Você está na página 1de 156

PORTUGUÊS PROF.

MANOEL SOARES

ORTOGRAFIA

Emprego de algumas palavras

Por que / porque / porquê / por quê


Lembre-se, inicialmente, de que em final de frase a palavra que deve ser sempre acentuada.

Vocês precisam de quê? Ela acredita em quê?

1. Escreve-se por que (separado):

a) quando equivale a pelo qual e flexões.

Este foi o animal por que fui atacado. Está é a rua por que caminho todas as manhãs.

b) quando depois dele vier escrita ou subentendida a palavra razão. Se ocorrer no final da
frase, deverá ser acentuado.

Por que razão você não estudou?


Você não estudou por quê?
Não sabemos por que você não compareceu.
Por que ele faltou à palestra?
Ele faltou por quê?
Ela chegou tarde por quê?
Não sabemos por que ele faltou à aula.

2. Escreve-se porque (junto e sem acento) quando se tratar de uma conjunção explicativa ou
causal. Geralmente equivale a pois.

Recebeu o salário porque trabalhou muito. Não foi à reunião porque estava nervosa.

3. Escreve-se porquê (junto e com acento) quando se tratar de um substantivo.


Nesse caso, virá precedido de artigo, ou outra palavra determinante.

Não sei o porquê de tanta briga. Eis o porquê da minha revolta.


Não entendi o porquê da ausência. Analisei o porquê da perda.

Onde / aonde
Emprega-se aonde com os verbos que dão ideia de movimento. Equivale sempre a para
onde.
Aonde tu irás? Aonde nos leva com tal rapidez?

1
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

Naturalmente, com os verbos que não dão ideia de movimento emprega-se onde.

Não sei onde comprar livros. Onde estão os alunos, professor?

Mau / mal

Mau é sempre um adjetivo (seu antônimo é bom); refere-se, pois, a um substantivo.

Ele está de mau-humor. Ele é um mau estudante.

Mal pode ser:

a) advérbio de modo (antônimo de bem).

Ele está mal-humorado. Eles procederam mal.

b) conjunção temporal (equivale a assim que).

Mal analisou as provas, foi criticado pelos alunos.

c) substantivo (quando precedido de artigo ou de outro determinante).

O mal não tem remédio. Ela foi atacada por um mal incurável.

Cessão / sessão / secção / seção


Cessão significa o ato de ceder, o ato de dar.

Ele fez a cessão dos seus direitos autorais.


A cessão do terreno para a construção do estádio agradou a todos os torcedores.

Sessão é o intervalo de tempo que dura uma reunião, uma assembleia.

Assistimos a uma sessão de cinema.


Reuniram-se em sessão extraordinária.

Secção (ou seção) significa parte de um todo, segmento, subdivisão.

Lemos a notícia na secção (ou seção) de esportes.


Compramos os presentes na secção (ou seção) de brinquedos.

Há / a
Na indicação de tempo, emprega-se:

há para indicar tempo passado (equivale a faz).

Há dois meses que ele não aparece. Ele chegou da Europa há um ano.

a para indicar tempo futuro.


2
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

Daqui a dois meses ele aparecerá. Ela voltará daqui a um ano.

Tão pouco / tampouco


Tão pouco pode ser substituído por muito pouco.

Eles estudaram tão pouco. Os estudantes pesquisaram tão pouco.

Tampouco equivale a nem.

Paula não estudou tampouco trabalhou. Ele nem e pesquisou tampouco analisou os trabalhos.

Ao invés de / em vez de
Ao invés de dá ideia contrária.

Ao invés de subir, ele desceu. Ao invés de sorrir, ele chorou.

Em vez de equivale a em lugar de.

Em vez de comprar laranjas, ele comprou mangas.

Demais / de mais
Demais equivale a muito, demasiado ou outros.

Ele trabalha demais. Um latia, os demais comiam.

De mais opõe-se a de menos.

Compareceram convidados de mais. Compraram carne de mais.

Sob / sobre
Sob equivale a embaixo, debaixo.

Tudo ficou sob controle. Móveis sob medida.

Sobre equivale a em cima de.

As lágrimas correram sobre a face. Os livros estão sobre a mesa.

3
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

QUESTÕES DE CONCURSOS

01. Estão grafadas corretamente todas as palavras da frase:

a) O mercado mais atraente é necessáriamente aquele que possue mais produtos


disponíveis.
b) Com o adivento da internet, deparamos com uma imença cidade virtual, onde há os
melhores preços do mercado.
c) A escacês de mercadorias no campo foi determinante para explicar o porque dos homens
se agruparem nas cidades.
d) As empresas virtuais vêm se tornando concorrentes desleais das que se encontram no
mundo físico.
e) O mercado de relacionamentos virtuais assistiu a um avanço discomunal com a
consolidassão da internet.

02. Quanto à ortografia, há INCORREÇÕES na frase:

a) O crescimento da classe C tem tido uma importância incomensurável para o comércio,


mas vem ocasionando também uma elevação na taxa de inadimplência, o que é
perturbador.
b) Milhões de pessoas têm sido beneficiadas com o crescimento econômico que se vê no
país, saltando da classe D para a C, algo que há poucos anos não pareceria factível.
c) Alguns especialistas vêm disseminando a teoria de que, a partir da distribuição de riqueza
por meio da geração de milhões de novos empregos, a classe E deixe de existir.
d) Os “consumidores emergentes”, como vêm sendo chamados os novos integrantes da
classe C, ainda têm dificuldade em poupar e adquirem grande parcela de produtos a
crédito.
e) Sabe-se que a ascenção da classe D tem proporcionado um aumento expresivo do
consumo de bens duráveis, o que pode acelerar sobremaneira esse mercado.

03. Está correta a grafia de todas as palavras na frase:

a) A presunção de verossimilhança é inerente aos escritos ficcionais, mesmo aos que


exploram as rotas e as sendas mais fantasiosas da imaginação.
b) Deprende-se do texto que, no futuro, as civilizações adotarão paradigmas que substituirão
com vantajem aqueles que regeram a vida do século XX.
c) Distila-se nesse texto o humor sutil de Mário Quintana, um autor gaúcho para quem a
poesia e a vida converjem de modo inelutável.
d) A apreenção humana diante das forças da natureza deriva de épocas préhistóricas,
quando o homem não dispunha de recursos técnicos para enfrentá-las.
e) As obsessões humanas pelo progresso parecem ignorar que as leis da natureza não
sofrem nenhum processo de obsolecência, e custam caro para quem as transgrida.

4
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

04. Os _____________ reuniram-se na Igreja e ____________ em __________.

a) fiéis – saíram – procissão


b) fiéis – sairam – procissão
c) fiéis – saíram – prossissão
d) fieis – sairam – procissão
e) fieis – sairam - prossissão

05. A palavra destacada que está empregada corretamente é:

a) Diante de tantos abaixos-assinados, teve de acatar a solicitação.


b) Considerando os incontestáveis contra-argumento, reconheceu a falha do projeto.
c) Ele é um dos mais antigos tabeliões deste cartório.
d) Os guardas-costas do artista foram agressivos com os jornalistas.
e) Os funcionários da manutenção já instalaram os corrimãos.

06. Entre as frases que seguem, a única correta é:

a) Ele se esqueceu de que?


b) Era tão ruím aquele texto, que não deu para distribui-lo entre os presentes.
c) Embora devessemos, não fomos excessivos nas críticas.
d) O juíz nunca negou-se a atender às reivindicações dos funcionários.
e) Não sei por que ele mereceria minha consideração.

07. Não sei ______, até hoje, ninguém foi ______ desses papéis extraviados.

a) por quê – atraz


b) por que – atrás
c) porque – atrás
d) por que – atraz
e) porque – atrás

08. ______ você brinca? ______ ? Ora, ______ me agrada. A experiência ______ passei, foi
desagradável. Depois você saberá o ______.

a) Porque - Porquê - porque - porque - por que


b) Por que - Porquê - porque - porque – porque
c) Por que - Porquê - porque - porque - por quê
d) Porque - Porque - por quê - porque - por que
e) Por que - Por quê - porque - por que – porquê

09. Assinale a alternativa cujas palavras ou expressões preenche convenientemente as lacunas:

1. Havia muita gente _________ do viaduto. (embaixo, a baixo).


2. Ele não sabe _______ o viu, mas tem certeza de que não foi na rua. (onde, aonde).
3. _________ de dez oradores falando _______ de poluição. (acerca, há cerca).
4. _______ saíste, eu também saí. (mau, mal).

5
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

a) embaixo, onde, há cerca, acerca, mal


b) embaixo, aonde, há cerca, acerca, mau
c) a baixo, onde, acerca, há cerca, mal
d) a baixo, aonde, há cerca, há cerca, mau
e) embaixo, aonde, acerca, acerca, mal

10. Em que opção a frase está gramaticamente correta?

a) Ela não foi ao encontro por que estava ocupada com os relatórios da empresa.
b) Ela não foi ao encontro porquê estava ocupada com os relatórios da empresa.
c) Ela não foi ao encontro porque estava ocupada com os relatórios da empresa.
d) Não foi ao encontro por que?
e) Não foi ao encontro porquê?

6
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

GABARITO
01. D
02. E
03. A
04. A
05. E
06. E
07. B
08. E
09. A
10. C

7
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

NOVA ACENTUAÇÃO GRÁFICA

ACENTUAÇÃO
Na Língua Portuguesa, todas as palavras possuem uma sílaba tônica – a que recebe a maior
inflexão de voz.
Nem todas, porém, são marcadas pelo acento gráfico.
As sílabas são subdivididas em tônicas, subtônicas e átonas.

Sílaba tônica

A sílaba tônica é a mais forte da palavra. Só existe uma sílaba tônica em cada palavra.

 O guaraná – A sílaba tônica é a última (ná). A palavra é, portanto, oxítona.


 O táxi – A sílaba tônica é a penúltima (tá). A palavra é, portanto, paroxítona.
 A própolis – A sílaba tônica é a antepenúltima (pró). A palavra é, portanto, proparoxítona.

A sílaba tônica sempre se encontra em uma destas três sílabas: na última (a palavra é oxítona),
na penúltima (paroxítona) ou na antepenúltima (proparoxítona).

Sílaba subtônica

A sílaba subtônica só existe em palavras derivadas, que são as que provêm de outra palavra.
Coincide com a tônica da palavra primitiva, ou seja, a sílaba tônica da palavra primitiva se
transforma em subtônica da derivada.

 Guaranazinho – A sílaba tônica é zi, e a subtônica, na, pois era a tônica da primitiva
(guaraná).
 Taxímetro – A sílaba tônica é xi, é a subtônica, ta, pois era a tônica da primitiva (táxi).
 Propolina – A sílaba tônica é li, e a subtônica, pro, pois era a tônica da primitiva (própolis).

Sílabas átonas

Todas as outras sílabas são denominadas de átonas.

Monossílabos

Quando a palavra possuir uma sílaba só, será denominada de monossílaba. Os monossílabos
podem ser átonos e tônicos.
Os tônicos são aqueles que têm força para serem usados sozinhos em uma frase; os átonos, não.
Serão monossílabos tônicos os substantivos, os adjetivos, os advérbios, os numerais, os verbos e
alguns pronomes, pois são as classes gramaticais que podem ser usadas sozinhas em uma frase:

Pá, eis, só, tu, mim, dê.

8
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

Acentuação dos Monossílabos Tônicos

Os monossílabos tônicos serão acentuados, quando terminarem em a, e, o, éi, éu ou ói,


seguidos ou não de s.

pá, pás, má, más, vá, lá, já,


pé, pés, mês, rês, Zé, né,
pó, pós, dó, cós, pô!, céu, véu, méis, sóis.

Pôr – Acentua-se a forma verbal pôr para distingui-la da preposição por.


Vou pôr meus sapatos e sair por aí.

Oxítonas

São classificadas de oxítonas as palavras que têm a maior inflexão de voz na última sílaba

1. a / e / o / em / éns / éi / éu / oi

Acentuam-se as oxítonas terminadas em a, e, o, éi, éu ou ói, seguidas ou não de s, ou em ém ou


éns.

Exemplos:
Corumbá, maracujás, maná, Maringá, rapé, massapé, filé, sapé, dendê, filó, rondó, mocotó, jiló,
cocô, chapéu, troféu, herói, pastéis, amém, armazém, também, Belém, parabéns, armazéns,
nenéns.

2. a / e / o + lo, la, los, las

Acentuam-se as formas verbais oxítonas terminadas em a, e, o acompanhadas dos pronomes


oblíquos átonos lo, Ia, los, Ias.

Exemplos:
Iremos contratá-lo. Não quero comprometê-lo. O dinheiro, vou repô-lo.

3. Hiato i, u

Acentuam-se as oxítonas terminadas em i ou u quando essas letras forem precedidas de outra


vogal, formando, assim, um hiato, sejam seguidas ou não de s, mas não seguidas de outra
consoante nem de semivogal.

Exemplos:
Itaú, baús, açaí, caí

 cair: sem acento porque há consoante na mesma sílaba que o i.


 caiu, distraiu: sem acento porque há a semivogal u na mesma sílaba que o i.

Da mesma forma se acentuam as formas verbais oxítonas terminadas em i, acompanhadas dos


pronomes oblíquos átonos lo, Ia, los, Ias quando a letra i formar hiato com a vogal anterior.

Exemplos:
A casa, iremos construí-la em breve.

9
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

Acentuam-se também as letras i e u, precedidas de ditongo decrescente (ao, au, ei, ui...) quando
estiverem na última sílaba e esta for a tônica:

Exemplos:
Piauí, tuiuiú, teiú.

4. Dupla ortografia e pronúncia

Em algumas oxítonas terminadas em e, admite-se tanto o acento agudo quanto o acento


circunflexo:

Exemplos:
bebé ou bebê, bidé ou bidê, canapé ou canapê,
caraté ou caratê, croché ou chochê, guiché ou guichê,
matiné ou mantinê, nené ou nenê, puré ou purê, rapé ou rapê.

Isso ocorre também com o substantivo cocô e cocó.


Admitem-se também formas como judô e judo, metrô e metro.

Paroxítonas

São classificadas de paroxítonas as palavras que têm a maior inflexão de voz na penúltima sílaba.

1. Acentuam-se as paroxítonas terminadas em ei, ão, ã, i, u, um, uns ou em l, n, r, x, ps ou


ainda em ditongo crescente (ea, eo, ia, ie, io, ua, ue, uo).

Exemplos:
pônei, vôlei, jóquei, hóquei,
órgão, órfãos, sótão,
ímã, órfãs,
táxi, júris, biquíni ônus, bônus,
álbum, factótum, médiuns, ágil, flexível, volátil,
hífen, pólen, gérmen, fêmur, âmbar, revólver,
tórax, xérox (também pode ser xerox), fênix, fórceps,
bíceps, tríceps,
Mário, secretária.

Obs.: Algumas palavras que têm a vogal tônica e ou o em fim de sílaba, seguida de m ou de n,
apresentam oscilação de timbre:
Exemplos:
sêmen e sémen, xênon e xénon, fêmur e fémur,
ônix e ónix, Fênix e Fénix, vômer e vómer
pônei e pónei, pênis e pénis, tênis e ténis,
bônus e bónus, ônus e ónus, tônus e tónus,
Vênus e Vénus.

2. Hiato i, u

Acentuam-se as paroxítonas terminadas em i ou u, seguidas ou não de s, mas não de outra


consoante na mesma sílaba nem de NH na sílaba subsequente, quando essas letras forem
precedidas de outra vogal, formando, assim, um hiato.

10
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

Exemplos:
saúde, caída, saída, saírem, balaústre.

 sairmos: sem acento porque há consoante na mesma sílaba que o i.


 rainha: sem acento porque há nh na sílaba subsequente ao i.
 saidinha: sem acento porque o hiato a-i não se encontra na sílaba tônica da palavra.

Não se acentuam, porém, as letras i e u precedidas de ditongo decrescente (ao, au, ei, ui...)
quando estiverem na penúltima sílaba e esta for a tônica, exceto os casos em que a palavra se
inclua em regra de acentuação tônica:

Exemplos:
Feiura, bocaiuva, baiuca, taoismo, taoista, Maiume
(nome próprio), feiinho (de feio).
Maiúmi (também nome próprio) – é acentuada por ser paroxítona terminada em i.

3. falámos / falamos

Podem-se acentuar, facultativamente, as formas verbais paroxítonas da primeira pessoa do plural


do pretérito perfeito do indicativo (ontem, nós...) para distingui-Ia das correspondentes formas do
presente do indicativo (hoje, nós...)

Exemplos:
Ontem nós falámos ( ou falamos) com ele. Nós falamos com ele todos os dias.

4. dêmos / demos

Pode-se acentuar, facultativamente, a forma verbal paroxítona dêmos, primeira pessoa do plural
do presente do subjuntivo (espero que nós dêmos / demos), para distingui-Ia da correspondente
forma do pretérito perfeito do indicativo. (ontem nós demos).

Exemplos:
Espero que nos dêmos (ou demos) bem a partir de agora. Nós já demos o presente dele.

5. fôrma / forma

Pode-se acentuar, facultativamente, o substantivo fôrma, com o ”o” fechado, para distingui-lo do
substantivo ou da forma verbal forma, com o “o” aberto:

Exemplos:
A fôrma (ou forma) do bolo. Essa escola forma bons advogados. Ele está fora de forma.

6. pôde / pode

Acentua-se a forma verbal pôde, terceira pessoa do singular do pretérito perfeito do indicativo.
(ontem, ele pôde), para distingui-Ia da terceira pessoa do singular do presente do indicativo. (hoje,
ele pode).

11
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

Exemplo:
Ontem ele não pôde sair de casa, mas hoje pode.

7. a / e / o / em / ens

Não se acentuam as paroxítonas terminadas em a, e, o, em , ens.

Exemplos:
casa, mesa, parede,
poste, pente, sapato,
veneno, coo, doo, enjoo,
item, itens, jovem, jovens,
leem, veem, deem, creem.

8. oi / ei

Não se acentuam os ditongos ei e oi quando fizerem parte de palavras paroxítonas, exceto os


casos em que a palavra se inclua em regra de acentuação tônica:

 ideia, plateia, heroico,


 paranoico, paranoia, assembleia,
 contêiner, destróier, gêiser – são acentuadas por serem paroxítonas terminadas em r.
 amêijoa (molusco muito apreciado como alimento) – é acentuada por ser paroxítona terminada
em ditongo crescente.

Proparoxítonas

São proparoxítonas as palavras que têm a maior inflexão de voz na antepenúltima sílaba.

Todas as proparoxítonas são acentuadas, inclusive as proparoxítonas aparentes*, salvo a


expressão per capita e o substantivo performance, por não pertencerem à Língua Portuguesa.

Exemplos:
síndrome, ínterim, lêvedo, lâmpada, sândalo, cânhamo.

*Proparoxítonas aparentes: As palavras terminadas em ea, eo, ia, ie, io, ua, ue, uo que tenham
a sílaba anterior a essas terminações tônicas tanto podem ser consideradas paroxítonas
terminadas em ditongo crescente quanto proparoxítonas. São também chamadas de
proparoxítonas aparentes:

 cór-nea ou cór-ne-a,
 pá-reo ou pá-re-o,
 tí-bia ou tí-bi-a,
 cá-rie ou cá-ri-e,
 sá-bio ou sá-bi-o,
 tá-bua ou tá-bu-a,
 tê-nue ou tê-nu-e,
 vá-cuo ou vá-cu-o
*gênero / género

12
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

As vogais e ou o que estiverem em final de sílaba de palavras proparoxítonas – reais ou


aparentes – e que forem seguidas de consoantes nasais (M ou N) podem receber tanto o acento
agudo quanto o acento circunflexo:

 idôneo ou idóneo,
 gênero ou género,
 Antônio ou António,
 anatômico ou anatómico,
 crônica ou crónica,
 gênio ou génio,
 gêmeos ou gémeos,
 fenômeno ou fenómeno.

13
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

QUESTÕES DE CONCURSOS

01. A acentuação do vocábulo país é justificada:

a) porque é paroxítono terminado em ditongo.


b) é acentuado para distinguir-se de “pais”.
c) apresenta “i” tônico que não forma ditongo com a vogal anterior.
d) apresenta acento agudo por ser oxítona.
e) ditongo decrescente no final do vocábulo.

02. As palavras três, literário e autônomo são assinaladas com acento gráfico em face das
mesmas regras que justificam o acento, respectivamente em:

a) mês, contrário, caído


b) pá, íeis, átimo
c) lês, temerário, pôquer
d) só, mútuo, ímpar
e) véu, início, cômodo

03. Quanto à acentuação, assinale a alternativa em que as palavras seguem, respectivamente,


as mesmas regras das palavras ônibus, Itália e caju.

a) várzea – cerâmica – tabu


b) corrói – zebu – pânico
c) avô – tórax – caracóis
d) pássaro – róseo – guri
e) juízes – Bauru – ímpar

04. Assinale a alternativa em que não há erros quanto à acentuação das palavras:

a) Itália – rubrica – vintém – júri – hífens


b) hamburguer – saíram – mártir – tórax – guianês
c) índigo – jurisprudência – júbilo – juá – ludibrio
d) lotus – maieutica – pequenez – periélio – pitéu
e) preá – urgência – umero – viés – xérox

05. Segue a mesma acentuação de país a palavra:

a) saúde
b) grêmios
c) aliás
d) heróis
e) táxi

14
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

06. Assinale o item a seguir em que as palavras destacadas são acentuadas em função da
mesma regra ortográfica.

a) é – céu
b) maniqueísta – rígida
c) alguém – céu
d) territórios – coincidência
e) maniqueísta – crédito

07. Assinale a alternativa que contém a única palavra acentuada corretamente:

a) caractéres, júniores
b) condôr, aváro
c) recórde, circúito
d) ibéro, circúito
e) diabete, ínterim

08. Dos conjuntos dos vocábulos abaixo, o único em que todas as palavras seguem a mesma
regra de acentuação gráfica a que obedecem os acentos de indivíduo e contínua é:

a) tênue, mútuos, história


b) cárie, oblíquo, substituí
c) pastéis, heróis, Pádua
d) Icaraí, vários, relógio
e) colégio, Cláudia, ônus

09. Em apenas uma das opções todas as palavras devem receber acento gráfico. Assinale-a:

a) gratis – taxi – caruru


b) fenomeno – refens – juiz
c) ima – tenis – monetario
d) inclui – poluido – bainha
e) fregueses – niquel – insonia

10. Assinale a alternativa que contém uma palavra acentuada incorretamente:

a) trá-lo-ás, beribéri, hífen


b) movê-lo-ía, via-láctea, acórdão
c) sabê-lo-emos, dândi, júri
d) compô-la, aljôfar, córtex
e) glúten, hambúrguer, armazém

15
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

GABARITO
01. C
02. B
03. D
04. C
05. A
06. D
07. E
08. A
09. C
10. B

16
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

PRONOME
Definição

Pronome é a palavra variável em gênero, número e pessoa que representa ou acompanha


o substantivo, indicando-o como pessoa do discurso.

Quando o pronome representa o substantivo, dizemos tratar-se de pronome substantivo.

Ele chegou. Convidei-o.

Quando o pronome vem determinando o substantivo, restringindo a extensão de seu


significado, dizemos tratar-se de pronome adjetivo.

Esta casa é antiga. Meu livro é antigo.

Pronomes demonstrativos
Definição

Pronomes demonstrativos são aqueles que indicam a posição da coisa designada no


tempo e no espaço em relação às pessoas do discurso.
Os pronomes demonstrativos são os seguintes:

1ª pessoa este, esta, estes, estas, isto


2ª pessoa esse, essa, esses, essas, isso
3ª pessoa aquele, aquela, aqueles, aquelas, aquilo

São também pronomes demonstrativos: o (quando equivale a aquele, aquela, aquilo)


mesmo, próprio, semelhante, tal.

Obs.: O pronomes demonstrativos podem aparecer combinados com preposições.


deste, desta, disto nesse, nessa, nisso daquele, naquele, naquilo àquele, àquela, àquilo etc.

emprego dos pronomes demonstrativos

1. Os pronomes demonstrativos podem ser utilizados para indicar a posição espacial de um ser
em relação às pessoas do discurso.

a) Os demonstrativos de 1ª pessoa (este, isto etc.) indicam que o ser está relativamente
próximo à pessoa que fala. Pode ser usado em frases em que apareçam os pronomes eu,
me, mim, comigo e com o advérbio de lugar aqui.
Esta caneta que está comigo é azul.
Este relógio que eu tenho nas mãos é de ouro.
Isto que está aqui comigo é um livro.

b) Os demonstrativos de 2ª pessoa (esse, isso etc.) indicam que o ser está relativamente
próximo à pessoa com quem se fala. Podem aparecer com os pronomes tu, te, ti,
contigo, você, vocês e com o advérbio de lugar aí.
17
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

Essa caneta que está contigo é azul.


Esse relógio que tu tens nas mãos é de ouro.
Isso que está aí contigo é um livro.

c) Os demonstrativos de 3ª pessoa (aquele, aquilo etc.) indicam que o ser está


relativamente próximo à pessoa de quem se fala, ou distante dos interlocutores. Podem
ser usados com os advérbios de lugar ali ou lá.
Aquela caneta que está com o aluno da outra sala é azul.
Aquele relógio que está lá na vitrine é de ouro.
Aquilo que está ali com o professor é um livro.

2. Os demonstrativos servem para indicar a posição temporal, revelando proximidade ou


afastamento no tempo, em relação à pessoa que fala.

a) Os demonstrativos de 1ª pessoa (este, isto etc.) revelam tempo presente, ou bastante


próximo do momento em que se fala.
Este dia está bom para se ir à piscina.
Pretendo fazer as compras ainda nesta semana.
Agora estou tranquilo: neste ano o Corinthians montou um time à altura de suas
tradições.

b) Os demonstrativos de 2ª pessoa (esse, isso etc.) revelam tempo passado relativamente


próximo ao momento em que se fala.
Em fevereiro fez muito calor; nesse mês pude ir várias vezes à piscina.
Há dois anos concluí meu curso de Francês; nesse ano pretendia morar na Europa.

c) Os demonstrativos de 3ª pessoa (aquele, aquilo etc.) revelam tempo remoto ou bastante


vago.
Em 1950 realizou-se a Copa do Mundo no Brasil; naquele ano o Uruguai surpreendeu a
todos, conquistando o título.
Logo no início do século foi publicado o Código Civil; naquela época a sociedade
brasileira era bem mais conservadora.

3. Os pronomes demonstrativos podem indicar o que ainda vai ser falado e aquilo que já foi
falado.

a) Devemos empregar este (e variações) e isto quando queremos fazer referência a alguma
coisa que ainda vai ser falada.
Espero sinceramente isto: que se procedam às reformas.
Estas são algumas características do Romantismo: subjetivismo, apego à natureza,
nacionalismo.

b) Devemos empregar esse (e variações) e isso quando queremos fazer referência alguma
coisa que já foi falada.
Que as reformas sejam efetuadas rapidamente; é isso o que mais desejo.
Subjetivismo, apego à natureza; nacionalismo; essas são algumas características do
Romantismo.

4. Emprega-se este em oposição a aquele quando se quer fazer referência a elementos já


mencionados. Este se refere ao mais próximo; aquele, ao mais distante.
Matemática e Literatura são matérias que me agradam: esta me desenvolve a sensibilidade;
aquela, o raciocínio.

18
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

5. O, a, os, as são pronomes demonstrativos quando podem ser substituídos por aquele,
aquela, aquilo, isso.
Achei o que procuras.
O que sei é que te amo.

6. Tal é pronome demonstrativo quando equivale a este, esse, isso etc.


Não havia motivos reais para tal comportamento.
Jamais consegui compreender tais decisões.

7. Mesmo e próprio são demonstrativos de reforço e equivalem ao termo a que se refere,


concordando com ele.

Ele mesmo fez o exercício. Elas próprias resolveram o problema.

Obs.: Em expressões como: por isso, além disso, isto é, o uso dos demonstrativos nem sempre
está em conformidade com a regra; nessas expressões, sua forma é fixa.

Pronomes relativos
Definição

Pronomes relativos são aqueles que geralmente retomam um termo anterior (antecedente)
da oração, projetando-o numa outra oração.

Não conhecemos os alunos. Os alunos saíram.

Não conhecemos os alunos que saíram.

Observe que o pronome relativo que retoma o termo antecedente (os alunos), projetando-
o na oração seguinte
Os pronomes relativos são os seguintes:
que (quando equivale a o qual e flexões; o qual (e flexões); quem (quando equivale a o
qual e flexões); cujo (e flexões); quanto (e flexões); onde (quando equivale a no qual e flexões).

emprego dos pronomes relativos

1. Os pronomes relativos virão antecipados de preposição, se a regência assim determinar.


Este é o autor a cuja obra me refiro.
Este é o autor de cuja obra gosto.
São opiniões em que penso.

2. O pronome relativo quem é empregado com referência a pessoas.


Não conheço a menina de quem você falou.
Este é o rapaz a quem você se referiu.

Obs.:
 Quando possui antecedente, o pronome relativo quem virá sempre precedido de preposição.
Lúcia era a mulher a quem ele amava.
19
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

 É comum empregar-se o relativo quem sem antecedente claro. Neste caso, ele é classificado
como relativo indefinido.
Quem cala consente. (Aquele que cala consente)

3. O pronome relativo que pode ser empregado com referência a pessoas ou coisas.

Não conheço o rapaz que saiu. (refere-se a pessoa)

Não li o livro que você me indicou. (refere-se a coisa)

4. Quando precedido de preposição monossilábica, emprega-se o pronome relativo que. Com


as preposições de mais de uma sílaba, usa-se o relativo o qual (e flexões).
Esta é a pessoa de que lhe falei.
Esta é a pessoa sobre a qual lhe falei.

Obs.: Com as preposições sem e sob, usa-se de preferência o relativo o qual (e flexões)
O professor nos apresentou uma condição sem a qual o trabalho não terá sentido.
Este é o móvel sob o qual ficou escondido o documento.

5. O pronome relativo que pode ter por antecedente o pronome demonstrativo o (e flexões).
“Cesse tudo o que a Musa antiga canta...” (Camões)
Sei o que estou dizendo.

6. O pronome relativo cujo (e flexões) é relativo possessivo, equivalendo a do qual (e flexões).


Deve concordar com a coisa possuída e não admite a posposição de artigo.
Esta é a pessoa em cuja casa me hospedei. (casa da pessoa)
Feliz o pai cujos filhos são ajuizados. (filhos do pai).

7. O pronome relativo quanto (e flexões) normalmente tem por antecedente os pronomes


indefinidos tudo, tanto etc.; daí seu valor indefinido.
Falou tudo quanto queria.
Coloque tantas quantas forem necessárias.

Obs.: Quanto pode ser empregado sem antecedente. Esse emprego é comum em certos
documentos
jurídicos.
Saibam quantos lerem este proclama...

8. O relativo onde é usado para indicar lugar e equivale a em que, no qual.


Esta é a casa onde moro.
Não conheço o lugar onde você está.
Não conheço o lugar aonde você irá.

Obs.:
 Onde é empregado com verbos que não dão ideia de movimento.
Sempre morei na cidade onde nasci.
 Aonde é empregado com verbos que dão ideia de movimento e equivale a para onde, sendo
resultado da combinação da preposição a + onde.
Aonde eu for, virás comigo.
20
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

 Onde pode ser usado sem antecedente.


Fique onde está.

21
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

QUESTÕES DE CONCURSO

01. Na oração: “Certos amigos não chegaram a ser jamais amigos certos”, o termo destacado é
sucessivamente:

a) adjetivo e pronome;
b) pronome adjetivo e adjetivo;
c) pronome substantivo e pronome adjetivo;
d) pronome adjetivo e pronome indefinido;
e) adjetivo anteposto e adjetivo posposto.

02. Assinale a opção em que o pronome LHE apresenta o mesmo valor significativo que possui
em “assanhando-lhe os desejos”.

a) O resultado do jogo lhe era indiferente.


b) Sobreveio-lhe uma desgraça.
c) Não lhe disse que viajaria hoje.
d) Chamavam-lhe carinhosamente de Mané.
e) O médico teve de engessar-lhe a perna.

03. Assinale a opção que completa corretamente as lacunas da frase abaixo:

Dialeto social popular não se confunde com linguagem especial, pois _________, ao contrário
________, é de uso restrito e pode funcionar como signo de grupo.

a) esse / daquela;
b) essa / desse;
c) aquele / dessa;
d) esta / daquele;
e) este / desta.

04. Assinale a opção que completa adequadamente as lacunas da frase seguinte:

Os pesquisadores e o Governo frequentemente assumem posições distintas ante os


problemas nacionais: ____ se preocupam com a fundamentação científica, enquanto se guia
pelos interesses políticos.

a) aqueles / este;
b) esses / aquele;
c) estes / esse;
d) estes / aquele;
e) aqueles / aquele.

05. Indique a opção incorreta.

a) Receba Vossa Excelência os cumprimentos de seus subordinados.


b) Sua Excelência, o Ministro da Justiça, chegou acompanhado de outras autoridades.
c) Reiteramos nosso apreço a Vossa Senhoria e vossos subordinados.
d) Solicitamos a Sua Senhoria que encaminhasse suas sugestões por escrito.
e) Concordamos com Vossa Excelência e com seus subordinados.
22
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

GABARITO

01. B
02. E
03. D
04. A
05. C

23
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

COLOCAÇÃO PRONOMINAL

Os pronomes oblíquos átonos (o, a, os, as, lhe, lhes, me, te, se, nos, vos) costumam
apresentar problemas de colocação, uma vez que podem ocupar três posições:

1. antes do verbo (próclise ou pronome proclítico):

Nunca me revelaram os verdadeiros motivos.

2. no meio do verbo (mesóclise ou pronome mesoclítico):

Revelar-me-iam os verdadeiros motivos.

3. depois do verbo (ênclise ou pronome enclítico):

Revelaram-me os verdadeiros motivos.

Convém lembrar que os pronomes oblíquos átonos nunca podem vir no início da frase,
embora na linguagem popular isso ocorra com frequência. Assim, não são aceitas pela norma
culta construções como:

Me convidaram para a festa.


os revelaram os verdadeiros motivos.

Devemos dizer:

Convidaram-me para a festa.


Revelaram-nos os verdadeiros motivos.

USO DA PRÓCLISE
A próclise é obrigatória quando houver palavras que atraia o pronome para antes do verbo.
As palavras que atraem o pronome são as seguintes:

a) palavras ou expressões negativas:

Nunca me informavam os verdadeiros motivos.

b) advérbios:

Sempre me informavam os verdadeiros motivos.

Obs.: Se houver vírgula depois do advérbio, ele deixa de atrair o pronome.

Aqui se trabalha. Aqui , trabalha-se.

24
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

c) pronomes indefinidos e pronomes demonstrativos neutros:

Alguém me informou os verdadeiros motivos. Isto me pertence.

d) conjunções subordinativas:

Embora me informassem os verdadeiros motivos, não acreditei.

e) pronomes relativos:

A pessoa que me informou os verdadeiros motivos não compareceu.

Obs.:
 Se houver duas palavras atraindo um mesmo pronome oblíquo, pode-se colocá-lo entre essas
duas palavras.

É difícil entender quando se não ama.

Ou, como é mais frequente:

É difícil entender quando não se ama.

 A palavra que atrai o pronome, mesmo que venha subentendida.

Desejo me compreendam. (Desejo que me compreendam.)

A próclise é obrigatória também nas orações:

a) interrogativas diretas:

Quem nos revelou os verdadeiros motivos?

b) exclamativas:

Quanto nos custou tal procedimento!

c) optativas (orações que exprimem um desejo):

Deus te abençoe.

25
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

USO DA MESÓCLISE
A mesóclise é obrigatória com o verbo no futuro do presente ou no futuro do pretérito,
desde que não haja antes palavra atrativa.

Convidar-me-ão para a cerimônia.


Convidar-me-iam para a cerimônia.

No caso de haver uma palavra atrativa, a próclise será obrigatória.

Não me convidarão para a cerimônia.

Nunca me convidariam para a cerimônia.

Obs.: É sempre errado o uso do pronome oblíquo depois de verbo no futuro do presente ou no
futuro do pretérito.

USO DA ÊNCLISE
A ênclise é obrigatória:

a) com o verbo no início da frase:

Entregaram-me as mercadorias.

Obs.: Lembre-se de que é sempre errado o pronome oblíquo átono no início da frase.

b) com o verbo no imperativo afirmativo:

Alunos, comportem-se.

c) com o verbo no gerúndio:

Saiu, deixando-nos por instantes.

Obs.: Se o gerúndio vier precedido de preposição ou de palavra atrativa, ocorrerá próclise.


Em se tratando de cinema, prefiro as comédias.
Saiu da sala, não nos revelando os motivos.

d) com o verbo no infinitivo impessoal:

Era necessário ajudar-te.

Obs.:
 Se o infinitivo impessoal vier precedido de palavra negativa, é indiferente o uso da ênclise ou
da próclise.

Era necessário não te ajudar. Era necessário não ajudar-te.

26
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

 Se o infinitivo impessoal vier precedido de preposição, é indiferente o uso da ênclise ou da


próclise.

Estou apto a te ajudar. Estou apto a ajudar-te.

 Com o infinitivo pessoal precedido de preposição ocorre próclise.

Foram censuradas por se comportarem mal.

COLOCAÇÃO DOS PRONOMES


NAS LOCUÇÕES VERBAIS

a) Locução verbal com verbo principal no particípio

Nas locuções verbais cujo verbo principal é um particípio, o pronome deve ficar depois do
verbo auxiliar. Se houver palavra atrativa, deverá ficar antes do verbo auxiliar.

Havia-lhe contado a verdade. Não lhe havia contado a verdade.

Obs.: Se o auxiliar estiver no futuro do presente ou no futuro do pretérito, ocorrerá a mesóclise,


desde que não haja atração.

Ter-me-iam falado a verdade, se a soubessem.

Veja que é sempre errada a colocação do pronome depois de um particípio.

b) Locução verbal com o verbo principal no infinitivo ou no gerúndio

Se não houver palavra atrativa, coloca-se o pronome oblíquo depois do verbo auxiliar ou
depois do verbo principal.

Quero-lhe dizer a verdade. ou Quero dizer-lhe a verdade.

Ia-lhe dizendo a verdade. ou Ia dizendo-lhe a verdade.

Caso haja palavra atrativa, coloca-se o pronome antes do verbo auxiliar ou depois do verbo
principal.

Não lhe quero dizer a verdade. ou Não quero dizer-lhe a verdade.

Não lhe ia dizendo a verdade. ou Não ia dizendo-lhe a verdade.

27
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

QUESTÕES DE CONCURSO

01. Assinale a alternativa correta quanto à colocação pronominal, de acordo com a norma culta:

a) Por que expulsaram-se os holandeses que vieram ao Brasil?


b) Nada compara-se à contribuição de Post à pintura e, principalmente, à arquitetura.
c) As colônias da Holanda, o governo não as comandava diretamente.
d) A ocupação de Pernambuco, foi o conde Maurício de Nassau que comandou-a.
e) Ninguém esqueceu-se do episódio da dominação holandesa.

02. Assinale a alternativa correta quanto à colocação pronominal, de acordo com a norma culta:

a) Sempre cumprimentaram-na pelo seu aniversário.


b) Poucos se negaram a participar da ação voluntária.
c) Este é o autor a que referiu-se o comentarista.
d) Me acusaram daquele ato de covardia.
e) Nunca diga-lhe que estive aqui.

03. Assinale a única frase que ficará incorreta se o pronome oblíquo que está entre parênteses
for colocado depois da forma verbal destacada:

a) Seus argumentos vão convencer facilmente. (me)


b) Atualmente, fala muita coisa errada sobre ele. (se)
c) A umidade está infiltrando pelas paredes. (se)
d) Não houve jeito de localizar no meio da multidão. (te)
e) Alguns amigos haviam convidado para uma festa. (nos)

04. Indique a alternativa em que o pronome está empregado de maneira correta.

a) Se contentou com um salário regular.


b) Dar-me-iam nova oportunidade.
c) Farei-lhe o favor de esperar.
d) Não mudar-me-á o conceito sobre ela.
e) Sempre estive disposto a os receber em minha casa.

05. Indique a opção que preenche de forma correta as lacunas da frase:

“Os projetos que _____ estão em ordem; _______ ainda hoje, conforme _____.”

a) enviaram-me / devolvê-los-ei / lhes prometi


b) enviaram-me / os devolverei / lhes prometi
c) enviaram-me / os devolverei / prometi-lhes
d) me enviaram / devolvê-los-ei / lhes prometi
e) me enviaram / os devolverei / prometi-lhes

28
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

06. Assinale a frase incorreta quanto à colocação do pronome átono:

a) Nunca mais encontrei o colega que me emprestou o livro.


b) Retiramo-nos do salão, deixando-os sós.
c) Não quero magoar-te; porém não posso deixar de te dizer a verdade.
d) Valter apresentou-se ontem a seu novo chefe.
e) Faça boa viagem! Deus proteja-te!

07. Imagine o pronome entre parênteses no devido lugar e aponte a opção em que não deve
haver próclise:

a) Não desobedeças. (me)


b) Deus pague. (lhe)
c) Caro amigo, dize a verdade. (me)
d) A mão que estendemos é amiga. (te)
e) Assim que sentiu prejudicado, saiu. (se)

08. O pronome pessoal oblíquo átono está corretamente empregado, exceto em:

a) Pretendemos enviá-lo para um estágio no exterior.


b) O livro não está aqui: repõe-no antes que o percebam.
c) Solicitamos-lhe a remessa imediata do pagamento.
d) Não se aplaudirão absurdos nem desacordos.
e) Quando avisaram-me, nada mais pude fazer.

09. O pronome está mal colocado na alternativa:

a) Lá, disseram-me que entrasse logo.


b) Aqui me disseram que saísse.
c) Posso ir, se me convidarem.
d) Irei, se quiserem-me.
e) Estou pronto. Chamem-me.

10. A frase em que há erro de colocação pronominal é:

a) Dize-me com quem andas, dir-te-ei quem és.


b) Quando a mamãe limpa a louça, ela o faz com muito cuidado.
c) É um prazer ouvi-lo falar.
d) Caberia-lhe, então mostrar patriotismo e competência.
e) Mandou-me embora mais cedo.

29
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

GABARITO

01. C
02. B
03. E
04. B
05. D
06. E
07. C
08. E
09. D
10. D

30
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

VERBO
Definição

Verbo é a palavra variável em pessoa, número, tempo e modo que exprime um fato (ação,
estado ou fenômeno) no tempo.

O gorila comeu a banana. (ação) O jardim está florido. (estado) Choveu muito. (fenômeno)

ESTRUTURA DO VERBO

1. Radical: é a parte do verbo que serve como base do significado. Obtém-se o radical do verbo
retirando-se as terminações -ar, -er, -ir do infinitivo.

infinitivo radical terminação


cantar cant- -ar
bater bat- -er
partir part- -ir

2. Vogal temática: é a vogal que se agrega ao radical, preparando-o para receber as


desinências. Como nem sempre é possível juntar-se a desinência diretamente ao radical,
usam-se as vogais a, e, i como elemento de ligação.
A vogal temática indica a que conjugação pertence o verbo.

 vogal temática a – 1ª conjugação cantar


 vogal temática e – 2ª conjugação: bater
 vogal temática i – 3ª conjugação partir

Obs.:
 O verbo pôr e seus derivados pertencem à segunda conjugação.
 O radical, acrescido da vogal temática, recebe o nome de tema.

r vt r vt r vt

can a bat e part i

tema tema tema

3. Desinências: são elementos que se acrescentam ao radical (ou ao tema) para indicar as
categorias gramaticais de tempo e modo (desinência modo-temporal), e pessoa e número
(desinência número-pessoal).

r vt dmt dnp
cant a va 
cant á va mos
cant á sse mos

31
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

CLASSIFICAÇÃO DOS VERBOS


Os verbos classificam-se em:

a) regular: quando segue o modelo da conjugação. Para se saber se um verbo é regular ou não,
basta conjugá-lo no presente do indicativo e no pretérito perfeito do indicativo. Se ele for
regular nesses dois tempos, será regular nas demais formas.

Presente do indicativo Pretérito perfeito do indicativo


cant – o cant – ei
cant – as cant – aste
cant – a cant – ou
cant – amos cant – amos
cant – ais cant – astes
cant – am cant – aram

Observe que, na conjugação do verbo cantar, o radical permaneceu o mesmo em todas as


formas.

b) irregular: quando se afasta do modelo da conjugação. Para se saber se um verbo é irregular,


deve-se conjugá-lo no presente do indicativo e no pretérito do indicativo. Se houver qualquer
irregularidade, ela se manifestará em um desses dois tempos.

Presente do indicativo Pretérito perfeito do indicativo


peç – o ped – i
ped – es ped – iste
ped – e ped – iu
ped – imos ped – imos
ped – is ped – istes
ped – em ped – iram

Observe que, na primeira pessoa do singular do presente do indicativo, o radical altera-se


para PEC-; daí a irregularidade do verbo.

Obs.: Há casos em que a irregularidade do verbo se apresenta não no radical, mas nas desinências.
Verifique a conjugação do verbo estar:
Estou, estás, está, estamos, estais, estão.

c) anômalo: quando na sua conjugação verificam-se vários radicais. Exemplos: verbo ser e
verbo ir.

Presente do indicativo Futuro do indicativo


sou vou serei irei
és vais serás irás
é vai será irá
somos vamos seremos iremos
sois ides sereis ireis
são vão serão irão
32
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

d) defectivo: quando não apresenta certas formas. Exemplos: verbo falir e verbo abolir.

Pessoa Presente do indicativo


falir abolir
eu  
tu  aboles
ele  abole
nós falimos abolimos
vós falis abolis
eles  abolem

Consideram-se defectivos os verbos impessoais, como chover, ventar, anoitecer etc.

e) abundantes: quando possuem duas ou mais formas de idêntico valor. A abundância do verbo
ocorre com maior frequência no particípio de alguns verbos, que, além da forma regular
(desinência –do), apresentam outra forma, denominada irregular ou abundante.

Infinitivo Particípio regular Particípio irregular


aceitar aceitado aceito
acender acendido aceso
benzer benzido bento
exprimir exprimido expresso
expulsar expulsado expulso
enxugar enxugado enxuto
prender prendido preso

Quando o verbo apresenta duplo particípio, deve-se usar a forma regular com os auxiliares
ter e haver e a forma irregular com os auxiliares ser e estar.

Tinham aceitado o pedido. O pedido foi aceito.


Haviam aceitado o pedido. O pedido estava aceito.

Obs.:
 Alguns verbos apresentam tão-somente o particípio irregular.

Infinitivo Particípio irregular


dizer dito
fazer feito
escrever escrito
abrir aberto

 Na linguagem atual, os verbos pagar, gastar e ganhar são usados apenas no particípio
irregular, com qualquer auxiliar.

Ele havia pago a conta.


Tinham gesto todo o dinheiro.
Havia ganho muitos presentes no aniversário.

33
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

f) auxiliar: quando se junta a um outro verbo, denominado principal, ampliando-lhe a


significação. O conjunto verbo auxiliar + verbo principal recebe o nome de locução verbal.

Amanhã poderá chover.


Observe no exemplo que o verbo auxiliar, ao juntar-se ao verbo principal, alarga-lhe a
significação, conferindo-lhe ideia de possibilidade.

FORMAS RIZOTÔNICAS E FORMAS


ARRIZOTÔNICAS
Formas rizotônicas são aquelas em que o acento tônico recai no radical.
and-o, and-as

Formas arrizotônicas são aquelas em que o acento tônico recai na terminação.


and-amos, and-emos

TEMPOS PRIMITIVOS E TEMPOS DERIVADOS


Nos verbos podemos distinguir determinadas formas que dão origem a outras, uma vez
que umas são primitivas, e outras, derivadas.

Os tempos (ou formas) primitivos são: presente do indicativo, pretérito perfeito do


indicativo e infinitivo impessoal.
Todas as demais formas são derivadas.

CONJUGAÇÃO VERBAL
Conjugar um verbo significa expressá-lo em todas as formas que possui.
Conjugação dos verbos cantar, bater, partir e pôr

MODO INDICATIVO
presente pretérito perfeito simples

canto bato parto ponho cantei bati parti pus


cantas bates partes pões cantaste bateste partiste puseste
canta bate parte põe cantou bateu partiu pôs
cantamos batemos partimos pomos cantamos batemos partimos pusemos
cantais bateis partis pondes cantastes batestes partistes pusestes
cantam batem partem põem cantaram bateram partiram puseram

34
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

pretérito imperfeito

cantava batia partia punha


cantavas batias partias punhas
cantava batia partia punha
cantávamos batíamos partíamos púnhamos
cantáveis batíeis partíeis púnheis
cantavam batiam partiam punham

pretérito perfeito composto

tenho cantado tenho batido tenho partido tenho posto


tens cantado tens batido tens partido tens posto
tem cantado tem batido tem partido tem posto
temos cantado temos batido temos partido temos posto
tendes cantado tendes batido tendes partido tendes posto
têm cantado têm batido têm partido têm posto

pretérito mais-que-perfeito simples

cantara batera partira pusera


cantaras bateras partiras puseras
cantara batera partira pusera
cantáramos batêramos partíramos puséramos
cantáreis batêreis partíreis puséreis
cantaram bateram partiram puseram

pretérito mais-que-perfeito composto

tinha cantado tinha batido tinha partido tinha posto


tinhas cantado tinhas batido tinhas partido tinhas posto
tinha cantado tinha batido tinha partido tinha posto
tínhamos cantado tínhamos batido tínhamos partido tínhamos posto
tínheis cantado tínheis batido tínheis partido tínheis posto
tinham cantado tinham batido tinham partido tinham posto

futuro do presente simples

cantarei baterei partirei porei


cantarás baterás partirás porás
cantará baterá partirá porá
cantaremos bateremos partiremos poremos
cantareis batereis partireis poreis
cantarão baterão partirão porão

35
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

futuro do presente composto

terei cantado terei batido terei partido terei posto


terás cantado terás batido terás partido terás posto
terá cantado terá batido terá partido terá posto
teremos cantado teremos batido teremos partido teremos posto
tereis cantado tereis batido tereis partido tereis posto
terão cantado terão batido terão partido terão posto

futuro do pretérito simples

cantaria bateria partiria poria


cantarias baterias partirias porias
cantaria bateria partiria poria
cantaríamos bateríamos partiríamos poríamos
cantaríeis bateríeis partiríeis poríeis
cantariam bateriam partiriam poriam

futuro do pretérito composto

teria cantado teria batido teria partido teria posto


terias cantado terias batido terias partido terias posto
teria cantado teria batido teria partido teria posto
teríamos cantado teríamos batido teríamos partido teríamos posto
teríeis cantado teríeis batido teríeis partido teríeis posto
teriam cantado teriam batido teriam partido teriam posto

MODO SUBJUNTIVO
presente

cante bata parta ponha


cantes batas partas ponhas
cante bata parta ponha
cantemos batamos partamos ponhamos
canteis batais partais ponhais
cantem batam partam ponham

pretérito imperfeito

cantasse batesse partisse pusesse


cantasses batesses partisses pusesses
cantasse batesse partisse pusesse
cantássemos batêssemos partíssemos puséssemos
cantásseis batêsseis partísseis pusésseis
cantassem batessem partissem pusessem
36
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

pretérito perfeito

tenha cantado tenha batido tenha partido tenha posto


tenhas cantado tenhas batido tenhas partido tenhas posto
tenha cantado tenha batido tenha partido tenha posto
tenhamos cantado tenhamos batido tenhamos partido tenhamos posto
tenhais cantado tenhais batido tenhais partido tenhais posto
tenham cantado tenham batido tenham partido tenham posto

pretérito mais-que-perfeito

tivesse cantado tivesse batido tivesse partido tivesse posto


tivesses cantado tivesses batido tivesses partido tivesses posto
tivesse cantado tivesse batido tivesse partido tivesse posto
tivéssemos cantado tivéssemos batido tivéssemos partido tivéssemos posto
tivésseis cantado tivésseis batido tivésseis partido tivésseis posto
tivessem cantado tivessem batido tivessem partido tivessem posto

futuro simples

cantar bater partir puser


cantares bateres partires puseres
cantar bater partir puser
cantarmos batermos partirmos pusermos
cantardes baterdes partirdes puserdes
cantarem baterem partirem puserem

futuro composto

tiver cantado tiver batido tiver partido tiver posto


tiveres cantado tiveres batido tiveres partido tiveres posto
tiver cantado tiver batido tiver partido tiver posto
tivermos cantado tivermos batido tivermos partido tivermos posto
tiverdes cantado tiverdes batido tiverdes partido tiverdes posto
tiverem cantado tiverem batido tiverem partido tiverem posto

MODO IMPERATIVO
afirmativo

canta (tu) bate (tu) parte (tu) põe (tu)


cante (você) bata (você) parta (você) ponha (você)
cantemos (nós) batamos (nós) partamos (nós) ponhamos (nós)
cantai (vós) batei (vós) parti (vós) ponde (vós)
cantem (vocês) batam (vocês) partam (vocês) ponham (vocês)

37
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

negativo

não cantes (tu) não batas (tu) não partas (tu) não ponhas (tu)
não cante (você) não bata (você) não parta (você) não ponha (você)
não cantemos (nós) não batamos (nós) não partamos (nós) não ponhamos (nós)
não canteis (vós) não batais (vós) não partais (vós) não ponhais (vós)
não cantem (vocês) não batam (vocês) não partam (vocês) não ponham (vocês)

INFINITIVO
impessoal

cantar bater partir pôr

pessoal

cantar bater partir pôr


cantares bateres partires pores
cantar bater partir pôr
cantarmos batermos partirmos pormos
cantardes baterdes partirdes pordes
cantarem baterem partirem porem

GERÚNDIO
cantando batendo partindo pondo

PARTICÍPIO
cantado batido partido posto

VOZES VERBAIS
As vozes verbais são três:

1. voz ativa: quando o sujeito é o agente, isto é, aquele que executa a ação Expressa pelo verbo.

sujeito

O gorila comeu a banana.

sujeito

O aluno leu o livro.

38
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

2. voz passiva: quando o sujeito é o paciente, isto é, o receptor da ação expressa pelo verbo.
Há dois tipos de voz passiva:

a) voz passiva analítica: formada por verbo auxiliar mais particípio.

sujeito

A banana foi comida pelo gorila.

sujeito

O livro foi lido pelo aluno.

b) Voz passiva sintética (ou pronominal): quando é formada pelo verbo na terceira pessoa
mais a partícula apassivadora se.

sujeito

Comeu-se a banana.

sujeito

Leu-se o livro.

3. voz reflexiva: quando o sujeito é ao mesmo tempo agente e paciente, isto é, executor e
receptor da ação expressa pelo verbo.

sujeito

O gorila cortou-se.

sujeito

O menino feriu-se.

39
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

QUESTÕES DE CONCURSOS
01. “... têm as mesmas oportunidades...” a forma verbal correta do verbo TER (ou de um verbo
composto de TER) é:

a) As pessoas se entretém em sociedade.


b) A liberdade não se mantem para sempre.
c) Todos se manteram de forma disciplinada.
d) Ele não se conteve de tão contente.
e) Ela se mantia afastada de todos.

02. Que item abaixo caracteriza inadequadamente a forma verbal “venham atingir”?

a) Corresponde a uma locução verbal.


b) Constitui o núcleo verbal de uma só oração.
c) Apresenta “vir” como verbo auxiliar.
d) Equivale ao presente do subjuntivo composto.
e) Indica semanticamente uma possibilidade futura.

03. Assinale a opção que preenche corretamente as lacunas.

Pela primeira vez na história, uma dúzia de países - sem guerra nem violência, somente com
negociações e entendimento democrático - _______ parte essencial de sua soberania para
______ uma moeda única ____________ ao bem-estar coletivo. _________ problemas no
horizonte. Mas esse empreendimento admirável do Velho Mundo já está servindo aos
interesses dos brasileiros.
(Luiz Felipe de Alencastro, Veja, 16/01/2002, p.22.)

a) abandonam - criarem - com o visto – A


b) abandona - criar - visando – Há
c) abandonaram - criarem - com vistas – A
d) abandona - criarem - com vista – Haverão
e) abandonam - criar - para visar - Haverão

04. Assinale a opção que preenche corretamente as lacunas.

No primeiro mundo, as taxas de crescimento _______________ para a metade em relação ao


que foram nos primeiros 20 anos após a Segunda Guerra Mundial, enquanto as taxas de
desemprego ______________, principalmente na Europa, e o milagre japonês que
______________ aos anos 80, afinal ________________nos anos 90. Na América Latina e
no Leste Europeu, que se recusam a realizar o ajustamento fiscal nos anos 70, a crise se
desencadeia nos anos 80 com muito mais violência.

a) reduzem - aumenta - sobreviveria – soçobraria


b) reduzem-se - aumenta - sobrevive – soçobra
c) reduziram - aumentam - sobrevivera – soçobram
d) reduziam - aumentaram - sobrevivera – soçobra
e) reduzem-se - aumentam - sobrevivera - soçobra

40
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

05. “As crianças serão as mais afetadas por males causados pelo uso e ingestão de água
contaminada. No mesmo período, serão registrados 65 milhões de casos fatais em
consequência da AIDS em todo o mundo”. As formas sublinhadas mostram verbos,
respectivamente, nas vozes:

a) ativa /passiva;
b) passiva /ativa;
c) passiva /passiva;
d) ativa / ativa;
e) ativa / reflexiva.

06. Considerando que a ação de agredir o jogador brasileiro Antonio Carlos ocorreu antes de o
Lazio perder o mando do campo, ação também passada, o verbo “agredir” deveria estar
no:

a) mais-que-perfeito do indicativo;
b) imperfeito do indicativo;
c) futuro do pretérito;
d) imperfeito do subjuntivo;
e) presente do subjuntivo.

07. “... porque o trabalhador não tem interesse no resultado”. A frase a seguir em que o verbo ter
ou derivado é conjugado e grafado de forma correta é:

a) A lei não contem exceções.


b) Os advogados têem cópias das leis.
c) A leitura dos documentos entreteu os advogados.
d) Quando deter o marginal, o policial ficará satisfeito.
e) Quando retém os documentos, a escola contraria as leis.

08. “... vieram a significar, no plano social...” o item a seguir em que o verbo destacado está
conjugado erradamente é:

a) Se o virmos por lá, daremos o recado.


b) Os advogados interviram na discussão.
c) A empregada proveu a despensa com o necessário.
d) Quando vimos para cá, sentimo-nos contentes.
e) Os aparelhos provieram dos Estados Unidos.

09.
Um dia ele chegou tão diferente do seu jeito de sempre chegar
Olhou-a de um jeito muito mais quente do que sempre costuma olhar
E não maldisse a vida quanto era o seu jeito de sempre falar.
(Trecho de Valsinha, de Chico Buarque de Holanda e Vinícius de Moraes)
Quanto ao tempo verbal, “maldisse” está para “maldizer” assim como:

a) previsse está prever;


b) proviu está para prover;
c) interveio está para intervir;
d) reouvesse está para reaver;
e) precavesse está para precaver.

41
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

10. Assinale a alternativa que preenche, correta e respectivamente, as lacunas da frase abaixo.
Se _____ que não pode mais amar-me, _________ -me então.
Suas palavras amenas _________ -me; __________ nosso amor.

a) vir – esqueça – detiveram – protejamos


b) vires – esqueça – deteram – protejamos
c) veres – esquece – detiveram – protejamos
d) ver – esqueça – deteram – protejamos
e) vir – esquece – deteram – protejemos

42
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

GABARITO
01. D
02. D
03. B
04. E
05. C
06. A
07. E
08. B
09. C
10. A

43
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

SINTAXE
FRASE ORAÇÃO PERÍODO

FRASE

Conceito

Apesar de o homem ter criado os mais diferentes sinais, a palavra é o signo mais utilizado
na comunicação humana.

Exemplos:
Socorro!!!
O telefone está tocando.
Que salário medíocre...
Mude de vida comprando um apartamento no Guarujá.
Esta é a fila do ônibus Chora Menino?
O Nordeste coloca-se em terceiro lugar no setor industrial.

Em cada um desses conjuntos, as palavras se organizam formando uma unidade com


sentido. A essa unidade dá-se o nome de frase.

Frase é todo enunciado de sentido completo, capaz de estabelecer comunicação.

Exemplos:
“A igreja, com este calor, é fornalha.” (Graciliano Ramos)
“A estrela-d’alva, no céu escuro, parecia uma garça...” (Afonso Arinos)

A comunicação verbal se faz através da língua, que se apresenta em duas modalidades: a


falada e a escrita.
Na língua falada, além das palavras, há outros recursos como os gestos, a expressão do
rosto, do olhar e, principalmente, a entonação da voz (elevação ou abaixamento). Dependendo do
que se quer expressar, muda-se a entonação.
Na língua escrita, a entonação da voz é representada pela pontuação.

Observe:
O mar está calmo. (declaração)
O mar está calmo? (pergunta)
O mar está calmo! (exclamação)
Mar, fique calmo. (ordem ou pedido)

CLASSIFICAÇÃO DA FRASE

A classificação da frase pode ser feita:

a de acordo com o que ela expressa com sua entonação.

DECLARATIVA
afirmativa – Você é um dos que se preocupam com a poluição.
44
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

negativa – Você não é um dos que se preocupam com a poluição.

INTERROGATIVA
Você é um dos que se preocupam com a poluição?

EXCLAMATIVA
Você é um dos que se preocupam com a poluição!

IMPERATIVA
Preocupe-se com a poluição.

b de acordo com a sua construção.

NOMINAL
quando construída sem verbos:
Fogo!
Cuidado!
Belo serviço o seu!
Trabalho digno desse feirante.

VERBAL
quando construída com verbo:
O sol surge radiante e anuncia um belo dia.
Comemoraram o Dia da Sogra.
O balão subiu, subiu, subiu...

ORAÇÃO
Conceito

Uma frase verbal pode ser também uma oração. Para isso é necessário:
 que o enunciado tenha sentido completo;
 que o enunciado tenha verbo.

Exemplos:
A população precisa de saneamento básico.
Rosana terminou a leitura do livro.

Oração é o enunciado que se estrutura em torno de um verbo ou locução verbal.

Exemplos:
“Acabou-se o flagelo.” (Euclides da Cunha)

verbo

“Aconteceu-me ontem uma coisa realmente


extraordinária.” (Cyro dos Anjos)
verbo

45
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

Obs.:
1º) Nem toda frase é oração.
Exemplo: Que dia bonito!
 Esse enunciado é frase porque tem sentido.
 Esse enunciado não é oração porque não tem verbo.

2º) Nem toda oração é frase.


Exemplo: Queremos que a justiça impere no Brasil.
 Esse enunciado é formado de dois verbos.
 Para cada verbo tem-se uma oração:
1ª oração: Queremos
2ª oração: que a justiça impere no Brasil.
 Cada oração isoladamente não tem sentido.
 Para formar a frase foram necessárias as duas orações.

PERÍODO
Conceito

Toda frase verbal é chamada período.

Exemplos:
Que saudades sentíamos da infância!
As janelas fecharam-se e a família saiu.

Período é a frase organizada com uma ou várias orações.

Exemplos:

Oração
Conversavam no trem dois sujeitos.

verbo

1ª oração 2ª oração
“Fui devagar, mas ou o pé ou o espelho traiu-me.”
 
verbo verbo

(Machado de Assis)

46
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

CLASSIFICAÇÃO DO PERÍODO

De acordo com o número de orações o período pode ser:

SIMPLES

quando possui apenas uma oração.

oração
O barulho da moto nos incomodou na sala de aula.

verbo: uma oração

oração
Uma forte chuva vai cair daqui a pouco.

locução verbal: uma oração

COMPOSTO
quando possui duas ou mais orações.

oração oração
As crianças pularam quando foi marcado o gol.
 
verbos: locução verbal:
1ª oração 2ª oração

oração oração oração


Era madrugada, não havia gente na rua, começava a garoar.
  
verbo: verbo: locução verbal:
1ª oração 2ª oração 3ª oração

Obs.:
Em “vai cair” e “começava a garoar” tem-se locuções ou expressões verbais. A maneira
prática de saber quantas orações existem num período é contar os verbos ou expressões verbais:
haverá num período tantas orações quantos forem os verbos.

Termos essenciais da oração:


Sujeito e predicado

Para que a oração tenha significado, são necessários alguns termos básicos: os termos
essenciais.

A oração tem dois termos essenciais: sujeito e predicado.

Sujeito é o termo sobre o qual o restante da oração diz algo.

47
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

Exemplo:
“O vento engrossava mais e mais as ondas.”
 (Carlos H.Cony)
sujeito

Predicado é o termo que contém o verbo e informa algo sobre o sujeito.

Exemplo:
“O vento engrossava mais e mais as ondas.”

predicado

TIPOS DE SUJEITO

O sujeito pode aparecer:

DETERMINADO

quando é possível determinar que elemento da oração funciona como sujeito.


Renato aprendeu as notas musicais.
Alguém bateu à porta.
(eu) Aprendi as notas musicais.

O sujeito determinado pode ser:

SIMPLES

quando possui apenas um núcleo.

sujeito simples predicado


O dia vai escurecer depressa.

núcleo do
sujeito

sujeito simples predicado


“Aquela noite era a folga de Aparecida.”
 (Orígenes Lessa)
núcleo do sujeito

COMPOSTO

quando possui dois ou mais núcleos.

sujeito composto predicado


O pai e o filho eram duas faces da mesma moeda.
 
núcleo do núcleo
sujeito do
sujeito

48
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

sujeito composto predicado


Cartazes, filmes, fotografias também são meios de comunicação.
  
núcleo do núcleo núcleo do
sujeito do sujeito
sujeito

IMPLÍCITO

quando não está expresso na oração, mas é reconhecido pela desinência verbal.

sujeito predicado
implícito
(nós) Concordamos com suas ideias.

núcleo do sujeito

sujeito predicado
implícito
(eu) Não entendi a questão.

núcleo do sujeito

INDETERMINADO

quando não é possível determinar que elemento da oração funciona como sujeito.

predicado

? Pegaram meu lápis, professor.

sujeito indeterminado

predicado
? Vive-se bem no campo.

sujeito indeterminado

Nessas orações, onde só o predicado está expresso, não se pode determinar sobre quem
o verbo está dizendo algo.
Pode-se construir o sujeito indeterminado de duas maneiras:

 colocando-se o verbo na 3ª pessoa do plural:

predicado
? Mandaram os acidentados para o
hospital.

sujeito indeterminado

49
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

 colocando-se o verbo na 3ª pessoa do singular acompanhado do pronome se:

predicado
? Precisa-se de carpinteiros.

sujeito indeterminado

Obs.:
1º) Quando o verbo está na 3ª pessoa do plural, fazendo referência a elementos explícitos em
orações anteriores ou posteriores, o sujeito é determinado. Exemplo:
João e Carlos foram à cidade. Fizeram muitas compras.
Nesse caso o sujeito de fizeram é eles (João e Carlos), sujeito implícito.

2º) O pronome se que acompanha o verbo na 3ª pessoa do singular para indeterminar o sujeito é
denominado índice de indeterminação do sujeito.

ORAÇÕES SEM SUJEITO

Apesar de o sujeito ser um termo essencial, há orações constituídas apenas de predicado.


São as orações formadas com os seguintes verbos:

a haver, significando existir, acontecer, realizar-se e fazer.


Há muitos sonegadores ainda impunes. (existem)
Houve algum problema com você? (aconteceu)
Houve uma grande festa no aniversário da cidade. (realizou-se)
Há muitos anos que eu não a vejo. (faz)

b fazer, ser e estar, quando indicam tempo transcorrido ou tempo relativo a fenômeno da
natureza.
Faz dias que o carteiro não aparece.
Era cedo quando ele chegou.
Estava um dia chuvoso.

c verbos que exprimem fenômenos da natureza como: nevar, chover, ventar, gear, trovejar,
relampejar, anoitecer etc.
Choveu muito ontem.
Anoiteceu devagar.
Geou no Paraná.

Os verbos das orações em sujeito chamam-se impessoais. Eles são usados na 3ª pessoa
do singular e, se acompanhados de auxiliares, transmitem a eles sua impessoalidade.
Faz cinco anos que me formei.
Vai fazer cinco anos que me formei.

Obs.:
1º) O verbo ser, impessoal, concorda com o predicativo, podendo, assim, aparecer também na 3ª
pessoa do plural. Exemplos:
É uma hora da tarde.
São cinco horas da tarde.

50
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

2º) Os verbos que exprimem fenômenos da natureza, quando usados em sentido figurado, deixam
de ser impessoais. Exemplos:
Já amanheci cansado. (eu)
Choveram denúncias sobre gente importante. (denúncias)

TIPOS DE PREDICADO

Segundo a informação contida no predicado, ele pode ser:

 verbal;  nominal;  verbo-nominal.

PREDICADO VERBAL

é aquele que informa uma ação.

sujeito predicado verbal


Os operários lutam por melhores salários.

sujeito predicado verbal


Os bombeiros socorreram as vítimas do
incêndio.

predicado verbal sujeito


Acenderam-se as luzes.

NÚCLEO DO PREDICADO VERBAL

O núcleo do predicado verbal é o verbo. Para que o verbo seja núcleo, é necessário que
ele seja um verbo significativo, isto é, traga em si mesmo uma noção, uma ideia de ação.

sujeito predicado verbal


Os operários lutam por melhores salários.

núcleo do predicado

sujeito predicado verbal


Os bombeiros socorreram as vítimas do incêndio.

núcleo do predicado

predicado verbal sujeito


Acenderam-se as luzes.

núcleo do predicado

ESTRUTURA DO PREDICADO VERBAL

O predicado verbal é formado de verbo intransitivo ou de verbo transitivo.

51
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

sujeito predicado verbal


As árvores florescem na primavera.

verbo intransitivo
núcleo do predicado

sujeito predicado verbal


Os pássaros fazem seus ninhos.
 
verbo objeto direto
transitivo
direto


núcleo do
predicado

sujeito predicado verbal


Nós concordamos com você.
 
verbo objeto lndireto
transitivo
indireto

núcleo do
predicado

sujeito predicado verbal


Os prestaram uma homenagem ao
alunos professor.
  
verbo objeto direto objeto
transitivo indireto
direto e
indireto

núcleo do
predicado

PREDICADO NOMINAL

é aquele que informa um estado do sujeito. Nesse predicado o verbo é de ligação.

sujeito predicado nominal


Zezinho está feliz.

sujeito predicado nominal


Leila é linda.

52
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

NÚCLEO DO PREDICADO NOMINAL

O núcleo do predicado nominal não é o verbo; é a palavra que indica a característica do


sujeito, contida no predicado.

sujeito predicado nominal


Aquelas esculturas eram valiosas.

núcleo do predicado

sujeito predicado nominal


A população permanecia apreensiva.

núcleo do predicado

sujeito predicado nominal


Este homem parece uma criança.

núcleo do predicado

PREDICATIVO DO SUJEITO

Predicativo do sujeito é o termo que atribui características ao sujeito por meio de um verbo.
Todo predicado construído com verbo de ligação necessita de predicativo do sujeito.

sujeito predicado nominal


As crianças continuam felizes.
 
verbo de predicativo do
ligação sujeito

sujeito predicado nominal


As atitudes de alguns são imperdoáveis.
homens
 
verbo de predicativo do
ligação sujeito

O predicativo do sujeito também pode aparecer com outros verbos.

sujeito
As crianças saíram satisfeitas
 
verbo predicativo
intransitivo do sujeito

sujeito
Os bancários terminaram o trabalho aliviados.
  
verbo objeto predicativo do
transitivo direto sujeito
direto

53
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

O predicativo do sujeito pode ser representado:

 por um adjetivo ou locução adjetiva:

sujeito predicado nominal


O seu gesto foi delicado.

predicativo
do sujeito

adjetivo

sujeito predicado nominal


A comida está sem sabor.

predicativo do sujeito


locução adjetiva

 por um substantivo ou palavra substantivada:

sujeito predicado nominal


A lua parece uma bola
 substantivo
predicativo do sujeito

sujeito predicado nominal


Amar é viver.

predicativo do sujeito


palavra substantivada

 por um pronome substantivo:

sujeito predicado nominal


Meu carro não é esse.

predicativo do sujeito


pronome substantivo

 por um numeral:

sujeito predicado nominal


Nós somos cinco em casa.

predicativo do sujeito


numeral

54
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

ESTRUTURA DO PREDICADO NOMINAL

O predicado nominal é formado de dois termos básicos: verbo de ligação e predicativo do


sujeito, sendo a palavra central do predicativo o núcleo do predicado.

sujeito predicado nominal


Ele sempre ficava tenso.
 
verbo predicativo do sujeito
de ligação

núcleo do predicado

sujeito predicado nominal


Os pareciam distraídos.
jornalistas
 
verbo de predicativo
ligação do sujeito

núcleo do
predicado

sujeito predicado nominal


A tristeza virou uma grande alegria.
  
verbo predicativo núcleo do
de do sujeito predicado
ligação

PREDICADO VERBO-NOMINAL

é aquele que expressa uma dupla informação: ação e estado.

sujeito predicado verbo-nominal


Os operários chegaram cansados.
 
ação estado

 
Os operários chegaram. Os operários estavam cansados.

sujeito predicado verbo-nominal


Os alunos retornaram da excursão felizes.
 
ação estado

 
Os alunos Os alunos estavam felizes.
retomaram
da excursão.

Houve a fusão de dois predicados – um verbal e um nominal – em apenas um.

55
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

NÚCLEOS DO PREDICADO - VERBO-NOMINAL

Por fornecer duas informações – ação e estado – o predicado verbo-nominal é constituído


de dois núcleos: um verbo e um nome (predicativo).

sujeito predicado verbo-nominal


Os gatos olhavam aflitos.
 
verbo predicativo
intransitivo do sujeito
 
núcleo do núcleo do
predicado predicado

sujeito predicado verbo-nominal


O dentista respondeu sério.
 
verbo predicativo
intransitivo do sujeito
 
núcleo do núcleo do
predicado predicado

PREDICATIVO DO OBJETO

Há predicados verbo-nominais em que o predicativo não se refere ao sujeito, mas ao


objeto.

sujeito predicado verbo-nominal


Os colegas consideram Daniel inteligente.
  
verbo objeto predicativo
transitivo direto do objeto
direto

sujeito predicado verbo-nominal


Os alunos acharam fácil a prova.
  
verbo predicativo do objeto
transitivo objeto direto
direto

suj. predicado verbo-nominal


Eu achava horrível qualquer filme de terror.
  
verbo predicativo objeto
transitiv do objeto direto
o direto

DISTINÇÃO ENTRE PREDICATIVO DO OBJETO E ADJUNTO ADNOMINAL DO OBJETO

O predicativo do objeto não pertence ao mesmo termo do objeto. Prova é que, se


substituirmos o objeto direto pelos pronomes o, a, os, as, o predicativo do objeto continuará sendo
expresso.

56
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

Os alunos acharam a prova fácil.


 objeto direto
predicativo do objeto

Os alunos acharam-na fácil.


 
objeto direto predicativo do objeto

O adjunto adnominal pertence ao mesmo termo do objeto. Se se substituir o objeto direto


pelos pronomes o, a, os, as, o adjunto deixará de ser expresso. Sua inclusão tornaria a frase
gramaticamente incorreta.

Os alunos fizeram uma prova fácil.


 
Objeto direto adjunto adnominal

Os alunos fizeram-na.

objeto direto

ESTRUTURA DO PREDICADO - VERBO-NOMINAL

O predicado verbo-nominal pode ser formado de:

 verbo intransitivo + predicativo do sujeito:

sujeito predicado verbo-nominal


A caravana de estudantes partiu alegre.
 
verbo predicativo do sujeito
intransitivo

 verbo transitivo + predicativo do sujeito:

sujeito predicado verbo-nominal


Os alunos fizeram a prova tranquilos.
  
verbo objeto predicativo
transitivo direto do sujeito
direto

 verbo transitivo + predicativo do objeto:

sujeito predicado verbo-nominal


Os alunos consideraram a prova fácil.
  
verbo transitivo objeto predicativo
direto direto do sujeito

57
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

TERMOS INTEGRANTES DA ORAÇÃO

Certos verbos ou nomes presentes numa oração não possuem sentido completo em si
mesmos. Sua significação só se completa com a presença de outros termos, chamados
integrantes.

Os termos integrantes da oração são:

─ complemento verbal; ─ complemento nominal; ─ agente da passiva.

COMPLEMENTOS VERBAIS

São os termos que completam o sentido de verbos transitivos diretos e indiretos.


São complementos verbais:

OBJETO DIRETO

É o termo que completa o sentido do verbo transitivo direto, ligando-se a ele sem o auxílio
necessário da preposição.

O cheio da tinta contaminou o ar.


↓ ↓
verbo transitivo objeto direto
direto

Algumas imobiliárias vendiam casas pré-fabricadas.


↓ ↓
verbo transitivo objeto direto
direto

Eu vejo você amanhã.


↓ ↓
verbo transitivo objeto direto
direto

Obs.:
Há verbos intransitivos que, acidentalmente, podem aparecer como verbos transitivos
diretos.

Exemplos:

O garotinho charou lágrimas doídas pela perda do cachorro.



objeto direto

Nós sonhamos o sonho dos juntos.



objeto direto

58
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

OBJETO INDIRETO

É o termo que completa o sentido do verbo transitivo indireto, ligando-se a ele por meio de
preposição.

O cantor não gostava de entrevistas.


↓ ↓
verbo transitivo objeto indireto
Indireto preposição

Ela visa à faculdade.


↓ ↓
verbo transitivo objeto
indireto indireto
a = preposição
a = artigo

Os nicaragüenses resistiram ao ataque norte-americano.


↓ ↓
verbo transitivo objeto indireto indireto
o = artigo
a = preposição

Obs.:
1º) A preposição faz parte do objeto indireto, ligando-o ao verbo, mas isoladamente não tem
função sintática.

2º) Muitas vezes o objeto indireto inicia-se com crase (à, àquele, àquela, àquilo). Isso ocorre
quando o verbo exige a preposição a e esta se contrai com a palavra seguinte.

Exemplos:
Entregaram à mãe o ramalhete.

objeto indireto

a = preposição
a = artigo definido

Darei àquela criança um doce.



objeto indireto

a = preposição
aquela = pronome demonstrativo

NÚCLEO DO OBJETO

O núcleo do objeto é a palavra principal desse termo. Ele pode ser constituído:

 de um substantivo.

objeto indireto

O povo reagiu, contra os maus políticos.



núcleo do objeto indireto

59
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

 de uma palavra substantivada.

objeto direto objeto indireto

O artista unia o sensível ao inteligente.


↓ ↓
núcleo do objeto núcleo do objeto
direto indireto

 de qualquer pronome substantivo.

objeto direto

Não vimos ninguém na reunião.

núcleo do objeto direto

objeto indireto

Eu não precisava de nada naquele instante.

núcleo do objeto indireto

 de um pronome pessoal oblíquo.

objeto direto objeto indireto


↑ ↑
Eu o amo. Não me diga nada.
↓ ↓
núcleo do objeto direto núcleo do objeto indireto

PRONOMES OBLÍQUOS NA FUNÇÃO DE OBJETO

Os pronomes pessoais oblíquos o, a, os, as (lo, la, los, lãs, no, na, nos, nas) funcionam
como objeto direto.

O trovão abalou-o.

objeto direto

Chamaram-na para a reunião.



objeto direto

Irei vê-los mais tarde.



objeto direto

O pronome pessoal oblíquo lhe (lhes) funciona como objeto indireto.

Respondi-lhe tudo.

objeto indireto

60
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

Nós lhe oferecemos um presente.



objeto indireto

Concederam-lhes um pequeno aumento salarial.



objeto indireto

Os demais pronomes pessoais variam de função conforme a transitividade do verbo.

Eles nos amam.


↓ ↓
objeto verbo transitivo direto
direto

Eles me chamaram.
↓ ↓
objeto verbo transitivo direto
direto

Eles nos obedecem.


↓ ↓
objeto verbo transitivo
indireto indireto

Eles me perdoaram.
↓ ↓
objeto verbo transitivo
indireto indireto

OBJETO DIRETO PREPOSICIONADO

O verbo transitivo direto liga-se a seu complemento – objeto direto – sem a presença
obrigatória da preposição.
Há casos, porém, em que o objeto direto aparece precedido de preposição. É o objeto
direto preposicionado.
O objeto direto preposicionado ocorre principalmente:

 quando é formado de um pronome pessoal oblíquo tônico.

Não ouvíamos a ti nem a ele.


↓ ↓ ↓
verbo objeto objeto
transitivo direto direto
direto preposicionado preposicionado

Não prejudiques a mim.


↓ ↓
verbo transitivo objeto direto
direto preposicionado

 quando é formado de nomes referentes a pessoas.

“Amar a Deus sobre todas as coisas.”


↓ ↓
verbo objeto direto
direto preposicionado
61
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

Não prejudiques a João em favor de José.


↓ ↓
verbo transitivo objeto direto
direto preposicionado

 quando é formado de pronome indefinido.

A notícia sensibilizou a todos.


↓ ↓
verbo transitivo objeto direto
direto preposicionado

A muitos amava mas somente a alguns ouvia.


↓ ↓ ↓ ↓
objeto verbo objeto verbo
direto transitivo direto transitivo direto
preposicionado direto preposicionado

 quando é formado do pronome quem (relativo ou indefinido).

Não reconheci a mulher a quem visitamos.


↓ ↓
objeto direto verbo transitivo direto
preposicionado

Não soube a quem cumprimentar primeiro.


↓ ↓
objeto direto verbo transitivo direto
preposicionado

 quando se deseja evitar a ambiguidade na frase.

Enganou ao povo aquele político.


↓ ↓
verbo objeto direto
transitivo direto preposicionado

Traiu ao pai o filho mais velho.


↓ ↓
verbo objeto direto preposicionado
transitivo
direto

 quando se quer dar idéia de parte, porção.

Comi de sua comida e bebi do seu vinho.


↓ ↓ ↓ ↓
verbo objeto direto verbo objeto direto preposicionado
transitivo preposicionado transitivo
direto direto

62
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

DISTINÇÃO ENTRE OBJETO DIRETO PREPOSICIONADO E OBJETO INDIRETO

Objeto direto preposicionado é complemento de um verbo transitivo direto, isto é, que não
exige a presença obrigatória da preposição.
Exemplo:

“Amar a Deus sobre todas as coisas.”


↓ ↓
verbo objeto
transitivo direto
direto preposicionado

Objeto indireto é complemento de um verbo transitivo indireto, isto é, que exige a presença
obrigatória da preposição.

Exemplo:

Precisa de Deus em todos os momentos.


↓ ↓
verbo objeto
transitivo indireto
indireto

OBJETO DIRETO E OBJETO INDIRETO PLEONÁSTICOS

São os objetos que, por motivo de ênfase, aparecem repetidos.


Exemplos de objetos diretos pleonásticos:

Este livro, eu o fechei já na primeira página.


Meus sobrinhos, eu não os vejo já algum tempo.
Minha cunhada, eu a considero minha irmã.

Exemplos de objetos indiretos pleonásticos:

Ao gato, o que lhe demos foi bolinho de carne.


Aos negros, cansados e doloridos, davam-lhes ainda castigos.
A mim ensinaram-me muito.

COMPLEMENTO NOMINAL

É o termo que completa o sentido de uma palavra que não seja verbo. Refere-se a um
substantivo, adjetivo ou advérbio, ligando-se a eles por meio de preposição.

A lembrança do passado martelava na cabeça.


↓ ↓
substantivo complemento nominal

O porão da casa estava cheio de ratos.


↓ ↓
adjetivo complemento nominal

63
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

Os bons políticos agiram favoravelmente ao povo.


↓ ↓
advérbio complemento nominal

Um grande número de nomes que pedem complemento são substantivos abstratos


derivados de verbos significativos.

A queima de fogos. (do verbo queimar)



complemento nominal

A volta à casa. (do verbo voltar)



complemento nominal

O respeito aos mais velhos. (do verbo respeitar)



complemento nominal

A necessidade de amor. (do verbo necessitar)



complemento nominal

A confiança em Deus. (do verbo confiar)



complemento
nominal

O amor ao próximo. (do verbo amar)



complemento nominal

A lembrança do passado. (do verbo lembrar)



complemento nominal

A resistência do fracasso. (do verbo resistir)



complemento nominal

A remessa de lucros. (do verbo remeter)



complemento nominal

O regresso à terra natal. (do verbo regressar)



complemento nominal

A obediência às leis. (do verbo obedecer)



complemento nominal

64
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

DISTINÇÃO ENTRE COMPLEMENTO NOMINAL E OBJETO INDIRETO

Ambos são precedidos de preposição, mas:

 o complemento nominal completa o sentido de um substantivo, adjetivo ou advérbio. Exemplos:

Tenho confiança em Deus.


↓ ↓
substantivo complemento nominal

Ele tem obediência aos mais velhos.


↓ ↓
substantivo complemento nominal

 o objeto indireto completa o sentido de um verbo transitivo indireto.

Confio em Deus.
↓ ↓
verbo objeto
transitivo indireto
indireto

Ele obedece aos mais velhos.


↓ ↓
verbo objeto
transitivo indireto
indireto

AGENTE DA PASSIVA

Numa oração de verbo na voz passiva, em que o sujeito é paciente, pode aparecer o termo
que indica quem ou o quê pratica a ação verbal sofrida pelo sujeito. Esse termo é denominado
agente da passiva.

sujeito
paciente
Elenira era respeitada pelos companheiros do partido.

agente da passiva

sujeito
paciente
A grama fora cortada por Marilisa.

agente da passiva

sujeito
paciente
A cidade estava rodeada de saqueadores.

agente da passiva

65
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

Quando se passa uma oração da voz passiva para a voz ativa, o agente da passiva tem a
função de sujeito agente.

sujeito agente
Os companheiros do partido respeitavam Elenira.

sujeito
agente
Marilisa cortara a grama.

sujeito agente

Saqueadores rodeavam a cidade.

Obs.:
O agente da passiva aparece na voz passiva analítica.
Exemplo:

sujeito paciente
Às 19 horas, as luzes foram acesas pelo vigia noturno.
↓ ↓
voz passiva agente da passiva analítica

Na voz passiva sintética, o agente não é mencionado.

Exemplo:

sujeito paciente
Às 19 horas, acenderam-se as luzes. ?
↓ ↓
voz passiva sintética agente da passiva

TERMOS ACESSÓRIOS DA ORAÇÃO


Existem termos que, apesar de dispensáveis na estrutura básica da oração, são
importantes para a compreensão do enunciado porque acrescentam informações novas:
especificam um nome ou indicam uma circunstância do verbo. São os termos acessórios da
oração.
São termos acessórios:

 adjunto adnominal;  adjunto adverbial;  aposto.

ADJUNTO ADNOMINAL

É o termo que acompanha o nome procurando caracterizá-lo, determiná-lo ou individualizá-


lo.

66
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

FRASE
As pipas coloridas contrastavam com o céu azul.

sujeito
As pipas coloridas
  
adjunto núcleo adjunto
adnominal do sujeito adnominal

substantivo

predicado objeto indireto


contrastavam com o céu azul.

preposição
adjunto
adnominal
núcleo do
objeto indireto
adjunto
adnominal
substantivo

O adjunto adnominal pode ser representado na oração por:

 artigos:

FRASE
Os fogos iluminavam a noite.

sujeito
Os fogos
 
adjunto núcleo do sujeito
adnominal
 
artigo substantivo

predicado objeto direto


iluminavam a noite.
 
adjunto núcleo do
adnominal objeto
direto
 
artigo substantivo

 adjetivos:

67
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

FRASE
As construções antigas eram mais trabalhadas artisticamente.

sujeito
As construções antigas
 
núcleo do sujeito adjunto
adnominal
 
substantivo adjetivo

predicado
eram mais trabalhadas artisticamente.

 numerais:

predicado objeto
direto
? Reproduziram três histórias durante
a aula.
  
sujeito adjunto núcleo do
indet. adnom. objeto direto

 
numeral subst.

 pronomes adjetivos:

sujeito predicado
Muitas pessoas votaram pelo racionamento de água.
 
adjunto núcleo do
adnominal sujeito
 
pronome subst.
adjetivo

 locuções adjetivas:

FRASE
(nós) Tomamos um gostoso suco de melancia na reunião dos naturalistas.

sujeito predicado objeto direto


implícito
(nós) Tomamos um gostoso suco de melancia
 
núcleo do adjunto adnominal
objeto direto

 
subst. locução adjetiva

na reunião dos naturalistas.

68
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

Obs.:
1ª) Segundo a NGB, funcionam também como adjuntos adnominais os pronomes oblíquos com
sentido possessivo:
Pisou-me o pé. (Pisou o meu pé.)
Tirou-nos até a roupa. (Tirou até à nossa roupa.)

2º) O adjunto adnominal constituído de artigos e pronomes adjetivos pode aparecer combinado ou
contraído com preposição. Esta, no entanto, não tem função sintática.
Exemplos:

Dirija-se ao professor.

a o
 
preposição adjunto adnominal

artigo definido

(ao: combinação da preposição a com o artigo definido o)

Nesta rua mora um anjo.

em esta
 
preposição adjunto adnominal

pronome adjetivo

(nesta: contração da preposição em com o pronome adjetivo esta)

ADJUNTO ADVERBIAL

É o termo que se refere ao verbo, ao adjetivo ou a outro advérbio, indicando-lhes uma


circunstância.

sujeito predicado
O tempo passou rapidamente.
 
verbo adjunto
adverbial

APOSTO

É o termo que explica, esclarece, desenvolve ou resume outro termo da oração.

Ouro Preto, a antiga Vila Rica da época da mineração, é hoje uma cidade histórica.

Mário de Andrade, o poeta de São Paulo, viajava pelo Brasil pesquisando a nossa cultura popular.

Obs.:
1º) O aposto pode aparecer antes do termo a que se refere. Exemplo:
Código universal, a música não tem fronteiras.

69
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

2º) O aposto pode aparecer precedido de expressões explicativas. Exemplo:


Alguns ecologistas, a saber, biólogos, professores, humanistas, políticos, entre outros, lutam pela
elaboração de leis que protejam a natureza.

3º) O aposto que se refere ao objeto indireto, complemento nominal ou adjunto adverbial pode
aparecer precedido de preposição. Exemplo:
complemento nominal

Estava ansiosa por tudo, pelos brinquedos, pela roupa nova, pelo bolo de aniversário.

4º) De maneira geral, o aposto é destacado por pausas, que, na escrita, podem ser representadas
por vírgulas, dois pontos ou travessões. Exemplos:
São Paulo, a maior capital do Brasil, vive hoje graves problemas sociais.
Aqui está a mercadoria pedida: arroz, feijão e material de limpeza.
As meninas eram três – Ariadne, Érica e Maíra – e os meninos, quatro – Eduardo, Itamar, Iberê e
Cauê.
Quando não há pausa na fala, não há marcações na escrita:

Minha amiga Diva é ótima pessoa.


A pintora Lila faz de suas telas um registro de sua sensibilidade.

VOCATIVO

É um termo que não mantém relação sintática com outro termo da oração. Não pertence,
portanto, nem ao sujeito, nem ao predicado. É usado para chamar ou interpelar a pessoa a quem
o emissor se dirige.

Companheiros, a decretação da greve será necessária.

Tenham cuidado com os copos, meus filhos.

“Ó pedaço de mim,
Ó metade afastada de mim,
Leva o teu olhar
Que a saudade é o pior tormento...”
(Chico Buarque)

DISTINÇÃO ENTRE VOCATIVO E APOSTO

O vocativo não mantém relação sintática com nenhum outro termo da oração. Exemplo:

Alunos, já bateu o sinal.

O aposto mantém relação sintática com outro termo da oração.


Exemplo:

A vida de Pedro, um dos apóstolos, foi filmada.



sujeito

70
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

sujeito predicado
Edson é muito bom goleiro.
 
adjunto adjetivo
adverbial

sujeito predicado
O pessoal saiu bem depressa.
 
adjunto advérbio
adverbial

O adjunto adverbial pode ser constituído de:

 advérbios:

Dormimos tarde e levantamos cedo.


 
adjunto adverbial adjunto adverbial

Aqui é o meu lugar.



adjunto adverbial

 locuções ou expressões adverbiais:

Ele chegou de repente.



adjunto adverbial

locução adverbial

Viajo nos fins de semana.



adjunto adverbial

expressão adverbial

CLASSIFICAÇÃO DO ADJUNTO ADVERBIAL

os adjuntos adverbiais classificam-se de acordo com a circunstância que expressam. São


muitos, portanto, os tipos de adjunto adverbial:

de tempo – Só obtivemos as respostas da prova no dia seguinte.


de lugar – Tenta-se preservar a vida indígena no Parque Xingu.
de modo – Saiu sem vontade para o supermercado.
de afirmação – Ele virá com certeza.
de negação – Não aceitarei a proposta em hipótese alguma.
de dúvida – Talvez entenda seu erro.
de intensidade – Falou muito, mas não convenceu.
de meio – Viajei de ônibus.
de instrumento – Retirou a terra com a pá.
de companhia – Fui à cidade com meus irmãos.
de causa – O menor trabalha por necessidade.
71
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

de finalidade – Trabalho para o meu sustento. Viajei a negócio.


de matéria – Fez-se a mesa com mármore.
de preço – Comprei uma camisa por duzentos cruzados.
de concessão – Apesar da chuva, saímos.
de assunto – Falamos sobre política um longo tempo.

72
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

QUESTÕES DE CONCURSO

1. Assinale a oração na qual o sujeito é oculto:

a) Encontramos homens e mulheres famintos.


b) Durante a noite, picharam a parede.
c) Existem razões para incriminá-lo
d) Entraram o ministro e seus assessores.
e) Haviam sido realizadas todas as provas do concurso.

2. Em qual das orações abaixo o sujeito é indeterminado?

a) Nada o fará mudar de ideia.


b) Contam-se mil casos sobre aquela moça.
c) Os trombadinhas agiram rápido e levaram tudo.
d) No meio da folia, levaram minha carteira.
e) Não existiam motivos para tanta confusão.

3.

“Basta de covardia! A hora soa...


Voz ignota e fatídica revoa,
Quem vem... Donde? De Deus.
A nova geração rompe da terra,
E qual Minerva armada para a guerra,
Pega a espada... olha os céus.”
(Castro Alves)

No poema há dois verbos destacados. Qual é a classificação do sujeito de cada um deles?

a) simples e oculto
b) inexistente e simples
c) inexistente e oculto
d) oculto e indeterminado
e) oculto e simples

4. “Eis o que escreveu aquela moça magra.”

O termo em destaque é:

a) sujeito
b) objeto direto
c) predicativo do sujeito
d) adjunto adnominal
e) adjunto adverbial

73
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

5. Os termos em destaque têm a mesma função sintática em todas as opções, exceto em uma.
Assinale-a.

a) Nomearam meu primo chefe de delegação.


b) Isso muda muito.
c) Dirigir se tornou mais agradável e perigoso.
d) Fiquei protegido contra as agressões que me reserva o meio ambiente.
e) O calor, o trânsito e o aumento do IPI precipitaram uma decisão ousada..

6. “Ao som da bateria da Escola de Samba Império Serrano, cerca de duas mil pessoas
desfilaram ontem na Avenida Atlântica.”

O sujeito dessa oração é:

a) “... na Avenida Atlântica”


b) “... bateria da Escola de Samba Império Serrano, ...”
c) “Ao som da bateria...”
d) “... cerca de duas mil pessoas...”
e) “... Escola de Samba Império Serrano, ...”

7. Havia pobres e ricos na festa ontem.

Na frase, o verbo está no singular porque:

a) a concordância é facultativa.
b) há um erro de concordância.
c) o sujeito é indeterminado
d) concorda com o sujeito oculto
e) é impessoal

8. Assinale a oração que não possui sujeito:

a) A noite caiu repentinamente sobre a cidade.


b) Nesse mês, vai fazer um ano da sua partida.
c) Choveram tomates sobre o orador.
d) O dia amanheceu bastante límpido.
e) Não havia existido ninguém com tantas qualidades

9. O termo destacado exerce a função de objeto indireto, exceto em:

a) Lembrei-lhe a data de aniversário de sua mãe.


b) Perdi a cabeça durante a discussão e dei-lhe na cara.
c) Devido a problemas de saúde, proibiram-lhe que fumasse.
d) Incumbiram-lhe que entregassem a encomenda.
e) Com certeza, pagou-lhe com bastante atraso.

10. Marque a alternativa cujo termo em destaque não é objeto indireto:

a) O filho dera muitas alegrias à sua velhice.


b) Senhor, rogai por nós.
c) A mãe não lhe negaria o perdão.
d) Desta água não beberei.
e) Nunca te pedi dinheiro.
74
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

GABARITO
01. A
02. D
03. C
04. A
05. A
06. D
07. E
08. B
09. B
10. D

75
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

PERÍODO COMPOSTO
Conceito

As orações podem constituir:

PERÍODOS SIMPLES

As estrelas pareciam cardumes prateados.


um verbo: uma oração
(período simples)

PERÍODOS COMPOSTOS

A discussão começou calma e terminou violenta.


dois verbos: duas orações
(período composto)

Estávamos todos alegres, mas um de nossos amigos contou-nos seu grave problema e
nossos sorrisos tornaram-se preocupação.
três verbos: três orações
(período composto)

Num parágrafo, podem aparecer misturados períodos simples e períodos compostos.

período simples período composto


Era dia de eleição. Os brasileiros levantaram-se
↓ ↓
verbo verbo
cedo e formavam, nas filas, um só corpo com

verbo
prazer de liberdade e de participação.

Período simples é aquele formado de uma só oração.

Período composto é aquele formado de duas ou mais orações.

Obs.:
Quando o verbo da 2ª oração é o mesmo da 1ª oração, não há necessidade de repeti-lo.
Exemplo:

1ª oração 2ª oração
Os rapazes chegaram, as moças não. (chegaram)

76
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

PERÍODO COMPOSTO: COORDENAÇÃO E SUBORDINAÇÃO COORDENAÇÃO

No período composto pode ocorrer, entre uma e outra oração, uma relação sintática de
independência (ou coordenação).

1ª oração 2ª oração
Engoli em seco, nada respondi à ofensa.
↓ ↓
verbo verbo

 Nenhuma das orações se liga sintaticamente a um termo da outra: são orações independentes
ou coordenadas.

 Cada oração tem todos os termos necessários para estar completa:


1ª oração: sujeito (eu) + verbo intransitivo
2ª oração: sujeito (eu) + verbo transitivo direto e indireto + objeto direto (nada) + objeto indireto
(à ofensa)

 Quando as orações são independentes, elas podem sozinhas formar um período. Engoli em
seco. Nada respondi à ofensa.

SUBORDINAÇÃO

Em outros períodos compostos pode ocorrer uma relação sintática de dependência (ou
subordinação) de uma oração para com outra.

1ª oração 2ª oração
Não imaginei que você viesse tão cedo.
↓ ↓
verbo verbo

 O verbo da 1ª oração é transitivo: exige um complemento.


 A 2ª oração é o complemento do verbo transitivo (ela corresponde ao objeto direto a sua vinda
tão cedo).
 A 2ª oração depende do verbo da 1ª oração: é uma oração dependente ou subordinada.

TIPOS DE ORAÇÃO

ORAÇÃO ABSOLUTA

é aquela que forma o período simples.


Hoje as lojas estão muito movimentadas.

Verbo

77
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

ORAÇÃO COORDENADA

é aquela que mantém com outra uma relação sintática de independência.

oração coordenada oração coordenada


Fomos ao cinema, mas ele estava lotado.
↓ ↓
verbo verbo

Obs.:
A relação de independência das orações coordenadas se dá quanto à estrutura sintática e
não quanto à relação semântica (de significado).

ORAÇÃO SUBORDINADA

é aquela que depende sintaticamente de outra oração.

oração subordinada
Procurei quem datilografasse o trabalho.
↓ ↓
verbo verbo

A 2ª oração existe porque o verbo da 1ª necessita de um objeto direto.

ORAÇÃO PRINCIPAL

é aquela da qual a oração subordinada depende.

oração oração subordinada


principal
Procurei quem datilografasse o trabalho.
↓ ↓
verbo verbo

PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO

O período composto por coordenação é formado por orações coordenadas.

1ª oração 2ª oração
Vivia num bairro simples e convivia com pessoa pobres.
↓ ↓
verbo verbo

1ª oração: oração coordenada


2ª oração: oração coordenada
período composto por coordenação

78
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

ORAÇÕES COORDENADAS ASSINDÉTICAS

As orações coordenadas podem aparecer ligadas às outras sem conectivo (elemento de


ligação), ou seja, sem síndeto, sem conjunção. São as orações coordenadas assindéticas.

1ª oração 2ª oração 3ª oração


Chegou, gostou ficou para sempre.
↓ ↓ ↓
verbo verbo verbo

1ª oração: oração coordenada assindética


2ª oração: oração coordenada assindética
3ª oração: oração coordenada assindética período composto por coordenação

ORAÇÕES COORDENADAS SINDÉTICAS

As orações coordenadas podem aparecer ligadas às outras através de um conectivo


(elemento de ligação), ou seja, através de um síndeto, de uma conjunção. São as orações
coordenadas sindéticas.


oração 2ª oração
Olho e sinto falta de alguma coisa nesta sala.
↓ ↓
verbo verbo
conjunção

1ª oração: oração coordenada assindética


2ª oração: oração coordenada sindética período composto por coordenação

CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES COORDENADAS SINDÉTICAS

A ideia expressa nas orações coordenadas sindéticas depende da conjunção que as une:

ADITIVAS

ideia de adição, de soma. Conjunções coordenativas aditivas: e, nem (e não), mas


também, como também...

Aproximou-se e observou tudo à sua volta.


Não veio nem telefonou.
Os cubanos não só conheciam a música mas também a literatura brasileira.
Não só cantava como também representava.

ADVERSATIVAS

ideia de contraste, de oposição. Conjunções coordenativas adversativas: mas, porém,


todavia, contudo, no entanto, entretanto...

A população quis falar ao prefeito, mas não foi atendida.


Muitos viajam, porém poucos conhecem o Brasil.
Habituou-se a viver na mata, contudo sentia falta de amigos.
A estrada era perigosa, entretanto todos queriam fotografá-la.

79
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

EXPLICATIVAS

expressam motivo, razão, explicação. Conjunções coordenativas explicativas: porque, que,


pois (antes de verbo)...

É bom ser criticado, porque assim crescemos interiormente.


Vou sair, que aqui está muito abafado.
Cubatão é uma vergonha nacional, pois é a cidade mais poluída do país.

CONCLUSIVAS

ideia de conclusão. Conjunções coordenativas conclusivas: logo, portanto, por


conseguinte, pois (depois do verbo)...

Para os cientistas, o homem pode viver 200 anos, logo, a qualidade de vida precisa ser
melhorada.
As propagandas são, em geral, de mau gosto, portanto, precisam ser mudadas.
Falta carne no mercado, conheça, pois, a comida vegetariana.

Obs.:
1ª) A conjunção e (aditiva) pode aparecer com valor adversativo. Exemplo:

“É ferida que dói e não se sente.” (Camões)

2ª) A conjunção mas (adversativa) pode aparecer com valor aditivo. Exemplo:

Era um homem trabalhador, mas principalmente honesto.

PERÍODO COMPOSTO POR SUBORDINAÇÃO


Período composto por subordinação é aquele formado por oração principal e oração
subordinada (uma ou mais).

1ª oração 2ª oração
Disse ao aluno que tivesse respeito.
80
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

 
verbo verbo

1ª oração: oração principal


2ª oração: oração subordinada
período composto por subordinação

A oração subordinada pode ser:

 oração subordinada substantiva;


 oração subordinada adjetiva;
oração subordinada adverbial.

ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS

As orações subordinadas substantivas têm as funções sintáticas próprias do substantivo e


são introduzidas pelas conjunções integrantes que e se. Essas orações podem funcionar como:

sujeito do verbo da oração principal.

oração oração
principal subordinada
substantiva
É necessário que ele volte. (sujeito representado por uma oração)


sujeito

objeto direto do verbo da oração principal.

oração oração subordinada


principal substantiva
Espero que ele volte. (objeto direto representado por uma oração)

 
verbo objeto direto
transitivo
direto

objeto indireto do verbo da oração principal.

oração oração
principal subordinada
substantiva
Necessito de que ele volte. (objeto indireto representado por uma oração)

 
verbo objeto indireto
transitivo
indireto

complemento nominal de um termo da oração principal.

oração oração
principal subordinada
substantiva
Tenho necessidade de que ele volte. (complemento nominal representado por uma oração)


complemento nominal

81
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

predicativo da oração principal.

oração oração
principal subordinada
substantiva
Minha esperança é que ele volte. (predicativo representado por uma oração)


predicativo

oposto de um termo da oração principal.

oração oração
principal subordinada
substantiva
Espero somente isto: que ele volte. (aposto representado por uma oração)


aposto

A função da oração subordinada substantiva depende, portanto, da estrutura da oração


principal: mudando-se a estrutura sintática da oração principal, muda-se a função da oração
subordinada substantiva.

oração oração
principal subordinada
substantiva
Minha esperança é que tudo dê certo.
 
verbo de função: predicativo
ligação

oração oração
principal subordinada
substantiva
Tenho esperança de que tudo dê certo.
 
substantivo função: complemento nominal

oração oração
principal subordinada
substantiva
Espero que tudo dê certo.

função: objeto direto

CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS

SUBJETIVA

A classificação das orações subordinadas substantivas depende da função que elas


exercem no período:

82
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

funciona como sujeito de verbos usados na 3ª pessoa do singular. (é bom, será necessário,
convém, parece, importa etc.) e de verbos que se apresentam na voz passiva sintética (sabe-se,
espera-se etc.) ou analítica (foi decidido, será provado etc.).

É necessário que você fale a verdade.


É segredo que os gêmeos saíram de casa.
Sabe-se que o jornal mentiu.
Convém que você não saia a esta hora.
Foi decidido que a população terá tratamento dentário gratuito.
Não se comentava se ela adoecera.
Importa que você seja bom aluno.
Parece que as brincadeiras infantis não existem mais nos tempos de hoje.

OBJETIVA DIRETA

funciona como objeto direto do verbo transitivo direto da oração principal.

Os favelados esperaram que a Secretaria da Saúde instalasse o posto de saúde.

esperaram  verbo transitivo direto

As estatísticas mostram que muitas mulheres são espancadas em casa, pelos maridos.

mostram  verbo transitivo direto

O professor explicou que algumas pessoas discordavam do governo.

explicou  verbo transitivo direto

OBJETIVA INDIRETA

funciona como objeto indireto do verbo transitivo indireto ou transitivo direto e indireto da
oração principal.

O Estado necessitava de que a prisão-albergue fosse construída.

necessitava  verbo transitivo indireto

O historiador convenceu as autoridades de que nossas escolas precisavam ser melhoradas.

convenceu  verbo transitivo direto e indireto

Aquele político aspira a que o elejam prefeito da cidade.

aspira  verbo transitivo indireto

COMPLETIVA NOMINAL

funciona como complemento nominal de um substantivo, adjetivo ou advérbio da oração


principal.

Tínhamos dúvida de que daria certo o acampamento naquele lugar.

83
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

dúvida  substantivo

O sociólogo estava esperançoso de que a pesquisa sobre o Brasil fosse aprovada pelas
autoridades.

esperançoso  adjetivo

A Assembleia Nacional Constituinte votou favoravelmente a que a licença-gestante seja de cento


e vinte dias.

favoravelmente  advérbio

PREDICATIVA

funciona como predicativo do sujeito da oração principal com verbo de ligação.

Nossa esperança é que os povos vivam em paz.

é  verbo de ligação

Sua vontade era que os prisioneiros trabalhassem na lavoura.

era  verbo de ligação

Minha grande vontade é que me deixem escrever.

é  verbo de ligação

APOSITIVA

funciona como aposto, ou seja, como explicação de uma palavra da oração principal.

Àquele homem interessava apenas uma coisa: que muito dinheiro estivesse em suas mãos.

coisa  palavra a ser explicada

A esperança das pessoas pobres é uma: que melhore sua condição de vida.

uma  palavra a ser explicada

Queremos somente isto: que a distribuição de rendas seja mais justa.

isto  palavra a ser explicada

ORAÇÕES SUBORDINADAS ADVERBIAIS


As orações subordinadas adverbiais funcionam como adjuntos adverbiais da oração
principal.

oração principal oração subordinada adverbial

84
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

O vizinho vendeu o terreno ao lado porque precisava de dinheiro.



expressa ideia de causa

oração subordinada adverbial oração principal


Quando cheguei ao supermercado, as portas já estavam fechadas.

expressa ideia de tempo

CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS ADVERBIAIS

As orações subordinadas adverbiais aparecem introduzidas por conjunções subordinativas


não integrantes. Sua classificação é feita segundo o sentido da circunstância adverbial que
expressam:

TEMPORAIS

exprimem ideia do tempo em que ocorre o fato expresso na oração principal. Iniciam-se
principalmente por: quando, logo que, até que, sempre que, enquanto, assim que...

Quando os gatos saem, os ratos fazem a festa.


A antiga moradora reconheceu-me logo que me viu.
Eu ficaria lendo até que o sono viesse.
Sempre que viajávamos, os vizinhos guardavam nossos jornais.

CAUSAIS

exprimem ideia da causa do fato expresso na oração principal. Iniciam-se principalmente


por: porque, já que, visto que, como, uma vez que...

Erroneamente, muitas pessoas acham os índios inferiores porque eles têm outros hábitos
culturais.
Já que estava calor, ninguém quis leite quente.
Chegou cansado, visto que seu trabalho fora muito pesado.
Como era doente, poucos queriam o seu trabalho.
Uma vez que lhe dei o dinheiro, não posso pedi-lo de volta.

CONDICIONAIS

exprimem ideia da condição necessária para a realização do fato expresso na oração


principal. Iniciam-se principalmente por: se, caso, desde que, contanto que...

Se nos convencêssemos do valor nutritivo dos cereais, a proteína animal seria substituída.
Caso ele venha cedo, iremos ao cinema.
Viajaremos ainda hoje, desde que o tempo continue bom.
O plano dará certo, contato que ninguém falhe na sua tarefa.

PROPORCIONAIS

exprimem ideia de proporção, ou seja, um fato simultâneo ao expresso na oração principal.


Iniciam-se principalmente por: à proporção que, à medida que...

À proporção que limpávamos os livros, o cheiro de bolor sumia.


85
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

À medida que chovia, a população catarinense ia deixando suas casas.

Obs.:
A ideia de proporção pode aparecer expressa em elementos correlacionados entre as
orações (quanto mais... tanto mais, quanto menos... tanto mais etc).
Exemplos:
Quanto mais lia, (tanto) mais queria ler.
Quanto menos estudares, (tanto) mais dificuldades encontrarás.

FINAIS

exprimem ideia da finalidade do fato expresso na oração principal. Iniciam-se


principalmente por: para que, a fim de que...

Os nobres da Idade Média compravam o perdão dos padres para que, depois da morte,
conseguissem o céu.
Fiz minha autocrítica a fim de que me sentisse melhor.

CONSECUTIVAS

exprimem ideia de consequência do fato expresso na oração principal. Iniciam-se


principalmente por: que (precedido de tal, tão, tanto, tamanho).

Disse com tal firmeza que todos acreditaram.


Estávamos tão cansados na viagem que víamos imagens duplas.
Chorou tanto na partida que a família se surpreendeu.

CONFORMATIVAS

exprimem ideia de conformidade com o pensamento expresso na oração principal. Iniciam-


se principalmente por: conforme, como, segundo...

O livro foi publicado conforme nós pedimos.


Os policiais reagiram como tínhamos previsto.
Como diziam os mais velhos, beleza não se põe na mesa.
Segundo dizem os cientistas, a sociedade das formigas tem uma perfeita organização.

CONCESSIVAS

exprimem ideia contrária ao fato expresso na oração principal. Iniciam-se principalmente


por: embora, ainda que, se bem que..

Embora houvesse leite estocado, ninguém conseguia encontrá-lo no mercado.


Adorava Elis Regina, ainda que ela fosse “pimentinha”.
Por mais que pedissem novas escolas, o Estado não as construía.
Preciso de um livro de poesia, qualquer que seja ele.
COMPARATIVAS

representam o segundo termos da comparação. Iniciam-se principalmente por: como,


mais... do que, menos.. do que, tão... como, tanto... quanto...

Alguns padres fizeram opção pelos pobres e injustiçados; como Cristo o fez há quase 2.000 anos.
86
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

O ciclista era tão rápido quanto o pensamento.


Ninguém sofreu tanto como aquele homem desempregado.
O programa de rádio estava mais crítico do que informativo.
Nós corríamos que nem lebres assustadas.

Obs.:
Nas orações comparativas o verbo nem sempre aparece expresso; ele pode estar
subentendido.
Exemplo:
O bife estava duro como sola de sapato (é).

PERIODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO E SUBORDINAÇÃO

Num período podem aparecer orações que se relacionam através da coordenação e da


subordinação, formando o período misto.

1ª oração 2ª oração 3ª oração


O homem entrou na sala e pediu que todos saíssem.
↓ ↓ ↓
verbo verbo verbo

1ª oração: oração coordenada assindética.


2ª oração: oração coordenada sindética aditiva em relação à 1ª oração e principal em relação à 3ª
oração.
3ª oração: oração subordinada substantiva objetiva direta em relação à 2ª oração
período composto por coordenação e subordinação

1ª oração 2ª oração 3ª oração


Eram homens que falavam, mas nada faziam.

1ª oração: oração principal


2ª oração: oração subordinada adjetiva restritiva
3ª oração: oração coordenada sindética adversativa em relação à 2ª oração e oração subordinada
adjetiva em relação à 1ª oração
período composto por coordenação e subordinação

Obs.:
O elemento de ligação entre a 3ª geração e a 1ª está subentendida:
Eram homens que falavam mas (que) nada faziam.

ORAÇÕES REDUZIDAS

São reduzidas as orações que apresentam o verbo numa de suas formas nominais:
infinitivo, gerúndio e particípio.

oração principal oração subordinada substantiva objetiva direta

87
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

O professor aceitou que se marcasse nova data para a prova.



Oração desenvolvida

oração principal oração subordinada substantiva


objetiva direta
O professor aceitou marcar nova data para a prova.

oração reduzida de infinitivo

oração subordinada oração principal


adverbial condicional
Caso você saia, feche as portas da casa.

oração desenvolvida

oração subordinada
adverbial condicional oração principal
Saindo, feche as portas da casa.

oração reduzida de
gerúndio

oração subordinada adverbial temporal oração principal


Quando a reunião terminou, todos aplaudiram.

oração desenvolvida

oração subordinada adverbial


temporal oração principal
Terminada a reunião, todos aplaudiram.

oração reduzida de particípio

CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES REDUZIDAS

As orações reduzidas classificam-se de acordo com a forma nominal que possuem e


exercem a mesma função sintática que teriam no período, se fossem desenvolvidas:

REDUZIDAS DE INFINITIVO

são em geral substantivas ou adverbiais e raramente adjetivas.

SUBSTANTIVAS

Exemplos:

Não é vergonhoso errar. (substantiva subjetiva)


É possível contornar o problema. (substantiva subjetiva)
Espero chegar na hora certa. (substantiva objetiva direta)
Tudo dependeria de ele voltar para casa. (substantiva objetiva indireta)
Alguns têm esperança de ter sua casa própria. (substantiva completiva nominal)
A vontade de meu irmão sempre foi ser um profissional correto. (substantiva predicativa)
Faltava-lhe somente uma coisa: ter confiança em si mesmo. (substantiva apositiva)

ADVERBIAIS
88
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

Exemplos:

Ao sair de casa, fechei as janelas. (adverbial temporal)


Sem ler, você não melhorará seu vocabulário. (adverbial condicional)
Apesar de jogar bem, o time não venceu o campeonato. (adverbial concessiva)
O motorista foi obrigado a parar o ônibus por haver um acidente. (adverbial causal)
Muito amedrontado deveria estar o aluno para não sair da classe. (adverbial consecutiva)
As autoridades se organizaram para regularizar o abastecimento do leite. (adverbial final)

ADJETIVAS

Exemplos:

Carlos não era pessoa de falar muito.


Essa é a ferramenta de se cortar a grama.

REDUZIDAS DE GERÚNDIO

são em geral adverbiais e raramente adjetivas.

ADJETIVAS

Exemplos:

A São Paulo, chegam retirantes trazendo apenas esperanças.


Pelas ruas, viam-se homens carregando fome e tristeza.

REDUZIDAS DE PARTICÍPIO

são geralmente adjetivas ou adverbiais.

ADJETIVAS

Exemplos:

O gás natural importado, distribuído no país, não atende a todos.


Recebemos carne congelada vinda do exterior.

ADVERBIAIS

Exemplos:

Montada a feira de artesanato, entraram curiosas as pessoas. (adverbial temporal)


Preocupado com a hora, esqueceu o paletó. (adverbial causal)
Mesmo vencido, o lutador não se rendeu. (adverbial concessiva)

Obs.:
1º) Não são reduzidas as orações que apresentam como núcleo uma locução verbal. Exemplos:
Começou a chover logo cedo.

locução verbal

89
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

Dalva já havia estudado toda a matéria.



locução verbal

2º) Os particípios apresentam-se em muitos casos como simples adjuntos adnominais e


predicativos, não representando uma oração. Exemplos:

Rostos cansados desfilam pelas ruas de São Paulo.



adjunto adnominal

Os bóias-frias volta cansados para casa.



predicativo

3º) Há muitas orações reduzidas que se prestam a mais de uma interpretação. Somente o
contexto poderá, assim, orientar uma análise segura. Exemplos:
Entrando no Museu do Índio, você encontrará muitos documentos indígenas.
A oração destacada poderá ser temporal ou condicional.

Sentindo-se ameaçadas, as crianças submeteram-se aos gritos do desconhecido.


a oração destacada poderá ser temporal ou causal.

ORAÇÕES INTERCALADAS OU INTERFERENTES

São intercaladas ou interferentes orações que, sintaticamente independentes, se


interpõem a outras a título de esclarecimento, advertência, ressalva etc.

Exemplos:

Em 1979, pela primeira vez na história da República, uma mulher entrou para o Senado – seu
nome era Eunice Michilis -, o que significou um grande acontecimento.
Albert Sabin (foi ele quem descobriu a vacina contra a poliomielite) acusou o governo brasileiro de
mentir sobre nossas condições de saúde.

ORAÇÕES SUBORDINADAS ADJETIVAS


As orações subordinadas adjetivas têm o valor e a função próprios do adjetivo.
Exemplos:

90
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

Assistimos a cenas deprimentes.


↓ ↓
substantivo adjetivo

adjunto adnominal

Assistimos a cenas que deprimem.


↓ ↓
substantivo oração subordinada adjetiva

O político corrupto não merece voto.


↓ ↓
substantivo adjetivo

O político que é corrupto não merece voto.


↓ ↓
substantivo oração subordinada adjetiva

A oração subordinada adjetiva é introduzida por pronomes relativos: que, o qual (e


variações), quem, onde, cujo (e variações).

Há situações que não desejamos nunca.


Colocaram uma questão a qual me parecia muito estranha.
Era aquele o homem a quem eu devia um grande favor.
O bairro onde se desenvolveu a favela era industrial.
Existem problemas cujas soluções são dadas pelo tempo.

Obs.:
O pronome relativo pode aparecer precedido de preposição desde que o verbo da oração
em que ele se encontra assim o exija.
Os lugares por que passei nunca me saíram da lembrança.
Estas são as moças com quem trabalho.

DISTINÇÃO ENTRE QUE PRONOME RELATIVO E QUE CONJUNÇÃO INTEGRANTE

Que como pronome relativo introduz oração subordinada adjetiva. Equivale a o qual, a
qual, os quais, as quais.
Exemplo:

oração subordinada
adjetiva
O churrasqueiro que temperou a carne não comeu nada.
↓ ↓
termo (o qual) pronome relativo
antecedente

Que como conjunção integrante introduz oração subordinada substantiva.


Exemplo:

oração subordinada substantiva

O churrasqueiro confirmou que não comera nada.



conjunção integrante
91
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

POSIÇÕES DA ORAÇÃO SUBORDINADA ADJETIVA

Em relação ao termo que modificam, as orações subordinadas adjetivas podem ser:

 depois da oração principal

oração principal oração subordinada adjetiva


Os turistas dirigiam-se ao litoral, onde a natureza as esperava.

 no meio da oração principal

oração oração subordinada adjetiva


principal
A resposta que os policiais esperavam dos sequestradores não veio.
oração principal

CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS ADJETIVAS

Em relação ao termo que modificam, as orações subordinadas adjetivas podem ser:

RESTRITIVAS

são aquelas que restringem o sentido do termo a que se referem.

oração subordinada
adjetiva restritiva
Os homens que são honestos merecem nosso diálogo.

De acordo com esse enunciado, não são todos os homens que merecem nosso diálogo,
mas apenas o conjunto restrito daqueles que são honestos.

EXPLICATIVAS

são aquelas que tornam o termo a que se referem no seu sentido amplo, destacando sua
característica principal ou esclarecendo melhor sua significação, à semelhança de um aposto.

oração subordinada adjetiva


explicativa
Os homens que são seres racionais, merecem nosso diálogo.

De acordo com esse enunciado, todos os homens merecem nosso diálogo, já que a
característica a eles atribuída é comum a todos.

Obs.:
A oração subordinada adjetiva explicativa aparece na escrita separada por vírgulas.

92
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

QUESTÕES DE CONCURSO

1. Nos períodos abaixo, as orações sublinhadas estabelecem relações sintáticas e de sentido


com outras orações:

93
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

I. Eles compunham uma grande coleção, que foi se dispersando à medida que seus filhos
se casavam, levando cada qual um lote de herança. PROPORCIONALIDADE.
II. Mal se sentou na cadeira presidencial, Itamar Franco passou a ver conspirações.
MODO.
III. Nunca foi professor da UnB, mas por ela se aposentou. CONTRARIEDADE.
IV. Mesmo que tenham sido só esses dois, (...) já não se configuraria a roubalheira (...)?
CONCESSÃO.

A classificação dessas relações está correta somente nos períodos:

a) I, II e III.
b) II e IV.
c) I e III.
d) II, III e IV.
e) I, III e IV.

2. Analise o trecho abaixo.

“João, Francisco, Antônio desde pequenos vêm sendo construtivos; enfrentam as maiores
dificuldades, ajudam os pais, amparam os irmãos, realizam breves alegrias entre mil
sombras”.

Do ponto de vista da construção sintática, é correto afirmar que esse período é composto por:

a) subordinação, apresentando três orações


b) coordenação, apresentando quatro orações
c) coordenação, apresentando cinco orações
d) subordinação, apresentando cinco orações
e) coordenação e subordinação, apresentando mais de cinco orações

3. “Um vírus, para sobreviver, tem de se instalar numa célula”.


A expressão destacada no período acima indica ideia de:

a) comparação
b) finalidade
c) condição
d) causa
e) modo

4. "A pequena propriedade rural, assim definida em lei, desde que trabalhada pela família, não
será objeto de penhora para pagamento de débitos decorrentes de sua corrente produtiva."

O valor semântico de desde que, no período acima, estabelece gramaticalmente entre as


orações que liga uma relação de:

94
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

a) causa
b) modo
c) condição
d) finalidade
e) consequência

5. Assinale o período em que a oração em destaque indica a consequência do que foi


declarado na oração anterior:

a) Compareceram ao encontro, conforme havia combinado.


b) Esperamos o resultado dos exames, embora nos pareça muito demorado.
c) Falou mais alto, a fim de que todos o ouvissem melhor.
d) As casas ficaram alagadas, porque a chuva foi muito intensa.
e) Trabalha tanto, que não dispõe de tempo para o lazer.

6. “... choros abafados de crianças que ainda não andam...” Nesse trecho, a oração em
destaque é classificada como subordinada:

a) objetiva direta
b) completiva nominal
c) adjetiva
d) subjetiva
e) objetiva indireta

7. Assinale a opção em que há, no período, oração com função adverbial:

a) O manual explica minuciosamente como operar a máquina, mas não menciona que ela
rejeita com violência o organismo a seu serviço.
b) É relevante saber quanto a tradição deve ser revista, isto é, quando seu cânone precisa
renovar-se.
c) Não se declarou se a aceitação do gerente por parte dos funcionários se deu em função da
sua perda de autoridade na empresa.
d) A falta absoluta de projeto histórico faz alguns eruditos assumirem a posição de
arqueólogos quando descrevem seus objetos.
e) Ignora-se como se deu o acidente e como as pessoas se salvaram.

8. Assinale a alternativa em que a palavra posto é um particípio e introduz uma oração


subordinada reduzida:

a) Posto o sol, a lua apareceu em todo o seu esplendor.


b) Posto alto nesta empresa, só o de gerente.
c) A viagem não foi ruim, posto que tenha feito muito frio.
d) Ela chegou quando que já tinha posto o carro na garagem.
e) Posto de gasolina não dá lucro; além disso, dá muito trabalho.

9. “É evidente que V.S.ª, ao prestar-nos as informações que lhe solicitamos, estará emitindo
simples opinião pessoal, de modo algum ficando responsabilizado pelo que nos adiantar.”

A oração “que V.S.ª estará emitindo simples opinião pessoal” analisa-se como:

a) subordinada adjetiva explicativa


b) subordinada adjetiva restritiva
95
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

c) subordinada substantiva objetiva direta


d) subordinada substantiva subjetiva
e) subordinada substantiva predicativa

10. Observe atentamente as orações em destaque abaixo:

I. Perguntaram-me quando você chegou.


II. Ninguém menciona qual foi o problema dos alunos.
III. Os amigos informaram onde ele estava.
IV. Os presentes indagaram como ele chegou aqui.
V. Retornamos antes que acontecesse algo pior.

Todas as orações em destaque são exemplos de orações subordinadas substantivas, exceto


a oração em destaque no item:

a) I
b) II
c) III
d) IV
e) V

GABARITO
96
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

1. E
2. C
3. B
4. C
5. E
6. C
7. D
8. A
9. D
10. E

CONCORDÂNCIA VERBAL
COM SUJEITO SIMPLES

O verbo concorda com o sujeito em número e pessoa, estando o sujeito antes ou depois
do verbo.
97
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

sujeito simples

“Chico Bóia, com toda a sua gordura, fazia misérias.” (Zéliz Gattai)

Tu a expulsarias de casa?

sujeito simples

Desapareceram no meio da mata os fugitivos

sujeito simples

COM SUJEITO COMPOSTO ANTEPOSTO AO VERBO

a O verbo vai para o plural.

sujeito composto

Ouro Preto e Mariana são cidades marcadas pela antiga mineração.

sujeito composto

A secretária e o diretor chegaram pontualmente.

b Admite-se também o verbo no singular:

 se os núcleos forem sinônimos ou formados de palavras de um mesmo conjunto significativo.


A sinceridade e a franqueza é uma virtude rara. (ou são)
A casmurrice e a sisudez marcava o rosto do velho senhor. (ou marcavam)

 se os núcleos aparecerem em sequência gradativa.


A falta de companhia, a solidão, a angústia levou-o ao bar, onde se embriagou. (ou levaram-
no)
A picada, a coceira, o mal-estar deixou-a nervosa. (ou deixaram-na)

c O verbo ficará no singular:

 se os núcleo se referirem à mesma pessoa ou coisa.


O cidadão brasileiro, o eleitor espera leis sociais mais justas.
A dona de casa, a mãe, a mulher é fundamental na mudança da sociedade.

 se os núcleos apareceram resumidos por tudo, nada, ninguém.


Papel, caneta, lápis, borracha, tudo era instrumento de trabalho do escritor.
Cara feia, beiço caído, nada me fará mudar de ideia.
Pedro, Paulo, José, ninguém me dirá o que devo fazer.

COM SUJEITO COMPOSTO POSPOSTO AO VERBO

a O verbo vai para o plural.

Na obra Capitães de Areia, de Jorge Amado, vivem no trapiche o Gato e o Pedro Bala.

98
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

sujeito composto
Cambaleavam na rua Romeu dos Prazeres e Maria das Dores.

sujeito composto

Na tenda da mãe-preta, ajudavam a todos Exu, Xangô e Ogum.

sujeito composto

b Admite-se também a concordância do verbo com o núcleo mais próximo.

Em um ano ocorreu a condenação do irmão e a perda da esposa.

Nesta casa, mora a viúva e seus três filhos.

COM SUJEITO COMPOSTO DE PESSOAS DIFERENTES

O verbo vai para o plural na pessoa que prevalecer:

 a 1ª pessoa prevalece sobre a 2ª e a 3ª.

Eu, tu e ele faremos a proposta ao professor.


Édson e eu fotografamos tudo naquele passeio.
Atiramos a pedra você e eu.

 a 2ª pessoa prevalece sobre a 3ª.

Tu e ele fareis o trabalho.


Tu e Maria recebereis a indenização.
Deus e tu sois testemunhas.

COM SUJEITO REPRESENTADO POR UM COLETIVO

a Quando o sujeito é formado de um coletivo, o verbo concorda com ele.

O cardume escapou da rede. Os cardumes escaparam da rede.

A boiada do fazendeiro seguia seu caminho. As boiadas do fazendeiro seguiam seu caminho.

b Quando o sujeito é formado de um coletivo singular seguido de adjunto adnominal plural,


admitem-se duas concordâncias:

 de preferência, o verbo fica no singular, concordando com o coletivo.

O bando de andorinhas contrastava com o céu azul.


99
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

A equipe de cinegrafistas deixou a televisão, sob protesto.

Um grupo de mães acompanhou o protesto dos estudantes.

 para dar ênfase ao adjunto adnominal, admite-se o verbo no plural.

O bando de andorinhas contrastavam com o céu azul.

A equipe de cinegrafistas deixaram a televisão, sob protesto.

Um grupo de mães acompanharam o protesto dos estudantes.

COM SUJEITO CONSTITUÍDO DE PRONOMES DE TRATAMENTO

Quando o sujeito for constituído por um pronome de tratamento, o verbo vai para a 3ª
pessoa.

Vossa Excelência entrou em conflito com os parlamentares?


Vossas Excelências entraram em conflito com os parlamentares?
Vossa Senhoria se enganou na remessa de mercadoria?
Vossas Senhorias se enganaram na remessa de mercadoria?

C O N C O R D Â N C I A V E R B A L: O U T R O S CASOS

COM SUJEITO CONSTITUÍDO DE NOMES PRÓPRIOS QUE SÓ TÊM PLURAL

Quando o sujeito é formado de um nome próprio plural, podem ocorrer as seguintes


construções:

 se o nome não for precedido de artigo, o verbo fica no singular.

Minas Gerais não possui mar, mas suas montanhas aproximam o homem do infinito.
Campinas é um rico município paulista.

 se o nome for precedido de artigo, o verbo vai para o plural.

As Minas Gerais produzem excelentes escritores.


Os Estados Unidos sustentam sua riqueza explorando outros países.

Observação
Quando se trata de títulos de obras, admite-se o plural ou o singular. Exemplos: Os
lusíadas são (é) um grande poema em que Camões fala da história de Portugal. As minas de
prata, de José de Alencar, já foi adaptada (foram adaptadas) como novela de televisão.

100
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

COM SUJEITO CONSTITUÍDO PELOS PRONOMES

RELATIVOS QUE E QUEM

a Se o sujeito for constituído pelo pronome relativo que, o verbo concordará em número e
pessoa com o antecedente desse pronome.

Fui eu que paguei a conta. Foste tu que pagaste a conta.

Fomos nós que pagamos a conta. Foram eles que pagaram a conta.

b Se o sujeito for constituído pelo pronome relativo quem, o verbo irá para a 3ª pessoa do
singular.

Fui eu quem pagou a conta. Fomos nós quem pagou a conta.

Observação
Na língua popular, quando o pronome relativo quem aparece como sujeito, é comum o
verbo concordar com o antecedente desse pronome. Exemplos:

Fui eu quem paguei a conta. Fomos nós quem pagamos a conta.

COM SUJEITO ORACIONAL

Se o sujeito for representado por uma oração, o verbo fica na 3ª pessoa do singular.

1ª oração 2ª oração
Não adianta vocês ficarem na fila do leite.
 
or.principal sujeito da oração principal

1ª oração 2ª oração
Decidiu-se todos ficarem discutindo?
 
or.principal sujeito da oração principal

COM SUJEITO CONSTITUÍDO DE INFINITIVOS

Quando os núcleos de um sujeito forem constituídos de infinitivos, poderão ocorrer as


seguintes concordâncias:

 o verbo irá para o plural se os infinitivos aparecerem determinados.

101
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

O conversar e o discutir são necessários para nosso amadurecimento.


O trabalhar e o descansar são direitos de qualquer pessoa.

 o verbo poderá ficar no singular se os infinitivos não aparecerem determinados.

Conversar e discutir é necessário para nosso amadurecimento.


Lutar, reivindicar, analisar os problemas é tão normal como respirar.

COM NÚCLEOS DO SUJEITO LIGADOS POR OU

Quando os núcleos do sujeito forem ligados pela conjunção ou, poderão ocorrer as
seguintes concordâncias:

 o verbo ficará no singular sempre que houver ideia de exclusão.

O ministro do Trabalho ou o da Justiça anunciará a nova lei.


José ou Gilberto casará com Cláudia.
Márcia ou Júnior será o representante da classe.

 o verbo concordará com o núcleo mais próximo se os núcleos representarem pessoas


diferentes ou se houver ideia de retificação.

José ou eu casarei com Cláudia.


Até agora não foi solicitada a passagem ou as passagens aéreas.
O marginal ou os marginais arrebentaram a porta da escola, por nada.

 o verbo irá para o plural se não houver ideia de exclusão.

A bebida ou o fumo prejudicam a saúde.


No silêncio da noite, o barulho do grilo ou o do vento na folha aumentavam a insônia da Anita.
O excesso de trabalho ou o excesso de ginástica provocam dores.

COM NÚCLEOS DO SUJEITO LIGADOS POR COM

Quando os núcleos do sujeito forem ligados pela preposição com, o verbo irá para o plural.

O pedreiro com o marceneiro não terminaram o serviço a tempo.


Augusto Matraga com o casal de pretos começaram vida nova.
O técnico com mais dois preparadores físicos pediram demissão.

OBSERVAÇÃO
Admite-se o verbo no singular quando se quer enfatizar o primeiro elemento do sujeito.
Exemplos:
A mulher com os filhos menores conseguiu a pensão alimentar.
O velho senhor com sua filha reagiu contra o motorista de táxi.

102
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

VERBO COM O PRONOME SE apassivador

Quando o verbo transitivo direto ou transitivo direto e indireto aparece apassivado pelo
pronome se, concorda com o seu sujeito.

Analisou-se o plano de reforma agrária. Analisaram-se os planos de reforma agrária.


   
verbo transitivo sujeito verbo transitivo sujeito
direto direto

Do lado de fora, ouvia-se o gemido do doente.


 
verbo transitivo sujeito
direto

Do lado de fora, ouviam-se os gemidos do doente.


 
verbo transitivo sujeito
direto

Entregou-se uma flor à mulher. Entregaram-se flores à mulher.


   
verbo transitivo sujeito verbo transitivo sujeito
direto e indireto direto e indireto

VERBO COM O PRONOME SE índice de indeterminação do sujeito

O verbo fica na 3ª pessoa do singular quando a indeterminação do sujeito é marcada pelo


pronome se com verbo transitivo indireto e verbo intransitivo.

FRASE
? Precisa-se de homens e mulheres corajosos.

? – sujeito indeterminado
Precisa-se – verbo transitivo indireto
de homens e mulheres corajosos. – objeto indireto

FRASE
? Assiste-se a belos espetáculos no Carnaval carioca.

? – sujeito indeterminado
Assiste-se – verbo transitivo indireto
A belos espetáculos – objeto indireto
no Carnaval carioca – adjunto adverbial de lugar

FRASE
? Descansa-se muito em Peruíbe.

? – sujeito indeterminado
Descansa-se – verbo intransitivo
muito – adjunto adverbial de intensidade
103
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

em Peruíbe – adjunto adverbial de lugar

COM SUJEITO FORMADO POR EXPRESSÕES

a Um ou outro – o verbo fica no singular.

Hoje, um ou outro viaja a Brasília.


Sempre uma ou outra levava a mãe ao médico.
Uma ou outra redação merecia críticas.

b Um e outro, nem um nem outro, nem... nem... – o verbo vai, de preferência, para o plural.

Um e outro esculpiam a madeira da porta.


Depois do lanche, uma e outra expunham os dentes contentes.
Nem um nem outro quiseram pedir desculpas.
Nem a miséria nem a orfandade o abateram.

c Um dos que, uma das que – o verbo vai, de preferência, para o plural.

Eu era uma das que mais brincavam na escola.


A editora parecia uma das que mais pagavam direitos autorais.
O tradutor é um dos que menos aparecem e mais trabalham.

d Mais de, menos de – o verbo concorda com o numeral que segue a expressão.

Mais de um tenista representou o Brasil nas Olimpíadas.

Mais de cem pessoas morreram no incêndio da Vila Socó.

e A maior parte de (ou uma porção de, grande número de, a maioria de) – o verbo fica, de
preferência, no singular.

A maior parte dos pesquisadores precisa de mais verbas.


Grande número de empresários nem se preocupou com as notícias.
Uma porção de alunos faltou à aula hoje.
A maioria dos casos de infecção ocorre por falta de saneamento básico.

Observação

Essas expressões aparecem, muitas vezes, com o verbo no plural, concordando com o
substantivo plural que as segue. Exemplo:
A maior parte dos professores sentem necessidade de bons livros.

f Quais de vós, quantos de nós, alguns de nós – admitem as seguintes concordâncias:

 o verbo concorda com o pronome indefinido ou interrogativo, ficando na 3ª pessoa do


plural.

104
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

Quais de vós são humildes?


Quantos de nós lutaram por melhores dias?
Alguns de nós telefonaram à polícia.
Muitos de nós assistiram à partida de vôlei.

 O verbo concorda com o pronome pessoal.

Quais de vós sois humildes?


Quantos de nós lutamos por melhores dias?
Alguns de nós telefonamos à polícia.
Muitos de nós assistimos à partida de vôlei.

Observação
Se o pronome indefinido ou interrogativo estiver no singular, o verbo ficará na 3ª pessoa do
singular.
Exemplo:
Algum de nós telefonou à polícia.

COM SUJEITO FORMADO POR NÚMERO PERCENTUAL

a O verbo poderá concordar com o numeral ou com o termo a que se refere a porcentagem.

Um por cento dos coveiros recebeu aumento salarial.

Um por cento dos coveiros receberam aumento salarial.

87% da produção de arroz foram vendidos.

87% da produção de arroz foi vendida.

b O verbo concordará com o numeral, se este aparecer com determinantes.

Os 87% da produção de arroz foram vendidos.

Aqueles 30% de lucro obtido desapareceram.

CONCORDÂNCIA DA EXPRESSÃO HAJA VISTA

Com a expressão haja vista podem ocorrer as seguintes construções:

 A expressão fica invariável.

105
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

Haja vista aos ladrões de colarinho branco. (= atente-se)


Haja vista os ladrões de colarinho branco. (= por exemplo)

 o verbo haver pode variar.

Hajam vista os ladrões de colarinho branco. (= vejam-se)

CONCORDÂNCIA DOS VERBOS

DAR SOAR BATER

Na indicação de horas, esses verbos concordam com o número de horas, que


normalmente é o sujeito. A não ser que sejam usadas outras palavras como sujeito.

Deu uma hora no relógio da matriz. Deram cinco horas no relógio da matriz.
 
sujeito sujeito

Naquele momento soavam oito horas.



sujeito

Batiam dez horas e os boias-frias abriam suas marmitas sob o sol forte.

sujeito

Observação
Esses verbos podem ter outra palavra como sujeito, com a qual devem concordar.
Exemplo:
Deu cinco horas o relógio da matriz.

sujeito

FALTAR SOBRAR BASTAR

Esses verbos concordam com o sujeito.

Falta uma semana para terminar a competição. Faltam quinze minutos para as duas horas.
 
sujeito sujeito

Sobrou-me apenas, o dinheiro para a condução.



sujeito

Sobraram-me,apenas, alguns trocados para o café.



sujeito
106
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

Basta uma palavra sua para que tudo se resolva. Alguns dias de férias já me bastam.
 
sujeito sujeito

CONCORDÂNCIA DOS VERBOS IMPESSOAIS

Por não possuírem sujeito, os verbos impessoais ficam na 3ª pessoa do singular.

Não havia, em outros jardins, flores mais belas.


Havia três anos que Sílvia se mudara para a França.
Faz cinco anos que nos separamos.
No Nordeste faz invernos amenos.
Choveu na sua horta, mas na minha geou.

Observação
1º) Quando acompanhado de verbo auxiliar, o verbo impessoal transmite ao auxiliar a sua
impessoalidade.
Exemplos:
Deverá haver feiras de artesanato nas férias.

(auxiliar)

Começou a haver cambalachos no jogo. Na prova não pode haver borrões.


 
(auxiliar) (auxiliar)

2º) Os verbos que exprimem fenômenos da natureza podem deixar de ser impessoais quando
empregados em sentido figurado. Exemplos:
Choviam salivas da boca de Mariquita.
As vozes trovejaram no meu ouvido.
Relampejavam contentes os olhos do menino, diante da vitrina.

3º) Na língua popular é comum o uso do verbo ter, impessoal, no lugar de haver ou existir.
Exemplos:
Em Monte Alegre do Sul tem festividades em homenagem a São Bom Jesus, padroeiro da cidade.
Tem gente nova no pedaço.
Tem dias que a gente levanta com o pé esquerdo.

CONCORDÂNCIA DO VERBO SER

O verbo ser ora concorda com o sujeito ora concorda com o predicativo.
Destacam-se os seguintes casos:

107
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

a Se o sujeito e o predicativo forem representados por nomes de coisa (abstrata ou concreta)


e um deles estiver no plural, o verbo concordará com o que estiver no plural.

Essas dores são o meu sofrimento.

A compra são uns retalhos coloridos.

Muitas vitórias eram o seu sonho.

Durante dias, a fruta foram seus alimentos.

Observação
Nesse caso, admite-se a concordância no singular quando se deseja fazer prevalecer um
elemento sobre o outro.
Exemplo: A vida é ilusões.

b Se um dos elementos (sujeito ou predicativo) referir-se a pessoa, o verbo concordará com


ela.

Minha vaidade são os meus filhos.

Minhas alegrias é esta criança.

c Se um dos elementos (sujeito ou predicativo) for pronome pessoal, com este concordará o
verbo.

As crianças abandonadas e os trabalhadores desempregados não somos nós.


No meu setor, eu sou o chefe. O parlamentar sempre ausente sois vós.

O candidato à presidência do sindicato és tu. Você era os meus sonhos.

Observação
Sendo ambos os termos (sujeito e predicativo) representados por pronomes pessoais, o
verbo concorda com o pronome sujeito.
Exemplos: Eu não sou ele. Ele não é eu.

d Se o sujeito for representado por pronomes neutros – sem flexão de gênero e de número
(tudo, aquilo, isso, o, isto) – e o predicativo estiver no plural, o verbo concordará, de preferência,
com o predicativo.

Naquela loja, tudo eram quinquilharias. No amor nem tudo são alegrias.

Aquilo eram cobras venenosas disfarçadas de gente. Isso são lembranças de viagens.

O que machuca bastante são as agressões verbais.


Observação
Pode ocorrer também o verbo no singular concordando com o pronome.
Exemplo:
“E tudo é chuvas que orvalham.” (Fernando Pessoa)

108
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

e Como impessoal na indicação de horas, dias e distância, o verbo ser concorda com o
numeral.

É uma hora.
São oito e quinze da noite.
Eram 23 de abril quando partimos no navio.
Da praia até a nossa casa, são cinco quarteirões.

Observação
Na indicação de dia, o verbo ser admite as seguintes concordâncias:
 no singular, concordando com a palavra dia explícita.
Exemplo: Hoje é dia 2 de agosto.

 no plural, concordando com o numeral, sem a palavra dia explícita.


Exemplo: Hoje são 2 de agosto.

 no singular, concordando com a ideia implícita de dia.


Exemplo: Hoje é 2 de agosto.

f Se o sujeito indicar peso, medida, quantidade e for seguido de palavras ou expressões


como pouco, muito, menos de, mais de etc., o verbo ser fica no singular.

Cinco quilos de arroz é pouco.


Trezentos cruzados novos pela passagem é muito.
Seis litros de álcool é menos do que precisamos.
Oito metros de elástico é mais do que pedi.

g Se o sujeito for representado por palavra ou expressão de sentido coletivo ou partitivo e o


predicativo estiver no plural, o verbo ser concordará com o predicativo.

O restante eram verduras murchas.


O resto foram cenas de terror.
O mais são pérolas atiradas aos porcos.
No Brasil, a maioria da população eleitora são mulheres.

h Se o predicativo for o pronome demonstrativo o, mesmo o sujeito estando no plural, o


verbo ser ficará no singular.

Dores é o que não sinto.


Cartas amorosas e anônimas era o que me escreviam.
O vento e a brisa é o que os alimentam.

CONCORDÂNCIA DO VERBO PARECER

a O verbo parecer antes de infinitivo admite duas concordâncias:

 varia o verbo parecer e não se flexiona o infinitivo.


109
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

Com a falta de notícias, as pessoas de casa pareciam emudecer.


As cenas do palhaço pareciam alegrar a criançada.
As pescarias pareciam dar vida nova ao meu pai.

 não varia o verbo parecer e flexiona-se o infinitivo.

Com a falta de notícias, as pessoas de casa parecia emudecerem.


As cenas do palhaço parecia alegrarem a criançada.
As pescarias parecia darem vida nova ao meu pai.

b O verbo parecer fica no singular com oração desenvolvida.

As paredes parece que têm ouvidos. (Parece que as paredes têm ouvidos.)
Seus olhos parecia que guardavam todos os segredos do mundo.
(Parecia que seus olhos guardavam todos os segredos do mundo.)
Suas palavras pareceu que eram lamentos. (Pareceu que suas palavras eram lamentos.)

QUESTÕES DE CONCURSO
1. Assinale a alternativa correta quanto à concordância verbal.

a) Soava seis horas no relógio da matriz quando eles chegaram.


110
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

b) Apesar da greve, diretores, professores, funcionários, ninguém foram demitidos.


c) José chegou ileso a seu destino, embora houvessem muitas ciladas em seu caminho.
d) Fomos nós quem resolvemos aquela questão.
e) O impetrante referiu-se aos artigos 37 e 38 que ampara sua petição.

2. Indique a série que corresponde às formas apropriadas para os enunciados abaixo.

As diferenças existentes entre homens e mulheres ____ ser um fato indiscutível. 1. parece 2.
parecem
Alguns cientistas, desenvolvendo uma nova pesquisa sobre a estrutura do cérebro, os efeitos
dos hormônios e a psicologia infantil, ____ que as diferenças entre homens e mulheres não
se devem apenas à educação. 3. propõe 4. propõem
____ diferenças cerebrais condicionadoras das aptidões tidas como tipicamente masculinas
ou femininas. 5. Haveria 6. Haveriam
____ ainda pesquisadores que consideram os machos mais agressivos, em virtude de sua
constituição hormonal. 7. Existe 8. Existem
Como sempre, discute-se se é a força da Biologia, ou meramente a Educação, que ____
sobre o comportamento humano. 9. predomina 10. predominam

a) 2,4,5,8,9
b) 1,4,6,8,9
c) 2,4,6,7,10
d) 2,3,5,8,10
e) 2,4,6,7,9

3. Indique o único segmento que apresenta concordância verbal condizente com as normas do
português padrão.

a) O funcionamento dos dois hemisférios cerebrais são necessários tanto para as atividades
artísticas como para as científicas.
b) As diferentes divisões e subdivisões a que se submetem a área de ciências humanas
provocam uma indesejável pulverização de domínios do conhecimento.
c) Normalmente, a aplicação de métodos quantitativos e exatos acabam por distorcer as
linhas de raciocínio em ciências humanas.
d) Uma das premissas básicas do conjunto de assunções teóricas e epistemológicas do
trabalho que ora vem a lume é a concepção da Arte como uma entre as muitas formas por
meio das quais o conhecimento humano se expressa.
e) Não existem fórmulas precisas ou exatas para avaliar uma obra de arte, não existe um
padrão de medida ou quantificação, tampouco podem haver modelos rígidos pré-
estabelecidos.

4. Concordância verbal incorreta.

a) V. Excelência é generoso.
b) Mais de um jornal comentou o jogo.
c) Elaborou-se ótimos planos.
111
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

d) Eu e minha família fomos ao mercado.


e) Os Estados Unidos situam-se na América do Norte.

5. Concordância verbal correta.

a) Foi aí que todos entramos na sala.


b) As pessoas esquecem-se de mandarem mensagens aos amigos.
c) Cada um dos alunos receberam seus cadernos.
d) Três mil cruzados são pouco pelo serviço.
e) Não me consta tais informações.

6. Concordância verbal incorreta.

a) Poderá haver problemas.


b) V. Senhoria já se decidiu?
c) Eu e tu iremos hoje.
d) Você e ele ficarão de guarda.
e) Quando chegares, telefone-me.

7. Concordância verbal correta.

a) Cala-te e ouça!
b) Cala-te e ouve!
c) Cala-se e ouve!
d) Cala-te e ouves!
e) Cala-se e ouça!

8. Assinale a alternativa que preenche corretamente as lacunas dos períodos abaixo:

Pedrinho ________ as esperanças dos pais.


________ fazer horas que eles saíram.
Dez quilos ________ suficiente para a viagem.
Joaquim ou Manoel ________ com Maria.

a) são – Devem – são – casarão.


b) são – Devem - é – casarão
c) é – Deve – são - casarão
d) são – Deve – são - casará
e) é – Deve – é – casará

9. A única concordância verbal correta está na afirmativa:

a) O que fizeram Capitu e eu?


b) No relógio deu duas horas.
c) Fazem, hoje, dois meses de sua morte.
d) Houveram muitas discussões naquela reunião.
e) Os Estados Unidos são o país mais poderoso do mundo.

10. Indique a única frase que passaria a apresentar erro de concordância verbal, se tivesse o
verbo sublinhado no singular:

a) "Um dos soldadinhos que me acompanhavam chorava como um desgraçado." (G. Ramos)
b) "Os sentenciados houveram do poder público a comutação da pena." ( G. Góis)
112
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

c) "E quanto enfim cuidava e quanto via, eram tudo memórias de alegria." (Camões)
d) "O conselho se reuniu, e decidiram recomeçar a guerra." (B. Guimarães)
e) "Um turbilhão de sentimentos nos acodem." (L. Coelho)

G A B A R I T O:

113
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

1. D
2. A
3. D
4. C
5. A
6. E
7. B
8. E
9. E
10. B

CONCORDÂNCIA NOMINAL

CONCORDÂNCIA DO ADJETIVO (na função de Adjunto Adnominal) COM O SUBSTANTIVO

114
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

a. O adjetivo concorda em gênero e número com o substantivo a que se refere.

“Braços abertos para a estrada amarela e suarenta que ia e vinha, o cruzeiro abençoava os
que chegavam e os que partiam.”
(Antônio Torres)

b. Um só adjetivo referindo-se a mais de um substantivo de gênero ou número diferentes.

 Quando vem após os substantivos, pode:

─ ir para o masculino plural.

O vaqueiro e a moça apaixonados fugiram pelo sertão afora.

A distância, a mulher e o mar calmos pareciam uma pintura.

─ concordar com o substantivo mais próximo.

A remessa e o destinatário francês estavam detidos na alfândega.

Temos de decidir pelo caminho e pela vida mais tranquila.

 Quando vem antes dos substantivos, concorda geralmente com o mais próximo.

Os antigos postes e luminárias foram reconduzidos ao museu.

Endurecido o cimento e a cal, nada pudemos fazer.

c. Mais de um adjetivo referindo-se a um só substantivo.

 O substantivo vai para o plural sem que se repita o artigo antes de cada adjetivo.

Conheci os líderes africano e americano que lutavam contra o preconceito racial.

As populações mineira e sulista participaram da feira do gado.

 O substantivo fica no singular e se repete o artigo de cada adjetivo.

Conheci o líder africano e o americano que lutavam contra o preconceito racial.

A população mineira e a sulista participaram da feira do gado.

CONCORDÂNCIA DO ADJETIVO (em função predicativa) COM O SUJEITO

a. Predicativo e sujeito simples

115
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

 O predicativo concorda em gênero e número com o sujeito simples.

Os meus olhos permaneciam embaçados pela névoa. Ela sorria satisfeita


↓ ↓
predicativo do sujeito predicativo do sujeito

b. Predicativo e sujeito composto

 Quando o predicativo aparece após o sujeito, podem ocorrer as seguintes concordâncias:

─ se os substantivos do sujeito composto são do mesmo gênero, o predicativo toma a forma


plural do gênero dos substantivos.

O ódio e o amor pareciam idênticos.

As malas e as sacolas estavam pesadas.

─ se os substantivos são de gêneros diferentes, o predicativo toma a forma masculina


plural.

A pulseira e o anel eram dourados como os cabelos.

O teatrólogo e a contista ficaram surpresos com o prêmio.

 Quando o predicativo aparece antes do sujeito constituído de substantivos de gêneros


diferentes, podem ocorrer as seguintes concordâncias:

─ ir para o masculino plural.

São italianos a revista e o jornal.

Estavam aflitos o homem e as mulheres.

─ concordar com o substantivo mais próximo.

É italiana a revista e o jornal.

Estava aflito o homem e as mulheres.

c. Predicativo e sujeito representado por pronome de tratamento

 Quando um sujeito é constituído de pronome de tratamento, é comum concordar o


predicativo com o sexo da pessoa a quem se refere.

Sua Alteza ficou revoltada com os jornalistas. (com referência a uma princesa)

Sua Excelência é desonesto com o povo. (com referência a um depurado)


Observação
A concordância do predicativo com o objeto é feita segundo as regras do predicativo com o
sujeito.

116
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

Exemplos: Consideraram os rapazes e as moças satisfeitos.


Consideraram satisfeitos as moças e os rapazes.
Consideraram satisfeitas as moças e os rapazes.

CONCORDÂNCIA DO NUMERAL COM O SUBSTANTIVO

a. Os numerais cardinais que sofrem flexões de gênero concordam com o substantivo a que se
referem.

Havia, na reunião, apenas duas mulheres.


Na festa de despedida, apenas uma funcionária falou.

Observação
Com o numeral um (uma) o substantivo fica no singular e, com os demais, vai para o
plural.
Exemplos: É uma hora. São três horas.

b. Quando mais de um numeral ordinal se referir a um mesmo substantivo:

 o substantivo fica no singular ou vai para o plural se os numerais forem precedidos de artigo.

O primeiro e o segundo andar do edifício foram danificados.


O primeiro e o segundo andares do edifício foram danificados.

 o substantivo irá para o plural se não houver repetição do artigo.

O primeiro e segundo andares do edifício foram danificados.


A segunda e terceira séries foram à excursão.

 o substantivo irá para o plural se aparecer antes dos numerais.

Os andares primeiro e segundo do edifício foram danificados.


As séries segunda e terceira foram à excursão.

CONCORDÂNCIA DO PRONOME COM O SUBSTANTIVO

a. O pronome concorda em gênero e número com o substantivo a que se refere.

Poucos homens acreditavam que aquelas medidas fossem justas.


O proprietário alugou a casa mas antes reformou-a.

(casa)

b. Se o pronome se referir a mais de um substantivo de gêneros diferentes, vai para o masculino


plural.

Agressões e tapas, recebera-os sem saber o porquê.


Reencontrou os antigos vizinhos e suas filhas, com os quais brigou.
117
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

Observação
O pronome demonstrativo o pode aparecer invariável em construção como: As condições
humanas ainda não são iguais, mas um dia o serão.

CONCORDÂNCIA DO PARTICÍPIO COM O SUBSTANTIVO

O particípio concorda em gênero e número com o substantivo a que se refere:

 nas orações reduzidas.

Dado o sinal, todos se retiraram.


Terminadas as entrevistas, os políticos saíram.

 na voz passiva.

Foram anotadas as reclamações do dia.


Foi encontrado o corpo do rapaz.

Observações
1ª) Quando o particípio se refere a dois ou mais substantivos de gêneros diferentes, toma a forma
masculina plural.
Exemplo:
Com a notícia, os desejos e as esperanças foram aumentados.

(voz passiva)
2º) O particípio não varia quando forma tempo composto.
Exemplo:
Ninguém havia anotado as reclamações.
Todos haviam anotado as reclamações.

CONCORDÂNCIA NOMINAL: OUTROS CASOS

É PRECISO – É NECESSÁRIO – É BOM – É PROIBIDO

Com expressões desse tipo podem ocorrer duas construções:

 com sujeito sem elemento determinante, essas expressões ficam invariáveis.

É preciso álcool para limpar a mesa.


É necessário segurança para se viver bem.
É bom plantação de erva-cidreira para afugentar formingas.
É proibido entrada de pessoas estranhas.

 com sujeito acompanhado de elemento determinante, essas expressões concordam com ele
em gênero e número.

Seriam precisos vários conferencistas.


É necessária a tua denúncia no tribunal.
118
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

É boa a plantação de erva-cidreira para afugentar formigas.


É proibida a entrada de animais.

MESMO – PRÓPRIO – INCLUSO – ANEXO – OBRIGADO – QUITE

Essas palavras concordam, geralmente, com o nome a que se referem.

Os alunos mesmos organizaram o trabalho.


Elas próprias decidiram a questão.
Declaro ter recebido inclusa a escritura do imóvel.
Anexa ao requerimento, segue a fotocópia da Carteira de Identidade.
Anexos à página 7, estão os comentários do livro.
─ Muito obrigado ─ disse ele.
─ Muito obrigada ─ respondeu ela.
Estou quite com as minhas dívidas.
Estamos quites com as nossas obrigações.

BASTANTE – MEIO

Essas palavras podem aparecer como advérbios ou como adjetivos:

 ficam invariáveis se funcionarem com o valor de advérbio.

Perguntaram bastante sobre o assunto.


↓ ↓
verbo advérbio

A melancia estava meio estragada.


↓ ↓
advérbio adjetivo

 variam se funcionarem com valor de adjetivo ou numeral fracionário.

Fizeram bastantes perguntas sobre o assunto.


↓ ↓
adjetivo substantivo

Meia melancia estava estragada.


↓ ↓
numeral substantivo

Era meio-dia e meia (= meia hora)



numeral

Observação
Ocorre o mesmo com: muito, pouco, caro, longe.

Exemplos: Os carros custam caro. Os carros caros são mais sofisticados.


Os alunos moram longe da escola. Andamos por longes terras.

119
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

SÓ – A SÓS

A palavra só pode aparecer como advérbio ou como adjetivo:

 como advérbio equivale a somente, ficando invariável.

Todos concordaram, só eles não.

 como adjetivo equivale a sozinho, sendo variável.

As crianças permaneciam sós. Fiquei a sós por um longo tempo.

Ficaram a sós por um longo tempo. A expressão a sós é invariável.

MENOS – ALERTA – PSEUDO – A OLHOS VISTOS

São invariáveis.

Na classe há menos moças do que rapazes.


Nos movimentos grevistas, os policiais ficam alerta.
Trata-se de pseudo-especialistas.
O dinheiro inflacionado desaparece a olhos vistos.

POSSÍVEL

A palavra possível pode aparecer:

 invariável, quando usada em expressões superlativas com o artigo no singular.

O candidato tentou obter o maior número de votos possível.


Recebemos o menor número de informações possível.
Ela deixou as portas o mais bem fechadas possível.

 variável, quando o artigo dessas expressões aparece no plural.

As notícias que trouxe são as melhores possíveis.


As costuras eram as mais perfeitas possíveis.
Nós fazíamos os trabalhos mais completos possíveis.

SUBSTANTIVOS LIGADOS POR OU

Com substantivos de gêneros diferentes ligados por ou, o adjetivo pode:

120
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

 tomar a forma masculina plural.

Para participar daquela festa, era necessário o uso de camisa ou vestido brancos.

 concordar com o substantivo mais próximo.

Para participar daquela festa, era necessário o uso de camisa ou vestido branco.
Para participar daquela festa era necessário o uso de vestido ou camisa branca.

ADJETIVOS ADVERBIALIZADOS

Os adjetivos que, na frase, são usados com valor de advérbios terminados em –mente
ficam invariáveis.

Procuraram ir direto à seção de pessoal. Olhavam-nos torto.


Jogaram alto em seus planos. Recebi os livros junto com os documentos.
Os jogadores batiam forte nos adversários. Eles falam macio, mas são bastante severos.

QUESTÕES DE CONCURSO

1. Opção incorreta quanto à concordância nominal.


121
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

a) O bilhete e as cartas estavam anexos ao processo.


b) Vão anexos os documentos.
c) Seguem anexos as cópias.
d) Os documentos devem ser enviados.
e) Remetemos anexas as cópias.

2. Na ordem, preencha corretamente as lacunas.

1. Justiça entre os homens é ____.


2. É ____ a entrada de pessoas estranhas.
3. A água gelada sempre é ____.

a) necessário, proibida, gostosa


b) necessária, proibida, gostoso
c) necessário, proibida, gostoso
d) necessária, proibido, gostoso
e) necessário, proibido, gostosa

3. Única opção que completa corretamente a frase: ____ as providências a ____ no caso, ____ sua
urgência.

a) Decidiu-se, ser tomadas, dada


b) Decidiram-se, serem tomadas, dada
c) Decidiram-se, serem tomadas, dado à
d) Decidiu-se, serem tomadas, dada
e) Decidiram-se, serem tomadas, dado

4. Levando em consideração as regras de concordância nominal, escreva (1) para as frases corretas e (2)
para as incorretas.

( ) Quando a senhora terminou de abrir as malas, já era meio-dia e meia.


( ) A própria sogra presenciou a abertura das malas; sim, ela mesmo.
( ) Anexo àquela carta destinada ao pai da moça, foram remetidas as joias.
( ) Ao final da tarde, a senhora mostrava-se meio apreensiva.
( ) Naquelas bagagens havia joias muito preciosas.

A sequência correta é:

a) 1, 1, 2, 2, 1;
b) 2, 1, 1, 2, 2;
c) 1, 2, 1 ,2 , 1;
d) 2, 2, 1, 1, 2;
e) 1, 2, 2, 1, 1

5. Aponte o trecho correto, no tocante à concordância.

a) Muitos com certeza ficaram surpresos com a quantidade de cartazes que, de uma hora para outra, foi
espalhado pelos quatro cantos da universidade.
122
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

b) Mais uma vez as chapas se formaram às escondidas dos estudantes, sem que se tivessem qualquer
acesso às informações.
c) Nossa postura sempre foi a de procurar ampliar as possibilidades da participação do maior número
possíveis de estudantes neste processo.
d) O caminho mais correto seria a formação de uma chapa ampla que englobasse todas as posições e
correntes de pensamento, e que estas representassem o fruto das discussões que foi levado nas
reuniões de cada departamento.
e) Obedecendo ao prazo legal, a discussão será restrita e o espaço destinado às campanhas eleitorais
será expressamente curto; não concordamos em limitações ou restrições às discussões
necessariamente sérias.

6. Marque o conjunto que apresenta uma concordância não compatível com a norma padrão:

a) Atitudes e gestos belicosos / belicosas atitudes e gestos.


b) Amor e ira eternos / eterna ira e vingança.
c) Os preocupados pai e mãe / os famosos Machado e Alencar.
d) Seguem em anexo as fotos / Seguem anexas as fotos.
e) Os candidatos não eram nenhum bobocas / Não votaram em candidato nenhum.

7. Marque o item que apresenta erro de concordância nominal.

a) O que queima mais calorias, meia hora de flexões ou duas horas de um bom jogo de carteado entre
amigos?
b) O corpo gasta mais de 70% de toda a sua energia na manutenção da atividade celular.
c) Os pesquisadores americanos atribuíram valores médios à queima de calorias provocada pelas
atividades físicas.
d) Verificou-se, entre indivíduos tensos ou agitados, a queima de 800 calorias diárias.
e) Só para se manterem vivos, indivíduos de 70 quilos queima cerca de 63 calorias por hora.

8. Assinale a opção em que não há erro.


.
a) Seguem anexo os formulários pedidos.
b) Não vou comprar esta camisa. Ela está muito caro!
c) Estas questões são bastantes difíceis.
d) Eu lhes peço que as deixem sós.
e) Estando pronto os preparativos para o início da corrida, foi dada a largada.

9. “... seja promovida nas escolas de Primeiro, Segundo e Terceiro Grau”. O item a seguir em que ocorre
um caso de concordância nominal idêntico ao que está destacado nessa frase do texto é:

a) Procedimento, trabalho e amor cristão.


b) A lei mostrava um novo objetivo e tática.
c) O governo merece eterno agradecimento e elogio.
d) O ministro mostrou bela cultura e talento.
e) Esta e aquela motivação da lei são justas.

10. “Mulheres e homens bonitos”. A única forma errada entre as que estão abaixo, mantendo-se
o sentido original é:

a) bonitas mulheres e homens;


b) bonitos homens e mulheres;
c) homens e mulheres bonitas;
123
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

d) homens e mulheres bonitos;


e) bonitos mulheres e homens.

G A B A R I T O:

124
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

1. C
2. A
3. B
4. E
5. E
6. E
7. E
8. D
9. E
10. E

REGÊNCIA VERBAL

125
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

Regência verbal é a maneira como o verbo (termo regente) se relaciona com os seus
complementos (termos regidos).
Há verbos que admitem mais de uma regência sem que o sentido seja alterado.

Aquele homem não esquecia os favores recebidos.


↓ ↓
verbo objeto direto
transitivo
direto

Aquele homem não se esquecia dos favores recebidos.


↓ ↓
verbo objeto indireto
transitivo
indireto

Há outros verbos, porém, que, mudando-se a regência, muda-se o significado.

Nesta cidade aspiramos ar poluído. (aspiramos → sorvemos)


↓ ↓
verbo objeto direto
transitivo
direto

Eles aspiram a um mês de férias. (aspiram → almejam)


↓ ↓
verbo objeto indireto
transitivo
indireto

Regência de alguns verbos:

AJUDAR

Pode aparecer como:

transitivo direto. Toda a vizinhança ajudava a velha senhora.


transitivo direto e indireto (preposição a). O motorista ajudou-nos a carregar as malas.

ASPIRAR

Pode aparecer como:

transitivo direto (sentido de sorver, absorver).


O doente aspirou o álcool e começou a melhorar.
transitivo indireto (sentido de almejar, pretender, preposição a).
Os trabalhadores aspiravam à maior segurança no trabalho.

Observação
Como transitivo indireto, aspirar não admite as formas pronominais lhe, lhes, mas sim as
formas a ele(s), a ela(s).
Exemplo: A televisão anunciou os vários tênis da moda, mas não aspirávamos a eles.
126
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

ASSISTIR

Pode aparecer como:

transitivo direto (sentido de dar assistência, ajudar).


O veterinário assistiu o gato com muita dedicação.

Observação
Como transitivo direto admite a voz passiva.
Exemplo: O gato foi assistido pelo veterinário com muita dedicação.

Transitivo indireto (sentido de presenciar, preposição a). As mulheres assistiram ao espetáculo.

Observação
1º) Nesse sentido, o verbo assistir não admite as formas pronominais lhe, lhes, mas sim a ele(s), a
ela(s).
Exemplo: O torneio de natação foi muito divulgado, por isso todos assistiram a ele.

2º) Como transitivo indireto não admite a voz passiva.


No uso popular, porém, é comum essa construção.
Exemplo: As comemorações de 1º de Maio foram assistidas por milhares de trabalhadores.

transitivo indireto (sentido de caber, pertencer; preposição a).


Assiste ao técnico o trabalho de escalar o time.

intransitivo (sentido de morar, residir). O carioca assiste na cidade do Rio de Janeiro.

Observação
O verbo assistir neste sentido é pouco usado.

CHAMAR

Pode aparecer como:

Transitivo direto (sentido de convidar, convocar).


Nós chamamos alguns amigos para a festa. Nós os chamamos para a festa.

Observação
Com o mesmo sentido, pode aparecer com a preposição de realce por.
Exemplo: O sapateiro chamou por você.

transitivo direto ou transitivo indireto (sentido de denominar, cognominar) com as seguintes


construções:

─ transitivo direto (com objeto direto + predicativo sem preposição).


127
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

Chamaram-no caloteiro.

─ transitivo direto (com objeto direto + predicativo com preposição).


Chamaram-no de caloteiro.

─ transitivo indireto (com objeto indireto + predicativo sem preposição).


Chamaram-lhe caloteiro.

─ transitivo indireto (com objeto indireto + predicativo com preposição).


Chamaram-lhe de caloteiro.

CHEGAR

Intransitivo (preposição a).


Cheguei ao cinema.

adjunto adverbial

CUSTAR

Pode aparecer como:

transitivo indireto (sentido de ser custoso, ser difícil). Custou ao menino aquele trabalho pesado.
transitivo direto e indireto (sentido de acarretar). A irresponsabilidade custou-lhe o emprego.

ESQUECER LEMBRAR

Podem aparecer como:

transitivos diretos (quando não forem pronominais).


Esqueci o livro de História. Lembrei o nome do artista.

transitivos indiretos (quando forem pronominais; preposição de).


Esqueci-me do livro de História. Lembrei-me do nome do artista.

transitivos indiretos (quando significarem, respectivamente, cair no esquecimento e vir à


lembrança).
Esqueceram-me todos os fatos passados. (= Esqueci todos os fatos passados.)
Lembraram-me todos os fatos passados. (= Lembrei todos os fatos passados.

transitivo direto (sentido de fazer recordar). Marcelo lembra o pai na maneira de andar.

transitivo direto e indireto (sentido de advertir). Lembramos aos alunos a hora da prova.

INFORMAR

Pode aparecer como:

128
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

objeto direto – pessoa Informamos o policial do (ou sobre o) acidente.


objeto indireto - coisa

objeto indireto – pessoa Informamos ao policial o acidente.


objeto direto - coisa

Observação
O mesmo ocorre quando o objeto for uma oração.
Exemplos: Informa-o de que os trabalhos estão terminados.
Informa-lhe que os trabalhos estão terminados.

IR
Intransitivo (com preposição)

Fui ao clube. Fui para Santos.



adjunto adverbial

OBEDECER DESOBEDECER

Transitivos indiretos (preposição a).


Os motoristas obedecem aos sinais de trânsito.
Poucos desobedeciam à faixa de pedestres.

Observação
Apesar de transitivos indiretos, esses verbos admitem a voz passiva.
Exemplo: Os sinais de trânsito são obedecidos pelos motoristas.

PAGAR PERDOAR

Podem aparecer como:

transitivos diretos (quando o objeto refere-se a coisa).


Há governos que não pagam o décimo terceiro salário.
Sem dificuldades, o bom homem perdoava nossas falhas.

transitivos indiretos (quando o objeto refere-se a pessoa; preposição a).


Já pagaram ao conferencista.
Nesta época de crise, o governo não perdoou aos devedores.

transitivos diretos e indiretos (quando possuem os dois objetos).


Há firmas que pagam salários injustos aos funcionários.
O agiota não perdoava a dívida aos devedores.

PREFERIR

Transitivo direto e indireto (preposição a).


Preferia a dura verdade do filho à doce mentira do marido.
129
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

PRESIDIR

Transitivo direto ou transitivo indireto.


Poucos presidiram o Sindicato dos Metalúrgicos como ele.
Presidiram ao júri cinco mulheres.

PROCEDER

Pode aparecer como:

intransitivo (sentido de ter fundamento, ter procedência, sem preposição).


Tua resposta estúpida não procede.

transitivo indireto (sentido de originar-se, provir de; preposição de).


Muito de nossa cultura procede da África e dos povos indígenas.

transitivo indireto (sentido de dar andamento; preposição a).


O médico da seleção procedeu aos cortes dos jogadores contundidos.

QUERER

Pode aparecer como:

transitivo direto (sentido de desejar).


Queríamos um pouco de paz e aquele lugar era ideal.

transitivo indireto (sentido de estimar, gostar; preposição a).


Aquela senhora queria muito aos netos.
Quero-lhe muito; por isso conte comigo.

SIMPATIZAR ANTIPATIZAR

Transitivos indiretos (preposição com).


Todo o país simpatizou com a ideia de eleição.
A classe antipatizou com o novo aluno.

VISAR

Pode aparecer como:

transitivo direto (sentido de apontar, mirar).


O homem visou o alvo e disparou o tiro.

transitivo direto (sentido de passar visto).


Para nossa segurança, visamos o cheque antes de viajar.

transitivo indireto (sentido de pretender, ter em vista; preposição a).


130
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

Nós visávamos a um pouco de sol aos dias calmos da praia.

QUESTÕES DE CONCURSO

131
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

1. Marque onde há erro na regência do verbo:

a) Ela chegou na cidade ontem à noite.


b) Eu o vi ontem, no cinema.
c) Obedeça às minhas ordens.
d) Informei os amigos sobre a carta.
e) Paga o que deve aos teus funcionários.

2. Que frase apresenta erro na regência nominal?

a) Ninguém está imune a influências.


b) Ela já está apta para dirigir.
c) Tinha muita consideração por seus pais.
d) Ele revela muita inclinação com as artes.
e) Era suspeito de ter assaltado a loja.

3. Era tão rancoroso, que preferiu _______ triste _____ saber que era feliz.

a) vê-la - que.
b) a ver - do que.
c) a ver - a.
d) vê-la - do que.
e) vê-la - a.

4. Há erro de regência verbal no item:

a) Algumas ideias vinham ao encontro das reivindicações dos funcionários, contentando-os,


outras não.
b) Todos aspiravam a uma promoção funcional, entretanto poucos se dedicavam àquele
trabalho, por ser desgastante.
c) Continuaram em silêncio, enquanto o relator procedia à leitura do texto final.
d) No momento este departamento não pode prescindir de seus serviços devido ao grande
volume de trabalho.
e) Informamos a V.Sa. sobre os prazos de entrega das novas propostas, as quais devem ser
respondidas com urgência.

5. Marque a alternativa incorreta quanto à regência verbal:

a) Na verdade, não simpatizo com suas ideias inovadoras.


b) Para trabalhar, muitos preferem a empresa privada ao serviço público.
c) Lamentavelmente, não conheço a lei que te referes.
d) Existem muitos meios a que podemos recorrer neste caso.
e) Se todos chegaram à mesma conclusão, devem estar certos.

6. Assinale a alternativa incorreta quanto à regência:

a) Creio que os trabalhadores estão muito conscientes de suas obrigações para com a pátria.
132
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

b) O filme a que me refiro aborda corajosamente a problemática dos direitos humanos.


c) Esta nova adaptação teatral do grande romance não está agradando ao público; eu,
porém, prefiro esta àquela.
d) O trabalho inovador de Gláuber Rocha que lhe falei chama-se Deus e o Diabo na Terra do
Sol.
e) José crê que a classe operária está em condições de desempenhar um papel importante
na condução dos problemas nacionais.

7. O emprego dos pronomes relativos precedidos de preposição está correto apenas em:

a) Recebeu promoção a servidora a cuja dedicação tanto deve nosso setor.


b) Olhem as notícias de cujas vocês vão saber os detalhes no jornal das cinco.
c) Esse é o tipo de assunto sobre o que não temos certeza nenhuma.
d) Já se vislumbrava o prejuízo do qual sua atitude acarretaria.
e) Verificou-se a procedência do recurso ao qual os contribuintes pedem revisão dos
cálculos.

8. Assinale a alternativa que melhor completa a oração a seguir. “A professora ___ lhe falamos
é aquela, ___ outra é ___ diretora do curso”.

a) de que - À - a
b) a quem - À - à
c) de que - À - à
d) a que - A - à
e) de quem - A - a

9. Considere o trecho abaixo:

“Eu queria saber é quem está no aparelho.


Ah, sim. No aparelho não está ninguém.
Como não está, se você está me respondendo?
Eu estou fora do aparelho. Dentro do aparelho não cabe ninguém.
Engraçadinho! Então, quem está ao aparelho?
Agora melhorou. Estou eu, para servi-lo.”
(Carlos Drummond de Andrade)

Marque o par de verbos com problema de regência idêntico ao do texto:

a) Meditar num assunto - meditar sobre um assunto.


b) Sentar à mesa - sentar na mesa.
c) Estar em casa - estar na casa.
d) Assistir o doente - assistir ao doente.
e) Chamar o padre - chamar pelo padre.

10. Assinale a opção que apresenta a regência verbal incorreta, de acordo com a norma culta
da língua:

133
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

a) Os sertanejos aspiram a uma vida mais confortável.


b) Obedeceu rigorosamente ao horário de trabalho do corte da cana.
c) O rapaz presenciou o trabalho dos canavieiros.
d) O fazendeiro agrediu-lhe sem necessidades.
e) Ao assinar o contrato, o usineiro visou, apenas, ao lucro pretendido.

GABARITO
134
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

1. A
2. D
3. E
4. E
5. C
6. D
7. A
8. E
9. B
10. D

CRASE

135
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

Na contração da preposição a ocorre a fusão de dois sons idênticos. A essa fusão de sons
idênticos dá-se o nome de crase.
Exemplos:

 contração da preposição a com o artigo definido feminino a.


Fui à festa.

Fui a + a festa.
↓ ↓
verbo ir substantivo pede o artigo a
pede preposição a

 contração da preposição a com pronome demonstrativo.


Fui àquela festa.

Fui a + aquela festa.



verbo ir: pede preposição a

Observação
Na escrita, o sinal indicativo de crase é o acento grave ( ` ).

CASOS EM QUE OCORRE CRASE

a Antes de palavras femininas que admitem artigo, desde que o termo regente exija preposição:

Devemos obedecer a as leis.


↓ ↓
termo artigo
regente palavra
que exige feminina
preposição a que admite
artigo
preposição

→ Devemos obedecer às leis.

Se não houver ambas as condições não ocorrerá a crase.

Danificaram a estrada.
↓ ↓
termo regente artigo
que não exige termo regido que admite artigo
preposição
preposição

Danificaram a estrada.

136
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

artigo

Fui a Campinas.

artigo
preposição termo regido que não admite artigo

termo regente que exige preposição

Fui a Campinas.

preposição

Quando se tratar de nome de lugar, uma maneira fácil de saber se esse nome admite ou
não artigo é construir a frase usando o verbo voltar.

Observe:
Voltei de Campinas.

preposição
não admite artigo

Então,
Fui a Campinas.

preposição

Voltei da Bahia.
de + a
↓ ↓
preposição artigo

admite artigo

Fui à Bahia.

a a
preposição artigo

b Com os pronomes demonstrativos aquele, aquela, aqueles, aquelas e aquilo, desde que o
termo regente exija preposição a:

Fui a aquele cinema. Fui àquele cinema.



preposição

Refiro-me a aquilo. Refiro-me àquilo.



preposição

c Com pronomes a, as, quando demonstrativos representando aquela ou aquelas,


desde que o termo seguinte exija preposição:
137
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

Esta cena é igual à que vi ontem.


Esta cena é igual a (aquela) que vi ontem.

preposição

Estas cenas são iguais às que vi ontem.


Estas cenas são iguais a (aquelas) que vi ontem.

preposição

d Antes dos pronomes relativos a qual ou as quais, desde que o termo regente exija
preposição:
Esta é a moça à qual me referi.
Estas são as moças às quais me referi.
(Verbo referir-se pede a preposição)

e Na indicação de horas:
Chegamos à uma hora. Saímos às dez horas.

f Nas locuções adverbiais femininas:


Saímos à noite. Sentiu-se à vontade.
Sentou-se à direita. Respondeu às pressas.

g Nas locuções prepositivas formadas de palavras femininas: à beira de, à custa de, à forma
de, à sombra de, à moda de:
Era bonito o entardecer à beira do lago. À custa do irmão ela conseguiu estudar.

h Nas locuções conjuntivas: à medida que, à proporção que:


À medida que caminhava, recordava-se da infância.
A saudade aumentava à proporção que chegavam suas cartas.

CASOS EM QUE NÃO OCORRE CRASE

a Antes de palavra masculina:


Gostava de andar a cavalo.

Obs.: Nas construções:


Usava sapatos à Luís XV.
Elaborou um texto à Graciliano Ramos.
há o sinal indicativo de crase porque se tem subentendida a locução prepositiva à moda de:
Usava sapatos à moda de Luís XV.
Elaborou um texto à moda de Graciliano Ramos.

b Antes do verbo:
Estou disposto a colaborar.
138
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

c Antes da maioria dos pronomes, por eles não admitirem artigo:


Dirijo-me a Vossa Excelência com todo o respeito.
Referiram-se a nós ontem na discussão?
Respondi a todas as cartas que recebi.
Não é este o salário a que aspirávamos.

Obs.:
Entre os pronomes de tratamento excetuam-se senhora e senhorita, já que admitem artigo.
Exemplo: Peço à senhora que fique mais um pouco.

d Antes de palavras no plural que não são definidas pelo artigo:


Discutiam a portas fechadas.
Não tem hábito de ir a reuniões de condomínio.

e Antes das palavras casa e terra quando não tiverem elementos modificadores:
Chegaram a casa e não disseram nada.
As naus voltaram a terra.

Obs.:
Quando essas palavras aparecem com modificadores há a crase.
Exemplos: Chegaram à casa de César muito tarde. As naus voltaram à terra de origem.

f Nas locuções adverbiais formadas de elementos repetidos:


gota a gota a água cairá no balde.

g Na expressão a distância:
Os pais observavam os filhos a distância.

Obs.:
Se, porém, essa expressão aparecer determinada, haverá crase.
Exemplo: Os pais observavam os filhos à distância de uns cem metros.

CASOS EM QUE A CRASE É FACULTATIVA

a Antes de nomes próprios femininos referentes a pessoas:


Refiro-me a Ana Cristina. Refiro-me à Ana Cristina.

b Antes de pronomes possessivos femininos:


Não me referi a sua capacidade. Não me referi à sua capacidade.

c Após a preposição até:


Irei até a escola. Irei até à escola.

QUESTÕES DE CONCURSO

139
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

1. Das orações abaixo, uma apresenta incorreção quanto ao uso do sinal indicativo da crase.
Assinale-a:

a) Pôs-se a correr assim que viu a bruxa.


b) Todos estão a lhe prestar as devidas homenagens póstumas.
c) Entregue a ela todos os livros que tomamos emprestados.
d) Vários ataques terroristas têm sido planejados para destruir a cidade de Nova Iorque.
e) Pedro foi a cidade de Nova Iorque em meio aos ataques terroristas.

2. O acento grave, indicador de crase, foi empregado corretamente, exceto na alternativa:


a) Após o almoço, todos podem dirigir-se à sala.
b) Mamãe, nós voltaremos à noite, a não ser que a chuva nos impeça.
c) Quando chegarmos à Bahia, a primeira coisa a fazer é visitar as igrejas.
d) Tu já escreveste àquele teu amigo?
e) Não falo à pessoas estranhas.

3. Indique a sentença em que não foi empregado adequadamente o acento indicador de crase:

a) “Foi o que procurei fazer, na medida do possível e ao longo de vários anos, ouvindo
reações à proposta que apresentara.”
b) “A hora das frivolidades acabara, a que começava era a do sacrifício austero e diuturno.”
c) “Posto que Jorge falasse do coronel nas cartas que escrevia à mãe, não o dava como
amigo seu.”
d) “Comparava-se ao mar daquela manhã, nem borrascoso nem quito, mas levemente
empolado e crespo, tão prestes a adormecer de todo, como a crescer e arremessar-se à
praia.”
e) “De Buenos Aires chegava-lhe na véspera, a tarde, a notícia da morte de um irmão, se
último parente.”

4. Preencha as lacunas da frase abaixo e assinale a alternativa correta:

“Comunico ____ V.S.a que encaminhamos ____ petição anexa ____ Divisão de Fiscalização
que está apta ____ prestar ____ informações solicitadas.”

a) a, a, à, a, as
b) à, a, à, a, às
c) a, à, a, à, as
d) à, à, a, à, às
e) à, a, à, à, as

5. Assinale o item que preenche corretamente as lacunas da frase:


140
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

“Em virtude de investigações psicológicas ____ que me referi, nota-se crescente aceitação de
que é preciso pôr termo ____ indulgência e ____ inação com que temos assistido ____
escalada da pornoviolência.” (S. Pfromm)

a) à, a, à, a
b) a, à, à, à
c) a, a, a, à
d) à, à, a, a
e) à, à, a, à

6. Marque a letra cuja sequência preenche corretamente, pela ordem de aparecimento, as


lacunas do trecho abaixo.

O exame das propostas da reforma fiscal, ___ primeira abordagem, leva ____ conclusão de
que ____ carga tributária continuará ____ incidir mais sobre os salários e menos sobre lucros
e grandes fortunas.

a) à, à, a, a
b) à, a, à, a
c) a, a, a, à
d) a, à, a, a
e) a, a, à, a

7. Complete as lacunas, adequadamente, usando uma das alternativas abaixo:

Não pergunte nada ___ mim, porém ___ quem esteve presente ___ reunião.

a) a–a–a
b) a–a–à
c) à–à–à
d) à–a–à
e) à–à–a

8. Assinale a frase cujo a deve levar acento indicador de crase:

a) Gostava de andar a cavalo.


b) Requereu a autoridade competente.
c) Comunicou o fato a quem de direito.
d) Referia-se a Copacabana.
e) Deixai vir a mim as criancinhas.

9. Assinale a alternativa em que todos os as possuem o acento indicador de crase:

a) Não nos referimos a todas as funcionárias, mas as que faltaram no feriado.


b) Informamos a V. S.ª que foram feitas novas concessões a empresa privada.
c) Nosso objetivo é dar apoio a teses que forneçam subsídios a política educacional.
d) Devido a ausência do professor, entregaremos o estudo a você ou a ela.
e) A custa de muito sacrifício, fomos aquela reunião a qual compareceram muitas
autoridades.

10. Assinale a relação cujas palavras, em correspondência com as frases, preencham


convenientemente as respectivas lacunas:
141
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

Não perguntei ____ essa funcionária, mas ____ que usa óculos, se daqui ____ pouco poderei
vir retirar o salário que me devem ____ muito.

a) a – a – há – a
b) à – a – a – há
c) à–à–à–a
d) a – a – há – há
e) a – à – a – há

142
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

GABARITO
01. E
02. E
03. E
04. A
05. B
06. A
07. B
08. B
09. E
10. E

143
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

PONTUAÇÃO
Para reproduzirmos, na linguagem escrita, os inumeráveis recursos da fala, contamos com
uma série de sinais gráficos denominados sinais de pontuação. São eles:

o ponto ( . ) o ponto de interrogação ( ? )


o ponto de exclamação ( ! ) a vírgula ( , )
o ponto e vírgula ( ; ) os dois pontos ( : )
as aspas ( “ “ ) o travessão (  )
as reticências ( ... ) os parênteses ( ( ) )

Alguns sinais de pontuação servem, fundamentalmente, para marcar pausas (o ponto, a


vírgula, o ponto e vírgula). Outros têm a função de marcar a melodia, a entoação da fala (ponto de
exclamação, ponto de interrogação etc.).
Não é fácil fixar regras para o emprego correto dos sinais de pontuação, uma vez que,
além dos casos em que o uso de determinados sinais é obrigatório, existem também razões de
ordem subjetiva para sua utilização. A seguir, passaremos a expor algumas orientações sobre o
assunto.

Ponto

É utilizado para encerrar qualquer tipo de período, exceto os terminados por orações
interrogativas ou exclamativas. É um dos sinais que indica maior pausa.
Anoitecia.
Eu sou estudante.
Refiz as contas e não descobri onde errei.

Obs.: O ponto é também usado para indicar abreviação de palavras.


Sr., Sra., Srtª., V.Exª., Obs., Ex., etc.

Ponto de interrogação

É usado no fim de orações interrogativas diretas. Nunca é colocado no fim de uma oração
interrogativa indireta.
Entendeu?
Será que vai chover?
Se eu terminar os exercícios, posso ir com você?

Ponto de exclamação

É colocado após determinadas palavras, como as interjeições, e orações enunciadas com


entoação exclamativa. Denota, entre outras coisas, entusiasmo, alegria, dor, surpresa, espanto,
ordem.
Olá!
Ah!
Entendi!
Ótimo!
Que susto!
Mãos ao alto!
144
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

Não toque em nada!

Vírgula

A vírgula é o sinal de pontuação que indica uma pausa de curta duração, sem marcar o fim
do enunciado. A vírgula pode ser empregada para separar termos de uma oração (vírgula no
interior da oração), ou para separar orações de um período (vírgula entre orações).

Vírgula no interior da oração

Em português, a ordem normal dos termos na frase é a seguinte: sujeito – verbo –


complementos do verbo – adjuntos adverbiais. Quando os termos da oração se dispõem nessa
ordem, dizemos que ocorre ordem direta (ou ordem lógica).

Muitos alunos estudaram a matéria da prova com afinco.


sujeito verbo obj.direto adj.adverbial

Quando ocorre qualquer alteração na sequência lógica dos termos, temos a ordem
indireta.

Com afinco, muitos alunos estudaram a matéria da prova.


termo deslocado

Quando a oração se dispõe em ordem direta, não se separam por vírgulas seus termos
imediatos. Assim, não se usa vírgula entre o sujeito e o predicado, entre o verbo e seu
complemento, e entre o nome e seu complemento ou adjunto.

Muitos imigrantes europeus chegaram ao Brasil naquele ano.


sujeito predicado

Todos os alunos apresentaram a redação ao professor.


verbo complemento

A áspera resposta ao candidato deixou-o magoado.


adj. Nome compl.
adnom. nominal

Usa-se vírgula no interior da oração para:

1. marcar intercalações

Os termos que se intercalam na ordem direta, quebrando a sequência natural da frase, devem
vir isolados por vírgulas.

Assim, separam-se:

a) O aposto intercalado:

Misha, símbolo das Olimpíadas, é um ursinho simpático.


aposto

145
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

b) Expressões de caráter explicativo ou corretivo:

A sua atitude, isto é, o seu comportamento na aula merece elogios.


expressão
explicativa

Não haverá aula amanhã, ou melhor, depois de amanhã.


expressão
corretiva

c) Conjunções coordenativas intercaladas:

A sua atitude, no entanto, causou sérios desentendimentos.


conj.
intercalada

Havia, porém, um inconveniente sério.


conj.
intercalada

d) Adjuntos adverbiais intercalados:

Os candidatos, naquele dia, receberam a imprensa.


adj. adv.
intercalado

Obs.: Se o adjunto adverbial intercalado for de pequena extensão (um simples advérbio, por
exemplo), não se usa a vírgula, uma vez que não houve quebra da sequência lógica do
enunciado.
Os candidatos sempre receberam a imprensa.
advérbio

2. marca termos deslocados

Normalmente, quando um termo é deslocado de seu lugar original na frase, deve vir separado
por vírgula.
Nesse sentido, separam-se:

a) o adjunto adverbial anteposto

Naquele dia, os candidatos receberam a imprensa.


adj. adv.
anteposto

Obs.: Se o adjunto adverbial anteposto for um simples advérbio, a vírgula é dispensável.


Hoje os candidatos deverão receber os jornalistas credenciados.
advérbio

b) o complemento pleonástico antecipado:

Este assunto, já o li em algum lugar.


compl.pleonástico
anteposto

146
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

c) o nome do lugar na indicação de datas:

São Paulo, 28 de agosto de 1966.


Roma, 14 de fevereiro de 1989.

3. marcar a omissão de uma palavra (geralmente o verbo)

Ela prefere cinema e eu, teatro.

4. marcar o vocativo

“Meus amigos, a ordem é a base do governo.” (Machado de Assis)


vocativo

Obs.: Pode-se, em vez de vírgula, marcar o vocativo com um ponto de exclamação a fim de dar
ênfase.
“Deus” ó Deus! onde estás que não respondes?” (Castro Alves)

5. separar termos coordenados assindéticos

Aquela paisagem nos despertava confiança, tranquilidade, calma.


“Quaresma convalesce longamente, demoradamente, melancolicamente.” (Lima Barreto)

Obs.:
 Se os termos coordenados estiverem ligados pelas conjunções e, ou, nem não se usa a
vírgula.
Aquela paisagem nos despertava confiança, tranquilidade e calma.
Pedro ou Paulo casará com Heloísa.
Não necessitavam de dinheiro nem de auxílio.

 Se essas conjunções vierem repetidas para dar ideia de ênfase, usa-se a vírgula.
E os pais, e os amigos, e os vizinhos magoaram-no.
Não caminhava por montanhas, ou florestas, ou cavernas.
Não estudava Física, nem Química, nem Matemática, nem História.

VÍRGULA ENTRE ORAÇÕES

1. orações subordinadas adjetivas explicativas

as orações subordinadas adjetivas explicativas sempre são separadas por vírgula.

O homem, que é um ser racional, vive pouco.


o.p. or.sub.adj. explicativa o.p.

Obs.: As orações subordinadas adjetivas restritivas normalmente não se separam por vírgulas.
Podem terminar por vírgula (mas nunca começar por ela!)

a) quando tiverem uma certa extensão:


O homem que encontramos ontem à noite perto do lago, parecia aborrecido.
147
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

b) quando os verbos se seguirem:


O homem que fuma, vive pouco.
Quem estuda, aprende.

2. orações subordinadas adverbiais

Orações dessa modalidade (sobretudo quando estiverem antecipadas) separam-se por vírgula.

Quando o cantor entrou no palco, todos aplaudiram.


or.sub.adverbial o.p.

Entrando o cantor, todos devem aplaudir.


or. sub. adverbial o.p.

A questão, conforme se esperava, era complicadíssima.


o.p. or.sub. adverbial o.p.

“Matias estava compondo um sermão, quando começou o idílio psíquico.” (Machado de Assis)
o.p. or.sub.adverbial

3. orações subordinadas substantivas

Orações desse tipo (com exceção das apositivas) não se separam da principal por vírgula.

Espero que você me telefone. O remédio era ficar em casa.


o.p. or.sub.substantiva o.p. or.sub.substantiva

4. orações coordenadas

As orações coordenadas (exceto as iniciadas pela conjunção aditiva e) separam-se por vírgula.

Cheguei, pedi silêncio, aguardei alguns minutos e comecei a palestra.


or.coord. or.coord. or.coord. or.coord.

Eles se esforçaram muito, porém não obtiveram o resultado desejado.


or.coord. or.coord.

Duvido,longo penso. Penso, logo existo.


or.coord. or.coord. or.coord. or.coord.

Obs.: Pode-se usar vírgula antes da conjunção e quando:


a) as orações coordenadas tiverem sujeitos diferentes.
Os ignorantes falavam demais, e os sábios se mantinham em silêncio.
b) quando a conjunção e vier repetida enfaticamente (polissíndeto).
E volta, e recomeça, e se esforça, e consegue.
c) quando a conjunção e assumir outros valores (adversidade, consequência etc.)
Ele estudou muito, e não conseguiu passar.
Esforçou-se muito, e conseguiu a aprovação.

5. orações intercaladas

148
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

São sempre separadas por vírgulas ou duplo travessão.

Eu, disse o orador, não concordo.


or.intercalada

O problema das enchentes, disse o candidato, será prioritário.


or. intercalada

Ponto e vírgula

O ponto e vírgula marca uma pausa mais longa que a vírgula, no entanto menor que a do
ponto. Justamente por ser um sinal intermediário entre a vírgula e o ponto, fica difícil sistematizar
seu emprego. Entretanto, há algumas normas para sua utilização.

Emprega-se o ponto e vírgula para:

1. separar orações coordenadas que já venham quebradas no seu interior por vírgula.
Os indignados réus mostravam suas razões para as autoridades de forma firme; alguns, no
entanto, por receio de punições, escondiam detalhes aos policiais.
Ela prefere cinema; eu, teatro.
Não esperava outra coisa; afinal, eu já havia sido avisado.
Os indignados réus protestaram; os severos juízes, no entanto, não cederam.

2. separar orações coordenadas que se contrabalançam em força expressiva (formando antítese,


por exemplo).
Muitos se esforçam; poucos conseguem.
Uns trabalham; outros descansam.

3. separar orações coordenadas que tenham certa extensão.


Os excelentes jogadores de futebol olímpico reclamaram com razão das constantes críticas do
técnico; porém o teimoso técnico ficou completamente indiferente aos constantes pedidos dos
jogadores.

4. separar os diversos itens de um considerando ou de uma enumeração.

Considerando:

a) a alta taxa de desemprego no país;


b) a excessiva inflação;
c) a recessão econômica;
solicitamos especial atenção ao nosso pedido.

Art. 92. São órgãos do pode Judiciário:

I. o Supremo Tribunal Federal;


II. o Superior Tribunal de Justiça;
III. os Tribunais Regionais Federais e Juízes Federais;
IV. os Tribunais e Juízes do Trabalho;
V. os Tribunais e Juízes Eleitorais;
VI. os Tribunais e Juízes Militares;
VII. os Tribunais e Juízes dos Estados e do Distrito Federal e Territórios.
(Constituição Federal)
Dois pontos

149
as aspas para dar
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES
ou expressão.

do seu projeto; só Os dois pontos marcam uma sensível suspensão da melodia de uma frase para introduzir
cutá-lo. algo bastante importante. Nesse sentido, utilizam-se os dois-pontos para:

a) dar início a fala ou citação textual de outrem.


Já dizia o poeta: “A vida é a arte do encontro...”
“A porta abriu-se, um brado ressoou:
 Até que enfim, meu rapaz!”
(Eça de Queirós – Os Maias)

b) dar início a uma sequência que explica, esclarece, identifica, desenvolve ou discrimina uma
ideia anterior.
Descobri a grande razão da minha vida: você.
Já lhe dei tudo: amor, carinho, compreensão, apoio.
Tivemos uma ótima ideia: abandonar a sala.
O resultado não se fez esperar: fomos chamados à diretoria.

Aspas

Empregam-se as aspas para:

a) isolar citação textual colhida a outrem.


Como afirma Caio Prado jr. em História Econômica do Brasil: “A questão da imigração europeia
do século passado está intimamente ligada à da escravidão”.
Diz Thomas Mann em A Montanha Mágica: “Todo caminho que trilhamos pela primeira vez é
muito mais longo e difícil do que o mesmo caminho quando já o conhecemos”.

Observe que os títulos de obras literárias ou artísticas devem vir entre aspas se o material é
manuscrito ou datilografado; se o material é impresso, o procedimento normal é colocar o nome
da obra em itálico. Verifique ainda que as aspas só aparecem depois da pontuação quando
abrangem todo o período.

“Não tenhas ciúmes de tua mulher para que ela não se meta a enganar-te com a malícia que
aprender de ti.” (Machado de Assis)

b) Isolar palavras ou expressões estranhas à língua culta, tais como: gírias e expressões
populares, estrangeirismos, neologismos, arcaísmos etc.
Ele era um “gentleman”.
Ele estava “numa boa”.

O rapaz ficou “grilado” com o resultado.


Emocionado, o rapaz deu-lhe um “ósculo” ardente.

c) Mostrar que uma palavra está em sentido diverso do usual (geralmente, em sentido irônico).
Fizeste “excelente” serviço.
Sua ideia foi mesmo “fantástica”.

OBS.: Podem-se ainda utilizar as aspas para dar destaque a uma palavra ou expressão.
Já entendi o “porquê” do seu projeto; só não percebo “como” executá-lo.

Travessão

150
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

O travessão simples (  ) serve para indicar que alguém está falando de viva voz
(discurso direto). Emprega-se, pois, o travessão para marcar a mudança de interlocutor nos
diálogos.

“  De quem são as pernas?


 Da Madalena, respondeu Gondim.
 Quem?
 Uma professora. Não conhece? Bonita.
 Educada, atalhou João Nogueira.
 Bonita, disse outra vez Gondim. Uma lourinha aí, de uns trinta anos.
 Quantos?, perguntou João Nogueira.
 Uns trinta, pouco mais ou menos.”
(Graciliano Ramos – São Bernardo)

Pode-se usar o duplo travessão ( ) para substituir dupla vírgula, sobretudo quando se
quer dar ênfase ou destaque ao termo intercalado.
O ministro  profundo conhecedor do mercado internacional  está consciente das
dificuldades.
Machado de Assis  grande romancista brasileiro  também escreveu contos.

Obs.: As orações intercaladas podem vir separadas por vírgulas ou duplo travessão.
Eu, disse o eminente jurista, não aceito tal decisão.
ou
Eu  disse o eminente jurista  não aceito tal decisão.

Reticências

As reticências marcam uma interrupção da sequência lógica da frase. Podem ser usadas
com valor estilístico, isto é, com a intenção deliberada de permitir que o leitor complete o
pensamento que foi suspenso, ou para marcar fala quebrada e desconexa, própria de quem está
nervoso ou inseguro.

Eu não vou dizer mais nada. Você já deve ter percebido que ele...
“Depois de um instante, Carlos lançou de lá, entre um rumor de água que caía:
 Não sei... Talvez... Logo te digo...” (Eça de queirós – Os Maias)
 Bem... Sabe... Pois é... Quer dizer... Não era bem assim... Sei lá...

Usam-se também as reticências (de preferência, entre parênteses) para indicar que parte
de uma citação foi omitida.
“O sertanejo é (...) um forte.” (Euclides da Cunha – Os Sertões)
“(...) nenhuma tinha os olhos de ressaca, nem os de cigana oblíqua e dissimulada.”
(Machado de Assis – Dom Casmurro)
“Não alcancei a celebridade do emplasto, não fui ministro, não fui califa (...)” (Machado de
Assis – Memórias Póstumas de Brás Cubas)

Parênteses

151
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

Os parênteses servem para isolar explicações, indicações ou comentários acessórios.


“Aborrecido, aporrinhado, recorri a um bacharel (trezentos mil-réis, fora despesas miúdas com
automóveis, gorjetas, etc.) e embarquei vinte e quatro horas depois (...)” (Graciliano Ramos – São
Bernardo)
“Fui hoje cedo à casa deste último, apresentar desculpas (deve ter ficado aborrecido com a minha
ausência no local determinado para o encontro) e repetir o convite para a pretendida visita.” (Cyro
dos Anjos – O Amanuense Belmiro)
“Ela (a rainha) é a representação viva da mágoa (...)” (Lima Barreto – Recordações do Escrivão
Isaías Caminha)

QUESTÕES DE CONCURSO

152
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

1. Assinale a opção em que a pontuação está totalmente correta.

a) Naquela empresa, acontecem fatos relevantes, o que, deve ser documentado, sempre.
b) O país, em relação à política energética, deve adotar medidas eficientes para diversos
setores.
c) O país, deve adotar, em relação às fontes energéticas, recursos que propiciem eficiência
no setor.
d) Em relação ao problema do petróleo, urge, de imediato, que se adotem, medidas
objetivas, rápidas e satisfatórias.
e) Muitas empresas, surpresas com o elevado preço da gasolina, chegam, a prever, um
racionamento em escala.

2. Pontuação correta:

a) A citação é antiga, “Trabalhar para progredir”.


b) Leia dois autores, pelo menos; Machado, e Aluísio, por exemplo.
c) Sempre aconselhou aos mais novos; lutam pela vida.
d) Primeira regra do jogo; respeitar o adversário.
e) Amado e Osman, escritores brasileiros; Camilo, português.

3. Das redações abaixo, assinale a que não está pontuada corretamente:

a) Os candidatos, em fila, aguardavam ansiosos o resultado do concurso.


b) Em fila, os candidatos, aguardavam, ansiosos, o resultado do concurso.
c) Ansiosos, os candidatos aguardavam, em fila, o resultado do concurso.
d) Os candidatos ansiosos aguardavam o resultado do concurso, em fila.
e) Os candidatos aguardavam ansiosos, em fila, o resultado do concurso.

4. Assinale a alternativa que apresenta o emprego correto dos sinais de pontuação:

a) Na Suíça, delegados de 103 países, grande parte deles com suas vestes africanas,
determinaram a proibição total da caça aos elefantes.
b) Na Suíça, delegados de 103 países, grande parte deles com suas vestes africanas,
determinaram, a proibição total da caça aos elefantes.
c) Na Suíça delegados de 103 países, grande parte deles com suas vestes africanas
determinaram a proibição total, da caça aos elefantes.
d) Na Suíça, delegados de 103 países, grande parte deles com suas vestes africanas
determinaram a proibição, total da caça aos elefantes.
e) Na Suíça, delegados de 103 países grande parte deles com suas vestes africanas
determinaram, a proibição total da caça aos elefantes.

5. Assinale o item que apresenta a pontuação correta:

153
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

a) A hospitalidade tem dois aspectos: um geral, que se refere à convivência em sociedade e


se confunde com o cerimonial e a etiqueta de cada povo; o outro, específico, que
estabelece relações especiais entre anfitriões e convidados.
b) Baseadas no código de honra do deserto, as relações de hospitalidade árabe, dão ao
hóspede direitos exorbitantes.
c) Os poetas árabes, que tanto cantaram as virtudes do perfeito anfitrião não dizem quase
nada, a respeito dos hóspedes.
d) Aquele que recebe a hospitalidade é ao mesmo tempo, um emir, um prisioneiro, e um
poeta dizem os beduínos.
e) A hospitalidade no entanto, não é medida pela abundância da comida, mas é
particularmente, apreciada quando se pratica apesar dos meios limitados.
(Trechos da Revista Correio da Unesco, com adaptações)

6. Marque o texto em que ocorre erro de pontuação:

a) O traço todo da vida é para muitos um desenho de criança esquecido do homem, e ao qual
este terá sempre de se cingir sem o saber.
b) Os primeiros anos da vida foram portanto, os de minha formação instintiva ou
moral,definitiva.
c) Passei esse período inicial, tão remoto e tão presente, em um engenho de Pernambuco,
minha província natal.
d) A população do pequeno domínio, inteiramente fechado a qualquer ingerência de fora,
como todos os outros feudos da escravidão, compunha-se de escravos, distribuídos pelos
compartimentos da senzala, o grande pombal negro ao lado da casa de morada, e de
rendeiros, ligados ao proprietário pelo benefício da casa de barro que os agasalhava ou da
pequena cultura que ele lhes consentia em suas terras.
e) No centro do pequeno cantão de escravos levantava-se a residência do senhor,olhando
para os edifícios da moagem, e tendo por trás, em uma ondulação do terreno, a capela sob
a invocação de São Mateus.
(Joaquim Nabuco, com adaptações)

7. Indique o trecho em que os sinais de pontuação estão bem empregados:

a) O principal dado da pesquisa do DataFolha sobre a sucessão presidencial, publicada


ontem, é o fato de que, pela primeira vez desde abril, os números indicam que haverá um
segundo turno.
b) O principal dado, da pesquisa do DataFolha, sobre a sucessão presidencial, publicada
ontem, é o fato de que pela primeira vez, desde abril, os números indicam que haverá um
segundo turno.
c) O principal dado da pesquisa do DataFolha sobre a sucessão presidencial publicada
ontem, é o fato de, que pela primeira vez, desde abril, os números indicam que haverá um
segundo turno.
d) O principal dado da pesquisa do DataFolha, sobre a sucessão presidencial, publicada
ontem é o fato de, que pela primeira vez, desde abril, os números indicam que haverá um
segundo turno.
e) O principal dado da pesquisa do DataFolha sobre a sucessão presidencial publicada,
ontem, é o fato de que pela primeira vez, desde abril os números indicam que haverá um
segundo turno.

8. Indique o período em que as vírgulas não isolam oração subordinada adjetiva:

154
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

a) “Entre a história romanceada, que teve nova voga entre 1920 e 1940, situa-se parte da
obra do escritor.”
b) “Dentre os numerosos dialetos regionais usados no Sul da França, não há nenhum que,
desde o início da Idade Média, tenha adquirido importância decisiva como língua literária.”
c) “No fim do século XI constituiu-se uma língua de civilização, cujo o berço é a França
Meridional, hoje denominada ‘provençal clássico’."
d) “Os comediantes italianos, que vinham com frequência a Paris, representavam a comédia
improvisada em torno de um esquema prévio: a ‘commedia dell’arte’."
e) “Como consequência de tudo isso os gramáticos, que eram senhores absolutos da língua,
impunham arbitrariamente regras cerebrinas.”

9. Assinale a alternativa correta quanto à pontuação:

a) Seguido pelo alcoolismo o tabagismo, encabeça a lista dos fatores de risco.


b) O tabagismo encabeça, seguido pelo alcoolismo a lista dos fatores de risco.
c) O tabagismo, seguido pelo alcoolismo, encabeça a lista dos fatores de risco.
d) O tabagismo seguido pelo alcoolismo, encabeça a lista dos fatores de risco.
e) O tabagismo encabeça seguido pelo alcoolismo, a lista dos fatores de risco.

10. Assinale a alternativa correta quanto à pontuação:

a) Foi assim, que Nassau a partir de Recife, dirigiu as terras e a população.


b) Foi assim que, a partir de Recife Nassau dirigiu as terras e a população.
c) Foi assim que Nassau dirigiu, a partir de Recife as terras e a população.
d) Foi assim que, a partir de Recife, Nassau dirigiu as terras e a população.
e) Foi assim, a partir de Recife que Nassau dirigiu as terras e a população.

GABARITO
155
PORTUGUÊS PROF. MANOEL SOARES

1. B
2. E
3. B
4. A
5. A
6. B
7. A
8. B
9. C
10. D

156