Você está na página 1de 11

O Arminianismo e a doutrina da depravação total

Anderson de Paula

Vamos a Doutrina da Depravação Total no arminianismo:

O teólogo pentecostal Dr. Bruce R. Marino diz:

As Escrituras ensinam que o pecado de Adão afetou muito mais que a ele próprio (Rm
5.12-21; 1 Co 15.21,22). Esta questão é chamada pecado original e postula três
perguntas: até que ponto, por quais meios e em que base o pecado de Adão é
transmitido ao restante da humanidade? Qualquer teoria do pecado original precisa
responder as três perguntas e satisfazer os seguintes critérios bíblicos:
Solidariedade.

Toda a humanidade, em algum sentido, está unida ou vinculada, como numa única
entidade, a Adão (por causa dele, todas as pessoas estão fora da bem aventurança do
Éden; Rm 5.12-21; 1 Co 15.21,22).

Corrupção.

Por estar à natureza humana tão deteriorada pela Queda, pessoa alguma tem a
capacidade de fazer o que é espiritualmente bom sem a ajuda graciosa de Deus. A esta
condição chamamos CORRUPÇÃO TOTAL - ou DEPRAVAÇÃO TOTAL - da
natureza.
Não significa que as pessoas não possam fazer algum bem aparente, apenas que nada do
que elas façam será suficiente para torná-las merecedoras da salvação. E este ensino não
é exclusivamente calvinista. Até mesmo Armínio (mas não todos os seus seguidores)
descreveu o "livre-arbítrio do homem em favor do verdadeiro Bem", na condição de
"preso, destruído e perdido... não tem nenhuma capacidade a não ser aquela despertada
pela graça divina". A intenção de Armínio, assim como depois a de Wesley, não era
manter a liberdade humana a despeito da Queda, mas asseverar que a graça divina era
maior até mesmo que a destruição provocada pela Queda.

(Fonte: Teologia Sistemática uma perspectiva Pentecostal pagina 145)

Assim com esse breve relato sobre a Depravação Total, vamos mostrar que o
Arminianismo clássico sempre defendeu essa doutrina começando em Armínio depois
os Remonstrantes e em Teólogos Arminianos essa doutrina.

A Depravação Total no ensino de Armínio:

Armínio ensinou que:


“o livre arbítrio não tem a capacidade de fazer ou aperfeiçoar qualquer bem espiritual
genuíno sem a graça”.

Ele também disse que, sem a graça,

“o livre-arbítrio do homem em direção ao Verdadeiro Bem não está apenas ferido,


mutilado, débil, inclinado, e enfraquecido; mas também aprisionado, destruído, e
perdido: E seus poderes não estão apenas debilitados e inúteis a menos que eles sejam
assistidos pela graça, mas não têm poder nenhum exceto se excitados pela graça
divina”.

Sobre o estado caído do homem, ele disse:

“Em seu estado pecaminoso e caído, o homem não é capaz de e por si mesmo, quer seja
pensar, querer ou fazer o que é, de fato, bom; mas é necessário que seja regenerado e
renovado em seu intelecto, afeições ou vontade e em todas as suas atribuições, por Deus
em Cristo através do Espírito Santo, para que seja capaz de corretamente compreender,
estimar, considerar, desejar e realizar o que quer que seja verdadeiramente bom.
Quando ele é feito um participante dessa regeneração ou renovação, eu considero que,
uma vez que ele é liberto do pecado, ele é capaz de pensar, desejar e fazer o que é bom,
mas, entretanto, não sem a contínua ajuda da graça divina”

Fontes:( Arminius, Works (Graça e livre arbítrio), v.2/172-4), (Works of Arminius, vol.
2, p. 192.), ( Works, v. 1. p. 659-660.)

Aqui quero dizer que Armínio tinha um conceito de Depravação Total até maior que
Calvino, veja e compare tudo que foi dito até aqui com a declaração de Calvino:
"Isto, sem dúvida, será sempre evidente aos que julgam com acerto, ou, seja, que está
gravado na mente humana um senso da divindade que jamais se pode apagar. Mais: esta
convicção de que há algum Deus não só é a todos ingênita por natureza, mas ainda que
lhes está encravada no íntimo, como que na própria medula, que a contumácia dos
ímpios é testemunha qualificada, a saber, lutando furiosamente, contudo não conseguem
desvencilhar-se do medo de Deus."

Fonte: Institutas, vol. 1, capítulo III...

O conceito da necessidade da Graça em Armínio prova que o mesmo acreditava em


Depravação Total.

Arminio várias vezes ressaltou que sua crença na depravação total do homem era a
mesma que todo calvinista crê, e da mesma forma a total necessidade da graça. Sua
única divergência sobre isso era quanto ao modus operandi desta graça, se ela é
irresistível ou não:

“Eu atribuo à graça o começo, a continuidade e a consumação de todo bem, e a tal ponto
eu estendo sua influência, que um homem, embora regenerado, de forma nenhuma pode
conceber, desejar, nem fazer qualquer bem, nem resistir a qualquer tentação do mal,
sem esta graça preveniente e estimulante, seguinte e cooperante. Desta declaração
claramente parecerá que de maneira nenhuma eu faço injustiça à graça, atribuindo,
como é dito de mim, demais ao livre-arbítrio do homem. Pois toda a controvérsia se
reduz à solução desta questão, „a graça e Deus é uma certa força irresistível‟? Isto é, a
controvérsia não diz respeito àquelas ações ou operações que possam ser atribuídas à
graça (pois eu reconheço e ensino muitas destas ações ou operações quanto qualquer
um), mas ela diz respeito unicamente ao modo de operação, se ela é irresistível ou não.
Em se tratando dessa questão, creio, de acordo com as Escrituras, que muitas pessoas
resistem ao Espírito Santo rejeitam a graça que é oferecida”

Ele também disse:

“Todos os homens são, por natureza, filhos da desobediência‟ (Ef 2.3), merecedores da
condenação e da morte temporal e eterna; eles são também desprovidos da retidão e
santidade originais (Rm 5.12,18,19). Com estas maldades eles permaneceriam
oprimidos para sempre, a menos que fossem libertos por Cristo Jesus; a quem seja a
glória para todo o sempre”

Fonte: Works, v. 1. p. 659-660.Works, v. 1, p. 664. Works, v. 2, p. 156-157.

Diante destas citações de Armínio, até mesmo o calvinista mais fanático há de


reconhecer que ele era um pregador da depravação total e da completa necessidade da
graça. Cunningham, por exemplo, admitiu que:

“as declarações do próprio Armínio, em relação à depravação natural do homem, até o


ponto que temos sido informados, são completas e satisfatórias”.

Sproul também confessou que:

“as maneiras de se expressar de Agostinho, Martinho Lutero ou de João Calvino


dificilmente são mais fortes do que as de Armínio".

Aqui coloco esses calvinistas para mostrar que nao há como negar que Armínio e os
arminianos clássicos nunca acreditara que o homem pode ir a Deus sozinho por estar em
DT.

As visões dos Remonstrantes e de Wesley da condição humana


Não há melhor ponto de partida para examinar que a própria Remonstrância. Ela é o
documento fundamental do Arminianismo clássico (além dos escritos de Armínio).

O 3ª e 4ª ponto da remonstrância mostra essa verdade:

3. Que o homem não podia obter a fé salvadora de si mesmo ou pela força de seu
próprio livre-arbítrio, mas se encontrava carente da graça de Deus, através de Cristo,
para ser renovado no pensamento e na vontade (Jo 15.5).

4. Que esta graça foi a causa do início, desenvolvimento e conclusão da salvação do


homem; de forma que ninguém poderia crer nem perseverar na fé sem esta graça
cooperante, e consequentemente que todas as boas obras devem ser atribuídas à graça de
Deus em Cristo. Quanto ao modo de operação desta graça, no entanto, não é irresistível
(At 7.51).

(fonte: The Opinions of the Remonstrants, 1618: The Opinion of the Remonstrants
regarding the third and fourth articles, concerning the grace of God and the conversion
of man, sections 1, 2, and 4

Simão Episcópio e seu conceito de Depravação Total.

A primeira geração de remonstrantes, liderada por Simão Episcópio, seguiu a teologia


de Armínio estritamente; não existe lugar mais claro para isso que a doutrina de
Episcópio do pecado original e da depravação herdada. Episcópio mostra sua crença na
depravação total ao falar da necessidade da Graça. Veja:

"Sem ela (Graça) nós não podemos nos libertar do fardo do pecado nem fazer, de jeito
nenhum, qualquer coisa verdadeiramente boa na religião, nem finalmente algum dia
escapar da morte eterna ou qualquer verdadeira punição de pecado. Muito menos nós
somos capazes em algum momento de obter a salvação eterna por nós mesmos
ou por quaisquer outras criaturas sem a graça" ele considerava a condição humana como
absoluta e completamente incapaz em assuntos espirituais à parte da graça especial.
Veja o que Simão Episcópio diz:

"O homem... não tem fé salvífica de ou a partir de si; nem ele é nascido de novo ou
convertido pelo poder de seu próprio livre- -arbítrio: vivendo no estado de pecado ele
não pode pensar, muito menos desejar ou fazer qualquer coisa boa que seja, de fato,
parcimoniosamente bom de ou a partir de si; mas é necessário que ele seja regenerado e
totalmente renovado de Deus em Cristo pela Palavra do evangelho e pela virtude do
Espírito Santo em conjunção com isso: para saber, em entendimento, afeições, vontade,
e todas as suas atribuições (força) e faculdades, que ele possa ser capaz de corretamente
entender, meditar, desejar e realizar estas coisas que são salvificamente
(parcimoniosamente) boas"

Fonte: EPISCOPIUS, Simon. Confession of Faith of Those Called Arminians. London:


Heart and Bible, 1684. p. 118 e 204.
.

Depravação total em Wesley

Aqui cito Wesley,pois Armínio, Wesley e os Remonstrântes são essenciais para o


entendimento do Arminianismo.

Wesley ao comentar Gênesis 6:5 diz:

"As Escrituras asseveram que “pela desobediência de um homem todos os homens


foram constituídos pecadores”; que “em Adão todos morreram”, morreram
espiritualmente, perderam avida e a imagem de Deus: que, pecador decaído, Adão então
“gerou um filho à sua própria semelhança” —e nem era possível que o gerasse segundo
outra qualquer imagem, porque, “quem pode tirar uma coisa pura de uma coisa-
impura?” — que, conseqüentemente, nós, como quaisquer outros homens, estamos por
natureza “mortos em delitos e pecados”, “sem esperança e sem Deus no mundo”, e,
portanto, somos “filhos da ira”; que todo homem pode dizer: “Fui gerado
em iniquidade e em pecado minha mãe me concebeu”; que “não há diferença”, visto que
“todos pecaram e foram destituídos da glória de Deus”, daquela gloriosa imagem de
Deus segundo a qual o homem fora originariamente criado. E daí, quando “o Senhor
olhou do alto para os filhos dos homens, viu que todos se desviaram; que eles se
tornaram todos abomináveis, não havendo nenhum justo, nem sequer um”, ninguém que
verdadeiramente busque a Deus, concordando isto com o que é declarado pelo Espírito
Santo nas palavras acima citadas: “Deus viu”, quando olhou dos céus, “que a maldade
do homem era grande na terra”; tão grande que “toda imaginação dos pensamentos de
seu coração era somente má, e isto continuamente”. Este é o conceito de Deus acerca do
homem, conceito que nos dará oportunidade de: primeiro, mostrar, o que todos Os
homens eram antes do dilúvio; segundo, inquirir se eles não são os mesmos hoje; e,
terceiro, acrescentar algumas inferências. "

Wesley continua e sua declaração no ponto um do mesmo sermão é


ainda mais clara: Devo abrir, primeiro, as palavras do texto, para mostrar o que eram os
homens antes do dilúvio. E podemos plenamente descansar no testemunho aí dado:
porque Deus viu, e Ele não pode ter-se enganado. Ele “viu que a maldade do homem era
grande”: — não deste ou daquele homem; não de uns poucos homens somente; não
meramente da maior parte, mas do homem em geral; dos homens em sua
universalidade. A palavra inclui toda a raça humana, todo participante da natureza
humana.

(fonte: Wesley, J., Sermon XLIV: Original Sin, in The Essential Works of John Wesley
(2011: Barbour Publishing Inc.), p.128)

Creio ser desnecessário continuar com mais ditos de Wesley para provar suu crença
na depravação total da natureza humana.

Arminianos posteriores e a doutrina da depravação total.


Richard Watson.
Watson afirmou a questão inequivocamente:

"O verdadeiro arminiano, tão plenamente quanto o calvinista, admite a doutrina da


depravação total da natureza humana em consequência da queda de nossos primeiros
pais."

Watson escreveu que o arminianismo nao concorda com a visão semi- pelagiana,
mostrando sua crença na depravação total. Veja:

"Que a corrupção de nossa natureza, e não meramente sua maior responsabilidade de ser
corrompida, é a doutrina que bíblica será aqui demonstrada. Esta visão [semipelagiana]
não era a opinião de Armínio e nem a de seus seguidores imediatos. Também não é esta
a opinião do vasto corpo de cristãos, frequentemente chamados de arminianos, que
seguem as opiniões teológicas do Sr. Wesley."

Fonte: WATSON, Richard. TheologicalInstitutes. New York: Lane & Scott, 1851. v, 2,
p. 48.

William Burton Pope.


"Nenhuma habilidade permanece no homem para voltar-se a Deus; e esta declaração
concede e vindica o âmago do pecado original como interno. O homem natural [...] está
sem o poder de até mesmo cooperar com a influência Divina. Cooperação com a graça é
da graça. Portanto, ela se mantém eternamente livre do pelagianismo e do
semipelagianismo."

Fonte: POPE, William Burton. A Compendium of Christian Theoíogy.New York:


Phillips & Hunt, s/data. v. 2, p. 47.

Thomas Summers.
"sem a graça, a vontade é má, pois a natureza do homem é tão má que ele, de si mesmo,
não pode escolher aquilo que é certo"
SUMMERS, Thomas O. Systematic Theoíogy. Nashville: Publishing House of the
Methodist Episcopal Church, South, 1888. v. 1, p. 64-5.
John Miley.

Na foto Miley esta em primeiro da direita para a esquerda

"Quanto à descendência de Adão, todos nos herdamos a depravação de natureza na qual


ele caiu em transgressão"

Wiley teólogo arminiano do Seculo 20.


“Os homens não apenas nascem debaixo da penalidade da morte como consequência do
pecado, mas eles também nascem com uma natureza depravada, que em contraste com o
aspecto legal da pena, é geralmente chamada de pecado inato ou depravação herdada.”

Wiley, Christian Theology, 2:98.

Com isso fica provado que o arminianismo crê na Depravação Total, entendo que nao
seja necessário citar mais nenhum teólogo arminiano, pois o que foi mostrado neste
humilde artigo já prova a crença arminiana na Depravação Total. Paz a Todos.

Fonte: http://pentecostaisverdadeiros.blogspot.com.br/2015/04/o-arminianismo-e-
doutrina-da-depravacao.html Acesso em 02 abr. 2016.