Você está na página 1de 3

Modelo dos 7 S

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.


O Modelo dos 7-S é um modelo de gerência criado por Tom Peters e Robert Waterman que também é conhecido por
Modelo McKinsey 7S, por ter sido desenvolvido na época em que ambos trabalhavam de consultores na McKinsey &
Co. Esse modelo é uma ferramenta bastante útil para organizar, analisar e diagnosticar questões corporativas e, ainda,
para planejar e intervenções e mudanças na organização. São descritos no modelo 7 fatores necessários para uma
organização operar do modo mais eficiente possível. A ideia central do Modelo dos 7 S é que os administradores e
líderes devem levar em consideração todos estes fatores em conjunto, para assim ter a certeza que uma estratégia será
implementada com êxito.[1]

Índice
O Modelo e seus objetivos
Hard-s
Soft-s
Descrição dos Fatores
Crítica ao Modelo dos 7 S
Referências

O Modelo e seus objetivos


O Modelo McKinsey 7S, é um modelo de gerenciamento que tem por objetivo demonstrar que a organização não é
formada apenas por uma estrutura, mas também por 7 elementos divididos em duas áreas: hardware (hard-s) e
software (soft-s). Estas por sua vez são: Estrutura, Sistemas, Estratégia, Habilidades, Pessoas, Estilo e Objetivos
prioritários (mais tarde transformado por Peters em Valores compartilhados).

O diferencial desse modelo é a sua simplicidade e a complexidade que se segue quando se entende que esses
componentes não são explicados sozinhos, mas trabalham e são entendidos em conjunto. O modelo diz que se um
componente muda, automaticamente mudanças ocorrem em outros componentes.

Por exemplo: se há uma mudança no sistema interno do plano de carreira e dos treinamentos de funcionários, ou seja,
uma mudança na área de Recursos Humanos, essa afetará a cultura organizacional que, por sua vez, afeta o estilo de
gestão da organização e, ainda, a estrutura e os processos da organização.

Hard-s
Os elementos chamados de “hard-s” são facilmente percebidos e identificados dentro de uma organização.

Estratégia (Strategy),
Estrutura (Structure) e
Sistemas (Systems).
Hard-s

Estratégia Ações que a empresa planeja para se adaptar às mudanças do ambiente externo
Base para especialização e coordenação influenciada principalmente pela estratégia, pelo tamanho e
Estrutura
diversidade da organização

Sistemas Procedimentos formais e informais que apoiam a estratégia e a estrutura

Esses elementos podem ser encontrados no planejamento corporativo, nos documentos estratégicos e em outros
projetos organizacionais.[2]

Soft-s
Já os elementos chamados de “soft-s” são mais difíceis de serem percebidos e analisados. Como eles tratam de
capacidades e habilidades, valores e elementos da cultura organizacional, torna-se difícil sua descrição, uma vez que
esses elementos estão em contínua mudança e desenvolvimento. Esses elementos são determinados pelas pessoas que
trabalham e influenciam a organização e, por isso, torna-se muito mais complicado planejar, influenciar e modificar
esses elementos.

Tais elementos são:

Habilidades (Skills),
Pessoas (Staff),
Estilo (Style) e
Valores compartilhados (Shared Values).

Soft-s

Estilo/Cultura Maneira como organização é gerida


Pessoas Processos usados para o desenvolvimento dos funcionários

Habilidades Competências que a organização possui

Valores compartilhados Ideias fundamentais em que a organização foi construída

Embora os elementos “soft” estejam abaixo dos elementos “hard”, eles afetam positivamente os elementos “hard”.

Em processos de mudança, muitas organizações se focam nos elementos hard e acabam se interessando menos pelos
soft-s. No entanto, os autores do modelo acreditam que as empresas de maior sucesso, trabalham duro em cima dos
soft-s. Os elementos soft podem iniciar e finalizar com sucesso os processos de mudança, desde que nas estruturas e
estratégias sejam difíceis de serem construídas ou sejam inapropriadas perante a cultura e os valores da empresa.[3]

Descrição dos Fatores


Para facilitar o entendimento sobre cada um dos componentes do modelo pode-se fazer as seguintes perguntas:

Estrutura: Como a organização planeja e divide seus negócios?


Estratégia: Quais os planos que a organização tem para o desenvolvimento do ambiente externo?
Sistemas: Quais procedimentos formais e informais a empresa tem?
Valores compartilhados: O que é mais importante para a organização?
Habilidades: O que a empresa faz de melhor?
Estilo: Com o que a administração se depara e o que é verdade na sua cultura?
Pessoas: Quem são as pessoas e como elas são tratadas?
Crítica ao Modelo dos 7 S
O modelo dos 7 S é capaz de identificar se uma empresa é eficaz ou não[carece de fontes?]
Capaz de auxiliar uma mudança organizacional[carece de fontes?]
O modelo dos 7 S consegue estabelecer conexões entre elementos tangíveis, como os Hard-s elementos
intangíveis, como os Soft-s[carece de fontes?]

Referências
1. Ethan M. Rasiel & Paul N. Friga "The McKinsey Mind: Understanding and Implementing the Problem-Solving
Tools and Management Techniques of the World's Top Strategic Consulting Firm. "
2. • Waterman, R., Peters, T. and Phillips, J.R. (1980)“Structure Is Not Organisation” Business Horizons, 23, 3 junho.
14-26.
3. • Peters, T. and Waterman. R. (1990) “In Search of Excellence” Harper & Row Pub.: London.

Pacale, R.T. & Athos, A.G. (1986) “The Art of Japanese Management” Penguin
Waterman, R., Peters, T. Vencendo a Crise: como o bom senso empresarial pode superá-la. São Paulo: Editora
Harper & Row do Brasil, 1983.

Obtida de "https://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Modelo_dos_7_S&oldid=48693842"

Esta página foi editada pela última vez às 18h43min de 30 de abril de 2017.

Este texto é disponibilizado nos termos da licença Atribuição-CompartilhaIgual 3.0 Não Adaptada (CC BY-SA 3.0) da
Creative Commons; pode estar sujeito a condições adicionais. Para mais detalhes, consulte as condições de
utilização.