Você está na página 1de 42

Sumário

CAPÍTULO 1...............................................................................................3
1. INICIAÇÃO À TEORIA MUSICAL .................................................... 4
1.1. TOM E SEMITOM ........................................................................... 4
1.2. ACIDENTES ..................................................................................... 4
(SUSTENIDOS E BEMÓIS) ................................................................... 4
2. INTERVALOS ........................................................................................ 5
3. ESCALA CROMÁTICA ........................................................................ 7
4. Tipologia dos Intervalos ......................................................................... 8
4.1. Maiores e Menores ............................................................................ 8
4.2. Justos Aumentados e Diminutos ...................................................... 8
4.3. Classificação de Intervalos simples a partir da nota Dó ............. 10
4.4. Inversão de Intervalos .................................................................... 11
CAPÍTULO 2.............................................................................................13
1. Escalas e seus Campos Harmônicos .................................................... 14
1.1. Escala Maior .................................................................................... 14
1.1.1. Dicas de memorização das Escalas Maiores: ......................... 15
1.2. Exercícios Escalas Maiores ............................................................ 16
1.2.1. Tabela das Escalas Maiores Naturais ..................................... 17
1.2.2. Tabela de Escalas Sustenidos Maiores .................................... 18
1.2.3. Tabela de Escalas Bemóis Maiores ......................................... 19
CAPÍTULO 3............................................................................................ 20
1. Campo Harmônico da Escala Maior ................................................... 21
(Acordes da Escala) ................................................................................... 21
1.1.Montagem de Acordes ..................................................................... 21
1. 2. Acordes Maiores ............................................................................. 22
1. 3. Acordes Menores ............................................................................ 23
1.4. Montagem de Acordes por Tríades ............................................... 24
2. Exercícios Campo Harmônico Maior .................................................. 25
2.1. Campo Harmônico de C ................................................................. 25
1
2.2. Campo Harmônico de C# ............................................................... 26
2.3. Campo Harmônico de Db ............................................................... 27
2.4. Campo Harmônico de D ................................................................. 28
2.5. Campo Harmônico de D# ............................................................... 29
2.6. Campo Harmônico de Eb ............................................................... 30
2.7. Campo Harmônico de E ................................................................. 31
2.8. Campo Harmônico de F ................................................................. 32
2.9. Campo Harmônico de F# ............................................................... 33
2.10. Campo Harmônico de Gb ............................................................ 34
2.11. Campo Harmônico de G ............................................................... 35
2.12. Campo Harmônico de G# ............................................................. 36
2.13. Campo Harmônico de Ab ............................................................. 37
2.14. Campo Harmônico de A ............................................................... 38
2.15. Campo Harmônico de A# ............................................................. 39
2.16. Campo Harmônico de Bb ............................................................. 40
2.17. Campo Harmônico de B ............................................................... 41

2
3
1. INICIAÇÃO À TEORIA MUSICAL

As notas musicais são organizadas em uma escala de sete notas:

Dó Ré Mi Fá Sol Lá Si

As notas são representadas nas cifras da seguinte forma:

Dó Ré Mi Fá Sol Lá Si
C D E F G A B

Esta escala de 7 notas é chamada de escala natural.

1.1. TOM E SEMITOM

Um semitom ou meio tom (1/2) é a menor distância que existe entre


duas notas musicais. Sendo assim a soma de dois semitons resulta em um
tom inteiro, a soma de três semitons corresponde a um tom e meio e assim
por diante.

1.2. ACIDENTES
(SUSTENIDOS E BEMÓIS)

Existem algumas notas intermediárias que ficam entre as notas da


escala natural, para dar nome a essas notas vamos usar dois acidentes: o
sustenido #, e o bemol b.
Dessa forma a sequência das notas da escala natural juntamente com
as notas intermediárias:

C C# D D# E F F# G G# A A# B

4
Em apenas dois pontos da escala não temos as notas intermediárias:
depois do Si, e depois do Mi, ou seja, a distância do Mi para o Fá e do Si
para o Dó é de apenas meio tom ou um semitom.
Essa escala de 12 notas é chamada de escala cromática. Nesta escala
as notas intermediárias recebem o acidente de sustenido que é #, que por sua
vez aumenta a altura da nota em meio tom.
Exemplo: temos a nota Dó, se acrescentarmos meio tom a frente teremos
Dó#.
O bemol abaixa a altura da nota em meio tom.
Exemplo: Temos a nota Ré, se voltarmos meio tom a nota Ré será abaixada,
logo teremos Réb. O Réb tem a mesma sensação sonora de Dó#.

Dó Dó# Ré

Ré Réb Dó

2. INTERVALOS

Intervalo musical é simplesmente a distância mínima e máxima das


notas musicais, sendo elas organizadas em uma sequência de sete notas:

Dó Ré Mi Fá Sol Lá Si
1 2 3 4 5 6 7

Entre Dó e Ré = Intervalo de 2ª.


Entre Dó e Mi = Intervalo de 3ª.
Entre Dó e Fá = Intervalo de 4ª.
Entre Dó e Sol = Intervalo de 5ª.
Entre Dó e Lá = Intervalo de 6ª.

5
Entre Dó e Si = Intervalo de 7ª.
As notas musicais se espalham em várias regiões do som, do mais
grave ao mais agudo. Assim depois da nota Si, temos novamente a nota Dó,
iniciando a mesma sequência na região um pouco mais aguda. E antes da
nota Dó temos também a Si na região mais grave. Através destes conceitos
podemos dizer que entre a nota Dó e a nota Dó mais aguda, temos o intervalo
de uma oitava (8ª).
Exemplo:

Dó Ré Mi Fá Sol Lá Si Dó Ré Mi Fá Sol Lá Si
1ª 2ª 3ª 4ª 5ª 6ª 7ª 8ª 9ª 10ª 11ª 12ª 13ª 14ª
INTERVALOS SIMPLES INTERVALOS COMPOSTOS

Entre o Dó (1ª) e o Ré (9ª), que se encontra acima da primeira escala


tem-se o intervalo de nona, que é uma oitava acima da 2ª, e assim por diante.
Assim temos os intervalos compostos que ultrapassam o limite de uma oitava
(8ª).
Os intervalos compostos mais importantes são eles a 9ª, 11ª e 13ª.
Observação:
O intervalo de 9ª é a oitava da 2ª
O intervalo de 11ª é a oitava da 4ª
O intervalo de 13ª é a oitava da 6ª

Dó Ré Mi Fá Sol Lá Si Dó Ré Mi Fá Sol Lá Si
1ª 2ª 3ª 4ª 5ª 6ª 7ª 8ª 9ª 10ª 11ª 12ª 13ª 14ª
INTERVALOS SIMPLES INTERVALOS COMPOSTOS

Os intervalos compostos são usados constantemente como notas


acrescentadas aos acordes para gerar tensão. Já os intervalos simples são
comuns.

6
3. ESCALA CROMÁTICA

A escala de sete notas também é conhecida como como Escala Natural


ou Escala Diatônica, porém temos também outra escala que é formada por
todas as notas existentes dentro de uma oitava, chamamos esta escala de
Escala Cromática:

A Escala Cromática tem a visualização melhor se analisada de um


teclado ou piano, pois neste tipo de instrumento as notas estão dispostas
exatamente na ordem em que são determinadas pelo nome de cada nota.
Exemplo:

Na Escala Natural existem apenas duas notas separadas por um


semitom da sua nota vizinha, são elas o Mi e o Si, ou seja, entre Mi e Fá, Si
e Dó não existe uma nota intermediária.
Conclui-se que dentro do intervalo de uma oitava existem doze notas,
as setes notas da Escala Natural e as cinco intermediárias.

7
4. Tipologia dos Intervalos
4.1. Maiores e Menores

Devido a possibilidade de alterar as notas da Escala Natural, teremos


também uma variação nos tipos de intervalos resultantes destas alterações.
Exemplos: O intervalo de segunda pode ser uma segunda maior ou
menor. Entre as notas Dó e Ré temos o intervalo de segunda maior (2ª) que
é o intervalo de um tom inteiro entre as notas, já entre as notas Dó e Réb
temos o intervalo de segunda menor (b2ª) por conta que existe apenas meio
tom de distância entre as notas.
Da mesma forma os intervalos de 3ª, 6ª e 7ª vão seguir esta mesma
lógica, sendo divididos em maiores e menores.
Exemplos: O intervalo de terça menor (b3ª) e é formado por um tom
e meio de distância entre as notas Dó e Mib, já entre as notas Dó e Mi temos
o intervalo de terça maior (3ª) com as notas separadas por dois tons inteiros.
As notas Dó e Lá formam o intervalo de sexta maior (6ª), elas estão
separadas por quatro tons e meio de distância, enquanto as notas Dó e Lab
formam o intervalo de sexta menor (b6ª) com quatro tons de distância entre
as notas.
As notas Dó e Si formam um intervalo de sétima maior (7ª) com cinco
tons e meio de distância enquanto as notas Dó e Sib formam o intervalo de
sétima menor (b7ª) com cinco tons inteiros de distância entra as notas.
Obs. É de extrema importância que isso não fique apenas no papel, os
intervalos musicais sempre tem que estar em dias na mão do instrumentista
e em seu ouvido, preste bastante atenção em sua sonoridade.

4.2. Justos Aumentados e Diminutos

Os intervalos de 4Jª e 5Jª recebem uma classificação diferente, eles


podem ser justos, aumentados e diminutos.
8
Quarta Justa (4Jª): É o intervalo formado por dois tons e um semitom
de distância entre as notas.
Exemplos: As notas Dó e Fá formam um intervalo de 4Jª, enquanto as
notas Dó e Fá# formam um intervalo de Quarta aumentada (#4ª), que
também é conhecido como Trítono, que é um intervalo com uma função
muito interessante.
Quinta Justa (5Jª): É o intervalo formado por três tons e um semitom
de distância entre as notas.
Exemplos: As notas Dó e Sol formam um intervalo de Quinta justa
(5Jª), enquanto as notas Dó e Solb formam um intervalo de Quinta diminuta
(b5ª) com três tons de distância entre as notas. E também temos as notas Dó
e Sol# que formam o intervalo de Quinta aumentada (#5ª) com quatro tons
de distância entre as notas.
É possível nomear notas iguais com nomes diferentes como por
exemplo a nota Fá# possuir o mesmo som da nota Solb. Por isso podemos
classificar este intervalo de duas formas diferentes.

Dó >> Fá# 4ª Aumentada


Dó >> Solb 5ª Aumentada Mesmo som

Da mesma forma a nota Sol# tem o mesmo som que a nota Láb, então
o intervalo de Quinta aumentada (#5ª) acontece quando temos a nota Dó e
Sol#, mas se chamarmos a nota de Láb teremos um intervalo de Sexta menor
(b6ª).

Dó >> Fá# 4ª Aumentada


Dó >> Solb 5ª Aumentada
Mesmo som

9
Na teoria musical é muito comum uma mesma nota ser chamada de
vários nomes diferentes de acordo com o contexto em que elas estão
inseridas, isso é chamado de Enarmonia.

4.3. Classificação de Intervalos simples a partir da nota Dó

Notas envolvidas Intervalo Tons Cifra Numérica


Réb 2ª menor 1 semitom 2- ou (b2)

Ré 2ª maior 1 tom 2
Mib 3ª menor 1 tom e meio m ou 3- ou (b3)

Mi 3ª maior 2 tons 3
Fá 4ª justa 2 tons e meio 4 ou 4J

Fá# 4ª aumentada 3 tons 4+ ou 9#4) ou (4aum)
Solb 5ª diminuta 3 tons 5- ou (b5) ou (5dim)
Dó Sol 5ª justa 3 tons e meio 5 ou 5J
Sol# 5ª aumentada 4 tons 5+ ou (#5) ou (5aum)
Láb 6ª menor 4 tons 6- ou (b6)

Lá 6ª maior 4 tons e meio 6
Sib 7ª menor 5 tons 7

Si 7ª maior 5 tons e meio 7M ou 7+
Dó Dó 8ª 6 tons 8

Nesta tabela temos a classificação dos intervalos sempre a partir da


nota Dó, porém é necessário saber partindo de qualquer nota. Vimos a nota
Dó, agora faltam dezesseis restantes.

10
4.4. Inversão de Intervalos

Como vimos entre as notas Dó e Ré temos umas Segunda maior (2ª),


mas qual seria o intervalo entre as notas Ré e Dó?
Quando invertemos a ordem das notas, ou seja, pegamos a mais aguda
e a transformamos na mais grave, estamos invertendo o intervalo.
Os intervalos de Segunda maior (2ª) quando invertidos se tornam
intervalos de Sétima menor (7ª).
Dó → Ré = 2ª Ré → Dó = b7ª

Os intervalos de Terça maior (3ª) quando invertidos se tornam


intervalos de Sexta menor (b6ª).
Dó → Mi = 3ª Mi → Dó = b6ª

Os intervalos de Quarta Justa (4Jª) quando invertidos se tornam


intervalos de Quinta Justa (5Jª).
Dó → Fá = 4Jª Fá → Dó = 5Jª

Os intervalos de Quinta Justa (5Jª) quando invertidos se tornam


intervalos de Quarta Justa (4Jª).
Dó → Sol = 5Jª Sol → Dó = 4Jª

Os intervalos de Sexta maior (6ª) quando invertidos se tornam


intervalos de Terça menor (b3ª).
Dó → Lá = 6ª Lá → Dó = b3ª

Os intervalos de Sétima maior (7Mª) quando invertidos se tornam


intervalos de Segunda menor (b2ª).
Dó → Si = 7Mª Si → Dó = b2ª

11
E os únicos intervalos que não podem ser invertidos são os de Oitava
(8ª), que mesmo invertendo – os continuam a ser uma oitava.
Dó → Dó = 8ª Dó → Dó = 8ª

INTERVALOS
2ª 3ª 4ª 5ª 6ª 7ª 8ª
INVERSÕES
7ª 6ª 5ª 4ª 3ª 2ª 8ª

Obs: Um intervalo maior quando invertido se torna menor.

Dó >> Mi = 3ª Maior Mi >> Dó = 6ª Menor


Dó >> Ré = 2ª Maior Ré >> Dó = 7ª Menor

Um intervalo menor quando invertido se torna maior.

Dó >> Réb= 2ª Menor Réb >> Dó = 7ª Maior

Com os intervalos justos, aumentados e diminutos acontece algo


parecido:
O intervalo justo quando invertido continua justo.

Dó >> Fá= 4ª Justa Fá >> Dó = 5ª Justa

O intervalo aumentado quando invertido se torna diminuto.

Dó >> Fá# = 4ª Aumentada Fá# >> Dó = 5ª Diminuta

Concluímos que basta inverter o intervalo que teremos uma nova


sonoridade para explorar.

12
13
1. Escalas e seus Campos Harmônicos

1.1. Escala Maior

“Escala é o conjunto de notas sucessivas disponíveis em um determinado


sistema musical.”

Sabendo desse conceito, estudaremos a escala na formação maior,


formada pela Fórmula da Escala Maior.

 Fórmula da Escala Maior:

 Uma leitura diferente da fórmula da escala pode ser:

1 2 3 4 5 6 7

Legenda

T = Tónica
+ = Maior
- = Um Tom
V = Meio Tom

14
Obs: Está formula guarda entre os seus graus intervalos de tons e semitons.
Toda escala tem uma característica que a diferencia das outras escalas,
são as notas intermediarias e a relação intervalar entre as notas. Cada escala
possui uma quantidade de notas intermediarias e relação intervalar que só ela
mesma pode ter, isso a caracteriza como escala única.

1.1.1. Dicas de memorização das Escalas Maiores:

 Toda escala que tem sustenido, sempre a última nota será sustenido
também. (Escalas Naturais)
 A nota Fá sempre é sustenido em qualquer escala que tiver sustenido.
(Escalas naturais)

Abaixo veremos os 17 tons e quantos Sustenidos ou Bemóis cada um tem:

Naturais Sustenidos Bemóis


Dó = 0 Dó# = 7# Réb = 5b
Ré = 2# Ré# = 5# Mib = 3b
Mi = 4# Fá# = 6# Solb = 6b
Fá = 1b Sol# = 6# Láb = 4b
Sol = 1# Lá# = 4# Sib = 2b
Lá = 3#
Si = 5#

15
1.2. Exercícios Escalas Maiores

Antes de iniciar os exercícios, leve em consideração que TODAS as


escalas tem que ter a ordem natural das notas, ou seja DÓ RÉ MI FÁ SOL
LÁ e SI, não importa de qual nota começar e se elas são sustenidos ou
bemóis, tem que seguir a ordem natural nas notas.
Vão aparecer notas como por exemplo na escala de G#.
Sol# Lá# Si# Dó# Ré# Mi# Fáx

Estas notas em negrito ao montar a escala aparecerão como Dó, Fá e


Sol, porém ao serem nomeadas é necessário que sejam denominadas como
notas da escala natural, sem repetição nas notas. E para estas notas usaremos
o sustenido e em cima grafa – se o som real que é a nota que se encontra.
Ex:

Sol# Lá# Si#Dó Dó# Ré# Mi#Fá FáxSol

Isso quer dizer que a nota obteve o nome dela nessa situação, porém o
som real é o que foi destacado para as questões de entendimento.

16
1.2.1. Tabela das Escalas Maiores Naturais

Complete as tabelas que virão a seguir referente as Escalas Maiores


usando a fórmula da Escala maior como base.



Mi

Sol

Si

17
1.2.2. Tabela de Escalas Sustenidos Maiores

Complete a tabela usando a fórmula da Escala maior como base, e leve


em consideração as notas enarmônicas que virão.

Dó#
Ré#
Fá#
Sol#
Lá#

18
1.2.3. Tabela de Escalas Bemóis Maiores

Complete a tabela usando a fórmula da Escala maior como base, e leve


em consideração as notas enarmônicas que virão.

Réb
Mib
Solb
Láb
Sib

19
20
1. Campo Harmônico da Escala Maior

(Acordes da Escala)

1.1.Montagem de Acordes

O termo Acorde designa o resultado da emissão de simultânea de duas


ou mais notas musicais identificáveis como um conjunto. Os intervalos entre
as notas produzidas têm uma escala musical implícita e caracterizam a nota
do acorde.
A junção destas notas obedecendo aos intervalos de 3ª dentro da escala
julgam o acorde como maior ou menor.

Tríades:

São os acordes formados por três notas encontradas em terças sobrepostas


dentro da escala.

Tétrades:

São acordes formados por quatro notas encontradas em terças sobrepostas


dentro da escala.

21
1. 2. Acordes Maiores

Os acordes maiores são formados por um conjunto de notas que entre


si possuem os intervalos de terça, sendo que para que o acorde possa ser
considerado maior as terças sobrepostas que define o acorde precisam ter
entre si o intervalo de dois tons entre a tônica e a terça, e o intervalo de um
tom e meio entre a segunda terça sobreposta onde se localiza os graus de 3ª
e a 5Jª.

Ex:

2 tons 1 tom e meio

T 2+ 3+ 4J 5J 6+ 7+
C D E F G A B

Usando como exemplo a escala de Dó e observando a formação de


intervalo existente entre as notas que formam as terças sobrepostas dentro da
escala de Dó, temos o acorde de Dó maior.

Obs: Essa lógica serve para formação de qualquer acorde maior em qualquer
tonalidade.

22
1. 3. Acordes Menores

Assim como os acordes maiores, os acordes menores também são


formados por um conjunto de notas que entre si possuem os intervalos de
terça, porém para que o acorde possa ser considerado menor as terças
sobrepostas que define o acorde precisam ter entre si o intervalo de um tom
e meio entre a tônica e a terça e o intervalo de dois tons entre a segunda terça
sobreposta onde se localiza a b3ª e a 5Jª.

Ex:

1 tom e meio 2 tons

T 2+ 3- 4J 5J 6+ 7+
C D Eb F G A B

Usando como exemplo a escala de Dó podemos observar que houve


uma alteração na escala, pois a terça (Mi) que antes era maior agora está
como menor (Mib), possibilitando assim a sobreposição de terças com a
primeira sobreposição em terça menor, e assim temos o acorde de Dó menor.
Obs: Essa lógica serve para formação de qualquer acorde menor em
qualquer tonalidade.

23
1.4. Montagem de Acordes por Tríades

Como vimos antes, podemos montar acordes a partir de terças


sobrepostas extraídas das escalas. Assim a partir de qualquer grau da
escala pode ser montado um acorde, levando em consideração o uso das
terças sobrepostas. Então teremos sete acordes para cada escala sendo um
acorde para cada grau da escala.
Para que isso seja possível devemos interpretar a escala como duas
oitavas.

Ex:

Dó Ré Mi Fá Sol Lá Si Dó Ré Mi Fá Sol Lá Si
1ª 2ª 3ª 4ª 5ª 6ª 7ª 8ª 9ª 10ª 11ª 12ª 13ª 14ª
INTERVALOS SIMPLES INTERVALOS COMPOSTOS

E assim cada nota pode dar origem a outro acorde, sendo que é preciso
que seja realizado a sobreposição de terças a partir de cada nota. Após a
interpretação das terças é preciso identificar cada acorde comparando – o
com a sua escala da origem e assim nomeá-lo como maior ou menor.
Após a nomeação de cada acorde execute todos para que a compressão
sonora dele se faça presente e analise sempre cada formação discriminando
todas as notas que formam o posicionamento.
Obs: É essencial que cada acorde seja analisado teoricamente, tome
por habito analisar cada acorde separadamente para fixar a teoria das terças
sobrepostas e facilitar a memorização de cada tríade ou tétrade usada na
formação dos acordes, e lembre – se que a teoria musical é simplesmente a
prática escrita. Memorize e tenha tudo na cabeça e debaixo dos dedos para
que tenha sentido os estudos a seguir.
24
2. Exercícios Campo Harmônico Maior

Forme o campo harmônico de C no papel, analise e execute em sala


de aula dizendo o nome dos acordes em voz alta na forma ascendente e
descendente:
2.1. Campo Harmônico de C

1ª T 3+ 5J Tônica

2ª 2+ 4+ 6+ Supertônica

3ª 3+ 5J 7+ Mediante

4ª 4J 6+ 8+ Subdominante

5ª 5J 7+ 9+ Dominante

6ª 6+ 8+ 10+ Superdominante

7ª 7+ 9+ 11+ Sensível ou
Subtônica

25
2.2. Campo Harmônico de C#

1ª T 3+ 5J Tônica

2ª 2+ 4+ 6+ Supertônica

3ª 3+ 5J 7+ Mediante

4ª 4J 6+ 8+ Subdominante

5ª 5J 7+ 9+ Dominante

6ª 6+ 8+ 10+ Superdominante

7ª 7+ 9+ 11+ Sensível ou
Subtônica

26
2.3. Campo Harmônico de Db

1ª T 3+ 5J Tônica

2ª 2+ 4+ 6+ Supertônica

3ª 3+ 5J 7+ Mediante

4ª 4J 6+ 8+ Subdominante

5ª 5J 7+ 9+ Dominante

6ª 6+ 8+ 10+ Superdominante

7ª 7+ 9+ 11+ Sensível ou
Subtônica

27
2.4. Campo Harmônico de D

1ª T 3+ 5J Tônica

2ª 2+ 4+ 6+ Supertônica

3ª 3+ 5J 7+ Mediante

4ª 4J 6+ 8+ Subdominante

5ª 5J 7+ 9+ Dominante

6ª 6+ 8+ 10+ Superdominante

7ª 7+ 9+ 11+ Sensível ou
Subtônica

28
2.5. Campo Harmônico de D#

1ª T 3+ 5J Tônica

2ª 2+ 4+ 6+ Supertônica

3ª 3+ 5J 7+ Mediante

4ª 4J 6+ 8+ Subdominante

5ª 5J 7+ 9+ Dominante

6ª 6+ 8+ 10+ Superdominante

7ª 7+ 9+ 11+ Sensível ou
Subtônica

29
2.6. Campo Harmônico de Eb

1ª T 3+ 5J Tônica

2ª 2+ 4+ 6+ Supertônica

3ª 3+ 5J 7+ Mediante

4ª 4J 6+ 8+ Subdominante

5ª 5J 7+ 9+ Dominante

6ª 6+ 8+ 10+ Superdominante

7ª 7+ 9+ 11+ Sensível ou
Subtônica

30
2.7. Campo Harmônico de E

1ª T 3+ 5J Tônica

2ª 2+ 4+ 6+ Supertônica

3ª 3+ 5J 7+ Mediante

4ª 4J 6+ 8+ Subdominante

5ª 5J 7+ 9+ Dominante

6ª 6+ 8+ 10+ Superdominante

7ª 7+ 9+ 11+ Sensível ou
Subtônica

31
2.8. Campo Harmônico de F

1ª T 3+ 5J Tônica

2ª 2+ 4+ 6+ Supertônica

3ª 3+ 5J 7+ Mediante

4ª 4J 6+ 8+ Subdominante

5ª 5J 7+ 9+ Dominante

6ª 6+ 8+ 10+ Superdominante

7ª 7+ 9+ 11+ Sensível ou
Subtônica

32
2.9. Campo Harmônico de F#

1ª T 3+ 5J Tônica

2ª 2+ 4+ 6+ Supertônica

3ª 3+ 5J 7+ Mediante

4ª 4J 6+ 8+ Subdominante

5ª 5J 7+ 9+ Dominante

6ª 6+ 8+ 10+ Superdominante

7ª 7+ 9+ 11+ Sensível ou
Subtônica

33
2.10. Campo Harmônico de Gb

1ª T 3+ 5J Tônica

2ª 2+ 4+ 6+ Supertônica

3ª 3+ 5J 7+ Mediante

4ª 4J 6+ 8+ Subdominante

5ª 5J 7+ 9+ Dominante

6ª 6+ 8+ 10+ Superdominante

7ª 7+ 9+ 11+ Sensível ou
Subtônica

34
2.11. Campo Harmônico de G

1ª T 3+ 5J Tônica

2ª 2+ 4+ 6+ Supertônica

3ª 3+ 5J 7+ Mediante

4ª 4J 6+ 8+ Subdominante

5ª 5J 7+ 9+ Dominante

6ª 6+ 8+ 10+ Superdominante

7ª 7+ 9+ 11+ Sensível ou
Subtônica

35
2.12. Campo Harmônico de G#

1ª T 3+ 5J Tônica

2ª 2+ 4+ 6+ Supertônica

3ª 3+ 5J 7+ Mediante

4ª 4J 6+ 8+ Subdominante

5ª 5J 7+ 9+ Dominante

6ª 6+ 8+ 10+ Superdominante

7ª 7+ 9+ 11+ Sensível ou
Subtônica

36
2.13. Campo Harmônico de Ab

1ª T 3+ 5J Tônica

2ª 2+ 4+ 6+ Supertônica

3ª 3+ 5J 7+ Mediante

4ª 4J 6+ 8+ Subdominante

5ª 5J 7+ 9+ Dominante

6ª 6+ 8+ 10+ Superdominante

7ª 7+ 9+ 11+ Sensível ou
Subtônica

37
2.14. Campo Harmônico de A

1ª T 3+ 5J Tônica

2ª 2+ 4+ 6+ Supertônica

3ª 3+ 5J 7+ Mediante

4ª 4J 6+ 8+ Subdominante

5ª 5J 7+ 9+ Dominante

6ª 6+ 8+ 10+ Superdominante

7ª 7+ 9+ 11+ Sensível ou
Subtônica

38
2.15. Campo Harmônico de A#

1ª T 3+ 5J Tônica

2ª 2+ 4+ 6+ Supertônica

3ª 3+ 5J 7+ Mediante

4ª 4J 6+ 8+ Subdominante

5ª 5J 7+ 9+ Dominante

6ª 6+ 8+ 10+ Superdominante

7ª 7+ 9+ 11+ Sensível ou
Subtônica

39
2.16. Campo Harmônico de Bb

1ª T 3+ 5J Tônica

2ª 2+ 4+ 6+ Supertônica

3ª 3+ 5J 7+ Mediante

4ª 4J 6+ 8+ Subdominante

5ª 5J 7+ 9+ Dominante

6ª 6+ 8+ 10+ Superdominante

7ª 7+ 9+ 11+ Sensível ou
Subtônica

40
2.17. Campo Harmônico de B

1ª T 3+ 5J Tônica

2ª 2+ 4+ 6+ Supertônica

3ª 3+ 5J 7+ Mediante

4ª 4J 6+ 8+ Subdominante

5ª 5J 7+ 9+ Dominante

6ª 6+ 8+ 10+ Superdominante

7ª 7+ 9+ 11+ Sensível ou
Subtônica

41