Você está na página 1de 26

SISTEMAS E SINAIS – SINAI

Professor: João Mendes Filho


e-mails: joao.mendes@uol.com.br
joao.mendes@ifsp.edu.br

Atenção: dúvidas técnicas serão respondidas apenas presencialmente

O conteúdo ministrado em aula poderá ser encontrado em:

www.sites.google.com/view/joao-mendes

Comunicação com a turma via SUAP: importante o aluno atualizar seu e-mail

1
EMENTA:
Sistemas e sua classificação. Sinais e sua classificação. Análise de sistemas lineares em tempo
contínuo, em tempo discreto e em espaço de estados. Transformadas de Laplace e de Fourier.

OBJETIVOS:
Estudo de fundamentos conceituais e matemáticos de sistemas e sinais que configuram uma base
teórica para várias disciplinas subsequentes.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
1) Introdução
2) Sinais e Sistemas
- Sinais e sua classificação
- Sinais de tempo contínuo e de tempo discreto
- Sistemas e sua classificação

2
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO (continuação):

3) Sistemas Lineares Invariantes no Tempo


- Integral de convolução
- Propriedades
- Descrição por equações diferenciais
-Tempo discreto e soma de convolução

4) Sistemas Lineares e a Transformada de Laplace


- Transformada de Laplace
- Transformada inversa de Laplace
- Propriedades

3
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO (continuação):

5) Análise de Fourier de Tempo Contínuo


- Série de Fourier
- Transformada de Fourier
- Transformada inversa de Fourier
- Propriedades
- Resposta em frequência

6) Análise em Espaço de Estados

4
BIBLIOGRAFIA BÁSICA:

OPPENHEIM, A. V.; WILLSKY, A.S.; HAMID, S. Sinais e Sistemas, 2ª ed. São Paulo: Prentice-Hall,
2010.

HSU, H. P. Sinais e Sistemas. Coleção Schaum. Porto Alegre: Bookman, 2011.

LATHI, B. P. Sinais e Sistemas Lineares. 2a ed. Porto Alegre: Bookman, 2007.

5
BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:

ROBERTS, M. J. Fundamentos em Sinais e Sistemas. Porto Alegre: Bookman, 2009.

GIROD, B. Sinais e Sistemas. Rio de Janeiro : LTC, 2003.

CARLSON, G. E. Signal and Linear System Analysis. Addison Wiley, 1998.

ZIEMER, R. E.; TRANTER, W. H.; FANNIN, D. R.; Signals and Systems: Continuous and Discrete. 4a
ed. Prentice Hall, 1998.

PHILLIPS, C. L.; PARR, J.; RISKIN, E. Signals, Systems and Transforms. 4ª ed. Prentice Hall, 2007.

GEROMEL, J. C.; DEAECTO, G. S. Análise Linear de Sinais. Editora Edgard Blücher, 2019.

6
 As aulas de Sistemas e Sinais consistem de teoria e exercícios

 Uma lista de exercícios está disponível no site anteriormente citado (as


respostas de alguns desses exercícios são dadas no final da lista)

 Outros conteúdos também estão no site mencionado

 Critério de avaliação:

Primeira prova
Segunda prova

 Prova Substitutiva (regimental): apenas para os casos aplicáveis

7
Pré-requisitos importantes:
 Cálculo Integral e diferencial

 Trigonometria

 Capítulo B – Background (Lathi, B. P.):


o Números complexos
o Senóides
o Rascunhando Sinais
o Expansão em frações parciais
o Vetores e Matrizes

Importante: www.sites.google.com/view/joao-mendes
 Artigos, notas de aula e complementares, links e sites importantes

8
Engenheiro: segundo a Wikipedia: https://pt.wikipedia.org/wiki/Engenheiro
 Um engenheiro é um profissional de engenharia, preocupado com a aplicação
do conhecimento científico, matemático e da criatividade para desenvolver
soluções para problemas técnicos.
 Engenheiros projetam materiais, estruturas e sistemas, considerando as
limitações impostas pela praticidade, regulamentação, segurança e custo.
 É uma pessoa com formação técnico-científica que o torna capaz de resolver
problemas tecnológicos, práticos e muitas vezes complexos, ligados à
concepção, realização e implementação de produtos, sistemas ou serviços.
 A palavra engenheiro possui raízes no latim e é derivada de ingeniare ("inven-
tar") e ingenium ("inteligência").
 O engenheiro pode atuar dentro de várias especialidades, dentre elas:
Aeronáutica, Agrimensura, Agronomia, Alimentar, Ambiental, Civil, Computa-
ção, Controle e Automação, Elétrica, Física, Mecânica, Mineração, Produção,
Química, Têxtil, Aeroespacial, entre outras.
Engenharia: aplicação dos conhecimentos provenientes das ciências básicas,
em especial da matemática e da física.
9
I– ALGUNS CONCEITOS BÁSICOS

1 – CONCEITO DE ELETRÔNICA E SUAS RAMIFICAÇÕES


Engenharias BASE DE ATUAÇÃO
Química Interação entre eletrosferas atômicas (ligações químicas)
Eletrostática (contato, atrito) e interação entre eletrosferas
Mecânica
(resistência)
Eletrostática (adesão), interação entre eletrosferas (resistência) e
Civil
gravidade
Elétrica Todos os fenômenos elétricos são diretamente aplicados

Conversão Transporte Processamento


Eletrotécnica Geração / Transmissão /
Transformação
Engenharia (Energia) Máquinas Distribuição
Elétrica Eletrônica Computação /
Instrumentação Telecomunicações
(Informação) Controle
10
2 – CONCEITOS DE SISTEMA E DE SINAL
Sinal: Um sinal corresponde à informação em trânsito, ou seja, à informação que se
desloca no tempo e no espaço, fisicamente transportadas por uma grandeza com
características de onda.

Sinal de Tempo Discreto: sinal descontínuo no tempo, definido apenas em instantes


específicos geralmente múltiplos de uma unidade de tempo básica (“quanta”) qualquer.

Sinal de Tempo Contínuo: sinal contínuo no tempo, definido para todos os instantes. Pode
ser considerado um sinal de tempo discreto onde o “quanta” de tempo é nulo.

Sinal Digital: Um sinal é digital se é de tempo discreto e se transporta informações digitais,


ou seja, é quantizado na amplitude e no tempo. Quando preenchidos estes dois requisitos,
a quantidade total de informação transportada em um determinado intervalo de tempo é
finita.

11
Exemplo: a cada instante um sinal transporta uma mensagem equivalente a N bits e em
certo intervalo de tempo há M instantes (tempo quantizado). Portanto a quantidade de
informação transportada I é dada por I = NxM bits.

Sinal Analógico: Um sinal é analógico se é um sinal de tempo contínuo, se transporta


informações analógicas, ou ambos. A quantidade total de informação transportada por um
sinal analógico em um determinado intervalo de tempo é infinita.

 Exemplos de sinais: - Sinal telefônico;


- Sinal de áudio;
- Sinal de vídeo;
- Valor médio do índice Bovespa;
- Registros sismológicos;
- Temperatura de uma cidade.
 Para esses exemplos, o tempo é a variável independente;
12
 Alguns sinais podem variar também em função do espaço;

 Outros podem depender da frequência;

 Outros podem depender de uma ou mais dessas variáveis independentes;

 Neste curso, trabalharemos apenas com sinais em função do tempo ou da


frequência. Embora o estudo ora desenvolvido seja aplicável a outras
variáveis independentes;

 Outros exemplos: - Sinais elétricos cardiológicos;


- Sinais elétricos cerebrais;
- Sinais de radar meteorológico;
- Sinais de micro-ondas;
- Sinais de rádio ...
13
Representação gráfica de alguns sinais

Sinal triangular

Sinal Senoidal
14
Temperatura de uma sala

Sinal de vozXXXXXXX
15
Cotação do dólar

Sinal Binário
16
Sinais DTMF - Dual Tone Multi-Frequency

17
I(t)

0 t
0

Vc(t)

0 t
0

18
I(t)
𝒔

0 t
0

Vc(t)

0 t
0

19
I(t)
𝒔

0 t
0

Vc(t)

0 t
0

Dica: ao construir um gráfico, nunca se deve esquecer das grandezas e escalas


envolvidas. Caso contrário, o gráfico pode não representar nada... 20
 Os sinais são representados matematicamente como funções de uma ou
mais variáveis independentes.
 Os sistemas atuam sobre os sinais e entregam novos sinais em suas saídas.

𝒊𝒏
R 𝒐𝒖𝒕

Sinal de Entrada Sistema Sinal de Saída

Exemplo de processamento de um sinal


21
Sistema: Conjunto cujos elementos se interagem de forma sinérgica produzindo
propriedades emergentes, ou seja, que são decorrentes da interação e não de seus
elementos.

Sinergia: Ação coordenada de dois ou mais agentes com resultados que superam a soma
daqueles devidos às partes ou produzidos individualmente – “o todo é maior que as
partes”.

Estado de um elemento: Elementos simples de um sistema, assim admitidos por


convenção, podem apresentar diversas configurações em suas variáveis físicas como
velocidade, energia, posição, etc. Cada configuração em particular destas variáveis é
denominada um estado do elemento.

Estado do sistema: A cada instante os elementos internos de um sistema estão em um


determinado estado e interagindo segundo determinado padrão, produzindo uma
configuração específica denominada estado do sistema.
22
Informação: Estado de um sistema (ou conjunto) ou uma representação desse estado.

Mensagem: Suporte físico da informação, com capacidade de representação delimitada.

Bit: A menor e mais simples mensagem possível, pois contém a representação de um


estado dentro de um universo com apenas duas possibilidades, geralmente expressas
como “0” e “1”. É utilizado como unidade básica de medida da informação.

Quantidade de informação: Medida da informação contida em uma mensagem expressa


em termos de equivalência ao tamanho de um padrão binário. Uma mensagem com uma
quantidade de informação equivalente a N bits pode representar um estado específico
dentro de um universo de 2N possibilidades.
23
Observação: O termo informação é empregado de forma pouco precisa, pois pode
significar “o estado do sistema propriamente dito”, “uma representação do estado de um
sistema” ou ainda, “a quantificação da informação contida em uma mensagem em termos
de equivalência binária”. A informação é uma propriedade do dado ou mensagem. Um
dado contém mais informações se seu conteúdo for menos esperado. "homem morde
cachorro" contém mais informações do que "cachorro morde homem".
𝑰 = − 𝒍𝒐𝒈 (𝒑) (Veja: Teoria da Informação)

Informação Digital: Informação que corresponde a uma representação dentro de um


universo de possibilidades finito. Por serem finitas, as representações possíveis são ditas
enumeráveis (com auxílio de um dedo = dígito), contáveis, quantizáveis (múltiplas de um
“quanta”) ou ainda, discretas. Como consequência, a quantidade de informação contida
em uma mensagem digital é finita.

Informação Analógica: Termo derivado de análogo, pois a informação representa as


variáveis de estado do sistema representado de forma análoga. Em geral supõe-se que o
sistema possa variar de estado continuamente, logo o universo de possíveis estados deste
sistema é infinito. Decorre daí que a quantidade de informação contida em uma mensagem
analógica, em termos de equivalência binária, é infinita.
24
 Os sinais podem ser processados por sistemas. Estes últimos modificam os
sinais e ainda podem extrair informações adicionais.

 Um sistema é uma entidade (Hardware ou Software) que processa um sinal ou


um conjunto de sinais (Entradas), resultando um outro sinal ou conjunto de
sinais (Saídas).

 Os sistemas podem ser construídos por hardware, por software ou pelos dois:
- Hardware (HW): eletromecânicos, mecânicos, hidráulicos, eletrônicos,
elétricos;
Exemplo: sensores, sirene, central de alarmes;

- Software (SW): programas, scripts, algoritmos;


Exemplo: Programa de gerenciamento de um alarme e seus
componentes.
25
Exemplo: central de incêndio
26

Você também pode gostar