Você está na página 1de 10

Lázaro felicidade celestial.

Um bom tradutor da Bíblia também


diz que “Hades” significa “a terra invisível, o reino dos
Lázaro, laz’-a-rus (Gk. Fr. Heb.) - a quem Deus ajuda; mortos, incluindo Elysium e o paraíso para os o bom,
socorro de Deus; assistência de Deus; graça de Deus; e Tártaro, Geena e inferno para os ímpios. “No entan-
não ajuda; sem socorro; desamparado. A verdadeira de- to, não entendemos que” o seio de Abraão “se refere
rivação hebraica de Lázaro é contestada. Alguns con- a um lugar chamado céu, nem que” Hades “se refere
sideram que é uma forma de Eleazer, ou seja, a quem a um lugar chamado inferno. A alegoria tentava, evi-
Deus ajudou. Outros acreditam que seja derivado de dentemente, descrever os dois estados de consciência
Loa-ezer, significando “sem ajuda”. nos quais os princípios superiores e inferiores da alma se
encontram após a morte do corpo.)
a) O nome do “mendigo” em uma das parábolas de
Jesus (Lucas 16:20). Quando o homem perde as vias materiais de expres-
b) Um amigo de Jesus e irmão de Maria e Marta, são e não desenvolve o espiritual, ele está atormentado.
a quem Jesus ressuscitou dentre os mortos (João 11: O apetite anseia por satisfação e, em seu desejo angus-
1-44). tiado por um rascunho refrescante, chama seu equiva-
lente espiritual (Lázaro). Mas a consciência do corpo, o
Meta. Lázaro (a quem Deus ajuda, sem socorro) re- lugar da união entre todos os atributos do homem, foi
fere-se à parte da consciência que é ajudada pelo bem, removida, produzindo na consciência da vida um gran-
embora aparentemente totalmente negligenciada pelo de abismo ou abismo que não pode ser atravessado, ex-
próprio homem. ceto pela encarnação do homem em outro corpo.

Na parábola (Lucas 16: 19-1), Jesus descreve os Então o homem sensorial fica arrependido e avisa seus
estados de consciência de quem passa pela mudança cinco irmãos sobre o perigo da vida sensorial. Esses cin-
chamada morte. O homem rico e Lázaro representam a co irmãos são os cinco sentidos. Abraão diz: “Eles têm
consciência externa e interna da pessoa comum de es- Moisés e os profetas; ouçam-nos”; isto é, eles entendem
pírito mundano. A consciência externa se apropria dos a lei (Moisés) e sabem o que seguirá sua transgressão
atributos da alma e do corpo e os expressa através de (profetas). O homem rico se junta novamente: “Não,
vias sensoriais. “Ele estava vestido de linho roxo e fino, pai Abraão; mas se alguém lhes vier dentre os mortos,
saindo suntuosamente todos os dias.” Esta condição ti- eles se arrependerão”. “E ele lhe disse: Se não ouvirem
pifica riquezas carnais. Moisés e os profetas, nem serão persuadidos, se alguém
ressuscitar dos mortos.” A consciência pessoal, forma-
O egoísmo material mata de fome o homem interior da por apegos materiais, só pode ser alcançada através
e desvitaliza a fase verdadeira ou espiritual da alma e do de seu próprio plano de consciência. As manifestações
corpo, que é descrita na sentença: “Um certo mendigo fenomenais do espiritualismo não fazem as pessoas se
chamado Lázaro foi colocado à sua porta, cheio de fe- arrependerem de seus pecados.
ridas e desejando ser alimentado com as migalhas. que Quando se compreende a desintegração que a morte
caiu da mesa do rico “. A vida da alma superior é tirada produz no homem, essa parábola é percebida como rica
da consciência e alimentada com os cães. em descrição desse processo e da nova relação das par-
tes segregadas do homem completo.
Quando a morte ultrapassa essa pessoa, tanto o am-
biente interno quanto o externo mudam. As avenidas A ressurreição de Lázaro, irmão de Maria e Marta,
materiais são perdidas para o exterior, e a fase carnal da significa restaurar a consciência da idéia de juventude,
alma se encontra no inferno dos desejos dos animais, que está adormecida no subconsciente, ou tumba do
sem a carne pela qual se expressar. “E no Hades ele er- corpo. As pessoas envelhecem porque deixam a idéia
gueu os olhos, estando atormentado.” da juventude adormecer. Essa idéia não está morta,
mas está dormindo, e o entendimento EU SOU (Je-
Lázaro, o mendigo, foi “levado pelos anjos para o seio sus) vai despertá-la. Este despertar das energias juvenis
de Abraão”. O ego espiritual interior, atraído por suas é necessário para alguém na regeneração. O corpo não
idéias espirituais inatas, encontra um refúgio ou descan- pode ser refinado e feito como seu Criador, eterno, até
so no seio do Pai, representado por Abraão. que todos os pensamentos necessários à sua perpetu-
ação sejam revividos nele. A juventude eterna é uma
(De acordo com as melhores autoridades da Bíblia, “o dessas idéias dadas por Deus que o homem ama. Jesus
seio de Abraão” representa um estado de felicidade ou amava Lázaro.
Os sentidos externos dizem que esta força vitalizadora turais na constituição. “Solte-o e deixe-o ir” significa
está morta, que está morta há tanto tempo que entrou vida sem restrições, expressando-se em alegre liber-
em dissolução, decadência, mas o conhecimento mais dade de Espírito. A carne pegaria esse dilúvio vital
profundo do homem espiritual proclama: “Nosso amigo e o usaria da maneira antiga, colocaria vinho novo
Lázaro está dormindo; mas eu. acordá-lo fora do sono “. em garrafas velhas, mas o Espírito guia aqueles que
confiam nele e os conduz de maneira justa, se escutar
Trazer essa vida adormecida à consciência externa não pacientemente o guia interior.
é tarefa fácil. Jesus gemeu de espírito e ficou perturbado
com a perspectiva. O superior deve entrar em simpa- Esse levantamento de Lázaro é realizado todos os
tia e amor com o inferior para provocar o despertar - dias por aqueles que estão colocando o novo corpo
“Jesus chorou”. Mas deve haver mais do que simpatia de Cristo.
e amor - “Tirai a pedra”. A “pedra” que mantém a vida
adormecida no túmulo da matéria no subconsciente é a “Lázaro... Sentado à mesa” (João 12: 2) significa que
crença na permanência das leis materiais presentes. Esta essa idéia interior ressuscitada de vida e juventude
“pedra” deve ser removida pela fé. O homem que deseja permanece como a substância vitalizadora do sub-
que a vida interior brote deve acreditar na realidade dos consciente na regeneração.
poderes espirituais e deve exercer sua fé invocando em
oração a presença do Deus invisível, mas onipresente.
Isso revela à consciência a glória do Espírito, e a alma
Bethania
testemunha em si mesma um poder que não conhecia.
Betânia (AV, João 1:28, Bethabara), beth’-a-ny (gr.
De Heb.) - casa de figos (derivada do gemido, suspi-
No Espírito, todas as coisas são cumpridas agora. No
ro e lamento da folhagem e das “lágrimas”) gotas de
momento em que um conceito entra na mente, o que
goma que exsudam da fruta); casa das aflições; casa da
é concebido é consumado, através da lei que governa a
angústia; casa da depressão. Betânia, ou Bethabara, o
ação das idéias. O inventor vê mentalmente sua máqui-
lugar onde João batizou, significa local de travessias;
na fazendo o trabalho projetado, embora possa demorar
local onde são feitas as travessias; lugar dos vaus.
alguns anos para fazê-la funcionar. O espírito espiritual
tira proveito dessa lei e afirma a plenitude do ideal, inde-
a) Uma cidade perto de Jerusalém, a casa de Lázaro
pendentemente das aparências externas. Isso estimula a
e suas irmãs, frequentemente visitada por Jesus (João
energia no processo de pensamento e lhe dá poder além
11: 1; Marcos 11: 1). b) Um lugar além do Jordão,
da estimativa. Este é o passo que Jesus deu quando er-
onde João Batista batizou (João 1:28).
gueu os olhos e disse: “Pai, agradeço-te por ter me ou-
vido. E eu sabia que você sempre me ouvia”. A vida
Meta. Betânia significa lamentação, aflição; e sig-
adormecida (Lázaro) não acorda, mas a oração de ação
nifica a demonstração sobre essas condições. Sempre
de graças que está em ação agora dá a segurança que
que fazemos uma demonstração mental, obtemos um
a chama no próximo passo para a superfície - “Lázaro,
certo resultado na mente e no corpo. Em Betânia, Je-
saia.”
sus ressuscitou Lázaro dentre os mortos e venceu a
tristeza, lamentação e aflição de Maria e Marta.
Jesus “chorou em voz alta”. Isso enfatiza a neces-
sidade de trabalhar arduamente na vibração da vida
interna para a superfície. Os neófitos acham fácil, sob Maria (mbd)
instruções apropriadas, acelerar os vários centros de Maria, madre (fr. Heb.) - contradição; clamor rebel-
vida do corpo e conectá-los como uma bateria cor- de; queixa amarga; amargura; mirra; águas amargas;
poral vibratória que, sob a direção da vontade, lança espíritos aromáticos.
uma corrente de energia para qualquer lugar desejado. a) a mãe de Jesus (Mateus 1: 18-22). b) Maria Ma-
Chega um momento em que a carne exterior deve ser dalena, de quem Jesus expulsou sete demônios, e que
vitalizada com esta vida interior; surge então a neces- se tornou um de Seus seguidores mais devotos (Lucas
sidade de usar a “voz alta” ou vibrações poderosas nos 8: 2; João 20: 1, 11-18). c) Maria, irmã de Marta e
olhos e ouvidos; de fato, todas as funções. Isso está Lázaro (Lucas 10:39; João 11: 1, 2). d) Mãe de João
removendo o guardanapo do rosto, o que representa Marcos (Atos 12:12). e Outras Marias também são
inteligência consciente. mencionadas (João 19:25; Rom. 16: 6).
A liberdade de todos os bondes é necessária antes Meta. O feminino, a alma, a fase afetiva e emocional
que a vida aprisionada possa encontrar seus canais na- do ser humano, quando aparentemente vinculados e
limitados pelo pensamento sensível, e em seu estado Através de Jesus sete demônios foram expulsos de
livre e exaltado. Maria Madalena. Isso significa que o eu no homem, a
vontade diretiva ou o eu superior elevado à compre-
Maria, mãe de Jesus, representa a alma que engran- ensão e ao poder divinos, libera a alma dos erros emo-
dece o Senhor “diariamente no templo” e, por meio cionais que existem nos sentimentos não regenerados
de suas devoções, se prepara para a vida superior. Ela e estabelece paz e equilíbrio na consciência. À medida
significa a divina maternidade do amor. Ela também que a alma é purificada e levantada dia a dia pela es-
pode ser considerada intuição. cravidão dos erros (demônios), ela derrama sobre a
consciência de todo o corpo cada vez mais sua riqueza
Jesus, a manifestação do homem aperfeiçoado, é de substância, vida e amor. Mais especialmente, essa
concebido na natureza intuitiva ou da alma e é molda- devoção e serviço dirigidos ao EU SOU no indivíduo
do em sua substância. Essa entrada do corpo de Cristo - representado por Jesus - auxiliando-o muito em seu
em atividade é o resultado de uma idéia elevada, se- ministério da Verdade em todo o organismo.
meada na mente e amadurecida pela alma (Maria). A
alma é devota e expectante. Ele acredita no chamado Podemos estar inclinados a menosprezar o valor
milagroso como uma possibilidade. Maria esperava o do lado feminino de nossa natureza. Os sentimentos
nascimento do Messias, de acordo com a promessa e afetos, que são a sede das emoções em nosso esta-
do Espírito Santo. Ela foi ofuscada por essa alta idéia; do não redimido, pertencem à alma. A purificação
formou em sua mente a semente que acelerou na cé- da alma e a riqueza de suas qualidades consagradas
lula, e no devido tempo houve agregações de células e sustentadas são necessárias na regeneração do cor-
suficientemente fortes em sua atividade para atrair a po, assim como é a aceleração dos discípulos, as doze
atenção da consciência externa, e o que é chamado de faculdades da mente. Tanto a alma quanto o enten-
nascimento de Cristo ocorreu. dimento (amor e sabedoria) devem entrar em nossas
afirmações da Verdade, para que essas afirmações se
Maria, a alma, mãe de Jesus, como mencionada em tornem realmente substância e vida para nós.
Lucas 2:34, 35, refere-se ao princípio conservador e
convencional que sofre quando a nova ordem de vida Sem as profundezas da qualidade do “sentimento”
e lei é estabelecida. A alma tem sido vinculada pela na consciência da alma, que Maria Madalena parece
tradição e costumes culturais até ser atrofiada. Agora especialmente simbolizar, deveríamos ser como aquele
está voltando à vida e, em seu trabalho, revela o corpodiante de quem uma mesa é preparada para um grande
do Senhor. banquete: a mesa é posta com linho fino e prata, todo
o pratos e arranjos são perfeitos, mas não há nada para
Maria, mãe de Jesus, Maria Madalena, Maria de Be- comer; ou, se houvesse algo para comer, seria como
tânia, Marta e as outras mulheres que estavam tanto comida sem sabor ou tempero. Um serviço prestado
com Jesus e Seus discípulos durante o Seu ministério, sem profundidade de amor e sentimento, sem a própria
“que ministraram a eles sua substância”, todas repre- substância do próprio ser, é apenas uma forma, vazia.
sentam fases da alma individual.
Em Lucas 8: 1-3, João 19:25 e João 20: 11-18, en-
Uma maravilhosa lição de constância, gratidão, contramos Maria Madalena entre aqueles que seguem
amor, apego fiel e serviço é apresentada diante de nós Jesus de um lugar para outro, ministrando a Ele. Nós a
nos vislumbres de Maria Madalena que são dados nos vemos pela cruz, e de pé no túmulo chorando. Então
Evangelhos. Onde quer que ela seja mencionada, o os anjos aparecem para ela; depois, Jesus ressuscitado
poder do amor, devoção e serviço é revelado. Toda a se revela a ela, e ela vai contar as boas novas aos discí-
sua vida e tudo o que ela possuía foram aparentemen- pulos. Assim, a alma permanece sempre com o objeto
te dedicados ao Cristo. de sua devoção. Quando o amor de alguém é estabele-
cido na Verdade, a alma permanece mais próxima do
A consciência da alma em cada indivíduo é capaz Divino. Quando o humano passa pela crucificação ao
da lealdade mais forte, profunda e plena à Verdade. morrer para si mesmo, a alma permanece com ela para
Está constantemente buscando algo que irá satisfazer. fazer amizade e ajudar. Quando tudo aparentemente
Nunca pode ser feliz ou em paz até que os sentimentos se perde, a alma purificada é constante e verdadeira.
sejam redimidos e harmonizados pelo Espírito Santo, Quando a luz da ressurreição quebra na consciência,
até que a presença de Deus seja conhecida, sentida e a alma sente (percebe) a luz primeiro e transmite as
plenamente realizada em todo o ser individual. boas novas às faculdades mais externas (os discípulos).
Maria Madalena também pode ser explicada como tos os vivos. Os cristãos que continuam a pensar ape-
representando o reino psíquico da consciência. Este nas no Jesus crucificado estão olhando para o túmulo,
reino é demonizado, e dele Jesus produziu sete de- confiando na morte para salvá-los, em vez de olharem
mônios (Lucas 8: 2). É aí que as emoções têm seus para o Cristo ressurreto e glorificado, que é vida, tota-
centros de ação. É a sede do desejo. Seu estrato infe- lidade e verdade.
rior é a sensação, a serpente que tentou Eva a comer
da vida de reserva e substância da natureza geradora, Maria de Betânia representa a alma devocional, e
que está no centro do corpo - o fruto da árvore no Marta representa a alma prática. Marta fornece as ne-
meio do Jardim do Éden. Quando a psique prova essa cessidades materiais e Maria, o espiritual, enquanto
sensação animal, fica tão apaixonada por sua fonte de Lázaro se senta na carne, ou permanece como a subs-
prazer recém-descoberta que comunica sua paixão à tância viva do subconsciente.
razão e Adam também come. Então o problema para
o homem começa. Em vez de um processo ascenden- Maria, o lado interno e devocional da alma, agrade-
te e refinado na consciência, temos um processo des- ce o despertar de seu irmão Lázaro, porque depende
cendente e grosseiro. Isso prossegue até um ponto em de sua manifestação na vida subconsciente que ele
que as faculdades superiores se separam das inferiores representa.
e “o homem é um deus em ruínas”. Esse pecado leva
à doença e à morte. Os fogos da luxúria e do remorso Maria e Marta também representam dois aspectos
queimam na mente e no corpo - o inferno é feito. do amor: Marta, o amor que ministra ao físico, e Ma-
ria, que atende ao espiritual. Ambos são amigos de Je-
Mas esse “deus em ruínas” deve ser reconstruído. sus, mas Ele recomenda Maria acima de Marta (Lucas
Deus envia Seu Cristo para a alma, doente de suas fu- 10:41, 42).
gazes concupiscências, e o processo de conectar nova-
mente Adão e Eva ao Pai é concluído em Jesus. Jesus é Martha não considera que nada tenha sido feito, a
Adão ressuscitado no entendimento; Maria Madalena menos que haja evidência externa, como ministrar
é Eva purificada em desejo. ao corpo e suas necessidades; mas Maria senta-se aos
pés de Jesus. João diz que Maria derramou a pomada
Na narrativa da ressurreição de Jesus, um elemen- nos pés de Jesus. Os pés simbolizam o entendimento,
to de simpatia humana é retratado na amorosa Maria e quando Maria derrama sobre os pés de Jesus o per-
que se inclinou e olhou para o túmulo pelo Senhor. fume precioso, ela está simbolicamente banhando Seu
Ele ressuscitou, no entanto, e ela o encontrou andan- entendimento com a fragrância do amor.
do no jardim. Cuidado com as limitações do amor hu-
mano; procure seu magistral EU SOU pensado, Jesus, Esta lição de João 12: 1-8 e Mateus 26: 6-13 é de
na onipresente força viva e vitalidade da vida que está grande importância para os metafísicos. A tendência
penetrando e permeando todas as partes do seu cor- é concentrar-se no entendimento e contar sua lógi-
po, que é o jardim de Deus. A simpatia humana man- ca e razão fria como cumprimento da lei; mas apren-
tém-nos em condições materiais quando pensamos demos por experiência que a ciência fria da mente,
que somos livres. Aqueles que estão espiritualizando sem o calor do coração, é uma doutrina muito fria. As
a consciência estão muito propensos a ser atraídos de comportas do amor divino devem ser abertas na alma
volta aos sentidos através de seus amores pessoais, e seu perfume precioso e perfumado deve ser derra-
quando estão prestes a ter sucesso. Quando Jesus dis- mado sobre o entendimento. Isso enche toda a casa,
se a Maria: “Não me toque, porque ainda não subi ao ou corpo, com um bálsamo e um “odor” que curam e
Pai”, ele representou a sabedoria do EU SOU, que não abençoam a todos.
permite que o amor pessoal o ligue no seu caminho
ascendente. A aquisição (Judas) diz que essa preciosa substância
deve ser vendida, para que o produto seja dedicado
“Por que buscais os vivos entre os mortos? Ele não aos pobres; isto é, a faculdade de acumulação não
está aqui, mas ressuscitou.” Maria chorosa e os discí- derramaria algo tão precioso como o amor sem obter
pulos tristes, inclinando-se e olhando para o túmulo em troca um valor monetário, a fim de que os pobres
à procura do seu Mestre vivo, sugerem aqui o esque- (pensamentos de necessidade corporal) pudessem ser
cimento da consciência sensorial. Jesus ensinou cla- supridos.
ramente que Ele ressuscitaria dos mortos, mas Seus
discípulos esqueceram isso e buscaram dentre os mor- Este Judas diz aos professores de Verdade: “É melhor
que as pessoas paguem prontamente por todo ensino resultam porque há uma aparente separação da Fonte
e cura. Você tem necessidades temporais que precisam do amor e equilíbrio, e uma falta é sentida na cons-
ser supridas. Não seja muito liberal com esta preciosa ciência. Verdadeiramente, “obedecer é melhor que
Verdade; é valiosa e trará dinheiro. Não despeje seu sacrificar”. A compreensão da verdade deve preceder
amor e simpatia de cura indiscriminadamente; faça todo serviço real e eficaz.
as pessoas pagarem um bom preço e elas apreciarão o
que receberem. “ Também se pode dizer que Marta representa a cons-
ciência material e Maria, a espiritual.
Lembre-se, no entanto, que esse Judas é um ladrão,
um enganador e traidor de sua autoria. Ele está en- Jesus é a cabeça visível, representando o Cristo (ver
ganando o mundo inteiro hoje em dia, e até os me- Ef 1:22; 4:15; Col 1:18; 2:10).
tafísicos que são livres de todas as outras formas são
vinculados por seu falso raciocínio. É Marta que satisfaz as necessidades do homem ex-
terno e que deseja mais assistência para continuar sua
O entendimento tem seus dias de escuridão, mas parte no trabalho. Ela é muito insistente em exigir
onde o amor foi acelerado e toda a consciência foi que seus deveres sejam dados em primeiro lugar. Mas
inundada com sua simpatia e compaixão, sempre há a consciência espiritual, Maria, “escolheu a parte boa,
consolo. Jesus se referiu a isso quando disse: “Sofra que não lhe será tirada”, enquanto Marta está “ansio-
com ela para mantê-lo contra o dia do meu enterro”. sa e preocupada com muitas coisas”.

Marta pode aliviar seu trabalho e facilitar as coisas


Marta fazendo tudo “como para o Senhor”, ou seja, colocan-
Irmã de Maria e Lázaro. Os três moravam juntos
do compreensão e poder espirituais em tudo o que ela
em Betânia, e Jesus frequentemente visitava sua casa
faz, assim exercitando eficiência e facilidade em todas
(Lucas 10: 3842; João 11: 1-39; 12: 2).
as atividades do lar.
Meta. Em Lucas 10: 38-42, Marta e Maria repre-
sentam as fases externa e interna, respectivamente, da Jeshua
atividade da alma em acolher o professor espiritual in- Jeshua, jesh’-u-å (Heb.) - Jeová é libertação; Jeová é
terno. A alma, estabelecida no amor, é sempre rápida ajuda; Jeová é salvação; Jah é liberdade; a segurança é
em discernir a presença de pensamentos verdadeiros de Jeová; opulência de Jah; abundância de Jeová.
e congratula-se com o homem espiritual, ou professor,
que traz a Verdade. É também uma atitude receptiva a Um sacerdote no qual o nono lote caiu para o ser-
em relação à compreensão, viço no templo, no reinado de Davi (1 Cr. 24:11). b)
Um sacerdote que estava sob Kore, filho de Inna, o
Marta representa a atividade externa da alma que levita, cuidando das ofertas de livre-arbítrio no reina-
está recebendo o eu superior; Maria representa a re- do de Ezequias (II Cr. 31:15). c) Aquele que voltou
ceptividade interior ou da alma. Martha deseja mos- do cativeiro babilônico com Zorobabel (Esdras 2: 2).
trar seu amor pelo serviço; Maria mostra a dela apren- d) Um nome para Josué, filho de Freira, que levou os
dendo aos pés de Jesus. Filhos de Israel à Terra Prometida (Neh. 8:17).
Meta. Salvação ou redenção através de Jeová, EU
Ambas as atividades são necessárias, mas devemos SOU. Veja JOSHUA.
prestar atenção que, em nosso desejo de servir, não
esquecemos nossos tempos de comunhão com nosso
Senhor que habita em nós. Não devemos dar mais va-
Judéia
Judéia (em A. V., Lucas 23: 5 e João 7: 1, Hebreus),
lor ao serviço ativo do que à receptividade silenciosa e
ju-dæ’-å (Gk. Fr. Heb.) - de Judá; louve a Jeová; cele-
amorosa ao Espírito da verdade dentro de nós.
bração de Jeová; louvar a Jeová; confesse Jah.
Maria aos pés de Jesus representa a alma como
A divisão sul da Palestina; a terra ou província de
aprendendo as lições da vida do eu superior. Quando
Judá (Mt 2: 1).
o aprendizado dessas lições é dado em primeiro lugar
na consciência, a atividade ou serviço a seguir se tor-
Meta. Uma referência à interpretação dos nomes das
na simples e fácil. Mas quando Martha, a qualidade do
Escrituras mostra que Judéia (agora conhecida como
serviço, recebe precedência, a ansiedade e a irritação
Judéia) significa “louvor a Jeová”. Essa é a chave para mentos de Jesus e não teria recebido as garantias e
a atitude mental na qual a consciência de Cristo será explicações exteriores que ele estava sempre exigindo.
aberta para nós - enquanto louvamos ao Senhor. Ele teria sabido e não teria duvidado, se tivesse repre-
sentado entendimento espiritual em vez de entendi-
Judéia é a terra de Judá. “Judá” significa “louvar a mento de um ponto de vista mais humano e limitado.
Jeová, confissão de Jah”. Em João 4:47, o EU SOU (Veja THOMAS.)
(Jesus) morando em “louvor a Jeová” (Judéia) iden-
tifica o homem com os pensamentos de Cristo e leva
a uma expressão maior do poder divino. (Ver Judá, a
Jerusalém
Jerusalém, je-ru’-så-lem (Heb.) - habitação da paz;
tribo e o reino.)
morada da paz; posse de paz; fundamento da paz;
constituição da harmonia; visão de paz; morada da
Tomé prosperidade.
Thomas, thom’-as (Gk. Fr. Heb.) - juntou-se; con-
junta; dobrou; dois; gêmeo. A capital da Palestina. No tempo de Abraão, era
chamado Salém (Gn 14:18). Foi chamado Jebus mais
Um dos doze apóstolos de Jesus Cristo. Este discípu- tarde, quando era habitado e governado pelos jebuseus
lo também é chamado Didymus (João 14: 5; 21: 2). (Juízes 19:10; I Crônicas 1: 4). A primeira vez que é
mencionada na Bíblia como Jerusalém é em Josué 10:
Meta. Tomé é o discípulo de Jesus Cristo que repre- 1. Em Apocalipse 21: 2, é usado simbolicamente para
senta a faculdade de entendimento no homem. Com- descrever o estado redimido do homem.
preensão e funcionará, ou deve funcionar, em unísso-
no; cada um tem seu centro de atividade no cérebro Meta. Jerusalém significa habitação da paz. No ho-
da frente, na testa. mem, é a consciência permanente da paz espiritual,
que é o resultado de realizações contínuas do poder
Entre os discípulos de Jesus, Tomé representou a espiritual temperado com equilíbrio e confiança espi-
cabeça, representando a razão e a percepção inte- rituais. Jerusalém é a “cidade de Davi”, que simboliza
lectual. Jesus não ignorou a demanda de Tomás por o grande centro nervoso logo atrás do coração. A par-
evidências físicas de Sua identidade, mas a respeitou. tir deste ponto, o Espírito envia seu brilho a todas as
Ele convenceu Thomas por evidências corporais de partes do corpo.
que havia ressuscitado um corpo e que não era um
corpo fantasma que ele viu, mas o mesmo corpo que O muro que os homens de Neemias (pensamentos
foi crucificado, como foi evidenciado pelas feridas que espirituais) estavam construindo em torno de Jerusa-
Thomas viu e sentiu. lém (Ne 4:17) simboliza na consciência individual a
proteção da substância espiritual, que pensamentos
Em João 14: 5, Tomé representa a razão que atua no limitados de erro não podem penetrar. Esse muro é
domínio dos sentidos, buscando discernir as coisas do construído por nossa percepção da força e estabilida-
Espírito através de sinais externos. A verdade contida de duradouras da substância onipresente do Espírito.
na resposta de Jesus a Tomé: “Eu sou o caminho, e Também se pode dizer que a reconstrução do muro de
a verdade e a vida: ninguém vem ao Pai, senão por Jerusalém sob a direção de Neemias simboliza o equi-
mim”, é que o EU SOU no homem, ou o Cristo, é o líbrio das forças negativas e positivas da consciência
porta aberta para o reino de Deus. da alma. Essa equalização resultará na renovação e na
espiritualização de todo o organismo.
Dídimo Um banquete em Jerusalém (João 5: 1) é um esta-
O sobrenome do apóstolo Tomé (João 20:24). Esse
do mental receptivo para com todo o bem espiritual.
nome infere que Thomas era gêmeo; em vez de Tho-
Quando nos aprofundamos nos recessos silenciosos de
mas Didymus, diríamos Thomas, o gêmeo.
nossa alma, percebemos uma quietude e uma doçura
além da expressão. Há uma grande paz lá, a “paz de
Meta. Thomas, ou Didymus, ambos os nomes com o
Deus, que excede todo entendimento” (Filipenses 4:
mesmo significado, foi o discípulo de Jesus Cristo que
7) e enche todo o ser com satisfação. Este é o ponto da
representa a faculdade da razão ou do entendimento
consciência em que ocorre o influxo da substância ori-
intelectual. Ele não significa entendimento espiritu-
ginal. O centro da substância é fisicamente um centro
al; caso contrário, ele teria compreendido os ensina-
nervoso logo atrás do estômago; espiritualmente, é a
realização da alma da substância infalível da Mente
Divina. Todos nós queremos a verdade e a ajuda que vem
dela, mas, quando nos é apresentada, nos opomos ao
O único caminho para Jerusalém, a cidade da paz, é espírito amplo e universal que ela proclama. Este é
o caminho de Cristo - expressão perfeita de todas as especialmente o caso se nosso treinamento religioso
faculdades mentais (discípulos), sob o domínio do EU tiver sido restrito e farisaico. Os judeus foram ensina-
SOU (ver Lucas 17:11). Todos ansiamos pelo estado dos que eles eram o povo escolhido e que todos os ou-
em que teremos paz. Jeru, a primeira parte de Jerusa- tros eram bárbaros. Essa é a base do sistema de castas.
lém, significa fundar, constituir; Salém, a última parte Quando o homem começa no pensamento a acreditar
da palavra, significa paz, sossego, segurança, harmo- que é melhor que os outros, ele cria um lugar no corpo
nia, prosperidade. Estamos a caminho da conquista da que é a morada desse pensamento de superioridade.
paz quando nos identificamos com a idéia de Cristo, Em seguida, essa separação se estende ao ambiente.
originalmente chamada Jeová. EU SOU. A separação no sentido físico segue. Os templos são
A subida de Jesus a Jerusalém (Mt 20:17) signifi- construídos com divisórias, e quem se atreve a trans-
ca dar o último passo no desdobramento preparatório gredir essas paredes encontra oposição.
para o passo final, quando a personalidade é inteira-
mente crucificada e o Cristo triunfa. Quando a Verdade chega a alguém que está nesse
estado mental fixo, ocorre um tumulto “no templo”.
A viagem de Jesus de perto de Betfagé a Jerusalém O medo de interferir nos ritos e costumes da igreja é
significa desenvolvimento progressivo, a realização do superior. Os ensinamentos dos que têm autoridade e
tempo em que o EU SOU espiritual assume o controle os costumes e crenças do passado têm mais peso do
e eleva todas as forças animais do homem ao plano que a razão e a lógica. Uma inovação nos métodos
espiritual de domínio, pureza e paz. É a estação da de pensamento é resistida. Toda a natureza religiosa
transmutação, transformação (Mt 21: 1-9). é movida. O pensamento corre para encontrar o pen-
samento, e uma concentração de resistência é estabe-
A verdade é concebida pela primeira vez no coração lecida na mente que força a Verdade a sair e fecha as
do homem, da qual Jerusalém é o símbolo, mas por portas, conforme descrito no versículo 30.
causa do domínio intelectual, ela se dirige à cabeça,
da qual Roma é o símbolo. Paulo levado a Roma acor- Muitas pessoas se perguntam por que não desen-
rentado é um símbolo apropriado da Verdade captura- volvem o amor divino mais rapidamente. Aqui está
do pelo intelecto e confinado aos laços que ele impôs o motivo: Eles fazem um muro de separação entre o
a si mesmo (Atos 28: 14-20). judeu e o gentio, o religioso e o secular, o bom e o
Jerusalém, a Cidade Santa (Mt 23: 37-39), repre- ruim. O amor divino não vê essa diferença entre as
senta o centro do amor na consciência. Fisicamente, é pessoas. É o Princípio e sente sua própria perfeição em
o plexo cardíaco. Seu gênio presidente é João, o Místi- toda parte. Parece o mesmo no coração do pecador e
co, que apoiou a cabeça no peito do Mestre. Os amo- no coração do santo. Quando deixarmos essa verdade
res e ódios da mente são precipitados para este recep- entrar em nosso coração e derrubar todos os muros da
táculo ganglionar do pensamento e são cristalizados separação, sentiremos o fluxo do amor infinito.
lá. Sua substância é sensível, trêmula e volátil. O que
amamos e o que odiamos aqui constroem células de Quando expulsamos a Verdade do nosso coração
alegria ou dor. Na ordem divina, deveria ser a morada e procuramos matá-la, os reinos seculares do pensa-
do bem e do puro, mas, devido aos conceitos errône- mento também a colocam em vínculo. O intelecto do-
os da mente, tornou-se a habitação da maldade. Jesus minante vê nele um assassino que incita uma revolta
disse: “Do coração saem maus pensamentos” (Mt 15: contra a autoridade intelectual. Esse governante da
18-20). mente tem pouco respeito pela religião, mas tem um
grande respeito pelos direitos de um cidadão romano.
Na regeneração, a Verdade (simbolizada por Paulo, Então, quando descobre que a Verdade (Paulo) é ao
Atos 21:13 a 22: 1) visita este lugar sagrado com o mesmo tempo judia e gentia, comum à cabeça e ao
objetivo de resgatá-lo. Mas a verdade encontra o cen- coração, dá o devido respeito, o que mostra que a Ver-
tro do pensamento religioso, o templo, entregue ao fa- dade é mais segura nos laços do ceticismo e da infideli-
natismo e à intolerância; uma cidadela de pensamen- dade do que no fanatismo e fanatismo dos ignorantes.
tos cristalizados sobre assuntos religiosos. A verdade zelo religioso.
deve entrar no templo e falar a palavra que liberta.
A “nova Jerusalém” de Apocalipse 21: 2 é a cons- sos e nossos pensamentos mundanos. Construímos
ciência espiritual, e é fundada nas doze idéias funda- uma religião dominical e jogamos em torno dela um
mentais da Mente Divina, cada uma representada por muro de sacralidade. Nele existem ritos, cerimônias
uma dessas pedras preciosas. Também representa uma e sacrifícios, de acordo com um padrão estabelecido
associação de todas as pessoas em paz, baseada no en- por alguma seita, cujos ensinamentos sobre Deus nós
tendimento espiritual, pureza e disposição de se unir aceitamos como verdadeiros. Então a ampla verdade
a Cristo - “preparado como uma noiva adornada para do Espírito Santo entra na mente e começa a derru-
o marido”. bar esse muro de separação entre os pensamentos re-
ligiosos e os mundanos. Ele percebe que os princípios
envolvidos na Paternidade de Deus devem ir até as
Judeus partes mais profundas da mente e do corpo e unificá-
Pessoas pertencentes apenas à tribo e reino de Judá,
-los no Espírito.
ou à nação hebraica em geral (II Reis 16: 6; Mateus
2: 2).
Pensamentos religiosos tradicionais fixos, os judeus,
que seguem a letra da lei e não a verdade viva, que
Meta. Os judeus em seu aspecto mais alto simbo-
busca unir em harmonia espiritual judeus e gentios,
lizam idéias divinas, ou consciência espiritual. Cada
são a força oposta em Jerusalém (a consciência reli-
indivíduo tem sua mente sem forma e sua mente for-
giosa) que impediria a palavra apresentada. por Paulo,
mada, e eles parecem, na atual consciência racial,
de fazer seu trabalho (Atos 21:11). Mas a palavra viva
hostis um ao outro. Nas Escrituras, eles são chamados
da verdade não pode ser morta. As palavras da ver-
de judeus e gentios.
dade de Paulo ficaram limitadas por um tempo, mas
encheram o mundo inteiro. O mesmo acontece com
A mente tem dois aspectos amplos, o sem forma e o
as palavras vivas da Verdade agora semeadas em nos-
formado. Em seu aspecto sem forma, é uma unidade;
sa consciência: elas farão seu trabalho de restauração
em seu aspecto formado, é uma diversidade. Pode ser
por todo o nosso ser.
comparado em seu primeiro aspecto ao vapor, e no
segundo ao mesmo vapor precipitado em cristais de
neve. No aspecto do vapor, há um todo homogêneo;
na neve, cada pequeno cristal tem forma e caráter pe-
culiarmente próprios. Eleve esses cristais inanimados
ao plano do pensamento e do livre arbítrio e você terá
um paralelo à mente formada da humanidade.

No Novo Testamento, os judeus simbolizam nossos


pensamentos religiosos estabelecidos e sistemas de
adoração. Os judeus sempre foram os mais difíceis de
alcançar com o novo pensamento. Eles eram muito
determinados em sua religião e geralmente se recu-
savam a ouvir novos ensinamentos da Verdade (ver
Atos 13:45). Assim, descobrimos em nós mesmos que
nossas convicções religiosas freqüentemente impedem
nossa aceitação das novas revelações da Verdade que
chegam até nós. A igreja ortodoxa tem um número
muito grande de pessoas que são verdadeiramente es-
pirituais e compreenderiam rapidamente a verdadeira
importância do cristianismo se estivessem livres das
restrições dos hábitos religiosos de pensamento e ado-
ração e dos costumes estabelecidos da igreja.

Os judeus simbolizam nossos pensamentos religiosos


e os gentios simbolizam nossos pensamentos munda-
nos. Paulo estava determinado a reconciliar os judeus
e os gentios (Atos 21:13, 19). Descobrimos que há
uma separação entre nossos pensamentos religio-