Você está na página 1de 14

Motriz: rev. educ. fis. vol.20 no.1 Rio Claro Jan./Mar.

2014

http://dx.doi.org/10.1590/S1980-65742014000100009

ARTIGOS ORIGINAIS

Avaliação do multifidus lombar em remadores


durante o exercício de estabilização da coluna
vertebral

Avaliação dos multífidos lombares em atletas do remo durante


o exercício de estabilização vertebral

Avaliação da multiformus lombar nos atletas de remo durante


o exercício na estabilização da coluna vertebral

1
Joseani Ceccato

2
Jeam Marcel Geremia

2
Alexandre Mayer

2
Raquel de Oliveira Lupion

2
Marco Aurélio Vaz

1
Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre
2
Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre
ABSTRATO

A estabilização lombar é importante no remo de alto desempenho devido à alta


incidência de lombalgia. O objetivo deste estudo foi avaliar o desempenho dos músculos
estabilizadores lombares durante um exercício de estabilização segmentar espinhal e na
espessura do músculo multífido lombar em atletas de remo treinados e não treinados
para este exercício. Nove remadores treinados com estabilização lombar (TLS) e oito
remadores sem treinamento (CON) participaram do estudo. O desempenho da
estabilização lombar e a espessura do músculo multífido foram medidos durante uma
contração isométrica voluntária máxima. O desempenho da estabilização lombar foi
maior ( p = 0,015) no grupo SLT (média de 18,38 ± 8,00 mmHg) em comparação ao
grupo CON (9,31 ± 4,91 mmHg). A variação da espessura muscular foi maior ( p =
0,023) no TLS (6,92% ± 3,98) em comparação ao grupo CON (2,81% ± 1,40). O
treinamento de estabilização lombar é uma ferramenta clínica eficiente para fortalecer
os músculos lombares e pode ajudar a prevenir a dor lombar em remadores.
Palavras-chave: estabilização da coluna vertebral; multifidus; remo; prevenção

RESUMO

A estabilização lombar é fundamental em esportes de alto rendimento como remo,


devido a uma elevada incidência de lombalgia. O presente estudo foi estudado sobre o
crescimento dos músculos estabilizados e um dos músculos do lombar durante um
exercício de estabilização segmentar vertebral em remadores. Os exercícios foram
treinados com o exercício de estabilização lombar (TLS) e oito remadores destreinados
(CON) foram avaliados. O sono dos pesos estabilizadores e a espessura dos múltiplos
graus foram mensurados durante uma contração voluntária isométrica. O grupo foi TLS
(18,38 ± 8,00 mmHg) quando comparado ao grupo CON (9,31 ± 4,91 mmHg). A
variação da espessura muscular foi maior ( p = 0,023) no grupo TLS (6,92% ± 3,98)
quando comparado com o grupo CON (2,81% ± 1,40). O treinamento de estabilização
lombar é uma ferramenta clínica eficiente para o fortalecimento da musculatura e pode
auxiliar na prevenção da lombalgia em remadores.

Palavras-Chave: estabilização vertebral; multífidos; remo; prevenção

RESUMEN

A instalação lombar é fundamental na prática de esportes como o retorno de alto


desempenho, aparece a lumbalgia aparece com frecuencia. O objetivo deste estudo é
avaliar o retorno das lesões estabilizadoras lombares, assim como o peso do músculo
multiforme lombar, durante um exercício de estabilização espinal segmentar lombar
(uma contração isométrica voluntária máxima) em atletas de remo. O Fueron foi
avaliado em alguns casos como um entrenamiento com ejercícios de estabilização
lombar (TLS) e o que é este adiestramiento (CON). El rendimiento prefeito ( p = 0,015)
do grupo TLS (18,38 ± 8,00 mmHg) e comparação com o grupo CON (9,31 ± 4,91
mmHg).Variación del espesor prefeito muscular ( p = 0,023) no grupo TLS (6,92% ±
3,98) em comparação com o grupo CON (2,81% ± 1,40). El entrenamiento lombar es
una herramienta clínica eficaz para o fortalecimiento da musculatura lombar e puede
auxiliar na prevención de lumbalgias en remaientes.

Palabras-clave: estabilización espinal; multifidos; remo y prevención

INTRODUÇÃO

O remo de alto rendimento é um esporte com alto nível de sobrecarga no tronco e


a causa da dor na região lombar que aparece frequentemente como a segunda
queixa mais frequente de lesões por remadores ( Comerford & Mottram, 2001 ). Durante o
remo, a magnitude da força na coluna lombar é substancial. Em 70% do ciclo de
treinamento, os remadores permanecem com o tronco fletido. A combinação desta
posição flexionada com forças compressivas nas vértebras foi identificada como um
dos prováveis mecanismos para lesão da coluna lombar ( Rumball, Lebrun, Di Ciacca, & Orlando,
2005
).

Vários fatores podem contribuir para a sobrecarga e dor lombar em atletas de


remadores competitivos ( Caldwell, Mcnair e William's, 2003 ; Reid e Mcnair, 2000 ; Rumball et al.,
2005
; Teitz, O'Kane, & Lind, 2002 ). A fadiga muscular dos extensores de coluna, geralmente
associada a grande volume e intensidade de treinamento, reduz a contratilidade
das fibras musculares, o que pode levar a uma flexão lombar excessiva e aumento
do estresse nas estruturas da coluna vertebral.
Assim, a estabilidade da coluna vertebral é necessária para reduzir o estresse e
depende da integração de dois sistemas musculares: local e global. O sistema
muscular global (constituído pelo reto abdominal, oblíquos externos e a parte
torácica do iliocostal lombar), quando ativado, leva a uma estabilidade geral do
tronco, mas não é capaz de influenciar diretamente segmentos espinhais
específicos. O sistema muscular local (compreendido pelos multifidos, psoas
maiores, quadrado lombar, porção lombar dos iliocostais lombares, longuíssimos,
transversos abdominais, fibras posteriores do diafragma e oblíquo interno) atua
diretamente na coluna lombar e é responsável por proporcionar estabilidade
segmentar e controlar diretamente os segmentos lombares ( Bergmark, 1989 ; Panjabi,
1989
).

Esses músculos estabilizadores devem estar em boa forma, especialmente em


atletas com sobrecarga na coluna.Na prática clínica da fisioterapia esportiva, a co-
contração de grupos musculares sinérgicos (transverso abdominal e multífido) pode
ser avaliada e acompanhada por testes funcionais como a pressão abdominal ou a
unidade de biofeedback pressórico (PBU) ( Garnier et al., 2009 ; Mills, Taunton, & Mills, 2005 ). O
teste de PBU é um instrumento clínico confiável e válido para avaliar a função
muscular profunda abdominal e / ou o desempenho durante a contração da parede
abdominal ( Cynn, Oh, Kwon e Yi, 2006 ; Garnier et al., 2009 ; Mills et al., 2005). Richardson, Jull,
Toppenberg e Comerford, 1992
; Storheim, Pederstad, & Jahnsen, 2002 ). Mills et al. (2005) usaram o teste de
PBU para avaliar o efeito de um programa de treinamento de 10 semanas na
estabilidade lumbo-pélvica em atletas de voleibol e basquete. Os atletas
apresentaram melhoras na estabilidade lombo-pélvica após o treinamento,
demonstrando evidências de que o teste da PBU é uma ferramenta importante e
eficaz na avaliação da estabilidade lombo-pélvica.

Costa, Maher, Latimer, Hodges e Shirley, 2009 Dickx, Cagnie, Parlevliet, Lavens e Danneels, 2010
Estudos ( ; ; Hall,
Tsao, Macdonald, Coppieters e Hodges, 2009 McEvoy, Cowling, Fulton, & Williams, 2008
; ) mostraram evidência
de hipotrofia ou atrofia dos músculos transverso abdominal e multífido no lado da
lombalgia. Esses estudos relatam uma diminuição no desempenho contrátil desses
músculos, enfatizando a importância do fortalecimento dos músculos abdominais
profundos ( Koppenhaver, Hebert, Pais & Fritz, 2010 ; Mcgregor, Bull & Byng-Maddick, 2004 ; Mills et al.,
2005). .

Assumindo que a dor lombar surge de uma estabilização segmentar espinhal pobre
( Dickx et al. 2010 ; Hides, Stanton, Mendis, & Sexton, 2011), o objetivo deste estudo foi
avaliar as mudanças na PBU e a espessura do músculo multífido lombar durante um
exercício de estabilização segmentar da coluna vertebral em atletas treinados e
destreinados. O grupo multífido foi escolhido pelas seguintes razões: (1) a
possibilidade de medidas simultâneas de ultrassonografia e pressão abdominal com
sujeitos em decúbito ventral; (2) a facilidade de acesso a esses músculos (região
posterior) ( Hides, Richardson, & Jull, 1998 ); (3) o sinergismo encontrado entre o
fortalecimento dos músculos transverso abdominal e multífido ( Lehman, Story, & Mabee,
2005
).

Portanto, nossa expectativa era de que indivíduos treinados em estabilização


lombar (TLS) tivessem uma maior alteração na espessura do músculo multífido
durante a contração voluntária máxima no teste de PBU como uma adaptação ao
treinamento de força desses músculos sinérgicos responsáveis pela estabilização da
coluna em comparação ao grupo não treinado (CON).

MÉTODOS

Design de estudo
O presente estudo é um estudo ex post facto e correlacional. Todos os
procedimentos foram aprovados pelo comitê de ética e os participantes assinaram
um termo de consentimento para participar do estudo.

Participantes

A população do presente estudo incluiu 80% da população de atletas de remo nas


categorias júnior e juvenil do Rio Grande do Sul. Dentro desta população, dezesseis
atletas masculinos de remadores saudáveis (sem histórico de lesão,
espondilolistese lombar, espondilólise, hérnia discal lombar ou protrusões, ou
qualquer tratamento cirúrgico prévio) foram avaliados. O estudo incluiu apenas
atletas de remo com um mínimo de dois anos de treinamento.

Os atletas foram divididos em dois grupos: o grupo treinado em estabilização


lombar (TLS) consistiu de oito atletas submetidos a treinamentos semanais para
fortalecer os músculos abdominais e dorsais (transverso abdominal e multífido) por
mais de dois anos, enquanto os treinados ou não treinados. grupo controle (CON)
consistiu de oito atletas não treinados na estabilização lombar. O estudo incluiu
apenas atletas que estavam matriculados em treinamento diário (3 a 4 horas de
remo por dia) e participando de competições.

Treinamento de estabilização da coluna vertebral segmentar

Todos os atletas pertencentes ao grupo TLS realizaram o mesmo programa de


treinamento. As sessões duraram 45 minutos e foram realizadas uma vez por
semana, antes de iniciar o treinamento físico. Os exercícios de fortalecimento dos
músculos estabilizadores da coluna foram ministrados pelo mesmo fisioterapeuta e
padronizados de acordo com a evolução do treinamento preventivo. As sessões
começaram com exercícios de estabilização em decúbito ventral, evoluindo para
posições sentada e em pé. Contrações musculares foram realizadas com ênfase na
fase expiratória do ciclo respiratório. O atleta foi solicitado a inspirar, inflando o
abdômen e durante a expiração, para apertar o abdome, puxando o umbigo em
direção às costas, visando a formação de uma cinta pélvica ( Richardson et al., 1992 ;
Richardson & Jull, 1995). Os atletas realizaram quatro exercícios diferentes por
sessão, com 20 repetições de cada exercício, intervalos de um minuto entre as
tentativas e intervalos de cinco minutos entre os exercícios. As contrações
musculares foram enfatizadas para serem realizadas com ênfase na fase expiratória
do ciclo respiratório. As sessões começaram com exercícios de estabilização em
decúbito ventral e quatro posições de suporte de contato (veja abaixo). No primeiro
exercício, os sujeitos colocados propensos na mesma posição mostrada na Figura
1B . No segundo exercício, os sujeitos deitaram de costas, com os joelhos
flexionados e os membros superiores em repouso, além do tronco. No terceiro
exercício, os sujeitos sentaram-se no chão com os quadris abduzidos, os joelhos
fletidos e as plantas dos pés uma de frente para a outra. Para os três primeiros
exercícios, cada tentativa consistiu de uma contração isométrica voluntária máxima
dos músculos da parede abdominal, com duração de cerca de dez segundos, com
quatro segundos na fase de inspiração e seis segundos na fase expiratória. No
quarto exercício, os sujeitos fletiam os ombros e quadris, mantendo os cotovelos
estendidos e os punhos hiper-estendidos e os joelhos flexionados em decúbito
ventral, apoiados nas palmas das mãos e nos joelhos (posição de quatro contatos
em pronação). O exercício consistiu em contrair os músculos da parede abdominal
enquanto simultaneamente flexionava o ombro (com o cotovelo estendido) e
estendendo o quadril e o joelho contralaterais. Os sujeitos realizaram esses
movimentos alternando os lados, com 10 repetições para cada lado. Todas as
sessões foram supervisionadas pelo mesmo fisioterapeuta e os movimentos
indesejados durante os exercícios foram observados e corrigidos.
Figura 1 Equipamento estabilizador (A) usado durante o teste de Unidade de Biofeedback de
Pressão (PBU) usado para avaliar a estabilização da coluna lombar (B).

Desempenho dos músculos estabilizadores lombares

O desempenho dos músculos estabilizadores lombares foi obtido por meio do teste
de PBU (Stabilizer, Chattanooga Group, Australia; Figura 1A ). Os atletas foram
posicionados de bruços com o Estabilizador sob o abdômen, na região localizada
entre as espinhas ilíacas ântero-superiores e centrados em relação ao umbigo
( Figura 1B ). O Estabilizador foi insuflado a uma pressão de 70mmHg e os atletas
foram instruídos a inspirar e, durante a expiração, foram solicitados a contrair o
abdômen o máximo possível, como se estivessem puxando o umbigo em direção às
costas. Durante o exercício, a redução da pressão abdominal sobre o Estabilizador
foi registrada durante quatro segundos no período de 10 segundos (Garnier et al.,
2009). Quanto maior a redução da pressão no Estabilizador, foi considerada a
capacidade do atleta de produzir estabilização segmentar da coluna vertebral
(Garnier et al., 2009; Richardson & Jull, 1995).

Para evitar qualquer interferência nos resultados durante a contração voluntária


dos músculos da parede abdominal, os atletas foram solicitados a: (1) esvaziar a
bexiga antes de iniciar o teste; (2) não consumir alimentos pelo menos duas horas
antes do teste; (3) não realizar nenhum exercício de fortalecimento abdominal no
dia do teste. Essa metodologia foi semelhante à de um estudo anterior (Storheim et
al., 2002).

Variação de espessura muscular

Simultaneamente com a variação na medição da pressão abdominal, a espessura


do músculo multífido foi avaliada. A sonda de arranjo linear (freqüência de
amostragem = 7,5 MHz) foi posicionada longitudinal e unilateralmente ( Figura 1B )
seguindo os parâmetros do estudo de Van, Hides e Richardson (2006) . A espessura foi
medida no lado dominante de cada atleta, no nível L4-L5, com uma máquina de
ultra-som (Aloka SSD 4000, Tóquio, Japão, frequência de amostragem = 45 Hz).

Após a palpação, os processos espinhosos de L4 e L5 foram marcados na pele. O


atleta foi posicionado de bruços com a cabeça relaxada para um lado (esquerda ou
direita). Em seguida, a sonda foi posicionada na direção aproximada das fibras
musculares e lateralmente aos processos espinhosos. As medidas foram feitas em
repouso e durante a contração voluntária máxima dos músculos da parede
abdominal durante o exercício de estabilização descrito acima.

Análise de dados

A pressão abdominal foi obtida diretamente pela leitura dos valores no visor do
Estabilizador. Para obter os valores da espessura muscular, a avaliação seguiu a
mesma metodologia descrita em outro trabalho ( Van et al., 2006 ). A espessura do
multífido ( Figura 2 ) foi medida a partir da ponta da articulação zigapofisária L4-5
até a borda superior da aponeurose superficial (borda superior do músculo
multífido). A equação utilizada para calcular a variação da espessura muscular foi a
seguinte: [(espessura na contração - espessura em repouso) / espessura em
repouso x 100%].
Figura 2 Imagem ultrassonográfica da espessura do músculo multífido. Z = L4-5 articulação
zigapofisária; A = aponeurose; MT: espessura do músculo multífido.

O teste de Shapiro-Wilk foi usado para testar a normalidade dos dados. Idade,
estatura, massa corporal, pressão abdominal e alterações na espessura do músculo
multífido foram comparadas entre os grupos (treinado e não treinado) utilizando-se
o teste t de Student independente. Os dados foram analisados utilizando o
Programa Sigma Plot (versão 11) com um nível de significância definido para α =
0,05.

RESULTADOS

Os atletas do grupo CON tinham idade média de 18,38 ± 5,10 anos, estatura de
1,78 ± 0,6 m, massa corporal de 75,89 ± 7,32 kg e índice de massa corporal (IMC)
de 23,79 ± 1,35 kg / m2. O grupo SLT apresentou média de idade de 16,50 ± 2,67
anos, estatura de 1,83 ± 0,62 m, massa corporal de 71,88 ± 8,00 kg e IMC de
21,44 ± 1,76 kg / m2. Não houve diferença na idade ( p = 0,372), estatura ( p =
0,139) e massa corporal ( p = 0,313). O IMC foi maior ( p = 0,010) no grupo CON
em relação ao grupo TLS.

A Tabela 1 mostra a PBU e a variação dos valores da espessura do músculo


multífido lombar de ambos os grupos.Os valores de PBU foram maiores no grupo
TLS comparado ao grupo CON ( p = 0,015). O grupo TLS apresentou uma variação
média superior a 50% da média do grupo CON. A variação da espessura do
músculo multífido lombar foi maior ( p = 0,023) no TLS comparado ao grupo CON.

Tabela 1 Resultados (média ± DP) para o teste de Biofeedback Pressurizado (PBU) e para a
variação da espessura do músculo multífido (ΔMT) nos grupos controle (CON) e treinados em
estabilização lombar (TLS).

CON (n = 8) TLS (n = 8) valor p


PBU (mmHg) 9,31 ± 4,91 18,38 ± 8,00 0,015
ΔMT (%) 2,81 ± 1,40 6,92 ± 3,98 0,023

A Figura 3 ilustra a espessura do multífido obtida em repouso (Figuras 3A e 3C) e


durante a contração isométrica voluntária máxima abdominal durante o teste de
PBU de um indivíduo do grupo CON (com pequenas variações na espessura) e de
um atleta do grupo TLS (com variação de alta espessura (Figuras 3B e 3D),
respectivamente.
Figura 3 Imagens de ultrassonografia do músculo multífido em repouso (A, C) e durante o teste
da PBU (B, D) de um atleta representativo dos grupos CON (A, B) e TLS (C, D),
respectivamente. Z = articulação zigapofisária; MT = espessura do músculo multífido.

DISCUSSÃO

A estabilidade funcional da coluna é dependente dos sistemas de integração


muscular local e global ( Bergmark, 1989 ). Quando disfunções da coluna vertebral estão
presentes, há uma combinação de restrição de movimento normal e compensações
para manter a estabilidade da coluna vertebral. O treinamento dos músculos
estabilizadores locais é necessário para manter o alinhamento adequado da coluna
e estabelecer uma base estável de suporte para o movimento do corpo ( Comerford &
Mottram, 2001
).

Em esportes como o remo, há uma alta demanda do tronco, e o treinamento dos


músculos estabilizadores da coluna pode ajudar a diminuir o risco de lesão
medular. Embora o fortalecimento muscular global seja importante, um forte
cinturão pélvico deve ser enfatizado em atletas de remo para proteger sua coluna
durante o treinamento de alto desempenho, pois pode ajudar a evitar dores na
coluna e / ou ferimentos.

A diminuição do desempenho contrátil do músculo multífido tem sido relatada em


pacientes com lombalgia ( Barker et al., 1989 ; Costa et al., 2009 ; Lee et al., 2006 ). Em caso
afirmativo, indivíduos com lombalgia devem ter mais dificuldade em contrair este
músculo e, portanto, devem apresentar uma menor espessura muscular e também
menor capacidade de produzir alterações estruturais (ou seja, alterações na
espessura muscular) ao passar do estado de repouso para um máximo. condição de
esforço.

Um raciocínio semelhante poderia ser usado ao comparar indivíduos treinados e


não treinados na estabilidade funcional da coluna vertebral. Os indivíduos não
treinados devem apresentar uma capacidade menor para alterar a espessura do
músculo do repouso para o esforço total. A maior variação (6,31%) da espessura
do músculo multífido lombar na SLT concorda com essa idéia e é semelhante aos
resultados de um estudo anterior ( Wilke, Wolf, Claes, Arand & Wiesend, 1995 ) que relatou que o
multifidus lombar promoveu mais de dois terços da rigidez no segmento L4-L5. A
maior variação na pressão abdominal, observada no grupo SLT (mais de 50% maior
em relação ao grupo CON), também é evidência de que atletas treinados em
estabilização lombar têm maior capacidade de estabilização da coluna lombar. Os
resultados acima confirmaram nossa hipótese inicial de que os remadores que
participam de um programa de prevenção da lombalgia apresentariam uma
variação maior na pressão abdominal e uma variação maior na espessura do
multífido durante o exercício de estabilização da coluna comparado aos atletas não
treinados.

Estes resultados podem ajudar na compreensão da estabilização funcional da


coluna vertebral. Em outras palavras, o fortalecimento dos músculos transverso
abdominal e multífido aumenta a espessura muscular, melhorando a estabilização
lombar ( Van et al., 2006 ). Além disso, os exercícios usados em nosso programa de
fortalecimento podem ajudar a evitar a incidência de cargas excessivas nos tecidos
esqueléticos nessa região, protegendo a região lombar de lesões. No entanto,
devido aos poucos estudos que pudemos encontrar nesta área com uma população
de atletas de remo, estudos longitudinais adicionais são necessários para avaliar
melhor se o fortalecimento de programas de treinamento de músculos abdominais
pode realmente atuar efetivamente na prevenção de lesão nas costas. em atletas
de remo.

CONCLUSÃO

Atletas treinados em exercícios de estabilização da coluna vertebral mostraram


grande variação na pressão abdominal e na espessura do multífido durante o
esforço máximo. Estes resultados sugerem que exercícios de estabilização para
lombalgia em atletas jovens em remo podem ajudar a diminuir o risco de lesão
devido ao treinamento esportivo, reduzindo assim a incidência de lombalgia em
remadores.

AGRADECIMENTOS

Agradecimentos

Este estudo foi apoiado por bolsa do CNPq concedida a Marco A Vaz. Os autores
gostariam de agradecer ao Clube Grêmio Náutico União e aos atletas pela
colaboração.

REFERÊNCIAS

Barker, KL, Shamley, DR e Jackson, D. (2004). Alterações na área transversal do


multífido e psoas em pacientes com dor lombar unilateral. Spine, 29 (22), 515-
519. Obtido de http://journals.lww.com/spinejournal/toc/2004/11150 [ Links ]

Bergmark, A. (1989). Estabilidade da coluna lombar. Um estudo em engenharia


mecânica. Acta Orthopaedic Scandinavic Supplement, 60 (230), 5-54. Obtido de
http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/2658468 [ Links ]

Caldwell, JS, Mcnair, JP e William's, M. (2003). Efeitos do movimento repetitivo na


flexão lombar e na atividade muscular do reitor da espinha em remadores. Clinical
Biomechanics, 18 (8), 704-711. Retirado de:
http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0268003303001177 [ Links ]

Comerford, MJ & Mottram, SL (2001). Re-treinamento da estabilidade funcional:


princípios e estratégias para o gerenciamento da disfunção mecânica. Terapia
manual, 6 (1), 3-14. Retirado de:
http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/11243904 [ Links ]

Costa, LOP, Maher, CG, Latimer, J., Hodges, PW, & Shirley, D. (2009). Investigação
da reprodutibilidade das medidas ultrassonográficas da ativação muscular
abdominal em pacientes com dor lombar crônica não específica.European Spine
Journal, 18 (7), 1059-1065. Retirado de:
http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2899591 [ Links ]

Cynn, HS, Oh, JS, Kwon, OY, Yi e CH (2006). Efeitos da estabilização lombar
usando uma unidade de biofeedback de pressão na atividade muscular e inclinação
pélvica lateral durante a abdução do quadril em desvio lateral.Arquivos de Medicina
Física e Reabilitação, 87 (11), 1454-1458. Retirado de:
http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/17084119 [ Links ]
Dickx, N., Cagnie, B., Parlevliet, T., Lavens, A., & Danneels, L (2010). O efeito da
dor muscular unilateral no recrutamento do multifidus lombar durante a contração
automática. Um estudo experimental da dor. Manual Therapy, 15 (4), 364-
369. Obtido de http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20207187 [ Links ]

Garnier, K., Köveker K., Rackwitz, B., Kober, U., Wilke, S., Ewert, T., & Stucki, G.
(2009). Confiabilidade de um teste que mede o recrutamento do músculo
transverso do abdome com uma unidade de biofeedback de pressão.Fisioterapia, 95
(1), 8-14. Obtido de http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19627680 [ Links ]

Hall, L., Tsao, H., Macdonald, D., Coppieters, M., & Hodges, PW (2009). Efeitos
imediatos do treinamento de co-contração no controle motor dos músculos do
tronco em pessoas com dor lombar recorrente. Journal of Electromyography and
Kinesiology, 19 (5), 763-773. Obtido de
http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1050641107001708 [ Links ]

Hides, JA, Richardson, CA, Jull, GA (1998). Uso de ultrassonografia em tempo real
para feedback na reabilitação.Terapia manual, 3 (3), 125-131. Obtido de
http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1356689X98800027 [ Links ]

Hides, J., Stanton, W., Mendis, M., & Sexton, M. (2011). A relação dos testes
transversais transverso do abdome e do músculo multífido lombar em pacientes
com dor lombar crônica. Terapia Manual, 16, 573-7. [ Links ]

Koppenhaver, SL, Hebert, JJ, Pai, EC & Fritz, JM (2009). A imaginação por
ultrassonografia de reabilitação é uma medida válida do tamanho e ativação do
músculo do tronco durante a maioria das contrações submáximas isométricas: uma
revisão sistemática. Australian Journal of Physiotherapy, 55 (3), 153-169. Obtido
de http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19681737 [ Links ]

Lee, S., Chan, CK, Lam, T., Lam, C., Lau, N., Lau, RW, & Chan, S. (2006). Relação
entre dor lombar e multifidose lombar em diferentes posturas. Spine, 31 (19),
2258-2262. Obtido em
http://journals.lww.com/spinejournal/toc/2006/09010 [ Links ]

Lehman, GJ, Story, S., & Mabee, R. (2005). Influência da flexão lombar estática na
resposta dos músculos do tronco aos movimentos repentinos do braço. Quiropraxia
e Osteopatia, 13 (23), 1-5. Obtido em
http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC1315330 [ Links ]

Mcevoy, PM, Cowling, AJ, Fulton, IJ, e Williams, MT (2008) Transversus abdominis:
alterações na espessura durante um teste de exercício incremental do membro
superior. Physiotherapy Theory and Practice, 24 (4), 265-273. Obtido de
http://informahealthcare.com/doi/abs/10.1080/09593980701773340 [ Links ]

Mcgregor, AH, Bull, AM e Byng-Maddick, R. (2004). Uma comparação da técnica de


remo em diferentes taxas de braçada: uma descrição de sequenciamento, produção
de força e cinemática. International Journal of Sports Medicine, 25 (6), 465-
470. Obtido de https://www.thieme-connect.com/DOI/DOI?10.1055/s-2004-
820936 [ Links ]

Mills, JD, Taunton, JE e Mills, WA (2005). O efeito de um regime de treinamento de


10 semanas sobre a estabilidade lombo-pélvica e desempenho atlético em atletas
do sexo feminino: um estudo controlado randomizado. Fisioterapia no Esporte, 6
(2), 60-66. Obtido de
http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1466853X05000386 [ Links ]
Panjabi, M., Abumi, K., Duranceau, J. e Oxland, T. (1989). Estabilidade da coluna
vertebral e forças musculares intersegmentares. Um modelo biomecânico. Spine,
14 (2), 194-200. Obtido de
http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/2922640 [ Links ]

Reid, D. & Mcnair, P. (2000). Fatores que contribuem para a dor lombar em
remadores. British Journal of Sports Medicine, 34 (5), 321-322. Obtido de
http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/11049136 [ Links ]

Richardson, CA, Jull, GA, Toppenberg, R., & Comerford, M. (1992). Técnicas de
estabilização lombar ativa para proteção da coluna vertebral: um estudo
piloto. Australian Journal of Physiotherapy, 38 (2), 105-112. Obtido em
http://ajp.physiotherapy.asn.au/AJP/vol_38/2/AustJPhysiotherv38i2Richardson.pdf
[ Links ]

Richardson, CA & Jull, GA (1995). Controle Muscular - Controle da Dor. Quais


exercícios você prescreveria?Terapia manual, 1 (1), 2-10. Obtido de
http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1356689X85702433 [ Links ]

Rumball, JS, Lebrun, CM, Di Ciacca, SR e Orlando, K. (2005). Remo


lesões. Medicina Esportiva, 35 (6); 537-555.Obtido de
http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/15974636 [ Links ]

Storheim, K., Bo, K., Pederstad, O., & Jahnsen, R. (2002). Reprodutibilidade intra-
testador do biofeedback de pressão na mensuração da função dos transversos
abdominais. Physiotherapy Research International, 7 (4), 239-249. Obtido de
http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/12528579 [ Links ]

Teitz, C., O'kane, J., Lind, K., Bonnie, KL e Hannafin, JA (2002). Dor nas costas em
remadores intercolegiais.American Journal of Sports Medicine, 30 (5), 674-
679. Obtido de http://ajs.sagepub.com/content/30/5/674.abstract [ Links ]

Van, K., Hides, JA, & Richardson, CA (2006). O uso da ultrassonografia em tempo
real para o biofeedback da contração do músculo multífido lombar em indivíduos
saudáveis. Revista de Fisioterapia Esportiva Ortopédica, 36 (12), 920-925. Obtido
de http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/17193869 [ Links ]

Wilke, HJ, Wolf, S., Claes, LE, Arand, M. e Wiesend, A. (1995). Aumento da
estabilidade da coluna lombar com diferentes grupos musculares. Um estudo
biomecânico in vitro. Spine, 20 (2), 192-198. Obtido de
http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/7716624 [ Links ]

Recebido em 10 de maio de 2013; Aceito: 28 de janeiro de 2014

Autor correspondente Joseani Ceccato Clube Grêmio Náutico União, Rua Quintino
Bocaiúva, n ° 500, Porto Alegre 90440-050 RS, Brasil. Telefone: 55-51-3025 3929
E-mail: joseanic@ig.com.br

Joseani Ceccato, M.Sc., pesquisadora, afiliada à Universidade Federal de Ciências


da Saúde de Porto Alegre, Brasil.

Jeam Marcel Geremia, M.Sc. é um Ph.D. estudante, Laboratório de Pesquisa do


Exercício, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil.
Alexandre Mayer, M.Sc. é pesquisador do Laboratório de Pesquisa do Exercício da
Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil.

Raquel de Oliveira Lupion, bacharel em Direito, é mestranda do Laboratório de


Pesquisa do Exercício da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre,
Brasil.

Marco Aurélio Vaz, Ph.D., professor, é afiliado ao Laboratório de Pesquisa do


Exercício da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil.