Você está na página 1de 34

MATERIAL DIDÁTICO

PRÓPRIO TOM MAIOR

GUITARRA MÓDULO 1

ANTÔNIO NEVES
Intervalos
Intervalos são importantíssimos de serem entendidos e
praticados. Além da necessidade de estuda-los. Bem agora,
principalmente os de terça e quinta, (que são a base da tríade)
também devem ser bem estudados os de sétima (importantíssimos
nas tétrades) e os de sexta, nona, décima primeira e décima terceira.

Definição
Por definição intervalo é a distância entre dois sons (notas) e são medidos em tons e
semitons. O estudo dos intervalos dá ao guitarrista condições de discernir e analisar
uma melodia, um acorde, uma sequência de acordes ou até mesmo a função
harmônica dos acordes, por isso sua importância no estudo musical.

Análise dos intervalos


Para estabelecer uma análise inicial dos intervalos, vamos ver os intervalos
diatônicos à escala maior. Utilizaremos como exemplo a escala de Dó maior.

Os intervalos da escala maior são segunda maior, terça maior, quarta justa, quinta
justa, sexta maior e sétima maior.

Abaixando os intervalos maiores em um semitom obtemos os menores. Abaixando os


menores e os justos em um semitom obtemos os diminutos e elevando os maiores e
os justos em um semitom obtemos os aumentados. Veja o desenho:
Classificação dos intervalos
Intervalo ascendente- quando o primeiro som é mais grave que o segundo.
Intervalo descendente- quando o primeiro som é mais agudo que o segundo.

Intervalo melódico- quando os sons são ouvidos consecutivamente.

Intervalo harmônico- quando os sons são ouvidos simultaneamente.

Intervalo simples- quando não ultrapassa a oitava.

Intervalo composto- quando ultrapassa a oitava.

Intervalo natural- formado por notas que pertencem a tonalidade.


Intervalo invertido- quando se troca a posição das notas.

Na inversão dos intervalos os maiores se transformam em menores, e vice-


versa. Os aumentados em diminutos e vice-versa e os justos permanecem
justos.

Intervalos enarmônicos- são intervalos com iguais e nomes diferentes.

Exercícios
Analise e cifre os intervalos:
Complete escrevendo a nota para tenhamos o intervalo pedido:

Vejamos agora os intervalos no braço da guitarra. Primeiramente veremos os


intervalos de forma geométrica, ou seja as posições mais usadas no braço da
guitarra para estes intervalos. Nos diagramas abaixo, você encontra as formas
mais comuns de se tocarmos intervalos harmônicos no braço do violão ou
guitarra:
Segue abaixo os intervalos no braço da guitarra com fundamental nas cordas
6, 5 e 4.
QUADRO DOS INTERVALOS E SÍMBOLOS USADOS NA
CIFRAGEM DOS ACORDES

OBS: o exemplo está em Dó maior

Nota Intervalo Cifra Distância Tonal

Dó Fundamenta
l

Réb 2ª menor 1 semitom

Ré 2ª maior 1 tom

Ré# 2ª 1 tom + 1 semitom


aumentada

Mib 3ª menor M 1 tom + 1 semitom

Mi 3ª maior 2 tons

Fá 4ª justa 4 2 tons + 1 semitom

Fá# 4ª 4+ (#4) 3 tons


aumentada

Solb 5ª diminuta 5- (b5) 3 tons

Sol 5ª justa 3 tons + 1 semitom

Sol# 5ª 5+ (#5) 4 tons


aumentada

Lá 6ª maior 6 4 tons + 1 semitom

Sibb 7ª diminuta O 4 tons + 1 semitom

Sib 7ª menor 7 5 tons

Si 7ª maior 7+ 7M 5 tons + 1 semitom

Dó 8ª justa 6 tons

Réb 9ª menor 9- (b9) 6 tons + 1 semitom

Ré 9ª maior 9 7 tons

Ré# 9ª 9+ (#9) 7 tons + 1 semitom


aumentada
Fá 11ª justa 11 8 tons + 1 semitom

Fá# 11ª 11+ (#11) 9 tons


aumentada

Láb 13ª menor 13- (b13) 10 tons

Lá 13ª maior 13 10 tons + 1 semitom

Lá# 13ª 13+ (#13) 11 tons


aumentada

Exercícios
Com a Tônica na 6ª corda toque todos os intervalos, procurando ficar numa
mesma região que é o que acontece quando formamos acordes. Faça isso
também nas 5ª e 4ª cordas.

Associe também o som de cada intervalo, memorizando de ouvido os intervalos


porque na hora de “tirar um solo” a coisa fica mais fácil.
Vamos estudar os padrões da escala com saltos.
Vamos estudar padrões de intervalos por corda:
Bueno, dever cumprido! Agora que sabemos intervalos podemos empilhar eles
e formar acordes.
Tríades
Tríade é a combinação de três notas, sendo uma Tônica, uma terça e uma
quinta.

Note que entre as notas do acorde existe intervalo de terça.

Estes intervalos podem ser de terças maiores e menores, e as combinações


entre eles formam quatro tipos de tríades, a saber:

Tríade Maior

Tríade Menor

Tríade Aumentada
Tríade Diminuta

Resumo
Tipo de Tríade Cifra Intervalos Formadores
Maior C T35
Menor Cm T b3 5
Aumentada C#5 T 3 #5
Diminuta Cm(b5) T b3 b5

Exercícios
Monte as tríades pedidas:

Dada a Tônica monte a tríade pedida:


Dada a tríade, analise e cifre:

Tríades e suas inversões


As tríades podem estar no seu estado fundamental ( com a tônica mais grave)
e em suas inversões (terça no baixo e quinta no baixo), sendo em primeira e
segunda inversão.

Exercícios
Construa as tríades pedidas em seu estado fundamental e suas inversões:
Dada a tríade, faça a análise e as inversões:
Tríades Fechadas Exemplos em Ré
D Dm D#5 Dº
T 3ª 5ª T 3ªb 6ª T 3ª 5ª# T 3ªb 5b
Exemplo
ré fá# lá ré fá lá ré fá# lá# ré fá láb

3 5 T
T 3 5
5 T 3
3 5 T
T 3 5
5 T 3

3b 5 T
T 3b 5
5 T 3b
3b 5 T
T 3b 5
5 T 3b

3 5# T
T 3 5#
5# T 3
3 5# T
T 3 5#
5# T 3

3b 5b T
T 3b 5b
5b T 3b
3b 5b T
T 3b 5b
5b T 3b

Exercícios
Toque as sequências abaixo em todas regiões e posições

CFGC

D Em A D

A F#m D E A

E C#m F#m B E
Arpejando a Três Vozes
Modelo E

Maior

Menor

Diminuta

Aumentada
Modelo D\C

Maior

Menor

Diminuta

Aumentada
Modelo A/G

Maior

Menor

Diminuta

Aumentada
Pequenos Paterns
Arpejos com saltos em tríades

Exercícios
Toque com arpejos a 3 vozes as seguintes sequências em todas as regiões.

C Am Dm G C

A C#m F#m G#dim A

F Dm Bb C F

G Bm Em C F#dim G
Licks Utilizando Arpejos com Saltos
Tríades Abertas
Maior Menor

Diminuta Aumentadas

Exercícios
Toque as sequências abaixo em tríades abertas em todas as posições:

C Am Dm G C

A C#m F#m G#dim A

F Dm Bb C F
Arpejos Esticados
Maior

Menor

Diminuta

Aumentada
Campo Harmônico
Definição
É quando montamos sobre cada nota da escala, um acorde.
Consequentemente, esses acordes irão conter apenas as notas dessa escala.
Podemos então acompanhar melodias feitas com essa escala usando tais
acordes. Dessa maneira, tocar-se-á tanto em forma de acordes (em
acompanhamento) como em melodias (em solos), apenas as notas da escala.

Campo Harmônico Maior


Com o campo harmônico abaixo, podemos visualizar as possibilidades de
montagem de acordes de três sons (tríades), em uma tonalidade maior. Usam-
se numerais romanos acima dos acordes, para generalizarmos o campo
harmônico para outros tons.

Ex. Dó Maior

A Função dos Acordes


Normalmente um acorde é ouvido de acordo com sua função qualitativa dentro
de um determinado encadeamento de acordes. Essa função é distinguida
devido à impressão sonora, caracterizada dentro do tom do trecho musical.
Podemos significar essa impressão por qualidades como a instabilidade ou
estabilidade.

Basicamente temos três funções que comumente são relacionadas às


impressões:

• Tônica: É representada pelo acorde de primeiro grau de uma tonalidade


seja maior ou menor. Acordes com essa função exprimem repouso e
são mais estáveis que as outras funções.
• Subdominante: Representado pelo acorde de quarto grau de uma
tonalidade seja maior ou menor. Acordes com essa função exprimem
uma moderada sensação de movimento em relação à tonica, sendo
mais instável que ela, porém demonstra mais estabilidade que a função
de dominante.
• Dominante: Representado pelo acorde, sempre maior, montado sobre o
quinto grau de uma tonalidade seja maior ou menor. Acordes com essa
função exprimem uma intensa sensação de movimento em relação à
tônica, sendo a função mais instável do campo harmônico. Essa função,
quando encadeada para um acorde de tônica, provoca o que chamamos
de resolução, então podemos dizer que ao conduzirmos um acorde de
dominante para um de tônica temos a sensação de tensão e resolução
ou expectativa e repouso. Esse efeito de resolução se dá mais
intensamente quando o acorde de dominante está adicionado de uma
sétima menor, o que implica na presença das notas atrativas da
tonalidade, ou seja, o trítono, e que será abordado mais adiante.

Relação Funcional entre os acordes


Dentro de um campo harmônico, os acordes geralmente se relacionam,
demonstrando, de certa forma, uma possibilidade substituírem uns aos outros.
Por exemplo, o acorde de dó maior (C) tem duas notas em comum com o
acorde de mi menor (Em) e com o lá maior (Am):

Então podemos relacionar esses acordes, Em e Am, como se fossem também,


como o C, de função tônica. Porém, devido a presença da fundamental do
acorde de C no Am, esse será denominado de acorde relativo, pois demonstra
mais tal função o que já não acontece com o Em, o que chamamos de anti-
relativo.

Seguindo esse mesmo raciocínio podemos achar os relativos e anti-relativos


das outras funções.
O acorde de dominante quando usado com sétima tende a se afeiçoar mais
com o acorde anti-relativo devido a presença do trítono, pois esse intervalo,
como já abordado aqui, ao ser resolvido expressa o efeito de tensão e
resolução que ocorre entre a dominante e a tônica.

Em tons maiores podemos entender os graus e suas funções da seguinte


forma:

O Trítono
O trítono é o intervalo de quarta aumentada (enarmônica a uma quinta
diminuta), ou seja, é a distância de três tons entre duas notas, daí o nome de
trítono (três tons). Consiste em uma dissonância que resolve por grau conjunto
e em movimento contrário.

Ex.
Quando resolvido, o trítono exprime uma das principais características do
sistema tonal, ou seja, o efeito de tensão e resolução, pois esse intervalo
harmônico, que está presente em acordes dominantes e seus substitutos,
tende, portanto, resolver em acordes de função tônica.

Ex.

Agora como exercício vamos montar os Campos Harmônicos Maiores em


todas as tonalidades. Use primeiro o ciclo das quintas e depois o ciclo das
quartas, aproveite e use as armaduras de clave para facilitar.

Obs: Faça seu exercício no caderno TOM MAIOR.

Aqui a tabela com todos os campos harmônicos maiores em todos os tons.

TONALIDADE I7M IIm7 IIIm7 IV7M V7 VIm7 VIIm7(b5)


Dó maior C7M Dm7 Em7 F7M G7 Am7 Bm7(b5)
Sol maior G7M Am7 Bm7 C7M D7 Em7 F#m7(b5)
Ré maior D7M Em7 F#m7 G7M A7 Bm7 C#m7(b5)
Lá maior A7M Am7 C#m7 D7M E7 F#m7 G#m7(b5)
Mi maior E7M F#m7 G#m7 A7M B7 C#m7 D#m7(b5)
Si maior B7M C#m7 D#m7 E7M F#7 G#m7 A#m7(b5)
Fá# maior F#7M G#m7 A#m7 B7M C#7 D#m7 E#m7(b5)
Dó# maior C#7M D#m7 E#m7 F#7M G#7 A#m7 B#m7(b5)
Fá maior F7M Gm7 Am7 Bb7M C7 Dm7 Em7(b5)
Sib maior Bb7M Cm7 Dm7 Eb7M F7 Gm7 Am7(b5)
Mib maior Eb7M Fm7 Gm7 Ab7M Bb7 Cm7 Dm7(b5)
Láb maior Ab7M Bbm7 Cm7 Db7M Eb7 Fm7 Gm7(b5)
Réb maior Db7M Ebm7 Fm7 Gb7M Ab7 Bbm7 Cm7(b5)
Solb maior Gb7M Abm7 Bbm7 Cb7M Db7 Ebm7 Fm7(b5)
Dób maior Cb7M Dbm7 Ebm7 Fb7M Gb7 Abm7 Bbm7(b5)
Campo Harmônico Aplicação Prática
Tríades Fechadas
G Am Bm C

D Em F#m

Tríades Fechadas mesma região


G Am Bm C

D Em F#m
Monte o mesmo campo harmônico em outras regiões.

G Am Bm C

D Em F#m

G Am Bm C

D Em F#m
G Am Bm C

D Em F#m

G Am Bm C

D Em F#m
Tríades Abertas
G Am Bm C

D Em F#m

Tríades Abertas mesma região


G Am Bm C

D Em F#m
Monte o mesmo campo harmônico em outras regiões.

G Am Bm C

D Em F#m

G Am Bm C

D Em F#m
G Am Bm C

D Em F#m

G Am Bm C

D Em F#m