Você está na página 1de 33

QUADRO DE PESSOAL

Lei 35/2004, de 29 de Julho

DOSSIER DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

OUTUBRO/2008
(Versão 1.0)
ÍNDICE

A - INSTRUÇÕES GERAIS
1. Informativo genérico
1.1 Normalização da informação
1.2 Validação da informação
2. Estrutura do ficheiro
3. Regras gerais a observar na construção do ficheiro
4. Tipo de suporte digital a utilizar na entrega da informação resultante da validação

B - INFORMAÇÃO DE CONTACTO
Estrutura do registo
Conteúdo dos campos – Instruções específicas/Conceitos

C - INFORMAÇÃO DA EMPRESA
Estrutura do registo
Conteúdo dos campos – Instruções específicas/Conceitos

D - INFORMAÇÃO DO ESTABELECIMENTO
Estrutura do registo
Conteúdo dos campos - Instruções específicas / Conceitos

E - INFORMAÇÃO DO ESTABELECIMENTO/IRCT
Estrutura do registo
Conteúdo dos campos - Instruções específicas / Conceitos

F - INFORMAÇÃO DO TRABALHADOR
Estrutura do registo
Conteúdo dos campos - Instruções específicas/Conceitos

ANEXO I - Trabalhadores não abrangidos por Regulamentação Colectiva

ANEXO II - Códigos e Designações de:


• Habilitações Escolares;
• Situação na Profissão;
• Tipo de Contrato;
• Regime de Duração do Trabalho;
• Sexo.

Página 2 de 33
A - INSTRUÇÕES GERAIS

Página 3 de 33
1. Informativo genérico
1.1 Normalização da informação
A utilização de uma aplicação informática desenvolvida/adquirida pela própria empresa
tendo em vista a criação do ficheiro (NIF_2008.txt), com a informação relativa ao Quadro
de Pessoal, para validação e posterior entrega em suporte digital ou correio electrónico,
terá de cumprir os parâmetros de normalização fornecidos no presente Dossier, tanto no
que respeita à estrutura dos dados como à utilização dos conceitos e classificações
solicitadas (tabelas de códigos). O ficheiro deverá ser do tipo:
• Todos os dados contidos em cada registo deverão ser gravados em formato caracter
• O código utilizado deverá ser o ASCII de 7 bits (Standard 7-Bit ASCII code)
• Os caracteres de mudança de linha deverão ser o Carriage Return (Código 13
ASCII) e o Line-Feed (Código 10 ASCII)
• Organização Sequencial
1.2 Validação da informação
A informação a enviar às entidades competentes, em suporte digital ou correio electrónico,
será o output (NIF_2008.etn), normalizado e encriptado, resultante da validação, com
sucesso, do ficheiro (NIF_2008.txt) descrito em 1.1, através de programa informático, a
disponibilizar no final de Outubro de cada ano pelo GEP, no sítio www.gep.mtss.gov.pt, de
forma a garantir o cumprimento dos parâmetros requeridos.
A informação enviada será objecto de análise mais detalhada na fase de recepção e/ou
tratamento estatístico, que poderá dar lugar a pedidos de substituição se forem detectadas
situações anómalas, nomeadamente de incoerência entre elementos da informação só
detectada pelo recurso a tabelas de dados de dimensão incompatível com a sua
disponibilização, para download, na Internet. Se esse procedimento ocorrer, será baseado no
objectivo de melhorar a informação estatística obtida a partir desta fonte administrativa.

DIAGRAMA DE ENTREGA

Informação do Quadro de Pessoal

Recolhida por:

Programa de recolha fornecido Programa de recolha


pelo GEP da Entidade

Gera ficheiro Gera ficheiro


“NIF_2008.etn” “NIF_2008.txt”

Programa de validação fornecido


pelo GEP

Gera ficheiro
“NIF_2008.etn”
Entregue por:

E-mail Disquete ou CD-ROM


(no endereço definido) (nos centros locais da ACT)

Recepção e validação de coerência entre elementos da informação que, confirma a recepção ou,
gera relatório de anomalias implicando substituição da informação

Página 4 de 33
2. Estrutura do ficheiro
A informação do Quadro de Pessoal a validar deverá ser gerada num único ficheiro
(NIF_2008.txt) sendo os diferentes tipos de informação (Contacto, Empresa,
Estabelecimento, Estabelecimento/IRCT e Trabalhador) identificados pelo primeiro campo de
cada um dos registos, devendo ser observada, no ficheiro, a estrutura de registo de cada um
dos tipos e que a cada registo corresponde uma linha.
0 309
Ficheiro de Contacto para dúvidas sobre a informação do
00 INFORMAÇÃO DE CONTACTO
Quadro de Pessoal fornecida. – 1 Registo

0 307
10 INFORMAÇÃO DA EMPRESA Ficheiro de Empresa. – 1 Registo

0 258
Ficheiro de Estabelecimentos
20 INFORMAÇÃO DO ESTABELECIMENTO
1 Registo por Estabelecimento

0 32
Ficheiro de Estabelecimentos/IRCT’s
30 INFORMAÇÃO DO ESTABELECIMENTO/IRCT
1 Registo por Estabelecimento/IRCT

0 146
40 INFORMAÇÃO DO TRABALHADOR
Ficheiro de Trabalhadores
1 Registo por Trabalhador

NOTA: O primeiro campo, em cada tipo de registo, deverá começar com ‘00’ ‘10’, ‘20’, ’30’ ou ‘40’
consoante se trate de informação de Contacto, Empresa, Estabelecimento,
Estabelecimento/IRCT ou Trabalhador, respectivamente.

3. Regras gerais a observar na construção do ficheiro

• Nome do Ficheiro – O nome do ficheiro a ser disponibilizado pela aplicação é composto,


obrigatoriamente, por “NIF_2008.txt” em que “NIF” corresponde ao Número de Identificação
Fiscal da Entidade e, “2008” ao ano a que respeita a informação do Quadro de Pessoal.
• Cada tipo de registo tem um comprimento fixo igual ao somatório dos comprimentos dos
campos que o compõem;
• Todos os campos devem ter preenchimento de acordo com o tipo de campo definido. Em
casos de ausência de informação, os campos alfanuméricos (A) deverão ser preenchidos a
espaços e os campos numéricos (N) a zeros;
• Nos campos numéricos (N) cujos valores não preenchem a totalidade de posições, deverá a
informação ser alinhada à direita com zeros não significativos à esquerda;
• Nos campos alfanuméricos (A) deverá a informação ser alinhada à esquerda com espaços à
direita;
• Os campos data devem ser considerados como campos numéricos e obedecendo ao formato
Ano Mês (AAAAMM) ou Ano Mês Dia (AAAAMMDD);
• Nos campos com valores monetários considere como parte decimal as duas últimas posições
da direita. Não utilize qualquer símbolo separador para distinguir a parte decimal da parte
inteira do campo (Por ex: Para o valor 590,15 euro, deverá preencher o campo com o valor
59015; se o montante em euro corresponder a um valor em que a parte decimal for 0, deve
escrever “00” nos dois últimos dígitos, por ex: 590,00 euro corresponde ao valor 59000).

Página 5 de 33
• Ordenação dos registos no ficheiro. O ficheiro (NIF_2008.txt) é ordenado por tipo de
registo e, para cada tipo, por:
Tipo de Registo ‘00’ - Contacto - 1 registo único;
Tipo de Registo ‘10’ - Empresa - 1 registo único;
Tipo de Registo ‘20’ - Estabelecimento – ordenado por Nº de Estabelecimento;
Tipo de Registo ‘30’ - Estabelecimento/IRCT - ordenado por Nº de Estabelecimento
e Código de IRCT;
Tipo de Registo ‘40’ - Trabalhador - ordenado por Nº de Estabelecimento e Código
de IRCT.
• Nos capítulos B, C, D, E e F deste Dossier, apresentam-se para Contacto, Empresa,
Estabelecimento, Estabelecimento/IRCT e Trabalhador respectivamente, instruções
específicas relativas ao conteúdo solicitado em cada campo de informação, bem como em
alguns casos, conceitos (apresentados em itálico) que deverão ser seguidos tendo em vista um
correcto preenchimento da informação.
- Informação de Contacto - só deve existir um registo com a informação de Contacto (1º
campo = ‘00’);
- Informação de Empresa - só deve existir um registo com a informação da Empresa (1º
campo = ‘10’);
- Informação de Estabelecimento - devem existir tantos registos quantos os
Estabelecimentos (1º campo = ‘20’):
- Informação de Estabelecimento /IRCT - devem existir tantos registos quantos os
Estabelecimentos/IRCT (1º campo = ‘30’);
Exemplo: (Atenção: os códigos de IRCT exemplificados são fictícios)
ESTAB. IRCT
0000 99999 1 registo
0000 88888 “
0001 77777 “
0002 66666 “
0002 88888 “
- Informação de Trabalhador - considerar um registo por cada pessoa ao serviço da
empresa no período de referência (Outubro), incluindo as ausentes, há mais de um mês,
desde que mantenham vínculo à empresa (1º campo = ‘40’);
- O presente Dossier contém, nos Anexo I, Anexo II, ou por ligação ao ficheiro Codigos-
QP2008.xls, a informação necessária ao preenchimento de vários campos de
codificação. A restante informação de codificação, relativa à contratação colectiva
(IRCT e Categorias Profissionais), é disponibilizada, para identificação; visualização ou
download no sitío http://www.gep.mtss.gov.pt/;
4. Tipo de suporte digital a utilizar na entrega da informação resultante da validação
Na entrega da informação do Quadro de Pessoal (ficheiro ‘NIF_2008.etn’ em que ‘NIF’
corresponde ao Número de Identificação Fiscal da entidade) poderão ser utilizados os
seguintes suportes:
- Disquete - 31/2” DD (720 Kbytes) ou 31/2” HD (1.44 Mbytes)
- CD-ROM - Tenha em atenção o modo de gravação, de forma a que se possa ler em qualquer drive
de CD-ROM em ambiente WINDOWS (95 a XP)

O Dossier de Especificações Técnicas é um elemento auxiliar de utilização indispensável a um


correcto preenchimento do Quadro de Pessoal. Colabore, fazendo-nos chegar as suas dúvidas e
sugestões para que se torne um instrumento de trabalho cada vez mais útil e esclarecedor. E-mail

Página 6 de 33
B - INFORMAÇÃO DE CONTACTO

Página 7 de 33
ESTRUTURA DO REGISTO DE CONTACTO

Tipo de Nº de Conteúdo
Códigos / Anexo
Designação do Campo Campo Posições Válido

1. Tipo de Registo 00 A 2 S
2. Nome(s) do Contacto A 100 S
3. Contacto
3.1 – Telefónico 1 N 9 S
3.2 – Telefónico 2 N 9
3.3 – Fax N 9
3.4 – Correio Electrónico A 60 S

4. Aplicacional de Recolha da Informação


4.1 – Nome da Empresa Produtora A 60
4.2 – Nome do Aplicacional A 40
4.3 – Versão do Aplicacional A 20

Comprimento do registo 309


Nota: A indicação de Conteúdo Válido = ‘S’ (nos campos das várias estruturas de registo) implica o
preenchimento obrigatório do campo. Não é aceite o preenchimento correspondente a “ausência de
informação”.
CONTACTO

CONTEÚDO DOS CAMPOS - INSTRUÇÕES ESPECÍFICAS

1. Tipo de registo – Informação referente a Contacto - código = ‘00’

2. Nome(s) do contacto – Indique o(s) nome(s) da(s) pessoa(s) a contactar para esclarecimento de
dúvidas relativamente à informação constante do ficheiro.

3. Contacto – Indique o Telefone e/ou Telemóvel, Fax e Correio Electrónico a utilizar para
esclarecimento de dúvidas relativamente à informação constante do ficheiro.

4. Aplicacional de Recolha da Informação – Indique o Nome da Empresa produtora, bem como o Nome
e a Versão relativos ao aplicacional utilizado na criação do ficheiro (.txt) descrito em A. 1.2.

Página 8 de 33
C - INFORMAÇÃO DA EMPRESA

Página 9 de 33
ESTRUTURA DO REGISTO DA EMPRESA

Tipo de Nº de Conteúdo
Códigos / Anexo
Designação do Campo Campo Posições Válido

1. Tipo de Registo 10 N 2 S
2. Nº de Identificação Fiscal N 9 S
3. Ano de Referência da Informação N 4 S
4. Nome da Empresa A 60 S
5. Localização e Contactos da Sede da Empresa
5.1 – Morada A 40 S
5.2 – Localidade A 20 S
5.3 – Código Postal N 7 S
5.4 – Código Postal (descritivo) A 20 S
5.5 – Telefone N 9 S
5.6 – Fax N 9
5.7 – Correio Electrónico A 60
5.8 – Código de Distrito/Concelho/Freguesia Codigos- N 6 S
QP2008.xls
6. Associações Patronais
6.1 – Código de Associação Patronal Codigos- N 3
6.2 – Código de Associação Patronal QP2008.xls N 3
6.3 – Código de Associação Patronal N 3

7. Código da Actividade Principal da Empresa Codigos- N 5 S


QP2008.xls
Codigos-
8. Código de Natureza Jurídica N 2 S
QP2008.xls
9. Ano de Constituição da Empresa N 4 S

10. Número de Pessoas ao Serviço da Empresa N 5 S


(última semana de Outubro)
11. Capital Social
11.1 – Montante N 12
11.2 – % Privado Nacional N 4
11.3 – % Estrangeiro N 4
11.4 – % Público N 4

12. Volume de negócios, referente ao exercício do N 12 S


ano anterior

Comprimento do registo 307

Página 10 de 33
EMPRESA
CONTEÚDO DOS CAMPOS - INSTRUÇÕES ESPECÍFICAS

1. Tipo de registo – Informação referente a Empresa - código = 10

2. Número de identificação fiscal de pessoa colectiva ou entidade equiparada – indique o número


constante no cartão de pessoa colectiva ou entidade equiparada. Para as entidades a que não se aplica a
atribuição deste número, deve esta rubrica ser preenchida com o número fiscal de contribuinte de
pessoa singular.

3. Ano de referência da informação – ano a que respeita o preenchimento do Quadro de Pessoal.

4. Nome da empresa – preencha, sem abreviaturas, da seguinte forma:


Se pessoa colectiva ou entidade equiparada, indique a firma ou denominação, de acordo com o que
consta do cartão de identificação fiscal de pessoa colectiva ou entidade equiparada.
Se empresário em nome individual ou pessoa singular, indique o nome constante do cartão fiscal de
contribuinte.

5. Localização e contactos da sede da empresa


5.1 a 5.8 – indique a informação relativa ao endereço postal completo da sede da empresa, bem como
os restantes itens relativos à sua localização geográfica (distrito ou região autónoma,
concelho e freguesia) e contactos existentes (telefone, fax e correio electrónico).
No preenchimento do campo código de Distrito/Concelho/Freguesia, consulte o ficheiro Codigos-
QP2008.xls – Freguesias.

6. Associações patronais - 6.1 a 6.3 – indique a(s) associação(ões) patronal(ais) em que, por virtude
da(s) actividade(s) desenvolvida(s), se encontra inscrita. Consulte o ficheiro Codigos-QP2008.xls –
Associações Patronais

7. Actividade principal da empresa – indique sempre o código da actividade ao nível mais detalhado
(Subclasse - 5 posições), de acordo com a Classificação Portuguesa das Actividades Económicas
(CAE – Rev. 3). Consulte o ficheiro Codigos-QP2008.xls – CAE_Rev3.
Considere a actividade principal da empresa a de maior importância, no conjunto das actividades exercidas
pela empresa, medida pelo valor a preços de venda dos produtos vendidos ou fabricados ou dos serviços
prestados. Na impossibilidade da sua determinação por este critério, considere como principal a que ocupa,
com carácter de permanência, o maior número de pessoas ao serviço.

8. Natureza jurídica – indique a natureza da entidade, de acordo com o seu acto de


constituição/instituição jurídica. Se pessoa singular, utilize o código de acordo com esta designação.
Consulte o Codigos-QP2008.xls - Nat_Juridica

9. Ano de constituição da empresa – corresponde, para as entidades sujeitas a registo comercial


constituídas antes de 1 de Novembro de 1986, ao ano da escritura de constituição e, para as
constituídas após essa data, ao ano do registo comercial. Para as entidades não sujeitas a registo
comercial, corresponde ao ano de publicação do diploma de criação, no caso de entidades constituídas
por diploma legal, e ao ano de início de actividade, nos restantes casos.

10. Número de pessoas ao serviço da empresa na última semana de Outubro - considere todos os
trabalhadores por conta de outrem, independentemente do vínculo que possuem, os trabalhadores
familiares não remunerados, a própria entidade empregadora quando exerce funções na empresa.
Exclua apenas as pessoas ausentes há mais de um mês, relativamente ao período de referência
indicado (última semana de Outubro).

Página 11 de 33
11. Capital social

11.1 Montante (unidade euro) - tenha em atenção o preenchimento da parte decimal do montante
indicado, utilizando para tal as duas últimas posições da direita.

11.2 a 11.4 - Repartição percentual – preencher segundo os tipos de capital e obedecendo às


seguintes regras:
- número inteiro com 4 dígitos em que o 4º corresponde ao valor decimal da percentagem
indicada (Ex: 58,5% preencher 0585)
- a existência de valor significativo (diferente de 0) no campo 11.1 implica a existência de
valor significativo num dos campos 11.2, 11.3, ou 11.4 e, neste caso, a respectiva soma
deverá ser = a 1000;
- se o conteúdo do campo 11.1 for = 0 implica a existência de valor = a 0 nos restantes campos
11.

12. Volume de negócios, referente ao exercício do ano anterior (unidade euro) - tenha em atenção o
preenchimento da parte decimal do montante indicado, utilizando para tal as duas últimas posições da
direita.

Considere como volume de negócios o valor total da facturação, com exclusão do IVA, realizada pela empresa,
correspondente à venda de mercadorias, produtos acabados e intermédios, subprodutos, desperdícios, resíduos
e refugos (contas POC 711, 712 e 713) e à prestação de serviços a terceiros (contas POC 721, 722, 723, 724 e
725). Ao valor da facturação devem ser deduzidas as devoluções, descontos e abatimentos (contas POC 717,
718 e 728) e consideradas todas as outras taxas, encargos ou despesas que recaiam sobre os produtos e que
devam ser imputadas ao cliente, ainda que facturadas separadamente. Não devem ser considerados os
subsídios de exploração ou quaisquer receitas provenientes da venda de imobilizado.

Página 12 de 33
D - INFORMAÇÃO DO ESTABELECIMENTO

O Estabelecimento corresponde a uma empresa ou parte de empresa situada num local topograficamente
identificado. Nesse local, ou a partir dele, exerce-se uma ou várias actividades económicas.

Página 13 de 33
ESTRUTURA DO REGISTO DO ESTABELECIMENTO

Tipo de Nº de Conteúdo
Códigos / Anexo
Designação do Campo Campo Posições Válido

1. Tipo de Registo 20 N 2 S

2. Nº do Estabelecimento N 4 S

3. Nome do Estabelecimento A 60 S

4. Localização e Contactos do Estabelecimento


4.1. Morada A 40 S
4.2. Localidade A 20 S
4.3. Código Postal N 7 S
4.4. Código Postal (descritivo) A 20 S
4.5. Telefone N 9 S
4.6. Fax N 9
4.7. Correio Electrónico A 60
4.8. Código de Distrito/Concelho/Freguesia Codigos- N 6 S
QP2008.xls
5. Número de Contribuinte da Segurança Social N 11

6. Código da Actividade Principal do Estabele- Codigos- N 5 S


cimento QP2008.xls
7. Nº de pessoas ao serviço no Estabelecimento N 5 S
(última semana de Outubro)
Comprimento do registo 258

Página 14 de 33
ESTABELECIMENTO

CONTEÚDO DOS CAMPOS - INSTRUÇÕES ESPECÍFICAS

1. Tipo de registo - Informação referente a Estabelecimento(s) - código = 20

2. N° do estabelecimento -

- Atribuição do n° de estabelecimento
O n° de estabelecimento deve ser atribuído pela Empresa, sequencialmente, de 0000 a 9999.
Atribua sempre ao estabelecimento sede da empresa o n° 0000.
Exemplo:
Empresa com 3 estabelecimentos:
- estabelecimento sede "Local A" - 0000
- estabelecimento "Local B" - 0001
- estabelecimento "Local C" - 0002

3. Nome do estabelecimento - preencha este campo de acordo com a seguinte condição:


Se utilizar um nome diferente do nome individual ou da firma ou denominação e registado nos termos
do Código da Propriedade Industrial, deverá ser este nome o indicado; caso contrário, preencha como
no campo 4 do registo da empresa.

4. Localização e contactos do estabelecimento


4.1 a 4.8 – indique a informação relativa ao endereço postal completo do estabelecimento, bem como
os restantes itens relativos à sua localização geográfica (distrito ou região autónoma,
concelho e freguesia) e contactos existentes (telefone, fax e correio electrónico).
No preenchimento do campo “Código de Distrito/Concelho/Freguesia” consulte o
ficheiro Codigos-QP2008.xls - Freguesias.
Nota: o conteúdo destes campos no estabelecimento Sede - 0000, deve ser igual ao
conteúdo dos campos 5 do registo da empresa

5. Número de contribuinte da segurança social - indique o número de contribuinte.

6. Actividade principal do estabelecimento - é a de maior importância de entre as actividades exercidas


no estabelecimento, de acordo com os critérios definidos para o preenchimento do campo 7 do registo
da empresa. Indique sempre o código da actividade ao nível mais detalhado (Subclasse - 5 posições),
de acordo com a Classificação Portuguesa das Actividades Económicas (CAE – Rev. 3) Codigos-
QP2008.xls – CAE_Rev3 .

7. Número de pessoas ao serviço no estabelecimento na última semana de Outubro - indique quantas


as pessoas ao serviço no estabelecimento, de acordo com os critérios enunciados para o preenchimento
do campo 10 do registo da Empresa. A soma do número de pessoas ao serviço nos estabelecimentos
tem de ser igual ao total de pessoas ao serviço da empresa.

Página 15 de 33
E - INFORMAÇÃO DO ESTABELECIMENTO/IRCT

O Estabelecimento/IRCT corresponde à informação do(s) Instrumento(s) de Regulamentação Colectiva de


Trabalho aplicável aos trabalhadores de cada estabelecimento. Um estabelecimento tem um ou mais
registos de Estabelecimento/IRCT conforme aos seus trabalhadores seja aplicado um ou mais
Instrumentos de Regulamentação Colectiva de Trabalho (IRCT).

Página 16 de 33
ESTRUTURA DO REGISTO DO ESTABELECIMENTO/IRCT

Tipo de Nº de Conteúdo
Códigos / Anexo
Designação do Campo Campo Posições Válido

1. Tipo de Registo 30 N 2 S

2. Nº do Estabelecimento N 4 S

3. Instrumento de Regulamentação Colectiva de


Trabalho (IRCT)
IRCT – GEP
3.1. - Código do IRCT www.gep.mtss.gov.pt N 5 S
3.2. - Nº de Boletim Trabalho e Emprego
(BTE) N 2
3.3. - Data de publicação no BTE
(AAAAMMDD) N 8
3.4. - Data de início de eficácia da última
tabela salarial (AAAAMM) N 6

4. Controle de Nº de Trabalhadores abrangidos N 5 S

Comprimento do registo 32

ESTABELECIMENTO/IRCT
CONTEÚDO DOS CAMPOS - INSTRUÇÕES ESPECÍFICAS

1. Tipo de registo - Informação referente a Estabelecimento / IRCT - código = 30


2. N° do estabelecimento – Igual ao indicado no tipo de registo ‘20’.
3. Instrumento de Regulamentação Colectiva de Trabalho - indique o Instrumento de Regulamentação
Colectiva de Trabalho (IRCT) aplicável: Convenção Colectiva de Trabalho (Contrato Colectivo de
Trabalho, Acordo Colectivo de Trabalho, Acordo de Empresa, Acordo de Adesão), Portaria de
Regulamentação de Trabalho, Portaria de Extensão ou Decisão Arbitral.
Considera-se:
- Contrato Colectivo de Trabalho (CCT) - convenção celebrada entre uma ou mais associações
patronais e uma ou mais organizações sindicais;
- Acordo Colectivo de Trabalho (ACT) - convenção celebrada entre vários empregadores e uma ou
mais organizações sindicais;
- Acordo de Empresa (AE) - convenção celebrada entre uma entidade patronal para uma só empresa
e uma ou mais organizações sindicais;
- Acordo de Adesão (AA) - acordo celebrado por associação(ões) sindical(ais), associação(ões)
patronal(ais) ou entidade(s) patronal(ais), com a(s) entidade(s) outorgante(s) de uma convenção
colectiva já publicada que se lhe teriam contraposto na negociação da convenção, tendo por
objecto a aplicação do conteúdo da convenção à(s) entidade(s) aderente(s);
- Regulamento de Condições Mínimas (RCM) / Portaria de Regulamentação de Trabalho (PRT) -
IRCT de natureza administrativa, emitido quando se mostre inviável a celebração de uma
convenção colectiva de trabalho e/ou o recurso à portaria de extensão;
- Regulamento de Extensão (RE) / Portaria de Extensão (PE) - IRCT de natureza administrativa,
que estende total ou parcialmente uma convenção colectiva de trabalho ou decisão arbitral a
empregadores e/ou trabalhadores não filiados nas organizações outorgantes.
3.1. Código do IRCT - indique o(s) código(s) disponibilizado(s) pelo Gabinete de Estratégia e
Planeamento (GEP) no sítio http://www.gep.mtss.gov.pt .

Página 17 de 33
Em conformidade com as regras gerais enunciadas, no ponto 3 do Capítulo A, deverão existir,
para cada estabelecimento, tantos registos quantos os instrumentos de regulamentação
colectiva de trabalho (IRCT) aplicados nesse estabelecimento, sendo que, na situação de
trabalhadores não abrangidos por regulamentação colectiva, os códigos específicos para
preenchimento deste campo encontram-se indicados no Anexo I.
3.2. Número do Boletim de Trabalho e Emprego ou do Jornal Oficial da Região Autónoma em
que o IRCT foi publicado e respectiva,
3.3. Data de Publicação preenchida na sequência ano/mês/dia (AAAAMMDD).
3.4. Data de início de eficácia da última tabela salarial - preenchida na sequência ano/mês
(AAAAMM), tendo em atenção os possíveis efeitos retroactivos da mesma, nomeadamente os
estabelecidos por via de Portaria de Extensão.

4. Controle de N° de Trabalhadores abrangidos – Indique neste campo o número de pessoas ao serviço


correspondente ao código de IRCT indicado. Este número de pessoas é obrigatóriamente igual ao
número de registos do tipo ‘40’ (Trabalhadores) com a mesma informação de ‘número de
estabelecimento/IRCT’.

Página 18 de 33
F - INFORMAÇÃO DO TRABALHADOR

Indique todas as pessoas ao serviço, de acordo com a definição dada para o campo 10 do registo da
Empresa. Inclua contudo, os trabalhadores ausentes há mais de um mês, desde que mantenham vínculo à
empresa.

Página 19 de 33
ESTRUTURA DO REGISTO DO TRABALHADOR

Tipo de Nº de Conteúdo
Designação dos Campos Códigos / Anexo
registo Posições Válido

1. Tipo de Registo 40 N 2 S
2. Nº do Estabelecimento N 4 S
3. Instrumento de Regulamentação Colectiva de IRCT – GEP
www.gep.mtss.gov.pt N 5 S
Trabalho - Código do IRCT
4. Nº de Linha N 2 S
5. Nome do Trabalhador A 40 S
6. Datas (AAAAMM)
6.1 – Nascimento N 6 S
6.2 – Admissão na empresa N 6 S
6.3 – Última Promoção N 6
7. Remunerações referentes ao mês de Outubro
7.1 – Base N 8 a)
7.2 – Prémios e Subsídios Regulares N 8
7.3 – Trabalho Suplementar (efectuado em N 8 a)
Outubro)
8.Prestações Irregulares (pagas em Outubro) N 8
9. Horas mensais remuneradas
9.1 – Normais N 3 a)
9.2 – Suplementares (efectuadas em Outubro) N 3 a)
10. Período Normal de Trabalho Semanal (PNT) N 3 b)
11. Controle de Remuneração Base N 1 S
IRCT/Categ.– GEP
12. Código de Categoria Profissional www.gep.mtss.gov.pt N 5 S
13. Código de Profissão Codigos-QP2008.xls N 6 S
14. Código de Habilitação Anexo II e N 3 c)
Codigos-QP2008.xls
15. Código de Nacionalidade Codigos-QP2008.xls N 3 d)
16. Situação face à Lei nº 20/98 N 1 e)
17. Situação na Profissão Anexo II N 1 S
18. Tipo de Contrato Anexo II N 1 f)
19. Regime de Duração do Trabalho Anexo II N 1 b)
20. Sexo Anexo II N 1 S
21. Nº de Beneficiário da Segurança Social N 11
Comprimento do registo 146
a) Conteúdo válido: Não é aceite Remuneração (Base / Trabalho Suplementar) sem indicação de Horas
(Normais / Suplementares) nem o inverso;
b) Conteúdo válido de acordo com a situação na profissão indicada;
c) Conteúdo válido para Trabalhadores Nacionais (Nacionalidade=’000’)
d) Conteúdo válido só para Trabalhadores Estrangeiros;
e) A Lei nº 20/98, de 12 de Maio, foi revogada pelo Código do Trabalho, com a entrada em vigor da Lei n.º
35/2004, de 29 de Julho, que o regulamentou. Os procedimentos relativamente aos trabalhadores
estrangeiros a que se referiam os artigos 3º e 5º da Lei n.º 20/98 foram alterados, pelo que este campo
não deve ser preenchido. Como está definido como Numérico e seu conteúdo no ficheiro será ‘0’.
f) Conteúdo válido para Trabalhadores por Conta de Outrem (TCO);

Página 20 de 33
TRABALHADOR
CONTEÚDO DOS CAMPOS - INSTRUÇÕES ESPECÍFICAS

1. Tipo de registo - Informação referente a trabalhadores - código = ‘40’

2. N° de estabelecimento - conteúdo igual ao campo 2 do registo do Estabelecimento ao qual o


trabalhador se encontra agregado.

3. Instrumento de Regulamentação Colectiva de Trabalho - Código do IRCT, que abrange o


trabalhador (igual ao conteúdo do campo 3 do registo do Estabelecimento/IRCT).
Nota: No caso de trabalhadores não abrangidos por regulamentação colectiva, os códigos específicos para
preenchimento deste campo são os indicados no Anexo I.

4. N° de linha - campo que numera sequencialmente os trabalhadores de 01 a 99. Inicie essa contagem
sempre que mude o N° do Estabelecimento ou dentro deste o código do IRCT ou, ainda quando este
número atingir 99.

5. Nome do trabalhador

6. Datas

6.1 Data de nascimento - preencha a data na sequência ano/mês (AAAAMM)


6.2 Data de admissão na empresa - preencha a data na sequência ano/mês (AAAAMM)
6.3 Data da última promoção - preencha a data na sequência ano/mês (AAAAMM)

7. Remunerações referentes ao mês de Outubro - Em todos os campos referentes a remunerações - base,


prémios e subsídios regulares e pagamentos por trabalho suplementar, bem como o de prestações
irregulares (campos 7.1; 7.2; 7.3 e 8 respectivamente) tenha em atenção a utilização das duas últimas
posições da direita do respectivo campo para o preenchimento da parte decimal do montante indicado.

7.1 Remuneração base - montante ilíquido (antes da dedução de quaisquer descontos) em dinheiro
e/ou géneros pago aos trabalhadores, com carácter regular mensal, referente ao mês de Outubro
e correspondente às horas normais de trabalho.
Para efeitos de cálculo deste montante:
- Inclua o pagamento por dias de férias, feriados e faltas justificadas que não impliquem perda
de remuneração; Inclua também o pagamento por horas remuneradas não efectuadas;
- Exclua quaisquer prémios, subsídios, diuturnidades, gratificações e pagamentos feitos em
percentagem, mesmo que estes constem na definição de remuneração base do respectivo
Instrumento de Regulamentação Colectiva de Trabalho;
Considere ainda o seguinte:
No caso do pessoal de algumas actividades que ganha geralmente em percentagem, mas que
esteja estipulada parte fixa ou salário garantido, considera-se essa parte fixa ou salário
garantido como remuneração base.
Se a remuneração for exclusivamente em percentagem, não deve ser considerada como
remuneração base, inscrevendo-a nas prestações regulares ou irregulares tendo em conta a
regularidade de pagamento em relação ao período de pagamento (mensal).
Só são considerados os pagamentos em géneros que, por contrato de trabalho, façam parte
integrante do salário base, sendo a sua valorização efectuada de acordo com o disposto na Lei
Geral ou no Instrumento de Regulamentação Colectiva de Trabalho aplicável.

7.2 Prémios e subsídios regulares - montante ilíquido pago às pessoas ao serviço, com carácter
regular mensal, por subsídio de alimentação, de função, de alojamento ou transporte,
diuturnidades ou prémios de antiguidade, de produtividade, de assiduidade, subsídios por
trabalhos penosos, perigosos ou sujos, subsídios por trabalho de turnos e nocturnos. Exclua os
montantes relativos a retroactivos, indemnizações, subsídios de Natal ou férias que
eventualmente tenham sido pagos em Outubro.
Página 21 de 33
7.3 Remuneração por trabalho suplementar (efectuado em Outubro) - indique o montante
ilíquido, correspondente ao número de horas suplementares efectuadas no mês de Outubro quer
tenham sido realizadas em dias de trabalho, quer em dias de descanso ou feriados, inscritas no
campo 9.2.

8. Prestações irregulares (pagas em Outubro) - montante ilíquido pago no mês de Outubro às pessoas
ao serviço com carácter irregular, ou seja, que não têm periodicidade de pagamento mensal. São
exemplos, os pagamentos a título de participação dos lucros, distribuição de títulos ou outras
gratificações, indemnizações, retroactivos, prémios de assiduidade e produtividade de pagamento não
mensal, os subsídios de Natal ou férias que eventualmente tenham sido pagos em Outubro.

9. Horas Mensais Remuneradas


9.1 Horas mensais normais - indique o número de horas remuneradas no mês de Outubro,
correspondentes ao período normal de trabalho. Inclua as horas de ausência remuneradas (ex.:
férias, apoio à família, doença, acidente). Exclua as horas não remuneradas (ex.: faltas
injustificadas, períodos de doença não remunerados directamente pela empresa).
9.2 Horas mensais suplementares (efectuadas em Outubro) - indique o número de horas
efectivamente trabalhadas para além do período normal de trabalho, quer tenham sido realizadas
em dias de trabalho, quer em dias de descanso ou feriados.

10. Período normal de trabalho semanal (PNT) - indique o número de horas de trabalho estabelecidas
pelo Instrumento de Regulamentação Colectiva de Trabalho aplicável, pelo contrato individual de
trabalho ou ainda por normas e usos no estabelecimento, em relação às categorias de trabalhadores
considerados e correspondente ao período para além do qual o trabalho é pago como suplementar.
Chama-se a atenção para o seguinte: a última posição da direita do campo PNT, corresponde à parte
decimal do número de horas e deverá ser preenchida, segundo o caso, com zero (0) ou cinco (5),
correspondendo (0) a horas completas e (5) a meias horas. Não considere outras fracções.

11. Controle de remuneração base - campo de controlo interno a utilizar de acordo com os valores
descriminados nos campos 7.1 (Remuneração Base) e 9.1 (Horas Mensais Normais Remuneradas).
Codifique conforme o caso:
Código 0 - para remuneração mensal base completa e horas normais correspondentes de acordo com
os campos 7.1 e 9.1.
Código 1 - para remuneração mensal base incompleta e horas normais correspondentes de acordo
com os campos 7.1 e 9.1.
Código 2 - sem remuneração mensal base ou qualquer tipo de remuneração e sem horas (campos 7, 8
e 9 a zeros).
Código 3 - com remuneração mensal base = 0 e horas normais = 0, mas tendo havido lugar ao
pagamento de outro tipo de remunerações.

12. Categoria profissional - indique o código da categoria profissional do trabalhador, de acordo com a
designação completa constante do Instrumento de Regulamentação Colectiva de Trabalho, utilizando a
informação de categorias profissionais por IRCT disponibilizada pelo GEP no sítio
www.gep.mtss.gov.pt
No caso de trabalhadores não abrangidos por regulamentação colectiva, os códigos específicos para
preenchimento deste campo são os indicados no Anexo I.

Página 22 de 33
13. Profissão - indique o código ao nível mais detalhado (6 posições), de acordo com a Classificação
Nacional das Profissões, CNP - versão 1994 e respectiva Adenda, editadas pelo Instituto de Emprego e
Formação Profissional (IEFP). Na indicação da profissão deverá ter em conta as funções efectivamente
exercidas, independentemente da categoria profissional ou habilitação detida.
p. ex.: um economista a exercer funções de dirigente na área financeira, deverá ser classificado na
profissão de Director Financeiro; um trabalhador com a categoria profissional designada por
"Técnico", a exercer funções comerciais, deverá ser classificado na profissão respectiva dentro da área
comercial, de acordo com a Classificação referida (CNP) Codigos-QP2008.xls - Profissoes.

14. Habilitação - indique o código correspondente ao grau completo de habilitação escolar mais elevado
do trabalhador, utilizando a Classificação por Graus de Ensino constante do Anexo II e também
disponível no ficheiro Codigos-QP2008.xls - Habilitaçoes .

Codifique cada trabalhador com o grau de habilitação detido, utilizando o código de 3 posições, em
que a 1ª posição corresponde ao grau de habilitação (pós secundário não superior de nível IV, superior
bacharelato, superior licenciatura, superior mestrado e superior doutoramento) e as seguintes, de
acordo com os códigos da classificação acima referida, à área de estudo em que se integra o respectivo
curso.

15. Nacionalidade - preencha relativamente aos trabalhadores estrangeiros, indicando o código do país
correspondente à nacionalidade do trabalhador. No caso de trabalhadores apátridas, indique essa
situação, utilizando também o respectivo código.
A lista de códigos disponível no ficheiro Codigos-QP2008.xls - Paises identifica de forma
individualizada apenas alguns países. Caso o país da nacionalidade do trabalhador estrangeiro não
esteja individualmente codificado, indique o código correspondente a "restantes países" do Continente
respectivo.
Atenção: Para os trabalhadores nacionais este campo deve ser preenchido com o valor 000 (zeros).

16. Situação face à Lei n° 20/98 - A Lei nº 20/98, de 12 de Maio, foi revogada pelo Código do Trabalho,
com a entrada em vigor da Lei n.º 35/2004, de 29 de Julho, que o regulamentou. Os procedimentos
relativamente aos trabalhadores estrangeiros a que se referiam os artigos 3º e 5º da Lei n.º 20/98 foram
alterados, pelo que este campo não deve ser preenchido.

17. Situação na profissão - preencha o campo respectivo, utilizando os códigos constantes do Anexo II

18. Tipo de contrato - utilize, relativamente aos Trabalhadores por Conta de Outrem (TCO(s)), os códigos
constantes do Anexo II, correspondentes às situações a seguir descritas.

Contrato sem termo (Permanente) - Contrato de trabalho que vincula o trabalhador e a entidade
empregadora, sem determinar o seu período de duração.

Contrato a termo - Contrato de trabalho reduzido a escrito com estipulação do seu termo (certo ou
incerto) e com menção concretizada do motivo justificativo da sua celebração.
Se a empresa é uma Empresa de Trabalho Temporário deve identificar os trabalhadores temporários
relativamente aos restantes trabalhadores da empresa. Para esse efeito tenha em conta as situações
abaixo indicadas relativas ao contrato de trabalho para cedência temporária – contrato de trabalho
celebrado entre uma empresa de trabalho temporário e um trabalhador pelo qual este se obriga,
mediante retribuição paga por aquela, a prestar a sua actividade a utilizadores.
Quanto à sua duração, o contrato de trabalho para cedência temporária deve ser de um de dois tipos
(artº 17º do Dec.Lei nº 358/89, de 17 de Outubro, na redacção dada pela Lei nº 146/99, de 1 de
Setembro), assim considere:

Contrato de trabalho por tempo indeterminado para cedência temporária (se o contrato de trabalho
é por tempo indeterminado, embora cada uma das situações de prestação de trabalho a utilizadores
seja temporária)

Página 23 de 33
Contrato de trabalho a termo para cedência temporária (designado por contrato de trabalho
temporário)
Atenção: Relativamente aos trabalhadores cuja situação na profissão é outra diferente de trabalhador
por conta de outrem, este campo deve ser preenchido com o valor 0 (zero).

19. Regime de duração do trabalho - utilize os códigos constantes no Anexo II, de acordo com a situação
das pessoas ao serviço quanto ao tempo de trabalho.

Considere, de acordo com a legislação em vigor:


A tempo completo - O trabalhador cujo período normal de trabalho semanal seja superior a 75% do
período normal de trabalho semanal aplicável no estabelecimento ou empresa, podendo o limite
percentual ser mais elevado por força de convenção colectiva.
A tempo parcial – O trabalhador cujo período normal de trabalho semanal seja igual ou inferior a
75% do praticado a tempo completo numa situação comparável.
O limite percentual referido pode ser aumentado por instrumento de regulamentação colectiva de
trabalho.
As situações do trabalhador a tempo parcial e a tempo completo são comparáveis quando:
- no mesmo estabelecimento prestem idêntico tipo de trabalho, devendo ser levadas em conta a
antiguidade e a qualificação técnica ou profissional;
- caso não exista no estabelecimento nenhum trabalhador a tempo completo em situação
comparável, o juízo de comparação pode ser feito com trabalhador de outro estabelecimento
da mesma empresa onde se desenvolva idêntica actividade;
- se não existir trabalhador em situação comparável nos termos anteriores, atender-se-á ao
regime fixado em instrumento de regulamentação colectiva de trabalho ou na lei para
trabalhador a tempo completo e com a mesma antiguidade e qualificação técnica ou
profissional.

Atenção: Para as pessoas ao serviço relativamente às quais não se aplique este item, este campo deve
ser preenchido com o valor 0 (zero).

20. Sexo - utilize os códigos do Anexo II;

21. Número de beneficiário da Segurança Social. Indique o número de beneficiário.

Página 24 de 33
ANEXO I
TRABALHADORES NÃO ABRANGIDOS POR INSTRUMENTO DE
REGULAMENTAÇÃO COLECTIVA DE TRABALHO
CONTINENTE
REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES
REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA

Página 25 de 33
TRABALHADORES NÃO ABRANGIDOS POR INSTRUMENTO DE
REGULAMENTAÇÃO COLECTIVA DE TRABALHO
CONTINENTE
Códigos específicos para preenchimento do campo 3.1 do cap. E (Informação do Estabelecimento/IRCT) e
campos 3 e 12 do cap. F (Informação do Trabalhador) de acordo com as situações abaixo descritas:

a) Trabalhadores cujas categorias profissionais não são contempladas nos instrumentos de regulamentação
colectiva aplicável aos demais trabalhadores das entidades para as quais prestam serviço, não sendo
enquadráveis nas Portarias de Regulamentação de Trabalho (PRT) /Regulamento de Condições Mínimas
(RCM) em vigor. (ex.: administradores, membros do conselho de gerência, médicos, juristas, etc.)
Campo 3.1 do estabelecimento/IRCT e 3 do trabalhador Campo 12 do trabalhador
(equivalente ao IRC) (equivalente à Cat.Prof.)
90000 99000
b) Trabalhadores ao serviço de entidades que não sendo outorgantes de contratação colectiva a poderão vir a
celebrar por si ou através de organismos associativos (ex.: associações com fins lucrativos e outras
entidades de natureza diversa).
Campo 3.1 do estabelecimento/IRCT e 3 do trabalhador Campo 12 do trabalhador
(equivalente ao IRC) (equivalente à Cat.Prof.)
91000 99100

c) Trabalhadores ao serviço de entidades que pela sua natureza não são outorgantes de qualquer
convenção colectiva.
c1) Pessoas colectivas de utilidade pública, vulgarmente referidas como “entidades sem fins lucrativos”
Campo 3.1 do estabelecimento/IRCT e 3 do trabalhador Campo 12 do trabalhador
(equivalente ao IRC) (equivalente à Cat.Prof.)
92000 99200

c2) Organismos da Administração Pública, Pessoas Colectivas de Direito Público e algumas Entidades
Equiparadas a Pessoas Colectivas
Campo 3.1 do estabelecimento/IRCT e 3 do trabalhador Campo 12 do trabalhador
(equivalente ao IRC) (equivalente à Cat.Prof.)
93000 99300
d) Empregadores ou familiares não remunerados
Campo 3.1 do estabelecimento/IRCT e 3 do trabalhador Campo 12 do trabalhador
(equivalente ao IRC) (equivalente à Cat.Prof.)
94000 99400
e) Membros activos de cooperativas, desde que não abrangidos por qualquer IRC
Campo 3.1 do estabelecimento/IRCT e 3 do trabalhador Campo 12 do trabalhador
(equivalente ao IRC) (equivalente à Cat.Prof.)
96000 99600

f) Trabalhadores sem vínculo à empresa a trabalhar temporariamente nesta ao abrigo de programas


de formação
Campo 3.1 do estabelecimento/IRCT e 3 do trabalhador Campo 12 do trabalhador
(equivalente ao IRC) (equivalente à Cat.Prof.)
97000 99700

Página 26 de 33
TRABALHADORES NÃO ABRANGIDOS POR INSTRUMENTO DE
REGULAMENTAÇÃO COLECTIVA DE TRABALHO
REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES
Códigos específicos para preenchimento do campo 3.1 do cap. E (Informação do Estabelecimento/IRCT) e
campos 3 e 12 do cap. F (Informação do Trabalhador) de acordo com as situações abaixo descritas:

a) Trabalhadores cujas categorias profissionais não são contempladas nos instrumentos de regulamentação
colectiva aplicável aos demais trabalhadores das entidades para as quais prestam serviço, não sendo
enquadráveis nas Portarias de Regulamentação de Trabalho (PRT) /Regulamento de Condições Mínimas
(RCM) em vigor. (ex.: administradores, membros do conselho de gerência, médicos, juristas, etc.)
Campo 3.1 do estabelecimento/IRCT e 3 do trabalhador Campo 12 do trabalhador
(equivalente ao IRC) (equivalente à Cat.Prof.)
90000 99000
b) Trabalhadores ao serviço de entidades que não sendo outorgantes de contratação colectiva a poderão vir a
celebrar por si ou através de organismos associativos (ex.: associações com fins lucrativos e outras
entidades de natureza diversa).
Campo 3.1 do estabelecimento/IRCT e 3 do trabalhador Campo 12 do trabalhador
(equivalente ao IRC) (equivalente à Cat.Prof.)
91008 99108

c) Trabalhadores ao serviço de entidades que pela sua natureza não são outorgantes de qualquer
convenção colectiva.
c1) Pessoas colectivas de utilidade pública, vulgarmente referidas como “entidades sem fins lucrativos”
Campo 3.1 do estabelecimento/IRCT e 3 do trabalhador Campo 12 do trabalhador
(equivalente ao IRC) (equivalente à Cat.Prof.)
92008 99208

c2) Organismos da Administração Pública, Pessoas Colectivas de Direito Público e algumas Entidades
Equiparadas a Pessoas Colectivas
Campo 3.1 do estabelecimento/IRCT e 3 do trabalhador Campo 12 do trabalhador
(equivalente ao IRC) (equivalente à Cat.Prof.)
93008 99308
d) Empregadores ou familiares não remunerados
Campo 3.1 do estabelecimento/IRCT e 3 do trabalhador Campo 12 do trabalhador
(equivalente ao IRC) (equivalente à Cat.Prof.)
94000 99400
e) Membros activos de cooperativas, desde que não abrangidos por qualquer IRC
Campo 3.1 do estabelecimento/IRCT e 3 do trabalhador Campo 12 do trabalhador
(equivalente ao IRC) (equivalente à Cat.Prof.)
96008 99608

f) Trabalhadores sem vínculo à empresa a trabalhar temporariamente nesta ao abrigo de programas


de formação
Campo 3.1 do estabelecimento/IRCT e 3 do trabalhador Campo 12 do trabalhador
(equivalente ao IRC) (equivalente à Cat.Prof.)
97008 99708

Página 27 de 33
TRABALHADORES NÃO ABRANGIDOS POR INSTRUMENTO DE
REGULAMENTAÇÃO COLECTIVA DE TRABALHO
REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA
Códigos específicos para preenchimento do campo 3.1 do cap. E (Informação do Estabelecimento/IRCT) e
campos 3 e 12 do cap. F (Informação do Trabalhador) de acordo com as situações abaixo descritas:

a) Trabalhadores cujas categorias profissionais não são contempladas nos instrumentos de regulamentação
colectiva aplicável aos demais trabalhadores das entidades para as quais prestam serviço, não sendo
enquadráveis nas Portarias de Regulamentação de Trabalho (PRT) /Regulamento de Condições Mínimas
(RCM) em vigor. (ex.: administradores, membros do conselho de gerência, médicos, juristas, etc.)
Campo 3.1 do estabelecimento/IRCT e 3 do trabalhador Campo 12 do trabalhador
(equivalente ao IRC) (equivalente à Cat.Prof.)
90000 99000
b) Trabalhadores ao serviço de entidades que não sendo outorgantes de contratação colectiva a poderão vir a
celebrar por si ou através de organismos associativos (ex.: associações com fins lucrativos e outras
entidades de natureza diversa).
Campo 3.1 do estabelecimento/IRCT e 3 do trabalhador Campo 12 do trabalhador
(equivalente ao IRC) (equivalente à Cat.Prof.)
91009 99109

c) Trabalhadores ao serviço de entidades que pela sua natureza não são outorgantes de qualquer
convenção colectiva.
c1) Pessoas colectivas de utilidade pública, vulgarmente referidas como “entidades sem fins lucrativos”
Campo 3.1 do estabelecimento/IRCT e 3 do trabalhador Campo 12 do trabalhador
(equivalente ao IRC) (equivalente à Cat.Prof.)
92009 99209

c2) Organismos da Administração Pública, Pessoas Colectivas de Direito Público e algumas Entidades
Equiparadas a Pessoas Colectivas
Campo 3.1 do estabelecimento/IRCT e 3 do trabalhador Campo 12 do trabalhador
(equivalente ao IRC) (equivalente à Cat.Prof.)
93009 99309
d) Empregadores ou familiares não remunerados
Campo 3.1 do estabelecimento/IRCT e 3 do trabalhador Campo 12 do trabalhador
(equivalente ao IRC) (equivalente à Cat.Prof.)
94000 99400
e) Membros activos de cooperativas, desde que não abrangidos por qualquer IRC
Campo 3.1 do estabelecimento/IRCT e 3 do trabalhador Campo 12 do trabalhador
(equivalente ao IRC) (equivalente à Cat.Prof.)
96009 99609

f) Trabalhadores sem vínculo à empresa a trabalhar temporariamente nesta ao abrigo de programas


de formação
Campo 3.1 do estabelecimento/IRCT e 3 do trabalhador Campo 12 do trabalhador
(equivalente ao IRC) (equivalente à Cat.Prof.)
97009 99709

Página 28 de 33
ANEXO II

CÓDIGOS E DESIGNAÇÕES DE:


• Habilitações Escolares (campo 14 da informação dos trabalhadores)
• Situação na Profissão (campo 17 da informação dos trabalhadores)
• Tipo de Contrato (campo 18 da informação dos trabalhadores)
• Regime de Duração do Trabalho (campo 19 da informação dos trabalhadores)
• Sexo (campo 20 da informação dos trabalhadores)

Página 29 de 33
HABILITAÇÕES ESCOLARES

INFERIOR AO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO


111 Não sabe ler nem escrever
112 Sabe ler e escrever sem possuir o 1º Ciclo do Ensino Básico

HABILITADOS COM O 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO


211 1º Ciclo do Ensino Básico (Ensino Primário 4ª classe)
212 1º Ciclo do Ensino Básico com cursos de Índole Profissional (ex.: cursos da Casa Pia de
Lisboa e dos ex-cursos do Instituto Nacional de Formação Turística)

HABILITADOS COM O 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO


221 2º Ciclo do Ensino Básico (Ensino Preparatório, Telescola ou antigo 2º ano do Liceu)
222 2º Ciclo do Ensino Básico com cursos de Índole Profissional (ex.: cursos da Casa Pia de
Lisboa, cursos complementares de Aprendizagem Comercial, Industrial e Agrícola;
Auxiliares de Enfermagem, Agentes de Educação Familiar Rural e ex-cursos do Instituto
Nacional de Formação Turística)

HABILITADOS COM O 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO


231 3º Ciclo do Ensino Básico (antigo 5º ano do Liceu, ou 9º ano unificado)
232 Ensino Técnico: Curso Geral Comercial (ex: curso Geral de Administração e Comércio);
Curso Geral Industrial (Construção Civil, Mecânica, Electricidade, Química, Têxtil); Curso
Geral de Artes Visuais (Artes Decorativas)
233 3º Ciclo do Ensino Básico com cursos de Índole Profissional (ex.: Ex-cursos do Instituto
Nacional de Formação Turística)
234 Cursos das Escolas Profissionais - Nível II (ex.: Operador agrícola, operador de
electricidade, operador de cerâmica, operador de construção civil e cozinha/pastelaria)

HABILITADOS COM O ENSINO SECUNDÁRIO


311 Ensino Secundário (12º ano) ou equivalente com cursos de Índole Profissional (ex.: Ex-
cursos do Instituto Nacional de Formação Turística); Ensino Secundário Liceal
Complementar (11º ano de escolaridade, antigo 7º do Liceu)
312 Ensino Secundário Técnico Complementar
313 Ensino Secundário Técnico-Profissional (cursos Profissionais, de especialização e Técnico-
Profissionais ou equivalentes)
314 Cursos das Escolas Profissionais - Nível III (Técnico de contabilidade, técnico de desenho
gráfico, técnico de informática, técnico de instalações eléctricas, animador socio-cultural)

Página 30 de 33
HABILITADOS COM ENSINO PÓS SECUNDÁRIO NÃO SUPERIOR DE NÍVEL IV
(cursos de especialização tecnológica para o desempenho de profissões qualificadas, com formação em contexto escolar
e em contexto de trabalho. Confere um diploma de especialização tecnológica e qualificação profissional de nível IV).

HABILITADOS COM ENSINO SUPERIOR – BACHARELATO


HABILITADOS COM ENSINO SUPERIOR – LICENCIATURA
HABILITADOS COM ENSINO SUPERIOR – MESTRADO
HABILITADOS COM ENSINO SUPERIOR – DOUTORAMENTO

Codifique cada trabalhador com o grau de habilitação detido, utilizando um código de 3


posições, em que a 1ª posição corresponde ao grau de habilitação (pós secundário não superior
de nível IV, superior bacharelato, superior licenciatura, superior mestrado e superior
doutoramento) e as seguintes, de acordo com os códigos desta classificação, à área de estudo em
que se integra o respectivo curso.

Ensino pós secundário não superior nível IV |_4_|__|__|


Bacharelato |_5_|__|__|
Licenciatura |_6_|__|__|
Mestrado |_7_|__|__|
Doutoramento |_8_|__|__|
Área de estudo

ÁREAS DE ESTUDO

14 Formação de professores/formadores e ciências da educação


Formação de professores/formadores e ciências da educação; Ciências da educação; Formação de
educadores de infância; Formação de professores do ensino básico (1º e 2º ciclos); Formação de
professores de áreas disciplinares específicas; Formação de professores e formadores de áreas
tecnológicas; Outros programas de formação de professores/formadores e ciências da educação não
classificados noutra área de formação.
21 Artes
Artes; Belas-artes; Artes do espectáculo; Áudio-visuais e produção dos media; Design; Artesanato;
Outros programas de artes não classificados noutra área de formação.
22 Humanidades
Humanidades; Religião e teologia; Línguas e literaturas estrangeiras; Língua e literatura materna;
História e arqueologia; Filosofia e ética; Outros programas de humanidades não classificados noutra
área de formação.
31 Ciências sociais e do comportamento
Ciências sociais e do comportamento; Psicologia; Sociologia e outros estudos; Ciência política e
cidadania; Economia; Outros programas de ciências sociais e do comportamento não classificados
noutra área de formação.
32 Informação e jornalismo
Informação e jornalismo; Jornalismo e reportagem; Biblioteconomia, arquivo e documentação
(BAD); Outros programas de informação e jornalismo não classificados noutra área de formação.
34 Ciências empresariais
Ciências empresariais; Comércio; Marketing e publicidade; Finanças, banca e seguros; Contabilidade
e fiscalidade; Gestão e administração; Secretariado e trabalho administrativo; Enquadramento na
organização/empresa; Outros programas de ciências empresariais não classificados noutra área de
formação.
38 Direito
Direito

Página 31 de 33
42 Ciências da vida
Ciências da vida; Biologia e bioquímica; Ciências do ambiente; Outros programas de ciências da
vida não classificados noutra área de formação.
44 Ciências físicas
Ciências físicas; Física; Química; Ciências da terra; Outros programas de ciências físicas não
classificados noutra área de formação.
46 Matemática e estatística
Matemática e estatística; Matemática; Estatística; Outros programas de matemática e estatística não
classificados noutra área de formação.
48 Informática
Informática; Ciências informáticas; Informática na óptica do utilizador; Outros programas de
informática não classificados noutra área de formação.
52 Engenharia e técnicas afins
Engenharia e técnicas afins; metalurgia e metalomecânica; Electricidade e energia; Electrónica e
automação; Tecnologia dos processos químicos; Construção e reparação de veículos a motor; Outros
programas de engenharia e técnicas afins não classificados noutra área de formação.
54 Indústrias transformadoras
Indústrias transformadoras; Indústrias alimentares; Indústrias do têxtil, vestuário, calçado e couro;
Materiais (indústrias da madeira, cortiça, papel, plástico, vidro e outros); Indústrias extractivas;
Outros programas de indústrias transformadoras não classificados noutra área de formação.
58 Arquitectura e construção
Arquitectura e construção; Arquitectura e urbanismo; Construção civil e engenharia civil; Outros
programas de arquitectura e construção não classificados noutra área de formação.
62 Agricultura, silvicultura e pescas
Agricultura, silvicultura e pescas; Produção agrícola e animal; Floricultura e jardinagem; Silvicultura
e caça; Pescas; Outros programas de agricultura, silvicultura e pescas não classificados noutra área
de formação.
64 Ciências veterinárias
Ciências veterinárias.
72 Saúde
Saúde; Medicina; Enfermagem; Ciências dentárias; Tecnologias de diagnóstico e terapêutica;
Terapia e reabilitação; Ciências farmacêuticas; Outros programas de saúde não classificados noutra
área de formação.
76 Serviços sociais
Serviços sociais; Serviços de apoio a crianças e jovens; Trabalho social e orientação; Outros
programas de serviços sociais não classificados noutra área de formação.
81 Serviços pessoais
Serviços pessoais; Hotelaria e restauração; Turismo e lazer; Desporto; Serviços domésticos;
Cuidados de beleza; Outros programas de serviços pessoais não classificados noutra área de
formação.
84 Serviços de transporte
Serviços de transporte.
85 Protecção do ambiente
Protecção do ambiente; Tecnologia de protecção do ambiente; Ambientes naturais e vida selvagem;
Serviços de saúde pública; Outros programas de protecção do ambiente não classificados noutra área
de formação.
86 Serviços de segurança
Serviços de segurança; Protecção de pessoas e bens; Segurança e higiene no trabalho; Segurança
militar; Outros programas de serviços de segurança não classificados noutra área de formação.
99 Desconhecido ou não especificado
Desconhecido ou não especificado

Página 32 de 33
SITUAÇÃO NA PROFISSÃO
Código Designação

1 Empregador (inclua neste código o Sócio-Trabalhador)

2 Trabalhador Familiar não Remunerado

3 Trabalhador Por Conta de Outrem

4 Membro Activo de Cooperativa de Produção


Situação Residual (esta categoria não faz parte desta classificação; no entanto, visando a recolha
8
completa da informação, qualquer situação não enquadrável deve ser remetida para este código)

TIPO DE CONTRATO
Código Designação

1 Contrato sem termo (permanente)

2 Contrato a termo

3 Contrato de trabalho por tempo indeterminado para cedência temporária

4 Contrato de trabalho a termo para cedência temporária


Situação Residual (esta categoria não faz parte desta classificação; no entanto, visando a recolha
8
completa da informação, qualquer situação não enquadrável deve ser remetida para este código)

REGIME DE DURAÇÃO DO TRABALHO


Código Designação

1 A tempo completo

2 A tempo parcial

SEXO
Código Designação

1 Masculino

2 Feminino

Página 33 de 33

Você também pode gostar