Você está na página 1de 38

0

Caderno 3

BALANÇO PATRIMONIAL: Ativo Circulante – Duplicatas a Receber e Provisão


para Devedores Duvidosos

3. Introdução:

No caderno 2 você estudou as contas representativas de disponibilidades. Neste caderno


serão abordadas, inicialmente, Duplicatas a Receber e Provisão para Devedores
Duvidosos que fazem parte de um grupo de contas que representam direitos realizáveis a
curto prazo, isto é, valores que se converterão em dinheiro no prazo inferior a 12 meses da
data de elaboração do BP , exceto quando o Ciclo Operacional for superior a um ano.
Principais contas deste grupo: Duplicatas a Receber, Provisão para Devedores Duvidosos,
Duplicatas Descontas, Estoques, Investimentos Temporários e Outros Valores a Receber
(Adiantamentos a Empregados, Adiantamentos para Fornecedores, Adiantamentos para
Viagens, etc.).

3.1. Duplicatas a Receber ou Clientes

“A conta mais representativa desse grupo é, sem dúvida, “Duplicatas a Receber” ou


“ Clientes“ originárias de vendas de mercadorias, produtos ou de prestação de serviços, a
prazo, cujos recebimentos se darão no curto prazo.

As duplicatas a receber devem ser apresentadas no Balanço Patrimonial pelo seu valor
líquido de realização, ou seja, o valor que realmente a empresa espera receber. Assim
sendo, seu saldo deve estar sempre retificado pela subtração do valor das duplicatas objeto
de desconto bancário e da provisão para créditos de liquidação duvidosa, conforme
demonstrado a seguir:
1

Cia. Alvorada
Balanço Patrimonial em 31/12/X9

ATIVO PASSIVO
Ativo Circulante: Passivo Circulante:
.................................................. ............... .................................. .............
.................................................. ............... .................................. .............
Duplicatas a Receber 100.000
(-) Duplicatas Descontadas ( 10.000)
(-) Provisão para Devedores Duvidosos ( 2.000)
................................................. ............

Se o prazo de recebimento das duplicatas for superior a 1 ano,


a conta Duplicatas a Receber será classificada no Ativo não-Circulante,
no subgrupo Ativo Realizável a Longo Prazo.

3 .2 Procedimentos de cobrança de Duplicatas a Receber

Geralmente as empresas utilizam duas maneiras de proceder à cobrança de duplicatas a


receber:

a) Duplicatas em carteira – consiste em conservar os títulos em poder da empresa e fazer


ela própria a cobrança.
2

b) Duplicata em cobrança bancária – realiza a cobrança através de bancos, os quais


ficam com as duplicatas em seu poder, aguardando que o devedor compareça para
efetuar o pagamento (duplicatas em cobrança simples).

Quando as duplicatas são remetidas ao banco simplesmente para que este proceda à
cobrança, os títulos são ditos “em cobrança simples“. Este procedimento é
diferenciado daquele em que as duplicatas são descontadas, caso em que a empresa
recebe o seu valor antes que estas sejam pagas pelo devedor.

Para as duplicatas em cobrança simples, o banco é apenas um agente cobrador: ao


efetuar a cobrança, o dinheiro recebido é depositado na conta da empresa.

3.2.1 Procedimentos Contábeis para cobrança bancária simples

Visto que, ao remeter as duplicatas para cobrança bancária simples, a empresa não recebe
qualquer valor, não há lançamentos na conta de bancos, nem na contas de duplicatas a
receber.

O exemplo a seguir mostra os procedimentos contábeis que devem ser adotados para o caso
de duplicatas em cobrança bancária simples.

a) Pela remessa da duplicata ao banco:

Empresa Alvorada:
Duplicatas a Receber: $ 500.000
Remessa ao banco de duplicatas para cobrança simples: $ 100.000

Nesse caso, não há lançamento contábil a fazer (exceto a eventual cobrança de uma taxa
de remuneração pelo serviço por parte do banco), porém, a empresa deve registrar essa
remessa no seu controle extracontábil de duplicatas em cobrança simples de forma
que, a qualquer momento, o total das duplicatas tenha a localização física reconhecida.
3

Pelo aviso bancário de cobrança efetuada:

Aviso bancário informando à cobrança de duplicatas no valor de $ 90.000

O lançamento contábil seria:

Bancos c/Movimento Duplicatas a Receber


__________________________________ _____________________________
(1) 90.000 (S) 500.000 90.000 (1)

Onde:
(S) Saldo
(1) Aviso de crédito bancário, informando recebimento da duplicata descontada.

Ao mesmo tempo, a empresa Alvorada faria a baixa dessas duplicatas cobradas no controle
extracontábil de duplicatas em cobrança simples.

b) Pela devolução das duplicatas não cobradas:

Considerando que o banco não tenha conseguido cobrar as duplicatas restantes, estas
seriam devolvidas à empresa, que também não faria qualquer lançamento contábil, mas
procederia ao registro da devolução no controle extracontábil de duplicatas remetidas para
cobrança simples.
4

3.3 Cobrança vinculada ou caucionada

Existe, ainda, outro sistema de cobrança, chamado de “cobrança vinculada“, utilizado


quando a empresa oferece as duplicatas ao banco em garantia de empréstimos para capital
de giro. À medida que as duplicatas vão sendo pagas pelos devedores, o dinheiro é
contabilizado na conta “bancos- conta vinculada”, já que o montante não está liberado para
utilização até que as novas duplicatas sejam entregues pela empresa, em substituição às
cobradas. Nesse momento, ocorre a liberação do dinheiro, por parte do banco, sendo
contabilizada a transferência de “bancos- conta vinculada“ para “bancos conta movimento”.

Empréstimos para capital de giro, com pagamento em uma única parcela,


geralmente com prazo de vencimento de 6 a 12 meses.

Bancos – conta vinculada x Bancos conta movimento

A empresa não pode movimentá-la a empresa pode movimentar


livremente, acesso exclusivo do banco livremente
5

3.3.1 Procedimentos Contábeis para cobrança vinculada

a) Pela contratação de empréstimos para capital de giro e envio de um borderô de


cobrança vinculada para garantia da operação.

Empresa Alvorada:
Empréstimo para capital de giro: $ 1000
Borderô de duplicatas a receber em cobrança vinculada de 115%, ou seja envio ao banco
de duplicatas a Recber no valor de $ 1.150, como garantia
Criação de um controle para as garantias dadas em garantia

O lançamento contábil seria:

Bancos conta Movimento Empréstimos para capital de giro


__________________________________ _____________________________
(a) 1.000 1.000 (a)

A empresa deverá criar um controle para as


duplicatas dadas em garantias,

b) Pelo recebimento de duplicata dada em garantia, antes da data do vencimento do


empréstimo ($ 200).

O lançamento contábil seria:

Bancos conta Vinculada Duplicatas a Receber


__________________________________ _____________________________
(b) 200 (S) 5.000 200 (b)

Onde:
(S) saldo
(2) recebimento de duplicatas a receber dada como garantia

Baixa de $ 200 do controle de duplicatas em garantia


6

c) Pelo envio ao banco de um borderô de duplicatas a vencer para substituir a


duplicata recebida, a fim de recompor a garantia, a um nível mínimo exigido.
O valor enviado deve ser igual ou superior ao valor da duplicata recebida
Após o recebimento do borderô, o banco envia um aviso de crédito à empresa.

O lançamento contábil seria:

Bancos c/conta Vinculada Bancos conta Movimento


__________________________________ _____________________________
(S) 200 200 (c) (S) 5.000
(c ) 200

Onde:
(S) saldo
(c) Contabilização da liberação do valor contido na conta bancos conta vinculada
para bancos conta movimento, em virtude da reposição da garantia.

Entrada de $ 200 no controle de garantia

Esse processo se repete até a liquidação do empréstimo (duplicatas dadas em garantia serão
recebidas, novas duplicatas serão enviadas para o banco para repor a garantia, o banco
liberará saldo de conta bancos vinculada para bancos conta movimento).

d) Pelo pagamento do empréstimo no seu vencimento, mais os juros ($ 130). As


duplicata a receber dadas em garantia passam a ser de cobrança simples.

O lançamento contábil seria:

Bancos c/conta Movimento Empréstimos para capital de giro


__________________________________ _____________________________
(S) 5.000 1.130 (c) (d) 1.000 1.000 (S)

Despesas de Juros

(d) 130

Onde:
(S) saldo
(d) Pagamento do empréstimo mais juros.
7

Controle da Cobrança Vinculada


1. Envio borderô $ 1.150
2. Duplicata recebida $ 200
3. Novo borderô $ 200
Saldo $ 1.150

Com o pagamento do empréstimo o saldo das duplicatas em cobrança vinculada


($ 1.150) passa para cobrança simples.

Controle da Cobrança Vinculada


1. Envio borderô $ 1.150
2. Duplicata recebida $ 200
3. Novo borderô $ 200
Saldo $ 1.150
4. Transferência cobrança simples ($ 1.150)
Saldo 0

Para efeito didático utilizou-se os razonetes isoladamente,


para demonstrar passo a passo os lançamentos de cada situação.
8

Na prática, os lançamentos seriam feitos desta maneira:

Bancos conta Movimento Empréstimos para capital de giro

(a) 1.000 1.130 (d) (d) 1.000 1.000 (a)


(c) 200

Bancos conta Vinculada Duplicatas a Receber

(b) 200 200 (c) (S) 5.000 200 (b)

Despesas de Juros

(d) 130

Onde:
(S) – saldo.
(a) – empréstimo de capital de giro.
(b) – recebimento de duplicatas a receber dada em garantia antes da data do vencimento do
empréstimo.
(c) – liberação dos recursos de bancos conta vinculada para bancos conta movimento.
(d) – pagamento do empréstimo para capital de giro e despesas de juros.
9

Atividade 1

Verdadeiro (V) ou Falso (F)?

( ) 1. A Empresa Alvorada está com dificuldade de capital de giro, em função desta


situação remete ao banco Banderj duplicatas para cobrança simples.

( ) 2. A duplicata que foi enviada pela Empresa Alvorada ao Banco Banderj para
cobrança simples foi recebida pelo banco. O valor cobrado é creditado na conta
movimento da empresa Alvorada.

( ) 3. A remessa ao banco Banderj de duplicatas a receber para cobrança simples exige


lançamento contábil na empresa

( ) 4. As duplicatas a receber dadas como garantia a empréstimo para capital de giro são
normalmente de prazo inferior ao do empréstimo a que estão vinculadas.

( ) 5. A conta bancos conta vinculada é movimentada livremente pela empresa.


10

3.4 Considerações sobre Provisão para Devedores Duvidosos (PDD)

A Provisão para Devedores Duvidosos é constituída para cobrir perdas estimadas na


cobrança das contas a receber, sejam Duplicatas a Receber ou Outros Créditos.

A PDD, assim como as demais provisões é constituída em obediência a dois princípios


contábeis fundamentais:
- Conservadorismo ou Prudência; e
- Competência dos Exercícios.

Pelo primeiro, tem-se que a existência da possibilidade do não recebimento desses valores,
a empresa faz provisão para as contas a receber que se possam tornar incobráveis no futuro,
de modo que seus demonstrativos espelham as prováveis perdas relacionadas com créditos
junto a terceiros.

Pelo segundo, tem-se que as perdas (mesmo que estimadas) devem ser computadas no
exercício social em que ocorreram as receitas (no caso de valores relativos a Duplicatas a
Receber), visto que essas perdas decorrentes de débitos incobráveis irão pesar
negativamente no resultado do determinado exercício.

A PDD, também chamada de


Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa,
ou ainda, Provisão para Perdas com Créditos Incobráveis
(PPCL).
11

O exemplo a seguir ilustra bem essa situação

No fim do seu primeiro ano de atividade, o contador da Empresa Comercial Planalto


elaborou as seguintes demonstrações contábeis:
Empresa Comercial Planalto
Balanço Patrimonial em 31/12/X1

ATIVO PASSIVO
Caixa ..................................... 20.000 Fornecedores .......................... 10.000
Duplicatas a Receber ............. 80.000
Mercadorias ........................... 40.000 Patrimônio Liquido
Capital .................................. 100.000
Lucros Acumulados .............. 30.000
TOTAL ............................... 140.000 TOTAL ................................. 140.000

Empresa Comercial Planalto


Demonstração de Resultado do Exercício, relativa ao exercício de X1

DISCRIMINAÇÃO VALOR
Vendas 200.000
(-) Custo das Mercadorias Vendidas 160.000
(=) Lucro Bruto 40.000
(-) Despesas 10.000
(=) Lucro Líquido 30.000

Sem dúvida, esses demonstrativos refletiriam a situação financeira e econômica da empresa


se as vendas fossem à vista. Repare, no entanto, que no Balanço aparece a conta Duplicatas
a Receber no valor de R$ 80.000. Como o recebimento desse montante não é liquido e
certo, haverá fatalmente alguns clientes que não pagarão, o que acarretaria em algum
prejuízo, portanto o saldo de Duplicatas a Receber será reduzido dessa perda, isto é a
empresa não receberá os R$ 80.000 e sim um valor menor, assim como na DRE o lucro do
exercício não será 30.000 e sim um valor inferior, em virtude das despesas com devedores
duvidosos computada como despesas comerciais (Conservadorismo)

Como essas perdas que acontecerão no futuro são provenientes das vendas a prazo já
contabilizadas como receita, o Principio de Competência dos Exercícios (que inclui a
12

confrontação de receitas e despesas) obriga a reconhecer nesse exercício as perdas


prováveis que aparecerão no futuro com as vendas realizadas no exercício em questão.

Pelo exposto, sem levar em consideração a PDD essas demonstrações contábeis estariam
imprecisas.

O que fazer então?

Para que as demonstrações contábeis retratem fielmente a situação patrimonial, financeira e


econômica é necessário que no encerramento do exercício social seja feita uma estimativa
de perdas prováveis com clientes duvidosos.

Suponha que o contador da Planalto tivesse estimado uma perda de R$ 10.000.

Essa perda seria reconhecida contabilmente através de lançamento de ajuste.

Lançamento de Diário:

Débito: Despesa com Devedores Duvidosos 10.000,00


Crédito: Provisão para Devedores Duvidosos 10.000,00

Lançamento em Razonetes:

Despesa com Devedores Duvidosos Provisão para Devedores Duvidosos

10.000 10.000

Dessa maneira, as demonstrações seriam assim elaboradas

Empresa Comercial Planalto


Balanço Patrimonial em 31/12/X1
13
ATIVO PASSIVO
Caixa ..................................... 20.000 Fornecedores ......................... 10.000
Duplicatas a Receber ............. 80.000
PDD ..................................... (10.000)
Mercadorias ........................... 40.000 Patrimônio Líquido
Capital .................................. 100.000
Lucros Acumulados............... 20.000
TOTAL ............................... 130.000 TOTAL ................................ 130.000

Dos R$ 80.000 em Duplicatas a Receber, a empresa espera


receber efetivamente R$ 70.000!!!!

Empresa Comercial Planalto


Demonstração de Resultado do Exercício, relativa ao exercício de X1

DISCRIMINAÇÃO VALOR
Vendas 200.000
(-) Custo das Mercadorias Vendidas 160.000
(=) Lucro Bruto 40.000
(-) Despesas 20.000
(=) Lucro Líquido 20.000

O lucro líquido apurado anteriormente de R$ 30.000 foi agora reduzindo


para R$ 20.000, em função do aumento nas despesas de R$ 10.000 para R$ 20.000,
provocado pela possíveis perdas com DDD de R$ 10.000.

Atividade 2

Com os dados iniciais da Empresa Comercial Planalto complete o BP e DRE, considerando


que o contador da Empresa Comercial Planalto tivesse estimado a perda com clientes
duvidosos de R$ 30.000,00.
Empresa Comercial Planalto
Balanço Patrimonial em 31/12/X1
14
ATIVO PASSIVO
Caixa ..................................... 20.000 Fornecedores .......................... 10.000
Duplicatas a Receber ............. 80.000
Mercadorias ........................... 10.000
Patrimônio Líquido
Capital .................................. 100.000

TOTAL ................................. 110.000 TOTAL ................................ 110.000

Empresa Comercial Planalto


Demonstração de Resultado do Exercício, relativa ao exercício de X1

DISCRIMINAÇÃO VALOR
Vendas 200.000
(-) Custo das Mercadorias Vendidas 160.000
(=) Lucro Bruto 40.000
(-) Despesas 40.000
(=) Resultado do Exercício 0

Empresa Comercial Planalto


Balanço Patrimonial em 31/12/X1
ATIVO PASSIVO
Caixa ..................................... 20.000 Fornecedores .......................... 10.000
Duplicatas a Receber ............. 80.000
PDD ________
Mercadorias ............................ 10.000 Patrimônio Líquido
Capital .................................. 100.000
__________________ ________
TOTAL ................................ ________. TOTAL ................................ ________

Empresa Comercial Planalto


Demonstração de Resultado do Exercício, relativa ao exercício de X1
DISCRIMINAÇÃO VALOR
Vendas 200.000
(-) Custo das Mercadorias Vendidas 160.000
15
(=) Lucro Bruto 40.000
__ _____________________________ _______
__ _____________________________ _______

Atividade 3

Verdadeiro (V) ou Falso (F)?


( ) a. Ao vender a prazo a empresa corre o risco de não receber o dinheiro do cliente.
A probabilidade de não recebimento é denominada “risco de inadimplência”

( ) b . A Provisão para Devedores Duvidosos é diferente da Provisão para Créditos


de Liquidação Duvidosa (PCLD).

( ) c. A Provisão para Devedores Duvidosos representa uma conta retificadora de ativo,


destinada a demonstrar as contas a receber pelo seu valor estimado de realização.

( ) d. A Provisão para Devedores Duvidosos deve ser sempre calculada com base na
aplicação do percentual de 3% sobre o total de Duplicatas a Receber.
16

Atividade 4

A Provisão para Devedores Duvidosos é constituída para atender:


( ) a. diminuições de créditos por motivos de devolução
( ) b. riscos de insolvabilidade dos clientes
( ) c. os descontos e os abatimentos concedidos
( ) d. os descontos e os abatimentos obtidos

Atividade 5

O registro contábil da Provisão para Devedores Duvidosos tem como contrapartida


devedora a conta
( ) a. Despesa com Devedores Duvidosos
( ) b. Provisão para Devedores Duvidosos
( ) c. Duplicatas a Receber
( ) d. Lucros Acumulados
( ) e. Despesas do Exercício Seguinte

3.4.1 Cálculo da Provisão para Devedores Duvidosos

Para determinação do valor da provisão para devedores duvidosos a empresa tem que levar
em consideração o aspecto fiscal e o contábil.
Em termos fiscais a legislação do Imposto de Renda apresenta regras para a provisão
dedutível para fins do imposto de renda baseado em valores dos títulos individuais a
receber e no tempo de inadimplência desses mesmos valores, aliado a algumas
características adicionais dos títulos.
Em termos contábeis, a empresa deverá calcular o valor que ela considera suficiente para
cobrir prováveis perdas futuras com contas incobráveis.
A formação da provisão tem como principal base a média histórica da inadimplência
sofrida sobre as vendas a prazo.
17

Assim, cada empresa deverá utilizar o critério ou percentual mais adequado para fazer sua
provisão, que, possivelmente, ficará diferente dos critérios fiscais. É recomendada, também,
uma média dos últimos três anos, para dar maior consistência ao percentual, ou critério
adotado.
Nesse sentido, o correto é a empresa contabilizar o valor que ela considera mais adequado
para fins contábeis, fazendo um ajuste no Livro de Apuração do Imposto de Renda
(LALUR).

Entendem-se como características adicionais dos títulos as condições de vendas atreladas a


garantias que reduz os prejuízos pelo não recebimento dessas duplicatas.

Os Direitos de Garantia são classificados em dois tipos:

a) Garantia Real
b) Garantia Pessoal

Garantia Real: quando a dívida é garantida por bens móveis, imóveis, ou títulos de
créditos. São garantias reais:

Hipoteca: bem imóvel oferecido como garantia de quitação de uma divida.

Além dos bens imóveis (prédios, casas, terrenos etc.), os aviões, navios, minas etc. são
também objetos de hipotecas.

Penhor: entrega de um bem móvel, exceto penhor agrícola ou pecuário ao credor.

Caução: entrega de títulos de crédito do devedor ao credor.

Alienação Fiduciária: através de um contrato, o devedor transfere ao credor o domínio e a


posse indireta do bem, O bem oferecido em alienação fiduciária permanece em mãos do
devedor.

Reserva de Domínio: é a situação onde, nos contratos de compra e venda, o credor


transfere a posse do bem, reservando-s, porém à propriedade deste, até que se realize a
condição que é, geralmente, o pagamento total da obrigação.
18

Garantia Pessoal: quando a divida é garantida apenas por assinatura de terceiros. São
garantias pessoais:

Aceite: assinatura do devedor na duplicata a ser paga.

Aval: assinatura de um terceiro (avalista) em um título de crédito (duplicatas, promissórias,


etc.), tornando-se o avalista solidário ao devedor (avalisado), ou qualquer outro coobrigado,
ao pagamento do título.

Fiança: através de um contrato, normalmente em alugueis de imóveis, o fiador se


responsabiliza pelo pagamento do aluguel, caso o locatário (afiançado) não o faça.

Atividade 6

De acordo com a legislação vigente, para se estimar a Provisão para Devedores Duvidosos,
deve excluir do total das Duplicatas a Receber os créditos provenientes de:
( ) a. Vendas com reservas de domínio
( ) b. alienação fiduciária
( ) c. operações com garantia real
( ) d. todas elas estão corretas
19

3.4.2 Procedimentos contábeis referentes a PDD:

A conta de PDD normalmente é movimentada por três motivos básicos:

- Pela formação da provisão


- Pela baixa de títulos incobráveis
- Pela atualização da provisão

3.5.1 Formação da PDD:

Quando a PDD é contabilizada pela primeira vez, o lançamento contábil é igual ao de


qualquer outra provisão, para a redução do ativo.

Exemplo:

Suponha-se que o total de Duplicatas a Receber da Empresa Pelourinho no Balanço de


31/12/X0 seja de $ 400.000, e que o montante da provisão seja de 5% ( calculado em
critérios que levem em conta o passado dessas perdas para a empresa). A provisão seria,
portanto, de $ 20.000, e seria contabilizada da seguinte forma:

Despesas com Devedores Duvidosos Provisão para Devedores Duvidosos


______________________________ _____________________________
20.000 20.000

3.5.2 Baixa de Títulos Incobráveis:

Quando um valor se torna incobrável, ou seja, quando se esgotarem sem sucesso os meios
possíveis de cobrança, sua baixa da conta Duplicatas a Receber deve ser feita tendo como
contrapartida a própria provisão.
20

Exemplo:

O Balanço da Indústria Alvorada Ltda. em 31/12/X0 apresentava entre outros, os seguintes


saldos: Duplicatas a Receber $ 39.000; Provisão para Devedores Duvidosos $ 3.000.
Durante o exercício de X1 o título a receber de responsabilidade da firma Planalto no valor
de $ 75 se tornou incobrável.

Contabilizar em razonetes a baixa do título incobrável?

Duplicatas a Receber Provisão para Devedores Duvidosos


______________________________ _____________________________
(SI) 39.000 75 (a) (a) 75 3.000 (SI)

Onde:
(SI) – saldo inicial
(a) – baixa de título incobrável

Observa-se que a baixa do título é feita mediante débito à conta PDD, e não a uma conta de
despesa, pois quando a perda foi prevista já foi lançada como tal.

Qual o lançamento contábil que a empresa deverá adotar quando do recebimento de uma
conta baixada como incobrável no exercício anterior?

Exemplo:

A Empresa Bela Vista recebeu R$ 2.000,00 de uma duplicata considerada incobrável no


exercício anterior.
Caixa Receita com Recuperação de Créditos Baixados

(1) 2.000 2.000 (1)


21

E se o recebimento ocorrer no mesmo exercício em que a conta tivesse sido baixada como
incobrável?

Como você viu anteriormente, a baixa de uma conta incobrável é feita depois de se
esgotarem sem sucesso os meios possíveis de cobrança. No entanto existe a possibilidade,
mesmo que rara, do devedor efetuar o pagamento no exercício em que a duplicata foi
baixada como incobrável.
Neste caso, basta estornar o lançamento da baixa e em seguida efetuar o lançamento do
recebimento da duplicata em questão, conforme demonstrado a seguir:

Duplicatas a Receber PDD

(S) 5.000 100 (1) (1) 100 300 (S)


(2) 100 100 (3) 100 (2)
.

Caixa

(3) 100

Onde:
(S): saldo
(1): baixa de conta incobrável
(2): estorno
(3) recebimento de conta considerada anteriormente incobrável
22

Atividade 7

Em 01/01/X1 a Provisão para Devedores Duvidosos da Empresa Água na Boca, tinha um


saldo de R$ 10.000,00. Durante o ano X1 ocorreu à baixa de conta incobrável do cliente
Paulo da Silva no valor de R$ 4.000,00.
No ano seguinte, Paulo da Silva efetuou pagamento da divida com a empresa. O
recebimento dessa quantia deve ser registrado a credito da seguinte forma:
( ) a. Provisão para Devedores Duvidosos
( ) b. Despesa de Devedores Duvidosos
( ) c. Receitas Eventuais
( ) d. Duplicatas a Receber

3.5.3 Atualização da Provisão para Devedores Duvidosos pelo Método de Reversão

Para atualização da PDD (nova provisão para o exercício seguinte) é necessário a reversão
do saldo existente na conta de PDD, vez que terminado o ano para qual foi feita a PDD
duas situações poderão ocorrer:

a) A perda ocorrida foi maior que a Provisão feita no final do ano anterior – neste
caso, a diferença a maior será jogada como despesa (perda) do exercício;

b) A perda ocorrida foi menor que a Provisão feita no final do ano anterior – neste
caso, o excesso de Provisão será revertido como receita (ganho) do período.

Situação A: PDD com saldo devedor

Exemplo:

Cia. Alvorada:
Provisão para Devedores Duvidosos estimada em 31/12/X7, para o exercício seguinte (X8): $ 3.600
Perda efetivamente observada no Ano de X8: $ 4.000
Nova PDD estimada em 31/12/X8, para o exercício seguinte (X9): $ 10.000

(1) Lançamento de baixa de contas incobráveis


23
Duplicatas a Receber Provisão para Devedores Duvidosos

(SI) 100.000 4.000 (1) (1) 4.000 3.600 (SI)

400

Observa-se que a perda com contas incobráveis foi maior do que o valor da provisão

(2) Lançamento da reversão do saldo de PDD

Apuração do Resultado do Exercício Provisão para Devedores Duvidosos

(2) 400 (S) 400 400 (2)

(3) Lançamento da nova PDD

Despesa com Devedores Duvidosos Provisão para Devedores Duvidosos

(3) 10.000 10.000 (3)

Para efeito didático foram criados vários razonetes da conta PDD


para demonstrar os registros nesta conta passo a passo.

Na prática, os lançamentos seriam feitos desta maneira:

PDD

(1) 4.000 3.600 (SI)

(S) 400 400 (2)

10.000 (3)

Onde:
(SI) – saldo inicial
(S) - saldo apurado
(1) – baixa de conta incobrável
(2) - reversão do saldo de PDD
(3) – nova PDD
24
Situação B: PDD com saldo credor

Exemplo:

Cia. Planalto:
Provisão para Devedores Duvidosos estimada em 31/12/X7, para o exercício seguinte (X8): $ 10.600
Perda efetivamente observada no Ano de X8: $ 8.000
Nova PDD estimada em 31/12/X8, para o exercício seguinte (X9): $ 15.000

(1) Lançamento de baixa de contas incobráveis

Duplicatas a Receber Provisão para Devedores Duvidosos

(SI) 200.000 8.000 (1) (1) 8.000 10.600 (SI)

2.600

Observa-se que o valor da provisão foi maior do que as perdas verificadas no exercício.

(2) Lançamento da reversão do saldo de PDD

Apuração do Resultado do Exercício Provisão para Devedores Duvidosos

2.600 (2) (2) 2.600 2.600 (S)

(3) Lançamento da nova PDD

Despesa com Devedores Duvidosos Provisão para Devedores Duvidosos

(3) 15.000 15.000 (3)

Para efeito didático foram criados vários razonetes da conta PDD


para demonstrar os registros nesta conta passo a passo.
25

Na prática, os lançamentos seriam feitos desta maneira:

PDD

(1) 8.000 10.600 (SI)

(2) 2.600 2.600 (S)

15.000 (3)

Onde:

(SI) – saldo inicial


(S) - saldo apurado
(1) – baixa de conta incobrável
(2) - reversão do saldo de PDD
(3) – nova PDD

Para a constituição da nova PDD, adotou-se o Método de Reversão,


ao invés do Método de Complementação,por ser mais aconselhável,
quer sob o aspecto da técnica contábil, quer sob o aspecto legal.

No método de Complementação a provisão para o exercício seguinte


seria feita por um valor que corresponderia à diferença entre a nova
estimativa e o saldo existente

Atividade 8
26

Verdadeiro (V) ou Falso (F)?


( ) 1. A Empresa Alvorada constata que a duplicata a receber do cliente João da
Silva não tem mais possibilidade de recebimento. Diante deste fato a ,
Contabilidade efetua baixa deverá dar baixa dessa duplicata a receber:.

( ) 2. Esse cliente é chamado de devedor insolvável.

( ) 3. A baixa de uma conta incobrável é registrada a débito de Despesas com Devedores


Duvidosos e a crédito de Duplicatas a Receber.

( ) 4. A baixa de uma conta incobrável é registrada a débito de Provisão para Devedores


Duvidosos e a crédito de Duplicatas a Receber.

( ) 5. A empresa não deverá receber duplicatas que já foram baixadas na Contabilidade


por serem consideradas incobráveis.

Atividade 9

Se você fosse o contador (a) da Empresa Alvorada, qual seria o seu procedimento para
constituir a PDD para o exercício de X2 no valor de R$ 1.000, sabendo-se que o saldo da
PDD no final do ano X1 era de R$ 300.

( ) 1. Reverter R$ 300 do saldo de PDD,não utilizado à conta de Resultado do Exercício e


constituir nova provisão, pelo valor de 1.000.

( ) 2. Não constituir nova provisão até que seja absorvido o saldo remanescente de
R$ 300..

( ) 3.Constituir nova provisão, pelo valor de R$ 1.300.

( ) 4. NRA
27

Atividade 9

O Balanço Patrimonial da Empresa Alvorada em 31/12/X6 era o seguinte:

Ativo Circulante:
............................................................ .....................
Duplicatas a Receber .................... 33.000

(-) Duplicatas Descontadas ................ (3.000)


(-) PDD ............................................. (1.000) 29.000

No exercício seguinte a Duplicata a Receber relativa ao cliente João da Silva no valor


de R$ 400 foi considerada incobrável. Registre nos razonetes como o contador registrou
a baixa da duplicata considerada incobrável?

( ) a. PDD Duplicatas a Receber


_____________________________ __________________________
400 | | 400

( ) b. DDD PDD
_____________________________ __________________________
400 | | 400

( ) c. Duplicatas a Receber PDD


_____________________________ __________________________
400 | | 400

( ) d. as letras “ b “ e “ c “ estão corretas.


28

Atividade 11

A Empresa Alvorada constitui a PDD com base na expectativa da perda efetiva que poderá
ocorrer com as Duplicatas a Receber, no próximo exercício. Após a análise das Duplicatas a
Receber estimou-se uma PDD de R$ 50.000.

Contabilizar a provisão para devedores duvidosos em 31/12/X2, observando o saldo das


contas abaixo:

Duplicatas a Receber Provisão para Devedores Duvidosos

915.000 22.000 (*)

(*) Saldo não utilizado da provisão do ano X1.

Atividade 12

Explicar os fatos que originaram os lançamentos a seguir:

Duplicatas a Receber Provisão para Devedores Duvidosos

1.000.000 40.000 (1) (1) 40.000 100.000


(2) 60.000
120.000 (3)

DDD ARE

(3) 120.000 60.000 (2)

(1)

(2)

(3)
29

Atividade 13

O Balanço Patrimonial da Empresa Sem Fronteiras em 31/12/X1, apresentava os seguintes


as contas da seguinte forma:
Clientes ...-............... ........................................ 150.000,00
(-) Provisão para Devedores Duvidosos .......... ( 10.000,00 140.000,00

No ano de X2, entre outras, a empresa realizou as seguintes transações:


1) Vendas a vista no valor de R$ 15.000,00
2) Vendas a prazo no valor de R$ 30.000,00
3) Recebimentos de Clientes no valor de R$ 45.000,00
4) Baixa de Clientes considerados incobráveis no valor de R$ 1.000,00
5) A Provisão para Devedores Duvidosos [e calculada na base de 3% sobre o saldo da conta
Clientes no ultimo dia de X2.

Pede-se:
a) fazer todos lançamentos das operações em razonetes.
b) Representar as contas Duplicatas a Receber e provisão para Devedores
Duvidosos no balanço Patrimonial de 31/12/X2.

Clientes PDD

Caixa Vendas
30

DDD ARE

Atividade 14

A Provisão para Devedores Duvidosos da Empresa São Fidélis, tinha m saldo de


R$ 10.000,00, em 01/01/X1. Durante este ano ocorreu as seguintes transações:
a) duas contas a receber nos valores de R$ 2.400,00 e R$ 2.800, foram consideradas
incobráveis.
b) o cliente responsável pela conta a receber no valor de R$ 2.800,00, que tinha sido
considerada incobrável em X0, apareceu e pagou R$ 2.000 de sua divida.
c) Foi feita uma provisão para o ano seguinte no valor de 3% sobre R$ 290.000,00 (saldo
de Contas a Receber em 31/12/X1)

Pede-se:
Registrar as transações nos razonetes

Contas a Receber PDD

(SI) 295.200 10.000 (SI)

Caixa Receita com Recuperação de Créditos

DDD ARE
31
GABARITO

Atividade 1

1. F (remeter as duplicatas ao banco para cobrança simples é uma forma de proceder a


cobrança de duplicatas a receber e não obtenção de recursos para fazer frente a sua
necessidade de capital de giro)
2. V
3, F (esse fato representa um ato administrativo, portanto não altera o patrimônio da
empresa. A empresa deve fazer um borderô das duplicatas enviadas ao banco para cobrança
simples como forma de controle).
4. V
5. F (o acesso a essa conta é de exclusividade do banco, ou seja, a empresa não pode
movimentar a seu modo).

Atividade 2

Na data do encerramento do exercício social o contador fará um lançamento de ajuste para


registrar essa perda provável de R$ 30.000

DDD PDD
30.000 30.000

Empresa Comercial Planalto


Balanço Patrimonial em 31/12/X1
ATIVO PASSIVO
Caixa ..................................... 20.000 Fornecedores .......................... 10.000
Duplicatas a Receber ............. 80.000
PDD (30.000)
Mercadorias ............................ 10.000 Patrimônio Líquido
Capital .................................. 100.000
Prejuízos a Amortizar ( 30.000)
TOTAL ................................. 80.000 TOTAL ................................ 80.000

Empresa Comercial Planalto


Demonstração de Resultado do Exercício, relativa ao exercício de X1
32

DISCRIMINAÇÃO VALOR
Vendas 200.000
(-) Custo das Mercadorias Vendidas 160.000
(=) Lucro Bruto 40.000
(-) Despesas 70.000
(=) Prejuízo do exercício (30.000)

Reparou os efeitos de PDD no BP e na DRE?

Com a estimativa das perdas com clientes duvidosos no valor de R$ 30.000,00, a Empresa
Comercial Planalto que antes do ajuste esperava receber R$ 80.000 de Duplicatas a Receber
passa a receber efetivamente R$ 50.000 (deduzidas as possíveis perdas)
Por outro lado, as despesas com devedores duvidosos afetaram o resultado do exercício
passando de resultado nulo para um prejuízo de R$ 30.000.

Atividade 3:

1. V
2. F (PCLD é a denominação estabelecida por lei para denominar o risco de inadimplência)
3. V
4. F (a empresa deve calcular o valor que ela considera suficiente para cobrir prováveis
perdas futuras).

Atividade 4: B

Atividade 5: A

Atividade 6: D (A condição de venda atrelada a garantia reduz o prejuízo pelo


não recebimento dessa duplicata).

Atividade 7: C

Atividade 8: V,V,,F, V, F
33

Atividade 9: A

Atividade 10: A

Atividade 11

Duplicatas a Receber Provisão para Devedores Duvidosos

(SI) 915.000 (1) 22.000 22.000 (SI)

50.000 (2)

Despesa com Devedores Duvidosos ARE

(2) 50.000 22.000 (1)

Onde:
(SI) saldo inicial
(1) reversão do saldo não utilizado
(2) nova PDD
34

Atividade 12

(1) Baixa de contas incobráveis,no valor de $ 40.000

(2) Reversão do saldo existente em PDD no valor de $ 60.000

(3) Constituição da nova PDD,no valor de $ 120.000


35

Atividade 13:
Clientes PDD

(SI) 150.000 45.000 (3) (4) 1.000 10.000 (SI)


(2) 30.000 1.000 (4)
(5) 9.000 9.000 (S)
180.000 46.000
(S) 134.000 4.020

Caixa Vendas

(1) 15.000 15.000 (1)


(3) 45.000 30.000 (2)

DDD ARE

(6) 4.020 9.000 (5)

Onde:

(SI): saldo inicial


(S): saldo apurado
(1): venda à vista
(2): venda a prazo
(3): recebimento de clientes
(4): baixa de contas incobráveis
(5): reversão do saldo de PDD não utilizado
(6) nova PDD
36

Atividade 14

Contas a Receber PDD

(SI) 295.200 2.400 (a) (a) 2.400 10.000 (SI)


2.800 (a) (a) 2.800

295.200 4.800 5.200 10.000


(c) 4.800 4.800 (S)
(S) 290.000
8.700 (d)

Caixa Receita com Recuperação de Créditos

(b) 2.000 2.000 (b)

DDD ARE

(d) 8.700 4.800 (c)

Onde:
(SI): saldo inicial
(S): saldo apurado
(a): baixa de contas incobráveis
(b): receita eventual
(c): reversão de PDD
37

(d) nova PDD

Você também pode gostar