Você está na página 1de 12

www.medresumos.com.

br ✓ Eduardo Toaza ✓ Anatomia Humana 1

ANATOMIA DA COXA
INTRODUÇÃO:
 A coxa é a região do membro inferior que está aproximadamente entre as
articulações do quadril e do joelho.
 Anteriormente, ela é separada da parede abdominal pelo ligamento inguinal.
Posteriormente, ela é separada da região glútea pelo sulco infraglúteo,
superficialmente, e pelas margens inferiores do glúteo máximo e quadrado
femoral nos planos mais profundos.
 As estruturas entram e saem pela extremidade superior da coxa através de
três caminhos: posteriormente a coxa é contínua com a região glútea;
anteriormente há uma abertura entre o ligamento inguinal e o osso da pelve;
medialmente algumas estruturas passam entre a coxa e a cavidade da pelve
pelo canal obturatório.
 A coxa é dividida em três compartimentos por septos intermusculares
localizados entre a face posterior do fêmur e a fáscia lata (fáscia que reveste a
coxa):
1. Compartimento anterior da coxa: contém os músculos que
principalmente estendem a perna na articulação do joelho.
2. Compartimento posterior da coxa: contém os músculos que
principalmente estendem a coxa na articulação do quadril e flexionam a
perna na articulação do joelho.
3. Compartimento medial da coxa: contém os músculos que principalmente
aduzem a coxa na articulação do quadril.
www.medresumos.com.br ✓ Eduardo Toaza ✓ Anatomia Humana 2

OSSOS:
www.medresumos.com.br ✓ Eduardo Toaza ✓ Anatomia Humana 3

Região intercondilar

Fixação posterior do menisco medial


Fixação do ligamento cruzado posterior

Fixação posterior do menisco lateral Área para a articulação com o menisco medial

Áreas de articulação com o menisco lateral Tubérculos da eminência intercondilar

Fixação do ligamento cruzado anterior


Fixação anterior do menisco lateral

Fixação anterior do menisco medial


Área áspera e perfurada
Tuberosidade da tíbia

MÚSCULOS:
 Os músculos da coxa são dispostos em três compartimentos separados por
septos intermusculares.

COMPARTIMENTO ANTERIOR

Músculo Origem Inserção Inervação Função


Psoas maior Parede Trocanter Ramos Flexiona a
abdominal menor do anteriores L1, coxa na
posterior (laterais fêmur L2, L3 articulação do
das vértebras T quadril
XII a L V e discos
situados entre
elas; processos
transversos de
todas as
vértebras
lombares)
Ilíaco Parede Trocanter
N. femoral (L2, Flexiona a
abdominal menor
do L3) coxa na
posterior (fossa fêmur articulação do
ilíaca) quadril
Vasto medial Fêmur – parte Tendão do N. femoral (L2, Estende a
medial da linha quadríceps L3, L4) perna na
intertrocantérica, femoral e articulação do
linha pectínea, margem joelho
lábio medial da medial da
linha áspera patela
Vasto Fêmur – dois Tendão do N. femoral (L2, Estende a
intermédio terços superiores quadríceps L3, L4) perna na
das superfícies femoral e articulação do
anterior e lateral margem joelho
lateral da
patela
Vasto lateral Fêmur – parte Tendão do N. femoral (L2, Estende a
lateral da linha quadríceps L3, L4) perna na
intertrocantérica, femoral articulação do
margem do joelho
trocanter maior,
lábio lateral da
www.medresumos.com.br ✓ Eduardo Toaza ✓ Anatomia Humana 4

linha áspera
Reto femoral A cabeça reta Tendão do N. femoral (L2, Flexiona a
origina-se na
quadríceps L3, L4) coxa na
espinha ilíaca
femoral articulação do
ântero-inferior; a quadril e
cabeça reflexa estende a
origina-se no ílio, perna na
acima do articulação do
acetábulo joelho
Sartório Espinha ilíaca
Margem N. femoral (L2, Flexiona a
ântero-superior medial à L3) coxa na
tuberosidade articulação do
da tíbia (pata quadril e
de ganso) flexiona a
perna na
articulação do
joelho
 Os músculos psoas maior e ilíaco fundem-se para formar o M.
iliopsoas.
 O grande quadríceps femoral consiste de três músculos vastos
(vasto medial, vasto intermédio, vasto lateral) e do músculo reto
femoral.

Psoas maior

Ilíaco
www.medresumos.com.br ✓ Eduardo Toaza ✓ Anatomia Humana 5

Sartório

femoral

femoral

Vasto lateral

Reto femoral

Vasto intermédio
Sartório

Vasto medial

Tendão do quadríceps femoral

COMPARTIMENTO MEDIAL

Músculo Origem Inserção Inervação Função


Grácil Ramo inferior Margem medial N. obturatório Aduz a coxa
do púbis e à tuberosidade (L2, L3) na articulação
corpo do púbis da tíbia (pata de do quadril e
ganso) flexiona a
perna na
articulação do
joelho
Pectíneo Linha pectínea Linha pectínea N. femoral Aduz e flexiona
do púbis do fêmur (L2, L3) a coxa na
articulação do
quadril
Adutor longo Superfície Linha áspera no N. obturatório Aduz e roda
externa do terço médio da (divisão lateralmente a
corpo do púbis diáfise do fêmur anterior: L2, coxa na
www.medresumos.com.br ✓ Eduardo Toaza ✓ Anatomia Humana 6

L3, L4) articulação do


quadril
Adutor curto Superfície Superfície N. obturatório Aduz a coxa
externa do posterior do (L2, L3) na articulação
corpo do púbis fêmur proximal e do quadril
terço superior da
linha áspera
Adutor magno Parte adutora: Parte adutora: N. obturatório Aduz e roda
ramo do ísquio superfície (L2, L3, L4) lateralmente a
Parte do posterior do coxa na
jarrete: túber fêmur proximal articulação do
isquiático Parte do jarrete: quadril
tubérculo dos
adutores e linha
supracondilar
Obturador Superfície Fossa N. obturatório
externo externa da trocantérica (divisão
membrana posterior: L3,
obturadora e L4)
osso adjacente

Obturador externo

Adutor magno
Pectíneo

Adutor curto

Adutor longo

Grácil
Sartório Pata de ganso
Semitendíneo
www.medresumos.com.br ✓ Eduardo Toaza ✓ Anatomia Humana 7

COMPARTIMENTO POSTERIOR

Músculo Origem Inserção Inervação Função


Bíceps femoral Cabeça longa: Cabeça da N. isquiático Flexiona a perna na
área superior do fíbula (L5 a S2) articulação do joelho
túber isquiático e estende a coxa na
Cabeça curta: articulação do
lábio lateral da quadril; roda
linha áspera lateralmente a coxa
na articulação do
quadril e a perna na
articulação do joelho
Semitendíneo Área superior do Margem N. isquiático Flexiona a perna na
túber isquiático medial à (L5 a S2) articulação do joelho
tuberosidade e estende a coxa na
da tíbia (pata articulação do
de ganso) quadril; roda
Semimembraná Impressão Superfície N. isquiático medialmente a coxa
ceo súpero-lateral posterior do (L5 a S2) na articulação do
no túber côndilo quadril e a perna na
isquiático medial da articulação do joelho
tíbia

Cabeça longa do bíceps femoral

Semitendíneo

Semimembranáceo

Cabeça curta do bíceps femoral


www.medresumos.com.br ✓ Eduardo Toaza ✓ Anatomia Humana 8

TELA SUBCUTÂNEA E FÁSCIA:


 A tela subcutânea localiza-se profundamente e é constituída por tecido
conjuntivo frouxo que possui uma quantidade variável de gordura, nervos
cutâneos, veias superficiais, vasos linfáticos e linfonodos.
 A tela subcutânea do quadril e da coxa é contínua com a da parede
anterolateral do abdome e das nádegas.
 A fáscia muscular do membro inferior é muito forte e reveste o membro como
uma meia elástica.
 A fáscia muscular da coxa é chamada de fáscia lata. Lateralmente ela é
espessada e fortalecida por outras fibras longitudinais de reforço para formar o
trato iliotibial.
 O hiato safeno é uma abertura da fáscia lata inferior à extremidade medial do
ligamento inguinal. A veia safena magna atravessa o hiato safeno e drena para
a veia femoral.

ARTÉRIAS:
 Três artérias entram na coxa: a
artéria femoral, a artéria
obturatória e a artéria glútea
inferior.
ARTÉRIA FEMORAL
 É a continuação da artéria ilíaca
externa e começa como artéria
ilíaca externa, passando sob o
ligamento inguinal para entrar no
trígono femoral na face anterior
da região da coxa.
 A artéria femoral passa
verticalmente através do trígono
femoral e depois continua pela
coxa no canal dos adutores. Ela
deixa o canal passando através
do hiato dos adutores no músculo
adutor magno e torna-se a artéria
poplítea atrás do joelho.
 Um grupo de quatro pequenos
ramos – artéria epigástrica
superficial, ramo circunflexo
www.medresumos.com.br ✓ Eduardo Toaza ✓ Anatomia Humana 9

ilíaco superficial, artéria pudenda externa superficial e artéria pudenda


externa profunda – originam-se na artéria femoral no trígono femoral e
suprem as áreas cutâneas da região superior da coxa, abdome inferior e
períneo.
 O maior ramo da artéria femoral na coxa é a artéria femoral profunda, que se
origina na face lateral da artéria femoral no trígono femoral. A artéria femoral
profunda possui ramos circunflexo lateral e medial e três ramos perfurantes.
ARTÉRIA OBTURATÓRIA
 Origina-se como um ramo da artéria ilíaca interna na cavidade pélvica e entra
no compartimento medial da coxa através do canal obturatório.
 Durante seu curso pelo canal, ela forma um ramo anterior e um ramo
posterior, que constituem um canal que circunda a membrana obturadora.
ARTÉRIA GLÚTEA INFERIOR
 Origina-se no tronco anterior da artéria ilíaca interna, na cavidade pélvica.
 Supre os músculos do glúteo e desce através da região glútea e na direção da
face posterior da coxa, onde supre as estruturas adjacentes e faz anastomoses
com ramos perfurantes da artéria femoral.

VEIAS:
 As veias na coxa consistem de veias superficiais e profundas.
 As veias profundas geralmente acompanham as artérias e possuem nomes
similares.
 As veias superficiais estão localizadas na tela subcutânea, fazem conexões
com as veias profundas e geralmente não acompanham as artérias. A maior
das veias superficiais na coxa é a veia safena magna.

NERVOS:
INERVAÇÃO MOTORA
 Existem três grandes nervos na coxa, sendo cada um deles associado a um
dos três compartimentos.
 Nervo femoral (compartimento anterior): origina-se no plexo lombar na
parede abdominal posterior e entra no trígono femoral da coxa passando por
sob o ligamento inguinal.
 Nervo obturatório (compartimento medial): é um ramo do plexo lombar na
parede abdominal posterior.
 Nervo isquiático (compartimento posterior): desce no compartimento
posterior da coxa, oriundo da região glútea.
INERVAÇÃO SENSITIVA
www.medresumos.com.br ✓ Eduardo Toaza ✓ Anatomia Humana 10

LOCAIS IMPORTANTES:
TRÍGONO FEMORAL
 O trígono femoral é uma depressão em formato de cunha formada pelos
músculos da região superior da coxa na junção entre a parede abdominal
anterior e o membro inferior.
 Limite superior (base): ligamento inguinal.
 Limite medial: margem lateral do músculo adutor longo.
 Limite lateral: margem medial do músculo sartório.
 Assoalho: músculos iliopsoas lateralmente e pectíneo medialmente.
 Teto: fáscia lata, fáscia cribriforme, tela subcutânea e pele. NAV
 Conteúdo, de lateral para medial:
- Nervo femoral e seus ramos (terminais).
- Bainha femoral e seu conteúdo (artéria femoral e vários de seus ramos; veia
femoral e suas tributárias proximais; linfonodos inguinais profundos e vasos
linfáticos associados).

 O ápice do trígono femoral aponta inferiormente e é contínuo com o canal dos


adutores.
www.medresumos.com.br ✓ Eduardo Toaza ✓ Anatomia Humana 11

BAINHA FEMORAL
 A bainha femoral é um tubo fascial afunilado de comprimento variável
(geralmente 3 a 4 cm) que passa profundamente ao ligamento inguinal e
reveste o compartimento vascular do espaço retroinguinal.
 A bainha é contínua
superiormente com a fáscia
transversal e fáscia ilíaca do abdome
e funde-se inferiormente com o tecido
conjuntivo associado aos vasos.
 A artéria femoral, a veia
femoral, além dos vasos linfáticos
associados, estão envoltos pela
bainha femoral. Cada uma dessas
três estruturas está contida em um
compartimento fascial separado
dentro da bainha. O compartimento
mais medial (o canal femoral) contém
os vasos linfáticos e tem formato
cônico. A abertura deste canal
superiormente é um ponto
potencialmente fraco para hérnias
femorais.
 O nervo femoral é lateral e não
está contido dentro da bainha femoral.

CANAL DOS ADUTORES


 O canal dos adutores (canal de Hunter) é uma passagem longa (cerca de 15
cm) e estreita no terço médio da coxa.
 Estende-se do ápice do trígono femoral, onde o músculo sartório cruza sobre o
músculo adutor longo, até o hiato dos adutores no tendão do músculo adutor
magno.

REFERÊNCIAS:
www.medresumos.com.br ✓ Eduardo Toaza ✓ Anatomia Humana 12

1. MOORE, Keith L.; DALLEY, Arthur F.; AGUR, Anne M. R. Anatomia Orientada
para Clínica, 8ª edição.
2. DRAKE et. al. Gray’s Anatomia para Estudantes. Elsevier.
3. NETTER, Frank Henry. Atlas de anatomia humana. 6. ed. Rio de Janeiro:
Elsevier, 2015.