Você está na página 1de 35

BARÁ

Tamboreiro - Ajúbà Bàrà-Légbà, Olóde, Èsù-Lanà, Bàrà Dage burúkú, Lànà Bàrà Jelù, Làlúpo, Ésù-Bàrà! (Respeitamos
ao Bará, dono das encruzilhadas, dos campos, Exú nos caminhos, Bará que corta o mal, abre os nossos caminhos
Bará mensageiro dos tambores. Abre os nossos caminhos Senhor do Dendê Exú-Bará!)
Responder - Làlúpo! (Abre os Caminhos Senhor do Dendê)

T - Légba Kayo Kayo (Legba recolhe a alegria)


R - Légba Kayo Kayo (Legba recolhe a alegria)
T - Légba siré siré (Legba venha divertir-se conosco no xiré)
R - Légba siré siré (Legba venha divertir-se conosco no xiré)
T - Légba siré Ògúm (Legba venha divertir-se com Ogum)
R - Légba siré Ògúm (Legba venha divertir-se com Ogum)
T - èxù Lanà di burúkú àbàdò òbe nfara (Exú, fecha o caminho para o mal, com sua faca sela o nosso corpo)
R - èxù Lanà di burúkú àbàdò òbe nfara (Exú, fecha o caminho para o mal, com sua faca sela o nosso corpo)
T - Àbàdò di burúkú (Eterno bloqueador do mal)
R - Àbàdò òbe nfara (Eterna faca que protege o nosso corpo)
T - Mojúbà èsù! (Reverencio à Exú)
R - Bàrà!
T - Lóde – Èsù (Exú de rua)
R - Bàrà!
T - Lanà èsù (Exú dos caminhos)
R - Bàrà!
T - èsù Olóde! (Exú, dono da rua)
R - Èsú, Èsú obara Lanà (Dono dos caminhos, Rei do corpo,Exú)
T - Èsú a bánà bánà Ésú abánàyé (Exú, mostra-nos o caminho, proteja-nos o caminho, Exú mostra-nos os
caminhos do mundo)
R - Èsú a bánà bánà Ésú abánàyé (Exú, mostra-nos o caminho, proteja-nos o caminho, Exú mostra-nos os
caminhos do mundo)
T - A máa s'ère ou níba Èsù abána dêem, a máa d'ère ou níba Èsù abánà dêem (Nós sempre lhe fazemos
oferendas, nós sempre lhe reverenciamos, mostre-nos os caminhos que o senhor criou)
R - A máa s'ère ou níba Èsù abána dêem, a máa d'ère ou níba Èsù abánà dêem (Nós sempre lhe fazemos
oferendas, nós sempre lhe reverenciamos, mostre-nos os caminhos que o senhor criou)
T - Ésù adé minha se se minha ré (Exu é a minha coroa, ele me faz o bem)
R -Bàrá adé minha se se minha ré (Bará é a minha coroa, ele me faz o bem)
T - Èsù adé meu se se meu Bará (Exu é a minha coroa, faz-me o bem Bará)
R - Ésù adé minha se se minha ré (Exu é a minha coroa, ele me faz o bem)
T - Èsù jálànà fun wa (Exu abre o caminho para nós)
R - Èsù jálànà fun Malè (Exu abre o caminho para os Orixás)
T - Lànà èsù mérin (Exu, abre o caminho em quatro partes)
R - Èsù b'erin, Èsù mérin lànà (Exú com o seu porrete, abre o caminho em quatro direções)
T - Aiyéraiyé, ou o Bára ou! Aiyéraiyé, ou o Bára A má se o Ogum ou! A má se o Ogum já! Aiyéraiyé, ou o
Bará ou! (Oh! Eternamente você será forte Bará! Eternamente você será forte Bará Não fuja da luta, seja como
Ogum, não fuja da luta e da briga, pois você é eternamente forte Bará!)
R - Aiyéraiyé, ou o Bára ou! Aiyéraiyé, ou o Bára A má se o Ogum ou! A má se o Ogum já! Aiyéraiyé, ou o
Bará ou! (Oh! Eternamente você será forte Bará! Eternamente você será forte Bará Não fuja da luta, seja como
Ogum, não fuja da luta e da briga, pois você é eternamente forte Bará!)
T - Èsù Bàrà ou eléfà s' epo (Exu-Bará, você é feito no dendê)
R - Aiyéraiyé, ou o Bára (você é eternamente forte Bará)
T - Ou yá, ou yá (Vamos, vamos)
R - Ou yá, ou eléfà! (Vamos, você é feito)
T - Èsù Bàrà èle ou! Èsù Bàrà èle ou, mo di Bàrà ou eléfà epo (Exu-Bará é violento, Exu-Bará é violento, Eu
acalmo a violência de Bará dono da atração e do dendê)
R - Èle Bàrà èle ou! èle Bàrà èle ou, mo di Bàrà ou eléfà epo (Bará é violento, Bará é violento, Eu acalmo a
violência de Bará dono da atração e do dendê)
T - Èsù dê yí, mo jí Bàrà Èsù á jó, mo júbà yìn (Exu venha transformar, eu o acordo Bará; Exu venha dançar,
que eu o respeito e o elogio)
R - Èsù dê yí, mo jí Bàrà Èsù á jó, mo júbà yìn (Exu venha transformar, eu o acordo Bará; Exu venha dançar,
que eu o respeito e o elogio)
T - Bàrà gbó alóroye a Èsù lonà, Bàrà gbó alóroye a Èsù lonà amode kó nem kóo si Bàrà Ogum tàlà bò, Bàrà
ou eléfa lonà (Bará, grande falador, nos escute, Exu dono dos caminhos.Bará menino, vem nos ensinar, vem abrir os
caminhos, retorna do lado de Ogum onde começa a luta, Bará que abre os caminhos.)
R - Bàrà gbó alóroye a Èsù lonà, Bàrà gbó alóroye a Èsù lonà amode kó nem kóo si Bàrà Ogum tàlà bò, Bàrà
ou eléfa lonà (Bará, grande falador, nos escute, Exu dono dos caminhos.Bará menino, vem nos ensinar, vem abrir os
caminhos, retorna do lado de Ogum onde começa a luta, Bará que abre os caminhos.)
T - Èsù Bàrá wè bàbá oníre (Pai Exu-Bará, nos limpe, dono das bençãos)
R - Á lú fà Bàrà-Èsù, ké ké lù fá (Venha golpear os inimigos e nos limpar Bará-Exu, corte os males, golpeie os
inimigos e nos limpe)
T - Bàrà rá múje kún lò òdà bàbà ru eko Bàrà ru de ou Bàrà rà múje kún lò òdà, Bàrà mò rè ru (Bará deslize-
se, devore e destrua o inimigo, use o disfarce. Pai lhe ofereço o akassá, Bará lhe ofereço uma armadilha. Bará
deslize-se, devore e destrua o inimigo, use o disfarce. Bará ponha em segredo a armadilha no meu inimigo)
R - Je' ko l'òdà (use o ecó como armadilha)
T - Bàrà mò rè ru (Bará ponha em segredo a armadilha que lhe ofereço)
R - Je' ko l'òdà (use o ecó como armadilha)
T - Bàbá 'iyan' o (Pai dos seres da noite)
R - Bàbá 'iyan' o (Pai dos seres da noite)
T - Èsù Lànà meu fó ou, Bàrà Lànà fun malé ou! (Oh! Exu, abre o caminho me limpando, Oh! Bará, abre o
caminho para os Orixás.)
R - Èsù Lànà meu fó ou, Èsù Lànà fun malé! (Oh! Exu, abre o caminho me limpando, Oh! Exu, abre o caminho
para os Orixás.)
T - Èsù dêem lànà' s ebí a se'bo (Exu cria a abertura de caminho, faz a viagem que nós fazemos a oferenda.)
R - Èsù dêem lànà sim ebó. (Exu cria a abertura de caminho para a oferenda)
T - Èsù àselù, Èsù àselù àse bò, Èsù àselù àse bò, ou Yá níle ou! (Exu guardião, guardião do poder retorne!
Oh! Você logo estará na casa.)
R - Èsù àselù, Èsù àselù àse bò, Èsù àselù àse bò, ou Yá níle ou! (Exu guardião, guardião do poder retorne!
Oh! Você logo estará na casa.)
T - Á là lùpa ou! (Oh! Vem,abre, limpando com um golpe.)
R - Á là lùpa sei máa! (Oh! Vem,abre, limpando com um golpe contínuo.)
T - Èsù Bàrà o bebe ti riri loná, Bàrà o bebe ti riri loná, Bàrà èsù ti riri loná, Èsù ti riri. (Exu Bará, vá triunfar,
que meus inimigos tremam de medo no caminho, Bará Exu vá triunfar, que meus inimigos tremam de medo no
caminho, Exu que tremam de medo.)
R - Bàrà Èsù ti riri loná, Èsù ti riri loná, Bàrà' Kè Bàrà Èsù Bàrá, Èsù ti riri Lonà. (Bará Exu, que meus inimigos
tremam de medo no caminho, Exu, que tremam no caminho, Bará venha da colina, Bará Exu, Bará Exu, que meus
inimigos tremam de mrdo no caminho.)
T - Ou lè Bàrà yà b'odù màá sànà bò rè Elegba (Você, Bará, pode se dividir como os dignos dos búzios,
sempre é dono do caminho, regressa e benze-nos senhor do chicote.)
R - Ou lè Bàrà yà b'odù màá sànà bò rè Elegba (Você, Bará, pod dividir como os dignos dos búzios,e se
sempre é dono do caminho, regressa e benze-nos senhor do chicote.)
T - Ou lè Bàrà yà b'odù, Á sà K'èrè K'ewé (Você, Bará, pode dividir como os dignos dos búzios, vem correndo
recolher nossas oferendas e as ervas)
R - Ou lè Bàrà yà b'odù, Á sà K'èrè K'ewé (Você, Bará, pode dividir como os dignos dos búzios, vem correndo
recolher nossas oferendas e as ervas)
T - Bàrà mótótó mótótó mo dúpe ou (Oh! Bará, corta, corta e eu te agradeço)
R - Bàrà' mim àjó K'èrè kè. À mò dùpe ou (Bará, eu em minha jornada pela vida,recolho as suas bençãos e lhe
chamo, vem, eu te agradeço.)
T - Elégbà yà B'òdu! (Senhor do chicote, traga as respostas dos búzios)
R - Á b'àdó yó bè f'altar (Venha com a cabaça que une nossos apelos, use o meu corpo)
T - Tamaki elìjó tamaki e kà p'jó (Termine senhor da dança, o senhor sabe a hora de parar a sua dança)
R - Tamaki Á Kó'sù Légba, tamaki elijó (Termine e venha recolher suas oferendas Exu Legbá, senhor da dança)
T - Ou Légba ou! (Oh Legba!)
R - àkàrà jà! (Força que luta)
T - Ga máa sekó (Elevado, sempre faça e nos ensine)
R - àkàrà jà! (Força que luta)
T - Yà b'odù máa d'okerè k'erè k'erè d'OK'ourò k'orò k'orò, deu k'èrè k'èrè k'èrè yà b'odù màa Elègbá (Traga-
nos as respostas de Ifá, venha sempre recolher as suas oferendas, traga-nos riquezas e lucros,Traga-nos as respostas
de Ifá, Dono do castigo.)
R - Yà b'odù máa d'okerè k'erè k'erè d'OK'ourò k'orò k'orò, deu k'èrè k'èrè k'èrè yà b'odù màa Elègbá (Traga-
nos as respostas de Ifá, venha sempre recolher as suas oferendas, traga-nos riquezas e lucros,Traga-nos as respostas
de Ifá, Dono do chicote.)
T - Ògúm lé bá Ògúm se rere (Ogum, venha ao nosso encontro, Ogum faz o bem)
R - Ògúm! (Ogum)
OGUM
Tamboreiro - Ajúbà Ògún abàgáàn méje olóde, Oníìre, Ògún alagbede, onirá, adìolá’ fim, Ògún dê, Ògún
ye! (Respeitamos Ogum, aquele que tem sete partes idênticas nos subúrbios, rei do Irê, Ogum ferreiro, você é
sigiloso, guardião da riqueza do palácio, chegue Ogum, salve Ogum!)
Responder - Ògún ye! (Salve Ogum!)

T - Ògún tàlà b’odù Ògún tàlà Moore (Ogum do começo como os signos de Ifá, Ogum do
começo engrandecido)
R - Ògún tàlà b’odù Ògún tàlà Moore (Ogum do começo como os signos de Ifá, desde o
começo engrandecido)
T - Ògún Ògún fénem fè oní b’òla Ògún (Ogum gosta do trabalho hoje como amanhã Ogum)
R - Ògún Ògún fénem fè oní b’òla Ògún (Ogum gosta do trabalho hoje como amanhã Ogum)
T - Ògún loko meu loko! (Ogum usa a plantação, usa minha plantação!)
R - Òrò bè f’altar (Espírito rogo, use o corpo)
T - Ògún a rio, a rio l’okerè! (Ogum, nós lhe vemos ao longe)
R - Ògún a rio, a rio l’okerè! (Ogum, nós lhe vemos ao longe)
T - A má joko ní Ògún ou (Não caímos, temos Ogum)
R - Erúnmalè, a má joko ní Ògún ou, erúnmalè! (Espírito de luz, não caímos, temos Ogum, espírito de luz!)
T - Sàngó dê là, wá bájà sim Ògún ou, wá bájà sim yà òo (Xangô chega, aparece, oh! Vem lutar para Ogum,
vem lutar para separar os preguiçosos [os que se sintam)
R - Sàngó dê là, wá bájà sim Ògún ou, wá bájà sim yà òo (Xangô chega, aparece, oh! Vem lutar para Ogum,
vem lutar para separar os preguiçosos)
T - Ou Ògún orun odò wá má kónem èle, abògún wá ounà ijó wá jà meu bá ou! (Você, Ogum do rio, do céu,
vem e não ensine a violência a seus seguidores que vem do caminho pra dançar, vem lutar me encontrando!)
R - Ou Ògún orun odò wá má kónem èle, abògún wá ounà ijó wá jà meu bá ou! (Você, Ogum do rio, do céu,
vem e não ensine a violência a seus seguidores que vem do caminho pra dançar, vem lutar me encontrando!)
T - Ara Ògún orun odò! (Família do Ogum do rio, do céu!)
R - Arío, ara Ògún orun adò, arío! (Nós a vemos, família do Ogum do rio, do céu)
T - Erun dê oko èro èlò aga’ ré ou! (Oh! O carvão cobre o campo, peregrinação celestial, instrumento, trono
de bênção!)
R - Erun dê oko èro èlò wà ga’ ré ou! (Oh! O carvão cobre o campo, peregrinação celestial,
nosso instrumento de elevação à bênção!)
T - Ògún s’irin bò p k’oulha kó márájò, Ògún s’irin bò p k’oulha kó márájò, Ògún s’irin bò òrìsà Orí oko (Ogum
forja o ferro, retorna a matar, recolhe as pedras sagradas, recolhe o viajante. Ogum forja o ferro e retorna, Orixá de
cabeça e marido)
R - Ògún s’irin bò p k’oulha kó márájò, Ògún s’irin bò p k’oulha kó márájò, Ògún s’irin bò òrìsà Orí oko (Ogum
forja o ferro, retorna a matar, recolhe as pedras sagradas, recolhe o viajante. Ogum forja o ferro e retorna, Orixá de
cabeça e marido)
T - Ògún, Ògún a foríba (Ogum, nós lhe batemos cabeça)
R - Á mu ro á mu fé rere (Vem beber um gole, vem beber coisas boas)
T - Ògún, Ògún wá fá meu bá (Ogum vem, me encontre e me limpe)
R - Á mu ro á mu fé rere (Vem beber um gole, vem beber coisas boas)
T - Ògún Oníìre máa jà alágbedè (Ogum, rei do Irê, sempre luta pelo ferreiro)
R - Ògún omníra ouná isó kèrekè (Ogum de longe protege o caminho e a liberdade)
T - Ògún Oníìre máa jà alakoró! (Ogum, rei do Irê, sempre luta pelo chefe do povo)
R - Ògún omníra ouná isó kèrekè (Ogum de longe protege o caminho e a liberdade)
T - Só, só só! (Protege, protege)
R - Ògún omníra ouná isó kèrekè (Ogum de longe protege o caminho e a liberdade)
T - Ògún adé ìbà! (Ogum, coroa respeitada)
R - Adé p, Ògún fá rere (Coroa que mata, Ogum limpa as coisas boas)
T - Àdá ìbà, àdá ìbà! (Facão respeitado)
R - Adé p, Ògún fá rere (Coroa que mata, Ogum limpa o que é bom)
T - Ògún tàlà bá ìsòro a bè se Ògún! (Ogum, do começo do caminho soluciona os problemas, rogamos-lhe
que o faça)
R - Ògún tàlà bá ìsòro a bè se ou! (Ogum, do começo do caminho soluciona os problemas, rogamos-lhe que o
faça)
T - Ògún tàlà jó (Ogum dança do começo)
R - Ògún lài, Ògún lài, Ògún (Ogum manifesta-te)
T - Ògún òní rà wá ketù ebo (Ogum se redime, vem recolher a oferenda)
R - Ògún òní rà wá s’ékú ebo (Ogum se redime, vem preparar a oferenda)
T - Meu òrò ou tàlà dê erúnmalè (Minha riqueza chega do começo, espírito de luz)
R - Meu òrò ou tàlà dê erúnmalè (Minha riqueza chega do começo, espírito de luz)
T - Ògún tàlà dê tàlà Ògún (Ogum chega do começo, Ogum)
R - Meu òrò ou tàlà dê erúnmalè (Minha riqueza chega do começo, espírito de luz)
T - Òní rò opé, òní rò opé, Ògún á níre òní rà wá chá wá Ògún á níre òní rà wá chá wá Ògún máa ilé (Pensador
completo, vem Ogum possuidor de bênção, hoje se redime, vem te mantendo do lado de fora, vem Ogum sempre
pra casa)
R - Òní rò opé, òní rò opé, Ògún á níre òní rà wá chá wá Ògún á níre òní rà wá chá wá Ògún á níre (Pensador
completo, vem Ogum possuidor de bênção, hoje se redime, vem te mantendo do lado de fora, vem Ogum possuidor
de bênçãos)
T - E Ògún meu bere (Ogum me submete)
R - Ara Ògún á níre (Ao corpo venha Ogum possuidor bênçãos)
T - E Ògún bere a máa (Ogum a se submeter venha sempre)
R -Ara Ògún á níre (Ao corpo venha Ogum possuidor bênçãos)
T - Ara nú arei ou, ara nú arei ou wá má fè kelè (Ao corpo lhe falta a coroa, venha não se descuide)
R - Ara nú arei ou Ògún dê! (Ao corpo lhe falta a coroa, que chegue Ogum)
T - E wá má fè kelè (Venha não se descuide)
R - Ara nú arei ou Ògún dê! (Ao corpo lhe falta a coroa, que chegue Ogum)
T - Ògún adémi ou! (Ogum é minha coroa)
R - Eléfà tàlà adémi ou! (Do começo minha coroa me atraiu)
T - E e ademi ou! (Você é minha coroa)
R - Eléfa tàlà adémi ou! (Do começo minha coroa me atraiu)
T - Ògún fara fara fara Ògún fara márájò (Ogum te aproxime ao corpo do viajante)
R - Ògún fara fara fara Ògún fara márájò (Ogum te aproxime ao corpo do viajante)
T - Oníìra opé, Oníìra opé, Ògún á níre Oníìra wá chá wá Ògún á níre Oníìra wá chá wá Ògún á níre (Pensador
completo, vem Ogum possuidor de bênção, hoje se redime, vem te mantendo do lado de fora, vem Ogum possuidor
de bênçãos)
R - Oníìra opé, Oníìra opé, Ògún á níre Oníìra wá chá wá Ògún á níre Oníìra wá chá wá Ògún á níre (Pensador
completo, vem Ogum possuidor de bênção, hoje se redime, vem te mantendo do lado de fora, vem Ogum possuidor
de bênçãos)
T - K’ lú’ lú (Enche o povo)
R - Ou yàn, a bè là mú jà (Você escolhe, nós rogamos que salve quem escolhe para a luta)
T - Ògún bé wò a yìn pàra Ògún àjo Ògún bé wò a yìn pàra Ògún àjo Ògún bá ga (Ogum corta e visita, nós
elogiamos ruidosamente a Ogum, encontrando-o entre a multidão, Ogum passa soberbo)
R - Àdé wa rà wàrawàra àdé wá ra (Repara nossa coroa precipitadamente)
T - Kò yà kò yà kò yà Ògún dê yi á ko yà kò yà (Não se desvie, não se desvie Ogum, chegue resistente, venha e
não desvie-se)
R - Kò yà kò yà kò yà Ògún dê yi á ko yà kò yà (Não se desvie, não se desvie Ogum, chegue resistente, venha e
não desvie-se)
T - Dê yi, dê yi Ògun á bá ga Ògún dê yi (Chegue resistente Ogum, venha, passe soberbo, Ogum
chegue resistente)
R - Dê yi, dê yi Ògun á bá ga Ògún dê yi (Chegue resistente Ogum, venha, passe soberbo, Ogum
chegue resistente)
T - Lha lha lha sá yãnyãn Ògún tàlà jó sá yãnyãn (Dispara, lança, dispara, corre com as dificuldades, Ogum
dança desde o começo do caminho, corre com as dificuldades)
R - Lha lha lha sá yãnyãn Ògún tàlà jó sá yãnyãn (Dispara, lança, dispara, corre com as dificuldades, Ogum
dança desde o começo do caminho, corre com as dificuldades)
T - Ògún méje méje (Ogum se divide em sete)
R - Ara Ògún méje n’ Ire ou (O corpo de Ogum se divide em sete na cidade do Irê)
T - Tòní molé k’ewé tòní molé k’ewé tòní molé k’ewé olówuro (Desde hoje ocupa, constrói, corta ervas, dono
da manhã)
R - Fara Ògún mo ìtan (Usa o monopólio Ogum, constrói uma história)
T - Ògún p rà yára Ògún o Ògún òní rà e ká s’àjo (Ogum mata, repara, rápido Ogum vai, Ogum hoje repara,
você corta para o grupo de pessoas)
R - Prà yára Ògún o Ògún òní rà e ká s’àjo (Mata, repara, rápido Ogum vai, Ogum hoje repara, você
corta para o grupo de pessoas)
T - Ògún fara fara fara Ògún fara márájò (Ogum te aproxime ao corpo do viajante)
R - Ògún fara fara fara Ògún fara márájò (Ogum te aproxime ao corpo do viajante)
T - Ògún dê yi aiyé aiyé (Ogum chega com tenacidade ao mundo)
R - Ògún dê yi onà isó (Ogum chega com tenacidade e protege o caminho)
T - Ògún òní rà aláse’ bo (Ogum hoje repara, dono do poder e da oferenda)
R - Ògún dê yi onà isó (Ogum chega com tenacidade e protege o caminho)
T - Ògún a bè ou Ògún onísé ou Ògún onísé ou Ògún onísé Ògún (Ogum nós lhe rogamos Ogum trabalhador,
Ogum trabalhador)
R - Ògún a bè ou Ògún a onísé ou Ògún a onísé ou Ògún a onísé Ògún (Ogum nós lhe rogamos Ogum, nós os
trabalhadores, Ogum)
T - Ògún máa ká máa ká kabiyesi l’abè ou (Ogum corta sempre, corta sempre, sua alteza real dono
da espada)
R - Ògún máa ká máa ká kabiyesi l’abè ou (Ogum corta sempre, corta sempre, sua alteza real dono
da espada)
T - Ògún èlè lái-lái Ògún eléfa lái là (Ogum a faca de folha larga lhe atrai para sempre, apareça)
R - E dê lái lái lái Ògún eléfa lái là (Chegue eternamente Ogum, atraído pela faca de folha larga, para sempre
apareça)
T - E dê lái lái lái Sàngó e dê wè (Chegue eternamente Xangô, chegue a limpar)
R - E dê lái lái lái Sàngó e dê wè dê lái là (Chegue eternamente Xangô, chegue a limpar, chegue
eterno, apareça)
T - Ògún òní rà Ògún lò rò (Ogum hoje repara, Ogum usa seu impulso)
R - Wá máà ké rè kèrekère Ògún lò rò (Vem, sempre corta o cansaço pouco a pouco ogum, você usa impulso)
T - Ògún Oníìre, Ògún lòró, Ògún dêem lò jà èpé Ògún Oníìre, Ògún lóró, Ògún dêem lò jà erúnmalè (Ogum é
rei de Irê, Ogum usa seu impulso, Ogum cria, usa a luta, amaldiçoa, enfeitiça, Ogum cria e usa a luta com o espírito
de luz)
R - Ògún Oníìre, Ògún lòró, Ògún dêem lò jà èpé Ògún Oníìre, Ògún lóró, Ògún dêem lò jà erúnmalè (Ogum é
rei de Irê, Ogum usa seu impulso, Ogum cria, usa a luta, amaldiçoa, enfeitiça, Ogum cria e usa a luta com o espírito
de luz)
T - Ògún dê aníre, íre íre Ògún lò akara de ou aníre íre íre Ògún lò (Ogum, chega possuidor de bênçãos, use
Ogum a bênção, a bênção chegue força possuidora de bênçãos, Ogum use a bênção)
R - Ògún dê aníre, íre íre Ògún lò akara de ou aníre íre íre Ògún lò (Ogum, chega possuidor de bênçãos, use
Ogum a bênção, a bênção chegue força possuidora de bênçãos, Ogum use a bênção)
T - A bè là mú jà, a bè là mú’rè (Rogamos que nos salve de ser apanhados pela luta, rogamos que nos salve
de ser apanhados pelo cansaço)
R - A bè là mú jà òkerè ou! (Rogamos que nos salve de ser apanhados pela luta na distância)
T - Òkerè ou! (Na distância)
R - Aki sòro (Valente em luta difícil)
T - Fara riri má fara meu já, má fara meu já, má fara Ògún (Usa meu corpo que treme de medo, não destrua
meu corpo, não destrua meu corpo Ogum)
R - Kóòro rò rò rò má fara meu já, má fara meu já, má fara Ògún (Completamente pensa-o, medita-o, não
destrua meu corpo, não destrua meu corpo Ogum)
T - Ògún tàlà jó (Ogum dança do começo)
R - Ògún lài, Ògún lài, Ògún (Ogum manisfesta-te)
OYÁ/IANSÃ
Tamboreiro - Ajúbà Oujá tigbówà, Oujá yànsán, Oujá bomi dê atì dará, nìre, kàlúlú Epa heyi ou! (Respeitamos a Oiá
que existe no monte, Oiá mãe de nove filhos, Oiá chega como a água e é convertida em animal selvagem, possuidora
de bênçãos, encha o povo. Oh nós te saudamos guerreira ancestral forte!)
Responder - Epa heyi! (Saudamos a guerreira ancestral forte!)

T - Ado ado a sè máa ado sè dê l’Oujá (A comida feita com pipoca, a comida nós cozinhamos sempre, comida
cozinhamos, chega e utiliza-a Oiá)
R - Ado ado a sè máa ado sè dê l’Oujá (A comida feita com pipoca, a comida nós cozinhamos sempre, comida
cozinhamos, chega e utiliza-a Oiá)
T - A pàra jeum ado ké (Ela de repente come um pouco de comida)
R – Oya
T - Oya sè jeum ado ké (Oiá cozinha, come um pouco de comida)
R - Oya!
T - Oya p Oya p Oya p eu ké (Oiá mata, rompe a mata, aparece e corta)
R - A pàra jeun asèje Oya p eu ké (Ela de repente come um pouco de comida com feitiço, Oiá rompe a mata,
aparece e corta)
T - Á má yà, má yà, má yà, já’yò já’yò á má yà mu sè ké bá já’yò já’yò (Venha não se desvie, não se desvie,
consiga alegria, cozinhe, corte, encontre e consiga alegria)
R - Á má yà, má yà, má yà, já’yò já’yò á má yà mu sè ké bá já’yò já’yò (Venha não se desvie, não se desvie,
consiga alegria, cozinhe, corte, encontre e consiga alegria)
T - Obè ré sè máa nisé ou (Na sua cozinha sempre tem trabalho)
R - Oya d’oko obè sè ou (Oiá amarra seu marido lhe cozinhando ensopado)
T - Obè ré sè Oya ní jà ou (Na sua cozinha, Oiá tem trabalho)
R - Oya d’oko obè sè ou (Oiá amarra seu marido lhe cozinhando ensopado)
T - Oya níre obè ré sè ká ri dê Ògún (Oiá tem boa sorte, na sua cozinha recolhe-o, olhe, chega Ogum)
R - Oya níre obè ré sè ká ri dê Ògún (Oiá tem boa sorte, na sua cozinha recolhe-o, olhe, chega Ogum)
T - Obè ré sè ká ri dê Ògún (Na sua cozinha recolhe-o, olhe, chega Ogum)
R - Oujá níre w’adé wá (Oiá tem boa sorte, vem a coroa, vem)
T - Oujá má wé ru chá (Oiá não cobre a cabeça)
R - Obè sè orò koro (Ensopado na cozinha se vê em opulência)
T - Kan’ lù’lù dê (Cheio de sabor e o povo chega)
R - Àwo ro omi nem là òrò (Serve um jarro de água, é salvação espiritual)
T - Olomi láyò, olomi o yà wá màá kérè kérè kérè wélé wélé wá eu (Proprietária das águas te regozije,
proprietária das águas que vão dividindo-se, vem sempre e junta, junta os prêmios, lentamente vem, aparece)
R - Olomi láyò, olomi o yà wá màá kérè kérè kérè wélé wélé wá eu (Proprietária das águas te regozije,
proprietária das águas que vão dividindo-se, vem sempre e junta, junta os prêmios, vem, aparece)
T - Ao ri Yànsán éèdì o yà, ao ri Yànsán éèdì o yà, ao ri Yànsán éèdì o yà, erúnmalè e mòdí bádù (Nós a vemos
Iansã, o dano [feitiço] vai desviar espírito de luz, você conhece a origem do feitiço e luta com quem o enviou)
R - Ao ri Yànsán éèdì o yà, ao ri Yànsán éèdì o yà, ao ri Yànsán éèdì o yà, erúnmalè e mòdí bádù (Nós a vemos
Iansã, o dano vai desviar espírito de luz, você conhece o origem do feitiço e luta com quem o enviou)
T - Oujá’ k’lù’lú, Yànsán s’enem ebo (Oiá com a vara golpeia o povo, à Iansã a gente faz oferenda)
R - Oujá’ k’lù’lú, Oujá s’eni ebo (Oiá com a vara golpeia o povo, à Oiá a gente faz oferenda)
T - Wá màá’nà màá nà dê l’oke (Vem sempre se manifestando, sempre se manifestando chega da montanha)
R - Ao ri Yànsán éèdì o yà (Nós a vemos Iansã, o feitiço vai desviar)
T - Ògún mélò mélò dê’wu? (Ogum quanto, quanto perigo chega?)
R - Ao ri Yànsán éèdì o yà (Nós a vemos Iansã, o feitiço vai desviar)
T - Òní rà elù ota wa ou! (Hoje repara, golpeia nossos inimigos)
R - Ao ri ou òní rà òbe sei ou! (Vemos-lhe reparando hoje, faça-o com a espada)
T - Elù ota wa ou! (Oh!Golpeia nossos inimigos)
R - Ao ri ou òní rà òbe sei ou! (Vemos-lhe reparando hoje, faça-o com a espada)
T - Elù meu ota ou! (Oh! Golpeia meus inimigos)
R - Ao ri ou òní rà òbe sei ou! (Vemos-lhe reparando hoje, faça-o com a espada)
T - Èbi yà odo wa Oujá dê èbi yà odo wa Oujá dê, Yànsán-Oya e pé èbi yà odo wa Oujá dê (Que a injustiça se
desvie do nosso rio, chegue Oiá, que o ofensa se desvie do rio nosso, chegue Oiá. Iansã-Oiá chame-a, que a injustiça
se desvie do nosso rio, chegue Oiá)
R - Èbi yà odo wa Oujá dê èbi yà odo wa Oujá dê, Yànsán-Oya e pé èbi yà odo wa Oujá dê (Que a injustiça se
desvie do nosso rio, chegue Oiá, que o ofensa se desvie do rio nosso, chegue Oiá. Iansã-Oiá chame-a, que a injustiça
se desvie do nosso rio, chegue Oiá)
T - Èbi a odo a Oya dê èbi a odo a Oya dê, èlè wá rà èpé èbi yà odo wa Oujá dê (Que a injustiça se desvie do
nosso rio, chegue Oiá, que a ofensa se desvie do rio nosso, chegue Oiá. Que a espada venha reparar a maldição e a
ofensa apartando-nos! Ah nosso rio Oiá, chega!)
R - Èbi a odo a Oya dê èbi a odo a Oya dê, èlè wá rà èpé èbi yà odo wa Oujá dê (Que a injustiça se desvie do
nosso rio, chegue Oiá, que a ofensa se desvie do rio nosso, chegue Oiá. Que a espada venha reparar a maldição e a
ofensa apartando-nos! Ah nosso rio Oiá, chega!)
T - Àsà sei wà àdé! (A tradição faz com que exista a coroa!)
R - Àdé wá aiyé (Coroa vem ao mundo)
T - A! káà téra wè (Afrouxemos nossos corpos para o banho)
R - Àdé wá aiyé (Coroa vem ao mundo)
T - Abádò òrò kó Yànsán a dupé òrò kó màá ré jó (O espírito eterno recolhe Iansã, nós lhe agradecemos a
riqueza que recolhemos continuamente e que aumenta dançando)
R - Abádò òrò kó Yànsán a dupé òrò kó màá ré jó (O espírito eterno recolhe Iansã, nós lhe agradecemos a
riqueza que recolhemos continuamente e que aumenta dançando)
T - Ògún là ká padò Yànsán! (Ogum salva e corta, retorna Iansã)
R - Òrò kó meu yányán Oujá (Oiá recolhe completamente meu espírito)
T - Yànsán lè p fúù hei (Iansã pode levantar e matar com sua voz [o som do vento])
R - E p! (A senhora mata!)
T - Ògún ké lè p’altar (Ogum corta, pode matar o corpo)
R - E p! (O senhor mata!)
T - Yànsán kun Ògún (Iansã divide Ogum)
R - E p! (A senhora mata!)
T - Ògún kun Yànsán (Ogum divide Iansã)
R - E p! (O senhor mata!)
T - Ògún lépa’ kú yé (Ogum afasta a morte, por favor)
R - E p! (O senhor mata!)
T - Wélé wélé b’èyí kò (Brandamente, lentamente como isto não!)
R - Oya wélé wélé b’èyí kò (Oiá brandamente, lentamente como isto não!)
T - Ògún òré pé lhe (Ogum chama a estabelecer a amizade)
R - Òré pé! (Uma amizade completa)
T - Sou rò rò oke meu laiyà yá, omi nem laba lò kí l’Oujá (Cuida que caia água do alto de seu peito, logo a
água no lar se usa, nos visite Oiá)
R - Sou rò rò oke meu laiyà yá, omi nem laba lò kí l’Oujá (Cuida que caia água do alto de seu peito, logo a
água no lar usa, nos visite Oiá)
T - Oujá k’ àrá boro ko (Oiá corta o trovão, estreita o relâmpago)
R - Oujá d’oko Oujá nísé (Oiá chega à plantação, Oiá tem trabalho)
T - Ekó deu eko ou ní’ kó ró (Ensina a jovem a fazer o ecó, você tem que ensinar as tarefas
femininas)
R - Oujá d’oko Oujá nísé (Oiá chega à plantação, Oiá tem trabalho)
T - Oya e e e e ! (Ê Oiá)
R - Oya e e e e ! (Ê Oiá)
T - Oya e yé aiyé ! (Por favor! Vida, Oiá)
R - Oya e yé aiyé ! (Por favor! Vida, Oiá)
T - F’ara Ògún fara Ògún fara bá ìsé rò èrò (Usa o corpo Ogum, usa o corpo, passa ao trabalho e pensa em
solução)
R - F’ara Ògún fara Ògún fara bá ìsé rò èrò (Usa o corpo Ogum, usa o corpo, passa ao trabalho e pensa em
solução)
T - Ògún aláiyé! (Ogum dono de vida)
R - Fara Ògún fara (Usa o corpo Ogum, usa o corpo)
T - Fara Ògún ló Oya (Usa o corpo Ogum, você que tem Oiá)
R - Oya’ níre (Oiá proprietária de bênçãos)
T - Oya meu másé o yá Oya meu másé o yá l’òrun bè wò (Oiá não me faça ir logo ao céu, rogo que me cuide)
R - Oya meu másé o yá Oya meu másé o yá l’òrun bè wò (Oiá não me faça ir logo ao céu, rogo que me cuide)
T - Àkàrà lè yí lè yí abo f’ohùn òrìsà l’òrun dê ou (Força que pode transformar a mulher com voz de Orixá no
céu, chega)
R - Àkàrà lè yí lè yí abo f’ohùn òrìsà l’òrun dê ou (Força que pode transformar a mulher com voz de Orixá no
céu, chega)
T - Á d’okun o mò yio á d’okunlá se jó àse nsùn là se jó Oya màá chá wò (Vem do mar conhecer sua força
selvagem, vem do grande mar fazer o festejo, o poder que está abraçando, aparece e faz festa Oiá, sempre te
manifestando por todos lados, nos cuide)
R - Á d’okun o mò yio á d’okunlá se jó àse nsùn là se jó Oya màá chá wò (Vem do mar conhecer sua força
selvagem, vem do grande mar fazer o festejo, o poder que está abraçando, aparece e faz festa Oiá, sempre te
manifestando por todos lados, nos cuide)
T - Oujá dê’ lú yá, Oya dê’lú yá l’Òrun bè wò Oya dê’ lú yá (Oiá chega ao povo logo, no céu roga e cuida, Oiá
chega logo ao povo)
R - Oujá dê’ lú yá, Oujá dê’lú yá Oujá dê’ lú yá (Oiá chega logo ao povo)
T - Lòrun bè wò (No céu roga e cuida)
R - Oujá dê’ lú yá (Oiá chega logo ao povo)
T - E lò ire èp rà màá ou, e o ire èp rà tó (Oh! Use o poder de sua jarra medicinal, repare sempre, use o poder
de sua jarra medicinal repare e que assim seja!)
R - E lò ire èp rà màá ou, e o ire èp rà tó (Oh! Use o poder de sua jarra medicinal, repare sempre, use o poder
de sua jarra medicinal repare e que assim seja!)
T - Erun dê Oujá d’oko ero (Chega Oiá da plantação com o carvão medicinal)
R - Erun dê Oujá d’oko èrò (Chega Oiá da plantação com o carvão medicinal)
T - Oujá d’oko (Oiá da plantação)
R - Èrò èrò ! (Solução, remédio!)
T - Ou bí là yà ou bí là yà! (Você nasce, abre-te e te divide!)
R - Oujá má ké kekere (Oiá não corte a boa sorte)
T - Sàngó l’Oya ! (Xangô tem Oiá)
R - Òkerè kéré wé esè (Na distância pequena deixa seu rastro)
T - Oya Oya Oujá ní’ gódò, Oya ní’ gódò sá padà ní gódò (Oiá, Oiá, Oiá tem sua morada no rio, corre, retorna
que tem sua morada no rio)
R - Oya Oya Oujá ní’ gódò, Oya ní’ gódò sá padà ní gódò (Oiá, Oiá, Oiá tem sua morada no rio, corre, retorna
que tem sua morada no rio)
T - Kò mò l’oko mò l’ode? Kò mò l’oko mò l’Oya? Kò mò l’oko mò l’ode? Kò mò l’oko mò l’Oya? Oya bádé
sei! (Não entende que tem um marido caçador? Não entende que tem um marido que sabe o que é ter Oiá? Oiá
retorna com ele, faça-o!)
R - Kò mò l’oko mò l’ode? Kò mò l’oko mò l’Oya? Kò mò l’oko mò l’ode? Kò mò l’oko mò l’Oya? Oya bádé
sei! (Não entende que tem um marido caçador? Não entende que tem um marido que sabe o que é ter Oiá? Oiá
retorna com ele, faça-o!)
T - Àjà jagun áseni l’Oya seni l’Oya (Lutador acabe com a guerra, um inimigo desconhecido tem Oiá, um
inimigo desconhecido a tem)
R - Àjà jagun áseni l’Oya seni l’Oya (Lutador acabe com a guerra, um inimigo desconhecido tem Oiá, um
inimigo desconhecido a tem)
T - E ire Oya bó bò (Que Oiá tenha boa sorte, que escape e volte)
R - Oya yé a bè féra (Por favor Oiá, rogamos que faça vento)
T - Oya bó bò (Oiá escape e volte)
R - Oya yé, a bè féra (Por favor Oiá, rogamos que faça vento)
T - Onísàngó bà yìn yá Oya d’oko Àgànjú kabiyesi’lé onísàngó bà yìn (O sacerdote de Xangô se inclina rápido
em louvor a Oiá que chega do campo com Aganju, sua alteza à casa, o sacerdote do Xangô se inclina em louvor)
R - Onísàngó bà yìn yá Oya d’oko Àgànjú kabiyesi’lé onísàngó bà yìn (O sacerdote do Xangô se inclina em
louvor rápido a Oiá que chega do campo com Aganju, sua alteza à casa, o sacerdote do Xangô se inclina em louvor)
T - Oya má chá ou ariwo, àkàrà, oyin, já kó o (Oiá não estenda para fora seu barulho [trovão], consiga,
recolha e use)
R - Oya má chá ou ariwo, àkàrà, oyin, já kó o (Oiá não estenda para fora seu barulho, consiga, recolha e use)
T - Ao ri Yànsán éèdì o yà, pàra óògún dê l’Oujá (Vemos Iansã desmanchando o feitiço, de repente o remédio
chega à Oiá)
R - Ao ri Yànsán éèdì o yà, pàra óògún dê Oyà (Vemos Iansã desmanchando o feitiço, de repente o remédio
chega à Oiá)
XANGÔ
Tamboreiro - Ajúbà Sàngó kámùka, Sàngó aganjú Ìbejì, Sàngó aganjú déyi ogodo, Sàngó Oubakòsó, olúfinná bàbá
Aláàfin! Káwó kábíyèsí lè Oba Sàngó! (Respeitamos o Xangô, facão que corta e desaparece, Xangô que de seu trono
está olhando os gêmeos sagrados, Xangô que de seu trono está olhando chegar forte como um bezerro, Xangô o rei
que não se enforcou, senhor que usa o fogo, pai dono do palácio. Domina o mundo sua alteza, Rei Xangô!)
Responder - Kawó kábíyèsí lè! (Domina o mundo sua alteza!)

T - Alárun dê Sàngó ká mù’k Bàbá ou bá rò’ fim là (Chega dono do céu Xangô, facão que corta e desaparece,
pai você surpreende, edita as leis, aparece)
R - Alárun dê Sàngó ká mù’k Bàbá ou bá rò’ fim là (Chega dono do céu Xangô, facão que corta e desaparece,
pai você surpreende, edita as leis, aparece)
T - Alárun dê! (Chega dono do céu)
R - Sàngó ká mù’k (Xangô, facão que corta e desparece)
T - Bàbá rò’ fim là (Pai você edita as leis e aparece)
R - Sàngó ká mù’k (Xangô, facão que corta e desparece)
T - Wólè wólè wólè kábíyèsílè àdé! (Baixamos o rosto, reverenciamos sua alteza e a coroa)
R - Wólè wólè wólè kábíyèsílè àdé! (Baixamos o rosto, reverenciamos sua alteza e a coroa)
T - L’òkè ! (Nas alturas)
R - Sá bu èlò (É instrumento que corre e corta [o raio])
T - Olúwa gun bàábo igbó elefà l’òrìsà, olúwa gun bàábo igbó elefà nú ebo (Nosso senhor sobe à árvore de
grandes folhas no bosque sagrado, você que atrai o que tem Orixá, sobe à árvore do bosque, você que atrai a limpar
as oferendas)
R - Olú wò gùn má bó igbo èle fà l’òrìsà, olú wò gùn má bó igbo èle fà l’òrìsà (Senhor que observa de tão alto,
que não escape o covarde de ser atraído à violência do Orixá)
T - Olúghohún má bó igbo èle fà l’òrìsà, olú wò gùn má bó igbo èle fà l’òrìsà (Julga o que viola a tradição, que
não escape o covarde de ser atraído à violência do Orixá)
R - Olú wò gùn má bó igbo èle fà l’òrìsà, Olú wò gùn má bó igboèle fà l’òrìsà (Senhor que observa de tão alto,
que não escape o covarde de ser atraído à violência do Orixá)
T - Aganjú èkó meu’nà’ wè jéjé ori jéjé Aganjú èkó meu’nà’ wè jéjé ori Sàngó (Aganju me ensine também o
caminho de cumprir a tradição de minha cabeça, a cumprir os juramentos, ensina me a cumprir a tradição de ter a
cabeça do Xangô)
R - Aganjú èkó meu’nà’ wè jéjé ori jéjé Aganjú èkó meu’nà’ wè jéjé ori Sàngó (Aganju me ensine também o
caminho de cumprir a tradição de minha cabeça, a cumprir os juramentos, ensina me a cumprir a tradição de ter a
cabeça do Xangô)
T - Òdodo sim èmi r’emi Aganjú màá ní sé oulà, òdodo mò èrè meu Sàngó, Àgànjú màá ní sé olà (Justiça para
mim Aganju, que sempre faça e tenha honra, que sempre saiba a verdade que me beneficia Xangô Aganju, que
sempre faça e tenha honra)
R - Òdodo sim èmi r’emi Aganjú màá ní sé oulà, òdodo mò èrè meu Sàngó, Àgànjú màá ní sé olà (Justiça para
mim Aganju, que sempre faça e tenha honra, que sempre saiba a verdade que me beneficia Xangô Aganju, que
sempre faça e tenha honra)
T - Àgúnta ou! (Crave meus inimigos)
R - Màá nísé olá ! (Sempre tem trabalho e honra)
T - Ga màá aládé ou! (Oh elevado, sempre dono da coroa)
R - Lókun kerèrè! (Força de longe)
T - Ìbò moore! (Retorna engrandecido)
R - Kerèkè ìbò moore kerèkè! (De longe você retorna engrandecido)
T - Sorò sorò ou ní’godo (Para a festa anual espiritual de passagem tem tambor)
R - Sorò sorò ou ní’ Sàngó (Para a festa anual espiritual tem Xangô)
T - Akun bè’ rí (Adornado com contas sagradas roga pela cabeça)
R - Àrá akun bè’ rí àrá (Trovão com contas sagradas, roga pela cabeça, trovão)
T - Àgànjú ekùn èrè p (Aganju leão, te manifeste)
R - Àgànjú ekùn s’ara yà (Aganju leão, te manifeste no corpo)
T - S’ara yà ká fá’mode s’ara yà ká fá’mode wò! (No corpo te manifeste, recolhe e ampara o filho [noviço],
cuida-o)
R - Ou yà’ ba dilé s’ara yà ká fá’mode! (Você que é rei da casa te manifeste no corpo, recolhe e ampara o
filho)
T - Onípè nem Sàngó (Quem chama é Xangô)
R - Abá’ deu onípè ou yá bá’ deu (O pilão e o caminho estão chamando, você logo encontra o
pilão)
T - Ègé bò’ré wa Agodó sá là sá là sá ou! (Evita os empecilhos e traga nossa bênção espírito do tambor, corre,
corre e nos salve)
R - Ègé bò’ré wa Agodó sá là sá là sá ou! (Evita os empecilhos e traga nossa bênção espírito do tambor, corre,
corre e nos salve)
T - Kan’lù’lù, kan’lù’ lù dê (Chega o toque do tambor)
R - Ounà rèé ou kan’lù’lù dê (Esse é o caminho, que chegue o toque do tambor)
T - Aká ká tigbó Sàngó, àká ká bàbá na’ ré wa (Xangô é o que recolhe a colheita no monte, usa sua colheita
para aumentar o fogo. Pai, use esse fogo para que aumentem nossos bens)
R - A yé ààyè ààyè, a yé ààyè ààyè! (Ah! Por favor, vida, vida)
T - K’ lú’ lú dê, a’ lú’ lú dê, è dè’ káàbò kábíyèsílè ayé, è dê káàbò kábíyèsílè ayé (Chega o que enche o povo,
chega Xangô sua alteza real ao mundo, bem vindo sua alteza real ao mundo!)
R - K’ lú’ lú dê, a’ lú’ lú dê, è dè’ káàbò kábíyèsílè ayé, è dê káàbò kábíyèsílè ayé (Chega o que enche o povo,
chega Xangô sua alteza real ao mundo, bem vindo sua alteza real ao mundo!)
T - Olokun dê ou! (Chega e nos preenche!)
R - Altar dê kún dê kún dê kaá! (Trovão, chega e preenche tudo, chega e preenche)
T - Ara kún dê! (Trovão chega e preenche)
R - Altar dê kún dê kún dê kaá! (Trovão, chega e preenche tudo, chega e preenche)
T - Sovo ibò yé! (Por favor retorna vodum Sovo)
R - Aiokò lái-lái sànbo ilúwe aiokò lái-lái? (Sem embarcação, o que passará na inundação? Deve nadar sem
embarcação? O que acontecerá?)
T - Sovo ndé! (O vodum Sovo está chegando!)
R - Akágun alárun dê, ayé, aiyé, akágun alárun dê (Conquistador, dono do céu chegue ao mundo, à vida,
conquistador, dono do céu, chegue)
T - Olókun dê! (Chega e nos preenche!)
R - Akágun alárun dê, ayé, aiyé, akágun alárun dê (Conquistador, dono do céu chegue ao mundo, à vida,
conquistador, dono do céu, chegue)
T - Sovo báyi alárun dê, Sovo báyi alárun dê, bá yi alárun dê, Sovo bá yi alarun dê ou! (Sovo dono do céu,
chega Sovo dono do céu, passa resistente e chega)
R - Sovo báyi alárun dê, Sovo báyi alárun dê, bá yi alárun dê, Sovo bá yi alarun dê ou! (Sovo dono do céu,
chega Sovo dono do céu, passa resistente e chega)
T - Alubàtá ou! kábíyèsílè ndé ou! (Oh dono dos tambores batá! Oh! Sua alteza está chegando!)
R - Alubàtá ou! kábíyèsílè ndé ou! (Oh dono dos tambores batá! Oh! Sua alteza está chegando!)
T - Agodó màá iyo, agodó màá iyo àtéwó já Àgànjú màá eu àtéwó já òdodo màá iyo (O tambor sempre nos
alegra, o tambor sempre nos alegra, estende as mãos abertas dando passo ao Aganju que aparece com sua palma
estendida pesando a verdade e nos alegrando)
R - Agodó màá iyo, agodó màá iyo àtéwó já Àgànjú màá eu àtéwó já òdodo màá iyo (O tambor sempre nos
alegra, o tambor sempre nos alegra, estende as mãos abertas dando passo ao Aganju que aparece com sua palma
estendida pesando a verdade e nos alegrando)
T - Káwó kábíyèsílè omo sèré omo júbà (Sua alteza domina o mundo, filho da cabaça com contas, filho
reconhecido)
R - Káwó kábíyèsílè omo sèré omo júbà (Sua alteza domina ao mundo, filho da cabaça com contas, filho
reconhecido)
T - Nà àgò’rò ai àjà orò (Saudamos o espírito para que não haja luta com ele)
R - Àgò yé yé! (Por favor, com licença!)
T - Omo júbà! (Filho respeitoso!)
R - Lái lái mojúbà aiyé oumo júbà, lái lái oumo júbà aiyé (Eternamente eu respeito a vida, ao filho respeito
sempre na vida)
T - Káwó! (Domina o mundo!)
R - Kábíyèsílè! (Sua alteza!)
T - Elìjó’ gòdó a k’àrá wó, a ní sé wó, a ní sei wó (Senhor da dança do tambor, nós recolhemos a queda do
raio, temos que fazê-lo cair, devemos fazer com que caia)
R - Elìjó’ gòdó a k’ àrá wó, a ní sé wó, a ní sei wó (Senhor da dança do tambor, nós recolhemos a queda do
raio, temos que fazê-lo cair, devemos fazer com que caia)
T - Adé wó wó! (Coroa cai, cai!)
R - A ní sei wó, a ní sei wó (Temos que fazer cair)
T - A ní sé wó lha pariwó! (Temos que fazer cair, lança um grito ensurdecedor [trovão])
R - A ní sei wó abà orò! (Temos que fazer cair uma porção do espírito)
IBEJIS
Tamboreiro - A júbà Ìbejì orò, Sàngó dibeji, Òsun dibeji, Oujá níbeji, gbogbo owó fun wa òòsà ibeji, ìbejì
orò! (Respeitamos aos espíritos gêmeos, Xangô convertido em gêmeo, Oxum convertida em gêmea, Oiá tendo
gêmeos, espíritos gêmeos!)
Responder - Ìbejì orò! (Espíritos gêmeos!)

T - Dì owo dì owo tàlà d'Ìbejì èjì owo tàlà d' Ìbejì èjì owo olórun dê ou! (Oh! Chega o dono do céu convertido
em dobro de riqueza, convertido em gêmeos da fronteira para este mundo)
R - Dì owo dì owo tàlà d'Ìbejì èjì owo tàlà d' Ìbejì èjì owo olórun dê ou! (Oh! Chega o dono do céu convertido
em dobro de riqueza, convertido em gêmeos da fronteira para este mundo)
T - Dì owo dì owo Sàngó d 'Ìbejì èjì owo tàlà d' ìbejì eji owo (Converte-se em riqueza Xangô, se converte em
gêmeos, o dobro de riqueza do começo convertido em gêmeos)
R - Dì owo dì owo Sàngó d 'Ìbejì èjì owo tàlà d' ìbejì eji owo (Converte-se em riqueza Xangô, se converte em
gêmeos, o dobro de riqueza do começo convertido em gêmeos)
T - Elékùn jà ré ou! (Oh dono do leão que briga e nos assusta!)
R - Ekùn jà ré ogun lò! (O leão briga, assusta e finaliza a guerra)
T - Owo owo èbùn l'èrùn dê dì lókè o wá jà estraguem okun dê elékùn jà ré ou! (Dá de presente riquezas, traz
a seca, vai mensalmente lutar, oh! Chega dono do leão que luta e assusta)
R - Okun jà ré ogun o (Luta com força, termina a batalha e se vai)
T - Bàbá 'rúnmalè olú fà (Pai espiritual, senhor que ampara)
R - Bàbá 'rúnmalè olú fà (Pai espiritual, senhor que ampara)
T - Tàlà d'ibeji jó Sàngó tàlà d'ibeji jó l’àlà ré wa (Do começo Xangô dança convertido em gêmeos, mais
adiante virá cruzando a fronteira)
R - Anípé èjì jó (Dançam em dupla alcançando seu destino)
T - L’àlà ré wa (Virão cruzando a fronteira)
R - Anípé èjì jó (Dançam em dupla alcançando seu destino)
T - Tàlà d'ibeji èjì w'owo tàlà d'ibeji èjì w'owo (Convertido em gêmeos traz o dobro de riqueza da fronteira)
R - Oujá sei sùn 'malè tàlà d'ìbejì èjì w'owo (Oiá faz dormir os gêmeos convertidos no Orixá do princípio, vem
o dobro de riqueza)
T - Hù bádé hù bádé hù bádé a k’orò (Germinem, retornem juntos que nós lhe recolhemos espíritos)
R - Dada sélè hù bádé a k’orò (Espíritos dos meninos que nascem com cabelo, nós perdemos um filho, faz
com que germinem e retornem que nós os recolheremos)
T - A sé sùn Sàkpàtà, yé sùn lábà wè (Suplicamos a Xapanã, por favor, suplicamos que nosso lar se limpe)
R - A sé sùn Sàkpàtà, yé sùn lábà wè (Suplicamos a Xapanã, por favor, suplicamos que nosso lar se limpe)
T - Esun lábà wè, esun lábà wè (Que a erva tromba de elefante limpe nosso lar)
R- A sé sùn Sàkpàtà, yé sùn lábà wè (Suplicamos a Xapanã, por favor, suplicamos que nosso lar se limpe)
T - Àlà wí àlà wí erù rè bàbá (Em sonhos o pai nos comunica do peso adicional [gravidez])
R - Àlà wí àlà wí erù rè bàbá (Em sonhos o pai nos comunica do peso adicional [gravidez])
T - Orò kun dê ou! (Oh! Espírito te divida e chega)
R - Altar dê kun dê kun dê ká (O corpo chega dividido, chega em partes)
ODÉ E OTIM
Tamboreiro - Ajúbà Ode, Otìn, àwon odemata, ode kayode, Oude at’Otìn b’omi bò dê’lé. Òkì bámbò
Ode! (Respeitamos Odé e Otim, caçadores de inimigos, caçadores que são nossa alegria, Odé e Otim como a água
retornem e cheguem em casa. Acompanho sua chegada caçador, dando vivas!)
Responder - Òkì bámbò ke! (Acompanho sua chegada gritando!)

T - Ousam pá èrè pé omo olurò èrè p ou (O instrumento de bênção de cauda de búfalo sem cabelos demora
em dar benefício ao filho, senhor do remédio que beneficia, chamamos-lhe)
R - Ousam pá èrè pé omo olurò èrè p (O instrumento de bênção de cauda de búfalo sem cabelos demora em
dar benefício ao filho, senhor do remédio que beneficia, chamamos-lhe, senhor do remédio, nós sempre chamamos
o benefício)
T - Mim n’erò mim n’erò Ode mim n’erò mim n’erò Ode! (Eu tenho o remédio que é Odé, eu tenho o
remédio que é Odé)
R - Vosan pá, mim n’erò mim n’erò Ode! (O instrumento de benção de cauda de búfalo não tem cabelos, eu
tenho o remédio que é Odé)
T - Ode ou m’óta! (Odé você apanha os inimigos)
R - Otìn bò rò Ode (Otim deve solicitar a Odé)
T - Ode m’oulha, m’oulha Otìn bò rò (Otim deve solicitar a Odé que apanhe os inimigos)
R - Ode m’óta, Otìn bò rò (Otim deve solicitar a Odé que apanhe os inimigos)
T - Ode àjà kùnà pani ró, àjà kùnà pani ró àjà kùnà èdé m’Oude m’Otìn á ká rere ou, àjà kùnà pani ró! (Odé
lutador que faz tremer, que domina e submete o búfalo que reconhece Odé e reconhece Otim [suas forças] recolhe
o que é bom, lutador que domina e submete)
R - Àjà kùnà pani ró, àjà kùnà pani ró àjà kùnà, èdé m’Oude m’Otìn á ká rere ou, àjà kùnà pani ró! (Odé
lutador que faz tremer, que domina e submete o búfalo que reconhece Odé e reconhece Otim recolhe o que é bom,
lutador que domina e submete)
T - Èdé m’Ode m’Outìn á ká rere ou! (Oh! O búfalo reconhece Odé e Otim recolhendo o que é bom)
R - Àjà kùnà pani ró (Lutador que faz tremer, submete e domina)
T - Ode p meu láro (Odé me console)
R - Ode p meu láro (Odé me console)
T - Ode p meu láro sà f’oumode (Odé me console, aplica medicina, usa seu filho)
R - P meu láro sà f’oumode (Me console e aplica medicina usando seu filho)
T - Né! Ao ba Ode, ao ba Ode! (Nós respeitamos Odé)
R - Ara só só wá Ode (O corpo protege, vem Odé)
T - Sei ká relé sé ká relé wa? (Vamos para casa?)
R - Ayansé’ yansé ká relé! (Toma sua própria decisão sobre voltar para casa)
T - Diga là ire, là ire p, diga là ire, là ire p, diga là (Que do alto apareça a boa sorte, chama que apareça a
bênção)
R - Aaa yé aaa yé! Diga là ire là ire p, diga là (Ah por favor! Que do alto apareça a boa sorte, chama)
T - Esun là esun lò aberikunlo a wè àwon (A erva tromba de elefante salva, usa a erva tromba de elefante e a
erva espanta morto, nós nos banhamos com elas)
R - Esun là esun lò aberikunlo a wè àwon (A erva tromba de elefante salva, usa a erva tromba de elefante e a
erva espanta morto, nós nos banhamos com elas)
T - Otìn yé aayé! (Otim por favor, vida!)
R - Yé aayé! (Por favor, vida!)
T - Otìn a koro! (Otim, nós vamos)
R - A koro ! (Nós vamos)
T - Otìn abesù! (Otim, segue pelo caminho o Exu)
R - A koro ! (Nós vamos)
T - Ode omo s’ite a dìde ou! (Odé, filho feito no bosque, nos pomos de pé)
R - Ode omo s’ite a dìde ou! (Odé, filho feito no bosque, nos pomos de pé)
T - Bere beni só dê, bere beni só dê, àká ká ou kún, ou kún f’meu erè, bré beni só dê (Começa a proteger de
fora a colheita, me preencha e me premie, começa a proteger de fora)
R - Bere beni só dê, bere beni só dê, àká ká ou kún, ou kún f’meu erè, bré beni só dê (Começa a proteger de
fora a colheita, me preencha e me premie, começa a proteger de fora)
T - Èrè akókè r’okè! (Nos eleve para as recompensas, nos eleve)
R - Òkè akokè r’okè òkè (Vamos, sobe para o topo, para cima)
T - Ode se màá laiya se’rúnmalè, Ode se màá laiya se’rúnmalè (Odé faz com que eu sempre tenha valentia,
me faça um espírito de luz)
R - Òrorò ró kún dê, Oude se màá laiya se’rúnmalè (Te impulsione, te manifesta, chega, faz com que eu
sempre tenha valentia, me faça um espírito de luz)
T - Olóògun béè wò (Dono de remédios para cuidar)
R - Olóògun béè wò (Dono de remédios para cuidar)
T - E e jí òwè (Você desperte a ajuda comunitária)
R - Á jí òwè (Deve despertar a ajuda comunitária)
T - Á jí òwè o (Deve despertar a ajuda comunitária e ir)
R - A jí òwè o ogun (Deve despertar a ajuda comunitária e ir à luta)
T - Ode pere meu Ode meu pere (Odé seja generoso comigo)
R - Oogun f’meu èrè (Me premie com a medicina)
T - Èrè bere ké tì (O prêmio como recompensa, corta e luta)
R - A ìró maa yó erúnmalè a rí ou (Nossos sons sempre fundem e lhe vemos espírito de luz)
T - Ode ire’yin Ode minha’ré wá yára wò yára òkè olóbe ìsé kári rè wò (Odé é sua bênção, Odé é minha
benção, vem rápido, visita logo, no alto da montanha o dono da faca trabalha por tudo ao redor, aumenta a
vigilância)
R - Ode ire’yin Ode minha’ré wá yára wò yára òkè olóbe ìsé kári rè wò (Odé é sua bênção, Odé é minha
benção, vem rápido, visita logo, no alto da montanha o dono da faca trabalha por tudo ao redor, aumenta a
vigilância)
T - Bá mó rà bá mo dê bá mó m’altar k’àjà ode (Encontra, rompe, repara, passa, constrói, chega, surpreende,
rompe mas não o corpo, calcula a luta Odé)
R - Bá mò’ra bá’ mode bá mó m’altar k’àjà Oude (Encontra, reconhece o corpo, encontra ao filho,
surpreende, rompe mas não o corpo, calcula a luta Odé)
T - Kò ní’ mode kò ní jà bi (Não tem filho, não tem que esforçar-se em nascer)
R – Otìn
T - E ní’ pópó okun e lè sem e lè sim okuta (Tem caminho e poder, você pode servir, pode viver na pedra)
R - E ní’ pópó okun e lè sem e lè sim okuta (Tem caminho e poder, você pode servir, pode viver na pedra)
T - Ode’ tìn bò rò ró’ tìn bò rò Ode m’oulha’ tìn bò rò (Odé e Otim retornem, solicitem passagem, Otim
retorna e solicita a Odé que apanhe os inimigos)
R - Ode’ tìn bò rò ró’ tìn bò rò Ode m’oulha’ tìn bò rò (Odé e Otim retornem, solicitem passagem, Otim
retorna e solicita a Odé que apanhe os inimigos)
T - Ou yà bere ké chá ou yà bere ke chá wá rà (Você separa, inclina-te, corta e expande, deve se redimir)
R - Ou yà gbogbo, ou yà bere ké chá ou yà bere ke chá wá rà, ou yà gbogbo (Você separa tudo, separa,
inclina-te, corta, expande, vem se redimir, separa tudo)
T - Ode meu èrè (Odé é minha recompensa)
R - Ode eram wò! (Odé da carne cuide [que não falte])
T - Pere meu meu pere (Generoso comigo)
R - Ode eram wò! (Odé da carne cuide [que não falte])
OBÁ
Tamboreiro - Ajúbà Oba s’ire, Oba àjórún , Oba’ Láde olomi oulha t’oubodò, b’omi layo wa, E só Oba! (Respeitamos a
Obá que nos benze, Obá que em sua viagem aniquila, proprietária da coroa, das águas e das pedras do rio Obá,
como a água nos alegre. Você protege Obá!)
Responder - E só Oba s’ire (Você protege e benze Obá!)

T - Odò f’ìyá odò f’ìyá (Mãe usa o rio)


R - Oba s’ire odò f’ìyá (Obá benze e usa o rio)
T - Onà goro onà goro bàbà ìrá wò (Cuida do caminho, do bambu, do milho da guiné e dos animais selvagens)
R - Onà goro onà goro bàbà ìrá wò (Cuida do caminho, do bambu, do milho da guiné e dos animais
selvagens)
T - Èrùn’ sele èrùn’ sele bàbà ìrá wò (Em tempo de seca cuida do milho da guiné e dos animais selvagens)
R - Èrùn’ sele èrùn’ sele bàbà ìrá wò (Em tempo de seca cuida do milho da guiné e dos animais selvagens)
T - Èrùn rè, ou lè gbowó nlèrò kò k’iná’ ba (O sol aumenta sua força, você pode sacudir as mãos consolando,
fazendo ar. Despreza, corta o fogo e o calor Obá)
R - Èrùn rè, ou lè gbowó nlèrò kò k’iná’ ba (O sol aumenta sua força, você pode sacudir as mãos consolando,
fazendo ar. Despreza, corta o fogo e o calor, Obá)
T - Là’ bata (Quebre o barro)
R - Aláabata (Proprietária do barro)
T - Là’ bata (Quebre o barro)
R - Kún se rèrè (Enche fazendo coisas boas)
T - Ak’òjò padò n’iro, e iyo ak’òjò padò n’iro, e iyo (Recolha a chuva de volta à altura, senhora alegre-nos)
R - Alàgba e ak’òjò padò n’iro, e iyo (Ancestral maior recolha a chuva de volta à altura, senhora alegre-nos)
T - Ìyá ìyá ou dê oko fi lànà (Sua mãe chega do campo pelo caminho aberto)
R - Ìyá ìyá ou dê oko fi lànà (Sua mãe chega do campo pelo caminho aberto)
T - Oukùnrin jà o um (Com o homem briga forte)
R - Ìyá ìyá ou dê (Sua mãe chega)
T - Sei’lè kún sei’lè kún (Faça que a terra se encha)
R - Sei’lè kún sei’lè kún’ sei (Faça que a terra se encha de obras)
T - Emi emí àjó kún’fé lè, emi emí àjó kún’fé lè, abo bò ’fé lomi, emi emí àjó kún’fé lè (Em minha jornada pela
vida cheio de amor à terra, volto e cubro a água de amor, eu mesmo viajo cheio de amor à terra)
R - Emi emí àjó kún’fé lè, emi emí àjó kún’fé lè, abo bò’fé lomi, emi emí àjó kún’fé lè (Em minha jornada pela
vida cheio de amor à terra, volto e cubro a água de amor, eu mesmo viajo cheio de amor à terra)
T - Odò oko féré mim (O rio e a plantação respiram nuvens de chuva)
R - Odò oko fè Oba (Obá amplia o rio e a plantação)
T - A bájà n’ire a bájà n’ire a bájè n’ire ofìn odò (Lutamos com bênção, lutamos com bênção, a mandato do
rio)
R - A bájà n’ire (Lutamos com bênção)
T - Ofìn odò (Mandato do rio)
R - A bájà n’ire (Lutamos com bênção)
T - Oba elékù àjà vosi, Oba elékù àjà vosi, Olóba só gbó bá, Oba elékù àjà osi (Obá proprietária da cova, luta
pelos ancestrais femininos, proprietária do rio Obá, cuida, entende e surpreende Obá proprietária da cova, luta pelos
ancestrais femininos)
R - Oba elékù àjà vosi, Oba elékù àjà vosi, Olóba só gbó bá, Oba elékù àjà osi (Obá proprietária da cova, luta
pelos ancestrais femininos, proprietária do rio Obá, cuida, entende e surpreende Obá proprietária da cova, luta pelos
ancestrais femininos)
T - S’apá d’orò (Faz com que o braço seja uma arma espiritual)
R - Kó meu yányán (Ensina-me a totalidade)
T - S’apá d’orò (Faz com que o braço seja uma arma espiritual)
R - Kó meu yányán (Ensina-me tudo)
T - S’apá d’orò (Faz com que o braço seja uma arma espiritual)
R - Kó meu yányán s’apá d’orò kó meu yányán (Faz com que o braço seja uma arma espiritual, ensina-me a
totalidade)
T - Oba Oba omi (Obá, Obá das águas)
R - Ou yá sùngbèmi (Você logo vem desaguar em mim)
T - Oba Oba omi (Obá, Obá das águas)
R - Ou yá sùngbèmi (Você vem logo desaguar em mim)
T - Oba Oba omi (Obá, Obá das águas)
R - Ou yá sùngbèmi Oba Oba omi ou yá sùngbèmi (Você logo vem desaguar em mim Obá, Obá das águas,
você logo vem desaguar em mim)
T - Oko kún dê! (Enche a plantação e chega)
R - Bàbà n’ire (Benze o milho da guiné)
T - Oba onísàngó Sàngó dê Oba Oba d’aiyé (Obá, o sacerdote de Xangô e o Xangô vêm Obá, Obá chega ao
mundo)
R - Oba onísàngó Sàngó dê Oba Oba d’aiyé (Obá, o sacerdote de Xangô e o Xangô vêm Obá, Obá chega ao
mundo)
T - Bò bo ganjin omnira f’ara rà màá ganjin omnira (Retorna, entra exaltada, está dando a liberdade, usa o
corpo, estabeleça que sempre esteja elevada e dando a liberdade)
R - Bò bo ganjin omnira f’ara rà màá ganjin omnira (Retorna, entra exaltada, está dando a liberdade, usa o
corpo, estabeleça que sempre esteja elevada e dando a liberdade)
T - Ode yi Oba lha’a mágùn mágùn (Guerreira resistente é Oba, dispara sua flecha com um feitiço que fere os
adúlteros)
R - Ode yi Oba lha’a mágùn mágùn (Caçadora resistente é Oba, dispara sua flecha com um feitiço que fere os
adúlteros)
OSSAIN
Tamboreiro - Ajúbà Òsanyìn wè omioro, Òsanyìn aibi, èwé lhe màá, Òsanyìn oogun nem’ke bomi Ewé
ou! (Respeitamos Ossanhe que banha com água medicinal, Ossanhe que não tem filhos, erva que se estende para
fora como a água, Ossanhe pratica medicina no alto. Oh as folhas!)
Responder - Èwé ou! (Oh as folhas!)

T - Nú a jà kún a bá omi (Nos ampara que nos esforçamos, enche que nós encontramos água)
R - Nú àjé wá, nú áseni (Que se perca o feitiço ao vir, que se perca o inimigo desconhecido)
T - Á sun e l’iná Bàbá omo sun e l’iná Bàbá (Venha queimar senhor, use o fogo pai, o filho suplica ao senhor
que use o fogo, pai)
R - Á sun e l’iná Bàbá omo sun e l’iná Bàbá (Deve queimar senhor, use o fogo pai, o filho suplica ao senhor
que use o fogo, pai)
T - Òsanyìn dêem imó ré (Ossanhe crie o conhecimento aumentando-o)
R - Ao ri ou màá eu erúnmalè ao ri ou (Nós sempre que o vemos festejamos, espírito de luz)
T - A tinrin tin tin (Sorrimos com desprezo assim, assim)
R - Ao ri ou màá yò erúnmalè ao ri ou (Nós sempre que o vemos festejamos, espírito de luz)
T - Òsanyìn bá ìsòro èrò màá yò, Òsanyìn bá ìsòro èrò màá yò (Ossanhe deixe para trás o problema com uma
solução que sempre festejarei)
R - Òsanyìn bá ìsòro èrò màá yò, Òsanyìn bá ìsòro èrò màá yò (Ossanhe deixe para trás o problema com uma
solução que sempre festejarei)
T - Ou yà, wá ga lè yò (Te manifeste e venha exaltado festejar)
R - Ou yà, wá ga lè yò erù fè (Te manifeste e venha exaltado festejar, carrega e trabalha)
T - Ao ga lè yò ao ga lè yò ao ga lè yò erù fè àga lè yò erù fè Òsanyìn dê màá’ rù ke fè (Nos exaltamos e
podemos festejar, carregamos e trabalhamos. Ossanhe chega, sempre carrega, corta e trabalha)
R - Ao ga lè yò ao ga lè yò ao ga lè yò erù fè àga lè yò erù fè Òsanyìn dê màá’ rù ke fè (Nos exaltamos e
podemos festejar, carregamos e trabalhamos. Ossanhe chega, carrega, corta e trabalha)
T- Ori móko! (A cabeça prevalece)
R - Bá mò kéré ké (Encontre-a, reconhece-a com um pequeno corte)
T - Ori koko (A cabeça firme)
R - Bá mò kéré ké (Encontre-a, reconhece-a com um pequeno corte)
T - Èrò meu sèrò èrò (Me cure, faz um remédio, um remédio)
R - Èrò meu sèrò èrò èrò (Me cure, faz um remédio, um remédio)
T - Ire abá bá omo (Que o filho encontre boa sorte no caminho)
R - Ire abá bá omo ire (Que o filho encontre boa sorte no caminho, boa sorte)
T - Òsanyìn s’èkó sei ré’kó (Ossanhe age e faz teu o ensino)
R - Sei ré’kó sei ré’kó s’èkó (Faz teu o ensino, age ensinando)
T - Èlò wá’ pè’ kó sun arun (Entidade de cura vem ó chamado, ensina a curar a enfermidade)
R - Èlò wá’ pè’ kó sun aro’ seu (Entidade de cura vem ó chamado, ensina a curar a tristeza)
T - Lànà’ rukè lànà’ rukè ewé òbe nf’ara bo (Abra o caminho com o rabo de cavalo, as ervas e a faca. Usando
o corpo, entre)
R - Lànà’ rukè lànà’ rukè ewé òbe nf’ara bo (Abra o caminho com o instrumento de rabo de cavalo, as ervas e
a faca. Usando o corpo, entre)
T - Èkó fá èkó fá (Ensine tomando-me seu tempo)
R - Èkó fá èkó fá (Ensine tomando-me seu tempo)
T - Dê mã’ruke fè mã ‘rukè fè (Chegue sempre trabalhando com o instrumento de rabo de cavalo)
R - Òsanyìn dê mã’ruke fè (Ossanhe chegue sempre trabalhando com o instrumento de rabo de cavalo)
T - Èlò wá pè kó l’arun dê (Entidade de cura vem ó chamado, ensina a afastar a enfermidade, chega)
R - Èlò wá pè kó yára (Entidade de cura vem ó chamado, ensina rápido)
T - Èlò wá pè kó sei’ sei meu (Entidade de cura vem ó chamado, ensina, faz meu trabalho)
R - Èlò wá pè kó yára (Entidade de cura vem ó chamado, ensina rápido)
T - Òsanyìn nú àjé ki nú àjé ki baba ló odò kún (Ossanhe limpe a bruxaria empurrando-a, limpe a bruxaria
empurrando-a, pai. Jogue-a no grande rio)
R - Òsanyìn nú àjé ki nú àjé ki baba ló odò kún (Ossanhe limpe a bruxaria empurrando-a, limpe a bruxaria
empurrando-a, pai. Jogue-a no grande rio)
T - Òsanyìn rá wá meu àdé sei sei minha’ ré só só (Ossanhe te manifeste, vem minha coroa, me faça bem e
me protege)
R - Òsanyìn rá wá meu àdé sei sei minha’ ré só só (Ossanhe te manifeste, vem minha coroa, me faça bem e
me protege)
T - Né! Olósanyìn má ku orò! (Sacerdote de Ossanhe, não falte espírito!)
R - Òsanyìn Òsanyìn sim! (Ossanhe existe!)
T - Òsanyìn sá ru’ wé, dà yí sá ru’wé, dà yí sá ru’wé, dà yí sá ru’wé (Ossanhe corre e leva as ervas, macere-as,
transforme-as, corre e leva as ervas)
R - Òsanyìn sá ru’ wé, dà yí sá ru’wé, dà yí sá ru’wé, dà yí sá ru’wé (Ossanhe corre e leva as ervas, macere-as,
transforme-as, corre e leva as ervas)
T - Oti oti dê wá Òsanyìn rà oti dê wá (Ossanhe deve buscar a bebida, pegue a bebida que vem procurá-lo)
R - Oti oti dê wá Òsanyìn rà oti dê wá, oti oti dê wá (Ossanhe deve buscar a bebida, pegue a bebida que vem
procurá-lo, deve buscar a bebida)
T - Òsanyìn se ré bu wá Sàkpàtà ní se ré bu wá ou! (Ossanhe faz o bem, pesquisa profundamente, Xapanã
tem que fazer o bem, pesquisa profundamente)
R - Ou yà ou yà b’odù Òsanyìn se ré bu wá (Te divida, te divida como os signos do Ifá, Ossanhe faz o bem e
pesquisa profundamente)
T - Ou yà ou yà b’odù! (Te divida, te divida como os signos do Ifá!)
R - Òsanyìn se ré bu wá (Ossanhe faz o bem e pesquisa profundamente)
T - Òsanyìn èdè oogun làí-làí, èdè oogun làí-làí (Ossanhe é a linguagem da medicina do começo dos tempos)
R - Òsanyìn sá ru’ wé èdè oogun làí-làí (Ossanhe corre, leva as ervas, é a linguagem da medicina do começo
dos tempos)
T - Sou èle sou èle! (Amarra com força)
R - Ásejù rá nà ré wá (Arrasta o excesso, propaga o bem, e vem)
T - Sou èle Òsanyìn g (Amarra com força Ossanhe e corta)
R - Ásejù rá nà ré wá (Arrasta o excesso, propaga o bem, e vem)
T - Sou sou ìtan jèfá (Nos amarre a uma história com uma experiência de boa sorte)
R - Ásejù rá nà ré wá sou ìtan jèfá, ásejù rá nà ré wá (Arrasta o excesso, propaga o bem, vem nos amarrar a
uma historia com uma experiência de boa sorte)
XAPANÃ
Tamboreiro - A júbà Sònpònnó jubéteyi bèlújá sápatà, Sònpònnó’ bàlúwàiyé, mólù. A ba ou! (Respeitamos o Xapanã
que supera, corta e se manifeste perseverante atravessando o povo, corre e mata os inimigos. Xapanã, rei do povo,
vem ao mundo limpar e golpear. Inclinamo-nos perante a ti!)
Responder - Ao ba ou! (Inclinamo-nos perante a ti!)

T - Jàró jàró Onídán koko ou ní jàró (Descobre as mentiras realizador de milagres, você tem que descobrir as
mentiras)
R - Jàró jàró Onídán koko ou ní jàró (Descobre as mentiras realizador de milagres, você tem que descobrir as
mentiras)
T - Mú jà mú jà, ké ri mú jà, mú jà mú jà, ké ri mú jà wò (Apanhe, esforce-se, corte, olhe, apanhe, esforce-se,
corte, olhe, apanhe, esforce-se e cuide)
R - Mú jà mú jà, ké ri mú jà, mú jà mú jà, ké ri mú jà wò (Apanhe, esforce-se, corte, olhe, apanhe, esforce-se,
corte, olhe, apanhe, esforce-se e cuide)
T - Mo b’ lè fò jàró mo b’ lè fò jàró (Eu rogo à terra, olha e descobre os enganos)
R - Mo b’ lè fò jàró mo b’ lè fò jàró (O conhecimento rogo à terra, olha e descobre os enganos)
T - Àsà j’ewo já fun wa wó ao ba ou erúnmalè (Na tradição violar a tradição nos derruba, nos faz cair,
inclinamo-nos perante a ti, espírito de luz)
R - Ao sá jé nú yà fun wa wó ao ba ou erúnmalè (Pedimos que permita limpar-nos livrando da queda.
Inclinamo-nos perante a ti, espírito de luz)
T - Ao ba ou erúnmalè (Inclinamo-nos perante a ti, espírito de luz)
R - Ao ba ou erúnmalè (Inclinamo-nos perante a ti, espírito de luz)
T - Okùn yé aiyé! (Salve portador da coroa de contas no mundo)
R - Ààyé yé ààyè (Vida por favor, vida)
T - Èle mo b’ lè fá tàlà bò lànà (Eu rogo à terra que limpe a violência, retorne do começo abrindo os
caminhos)
R - Ao sá jé nú ba òní, òní oba ou já, ao sá jé nú ba òní (Pedimos que permita limpar-nos e inclinarmos. Hoje
seu rei destrói, pedimos que permita limpar-nos e nos inclinarmos)
T - Tàlà fò wá ou! E lè fá tàlà fun malè (Oh! Do começo vem olhando, senhor pode limpar desde o princípio
para os espíritos de luz)
R - Tàlà fò wá ou! E lè fá tàlà fun malè (Oh! Do começo vem olhando, senhor pode limpar desde o princípio
para os espíritos de luz)
T - Èké ba ou, iná ba ou, iná ba ou, eb l’isé ode (A mentira se dobra perante a ti, o fogo se dobra perante a ti.
Você exige trabalhar fora [ter seu assentamento separado do resto dos Orixás])
R - Èké ba ou, iná ba ou, iná ba ou, eb l’isé ode (A mentira se dobra perante a ti, o fogo se dobra perante a ti.
Você exige trabalhar fora)
T - Ààyè adé’lú a lùpa ju mule (Vida coroa do povo, nós matamos com um golpe e superamos os juramentos
inquebráveis [cumprimos com eles])
R - Ààyè... Adé’lú a lùpa ju mule (Vida... Coroa do povo, nós matamos com um golpe e superamos os
juramentos inquebráveis)
T - E lù e lùpa ju mule, e lù e lùpa ju mule wò (Senhor golpeia, mata com um só golpe, supera os juramentos
inquebráveis e observa)
R - E lù e lùpa ju mule, e lù e lùpa ju mule wò (Senhor golpeia, mata com um só golpe, supera os juramentos
inquebráveis e observa)
T - Oko ru mã oko ru mã afá bá meu ba orò (O campo oferece sempre, o campo oferece sempre uma ponte
para me encontrar reverenciando o espírito)
R - Aiyé aiyé oko ru mã oko ru mã afá bá meu ba orò (O mundo dos antepassados do campo oferece sempre,
o campo oferece sempre uma ponte para me encontrar reverenciando o espírito)
T - A ju ìjà sei lù sei lù (Nós permitimos a luta, age e golpeia, age e golpeia)
R - A ju ìjà kò o kò o (Nós permitimos a luta não vá, não vá)
T - A ju ìjà kò o kò o (Nós permitimos a luta não vá, não vá)
R - A ju ìjà sei lù sei lù (Nós permitimos a luta, age e golpeia, age e golpeia)
T - L’epo l’epo l’epo (Use o azeite de dendê, use o azeite de dendê)
R - Kó lè janjan kó lè’são (Pode recolher intensamente com o instrumento de rabo de cavalo)
T - Níyà níyà níyà (Castigue, castigue, castigue)
R - Kó lè janjan kó lè’são (Pode recolher intensamente com o instrumento de rabo de cavalo)
T - E mú jà, mú jà, mú jà k’otà (Senhor recolhe e luta, recolhe e luta, recolhe, luta e corte os inimigos)
R - E mú jà, mú jà, mú jà k’otà (Senhor recolhe e luta, recolhe e luta, recolhe, luta e corte os inimigos)
T - Jà kó pani, jà kó panígbe (Lute, recolha-os, que sejam assassinados, lute recolha-os, faça-os chorar)
R - Jà kó p (Lute, recolha e mate)
T - Sònpònnó mo bè l’èrù òrìsà mo bè l’èrù (A Xapanã eu rogo no medo, ao Orixá eu rogo no medo)
R - Ààyè èrù malè wó (Rompe os medos da vida, espírito de luz)
T - Sàkpàtà ku’lha meu (Xapanã paralisa meu inimigo)
R - Olomi l’awo (Dono da água na pele)
T - Sàkpàtà ku egba mo (Xapanã paralisa o chicote destruidor)
R - Olomi l’awo (Dono da água na pele)
T - Sàkpàtà òb nem tè õwo (Xapanã, a faca tem que pressionar o furúnculo)
R - Sàkpàtà òb nem òbe nem tè õwo (Xapanã, a faca tem que pressionar o furúnculo)
T - E lè’gbára òní tè òbe l’awo, agbára oni tè òbe l’awo (Senhor, pode com força pressionar a faca na pele,
com força hoje pressione a faca na pele)
R - E lè dáàdáá’ gbára òní tè òbe l’awo (Senhor, pode ser bondoso, com força hoje pressione a faca na a pele)
T - Àk’ara lókè lókè lókè (Recolhe o corpo suave, suave, suave)
R - Àk’ara lókè lókè lókè àk’ara (Recolhe o corpo suave, suave, suave, recolhe o corpo)
T - Sàkpàtà sou bo wè onà ìsó a ní só bò (Xapanã olhe eentra, ampara nosso caminho e nos protege, nós
temos amparo)
R - Sàkpàtà sou bo wè onà ìsó a nem só bò (Xapanã olhe e entra, ampara nosso caminho e nos protege, nós
somos protegidos, entra)
T - Só bo wè meu Sàkpàtà l’arun yé sou bo ibè ná súré mã Sàkpàtà má bé sà wè (Olhe, entra e nos ampara
Xapanã, me cure na enfermidade, olhe, entra e te manifeste correndo sempre. Xapanã não corte a aplicação da
medicina e o banho)
R - Só bo wè meu Sàkpàtà dêem Sun sé só bo ire ná sure ba Sònpònnó ààyè ààyè (Olhe, entra e me ampara
Xapanã, estou necessitado, olhe, entra com bênção, te manifeste correndo escondido Xapanã. Vida, vida)
T - Mó sé ké’bà, mó sé ké’bà amodi sou, yé ààyè! E lù ga mã mó sei ké’bà amodi sou, yé ààyè! E lù ga mã mó
sé ké’bà amodi sou, yé ààyè! E lù ga mã mó sÉ ké’bà amodi sou, e odara ! (Ampara e age, cortando a febre, varre a
enfermidade e tire-a, por favor, vida! Senhor golpeia e limpa, age cortando a febre, varrendo a enfermidade e
tirando-a, senhor nos faça ficar bem)
R - Mó sé ké’bà, mó sé ké’bà amodi sou, yé ààyè! Sé ké’bà, mó sé ké’bà amodi sou, yé ààyè! Mó sé ké’bà, mó
sé ké’bà amodi sou, yé ààyè! Mó sei ké’bà, mó sé ké’bà amodi sou, e lè wá ra! (Ampara e age cortando a febre, varre
a enfermidade e tire-a, por favor, vida! Ampara e age cortando a febre, varre a enfermidade e tire-a, por favor, vida!
É seu dever reparar!)
T - Ara mó ké lè mã jó, ara mó ké lè mã jó, mó ké lè mã, mó ké lè mã, òb w’ara mó ké lè mã jó (Limpe o corpo
e corte que poderá sempre dançar, ampara, corta, usa sempre a dança e a faca para limpar o corpo e cortar, poderá
sempre dançar)
R - Ara mó ké lè mã jó, ara mó ké lè mã jó, mó ké lè mã, mó ké lè mã, òb w’ara mó ké lè mã jó (Limpe o corpo
e corte, que poderá sempre dançar, ampara, corta, usa sempre a dança e a faca para limpar o corpo e cortar, poderá
sempre dançar)
T - Sàkpàtà bá r’arun dê Sàkpàtà ra wè, òní dê, Sàkpàtà bá r’arun dê Sàkpàtà ra wè, òní dê wò (Xapanã
encontre e repara a enfermidade, chega Xapanã, te manifeste hoje, chega para banhar e vigiar)
R - Bá’ ra sei rà kún dê sà sà ru wè, ou nem pè wò, bá’ ra sei rà kún dê sà sà ru wè, ou nem pè wò (Encontre o
corpo, faz o reparo ocupando-o, chegando, aplicando medicina e conduzindo o banho, você é o que chama pra
cuidar)
T - Sàkpàtà oníre kú a ju’ ré Sàkpàtà oníre kú a ju’ ré Sàkpàtà oníre kó lè’ san Sàkpàtà oníre bè’lú’ são (Xapanã
dono de bênçãos, a morte superamos com bênção. Xapanã dono de bênçãos, recolha e capacite o instrumento de
rabo de cavalo. Xapanã dono de bênçãos, rogue pelo povo com o instrumento de rabo de cavalo)
R - Sàkpàtà oníre kú a ju’ ré Sàkpàtà oníre kú a ju’ ré Sàkpàtà oníre kó lè’ san Sàkpàtà oníre bè’lú’
são (Xapanã dono de bênçãos, a morte superamos com bênção. Xapanã dono de bênçãos, recolha e capacite o
instrumento de rabo de cavalo. Xapanã dono de bênçãos, rogue pelo povo com o instrumento de rabo de cavalo)
T - Bá’ ra bá’ meu ra’ sorò Sàkpàtà bá’ meu ra’ sorò Sàkpàtà lóke lè mã bá’ra meu’ sòro (Usa meu corpo
Xapanã, te manifeste em mim. Xapanã suba e venha sempre usar meu corpo e te expressar)
R - Bá’ ra bá’ meu ra’ sorò Sàkpàtà bá’ meu ra’ sorò Sàkpàtà lóke lè mã bá’ra meu’ sòro (Usa meu corpo
Xapanã, te manifeste em mim. Xapanã suba e venha sempre usar meu corpo e te expressar)
T - O’ bà mbò mã’ ra ká já mã’ ra ká já fi òa e wò (A febre violenta está vindo sempre ao corpo, recolha-a e
cure-a senhor, cuida)
R - O’ bà mbò mã’ ra ká já mã’ ra ká já fi òa e wò (A febre violenta está vindo sempre ao corpo, recolha-a e
cure-a senhor, cuida)
T - Ori móko dê là ibà bá l’èkó (Que a cabeça prevaleça, chega que aparece a febre, nos ensina a deixá-la pra
trás)
R - Ibà mbò dê là ibà bá l’èkó (A febre está vindo, chega que aparece a febre, nos ensina a deixá-la pra trás)
T - L’epo l’epo l’epo (Use o azeite de dendê)
R - K’ara mbò kara mbò (Está vindo pra recolher o corpo)
T - Bè’lú jà bè’lú jó olóníyà (Roga pelo povo e luta, roga pelo povo dançando dono dos castigos)
R - Bè’lú jà bè’lú jó olóníyà (Roga pelo povo e luta, roga pelo povo dançando dono dos castigos)
T - Kári ré ma l’epo kún jà ré ma kári ré m l’epo kún jà ré ma (Benze os arredores sempre usando o azeite de
dendê, se manifesta, luta e benze continuamente)
R - Wélé wá ou yàn yè kári ré ma l’epo kún jà ré ma kári ré ma l’epo kún jà ré ma (Vem lentamente e escolhe
alguém nos arredores, benze sempre usando azeite de dendê, se manifesta, luta e benze continuamente)
T - Ààyè ààyè Sònpònnó là nú ké rè Sònpònnó là nú ké rè là nú ké rè ààyè ààyè (Vida, vida Xapanã. Aparece,
ampara e corta o cansaço, vida, vida)
R - Ààyè ààyè Sònpònnó là nú ké rè Sònpònnó là nú ké rè là nú ké rè ààyè ààyè (Vida, vida Xapanã. Aparece,
ampara e corta o cansaço, vida, vida)
T - Èké rè ké má ìtan (Se a mentira aumentar, acabe com essa história)
R - Èké rè ké má ìtan (Se a mentira aumentar, acabe com essa história)
T - Alápa dê! (Chega senhor da matança)
R - Ainon ribà ainon risé (Senhor da terra percebe a febre, senhor da terra percebe o trabalho)
T - Ga mã jà sékó súnmó bé’run omo r’erò (Elevado sempre te esforce para ensinar, cura as chagas do filho
usando o remédio)
R - Ga mã jà sékó súnmó bé’run omo r’erò (Elevado sempre te esforce para ensinar, cura as chagas do filho
usando o remédio)
T - Ga mã ru sun bè wò bè wò (Elevado sempre oferece um abraço, roga e cuida)
R - Ga mã ru sun bè wò bè wò (Elevado sempre oferece um abraço, roga e cuida)
T - Ké mó maa sé lò’ sei bè’ lú jà (Corta, rompe, sempre age fazendo trabalhos, rogando e lutando pelo povo)
R - Akòja ebo ma sei lò’ sei bè’ lú jà (Cumprimos o ebó sempre agindo, fazendo trabalhos, rogando e lutando
pelo povo)
T - Gò gò gò se meu wa gò gò gò s’ara wè (Insensível, preguiçoso, atordoado, eu sou insensível e atordoado,
banha meu corpo)
R - Àna rá wè éèdì oogun lai-lai (Limpe os feitiços com medicina eternamente)
T - Sou sou sou Sàkpàtà omi sou sou sou Sàkpàtà (Atira, atira água Xapanã, atira, atira, aftira, Xapanã)
R - Àna rá wè éèdì oogun lai-lai (Limpe os feitiços com medicina eternamente)
T - Só bò meu’ rókò (Me proteja, me cubra com a árvore sagrada)
R - Ààyè ààyè Sàkpàtà (Vida, vida Xapanã)
T - Á mã d’isé Sàkpàtà nísé wáiyé (Vem sempre, chega pra trabalhar Xapanã, tem trabalho na terra)
R - Sàkpàtà nísé wáiyé, Sàkpàtà nísé wáiyé (Xapanã tem trabalho na terra)
T - Sogbó e! Sogbó e! A morri sou a yé a morri sou Sàkpàtà wá morri sou (Nos faça crescer! Reconhece e
protege nossas cabeças por favor, reconhece e protege nossas cabeças Xapanã, vem reconhecer e proteger a
cabeça)
R - Sogbó e! Sogbó e! A morri só a yé a morri sou Sàkpàtà wá morri sou (Nos faça crescer! Reconhece e
protege nossas cabeças por favor, reconhece e protege nossas cabeças Xapanã, vem reconhecer e proteger a
cabeça)
T - Ga má se go, ga má lù’ pepe, ga má lù’ pepe, Sàkpàtà ga má se go (Elevado não golpeie, elevado não
golpeie o tolo, elevado Xapanã não golpeie)
R - Ga má se go, ga má lù’ pepe, ga má lù’ pepe, Sàkpàtà ga má se go (Elevado não golpeie, elevado não
golpeie o tolo, elevado Xapanã não golpeie)
T - Là nú’ pepe àga njeum’ bo (Salva e limpa o tolo que está comendo algo da oferenda)
R - Ga mã là nú’ pepe, là nú’ pepe àga njeum’ bo, ga mã là nú’ pepe (Elevado sempre salva, limpa o tolo,
salva e ampara o tolo que está comendo algo da oferenda, elevado sempre aparece e limpa o tolo)
T - Á mã sá p yà, á mã sá p yà, á mã sá p yà deu e! Sàkpàtà ire, á mã sá p yà, á mã sá p yà deu e! (Venha
continuamente cortar a ferida e o inimigo com um golpe de facão, manifeste-se Xapanã, benza e venha
continuamente cortar as feridas e o inimigo com um golpe de facão, manifeste-se!)
R - Á mã sá p yà, á mã sá p yà, á mã sá p yà deu e! Sàkpàtà ire, á mã sá p yà, á mã sá p yà deu e! (Venha
continuamente cortar a ferida e o inimigo com um golpe de facão, manifeste-se Xapanã, benza e venha
continuamente cortar as feridas e o inimigo com um golpe de facão, manifeste-se!)
T - E o má sá p’yò (Senhor é forte, não corte com um golpe de facão matando a alegria)
R - E o má k’elema (Senhor é forte, não corte a confiança)
T - Bá yá ké bá yayò (Venha logo e grite, venha festejar)
R - Bá yá ké bá yayò (Venha logo e grite, venha festejar)
T - Ga mã jà yò jà yò, ga mã jà yò jà yò Sàkpàtà kú’lha meu (Elevado, continuamente brigue e te alegre,
brigue e te alegre Xapanã, mate meus inimigos)
R - Ga mã jà yò jà yò, ga mã jà yò jà yò (Elevado, continuamente brigue e te alegre, brigue e te alegre)
T - Ao ba ikò (Reverenciamos o mensageiro)
R - Páàpáà! (Eu mesmo, você mesmo!)
T - Ao ba ikò (Reverenciamos o mensageiro)
R - A mã s’èpè (Invocamos sempre seu amparo)
T - A lù pò! (Golpeamos muito [com as mãos])
R - Páàpáà! (Eu mesmo, você mesmo!)
OXUM
Tamboreiro - A júbà Òsun Ìpòndá níbejì, Òsum doko adémù, Iyaloòde, Òsun tàladé lodò, yèyé nire, yèyé pò, yèyé
kári, yèyé erijé, yèyé ibu odò. Yèyé wò! (Respeitamos a Oxum criadora de riquezas que tem gêmeos, Oxum do campo
que se banha com a coroa, mãe dos arredores, Oxum que exibe a coroa no rio, mãe que tem bênção, mãe da
riqueza, mãe do espelho, mãe que é líder, mãe do profundo rio. Cuide mamãe!)
Responder - Yèyé wò! (Cuide mamãe!)

T - Tàlà dê omi ou tàlà yèyé màràjó (Chega do limite das águas, você chega do nascimento das águas, mãe
viajante)
R - Òsun tàlà dê (Oxum chega de onde nscem as águas)
T - Omi tàlà dê omi tàlà dê rì lànà (Água que chega do nascimento, a água do nascimento chega, alaga e abre
o caminho [ao que vai nascer])
R - Òsun tàlà dê (Oxum chega de onde nascem as águas)
T - Òsum tàlà dê omi ou tàlà meu yèyé ou! (Oxum chega de onde nascem as águas, você chega do
nascimento das águas, oh! Minha mãe)
R - Òsun tàlà dê (Oxum chega de onde nascem as águas)
T - Ìyá’ dò jí yèyé meu bàbà dê ou ru kí lànà (Mãe do rio acordada, minha mãe do ouro, chega oferecendo
saudações e abrindo os caminhos)
R - Òsun tàlà dê (Oxum chega de onde nascem as águas)
- Eléwà ti oba (Mulher bela do rei)
R - Òsum àlà ré wá (Em visões durante o sonho virá Oxum)
T - Yé bámi Òsum bi olomi, yé bámi Òsum bi olomi, yèyé pòndá e’ lú nfá ga rè lá yé bámi Òsun bi olomi (Por
favor, me encontre Oxum proprietária das águas, mãe que está criando em abundância, senhora que está limpando
o povo, tirando com orgulho o cansaço e o sonho, por favor me encontre Oxum)
R - Yé bámi Òsum bi olomi, yé bámi Òsum bi olomi, yèyé pòndá e’ lú nfá ga rè lá yé bámi Òsun bi olomi (Por
favor, me encontre Oxum proprietária das águas, mãe que está criando em abundância, senhora que está limpando
o povo, tirando com orgulho o cansaço e o sonho, por favor me encontre Oxum)
T - Ou yèyé Òsun p rere mã (Mãe Oxum chama as coisas boas sempre)
R - Ou yèyé Òsun p rere mã (Mãe Oxum chama as coisas boas sempre)
T - Ou yèyé ou eléwà ti Òsun eléwà ti Òsun’ Pòndá (Oh! Mãe você é mulher formosa do rio Oxum, mulher
formosa de Oxum que cria em abundância)
R - Ou yèyé ou eléwà ti Òsun eléwà ti Òsun’ Pòndá (Oh! Mãe você é mulher formosa do rio Oxum, mulher
formosa de Oxum que cria em abundância)
T - Omo d’Òsun ou! (Oh! Filha que recebe a Oxum)
R - Eléwà ti oba (Mulher bela do rei)
T - Aláse kún ou! (Oh! Nos encha de riquezas)
R - Eléwà ti oba (Mulher bela do rei)
T - Ogun p ní’ léwà (À batalha chama, tem beleza)
R - Omi ní wá rá wàrawàra omi ní wá rá (A água tem que procurar fazer curvas precipitadamente)
T - Òsun ìpòndá pàra wè’ lé wò (Oxum que ruidosamente está criando abundância, nos visita banhando a
casa)
R - Òsun ìpòndá pàra wè’ lé wò (Oxum que ruidosamente está criando abundância, nos visita banhando a
casa)
T - Olomi l’Òsun (Proprietária das águas do rio Oxum)
R - Ato’níre olomi l’Òsum ato’níre (Sacerdotisa do culto ancestral, proprietária de bênçãos, proprietária das
águas do rio Oxum)
T - A mã’ dúpè’ lè oogun fà’ yin (Continuamente agradecemos a terra e sua medicina)
R - Òsun p rere, Òsun p rere (Oxum chama as coisas boas, chama as coisas boas)
T - Aiyo yé eu! (Não aparece, por favor aparece!)
R - Welewele wè’lé Òsun wolé wè (Rapidamente limpe a casa Oxum, entre na casa e limpe-a)
T - Éèdì bá mbo’ lé yò nú meu p ou! (Surpreenda o feitiço vindo para casa com alegria, oh! Me limpe disso!)
R - Éèdì bá mbo’ lé yò nú p wa ou! (Surpreenda o feitiço vindo para casa com alegria, oh! Nos limpe disso)
T - Àgbere àgbè ké abe lè Òsun (O adultério em casa pode cortar com a navalha Oxum)
R - Àgbere àgbè ké abe lè Òsun (O adultério em casa pode cortar com a navalha Oxum)
T - Ou yèyé ou ké meu ní ná ou yé rò, ké meu ní ná yé rò (Oh! Mãe fale primeiro, você entende meus
pensamentos)
R - Ou yèyé ou ké meu ní ná ou yé rò, ké meu ní ná yé rò (Oh! Mãe fale primeiro, você entende meus
pensamentos)
T - Òsun meu p ou! (Oh! Oxum me chama!)
R - Oujá d’oko erúnmalè ou! (Oiá chega ao campo, espírito de luz!)
T - Omo kári rè wò (Aumenta a vigilância ao redor do filho)
R - Kári rè kári rè mã kári rè mã (Aumenta ao redor e te reflita sempre)
T - Asíri mímó’dù dê (Chega o mistério sagrado da cabaça)
R - E wá siré Oya (Senhora venha divertir-se com Oiá)
T - Elegbé ti òsán (Companheira de jornada)
R - Yèyé m’orò (Mãe que entende as almas)
T - Asso t’omi yèyé meu pòn awò (Vestida de água minha mãe desenha as cores)
R - Èrùn elè wá a jó Òsun èrùn l (Se a seca vier com força nós dançamos para Oxum)
T - Yèyé k’omo k’omo siré lò (Mãe recolha o filho, recolha o filho, divirta-se e use-o)
R - Bàbà yín orò òrìsà ou yèyé ou bàbà yín ourò (O ouro é sua riqueza Orixá, oh mãe, o ouro é sua riqueza)
T - Póndá o sim meu (Criadora de riquezas se manifeste em mim)
R - Omi ní lábà bájà yí (Água se manifeste, luta e transforme)
T - Póndá o sim meu bè hù (Criadora de riqueza se manifeste em mim, rogo que germine)
R - Omi ní nà là sànbo omi ní nà (Água se manifeste, aparece, inunda, água se manifeste)
T - Kéké Òsun omi só rorò (Rapidamente Oxum, água que protege com ferocidade)
R - Kèké kéké Òsun omi só rorò kéké (Inunda rapidamente Oxum, água que protege com ferocidade,
rapidamente)
T - Òsum má g tì omi má ní’ lú (Oxum não corte o impulso da água, mas não alague o povo)
R - Tàlà dê yèyé e lù Òsum má g tì (Mãe chega do começo das águas, golpeia Oxum, mas não corte o
impulso)
T - Epere ké hùmò hùmò epere sé’ rúnmalè ou (Melhor cortar as idéias, os pensamentos, é melhor agir
espírito de luz)
R - Epere ké hùmò hùmò epere sé’ rúnmalè ou (Melhor cortar as idéias, os pensamentos, é melhor agir
espírito de luz)
T - A mã wá Òsum yèyé ipè rè mã l’òrun (Continuamente vamos ao chamado mãe Oxum e nos somamos ao
céu)
R - A mã wá Òsum yèyé ipè rè mã l’òrun (Continuamente vamos ao chamado mãe Oxum e nos somamos ao
céu)
T - Ipè rè mã l’òrun, a dê lúwe yèyé ou! (Nos somamos ao chamado sempre usando o céu, chegamos
nadando, oh mãe!)
R - A mã wá Òsum yèyé ipè rè mã l’òrun (Continuamente vamos ao chamado mãe Oxum e nos somamos ao
céu)
T - Òsmeu là ou yèyé Òsum là ma’dù kèké Òsum là ma’ dù kèké ou Òsun là meu ou yèyé (Oxum me abra à
maternidade, Oxum sempre abra o útero o ovulando, Oxum me abra à maternidade)
R - Òsmeu là ou yèyé Òsum là ma’dù kèké Òsum là ma’ dù kèké ou Òsun là meu ou yèyé (Oxum me abra à
maternidade, Oxum sempre abra o útero o ovulando, Oxum me abra à maternidade)
T - Èdé mú ká, èdé mú ká (Socorre os que estão ao seu lado, socorre os que estão ao seu lado)
R - Èdé mú ká yè ayé (Socorre os que estão ao seu lado driblando a terra)
T - Èlò ire olodò ga njó ire ká wè’ lé (Instrumento de boa sorte, proprietária do rio, está dançando orgulhosa,
benze e banha a casa)
R - Èlò ire olodò ga njó ire ká wè’ lé (Instrumento de boa sorte, proprietária do rio, está dançando orgulhosa,
benze e banha a casa)
T - Pòndá meu rere pòndá minha ‘ré bàbà yí s’orò (A abundância está me trazendo coisas boas, a abundância
está me trazendo boa sorte, o ouro transforma e faz a riqueza)
R - Pòndá meu rere pòndá minha ‘ré bàbà yí s’orò (A abundância está me trazendo coisas boas, a abundância
está me trazendo boa sorte, o ouro transforma e faz a riqueza)
T - Ìyá mã b’okun p rere ìyá mã b’okun p rere (Mãe que sempre chama as coisas boas como o mar)
R - Estragojó ayé ìyá mã b’okun p rere (Mãe dançando no mundo como o mar sempre chama as coisas boas)
T - Pòndá ire mo dìde pòndá ire mo júbà pòndá ire mo dìde òrìsà d’oko (Está trazendo abundância de
bênçãos e está me erguendo, abundância de bênçãos está trazendo, eu lhe reverencio, abundância de bênçãos está
trazendo e está me erguendo Orixá que vem do campo)
R - Pòndá ire mo dìde pòndá ire mo júbà pòndá ire mo dìde òrìsà d’oko (Está trazendo abundância de
bênçãos e está me erguendo, abundância de bênçãos está trazendo, eu lhe reverencio, abundância de bênçãos está
trazendo e está me erguendo Orixá que vem do campo)
T - Èlò ire mo júbà (Instrumento de bênção, eu lhe reverencio)
R - Òrìsà d’oko (Orixá que vem do campo)
T - Ire adé owó ire adé wá omi nem nà bá, adé owó ire adé wá (A bênção coroa de ouro, nos benza coroa,
venha água, ocupa, te manifesta, usa a coroa de ouro bendita, coroa venha)
R - Ire adé owó ire adé wá omi nem nà bá, adé owó ire adé wá (A bênção coroa de ouro, nos benza coroa,
venha água, ocupa, te manifesta, usa a coroa de ouro bendita, coroa venha)
T - Meu àké sei’ lédè wó wó ou yèyé afi òrò afá ki lò fá mã ki b’ohun (Minha espada pode cortar e derrubar a
fim de que você, mãe da riqueza, visite a ponte e limpe sempre, visitando e cobrindo as coisas)
R - Meu àké sei’ lédè wó wó ou yèyé afi òrò afá ki lò fá mã ki b’ohun (Minha espada pode cortar e derrubar a
fim de que você, mãe da riqueza, visite a ponte e limpe sempre, visitando e cobrindo as coisas)
T - Adé wòran adé wòran adé wòran yè ou sei’ lé bàbà ikò fi odara a bá ikò yèyé (Nós vemos a coroa, vemos
a coroa, o mensageiro nos traz o bem, nós encontramos o mensageiro da mãe)
R - Adé wòran adé wòran adé wòran yè ou sei’ lé bàbà ikò fi odara a bá ikò yèyé (Nós vemos a coroa, vemos
a coroa, o mensageiro nos traz o bem, nós encontramos o mensageiro da mãe)
T - A bá ikò a bá ikò yèyé ao ba láàrin t’ounà bò ao ba ikò yèyé (Encontramos o mensageiro da mãe,
encontramo-lo no meio do caminho de volta, nós reverenciamos o mensageiro da mãe)
R - A bá ikò a bá ikò yèyé ao ba láàrin t’ounà bò ao ba ikò yèyé (Encontramos o mensageiro da mãe,
encontramo-lo no meio do caminho de volta, nós reverenciamos o mensageiro da mãe)
T - A bá láàrin t’ounà bò (Encontramos no meio do caminho de volta)
R - Ao ba ikò yèyé (Reverenciamos o mensageiro da mãe)
T - A mò rorò okun orò éèdì Òssun l’oba (Reconhecemos a ferocidade, o poder do espírito, o encantamento
da Oxum no rei)
R - A mò rorò okun orò éèdì Òsun l’oba (Reconhecemos a ferocidade, o poder do espírito, o encantamento
da Oxum no rei)
T - Meu Bàbà s’orò (Meu ouro faz a riqueza)
R - A wò’rò a wò’rò (Vestimo-nos com riqueza)
T- Bá rà bá ru ekùn faiya bá rà bá ru èlè ou (Venha e ofereça, venha e ofereça encantos ao leão, venha e
ofereça, venha e ofereça a espada)
R - Bá rà bá ru ekùn faiya bá rà bá ru èlè ou (Venha e ofereça, venha e ofereça encantos ao leão, venha e
ofereça, venha e ofereça a espada)
T - Bá rà ohun bá rá ode emim r’emim d’oko (Venha e ofereça algo, encontra em segredo o caçador que vive
em mim e vem do campo)
R - Bá rà ohun bá rá ode emim r’emim d’oko (Venha e oferece algo, encontra em segredo o caçador que vive
em mim e vem do campo)
T - E ire e ire pòndá ou! (Oh! Você benze em abundância criando)
R - Yé! èlò má ilo (Por favor! Instrumento de benção não vá)
T - Èlò iru (Instrumento de rabo de cavalo)
R - G nge nge (Corta, está cortando [os males])
T - Omi d’oko ou’ yánlà mã ti kí bérè (Água do campo, grande mãe, sempre é saudada com respeito especial)
R - Omi d’oko ou’ yánlà mã ti kí bérè (Água do campo, grande mãe, sempre é saudada com respeito especial)
T - Ki bàbà mã ki tò loní (Saudamos o ouro, sempre lhe visitamos e lhe seguimos)
R - Ou yèyé ebora ebora (Você é mãe poderosa)
T - Èlò ìrò dê (Chega instrumento de solução)
R - A d’oko bàbà yí s’òrò èro (Nós chegamos ao campo em peregrinação, o ouro é resistente e faz a riqueza)
T - Ou Yemoja ou Yemoja mã bokun bàbà yí s’òrò (Iemanjá sempre nutre o oceano, o ouro é resistente e faz
a riqueza)
R - Ou Yemoja ou Yemoja mã bokun bàbà yí s’òrò (Iemanjá sempre nutre o oceano, o ouro é resistente e faz
a riqueza)
T - Dê mù (Chega e te inunde)
R - Bàbà yí s’òrò (O ouro é resistente e faz a riqueza)
T - Pòndá (Cria em abundância)
R - Bàbà yí s’òrò (O ouro é resistente e faz a riqueza)
T - D’oko (Chega à plantação)
R - Bàbà yí s’òrò (O ouro é resistente e faz a riqueza)
T - ‘Mo kéré omo délé (O filho pequeno vem à casa)
R - Ara’ mo kéré’ mo délé (Família, o filho pequeno vem à casa)
T - Yèyé kári ou, yèyé kári ou (Mãe que vemos nos arredores)
R - Altar dê Òsum kári ou kári ou (Família da Oxum vem nos arredores)
T - Yèyé’ bè sàn lè wò bomore yèyé’ bè sàn lè wò bomorre (Mãe roga a melhora da saúde, pode cuidar e
nutrir o filho com bênção)
R - Òsun dê olónà yèyé bè sàn lè wò bomorre (Oxum venha proprietária do caminho, mãe que roga pela
saúde do filho, nutre-o e benze-o)
T - Òsum dê mù ou (Oh! Oxum te manifesta)
R - E wá siré Oya (Vem te divertir com Oiá)
T - Òsum pòndá ki rawó (Oxum está criando riquezas e avisa esfregando as mãos)
R - E wá siré Oya (Vem te divertir com Oiá)
T - Orò kún má Ì o (Espírito venha e não vá ainda)
R - Wá asso Òsun ! (Procura sua roupa Oxum)
T - Orò kún má rì’lé (Espírito chega, mas não afogue a casa)
R - Wá asso Òsun ! (Procura sua roupa Oxum)
T - Òkêré rebo (Na distância oferece a oferenda)
R - Òkêré rebo! (Na distância oferece a oferenda)
T - Ou fé níse (Você quer e tem que fazer)
R - Ou fé níse ebo (Você quer e tem que fazer oferenda)
T - Yèyé bá ki ré ma yèyé d’oko lodò (Mãe usa, avisa e benze sempre, mãe que vem do campo chega ao rio)
R - Yèyé yèyé yèyé d’oko lodò (Mãe, mãe chega do campo ao rio)
T - Iyãfin ou dê s’àpáta afin á mã ode sim mã (Mãe do palácio, você chega e faz do pedestal uma coluna, vem
de fora e fica o tempo todo)
R - Iyãfin ou dê s’àpáta afin á mã ode sim mã, iyãfin ou dê (Mãe do palácio, você chega e faz do pedestal uma
coluna, vem de fora e fica o tempo todo mãe do palácio, chega)
T - Pòndá sun meu wá (A que está criando riquezas me abraça e se manifesta)
R - L’àlà rèé wá l’arùn wè (Cruzando as fronteiras, vem curando a enfermidade)
T - Jagun á jà’ rùn dê, jagun á jà’ rùn dê, jagun á jà’ rùn dê ou! (Guerreira vem lutar contra a enfermidade, oh!
Chega)
R - Jagun á jà’ rùn dê, jagun á jà’ rùn dê, jagun á jà’ rùn dê ou! (Guerreira, vem lutar contra a enfermidade,
oh! Chega)
T - D’àle d’àle tàp’ègún (Em tempo de doença, te revele contra as coisas ruins)
R - D’àle d’àle (Em tempo de doença)
IEMANJÁ
Tamboreiro - Ajúbà Yemoja bosí, bunmi bomi, nàná borokun, délé ayaba omi odò’yá ! (Respeitamos ao Yemanjá que
nutre a existência, nutridora da água e de meu, senhora que nutre de bênção o mar, chegue a casa reina e mãe de
água do rio!)
Responder - Omi odò’yá! (Mãe da água do rio!)

T - Yemoja sélè olodò bàbà òròmi ou Yemoja elemí jà’lé ou bàbà Òròmi ou (Yemanjá perdeu um filho,
Proprietária do rio, do cobre, Espírito do agua,Yemanjá proprietária de vida, luta pela casa, OH! Espírito do cobre e
da água)
R - Yemoja sélè olodò bàbà Òmeu rò ou Yemoja elemí jà’lé ou bàbà Òròmi ou (Yemanjá perdeu um filho,
Proprietária do rio, do cobre, Espírito do agua,Yemanjá proprietária de vida, luta pela casa, OH! Espírito do cobre e
da água)
T - Yemoja pàse ki pàse sùn, a Yemoja sei sùn, Òrun awo a Yemoja Sá Èbá ao Osun’ dúpé wò bàbà òròmi ou
(Yemanjá permite a visita, permite o abraço, nós Yemanjá fazemos as pazes com o Adivinho do Céu (Orunmilá), nós
Yemanjá corremos à borda, nós agradecemos ao Oxum por cuidar do cobre e os espíritos da água)
R - Yemoja pàse ki pàse sùn, a Yemoja sei sùn, Òrun awo a Yemoja Sá Èbá ao Osun’ dúpé wò bàbà òròmi ou
(Yemanjá permite a visita, permite o abraço, nós Yemanjá fazemos as pazes com o adivinho do céu, nós Yemanjá
corremos à borda, nós agradecemos ao Oxum por cuidar do cobre e os espíritos da água)
T - Adósù mò gbé’ ke ara orò adósÙ mò gbé’ ke ara sÉ sùn (O iniciado que levou em sua cabeça um “oxu”
reconhece a elevação ao alto e a família espiritual, o iniciado reconhece a elevação ao alto, abraça a família)
R - Yemoja kún ara kún ara orò ou yà’dósÙ mò gbé dê altar orò (Yemanjá enche a família espiritual, você
separa os iniciados que entendem e se elevam chegando a ser família espiritual)
T - A fun lélè àsikò Á mã là ire ou (Nós para viver na terra um tempo vamos sempre que aparece a bênção)
R - Èwó awo a bè wò ekún Á má rà isou Èwó awo a bèbè wò (As proibições ao adivinho rogamos [que nos
diga quais são], visita-nos o pranto que vem por não reparar o amparo)
T - Elemí Òsum ìyá’gbára níire ou! (Proprietária de vida é Oxum, mãe poderosa, possuidora de bênções)
R - Èwó awo a bè wò ekún Á má rà isou Èwó awo a bèbè wò (As proibições ao adivinho rogamos, visita-nos o
pranto que vem por não reparar o amparo)
T - A dê èkó a bè l’èwó (Chegamos para aprender, nós rogamos saber os tabus)
R - Èwó awo a bèbè wò (rogamos ao adivinho observar os tabus)
T - Orúnmilà oketsÉ oketsÉ ou yà ao GA jú Òsum là oketsÉ oketsé ou yà Òsun eléwé o (Orumilá que vive na
montanha aos subúrbios do Ilé-ifé, você dá passo e nós na altura olhamos ao Oxum salvadora da região, você dá
passo ao Oxum capitalista dono de ervas)
R - A ká òrò oketsé oketsÉ erò ao GA jú Òsum là oketsÉ oketsé erò ou yà eléwé o (Nós recolhemos as
palavras na montanha (oketa-se), a solução que nós no alto vemos é que Oxum nos salve na montanha com um
remédio que você separe poderoso dono de ervas)
T - Okè rè wa sei sùn ou! (Oh!En o topo o cansaço e o sonho nos abraçam!)
R - Okè rè òrìsà (No topo aumenta o orará)
T - Okè rè ìyá jà bá ou! (Oh!En o topo aumenta mãe o esforço por nos encontrar)
R - Okè rè òrìsà (No topo aumenta o orará
T - Yemoja Ògún ofo rí lá bá’tà yá omi fò rí l’Awo (Yemanjá e Ogun lamentam a perda, descobrem que se
sobrepondran encontrando uma pedra próxima à água, lavada, vista e levantada pelo Adivinho)
R - Yemoja Ògún ofo rí lá bá’tà yá omi fò rí l’Awo (Yemanjá e Ogun lamentam a perda, descobrem que se
sobrepondran encontrando uma pedra próxima à água, lavada, vista e levantada pelo Adivinho)
T - Yemoja, Ògún (Yemanjá, Ogun)
R - Awo’ rò (Conversa com o Adivinho)
T - Yemoja Bomi (Yemanjá dá alimento às águas)
R - Awo’ rò (Conversa com o Adivinho)
T - Yemoja t’omi t’omi t’omi ou (Yemanjá das águas, das águas)
R - Á t’omi rè emí meu rè (Vem das águas, aumentando a vida em meu espírito)
T - Ou yà Ode là bàbá èlè Yemoja Ògún là bàbá èlè (Você separa ao Ode, salva-o pai do sabre, Yemanjá, Ogún
salva, o pai do sabre)
R - Ou yà Ode là bàbá èlè Yemoja Ògún là bàbá èlè (Você separa ao Ode, salva-o pai do sabre, Yemanjá, Ogún
salva, o Pai do Sabre)
T - Yemoja e là ou! (Oh!Yemanjá ud salva!)
R - Yemoja’ kè bá’tà bá’tà bàbá èlè (Yemanjá no topo encontre uma pedra, encontre uma pedra Pai do Sabre
[Ogun
T - ‘Kè seu Nèné’ kè seu Nèné, Yemoja e là okè bá Ode (Reme no topo Mãe, Yemanjá ud salva no topo,
encontra ao Ode)
R - ‘Kè seu Nèné’ kè seu Nèné, Yemoja e là okè bá Ode (Reme no topo Mãe, Yemanjá ud salva no topo,
encontra ao Ode)
T - Tò tò tò ou yà béènem’ kè ou yà béèni ou yà béèni’ kè (Segue, segue assim, você separa sim no topo,
separa sim no topo)
R - Tò tò tò ou yà béènem’ kè ou yà béèni ou yà béèni’ kè (Segue, segue assim, você separa sim no topo,
separa sim no topo)
T - Orò kún má RI’lé, orò kún má Í o (Espírito enche mais não alague a casa, Espírito enche e não lhe vá ainda)
R - Yemoja sélè Olódò (Yemanjá perdeu um filho, Proprietária do rio)
T - Yemoja má RI’lé, Yemoja má Í o (Yemanjá não alague a casa, Yemanjá não vá ainda)
R - Yemoja sélè Olódò (Yemanjá perdeu um filho, Proprietária do rio)
T - Odò kún má ilé, Odò kún má Í o (Rio enche mas não a casa, Rio enche e não vá ainda)
R - Yemoja sélè Olódò (Yemanjá perdeu um filho, Proprietária do rio)
T - Omo fìre èrè’ dê ou!, oumo fìré èrè’ dê ou, onà kún’ bè ou (Ooh! Que o filho [Ode] por bênção ganhe sua
chegada, que o filho por bênção ganhe sua chegada, o caminho encha de súplicas)
R - Omo fìre èrè’ dê ou (OH! Que o filho por bênção ganhe sua chegada)
T - Ounà kún’ bè ou (O caminho encha de súplicas)
R - Omo fìre èrè’ dê ou (OH! Que o filho por bênção ganhe sua chegada)
T - Aná’ré wá, aná’ ré wá yèwo (Ontem uma história triste veio, ontem uma história triste veio e a
examinamos)
R - Aná’ré wá, aná’ ré wá yé (Ontem uma história triste veio, ontem uma história triste veio e a entendemos)
T - Yè Yemoja aná’ ré wa yèwo (Viveu ontem Yemanjá uma história triste e veio a examiná-la) R - Aná’ré wá,
aná’ ré wá yé (Ontem uma história triste veio, ontem uma história triste veio e a entendemos)
T - Etu mã là didé, etu mã là didé, nlo burúkú ou kó’ sÙ nlá, etu mã là didé (Tecido tecido azul e branca
sempre aparece com sua chegada, está-se indo a negatividad, recolhe ao grande Exu, tecido tecido azul e branca
aparece com sua chegada)
R - Etu mã là didé, etu mã là didé, nlo burúkú ou kó’ sù nlá, etu mã là didé (Tecido tecido azul e branca
sempre aparece com sua chegada, está-se indo a negatividad, recolhe ao grande Exu, tecido tecido azul e branca
aparece com sua chegada)
T - Ou yà bá dilé ou yà bá dilé, nlo burúkú ou kó sù nlá, ou yá bá dilé (Você rápido passa, chega a casa, está
indo a negatividad, recolhe ao grande Exu, rápido passa e acima à casa)
R - Ou yà bá dilé ou yà bá dilé, nlo burúkú ou kó sù nlá, ou yá bá dilé (Você rápido passa, chega a casa, está
indo a negatividad, recolhe ao grande Exu, rápido passa e acima à casa)
T - Òní òpé õsà ire mã! (Hoje agradecemos ao orará bendito sempre!)
R - Ebo òní òpé õsà ire mã ebo (Com oferendas, hoje agradecemos ao orará bendito sempre com oferendas)
T - Bàrà odì, odì odì odì Bàrà (Bará fecha, fecha os obstáculos, fecha Bará)
R - Bàrà odì, odì odì òdí Bàrà (Bará fecha, fecha os obstáculos, fecha Bará)
T - Ògún bá rà’ ké bá rà’ ké bá rà bá yayò (Ogun, encontra, repara e curta, busca estar alegre)
R - Ògún bá rà’ ké bá rà’ ké bá rà bá yayò (Ogun, encontra, repara e curta, busca estar alegre)
T - Èmí r’emi ré k’èwé nlo burúkú rè k’ewé (Eu mesmo recolho suas ervas, a negatividad se está indo,
aumento a coleta de ervas)
R - Èmí r’emi ré k’èwé nlo burúkú rè k’ewé (Eu mesmo recolho suas ervas, a negatividad se está indo,
aumento a coleta de ervas)
T -Á mã kèrekère w’esè (Venha sempre gradualmente a lavar as pernas e os pés)
R - Lànà rè wá (Abra o caminho e venha)
OXALÁ
Tamboreiro - Ajúbà ÒòsÀ-nlà l’okun, b’okun, dòkun, jobokun, oromilaiyà, orumilayà, òrìsà talabí, Oubàtálá, bàbá
eniyán, onífá, bàbá igbó, elerun, bàbá ogìyán, aláàfìa bàbá wa! (Respeitamos ao Oxalá no mar, como o mar e desde
mar, que dança como as ondas, espírito valente das águas, que de noite treme de dor, orará do princípio feminino,
Rei da pureza, pai da gente, possuidor do oráculo, pai do bosque sagrado, dono do sol, pader de comilão de
mandioca, paz nosso pai)
Responder - Èèpà bàbá! (Pai de linhagem nobre!)

T - E jí yá wá wá ou! Bàbá ìsòrò (Desperte logo, venha Pai da expressão)


R - E jí wáiyé Bàbá’rúnmalè e jí wá (Desperte, venha ao mundo Pai dos orará, desperte e
venha)
T - Elú’ wà pè kó ou Bàbá (Senhor da existência, chama e ensina você Pai)
R - Elú’ wà pè kó Erúnmalè (Senhor da existência, chama, ensina Espírito de Luz)
T - Elú’ wà pè kó omo jà (Senhor da existência, chama e insígnia ao filho que luta)
R - Elú wà pè kó Erúnmalè (Senhor da existência, chama, ensina Espírito de Luz)
T - Tutor l’omi l’àwa’ nà réè wò! Kó rí foribalè (Alegria temos na água, este caminho cuidemos!
Encontremos e aprendamos a inclinar a cabeça para o chão)
R - Olomi’ nà ou Aladé k’ori foribalè (Dono do caminho de água, Dono da coroa, recolhe as cabeças que
se inclinam ante ti)
T - Tutor fi òla tutor fi Òa Yèyé bàbà’ runmalé (Alegria pelo manhã, alegria pelo manhã, Mãe do
cobre dos Espíritos de Luz)
R - Tutor fi òla tutor fi Òa Yèyé bàbà’ runmalé (Alegria pelo manhã, alegria pelo manhã, Mãe do
cobre dos Espíritos de Luz)
T - Á mã k’èrè k’èrè k’èrè, wá mã k’èrè dê òrìsÀ (Venha sempre a recolher as lucros, recolhe os prêmios, chega
Orará)
R - Á mã k’èrè k’èrè k’èrè, wá mã k’èrè dê òrìsÀ (Venha sempre a recolher as lucros, recolhe os prêmios, chega
Orará)
T - Omi nem’nà bá tìyà omi nem’nà bá lókun (Água no caminho deixa atrás o sofrimento, água no
caminho encontra força)
R - Omi nem’nà bá tìyà omi nem’nà bá lókun (Água no caminho deixa atrás o sofrimento, água no
caminho encontra força)
T - Wolé wolé wolé omi Á seu Bàbá ìsòrò (Entre a casa, entre a casa água, deva remar Pai da
expressão)
R - Wolé wolé wolé omi Á seu Bàbá ìsòrò (Entre a casa, entre a casa água, deva remar Pai da expressão)
T - Wolé wá ou ! Wolé dê bàbá ou! (OH! Entre a casa, venha! Entre a casa, chegue Pai!)
R - Wolé wá ou ! Wolé dê bàbá ou! (OH! Entre a casa, venha! Entre a casa, chegue Pai!)
T - E bàbá lokè fun meu bòkun (Senhor Pai é o topo para meu, me cubra de poder)
R - Òkêrè ké o bò má yà tutor òkêrè ké o bò má yà (Na distância curta a dureza, cobre, não desvie a alegria, em a
distância curta a dureza, cobre e não te desvie)
T - E mã wá e p’ rúnmalè odò (Senhor sempre venha, chame os Espíritos de Luz do rio)
R - Erò e mã wá e p’ rúnmalè odò erò (Com calma sempre venha, chame os Espíritos de Luz do rio
com calma)
T - Àlà mókèé mókèé sÉ (A pureza traz o êxito, atue)
R - Àlà ou ou ou! Bàbá (OH a pureza! Pai)
T - ÒòsÀ-nlà dê òròmi là ìyà bàbà yi sòro òròmi là ìyà (Oxalá, chega Espírito da Água, nos salve do sofrimento, assim
como o cobre resiste o difícil, Espírito da Água nos salve do sofrimento)
R - ÒòsÀ-nlà dê òròmi là ìyà bàbà yi sòro òròmi là ìyà (Oxalá, chega Espírito da Água, nos salve do sofrimento, assim
como o cobre resiste o difícil, Espírito da Água nos salve do sofrimento)
T - ÒòsÀ-nlà dê òròmi là ìyà, òròmi là ìyà yi sòro (Oxalá, chega Espírito da Água, nos salve do sofrimento, Espírito
da Água nos salve do sofrimento resistindo o difícil)
R - ÒòsÀ-nlà dê òròmi là ìyà, òròmi là ìyà yi sòro (Oxalá, chega Espírito da Água, nos salve do sofrimento, Espírito
da Água nos salve do sofrimento resistindo o difícil)
T - Eiye iye ou! Í yé òròmi là ìyà (OH! As aves numeram! Entende ainda Espírito da Água de nos
salvar do sofrimento)
R - Eiye iye ou! Í yé òròmi là ìyà (OH! As aves numeram! Entende ainda Espírito da Água de nos
salvar do sofrimento)
T - Bé l’èrù bé l’erù bé l’èrùn Òrìsà-nlá malè odò (Curta os medos, curta as cargas, curta a seca, Grande Orará
Espírito do Rio)
R - Bé l’èrù bé l’erù bé l’èrùn Òrìsà-nlá malè odò (Curta os medos, curta as cargas, curta a seca, Grande Orará
Espírito do Rio)
T - Aláfìn oulá yè dê bàbá’ré wá (Dono do Palácio, da honra de estar vivo, chegue pai bendito,
venha)
R - Aláfìn oulá yè dê bàbá’ré wá (Dono do Palácio, da honra de estar vivo, chegue pai bendito,
venha)
T - Òòsà-nlà bé l’èrù (Oxalá curta os medos)
R - Epere mã f’altar (Melhor sempre usar o corpo)
T - Má kosè ÒòsÀ-nlà má kosè bàbá igbó má kosè (Não tropece Oxalá, não tropece pai do bosque sagrado, não
tropece)
R - Bàbá igbó má kosè ÒòsÀ-nlà má kosè bàbá igbó má kosè (Pai do bosque sagrado não tropece, Oxalá não tropece)
T - Sá padà ou siré! (Corra à volta a divertir-se!)
R - F’altar b’odò (Use o corpo como o rio)
T - E kí’ lú wá pés’orò Í là ou, e kí’ lú wá pés’orò Í là ou, bàbá ou sim mã, ìyá là ou sim mã, e kí’ lú wá pés’orò Í là ou
(Nos visite Amo, venha, faça-se presente Espírito nos salve ainda, Pai você está sempre, Mãe nos salve, você está
sempre)
R - E kí’ lú wá pés’orò Í là ou, e kí’ lú wá pés’orò Í là ou, bàbá ou sim mã, ìyá là ou sim mã, e kí’ lú wá pés’orò Í là ou
(Nos visite Amo, venha, faça-se presente Espírito nos salve ainda, Pai você está sempre, Mãe nos salve, você está
sempre)
T - Ou kí kí Obì õfà rí ré wò, ou kí kí Obì õfà rí ré, Obì õfà Òrun, Obì õfà Òsum ou kí kí Obì õfà rí ré wò (Você visita,
avisos Orará Obi, atrai a visão, a sorte e miras; Obi atrai ao céu, Obi seduz ao Oxum, atrai a visão, a sorte e olhe)
R - Ou kí kí Obì õfà rí ré wò, ou kí kí Obì õfà rí ré, Obì õfà Òrun, Obì õfà Òsum ou kí kí Obì õfà rí ré wò (Você visita,
avisos Orará Obi, atrai a visão, a sorte e miras; Obi atrai ao céu, Obi seduz ao Oxum, atrai a visão, a sorte e olhe)
T - Yèwo ou yèwo! Awo Òòsà-nlà Òrúnmilà Í là ou (Investiga, você examina! Adivinho, grande Orará Orunmilá e
nos salve ainda)
R - Yèwo ou yèwo! Awo yèwo dê Orúnmilà yá (Investiga, examina! Adivinho investiga, chega Orunmilá logo)
T - Olú pepe ou! airà bàbà já nire olúfá Í rà (OH! Professor dos jovens! Sem redenção até o cobre se
rompe, tem boa sorte o Professor do Ifá que ainda se redime)
R - Olú pepe ou! airà bàbà já nire olúfá Í rà (OH! Professor dos jovens! Sem redenção até o cobre se
rompe, tem boa sorte o Professor do Ifá que ainda se redime)
T - Kó l’imò kó l’imò kún (Recolhe o conhecimento e nos encha com ele)
R - F’ara rá ìjó kó l’imò kún f’ara rá yí (Usa o corpo arrastando-o à dança, recolhe o conhecimento e
enche, usa o corpo arrastando-o à transformação)
T - Yèyé èpa bi yàn, yèyé èpa bi yàn, Á má sÉ o òní b’òkun má korò, yèyé èpà bi yàn Á má sÉ o òní b’òkun má korò
(Mãe da jarra medicinal do nascimento escolha, venha, não se vá, hoje cruze o mar, não se amargure)
R - Yèyé èpa bi yàn, yèyé èpa bi yàn, Á má sÉ o òní b’òkun má korò, yèyé èpà bi yàn Á má sÉ o òní b’òkun má korò
(Mãe da jarra medicinal do nascimento escolha, venha, não se vá, hoje cruze o mar, não se amargure)
T - Á bá là Ijùgbè, Á bá là Ijùgbè, Á má sei o òní b’òkun má korò, Á bá là Ijùgbè, Á má sei o òní b’òkun má korò
(Venha, encontre, salve, educador dos jovens, venha, não se vá, hoje cruze o mar, não se amargure)
R - Á bá là Ijùgbè, Á bá là Ijùgbè, Á má sei o òní b’òkun má korò, Á bá là Ijùgbè, Á má sei o òní b’òkun má korò
(Venha, encontre, salve, educador dos jovens, venha, não se vá, hoje cruze o mar, não se amargure)
T - Onà jé ou adúpe ré ou! (OH! O caminho cumprimos e lhe agradecemos)
R - Onà jé ou adúpe ré ou! (OH! O caminho cumprimos e lhe agradecemos)
T - Babá sei ké tún l’erè uma là (Pai faz idolatrar novamente a Serpente, nos salve de seu mordida)
R - Babá sei ké tún l’erè uma là (Pai faz que se renove a adoração à Serpente, nos salve de sua mordida)
T - Ìlekè’ lekè d’omi ou! (O colar, o colar vem da água)
R - Bàbá òrìsà d’omi ou! (O Pai dos Orará vem da água)
T - Òrìsà tàlà ásou’minha ré ou odòlómi ná wè odòlómi ná wè Òrìsà tàlà assou’minha ré ou (O Orará das roupas
brancas benze a água, o rio tem água para gastar em banheiros, o Orará das roupas brancas benze a água)
R - Òrìsà tàlà ásou’minha ré ou odòlómi ná wè odòlómi ná wè Òrìsà tàlà assou’minha ré ou (O Orará das roupas
brancas benze a água, o rio tem água para gastar em banheiros, o Orará das roupas brancas benze a água)
T - Olórun e jí hù p ao BA’lú RI olórò (Dono do céu desperte, germine e chame, nós o reverenciamos, percebemo-lhe
no povo Dono dos Espíritos)
R - Olórun e jí hù p ao BA’lú RI olórò (Dono do céu desperte, germine e chame, nós o reverenciamos, percebemo-lhe
no povo Dono dos Espíritos)
T - Ou yà ou álá (Você dá passo a sua Grande Luz)
R - Òkè sei okè sei (No topo faz-o)
T - Yé ebi ebi Á jeum ou elébi ebi Á jeun ou oní bàbá elépe ou Á meu mõre meu jà kún dêem ou oní bá bí f’ouBA
elépe ou (Entende que a viagem dá fome, vêem comer algo, Senhor faminto da travessia vêem comer algo, hoje o
Pai é dono do chamado, vêem mim me engrandecendo, te esforce em encher e criar, hoje passa aqui pelo Rei
que está chamando)
R - Yé ebi ebi Á jeum ou elébi ebi Á jeun ou oní bàbá elépe ou Á meu mõre meu jà kún dêem ou oní bá bí f’ouBA
elépe ou (Entende que a viagem dá fome, vêem comer algo, Senhor faminto da travessia vêem comer algo, hoje o
Pai é dono do chamado, vêem mim me engrandecendo, te esforce em encher e criar, hoje passa aqui pelo Rei
que está chamando)
T - ÒrìsÀ meu mõre meu jà kún dêem ou (Meu Orará me engrandeça, te esforce, enche e cria)
R - E o Bàbá elépe ou (Ud é forte Pai, dono do chamado)
T - Ou lélè mbá rà ou lélè mbá rà ou Olófin Á Òrìsà-nlà Olófin Á ou Bàbá (Você está na terra, está encontrando
reparar Dono do Palácio, vêem Grande Orará Dono do Palácio, vêem Pai)
R - Ou lélè mbá rà ou lélè mbá rà ou Olófin Á Òrìsà-nlà Olófin Á ou Bàbá (Você está na terra, está encontrando
reparar Dono do Palácio, vêem Grande Orará Dono do Palácio, vêem Pai)
T - E o kiákiá kún fè rere (Ud é forte, rapidamente enche e estende as coisas boas)
R - BabalásÈ ké a jù p òrò (Pai do poder curta nossos excessos, que permaneça a riqueza)
T - ÒòsÀ-nlà lé’rùn, Òòsà-nlà lé’rùn olófín Á Òrìsà-nlà olófín ou bàbá (Oxalá afasta a seca, Oxalá afasta o sol, dono do
palácio vêem Gran-orará, Pai dono do palácio)
R - ÒòsÀ-nlà lé’rùn, Òòsà-nlà lé’rùn olófín Á Òrìsà-nlà olófín ou bàbá (Oxalá afasta a seca, Oxalá afasta o sol, dono do
palácio vêem Gran-orará, Pai dono do palácio)
T - E bò Òòsà-nlà Òrìsà-nlà e bò Òòsà-nlà ÒrìsÀ-nlà ebi t’ánà bò e bò Òòsà-nlà Òrìsà-nlà (Senhor retorne Oxalá, Gran-
orará retorne da viagem pelo caminho, cubra-se Gran-orará)
R - E bò Òòsà-nlà Òrìsà-nlà e bò Òòsà-nlà ÒrìsÀ-nlà ebi t’ánà bò e bò Òòsà-nlà Òrìsà-nlà (Senhor retorne Oxalá, Gran-
orará retorne da viagem pelo caminho, cubra-se Gran-orará)
T - E bò olófin Á Òrìsà-nlà (Senhor retorne dono do palácio, venha Gran-orará)
R - E bò olófin Á Òrìsà-nlà (Senhor retorne dono do palácio, venha Gran-orará)
T - Oní mó’ kùn sei rà oní mõkún sei rà (Hoje mergulhe-se e faça a reparação)
R - Bàbá igbó oní mõkún sei rà (Pai do bosque sagrado, hoje mergulhe-se e faça a reparação)
T - Oní mõkún sirei (Hoje mergulhe-se e divirta-se)
R - Bàbá l’ijà (Pai tem que lutar)
T - ÒòsÀ-nlà kó meu yà ásou bàbá yí kékè, Òòsà-nlà kó meu yà ásou olú rere sese (Oxalá me recolha, separa a roupa
pai e me transforme rapidamente; Oxalá me recolha separa a roupa, Senhor das coisas boas e simples)
R - ÒòsÀ-nlà kó meu yà ásou bàbá yí kékè, Òòsà-nlà kó meu yà ásou olú rere sese (Oxalá me recolha, separa a roupa
pai e me transforme rapidamente; Oxalá me recolha separa a roupa, Senhor das coisas boas e simples)
T - Bàbá sÉ’ seu kè l’erò oní mõkún dú l’erò bàbá bàbá sei seu kè l’erò elú lélè là ìpò (Pai atue no topo, reme em
calma, hoje mergulhe-se, negue ter calma Pai; Pai atue no topo, reme em calma Senhor, está em o mundo, abra a
abundância)
R - Bàbá sÉ seu kè l’erò Bàbá sei seu kè l’erò bàbá bàbá sei seu kè l’erò lélè e lélè ou! (Pai atue no topo, reme em
calma, atue no topo pai, reme em calma que está no mundo, Senhor está na terra)
T - Lé’correio! (Afastem o azeite de dendé!)
R - L’erò’ lé lélè ou (Tem calma na casa, está no mundo)
T - Lókè bò meu nà (Suave retorne para mim, tiéndase)
R - Bájà yí (Transforme a luta)
T - Òrìsà wènem b’okun (O Orará lava a gente como o mar)
R - Bàbá Òrìsà wènem b’okun o (Pai Orará lava a gente como o mar e vê)
T - Mo balè mo balè! (Eu me inclino para a terra)
R - Wí nem wí nem mo balè! (Fale hoje que eu me inclino para a terra)
T - Otà wè ‘tà wè ‘tà wè dê bàbá ‘tà wè (A pedra sagrada lava, lava a pedra sagrada, chega pai a lavar a pedra)
R - Otà wè ‘tà wè ‘tà wè dê bàbá ‘tà wè (A pedra sagrada lava, lava a pedra sagrada, chega pai a lavar a pedra)
T - Tò’lú membro da Ordem do Império Britânico tàlà’ lú’fá yìn, tò’lú membro da Ordem do Império Britânico tàlà’
lú’fá ou! (Aprova ao povo que está existindo desde o começo adorado Amo Ifá, aprova ao povo que está existindo
desde o começo Amo Ifá!)
R - Tò’lú membro da Ordem do Império Britânico tàlà’ lú’fá yìn, tò’lú membro da Ordem do Império Britânico tàlà’
lú’fá ou! (Aprova ao povo que está existindo desde o começo adorado Amo Ifá, aprova ao povo que está existindo
desde o começo Amo Ifá!)
T - E Kalè kalè kale jó! (Sinta-se, sente-se venerável ancião danzador!)
R - E rè’ré rè kale jó! (Ud se cansa no esporte ancião danzador)
MO PÍN MEU ÒRÒ (Eu compartilho minha “riqueza” [a comida da mesa])
T - Oní mo níwà Sun pín wá Sun pín Òrò (Hoje eu tenho bom caráter, abraço e compartilho, procuro suplicar e dividir
a riqueza)
R - Oní mo níwà Sun pín wá Sun pín Òrò (Hoje eu tenho bom caráter, abraço e compartilho, procuro suplicar e dividir
a riqueza)