Você está na página 1de 3

Mediante a complexidade das transformações sociais, políticas e econômicas atuais, o

cuidado em saúde demanda mudanças pragmáticas na atuação do enfermeiro nas


instituições hospitalares visando à segurança do paciente.
O enfermeiro na segurança do paciente no ambiente hospitalar se consolida pela
liderança em relação à equipe de enfermagem, pelo exercício da gerência e da
assistência fundamentados na comunicação com foco nas tecnologias leves (empatia e
diálogo) e na valorização de estratégias para a educação continuada e permanente. Os
enfermeiros apreendem que é de sua responsabilidade prestar uma assistência segura e
livre de danos aos pacientes e que a utilização de ferramentas como protocolos, planos
terapêuticos, notificação de eventos adversos e planos de ação ampliam e melhoram sua
práxis profissional, estando ela alicerçada nas políticas de qualidade e nos princípios
éticos da profissão.

Diante da complexidade nas transformações sociais, políticas e econômicas na


atualidade, o cuidado em saúde necessita de mudanças pragmáticas na atuação do
profissional em enfermagem nas instituições hospitalares buscando à segurança do
paciente (Silva et al, 2018).
O enfermeiro na segurança do paciente no ambiente hospitalar é fortalecido pela
liderança em relação à equipe de enfermagem, pela constante gerência e da assistência
fundamentada na comunicação com ênfase nas tecnologias leves, como empatia e
diálogo e na valorização de estratégias para a educação continuada e permanente. Os
profissionais em enfermagem apreendem que é de sua responsabilidade prestar uma
correta assistência, segura e livre de danos ao paciente, que utilizam ferramentas como
protocolos, planos terapêuticos, notificação de eventos adversos e um plano de ação que
amplia e melhoram o dia a dia do profissional (Silva et al, 2018).

Aline Teixeira Silva1 , Silvia Helena Henriques Camelo2 , Fábio de Souza Terra3 ,
Eliza Maria Rezende Dázio4 , Roberta Seron Sanches5 , Zélia Marilda Rodrigues
Resck6 SEGURANÇA DO PACIENTE E A ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO EM
HOSPITAL Rev enferm UFPE on line., Recife, 12(6):1532-8, jun., 2018

O enfermeiro atua interagindo com os demais trabalhadores inseridos no sistema de


cuidados em saúde nas suas relações/ interações/associações para o processo de cuidar
da vida e da morte.
A atuação do enfermeiro na equipe multiprofissional de saúde parece ser o elemento de
ligação entre a direção, os funcionários e os pacientes, além de ele ter se mostrado como
o profissional que mais valoriza o saber interdisciplinar
O enfermeiro desempenha importante função na construção coletiva do cuidado, por ser
capaz de articular e interagir amplamente com todos os profissionais, e não raramente,
coordenar o processo de trabalho em saúde. Não é raro também ser ele o ponto de
convergência e distribuição de informações para o usuário, para a grande maioria dos
profissionais, assim como para os diferentes serviços que fazem parte do universo
hospitalar.

O enfermeiro atua com os demais trabalhadores inseridos no sistema de cuidados em


saúde nas atuações para o processo de cuidar da vida e da morte.
A atuação do enfermeiro na equipe de saúde é o elemento de ligação entre a direção, os
funcionários e os pacientes, também vem sendo demonstrado como o profissional que
mais valoriza o saber interdisciplinar.
O enfermeiro é capaz de desempenhar uma função construtiva no cuidado, sendo
possível articular e interagir amplamente com todos os profissionais e coordenar o
processo de trabalho em saúde. Não é difícil o enfermeiro ser o ponto de convergência e
distribuição de informações para o paciente, para a grande maioria dos profissionais,
bem como para os mais diversos serviços que fazem parte do escopo hospitalar (Backes
et al, 2008).

Dirce Stein Backes* Marli Stein Backes** Francisca Georgina Macêdo de Sousa***
Alacoque Lorenzini Erdmann* O PAPEL DO ENFERMEIRO NO CONTEXTO
HOSPITALAR: A VISÃO DE PROFISSIONAIS DE SAÚDE. Cienc Cuid Saude 2008
Jul/Set; 7(3):319-326

A segurança do paciente é influenciada, apesar dos avanços na área de saúde, pelas


iatrogenias cometidas pelos profissionais, as quais refletem diretamente na qualidade de
vida dos clientes, provocando consequências desagradáveis tanto para os pacientes
como para os profissionais e para a organização hospitalar (MIASSO et al., 2006).

Apesar dos avanços na área da saúde, a segurança do paciente é influenciada por


iatrogenias cometidas por profissionais da saúde, refletindo diretamente na qualidade de
vida dos pacientes, oque provoca consequências desagradáveis tanto para organização
hospitalar, como para os pacientes e para os profissionais (MIASSO et al., 2006).

Miasso, Adriana Inocenti, Silva, Ana Elisa Bauer de Camargo, Cassiani, Silvia Helena de Bortoli, Grou,
Cris Renata, Oliveira, Regina Célia de, & Fakih, Flávio Trevisan. (2006). O processo de preparo e
administração de medicamentos: identificação de problemas para propor melhorias e prevenir erros de
medicação. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 14(3), 354-363

a enfermagem tem implementado subsídios e estratégias, como a utilização de


protocolos e cheklists, para realizar intervenções que possibilitem a assistência livre de
danos aos pacientes, mais segura e com qualidade (LUZIA; ALMEIDA; LUCENA,
2014).

A enfermagem tem aprimorado e implementado estratégias como o uso de checklists e


protocolos, para realizar intervenções que proporcionem a assistência livre de riscos e
danos aos pacientes, gerando mais segurança e qualidade (LUZIA; ALMEIDA;
LUCENA, 2014).

LUZIA, M. F.; ALMEIDA, M. A.; LUCENA, A. F. Mapeamento de cuidados de


enfermagem para pacientes com risco de quedas na Nursing Interventions
Classification. Rev. Esc. Enferm. USP., São Paulo, v. 48, n. 4, p. 632-639, 2014.

O enfermeiro, como líder de unidades de internação, é responsável por encorajar a


participação de todos na adoção de checklist com o intuito de beneficiar profissionais e
pacientes do centro cirúrgico (PANCIERI et al., 2013).
O enfermeiro, sendo líder de unidades de internação, tem a responsabilidade de
encorajar a participação de todos na aceitabilidade do checklist com o intuito de
beneficiar profissionais e pacientes no centro cirúrgico (PANCIERI et al., 2013).

PANCIERI, A. P. et al. Checklist de cirurgia segura: análise da segurança e


comunicação das equipes de um hospital escola. Rev. Gaúcha de Enferm., Porto Alegre,
v. 34, n. 1, p. 71-78, 2013.