Você está na página 1de 3

A CORRUPÇÃO NO BRASIL Corrupção é palavra que voga na atualidade.

A
história brasileira é repleta de exemplos. Porém muitos períodos, foi “proibido” falar e
apurar a corrupção. Ela não é prática só das elites dirigentes. A palavra corrupção em
sua definição, expressa a oposição, a negação daqueles valores que consideramos, ou
pelo menos deveríamos considerar como sustentáculos do bom andamento das relações
intrapessoais e sociais, que são necessárias para a realização humana. Corromper,
portanto, é o ato pelo qual se adultera, se estraga algo físico ou moralmente. A
repercussão é de maior ou menor amplitude, conforme a ação que se realiza. As causas
são praticamente inesgotáveis, pois envolvem problemas estruturais, sociais e pessoais.
A corrupção política, ou a corrupção na política de uma determinada sociedade
deteriora as próprias estruturas da sociedade, uma vez que a política é o cuidado com o
que é coletivo, de todos, é a busca de soluções para os problemas que a sociedade, uma
vez que a política e o cuidado com o que é coletivo, de todos, é a busca de soluções para
os problemas que a sociedade como um todo enfrenta. A corrupção na política é
aproveitar-se, apropriar-se do que é coletivo, em benefício próprio. É roubar. Se os
agentes públicos – os políticos – são corruptos, e/ou se associam a agentes privados
corruptores, a saúde da sociedade corre sérios riscos. Faltando o respeito pelo que é de
todos, prevalece no comportamento de cada um o vale tudo, o “levar vantagem” em
tudo, o enganar para escapar ileso de eventuais punições. No Brasil, corrupção está
espalhada pelos diferentes setores e níveis da atividade política: no executivo, no
legislativo e no judiciário, do nível federal ao nível municipal. Paz parte também dos
comportamentos das empresas privadas que trabalham para o governo em obras e
serviços ou que dele defendem para autorizações e legislações de suas atividades. No
legislativo e no executivo ela é pior do que no judiciário, porque estes poderes mexem
diretamente com o dinheiro e com as legislações. Os legislativos costumam ser
comparados com balcões de negócios. O executivo nacional já chegou até a criar
mecanismos para a lavagem de dinheiro sujo, obtido com o narcotráfico ou com a
corrupção – como as contas CC5 autorizadas pelo Banco do Brasil. A sociedade clama
justiça, onde a maioria dos casos a impunidade torna-se aliada das empresas, das gangs,
autoridades e maus funcionários, há quem diga que um terço do que se gasta nos
governos se esvai pelos ralos da corrupção. Isto tudo é dinheiro coletivo que se perde,
deixando de atender, com ele, uma grande quantidade de necessidades sociais. A
exclusão social é resultado da lógica de funcionamento do sistema econômico vigente
no país, orientando para a acumulação sem fim do capital. Este sistema é hegemônico,
hoje no mundo inteiro e está levando à exclusão de cada vez mais populações e até
países inteiros. Esse sistema se relaciona com a corrupção na medida em que na
sociedade capitalista as pessoas não são vistas como cidadãos, mas como consumidores.
Um cidadão tem direitos que a sociedade deve entender, tenha ele dinheiro ou não. Um
consumidor terá suas necessidades se tiver suas necessidades para isso. A corrupção dá
acesso ao dinheiro, mas a corrupção também agrava a exclusão, gerando empregos,
prestando serviços ou construindo equipamentos coletivos necessários à elevação dos
níveis de vida. Para mudar este quadro, em primeiro lugar é preciso que cada um de nós,
na sua vida cotidiana, atue de forma limpa, pensando nos outros, alertando todos que
pudermos para os males da corrupção e a verdadeira função do político, trabalhando
para que sejam eleitas pessoas dignas de exercer mandatos políticos, denunciando toda
improbidade que chegue ao nosso conhecimento, etc, isto é, tornando-se um agente de
mudança pelo fim da corrupção. Ela só acabará com a pressão só ocorrerá se a
sociedade uma repulsa à corrupção tão forte comojá se conseguiu fazer com a tortura. A
tortura atinge u-a pessoa de cada vez. A corrupção oprime populações inteiras. Ambas
são absolutamente inaceitáveis. Ambas podem matar. São crimes hediondos. Uma
sociedade concentrada num complexo sistema de ralações sociais. Tais relações seguem
objetivos políticos alimentados por projetos políticos que buscam construir modelos que
vão instaurando um imaginário senso de pura honestidade, porém por trás há trocas de
fatores absurdos onde dão cargo de confiança a pessoas que não tem nem sequer
profissão relacionada ou compromissada com a educação que são: economistas outras
que não tem nem o curso superior, supervisores, coordenadores que estão cumprindo
mandatos dentro das escolas por causa da troca de favores com os políticos. Todos
sabemos o porque desta realidade. Pois tais relações são aleatórias aos objetivos da
instituição escolar. Cuja função é criar um ambiente alfabetizador voltado para o ensino
e aprendizagem, e priorizar suas funções pedagógicas e sociais que é ensinar a ler e
escrever e principalmente formar cidadãos críticos com olhos voltados para o
crescimento profissional e social, pois quanto mais publica for a política, mais ela coíbe
a corrupção, que é o câncer da política brasileira.

INTRODUÇÃO:
O tema da corrupção é um assunto de relevância na agenda internacional contemporânea
sendo considerado um fenômeno complexo que interfere de forma negativa na esfera estatal
ao tornar a administração pública ineficiente e incapaz de desenvolver a região na qual está
inserida.
Utiliza-se na presente pesquisa a definição da corrupção tendo como foco as regulamentações
formais, ou seja, quando há o abuso do papel público em troca de benefícios privados através
da transgressão da lei ou das regulamentações administrativas formais.
No atual contexto internacional, as relações entre os atores internacionais não permaneceram
somente entre Estados; há uma crescente interlocução entre os novos atores no sistema
internacional, dentre eles os governos locais. Com isso a necessidade de se desenvolver
mecanismos que possam combater a corrupção internacional também no nível das localidades
é de extrema relevância.
Levando em consideração as conseqüências da corrupção na esfera pública e em especial
nos governos locais, o objetivo central deste estudo estudo é analisar de que maneira o
fenômeno da corrupção pode ser combatido dentro das municipalidades através da
cooperação internacional.
O objetivo da pesquisa foi o levantamento dos mecanismos de cooperação internacional que
visam o combate à corrupção e de que forma eles favorecerão no nível local o enfrentamento
deste fenômeno, visando o desenvolvimento concreto de gestões públicas sérias e eficientes
nos Estados.
METODOLOGIA:
Auxiliado pelo referencial teórico ético-reformista, o método de abordagem utilizado na
pesquisa é o hipotético-dedutivo. Partindo da hipótese de que as conseqüências dos
fenômenos globais interferem de forma clara nas municipalidades, testou-se a ocorrência do
fenômeno através da inferência dedutiva. O método de procedimento utilizado é o estudo de
caso, auxiliado pela técnica de pesquisa bibliográfica e análise de conteúdo.
Em um primeiro momento, foi realizada a análise do fenômeno da corrupção e de suas
implicações dentro do poder público Estatal. Através de tal análise, verificaram-se os
instrumentos utilizados pelos governos locais no combate à corrupção e de que maneira
poderia se tornar mais eficazes as políticas e programas já existentes através dos
mecanismos de cooperação internacional.
Tendo em vista a crescente interdependência entre os diversos atores das relações
internacionais contemporâneas, buscou-se através do presente estudo verificar os
mecanismos de interlocução existentes entre os espaços global/local no que concerne a
cooperação internacional. A análise da construção de redes internacionais de cooperação
internacional entre governos locais foi fundamental para a construção e formulação dos
instrumentos de interlocução existentes na cotemporaneidade.
RESULTADOS:
O desenvolvimento desta pesquisa contribuiu para o entendimento de que os governos locais
atualmente, com relação ao seu potencial, têm novos mecanismos para enfrentar a corrupção,
buscando novas possibilidades de gestão de políticas publicas adequando de forma mais
positiva os serviços e as demandas dos cidadãos.
Um dos mecanismos utilizados para a internacionalização das localidades é a consolidação de
redes internacionais de cooperação que assumem um papel fundamental ao permitir o acesso
e a disseminação do intercâmbio de tecnologias e experiências. As cidades passam a atuar
nas relações internacionais através de processos de cooperação e articulação entre elas,
possibilitando cada vez mais um dinamismo na esfera local.
O mecanismo de cooperação entre os municípios se dá pela construção de redes
internacionais, na qual existe a possibilidade de trocas de conhecimentos e de técnicas de
gestão entre as cidades. O intercâmbio via rede, portanto, vem a fortalecer o intercâmbio entre
as cidades de múltiplas regiões do globo em diversos assuntos relevantes dentre eles o
combate à corrupção.
CONCLUSÕES:
A cooperação internacional é um mecanismo que representa uma oportunidade para uma
nova inserção dos Estados Nacionais aumentando a interlocução entre o local e o global
buscando o fortalecimento democrático como também do desenvolvimento dos Estados.
Levando em consideração as conseqüências da corrupção na esfera pública e em especial
nos governos locais, faz-se importante destacar as múltiplas possibilidades que os municípios
têm de utilizar-se do crescente intercâmbio entre os países, dos financiamentos oferecidos por
instituições internacionais que visam reformas estruturais, bem como os demais tamecanismos
existentes: ONG’s, Instituições Internacionais, Organismos internacionais, etc para que se
possa favorecer o controle da corrupção.
De importância fundamental também é a capacitação de funcionários públicos como também a
construção de metas de gestão eficientes, pois é no funcionamento de uma administração
pública local que busque ser eficiente e capaz de desenvolver a municipalidade, que será
possível combater a corrupção existente também nos governos locais, utilizando-se
mecanismos de transparência e accountability (responsabilidade e prestação de contas).
Portanto, é de fundamental importância o estudo aprofundado da participação dos governos
locais nas relações internacionais, pois este mecanismo de cooperação tem sido uma
alternativa à necessidade de enfrentamento dos problemas essenciais da sociedade
contemporânea.