Você está na página 1de 28

MESTRADO EM GESTÃO E ECONOMIA DA SAÚDE

Pós-Graduação em Economia e Gestão de Organizações


de Saúde

Medição da Espiritualidade em Cuidados


Paliativos

Autor: David Ribeiro

Coimbra, 2 de janeiro 2016


MESTRADO EM GESTÃO E ECONOMIA DA SAÚDE
Pós-Graduação em Economia e Gestão de Organizações
de Saúde

Medição da Espiritualidade em Cuidados


Paliativos: Avaliação psicométrica de
instrumentos de medição

Tipo de Trabalho: Revisão Sistemática

Autor: David Ribeiro nº 2015201698

Unidade Curricular: Medição de Resultados em Saúde


Professor Docente: Pedro Lopes Ferreira

Coimbra, 2 de janeiro de 2016


ii
LISTA DE ABREVIATURAS, ACRÓNIMOS E SIGLAS

FACIT-Sp - Functional Assessment of Chronic Illness Therapy-Spiritual Well-Being Scale

JBI - Joanna Briggs Institute

MeSH - Medical Subject Headings

MVQOL - Missoula-VITAS Quality of Life Index

POS - Palliative Care Outcome Scale

SELT-M - Skalen zur Erfassung von Lebensqualitat bei Tumorkranken

SIBS - Spiritual Involvement and Beliefs Scale

VIH - Vírus da Imunodeficiência Humana

iii
RESUMO

Contexto: Atualmente a espiritualidade é reconhecida como uma dimensão de abordagem


fundamental para a qualidade em cuidados paliativos. Através desta os doentes encontram
mecanismos positivos para enfrentar a doença. É neste sentido que a medição eficaz de
instrumentos de avaliação nesta área se torna crucial para a melhoria da qualidade e bem-
estar em fim de vida. Objetivos: Esta revisão sistemática visou analisar as propriedades
psicométricas de instrumentos de medição da espiritualidade em cuidados paliativos assim
como categorizar as diferentes dimensões que cada questionário aborda. Métodos:
Recorreu-se a cinco bases de dados, utilizando a chave de pesquisa “spirituality AND
palliative care AND outcome measures”, incluindo artigos de 2005 a 2015. Foram rastreados
instrumentos validados para populações de cuidados paliativos, indivíduos com VIH e/ou
cancro. Resultados: Dos 54 artigos inicialmente pesquisados, 13 foram rastreados e a partir
desses, 5 instrumentos de medição continham dados apropriados para análise: FACIT-Sp
MVQOLI, POS,SELT-M, SIBS. Como critérios de análise psicométrica foram usados a
fiabilidade (teste-reteste e consistência interna) e validade (conteúdo, critérios e construção).
Discussão: A escala FACIT-Sp foi aquela que apresentou critérios psicométricos mais
consistentes. Os conceitos de espiritualidade abordados nos questionários associados aos
instrumentos enquadravam-se em 6 dimensões principais: Crenças, Práticas e Experiências;
Relações; Recursos Espirituais, Perspetiva da vida; Perspetiva da morte; Indicadores de
bem-estar espiritual.

Palavras-chave: espiritualidade; cuidados paliativos, medição de resultados

iv
ÍNDICE

1.INTRODUÇÃO ................................................................................................................ 7
1.1. ENQUADRAMENTO TEÒRICO ...................................................................... 8
2.METODOLOGIA........................................................................................................... 11
3.RESULTADOS ............................................................................................................... 14
3.1. FUNCTIONAL ASSESSMENT OF CHRONIC ILLNESS THERAPY –
SPIRITUAL WELL-BEING SCALE .......................................................................... 14
3.2. MISSOULA-VITAS QUALITY OF LIFE INDEX .............................................. 15
3.3. PALLIATIVE CARE OUTCOME SCALE .......................................................... 17
3.4.SKALEN ZUR ERFASSUNG VON LEBENSQUALITAT BEI
TUMORKRANKEN .................................................................................................... 18
3.5.SPIRITUAL INVOLVEMENT AND BELIEFS SCALE ..................................... 19
4.DISCUSSÃO ................................................................................................................... 20
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ............................................................................ 22
ANEXOS ............................................................................................................................ 24
ANEXO I- CRITÉRIOS PARA AVALIAÇÃO DAS PROPRIEDADES
PSICOMÉTRICAS ........................................................................................................... 25
ANEXOS II – AVALIAÇÃO PSICOMÉTRICA DOS INSTRUMENTOS ................ 27
ANEXOS III – CATEGORIZAÇÃO DAS DIMENSÕES............................................. 28

v
ÍNDICE DE FIGURAS E TABELAS

Figura 1.Categorização dos Conceitos de Espiritualidade .................................................. 10


Figura 2.Fluxograma do Estudo .......................................................................................... 12

Tabela 1. Critérios de Validade ........................................................................................... 25


Tabela 2. Critérios de Fidelidade ......................................................................................... 26
Tabela 3. Avaliação Psicométrica ....................................................................................... 27
Tabela 4. Categorização das Dimensões ............................................................................. 28

vi
1.INTRODUÇÃO

O presente trabalho encontra-se inserido no âmbito da unidade curricular de Medição

de Resultados em Saúde, integrado no plano curricular do 1º semestre do 1º ano dos

cursos de Mestrado em Gestão e Economia da Saúde e Pós-Graduação em Economia

e Gestão em Organizações de Saúde da Faculdade de Economia da Universidade de

Coimbra.

Foi definido como tema do trabalho “Medição da Espiritualidade em Cuidados

Paliativos”. Determinou-se como forma de desenho metodológico adotar as

caraterísticas de elaboração de uma revisão sistemática. Através desta forma é

possível: identificar os estudos sobre o tema em questão; levantar questões que o

revisor quer responder; aplicar métodos explícitos e sistematizados de pesquisa,

incluindo bases de dados, palavras-chave, datas e idiomas; avaliar a qualidade e

validade dos estudos; sintetizar os achados bibliográficos incluindo uma crítica

metodológica para os artigos incluídos; explicitar de que forma os resultados

contribuem para incrementar a evidência científica. (Webb, 2009)

Assim esta revisão visa responder às seguintes questões: “Os instrumentos de

avaliação encontrados apresentam dados de fiabilidade e validade que demonstram a

sua qualidade?”; “Que dimensões específicas avaliam cada instrumento de avaliação?”

Este trabalho encontra-se divido em 5 partes principais. Na primeira parte em modos

de apresentação é feita uma descrição estrutural e metodológica do trabalho. Aborda

ainda de uma forma sumária a justificação da relevância do tema bem como o

enquadramento teórico do mesmo.

7
No capítulo “Métodos” é identificado o protocolo de pesquisa utilizado, ou seja, são

descritos os critérios de pesquisa bibliográfica, como os revisores utilizados, bases de

dados assim como os critérios de inclusão e exclusão. Estão também expostos os

critérios que serviram de base para avaliar os instrumentos e como foram categorizadas

as diferentes dimensões encontradas.

Seguindo-se o capítulo “Resultados” são apresentados os resultados da pesquisa e

análise dos mesmos no que concerne à sua qualidade. É ainda apresentada em forma

de tabela a distribuição das dimensões avaliadas por cada instrumento por dimensão.

Por último na “Discussão” são reportados os achados principais deste estudo e feita a

análise das limitações encontradas assim como apresentadas propostas para futuras

investigações.

1.1.ENQUADRAMENTO TEÒRICO

A palavra espiritualidade deriva da palavra espírito que consiste na força devida, na

essência e energia de cada pessoa. É a força que confere ao indivíduo a capacidade de

transcender as leis naturais e ordens de vida. O espírito orienta e motiva os indivíduos

na procura de sentido e significado, expressando-se em todos os aspetos e experiências

da vida, especialmente em momentos de crise e necessidade. (McSherry, 2006 apud

Martins, 2015: 90)

Assim como a dimensão física, psicológica e social, também a espiritualidade constitui

uma das dimensões do Homem, sendo uma das suas caraterísticas mais sublimes.

(Neto, 2010 apud Pinto, 2011:18) A espiritualidade é a dimensão da vida que faz cada

pessoa um ser único e singular, uma dimensão universal. Esta encontra-se presente na

vida de todos e é através dela que surgem sentimentos como o amor, a fé, a esperança

e a confiança. (McSherry, 2006 apud Martins, 2015:90)

8
A espiritualidade compreende a inclusão de questões existenciais relacionadas com o

sentido e prepósito da vida subjacente à experiência de doença avançada. A

espiritualidade tem sido identificada como uma preocupação importante para utentes

com doenças progressivas e incuráveis. Estudos sugerem que muitas pessoas

gostariam de abordar as suas crenças com os seus médicos. (Selman et al, 2011)

O objetivo dos cuidados paliativos é providenciar a melhor qualidade de vida possível

tanto para as pessoas em fase final de vida como para os seus familiares. Trata-se de

uma abordagem holística de cuidado e tem em conta as necessidades emocionais,

psicológicas e espirituais assim como as físicas. (WHO, n/d)

O cuidado espiritual surge assim como requisito fundamental para a qualidade em

cuidados paliativos e as dimensões espirituais e existenciais deverão ser avaliadas de

forma sistemática com base na evidência disponível. (National Consensus Project for

Quality Palliative Care, 2013)

Estudos clínicos encontraram uma relação entre a espiritualidade e saúde como uma

fonte importante para muitos doentes desenvolverem mecanismos de coping com a

doença e como uma componente importante para a qualidade de vida, especialmente

para aqueles que se encontram em fase terminal. Contudo alguns aspetos têm sido

negativamente associados com os resultados em saúde. Como por exemplo, baixa

espiritualidade está associada com uma maior taxa de mortalidade, mais depressão,

sem esperança e desejo de morte. (Selman et al, 2013)

A espiritualidade demarca ainda efeitos positivos nos mecanismos de coping que

ajudam a pessoa em fase terminal na diminuição da ansiedade, depressão, isolamento

e aumentaram os efeitos de otimismo, satisfação com a vida, libertação do

arrependimento e sensação de paz interior. (National Cancer Institute, n/d)

9
Com o objetivo de categorizar os conceitos usados para medir espiritualidade em

cuidados paliativos Selman et al (2001) realizaram uma revisão sistemática e através

da análise de trinta e oito instrumentos categorizaram os mesmos em seis conceitos

principais como se encontra esquematizado na fig.1 :

1.Crenças,
práticas e
experiências. Ex:
Fé em Deus;

6.Indicadores de
bem estar 2.Relações.
espíritual Ex: Conexão com
Ex:Sentidmento outros
de paz com Deus

Invidívuo

5.Perspetiva da 3.Recursos
morte. Espirituais.
Ex:Medo da Ex:Procura para o
morte sentido de vida

4. Perspetiva da
vida.
Ex:Positiva
perspetiva sobre a
vida, futuro.

Figura 1.Categorização dos Conceitos de Espiritualidade

10
2.METODOLOGIA

Desenho metodológico. Para planear este trabalho seguiu-se o protocolo geral para

revisões sistemáticas baseado no Manual de Revisores da Joanna Briggs Institute

(JBI), adaptado às especificidades deste mesmo por se tratar de um estudo de análise

e comparação de instrumentos de avaliação.

Segundo o descrito no Manual de Revisores da JBI:

“Um protocolo de uma revisão sistemática é importante pois pré define os


objetivos e métodos da revisão sistemática. […] O protocolo detalha os
critérios que os revisores irão usar para incluir e excluir estudos, identificar que
dados são importantes e como irão ser extraídos e sintetizados.” (JBI, 2011:
13)

Fontes de informação: Foram 5 as bases de dados utilizadas para providenciar os

instrumentos de avaliação: MEDLINE/Pubmed, CINAHL, PsycINFO, LILACS e

SciELO. Recorreu-se a outras fontes de informação como a procura manual dos artigos

originais que validavam os instrumentos de análise, artigos de revisão relevantes,

através do motor de busca Google, revistas e livros especializadas na área de cuidados

paliativos e espiritualidade.

Estratégia de pesquisa: As palavras-chave utilizadas na pesquisa estavam de acordo

com os descritores MeSH. Desta forma foi realizada uma única combinação dos

termos: “spirituality (espiritualidade) AND palliative care (cuidados paliativos) AND

outcome measures” (medidas de resultado) ”. Pode-se observar na Tabela 1 que foram

identificados nesta pesquisa um total de 54 artigos dos quais 13 foram rastreados, com

um resultado final de 5 artigos originais de validação dos instrumentos para a

população em análise.

Critérios de Inclusão/exclusão: Aceitaram apenas artigos publicados entre os anos de

2005 e 2015 nos idiomas de português e inglês. Considerou-se como artigos de

11
inclusão, estudos originais que estudaram a espiritualidade nas pessoas com Vírus da

Imunodeficiência Humana (VIH), cancro e/ou a receber cuidados paliativos. Integrou-

se estudos quantitativos ou estudos de validação de escalas de avaliação de

espiritualidade em cuidados paliativos. Estudos qualitativos foram excluídos assim

como estudos que avaliavam a espiritualidade dos familiares ou profissionais de saúde.

54 Referências encontradas através de pesquisa em


bases de dados

Excluídas 9
referências excluídas
por repetição
45 Referências identificadas após remoção de
referências repetidas
Excluídas 32 referências por:
Assunto: 16
Revisão: 8
Qualitativos: 2
13 Referências identificadas após leitura de título e População: 4
resumo Opinião: 2

Rastreados 8 artigos com Excluídos 3 – Sem


escalas originais avaliação de dados/ não
referenciadas. disponíveis

5 Referências elegíveis para análise

Figura 2.Fluxograma do Estudo

12
Avaliação das propriedades psicométricas: Foram alvo de análise neste trabalho as

seguintes escalas de avaliação da espiritualidade em cuidados à pessoa em cuidados

paliativos: Functional Assessment of Chronic Illness Therapy – Spiritual Well-Being

Scale (FACIT-Sp), Missoula-VITAS Quality of Life Index (MVQOL), Palliative Care

Outcome Scale (POS), Skalen zur Erfassung von Lebensqualitat bei Tumorkranken

(SELT-M), Spiritual Involvemente and Beliefs Scale, (SIBS).

As propriedades psicométricas foram avaliados em duas categorias principais,

fiabilidade e validade. Os métodos de avaliação da fiabilidade foram o teste-reteste e

a consistência interna. Da validade foram a validade de conteúdo, critérios e

construção. Os Quadro 1 e 2 (Anexo 1) foram elaborados segundo o cruzamento de

informação de Terwee et al (2007) e Almeida & Freire (2007) e faz a caraterização

destas propriedades bem como os critérios utilizados.

Categorização das dimensões: Após análise dos questionários associados às escalas

supra mencionadas procedeu-se à categorização dos conceitos usados para medir a

espiritualidade. Este teve como base as seis categorias descritas por Selman et al:

Crenças, práticas e experiências; Relações; Recursos Espirituais, Perspetiva da vida;

Perspetiva da morte; Indicadores de bem-estar espiritual.

13
3.RESULTADOS

Usou-se como indicadores de qualidade dos instrumentos de medida as provas de

fiabilidade e validade.

Acerca da fiabilidade, Almeida e Freire referem:

A fiabilidade dos resultados numa prova refere-nos algo sobre o grau de


confiança ou exatidão que podemos ter na informação obtida. Os métodos de
cálculo de fidelidade dos resultados assentam em coeficientes de correlação de
resultados. Estes podem subdividir-se consoante está em causa uma análise
assente na estabilidade ou uma análise assente na consistência. (Almeida e
Freira, 2007: 177)

Os mesmos autores em relação à validade aludem:

A validade de uma medida tem a ver com a sua congruência, desta forma o
termo significa em primeira instância significa, de que forma os resultados no
teste estão a medir os resultados aquilo que pretende medir. Em segundo lugar,
o termo significa o conhecimento que possuímos daquilo que o teste está a
medir. Os três tipos de validade mais frequentes são: validade de conteúdo,
validade por referência a um critério e validade de constructo ou conceito.
(Almeida e Freira, 2007:177)

As seguintes escalas foram analisadas segundo as suas propriedades psicométricas e

resumidos na tabela 3 (Anexo 2). Na tabela 4 (Anexo 3) encontram-se categorizadas

as dimensões que cada questionário avalia.

3.1. FUNCTIONAL ASSESSMENT OF CHRONIC ILLNESS THERAPY –

SPIRITUAL WELL-BEING SCALE

Peterman et al (2002) acerca da FACIT-Sp reportam que:

Esta foi desenvolvida no sentido de testar e medir o bem-estar espiritual em duas

amostras de pacientes de cancro. Este instrumento contempla duas subescalas, uma

que mede o sentido e paz e a outra avalia o papel da fé na doença. A amostra deste

estudo conteve 1617 indivíduos, 53% do sexo feminino e 47% masculinos com média

de idades de 54,6 anos. A maioria (83,1%) dos utentes tinha cancro.


14
Fiabilidade: Sem informação acerca do teste-reteste. A consistência interna do total

da escala e das duas subescalas foi bastante bom com o alpha de Cronbach a variar

entre 0,81 e 0,88.

Validade: A validade de conteúdo foi descrita como a sua construção partiu de utentes

com cancro, psicoterapeutas e especialistas em religião/espiritualidade abordados no

sentido de descrever aspetos relacionados com a espiritualidade e o modo como esta

afeta a qualidade de vida. As respostas deram ênfase ao sentido da vida, harmonia,

pacificidade, sentido de força e conforto da fé individual. Os itens incluídos na escala

foram retirados das entrevista da FACT-G e consequentemente validadas por 200

utentes e em entrevista com muitos capelões hospitalares. A validade de critério

examinado segundo convergência com cinco outras medidas de religião e

espiritualidade numa amostra com indivíduos de diferentes estádios de doença

neoplásica. A validade de construção demonstrou uma forte correlação entre o total da

escala e da subescala da FACIT-Sp e a qualidade de vida medida pela FACT-G.

3.2. MISSOULA-VITAS QUALITY OF LIFE INDEX

Segundo Byock e Merriman (1998):

A MVQOLI é uma ferramenta única desenhada especificamente para medir a

qualidade de vida dos clínicos e dos utentes, em fase avançada de doença, em cuidados

paliativos. Surgiu de uma revisão de literatura e entrevistas informais de profissionais

em unidades clínicas, utentes e familiares de modo a determinar as dimensões

estudadas. É composta por 25 itens e baseada num modelo para entender a experiência

no fim de vida. Este instrumento foca-se em 5 dimensões de experiência subjetiva:

sintomas, estado funcional, relações interpessoais, bem-estar emocional, e

transcendência. Foi testada em 257 utentes, de 10 hospícios, que tinham doenças

15
incuráveis com previsão de sobrevivência de seis meses ou menos. Em termos de

informação demográfica foram avaliados 165 pacientes representados por um

intervalo de idades de 29 a 91 anos, baixa representação racial/cultural (92%

Caucasianos), diagnósticos de cancro (68%), estado final de doença pulmonar (11%)

e estado final de doença cardíaca (8%).

Fiabilidade: O teste-reteste não foi avaliada por dois motivos, “possibilidade de

completar a MVQOLI por si só poderia ter efeito na qualidade de vida (…), e em

segundo porque não seria prático implementar um protocolo de teste-reteste em

contexto dos recursos usados e o curto período de estadia de alguns dos sujeitos”. Foi

calculada a consistência interna que originou um alpha de Cronbach de 0,77.

Validade: A validade do conteúdo foi analisada com base numa revisão do

instrumento pelos profissionais da clínica. Quando 14 deles foram questionados,

durante o desenvolvimento da MVQOLI para atribuir os itens aleatoriamente dispostos

a uma das 5 dimensões avaliadas. Os itens foram corretamente atribuídos por 77% das

vezes, indicando que estes podem ser classificados de forma fiável à sua dimensão. A

Validade de critérios surge da comparação com a MQOLS-CA2 que apresentou um

coeficiente de correlação de 0,63. A validade de construção foi examinada através da

correlação da MVQOL com construções convergentes e divergentes. Na análise de

convergência da MVQOLI o total do score obtido foi comparado com os itens globais

da QOL apresentando um coeficiente de correlação de Pearson de 0,43. Por outro lado

a análise de correlação entre os resultados da MVQOL e da KPS, uma medida de

observação funcional, indicou que as duas escalas eram divergentes apresentando um

coeficiente de 0,19.

16
3.3. PALLIATIVE CARE OUTCOME SCALE

Hearn e Higginson (1999) referem que:

Escala desenvolvida para avaliar os pacientes em estado avançado de cancro e as suas

famílias de modo a medir mais do que os sintomas físicos ou a qualidade de vida. Foi

criada através de uma revisão das medidas apropriadas para o uso em cuidados

paliativos em conjunto com um projeto multidisciplinar composto por um grupo

consultivo de especialista em cuidados paliativos. Foram incluídas na escala,

perguntas que medissem aspetos, físicos, psicológicos ou espirituais. Dos 262

pacientes elegíveis para participar, 148 completaram o questionário de um total de 8

centros de Inglaterra e Escócia com as funções de cuidados paliativos, ambulatórios,

lares e cuidados primários.

Fiabilidade: No teste-reteste foram incluídos 34 pacientes e na avaliação dos itens: 3

itens apresentaram kappa ponderado com baixo valor: dor (k=0,29), outros sintomas

(k=0,10), relações pessoais (k=-0,08). No entanto o acordo de proporção dentro de

uma pontuação entre as avaliações para os itens do questionário foi muito boa, a partir

de 0,74 até 1. Na consistência interna o coeficiente de correlação foi de 0,65 (n=128).

Validade: Validade de conteúdo: O staff que validou o estudo reportou que este

instrumento de medição foi útil para medir alguns resultados básicos nos cuidados

paliativos, abrangendo mais do que os fatores físicos este também aborda a própria

experiência dos utentes. Aqueles que nunca tinham respondido a um inquérito de

medição sentiram que lhe foi dado a oportunidade, para introduzir e discutir as suas

maiores dificuldades existenciais nos domínios sociais. Foram levantados alguns

problemas na questão se a “vida merecia ser vivida”. Validade de construção: Vinte e

nove pacientes completaram os questionários da POS e EORTCQLQ-C30. O Grau de

17
correlação foi de 0,43 a 0,80. Validade de Critérios: Não existiram critérios “gold”

para comparação.

3.4.SKALEN ZUR ERFASSUNG VON LEBENSQUALITAT BEI

TUMORKRANKEN

Wegberg et al (1998) citam:

O questionário SELT, acerca da qualidade de vida com uma série de subescalas acerca

da perceção subjetiva de fatores físicos, psicológicos e bem-estar social assim como

questões gerais de orientação na vida foi modificado de modo a incluir qualidade de

vida espiritual e excluir aspetos como os fatores físicos. Desta forma foram

desenvolvidos por dois médicos de medicina antroposófica. Assim, oito itens de

espiritualidade e qualidade de vida cognitiva foram adicionados à SELT. Estes temas

abordam assuntos como o significado de doença para o indivíduo, o encontrar calma e

compostura perante a doença, e pensamentos acerca da morte e do ato de morrer.

Foram investigados 89 pacientes com cancro da mama avançado e cancro

gastrointestinal de duas clínicas distintas.

Fiabilidade: Sem informação acerca do teste-reteste. Na consistência interna o alpha

de Cronbach foi ≥0,7 para todas as subescalas exceto a subescala de suporte social

(0,36).

Validade: Sem informação acerca da validade de conteúdo. Na validade de critérios e

de acordo com as expectativas existiu associação entre a qualidade de vida espiritual

com a subescala EORTC QLQC30: emocional (Spearman r = 0.61), função física (r =

-0.54) e fadiga (r = -0.75). Quanto à validade de construção As respostas auto

avaliativas acerca da qualidade de vida espiritual no instrumento SELT-M

corresponderam de forma positiva com a avaliação obtida por entrevista (P=0,0023)

18
3.5.SPIRITUAL INVOLVEMENT AND BELIEFS SCALE

Segundo Mystakidou et al (2007) a SIBS:

Foi desenhada para ser largamente aplicada em diversas tradições religiosas, para

avaliar ações assim como as crenças que permitam abordar componentes não avaliadas

noutras medidas disponíveis. Os autores referem que ao utilizar “referências

genéricas” este não demonstra uma conotação religiosa específica o que oferece uma

abordagem mais vasta em relação a outras escalas. Este contém 26 itens num formato

Likert modificado. A validação desta escala para utentes com cancro avançado

decorreu em unidades de cuidados paliativos em Atenas, Grécia. A amostra final

incluiu 82 utentes de média de idades de 63, 3 anos, 57,3% do sexo masculino e 42,7

do feminino. Diagnósticos dos utentes em estudo foram cancro gastrointestinal

(32,9%), do pulmão (17,1%), urogenital (28,0%), mama (15,9%) e outros (6,1%).

Fidelidade: O teste-reteste decorreu com a aplicação do questionário em duas ocasiões

com um intervalo de 3 dias, demonstrando um coeficiente de 0,92. A avaliação da

consistência interna originou um alpha de Cronbach de 0,89.

Validade: Relativamente à validade de conteúdo não havia descrição clara dos

métodos utilizados. Satisfatória validade de construção foi suportada entre as

subescalas SIBS e as de Hospital Anxiety and Depression pois a comparação entre os

itens da subsescala foi de baixo a moderado. Ou seja, pacientes com elevados níveis

de espiritualidade estavam menos predispostos a ansiedade e depressão. A validade de

critérios revelou um coeficiente de 0,80.

19
4.DISCUSSÃO

Esta revisão sistemática visou, em primeira instância, identificar e analisar as

propriedades psicométricas dos instrumentos de medição da espiritualidade validados

para as populações de indivíduos em cuidados paliativos e doentes com cancro ou VIH.

Desta forma após aplicado o protocolo de pesquisa, serviram de base para este estudo

cinco instrumentos originais: FACIT-Sp MVQOLI, POS,SELT-M, SIBS.

Apresentando um estudo mais alargado em termos de amostra (n=1617) e um desenho

metodológico rigoroso utilizado para validar este instrumento, é a escala FACIT-Sp

que demonstra propriedades psicométricas mais consistentes. Esta apresenta bons

indicadores de consistência interna, validade conteúdo, critério e construção. Porém, e

à semelhança com a maioria dos instrumentos analisados, esta não apresentava

informação acerca do teste-reteste como forma de avaliar a fiabilidade.

A partir deste facto pode-se desde já ponderar sobre a utilização do teste-reteste em

validações de instrumentos quando amostragem de indivíduos tem caraterísticas

particulares como as que cobriram este estudo. Estas dizem respeito a uma população

de doentes que sofrem de doenças terminais a que estão associados estados de bem-

estar e qualidade de vida inconstantes e onde o prognóstico de fim de vida é reduzido.

O único instrumento onde foi descrita a realização do teste-reteste foi na SIBS, com a

particularidade de o espaço entre a primeira e a segunda aplicação do questionário ser

apenas de três dias.

A SIBS demonstrou também, à exceção da validade de conteúdos, positivas avaliações

psicométricas. Porém este instrumento foi validado numa amostra bem menor (n=82)

quando comparada com a FACIT-Sp.

20
O instrumento de medição que segundo os critérios deste trabalho, demonstrou menos

solidez psicométrica foi a POS, apresentando aspetos negativos na aplicação do teste-

reteste, consistência interna, e validade de critérios.

Todos os conceitos identificados como base para avaliar a espiritualidade nos

diferentes instrumentos enquadraram-se nas dimensões gerais atribuídas por Selman:

Crenças, Práticas e Experiências; Relações; Recursos Espirituais, Perspetiva da vida;

Perspetiva da morte; Indicadores de Bem-estar Espiritual.

Assim identificou-se que o instrumento que mais conceitos avalia em quantidade e não

descriminando as dimensões foi a MVQOLI, abordando 12 conceitos de

espiritualidade seguindo-se a SIBS com 10 conceitos. Por outro lado as escalas que

menos conceitos avaliaram foram a POS, com 4 e a FACIT-Sp com 5. É ainda de

maior importância referir que apenas a SELT-M abrangeu no seu questionário as 6

dimensões categorizadas.

O presente estudo encontrou algumas limitações, impostas em primeiro lugar pelo

próprio protocolo de pesquisa e os seus critérios de inclusão e exclusão, mas também

pelo facto de este analisar apenas os artigos originais de validação das escalas para a

população de cuidados paliativos.

Seria interessante para futuras pesquisas incluir as validações posteriores, assim como

as traduções para os diferentes idiomas/culturas e denotar como seriam os

comportamentos dos resultados psicométricos com diferentes amostragens tanto em

quantidade como nas caraterísticas próprias de cada população.

21
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Byock, Ira; Merriman, Melanie (1998) “Measuring quality of life for patients with
terminal illness: the Missoula-VITAS quality of life index” Palliative Medicine. 12,
231-244

Hearn, Julie; Higginson, Irene (1999) “Development and validation of a core outcome
measure for palliative care: the palliative care outcome scale” Quality in Health Care.
8, 219-227

Joanna Briggs Institute (2011) Reviewers Manual. Austrália.

Martins, Andreia et al. (2015) “Tradução e adaptação Spirituality and Spiritual Care
Rating Scale em enfermeiros portugueses de cuidados paliativos” Revista de
Enfermagem Referência. Série IV-nº4, 89-97

Mystakidou, Kyriaki et al (2007) “Assessing Spirituality and Religiusness in


Advanced Cancer Patients” American Journal of Hospice & Pallitative Medicine.
23(6) 457-463

National Consensus Project (2013) Clinical Practice Guidelines for Quality Palliative
Care” 3ªedição.

NIH: National Cancer Institute “Spirituality in Cancer Care (PDQ)”


http://www.cancer.gov/about-cancer/coping/day-to-day/faith-and-
spirituality/spirituality-pdq#section/_12 (2 de dezembro de 2015)

Peterman, Amy H. et al (2002) “Measuring Spiritual Well-Being in People With


Cancer: The Functional Assessment of Chronic Illness Therapy – Spiritual Well-Being
Scale (FACIT-Sp)” Society of Behavioral Medicine. 24(1), 49-58

Pinto, Sara (2011) “A espiritualidade e a esperança da pessoa com doença oncológica”.


Faculdade de Medicina da Universidade do Porto. Porto

Selman, Lucy et al (2011) “A Psychometric Evaluation of Measures of Spirituality


Validated in Culturally Diverse Palliative Care Populations”. Journal of Pain ad
Symptom Management. 42(4), 604-622

22
Terwee, Caroline B. et al. (2007) “Quality Criteria were proposed for measurement
properties of health status questionnaires”. Journal of Clinical Epidemiology. 60, 34-
42

Webb, Christine (2009) Writing for publication. Blackwell Publishing Ltd

Wegberg, B. et al (1998) “The cognitive-spiritual dimension – an important addition


to the assessment of quality of life: Validation of a questionnaire (SELT-M) in patients
with advanced cancer” Annals of Oncology. 9, 1091-1096

WHO: Worl Health Organization “Cancer – WHO Definition of Palliative Care”


http://www.who.int/cancer/palliative/definition/en/ (2 de dezembro de 2015)

23
ANEXOS

24
ANEXO I- CRITÉRIOS PARA AVALIAÇÃO DAS
PROPRIEDADES PSICOMÉTRICAS

Validade

Propriedade Definição Critério de Qualidade

+ Descrição clara do instrumento de


medicação, procedimentos de
amostragem, conceitos que estão a ser
Grau de adequação dos itens em
medidos
Conteúdo relação à dimensão do
- Falta de informação acima
comportamento avaliada pela prova
mencionada.
0 Sem informação / Desenho
metodológico duvidoso
+ Argumento convincente de que
existiu um padrão de “ouro” referencia
OU Correlação com esse padrão ≥ 0,
Relação entre os resultados do
Critérios 70
questionário e valores de referência
- Correlação com padrão ≤0,70
0 Argumento não convincente / Sem
informação disponível
+ Hipóteses especificas estão
formuladas E pelo menos 75% dos
Demonstração de que existe uma
resultados estão de acordo com as
interpretação para a proposta de
hipóteses
Construção valores do instrumento de medição
- Menos de 75% dos resultados estão
baseada em implicações teóricas
de acordo com as hipóteses
derivadas de hipóteses.
0 Método duvidoso / sem informação
sobre validade.
Tabela 1. Critérios de Validade

25
Fiabilidade

Propriedade Método Definição Estatística Critérios


+ Coeficiente de
correlação / Kappa
Coeficiente ponderado ≥0,70
Prova é passada mais Correlação de
que uma vez aos Pearson - Coeficiente de
mesmos sujeitos e correlação / Kappa
Estabilidade Teste-reteste
correlacionam-se os Kappa ponderado ≤ 0,70
resultados obtidos Ponderado
nas duas aplicações
0 Duvidoso desenho
metodológico / sem
informação sobre fator
+ Alpha Cronbach ≥ 0,
70 para mais de 50%
das dimensões
Grau de
reportadas
uniformidade ou Alpha de
coerência existente Cronbach
Consistência - Alpha de Cronbach ≤
Consistência entre as respostas
interna 0,70 para mais d das
dos sujeitos a cada Kuder-
dimensões reportadas
um dos itens que Richardson
compõem a prova
0 Duvidoso desenho
metodológico / sem
informação sobre fator
Tabela 2. Critérios de Fidelidade

26
ANEXOS II – AVALIAÇÃO PSICOMÉTRICA DOS INSTRUMENTOS

Teste- Consistência Validade de Validade de Validade de


Instrumento
reteste Interna conteúdos critérios Construção

FACIT 0 + + + +

MVQOLI 0 + + - +

POS - - + - +

SELT-M 0 + 0 - +

SIBS + + 0 + +

Tabela 3. Avaliação Psicométrica

27
ANEXOS III – CATEGORIZAÇÃO DAS DIMENSÕES

FACIT- MVQO SELT-


Dimensão Conceito POS SIBS
Sp LI M
Fé em Deus ✔
1. Crenças, Influência das crenças na saúde ✔ ✔ ✔
práticas e Conforto com as crenças ✔
experiência Práticas espirituais como
rezar/meditar ✔
Conexão com os outros ✔ ✔ ✔ ✔
Conexão com Deus/espírito/ ser
sobrenatural ✔
2.Relações Conexão com a vida/mundo ✔
Sentimento de suporte ✔
Perdoar ✔
Significado/ Procura de significado ✔
3.Recursos ✔
Espirituais Propósito ✔
Força Interior das crenças ✔ ✔
Positiva/Negativa perspetiva sobre a
vida ✔ ✔ ✔
4.Perspetiva da Valor da Vida ✔ ✔
vida/próprio
Retrospetiva da vida ✔
Autovalorizarão ✔ ✔
Medo da morte ✔
5.Perspetiva sobre a Confronto com pensamentos de
alguém morrer/ morte ✔ ✔
morte
Preparação para morrer ✔
Sentir-se em paz ✔ ✔ ✔ ✔
Sentir-se que detém o controlo ✔ ✔
6.Indicadores de Esperança ✔
bem-estar espiritual
Arrependimento ✔
Solidão ✔
Raiva ✔
Tabela 4. Categorização das Dimensões

28