Você está na página 1de 14

Versão Online ISBN 978-85-8015-080-3

Cadernos PDE

I
OS DESAFIOS DA ESCOLA PÚBLICA PARANAENSE
NA PERSPECTIVA DO PROFESSOR PDE
Artigos
MATEMÁTICA E FUTEBOL: DRIBLANDO OS PROBLEMAS

Eliane Souza Martins1


Márcio André Martins2

RESUMO
Neste artigo é relatada uma experiência de intervenção pedagógica desenvolvida junto ao 7º ano
do Ensino Fundamental, do ensino público estadual, no interior do Paraná, objetivando
evidenciar aos alunos a relação existente entre o que aprendem em sala de aula e o seu
cotidiano, dando ênfase à Resolução de Problemas e ao Tratamento da Informação. Com esse
estudo buscou-se despertar nos alunos o interesse pela Matemática, bem como a visão do
quanto ela está presente no mundo dos esportes, principalmente no Futebol. Para maior
compreensão das atividades, utilizou-se a leitura de gráficos e tabelas, vídeos e slides
relacionados ao Futebol. Verificou-se a importância da utilização desses recursos e o quanto
eles contribuem para a organização e leitura de informações no contexto da sala de aula. O
trabalho contou com a participação dos alunos e, dessa forma foi possível o desenvolvimento de
uma avaliação diagnóstica e contínua acarretando em resultados promissores na busca de uma
aprendizagem significativa.

Palavras-chave: Ensino de Matemática; Futebol; Resolução de Problemas.

INTRODUÇÃO

D’Ambrósio (2002, p. 20) afirma que: “o mundo atual está a exigir outros
conteúdos, naturalmente outras metodologias, para que se atinjam os objetivos
maiores de criatividade e cidadania plena”. O uso de diversas ferramentas e a
busca por metodologias diferenciadas contribuem para diminuir as dificuldades
dos estudantes, em estabelecer relações entre o que aprendem em sala de aula
e o seu cotidiano. As barreiras que cercam a disciplina de Matemática tendem a
cair a partir do momento em que os alunos conseguem contextualizá-la, isto é,
relacioná-la com a realidade em que a escola está inserida.

1
Professora. Aluna do Curso do PDE ofertado pela Universidade Estadual do
Centro-Oeste. 2015. E-mail: liasmpalmital@hotmail.com - Área de conhecimento:
Matemática
2
Professor Dr. Márcio André Martins, orientador PDE, Doutor em Engenharia
Mecânica pela Universidade Federal do Paraná – UFPR. Professor do Departamento
de Matemática e do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e
Matemática da Universidade Estadual do Centro-Oeste – UNICENTRO – Guarapuava
– PR. E-mail: mandre@unicentro.br
Nesse contexto, o presente trabalho consiste de um relato de experiência
vivenciada no espaço reservado às aulas de Matemática e visando uma melhor
compreensão dos conteúdos. Optou-se por um assunto que é uma “preferência
nacional”, o Futebol. De acordo com Rinaldi (2000, p. 167 –168):

O futebol foi e continua sendo um elemento importante da cultura


brasileira. Enquanto fenômeno social, sempre esteve em consonância
com a forma de a sociedade se organizar, assim como outros
elementos da cultura popular – carnaval, arte, religião, música e outros.

O foco principal adotado, no âmbito do Ensino da Matemática, está na


abordagem do Tratamento da Informação. Segundo as Diretrizes Curriculares
da Educação Básica do Estado do Paraná (DCE) (PARANÁ, 2008, p. 61).

O Tratamento da Informação é um conteúdo estruturante que contribui


para o desenvolvimento de condições de leitura crítica dos fatos
ocorridos na sociedade e para interpretação de tabelas e gráficos que,
de modo geral, são usados para apresentar ou descrever informações.

Quanto às Tendências Metodológicas em Educação Matemática


destacadas nas DCE (PARANÁ, 2008, p. 63), foi dado ênfase à Resolução de
Problemas.

Um dos desafios do ensino da Matemática é a abordagem de


conteúdos para a resolução de problemas. Trata-se de uma
metodologia pela qual o estudante tem a oportunidade de aplicar
conhecimentos matemáticos adquiridos em novas situações, de modo
a resolver a questão proposta (DCE, 2003).

DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS

Um dos principais objetivos do Ensino de Matemática é fazer o aluno


pensar produtivamente, e a Resolução de Problemas, enquanto metodologia de
ensino, contribui estimulando e desafiando os educandos.

É preciso desenvolver no aluno a habilidade de elaborar um raciocínio


lógico e fazer uso inteligente e eficaz dos recursos disponíveis, para
que ele possa propor boas soluções às questões que surgem em seu
dia a dia, na escola ou fora dela (DANTE, 2003, p.11).
Da mesma forma, aplicar conceitos matemáticos no dia a dia facilita o
desenvolvimento e a visão do aluno em relação à Matemática. Não basta apenas
saber efetuar algoritmos, é necessário saber como e quando usá-los.
De acordo com os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN),

A prática mais frequente na Resolução de Problemas, consiste em


ensinar um conceito, um procedimento ou técnica e depois apresentar
um problema para avaliar se os alunos são capazes de empregar o que
lhes foi ensinado. Para a maioria dos alunos, resolver um problema
significa fazer cálculos com números do enunciado ou aplicar algo que
aprendam nas aulas. Desse modo o que o professor explora na
atividade matemática não é mais a atividade, ela mesma, mas seus
resultados, técnicas e demonstrações (BRASIL, 1998, p. 40).

A Resolução de Problemas pode permitir que o aluno tenha a capacidade


de administrar as informações ao seu redor, de forma a serem utilizadas para
ampliar os seus conhecimentos, desenvolver o raciocínio lógico e enfrentar
novas situações do seu cotidiano aplicando seus saberes matemáticos.

UMA VISÃO DA MATEMÁTICA PELO MUNDO DO FUTEBOL

Durante uma partida de Futebol, não nos damos conta de quanta


Matemática está envolvida. Ela está nas tabelas de elaboração dos
campeonatos ou nas tabelas de classificação, na geometria do campo, nas
estatísticas, médias de gols, idade, passes errados, no aproveitamento das
equipes, etc. Além disso, os próprios jogadores fazem cálculos mentais, mesmo
sem perceber, para estimar a força que colocam nos pés, para efetuar um
lançamento para um companheiro, os técnicos nas suas táticas determinam em
que área do campo querem que seus jogadores percorram e o desgaste que
cada atleta sofre em uma partida.
Nesse cenário, foi desenvolvida uma intervenção pedagógica na Escola
Estadual Dr. João Ferreira Neves – Ensino Fundamental, Médio, Normal e
Profissionalizante, no período de 11 de agosto a 27 de outubro de 2015, em 32
aulas. As atividades foram divididas em dez etapas.
A primeira etapa constou de uma aula e consistiu de uma exposição do
projeto aos alunos, apontando as principais ideias e atividades que seriam
realizadas, qual a metodologia (Resolução de Problemas) usada, e de que forma
seriam avaliados.
A segunda etapa, constando de duas aulas, contou com questionamentos
“motivadores” voltados ao tema, explorando junto com os educandos os
possíveis conceitos matemáticos extraídos de um estádio ou de uma partida de
futebol. Para isso, utilizou-se vídeos e slides relacionados ao Futebol. Durante o
desenvolvimento das duas primeiras etapas observou-se que os alunos
demonstraram grande interesse e entusiasmo pelo assunto.
Na terceira etapa, totalizando cinco aulas, foi realizado um trabalho de
identificação dos conhecimentos prévios dos alunos, em relação à matemática
conhecida, bem como foi realizado um resgate desses conhecimentos em nível
elementar.

Algumas questões exploradas


a) Você sabe o que é um gráfico? E uma tabela?
b) Para que servem os gráficos e tabelas?
c) Quais os tipos de gráficos mais utilizados?
d) Você acha que há diferença entre a utilização de gráficos e tabelas?
e) Você já estudou e construiu gráficos e tabelas?
Em seguida, com o uso do projetor multimídia, foram explorados os
diferentes tipos de Gráficos e Tabelas, visando uma percepção sobre a utilidade,
a organização e a leitura de informações, como exemplificado na Tabela 1.

Tabela 1 - Ranking de Torcidas de Clubes Brasileiros


Nº CLUBES PARTICIPAÇÃO TORCEDORES
1. Flamengo 16,2% 32,5 milhões
2. Corinthians 13,6% 27,3 milhões
3. São Paulo 6,8% 13,6 milhões
4. Palmeiras 5,3% 10,6 milhões
5. Vasco 3,6% 7,2 milhões
6. Atlético MG 3,5% 7 milhões
7. Cruzeiro 3,1 % 6,2 milhões
8. Grêmio 3% 6 milhões
9. Inter 2,8 % 5,6 milhões
10. Santos 2,4 % 4,8 milhões
11. Fluminense 1,8% 3,6 milhões
12. Bahia 1,7% 3,4 milhões
13. Botafogo 1,7% 3,4 milhões
14. Vitória 1,3% 2,6 milhões
15. Atlético – PR 1,2% 2,4 milhões
16. Sport 1,2% 2,4 milhões
17. Santa Cruz 1% 2 milhões
18. Ceará 0,8% 1,6 milhões
Fonte: http://globoesporte.globo.com/futebol/noticia/2014/08/pesquisa-fla-tem-maior-
torcida-torcida-mas-corinthians-encurta-distancia.html
Em outro momento dessa mesma etapa, sugeriu-se a construção de um
gráfico em colunas para representar os dados contidos na Tabela 1. Nessa
Tabela, está representado o Ranking de Torcidas de Clubes Brasileiros. Durante
o desenvolvimento da atividade observou-se a intensa participação e interação
dos alunos.
Na quarta etapa, e com duas aulas, foi realizada uma pesquisa sobre os
tipos de gráficos e tabelas, em jornais e revistas, interpretação de dados,
apresentação aos colegas e exposição no mural da escola. Com relação ao
conteúdo da atividade, constatou-se que os alunos possuíam pouco
conhecimento sobre a utilização de gráficos e tabelas.
Na quinta etapa, com seis aulas, foi realizada a leitura e a interpretação
da Tabela do Campeonato Brasileiro de Futebol – Série A – 2014, em que se
abordou a Resolução de Problemas enquanto metodologia de ensino,
envolvendo operações com Números Inteiros, através do saldo de gols, e com
outras situações.
Sabe-se que existem inúmeras situações envolvendo as operações de
adição, subtração, multiplicação, divisão entre outras que podem ser abordadas
em situações dessa natureza. Os esportes individuais ou coletivos utilizam a
Matemática, por exemplo, no futebol, a elaboração dos confrontos, distribuição
dos pontos, saldo de gols, cálculos geométricos, probabilidade e estatística
utilizam os fundamentos matemáticos. Utilizar a tabela do campeonato brasileiro
de futebol para ensinar operações básicas, em situações que envolvem
problemas de contagem e estatística, foi algo que despertou o interesse dos
alunos. Como exemplo: a razão entre o número de pontos do último colocado e
o campeão; chegou-se à conclusão da diferença de pontos entre os times,
sabendo-se que todos eles realizaram o mesmo número de jogos, porém o
primeiro colocado fez o maior número de pontos, tendo o melhor aproveitamento
em cada partida. O saldo de gols é calculado subtraindo os gols marcados pelos
gols sofridos, com isso buscou-se contextualizar uma operação entre números
inteiros.
A Tabela 2, traz os dados do desempenho de alguns times ao final do
Campeonato Brasileiro de 2014. Pode-se trabalhar diversas situações
matemáticas utilizando os dados dessa tabela.
Os conceitos geométricos estão presentes no cálculo das dimensões do
campo, área do círculo central, superfície da grande e pequena área, distância
entre os gols, tamanho do gol e ângulos formados entre as dimensões do
campo.
A utilização deste tipo de atividade em sala de aula desperta a curiosidade
do aluno, motivando o interesse pela disciplina, pois ele percebe que os
fundamentos matemáticos apreendidos possuem correlação com o seu
cotidiano.
Contudo, ao explorar os dados da Tabela 2 do Campeonato Brasileiro de
Futebol, percebeu-se que essa metodologia possibilita abordar outros
conteúdos, como o índice de participação das torcidas nos jogos, enfim inúmeras
situações envolvendo as operações de adição, subtração, multiplicação e divisão
na área esportiva ligada à Matemática.
Tabela 2 - Campeonato Brasileiro de Futebol - Série A – 2014

Classificação P J V E D GP GC SG VM VV DM DV CA CV %
1º CRUZEIRO - MG 80 38 24 8 6 67 38 29 15 9 2 4 70 2 70
2º SÃO PAULO - SP 70 38 20 10 8 59 40 19 11 9 2 6 92 4 61
3º INTERNACIONAL - RS 69 38 21 6 11 53 41 12 15 6 4 7 92 6 60
4º CORINTHIANS - SP 69 38 19 12 7 49 31 18 12 7 1 6 70 3 60
5º ATLÉTICO - MG 62 38 17 11 10 51 38 13 12 5 2 8 83 2 54
6º FLUMINENSE - RJ 61 38 17 10 11 61 42 19 11 6 2 9 75 5 53
7º GRÊMIO - RS 61 38 17 10 11 36 24 12 12 5 3 8 95 3 53
8º ATLETICO - PR 54 38 15 9 14 43 42 1 10 5 4 10 72 1 47
9º SANTOS - SP 53 38 15 8 15 42 35 7 10 5 6 9 71 4 46
10º FLAMENGO - RJ 52 38 14 10 14 46 47 -1 10 4 4 10 67 4 45
11º SPORT - PE 52 38 14 10 14 36 46 -10 10 4 3 11 74 2 45
12º GOIÁS - GO 47 38 13 8 17 38 40 -2 10 3 5 12 77 2 41
13º FIGUEIRENSE - SC 47 38 13 8 17 37 47 -10 7 6 7 10 92 10 41
14º CORITIBA - PR 47 38 12 11 15 42 45 -3 10 2 4 11 96 2 41
15º CHAPECOENSE - SC 43 38 11 10 17 39 44 -5 8 3 4 13 67 2 37
16º PALMEIRAS - SP 40 38 11 7 20 34 59 -25 7 4 8 12 92 7 35
17º VITÓRIA - BA 38 38 10 8 20 37 54 -17 6 4 8 12 78 2 33
18º BAHIA - BA 37 38 9 10 19 31 43 -12 6 3 9 10 94 7 32
19º BOTAFOGO - RJ 34 38 9 7 22 31 48 -17 8 1 6 16 86 9 29
20º CRICIUMA - SC 32 38 7 11 20 28 56 -28 7 0 7 13 114 5 28
P pontos - J jogos - V vitórias - E empates - D derrotas - GP gols pró - GC gols contra - SG saldo de gols - VM vitória mandante - VV vitória visitante -
DM derrota mandante - DV derrota visitante - CA cartões amarelos - CV cartões vermelhos - % aproveitamento
Libertadores Rebaixados Última atualização efetuada em 07/12/2014 às 22:28
Fonte: http://www.cbf.com.br/competicoes/brasileiro-serie a/classificacao/2014#.VboqaPlxXIU
Na etapa seis, constando de cinco aulas, foi abordado o tema
“Porcentagens” por meio de atividades contextualizadas, relacionadas ao
Futebol. Dessa forma, os alunos realizaram cálculos de porcentagens sobre a
coluna de aproveitamento (%) de cada equipe de Futebol, no campeonato
brasileiro de 2014, conforme a Tabela 2 e resolveram situações-problema
envolvendo cálculos dessa natureza. Como exemplo: comparação numérica – a
partir dos dados da tabela, os alunos compararam os resultados de cada time ou
jogador; organizaram a tabela em ordem crescente, identificaram qual time ou
qual artilheiro fez mais gols, e o segundo e terceiro lugar; além disso, utilizaram
noções de proporcionalidade e, realizaram discussões sobre as informações
apresentadas
Na sétima etapa, com duas aulas, os alunos pesquisaram diferentes
termos usados no Futebol e registraram o significado de cada um deles. Após a
pesquisa, foram selecionados os termos mais comuns e organizados em uma
Tabela de Distribuição de Frequências (Figura 1), e, por fim, esta foi exposta aos
demais alunos da escola.

Figura 1 – Atividade com Tabela de Distribuição de Frequências


Com seis aulas, a etapa oito foi desenvolvida com materiais sobre
curiosidades do futebol, com orientações sobre a elaboração de gráficos e
tabelas. Para isso, dividiu-se a classe em grupos com 3 a 4 integrantes, e foi
solicitado que cada grupo escolhesse um tema, como o goleiro menos vazado,
maiores artilheiros dos campeonatos, etc. Em seguida deveriam elaborar um
gráfico ou tabela relacionados a temática escolhida. Após elaborarem o gráfico
ou a tabela, em cartolina, organizaram a exposição para a apresentação dos
resultados aos demais alunos da escola.
Na etapa nove, para finalizar as atividades desenvolvidas em duas aulas,
foi utilizado o mural da escola para exposição das produções dos alunos, para
que toda a comunidade escolar tivesse acesso e conhecimento das produções.
Na décima etapa com uma aula, deu-se continuidade com as atividades
sobre a Matemática e o Futebol, novos questionamentos foram realizados, e,
após debate foi orientado para que os educandos registrassem os seus
resultados quanto às atividades por eles desenvolvidas até o momento, com o
uso da Tabela do Campeonato Brasileiro de Futebol. Diante disso, evidenciou -
se que a turma ampliou o conhecimento sobre a temática através das produções
realizadas.

GRUPO DE TRABALHO EM REDE (GTR)

Além da intervenção pedagógica realizada em sala de aula, foi


experimentado com outros docentes a participação em um Grupo de Trabalho
em Rede (GTR). Utilizou-se a presente atividade como base para o estudo dos
educadores participantes do grupo, onde aconteceu a socialização virtual,
através de Fóruns para a discussão e Diários do estudo em questão, visando à
formação continuada dos demais Professores da Rede, e também oportunizando
a troca de experiências e discussões sobre o tema.
Como exemplo das situações vivenciadas, segue o relato de alguns
integrantes do GTR:
“Foi muito boa a minha participação nas leituras dos materiais de estudo,
são temas excelentes para repensar sobre o papel do professor e de sua prática
pedagógica, mantendo sempre atualizada, buscando novas alternativas de
ensino, para garantir ao aluno uma aprendizagem significativa. Obtendo um
grande avanço nas realizações das atividades nas pesquisas orientadas pela
professora – tutora e pelos professores colegas de curso. Os materiais
pesquisados e sugeridos por eles foram enriquecedores para a minha prática em
sala de aula” [sic].
“Conforme a leitura de seu Projeto de Intervenção e o Relato de
Implementação não há divergências, pois seu maior objetivo está voltado à
Resolução de problemas, onde está muito bem argumentado teoricamente,
sendo uma das metodologias em que desafia o aluno e estabelece uma
comunicação com sua realidade, estimulando-o a curiosidade, à investigação e
à resolução propriamente dita...Com isso, através das atividades propostas, os
alunos foram oportunizados ao desenvolvimento da capacidade de resolver
problemas e desafiados através dos conteúdos trabalhados, desde a coleta de
dados, construção de tabelas, gráficos, cálculos de porcentagem, operações
com números inteiros, entre outros” [sic].
“O projeto desenvolve no educando o raciocínio lógico usando os recursos
disponíveis, uma vez que estão em contato com o futebol desde pequeno e nem
imaginam que em praticamente tudo existe a matemática. Foi importante que os
alunos pesquisaram e contribuíram com o projeto, assim eles fixam o conteúdo
aprendendo de uma maneira divertida. As situações problemas são conteúdos
desafiadores, por isso precisamos buscar ligar com a realidade para ter melhor
desenvolvimento, motivação, participação e observar os diferentes meios de
resolução” [sic].
“Dentro do objetivo central deste fórum vou relatar as alegrias e
dificuldades de implementação da Matemática no esporte dentro de sala de aula.
Bem, primeiramente propus aos alunos do primeiro anos do ensino médios que
abordássemos o Tratamento de Informação como eixo central da discussão.
Propus que estudássemos através de Estatística e Média Ponderada quais
seriam os prováveis rebaixados e classificados para a libertadores no atual
campeonato brasileiro de futebol. Para minha surpresa os alunos foram
receptivos com a ideia e passamos a trabalhar o que é Média Ponderada e Média
Aritmética, já que as duas tem abordagens diferentes. A maior dificuldade como
sempre foi a matemática básica, mas acredito que a experiência foi válida, pois
como tema gerador surgiram grandes desafios na prática pedagógica [sic]. Eu
escolhi a atividade 6 da produção didática, na qual atividade tive a oportunidade
de trabalhar Tratamento da Informação – Gráficos e Tabelas e cálculo de
Porcentagem, assuntos estes de grande importância na vida escolar e social dos
alunos” [sic].
Quanto a Tabela do Campeonato Brasileiro, um professor integrante do
Grupo do GTR, relatou:
“Um aspecto que achei importante foi no momento em que você usou os
dados já coletados das tabelas e utilizou para trabalhar a porcentagem, eu
acredito que nesse ponto trabalhar com a resolução de problemas nos permite
fazer essa ligação” [sic].
O professor pode desenvolver atividades específicas e orientar seus
alunos na compreensão da leitura de tabelas, essa troca de ideias entre os
participantes do GTR é fundamental para a ampliação do conhecimento e a troca
de experiências entre professores que estão conectados.
Ao longo do GTR, houve momentos de interação e colaboração,
agregando conhecimento e experiência nas práticas diárias.

CONSIDERAÇÕES

Buscou-se apresentar aos alunos, uma abordagem que despertasse o


interesse pela Matemática e ao mesmo tempo fosse algo prazeroso, que a
interação com os colegas proporcionasse a troca de experiências de maneira
dinâmica, ampliando os seus conhecimentos na resolução de problemas.
Cabe ressaltar que, o Ensino de Matemática por meio da Resolução de
Problemas é uma opção relevante dentre as concepções existentes, pois o aluno
tanto aprende Matemática resolvendo problemas, como aprende Matemática
para resolvê-los.
Percebeu-se que ao ensinar a Matemática utilizando Gráficos e Tabelas
visando a Resolução de Problemas, foi possível os alunos na compreensão dos
conceitos e técnicas abordadas, instigando-os a relacionar uma determinada
ideia com outros contextos da disciplina.
Sabe-se que atualmente o maior desafio encontrado nas escolas é a
desmotivação para o aprendizado. Ocorre que, nas atividades desenvolvidas
com a turma de 7º ano, percebeu-se uma comunicação com a realidade em que
o aluno está inserido, em uma atividade desafiadora, estimulando o interesse, a
curiosidade, o espírito de investigação e o desenvolvimento da capacidade para
resolver problemas.
O uso de tabelas, especificamente a Tabela 2 do Campeonato Brasileiro
de Futebol serviu de estímulo para as aulas do dia e os motivaram a aguardar
ansiosos a próxima aula. A interdisciplinaridade entre as disciplinas de
Matemática e Educação Física, trouxeram significado para este projeto, pois
associou o Futebol e seus elementos com o conteúdo escolar de forma dinâmica,
contrariando o que se nota normalmente nas escolas, quando se ouve dizer que
os alunos não gostam de Matemática
Neste sentido, percebeu-se por meio da interação e participação dos
alunos, que o trabalho aqui relatado proporcionou desenvolvimento de atitudes
e conhecimentos suficientes para que os alunos pudessem participar das
atividades apresentadas durante as etapas, e assim ampliar o conhecimento em
Matemática.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICA

BRASIL, Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino


fundamental: matemática. Brasília, D. F : MEC/SEF, 1998.

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE FUTEBOL. Disponível em:


http://www.cbf.com.br/competicoes/brasileiro-serie-
a/classificacao/2014#.VboqaPlxXIU – Acesso em 30 de julho de 2015.

D’AMBROSIO, U. Etnomatemática: elo entre a tradições e a modernidade. 2.


ed. Campinas: Papirus, 2002.

DANTE, L. R. Didática da Resolução de Problemas de Matemática. São


Paulo: Editora Ática, 2003.

PARANÁ, Secretaria de Estado da Educação do. Diretrizes Curriculares da


Educação Básica - Matemática. Curitiba: SEED, 2008.
RINALDI, W. Futebol: Manifestação Cultural e Ideologização. Revista de
Educação Física da UEM, v. 11, n.1, p. 167 a 172. Maringá. UEM, 2000.

________________Ranking das torcidas: Fla se mantém no topo, e


Corinthians segue na cola. Rio de Janeiro. Disponível em:
http://globoesporte.globo.com/futebol/noticia/2014/08/pesquisa-fla-tem-maior-
torcida-mas-corinthians-encurta-distancia.html - Aceso em 02 de outubro de
2014.

Você também pode gostar