Você está na página 1de 2

As glândulas supra renais estão situadas no retroperitônio anexas às porções

superiores e mediais dos polos renais. Seu parênquima funcionante compreende 90% de tecido cor
tical e 10% de tecido medular, que tem origem embriológica, histologia, fisiologia e, como
consequência, patologias diferentes. O córtex diferencia-se em três zonas: glomerulosa, fasciculada
e reticulada. A zona glomerulosa produz aldosterona, que é um mineralocorticoide sob influência do
sistema renina-angiotensina. As zonas fasciculada e reticulada produzem os glicocorticoides e
andrógenos regulados pelo ACTH hipofisário. A medula tem origem no neuroectoderma e sintetiza
as catecolaminas. Estas são liberadas através de estímulos nos nervos simpáticos pré-ganglionares
por fatores como estresse, dor, frio, calor, hipoxia, hipotensão, hipoglicemia, depleção de sódio e
outros. O córtex e a medula são sustentados por estroma, vasos e nervos.

Como foi dito, o córtex e a medula são tecidos de grande atividade endócrina
produtores de hormônios, peptídeos e neurotransmissores. As doenças mais frequentes que
acometem a glândula supra renal incluem os tumores corticais e medulares. Menos frequentes são
as hiperplasias macro e micronodulares, os tumores do estroma, dos vasos e dos nervos. Raros são
os cistos e as infecções que englobam abscessos e granulomatoses. Estas entidades têm como
característica a alteração morfológica da supra renal, genericamente chamadas de processos
expansivos ou massas, descobertos na investigação clínica de sintomas e sinais peculiares a cada
tipo de doença básica ou incidentalmente a partir de exames de imagem feitos com outros objetivos.
Neste cenário devem igualmente ser consideradas as metástases de tumores de origem diversa que
aparecem como massas em sua topografia (tabela 1).

Tumores do parênquima cortical


Os tumores corticais são classificados como funcionantes e não-funcionantes. Os
não-funcionantes manifestam-se pela presença física do processo expansivo, sendo diagnosticados
como massas palpáveis no abdome, quando causam dor, em achados cirúrgicos ocasionais ou em
exames subsidiários feitos com outras indicações. Os tumores funcionantes manifestam-se pelo
quadro clínico decorrente da secreção de hormônios da camada cortical. Estes múltiplos hormônios
são sintetizados a partir do colesterol e podem ser reunidos em três grupos: mineralocorticoides
(aldosterona), corticosteroides e andrógenos (figura 1). Os sintomas e sinais decorrem do tipo de
secreção de hormônios, os quais estão relacionados com a camada histológica que deu origem à
neoplasia. Os tecidos tumorais elaboram os mesmos hormônios que os tecidos normais. A diferença
é que enquanto os tecidos hígidos os produzem em quantidades adequadas ao metabolismo e
homostase normais, os tumores o fazem em quantidades exageradas e fora do controle sistêmico.
Tabela 1 – Doenças Malignas e Benignas das Supra-Renais
Tumor produtor de aldosterona
Tumores de tecido cortical
Tumor de córtex de supra-renal
Feocromocitoma
Neuroblastoma
Tumores de tecido medular
Ganglioneuroma
Ganglioneuroblastoma
Angiomiolipoma
Fibroma
Hamartoma
Hemangioma
E as suas formas
Tumores do estroma, vasos e nervos Hemangioma
sarcomatosas
Lipoma
Mielolipoma
Mioma
Neurofibroma
Macronodulares
Hiperplasia cortical Micronodulares
Nódulos pigmentados
Cistos e pseudocistos
Abscessos
Infecções
Granulomas
Tumores metastáticos

Figura 1 – Biossíntese dos Hormônios Esteroides.

17-OH Pregnolona

17-OH Pregnolona 17-OH Pregnolona 17-OH Pregnolona 17-OH Pregnolona

17-OH Pregnolona 17-OH Pregnolona 17-OH Pregnolona 17-OH Pregnolona