Você está na página 1de 22

Revista Eletrônica dos Pós-Graduandos em Sociologia Política da UFSC

Vol. 4 n. 1 (1), agosto-dezembro/2007


ISSN 1806-5023

Republicanismo: história e atualidade1

Maria Lígia G. Granado Rodrigues Elias2

Resumo
Este artigo pretende destacar as principais correntes de pensamento que influenciaram e influenciam o
debate atual sobre o republicanismo. Com a intenção de expor características gerais das correntes de
pensamento republicanas serão abordados: o pensamento republicano Clássico, ou pré-moderno, o
republicanismo Iluminista, o republicanismo Norte-americano, chamado de mecânico, além de uma
discussão sobre os elementos republicanos contemporâneos.

Palavras Chave: Republicanismo Contemporâneo, Republicanismo pré-moderno, Republicanismo


iluminista, Republicanismo Mecânico.

Abstract
This article intends to highlight the main stream of thought that had influenced and influences the current
debate about republicanism. Intendind to display the general characteristics of the republican stream of
thought it will be boarded: the Classical, or early modern republicanism, the Enlightenment
republicanism, The American republicanism, called Mechanical republicanism, beyond a discussion
obout contemporary republican elements and its approach in Brazil.

Keywords: Contemporary Republicanism, Brazilian Republicanism, Early-modern Republicanism,


Enlightenment Republicanism, Mechanical Republicanism.

Neste artigo pretendo destacar as principais correntes de pensamento que


influenciam e influenciaram o debate, principalmente anglófano, sobre o
republicanismo na atualidade. Utilizarei o livro de Bill Brugger, Republican Theory in
Political Thought - virtuous or virtual?(1999) como uma referência inicial, útil para
organizar o raciocínio e a exposição dos diferentes períodos do pensamento republicano
que procurarei explorar neste trabalho.
Apesar das limitações de um livro como o de Brugger, que pretende alcançar
vários períodos de uma complexa tradição, acredito que seus estudos sejam de grande
utilidade para as finalidades deste artigo, que é, a partir de uma constatação da

1
Este artigo é resultado da pesquisa que venho desenvolvendo para a elaboração de minha dissertação de
mestrado, sob a orientação do professor Dr. Ricardo Silva (UFSC).
2
Elias, bacharel em Ciências Sociais, pela Universidade Federal de Santa Catarina (2005). Aluna, bolsista
do CNPq, do programa de pós-graduação em Sociologia Política, UFSC, nível mestrado.

EmTese, Vol. 4 n. 1 (1), agosto-dezembro/2007, p. 43-64


ISSN 1806-5023
Revista Eletrônica dos Pós-Graduandos em Sociologia Política da UFSC
Vol. 4 n. 1 (1), agosto-dezembro/2007
ISSN 1806-5023

diversidade de pensadores que influenciam o debate republicano contemporâneo, expor


alguns momentos fundamentais na construção deste ideário. Outro objetivo é de esboçar
alguns temas do debate contemporâneo em países da língua inglesa.
Há hoje um amplo debate envolvendo o tema do republicanismo. Apesar de a
tradição republicana ser abordada sob diversos pontos de vista e não poder ser
caracterizada como um bloco único de idéias, sendo que em alguns autores aproxima-se
de correntes liberais, e em outros, de tradições comunitaristas, o fato é que este tema
tem ocupado espaço nas discussões sobre as sociedades contemporâneas.
“Republicanismo”, “Republicanismo Clássico”, “Humanismo Cívico”, para Bill
Brugger citando Engeman, são termos utilizados como “cognatos”, ou seja, são termos
que possuem a mesma raiz, para um mesmo paradigma de organização social ou
ideológica que se tornou bastante presente no pensamento político contemporâneo,
especialmente em países da língua inglesa3. Ou então, podemos dizer que esses são
termos utilizados para referir-se a uma multifacetada tradição de pensamento
republicano. A questão é que o debate em torno destes termos nos remete a um debate
em torno do republicanismo.
De fato, muitas são as publicações que envolvem o tema. Republicanism a
theory of freedom e government de 1997 de Philip Pettit teve grande repercussão e foi
um marco no revival do tema que se inicia décadas antes com estudos como os de
Baron (1966), Pocock (1975), seguidos de Quentin Skinner , Maurizio Viroli, Michael
Sandel e seus debatedores, além de muitos artigos em diversos periódicos que podem
nos levar a um arrolamento de um grande número de publicações.
No Brasil, além da edição especial da revista política Lua Nova, há ainda a
publicação pela editora UFMG, de livros sobre o tema: Origens do Republicanismo
Moderno (2001), Pensar a República (2000), Retorno do Republicanismo (2004), sendo
os dois primeiros organizados por Newton Bignotto autor que possui outras publicações
sobre a temática Humanista. A produção nacional ainda conta com vários trabalhos e

3
“‘Republicanism’, ‘classical republicanism’, and ‘civic humanism’ are cognates for a paradigma os
social organization – or ideology – which in the last two decades hás become a “happening” within
American Political thought. (...)” (Engeman apud Brugger, 1999, p.1)

EmTese, Vol. 4 n. 1 (1), agosto-dezembro/2007, p. 43-64 44


ISSN 1806-5023
Revista Eletrônica dos Pós-Graduandos em Sociologia Política da UFSC
Vol. 4 n. 1 (1), agosto-dezembro/2007
ISSN 1806-5023

publicações individuais de outros estudiosos brasileiros como Sergio Cardoso, Renato


Janine Ribeiro e outros.
A retomada do republicanismo possui uma motivação crítica. Principalmente na
recusa republicana em ocultar a política na economia e sua refutação das teorias
chamadas public choice (ou teorias da escolha pública), que propugnam um modelo
econômico de política. Nos Estados Unidos, o renascimento do republicanismo também
se caracteriza por uma reinterpretação da história revolucionária do país, mostrando que
na constituição do ideário de sua revolução havia muitos elementos republicanos e que
as origens desta revolução não possuem suas bases exclusivamente no pensamento
liberal de Locke. O republicanismo também pretende refletir sobre as possibilidades de
liberdade dos homens nas atuais sociedades, os limites da liberdade negativa,
característica do pensamento liberal e a pertinência de ideais republicanos para torná-la
mais efetiva e ampla.
Retomar o tema da república é retomar o debate sobre a natureza do espaço
público e as discussões sobre a recuperação de valores coletivos, virtudes cívicas, contra
um individualismo exacerbado. No entanto, não se trata de uma discussão de regimes ou
ainda de contrapor a república à democracia, até porque o republicanismo
contemporâneo só é possível nas democracias. Segundo Bill Brugger (1999), enquanto
o republicanismo exige a democracia e dela faz parte, o liberalismo, pelo menos em seu
aspecto econômico, se acomoda facilmente em regimes ditatoriais. Falar em
republicanismo contemporâneo implica falar em democracia. Desta forma, os elementos
da tradição republicana a serem recuperados devem ser compatíveis às crenças
democráticas.
Apesar de a tradição republicana ser muito ampla e heterogênea, podemos
afirmar que o retorno ao republicanismo é o retorno à tradição, cujo centro está na
participação cidadã, no espaço político, regulada por leis e instituições não arbitrárias. O
retorno ao republicanismo é também o retorno a uma série de debates, no qual a questão
da liberdade é central; é o retorno a temas e conceitos republicanos do passado como
uma particular tomada de posição teórica e política no presente. O retorno ao

EmTese, Vol. 4 n. 1 (1), agosto-dezembro/2007, p. 43-64 45


ISSN 1806-5023
Revista Eletrônica dos Pós-Graduandos em Sociologia Política da UFSC
Vol. 4 n. 1 (1), agosto-dezembro/2007
ISSN 1806-5023

republicanismo volta-se para as diversas tradições republicanas para nelas encontrar


referencias conceituais passíveis de serem utilizadas na contemporaneidade.

1.1 Republicanismo pré-moderno


O republicanismo clássico, ou o que autores como Brugger4 chamam de
republicanismo pré-moderno (early modern) é uma das fontes desta retomada
republicana, corresponde ao período da Renascença e pós-renascença. Período em que
se identifica o que Bignotto (2001, p.17), seguindo os estudos de Eugênio Garin e
principalmente as elaborações de Hans Baron chama de Humanismo Cívico.
Os autores da renascença buscavam nos textos da Antiguidade Clássica sua base
teórica e sua fonte de inspiração, passando a dar importância à vida política e não
apenas a vida contemplativa como uma dimensão fundamental da virtude humana. Com
o objetivo de uma vida melhor no presente, estes homens resgataram valores diferentes
aos ligados à salvação da alma para pensar na salvação de suas cidades Italianas.
Os humanistas estavam preocupados com suas cidades e pensaram em uma vida
na qual os cidadãos participassem de seus negócios. “O republicano clássico é aquele
que defende ou admira a república e toma suas idéias para um governo, seja em partes
ou como um todo, de antigas obras-primas de organização política (...)” (Fink apud
Brugger, 1999. p.22)
A constituição mista é a formula adotada pela maioria dos republicanos pré-
modernos, acreditando que a existência de três autoridades não comprometeria a
indivisibilidade da soberania. Independente de defenderem as monarquias ou os
parlamentos como Harrington e Milton os autores pré-modernos estavam de acordo
quanto ao fato da soberania residir no povo e por ele poder ser delegada.
A idéia de um único legislador é bastante recorrente no pensamento republicano
pré-moderno, muitos escritores descrevem as qualidades deste legislador, como ser
guiado por Deus, e não viam contradição na existência do legislador e a soberania
4
Brugger usa o termo “clássico” apenas para referir-se à Grécia e Roma pois para alguns Maquiavel
não seria um autor clássico e sim early modern. “For many, therefore, he was ‘early modern’ rather than
‘classical’, anf for that reason I prefer to use the former term, the term classical referring simply o Greece
and Rome.” (Brugger, 1999, p.22)

EmTese, Vol. 4 n. 1 (1), agosto-dezembro/2007, p. 43-64 46


ISSN 1806-5023
Revista Eletrônica dos Pós-Graduandos em Sociologia Política da UFSC
Vol. 4 n. 1 (1), agosto-dezembro/2007
ISSN 1806-5023

popular. Harrington localiza a soberania no povo e apenas as assembléias populares


poderiam efetivar as leis, no entanto, cabia ao senado debatê-las e propô-las, elaborando
assim, um sistema bicameral.
Muitos inimigos do republicanismo e de sua visão da soberania afirmavam que
havia tanta arbitrariedade no parlamento quanto na monarquia. Os republicanos pré-
modernos protestaram visto que a arbitrariedade é a antítese de seus ideais baseados na
regra da lei. No entanto, se arbitrariedade for entendida simplesmente como a
oportunidade de exercitar escolhas então, realmente, a soberania é arbitraria.
“A diferença entre um bom e mau governo não depende
simplesmente da existência de um elemento de arbitrariedade como a
simples escolha. Depende se eles são ‘bem constituídos’ em contar com
o poder soberano garantido legalmente ao povo que possui mecanismos
para assegurar que a ação governamental leve em conta seus interesses e
opiniões e se os legisladores são obrigados por suas próprias leis e não
usurpem de leis passadas por uma legislatura soberana popular. O poder
legislativo, então, enquanto sendo em um sentido arbitrário, não é
arbitrário no sentido em que as decisões sejam tomadas ao prazer do
decisionmaker e indiferentes ao interesses e opiniões daqueles a quem
afeta. Enquanto a liberdade em um nível demanda arbitrariedade, em
outro a arbitrariedade que transgrida a regra da lei foi condenada”
(Brugger, 1999, p. 27,)
A idéia pré-moderna da constituição mista é acompanhada de uma visão cíclica
da história, característico deste momento do republicanismo e por isso essa tradição
centra-se na temporariedade do poder. Os republicanos enxergavam que a corrupção era
o ciclo decaído da vida pública e que poderia ser evitado, ou adiado revitalizando a
virtude ou mudando as leis agrárias. No século XVIII, a visão cíclica da história e sua
concepção particular da corrupção começam a mudar.
Um termo chave para os republicanos desta época é a fortuna e sua relação com
a virtu. A fortuna pode aparecer como uma tempestade – uma força natural em relação a

EmTese, Vol. 4 n. 1 (1), agosto-dezembro/2007, p. 43-64 47


ISSN 1806-5023
Revista Eletrônica dos Pós-Graduandos em Sociologia Política da UFSC
Vol. 4 n. 1 (1), agosto-dezembro/2007
ISSN 1806-5023

qual é possível tomar precauções, mas que ninguém pode bater ou coagir. Em um nível
psicológico a virtu pode ser vista como conquistando ou controlando a fortuna, outras
vezes, a agradando e conquistando seu favor, outras vezes, antecipando e adaptando
suas vontades, outras ainda, como uma esfera segura de autonomia do seu poder. Na
linguagem do século vinte, a virtu pode simplesmente significar antecipação e
relacionamento com conseqüências inesperadas – lidar com contingências. Em um nível
prático, virtu significa ação em resposta a um contexto em que questões aparecem.
Uma diferenciação entre uma liberdade republicana e uma liberdade liberal de
uma perspectiva do século XX é difícil no contexto pré-moderna. Bill Brugger afirma
que a relação entre cidadãos e leis é recíproca e o argumento que vê que a liberdade é
encorajada pelo relacionamento dialético entre cidadãos e leis, assim como o argumento
de estrutural não-dominação de Philip Pettit, capturam muito bem as concepções de
liberdade para os republicanos pré-modernos.
“The argument about the dialectical relationship between citizens and
law in fostering liberty does seem to me to capture much of the early
modern republican spirit. So indeed does Pettit’s general argument about
liberty as structural non-domination” (Brugger, 199, p. 41)
A importância da lei cívica constituindo a liberdade foi amplamente apreciada
pelos republicanos pré-modernos. A regra da lei era vista como oferecendo uma
garantia maior de segurança do que a regra do monarca poderoso. Era vital o sentimento
da liberdade derivada da presença visível de garantias e ausência de dominação
institucionalizada que por si mesma levava a uma forma de empoderamento. Na época,
também era importante o senso de ser um membro de uma sociedade livre. (Brugger,
1999, p. 42)
Maquiavel é um ícone do pensamento republicano pré-moderno, trata com
grande originalidade as questões da política e da cidade. Apesar de compartilhar de
muitas concepções dos humanistas, passa a revê-las e interpretá-las. Maquiavel
admirava a Roma clássica, mas rompe com algumas de suas idéias. “Enquanto

EmTese, Vol. 4 n. 1 (1), agosto-dezembro/2007, p. 43-64 48


ISSN 1806-5023
Revista Eletrônica dos Pós-Graduandos em Sociologia Política da UFSC
Vol. 4 n. 1 (1), agosto-dezembro/2007
ISSN 1806-5023

Maquiavel propositava exaltar as virtudes de Roma, expondo-as por Lívio, ele na


verdade as transformava”. (Brugger, 1999 p. 22).
Maquiavel também enfatizará a luta entre a fortuna e a virtu, mas a sua maneira
de entender a virtude é diferente das visões de seus contemporâneos cristãos. “A virtu
de Maquiavel não deve nada a nenhuma ordem divina e consiste simplesmente em uma
disposição de fazer o que for necessário para a grandeza cívica, e se isso envolve
qualidades mais apropriadas à besta que ao homem, que assim seja.” (Brugger, 1999,
p.33)
Maquiavel deixa clara sua concepção de virtude para o príncipe, mas as mesmas
qualidades de virtu eram requeridas para os líderes e cidadãos (que também deveriam
ser armados) de uma república. Para ele, seriam nas repúblicas que a virtude mais
provavelmente poderia ser encontrada. Suas concepções, ao contrário da maioria dos
republicanos pré-modernos centrados na regra, eram centradas na virtu. A lei cívica é
muito importante porque a organização é vista como a única reguladora a política.
Para Maquiavel as leis cívicas derivadas da virtude não são mais fracas do que
aquelas derivadas da natureza. Elas poderiam até ser mais fortes uma vez que a virtu
seria o animus da política e não haveria outra regulação efetiva além a organização
política. Após o estabelecimento do regime ideal a regra da lei era o pensamento
supremo. Seguindo o precedente de Roma, havia a possibilidade de um ditador
nomeado por tempo limitado, intervindo para resolver crises, no entanto, este ditador
não faria nada para diminuir a posição constitucional do governo. Comentando sobre
Roma, Maquiavel observa que a “lei a manteve tão rica em virtu que nunca houve outra
cidade ou outra republica tão bem ornamentada”.(Maquiavel apud Brugger, 1999, p.37)
Os republicanos pré-modernos geralmente condenavam a discórdia e
acreditavam que o sucesso de um corpo político poderia ser medido por seu equilíbrio,
por sua capacidade de evitar conflitos. Maquiavel dirige uma crítica a eles, pois para o
pensador, os impulsos humanos bem canalizados podem levar a grandeza e a potência
de um corpo político. São os conflitos e não o equilíbrio que geram a liberdade.
Certamente que para isto seriam necessárias leis e instituições que reproduzissem as

EmTese, Vol. 4 n. 1 (1), agosto-dezembro/2007, p. 43-64 49


ISSN 1806-5023
Revista Eletrônica dos Pós-Graduandos em Sociologia Política da UFSC
Vol. 4 n. 1 (1), agosto-dezembro/2007
ISSN 1806-5023

virtudes dos primeiros tempos e permitissem a disputa e o conflito dentro do aparato


constitucional.

1.2 Republicanismo Iluminista

Da metade para o final do século XVIII muitos iluministas europeus


consideravam o republicanismo obsoleto, mas há afirmações explícitas do
republicanismo na Europa anterior à Revolução Francesa. Montesquieu, Rousseau,
Kant, autores considerados iluministas, manifestaram-se como republicanos. (Brugger,
1999,p.49). Nos Estados Unidos, Montesquieu, e na França, Rousseau foram apontados
como anunciadores de uma forma moderna de republicanismo e ambos foram de
importância considerável para as duas grandes revoluções do século XIII. Para Brugger,
Kant foi importante para dar forma ao que ele considera republicanismo virtual.
Um pouco polêmica é a escolha de Rousseau, de Montesquieu e principalmente
de Kant por Bill Brugger para esboçar um pensamento republicano iluminista. Newman,
em seus comentários sobre o livro, critica os autores que Brugger usa neste capítulo de
seu livro dizendo que seus critérios de escolha não estão claros:
“(...) it is not clear to me why he excludes Locke from de “republican”
camp but includes such reputed liberals as Madison, Jefferson, Smith and
Kant (...)” (Newman, 2000, p. 183)
Apesar da ressalva colocada por Newman, seguirei o esquema Brugger, uma vez
que a idéia desta seção é a de apresentar algumas das considerações iluministas que
marcaram o pensamento político republicano. As idéias de Montesquieu, Rousseau e
Kant aparecerão resumidamente com o objetivo apenas de esboçar um republicanismo
Iluminista, não entrando em discussões sobre suas especificidades.
O princípio básico de Montesquieu é garantir a liberdade política e tornar
impossível o despotismo, através de uma separação de poderes ampla e absoluta. Cada
uma das três funções do governo seria confiada a pessoas ou grupos a serem mantidos
separados e independentes entre si. A idéia de Montesquieu da separação das funções do

EmTese, Vol. 4 n. 1 (1), agosto-dezembro/2007, p. 43-64 50


ISSN 1806-5023
Revista Eletrônica dos Pós-Graduandos em Sociologia Política da UFSC
Vol. 4 n. 1 (1), agosto-dezembro/2007
ISSN 1806-5023

legislativo, do executivo e do judiciário estava associada em sua teoria política com


outra idéia – a combinação de três formas tradicionais de governo, monarquia,
aristocracia e democracia. (GOUGH, 1980, p.183)
Para Montesquieu as leis são unidas à natureza e aos princípios dos governos.
Há três espécies de governos: a república, a monarquia e o despotismo.
“O governo republicano é aquele em que o povo, em seu todo ou
somente em parte detém a potência soberana, o monárquico, aquele onde
um só governa, mas através de leis fixas e estabelecidas enquanto, no
despótico, um só, sem lei e sem regra, arrasta tudo através de suas
vontades e seus caprichos” (DEDIEU, 1980, p. 253).
Apesar da simpatia pelo regime republicano, Montesquieu declara a excelência
da monarquia inglesa. Para ele o mérito do governo parlamentar inglês, estava na fusão
desses dois princípios (separação das funções e combinação das formas de governo). A
separação dos poderes tornava impossível o governo arbitrário, enquanto a combinação
das formas de governo preservou o que havia de melhor em cada uma delas. A
constituição inglesa separava os poderes e colocava o executivo nas mãos do monarca, o
judiciário e parte do legislativo à aristocracia, enquanto a democracia ficava com o
restante do poder legislativo. (GOUGH, 1980, p.183)
Para Rousseau o homem vivia associativa e cooperativamente no estado de
natureza. A sociedade civil advém do surgimento da propriedade privada e com isso o
homem passa a experimentar as desigualdades, o egoísmo e as paixões. Assim, é
necessária a criação de um Estado que coloque freio às desigualdades e minimize os
males da civilização. É necessária a construção de formas políticas que limitem as
desigualdades do estado civil e essas formas políticas devem refletir a vontade geral.
A vontade geral só pode ocorrer no processo das assembléias. Para Rousseau a
soberania reside no povo e ela não pode ser nem representada nem transferida. Os
indivíduos, participando da coletividade, tornam-se cidadãos e o corpo político produz,
por meio de assembléia, a vontade geral, que mais que um somatório das vontades
individuais, é algo maior que a vontade de todos.

EmTese, Vol. 4 n. 1 (1), agosto-dezembro/2007, p. 43-64 51


ISSN 1806-5023
Revista Eletrônica dos Pós-Graduandos em Sociologia Política da UFSC
Vol. 4 n. 1 (1), agosto-dezembro/2007
ISSN 1806-5023

Para Bill Brugger, Rousseau mostra mais claramente do que os republicanos


pré-modernos que a idéia de soberania é artificial. Um contrato social não é uma
instituição respeitada pela antiguidade que determina a relação de vários corpos que
formam um governo, mas era simplesmente o ato segundo o qual uma população torna-
se povo. O povo por um lado constitui o estado e por outro é constituído por ele. Para
Rousseau a soberania da legislatura depende de todo o povo:
“Cada um de nós coloca sua pessoa e seu poder sob a direção suprema da
vontade geral; e como um corpo, incorporamos todos os membros como
uma parte indivisível do todo. [Esta união] foi uma vez chamada de
cidade e é agora conhecida como república ou corpo político. Em sua
forma passiva é chamada de estado, quando toma forma ativa é
soberania; e quando é comparada com outros de seu mesmo tipo é um
poder”. (Rousseau apud Brugger, 1999 p. 52)
Rousseau insistia que o povo não poderia entregar sua soberania nem ser
representado, e que a soberania popular era indivisível, favorecendo a forma ativa das
pessoas em assembléia. Mas a vontade geral não se reduzia aos caprichos dos
indivíduos e encontrava a sua expressão em leis gerais. Rousseau acreditava na regra da
lei. Brugger argumenta que apesar da sua ênfase na soberania popular, Rousseau não a
colocava acima das leis cívicas e por isso não seria defensor do “populismo” pelo qual
Philip Pettit o responsabiliza.
Segundo Sergio Cardoso (2004), Rousseau repõe e renova os traços
fundamentais da antiga politéia grega - o conceito que expressa a identidade e as
condições de legitimidade dos regimes propriamente políticos -, o governo dos cidadãos
sobre os cidadãos, que tem em vista a realização do bem público, no qual então não
apenas submetem-se todos igualmente às prescrições das leis, como dispõe também,
cada cidadão, de algum lugar na arena do comando político.
“Tanto a politeia dos antigos, quanto o estado rousseauniano reconhecem
a extensão máxima à cidadania (todos os homens livres, todos os
contratantes) e ainda seu exercício, por definição, ativo, imprimindo

EmTese, Vol. 4 n. 1 (1), agosto-dezembro/2007, p. 43-64 52


ISSN 1806-5023
Revista Eletrônica dos Pós-Graduandos em Sociologia Política da UFSC
Vol. 4 n. 1 (1), agosto-dezembro/2007
ISSN 1806-5023

traço popular participativo ao regime que denominam republicanismo”.


(Cardoso, 2004, p.50)
Kant apresenta uma teoria que diferencia as formas de domínio das formas de
governo. As primeiras referem-se a quem tem o poder e as segundas a como o poder é
exercido. As formas de domínio dividem-se em autocracia, aristocracia e democracia,
que depende de o poder ser exercido por um, por alguns ou por todos. A forma de
governo pode ser republicana ou despótica, depende de seu relacionamento com as leis.
O poder pode ser exercido de forma despótica quando os que criam as leis são os
mesmos que as executam, de modo a administrar o estado conforme interesses próprios
ao invés de buscar os interesses públicos, ou pode ser exercido de uma forma
republicana, quando o poder executivo é separado do legislativo.
Para Kant a democracia e o despotismo eram pólos opostos, no entanto poderiam
facilmente tornar-se a mesma coisa. Para o autor, a democracia direta era
necessariamente despótica. A forma ideal de governo para Kant é a república, pois nela
haveria liberdade e ser livre significa obedecer apenas às leis que fossem consentidas
pelos cidadãos.
Para Kant, a vontade geral e a soberania popular não se referem a um agregado
empírico ou histórico, mas a uma idéia da Razão, a nação deve ser constituída com base
na esfera pública fundada no direito. Kant enfatiza a importância da representação, a
representatividade asseguraria que o povo não legislasse em causa própria. Segundo Bill
Brugger, é na ênfase de Kant na representatividade que seu republicanismo torna-se
virtual.
“As I see it, there are two features of Kant’s thought wich are
crucial in modern thought about republicanism. The first of these is the
view that Reason is distinct from the empirical world and legislates for it.
(...)
The second feature of Kant’s thought which I consider to be a
decisive break in the republican tradition is the fact that Kant’s
republicanism was virtual. His ‘as if’ methodology went far beyond that

EmTese, Vol. 4 n. 1 (1), agosto-dezembro/2007, p. 43-64 53


ISSN 1806-5023
Revista Eletrônica dos Pós-Graduandos em Sociologia Política da UFSC
Vol. 4 n. 1 (1), agosto-dezembro/2007
ISSN 1806-5023

early modern republicans and Montesquieu. It owed a little to Rousseau


but led to a view of representation which was largely spiritual”.
(Brugger, 1999, p.78)
O republicanismo iluminista modificou o republicanismo pré-moderno
originado na Renascença. Apesar de suas influências, a virtude e a visão cíclica da
história são substituídas por uma crença maior nas leis, no direito e no progresso.
Autores como Montesquieu, Rousseau e Kant contribuem e elaboram idéias como a da
separação dos poderes, do contrato social, da soberania popular, da legitimidade de
regimes constitucionais, levando para o campo da teoria política a crença iluminista no
desenvolvimento da razão e com ele o desenvolvimento social.

1.3 Republicanismo Norte Americano

De acordo com muitos estudiosos, o republicanismo clássico, ou pré-moderno,


(early modern), era proeminente no discurso revolucionário da América. Sobre
liberdade, igualdade, propriedade, havia referências aos exemplos pré-modernos –
Grécia, Roma e Renascença. Algumas dessas referências eram incisivas, outras,
confusas. O republicanismo pré-moderno, no entanto, era uma corrente de pensamento
misturada ao liberalismo de Locke, às idéias dos famosos juristas ingleses, às
imaginárias noções da Inglaterra Saxônia, e ao puritanismo da Nova Inglaterra, entre
outros estandartes do cristianismo. Os estudiosos estavam divididos, atribuindo relativa
importância para cada corrente de pensamento. (Brugger, 1999, p.79)
Para muitos intelectuais americanos, a modernidade é definida pelo liberalismo.
Se Montesquieu e Kant são modernos então eles tinham que ser liberais. E se os limites
da modernidade coincide com os do liberalismo, as origens da revolução americana
deveria ser encontrada no principal pensador liberal, John Locke.
Pocock, em The Machiavellian Moment (1975), argumenta que as idéias
republicanas foram tão importantes quanto as liberais para a Revolução Americana e
que elas realmente influenciaram os founding father's americanos, havendo uma

EmTese, Vol. 4 n. 1 (1), agosto-dezembro/2007, p. 43-64 54


ISSN 1806-5023
Revista Eletrônica dos Pós-Graduandos em Sociologia Política da UFSC
Vol. 4 n. 1 (1), agosto-dezembro/2007
ISSN 1806-5023

hegemonia do discurso republicano. Nas décadas antes da revolução os líderes políticos


e intelectuais da colônia estudaram história procurando modelos de bons e maus
governos, e seguiram o desenvolvimento das idéias republicanas da Inglaterra. A
síntese deste discurso seria um ideal cívico e patriótico no qual a personalidade foi
fundada na propriedade, aperfeiçoada na cidadania e perpetuamente ameaçada pela
corrupção, o governo figurando paradoxalmente como principal fonte desta corrupção:
"The Whig canon and the neo-Harringtonians, John
Milton, James Harrington and Sidney, Trenchard, Gordon and
Bolingbroke, together with the Greek, Roman, and Renaissance masters
of the tradition as far as Montesquieu, formed the authoritative literature
of this culture; and its values and concepts were those with which we
have grown familiar: a civic and patriot ideal in which the personality
was founded in property, perfected in citizenship but perpetually
threatened by corruption; government figuring paradoxically as the
principal source of corruption and operating through such means as
patronage, faction, standing armies (opposed to the ideal of the militia),
established churches (opposed to the Puritan and deist modes of
American religion) and the promotion of a monied interest. (...) A
neoclassical politics provided both the ethos of the elites and the rhetoric
of the upwardly mobile, and accounts for the singular cultural and
intellectual homogeneity of the Founding Fathers and their genaration”
(Pocock apud Brugger, 1999, p.82)
Os framers constitucionais rejeitaram a constituição mista, substituindo-a por
uma visão de soberania articulada com o que foi considerada ser radicalmente uma nova
concepção de representação. A separação dos poderes não era um assunto principal na
Revolução e tornou-se importante quando se viu que a revolução, ao desafiar as bases
das antigas autoridades executivas havia dado excessivo poder ao legislativo. Quando
os federalistas notaram que o legislativo inundava os outros poderes, eles restauraram o
poder executivo para efetuar o balanço.

EmTese, Vol. 4 n. 1 (1), agosto-dezembro/2007, p. 43-64 55


ISSN 1806-5023
Revista Eletrônica dos Pós-Graduandos em Sociologia Política da UFSC
Vol. 4 n. 1 (1), agosto-dezembro/2007
ISSN 1806-5023

Nos anos de 1780, o modelo de soberania era aquela em que a soberania popular
demanda que cada legislador represente a nação como um todo, o que Brugger chama
de trustee model. A vontade popular era interpretada pelos legisladores de acordo com o
que eles acreditavam ser as necessidades populares. O Congresso rejeitava a idéia de
seus componentes serem orientados por seus eleitores, uma vez que o congresso tomava
as decisões deliberativamente e podia-se mudar de opinião pela discussão racional.
A novidade dos constitutional framers americanos não estava na delegação da
soberania popular, que é uma idéia antiga, mas sim em mecanismos constitucionais
específicos desenvolvidos para prevenir o perigo dos legisladores discriminarem em
seus próprios favores e, assim, a tornarem possível a tirania. Brugger chama o sistema
americano de republicanismo mecânico. Nos Estados Unidos, passa a haver uma
mecânica e formalizada separação dos poderes que até então não tinha sido vista nas
repúblicas anteriores. No sistema dos Estados Unidos alguns poderes eram centralizados
e outros dispersos com a racionalidade que a indivisível soberania do povo não estava
comprometida. As explícitas provisões para uma estrutura federal também eram
bastante novas.
Um dos maiores traços do republicanismo dos Estados Unidos era a radical
separação entre ‘política constitucional’e ‘política normal’, na verdade este já era um
traço do republicanismo pré-moderno que separava a regra do law-giver daqueles
engajados na política mundana. O povo, como um coletivo, era supremo no nível das
políticas constitucionais, formando o poder do eleitor (constituent power), mas não no
nível das políticas normais, nas quais experimentava a exclusão. A representação, um
traço da política clássica, continuava na república americana, mas o exercício coletivo
de soberania submergiu na política normal. (Brugger, 199, p.95)
Elementos de uma concepção cíclica da história (pré-moderna) e as visões de
progresso Iluminista (na marcha da razão e no progresso econômico) são encontrados
entre os estudiosos e os revolucionários. Eles estavam preocupados com a corrupção,
mas para Brugger, esta preocupação está menos ligada a uma visão cíclica da história e
da roda da fortuna e mais com a dialética do Iluminismo.

EmTese, Vol. 4 n. 1 (1), agosto-dezembro/2007, p. 43-64 56


ISSN 1806-5023
Revista Eletrônica dos Pós-Graduandos em Sociologia Política da UFSC
Vol. 4 n. 1 (1), agosto-dezembro/2007
ISSN 1806-5023

O tema da virtude aparece pouco e irregularmente entre os escritos americanos


da época. A inclusão da Declaração dos Direitos na constituição americana pode ser
vista como uma perda de fé na virtude e uma atitude exclusivamente liberal. Brugger
argumenta que os direitos por si só não são liberais, podem ser vistos como tais quando
os direitos são entendidos como pré-sociais ou como reivindicações que devem ser
perseguidas mesmo contra o bem comum. Mas, também podem ser encarados de uma
forma republicana quando são vistos como um dispositivo protetor para manter a
liberdade como não-dominação ou como meio para encorajar o bem comum ou para
sustentar as virtudes cívicas.
Bill Brugger argumenta que a liberdade da Revolução Americana era uma
manifestação da liberdade como não-dominação, uma vez que a revolução não ocorreu
porque a interferência britânica fosse grande, mas, pela exposição à arbitrariedade
britânica. Na verdade, a taxação britânica era pequena e poderia ser vista como uma
pequena infração à liberdade como não-interferência. O problema não era a taxação em
si, mas o fato da exposição a taxações arbitrárias.
“in short the American Revolution was not about actual interference but
the potential evils of British domination. The problem was not taxation
itself but the fact of expousure to the capacity for arbitrary taxation”.
(Pettit, apud Brugger, 1999, p. 114)
O republicanismo americano é considerado mecânico por não possuir suas bases
na honra e na virtude, nem mesmo a virtude individual chega a ser tema relevante de
sua agenda. O republicanismo da revolução americana está preocupado com
mecanismos institucionais que possibilite a soberania e evite a corrupção.

1.4 Elementos do republicanismo contemporâneo

O republicanismo contemporâneo é um tema bastante debatido e há hoje uma


extensa bibliografia tanto de seus propositores como de seus críticos. O republicanismo
de Philip Pettit é tema da dissertação de mestrado, ainda em elaboração, que possibilitou

EmTese, Vol. 4 n. 1 (1), agosto-dezembro/2007, p. 43-64 57


ISSN 1806-5023
Revista Eletrônica dos Pós-Graduandos em Sociologia Política da UFSC
Vol. 4 n. 1 (1), agosto-dezembro/2007
ISSN 1806-5023

a confecção deste artigo. Portanto, meu objetivo aqui é o de esboçar alguns elementos
deste debate que possibilite uma primeira aproximação com a temática.
A formulação do republicanismo contemporâneo foi influenciada pelo recente e
aquecido debate entre acadêmicos identificados como liberais e como comunitários, ou
nos termos de John Rawls, entre liberais e humanistas cívicos. Assim, podem-se
discernir posições mais próximas de um ponto liberal e outras mais próximas de um
ponto comunitarista. No entanto, um modelo contínuo é inadequado para capturar o
pensamento republicano moderno, como também não é simples demarcar o terreno do
liberalismo e o terreno do republicanismo.
Já não é possível afirmar, por exemplo, que todos os liberais são caracterizados
por uma ontologia individualista e uma abordagem baseada na regra, enquanto os
republicanos seriam aqueles caracterizados por uma ontologia holística e uma
abordagem da vida pública baseada na virtude. Distinguir abordagens centradas na regra
e centradas na virtude não é suficiente para distinguir os liberais dos republicanos.
Apesar de serem os republicanos os que se preocupam com o tema da virtude e
retomam esta questão para as discussões em política, muitos deles também
compartilham das abordagens centradas na regra.
A forma de entender a liberdade política e as diferenças entre as concepções
republicanas e liberais é o que enriquece e inflama o debate político contemporâneo. De
um modo geral, a liberdade do pensamento liberal é uma liberdade negativa, entendida
de uma maneira quantitativa: a liberdade de uma pessoa é a medida do grau de não-
interferência, ou, uma pessoa é considerada livre na medida em que não sofra
interferências em suas atividades. Desta forma, todas as pessoas, em alguma extensão
não são livres, pois a liberdade em um lugar transmite uma restrição em outro, e uma
das maiores preocupações destes autores é justamente desenvolver uma balança entre
liberdade e restrições.
Os autores republicanos aderem a uma visão qualitativa da liberdade negativa:
uma pessoa é livre na extensão em que existem proteções institucionais contra
interferência. Os republicanos tendem a considerar as leis como algo que capacita e

EmTese, Vol. 4 n. 1 (1), agosto-dezembro/2007, p. 43-64 58


ISSN 1806-5023
Revista Eletrônica dos Pós-Graduandos em Sociologia Política da UFSC
Vol. 4 n. 1 (1), agosto-dezembro/2007
ISSN 1806-5023

promove as bases da não interferência. Philip Pettit (1997) vai além destas elaborações,
desvencilhando a liberdade republicana da dicotomia entre liberdade negativa e
liberdade positiva, passando a considerar a liberdade republicana como não-dominação.
Para Pettit, a questão não é ter todo o tipo e quantidade de escolhas, mas de ter escolhas
não-dominadas. A dominação corresponde a estar sujeito a vontades arbitrárias de
outros.
Sua visão republicana de participação política está baseada em seu ideal
democrático de não-dominação, e para elaborá-la Pettit se contrapõe a outras formas de
entender a liberdade política e, conseqüentemente, a participação. De um lado, Pettit
dialoga com uma vertente liberal, representada por Berlin, na qual:
“Sou considerado livre na medida em que nenhum homem ou grupo de
homens interfere com a minha atividade. A liberdade política nesse
sentido é simplesmente a área na qual um homem pode agir sem ser
obstruído por outros” (Berlin, 2002, p.229)
Por outro lado, distancia-se de uma vertente também republicana, mas com o
foco na visão positiva de liberdade, representada por pensadores como Sandel:
“soy libre en la medida en que soy miembro de una comunidad política
que controla su proprio destino y que participo em las decisiones que
gobiernan sus assuntos” (Sandel, apud Cristi, 2003, p.56)
Para, assim, formular sua concepção de liberdade como não-dominação:
“Freedom involves emancipaton from any such subordination, liberation
from any such dependency. It requires the capaciy to stand eye to eye
with your fellow citizens, in a shared awareness that none of you has a
power of arbitrary interference over another” (Pettit, 1997, p.5)
Para Pettit, o ideal de liberdade negativa de Berlin precisa ser complementado
com o seu ideal republicano de não-dominação, pois exigir apenas a não-interferência
não garante que os cidadãos não caiam em uma situação de dominação, ou seja, não
estejam sujeitos a vontade arbitrária de outrem. No entanto, Pettit concorda com a forma

EmTese, Vol. 4 n. 1 (1), agosto-dezembro/2007, p. 43-64 59


ISSN 1806-5023
Revista Eletrônica dos Pós-Graduandos em Sociologia Política da UFSC
Vol. 4 n. 1 (1), agosto-dezembro/2007
ISSN 1806-5023

negativa de ver a participação política como um instrumento, discordando de Sandel


que vê a participação política como algo que possui valor intrínseco.
Para Sandel, é impossível entender a democracia sem uma referência às virtudes
cívicas que dispõe favoravelmente os indivíduos para participarem do auto-governo da
pólis. Pettit faz questão de distanciar-se destas formas comunitárias de entender a
participação, vendo na democracia direta uma possibilidade de arbitrariedade: a tirania
da maioria. Ao distanciar-se do republicanismo comunitário, Pettit se aproxima do
liberalismo, principalmente quando considera a participação política como apenas um
instrumento para garantir a não dominação.
“And while the republican tradition finds value and importance in
democratic participation, it does not treat it as a bedrock value” (Pettit,
1997, p.8)
Apesar de Pettit distanciar-se do comunitarismo e de certa forma consolidar
algumas posturas no interior do liberalismo, ele não compartilha das vertentes liberais
baseadas no atomismo social, nas quais os indivíduos são vistos como completamente
constituídos, sem necessidade de se integrar a uma totalidade superior ou identificar-se
com ela, onde o social tem uma existência convencional mediada artificialmente pelo
contrato e o estado consiste num aparato para acomodar indivíduos que perseguem seus
interesses individuais. Pettit compartilha de uma visão na qual não é possível pensar que
indivíduos verdadeiramente livres e autônomos possam existir sem um contexto social.
Aqui, o estado é depositário do crédito que os cidadãos lhe atribuem:
“The commonwealth or republican position, by contrast, sees people as
trustor, both individually and collectively, and sees the state as trustee: in
particular it sees the people as trusting the state to ensure a dispensation
of non-arbitrary rule.” (Pettit, 1997, p.8)
A participação política é singular na tradição republicana de Pettit: menos
essencial que nas concepções comunitárias nas quais o indivíduo é visto como uma
parte, a sociedade como o todo e a participação política como a ponte entre eles; e mais
necessária que nas concepções liberais, onde a participação se caracteriza por uma

EmTese, Vol. 4 n. 1 (1), agosto-dezembro/2007, p. 43-64 60


ISSN 1806-5023
Revista Eletrônica dos Pós-Graduandos em Sociologia Política da UFSC
Vol. 4 n. 1 (1), agosto-dezembro/2007
ISSN 1806-5023

busca pela otimização de interesses individuais por meio de eleições. A participação


política republicana formulada por Pettit possui um caráter contestatório.
Para Pettit as decisões públicas democráticas não precisam advir de grandes
consensos, mas sim serem contestáveis, estarem abertas à contestação de qualquer parte
da sociedade. A participação contestatória “constitui-se em uma forma de dizer não a
leis e decisões que poderiam agravar a situação de dominação e dependência dos
cidadãos.” (Silva, 2007)
A teoria republicana contemporânea não nega a plasticidade da natureza humana
e a corruptibilidade da política, mas não vê essas suposições como inevitáveis. Philip
Pettit elabora medidas institucionais que incluem sanções positivas e negativas e
mecanismos para evitar a corrupção. No entanto, a abordagem mecânica é insuficiente e
é necessário voltar às discussões sobre virtude e honra. Neo-republicanos possuem
diferentes concepções sobre a participação política. Concordam que a república só possa
existir com bases democráticas e, de um modo geral, acreditam que medidas
institucionais não são por si só suficientes para obstruir a corrupção e apelam para
medidas normativas promotoras da virtude.
Apesar de algumas críticas de grupos defensores de minorias, outro elemento
importante das teorias republicanas contemporâneas é a sua qualidade em lidar com as
diferenças e a multiculturalidade. O estado guiado pelo princípio da não-dominação e da
não-arbitrariedade desconhece as tendências homogeneizadoras do liberalismo, e suas
políticas públicas não são produtos de uma burocracia dominante com uma manipulada
visão de opinião pública. A política republicana é, na visão de Pettit, serviço público
comprometido em promover o ideal da não-dominação.

Conclusão
Partindo desta exposição sobre elementos gerais da tradição republicana,
poderemos identificar ao longo das discussões os elementos dos diversos “momentos”
do republicanismo e de que maneira esses elementos chegam e permeiam a discussão
atual sobre este tema.

EmTese, Vol. 4 n. 1 (1), agosto-dezembro/2007, p. 43-64 61


ISSN 1806-5023
Revista Eletrônica dos Pós-Graduandos em Sociologia Política da UFSC
Vol. 4 n. 1 (1), agosto-dezembro/2007
ISSN 1806-5023

É a partir da definição do conceito de liberdade que os republicanos pretendem


estabelecer um diálogo crítico com as teorias democráticas e liberais. Partindo da vasta
tradição republicana, autores como Pettit, Skinner, Viroli, e outros pensadores do
republicanismo criam uma argumentação na qual a liberdade tende a ser vista como: (1)
independência na participação dos negócios da cidade, o que acarreta uma ênfase na
vida ativa e na esfera pública; (2) um ideal de não dominação, além da não
interferência; (3) impossível em um regime não livre. O estado livre só é possível
quando as leis que o governam possuem o consentimento do corpo político.
De uma maneira geral, a democracia é vista pelos autores aqui estudados como a
busca da realização dos desejos e da participação do maior número de pessoas no
governo. Os autores neo-republicanos, apoiados no manancial teórico formulado por
Maquiavel, querem a qualquer custo evitar a corrupção a que todos os governos estão
sujeitos. Estes autores afirmam que sem a virtude republicana o regime democrático
poderia facilmente cair neste desastre. Por este motivo, a sua argumentação dos autores
republicanos contemporâneos é a favor da união dos ideais republicanos com os ideais
democráticos na construção de leis e instituições com o fim de evitar a corrupção.
Desta forma, o movimento pretende que sua argumentação viabilize-se no
debate político nas sociedades atuais a partir de sua forma específica de ver as
sociedades, forma esta que está ligada a uma nova maneira de encarar a liberdade,
mobilizando um vocabulário diferente do puramente econômico. A teoria republicana
pretende-se uma alternativa de organização política viável às sociedades, sendo a
especificidade do republicanismo contemporâneo o fato dele ser indissociável da
democracia.

Bibliografia
ARAUJO, Cícero. “República e Democracia”. Revista Lua Nova, revista de cultura e
política, Edição especial: República. n.51, 2000. pp 5-30

BERLIN, Isaiah. Dois conceitos de Liberdade in Estudos Sobre a Humanidade: Uma


antologia de ensaios. Companhia das Letras, 2002.

EmTese, Vol. 4 n. 1 (1), agosto-dezembro/2007, p. 43-64 62


ISSN 1806-5023
Revista Eletrônica dos Pós-Graduandos em Sociologia Política da UFSC
Vol. 4 n. 1 (1), agosto-dezembro/2007
ISSN 1806-5023

BIGNOTTO, Newton (org); Pensar a República. Coleção Humanitas.Belo Horizonte


Editora da UFMG, 2002 1ª reimpressão

BIGNOTTO, Newton. Maquiavel Republicano. Coleção Filosofia, São Paulo, edições


Loyola, 1991.

BIGNOTTO, Newton. Maquiavel. Filosofia passa a passo. Jorge Zahar Editor. Rio de
Janeiro, 2003.

BIGNOTTO, Newton. Origens do Republicanismo Moderno. Belo Horizonte:Editora da


UFMG, 2001.

BIGNOTTO, Newton. “Problemas atuais da teoria republicana” in CARDOSO, Sérgio


(org). Retorno ao republicanismo. Belo Horizonte, editora da UFMG, 2004. pp 17 - 43

BRUGGER, Bill. Republican theory in political thought – virtuous or virtual. St.


Martin’s Press, New York, 1999.

CARDOSO, Sergio. (org). Retorno do Republicanismo. Belo Horizonte, UFMG, 2004.

CARDOSO, Sergio. “Por que República? Notas Sobre o Ideário Democrático e


Republicano”. in CARDOSO, Sergio (org) Retorno ao Republicanismo. Belo
Horizonte, Editora da UFMG, 2004.

CARDOSO, Sergio. “Que República? Notas sobre a tradição do “governo misto”.” In


BIGNOTTO.Newton (Org). Pensar a República. Coleção Humanitas. Belo Horizonte
Editora da UFMG, 2002 1ª reimpressão.

COHN, Gabriel. “Virtude, Interesse, Desejo (Sobre Pensar a República)”. Revista Lua
Nova, revista de cultura e política, Edição especial: República. n.51, 2000. pp 162-168
da UFMG,2001.CEDEC

CRISTI, Renato. Participación, representación y Republicanismo. Anuário Filosófico,


2003

DEDIEU, Joseph. “As idéias políticas e morais de Montesquieu”. In QUIRINO, C. G. e


DE SOUZA, M. T. S. R. (org). O pensamento político clássico. Maquiavel, Hobbes,
Locke, Montesquieu, Rousseau. T.A. Queiroz editor, São Paulo, 1980. pp 249- 289

GOUGH, J. W. “A separação dos poderes e soberania”. In . In QUIRINO, C. G. e DE


SOUZA, M. T. S. R. (org). O pensamento político clássico. Maquiavel, Hobbes, Locke,
Montesquieu, Rousseau. T.A. Queiroz editor, São Paulo, 1980. pp 183-205

EmTese, Vol. 4 n. 1 (1), agosto-dezembro/2007, p. 43-64 63


ISSN 1806-5023
Revista Eletrônica dos Pós-Graduandos em Sociologia Política da UFSC
Vol. 4 n. 1 (1), agosto-dezembro/2007
ISSN 1806-5023

LUA NOVA. Revista de Cultura e Política, Edição Especial: República.2000, n 51,


CEDEC.

NEWMAN. Stephen L. “Reviewed Work Republican Theory in Political Thought:


Virtuous or virtual, by Bill Brugger”. Canadian Journal of Political Science / Revue
canadienne de science politique, Vol. 33, No. 1 (Mar., 2000), pp. 183-185

PETTIT, Philip. Republicanism. A theory of freedom and government. Oxford, Oxford


University Press, 1997.

POCOCK, J. C. A. The Machiavellian moment: Florentine Political Thought and the


Atlantic Republican Tradition. Princeton University Press. Princeton, NJ. 1975

RIBEIRO, Renato Janine. A República. Coleção Folha Explica, PubliFolha, São Paulo,
2001. (2ª reimpressão).

SCORZA, Flávio Augusto. O estado na obra de Kant. Texto extraído do Jus Navigandi
http://jus2.uol.com.br/doutrina/texto.asp?id=9580, 2007. Acesso 15 setembro de 2007.

SILVA, Ricardo Virgilino da. Participação como contestação: A idéia de democracia no


neo-republicanismo de Philip Pettit. XII Congresso Brasileiro de Sociologia, Recife
2007.

EmTese, Vol. 4 n. 1 (1), agosto-dezembro/2007, p. 43-64 64


ISSN 1806-5023