Você está na página 1de 71

Universidade Federal do Rio Grande do Norte – UFRN

Centro de Ciências Exatas e da Terra – CCET


Departamento de Geologia – DGEO
Disciplina: Geofísica Marinha – 0604

Sísmica de Alta
Resolução/Sísmica rasa

Natal – RN – 2019.1
Sísmica Rasa - Conceitos
• Utiliza o sinal acústico com espectros de
frequências maiores quando comparados com
a sísmica convencional;
• Baseiam-se na propagação de ondas acústicas
através da lâmina d’água, na interface
água/fundo marinho e através dos estratos
sedimentares em subsuperfície (Souza, 2006).
Sísmica Rasa - Conceitos
• Aplicação da sísmica rasa depende da existência de
contrastes acústicos em subsuperfície de um meio
qualquer;
• O contraste acústico ocorre nos limites entre
camadas sedimentares que apresentam
características distintas (densidade, velocidade
acústica, etc), no limite de estruturas geológicas
(falhas) e no limite de estruturas artificiais (túneis,
escavação em minas submersas, etc);
• (Steeples & Miller, 1988);.
Sísmica Rasa - Conceitos
• Pulso sísmico (wavelet): se caracteriza por ser o
trem de onda elementar produzido por uma fonte
cuja duração é relativamente curta (na ordem de
dezenas de ms);
• É emitido, geralmente, de duas formas distintas:
por fontes terrestres ou por fontes marinhas;
• No caso da sísmica rasa, as fontes são marinhas
(Lavergne, 1989).
Sísmica Rasa - Conceitos
• Pulsos sísmicos emitidos por fontes marinhas.

Fonte: retirado de McGree (1995).


Sísmica Rasa - Conceitos
Classificação das fontes acústicas:
• Fontes Ressonantes: aquelas empregadas na
batimetria (ecobatímetros) e sonografia e que
atuam como perfiladores sísmicos (pinger e
chirp);
• Fontes Impulsivas: Liberam energia em uma
explosão repentina produzindo uma wavelet
semelhante a uma função delta (intervalo de
tempo próximo de zero). Ex.: Boomer
• (Mosher & Simpkin, 1999).
Sísmica Rasa - Conceitos

Dois modelos de fontes acústicas ressonantes do tipo Chirp da Edgetech: a) SB216S (2-16kHz);
b) SB – 424 (4-24 kHz); c) exemplo de um registro sísmico obtido com o chirp modelo SB 424.
Fonte: <http://www.edgetech.com>
Sísmica Rasa - Conceitos
• Aceleração de massa: deslocamento de massa de água é ocasionado a partir da
emissão do sinal acústico. Ex.: Boomer.
Boomer: produz pulsos de pressão dentro do intervalo de tempo muito próximo de
zero. Armazena até 1.000 J de energia, frequência varia de 100 a 20.000 Hz, penetra
até 200 m em sedimentos arenosos saturados.

Sistemas do tipo boomer. A) placa do boomer modelo ED-5; B) placa do boomer modelo ED-
10 (10 kHz); C) boomer ED-5; D) boomer da Applied Acoustic (UK). Fonte: Retirado de Souza
(2006).
Sísmica Rasa - Conceitos
• Contraste acústico: resultado das variações
nas densidades de massa ou velocidade
sísmica em subsuperfície;
• Impedância acústica: resistência a qual um
meio apresenta à propagação da onda;
Z=ρ.V
onde v é vel. do meio e ρ a densidade.
Sísmica Rasa - Conceitos
• Função Refletividade (coeficiente de reflexão):
a resposta dada pelas interfaces das camadas
pelas quais passam as ondas acústicas;

• Nesse caso, está sendo considerado que a


onda incide de maneira normal sobre a
superfície e o offset é zero.
Sísmica Rasa - Conceitos
• coeficiente de transmissão, matematicamente
ele é expresso pela razão entre a amplitude da
onda transmitida (A2) pela onda incidente
(A0), isto é, R=A2/A0. Para uma onda
normalmente incidente, tem-se:
Sísmica Rasa - Conceitos

Fonte: Retirado de Kearey et al., 2009.


Sísmica Rasa - Conceitos
• Os valores de coeficiente de reflexão podem variar entre -
1 a +1 ( -1 < R < +1 );
• Um valor negativo de R significa uma mudança de fase de
π (180º) no raio refletido;
• Para R = +1 ou R = -1, significa que toda a energia incidente
foi refletida. Uma situação muito semelhante ocorre na
superfície livre da coluna d’água: raios que se deslocam
para cima em uma camada de água são quase totalmente
refletidos de volta por sua superfície com uma mudança
de fase de π ( R = -0,9995);
• Para R = 0, significa que toda a energia incidente é
transmitida, ou seja, não há interface com contraste de
impedância, mesmo que os valores de densidade e
velocidade seja diferentes nas duas camadas;
QUIZ question
Sísmica Rasa - Conceitos
• Tempo de trânsito de incidência normal: A fonte
sísmica envia energia das ondas em todas as
direções, mas estamos interessados apenas na
parte que retorna ao receptor. O offset é zero, a
fonte e o receptor estão no mesmo ponto da
superfície.
Sísmica Rasa - Conceitos
Sísmica Rasa - Conceitos
A relação geral para o tempo de trânsito é:
tempo = distância/velocidade

A aplicação da fórmula geral à reflexão da


interface 1 fornece:
t1 = 2h1/v1
onde a espessura da camada 1 é h1 e sua
velocidade é v1.
Sísmica Rasa - Conceitos
Para calcular o tempo de reflexão a partir da
interface 2, dividimos a distância em duas partes
e encontramos
t1 = 2h1/v1 + 2h2/v2 = t1 + 2h2/v2
Podemos estender para a terceira interface e, em
seguida, o caso geral de reflexão da enésima
interface
t3 = t2 + 2h3/v3
tn = tn-1 +2hn/vn
Sísmica Rasa - Conceitos
Traço sísmico e Modelo Convolucional
• O sinal sísmico pode ser entendido como sendo o resultado da
função refletividade com a wavelet (pulso da fonte):
• s(t) = e(t) * W(t)
• s(t) = e(t) * W(t) + r(t)

• Onde:
• s(t) = sinal sísmico;
• e(t) = função refletividade;
• w(t) = wavelet (pulso da fonte);
• r(t) = ruído.
Traço sísmico e Modelo Convolucional
Sísmica multicanal - Aquisição
Resolução Sísmica
Resolução vertical
• Resolução vs Detecção
• Resposta de camadas finas e tuning
Resolução Lateral
• Zona de Fresnel
• Migração e resolução lateral
Resolução Sísmica
• A Detecção é a capacidade de identificar que
algum recurso existe;
• A Resolução é a capacidade de distinguir duas
feições uma da outra;
• O limite de detecção é sempre menor que o
limite de resolução;
• O limite de detecção depende da razão
sinal/ruído;
• A resolução vertical é a capacidade de identificar
as ondas refletidas nas interfaces da camada em
estudo;
Resolução Sísmica
• A resolução vertical é a capacidade de identificar
as ondas refletidas nas interfaces da camada em
estudo;
• O limite de resolução vertical ocorre quando o
traço de reflexão mostra dois picos
correspondentes a camada sendo de ¼ λ de
espessura.
• T=1/f;
• λ=T x V;
• Resolução Vertical = λ/4
Tuning thickness
Para camadas com espessuras menores que metade do
comprimento de onda (λ / 2), onde λ é o comprimento de
onda dominante), as reflexões do topo e da base da
camada interagem de maneira que alteram a forma e a
amplitude da wavelet. A medida que a camada diminui
para um quarto do comprimento de onda (λ / 4), a
amplitude da wavelet cresce e atinge o máximo, através da
interferência construtiva dos lobos laterais e principal da
wavelet. Essa espessura é chamada de “espessura de
tuning”.
Quando a espessura da camada atinge um oitavo do
comprimento de onda (λ/8), a wavelet composta lembra a
derivada da forma de onda original, e nenhuma mudança
no tempo vale-pico será observada.
Alinhamento de wavelets
para desenvolver tuning.
Em cada painel, os dois
traços à esquerda são as
reflexões do topo e da
base da camada. Os
coeficientes de reflexão
subjacentes a estes são a
amplitude da unidade,
mas a polaridade oposta.
O traço à direita em cada
painel é o traço somado
que seria observado nos
dados sísmicos migrados.
Quando a espessura da
camada é de um quarto do
comprimento de onda, a
amplitude somada é
máxima. Este é o efeito
tuning.
Alinhamento de wavelets
para definir a resolução
vertical. Em cada painel, os
dois traços à esquerda são
as reflexões de topo e de
base. Os coeficientes de
reflexão tem amplitude da
unidade e mesma
polaridade. O traço à direita
em cada painel é o traço
somado que seria
observado nos dados
sísmicos migrados. Quando
a espessura da camada é de
um quarto do comprimento
de onda, o traço somado
começa a mostrar dois
picos, em vez de um único
pico visto para leitos mais
finos. Assim λ= 4 é o limite
de resolução vertical dos
dados sísmicos de reflexão,
bem como a espessura de
tuning.
•A duração do pulso é menor que a espessura da camada.
•A wavelet que representa o topo está totalmente representada antes do início da wavelet que representa
a base.
•Aqui não há interferência da wavelet.
•Uma camada espessa é aquela que a sua espessura em tempo duplo é maior que a duração do pulso.
• A espessura da camada B diminuiu para ½ da duração do pulso.
•A segunda parte da wavelet que representa o CR do topo sobrepõe-se a primeira metade da wavelet que
representa o CR da base.
•Aqui a interferência é máxima.
Por que a resolução sísmica diminui com a profundidade
QUIZ
• Um levantamento sísmico recuperou frequência
média de 25Hz na profundidade do reservatório.
Considerando que a velocidade intervalar no
reservatório é de 2000m/s e utilizando o conceito
convencional de resolução sísmica ( RV= λ/4), a
espessura mínima para que o topo e a base sejam
identificados na seção sísmica, em metros, é de:
• Comparação para diferentes valores de
frequência (50Hz, 100Hz, 200Hz).
Resolução Sísmica
• A resolução lateral é a capacidade de
visualizar feições de escala fina no mapa ou na
visualização transversal, como pinnacle reefs
ou feições de canal;
Resolução Sísmica
Zona de Fresnel
• Dois objetos espaçados na subsuperfície que
caem dentro da zona de Fresnel não podem
ser distinguidos individualmente.
• A largura da zona de Fresnel representa um
limite absoluto para a resolução horizontal de
uma aquisição de reflexão.
• R=(v/2)(t/f)^1/2
Zona de Fresnel

F : Diâmetro da Zona de Fresnel


R : Raio da Zona de Fresnel
L : raio com incidência não normal
Z : raio com incidência normal
Processamento Sísmico aplicados a
dados monocanais.
Correlação Cruzada

Operação semelhante à convolução. Aplicada a dois sinais para


produzir um terceiro sinal.

* =
Assinatura do pulso do chirp Klauder wavelet

Dados correlacionados
Autocorrelação
A Klauder wavelet é gerada a partir da autocorrelação da assinatura da fonte do
chirp. A autocorrelação consiste num operador matemático em que opera-se a
correlação entre sinais iguais.

* =

O processo de correlação é capaz de reduzir consideravelmente a magnitude dos lóbulos


laterais, aumentando a razão sinal/ruído geral dos dados.
Deconvolução
Conceito: É um método pelo qual a wavelet é comprimida com o
intuito de expandir o espectro de frequência, objetivando o
aumento da resolução vertical do dado.
Objetivos:
• busca a melhoria da resolução temporal do dado sísmico
diminuindo a contribuição do pulso emitido pela fonte;
• retira o efeito borrado do dado sísmico tornando as reflexões na
subsuperfície muito mais evidentes;
• obter função refletividade mais próxima da realidade possível;
• aumentar o espectro de frequência.
Deconvolução
O objetivo deste processo é comprimir a wavelet de fonte w(t) em um pico de fase
zero de largura zero δ(t).
Isso significa que estamos eliminando o efeito da fonte wavelet e deixando apenas
o efeito da refletividade da Terra e(t) no sismograma
Se um operador de filtro f(t) fosse definido de tal forma que a convolução de f(t) -
filtro inverso - com o sismograma conhecido s(t) produz uma estimativa da
resposta ao impulso da Terra e(t), então
e(t) = f(t)*s(t)
Substituindo e(t) na equação abaixo
s(t) = e(t) * w(t)
Temos:
s(t) = f(t)*w(t)*s(t)
1 = f(t)*w(t)
Onde δ(t) = 1
Deconvolução
Substituindo e(t) na equação abaixo
s(t) = e(t) * w(t)
Temos:
s(t) = f(t)*w(t)*s(t)
1 = f(t)*w(t)
Onde δ(t) = 1
δ(t) = f(t)*w(t)

Assim, temos que


f(t) = δ(t) * 1/w(t)
Dessa forma se fizermos a convolução entre f(t) e s(t), obtemos e(t), que representa
a função refletividade que queremos extrair do dado sísmico.
Migração
• Todo processo de migração tem como objetivo localizar os pontos
exatos responsáveis pela geração das reflexões para posicionar os
eventos inclinados na posição real;
• A qualidade de uma seção migrada está relacionada com a
qualidade do modelo de velocidade e da seção de empilhamento;
Migração
• Seção empilhada não migrada
Migração Stolt
• A migração Stolt leva em consideração que o modelo geológico não
apresenta variações laterais de velocidade, por sua vez não
apresenta bons resultados de imageamento para refletores
inclinados.
Migração Stolt
Migração Kirchhoff pós-stack
• A migração Kirchhoff pós-stack é aplicada após a análise de
velocidades, correção de NMO e o empilhamento. Ao fazer o
empilhamento, a seção sísmica se torna zero-offset e com isso, os
refletores inclinados perdem informação dos offsets diferentes de
zero. É importante pontuar que nessa migração, assume-se que as
reflexões são ortogonais com amplitudes proporcionais aos
coeficientes de reflexão.
Migração Kirchhoff pós-stack
Migração Kirchhoff pré-stack
• A migração Kirchhoff pré-stack é mais precisa e apresenta uma
maior razão sinal/ruído quando comparada com a migração
Kirchhoff pós-stack.
• A migração pré-stack concentra energia na posição exata para
eventos inclinados e para traços com offsets diferentes de zero.
• Dessa forma, os eventos inclinados são melhores imageados e
deslocados para suas posições reais quando se tem traços com
offsets diferentes de zero.
Migração Kirchhoff pré-stack