Você está na página 1de 3

RESUMO EDUCAÇÃO E SOCIEDADE

EDUCAÇÃO REDENTORA, REPRODUTORA E TRANSFORMADORA

De acordo com Luckesi existe dentro da filosofia da educação tendências que irão se
basear em ações redentoras, reprodutoras e transformadoras.
A educação como redenção concebe a sociedade como um conjunto de que vivem e
sobrevivem dentro de um todo orgânico e harmônico, então cabe ao indivíduo apenas se
adaptar numa sociedade já existente e manter esta sociedade de acordo como foi
organizada, uma sociedade de classes, feita de acordo com a meritocracia.
Então considera-se a educação como uma instância exterior capaz de adaptar os
indivíduos a sociedade e integrá-los. Nessa linha de raciocínio, a educação é posicionada
como aproximadamente externa à sociedade, tendo como foco a contribuição com a ordenação e o
equilíbrio, promovendo a coesão social, atuando de forma autônoma, de modo que não seja
influída pela sociedade. Esse pensamento é considerado uma forma modesta de entender as
relações entre educação e sociedade.
A educação é autônoma, pois não é influenciada por ninguém, não influencia politicamente,
culturalmente, tem a ideia de neutralidade.
Educações redentoras, escola tradicional e escola nova. A escola nova a grande diferença é que ela
é uma escola ativam, ela usa métodos ativos, voltadas para descobertas, experiências e a partir
disto a concepção do aluno é centrada no aluno e escola tradicional é centrada no papel do
professor, é mais conteudista, humanística, sendo esta diferença das duas escolas.
A escola tradicional redentora tem como representante o Comênio, trazendo um ensino baseado na
harmonia, tentando manter o equilíbrio da sala de aula por meio da obediência, é uma
reorganização da sala entendendo que aqueles ecos desarmônicos precisam sere organizados. O
lema da nossa bandeira é ‘’Ordem e Progresso“ e este lema é bem baseado em uma escola que
cumpre bem o papel dela.
Já na visão reprodutora, a escola está preocupada com as questões voltadas para o trabalho, esta
escola é uma escola tecnicista que reproduzirá o modelo vigente, atendendo as demandas do
capitalismo, reproduzindo a sociedade como ela é, fazendo o papel dual “duas escolas”, uma
escola para a formação geral e uma escola para formação técnica. As camadas populares farão os
cursos técnicos e as camadas da elite serão trabalhadas com relação a formação geral.

¹ Graduação em Pedagogia pela Faculdade JK Unidade I Gama; Pós-Graduação Psicopedagogia


Clínica e Institucional pela Faculdade Mauá; Gestão, Orientação Educacional e Docência do Ensino
Superior pela Faculdade de Tecnologia Equipe Darwin e Educação Especial e Inclusiva pela
Faculdade Santa Fé.
Se tem assim uma escola que possui determinantes que condiciona o indivíduo a permanecer na
classe que pertence, sendo assim a mobilidade será pequena e é colocada no papel de meritocracia,
sendo preciso se esforçar para ter êxito nesta escola.
Existe um modelo baseado nos EUA, numa educação padril e o modelo humanista faz uma crítica
que se chama sociologia que criticará a escola reprodutivista, chamados de críticos reprodutivistas
que fala sobre a escola como aparelho ideológico do Estado, sobre a escola dualista e a violência
simbólica.
O filósofo francês Althusser, preza pelo ofício da escola não de forma separada, mas
inserida no meio da sociedade capitalista. Assim, evoluiu a noção de aparelho ideológico
do Estado. A organização escolar reproduz a ideologia dominante, ao mesmo tempo, que
instrui um saber prático. O entendimento de IDEOLOGIA retrata: o conjunto de
concepções da classe dominante desenvolvido à classe dominada e que propõe a
manutenção da dominação. Por meio da ideologia, a investigação é mascarada e os
valores da classe burguesa passa a ser considerado universal, não mais valores de certa
classe social, dificultando o pensar do trabalhador (pg 254), ele segue desfazendo a convicção na
qual o Estado atua para o bem de todos.
A escola na visão transformadora, terá finalidades sócias políticas, onde vai se entender que é
influenciado, e que fluencia, que reproduz e transforma, então compreende a educação como a
mediação desse processo social. Não coloca a educação a serviço da conservação e nem da
reprodução, demonstrando no meio dos determinantes históricos, sociais, econômicos e seus
condicionantes, que pode trabalhar a democratização na escola, não se rendendo ao otimismo da
visão reprodutora e também ao pessimismo dos criticos reprodutivistas. Trabalha buscando a
transformação da sociedade em um efetivo cidadão.
Entende a escola como o espaço de mudança social a partir dos condicionantes e da compreensão
destes condicionantes sociais, econômicos e culturais mais ampliada.
Ressalto que o primeiro entendimento sobre a educação como redenção é a sociedade como um
todo harmônico, só que em determinadas situações, esse todo harmônico passa por uma
desarmonia, pois alguns elementos que compõem a sociedade transgridem o pensamento social e
acabam ficando a margem deste todo harmônico e esta sociedade que ficou fora deste todo e é
neste momento que a educação tida como redentora resgatará, trazendo de volta estas pessoas que
ficaram fora do pensamento social.
Luckesi diz que acreditar na educação como pratica redentora, como salvadora, aquela que cura
aqueles que transgridem as mazelas sociais e reintegram na sociedade é ingênuo, pois não há
participação do sujeito, a educação por si só trará de volta aqueles que transgridem o pensamento
capitalista social, segundo ele, esta não é uma educação ideal para a nossa sociedade.

¹ Graduação em Pedagogia pela Faculdade JK Unidade I Gama; Pós-Graduação Psicopedagogia


Clínica e Institucional pela Faculdade Mauá; Gestão, Orientação Educacional e Docência do Ensino
Superior pela Faculdade de Tecnologia Equipe Darwin e Educação Especial e Inclusiva pela
Faculdade Santa Fé.
Já a educação como reprodução é vista como aquela educação que está dentro da própria
sociedade, apenas reproduzindo o próprio pensamento social, capitalista a partir da classe
dominante, não sendo também uma educação perfeita para a sociedade.
A melhor educação é a transformadora, que traz transformação, nesta concepção a educação está
na sociedade, mas ela pensa, reflete sociedade criticamente visando a transformação de sujeitos
ativos, participantes do meio social, autônomos, capazes de refletir, avaliar, questionar o próprio
pensamento da sociedade.

BIBLIOGRÁFIA

ALTHUSSER, L. Ideologia e aparelhos ideológicos de Estado. 3. ed. Lisboa:


Editorial Presença/Martins Fontes, 1980

¹ Graduação em Pedagogia pela Faculdade JK Unidade I Gama; Pós-Graduação Psicopedagogia


Clínica e Institucional pela Faculdade Mauá; Gestão, Orientação Educacional e Docência do Ensino
Superior pela Faculdade de Tecnologia Equipe Darwin e Educação Especial e Inclusiva pela
Faculdade Santa Fé.