Você está na página 1de 133

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

INSTITUTO DE PSICOLOGIA
DEPARTAMENTO DE PROCESSOS PSICOLÓGICOS BÁSICOS
PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DO COMPORTAMENTO

INTERVENÇÕES COGNITIVAS PARA O APRIMORAMENTO DA


MEMÓRIA EM IDOSOS COM ENVELHECIMENTO COGNITIVO NORMAL

ISABELLE PATRICIÁ FREITAS CHARIGLIONE

Brasília
2014
UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA
INSTITUTO DE PSICOLOGIA
DEPARTAMENTO DE PROCESSOS PSICOLÓGICOS BÁSICOS
PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DO COMPORTAMENTO

INTERVENÇÕES COGNITIVAS PARA O APRIMORAMENTO DA


MEMÓRIA EM IDOSOS COM ENVELHECIMENTO COGNITIVO NORMAL

ISABELLE PATRICIÁ FREITAS CHARIGLIONE

Orientador: GERSON AMÉRICO JANCZURA, Ph.D


Co-orientadora: SYLVIE BELLEVILLE, Ph.D

Tese apresentada ao Programa de Pós-


Graduação em Ciências do Comportamento
do Departamento de Processos Psicológicos
Básicos do Instituto de Psicologia da
Universidade de Brasília como requisito
parcial para a obtenção do título de Doutor
em Ciências do Comportamento – Área de
Concentração: Cognição e Neurociências do
Comportamento.

Brasília, Junho de 2014.


UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA
INSTITUTO DE PSICOLOGIA
DEPARTAMENTO DE PROCESSOS PSICOLÓGICOS BÁSICOS
PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DO COMPORTAMENTO

BANCA EXAMINADORA

Presidente: Gerson Américo Janczura, Ph.D


Universidade de Brasília

Membro Externo: Mônica Sanches Yassuda, Ph.D


Universidade de São Paulo

Membro Externo: Ederaldo José Lopes, D.Sc


Universidade Federal de Uberlândia

Membro Interno: Isolda de Araújo Günther, Ph.D


Universidade de Brasília

Membro Interno: Maria Ângela Guimarães Feitosa, Ph.D


Universidade de Brasília

Membro Suplente: Wânia Cristina de Souza, Ph.D


Universidade de Brasília
Aos meus pais, Chariglione Patrick

Jean-Jacques e Isabel Cristina Freitas

de Oliveira Chariglione.
Agradecimentos

Após quatro anos de intenso trabalho e dedicação é hora de agradecer aqueles

que foram primordiais para a construção deste trabalho. Antes de tudo, agradeço mais

uma vez a vida, porque não tenho como me esquecer do quanto é importante estar nesse

mundo de construções, transformações e crescimento. Quero agradecer de forma

especial por ela ter sido generosa comigo nesses últimos anos, por ter me apontado

caminhos, por ter me feito realizar sonhos, por ter me feito ir além do que eu imaginava

chegar.

Agradeço ao meu orientador, Prof. Dr. Gerson Janczura, por mais esses quatro

anos de crescimento profissional e pessoal. Agradeço a paciência nas discussões, o

caminho apontado quando eu me sentia perdida e a confiança em mim depositada.

Espero que essa nossa parceria possa continuar, pois eu não estou com nenhuma pressa

de me despedir.

Agradeço a minha co-orientadora, Profa. Dra. Sylvie Belleville, por ter me

recebido na Université de Montréal, no Canadá, e me proporcionado tantas

oportunidades no Centre de recherche d´institut Universitaire de Gériatrie de Montréal

(CRIUGM).

Agradeço também à equipe de pesquisa do CRIUGM, especialmente à Emilie

Lepage, Samira Mellah e Helene Audrit que tornaram os meus dias mais agradáveis,

pelos materiais disponibilizados e almoços agradáveis. Agradeço à Audrey Cordière,

Ikram Methqal e Mira Jabbour pelos momentos de descontração fora do CRIUGM, que

eram raros, mas sempre muito agradáveis.


Agradeço aos membros da banca, à Profa. Dra. Mônica Sanches Yassuda, pela

disponibilidade em me acompanhar desde o mestrado, por sempre se mostrar solícita

nas minhas indagações e pelas valiosas contribuições para o aperfeiçoamento dessa tese.

À Profa. Dra. Maria Ângela Guimarães Feitosa, por suas contribuições desde a

qualificação dessa tese. À Profa. Dra. Isolda de Araújo Günther, pela sua

disponibilidade, pela força, pela torcida e por me mostrar um lado doce da academia que

me faz pensar: “É possível!”. Ao Prof. Dr. Ederaldo Lopes, pelas contribuições para o

aprimoramento desse trabalho. À Profa. Dra. Wânia Souza, pela disponibilidade em

diversos momentos durante esses quatro anos.

Agradeço aos funcionários da Unb, em especial aos funcionários do CAEP, que

trabalharam sempre da melhor maneira e permitiram a realização das atividades, em

especial à Profa. Dra. Elizabeth Queiroz, diretora do CAEP naquele momento, e aos

funcionários Soemes Castilho Dias e Erick Vilela. Agradeço também ao Prof. Dr.

Hartmut Günther, por ter disponibilizado o Instituto de Psicologia para a inscrição dos

idosos e por ser sempre tão atencioso, e ao Prof. Dr. Luiz Pasquali, pela

disponibilização do teste TMV.

Agradeço à CAPES pelo apoio financeiro que possibilitou a execução dessa

pesquisa e o meu estágio doutoral no Canadá. Agradeço aos funcionários do

Departamento de Processos Psicológicos Básicos, em especial a Joyce Novaes, pela

disponibilidade, pelo carinho, pelo cuidado, pela torcida e pelo sorriso sempre

acolhedor.

Agradeço aos auxiliares de pesquisa Bruna Fernandes, Estela Guida, Gilberto

Nunes, Jaqueline Lima, Thais Urueña e Valentina Moraes, cujas participações foram

primordiais para a conclusão desse trabalho. Obrigada pelos cuidados com os idosos.
Agradeço aos idosos que tornaram esse trabalho possível, que se

disponibilizaram a participar da pesquisa e que tornaram nossos encontros tão

agradáveis. Obrigada pelos ensinamentos diários.

Agradeço à Luciana Reginaldo Soares, pela presença na minha vida, tornando-a

mais calma, mais doce, mais bonita e mais feliz. Obrigada por ter me devolvido aquele

sorriso largo no rosto e por ter descoberto em mim coisas que eu já havia esquecido.

Agradeço pelo processo de construção desse trabalho, pela leitura cuidadosa, pelos

feedbacks, pelas discussões, pela paciência e pela força em momentos que eu imaginava

já não mais conseguir. Você é uma peça fundamental para esse passo que hoje dou e

nesse momento nem sei quais palavras utilizar para lhe agradecer.

Agradeço aos meus pais, pela confiança sempre depositada em mim desde que

saí de casa aos meus 17 anos para estudar Psicologia em outra cidade. Agradeço por

terem me permitido ir atrás dos meus sonhos, pela torcida, pela disponibilidade e por

enxergarem em pequenos ganhos diários ganhos incomensuráveis.

Agradeço aos amigos que tornaram esses anos mais fáceis de serem encarados.

Agradeço aos amigos que conquistei nesse doutorado: Daniel Kinpara, pela presença e

pelos auxílios no direcionamento das análises estatísticas; Fabiana Damásio, pela

doçura de pessoa que é; Juciléia Souza, pelos momentos divididos e por ser tão querida;

e, Patrícia Emanuele Ribeiro, por ter se tornado uma amiga tão especial e querida. Fico

aqui na esperança de que esses laços continuem.

Agradeço especialmente aos amigos de longas datas como Lílian de Cristo, que

me acompanha desde os primeiros estudos da vida, sendo presença especial na minha

vida; Fábio de Cristo, meu compadre querido e que tanto quero bem; Tatiana Rosa

Paiva e Hanyel Paiva, pela torcida de sempre e pelos encontros prazerosos; Tatiana
Santanna, minha amiga querida que faz comidas gostosas e é sempre tão carinhosa;

Sérgio Oliveira, o cara que sou fã por ele ser simplesmente do jeito que é; Clarissa Vaz

Dias, pela amizade gratuita, pelo cuidado, pela torcida, pelo astral; Bárbara Lessa, pela

sua amizade silenciosa e cuidadosa, aquela sensação de que a qualquer momento você

pode chegar; Thaís Miranda, pela amizade e pela presença leve e agradável; Regina

Nogueira, pela torcida; e Renata Delgado, por estar presente sem estar junto e por torcer

por cada passo dado. Vocês estavam lá quando a ordem era relaxar, mas também

torceram muito e foram compreensíveis quando a ordem era “desculpem, passarei

algum tempo ausente”. Notícia boa?! Tô voltando!


“Eles podem esquecer o que você

disse, mas eles nunca esquecerão como

você os fez sentir”.

Carl W. Buechner
Resumo

O envelhecimento humano é um processo de transformação e seus estudiosos têm se


dedicado aos estudos dos efeitos de intervenções cognitivas. A principal contribuição
desta tese é o aperfeiçoamento de duas técnicas de intervenção cognitiva em memória:
uma técnica de estimulação (Stimullus) e uma técnica de treino, empregada no Canadá e
em outros países de língua francesa, (MEMO) que foi adaptada para o contexto dessa
pesquisa. A pesquisa foi realizada com 44 participantes de ambos os sexos, saudáveis e
com mais de 60 anos. Aplicou-se um delineamento experimental, com dois grupos
experimentais e um grupo controle, com avaliações pré e pós-intervenção. Foram
realizadas comparações a fim de avaliar o efeito do tipo de intervenção e o momento da
testagem sobre a memória, com testes diagnósticos e testes de memória. Os resultados
demonstraram que a intervenção do tipo MEMO foi mais positiva em ganhos
cognitivos, que os participantes do grupo Stimullus também foram beneficiados, porém
em menor escala, e que os participantes do grupo controle apresentaram uma melhora,
possivelmente por fazerem parte de uma pesquisa sobre memória. O teste de memória
visual e o teste de associação nome-rosto apresentaram diferenças significativas para os
grupos, mas os testes de recuperação de palavras e reconhecimento de imagens não
foram sensíveis para esse tipo de intervenção. Os testes diagnósticos não apresentaram a
estabilidade esperada para os níveis de controle dos grupos podendo estar relacionados
ao número pequeno de sujeitos e a heterogeneidade em cada grupo. É importante dar
continuidade a esse estudo, verificando se o aprimoramento da memória evidenciada no
grupo MEMO poderá se manter em função do tempo, assim como nos participantes do
grupo Stimullus e controle que receberam a intervenção do tipo MEMO depois de
finalizado o procedimento de pós-teste. Os resultados demonstraram a necessidade de
mais investigações nessa área. Sugere-se que futuras pesquisas deverão concentrar
esforços no aperfeiçoamento das técnicas aqui apresentadas.

Palavras-chave: idosos; memória; intervenção cognitiva; estimulação cognitiva; treino


cognitivo.
Abstract

Human aging is a process of transformations and researchers have been devoted to the
studies of the effects of cognitive interventions. The main contribution of this thesis is
the presentation of two intervention techniques in human memory: a technique for
stimulation (Stimullus) and a technique for memory training (MEMO) used in Canada
and other French-speaking countries that has been adapted to the context of this
research. The research was conducted with 44 participants of both sexes, healthy and
60-year-old or older. An experimental design with two experimental groups and one
control group with pre-and post-intervention wad applied. Comparisons were carried
out to evaluate the effect of intervention type and time of testing of the memory with
diagnostic and memory tests. The results showed that the MEMO intervention group
showed more cognitive gains that Stimullus group. This group also benefited by the
procedure, though on a smaller scale. Significant differences were found in the visual
memory and face-name association tests between groups, but recovery tests of word and
image recognition were not sensitive to this type of intervention. The diagnostic tests
did not show the expected stability control levels. This result may be related to the small
number of subjects and the heterogeneity. It is important to continue this study to
investigate further whether the enhancement of memory gained by MEMO group could
remain over time, as in Stimullus groups and control group who received the
intervention of type MEMO after finalized the procedure for post-test. The results
suggested the need for more research in this area. It is believed that future research
should focus on the improvement of the techniques presented here.

Keywords: elderly; memory; cognitive intervention; cognitive stimulation; cognitive


training.
Sumário

Resumo ........................................................................................................................... 10
Abstract .......................................................................................................................... 11
Lista de Tabelas ............................................................................................................. 14
Lista de Figuras ............................................................................................................. 15
Lista de Abreviaturas .................................................................................................... 16
Introdução ...................................................................................................................... 17
Contribuições da Pesquisa .......................................................................................... 19
Envelhecimento .......................................................................................................... 20
Aspectos biológicos do envelhecimento .............................................................. 21
Aspectos cognitivos do envelhecimento .............................................................. 23
Aspectos emocionais do envelhecimento ............................................................. 26
Memória ...................................................................................................................... 27
Tipos de memória e métodos de avaliação........................................................... 28
Envelhecimento e alterações de memória ............................................................ 31
Intervenções Cognitivas .............................................................................................. 33
Estimulação cognitiva em memória .............................................................. 36
Treino cognitivo em memória ....................................................................... 38
Avaliação Cognitiva ................................................................................................... 46
Testes diagnósticos ............................................................................................... 48
Testes de memória ................................................................................................ 51
Método ............................................................................................................................ 55
Participantes ................................................................................................................ 55
Delineamento .............................................................................................................. 63
Materiais ..................................................................................................................... 64
Testes diagnósticos ............................................................................................... 64
Testes de memória ................................................................................................ 66
Estimulação cognitiva .......................................................................................... 67
Treino cognitivo ................................................................................................... 70
Procedimentos ............................................................................................................. 73
Capacitação dos auxiliares de pesquisa ................................................................ 74
Adaptação do treino cognitivo para o contexto da pesquisa ................................ 76
Pré-intervenção..................................................................................................... 77
Intervenção ........................................................................................................... 78
Pós-intervenção .................................................................................................... 79
Resultados ...................................................................................................................... 81
Análise do Efeito da Intervenção nas Medidas de Memória ...................................... 85
Análise do Efeito da Intervenção nas Medidas Diagnósticas ..................................... 87
Discussão ........................................................................................................................ 91
Referências ..................................................................................................................... 95
Apêndice A: Termo de Consentimento Livre e Esclarecido .................................... 111
Apêndice B: Anamnese ............................................................................................... 113
Apêndice C: Seleção de Palavras para Aplicação do Teste de Recuperação
Livre de Palavras .................................................................................................. 117
Apêndice D: Seleção de Figuras para Aplicação do Teste de Reconhecimento
de Imagens............................................................................................................. 119
Apêndice E: Materiais Utilizados nas Sessões do Stimullus .................................... 127
Lista de Tabelas

Tabela 1. Variáveis sociodemográficas e clínicas da amostra inicial na pré-


intervenção. .............................................................................................................. 59
Tabela 2. Variáveis sociodemográficas e clínicas da amostra final na pré-
intervenção. .............................................................................................................. 60
Tabela 3. Variáveis sociodemográficas e clínicas da amostra final na pré-
intervenção, em função da escolaridade. .................................................................. 61
Tabela 4. Variáveis sociodemográficas e clínicas da amostra final na pré-
intervenção, em função da faixa etária. .................................................................... 62
Tabela 5. Testes de memória. .......................................................................................... 81
Tabela 6. Testes diagnósticos. ......................................................................................... 83
Tabela 7. Medidas de memória nos momentos pré e pós-intervenção. ........................... 85
Tabela 8. Medidas diagnósticas nos momentos pré e pós-intervenção. .......................... 87
Tabela C1. Seleção de palavras abstratas e concretas utilizadas no teste de
recuperação livre de palavras. ................................................................................ 117
Tabela D1. Concordância de nome, imagem, familiaridade e complexidade visual
para o conjunto de figuras utilizadas no teste de reconhecimento de imagens. ..... 119
Tabela D2. Distribuição das figuras de Snodgrass & Vanderwart (1980) entre os
tipos de figuras utilizados no teste de reconhecimento de imagens. ...................... 119
Tabela E1. Materiais associados às categorias alimentos, objetos, profissões e
jogos utilizadas na sessão 2 do Stimullus. .............................................................. 128
Tabela E2. Materiais associados aos níveis I, II e III utilizados na sessão 3 do
Stimullus. ................................................................................................................ 129
Tabela E3. Materiais utilizadas na sessão 4 do Stimullus. ............................................130
Tabela E4. Números das figuras do International Affective Picture System (IAPS)
utilizadas nas fases de estudo e teste da sessão 5 do Stimullus. ............................. 131
Tabela E5. Histórias utilizadas na sessão 6 do Stimullus. ............................................. 132
Tabela E6. Exercícios matemáticos utilizados na sessão 6 do Stimullus. ..................... 132
Lista de Figuras

Figura 1. Tipos de memória. ........................................................................................... 30


Figura 2. Processo de alocação dos participantes. .......................................................... 57
Figura 3. Cronograma das etapas dos procedimentos empregados na pesquisa. ............ 74
Figura E1. Estímulos visuais utilizados na sessão 1 do Stimullus. ............................... 127
Figura E2. Jogo dos 7 Erros utilizado na sessão 6 do Stimullus. .................................. 133
Lista de Abreviaturas

Abreviatura Descrição

H Estatística do teste de Kruskall-Wallis

M Média da amostra

N Número total em uma amostra

n Número em uma sub-amostra

p Probabilidade

r Tamanho de efeito

SD Desvio padrão

U Estatística do teste de Mann-Whitney

Z Estatística do teste dos postos com sinais de Wilcoxon


17

Introdução

O envelhecimento humano, assim como as demais etapas da vida, é um processo

de transformação do organismo que se reflete nas suas estruturas físicas, nas

manifestações da cognição, bem como na percepção subjetiva dessas transformações.

Definir envelhecimento cognitivo é uma tarefa difícil, pois as funções cognitivas

no envelhecimento podem sofrer declínios graduais, que podem ser considerados

normais ou patológicos (Netto, 2010).

Diversos estudos (p. ex., Belleville, 2008; Belleville et al., 2006; Belleville et al.,

2011; Chariglione & Janczura, 2013; Gross, Rebok, Unverzagt & Brandt, 2011)

corroboram a hipótese de que benefícios, tanto cognitivos quanto neurobiológicos,

ocorrem em idosos saudáveis ou portadores de alguma classe específica de patologia

cognitiva que utilizam algum tipo de intervenção cognitiva.

Os estudiosos do envelhecimento humano têm se dedicado aos estudos de

intervenções cognitivas, com o objetivo de desenvolver novos procedimentos,

padronizar procedimentos existentes, investigar as intervenções cognitivas e os testes

psicológicos e correlacionar intervenções cognitivas com determinadas funções

cognitivas.

A intervenção cognitiva pode ocorrer por meio da estimulação cognitiva, do

treino cognitivo ou da reabilitação cognitiva (Belleville, 2008; Clare, Woods, Moniz

Cook, Orrell e Spector , 2005; Mowszowski, Batchelor & Naismith, 2010).

Segundo Belleville (2008), a estimulação cognitiva consiste em atividades

realizadas em grupo e delineadas para o aprimoramento de funções cognitivas e sociais,

que incluem discussões, atividades de leitura supervisionada, memorização de listas e


18

outras atividades estruturadas, com foco em orientação e reminiscência. O treino

cognitivo consiste no ensino de estratégias e tarefas realizadas em grupo visando o

aprimoramento de funções cognitivas específicas, como por exemplo, técnicas

mnemônicas. A reabilitação cognitiva consiste em uso de estratégias para aprimorar ou

compensar dificuldades relacionadas a atividades específicas de um indivíduo em sua

vida diária, como por exemplo, aprender o nome de seu novo cuidador.

As metodologias de estimulação cognitiva, que não preveem o ensino de

estratégias, apresentam resultados positivos na cognição dos idosos que recebem esse

tipo de intervenção, além de redução dos sintomas depressivos (Da-Silva et al., 2011;

Dias & Lima, 2012; Santos et al., 2012).

Quanto aos procedimentos adotados em treinos cognitivos, uma prática comum é

a utilização de tarefas relacionadas à vida diária do idoso com o intuito de auxiliá-lo em

situações que envolvam saúde, finanças, organização e manutenção de uma casa e

comunicação, como pode ser observado em Belleville (2008), Belleville et al. (2006),

Belleville et al. (2011), Gross et al. (2011), Teixeira-Fabrício et al. (2012) e West,

Welch e Yassuda (2000).

Os resultados das intervenções cognitivas são obtidos por meio da aplicação de

testes em cada indivíduo com intuito de avaliar o aprimoramento da função pretendida.

Nesses termos, é importante a escolha adequada de testes que se correlacionem com o

nível de escolaridade e os tipos de atividades cognitivas e sociais.

A perspectiva aqui assumida trata o envelhecimento como algo possível de ser

aprimorado. O declínio do funcionamento cognitivo da memória geralmente causa

sofrimento psíquico e limitações na vida diária de idosos. Busca-se contribuir para um


19

processo de envelhecimento mais dinâmico, com a introdução de intervenções

cognitivas de memória e sua utilização na vida diária dos idosos.

Assim, o principal objetivo desta tese é interferir nas perdas cognitivas

associadas à memória de idosos normais por meio da aplicação de novos procedimentos

de intervenção cognitiva grupais (estimulação cognitiva e treino cognitivo), com fins de

propiciar aos idosos uma melhor qualidade de vida, sob o ponto de vista cognitivo.

Contribuições da Pesquisa

A principal contribuição desta tese é o aperfeiçoamento de duas técnicas de

intervenção cognitiva em memória: a técnica de estimulação desenvolvida por

Chariglione e Janczura (2013), e a técnica de treino desenvolvida por Belleville et al.

(2006).

Quanto à técnica de estimulação cognitiva de memória, essa foi aprimorada

durante o estágio Programa de Doutorado Sanduíche no Exterior (PDSE/CAPES,

Processo nº 7891-12-1), realizado no Canadá, no Institut Universitaire de Gériatrie de

Montréal associado à Université de Montréal, sob a supervisão da Dra. Sylvie

Belleville, especialista em investigação neuropsicológica da memória, das relações entre

cérebro e memória e das disfunções da memória em diferentes populações.

O aperfeiçoamento da técnica de treino cognitivo de memória, desenvolvida em

língua francesa, consiste em sua adaptação ao contexto desta pesquisa, correspondendo

à etapa inicial de validação desse treino ao nosso país.


20

Envelhecimento

A clássica imagem do idoso como ser dependente e isolado do mundo tem sido

transformada com a definição de “envelhecimento ativo”, que busca desconstruir

paradigmas impostos por costumes tradicionais e culturais da sociedade brasileira.

O processo de envelhecimento deve ser considerado dinâmico e progressivo no

qual ocorrem alterações diversas, causando vulnerabilidade no idoso.

A Organização Mundial da Saúde define envelhecimento ativo como a

otimização das oportunidades de saúde, participação e segurança, com o objetivo de

melhorar a qualidade de vida à medida que as pessoas envelhecem, sendo um desafio

individual, coletivo e universal (Fernandes, 2014).

O processo de envelhecimento da população brasileira se intensificará até 2042.

Nesta data, a população deverá chegar a 228,4 milhões de pessoas. A partir do ano

seguinte, ela diminuirá gradualmente e estará em torno de 218,2 milhões em 2060. A

esperança de vida ao nascer deve atingir os 80,0 anos em 2041, chegando a 81,2 anos

em 2060, havendo algumas alterações dentro das unidades federativas. Atualmente há

cerca de 20,6 milhões de idosos no Brasil, número que representa 10,8% da população

do país. A expectativa é que, em 2060, o país tenha 58,4 milhões de idosos que

corresponderá a 26,7% da população total (IBGE, 2013).

Nessa perspectiva de envelhecimento ativo, é importante compreender a

interação entre pessoa, ambiente e comportamento que, segundo Günther (2011), deve

ser considerada nas análises dos processos de envelhecimento, visto que as razões do

envelhecimento ainda são motivos de controvérsias.

Wahl (2001) e Günther (2011) relatam a relação entre influências ambientais no

processo de envelhecimento e comportamento do idoso. Entender o papel do ambiente


21

na chegada e no curso do envelhecimento é uma área clássica de pesquisa em

gerontologia. Manter, estimular e executar atividades, sejam no ambiente de casa ou de

trabalho, é indispensável para o bem estar físico e mental dos idosos.

A conhecida premissa “envelhecemos porque desgastamos” já não é suficiente

para definir o processo de envelhecimento e também não tem um poder de

generalização na população em geral. Dessa forma, na análise do processo de

envelhecimento devem ser considerados os aspectos biológicos, cognitivos e

emocionais, que são primordiais na compreensão do idoso.

Aspectos biológicos do envelhecimento

Segundo Buée e Maurage (2008), no que se refere ao envelhecimento cognitivo

normal, é importante entender um nível mais biológico para, então, dar-se

prosseguimento às interpretações cognitivas e comportamentais.

Com base nas análises post mortem de tecidos cerebrais de sujeitos idosos e no

desenvolvimento de modelos experimentais de patologias neurovegetativas é possível

compreender melhor os aspectos do envelhecimento, do envelhecimento cerebral

normal até o patológico, com base em um padrão degenerativo contínuo entre os

indivíduos normais e os acometidos nos diversos níveis das doenças

neurodegenerativas.

As mudanças biológicas observadas no envelhecimento foram, inicialmente,

apresentadas na década de 70 do século passado pelo pesquisador Hayflick (1996) em

seus escritos sobre as bases biológicas do envelhecimento. A partir desse relato,

diversos pesquisadores identificaram características sobre o curso da perda e quais

funções são mais atingidas, propondo que esse declínio ocorre em consequência de
22

pequenas alterações nas funções mais simples que, quando empregadas em conjunto em

uma ação mais complexa, demonstram seu efeito total multiplicativo.

O declínio pode ser observado tanto no corpo que envelhece quanto na mente.

Em nível cerebral deve-se destacar sua interação com os órgãos dos sentidos, pois é

através desses órgãos que o cérebro entra em contato com o ambiente e, assim,

alterações sensoriais acabam influenciando diretamente o funcionamento do cérebro,

podendo privá-lo de uma experiência plena do mundo por alterações sensoriais e

consequentemente, alterações cerebrais (Farinatti, 2002).

Moraes, Moraes e Lima (2010) afirmam que o Sistema Nervoso Central (SNC),

embora tenha evoluído filogeneticamente há milhões de anos, apenas recentemente

adquiriu propriedades anatômicas e moleculares altamente especializadas. Os neurônios,

unidades formadoras desse sistema, possuem estabilidade de estrutura, atributo esse que

é um pré-requisito para a cognição. Essa propriedade torna o SNC apto ao acúmulo de

informações do presente, à lembrança do passado e à formulação de novos conceitos.

O SNC, apesar de não ser capaz de recuperar todos os neurônios ou de realizar

todos os reparos nas alterações morfológicas adquiridas durante o envelhecimento, tem

propriedades, segundo Moraes et al. (2010), que podem diminuir o impacto das

alterações do envelhecimento, como: redundância (existem muito mais neurônios no

cérebro que o necessário); mecanismos compensadores (surgem em situações de lesão

cerebral e são mais hábeis conforme o centro atingido); e, plasticidade (habilidade de

neurônios maduros, com sua rede de dendritos, desenvolverem e formarem novas

sinapses, levando à formação de novos circuitos sinápticos).

Feitosa (2001) indica que o envelhecimento sensorial é acompanhado de um

aumento na variabilidade de desempenho entre sujeitos, que competências sensoriais


23

diferentes podem ter funções de envelhecimento com curso temporal próprio, que

prejuízos constatados em tarefas de limiar não implicam em prejuízos em tarefas

supraliminares, que idosos podem mostrar dificuldades em tarefas psicofísicas

adequadas para adultos jovens, e por fim, que a complexidade do envelhecimento

sensorial exige que diferentes fenômenos sensoriais e perceptivos sejam estudados na

sua especificidade. A autora conclui, ainda, que não há uma compreensão suficiente da

psicobiologia dos processos básicos para o estabelecimento de indicadores gerais de

envelhecimento sensorial para uso clínico.

Surge, nesse sentido, uma necessidade por teorias que expliquem as alterações

biológicas que podem ser responsáveis por mudanças nas funções cognitivas e

comportamentais dos idosos. Porém, as teorias propostas para explicar o

envelhecimento ainda estão em fase de estruturação e a exata contribuição de cada

teoria ainda é incerta. Cruz e Landeira-Fernadez (2007) afirmam que “serão ainda

necessárias mais algumas ‘décadas do cérebro’... para que tenhamos clareza do

funcionamento dos mais variados processos psicológicos da mente humana.” (pp.14).

Aspectos cognitivos do envelhecimento

Alterações cognitivas significativas podem ser observadas no processo de

envelhecimento, tais como: lentificação no processamento cognitivo, redução da

atenção, e redução das memórias de trabalho, prospectiva e episódica.

A velocidade na qual a informação é processada representa a alteração cognitiva

mais evidente no idoso. A lentificação cognitiva influencia as outras funções e pode ser

responsável pelo déficit cognitivo em idosos, por suas dificuldades em compreender


24

textos, pela necessidade de explicações mais ricas e extensas e pela necessidade de mais

tempo para executar cálculos (Schneider, 2006).

Em relação ao processo de atenção, Moraes et al. (2010) caracterizam como um

grupo complexo de comportamentos, em que o indivíduo pode selecionar informações e

ignorar outras; sustentar a concentração em uma informação por um período de tempo;

dividir a atenção entre dois ou mais aspectos ao mesmo tempo; e mudar o foco da

atenção quando for necessário. A capacidade do idoso de dividir atenção entre vários

estímulos para apreender uma situação é muito prejudicada.

Segundo Taconnat e Isingrini (2008), o envelhecimento é acompanhado de uma

diminuição das capacidades mnésicas, que se constitui na principal queixa das pessoas

idosas. Para compreender essa alteração, os pesquisadores têm focalizado,

principalmente, as modificações tocantes às estruturas da memória e sobre a eficácia de

processos e mecanismos de controle cognitivo implicados nessa função. Os autores

afirmam que, com relação aos fatores suscetíveis de explicar o déficit mnésico ligado à

idade, as observações mais recentes parecem compatíveis com a hipótese de que o

envelhecimento normal é acompanhado de um déficit executivo ligado a uma disfunção

do córtex pré-frontal e que esse último desempenha um papel importante na explicação

dos efeitos do envelhecimento sobre a memória episódica.

Canineu, Stella e Samara (2006) apontam que o envelhecimento normal engloba

um declínio gradual nas funções cognitivas, dependentes de processos neurológicos que

se alteram com a idade. As perdas de memória, principalmente as que se refletem em

dificuldades de recordar nomes, números de telefones e objetos guardados, são as que

mais chamam a atenção das pessoas. Muitos idosos e familiares assustam-se pela
25

possibilidade real de que essas perdas progridam para a demência ou que seja um sinal

da demência.

Moraes et al. (2010) relatam que as informações da memória de longo prazo não

são inicialmente afetadas, mas que a análise e comparação das informações que chegam

constantemente ao cérebro são afetadas com as memórias explícitas e implícitas.

Entretanto, essas alterações não trazem prejuízo significativo na execução das tarefas do

cotidiano, não promovem limitação das atividades, nem restrição da participação social.

No envelhecimento normal o vocabulário e o processamento sintático estão

relativamente intactos, enquanto a lembrança de palavras é alterada. No nível

discursivo, são observadas dificuldades narrativas e a omissão de informações sobre a

“situação” da estória; omissão de passos essenciais durante a descrição de

procedimentos; e, na conversação, são relatadas dificuldades de compreensão, falta de

clareza do enunciado, e problemas com inferências e pressuposições (Moura, 2008).

O declínio cognitivo que acompanha a idade tem início e progressão

extremamente variáveis, dependendo de fatores educacionais, de saúde e de

personalidade, bem como do nível intelectual global e das capacidades mentais

específicas do indivíduo. Segundo Janoni (2010), alguns indivíduos de 70 anos

apresentam melhor desempenho em avaliações psicológicas do que indivíduos de 20

anos, mantendo uma força mental excepcional e realizando trabalhos criativos até o

final de suas vidas.

De acordo com as informações apresentadas verifica-se que as alterações nos

processos cognitivos é interesse de diversos pesquisadores que buscam explicações para

declínios, ganhos ou manutenção das funções cognitivas. Esses estudos investigam

mecanismos que expliquem tais diferenças e sua importância encontra-se no fato de


26

que, caracterizando as modificações que ocorrem no envelhecimento, pode-se

diferenciar entre o envelhecimento normal e o envelhecimento patológico.

Aspectos emocionais do envelhecimento

Aspectos emocionais positivos e negativos são desenvolvidos pelas diversas

formas de relações sociais com o idoso no processo de envelhecimento. A ausência ou

diminuição do convívio social pode levar à depressão e causar efeitos que

comprometem a capacidade cognitiva geral do idoso, mas por outro lado, o convívio

social pode trazer benefícios em medidas de depressão e ansiedade.

Relações sociais empobrecidas têm sido consideradas como um fator de risco

para a saúde e podem ser tão danosas quanto o fumo, a pressão arterial elevada, a

obesidade e a ausência de atividades físicas. Assim, a deterioração da saúde pode estar

associada a um desgaste biológico e cognitivo, mas também pela redução da quantidade

ou da qualidade das relações sociais (Scheufler, 2014).

Inúmeros são os fatores que levam um indivíduo da terceira idade a desenvolver

problemas emocionais, como ansiedade e depressão, pois a realidade que enfrentam

nesse período é considerada nova. Griffa e Moreno (2001) consideram que os primeiros

fatores que influenciam negativamente no processo de envelhecimento são: a privação

de uma atividade ocupacional; a condenação à passividade da aposentadoria, às vezes,

mais do que um direito adquirido, uma verdadeira condenação social e econômica; as

doenças físicas e o enfraquecimento corporal; a lentidão das funções psíquicas; a

diminuição ou exclusão das atividades prazerosas e agradáveis da vida; e o medo diante

da aproximação da morte.
27

Vários fatores podem ocasionar a depressão no idoso. Ortegosa (2005) afirma

que a depressão resulta de alterações hormonais, do medo de envelhecer e de morrer, da

perda da função social, das mudanças de status familiar e de relações socioculturais, dos

sonhos que não se realizaram ou da pouca possibilidade de que venham a se realizar.

Diante de tantas variáveis que podem interferir na vida do indivíduo no decorrer

do envelhecimento, pode-se dizer que tanto aquelas de ordem orgânica, quanto aquelas

relacionadas à vida diária do idoso são responsáveis pelo medo que o indivíduo poderá

experimentar nesta etapa da vida. É um momento em que o indivíduo se depara com

limitações, podendo deixar para trás seus anseios e desejos que, nesse momento,

possuem poucas condições de se concretizarem.

Xavier (2006) define “pseudodemência” como o transtorno que atinge uma

proporção considerável de pacientes geriátricos, que difere da disfunção cognitiva da

demência em função de sua reversibilidade. Em decorrência disso, o transtorno que

ocorre durante um episódio depressivo deve ser observado de forma distinta e não como

um quadro demencial real.

Considerando que o processo de envelhecimento causa transformações na vida

do idoso, é de suma importância ficar atento às mudanças comportamentais, identificar

as manifestações de diferentes doenças e levá-las ao conhecimento médico para que o

mesmo possa fazer um tratamento adequado.

Memória

Memória é a aquisição, formação, conservação e evocação de informações

(Izquierdo, 2002). Os psicólogos cognitivos identificaram especificamente três

operações usuais de memória: codificação, armazenamento e recuperação. Cada


28

operação representa um estágio do processamento da memória. Na codificação,

transformam-se dados sensoriais em uma forma de representação mental. No

armazenamento, mantêm-se as informações codificadas na memória. Na recuperação,

acessam-se ou usam-se as informações armazenadas na memória (Sternberg, 2010).

Através da memória os sujeitos se localizam no mundo e se definem enquanto

sujeitos. Não se pode fazer aquilo que não se sabe como fazer ou comunicar aquilo que

se desconhece.

Estudos com indivíduos normais e com amnésia fornecem evidências para

afirmar que a memória não é unitária, mas que se constitui em diferentes componentes,

mediados por processos que são conduzidos por circuitarias neurais diferentes

(Moscovitch, 2004).

O clássico caso HM se constitui em uma das contribuições mais importantes na

distinção dos sistemas de memória. O caso do homem com amnésia anterógrada

profunda decorrente da excisão cirúrgica bilateral do hipocampo, que comprometeu a

partir de então a sua capacidade de registro de novas informações, mas com preservação

da memória retrógrada. A compreensão de dissociação cognitiva tornou o caso HM não

somente um dos mais citados na literatura, mas contribuiu também para as novas

classificações de memória no que se refere a sistemas paralelos distribuídos e fatores de

gradiente temporal (Abreu & Mattos, 2010).

Tipos de memória e métodos de avaliação

Uma das maneiras de classificar a memória é pelo período de tempo pelo qual as

informações são mantidas. A Figura 1 apresenta os tipos de memória, que se classificam

em sensorial, de curta duração e de longa duração, e suas respectivas funções.


29

Segundo Radvansk (2006), a memória sensorial retém informação específica

para cada registro sensorial, sendo capaz de armazenar cada informação por até 5

segundos. A memória de curto prazo se refere às informações que estão dentro ou perto

da consciência e pode ser caracterizada como memória imediata (retenção de

informação por um curto período de tempo) ou como memória operacional ou de

trabalho (manipulação ativa da informação na memória), sendo capaz de armazenar

cada informação por um período de 5 a 15 segundos.

Segundo Squire (1987) e Terry (2006), a memória de longo prazo se divide em

duas grandes categorias: memória declarativa ou explícita; e memória não declarativa

ou implícita, sendo capaz de armazenar cada informação por minutos, horas, dias ou

anos. A memória declarativa se refere a processos de gravação e resgate de informações

que podem ser conscientes, podendo ser lembrada e relatada verbalmente, de modo que

instruções que requisitam uma lembrança acessam a memória declarativa. A memória

não declarativa se refere a processos de gravação e resgate de informações que podem

ser inconscientes, o que inclui habilidades, procedimentos, priming e memória

emocional.

O conteúdo da memória de longo prazo consiste do conjunto das representações

mentais armazenadas pelo sistema cognitivo. Essas representações estariam organizadas

por ligações que possuiriam um peso ou uma força e que influenciariam na

probabilidade de sua utilização. Dessa forma, as representações cujo acesso pode ser

explícito ou implícito se distinguem entre maneiras diferentes de lembranças de eventos

passados (Graf & Schacter, 1985).


30

Memória

Sensorial Curto Prazo Longo Prazo

Imediata Declarativa - Não declarativa -


Explícita Implícita

Operacional
Episódica Habilidades

Semântica
Procedimentos

Priming

Emocional

Figura 1. Tipos de memória.

Os diversos paradigmas experimentais e as variadas técnicas para medir

memória tem gerado uma fundamentação empírica subjacente ao desenvolvimento da

teoria contemporânea sobre a memória (Lockhart, 2000).

A primeira metodologia experimental para medir a memória foi desenvolvida

por Hermann Ebbinghaus e apresentada em 1885 na obra ‘Über das Gedächtnis’,

traduzida como ‘Em memória’. Nessa obra, o autor apresenta estudos com experimentos

controlados com métodos de medir memória (recuperação e reconhecimento) que são

utilizados até os dias atuais. As estruturas experimentais apresentadas por Ebbinghaus

serviram de protótipos para as pesquisas atuais sobre a memória.


31

Richardson-Klavehn e Bjork (1988) dividem as medidas de memória em dois

tipos de teste, que fazem referência a episódios na vida pessoal do sujeito: direto,

autobiográfico, explícito ou intencional; e indireto, implícito ou acidental.

No teste de memória direto as instruções do tempo e do teste fazem referência a

um evento específico na história pessoal do sujeito. Alguns exemplos de testes diretos

são os testes de recuperação livre, serial ou com pista, onde se solicita ao participante

lembrar-se das palavras, figuras ou sentenças apresentadas em fase de estudo; e os testes

de reconhecimento, onde se solicita ao participante discriminar estímulos vistos na fase

de estudo de outros apresentados na fase de teste (Mackee & Squire, 1993; Mandler,

1980).

No teste de memória indireto as instruções se referem apenas à tarefa a ser

realizada, não fazendo referência a eventos prévios, e requer-se o engajamento do

sujeito em algumas atividades cognitivas ou motoras. Alguns exemplos de testes

indiretos são os testes de conhecimento fatual, conceitual, lexical e perceptual; testes de

conhecimento procedural; testes de resposta avaliativa; e outros testes de mudanças

comportamentais e mudanças em respostas neurofisiológicas.

Envelhecimento e alterações de memória

Uma das características adaptativas mais relevantes do envelhecimento saudável

é a capacidade de o indivíduo guardar informações. Esta capacidade afeta o bem-estar

psicológico e social, os quais são necessários para que o indivíduo se sinta e, realmente,

faça parte da sociedade.

Geralmente as preocupações a respeito da saúde mental dos idosos iniciam-se

com reclamações a respeito da dificuldade de armazenar suas experiências diárias. Na


32

terceira idade são observadas dificuldades na habilidade de evocar memórias, fato que

pode ser explicado por uma dificuldade de acesso dos registros e não pela perda ou

desaparecimento dos eventos. Também são registradas dificuldades na formação de

memória de curto prazo.

Os processos de aprendizado e memória devem ser analisados quanto a sua

funcionalidade ao longo do processo de envelhecimento. No curso da vida, a capacidade

de armazenar informações permitiu que os indivíduos se beneficiassem de experiências

passadas para resolver problemas do seu dia a dia. Algumas memórias perduram apenas

o tempo suficiente para que possamos utilizá-las, mas outras persistem pelo resto de

nossas vidas.

Taconnat e Isingrini (2008) relatam que a análise dos efeitos do envelhecimento

sobre os diferentes aspectos da memória se apresenta de forma heterogênea. Destacam,

especificamente, os efeitos negativos na memória de trabalho e na memória episódica.

Ao contrário, o efeito do envelhecimento na organização e o funcionamento da memória

semântica podem ser positivos. Apontam, ainda, que diferenças ligadas a idade são

igualmente heterogêneas no que se refere à memória não declarativa.

Os autores afirmam que o efeito da idade é mais importante nos testes de

recuperação do que nos testes de reconhecimento. Eles supõem que essa diferença se

reflete nos sujeitos mais velhos que exibem dificuldades para elaborar uma estratégia de

recuperar a informação sem um auxílio ambiental.

Piolino et al. (2006) mostraram que os aspectos episódicos da memória

autobiográfica declinam no curso do envelhecimento, e os aspectos semânticos são

preservados. A observação desse efeito diferencial no processo de envelhecimento é

corroborada por uma situação de estudo da memória com testes mais ecológicos, onde
33

se observa a dissociação ligada à idade entre a memória episódica e a memória

semântica nas tarefas realizadas em laboratório.

No que se refere aos fatores susceptíveis de explicar déficits mnésicos ligados à

idade, as observações demonstram semelhanças compatíveis com a ideia de que o

envelhecimento normal é acompanhado de um déficit executivo ligado a uma disfunção

do córtex pré-frontal e que ele desempenha um papel importante na explicação dos

efeitos do envelhecimento sobre a memória episódica. Esse papel é importante para o

estabelecimento de intervenções cognitivas eficazes nas fases de codificação e

recuperação, na ausência de auxílios ambientais.

Intervenções Cognitivas

Encontra-se bem estabelecido na literatura, que no processo de envelhecimento

ocorre o declínio de certas funções cognitivas. A descoberta desse declínio incentivou

os pesquisadores a estudar maneiras de aprimorar essas funções cognitivas ou a

utilização de suas reservas cognitivas.

Segundo West et al. (2000) diversos trabalhos têm sido realizados em

laboratório desde 1967 com o objetivo de melhorar certas funções cognitivas, propondo

diferentes tipos de intervenção para diferentes grupos, como idosos normais, idosos com

comprometimento cognitivo leve e idosos com quadro demencial.

Um aspecto que tem sido debatido pelos pesquisadores se relaciona à aplicação

individual ou grupal dos procedimentos. Wilson (2009) defende que: “[...] há diversas

razões do por que poderíamos tratar as pessoas em grupo [...]. A mais importante,

pessoas com memória prejudicada podem se beneficiar da interação com outras pessoas

com problemas similares. [...]. Em resumo, grupos são recursos valiosos de tratamento,
34

eles são importantes para pessoas em aflição ou circunstâncias exigentes, e a aceitação

do grupo e o apoio mútuo podem trazer importantes mudanças clínicas” (pp. 107-108)1.

A autora destaca ainda como esse grupo deve ser estruturado. Algumas questões

que devem ser enumeradas para se decidir sobre a formação de um grupo de memória

incluem: (1) se o grupo deve ser aberto ou fechado; (2) quão homogêneo esse grupo

deve ser; (3) quantos participantes devem compor o grupo; (4) quantas sessões e por

quanto tempo o grupo deve seguir; e (5) quanto envolvimento deve existir do

responsável pelo grupo.

Definir se o grupo deve ser aberto ou fechado ou quão homogênio deve ser

depende da natureza do trabalho e da proposta metodológica. Com relação ao número

de participantes e frequência das sessões, Wilson (2009) relata que um grupo típico tem

entre quatro e oito participantes, que grupos com mais de oito participantes tornam

difícil o acompanhamento individual dos idosos, e que as sessões tem duração típica de

45 a 60 minutos, ocorrendo uma vez por semana, entre seis a oito semanas.

Porém, alguns trabalhos podem demandar mais de uma sessão semanal. Duração

e frequência irão depender das circunstâncias que os organizadores encontrarão, da

composição de um grupo particular e dos ganhos esperados.

1
Livre tradução de “... There are several reasons why one might choose to treat
people in groups […] More importantly, memory-impaired people may benefit from
interactions with others with similar problems […] In short, groups are a valuable
treatment resource, they are important for people in distressing or demanding
circumstances, and group acceptance and mutual support may bring about important
clinical changes.”
35

Diversos tipos de intervenções que envolvem técnicas de memorização,

relaxamento e atenção podem gerar efeitos positivos e duradouros em idosos,

especialmente quando empregadas em grupo (Yassuda, 2002). Guerreiro e Caldas

(2001) relatam que diversos pesquisadores apontam para uma relação positiva entre o

desempenho cognitivo do idoso e uma intervenção continuada. O exercício diário da

mente promoveria a vivacidade mental e atividades promotoras de estimulação mental

poderiam contribuir, ainda, na prevenção do declínio cognitivo.

A literatura utiliza diversos termos para descrever as diversas técnicas de

intervenção cognitiva, tais como, estimulação cognitiva, treino cognitivo e reabilitação

cognitiva. Apesar de muitas vezes serem usadas como sinônimos elas diferem quanto à

metodologia empregada (Mowszowski et al, 2010).

As intervenções cognitivas discutidas aqui serão apresentadas segundo o modelo

de Clare et al. (2005), reapresentadas por Belleville (2008) e discutida por Mowszowski

et al. (2010), no qual os autores compartilham a ideia de que as técnicas de estimulação

cognitiva e de treino cognitivo possuem uma clara diferenciação quanto a aplicabilidade

e objetivos. Essa discussão tem por objetivo realizar uma diferenciação dessas duas

técnicas que por vezes são consideradas idênticas em estudos realizados com a

população brasileira.

Enquanto a estimulação cognitiva visa à melhora funcional na vida diária por

meio da repetição de determinadas atividades, o treino cognitivo visa à melhora no

desempenho de uma tarefa e/ou função cognitiva por meio de ensino de estratégias que

o idoso pode utilizar em suas atividades cotidianas (Belleville, 2008; Clare et al., 2000;

Clare et al., 2005; Mowszowski et al., 2010).


36

Apresenta-se a seguir uma exposição dessas técnicas e as razões teóricas e

metodológicas que levaram à escolha por uma intervenção do tipo estimulação

cognitiva (Stimullus) e uma intervenção do tipo treino cognitivo (MEMO) nesta tese.

Estimulação cognitiva em memória

Considerando-se o modelo de intervenções cognitivas apresentado por Clare et

al. (2005), os estudos apresentados por Chariglione e Janczura (2013), Clare et al.

(2000) e Da-Silva et al. (2011) apresentam exemplos de aplicação de intervenções do

tipo estimulação cognitiva em grupos de idosos.

Chariglione e Janczura (2013) avaliaram a influência de duas intervenções por

meio de medidas neuropsicológicas e de depressão. Participaram do estudo 21 idosos

institucionalizados, sendo 11 alfabetizados e 10 não alfabetizados, distribuídos em três

grupos experimentais e um grupo controle. As intervenções, que ocorreram duas vezes

por semana, durante quase quatro semanas, variavam quanto à semelhança com as

atividades e o ambiente dos idosos na instituição. Os autores utilizaram como medidas

pré e pós-intervenção testes para avaliação dos níveis de depressão e de memória (teste

de recordação livre de palavras e teste de reconhecimento de imagens). Os resultados

evidenciaram melhora significativa dos níveis de depressão para os idosos alfabetizados

e não alfabetizados e dos escores no teste de recordação livre para palavras para os

idosos alfabetizados.

Clare et al. (2000) realizaram uma intervenção do tipo estimulação cognitiva

com o objetivo de melhorar a funcionalidade da memória na vida diária de idosos com

demência do tipo Alzheimer. Participaram da intervenção seis idosos, sendo que cinco

apresentaram uma melhora significativa em suas medidas de memória e manutenção


37

dessa melhora por pelo menos seis meses. Os resultados obtidos indicaram a

importância de se realizar procedimentos de estimulação cognitiva com base em

atividades cotidianas nos estágios iniciais da doença.

Da-Silva et al. (2011) relatam uma intervenção do tipo não controlada com

oficinas de jardinagem e pistas coloridas, com a participação de 21 idosos com quadro

demencial, incluindo do tipo Alzheimer. Os autores utilizaram como medidas pré e pós-

intervenção testes para avaliação dos níveis de depressão e memória. Os resultados

mostraram melhora significativa dos níveis de depressão e da memória, sendo que a

redução dos níveis de depressão estava associada à aprendizagem de pistas contextuais

(reminiscências e sinalizadores) e ao tratamento com anticolinesterásicos administrados

por 4 ou 12 semanas.

Os estudos apresentados utilizaram estratégias para o aprendizado de novas

informações e associações, no entanto, as técnicas empregadas são diferentes. Com

relação à duração das intervenções, foram relatados períodos de quatro a oito semanas,

sendo que a frequência das sessões variou entre uma (Da-Silva et al., 2011) e duas vezes

por semana (Chariglione e Janczura, 2013). Quanto ao follow-up, foi realizado apenas

em um estudo, após seis meses da intervenção (Clare et al., 2000).

Clare et al. (2009) apresentam um levantamento bibliográfico sobre 15 estudos

com intervenção do tipo estimulação cognitiva e concluem que os estudos utilizam

estratégias diferentes para o aprendizado de novas informações e associações. Além

disso, observaram que alguns estudos utilizam auxílios externos à memória, como

agenda, calendário, funções do celular; empregam técnicas de relaxamento, combinando

a intervenção com medicação (inibidor de acetilcolinesterase – IAChE); ou incluem um

familiar nos últimos 15 minutos de cada sessão.


38

Frente às informações apresentadas, será empregada a técnica de intervenção do

tipo estimulação cognitiva proposta por Chariglione e Janczura (2013), aprimorada

durante o estágio doutoral da autora desta tese, que aqui será denominada Stimullus.

Essa técnica contribuiu na investigação sobre os efeitos de diferentes

intervenções cognitivas no desempenho de memória e medidas neuropsicológicas em

idosos institucionalizados, relacionando a escolaridade dos idosos e as intervenções

propostas (Chariglione & Janczura, 2013).

A intervenção realizada enfatizou atividades que promoveram a estimulação de

memória, mas sem o ensino de estratégias. As atividades incluíram sequência visual,

memorização de palavras, memorização de frases, categorização de palavras,

memorização de imagens e memorização de estórias com recuperação imediata e tardia.

É importante ressaltar que uma limitação da pesquisa naquele momento deveu-

se ao número de participantes. Porém, apesar dessa limitação, os resultados produzidos

foram encorajadores, sugerindo que a técnica de intervenção proposta pode produzir

benefícios para idosos institucionalizados.

Os resultados de Chariglione & Janczura (2013) corroboram achados relatados

na literatura e, ao mesmo tempo, apontam para a possibilidade de idosos (alfabetizados

ou não alfabetizados) serem beneficiados em aspectos cognitivos e emocionais, por

meio da estimulação cognitiva de memória.

Treino cognitivo em memória

O treino cognitivo de memória envolve o ensino de estratégias, que se dividem

em duas categorias: treino unifatorial, onde apenas uma estratégia é trabalhada; e treino

multifatorial, que inclui várias estratégias para o aprimoramento da memória. Estudos


39

têm demonstrado que os treinos multifatoriais apresentam melhores resultados e

melhores possibilidades de ganhos cognitivos (Herrmann & Searleman, 1992;

Stigsdotter & Bäckman, 1989).

Belleville et al. (2006) demonstraram que pacientes com comprometimento

cognitivo leve conseguiram melhorar suas performances em memória episódica quando

submetidos a um treino de memória multifatorial. Resultados semelhantes foram

verificados na Alemanha por Kurz, Pohl, Ramsenthaler e Sorg (2009) com o mesmo

tipo de população, tendo coletado, além de medidas de memória, medidas de humor e

de atividades de vida diária que evidenciaram alterações positivas e significativas nessas

avaliações. Na população brasileira, Irigaray, Schneider e Gomes (2011) obtiveram

resultados semelhantes em avaliações de desempenhos cognitivos, qualidade de vida e

de bem-estar psicológico.

Clare et al. (2009) apresentam uma intervenção envolvendo o planejamento de

metas, com técnicas de elaboração semântica, mnemônicas visuais e recuperação

forçada praticadas na tarefa de associação nomes e faces, com a participação de uma

idosa com comprometimento cognitivo leve. Esse tipo de intervenção, denominada

pelos autores como estimulação cognitiva orientada por metas (goal-oriented), inclui o

ensino de estratégias como no treino cognitivo, mas se caracteriza como uma técnica de

reabilitação cognitiva por ser aplicada em apenas um indivíduo. Os autores utilizaram

como medidas pré e pós-intervenção uma tarefa de aprendizagem associativa

experimental e um exame de ressonância magnética funcional para examinar as

alterações na atividade cerebral. Os resultados mostraram melhora significativa nas

medidas da tarefa de aprendizagem associativa, aumento nas atividades cerebrais em

áreas relacionadas à memória e declínio nas atividades cerebrais em áreas sensoriais.


40

Londos et al. (2008) administraram um treino cognitivo, denominado pelos

autores como intervenção do tipo estimulação cognitiva orientada por metas, com

técnicas de fornecimento de pistas, método de Loci e mapeamento mental, realizado em

duas sessões por semana durante oito semanas, com a participação de 15 idosos com

comprometimento cognitivo leve. Os autores utilizaram como medidas pré e pós-

intervenção testes para avaliação de funções cognitivas, atividades ocupacionais e

autopercepção. Os resultados, avaliados imediatamente e após seis meses da

intervenção, mostraram melhora significativa na velocidade do processamento

cognitivo, no desempenho ocupacional e em alguns domínios da autopercepção.

Neely (2000) ressalta que um dos maiores ganhos da aplicação de pesquisas de

memória é entender a complexidade de fatores para se desenvolver uma intervenção

eficiente no desempenho mnemônico. A autora sustenta que o aprimoramento da

memória depende de vários fatores críticos como, por exemplo, diferenças individuais,

questões metodológicas e as habilidades e os processos treinados.

A literatura tem sugerido que intervenções de memória tem o objetivo de

fortalecer as funções de memória. Algumas técnicas de treinamento de memória

possibilitam que o material recebido na fase da recepção seja mais bem codificado,

permanecendo armazenado para ser utilizado quando necessário (Lasca, 2003).

Alguns estudos forneceram material educativo para os participantes, tais como

dieta alimentar, estilo de vida, memória e tratamentos médicos (Kurz et al., 2009) e

informações sobre a memória (Wenisch et al., 2007).

Diversos estudos (p. ex., Belleville et al., 2006; Belleville, 2008; Belleville et al.,

2011; Gagnon & Belleville, 2012; Gross et al., 2011) têm corroborado a hipótese de que

mudanças, tanto cognitivas quanto neurobiológicas, ocorrem em idosos que utilizam


41

treino cognitivo, sejam idosos normais ou portadores de alguma classe específica de

patologia cognitiva.

Cipriani, Bianchetti e Trabucchi (2006) acreditam ser possível individualizar o

treino computadorizado no que diz respeito ao seu input (vocal ou tátil) ou output (vocal

ou visual), assim como os níveis de dificuldade. Os autores desenvolveram o software

NeuroPsychological Training (NPT), que é capaz de realizar treinos em diferentes

esferas cognitivas.

De forma geral, treinos cognitivos computadorizados demonstram bom desenho

experimental, sendo randomizados e controlados, e podem ser comparados a outros

tipos de intervenção: ocupacional, comportamental e medicamentosa.

A maioria das pesquisas que utilizaram o treino cognitivo com foco em memória

incluiu grupos controles (Akhtar, Moulin & Bowie, 2006; Belleville et al., 2008;

Kinsella et al., 2009; Rapp, Brenes & Marsh, 2002) e usou testes neuropsicológicos

padronizados como medida pré e pós-intervenção, mas alguns, utilizaram outros

instrumentos não padronizados para medir o efeito do treino (Akhtar et al., 2006;

Greenaway, Hanna, Lepore & Smith, 2008; Hampstead, Sathian, Moore, Nalisnick &

Stringer, 2008).

Três estudos apresentaram uma abordagem similar entre si, sendo conduzidos em

grupo, fornecendo material educativo, ensino de estratégias para melhora do

desempenho da memória e facilitando o uso/prática das estratégias aprendidas em casa

(Belleville et al., 2008; Kinsella et al., 2009; Rapp et al., 2002).

Uma revisão da literatura foi apresentada por Olchik et al. (2012), que contempla

o período de 1995 a 2011 de produções associadas a idosos normais e idosos com

comprometimento cognitivo leve. Os autores observaram avanço significativo,


42

especificamente desde o primeiro estudo sobre treino cognitivo brasileiro de Wood et al.

(2000), e que as pesquisas nesta área eram relativamente escassas e a população

bastante heterogênea. Os resultados dos estudos sobre treino cognitivos indicaram que

intervenções que lidam com metas pessoais trazem benefícios cognitivos e funcionais.

Porém, os autores destacam a importância destes resultados serem analisados com

cautela, por se tratarem de estudos não controlados, com baixo número de sujeitos e

pequena duração de intervenção.

Olchik et al. (2008) apresenta estudo clínico randomizado, controlado e cego,

com objetivo principal de verificar a eficácia do treino de memória em controles

Participaram do estudo 65 idosos normais e 47 idosos com comprometimento cognitivo

leve. Os participantes foram alocados em dois grupos experimentais, que realizaram

oito sessões, e um grupo controle. Os resultados apontaram para uma melhora no perfil

cognitivo dos idosos com comprometimento cognitivo leve, que passaram a exibir

desempenho característico de idosos normais, mostrando a presença de plasticidade

neural.

Netto et al. (2012) apresenta estudo com objetivo de examinar os efeitos de um

treino cognitivo da memória de trabalho em idosos normais. Participaram do estudo 20

participantes, sendo onze no grupo experimental e nove no grupo controle. Todos foram

submetidos a uma avaliação neuropsicológica pré e pós-intervenção. As sessões foram

realizadas uma vez por semana, durante três meses. Os autores observaram melhora

significativa, no grupo experimental, em atenção concentrada, aprendizagem, memória

de curto prazo e episódica, e no grupo controle, na atenção concentrada e memória

episódica.
43

A escolha pelo treino de memória MEMO vem a atender algumas das críticas

apontadas na literatura, uma vez que o procedimento incorpora elementos

psicoeducacionais, ensinando várias estratégias mnemônicas e um treinamento

preliminar de atenção e de imagens mentais.

Diversos estudos têm mostrado que estratégias mnemônicas utilizadas para

promover a codificação poderiam aumentar a capacidade de recordação dos idosos. Em

uma meta-análise quantitativa de 33 estudos, Verhaeghen, Marcoen e Goossens (1993)

avaliaram a eficácia das intervenções na memória em idosos saudáveis. Essa meta-

análise mostrou uma melhoria significativa no desempenho em indivíduos treinados,

que foi significativamente maior do que a dos participantes que receberam uma

estimulação. O estudo indicou que fatores relacionados aos métodos de intervenção

poderiam determinar a sua eficácia; sessões de intervenção de longa duração não são

benéficas, provavelmente porque o idoso não é capaz de sustentar a sua atenção por um

longo período de tempo; e que um pequeno grupo de formação é mais eficaz do que o

treinamento individual.

As estratégias ensinadas nos treinos cognitivos frequentemente utilizam a

imagem como um meio para codificar a informação verbal e recuperar de forma mais

eficaz. Por exemplo, o método de Loci e o método de associação nome-rosto promovem

a associação de um objeto distintivo para auxiliar na codificação da informação. Outra

técnica utilizada para organizar o material verbal e memorizar é o método PQRST

(Preview, Question, Read, Sumarize, Test), onde são identificadas as ideias e os detalhes

importantes em um texto para fazer uma síntese que facilitará no momento de recordar.

Para avaliar o valor dessas intervenções preventivas, alguns estudos têm incluído

um acompanhamento longitudinal dos participantes treinados. De fato, um grande


44

ensaio clínico randomizado controlado mostrou que o ensino de estratégias de memória

melhorou significativamente o desempenho da memória dos participantes mais velhos

(Ball et al., 2002). Além disso, o efeito positivo ainda estava presente depois de cinco

anos, indicando uma manutenção em longo prazo dos efeitos benéficos da intervenção

(Willis et al. , 2006).

Além de melhorar a capacidade de memória em idosos, alguns estudos sugerem

que as habilidades de atenção dividida também podem ser melhoradas, como resultado

de uma intervenção cognitiva. A eficácia do treinamento de atenção também foi

confirmada pelo estudo de Bherer et al. (2005) que sugere uma melhoria na capacidade

de atenção dividida entre os participantes que receberam o treinamento de atenção em

relação ao grupo controle. Exercícios semelhantes foram realizados em laboratório

coordenado pela Profa. Dra. Sylvie Belleville, na Université de Montréal, onde os

participantes mostraram aumento de atividade cerebral em regiões de ativação do córtex

fronto-medial que são tipicamente envolvidas na atenção (Belleville, Bier , de Boysson ,

Mellah & Demonet, 2010).

Importante esclarecer que mesmo incluindo um treino atencional o MEMO não

é, como tal, um programa de treinamento de atenção, o que exigiria um maior número

de sessões e exercícios em sala de treinamento. O objetivo é tornar o participante ciente

do controle que ele pode exercer sobre a atenção em diversas atividades cognitivas

(Belleville et al., 2006).

O MEMO consiste em uma série de atividades com o objetivo de promover a

transferência de competências ao participante. O programa fornece exercícios para

serem realizados em casa e incentiva os participantes a aplicar as estratégias aprendidas

durante as sessões e a colocarem em prática nas suas atividades diárias. Esse conceito
45

de generalização é de extrema importância uma vez que o objetivo do MEMO é

melhorar o desempenho da memória na vida diária.

O MEMO utiliza o ensino de estratégias e também detalha as situações em que a

estratégia pode ser eficaz, e situações em que não serão eficazes. A motivação do

participante é essencial para generalizar alguns elementos da intervenção destinados a

desenvolver um senso de autoeficácia, ou a sensação de que ele pode exercer o controle

sobre o seu desempenho de memória (Lachman, Weaver, Bandura, Elliott, &

Lewkowicz, 1992).

A eficácia do MEMO foi testada com idosos normais e idosos com

comprometimento cognitivo leve e os resultados demonstraram o aprimoramento da

memória desses idosos (Belleville et al., 2006). O programa aprimora a memória

episódica, além de apresentar alta taxa de adesão, onde os participantes estavam

presentes pelo menos 80 % das sessões e concluíram pelo menos 80% dos exercícios

em casa.

Resultados empíricos indicam também que o programa MEMO pode induzir

mudanças significativas no cérebro que são mensuráveis por ressonância magnética

funcional. A pesquisa aponta para um aumento na ativação em várias regiões cerebrais

após a intervenção do programa MEMO (Belleville et al., 2011).

Peters, Villeneuve e Belleville (2014) avaliaram a precisão da previsão de

exames de neuroimagem (por meio da ressonância magnética funcional, incluindo

análise do volume do hipocampo, da espessura cortical e da matéria branca) com

medidas neuropsicológicas (centradas em aspectos da memória episódica e das funções

executivas) para a detecção de demência incipiente em indivíduos com

comprometimento cognitivo leve. Os autores encontraram uma precisão da classificação


46

de 87,5%, uma especificidade de 90,9% e uma sensibilidade de 83,3% para esse modelo

de explicação.

Em resumo, o MEMO foi implementado e baseado nas diferentes formas de se

aperfeiçoar a memória de idosos com ou sem comprometimento cognitivo, podendo ser

considerado eficiente, prático e capaz de produzir mudanças significativas em nível

cerebral, fazendo com que esses idosos permaneçam com um cérebro altamente plástico

se beneficiem desse tipo de intervenção (Belleville et al., 2011).

Avaliação Cognitiva

Como já mencionado, o envelhecimento cursa habitualmente com mudanças

cognitivas, e os estudos dessas mudanças têm tido importância crescente na psicologia,

geriatria, neurologia e psiquiatria. A avaliação cognitiva de idosos tem como principal

objetivo a mensuração do desenvolvimento cognitivo permitindo: a) o diagnóstico

diferencial entre envelhecimento harmonioso e processos mórbidos incipientes

(suspeitados ou não), através da identificação de padrões patológicos de mudanças

cognitivas; b) a estimativa da capacidade funcional; e c) o planejamento de estratégias

terapêuticas (Mattos & Paixão Junior, 2010).

A maioria dos estudos indica uma diminuição da velocidade de processamento

cognitivo (e, por consequência, uma diminuição da quantidade de material que pode ser

processado em apenas uma vez) como a principal característica do envelhecimento. Esta

modificação tem impacto em diversos domínios cognitivos, tais como a atenção, a

memória, a linguagem e as funções executivas, comprometendo secundariamente o

desempenho de idosos em testes (Zimprich & Martin, 2002).


47

Segundo Mattos e Paixão Junior (2010) há poucos dados normativos que

permitam o uso da estratégia de “baterias fixas” de modo regular no Brasil, mesmo nos

poucos casos de testes com normas para idosos, parece existir grande influência quanto

a características de idade e escolaridade da nossa população. O emprego de “baterias

flexíveis” parece ser mais viável, na qual a escolha dos testes é decidida após uma

avaliação preliminar do caso e das expectativas com aquele procedimento. Ressaltando

que os testes não se limitarão á obtenção de escores e que a interpretação qualitativa dos

resultados é fonte de informações valiosas para o diagnóstico.

Existe uma preocupação no que se refere à interação entre escolaridade,

envelhecimento e cognição, pois se verificam poucos estudos sobre o padrão de

desempenho destes em avaliações (Foss, Vale & Speciali, 2005; Yassuda & Paulo,

2010). O desempenho em testes que compõem essas avaliações representa uma tarefa

incomum para grupos de diferentes culturas ou analfabetos, assim como treinos que

possam trazer benefícios a esse público.

Segundo Diniz, Volpe e Tavares (2007) indivíduos não alfabetizados e com

nível de escolaridade muito baixo formam um grupo no qual o perfil cognitivo se

apresenta de uma forma heterogênea em relação aos indivíduos com maior nível

educacional dificultando um diagnóstico mais preciso, assim como uma interpretação

comparativa dos resultados da avaliação cognitiva entre grupos. A escolaridade e a

idade são variáveis com significativa influência em testes e vários estudos (Bertolucci,

Bruchi, Campacci & Juliano, 1994; Bertolucci, 1995) em diferentes países

demonstraram que, mesmo em pessoas que não apresentavam evidências de déficit

cognitivo, quanto menor a escolaridade e maior a idade menor era a sua pontuação nos

testes.
48

Pesquisas sobre envelhecimento têm como hipótese a existência de alguma

mudança, e essas medidas servirão para aferir o quanto há alterações dessas medidas

(Parente 2006). Frente a isto, entende-se a importância da avaliação cognitiva na

presente tese, tanto nas medidas de controle (testes diagnósticos), como de desempenho

(testes de memória), pois essas fazem parte da escolha metodológica nas pesquisas

sobre envelhecimento.

Testes diagnósticos

Testes diagnósticos são aqui tratados como os testes de controle, ou seja, os

testes utilizados tanto para a delimitação da amostra quanto para o controle de medidas

diagnósticas e clínicas da amostra.

Yassuda, Flaks, Pereira e Forlenza (2010) consideram que um teste de

diagnóstico ideal deve: ser breve; ter boa aceitação pelos pacientes sem causar

desconforto e resultar em reações defensivas; ser fácil de administrar e corrigir; ser

relativamente independente de fatores confundidores como educação, cultura e

linguagem; ter boas propriedades psicométricas como fidedignidade interavaliadores e

de teste-reteste, sensibilidade, especificidade e alto valor preditivo positivo e negativo; e

abranger amplamente as funções intelectuais.

Assim, os testes utilizados na população idosa devem ser breves, simples e de

fácil aplicação para que atinjam o seu principal objetivo que é servir como instrumento

rápido de avaliação, triagem e estratificação de risco. A escolha de um ou de outro teste

dependerá da familiaridade que o examinador tenha com sua interpretação (Lezak,

1995).
49

Existem vários testes utilizados como medidas diagnósticas e de controle em

pesquisas com idosos, O teste mais utilizado para rastreio é o Mini-Exame do Estado

Mental (MEEM) de Folstein, que avalia sete principais categorias: 1) orientação

temporal; 2) orientação espacial; 3) registro de três palavras (memória imediata); 4)

palavras (memória tardia); 6) linguagem; e 7) capacidade visuoconstrutiva. O MEEM é

um instrumento que tem sido utilizado em ambientes clínicos, para detecção de declínio

cognitivo, para o seguimento de quadros demenciais e no monitoramento de resposta ao

tratamento (Oliveira, Barros & Souza, 2008).

O declínio cognitivo está relacionado a diferentes variáveis biopsicossociais em

idosos (Pérez-Dias, Calero & Navarro-González, 2013). Um fator que contribui

substancialmente para as diferenças no desempenho dos testes cognitivos em diversas

populações é a escolaridade (Chin, Negash, Xie, Arnold & Hamilton, 2012). A relação

entre escolaridade e demência é apresentada de forma complexa na literatura. O número

de anos de estudo tem sido considerado tanto um fator de proteção neuronal, quanto

como elemento de confusão diagnóstica, já que o desempenho de indivíduos testados

com instrumentos de avaliação cognitiva é fortemente influenciado pela escolaridade

(Coelho, Martins, Novais, Stella & Galduroz, 2012; Lourenço & Veras, 2006). Por

outro lado, os autores acrescentam que, na detecção de demência em adultos com alta

escolaridade, este instrumento tem as medidas de sensibilidade e confiança de 92% a

100% (Rosselli et al., 2000).

Também se observa que, além de instrumentos que avaliam a capacidade

cognitiva, é necessário identificar a ocorrência de comorbidades como doenças

cerebrais, demências, depressão e quadros de ansiedade, pois algumas das queixas de

perda de memória estão associadas a quadros depressivos, nos quais as capacidades


50

intelectuais do idoso encontram-se prejudicadas (Almeida & Forlenza, 1997). A fim de

verificar a existência de um eventual distúrbio de personalidade e ou de estado

depressivo pode-se recorrer à escala de Zerssen, a Escala de Depressão Montgomery e

Asberg (MADRS), assim como a Escala de Depressão Geriátrica (EDG).

Segundo Sousa, Medeiros, Moura, Souza e Moreira (2007) a EDG constitui o

instrumento mais empregado para avaliar sintomas depressivos em populações

geriátricas, sendo usada em pesquisa e em contextos clínicos. A validade e

confiabilidade da escala são consideradas satisfatórias para o rastreamento de depressão

no idoso (Ertan & Eker, 2000; Hoyl et al., 1999).

Vários estudos foram realizados no Brasil, especificamente em enfermarias de

geriatria (Almeida & Almeida, 1999; Mascarenhas, Moraes & Guimarães, 1996),

utilizando a tradução para o português da EDG em duas versões. Porém, segundo os

autores acima citados, a EDG com 30 itens seria mais sensível e fidedigna do que a

EDG com 15 itens, entretanto, sua sensibilidade foi inferior aos índices relatados em

outros estudos, e sua especificidade também não foi alta como nas publicações

anteriores.

Com relação às escalas de ansiedade destaca-se o Inventário de Ansiedade de

Beck (BAI), que foi desenvolvida por Beck e Steer (1990). É uma escala autoaplicável,

baseada no auto-relato do sujeito que mede a intensidade de sintomas de ansiedade e

que é bastante utilizada como medida de ansiedade em estudos com idosos, como por

exemplo, Irigaray et al. (2011) e Yassuda et al. (2010).

O Instrumento de Avaliação Neuropsicológica Breve (Neupsilin) de Fonseca,

Salles e Parente (2009) é um instrumento de avaliação neuropsicológica breve,

composto por 32 tarefas que avaliam oito funções cognitivas: orientação


51

têmporoespacial, atenção, percepção, memória (memória de trabalho, memória verbal:

evocação imediata, evocação tardia e reconhecimento, memória semântica de longo

prazo, memória visual de curto prazo, memória prospectiva), habilidades aritméticas,

linguagem (oral e escrita), praxias (ideomotora, construtiva e reflexiva) e funções

executivas (resolução de problemas e fluência verbal).

O Neupsilin tem sido utilizado na pesquisa no Brasil com participantes de 19 a

90 anos de idade (Beckert, Irigaray, & Trentini, 2012; Fonseca, Salles & Parente, 2008;

Irigaray et al., 2011; Netto, Fonseca & Landeira-Fernandez, 2012; Pawlowski, Fonseca,

Salles, Parente & Bandeira, 2008) onde tem sido obervado o seu poder enquanto teste

diagnóstico, pela apresentação de um escore Z – padronizado – para a presença ou

ausência de déficit em cada tarefa em função da idade e escolaridade do sujeito. Nesse

sentido, começando a ser bastante utilizado como medidas pré e pós-intervenção.

Testes de memória

Como avaliar os prováveis benefícios do treino cognitivo na memória dos

idosos? Segundo Van Erven e Janczura (2004), o tipo de teste de memória é um fator

que pode influenciar o desempenho dos indivíduos, pois de acordo com Light (1991), as

limitações da capacidade são específicas ao tipo de teste, refletindo a dificuldade da

pessoa para integrar as informações.

As várias descobertas da literatura sobre a origem das falhas de memória dos

idosos sugerem que diversos fatores estão influenciando os resultados, um mais do que

outros, dependendo daqueles que são mais salientados pelo tipo de teste aplicado (Graf,

1990; Verhaeghen et al., 1993).


52

Alguns estudos demonstram a capacidade de pacientes amnésicos e de sujeitos

normais de recordar palavras estudadas e a capacidade de completar fragmentos de

palavras estudadas (Graf, Squire & Mandler, 1984). Com relação aos efeitos da

condição da memória (amnésico e normal) e tipo de teste (completar palavras e recordar

palavras), o estudo supracitado revela que pacientes amnésicos muitas vezes são

incapazes de recordar conscientemente algum evento, mas conseguem demonstrar de

maneira implícita algum tipo de memória em relação ao evento.

Especificamente no que se refere aos tipos de testes, questiona-se quais

processos são avaliados pelos testes e quais são os tipos de teste mais eficientes para

medi-los (Richardson-Klavehn & Bjork, 1988). Como consequência, um problema

discutido na literatura é se o esquecimento teria origem em deficiências no momento da

codificação ou da evocação dos estímulos. E, posteriormente, saber qual teste seria mais

sensível a essa medição.

Os testes de reconhecimento e o teste de recuperação livre são bastante

utilizados para avaliar memória. Neste último, em um teste de lista de palavras o sujeito

ouve ou vê as palavras sendo solicitado, ao fim de cada lista, a se lembrar do maior

número possível de palavras, em qualquer ordem. Já no reconhecimento é pedido ao

sujeito que identifique, reconheça quais palavras foram ouvidas ou vistas no momento

de apresentação.

Dentre os testes de memória que possuem um parecer favorável pelo Conselho

Federal de Psicologia (CFP), está o Teste de Memória Visual (TMV), do Laboratório de

Pesquisa em Avaliação e Medida (LabPam) / Universidade de Brasília. Diversos

estudos já o utilizaram, mas hoje ele possui aplicação restrita e por isso pouca utilização

no meio acadêmico, pelo fato de ser utilizado em avaliações de concursos públicos.


53

O teste de associação nome-rosto ou test de association nom visage, como é

conhecido nos países de língua francesa, foi desenvolvido em 1980 por McCarthy que

demonstrou a eficácia desse procedimento na aprendizagem nome-rosto para aqueles

participantes que pensavam em uma característica particular do rosto e o associavam a

uma imagem mental que relacionava o nome ao rosto. Uma versão desse teste foi

realizada por Vanhalle, van der Linden, Belleville e Gilbert (1998), sendo utilizada

como medida de desempenho em memória, especificamente para as intervenções que

têm por função o aprimoramento da função de associação nome-rosto.

Frente às colocações e às questões mencionadas no presente texto, este estudo se

justifica pela necessidade de investigar o efeito de diferentes tipos de intervenções

cognitivas e testes para avaliar os seus benefícios na memória. Trata-se de um estudo

inovador uma vez que comparará, pela primeira vez, duas técnicas – estimulação

cognitiva e treino cognitivo – cuja lacuna pode ser observada nas literaturas

internacional e nacional. Além disso, este trabalho cria a oportunidade de se trabalhar de

forma preventiva com uma população ainda saudável que não se encontra em quadro de

declínio cognitivo ou demencial.

Para tanto, propõe-se ao final responder aos seguintes questionamentos: 1) que

tipo de intervenção seria mais positiva em ganhos cognitivos e no desempenho da

memória? Estimulação cognitiva e treino cognitivo produziram efeitos diferentes? 2)

Que testes específicos (teste de recuperação de palavras teste de reconhecimento de

figuras, teste de associação nome-rosto ou teste de memória visual) são mais sensíveis

na avaliação da memória de idosos normais?

A hipótese principal de investigação prevê que o treino cognitivo produza um

maior ganho em aspectos cognitivos e em alguns testes específicos de memória. Espera-


54

se, também, que o teste de recuperação de palavras possa demonstrar em que medida os

grupos diferem e que os testes de reconhecimento de figuras e o teste de memória visual

reflitam a influência do tipo específico de treino para cada grupo. Prevê-se, que o teste

de associação nome-rosto apresente maior ganho para o grupo que for submetido à

intervenção MEMO, visto que esse grupo realizou a técnica de associação nome-rosto

em um de suas sessões.
55

Método

Participantes

Esta pesquisa foi realizada no Centro de Atendimento e Estudos Psicológicos

(CAEP), vinculado ao Instituto de Psicologia da Universidade de Brasília (UnB),

localizado em Brasília, DF. O processo de convocação dos participantes foi realizado

por meio da divulgação da pesquisa no portal de notícias da UnB (www.secom.unb.br),

no portal da UnBTV no Youtube (https://www.youtube.com/watch?feature=

player_embedded&v=GsxKIu_nccs#aid=P99t_OiOv6A), no programa TV UnB,

veiculado em Brasília pela TV Nacional/Radiobrás, e pela afixação de cerca de 80

cartazes em locais públicos da cidade, tais como parques, supermercados, universidades,

livrarias e centros comerciais.

Esse processo teve por objetivo selecionar pessoas com idade a partir de 60

anos, de ambos os sexos, saudáveis e escolarizados. Cada candidato foi submetido a

uma entrevista semiestruturada (Anamnese) e a uma bateria de testes cognitivos com o

objetivo de selecionar as pessoas que atendessem aos critérios para participar da

pesquisa.

Foram considerados os seguintes critérios de inclusão: idade a partir de 60 anos;

escolaridade mínima de quatro anos; ausência de sintomas sugestivos de depressão, com

escore máximo de sete pontos na EDG de 15 itens (Almeida & Almeida, 1999);

ausência de sintomas sugestivos de ansiedade severa, com escore máximo de 25 pontos

no BAI (Beck & Steer, 1990); ausência de sintomas sugestivos de demência, com

escore mínimo de 25 pontos no MEEM (Bertolucci et al.,1994; Brucki, Nitrini,

Caramelli, Bertolucci & Okamoto, 2003).


56

Foram ainda considerados os seguintes critérios de exclusão: déficits visuais,

auditivos e/ou motores que impossibilitassem a compreensão ou execução dos testes e

intervenções a serem administradas na pesquisa; uso de anestesia geral nos últimos seis

meses; e, presença ou histórico de transtornos psiquiátricos, doenças neurológicas,

alcoolismo ou uso de drogas ilícitas.

As pessoas que atenderam aos critérios para participar da pesquisa, de forma

voluntária e não remunerada, foram convidadas a assinar o Termo de Consentimento

Livre e Esclarecido (Apêndice A). As demais pessoas foram comunicadas do motivo de

sua exclusão e receberam informações sobre os serviços oferecidos pelo CAEP e o

Centro de Medicina do Idoso da UnB, onde os devidos encaminhamentos para cada

caso poderiam ser dados por especialistas das diversas áreas de saúde.

Este projeto e o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido foram submetidos

ao sistema CEP/CONEP por meio da Plataforma Brasil do Ministério da Saúde, que os

aprovou dado o atendimento das normas requeridas para a realização de trabalhos

científicos com seres humanos.

As etapas que compuseram a pesquisa foram as seguintes: inscrição, avaliação

pré-intervenção, intervenção, avaliação pós-intervenção e análise dos dados. A Figura 2

descreve o número de participantes iniciais e a perda amostral ocorrida em cada etapa

da pesquisa.
57

Inscrição (N=87)

Avaliação Pré-intervenção (N=87)

Critérios de exclusão (n=10)

Desistência (n=24)

Intervenção (N=53)

MEMO (n=18) Stimullus (n=18) Controle (n=17)

Desistência (n=9)

Avaliação Pós-intervenção (N=44)

MEMO (n=17) Stimullus (n=11) Controle (n=16)

Análise dos dados (N=44)

Figura 2. Processo de alocação dos participantes.

A etapa de inscrição ocorreu entre os dias 6 a 8 e 15 a 17 de maio de 2013, de

forma presencial ou por telefone, na qual foram inscritas 87 pessoas, que foram

submetidas à avaliação pré-intervenção.

Depois de aplicados os critérios de inclusão e exclusão, 53 participantes foram

alocados a um de três grupos, sendo dois grupos experimentais (MEMO e Stimullus) e

um grupo controle. Os participantes foram alocados por pareamento aos grupos por
58

meio de sorteio, considerando as variáveis sociodemográficas: sexo, idade e

escolaridade; e as variáveis clínicas: escore na EDG, escore no BAI e escore no MEEM;

de modo que os grupos fossem semelhantes nas medidas pré-intervenção.

Para descrever o perfil da amostra segundo as variáveis em análise, as variáveis

categóricas foram representadas por suas frequências absolutas e relativas e as variáveis

contínuas por suas medidas de tendência central (mediana) e dispersão (amplitude

interquartil).

Para comparação da distribuição dos participantes entre os três grupos foram

utilizados os testes estatísticos não paramétricos Qui-quadrado, para as variáveis

categóricas, e de Kruskall-Wallis, para as variáveis contínuas. O nível de significância

adotado para os testes estatísticos foi de 5% (p < 0,05) e a análise estatística foi

realizada com auxílio do programa computacional IBM SPSS Statistics, versão 19.0.

A Tabela 1 apresenta as variáveis sociodemográficas e clínicas, no momento

pré-intervenção, dos 53 participantes que compuseram a amostra inicial da pesquisa e as

respectivas significâncias estatísticas dentre os três grupos.


59

Tabela 1

Variáveis sociodemográficas e clínicas da amostra inicial na pré-intervenção.

Grupo
Variável MEMO (n = 18) Stimullus (n = 18) Controle (n = 17) p
Idade 69,5 (63,0 - 76,0) 73,5 (68,3 - 76,8) 71,0 (67,0 - 77,0) 0,62 a
Sexo
Feminino 14 (77,8%) 14 (77,8%) 12 (70,6%)
0,85 b
Masculino 4 (22,2%) 4 (22,2%) 5 (29,4%)
Escolaridade
De 4 a 8 anos de estudo 2 (11,1%) 2 (11,1%) 1 (5,9%)
De 9 a 12 anos de estudo 3 (16,7%) 5 (27,8%) 4 (23,5%) 0,91 b
13 ou mais anos de estudo 13 (72,2%) 11 (61,1%) 12 (70,6%)
Escore na EDG 3,5 (2,0 - 5,0) 3,0 (2,0 - 4,0) 2,0 (1,0 - 3,0) 0,05 a
Escore no BAI 6,0 (3,0 - 13,8) 5,0 (2,3 - 8,8) 6,0 (3,0 - 11,0) 0,73 a
Escore no MEEM 27,0 (27,0 - 29,0) 27,5 (24,3 - 29,0) 28,0 (25,0 - 29,0) 0,90 a
Nota. Variáveis sexo e escolaridade representadas por suas frequências, com porcentagem entre
parênteses. Variáveis idade e clínicas representadas por suas medianas, com faixa da amplitude
interquartil entre parênteses.
a
Teste de Kruskall-Wallis. b Teste Qui-quadrado.

Observa-se na Tabela 1 que os participantes dos três grupos eram

estatisticamente semelhantes, tendo em vista que não se observavam diferenças

significativas nas variáveis sociodemográficas e clínicas investigadas, tendo sido

observada significância limítrofe para a variável escore na EDG.

Durante a realização das intervenções nos grupos experimentais, nove

participantes desistiram da pesquisa, e os 44 participantes restantes foram submetidos à

avaliação pós-intervenção.

A Tabela 2 apresenta as variáveis sociodemográficas e clínicas, no momento

pré-intervenção, dos 44 participantes que compuseram a amostra final da pesquisa e as

respectivas significâncias estatísticas dentre os três grupos.


60

Tabela 2

Variáveis sociodemográficas e clínicas da amostra final na pré-intervenção.

Grupo

Variável MEMO (n = 17) Stimullus (n = 11) Controle (n = 16) P


Idade 72,0 (68,0 - 74,0) 72,0 (63,0 - 75,5) 69,5 (63,0 - 77,0) 0,95 a
Sexo
Feminino 15 (82,2%) 9 (81,8%) 12 (75,0%)
0,62 b
Masculino 2 (11,8%) 2 (18,2%) 4 (25,0%)
Escolaridade
De 4 a 8 anos de estudo 2 (11,8%) 1 (9,1%) 2 (12,5%)
De 9 a 12 anos de estudo 5 (29,4%) 1 (9,1%) 4 (25,0%) 0,75 b
13 ou mais anos de estudo 10 (58,8%) 9 (81,8%) 10 (62,5%)
Escore na EDG 3,0 (1,0 - 5,0) 3,0 (2,0 - 3,5) 2,0 (1,0 - 3,0) 0,31 a
Escore no BAI 5,0 (3,0 - 13,0) 7,0 (4,0 - 12,5) 5,5 (2,0 - 12,3) 0,89 a
Escore no MEEM 27,0 (27,0 - 29,0) 29,0 (27,0 - 29,5) 27,5 (25,0 - 28,3) 0,42 a
Nota. Variáveis sexo e escolaridade representadas por suas frequências, com porcentagem entre
parênteses. Variáveis idade e clínicas representadas por suas medianas, com faixa da amplitude
interquartil entre parênteses.
a
Teste de Kruskall-Wallis. b Teste Qui-quadrado.

Observa-se na Tabela 2 que a distribuição dos participantes manteve-se

estatisticamente semelhante nos três grupos, tendo em vista que não se observam

diferenças significativas nas variáveis sociodemográficas e clínicas investigadas.

Com intuito de investigar a distribuição estatística dos participantes com base na

escolaridade da amostra final da pesquisa, a Tabela 3 apresenta as variáveis

sociodemográficas e clínicas dos participantes considerando-se os seguintes níveis de

escolaridade: de 4 a 8 anos de estudo (até o 1° grau completo), de 9 a 12 anos de estudo

(até o 2° grau completo), e 13 ou mais anos de estudo (a partir de superior incompleto),

e ainda as respectivas significâncias estatísticas dentre os três níveis.


61

Tabela 3

Variáveis sociodemográficas e clínicas da amostra final na pré-intervenção, em função

da escolaridade.

Escolaridade
De 4 a 8 anos de De 9 a 12 anos de 13 ou mais anos de
Variável p
estudo (n = 5) estudo (n = 10) estudo (n = 29)
Idade 77,0 (77,0 - 78,0) 72,5 (68,3 - 73,8) 69,0 (63,0 - 74,0) 0,01 a
Sexo
Feminino 4 (80,0%) 8 (80,0%) 24 (82,8%)
0,98 b
Masculino 1 (20,0%) 2 (20,0%) 5 (17,2%)
Intervenção
MEMO 2 (40,0%) 5 (50,0%) 10 (34,5%)
Stimullus 1 (20,0%) 1 (10,0%) 9 (31,0%) 0,75 b
Controle 2 (40,0%) 4 (40,0%) 10 (34,5%)
Escore na EDG 2,0 (0,0 - 3,0) 2,0 (1,0 - 3,0) 3,0 (1,0 - 4,0) 0,52 a
Escore no BAI 6,0 (4,0 - 7,0) 5,0 (5,0 - 10,0) 6,0 (3,0 - 16,0) 0,98 a
Escore no MEEM 27,0 (26,0 - 27,0) 27,0 (25,0 - 27,0) 28,0 (27,0 - 29,0) 0,04 a
Nota. Variáveis sexo e intervenção representadas por suas frequências, com porcentagem entre
parênteses. Variáveis idade e clínicas representadas por suas medianas, com faixa da amplitude
interquartil entre parênteses.
a
Teste de Kruskall-Wallis. b Teste Qui-quadrado.

Observa-se na Tabela 3 que a distribuição dos participantes com base na

escolaridade da amostra final apresenta-se estatisticamente semelhante nos três níveis,

para as variáveis sexo, intervenção, escore na EDG e escore no BAI, tendo em vista que

não se observam diferenças significativas nessas variáveis. Tal fato não ocorreu para as

variáveis idade e escore no MEEM, nas quais se observa que os participantes mais

jovens têm, em média, maior nível de escolaridade e melhor desempenho no MEEM.

Com intuito de investigar a distribuição estatística dos participantes com base na

faixa etária da amostra final da pesquisa, a Tabela 4 apresenta as variáveis

sociodemográficas e clínicas dos participantes considerando-se as seguintes faixas


62

etárias: de 60 a 69 anos de idade, de 70 a 79 anos de idade, e a partir de 80 anos de

idade, e ainda as respectivas significâncias estatísticas dentre as três faixas.

Tabela 4

Variáveis sociodemográficas e clínicas da amostra final na pré-intervenção, em função

da faixa etária.

Faixa Etária
De 60 a 69 anos De 70 a 79 anos A partir de 80 anos
Variável p
(n = 20) (n = 21) (n = 3)
Sexo
Feminino 16 (80,0%) 18 (85,7%) 2 (66,7%)
0,70 a
Masculino 4 (20,0%) 3 (14,3%) 1 (33,3%)
Escolaridade
De 4 a 8 anos de estudo 0 (0,0%) 4 (19,0%) 1 (33,3%)
De 9 a 12 anos de estudo 4 (20,0%) 5 (23,8%) 1 (33,3%) 0,19 a
13 ou mais anos de estudo 16 (80,0%) 12 (57,1%) 1 (33,3%)
Intervenção
MEMO 7 (35,0%) 9 (42,9%) 1 (33,3%)
Stimullus 5 (25,0%) 6 (28,6%) 0 (0,0%) 0,69 a
Controle 8 (40,0%) 6 (28,6%) 2 (66,7%)
Escore na EDG 2,5 (1,8 - 3,3) 3,0 (1,0 - 4,0) 2,0 (1,5 - 2,5) 0,83 b
Escore no BAI 7,5 (2,8 - 17,0) 5,0 (4,0 - 7,0) 4,0 (2,0 - 7,5) 0,57 b
Escore no MEEM 28,0 (27,0 - 29,0) 27,0 (27,0 - 29,0) 28,0 (26,5 - 28,5) 0,93 b
Nota. Variáveis sexo e escolaridade e intervenção representadas por suas frequências, com porcentagem
entre parênteses. Variáveis clínicas representadas por suas medianas, com faixa da amplitude interquartil
entre parênteses.
a
Teste de Kruskall-Wallis. b Teste Qui-quadrado.

Observa-se na Tabela 4 que a distribuição dos participantes com base na faixa

etária da amostra final evidencia resultados estatísticos semelhante nas três faixas, tendo

em vista que não se observam diferenças significativas nas variáveis sociodemográficas

e clínicas investigadas.
63

Dessa forma, a distribuição dos participantes que compuseram a amostra final da

pesquisa mostrou-se estatisticamente semelhante dentre os três grupos de intervenção.

Com relação ao nível de escolaridade e à faixa etária, observa-se que os participantes

mais jovens têm, em média, maior nível de escolaridade, melhor desempenho no

MEEM e piores desempenhos na EDG e no BAI do que os mais velhos. Tal fato indica

que os participantes mais jovens são os mais escolarizados, ansiosos e depressivos e têm

menor susceptibilidade à demência do que os mais velhos.

Delineamento

O delineamento desse estudo foi experimental com avaliações pré e pós-

intervenção. Foram realizadas comparações a fim de avaliar o efeito do tipo de

intervenção (MEMO, Stimullus e Controle) e o momento da testagem (pré e pós-

intervenção) sobre a memória, perfazendo um delineamento fatorial misto 3 x 2, onde o

fator tipo de intervenção foi manipulado entre sujeitos e o fator momento da testagem

foi manipulado intrasujeitos.

A variável independente manipulada foi o tipo de treino e as variáveis

dependentes foram os desempenhos dos participantes nos seguintes testes de memória:

reconhecimento de imagens, recuperação livre de palavras, memória visual, e

associação nome-rosto.

Com fins de avaliar as condições clínicas dos participantes nos dois momentos

da testagem, também foram adotados como variáveis dependentes os desempenhos dos

participantes nos seguintes testes diagnósticos: EDG, BAI, e Neupsilin.


64

Materiais

Os materiais foram organizados em quatro categorias: testes diagnósticos, que se

constituem nos instrumentos necessários para a coleta das variáveis sociodemográficas e

a avaliação das condições clínicas dos participantes; testes de memória, que se

constituem nos testes utilizados para a avaliação do desempenho da memória dos

participantes; estimulação cognitiva, que se constitui no procedimento Stimullus; e

treino cognitivo, que se constitui no MEMO.

Testes diagnósticos

Foram utilizados como testes diagnósticos os seguintes instrumentos, com fins

de coleta das variáveis sociodemográficas e de avaliação das condições clínicas dos

participantes:

• Anamnese: questionário para coleta de dados sociodemográficos,

incluindo idade, sexo, escolaridade, estrutura familiar, aspectos

comportamentais, aspectos de saúde, sintomas associados, dependências

e informações relevantes (Apêndice B).

• MEEM: instrumento de rastreio para identificar o estado cognitivo

global. O instrumento consiste da avaliação, por meio de 11 tarefas, das

seguintes funções cognitivas: orientação têmporoespacial, memória,

atenção, cálculo, linguagem e praxia construtiva. Seu escore varia de 0 a

30 pontos, com protocolo de correção validado para a população

brasileira por Bertolucci et al. (1994) e aperfeiçoada por Brucki et al.

(2003).
65

• BAI: questionário de autorrelato com 21 questões de múltipla escolha

utilizada para medir o nível de ansiedade. Seu escore varia de 0 a 63

pontos, sendo de 0 a 7 pontos considerado o grau mínimo de ansiedade,

de 8 a 15 pontos o grau de ansiedade leve, de 16 a 25 pontos o grau de

ansiedade moderada e de 26 a 63 pontos o grau de ansiedade severa

(Beck & Steer, 1990).

• EDG: instrumento de 15 itens adaptado para a população brasileira por

Almeida e Almeida (1999), baseado na escala originalmente criada por

Yesavage et al. (1983) com 30 itens, com o objetivo de detectar a

ausência de sintomas sugestivos de depressão em idosos. Seu escore

varia de 0 a 15 pontos, sendo a partir de 7 pontos sugestivo de depressão.

• Neupsilin: instrumento que avalia, por meio de 32 testes, os componentes

das seguintes funções cognitivas: orientação têmporoespacial, atenção

concentrada auditiva, percepção visual, memória prospectiva, memória

de trabalho, memória episódica verbal, memória semântica, memória

visual de reconhecimento, cálculos, linguagem oral e escrita, praxias

ideomotoras, praxias construtivas, praxias reflexivas e funções

executivas (Fonseca, Salles & Parente, 2009). O escore depende da

função cognitiva analisada, sendo obtido conforme Fonseca et al. (2009).

Foram adotadas como medidas diagnósticas os escores dos participantes no

MEEM, na EDG, no BAI e no Neupsilin, sendo os três últimos instrumentos aplicados

nos dois momentos da testagem (pré e pós-intervenção).


66

Testes de memória

Foram utilizados como testes de memória os seguintes instrumentos:

• TMV: teste composto por 24 itens de múltipla escolha, de fácil e rápida

aplicação, que avalia a memória visual (Pasquali, Veiga, Alves &

Vasconcelos, 2004). Seu escore varia de 0 a 24 pontos e se baseia na

quantidade de respostas corretas, conforme o gabarito do teste.

• Teste de associação nome-rosto: teste composto por 12 itens em duas

versões (versão A e versão B), baseado na avaliação de Vanhalle et al.

(1998) que foi traduzido e adaptado para a utilização nessa pesquisa. Seu

escore varia de 0 a 12 pontos e se baseia na quantidade de respostas

corretas, conforme o gabarito do teste.

• Teste de recuperação livre de palavras: instrumento com 38 palavras

retiradas das normas associativas de Janczura (1996), sendo 6 palavras

apresentadas na fase de treino, 4 na fase de buffers iniciais, 4 na fase de

buffers finais e 24 na fase de teste. Na fase de teste, as palavras se

constituíam de 12 palavras concretas e 12 palavras abstratas. Todas as

palavras foram selecionadas conforme as suas características de

concretude e frequência (Apêndice C). Seu escore varia de 0 a 24 pontos

e se baseia na quantidade de palavras recuperadas na fase de teste.

• Teste de reconhecimento de imagens: instrumento com 260 figuras

retiradas das normas de Snodgrass e Vanderwart (1980), sendo 8 figuras

apresentadas na fase de treino, 6 na fase de buffers iniciais, 6 na fase de

buffers finais, 120 na fase de estudo e 240 na fase de teste. Na fase de

estudo foram apresentadas 120 figuras alvos e na fase de teste, 120


67

figuras alvos e 120 figuras distratoras. Todas as figuras foram

selecionadas conforme as suas características em concordância de nome,

concordância de imagem, familiaridade e complexidade visual (Apêndice

D). Seu escore pode ser obtido por meio das variáveis C, Pr e Br, que se

baseiam na quantidade de imagens reconhecidas como alvo, alarme falso

e distratoras em acordo com a fase de teste.

Foram adotadas como medidas de desempenho os escores dos participantes nos

quatro testes de memória supracitados, os quais foram aplicados nos dois momentos da

testagem (pré e pós-intervenção).

Estimulação cognitiva

A intervenção do tipo estimulação cognitiva, aqui denominada Stimullus, foi

administrada aos participantes por meio das seguintes sessões: 1) Sequência visual; 2)

Memorização de palavras; 3) Memorização de frases; 4) Categorização de palavras; 5)

Memorização de imagens; e 6) Memorização de estórias.

Os materiais utilizados nas seis sessões do Stimullus baseiam-se em adaptação

das sessões dois a sete da intervenção proposta em Chariglione e Janczura (2013), tendo

sido excluída a primeira sessão daquela proposta para que o Stimullus pudesse ser

equiparável ao treino cognitivo com a qual foi comparada, considerando o número de

sessões, a frequência e o período de aplicação.

Os materiais utilizados em cada sessão do Stimullus foram os seguintes:

1) Sessão 1 - Sequência visual: nove conjuntos de imagens perfazendo 27

estímulos visuais (Apêndice E, Figura E1), sendo que cada conjunto de


68

imagens compõe uma história. As histórias se diferenciam em função do

número de imagens e de seu nível de dificuldade, sendo que as histórias

mais difíceis possuem maior quantidade de imagens do que as mais

fáceis. Três níveis de dificuldade foram elaborados, cada um composto

por três histórias: Nível I, que se constitui em duas imagens para cada

história, totalizando seis imagens; Nível II, que se constitui em três

imagens para cada história, totalizando nove imagens; e Nível III, que se

constitui em quatro imagens para cada história, totalizando doze

imagens. Foram utilizadas folhas de respostas enumeradas de 1 a 9 com

espaços correspondentes para o registro das decisões dos participantes.

2) Sessão 2 - Memorização de palavras: um conjunto de 96 palavras,

retiradas das normas de concretude de Janczura, Castilho, Rocha, van

Erven e Huang (2007), organizadas em quatro categorias (alimento,

objetos, profissões e jogos/hobbies), sendo que cada categoria contém 24

palavras (Apêndice E, Tabela E1). Foram utilizadas folhas de respostas

para cada categoria com espaços correspondentes para o registro das

decisões dos participantes.

3) Sessão 3 - Memorização de frases: um conjunto de 30 frases criadas e

organizadas em três níveis, cada um com dez frases, que se diferenciam

em função do número de elementos manipulados e de seu nível de

dificuldade, sendo que os níveis mais difíceis possuem maior quantidade

de elementos do que os mais fáceis. Três níveis de dificuldade foram

elaborados: Nível I que se constitui em frases com três elementos; Nível

II que se constitui em frases com quatro elementos; e Nível III que se


69

constitui em frases com cinco elementos (Apêndice E, Tabela E2).

Foram utilizadas folhas de respostas para cada nível de dificuldade com

espaços correspondentes para o registro das decisões dos participantes.

4) Sessão 4 - Categorização de palavras: um conjunto de 192 palavras,

retiradas das normas de concretude de Janczura, Castilho, Rocha, van

Erven e Huang (2007), sendo que cada categoria contém 24 palavras alvo

e 24 palavras distratoras (Apêndice E, Tabela E3). Foram utilizadas

folhas de respostas com as 192 palavras e ao lado de cada palavra as

opções de resposta “Sim” e “Não”.

5) Sessão 5 - Memorização de imagens: um conjunto de 80 imagens, sendo

40 imagens utilizadas na fase de estudo e 80 imagens na fase de teste. Na

fase de estudo foram apresentadas 40 imagens alvos e na fase de teste, 40

imagens alvos e 40 imagens distratoras (Apêndice E, Tabela E4). Essas

figuras foram selecionadas do International Affective Picture System

(IAPS), com equivalências nas dimensões prazer, alerta e dominância

(Lang, Bradley & Cuthbert, 1999, como citado em Oliveira, 2009). As

imagens alvo apresentaram na dimensão prazer: M = 6,83 e SD = 1,33;

na dimensão alerta: M = 3,70 e SD = 0,88; e na dimensão dominância: M

= 6,22 e SD = 0,77. As imagens distratoras apresentaram na dimensão

prazer: M = 6,86 e SD = 1,31; na dimensão alerta: M = 3,68 e SD = 0,89

e na dimensão dominância: M = 6,25 e SD = 0,76. Foram utilizadas

folhas de respostas enumeradas de 1 a 80, relacionadas às 80 imagens, e

ao lado de cada número as opções de respostas “Sim” e “Não”.


70

6) Sessão 6 - Memorização de estórias: um conjunto de três atividades,

sendo a primeira composta por duas histórias (Apêndice E, Tabela E5):

uma utilizada na Escala de Memória Weschler (EMW), subteste II –

memória lógica e, outra uma adaptação da mesma história; a segunda

composta por uma folha com 16 operações aritméticas (Apêndice E,

Tabela E5) e, a terceira composta por uma folha com duas figuras para o

“Jogo dos sete erros”, sendo uma figura original e outra obtida por sua

modificação (Apêndice E, Figura E2). A figura original foi retirada das

normas de Snodgrass e Vanderwart (1980) e alterada para que

constassem sete erros entre a figura original e a figura modificada. Foram

utilizadas folhas de respostas para cada atividades com espaços

correspondentes para o registro das decisões dos participantes.

Além do material apresentado em sala de treinamento, em cada sessão era

entregue uma lista de exercícios para serem resolvidos em casa, relacionados com as

atividades e os temas discutidos em sala de treinamento.

Treino cognitivo

A intervenção do tipo treino cognitivo, aqui denominado MEMO, foi

administrada aos participantes por meio das seguintes sessões: 1) Memória e

envelhecimento; 2) A importância de estar atento; 3) Treinamento de imagem mental; 4)

O método de Loci; 5) O método de associação nome-rosto; e 6) O método PRST.

Os materiais apresentados por Gilbert, Fontaine e Belleville (2011) foram

traduzidos e adaptados para a língua portuguesa para uso nessa pesquisa.


71

Os materiais utilizados em cada sessão do MEMO foram os seguintes 2:

1) Sessão 1 - Memória e envelhecimento: um treinamento apresentado em

data show, com 27 slides, sobre os diferentes tipos de memória, a

influência da idade sobre a memória e a influência do nosso estilo de

vida sobre a memória, além da apresentação de duas estratégias (testar a

memória em diferentes momentos e aprender em pequenas doses) para

auxiliar a memorização. Os participantes acompanhavam o treinamento

com um bloco de notas e lápis para suas anotações.

2) Sessão 2 - A importância de estar atento: um treinamento apresentado em

data show, com 12 slides, sobre os diferentes tipos de atenção, os efeitos

da idade sobre a atenção, como ser mais atento, treinamentos de atenção

e como desacelerar o pensamento. Os participantes acompanhavam o

treinamento com um bloco de notas e lápis para suas anotações. Além

disso, era entregue uma lista de exercícios para serem resolvidos em sala,

com atividades de atenção dividida, onde os participantes tinham que

executar duas atividades ao mesmo tempo (memória implícita e memória

explícita) dedicando níveis atencionais diferentes a cada momento para

cada tipo de atividade.

3) Sessão 3 - Treinamento de imagem mental: um treinamento apresentado

em data show, com 7 slides, sobre a importância das imagens mentais

para as estratégias de memorização. Os participantes acompanhavam o

2
Em função de direitos à propriedade intelectual, os materiais utilizados em cada sessão do

MEMO não são reproduzidos nesta tese.


72

treinamento com um bloco de notas e lápis para suas anotações. Além

disso, era entregue uma lista de exercícios para serem resolvidos em sala,

com atividades para desenvolver habilidades para formar imagens

mentais, onde os participantes aprendiam a fazer imagens mentais de

figuras únicas e de pares de figuras. As imagens mentais desenvolvidas

pelos participantes eram discutidas em sala para se aprender a fazer a

melhor imagem, além de discutidas as diferenças individuais entre os

participantes.

4) Sessão 4 - O método de Loci: um treinamento apresentado em data show,

com 10 slides, sobre o método de Loci e suas principais etapas. Os

participantes acompanhavam o treinamento com um bloco de notas e

lápis para suas anotações. Além disso, era entregue uma lista de

exercícios para serem resolvidos em sala, com atividades para o treino do

método de Loci, onde os participantes aprendiam a fazer o seu trajeto

familiar, que sempre seria utilizado na execução desse método, e

realizava alguns treinos com listas de compras.

5) Sessão 5 - O método de associação nome-rosto: um treinamento

apresentado em data show, com 25 slides, sobre o método de associação

nome-rosto e suas principais etapas. Os participantes acompanhavam o

treinamento com um bloco de notas e lápis para suas anotações. Além

disso, era entregue uma lista de exercícios para serem resolvidos em sala,

com atividades para o treino do método de associação nome-rosto, onde

os participantes aprendiam a identificar algo distintivo no rosto a ser

estudado, a realizar uma imagem mental com associação entre esse algo
73

distintivo e o nome da pessoa e a recuperar essa informação quando

necessário.

6) Sessão 6 - O método PRST: um treinamento apresentado em data show,

com 8 slides, sobre o método PRST (Primeira leitura, Releitura, Sumário

e Teste) e suas principais etapas. Os participantes acompanhavam o

treinamento com um bloco de notas e lápis para suas anotações. Além

disso, era entregue uma lista de exercícios para serem resolvidos em sala,

com atividades para o treino do método PRST, onde os participantes

aprendiam a aplicar a técnica em três pequenos textos.

Além do material apresentado na sala de treinamento, em cada sessão era

entregue uma lista de exercícios para ser resolvida em casa, com perguntas objetivas e

subjetivas sobre os temas discutidos em sala, uma relação de atividades para serem

treinadas em casa e uma recomendação para o controle do estresse.

Procedimentos

Os procedimentos foram organizados em cinco categorias: capacitação dos

auxiliares de pesquisa, relacionada ao treinamento necessário para o acompanhamento

da pesquisa; adaptação do treino cognitivo para o contexto da pesquisa, relacionada à

adaptação do MEMO para a língua portuguesa e uso nessa pesquisa; pré-intervenção,

relacionada à avaliação das condições clínicas e do desempenho da memória dos

participantes antes da administração das intervenções cognitivas nos grupos

experimentais; intervenção, relacionada à administração da estimulação cognitiva

(Stimullus) e do treino cognitivo (MEMO) aos participantes da pesquisa; e pós-


74

intervenção, relacionada à avaliação das condições clínicas e do desempenho da

memória dos participantes após a administração das intervenções cognitivas nos grupos

experimentais.

A Figura 3 ilustra as etapas dos procedimentos em função dos grupos

experimentais e controle.

Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez
Etapa
2013 2013 2013 2013 2013 2013 2013 2013 2013 2013
Capacitação dos
auxiliares de
pesquisa
Adaptação do
treino cognitivo

Pré-intervenção

Intervenção

Pós-intervenção

Treinamento
MEMO

Figura 3. Cronograma das etapas dos procedimentos empregados na pesquisa.

Capacitação dos auxiliares de pesquisa

Os auxiliares que compuseram essa pesquisa foram no número de seis, sendo

cinco alunos do curso de graduação em Psicologia da UnB que já haviam cursado a

disciplina de Processos Cognitivos e que durante dois semestres consecutivos

realizaram seus estágios acadêmicos nessa área, e um aluno de mestrado,

neuropsicólogo e com experiência na área de intervenções cognitivas em idosos.


75

A capacitação dos auxiliares de pesquisa se dividiu em duas partes. A primeira

se estendeu no período de março a julho de 2013, ou seja, por cinco meses, com

encontros semanais, cada um com duração de 120 minutos, onde foram realizadas

discussões de textos e artigos científicos relacionados ao tema dessa pesquisa. A

segunda parte se estendeu no período de agosto a dezembro de 2013, ou seja, por cinco

meses, com encontros quinzenais, cada um com duração de 120 minutos, onde foram

realizadas discussões sobre as sessões que seriam aplicadas aos grupos experimentais e

sobre as execuções e correções dos testes diagnósticos e de memória que seriam por ele

aplicados.

Três etapas foram realizadas durante os dez meses de capacitação:

• Etapa 1: aulas e discussões sobre metodologia e ética na pesquisa com

seres humanos, discutindo aspectos éticos em pesquisa, normas de

procedimentos éticos com sujeitos humanos, pesquisas experimentais,

metodologias de pesquisa e discussões metodológicas do projeto a ser

executado.

• Etapa 2: aulas e discussões sobre o processo de envelhecimento e

intervenções cognitivas, discutindo aspectos relacionados

desenvolvimento normal e patológico no envelhecimento, alterações de

funções cognitivas no envelhecimento, alteração de humor no

envelhecimento e os diversos tipos de intervenções cognitivas realizadas

para essa faixa etária.

• Etapa 3: aulas e treinos sobre avaliação e procedimentos de intervenção

cognitiva em idosos, discutindo aspectos de aplicação e correção dos

testes que foram utilizados nessa pesquisa, além de formação sobre


76

procedimentos de intervenção cognitiva em idosos e o papel do auxiliar

de pesquisa nesse processo.

Adaptação do treino cognitivo para o contexto da pesquisa

Os procedimentos referentes à adaptação do MEMO para o contexto dessa

pesquisa se iniciou em 2012, durante o estágio doutoral realizado no Centre de

Recherche D´Institut Universitaire de Gériatrie de Montréal, filiado à Université de

Montréal, no Canadá. As atividades da adaptação do MEMO para o contexto dessa

pesquisa incluíram as traduções (manual de aplicação, estímulos a serem apresentados e

procedimentos) e reuniões com os pesquisadores responsáveis pela técnica e pela

formação de psicólogos para aplicação do MEMO.

Para verificar se as traduções estavam condizentes com os aspectos culturais

desse procedimento, foram executados os cincos passos, propostos por Beaton,

Bombardier, Guillemin e Ferraz (2002), para a adaptação transcultural de

procedimentos e instrumentos na área de saúde. Essas etapas foram realizadas entre os

meses de março e julho de 2013, ou seja, por cinco meses, e seguiram os seguintes

procedimentos:

• Tradução: tradução do material escrito na língua francesa para a

portuguesa realizada por dois tradutores independentes e bilíngues, um

ciente da pesquisa e outro não.

• Síntese: resolução das diferenças encontradas entre as traduções por um

terceiro tradutor.

• Back-translation (ou tradução reversa): julgamento da propriedade da

tradução do terceiro tradutor por um quarto tradutor independente,


77

bilíngue e nativo da língua original do material, para a elaboração

preliminar do procedimento a ser aplicado.

• Revisão por um comitê de especialistas: apreciação sobre a compreensão

do procedimento e sua aplicabilidade à amostra pretendida, por dois

especialistas da área de Psicologia e com experiência em intervenções

cognitivas com idosos.

• Pré-teste e versão preliminar: procedimento aplicado em cinco idosos,

para que esses informassem as dificuldades de compreensão e

entendimento do procedimento a ser aplicado. Não houve necessidade de

modificações nos procedimentos de acordo com essa amostra.

Entende-se que esse procedimento de tradução e adaptação, apesar de ser

estritamente relevante para os testes ou intervenções desenvolvidos em outros países,

não é suficiente para garantir a adequação da ferramenta psicológica (Beaton,

Bombardier, Guillemin & Ferraz, 2002). Nesse sentido, não se pode afirmar que os

dados favoráveis encontrados nas culturas de língua francesa se repitam no contexto

amostral dessa pesquisa.

Pré-intervenção

Na pré-intervenção foram aplicados os testes diagnósticos e de memória, antes

das intervenções serem iniciadas. Esses testes foram realizados por dois

neuropsicólogos e cinco auxiliares de pesquisa em todos os 87 inscritos, de forma

individual, em até três sessões para cada inscrito, sendo cada sessão com duração de até

60 minutos. Foi considerado um período de até três semanas para conclusão da


78

avaliação de cada participante, em até 30 dias antes do início dos procedimentos com o

objetivo de evitar variáveis intervenientes.

A Anamnese e os testes (MEEM, Neupsilin, EDG, BAI e TMV) foram aplicados

de forma oral ou com auxílio do programa computacional Superlab 4.0 (Testes de

recuperação livre de palavras, de reconhecimento de imagens e de associação nome-

rosto), sendo as respostas de cada teste marcadas pelo avaliador em uma folha de

respostas, exceto para o teste de reconhecimento, cujas respostas foram indicadas pelo

participante e armazenadas no computador.

As medidas pré-intervenção, associadas aos resultados dos testes diagnósticos e

de memória, foram apuradas pelos mesmos dois neuropsicólogos e cinco auxiliares de

pesquisa, sendo os testes distribuídos aleatoriamente entre esses avaliadores.

Os testes foram aplicados durante um mês, no período de 16 de agosto a 17 de

setembro de 2013.

Intervenção

Após a análise das medidas pré-intervenção e observados os critérios de inclusão

e de exclusão, os participantes da pesquisa foram distribuídos em três grupos, sendo

dois grupos experimentais e um grupo controle. Os participantes dos grupos

experimentais foram submetidos aos procedimentos de intervenção MEMO ou

Stimullus. Os participantes do grupo controle não foram submetidos a qualquer

intervenção nesse momento, mas foram convidados ao final da pesquisa, a receberem o

treinamento do MEMO.

Cada tipo de intervenção foi realizada em seis sessões, distribuídas em um

período de seis semanas, com uma sessão por semana com duração de duas horas. Cada
79

grupo experimental foi conduzido por um neuropsicólogo com experiência na execução

de intervenções cognitivas em grupos de idosos e acompanhado por, pelo menos, dois

auxiliares de pesquisa. O grupo MEMO foi conduzido pela autora que obteve a

formação necessária para a condução desse treino cognitivo pela Université de

Montréal.

Em cada sessão foram realizadas as seguintes etapas: revisão do conteúdo da

sessão anterior, revisão dos exercícios realizados em casa, aplicação do tema da semana,

realização de exercícios em grupo, revisão do conteúdo da sessão, e entrega dos

exercícios para serem realizados em casa. Essas instruções foram padronizadas com o

objetivo de não haver diferença entre os procedimentos nos dois grupos experimentais.

A participação e o desempenho de cada participante nas atividades aplicadas em

cada sessão foram monitorados através de observação direta e análise das atividades

realizadas em sala e em casa.

Os participantes dos grupos experimentais foram submetidos às respectivas

intervenções no mesmo período, durante seis semanas, entre 18 de setembro e 23 de

outubro de 2013, e os participantes do grupo controle foram submetidos ao tipo de

intervenção MEMO, durante seis semanas, no período entre 11 de novembro e 16 de

dezembro de 2013.

Pós-intervenção

Na pós-intervenção foram aplicados os mesmos procedimentos da pré-

intervenção, com exceção da aplicação da Anamnese e do MEEM, em até 30 dias após

a conclusão das intervenções nos grupos experimentais.


80

Os testes foram realizados nos 44 participantes que compuseram os dois grupos

experimentais e o grupo controle no mesmo período, durante um mês, entre 23 de

outubro e 22 de novembro de 2013.


81

Resultados

Os resultados foram analisados por meio dos testes de memória e diagnósticos,

com o intuito de avaliar, respectivamente, o desempenho da memória e se houve

alteração da condição clínica dos participantes em ambos os momentos da testagem (pré

e pós-intervenção).

A Tabela 5 apresenta a relação dos testes de memória com suas respectivas

variáveis.

Tabela 5

Testes de memória.

Teste Variável Avaliação

TMV TMV Número de acertos

Teste de reconhecimento de imagens C Número de acertos

Pr Índice de discriminação

Br Viés de resposta

Teste de recuperação livre de palavras RECU Número de acertos

Teste de associação nome-rosto NoRo Número de acertos

O resultado do TMV é apresentado por meio da análise da variável de mesma

sigla (TMV), obtida por meio da quantidade de respostas em acordo com o gabarito do

teste (Pasquali et al., 2004), podendo assumir valores entre 0 e 24 pontos.

O resultado do teste de reconhecimento de imagens é apresentado por meio da

análise de três variáveis: Número de acertos (C), obtida por meio da quantidade de

imagens reconhecidas como alvos e distratoras em acordo com a fase de teste (Apêndice

C), podendo assumir valores entre 0 e 240 pontos; Índice de discriminação (Pr), que
82

está relacionado à medida de exatidão da memória e indica a probabilidade de uma

imagem ser reconhecida corretamente; e Viés de resposta (Br), que está relacionado ao

comportamento do participante e indica a probabilidade de uma imagem alvo ser

reconhecida como alvo, quando se está na dúvida se é alvo ou distratora. A variável Br

varia de 0 a 1,0, sendo indicadora de comportamento neutro para Br = 0,5, conservador

para Br < 0,5 e liberal para Br > 0,5. As variáveis Pr e Br são obtidas da seguinte forma

(Snodgrass & Corwin, 1988):

Pr = (AA + 0,5) / (A + 1) - (DA + 0,5) / (D + 1); e

Br = (DA + 0,5) / (D + 1) / (1 - Pr)

Onde: AA é a quantidade de imagens alvos reconhecidas como alvo; DA é a

quantidade de alarmes falsos, ou seja, de imagens distratoras reconhecidas como alvo; A

é a quantidade de imagens alvos utilizada no teste; e, D é a quantidade de imagens

distratoras utilizada no teste.

O resultado do teste de recuperação livre de palavras é computado através da

variável RECU, obtida por meio da quantidade de palavras recuperadas em acordo com

a fase de teste (Apêndice C), podendo assumir valores entre 0 e 24 pontos.

O resultado do teste de associação nome-rosto é relatado pela análise da variável

NoRo, obtida por meio da quantidade de respostas em acordo com o gabarito do teste,

podendo assumir valores entre 0 e 12 pontos.

A Tabela 6 apresenta a relação dos testes diagnósticos com suas respectivas

variáveis.
83

Tabela 6

Testes diagnósticos.

Teste Variável Avaliação

BAI Beck Nível de ansiedade

EDG EDG Nível de depressão

Neupsilin OTE Orientação têmporoespacial

ATE Atenção

PER Percepção

MEM Memória total

MTRA Memória de trabalho

MVES Memória verbal episódico semântica

MSLP Memória semântica de longo prazo

MVCP Memória visual de curto prazo

MPRO Memória prospectiva

ARIT Habilidades aritméticas

LIN Linguagem

PRAX Praxias

RES Função executiva – resolução de problemas

FVER Função executiva – fluência verbal

O resultado do BAI é apresentado por meio da análise da variável Beck, obtida

por meio do resultado do teste (Beck & Steer, 1990), podendo assumir valores entre 0 e

63 pontos.

O resultado do EDG é apresentado por meio da análise da variável de mesma

sigla (EDG), obtida por meio do resultado do teste (Almeida & Almeida, 1999),

podendo assumir valores entre 0 e 15 pontos.


84

O resultado do Neupsilin é apresentado por meio da análise das 14 variáveis

indicadas na Tabela 6, obtidas conforme Fonseca et al. (2009).

Para a análise de dados optou-se inicialmente por uma Análise de Variância

(ANOVA). No entanto, por se tratar de uma amostra com N pequeno, realizou-se uma

análise exploratória e descritiva, a fim de verificar a exatidão da entrada dos dados, a

ocorrência de casos omissos, a distribuição de frequência e as características da amostra.

Foram, também, analisados os principais pressupostos estatísticos incluindo:

normalidade (teste de Shapiro-Wilk), homocedasticidade (teste de Levene),

independência do erro (teste de Durbin-Watson) e Multicolinearidade (FIV). Essas

análises revelaram que os dados não satisfizeram os pressupostos e, por esse motivo, os

dados foram submetidos a análises não paramétricas.

Assim, as medidas de memória e diagnósticas são relatadas por meio de medidas

de tendência central (mediana) e dispersão (amplitude interquartil), em função do uso de

testes estatísticos não paramétricos, e analisadas em função do tipo de intervenção

cognitiva (MEMO, Stimullus e Controle) e do momento da testagem (pré e pós-

intervenção).

As medidas de memória e diagnósticas são relatadas por meio de medidas de

tendência central (mediana) e dispersão (amplitude interquartil), em função do uso de

testes estatísticos não paramétricos, e analisadas em função do tipo de intervenção

cognitiva (MEMO, Stimullus e Controle) e do momento da testagem (pré e pós-

intervenção).

Para análise do efeito do tipo de intervenção entre grupos foi utilizado o teste de

Kruskall-Wallis com post-hoc de Mann-Whitney, baseando-se nas medidas dos três

grupos nos dois momentos da testagem.


85

Para análise do efeito do tipo de intervenção intragrupos foi utilizado o teste dos

postos com sinais de Wilcoxon, baseando-se nas medidas dos participantes nos dois

momentos da testagem (pré e pós-intervenção).

A análise estatística foi realizada com auxílio do programa computacional IBM

SPSS Statistics, versão 19.0, tendo sido considerado o nível de significância de 5% (p <

0,05).

Análise do Efeito da Intervenção nas Medidas de Memória

A Tabela 7 apresenta à mediana e a faixa da amplitude interquartil das medidas

de memória, nos momentos pré e pós-intervenção, dos 44 participantes que

compuseram a amostra final da pesquisa e as respectivas significâncias estatísticas entre

grupos e intragrupos.

Tabela 7

Medidas de memória nos momentos pré e pós-intervenção.

Grupo
Variável MEMO (n = 17) Stimullus (n = 11) Controle (n = 16) pa
TMV
Pré-intervenção 15,00 (5,00 - 17,00) 14,00 (12,50 - 16,50) 14,00 (8,75 - 16,25) 0,79
Pós-intervenção 17,00 (13,00 - 19,00) 16,00 (15,00 - 19,00) 16,50 (11,75 - 19,00) 0,87
b
p 0,01 0,32 0,22
C
Pré-intervenção 209,00 (192,00 - 219,00) 214,00 (211,50 - 218,50) 201,00 (186,00 - 210,25) 0,03
Pós-intervenção 214,00 (188,00 - 220,00) 214,00 (209,00 - 216,50) 200,50 (182,00 - 208,25) 0,07
b
p 0,61 1,00 0,81
Pr
Pré-intervenção 0,73 (0,51 - 0,79) 0,81 (0,73 - 0,86) 0,57 (0,46 - 0,77) 0,05
Pós-intervenção 0,53 (0,30 - 0,79) 0,64 (-0,13 - 0,84) 0,65 (0,53 - 0,82) 0,65
b
p 0,21 0,04 0,33
Br
Pré-intervenção 0,50 (0,50 - 0,50) 0,50 (0,50 - 0,50) 0,50 (0,50 - 0,50) 1,00
86

Grupo
Variável MEMO (n = 17) Stimullus (n = 11) Controle (n = 16) pa
Pós-intervenção 0,50 (0,50 - 0,50) 0,50 (0,50 - 0,59) 0,50 (0,50 - 0,50) 0,03
b
p 0,11 0,07 0,32
RECU
Pré-intervenção 3,00 (2,00 - 5,00) 3,00 (2,00 - 4,50) 3,50 (2,75 - 6,25) 0,72
Pós-intervenção 3,00 (1,00 - 4,00) 3,00 (3,00 - 4,50) 3,50 (2,75 - 5,00) 0,43
b
p 0,20 0,37 0,73
NoRo
Pré-intervenção 4,00 (3,00 - 7,00) 7,00 (5,00 - 8,00) 5,50 (3,75 - 6,25) 0,17
Pós-intervenção 4,00 (2,00 - 6,00) 6,00 (4,50 - 8,50) 4,50 (3,00 - 5,25) 0,24
b
p 0,50 0,53 0,12

Nota. Medidas de memória representadas por mediana e faixa da amplitude interquartil entre parênteses.
a
Teste de Kruskall-Wallis. b Teste dos postos com sinais de Wilcoxon.

Com relação à análise intragrupos, entre os momentos pré e pós-intervenção,

observa-se que os participantes do grupo MEMO apresentaram melhora significativa no

TMV (Z = -2,87, p = 0,01, r = -0,43) e, com base em suas medianas, passaram a

reconhecer maior quantidade de imagens corretamente, a apresentar menor

probabilidade de reconhecer uma imagem corretamente e se mantiveram estáveis em

relação às demais variáveis. Os participantes do grupo Stimullus apresentaram declínio

significativo na probabilidade de reconhecer uma imagem corretamente (Z = -2,03, p =

0,04, r = -0,31) e, com base em suas medianas, apresentaram melhora no TMV, declínio

na associação nome-rosto e se mantiveram estáveis em relação às demais variáveis. Os

participantes do grupo Controle apresentaram, com base em suas medianas, melhora no

TMV e na probabilidade de reconhecer uma imagem corretamente, declínio na

quantidade de imagens reconhecidas corretamente e na associação nome-rosto e se

mantiveram estáveis em relação às demais variáveis.

Com relação à análise entre grupos, observa-se que os grupos diferem

estatisticamente entre os dois momentos da testagem nas variáveis associadas ao teste


87

de reconhecimento de imagens, indicando influência do tipo de intervenção entre grupos

sendo que, no momento pós-intervenção, essa influência apresentou-se de forma

significativa para o viés de resposta (H(2) = 7,22, p < 0,05). Por meio de análise post

hoc, foram constatadas diferenças significativas entre o grupo MEMO e o grupo

Controle (U = 105,00, p < 0,05, r = -0,30) e entre o grupo Stimullus e o grupo Controle

(U = 52,50, p < 0,05, r = -0,39).

Análise do Efeito da Intervenção nas Medidas Diagnósticas

A Tabela 8 apresenta a mediana e a faixa da amplitude interquartil das medidas

diagnósticas, nos momentos pré e pós-intervenção, dos 44 participantes que

compuseram a amostra final da pesquisa e as respectivas significâncias estatísticas entre

grupos e intragrupos.

Tabela 8

Medidas diagnósticas nos momentos pré e pós-intervenção.

Grupo
Variável MEMO (n = 17) Stimullus (n = 11) Controle (n = 16) pa
Beck
Pré-intervenção 5,00 (3,00 - 13,00) 7,00 (4,00 - 12,50) 5,50 (2,00 - 12,25) 0,89
Pós-intervenção 6,00 (2,00 - 10,00) 3,00 (2,00 - 6,50) 3,00 (2,00 - 16,25) 0,66
pb 0,26 0,12 0,93
EDG
Pré-intervenção 3,00 (1,00 - 5,00) 3,00 (2,00 - 3,50) 2,00 (1,00 - 3,00) 0,31
Pós-intervenção 4,00 (2,00 - 5,00) 2,00 (1,00 - 2,50) 2,50 (1,75 - 4,25) 0,16
pb 0,52 0,10 0,74
OTE
Pré-intervenção 8,00 (8,00 - 8,00) 8,00 (8,00 - 8,00) 8,00 (8,00 - 8,00) 0,81
Pós-intervenção 8,00 (7,00 - 8,00) 8,00 (8,00 - 8,00) 8,00 (8,00 - 8,00) 0,27
pb 0,13 1,00 1,00
ATE
Pré-intervenção 22,00 (21,00 - 23,00) 22,00 (20,50 - 23,00) 22,00 (19,75 - 24,50) 0,73
88

Grupo
Variável MEMO (n = 17) Stimullus (n = 11) Controle (n = 16) pa
Pós-intervenção 22,00 (21,00 - 23,00) 23,00 (21,00 - 24,50) 22,00 (10,75 - 23,25) 0,64
b
p 0,73 0,06 0,11
PER
Pré-intervenção 10,00 (9,00 - 11,00) 11,00 (10,00 - 11,50) 9,00 (9,00 - 10,00) 0,004
Pós-intervenção 11,00 (9,00 - 11,00) 11,00 (10,50 - 11,50) 10,00 (10,00 - 11,00) 0,35
pb 0,60 0,66 0,003
MEM
Pré-intervenção 46,00 (43,00 - 54,00) 54,00 (51,50 - 60,00) 48,00 (45,75 - 54,25) 0,08
Pós-intervenção 50,00 (47,00 - 57,00) 58,00 (54,00 - 60,00) 52,00 (48,00 - 60,00) 0,24
pb 0,05 0,83 0,20
MTRA
Pré-intervenção 21,00 (17,00 - 24,00) 28,00 (25,00 - 30,50) 21,50 (18,75 - 26,00) 0,04
Pós-intervenção 21,00 (19,00 - 27,00) 24,00 (22,50 - 26,50) 23,50 (21,00 - 26,75) 0,70
pb 0,15 0,09 0,10
MVES
Pré-intervenção 18,00 (16,00 - 21,00) 21,00 (18,00 - 22,50) 18,00 (14,75 - 21,00) 0,22
Pós-intervenção 21,00 (16,00 - 22,00) 23,00 (20,50 - 26,00) 20,50 (17,00 - 21,25) 0,07
b
p 0,05 0,09 0,40
MSLP
Pré-intervenção 5,00 (5,00 - 5,00) 5,00 (4,50 - 5,00) 5,00 (5,00 - 5,00) 0,64
Pós-intervenção 5,00 (5,00 - 5,00) 5,00 (5,00 - 5,00) 5,00 (5,00 - 5,00) 0,18
b
p 0,10 0,32 0,56
MVCP
Pré-intervenção 3,00 (3,00 - 3,00) 3,00 (3,00 - 3,00) 3,00 (3,00 - 3,00) 0,40
Pós-intervenção 3,00 (3,00 - 3,00) 3,00 (3,00 - 3,00) 3,00 (2,00 - 3,00) 0,33
b
p 1,00 0,66 0,03
MPRO
Pré-intervenção 2,00 (0,00 - 2,00) 2,00 (2,00 - 2,00) 2,00 (2,00 - 2,00) 0,10
Pós-intervenção 2,00 (1,00 - 2,00) 2,00 (2,00 - 2,00) 2,00 (2,00 - 2,00) 0,02
pb 0,53 0,32 1,00
ARIT
Pré-intervenção 6,00 (5,00 - 8,00) 8,00 (7,00 - 8,00) 8,00 (7,50 - 8,00) 0,22
Pós-intervenção 8,00 (7,00 - 8,00) 8,00 (8,00 - 8,00) 8,00 (7,00 - 8,00) 0,37
pb 0,07 0,10 0,68
LIN
Pré-intervenção 51,00 (49,00 - 52,00) 53,00 (52,50 - 53,00) 52,00 (50,75 - 53,00) 0,03
Pós-intervenção 52,00 (50,00 - 53,00) 52,00 (51,50 - 53,00) 50,50 (49,75 - 52,25) 0,13
pb 0,32 0,26 0,12
PRAX
Pré-intervenção 18,00 (17,00 - 20,00) 19,00 (17,50 - 20,50) 17,50 (15,75 - 19,25) 0,20
Pós-intervenção 19,00 (16,00 - 20,00) 19,00 (18,00 - 21,00) 18,00 (15,75 - 19,25) 0,47
89

Grupo
Variável MEMO (n = 17) Stimullus (n = 11) Controle (n = 16) pa
pb 0,77 0,66 0,41
RES
Pré-intervenção 2,00 (1,00 - 2,00) 2,00 (2,00 - 2,00) 1,00 (1,00 - 2,00) 0,01
Pós-intervenção 2,00 (1,00 - 2,00) 2,00 (1,00 - 2,00) 1,50 (1,00 - 2,00) 0,69
pb 0,71 0,05 0,18
FVER
Pré-intervenção 5,00 (5,00 - 7,00) 7,00 (5,50 - 7,50) 5,00 (4,75 - 6,00) 0,05
Pós-intervenção 5,00 (4,00 - 6,00) 6,00 (5,50 - 7,50) 6,00 (5,00 - 7,00) 0,04
pb 0,06 0,40 0,03

Nota. Medidas diagnósticas representadas pela mediana e faixa da amplitude interquartil entre parênteses.
a
Teste de Kruskall-Wallis. b Teste dos postos com sinais de Wilcoxon.

Com relação à análise intragrupos, entre os momentos pré e pós-intervenção,

observa-se que os participantes do grupo MEMO apresentaram melhora significativa

nas funções cognitivas memória total (Z = -1,94, p < 0,05, r = -0,29) e memória verbal

episódico semântica (Z = -1,94, p < 0,05, r = -0,29) e, com base em suas medianas,

melhora das seguintes funções cognitivas: percepção, habilidades aritméticas,

linguagem e praxias.

Os participantes do grupo Stimullus apresentaram melhora significativa na

função cognitiva resolução de problemas (Z = -2,00, p < 0,05, r = -0,30) e, com base em

suas medianas, melhora em seus níveis de depressão e ansiedade e nas seguintes

funções cognitivas: atenção, memória total e memória verbal episódico semântica.

Os participantes do grupo Controle apresentaram melhora significativa nas

funções cognitivas percepção (Z = -2,99, p < 0,05, r = -0,45), memória visual de curto

prazo (Z = -2,12, p < 0,05, r = -0,32) e fluência verbal (Z = -2,12, p < 0,05, r = -0,32) e,

com base em suas medianas, melhora em seus níveis de ansiedade e nas seguintes
90

funções cognitivas: memória total, memória de trabalho, memória verbal episódico

semântica, praxias e resolução de problemas.

Com relação à análise entre grupos, observa-se que os grupos diferem

estatisticamente entre os dois momentos da testagem nas variáveis associadas à

percepção, memória de trabalho, memória prospectiva, linguagem e resolução de

problemas, indicando que pode ter havido influência do tipo de intervenção entre

grupos, sendo que, no momento pós-intervenção, essa influência apresentou-se de forma

significativa para a memória prospectiva (H(2) = 7,49, p < 0,05). Por meio de análise

post hoc, foram constatadas diferenças significativas entre o grupo MEMO e o grupo

Stimullus (U = 57,00, p < 0,05, r = -0,32) e entre o grupo MEMO e o grupo Controle (U

= 87,00, p < 0,05, r = -0,33).


91

Discussão

Os resultados obtidos nessa pesquisa indicaram o efeito de diferentes

intervenções cognitivas de memória no envelhecimento, em medidas diagnósticas e de

memória. Os grupos foram divididos em dois grupos experimentais e um grupo controle

que permitiram responder as questões de pesquisa e confirmar ou refutar as hipóteses

geradas.

As questões de pesquisa foram: 1) que tipo de intervenção seria mais positiva em

ganhos cognitivos e no desempenho da memória? Estimulação cognitiva e treino

cognitivo produziriam efeitos diferentes? 2) E sobre a avaliação da memória? Que testes

são mais sensíveis na avaliação desses ganhos com idosos normais?

No que diz respeito à primeira questão de pesquisa, os resultados indicaram que

a intervenção do tipo MEMO foi mais positiva em ganhos cognitivos e especificamente

em medidas de memória. Os participantes do grupo MEMO apresentaram ganhos

significativos no teste de memória visual e nos sub-testes memória total e memória

verbal episódico semântica do Neupsilin. Tal fato corrobora pesquisas anteriores que

apresentam a intervenção do tipo treino cognitivo como uma estratégia não

farmacológica, de fácil implementação e que promove interação social (Belleville et al.,

2006; Mowszowski et al., 2010; Netto, 2010; Olchik, 2008).

Os participantes do grupo Stimullus se beneficiaram na resolução de problemas e

em medianas nos sub-testes atenção, memória total e memória verbal episódico

semântica do Neupsilin. Esses participantes também apresentaram ganhos nos testes de

memória e ganhos nas medidas diagnósticas, em relação ao grupo que realizou o treino

cognitivo. Esses dados corroboram os resultados apresentados por Da-Silva et al.

(2011), onde os relatos dos familiares dos idosos que participaram da pesquisa
92

traduziram a impressão de alterações positivas referentes a aspectos sociais, além de

alguns relatos de melhora de aspectos cognitivos, principalmente diante da

autopercepção positiva de seu desempenho na intervenção.

Os participantes do grupo controle apresentaram uma melhora em mediana em

algumas variáveis, mas nenhum ganho significativo. Essa melhora pode ter ocorrido

pela retestagem, assim como, pelo fato de esses idosos terem recebido atenção e se

sentirem incluídos em um estudo de memória, o que poderia demonstrar um aumento na

autoconfiança e auto-eficácia (West & Thorn, 2001).

Os resultados dos grupos experimentais sugerem efeitos modestos das

intervenções em relação ao grupo controle, como também obervado por Lasca (2003),

Netto (2010), Olchik (2008), Yassuda et al. (2006) e Yassuda et al. (2010).

No que diz respeito à segunda questão de pesquisa, a hipótese foi confirmada

para o teste de memória visual e refutada para os testes de associação nome-rosto, de

reconhecimento de imagens e de recuperação livre de palavras.

No teste de memória visual foi observado benefício significativo para os

participantes do grupo MEMO, e um pequeno aumento na média para os participantes

dos grupos Stimullus e Controle.

O teste de associação nome-rosto não registrou melhora para nenhum dos

participantes dos grupos experimentais. Tal fato não corrobora as expectativas em

função do tipo de treino cognitivo administrado (Belleville et al., 2006), tendo em vista

que os participantes do grupo MEMO receberam treinamento específico sobre como

realizar associações nome-rosto.

Os testes de recuperação livre de palavras e de reconhecimento de imagens não

foram sensíveis para esse tipo de amostra, possivelmente pela quantidade de estímulos.
93

Esses mesmos procedimentos já haviam sido realizados em idosos institucionalizados

com comprometimento cognitivo, onde foi observado efeito teto (Chariglione &

Janczura, 2013). Com relação ao teste de reconhecimento de imagens, aumentou-se de

150 para 240 imagens (aumento de 60%) a fim de evitar o efeito teto. Entretanto, os

resultados do teste novamente apresentaram pouca variação entre medidas nos

diferentes momentos da testagem. Para o teste de recuperação livre de palavras, optou-

se por manter o número de palavras até então utilizado, dado o entendimento de que 24

palavras seriam suficientes para se medir a transferência de informações da memória de

curto prazo para a memória de longo prazo, e a demanda da tarefa seria compatível com

a amostra testada.

Frente a esses resultados, é importante ressaltar que os resultados não

significativos para alguns testes, especificamente os diagnósticos, podem estar

relacionados ao número pequeno de sujeitos por condição, dada a dificuldade de

trabalhar com esse público e mantê-los de forma assídua durante todo o procedimento.

Essa limitação também foi encontrada nos seguintes estudos: Belleville et al. (2006),

que avaliou 47 participantes, sendo 28 com comprometimento cognitivo leve e 17

idosos normais; Gagnon e Belleville (2012) que usou uma amostra com 24

participantes, sendo 12 por condição em dois grupos; Netto (2010), com 20

participantes, sendo 11 no grupo experimental e 9 no grupo controle; Yassuda et al.

(2006), com 69 participantes divididos em dois grupos; e Olchik (2008), com 65 idosos

normais e 47 com comprometimento cognitivo leve, divididos em quatro grupos.

Outra limitação desse estudo, também observada em outros, foi a ocorrência do

efeito de retestagem (Netto, 2010), muitas vezes decorrente da não disponibilidade de

versões diferentes dos mesmos testes, apesar de terem sido utilizadas duas versões para
94

o teste de associação nome-rosto e os demais testes terem sido randomizados quanto à

ordem de aplicação entre os momentos pré e pós-intervenção.

Por fim, deixam-se aqui registrados, a partir dos resultados obtidos com base

nessa pesquisa, algumas sugestões: 1) buscar a aplicação das intervenções investigadas

em um número maior de sujeitos; 2) buscar a aplicação dos testes de memória e

diagnósticos a longo prazo, para investigar a manutenção dos resultados; 3) utilizar

outros testes de memória ou outras derivações dos testes aplicados.

Torna-se importante dar continuidade a esse estudo, prosseguindo com um

follow-up e verificando se o aprimoramento da memória evidenciada no grupo MEMO

poderá se manter em função do tempo, assim como nos participantes dos grupos

Stimullus e Controle que receberam a intervenção do tipo MEMO, depois que

finalizaram o procedimento de pós-teste.

Os resultados obtidos nesse estudo demonstraram a necessidade de se realizar

mais investigações nessa área. Acredita-se que futuras pesquisas deverão concentrar

esforços no aperfeiçoamento das metodologias apresentadas (MEMO e Stimullus) para a

população brasileira e em novas propostas ainda mais eficientes, com materiais mais

flexíveis e capazes de predizer esses comportamentos, aliando-se o conhecimento

científico a sua aplicabilidade no desenvolvimento humano.


95

Referências

Abreu, N. & Mattos, P. (2010). Memória. Em: Malloy-Diniz et al. (Orgs.). Avaliação

Neuropsicológica. (pp.76-85). Porto Alegre: Artmed.

Akhtar, S., Moulin, C. J. & Bowie, P. C. (2006). Are people with mild cognitive

impairment aware of the benefits of errorless learning? Neuropsychological

Rehabilitation, 16(3), 329-346.

Almeida, O. P. & Almeida, S. A. (1999). Confiabilidade da versão brasileira da Escala

de Depressão em Geriatria (GDS) versão reduzida. Arquivos de Neuro-

Psiquiatria, 57(2B), 421-426.

Almeida, O. P. & Forlenza, O. V. (1997). Depressão e demência no idoso – tratamento

psicológico e farmacológico. São Paulo: Lemos Editorial.

Ball, H., Berch, D. B., Helmers, K. F., Jobe, J. B., Leveck, M. D., Marsike, M., Morris,

J., Rebok, G. W., Smith, D. M., Tennstedt, S. L., Unverzagt, F. W. & Willis, S. L.

(2002). Effects of cognitive training interventions with older adults: A

randomized controlled trial. Journal of the American Medical Association, 288,

2271-2281.

Beaton, D., Bombardier, C., Guillemin, F. & Ferraz, M. B. (2002). Recommendations

for the crosscultural adaptation of health status measure. American Academy of

Orthopaedic Surgeons. Institute for Work & Health.

Beck, A. T. & Steer, R. A. (1990). Manual for the Beck Anxiety Inventory. San Antonio,

TX: Psychological Corporation.


96

Beckert, M., Irigaray, T. & Trentini, C. M. (2012). Qualidade de vida, cognição e

desempenho nas funções executivas de idosos. Estudos de Psicologia (Campinas),

29(2), 155-162.

Belleville, S. (2008). Cognitive training for persons with mild cognitive impairment.

International Psychogeriatrics, 20(1), 57-66.

Belleville, S., Gilbert, B., Fontaine, F. Gagnon, L., Ménard, E. & Gauthier, S. (2006).

Improvement of episodic memory in persons with mild cognitive impairment and

healthy older adults: Evidence from a cognitive intervention program. Dementia

and Geriatric Cognitive Disorders, 22(5-6), 486-499.

Belleville, S., Bier, B., de Boysson, C., Mellah, S. & Demonet, J. F. (2010). Entraîner

le contrôle attentionnel dans le vieillissement normal: Une étude en IRMf.

Conférence présentée au XIe Colloque International sur le Vieillissement

Cognitif. Liège, Belgique.

Belleville, S., Clément, F., Mellah, S., Gilbert, B., Fontaine, F. & Gauthier, S. (2011).

Training-related brain plasticity in subjects at risk of developing Alzheimer´s

disease. Brain, 134(6), 1623-1634.

Bertolucci, P. (1995). Conversando com chineses: desempenho em testes cognitivos e

escolaridade. Em: B. P. Damasceno & M. I. H. Couldry (Eds.). Temas em

neuropsicologia e neurolinguística. Série de Neuropsicologia. (pp. 43-50). São

Paulo: Tec Art.

Bertolucci, P. H. F., Brucki, S. M. D., Campacci, S. R. & Juliano, Y. O. (1994). Mini-

exame do estado mental em uma população geral: impacto da escolaridade.

Arquivos de Neuropsiquiatria, 52, 1-7.


97

Bherer, L., Kramer, A. F., Peterson, M. S., Colcombe, S., Erickson, K. & Becic, E.

(2005). Training effects on dual-task performance: Are there age-related

differences in plasticity of attentional control? Psychology and Aging, 20(4), 695-

709.

Brucki, S. M. D., Nitrini, R., Caramelli, P., Bertolucci, P. H. F. & Okamoto, I. H.

(2003). Sugestões para o uso do Mini-Exame do Estado Mental no Brasil.

Arquivos de Neuropsiquiatria, 61(3-B), 777-781.

Buée, L. & Maurage, C. (2008). Le vieillissement: Des molécules, des cellules et des

structures cérébrales en involution. Em: K. Dujardin & P. Lemaire (Eds.).

Neuropsychologie de vieillissement normal et pathologique. (pp. 11-26). Issy-les-

Moulineaux: Elsevier Masson.

Canineu, P. R., Stella, F. & Samara, A. B. (2006). Transtorno Cognitivo leve. Em:

Freitas, E. V., Py, L., Cançado, F. A. X., Doll, J. & Gorzoni, M. L. (Orgs.).

Tratado de Geriatria e Gerontologia. (pp. 252-259) Rio de Janeiro: Guanabara

Koogan.

Chariglione, I. P. F. & Janczura, G. A. (2013). Contribuições de um treino cognitivo

para a memória de idosos institucionalizados. Psico-USF, 18(1), 13-22.

Chin, A. L., Negash, S., Xie, S., Arnold, S. E. & Hamilton, R. (2012). Quality, and not

just quantity, of education accounts for differences in psychometric performance

between african americans and white non-hispanics with Alzheimer’s disease.

Journal of the International Neuropsychological Society, 18(2), 277-285.

Cipriani, G., Bianchetti, A. & Trabucchi, M. (2006). Outcomes of a computer-based

cognitive rehabilitation program on Alzheimer's disease patients compared with


98

those on patients affected by mild cognitive impairment. Archives of

Gerontological Geriatric, 43(3), 327-335.

Clare, L., van Paasschen, J., Evans, S. J., Parkinson, C., Woods, R. T. & Linden, D. E.

J. (2009). Goal-oriented cognitive rehabilitation for an individual with Mild

Cognitive Impairment: Behavioural and neuroimaging outcomes. Neurocase,

15(4), 1-14.

Clare, L., Wilson, B. A., Carter, G., Breen, K., Gosses, A. & Hodges, J. R. (2000).

Intervening with everyday memory problems in dementia of Alzheimer type: An

errorless learning approach. Journal of Clinical and Experimental

Neuropsychology, 22(1), 46-132.

Clare, L., Woods, R. T., Moniz Cook, E. D., Orrell, M. & Spector, A. (2005). Cognitive

rehabilitation and cognitive training for early-stage Alzheimer’s disease and

vascular dementia (Cochrane Review). The Cochrane Library, Issue 2. John

Wiley & Sons Ltd.

Coelho, F. G., Martins, T., Novais, I. P., Stella, F. & Galduroz, R. F. (2012).

Desempenho Cognitivo em diferentes níveis de escolaridade de adultos e idosos

ativos. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, 15(1), 7-15.

Cruz, A. P. M. & Landeira-Fernandez, J. (2007). Por uma psicologia baseada em um

cérebro em transformação. Em: Landeira-Fernandez, J. & Silva, M. T. A. (Orgs.).

Intersecções entre neurociência e psicologia. (pp.01-15) Rio de Janeiro:

MedBook.

Da-Silva, S. L., Pereira, D. A., Veloso, F., Satler, C. E., Arantes, A. & Guimarães, R.

M. (2011). Programa de reabilitação neuropsicológica da memória aplicada à


99

demência: um estudo não controlado intra-sujeitos. Estudos de Psicologia

Campinas, 28(2), 229-240.

Dias, M. & Lima, R. M. (2012). Estimulação cognitiva por meio de atividades físicas

em idosas: examinando uma proposta de intervenção. Revista Brasileira de

Geriatria e Gerontologia, 15(2), 325-334.

Diniz, B. S. O., Volpe, F. M. & Tavares, A. R. (2007). Nível educacional e idade no

desempenho no Miniexame do Estado Mental em idosos residentes na

comunidade. Revista psiquiatria Clínica. 34(1), 13-17.

Ertan, T. & Eker, E. (2000). Reliability, validity, and factor structure of the geriatric

depression scale in turkish elderly: Are there different factor structures for

different cultures? International Psychogeriatrics, 12, 163-172.

Farinatti, P. T. V. (2002). Teorias biológicas do envelhecimento: do genético ao

estocástico. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, 8(4), 129-138.

Feitosa, M. A. G. (2001). Envelhecimento sensorial: A pesquisa básica e implicações

para a qualidade de vida. Psychologica, 28, 159-175.

Fernandes, B. L. V. (2014). Atividade física no processo de envelhecimento. Revista

Portal de Divulgação, 40, 43-48.

Fonseca, R., Salles, J. F. & Parente, M. A. M. P. (2008). Development and content

validity of the Brazilian Brief Neuropsychological Assessment Battery Neupsilin.

Psychology & Neuroscience, 1(1), 55-62.

Fonseca, R. P., Salles, J. F. & Parente, M. A. M. P. (2009). Instrumento de Avaliação

Neuropsicológica Breve Neupsilin. Porto Alegre: Vetor.


100

Foss, M. P., Vale, F. A. C. & Speciali, J. G. (2005). Influência da escolaridade na

avaliação neuropsicológica de idosos. Arquivos de Neuropsiquiatria, 63(1), 119-

126.

Gagnon, L. G. & Belleville, S. (2012). Training of attentional control in mild cognitive

impairment with executive deficits: Results from a double-blind randomized

controlled study. Neuropsychological Rehabilitation, 1, 1-27.

Gilbert, B., Fontaine, F. S., & Belleville, S. (2011). Programme MEMO – Méthode

d´entraînement pour une mémoire optimal. Guide à l´intention des animateurs.

Guerreiro, T. & Caldas, C. P. (2001). Memória e demência: (re)conhecimento e

cuidado. Rio de Janeiro: UERJ, UnATI.

Graf, P., Squire. L. & Mandler, G. (1984). The information that amnesic patients do not

forget. Journal of Experimental Psychology: Learning, Memory, and Cognition,

10(1), 164-178.

Graf, P. & Schacter, D. (1985). Implicit and Explicit Memory for New Associations in

Normal and Amnesic Subjects. Journal of Experimental Psychology: Learning,

Memory and Cognition, 11, 501-518.

Graf, P. (1990). Life-span changes in implicit and explicit memory. Bulletin of the

Psychonomic Society, 28(4), 353-358.

Greenaway, M. C., Hanna, S. M., Lepore, S. W. & Smith, G. E. (2008): A behavioral

rehabilitation intervention for amnestic mild cognitive impairment. American

Journal Alzheimer’s Disease and Other Dementias, 23(5), 451-461.

Griffa, M. C. & Moreno, J. E. (2001). Chaves para a Psicologia do Desenvolvimento

Adolescência. Vida Adulta. Velhice. São Paulo: Paulinas.


101

Gross, A. L., Rebok, G. W. Unverzagt, S. L. & Brandt, J. (2011). Word list memory

predicts everyday function and problem-solving in the elderly: Results from the

ACTIVE cognitive intervention trial. Aging, Neuropsychology, and Cognition,

18(2), 129-146.

Günther, I. A. (2011). Envelhecimento, relações sociais e ambiente. Em: D. V. S.

Falcão & L. F. Araújo (Eds.). Psicologia do Envelhecimento. (pp. 11-25). São

Paulo: Alínea.

Hampstead, B. M., Sathian, K., Moore, A. B., Nalisnick, C. & Stringer, A. Y. (2008).

Explicit memory training leads to improved memory for face-name pairs in

patients with mild cognitive impairment: Results of a pilot investigation. Journal

of International Neuropsychological Society, 14(5), 883-889.

Hayflick L. (1996). Como e por que envelhecemos. Rio de Janeiro: Campus.

Herrmann, D. & Searleman, A. (1992). Memory improvement and memory theory in

historical perspective. In D. Herrmann, H. Weingartner, A. Searleman, & C.

McEvoy (Eds.), Memory improvement: Implications for memory theory (pp. 8-

20). New York: Springer-Verlag.

Hoyl M. T. et al.(1999). Development and testing of a five-item version of Geriatric

Depression Scale. Journal of the American Geriatrics Society, 47,873-878.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2013). População brasileira deve

chegar ao máximo (228,4 milhões) em 2042. Retirado de:

http://saladeimprensa.ibge.gov.br/noticias?view=noticia&id=1&busca=1&idnotici

a=2455.
102

Irigaray, T. Q., Schneider, R. H. & Gomes, I. (2011). Efeitos de um treino cognitivo na

qualidade de vida e no bem-estar psicológico. Psicologia Reflexão e Crítica,

24(4), 810-818.

Izquierdo, I. (2002). Memória. Porto Alegre: Artmed.

Janczura, G. A. (1996). Normas associativas para 69 categorias semânticas. Psicologia:

Teoria e Pesquisa, 12, 237-244.

Janczura, G. A., Castilho, G. M., Rocha, N. O., van Erven, T. J. C. & Huang, T. P.

(2007). Normas de concretude para 909 palavras da língua portuguesa.

Psicologia: Teoria e Pesquisa, 23, 195-204.

Janoni, S. A. (2010). Cognição e exercícios físicos em idosos do município Paulista.

Dissertação de mestrado, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, SP, Brasil.

Kinsella, G. J., Mullaly, E., Rand, E., Ong, B., Burton, C., Price, S., Phillips, M. &

Storey, E. (2009). Early intervention for mild cognitive impairment: A

randomised controlled trial. Journal of Neurology, Neurosurgery and Psychiatry,

80(7), 730-736.

Kurz, A., Pohl, C., Ramsenthaler, M. & Sorg, C. (2009): Cognitive rehabilitation in

patients with mild cognitive impairment. International Journal of Geriatric

Psychiatry, 24(2), 163-178.

Lachman, M. E., Weaver, S. L., Bandura, M., Elliott, E. & Lewkowicz, C. J. (1992).

Improving memory and control beliefs through cognitive restructuring and self-

generated strategies. Journal of Gerontology: Psychological Sciences, 47, 293-

299.

Lasca, V. B. (2003). Treinamento de memória no envelhecimento normal. Dissertação

de mestrado, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, Brasil.


103

Lezak, M. D. (1995). Neuropsychological assessment. New York: Oxford University

Press.

Light, L. L. (1991). Memory and aging: Four hypotheses in search of data. Annual
Review of Psychology, 42, 333-376.
Lockhart, R. S. (2000). Methods of memory research. Em E. Tulving & F. I. M. Craig

(Eds.). The Oxford handbook of memory. (pp. 45-57). Oxford: Oxford University

Press

Londos, E., Boschian K., Lindén A., Persson C., Minthon L. & Lexell J. (2008). Effects

of a goal oriented rehabilitation program in Mild Cognitive Impairment: A pilot

study. American Journal of Alzheimer’s Disease and Other Dementias, 23(2),

177-218.

Lourenço R. A. & Veras R. P. (2006) Miniexame do estado mental: características

psicométricas em idosos ambulatoriais. Revista de Saúde Pública, 40(4), 804-819.

MacKee, R. D. & Squire, L. R. (1993) On the development of declarative memory.

Journal of Experimental Psychology, 19, 397-404.

Mandler, G. (1980). Recognizing: the judgment of previous occurrence. Psychology

Review. 87, 252-271.

Mascarenhas, N. A., Moraes, M. L. & Guimarães, R. M. (1996). Sensibilidade e

especificidade dos itens da escala de depressão geriátrica. Gerontologia, 4, 30-31.

Mattos, P. & Paixão Júnior, C. M. (2010). Envelhecimento e comprometimento

cognitivo leve. Em: Malloy-Diniz e cols. (Orgs.). Avaliação Neuropsicológica.

(pp.247-253) Porto Alegre: Artmed.


104

Moraes, E. N., Moraes, F. L. & Lima, S. P. P. (2010). Características biológicas e

psicológicas do envelhecimento. Revista de Medicina de Minas Gerais, 20(1), 67-

73.

Moscovitch, M. (2004). Amnesia. Em: N. B. Smeler & O. B. Baltes (Eds.). The

international encyclopedia of social and beharvioral science. (pp.339-359)

Oxford: Pergamon/Elsevier Sicence.

Moura, S. M. (2008). Contribuições de quatro instrumentos de triagem para o

diagnóstico de déficits cognitivos no envelhecimento no Brasil: Validade de

critério e normas de desempenho. Dissertação de mestrado, Universidade Federal

de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil.

Mowszowski, L., Batchelor, J. & Naismith, S. L. (2010). Early intervention for

cognitive decline: can cognitive training be used as a selective preventive

technique? International Psychogeriatrics, 22, 537-548.

Neely, A. S. (2000). Multifactorial memory training in normal aging: In search of

memory improvement beyond the ordinary. Em: Hill, Bäckman & Neely (Eds.).

Cognitive Rehabilitation in Old Age. (pp. 63-80). New York: Oxford Express.

Netto, T. M. (2010). Treinamento cognitivo da memória de trabalho em adultos idosos.

Tese de doutorado, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de

Janeiro, RJ, Brasil.

Netto, T. M., Fonseca, R. P. & Landeira-Fernandez, J. (2012). Reabilitação da memória

em idosos com queixas mnemônicas e sintomas depressivos: estudo piloto não

controlado. Estudos de Psicologia, 17(1), 161-169.


105

Olchik, M. R. (2008). Treino de memória: um novo aprender no envelhecimento. Tese

de doutorado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS,

Brasil.

Olchik, M. R., Mattos, D., Maineri, N. S., Farina, J., Oliveira, A. & Yassuda, M. S.

(2012). Revisão: efeitos do treino de memória em idosos normais e em idosos

com comprometimento cognitivo leve. Temas em Psicologia, 20(1), 235-245.

Oliveira, K. C. V., Barros, A. L. S. & Souza, G. F. M. (2008). Miniexame do Estado

Mental (MEEM) e Clinical Dementia Rating (CDR) em idosos com Doença de

Alzheimer. Revista Neurociências, 16(2), 101-106.

Oliveira, N. R. (2009). A memória emocional em homens e mulheres. Tese de

doutorado, Universidade de Brasília, Brasília, DF, Brasil.

Ortegosa, R. M. C. (2005). O idoso e suas alterações emocionais - Uma visão sócio-

histórica. Revista Psicologia Brasil, 3(22), 39-43.

Parente, M. A. M. P. (2006). Questões metodológicas no estudo sobre o

envelhecimento. Em: Parente, M. A. M. P. (Ed.). Cognição e envelhecimento. (pp.

287-299). Porto Alegre: Artmed.

Pasquali, L., Veiga, H., Alves, S. & Vasconcelos, T. (2004). Teste de Memória Visual

(TMV). Brasília: LabPam.

Pawlowski, J., Fonseca, R. P., Salles, J. F., Parente, M. A. M. P. & Bandeira, D. R.

(2008). Evidências de validade do Instrumento de Avaliação Neuropsicológica

Breve Neupsilin. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 60(2), 101-116.

Peters, F., Villeneuve, S. & Belleville, S. (2014). Predicting progression to dementia in

elderly subjects with mild cognitive impairment using both cognitive and

neuroimaging predictor. Journal of Alzheimer´s disease, 38, 307-318.


106

Pérez-Dias, L. A., Calero, M. D. & Navarro-González, E. (2013). Prediction of

cognitive impairment in the elderly by analysing their performance in verbal

fluency and in sustained attention. Revista de Neurologia, 56(1), 1-7.

Piolino, P., Desgranges, B., Clarys, D., Guillery-Girard, B., Taconnat, L., Isingrini, M.

& Eustache, F. (2006). Autobiographical memory, autonoetic consciousness, and

self-perspective in aging. Psychology and Aging, 21, 510-525.

Radvansky, G. (2006). Sensory and short-term memory. Em: Radvansky, G. (Ed.).

Human memory. (pp.65-89). Boston: Pearson.

Rapp, S., Brenes, G. & Marsh, A. P. (2002). Memory enhancement training for older

adults with mild cognitive impairment: a preliminary study. Aging & Mental

Health, 6(1), 5-11.

Richardson-Klavehn, A. & Bjork, R. A. (1988). Measures of memory. Annual Review of

Psychology, 39, 475-543.

Rosselli, D., Ardila, A., Pradilla, G., Morillo, L., Bautista, L., Rey, O. & Camacho, M.

(2000). The Mini-Mental State Examination as a selected diagnostic test for

dementia: a Colombian population study. Revista de Neurologia, 30(5), 428-432.

Santos, I., Gomes, L. M. N. M., Vale, M. S., Santos, F. B., Cardenas, C. J. & Alves, V.

P. (2012). Oficinas de estimulação cognitiva adaptadas para idosos analfabetos

com transtorno cognitivo leve. Revista Brasileira de Enfermagem, 65(6), 962-968.

Scheufler, L. (2014). Habilidades sociais e sintomas depressivos em idosos. Dissertação

de mestrado, Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS,

Brasil.
107

Schneider, D. D. G. (2006). Processo de resolução de problemas e de tomada de decisão

no envelhecimento. Em: Parente, M. A. M. P (Ed.). Cognição e envelhecimento.

(pp. 113-131). Porto Alegre: Artmed.

Snodgrass, J. G. & Vanderwart, M. (1980). A standardized set of 260 pictures: Norms

for name agreement, image agreement, familiarity, and visual complexity. Journal

of Experimental Psychology: Human, Perception and Performance, 6, 174-215.

Snodgrass, J. G. & Corwin, J. (1988). Pragmatics of measuring recognition memory:

Applications to dementia and amnesia. Journal of Experimental Psychology:

General, 117, 34-50.

Sousa, R. L., Medeiros, J. G. M., Moura, A. C. L., Souza, C. L. M. & Moreira, I. F.

(2007). Validade e fidedignidade da Escala de Depressão Geriátrica na

identificação de idosos deprimidos em um hospital geral. Jornal Brasileiro de

Psiquiatria, 56(2), 102-107.

Squire, L. R. (1987). Memory and Brain. Oxford University Press: Oxford.

Sternberg, R. J. (2000). Psicologia cognitiva. Porto Alegre. Artes Médicas.

Stigsdotter, A. & Bäckman, L. (1989). Multifactorial memory training with older adults:

How to foster maintenance of improved performance. Gerontology, 35, 260-267.

Taconnat, L. & Isingrini, M. (2008). La Mémoire. Em: K. Dujardin & P. Lemaire

(Eds.). Neuropsychologie de vieillissement normal et pathologique. (pp. 45-63).

Issy-les-Moulineaux: Elsevier Masson.

Teixeira-Fabrício, A., Lima-Silva, T. B., Kissaki, P. T., Vieira, M. G., Ordonez, T. N.,

Oliveira, T. B., Aramaki, F. O., Souza, P. F. & Yassuda, M. S. (2012). Treino

cognitivo em adultos maduros e idosos: impacto de estratégias segundo faixas de

escolaridade. Psico-USF, 17(1), 85-95.


108

Terry, W. S. (2006). Human Memory – conceptual approaches. Em: Terry, W. S. (Ed.).

Learning and memory: Basic principles, processes and procedures. (pp. 193-

229). Boston: Pearson.

Vanhalle, C., van der Linden, M., Belleville, S. & Gilbert, B. (1998). Putting names on

faces: use of a spaced-retrieval strategy in a patient with dementia of the

Alzheimer type. Perspect Neurophysiologie Neurogenic Speech Language

Disorders, 8(8), 17-21.

van Erven, T. J. C. G. & Janczura, G. A. (2004). A memória de idosos em tarefas

complexas. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 20(1), 59-68.

Verhaeghen, P., Marcoen, A. & Goossens, L. (1993). Facts and fiction about memory

aging: A quantitative integration of research findings. Journal of Gerontology:

Psychological Sciences, 48(4), 157-171.

Wahl, H. (2001). Environmental influences on aging and behavior. Em: J. E. Birren &

K.W. Schaie (Eds.). Handbook of the Psychology of Aging. (pp.215-237). Oxford:

Academic Press.

Wenisch, E., Cantegreil-Kallen, I., De Rotrou, J., Garrighe, P., Moulin, F., Batouche, F.,

Richard, A., De Sant’Anna, M. & Rigaut, A. S. (2007). Cognitive stimulation

intervention for elders with mild cognitive impairment compared with normal

aged subjects: preliminary results. Aging Clinical and Experimental Research,

19(4), 316-322.

West, R. L., Welch, D. C. & Yassuda, M. S. (2000). Innovative approaches to memory

training for older adults. Em: R. Hill, L. Backman & A. S. Neely (Org.), Cognitive

rehabilitation in old age. (pp. 81-105). New York, Oxford: Oxford University

Press.
109

West R. L., & Thorn, R. M. (2001). Goal-setting, self-efficacy, and memory

performance in older and younger adults. Experimental Aging Research, 27, 41-

65.

Willis, S. L., Tennestedt, S. L., Marsike, M., Ball, K., Elia, J., Koepke, K. M., Morris,

J., Rebok, G. W., Unverzagt, F. W., Stoddard, A. M. & Wright, E. (2006). Long-

term effects of cognitive training on everyday functional outcomes in older adults.

Journal of the American Medical Association, 296, 2805-2814.

Wilson, B. A. (2009). Memory rehabilitation: Integrating theory and pratice. The

Guilford Press: New York.

Wood, G. M. O. (2000). Efeitos de programas de treinamento e dos níveis de auto-

eficácia percebida sobre a capacidade de memória de trabalho de indivíduos

idosos. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo

Horizonte, MG, Brasil.Xavier, F. M. F. (2006). O transtorno cognitivo da

depressão geriátrica ou a “pseudodemência depressiva” do idoso. Em: Parente, M.

A. M. P. (Org.). Cognição e envelhecimento. (pp. 205-224). Porto Alegre:

Artmed.

Yassuda, M. S. (2002). Memória e envelhecimento saudável. Em: Freitas, Neri,

Cançado, Gorzoni & Rocha (Eds). Tratado de Geriatria e Gerontologia. (pp. 914-

920). Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.

Yassuda, M. S., Batistoni, S. S. T., Fortes, A. G. & Neri, A. L. (2006). Treino de

memória no idoso saudável: benefícios e mecanismos. Psicologia Reflexão e

Crítica, 19(3), 470-481.


110

Yassuda, M. S., Flaks, M. K., Pereira, F. S. & Forlenza, O. V. (2010). Avaliação

neuropsicológica de idosos – demências. Em: Malloy-Diniz e cols (Orgs.).

Avaliação Neuropsicológica. (pp.254-271). Porto Alegre: Artmed.

Yassuda, M. S. & Paulo, D. L. V. (2010). Queixas de memória de idosos e sua relação

com escolaridade, desempenho cognitivo e sintomas de depressão e ansiedade.

Revista de Psiquiatria Clínica, 37 (1), 23-26.

Yesavage, J., Brink, T., Rose, T., Lun, O., Huang, V., Adey, N. & Leirer, V. (1983).

Development and validation of a geriatric depression scale: A preliminary report.

Journal of Psychiatric Research, 17, 37-49.

Zimprich, D. & Martin, M. (2002). Can longitudinal changes in processing speed

explain longitudinal age changes in fluid intelligence? Psychology and Aging, 17,

690-695.
111

Apêndice A

Termo de Consentimento Livre e Esclarecido

O(a) senhor(a) está sendo convidado(a) a participar e está sendo apresentado o

seguinte termo com o objetivo de entender a pesquisa e concordando com os termos a

autorizar a participação na pesquisa de tese de doutorado intitulada ‘Os Efeitos de

diferentes intervenções cognitivas de memória no envelhecimento normal’. O estudo

será realizado pela Neuropsicóloga e pesquisadora Isabelle Patriciá Freitas Chariglione,

doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Ciência do Comportamento do

Departamento de Processos Psicológicos Básicos, vinculado ao Instituto de Psicologia,

da Universidade de Brasília, sob a orientação do Profº. Gerson Américo Janczura.

O objetivo da pesquisa é investigar a influência de diferentes tipos de

intervenção de memória em medidas de efeito de memória e humor em idosos normais.

A pesquisa não acarretará nenhum benefício ou risco direto. A(o) participante

poderá interromper sua participação a qualquer momento, assim como retirar seu

consentimento, se for de sua vontade. Os resultados serão divulgados por meios onde a

referida tese de doutorado seja publicada.

A(o) participante terá liberdade para entrar em contato com a pesquisadora a fim

de obter qualquer tipo de explicação, pedir indicação de ajuda profissional caso julgue

necessário e/ou para obter informações sobre o andamento da pesquisa.

Afirmamos o caráter confidencial e sigiloso de qualquer informação prestada por

parte da participante na feitura desta pesquisa.

Eu, __________________________________________________________

aceito participar voluntariamente desta pesquisa, onde não sofri nenhum tipo de pressão
112

para fazer parte da mesma. Afirmo ainda, que autorizo a utilização das informações

prestadas por mim para este estudo e que recebi uma via deste Termo.

Brasília, ____ de _____________ de 2013.

_____________________________ _____________________________

Assinatura da Pesquisadora Responsável Assinatura do(a) Participante

Responsáveis pela pesquisa:

Isabelle Patriciá Freitas Chariglione (Psicóloga CRP 01/10771-Doutoranda da UnB

10/0072976). Telefone: (61) 85483005 / e-mail: ichariglione@unb.br

Gerson Américo Janczura (Professor doutor da UnB)

Telefone: (61) 33072625 Ramais 500 e 612/ e-mail: janczura@unb.br

End.: Departamento de Processos Psicológicos Básicos, ICC Sul, UnB.

Comitê de Ética em Pesquisa*:

Comitê de Ética e Pesquisa da Faculdade de Ciências da Saúde / UnB

Telefone: (61) 33073799 / e-mail: cepfs@unb.br

*Para consultas em relação à aprovação deste projeto de pesquisa.


113

Apêndice B

Anamnese

DATA:___/___/___

INSCRIÇÃO PARA INTERVENÇÕES EM MEMÓRIA

• Dados Pessoais do Paciente


Nome:_________________________________________________________________
Endereço:______________________________________________________________
Data de nascimento:___/___/_____ Escolaridade:____________________ Sexo:_____
Destro ( ) Canhoto ( ) Ambidestro ( )
Ocupação/Profissão: _____________________________________________________
Habilidades:____________________________________________________________
______________________________________________________________________
______________________________________________________________________

• Estrutura Familiar
( ) Mora sozinho(a)
( ) Mora somente com a(o) esposa(o)
( ) Mora com a(o) esposa(o) e os filhos
( ) Mora somente com os filhos
( ) Mora com um cuidador(a)

Número de pessoas que moram na casa:________


114

• Aspectos Comportamentais
Queixa:________________________________________________________________
______________________________________________________________________
Queixa-se de memória?
( )Sim ( )Não.
Algum parente se queixa da memória do idoso?
( )Sim ( )Não. Quem?_________________________________________
O médico sugeriu algum tipo de serviço social?
( )Sim ( )Não. Qual?__________________________________________
Queixa-se de estar deprimido(a)?
( )Sim ( )Não.
Ansioso(a)?
( )Sim ( )Não.
Houve mudança na mobilidade?
( )Sim ( )Não.
Redução na velocidade?
( )Sim ( )Não.
Marcha arrastada?
( )Sim ( )Não.
Dificuldade de se levantar da cadeira?
( )Sim ( )Não.
Houve quedas frequentes?
( )Sim ( )Não.

• Aspectos de saúde
( ) Uma operação. Há quanto tempo? _______________________________________
( ) Algum tipo de internação. Qual o motivo? Há quanto tempo? _________________
( ) Anestesia Geral. Há quanto tempo? ______________________________________
( ) Quimioterapia ou radioterapia? Há quanto tempo? __________________________
( ) Traumatismo craniano. Há quanto tempo? ________________________________
( ) Ingestão importante de medicamentos. Há quanto tempo?_____________________
( ) Alguma doença importante. Qual? _______________________________________
115

Tem tido algum problema emocional, pessoal ou mudança ao seu redor?


( )Sim ( )Não

Sintomas associados:
( )Agitação
( ) Insônia
( ) Agressão
( ) Delírio
( ) Desânimo
( ) Sonolência excessiva
( ) Falta de apetite
( ) Sintomas psicomotores
( ) Distúrbios de humor (elevado ou diminuído)
( ) Ansiedade
( ) Alucinação
( ) Perda de memória para acontecimentos recentes
( ) Depressão
( ) Incontinência urinária ou fecal
( ) Comportamento inapropriado
( ) Derrame
( ) Infarto
( ) Diabetes
( ) Hipertensão
( ) Traumatismo
( ) Epilepsia
( ) Infecção. Qual?__________________________________________________
( ) Outro. Qual?____________________________________________________
116

Medicamentos que costumava tomar:


______________________________________________________________________
______________________________________________________________________
______________________________________________________________________
_____________________________________________________________________

Medicamentos que está tomando:


______________________________________________________________________
______________________________________________________________________
______________________________________________________________________
_____________________________________________________________________

Vícios

( ) Álcool
( ) Tabagismo
( ) Drogas. Qual?________________________________________

( ) Outros. Qual?________________________________________

Alguma informação relevante:


______________________________________________________________________
______________________________________________________________________
______________________________________________________________________
______________________________________________________________________
______________________________________________________________________
______________________________________________________________________
_____________________________________________________________________

Responsável pela inscrição:


___________________________________________
117

Apêndice C

Seleção de Palavras para Aplicação do Teste de Recuperação Livre de Palavras

Tabela C1

Seleção de palavras abstratas e concretas utilizadas no teste de recuperação livre de

palavras.

Fase Tipo de Palavra Palavra Concretude Frequência


Treino Abstrata Curta 2,96 730
Aventura 2,18 982
Glória 2,18 986
Concreta Peixe 6,76 834
Cigarro 6,75 622
Edifício 6,63 963
Buffer Inicial Abstrata Honra 2,15 781
Chata 2,76 128
Concreta Nadar 5,15 178
farda 6,04 109
Buffer Final Abstrata Frágil 2,95 382
Longa 2,83 720
Concreta Rodas 6,50 789
Trigo 6,20 700
Teste Abstrata Cedo 2,93 1491
Resto 2,98 1911
Útil 2,11 1284
Graça 2,25 1576
Livre 2,40 1491
Capaz 2,61 2484
Ritmo 3,17 2407
Subir 3,51 1775
Nação 3,53 1388
Raça 3,54 1017
Quente 3,76 1085
Fuga 3,92 1264
Concreta Pele 5,79 1318
Motor 6,42 1908
Chuva 6,11 1886
Massa 5,01 1717
Cantor 5,99 2112
118

Fase Tipo de Palavra Palavra Concretude Frequência


Serra 5,26 2602
Bicho 5,28 2519
Pedra 6,65 1203
Metal 5,57 1027
Lixo 5,68 1773
Morro 5,90 1522
Cinto 6,70 1153
119

Apêndice D

Seleção de Figuras para Aplicação do Teste de Reconhecimento de Imagens

Tabela D1

Concordância de nome, imagem, familiaridade e complexidade visual para o conjunto

de figuras utilizadas no teste de reconhecimento de imagens.

Concordância Concordância Complexidade


Familiaridade
de nome de imagem visual
Tipo Quantidade H % M SD M SD M SD
Alvo 120 0,62 85,09 3,71 1,02 3,27 1,03 2,90 0,75
Distrator 120 0,51 87,69 3,69 1,05 3,31 1,02 3,02 0,80
Treino 8 0,40 89,75 3,57 1,02 3,62 0,87 3,21 0,62
Buffers 12 0,50 85,92 3,53 1,04 3,15 1,05 2,81 0,70
Buffers Inicial 6 0,61 82,67 3,63 0,97 3,33 0,98 2,85 0,73
Buffers Final 6 0,39 89,17 3,42 1,11 2,97 1,13 2,78 0,68

Tabela D2

Distribuição das figuras de Snodgrass & Vanderwart (1980) entre os tipos de figuras

utilizados no teste de reconhecimento de imagens.

Concordância Concordância Complexidade


Familiaridade
de nome de imagem visual

No. Figura Tipo H % M SD M SD M SD


1 Acordeón Alvo 0,18 88 3,40 1,04 2,15 1,20 4,68 0,61
2 Avião Alvo 1,77 60 3,23 1,12 3,78 0,99 3,50 0,10
3 Jacaré Alvo 0,54 88 3,98 0,85 1,65 0,82 4,08 0,88
4 Âncora Alvo 0,17 93 4,32 0,85 1,60 0,83 2,58 0,70
5 Formiga Alvo 0,64 81 2,92 1,24 2,62 1,11 3,92 0,82
7 Braço Alvo 0,53 90 3,95 0,89 4,75 0,58 2,15 0,61
11 Aspargo Alvo 1,27 69 3,50 1,26 2,68 1,38 3,32 0,79
14 Bola Alvo 0,44 93 2,84 1,19 3,20 1,21 2,28 0,81
17 Celeiro Alvo 1,31 69 3,22 1,11 2,38 1,06 3,30 0,98
19 Taco de baseball Alvo 1,00 52 4,58 0,70 3,68 1,15 1,20 0,40
120

Concordância Concordância Complexidade


Familiaridade
de nome de imagem visual

No. Figura Tipo H % M SD M SD M SD


22 Cama Alvo 0,00 100 3,65 0,99 4,72 0,77 2,85 0,79
23 Abelha Alvo 1,65 60 2,78 1,17 2,68 1,19 4,75 0,49
25 Sino Alvo 0,00 100 2,92 0,94 2,20 0,93 2,62 0,66
26 Cinto Alvo 0,16 98 4,05 1,01 4,12 1,05 2,00 0,59
27 Bicicleta Alvo 0,53 88 3,40 1,09 3,78 1,04 3,85 0,11
30 Livro Alvo 0,00 100 4,33 1,00 4,75 0,54 2,10 0,66
31 Bota Alvo 0,69 88 2,28 0,96 3,38 1,24 2,45 0,70
32 Garrafa Alvo 0,28 95 2,85 1,22 3,72 1,05 1,68 0,79
34 Tigela Alvo 0,17 95 3,79 0,89 4,18 0,92 1,82 0,80
35 Caixa Alvo 0,80 88 2,90 1,18 2,88 1,31 1,38 0,76
36 Pão Alvo 0,84 83 4,02 1,06 4,40 0,83 1,95 0,67
38 Escova Alvo 0,88 83 3,20 1,27 3,80 1,08 2,82 0,74
42 Bolo Alvo 0,84 83 3,45 1,12 4,02 1,06 2,88 0,68
45 Canhão Alvo 0,49 90 3,52 0,97 1,52 0,63 3,92 0,82
48 Cenoura Alvo 0,00 100 4,50 0,67 3,55 0,97 2,95 0,77
51 Acelga Alvo 0,83 76 3,75 1,14 3,40 1,11 4,25 0,86
58 Charuto Alvo 0,00 100 2,75 0,92 2,35 1,26 3,58 0,97
64 Casaco inverno homem Alvo 0,95 79 2,59 1,32 3,88 1,19 2,55 0,67
65 Pente Alvo 0,44 93 3,78 0,85 4,52 0,87 2,38 0,83
68 Vaca Alvo 0,44 93 3,92 0,90 2,42 1,20 3,85 0,96
70 Xícara Alvo 0,44 93 3,65 1,35 4,40 0,83 1,78 0,52
71 Veado Alvo 1,44 76 3,72 1,05 2,22 1,21 3,55 0,77
72 Escrivaninha Alvo 0,32 95 3,18 1,39 4,32 0,90 3,05 0,84
74 Boneca Alvo 1,42 71 2,28 1,07 2,92 1,14 4,12 0,93
80 Tambor Alvo 0,00 98 3,71 1,05 2,60 1,16 2,88 0,75
82 Águia Alvo 1,14 76 3,49 1,26 2,42 1,30 4,18 0,74
89 Peixe Alvo 0,00 100 3,58 1,05 3,28 1,22 3,75 1,02
90 Bandeira Alvo 0,32 95 3,22 1,19 2,90 1,28 1,88 0,46
92 Flauta Alvo 0,61 88 3,41 1,30 2,45 1,22 4,15 0,85
94 Pé Alvo 0,28 95 4,42 0,86 4,78 0,69 2,18 0,89
99 Trompa Alvo 1,67 57 3,73 1,36 2,00 1,05 4,30 0,87
101 Frigideira Alvo 1,18 60 3,92 0,93 4,15 0,96 2,05 0,67
102 Lata de lixo Alvo 0,76 88 4,52 0,74 4,08 1,10 2,58 0,74
104 Copo Alvo 0,16 98 4,40 1,00 4,78 0,52 1,82 0,74
107 Cabra Alvo 0,77 86 3,46 1,26 1,92 1,06 3,18 0,77
108 Gorila Alvo 0,79 76 3,58 1,07 2,05 1,18 3,62 0,86
110 Grilo Alvo 1,47 71 3,55 1,30 2,42 1,07 4,40 0,80
112 Revólver Alvo 1,09 74 3,82 1,05 2,68 1,19 3,52 0,81
114 Martelo Alvo 0,00 100 4,10 1,02 3,48 1,16 2,60 0,70
115 Mão Alvo 0,44 93 4,30 0,90 4,82 0,67 2,98 0,91
121

Concordância Concordância Complexidade


Familiaridade
de nome de imagem visual

No. Figura Tipo H % M SD M SD M SD


116 Cabide Alvo 0,74 86 4,73 0,55 4,52 0,67 1,20 0,56
121 Cavalo Alvo 0,00 100 4,20 0,81 3,55 1,14 3,82 0,70
124 Tábua de passar roupa Alvo 0,56 83 4,40 0,77 3,50 1,07 2,05 0,63
125 Jaqueta Alvo 0,95 81 2,22 0,91 4,00 1,14 3,25 0,80
127 Chaleira Alvo 1,66 40 3,31 1,11 3,80 1,17 2,40 0,74
132 Abajour Alvo 0,44 93 3,26 0,90 4,20 0,95 1,85 0,61
136 Leopardo Alvo 1,07 76 3,68 1,03 1,92 0,93 4,28 0,81
137 Alface Alvo 1,14 74 3,05 1,20 3,42 1,24 3,48 0,92
139 Interruptor de luz Alvo 0,92 67 4,62 0,62 4,58 0,63 2,52 0,77
140 Leão Alvo 0,37 93 3,88 1,03 2,00 1,07 4,30 0,87
143 Cadeado Alvo 0,53 88 3,51 1,40 3,18 1,18 2,22 0,69
144 Luva de cozinha Alvo 0,96 76 3,82 0,96 3,10 1,22 2,35 0,69
145 Macaco Alvo 0,32 95 3,12 1,05 2,58 0,97 3,90 0,70
146 Lua Alvo 1,68 62 3,15 1,58 3,98 1,01 1,02 0,16
147 Motocicleta Alvo 0,32 95 3,64 1,05 3,25 1,09 4,78 0,47
148 Montanha Alvo 0,60 90 3,52 1,12 2,70 1,19 2,80 1,05
149 Camundongo Alvo 0,75 79 4,22 0,91 2,45 1,02 3,28 0,87
150 Cogumelo Alvo 0,00 98 3,78 1,11 2,88 1,23 3,12 0,71
151 Prego Alvo 0,16 98 4,73 0,62 3,28 1,20 1,80 0,68
152 Lixa de unha Alvo 1,04 67 3,56 1,26 3,15 1,39 3,18 1,00
153 Colar Alvo 1,88 60 3,32 1,49 2,70 1,31 1,78 0,88
154 Agulha Alvo 0,86 81 4,42 1,14 3,40 1,14 1,55 0,74
155 Nariz Alvo 0,16 98 3,62 1,18 4,52 0,87 1,60 0,92
158 Laranja Alvo 0,53 81 4,00 1,07 3,34 1,26 2,12 0,71
159 Avestruz Alvo 0,35 86 3,32 1,03 1,52 0,67 3,70 0,81
160 Coruja Alvo 0,00 100 4,10 0,92 2,22 1,06 4,22 0,72
165 Amendoim Alvo 0,37 93 4,30 0,98 3,00 1,02 2,82 0,95
166 Pêra Alvo 0,00 100 4,62 0,62 3,55 1,14 1,15 0,36
168 Lápis Alvo 0,00 100 4,40 0,80 4,42 1,00 2,32 0,91
169 Pinguim Alvo 0,38 90 3,22 1,15 1,70 0,93 2,82 0,70
172 Porco Alvo 0,60 90 3,62 1,04 2,18 0,97 3,00 0,81
173 Abacaxi Alvo 0,00 100 4,60 0,62 2,95 1,30 4,35 1,01
176 Alicate Alvo 0,38 88 4,22 1,15 3,38 1,13 2,20 0,60
177 Plugue Alvo 0,29 88 4,08 1,02 4,18 0,77 2,25 0,70
178 Bolsa Alvo 1,72 57 3,05 0,92 3,95 1,28 2,70 0,78
179 Panela Alvo 0,86 81 3,56 0,98 4,22 0,96 2,22 0,69
181 Abóbora Alvo 0,00 98 4,18 1,18 3,08 1,35 2,60 0,70
184 Vitrola Alvo 1,73 50 3,35 1,22 4,40 0,86 3,32 0,93
185 Refrigerador Alvo 0,44 93 3,85 1,13 4,68 0,65 2,20 0,60
186 Rinoceronte Alvo 0,56 83 3,84 0,93 1,52 0,89 4,15 0,85
122

Concordância Concordância Complexidade


Familiaridade
de nome de imagem visual

No. Figura Tipo H % M SD M SD M SD


187 Anel de pérola Alvo 0,16 98 3,08 0,96 3,48 1,28 2,55 0,80
188 Cadeira de balanço Alvo 0,53 90 4,12 0,95 3,25 1,30 3,58 0,92
189 Patins Alvo 1,00 52 3,48 1,36 2,25 1,11 4,08 0,93
190 Rolo de massa Alvo 0,94 71 4,44 0,96 2,22 1,08 1,52 0,50
191 Galo Alvo 1,21 76 4,08 0,90 2,22 1,08 4,12 0,90
196 Serrote Alvo 0,16 98 4,55 0,77 2,92 1,19 2,25 0,62
197 Tesoura Alvo 0,16 98 4,40 0,83 3,98 0,99 2,15 0,65
199 Chave de fenda Alvo 0,00 98 4,30 0,64 3,42 1,14 2,35 0,73
205 Saia Alvo 0,16 98 3,28 1,10 3,64 1,53 1,40 0,58
207 Trenó Alvo 0,00 98 4,49 0,81 2,80 1,03 3,05 0,84
209 Cobra Alvo 0,16 98 3,54 1,01 1,90 1,04 4,52 0,81
211 Meia Alvo 0,00 100 3,72 1,00 4,52 0,84 1,62 0,62
214 Carretel Alvo 1,54 55 3,80 1,44 3,12 1,14 3,18 0,97
216 Esquilo Alvo 0,17 93 4,42 0,89 3,82 0,89 3,75 0,97
223 Cisne Alvo 0,64 88 3,69 0,72 1,97 0,83 3,05 0,80
227 Telefone Alvo 0,59 86 4,28 1,16 4,80 0,51 3,52 0,97
235 Indicador Alvo 1,57 55 4,18 0,83 4,48 0,81 1,98 0,82
236 Tomate Alvo 0,80 88 4,05 1,12 3,78 1,06 1,98 0,57
237 Escova de dente Alvo 0,16 98 4,40 0,74 4,62 0,73 2,42 0,77
238 Peão Alvo 0,68 86 3,46 1,05 1,88 0,98 2,65 0,82
239 Semáforo Alvo 1,40 67 4,08 0,98 4,55 0,80 3,45 0,84
242 Caminhão Alvo 0,53 90 2,80 1,10 4,02 0,91 2,75 0,86
246 Vaso Alvo 0,32 95 2,72 1,02 2,78 1,26 3,15 0,66
247 Colete Alvo 0,16 98 3,70 1,10 3,48 1,05 2,60 0,74
250 Relógio de pulso Alvo 0,45 90 3,18 1,07 4,58 0,73 3,40 1,04
251 Regador de jardim Alvo 2,03 55 4,08 0,98 2,72 1,50 2,78 0,79
252 Melancia Alvo 0,55 86 2,85 1,31 3,05 1,09 2,28 0,92
253 Poço Alvo 0,60 90 4,18 0,86 1,45 0,70 3,82 0,74
257 Janela Alvo 0,32 95 3,25 0,83 4,40 0,86 3,18 0,86
260 Zebra Alvo 0,00 98 4,05 0,74 1,60 0,83 4,55 0,70
8 Seta esquerda Buffers Final 0,16 98 2,27 1,29 3,38 1,23 1,05 0,31
21 Urso Buffers Final 0,53 88 3,62 1,09 1,98 1,01 3,68 0,90
44 Vela Buffers Final 0,00 100 3,85 0,76 3,08 1,15 2,48 0,90
63 Palhaço Buffers Final 0,28 95 3,25 0,89 2,60 1,16 4,50 0,81
77 Maçaneta Buffers Final 0,38 90 3,90 1,00 4,25 0,92 2,68 0,61
156 Rosca Buffers Final 0,97 64 3,62 1,65 2,55 1,28 2,30 0,56
Buffers
53 Cadeira 0,00 100 3,22 1,28 4,58 0,86 2,05 0,70
Inicial
Buffers
69 Coroa 0,00 100 2,85 0,79 1,52 0,81 4,25 0,77
Inicial
79 Cômoda Buffers 2,55 36 3,22 0,96 4,52 0,77 2,95 0,89
123

Concordância Concordância Complexidade


Familiaridade
de nome de imagem visual

No. Figura Tipo H % M SD M SD M SD


Inicial
Buffers
96 Capacete 0,95 62 4,38 0,76 3,15 1,24 2,98 0,69
Inicial
Buffers
210 Boneco de neve 0,00 100 4,00 0,95 3,15 1,04 2,52 0,59
Inicial
Buffers
218 Banquinho 0,16 98 4,12 1,08 3,08 1,13 2,32 0,72
Inicial
9 Alcachofra Distrator 1,54 52 3,44 1,47 2,29 1,45 3,72 0,77
10 Cinzeiro Distrator 0,00 100 3,20 1,05 3,56 1,37 2,25 0,89
12 Machado Distrator 0,53 90 4,50 0,63 2,28 1,10 2,48 0,74
13 Carrinho de bebê Distrator 1,00 52 3,65 1,01 2,72 1,14 3,42 0,10
15 Balão Distrator 0,00 100 4,33 1,18 2,58 1,02 1,55 0,59
16 Banana Distrator 0,00 100 4,42 0,70 3,65 1,04 1,32 0,47
18 Barril Distrator 0,00 100 4,31 1,14 2,02 1,13 3,32 0,93
20 Cesta Distrator 0,60 90 2,62 1,23 2,18 0,97 4,30 0,84
24 Barata Distrator 2,18 50 2,05 1,13 1,88 1,00 3,65 0,82
28 Pássaro Distrator 0,69 88 3,33 1,14 3,62 1,16 3,25 0,73
29 Blusa Distrator 1,89 43 2,80 1,09 4,18 0,97 3,10 0,66
33 Laço Distrator 1,25 74 2,67 1,25 2,25 1,18 2,75 0,86
37 Vassoura Distrator 0,00 100 4,35 0,73 3,42 1,14 2,42 0,80
40 Borboleta Distrator 0,00 100 3,92 0,85 2,92 1,17 4,25 0,77
41 Botão Distrator 0,16 98 4,48 0,92 3,85 1,26 2,02 0,76
43 Camelo Distrator 0,00 95 3,92 0,99 2,08 1,06 3,75 0,73
46 Boné Distrator 0,59 86 2,68 1,32 3,12 1,12 2,18 0,74
47 Carro Distrator 1,08 81 3,10 1,22 4,70 0,60 4,05 0,95
49 Gato Distrator 0,00 100 3,78 0,91 4,22 0,88 3,25 0,94
52 Corrente Distrator 0,16 98 4,46 0,84 2,82 1,00 2,55 0,97
54 Cereja Distrator 0,52 83 4,52 0,81 3,38 1,18 1,60 0,62
55 Galinha Distrator 1,35 67 3,62 1,28 2,42 1,09 3,48 0,90
56 Formão Distrator 2,33 33 3,15 1,22 2,46 1,24 3,12 0,75
57 Igreja Distrator 0,44 93 2,98 1,31 3,38 1,34 3,28 0,11
59 Cigarro Distrator 0,16 98 4,65 0,61 3,65 1,41 2,25 0,77
60 Relógio Distrator 0,16 98 2,20 0,90 4,38 0,99 2,68 0,88
61 Prendedor de roupa Distrator 0,83 81 3,72 1,36 2,80 1,47 2,82 0,92
62 Nuvem Distrator 0,17 95 2,85 1,30 3,82 1,19 2,12 0,87
66 Espiga de milho Distrator 0,88 81 4,08 0,85 3,50 1,05 3,58 0,86
67 Sofá Distrator 0,92 67 3,05 1,05 4,40 0,74 2,28 0,84
73 Cachorro Distrator 0,00 100 3,05 1,26 4,60 0,70 3,38 0,73
75 Burro Distrator 0,87 86 3,48 1,00 1,88 0,87 3,35 0,69
76 Porta Distrator 0,16 98 3,80 0,87 4,68 0,79 3,22 0,69
81 Pato Distrator 0,28 95 3,85 0,94 2,75 1,11 3,32 0,82
124

Concordância Concordância Complexidade


Familiaridade
de nome de imagem visual

No. Figura Tipo H % M SD M SD M SD


83 Orelha Distrator 0,28 95 4,26 0,93 4,50 0,70 2,68 0,82
84 Elefante Distrator 0,00 100 3,85 0,99 2,35 1,04 4,12 0,78
85 Envelope Distrator 0,16 98 4,70 0,64 4,12 0,93 1,42 0,59
87 Cerca Distrator 0,94 74 3,80 1,44 3,02 1,06 2,55 1,00
88 Dedo Distrator 1,37 71 4,60 0,66 4,78 0,79 2,30 0,95
91 Flor Distrator 0,48 93 3,25 1,01 3,88 1,19 3,25 0,94
93 Mosca Distrator 1,15 76 3,22 1,33 3,02 1,06 4,10 0,92
95 Bola futebol americano Distrator 0,00 100 4,18 0,92 3,55 1,24 2,28 0,71
97 Garfo Distrator 0,00 100 4,15 0,85 4,78 0,47 2,62 0,94
98 Raposa Distrator 1,27 74 3,49 1,20 1,95 0,84 4,02 0,85
100 Sapo Distrator 0,00 100 3,60 1,02 2,48 1,05 3,42 1,05
103 Girafa Distrator 0,32 95 4,48 0,81 1,80 0,95 4,65 0,73
105 Óculos Distrator 1,07 64 3,81 0,94 4,00 1,30 2,85 0,85
106 Luva Distrator 0,16 98 3,65 1,20 3,38 1,06 3,02 0,76
109 Uva Distrator 0,38 90 4,31 0,79 3,65 1,04 3,00 0,92
111 Violão Distrator 0,16 98 4,20 1,21 3,58 1,09 4,00 0,92
113 Cabelo Distrator 0,64 90 2,71 1,18 4,59 0,74 2,88 0,78
117 Harpa Distrator 0,00 93 4,28 1,06 1,88 1,08 4,05 0,81
118 Chapéu Distrator 0,16 98 3,65 1,22 3,18 1,00 2,35 0,79
119 Coração Distrator 0,00 100 4,49 0,98 3,72 1,16 1,00 0,00
120 Helicóptero Distrator 0,32 95 3,42 0,97 2,55 1,12 3,80 0,95
122 Casa Distrator 0,32 95 2,65 1,11 4,38 1,04 3,90 0,94
123 Ferro Distrator 0,32 95 4,08 0,76 3,65 1,08 3,25 0,89
126 Canguru Distrator 0,00 100 4,30 0,75 1,92 1,15 3,98 0,88
128 Chave Distrator 0,00 100 4,58 0,74 4,85 0,42 1,92 0,76
129 Pipa Distrator 0,00 100 4,10 1,00 2,48 1,14 2,85 0,69
130 Faca Distrator 0,60 90 3,25 1,32 4,45 0,84 1,92 0,68
133 Folha de árvore Distrator 0,53 90 3,88 1,12 4,30 0,75 2,52 0,77
134 Perna Distrator 1,11 81 3,64 1,05 4,65 0,82 2,55 0,84
135 Limão Distrator 0,00 100 4,35 0,94 3,25 1,22 1,85 0,69
138 Lâmpada Distrator 0,68 86 4,42 0,83 4,18 0,80 2,75 0,94
141 Lábios Distrator 0,44 93 4,10 0,94 4,50 0,81 1,85 0,88
142 Lagosta Distrator 0,38 90 3,62 1,35 2,58 1,24 4,48 0,81
157 Cebola Distrator 0,00 95 3,90 0,80 3,32 1,31 2,85 0,96
161 Pincel Distrator 1,06 74 2,92 1,59 2,78 1,24 2,58 0,95
162 Calça feminina Distrator 0,53 88 3,60 0,92 4,55 0,86 2,22 0,70
163 Pêssego Distrator 1,19 74 3,28 1,28 2,90 1,02 2,55 0,81
164 Peru Distrator 0,81 79 3,64 0,97 2,05 1,05 4,75 0,43
167 Caneta Distrator 0,32 95 3,22 1,04 4,78 0,72 3,15 0,94
170 Pimentão Distrator 1,07 67 3,64 1,28 2,92 1,29 2,48 0,95
125

Concordância Concordância Complexidade


Familiaridade
de nome de imagem visual

No. Figura Tipo H % M SD M SD M SD


171 Piano Distrator 0,70 81 4,02 1,06 3,42 1,48 4,58 0,77
174 Cachimbo Distrator 0,16 98 4,26 1,00 2,90 1,14 1,88 0,71
175 Jarra Distrator 0,54 88 3,62 0,84 3,50 0,92 1,85 0,57
180 Batata Distrator 0,34 90 3,97 1,14 3,46 1,17 2,20 1,10
182 Coelho Distrator 0,00 100 4,20 0,81 2,95 1,07 3,28 0,84
183 Guaxinim Distrator 0,58 79 3,08 1,08 2,20 1,23 4,40 0,83
192 Régua escolar Distrator 0,16 98 3,98 1,04 3,58 0,95 1,85 0,94
193 Barco a vela Distrator 0,37 93 3,25 0,99 2,92 1,17 3,58 0,92
194 Saleiro Distrator 0,96 83 4,00 1,12 4,18 0,92 3,00 0,92
195 Sanduíche Distrator 0,00 100 3,55 0,97 4,45 0,97 3,42 0,86
198 Parafuso Distrator 0,33 93 3,67 0,89 3,20 1,00 3,25 0,99
200 Cavalo marinho Distrator 0,34 88 3,58 1,22 1,50 0,89 4,50 0,71
201 Foca Distrator 0,61 88 3,18 1,06 1,62 0,73 2,90 0,74
202 Ovelha Distrator 0,95 67 3,00 1,11 1,85 0,82 3,80 0,75
203 Camisa manga longa Distrator 0,00 100 3,86 0,98 4,56 0,70 3,08 0,79
204 Sapato Distrator 0,28 95 3,02 1,26 4,62 0,70 3,38 0,86
206 Gambá Distrator 0,16 98 3,40 1,09 2,30 1,17 4,72 0,74
208 Caracol Distrator 0,51 86 3,33 1,18 1,85 1,06 3,40 0,80
212 Aranha Distrator 0,61 88 2,95 1,16 2,28 1,10 3,68 0,85
213 Tear Distrator 2,04 50 3,10 1,32 1,18 0,54 4,25 0,92
215 Colher Distrator 0,16 98 4,10 1,11 4,50 0,89 2,02 0,82
217 Estrela Distrator 0,00 100 4,41 1,10 3,35 1,33 1,05 0,22
219 Fogão Distrator 1,12 76 4,10 1,00 4,65 0,65 4,02 0,94
220 Morango Distrator 0,17 90 3,98 1,04 3,20 1,29 3,38 0,91
221 Mala Distrator 1,01 79 2,98 1,17 3,65 0,91 3,60 0,86
222 Sol Distrator 0,00 100 4,22 1,08 4,90 0,30 1,20 0,46
224 Suéter Distrator 0,98 83 2,78 1,11 4,48 0,74 2,90 0,77
225 Balanço Distrator 0,17 95 4,15 0,92 3,02 1,24 2,72 0,97
226 Mesa Distrator 0,32 95 3,42 1,36 4,35 0,88 1,72 0,77
229 Raquete Distrator 0,62 86 4,62 0,58 3,62 1,30 3,25 0,94
230 Dedal Distrator 0,63 83 4,26 0,93 2,48 1,12 3,35 0,82
231 Dedão Distrator 0,16 98 4,48 0,63 4,72 0,74 2,38 0,97
232 Gravata Distrator 0,89 69 4,05 0,94 3,80 1,03 2,90 0,80
234 Torradeira Distrator 0,00 100 3,92 0,79 4,08 0,90 2,78 0,85
240 Trem Distrator 0,74 86 3,20 1,38 4,15 0,88 4,32 0,88
241 Árvore Distrator 0,00 100 3,52 1,00 4,68 0,61 3,70 0,81
243 Trompete Distrator 1,10 79 2,89 1,42 2,60 1,26 3,58 0,92
244 Tartaruga Distrator 0,32 95 4,12 0,95 2,40 1,14 3,62 0,89
245 Guarda chuva Distrator 0,00 100 3,92 0,90 3,95 0,92 3,00 1,05
248 Violino Distrator 0,72 86 4,18 1,05 2,68 1,21 4,10 0,86
126

Concordância Concordância Complexidade


Familiaridade
de nome de imagem visual

No. Figura Tipo H % M SD M SD M SD


249 Carrinho de criança Distrator 0,92 79 3,56 1,63 2,50 1,22 3,35 0,91
254 Roda de carroça Distrator 0,33 93 3,48 1,36 2,22 1,04 2,42 0,83
255 Apito Distrator 0,00 100 4,55 0,67 2,45 0,92 2,55 0,84
256 Moinho de vento Distrator 0,16 98 3,35 1,08 1,80 1,00 4,62 0,76
258 Taça de vinho Distrator 1,43 50 3,31 1,35 4,02 1,11 1,85 0,48
259 Chave de boa Distrator 0,89 76 2,51 1,18 2,72 1,28 2,02 0,79
6 Maçã Treino 0,16 98 4,05 0,87 3,98 1,08 1,82 0,67
39 Ônibus Treino 0,00 100 4,08 1,01 4,50 0,74 3,95 0,10
50 Centopeia Treino 0,96 79 2,38 1,23 1,72 0,81 3,58 0,10
78 Vestido Treino 0,00 100 2,30 1,08 3,62 1,46 2,65 0,65
86 Olho Treino 0,16 98 4,15 0,88 4,88 0,40 3,48 1,10
131 Escada Treino 0,16 98 3,75 1,14 3,35 1,15 2,32 0,61
228 Televisor Treino 1,46 52 4,00 0,82 4,82 0,38 3,22 0,96
233 Tigre Treino 0,33 93 3,82 1,14 2,10 0,92 4,62 0,80
127

Apêndice E

Materiais Utilizados nas Sessões do Stimullus

Sessão 1

Figura E1. Estímulos visuais utilizados na sessão 1 do Stimullus.


128

Sessão 2

Tabela E1

Materiais associados às categorias alimentos, objetos, profissões e jogos utilizadas na

sessão 2 do Stimullus.

Categoria Palavras

banana, abacate, laranja, manga, mamão, maçã, cenoura,


batata, xuxu, tomate, beterraba, soja, cebola, camomila,
1 Alimentos
boldo, sal, acúcar, arroz, feijão, macarrão, sopa, pão, biscoito
e café.

cadeira, mesa, televisão, cama, sofá, estante, fogão, geladeira,


ventilador, liquidificador, rádio, computador, faca,
2 Objetos
travesseiro, copo, xícara, prato, mesa, banco, janela, porta,
sala e quarto.

enfermeiro, médico, vigilante, faxineiro, cozinheiro,


psicólogo, dentista, administrador, jogador, professor,
3 Profissões pedreiro, reporter, advogado, comerciante, secretário,
porteiro, cabeleireiro, pintor, dona-de-casa, motorista,
diretor, fisioterapeuta, assistente social e farmacêutico.

dominó, passeio, dança, baralho, assistir, ginástica, conversas,


leitura, caminhada, tricô, bordado, costura, cozinhar,dama,
4 Jogos/hobbies
bingo, pintura, cantar, rezar, massagem, pesca, jardinagem,
descansar, passear e confraternizar.
129

Sessão 3

Tabela E2

Materiais associados aos níveis I, II e III utilizados na sessão 3 do Stimullus.

Nível Material

I: Manipular O idoso envelhece O menino corre


3 elementos Fui no hospital Fui a praia
Tomei os remédios Tomei os vinhos
Comi no refeitório Comi no restaurante
Passiei no parque Passiei na fazenda
Temos um ônibus Temos um avião
A enfermeira chegou A artista saiu
Rezamos pela manhã Corremos pela manhã
Adoeci em maio Viajei em maio
Gosto de suco Gosto de champagne
II: Manipular Os idosos foram passear As crianças foram brincar
4 elementos De manhã fazemos oração De manhã fazemos natação
A visita foi breve O ensaio foi breve
Antônio ficou muito doente Antônio ficou muito rico
As enfermeitas são cuidadosas As cantoras são bonitas
Tomo banho todo dia Faço esporte todo dia
Preciso escovar os dentes Necessito ler os livros
O meu corpo dói O meu gato mia
Temos sopa no jantar Temos alface na horta
Aguardamos a festa junina Aguardamos a páscoa
III: Manipular O médico passou alguns remédios A bailarina dançou algumas canções
5 elementos Domingo fomos passear de ônibus Domingo fizemos turismo no sul
A idade traz muita sabedoria O computador fez muito barulho
As refeições são bem saborosas As músicas são bem bonitas
Na festa tem danças alegres Nas tardes há festas alegres
A cozinheira fez almoço hoje O jardineiro cortou rosas vermelhas
Assisto televisão todos os dias Assisto exposições todos os sábados
A visita me deixou feliz A criança vem todo dia
Adoro meus amigos do lar Adoro meus vizinhos do bairro
No quarto tem duas camas No auditório tem duas poltronas
130

Sessão 4

Tabela E3

Materiais utilizadas na sessão 4 do Stimullus.

Categoria Palavras Alvo Palavras Distratoras

banana, abacate, laranja, manga, agrião, brócolis, maxixe mastruz,


mamão, maçã, cenoura, batata, xuxu, lasanha, salmão, sushi, camarão, shoyo,
tomate, beterraba, soja, cebola, mergulhão, aspargo, polvo, buchada,
1 Alimentos
camomila, boldo, sal, acúcar, arroz, caramelo, orégano, gergelim, kibe,
feijão, macarrão, sopa, pão, biscoito e esfirra, mostarda, alecrim, kiwi,
café. pêssego, siriguela e jaboticaba.

escrivaninha, beliche, aspirador,


cadeira, mesa, televisão, cama, sofá, batedeira, enceradeira, aspirador, lava-
estante, fogão, geladeira, ventilador, louças, forno, ar-condicionado, violão,
2 Objetos liquidificador, rádio, computador, faca, bandeira, bule, caderno, pires, celular,
travesseiro, copo, xícara, prato, mesa, poltrona, elevador, escada, sub-solo,
banco, janela, porta, sala e quarto. martelo, régua, piano, bicicleta e
espada.

enfermeiro, médico, vigilante, faxineiro, engenheiro, piloto, veterinário,


cozinheiro, psicólogo, dentista, serralheiro, arquiteto, publicitário,
administrador, jogador, professor, pedagogo, astronauta, carpinteiro,
pedreiro, reporter, advogado, padeiro, escultor, desenhista,
3 Profissões
comerciante, secretário, porteiro, equilibrista, palhaço, jornaleiro, teólogo,
cabeleireiro, pintor, dona-de-casa, domador, jangadeiro, modelo,
motorista, diretor, fisioterapeuta, caminhoneiro, açougueiro, escritor,
assistente social e farmacêutico. marceneiro e contador.

dominó, passeio, dança, baralho, tênis, equitação, boliche, fotografar,


assistir, ginástica, conversas, leitura, velejar, xadrez, patinação, capoeira,
caminhada, tricô, bordado, costura, salsa, tango, yoga,pilates, remo, viagem,
4 Jogos/hobbies
cozinhar,dama, bingo, pintura, cantar, cinema, teatro, pigue-pongue, corrida,
rezar, massagem, pesca, jardinagem, natação, karatê, ciclismo, caça, esqui e
descansar, passear e confraternizar. mergulho.
131

Sessão 5

Tabela E4

Números das figuras do International Affective Picture System (IAPS) utilizadas nas

fases de estudo e teste da sessão 5 do Stimullus.

Fase Tipo Números das Figuras IAPS

Estudo Alvo 1340 2070 5001 7009


1463 2209 5010 7025
1602 2485 5593 7031
603 2501 5594 7035
1604 2510 5740 7080
1900 2518 5760 7140
1910 2520 5780 7237
2110 2575 5800 7283
2057 4605 7004 9070
2058 5000 7006 9210
Estudo e Teste Distratora 1460 2352 5201 7280
1500 2370 5220 7281
1510 2391 5731 7282
1710 2480 5750 7284
1920 2487 7217 7285
1942 2500 7233 7595
2020 2515 7235 8162
2030 2550 7238 8420
2170 2580 7260 8461
2320 2791 7270 8531
132

Sessão 6

Tabela E5

Histórias utilizadas na sessão 6 do Stimullus.

História Conteúdo

1 Ana Soares, do Sul do Paraná, empregada como faxineira num prédio de escritórios, relatou

na delegacia de polícia que tinha sido assaltada na rua do estado, na noite anterior, e roubada

em 150 reais. Ela disse que tinha quatro filhinhos, que o aluguel não havia sido pago e eles

não comiam há dois dias. Os policiais tocados pela história da mulher fizeram uma coleta

para ela.

2 Roberto Mota ficou sentado na sua cadeira de balanço numa tarde de domingo até o anoitecer

no Lar dos Idosos [nome da instituição], onde ele mora. Para se levantar fez muita força. A

cadeira quebrou e ele foi jogado contra a parede e se assustou muito. Não havia ninguém e

ele duvidou que pudesse ser socorrido. Naquele instante, passou a enfermeira, o levantou e

disse imediatamente: “Porque o senhor não me chamou?”

Tabela E6

Exercícios matemáticos utilizados na sessão 6 do Stimullus.

Exercícios Matemáticos

14 + 5 = 23 - 3 = 6x4= 12 ÷ 4 =

23 + 9 = 43 - 8 = 12 x 3 = 24 ÷ 12 =

43 + 19 = 56 - 19 = 32 x 9 = 81 ÷ 3 =

56 + 48 = 78 - 29 = 43 x 11 = 144 ÷ 12 =
133

Figura E2. Jogo dos 7 Erros utilizado na sessão 6 do Stimullus.

Você também pode gostar