Você está na página 1de 8

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

EM 31 DE MARÇO DE 2007

(Valores expressos em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma)

1 - CONTEXTO OPERACIONAL

1.1 - Objetivo Social

A Companhia Energética de Brasília – CEB é uma sociedade de economia mista de capital


aberto, autorizada pela Lei nº 4.545, de 10 de dezembro de 1964, com sua sede social
localizada na cidade de Brasília, no Distrito Federal, controlada pelo Governo do Distrito
Federal, com objetivo principal de atuar como Holding, conforme reestruturação societária
ocorrida em 12 de janeiro de 2006, por meio da Resolução Autorizativa nº 318 de 14 de
setembro de 2005 – ANEEL, participando de outras sociedades ou de consórcios,
desenvolvendo atividades nos diferentes campos de energia, em quaisquer de suas formas,
sobretudo a elétrica, serviços de telecomunicações, transmissão de dados e prestação de
serviços de consultoria.

1.2 – Compromisso de Subscrição de Ações

a) Em 23 de janeiro de 2006, foi firmado o instrumento particular “Compromisso de


Subscrição de Ações” entre a Companhia Energética de Brasília – CEB e a CEB
Distribuição S.A., com a participação da CEB Lajeado S.A. e do Distrito Federal na
qualidade de Intervenientes Anuentes, estabelecendo que:

i A CEB compromete-se a subscrever e a integralizar, até 31 de dezembro de 2012, prazo


este alterado pela Resolução Autorizativa nº 958, de 12 de junho de 2007 da Agência
Nacional de Energia Elétrica – ANEEL, número de ações ordinárias nominativas, sem valor
nominal, de emissão da CEB Distribuição S.A., correspondente ao valor histórico total de
R$ 142,7 milhões, atualizado para R$ 165,5 milhões em 31 de março de 2008.

A Resolução Autorizativa nº 318, de 14 de setembro de 2005, previa o aporte inicial em


dezembro de 2006. Entretanto, a Resolução Autorizativa nº 958, de 12 de junho de 2007,
alterou o cronograma de aportes, conforme mostrado a seguir:

Anos dos Aportes Valor


Dezembro de 2008 22.741
Dezembro de 2009 30.000
Dezembro de 2010 30.000
Dezembro de 2011 30.000
Dezembro de 2012 30.000
Total 142.741

ii Como garantia do aporte do valor total da subscrição, a CEB constituiu, em favor da CEB
Distribuição S.A., penhor sobre 33.830.000 (trinta e três milhões, oitocentos e trinta mil) ações
ordinárias da CEB Lajeado S.A., de sua propriedade, devendo o valor desta garantia ser reduzido na
proporção em que forem acontecendo as integralizações.

1.3 - Participações Em Outras Sociedades

A Companhia Energética de Brasília – CEB possui participações diretas nas seguintes


sociedades:
1.3.1 - Empresas Controladas

a) CEB Distribuição S.A.

A CEB Distribuição S.A. é uma sociedade por ações, autorizada pela Lei Distrital nº 2.710
de 24 de maio de 2001, constituída como subsidiária integral, concessionária do serviço
público de energia elétrica, atuando desde 12 de janeiro de 2006, conforme
desverticalização da Companhia Energética de Brasília, na atividade de distribuição de
energia elétrica no Distrito Federal.

b) CEB Geração S.A.

A CEB Geração S.A. é uma sociedade por ações, autorizada pela Lei Distrital nº 2.648 de
26 de dezembro de 2000, constituída como subsidiária integral, concessionária do serviço
público de energia elétrica, atuando na geração de energia elétrica.

c) CEB Participações S.A. – CEBPar

A CEB Participações S.A. – CEBPar é uma sociedade por ações, autorizada pela Lei
Distrital nº 1.788 de 27 de novembro de 1997, constituída como subsidiária integral,
atuando na compra e venda de participações acionárias ou cotas de outras empresas
energéticas, de telecomunicações e de transmissão de dados, majoritária ou
minoritariamente.
A sociedade também atua na comercialização da energia elétrica, na proporção de sua
cota-parte de 17,5% no Consórcio CEMIG–CEB, produzida pela Usina Hidrelétrica de
Queimado, na condição de produtora independente de energia elétrica.

d) CEB Lajeado S.A.

A CEB Lajeado S.A. é uma sociedade por ações, autorizada pela Lei Distrital nº 2.515 de
31 de dezembro de 1999, controlada pela Companhia Energética de Brasília – CEB, com
59,93% (cinqüenta e nove vírgula noventa e três por cento) das ações ordinárias, e
coligada da Centrais Elétricas Brasileiras S.A. – ELETROBRÁS, que detém 40,07%
(quarenta vírgula zero sete por cento) das ações da Companhia.

e) Companhia Brasiliense de Gás – CEBGÁS

A Companhia Brasiliense de Gás – CEBGÁS é uma sociedade de economia mista,


autorizada pela Lei Distrital nº 2.518 de 10 de janeiro de 2001, controlada pela Companhia
Energética de Brasília – CEB, com 51% (cinqüenta e um por cento) das ações ordinárias, e
17% do total das ações.

1.3.2 - Empresas Coligadas e Ligadas

a) Corumbá Concessões S.A.

A Corumbá Concessões S.A. é uma sociedade por ações constituída em 06 de dezembro


de 2000, concessionária do serviço público de energia elétrica, atuando na geração de
energia elétrica, na condição de produtora independente de energia elétrica.

b) Energética Corumbá III S.A.


A Energética Corumbá III S.A. é uma sociedade por ações constituída em 25 de julho de
2001, concessionária do serviço público de energia elétrica na condição de produtora
independente de energia elétrica.

c) BSB Energética S.A.

A BSB Energética S.A. é uma sociedade por ações, constituída em 24 de março de 2000,
para construir Pequenas Centrais Hidrelétricas – PCHs, com potência global máxima
instalada de 200 MW e participar de outros empreendimentos ou sociedades, seja como
acionista ou quotista.

2) – APRESENTAÇÃO DAS INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS

As Informações trimestrais foram elaboradas e estão sendo apresentadas de acordo com as


práticas contábeis adotadas no Brasil, compreendendo: a Lei das Sociedades por Ações;
normas da Comissão de Valores Mobiliários – CVM; e normas da legislação específica
aplicáveis às concessionárias de energia elétrica, emanadas da Agência Nacional de Energia
Elétrica – ANEEL, bem como informações adicionais que estão sendo apresentadas em notas
explicativas e quadros suplementares.

As informações trimestrais foram elaboradas em conformidade com os princípios, métodos e


critérios contábeis uniformes em relação àqueles adotados em 31 de dezembro de 2007.

Alteração na Lei das Sociedades por Ações

Em 28 de dezembro de 2007 foi promulgada a Lei nº. 11.638/07, que alterou, revogou e
introduziu novos dispositivos à Lei das Sociedades por Ações (Lei 6.404/76), quanto à
divulgação e preparação de demonstrações contábeis, que vieram a modificar, entre outros
aspectos, o critério de reconhecimento e valorização de ativos e passivos. Estas mudanças de
práticas contábeis entraram em vigor a partir de 1º de janeiro de 2008.

Algumas das principais alterações ou novos procedimentos constantes da Lei, com vigência a
partir de 2008, que poderão impactar as Demonstrações Contábeis da Companhia dos
próximos exercícios estão resumidas a seguir:

• Substituição da Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos – DOAR pela


Demonstração dos Fluxos de Caixa – DFC;

• Inclusão da Demonstração do Valor Adicionado – DVA no conjunto das demonstrações


financeiras elaboradas, divulgadas e que devem ser aprovadas pela assembléia geral
ordinária – AGO;

• Criação de dois novos subgrupos de contas: o Intangível, no ativo permanente e os


Ajustes de Avaliação Patrimonial, no Patrimônio Líquido;

• Introdução do conceito de Ajuste a Valor Presente para as operações ativas e passivas de


longo prazo e para as relevantes de curto prazo, ainda pendente de regulamentação
específica pela CVM;

• Nas operações de combinação de empresas, quando forem realizadas entre partes não
relacionadas todos os ativos e passivos da incorporada, cindida ou fusionada deverão ser
identificados, avaliados e contabilizados a valor de mercado.
• Eliminação da possibilidade de serem efetuadas reavaliações espontâneas do ativo
imobilizado.

Conforme comunicado ao mercado, a CVM pretende concluir, ainda em 2008, o seu processo
normativo para os dispositivos da lei societária que foram alterados e que necessitem de
regulação, e reverá todos os seus atos normativos que tratam de matéria contábil, a fim de
verificar e eliminar possíveis divergências em relação às alterações específicas produzidas
pela nova lei.

Conforme Instrução CVM n° 469 de 2 de maio de 2008, a Administração da Companhia e de


suas controladas, em função de adaptação de seus sistemas operacionais, ainda não
efetuaram avaliação dos possíveis impactos da nova Lei, caso as alterações previstas
tivessem ocorrido no 1º trimestre de 2008. Assim, não foi possível estimar os impactos no
Patrimônio líquido e no Resultado do exercício.

3 - PRINCIPAIS PRÁTICAS CONTÁBEIS – Controladora e Controladas

3.1 - Ativos e Passivos Circulantes e Não Circulantes e Apuração do Resultado

O regime contábil é o de competência e a classificação em circulante e não circulante


obedece à Deliberação CVM nº 488/2005, estando os bens e os direitos demonstrados pelos
valores de realização e as obrigações por valores conhecidos ou calculáveis, incluídos os
rendimentos, encargos e variações monetárias incorridos até a data do balanço.

3.2 – Tributos e Contribuições Sociais Compensáveis

Representados pelos saldos de créditos de tributos pagos com característica de recuperação


ou compensação com tributos a recolher.

3.3 - Consumidores, Concessionárias e Permissionárias

Estão representadas, substancialmente, pelo saldo das contas a receber com fornecimento e
suprimento de energia faturada e não faturada (esta por estimativa), serviços prestados,
acréscimos moratórios e outros, da controlada CEB Distribuição S.A.

3.4 - Serviços Prestados a Terceiros

Estão representados pelo saldo dos créditos a receber do Governo do Distrito Federal,
referentes aos serviços de construção e de manutenção da rede de iluminação pública do
Distrito Federal.

3.5 - Estoques

Os estoques são registrados pelo custo médio de aquisição, não excedendo os seus custos
de reposição ou valores de realização; e, são destinados à aplicação na construção e na
manutenção da rede de iluminação pública do Distrito Federal.

3.6 - Imobilizado

Esses ativos estão registrados ao custo de aquisição, a depreciação é calculada pelo método
linear, a taxas anuais variáveis de 2% a 20%.
3.7 - Investimentos

As participações societárias permanentes em controladas e coligadas estão registradas pelo


método da equivalência patrimonial e os outros investimentos estão registrados pelo custo de
aquisição. As práticas contábeis adotadas pelas empresas controladas e coligadas estão
consistentes com aquelas aplicadas pela Companhia Energética de Brasília – CEB.

4 - INVESTIMENTOS
Principais informações sobre as Empresas Controladas e Coligadas em 2008
Participação da Patrimônio
Quantidade de Capital Social Resultado
Empresas CEB no Capital Líquido
ações da CEB Integralizado Líquido
Social (a)
CEB Distribuição S.A. 48.406.369 100% 48.406 (29.082) (1.533)

CEB Geração S.A. 7.575.212 100% 7.575 7.132 (692)

CEB Participações S.A. – CEBPar 38.724.665 100% 38.725 40.029 997

CEB Lajeado S.A. (d) 82.013.911 59,93% 145.656 306.863 2.822

Companhia Brasiliense de Gás –


30.600 17% 3.071 2.846 (120)
CEBGAS (b) (d)

Corumbá Concessões S.A. 256.009.911 36,95% 372.421 384.036 3.624

Energética Corumbá III S.A. (c) 21.491.379 37,5% 51.207 51.207 –


(a) Inclui Adiantamentos para Futuro Aumento de Capital – AFAC.
(b) A CEB detém 51% das ações ordinárias.
(c) Empresa em fase pré-operacional.

Informações Sobre os Investimentos em Participações Societárias


31.03.2008 31.12.2007
Descrição (R$ Mil) (R$ Mil)
Investimento AFAC* Total Investimento AFAC* Total
Participações Societárias Permanentes
Empresas Controladas
CEB Distribuição S.A. - - - - - -
CEB Geração S.A. 7.132 - 7.132 7.824 - 7.824
CEB Participações S.A. – CEBPar 40.029 2.534 42.563 39.032 2.534 41.566
CEB Lajeado S.A. 95.271 - 95.271 93.693 - 93.693
Companhia Brasiliense de Gás – CEBGAS 484 - 484 487 - 487
Subtotal 142.916 2.534 145.450 141.036 2.534 143.570
Empresas Coligadas e Ligadas
Corumbá Concessões S.A. 139.853 3.232 143.085 136.806 3.232 140.038
Energética Corumbá III S.A. 21.006 - 21.006 19.750 - 19.750
BSB Energética S.A. 176 690 866 176 618 794
Subtotal 161.035 3.922 164.957 156.732 3.850 160.582
Total de Ligadas, Coligadas e Controladas 303.951 6.456 310.407 297.768 6.384 304.152
Imóveis Destinados a Renda 1.442 - 1.442 1.442 - 1.442
Outros 747 - 747 747 - 747
Total Geral 306.140 6.456 312.596 299.957 6.384 299.957
* Adiantamentos para Futuros Aumentos de Capital

5 – Empréstimos, Financiamentos e Encargos

As obrigações são atualizadas pela variação monetária e pelos juros incorridos de acordo com
os termos dos contratos.

Controladora
Encargos
Entidades 31.03.08 31.12.07
Juros de 5% a 8% a.a. acrescidos de 1% a 2% de
Eletrobrás 2.523 3.941 taxa de administração
CEF 13.333 15.833 CDI + 1,45% ao ano.
Total do Circulante 15.856 19.774
Total do Não Circulante 3.333 5.833

6- CONTROLADAS E COLIGADAS

O saldo de R$ 407 mil, relativos à CEB Distribuição., decorrente da operação da Resolução nº.
318/2005 da ANEEL, que aprovou a desverticalização da Companhia e respectivo Laudo de
Avaliação, determinou que os empréstimos junto à ELETROBRÁS, no âmbito do Programa
Nacional de Iluminação Pública Eficiente – RELUZ, ficassem sobre sua responsabilidade. Em
função disto, os recursos financeiros no montante de R$ 5.677, decorrentes da aprovação pela
ANEEL, conforme Despacho nº 773 de 18 de abril de 2006, do projeto relativo ao Programa de
Eficiência Energética ciclo 2004/2005, executado com recursos do Reluz, foram transferidos da
CEB Distribuição S.A. para a Companhia Energética de Brasília – CEB.

7 - PROVISÃO PARA PERDAS EM INVESTIMENTOS

A Companhia Energética de Brasília – CEB, em função da decisão de manutenção de apoio


financeiro à sua subsidiária integral CEB Distribuição S.A., constituiu Provisão para Perdas
em Investimentos no valor de R$ 29.082, correspondentes ao montante necessário à
cobertura do passivo a descoberto da Empresa.

8 - CAPITAL SOCIAL

O Capital autorizado é de R$ 368.724, conforme art. 7º do Estatuto da Companhia, e o Capital


Social subscrito e integralizado é de R$ 342.056 em 31 de março de 2008 e de 31 de
dezembro de 2007.
As ações são escriturais e sem valor nominal, sendo que as ações preferenciais de ambas as
classes não têm direito a voto.
A composição do Capital Social subscrito e integralizado por classe de ações e principais
acionistas é a seguinte:
Classe de Ações Quantidade de Ações
Ações Ordinárias Nominativas 4.576.432
Ações Preferenciais Classe "A" 1.313.002
Ações Preferenciais Nominativas classe "B" 3.294.024
Total 9.183.458
Fonte: Relações com Investidores da Companhia Energética de Brasília

Acionistas Quantidade de %
Ações Ordinárias
Governo do Distrito Federal – GDF 4.085.364 89,27
Companhia Urbanizadora da Nova Capital do Brasil – NOVACAP 150.473 3,29
REGIUS – Sociedade Civil de Previdência Privada 97.380 2,13
BRADESCO Capitalização S.A. 57.740 1,26
OPPORTUNITY Lógica II FIA 44.600 0,97
International Markets Investimento C. V. 29.800 0,65
Bransfield LLC 22.000 0,48
Fundo de Investimento de Ações – Dividendos Canoi 15.700 0,34
Outros 73.375 1,61
Total 4.576.432 100,00
Fonte: Relações com Investidores da Companhia Energética de Brasília

9 - INSTRUMENTOS FINANCEIROS

A atividade da Companhia tem como objetivo principal atuar como holding, participando de
outras sociedades ou de consórcios, desenvolvendo atividades nos diferentes campos de
energia, em quaisquer de suas formas, sobretudo a elétrica, serviços de telecomunicações,
transmissão de dados e prestação de serviços de consultoria.
A Companhia possuía instrumentos financeiros representados por empréstimos junto à
Centrais Elétricas Brasileiras S.A. – ELETROBRÁS, destinados ao financiamento de projetos
no âmbito do Programa Nacional de Iluminação Pública – ReLuz e junto a instituição
financeira para financiamento de capital de giro necessário à manutenção de suas atividades
operacionais.
O valor desses instrumentos reconhecidos aproxima-se do valor de mercado, mediante
comparação de taxas de juros contratuais com taxas de juros prevalecentes no mercado em
operações similares na mesma data.
Não tem sido política da Companhia operar com derivativos e operações financeiras, com a
finalidade de proteger-se dos riscos de perdas com flutuações nas taxas de juros.

10 - PERSPECTIVAS EMPRESARIAIS A PARTIR DE 2008

A Companhia manterá seu plano de recuperação iniciado no exercício anterior, visando


alcançar o equilíbrio de suas operações. A expectativa é de que, nos próximos anos, as
empresas controladas apresentem melhores desempenhos, aumentando significativamente o
repasse de recursos para a Companhia Energética de Brasília – CEB, uma vez que a CEB
Participações S.A. e a CEB Geração S.A. terão aumentos de tarifa mediante contratos de
longo prazo, em 2008 e 2009, da ordem de 50% e 49%, respectivamente. No âmbito da CEB
Lajeado S.A., pleito tributário foi aprovado pela ANEEL aumentando a tarifa, e o montante do
passivo relacionado com o financiamento da Usina, além de anualmente ser decrescente,
encontra-se em sua fase final de liquidação, com conclusão prevista para 2012. Esses
componentes de geração de receita e redução de despesas contribuirão para a melhoria dos
resultados dessa Companhia no futuro próximo.

No que diz respeito à BSB Energética S.A., a Companhia Energética de Brasília participa com
9% no negócio, que por sua vez, tem participação na Empresa Brasil PCH, criada para
implantar e operar Pequenas Centrais Hidrelétricas que entrarão em operação a partir de
2008, gerando receitas que produzirão resultados nas empresas investidoras, incluindo a BSB
Energética S.A..
A CEBGÁS deu um importante passo para a sua consolidação e seu desenvolvimento como
concessionária de distribuição de gás canalizado do Distrito Federal, quando em 08 de
novembro de 2007, iniciou suas operações distribuindo o Gás Natural para o segmento
Veicular. Ainda assim, é possível a previsão de que esses negócios serão auto-sustentáveis
nos próximos exercícios, dispensando demandas para investimentos relevantes por parte da
Companhia Energética de Brasília – CEB.
No que concerne ao investimento vinculado à participação na Energética Corumbá III (UHE
Corumbá III), a Usina está com início das operações previsto para dezembro de 2008. A
energia elétrica a ser produzida será utilizada ou comercializada na condição de “Produtor
Independente”, nos termos do contrato de concessão ANEEL e nas normas legais
específicas.
É possível inferir, portanto, que a Companhia Energética de Brasília – CEB, a partir de 2008,
apurará resultados positivos sustentados e de forma crescente em todos seus negócios.
Quanto à dívida de longo prazo do acionista majoritário (GDF/Companhia Energética de
Brasília – CEB) para com a CEB Distribuição S.A. (no montante histórico de R$ 142,7
milhões), cujo pagamento foi definido pela ANEEL que deverá ser realizado a partir de
dezembro de 2008, com quitação prevista para o ano 2012, considera-se que tal compromisso
será honrado por intermédio de uma combinação das seguintes alternativas de fontes de
recursos: alienação de ativos (imóveis) pertencentes à Companhia Energética de Brasília;
recebimentos de pelo menos 40% de dividendos e juros sobre capital próprio produzidos pela
CEB Distribuição S.A.; e recebimento de dividendos e juros sobre capital próprio gerados
pelos demais negócios que compõem a CEB Holding.
Dessa forma, a Companhia continuará articulando um conjunto de ações pontuais que lhe
permitirão superar, em médio prazo, os obstáculos pós-reestruturação societária e alcançar o
equilíbrio empresarial desejado, sobretudo no âmbito da CEB Distribuição S.A..

Brasília, 31 de março de 2008.

JOSÉ JORGE DE VASCONCELOS LIMA FERNANDO OLIVEIRA FONSECA


Diretor-Geral Diretor

HAROALDO BRASIL DE CARVALHO ELIAS BRITO JÚNIOR


Diretor Diretor de Relações com Investidores

ELI SOARES JUCÁ


Contadora
CRC-DF 9770/0