Você está na página 1de 5

INSTRUÇÃO NORMATIVA IMCA Nº.

001/2007

Regulamenta os procedimentos
relativos a'o corte e poda de
árvores, assim como limpeza de
área e supressão de vegetação em
áreas privadas e públicas no
município de São Luis/MA.

O Presidente do Instituto Municipal de Controle Ambiental-IMCA, no uso das


atribuições que lhe são conferidas nos termos das Leis Municipais nº. 4.730/06 e
4.738/2006;
Considerando o disposto no artigo 225 da Constituição Federal; Considerando o
disposto na Política Nacional de Meio Ambiente instituída pela Lei 6938/81;
Considerando o disposto no Código Florestal, Lei Federal nº. 4771/65;
Considerando o disposto na Lei de Crimes Ambientais, Lei nº. 09.605/98 e no Decreto nº.
3.179/1999;
Considerando a necessidade de proteger as áreas verdes, mantendo o equilíbrio da
biodiversidade e a conservação do meio ambiente de São Luis;
Considerando as propostas encaminhadas pela sociedade durante a I Conferencia
Municipal de Meio Ambiente, realizada em agosto de 2007.

RESOLVE:

Art. 1º - A presente Instrução Normativa tem por finalidade estabelecer diretrizes gerais para
regulamentar os procedimentos relativos ao corte e poda de árvores, assim como limpeza de
área e supressão de vegetação em áreas privadas e públicas no município de São Luís/MA.

Parágrafo único. Para efeito desta instrução normativa, consideram-se áreas públicas as de
usos especiais e dominicais pertencentes aos entes públicos.

Art. 2º - Considera-se como bem de interesse comum de todos os munícipes a vegetação de


porte arbóreo e/ou as mudas de árvores existentes ou que venham a existir no território do
Município de São Luis.

Art. 3º - Pará efeitos desta Instrução Normativa, entende-se por:

I - Árvore - toda planta lenhosa que apresente divisão nítida entre copa, tronco e/ou estipe;
,
II - Poda - o ato de desbastar ou diminuir a massa verde da copa de árvore ou arbusto, e a
remoção de qualquer parte de uma planta, visando beneficiar as remanescentes, com as
seguintes finalidades: estética, arquitetônica, fitossanitária e funcional;

III - Corte Raso - processo de retirada da árvore do local, por meio do uso de moto-serra ou
similares, deixando sua raiz presa ao solo;
IV - Danificação - ferimentos causados na árvore, podendo ou não causar a morte da mesma;

V - Derrubada - processo de retirada da árvore do local, de forma mecanizada, extraindo à


raiz do subsolo;

VI - Sacrifício - provocar a morte da árvore que esteja atacada' por pragas, doenças e outros
elementos físicos e mecânicos que não possibilitem sua regeneração;

VII - Supressão de vegetação - o ato de derrubar com o fim de eliminar vegetal;

VIII- Vegetação - Conjunto de vegetais que ocupam uma determinada área; tipo de cobertura
vegetal; as comunidades das plantas do lugar; termo quantitativo caracterizado pelas plantas
abundantes;

IX - Limpeza de área - Retirada da vegetação rasteira de um determinado local, juntamente


com restos de outros materiais;

X - Medida compensatória - são todas as formas de indenização de dano potencial ou efetivo


causado por atividades de relevante impacto ao meio ambiente;

XI - Administrado - toda pessoa física ou jurídica, pública ou privada, nacional ou


internacional, que possua área contendo qualquer formação vegetal.

XII - Bens de uso especial - são os bens utilizados nos serviços prestados pela
Administração. Os beneficiários diretos são os servidores e as pessoas que se utilizam dos
serviços públicos. (Ex: edifícios públicos onde se situam as repartições públicas, escolas,
universidades, hospitais, cemitérios públicos, dentre outros);

XIII- Bens dominicais - são os bens que não se destinam à utilização indistinta pelo povo,
nem aos usuários de serviços ou beneficiários diretos de serviços públicos. Não possuem uma
destinação específica ou deixaram de ter a destinação anterior, sendo beneficiário direto a
própria Administração. Constituem o patrimônio das pessoas jurídicas de direito público,
como objeto de direito pessoal ou real, de cada uma dessas entidades. Ex: terras devolutas,
terrenos de marinha, imóveis e terrenos.

Art. 4º - É proibido podar, cortar, derrubar, remover ou sacrificar árvores de arborização


privada ou pública sem prévia autorização do IMCA.

Art. 5º - As árvores com relevante interesse ecológico ou social, seja por motivo de
originalidade, idade, localização, beleza ou condição de porta-semente, poderão ser
declaradas imunes ao corte por ato deste Instituto Municipal de Controle Ambiental,
observadas as disposições do Código Florestal Brasileiro.

Art. 6º - A poda, o corte, a supressão de vegetação, assim como a limpeza de área nas áreas
descritas no artigo 1°, dependerão de prévia autorização do IMCA, a ser solicitada através de
encaminhamento de formulário próprio do Instituto, juntamente com os documentos
solicitados.

§ 1º. As referidas autorizações de tratam este artigo, dependerão de prévio pagamento de taxa,
conforme Lei nº. 4.730/06 pelo Requerente ou Interessado.
§ 2º - Poderão ser exigidos pelo IMCA outros documentos e informações complementares,
além dos já estabelecidos no requerimento padrão, visando a total compreensão do pedido e
para caracterização precisa da cobertura vegetal existente.

Art. 7º - É de inteira responsabilidade do requerente ou interessado o cumprimento das


exigências referentes ao requerimento padrão do IMCA, incluindo, o gerenciamento dos
resíduos resultantes de cada procedimento.

Parágrafo único. Os restos vegetais e demais tipos de resíduos não poderão ser colocados em
vias públicas, sendo recomendado ao requerente dar uma solução de reciclagem e
reaproveitamento, e, caso não seja possível, depositar em local adequado orientado pela
Prefeitura de São Luís, sob pena de responsabilidade descrita na legislação vigente.

Art. 8º - O IMCA adotará, quando do recebimento dos pedidos de autorizações, as seguintes


providências obrigatórias: '
I - A vistoria da vegetação a que se refere o pedido, visando a aferir a real necessidade da
solicitação;

II - Após a vistoria da vegetação o IMCA emitirá parecer definitivo, com Laudo Técnico
assinado por um de seus Técnicos.

Art. 9 - No caso da execução da poda resultar em morte da árvore, adotar-se-á medida


compensatória, conforme estabelecido nesta Instrução Normativa.

Art. 10 - O IMCA poderá disponibilizar um cadastro de profissionais ou empresas


capacitadas para realizar consultoria e procedimentos de que tratam esta Instrução Normativa.

Art. 11 - Somente poderá ser autorizado o corte de árvore, supressão de vegetação ou limpeza
de área para construção ou parcelamento do solo, inclusive em obras públicas, desde que:

I - Apresente a documentação exigida na forma do Art. 6° desta Instrução Normativa.

II - Seja verificada a impossibilidade de sua manutenção;

III - O responsável pelo corte de árvore, supressão de vegetação ou limpeza de área cumpra,
quando for o caso, Proposta de Execução de Medida Compensatória, aprovada pelo IMCA.

Art. 12 - O corte ou remoção de vegetação em lotes autônomos de condomínios residenciais


uni ou multifamiliares e loteamento, deverão obedecer a reserva de área mínima arborizada no
projeto de construção, sem prejuízo das áreas verdes já delimitadas.

Parágrafo único. A área de reserva mínima arborizada será delimitada pelo IMCA,
dependendo de cada caso, independente' das áreas mínimas permeáveis exigidas por Lei.

Art. 13 - Poderá ser exigida pelo IMCA mudança no projeto arquitetônico, dentro dos
parâmetros urbanísticos vigentes, com o objetivo de preservar espécies significativas ou
elemento de relevância ambiental, paisagística ou científica.
Art. 14 - Detectado o dano ambiental, aplicar-se-á medida compensatória nos termos desta
Instrução Normativa, sem prejuízo das outras penalidades cabíveis.

Art. 15 - Na implantação da medida compensatória, o plantio ou a doação das mudas deve ser
executado com espécies adequadas à região, a ser definido pelo IMCA, de acordo com cada
caso.

Art. 16 - Caberá ao IMCA estabelecer as formas de implementação de medida compensatória


ou mitigadora.

Art. 17 - São formas de compensação ou mitigação do dano ambiental:

I - Plantio de mudas;
II - Doação de mudas;
III - Execução de arborização pública;
IV - Recuperação de áreas degradadas;
V - Limpeza de corpos hídricos;
VI - Implantação de medidas de proteção visando o controle da poluição, em qualquer de suas
formas;
VII - Execução de tarefas ou serviços junto a parques e jardins públicos e Unidades de
Conservação, com exceção da gestão de conservação;
VIII - Restauração de bem público danificado;
IX - Custeio de programas ou de projetos ambientais e educacionais;
X - Aquisição de ferramentas para uso em projetos de recuperação ambiental do IMCA;
XI - Capacitação de profissionais para ministrar treinamentos aos técnicos da Prefeitura em
áreas afins;
XII - Doação de insumos e produtos necessários a manutenção do Sistema de arborização;
XIII - Doação pecuniária ao Fundo Municipal de Meio Ambiente, conforme a lei Municipal
4.727/06.

Art. 18 - A realização, o acompanhamento e a manutenção das medidas compensatórias ou


mitigadoras serão de inteira responsabilidade do Requerente ou Interessado.

Art. 19 - As mudas de espécies arbóreas ou arbustivas/herbáceas a serem adotadas como


medida compensatória de doação ou plantio, serão de espécie e porte especificados pelo
IMCA, conforme anexo I, que indicará também o tamanho das espécies,

Parágrafo único. O valor da medida compensatória, relativa à recuperação ou compensação


de dano ambiental, proveniente da supressão de vegetação ou a limpeza de área sem a
autorização legal, será de uma muda de no mínimo 50cm (cinqüenta centímetros de altura)
para cada 2 metros quadrados de área suprimida.

Art. 20 - A implantação de medida compensatória ou mitigadora, referente à supressão de


vegetação, sem a autorização legalmente exigida, não exime o pagamento das taxas de
autorização e a aplicação das sanções administrativas previstas na legislação em vigor.

Art. 21 - O IMCA utilizar-se·á de seu poder discricionário para deferir a emissão de


autorizações de que tratam esta instrução normativa, podendo ainda a seu critério torna-Ia sem
efeito, conforme disposto na lei Municipal n04738/2006.
Art. 22 – Nos casos de autorização de corte ou poda de árvore, supressão de vegetação e
limpeza de área em áreas públicas de uso comum do povo, como praças, canteiros centrais
etc., o órgão competente para emissão autorização é o Instituto de Paisagem Urbana -
IMPUR.

Parágrafo único. Nos casos de desobediência deste artigo, caberá ao IMCA impor as sanções
cabíveis, inclusive às medidas compensatórias.

Art. 23 - O conteúdo desta Instrução Normativa não prejudica o disposto na legislação


ambiental vigente.

Art. 24 – Esta Instrução Normativa entrará em vigor na data de sua publicação, revogando-as
disposições em contrário, em São Luís, 21 de setembro de 2006.

Antonio Fernandes Cavalcante Junior


Presidente do IMCA

ANEXO I
E
CÁLCULO DA MEDIDA COMPENSATÓRIA DE DOAÇÃO OU PLANTIO

ITEM I – Tabelas espécies exóticas, nativas e protegidas:

1 a 10 árvores 10 a 30 árvores Mais de 30 árvores


10 mudas
10 mudas 10 mudas
EXÓTICA > 52cm + 1 muda de
> 30cm/unid > 50cm/unid
1,5m/unid
15 mudas 10 mudas 15 mudas > 50cm +
NATIVA
> 30cm/unid > 50cm/unid 2 mudas > 1,5m/unid
25 mudas > 50cm +
25 mudas 25 mudas
PROTEGIDA 2 mudas >
> 30 cm/unid > 50cm/unid
1,5cm/unid

ITEM II – Por área:

01 (uma) muda – para cada 2 m².