Você está na página 1de 12

Ano III

25
Vestibulandos testam os conhecimentos durante o
Simuladão, em 2005
Foto: UEA

Professores discutirãoas respostas


no fim do Simuladão
Foto: UEA

Por dentro da UEA – Sábado Física – Acústica


é dia de SIMULADÃO Página 8
Página 2

Matemática – Geometria Português – Concordância


analítica I nominal I
Página 2 Página 10

Matemática – Geometria Gabarito do número


Prova será aplicada em 13 escolas
Foto: UEA
analítica II anterior
Página 4 Página 12

Física – Estudo dos gases e


Termodinâmica
Página 6
Matemática
anterior, elevando-se ao quadrado (quadrando-
se) ambos os membros.
Baricentro de um triângulo
Professor CLÍCIO Sabemos da Geometria plana , que o baricentro
de um triângulo ABC é o ponto de encontro das
3 medianas . Sendo G o baricentro, temos que
AG = 2. GM onde M é o ponto médio do lado
Geometria analítica I oposto ao vértice A (AM é uma das 3 medianas
do triângulo). Nessas condições, as coordena-
Coordenadas cartesianas na reta das do baricentro
Seja a reta r na Fig. abaixo e sobre ela tomemos G(xg, yg) do triângulo ABC onde A(xa, ya),
um ponto O chamado origem. Adotemos uma B(xb, yb) e C(xc , yc) é dado por :
unidade de medida e suponhamos que os
comprimentos medidos a partir de O, sejam
Sábado é dia de SIMULADÃO positivos à direita e negativos à esquerda. Conclui-se pois que as coordenadas do
baricentro são iguais às médias aritméticas das
No próximo sábado, dia 6 de maio, a coordenadas dos pontos A, B e C.
UEA realiza o primeiro SIMULADÃO de Assim, por exemplo, o baricentro (também
O comprimento do segmento OA é igual a 1 u.c conhecido como centro de gravidade) do
2006, com as disciplinas ministradas
(uma unidade de comprimento). É fácil concluir triângulo ABC onde A(3,5) , B(4, -1) e C(11, 8)
nos dois primeiros módulos: Português, que existe uma correspondência um a um será o ponto G(6, 4). Verifique com o uso direto
Geografia e História. Programe-se, pois (correspondência biunívoca) entre o conjunto das fórmulas.
dos pontos da reta e o conjunto R dos números Condição de alinhamento de três pontos
o SIMULADÃO do Aprovar, o pré-
reais. Os números são chamados abscissas dos
vestibular gratuito da UEA, é uma Três pontos estão alinhados se são colineares ,
pontos. Assim, a abscissa do ponto A’ é –1, a
isto é, se pertencem a uma mesma reta.
oportunidade de você avaliar o abscissa da origem O é 0, a abscissa do ponto
É óbvio que se os pontos A , B e C estão alinha-
A é 1, etc.
aprendizado adquirido até agora e dos, então o triângulo ABC não existe, e pode-
A reta r é chamada eixo das abscissas.
testar seus conhecimentos. mos, pois, considerar que sua área é nula
Coordenadas cartesianas no plano (S = 0).
Além disso, é uma ótima chance para Com o modo simples de se representar Fazendo S = 0 na fórmula de área do item 1.1,
você tirar suas dúvidas com os próprios números numa reta, visto acima, podemos concluímos que a condição de alinhamento dos
estender a idéia para o plano, basta que para 3 pontos é que o determinante D seja nulo, ou
professores que ministraram as
isto consideremos duas retas perpendiculares seja: D = 0 .
disciplinas. Ao término da prova, todas que se interceptem num ponto O, que será a Equação geral da reta.
as questões serão analisadas por eles, origem do sistema. Veja a Fig. a seguir:
Seja r a reta que passa pelos pontos A(xa, ya) e
e as respostas exibidas nos telões. B(xb , yb).
Na página 11, você vai encontrar uma Seja P(x, y) um ponto qualquer desta reta. Pela
condição de alinhamento de 3 pontos, podemos
ficha que deve ser preenchida e escrever:
entregue no dia do teste. O
SIMULADÃO terá 30 questões, sendo
10 de Português e Literatura, 10 de Dizemos que a é a abscissa do ponto P e b é a
ordenada do ponto P.
História e 10 de Geografia. O eixo OX é denominado eixo das abscissas, e
Desenvolvendo o determinante acima obtemos:
O gabarito oficial estará publicado na o eixo OY é denominado eixo das ordenadas.
(Ya–Yb) . x + (Xa–Xb) . y+(XaYb–XbYa)= 0 .
O ponto O(0,0) é a origem do sistema de
Apostila número 26, que circula no Fazendo Ya – Yb = a , Xa – Xb = b e XaYb –
coordenadas cartesianas.
próximo domingo, dia 7, encartada nos XbYa = c , decorre que todo ponto P(x,y)
Os sinais algébricos de a e b definem regiões
pertencente à reta, deve verificar a equação :
jornais A Crítica, Diário do Amazonas, do plano denominadas QUADRANTES.
ax + by + c = 0
No 1.° quadrante, a e b são positivos, no 2.°
O Estado do Amazonas e Amazonas que é chamada equação geral da reta r .
quadrante, a é negativo e b positivo, no 3.°
em Tempo, podendo também ser Dadas as retas r : ax + by + c = 0 e
quadrante, ambos são negativos e finalmente no
s: a’x + b’y + c’ = 0, temos os seguintes casos:
acessado pelo site www.uea.edu.br, 4.° quadrante a é positivo e b negativo.
Observe que todos os pontos do eixo OX têm → as retas são coincidentes.
onde você vai encontrar, também,
ordenada nula, e todos os pontos do eixo OY
números anteriores de apostilas e têm abscissa nula. Assim, dizemos que a
todas as informações sobre o Aprovar. equação do eixo OX é y = 0 e a equação do → as retas são paralelas.
eixo OY é x = 0.
Na contracapa desta apostila, você vai Os pontos do plano onde a = b, definem uma →as retas são concorrentes.
encontrar uma relação com os reta denominada bissetriz do 1.° quadrante, cuja
endereços das 13 escolas da capital equação evidentemente é y = x.
Equação reduzida da reta
Já os pontos do plano onde a = –b (ou b = –a),
onde será aplicado o SIMULADÃO. No ou seja, de coordenadas simétricas, definem Seja a reta r de equação geral ax + by + c = 0
interior, a prova será nos Núcleos e uma reta denominada bissetriz do 2.° quadrante, . Para achar a equação reduzida da reta, basta
cuja equação evidentemente é y = - x. tirar o valor de y, ou seja, y = (– a/b)x – c/b .
Centros da UEA e nas escolas que
Os eixos OX e OY são denominados eixos Chamando – a/b = m e – c/b = n, obtemos y
recebem regularmente as transmissões coordenados. = mx + n que é a equação reduzida da reta de
das aulas do Aprovar. Para os Fórmula da distância entre dois pontos do
equação geral ax + by + c = 0 .
O valor de m é o coeficiente angular e o valor
deficientes visuais, a prova será plano cartesiano
de n é o coeficiente linear da reta .
aplicada na Biblioteca Braille do Estado Dados dois pontos do plano A(Xa,Ya) e Observe que, na equação reduzida da reta,
do Amazonas, instalada na Biblioteca B(Xb,Yb), deduz-se facilmente usando o fazendo x = 0 , obtemos y = n , ou seja, a reta r
teorema de Pitágoras a seguinte fórmula da intercepta o eixo dos y no ponto (0 , n) de
Pública (Rua Barroso, 57, Centro). distancia entre os pontos A e B: ordenada n.
Quanto ao coeficiente angular m, considere a
reta r passando nos pontos A(x1, y1) e B(x2, y2).
Prepare-se e boa sorte! Esta fórmula também pode ser escrita como: Sendo y = mx + n a sua equação reduzida,
d2AB = (Xb – Xa)2 + (Yb – Ya)2, obtida da podemos escrever:

2
y1 = mx1 + n e y2 = mx2 + n .
Subtraindo estas equações membro a membro,
obtemos:
y1 – y2 = m (x1 – x2) .
Logo, a fórmula para o cálculo do coeficiente
angular da reta que passa pelos dois pontos
(x1, y1) e (x2, y2) é :

Podemos escrever: PC = R e, pela fórmula de


distancia entre dois pontos, já vista em outro
texto publicado nesta página, teremos:
(x – x0)2 + (y – y0)2 = R2, que é conhecida
como equação reduzida da circunferência de
centro C(x0,y0) e raio R. Assim, por exemplo, a 01. Determine a área do triângulo ABC onde
equação reduzida da circunferência de raio 5 e A, B e C são, respectivamente, os pontos
centro no ponto C(2,4) é dada por: médios dos segmentos MN, NP e PM,
Se considerarmos que as medidas Y2 – Y1 e X2 (x - 2)2 + (y – 4)2 = 25. sendo M(–1, –5), N(1,3) e P(7, –5).
– X1 são os catetos de um triângulo retângulo, Caso particular: Se o centro da circunferência
conforme figura abaixo, podemos concluir que o coincidir com a origem do sistema de 02. Dado o ponto A(1,2), determine as
valor de m é numericamente igual à tangente coordenadas cartesianas ou seja o ponto coordenadas de dois pontos P e Q,
trigonométrica do ângulo a . Podemos então O(0,0), a equação reduzida da circunferência situados respectivamente sobre as retas y
escrever m = tg α, onde o ângulo a é fica: = x e y = 4x, de tal modo que A seja o
denominado inclinação da reta. É o ângulo que a x2 + y2 = R2 ponto médio do segmento PQ.
reta faz com o eixo dos x. Para obter a Equação Geral da circunferência,
A tgα, como vimos, é igual a m, e é chamada basta desenvolver a equação reduzida . 03. Determine a equação da reta que passa
coeficiente angular da reta. Fica, portanto, Temos: pelo centro da circunferência de equação
bastante justificada a terminologia coeficiente
x2 – 2x . xo + xo2 + y2 – 2y . yo + yo2 – R2 = 0 . 2x2 + 2y2 + 4x + 1 = 0 e é perpendicular
angular para o coeficiente m.
Fazendo –2xo = D , –2yo = E e xo2+yo2– R2=F, à reta de equação x + 2y – 1 = 0.
Observe que, se duas retas são paralelas, então
podemos escrever a equação
elas possuem a mesma inclinação; logo, concluí-
mos que os seus coeficientes angulares são x2 + y2 + D x + E y + F = 0 (Equação geral da 04. Dados os vértices P(1, 1) , Q(3, –4) e
iguais. circunferência). R(–5, 2) de um triângulo, o comprimento
Então, concluímos que, quando os coeficientes da mediana que tem extremidade no
Retas perpendiculares
de x2 e y2 forem unitários, para determinar as vértice Q é:
Sabemos, da Geometria Plana, que duas retas coordenadas do centro da circunferência, basta
são perpendiculares quando são concorrentes e a) 12,32 b) 10,16
achar a metade dos coeficientes de x e de y ,
formam entre si um ângulo reto (90°). Sejam as c) 15,08 d) 7,43 e) 4,65
com os sinais trocados, ou seja: xo = – D / 2 e
retas r: y = mr x + nr e s: y = ms x + ns .
Nessas condições podemos escrever a seguinte
yo = – E / 2 . 05. Os pontos do plano cartesiano que
relação entre os seus coeficientes angulares: Se os coeficientes de x2 e de y2 não forem satisfazem à equação sen(x – y) = 0
ms = – 1 / mr ou mr . ms = –1 . unitários, temos que dividir a equação pelo constituem:
Dizemos, então, que se duas retas são perpen- coeficiente de x2, que é sempre igual ao
a) uma reta;
diculares, o produto dos seus coeficientes angu- coeficiente de y2, no caso da circunferência.
b) uma senóide;
lares é igual a –1. Para o cálculo do raio R, observemos que
c) uma elipse;
Ângulo formado por duas retas F = xo2 + yo2 – R2 .
d) um feixe de retas paralelas;
Mas, xo = – D / 2 e yo = – E /2 . Logo, podemos
Sendo Mr e Ms, os coeficientes angulares das e) nenhuma das respostas anteriores.
retas r e s respectivamente, a tangente do escrever a seguinte equação para o cálculo do
raio R a partir da equação geral da 06. Se o ponto P(2m – 8 , m) pertença ao
ângulo agudo q formado pelas retas é dado por:
circunferência: eixo dos y , então :
a) m é um número primo;
b) m é primo;
c) m é um quadrado perfeito;
Cuidado! Para que a equação
d) m = 0;
x2 + y2 + D x + E y + F = 0, possa representar
uma circunferência, tem de ser atendida à e) m < 4.
condição D2 + E2 – 4.F > 0, pois não existe raiz 07. Se o ponto P(r – 12, 4r – 6) pertença à
quadrada real de número negativo. primeira bissetriz, então podemos afirmar
Observe que se D2 + E2 – 4.F = 0, a equação x2 que :
+ y2 + D x + E y + F = 0 representa apenas
a) r é um número natural;
um ponto do plano cartesiano! Por exemplo:
b) r = – 3;
Exercício resolvido: x2 + y2 + 6x - 8y + 25 = 0 é a equação de um
ponto! Verifique. c) r é raiz da equação x3 – x2 + x + 14 = 0;
Determine o ângulo agudo formado
Qual a sua interpretação para o caso D2+E2–4F d) r é um número inteiro menor do que – 3;
pelas retas r: 3x – y + 2 = 0 e
s: 2x + y – 1 = 0. ser negativo? Ora, como não existe raiz e) não existe r nestas condições.

Solução: quadrada real de número negativo, conclui-se 08. Sendo W o comprimento da mediana
Para a reta r : y = 3x + 2. Logo, mr = 3. facilmente que a circunferência não existe neste
relativa ao lado BC do triângulo ABC
Para a reta s : y = – 2x + 1. Logo, ms = –2. caso!
onde A(0,0), B(4,6) e C(2,4), então W2 é
Substituindo os valores na fórmula anterior e Exemplo:
igual a:
efetuando os cálculos, obtemos tgq = 1, o que Dada a equação x2 + y2 – 6x + 8y = 0, temos:
significa que o ângulo entre as retas é igual a 45°, D = – 6 , E = 8 e F = 0. a) 25 b) 32
pois tg45° = 1. (Faça os cálculos para conferir). Logo, pelas igualdades anteriores, podemos c) 34 d) 44 e) 16
Estudo da circunferência determinar as coordenadas do centro e o raio 09. Os pontos A(m, 7), B(0, n) e C(3, 1) são
Considere a circunferência representada no como segue: os vértices de um triângulo cujo
plano cartesiano, conforme abaixo, cujo centro é xo = – (–6) / 2 = 3; yo = – 8 / 2 = –4 e R = 5 baricentro é o ponto G(6, 11). Calcule o
o ponto C(xo, yo) e cujo raio é igual a R, sendo (faça as contas). valor de m2 + n2.
P(x , y) um ponto qualquer pertencente à Portanto o centro é o ponto C(3, –4) e o raio é
circunferência. igual a 5 u.c (u.c= unidade de comprimento).

3
Matemática 01. Determine a excentricidade da elipse
de equação 16x2 + 25y2 – 400 = 0.
Solução: Temos: 16x2 + 25y2 = 400. Observe
Professor CLÍCIO que a equação da elipse não está na forma
reduzida. Vamos dividir ambos os membro por
400. Fica então:

Geometria analítica II
ELIPSE Portanto, a2 = 25 e b2 = 16. Daí, vem: a = 5 e b
01. A equação x + y = 2xy + 4
2 2
Dados dois pontos fixos F1 e F2 de um plano, = 4.
representa, no sistema cartesiano tais que a distancia entre estes pontos seja igual Como a2 = b2 + c2 , vem substituindo e efetuando
ortogonal x0y: a 2c > 0, denomina-se elipse à curva plana cuja que c = 3
soma das distancias de cada um de seus Portanto a excentricidade e será igual a: e = c/a
a) uma circunferência; b) uma parábola;
pontos P á estes pontos fixos F1 e F2 é igual a = 3/5 = 0,60
c) uma elipse; d) uma reta; um valor constante 2a, onde a > c. Resp: 3/5 ou 0,60.
e) duas retas paralelas. Assim é que temos por definição:
Comentário: PARÁBOLA
PF1 + PF2 = 2 a
x2 + y2 = 2xy + 4 x2 –2xy+ y2 = 4 Os pontos F1 e F2 são denominados focos e a Se você consultar o Novo Dicionário Brasileiro
(x – y)2 = 4 x – y = ± 2 distancia F1F2 é conhecida com distancia focal Melhoramentos, 7.a edição, obterá a seguinte
Observe que as retas x – y + 2 = 0 e da elipse. definição para a parábola:
x – y – 2 = 0 são paralelas. O quociente c/a é conhecido como excentrici- “Curva plana, cujos pontos são eqüidistantes de
Logo a alternativa correta é a letra E. dade da elipse. Como, por definição, a > c, um ponto fixo (foco) e de uma reta fixa (diretriz)
podemos afirmar que a excentricidade de uma ou curva resultante de uma secção feita num
02. As equações y – 2x = 0, y + x2 = 0 e elipse é um número positivo menor que a cone por um plano paralelo à geratriz. Curva
y2 – x2 + 1 = 0 representam no plano, unidade.
que um projétil descreve.”
respectivamente: Equação reduzida da elipse
Esta definição não está distante da realidade do
a) uma reta, uma hipérbole e uma parábola; Seja P(x, y) um ponto qualquer de uma elipse e
sejam F1(c,0) e F2(-c,0) os seus focos. Sendo rigor matemático. (Os dicionários são, via de
b) uma parábola, uma hipérbole e uma reta; regra, uma boa fonte de consulta também para
2.a o valor constante com c < a, como vimos
c) uma reta, uma parábola e uma elipse; conceitos matemáticos, embora não se consiga
acima, podemos escrever:
d) uma elipse, uma parábola e uma hipérbole; PF1 + PF2 = 2.a neles – é claro – a perfeição absoluta, o que, de
e) uma reta, uma parábola e uma hipérbole. Usando a fórmula da distancia entre dois uma certa forma, é bastante compreensível, uma
Comentário: pontos, poderemos escrever: vez que a eles não cabe a responsabilidade pela
y – 2x = 0 (reta) precisão dos conceitos e definições matemáticas).
y + x2 = 0 y = -x2(parábola)
Definição
y2 – x2 + 1 = 0 y2 – x2 = -1 x2 – y 2= 1(hipérbole) Observe que x – (-c) = x + c.
Logo a alternativa correta é a letra E Quadrando a expressão acima, vem: Considere, no plano cartesiano xOy, uma reta d
(diretriz) e um ponto fixo F (foco) pertencente ao
03. Assinale V ou F: eixo das abcissas (eixo dos x), conforme figura
a) , no plano cartesiano, é a abaixo:
Com bastante paciência e aplicando as proprie- Denominaremos parábola, à curva plana
equação de uma elipse com excentrici- dades corretas, a expressão acima depois de formada pelos pontos P(x,y) do plano
dade igual a 0,6. desenvolvida e simplificada, chegará a:
cartesiano, tais que
b) No plano cartesiano, a equação x2– y2= b2.x2 + a2.y2 = a2.b2, onde b2 = a2 – c2
PF = Pd onde:
0 representa uma hipérbole eqüilátera. Dividindo agora, ambos os membros por a2b2
PF = distância entre os pontos P e F
c) No plano cartesiano, a equação vem finalmente:
PP’ = distância entre o ponto P e a reta d
x2 + y2 – 2x – 4y + 6 = 0 representa uma
(diretriz).
circunferência.
d) No plano cartesiano, a equação Veja a figura abaixo, que é elucidativa:
|2x – y|= 3 representa um par de retas NOTAS:
paralelas. 1. O eixo A1A2 é denominado eixo maior da
Comentário: elipse.
a) ⇒ a =3 e b = 2 ⇒ c2 = 9 – 4 =5⇒ 2. O eixo B1B2 é denominado eixo menor da
elipse.
c= 3. É válido que a2 – b2 = c2, onde c é a abcissa
Logo e = c/a = . de um dos focos da elipse.
2 2
4. Como a excentricidade e da elipse é dada por
b) x – y = 0 ⇒ (x + y).(x – y) = 0 ⇒ y = –x e y e = c/a, no caso extremo de termos b = a, a
= x são retas perpendiculares. curva não será uma elipse e sim uma Importante: Temos, portanto, a seguinte relação
c) x2 + y2 – 2x – 4y + 6 = 0 circunferência, de excentricidade nula, uma notável: VF = p/2
(x2 – 2x + 1)+ (y2 – 4y + 4) = –1 vez que sendo b = a resulta c = 0 e, Equação reduzida da parábola de eixo
(x – 1)2 + (y – 2)2 = –1 (Absurdo, já que uma soma portanto, e = c/a = 0/a = 0. horizontal e vértice na origem
de quadrados, em IR, é maior ou igual a zero). 5. O ponto (0,0) é o centro da elipse.
Observando a figura acima, consideremos os
d)|2x – y|=3 ⇒ 2x – y = ± 3. Logo as retas 6. Se o eixo maior da elipse estiver no eixo dos
pontos: F(p/2, 0) – foco da parábola, e P(x,y) –
y = 2x – 3 e y = 2x +3 são paralelas entre si. y e o eixo menor estiver no eixo dos x, a
equação da elipse passa a ser: um ponto qualquer da parábola. Considerando-
04. Qual é a equação do conjunto dos se a definição acima, deveremos ter: PF = PP’
pontos P(x,y) que são eqüidistantes do Daí, vem, usando a fórmula da distancia entre
ponto F(0,3) e da reta y = –3? pontos do plano cartesiano:
Comentário
dP,F = dP,r , sendo r: y + 3 = 0. Temos:
Desenvolvendo convenientemente e
simplificando a expressão acima, chegaremos à
equação reduzida da parábola de eixo
horizontal e vértice na origem, a saber:
y2 = 2px onde p é a medida do parâmetro da
x2 + (y – 3)2 = (y + 3)2
parábola.
x2 = 12y a) Parábola de eixo horizontal e vértice no
Exercícios resolvidos: ponto (x0, y0)

4
Se o vértice da parábola não estiver na b2.x2 – a2.y2 = a2.b2, onde b2 = c2 – a2,
origem e, sim, num ponto (x0, y0), a equação conforme pode ser verificado na figura acima.
acima fica:
Dividindo agora, ambos os membros por a2b2,
(y – y0)2 = 2p(x – x0)
vem finalmente:
b) Parábola de eixo vertical e vértice na
origem
Não é difícil provar que, se a parábola tiver
Obs: Se o eixo transverso ou eixo real (A1A2)
vértice na origem e eixo vertical, a sua
equação reduzida será: x2 = 2py da hipérbole estiver no eixo dos y e o eixo
c) Parábola de eixo vertical e vértice no ponto não transverso ou eixo conjugado (B1B2)
(x0, y0) estiver no eixo dos x, a equação da hipérbole
Analogamente, se o vértice da parábola não de centro na origem (0,0) passa a ser:
estiver na origem, e, sim, num ponto (x0, y0), 01. A equação da elipse de focos F1(3,0) e
a equação acima fica: (x – x0)2 = 2p(y – y0) F2(-3,0) e vértices, que são as extremida-
des do eixo maior, A1(5,0) e A2(-5,0) é
Exercícios resolvidos: Exercícios resolvidos: dada por;
01. Qual a equação da parábola de foco a) x2/25 +y2/16 = 1 b) x2/25 – y2/16 = 1
01. Determine a excentricidade da hipérbole
no ponto F(2,0) e vértice na origem? c) x2/16 +y2/25 = 1 d) x2/16 – y2/25 = 1
de equação 25x2–16y2–400= 0.
Solução: Temos p/2 = 2 \ p = 4 e) x2/25 +y2/16 = 0
Daí, por substituição direta, vem: Solução: Temos: 25x2 – 16y2 = 400. Observe
02. Dois dos vértices de um quadrilátero
y2 = 2.4.x \ y2 = 8x ou y2 – 8x = 0. que a equação da hipérbole não está na forma
são os focos da elipse de equação x2
HIPÉRBOLE reduzida. Vamos dividir ambos os membro por + 5y2 = 20. Os outros dois vértices
Dados dois pontos fixos F1 e F2 de um plano, 400. Fica então: são as extremidades do eixo menor da
tais que a distancia entre estes pontos seja igual elipse. Então, a área do quadrilátero é:
a 2c > 0, denomina-se hipérbole à curva plana a) 10 b) 16
cujo módulo da diferença das distancias de c) 14 d) 20 e) 18
Portanto, a2=16 e b2=25. Daí, vem: a=4 e b=5.
cada um de seus pontos P á estes pontos fixos
Como c2 = a2 + b2, vem substituindo e efetuan- 03. As extremidades do eixo menor da
F1 e F2 é igual a um valor constante 2a, em que
elipse de equação x2+4y2–4x–8y+4=0
a < c. do que c =
são:
Assim é que temos por definição: Portanto a excentricidade e será igual a : e = c/a
a) (2,2) e (2,3) b) (0,2) e (2,0)
PF1 – PF2 = 2 a = = 1,60. Resposta: 1,60.
c) (2,2) e (2,1) d) (2,2) e (2,0)
02. Determine a distancia focal da e) (3,2) e (2,0)
hipérbole de equação 25x2 – 9y2 = 225. 04. Um ponto P da elipse dista 2
Solução: Dividindo ambos os membros por 225, de um de seus focos.
Qual é a distância de P ao outro foco
vem:
da elipse?
a) 2 b) 3
c) 4 d) 5 e) 7
2 2
Daí, vem que: a =9 e b =25, de onde vem 05. A excentricidade da hipérbole de
Os pontos F1 e F2 são denominados focos, e a imediatamente: a=3 e b=5. equação 9x2 – 16y2 = 144 é igual a:
distancia F1F2 é conhecida com distancia focal Portanto, c2 = a2 + b2 = 9 + 25 = 34 e então c a) 3/4 b) 4/5
da hipérbole. = . c) 2/3 d) 5/4 e) 2
O quociente c/a é conhecido como excentrici- Logo, a distância focal da hipérbole sendo igual 06. A equação da parábola com eixo de
dade da hipérbole. a 2c , será igual a 2 simetria perpendicular ao eixo x,
Como, por definição, a < c, concluímos que a vértice no ponto V(0,4) e que passa
excentricidade de uma hipérbole é um número 03. Determine as equações das assíntotas
pelo ponto P(2,1) é dada por;
positivo maior que a unidade. da hipérbole do exercício 1.
a) x2 = –4/3(y – 4) b) x2 = –4/3(y + 4)
A1A2 é denominado eixo real ou eixo transver-
Resposta: y = (5/4).x ou y = (-5/4).x c) x2 = –3/4(y – 4) d) x2 = –4(y – 4)
so da hipérbole, enquanto que B1B2 é denomi-
NOTA: Entende-se por assíntotas de uma e) y2 = –4/3(x – 4)
nado eixo não transverso ou eixo conjugado
da hipérbole. Observe, na figura acima, que é hipérbole de centro na origem como as retas 07. A equação da reta r, paralela ao eixo x,
válida a relação: que passam na origem (0,0) e tangenciam os que passa pelo vértice da parábola de
c2 = a2 + b2 dois ramos da hipérbole num ponto impróprio equação x2 – 10x – 4y + 29 = 0 é
O ponto (0,0) é o centro da hipérbole. situado no infinito. dada por:
Equação reduzida da hipérbole de eixo Dada a hipérbole de equação: a) y = 2 b) y = -3
transverso horizontal e centro na origem (0,0) c) y = 1 d) x = 3 e) x = 4
Seja P(x, y) um ponto qualquer de uma
hipérbole e sejam F1(c, 0) e F2(–c, 0) os seus
08. As coordenadas do foco da parábola
focos. Sendo 2.a o valor constante com c > a,
de equação y2 = 5x possuem soma
Prova-se que as assíntotas são as retas de igual a:
como vimos acima, podemos escrever: equações:
PF1 – PF2 = 2a a) 2/3 b) 3/2
R1: y = (b/a).x e R2: y = – (b/a).x c) 5/4 d) 4/5 e) 2
Usando a fórmula da distancia entre dois
pontos, poderemos escrever: Veja a figura abaixo:
09. A equação da parábola de foco F(0,-5)
e diretriz y = 5 é dada por:
Observe que x – (-c) = x + c.
a) x2 = –y b) y2 = –20x
Quadrando a expressão acima, vem:
c) –20x = y d) x2 = 20y
2
e) x2 = –20y

10. Determine a equação da reta diretriz


da parábola de equação
Com bastante paciência e aplicando as x2 – 4x – 12y – 8 = 0.
propriedades corretas, a expressão acima a) y = 4 b) y = – 4
depois de desenvolvida e simplificada, chegará c) y = 3 d) y = – 3 e) x = 4
a:

5
Física
p1 = 5,0atm. Se aquecemos esse gás de modo
que sua temperatura passe para T2 = 400K e
seu volume passa para V2 = 100L, qual será o
novo valor da pressão?
Professor JÚLIO César
Solução:
Situação

Estudo dos gases e


Termodinâmica
Como deve ser constante, temos:
A compressibilidade e a expansibilidade são
as características mais notáveis dos gases.
Os conceitos apresentados neste fascículo
01. (UEA–2001) Uma certa massa de um gás valem para os gases perfeitos ou ideais. Exercício resolvido:
ideal encontra-se em equilíbrio Gás ideal ou perfeito é um gás hipotético cujas Um recipiente de volume igual a 1m3 contém
termodinâmico, ocupando um volume de moléculas não apresentam volume próprio. O gás hélio a uma temperatura de 27°C e pressão
600 litros sob 0,75atm numa temperatura volume ocupado pelo gás corresponde ao de 20atm. Este gás é utilizado para encher um
T (em Kelvin). Essa mesma massa gasosa volume dos ”vazios” entre suas moléculas, ou balão que ao atingir o volume V está sob
seja, ao volume do recipiente que o contém. pressão de 1atm e temperatura de –33°C.
evolui para um novo estado de equilíbrio
Outra característica do gás ideal é a inexistência Determine:
termodinâmico, passando a ocupar um
de forças coesivas entre suas moléculas. Uma a) o volume final do balão;
volume de 400 litros sob 1,5atm numa
conseqüência de tais fatos é que ele nunca b) o volume do balão quando a temperatura do
temperatura T’ (em kelvin). sofre mudanças de fase, estando sempre na gás no interior dele volta a ser 27°C, mantida
Assim sendo, a razão T’/T é igual a: fase gasosa. a pressão de 1atm.
a) 4/3; b) 3/2; Em determinadas condições, um gás real Solução:
apresenta comportamento que se aproxima do a) P1 = 20atm P2 = 1atm
c) 1; d) 2/3; e) 3/4;
previsto para o gás ideal. V1 = 1m3 V2 = ?
02. (UEA–2002) Um gás perfeito foi levado de Lei geral dos gases T1 = 273 + 27 ] 300K T2 = 273 – 33 = 240K
um estado inicial A até um estado final B No estado gasoso, as moléculas movem-se Aplicando a Lei dos Gases Ideais, vem:
por meio da transformação A → B como um enxame de abelhas “enfurecidas” (fig.
apresenta no gráfico pressão x volume a 1); a cada instante, há moléculas movendo-se
seguir: em todas as direções, com velocidades
diferentes. b) Nesse caso temos uma transformação
isotérmica, pois T1 = T3, podendo ser aplicada
a Lei de Boyle-Mariotte:

V3P3 = V1P1 ⇒
O mol
Nas aulas de Química, você verá que para a
contagem do número de objetos microscópicos,
Figura 1. como átomos e moléculas, freqüentemente usa-
se o mol:
Sabemos que as curvas apresentadas O movimento individual de uma molécula é
1 mol de objetos = 6,023 . 1023 objetos
como I1 e I2 são isotermas. De quantos caótico; as mudanças de direção ocorrem em
Assim, 1 mol de átomos 6023 . 1023 átomos =
por cento aumentou o volume do gás, do virtude das eventuais colisões.
12,046 . 1023 átomos.
estado A para o estado B? Para caracterizar situação de uma certa porção
O número 6,023 . 1023 é conhecido por número
de gás, há três grandezas importantes: a
a) 60% b) 50% de Avogadro e costuma ser representado por NA:
pressão (P) o volume (V) e a temperatura
c) 45% d) 30% e) 25% NA = 6023 . 1023 partículas/mol = 6,023 . 1023
absoluta (T).
Observe que o plural de mol é mols.
03. (UEA–2003) No gráfico PV (pressão- Essas grandezas são chamadas variáveis de
A massa molar (M) de um elemento é a massa
volume) apresentado a seguir, um gás estados do gás. Os vários gases, desde que
de 1mol de átomos desse elemento. A massa
estejam bastante rarefeitos (baixas densidades)
ideal, inicialmente no estado A, evolui molar (M) de uma substância é a massa de
e acima das respectivas temperaturas críticas,
para o estado final B. 1mol de moléculas dessa substância. Assim,
obedecem, aproximadamente, à seguinte lei,
dada uma amostra de massa m de um elemento
chamada Lei Geral dos Gases:
(ou substância), o número n de mols de átomos
(ou moléculas) da amostra é dado por:
constante
Um gás é chamado ideal quando obedece
exatamente a essa lei. Equação de Clapeyron
Quando uma (ou mais) variável de estado sofre
A Lei Geral dos Gases vale para uma
alguma alteração, dizemos que o gás sofreu
quantidade de gás cuja massa é constante:
uma transformação.
Equação Geral dos Gases Perfeitos constante
Em meados do século XIX, o físico francês
Se for informado que a temperatura T1 Émile Clapeyron (1799–1864), estudando o
vale 27°C, qual a temperatura indicada comportamento de massas diferentes, de gases
como T3? diferentes, concluiu que a constante acima é
proporcional ao número de moléculas do gás
a) 900°C b) 627°C
Quando as três variáveis do estado de uma (e não à massa do gás). Assim, a equação pode
c) 250°C d) 81°C e) 50°C
determinada massa de gás – pressão, volume e ser escrita:
04. (Fatec–SP) Um sistema termodinâmico temperatura – apresentarem variações, utiliza-se
ou pV = nRT
recebe 600J sob forma de calor, enquanto a equação geral dos gases, que engloba todas
realiza trabalho de 400J. Nesse caso, a as transformações particulares. onde n é o número de mols de moléculas, e R é
variação de sua energia interna é: P1V1/T1 = P2V2/T2 uma constante, que tem o mesmo valor para
a) 200J. b) 600 J. Exercício resolvido: todos os gases; por isso, é denominada
c) 400 J. d) 1000 J. e) nula. Certa massa de gás ideal ocupa um volume V1 constante universal dos gases ideais. A
= 60L, à temperatura T1 = 100K e pressão equação é conhecida pelo nome de Equação
de Clapeyron.

6
Dessa equação, tiramos:
Portanto, unidade de

A experiência mostra que

A figura a seguir representa um sistema típico –


cilíndrico com êmbolo – usado no estudo de
Dizemos que um gás está no estado normal
interação termodinâmica:
quando se encontra nas condições normais de
pressão e temperatura (CNPT): p = 1atm ]
Transformações particulares de um gás ideal
760mmHg e T = 273K(0°C)
Às vezes, ocorre que, durante uma transformação
Exercício resolvido:
do gás, uma das variáveis de estado fique cons-
Sabendo que a massa molar do hidrogênio é M
= 2,016g, qual massa desse gás será tante, variando apenas as outras duas.
necessária para encher completamente um Transformação isotérmica
recipiente de 5m3, sob pressão de 2atm, a uma Certa quantidade de gás é colocada nesse
temperatura de 27°C? sistema. Acoplados ao sistema, temos uma Quando a temperatura fica constante, a
Solução: escala, um manômetro e um termômetro. Pondo transformação é chamada isotérmica. Nesse caso,
Da equação de Clapeyron, temos: o sistema em banho–Maria, verifica-se, pelo
a Lei Geral dos Gases fica:
PV = nRT movimento do êmbolo, que o volume do gás
varia. A escala, o manômetro e o termômetro PV = constante ou p1V1 = p2V2 ⇒ Lei de
permitem, respectivamente, a leitura da variação Boyle–Mar/Otte
do volume, da pressão e da temperatura do gás. Numa transformação isotérmica, o gráfico de p
Assim:
Observação:
em função de V será um hipérbole eqüilátera
A Primeira Lei da Termodinâmica é válida para
qualquer processo que envolva trocas de (figura 2(a)), denominada isoterma.
TERMODINÂMICA energia, mas aqui estudaremos apenas sistemas Para uma mesma quantidade de gás, quanto maior
É a parte da Física que estuda as transformações envolvendo gases, portanto a lei do gases a temperatura maior será o produto pV e mais
entre calor e trabalho. perfeitos deve ser observada.
afastada dos eixos estará a istoterma (fig.2(b))
Calor e trabalho estão relacionados entre si por Exercícios resolvidos:
apresentarem, em comum, a mesma modalidade
01. Um gás recebe de uma fonte de calor
de energia.
uma quantidade ∆Q = 9cal e fornece
As transformações entre calor e trabalho serão
2,54J de trabalho a um meio.
estudadas em sistemas formados por
recipientes contendo, em equilíbrio térmico,
Considere 1cal = 4,2J.
a) Calcule a variação da energia interna do gás.
uma determinada massa de gás perfeito.
b) A energia interna do sistema aumentou ou
A transformação do calor em energia
diminuiu?
mecânica – objeto de estudo da
Solução: Transformação isobárica
Termodinâmica – pode ser observada na
a) ∆U = ∆Q – τ ⇒ ∆U = 9 . 4,2 – 2,54 ⇒
cozinha de sua casa: a água em ebulição A transformação é chamada isobárica quando a
∆U= 35,26J
empurra a tampa da panela, devido ao aumento
b) ∆U> 0 significa que a energia interna do pressão fica constante (figura 3). Nesse caso, a
da pressão exercida. sistema aumentou.
Qualquer sistema em que seja possível realizar Lei Geral dos Gases fica:
a transformação de calor em energia mecânica 02. Explique por que ocorre aumento de
(fogão + panela com água, por exemplo) é temperatura da água contida numa constante ou ⇒ Lei de Charles e
chamado máquina térmica. garrafa quando a agitamos.
A energia interna de um gás (U) corresponde Solução: Gay-Lussac.
à soma das energias cinéticas individuais de Apesar de a água não ter recebido calor de uma
suas moléculas e é diretamente proporcional à fonte, sua energia interna aumenta devido á
transformação de energia mecânica durante o
sua temperatura absoluta:
movimento da garrafa. Houve realização de
em que: trabalho do ambiente sobre o sistema:
∆U = – τ.
n: número de mols do gás
03. Determine a variação da energia
R: constante universal dos gases perfeitos
interna de um gás ideal que sofreu Figura 3. O volume é diretamente proporcional à
T: temperatura absoluta
uma transformação à pressão temperatura absoluta. Figura (a) e (b)
Como, para os gases perfeitos, PV = nRT,
constante P = 60N/m2, segundo o
temos: Transformação isocórica
gráfico abaixo. Durante o processo, a
quantidade de calor recebida pelo gás Quando o volume fica constante, a transformação
foi ∆Q = 300J. é chamada isocórica, isométrica ou
Primeira lei da termodinâmica
isovolumétrica. Nesse caso, a Lei Geral dos
Fundamentada no Princípio da Conservação da
Energia – a energia não pode ser criada nem Gases fica (figura 4).
destruída, somente transformada ou transferida = constante ou ⇒ Lei de Charles.
–, a Primeira Lei da Termodinâmica afirma o
∆U)
seguinte: a variação da energia interna (∆
de um sistema é dada pela diferença entre o
calor trocado com o ambiente (∆ ∆Q) e o
trabalho realizado no processo
termodinâmico (τ): ∆U = ∆Q – τ Figura 13.
As moléculas de um gás possuem energia Solução:
cinética de translação, de rotação e de O trabalho realizado pelo gás pode ser
vibração. Devido à tração molecular, também calculado da seguinte forma:
Figura 4. A pressão é diretamente proporcional à
apresentam energia potencial molecular, τ = P∆V ⇒ τ = 60(3 – 1) ⇒ τ =120J
temperatura absoluta.
havendo ainda a energia dos elétrons dos Então:
átomos. ∆U = ∆Q – τ ⇒ ∆U = 300 – 120 ⇒ ∆U= 180J

7
Física
atravessa uma unidade de área (S) da
superfície perpendicular à direção de
propagação, na unidade de tempo:
Professor CARLOS Jennings

Acústica

Fig. 02

01. Uma onda sonora propaga-se no ar


com uma velocidade de 340m/s e A unidade (SI) de intensidade física é J/m2.s
possui comprimento de onda igual a ou W/m2.
O menor valor da intensidade física audível
40cm. É correto afirmar que sua
(limiar de audibilidade) vale: Io = 10-12 W/m2.
freqüência vale:
O maior valor da intensidade física suportável
a) 3.400Hz b) 1.700Hz (limiar da dor) vale: Imáx = 10° W/m2 = 1,0
c) 850Hz d) 340Hz e) 40Hz W/m2.
b) Intensidade auditiva ( β )– Dada pela
02. (Uneb-BA) A comunicação entre os Fig. 01 – A Acústica estuda as propriedades das ondas
sonoras. expressão:
seres humanos ocorre, sobretudo,
As ondas sonoras são de natureza mecânica,
através da fala, e os sons são A unidade (SI) de nível sonoro é o bel (B),
de tipo longitudinal e classificadas como
vibrações elásticas que se propagam mas a unidade mais usada é o decibel (dB):
tridimensionais (veja a Apostila 24). Não se
no ar com velocidade em torno de 1dB = 0,1B.
propagam no vácuo (por isso, o vácuo é o
340m/s. Se as ondas sonoras Timbre – Relaciona-se com a forma de onda do
melhor isolante acústico que se conhece).
som, permitindo diferenciar dois sons de
emitidas por um homem e uma Infra-som e Ultra-som – O ser humano é capaz
mesma altura e mesma intensidade emitidos
mulher que falam se propagam no ar, de captar freqüências sonoras que vão de 20Hz
por fontes diferentes. Por exemplo, é pelo
com freqüências respectivamente a 20.000Hz. Uma onda com freqüência inferior a
timbre que se diferencia uma mesma nota
iguais a 100Hz e 250Hz, então o 20Hz é chamada infra-som; superior a
musical emitida por um piano e por um violão.
homem: 20.000Hz, ultra-som. Alguns animais, como os
morcegos e os cachorros, são capazes de
a) e a mulher emitem ondas mecânicas
perceber os ultra-sons.
transversais; Arapuca
Velocidade do som – As maiores velocidades
b) e a mulher emitem ondas sonoras de de propagação do som ocorrem nos sólidos; as Sabendo-se que a intensidade sonora
mesmo período; menores, nos gases. a que está submetido um operador de
c) e a mulher emitem ondas sonoras de A temperatura praticamente não influi na veloci- britadeira é 10-2W/m2, determine o nível
mesmo comprimento de onda; dade do som nos sólidos e líquidos. Mas, nos sonoro que esse trabalhador experi-
d) emite som mais grave que o emitido gases, a velocidade do som é diretamente propor- menta. Considere Io = 10-12 W/m2.
pela mulher; cional à raiz quadrada da temperatura absoluta do Solução:
e) emite som mais agudo que o emitido gás, conforme a Fórmula de Laplace:
pela mulher. , onde k é uma constante que
depende da natureza do gás; T é a temperatura
03. Ouvem-se 5 batimentos por segundo absoluta (kelvin) do gás.
quando uma fonte sonora de
freqüência de 1000Hz vibra nas A exposição a ruídos acima de 85 dB, por 8 horas
proximidades de outra fonte de Aplicação diárias, começa a produzir perdas auditivas.
freqüência menor. Qual é a freqüência A 0°C, a velocidade de propagação do Propriedades das ondas sonoras
da outra fonte? som no ar é 331m/s. Qual será essa As ondas sonoras apresentam as mesmas
velocidade à temperatura de 37°C? propriedades dos demais tipos de ondas:
04. Um objeto pode ser detectado reflexão, refração, difração e interferência.
Solução:
fazendo-se incidir ondas sobre ele, Reflexão do som – Pode dar origem ao reforço,
T1 = 0°C = 273K; v1 = 331m/s; T2 = 37°C =
com um sonar ou com um radar, 311K à reverberação ou ao eco.
desde que o objeto seja maior que o Pela Fórmula de Laplace: a) Reforço – Se o obstáculo que reflete o som
comprimento de onda das ondas estiver muito próximo, o som direto e o som
incidentes. Os morcegos podem refletido chegam ao ouvido quase ao mesmo
detectar ondas ultra-sônicas de tempo. O ouvinte tem a sensação de um som
100kHz, por meio das quais detectam Dividindo-se (I) por (II): mais forte. O reforço ocorre quando o
intervalo de tempo entre a chegada do som
objetos tão pequenos quanto os
direto e do refletido é praticamente nula.
insetos. Sendo a velocidade do ultra-
b) Reverberação – Se o obstáculo que reflete o
som no ar igual a 340m/s, o tamanho som estiver mais afastado, o som refletido
mínimo que os morcegos podem chega ao ouvido quando o som direto estiver
detectar, em cm, é: QUALIDADES DO SOM
se extinguindo, produzindo uma espécie de
Altura – Permite diferenciar um som grave de continuação deste. A reverberação ocorre
a) 34 b) 3,4
um som agudo. A altura do som depende quando o intervalo de tempo entre a chegada
c) 0,34 d) 1,7 e) 17
apenas de sua freqüência: som alto = som de do som direto e do refletido é pouco menor
05. O som propaga-se na água com alta freqüência = som agudo; som baixo = que 0,1s.
velocidade de 1450m/s. Nesse meio, som de baixa freqüência = som grave. c) Eco – Se o som refletido é recebido pelo
qual deve ser a distância entre uma Intensidade – Permite diferenciar um som forte ouvido depois que o som direto já se
de um som fraco. A intensidade do som extinguiu, o ouvinte percebe dois sons
pessoa e o obstáculo refletor para
depende da energia que a onda transporta. Um distintos. O eco ocorre quando o intervalo de
que ela possa ouvir o eco?
som de alta intensidade é forte; um som de tempo entre a chegada do som direto e a do
a) 145m b) 72,5m baixa intensidade é fraco. som refletido é superior a 0,1s. O ouvinte só
c) 80,5m d) 100m e) 102,5m a) Intensidade física (I) – Dada pelo quociente percebe o eco se estiver a mais de 17 metros
entre a quantidade de energia (E) que do obstáculo. Veja:

8
Sendo v = 340m/s e ∆S = 2x (ida e volta), e Aplicação
como ∆t > 0,1, então > 0,1.
Determine a freqüência dos
> 0,1, logo x > 17m batimentos gerados pela interferência
Refração do som – Ocorre quando uma onda de uma onda sonora de 1000Hz com
sonora produzida em um meio passa para outro outra de 1005Hz.
meio em que sua velocidade é diferente. Nesse Solução:
caso, a freqüência do som permanece a mesma, fb = f2 – f1
modificando-se o seu comprimento de onda. fb = 1005 – 1000
Difração do som – Propriedade pela qual o fb = 5Hz
som pode contornar obstáculos com dimensões O ouvido humano distingue batimentos até uma 01. Um ouvinte ouve um palestrante em um
de até 20 metros. freqüência aproximadamente igual a 7Hz; acima grande salão. Em um dado momento da
Interferência do som – Considere duas fontes disso, o som é trepidante, produzindo sensação
sonoras F1 e F2 , emitindo, em fase, ondas de palestra, o ouvinte muda de lugar e nota
de desconforto.
mesma amplitude e de mesmo comprimento de que a voz do palestrante parece mais
onda. Efeito Doppler – Quando a fonte sonora e o intensa, embora o novo lugar não seja
receptor estão movendo-se um em relação ao
mais próximo da fonte sonora. Após um
outro, a freqüência percebida pelo receptor não
intervalo, o ouvinte volta a trocar de lugar
é a mesma freqüência da fonte. Quando eles se
aproximam um do outro, a freqüência percebida
e tem a impressão de que as palavras
é maior que a da fonte; quando os dois se pronunciadas pelo palestrante ficam
afastam, a freqüência observada é menor que a difíceis de se entender, porque parecem
Fig. 03 da fonte. O som da sirene de uma ambulância, sobrepostas a outros sons.
No ponto X, onde há uma superposição das por exemplo, possui altura sonora maior Tendo em vista o enunciado, podemos
ondas, podemos ter uma interferência construtiva quando a ambulância se aproxima do concluir que os fenômenos sonoros
(som mais forte) se a diferença entre as observador, e menor quando a ambulância se experimentados pelo ouvinte, gerados
distâncias que separam as fontes do ponto X for afasta. Esse fenômeno é chamado Efeito
pela geometria do salão de palestras,
um número par de meio comprimento de onda: Doppler.
foram, respectivamente:
, onde n = 0, 2, 4, 6... Sendo f a freqüência real emitida pela fonte, vf a
velocidade da fonte, vo a velocidade do a) Reforço e eco.
A interferência destrutiva (som fraco ou nulo) se
observador, e vs a velocidade do som, a b) Interferência e eco.
a diferença entre as distâncias que separam as
freqüência fr ouvida pelo observador será:
fontes do ponto X for um número ímpar de meio c) Reforço e reverberação.
comprimento de onda: d) Reverberação e reforço.
, onde n = 1, 3, 5, 7... e) Reforço e interferência.
Para a utilizar esta fórmula, adote a seguinte
convenção de sinais:
02. (UFMS) Assinale a(s) opção(ôes)
corretas.
Aplicação a) As ondas sonoras se propagam com
Duas fontes sonoras, F1 e F2, emitem velocidade que depende do meio (sólido,
ondas sonoras em fase, com líquido ou gasoso)
freqüência de 80Hz. Considere a b) O fenômeno conhecido como eco está
velocidade do som no meio como
associado á reflexão das ondas sonoras.
sendo 320m/s. No ponto X, é Fig. 04
colocado um receptor sensível a c) O ouvido humano é capaz de ouvir sons
ondas sonoras. Esse receptor acusará de qualquer frequência.
um aumento ou uma diminuição na Aplicação d) A velocidade de uma onda sonora é
intensidade sonora em relação à sempre maior que velocidade da luz.
Uma ambulância passou por uma pessoa
intensidade das fontes?
parada. A freqüência do som que ela ouviu
03. (Fuvest-SP) Uma onda sonora
caiu de 1080Hz para 900Hz. Considerando
propagando-se no ar com freqüência f,
a velocidade do som no ar 340m/s,
determine a velocidade da ambulância e a comprimento de onda λ e velocidade v,
freqüência real da fonte. atinge a superfície de uma piscina e
Solução: continua a se propagar na água.
Na aproximação: Nesse processo, pode-se afirmar que:
a) Apenas f varia
Solução:
b) Apenas v varia
c) Apenas f e λ variam
d) Apenas λ e v variam
No afastamento: e) Apenas f e v variam

04. (UFSE) Você ouve um solo de violão.


Como n é par, a interferência é construtiva (em Para ouvir melhor, você se senta mais
X, o som será mais forte). próximo do músico, pois, dessa maneira,
Batimento – Quando ocorre uma interferência o som vai atingir os seus ouvidos com
sonora de ondas com freqüências ligeiramente Dividindo membro a membro: maior:
diferentes, ouve-se um som de batimento, que é
a) freqüência;
uma flutuação periódica da intensidade do som
resultante. A freqüência do batimento é dada b) comprimento de onda;
pela diferença das freqüências dos sons que se c) velocidade;
superpõem: A freqüência da fonte: d) intensidade;
fb = f2 – f1 (f2 > f1) e) altura.

9
Português
6. Todo o colégio vai participar dos
jogos estaduais. (certo)
7. Todo colégio vai participar dos jogos
Professor João BATISTA Gomes estaduais. (certo)
4. TODO + NUMERAL
a) Numeral + substantivo – Usa-se o
artigo obrigatoriamente.
Concordância Nominal I
b) Numeral sem substantivo – Não se usa
1. ANEXO, INCLUSO, JUNTO o artigo.
a) Anexo, incluso e junto são adjetivos; por Veja construções certas e erradas:
isso, concordam em gênero e número 1. Todos os três alunos estavam envolvidos
Arapuca com o substantivo a que se referem. com drogas. (certo)
b) A expressão em anexo, apesar de muito 2. Todos três alunos estavam envolvidos
(FGV) Assinale a alternativa aceitável empregada na redação comercial e/ou com drogas. (errado)
segundo a norma culta. oficial, não é aceita pela norma culta da
3. Todos os cinco deputados presentes
a) Ela mesmo quis se apresentar para a língua.
votaram contra o projeto. (certo)
diretoria. c) Junto é invariável quando faz parte das
4. Todos cinco deputados presentes
locuções prepositivas junto com, junto
b) Há bastante coisas a serem feitas antes da votaram contra o projeto. (errado)
a, junto de.
chegada do nosso diretor. 5. Por serem réus primários, todos quatro
Veja construções certas e erradas:
receberam penas leves. (certo)
c) Aqueles funcionários são o mais 1. Anexa à presente carta vai a relação das
capacitados possível. 5. TODO O MUNDO, TODO MUNDO
mercadorias. (certo)
a) No sentido de todas as pessoas, toda a
d) Eles pediram emprestado a caixa de 2. Vão anexos os pareceres da comissão
gente, deve-se preferir a expressão “todo
documentos. técnica. (certo)
o mundo”, mas não se pode condenar o
e) Anexo segue os documentos. 3. Segue anexa, para sua apreciação, a emprego de “todo mundo”.
cópia do contrato. (certo)
b) Quando “mundo” equivale a “Terra”, o
4. Seguem inclusos os nomes dos alunos uso do artigo é obrigatório.
faltosos. (certo)
Caiu no vestibular Veja construções certas e erradas:
5. Incluso ao processo vai a fotografia do
1. Hoje em dia, todo mundo gosta de
01. (FGV) Leia o estrofe seguinte. réu. (errado)
novelas. (certo)
6. Em anexo, vão as cartas do cliente. 2. Hoje em dia, todo o mundo gosta de
Quando será que toda a vasta Esfera,
(errado) novelas. (certo)
Toda esta constelada e azul Quimera,
7. Anexas, vão as cartas do cliente. (certo) 3. Ela fala mal de todo mundo. (certo)
Todo este firmamento estranho e mudo,
8. As certidões negativas seguem junto 4. Ela fala mal de todo o mundo. (certo)
Tudo que nos abraça e nos esmaga, 5. A poluição da água é o grande problema
com a documentação oficial. (certo)
quando será que uma resposta vaga, de todo mundo. (errado)
Mas tremenda, hão de dar de tudo, tudo?! 9. Quero que todos fiquem bem juntos de 6. A poluição da água é o grande problema
mim. (errado) de todo o mundo. (certo)
(Cruz e Souza)
2. MESMO 6. SÓ
Assinale a alternativa em que a a) Mesmo, no papel de palavra expletiva (=
palavra toda tenha o mesmo a) Só = adjetivo – Equivale a sozinho,
próprio), concorda com o substantivo. solitário, único, ermo, deserto; é
significado que o da ocorrência b) Mesmo = realmente, de fato, de verdade, variárvel: concorda com o substantivo a
grifada no primeiro verso. passa a ser advérbio, portanto invariável. que se refere.
a) Toda sala foi limpa. Veja construções certas e erradas: b) Só = advérbio – Equivale a somente,
1. Eles mesmos farão a apreensão dos apenas; é palavra invariável.
b) A campanha foi realizada por toda
produtos contrabandeados. (certo) c) A sós – É locução adverbial invariável.
empresa.
2. Vocês mesmos podem resolver esses Significa “sem mais companhia; consigo”.
c) Toda a natureza se revolta contra os
problemas, meninas. (errado) Veja construções certas e erradas:
ataques do homem.
3. Eles estavam namorando mesmo? (certo) 1. O pai era a só companhia que Deus lhe
d) Toda vez que você vier, não se esqueça deixou. (certo)
4. Estas histórias são verídicas:
de falar com o secretário. aconteceram mesmo! (certo) 2. Durante muitos anos, eles viveram só.
e) Toda criança tem direito a ser tratada (errado)
5. Os dois acusados são mesmo
com respeito. 3. Durante muitos anos, eles viveram só
criminosos. (certo)
para os estudos. (certo)
02. (FGV) Há má construção gramatical 3. TODO O, TODA A 4. Ele e ela viajaram sós. (certo)
quanto à concordância em: a) Todo, toda, sem artigo depois, significam 5. Só ele e ela viajaram. (certo)
qualquer; têm valor de pronome indefinido. 7. BASTANTE, MUITO, POUCO
a) Os médicos consideravam inevitável
b) Todo, toda, seguidos de artigo (todo o, a) Advérbios – Bastante e muito equivalem
nos pacientes pequenas alterações toda a) significam inteiro, completo; têm a abundantemente, em alto grau, com
psicológicas. valor de adjetivo. intensidade; pouco equivale a não muito,
b) As internações por si sós já causam Veja construções certas e erradas: insuficientemente. Modificam um verbo
certos distúrbios psicológicos aos 1. Toda família, até os empregados, ou um adjetivo; são, pois, invariáveis.
pacientes. viajaram para o interior. (errado) b) Pronomes indefinidos – Bastante e muito
2. Toda a família, até os empregados, equivalem a algo (coisa ou indivíduo) em
c) Uma e outra alteração psicológica grande quantidade; pouco equivale a algo
viajaram para o interior. (certo)
podem afetar os pacientes (coisa ou indivíduo) em quantidade inferior
3. Toda criança tem direito à escola. (certo)
hospitalizados. 4. Toda a criança tem direito à escola. ao desejado. Modificam um substantivo e
(errado) com ele devem concordar.
d) Distúrbios e alterações psicológicos são
5. Quando adolescente, eu lia todo livro c) Mui – É forma reduzida de muito; só
normais em pacientes hospitalares.
que me dessem. (certo) pode ser empregada antes de adjetivos
ou de advérbios terminados em “mente”.

10
10. LESO
a) Que ofende – Significando “que ofende”,
Aplicação 1 é adjetivo, provoca hífen e concorda com
a palavra a que se refere.
Assinale a opção com erro de Exemplos:
concordância nominal.
1. Agindo assim, você comete crime de
.a) O juiz tinha razões bastante para lesa-pátria.
condenar o réu.
2. Suas atitudes de leso-matrimônio
b) Promotores públicos granjeiam
podem magoar muita gente.
bastantes inimizades.
3. Contratar maus professores é crime
c) Vezes bastantes conversamos a esse 01. (ACAFE) Preencha as lacunas das
de lesa-cultura.
respeito. frases abaixo.
d) Vivia de renda; tinha bastantes prédios b) Tolo, idiota – Significando idiota,
alugados. amalucado, tolo, é adjetivo: concorda com 1. Vocês estão .............. com a tesouraria.
o substantivo ou pronome a que se refere. 2. As janelas ............... abertas deixavam
e) Depois de muita insistência, recebeu-nos
mui zangado. Exemplos: entrar a leve brisa.
8. BARATO E CARO 1. Ou tu és muilo lesa ou então te finges 3. Vai ............... à presente a relação dos
disso, Gabriela. livros solicitados.
a) Adjetivos – Modificam um substantivo;
estão, quase sempre, em construções 2. Ele nos trata como se fôssemos lesos. 4. As matas foram ..........................
com verbos de ligação (ser, estar, 11. MENOS danificadas pelo fogo.
parecer, permanecer, continuar, ficar), Não existe a palavra menas. Menos – 5. É ...................... a entrada de animais.
exercendo a função de predicativo. sempre invariável – tem várias classes A alternativa contendo a seqüência
b) Advérbios – Modificam um verbo gramaticais. Veja: verdadeira, de cima para baixo, é:
(invariáveis, portanto). Aparecem em a) Pronome indefinido – Opõe-se a pouco;
construções com os verbos alugar, a) quite – meia – anexa – bastantes –
significa inferior em número, quantidade,
cobrar, comprar, custar, vender. condição ou posição. proibida;
c) Preço barato, preço caro – Expressões b) quites – meia – anexa – bastantes –
Exemplos:
sem sentido. O substantivo preço tem proibida;
1. Há menos vestibulandos aqui do que
que ser modificado pelos adjetivos alto, c) quite – meio – anexo – bastante –
no Sudeste.
elevado, baixo, módico. proibido;
2. Não sou menos humano só porque
me coloco a favor da pena de morte. d) quites – meio – anexa – bastante –
proibida;
Aplicação 2 b) Advérbio – Significa em número ou
quantidade menor; com menos intensidade. e) quites – meio – anexo – bastante –
Assinale a opção com erro de proibido.
concordância nominal. Exemplos:

.a) Vendeu as duas casas por um preço 1. Hoje em dia, chove menos na Região 02. (F. C. Chagas) (Desafio da TV) Elas (...)
Norte.
muito barato. providenciaram os atestados, que
b) Produtos importados, mesmo na Zona 2. Depois do infarto, passou a comer enviaram (...) às procurações, como
Franca, são caros. menos.
instrumentos (...) para fins colimados.
c) Produtos importados, mesmo na Zona c) Substantivo – Sugere aquilo que tem a
Franca, custam caro. menor importância; o que é mínimo; o *a)mesmas, anexos, bastantes
d) No Sul, roupas de algodão são baratas. menor preço. b) mesmo, anexo, bastante
e) Mesmo no interior, os peixes nobres Exemplos: c) mesmas, anexo, bastante
custam muito caro. d) mesmo, anexos, bastante
1. O menos que pode acontecer-me é
9. QUITE não ser aprovado. e) mesmas, anexos, bastante
Quite é adjetivo; por isso, concorda em 2. Se você fizer um menos, levo logo
número com o substantivo ou pronome a 03. (Mackenzie) (Desafio do Rádio)
uma dúzia de sapotis.
que se refere. Significa livre, desobrigado, Assinale a alternativa incorreta
d) Preposição – Equivale à exceção de;
desembaraçado. quanto à concordância nominal:
exceto, afora, salvo.
Veja construções certas e erradas: a) O narrador pulou longos páginas e
Exemplos:
1. Só pode inscrever-se para o concurso capítulos.
1. Esqueço tudo que ele me fez, menos
quem estiver quites com o Serviço Militar b) Ele pulou longos capítulos e páginas.
as agressões físicas.
Obrigatório. (errado). c) Ele escreveu capítulos e páginas
2. Todos foram ao rio Uatumã, menos eu.
2. Aqui, todos estão quites com as compactas.
mensalidades escolares. (certo) e) A menos que – É locução conjuntiva
d) Ele escreveu capítulos e páginas
condicional. Equivale a salvo se, a não
3. Finalmente, a família conseguiu ficar compactos.
ser que.
quites com o Sistema Financeiro de
e) Ele escreveu páginas e capítulos
Habitação. (errado)
compactos.
Seu futuro está a um passo, e agora só depende
de você! Participe do simuladão, teste seus
Apostila referente ao curso pré-vestibular Aprovar conhecimentos e prepare-se para o vestibular.
da Universidade do Estado do Amazonas (UEA).
Não pode ser vendido.
A entrada é gratuita, e você não precisa sair do
Ano III (2005/2006) seu bairro.
Governador
Eduardo Braga
Vice-Governador
Omar Aziz
Reitor
Lourenço dos Santos Pereira Braga
Vice-Reitor
Carlos Eduardo Gonçalves
Pró-Reitor de Planej. e Administração
Antônio Dias Couto
Pró-Reitor de Extensão e Assuntos
Comunitários
Ademar R. M. Teixeira
Pró-Reitor de Pós-Graduação e Pesquisa
Walmir Albuquerque
Coordenadora Geral
Munira Zacarias
Coordenador de Ensino
Carlos Jennings
Coordenador de Professores
João Batista Gomes
Coordenador de Logística e Distribuição
Raymundo Wanderley Lasmar
Coordenadora de Comunicação
Liliane Maia GABARITO DO NÚMERO ANTERIOR
Produção DESAFIO FÍSICO (p. 3) DESAFIO MATEMÁTICO (p. 6)
Aline Susana Canto Pantoja
01. C; 01. C; 02. E; 03. D; 04. E; 05. B; 06. D; 07. B;
Projeto Gráfico e Editoração Eletrônica 02. C; 08. A; 09. E; 10. C;
Horácio Martins 03. C; DESAFIO MATEMÁTICO (p. 8)
04. C;
01. E; 02. D; 03. D; 04. D; 05. A; 06. A; 07.C;
05. E;
08. D; 09. C;
DESAFIO FÍSICO (p. 4)
DESAFIO LITERÁRIO (p. 10)
01. C; 02. C; 03. D; 04. A; 05. D; 06. B; 07.B;
01. A; 02. E; 03. E; 04. B
EXERCÍCIOS (p. 5)
01. A; 02. B;

Este material didático é base para as aulas transmitidas diariamente (horário de Manaus), de segunda a sábado, nos seguintes meios de comunicação:
• TV Cultura (6h às 6h30 e 23h às 23h30) • Rádio Rio Mar (19h às 19h30) • Rádio Santo Antônio de Borba (18h30 às 19h)
• Amazon Sat (13h às 13h30) • Rádio Seis Irmãos do São Raimundo (16h às 16h30) • Rádio Estação Rural de Tefé (19h às 19h30) – horário local
• RBN (13h às 13h30) • Rádio Difusora de Itacoatiara (23h às 23h30) • Rádio Independência de Maués (6h às 6h30)
• TV A Crítica (23h às 23h30) • Rádio Comunitária Pedra Pintada de Itacoatiara (22h30 às 23h) • Rádio Cultura (6h às 6h30 e 12h às 12h30)
• Rádio Panorama de Itacoatiara (12h às 12h30) • Centros e Núcleos da UEA (12h15 às 12h45)
www.uea.edu.br e www.linguativa.com.br
Endereço para correspondência: Projeto Aprovar - Reitoria da UEA - Av. Djalma Batista, 3578 - Flores. CEP 69050-010. Manaus-AM