Você está na página 1de 12

APONTAMENTOS DE HISTÓRIA 3 VOLUME

REVOLUÇÕES INDUSTRIAIS

A industrialização provocou um crescente poder da burguesia e uma frágil


condição operária. Politicamente, aconteceu uma evolução democrática e
a emergia de de movimentos nacionalistas e afrontamentos imperialistas.

Portugal foi marcado pelo fontismo \regeneração (fontes pereira de


melo), na 2º metade do sec XIX, e a contestação a monarquia no final do
sec XIX.

O conceito de revolução industrial tem um duplo conceito: conjunto de


transformações técnicas e económicas que se iniciam na 2º metade do sec
XVIII na Inglaterra e que se alargaram a todos os países ocidentais no
decorrer do sec XIX; ou é o conjunto de modificações estruturais na
economia (capitalismo), sociedade (de classes) e mentalidade ocidentais
que derivam do aparecimento da maquinofatura.

GERAL:

Fatores DE PRODUTIVIDADE

A primeira revolução industrial deu-se a 1750, onde a pioneira foi a


Inglaterra e onde se passa da manufatura a maquinofatura (da oficina á
fabrica). A fonte de energia era o vapor e a maquina a vapor, e os setores
usados foram a industria têxtil ( algodão- que vinha das colonias) sendo
que não havia mão de obra nos campos devido ao movimento das
enclausures e o setor metalúrgico onde a mão de obra era especializada
e os capitais eram avultados e também havia a necessidade de ferro para
as alfaias e linhas férreas. O Artesão passa a ser operário e fazia a peça
do início ao fim, ficando perfeita, mas não existia divisão social do
trabalho.

Até ao início da 1 guerra mundial quem detém a hegemonia sobre o mudo


é a europa que tinha os EUA e o japão como concorrentes. Posteriormente
a europa não vai puder produzir por causa da guerra e a hegemonia sobre
o mundo fica com os EUA que era a principal potencia económica
Já na segunda revolução industrial, a partir de 1850, há o triunfo da
maquinofatura e as fontes de energia são o vapor- maquina de vapor, o
petróleo (motor de explosão e a diesel e a eletricidade (fio condutor,
lâmpada…). Os setores nesta revolução industrial são a siderurgia (aço) e
a química (borracha, pesticidas, medicamentos …). Na segunda revolução
o homem tem cada vez mais a preocupação de ter lucro, produzir muito
mas diminuir os custos de produção, ou seja há o taylorismo, onde a peça
tem que vi ter com o empregado através de um tapete contrariamente a
1 revolução industrial e assim rentabilizava-se trabalho e poupava-se
esforços- racionalização do trabalho (taylorismo) . Os progressos técnicos
da segunda revolução industrial, apoiados na investigação científica
foram: a fabrica e o laboratório. Há esta associação pois a fabrica incentiva
a que no laboratório haja progresso para poder ser aplicado na fábrica
para aumentar a produção.
Investimentos base

Na primeira revolução industrial, investiu-se na construção de canais, no


revestimento de estradas macadamizadas e na revolução de transporte
onde há a aplicação de energia a vapor na navegação, ou seja, nos navios
a vapor e respetivas funções, nas companhias de navegação, na aplicação
de portos, nos canais de navegação e a circulação a escala mundial ; e na
circulação ferroviária, ou seja na densidade ferroviária, companhias
ferroviárias, dinamização do mercado interno, incentivo s industrialização
e o progresso do capitalismo financeiro.

Na segunda revolução investiu-se no automóvel, na aviação, no telégrafo,


telefone e radio, locomotiva elétrica, cabo submarino, carro elétrico e
cinema.

LIDERANÇA

Relativamente a liderança, na primeira revolução, quem a deteve foi a


Inglaterra (esta era a oficina e balcão do mundo-com o domínio
tecnológico e produtivo; o controlo do comercio internacional;
investimentos externos; poderio monetário e financeiro) embora
acontecesse o arranque da França, Bélgica, Alemanha e EUA.

Na segunda revolução, a Inglaterra, a França, a Alemanha e os EUA


atingem a sua maturidade e existe também o arranque do japão e da
Rússia.
Empresas

N primeira revolução, existem as fabricas (com sociedades familiares-


pequenas e medias empresas; e sociedades anonimas-minas, siderurgia,
navegação, caminhos de ferro), concentrações de forças produtivas e
empresas capitalistas.

Na segunda revolução industrial, há um predomínio das sociedades


anonimas e a concentração de empresas verticais e horizontais
Capitais
Na primeira revolução existem bancos provinciais (descontos de letras de
cambio, depósitos e créditos).

Na segunda revolução industrial, há a concentração bancaria, os bancos


comerciais (depósitos\ empréstimos a curto prazo), os bancos de
negócios (empréstimos a longo prazo, subscrição de ações e obrigações),
os bancos centrais (monopólios de emissão de moeda fiduciária) e a bolsa
de valores (o capital financeiro domina a produção industrial).

Relações económicas internacionais


Na primeira revolução industrial, há trocas multilaterais, solidárias e
complementares; divisão internacional do trabalho; multiplicação do
volume comercial; exposições universais; a hegemonia da europa
industrializada, dos EUA, canada e Austrália; exportação de capitais e a
defesa do livre-cambismo.
Na segunda revolução industrial existem as conquistas de mercados
coloniais e a defesa do protecionismo.

PARTICULAR
 Modo:

Contrariamente ao que acontece na primeira revolução industrial, a


segunda vai ser uma época dos engenheiros e da ligação entre a técnica
e a ciência. A concorrência obriga uma atualização permanente das
tecnologias de fabrico e assim ao investimento da investigação. As
fábricas equipam modernos laboratórios e há os progressos cumulativos
(progresso estimula progresso).

 Setores

Na primeira revolução industrial teve como setores ao têxtil (algodão) e a


metalúrgica (o ferro). Na segunda revolução industrial os setores vão ser
a siderurgia (o aço) e a química (medicamentos…).

Em 1856, bessemer (Alemanha) inventa o conversador do ferro em aço,


pois este tem maior plasticidade e mais dureza com um alargamento da
aplicação através da indústria pesada (para utilizar em pontes,
construções, bens de equipamento, cascos de navios). Em 1856 Perkin
(Inglaterra) sintetiza, matérias corantes artificiais que revolucionaram a
industria tintureira.
Quanto ao desenvolvimento da indústria química começaram a haver os
inseticidas, fertilizantes e medicamentos (a aspirina em 1863 por Bayer
embora Hoffmann em 1897 conseguisse mudar o acido salicílico).

Na indústria alimentar, justus von liebig em 1866 inventa os cubos


mágicos, knors, que tinha como intuito dar acesso a que pessoas pobres
com escassez de proteínas, ficassem com elas (hoje em dia é apenas um
complemento alimentar).

 Fontes de energia

Na primeira revolução industrial, as fontes de energia eram o carvão e o


vapor. Nesta segunda revolução industrial as fontes vão ser a eletricidade
e o petróleo. Diante o sec XIX a hulha alimentou as caldeiras da fábrica
mios de transporte.

Em 1859 houve o 1º poço de petróleo na Pensilvânia que teria a sua


utilidade nos lubrificantes (fuel oïl), combustíveis, iluminação. Em 1886
daimler inventa o motor de explosão a gasolina. Em 1897 diesel concebe
o motor a óleo pesado 8gas oïl). No sec XX começa a industria
petroquímica com as aplicações nos plásticos, tintas, vernizes, perfumes,
tecidos…

 Transportes
Na primeira revolução os transportes era a tração animal e navegação á
vela. N a segunda revolução a condição sinaquanone ao crescimento
económico é transportar de forma rápida barata, matérias-primas e
produtos acabados. A principal inovação vai ser a máquina a vapor sendo
que em 1830 há a inauguração de linha Liverpool-Manchester; em 1850
existem 35000km e maior capacidade de transporte por exemplo os
navios a vapor substituem os antigos veleiros; há a abertura de canais; em
1870-cugnot, faz o 1º protótipo do carro a vapor e em 1866 há a
circulação de automóveis com motor de explosão

Vantagens dos caminhos de ferro

 Rápida colocação de produtos


 Possibilitam as viagens e o povoamento de vastas regiões
 Incentivam novas indústrias
 Absorvem mão-de-obra disponível -novas profissões
 Desenvolvem novas tecnologias
 Favorecem a mobilização de grande soma dos capitais
 Reduzem os custos e estimulam o consumo de massas
(dinamizando os mercados internos e externos)
 Facilitam a correspondência, deslocação de pessoas, encurtando
distancias, promovendo a circulação de novas ideias, usos e
costumes
 + barato
 Cria postos de trabalho

Vantagens da navegação a vapor


+passageiros, volume de carga e especialização de produtos
+circulação de produtos
- Custos dos fretes e dos preços dos produtos
Desenvolvimento de mercadorias nacionais e internacionais
Trocas multilaterais
Melhoria das condições técnicas dos portos
Exigem a criação de grandes sociedades capitalistas, companhias de
navegação ´

Taylorismo e fordismo
O responsável pelo taylorismo foi frederico Taylor, que consistia em expor
o método de transformar a produção num processo racional. Esta
racionalização esta presente na sua obra princípios da direção científica
da empresa. O taylorismo tinha 3 procedimentos onde o resultado dos 3
era uma estandardização. Esses procedimentos são: 1-dividir a produção
de um objeto numa serie de movimentos que cada operário tinha de
realizar; 2-defenir um tempo mínimo para cada movimento do operário;
3-produção de objetos todos iguais.

O fordismo é apenas a aplicação do taylorismo por ford, ele aplicou o


método na produção de automóveis na sua linha de montagem pois
assim:” levava-se o trabalho ao operário e não o operário ao trabalho”. A
critica ao fordismo é o operário nunca receber aquilo que lhe compete.
No fordismo há mais produção e menos custos de produção e assim já
esta em condições de aumentar os salários aos operários

Revolução industrial- consequências


Concentração industrial: fabrica (concentração de produção e
disciplina rígida no trabalho) e concentração cosmopolita (pequenas
empresas eram absorvidas de maior dimensão, ou seja, são várias
empresas numa so pois assim são mais fortes e tem mais capital,
mais lucro, fazendo com que consiga fazer face a concorrência e
assim dominar o mercado.
-Concentração vertical -agrupamento de empresas que controlam todas
as fases de produção (+abrangente)
-Concentração horizontal\cartel - agrupamento de empresas que
controlam uma das fases de produção (mais frequente é a colocação final
do produto no mercado)

Concentração bancaria

Diminuição de instituições bancarias

Bancos de investimento- financiam e controlavam determinadas


indústrias
Bancos de deposito e desconto- recebiam depósitos particulares, a troco
de algum juro, mobilizando esse capital para investir em numerosas
empresas

Racionalização do trabalho
-taylorismo -pequenas tarefas elementares e encadeadas, tempo mínimo
de execução de uma tarefa

-fordismo -cadeia de produção e elevação de salários (for aumentou os


salários permitindo que os seus trabalhadores comprassem um acro em
prestações simples de forma a que a percentagem que aumentasse aos
operários voltasse de novo para ele

*nota: As crises do antigo regime são de subprodução (escassez de


produtos); e as crises do capitalismo são de superprodução (produtos em
abundância)

A hegemonia britânica

EM meados do seculo XIX, a Inglaterra detinha a hegemonia dos restantes


países, pois foi a pioneira no que diz respeito á revolução industrial, mas
também a todas outras revoluções sendo que reunia uma serie de
condicionalismos.
A Inglaterra manteve a sua preponderância em diversos fatores, inclusive:
no que diz respeito aos setores têxtil e metalúrgico pois foi a primeira
potencia; utilizava a energia a vapor em larga escala; tinha uma maior
extensão de caminhos de ferro; e controlava o comercio internacional
devido a sua frota mercante e ao seu sistema financeiro avançado;
registava o maior crescimento demográfico e urbano e exibia perante o
mundo que estava a frente do pelotão, visto que tinha mais condições,
através da exposição universal de 1851.

A Inglaterra perde esta posição de comando no final do seculo XIX,


quando foi ultrapassada pelos EUA pois não acompanharam a
modernização tecnológica.

Verificou-se superioridade inglesa através de uma industria mecanizada


com preços imbatíveis, competitivos mas simultaneamente um controlo
da concorrência; com uma grande quantidade de matérias-primas com a
riqueza do subsolo (carvão e ferro) e com o controlo de mercados
coloniais (que era onde as metrópoles iam buscar a sua matéria prima) no
fornecimento de matérias-primas têxteis; boa rede de transportes com
uma circulação de matérias-primas e produtos acabados e o mercado do
consumo interno em crescimento; uma maior frota mercante onde havia
o domínio dos mercados internacionais; uma forte acumulação de capitais
com o banco de Inglaterra e a libra inglesa; e uma burguesia
empreendedora.

Segundo walt rostow existem 5 fases de crescimento sobre a afirmação


de novas potencias:

1-spociedades tradicionais
2-acumulação de condições previas

3-arranque- take off

4-avanço para a maturidade

5-massificação do consumo.

A partir de XIX afirmam-se novos países industrializados e por isso a


liderança inglesa começa a desmerecer. A Inglaterra foi a potência
hegemónica ate 1880 pois beneficiou dos seus concorrentes e a exposição
universal de 1851 revelou a sua superioridade. Depois o impacto da 2º
fase da revolução industrial com a dinamização dos caminhos de ferro, a
supremacia da construção naval e a prática do livre-cambismo que
favoreceu a colocação dos produtos ingleses que tinha como risco as
crises cíclicas e autorreguladoras (havia países que concordavam com este
e não com o liberalismo político e vice-versa). No que diz respeito as
fragilidades da hegemonia inglesa haviam máquinas obsoletas (/
máquinas com grande desenvolvimento), atraso nos setores químico e
elétrico, a resistência as inovações e o abrandamento industrial que
acabou por ser contornado com a politica colonial.
Os 2 fatores que fizeram com que houvesse a afirmação de novas
potencias foram o bloqueio continental e o surgimento de novos estados
(afirmação de mercados nacionais) que estimula o desenvolvimento das
indústrias nacionais, a industrialização beneficiou da maquinaria, dos
modelos e técnicas ingleses e ficou marcada pelo aproveitamento das
França
potencialidades de cada apaís.

 Processo de industrialização lento, mas continuo


 Unificação do mercado nacional tardia
 Desigualdade na distribuição dos rendimentos
 Crescimento lento da população
 A agricultura tradicional continuava a ser a principal atividade
económica, embora a agricultura fosse arcaica
 Processo de industrialização a partir de 1830-1840
 Industrialização feita a par do desenvolvimento dos caminhos de
ferro
 Indústria têxtil foi o setor de arranque a siduregia desenvolveu-se
tardiamente devido a falta de recursos
 Produção de alumínio ate 1890
 Desenvolvimento da indústria automóvel
 Base da indústria: artigos de luxo

Alemanha

Criação do zollverein em 1834


Forte crescimento populacional
Baixos salários, + lucros, - custos
Desenvolvimento industrial assente na indústria pesada - siderurgia
Disponibilidade de recursos naturais (carvão e ferro)
Afirmação da indústria química
Concentração industrial ou concentração de monopólios
Vitoria na guerra franco-prussiana- acaba em 1871 com a guerra
entre a frança e na Alemanha e esta com a vitoria de 2 territórios
franceses: a Alsácia e a lorena Até a primeira guerra mundial através
do tratado de Versalhes pois a frança é obrigada a dar-lhos.

EUA

Começou por uma indústria ligeira


Progresso dos caminhos de ferro
Criação de um mercado nacional
Abundância de matérias primas
Desenvolvimento de novas tecnologias
Forte crescimento populacional
Generalização de um ensino primário gratuito nos estados do Norte
Arranque da industrialização a partir de 1860
O liberalismo económico
Impulso inicial da indústria algodoeira
Desenvolvimento da indústria siderúrgica a partir de 1870-1880
Desenvolvimento da indústria automóvel
Desenvolvimento da indústria elétrica

Os EUA paulatinamente passam a liderar a produção industrial e afiam-se


como primeira potencia mundial no seculo xx quando a europa fica em
guerra e eles tem que produzir para nos sendo que não produz porque
esta em guerra e depois da guerra visto que ainda estava a recuperar.

Japão
Processo de industrialização a partir de 1867
Promovido pelo imperador mutsuhito
Corresponde a época de abertura ao exterior e ao fim da servidão
pois assim se o pais estivesse em guerra conseguia desenvolver
igual
Forte crescimento demográfico
Mão de obra barata e disciplina
Contrato de mão de obra
Alfabetização generalizada de população
Incentivo do estado a modernização
Facilidade de adaptação ao novo modelo produtivo
Existência de capitais e facilidade de concessão de empréstimos
Desenvolvimento de siderurgia
Desenvolvimento da construção naval
Desenvolvimento da industria algodoeira

Embora se desse a industrialização ainda havia alguns sítios onde havia a


persistência de técnicas e sistemas de produção antigos tanto na
agricultura, na indústria e no comercio. Na agricultura, o agricultor era
conservador pois reagia de forma violenta as inovações (frança) e havia
uma manutenção do sistema do afolhamento trienal e pousio, havia
persistência dos campos comunitários (campos onde num terreno
cultivavam várias pessoas) com os enclausures. Na indústria existia uma
persistência do trabalho da oficina com uma hierarquia nas funções
(mestre- aprendiz) e um controlo de produção.

No comercio havia a compra de venda direta entre consumidor e produtor


através das feiras e dos mercados locais.

Agudização das diferenças entre a europa e EUA


No que diz respeito ao livre cambismo diminuiu-se as tarifas aduaneiras.
Isto vai ser + favorável aos países mais ricos pois em tempo de crise quem
sofre primeiro são os mais pobres. Assim há um agravamento das
dificuldades económicas dos países menos desenvolvidos. As crises do
capitalismo, que tem como principal característica a superprodução, vão
gerar uma acumulação de stocks e descida de preços 8periodo de
deflação) , que vai levar a uma retração económica ou seja, uma maior
capacidade de superação das grandes empresas.

Você também pode gostar