Você está na página 1de 138

TRIGUEIRINHO

Nossa Vida nos


SONHOS

19ª edição
atualizada
Pensamento pelo autor
Nossa Vida nos
SONHOS
Edição atualizada pelo autor

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 1 8/25/17 14:50


Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 2 8/25/17 14:50
TRIGUEIRINHO

Nossa Vida nos


SONHOS
Edição atualizada pelo autor

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 3 8/25/17 14:50


Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 4 8/25/17 14:50
Dedicado a Quem
pacientemente me instruiu.

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 5 8/25/17 14:50


Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 6 8/25/17 14:50
SUMÁRIO

Um toque inicial......................................................................9

Parte I
A PREPARAÇÃO
A importância de sonhar.....................................................13
O sono profundo e alguns tipos de sonho........................23
O correto adormecer.............................................................33
O correto despertar...............................................................41
A aventura da noite...............................................................45
Alguns cuidados....................................................................53
Consequências dos sonhos..................................................57
Sonhos comuns e sonhos mentais......................................65
Ensinamentos pelos sonhos.................................................75
A qualidade da vida onírica................................................ 81

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 7 8/25/17 14:50


Parte II
OUTRAS ETAPAS
A função espiritual dos sonhos............................................89
O sonho evoluído..................................................................99
Os sonhos como mensagens da alma...............................105
A realidade além dos sonhos.............................................113
Os sonhos proféticos...........................................................117
Uma visão.............................................................................121

____________________

Glossário...............................................................................123
Índice remissivo...................................................................127

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 8 8/25/17 14:50


Um toque inicial

“O dedo serve para apontar a Lua;


o sábio olha para a Lua,
o ignorante para o dedo.”
Provérbio Zen

Este livro é simplesmente um dedo que aponta algo


muito maior. Contém algumas indicações básicas e sim-
ples, que você poderá usar, se quiser, em seu processo de
desenvolvimento.
Na evolução de um indivíduo, há fases em que as
transformações são mais lentas, o que se explica, muitas
vezes, por compromissos e concessões às partes velhas do
seu ser. Entretanto, há períodos em que se operam rápidas
mudanças, e os sonhos podem ser valiosos na preparação
para elas.
Às vezes, um sonho se repete justamente para lhe de-
votarmos a necessária atenção; o próprio fato de se repetir
significa que é bom reexaminá-lo, pois encerra alguma
lição especial. Pode acontecer também que o tenhamos
estudado, mas não em todos os detalhes — nesse caso,
sua mensagem volta em forma de novo sonho ou mesmo
de recordação, para termos a oportunidade de observar
o que antes passou despercebido. Se um sonho se refere a
uma transformação a longo prazo, pode trazer-nos ajuda
em diferentes fases da nossa caminhada.

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 9 8/25/17 14:50


Enfim, os sonhos constituem poderosos aliados da
evolução do homem, que, por meio deles, é capaz de par-
ticipar da vida em vários níveis de realidade e de cons-
ciência.
Uma série de encontros que coordenei durante um
ano sobre esse assunto foi gravada em fitas cassetes. De-
pois disso, Maria Dagmar Bastos de Paula e outros co-
laboradores amorosamente transcreveram e ordenaram
esse extenso material gravado, possibilitando-me cuidar
dele com certa agilidade. Vanda de Oliveira Bittencourt
contribuiu com a revisão final da primeira edição. Sem
esse estímulo, bem como o do editor, eu não teria podi-
do divulgar minha experiência nessa área. Adições foram
feitas às fitas originais, em especial na segunda parte do
livro, quase toda recriada durante os dias que, em retiro,
me concentrei na elaboração do texto.
No decorrer de suas sucessivas edições, pudemos no-
tar que o conteúdo, por ser simples e sobretudo por ba-
sear-se na experiência vivida, foi ao encontro da neces-
sidade. Teve ampla penetração nos mais diversos meios,
exercendo, em muitas pessoas, considerável estímulo ao
conhecimento do mundo interior. Tendo em vista a sua
utilidade, para a presente edição ele foi revisto, atualiza-
do e recebeu um índice remissivo. Esperamos, com isso,
aproximar ainda mais o leitor desse assunto que se revela
tão profundo e tão relevante hoje quanto no momento do
lançamento do livro anos atrás.

10

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 10 8/25/17 14:50


Parte I
A PREPARAÇÃO

“Uma espada afiada, uma vez usada,


terá de ser afiada novamente.”
Ling Chi

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 11 8/25/17 14:50


Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 12 8/25/17 14:50
A importância
de sonhar

A vida durante os sonhos é mais importante do que


à primeira vista pensamos. Se lhe dermos atenção, se cui-
darmos dela, usaremos melhor boa parte de nossa estada
na Terra, já que passamos aproximadamente um terço de-
la dormindo.
Vejamos por que a vida dos sonhos é importante.
Primeiro, porque por meio dela o subconsciente se
desbloqueia de tudo aquilo que fica reprimido durante o
dia. Enquanto despertos, mantemos um autocontrole na-
tural sobre nossas ações, pensamentos e sentimentos. Por
menor que seja esse autocontrole, as reações são sempre
supervisionadas, o que traz também muita vantagem. Po-
rém, abaixo do nível da consciência de desperto, vários
movimentos, maneiras de sentir e formas de pensar la-
tentes ficam reprimidos, retidos, e o sonho constitui uma
oportunidade para a sua liberação. De modo geral somos
mais livres nos sonhos, exatamente porque não exercemos
controle sobre eles, embora seja possível, numa etapa mais
avançada de evolução, conduzi-los ao desfecho pretendido.
Eis um exemplo de desbloqueamento ocorrido na
vida anímica: um estudante de paraquedismo sonhou
ter perdido o controle sobre o paraquedas e, não conse-
guindo abri-lo, teve a sensação de cair no vazio. Assus-

13

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 13 8/25/17 14:50


tando-se com esse sonho e tomando-o como aviso, quis
abandonar a profissão. Entretanto, surgiu um especialista
que lhe perguntou se, enquanto acordado, já havia pas-
sado por experiência semelhante no seu treinamento em
paraquedismo, ao que ele respondeu afirmativamente. O
estudante lembrou-se de que num dos seus primeiros sal-
tos não conseguiu abrir o paraquedas, mas que o proble-
ma foi resolvido em seguida e que ele não se assustara. O
especialista explicou-lhe então que esse sonho havia sido
consequência daquele incidente e que, embora ele pensas-
se não ter-se abalado na ocasião, o fato permanecera como
uma espécie de choque reprimido, dando origem ao so-
nho. Esse exemplo mostra também como é fácil tomar um
caminho diferente daquele que o sonho está indicando,
por interpretação errônea.
Sonhar com quedas, todavia, nem sempre significa que
o indivíduo tenha estado na iminência de uma queda e re-
primido o susto no subconsciente, como no caso desse pa-
raquedista. Antes de adormecer, podemos firmemente ten-
cionar não só registrar os sonhos no próprio cérebro físico,
como também abrir-nos à sua compreensão. Isso é conse-
guido com a aspiração e com a vontade sincera e pura.
Ao começarmos a estudar os sonhos, convém cuidar-
mos para não adquirir ideias fixas sobre seus significados.
Consultar dicionários de sonhos ou outros guias do gê-
nero é uma forma de não chegar a compreender jamais a
questão, uma vez que cada sonho é único. Ainda que duas
pessoas sonhem a mesma coisa, a interpretação pode ser
diferente para cada uma delas — daí ser inútil ater-se a
significados preestabelecidos.
No meu caso, considerando o meu temperamento,
sonhar que sofro queda ou que escorrego é uma mensa-

14

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 14 8/25/17 14:50


gem para acautelar-me, porque posso cometer alguma fal-
ta em seguida, talvez naquele mesmo dia. Sonhos assim
são avisos de que devo tomar cuidado com minhas ações,
sentimentos e pensamentos, diferente do caso daquele pa-
raquedista.
Vê-se, portanto, que nem sempre é útil tomar o exem-
plo de outro como modelo para si. Por isso mesmo, num
livro como este os exemplos são dados para nos familiari-
zarmos com o assunto, para abrirmos a mente e conhecer-
mos outros pontos de vista.
  

Um segundo motivo para darmos valor aos sonhos é


que eles não só desbloqueiam, como no caso do paraque-
dista, mas também equilibram nossa vida consciente. Por
exemplo: pessoas que moram em cidades poluídas e insa-
lubres sonham que estão no campo, ao ar livre, em lugares
belos ou em cidades tranquilas, levando vida calma. Du-
rante um sonho desses está havendo um equilíbrio nessas
pessoas, no seu mundo interno, psicológico, e seu subcons-
ciente está sendo enriquecido com elementos sadios.
Além disso, as ações em um sonho podem ocorrer num
ritmo diferente do observado quando estamos despertos. E,
quando esse ritmo onírico é mais equilibrado, também tem
o efeito de harmonizar a nossa agitada vida externa.
  

Outro motivo é que os sonhos podem colocar-nos em


contato com níveis elevados do nosso ser, com a supracons-
ciência, de onde podem vir orientações precisas para nós, o
que em estado desperto não é tão fácil acontecer, devido às
distrações às quais o cérebro e os sentidos estão expostos.

15

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 15 8/25/17 14:50


Van Gogh, por exemplo, recebia inspiração durante os
sonhos. Enquanto seu corpo físico dormia, ele tomava co-
nhecimento do que deveria pintar, registrava o que recebia
e o executava quando desperto. Também Wagner, o músi-
co, passava por esse processo. Certa ocasião, ouviu em so-
nho o trecho de uma ópera e o escreveu logo ao despertar.
  

Ainda outro motivo para darmos valor aos sonhos é


que eles podem revelar que não existe separação entre os
seres humanos e tampouco entre estes e o universo. No
nível da consciência de vigília1, temos a ilusão de sermos
separados uns dos outros, ou seja, de toda a humanidade,
de sermos uma coisa e o universo outra, como se fosse algo
distante e fora de nós. Todavia, um sonho pode, de repente,
mostrar que essa não é a realidade.
Vejamos, a título de exemplo, um sonho que demonstra
não haver separação real entre as pessoas e ser impossível
isolarmo-nos do resto da humanidade e dos acontecimen-
tos exteriores a nós. Um navio estava ancorado no porto, e
milhares de pessoas tentavam entrar nele. Acotovelavam-
-se na ânsia de embarcar, e havia confusão no local. Quem
sonhou encontrava-se nesse grupo e tentava introduzir-se
no navio passando à frente dos demais. Ouviu, então, uma
voz interior: “É inútil fazer isso, porque o navio não partirá
enquanto a última pessoa não tiver embarcado; em vez de
fazer tanta força para passar à frente dos outros, melhor se-
ria você ir para o último lugar e ajudá-los a entrar”.
Ao passar pela experiência de um sonho dessa espécie,
um indivíduo fica marcado positivamente e, ao despertar,
1
Com a palavra vígília referimo-nos, neste livro, ao estado natural de des-
perto em que normalmente o ser humano se encontra em horas diurnas.

16

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 16 8/25/17 14:50


percebe que algo foi transformado dentro de si: todos os
que tiveram sonhos assim marcantes sabem que depois
dessa vivência não continuaram a ser os mesmos.
  

Nem sempre a mensagem que se deve receber está


contida inteira em um único sonho. Às vezes, tem-se uma
série deles, como capítulos de um livro ou de uma his-
tória, e as indicações são fornecidas pouco a pouco, em
partes. Embora aparentemente esses sonhos não apresen-
tem muitas ligações entre si, em geral formam um fio. Eis
por que, quando temos vários sonhos numa só noite, em
noites seguidas, ou mesmo espaçadamente, é interessante
anotá-los com a maior fidelidade possível e datá-los. De-
pois de certo tempo, verificamos que acompanhá-los é co-
mo ler um livro, e que, às vezes, parte da indicação está
num sonho e a conclusão em outro, embora à primeira
vista essas partes pareçam desconexas entre si.
A propósito de sonhos em sequência, conheci alguém
que estava estudando um problema de família, mas seu en-
volvimento emocional com os parentes não lhe permitia
ver a situação com a devida clareza. Pediu então um sonho
e, ao adormecer, encontrou, no plano astral, o avô, que lhe
falou com toda a sinceridade e franqueza, ao contrário do
que costumava acontecer, dando-lhe a conhecer a verda-
deira condição da família. Dias depois, ao pedir confirma-
ção do que tinha sabido pelas palavras do avô, teve outro
sonho; neste, a família viajava em um automóvel que, a
certa altura, chegava à beira de um abismo. Ele saltou do
carro em tempo de não cair com todos no precipício.
Portanto, um sonho pode apresentar pontos de vista
que vêm realmente do nosso lado interno, profundo, e não

17

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 17 8/25/17 14:50


da nossa parte mais superficial, aparente, racional, moral,
religiosa ou filosófica; enfim, de nossa estrutura externa.
Num sonho, como vimos, isso pode ser liberado, e então
ficamos diante da realidade, vendo-a com maior clareza.
  

Certa vez estávamos num grupo, em outro país,


aguardando a visita de um casal oriundo do Brasil. Por
serem os dois muito conhecidos, os membros do grupo,
sugestionados com aquela chegada, não sabiam bem co-
mo recebê-los ou o que lhes oferecer. Então perguntei a
mim mesmo, antes de adormecer, como deveríamos lidar
com os visitantes. Deve haver uma forma correta para is-
so — pensei —; o que está sendo preparado como recep-
ção é evidentemente artificial.
Na manhã seguinte, quando estava para abrir os
olhos, sonhei com duas figuras que simbolizavam o casal.
Naquele nível em que nada se mascara, eram crianças pe-
quenas, nem sei quantos anos tinham, porque a propor-
ção entre tamanho e idade não era a mesma das crianças
do plano físico — eram como recém-nascidos caminhan-
do. Assim eram, na realidade de um nível sutil, as pessoas
tão conhecidas e importantes que iam chegar: seres deli-
cados, miúdos, inexperientes, que deviam ser tratados de
forma adequada por todos nós. Desse modo foi feito, e
tudo correu bem.
Quanto mais nos aprofundamos nesse assunto, mais
vamos tendo sonhos simbólicos, ligados a fatos não con-
cretos. Em vários casos, esses sonhos podem ser conside-
rados a linguagem da nossa alma.
Quando a alma fala conosco por intermédio de um
sonho, não o faz em linguagem normal. Assim sendo, o
que nos vem não é compreensível racionalmente, pois ori-

18

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 18 8/25/17 14:50


gina-se de um plano abstrato, não lógico. Vimos isso no
sonho acima mencionado, em que dois adultos, tidos na
vida normal como amadurecidos, no plano simbólico apa-
reciam como recém-nascidos. Ao ter um sonho como esse,
alguém poderia até julgá-lo sem nexo. Entretanto, essa lin-
guagem não obedece à lógica e nela não podemos penetrar
contando apenas com a mente racional.
Não se atinge a alma com a mente comum. Na vida
de desperto, um mais um é igual a dois, ao passo que na
linguagem da alma não é o mesmo. Se interpretarmos um
sonho simbólico em termos racionais, dificilmente chega-
remos a alguma conclusão correta.
Embora benéfica em alguns casos, a formação inte-
lectual pode, em outros, prejudicar a percepção, a com-
preensão do verdadeiro significado de um símbolo que se
apresenta a nós. Precisamos, então, ter o cuidado de não
encarar o símbolo à luz de nossas projeções ou teorias: o
intelecto pertence ao nível da mente concreta e o símbolo
pode originar-se de nível mais profundo. É um concentra-
do de energia, um conhecimento sintético que recebemos
de uma só vez, sem a necessidade de raciocínio ou dedu-
ção. Ao interpretarmos intelectualmente um símbolo, des-
virtuamos-lhe o significado.
A propósito de símbolos, há quem sonhe com portas.
Às vezes estão fechadas, outras vezes estão-se abrindo. Po-
de sonhar, ainda, que está diante de uma porta aberta. Ora,
como todo símbolo, uma porta pode ter acepções diferen-
tes, conforme o caso. A mente humana pode encontrar tan-
tos significados quantas forem suas próprias tendências, e
é provável que nenhum deles seja o real. Confirma-se, pois,
a inutilidade de buscar o significado de sonhos em livros.
Num sonho, uma porta fechada pode transmitir as
mais diversas mensagens, dependendo da situação. Pode

19

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 19 8/25/17 14:50


estar sugerindo à pessoa não insistir em algo, já que está
fechada naquela direção; ou, ao contrário, pode estar suge-
rindo que a pessoa coloque a mão na maçaneta, a fim de
abri-la ou, ainda, que encontre a chave — em cada um des-
ses casos há um trabalho específico a ser feito. Pode querer
dizer também que é preciso estar pacientemente diante de
uma situação de impasse, aguardando o momento da nova
oportunidade. Vemos, assim, quantos sentidos um símbo-
lo é capaz de apresentar.
Para sabermos o que o sonho está manifestando, é
preciso despirmo-nos de toda preocupação de ver as coi-
sas com lógica, de querer que prevaleçam as nossas ideias
sobre o seu significado. Temos, pois, que nos liberar de
conceitos; caso contrário, não haverá condições de com-
preendermos o símbolo.
Ao narrar um sonho, muitas pessoas acabam fazen-
do comentários sobre ele. “Este sonho foi importante pa-
ra mim, porque me fez entender muita coisa”, e assim por
diante. Neste caso, dá-se a interferência do personalismo:
a descrição passa a não ser autêntica, pois foi poluída com
as formas-pensamento de quem a faz. Acentuam-se certas
partes mais que outras, acha-se certo trecho mais relevante
que outro — o que traz à narrativa uma energia estranha
à do sonho, energia que pode influenciar na interpretação
do seu significado.
Diante de um sonho, convém ficarmos imparciais, tan-
to ao transmiti-lo a alguém que, se for o caso, vá interpre-
tá-lo, como ao buscarmos por nós mesmos o seu sentido.
É bom registrar o sonho com fidelidade, sem acrescen-
tar-lhe nada. Diríamos, então: “Havia uma porta fechada”
— e nada além disso, a menos que houvesse nela algum
detalhe acentuado ou a ser observado de forma especial.

20

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 20 8/25/17 14:50


Os detalhes de um sonho são sempre importantes e reve-
ladores. Se sonhei com “uma porta fechada”, fico quieto,
imparcial, para ver se me vêm à mente outros detalhes. É
que uma porta fechada pode ter um mundo de leituras,
mas, por não estar treinado, acabo vendo apenas sua ima-
gem concreta. No entanto, se me coligo em silêncio com o
símbolo que vi e fico bem quieto, isentando-me de opinião
pessoal, provavelmente muitos outros elementos começam
a surgir na minha consciência. Posso então lembrar-me,
por exemplo, de que “a porta era branca” ou de que “a ma-
çaneta estava do lado esquerdo”, e assim por diante. Esses
detalhes podem ter significados específicos, que emergirão
de dentro de mim, não por meio de explicações mentais,
mas de estados de ânimo transformadores.
Mas ainda que bem quieto diante do símbolo, com
atitude imparcial, eu não consiga chegar à conclusão al-
guma, isso não tem importância; pelo simples fato de ter
ficado tranquilo, impassível e impessoal, permito que o
símbolo me transforme. Por ser ele um concentrado de
energias de outro nível, com minha imparcialidade, mes-
mo sem compreendê-lo, acabo entrando em contato com
o impulso que traz.
  

Ao dizer que compreendemos um símbolo, na reali-


dade captamos apenas um de seus múltiplos aspectos. Um
símbolo tem implicações que não conseguimos alcançar.
E se for por demais abstrato, de tal modo que o meu grau
de compreensão atual não me permita atingi-lo, basta eu
ficar relaxado para ser tocado por sua energia.
Se me for dado ver uma estrela de cinco pontas, ou
uma de seis pontas, ou então uma ânfora ou um bastão,

21

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 21 8/25/17 14:50


sem captar o seu significado, não devo dar importância ao
fato de não saber interpretá-los. Se me veio um símbolo e
não o entendo, é sinal de que veio para que eu simples-
mente fique diante dele, nada mais. Pode não ser positivo,
nesses casos, que outra pessoa tente interpretar o símbolo,
uma vez que poderei ficar condicionado ao ponto de vista
dela, e pode ser que a sua interpretação não corresponda
ao que o símbolo está de fato querendo mostrar. Talvez
o símbolo não queira dizer nada mais que “fique calmo,
quieto e atento, olhando para mim”.
  

Nesse campo precisamos libertar-nos dos complexos


de inferioridade e de superioridade ou de autossuficiência.
Destes, por nos fazerem pensar que podemos compreender
todos os sonhos facilmente, e daqueles, por nos fazerem
acreditar que não podemos aproximar-nos desse mundo
de sonhos, por ninguém até agora nos ter ensinado a in-
terpretá-los. Temos de ficar livres de tudo isso, pois basta
permanecer diante de um símbolo, mesmo sem saber o
que significa, para receber a energia da alma. Quanto mais
abstrato e incompreensível for o símbolo visto ou sonhado,
mais profundo o nível de onde proveio. Cada vez que o
recordamos e que pensamos nele com gratidão e afeto, so-
mos energizados e nos coligamos com a sua origem. Nossa
essência está sendo representada pelo símbolo e, por isso,
somos colocados em contato com ela, na proporção em
que isso pode ser feito na atual fase da nossa evolução ter-
rena, sempre que a mente se volta para essa representação.

22

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 22 8/25/17 14:50


O sono profundo e
alguns tipos de sonho

Nem todos têm inclinação para recordar-se dos so-


nhos. Quando não há essa tendência, não devemos forçar
a recordação, porque, se insistimos, podem advir o cansa-
ço das células cerebrais e a insônia.
É essencial estarmos tranquilos quanto a isso, para
não perturbarmos o sono profundo, que é extremamente
importante. Os sonhos ocorrem, a princípio, no período
que vai do adormecimento do corpo físico até se atingir
o sono profundo. Neste, por conseguinte, não há sonhos
e sua duração é de alguns minutos. Por meio dele nos rea-
bastecemos da energia que se encontra no íntimo do nos-
so ser, energia essencial para a continuação da vida.
No período de retorno do sono profundo para a cons-
ciência de desperto, recomeçam os sonhos. Se durante o
dia conseguimos cultivar uma atitude de inofensividade,
de não crítica, de não julgamento, de ausência de expec-
tativas, de não ambição, veremos que o sono será bom e o
sono profundo, realmente restaurador.
  

Existem três pontos aos quais geralmente estamos


presos: a ilusão mental do tempo e do espaço, a consciên-
cia de ser um ego pessoal e os condicionamentos sobre a

23

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 23 8/25/17 14:50


sexualidade. Essas limitações, das quais não estamos li-
vres nem durante a vida de vigília nem durante os sonhos,
não existem no sono profundo.
Quando imersos no sono profundo, perdemos a no-
ção do tempo e do espaço — o que nos permite receber
a energia necessária para a renovação da mente. No mo-
mento em que perdemos a consciência do eu pessoal, cria-
mos condições para o rejuvenescimento das células físicas
e, assim, acordamos com as forças restauradas. Do mesmo
modo, a perda da consciência da própria sexualidade, no
sono profundo, acarreta-nos a regeneração de todo o sis-
tema energético.
Se não temos um sono profundo, total, durante al-
guns minutos em cada vinte e quatro horas, o sistema
circulatório e o digestivo passam a apresentar falhas — o
que, do ponto de vista mental, nos impede de perceber as
coisas com clareza.
Tanto a religiosidade (ou seja, a ligação entre os níveis
da personalidade e a supraconsciência) quanto a energia
que nos impele à filosofia vêm do sono profundo. Não são
os estudos nem a experiência da vida que nos levam a elas;
o que nos faz, com o tempo, buscar a realidade por meio
delas é esse breve contato com o profundo do ser, contato
repetido durante toda a existência nesse sono.
  

Enquanto o corpo físico dorme e a consciência grada-


tivamente se retira dos corpos, advêm sonhos em que ela
faz experiências em níveis de existência mais elevados, ou
em corpos além do físico, do emocional e do mental. Mas,
se essas experiências não ficarem registradas no cérebro,
não há motivo para insatisfação. Tendo fé, percebemos

24

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 24 8/25/17 14:50


que fica registrado o que é útil para a evolução da cons-
ciência externa do ser naquele momento. No entanto, com
certo treinamento e amor por esse processo, com o tempo
pode-se adquirir a capacidade de registrar os sonhos, se
for o caso.
  

Chamamos de sonhos comuns, normais, os que são


produzidos pela vida de desejos. O desejo é secreção do
corpo emocional e, por isso, determina algumas catego-
rias de sonhos comuns à grande maioria; porém, no de-
correr deste estudo, faremos maiores considerações acerca
de outro tipo de sonhos, que são mensagens, expressões
ou orientações precisas do eu superior, de níveis transpes-
soais, ou seja, níveis além da personalidade.
Para compreender os sonhos desse segundo tipo, que
em muitos casos são manifestações da alma do indivíduo,
necessitamos de algo além da análise, da dedução, da ex-
periência da vida. Precisamos de conhecimento intuitivo.
Enquanto não o adquirimos, é prudente não interferirmos
no processo de autodescoberta dos demais com interpre-
tações de seus sonhos, principalmente se estes exigem tal
capacidade intuitiva para serem compreendidos.
Vejamos agora essa vida de desejos, que redunda nos
sonhos comuns, normais.
A título de ilustração, cito o caso de uma pessoa que
tinha um desejo sincero de estar em paz e harmonia com a
própria família humana, bem como de compreender o que
estava vivendo. Então, ela sonhou que seus dois irmãos e
sua mãe se achavam dentro de uma espécie de “redoma”,
enquanto o pai permanecia do lado de fora, a certa distân-
cia. Quanto a ela — a pessoa que sonhava —, não participa-

25

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 25 8/25/17 14:50


va da cena, mas mantinha-se à parte, apenas observando.
Aquele desejo positivo trouxe-lhe esse sonho esclarecedor:
seus dois irmãos e sua mãe viviam um processo; o pai, ou-
tro; e ela nada tinha a ver diretamente com aquilo. Assim,
um sonho revelou-lhe o que precisava saber.
  

Antigos desejos, alimentados em vidas passadas, tam-


bém podem manifestar-se em sonhos não ambientados na
vida atual. Relatarei a seguir um desses sonhos.
Há anos convivi com uma pessoa evoluída, com
a qual tivera envolvimento afetivo em vida anterior. Eu
desconhecia esse envolvimento do passado, tendo ciência
apenas de nossas relações em sua fase atual, pura e eleva-
da. Mas um dia, sem nunca ter esperado ou pensado nis-
so, sonhei que estava num ambiente de séculos atrás, em
certa parte da Europa. Pude reconhecer o lugar porque,
nesta vida, já havia visitado aquela cidade, onde, aliás,
sempre me senti como se estivesse em casa. Nesse sonho,
vivi uma série de experiências em diversos pontos da tal
cidade, sentindo até mesmo emoções que devia ter tido no
passado. Era como se eu fosse outro, com aquelas emoções
que na vida atual já eram retrógradas para mim. Foram os
desejos e os sentimentos de uma encarnação passada que
produziram esse sonho.
  

Outro nível da vida de desejos que pode dar origem


a sonhos comuns é o astral ou emocional coletivo. Con-
siderando que a humanidade como um todo tem uma
vida emocional, astral, de certa forma isso pode atingir-
-nos, uma vez que somos membros dela. Menciono, como

26

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 26 8/25/17 14:50


exemplo, o sonho de uma pessoa que foi visitar uma cida-
de litorânea, ao que parece muito antiga geologicamente,
embora seu passado não seja bem conhecido. Ao abrir a
janela do hotel onde se hospedara, em vez da cidade como
é hoje, viu um cenário antediluviano, com animais daque-
le período, como se fosse a realidade presente. Ao comen-
tar conosco o acontecido, ficou-nos claro que esse quadro
foi criado pelo desejo de muitas pessoas que estudam e
pesquisam esse assunto e vivem buscando dados arqueo-
lógicos. Tal desejo cria cenas no plano astral, cenas essas
que podem ser captadas por alguém.
Vê-se, com isso, que podemos ter sonhos não só
quando o corpo físico dorme, mas também com os olhos
abertos, como no caso exposto.
  

Outro tipo de desejo, muito positivo, que nos leva a


ter sonhos até interessantes para nosso próprio estudo é o
de libertar-nos de nossas limitações.
Uma mulher estava em conflito com seu ambiente
profissional e, embora esse fosse um problema de persona-
lidade, já conscientizado, ela estava a ponto de não mais su-
portar a permanência ali. Seu desejo de libertar-se daquele
ambiente produziu o seguinte sonho: ela estava no local de
trabalho, em meio às irritações costumeiras, e sua atenção
concentrou-se em três gavetas de sua escrivaninha, que no
sonho apareciam em destaque. Como nos sonhos o espa-
ço funciona de outra maneira e podemos enxergar através
dos objetos, ela viu que as gavetas estavam em desordem.
Isso queria dizer-lhe o seguinte: “a desordem está em você
mesma, no nível físico, no emocional e no mental”. Então,

27

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 27 8/25/17 14:50


de repente, a segunda gaveta se abriu e, como cada uma
delas representava um desses níveis, no caso a segunda
simbolizava o emocional. “Comece pela harmonização do
nível emocional, que é a mais urgente”, dizia o sonho.
Evidentemente, a solução não era sair dali e arranjar
outro emprego, mas colocar os três corpos da personali-
dade em ordem e harmonia.
  

Por qualquer sonho ou experiência que tenhamos,


devemos estar igualmente agradecidos. Um sonho, prove-
nha ele do nível anímico ou dos níveis da personalidade,
é de valor. Ao estudá-lo, ordenamos os assuntos na mente
e, se somos gratos, servimo-nos dele como instrumento
de transformação.
Os sonhos gerados pela vida de desejos podem ser
úteis para mostrar-nos o quanto ainda estamos circuns-
critos aos níveis humanos; a compreensão da essência do
trabalho com os sonhos pode então levar-nos a nos liber-
tar dos desejos e a nos dispor à aspiração superior e ao
cumprimento da vontade da alma.
  

Há métodos que possibilitam conscientizarmo-nos da


vida de sonhos, e três deles são bastante usados. O primei-
ro é a autoanálise, em que se procura reviver o passado.
Esse não é o adotado num trabalho espiritual moderno,
uma vez que desentranhar o passado, reconstruir e revi-
ver uma situação antiga, acaba dando-lhe força maior.
Na psicologia espiritual, usam-se o segundo método e
o terceiro, juntos ou separados, dependendo do caso. O se-
gundo deles consiste em possibilitar ao indivíduo uma vi-

28

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 28 8/25/17 14:50


da criativa, organizada, na qual abandona o passado, deixa
de agir só para si como fazia e começa a dedicar-se a uma
atividade altruísta. Essa forma de trabalhar a vida externa
reflete-se nos sonhos, permitindo que o mundo subjetivo
aflore com qualidade superior; por meio dela os desejos de-
saparecem pouco a pouco e emerge a vontade maior. Esse
método de mudança de vida deve ser usado na proporção
que o indivíduo possa suportar, sem tensões excessivas.
O terceiro método, segundo a psicologia esotérica, con-
siste em ajudar o indivíduo a lembrar-se de que é uma al-
ma, um ser espiritual. Invocam-se com o pensamento posi-
tivo as energias anímicas, tanto na vida de desperto quanto
na onírica. O constante pensar na alma, tê-la presente na
consciência, desencadeia desenvolvimento promissor.
  

Conforme já mencionamos, muitas vezes ocorrem so-


nhos que têm continuidade em outros. Isso nos ajuda a
reconhecer que a vida não se interrompe nunca, como às
vezes pensamos. Lembro, a propósito, uma experiência de
uma pessoa que sonhou algo de grande relevância para
sua evolução. Viu-se ela numa estação ferroviária, pres-
tes a fazer uma longa viagem. Era claro que se tratava de
uma viagem interior, ali simbolizada por aqueles elemen-
tos conhecidos. No entanto, para que ficasse bem atenta
ao que se passaria naquele importante sonho, ela acordou
e tomou consciência da situação, ajudada pela atmosfera
mágica daquela ferrovia. Por ter acordado, a experiência
pôde permear todos os níveis da personalidade, chegando
muito claramente até o cérebro físico. Então a pessoa to-
mou nota daquele princípio de sonho e voltou a dormir. O
sonho continuou quase de imediato: deu-se o embarque,

29

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 29 8/25/17 14:50


e ela teve todos os sinais, dados pelo vigia do trem, de que
aquela era uma espécie de preparação para uma nova fase
de sua vida. Esta segunda parte do sonho foi rica: cada
detalhe percebido ajudou-a a ver coisas do seu próprio de-
senvolvimento, preparou-a para provas que vieram logo
depois em sua vida de vigília.
  

Nem sempre as associações que a mente faz são úteis à


compreensão dos sonhos. São necessárias liberdade men-
tal e disponibilidade para encararmos cada sonho como o
primeiro da vida, como se o processo de autodescoberta se
iniciasse naquele momento, e para não permitirmos a en-
trada de qualquer preconceito criado pela personalidade.
  

A ansiedade que alguns têm ao acordar após um sonho


pode impedi-los de sonhar novamente por uns tempos. Por
isso, esse é um dos primeiros entraves a ser vencido. Quan-
do temos uma meta maior, como a de penetrar consciente-
mente a vida de sonho, em geral a ansiedade se rende.
É bom a mente perceber o bloqueio que a ansiedade
ou a expectativa criam; ao notar isso, ela participa do pro-
cesso de autodescoberta mais decidida e positivamente,
ajudando a personalidade a libertar-se dessas escórias.
Ressalte-se, todavia, que nem sempre é possível liber-
tar-se da ansiedade de repente, embora possa acontecer
com os indivíduos que têm fé inabalável e se entregam por
inteiro aos níveis superiores. De modo geral, o mais co-
mum é a ansiedade dissolver-se lentamente por meio de
um esforço amoroso, continuado e paciente. Quando no
decorrer das provas, das quedas e das retomadas a mente é

30

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 30 8/25/17 14:50


mantida firme na meta evolutiva, a ansiedade se desgasta.
Ocorre, também, de a própria energia de certos sonhos
dissolver esse empecilho, permitindo que ao acordar o in-
divíduo se sinta livre dele.

31

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 31 8/25/17 14:50


Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 32 8/25/17 14:50
O correto adormecer

Quando nos deitamos e nos preparamos para ador-


mecer, o eu superior vai reunindo todas as energias dis-
poníveis, levando-as para a região do centro cardíaco. É
importante acompanhar esse movimento, interiorizarmo-
-nos e partirmos para um sono tranquilo, na direção de
níveis mais profundos. Os pensamentos que passam de-
vem ser descartados ou transformados em algo melhor,
segundo esse movimento introspectivo. Do mesmo modo,
o que ainda estiver tumultuado no corpo emocional deve-
rá ser apaziguado, enquanto o corpo físico descansa.
Quando o corpo físico e o cérebro dormem, a alma
recolhe-se em seu próprio nível, que é o plano mental abs-
trato ou o intuitivo. De lá, a alma pode, ou não, enviar
impressões para os corpos da personalidade. Se os corpos
estiverem prontos, em repouso, as mensagens da alma po-
dem atravessá-los e serem transmitidas do mental para o
emocional, do emocional para o etérico e deste para o cé-
rebro físico. Desse modo, quando o corpo acordar depois
do sono, terá registrado no cérebro o que a alma enviou.
Todavia, se não houver o devido relaxamento, a mensa-
gem poderá não ultrapassar sequer as barreiras do mental
concreto, nível mais próximo à região da alma.
Se não houver esse relaxamento, o cérebro físico con-
tinuará registrando o que acontece em torno, como, por
exemplo, os ruídos do meio ambiente. Com isso, estará

33

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 33 8/25/17 14:50


impedido de captar o que ocorre nos níveis sutis durante
a noite e, quando o capta, fá-lo com imprecisões.
  

Se, no processo de relaxamento, percebermos que


preocupações do dia ainda nos acompanham, poderemos
usar o recurso de recapitulá-lo ao inverso. Tal revisão de-
ve ser calma, atenta e imparcial, para não provocar novos
envolvimentos com fatos já vividos. O efeito prático desse
trabalho é que os episódios do dia se desenrolam no cére-
bro, como cenas de um filme, e acabam sendo liberados.
O mecanismo cerebral fica livre dessas recordações, que
têm o poder de excitá-lo durante a noite e fazê-lo conti-
nuar funcionando, produzindo os chamados sonhos cere-
brais, que não têm valor evolutivo.
Alguns adormecem durante essa recapitulação, o que
não terá importância, desde que a intenção tenha sido a de
completá-la. Essa boa intenção é projetada no sono, e a re-
capitulação pode prosseguir quando já se está dormindo.
Nem sempre isso é consciente, mas pode sê-lo. Conheço
pessoas que, ao adormecerem no meio desse trabalho, so-
nham que o continuam, e de fato isso se dá no plano astral
— o que é igualmente válido.
Tudo isso serve para mostrar quanta ressonância tem
nos planos subjetivos a nossa última intenção antes de
adormecer.
  

É necessário, também, que o corpo emocional esteja


em estado de relaxamento, porque a contraparte etérica
do cérebro está em contato com ele, recebendo tanto suas
correntes positivas como as negativas. Se o emocional es-

34

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 34 8/25/17 14:50


tiver agitado, trabalhando por conta própria, o cérebro
etérico também ficará assim, embora o corpo físico já es-
teja adormecido.
Quando não se relaxa o corpo emocional antes do
início do sono, ele fica em contato com os corpos emocio-
nais coligados ou, então, colhe sentimentos, impressões e
sensações que experimentou durante o dia. Devido à sua
capacidade de dramatizar, cria ele toda uma história com
o material colhido, história essa que o cérebro registra e
apresenta como se fosse um sonho autêntico.
Podemos relaxar o corpo emocional no momento em
que procuramos uma boa posição para dormir — aque-
la na qual o corpo físico se sinta mais à vontade e livre
— e em que liberamos o cérebro dos fatos do dia, pela
recapitulação inversa. A essa altura, o emocional deve es-
tar desejando que o corpo físico e o cérebro adormeçam
e que ele mesmo esteja pronto para servir de transmis-
sor das mensagens da alma. Na hora da recapitulação, o
emocional assume a tarefa de desidentificar-se de tudo o
que ocorreu durante o dia, almejando uma noite calma e
instrutiva.
  

A mente pensante, ou mente concreta, também pode


produzir sonhos por conta própria, pois o que aconteceu
durante o dia, ou melhor, na vida cotidiana, fica impres-
so nela. Além disso, durante o sono o corpo mental pode
fazer contatos externos com maior facilidade do que se o
físico estiver desperto. Isso ocorre porque o mental fica
mais livre para ir aonde quiser e fazer seus movimentos;
então, entra em contato com outros corpos mentais de
pessoas que estão dormindo, ou não, e traz para si o ma-

35

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 35 8/25/17 14:50


terial que circula nelas. Envia-o a seguir ao cérebro, que o
apresenta como se fosse sonho do próprio indivíduo.
O corpo mental permite-nos atuar com a energia da
vontade, que não se encontra nos outros corpos da perso-
nalidade. Basta querermos não sofrer influências de pen-
samentos externos, individuais ou coletivos. Para tanto,
antes de adormecer proferimos o seguinte: “Não quero
que o mental registre o que se passa fora de mim, nem que
faça contatos com quem estive durante o dia, porque não
quero sonhar o que essas pessoas sonham, nem ter seus
pensamentos impressos em meu cérebro”. Com a vontade
assim enfocada, mas sem rigidez ou tensão, a consciência
mental responderá do modo almejado, ajudada pelo eu
superior.
Vimos, por conseguinte, alguns passos que preparam
os corpos para o sono: o relaxamento do físico, o trabalho
do cérebro de recapitular ao contrário os acontecimentos
do dia, o desejo do emocional de ter uma noite instrutiva,
e a vontade do mental de não sofrer interferências. Como
o mental é o corpo mais sutil da personalidade, ao tra-
balharmos com ele é como se construíssemos um campo
de proteção em torno dos demais corpos que a compõem.
Assim, entramos para o sono de modo correto, deixan-
do-os organizados e preparados para uma vida onírica de
nível superior.
  

Quando despertos, é como se estivéssemos dentro de


armaduras, de conchas, que são os corpos da persona-
lidade. Eles protegem a alma de vibrações grosseiras, o
que é necessário para ela viver encarnada e agir nas três
dimensões. Mas, embora funcionem como uma proteção

36

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 36 8/25/17 14:50


que lhe permite manifestar-se, se tais armaduras não es-
tiverem disciplinadas, servirão de obstáculo para o que
vem dela.
Esse alinhamento dos corpos pode ser feito durante
o dia, quando estamos acordados. Assim, seja qual for a
atividade, o físico estará relaxado, o emocional sereno e o
mental lúcido. Dessa atitude vai depender também o que
se registra à noite, durante o sono. Se o alinhamento for
incompleto, o resultado noturno pode ser a dramatização
do material advindo de cada plano. Também pode ocorrer
que, durante o sono, se registrem elementos de um só ní-
vel, e o que viria da alma não consiga chegar até o mundo
consciente do indivíduo.
  

Seria bom que ao adormecer atingíssemos logo, com a


consciência, zonas mais profundas do nosso ser. Há uma
técnica que pode ser usada não só para nos lembrarmos
do que se passou à noite, mas também para atravessarmos
rapidamente os níveis intermediários. Consiste num cui-
dado especial para com o momento-limite que antecede o
adormecer, momento este em que não estamos nem acor-
dados nem dormindo, em que vamos entrando no estado
onírico. Aí, o último pensamento do consciente deve ser
positivo, imbuído da vontade de ir para um nível bem al-
to, superior: um pensamento que seja a afirmação de um
mundo espiritual. Isso determina uma vida de sonhos
mais madura.
Esse procedimento é válido, igualmente, para a hora
em que vamos desencarnar. Treinando nossos mecanis-
mos a cada noite, ao nos deitarmos, tornamo-nos aptos
para fazer esse exercício no momento de desencarnar, só

37

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 37 8/25/17 14:50


que com repercussão ainda maior: o último pensamento
determina uma série de condições para a vida futura.
  

Quanto ao hábito de ler antes de dormir, podem ser


feitas várias observações. Toda leitura coliga-nos com o
plano mental do escritor ou com o nível que o inspirou. Se
lermos um livro policial antes de adormecer, podemos ir
para o baixo astral; mas, se lermos um livro filosófico de
boa qualidade, podemos ir para o mental superior. Assim,
também, se adormecermos logo após assistir ao jornal da
televisão, vamos entrar na vibração do ambiente psíquico
que nos foi mostrado.
Há pessoas que têm um livro de cabeceira para ser
lido um pouco a cada noite, antes de dormirem. Da qua-
lidade desse livro vai depender a qualidade de sua vida
onírica. Tendo ele conteúdo elevado, pode-se entrar no so-
no em boas condições de relaxamento com apenas poucos
parágrafos de leitura. Contudo, há que se ter cautela, pois,
se for excessivamente interessante ou excitante, pode ab-
sorver demais o indivíduo e levá-lo a ler em vez de dormir.
  

É impossível sugerir a pessoas diferentes a mesma téc-


nica para o correto adormecer. Cada indivíduo está em
um ponto evolutivo e, portanto, tem necessidades diferen-
tes. Além disso, cada um tem sua linha de menor resistên-
cia na execução das diversas atividades, linha essa que va-
ria segundo o temperamento e que precisa ser descoberta,
para ser respeitada. Existem pessoas que sem nenhum es-
forço têm sonhos lúcidos; já foram trabalhadas em vidas
anteriores. Nesse caso, basta-lhes que ao adormecerem se

38

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 38 8/25/17 14:50


concentrem por uns momentos no centro do próprio ser e
partam diretamente para o mais elevado nível que a cons-
ciência consiga atingir.
  

Outro ponto a ser considerado é o horário de dormir.


É bom ter um horário fixo, regular. Lembremo-nos de
que o subconsciente é cheio de ritmos e, se estabelecermos
mais algum voluntariamente, ele o absorverá bem.
O uso dessas técnicas, ou de outras, não deve ser
permanente. Obtido o autocontrole, a pessoa descobre a
disciplina que lhe convém, por fim faz tudo de modo na-
tural e simples, à sua própria maneira; pode até conseguir
orientação interna a esse respeito, o que, a certa altura,
costuma ocorrer.

39

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 39 8/25/17 14:50


Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 40 8/25/17 14:50
O correto despertar

Fazemos aqui uma recomendação aos que pretendem


aprender a acordar corretamente. Existe um momento de
percepção muito curto, um instante em que notamos es-
tar acordando e em que recapitulamos os acontecimentos
da noite. É nesse momento de percepção que precisamos
ter cuidado para não permitir a entrada de preocupações,
ou do programa para o novo dia. Portanto, ao tomarmos
consciência de que estamos acordando, procuremos, nesse
instante, ficar imóveis e sem pensamento algum.
Conseguido esse silêncio, percebemos o acordar do
corpo e tomamos cuidado para não movê-lo, principal-
mente a cabeça. Esse cuidado é necessário porque, ao me-
xer o corpo físico, podemos apagar a memória do que foi
sonhado. Um simples movimento da cabeça pode alterar
todo o quadro do sonho.
Se algum sonho tiver de vir à memória, isto poderá
ocorrer nesse momento especial; se nos lembrarmos de
apenas um trecho, basta tê-lo presente para que os outros
venham surgindo aos poucos. Se nos lembramos, inicial-
mente, apenas do desfecho ou do princípio do sonho, é
bom não forçarmos a sua recomposição completa, mas, se
for o caso, basta que o recordemos ao inverso até recons-
truí-lo todo. Mesmo recordá-lo em parte pode ser útil.
Há casos em que, depois desse acordar tranquilo, o
sonho vem à memória de uma vez, e não é necessário

41

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 41 8/25/17 14:50


recapitulá-lo. Ainda assim devemos continuar quietos,
com todos os cuidados previstos; do contrário, tudo
se apaga e o sonho que havia sido captado desaparece
também.
Nem sempre o sonho inteiro oferece material para
reflexão. Parece que somos munidos de um mecanismo
inteligente que seleciona o que nos é necessário recor-
dar. É como se a consciência do corpo físico, em sinto-
nia com o eu superior, só trouxesse à memória a parte
do sonho que tem significado simbólico e que nos traz
ensinamentos.
Quando o sonho tiver vindo à lembrança, nós o ano-
tamos antes de passarmos à recordação de outro que pos-
sa ter ocorrido na mesma noite. Escrevemos lentamente o
que conseguimos lembrar, sem agitação, com o máximo
possível de delicadeza e de harmonia. Após anotar os pon-
tos básicos de um sonho, ou todo ele, voltamos a atenção
para um segundo sonho que esteja vindo à memória, e
assim por diante.
Se houver dúvida quanto à fidelidade do que foi ano-
tado, podemos fazer novamente a recapitulação, duas ou
três vezes, para tudo ficar mais verídico. Se porventura
não tivermos êxito na tentativa de rememorar um sonho,
ao nos levantar devemos continuar imbuídos da mesma
disposição, alertas para a eventual recepção de alguma
mensagem. Basta manter essa intenção para abrir-se o ca-
nal que permitirá a lembrança dos sonhos até mesmo no
decorrer dos afazeres normais cotidianos.
Podemos lembrar-nos de um sonho que tivemos há
tempos, e isso acontece quando chega o momento certo de
ele ser rememorado. Pode ter ocorrido que, ao recapitulá-
-lo, ele se tenha esvaído ou ficado nebuloso. Todavia, um

42

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 42 8/25/17 14:50


sonho nunca se perde, não se retira da consciência — é só
permanecermos confiantes e positivos, e estaremos dando
oportunidade para ele reaparecer.
  

O que acontece durante a noite pode não se impri-


mir de imediato na consciência. Até mesmo no decorrer
do dia podemos estar tendo atividades nos outros níveis,
que, provavelmente, só ficarão registradas no momento de
acordar, ou seja, depois que o cérebro repousou e se tornou
receptivo. Então, de manhã, o que aconteceu nos corpos
sutis no dia anterior ou até antes pode emergir na memória
— como se fosse uma experiência ocorrida naquela noite.
  

Após uma noite criativa, estaremos transformados,


principalmente se o sono profundo for proveitoso. Se as
mensagens do nosso ser interior não ficarem apenas no
nível do subconsciente ou do próprio inconsciente, mas
chegarem ao conhecimento da personalidade, esta poderá
cooperar nessas transformações.
Há quem tenha ótimas ideias ao despertar. Para os
portadores dessa tendência desenvolverem-na de forma
sadia, recomenda-se que, antes de adormecer, vejam com
clareza o assunto a ser resolvido e entreguem-no à supra-
consciência. Enviando-o para o mais profundo do ser e
não pensando mais nele, a solução poderá imprimir-se no
cérebro físico no momento do despertar.
Na hora da sesta pode-se fazer esse mesmo trabalho,
em grau menor, e o resultado será também a obtenção de
respostas claras.
  

43

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 43 8/25/17 14:50


Caso o sono seja interrompido pelo movimento de al-
guém próximo ou por um despertador, a consciência tem
de voltar subitamente para dentro do corpo. Tal interrup-
ção pode eliminar a possibilidade de a pessoa lembrar-se
do que se passou durante o sono ou de fazer a recapitu-
lação de modo ordenado. Os que usam despertador igno-
ram que o corpo físico tem consciência própria, capaz de
atender aos pedidos que lhe sejam feitos. Acordar-nos na
hora que precisamos é um dos serviços mais comuns que
essa consciência pode prestar. Como está sempre ativa,
basta pedir-lhe que desperte o corpo físico em determina-
do horário, e ela atenderá.
Se tivermos de acordar alguém, devemos fazê-lo do
modo mais suave possível, e não bruscamente.
Ainda que adotemos todas essas atitudes positivas,
convém lembrar que o desenrolar dos acontecimentos
nos níveis internos durante o sono do corpo físico escapa
ao nosso controle — a não ser no caso do sonho comum,
normal, produzido por desejo, sonho esse que pode até ser
dirigido, se estivermos bem treinados.

44

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 44 8/25/17 14:50


A aventura da noite

Temos de criar em nós mesmos um estado propício


para que a revelação pelos sonhos seja possível. Uma das
estratégias básicas para isso é considerarmos a vida du-
rante o sono e a vida do sonho continuação da vigília, e
vice-versa.
Lembro aqui a história de um escritor que, ao rever o
livro que acabara de redigir, achou que precisava fazer al-
terações em determinado capítulo. Sentia que algo não es-
tava bem, mas não atinava com o quê. Como seus amigos
que leram o livro não localizaram o erro, resolveu recor-
rer à vida onírica. Sonhou então com algumas poltronas.
Logo que as percebeu, viu que começaram a inverter suas
posições e gravou bem o lugar para onde cada uma se des-
locava. Ao acordar no dia seguinte, soube intuitivamente
que ali estava a solução para o capítulo; concentrando-se,
notou que o número de parágrafos da página problemá-
tica era o mesmo número de poltronas do sonho. Identi-
ficando-as assim com os parágrafos, recortou-os e inver-
teu suas posições, reconstruindo a mudança que ocorrera
com as poltronas.
Dessa forma, o problema que se apresentou na vida
de desperto desse escritor foi solucionado no sonho, e ter-
minou de ser resolvido no dia seguinte, quando ele colo-
cou, no plano físico, os parágrafos na ordem que lhe fora
mostrada.

45

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 45 8/25/17 14:50


Considerar nossa vida na Terra enquanto encarna-
dos, bem como nossa vida em outras dimensões, quando
desencarnados, e também os estados de vigília e de sono
como meras facetas de uma única existência é muito sábio
e facilita o contato com os mundos superiores.
  

Todas as noites vivemos um processo parecido com


o que impropriamente chamamos “morte”. A diferença é
que no sono o fio da vida não se desliga do coração, ao
passo que no final da encarnação tal fio se rompe, sepa-
rando-se também do cérebro. Tanto desencarnados co-
mo quando dormimos, se nos mantivermos limitados ao
plano astral ou emocional, poderemos encontrar amigos
e conhecidos e recriar ambientes onde vivemos no plano
físico. Se nos mantivermos limitados ao plano mental in-
ferior, poderemos restringir-nos aos condicionamentos da
vida terrestre. Existem, contudo, experiências mais ple-
nas aguardando-nos na liberdade dos níveis superiores de
consciência. Preparemo-nos para a aventura maior, que é
a “morte”, começando por ficar conscientes do que se pas-
sa durante o sono.
  

O estudo dos sonhos das primeiras horas da noite, em


geral, é de pouco interesse. Normalmente, esses sonhos
são reflexos da atividade desenvolvida no decorrer do dia.
Com um cobertor muito pesado ou portando roupa de lã
em excesso, nessa primeira fase do sono podemos ter, por
exemplo, a sensação de estarmos sendo perseguidos por
um animal feroz. Há também o caso daqueles que, ao en-
trarem nessa fase com o cérebro ligado às coisas externas,

46

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 46 8/25/17 14:50


transformam o tique-taque de um relógio que está ali perto
num batalhão marchando.
O sonambulismo, por outro lado, é causado pela forte
atração que o corpo físico sente pelos corpos sutis do indiví-
duo. Devido a ela, segue-os quando se desprendem durante
o sono. Como o campo de ação do corpo físico é limitado,
caminha apenas pelas redondezas, sem jamais acompanhar
os demais em suas viagens pelos mundos sutis.
Não se deve acordar abruptamente um sonâmbulo,
porque ele pode, assim, ter consciência repentina de al-
gum perigo no plano físico, ou sentir-se inseguro, e com
isso perder o equilíbrio ou ter um choque nervoso. Depois
de acordar naturalmente, contudo, ele pode ser conscien-
tizado de que é sonâmbulo. Se antes de adormecer ele pró-
prio der uma ordem mental decidida e clara ao seu corpo
físico para que este não se levante e não siga os outros, o
sonambulismo pode cessar.
  

Quanto à insônia, pode-se dizer que, de modo geral,


é causada pelo medo das revelações que os sonhos podem
trazer. Por não querermos entrar em contato com núcleos
do nosso ser desconhecidos, por não querermos saber co-
mo realmente nos comportamos, por não querermos re-
ceber mensagens que possam tirar-nos da rotina, temos
insônia. É uma defesa infantil da personalidade.
Se alguém já nasce com tendência para a insônia, é
porque, em alguma encarnação anterior, não quis saber
a verdade sobre si mesmo, por mais que esta procurasse
revelar-se. A solução para a insônia é a decisão de aceitar
a verdade, sem nenhum temor.

47

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 47 8/25/17 14:50


Uma insônia esporádica, todavia, pode não dever-se
a essa espécie de medo. É possível resolvê-la de maneira
simples: basta não insistirmos em dormir e procurarmos
fazer algo prático e útil. Conheci uma pessoa que colocava
os armários em ordem, quando perdia o sono.
Sedativos ou remédios para dormir podem agravar a
situação, porque entorpecem o mecanismo cerebral. Se o
problema íntimo de decidir saber a verdade sobre si mes-
mo não é resolvido, o sedativo de nada serve. O sono in-
duzido por sedativos é mero embrutecimento do cérebro.
  

O falar durante o sono pode ser explicado como uma


recusa do corpo mental do indivíduo em deixar o cérebro
adormecer. Continuando a mente ligada aos acontecimen-
tos do dia, fala-se, transmitindo-se parte do que ela elabo-
ra. Esse incidente pode ser evitado dando-se uma ordem
precisa ao corpo mental antes de dormir, como: “Você não
vai continuar trabalhando mecanicamente”. Ele costuma
obedecer, se a ordem é decisiva.
A criança que fala enquanto dorme também o faz por
causa do movimento do cérebro, que permanece envolvido
com o que aconteceu durante o dia. Mas ela talvez não te-
nha ainda a possibilidade de proceder da forma proposta
acima. Assim, o melhor seria não interferir e aguardar que
a fase de falar à noite passe naturalmente.
Observa-se que nos plenilúnios se fala mais durante o
sono. Isso ocorre porque as forças da Lua exercem influên-
cia muito forte sobre a natureza animal do homem e podem
estimular o seu lado físico, cerebral, bem como o astral.
  

48

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 48 8/25/17 14:50


Focalizemos, agora, a duração e os ritmos do sono. O
normal é, após adormecer, levarmos um tempo para en-
trar no mundo dos sonhos, passarmos duas ou três horas
nele, fase intermediária, para depois entrarmos por uns
minutos no sono profundo. Em seguida, passamos no-
vamente algumas horas na fase intermediária e despen-
demos mais algum tempo para voltar à consciência física
cerebral. Vê-se, com isso, que são necessárias pelo menos
sete horas para vivenciar corretamente todo esse processo.
A maioria das pessoas precisa de oito horas, outras, de um
pouco menos. Neste caso, para que o percurso se dê com
ordem em menos de sete horas, é necessário estarem com
a atenção especialmente polarizada nos níveis profundos
do seu ser já na consciência de vigília e não apenas nas
horas de sono. Se durante o dia estivermos normalmente
ligados a esses níveis profundos, dormiremos menos, sem
contudo prejudicar a saúde. Todavia, isso se deve dar de
modo espontâneo, não provocado.
  

A qualidade do sono depende de estarmos ou não


muito voltados para a vida física material e do grau do
nosso desapego do que se refere a ela. Depende, também,
do quanto estivermos ligados às emoções. Conforme o
nosso envolvimento, passaremos mais ou menos tempo
no plano astral, tão ilusório quanto o físico em compara-
ção com a consciência de outras dimensões.
Ressalte-se que a meta dos que buscam uma vida
mais plena é penetrar níveis profundos, embora o fato de
passarem um rápido período nos planos intermediários
sirva para liberar repressões, como já vimos. Enquanto a
consciência mergulha no profundo, os corpos da persona-

49

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 49 8/25/17 14:50


lidade contatam energias curativas, no plano emocional
ou no mental coletivo, despertando depois restaurados.
É comum as pessoas dizerem que não têm tempo para
dormir de sete a oito horas por dia devido a afazeres mais
sérios. Não percebem que o sono é uma parte da existên-
cia tão importante quanto as horas de desperto, pois por
intermédio dele entramos em contato com vibrações mais
elevadas, mudando para melhor a tônica da vida, com
muitas consequências benéficas.
  

Conversas supérfluas e leituras deprimentes no de-


correr do dia levam-nos durante a noite a um nível de vi-
bração correspondente.
  

Uma recusa, ainda que inconsciente, em querer saber


a verdade sobre nós mesmos pode impedir-nos de tomar
consciência da vida onírica, em que nos vemos exatamen-
te como somos.
  

Outro fator que pode interferir na qualidade e no


ritmo do sono é a pessoa despertar várias vezes durante
a noite, e há casos em que isso é frequente. Pode-se não
conseguir um sono contínuo, sadio, por causa da agitação
diurna. No entanto, pode também acontecer de se acor-
dar várias vezes durante a noite porque a natureza e o eu
superior se utilizam desse recurso para nos fazer recordar
o que se passa em cada fase do sono e usufruirmos essa
experiência.
  

50

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 50 8/25/17 14:50


Quanto aos que exercem atividades externas à noite e
dormem durante o dia, se estiverem fazendo isso por mo-
tivos cármicos e com consentimento interno, não ficarão
esgotados fisicamente, pois nesse caso o organismo e os
corpos adaptam-se. Mas se, ao contrário, essas atividades
forem assumidas nesse ritmo por causa de uma ideia pes-
soal, com o tempo haverá desequilíbrio na saúde.
  

Para ajudar as pessoas a mergulharem no sono mais


facilmente, faremos algumas observações sobre o ritmo
da noite. Não temos a intenção de impor regras de con-
duta, mas apenas de fornecer alguns dados fundamentais
sobre o ritmo cósmico, facilitando, assim, decisões.
O crepúsculo representa um momento de relaxamen-
to geral, e essa seria a hora de começarmos a nos entregar
à necessária soltura. Até às vinte e duas horas e trinta ain-
da não é noite, mas sim um período intermediário. Des-
sa hora às duas e trinta estamos na noite profunda. Nela
estão presentes, ao contrário das horas diurnas, energias
que conduzem a maior recolhimento. As energias do dia,
com a luz do Sol, levam-nos para o exterior, para a ativi-
dade externa e para a lucidez da ação; quanto às da noite,
conduzem-nos à atividade interna, à reunião das forças no
próprio centro de consciência. Considerando isso, se for
possível estarmos adormecidos entre vinte e duas horas e
trinta e duas e trinta da madrugada, estaremos mais har-
monizados com as circunstâncias energéticas desse perío-
do, que facilitam não só o sono profundo como a vivência
correta de todas as etapas do sono.
A falta de concentração na vida de desperto é causa-
da, quase sempre, por uma noite maldormida, mal-orga-
nizada, em que não seguimos o ritmo cósmico básico.

51

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 51 8/25/17 14:50


É possível que não observemos essas normas elemen-
tares e, ainda assim, nos lembremos bem dos sonhos. Al-
guns dormem até cansados, despreparados e, no entanto,
têm sonhos nítidos. Entretanto, esses constituem exce-
ções. Trata-se de casos esporádicos em que o eu superior,
conseguindo suplantar as barreiras formadas pelos costu-
mes da personalidade, se faz presente com o seu ilimitado
poder.

52

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 52 8/25/17 14:50


Alguns cuidados

Usar de candura para com os outros é um dos pon-


tos-chave para tornarmo-nos conscientes dos sonhos. Por
sua vez, o espírito crítico carrega a mente de tensões que
enrijecem o cérebro, afetando sua sensibilidade. Do mes-
mo modo, é necessária a simplicidade de coração, que sur-
ge quando enfocamos a consciência demoradamente na
alma, quando nos lembramos dela com frequência. Com a
prática de tê-la sempre em mente, transformamo-nos em
pessoas simples, menos orgulhosas ou vaidosas.
  

A generosidade é outra qualidade importante a ser


desenvolvida para que a vida de sonhos se torne útil. Ela
nos coliga com níveis de existência mais elevados e dissol-
ve o egocentrismo, um dos maiores obstáculos à clareza
de visão diante dos sonhos. Os egocêntricos, que só pen-
sam em si, distanciam-se do mundo superior que, embora
presente dentro deles, não é percebido.
  

O fato de termos boa energia, de estarmos bem vitali-


zados durante o dia, é bom para o processo de descoberta
interior pela vida onírica. A desvitalização traz inércia,
deixa o cérebro letárgico. Se tal estado energético é ocasio-

53

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 53 8/25/17 14:50


nado pelo modo como vivemos, colocar ordem em nosso
cotidiano é uma prioridade.
  

Pessoas que agem por interesse, com preocupação


excessiva em obter resultados, ficam ligadas à vibração
terrestre e permanecem nesse nível ao adormecer, dificul-
tando, assim, a consciência da vida de sonhos. Isso não
quer dizer que não devamos ser práticos, pois trata-se de
condição necessária para enfrentarmos bem a vida física.
O que deve ser evitado é agirmos visando apenas algo em
troca. No sonho, essa “praticidade” é inútil, pois nas di-
mensões sutis não é necessário lutar para ter aquilo de que
se precisa — tudo nos vem como um passe de mágica, se
tiver mesmo de vir.
Conta-se que, certa vez, Mozart tinha uma peça musi-
cal a compor e, rodando pela cidade de carruagem, ador-
meceu sentado no banco. Embora o veículo sacolejasse
muito, ainda assim conseguiu dormir. Sonhou, então, com
a peça que devia compor, ouvindo-a inteira. Quando a car-
ruagem chegou ao destino, acordou e pôde escrevê-la.
Diante desse fato ilustrativo, resta-nos a pergunta: se-
rá necessário sermos tão utilitaristas?
  

Quem tem dificuldade para dormir pode criar, com a


força do pensamento, uma capa protetora na matéria sutil
dos outros níveis, e assim afastar as influências externas
durante o sono. Esse revestimento, construído com a ima-
ginação, impede-as de penetrar na aura do próprio ser.
  

54

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 54 8/25/17 14:50


Tornando-nos espectadores de nós mesmos, conse-
guimos tomar certas atitudes em meio a um pesadelo e
até invocar uma força superior. Esta, ao chegar ao plano
astral (nível onde os pesadelos se dão), dissolve tudo de
imediato.
Um pesadelo pode também ser dissolvido mediante a
prática de se fazer, em sonhos, o conhecido sinal da cruz.
Esse símbolo universal é antigo como a própria Terra e
está impresso em todos os níveis da consciência. Além
disso, é carregado da energia positiva de milhões de de-
votos que a cruz teve em todos os tempos. Mesmo que,
nos pesadelos, sintamos os membros paralisados — o que
é comum acontecer por causa da vibração do baixo astral
—, podemos fazer o sinal da cruz mentalmente, enquanto
dormimos, o que tem efeito muito mais rápido.
Se, antes de adormecer, tomarmos a decisão de fazer
esse sinal durante o sonho, com certeza nos lembraremos
dele e o faremos, caso necessário.
Todavia, o trabalho que elimina para sempre a ten-
dência para pesadelos é o que executamos no próprio
caráter. Quando eliminamos da vida de despertos as ten-
dências à possessividade, à agressividade e ao egoísmo, os
pesadelos não mais se apresentam. Elas são portas abertas
para as forças astrais que produzem esse tipo de sonho.
  

Também pode acontecer que, durante a noite, alguém


se sinta possuído por entidades estranhas, que ainda exis-
tem na Terra. Se isso ocorre com frequência, é sinal de
que razões de natureza pessoal e íntima, ligadas à pes-
soa mesma, o estão permitindo. Certos traços negativos
do caráter, como, por exemplo, ambição e insinceridade,

55

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 55 8/25/17 14:50


originados às vezes de outras encarnações, quando conti-
nuam a ser cultivados pelo indivíduo produzem a aber-
tura a essas entidades, muitas vezes artificiais, já que não
contêm vida em seu núcleo. Ou seja, muitas “entidades”
que nos atormentam nos sonhos são formas-pensamento
e não seres, conforme supomos.
Finalmente, a condição fundamental para que a vida
de sonhos seja equilibrada e sadia é termos clara a ideia do
serviço altruísta, indispensável hoje, dadas as novas ener-
gias que estão permeando o planeta Terra, especialmente
as advindas da constelação de Aquarius. A Vida Una zela
pela evolução de todas as suas partes e, quando estamos
decididos a servir, seja como parte de um grupo, seja co-
mo indivíduos, membros da humanidade em geral, sinto-
nizamo-nos com a força que sustenta essa Vida e nos leva
a contínuo progresso.

56

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 56 8/25/17 14:50


Consequências dos sonhos

Os sonhos podem ajudar-nos, ainda, a penetrar três


aspectos da vida, considerados intrincados do ponto de
vista mental, ou seja, segundo a limitada perspectiva da
consciência comum.
O primeiro é o fato da reencarnação. Como exem-
plo, cita-se o conhecido episódio bíblico em que Zacarias
sonha com um anjo. Este lhe diz que sua esposa Izabel,
apesar de estéril e idosa, iria ter um filho. Revela ainda
que esse filho seria o espírito e a fortaleza de Elias, profeta
que havia vivido sobre a Terra muito tempo antes. Desse
modo, Zacarias soube que seu filho seria aquele profeta
reencarnado, o que foi confirmado várias vezes, nos sécu-
los seguintes, por ocultistas.
Também uma pesquisa científica intitulada “Vinte
Casos Sugestivos de Reencarnação”, realizada em diver-
sos países, refere-se a um caso ocorrido no Alaska. Um
velho pescador afirmara ao filho que, ao reencarnar, vi-
ria de novo como membro daquela família. Dias depois, o
velho afogou-se no mar. Passados alguns meses, a esposa
do filho, portanto nora do velho pescador, engravidou e,
durante a gestação, sonhou que o sogro lhe dizia estar-se
preparando para voltar à Terra como seu filho. De fato,
quando a criança nasceu, apresentava em seu corpo físico
sinais idênticos aos que se observavam no corpo do velho
pescador, e situados nos mesmos lugares. Enquanto cres-

57

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 57 8/25/17 14:50


cia, a criança manifestava cada vez mais o temperamento
do avô, e os pais constataram que era uma espécie de “re-
trato” dele. Isso se explica pelo fato de o período em que o
pescador estivera desencarnado ter sido muito curto, im-
possibilitando renovação mais profunda dos três corpos
da personalidade.
O segundo aspecto é a existência da alma. Atualmen-
te, é possível sonhar com símbolos dela, nosso eu superior.
Há pessoas que sonham, por exemplo, com um pássaro e,
enquanto dormem, reconhecem nele esse eu superior, por
uma certeza interna.
Quando estamos acordados também temos experiên-
cias que nos levam a reconhecer a existência da alma. Há
quem tenha contato consciente com esse núcleo interno,
mas a maioria das pessoas o percebe apenas de forma in-
direta, por acontecimentos da vida, evidentemente dirigi-
dos por uma força maior.
O terceiro aspecto da vida que podemos penetrar por
meio dos sonhos é o fato de que realizamos tarefas en-
quanto dormimos. Com isso modifica-se a ideia de que, no
sono, nos desligamos de tudo. Na verdade, há pessoas que
enquanto dormem realizam certos tipos de trabalho, usan-
do seus corpos sutis movidos pela consciência superior.
Uma conhecida ocultista do passado revelou como o
seu corpo astral, conduzido pela alma, trabalhava durante
o sono físico. Contou que, no plano astral, participara de
um naufrágio e que, ao prestar serviços de salvamento,
um mastro do navio caiu-lhe sobre um ombro. Quando
acordou, encontrou no ombro físico o sinal daquele golpe
— prova concreta de que a atividade havia sido real.
O eu superior pode continuar trabalhando por meio
dos veículos sutis à noite, enquanto o físico dorme. Aos

58

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 58 8/25/17 14:50


poucos, vai-se processando tal treinamento que, progre-
dindo, nos leva a assumir tarefas cada vez mais úteis. Nesse
gênero de serviço, lidamos primeiramente com indivíduos,
ajudando-os de alguma forma; depois, com grupos; e, nu-
ma fase mais adiantada, passamos ao serviço planetário.
Convivi com uma pessoa que trabalhava nesse nível
mais avançado e que, por isso, necessitava de resguardo
durante a noite. Normalmente havia silêncio na casa, e a
pessoa dormia só, em quarto independente. Certa manhã,
contou-me ela que, durante o sono, havia participado de
uma reunião com políticos internacionais conhecidos e
que sua tarefa se resumira em ficar próxima como cons-
ciência, irradiando energia anímica para todo o grupo.
Quando chegaram os jornais do dia, pôde-se confirmar,
pelo noticiário, a realização da importante reunião da qual
a pessoa havia participado em corpo sutil horas antes.
  

Esses trabalhos são regulados pelo eu superior do in-


divíduo, que tem sua própria vida em níveis elevados da
consciência, mas cujos corpos astral e mental podem ser
deslocados à vontade para a execução de tarefas. Já exis-
tem inúmeros corpos astrais e mentais prestando-se a esse
tipo de serviço, e nem sempre a consciência humana do
indivíduo o percebe.
Pessoalmente, passei pela experiência de ser ajudado
por alguém, nessas condições, numa dificuldade especí-
fica. Estava fazendo um retiro espiritual perto de Roma,
num lugar onde havia muitos mosquitos. À noite, o quar-
to ficava repleto deles e eu não conseguia dormir. Tratan-
do-se de um lugar retirado, não havia meio de providen-

59

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 59 8/25/17 14:50


ciar defensivos e, como os mosquitos tendiam a aumen-
tar, certa noite fechei os olhos e pedi ajuda. Fiz isso a fim
de adormecer — objetivo que alcancei depois. Adormeci
e, encontrando-me lúcido no plano astral, notei entrar no
quarto uma senhora que nunca vira antes, usando um
chale camponês que lhe envolvia a cabeça. Trazia ela na
mão um prato cheio de brasas, com alguma coisa quei-
mando — talvez um tipo de incenso. Assim, no plano as-
tral, ela entrou no quarto, mostrou algo que fumegava e
desapareceu, deixando ali o perfume. Daquele momento
até o final do retiro, não fui perturbado pelos mosquitos.
  

O eu superior também pode trabalhar no seu próprio


corpo, designado tecnicamente de “causal” pela psicologia
esotérica, ou pode usar um veículo qualquer da persona-
lidade, conforme vimos. Ficando conscientes desses so-
nhos, ou do trabalho de outras pessoas nesse nível, somos
ajudados a desenvolver a boa vontade e o serviço altruísta
na vida humana comum.
  

Há pessoas a quem é dado servir mais facilmente nos


níveis sutis do que no plano físico. O que ocorre é que nes-
ses níveis não há obstáculos, ao passo que na vida externa
é possível a interferência de fatores cármicos desfavorá-
veis. Em geral, nesse tipo de trabalho executado nos níveis
sutis, observa-se uma progressão. Assim, quem tenciona
servir a humanidade acaba sendo treinado para tanto, e
isso pode dar-se também durante o sono do veículo físico.
Conheci um desses servidores do mundo que levava
uma vida humana anônima e comum. Quem o visse não

60

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 60 8/25/17 14:50


percebia a existência de sua intensa atividade noturna, a
menos que ele a revelasse, como fez comigo. Disse-me ele
ter presenciado um suicídio de uma mulher, acontecido
na Espanha. No “sonho”, ele ajudava o eu superior dela a
retirar-se dos veículos humanos impuros. A certa altura
desse empreendimento, feito com a irradiação do puro
amor da alma, a figura daquela pessoa transformou-se
numa personagem histórica espanhola, que, na sua épo-
ca, havia promovido morticínios. No dia seguinte a es-
se relato, os jornais noticiavam esse suicídio. Tratava-se
de uma famosa atriz cinematográfica, que o sonho de-
monstrou ter sido a reencarnação daquela personagem
histórica. Assim, passara ela pelo processo de equilíbrio
do carma de violência, a saber: pela lei, violência gera
violência; praticando-a com os outros, acabamos por
senti-la profundamente em nós mesmos, com suas con-
sequências.
  

O episódio que cito a seguir revela a evolução da


consciência desse servidor que, depois, passou a realizar
trabalhos grupais. Pouco tempo após essa ajuda que pres-
tou à pessoa que se suicidara, narrou-me que, em sonhos,
se encontrou no Vietnã, colaborando com um grupo de
soldados na travessia de uma ponte. No sonho não se es-
pecificava de que nacionalidade eles eram. “Eu e mais seis
estávamos dentro de um rio” — disse-me — “apoiando a
ponte, que ia desabar. Enquanto isso, os soldados passa-
ram sobre ela, conseguindo chegar à outra margem.” Feito
isso, verificou-se um bombardeio exatamente sobre a zona
que os soldados tinham acabado de abandonar. Desse mo-
do, todos foram salvos. No dia seguinte, os jornais traziam

61

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 61 8/25/17 14:50


notícias a respeito de importantes bombardeios ocorridos
no Vietnã e de várias fugas de grupos de soldados.
Podem-se salientar aspectos curiosos dessa experiên-
cia. O primeiro é o de que as sete pessoas não se conhe-
ciam no plano físico e, também, o de que não se tinha
noção de quais delas estavam encarnadas. Outro fato in-
teressante é o de que apenas sete pessoas conseguiram,
naquela dimensão da vida, sustentar sozinhas uma ponte
sobre a qual passou uma tropa inteira de soldados.
  

São vários os tipos de ajuda que podemos dar e rece-


ber por meio de atividades empreendidas em outras di-
mensões. Uma vez, tive um problema nos olhos físicos,
que oculistas e médicos comuns não sabiam a que atri-
buir. De minha parte, percebi que se tratava de algo a ser
resolvido em outro nível de consciência, cujo desequilí-
brio se estava deixando refletir no plano físico. Por certo,
tratava-se de um bloqueio em algum nível sutil, talvez no
mental. Eu tinha a firme intenção de dissolvê-lo, não tan-
to por causa dos olhos, mas por ele em si. Era algo a ser
solucionado internamente, antes que o incômodo físico
pudesse desaparecer. Quando o desejo de ficar com a vis-
ta sã se transformou por inteiro na ideia única de resolver
a questão principal, ou seja, a causa da enfermidade, fui
tomado pelo impulso de purificar-me.
Aconteceu, então, algo muito significativo: à noite,
feita a entrega da melhor forma que pude, adormeci e tive
um sonho. Nele, apareceu um cirurgião que me operou os
olhos, usando um bisturi, cujo toque nos globos oculares
eu sentia, sem, entretanto, sofrer dor alguma. Acompa-
nhei toda a operação com lucidez e, ao acordar, fui até o

62

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 62 8/25/17 14:50


espelho para ver se o trabalho havia deixado algum sinal.
Não havia marcas externas da operação, mas os olhos es-
tavam completamente bons.
  

Acontecimentos maléficos nos sonhos podem ter re-


sultados positivos para a vida humana, desde que haja dis-
cernimento. Uma amiga, por exemplo, sonhou que estava
sendo assassinada por um homem com quem, na vida de
desperta, mantinha envolvimento emocional e relações
sexuais. A experiência de sofrer o assassínio, no sonho,
deixou-lhe marcas tão profundas, que se tornou impossí-
vel para ela continuar com aquele relacionamento no pla-
no físico. O sonho ajudou-a a ver qual era a qualidade da
relação, que, aliás, a estava matando sob certos aspectos.
Ela me disse que se não fosse o sonho não teria encontra-
do forças para separar-se do companheiro.

63

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 63 8/25/17 14:50


Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 64 8/25/17 14:50
Sonhos comuns
e sonhos mentais

Retomo, aqui, para exame mais acurado, os dois tipos


de sonho já mencionados. É bom habituarmo-nos a obser-
var todos os aspectos de um sonho, pois, às vezes, a chave
para a sua compreensão pode estar num pequeno detalhe
que normalmente passaria despercebido.
Uma vidente cristã, com seu desejo de servir a Jesus,
teve um sonho no qual ele apareceu, trazendo um cor-
deirinho num braço. Ela interpretou como aprovação ao
trabalho que fazia — trabalho altruísta de oração e cura
com pessoas e grupos — e acabou envaidecendo-se com o
sonho. Como lhe agradou a visão, pediu que se repetisse,
e o quadro foi novamente projetado em sua tela mental.
Transcrevo, com detalhe, o diálogo que tivemos, logo
após ela me descrever o segundo sonho, a seu ver idêntico
ao primeiro.
— Mas seriam mesmo iguais os dois quadros? Você
não viu nenhum pormenor diferente no segundo? — per-
guntei-lhe.
— Não — respondeu-me ela. — Eram iguais em tudo.
— Então, repita como era o primeiro quadro.
— Vi Jesus, todo colorido, muito bonito, com um cor-
deirinho no braço.
— Em que braço?

65

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 65 8/25/17 14:50


— No direito.
— Agora descreva o segundo — pedi-lhe.
— No segundo, Jesus era também muito bonito, igual
ao primeiro, com o cordeirinho no braço.
Então, ela fez uma pausa, refletiu um pouco e com-
pletou: — Só que neste segundo o cordeirinho estava no
braço esquerdo.
Pude, então, chamar-lhe a atenção para a importân-
cia dos detalhes, uma vez que o cordeirinho no braço es-
querdo mostrava que o segundo quadro foi construído
não pelas forças que criaram o primeiro, autêntico, mas
por outras, que vieram alimentar sua vaidade humana. O
segundo quadro não era verdadeiro, pelo menos do ponto
de vista da evolução do ser.
Se esse simples detalhe não tivesse sido notado, a vi-
dente teria continuado iludida e enveredado por um ca-
minho que ela mesma não se propusera.
  

Geralmente, não se dá importância a detalhes. Nos so-


nhos, no entanto, alguns precisam ser notados, como, por
exemplo, o lado (direito ou esquerdo) em que um objeto ou
um ser se encontra. Para as pessoas que conheci e que me
relataram sonhos ou visões, o lado direito tinha valor posi-
tivo, ao passo que o esquerdo tinha implicações negativas.
Quando pergunto para o meu mundo interior se devo
escrever certa carta, costumo receber como resposta a vi-
são de um envelope selado. Se o selo se encontra à direita
do envelope, significa que devo escrever a carta; se está à
esquerda, que não devo fazê-lo. Mas isso não deve tornar-
-se padrão para todos, pois, como vimos, cada um tem o
seu mundo de símbolos. Mesmo tratando-se de símbolos

66

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 66 8/25/17 14:50


universais, é necessário cautela para se ter a compreensão
correta da mensagem.
  

Outro tipo de sonho comum, de simbolismo univer-


sal, refere-se aos encontros que temos programados. Se
um encontro for positivo, a pessoa que iremos ver se apre-
senta à direita ou caminha da esquerda para a direita no
sonho. Se, ao contrário, for desfavorável, a pessoa vai em
direção à esquerda, ou aparece olhando para a esquerda,
ou, então, algum outro detalhe elucidativo manifesta-se
nesse mesmo sentido.
  

É bom ouvir a narração de sonhos com “dois ouvi-


dos” diferentes. Com um deles escutamos, atenta e amo-
rosamente, o que a pessoa está relatando; com o outro, o
ouvido interno, escutamos o que ela de fato quer dizer e o
que na verdade ocorreu, independentemente das suas pro-
jeções sobre o acontecido. Essa espécie de dupla antena é
necessária e deve ser usada não só com relação aos outros,
mas, sobretudo, conosco.
  

Havendo colaboração entre os estudiosos dos sonhos,


a chave para a interpretação da experiência onírica de um
pode manifestar-se na de outro. Quando há interação de
intenções, ou a mesma meta espiritual, isso pode aconte-
cer. Às vezes, alguém não está em condições de receber a
mensagem porque seus canais de captação não se encon-
tram suficientemente livres; a mensagem pode ser, então,
recebida por um parceiro.

67

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 67 8/25/17 14:50


Vivi experiência interessante nesse campo. Um amigo
disse-me ter feito tratamento psicológico analítico por oi-
to anos e não ter conseguido, até aquele momento, respos-
ta para uma dúvida sobre si mesmo. Evidentemente, havia
nele um bloqueio em certa área, bloqueio que se acentuou
de tanto ele falar e se concentrar no assunto. Sugeri-lhe
que considerasse esses oito anos como um estímulo pa-
ra renovar-lhe a disposição para saber a verdade, usando,
porém, outro processo, menos racional. Ofereci-me para
procurarmos juntos essa verdade, e ele aceitou. Disse-lhe,
então, que não deveríamos mais falar sobre o problema e
que, ao nos encontrarmos, conversaríamos sobre outros
temas. Ele concordou e essa abertura fez com que, logo no
dia seguinte, cada um de nós tivesse um sonho.
Em seu sonho, ele simplesmente aparecia postado de-
fronte de um elevador e nada mais. Era só o elevador e ele
diante da porta. Observe-se que, ao renunciar em insistir
na reflexão sobre os traços da própria personalidade, lhe
adveio um símbolo de ascensão. Depois de oito anos às es-
curas, esse pequeno sonho foi um passo. De minha parte,
também tinha feito o possível para me libertar do assunto
e, naquela mesma noite, sonhei com ele e o elevador; só
que no meu sonho havia também uma moça, e ele, diante
da porta, fazia sinal para ela entrar. Mais tarde, em nossa
conversa regular, cada um contou o seu sonho e tudo foi
ficando claro. No sonho que tive, ele e a moça estavam
um ao lado do outro, o que significava serem uma mesma
pessoa: o aspecto positivo (masculino) e o negativo (fe-
minino) do mesmo indivíduo. O sinal que ele fazia para
a moça entrar no elevador queria dizer que deixasse seu
lado feminino emergir, subir, crescer, aflorar, enfim. In-
terpretamos esse como o lado afetivo e inclusivo.

68

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 68 8/25/17 14:50


O desejo de saber a verdade e a renúncia a qualquer
compulsão fizeram com que a verdade surgisse. Na ci-
vilização atual, principalmente entre latinos, quem está
num corpo masculino ainda fica inibido com relação às
manifestações afetivas. Mas bastou que o meu amigo co-
meçasse o trabalho interior e se libertasse desse condicio-
namento cultural (o que vínhamos trabalhando em nos-
sas conversas) para que nele se operasse a transformação.
Constatamos, desse modo, como o trabalho em conjunto
pode ser útil, caso exista sintonia entre as partes.
  

Outros sonhos desta mesma categoria são produzidos


pelo nosso desejo de encontrar pessoas no plano astral.
Parecem reais e reproduzem as situações que estamos ha-
bituados a viver com essas pessoas. São uma oportunida-
de para conhecermos nossas tendências, já que nesse pla-
no agimos de forma desinibida. Entretanto, a energia des-
pendida nesses encontros, que interessam apenas ao nível
emocional, seria mais útil se empregada em outro nível,
onde a realidade é transpessoal e as uniões, verdadeiras.
  

Há, ainda, sonhos que são mera continuação ou re-


miniscência da vida diária, sem qualquer valor simbólico
ou evolutivo. Podemos aproveitá-los para observar como
estamos agindo — o que nos permitirá uma revisão em
nossas atitudes, quando despertos.
  

Os sonhos de natureza mental, conforme já tive oca-


sião de mencionar, são mais úteis que os do mundo astral,

69

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 69 8/25/17 14:50


ou emocional. Neles ficamos mais em contato com ideias
e ideais, e não tanto com as emoções e os sentimentos
humanos. Esses sonhos mentais implicam um trabalho
de desenvolvimento da mente, por meio da sintonia com
concepções amplas ou altruístas.
Um exemplo de sonho mental com repercussões pro-
fundas na personalidade foi o seguinte: um rapaz procura-
va conhecer a verdade e pediu que essa lhe fosse revelada,
qualquer que fosse. Como havia sinceridade no pedido, foi
atendido quase de imediato pelos níveis superiores do seu
plano mental. Assim sendo, sonhou com alguém que saía
de um arquivo de aço e abria um livro diante dele, mos-
trando-lhe um alfabeto desconhecido. Embora, no nível
racional, desconhecesse totalmente o alfabeto, o jovem
tinha consciência de que era verdadeiro. De fato, quando
despertou, sentiu que sofrera mudanças, pois estava mais
seguro e menos curioso, mesmo não tendo compreendido
a escrita do livro.
Nesse sonho, quem apresentou o livro era um aspec-
to do próprio rapaz, porém, um aspecto que dominava
certos conhecimentos. Nessa experiência, ele mesmo não
aprendeu nada de concreto, mas sua mente pôde registrar
uma lição que repercutiu por vias não racionais.
Cada mente superior tem seu método de estabelecer
contato com o eu consciente. Por isso, diante dos sonhos
mentais temos de ter paciência, uma vez que nos são apre-
sentados segundo o tipo de energia manifestado por nos-
sa mente. Quando a mensagem é incompreensível para a
mente normal, significa que a compreensão ou a síntese
aconteceram em outro nível — como no caso do sonho
com a figura que saiu do arquivo de aço.
  

70

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 70 8/25/17 14:50


Tive a seguinte experiência no campo dos sonhos
mentais: estava vivendo um ciclo em que tudo me apare-
cia claro, sem que eu me desse conta de como isso ocorria.
Um dia, deitei-me após o almoço e, atravessando logo a
parte cerebral e astral do meu ser, em poucos momen-
tos encontrei-me em um sonho mental. Nesse nível da
consciência, pude perceber um ser todo de branco, uma
brancura que se confundia com o fundo do quadro: era
como se fosse uma cor só, ou melhor, uma ausência de
cor. Aquele ser, figura benéfica, tinha na mão um pontei-
ro, uma espécie de mostrador, desses que os professores
usam para apontar a escrita no quadro-negro. Com aquele
objeto apontava uma igreja, muito menor que ele próprio,
uma igreja gótica em miniatura, porém nítida em todos
os detalhes. Quando fixei a atenção nela, o sonho acabou.
Alguns dias depois, ao olhar a contracapa de um li-
vro, vi a foto do autor e constatei ser o que aparecera no
meu recente sonho mental. Tratava-se de um conhecido
representante da Igreja Católica, já desencarnado. Tomei
o livro, abri-o com atenção e percebi que continha ensi-
namentos que, surpreendentemente, já havia recebido por
outras vias. Relacionando o fato com o sonho que tivera,
percebi que o conteúdo do livro me havia sido todo trans-
mitido no momento em que o ponteiro indicara a minia-
tura de igreja gótica. O encontro com o livro, no plano
físico, serviu para confirmar-me a importância dos so-
nhos mentais. Pelo que sei, são possíveis quando nos des-
ligamos o suficiente das preocupações triviais, dos desejos
corriqueiros, das emoções e sensações, permitindo, assim,
que níveis mais profundos se revelem e nos tragam seu
ensinamento sintético, sem palavras.

71

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 71 8/25/17 14:50


  

Figuras geométricas também fazem parte do mundo


mental e delas provém muita energia. Em vez de receber
uma resposta projetada no astral como se fosse um filme
com enredo, pode-se obtê-la ao ver uma figura geométrica
de caráter sintético e simbólico.
Assim, certa pessoa que há muito se dedicava à auto-
-observação, sonhou com um quadrado perfeito. Percebeu
logo que se tratava de uma mensagem do mental superior
e continuou tranquila, embora nada tivesse entendido.
Sintonizou, porém, de forma especial, com o quadrado
do sonho, reafirmando mentalmente que se considerava
coligada com a fonte interna da qual viera aquela figura.
Então, a seguir, sonhou com um retângulo. Obser-
vando-o, notou que não tinha a pureza do quadrado, em
termos de vibração: por ter duas partes maiores que as
outras, o retângulo não lhe transmitiu a mesma ideia de
ordem. A pessoa aquietou-se, visualizou mentalmente o
quadrado e o retângulo e ficou diante de ambos. Momen-
tos depois, emergiu a seguinte revelação em sua consciên-
cia: “O retângulo é você, quando não perfeitamente equi-
librada; em total alinhamento, você é aquele quadrado”.
Incontinenti, constatou que uma energia de equilíbrio a
permeava, com uma espécie de mensagem muda, porém
clara, que parecia dizer-lhe: “Transforme os seus qua-
tro lados em lados bem iguais” — o que foi um estímulo
inesquecível.
Em experiências como essa, pode-se perceber a dife-
rença entre um sonho mental, que traz a energia evoluti-
va mais pura, e o comum, mero prolongamento da vida
diária. Se com a aspiração conseguirmos transcender as

72

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 72 8/25/17 14:50


situações da vida cotidiana (embora as vivamos com aten-
ção e amor) e voltarmos nossa mente para níveis mais am-
plos, esses contatos tornar-se-ão possíveis.
Começará, desse modo, a surgir em nossa vida outro
tipo de sonho. Nunca é demais repetir que a aspiração ao
progresso espiritual é a mola-mestra de todo o processo, a
energia que estimula de forma direta todas as células, em
todos os corpos do ser. Trata-se, porém, de uma aspiração
serena, sem ambições, voltada para o mais alto ou mais
profundo do ser.

73

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 73 8/25/17 14:50


Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 74 8/25/17 14:50
Ensinamentos pelos
sonhos

Se compararmos a nossa identidade do estado de vi-


gília com a que se revela nos sonhos ou com a que se ma-
nifesta no nosso sono profundo, verificaremos como são
diferentes. Gradualmente é que descobrimos a mais ver-
dadeira. A propósito disso, lembro aqui um sonho bíblico:
o que José teve no Egito.
Encontrava-se ele no campo, reunindo feno com os
irmãos. Quando o trabalho ficou pronto, viu o feixe que
preparara erguer-se verticalmente em direção ao céu, en-
quanto os demais, que representavam os irmãos, se pros-
travam diante daquele feixe, que representava ele próprio,
José.
Ao contar esse sonho aos irmãos, eles se admiraram
porque, quando despertos, queriam mal a José, chegan-
do mesmo a odiá-lo. No entanto, no sonho, curvavam-se
diante dele: sua identidade, ali, diferia da que demonstra-
vam no dia a dia.
  

Outro caso típico é o de um indivíduo tímido, com


pouca autoconfiança, que não tinha consciência da sua
verdadeira situação interna. Pediu, então, luz a respeito de
si mesmo. Logo após, sonhou com uma mesa comprida,

75

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 75 8/25/17 14:50


sobre a qual havia uma ave recém-nascida, com algumas
poucas penas. Curioso diante da avezinha, no próprio so-
nho, indagou-se como cuidaria dela e que providências
deveria tomar para mantê-la viva. Nisso surgiu um ser de
porte alto, dizendo-lhe que o importante não era cuidar
da avezinha; fundamental era que ela, finalmente, tinha
conseguido nascer. “Mas que espécie de ave é essa?” — ele
perguntou ao ser. “É um cisne” — respondeu-lhe.
Esotericamente, cisne pode ser símbolo do eu superior,
como neste caso; era como se o eu superior já estivesse nas-
cendo para o controle da personalidade, embora, na cons-
ciência de vigília, ainda não existissem sinais claros disso.
  

Não podemos conhecer facilmente a identidade que


temos no sono profundo. Isso nos induz a desidentificar-
mo-nos da personalidade externa e de seus reflexos, que
costumam aparecer nos sonhos. Vemos, assim, que a nos-
sa existência externa e pessoal é uma espécie de constru-
ção. É como se o ser que vive no nível mais profundo, do
qual em geral não temos consciência, ao procurar mani-
festar-se, fosse construindo figuras exteriores. Ao proje-
tar-se, produz a identidade dos sonhos; depois, projeta-se
ainda mais externamente e compõe a nossa identidade
psicológica, o que somos fora.
A identidade externa, o eu pessoal, é a mais efême-
ra e mutável. Perde-se consciência dela assim que o corpo
adormece. Se não acordássemos de novo, viveríamos sem
ela. Nos sonhos, ou no sono profundo, é como se jamais
tivesse existido.
Nos sonhos, por conseguinte, podemos ser mais fiéis
ao nosso ser profundo. Por não estarmos completamente

76

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 76 8/25/17 14:50


encarnados no cérebro físico, enquanto dormimos, temos
maior liberdade de ser o que de fato somos. Podemos estar
onde quisermos, pois tempo e espaço são outros e as lo-
comoções, instantâneas. Ao nos identificarmos com essa
segunda fase das projeções do verdadeiro eu, começamos
a ficar menos inibidos e mais livres.
Assim sendo, aquele que sonhou com o cisne percebeu
algo que não lhe seria possível notar na vida de desperto:
que o eu superior estava nascendo para conduzir sua per-
sonalidade. Se alguém lhe tivesse revelado essa realidade,
ele não iria acreditar, pois não via sinais exteriores dela.
Mas o sonho transmitiu-lhe confiança e a possibilidade de
reconhecer a própria fé.
  

Aprendi, pois, que, se um sonho vem de um nível su-


perior e mostra o que deve ser feito, o que ele traz é em
geral o oposto do que eu humanamente faria. Embora seja
um fato estranho para a personalidade comum, junto com
essa conscientização vêm a coragem e a força para fazer o
que se deve, segundo o que foi visto nos sonhos.
Conforme já disse, há uns trinta anos eu tinha um
círculo de relacionamentos bem diferente do atual. Era
um círculo forte, uma vida intensa; era-me difícil conce-
ber que a situação fosse mudar um dia, tão real me parecia
nos níveis da personalidade. Resolvi, contudo, pedir es-
clarecimentos sobre esse modo de vida que eu sentia estar
cristalizado, e eis o sonho que tive: uma grande piscina,
cheia de água suja, diante dos meus olhos. De repente, a
água começou a escoar e, num instante, a piscina ficou va-
zia e enxuta. Os azulejos, azul-claros, ficaram secos como
se nunca houvesse tido água ali dentro. Em seguida, uma

77

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 77 8/25/17 14:50


água limpa, cristalina, subiu até a borda da piscina e tudo
aquilo se mostrava bem nítido à minha consciência.
Esse sonho revelava-me o seguinte: a piscina com
água suja devia ser esvaziada por mim e representava o
velho grupo de amigos; a água limpa que subia era o novo
ambiente, o novo círculo de relacionamentos que iria sur-
gir logo após eu me ter liberado do antigo.
Ao despertar, tomei consciência dessa mensagem e
não hesitei em separar-me de todos que conhecia. E a for-
ça interior não terminou aí: levou-me para um país dis-
tante, deu-me outra profissão, bem mais sintonizada com
os tempos futuros, e as pessoas do passado não me pro-
curavam mais, ou, se o faziam, não me achavam. Com o
tempo, esqueceram-se de mim. Só depois de alguns anos
reapareceram algumas delas, e assim mesmo esporadica-
mente. Outras tornaram a me procurar por razões de or-
dem espiritual.
  

Logo que comecei a dedicar-me ao estudo da vida


onírica, fui bastante ajudado por uma pessoa esclareci-
da nesse campo, que tinha profundo conhecimento de
símbolos. Percebendo estar diante de rara oportunidade,
imaginei o quanto seria bom se pudesse dedicar-me ex-
clusivamente a esse trabalho por uns tempos. A partir daí,
eu, que até então vivia ocupado o dia todo, encontrei-me
morando só, num local apropriado, perto da casa da ins-
trutora, e com o tempo inteiro livre, à disposição. Seria
impossível compreender, com a mente racional, como isso
pôde acontecer, mas assim foi.
Nesse período de dedicação integral ao estudo dos so-
nhos, eu não tinha horário fixo para me levantar; podia

78

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 78 8/25/17 14:50


experimentar todo tipo de sonhos — os da noite, os do
adormecer, os que vêm depois que acordamos e tornamos
a dormir. Tinha, assim, oportunidade de estudá-los, às ve-
zes no mesmo dia, com aquela preciosa criatura... Percebi
que o meu carma se ajustou mediante essa aspiração cor-
reta, e outras mudanças vieram depois, como acréscimo.
Se estamos realmente interessados em tomar cons-
ciência do mundo onírico, as energias superiores, que são
onipotentes, nos dão a clareza e os meios necessários para
tal, em todos os níveis. Afirmo isso baseado em minha
própria experiência.
  

É bom ressaltar aqui que a clareza não vem ao eu


externo só por meio de sonhos. Atualmente, após passar
pelo sono profundo, estando desperto no plano físico e
permanecendo quieto e receptivo, percebo que algo “se
implanta” na minha consciência. A partir daí, mudo de
estado. Não aparece, nesses momentos, nenhuma voz, ne-
nhuma visão, nada. É como se algo indescritível se fosse
aproximando. Não pode ser denominado nem explicado;
é simplesmente algo que vem. Decididamente, optei por
contemplar esse mistério.
Algumas pessoas não têm facilidade de lembrar-se
dos sonhos ou de ter experiências místicas. Há as que não
se recordam deles com frequência e as que os desconhe-
cem por completo. Porém, mesmo que a alguém não seja
dado lembrar-se dos sonhos, todos passamos por eles, pe-
lo menos duas horas por noite.
A maior ou menor tendência a lembrar-se dos sonhos
ou a ter experiências místicas depende do mecanismo
psíquico e cerebral de cada pessoa e, também, de outras

79

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 79 8/25/17 14:50


circunstâncias mais ou menos passageiras. Ademais, de-
pende muitas vezes de fatores cármicos. A presença ou au-
sência dela não nos deve condicionar nem impressionar.
O mais importante é a fé no mundo interior, na realidade
dentro de nós mesmos, que existe e age.
No centro do nosso ser há uma energia criativa pode-
rosa e parte dela fica evidente na vida onírica — onde o
impossível acontece. Fazer a ligação entre todos os estados
em que vivemos, o da vigília, o do sono, o do sonho e o
do sono profundo, eis um desafio que nos é apresentado,
principalmente nesta época, em que o desenvolvimento
da mente humana lhe permite assumir o lugar de inter-
mediária entre a consciência comum e a supraconsciência.
À medida que a mente humana silencia, desempenha
sua função evolutiva.

80

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 80 8/25/17 14:50


A qualidade
da vida onírica

Certa vez, estava conversando com uma amiga de


natureza muito emotiva sobre um assunto difícil de ser
tratado em circunstâncias normais. Todavia, para minha
surpresa, foi notável a fluência com que o desenvolvemos
então. Por mais que falássemos do inusitado, tudo era re-
cebido naturalmente por ela, como se o que se abordava já
fosse conhecido. Quando terminamos, eu lhe disse: “Inte-
ressante, tudo de que falamos parecia-nos familiar, como
se dentro de nós já existisse”.
Ela, então, comentou que sonhara comigo na noite
anterior. No sonho, eu prometia falar-lhe algo, mas, em
seguida, convidava-a: “Vamos subir”. O quadro desapare-
ceu e o sonho terminou sem que ela tivesse tomado cons-
ciência do que ocorrera “lá em cima”. Disse-me ela que
essa parte do sonho de que se lembrava era colorida e que
o cenário dele parecia concreto, como uma reprodução da
sua casa.
Esse fato foi muito curioso, uma vez que, enquanto
ela vivia essa rápida experiência, eu estava dormindo em
outro quarto. Nossas consciências, evidentemente, encon-
traram-se e comunicaram-se durante a noite, e dessa co-
municação aflorou o nosso entendimento. A conversa no
plano físico, no dia seguinte, foi mero reflexo do que já

81

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 81 8/25/17 14:50


havia acontecido em nível sutil. Só que ela não teve cons-
ciência do nosso contato porque este se deu no mental (“lá
em cima”) e ela não o conseguira apreender.
No início de seu sonho, enquanto tudo era colorido
e semelhante à vida física, estávamos no plano astral; as
palavras “vamos subir” significavam que o contato ia con-
tinuar, porém num nível acima, ou seja, o mental. Tendo
passado o dia emocionada com uma série de fatos, à noite
ela não conseguiu ficar consciente em outro plano, como
lhe acontecia quase sempre.
Tanto no estado de sono quanto no de vigília, nossas
atividades mudam de um nível para outro, mesmo quan-
do somos conscientes espiritualmente. Às vezes, o corpo
adormece e fica-se lúcido no astral, perdendo-se a cons-
ciência do físico, sem que, com isso, se esteja cônscio do
mental, como no caso descrito. Depois que o corpo astral
termina uma atividade no seu próprio nível, tem início
outra, do corpo mental. Essas mudanças podem ocorrer
várias vezes durante o sono. Se, a cada vez que a ativi-
dade termina num desses planos, pudéssemos acordar e
polarizar a atenção na etapa seguinte e depois adormecer
de novo, iríamos deliberadamente para lá e também nos
lembraríamos de tudo o que transcorresse na noite. Con-
tudo, o que em geral acontece é que, com essas mudanças,
ao acordarmos de manhã, não temos consciência de onde
estivemos e o que fica impresso no cérebro é a mínima
parte do que se passou conosco.
Se a consciência está por demais polarizada no mun-
do material denso, custa-nos sair do corpo físico, enquan-
to ele dorme; se as emoções da vida de desperto nos apri-
sionam, no sono não conseguimos ultrapassar o plano
astral, o emocional.

82

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 82 8/25/17 14:50


  

É possível perceber se um sonho é do tipo mental ou


astral. Quanto mais concreto em suas imagens e seme-
lhante à vida no plano físico, maior a probabilidade de ser
um sonho astral. Isso não quer dizer que um sonho men-
tal ou mesmo espiritual não possam ser nítidos, claros,
uma vivência verdadeira, só que em níveis sutis.
Outros traços para a identificação do tipo do sonho
são os seguintes: se, no sonho, pudermos tocar um ob-
jeto qualquer com os dedos, bem concretamente, é sinal
de que essa ação se passa no plano astral ou até mesmo
no etérico. Tudo o que é percebido pelos sentidos físicos,
os odores, os sons, está próximo desses planos. À medida
que alcançamos níveis mais elevados, percebemos que tu-
do pode permanecer igualmente claro, porém, não com o
mesmo grau de materialidade — ficamos diante de outro
sentido do real.
Contarei algo que mostra como, por exemplo, as di-
mensões do plano etérico se assemelham às do físico. Uma
correspondência foi-me enviada pelo correio e, horas antes
de chegar-me às mãos, percebia sendo colocada por baixo
da porta do quarto onde dormia. Isso me ocorreu ao acor-
dar de manhã, quando estava no limite entre o sono e a
vigília. Parecia-me uma carta verdadeira, concreta, só que
de material mais poroso, desses que a gente vê em fotos
feitas com lente de aumento e em que é possível enxergar
todos os detalhes. O que foi colocado debaixo da porta, no
sonho, originara-se do plano mental do indivíduo que en-
viou a carta, passando pelo etérico, que eu captara, antes
de chegar ao concreto. A imagem estava tão próxima do
mundo físico que, ao levantar-me, tive de olhar bem para

83

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 83 8/25/17 14:50


certificar-me de que não havia coisa alguma ali. A carta
física, concreta, chegou durante o dia, e tudo o que se pas-
sara antes preparou-me para receber a mensagem escrita,
muito importante para mim.
  

Outra observação a ser feita é que, no plano mental,


os sonhos não têm cor. Não se pode dizer que sejam bran-
cos ou pretos, pois trata-se de um branco e de um preto
que desconhecemos no plano físico. À medida que se vai
subindo de nível de consciência, os sonhos vão, cada vez
mais, perdendo a semelhança com o que se passa no mun-
do físico.
Os livros esotéricos tratam das cores dos níveis su-
tis, mas em termos de impressões e de vibrações inter-
nas, e não nos termos como as experimentamos na vida
concreta. Teoricamente, é impossível descrevê-las, já que
palavras humanas não conseguem exprimir o que de fato
ocorre nos planos de consciência mais elevados. A expe-
riência interior das cores poderá ser vivenciada por todos
nós, sim, num futuro próximo, e acabará fazendo parte da
evolução do homem.
  

Desenvolvendo, no mundo físico, a consciência de es-


pectador dos próprios atos, sentimentos e pensamentos,
passamos a tê-la também no sono. Podemos, então, ver-nos
sonhando, o que às vezes nos permite modificar o desfecho
de algum episódio. Por exemplo, se sonhamos que estamos
indo para determinado lugar, podemos intervir e, se qui-
sermos, fazer com que o corpo que ali agia mude de rumo.
Isso, é claro, acontece apenas nos níveis da personalidade,
pois nos superiores não há possibilidade de imposições.

84

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 84 8/25/17 14:50


No nível espiritual não existem divisões e, por isso,
nele não há nenhum espectador psicológico, como nas três
dimensões mais conhecidas. À medida que a consciência é
absorvida no plano espiritual, perceberá tudo o mais — a
saber, o pensador e as etapas menos sutis — nele incluído.
Falamos dos níveis da existência como se estivessem
isolados uns dos outros, mas fazemo-lo apenas para me-
lhor compreendê-los. Na verdade, estão interligados, inte-
ragindo uns com os outros, e constituem um todo. Nos-
so ser é uma unidade, e um dia chegaremos a percebê-la.
Assim sendo, as atividades nesses vários planos podem
ocorrer simultaneamente, embora tenhamos a ilusão de
que são sucessivas.
Conheci alguém que havia anos estudava o TRATA-
DO SOBRE MAGIA BRANCA, de Alice Bailey. Nas úl-
timas etapas desse estudo, a explicação das regras iniciá-
ticas expostas no tratado era-lhe fornecida pelo “sonhar
acordado”. Uma das regras mais complexas para a mente
concreta foi-lhe esclarecida durante um banho de chuvei-
ro — conforme ele próprio contava, com bom humor. Isso
pôde acontecer não só porque havia canais de comunica-
ção entre todos os níveis, incluindo o físico, mas também
porque esses canais se encontravam desobstruídos. Os
movimentos realizados no banho não impediram que a
mensagem lhe chegasse ao cérebro, com toda a clareza.

85

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 85 8/25/17 14:50


Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 86 8/25/17 14:50
Parte II
OUTRAS ETAPAS

“Qualquer pessoa que atinja


um nível onde estar acordado
não é diferente de estar dormindo
deve proteger essa conquista.
Nossa capacidade de fazer isso
depende da nossa profundidade.”
Huai-Chin Nan

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 87 8/25/17 14:50


Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 88 8/25/17 14:50
A função espiritual
dos sonhos

Se não passássemos algum tempo desencarnados, não


nos seria possível viver sobre a Terra, como é necessário
que aconteça por alguns períodos, para maior experiência
e oportunidade de prestar serviços. A certa altura, desen-
carnamos a fim de que sejam constituídos novos corpos,
mais adequados para as situações em que vão atuar. O eu
superior faz então suas sínteses e prepara condições futu-
ras mais favoráveis, segundo o que permite o carma tecido
pelo ego humano no decorrer da vida na Terra. O período
de desencarnação é fundamental, portanto, para a reno-
vação das energias.
No estado de sono acontece coisa semelhante, só que
em proporção menor, porque sua duração é de apenas al-
gumas horas. Se a consciência não se retirasse do corpo
físico e não mergulhasse em níveis mais profundos, dei-
xando assim de receber influência externa, não seria pos-
sível a continuação da vida aqui; pelo menos a cada vinte
e quatro horas necessitamos dessa restauração.
Ilustremos isso com a imagem de uma esponja em-
bebida em água. A água seria a matéria astral, emocional,
do indivíduo, e a esponja em si, o seu corpo físico-etérico.
Enquanto contida na esponja, a água está separada do re-
servatório geral; mas, se a esprememos dentro dele, ela se

89

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 89 8/25/17 14:50


revitaliza ao voltar a integrar-se naquele todo. Mais tarde,
ao ser reabsorvida pela esponja, a água estará de tal modo
recomposta que poderá mantê-la sempre fresca, sem que
se resseque e tampouco que apodreça. Essa é uma imagem
criada por Rudolf Steiner, que dedicou toda a sua vida a
estudos da alma.
Da mesma forma, a substância astral, que retorna ao
corpo físico-etérico após o sono, revitaliza-o todo, pois
passou algumas horas no reservatório geral planetário e,
quem sabe, no extraplanetário, ainda mais saudável. Se
o corpo astral ficasse sempre circunscrito ao físico, sem
saídas periódicas, seria criada uma situação insustentável,
porque ele precisa desse mergulho em seu ambiente ori-
ginal. Lá fica à vontade dentro de suas leis específicas. Da
mesma forma, o eu superior necessita retornar ao seu pró-
prio nível, onde encontra a vitalidade básica que transmite
à consciência externa.
  

O contato com mundos suprassensíveis é imprescin-


dível para que a vida possa fluir num ritmo correto. Não
podemos contar só com a consciência externa, a chamada
consciência de desperto, pois ela é limitada às vibrações
mais densas. Como exemplo, posso mencionar que me
lembro de haver preparado uma vez, com muito esmero,
uma palestra que acreditava ser adequada para um gru-
po. Felizmente, na noite anterior a esse trabalho, tive um
sonho, no plano astral, em que vi, partida ao meio, inuti-
lizada, a sandália que eu tinha o hábito de usar. Pude de-
preender daí que a palestra planejada era imprópria para
aquele tipo de auditório.
No caso, embora toda a estrutura para a realização da
palestra estivesse pronta nos termos humanos, em outro

90

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 90 8/25/17 14:50


nível a realidade era diferente, e isso se refletia, daquele
modo, no plano astral. Vê-se, com isso, que, se os veículos
astral e mental da personalidade não saem durante o sono
e não entram em contato com outros planos de vida, cer-
tos fatos não podem ser percebidos com a devida clareza.
  

Advirta-se, contudo, que, ao atribuirmos tamanha


importância à vida que experimentamos durante o sono e
ao estimular as pessoas a observarem os próprios sonhos,
não é nossa intenção induzi-las a fugir da vida de vigília
e da realidade cotidiana. Urge buscar, em outros níveis,
os elementos necessários para que a realidade do dia a dia
seja vivida conforme nossa verdade interna, e não con-
trariamente a ela. Com muita facilidade a vida humana
toma rumos diferentes dos reais. Esse é o caso da palestra
que eu estava preparando de forma inadequada. Não fosse
corrigida a tempo, poderia criar um carma negativo para
o eu consciente, dificultando futuras ações do eu superior
na Terra.
Durante alguns anos desta encarnação, fiz uma expe-
riência muito significativa com carma yoga, ou seja, com
o yoga do clareamento do destino. Eu pretendia equilibrar
o que fosse possível em meu carma humano e ficar então
mais livre para o serviço ao mundo em geral, desligando-
-me de interesses particulares, que tomam tanto tempo.
Como me concentrei nessa intenção, minha vida humana
começou a mudar e novas conjunturas se apresentaram,
oferecendo-me a oportunidade de resgatar débitos ante-
riores por meio da prestação de um serviço incondicional
e desinteressado. Nesse período vi que, se não estivesse

91

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 91 8/25/17 14:50


bem apoiado numa vida lúcida de sonhos, não teria podi-
do enfrentar corretamente certas situações, das quais não
tinha nenhuma experiência.
Quando fiz essa oferta íntima e profunda, passei a ter,
todas as noites, sonhos instrutivos, que me guiavam e me
mostravam o que devia ser transformado. Então, com se-
gurança, entregava-me à transformação indicada. Apren-
di, na prática, que os sonhos podem ter papel muito rele-
vante em nossa ascese espiritual. Narro, aqui, um deles,
que me parece bastante elucidativo.
Minha consciência encontrava-se num ponto elevado,
numa espécie de estúdio cinematográfico muito grande,
onde havia uma equipe filmando. De cima, via as pessoas
trabalhando confusamente lá embaixo. Nesse estúdio
havia também um teleférico. De repente, do mesmo lu-
gar onde eu estava, no alto, surgiu um cestinho com um
recém-nascido, que desceu rapidamente pelo teleférico e
caiu na parte inferior do estúdio.
O sonho, muito rápido, consistiu apenas nisso. Nun-
ca o esqueci. Pude ler nele, com bastante clareza, que, se
eu continuasse com as atividades que desempenhava, esse
meu aspecto recém-nascido iria morrer, descer de nível.
Não tive dúvida em abandonar a profissão artística que
exercia havia cerca de dez anos, e isso serviu para deixar-
-me mais livre de laços cármicos. É bom notar que, logo
após ter tomado essa decisão, se abriram para mim opor-
tunidades de desenvolver outras atividades criativas em
setores tão variados, que mal tinha tempo de me adaptar
às novas situações que iam surgindo. Daí por diante, era
viver na fé, já que a restauração das energias vinha como
consequência.
  

92

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 92 8/25/17 14:50


Devemos estar atentos quando tivermos sonhos que
são estímulos espirituais. Eles podem ser não só distor-
cidos pelo material disponível em nossa mente desprepa-
rada para esse tipo de vibração, como prejudicados pela
opinião de terceiros, nem sempre receptivos ao incomum.
Há, portanto, inconvenientes em compartilhar esse tipo
de sonho, a não ser que a pessoa para quem o narramos
esteja em sintonia com nosso processo espiritual, por es-
tar vivendo conscientemente o seu próprio. Devemos falar
de nossas experiências internas apenas se houver razão
profunda para tanto e, assim mesmo, com a pessoa certa.
Caso contrário, o efeito delas se dilui.
A menos que a sua revelação ajude os demais, ou que
nosso interlocutor tenha condição de esclarecer-nos acer-
ca de algum pormenor que, porventura, tenha permane-
cido obscuro, o ideal é guardar conosco a vivência desses
sonhos. Ainda mais: caso não estejamos seguros do seu
sentido ou de sua extensão, é prudente silenciar, visto que
corremos o risco de transmitir ao outro a nossa insegu-
rança, o que pode ser nocivo.
  

Falar de uma experiência de forma inadequada, com-


partilhá-la com qualquer um, bloqueia o fluir da energia
espiritual pelos sonhos. Outro fator que perturba esse
delicado processo é estarmos de tal forma ocupados com
atividades que a personalidade considera importantes que
relegamos a segundo plano a vida de sonhos. Com essa
ilusão, acabamos por não valorizar devidamente a nossa
fonte de sabedoria, dificultando, assim, manifestações do
supraconsciente.
  

93

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 93 8/25/17 14:50


Se, a cada vez que nos defrontássemos com um pro-
blema físico, emocional ou mental, mantivéssemos aber-
tas as portas para a consciência superior, de lá nos chega-
riam as soluções. Pode-se ilustrar muito bem isso com o
caso de um estudante que fez uma pergunta do fundo do
coração e recebeu de seu pai a resposta, por um sonho.
Pelo alto interesse do fato, narro aqui alguns de seus
antecedentes. Esse estudante havia dedicado um período
de sua vida à harmonização de si mesmo, procurando,
para tanto, um lugar adequado, onde as pessoas se dedi-
cavam a uma busca espiritual autêntica. Logo que ali che-
gou, teve essa experiência, que considerou a mais impor-
tante de sua vida, uma vez que o introduziu no mundo
dos sonhos. Foi muito significativa, sobretudo para quem
nunca se preocupara com coisas desse tipo.
No sonho do estudante, o pai lhe dizia que lesse o ca-
pítulo 38 do livro de Jó, na Bíblia. Embora não conhecesse
a Bíblia nem tivesse noção a respeito de sua estrutura, logo
ao despertar abriu-a ao acaso, à procura do capítulo reco-
mendado. Qual não foi sua surpresa quando deparou não
só com ele, mas também com uma mensagem completa-
mente adequada para si. Bastou-lhe, pois, buscar uma li-
gação com a supraconsciência, indo para aquele ambiente
equilibrado, para que a mente superior se manifestasse de
modo inequívoco. Ora, no capítulo indicado, Jó tem um
encontro com Deus (na Bíblia, às vezes, a supraconsciên-
cia é chamada de Deus), que lhe diz não ser possível ao
homem conhecer tudo, uma vez que a sabedoria, por ser
infinita, não pode caber dentro de um homem. Nesse li-
vro diz-se ainda que, para alcançar a sabedoria, o homem
necessita transcender a própria condição humana e entrar

94

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 94 8/25/17 14:50


em outra mais ampla, para, só então, penetrar em áreas
que a supraconsciência abrange.
Nesse capítulo 38, Deus pergunta a Jó: “Mas como
pode você, criatura humana, e, portanto, com capacidade
limitada, conhecer com segurança as estrelas do céu, o ca-
minho do vento, ou saber como se fazem as pedras?” Tais
conhecimentos não podem ser dominados pelo homem,
enquanto mero homem, mas cabe a outra energia fazê-
-lo. São feitas, então, a Jó várias perguntas, entre as quais:
“Você é capaz de controlar a chuva, de mandá-la cessar
ou cair, de saber quantas gotas de orvalho crio a cada ma-
nhã?” Evidentemente, Jó não podia responder afirmativa-
mente a nenhuma dessas questões. Então Deus lhe dis-
se: “Se não é capaz disso, como quer controlar-me, como
quer perguntar-me por que faço as coisas desta ou daquela
maneira?” Jó, então, deu-se conta de que primeiro tinha
de expandir a consciência, para, só então, chegar a Deus e
obter, assim, as respostas que buscava. Todavia Deus, in-
finita sabedoria, estava em Jó; era a sua supraconsciência.
Essa experiência, para o estudante habituado à aná-
lise, foi deveras marcante e modificou-o muito. O seu eu
mais profundo disse-lhe que há respostas que podemos
ter e outras, não.
  

Outro tipo de empecilho para que nos relacionemos


corretamente com o nosso mundo interior é nos julgar-
mos importantes demais — o que leva a mente superior a
permanecer recolhida em seu nível. Com isso, muitas ve-
zes deixamos de solucionar uma questão, já que não a le-
vamos devidamente em conta. “Isto é apenas um detalhe”
— pensamos. “Interessam-me coisas amplas e profundas.”

95

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 95 8/25/17 14:50


Todavia, tudo tem relevância para o supraconsciente. Pos-
so, por exemplo, ser estimulado a fechar uma porta ou a
abrir uma janela; para isso, deve haver uma razão, tam-
bém profunda, e tão relevante quanto ler o capítulo 38 do
livro de Jó. Quando pensamos ser necessário buscar na
supraconsciência apenas o que selecionamos, incorremos
em erro, porque, na realidade, tudo é essencial.
  

Também, o fato de vivermos segundo fórmulas, es-


quemas que conhecemos muito bem e aos quais já estamos
habituados, pode impedir-nos de receber luz dos níveis
superiores do nosso ser. A supraconsciência sempre nos
envia ordens, informações inesperadas, como, por exem-
plo, aquela de mandar alguém abrir a Bíblia em determi-
nado capítulo, sem que jamais a tivesse lido ou, ao menos,
folheado. No fundo, nossos sentidos prefeririam ficar com
o óbvio, e essa atitude afasta-nos do contato superior que,
por sua vez, não se atém ao velho, ao conhecido.
Se nos assustamos com o inusitado vindo da supra-
consciência, se o julgamos absurdo, cerramos a porta à
sua influência. A tudo temos de aceitar com naturalidade,
seja o que for.
  

Na verdade, o que nos ajuda a compreender uma


mensagem espiritual é permanecer em silêncio perante
ela, inabaláveis, fiéis e, sobretudo, quietos, quer seu signi-
ficado se manifeste, quer não.
Acho que há ainda outra condição básica para pene-
trarmos a realidade espiritual naturalmente: é que nos
fixemos nela, como objetivo final e único. Em geral, fica-

96

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 96 8/25/17 14:50


mos envolvidos com os eventos da vida cotidiana e acaba-
mos por dar-lhes mais importância que à busca do auto-
conhecimento. No entanto, não há nada mais necessário e
vital do que sabermos o que somos e o que temos de fazer
a cada momento.
É significativa a frase, atribuída a Maomé: “Se alguém
procura aproximar-se de Mim um palmo, aproximo-me
dele um cúbito; se alguém procura aproximar-se de Mim
um cúbito, aproximo-me dele duas braças; se alguém ca-
minha em direção a Mim, corro para ele”. De fato, todas
as vezes que procuramos esses mundos superiores, obte-
mos deles resposta nessa proporção. E, na verdade, quan-
do chegamos a pensar em nos abrir para essas dimensões,
é porque as energias de lá nos estão atraindo há séculos...
  

Vejamos um exemplo. Um homem espiritualizado e


bem-intencionado queria visitar o irmão que morava em
outra cidade. Antes de ir, começou a ter dúvidas se deveria
mesmo fazer aquela visita, se era uma verdadeira neces-
sidade. Veio-lhe, então, à mente, antes de dormir, a ideia
de perguntar sobre isso aos níveis profundos. Como res-
posta, sonhou com duas mesas de refeição, postas lado a
lado numa sala muito arejada. A mesa da esquerda estava
coberta por uma toalha branca e aparelhada para uma co-
memoração; a da direita estava nua. Esse sonho veio-lhe
com muita força, destacando, sobretudo, a mesa da direi-
ta, como se fora a mais importante.
As energias superiores no indivíduo manifestaram
claramente que ele não deveria dispersar-se; tanto assim
que a mesa preparada para a visita normal, social, de pra-

97

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 97 8/25/17 14:50


xe, era a da esquerda. É como se dissesse: “Esta mesa está
bonita, com toalha, pratos e tudo, mas está do lado es-
querdo” (lado que representa, para o indivíduo, a perso-
nalidade). “No entanto, prepare-se para uma visita despo-
jada, sem ideias premeditadas. Desnude a mente, deixan-
do acontecer o que tiver de acontecer.”
A pessoa entendeu, então, que aquela visita seria inú-
til se não fosse bem-feita, e que, caso resolvesse ir, não
deveria levar ideias próprias do que conversar. Se perma-
necesse como uma mesa nua, seria provido pelo espírito
com o alimento que no momento melhor contribuísse pa-
ra a evolução de todos.

98

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 98 8/25/17 14:50


O sonho evoluído

Estamos tratando de sonhos que resultam do contato


com a alma, tanto de pessoas que principiam a fazê-lo, co-
mo das que já o têm há mais tempo. Tal contato estabelece-
-se gradativamente, à medida que se realiza a purificação
da personalidade, e apresenta-se de acordo com a energia
de Raio de cada alma, ou seja, segundo a sua natureza.
Conforme dissemos antes, esse tipo de experiência a
que chamamos sonho pode acontecer não só durante o so-
no, mas em qualquer momento de quietude interior. Nor-
malmente, o indivíduo recebe mensagem da alma quando
está recolhido no seu centro cardíaco, e não quando se
polariza no nível emocional ou mais abaixo. A região do
peito, em seu sentido oculto, é uma zona da consciência e
representa a vida da alma.
Depois de um sonho de valor espiritual, há sempre
uma modificação na consciência do indivíduo: ele entra
em estado mais sutil e se sente transformado.
  

Outra característica desses sonhos, além de resultar


numa depuração da consciência, é que o seu significado
se revela de imediato. É de tal modo claro, que dispensa
maiores reflexões. A propósito, menciono aqui o caso de
um médico que apresentava tendências altruístas e se es-
tava preparando para entrar na vida de serviço espiritual

99

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 99 8/25/17 14:50


em seu campo de trabalho. Sua vida humana começou,
então, a passar por modificações que o levaram a morar
sozinho, de forma que não tivesse outra ocupação a não
ser voltar-se para a descoberta do mundo interior e exer-
cer a medicina. A essa altura, seu irmão, que estava de-
sorientado e que não seguia nenhum caminho espiritual
consciente, perguntou-lhe se poderia ir morar com ele. O
médico não sabia que resposta deveria dar e, conversando
com outras pessoas a respeito, recebeu a sugestão de pedir
ao seu interior alguma indicação. Seria arriscado para ele
deixar de trabalhar de forma perfeita a própria concentra-
ção e a criação das condições necessárias à prestação de
um serviço mais amplo, simplesmente para atender, por
razões de natureza emotiva e sentimental, a uma solicita-
ção individual e de procedência duvidosa.
O sonho que lhe veio foi bem elucidativo. Havia uma
fileira de casas e uma delas achava-se recuada, fora do ali-
nhamento das demais. Cada casa daquelas representava
uma vértebra da sua coluna. Se alguma outra pessoa, não
sintonizada com o trabalho interior, fosse morar em sua
casa, o alinhamento da energia seria ali perturbado.
  

Outros tipos de alma usam a energia da vontade-po-


der sobre seus veículos. Cito o exemplo de uma senhora
que tinha uma família organizada e que fazia um traba-
lho espiritual iniciático, tendo, sob sua orientação, um
grupo de pessoas de diferentes tendências prestes a dar
passos espirituais importantes. Por isso, era fundamental
que não levasse uma vida voltada para o exterior, mas que
desse testemunho de outro tipo de relacionamento com
o mundo. Pois bem, uma vez, entre o estado de sono e o

100

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 100 8/25/17 14:50


de desperto, essa senhora viu o teto de sua casa rachar e,
naquele momento, soube que era para ir embora dali o
quanto antes. Todavia, aquilo era tão inesperado, que ela
duvidou do próprio mecanismo de captação. Não duvidou
da vontade da sua supraconsciência e estaria pronta a dei-
xar marido e filhos, mas achou que a forma como captou
o sonho poderia ter sido falha. Por isso, pediu confirma-
ção do que havia visto.
Na manhã seguinte, sonhou, de modo igualmente ní-
tido, com uma porteira que se fechava. A mensagem era-
-lhe clara: “Ou você passa antes de a porteira fechar, ou fica
trancada ali dentro”. Mais uma vez, mostrou-se disposta a
seguir a recomendação da mensagem, porém pediu outra
confirmação, duvidando ainda do seu próprio mecanismo
humano. No dia seguinte, o sonho foi com o funeral do
marido e alguns de seus detalhes demonstravam ser aquele
um enterro de natureza moral. Não havia mais dúvida de
que a vontade supraconsciente a queria fora de casa; en-
tão, à hora do almoço, participou à família que se mudaria
naquela tarde. Transferiu-se, a seguir, para um pequeno
apartamento na mesma cidade, que, de maneira inexplicá-
vel, se mantivera desocupado por muitos anos.
Os amigos e conhecidos pensaram que ela não esta-
va bem mentalmente e, quanto mais o tempo transcor-
ria, menos entendiam sua atitude, pois o relacionamento
externo com o marido e filhos prosseguia normal, com
visitas semanais por parte deles ao seu apartamento. Al-
gumas vezes o marido sugeria que ela voltasse para casa,
mas a mensagem a marcara tanto, que ela não via condi-
ções para um retrocesso. Além disso, passou por profun-
das mudanças: era como se, apesar da permanência dessas
ligações externas costumeiras, ela estivesse em outra fase

101

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 101 8/25/17 14:50


daquela encarnação. Depois desse teste, sua consciência
estava pronta, como nunca, para novas experiências.
E foi o que se deu. Daí por diante, ocorreram-lhe
transformações que a mente comum não poderia imagi-
nar. Apareceu-lhe a oportunidade de uma viagem ao ex-
terior, e, mais tarde, a de transferência de domicílio para
um país vizinho, onde fatores econômicos lhe permitiram
outro ritmo de vida. Finalmente, após todas essas altera-
ções, explodiu um escândalo nacional em que o marido
estava implicado. Ora, se ainda estivesse em sua compa-
nhia durante o período em que ele se envolvera em uma
situação ilegal, as pessoas sob sua orientação, incapazes de
perceberem que ela não era conivente com tal situação, te-
riam paralisado seu processo de evolução ou transferido,
para vidas posteriores, passos decisivos. Com o aconteci-
do, porém, confirmou-se que a continuidade do processo
espiritual, dada a urgência dos tempos, era importante
tanto para ela, que decidira manter-se livre daquele tipo
de carma humano, quanto para as almas que a seguiam.
Desse modo, essa pessoa continuou o trabalho espiri-
tual em grupo e, liberada de certas contingências cármi-
cas, teve o seu campo de ação cada vez mais aberto nos
anos que se seguiram. Isso mostra que a ação da alma leva
em conta a evolução de grupo e que estes se vão amplian-
do à medida que o serviço é efetivado. Um trabalho sim-
plesmente local alarga-se ao âmbito nacional, continental
e, por fim, mundial.
  

Bruno, o cartuxo, conhecido personagem histórico


europeu do ano 1000, era um dos principais conselhei-

102

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 102 8/25/17 14:50


ros do papa, mas havia chegado a hora de ingressar em
trabalhos mais amplos que os meros negócios de Roma.
Então, certa manhã, decidiu abandonar seus afazeres
e pediu ao arcebispo permissão para subir aos Alpes
com mais seis companheiros para, lá no alto, em zonas
inacessíveis à curiosidade do mundo, fundar o primei-
ro núcleo cartuxo. Não por coincidência, naquela mes-
ma manhã o arcebispo havia sonhado com uma espada
apontando o alto dos Alpes, em cujos céus brilhava uma
estrela de sete pontas. A permissão foi dada de imediato
e, tempos depois, a Ordem dos Cartuxos tornou-se rea-
lidade mundial.
Sonhos ou visões dessa natureza podem imprimir-se
na consciência externa do ser, sem mesmo atravessarem
o plano mental e o emocional. Vêm do nível da alma e
podem registrar-se diretamente no cérebro físico sem in-
terferências. Por isso são inequívocos, e quem os experi-
menta não tem dúvidas em segui-los, embora, conforme
afirmei, tragam sugestões ou ordens inusitadas.
  

Certa vez passei por uma experiência desse tipo. Eu


coordenava uma comunidade espiritual e tudo indicava
que minha presença física ali era necessária por muito
tempo. Para dissolver essa ilusão da personalidade, nu-
ma manhã, no momento em que acordava, vi o molho
de chaves que usava para entrar na sede da comunidade
atirado no chão, fora da porta. A imagem veio direto do
supramental e não tive dúvidas: contrariamente a toda
razão, reuni os membros do grupo horas depois e par-
ticipei minha retirada. Levando apenas o tempo para
arrumar a bagagem mínima, mudei-me dali e procurei
apagar todas as recordações ligadas àquela fase de minha

103

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 103 8/25/17 14:50


vida. Após esses fatos, abriu-se um caminho totalmente
novo para o grupo e para mim.
  

À medida que nos aprofundamos no estudo dos so-


nhos, eles passam a referir-se, cada vez mais, a trabalhos
de grupo ou a assuntos de âmbito maior. Além disso, o
modo de apresentação dos sonhos espirituais também
progride, porque segue a energia que envolve o planeta e
esta se modifica a cada ciclo. Se compararmos os sonhos
históricos da época da Atlântida, muitos dos quais docu-
mentados no Velho Testamento, com os de épocas poste-
riores, veem-se nestes últimos maior alegria, satisfação, e,
cada vez menos, a atmosfera psíquica própria de etapas
passadas. Os sonhos espirituais modernos são quase sem-
pre limpos, alegres, sintéticos e construtivos.
Há mais gente preparada para esse tipo de sonho evo-
luído do que possamos imaginar. Uma estudante conta,
em seus livros, que seu “anjo da guarda”, que ela via nos
níveis superiores da vida, era bem-humorado e lhe apre-
sentava, de quando em quando, lições divertidas em for-
ma de sonhos. Uma vez, fê-la sonhar com um garotinho
relutante, teimoso e antipático, “uma pestezinha”, até que
reconhecesse naquele símbolo a sua própria personalida-
de, que dava tanto trabalho a ele, seu “anjo da guarda”.
Parece que, desse momento em diante, ela foi mais dócil
aos conselhos do “anjo”.
Ter bom humor perante os próprios defeitos é uma
das condições para o corpo mental e o emocional se de-
sobstruírem e deixarem passar a mensagem pura da alma.

104

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 104 8/25/17 14:50


Os sonhos como
mensagens da alma

Quatro indivíduos queriam ver uma árvore simbóli-


ca, muito famosa. Alguém, que a conhecia bem, se ofe-
receu para conduzi-los até ela, um de cada vez. Levou o
primeiro durante o inverno, quando a árvore só tinha
tronco e galhos, já que as folhas haviam todas caído. Pas-
sado algum tempo, levou o segundo e, como era prima-
vera, as folhas estavam começando a despontar. Depois,
no período do verão, levou o terceiro, e este viu a árvore
florida. Finalmente, no outono levou o quarto, que a viu
carregada de frutos.
Após essas visitas, o guia reuniu os quatro e pediu-
-lhes que descrevessem a árvore. O primeiro disse ter-se
admirado de que fosse tão famosa, pois não vira nela na-
da, a não ser galhos nus. O segundo disse que aquela era
uma árvore normal, com algumas folhas, mas sem qua-
lidades notáveis. O terceiro disse ser ela uma belíssima
planta, com flores cheias de vida, e o quarto disse que a
árvore merecia realmente a fama que tinha: seus frutos
eram copiosos e de grande valor.
Há quem se refira a essa história para ilustrar como
a mente comum vê de forma parcial. A cada momento as
coisas mudam, não são mais as mesmas, e, ainda assim,
a mente continua definindo-as segundo o que é capaz de

105

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 105 8/25/17 14:50


apreender com seus parcos recursos. A alma, por sua vez,
sabe que nada é fixo e, quando fala conosco, demonstra a
universalidade de suas perspectivas. Quando nos dá sinal
sobre algo, o faz como uma síntese. No caso da árvore, a
alma veria de um só lance os diversos estados da planta
completos e depurados do supérfluo.
Quando estamos livres do controle do cérebro físico
e, portanto, em condições de penetrar realidades mais
amplas, desaparece a atitude corriqueira com a qual enca-
ramos as situações. Por meio dos sonhos, conhecemos um
mundo a que os sentidos comuns não têm acesso.
Certa vez, visitei um grupo que fazia um trabalho es-
piritual de âmbito mundial e fiquei impressionado com
os costumes e hábitos de seus membros. Eram fora dos
padrões de qualquer trabalho dessa natureza. Impressio-
nei-me muito com o que vi e pedi que, em sonhos, me
fosse mostrada a realidade profunda do que se passava ali.
Não muito tempo depois, com os olhos fechados e o cor-
po relaxado, percebi uma potente astronave, cujo modelo
jamais imaginara possível, imensa nos céus. O rumor que
fazia era mínimo em confronto com seu tamanho. Vol-
tando ao estado totalmente desperto, adveio-me a com-
preensão de que aquele trabalho, embora demonstrasse
estar corrompido no plano físico, ainda tinha, com a sua
vibração energética, força suficiente para transportar mi-
lhares de almas a níveis mais altos de consciência. E essa
era, na realidade, a proposta daquele grupo: não criar for-
mas de vida perfeitas no plano físico, mas erguer as cons-
ciências ao plano mais elevado que pudessem atingir. Isso
era obtido pela irradiação do próprio lugar onde o grupo
se encontrava instalado e de núcleos no ar. Tal irradiação
persistia, apesar do comportamento estranho dos mem-

106

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 106 8/25/17 14:50


bros da comunidade. A mente normal e crítica, entretan-
-to, jamais teria condições de ver isso julgando aparências.
  

Para comunicar-se conosco, a alma utiliza-se de ele-


mentos de nossa própria memória. Por isso, um símbolo
percebido por um indivíduo em geral é adequado apenas
para ele. Se ao ver um símbolo peço a um analista comum
que o interprete, posso chegar às mais diversas e interes-
santes leituras desse símbolo. Todavia, o caminho mais
curto e mais certo, sem dúvida, é silenciar-me diante do
que vi, voltar-me para o centro do meu ser e aguardar o
significado vir de lá. Isso porque, em algumas ocasiões, a
alma usa símbolos que dizem respeito à nossa experiência
em vidas anteriores. Nesse caso, apenas nós mesmos te-
mos acesso ao verdadeiro sentido deles.
Uma vez, o coordenador de um pequeno grupo de
meditação pediu orientação interna a respeito de duas
pessoas interessadas em participar das reuniões semanais.
Como resposta, teve a visão de dois compartimentos liga-
dos entre si, com os quais ele nunca tinha deparado nesta
vida. Num deles, o da direita, estava um dos candidatos.
No da esquerda, o outro. De repente, os dois comparti-
mentos se separaram e o da esquerda ficou às escuras.
Essa visão serviu para revelar-lhe quem devia entrar no
grupo e quem não devia ser admitido.
Todo esse quadro evocou nele, ademais, a impressão
intuitiva de que havia um obstáculo não resolvido entre os
dois candidatos e, provavelmente, entre um deles e o gru-
po. A imagem, símbolo com particular significado para a
pessoa que a viu, deixava transparecer que se tratava de
um problema de encarnação passada, ainda influencian-
do fatos atuais.

107

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 107 8/25/17 14:50


  

É fundamental observar que mensagens da alma não


contêm julgamentos. No caso acima, ao mostrar dois am-
bientes separados, um deles às escuras, não há nenhum
juízo crítico e ninguém é condenado. Simplesmente o fa-
to é mostrado, sem o menor comentário. A alma não diz
se um candidato é melhor que outro e não aponta coisa
alguma que marque alguém de forma indelével. Pelo vis-
to, ela não cria carma no mesmo sentido que o eu cons-
ciente o faz.
No nível de mente humana, essa mesma mensagem
seria contaminada com o julgamento da situação ou das
pessoas envolvidas — o que criaria carma para a mente e
para o ego. A alma diz “não” sem emitir qualquer concei-
to: há apenas um quarto às escuras, possível pela própria
vibração do local mostrado e não pela ação da alma em si,
que se mantém imparcial e destacada do fato. Esses lam-
pejos do eu superior são claros e puros e, à medida que os
vamos recebendo, aprendemos a transmitir impulsos sem
condicionar ou ferir os outros.
Como é evidente, a forma de agir da alma difere da
forma de agir da personalidade, mas esta pode aprender
uma ética nova por meio dos sonhos ou das visões que
lhe são enviadas dos níveis superiores. A minha visão da
aeronave, por exemplo, continha uma mensagem impor-
tante que era “não julgar”, e não propriamente uma ava-
liação daquele grupo e de seu estilo de vida. Assim, o que
a mensagem me ensinou foi “não julgar”, porque nenhum
julgamento corresponde à realidade. A personalidade
aquilata com base em sua própria experiência, às vezes

108

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 108 8/25/17 14:50


limitada aos fatos da presente encarnação. A alma, por
trazer consigo a experiência de todas as encarnações ante-
riores e a sabedoria do nível mesmo em que vive, mostra
um quadro, levando em conta uma parte muito mais am-
pla e abrangente da criação e dos mundos do que a mente
pode conceber. Ao mostrar que uma personagem está às
escuras, a alma o faz sem excluí-la da totalidade da vida e
sem nos eximir da responsabilidade pelo que possa estar
acontecendo com ela. Sendo a vida uma totalidade, não
há situação alheia que não nos diga respeito, e tampouco
há ato nosso, físico, emocional ou mental, que não reflita
positiva ou negativamente sobre os demais.
Esse é o ponto de vista da alma, universal. Se estiver-
mos receptivos para ele, aprenderemos a ser mais abran-
gentes e compassivos.
  

De tudo o que se disse acima, pode-se ver quão im-


portante é o trabalho de não nos deixar impressionar pe-
lo que percebemos em nossa vida de despertos. Quanto
menos nos deixamos influenciar pelos sentidos materiais,
mais nos aproximamos da realidade da alma, que engloba
outros tipos de sentidos, ou seja, os internos, e mais os
seus próprios.
Em determinada fase do meu relacionamento com
um antigo companheiro de trabalho, essa abstração dos
sentidos externos foi da maior importância. Quando es-
se velho amigo, de tantas vidas, se apresentou nesta en-
carnação, achava-se em condições psicológicas e físicas
precárias. Numa conversa que tivemos, disse-me que ia
abandonar a faculdade, deixando incompleto o curso de
medicina que poderia ser, no futuro, instrumento para a

109

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 109 8/25/17 14:50


ação benéfica de sua alma sobre inúmeras pessoas que iria
encontrar em etapas seguintes de sua vida sobre a Terra.
Nos primeiros momentos de conversa, revelou sua situa-
ção externa e humana, e não fosse eu ter-me abstraído de
tudo o que ele dizia e do que meus sentidos me faziam
perceber, não poderia ter atinado com sua situação real.
Nos níveis sutis, foi-me mostrado, por um sonho que tive
no dia seguinte àquele nosso encontro, que ele seria um
ótimo médico: irradiava energia curativa e tinha diante de
si um caminho reto e magnífico. A partir desse sonho, ele
voltou outras vezes e estudamos juntos vários temas, até
que finalmente sua fase obscura passou. Tudo foi supera-
do e o desenho da alma, projetado na mente desobstruída
e sem preconceitos, predominou.
Há, pois, necessidade de não nos deixarmos levar por
nenhuma aparência, por mais evidente que possa parecer
à mente comum, para ficarmos receptivos à mensagem
advinda de níveis onde a perfeição é uma realidade em
todos nós.
Depois de ter feito a opção de seguir a vontade de
sua alma, esse meu amigo também teve um sonho, assim
anotado: “Sonhei que entrava numa casa que tinha mui-
tos quartos, uns depois dos outros, com portas de comu-
nicação entre si. No primeiro quarto havia uma enorme
confusão. O segundo era um pouco melhor; o terceiro,
menos carregado, e o último, bem mais ordenado. Assim,
fui passando de um a outro, como se estivesse saindo de
uma etapa para a seguinte, até que cheguei a um lugar da
casa que dava início a uma espécie de nova seção. Havia
ali uma porta pela qual só passariam os que conseguis-
sem ser ‘salvos’ (essa foi a expressão empregada), ficando
aquém os que não o conseguissem”.

110

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 110 8/25/17 14:50


As cenas desse sonho, segundo pudemos perceber,
representavam uma espécie de juízo sobre a Terra. À me-
dida que o protagonista passava de quarto em quarto, ia
sentindo-se cada vez mais seguro, até que chegou ao úl-
timo, que continha apenas uma mesa retangular, e onde
duas ou três pessoas o esperavam para algo não revelado.
Com a recepção dessas mensagens, o meu amigo pô-
de terminar a faculdade, apesar de todas as crises que lá
enfrentou, seguiu o caminho que os símbolos indicaram
e hoje se sente em condições de ajudar a muitos a harmo-
nizarem-se e equilibrarem-se. Não está mais identificado
com a confusão psíquica que impera ao nosso redor.
  

Atualmente, as condições da Terra levam as almas a


serem claras na transmissão de seus objetivos. Um dos que
elas têm em mira é o uso correto de energias: só devem
ser despendidas onde forem aproveitadas de melhor ma-
neira. Hoje em dia, toda energia é preciosa, dada a grande
necessidade geral de ajuda e de equilíbrio. A economia de
forças é tão fundamental para sermos úteis, que o eu supe-
rior logo nos adverte, caso não a observemos. Às vezes, o
sentimentalismo e as convenções sociais levam-nos à con-
temporização para com pessoas e situações que nos pre-
judicam em nossa meta, constituindo-se em instrumentos
de desperdício de energia. Tive uma experiência nesse sen-
tido, quando recebi sinal do eu superior esclarecendo-me
de imediato. Apareceram em minha vida duas pessoas
emocionalmente envolvidas comigo e com o meu trabalho;
perguntei ao meu interior se esse contato era benéfico e se
deveria ser mantido. A resposta veio-me quase em seguida,
pois sonhei com uma chave elétrica que se desligava.

111

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 111 8/25/17 14:50


  

Na busca do esclarecimento, podemos usar dois pro-


cessos, segundo o que for de menor resistência para nós.
No primeiro, perguntamos ao mundo interior sobre o que
estejamos precisando saber; no segundo, simplesmente
abrimo-nos à sua orientação, sem nada perguntar. Uso
ora um, ora outro. Se, por exemplo, ao fazer uma pergun-
ta não obtenho resposta, permaneço numa atitude serena,
de escuta. De alguma forma, sempre vem uma mensagem,
às vezes até mesmo através de fatos externos que sucedem
logo depois.
Se virmos tudo de forma positiva, acabaremos por
captar o real. É importante ter claro que as característi-
cas do nosso processo de contato interior não são eternas,
mas mutáveis. Pode acontecer que, em vidas passadas, te-
nhamos feito experiências muito intensas em sonhos, vi-
sões ou percepções de toda ordem, o que nos pode levar a
uma fase de repouso que possibilite ajustes em nosso ser.
Então, deixar de sonhar por uns tempos pode ser até tera-
pêutico e não constituir sintoma de que estamos fechados
a essa maneira de penetrar realidades mais amplas. Ao
contrário, conforme disse, pode ser uma fase necessária
para novas acomodações. Para muitos dos que viveram
na velha Atlântida, por exemplo, a vida de sonhos é hoje
limitada ao mínimo necessário, a fim de que sejam equi-
librados os excessos daquela época.

112

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 112 8/25/17 14:50


A realidade além
dos sonhos

Existe, ainda, uma experiência em nível mais eleva-


do, que difere do sonho e está além dele. Trata-se do que
se costuma chamar visão verdadeira, isto é, que não foi
filtrada por nenhuma parte humana do ser. Nós a experi-
mentamos nos mesmos moldes do sonho, mas sem ima-
gens e impressões. Tem-se, aqui, um passo além da reali-
dade que se consegue captar no sonho.
Essa visão verdadeira é uma experiência que a alma
faz em seu próprio nível, independente dos corpos que usa
na Terra. Para esse tipo de experiência, de grau mais avan-
çado, o indivíduo já deve ser consciente do corpo causal
— o corpo do eu superior. Age, então, como eu superior,
isto é, o seu eu externo, absorvido nesse núcleo, passa a
viver imbuído na elevada consciência dele.
Pessoas diferentes, que nunca se comunicaram umas
com as outras, relataram-me experiências semelhantes
ao atingirem essa etapa. Disseram-me que, na qualidade
de eu superior e desprovidos de qualquer imagem visível,
chegavam ao grupo de que faziam parte em níveis pro-
fundos. Esses grupos existem além do mental pensante,
ou seja, no nível de consciência superior de cada um de
nós. Uma das pessoas disse-me que percebeu o seu grupo
como um círculo, em cujo centro se achava um ser mais

113

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 113 8/25/17 14:50


adiantado que os demais membros e que era o instrutor
das almas ali presentes.
Essas são almas conscientes, cujos egos humanos, nos
quais estão encarnadas, participam com elas da existên-
cia do ensinamento que vem do mestre de Raio. Raio é a
energia básica e essencial que determina certas qualidades
e tendências. Embora a personalidade e seus corpos tam-
bém tenham seus Raios, o que nos importa nesse tipo de
experiência elevada é a manifestação da vontade do Raio,
ou seja, da energia básica do eu superior. O mestre de
Raio, que é o catalisador das energias mais altas, é quem
as transforma para distribuí-las ao grupo. Ele é um ins-
trutor que prepara essas almas para serviços sutis a serem
feitos, às vezes, em níveis não físicos.
  

Há indivíduos que, por meio desse tipo de experiên-


cia, reconhecem o seu grupo interno, cujos elementos
nem sempre estão encarnados no mundo físico. O reco-
nhecimento do próprio grupo interno e do próprio papel
dentro dele se tornará comum nas próximas décadas e faz
parte do desenvolvimento das almas dos homens.
São tênues as fronteiras entre um sonho de qualidade
superior e a visão verdadeira. Não é simples divisar o limi-
te entre um e outro, estabelecer diferença entre os estados
de consciência em questão.
Quando o eu consciente se apercebe da vida da al-
ma, do grupo interno e do mestre, que representam uma
vontade mais alta, tem também a possibilidade de desem-
penhar tarefas no plano físico, segundo o que “aprende”
nas aulas desse grupo interno. Uma pessoa, que chamava
seu grupo de ashram, disse-me que estava aprendendo a
realizar transmutações e que estava começando a ficar

114

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 114 8/25/17 14:50


apta a transformar, em certos aspectos, a situação cár-
mica da humanidade.
Também uma amiga, que trabalhava dessa forma,
deu-me vários testemunhos de que não era complicado
conciliar suas duas vidas conscientes: a da dimensão da
alma e a que seus veículos mais densos tinham sobre a
Terra. Fazia isso sem que os amigos mais chegados tomas-
sem conhecimento de sua dupla atividade. Vivia retirada
num recanto entre montanhas e cuidava, em casa, de inú-
meros animais de raça. Esses animais tinham percepção
de tal modo avançada que, nos momentos em que minha
amiga entrava em contemplação, eles a rodeavam, prote-
gendo-a de certas vibrações. Os cães transmutavam, com
audíveis rumores intestinais, as forças contrárias àquele
trabalho; quanto aos gatos, estiravam-se em significativas
massagens libertadoras. Era belo ver dois reinos da natu-
reza, o humano e o animal, juntos, no mesmo trabalho.
As plantas em volta também colaboravam na purificação
do ambiente que, assim, favorecia o desenvolvimento de
um valioso serviço para o mundo, o serviço de transfor-
mar energias.
  

Gradativamente, inclusive como personalidades, so-


mos preparados para chegar a esses níveis de consciência.
Todavia, nem sempre o ego humano participa dessas ex-
periências, podendo, até mesmo, desconhecer essa faceta
mais ampla da sua vida. E os sonhos são uma porta para
essa compreensão, para o indivíduo que ainda não con-
segue entrar no estado em que é possível perceber com
clareza a vida em sua realidade maior.
Advirta-se, ainda, que os trabalhos desenvolvidos por
um grupo interno em prol da cura planetária normalmen-

115

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 115 8/25/17 14:50


te não devem ser revelados, pois, dadas as atuais condi-
ções do mundo, qualquer informação poderia despertar
forças de reação e de luta contra eles. Revelar aos níveis da
mente concreta o que se passa num desses ashrams seria
como expor um plano a forças adversas. As experiências
nos grupos internos são conscientizadas pelos indivíduos
que têm controle do pensamento a ponto de não trans-
miti-las em hipótese alguma — o que é possível apenas a
mentes disciplinadas e puras. A esses indivíduos é tam-
bém necessário perfeito controle dos sentimentos, dado
que uma reação durante experiências dessa natureza pode
afetar a saúde física, já que esta depende do que a contra-
parte etérica do sistema nervoso transmite. Uma reação
pode produzir conflito de energias com consequente en-
fermidade ou desordens no corpo físico.
É bom ter em mente que a visão verdadeira não cons-
titui uma aventura da personalidade nos níveis superio-
res da existência, como são certos sonhos. Constitui, sim,
uma experiência da alma revelada amorosamente à per-
sonalidade, para que ela, imbuída na vontade espiritual,
no amor, na sabedoria e na inteligência, manifeste, com
o tempo, todas essas qualidades no mundo em que está
inserida.

116

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 116 8/25/17 14:50


Os sonhos proféticos

Antecedendo a etapa da chamada visão verdadeira,


estão os sonhos proféticos. Igualmente reais e não moti-
vados pelos desejos daqueles que os sonham, podem acon-
tecer antes de a personalidade estar firme e estável, como
consciência, no eu superior, onde vive a experiência da
meditação.
Os sonhos proféticos podem ocorrer com o homem
comum, quando a alma vê a necessidade de transmitir al-
go importante aos veículos que ela habita.
Em certos casos, a transmissão da profecia é feita co-
mo advertência ao eu consciente, como indício de que de-
ve mudar algum comportamento básico. Em outros, é um
apelo para que o ego humano colabore de modo benéfico
no que sucederá. Há ainda o caso de um sonho profético
apenas nos preparar psicologicamente para o que está por
vir, de modo inevitável, ao nosso campo de experiências.
Por fim, esse tipo de sonho pode também apontar o que
devemos evitar.
Vejamos um exemplo de sonho profético em que o
eu consciente foi avisado a respeito de um acontecimen-
to carmicamente facultativo. Há situações que podem ou
não desencadear-se, dependendo de nossa atitude e com-
portamento. No caso em questão, o protagonista hospe-
dou-se em um hotel e, durante a noite, sonhou que um
ascensorista uniformizado lhe apontava um carro fúne-

117

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 117 8/25/17 14:50


bre. Depois de despertar pela manhã com o sonho bem
impresso no cérebro, preparou-se para sair e, chegando
ao corredor, chamou o elevador. Quando a porta se abriu,
o ascensorista, dentro da cabine, num gesto costumeiro,
apontou-lhe a entrada. Era exatamente a figura que lhe
aparecera no sonho, indicando o carro fúnebre. Também
o uniforme era o mesmo. Mediante isso, o protagonista
do sonho decidiu não entrar no elevador e preferiu descer
pela escada, embora os andares fossem muitos. Ao chegar
ao térreo, viu uma aglomeração de pessoas na entrada do
prédio, assustadas porque o elevador havia despencado.
Temos aqui um sonho profético típico, enviado ao ego
para que ele evitasse a experiência se quisesse, como o fez.
Para o eu consciente, foi uma prova de memória e de aten-
ção; se a memória tivesse falhado, se o comodismo predo-
minasse (eram dezenas de andares a serem descidos a pé),
ou se o eu consciente não estivesse atento à mensagem,
a personalidade teria passado pela experiência da queda
física, com todas as suas consequências.
O eu superior põe o ego constantemente à prova, no
intuito de torná-lo ágil e apurado, apto para uma vida
mais ampla. A parte humana de um indivíduo deve tor-
nar-se adequada para agir, sentir e pensar de modo criati-
vo no mundo das formas.
Um conhecido clarividente do passado apresentou
um exemplo de sonho profético cuja mensagem não foi
atendida pelo protagonista. Tratava-se de um operário;
sonhou que, ao executar certa tarefa na fábrica, tivera o
braço direito decepado por uma das máquinas. Naque-
le mesmo dia, enquanto todos os operários estavam em
ação, a máquina vista no sonho enguiçou. Logo que soube
disso, ele se lembrou do sonho e pensou em sair da fábri-

118

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 118 8/25/17 14:50


ca naquele momento, para não ser chamado a consertá-
-la. Todavia, não o fez, e o supervisor veio buscá-lo em
seguida para o conserto. Ao começar a tarefa, a máquina
feriu-o gravemente no mesmo braço que no sonho fora
amputado.
  

Podemos, ainda, ter sonhos premonitórios, mas estes


não exprimem a mesma clareza de um profético. O so-
nho premonitório carrega, misturados, elementos emo-
cionais, sentimentos, sensações e sofrimentos. Origina-se
geralmente do nível astral, onde os acontecimentos se dão
antes de se materializarem no plano físico. O sonho pro-
fético tem origem num nível mais alto, interessando à vida
da alma e não propriamente à da personalidade.
O sonho premonitório pode deixar dúvidas quanto à
sua veracidade, mas o profético é indubitável: quem sonha
tem a impressão de estar “vivendo” uma experiência, que,
na verdade, só ocorreria depois. Os sonhos premonitórios
assustam às vezes os indivíduos, pois não portam uma
energia adequada para ampará-los ou orientá-los em suas
crises. Os sonhos proféticos, ao contrário, trazem consigo
coragem e disposição para se enfrentar qualquer situação
anunciada como provável ou certa.
O sonho premonitório é mera antecipação de algo
que pode, ou não, acontecer, ao passo que o profético leva
a personalidade ao discernimento, à razão e à capacidade
de tomar decisões. É bom manter sempre a calma, em se
tratando tanto de situações difíceis como de perspectivas
felizes que esses sonhos premonitórios anunciam. Não é
indicado influenciar-se por eles, deixando-se levar por
sentimentos de depressão ou de euforia.

119

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 119 8/25/17 14:50


  

Certa manhã, eu estava bem quieto e recolhido após


uma noite em que vivenciava processos intensos em mi-
nha vida interior. A personalidade estava voltada para um
movimento profundo de transformação. De repente, sur-
giu diante dos meus olhos internos uma enorme escada
de cimento. Entretanto, seus lances eram tão estreitos que,
para subir por ela, era preciso agachar, quase rastejar. A
passagem do primeiro lance para o segundo não era sim-
ples, pois havia ali um pedreiro, que não me fitava nos
olhos, murando-a com pedaços de pedra e cimento. A pa-
rede que ele erigia aparentava ser forte e intransponível.
Se ficasse pronta, seria impossível a transição para o lance
seguinte.
Aconteceu então algo imprevisto: o pedreiro desapa-
receu, e cheguei bem perto do muro recém-erguido. Com
decisão, comecei a retirar os obstáculos cimentados, ao
que percebi que não só saíam com facilidade, como não
haviam sido realmente fixados. Eram pesados só na apa-
rência, e bastava tocá-los para se desprenderem.
Quanto mais reflito sobre este sonho, mais significa-
dos encontro; e, agora, quando me ponho a narrá-lo, re-
vivo-o e percebo novos elementos. Hoje, leio-o de modo
diverso ao daquela manhã: fala-me muito mais do que
antes.
Os sonhos, as experiências e a quietude podem ser in-
finitamente criativos, se permanecemos receptivos a eles...

120

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 120 8/25/17 14:50


Uma visão

Como narrei no início, logo que passei a interessar-


-me por sonhos, oportunidades abriram-se para estudá-
-los a fundo, e as circunstâncias de minha vida começa-
ram a mudar a fim de que a concentração nesse assunto
fosse possível e nenhum obstáculo terreno permanecesse
entre o meu ser e a realidade que devia descortinar-se.
Lembro-me de que era outono e de que eu subia pela
avenida arborizada até o prédio de apartamentos onde re-
gularmente estudava sonhos. Naquela tarde, à medida que
me aproximava daquele lugar, via-o como se fosse novo.
Era como se estivesse ali pela primeira vez. Bati à porta
e, assim que me foi aberta, cheguei até a sentir um aroma
nunca antes percebido. Tudo era novo, em todos os níveis,
mesmo no plano físico já tão conhecido.
Quando entrei no estúdio, lugar mágico para mim,
logo vi um quadro recém-pintado, com tintas reluzentes e
ainda frescas. Meus olhos não puderam deixar de se deter
naquela cena, durante alguns momentos. “Quando você
o criou?”, perguntei ao pintor. “Hoje de manhã”, foi-me
respondido. “Vi-o em meditação e em sonhos.” Fiquei ali
parado, recebendo aquela impressão, e um sentido de res-
ponsabilidade, uma nova visão, tocou-me inteiro. Sentei-
-me, indaguei dele o que nos esperava. Respondeu-me que
dependia da humanidade, de como ela reagisse; se a hu-

121

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 121 8/25/17 14:50


manidade despertasse para a sua verdadeira tarefa sobre
a Terra, o que estava profetizado no quadro se realizaria
apenas parcialmente; mas se não despertasse o suficiente,
aquelas cenas poderiam acontecer. Na parte superior do
quadro, como que vinda do céu, uma luz branco-azulada
fluía amorosamente e permeava tudo o que fora expresso
com pincel e tintas. A luz estava ali, de modo incondicio-
nal, fosse qual fosse a escolha dos homens.
No quadro via-se uma terra dividida ao meio por um
rio avermelhado. De um lado, alguns homens, curvados
e sem energia, não conseguiam passar para a outra mar-
gem. Do outro, as pessoas tinham porte ereto e se ocupa-
vam de afazeres grupais, ou seja, de uma obra de salva-
mento. Havia fendas abertas no chão, de ambos os lados
do rio. Um fumo escuro saía da terra e descia do céu. Mas
a ação construtiva continuava, apesar do árido deserto em
formação. Ao fundo, eram visíveis outros níveis de cons-
ciência, com a contraparte daqueles mesmos corpos, em
situações bem diferentes. O trabalho era feito em todos
os níveis e era possível, para as mesmas personagens, par-
ticipar de vários deles. Havia mais trabalho que pessoas
disponíveis.
Em primeiro plano, quase à margem do rio, uma fi-
gura humana, retratada de forma especial, ajudava outra
que estava desfalecendo. Do conjunto emanava energia
curativa, que se espargia indistintamente para todos, fosse
qual fosse o destino que cada um escolhesse.

122

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 122 8/25/17 14:50


Glossário

Os termos estão colocados em sequência não alfabética,


visando facilitar a compreensão.
CONSCIÊNCIA CÓSMICA — O mais alto grau de unidade
que um ser humano pode alcançar; iluminação ou realiza-
ção transcendente.
SUPRACONSCIÊNCIA — Parte da consciência individual
sintonizada com a consciência cósmica. O seu grau de amplitu-
de é tal que ultrapassa os limites do próprio eu superior.
ALMA ou EU SUPERIOR — Núcleo do nosso ser que con-
tém a perfeita ideia de grupo, de universalidade, de amor
superior, de vontade espiritual e de atividade inteligente. O
eu superior preexiste e subsiste à nossa vida sobre a Terra.
EU CONSCIENTE — Parte que no indivíduo corresponde
ao nível de personalidade. Reestruturado em cada encarna-
ção por meio de um desenvolvimento contínuo, o eu cons-
ciente abriga a síntese de todas as experiências vividas ante-
riormente.
INCONSCIENTE — Área do ser ainda não perceptível à
personalidade, ou eu consciente. Abrange a supraconsciên-
cia e também o subconsciente.

SUBCONSCIENTE — Parte da consciência onde estão re-


gistradas as experiências vividas não só na encarnação pre-

123

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 123 8/25/17 14:50


sente como nas passadas, das quais o eu consciente não se
recorda. Quando essa memória vem à tona, passa a integrar
o consciente.
NÍVEIS SUTIS — Níveis da consciência que ultrapassam o
plano físico-etérico.
NÍVEL FÍSICO-ETÉRICO — O nível mais denso da manifes-
tação. Compõe-se de matéria física (sólidos, líquidos e gases) e
de sua contraparte de éteres, que a permeia, molda e vitaliza.
NÍVEL ASTRAL ou EMOCIONAL — Dimensão correspon-
dente aos sentimentos e às reações emotivas. É extremamente
fluido e mutável.
NÍVEL MENTAL — Dimensão que distingue o homem do
animal. Subdivide-se em mental concreto (ou mente inferior,
pensante) e mental abstrato (ou mente superior).
CORPOS DO HOMEM — Série de veículos que correspon-
dem aos diferentes níveis de energia que compõem o universo
e por meio dos quais o verdadeiro indivíduo se manifesta.
CORPOS DA PERSONALIDADE — São três: o físico-etérico,
o astral ou emocional e o mental pensante. Cada um deles está
em relação, respectivamente, com os níveis de mesmo nome.
Esses corpos podem funcionar com relativa independência e
seu conjunto constitui a personalidade. Desintegram-se de-
pois que o eu superior desencarna.
CORPO CAUSAL — Corresponde à região da mente abstrata.
É o veículo de expressão do eu superior ou alma. Com a de-
sencarnação, permanece intacto em seu próprio nível.

CARMA — Termo ligado à lei de causa e efeito, segundo a


qual toda ação, sentimento e pensamento produzem efeitos

124

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 124 8/25/17 14:50


de natureza similar, que retornam ao que os gerou. Em outras
palavras, tudo que fazemos, sentimos ou pensamos volta a nós,
seu ponto de origem, a curto, médio ou longo prazo. Costuma-se
empregar a palavra “destino” para substituir “carma”. Contudo,
ela não é adequada para exprimi-lo. Observe-se que há um carma
básico que deve ser, em princípio, totalmente aceito pelo indiví-
duo; só depois dessa aceitação inicial é possível transformá-lo. É a
partir desse carma básico, que preexiste ao nascimento físico, que
cada ser vai construindo a trama da sua própria vida e, como con-
sequência, modificando o seu carma. Estamos criando sem cessar
o nosso carma (positivo ou negativo) e transformando-o segundo
nossas atitudes, desejos e aspirações. O trabalho com o carma é,
por conseguinte, contínuo, e sua duração equivale ao período de
nossa vida sobre a Terra.

ASHRAM — Palavra usada antigamente para designar um am-


biente de devotos e yogis que seguiam um guru ou instrutor espi-
ritual. Cada guru tinha seu ashram, que manifestava uma vibra-
ção específica e representava certa energia de Raio com o propó-
sito de elevar os homens e o mundo. Com o passar do tempo, os
ashrams foram transferidos do plano físico para a dimensão onde
a alma (ou eu superior) tem sua vida e sua consciência próprias.
Nesses ashrams há sempre um ser mais adiantado na escala da
evolução. Já liberto dos ciclos encarnatórios, instrui determinado
grupo de almas, encarnadas ou não.

RAIOS — Correntes de energia provenientes do cosmos, que de-


monstram qualidades específicas. Estão presentes onde quer que a
vida se manifeste, seja num átomo, num homem ou num sistema
solar.

PSICOLOGIA ESOTÉRICA — Estudo de realidades transcen-


dentes, ainda não reconhecidas em sua totalidade pela ciência mo-
derna. Esse estudo leva o homem a penetrar num nível de cons-

125

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 125 8/25/17 14:50


ciência mais profundo, interior. Estando relacionado com o
conhecimento das energias dos sete Raios, trata especialmente
de ajudar o homem a descobrir como esses Raios se expressam,
atuando em cada um de seus corpos.
CENTROS ETÉRICOS DO HOMEM — Focos de vida, ener-
gia, força e consciência encontrados em cada plano de existên-
cia. No homem há vários desses centros, desempenhando cada
um deles função específica em seu desenvolvimento e em suas
relações com o cosmos.
ALINHAMENTO — Harmonização entre os corpos da perso-
nalidade, e entre estes e o eu superior. Há, ainda, alinhamentos
que se realizam em níveis mais elevados. Para o alinhamento, é
necessário todo um trabalho de purificação.
PURIFICAÇÃO DA PERSONALIDADE — Remoção dos obs-
táculos à sintonia dos corpos materiais com leis e ritmos de ní-
veis de consciência superiores.
INICIAÇÃO — Expansão da consciência que permite o desen-
volvimento de faculdades superiores e a vida consciente em ní-
veis de existência elevados.
PROVAS — Situações e acontecimentos que nos possibilitam
depuração segundo nossa capacidade de aceitá-los, suportá-los
ou transformá-los. Por meio das provas podemos aquilatar nos-
sa fibra física, emocional, mental e espiritual.
FORMAS-PENSAMENTO — As emanações da mente de um
ser humano ou de entidades mais elevadas contêm qualidades
específicas. Essas emanações criam formas que passam a agir e
a interagir com outras; exercem influências conforme a sua vi-
bração. Ao gerarmos formas-pensamento estamos construindo
o nosso próprio carma.

126

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 126 8/25/17 14:50


Índice remissivo

Acordar.................................41, 44, 47 Candura............................................ 53


Adormecer....33-34, 37-39, 54, 55, 82 Caráter............................................. 55
horário de dormir.......... 38, 48, 51 Carma........................... 51, 60, 79-80,
intenção ao.............................34, 38 89, 91, 102, 108, 115, 117, 124
ler antes de................................... 38 Centro cardíaco........................33, 99
Agressividade.................................. 55 Centros etéricos do homem........ 126
Alice Bailey...................................... 85 Cérebro............................................ 15,
Alinhamento........................... 37, 126 33-35, 43, 46-48, 53, 85, 103, 106
Alma ou eu superior...................... 19, Complexos....................................... 22
22, 29, 33,35-36, 42, 50, 53,58, Comportamento....................116-117
59, 61, 77, 80, 90, 91, 99, 100, Concentração................................... 51
102, 106, 108-109, 111, 113-118 Conflito.......................................... 116
123 Consciência (ver também
INCONSCIENTE e SONHOS) 42,
mensagens da......... 25, 33, 99, 108
44, 49, 51, 53, 58, 79-80, 84,
Ambição........................................... 55
89-90, 92, 94, 99, 103, 113, 115
Análise........................................68, 95
cósmica....................................... 123
Ansiedade....................................30-31
de desperto ou de vigília....16, 23,
Aquarius (constelação de)............. 56
36, 43, 45, 50, 75, 77, 82
Ashram............................114-116, 125 de espectador ............................. 84
Aspiração ..................... 14, 28, 72, 79 Contato....... 15, 24, 46, 50, 70, 91, 99
Astral coletivo Controle..................... 13, 44, 106, 116
ver EMOCIONAL COLETIVO do pensamento.......................... 116
Atlântida ...............................104, 112 do sentimento............................ 116
Autoanálise e sobre os sonhos........................... 13
autoconhecimento.............28, 97 Conversas supérfluas..................... 50
Autocontrole.................................... 13 Corpo
astral ou emocional................... 24,
Bloqueios (ver também ANSIEDADE 33-35, 48, 54, 91, 99
e EXPECTATIVA)........ 30, 62, 68 causal..................................113, 124
Bom humor.................................... 104 físico-etérico.......................16, 24,
Bruno, o cartuxo........................... 102 27, 33-35, 41, 44, 47, 48, 89

127

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 127 8/25/17 14:50


mental......... 24, 33, 36, 48, 59, 91 Escolha..........................................122
Corpos Espaço e tempo................ 23, 27, 77
da personalidade...................... 27, Espírito crítico.........................23, 53
33, 36, 58, 114, 124 Eu consciente (ver também
do homem................................124 PERSONALIDADE)................123
sutis...................................... 43, 47 Eu superior....................... ver ALMA
Cura planetária...........................115 Evolução...........................................9
Expectativa............................. 23, 30
Desapego ...................................... 49
Desejo (ver também CORPO Fé..................................24, 30, 77, 80
EMOCIONAL)...................25-28, Figuras geométricas.....................72
35-36, 44, 69, 71, 117 Filosofia..........................................24
Desencarnação..............ver MORTE Formas-pensamento......20, 56, 126
Despertar.................. ver ACORDAR Generosidade.................................53
Desvitalização ............................. 53 Gratidão..........................................28
Detalhes.................(atenção aos) 21, Grupo interno.....................113, 115
65-66, 95
Deus (ver também SUPRA- Harmonização..........15, 28, 94, 111
CONSCIÊNCIA).................94-95 Huai-Chin Nan.............................87
Discernimento.......................63, 119 Humanidade.............16, 26, 60, 121
Disciplina.......................................39
Identidade................................ 75-76
Ego..... 23, 89, 108, 114-115, 117-118 Imparcialidade........................21, 34
Egocentrismo.................................53 Inconsciente.......................... 43, 128
Emocional coletivo (ver também Inércia.............................................58
DESEJO)....................................26 Influências externas............ 36, 109
Encarnação..............................57, 89 Iniciação.......................................126
Energia 20-24, 29, 33, 51, 53, 56, Inofensividade...............................23
69, 72, 80, 89, 91, 99-100, Insinceridade................................ 55
104, 114 Insônia..................................... 23, 47
concentrado de..........................19 Intelecto..........................................19
conflito de................................ 116 Intuição..........................................25
curativa.............................. 50, 122
da vontade..................................36 Jó................................................94-96
de Raio................................99, 114 Julgamento........................... 107-108
Enfermidade..........................62, 116
Enfermidades estranhas Leituras deprimentes...................50
ver FORMAS-PENSAMENTO Liberação de bloqueios e de
Entrega............................................30 limitações (ver também
Envolvimento............. 17, 34, 49, 63 ANSIEDADE)...............13, 27, 49
Equilíbrio........................ 15, 72, 111 Limitação...........................................

128

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 128 8/25/17 14:50


24, 27 Personalidade.24-25, 27, 30, 43, 47,
Ling Chi.......................................... 11 50, 52, 60, 76-77, 91, 108, 114
Linguagem da alma...................... 18 evolução da.................................. 9
Livros e guias purificação da....................99, 126
ver SONHOS, INTERPRETAÇÃO Personalismo................................. 20
DE Pesadelo.............................. 46-47, 55
Lua................................................... 48 Plano
astral ou emocional..................17,
Maomé............................................ 97 26, 34, 46, 49, 55, 58-59, 69, 82,
Medo............................................... 47 103, 119, 124
Memória...........................40-43, 107 espiritual.................................... 85
Mensagem (ver também físico-etérico............................. 48,
ALMA) ........... 17, 25, 33, 42-43, 82-83, 114, 119, 121, 124
47, 67, 70, 85, 96, 105, 108, 110 mental....................82-84,103, 124
Mente....................................... 19, 30, Planos intermediários............ 37, 49
48, 53, 93, 95, 105, 107-108, 110, Plenilúnios........................... ver LUA
função da.................................... 80 Possessividade............................... 55
Praticidade..................................... 54
renovação da.............................. 24
Profecia......................................... 117
superior...................................... 33
Proteção....................................36, 54
supraconsciência e.................... 80
Provas........................................... 126
Mestre............................................114
Provérbio Zen.................................. 9
de Raio.......................................114
Psicologia
Meta ........................................ 31, 67
esotérica..............................29, 125
Morte ou desencarnação.. 37, 46, 58 espiritual.................................... 28
semelhança com o sono.....46, 89 Purificação................................... 115
Mozart............................................ 54 da personalidade...............99, 126
Mundos suprassensíveis ............ 90
Quietude....................42, 96, 99, 120
Não separatividade....................... 16
Níveis Raio.................................99, 114, 125
intermediários..........ver PLANOS Realidade ou real.................112-113
INTERMEDIÁRIOS Recapitulação dos
superiores.33, 53, 55, 84, 108, 116 fatos do dia........................ 34-36
sutis.....................................60, 124 Reencarnação
(ver também MORTE)............ 53
Obstáculo..................... 31, 37, 53, 95 Reinos........................................... 115
Orientação Relatos elucidativos .............. 13-14,
(ver também MENSAGEM)... 15 16-17, 27, 29, 45, 60-61, 63, 68,
72, 75, 77, 81, 83, 90-91, 94, 97-
Pensamento positivo.............. 29, 37 99, 100-101, 103-104, 117-118
Perfeição....................................... 110 Relaxamento......................33, 38, 51

129

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 129 8/25/17 14:50


Religiosidade................................. 24 compreensão dos.......... 14, 29-30
Remédios................. ver SEDATIVOS comuns, normais....25-26, 44, 73
Repouso........................................ 112 condução dos............................. 13
Repressão.................................13, 49 conhecimento da
Reservatório geral realidade pelos.......................... 17
extraplanetário.......................... 90 conscientização dos............ 28-29
planetário................................... 90 cores e......................................... 83
Revitalização................................. 90 dicionários de............................ 14
Ritmo (ver também ADORMECER em sequência....................... 17, 29
e SONO)........................15, 39, 49 ensinamentos pelos............72, 75
Rudolf Steiner................................ 90 espirituais................................... 82
evoluídos............................ 99, 103
Saúde....................................... 51, 116 falar sobre os....................... 92-93
Sedativos......................................... 48 função desbloqueadora
Sentidos..........................15, 106, 109 dos...................................... 13, 15
Separatividade............................... 16 função equilibradora dos........ 15
Serviço...............................56, 59, 60, função espiritual dos................ 91
89, 99, 102, 114-115 históricos.................................. 103
Sesta .............................................. 43 identificação dos tipos de........ 82
Sexualidade .................................. 24 importância dos.13, 15-16, 65, 94
Significado de símbolos e importância dos detalhes
sonhos.........19, 96, 99, 108, 120 dos................................ 19-20, 66
Silêncio................ 41, 79, 92, 96, 107 influências nos.......................... 13
Símbolo...........18, 22, 55, 66, 72, 76, instrutivos.................................. 91
106-107 interpretação de...... 14, 19-20, 67
Simplicidade.................................. 53 livros de...................................... 14
Sinal da cruz.................................. 55 mecanismos dos........................ 57
Síntese...............................71, 89, 105 mentais...............65, 69-70, 73, 83
Sonambulismo........................ 46-47 modernos................................. 104
Sonhos (ver também PESADELO e não sonhar............................... 112
RELATOS ELUCIDATIVOS) premonitórios................... 118-119
13-20, 22, 23-30, 41, 45-46, 48, processo de liberação nos........ 13
51, 54-55, 57, 60-61, 63, 65- proféticos........................... 117-119
70, 76, 78, 80, 85, 90, 92-93, provocados pela
99, 102-103, 106, 108-109, 112, mente concreta....................... 35
113-116, 120-121 provocados pelo desejo.25-26, 28
astrais.......................................... 82 recordações dos . 9, 23, 41-42, 79
atitude para ficar registros dos.14, 17, 24, 33, 41-42
consciente dos..................... 53-56 repetição de.................................. 9
cerebrais..................................... 34 revelações pelos.............45, 47, 92
como ouvir a narração dos..... 67 simbólicos............................18, 42

130

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 130 8/25/17 14:50


sonhar acordado.......... 26, 42, 85 Van Gogh....................................... 15
Sono (ver também SONO Verdade......................................67-69
PROFUNDO) ........ 23, 34, 36-37, Vibração............... 38, 54, 84, 90, 93
43-45, 48-50, 58, 60, 75, 79, 81, Vida
90, 99 de desperto................................. 28
descontínuo............................... 50 onírica......................................... 29
duração do................................. 49 passada......................... 25-26, 112
fio da vida e............................... 46 Vigília.......................................82, 91
importância do............. 24, 45, 49 Violência......................................... 61
induzido..................................... 48
Visão verdadeira . 113-114, 116-117
interrupção do.....................44, 50
Vontade.............. 14, 28, 35, 100, 116
preparo para o......................35-37
corpo mental e.......................... 35
proteção para o......................... 54
qualidade do.............................. 49 da alma....................................... 28
saúde e........................................ 50
trabalho noturno e................... 51 Wagner........................................... 15
Sono profundo (ver também SONO)
23-24, 43, 46, 48, 51, 75-76, 79 Yoga (carma yoga)........................ 91
atitudes e.............................. 53-54
filosofia e.................................... 24
limitações e................................ 23
religiosidade e............................ 24
Subconsciente..... 13, 15, 39, 43, 123
Supraconsciência.......................... 15,
24, 43, 80,94-94, 126

Tarefas.......................... ver SERVIÇO


Temperamento (ver também
PERSONALIDADE e
SONHOS)..............................38-39
Trabalho
com os reinos........................... 115
durante o sono....................58, 60
iniciático................................... 100
noturno....................................... 51
Transformação..................27, 68, 92
Transmutação....................... 114-115

Unidade.......................................... 85
revelada pelos sonhos.............. 16
Utilitarismo....... ver PRATICIDADE

131

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 131 8/25/17 14:50


LIVROS DE TRIGUEIRINHO

1987
NOSSA VIDA NOS SONHOS
A ENERGIA DOS RAIOS EM NOSSA VIDA

1988
DO IRREAL AO REAL
HORA DE CRESCER INTERIORMENTE (O Mito de Hércules Hoje)
A MORTE SEM MEDO E SEM CULPA
CAMINHOS PARA A CURA INTERIOR

1989
ERKS – Mundo Interno
MIZ TLI TLAN – Um Mundo que Desperta
AURORA – Essência Cósmica Curadora
SINAIS DE CONTATO
O NOVO COMEÇO DO MUNDO
A QUINTA RAÇA
PADRÕES DE CONDUTA PARA A NOVA HUMANIDADE
NOVOS SINAIS DE CONTATO
OS JARDINEIROS DO ESPAÇO

1990
A BUSCA DA SÍNTESE
A NAVE DE NOÉ
TEMPO DE RETIRO E TEMPO DE VIGÍLIA

1991
PORTAS DO COSMOS
ENCONTRO INTERNO (A Consciência-Nave)

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 132 8/25/17 14:50


A HORA DO RESGATE
O LIVRO DOS SINAIS
MIRNA JAD – Santuário Interior
AS CHAVES DE OURO

1992
DAS LUTAS À PAZ
A MORADA DOS ELÍSIOS
HORA DE CURAR (A Existência Oculta)
O RESSURGIMENTO DE FÁTIMA (Lis)
HISTÓRIA ESCRITA NOS ESPELHOS
(Princípios de Comunicação Cósmica)
PASSOS ATUAIS
VIAGEM POR MUNDOS SUTIS
SEGREDOS DESVELADOS (Iberah e Anu Tea)
A CRIAÇÃO (Nos Caminhos da Energia)
O MISTÉRIO DA CRUZ NA ATUAL TRANSIÇÃO PLANETÁRIA
O NASCIMENTO DA HUMANIDADE FUTURA

1993
AOS QUE DESPERTAM
PAZ INTERNA EM TEMPOS CRÍTICOS
A FORMAÇÃO DE CURADORES
PROFECIAS AOS QUE NÃO TEMEM DIZER SIM
A VOZ DE AMHAJ
O VISITANTE – O Caminho para Anu Tea
A CURA DA HUMANIDADE
OS NÚMEROS E A VIDA
(Uma Nova Compreensão da Simbologia Oculta nos Números)
NISKALKAT – Uma Mensagem para os Tempos de Emergência
ENCONTROS COM A PAZ
NOVOS ORÁCULOS
UM NOVO IMPULSO ASTROLÓGICO

1994
BASES DO MUNDO ARDENTE
Indicações para Contato com os Mundos Suprafísicos
CONTATOS COM UM MONASTÉRIO INTRATERRENO
OS OCEANOS TÊM OUVIDOS
A TRAJETÓRIA DO FOGO
GLOSSÁRIO ESOTÉRICO

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 133 8/25/17 14:50


1995
A LUZ DENTRO DE TI

1996
PORTAL PARA UM REINO
ALÉM DO CARMA

1997
NÃO ESTAMOS SÓS
VENTOS DO ESPÍRITO
O ENCONTRO DO TEMPLO
A PAZ EXISTE

1998
CAMINHO SEM SOMBRAS
MENSAGENS PARA UMA VIDA DE HARMONIA

1999
TOQUE DIVINO
COLEÇÃO PEDAÇOS DE CÉU
Aromas do Espaço
Nova Vida Bate à Porta
Mais Luz no Horizonte
O Campanário Cósmico
Nada nos Falta
Sagrados Mistérios
Ilhas de Salvação

2003
UM CHAMADO ESPECIAL
Antologia de obras de Trigueirinho lançada em quatro idiomas.
Em inglês: Calling Humanity
Em espanhol: Un Llamado a la Humanidad
Em francês: Un Appel à L’Humanité.

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 134 8/25/17 14:50


2004
ÉS VIAJANTE CÓSMICO
IMPULSOS

2006
TRABALHO ESPIRITUAL COM A MENTE

2009
SINAIS DE BLAVATSKY – Um inusitado encontro nos dias de hoje
Publicados pela Editora Pensamento, São Paulo/SP, Brasil.

2012
CONSCIÊNCIAS E HIERARQUIAS

2015
MENSAGENS REUNIDAS
MENSAGENS PARA SUA TRANSFORMAÇÃO

2017
PÁGINAS DE AMOR E COMPREENSÃO
Publicados pela IRDIN Editora, Carmo da Cachoeira/MG, Brasil.

Toda a obra de Trigueirinho está editada também


em espanhol pela Editorial Kier, Buenos Aires, Argentina.
Alguns livros do autor estão sendo editados em outros idiomas
pela Associação Irdin Editora, Carmo da Cachoeira/MG, Brasil.
Outras informações podem ser encontradas no site:
www.trigueirinho.org.br

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 135 8/25/17 14:50


GLOSSÁRIO ESOTÉRICO
TRIGUEIRIN HO

Com mais de mil verbetes acerca do que se passa na Terra


e no ser humano nesta época de transição,
esta obra vai ao encontro tanto dos que estão despertando para a
vida interior, quanto dos que já aderiram a ela.
Traz esclarecimento aos que buscam a verdade e anseiam penetrar
o lado desconhecido da existência humana, planetária e cósmica.
Mostra que, enquanto se colhe a semeadura de ciclos passados,
planta-se a vida futura na Terra.

ALQUIMIA, MISTICISMO, LOGOS PLANETÁRIO, ANARQUIA DIVINA, RAIOS, RELIGIÃO,


GRUPOS INTERNOS, ANDROGINIA, APARIÇÕES DA VIRGEM, ASTROLOGIA, SONHOS,
ENERGIA SEXUAL, BASE DE OPERAÇÕES, CENTRO DE MISTÉRIOS, ARCANJO, NAVE ALFA,
NAVE-LABORATÓRIO, SAINT GERMAIN, CENTRO DE TRASLADO, TRANSMUTAÇÃO,
ANTIMATÉRIA, TRANSMIGRAÇÃO, REINO ANGÉLICO, HIERARQUIA INTERNA DA TERRA,
CENTROS ENERGÉTICOS DO PLANETA, DIMENSÃO, AURA, CORPO GRUPAL, ELEMENTAIS,
MÔNADA, CENTROS ENERGÉTICOS DO SER, CONE SUL, ENSINAMENTO ESOTÉRICO,
CONFEDERAÇÃO INTERGALÁTICA, CRISTO, CORPO DE LUZ, ESPELHOS DO COSMOS,
CULTURA, ETAPAS EVOLUTIVAS DO HOMEM, LEMÚRIA, MAGNETISMO, LEI DO CARMA,
CENTRO INTRATERRENO, EXTRATERRESTRES, OPINIÃO PÚBLICA, UFO, VIDA DIVINA,
FRATERNIDADE CÓSMICA, NÍVEIS ARDENTES, FILHOS DAS ESTRELAS, OPERAÇÃO RESGATE,
IMPULSOS CÓSMICOS, INICIAÇÃO, RESSURREIÇÃO, IGREJA, FRATERNIDADE DO MAL,
TRIÂNGULO DAS BERMUDAS, RONCADOR, RAÇA, MANTRAS, DEVA, MEDICINA,
MEDITAÇÃO, PASSAGENS INTERDIMENSIONAIS, PIRÂMIDE, PESQUISAS EXTRATERRESTRES,
MEMÓRIA, POLARIDADE FEMININA DO PLANETA, PROFECIA, APOCALIPSE, ATLÂNTIDA,
PSICOLOGIA ESOTÉRICA, MAGIA, ASHRAM, SIGNOS CÓSMICOS, AVATAR, ESSÊNIOS, etc.

Editora Pensamento

Miolo_Nossa Vida nos Sonhos_FINAL_grafica_2017.indd 136 8/25/17 14:50


Em nosso interior há uma energia
criativa poderosa: uma parte dela
fica evidente na vida de sonhos, onde
o impossível acontece. A importân-
cia dos sonhos, suas consequências,
os diferentes tipos de sonho, os en-
sinamentos que deles recebemos, os
sonhos proféticos, os sonhos como
mensagens da alma são alguns dos in-
teressantes temas tratados neste livro.
Como afirma o autor, “os sonhos cons-
tituem um precioso instrumento para
a evolução do homem, que por meio
deles pode participar da vida em vá-
rios níveis de realidade e de consciên-
cia. Se dermos atenção à vida durante
os sonhos, usaremos melhor boa parte
de nossa estada na Terra, já que passa-
mos cerca de um terço dela dormindo”.

Editora Pensamento
ISBN 978-85-315-1984-0
atendimento@grupopensamento.com.br
http://www.editorapensamento.com.br