cor de] laranja).

FLEXÃO DE GRAU

COMPARATIVO: Nesse grau, compara-se a mesma característica atribuída a dois ou mais seres ou duas
ou mais características atribuídas ao mesmo ser. O comparativo pode ser de igualdade, de
superioridade ou de inferioridade, e é formado por estruturas analíticas que participam advérbios e
conjunções. Ex.:

Comparativo de igualdade

Ele é tão exigente quanto justo.


Ele é tão exigente quanto (ou como) seu irmão.

Comparativo de superioridade

Estamos mais atentos (do) que eles.


Estamos mais atentos (do) que ansiosos.

Comparativo de inferioridade

Somos menos passivos (do) que eles.


Somos menos passivos (do) que tolerantes.
Os adjetivos bom, mau, grande e pequeno têm formas sintéticas para o grau comparativo de
superioridade: melhor, pior, maior e menor. Ex.:

Essa solução é melhor (do) que a outra.


Minha voz é pior (do) que a sua.
O descaso pela miséria é maior (do) que o senso humanitário.
A preocupação social é menor (do) que a ambição individual.

As formas analíticas correspondentes (mais bom, mais mal, mais grande, mais pequeno) só devem
ser usadas quando se comparam duas características de um mesmo ser. Ex.:
Ele é mais bom (do) que inteligente.
Todo corrupto é mais mau (do) que esperto.
Meu salário é mais pequeno (do) que justo.
Este país é mais grande (do) que equilibrado.

SUPERLATIVO: Nesse grau, a característica atribuída pelo adjetivo é intensificada de forma relativa ou
absoluta.
No grau superlativo relativo, essa intensificação é feita em relação a todos os demais seres de
um conjunto que a possuem. Os superlativos relativos podem exprimir superioridade ou inferioridade e
é sempre expresso de forma analítica. Ex.:

Superlativo relativo de superioridade


Ele é o mais atento de todos.
Ele é o mais exigente de todos os irmãos.

Superlativo relativo de inferioridade


Você é o menos crítico de todos.
Você é o menos passivo de todos amigos.

As formas do superlativo relativo de superioridade dos adjetivos bom, mau, grande e pequeno
também são sintéticas: o melhor, o pior, o maior, e o menor.
No grau superlativo absoluto, intensifica-se a características atribuída pelo adjetivo a um
determinado ser, transmitindo idéia de excesso. O superlativo absoluto pode ser analítico ou sintético.

a) o superlativo absoluto analítico é formado com a participação de um advérbio. Ex::


Você é muito crítico.
Ele é demasiadamente exigente.
Somos excessivamente tolerantes.

c) O superlativo absoluto sintético é expresso com a participação de sufixos. O mais comum deles é -
íssimo; nos adjetivos terminados em vogal, esta desaparece ao ser acrescentado o sufixo do superlativo.
Ex.:

Trata-se de um artista originalíssimo


Ele é exigentíssimo

Os adjetivos terminados em io não precedido de e forma o superlativo absoluto sintético em


iíssimo. Ex:

Sério / Seriíssimo.
Necessário / Necessariíssimo
Mas,
Feio/feíssimo; cheio / cheíssimo

Formas do superlativo absoluto sintético dignas de nota

Adjetivo Superlativo absoluto sintético


acre acérrimo
ágil agílimo
agradável agradabilíssimo
agudo acutíssimo
alto altíssimo, supremo
amargo amaríssimo
amável amabilíssimo
amigo amicíssimo
antigo antiqüíssimo
áspero aspérrimo
atroz atrocíssimo
audaz audacíssimo
benéfico beneficentíssimo
benévolo benevolentíssimo
bom boníssimo, ótimo capacíssimo
capaz capacíssimo
célebre celebérrimo
cruel crudelíssimo
difícil dificílimo
doce dulcíssimo
eficaz eficacíssimo
fácil facílimo
feliz felicíssimo
feroz ferocíssimo
fiel fidelíssimo
frágil fragílimo
frio frigidíssimo, friíssimo
geral generalíssimo
grande máximo
humilde humílimo
incrível incredibilíssimo
infame infamérrimo
inimigo inimicíssimo
jovem juvenilíssimo
livre libérrimo
magnífico magnificentíssimo
magro macérrimo, magríssimo
manso mansuetíssimo
mau péssimo
miserável miserabilíssimo
miúdo minutíssimo
negro nigérrimo, negríssimo
nobre nobilíssimo
notável notabilíssimo
pequeno mínimo
perspicaz perspicacíssimo
pessoal personalíssimo
pobre paupérrimo, pobríssimo
possível possibilíssimo
pródigo prodigalíssimo
próspero prospérrimo
provável probabilíssimo
público publicíssimo
pudico pudicíssimo
pulcro pulquérrimo
rústico rusticíssimo
sábio sapientíssimo
sagrado sacratíssimo
salubre salubérrimo
sensível sensibilíssimo
simpático simpaticíssimo
simples simplíssimo, simplicíssimo
soberbo superbíssimo
tenaz tenacíssimo
tenro teneríssimo
terrível terribilíssimo
veloz velocíssimo
visível visibilíssimo
volúvel volubilíssimo
voraz voracíssimo
vulnerável vulnerabilíssimo

EMPREGO DO ADJETIVO

1. Superior e inferior — não admitem, na norma culta, a anteposição de mais ou menos (mais superior,
menos inferior). Mais ruim e menos ruim, porém, são combinações boas.

2. Mais pequeno — é forma boa em qualquer circunstância; mais grande só se usa na comparação de
qualidade de um mesmo ser. Ex.:

Luís é mais grande que forte.


Elisabete é mais grande que pequena.

Também se usam mais bom e mais mau quando se comparam qualidades de um mesmo ser.
Ex.:

Luís é mais bom que ingênuo.


Elisabete é mais má que boa.

3. É comum usar-se o adjetivo com valor de substantivo. Para tanto, basta fazê-lo anteceder de um artigo.
Ex.:

O brasileiro é um apaixonado do futebol.

EXERCÍCIOS CLASSE

1. (PUCC-SP) O desagradável da questão era vê-lo de mau humor depois da troca de turno.

Na frase acima, as palavras destacadas comportam-se, respectivamente, como:

a) substantivo, adjetivo, substantivo;


b) adjetivo, advérbio, verbo;
c) substantivo, adjetivo, verbo;
d) substantivo, advérbio, substantivo
e) adjetivo, adjetivo, verbo

2. (EEM-SP) Passe para o plural.


a) Borboleta azul-clara. Borboletas azul-claras

b) Borboleta cor-de-laranja. Borboletas cor-de-laranja


3. (UnB-DF) Relacione a primeira coluna à segunda

(1) água ( ) pluvial


(2) chuva ( ) ebúrneo
(3) gato ( ) felino
(4) marfim ( ) aquilino
(5) prata ( ) argênteo
(6) rio
(7) não consta da lista

a) 7, 7, 3, 1, 7. c) 2, 4, 3, 7, 5.
b) 6, 3, 7, 1, 4. d) 2, 4, 7, 1, 7.

4. (UM-SP) Aponte a alternativa incorreta quanto à correspondência entre a locução e o adjetivo.

a) glacial (de gelo); ósseo (de osso)


b) fraternal (de irmão); argênteo (de prata)
c) farináceio (de farinha); pétreo (de pedra)
d) viperino (de vespa); ocular (de olho)
e) ebúrneo (de marfim); insípida (sem sabor)

5. (ITA-SP) O plural de terno azul-claro, terno verde-mar é, respectivamente:

a) ternos azuis-claros, ternos verdes-mares.


b) ternos azuis-claros, ternos verde-mares.
c) ternos azul-claro, ternos verde-mar.
d) ternos azul-claros, ternos verde-mar.
e) ternos azuis-claro, ternos verde-mar.

6. (UFJF-MG) “... eu não sou propriamente um autor defunto, mas um defunto autor...”

I. No primeiro, autor é substantivo; defunto é adjetivo.


II. No segundo caso, defunto é substantivo; autor é adjetivo.
III. Em ambos os casos, têm-se substantivo composto.

Marque:
a) se I e II forem verdadeiras
b) se I e III forem verdadeiras
c) se II e III forem verdadeiras
d) se todas forem verdadeiras
e) se todas forem falsas

7. (CESGRANRIO-RJ) Assinale a alternativa em que o termo cego(s) é um adjetivo.

a) “Os cegos, habitantes de um mundo esquemático, sabem aonde ir...”


b) “O cego de Ipanema representava naquele momento todas as alegorias da noite escura da
alma...”
c) “Todos os cálculos do cego se desfaziam na turbulência do álcool.”
d) “Naquele instante era só um pobre cego.”
e) “...da terra que é um globo cego girando no caos.”

8. (UFSC) Observe as proposições abaixo:

01. Poucos autores escrevem poemas herói-cômicos.


02. Os cabelos castanhos-escuros emolduravam-lhe o semblante juvenil.
04. Vestidos vermelhos e amarelo-laranja foram os mais vendidos na exposição.
08. As crianças surdo-mudas foram encaminhadas à clínica para tratamento.
16. Discutiu-se muito a respeito de ciência político-sociais na última assembléia dos professores.
32. As sociedades luso-brasileira adquiriram novos livros de autores portugueses.

EXERCÍCIOS CASA
1) Assinale a sequência correta em relação aos tipos de adjetivos e suas definições:
I. Adjetivos formados por apenas um radical.
II. Adjetivos formados por dois ou mais radicais.
III. Adjetivos que não são derivados de outra palavra em língua portuguesa.
IV. Adjetivos formados a partir de outros substantivos ou verbos.
V. Adjetivos que se referem à origem ou nacionalidade do substantivo.

( ) pátrios
( ) primitivos
( ) compostos
( ) derivados
( ) simples

a) II, III, V, IV e I
b) V, IV, III, III e I
c) I, III, IV, II e V
d) V, III, II, IV e I.

2) Assinale a alternativa correta em relação à classificação dos adjetivos destacados nas frases:

I. Carolina comprou para a mãe um vestido amarelo-claro.

II. Ele estava feliz porque foi aprovado no vestibular.

III. A torcida transbordou felicidade pela conquista do título.

IV. O mineiro Carlos Drummond de Andrade é considerado um dos maiores poetas brasileiros.

V. A menina bonita colocou um laço de fita no cabelo e foi para a escola.

a) biforme, pátrio, derivado, primitivo e composto.


b) primitivo, composto, biforme, pátrio e derivado.
c) composto, primitivo, derivado, pátrio e biforme.
d) composto, derivado, primitivo, pátrio e biforme.

3) Sobre os adjetivos, é correto afirmar:

a) Classe de palavras que se caracteriza por delimitar o substantivo, atribuindo-lhe qualidades, estados, aparência etc.

b) Classe de palavra invariável que modifica o sentido do verbo, do adjetivo e do advérbio.

c) Classe de palavra que vem antes do substantivo, indicando se ele é determinado ou indeterminado.

d) Classe de palavra invariável que exprime estados emocionais.

e) Conjuntos de verbos que, em uma determinada frase, desempenham valor de um único verbo.

4) (MPE-PR/UFPA) Há situações em que o adjetivo muda de sentido, caso seja colocado antes ou depois do substantivo. Observe:

Lá se vão os pobres meninos

Pelas ruas da cidade.

Meninos pobres,

pelas ruas da cidade rica.

Qual é o significado da primeira e da segunda ocorrência da palavra “pobres” no trecho acima?


a) humildes/modestos

b) mendigos/sem recursos

c) dignos de pena/improdutivos

d) dignos de compaixão/desprovidos de recursos

e) ingênuos/sem posses

5) (UPM-SP) Assinale a alternativa em que ambos os adjetivos não se flexionam em gênero.

a) elemento motor, tratamento médico-dentário

b) esforço vão, passeio matinal

c) juiz arrogante, sentimento fraterno

d) cientista hindu, homem célebre

e) costume andaluz, manual lúdico-instrutivo

6) Mediante análise dos compostos em evidência, explicite seus conhecimentos acerca da flexão que neles se evidencia:

a) cidadão luso-brasileiro/ cidadã luso-brasileira

b) consultório médico-dentário/ clínica médico-dentária

c) casaco verde-escuro/ saia verde-escura

d) papel verde-mar / tinta verde-mar

e) tecido amarelo-ouro/ roupa amarelo-ouro

7) O termo grifado é locução adjetiva em:

a) “Os meninos gritavam na rua atrás das tanajuras…”

b) “Aquela cai dentro de vinte minutos.”

c) “Gostava… de tomar banho de chuva nas biqueiras…”

d) “Os passarinhos trocavam de lugar…”

e) “Escureceu o mundo de repente.”

8) Nas expressões abaixo foram destacadas locuções adjetivas, exceto:

a) excursões sem veículo

b) animais do zodíaco

c) merecedores de amor
d) luz do sol

e) lagos de duas cores.

9) (UCMG) Em todas as alternativas, há correlação entre os termos destacados, exceto em:

a) A situação foi considerada gravíssima.

b) Todos procederam educados.

c) Estas casas devem ter custado caro.

d) Alegre e comunicativo, o menino

e) Meu tio foi nomeado embaixador.

10) Relacione a primeira coluna à segunda.

(1) água ( ) pluvial

(2) chuva ( ) ebúrneo

(3) gato ( ) felino

(4) marfim ( ) aquilino

(5) prata ( ) argênteo

(6) rio

(7) não consta da lista

A sequência correta é:

a) 7, 7, 3, 1,;7. b) 6, 3, 7, 1,4. c) 2, 4, 3, 7, 5. d) 2, 4, 7, 1, 7.

11) Os adjetivos Iígneo, gípseo, níveo, braquial significam, respectivamente:

a) lenhoso, feito de gesso, alvo, relativo ao braço.

b) lenhoso, feito de gesso, nivelado, relativo ao crânio.

c) lenhoso, rotativo, abalizado, relativo ao crânio.

d) associado, rotativo, nivelado, relativo ao braço.

e) associado, feito de gesso, abalizado, relativo ao crânio.

12) Das frases abaixo, apenas uma apresenta adjetivo no comparativo de superioridade, assinale-a.
a) A palmeira é a mais alta árvore deste lugar.

b) Guardei as melhores recordações daquele dia,

c) A Lua é menor do que a Terra.

d) Ele é o maior aluno de sua turma.

e) O mais alegre dentre os colegas era Ricardo.

GABARITO:
1) D

2) C

3) A

4) D

5) D

6) No que tange aos três primeiros exemplos, a flexão que neles se evidencia parte da premissa de que quando os compostos são formados por dois adjetivos, apenas o
último elemento recebe flexão. Quanto aos dois últimos exemplos, tal aspecto é demarcado tendo em vista que o segundo elemento do composto é representado por um
substantivo (mar/ouro). Nesse caso, não há possiblidade de variação.

7) C

8) C

9) C

10) C

11) A

12) C
AULA 8
PRONOME
Pronome - definição

Pronome é a palavra que substitui ou determina o nome.

PRONOMES PESSOAIS - DEFINIÇÃO E EXEMPLOS

Pronomes pessoais são aqueles que designam uma das três pessoas do discurso.
Exemplo: Eu fui ao cinema de táxi. (eu = 1ª pessoa do discurso)

As palavras eu, tu, ele, nós, vós, eles e elas substituem nomes de pessoas e por isso chamam-se pronomes pessoais. No português distinguem-se três pessoas: a primeira é
a que fala: eu escrevo; a segunda, a pessoa a quem se fala: tu escreves; a terceira, a pessoa de quem se fala: ele e ela escrevem. Como a forma em que um pronome
designa uma só pessoa se chama forma do singular, e a forma em que o pronome designa mais de uma pessoa se chama forma do plural, dizemos que as três pessoas
gramaticais são do singular e do plural. Assim:
1.ª pessoa: eu.
SINGULAR
2.ª pessoa: tu.
PLURAL 3.ª pessoa: ele ou ela.
1.ª pessoa: nós.
2.ª pessoa: vós.
3.ª pessoa: eles ou elas.
As formas dos pronomes pessoais são as seguintes:
singular - eu, me, mim, migo
1.ª pessoa
plural - nós, nos, nosco
2.ª pessoa singular - tu, te, ti, tigo
3.ª pessoa plural - vós, vos, vosco
singular - ele ou ela: o, a, lo, la, lhe
plural - ele ou ela: os, as, los, las, lhes
Se, si e sigo são também formas do pronome da 3.ª pessoa do singular ou do plural:
João banha-se no rio.
O dinheiro que o rapaz ganha é para si.
João pensou lá consigo que eram horas de dormir.
Estas formas, se, si e sigo chamam-se pronomes pessoais reflexos quando indicam que a ação recai sobre quem a pratica. Os pronomes me, te, nos e vos também são
chamados reflexos, quando a acção recai sobre quem a pratica:
Eu sento-me nesta cadeira.
Levanta-te, menino.
Preparemo-nos para sair.
Arranjai-vos depressa.

Pronomes Oblíquos Átonos

Os pronomes oblíquos átonos são me, te, se, o, a, lhe, nos, vos, os as, lhes. Eles podem exercer diversas funções sintáticas nas orações. São elas:

A) Objeto Direto
Os pronomes que funcionam como objeto direto são me, te, se, o, a, nos, vos, os, as.

Ex.
Quando encontrar seu material, traga-o até mim.
Respeite-me, garoto.
Levar-te-ei a São Paulo amanhã.
Notas:

01) Se o verbo for terminado em M, ÃO ou ÕE, os pronomes o, a, os, as se transformarão em no, na, nos, nas.

Ex.
Quando encontrarem o material, tragam-no até mim.
Os sapatos, põe-nos fora, para aliviar a dor.

02) Se o verbo terminar em R, S ou Z, essas terminações serão retiradas, e os pronomes o, a, os, as mudarão para lo, la, los, las.

Ex.
Quando encontrarem as apostilas, deverão trazê-las até mim.
As apostilas, tu perde-las toda semana. (Pronuncia-se pérde-las)
As garotas ingênuas, o conquistador sedu-las com facilidade.

03) Independentemente da predicação verbal, se o verbo terminar em mos, seguido de nos ou devos, retira-se a terminação -s.

Ex.
Encontramo-nos ontem à noite.
Recolhemo-nos cedo todos os dias.

04) Se o verbo for transitivo indireto terminado em s, seguido de lhe, lhes, não se retira a terminação s.

Ex.
Obedecemos-lhe cegamente.
Tu obedeces-lhe?
B) Objeto Indireto
Os pronomes que funcionam como objeto indireto são me, te, se, lhe, nos, vos, lhes.

Ex.
Traga-me as apostilas, quando as encontrar.
Obedecemos-lhe cegamente.

C) Adjunto adnominal
Os pronomes que funcionam como adjunto adnominal são me, te, lhe, nos, vos, lhes, quando indicarem posse (algo de alguém).

Ex.
Quando Clodoaldo morreu, Soraia recebeu-lhe a herança. (a herança dele)
Roubaram-me os documentos. (os documentos de alguém - meus)

D) Complemento nominal
Os pronomes que funcionam como complemento nominal são me, te, lhe, nos, vos, lhes, quando complementarem o sentido de adjetivos, advérbios ou substantivos
abstratos. (algo a alguém, não provindo a preposição a de um verbo).

Ex.
Tenha-me respeito. (respeito a alguém)
É-me difícil suportar tanta dor. (difícil a alguém)

E) Sujeito acusativo
Os pronomes que funcionam como sujeito acusativo são me, te, se, o, a, nos, vos, os, as, quando estiverem em um período composto formado pelos verbos fazer,
mandar, ver, deixar, sentir ououvir, e um verbo no infinitivo ou no gerúndio.

Ex.
Deixei-a entrar atrasada.
Mandaram-me conversar com o diretor.

PRONOMES DEMONSTRATIVOS - DEFINIÇÃO E EXEMPLOS


O que são PRONOMES DEMONSTRATIVOS ?

São pronomes que situam o ser no espaço e no tempo, tomando como ponto de referência as três pessoas gramaticais.

SINGULAR PLURAL
Masculino Feminino Masculino Feminino Invariável
este esta estes estas
esse essa esses essas isto
aquele aquela aqueles aquelas
mesmo mesma mesmos mesmas
outro outra outros outras isso
o a os as aquilo
tanto tanta tantos tantas
tal tal tais tais
Este, esta, isto indicam que o ser está próximo do falante:

Esta casa é minha.

Esse, essa, isso indicam que o ser está próximo do ouvinte:

Exemplo: Essa casa é sua.

Aquele, aquela, aquilo indicam que o ser está afastado do falante e do ouvinte.

Exemplo: Aquela casa é dele.

As palavras o, os, a, as, mesmo, próprio, semelhante e tal podem ser pronomes demonstrativos

Exemplos: Não sei o que vou fazer.


Nunca cometemos semelhante asneira.
Ele mesmo passou a roupa.
Ela própria veio à reunião.

DEFINIÇÃO E EMPREGO DOS PRONOMES POSSESSIVOS

O que são PRONOMES POSSESSIVOS ?

Indicam aquilo que pertence a cada uma das pessoas gramaticais.

As formas dos pronomes possessivos são as seguintes:

UM POSSUIDOR VÁRIOS POSSUIDORES


Um objecto Vários objetos Um objecto Vários objetos
possuído possuídos possuído possuídos

meu meus nosso nossos


1.ª pessoa
minha minhas nossa nossas

teu teus vosso vossos


2.ª pessoa
tua tuas vossa vossas

seu seus seu seus


3.ª pessoa sua suas sua suas

Os pronomes possessivos, quando se ligam a substantivos, exercem a função de adjetivos:


O ouro é belo pelo seu brilho.
O meu cão bulhou com o teu.
Emprego dos pronomes possessivos

- seu: a utilização do pronome seu (e flexões) pode gerar frases ambíguas, podemos ter dúvidas quanto ao possuidor.

A menina disse ao colega que não concordava com sua reprovação.


(reprovação de quem? Da menina ou do colega?)

Para evitar esse tipo de ambiguidade, usa-se dele (dela, deles, delas)

A menina disse ao colega que não concordava com a reprovação dela.


• A reprovação dela (da menina)

A menina disse ao colega que não concordava com a reprovação dele.


• A reprovação dele (do colega)

- existem casos em que o pronome possessivo não exprime propriamente ideia de posse. Ele pode ser utilizado para indicar aproximação, afeto ou respeito.Aquele
museu deve ter seus cem anos. (aproximação)

Meu caro amigo, cuide melhor de sua saúde. (afeto)Sente-se aqui, minha senhora. (respeito)

- seu: anteposto a nomes próprios não é possessivo, mas uma alteração fonética de Senhor.

Seu José, o senhor poderia emprestar-me seu celular?

PRONOMES INDEFINIDOS - conceito e emprego

Os pronomes indefinidos referem-se à 3ª pessoa gramatical de maneira indeterminada, vaga.

São as seguintes as formas do pronome indefinido:

SINGULAR PLURAL
Masculino Feminino Masculino Feminino Invariável
muitos muitas
muito muita alguém
poucos poucas
pouco pouca cada
tantos tantas
tanto tanta tudo
todos todas
todo toda ninguém
uns umas
um uma
nenhuns nenhumas
nenhum nenhuma nada
alguns algumas
algum alguma
certos certas
certo certa qual
outros outras
outro outra
quaisquer quaisquer
qualquer qualquer outrem
ambos ambas
Emprego dos pronomes indefinidos
- o indefinido algum, anteposto ao substantivo tem sentido afirmativo; posposto, assume sentido negativo.

Algum caso teve ocorrência. (afirmativo)


Motivo algum me fará desistir de você. (negativo)

- o indefinido cada não deve ser utilizado desacompanhado de substantivo ou numeral.

Receberam dez reais cada um.

- o indefinido certo, antes de substantivo é pronome indefinido, depois do substantivo é adjetivo.

Não entendo certas pessoas. (pronome indefinido)

Escolheram o local certo para a festa. (adjetivo)

- o indefinido todo e toda (singular), quando desacompanhados de artigo, significam qualquer.

Todo homem é mortal. (Qualquer homem é mortal)

Quando acompanhados de artigo dão ideia de totalidade.

Ela jogou todo o macarrão fora.

Qualquer (plural = quaisquer): Vieram pessoas de quaisquer origens.


PRONOMES INTERROGATIVOS

São os pronomes que, quem, qual e quanto (também indefinidos) empregados na formulação de perguntas diretas ou indiretas.

VARIÁVEIS INVARIÁVEIS
quanto
quanta
que
quantos
quantas
quem
qual
quais
a) Quantos irão ao teatro? (direta)
b) Quero saber quantos irão ao teatro. (indireta)

PRONOMES RELATIVOS - DEFINIÇÃO E EMPREGO

O que é pronome relativo?

Referem-se a termos já expressos e introduzem uma oração subordinada adjetiva:

O racismo é um sistema que afirma a superioridade de um grupo racial sobre outros. (afirma a superioridade de um grupo racial sobre outros = oração subordinada adjetiva).

São as seguintes as formas dos pronomes relativos:

VARIÁVEIS VARIÁVEIS VARIÁVEIS


(em género (em (em INVARIÁVEIS
e número) número) número)
cujo quanto qual que
cuja quanta
cujos quantos quais quem
cujas quantas
Emprego dos pronomes relativos

1. Os pronomes relativos virão precedidos de preposição se a regência assim determinar.

nos opúnhamos. (opor-se


Havia condições a que
a)
Havia condições com que não concordávamos. (concordar com)
Havia condições de que desconfiávamos. (desconfiar de)
Havia condições - que nos prejudicavam. (= sujeito)
insistíamos. (insistir
Havia condições em que
em)
2. O pronome relativo quem se refere a uma pessoa ou a uma coisa personificada.

Não conheço a médica de quem você falou.


Esse é o livro a quem prezo como companheiro.

3. Quando o relativo quem aparecer sem antecedente claro é classificado como pronome relativo indefinido.

Quem atravessou, foi multado.

4. Quando possuir antecedente, o pronome relativo quem virá precedido de preposição.

João era o filho a quem ele amava.

5. O pronome relativo que é o de mais largo emprego, chamado de relativo universal, pode ser empregado com referência a pessoas ou coisas, no singular ou no plural.

Conheço bem a moça que saiu.


Não gostei do vestido que comprei.
Eis os instrumentos de que necessitamos.

6. O pronome relativo que pode ter por antecedente o demonstrativo o (a, os, as).

Sei o que digo. (o pronome o equivale a aquilo)

7. Quando precedido de preposição monossilábica, emprega-se o pronome relativo que. Com preposições de mais de uma sílaba, usa-se o relativo o qual (e flexões).
Aquele é o machado com que trabalho.
Aquele é o empresário para o qual trabalho.

8. O pronome relativo cujo (e flexões) é relativo possessivo equivale a do qual, de que, de quem. Deve concordar com a coisa possuída.

Cortaram as árvores cujos troncos estavam podres.

9. O pronome relativo quanto, quantos e quantas são pronomes relativos quando seguem os pronomes indefinidos tudo, todos ou todas.

Recolheu tudo quanto viu.

10. O relativo onde deve ser usado para indicar lugar e tem sentido aproximado de em que, no qual.

Esta é a terra onde habito.

a) onde é empregado com verbos que não dão ideia de movimento. Pode ser usado sem antecedente.

Nunca mais morei na cidade onde nasci.

b) aonde é empregado com verbos que dão ideia de movimento e equivale a para onde, sendo resultado da combinação da preposição a + onde.

As crianças estavam perdidas, sem saber aonde ir.

PRONOMES DE TRATAMENTO - ABREVIATURAS

São pronomes de 2ª pessoa, apesar de serem empregados com verbo na 3ª pessoa.

Pronomes de Abreviatura Abreviatura Usados para:


Tratamento Singular Plural
Você V. V.V. Pessoas com um convívio
mais íntimo
Senhor, Senhora Sr, Srª Srs., Srªs Pessoas com as quais
mantemos certo
distanciamento
Vossa Alteza V.A. VV.AA. Príncipes e duques
Vossa Eminência V. Emª V. Emªs Cardeais
Vossa Santidade V.S. - O Papa
Vossa V.P. V.V.P.P. Superiores de ordens
Paternidade religiosas
Vossa V. Magª V. Magªs Reitores de Universidades
Magnificência
Vossa Majestade V. M. V.V. M.M. Reis e rainhas
Vossa V. Revmª V.Revmªs Sacerdotes e religiosos em
Reverendíssima geral
Vossa Senhoria V. Sª V.Sªs. Pessoas de cerimônia. Usada
para textos escritos, como:
correspondências, ofícios,
requerimentos, e
Observação importante:
# O pronome de tratamento concorda com o verbo na 3ª pessoa. Por exemplo: Vossa Senhoria está feliz.

#Quando se referir à 3ª pessoa, o pronome de tratamento é precedido de sua:


Sua Majestade, a rainha da Inglaterra, chega hoje ao Brasil.

Pronomes adjetivos e pronomes substantivos

Entre as classe gramaticais há aquelas dotadas de uma certa complexidade, como é o caso dos verbos, substantivos e dos pronomes. Eles se revelam como o termo que
substitui ou acompanha o substantivo, relacionando-o às três pessoas do discurso – tanto no singular (eu, tu, ele/ela), quanto no plural (nós, vós, eles/elas).
Contudo, são constituídos de outros pormenores, como é o caso de suas muitas subclassificações: demonstrativos, pessoais, de tratamento, interrogativos, relativo s, entre
outros. Assim, com base em tal prerrogativa, o artigo em evidência tem por objetivo abordar mais uma delas: os pronomes adjetivos e substantivos. Sendo assim,
vejamos:
Os pronomes substantivos são aqueles que substituem o substantivo, de modo a evitar possíveis repetições que porventura tornam o discurso enfadonho, sem qualidade.
Dessa forma, observemos o exemplo que segue:
Meu amigo é um companheiro de todas as horas, mas parece que o seu não é.
Constatamos que o pronome possessivo “seu” teve a função de substituir o substantivo “amigo”. Razão pela qual ele assim se cl assifica. Agora, aproveitando esse mesmo
exemplo, analisemos:
Meu amigo é um companheiro de todas as horas.
Notamos que o pronome em destaque acompanha o substantivo “amigo”. Diante de tal característica afirmamos que ele se classifica como pronome adjetivo.

EXERCÍCIOS CLASSE
1- Aponte a opção na qual o pronome destacado tem o mesmo valor semântico de:
“ ...bateu-me o vento na boca.”
a- ...no rosto com que te admiro.
b- ...neste perdido suspiro.
c- ...que te segue alucinado.
d- ...no meu sorriso suspenso.
e- ...e eu sei que ela se vê bem.

2-
I- Demos a ele todas as oportunidades.
II- Fizemos o trabalho como você orientou.
III- Acharam os livros muito interessantes.

Substituindo os grifos por um pronome oblíquo, temos:


a- Demos- lhe, fizemo- lo, acharam- los;
b- Demos- lhe, fizemos- lo, acharam- os;
c- Demos- lhe, fizemo- lo, acharam- nos;
d- Demo- lhe, fizemos- o, acharam- nos;
e- Demo- lhe, fizemo- lhe, acharam- nos.

3- Dê a classe gramatical das palavras destacadas, respectivamente:


“Os que tiverem a salvação não a perderão jamais.”
a- artigo- pronome pessoal - pronome demonstrativo
b- pronome demonstrativo- artigo- pronome pessoal
c- pronome pessoal- artigo- pronome demonstrativo
d- pronome pessoal- artigo- pronome pessoal
e- artigo- artigo- pronome átono

4- Todos os versos abaixo, da canção do exílio, apresentam pelo menos um substantivo e um


pronome, exceto:
a- “Não permita Deus que eu morra.”
b- “Minha terra tem primores.”
c- “Em cismar, sozinho, à noite.”
d- “Mais prazer encontro eu lá.”
e- “Minha terra tem palmeiras”

5- Em
I- CERTAS instituições encontram sua autoridade na palavra divina.
II- Instituições CERTAS encontram caminho no mercado financeiro.
Pode-se afirmar corretamente sobre as palavras em destaque
a) Adjetivo em I e substantivo em II, com significado de algumas em I e corretas em II.
b) Substantivo em I e adjetivo em II, com significado de muitas em I e íntegras em II.
c) Advérbio em I e II, com significado de algumas em I e II.
d) Pronome indefinido, com significado de algumas em I e adjetivo significando íntegras
em II.
e) Advérbio em I e adjetivo em II, com significado de poucas em I e II.

6- Assinale a alternativa em que a apalavra destacada exerce a função de pronome adjetivo.


a) Partiu sem ao menos dizer- me adeus.
b) Poderíamos reconhecê-lo como um dos nossos mártires.
c) Aquela não foi uma obra de arte, mas esta será?
d) Leio muito, porém não o que me desagrada.
e) Sempre serei assim, mesmo que não me aceites.

7- Na frase: “Chegou Pedro, Maria e o seu filho dela”., o pronome POSSESSIVO está
reforçado por:
a) ênfase
b) elegância de linguagem
c) exagero
d) clareza do texto
e) harmonização sonora.

8- Os pronomes grifados abaixo são classificados como:


Alguém se dirigiu a ela e ela se assustou.
a)indefinido, pessoal do caso reto, pessoal do caso reto;
b)pessoal do caso oblíquo átono, pessoal do caso oblíquo tônico, pessoal do caso reto;
c) pessoal de tratamento, pessoal do caso reto, pessoal do caso oblíquo tônico;
d)indefinido, pessoal do caso oblíquo tônico, pessoal do caso reto;
e)N.D.A .

EXERCÍCIOS CASA

1. (TRE-RJ) A frase em que há erro quanto ao emprego do pronome lhe é:

a)Nunca lhe diria mentira.


b) Ter-lhe-iam falado a meu respeito?
c) Louvemos-lhe, porque ele o merece.
d) De Fernando só lhe conhecia a fama.
e) Sei que não lhe agrada essa conversa.
2. (Cesgranrio) Marque a opção em que a forma pronominal utilizada está
INCORRETA.
a) É difícil, para mim, praticar certos exercícios físicos.
b) Ainda existem muitas coisas importantes para eu fazer.
c) Os chinelos da aposentadoria não são para ti.
d) Quando a aposentadoria chegou, eu caí em si.
e) Para tu não teres aborrecimentos, evita o excesso de velocidade.
3) (ENEM) O uso do pronome átono no início das frases é destacado por um
poeta e por um gramático nos textos abaixo.
Pronominais
Dê-me um cigarro
Diz a gramática
Do professor e do aluno
E do mulato sabido
Mas o bom negro e o bom branco
Da Nação Brasileira
Dizem todos os dias
Deixa disso camarada
Me dá um cigarro.
(ANDRADE, Oswald de. Seleção de textos. São Paulo: Nova Cultural, 1988.)
“Iniciar a frase com pronome átono só é lícito na conversação familiar,
despreocupada, ou na língua escrita quando se deseja reproduzir a fala dos
personagens (…)”.
(CEGALLA. Domingos Paschoal. Novíssima gramática da língua portuguesa.
São Paulo: Nacional, 1980.)
Comparando a explicação dada pelos autores sobre essa regra, pode-
se afirmar que ambos:
a) Condenam essa regra gramatical
b) Acreditam que apenas os esclarecidos sabem essa regra.
c) Criticam a presença de regras na gramática.
d) Afirmam que não há regras para uso de pronomes.
e) Relativizam essa regra gramatical.
4) (UFP-CURITIBA) Complete com os pronomes e indique a opção correta,
dentre as indicadas abaixo:
1. De repente, deu-lhe um livro para ………. ler.
2. De repente, deu um livro para ………. .
3. Nada mais há entre ………. e você.
4. Sempre houve entendimentos entre ………. e ti.
5. José, espere vou ………. .
a) ele, mim, eu, eu, consigo
b) ela, eu, mim, eu, contigo
c) ela, mim, mim, mim, com você
d) ela, mim, eu, eu, consigo
e) ela, mim, eu, mim, contigo
5) (PUC) Na frase: “Chegou Pedro, Maria e o seu filho dela”, o pronome
possessivo está reforçado para:
a) ênfase
b) elegância e estilo
c) figura de harmonia
d) clareza
e) n.d.a.
6) (ETF – SP) Em “O casal de índios levou-os à sua aldeia, que estava
deserta, onde ofereceu frutas aos convidados”, temos:
a) dois pronomes possessivos e dois pronomes pessoais.
b) um pronome pessoal, um pronome possessivo e dois pronomes relativos
c) dois pronomes pessoais e dois pronomes relativos.
d) um pronome pessoal, um pronome possessivo, um pronome relativo e um
pronome interrogativo.
e) dois pronomes possessivos e dois pronomes relativos.

Gabarito
1) C
Comentário: O uso do pronome oblíquo “lhe” é de ordem regencial. Esse
pronome é substituto dos objetos indiretos, ou seja, dos complementos que
possuem preposição. Já os pronomes “o”, “a”, “os”, “as” são substitutos dos
objetos diretos. Nessa questão, a letra C é a correta, pois o verbo “louvar” é
transitivo direto, portanto, não pode ter seu objeto substituído pelo “lhe”.
2) D
Comentário: O pronome reflexivo indica que o sujeito pratica e recebe a ação.
No caso da questão 2, a opção D está incorreta, pois o pronome que deveria
ser utilizado é o “MIM”, já que a oração está na primeira pessoa do singular.
O pronome reflexivo “SI” é referente à 3ª pessoa do singular. Portanto, se a
frase fosse “Ele caiu em si”, estaria correto.
3) E
Comentário: Ambos os autores afirmam que em um contexto mais formal, no
qual a norma culta é exigida, devemos obedecer à regra de colocação
pronominal, que considera incorreto começar uma frase com pronome átono.
No entanto, em uma circunstância menos formal, como uma conversa entre
amigos e familiares, é aceitável desconsiderar essa regra e iniciar a frase
com o pronome átono. Portanto, entendemos que essa regra gramatical
pode ser relativizada, ou seja, o próprio contexto é que determina o uso dela.
4) C
Comentário: Nessa questão é necessário saber que, após uma preposição,
devemos usar os pronomes oblíquos tônicos (mim, comigo, ti, contigo, ele,
ela, nós, conosco, vós, convosco, eles, elas). Por isso, esses pronomes
exercem função sintática de objeto indireto da oração. No entanto, há
construções em que a preposição que antecede o pronome também introduz
uma oração cujo verbo está no infinitivo (número 1 da questão). Nesse caso,
devemos usar o pronome pessoal no caso reto (eu, tu, ele(a), nós, vós,
eles(as)), pois esse pronome pode estar exercendo função de sujeito da
oração.
5) D
Comentário: O pronome possessivo “seu”, muitas vezes, pode apresentar
ambigüidade e gerar dúvidas quanto ao elemento possuidor. Para evitar essa
ambigüidade, utilizam-se as formas contraídas (dele, dela, deles, delas). No
caso da questão 5, o pronome possessivo foi reforçado para que não
houvesse dúvidas de que o filho era de Maria.
6) B
Comentário: Temos um pronome pessoal oblíquo átono em “levou-os”; um
pronome possessivo “sua”; e dois pronomes relativos “que” e “onde”.
Portanto, a opção certa é a B.
AULA 9
VERBO
Podemos entender o verbo como o elemento que, dentro de uma frase, permite àquele que fala
ou escreve situar eventos no tempo com relação ao momento em que seu discurso está sendo
produzido. De uma maneira geral, verbos exprimem ações, mas muitos deles também
permitem manifestar sentimentos, sensações, estados e fenômenos naturais. É próprio de um
verbo evocar um processo, isto é, o desenrolar de eventos para os quais podemos identificar
seu início e fim.

CONJUGAÇÃO VERBAL

Existem 3 conjugações verbais:

A 1ª que tem como vogal temática o ''a''


Ex: cantar, pular, sonhar etc.

A 2ª que tem como vogal temática o ''e''


Ex: vender, comer, chover, sofrer etc.

A 3ª que tem como vogal temática o ''i''


Ex: partir, dividir, sorrir, abrir etc.

Exemplos:

1º COJUGAÇÃO 2º COJUGAÇÃO
3º CONJUGAÇÃO
verbos terminados
verbos terminados
verbos terminados em ER
em IR
em AR

vender partir
cantar

amar
chover sorrir
sonhar

sofrer abrir

OBS: O verbo pôr, assim como seus derivados (compor, repor, depor, etc.), pertence 2º
conjugação, porque na sua forma antiga a terminação era er: poer. A vogal “e”, apesar de
haver desaparecido do infinitivo, revela-se em algumas formas de verbo: põe, pões, põem etc.
Pessoas:

1ª, 2ª e 3ª pessoa a bordadas em 2 situações: singular e plural.

Primeira - singular - eu ex: canto


Segunda - singular - tu ex: cantas
Terceira - singular - ele ex: canta

Primeira - plural - nós ex: cantamos


Segunda - plural - vós ex: cantais
Terceira - plural - eles ex: cantam

TEMPOS E MODO DE VERBO

1. Presente.
Fato ocorrido no momento em que se fala.
Ex: Faz

2. Pretérito
Fato ocorrido antes
Ex: Fez

3. Futuro
Fato ocorrido depois
Ex: Fará

O pretérito subdivide-se em perfeito, imperfeito e mais-que-perfeito.

1. Perfeito
Ação acabada.
Ex: Eu li o ultimo romance de Rubens Fonseca.

2. Imperfeito
Ação inacabada no momento a que se refere à narração.
Ex: Ele olhava o mar durante horas e horas.

3- Mais-que-perfeito
Ação acabada, ocorrida antes de outro fato passado.
Ex: para poder trabalhar melhor, ela dividirá a turma em dois grupos.

O futuro subdivide-se em futuro do presente e futuro do pretérito.

1. futuro do Presente.
Refere-se a um fato imediato e certo
Ex: comprarei ingressos para o teatro.

2. futuro do Pretérito.
Pode indicar condição, referindo-se a uma ação futura, vinculada a um momento já passado.
Ex: Aprenderia tocar violão, se tivesse ouvido para a música (aqui indica condição)
Eles gostariam de convidá-la para a festa.

www.coladaweb.com › Português
Modo Subjuntivo é o modo verbal que expressa o desejo, a hipótese, a condição, a
possibilidade. Pelo fato de não apontar certezas (como o Indicativo), mas possibilidades, o
Subjuntivo é utilizado quando pretendemos apresentar um estado, uma ação ou uma idéia
relacionada a outro verbo. Ou seja, o Modo Subjuntivo indica subordinação.

Observe nos exemplos abaixo como as possibilidades vêm expressas:

(possibilidade) Subjuntivo (certeza) Indicativo


Mesmo que eu trabalhe muito, continuarei em minha banda.
Se eu trabalhasse muito, abandonaria minha banda.
Quando eu trabalhar muito, receberei bom salário.

Veja como os compositores fazem uso do Modo Subjuntivo na seguinte canção:

Ah!, se eu pudesse
(Roberto Menescal e Ronaldo Bôscoli)

Ah!, se eu pudesse te buscar sorrindo


E lindo fosse o dia, como um dia foi

E indo nesse lindo, feito para nós dois

Pisando nisso tudo que se fez canção

Ah!, se eu pudesse te mostrar as flores

Que cantam suas cores para a manhã que nasce

Que cheiram no caminho quem falasse


As coisas mais bonitas para a manhã de sol

(...)

Tempos verbais simples do Modo SUBJUNTIVO (incerteza, dúvida, hipótese)


Presente Meus pais querem que eu trabalhe este ano.
Imperfeito Se eu trabalhasse com mais empenho, seria mais feliz?
Futuro Quando eu trabalhar mais, poderei me sustentar sozinho.

PRESENTE DO SUBJUNTIVO
O Presente do Subjuntivo indica dúvida, incerteza, possibilidade, suposição ou desejo em
relação a uma ação ou situação presentes. Exemplos:

Vocês precisam (hoje /agora) que eu venha amanhã?


É possível (hoje / agora) que compremos seu livro.
É preciso (hoje / agora) que você venha ao almoço.
Imagino que ele venha almoçar conosco.
Quero / Desejo que ele se dê muito bem na vida.

Observe o uso do Presente do Subjuntivo nos versos de Caetano Veloso:

Você não entende nada


(Caetano Veloso)
(...)
E quero que você venha comigo
E quero que você venha comigo
E quero que você venha comigo
E quero que você venha comigo

Eu me sento, eu fumo, eu como, eu não aguento

Você está tão curtida


Eu quero tocar fogo neste apartamento

Você não acredita


(...)

FORMAÇÃO DO PRESENTE DO SUBJUNTIVO


Sua forma é derivada da 1ª pessoa do singular (ele / ela) do Presente do Indicativo, como
segue:
1. Retira-se a desinência “-o” ( eu cant-o).

2. Acrescentam-se as seguintes terminações:

-e; -es; -e; -emos; -eis; -em (verbos de 1ª conjugação) e

-a; -as; -a; -amos; -ais; -am (verbos de 2ª.e 3ª.conjugações), conforme os seguintes
paradigmas:

VERBOS REGULARES
Verbo no Modo Modo Subjuntivo
Infinitivo Indicativo Presente
Presente
(1ª pessoa do
singular)
cantar Eu cant-o Que eu cant-e / Que tu cant-es / Que ele cant-e /
Que nós cant-emos / Que vós cant-eis / Que eles cant-em
correr Eu corr-o Que eu corr-a / Que tu corr-as / Que ele corr-a /
Que nós corr-amos / Que vós corr-ais / Que eles corr-am
partir Eu part-o Que eu part-a / Que tu part-as / Que ele part-a /

Que nós part-amos / Que vós part-ais / Que eles part-am

OUTROS VERBOS
Verbo no Modo Indicativo Modo Subjuntivo
Infinitivo Presente Presente
(1ª pessoa do
singular)
querer Eu quero Que eu queira / Que tu queiras/ Que ele queira /
Que nós queiramos /Que vós queirais / Que eles queiram
ir Eu vou Que eu vá / Que tu vás / Que ele vá /
Que nós vamos / Que vós vades / Que eles vão
saber Eu sei Que eu saiba / Que tu saibas / Que ele saiba /
Que nós saibamos / Que vós saibais / Que eles saibam
ser Eu sou Que eu seja / Que tu sejas / Que ele seja /
Que nós sejamos / Que vós sejais / Que eles sejam
(Nunca seje!)
estar Eu estou Que esteja / Que tu estejas / Que ele esteja /
Que nós estejamos / Que vós estejais / Que eles estejam
(Nunca esteje!)
haver Eu hei Que eu haja / Que tu hajas / Que ele haja /
Que nós hajamos / Que vós hajais / Que eles hajam

IMPERFEITO DO SUBJUNTIVO

O Imperfeito do Subjuntivo indica uma situação ou ação passada não realizada,


hipotética, possível, incerta, imprecisa ou concessiva (embora; mesmo que; ainda que; apesar
de que; se bem que. Observe:

Se eles avisassem, todos viriam?


Se eu corresse, talvez chegasse a tempo.
Eu imaginava que ele viesse de carro.
Mesmo que ele viesse de carro, não chegaria para o evento.
Ainda que ele estudasse muito, não conseguiria vaga na USP.
Embora ele tivesse dinheiro, não conseguiria comprar aquele imóvel.
Nunca pediram para que ele frequentasse nossos encontros.

FORMAÇÃO DO IMPERFEITO DO SUBJUNTIVO

Sua forma é derivada da 3ª pessoa do plural (eles / elas) do Pretérito Perfeito do


Indicativo: retira-se a desinência "–ram", acrescentando-se desinências com “-ss-”.

VERBOS REGULARES
Verbo no Modo Indicativo Modo Subjuntivo
Infinitivo Pretérito Perfeito Imperfeito
(3ª pessoa do plural)
cantar Eles canta (-ram) canta (+sse) = se eu cantasse
correr Eles corre (-ram) corre (+sse) = se eu corresse
partir Eles parti (-ram) parti (+sse) = se eu partisse

Observe o uso do Imperfeito do Subjuntivo nos seguintes versos:


Se acaso você chegasse
(Lupicínio Rodrigues e Felisberto Martins)

Se acaso você chegasse


No meu chateau encontrasse
Aquela mulher
Que você gostou
Será que tinha coragem
De trocar nossa amizade
Por ela
Que já lhe abandonou (...)

OUTROS VERBOS
Verbo no Modo Indicativo Modo Subjuntivo
Infinitivo Pretérito Perfeito Imperfeito
(3ª pessoa do plural)
fazer Eles fize (-ram) fize (+sse) = se eu fizesse
trazer Eles trouxe (-ram) trouxe (+sse) = se eu trouxesse
querer Eles quise (-ram) quise (+sse) = se eu quisesse
dizer Eles disse (-ram) disse (+sse) = se eu dissesse
pôr Eles puse (-ram) puse (+sse) = se eu pusesse
ser Eles fo (-ram) fo (+sse) = se eu fosse
ir Eles fo (-ram) fo (+sse) = se eu fosse
vir Eles vie (-ram) vie (+sse) = se eu viesse
ver Eles vi (-ram) vi (+sse) = se eu visse

Observe o uso do Imperfeito do Subjuntivo nos seguintes versos de Francis Hime:

Se Porém fosse Portanto


(Francis Hime)

Se trezentos fosse trinta


O fracasso era um portento
Se bobeira fosse finta
E o pecado sacramento
Se cuíca fosse banjo
Água fresca era absinto
Se centauro fosse anjo
E atalho labirinto

Se punhado fosse penca


Se duzentos fosse vinte
Se tulipa fosse avenca
E assistente fosse ouvinte
Armadilha era ornamento
Se rochedo fosse vento
Cabra vivo era defunto
(...)

FUTURO DO SUBJUNTIVO

O Futuro do Subjuntivo indica ação ou situação hipotética, possível, que, realizada,


determinará ação ou situação futura. É usado principalmente em orações condicionais (“Se...”)
e temporais (“Quando...”). Exemplos:

Quando ele entrar na faculdade, arrumará a vida de toda a família.


Se treinarmos muito, venceremos o torneio.
Quem se preparar bem, conseguirá bom emprego.

FORMAÇÃO DO FUTURO DO SUBJUNTIVO

Sua forma é derivada da 3ª pessoa do plural (eles / elas) do Pretérito Perfeito do


Indicativo: troca-se a terminação "-ram" por "-r".

VERBOS REGULARES
Verbo no Modo Indicativo Modo Subjuntivo
Infinitivo Pretérito Perfeito Futuro
(3ª pessoa do plural)
cantar Eles canta (-ram) canta (+r) = se eu cantar / quando eu cantar
correr Eles corre (-ram) corre (+r) = se eu correr / quando eu correr
partir Eles parti (-ram) parti (+r) = se eu partir / quando eu partir

OUTROS VERBOS
Verbo no Modo Indicativo Modo Subjuntivo
Infinitivo Pretérito Perfeito Futuro
(3ª pessoa do
plural)
fazer Eles fize (-ram) fize (+r) = se eu fizer / quando eu fizer
trazer Eles trouxe (-ram) trouxe (+r) = se eu trouxer / quando eu trouxer
querer Eles quise (-ram) quise (+r) = se eu quiser / quando eu quiser
dizer Eles disse (-ram) disse (+r) = se eu disse / quando eu disser
pôr Eles puse (-ram) puse (+r) = se eu puser / quando eu puser
ser Eles fo (-ram) fo (+r) = se eu for / quando eu for
ir Eles fo (-ram) fo (+r) = se eu for / quando eu for
vir Eles vie (-ram) vie (+r) = se eu vier / quando eu vier
ver Eles vi (-ram) vi (+r) = se eu vir / quando eu vir (*)

(*) É por isso que o Futuro do Subjuntivo do verbo "ver" fica “vir”. Veja os exemplos:

Certo Errado
“se eu vir o filme" “se eu ver o filme”
“quando você ver o resultado do teste”
“quando você vir o resultado do teste" “quando nos vermos novamente"
“se vocês verem a verdade"
“quando nos virmos novamente"

“se vocês virem a verdade"

Observe o uso do Futuro do Subjuntivo nestes versos de “Linha do Equador”:

Linha do Equador
(Djavan e Caetano Veloso)

esse imenso, desmedido amor


vai além de seja o que for
vai além de onde eu vou
do que sou, minha dor,
minha linha do Equador

mas é doce morrer nesse mar


de lembrar e nunca esquecer
se eu tivesse mais alma pra dar
eu daria, isso para mim é viver

REPETINDO E FIXANDO:
Verbo PÔR (e seus compostos):

Se eu puser (nunca “se eu pôr”) meu vestido preto, parecerei mais magra.

Quando o sistema repuser (nunca quando o sistema repor) o estoque automaticamente, não
faltará mercadoria.

Se o congresso depuser (nunca se o congresso depor) o presidente, a democracia ficará


abalada.

Verbo TER (e seus compostos):

Se eu tiver que sair, não voltarei mais. (Não se erra o verbo ter, mas comumente seus
compostos.)

Se ele mantiver (nunca se ele manter) sua posição, não haverá negociações.

Se o governo retiver (nunca se o governo reter) as importações, teremos sérios problemas


econômicos.

Para finalizar, podemos identificar vários dos modos verbais tratados em nossas colunas, na
maravilhosa composição de Pixinguinha, “Carinhoso”:

Carinhoso, de Pixinguinha Modos Verbais

1. Meu coração 1.
2. I Indicativo
2. Não sei por que 3. I Indicativo
4. I Indicativo
3. Bate feliz 5. I Indicativo
6. I Indicativo
4. Quando te vê 7. I Indicativo
5. E os meus olhos ficam sorrindo
6. E pelas ruas vão te seguindo 8. Subjuntivo / Indicativo
7. Mas mesmo assim foges de mim 9. I Indicativo
10. Indicativo
11. Indicativo / Indicativo
8. Ah se tu soubesses como sou tão carinhosa
12. Imperativo
9. E o muito, muito que te quero 13. Imperativo
10. E como é sincero o meu amor 14. Imperativo / Indicativo
11. Eu sei que tunão fugirias mais de mim 15. Indicativo
16.
12. Vem, vem, vem, vem

13. Vem sentir o calor dos lábios meus à procura dos


teus

14. Vem matar essa paixão que me devora o coração


15. E só assim então serei feliz
16. Bem feliz (...)

www.portugues.com.br/.../verbos/quadro.asp

Modo Imperativo

O verbo indica uma ação, uma qualidade ou um estado e situa-os no tempo. O modo do verbo
dá-nos a maneira como o emissor (quem fala) se coloca em relação àquilo que diz.
No modo imperativo, o emissor dá uma ordem, um conselho ou faz um pedido:

Lê este livro de banda desenhada!


Observai bem estas vinhetas.
Preencha-me estes balões, por favor.
Emprestem-nos a vossa coleção de banda desenhada.

Retirado de Ponto e Vírgula, 7.º Ano, de Constança Palma e Sofia Paixão

O imperativo afirmativo se forma da seguinte forma: a segunda pessoa do singular (tu) e a


segunda pessoa do plural (vós) derivam das pessoas correspondentes do presente do
indicativo, suprimindo-se o s do final; as demais pessoas (você, nós, vocês) não sofrem
alterações.

O imperativo negativo não possui formas especiais. Suas pessoas são idênticas às
correspondentes do presente do subjuntivo.

Imperativo Presente Imperativo


Presente Indicativo
Afirmativo Subjuntivo Negativo

cant o - cant e -

cant as (- s) > cant a cant es > não cant es


cant a cant e < cant e > não cant e

< cant emos não cant


cant amos cant emos
> emos

cant eis
cant ais (-s) > cant ai não cant eis
>

< cant em
cant am cant em não cant em
>

EXERCÍCIOS CLASSE
1) (UFF) Assinale a série em que estão devidamente classificadas as formas verbais
destacadas:

“Ao chegar da fazenda, espero que já tenha terminado a festa”.

a) futuro do subjuntivo, pretérito perfeito do subjuntivo


b) infinitivo, presente do subjuntivo
c) futuro do subjuntivo, presente do subjuntivo
d) infinitivo, pretérito imperfeito do subjuntivo
e) infinitivo, pretérito perfeito do subjuntivo

2) (ENG – MACK) Só muito mais tarde vim, a saber, que a chuva os ___________ na estrada
e que não _________ ninguém que ______________.
a) detera; houve; os ajudasse;
b) detivera; houve; os ajudasse;
c) detera; teve; ajudasse eles;
d) detivera; houve; ajudasse eles;
e) detivera; teve; os ajudasse.

3) (CESGRANRIO) No trecho: “...fui obrigado a dá-lo de presente a um bandido, seu amigo,


quando, provou que completara na véspera o seu vigésimo nono assassinato”, o mais-que-
perfeito foi empregado com seu valor normal; na linguagem literária ele pode também aparecer
no valor de:
a) imperativo afirmativo
b) pretérito imperfeito do subjuntivo
c) pretérito perfeito do indicativo
d) infinito pretérito
e) futuro do pretérito composto

4) (CESGRANRIO) “Acesas” é particípio adjetivo de “acender”, verbo chamado abundante,


porque possui dupla forma de particípio (acendido e aceso). Em abundância, que é geralmente
do particípio, em alguns verbos ocorre em outras formas. Assim, por exemplo, é o caso de:
a) coser b) olhar c) haver d) vir e) dançar

5) (FEB) Assinale a alternativa que completa adequadamente as lacunas:


“Visto que a democratização do ensino é uma necessidade, a escola pública ___________ de
ser realmente apoiada e defendida, embora muitos _______________ pois abaixamento de
nível”.
a) tenha – contestem – haveria
b) tem – contestam – há
c) tem – contestam – haveria
d) tem – contestem – haveria
e) N.D.A.

6) (ENG – MACK) Só muito mais tarde vim, a saber, que a chuva os ___________ na estrada e
que não _________ ninguém que ______________.
a) detera; houve; os ajudasse;
b) detivera; houve; os ajudasse;
c) detera; teve; ajudasse eles;
d) detivera; houve; ajudasse eles;
e) detivera; teve; os ajudasse.

7) (Cefet-MG) Empregou-se o verbo no futuro do subjuntivo em:

a) … afrontava os perigos (…) para vir vê-la à cidade.


b) Se algum dia a civilização ganhar essa paragem longínqua…
c) Continuaram ainda a dialogar com certo azedume.
d) Tinha-me esquecido de contar-lhe que eu fizera uma promessa…
e) e encontrei o faroleiro ocupado em polir os metais da lanterna.

8) (UFMG) Em todas as alternativas, a lacuna pode ser preenchida com o verbo indicado entre
parênteses, no subjuntivo, exceto em:

a) Olhou para o cão, enquanto esperava que lhe _______ a porta (abrir).
b) Por que foi que aquela criatura não ________ com franqueza? (proceder)
c) É preciso que uma pessoa se ________ para encurtar a despesa. (trancar).
d) Deixa de luxo, minha filha, será o que Deus ________. (querer)
e) Se isso me ______ possível, procuraria a roupa. (ser)

EXERCÍCIOS CASA
1) (PUC-SP) Uma das alternativas abaixo está errada quanto à correspondência no emprego
dos tempos verbais. Assinale-a.

a) Porque arrumara carona, chegou cedo à cidade.


b) Se tivesse arrumado carona, chegaria cedo à cidade.
c) Embora arrume carona, chegará tarde.
d) Embora tenha arrumado carona, chegou tarde.
e) Se arrumar carona, chegaria cedo à cidade.
Exercício 5:

2) (FUVEST-SP) Assinale a frase em que aparece o pretérito mais-que-perfeito do verbo ser:

a) Não seria o caso de você se acusar?


b) Quando cheguei, ele já se fora, muito zangado.
c) Se não fosse ele, tudo estaria perdido.
d) Bem depois se soube que não fora ele o culpado.
e) Embora não tenha sido divulgado, soube-se do caso

3) (FAAP) Assinale a resposta correspondente à alternativa que completa corretamente o


espaço em branco:

“Não ________. Você não acha preferível que ele se ________ sem que você o __________?”

a) interfere – desdiz – obriga.


b) interfira – desdisser – obrigue.
c) interfira – desdissesse – obriga.
d) interfere – desdiga – obriga.
e) interfira – desdiga – obrigue.
4) (FATEC-SP) Assinale a alternativa em que a forma verbal grifada no período 2 não substitui
corretamente a do período 1.

a) 1. Economistas afirmam que já foi descoberto o remédio para a inflação no Brasil. 2.


Economistas afirmam que já ter sido descoberto o remédio para a inflação no Brasil.
b) 1. Não souberam ou não me quiseram dizer para onde você tinha ido. 2. Não souberam ou
não me quiseram dizer para onde você fora.
c) 1. Eram passados já muitos anos, desde o acidente. 2. Haviam passado já muitos anos,
desde o acidente.
d) 1. Honrarás a teu pai e a tua mãe. 2. Honra a teu pai e a tua mãe.
e) 1. Ao chegar à sua casa, o seu amigo já terá partido. 2. Ao chegar à sua casa, o seu amigo
já partirá.
Exercício 12:

5) (FUEL-PR) “Pode ser que eu __________ levar as provas, se você _______ tudo para que
eu __________ onde elas estão”.

A alternativa que corresponde à sequência correta é:

a) consiga – fará – descobriria.


b) consiga – fizer – descubra.
c) consigo – fizer – descobrir.
d) consigo – fizer – descubro.
e) consigo – fará – descobrirei.
Exercício 13:

6) (CESGRANRIO-RJ) Não há devida correlação temporal nas formas verbais em:

a) Seria conveniente que o leitor ficasse sem saber quem era Miss Dollar.
b) É conveniente que o leitor ficaria sem saber quem era Miss Dollar.
c) Era conveniente que o leitor ficasse sem saber quem era Miss Dollar.
d) Será conveniente que o leitor fique sem saber quem era Miss Dollar.
e) Foi conveniente que o leitor ficasse sem saber quem era Miss Dollar.

7) (Fundação Carlos Chagas) Transpondo para a voz passiva a oração “O faro dos cães guiava
os caçadores”, obtém-se a forma verbal:

a) ( ) guiava-se
b) ( ) ia guiando
c) ( ) guiavam
d) ( ) eram guiados
e) ( ) foram guiados.

8) (Agente de Trânsito - CESGRANRIO- 2005) No passado a Ciência não _______ combater


muitas doenças. Hoje, ela __________ meios de evitá-las. As formas verbais que completam
corretamente as frases são:

(A) pôde e possui.


(B) pôde e possue.
(C) pode e possui.
(D) pode e possue.
(E) poude e possui.

9) (FGV-2001) Assinale a alternativa em que não haja erro


de conjugação de verbo.

A) Em pouco mais de três meses, a lesão do jogador poderá estar curada, se ele manter
adequadamente o tratamento.
B) O moderador interviu assim que ficou a par dos problemas técnicos.
C) Se a Patrícia previr tempo seco para o litoral, haveremos de descer a serra antes de o sol
nascer.
D) Leocádia estava terrivelmente irritada. Tinha ganas de dizer a Alberto tudo o que ele
merecia; mas se deteu, esperando oportunidade melhor.
E) Quando o negociador propor uma saída honrosa, será o momento de todos o aplaudirmos.

10) (FGV-2001) Complete as frases com os verbos indicados entre parênteses.

“Se você ________ (vir) à exposição e se ________ (dispor) a visitar o terceiro andar, poderá
notar duas grandes fotos iluminadas. Quando as ________ (ver),observe seus efeitos de luz e
sombra. para bem comparar a técnica utilizada, será conveniente que você ________ (manter-
se) a uma boa distância. Se isso não ________ (satisfazer) sua curiosidade, poderá adotar
outra perspectiva.

GABARITO
1) E 2) D 3) E 4) E 5) B
6) B 7) D 8) A 9) C 10) vier, dispuser, vir, se mantenha, satisfizer
AULA 10
SUJEITO E PREDICADO

TERMOS ESSENCIAIS DA ORAÇÃO

Sujeito e predicado são, no geral, os termos essenciais da oração. No geral, pois existe
oração sem sujeito. Ao sujeito se atribui a prática da ação, na maioria das vezes. O predicado é
tudo menos o sujeito.

SUJEITO

a) Sujeito determinado simples – Quando empregado na oração, apresentando um núcleo.


Ex.: Antônio continua inquieto.

b) Sujeito determinado composto – Há mais de um núcleo.


Ex.: Regina e Roberto estão inquietos.

c) Sujeito indeterminado – verbo na 3ª pessoa do plural sem referenciar o sujeito; verbo no


infinitivo sem referenciar o sujeito; v.t.i. + se / v.i. + se / v. de ligação + se
Exs.:

Estudam Matemática e Língua Portuguesa, todos os dias.

* Verbo na 3a pessoa do plural, sem indicar quem pratica a ação espelha um


sujeito indeterminado. Contudo, se o contexto comunicar ou revelar o sujeito,
passamos a ter um sujeito implícito. Ou seja, em “Lúcia e Paula foram à praia.
Beberam água de coco.” Para o verbo BEBER o sujeito está implícito .

Aspira-se a cargos públicos. [ verbo transitivo indireto + índice de indet. do sujeito ]

Está-se orgulhoso. [ verbo de ligação + índice de indeterminação do sujeito ]

Trabalha-se bastante, naquele escritório. [ verbo intransitivo + índice de indet.


do sujeito ]

* Nos três exemplos acima, o sujeito está indeterminado. Cuidado com os


concursos públicos, pois é comum flexionarem os verbos em negrito s, pondo-os na 3a
pessoa do plural. Verbo intransitivo, transitivo indireto ou verbo de ligação seguido do
pronome “se” não recebe flexão verbal. Flexioná-los seria erro de concordância verbal.

Reviver boas ações é oportuno ao homem.

 “Reviver boas ações” é o sujeito oracional do verbo SER


 “boas ações” é o objeto direto do verbo REVIVER.
 “Reviver boas ações”, por ser uma oração com o verbo no infinitivo sem
referenciar o agente da ação traz um sujeito indeterminado.
d) Sujeito acusativo – Quando o sujeito exerce a função de objeto direto, também. Ocorre
apenas com os verbos MANDAR, DEIXAR, FAZER, OUVIR, SENTIR e VER + o termo que
será o sujeito acusativo + verbo no infinitivo ou no gerúndio.

Mandar
Deixar
Fazer + Substantivo ou pronome + verbo no infinitivo ou no gerúndio
Ouvir
Sentir
Ver

Exs.:

Vi o rapaz cantar (vi-o cantar) * O termo grifado é o sujeito acusativo, pois exerce a
função de objeto direto do verbo VER e a função de sujeito do verbo CANTAR.

Não o deixei dormindo. * o termo grifado é sujeito acusativo oracional.

Ouvi pessoas trabalhar. * O sujeito acusativo é representado pronominalmente por


pronomes pessoais do caso oblíquo. Assim, o pronome
em negrito ao lado representa o substantivo grifado
“pessoas”. Se usássemos “Ouvi elas trabalhar” haveria
erro quanto ao emprego de pronomes.
Ouvi-as trabalhar.

Percebi eles chegando à porta [ correto ]

Percebi-os chegando à porta [ errado, pois não temos sujeito acusativo ]

* O sujeito acusativo, ou seja, o sujeito objetivo direto só ocorre com os


verbos selecionados acima [ mandar/deixar/fazer/ouvir/sentir/ver ]. Em
latim, o nosso objeto direto é chamado de acusativo. Logo, sujeito
acusativo é o sujeito do infinitivo ou do gerúndio que exerce a função do
objeto direto dos verbos selecionados acima. Sua representação
pronominal é com os oblíquos. Não havendo sujeito acusativo, o termo
referenciado ( o substantivo contextualizado ) deve ser substituído por
pronome pessoal do caso reto.

e) Sujeito oracional – Quando o núcleo do sujeito for constituído por um verbo.


Exs.:

Estudar todo o programa é necessário.

Quem estuda edifica castelos.

* CUIDADO: O uso de vírgula entre o sujeito oracional e seu verbo


diretamente empregados é comum. Logo, “Quem estuda, edifica castelos” apresenta
erro de pontuação.

Comunicar os fatos que nos circundam aos leitores que nos acompanham proporciona
conforto.
 Todo o termo em negrito acima é o sujeito oracional do verbo “proporciona”.
Os dois termos grifados são respectivamente objeto direto e objeto indireto.
Existem orações subordinadas adjetivas ( adjuntos adnominais oracionais )
integrando os complementos verbais. Só o ponto final no período estaria
correto. Todavia, se o emissor quiser, pode tornar as orações subordinadas
adjetivas restritivas em orações subordinadas adjetivas explicativas. Para
tanto, bastaria pontuar com vírgulas ou travessões as orações adjetivas.
Vejamos:
 1) Comunicar os fatos, que nos circundam, aos leitores, que nos acompanham,
proporciona conforto;
 2) Comunicar os fatos - que nos circundam - aos leitores – que nos
acompanham – proporciona conforto;
 3) Comunicar os fatos, que nos circundam, aos leitores que nos acompanham
proporciona conforto ( apenas a primeira oração subordinada adjetiva é
explicativa );
 4) Comunicar os fatos que nos circundam aos leitores , que nos acompanham,
proporciona conforto. ( apenas a segunda oração adjetiva é explicativa).

f) Sujeito Inexistente

São estruturas que não apresentam sujeito:


- Verbo “haver” no sentido de “existir”.
- Verbo “fazer” indicando tempo.
- Verbos que expressam fenômenos naturais.
- Verbo “ser” indicando tempo / hora.

Exs.:
Haveria reuniões, se...

Há de haver dificuldades.

 O verbo HAVER no sentido de existir é impessoal, ou seja, a oração é


sem sujeito. Deve ser empregado sempre na 3a pessoa do singular. Os
concursos públicos geralmente solicitam a concordância verbal. Logo, é
oportuno ressaltar que o verbo HAVER nesse caso ( no sentido de
EXISTIR ) não se flexiona. Quanto à predicação, deve ser lido como
transitivo direto. Em “Haveria reuniões, se...”, “reuniões” é objeto direto.
Como verbo não concorda com complemento verbal, use o verbo na 3a
pessoa do singular, sempre. Em “Há de haver dificuldades”, observe
que o verbo auxiliar da locução verbal permanece na 3a pessoa do
singular. Portanto, também está correta a concordância verbal, não
havendo impropriedade gramatical na estrutura frasal.

São quatro horas.

* Trata-se de uma oração sem sujeito. Mesmo assim, o verbo está com propriedade
no plural. É que o verbo SER deve manter concordância com o núcleo do adjunto
adverbial de tempo. Sintaticamente, “quatro horas” é adjunto adverbial de tempo,
sendo “horas” o núcleo do adjunto adverbial de tempo, e “quatro” é adjunto adnominal
do adjunto adverbial de tempo. Embora haja literaturas dizendo que “quatro horas” é
predicativo, leia “quatro horas” como adjunto adverbial de tempo. Outrossim,
ressaltemos que o verbo SER não está concordando com o número de horas. Em
verdade, o verbo SER está concordando com o núcleo do adjunto adverbial de tempo,
visto que o substantivo tem precedência, sendo o numeral seu adjunto adnominal.
Assim, se encontrar em uma prova a afirmação de que em “São quatro horas” não há
impropriedade gramatical, pois o verbo SER está concordando com o número de
horas, julgue como incorreta tal argumentação.

Faz duas semanas, apenas.

* FAZER, indicando tempo, também é impessoal. Deve ser empregado na 3a


pessoa do singular. Cuidado para não confundir com o verbo FALTAR. Este é pessoal.
Assim, devemos escrever, por exemplo, “FALTAM DUAS SEMANAS, APENAS” e
FAZ DUAS SEMANAS, APENAS. Na primeira estrutura, “DUAS SEMANAS” é sujeito,
enquanto na segunda oração, de fato, “DUAS SEMANAS” é adjunto adverbial.

Choveu pouco, ontem.

Choveram conflitos durante o jantar.

* Os verbos que expressam fenômenos naturais apresentam oração sem sujeito,


permanecendo na 3a pessoa do singular. Contudo, em “Choveram conflitos durante o
jantar”, temos a flexão na concordância, pois está no sentido figurado.

Faz / Fazem dois anos, deixando-nos convictos que os amamos, os gêmeos. ( Use o verbo
no plural, pois “os gêmeos”é o sujeito do verbo FAZER.

PREDICADO
É o que se diz quanto ao sujeito. Tudo menos o sujeito é o
predicado. E se a oração não apresentar sujeito, teremos apenas predicado.
Neste último caso, predicado já não será o que se diz sobre o sujeito.
Classifica-se em predicado nominal, verbal, verbo-nominal. Quem caracteriza o
predicado verbal é o verbo principal ( v.t.d./ v.t.i. / v.t.d.i. / vi ); quem caracteriza
o predicado nominal é o predicativo do sujeito. Havendo verbo principal e
predicativo, temos predicado verbo nominal.

a) Luciana trabalhou pouco. [ predicado verbal ]

b) Hortência está animada. [ predicado nominal ]

c) Hortência jogou animada. [ predicado verbo nominal ]

d) São duas horas. [ predicado verbal ]

e) Elas permanecem na sala. [ predicado verbal ]

f) Elas viraram freiras. [ predicado nominal ]

g) Elas estão na sala preocupadas. [ predicado nominal ]


EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO
EXERCÍCIOS CLASSE/ CASA

Identifique e Classifique o Sujeito:

01. Haverá reunião todos os sábados.

02. Além do frio ventava demais.


03. São Paulo está ensolarado.
04. Febre alta e dor de cabeça são sintomas da dengue.

05. Prenderam o ladrão.


06. Faz muito calor em minha cidade.
07. Vive-se bem no campo.

08. Perdi minha caneta.


09. Não é habitada a Lua.
10. De vez em quando Teresinha vira onça.

11. Bateram à porta.


12. A temperatura aumentou na região sul.
13. O álbum e as figurinhas estão aqui.
14. Come-se com fartura em sua casa.
15. As chuvas transformaram o deserto.
16. Eram doze horas.
17. Existirão seres vivos em outros mundos?
18. Anoiteceu.
19. Chegaram os filhos da vizinha.
20. Crê-se em Deus.
21. Todos ficaram quietos.
22. Apareceu um mágico por lá.
23. Da cartola do mágico saem pombos e vários objetos.
24. Um dia lhe telefonarei.
25. Não encontraram o corpo do rapaz afogado.
26. Choveu garrafa vazia lá de cima.
27. Trovejou muito.
28. Meu chefe trovejou de raiva.
29. O velho dono do bar resolveu tomar uma atitude.
30. Caíram ao chão uma árvore e um poste.
31. Saiu o ônibus para o Rio.

32. Nomearam meu primo diretor do clube.


33. Estão em vigor, as novas tarifas telefônicas.
34. Começa a ventar.

35. Aqui quando chove não se sai de casa.


36. Faz duas semanas que cheguei.
37. Havia muitos anos que não vinha ao Rio.
38. Hoje são vinte de março.
39 Após as enxurradas ficam cheias as sarjetas.

40. Aconteceram fatos importantes na reunião.


41. Ele trovejava impropérios sobre a turba.
42. Choviam flores do helicóptero.

43. À noite, eu e Rodrigo iremos ao cinema.


44. Escureceu cedo hoje.
45. Esta comida não serve para consumo.

46. Subitamente, pararam todos.


47. Estavam com fome.
48. Aproximou-se então uma menina.

49. Soou na escuridão uma pancada seca.


50. Choveu fininho ontem à noite.
51. Na dúvida, velhos e moços calaram-se.

52. Um vento triste assobia lá fora.


53. Isto não é nada.
54. Ninguém o viu sair.
55. O Viver é perigoso.
56. Quebraram a lanterna do meu carro.
57. Havia pessoas descontentes na assembleia.
58. Assistiu-se a uma cena desagradável.
59. Era noite fechada.

GABARITO

OSS = Oração sem Suj. / SC = S. Composto / SSD = S. Simples Determinado / SO = S. Oculto


ou Elíptico / SI = S. Indeterminado.

01. Haverá reunião todos os sábados. (oss)


02. Além do frio ventava demais. (oss)
03. São Paulo está ensolarado (ssd)
04. Febre alta e dor de cabeça são sintomas da dengue. (sc)
05. Prenderam o ladrão. (si)
06. Faz muito calor em minha cidade. (oss)
07. Vive-se bem no campo. (si)
08. (Eu) Perdi minha caneta. (SO)

09. Não é habitada a Lua. (ssd)


10. De vez em quando Teresinha (quem?) vira onça. (ssd)
11. Bateram à porta. (SI)

12. A temperatura aumentou na região sul. (ss)


13. O álbum e as figurinhas estão aqui. (sc)
14. Come-se com fartura em sua casa. (si)

15. As chuvas transformaram o deserto. (ssd)


16. Eram doze horas. (oss)
17. Existirão (quem?) seres vivos em outros mundos? (ssd)
18. Anoiteceu. (oss)

19. Chegaram (quem?) os filhos da vizinha. (ssd)


20. Crê-se em Deus. (si)
21. Todos ficaram quietos. (ssd)

22. Apareceu (quem?) um mágico por lá. (ssd)


23. Da cartola do mágico saem (o quê?) pombos e vários objetos. (sc)
24. Um dia (eu) lhe telefonarei. (so)

25. Não encontraram o corpo do rapaz afogado. (si)


26. Choveu garrafa vazia lá de cima. (ssd)
27. Trovejou ( muito. (oss)

28. Meu chefe trovejou (quem?) de raiva. (ssd)


29. O velho dono do bar resolve tomar uma atitude. (ssd)
30. Caíram (o quê?) ao chão uma árvore e um poste. (sc)

31. Saiu o ônibus para o Rio. (ssd)


32. Nomearam meu primo diretor do clube. (si)
33. Estão (o quê?) em vigor, as novas tarifas telefônicas. (ssd)
34. Começa a ventar. (oss)
35. Aqui quando chove não se sai de casa. (oss)
36. Faz duas semanas que cheguei. (oss)
37. Havia muitos anos que não vinha ao Rio. (oss)
38. Hoje são vinte de março. (oss)
39 Após as enxurradas ficam cheias (o quê?) as sarjetas. (ssd)
40. Aconteceram (o quê?) fatos importantes na reunião. (ssd)
41. Ele trovejava (quem?) impropérios sobre a turba. (ssd)
42. Choviam flores do helicóptero. (ssd)
43. À noite, eu e Rodrigo iremos ao cinema. (sc)
44. Escureceu cedo hoje. (oss)
45. Esta comida não serve (o quê?) para consumo. (ssd)
46. Subitamente, pararam todos. (ssd)
47. Estavam com fome. (S. ind.)
48. Aproximou-se então uma menina. (ssd)
49. Soou (o quê?) na escuridão uma pancada seca. (ssd)
50. Choveu fininho ontem à noite. (oss)
51. Na dúvida, velhos e moços (quem?) calaram-se. (sc)

52. Um vento triste assobia lá fora. (ssd)


53. Isto (o quê?) > não é nada. (ssd)
54. Ninguém (quem?) > o viu sair. (ssd)

55. O Viver é perigoso. (ssd) ( o viver = substantivado)


56. Quebraram a lanterna do meu carro. (si)
57. Havia pessoas descontentes na assembleia. (oss)

58. Assistiu-se a uma cena desagradável. (si)


59. Era noite fechada. (oss)
AULA 11
PREDICAÇÃO VERBAL
A PREDICAÇÃO VERBAL

Há orações que apresentam complemento verbal (objeto direto e


objeto indireto). Transitivos são os verbos que trazem complemento. A
transitividade direta ocorre quando entre o verbo e seu complemento não
houver preposição, embora haja casos de objeto direto preposicionado. Já a
transitividade indireta se caracteriza pelo emprego de preposição entre o verbo
e seu complemento. Havendo objeto direto e objeto indireto, temos a
transitividade direta e indireta.

E os verbos intransitivos? Intransitivos são os que não trazem


complementos verbais. CUIDADO: Existem verbos intransitivos que
apresentam preposição, não para formar objeto indireto, mas para compor
adjunto adverbial. Observem os exemplos que seguem:

a) Os cientistas descobriram plausíveis soluções.


Sujeito v.t.d. Objeto direto

* Observe que o verbo em uso é transitivo, ou seja, apresenta complemento.


Os cientistas descobriram algo. “plausíveis soluções” complementa o verbo
DESCOBRIR. Como o complemento não apresenta preposição, a relação entre verbo
e complemento se mostra direta. É bom ressaltar que o sujeito praticou a ação de
descobrir e “plausíveis soluções” recebeu a ação. Todo complemento verbal direto, ou
seja, todo objeto direto tem valor passivo.

b) Os cientistas necessitam de novos dados.


Sujeito v.t.i. objeto indireto

* Já nesse exemplo, o verbo vai buscar complemento com o apoio de uma


preposição. A preposição “de” caracteriza uma transitividade indireta. Quem
necessita, necessita de algo. Justifica-se, assim, a transitividade indireta, pois entre o
verbo e seu complemento existe conectivo prepositivo.

c) As provas trouxeram complexidades aos candidatos


Sujeito v.t.d.i. obj. dir. obj. indir.
* O que o contexto verbal nos revela? “As provas” trouxeram algo a alguém.
Dois são os complementos verbais. Temos o objeto direto e o objeto indireto. O objeto
direto é “complexidades” ; o objeto indireto é “aos candidatos”. Verifique, candidato(a),
que o objeto indireto está constituído por três classes de palavras: preposição, artigo e
substantivo. A preposição “a” e o artigo masculino/plural “os” se aglutinam.

d) Luciano viajou.
v.i.

* A intransitividade se justifica pela ausência de complemento verbal. O


prefixo “in” comunica a não transitividade verbal, isto é, o verbo não vai buscar
complemento verbal. Intransitivo, portanto, é o verbo que não apresenta complemento
verbal ( objeto direto e/ou objeto indireto ).

e) A polícia chegou ao morro.


v.i. adjunto adverbial de lugar

f) Ela assiste em Olinda.


v.i. adjunto adverbial de lugar

* Os dois exemplos acima demonstram que, às vezes, a palavra verbal traz


preposição. Todavia, esse conectivo prepositivo não constitui complemento verbal. A
preposição “a” do verbo CHEGAR e a preposição “em” do verbo ASSISTIR ( no
sentido de morar, residir ) proporcionam a composição de adjuntos adverbiais de
lugar. É mister esclarecer que também é comum um verbo apresentar preposição para
constituir adjuntos adverbiais. Com isso, podemos concluir que nem sempre a
preposição vinda do verbo gera complemento verbal indireto. É como se o verbo
chegasse à sua estabilidade com o apoio do adjunto adverbial.

A TRANSITIVIDADE VERBAL E A INTRANSITIVIDADE VERBAL EM


ORAÇÕES RELATIVAS

Após a visão básica de transitividade e intransitividade verbal, como


aproveitar essa revisão de predicação verbal para aplicá-la em provas
públicas? É comum solicitarem transitividade e intransitividade verbal em
períodos compostos que tragam pronomes relativos.
Toda oração que apresentar pronome relativo é subordinada adjetiva.
Por conseguinte, essas orações também são chamadas de orações relativas.
E, ao se usar uma oração relativa, é necessário observar se antes do pronome
relativo o emprego de preposições é oportuno ou não à norma culta do idioma.
Para tanto, basta estar atento na predicação do verbo que estiver integrando a
oração subordinada adjetiva. Temos como pronomes relativos: QUE/ QUEM/
QUAL/ ONDE/ CUJO. Confira:

g) O livro de que necessito proporciona novos conhecimentos.


que

* O correto é “... de que necessito...” , pois quem necessita, necessita de algo.


Como o verbo necessitar pede a preposição “de”, devemos deslocá-la para antes do
pronome relativo “que”. Trata-se de pronome relativo, visto que esse conectivo está
sendo usado, de fato, para substituir o substantivo empregado anteriormente. A função
do pronome relativo é justamente substituir um termo empregado anteriormente (
geralmente um substantivo ou um outro pronome ). Sua função, portanto, é um
recurso gramatical que evita a pobreza de vocabulário, ou seja, impede a repetição
literal do termo utilizado anteriormente. No exemplo acima, se o concurso público
exigir a função sintática do pronome relativo “que”, devemos afirmar ser objeto
indireto, pois a preposição exigida pelo verbo NECESSITAR se desloca para sinalizar
seu objeto indireto.

h) O cargo o qual me referi traz conforto.


ao qual

* “O cargo ao qual me referi traz conforto” é a estrutura que atenda à norma


culta da Língua. Assim, o pronome relativo “qual” exerce a função de objeto indireto,
tendo a preposição “a” a função de materializar a transitividade indireta exigida pelo
verbo pronominal REFERIR-SE.. Esse pronome “se” deve ser lido como pronome
integrante ao verbo.

i) Os diretores a quem aludiram são corruptos. { correta a regência da


oração relativa }
Objeto indireto

PARTICULARIDADE DO PRONOME RELATIVO “ONDE”

É comum afirmarem que a diferença entre “onde” e “aonde” é que


“onde” não indica movimento, e “aonde” indica movimento. Não é bem assim
que devemos ler! O “a” aglutinado à forma “onde” é justamente a preposição.
Então, se houver necessidade do emprego da preposição “a” na oração
subordinada adjetiva, vinda da predicação verbal, que se desloque esse
conectivo prepositivo para antes do pronome relativo “onde”. Em “onde”,
“aonde”, “donde” e “por onde” não há diferença. Nas quatro exposições temos
o único emprego da forma ONDE: só que nas três últimas exposições existem
preposições em uso explícito. Acompanhe os exemplos que seguem:

j) A casa onde irei é tranqüila.


aonde

* “... aonde irei...” é a forma correta, pois o verbo IR pede a preposição “a”, para
constituir seu adjunto adverbial de lugar.

k) A casa aonde moro é tranqüila


onde

* Morar não pede a preposição “a” . Assim, como poderia usar “aonde” no
exemplo acima? A forma correta é “... onde moro...” Ressaltemos, inclusive, que
podemos substituir “onde” por “em que” . Morar solicita a preposição “em”. Como a
preposição “em” está inclusa no pronome relativo “onde”, reafirmamos que a
substituição de “onde” por “em que” tem procedência.

l) A casa donde vim é tranqüila


onde

* Quem vem, vem de algum lugar. Então, “... donde vim...” é a forma
correta. Poderíamos empregar “... por onde vim...” , pois quem vem, vem por algum
lugar, também.

VERBO DE LIGAÇÃO

Sua função é ligar o sujeito ao predicativo do sujeito, sem


expressar ação. Geralmente o predicativo comunica uma “qualidade” ou um
“estado” do sujeito. Os principais verbos de ligação são: SER / ESTAR / FICAR
/ PERMANECER / CONTINUAR / PARECER ... Todavia, é bom ressaltar que
verbo de ligação exige o emprego do sujeito e do predicativo do sujeito, sem
expressar ação verbal. Se não houver sujeito ou predicativo do sujeito, o verbo
passa a ser intransitivo. CUIDADO: Não é o verbo de ligação que expressa
“estado”ou “qualidade”. Tais idéias surgem do predicativo.
a) Sílvia está animada. b) Gustavo está animado

c) Tânia continua ansiosa. d) Lula está apreensivo.

e) Marieta ficou doente. f) As crianças ficaram doentes.

* Os verbos destacados acima são de ligação. Há sujeito e predicativo empregados


nas estruturas frasais. Os predicativos são os núcleos de cada predicado,
caracterizando o predicado nominal. Portanto, quem configura o predicado nominal é o
predicativo. Cabe apenas aos verbos em uso a função de ligar o sujeito ao estado ou
à qualidade atribuídos. Todavia, existem predicativos que não expressam qualidade
ou estado.

g) As crianças ficaram na sala. h) Mônica trabalhou preocupada.

i) Paulo está no quarto. j) São seis horas.

l) É noite. m) Hoje é 25 de junho de 2002.

 Em “As crianças ficaram na sala”, o verbo não é de ligação. Não existe


predicativo, embora haja sujeito. Assim, o verbo FICAR passa a ser
intransitivo.
 Em “Mônica trabalhou preocupada”, embora haja predicativo e sujeito,
o verbo TRABALHAR não é de ligação, pois expressa ação. E o verbo
de ligação não pode expressar ação. O predicativo do sujeito pode ser
empregado com verbos intransitivos e transitivos. Só não haverá
predicativo do sujeito se o verbo na frase for impessoal, ou seja, se a
oração apresentar sujeito inexistente. Temos, portanto, “Mônica” sendo
sujeito; “trabalhou” como verbo intransitivo e “preocupada” sendo
predicativo do sujeito.
 Em “ Paulo está no quarto”, o verbo é intransitivo. O adjunto adverbial
“no quarto” auxilia a intransitividade verbal. Como poderia ser de
ligação o verbo da oração, se não existe predicativo? Assim como o
verbo ASSISTIR ( no sentido de morar, residir ) pede a preposição “em”
para constituir seu adjunto adverbial, o verbo ESTAR alcança sua
intransitividade.
DICA: Os comuns verbos de ligação, quando perdem essa propriedade
natural, passam a ser intransitivos.

 O verbo SER ao indicar tempo/hora é impessoal. Sendo impessoal,


perdem a identidade de verbo de ligação. Adquirem a intransitividade
verbal, mantendo relação com seu adjunto adverbial de tempo. “Seis
horas”, “noite” e “hoje” / “25 de junho de 2002 são adjuntos adverbiais
de tempo.
EXERCÍCIOS CLASSE

Classifique, quanto à predicação, os verbos das orações de 1 a 12:

“A dissonância será bela.

“ Eu vejo um novo começo de era.”

“Hoje o tempo voa, amor.”

A noite oferece todos os sonhos aos jovens.

A natureza estava tão triste.

“ O bicho estava perto.”

“O tempo trouxe a sua ação benéfica ao meu coração.”

“... pensei no seminário...”

“Ouvimos passos no corredor...”

Todos viviam muito cansados naquela época.

“Vivo à margem da vida.”

Mandei recado a sua mãe agora mesmo.

EXERCÍCIOS CASA
1- Leia com atenção as frases abaixo para assinalar a resposta correta.

1. O ser que é ser transforma tudo em flores.

2. Fica sereno, num sorriso justo.

3. Enquanto tudo em derredor oscila.

4. Quando rimos, rimos com o corpo.

Quanto à predicação dos verbos em destaque podemos dizer que:

a) ( ) os verbos transformar e ficar são transitivos.

b) ( ) os verbos ser, ficar e rir são de ligação.

c) ( ) os verbos oscilar e rir são intransitivos.

d) ( )transformar e rir são bi-transitivos ou transitivos diretos e indiretos.

2- Identifique a predicação dos verbos destacados nas frases, de acordo com a classificação abaixo:

a. Intransitivo b. Transitivo direto c. Transitivo indireto d. Bi-transitivo e. De ligação

I. ( ) O animal obedece a seus instintos.

II. ( ) Os metais são úteis.


III. ( ) As crianças gritavam.

IV. ( ) Chamei um técnico.

V. ( ) Daremos o prêmio ao vencedor.

VI. ( ) Abri a caixa com cuidado.

VII. ( ) O egoísmo cerra o coração.

VIII. ( ) O paraquedas não abriu.

IX. ( ) O eco repercutiu ao longe.

X. ( ) Passavam mulheres e crianças em direção ao rio.

XI. ( ) Dentro das gaiolas, macaquinhos salientes provocavam risos.

XII. ( ) Poucos resistem à pressão da publicidade comercial.

XIII. ( ) As orquídeas gostam de ambientes úmidos e quentes.

XIV. ( ) Crianças morenas de olhos sonhadores brincavam na calçada.

XV. ( ) O desfile das escolas de samba foi um espetáculo deslumbrante.

XVI. ( ) A televisão deve às crianças programações mais ricas e educativas.

XVII. ( ) No centro da praça, um fabuloso baobá atraiu nossa atenção.

3- No período: “Ivone andava depressa, parecia preocupada e não respondia às minhas perguntas” os verbos em destaque são, pela ordem:

a) ( ) transitivo direto – de ligação – transitivo indireto

b) ( ) intransitivo – de ligação – transitivo indireto

c) ( ) de ligação – intransitivo – bi-transitivo

4- Identifique a única alternativa cuja classificação da transitividade do verbo está incorreta:

a) ( ) Ela participou de uma série de festivais. ( transitivo indireto )

b) ( ) Neide apresentou-me a seus pais. ( bi-transitivo )

c) ( ) A costureira pagou a conta? ( transitivo direto )

d) ( ) Pagou a conta à costureira? ( bi-transitivo)

e) ( ) As feras rugiam em suas jaulas. ( transitivo indireto )

f) ( ) Estrondavam trovões a cada instante. ( intransitivo )

g) ( ) Meus prognósticos estariam certos? ( de ligação )

GABARITO
1- alternativa C

2- I. (c) II. (e) III. (a) IV. (b) V. (d) VI. (b) VII. (b) VIII. (a) IX. (a) X. (a)
(b) XII. (c) XIII. (c) XIV. (a) XV. (e) XVI. (d) XVII. (b)

3- alternativa B

4- alternativa E