Você está na página 1de 2

Unicatólica – Centro Universitário Católica de Quixadá

Curso de Graduação em Psicologia


Disciplina: Psicologia do Desenvolvimento da Criança e do Adolescente
Professor (a): Carla Renata Braga de Souza
Alunx (s): Maria Géssica da Silva Martins

Trabalho Efetivo Discente I (TED)

1) Rememore sua infância e adolescência, comparando-as com a infância e


adolescência da contemporaneidade e, posteriormente, elenque quais as
semelhanças e diferenças encontradas, correlacionando-os com os textos
trabalhados em sala.

Durante um longo período as crianças estiveram entre os sujeitos esquecidos


da sociedade. Na sociedade ocidental, até a idade média, não distinguia as crianças
e adultos e, somente no século XVI, a família burguesa mostrou-se preocupada com
a afetividade entre pais e filhos. Dessa maneira, as crianças desde então vem se
inserindo e assumindo um papel mais importante em suas famílias.
Hoje estudos comprovam a importância de que a criança necessita de
cuidados e atenção distintos do universo adulto. No ano de 2016, dois estudos
lançados no 6° Simpósio Internacional de Desenvolvimento da Primeira Infância,
reuniram informações, leis e pesquisas para demonstrar que vínculos familiares e
ambientes saudáveis são essenciais ainda na primeira infância. Um fator bastante
interessante é o uso da tecnologia, que muitas vezes usada de forma errada pode
prejudicar no desenvolvimento da criança, em que muitos casos, aparelhos
eletrônicos atrapalham o diálogo entre pais e filhos. Posso citar a minha infância,
nos anos de dois mil e um, onde o uso de aparelhos e necessidade do mesmo não
tinham tomado uma enorme proporção e as crianças tinham outras maneiras de
entretenimento e várias brincadeiras que tinham contato diretamente seus amigos e
até mesmo os seus pais.
Na transição da infância para a adolescência é um momento também de
extrema importância e que o jovem necessita de atenção e cuidados, pois ocorre,
várias mudanças. É um processo de amadurecimento, tanto físico como emocional e
o comportamento é subjetivo durante a construção dessa nova fase que cada um
tem uma forma de lidar com as transformações.
Inicia-se um processo de desligamento da infância e da conquista da
autonomia. Antigamente os jovens saíam da casa de seus pais para o mercado de
trabalho, muitas vezes sem ter concluído o ensino médio ou superior, ou até mesmo
sem estudo nenhum, casavam e construíam suas famílias. Já hoje, na minha
adolescência, existe uma preocupação maior nos jovens de estudo, muitos em ter
um ensino superior e estabilidade financeira para futuramente formar suas famílias.
Fica evidente, portanto, a importância do acompanhamento na fase de vida
da criança e do adolescente para evitar problemas futuros na sua formação.